Page 1

Fruticultura

Conheça novo curso Técnico que será oferecido pela Senar

Jovem Aprendiz

Senar inova e oferta programa de forma remota no Estado

Agronordeste Paraíba

1.740 produtores recebem Assistência Técnica e Gerencial REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

| 1


Expediente Presidente do Conselho Administrativo do Senar Paraíba Mário Antônio Pereira Borba Vice-presidente da Faepa Vanildo Pereira da Silva Conselho Administrativo Rosanne Curi Zaratine Senar Brasil Raimundo Nonato Siqueira Classe Produtora Melquíades Pedro de Sousa Neto Senar-PB Liberalino Ferreira de Lucena Fetag Conselho Fiscal Samuel Francisco Cordeiro Senar Brasil Tiburtino Cartaxo de Sá Filho Classe Produtora Cleide Araújo - Fetag Superintendente Sérgio Ricardo Gouveia Martins Assessoria de Comunicação Social Jocélio de Oliveira (DRT/PB 3015) Débora Borges (estagiária) Editoria de Arte / Tratamento de imagem / Capa e Projeto editorial Débora Borges Fale com a redação: www.senarpb.com.br imprensa@senarpb.com.br 3048-6050 / 6073 Sede Rua Engenheiro Leonardo Arcoverde, 320, Jaguaribe João Pessoa - PB CEP 58015-660 Impressão Gráfica JB Tiragem 3 mil exemplares

PALAVRA DO PRESIDENTE

“Vamos fechar o ciclo da cadeia de caprinos e ovinos”

O

ano de 2020 deixou fortes lições para toda a sociedade. No campo não foi diferente. Os principais aprendizados foram sobre superar desafios, persistir, inovar, buscar novas soluções para as dificuldades do cotidiano. Foi nesse cenário que o produtor rural criou formas de comercializar, manteve a produção e continuou alimentando a sociedade. Mas 2020 não foi só de problemas.

Começamos o ano com o desafio de levar a Assistência Técnica e Gerencial do Senar para 1.740 propriedades, dentro do Programa Agronordeste. Essa é uma parceria do Governo Federal, através do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com o Sistema CNA/Senar e também a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), além de várias outras instituições. Esse é um compromisso para dois anos e em relação ao qual já atingimos a integralidade da meta, mesmo neste ano difícil, marcado pela pandemia do novo Coronavírus. Estamos atuando em duas frentes, uma que foca na cadeia da caprinovinocultura, centrada no Cariri paraibano, e outra que atende as demais cadeias do semiárido. Quero me deter um pouco na instigante tarefa que é trabalhar com cabras e ovelhas. O Nordeste, e a Paraíba em particular, tem um potencial e uma riqueza nesse segmento cujo alcance e plenitudes ainda são desconhecidas em sua totalidade. Por isso mesmo, ainda tem muito chão para percorrer, em relação ao que já acontece na cadeia de outras proteínas, como os suínos, frangos e bovinos. Durante visita da Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, à Paraíba em 2019, nós pudemos mostrar o caso de sucesso que é a integração da caprinovinocultura em Cabaceiras. Essa experiência foi o estímulo para o desenho do Agronordeste. Nós queremos e vamos fechar o ciclo produtivo da caprino e ovinoculturas no nosso Estado e na região. Gerando mais riqueza e qualidade de vida para o produtor, colocando produtos cada vez melhores à disposição dos consumidores. Isso será consolidado ao longo de 2021, que também traz para nós outra frente de atuação no que diz respeito à pecuária. O Sistema Faepa Senar compõe um grupo de trabalho que atua para elevar a Paraíba ao patamar de livre da Febre Aftosa sem vacinação. Esse é um status que outros estados brasileiros já alcançaram e que abre muitas portas para o comércio de produtos do agro. Nosso prazo é o ano de 2026 e temos muito chão a percorrer. Para superar também este desafio, não faltarão persistência, inovação e o esforço para buscar novas soluções.

