Page 1

27

POLÍCIA SE PREPARA

PARA A COPA

UNA - Ano 7 - BELO HORIZONTE - Fevereiro - Março 2014 Distribuição Gratuita JORNAL LABORATÓRIO DO CURSO DE JORNALISMO MULTIMÍDIA


2 fevereiro/março de 2014

27

3 FILAS, FILMES E DISCUSSÕES 4 O PESO DO CHUMBO 6 RUDÁ RICCI: MUDANÇA SOCIAL NAS RUAS

3

7 O TRÂNSITO EM BH PARA A COPA 2014 8 POLÍCIA SE PREPARA PARA A COPA 10 NA PRORROGAÇÃO BH SE AQUECE PARA A COPA DO MUNDO 12 ESTRATÉGIAS DE AÇÃO DA PM E OAB PARA A COPA 13 PAIXÃO PELOS LIVROS 14 HPV: CAPANHA CONTINUA ATÉ 2016

4

15 O FILME QUE CONQUISTOU BERLIM

7

LEIA MAIS EM CONTRAMAO.UNA.BR Em toda a capital mineira, não há uma roda de amigos, uma discussão filosófica de boteco, uma conversa amena ou até mesmo um bate-boca onde a Copa do Mundo 2014 não seja abordada. Entre elogios e reclamações, Belo Horizonte segue com os

EDITORIAL

preparativos para sediar alguns jogos do Mundial, ao mesmo tempo em que os belo

6

-horizontinos calculam e anteveem o que irá ocorrer com a cidade durante o mês de junho, quando estivermos recebendo uma quantidade considerável de pessoas de todos

os cantos. A expectativa é grande e o jornal CONTRAMÃO apresenta uma série de matérias nessa edição, mostrando o que foi planejado e o que tem sido feito para a ocasião. No quesito segurança pública, como era de se esperar, estas medidas receberão uma atenção especial, depois do que foi visto durante as manifestações anti-Copa realizadas em junho do ano passado.

8 10

As estratégias e táticas para lidar com possíveis manifestações mais alteradas estão sendo definidas meticulosamente, conforme garantiu o gestor extraordinário para a Copa do Mundo, coronel Antonio Bettoni, durante o II Fórum de Oportunidades para o Comércio, realizado em março passado. Mas nem só de Copa do Mundo vive essa edição. Os 50 anos da instauração da ditadura do Brasil são abordados em matéria especial dos repórteres Hemerson de Morais, Frederico Thompsom e Paloma Morais, relembrando – nestes tempos de reedição da Marcha pela Família – o que representam os anos de chumbo na História do Brasil. Boa leitura!

14

15

EXPEDIENTE Núcleo de Convergência de Mídias (NuC) do curso de Jornalismo Multimídia do Instituto de Comunicação e Artes (ICA) - Centro Universitário UNA. Reitor: Átila Simões. Diretor do ICA: Lélio Fabiano dos Santos. Coordenadora do curso de Jornalismo Multimídia: Piedra Magnani da Cunha.

NuC/Coordenação: Jorge Rocha, Luiz Lana e Tatiana Carvalho. Diagramação: Tiago Magno. Supervisão: Jorge Rocha. Revisores: Ana Paula Sandim, Jorge Rocha e Tatiana Carvalho. Estagiários: Alex Bessas, Aline Viana, Gabriel Amorim, Heberth Zschaber, João Alves, Juliana Costa, Luna Pontone e Tiago Magno. Tiragem: 2.000 exemplares. Impressão: Sempre Editora


