Page 1

Diariamente na internet - www.ultimanoticia.com.br

Feira de Economia Popular e Solidária página 3.

06 a 12 de abril 2018 - Edição 176 - R$ 1,00

Exposição Divulgação/Acom PMSGRA

Barão de Cocais será contemplada com o “Programa Internet Para Todos”

Página 4.

Alexandre Alexandre Miquelete Miquelete

A Sociedade Orquidófila de São Gonçalo do Rio Abaixo (Sosgrar) promove até domingo (8), a 4ª Exposição de Orquídeas.

Amepi recebe sétimo encontro do projeto “Ação Municipalista” da CNM

Habilitação

Divulgação

Alexandre Miquelete

AOs amantes da cultura tropeira não podem perder as comemorações do 15º aniversário do Museu do Tropeiro, nos dias 6 e 7 de abril, no distrito de Ipoema.

Na última semana, a Associação dos Municípios do Médio Rio Piracicaba (Amepi), foi palco do sétimo encontro do projeto “Ação Municipalista” em Minas Gerais, que reuniu mais de 15 municípios.

Aulas e exames de direção passarão a ser monitorados em Minas Gerais.

Página 4.

Página 3.

Página 4.

Página 4.

Museu do Tropeiro


Geral / Opinião

06 a 12/04/2018 - Pág. 2

Acidentes nas rodovias federais caem 23% na Semana Santa, comparado a 2017

Opnião

Nos falta responsabilidade política No próximo mês de outubro, teremos novas eleições no Brasil. Porém, o resultado das últimas eleições apresentou um aspecto que foi muito comentado na época: os votos brancos, nulos e abstenções atingiram números elevadíssimos extremamente preocupantes. Segundo dados finais e oficiais da Justiça Eleitoral, no primeiro turno das últimas eleições municipais, a soma de brancos, nulos e abstenções superou o número de votos do candidato primeiro colocado em nove capitais brasileiras. No segundo turno da mesma eleição, a situação se repetiu em três capitais: Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre. As três cidades tiveram mais votos inválidos que o candidato primeiro colocado. Isso aconteceu na maioria dos municípios brasileiros, havendo casos em que vereadores se elegeram com baixíssimo número de votos, o que quer dizer que não adianta repudiar pela omissão, alguém será eleito. O interessante, e negativo, foi a forma de como tais números foram encarados e, de certa forma, justificados. E nos cabe analisar o porquê do alerta. Os políticos e lideranças da situação debitaram a avalanche de repulsa retratada pelas urnas aos malfeitos do governo anterior, associando o fato à corrupção. Já as lideranças da oposição, que representam o governo passado, sublinharam que os brancos, os nulos e as ausências eram a posição dos eleitores contra o processo de impeachment de Dilma Rousseff, que chamam de ‘golpe’, e à posse de Temer, que qualificam de usurpação. Os dois posicionamentos são facciosos, parciais e remetem apenas ao desejo de uma justificativa perante os eleitores em particular e à população em geral. Ambos os lados

contribuíram – e continuam contribuindo – para o descrédito da classe política que afeta, infelizmente, a política que em origem e princípio é sadia, positiva e honesta, sendo os maus políticos que deturpam essa essência. A política é o grande instrumento para a boa e correta administração dos governos e da sociedade. Portanto, acusações ou recriminações mútuas por parte de quem mutuamente contribui para denegrir a política nada acrescentam, a não ser acentuar o descrédito. O momento é de falar aberta e sinceramente com a sociedade, para que esse ano a resposta negativa não venha a se repetir. A classe política tem obrigação de convencer a população, em particular o eleitorado, que política é ciência indispensável. A sociedade tem obrigação cívica de participar, de atuar, de discutir e votar. Antes se usava a alegação de que no período militar havia tolhimento tanto em participação e discussão como de oportunidade do voto. Agora, que a liberdade é assegurada, os eleitores jogam as conquistas no cesto de lixo. Se a situação e o panorama não são bons com a plenitude democrática, pior serão se as oportunidades de mudança forem desprezadas. Os eleitores devem ser conscientizados de que votar em branco, anular o voto ou desprezar as urnas é omissão e irresponsabilidade. Cabe aos líderes políticos e aos formadores de opinião transmitir essa mensagem, embora para isso devam reconquistar o respeito e a credibilidade. E, por fim, cabe aos cidadãos em geral, tão enfáticos em protestos, passeatas e manifestações, ter o entendimento de que não adianta ir para as ruas e não comparecer à seção eleitoral. A mudança se faz através da prática política e do voto, símbolo maior da democracia.

