Page 1

INFORME Abril, 2018 - Edição 12

1

Revista Oficial da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NA

Fidae 2018

VERDE AMARELAS

ENTREVISTA

TÚNEL DO TEMPO

Secretário da Seprod apresenta o foco de atuação para o ano

Akaer e a busca por novos mercados

Alltec há mais de 20 anos dedicando-se ao setor aeronáutico


2

Presença local, confiança global. Todos os dias, clientes militares e comerciais no Brasil contam com as soluções da Rockwell Collins. Com presença no país há mais de 40 anos, nossos funcionários em São José dos Campos projetam, desenvolvem e produzem soluções inovadoras para sistemas

ROCKWELL COLLINS NO BRASIL > Capacidade local de engenharia em aeronaves de asa fixa e rotativa, civil e militar

aviônicos, de comunicações e prestação de serviços, tanto para

> Experiência inovadora em comunicações em rede

plataformas comerciais como para militares. Estamos empenhados

> Centro de manutenção e serviço no país

em atender às suas necessidades e contribuir para manter a tradição de inovação no Brasil, no setor aeroespacial e de defesa, com nossa transferência de tecnologia. Visite-nos na FIDAE, Pavilhão E, estande 7, e no Pavilhão Brasileiro.

rockwellcollins.com/brasil © 2018 Rockwell Collins. Todos os direitos reservados.

> Investimentos permanentes com instalações recém-inauguradas


INFORME

3

ÍNDICE

Ano 05 – Número 12

04 | EDITORIAL Segurança Pública e chancela governamental

EXPEDIENTE

05 | VERDE AMARELAS Seprod aposta na internacionalização para alavancar o mercado de Defesa 08 | TECNOLOGIA Consub investe em tecnologia dual e expande atuação nos mercados nacional e internacional

REALIZAÇÃO Rossi Comunicação Diretora de Produção e Edição Valéria Rossi

10 | POR DENTRO DA ABIMDE Pavilhão Brasil promete ser um dos grandes destaques da Fidae 2018

Diretora de Arte Luciana Ferraz

11 | TÚNEL DO TEMPO Alltec: duas décadas dedicadas ao desenvolvimento tecnológico do Brasil

Redação e Edição Karen Gobbatto Redação Denise Kelen

14 | EMPRESAS E MERCADO Akaer expande atuação no Brasil e abre frentes no mercado internacional

Revisão Adriana Del Ré

16 | TRAJETÓRIA Mac Jee cresce e se torna 100% nacional

ABIMDE CONSELHO DIRETOR Presidente Carlos Frederico Queiroz de Aguiar

18 | RADAR Brasil já tem um Radar OTH. Equipamento é um marco na segurança do País

1º Vice-Presidente Antonio Marcos Moraes Barros Vice-Presidente Francisco Antônio de Magalhães Laranjeira André Amaro da Silveira Celso José Tiago Sérgio Dias da Costa Aita Diretor Wilson José Romão Eduardo Marson Ferreira Astor Vasquez Lopes Júnior Leonardo Mendes Nogueira José de Sá C. Jr

28 | PRÊMIO ABIMDE AEL e Atech vencem Concurso de Engenharia da Abimde 29 | ANUÁRIO BID BRASIL Abimde lança primeiro Anuário da Base Industrial de Defesa

Suplentes André Nestor Bertin Ricardo Martins Albuquerque Roberto Alves Gallo Filho

Diretores Vice-Presidente Executivo José Cláudio Manesco Diretor Técnico Armando Lemos

22 | POLO DE DEFESA Anápolis dá a partida para o mais novo polo de defesa do País 24 | POLÍCIA MILITAR Comandante da PMESP fala da relação com a BID e como o setor pode atender às demandas da polícia

CONSELHO FISCAL Titulares Beatriz V.X. Rosa Nicolau Alves Sebastião Armando M. Repinaldo

Conselho Consultivo Sami Youssef Hassuani Marcílio Boavista da Cunha Marcélio Carmo de Castro Pereira Fernando Ikedo Cláudio Augusto Joaquim Moreira

20 | INTELIGÊNCIA Atech leva sua inteligência para o Chile com a Família Arkhe

30 | ABIMDE Abimde tem novo vice-presidente executivo e já prepara participação na Laad Security 2018 32 | ROTEIRO FIDAE 2018

INFORME Abril, 2018 - Edição 12

INFORME ABIMDE é uma publicação da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE) Avenida Paulista, 460, 17o andar, conjunto B, Bela Vista, CEP 01310-000 Tel./Fax: (11) 3170-1860 Escritório Brasília:(61) 8183-0034 Lourenço Drummond Lemos

1

Revista Oficial da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NA

Fidae 2018

Produção Editorial

Diretor de Projetos Rossi Comunicação Paulo José de Albuquerque Campos Relações Institucionais Lourenço Drummond Lemos Coordenador de Projetos Adriano Augusto de Souza

Correspondência Rua Carlos Sampaio, 157, Mezanino, Bela Vista, São Paulo, SP | CEP 01333-021 Tel.: (11) 3262-0884 informeabimde@rossicomunicacao.com.br Foto capa: Reprodução Gráfica: Duograf

VERDE AMARELAS

ENTREVISTA

TÚNEL DO TEMPO

Secretário da Seprod apresenta o foco de atuação para o ano

Akaer e a busca por novos mercados

Alltec há mais de 20 anos dedicando-se ao setor aeronáutico

31 | CAPA 50 empresas estarão no Pavilhão Brasil nesta edição da Fidae 2018


4

EDITORIAL

N

SEGURANÇA PÚBLICA E CHANCELA GOVERNAMENTAL

Divulgação

esta edição da Revista Informe Abimde, especial Fidae 2018, gostaríamos de tratar de um tema que tem demandado muita atenção de toda a Base Industrial de Defesa e do governo brasileiro: a segurança pública. Esse é um assunto central em nossa sociedade e primordial para o desenvolvimento, a atração de novos negócios e a garantia da qualidade de vida de nossa população. Passamos boa parte de 2017 buscando popularizar esse debate para que fosse inserido na pauta de prioridades de nossas autoridades. E, com a criação do mais recente Ministério Extraordinário da Segurança Pública, que tem o Ministro Raul Jungmann no comando da pasta, uma nova perspectiva surge. A sociedade vive momentos de grande insegurança e, somente com uma política pública de médio e longo prazos, vamos conseguir lograr êxito nessa guerra vivida dentro das cidades brasileiras. Se deixarmos o debate de lado, a situação atual ficará, cada vez mais, difícil de ser enfrentada, o que demandará mais investimentos e perdas importantes, principalmente para a sociedade brasileira. Com o novo ministério, surge um alento para a população e temos esperanças de que muitas das políticas defendidas pela iniciativa privada possam sair do papel. A LAAD Security em abril próximo será uma ótima oportunidade para que o empresariado brasileiro mostre o quanto nossa indústria está preparada para contribuir com as ações necessárias para combater o crime organizado.

Carlos Frederico Aguiar Presidente da Abimde

Aproveitamos também o momento em que estamos nos preparando para participar novamente de uma expressiva feira internacional, como é a Fidae 2018, para ressaltar o quanto nossa indústria de defesa avançou em capacidade instalada e em desenvolvimento tecnológico. Mais uma vez, montamos o Pavilhão Brasil na Fidae, com a presença de dezenas de empresas associadas e contando com a sempre importante parceria da Apex-Brasil (Agência Nacional de Promoção de Exportações e Investimentos). Nossos produtos e serviços vêm ganhando mercado internacional ano a ano e isso não nos surpreende. É fruto de um trabalho estratégico e bem sedimentado que vem sendo realizado em busca de novos mercados. E comemoramos a cada nova missão internacional o quanto nossa indústria é reverenciada. A cada nova missão, contratos são firmados, parcerias são fechadas e mais mercados passam a contar com a qualidade dos produtos da BID. Mas ressaltamos: isso somente continuará ganhando eco internacionalmente com a parceria constante e permanente do Governo Brasileiro, por meio do Ministério da Defesa, do Ministério das Relações Exteriores, do recém-criado Ministério Extraordinário da Segurança Pública, bem como das três Forças. Somente com a chancela governamental, nossa indústria será capaz de fazer frente à concorrência internacional. O setor de defesa, por ser estratégico e por atuar com o objetivo maior da manutenção da soberania nacional, deve receber atenção especial.