cultura

FILAS, FILMES E DISCUSSÕES

fevereiro/março de 2014

3

A 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes, que aconteceu na cidade de Tiradentes (MG), entre 24 de janeiro e 1º de fevereiro, homenageou um dos maiores nomes do cinema nacional: Eduardo Coutinho. Com uma programação variada, o festival trouxe além de excelentes filmes, seminários que reuniam público, crítica especializada e diretores. Os filmes “Passarinho lá de Nova Iorque”, de Murilo Salles, e “Amor, plástico e barulho”, de Renata Pinheiro, foram alguns dos filmes debatidos. Os seminários ocorreram no auditório do Cine Teatro SESI e o público compareceu em massa, formando filas de espera e lotando a parte externa do auditório. Filas enormes também foram formadas no cine-tenda, principal ponto de exibição em Tiradentes, para as varias seções de curtas da Cena Mineira, dentre eles a animação “Saturno’, de Sávio Leite e Clécius Rodrigues, e ‘Amor em pedaços”, primeiro curta de Felipe Oliveira, que emocionou o publico. “O festival é importante, porque é um selo de qualidade para os filmes aqui exibidos passarem em outros lugares”, afirma Felipe. Durante a noite, a cidade ainda respirava cinema. Sessões noturnas sempre lotadas, como a do filme “Vizinhança do tigre”, em sua pré-estreia mundial. O documentário de Affonso Uchoa mostra a vida de cinco jovens da periferia de Contagem e as dificuldades, os sonhos e desafios que cada um enfrenta. Ao mesmo tempo, a sessão Curtas na Praça exibia filmes em um telão a céu aberto. Todos os dias ao fim das exibições, rodinhas se formavam e as pessoas debatiam, analisavam discutiam os filmes do dia, embalados pelos shows dos artistas mineiros como Dibigode convidando Dona Jandira, Graveola e o Lixo Polifônico, entre outros.

Texto e foto por Heberth Zschaber (4º período) Jornalismo Multimídia


4 fevereiro/março de 2014

memória

Por Frederico Thompson (5ºperíodo) Hemerson Morais (5º período) Paloma Morais (5º período) Jornalismo Multimídia Foto: Internet

O PESO DO CHUMBO PERSEGUIÇÕES POLÍTICAS, VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS E EXÍLIO. PASSADOS 50 ANOS DA INSTAURAÇÃO DO REGIME MILITAR NO BRASIL, É PRECISO RELEMBRAR O QUE OCORREU DURANTE A DITADURA, PARA QUE A HISTÓRIA NÃO SE REPITA COMO FARSA. AINDA MAIS EM TEMPOS DE REEDIÇÃO DA MARCHA PELA FAMÍLIA.


fevereiro/março de 2014

memória

5

Agora em 2014 completam-se 50 anos do

mais aclamado, porém Tancredo Neves foi

o diretor ter se recusado a conversar com os

período mais obscuro da história do Brasil: a

escolhido para assumir o poder assim que

alunos sobre o que estava proposto na reu-

Ditadura Militar. O regime ditatorial, que foi

os militares deixassem de governar. No en-

nião. Outros campi da faculdade também tive-

instaurado em 31 de março de 1964, quando o

tanto, Tancredo morreu antes de assumir e

ram manifestações semelhantes. Porém, o úni-

então presidente João Goulart foi deposto por

José Sarney acabou sendo o primeiro presi-

co campus a não dialogar com os alunos foi

um golpe militar, cassou os direitos civis abrindo

dente civil do país após o período ditatorial.

aquele em que Ajax Ferreira estudava, haven-

o estado de exceção. Foi uma época em que o

Para alguns, esse processo deixou uma herança

do ainda entrada da polícia. A polícia voltou

regime militar se permitiu prender, torturar e in-

cultural negativa, da qual o povo brasileiro não

a fazer buscas na escola e acabou prendendo

clusive matar aos que se opusessem aos interesses

conseguiu se livrar até hoje.“As principais mazelas

os demais alunos. O diretor passou a ser hos-

do governo. Cinco décadas depois, o cenário po-

deixadas pelos anos de comando militar no Brasil

tilizado depois desses acontecimentos, chegan-

lítico e social do Brasil torna necessário relem-

foram relativos ao comportamento do povo dian-

do a ter os quatro pneus de seu carro furado.

brar o real significado dos “Anos de chumbo”.

te do poder. Durante a ditadura, o povo aprendeu

INTERVENÇÃO MILITAR

MALDIÇÕES HERDADAS

a se acostumar e ser passivo diante do que era

A memória do que foram os “Anos de chum-

O fim da ditadura no Brasil não se deu como

imposto a ele”, analisa o sociólogo Jairison Reis.

