Issuu on Google+

Splash em Modelos

EugĂŞnio Martinez Andreola


Trabalho de Conclusão da Disciplina de Fotojornalismo e Pós-produção Universidade do Vale do Itajaí Professores: Luciano Duque Robson Souza Aluno: Eugênio Andreola Modelo: Érika Pellegrini Agradecimentos: Mariana de Medeiros Maria do Carmo R. M. Andreola Sandra Morgana Bonifácio

“É importante perceber que tanto a fotografia expressiva (a fotografia “criativa”) quanto a informativa não tem necessariamente a relação direta com o que chamamos realidade” Ansel Adams


O intuito de criar este impresso é o de contar as experiências que foi fotografar Splash em Modelos. A idéia inicial partiu de um exercício proposto em aula, na disciplina de Fotografia de Moda. O tema era Beleza, deveríamos escolher um conceito e produzir uma imagem. Queria fazer algo diferente que consistia em dois tipos de splash um seco e um molhado, o seco depois de ir trás de professores e pesquisar referências na internet, cogitou-se vários tipos de materiais para se utilizar alguns deles inviáveis aqui na região, por se tratar de uma produção acadêmica, como por exemplo utilizar somente pó compacto que realmente seria o mais indicado para se usar, por ser de consistência boa para a produção proposta e granulação bem fina, mas aqui na região não se encontra em quantidade suficiente e nas diferentes cores que precisava para o projeto.

A opção mais barata e satisfatória que encontrei foi utilizar Polvilho Azedo e tingir com tinta comestível, a utilizada foi anilina e tinta a base de álcool para papel de arroz, uma vez que o produto iria entrar em contato com a pele com os olhos da modelo, optei por ficar dentro dos produtos orgânicos para diminuir as possibilidades de irritação de pele ou causar alguma reação alérgica. Já para o Splash molhado, a melhor opção foi tinta Guache atóxica diluída em água, cogitou-se utilizar leite, para dar uma consistência mais leitosa nos Splashes. Mas a tinta Guache se mostrou satisfatória nos testes realizados, assim poupando um tempo na hora de preparar os produtos a serem utilizados na hora do Splash.


Splash Seco


O Processo para colorir o Polvilho foi um dos vários desafios encontrados durante toda a produção, pois para chegar a uma cor boa, as tintas comestíveis tem uma diferença de cor de fabricante para fabricante, para chegar as cores que eu queria, que eram Amarelo, Azul, Rosa, Vermelho. Tive que misturar as cores iguais mas de marcas diferentes para garantir uma cor viva, e a mistura de tintas comestíveis a base de álcool e anilina. A secagem do polvilho foi feita no forno convencional para acelerar o processo. Por descuido não tenho imagens que ilustram este processo. O segundo passo foi testar intensidades, ângulos distâncias que o assistente que jogaria o polvilho ficaria da modelo em questão. Utilizei uma garrafa Pet, e uma vareta cravada no chão para poder ficar a uma altura confortável do chão. É interessante fazer estes teste antes de ir para o estúdio com a modelo para não gerar stress e cansar a modelo com antecedência.


Quando cheguei no estúdio, achei que a melhor escolha para o iluminação era utilizar os Flashes Compactos, disparados por meio de sincronismo Wireless, mas logo nas primeiras imagens captadas os Flashes se mostraram lentos. A opção que gerou os resultados melhores foi utilizar Luz Contínua, utilizei 3 Spots de 1000 watt cada. Assim me garantiu com que eu conseguisse utilizar a velocidade máxima de disparos da câmera e ao mesmo tempo um tempo de exposição rápido o suficiente para congelar tanto o polvilho quanto a tinta.


Ao longo de toda a produção fomos testando vários ângulos diferentes para jogar o polvilho, alguns deram resultados mais interessantes que outros. Tudo influencia na hora de jogar, se o assistente joga o polvilho de dentro de um copo, tigela de vidro ou direto com a mão, geram resultados com uma grande diferença. Outro ponto determinante é o ângulo em que é jogado, se o polvilho é jogado de baixo para cima, de cima para baixo ou na horizontal. Este experimento foi muito legal de se fazer, mas foi extremamente cansativo, levamos quase 9 horas dentro do estúdio.


Exemplo de tigela de vidro utilizada.


Durante as fotos você pode aproveitar para fazer outras imagens, utilizando as possibilidades que vão surgindo durante uma jogada de polvilho e outra, ou na pausa para limpar a modelo. Pois cada vez que é arremessado o polvilho, entra o assistente e limpa a modelo, a maquiagem é reforçada para assim novamente ser arremessado, e também quando mudamos a cor do polvilho trocamos a cor da maquiagem.


Outra experiĂŞncia que gera resultados interessantes ĂŠ misturar a cor dos polvilhos.


Splash Ti nt a


Os splashes de tinta foram os mais interessantes de se fazer, mas devido ao adiantar da hora, n達o pudemos fazer mais imagens, para n達o sujar todo o ch達o eu utilizei um peda巽o de lona de aproximadamente 4x4 metros.



Splash com Modelos