Interaja conosco! /faepasenarpb @faepasenarpb /FaepaSenar @faepasenarpb Faepa SENAR - PB no Soundcloud

MÁRIO ANTÔNIO PEREIRA BORBA Presidente do Conselho Administrativo do Senar-PB Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (Faepa)


4

ÍNDICE

Entrevista: Superintendente do Senar Sérgio Martins

6

5

Paraíba vai receber Congresso Internacional da Palma

Ações da Presidência em 2020

7

Pecuaristas atendidos pelo Senar relatam melhoria no desempenho da produção

10

Retrospectiva Senar 2020

12

8

Agronordeste muda realidade de mais de 1.700 produtores na PB

11

Senar Paraíba desenvolve Aprendizagem Rural em modo remoto

14

Ações do Senar 2020 e 2021

Conheça os serviços que Sindicatos Rurais e a Faepa oferecem

13

Senar amplia oferta em cursos técnicos na Paraíba

CARTA AO LEITOR O ano de 2020 não foi fácil. Mas o produtor rural mostrou, mais uma vez, a força que o setor tem. A produção de alimentos foi considerada atividade essencial, durante o período mais crítico da pandemia do novo Coronavírus. Por isso, não parou um só momento. Passada a parte mais grave da crise, foi possível perceber o seu crescimento. Para enfrentar esse desafio, o Senar também não parou. Mais do que isso, ele se reinventou. São essas transformações que vamos mostrar nas próximas páginas desta edição de Canal Rural: O programa Jovem Aprendiz Rural ganhou nova roupagem e agora está sendo desenvolvido em modo remoto. O formato atende uma demanda das empresas parceiras, ao mesmo tempo em que se adequa aos hábitos dos estudantes, ambientados ao mundo digital. Somado a esse esforço, o Senar conquistou a instalação do curso Técnico em Fruticultura para a Paraíba. O polo funcionará em João Pessoa, atendendo demandas de empresas rurais da zona da mata e litoral. Por fim, enxergamos em 2021 um ano de muito trabalho com a preparação do X Congresso Internacional de Palma e Cochonilha, previsto para o primeiro semestre de 2022, que mostrará a experiência da Paraíba para pesquisadores de todo mundo. Esses são alguns dos sinais de que o agro continua e seguirá forte, renovando-se a cada ano e superando cada dificuldade que se coloque. Boa leitura!

Jocélio de Oliveira

Assessor de Comunicação Senar-PB


ENTREVISTA

Superintendente fala sobre perspectivas para o Senar em 2021 Que aprendizado o SENAR levará deste ano para 2021? Nesse período, o SENAR Paraíba teve que se reinventar na sua forma de levar conhecimentos e capacitações para os produtores e trabalhadores rurais. O nosso protocolo de segurança foi intenso e adotado em todas as nossas atividades, não paramos o atendimento presencial, implantamos o modelo hibrido (virtual/presencial), a nossa plataforma virtual – EAD, que neste ano completa 10 anos, pois possibilitou a capacitação de milhares de pessoas. A nossa Assistência Técnica e Gerencial - AteG atendeu a 2.180 produtores e chegamos a mais de 2 mil visitas mensais. Quais os desafios que você enxerga para o Agro? Ainda temos altos índices de analfabetismo no campo, deficiência na acessibilidade a internet. É necessário trabalhar a sucessão familiar nas propriedades rurais. Fomentar o empreendedorismo com foco nos resultados para agregar valor para ter melhor rentabilidade. Estimular a cultura cooperativista para fortalecer o crédito, a comercialização da produção e a aquisição de insumos a custo baixo. Por fim, devemos buscar parcerias para ampliar a assistência técnica e gerencial de qualidade, considerando que apenas 17% dos produtores paraíbanos tem acesso. A agropecuária brasileira se destaca pela sustentabilidade, tema muito discutido nos últimos tempos. Qual a contribuição do SENAR neste assunto? Nos últimos tempos, o nosso Brasil é lembrado com o celeiro e o pulmão do mundo, isso nos dá a responsabilidade para avançarmos ainda mais na produção de alimentos saudáveis e produção sustentável. Nessa seara, estamos capacitando os nossos alunos, produtores e trabalhadores rurais com treinamentos presencial e a distância de educação ambiental; uso alternativo de defensivos e biofertilizantes; ILPF-Introdução Lavoura, Pecuária e Florestas; Projeto Forrageiras para o Semiárido; Utilização no Reuso de água; Implantação de Barragem Subterrânea, Biodigestores na atividade rural. Como você avalia o SENAR ao longo de 2020? Investimos em equipamentos e softwares de TI para novas plataformas digitais para atender de forma remota, a exemplo do Programa Jovem Aprendiz. Por outro lado,