*Luiz Carlos Borges da Silveira

Divulgação

Segundo a PRF, 70 pessoas morreram, uma redução de 16% em relação ao feriado do ano passado, quando foram registradas 83 mortes

Nos quatro dias da Operação Semana Santa, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou 854 acidentes nas rodovias federais do país, redução de 23% em relação a 2017, quando foram contabilizados 1.115 acidentes. Os números preliminares da operação, realizada entre quinta-feira (29) e domingo (1º), foram divulgados na segunda-feira (2). Segundo a PRF, 70 pessoas morreram, uma redução de 16% em relação ao feriado

do ano passado, quando foram registradas 83 mortes. Foram contabilizados 905 feridos contra 1.155 na Operação Semana Santa do ano passado, o que representa queda de 22%. “As ações de fiscalização focaram nas condutas associadas com o maior número de acidentes como ultrapassagens irregulares, excesso de velocidade, alcoolemia ao volante e falta de equipamentos de segurança”, informou a Polícia

Rodoviária Federal, em nota. Ao todo, 113.196 pessoas e 108.602 veículos foram fiscalizados pela PRF durante os quatro dias de operação. As fiscalizações resultaram em 35.338 autuações. Ultrapassagem irregular e excesso de velocidade foram, assim como nos últimos feriados, as condutas mais recorrentes, com 5.198 ultrapassagens indevidas e 59.673 imagens capturadas pelos radares fotográficos

por excesso de velocidade. Também foram autuados 760 condutores por alcoolemia e 460 por falta do uso de cadeirinha para crianças. Segundo a PRF, as práticas criminosas também foram alvo das ações durante o feriado. Durante os quatro dias, policiais rodoviários federais apreenderam mais de uma tonelada de maconha e 21 quilos de cocaína. Também houve a apreensão de 14 armas e 5.739 munições.

Acidentes nas rodovias federais caem 23% na Semana Santa, comparado a 2017 A Polícia Civil, por meio do Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG), anunciou, nessa terça-feira (3), a implantação do sistema de telemetria e videomonitoramento do processo de formação de condutores de veículos. O objetivo do sistema de monitoramento é auxiliar a fiscalização das aulas práticas de direção e da avaliação do candidato a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), por meio de áudio, vídeo, fotos e de sensores ligados aos componentes do veículo. A tecnologia visa garantir a qualidade, segurança, transparência e eficiência no processo de formação e aperfeiçoamento dos condutores no Estado de Minas Gerais. “Essa solução dotará o Detran de instrumentos, tecnologia e procedimentos que permitam melhor gerenciamento do processo de habi-

Alexandre Miquelete

Banca examinadora em João Monlevade

litação sob sua responsabilidade, sobretudo dos novos condutores”, ressalta o diretor do Detran-MG, delegado-geral César Augusto

Monteiro Alves Junior. Uma coletiva de imprensa acontecerá na manhã desta terça-feira para detalhar a novidade.

Um carro equipado com o sistema será disponibilizado para imagens e também para a simulação de um exame de direção.

Contatos:

Diretor Geral

contato@ultimanoticia.com.br / (31) 98959-1000

Alexandre Miquelete

www.ultimanoticia.com.br Publicado desde 2013.


Cidade

06 a 12/04/2018 - Pág. 3

Amepi recebe sétimo encontro do projeto ‘Ação Municipalista’ da CNM Em pauta, as principais reivindicações dos municípios, além de projetos que estão em vias de serem votados no Congresso Nacional, e requerem pressão nos parlamentares para a votação efetiva. Divulgação

Estiveram presentes os prefeitos Ailton Antônio Guimarães Rosa (Nova União), Antônio Carlos Noronha Bicalho (São Gonçalo do Rio Abaixo), Boby Charles das Dores Leão (Virginópolis), Dalma Barcelos (Itabira - em exercício), Dário Ferreira Motta (Bom Jesus do Amparo), João Eber Barreto Noman (Dores de Guanhães e presidente da Associação dos Municípios da Microrregião da Bacia do Suaçuí - Ambas), José Alfredo de Castro Pereira (São Domingos do Prata), José Alves Parreira (Catas Altas e presidente do Cismepi), José de Aguiar Mourão Sobrinho (Senhora do Porto), Rodrigo Magalhães Coelho (Divinolândia de Minas) e Ronaldo Agapito de Sá (Passabém e vice-presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Leste - Ciscel), além do vice-prefeito de Santa Bárbara, Alcemir Moreira e do deputado estadual, Tito Torres

Na última semana, a Associação dos Municípios do Médio Rio Piracicaba (Amepi), foi palco do sétimo encontro do projeto “Ação Municipalista” em Minas Gerais, que reuniu mais de 15 municípios. O evento é promovido pela Confederação Nacional de Municípios (CNM), com o apoio da Associação Mineira de Municípios (AMM), e tem o objetivo de levar aos prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e secretários, informações atualizadas, no que se refere ao andamento das pautas municipalistas no Congresso Nacional, bem como as conquistas do movimento e as perspectivas econômicas para este ano. Na ocasião, estiveram em pauta as principais reivindicações municipalistas e os projetos em vias de serem votados pelo Congresso Nacional e dependem de pressão nos parlamentares para que as ações saiam do papel. Os prefeitos puderam opinar e debater sobre essas questões.

