Page 1

www.impactoevangelistico.net

A REVISTA QUE CONSTRÓI A SUA VIDA Janeiro 2017 / Edição 756

evangélico

TESTEMUNHOS

A liberação de Jorge

LEMA

“Responsabilidade”

HERÓIS DA FÉ

O pescador de almas

PUBLICAÇÃO OFICIALL

MOVIMENTO MISSIONÁRIO MUNDIAL

O QUE

É O PECADO?

Respostas a uma pergunta que muitas pessoas fazem

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

1


Neste ano 2017, Deus nos entrega um novo lema que nos acompanhará durante os próximos 365 dias; uma identificação própria que cada fiel deve salientar. “De maneira que cada um de nós dará a Deus conta de si”

MISIONÁRIO MUNDIAL 2 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


editorial

RESPONSABILIDADE Rev. Gustavo Martínez Presidente Internacional del M.M.M.

“De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.” Romanos 14:12.

A

palavra “RESPONSABILIDADE” provém do

mais escasseia no mundo; muitas pessoas fracassadas

termo latino “responsum”. A responsabilidade é

carecem deste valor, tanto na vida material quanto na

a habilidade de cumprir as obrigações, é um dever da

espiritual.

confiança, é a habilidade de fazer e manter compromis-

A responsabilidade gera confiança. A falta de res-

sos. A responsabilidade como valor é importante, por-

ponsabilidade provoca a perda de oportunidades,

que dela depende a estabilidade das relações pessoais; é

frustra o crescimento, perverte o direito, e afasta o ca-

valiosa, porque é difícil de alcançar; é uma qualidade do

minho correto. Cada um é responsável por sua atitude

ser humano e uma exigência moral totalmente necessá-

perante Deus. Ele sabe perfeitamente qual é o que mo-

ria. É importante, porque garante o cumprimento dos

tiva a colaborar e fazer as coisas que realiza, mas tam-

compromissos adquiridos, gera confiança e tranquili-

bém o Senhor sabe realmente como realiza o que lhe

dade entre as pessoas. Para possuir responsabilidade, é

foi encomendado. Somos responsáveis mesmo por

preciso notar que todo compromisso tem uma conse-

cada um de nossos pensamentos.

quência.

Levemos a sério nossa responsabilidade, adote-la em

Perante Deus, toda pessoa é responsável por si

seu caráter, faça dela uma qualidade grandiosa em sua vida;

mesma, e não tem nenhuma escusa válida para evadi-la.

seja responsável com seu tempo, não o malgaste em ativi-

O problema do homem, em geral, começa desde os pri-

dades que são opostas a sua responsabilidade. Lembre-se

meiros capítulos do livro de Gênesis, quando o homem

que o tempo passa com rapidez e jamais volta. Renuncie ao

aparece como o maior da criação; o propósito foi que

conformismo e às escusas para se livrar de suas responsabi-

o homem dominasse sobre a criação inteira como um

lidades, seja um cristão exemplar, aprenda a ser responsável

mordomo de Deus; desde esse momento, o homem é

e não admita nenhuma escusa, vença os obstáculos fixando

criado como um ser responsável, porque Deus lhe pede

os olhos em Deus.

obediência.

Amados, exercitemos este ano a responsabilidade

Toda pessoa é responsável por não cair no pecado.

para contribuir para o avanço e o crescimento da Obra

Os primeiros capítulos da Bíblia salientam a gravidade

do Senhor. O apóstolo Paulo, no final de sua vida, dis-

do pecado e a situação desesperante que o homem ex-

se: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guar-

perimentou. A irresponsabilidade do homem lhe trou-

dei a fé” (2 Timóteo 4:7).

xe graves consequências. Após o novo nascimento, o homem é mais responsável. A responsabilidade é um dos valores que

Que Deus o abençoe grandemente, e que podamos ter um feliz ano de RESPONSABILIDADE 2017 l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

3


www.impactoevangelistico.net

evangélico Diretor Fundador: Rev. Luis M. Ortiz DEZEMBRO 2016 / EDIÇÃO N° 756 USPS 012-850) PUBLICAÇÃO OFICIAL DO MOVIMENTO MISSIONÁRIO MUNDIAL O World-Wide Missionary Movement, Inc. é uma igreja sem fins lucrativos, com uma visão para fundar novas igrejas nos Estados Unidos da América e seus territórios e também com uma visão missionária para fundar novas igrejas onde Deus abre novas portas em todo o Mundo. PUBLICAÇÃO MENSAL POR: Movimiento Misionero Mundial, Inc (Movimento Missionário Mundial, Inc.) San Juan, Porto Rico Washington, D.C. Postagem Periódica pagada a: San Juan, Porto Rico 00936

AGENTE DO CORREIO:

enviar variações de endereço a Impacto Evangélico P.O. BOX 363644 San Juan, Porto Rico 00936-3644 Telefono (787) 761-8806; 761-8805; 761-8903 OFICIAIS DO M.M.M. INC Rev. Gustavo Martínez Rev. José Soto Rev. Rubén Concepción Rev. Rodolfo González Rev. Álvaro Garavito Rev. Margaro Figueroa Rev. Rómulo Vergara Rev. Humberto Henao Rev. Luis Meza

Presidente Vice-presidente Secretario Tesoureiro Diretor Diretor Diretor Diretor Diretor

OBRAS ESTABLECIDAS EM: África do Sul Alemanha Argentina Aruba Austrália Áustria Bélgica Belize Bolívia Bonaire Brasil Camarões Canadá Chile Colômbia Congo Costa do Marfim Costa Rica Curaçao Dinamarca El Salvador Equador Espanha EUA Filipinas

Finlândia França Gabão Gana Guatemala Guiana Francesa Guiana Inglesa Guiné Equatorial Haiti Havaí (EUA) Holanda Honduras Ilha de San Andrés (Col.) Ilha Rodrigues Ilhas Canárias (Espanha) Índia Inglaterra Israel Itália Jamaica Japão Kuwait Madagáscar

Malásia Maurício México Mianm o valor da vida ar Nicarágua Nigéria Oman Panamá Paraguai Peru Porto Rico Portugal República Dominicana Roménia Saint Martin Suécia Suíça Suriname Trinidad e Tobago Ucrânia Uruguai Venezuela

O Movimento Missionário Mundial é uma organização religiosa sem fins lucrativos, devidamente registrada em San Juan, Porto Rico, e na capital federal, Washington DC com sede nas duas cidades, bem como em todos os estados da União Americana e em outros países onde temos obras missionárias estabelecidas. Importante As ofertas e doações em dinheiro, computadores, imóveis, legados em testamento, para o benefício desta obra do Movimento Missionário Mundial, Inc. são dedutíveis do imposto de renda (Income Tax) e os recibos emitidos pelo Movimento Missionário Mundial são reconhecidos pela Diretoria das Rendas Internas (IRS), do Governo Federal dos Estados Unidos da América e do Estado Livre Associado de Porto Rico. n

Visite o nosso website Obtenha informação edificante da Obra de Deus e fique a par das últimas notícias. Um acesso personalizado a partir de qualquer lugar do mundo: www.impactoevangelistico.net n

Se você quiser Escreva-nos para o nosso endereço postal: Movimiento Misionero Mundial, Inc. P.O. Box 363644 San Juan, P.R. 00936-3644 n

Copyright © 2009 Impacto Evangélico Movimiento Misionero Mundial, Inc. (World-Wide Missionary Movement, Inc.) Todo o conteúdo da revista e cada edição subseqüente está devidamente registrada na Biblioteca do Congresso, Washington, DC EUA. Todos os direitos reservados. A reprodução parcial, completa ou em qualquer forma ou sua tradução para outros idiomas sem a autorização do Diretor é proibida. No âmbito dos acordos internacionais de direitos autorais é um crime punível por lei n

Declaração Doutrinária O Movimento Missionário Mundial adere às doutrinas fundamentais da Bíblia, tais como: n

Depósito Legal na Biblioteca Nacional do Peru N ° 2011-02530 Igreja Cristã do Pentecostes do Movimento Missionário Mundial: Av. 28 de Julio 1781 - Lima 13 - Peru Impressão: Quad/Graphics Perú S.A. Av. Los Frutales 344 - Lima 03 - Perú

