a product message image
{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade

Page 1

Diariamente na internet - www.ultimanoticia.com.br

Carnaval

página 2.

21 de fevereiro a 05 março de 2020 - Edição 201 - R$ 1,00

Votação do projeto de auxílio aos atingidos pela chuva fica para depois do Carnaval Reprodução/CMJM

Projeto recebeu dois pedidos de vista, um do vereador Guilherme Nasser (PSDB), outro de Belmar Diniz (PT)

Casa de Cultura de João Monlevade abre inscrições para Oficina de Cartonagem Dando início às oficinas de artesanato do ano de 2020, a Fundação Casa de Cultura oferece à comunidade monlevadense a oficina de Cartonagem. A técnica utiliza papéis mais encorpados (tipo papelão), forrados com papel ou tecido, para a produção de vários objetos utilitários,

decorativos e presenteáveis. As inscrições ocorrerão entre os dias 27 e fevereiro e 3 de março, de 8h às 11h e de 13h às 19h, na Casa de Cultura. Os interessados deverão estar munidos de foto 3x4, cópia da Carteira de Identidade e do comprovante de endereço. Quem já fez alguma oficina

em 2019 ou esteja fazendo em 2020, basta comparecer à Fundação, nos mesmos dias e horários da inscrição, para manifestar interesse e buscar a lista de materiais. A oficina é gratuita e atenderá a 45 pessoas que residam em João Monlevade, destinando-se a interessados

Av. Wilson Alvarenga, 1.591, Carneirinhos, João Monlevade/MG

acima dos 16 anos. As vagas serão preenchidas por ordem de inscrição. As aulas terão início no dia 4 de março, e seguirão até 22 de abril (8 semanas), com vagas disponíveis às quartas-feiras, pela manhã, tarde e noite, sendo uma turma de 15 pessoas em cada turno.

A votação do projeto 1.113/2020 de iniciativa do Executivo, que autoriza auxílio às famílias atingidas pelas chuvas ocorridas entre os dias 24 e 25 de janeiro deste ano, em João Monlevade, foi adiado depois do pedido de vista feito pelo vereador Belmar Diniz (PT). O vereador alega que a ajuda não abrangerá todas às famílias atingidas e defende uma nova proposta. O pedido de Belmar gerou protestos do líder do governo, Sinval Jacinto Dias (PSDB), que afirma que o município não tem como arcar com as alterações propostas. O presidente da Casa, Leles Pontes (Republicanos), concedeu sete dias de vista. O projeto deve voltar à votação na próxima reunião da Câmara Municipal.

Carteira de Trabalho será apenas digital a partir do dia 29 A partir do dia 29 de fevereiro, CAT/SINE de João Monlevade não vai mais emitir carteira de trabalho impressa. O documento será feito apenas na versão digital. Conforme a coordenadora do CAT/SINE, Maria Goretti Silva Navarro, a determinação é da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social de Minas Gerais – SEDESE, por meio da Subsecretaria de Trabalho e Emprego, sob a orientação da Superintendência Regional do Trabalho em Minas Gerais. De acordo com comunicado de Marcel Cardoso Ferreira de Souza, Superintendente de Gestão e Fomento ao Trabalho e à Economia Popular Solidária Subsecretaria de Trabalho e Emprego, “a partir de setembro de 2019, com

a Portaria 1.065 do Ministério da Economia, houve a substituição oficial do documento impresso pela versão digital. Dessa forma, o processo de contratação passa a exigir, apenas, o número de inscrição no CPF daqueles que serão contratados. A iniciativa está inserida no contexto de modernização dos serviços públicos e possui como pilar central a transformação digital por meio da qual a interação entre trabalhadores e empregadores será formalizada em um canal eletrônico unificado. É importante reiterar que não há quebra de legalidade para o empregador que contratar sem exigir o documento impresso, desde que esse tenha aderido ao e-Social”, afirma o superintendente.


Geral/ Opinião

21/02 a 05/03/2020 - Pág. 2

Carnaval 2020! Confira a programação da festa nas cidades da região

Editorial

Carnaval e turismo O Carnaval não é apenas um bom feriado para viajar e esquecer os problemas, livre do estresse do trabalho e das responsabilidades de nosso cotidiano. O feriado também é um dos mais impactantes do país, responsável por movimentar boa parte da economia em setores como turismo e negócios, influenciando positivamente no cenário econômico geral do país pelo resto do ano. E de olho isso, algumas cidades

da região estão investindo cada vez na estrutura da festa com objetivo de atrair turistas e aumentar o faturamento com o seguemento. Em termos de faturamento, Minas Gerais não é o estado que mais arrecada com a folia momesca, mas o feriado que é o maior do calendário nacional, é uma excelente oportunidade para que nosso privilegiado patrimônio histórico, cultura e belezas naturais sejam descobertas.

Rua Cambuquira, em Itabira, passa ter mão única Divulgação/AcomPMI

Catas Altas

São Domingos do Prata

22/02 - Sábado 10:00 – Programação dos Bares 10:00 – Feira de gastronomia Sabores do Morro e Aprovart 14:00 – Bloco ChapoSim – Ecuca 19:00 – Catas Reggae 20:00 – Irlan Biel 20:30 – Concentração Blocos - Afilhados do Sereno

21/02 - Sexta 20h – Amigos do Samba 22h – Biolô das Antigas 23h – Banda Beijo Apimentado

23/2 - Domingo 10:00 – Programação dos Bares 10:00 – Feira de gastronomia Sabores do Morro e Aprovart 14:00 – Bloco Nó Chapados – Restaurante La Violla 16:00 – Oficina de máscara 16:00 – Luxambra (matinê) 20:30 – Concentração Blocos - Afilhados do Sereno 23:00 – Banda Vibes 24/2 - Segunda 10:00 – Programação dos Bares 15:00 – Feira de gastronomia Sabores do Morro e Aprovart 17:00 – Banda Energia Total 18:00 – Catas Reggae 19:00 – Irlan Biel 20:30 – Concentração Blocos - Afilhados do Sereno 23:00 – Banda Logan 25/2 – Terça 10:00 – Programação dos Bares 15:00 – Feira de gastronomia Sabores do Morro e Aprovart 16:00 – Oficina de máscara 16:00 – Luxambra (matinê) 18:00 – Banda Energia Total 19:30 – Concentração Blocos – Afilhados do Sereno

Mudança começou na última segunda-feira (17)

Para otimizar o trânsito e atendendo demanda dos moradores, a rua Cambuquira, no bairro Major Lage de Baixo, em Itabira, passa a ter sentido único. De acordo com a Superintendência de Transportes e Trânsito (Transita), o acesso à via será permitido apenas pela avenida Mauro Ribeiro Lage, próximo à rua Acesita, após o Santuário São Geral-

do Magela. Ficará proibido portanto, virar à direita para a rua Cambuquira veículos que estiverem na altura do número 447 da avenida Mauro Ribeiro Lage. Além disso, não será permitido o estacionamento entre os números 119 e 300 da rua Cambuquira. A Transita já iniciou o processo de implantação da nova sinalização.

Santa Bárbara 21/2 – Sexta 21h30 – Abertura do Carnablocos 2020-02-18 23h – Desfile de Blocos da Assanbloc 0h – Show com DJ Aycond 22/2 – Sábado 20h30 – Marchinhas carnavalescas 22h – Desfile do bloco Que isso devera? 23h30 – Show com a banda Bat Caverna 23/2 – Domingo 15h – Desfile Bloconeco: grupo de Teatro Navegantes de Marionetes 17h – Desfile do bloco QMAM 18h – Show com a bateria Mestre Peta e a Estondosa 21h – Desfile do bloco dos Ilustres 23h – Show com a banda Via La’ctea

ultimanoticia.com.br

24/2 - Segunda 20h30 - Marchinhas Carnavalescas 22h – Desfile do Bloco Folia Chick 23h30 – Show com a banda Baianas Ozadas *DJ Aycond todos os dias

22/2 – Sábado 14h – Axé Uai 17h – Geovane do Prata e Banda 19h30 – Amigos do Samba 21h – Velha Guarda 22h – Bloco do Sujo 0h30 – Banda Oxigênio 23/2 Domingo 12h – Samba de Prata 14h – Pratucada 16h – Zé Júlio e convidados (Praça do Hospital) 19h30 – Velha Guarda 20h30 – Axé Uai 22h – Bloco do Sujo 0h30 - Banda Oxigênio 24/2 – Segunda 12h – DJ Anderson 14h – Amigos do Samba 17h – Bloco Banzai! 2020 18h – Geovane do Prata e Banda 20h – Velha Guarda 21h - Geovane Richard 23h – Bloco do Sujo 0h – Banda Oxigênio 25/2 - Terça 12h – DJ Anderson 14h – Samba de Prata 16h – Pratucada 20h – Velha Guarda 22h – Bloco do Sujo 0h30 – Axé Uai

Bela Vista de Minas 21/2 - Sexta Palco 1 – 20h às 23h – Feras das Marchinhas Placo 2 – 0h às 3h – Banda o Movimento 22/2 – Sábado Palco 1 – 20h às 23h – As Patroas Palco 2 – 0h às 3h – Beijo Apimentado 23/2 – Domingo Matinê – 15h às 18h – Tia Leide Pop Leko - Cover Lucas Neto, As Princesas e Lol Surprise Palco 1 – 20h às 23h – DJ Cristiano Palco 2 – 0h às 23h – Banda Auê 24/2 – Segunda Palco 1 – 20h às 23h – Amanda Garcias Palco 2 – 0h às 03h – Lívia Bicalho 25/2 – Terça Matinê – 15h às 18h – Tia Leide Pop Leko - Cover Lucas Neto, As Princesas e Lol Surprise Palco 1 – 20h às 23h – Feras das Marchinhas Palco 2 – 0h às 03h – Samba Club

Contatos:

Diretora Geral

contato@ultimanoticia.com.br / (31) 98959-1000

Dervania Vial

www.ultimanoticia.com.br Publicado desde 2013.