O presidente da Amepi e prefeito de Santa Bárbara, Leris Braga, destacou a importância de se cobrar as pautas municipalistas para os próximos governos, federal e estadual, num cenário onde começam a se desenhar as propostas a serem assumidas após a eleição. “É necessário que haja definição de prioridades, para que possamos cobrar essas questões dos nossos deputados estaduais e federais a fim de que sejam votadas e possamos executar as políticas públicas para o cidadão”, pontuou. A CNM foi representada naquele momento pelo consultor da Confederação, Ângelo Roncalli, responsável por apresentar as perspectivas e pautas municipalistas, destacando a conscientização necessária a todos, a fim de buscar os objetivos em comum. Pela AMM, esteve no evento, o controlador interno e um dos responsáveis pelo processo de afiliação e do Diário On-line da Associação, Rodrigo Lázaro, que falou sobre a importância da

filiação e das ferramentas de gestão oferecidas. Estiveram presentes os prefeitos Ailton Antônio Guimarães Rosa (Nova União), Antônio Carlos Noronha Bicalho (São Gonçalo do Rio Abaixo), Boby Charles das Dores Leão (Virginópolis), Dalma Barcelos (Itabira - em exercício), Dário Ferreira Motta (Bom Jesus do Amparo), João Eber Barreto Noman (Dores de Guanhães e presidente da Associação dos Municípios da Microrregião da Bacia do Suaçuí - Ambas), José Alfredo de Castro Pereira (São Domingos do Prata), José Alves Parreira (Catas Altas e presidente do Cismepi), José de Aguiar Mourão Sobrinho (Senhora do Porto), Rodrigo Magalhães Coelho (Divinolândia de Minas) e Ronaldo Agapito de Sá (Passabém e vice-presidente do Consórcio Intermunicipal de Saúde Centro Leste - Ciscel), além do vice-prefeito de Santa Bárbara, Alcemir Moreira e do deputado estadual, Tito Torres.

Feira de Economia Popular e Solidária acontece na Praça do Povo, em João Monlevade A Praça do Povo, em João Monlevade, recebe nos dias 11 e 12 de abril, a 4ª Feira Regional da Economia Popular Solidária, de 8h às 21h. Além de diversos produtos artesanais, da agricultura familiar, doces e geleias caseiras, quitandas e produtos religiosos, o público poderá apreciar shows de músicas regionais. O evento contará com a participação de dezenas de colaboradores, além de ter apoio de instituições de renome como o Fórum de Economia Solidária, a Cáritas Diocesana, a Universidade Federal de Ouro Preto, e a Aprender Produzir Juntos, entre outras. Participe! A Feira Regional da Economia Popular Solidária é uma oportunidade para a abertura de novas formas de pensar e produzir dentro de nossa sociedade.


Região

06 a 12/04/2018 - Pág. 4

São Gonçalo do Rio Abaixo sedia 4ª Exposição de Orquídeas Divulgação/Acom PMSGRA

Fabricação do vinho de jabuticaba em Catas Altas começou 60 anos antes do que se acreditava Em sua 18ª edição, tradicional festa do Vinho já tem data marcada

Na exposição serão comercializadas diversas espécies de orquídeas

A Sociedade Orquidófila de São Gonçalo do Rio Abaixo (Sosgrar) promove até domingo (8), a 4ª Exposição de Orquídeas. Produtores de várias localidades vão expor e vender vasos da planta e estarão disponíveis para conversar sobre

cultivo das orquídeas. O evento é realizado no Ginásio Poliesportivo do bairro Santa Efigênia (Patrimônio), localizado na rua Rio Grande do Sul. Hoje (6), a exposição vai de 9h as 19h. Amanhã (7), será de 8h as 19h, e no domingo (8), de 8h

as 17h. O evento conta com o apoio da Prefeitura de São Gonçalo do Rio Abaixo e do Orquidário Binot, de Paraty (RJ),e tem entrada gratuita todos os dias. Mais informações pelo telefone 31 98395-1344.