4 |

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

investimos na capacitação dos colaboradores, implantamos o Planejamento Estratégico Participativo para os próximos 5 anos; aprovamos o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração/PCCR – 2020/2021 e a Política de Compliance e Gestão de Risco. Com o programa Agronordeste conseguimos atender mais de 2,2 mil produtores rurais com assistência técnica gerencial em 9 cadeias produtivas e capacitamos 2,6 mil produtores, alunos e trabalhadores rurais nos diversos tipos de cursos/treinamentos. Quais as ações mais estratégicas para o próximo ano? Se Deus quiser, iniciaremos o novo ano mantendo o protocolo de segurança de prevenção do Coronavirus para os públicos interno e externo. No campo da assistência técnica e gerencial a meta é atender 2,3 mil produtores no Programa Agronordeste. Ampliar o atendimento remoto das capacitações e o Programa de Aprendizagem Rural. Levar as melhores tecnologias do agro para o conhecimento dos produtores e alunos. Com a articulação do presidente do Sistema FAEPA/SENAR, conseguimos trazer o curso técnico em Fruticultura, considerando o potencial da Paraíba na produção de frutas, principalmente o abacaxi e mamão. O curso é totalmente gratuito, são dois anos de duração, 1.350 horas, sendo 70% a distância e 30% presencial, e será uma grande oportunidade quem pretende atuar no setor de frutas. Que mensagem você deixa para o produtor rural para o próximo ano? Acredito que o setor agropecuário avançará ainda mais em 2021 e terá a missão de aumentar a produção de alimentos de forma sustentável, e para isso é necessário se capacitar, buscar assistência técnica, investir em tecnologias e inovar a sua atividade com empreendedorismo, pois somos uma agrossociedade por natureza.


AÇÕES DA PRESIDÊNCIA

Mário Borba defendeu abastecimento da população na pandemia O presidente da Faepa e do Senar, Mário Borba, defendeu que os governos federal e estadual traçassem estratégias para garantir o abastecimento e fornecimento de alimento à sociedade diante da pandemia provocada pelo novo coronavírus. “É preciso que os governos tenham sensibilidade e pensem sobre como podemos abastecer a sociedade sem colocar as pessoas em risco, nem trazer prejuízos. É preciso uma programação logística, de onde vem, para onde vão os alimentos, evitando o desabastecimento”, resumiu.

Presidente consegue prorrogação do prazo da aftosa A Faepa conseguiu a prorrogação do período da segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa até o dia 31 de dezembro. A campanha terminaria em 30 de novembro. O pedido foi debatido com Sindicatos Rurais paraibanos. Em ofício encaminhado à Sedap, Mário Borba justificou que o período da campanha eleitoral prejudicou o trabalho de imunização. Também alertou para o crescimento de casos, num efeito de segunda onda da doença. O presidente destacou que as áreas urbanas e rurais viveram dificuldades, mas que os produtores rurais não interromperam seus trabalhos, por serem atividade essencial.

Borba apresenta demanda dos produtores a Bolsonaro O presidente da Faepa, Mário Borba, levou ao presidente da República, Jair Bolsonaro, pleitos dos produtores rurais do Estado e do Nordeste. O encontro aconteceu durante visita de Bolsonaro ao Sertão paraibano, em setembro. O documento trata do endividamento dos produtores do Nordeste e também sobre obras de infraestrutura, como a conclusão da BR-020, no trecho entre Barreiras (BA) e Picos (PI), estratégico para escoação de grãos da região para o Centro Oeste do país. REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