bo” parece passar por uma tentativa de revisio-

em outros países da América Latina, como Chile

RELATOS DA LUTA

nismo nos dias atuais. No dia 22 de março, foram

e Uruguai, por exemplo, onde os ditadores foram

O coordenador do Centro de Memória da Fa-

realizadas Marchas pela Família com Deus em

derrotados nas urnas, após convocarem plebisci-

culdade Federal de Medicina, Ajax Pinto Ferrei-

várias cidades do país, registrando baixas adesões.

tos. O que ocorreu no Brasil foi um processo

ra, era estudante na UFMG em 1968, ano em que

A marcha original foi um dos estopins para a

de transição “lenta, gradual e segura”, como afir-

aconteceu a invasão de militares ao local, para a

implantação do regime militar no país, confor-

mou o último presidente militar, Ernesto Geisel.

retirada dos estudantes que ocupavam a faculda-

me a História registra e os fatos não negam. A

Com isso, a ditadura determinou prazos para que

de. “No dia 3 de maio de 1968, estava convocada

convocação para a reedição deste evento pe-

o país fosse novamente se tornando democrático,

uma reunião de estudantes. Com spray a gente

dia intervenção militar, mas vários manifestan-

o que afastou o povo das decisões mais impor-

pichava ônibus com palavras de ordem: ‘Abaixo

tes disseram que não eram favoráveis à volta da

tantes, como escolha do presidente, por exemplo.

a Ditadura!’, ‘Fora os Gorilas!’”, relembra Ajax.

ditadura. Em Belo Horizonte, a marcha con-

Ulysses Guimarães, do PMDB, era o nome

A faculdade foi cercada por policiais após

tou com a participação de cerca de 70 pessoas.

ONLINE: Leia a entrevista na íntegra Foto: Internet


entrevista

6 fevereiro/março de 2014

RUDÁ RICCI: MUDANÇA SOCIAL NAS RUAS O sociólogo e cientista político Rudá Ricci lançou recentemente o livro ‘Nas Ruas’, produto do trabalho de monitoramento e análise do fenômeno social brasileiro batizado como Jornadas de Junho. Para ele, os manifestantes de junho, os participantes dos rolêzinhos e os beneficiários do Bolsa Família têm algo em comum: formam o que é chamado de “novos brasileiros”.

Por Alex Bessas (3º período) Heberth Zschaber (4º período) Jornalismo Multimídia Foto: João Alves

MANIFESTAÇÕES DE JUNHO DE 2013 RUDÁ RICCI: A juventude de uma maneira geral sabe hoje qual é o seu poder. Parece que grande parte do Brasil já estabilizado não sabia que ia surgir um novo brasileiro e esse novo brasileiro é o que ganha a Bolsa Família, é o dos rolêzinhos, os filhos daqueles emergentes que tanta gente fala e são os brasileiros que estavam nas manifestações de junho. “NAS RUAS” RR: O que tem de característica nova, diferente do século XX? Primeiro, são jovens de 20 a 30 anos, todos conectados às redes sociais - o Facebook é o grande instrumento de comunicação -, há, do ponto de vista social e político, uma crítica muito ácida a qualquer tipo de hierarquia política ou de organização que conduza a massa, ou seja, um respeito muito grande a individualidade, isso faz que essas mobilizações sejam convocadas por pessoas que conhecem quem está convocando. GUERRA NÃO-DECLARADA? RR: O que me deixa mais surpreso é que a Presidente da República foi guerrilheira e ela pegou em armas quando veio uma lei desse tipo. Quem conhece o mundo político sabe que não tem nada a ver com manifestação ou manifestante, o que o governo está muito preocupado é que as manifestações de junho - que vão ocorrer! - tenham o mesmo impacto negativo no processo eleitoral que teve no ano passado, em relação as pesquisas de intenção de voto. ENCRUZILHADA RR: O governo não está mais em uma encruzilhada, em junho, quando foi pego de calça curta. O grande problema de Dilma agora não são os manifestantes, é o PMDB. Cada vez que ela faz acordos com este bloco, mais longe ela está da rua.