MISIONÁRIO MUNDIAL 4 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

• A inspiração das Escrituras Sagradas: 2 Timóteo 3:15-17, 2 Pedro 1:19-21. • A Divindade adorável em Três Pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo: Mateus 3:16-17, 17: 1-5; 28:19 João 17: 5, 24, 26, 16:32, 14:16, 23, 18:05, 6, 2 Pedro 1:17,18; Apocalipse 5. • A salvação pela fé em Cristo: Lucas 24:47, João 3:16, Romanos 10:13, Tito 2:11, 3:5-7. • O Novo Nascimento: João 3:3, 1 Pedro 1:23, 1 João 3:9. • A Justificação pela Fé: Romanos 5:01, Tito 3:07. • O Batismo nas águas por imersão, segundo ordenado por Cristo: Mateus 28:19, Atos 8:36-39. • O Batismo no Espírito Santo, subseqüente à salvação, falando em outras línguas, segundo: Lucas 24:49, Atos 1:4, 8, 02:04. • A Cura Divina: Isaías 53:4, Mateus 08:16, 17, Marcos 16:18, Tiago 5:14, 15. • Os Dons do Espírito Santo: 1 Coríntios 12:1-11. • Os frutos do Espírito Santo: Gálatas 5:22-26. • A Santificação: 1 Tessalonicenses 4:03, 5:23, Hebreus 0:14, 1 Pedro 1:15, 16, 1 João 2:6. • O Ministério e a Evangelização: Marcos 16:15-20, Romanos 10:15. • O dízimo e a Sustentabilidade da Obra: Gênesis 14:20, 28:22, Levítico 27:30, Números 18:21-26, Malaquias 3:7-10, Mateus 10:10; 23:23. • A ascensão da Igreja: Romanos 8:23, 1 Coríntios 15:51 - 52, 1 Tessalonicenses 4:16-17. • A Segunda Vinda de Cristo: Zacarias 14:1-9, Mateus 24:30, 31, 2 Tessalonicenses 1:07, Tito 2:13, Judas 14, 15. • O Reino Milenar: Isaías 2:1-4, 11:5-10, Zacarias 9:10, Apocalipse 19:20, 20:3-10. • Novos Céus e Nova Terra: Isaías 65:17, 66:22, 2 Pedro 3:13, Apocalipse 21:1.


SOMMARIO Encontrar-nos em

www.facebook.com/impactoevangelistico

16 / INTERNACIONAL. Magnicídio na Turquia 20 / CIÊNCIA. O cérebro e as línguas

DEVOCIONAIS 42 / A VERGONHA DO PECADO. Rev. Luis M. Ortiz 44 / HÁ RUÍDO DE UMA ABUNDANTE CHUVA. Rev. José Soto Benavides 46 / SERÁ MUITO LONGO O CAMINHO. Rev. Carlos Guerra

O significado do pecado

6

A fé os salvou

Testemunho

40 / ENTREVISTA. “A ideologia de gênero afeta a família”

Bem-estar

30 / HERÓIS DA FÉ. O pescador de almas

Atualidade

28 / MÚSICA. Junto ao Rio Cristalino

Nota de capa

24 / LITERATURA. Hebreus

A liberação de Jorge

As doenças alérgicas

22 18

34

48 - 64 / EVENTOS INTERNACIONAIS. Aviva, ó senhor, a tua obra 65 / OUTROS EVENTOS.

14 / Infográfico.

66 / CARTAS- AGENDA.

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

5


O SIGNIFICADO DO

PECADO

E

xistem muitas coisas que não são boas no mundo: maldade, iniquidade, opressão, lutas, guerras, morte, sofrimentos. Então, surge a pergunta: de que maneira o pecado entrou no mundo? Esta pergunta é um enigma para muitos. A Bíblia tem a resposta de Deus. Myer Pearlman

O que é o pecado? A Bíblia tem uma variedade de termos para descrever o mal moral que nos diz algo de sua natureza. Um estudo destes termos no hebraico e grego originais dará a definição bíblica do pecado.

NO ANTIGO TESTAMENTO Diversas palavras hebraicas descrevem como o pecado age nas seguintes esferas: A esfera do moral. As seguintes palavras são usadas para expressar o pecado. 1) O vocábulo usado com maior frequência para descrever o pecado significa “errar o alvo”. Transmite ou comunica as seguintes ideias: a) errar o alvo, como um arqueiro errático que lança a seta, mas falha. De qualquer maneira, o pecador erra o verdadeiro alvo ou objeto da existência; b) errar o caminho, como o viajante que se desviou da rota ou da estrada; c) foi achado insuficiente quando foi pesado na balança de Deus. Em Gênesis 4:7, onde o vocábulo é usado pela primeira vez, o pecado é personificado como besta selvagem pronta para atacar qualquer ser exposto. 2) Outra palavra significa literalmente “torção” e se refere comumente à “perversidade”. É assim contrária à justiça, que significa “o que é reto ou conforme com um nível justo”. 3) Outra palavra comum, “mal”, fornece a ideia de violência ou rompimento, e descreve o homem que viola as leis de Deus. A esfera da conduta fraterna. Para os pecados nesta esfera, o vocábulo usado significa violência ou conduta prejudicial (Gênesis 6:11; Ezequiel 7:23; Provérbios 16:29). Omitindo a influência mesurada da lei, o homem maltrata e oprime seus semelhantes. MISIONÁRIO MUNDIAL 6 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


FOTO: AFP

nota de capa

Janeiro 2017 / Impacto evangĂŠlico

7


FOTO: AFP

A esfera da santidade. Os vocábulos para descrever o pecado nesta esfera indicam que o ofensor teve relações com Deus. A nação israelita era uma nação formada por sacerdotes, considerando cada um em comunhão com Deus e em contato com seu Tabernáculo santo. Portanto, todo israelita era santo, separado para Deus, e todas as atividades da esfera de sua vida estavam reguladas pela lei da santidade. Aquilo excluído da lei era profano (o oposto de santo) e o que participou disso se tornou imundo ou contaminado (Levítico 11:24, 27; 11:31, 33, 39). Era considerada uma pessoa profana ou irreligiosa (Levítico 21:14; He. 12:16). Era rebelde e deliberadamente repudiava a jurisdição da lei da santidade, era considerado um “transgressor” (Salmos 37:38; 51:13; Isaías 53:12). A esfera da verdade. Os vocábulos que descrevem o pecado salientam o elemento enganoso e vão do pecado. Os pecadores agem e falam com falsidade (Salmos 58:3; Isaías 28:15), apresentam erroneamente a verdade e dão falso testemunho (Êxodo 20:16; Salmos 119:128; Provérbios 19:5, 9). Essa atividade se denomina “vaidade” (Salmos 12:2; 24:4; 41:6), isto é, vazia, carenciada de valor. O primeiro pecador foi mentiroso ( João 8:44); o primeiro pecado começou com uma mentira (Gênesis. 3:4); e todo pecado contém o elemento do engano (Hebreus 3:13). MISIONÁRIO MUNDIAL 8 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

CONSEQUÊNCIAS DO PECADO O PECADO é ato e estado. Como sublevação às leis de Deus, é um ato da vontade do homem; como separação de Deus, torna-se pecaminoso. Há duas consequências: o pecador provoca o mal sobre si, por suas más ações, e incorre em culpa perante Deus. Deve-se distinguir duas coisas, portanto, as más consequências surgidas pelo ato do pecado, e a pena que sofrerá no juízo. Tudo isso pode ser ilustrado da maneira seguinte: um pai proíbe seu filho defumar, e adverte duas consequências: sofrerá doença e depois, será castigado por sua desobediência. Do mesma maneira, as Sagradas Escrituras descrevem dois efeitos do pecado nas pessoas culpadas: depois aparecem consequências desastrosas para suas almas e provocará sobre eles o decreto positivo da condenação de Deus.

A esfera da sabedoria. O homem age com maldade porque não se preocupa de raciocinar devidamente ou porque se nega a fazer isso. Por descuido ou ignorância deliberada, não guia sua vida de acordo com a vontade de Deus.


FOTO: AFP

nota de capa

Seguir leyendo­–– Janeiro 2017 / Impacto evangélico

9


1) Muitas pessoas simples recebem exortações (Provérbios. 1:4, 22; 8:5). Este vocábulo descreve o homem natural, sem desenvolvimento para o bem ou para o mal, sem princípios fixos, mas com uma inclinação natural para o mal, isso pode ser aproveitado para manipulá-la. Carece de propósitos fixos e princípios morais. Ouve, mas esquece, e, portanto, é conduzido com facilidade ao pecado (Compare Mateus 7:26). 2) Com frequência sabemos de pessoas que carecem de entendimento (Provérbios. 7:7; 9:4), isto é, aqueles que são vítimas do pecado por falta de entendimento que não por inclinação pecaminosa. Como sua sabedoria é limitada, julgam com precipitação e imprudência a providência de Deus, e coisas que estão acima deles. E por isso se tornam ímpios. Tanto esse tipo de pessoas quanto os simples são inexcusáveis, pois as Sagradas Escrituras apresentam o Senhor oferecendo livremente – Não! rogando que aceitem (Provérbios 8:1-10) – aquilo que lhes dará sabedoria para procurar a salvação. 3) O vocábulo traduzido como “néscio” com frequência (Provérbios 15:20) descreve a pessoa que, sendo capaz de fazer o bem, está unida por laços carnais e é conduzida facilmente ao pecado por suas inclinações pecaminosas. Não tem autodisciplina nem guia suas tendências ou predisposições segundo a lei divina. 4) O “escarnecedor” (Salmos 1:1; Provérbios 14:6) é o malvado que justifica sua maldade mediante argumentos razoáveis contra a existência ou realidade de Deus, e contra o espiritual em geral. De maneira que o vocábulo “escarnecedor” do Antigo Testamento equivale a “ateu” ou “livre-pensador”, e a expressão “cadeira dos escarnecedores” significa com probabilidade à sociedade pagã ou infiel local.