5

VERDE AMARELAS

INTERNACIONALIZAÇÃO É O FOCO por Karen Gobbatto

P

recisamos ter resiliência e coragem para avançar em outros mercados” – essa foi a mensagem principal que o Secretário da Seprod (Secretaria de Produtos de Defesa), Flávio Basílio, passou para os empresários do setor, durante entrevista sobre as expectativas e os projetos para 2018. Para isso, o Ministério da Defesa tem trabalhado para ampliar as missões empresariais por diversos países. Europa e Ásia devem ser os próximos destinos. Para garantir essa internacionalização, algumas políticas são prioridade para o Ministério, como a PNID e de Offset, ambas em tramitação, além de linhas de crédito específicas para o setor. Confira a entrevista completa concedida à Revista Informe Abimde. Informe Abimde – Quais as expectativas para 2018 na área de Defesa? SECRETÁRIO FLÁVIO BASÍLIO - 2018 é um ano de consolidação da economia, retomada do crescimento econômico e consolidação fiscal. Então, do ponto de vista fiscal, a expectativa é de manter os projetos estratégicos para que eles possam alcançar o êxito, ou seja, para que se possa entregar o que foi acordado anteriormente. Também esperamos que haja aumento nas exportações e uma constante consolidação da Base Industrial de Defesa (BID), a partir de novos instrumentos que estão sendo desenvolvidos. Entre eles uma nova política de importação e exportação de produtos defesa, para agilizar processos. Além disso, passamos a integrar a Camex (Câmara de Comércio Exte-

rior) e, com isso, vamos reforçar os instrumentos de promoção do setor no mercado internacional. IA - Quais as prioridades da Seprod neste ano? SECRETÁRIO - As nossas prioridades para 2018 são publicar: a Política Nacional de Importação e Exportação de Produtos de Defesa; a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID); e a Política de Offset. Além disso, para este ano, temos o primeiro projeto-piloto das Diretrizes Conjuntas de Obtenção, para a aquisição conjunta de produtos e serviços pelas três Forças. Um outro enfoque será o de dar suporte às nossas empresas a partir de uma visão voltada para o mercado internacional. Para isso temos uma linha de financiamento do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), apoio do Fundo Garantidor para exportação, visando aumentar a inserção internacional de nossas indústrias e produtos. Vale reforçar que a linha de financiamento exclusiva do BNDES para atender o setor está operando. Empresas como Avibras e Embraer já submeteram projetos. Mas precisamos que o empresariado da BID traga propostas e projetos concretos dos países compradores para que possamos colocar essa linha de financiamento em prática, efetivamente. Como é algo novo, os empresários brasileiros precisam convencer o país de interesse que nosso produto é melhor e, para isso, estamos apoiando o setor com essa nova diplomacia de defesa para aumentar nossas exportações e nossas vendas. IA – Com relação à legislação, o que o empresariado

pode esperar para potencializar os negócios? SECRETÁRIO - A Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID) avançou muito. Ela vai institucionalizar o PAED (Plano de Articulação e Equipamento de Defesa) e também trará alguns princípios em relação ao fomento da BID, com a definição de questões em relação ao Programa de Exportação, que passa a atender a Defesa. A PNID também vai dar suporte, simetria tributária e segurança para o empresariado que investe em Pesquisa e Desenvolvimento. Essa política vai ser encaminhada para aprovação do Congresso Nacional. Agora, temos outras duas políticas que estão acordadas e em tramitação final na Casa Civil – a PNPROD e a Política de Offset. A PNPROD vai reduzir o tempo de análise para exportações de produtos de defesa, dando mais agilidade aos processos, ao desburocratizá-los. Já em relação ao Offset, buscamos uma maior racionalidade econômica em relação ao uso de offset, visando fortalecer a Base Industrial de Defesa. IA - Como a Seprod tem atuado na internacionalização da BID e como fomentar ainda mais essas ações? SECRETÁRIO - Vamos continuar nesse processo de internacionalização. Este é um trabalho contínuo. O objetivo é mantermos, na medida do possível, a participação de nossas empresas em feiras internacionais, não só com o apoio da Apex-Brasil, mas também com a presença de representantes do Ministério da Defesa e de representantes das Forças nesses eventos, o que não vinha sendo tão explorado. Também vamos em busca de novos


6

Tereza Sobreira/MD

incentivos às exportações com a organização de novas rodadas de negociações. Para este ano, estamos prevendo nossas missões empresariais pela Ásia e Europa. Esses comunicados já foram feitos aos governos de interesse e estamos em processo de organização. Mas a ideia é ampliar essas missões que têm gerado bons resultados. No ano passado, tivemos missões para os Estados Unidos, Portugal, México e países do Oriente Médio, com o registro de fechamento de vários acordos e contratos de novos negócios assinados, porém, não podemos detalhar esses contratos por serem sigilosos. Enfim, precisamos manter a resiliência e acreditar em nosso projeto de internacionalização, principalmente, precisamos ter coragem de acessar e ganhar novos mercados. Algumas empresas já estão seguindo por esse caminho, mas outras precisam entrar nesse projeto e ampliar a atuação brasileira no mercado internacional. IA - Como você avalia a parceria com a Abimde e como a entidade atua na projeção das empresas nacionais? SECRETÁRIO - A parceria entre Ministério da Defesa e Abimde é fundamental para o desenvolvimento do setor. A Abimde é a entidade representativa do setor e tem um papel cada vez mais crescente e mais próximo do Ministério, com o objetivo de fortalecer a BID. É um vetor fundamental para aproximar o governo do empresariado. No passado, o Ministério da Defesa tinha apenas relação com a Abimde e com as Forças Armadas. A gente não olhava para dentro do próprio governo, para o Ministério da Fazenda e das Relações Exteriores, por exemplo, e não tínhamos participação estratégica na pauta de governo. Nossa visão é de que, sim, a Defesa deve integrar a pauta de governo e ser uma área estratégica para o país.

Secretário Flávio Basílio


Griffin

Consultoria em Negócios

A Griffin Consultoria oferece para a Indústria de Defesa serviços econômicos, contábeis e jurídicos para otimização econômico-financeira, logística, comércio exterior e do reflexo tributário por vantagens fiscais específicas, e as mais vantajosas condições para ampliar o diferencial competitivo de sua empresa:

• Incentivos Fiscais (Programas: Produzir; ComexProduzir; LogProduzir...), com redução de até 73% do ICMS; • ICMS de 4% nas saídas de aeronaves, peças e acessórios, veículos militares, peças e acessórios e outras mercadorias (Convênio CONFAZ/ICMS 75/91 e Convênio CONFAZ/ICMS 95/2012); • Linhas de crédito do FCO e do BNDES específicas para produtos de defesa e segurança; • Uso de ativos ambientais originários de conservação de florestas nativas para pagamento de obrigações fiscais; • Localização estratégica que facilita e reduz os custos com a distribuição; • Plataforma Logística Multimodal, com total integração dos modais rodoviário, ferroviário, aéreo e hidroviário; • Aeroporto de Cargas para aeronaves de grande porte; • O maior Centro de Convenções do Centro-Oeste brasileiro; • Estação Aduaneira de Interior dotada de CR da DFPC para movimentação, armazenamento e movimentação de produtos controlados. • Projetos para a obtenção do TR e do CR perante a DFPC para produtos controlados e empresas do setor de defesa e segurança.

Mais informações: www.griffinconsultoria.com.br arruda@griffinconsultoria.com.br (62) 99474-1869


8

TECNOLOGIA

A

CONSUB LEVA TECNOLOGIA DUAL PARA FIDAE

Com reconhecimento histórico, empresa apresenta para 2018 novidades na forma de atuação e segmentação dos produtos

Consub, empresa 100% nacional, será um dos destaques da 20ª edição da Fidae, no Chile. Conhecida como a ‘joia da coroa da Marinha’, a empresa é especialista em sistemas de defesa, comando e controle, e que há 20 anos produz os sistemas de controle tático e de armas dos navios de superfície de nossa esquadra. Para este ano, a empresa quer mostrar toda sua expertise naval e apresentar novos produtos e sistemas para o mercado civil e militar. “Fazemos parte da história da Marinha brasileira e continuamos fortes contribuindo com esse setor. E agora vamos expandir nossas soluções em tecnologia para os segmentos civil e outras Forças Armadas”, diz o CEO da Consub, Antônio Lucas, ao falar sobre o status atual da companhia. Especificar, projetar, desenvolver e integrar complexos sistemas são os objetivos da organização, que tem como principal meta para 2018 a ascensão das áreas de negócios no Brasil, na América Latina, na África e na Europa e a diversificação de produtos.

por Denise Kelen

“Estamos trabalhando para sermos uma empresa de tecnologia internacional, aberta para atender a todos os segmentos, incluindo desenvolvimento de softwares e monitoramento de fronteiras. Para o mercado civil, temos planos nas áreas de rastreamento, bilhetagem e cidade inteligente. A nova Consub também está focada na melhoria da qualidade e na capacitação dos seus profissionais”, ressalta Lucas. Em 2017, a Consub foi adquirida pelo empresa brasileira do grupo ATP, que possui 25 anos de experiência no controle de companhias de energia, infraestrutura, engenharia, arquitetura e desenvolvimento imobiliário. Segundo Antonio Lucas, a Consub almeja, com essa nova estrutura societária, reforçar seu nome como organização referência na área estratégica de defesa e fortalecer a presença da sua marca no segmento voltado para o mercado civil. Atualmente, a empresa está, portanto, dividida em duas diretorias – militar e segurança pública e desenvolvimento de negócios para a área civil.


9

A Consub foi responsável pelo desenvolvimento, instalação, integração e testes de Sistemas de Comando e Controle de Armas tecnologicamente avançados em diversas classes de navios da Marinha do Brasil. Também foi responsável pela criação de Laboratórios de Manutenção de Software e o Centro de Treinamento para os operadores das Fragatas. Agora, agregamos novas competências e expertises para desenvolver ainda mais soluções para os nossos clientes. A Consub

faz parte do Grupo ATP, o qual conta com 25 anos de

experiência e controla empresas de energia, infraestrutura, engenharia, arquitetura e imobiliária, com presença no Brasil, América Latina, África e Europa. Para representar toda nossa capacidade de transformação, atualizamos a nossa identidade visual, lançamos uma nova marca. Uma marca com foco no futuro, para uma empresa que busca criar e implantar ainda mais soluções para o desenvolvimento humano.

Tecnologia a serviço da sociedade.