Cidade

21/02 a 05/03/2020 - Pág. 3

Laranjeiras é o campeão da VI Copa Verão de Futsal Divulgação/AcomPMJM

Prefeitura decreta ponto facultativo no feriado de Carnaval A Prefeitura de João Monlevade decretou ponto facultativo para os dias 24, 25 e 26 de fevereiro (segunda, terça e quarta-feira de carnaval). Nestes dias, não haverá expediente nos órgãos públicos municipais, havendo, porém, a manutenção dos serviços essenciais à população.

Time do Laranjeiras, campeão da Copa Verão de Futsal 2020

O time do Laranjeiras é o campeão da VI Copa Verão de Futsal. O Laranjeiras venceu a WJR Engenharia, por 3 a 2, na final que ocorreu nesse domingo (16), na quadra do bairro Laranjeiras. Mateus Messias fez 2 gols e Igor Henrique completou para o time do Laranjeiras. Lucas Costa marcou os 2 gols da WJR Engenharia. Houve boa participação

do público. Os times campeão e vice-campeão ganharam troféus e medalhas. Também foram premiados com troféus o melhor goleiro, Herivelton Nunes, o Catatau, do time do Laranjeiras; o artilheiro, Hilton Bruno, da WJR Engenharia, com 8 gols marcados no campeonato; e o atleta destaque, Matheus Henrique, da WJR Engenharia.

O capitão da equipe WJR Engenharia, Mateus Henrique, recebeu o troféu de vice-campeão das mãos do secretário de Esportes, Mário César. E o capitão do Laranjeiras, Edmar Messias, recebeu o troféu de campeão das mãos do ex-prefeito e comunicador Carlos Moreira. Antes da final, houve um jogo de futsal feminino entre a Escola Municipal Germin

Loureiro e Meninas do Morro. O time da Escola do bairro Vale do Sol venceu por 14 a 0. A VI Copa Verão de Futsal é uma realização da Prefeitura Municipal de João Monlevade, por meio da Secretaria Municipal de Esportes, com apoio da Liga Monlevadense de Futebol. Nesta sexta edição, 12 equipes participaram da competição.

Programa IST/AIDS de João Monlevade capacita enfermeiros de Nova Era e Santa Bárbara Divulgação/AcomPMJM

Programa IST/AIDS de João Monlevade treina municípios sobre testes rápidos

A Prefeitura de João Monlevade, por meio do Programa Municipal IST/AIDS, realizou nessa terça-feira (18), treinamento sobre testes rápidos para enfermeiros dos municípios de Nova Era e Santa Bárbara. A capacitação ocorreu no auditório da Prefeitura de João Monlevade. As palestras foram ministradas pelas enfermeiras Driele Pereira e Renata Moura. Par-

ticiparam cerca de 30 profissionais da saúde. Conforme a coordenadora do Programa Municipal IST/ AIDS, Maria Luíza Soares Maciel, “o treinamento é importante para aumentar a acessibilidade da região do Médio Piracicaba aos testes rápidos de infecções sexualmente transmissíveis (HIV, hepatite e sífilis), diminuir a transmissão dessas doenças

e controlar a epidemia da AIDS. Assim, é fundamental que as pessoas tenham conhecimento de sua situação sorológica para não transmitir essas infecções, façam o tratamento e reduzam a carga viral ao nível indetectável”, disse Maria Luíza. Além do treinamento, a equipe do Programa IST/AIDS de João Monlevade está distribuindo materiais infor-

mativos para os cidadãos e funcionários da Prefeitura. De acordo com Maria Luíza, o objetivo é incentivar o comportamento seguro, principalmente, no feriado de carnaval que se aproxima. O Centro de Saúde Padre Hildebrando, no bairro Vila Tanque, é referência na região do Médio Piracicaba na prevenção e tratamento de IST/ AIDS. Lá está instalado o Centro de Testagem e Aconselhamento João Monlevade, que presta atendimento a qualquer pessoa exposta às situações de risco. São atendidos também pacientes das cidades de Bela Vista de Minas, Catas Altas, Nova Era, Rio Piracicaba e São Domingos do Prata, municípios associados ao CISMEPI (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Piracicaba).

A Defesa Civil estará de plantão em todos os dias do feriado, podendo ser acionada pelo telefone 3859-2571 e ou 9.8766-4697. Também estará de plantão o DAE (Departamento de Águas e Esgotos). Os serviços de coleta de lixo e limpeza seguirão escala normal de trabalho, não havendo alteração nos dias de carnaval.

João Monlevade amplia programa de abordagem ao tabagismo A Prefeitura de João Monlevade promove, no dia 2 de março, mais uma palestra motivacional contra o Tabagismo. O evento acontece às 14h, no auditório da Prefeitura, com a médica pneumologista, Dra. Janaína Maciel Lopes e é direcionado a fumantes, ex-fumantes e pessoas interessadas no tema. Além das orientações da médica sobre os males do cigarro, as principais doenças e as formas de combater o vício, acontece o cadastramento de pessoas para adesão ao programa e agen-

damento da primeira consulta. O Programa Abordagem ao Tabagismo tem como objetivos combater o uso do cigarro, auxiliar as pessoas que desejam abandonar o vício e oferecer mais qualidade de vida para a população. O programa foi criado pela Prefeitura em 2017 e está sendo ampliado, gradativamente, a todas as unidades de saúde. O programa é desenvolvido por uma equipe multidisciplinar formada por profissionais da rede municipal da saúde, como médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e coordenadores.

DAE tem 476 inscritos para o Processo Seletivo O Processo Seletivo para preenchimento de 5 vagas temporárias para leituristas do DAE (Departamento Municipal de Águas e Esgotos) de João Monlevade, teve 476 inscrições. Apenas uma pessoa se candidatou para a vaga de deficiente. O processo seletivo oferece 4 vagas para concorrência em geral e uma para candidatos com deficiência. Conforme o diretor do DAE, Cleres Roberto de Souza, “todas as vagas de leituristas do concurso de 2016 foram preenchidas.

Para esse Processo Seletivo, as vagas são pelo prazo de 6 meses, podendo ser prorrogadas pelo mesmo período. Essas vagas são para atualizar o cadastro de usuários do DAE, seguindo determinação da ARISB-MG, Agência Reguladora Intermunicipal de Saneamento Básico de Minas Gerais”, disse Cleres. A prova escrita objetiva, classificatória, será aplicada no dia 1º de março, no Centro Educacional, e a entrevista psicológica, de caráter eliminatório, será feita nos dias 12 e 13 de março.


reunião de todos os associados, o poder maior de decisão. A gestão da Cooperativa está alicerçada em papéis definidos, com clara separação de funções. Cabem ao Conselho de Administração as decisões estratégicas e à Diretoria

21/02 a 05/03/2020 - Pág. 4

Executiva, a gestão dos negócios da Cooperativa no seu dia a dia. Relatório da Administração:

A Cooperativa possui ainda um Agente de Controles Internos, supervisionado diretamente pelo SICOOB CENTRAL CECREMGE, que, por sua vez, faz as auditorias

Senhores Associados, Submetemos à apreciação de V.S. as Demonstrações Contábeis do exercício findo em 31/12/2019 da Credibelgo – Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Empresas Siderúrgicas, Metalúrgicas e Eletromecânicas de João Monlevade Ltda, na forma da Legislação em vigor.

internas. Os balanços da Cooperativa são auditados por auditor externo, que emite relatórios, levados ao conhecimento dos Conselhos e da Diretoria. Todos esses processos são acompanhados e fiscalizados pelo Banco Central do Brasil, órgão ao qual cabe a competência de fiscalizar a Cooperativa.

1. Política Operacional: Em 04 de junho de 2019, a Credibelgo completou 52 anos de existência, mantendo

Tendo em vista o risco que envolve a intermediação financeira, a Cooperativa adota

sua vocação de instituição voltada para fomentar o crédito para seu público alvo, os

ferramentas de gestão. Para exemplificar, na concessão de crédito, a Cooperativa

cooperados. A atuação junto aos seus cooperados se dá principalmente através da concessão de empréstimos e captação de depósitos.

Confederação e homologado pela Central.