NO NOVO TESTAMENTO Por outro lado, o Novo Testamento descreve o pecado assim: Errar o Alvo. Ela tem a mesma ideia expressada no Antigo Testamento. Dívida (Mateus 6:12). O homem deve guardar seus mandamentos para Deus. Todo pecado cometido é uma dívida contraída. Incapaz de pagá-la, sua única esperança é o perdão ou remissão da dívida. Desenfreio. O pecador é um rebelde e idólatra, pois aquele que deliberadamente viola um mandamento escolhe sua própria vontade antes que a lei de Deus. Pior ainda, convertese em lei para si mesmo e, dito de outra maneira, age como se ele mesmo fosse Deus. O pecado começou no coração do anjo soberbo que disse “subirei”, em oposição à vontade de Deus (Isaías 14:13-14). O anticristo é o desenfreado (tradução literal do iniquo) porque se sente mais importante que qualquer coisa que é adorada ou denominada Deus (2 Tessalonicenses 2:4). O pecado é essencialmente obstinação, teimosia, e a obstinação é essencialmente pecado. Desobediência. Literalmente, “ouvir impropriamente”; escutar sem prestar atenção (Hebreus 2:2). “Vede, pois, como ouvis” (Lucas 8:18). MISIONÁRIO MUNDIAL 10 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Transgressão. É “exceder os limites” (Romanos 4:15). Os mandamentos de Deus são cercas ou barreiras, por assim dizer, que impedem o homem de entrar em território perigoso e sua alma de sofrer danos. Queda. Ou falta ou cair junto ao caminho (Efésios 1:7) na língua grega. Assim nasce a expressão comum de “cair em pecado”. Pecar é cair de um nível de conduta. Derrota. É o significado literal da palavra “falta” (Romanos 11:12). Ao recusar Cristo, a nação judia sofreu uma derrota e


FOTO: AFP

nota de capa

desviou o propósito de Deus. Impiedade. De um vocábulo que significa “sem adoração ou apetência” (Romanos 1:18; 2 Timóteo 2:16). O homem ímpio é aquele que presta pouca atenção ou nenhuma ao sagrado. O sagrado não produz sentimento algum de temor aparente. Está sem Deus porque não quer Deus. Erro. Descreve os pecados cometidos por descuido ou ignorância, muito diferente daqueles cometidos com presunção. O homem que obstinadamente propõe fazer o mal incorre em

maior grau de culpa que aquele que por debilidade comete alguma falta.

TEORIAS FALSAS Na história, surgiram teorias que negam ou apresentam erroneamente ou restam importância ao pecado e a sua natureza. 1. Ateísmo. Se o ateu nega a existência de Deus, também nega o pecado, já que, estritamente, podemos pecar somente contra Deus. Na análise final das coisas, toda má ação está di-

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

11


FOTO: AFP

rigida contra Deus. 2. Determinismo. Afirma que o livre-arbítrio é um engano e não é real. Imaginamos que somos livres de escolher, quando realmente escolhemos de acordo com estímulos internos e por circunstâncias fora de nosso domínio. O home é simplesmente um escravo das circunstâncias, segundo essa teoria. Uma das consequências práticas do determinismo é considerar o pecado como uma doença, pela qual o pecador deve ser considerado um ser digno de lástima, e não alguém que deve ser castigado; mas o peremptório sentido do dever implantado na consciência do homem refuta esta teoria. 3. Hedonismo. Esta palavra procede de uma raiz etimológica grega que significa “prazer”. Esta teoria diz que o ótimo da vida é desfrutar dos prazeres e evitar a dor. Não todos os hedoMISIONÁRIO MUNDIAL 12 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

O pecador é um rebelde e idólatra, pois aquele que deliberadamente viola um mandamento escolhe sua própria vontade antes que a lei de Deus. Pior ainda, converte-se em lei para si mesmo e, dito de outra maneira, age como se ele mesmo fosse Deus. O pecado começou no coração do anjo soberbo que disse “subirei”, em oposição à vontade de Deus […]


nota de capa

nistas experimentam uma vida viciosa, mas a tendência geral do hedonismo é ignorar o pecado com designações como as seguintes: “fraqueza inocente”, “um tropeção”, “um capricho”, e “entusiasmo juvenil”. Desculpam o pecado com frases como: “errar é humano”, “o que é natural é belo, e o que é belo é bom”. Naturalmente, isso tenta justificar com frequência a imoralidade. 4. Ciência cristã. A ciência cristã nega a realidade do pecado. O pecado não é algo positivo, mas simplesmente a ausência do bom. Dizer que o pecado tem existência verdadeira é um “erro da mente mortal”. As Sagradas Escrituras denunciam o pecado como violação positiva contra a lei de Deus, é uma ofensa real. 5. Evolução. Esta teoria considera o pecado como a herança de animalidade do homem primitivo. Esta teoria da evolução é não antibíblica. Os animais não pecam; vivem de acordo com sua natureza, e não experimentam consciência de culpabilidade por agir dessa maneira. É certo que o homem tem uma natureza física, mas essa parte inferior dele foi criação de Deus e foi criada para estar sujeita a uma inteligência iluminada por Deus.

A ORIGEM DO PECADO O terceiro capítulo do Gênesis menciona os elementos que caracterizam a história espiritual do homem: tentação, pecado, culpa, castigo e redenção. 1. TENTAÇÃO. a) A possibilidade da tentação. O segundo capítulo do Gênesis narra a queda do homem. Fala do primeiro lar do homem, sua inteligência, seu serviço no jardim do Éden, as duas árvores, e o primeiro casamento. Menciona particularmente a árvore do conhecimento do bem e do mal e da árvore da vida. Por que foi plantado ali? Para provar se o homem podia escolher, com carinho e liberdade, servir a Deus. Sem o livre-arbítrio, o homem tivesse sido uma simples máquina. b) A fonte da tentação. É razoável inferir que a serpente foi o agente empregado por Satanás (Ezequiel 28:13-17; Isaías 14:12-15). Por isso, Satanás é descrito como “a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás” (Apocalipse 12:9). c) A sutileza da tentação. A sutileza aparece como uma característica sobressaliente da serpente (Compare Mateus 10:16). Apresenta com grande astúcia sugestões que, quando são seguidas, provoca desejos pecaminosos e fatos também pecaminosos. Começa observando a mulher (Gênesis 2:1617). E espera até que Eva fique sozinha (Compare Gênesis 3:1; 2:16-17). Assim, astutamente semeia a dúvida no coração da mulher e, ao mesmo tempo, insinua que o mesmo tem a preparação necessária para ser juiz, respeito à justiça de tal proibição. 2. CULPA a) As palavras da serpente (Gênesis 3:5) foram cumpridas, mas o conhecimento adquirido foi diferente do esperado. Em vez de se sentirem como Deus, experimentaram um terrível sentimento de culpa. Note-se que a nudez corporal é símbolo de uma consciência nua ou culpada. Quando pecaram, a comunhão foi interrompida, o corpo venceu o espírito, e se ini-