| 5


EM CAMPO

Paraíba recebe novamente o Congresso Internacional da Palma A

Paraíba vai sediar a X edição do Congresso Internacional da Palma e Cochonilha. O evento acontecerá no primeiro semestre de 2022 e será realizado em João Pessoa. Essa será a segunda vez que o evento será realizado no Estado, que também recebeu o sexto congresso, no ano de 2007, na capital. “O Brasil tem a maior área de palma plantada do mundo, embora outros países se destaquem também na produção e beneficiamento. Essa é uma importante fonte de proteína para alimentação animal na região Nordeste e nós estamos muito felizes em mostrar ao mundo a experiência da Paraíba”, comentou o presidente do Sistema Faepa/Senar-PB, Mário Borba. Embora sua realização esteja prevista para 2022, as comissões jã trabalham na montagem dos grupos responsáveis pelas partes científica e de infraestrutura do evento. A Faepa será a realizadora e contará com a parceria do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural da Paraíba (Senar-PB), da Sociedade Internacional de Ciência Hortícola (ISHS, na sigla em inglês) e da Rede de Cooperação Técnica Internacional sobre a Palma da FAO-ICARDA, além do apoio da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Desde a realização da sexta edição do congresso, houve muitos avanços. Entre eles, a fundação da Sociedade Brasileira de Palma Forrageira e outras Cactáceas, bem como a realização bianual do Congresso Brasileiro de Palma Forrageira e outras Cactáceas. Além disso, houve uma grande expansão das novas variedades de Palma Forrageira tolerantes à Cochonilha do Carmim em todo Nordeste, notadamente no semiárido paraibano. Inclusive, experiências com essas variedades estão sendo desenvolvidas no município de Tenório e mais outros da região, num programa de pesquisa desenvolvido pela CNA em parceria com a Embrapa, chamado “Forrageiras para o Semiárido”. Já no que diz respeito a área plantada com palma forrageira, houve expansão para novas áreas, como por exemplo estados do Ceará e da Bahia, bem como no Norte de Minas Gerais.

6 |

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020


CASOS DE SUCESSO

Pecuaristas atendidos pelo Senar relatam melhoria no desempenho da produção

“E

u estava sem motivação, pensando até em acabar a atividade. Mas, em doze dias, eu tive um aumento de 195 litros de leite”. Esse é o relato do pecuarista Jairan Alves da Silva, atendido pela Assistência Técnica e Gerencial do Senar, dentro do programa Agronordeste, no município de Aroeiras, no Cariri paraibano. O produtor tem quatro vacas em lactação, mas fazia apenas uma ordenha por dia. Ao começar os atendimentos com a ATeG, uma das primeiras recomendações que recebeu foi sobre o manejo, orientando que passasse a fazer a ordenha duas vezes por dia. “A vaca que estava dando só 16 litros, passou a dar 25 por dia. Durante 30 dias, a gente vai ter um aumento significativo para me dar uma renda maior do que a que eu tinha e que só cobrira meus custos. Antes eu estava

Técnico de campo Fernando Grosso e produtor Jairan

trabalhando só para os animais, mas agora vou trabalhar também para mim”, completou Jairan. Ele é atendido pelo veterinário Fernando Grosso, técnico de campo do Senar, que contou que ao chegar na propriedade, fez um levantamento e encontrou alguns pontos negativos relacionados a nutrição e manejo. “O produtor fornecia uma ração de baixa qualidade, desbalanceada e uma quantidade inferior a necessidade metabólica dos seus animais. Aos poucos, nós fomos corrigindo isso e ele conseguiu diminuir custos e aumentar a produção, quase que dobrando, com a mesma quantidade de animais”, explicou o técnico. O manejo nutricional também está na base dos resultados

que José Nataniel tem encontrado depois que passou a ser atendido pelo Agronordeste/Senar. Ele é criador de cabras em Amparo, também no Cariri e reduziu quase que a metade o custo com ração, como explica a zootecnista e técnica de campo, Ana Barros. “Para cada saco de soja ele usava outro de milho. Só que essa proporção tinha que ser corrigida. Hoje usamos um saco de torta de algodão para cada três de milho. Trocamos a proteína porque, embora a soja seja excelente, ela está com um custo que é insustentável para o produtor”, explica Ana. Com esses ajustes, o custo da ração caiu de R$ 1,90 para R$ 0,93, para o consumo de 800g diárias. O melhor balanceamento também ajudou na produção, que saltou de 16 para 34 litros/dia. “Graças a Deus, esse projeto veio para nos ajudar a alavancar a nossa caprinocultura de leite. A gente já tinha uma ideia de como trabalhar, mas com a assistência deu uma organizada no nosso curral, com as dicas de formação de ração, manejo sanitário. Só tenho a agradecer”, avalia Nataniel sobre o trabalho do Senar.