2. Avaliação de Resultados: No exercício de 2019, a Credibelgo apresentou o resultado do valor de R$ 94.071,18 representando um retorno sobre o Patrimônio Líquido 2,27%

Os recursos aplicados no mercado financeiro, através do Banco Santander Brasil e Caixa Econômica Federal, somaram R$ 357.601,47. Por sua vez a carteira de créditos de empréstimos representava R$ 2.365.868,61 e de crédito a receber proveniente da venda de sua antiga sede representava R$.239.031,92. A sua carteira de crédito de empréstimos encontrava-se assim distribuída: R$ 2.365.868,61

100%

de 31/12/2019 o percentual de 22,60% da carteira total de R$ 2.365.868,61

A Cooperativa adota procedimentos para cumprir todas as normas contábeis e fiscais, além de ter uma política de remuneração de seus empregados e estagiários dentro de um plano de cargos e salários que contempla a remuneração adequada, a separação de funções e o gerenciamento do desempenho de todo o seu quadro funcional.

levar aos associados e à sociedade em geral a transparência da gestão e de todas as atividades desenvolvidas pela instituição. 8. Conselho Fiscal: Eleito anualmente na AGO, com mandato até a AGO de 2020, o Conselho Fiscal tem função complementar à do Conselho de Administração. Sua responsabilidade é

4. Captação As captações, no total de R$ 254.885,18 apresentaram uma evolução em relação ao mesmo período do exercício anterior de 127,90%.

R$.254.885,18

verificar de forma sistemática os atos da administração da Cooperativa, bem como validar seus balancetes mensais e seu balanço patrimonial anual. Todos os membros efetivos e suplentes do Conselho Fiscal participaram de um curso

As captações encontravam-se assim distribuídas:

de formação ministrado pelo SICOOB CENTRAL CECREMGE, com o objetivo de 100%

Os Vinte Maiores Depositantes, no valor de 248.566,67, representavam na data-base de 31/12/2019 o percentual de 97,52% da captação total de R$ 254.885,19. 5. Patrimônio de Referência: O Patrimônio de Referência da CREDIBELGO em 31 de dezembro de 2019 era de R$ 4.263.381,400. O quadro de associados era composto por 652 Cooperados, havendo um acréscimo de 0,93 % em relação ao mesmo período do exercício anterior. 6. Política de Crédito: A concessão de crédito está pautada em prévia análise do propenso tomador, havendo limites de alçadas pré-estabelecidos a serem observados e cumpridos, cercando ainda a Singular de todas as consultas cadastrais e com análise do Associado através do “RATING” (avaliação por pontos), buscando assim garantir ao máximo a liquidez das operações. A CREDIBELGO adota a política de classificação de crédito de sua carteira de acordo com as diretrizes estabelecidas na Resolução CMN nº 2.682/99. 7. Governança Corporativa: Governança corporativa é o conjunto de mecanismos e controles, internos e externos, que permitem aos associados definir e assegurar a execução dos objetivos da cooperativa, garantindo a sua continuidade, os princípios cooperativistas ou, simplesmente, a adoção de boas práticas de gestão. Nesse sentido, a administração da Cooperativa tem na assembléia geral, que é a reunião de todos os associados, o poder maior de decisão. A gestão da Cooperativa está alicerçada em papéis definidos, com clara separação de funções. Cabem ao Conselho de Administração as decisões estratégicas e à Diretoria Executiva, a gestão dos negócios da Cooperativa no seu dia a dia. A Cooperativa possui ainda um Agente de Controles Internos, supervisionado diretamente pelo SICOOB CENTRAL CECREMGE, que, por sua vez, faz as auditorias internas.

destacamos o Regimento Interno, o Regimento do Conselho de Administração, o

Todos esses mecanismos de controle, além de necessários, são fundamentais para

Os Vinte Maiores Devedores, no valor de R$.534.591,89, representavam na data-base

Depósitos a Prazo

Além do Estatuto Social, são adotados regimentos e regulamentos, entre os quais Regimento do Conselho Fiscal, o Regulamento Eleitoral.

3. Ativos:

Carteira Comercial

adota o Manual de Crédito, aprovado, como muitos outros manuais, pelo Sicoob

detalhar as responsabilidades dos conselheiros fiscais e as formas de exercê-las. 9. Código de Ética: Todos os integrantes da equipe da CREDIBELGO aderiram, por meio de compromisso firmado, ao Código de Ética e de Conduta Profissional proposto pela Confederação Nacional das Cooperativas do SICOOB – SICOOB CONFEDERAÇÃO. A partir de então, todos os novos funcionários, ao ingressar na Cooperativa, assumem o mesmo compromisso. 10.

Sistema de Ouvidoria:

A Ouvidoria, constituída em 2007 representou um importante avanço a serviço dos cooperados, dispõe de diretor responsável pela área e de um Ouvidor. Atende às manifestações recebidas por meio do Sistema de Ouvidoria do SICOOB, composto por sistema tecnológico específico, atendimento via DDG 0800 e sítio na internet integrado com o sistema informatizado de ouvidoria tendo a atribuição de assegurar o cumprimento das normas relacionadas aos direitos dos usuários de nossos produtos, além de atuar como canal de comunicação com os nossos associados e integrantes das comunidades onde estamos presentes. No exercício de 2019, a Ouvidoria da CREDIBELGO não registrou nenhuma manifestação de cooperados sobre a qualidade dos produtos e serviços oferecidos pela Cooperativa. 11.

Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito – FGCoop:

De acordo com seu estatuto, o Fundo Garantidor do Cooperativismo de CréditoFGCoop tem por objeto prestar garantia de créditos nos casos de decretação de intervenção ou de liquidação extrajudicial de instituição associada, até o limite de R$ 250 mil por associado, bem como contratar operações de assistência, de suporte financeiro e de liquidez com essas instituições. O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou resolução que estabelece a forma de contribuição das instituições associadas ao Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop), ratifica também seu estatuto e regulamento. Conforme previsto na Resolução CMN nº 4.150/12, esse fundo possui como instituições associadas todas as cooperativas singulares de crédito do Brasil e os bancos cooperativos integrantes do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC). Conforme previsto no artigo 2º da Resolução CMN nº 4.284/13, a contribuição mensal


ao Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop), ratifica também seu estatuto e regulamento. Conforme previsto na Resolução CMN nº 4.150/12, esse fundo possui como instituições associadas todas as cooperativas singulares de crédito do Brasil e os bancos cooperativos integrantes do Sistema Nacional de Crédito

21/02 a 05/03/2020 - Pág. 5

Cooperativo (SNCC). Conforme previsto no artigo 2º da Resolução CMN nº 4.284/13, a contribuição mensal ordinária das instituições associadas ao Fundo é de 0,0125%, dos saldos das obrigações garantidas, que abrangem as mesmas modalidades protegidas pelo Fundo

Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Empresas Siderúrgicas, Metalúrgicas e Eletro Mecânicas de João Monlevade Ltda

Garantidor de Créditos dos bancos, o FGC, ou seja, os depósitos à vista e a prazo, as

CREDIBELGO

letras de crédito do agronegócio, entre outros. BALANÇOS PATRIMONIAIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DEZEMBRO DE 2019 E 2018

As contribuições ao FGCoop pelas instituições a ele associadas tiveram início a partir do mês de março de 2014 e recolhidas no prazo estabelecido no § 4º do art. 3º da Circular Bacen nº 3.700/14. Ainda nos termos de seu estatuto, a governança do Fundo será exercida pela Assembleia Geral, pelo Conselho de Administração e pela Diretoria Executiva, e está estruturada de modo a permitir a efetiva representatividade das associadas, sejam elas cooperativas independentes ou filiadas a sistemas cooperativistas de crédito, sendo o direito de voto proporcional às respectivas contribuições ordinárias.

ATIVO Circulante Disponibilidades Títulos e Valores Mobiliários Relações Interfinanceiras Operações de Crédito Operações de Crédito (Provisão para Operações de Crédito de Liquidação Duvidosa) Outros Créditos Rendas a Receber Diversos (Provisão para Outros Créditos de Liquidação Duvidosa) Outros Valores e Bens Outros Valores e Bens Despesas Antecipadas

Notas 4 5

6

7

Realizável a Longo Prazo Operações de Crédito

Agradecimentos: Agradecemos aos nossos associados pela preferência e confiança e aos funcionários e colaboradores pela dedicação. João Monlevade, 30 de janeiro de 2020.

5

Permanente Investimentos Imobilizado em Uso Imóveis de Uso Outras Imobilizações de Uso (Depreciações Acumuladas) TOTAL DO ATIVO

8

Em Reais 31/12/2018 1.222.813,40 41.388,58 51.668,40 45.884,66 983.529,13 1.275.062,14 (291.533,01) 2.918,16 225,67 2.692,49 97.424,47 92.519,67 4.904,80

31/12/2019 1.639.400,31 18.988,02 357.601,47 1.009.941,80 1.233.158,39 (223.216,59) 251.192,02 252.387,18 (1.195,16) 1.677,00 1.677,00 1.132.710,22 1.132.710,22

1.081.463,91 1.081.463,91

1.940.186,04 1.940.186,04 1.782.605,76 381.206,51 (223.626,23)

2.605.728,64 578.554,07 2.027.174,57 1.782.605,76 352.435,18 (107.866,37)

4.712.296,57 As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

4.910.005,95

José Geraldo de Souza – Diretor Presidente Reginaldo Braz – Diretor Administrativo Carlos Geraldo da Silva – Diretor Financeiro Wellington Carlos Ventura – Conselheiro Natália Cristina Oliveira Martins – Conselheira Alessandro dos Santos Alves - Conselheiro Josenir Evaldo Timóteo – Conselheiro

___________________________________________ José Geraldo de Souza – Diretor Presidente __________________________________________ Reginaldo Braz - Diretor Administrativo