ONLINE: Leia a entrevista na íntegra


copa

fevereiro/março de 2014

7

TRÂNSITO EM BH PARA A COPA 2014

Por Aline Viana (5º período) Luna Pontone (3º período) Jornalismo Multimídia Foto: João Alves

O trânsito da capital mineira é conhecido como caótico, tan-

forem ao Mineirão está garantida para quem apresentar os ingressos.

to por quem o enfrenta todos os dias como por turistas. A ex-

Os bairros que circundam o local sofrerão impactos já previstos e

pectativa em relação às melhorias no trânsito para junho é gran-

presenciados na Copa das Confederações. Por exemplo, quem mora

de, pois nesse mês, a capital mineira será uma das sedes dos jogos

na Avenida Abraão Caram precisará de credencial - já fornecida me-

da Copa do Mundo. A preocupação com o trânsito ficou ain-

diante cadastro - para acessar sua residência apenas pela Avenida Carlos

da maior para as autoridades responsáveis pelo tráfego na cidade.

Luz. É importante ressaltar que quem não mora ou não tem compro-

O Plano Operacional de Mobilidade da Cidade de Belo Hori-

missos na Pampulha durante os períodos de jogos, deve evitar a região.

zonte para a Copa das Confederações 2013 também será utilizado

Com isso, moradores e comerciantes terão seu cotidiano alterado pela

para a Copa do Mundo 2014, segundo confirmou a assessoria da

FIFA, com uma série de diretrizes que será cumprida em todo país.

BHTRANS. O órgão municipal informou que não haverá possi-

A assessoria ainda esclarece que não há um plano de con-

bilidade de locomoção por carro nas vias próximas aos estádios, es-

tingência no trânsito para a Copa e sim uma adaptação no

tipulando um raio de 2 km. Apenas carros oficiais e maquinário

tráfego diário para a realização do evento. Com a implan-

da imprensa credenciada pela FIFA entrarão nas proximidades do

tação do BRT-MOVE a previsão é que a circulação pelos cor-

estádio. A oferta do serviço especial de ônibus para torcedores que

redores do trânsito na capital mineira fique mais rápido e ágil. Foto: João Alves


copa

8 fevereiro/março de 2014

POLÍCIA SE PREPARA PA

Por Alex Bessas (3º período) João Vitor Fernandes (4º período) Jornalismo Multimídia Foto: João Alves

Para receber a Copa do Mundo 2014, Belo

cia deve agir para antecipar os atos de vanda-

ra, pois não temos condições igu

Horizonte terá reforços em todo esquema de

lismo que possam ocorrer. Sobre a experiência

ça entre os dois lados. A verdade é

segurança, contando com mais câmeras de vi-

nos protestos de 2013, o deputado revela que

lícia tem hábitos muito ruins e u

gilância, equipamentos de proteção e armas

“a polícia não esperava manifestações daque-

de pré-disposição para a violência

não-letais para os policiais. Além de usar todo

la proporção. Algumas forças policiais chega-

Como uma contrapartida à opiniã

contingente policial da capital, haverá reforço

ram a ir até sem os equipamentos necessários”.

o deputado relembra a ocasião em

com efetivo vindo do interior e apoio da Guar-

Quanto às prisões preventivas de pessoas

da Municipal - destacada para atuar no trânsito.

que estão respondendo a processos em de-

ca de 20 policiais ficaram feridos.

O presidente da Comissão de Segurança Pública

corrência das manifestações de 2013, Rodri-

lado da PM durante todo o ato, o

da OAB e membro da Comissão de Segurança Pú-

gues é enfático. “As prisões preventivas vão

gaba de não falar como um especta

blica na Assembléia Legislativa de MG (ALMG),

acontecer. Inclusive elas já estão sendo traba-

te. “Se eu quero participar de uma

deputado Sargento Rodrigues, afirma que não

lhadas por parte da polícia judiciária, com o

ção livre e democrática, eu tenho

deve haver preocupações quanto à segurança du-

serviço de inteligência das polícias Civil e Mi-

parar de grupos como o Black Bl

rante a Copa. A opinião é compartilhada pelo so-

litar identificando as possíveis pessoas”, atesta .