Produtor José Nataniel

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

| 7


CAPA

Agronordeste muda realidade de mais de 1.700 produtores na Paraíba A

o longo de 2020, o Senar Paraíba beneficiou 1.741 produtores rurais dentro do programa Agronordeste. A ação é resultado de uma parceria entre O Sistema CNA/Senar, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), entre outras instituições. Na iniciativa, o Senar é responsável por ofertar a sua assistência técnica e gerencial (ATeG) para agricultores e pecuaristas de todo o Estado. Hoje, já são 11 cadeias produtivas em 104 municípios paraibanos. O trabalho segue duas linhas de atuação: uma focada na cadeia da caprinovinocultura, na região do Cariri e outra mais ampla, para as demais cadeias do semiárido. O foco na gestão das propriedades é o ponto destacado pelo presidente do Conselho Administrativo do Senar, Mário Borba, no trabalho da ATeG. “O nosso diferencial é o aspecto gerencial, ensinar o produtor a fazer conta e isso tem sido um verdadeiro sucesso, com grande satisfação dos produtores. Dentro do Agronordeste, nossa intenção é a de fechar o ciclo da cadeia produtiva de caprinos e ovinos”, resumiu o presidente do Sistema Faepa/Senar-PB, Mário Borba. Na ATeG, o Senar coloca um técnico de campo à disposição de um grupo médio de 30 produtores. Eles recebem com visitas mensais de um profissional adequado para sua atividade produtiva, seja um agrônomo, veterinário ou zootecnista, por exemplo. Este ano foram 10 mil visitas técnicas, só no programa Agronordeste. Nos encontros, são avaliados aspectos produtivos, mas o técnico também ensina a fazer conta, saber quanto ganha, qual é o lucro dele, o que está dando resultado. É nessa atenção ao modo mais adequado de produzir, de acordo com a realidade do produtor, que o superintendente do Senar, Sérgio Martins, encontra outro grande valor da iniciativa desenvolvida pela instituição. “O produtor recebe do nosso técnico as orientações sobre aspectos como a adoção de tecnologias de convivência com o semiárido, para que ele tenha suporte alimentar para o rebanho, no caso das atividades pecu-

8 |

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020


CAPA

árias, além da abordagem relativa a administração das receitas e despesas, que é uma grande mudança de comportamento e cultura para o nosso produtor”, avaliou Sérgio. Já o gerente do departamento de assistência técnica e gerencial, Gabriel Petelinkar, ressalta que o investimento do Senar no Agronordeste foi uma oportunidade ímpar, associado as boas previsões climáticas, que tem impacto direto na atividade agropecuária “A quantidade de chuva que caiu neste ano foi acima do esperado, de forma geral. As previsões futuras, com a consolidação do efeito La Niña, tendem a ser otimistas. Somado a isso, temos um mercado efervescido, o atendimento de mais de 1.700 produtores por técnicos especializados na produção e gestão da propriedade.