ciou o conflito entre o espírito e a carne (Romanos 7:14-24) que foi a causa de tanta miséria. b) Como a nudez era representação e sinal de uma consciência culpada, também a tentativa de cobrir sua nudez é a tentativa do homem de ocultar sua culpa mediante o esquecimento ou as escusas. Mais, unicamente uma vestidura feita por Deus pode cobrir o pecado (Gênesis 3:21). c) O homem culpado tenta se ocultar de Deus, de fugir dele. E é assim como Adão e Eva tentaram se ocultar entre as árvores. 3. CASTIGO. a) Castigo da serpente. A serpente era um animal belo, erguido, mas se tornou o instrumento da queda para o homem; é um animal maldito e degradado. Mas, como a serpente foi simplesmente um instrumento de Satanás, por que deve ser castigada? Porque Deus propôs fazer da maldição da serpente uma figura e profecia da maldição sobre o diabo e todas as forças do mal. b) Castigo para a mulher. “À mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará” (Gênesis 3:16). c) O castigo para o homem. O trabalho já estava designado para o homem (Gênesis 2:15); mas o castigo consistirá no árduo trabalho, e em seus desgostos e desilusões. d) A pena de morte. O homem foi criado para não morrer fisicamente. Poderia ter tido vida eterna se tivesse preservado sua inocência e continuado comendo da árvore da vida. Apesar da restauração de sua comunhão com Deus (e sucesso sobre a morte espiritual) mediante o arrependimento e a oração, deve voltar com seu Criador para a tumba. 4. REDENÇÃO Os primeiros três capítulos do Gênesis contêm as três apelações de Deus, que por meio de todas as Escrituras aparecem em todas as relações de Deus com o homem. A redenção prometida. 1) A serpente tentou formar uma aliança com Eva contra Deus, mas Deus romperá essa aliança. Em outras palavras, haverá uma luta entre a humanidade e os poderes malignos que causaram sua queda. 2) Qual será o resultado desse conflito? Primeiro, a vitória para a humanidade por meio do representante do homem, a Semente da mulher. “Esta [a Semente da mulher] te ferirá a cabeça”. Cristo, a Semente da mulher, veio ao mundo para esmagar o poder do diabo (Mateus 1:23, 25; Lucas 1:31-35, 76; Isaías 7:14; Gálatas 4:4; Romanos 16:20; Colossenses 2:15; Hebreus 2:14-15; 1 João 3:8; 5:5; Apocalipse 12:7-8, 11; 20:13, 10). 3) Porém, não haverá vitória se não houver sofrimento. “Tu [a serpente] lhe ferirás o calcanhar”. No calvário, a serpente feriu o calcanhar da Semente da mulher. Mas, essa ferida forneceu saúde à humanidade (Isaías 53:3-4, 12; Daniel 9:26; Mateus 4:1-10; Lucas 22:39- 44, 53; João 12:31-33; 14:30-31; Hebreus 2:18; 5:7; Apocalipse 2) l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

13


A língua mentirosa

Os olhos são o reflexo da alma. Por meio do olhar, refletimos amor ou ódio, compaixão ou ternura. Quando em um coração há soberba, o reflexo do olhar é altivo ou orgulhoso. O altivo não reflete amor, nem compaixão, nem misericórdia. A Bíblia diz: “Os olhos altivos, o coração orgulhoso e a lavoura dos ímpios é pecado” (Provérbios 21:4). “Ainda que o Senhor é excelso, atenta todavia para o humilde; mas ao soberbo conhece-o de longe” (Salmos 138:6).

7

Coisas que Deus odeia

Vamos conhecer as coisas que Deus mais aborrece. Existem práticas pecaminosas que as pessoas continuamente realizam. Deus deseja que evitemos esses atos pecaminosos porque sua alma os aborrece e condena. A Bíblia diz: “Estas seis coisas que o Senhor odeia, e a sétima a sua alma abomina: Olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, O coração que maquina pensamentos perversos, pés que se apressam a correr para o mal, A testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos” (Provérbios 6:16 -19).

MISIONÁRIO MUNDIAL 14 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

ntira Me

Or gu lho

Os olhos altivos

Deus odeia a mentira, porque destruí famílias, igrejas, trabalhos. Todos os que praticam o pecado da mentira estão refletindo que são filhos do diabo. Ouve-se forte? Jesus diz: “Vós tendes por pai ao diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai. Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira” (João 8:44).


As mãos manchadas de sangue inocente

É um dos pecados que Jesus mais odeia e abomina. O que hoje estamos experimentando em nossa sociedade, na qual diariamente homens cruéis e sem misericórdia assassinam pessoas, só é o cumprimento profético das palavras de Jesus quando diz: “E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo” (Mateus 24:12 -13).

O coração que trama pensamentos iníquos A natureza corrompida pelo pecado produz milhões de pensamentos de maldade nos corações, que diariamente são levados à ação. Jesus disse: “Mas, o que sai da boca, procede do coração, e isso contamina o homem. Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, fornicação, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias” (Mateus15:18 -19).

Hom icíd io

a líci Ma

O que semeia discórdia entre irmãos

Di

fa m

aç ã

o

Murmuração

Aqueles que semeiam discórdia entre irmãos são pessoas contenciosas, invejosas e amargadas, pelas quais muitos lares e igrejas foram destruídos. São pessoas manipuladas por Satanás para semear contendas, e usam sagazmente a fofoca e a crítica, uma sabedoria de origem terrena, animal e diabólica porque seu intuito é destruir a Obra de Deus. Quer com conhecimento quer por ignorância. A Bíblia diz: “Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso em vosso coração, não vos glorieis, nem mintais contra a verdade. Essa não é a sabedoria que vem do alto, mas é terrena, animal e diabólica. Porque onde há inveja e espírito faccioso aí há perturbação e toda a obra perversa” (Tiago 3:14 -16). Só Jesus pode nos liberar de toda obra perversa de manipulação que satanás está realizando em nossas emoções. Renunciemos às fofocas e às críticas e santifiquemos nosso coração ao Senhor.

R eb e l d

ob ia , c

i ça

O testemunho falso que fala mentiras

Os pés que se apressam a correr para o mal

O 9º mandamento diz: “Não dirás falso testemunho contra o teu próximo” (Êxodo. 20:16). Esse ponto é similar ao segundo e é mais outra coisa que Deus odeia, e as consequências são as mesmas. A Bíblia diz: “O que diz a verdade manifesta a justiça, mas a falsa testemunha diz engano.” (Provérbios 12:17). “Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor, mas os que agem fielmente são o seu deleite” (Provérbios 12:22). O conselho do Senhor é: “Guarda a tua língua do mal, e os teus lábios de falarem o engano. Parta-te do mal, e faze o bem; procura a paz, e segue-a” (Salmos 34:13 -14).

Você sabia que nossos membros só obedecem ao que nosso coração ordena? E outra coisa que Deus odeia são os pés que se apressam a fazer o mal. Deus o declara assim: “Os seus pés correm para o mal, e se apressam para derramarem o sangue inocente; os seus pensamentos são pensamentos de iniqüidade; destruição e quebrantamento há nas suas estradas” (Isaías 59:7).

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

15


MAGNICÍDIO NA

TURQUIA

O

assassinato do embaixador russo na Turquia, Andrei Karlov, por um membro do corpo policial desse país, gerou um forte impacto na região e no mundo inteiro. O motivo do atentado criminal teria sido a situação de Aleppo, cidade do norte da Síria onde as tropas do Governo desse país, com apoio da Força Aérea Russa, venceram recentemente um conjunto de grupos armados, a maioria deles eram islamistas que estavam vinculados à Al Qaeda, e tinham ocupado vários de seus bairros em 2012. “Nós morremos em Aleppo, vocês morrem aqui! Ma¬tam pessoas inocentes em Aleppo e na Síria!”, gritou o jovem de 22 anos depois de atirar contra o diplomático russo, como vingança pela suposta massacre que teria acontecido nessa cidade durante a última ofensiva governamental. Apesar do temor de uma possível ruptura de relações diplomáticas entre os dois países por causa dessa nova crise, Rússia tomou controle da situação, como no caso anterior. O governo de Vladimir Putin optou pela cautela, exigindo aumentar a segurança para sua embaixada e reiterando que essa reunião seria realizada de qualquer forma. Há um ano, Putin decidiu impor sanções econômicas contra a Turquia, afetando duramente sua já fraca economia, devido a sua incrementada presença militar na Síria. Com a atual crise, Putin poderia cercar ainda mais o governo de Recep Tayyip Erdogan, que se encontra cada vez mais isolado, por sua repressão contra a oposição de esquerda, a guerra contra os curdos e seu apoio à organizações islamistas na Síria. Quem esteve por detrás do atentado? Meios e dirigentes turcos e russos culparam rapidamente os serviços segredos oc¬identais, procurando aproximar posições entre os dois países. Porém, os suspeitosos poderiam ser os no¬vos integrantes das Forças Armadas que se tornaram ainda mais radicais com o tema do conflito sírio e dos grupos fundamentalistas. Isto é um sinal de que em breve haverá uma nova guerra entre as grandes potências? Pelo contrário. A principal consequência internacional parece ser uma posição mais subordinada da Turquia perante a Rússia, estancada na retórica isla¬mista e conservadora de seu líder Erdogan, e a decomposição do aparelho estatal. MISIONÁRIO MUNDIAL 16 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


internacional

FOTOS: AFP

Apesar do temor de uma possível ruptura de relações diplomáticas entre os dois países por causa dessa nova crise, Rússia tomou controle da situação, como no caso anterior. O governo de Vladimir Putin optou pela cautela, exigindo aumentar a segurança para sua embaixada.