PASSIVO Circulante Depósitos Depósitos a Prazo Obrigações Por Empréstimos Empréstimos no País - Outras Instituições Outras Obrigações Cobrança e Arrecadação de Tributos e Assemelhados Sociais e Estatutárias Fiscais e Previdenciárias Diversas

9

10

31/12/2019 448.915,17 254.885,18 254.885,18 194.029,99 891,36 124.865,10 18.230,79 50.042,74

Exigível a Longo Prazo Obrigações Por Empréstimos Empréstimos no País - Outras Instituições

-

Patrimônio Líquido Capital Social Reserva de Lucros Sobras Acumuladas

12

TOTAL

31/12/2018 503.576,60 111.839,60 111.839,60 212.582,89 212.582,89 179.154,11 858,15 90.761,51 17.386,97 70.147,48 175.637,42 175.637,42 175.637,42

4.263.381,40 2.805.171,68 1.382.952,76 75.256,96

4.230.791,93 2.833.583,30 1.373.545,65 23.662,98

4.712.296,57 As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

4.910.005,95

___________________________________________ Delci Sergio do Couto - Contador – CRC/MG nº 23.550

Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Empresas Siderúrgicas, Metalúrgicas e Eletro Mecânicas de João Monlevade Ltda CREDIBELGO DEMONSTRAÇÕES DE SOBRAS OU PERDAS PARA O SEMESTRE E EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2019 E PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE

Em Reais Descriminação

Notas

RECEITAS(INGRESSOS) DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 5.h

Operações de Crédito DESPESAS(DISPÊNDIOS) DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

9

Operações de Captação no Mercado Operações de Empréstimos, Cessões e Repasses Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa RESULTADO BRUTO DA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

Segundo Semestre/2019 649.965,11 649.965,11

31/12/2019

31/12/2018

1.293.186,42

1.273.348,99

1.293.186,42

1.273.348,99

(182.295,05)

(276.635,85)

(143.099,22)

(6.058,48) (9.435,33) (166.801,24)

(10.779,30) (32.744,53) (233.112,02)

(4.303,25) (42.192,21) (96.603,76)

467.670,06

1.016.550,57

1.130.249,77

OUTRAS RECEITAS/DESPESAS (INGRESSOS/DISPÊNDIOS) OPERACIONAIS

(551.936,52)

(1.176.291,40)

(1.101.642,41)

Despesas(Dispêndios) de Pessoal Outras Despesas(Dispêndios) Administrativas Despesas(Dispêndios) Tributárias Outras Receitas(Ingressos) Operacionais Ingressos de Depósitos Intercooperativos Outras Despesas(Dispêndios) Operacionais

(302.825,17) (322.820,54) (892,57) 77.478,50 1.641,43 (4.518,17)

(652.964,10) (703.665,67) (10.643,61) 191.559,83 6.572,80 (7.150,65)

(709.690,84) (612.265,77) (437,50) 209.026,71 15.657,80 (3.932,81)

(84.266,46)

(159.740,83)

28.607,36

20.116,73

253.812,01

971,36

(64.149,73)

94.071,18

29.578,72

(18.814,22)

(5.915,74)

FATES - Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social Reserva Legal

(9.407,11) (9.407,11)

(2.957,87) (2.957,87)

LUCRO/PREJUÍZO(SOBRA/PERDA) LÍQUIDO

75.256,96

23.662,98

14 15

RESULTADO OPERACIONAL RESULTADO NÃO OPERACIONAL

16

RESULTADO ANTES DA TRIBUTAÇÃO SOBRE O LUCRO E PARTICIPAÇÕES

PARTICIPAÇÕES ESTATUTÁRIAS NO LUCRO

12.d

-

(64.149,73) As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.


21/02 a 05/03/2020 - Pág. 6

Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Empresas Siderúrgicas, Metalúrgicas e Eletro Mecânicas de João Monlevade Ltda CREDIBELGO DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO PARA O SEMESTRE E EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2019 E PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2018

Em Reais Capital Capital Subscrito 2.702.336,93

Eventos Saldo em 31/12/2017 Destinação de Sobras Exercício Anterior: Ao FATES Ao Capital Cotas de Capital à Pagar - Ex associados Movimentação de Capital: Por Subscrição/Realização Por Devolução ( - ) Sobras ou Perdas Líquidas Destinação das Sobras aos fundos obrigatórios: . Fundo de Reserva .FATES Saldos em 31/12/2018

Reservas de Sobras Legal 1.370.587,78

(99.999,83) (54.523,52) (4.419,23)

54.523,52

363.013,08 (286.290,23) 29.578,72 2.957,87 2.833.583,30

1.373.545,65

Destinação de Sobras Exercício Anterior: Ao FATES Ao Capital Movimentação de Capital: Por Subscrição/Realização Por Devolução ( - ) Sobras ou Perdas Líquidas Destinação das Sobras aos fundos obrigatórios: . Fundo de Reserva .FATES Saldos em 31/12/2019

2.805.171,68

1.382.952,76

Saldos em 30/06/2019

2.805.947,19

1.373.545,65

Movimentação de Capital: Por Subscrição/Realização Por Devolução ( - ) Sobras ou Perdas Líquidas Destinação das Sobras aos fundos obrigatórios: . Fundo de Reserva .FATES Saldos em 31/12/2019 As Notas Explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis.

Sobras ou Perdas Acumuladas 158.942,58

(2.957,87) (2.957,87) 23.662,98

(19.999,98) (3.663,00)

3.663,00 400.920,60 (432.995,22)

94.071,18 9.407,11

(9.407,11) (9.407,11) 75.256,96 158.220,91

191.940,33 (192.715,84) (64.149,73) 9.407,11 2.805.171,68

1.382.952,76

(9.407,11) (9.407,11) 75.256,96

COOPERATIVA DE ECONOMIA E DE CREDITO MÚTUO DOS EMPREGADOS DAS EMPRESAS SIDERÚRGICAS, METALÚRGICAS E ELETRO - MECÂNICAS DE JOÃO MONLEVADE LTDA –CREDIBELGO – NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2019 E 2018

Totais 4.231.867,29

(99.999,83) (4.419,23) 363.013,08 (286.290,23) 29.578,72 (2.957,87) 4.230.791,93

(19.999,98) 400.920,60 (432.995,22) 94.071,18 (9.407,11) 4.263.381,40 4.337.713,75 191.940,33 (192.715,84) (64.149,73) (9.407,11) 4.263.381,40

1. Contexto Operacional Cooperativa de Economia e de Crédito Mútuo dos Empregados das Empresas Siderúrgicas, Metalúrgicas e Eletro - Mecânicas de João Monlevade Ltda. – CREDIBELGO, é uma cooperativa de crédito singular, instituição financeira não bancária, fundada em 04 de junho de 1.967. Tem sua constituição e o funcionamento regulamentados pela Lei nº 4.595/1964, que dispõe sobre a Política e as Instituições Monetárias, Bancárias e Creditícias, pela Lei nº 5.764/1971, que define a Política Nacional do Cooperativismo, pela Lei Complementar nº 130/2009, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Crédito Cooperativo e pela Resolução CMN nº 4.434/2015, do Conselho Monetário Nacional, que dispõe sobre a constituição e funcionamento de cooperativas de crédito. A CREDIBELGO tem como atividade preponderante a operação na área creditícia, tendo como finalidade: (i) Proporcionar, através da mutualidade, assistência financeira aos associados; (ii) A formação educacional de seus associados, no sentido de fomentar o cooperativismo, através da ajuda mútua da economia sistemática e do uso adequado do crédito; e (iii) Praticar, nos termos dos normativos vigentes, as seguintes operações dentre outras: captação de recursos, concessão de créditos, prestação de garantias, prestação de serviços, formalização de convênios com outras instituições financeiras e aplicação de recursos no mercado financeiro, inclusive depósitos a prazo com ou sem emissão de certificado, visando preservar o poder de compra da moeda e remunerar os recursos. 2. Desfiliação junto ao Sicoob Central Cecremge Durante o exercício de 2019, a Credibelgo realizou processo de desfiliação (desligamento do quadro social) junto ao Sicoob Central Cecremge. A partir do dia 02/10/2019 a Credibelgo não integra o quadro social daquela Central. A partir da desfiliação, a Credibelgo passou à condição de conveniada junto ao Sicoob Central Cecremge, todavia a Credibelgo não utiliza mais a estrutura centralizada de gerenciamento de riscos e de Capital do Sicoob.

Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Empresas Siderúrgicas, Metalúrgicas e Eletro Mecânicas de João Monlevade Ltda CREDIBELGO DEMONSTRAÇÕES DOS FLUXOS DE CAIXA PARA O SEMESTRE E EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2019 E PARA O EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2018 Em Reais DESCRIÇÃO

Segundo Semestre/2019

31/12/2019

31/12/2018

Atividades Operacionais

3. Apresentação das demonstrações contábeis As demonstrações contábeis foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil – BACEN, considerando as Normas Brasileiras de Contabilidade, especificamente àquelas aplicáveis às entidades Cooperativas, a Lei do Cooperativismo nº 5.764/71 e normas e instruções do BACEN, apresentadas conforme Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro Nacional – COSIF, tendo sido aprovada pela sua administração, em sua reunião datada de30 de janeiro de 2020, da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração.