Na mesma manifestação, pelo meno

ciólogo e ex-secretário de Defesa Social de MG,

Sapori é contundente ao analisar as medidas

deram entrada em hospitais por dec

Luis Flávio Sapori, ao dizer que “a PM de Minas

que vem sendo tomadas para conter manifes-

protesto. Foi também a ocasião em q

está mais preparada do que a de outros estados”.

tações, como o possível uso da Força Nacio-

Henrique Oliveira Souza, 21, morreu

Sapori e Rodrigues também partilham de

nal e do Exército, além dos investimentos em

tal João XXIII – onde foi levado de

um mesmo pressuposto: para eles, além do trei-

equipamentos de segurança e armas não-letais.

pelos bombeiros, depois de pular de u

namento especial para o evento, a inteligên-

- Não digo que estamos em uma guer-

viaduto para outra quando tentava fu

panhou o 5º Grande Ato em BH, q


fevereiro/março de 2014

copa

9

ARA A COPA

uais de for-

flito entre policiais e um grupo de manifestantes.

é que a po-

Ciente destas vítimas, o deputado admitiu que

uma espécie

“muitas pessoas costumam morrer exatamente

a - declara.

em face desses grupos menores que vão às ma-

ão de Sapori,

nifestações com objetivo de praticar crimes”.

que acom-

Tanto Luis Flávio Sapori, quanto Sargento

quando cer-

Rodrigues acreditam que neste ano mais ma-

Ficando ao

nifestações acontecerão. Para eles, a tática in-

Sargento se

titulada Black Bloc pode voltar a protagonizar

ador distan-

os atos; por outro lado, defendem que a polí-

a manifesta-

cia está melhor preparada. “A população está

que me se-

claramente insatisfeita, não encontra mais ca-

loc”, sugere.

nais legítimos para mostrar esta indignação. Os

os 17 pessoas

partidos políticos perderam a credibilidade, os

corrência do

movimentos sociais já não dão conta de arre-

que Douglas

gimentar essa insatisfação, porque eles estão de

u no Hospi-

certa forma tutelados pelo modelo vigente po-

e helicóptero

litico. Então esta conjuntura acaba legitiman-

uma pista do

do práticas anarquistas e sustentando práticas

ugir do con-

como as dos Black Blocks”, conclui o sociólogo.

ONLINE: Leia a entrevista na íntegra


10 fevereiro/março de 2014

copa

NA PRORROGAÇÃO, BH SE AQUECE PARA A COPA DO MUNDO DELEGAÇÕES LATINO-AMERICANAS ESCOLHEM BH COMO SUA ‘CASA’ NO MUNDIAL. COMÉRCIO MINEIRO VÊ COPA DO MUNDO COMO OPORTUNIDADE E CORRE COM OS PREPARATIVOS FINAIS.

Em 1950, Belo Horizonte foi uma das cidades escolhidas no Brasil para sediar a Copa do Mundo e em 2014 a escolha não foi diferente. Até o fechamento desta edição faltavam 76 dias para o início da maior competição de futebol no mundo. A cidade está a todo vapor para re-

guai, além dos turistas que permanecerão na ca-

III Fórum de Oportunidades para o Comércio – Copa do Mundo 2014

pital mineira entre os meses de junho e julho.

Durante o III Fórum de Oportunidades para o Co-

Dentre as 32 seleções que ficarão no país du-

mércio – Copa do Mundo 2014, que ocorreu na ma-

rante o mundial, três escolheram a capital mi-

nhã do dia 11 de março, na CDL (Câmara de Diri-

neira para ser a sua base durante o campeonato.

gentes Lojistas), foram apresentadas as propostas para

Argentina se estabelecerá na Cidade do Galo,

o comércio no período do mundial. O vice-presiden-

situada em Vespasiano, região metropolita-

te da CDL, Anderson Rocha, declarou que o objetivo

na de Belo Horizonte, enquanto Chile esco-

foi tranquilizar todos em relação a mundial na cida-

lheu a Toca da Raposa, na Pampulha e Uruguai

de, em função dos acontecimentos da Copa das Con-

optou pela Arena do Jacaré, em Sete Lagoas.