O certo é que o uso e apoio irresponsável de diversos governos a grupos extremistas islâmicos como os talibãs no Afeganistão, os rebeldes na Líbia, a Irmandade Muçulmana na Síria e muitos outros, acaba sendo sempre uma arma de dois gumes. É uma lição que infelizmente a OTAN não apren¬deu após seu fracasso no Afeganistão, onde apareceu novamente a mesma agrupação terrorista que cometeu o atentado de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos e que atualmente assola a Síria l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

17


FOTOS: AFP

A FÉ

OS SALVOU T

rês jogadores de futebol, uma aeromoça, um técnico de voo e um jornalista sobreviveram ao acidente de avião na Colômbia no qual morreram quase todos os futebolistas da Chapecoense do Brasil. Incrivelmente, dos seis sobreviventes do acidente de 28 de novembro, quatro eram cristãos evangélicos. Por isso, Guillermo León, diretor da Clínica San Juan de Dios de La Ceja, manifestou que um “milagre” permitiu que sobrevivessem. “É um milagre. Não há dúvida. É muito pouco provável que um acidente assim seja superado. Felizmente não houve uma explosão, se tivesse sido assim, toda a tripulação teria perecido”, disse. No acidente, acontecido em uma zona próxima à cidade de Medellín, onde o clube brasileiro devia jogar a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, a equipe local, morreram 71 pessoas, principalmente membros da Chapecoense. A tragédia aérea, produzida por causa da insuficiência do combustível na aeronave boliviana da empresa Lamia segundo as autoridades, provocou uma gigantesca solidariedade na Colômbia, que assumiu a tragédia como própria. Ximena Suárez, a aeromoça da companhia aérea Lamia, é boliviana e membro de uma congregação de uma igreja evangélica na Bolívia. MISIONÁRIO MUNDIAL 18 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Ela é a que está em melhor estado de saúde e, de fato, já voltou a seu país, depois de receber alta. Segundo os relatórios médicos, sua posição no momento do impacto “conseguiu o milagre da salvação”. Como se pode ler em seu perfil do Facebook, são inúmeras as mensagens de ânimo reconhecendo a mão de Deus em sua sobrevivência à catástrofe aérea: “Sua vida é um milagre de Deus”, ou “Minha menina bela, Deus ama você, como sua família e todos seus vizinhos onde mora. Deus é grande, Ximena”. Também dois dos três jogadores de futebol da Chapecoense que foram resgatados com vida pertencem à fé cristã evangélica. “A situação é complicada, difícil. Só Deus pode dar forças


atualidade

Em uma entrevista feita poucas horas antes do acidente de avião, Neto falou sobre o cuidado de Deus no processo de recuperação de uma lesão: “Teve uma lesão grave, e não esperava que evolucionasse tão bem como agora. Foi uma situação que Deus permitiu em minha vida”.

agora. Obrigada por sua ajuda, Senhor”, escreveu Amanda, a esposa de Alan Ruschel, no Instagram pouco depois de confirmar que o jogador de futebol da Chapecoense tinha sobrevivido e tinha sido levado a um hospital, onde se mantinha estável.

“Estamos orando por todos os que ainda não foram resgatados, e pela fortaleza para toda a família”, acrescentou. Poucas horas após o acidente, informou-se que o jogador Helio Hermito Neto tinha sido achado com vida e levado a um hospital, mas seu estado de saúde era delicado. Segundo JM Noticia, Neto é cristão evangélico. Em uma entrevista feita poucas horas antes do acidente de avião, Neto falou sobre o cuidado de Deus no processo de recuperação de uma lesão: “Teve uma lesão grave, e não esperava que evolucionasse tão bem como agora. Foi uma situação que Deus permitiu em minha vida”. Também se soube de um quarto evangélico entre os sobreviventes: Erwin Tumiri, músico cristão e técnico de voo no avião sinistrado l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

19


O CÉREBRO E AS

LÍNGUAS

U

ma pesquisa demonstra que seguimos regras universais para a organização da linguagem, quer oral quer escrita. O processo biológico da aprendizagem continua sendo um mistério em muitos aspectos. Os cientistas e especialistas ainda não acordaram se a linguagem depende completamente da aprendizagem ou se temos estruturas inatas para o desenvolvimento dela. Porém, o que podemos saber é que o cérebro humano “aprende” as línguas de forma idêntica para qualquer língua empregada. Isso foi comprovado em um estudo realizado por pesquisadores de várias universidades para descobrir que tanto se ativavam as regiões comuns em nosso cérebro ao decifrar a linguagem tanto oral quanto escrita. O fenômeno foi observado em falantes de chinês, hebraico, inglês e espanhol, quatro línguas muito diferentes entre si. De fato, o inglês e o hebraico são línguas opacas, isto é, pronúncia diferente da escritura. O espanhol é precisamente o contrário, porque cada letra tem um som único. O chinês tem um alfabeto logográfico, no qual cada signo representa uma palavra. São línguas muito diferentes entre si, e são escritas, lidas e faladas de maneiras muito diferentes também. Porém, nos cérebros de seus falantes se ativam regiões comuns para decifrar a linguagem tanto escrita quanto oral.

ORGANIZADO E EFICIENTE A pesquisa, desenvolvida pelo Basque Center on Cognition, Brain and Language (BCBL), a Universidade de Yale (Estados Unidos), a Universidade Hebreia de Jerusalém (Israel) e a Universidade Nacional Yang-Ming de Taipé (Taiwan) sugerem “que se trata de um princípio universal de organização cerebral”, segundo Kepa Paz-Alonso, pesquisador do centro basco e autor do estudo. Demonstrou-se que tanto ao ler quanto ao ouvir palavras, ativam-se regiões cerebrais comuns. Ao ler um texto ou ouvir uma voz, nós percebemos esses estímulos por meio de sentidos diferentes (a vista e o ouvido, respectivamente); contudo, há zonas de nosso cérebro que se ativam quando realizamos qualquer MISIONÁRIO MUNDIAL 20 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

dessas duas ações. Esse solapamento entre as redes neuronais de leitura e compreensão da língua foi observado nos cérebros dos falantes das quatro línguas analisadas, motivo pelo qual os pesquisadores afirmam que se trata de um princípio universal. Neste trabalho, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), os pesquisadores estuda-


ciência

lê e se compreende a linguagem oral em cada língua tem mais o menos similaridades respeito às redes cerebrais responsáveis por processar essa informação”, explica Paz-Alonso. “Como o espanhol se lê igual como se escreve e em inglês ou em hebraico não, pode-se pensar que um falante destas últimas línguas deveria ativar suas redes cerebrais diferentes; porém, não é assim: as mesmas regiões se ativam em todas as línguas, também no chinês, que segue um sistema totalmente diferente”, acrescenta.

FOTOS: AFP

ram os cérebros de 84 voluntários, 21 de cada língua. Enquanto eles liam ou ouviam diversas palavras, analisaram sua atividade cerebral mediante uma técnica conhecida como ressonância magnética funcional. Graças a isso, foram observadas as regiões cerebrais implicadas em uma atividade determinada. “Escolhemos algumas línguas tão diferentes entre si porque deste modo podíamos observar melhor se a maneira em que se

COMO APRENDEMOS A LER? Os pesquisadores interpretam que o processo natural da aprendizagem nos leva a desenvolver, a partir dos primeiros meses de vida, a rede neuronal encarregada de compreender a linguagem oral, e que sobre ela se apoia a rede responsável por decifrar a linguagem escrita quando aprendemos a ler, para o fim da primeira infância. Assim se produz uma convergência entre ambas as redes, já que a rede cerebral dedicada à compreensão da língua falada serve como base para a leitura. Como este fenômeno foi observado nos falantes de línguas tão diferentes como as mencionadas, os pesquisadores creem que descobriram “um princípio universal de organização cerebral da linguagem”, segundo Paz-Alonso. “Isso implica uma certa economia na organização cerebral: seguramente seria pouco eficiente ter dois sistemas de linguagem totalmente separados ou com pouca convergência entre si para a compreensão e a leitura, especialmente quando um deles se desenvolveu previamente”, explica. Por causa destas descobertas, aparecem novas perguntas para os pesquisadores. Por exemplo, se nas diversas línguas se ativam regiões cerebrais comuns, elas se comunicam de maneira similar ou diferente? Ou, em que medida a forma como está estabelecida a rede cerebral dedicada à compreensão, antes do desenvolvimento da linguagem, afeta a capacidade de leitura? l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

21


AS DOENÇAS

ALÉRGICAS

A

s doenças alérgicas são um problema de Saúde Pública no mundo e tudo indica que sua frequência aumentará no médio e longo prazo. Elas são consideradas a Grande Epidemia Não Infecciosa nos países desenvolvidos e em muitos países em desenvolvimento. Walter Menchola Vásquez

Calcula-se que, no mundo, pelo menos um em cada quatro pessoas padece de algum tipo de alergia. A prevalência (afetação de pessoas por uma doença em um período de tempo) das doenças alérgicas no mundo não deixa de aumentar. O termo alergia ou doença atópica significa “outra forma de reagir”, e implica uma tendência familiar a seu aparecimento; que pode acontecer em forma isolada ou combinada de transtornos como: asma, rinite, urticária, dermatite atópica, entre outros.