Nossas Competência : Comando e Controle Reconhecimento e Controle Humano

Processos de Controle de Pagamento

Identificação Civil

Gestão de Energia

Controle e Planejamento Urbano

Gestão Tributária

Tratamento de Dados de Georeferenciamento

Empresa afiliada a:

Consub Soluções em Tecnologia Av. Rio Branco, 53 | Grupo 302 | Centro | Rio de Janeiro | RJ | Brasil Tel: +55 (21) 3554-3170 I www.consub.com.br


POR DENTRO DA ABIMDE

Divulgação

INTEGRAÇÃO

SamiArmando YoussefLemos Hassuani Diretor Técnico Presidente da ABIMDE

O

Brasil participa, mais uma vez, com destaque, reunindo mais de 50 empresas nacionais em um pavilhão único da Fidae 2018, agora na sua 20ª edição. A posição conciliadora do Brasil, sua extensão e sua posição geográfica privilegiada fizeram com que conquistasse prestígio diplomático regional e mundial, o que vem contribuindo para atuação de nossas empresas no mercado sul-americano e na primordial integração com as demais bases industriais de defesa do continente. A indústria da defesa e segurança, sendo um destacado polo gerador de tecnologia e de produtividade na economia, além de ser um dos pilares de sustentação da soberania das nações, assume, nos momentos atuais, um importante papel no cenário que se apresenta aos países sul-americanos para o enfrentamento aos delitos transfronteiriços e desafios internos de segurança. Mecanismos concretos de confiança mútua motivam e aceleraram a criação de uma zona de paz e de maior segurança e cooperação entre os países latino-americanos, permitindo atingir o objetivo específico de promover o intercâmbio e a cooperação no âmbito da indústria de defesa, proporcionando a integração das suas bases industriais e, propiciando, assim, maior autonomia estratégica regional. A indústria de defesa e segurança brasileira que persegue sempre a sinergia com a sociedade a que busca servir, sendo irradiadora de desenvolvimento social, de tecnologia, de inovação, de renda e de emprego apresenta aos países amigos, nesta edição da Feira, uma grande variedade de produtos e serviços com alto valor agregado. Apresentando-se como uma oportunidade ímpar nos primeiros passos para a internacionalização das nossas pequenas e médias empresas, a Fidae 2018, temos a certeza, irá superar as expectativas e repetir o brilho de suas edições anteriores. Os meus desejos de sucesso e bons negócios a todos!

ABIMDE

10


TÚNEL DO TEMPO

ALLTEC

Duas décadas em prol do desenvolvimento da indústria aeroespacial e de defesa do País

Fotos: Divulgação

por Adriana Del Ré

H

11

á mais de duas décadas no mercado, a Alltec é uma empresa genuinamente brasileira e estratégica para a indústria de defesa, segurança e aeroespacial do País. Situada em São José dos Campos, desde a sua fundação em 1995, a empresa é especialista no desenvolvimento e na produção de estruturas em compósitos de alto desempenho, voltada para os mais diversos segmentos. A Alltec tem expressiva participação em projetos como o de aviões militares (cargueiro militar KC390), submarinos (PROSUB), blindagem de veículos militares (Guarani), além de fornecer estruturas para radares de vigilância terrestres, mísseis, vants (veículos aéreos não tripulados) e foguetes do programa espacial brasileiro. Comprometida com sua missão de investir em pesquisa e desenvolvimento, a Alltec apresenta participação ativa em diversos projetos de inovação. “Investir em inovação para Alltec é assegurar o futuro sustentável da empresa, garantir a capacitação contínua de nossos colaboradores, e agregar valor e qualidade nos serviços e produtos oferecidos aos nossos clientes. Portanto, inovar é uma premissa da empresa desde sua fundação”, ressalta o diretor técnico José Lafaiete da Mota.


12

GESTÃO CONSCIENTE

de gestão, gerando como resultados: reduções de desperdícios, melhorias de qualiAlém de investimentos na capacitação téc- dade e reduções nos tempos de ciclos de nica de seus colaboradores e no desenvol- operação. vimento de novas tecnologias, a Alltec também mantém uma política consciente para É certificada na NBR 15100:2010 – SAE AS o melhor aproveitamento de seus processos 9100B, e busca continuamente melhoria em produtivos. Para isso, a empresa adota a ‘Fi- seus modelos de gestão, processos de tralosofia Lean’ como ferramenta de estratégia balho e qualidade de serviços e produtos.


13

PARCEIROS Atuar próximo a centros de pesquisas e universidades também é uma das missões da organização. Hoje, a empresa tem como parceiros a Universidade de São Paulo (USP), o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a Universidade Estadual Paulista (Unesp) e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (Ita). Faz parte do Arranjo Produtivo Aeroespacial, um Cluster Aeroespacial, localizado no Parque Tecnológico de São José dos Campos.

Atualmente, a Alltec conta com um quadro de 200 funcionários, altamente capacitados e treinados, distribuídos nos setores de qualidade, administrativo, engenharia, produção, gerenciamento e compras, atuando nas quatro unidades da empresa localizadas em São José dos Campos.

Para a gerente Juliana Machado da Mota, o objetivo é crescer ainda mais nos próximos anos e abrir novas frentes de trabalho e negócios para empresa. “Somos uma empresa capacitada e preparada para absorver gran“Essa relação com universidades e centros de des projetos de Defesa do País. E temos orpesquisas é extremamente importante para o gulho em contribuir com o desenvolvimento crescimento de nossa empresa. Nessa gran- e a autonomia tecnológica de nosso país.” de rede, nossa filosofia é dar e receber apoio. Uma rede colaborativa, onde todos crescem Com isso, a Alltec segue com sua história, juntos”, explica o diretor industrial, Euvaldo que combina alta capacitação de seus membros e tecnologias de última geração. Rodriguez Albaladejo.


14

EMPRESAS E MERCADO

AKAER EXPANDE NEGÓCIOS NO BRASIL E ABRE FRENTES NO MERCADO INTERNACIONAL

por Adriana Del Ré

Empresa brasileira, reconhecida pela expertise em desenvolvimento de projetos de engenharia complexos, expande seus negócios e passa a oferecer ao mercado soluções completas da concepção à execução. Também anuncia sua nova unidade em Portugal. A Akaer é hoje um dos grupos empresariais mais importantes do país. Fundado em 1992, o grupo abrange empresas como Equatorial, Opto Space & Defense, Akros e Troya. A companhia participa de projetos estratégicos para o Brasil como o cargueiro KC-390, da Embraer, o caça Gripen NG da Saab, e as câmeras MUX e WFI para os satélites do programa CBERS. Nesta edição da revista Informe Abimde, conversamos com o presidente da empresa, Cesar Silva, que nos falou sobre os novos rumos do grupo. Informe Abimde - A Akaer pretende usar seu know-how em projetos de revitalização e modernização de equipamentos e sistemas para as Forças Armadas. Como pretende fazê-lo? SILVA - O mais importante em um projeto de modernização & revitalização é conhecer profundamente as necessidades das Forças Armadas para poder identificar soluções que as atendam e que se adequem ao orçamento. Esse processo de identificação e desenvolvimento da solução mais adequada para cada caso passa pelo conhecimento das características técnicas de equipamentos e funções, mas também pelas características operacionais destes. Acredito que a Akaer esteja extremamente bem posicionada para atuar em modernização e revitalização para as Forças Armadas. Temos

vasta experiência tanto no desenvolvimento de produtos e sistemas como na participação em projetos de modernização e revitalização, e agilidade empresarial para encontrar e desenvolver parcerias de forma a complementar as soluções requeridas nos mais diversos cenários. São mais de 25 anos de experiência no setor aeronáutico e de defesa que totalizam quase seis milhões de “horas/homem” de engenharia. Participamos de praticamente todos os projetos da Embraer e também em projetos da Saab, Airbus, Boeing e Helibrás. IA - Num cenário onde governos e Forças Armadas do mundo todo passam por restrições orçamentárias, essa nova área da Akaer pode tornar a empresa mais competitiva? SILVA - Sim. As Forças Armadas precisam cumprir suas missões e, para isso, dependem de equipamentos operacionais. Num cenário de restrição orçamentária, a solução de melhor custo-benefício é a modernização & revitalização, que estende a vida útil e a eficiência dos equipamentos que as Forças Armadas já possuem. A Akaer traz também uma abordagem diferente da normalmente trazida pelas OEM’s e/ou fornecedores de equipamentos isolados, que, na maior parte das vezes, estão interessados na venda de um pacote existente. No caso da Akaer, as soluções buscadas têm um foco maior nas análises de engenharia que, em um primeiro momento, permitam a revitalização e/ou extensão da vida operacional das soluções existentes, com um mínimo de intervenção. IA - Em quais segmentos a empresa quer atuar?


15

SILVA - O Grupo Akaer atua em 4 áreas de negócios com múltiplas competências, atuando como integrador de programas; desenvolvimento e integração; serviços e consultoria; desenvolvimento tecnológico aplicado. No setor de defesa, a Akaer também tem buscado se posicionar e atuar em setores diversificados, que tenham como característica alta complexidade e sejam intensivos em engenharia, tais como: sistemas de guiagem e espoletas de mísseis, estrutura e integração de sistemas navais, integração de armamentos e sistemas em multiplataformas, treinamento e simulação, e manutenção de sistemas mecânicos, ópticos e de RF. IA - Como está estruturada a Akaer? SILVA - Em 2016, a empresa inaugurou sua nova sede dentro do Parque Tecnológico de São José dos Campos. A atual estrutura conta com 18.000 m2 de área construída, seis prédios e capacidade para acomodar cerca de 2.000 funcionários. O local conta com uma infraestrutura moderna, com laboratórios e equipamentos de ponta, capaz de absorver uma industrialização avançada com foco na alta tecnologia. O ambiente permitirá a consolidação da empresa como gestora de projetos Turn-key. O espaço também comportará a manufatura e a montagem de produtos. Haverá ainda um Centro de Testes Integrado, onde serão realizados testes estruturais e de fadiga, testes de powertrain, rigs de sistemas e iron bird, testes de inflamabilidade e toxicidade, além de qualificação ambiental. A nova sede tem também uma área para a integração de projetos de satélites e do cluster espacial. Além disso, temos a sede da Opto S&D, em São Carlos, que conta com uma infraestrutura moderna, laboratórios e equipamentos de ponta, incluindo uma área (chamada sala limpa) classe 10.000, que permite à empresa atuar em todo o ciclo de desenvolvimento, qualificação e fabricação de optrônicos para espaço e defesa.