Essas são as condições que todo produtor rural espera”, resumiu. Cursos reforçam ATeG Produtores que integram grupos de ATeG, além do acompanhamento mensal, também são atendidos por meios de cursos e treinamentos que aperfeiçoam detalhes importantes de sua atividade. Essas ações são levadas a campo pelo departamento de Educação Profissional e Promoção Social (DEPPS). Esse processo contribui para um aprendizado e melhoria contínuos da atividade, como afirmou o produtor de leite Alexsandro Rodrigues. Ele participou de um treinamento sobre Sanidade e Manejo Reprodutivo em Bovinos, realizado em Juazeirinho, no Sertão. “Mesmo a gente sabendo de alguma com o dia a dia, aos poucos

a gente vai adotando essas novas práticas, melhorando alimentação, a sanidade dos animais, limpeza de curral. Vamos subindo cada degrau e a gente chega lá”, afirmou. Ele é um dos produtores atendidos pelo agrônomo e técnico em veterinária do Senar, Lucas Paes, que explica a importância da complementação da ATeG com cursos e treinamentos focais. “Os cursos que o SENAR oferta para os produtores atendidos pelo projeto Agronordeste são de suma importância, porque levam conhecimento de acordo com cada atividade para melhoria do trabalho diário diminuindo custos e aumentando sua renda. De de certa forma, abrindo portas para o mercado beneficiando seus produtos”, comentou. Outros programas Além do Agronordeste, o Senar Paraíba atua com assistência técnica e gerencial em outros dois projetos. Um deles é desenvolvido em parceria com Banco do Nordeste do Brasil, dentro do Programa de Desenvolvimento Territorial Rural (Prodeter). Ao todo, são 180 produtores de coco dos municípios de Sousa, Marizópolis e Aparecida são contemplados. A região do perímetro irrigado das Várzeas de Sousa já foi conhecida pela fruticultura, mas sofreu com a estiagem. Hoje, com a ajuda do Senar, vem retomando sua posição de destaque. Outra linha de ação é a do Programa de Incentivo à Assistência Técnica e Gerencial (Piateg), com o Senar Brasil, que contempla outros 200 produtores nas atividades de bovinocultura de corte, e de leite, avicultura alternativa, fruticultura, cana-de-açúcar, ovinocultura de corte, caprinocultura de leite.

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

| 9


RETROSPECTIVA

Zoneamento da Cana-de-Açúcar no Brejo A articulação da Faepa junto a instituições do setor agropecuário estadual e nacional resultou na regularização do zoneamento agrícola de risco climático da cana-de-açúcar do Brejo paraibano. O principal impacto da medida é permitir a possibilidade de financiamento da lavoura por bancos públicos na região, assim como a contratação de seguro rural. A publicação da medida saiu no Diário Oficial da União do último dia 4 de setembro.

Encontro Virtual de Tutores O Senar realizou um Encontro Virtual de Tutores e Instrutores. O evento é realizado regularmente para aperfeiçoamento das práticas pedagógicas e administrativas, mas aconteceu de forma remota este ano por causa do coronavírus. Cerca de 50 profissionais participaram do evento, que tratou da capacitação para aulas online e aproximação da teoria e prática nas aulas remotas.

Código de bem-estar animal O Tribunal de Justiça da Paraíba acolheu ação da Faepa e suspendeu o Código de Bem-Estar Animal do Estado. A Federação questionou artigos que prejudicavam produção rural, pesquisa científica e controle epidemiológico. “Em todos os estados existem códigos para proteção dos animais. Mas o nosso sofreu alterações em mais de 40 artigos, o que prejudicou atividades como a inseminação artificial, no qual a Paraíba foi pioneira no país”, criticou Mário Borba.

Projeto Forrageiras para o Semiárido A Faepa e o Senar-PB divulgaram o resultado parcial do projeto “Forrageiras para o Semiárido” 2018/2019. O boletim analisa o desempenho alcançado na Unidades de Referência Tecnológica (URT) instalada em Tenório. Foram elaboradas recomendações para produção de silagem, pasto e poupança forrageira de acordo com sistemas de produção extensivos, semi-intensivos e intensivos. Veja detalhes em www.senarpb.com.br.