O QUE É A ALERGIA? É uma reação do organismo a substâncias estranhas que se comportam como estímulos capazes de gerar respostas exageradas do sistema imunológico. Se uma pessoa se expõe a estas substâncias estranhas, denominadas alérgenos, o organismo por meio do sistema imunológico reage com vários mecanismos biológicos complexos, que originam a produção de anticorpos (defesa) e cuja finalidade é neutralizar os alérgenos. Isto ocorre na primeira exposição das pessoas alérgicas à substância estranha. A partir da segunda exposição, a reação destas pessoas é exagerada, causando sintomas e signos característicos da alergia: comichão, inchação e avermelhamento da zona afetada, mal-estar geral, lacrimejamento, espirro, febre em casos severos. Em algumas ocasiões, a situação pode ser tão severa que poder provocar oclusão das vias aéreas superiores e ser causa de morte se a pessoa não é atendida urgentemente; esta forma grave é conhecida como anafilaxia ou reação anafilática. As reações podem ser diversas: vias respiratórias (espirros, comichão nasal, obstrução, rinorreia, espasmo e obstrução parcial dos brônquios); olhos (comichão, lacrimejamento, inchação das pálpebras); pele (inchação, comichão, avermelhamento); gastrointestinal (diarreias, meteorismo); mal-estar geral, insônia. MISIONÁRIO MUNDIAL 22 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Os casos severos de alergia podem causar a morte das pessoas, e por isso sua atenção deve ser imediata. São os casos nos quais a vida destas pessoas se decide em muito breve tempo, por isso, perante a dificuldade para respirar, colapso cardiovascular (pressão arterial baixa ou muito baixa, falta de pulso ou apalpamento muito difícil), perda de consciência ou sensação de perda do equilíbrio, o afetado deve ser levado imediatamente ao centro médico de emergências mais próximo, ou aplicar adequada-


saúde

conhecem suas alergias. As manifestações clínicas mais comuns observadas nas pessoas alérgicas são as que se apresentam nas vias respiratórias (rinite alérgica, asma bronquial), nos olhos (conjuntivite) e na pele (urticária, eczema).

PREVENÇÃO E TRATAMENTO A prevenção implica a identificação da substância alergênica e evitar a possibilidade de contato com o paciente alérgico. Para isso, recomenda-se a abstenção total de ingerir alimentos, medicamentos ou substâncias alergênicas. Outra medida é a hipossensibilização (imunossensibilização) do paciente, que é um tratamento de longa duração e que consiste em expô-lo periodicamente a diferentes doses da substância alergênica, para dessensibilizar a pessoa alérgica; existem diversas técnicas. Há outras medidas simples, como: não limpar o pó da casa a seco, mas com panos úmidos ou com um aspirador; não utilizar vassouras porque levantam pó; eliminar tapetes, cortinas; lavar a roupa de cama com água quente (elimina os ácaros); usar roupa de cama de material sintético, que não contenha lã, algodão ou penas. O tratamento médico dos casos leves e moderados pode ser feito com anti-histamínicos via oral, de primeira geração (clorfeniramina), apesar dos efeitos colaterais (sonolência principalmente), seu efeito sobre as manifestações alérgicas são intensas. Os anti-histamínicos de segunda geração também podem ser

FOTOS: AFP

mente epinefrina. É essencial que as pessoas alérgicas levem sempre em sua carteira, porta-documentos, porta-moedas ou telefone celular, uma lista das substâncias às quais são alérgicas. Dessa maneira, em uma situação crítica, os médicos podem conhecer suas alergias e evitar ou suspender o uso de um medicamento ou substância que resultaria nocivo para elas, pois muitas vezes os afetados perdem a consciência e os familiares ou amigos des-

empregados; eles têm menos efeitos colaterais, por exemplo: loratadina ou cetericina. Os corticoides devem ser reservados para casos severos. Lembre o velho provérbio grego: “Nada é veneno e tudo é veneno, depende da dose” l *) Médico Internista, Mg. Gestão e Políticas Públicas Fonte: Harrison Medicina Interna; Manual Washington de Terapêutica Clínica

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

23


HEBREUS O

teólogo Simon Kistemaker nesta obra analisa de forma conscienciosa e escrupulosamente a carta dirigida aos primeiros judeus conversos ao cristianismo. Um livro com muita mensagem.

Se há um livro do Novo Testamento que exorte os cristãos a permanecerem fiéis “nos últimos dias”, esse livro é a epístola aos Hebreus. Esta epístola contém uma mensagem especial para um tempo caracterizado pela apostasia; está dirigido ao crente que, perante a incredulidade e a desobediência prevalentes, deve permanecer firme na fé. A carta aos Hebreus é, portanto, uma exortação à fidelidade. Apesar de que “Hebreus” ensina a superioridade de Cristo sobre os anjos, Moisés, Josué, Aaron e Melquisedeque são as exortações que se acham livremente espalhadas entre as seções doutrinais que marcam a tônica. Publicado pela primeira vez em 1984, “Hebreus” é um livro que reúne uma sequência de exegese que ajuda a entender um dos vinte e sete livros incluídos no Novo Testamento. Escrita pelo doutor em teologia Simon Kistemaker, renomado estudioso das Sagradas Escrituras, esta obra, também faz parte de dezoito textos de comentários escrupulosamente fiéis à Bíblia iniciada pelo professor William Hendriksen, que faleceu em 12 de janeiro de 1982. Deus falou aos antepassados nos tempos que precederam o nascimento de Jesus e lhes comunicou sua revelação. Deus é o que origina a revelação. Ele é a fonte, a base e o sujeito dela. Na era veterotestamentária, Deus usou os profetas para dar a conhecer Sua Palavra ao povo. Mas essa não era a única maneira; o primeiro versículo declara que Deus fez chegar sua revelação a seu povo em muitas ocasiões e de diversas maneiras. As palavras “ocasiões” e “maneiras” têm um lugar proeminente no grego original: estão situadas em primeiro lugar na oração.

GRANDES REFLEXÕES Redigido a fim de continuar a obra começada pelo doutor Hendriksen, “Hebreus” fornece reflexões teóricas e apropriadas que podem contribuir para a elaboração de uma prédica ou apoiar no estudo bíblico. Dividido em treze capítulos, este livro também está livre de termos e frases técnicas. Da mesma maneira, o leitor pode encontrar entre suas páginas numerosas ajudas e aplicações simples, elaboradas a partir do conteúdo do Novo Testamento. Um dos elos entre o primeiro e o segundo capítulo são as MISIONÁRIO MUNDIAL 24 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


literatura

Deus falou aos antepassados nos tempos que precederam o nascimento de Jesus e lhes comunicou sua revelação. Deus é o que origina a revelação. Ele é a fonte, a base e o sujeito dela. Na era veterotestamentária, Deus usou os profetas para dar a conhecer Sua Palavra ao povo. Mas essa não era a única maneira; o primeiro versículo declara que Deus fez chegar sua revelação a seu povo em muitas ocasiões e de diversas maneiras.

referências diretas e indiretas que o escritor faz às três investiduras de Cristo: profeta, sacerdote e rei. No primeiro capítulo, o escritor descreve o Filho como a pessoa mediante a qual Deus falou profeticamente, como sumo sacerdote que “proveu purificação pelos pecados”, e como aquele que, rodeado de esplendor real, “sentou-se à direita da Majestade no céu”. O escritor continua este ênfase no segundo capítulo, descrevendo Cristo como o Senhor, aquele que como profeta anuncia a salvação, e como rei está “coroado de glória e honra”. O trabalho efetuado por Simon Kistemaker em “Hebreus”, explora quais são as características principais desta epístola, quem a escreveu, qual é sua mensagem, as razões pelas que foi recusada nos primeiros séculos, quando foi escrita, quem foram seus primeiros leitores e como pode ser exposto. Nesse sentido, o próprio autor afirma que se trata de uma parte da Bíblia cujo maior objetivo é realizar um chamado de atenção aos fiéis para manterem a fidelidade a Deus. O privilégio de ser chamado por Deus vem com um mandato. O mandato não é difícil nem complicado, e os irmãos podem cumpri-lo. Consiste em fixar seus pensamentos em Jesus e fazê-lo diligentemente. Pareceria que os leitores da epístola não estavam fazendo isso nesse momento, pois pareciam estar se desviando. Já em Hebreus 2:1 o escritor exorta eles a “prestarem atenção mais diligente” ao Evangelho que ouviram, já que o conhecimento de Jesus é essencial. Quando se prepara para falar de Jesus, não é chamado Jesus Cristo, nem Filho de Deus, nem Filho do homem, nem Senhor e Salvador, mas Apóstolo e Sumo Sacerdote. Em sua obra o reverendo Kistemaker, graduado do Calvin College, do Seminário Teológico Calvin e da Universidade Livre de Amsterdã, afirma que “uma característica determinante do livro é a eleição das palavras, o equilíbrio das frases, o ritmo retórico do grego original e o excelente estilo”. Também diz que “ainda através da tradução, o leitor de hoje percebe algo da magnificência da habilidade literária no escrito”. Não devemos criticar os destinatários originais desta epístola, já que nós mesmos mostramos tais características.