Cesar Silva, Presidente

Foto: Divulgação

IA - Hoje, a Akaer agrega outras empresas. Quem compõe o grupo? SILVA - O Grupo Akaer é formado pela holding e por cinco empresas diretamente controladas: a Akaer Engenharia, a Akros (braço industrial dedicado a integrar a industrialização e manufatura de produtos de alta tecnologia), a Troya (empresa dedicada ao projeto, desenvolvimento e fabricação de ferramental, plataformas e automação), a Opto S&D (voltada para desenvolvimento de projeto e integração de tecnologias e produtos optrônicos), e a Equatorial (empresa de desenvolvimento, projeto e integração de sistemas espaciais e carga útil para satélites).

IA - Quais as perspectivas da empresa para os próximos anos? SILVA - Desde 2012, a Akaer está executando sua estratégia de crescimento e diversificação de forma a garantir a sustentabilidade de longo prazo da empresa. A estratégia consiste em três vetores: crescimento nas áreas core, diversificação para setores e tecnologias adjacentes, e internacionalização. Para os próximos anos, queremos alcançar nossa visão de nos tornar o melhor fornecedor de 1º nível na cadeia de serviços e produtos tecnológicos no setor de aeroespaço & defesa para o mercado brasileiro, e um importante ator no mercado mundial. Já demos importantes passos nessa direção com o estabelecimento do departamento de engenharia de manufatura em 2011, o maior investimento em manufatura avançada apoiado pelo Inova Aerodefesa, que vai de 2015 a 2019, além da recente entrada no mercado de ferramentais e plataformas em 2018 através da aquisição do controle acionário da Troya. Estamos consolidando nossa presença no mercado nacional através da expansão do portfólio de empresas, sempre focadas no desenvolvimento e na integração de tecnologias. Iniciamos nossa expansão para o mercado internacional no final de 2017, com a abertura de um escritório em Portugal, que será nossa base para atender toda a Europa. Estamos avaliando a abertura de mais dois escritórios em outros países.


16

COM 11 ANOS DE ATUAÇÃO, MAC JEE CELEBRA TRAJETÓRIA DE SUCESSO TRAJETÓRIA

C

om 11 anos no mercado, a Mac Jee é hoje uma das principais empresas da BID (Base Industrial de Defesa) do País. Ela será um dos destaques do Pavilhão Brasil, na Fidae 2018. Criada em 2007 com a proposta de distribuir componentes militares importados para o mercado nacional e sul-americano, não demorou muito para trilhar outros caminhos e partir para o desenvolvimento de projetos estratégicos para o segmento de Defesa. E essa mudança começou logo no ano seguinte à sua criação. Foi quando a empresa começou a desenvolver produtos para o mercado espacial e militar, como projetos especiais de cablagens, desenvolvimento de sistemas eletrônicos de alta complexidade, e manutenção e modernização de sistemas de armas e radares. Em 2010, a empresa passou a criar projetos especiais de sistemas eletrônicos completos para o setor de segurança pública, como carros de inteligência equipados com câmeras, sistemas de escuta, atendendo as polícias federal e militar, entre outros. Graças a parcerias com renomadas multinacionais, a Mac Jee também disponibiliza componentes e equipamentos de padrão militar, desde conectores, cabos, baterias especiais, até equipamentos completos como monitores militarizados, equipamentos de testes e ensaios operacionais, computadores de bordo, e outros tipos de sistemas. Muitos desses equipamentos e peças já são hoje desenvolvidos em sua fábrica, instalada na cidade de Jacareí, interior de São Paulo, e certificada com a ISO 9001 e AS 9100 – o que garante a qualidade dos produtos e suporte em todo Brasil. E a Mac Jee não para por aí. Em constante crescimento, a empresa, que teve sua origem na Irlanda, é hoje 100% nacional, e prepara-se para inaugurar seu mais novo escritório comercial, em São Paulo. E também já anuncia um braço no oriente médio.

por Adriana Del Ré


17

“Nossa história começou na Irlanda, mas, em pouco tempo, já estávamos no Brasil, e hoje posso dizer que somos uma indústria brasileira, parceira das Forças Armadas. E nosso objetivo é contribuir cada vez mais para o desenvolvimento tecnológico do País”, reforça o CEO da empresa, Simon Jeannot. Segundo Simon, um dos passos importantes para a história do grupo foi a fundação da Mac Jee no Brasil. “Hoje, somos 100% brasileira e independente”, reforça. Ele também atribui o sucesso da empresa às diversas parcerias e aquisições. Em 2015, a Mac Jee adquiriu uma empresa francesa de engenharia voltada para o desenvolvimento de sistemas de armas. “As parcerias são essencias para ganharmos ainda mais conhecimento e termos condições de desenvolver sistemas e tecnologias de alta complexidade aqui no Brasil.” Uma das vitrines da empresa é, sem dúvida, o Armadillo TA-2 – um sistema de lançamento de foguetes operado ou automático, projetado para retrair integralmente em seu veículo durante a fase não ofensiva. A plataforma de lançamento carrega três módulos, cada um contendo 16 foguetes de 70 mm, totalizando 48 disparos – tendo ainda mais 48 foguetes em um compartimento de recarregamento automático. “Nossa ideia foi criar e patentear um sistema simples, compacto, e que pudesse atender a demanda de carros menores com lançadores de foguetes para as Forças Armadas”, explica Simon. Atualmente, a Mac Jee prepara novas versões do sistema lançador de foguete: o Armadillo SHORAD e o Armadillo ATGM.

Ilustração

CONHEÇA O ARMADILLO O Armadillo TA-2 é uma plataforma patenteada de lançamento de foguete, modular, de 360°, com três módulos de disparo armados, cada um com foguetes de superfície plana de 16 70 mm de base dupla. Ao todo são 48 disparos. Seu sistema também dispõe de recarga de mais 48 foguetes. O desenvolvimento do sistema começou em 2015 e deverá ser finalizado no final deste ano.


18

RADAR

RADAR OTH – UM MARCO NA SEGURANÇA DO PAÍS Sistema foi desenvolvido pela IACIT em parceria com a empresa ELTA do grupo IAI e com apoio da Marinha do Brasil

J Foto: Divulgação

á está instalado no sul do país o primeiro Radar OTH (Over The Horizon – Além do Horizonte), na América do Sul. A versão brasileira do sistema, o OTH-0100, foi desenvolvida pela IACIT, empresa brasileira em parceria com a israelense ELTA Systems, e contou com apoio da Marinha do Brasil, que cedeu a área no Farol de Albardão, no Rio Grande do Sul para receber o radar. O sistema exclusivo e inovador será lançado durante a Fidae 2018, que acontece em abril, no Chile.

Foram cerca de sete anos desde o início dos estudos até o momento. Durante o ano de 2017, as equipes envolvidas realizaram os testes de calibração e de validação de dados do sistema. Hoje, o Radar OTH já está totalmente pronto e operacional para iniciar o monitoramento e vigilância das fronteiras marítimas do Brasil. Estrategicamente instalado na costa sul do Brasil, o Radar OTH será capaz de monitorar embarcações localizadas em até 200 milhas náuticas da costa, fazendo a vigilância das riquezas dos mares brasileiros dentro do limite de jurisdição nacional. O Radar OTH é essencial para detectar as embarcações que não transmitem sinal de AIS, conhecidas como embarcações “não cooperativas”. Para conseguir realizar esse monitoramento amplo, o Radar emprega o conceito “surface-wave” (ondas de superfície) que garante rastreabilidade de uma área maior, já que os sensores fazem uma “varredura” seguindo a curvatura da Terra, sendo mais eficiente que os radares convencionais que têm o alcance limitado pela linha de visada direta. Operando na faixa de HF, o Radar é capaz de monitorar centenas de quilômetros além do horizonte no ambiente marítimo. Além disso, o Radar emprega tecnologia “phased array” e um sistema específico de técnicas de eliminação de interferências, o qual proporciona uma confiável e persistente cobertura de ampla área marítima em todo o tempo, independentemente das condições meteorológicas ou condição do mar (sea state).


19

POR QUE UM RADAR OTH? O Brasil possui uma fronteira marítima de 4,5 milhões de quilômetros quadrados de costa. Nessa imensa faixa litorânea, estão 17 estados brasileiros, 16 capitais, mais de 30 portos públicos e quase 100 terminais privados. Além do perímetro costeiro, a região chamada de Amazônia Azul estende-se por uma área de 350 milhas náuticas, ou 648 quilômetros mar adentro, além de 200 milhas náuticas em torno das ilhas oceânicas. Monitorá-la é a garantia de que uma série de delitos serão prevenidos e até mesmo coibidos, como tráfico de armas, drogas e pessoas, contrabando de produtos, pesca irregular, contrabando das riquezas marinhas e muito mais. O órgão responsável por esse monitoramento é a Marinha do Brasil, que realiza esse trabalho com equipe e embarcações, rastreando toda essa área. Aliada a essa estrutura, o Radar OTH é uma garantia de que toda essa extensão permanecerá sendo coberta e monitorada de maneira ininterrupta e com precisão. Com o Radar OTH, qualquer movimentação suspeita poderá ser identificada para alertar as autoridades, que poderão deslocar recursos com mais assertividade.