Sobras/Perdas do Exercício

(64.149,73)

94.071,18

29.578,72

Provisão para Operações de Crédito Depreciações e Amortizações

(16.227,71) 53.972,52 (26.404,92)

(68.316,42) 121.314,56 147.069,32

68.165,73 63.010,91 160.755,36

Títulos e Valores Mobiliários Operações de Crédito Outros Créditos Outros Valores e Bens

(269.966,80) (49.437,87) 80.273,67 5.305,53

(305.933,07) (9.342,56) (248.273,86) 95.747,47

187.736,15 106.546,44 923,45 (4.904,80)

Aumento (redução) em passivos operacionais Depósitos a Prazo Outras Obrigações Obrigações por Empréstimos e Repasses

55.909,78 9.935,86 (709.747,80)

143.045,58 14.875,88 (388.220,31)

74.059,86 (491.147,82) 146.228,62

Caixa Líquido Aplicado em Atividades Operacionais

(904.132,55)

(551.031,55)

180.197,26

Alienação de Investimento Inversões em Imobilizado de Uso Inversões em Investimentos Outros Ajustes

613.468,27 (10.800,00)

613.468,27 (43.985,23) (44.820,35) 19.565,35

(290.170,23) (63.095,71) (11.861,70)

Caixa Líquido Aplicado / Originado em Investimentos

608.687,22

544.228,04

(365.127,64)

191.940,33 (192.715,84) (9.407,11)

400.920,60 (432.995,22) (19.999,98) (9.407,11)

363.013,08 (286.290,23) (4.419,23) (99.999,83) (2.957,87)

Os ingressos/receitas e os dispêndios/despesas são registradas de acordo com o regime de competência.

(10.182,62)

(61.481,71)

(30.654,08)

Aumento / Redução Líquida das Disponibilidades

(305.627,95)

(68.285,22)

(215.584,46)

As receitas com prestação de serviços, típicas ao sistema financeiro, são reconhecidas quando da prestação de serviços ao associado ou a terceiros.

Modificações em Disponibilidades Líquida No Ínicio do Período No Fim do Período Variação Líquida das Disponibilidades

324.615,97 18.988,02 (305.627,95)

87.273,24 18.988,02 (68.285,22)

302.857,70 87.273,24 (215.584,46)

Aumento (redução) em ativos operacionais

Atividades de Investimentos

6.018,95

Caixa Líquido Aplicado / Originado em Financiamentos

4. Resumo das principais práticas contábeis a)Apuração do resultado

Atividades de Financiamentos Aumento por novos aportes de Capital Devolução de Capital à Cooperados Destinação de Sobras Exercício Anterior Cotas de Capital à Pagar Destinação de Sobras Exercício Anterior Ao FATES FATES Sobras Exercício

Em função do processo de convergência com as normas internacionais de contabilidade, algumas normas e interpretações foram emitidas pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), as quais serão aplicáveis às instituições financeiras somente quando aprovadas pelo BACEN, naquilo que não confrontar com as normas por ele já emitidas anteriormente. Os pronunciamentos contábeis já aprovados, por meio das Resoluções do CMN, foram aplicados integralmente na elaboração destas Demonstrações Contábeis;

Os dispêndios e as despesas e os ingressos e receitas operacionais, são proporcionalizados de acordo com os montantes do ingresso bruto de ato cooperativo e da receita bruta de ato não-cooperativo, quando não identificados com cada atividade.


k) Demais ativos e passivos

21/02 a 05/03/2020 - Pág. 7

b) Estimativas contábeis

Na elaboração das demonstrações contábeis faz-se necessário utilizar estimativas para determinar o valor de certos ativos, passivos e outras transações considerando a melhor informação disponível. Incluem, portanto, estimativas referentes à provisão para créditos de liquidação duvidosa, à vida útil dos bens do ativo imobilizado, provisões para causas judiciais, dentre outros. Os resultados reais podem apresentar variação em relação às estimativas utilizadas. c) Caixa e equivalentes de caixa Caixa e equivalentes de caixa, conforme Resolução CMN nº 3.604/2008, incluem as rubricas caixa, depósitos bancários e as relações interfinanceiras de curto prazo e de alta liquidez, com risco insignificante de mudança de valores e limites, com prazo de vencimento igual ou inferior a 90 dias. d) Operações de crédito As operações de crédito com encargos financeiros pré-fixados são registradas a valor futuro, retificadas por conta de rendas a apropriar e as operações de crédito pós-fixadas são registradas a valor presente, calculadas por critério "pro rata temporis", com base na variação dos respectivos indexadores pactuados. e) Provisão para operações de crédito Constituída em montante julgado suficiente pela Administração para cobrir eventuais perdas na realização dos valores a receber, levando-se em consideração a análise das operações em aberto, as garantias existentes, a experiência passada, a capacidade de pagamento e liquidez do tomador do crédito e os riscos específicos apresentados em cada operação, além da conjuntura econômica. As Resoluções CMN nº 2.697/2000 e 2.682/1999 estabeleceram os critérios para classificação das operações de crédito definindo regras para constituição da provisão para operações de crédito, as quais estabelecem nove níveis de risco, de AA (risco mínimo) a H (risco máximo). f) Depósitos em garantia Existem situações em que a cooperativa questiona a legitimidade de determinados passivos ou ações em que figura como polo passivo. Por conta desses questionamentos, por ordem judicial ou por estratégia da própria administração, os valores em questão podem ser depositados em juízo, sem que haja a caracterização da liquidação do passivo.

g) Imobilizado Equipamentos de processamento de dados, móveis, utensílios e outros equipamentos, instalações, terrenos edificações, e as edificações em cursos, são demonstrados pelo custo de aquisição, deduzido da depreciação acumulada. A depreciação é calculada pelo método linear para reduzir o custo de cada ativo a seus valores residuais de acordo com as taxas aplicáveis e levam em consideração a vida útil econômica dos bens. h) Intangível Correspondem aos direitos adquiridos que tenham por objeto bens incorpóreos destinados à manutenção da Cooperativa ou exercidos com essa finalidade. Os ativos intangíveis com vida útil definida são geralmente amortizados de forma linear no decorrer de um período estimado de benefício econômico. i) Ativos contingentes Não são reconhecidos contabilmente, exceto quando a Administração possui total controle da situação ou quando há garantias reais ou decisões judiciais favoráveis sobre as quais não cabem mais recursos contrários, caracterizando o ganho como praticamente certo. Os ativos contingentes com probabilidade de êxito provável, quando aplicável, são apenas divulgados em notas explicativas às demonstrações contábeis.

São registrados pelo regime de competência, apresentados ao valor de custo ou de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos e as variações monetárias auferidas, até a data do balanço. Os demais passivos são demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e das variações monetárias incorridas.

l) Provisões São reconhecidas quando a cooperativa tem uma obrigação presente legal ou implícita como resultado de eventos passados, sendo provável que um recurso econômico seja requerido para saldar uma obrigação legal. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. m) Passivos contingentes São reconhecidos contabilmente quando, com base na opinião de assessores jurídicos, for considerado provável o risco de perda de uma ação judicial ou administrativa, gerando uma provável saída no futuro de recursos para liquidação das ações, e quando os montantes envolvidos forem mensurados com suficiente segurança. As ações com chance de perda possível são apenas divulgadas em nota explicativa às demonstrações contábeis e as ações com chance remota de perda não são divulgadas. n) Obrigações legais São aquelas que decorrem de um contrato por meio de termos explícitos ou implícitos, de uma lei ou outro instrumento fundamentado em lei, aos quais a Cooperativa tem por diretriz. o) Imposto de renda e contribuição social O imposto de renda e a contribuição social sobre o lucro são calculados sobre o resultado apurado em operações consideradas como atos não-cooperativos de acordo com o Decreto 3.000/1999, art. 183. O resultado apurado em operações realizadas com cooperados não tem incidência de tributação conforme art. 182 do mesmo Decreto.

p) Segregação em circulante e não circulante Os valores realizáveis e exigíveis com prazos inferiores a 360 dias estão classificados no circulante, e os prazos superiores, no longo prazo (não circulante). q) Valor recuperável de ativos – impairment A redução do valor recuperável dos ativos não financeiros (impairment) é reconhecida como perda, quando o valor de contabilização de um ativo, exceto outros valores e bens, for maior do que o seu valor recuperável ou de realização. As perdas por “impairment”, quando aplicável, são registradas no resultado do período em que foram identificadas. Em 31 de dezembro de 2019 não existem indícios da necessidade de redução do valor recuperável dos ativos não financeiros. r) Eventos subsequentes Correspondem aos eventos ocorridos entre a data-base das demonstrações contábeis e a data de autorização para a sua emissão. São compostos por: • Eventos que originam ajustes: são aqueles que evidenciam condições que já existiam na data-base das demonstrações contábeis; e • Eventos que não originam ajustes: são aqueles que evidenciam condições que não existiam na data-base das demonstrações contábeis. Não houve qualquer evento subsequente para as demonstrações contábeis encerradas em 31 de dezembro de 2019.

j) Obrigações por empréstimos e repasses

5. Títulos e valores mobiliários

As obrigações por empréstimos e repasses são reconhecidas inicialmente no recebimento dos recursos, líquidos dos custos da transação. Em seguida, os saldos dos empréstimos tomados são acrescidos de encargos e juros proporcionais ao período incorrido (“pro rata temporis”), assim como das despesas a apropriar referente aos encargos contratados até o final do contrato, quando calculáveis.