10 |

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020


SINDICATO FORTE

Conheça os serviços que Sindicatos Rurais e a Faepa oferecem A

Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba está oferecendo um novo serviço para os produtores rurais do Estado. A partir de agora, eles poderão contar com a Faepa Seguros para fazer a proteção de seus imóveis, automóveis (inclusive moto e caminhões), vida, entre diversos outros itens que podem ser contratados. O atendimento é feito na sede da Faepa, em João Pessoa, ou através do telefone (83) 3222-2000, também é possível procurar os Sindicatos de Produtores Rurais nos municípios. O compromisso da seguradora é o de buscar as melhores condições de custo-benefício para os criadores e agricultores paraibanos. Além dos tipos já citados de seguro, também é possível contratar a proteção empresarial, odontológico, viagem, eventos, propriedade rural (multirrisco), lavoura, animais (elite e rebanho), máquinas e equipamentos (tratores e implementos). Certificado Digital Além da oferta de seguros, a Faepa também presta o serviço de certificação digital, com preços exclusivos para o produtor e descontos que variam entre 10% e 15%, a de-

pender da modalidade contratada. Plano de saúde A Federação também está oferecendo o serviço de Plano de saúde, nos mesmo moldes dos seguros. O produtor e sua família poderão buscar as melhores opções para sua saúde por meio das cotações realizadas através da Faepa. Incra Uma mudança recente em orientação do Mapa e Incra permitiu que a Faepa possa ampliar a sua orientação e atendimento ao produtor rural em relação a assuntos dessa área. Todos esses benefícios se estendem aos Sindicatos Rurais espalhados pelos municípios paraibanos. No caso no Incra, os atendimentos incluem: Inclusão de Imóvel Rural Novo; Alteração por Aquisição de área Total; Alteração por Mudança de Condomínio; Alteração de Exploração; Alteração por Desmembramento; Alteração por Remembramento; Alteração por Anexação de área não cadastrada; Alteração por Retificação de Área; Alteração de Dados Pessoais Outras Alterações (Unificação de Matrículas, mudança do tipo de Situação jurídica, dentre outros).

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

| 11


AÇÕES DO SENAR

Senar Paraíba desenvolve

Aprendizagem Rural em modo remoto

D

iante do cenário de pandemia provocada pelo novo Coronavírus, o Senar Paraíba inovou dentro do seu programa de Aprendizagem Rural. No terceiro trimestre do ano, as aulas foram retomadas dentro em modo remoto. Ao todo, 200 jovens estão matriculados para formações de avicultor, mecânico de tratores agrícolas e auxiliar administrativo. Os alunos estão divididos em 8 turmas e terão carga horária de aula que varia entre 800 e 980 horas, a depender da formação. Metade dela é com conteúdo técnico-profissionalizante,ministrado pelo Senar, enquanto que a outra parte é desenvolvida como experiência prática nas empresas. Essa segunda fase deverá ter início a partir do mês de março de 2021. A capacitação é resultado de uma parceria entre o Senar e as agroindústrias Giasa, Japungu, Campo Alegre, Tabu, Miriri e Profé, do setor sucroenergético, assim como a Frutas Doce Mel e a Mauricea Alimentos, do setor de avicultura. A adaptação já era um plano do Departamento de Educação Profissional e Promoção Social do Senar, dentro das suas constantes iniciativas para melhoria das

12 |

ações. Além de também ser uma demanda das empresas aderentes, mas foi acelerada pelos acontecimentos de 2020. “As empresas tem recebido de maneira positiva esse novo formato. Isso porque ele permite uma logística mais facilitada. Por outro lado, os jovens também se adaptaram muito rapidamente, tendo em vista, inclusive, que já estão acostumados e ambientados com essas ferramentas do mundo digital”, comentou o gerente do Departamento de Educação Profissional e Promoção Social do Senar-PB, Carlos Alberto Patrício. Uma das beneficiadas pelo programa, é a estudante Larissa Pontes, de 21 anos. Ela iniciou a formação de avicultor, que tem 800 horas

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

de capacitação e é ligada a empresa Mauricéa. A jovem conta que tem uma grande expectativa em relação à possibilidade de emprego, que é um dos principais objetivos e resultados da aprendizagem. “Minha expectativa com o curso é alta porque se trata do meu primeiro emprego e numa empresa de grande porte, como a Mauricéa. Sei que vou ganhar muito conhecimento tanto pelo trabalho em si, quanto pelas aulas do Senar”, comentou Larissa sobre as perspectivas que tem com a aprendizagem. A formação de mão-de-obra qualificada associada para empresas, assim como a criação de oportunidades de trabalho é o aspecto do Jovem Aprendiz Rural destacado pelo superintendente do Senar, Sérgio Martins. “Os jovens têm acesso a um treinamento em que poderão atuar em uma carreira profissional promissora, e é isto que queremos: elevar o nível de conhecimento destes jovens e mostrá-los como o setor pode ser atrativo e seguro. Por outro lado, as empresas parceiras ganham pessoal mais qualificado, o que ajuda a elevar o nível do setor agropecuário”, afirmou.