CURIOSIDADES DO PROJETO Além da tecnologia exclusiva e extremamente inovadora empregada no desenvolvimento do radar, a instalação de todo sistema exigiu um trabalho de logística especial. Até chegar ao Farol de Albardão, as equipes precisam transpor mais de 150 quilômetros em uma localidade sem estradas regulares, com o uso de carros especiais. Para isso, IACIT contou com o suporte da Marinha do Brasil, que não só cedeu o espaço para instalação, mas foi fundamental na operação logística. Após a montagem da estrutura e do Radar, foram mais 12 meses de testes e aferições de dados para garantir o perfeito funcionamento do sistema.

ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS Buscando ganho de escala nas possibilidades de negócios no mercado global, as empresas IACIT e ELTA ampliaram o acordo para que ambas as empresas possam ofertar o radar OTH em territórios diversos.


20 20

INTELIGÊNCIA

O

setor de defesa e segurança não é composto somente de armamento pesado, a inteligência e mesmo a engenharia de sistemas são áreas fundamentais para o sucesso de missões. Com esse foco, a Atech, empresa brasileira do Grupo Embraer, conta com um portfólio completo para os diversos cenários que se apresentam no controle e na prevenção de ilícitos. Denominado Família Arkhe, o portfólio conta com soluções em sistemas de C4ISR (Arkhe Command & Control), sistemas embarcados em aeronaves e navios (Arkhe Mission & Combat), sistemas de inteligência (Arkhe Intelligence), segurança cibernética (Arkhe Cyber) e formação, simulação e treinamento (Arkhe Academy). São essas as principais soluções a serem apresentadas durante a Fidae 2018, que acontece de 3 a 8 de abril, em Santiago (Chile). Tais sistemas podem ser encontrados em diversos projetos desenvolvidos pela empresa tanto no Brasil quanto no exterior. A Atech conta com expertise de mais de 20 anos de história e está envolvida diretamente em alguns dos projetos estratégicos do Brasil, como o Programa Nuclear da Marinha do Brasil e o caça Gripen, da Força Aérea Brasileira (FAB), com a absorção de tecnologia crítica junto aos parceiros internacionais, para o desenvolvimento de soluções customizadas para cada projeto. Também já exportou a tecnologia para diversos países. O Arkhe Command & Control, por exemplo, está sendo implantado em um país na África, para monitoramento e controle de fronteiras e emprega soluções de planejamento, vigilância e monitoramento, que oferecem uma completa visão de cenário operacional para a tomada de decisões em uma missão. O Arkhe Mission & Combat pode ser encontrado no Programa H-XBR. Para o helicóptero de emprego naval H225M, a Atech desenvolveu o NTDMS (Sistema Tático para Gerenciamento de Dados Navais), em parceria com a Airbus Defesa. Já o Arkhe Intelligence oferece soluções para o processamento de grandes volumes de informações e de dados, transformando conhecimento em inteligência. O Arkhe Intelligence herda toda a experiência adquirida pela Atech em projetos na área de inteligência e processamento de informação como o SIVAM (Sistema de Vigilância da Amazônia). O Arkhe Cyber materializa no Athena uma solução robusta para prover segurança e alta disponibilidade a sistemas e infraestruturas, garantindo a integridade desse tão valioso bem que é a informação. É com o Arkhe Academy que a Atech evidencia diretamente o seu principal ativo: o uso do conhecimento. Ultrapassando os limites do treinamento, o Arkhe Academy tem por objetivo fomentar a gestão do conhecimento e preparar as estruturas do cliente para a formação e disseminação de doutrinas, operando sobre a plataforma Atech de simulação. Uma completa preparação de profissionais para atuarem em diversas áreas como Simulação de Operações Militares, Comando & Controle, ISR (Inteligência, Vigilância e Reconhecimento), entre outras. Já em aplicação em nossos clientes, constitui-se como o principal elo entre as diferentes soluções Arkhe.


21

The complete solution in Defense and Public Security

www.atech.com.br


22 22

POLO DE DEFESA

ANÁPOLIS NA ROTA DA BASE INDUSTRIAL DE DEFESA

por Leidiana Queiroz

A

Foto: Sgt Johnson / Força Áerea Brasileira

cidade de Anápolis é apontada como um dos melhores lugares para se investir e viver no Brasil, com clima ameno na maior parte do ano devido à altitude elevada. O município com quase 400 mil habitantes faz parte do segundo maior corredor de desenvolvimento econômico do país, situado entre as capitais Brasília (130 Km) e Goiânia (50 Km). Considerada a cidade mãe da capital federal, sua localização geográfica faz de Anápolis o “coração do Brasil” com o entroncamento de três importantes rodovias federais: a BR 153 (Belém-Brasília), a BR 060 e a BR 414, sendo que a BR 153 é o acesso ao Norte do país, ou seja, o portal da Amazônia. Além disso, o marco zero de interligação da Ferrovia Norte-Sul com os ramais da Centro-Atlântica (FCA) está no município, ambas integradas com o Porto Seco Centro Oeste. Trata-se de um terminal alfandegado privado de uso público, destinado à armazenagem e à movimentação de mercadorias importadas, ou destinadas à exportação. Na estação aduaneira, que fica dentro do Distrito Agroindustrial de Anápolis (DAIA), as empresas que operam em comércio exterior encontram todos os serviços próprios reunidos em um só lugar, com a presença constante da Receita Federal do Brasil; da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) - Ministério da Saúde; e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Além disso, segundo o superintendente do porto, Everaldo Fiatkoski, a estação de Anápolis é a única no Brasil com autorização federal para receber cargas militares. Pelos modais rodoviário e ferroviário, o terminal interliga todo o mercado do centro-oeste a outros pontos do país, transformando grandes distâncias em distâncias economicamente competitivas, e, em breve, estará in-

terligado com o aeroporto de cargas da cidade, previsto para ser inaugurado em abril deste ano, conforme informações do governo de Goiás, o que possibilitará a operação da Plataforma Logística Multimodal da cidade, consolidando assim o Polo Logístico de Anápolis. Outro importante empreendimento previsto para ser inaugurado na cidade ainda no primeiro semestre deste ano, também segundo o governo, é o centro de convenções da cidade que vai impulsionar ainda mais o turismo de negócios na região. INDÚSTRIA E UNIVERSIDADES O tripé estrutural do desenvolvimento de qualquer região (governo, indústria e academia) está muito bem alicerçado na cidade do interior goiano que tem cara de metrópole. Isso porque, além do Polo Logístico, estão consolidados em Anápolis os Polos Farmacêutico e Universitário, que contribuem para puxar outros setores como comércio e construção civil. As indústrias farmacêuticas instaladas dentro e fora do DAIA fazem da cidade o 2.º Polo Farmacêutico do país e o maior fabricante de genéricos da América Latina. A cidade possui 10 faculdades e dois centros universitários, além de um Instituto Federal. As principais instituições públicas são a Universidade Estadual de Goiás (UEG), sediada em Anápolis, com dois campos e um centro de aprendizagem e rede; e o Instituto Federal de Goiás, que, além dos cursos técnicos de nível médio, oferece cursos de graduação e mestrado. As principais instituições privadas são a Faculdade Católica de Anápolis, com duas unidades, o centro universitário Unievangélica e a Faculdade de Tecnologia Senai Roberto Mange, que oferece cursos de graduação nas áreas de exatas.


23

ALA 2 e GAP-AN Em Anápolis, está localizada a ALA 2 e o Grupamento de Apoio de Anápolis (GAP-AN), estratégicos e decisivos para garantir a segurança do espaço aéreo brasileiro. No projeto de reestruturação da Força Aérea Brasileira (FAB), além dos esquadrões Guardião (2º/6º GAV) e Jaguar (1º GDA), que já operavam na organização, o esquadrão Carcará (1º/6º) foi deslocado do Recife (PE) para compor a ALA 2. E, a partir de 2019, a unidade deve receber e sediar os caças suecos Gripen NG. POLO DA BASE INDUSTRIAL DE DEFESA Por causa de todos esses motivos e também outros ainda mais estratégicos, em meados de 2015, a Associação Comercial e Industrial de Anápolis (ACIA) teve conhecimento de que, pela perspectiva da Escola Superior de Guerra, Anápolis reúne as condições mais favoráveis para sediar um Polo da Base Industrial de Defesa, seguimento que compreende armas, munições, veículos blindados, aeronaves, satélites, roupas e calçados, dentre outros. E, em junho do ano seguinte, em reunião ordinária na associação, o presidente Anastacios Apostolos Dagios recebeu o então delegado regional da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG), o jornalista Gilberto Alves Marinho. Ele destacou que o eixo econômico Brasília/Anápolis/Goiânia, de acordo com estudos estratégicos do Governo Federal, vai ser, em 30 anos, o segundo mais importante do país, ficando atrás, somente, do eixo Rio/São Paulo. Isso significa mais investimentos públicos e privados, melhoria na qualidade de vida e mais avanços educacionais para a região, e também alertou que as lideranças de Anápolis precisavam se mobilizar. A partir das informações fornecidas pela ADESG, a ACIA intensificou a mobilização de todos os stakeholders do seguimento empresarial, universitário, classista, então Base Aérea de Anápolis, hoje ALA 2 e GAP-AN, Militar do Planalto (Exército) e do Fórum Empresarial da cidade, para perscrutar essa possibilidade. O resultado foi positivo, e a partir daí desencadeou uma série de ações coordenadas para a atração de empresas desse seguimento para o município e que tem dado resultados significativos. COMDEFESA-GOIÁS O Comitê da Indústria de Defesa e Segurança (COMDEFESA-GO) é resultado dessas ações. A iniciativa partiu da ACIA e teve o apoio incondicional da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG), que lançou o Comitê no dia 26 de janeiro de 2018 na Casa da Indústria, em Goiânia.