federações em 2013 e também teve como meta focar

ceber as delegações da Argentina, Chile e Uru-

no momento oportuno para Belo Horizonte e Minas Gerais na inserção do turismo a nível mundial. Em decorrência das manifestações na Copa das Confederações, as medidas de segurança para o mundial aumentaram. De acordo com o coronel Antônio Bettoni, gestor extraordinário para a Copa do Mundo, ainda estão definidas estratégias para retirar as pessoas que estiverem com intenção de danos ou provocação de tumulto, mas as táticas que serão empregadas para esse fim não serão apresentadas. A respeito do uso das Por Gabriel Amorim (4º período) Juliana Costa (5º período) Luna Pontone (3º período) Jornalismo Multimídia Foto: Juliana Costa

máscaras por parte dos manifestantes, coronel Bettoni afirma que a polícia só atuará se os acessórios impedirem a identificação das pessoas durante a manifestação.


copa

fevereiro/marรงo de 2014 11


copa

12 fevereiro/março de 2014

Por Gabriel Amorim (4º período) Jornalismo Multimídia Foto: João Alves

ESTRATÉGIAS DE AÇÃO DA PM E OAB PARA A COPA À medida que a Copa do Mundo se aproxima, vogados Marco Aurélio Corrêa prestou auxílio os detidos, ao contrário de serem encaminhaas articulações contra as manifestações já se ini-

jurídico aos manifestantes detidos durante os dos para uma Delegacia, foram encaminhados

ciam. A inteligência das Polícias Civil e Militar

protestos do ano passado. Em 2014, o advoga- a um quartel da PM”, relembra o advogado.

já traçam planos para a identificação de quem

do se mantém motivado e conta que para os

cometer atos de vandalismo, além de planejar

atos contra a Copa ainda não há uma articu- tações, Marco Aurélio destaca que o de maior

ações para efetuar a prisão preventiva de ma-

lação definida pelos voluntários, mas já existe dificuldade foi o flagrante do poeta Wander-

nifestantes que ainda respondem processo. O

o apoio do Sindicato dos Advogados de Mi- son Novato ao tentar incendiar um ônibus.

gestor extraordinário para a Copa do Mundo, nas Gerais, além de outros grupos de apoio

Dentre os casos atendidos durante as manifes-

Marco Aurélio classifica como exemplar a atua-

coronel Antônio Bettoni, afirmou que a PM

jurídico como o Coletivo Margarida Alves. ção do Ministério Público de Minas Gerais, que

vai trabalhar com recursos de identificação dos

O auxílio jurídico não foi uma tarefa fá- criou uma comissão de prevenção à violência nas

manifestantes. Ele disse ainda que, enquanto

cil para os voluntários, pois a Polícia Militar manifestações, constituído por representantes de

houver conflitos de interesse, haverá ações nes-

de Minas Gerais dificultou o processo de aju- grupos de direitos humanos, representantes das

se sentido. “Nós precisamos agir usando inter-

da aos detidos, segundo Marco Aurélio. Ele re- polícias Civil e Militar, manifestantes e advoga-

venções que possam identificar pessoas que ge-

lembra uma situação em que um grupo de dos voluntários. “Gerou uma rica vivência e, se

ram tumultos na via pública”, afirma o coronel. manifestantes detidos não foram encaminha- não tivemos mais mortos e mais feridos, atribuo A fim de defender os direitos civis dos ma-

dos a uma Delegacia, como deveria ser feito. à contribuição e esforços coletivos que se mate-

nifestantes, o secretário do Sindicato dos ad-

“Houve um caso, extremamente grave, em que rializaram nesta Comissão.” explica o advogado.


fevereiro/março de 2014 13

cidade

PAIXÃO PELOS LIVROS Por Grazielle de Souza (6º período) Sílvia Fernandes (6º período) Ursulla Magro (6º período) Jornalismo Multimídia Foto: João Alves