Em 31 de dezembro de 2019 e 2018, as aplicações em Títulos e Valores Mobiliários estavam assim compostas:

k) Demais ativos e passivos São registrados pelo regime de competência, apresentados ao valor de custo ou de realização, incluindo, quando aplicável, os rendimentos e as variações monetárias auferidas, até a data do balanço. Os demais passivos são demonstrados pelos valores conhecidos ou calculáveis, acrescidos, quando aplicável, dos correspondentes encargos e das variações monetárias

Descrição Título de Renda Fixa TOTAL

31/12/2019 357.601,47 357.601,47

31/12/2018 51.668,40 51.668,40

Os Títulos de Renda Fixa referem-se, substancialmente, aos recursos aplicados no mercado financeiro, através do Banco Santander Brasil e Caixa Econômica Federal, somaram R$ 357.601,47


Maior Devedor 10 Maiores Devedores 50 Maiores Devedores

38.467,70

1,63%

38.998,41

1,65%

301.384,54

12,74%

311.474,66

13,22%

1.042.641,30

44,07%

1.055.393,08 44,78% - Pág. 8 21/02 a 05/03/2020

6. Operações de crédito

g) Movimentação de Créditos Baixados Como Prejuízo:

a) Composição da carteira de crédito por modalidade:

Descrição Saldo inicial Valor das operações transferidas no período Valor das operações recuperadas no período TOTAL

31/12/2019 31/12/2018 Não Circulante Total Circulante 1.233.158,391.132.710,222.365.868,612.356.526,05

Modalidade

Empréstimos (-) Provisões para (233.216,59) (223.216,59) (291.533,01) Operações de Crédito TOTAL 1.009.941,801.132.710,222.142.652,022.064.993,04 b) Composição por tipo de operação, e classificação por nível de risco de acordo com a Resolução CMN nº 2.682/1999: Nível / Percentual Empréstimo Total em Provisões Total em Provisões de Risco / / TD 31/12/2019 31/12/2019 31/12/2018 31/12/2018 Situação A 0,5% Normal 1.508.621,561.508.621,56 7.543,111.657.785,36 8.288,93 B 1% Normal 136.840,83 136.840,83 1.368,41 47.599,87 476,00 B 1% Vencidas 86.766,74 86.766,74 867,66 17.331,29 173,31 C 3% Normal 93.869,95 93.869,95 2.816,10 158.873,18 4.766,19 C 3% Vencidas 81.000,40 81.000,40 2.430,01 44.533,35 1.336,00 D 10% Normal 46.399,02 46.399,02 4.639,90 16.960,91 1.696,09 D 10% Vencidas 73.662,51 73.662,51 7.366,25 14.514,68 1.451,47 E 30% Normal 32.202,48 32.202,48 9.660,74 E 30% Vencidas 52.202,79 52.202,79 15.660,84 60.044,96 18.013,49 F 50% Normal 24.085,96 24.085,96 12.042,98 38.029,15 19.014,57 F 50% Vencidas 114.190,19 114.190,19 57.095,09 79.494,01 39.747,01 G 70% Normal 13.732,35 13.732,35 9.612,64 22.118,25 15.482,77 G 70% Vencidas 33.936,64 33.936,64 23.755,65 60.512,88 42.359,02 H 100% Normal 37.922,84 37.922,84 37.922,84 947,97 947,97 H 100%Vencidas 30.434,35 30.434,35 30.434,35 137.780,19 137.780,19 Total Normal 1.893.674,991.893.674,99 85.606,721.819.565,52 50.672,52 Total Vencidos 1.093.383,251.093.383,25 137.609,87 536.960,53 240.860,49 Total Geral 2.365.868,612.365.868,61 223.216,592.356.526,05 291.533,01 Provisões 223.216,59 223.868,61 291.533,01 Total Líquido 2.142.652,022.142.652,02 2.064.993,04

Até 90 302.369,22 302.369,22

De 91 até 360 655.652,08 655.652,08

Acima de 360 1.407.847,31 1.407.847,31

Total 2.365.868,61 2.365.868,61

d) Composição da carteira de crédito por tipo de produto, cliente e atividade econômica: Empréstimo / Financiamento 2.365.868,61 2.365.868,61

Descrição Pessoa Física TOTAL

31/12/2019 2.365.868,61 2.365.868,61

% da Carteira 100% 100%

e) Movimentação da provisão para créditos de liquidação duvidosa de operações de crédito: Descrição Saldo Inicial Constituições / Reversões Transferência para prejuízo TOTAL

31/12/2019 291.533,01 394.566,31 (462.882,73) 223.216,59

31/12/2018 223.367,28 96.603,76 (28.438,03) 291.533,01

f) Concentração dos Principais Devedores: Descrição

31/12/2019

Maior Devedor 10 Maiores Devedores 50 Maiores Devedores

38.467,70

% Carteira Total 1,63%

301.384,54 1.042.641,30

38.998,41

% Carteira Total 1,65%

12,74%

311.474,66

13,22%

44,07%

1.055.393,08

44,78%

31/12/2018

g) Movimentação de Créditos Baixados Como Prejuízo: Descrição Saldo inicial Valor das operações transferidas no período Valor das operações recuperadas no período

31/12/2018 476.977,66 28.438,03 (85.724,54) 419.691,15

h) Receitas de operações de crédito: Descrição Empréstimos Recuperação de créditos baixados como prejuízo Total

31/12/2019 31/12/2018 1.194.594,22 1.187.624,45 98.592,20 85.724,54 1.293.186,42 1.273.348,99

7. Outros Créditos Valores referentes às importâncias devidas a Cooperativa por pessoas físicas ou jurídicas domiciliadas no país, conforme demonstrado: Modalidade Rendas a Receber Diversos (a) (Provisão para Outros Créditos de Liquidação Duvidosa) TOTAL

31/12/2019 0,00 252.387,18

31/12/2018 225,67 2.692,49

(1.195,16) 251.192,02

2.918,16

(a) Refere-seatítulos de créditos a receber pela venda de sua antiga sede, do valor de 239.031,92, e de créditos de Convênios e de tributos e contribuições a recuperar da Credibelgo R$ 13.355,26. 8. Outros valores e bens Descrição Bens Não De Uso Próprio Despesas Antecipadas (a) TOTAL

31/12/2019 1.677,00 1.677,00

31/12/2018 92.519,67 4.904,80 97.424,47

(a) Registram-se no grupo, as despesas antecipadas, referentes a apólices de seguros de sua nova sede.

9. Imobilizado de uso

c) Composição da carteira de crédito por faixa de vencimento: Descrição Empréstimos TOTAL

31/12/2019 419.691,15 462.882,73 (261.384,25) 621.189,63

31/12/2019 419.691,15 462.882,73 (261.384,25)

31/12/2018 476.977,66 28.438,03 (85.724,54)

Demonstrado pelo custo de aquisição, menos depreciação acumulada. As depreciações são calculadas pelo método linear, com base em taxas determinadas pelo prazo de vida útil estimado conforme abaixo: Descrição

31/12/2019 31/12/2018

Terrenos (b) 110.000,00 110.000,00 Edificações 1.672.605,761.672.605,76 Instalações 59.312,00 59.312,00 Móveis e equipamentos de Uso 203.753,08 183.121,58 Sistema de Comunicação 4.597,62 4.597,62 Sistema de Processamento de 56.243,50 53.067,51 Dados Sistema de Segurança 28.891,97 24.283,13 Máquinas e Equipamentos 28.408,34 28.053,34 (-) Total Depreciação Acumulada (223.626,23) (107.866,37) TOTAL 1.940.186,042.027.174,57

Taxa Depreciação 00 4% 10% 10% 10% 20% 10% 10%

10. Depósitos. É compostopor valores pactuados para disponibilidade em prazos préestabelecidos, denominados depósitos a prazo, os quais recebem atualizações por encargos financeiros remuneratórios conforme a sua contratação em pós ou pré-fixada. Suas remunerações pós fixadas são calculadas com base no critério de pro rata temporis, já a remunerações pré-fixadas são calculadas o prazo final das operações, tendo o valor futuro, a data do demonstrativo contábil, apresentado em conta redutora. Descrição Depósito a Prazo TOTAL

31/12/2019 254.885,18 254.885,18

31/12/2018 111.839,60 111.839,60


ACREDIBELGO opera com diversos instrumentos financeiros, com destaque para disponibilidades, aplicações interfinanceiras de liquidez, títulos e valores mobiliários, relações interfinanceiras, operações de crédito,21/02 depósitos a prazo-ePág. 9 a 05/03/2020 empréstimos.

Os depósitos, até o limite de R$ 250 mil (duzentos e cinquenta mil), por CPF/CNPJ, estão garantidos pelo Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop), o qual é uma associação civil sem fins lucrativos, com personalidade jurídica de direito privado de abrangência nacional, regida pelo presente Estatuto e pelas disposições legais e regulamentares aplicáveis, conforme, constituído conforme Resoluções CMN n°4.284/2013. As instituições associadas são todas as cooperativas singulares de crédito e os bancos cooperativos.