O comitê atende aos padrões preconizados pelo Ministério da Defesa (MD) e é composto pelos representantes de 26 sindicatos filiados à FIEG e de mais seis representantes de entidades setoriais ligadas à cadeia produtiva do setor e instituições de ensino e pesquisa. Por indicação do presidente da FIEG, Pedro Alves de Oliveira, o Comitê é liderado por Anastácios Apostolos Dagios, presidente da ACIA, e Wilson de Oliveira, vice-presidente da FIEG e presidente da FIEG Regional Anápolis. O segmento de Defesa é responsável pela geração de mais de 25 mil empregos diretos e 100 mil indiretos, movimentando anualmente mais de US$ 3,7 bilhões, sendo US$ 1,7 bilhão em exportação e US$ 2 bilhões em importação, segundo dados da Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde). ENTREVISTA Anastacios Apostolos Dagios Presidente da ACIA e do COMDEFESA-GO Informe Abimde - Quais as perspectivas de Anápolis com o novo Polo de Defesa do Brasil? Anastácio Apostolos Dagios - Anápolis se tornou o maior Polo Industrial do Estado com ciclos econômicos bem definidos: chegada da linha de trem (1936), construção de Goiânia (1947), construção de Brasília (décadas de 60/70), construção do DAIA (inaugurado em 1976), instalação do Porto Seco Centro Oeste (1997-1999) e agora a expectativa da inauguração do Aeroporto de Cargas da cidade. A perspectiva da classe empresarial com a implantação do Polo é que um novo ciclo de crescimento se instale no município como nos ciclos anteriores. IA - O que a Base Industrial de Defesa (BID) pode esperar desse novo Polo? AAD - Devido Anápolis já ter um Centro Industrial e Comercial já consolidado, a BID já encontrará as condições favoráveis necessárias, sobretudo com as facilidades que o Estado de Goiás já oferece; o acesso facilitado a recursos materiais devido à vocação logística da cidade e aos recursos humanos, com mão de obra especializada por causa das universidades presentes na cidade. IA - Quais as vantagens que a BID terá? AAD - A localização estratégica da cidade no centro do Brasil e com proximidade a Brasília possibilita uma logística boa e barata, os incentivos fiscais são de baixo custo e as condições de financiamentos são facilitadas (BNDS e FCO).


24

Foto: Divulgação

POLÍCIA MILITAR

Coronel PM Nivaldo Cesar Restivo

COMANDANTE GERAL DA PMESP FALA DE PRIORIDADES E PARCERIA COM A BID

A

revista Informe Abimde traz nessa edição uma entrevista especial com o Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP), Coronel PM Nivaldo Cesar Restivo. O comandante fala das prioridades e necessidades da polícia e da relação com a Base Industrial de Defesa e Segurança e como essa parceria pode se fortalecer. Informe Abimde - Quais as prioridades da PM para este ano? COMANDANTE - Para o biênio 2017-2019, as prioridades do Comando da Polícia Militar do Estado de São Paulo foram alistadas em forma de objetivos estratégicos, a saber: a) aperfeiçoar os conhecimentos, habilidades e atitudes do policial militar, para servir e proteger as pessoas; b) aperfeiçoar o uso dos mecanismos de gestão do conhecimento; c) valorizar o policial militar,

com ênfase na atividade operacional; d) aprimorar as ações de proteção da vida, da saúde física e psicológica do policial militar; e) aperfeiçoar os mecanismos de detecção e apuração de desvios de comportamento; f) aperfeiçoar os processos administrativos nas áreas de gestão de pessoas, logística e finanças, comunicação social, tecnologia da informação e comunicações, com a finalidade de simplificar e desburocratizar os padrões de trabalho; g) potencializar os esforços em atividades de prevenção criminal e sua repressão imediata, com ênfase nos crimes de roubo; h) potencializar os esforços em atividades de pronta-resposta e prevenção às emergências típicas de bombeiros; i) fortalecer a aproximação dos comandantes, em todos os níveis da sociedade, com a finalidade de identificar as necessidades da população, subsidiar os processos de planejamento operacional e fortalecer sua liderança junto à comunidade; j) fortalecer, nas


25

forças vivas da sociedade, a corresponsabilidade na construção, fomento e execução de medidas preventivas; k) ampliar as ações no campo da inteligência policial, visando ao aperfeiçoamento dos processos e sistemas destinados a identificar, acompanhar e avaliar ameaças reais ou potenciais de segurança pública, e produzir conhecimentos e informações estratégicas, táticas e operacionais que subsidiem ações para prever, neutralizar, coibir e reprimir atos criminosos de qualquer natureza, com ênfase nos delitos de roubo e nos perpetrados por organizações criminosas; l) fomentar parcerias em projetos que colaborem com a segurança pública e atividades do Corpo de Bombeiros; m) aperfeiçoar os processos de planejamento e execução orçamentária, para elevar a eficácia e eficiência na gestão de recursos públicos. IA - Como a indústria de defesa pode atender a PM? COMANDANTE - As indústrias ligadas às áreas de defesa e de segurança podem conhecer as necessidades e os projetos da Instituição por meio dos editais públicos de licitação. Nada obsta, porém, que o representante comercial venha a apresentar, aos gestores de cada segmento, produtos e inovações que possam, eventualmente, incrementar a prestação dos serviços de segurança pública. IA - Como a PM se relaciona com a Base Industrial de Defesa? COMANDANTE - Além de realizar visitas às melhores empresas do ramo, a Polícia Militar tem por prática enviar representantes para participar de feiras e congressos de nível nacional e internacional, com o objetivo de conhecer novos insumos e tendências na área de tecnologia policial. IA - Quais as tecnologias poderiam atender às necessidades da PM? COMANDANTE - Nos anos recentes, destacamos as seguintes tecnologias para uso policial: recursos digitais voltados à comunicação embarcada, utilização de body câmeras, aquisição de viaturas de grande porte para garantia da lei e da ordem, estudos para a compra de armas de fogo (pistolas) por intermédio de uma licitação internacional, sistemas de radares inteligentes para a identificação de veículos roubados, pesquisas para a melhoria de fardamentos e equipamentos portáteis de uso policial, dentre outros. IA - Como a PM prioriza os seus investimentos em equipamentos e tecnologia? COMANDANTE - As prioridades são guiadas pe-

los objetivos estratégicos acima expostos, além das necessidades pontuais de cada segmento. IA - Como a PM avalia o uso de VANTs? COMANDANTE - A Polícia Militar do Estado de São Paulo já utiliza, em caráter experimental, veículos aéreos não tripulados (VANT) para apoio às atividades de policiamento, em especial na Polícia Rodoviária e na Polícia Ambiental. Trata-se de uma ação inovadora e em franca expansão, com bons resultados operacionais em corporações policiais de outros países. IA - Na questão de Cyber Defesa, a PM possui algum programa específico? COMANDANTE - Atualmente, a Polícia Militar do Estado de São Paulo utiliza o ArcSight Investigate, um poderoso software investigativo construído sobre uma nova plataforma de análise, visando atender às necessidades em evolução das equipes de segurança, ajudando a buscar e eliminar ameaças desconhecidas ao processar instantaneamente grandes volumes de dados. IA - A PM tem alguma política específica voltada para inovação? COMANDANTE - As políticas voltadas à inovação estão assentadas no Sistema de Gestão da Polícia Militar do Estado de São Paulo. A inovação, ajustando as estruturas e comportamentos às expectativas das partes interessadas, é fundamental para que a Polícia Militar possa assegurar desenvolvimento organizacional e excelência de seus serviços. Gerir o conhecimento a partir da visão compartilhada dos objetivos comuns, da aprendizagem em grupo, do estímulo à reflexão e à criação, da visão global do sistema e de como as partes interagem, transformando conhecimento tácito em explícito, ganhou importância estratégica para a Polícia Militar. Neste sentido, a Polícia Militar tem investido na utilização de ferramentas colaborativas da web 2.0 para capitalizar o conhecimento coletivo. São exemplos: a) o Sistema de Supervisão e Padronização (SISUPA), que é uma ferramenta de Gestão do Conhecimento desenvolvida pela própria instituição há mais de uma década, segundo o qual são concebidos e aperfeiçoados os Procedimentos Operacionais que são as melhores práticas para o exercício da polícia ostensiva e de preservação da ordem pública; b) o Guia de Procedimentos Operacionais Padrão da Polícia Militar; c) a utilização combinada de recursos outros recursos virtuais, tais como Wiki, Blog, Moodle e redes sociais, dentre outros; d) a utilização de softwares dedicados ao incremento das atividades de inteligência policial.