O cheiro, a luminosidade, o tato com o papel, o silêncio, e até o paladar… Características que são próprias do ambiente de uma livraria fazem com que muitos prefiram comprar livros pessoalmente – ainda que o mesmo exemplar na internet esteja mais em conta. As livrarias de rua são uma pausa na rotina. Poltronas confortáveis possibilitam que os clientes usufruam de um momento único: o de folhear um livro. “Nosso leitor é exigente e por isso fazemos um trabalho elaborado”, explica a gerente da livraria Mineiriana, Mariana Carvalho. Os vendedores devem estar envolvidos com o universo literário e, por isso, são escolhidos a dedo. “São, normalmente, estudantes universitários das áreas de Letras e Filosofia, que entendem do mercado editorial”, explica. Além disso, o local promove eventos e possui um espaço de café, onde são realizados bate papos com autores e saraus. A publicitária Laura Camarano diz que não há comparação entre a internet e numa livraria de rua: “gosto mesmo é de folhear as páginas”. Para ela, “namorar” um livro online, “não tem o mesmo romantismo”. Alencar Perdigão, da livraria Quixote, define seus leitores como “amantes da literatura”. “Gosto do ambiente calmo e tranquilo daqui, me sinto mais relaxado para fazer minhas leituras”, comenta Francisco da Cunha, frequentador da livraria. ESTANTE LIVRE O livro pode até convidar a uma viagem durante a espera pelo transporte público. O projeto Ponto do Livro Belo Horizonte utiliza pontos de ônibus como espaço para compartilhar o prazer de ler. No ponto, uma cortina transparente com bolsos para guardar e levar os livros tem atraído o olhar de curiosos nos pontos da Praça da Liberdade. Os empréstimos são gratuitos e doações ocorrem espontaneamente. “Pegue, leia, traga e doe”, diz o display. Na cidade, parceiros privados apoiam a ideia, mantida pelo Circuito Cultural da Praça da Liberdade e Governo do Estado. A estudante de arquitetura, Adriana Campos, já doou dois livros e está com um de empréstimo. Ela torce para que o projeto alcance outras regiões: “moro no Barreiro e trabalho na Savassi; passei a descer um ponto antes do meu para olhar os livros”.


saúde

14 fevereiro/março de 2014

No Brasil, morrem, em média 4.800 mulheres bilidade”, explica o professor titular do Departavítimas do câncer de colo do útero por ano.A prin- mento de Pediatria da Faculdade de Medicina da cipal causa é o vírus papliloma humano, o HPV. UFMG, Jorge Pinto. Apesar disso, o professor gaO vírus é sexualmente transmissível e a preven- rante que “pelos estudos e pelo tempo de uso de ção se dá pelo uso de camisinha e pela vacinação. experiência acumulada, posso afirmar que é uma O governo federal lançou, no dia 10, a cam- vacina com perfil de segurança bastante favorável”. panha de vacinação contra o HPV voltada para

É recomendado que, após a imuniza-

garotas entre 11 e 13 anos. “Nessa idade, a maio- ção, a menina permaneça no local de vaciria das meninas ainda não teve contato com o ví- nação por 15 minutos. A medida possibirus”, explica a diretora epidemiológica do Minis- lita o acompanhamento no caso de reação. tério da Saúde de Minas Gerais, Márcia Cortez.

A campanha continua até 2016, e o governo

Ao todo, foram investidos 465 milhões na com- espera imunizar pelo menos 80% das meninas pra de 15 mil doses da injeção. A vacina, chama- na faixa de 9 a 13 anos. No estado, a Secretada quadrivalente, é considerada a mais completa, ria de Saúde estima que, 407.261 meninas sepois atua nos tipos de vírus causadores de câncer jam vacinadas nesta 1ª etapa que ocorreu até o e de verrugas genitais. Ela foi distribuída na rede dia 31 de março. Em setembro, será liberada a publica de saúde e nas escolas publicas e privadas. 2ª dose da vacina e uma última dose, para adoPRECAUÇÕES E PREVENÇÃO

lescentes entre 11 e 13 anos, está prevista para

No início da campanha, houve casos de efeitos daqui a 5 anos. Em 2015, a vacina será dispocolaterais. “Sempre existe uma possibilidade de nibilizada para crianças entre 9 e 11 anos e, em qualquer vacina ter reação adversa ou de sensi- 2016, somente para crianças com nove anos.