Barão de Cocais será contemplada com o “Programa Internet Para Todos” Divulgação

O prefeito Décio Santos, em Brasília, durante a cerimônia de apresentação do programa

O município de Barão de Cocais será contemplado com o Programa Internet Para Todos, do Governo Federal. O programa visa ampliar a cobertura de banda larga no Brasil levando acesso diretamente à população, atualmente desatendida, democratizando o acesso à internet buscando a inclusão social. No mês de março, o prefeito Décio Santos participou em Brasília-DF, da cerimônia para apresentação. O evento contou com presença do Presidente da República, Michel Temer, do ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto

Kassab, dos ministros da Defesa, General Joaquim Silva e Luna, da Educação, Mendonça Filho, e da Saúde, Ricardo Barros, além de deputados e prefeitos das cidades contempladas. Por escolha do Governo federal, em Barão de Cocais, serão contemplados moradores dos logradouros de Boa Vista, Chácara, Gongo Soco, Nossa Senhora Aparecida, São Gonçalo do Rio Acima e Socorro. A prefeitura municipal não teve participação na indicação dos locais a serem beneficiados. O programa é uma ampliação do GESAC/Programa Governo Eletrônico – Serviço

de Atendimento ao Cidadão, responsável por conectar a internet nas escolas, hospitais, postos de saúde, aldeias indígenas, postos de fronteira e quilombos, em áreas remotas que não têm outro meio de serem inseridas no mundo das tecnologias da informação e comunicação. Seu objetivo é conectar pessoas que vivem numa determinada localidade do município onde residem. No Brasil há mais de 30.000 localidades sem conexão com a rede ou com prestação inadequada de serviço de acesso à internet. O Internet para Todos será implementado a partir de parcerias entre o MCTIC, e municípios, e executado por empresas credenciadas junto ao ministério da ciência e tecnologia. As prefeituras participantes deverão firmar um termo de adesão com o ministério, definindo as obrigações do município, como a garantia de infraestrutura básica para a instalação dos equipamentos de conexão e aprovação pelas Câmaras Municipais da dispensa da cobrança de Imposto Sobre Serviços (ISS).

Lucas Nashimoto

Ao contrário do que os historiadores sempre divulgaram, o famoso vinho de jabuticaba de Catas Altas surgiu ainda no século XIX, há pelo menos 60 anos antes da data oficial que, até então, se tinha conhecimento. O Jornal do Comércio, do Rio de Janeiro, publicou em fevereiro de 1889 uma reportagem sobre produções de vinhos nacionais e em um trecho cita as qualidades da bebida catas-altense: “há um vinho de jabuticaba, de Catas Altas, de um gosto singular”. Intitulada “Exposição de açúcar e vinhos”, a matéria encerra uma série de artigos sobre os diversos ramos da indústria nacional. A reportagem citada conta um pouco sobre a história da produção do vinho no Brasil, e os produtos feitos na então província de Minas Gerais. As aguardentes de uva e os vinhos tintos produzidos pelo catas-altense Domingos Vieira da Silva foram apontados como umas das principais bebidas fabricadas naquele tempo no estado, com excelentes qualidades.

Vinho de jabuticaba Até então, os registros apontavam o início da produção do vinho de jabuticaba em Catas Altas em 1949 com Anastásio de Souza como uma alternativa à fabricação do tradicional vinho de uva iniciada no século XIX no município, em 1868, pelo padre Monsenhor Mendes.

Vinho ou fermentado Apesar da produção do vinho de jabuticaba ser uma tradição antiga, ainda há uma discussão sobre a correta nomenclatura da bebida feita a base de jabuticaba. Especialistas afirmam que apenas a de uva deve ser chamada de vinho e a de jabuticaba, de

A fabricação do vinho de jabuticaba é uma tradição de Catas Altas

fermentado. Discussões à parte, a presença abundante da fruta nos quintais do município e a sua boa qualidade, deu início à fabricação da bebida, gerando uma tradição que foi passada de geração em geração até chegar à tradicional Festa do Vinho. A festa foi criada em 2001 para enaltecer e resgatar a cultura do vinho que teve início na época em que as minas de ouro se esgotaram e a vinicultura se transformou em uma alternativa de subsistência.

Neste ano, a festa, que conta com shows, feira gastronômica e concurso para eleger a melhor bebida da cidade, será realizada nos dias 18, 19 e 20 de maio.

Vinho ou fermentado A Festa do Vinho é uma realização da Prefeitura de Catas Altas, em parceria com a Associação dos Produtores de Vinho, Agricultores Familiares e Outros Produtos Artesanais de Catas Altas (Aprovart).

Ed 176  

Jornal Última Notícia

Ed 176  

Jornal Última Notícia

Advertisement