Descrição

31/12/2019

Maior Depositante 84.281,04 10 Maiores 222.039,97 Depositantes

% Carteira Total 33,06% 87,11%

23.315,24

% Carteira Total 20,85%

97.259,88

86,96%

31/12/2018

Despesas com operações de captação de mercado: Descrição Depósitos a Prazo Total

31/12/2019 10.779,30 10.779,30

31/12/2018 4.303,25 4.303,25

11. Outras Obrigações Descrição Cobrança e Arrecadação de Tributos e Assemelhados Sociais e Estatutárias Fiscais e Previdenciárias Diversas TOTAL

31/12/2019 31/12/2018 891,36 858,15 124.865,10 90.761,51 18.230,79 17.386,97 50.042,74 70.147,48 194.029,99 179.154,11

11.1 Sociais e Estatutárias Descrição Resultado de Atos com Associados (a) Cotas de Capital a Pagar (b) TOTAL

31/12/2019 9.407,11 115.457,99 124.865,10

31/12/2018 2.957,87 87.803,64 90.761,51

(a) O FATES é destinado às atividades educacionais, à prestação de assistência aos cooperados, seus familiares e empregados da cooperativa, sendo constituído pelo resultado dos atos não cooperativos e 10% (dez por cento) das sobras líquidas do ato cooperativo, conforme determinação estatutária. A classificação desses valores em contas passivas segue determinação do Plano Contábil das Instituições do Sistema Financeiro

Nacional – COSIF. Atendendo à instrução do BACEN, por meio da Carta Circular nº 3.224/2006, o Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social – Fates é registrado como exigibilidade, e utilizado em despesas para o qual se destina, conforme a Lei nº 5.764/1971. (b) Refere-se às cotas de capital a devolver de associados desligados. 11.2 Fiscais e Previdenciárias As obrigações fiscais e previdenciárias, classificadas no passivo na conta de Outras Obrigações estão assim compostas: Descrição Impostos e Contribuições a Recolher TOTAL

31/12/2019 18.230,79 18.230,79

31/12/2018 17.386,97 17.386,97

11.3 Diversas Descrição Provisão para Pagamentos a Efetuar (a) Credores Diversos – País (b) TOTAL

31/12/2019 41.610,38 8.432,36 50.042,74

31/12/2018 38.944,83 31.202,65 70.147,48

(a) Provisão para pagamentos a efetuar refere-se às provisões trabalhista de Férias e de encargos sociais. (b)Credores diversos referem-se a compromissos com fornecedores de bens e de serviços. 12. Instrumentos financeiros ACREDIBELGO opera com diversos instrumentos financeiros, com destaque para disponibilidades, aplicações interfinanceiras de liquidez, títulos e valores mobiliários, relações interfinanceiras, operações de crédito, depósitos a prazo e empréstimos. Os instrumentos financeiros ativos e passivos estão registrados no balanço patrimonial a valores contábeis, os quais se aproximam dos valores justos.

Os instrumentos financeiros ativos e passivos estão registrados no balanço patrimonial a valores contábeis, os quais se aproximam dos valores justos.

13. Patrimônio líquido a) Capital Social O capital social é representado por cotas-partes no valor nominal de R$ 1,00 cada e integralizado por seus cooperados. De acordo com o Estatuto Social cada cooperado tem direito a um voto, independentemente do número de suas cotas-partes. Descrição Capital Social Associados

31/12/2019 2.805.171,68 652

31/12/2018 2.833.583,30 646

b) Reserva Legal Representada pelas destinações estatutárias das sobras, no percentual de 10%, utilizada para reparar perdas e atender ao desenvolvimento de suas Atividades. c) Sobras Acumuladas As sobras são distribuídas e apropriadas conforme Estatuto Social, normas do Banco Central do Brasil e posterior deliberação da Assembleia Geral Ordinária (AGO). Atendendo à instrução do BACEN, por meio da Carta Circular nº 3.224/2006, o Fundo de Assistência Técnica, Educacional e Social – FATES é registrado como exigibilidade, e utilizado em despesas para o qual se destina, conforme a Lei nº 5.764/1971. Em Assembleia Geral Ordinária, realizada em 15 de fevereiro de 2.019, os cooperados deliberaram pelo aumento do capital social com sobra do exercício findo em 31 de dezembro de 2018, no valor de R$.3.663,00

d) Destinações estatutárias e legais A sobra líquida do exercício terá a seguinte destinação: Descrição Sobra líquida do exercício Lucro líquido decorrente de atos não-cooperativos apropriado ao FATES Sobra líquida, base de cálculo das destinações Destinações estatutárias Reserva legal - 10% Fundo de assistência técnica, educacional e social 10% Sobra à disposição da Assembleia Geral

2019 94.071,18

2018 29.578,72

---

----

94.071,18 18.814,22 9.407,11

29.578,72 5.915,74 2.957,87

9.407,11

2.957,87

75.256,96

23.662,98

14. Resultado de atos não cooperativos O resultado de atos não cooperativos tem a seguinte composição: Descrição 2019 Receita de prestação de serviços 263.458,01 Despesas específicas de atos não cooperativos Despesas apropriadas na proporção das receitas 264.260,03 de atos não cooperativos Resultado operacional (802,02) Receitas (despesas) não operacionais, líquidas (802,02) Imposto de renda e da contribuição social 9.363,26 Resultado de atos não cooperativos (lucro (10.165,28) líquido)

2018 971,36 81,87 951,82 (62,33) (62,33) 11,03 (73,36)

15. Outros ingressos/rendas operacionais Descrição Imposto de Renda - Reversão de Provisões Operacionais Outras Rendas Operacionais (a) TOTAL

2019

2018

7.787,41 183.772,42 191.559,83

209.026,71 209.026,71

(a) Refere-se à reversão de créditos lançados como perdas de risco de créditos.


21/02 a 05/03/2020 - Pág. 10 16. Outros dispêndios/despesas operacionais Descrição Despesas de Renegociações

19. Seguros contratados – Não auditado 2019

Descontos

Concedidos

em

Outros Dispêndios/Despesas Operacionais

(3.447,55) (3.703,10)

TOTAL

(7.150,65)

2018 (3.228,81) (704,00) (3.932,81)

A Cooperativa adota política de contratar seguros de diversas modalidades, cuja cobertura é considerada suficiente pela Administração e agentes seguradores para fazer face à ocorrência de sinistros. As premissas de riscos adotados, dada a sua natureza, não fazem parte do escopo de auditoria das demonstrações contábeis, consequentemente, não foram examinadas pelos nossos auditores independentes. 20. Índice de Basileia

17.Resultado não operacional Descrição Rendimentos de aplicação financeira Prestação de serviços Receitas de juros sobre título de crédito – NP Ganhos de Capital – Venda de ativos – antiga sede Outras despesas não operacionais TOTAL

2019 1.227,35 47,11 19.031,92 243.151,63 - 9.646,00 253.812,01

2018 753,10 218,26 -

As instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil devem manter, permanentemente, o valor do Patrimônio de Referência (PR), apurado nos termos da Resolução CMN nº. 4.192, de 01/03/2013, compatível com os riscos de suas atividades.

971,36

O Patrimônio de Referência (PR) da Cooperativa encontra-se compatível com o grau de risco da estrutura dos ativos em 31 de dezembro de 2019.

18. Partes Relacionadas

João Monlevade, 30 de janeiro de 2020

As partes relacionadas existentes são as pessoas físicas que têm autoridade e responsabilidade de planejar, dirigir e controlar as atividades da cooperativa e membros próximos da família de tais pessoas.

DIRETORIA EXECUTIVA

JOSÉ GERALDO DE SOUZA – Diretor Presidente

As operações são realizadas no contexto das atividades operacionais da Cooperativa e de suas atribuições estabelecidas em regulamentação específica.

CARLOS GERALDO DA SILVA – Diretor Financeiro

As operações com tais partes relacionadas não são relevantes no contexto global das operações da cooperativa, e caracterizam-se basicamente por transações financeiras em regime normal de operações, com observância irrestrita das limitações impostas pelas normas do Banco Central, tais como movimentação de contas correntes, aplicações e resgates de RDC e operações de crédito.

REGINALDO BRÁZ – Diretor Administrativo

DELCI SERGIO DO COUTO – Contador CRC/MG 23.550

As garantias oferecidas em razão das operações de crédito são: avais, garantias hipotecárias, caução e alienação fiduciária. Montante das operações ativas e passivas no exercício de 2019: MONTANTE DAS OPERAÇÕES ATIVAS R$.71.014,22 MONTANTE DAS OPERAÇÕES PASSIVAS R$.22.717,87

% em relação à carteira total 3,00% % em relação à carteira total 8,91%

Operações ativas e passivas – saldo em 2019 Natureza da Operação de Crédito Empréstimo

Foram realizadas transações com partes relacionadas, na forma de empréstimos, à taxa/remuneração relacionada no quadro abaixo, por modalidade: Taxas Aplicadas em Relação às Partes Relacionadas 3,25%

O Conselho Fiscal da Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Empregados das Empresas Siderúrgicas, Metalúrgicas e Eletro Mecânicas de João Monlevade Ltda - Credibelgo, pelos membros abaixo assinados, tendo

Valor da PCLD (Provisão para % da Operação de Operação de Crédito de Crédito em Relação Crédito Liquidação Duvidosa) à Carteira Total 71.014,22 4.073,26 5,73%

Natureza das Operações Ativas e Passivas Empréstimos

PARECER DO CONSELHO FISCAL.