26


27


28

ATECH E AEL SÃO VENCEDORAS DO 2º CONCURSO DE ENGENHARIA DE DEFESA E SEGURANÇA

ABIMDE

As empresas AEL e Atech foram as vencedoras da segunda edição do Concurso de Engenharia de Defesa e Segurança, promovido pela Abimde (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança). O anúncio foi realizado no final de 2017, durante a reunião de encerramento das atividades da entidade, quando as empresas foram contempladas. A AEL apresentou o sistema para voo por Seguimento de Terreno (Terrain Following/ Terrain Avoidance) e conquistou a categoria Conteúdo Tecnológico no concurso, que tem o objetivo de destacar e dar visibilidade às melhores soluções de engenharia implantadas nas empresas e instituições associadas. Já a Atech conquistou a categoria Inovação pelo projeto Arkhe Command & Control. O projeto destacou o trabalho que a

Foto: Divulgação

Abimde entrega prêmios para representantes da Atech e Ael

Atech vem desenvolvendo no exterior, com foco em soluções de engenharia de sistemas, para apoiar atividades de vigilância do espaço aéreo e terrestre, programas de comando e controle, monitoramento do tráfego aéreo e formação de operadores militares. O Concurso de Engenharia de Defesa e Segurança foi elaborado pela Abimde para promover e dar visibilidade às melhores soluções de engenharia implantadas nas empresas e instituições associadas. O concurso, visa, ainda, incentivar os profissionais do setor – engenheiros, técnicos e pesquisadores – a buscarem novas soluções para os desafios do setor, por meio de novas tecnologias. Em virtude disso, a Abimde já está lançando a próxima edição do Concurso e, em breve, o edital de inscrição será publicado em nosso site. Aguardem!


29

ABIMDE LANÇA O PRIMEIRO ANUÁRIO DA BASE INDUSTRIAL DE DEFESA

Um guia abrangente que apresenta o que a indústria nacional tem a oferecer A Abimde (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) lançou, neste início de 2018, o primeiro Anuário da Base Industrial de Defesa, contendo mais de 150 empresas associadas. O Anuário visa promover o setor junto aos mercados estratégicos. Com mais de 200 páginas, o Anuário foi produzido em versão bilíngue e com tiragem inicial de 3.000 exemplares. Nas páginas iniciais, ele apresenta artigos assinados de personalidades do setor, como o Ministro da Defesa e o Secretário de Produtos de Defesa (Seprod/MD), além dos comandos das três Forças Armadas, entre outras. O catálogo das empresas contém dados institucionais e de contato de cada associada participante, além de informações sobre produtos e serviços oferecidos ao mercado de defesa e segurança.

“Este novo produto de comunicação, desenvolvido pela Abimde em parceria com a Rossi Comunicação, deve ser atualizado a cada dois anos. O Anuário será distribuído a todas as embaixadas no Brasil, e para as delegações internacionais que visitarem o pavilhão Brasil nas diversas feiras internacionais ao longo deste ano. “O Anuário é um guia abrangente sobre as empresas de defesa e segurança nacionais e foi elaborado para melhorar e facilitar o contato com o mercado consumidor. Com esse produto inovador, buscamos ampliar a comunicação com os stakeholders e apresentar com qualidade e diferenciação o que o Brasil tem a oferecer”, conclui o Diretor Técnico da Abimde, Cel. Armando Lemos. Além do livro, o Anuário pode ser consultado pelo hotsite: www.abimde.org.br/catalogo.


30

ABIMDE LEVA ASSOCIADAS À LAAD SECURITY 2018 A Abimde (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança) é uma das entidades apoiadoras da LAAD Security 2018, que será realizada nos dias 10, 11 e 12 de abril, no Expo Transamérica, em São Paulo (SP). Nesta edição, a entidade contará novamente com um espaço exclusivo para abrigar as empresas associadas. Ao todo, o estande da Abimde reunirá 12 empresas nacionais e o recém-criado comitê de Segurança. Uma das feiras de segurança mais importantes da América Latina deverá receber 8 mil visitantes, 10 delegações oficiais e mais de cem expositores nacionais e internacio-

nais, além de contar com uma programação especial de seminários, divididos em 3 vertentes principais: “Segurança Integrada; “Segurança Pública”; e “Segurança Corporativa”. O evento terá a presença de participantes de mais de trinta diferentes segmentos do setor que oferecem soluções em tecnologia da informação, equipamentos de análise criminal e produtos de alto valor agregado como veículos e aeronaves. A LAAD Security é um palco onde os empresários brasileiros podem falar de suas experiências, apresentar novos produtos e soluções, além de se manterem atualizados com as tendências e tecnologias mundiais.

CONSELHO NOMEIA NOVO VICE-PRESIDENTE EXECUTIVO DA ABIMDE O Conselho Diretor da Abimde (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança), reunido em 13 de março, escolheu por unanimidade o nome de José Cláudio Manesco para ser o novo Vice-Presidente Executivo da entidade. Manesco, nos últimos 10 anos, tem sido um frequente colaborador da entidade, tendo auxiliado no esforço da Abimde no processo de conversão da MP 544 na lei 12.598, que criou as empresas estratégicas de defesa, e é também membro do comitê que avalia a admissão de novas associadas. Jornalista, 58 anos, o novo VP Executivo é formado pela primeira turma (1978) de Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Especializou-se em jornalismo corporativo, tendo passado por experiências nas áreas sindical, governamental e empresarial. Foi coordenador de Comunicação da Secretaria de Interior do Governo de São Paulo, e coordenador de comunicação da Cetesb. Durante 15 anos, esteve à frente

da comunicação e relações institucionais da União da Agroindústria da Cana de Açúcar – Única, tendo sido responsável pela primeira edição do Ethanol Summit, evento mundial dedicado à referida energia renovável. Nos últimos 10 anos, esteve ligado à Atech Tecnologias Críticas e à Fundação Ezute, onde exerceu os cargos de Diretor de Articulação e Comunicação, Diretor de Articulação Institucional e Diretor de Desenvolvimento de Negócios, funções que o aproximaram da área de defesa, tendo sido, durante todos esses anos, um dos representantes da Fundação na Abimde. Ao mesmo tempo em que desejamos boas-vindas e sucesso a Manesco no desafio de fortalecer nossa entidade de classe, agradecemos a colaboração incansável do Diretor Técnico, Armando Lemos, que, desde novembro de 2017, tem exercido a função interinamente, com muita competência e dedicação de forma a manter a unidade e a continuidade das ações.


31

CAPA

ABIMDE APRESENTA 50 EMPRESAS NA FIDAE 2018

A Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (Abimde) marca novamente presença com o “Pavilhão Brasil”, na Feira Internacional do Ar e Espaço - Fidae 2018 (Feria Internacional del Aire y del Espacio), que acontece de 3 a 8 de abril, em Santiago, no Chile. Em parceria com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e apoio do Ministério da Defesa, a Abimde coordena, em um pavilhão exclusivo, a exposição de cerca de 50 empresas associadas que compõem a Base Industrial de Defesa, onde apresentam seus produtos e inovações, criando oportunidades de novos negócios com o mercado internacional. A presença na Fidae é compreendida como um importante passo para quem deseja exportar produtos e serviços relacionados à defesa e segurança para o mercado da América do Sul. Dentre as áreas com potenciais negócios a serem gerados estão radares, armas não letais, aeronaves de treinamento, sistemas de simulação, proteção cibernética, mísseis, aviação militar, embarcações, armamento, munições, paraquedas e veículos blindados, entre outros. Confira as empresas participantes no Roteiro Fidae 2018, nas páginas finais da Revista Informe Abimde.


32

ROTEIRO FIDAE 2018

ABIMDE – Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança – entidade civil, sem fins lucrativos, que congrega mais de 200 empresas associadas, atuando como a voz das indústrias de defesa e segurança. Contatos: + 55 11 3170-1860 – www.abimde.org.br AEL Sistemas – empresa que atua no projeto, desenvolvimento, fabricação, manutenção e suporte logístico de avançados sistemas eletrônicos, com foco nos mercados aeroespacial, de defesa e segurança pública. Contatos: + 55 51 2101-1200 – www.ael.com.br AEQ Aliança Eletroquímica – uma das poucas empresas a englobar todo o processo de produção de material explosivo, de defesa e acessórios no setor aeroespacial. Contatos: + 55 41 3512-8200 – www.aeqaeroespacial.com.br Aernnova – atua no desenvolvimento de produtos de engenharia, desde o projeto conceitual e detalhado, teste e certificação até o suporte pós-venda. Fornece soluções nas áreas aeroespacial, automotiva, ferroviária, naval e energia. Contato: + 55 12 3932-8204 – www.aernnova.com Akaer Engenharia – empresa especializada no fornecimento de soluções tecnológicas integradas em diferentes áreas de atuação, como aeroespacial, defesa, energia e automotiva. Contato: + 55 12 2139-1118 – www.akaer.com.br ALLTEC Composites – empresa atua nos setores de desenvolvimento e produção de estruturas em materiais compósitos de alto desempenho, aplicadas ao setor de defesa. Contato: + 55 12 3876-0200 – www.allteccomposites.com.br Atech Negócios em Tecnologias – empresa especializada no desenvolvimento de soluções de missões crítica, como sistemas de comando e controle, segurança cibernética, sistemas embarcados, simuladores, sistemas de instrumentação e controle e treinamento. Contato: + 55 11 3103-4600 – www.atech.com.br Avibras Indústria Aeroespacial – empresa que desenvolve tecnologia nas áreas de aeronáutica, espaço, eletrônica, veicular e defesa. Produz sistemas de defesa ar-terra e terra-terra, aeronaves remotamente pilotadas e mísseis. Contato: + 55 12 3955-6000 – www.avibras.com.br Avionics Services – atua no mercado aeroespacial, desenvolve, instala e certifica projetos de sistemas de cabine, simuladores para aviões e helicópteros. Desenvolve e fabrica equipamentos embarcados e de apoio, além de serviços de VANTs pequenos até classe 4. Contato: + 55 11 5031-2801 – www.avionics.com.br Axon Cable – oferece variadas soluções em cabos especiais, interconexões e cablagens completas. Entre os principais produtos estão cabos para aplicações de alta complexidade em projetos militares, nucleares, navais e espaciais, além de customização de cabos e cablagens. Contato: + 55 21 3596-8002 – www.axon-cable.com Berkana Tecnologia em Segurança – oferece soluções para os setores de telecomunicações e de segurança, para uso corporativo, governamental e policial, em operações de inteligência, contraespionagem, investigações, contraterrorismo e inspeções não intrusivas. Contato: + 55 11 5539-5166 – www.berkana.com.br Bradar – Embraer Defesa e Segurança – empresa do Grupo Embraer, atua integrada à Savis. É especializada no desenvolvimento e produção de radares para aplicação nas áreas de defesa, segurança e sensoriamento remoto. Contato: + 55 19 3397-9880 – www.bradar.com.br CBC – atua no país como arsenal nacional, com constante capacidade de mobilização. Com completo portfólio, a empresa é uma das maiores fornecedoras de munições militares para países da OTAN e produz, inclusive, munições de médio calibres. Contato: + 55 11 2139-8200 – www.cbc.com.br