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

25


Nós, que ouvimos o Evangelho proclamado por muitos anos –muitos de nós desde a infância– com frequência não demonstrámos discernimento espiritual. Apesar de termos a revelação de Deus no Antigo e no Novo Testamento, continuamos aprendendo lentamente. Pesquisas realizadas por pastores locais ou por agências cristãs revelam invariavelmente que os membros da Igreja desconhecem os princípios básicos da Escritura ou, se a conhecem, são incapazes de aplicar esses ensinamentos básicos. MISIONÁRIO MUNDIAL 26 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

SENTIMENTO DO PECADO “Hebreus”, que foi lançado ao mercado em espanhol em 1991, não foi a única contribuição do teólogo Kistemaker para o conjunto de livros de comentários bíblicos impulsionado por seu colega William Hendriksen. Crente douto,


literatura

O pacto que Deus fez com o povo de Israel tinha uma séria deficiência: não podia eliminar o sentimento de pecado. O sangue dos animais sacrificados não podia eliminar o pecado. Somente o sangue de Cristo, derramado uma vez para sempre, sempre o pecado e limpa de culpa a consciência do homem. O sacrifício de Cristo pôs fim aos sacrifícios estipulados pela lei do Antigo Testamento. “O fim da lei é Cristo”, diz Paulo.

escreveu também textos sobre o Apocalipse, Atos e Coríntios, e sobre as epístolas de Tiago, João, Pedro e Judas. Do mesmo modo é preciso mencionar que quatro destas obras receberam o prêmio Medalha Dourada da ECPA (Evangelical Christian Publishers Association). O pacto que Deus fez com o povo de Israel tinha uma séria deficiência: não podia eliminar o sentimento de pecado. O sangue dos animais sacrificados não podia eliminar o pecado. Somente o sangue de Cristo, derramado uma vez para sempre, elimina o pecado e limpa de culpa a consciência do homem. O sacrifício de Cristo pôs fim aos sacrifícios estipulados pela lei do Antigo Testamento. “O fim da lei é Cristo”, diz Paulo (Romanos 10:4). O escritor de “Hebreus” insinua uma variante: “O fim dos sacrifícios do antigo pacto é Cristo”. Quando se ofereceu a si mesmo como sacrifício, Cristo marcou o fim do sacerdócio levítico com seus sacrifícios e oferendas. Em “Hebreus”, Simon Kistemaker, que serviu na Sociedade Teológica Evangélica (ETS) primeiro como presidente e depois como tesoureiro por dezoito anos, declara que “uma simples olhada à epístola aos Hebreus diz aos leitores que seu conteúdo está presente em inúmeras frases do Antigo Testamento; também, o escritor constantemente exorta os leitores em forma pastoral; e finalmente, o desenvolvimento da parte doutrinal segue uma sequência lógica”. A palavra “santo” faz com que pensemos em uma pessoa que caminha com as mãos entrelaçadas, olhando para o céu e com um halo ao redor de sua cabeça. De alguma maneira, temos a impressão de que ele não é um de nós. Mas quando o escritor de “Hebreus” nos leva pela galeria do Antigo Testamento e nos mostra os quadros de Gedeão, Baraque, Sansão, Jefté, Davi, Samuel e outros, ele nos confronta com quadros de pessoas em ação. Esses santos são nossos irmãos e irmãs na fé. Os quadros são cenas de batalhas, exemplos de coragem e instâncias de sofrimento. As pessoas que aparecem nesses quadros são homens e mulheres comuns l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

27


JUNTO AO RIO

CRISTALINO C

omovedor hino criado pelo compositor Robert Lowry com o intuito de salientar a importância do rio de água de vida proveniente do trono de Deus e do Cordeiro. O tradicional hino cristão “Junto ao rio cristalino” nos remete, por meio de sua lírica, a uma das últimas passagens das Sagradas Escrituras incluída no Apocalipse 22:1, a qual faz referência a um rio de água de vida proveniente do trono de Deus e do Cordeiro. Escrita na tarde de 4 de julho de 1864 pelo compositor evangélico Robert Lowry, esta canção transmite também esperança e constitui um canto de alegria com mais de 150 anos de história. Lowry, que nasceu em 12 de março de 1826 nos Estados Unidos, criou esta ode enquanto meditava sobre sua fé evangélica em seu escritório na cidade de Nova York. Então, em sua mente surgiram ideias e imagens do Apocalipse, do Senhor, de seu trono, de um rio celestial e da reunião dos santos. Imediatamente, Robert sentiu a necessidade de escrever um louvor que salientasse a vida. Naquele momento, as palavras brotaram de sua caneta e se tornaram um belo poema. Em alguma ocasião, Robert Lowry, que foi ministro de Deus e pro¬fessor de literatura, explicou a particular origem de sua composição, e declarou que o mais surpreendente de “Junto ao rio cristalino” foi a rapidez com a qual construiu os estribilhos. A este respeito, o servo do Senhor disse: “comecei a me perguntar por que se tinha escrito tão pouco sobre a água pura da vida quando, subitamente, as palavras começaram a inundar meus pensamentos. E assim surgiu o hino”. A transcendência de “Junto ao rio cristalino” não se limita só ao mundo cristão, mas também inclui o ambiente secu¬lar já que fez parte da banda sonora dos filmes mais célebres do MISIONÁRIO MUNDIAL 28 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

diretor John Ford, um dos cineastas de maior influência do século XX, que o considerava seu hino favorito. O hino foi usado em alguns longas-metragens como “No tempo das diligências”, “Paixão dos fortes”, “O céu mandou alguém” e “Rastros de Ódio”. Autor de aproximadamente 500 canções evangélicas, Lowry alcançou prestígio por meio de suas criações musicais,


música

JUNTO AO RIO CRISTALINO 1 Junto ao rio cristalino, No país do bom Senhor, Reunidos estaremos Com os salvos, em louvor? REFRÃO Sim, às margens desse rio, Na mansão de glória e luz, Com os santos cataremos Em louvor ao rei Jesus! 2 Antes daquele rio Nos possamos abeirar, A justiça e santidade, Cristo vai nos outorgar. 3 Nos veremos breve o rio, Finda a peregrinação; E louvores sempiternos, Nossos lábios cantarão.

sendo as mais destacáveis “Põe em Deus a confiança”, “Morto e ressurreto” e “Os que no Senhor dormiram”. Porém, ele preferiu ser reconhecido por sua obra pastoral. Nesse sentido, afirmou constantemente que “a música é uma questão secundária. Prefiro expor a Palavra que escrever um hino. Sempre me considerei um pregador”. Editor musical da companhia Biglow & Main Publishing e

amigo íntimo das compositoras Annie Hawks e Fanny Crosby, Robert Lowry faleceu em 25 de novembro de 1899, depois de mais de 45 anos de serviço ao Senhor. Relacionado a seu grande sucesso “Junto ao rio cristalino”, batizado inicialmente como “Hanson Place” por seu autor, apesar de que ele não desfrutava desse sucesso, Lowry, passou à história do cristianismo como um dos referentes da música congregacional l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