HPV: CAMPANHA CONTINUA ATÉ 2016 Por Juliana Costa (5º período) Jornalismo Multimídia Foto: Internet


fevereiro/março de 2014 15

cinema

O FILME QUE CONQUISTOU BERLIM

O

curta “Eu

quero

voltar

sozinho” foi

grava-

do em 2010. O elenco ficou mais velho, assim como a equipe. Como foi o processo de criação e concepção do filme e personagens ao longo desse tempo? Daniel Ribeiro: Durante estes três anos, cada um acabou seguindo um caminho diferente. Durante este período, eu me dediquei a escrever o roteiro e também a captação de recursos pro filme. Felizmente, assim que a pré-produção começou no fim de 2012,

Baseado no curta de sucesso “Eu não

toda a química que havia entre o elenco e também entre a equipe,

quero voltar sozinho”, o filme “Hoje

voltou com a maior naturalidade e, melhor ainda, cada um com a

eu quero voltar sozinho”, de Daniel

bagagem que trouxe das experiências individuais dos últimos anos.

Ribeiro, ganhou os críticos em Berlim

O longa conquistou Berlim, tanto que levou o prê-

e os prêmios Fipresci pela crítica e o

mio Fipresci da crítica e escolha do publico. Qual é a

Teddy, destinado a filmes com temá-

maior característica do filme para fisgar o espectador?

ticas LGBT. O primeiro trabalho do

DR: Apesar do filme ser sobre um jovem cego se descobrindo gay, o

diretor, lançado em 2011, conta com

foco é na descoberta do primeiro amor e na expectativa do primeiro

mais de três milhões de visualizações na

beijo. Esses são assuntos que qualquer pessoa consegue se identificar.

internet e serve de prévia para o longa,

Nos seus trabalhos anteriores você aborda o tema da

que tem sua estreia marcada para 10 de

homossexualidade, mas de uma forma delicada. É uma

abril. Daniel Ribeiro conversou com o

preocupação em não trazer o homossexual estereotipado?

CONTRAMÃO sobre a produção do

DR: O que eu queria era retratar personagens homossexuais que

filme e o amadurecimento dos atores.

não veem a descoberta da sua sexualidade como um problema. Me

Por João Alves (5º período) Publicidade e Propaganda Foto: Divulgação

preocupo em focar no que há de parecido e universal em personagens.

ONLINE: Leia a entrevista na íntegra


16 fevereiro/março de 2014

PRIMEIRA FASE DO MOVE EM BH

economia

Por Julia Canuto (6º período) Regilane Dias (6º período) Rute de Santa (6º período) Jornalismo Multimídia Foto: William Gomes

O Move, nome dado ao BRT (sigla para Transporte Rápido por Ônibus em inglês), foi inaugurado no dia 8 de março. No primeiro dia de funcionamento, o Move agradou os usuários pois, mesmo as linhas circulando com todos os lugares ocupados, a rapidez compensou o tempo de espera nas estações. Os passageiros puderam embarcar em três linhas: a 83D (Estação São Gabriel ao centro), 83P (mesmo trajeto, com paradas nas estações de transferência) e 82 (com paradas nas estações, seguindo pela avenida dos Andradas em direção à área hospitalar e Savassi). Segundo a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), o Move estará disponível entre 4h às 23h. Ao contrário dos elogios, alguns usuários reclamaram da falta de informações, sinalizações e infraestrutura nas estações de integração. Entre as reclamações estão a distância entre o Move e a plataforma de desembarque e embarque, a dificuldade na abertura das portas e o despreparo dos agentes responsáveis por dar informações nas estações. Existem também algumas dificuldades para as pessoas com qualquer tipo de necessidade especial. Segundo a presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Kátia Ferraz, há a falta de rampas de acesso às cabines de transferência na avenida Cristiano Machado. Kátia, que é cadeirante, explica que a rampa está com uma inclinação acentuada, o que dificulta a subida com a cadeira; o piso de bolinhas, adequado para os cegos, está liso, e ao entrar no ônibus o desafio será o espaço que há entre o veículo e a plataforma. “Nós do conselho estadual acionamos o Ministério Público Estadual e Federal para que eles ajudassem a exigir o cumprimento das normas de acessibilidade, para que o cidadão tenha acesso ao serviço e menos desgaste possível”, afirma Kátia. Apesar das reclamações sobre a falta de estrutura para as pessoas portadoras de necessidades especiais, o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda informou que o Move vai atender as expectativas, pois tem uma boa rampa e ainda será instalado um elevador, para facilitar a locomoção.

Jornal Contramão Edição 27  

Edição 27 do Jornal-laboratório Contramão, do curso de Jornalismo Multimídia, do Centro Universitário UNA.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you