33

Comdefesa – Goiás – Comitê da Indústria de Defesa e Segurança de Goiás, uma iniciativa da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) e da Associação Comercial e Industrial de Anápolis (ACIA). Condor Non-Lethal Technologies – focada no conceito não letal, a empresa dedica-se à inovação, P&D e fabricação de equipamentos, munições não letais e pirotécnicos de alta tecnologia, para emprego em sinalização e salvatagem. Contato: + 55 3974-3355 – www.condornaoletal.com.br Consub – empresa com experiência no desenvolvimento de sistemas militares, na especificação, projeto, desenvolvimento de equipamentos e programas e na integração de sistemas de vigilância, comando e controle, em especial sistema de controle tático e armas. Contato: + 55 21 2104-5546 – www.consub.com.br Embraer – a empresa oferece uma linha completa de soluções integradas como C4I, radares, sistemas integrados de monitoramento e vigilância de fronteiras, bem como aeronaves militares e de transporte de autoridades. Contato: + 55 12 3927-1000 – www.embraer.com Equipaer – A Equipaer desenvolve, fabrica e comercializa lançadores de material aeronáutico e de defesa. Em sua linha de produtos, destacam-se: Lançador de foguetes 70 mm para foguetes tipo MK40 e MK60, lançador de bomba e foguetes para foguetes MK40 e bombas de exercício. Contato: + 55 11 5034-6388 – www.equipaer.com Forjas Taurus - tradicional fabricante de armas de uso individual, sendo considerada a maior produtora mundial de revólveres. A empresa possui um portfólio completo de produtos composto por revólveres, pistolas, submetralhadoras, fuzis, carabinas, rifles e espingardas. Contato: + 55 51 3021-3118 - www.taurus.com.br Fundação Ezute - organização privada sem fins lucrativos que oferece soluções inovadoras em tecnologia e gestão. Atua nas áreas de Formulação e Planejamento; Gestão de Projetos Complexos; Engenharia de Processos; Engenharia de Sistemas. Contato: + 55 11 3040-7318 – www.ezute.org.br Gespi Indústria e Comércio de Equipamentos Aeronáuticos – empresa com atuação na indústria aeronáutica e de defesa. Dentre os principais produtos, a GESPI fabrica a ALAC (Arma Leve Anti Carro), Foguete 70mm, Cartucho de impulso, e a Embarcação Multipropósito Aruanã. Contato: + 55 12 3941-1680 – www.gespi.com.br Grupo Inbra Filtro – empresa produz anteparos balísticos para blindagem veicular, vidros para veículos, vidros arquitetônicos, capacetes, coletes e escudos à prova de balas e veículo militar blindado multitarefa (Gladiador II), materiais de fricção, tecidos técnicos, filtros industriais. Contato: + 55 11 2148-8600 – www.grupoinbra.com.br IACIT Soluções Tecnológicas – fabricante de auxílios à radionavegação aérea Radares Meteorológicos, Oceânicos e de Vigilância Marítima (OTH), sistemas de telemetria e telecomandos e soluções de contramedida eletrônica contra Drones, Celular e RCIED aplicadas à Segurança Pública e Defesa. Contato: + 55 12 3797-7777 – www.iacit.com.br Índios Pirotecnia - fabricante de produtos sinalizadores pirotécnicos e munições menos letais. Contato: + 55 11 4656-2422 – www.indiospirotecnia.com.br IPI do Brasil Comércio, Importação, e Exportação de Produtos Metal Mecânicos Ltda. Contato: + 55 (21) 4105-1410 / + 55 (21) 99228-1648 / (21) 99768-5385 Kryptus Segurança da Informação – empresa focada em soluções de Segurança da Informação, desenvolve, integra e implanta soluções de hardware, firmware e software, incluindo desde semicondutores até sistemas complexos de gestão de processos com certificação digital. Contato: + 55 19 3112-5000 – www.kryptus.com


34

Latécoère do Brasil Indústria Aeronáutica – empresa atua em três áreas de negócios, Aeroestruturas (Fuselagens e Portas), Interconexões Elétricas (Cablagens/Chicotes, Racks, Bancadas de Ensaios, RIGs, etc) e Sistemas de Vídeo Câmera (CDSS, Pax Cabin, Landscape,etc). Contato: + 55 12 2128-9009 – www.latecoere.com.br M&K Assessoria Exportadora e Importadora - atua em exportação, importação, transporte e assessoria aos embarques de cargas e produtos perigosos, como explosivos, foguetes, armas e munições. Também atua nos segmentos comercial, de exportação e de importação. Contato: + 55 11 4366-4040 – www.meklogistics.com.br MAC JEE Indústria Comércio – na área de Defesa, a empresa projetou e desenvolveu o Armadillo TA-2, uma plataforma veicular totalmente automática, adaptável para qualquer equipamento que necessite ficar oculto e protegido durante a fase não ofensiva Contato: + 55 11 3569-4007 – www.macjee.com.br Omnisys Engenharia – subsidiária do Grupo Thales, a empresa presta serviços em sistemas para aplicações aeronáuticas e navais e soluções para as áreas espacial, de telecomunicações e atividades industriais, soluções de guerra eletrônica e software embarcado. Contato: + 55 11 3303-1200 – www.omnisys.com.br Opto Space & Defense – empresa do Grupo Akaer, atua em projeto, desenvolvimento e fabricação de soluções aeroespaciais, de defesa e industriais, como sistemas e componentes ópticos de precisão, sistemas eletrônicos de alta confiabilidade, mecânica fina e engenharia de sistemas. Contato: + 55 16 3509-1000 – optosd.com.br Poly Defensor Indústria Química – empresa oferece uma inovadora tecnologia não letal. A linha PSI PRÓ é 100% natural, não causa danos à saúde e ao ambiente. Em duas opções, Jato Líquido Direcionado e Jato em Névoa, é eficiente para alvos específicos ou dispersão de distúrbios civis. Contato: + 55 19 3869-5577 – www.polydefensor.com.br RF COM Sistemas – a empresa desenvolve, fabrica e comercializa soluções tecnológicas integradas móveis e fixas para telecomunicação, broadcast, defesa e segurança. A empresa é representante de produtos como mastros, sistemas SATCOM, cabos e cases robustecidos. Contato: + 55 12 3932-0070 – www.rf.com.br Rockwell Collins do Brasil – a empresa fornece soluções inovadoras para os mercados aeroespacial e de defesa, com expertise em aviônicos, eletrônica de cabine, comunicações de missão, gestão da informação e simulação e treinamento. Contato: + 55 12 3908-6200 – www.rockwellcollins.com Simtech Representações – empresa especializada na prestação de serviços de representação comercial, marketing e consultoria a empresas estrangeiras e brasileiras interessadas em identificar e desenvolver oportunidades de negócios no mercado brasileiro. Contato: + 55 21 2506- 5900 – www.simtech.com.br SKM Eletro Eletrônica – empresa com foco em soluções de aplicação dual, tanto para a área de Defesa, quanto para a Civil, em particular para a indústria naval (militar e civil), offshore e industrial, em Sistemas de Controle e Supervisão de Máquinas e de Geração de Energia. Contato: + 55 21 2283-1230 – www.skmtech.com.br Technicae Projetos e Serviços Automotivos – desenvolve soluções de alta tecnologia na área de produtos de defesa e de projetos de manutenção, revitalização, modernização e fabricação de viaturas, armas e equipamentos civis e militares. Contato: + 55 61 2196-0907 – www.technicae.com.br Vertical do Ponto Indústria e Comércio de Paraquedas – a empresa fabrica paraquedas militares e esportivos, tanto pessoal, quanto de carga, extração e ejeção. Além disso, fabrica equipamentos aeronáuticos, aeroterrestres e militares. Contato: + 55 21 2457-4338 – www.verticaldoponto.com.br VMI Sistemas de Segurança – a empresa desenvolve tecnologias para geração de imagens, através de raios-x. É a única fabricante da América Latina de scanners para inspeção e segurança – são 18 tipos, que podem ser usados em materiais de vários tamanhos. Contato: + 55 31 3622-0470 – www.vmisecurity.com


www.avibras.com.br

contato@avibras.com.br

(12) 3955-6000


INFORME ABIMDE ABRIL 2018  
INFORME ABIMDE ABRIL 2018  
Advertisement