EDUCAÇÃO FORMAL

Senar amplia oferta em cursos técnicos na Paraíba E

m 2021, os paraibanos poderão contar com a oferta de mais uma qualificação gratuita para atuar no setor agropecuário. Trata-se do curso Técnico em Fruticultura, que será ofertado num polo de apoio presencial instalado em João Pessoa. A formação será oferecida em parceria com o Centro de Excelência em Fruticultura do Senar, instalado em Juazeiro (BA). “A Paraíba tem posição de destaque na produção de abacaxi e mamão, muitas vezes alterando a liderança nacional com outros estados. Nosso litoral conta com várias empresas desse segmento, algumas exportadoras. É nesse cenário que o Senar, atento a sua missão, coloca à disposição da sociedade mais essa linha de capacitação”, afirmou o superintendente do Senar, Sérgio Martins. O curso é semipresencial, reconhecido pelo MEC e tem carga horária total de 1.350 horas, distribuídas em quatro semestres letivos. Para se candidatar a futura oferta de vagas, o candidato precisará possuir ensino médio completo. O Técnico em Fruticultura poderá atuar em propriedades rurais, empresas de consultoria na produção de frutas, agroindústrias, instituições

de assistência técnica, extensão rural e pesquisa, comércio de equipamentos e produtos agrícolas, cooperativas, associações rurais, entre outros. Com o objetivo de garantir a qualidade da formação, serão oferecidas aulas práticas para que os alunos conheçam a realidade da produção de frutas. “Estamos firmando várias parcerias, tanto com empresas privadas quanto públicas que tem trabalho na cadeia da fruticultura. O objetivo é que o aluno vivencie as etapas produtivas, garantido uma formação com mais qualidade”, resumiu Sérgio. O Curso Técnico em Fruticultura formará profissionais para planejar, executar e controlar os processos deste segmento, de acordo com as boas práticas agrícolas, normas técnicas, legislações e necessidades do mercado. Técnico em Agronegócio Ao mesmo tempo, o Senar mantém a sua atuação com o Técnico em Agronegócio, com atuação nas regiões de João Pessoa, Alagoa Grande e Campina Grande. O curso já formou centenas de profissionais no Estado e capacita pessoas para atuar na gestão de propriedades rurais. REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

| 13

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

| 13


NÚMEROS DO SENAR

Em 2020, o Senar Paraíba realizou: A Assistência Técnica e Gerencial do Senar beneficou 2.220 produtores rurais através de nossos programas e convênios.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Na educação formal, foram 197 alunos atendidos, totalizando 4.830 horas/aula. Na Educação Profissional e Promoção Social, foram 35 turmas formadas, com 561 participantes e carga horária de 2.572 horas.

14 |

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

14 |

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020


NÚMEROS DO SENAR

Em 2021, vamos fazer ainda mais pelo produtor. A Assistência Técnica e Gerencial irá atender 2.210 produtores rurais por todo o estado.

Iremos atender 230 alunos na Educação Formal, totalizando 3.645 horas/aula.

Na Educação Profissional e Promoção Social, serão 90 turmas com 1.650 participantes e carga horária de 6.692 horas.

REVISTA CANAL RURAL - Edição 01/2020

| 15


O FUTURO DO AGRO É AGORA PREPAREESE, REINVENTEESE, ORGULHEESE! EAD COM INSCRIÇÕES ABERTAS Mensalidades de

R$179* *Acesse o edital e confira as condições.

TECNOLOGIA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO

TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS

0800 718 1078 / (83) 3048-6050 www.faculdadecna.com.br (61) 99845-7261


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.