Taxa Aprovada pelo Conselho de Administração / Diretoria Executiva 3,25%

No exercício de 2019 os benefícios monetários destinados às partes relacionadas foram representados por honorários e cédula de presença, apresentando-se da seguinte forma: BENEFÍCIOS MONETÁRIOS NO EXERCÍCIO DE 2018 (R$) Honorários Cédula de Presença TOTAIS

112.957,69 19.107,70 132.065,39

em vista, os resultados das reuniões de verificações, realizadas no decorrer do ano de 2019, com base no exame dos livros de atas, das notas fiscais, das conferências de caixa, dos extratos bancários, da auditoria independente realizada pela Confederação Nacional de Auditoria Cooperativa - CNAC e demais documentos que compõem o Balanço Geral, encerrado em 31 de dezembro de 2019, bem como das Demonstrações Contábeis de Sobras e Perdas, declara que os mesmos refletem o resultado das operações do exercício findo, pelo que, são de parecer favorável, e recomendam a sua aprovação pela Assembléia. João Monlevade, 30 de janeiro de 2020. Conselheiros:

Efetivos

Suplentes

Aline Ribeiro Cotta

Andréia Renata Brito de Souza Simões

Stênio Pereira de Carvalho

Lívia Cristina Miranda Freitas

Valdo Edno dos Reis

Werton Conceição Santos

Valdo Edno dos Reis Coordenador do Conselho Fiscal.


21/02 a 05/03/2020 - Pág. 11

RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Ao Conselho de Administração, à Administração e aos Cooperados da Cooperativa de Economia e de Credito Mútuo dos Empregados das Empresas Siderúrgicas, Metalúrgicas e Eletro - Mecânicas de João Monlevade Ltda. Credibelgo João Monlevade / MG Opinião Examinamos as demonstrações contábeis da Cooperativa de Economia e de Credito Mútuo dos Empregados das Empresas Siderúrgicas, Metalúrgicas e Eletro - Mecânicas de João Monlevade Ltda. Credibelgo, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2019 e as respectivas demonstrações de sobras ou perdas, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, bem como as correspondentes notas explicativas, incluindo o resumo das principais políticas contábeis. Em nossa opinião, as demonstrações contábeis acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Credibelgo em 31 de dezembro de 2019, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo nessa data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. Base para opinião Nossa auditoria foi conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Nossas responsabilidades, em conformidade com tais normas, estão descritas na seção a seguir, independentes em relação à cooperativa, de acordo com os princípios éticos relevantes previstos no Código de Ética Profissional do Contador e nas normas profissionais emitidas pelo Conselho Federal de Contabilidade, e cumprimos com as demais responsabilidades éticas de acordo com essas normas. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Ênfase Chamamos atenção a nota explicativa nº 2 que descreve o processo de desfiliação (desligamento do quadro social) da Credibelgo junto ao Sicoob Central Cecremge. A partir do dia 02/10/2019 a Credibelgo não integra o quadro social daquela Central. A partir da desfiliação, a Credibelgo passou à condição de conveniada junto ao Sicoob Central Cecremge, todavia a Credibelgo não utiliza mais a estrutura centralizada de gerenciamento de riscos e de Capital do Sicoob. Nossa opinião não se modifica quanto a este assunto. Outras informações que acompanham as demonstrações contábeis e o relatório do auditor A administração da cooperativa é responsável por essas outras informações que compreendem o Relatório da Administração. Nossa opinião sobre as demonstrações contábeis não abrange o Relatório da Administração e não expressamos qualquer forma de conclusão de auditoria sobre esse relatório.

Em conexão com a auditoria das demonstrações contábeis, nossa responsabilidade é a de ler o Relatório da Administração e, ao fazê-lo, considerar se esse relatório está, de forma relevante, inconsistente com as demonstrações contábeis ou com o nosso conhecimento obtido na auditoria ou, de outra forma, aparenta estar distorcido de forma relevante. Se, com base no trabalho realizado, concluirmos que há distorção relevante no Relatório da Administração, somos requeridos a comunicar esse fato. Não temos nada a relatar a este respeito. Responsabilidades da administração e da governança pelas demonstrações contábeis A administração é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil e pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração de demonstrações contábeis livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Na elaboração das demonstrações contábeis, a administração é responsável pela avaliação da capacidade de a cooperativa continuar operando, divulgando, quando aplicável, os assuntos relacionados com a sua continuidade operacional e o uso dessa base contábil na elaboração das demonstrações contábeis, a não ser que a administração pretenda liquidar a cooperativa ou cessar suas operações, ou não tenha nenhuma alternativa realista para evitar o encerramento das operações. Os responsáveis pela governança da cooperativa são aqueles com responsabilidade pela supervisão do processo de elaboração das demonstrações contábeis. Responsabilidades do auditor pela auditoria das demonstrações contábeis Nossos objetivos são obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, tomadas em conjunto, estão livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro, e emitir relatório de auditoria contendo nossa opinião. Segurança razoável é um alto nível de segurança, mas não uma garantia de que a auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria sempre detectam as eventuais distorções relevantes existentes. As distorções podem ser decorrentes de fraude ou erro e são consideradas relevantes quando, individualmente ou em conjunto, possam influenciar, dentro de uma perspectiva razoável, as decisões econômicas dos usuários tomadas com base nas referidas demonstrações contábeis. Como parte de uma auditoria realizada de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria, exercemos julgamento profissional, e mantemos ceticismo profissional ao longo da auditoria. Além disso: Identificamos e avaliamos o risco de distorção relevante nas demonstrações contábeis, independente se causada por fraude ou erro, planejamos e executamos procedimentos de auditoria em resposta a tais riscos, bem como obtemos evidência de auditoria apropriada e suficiente para fundamentar nossa opinião. O risco de não detecção de distorção relevante resultante de fraude é maior do que proveniente de erro, já que a fraude pode envolver o ato de burlar os controles internos, e conluio, falsificação, omissão ou representações falsas intencionais.

Obtemos o entendimento dos controles internos relevantes para a auditoria para planejarmos procedimentos de auditoria apropriados nas circunstâncias, mas não com o objetivo de expressarmos opinião sobre a eficácia dos controles internos da cooperativa. Avaliamos a adequação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis e respectivas divulgações feitas pela administração. Concluímos sobre a adequação do uso, pela administração, da base contábil de continuidade operacional e, com base nas evidências de auditoria obtidas, se existe incerteza significativa em relação a eventos ou circunstâncias que possam levantar dúvida significativa em relação a capacidade de continuidade operacional da cooperativa. Se concluirmos que existe incerteza significativa devemos chamar atenção em nosso relatório de auditoria para as respectivas divulgações nas demonstrações contábeis ou incluir modificação em nossa opinião, se as divulgações forem inadequadas. Nossas conclusões estão fundamentadas nas evidências de auditoria obtidas até a data de nosso relatório. Todavia, eventos ou condições futuras podem levar a cooperativa a não mais se manter em continuidade operacional. Avaliamos a apresentação geral, a estrutura e o conteúdo das demonstrações contábeis, inclusive as divulgações e se as demonstrações contábeis representam as correspondentes transações e os eventos de maneira compatível com o objetivo de apresentação adequada. Comunicamo-nos com os responsáveis pela governança a respeito, entre outros aspectos, do alcance planejado, da época da auditoria e das constatações significativas de auditoria, inclusive as eventuais deficiências significativas nos controles internos que identificamos durante nossos trabalhos.

Belo Horizonte/MG, 18 de fevereiro de 2020.

Elisângela de Cássia Lara Contadora - CRC MG 086.574/O CNAI 3.750


21/02 a 05/03/2020 - Pág. 12

BACIA DO RIO DOCE Acompanhe as ações de reparação e os resultados para toda a Bacia. Para atender ao direito da sociedade ao acesso à informação de forma ampla, transparente e pública, a Fundação Renova, organização responsável pela reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, compartilha os resultados das principais frentes de ações executadas nos municípios atingidos.

AÇÕEs DE REPARAÇÃO ÁguA

ECOnOmIA LOCAL

· 92 pontos de monitoramento indicam que a água do Rio Doce pode ser consumida após tratada

· 56% dos contratos firmados com empresas dos municípios atingidos

REjEItO

InfRAEstRutuRA

· Propriedades rurais recuperadas não têm restrição ao plantio e às atividades agrícolas

· Mais de 1.500 obras concluídas e entregues no processo de reparação

REAssEntAmEntO

mEIO AmBIEntE

· Casas em construção e infraestrutura dos distritos em fase avançada

· 230 municípios formarão o maior inventário florestal do país

R$

DEsEmBOLsO DADOs Até 31 DE DEzEmBRO DE 2019

7,84 BILhÕEs desembolsados nas ações de reparação

Direcione a câmera do seu celular e acesse mais informações.

E o trabalho continua. Acesse e saiba mais em: fundacaorenova.org/dadosdareparacao Nenhum recurso da reparação foi utilizado na veiculação deste anúncio. Todos os dados são auditados mensalmente e compartilhados com órgãos públicos.

R$

2,11 BILhÕEs em indenizações e auxílios financeiros emergenciais para cerca de 320 mil pessoas (dano água, danos gerais e AFE)

Profile for Jornal Última Notícia

Jornal Última Notícia  

Edição 201

Jornal Última Notícia  

Edição 201

Advertisement