29


O PESCADOR DE C

ALMAS

harles McCallon Alexander foi um crente que soube ganhar um número incalculável de soldados para Jesus Cristo. Percorreu o mundo compartilhando a Palavra de Deus. Sua vida de oração foi profunda e Daniel Whitesell constante. “Charlie foi o cristão mais infatigável que eu conheci”, escreveu o pastor Reuben Archer Torrey quando soube da morte repentina de seu amado companheiro de evangelização. Além disso, o prolífico escritor evangélico Samuel Dickey Gordon afirmou que “Charles sempre foi um homem de coração agudo que soube ganhar almas para Jesus Cristo. Todo o poder de sua personalidade encantadora foi consagrado, sem reservas, no único serviço que amava tanto”. O reconhecido sucessor do compositor e cantor Ira David Sankey, Charles McCallon Alexander foi, sem dúvidas, um dos melhores representantes da canção evangelística de sua época e possivelmente de todos os tempos. Colocou todos seus dons pessoais e musicais aos pés de Jesus e os entregou ao trabalho de ganhar almas. Este servo do Senhor sempre realizou um trabalho pessoal denodado a favor do Evangelho e sempre instou outros a fazer o mesmo. Deus lhe deu dons extraordinários de persuasão. Nascido em 24 de outubro de 1867 em uma granja de Tennessee (Estados Unidos) e criado em um lar piedoso, Charles rapidamente aprendeu a amar a Deus e a cantar os hinos de Sião. Depois, aos treze anos, entregou sua existência ao Senhor. Recebeu uma boa educação na Academia Maryville, perto da casa de seus pais, instituição na qual Alexander se destacou em atividades musicais e em atletismo. Além disso, foi um estudante muito popular entre os professores e seus companheiros. Depois de um ano de formação musical avançada no Washington College, a Academia Maryville reconheceu seu potencial e o contratou como seu primeiro professor de música.

PREGADOR MUNDIAL A morte do pai de Charles Alexander em 1890 o surpreendeu em uma séria análise respeito ao rumo de sua vida. Então, Alexander se dedicou ao serviço cristão a tempo completo, sentindo um profundo anelo de ganhar almas para o Salvador. MISIONÁRIO MUNDIAL 30 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

O que fez de Alexander um grande pescador de almas? Estava inteiramente dedicado a esse objetivo. A este respeito, o senhor Fleming H. Revell, seu íntimo amigo e editor, a quem chamou carinhosamente de “tio Fleming”, afirmou que “o único objetivo de sua vida foi a conquista de outros para Deus. Nunca conheci ninguém mais uniformemente cheio desta paixão mestra, tanto em privado como em público”.


heróis da fé

Posteriormente, depois de ouvir sobre as bondades do Instituto Bíblico Moody em música evangélica e em treinamento prático bíblico, Alexander abandonou Tennessee no outono de 1892 e foi para Chicago. Durante os anos de sua preparação em Chicago, Charles esteve sob a influência de gigantes espirituais como Dwight Lyman Moody, Reuben Archer Torrey, Daniel Webster Whitt¬le,

Fleming Revell, Henry Varley, Arthur Tappan Pierson e John McNeill; e os reconhecidos compositores Ira David Sankey, Hugh Henry McGranahan, Daniel Brink Towner, George Steb¬bins e James Burke. Alexander, que cresceu rapidamente em conhecimento, dis¬cernimento e poder cristãos para servir ao Senhor, trabalhou entre os anos 1892 e 1902 nas campanhas evangelísticas

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

31


Como Alexander evangelizava? Não tinha regras fixas, mas estava motivado pelo amor de Cristo e governado pela sensibilidade do Espírito Santo. Sobre este ponto, Charles mencionou que “a única maneira de aprender como fazer o trabalho evangelizador é fazê-lo, e o lugar para começar é o primeiro lugar que se encontrar aberto. Leve sua Bíblia consigo sempre para mostrar o caminho da vida”.

efetuadas pelo pastor Milan Bertrand Williams no Meio-Oeste dos Estados Unidos. Sob o impacto do trabalho de Williams e Alexander, doze mil pessoas entregaram suas vidas em trinta e quatro cidades. Posteriormente, o pastor Reuben Archer Torrey pediu a Charles que o acompanhasse na turnê evangelística mundial que pensava realizar. Depois de uma resposta afirmativa, Torrey e Charles trabalharam juntos entre 1902 e 1906 em campanhas globais que se estenderam pela Austrália, Tasmânia, Nova Zelândia, Índia, Inglaterra, Irlanda, Escócia, Canadá e Estados Unidos. Em 1904, Alexander se casou com a irmã Helen Cadbury, de Birmingham, Inglaterra, uma cristã comprometida que fazia parte de uma família inglesa abastada. Com o apoio de sua esposa, realizou uma segunda turnê mundial entre 1906 e 1907, que lhe permitiu continuar pregando a Palavra de Deus. Depois, em 1908, Charles McCallon Alexander se uniu ao pregador John Wilbur Chapman, com quem percorreu várias vezes o planeta levando as boas novas do Senhor. O trabalho mais significativo desta dupla de servos de Deus se concretizou durante a Primeira Guerra Mundial, nos campos do exército, quando ganharam para Cristo um número incalculável de soldados.

HOMEM DE FÉ O que fez de Alexander um grande pescador de almas? Estava inteiramente dedicado a esse objetivo. A este respeito, o senhor Fleming H. Revell, seu íntimo amigo e editor, a quem chamou carinhosamente de “tio Fleming”, afirmou que “o único objetivo de sua vida foi a conquista de outros para Deus. Nunca conheci ninguém mais uniformemente cheio desta paixão mestra, tanto em privado como em público”. A vida de oração de Charles foi profunda e constante. Orou por tudo com a fé e a esperança de um pequeno menino. Amava a Bíblia, ele a lia e a usava constantemente. Nunca deixou de salientar os fundamentos cristãos. Nesse sentido, sua esposa Helen Cadbury destacou que “sempre insistiu em que havia três elementos importantes para assegurar um crescimento na graça: a comunhão com Deus, através da oração; o enriquecimento da vida espiritual, por meio da Palavra de Deus; e o desenvolvimenMISIONÁRIO MUNDIAL 32 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


heróis da fé

to do músculo espiritual, mediante o trabalho de ganhar almas”. Alexander afirmou, uma e outra vez, que seguir a Jesus Cristo incluía a pesca de homens. Sobre este ponto, sua consorte manifestou que “entre todas as ordens de Deus, Charles considerou como mais urgentes e decisivas as palavras que Jesus Cristo disse aos apóstolos Pedro e André: Vinde após mim, e eu farei que sejais pescadores de homens”. O jornal Philadelphia Evening Telegraph, em sua edição de 13 de abril de 1906, ofereceu um esboço da personalidade de Charles: “imagine um jovem de estatura média, barbeado sem problemas, uma cabeça careca, mas tem um cérebro que nunca dorme, uns olhos brilhantes que brilham e dançam com a alegria de viver, uma boca que sempre sorri, lábios dos quais sai simpatia pelos desafortunados, estímulo para os deprimidos, esperança para os caídos e palavras de verdade e sabedoria para todos”. Além disso, o jornal da Filadélfia salientou que “Charles M. Alexander é um homem magnético. É cristão da cabeça aos pés. Está tão cheio de bons pensamentos, e obras que borbulham, que ele os emana por todos seus poros. Ninguém pode estar em sua presença durante sessenta se¬gundos sem se sentir impactado por sua personalidade”.

EVANGELIZADOR BRILHANTE Como Alexander evangelizava? Não tinha regras fixas, mas estava motivado pelo amor de Cristo e governado pela sensibilidade do Espírito Santo. Sobre este ponto, Charles mencionou que “a única maneira de aprender como fazer o trabalho evangelizador é fazê-lo, e o lugar para começar é o primeiro lugar que se encontrar aberto. Leve sua Bíblia consigo sempre para mostrar o caminho da vida”. Alexander manteve esse Espírito em todo lugar: em reuniões evangelísticas, em viagens, em lugares de negócios, em sua casa, em barbearias e restaurantes. Além disso, nunca deixou de falar de Deus aos porteiros, aos taxistas, aos policiais e a qualquer ser humano que cruzava seu caminho. Para ele, cada nova alma com a qual entrou em contato o emocionou com um ardor tão fresco como se fosse a primeira à qual ele pregou a Palavra. Durante os últimos anos de sua vida, Charles impulsionou a Liga do Testamento de Bolso, organização cristã fundada em 1893 por sua esposa com o objetivo de repartir cópias dos Evangelhos, como o canal mais efetivo para compartilhar a mensagem do Senhor. O trabalho desta obra permitiu que um milhão de soldados britânicos e americanos recebessem um exemplar do Novo Testamento durante a Primeira Guerra Mundial. O homem que foi líder da canção congregacional, editor de hinos e pescador de almas, viveu só 53 anos. Charles McCallon Alexander faleceu em 13 de outubro de 1920, no Reino Unido, depois de três décadas ao serviço do Senhor. Em tempos como o nosso, quando as personalidades atrativas são tão exigentes no mundo dos negócios, a educação, o entretenimento e a vida religiosa, não honraria e agradaria a Deus se mais pescadores como Alexander se dedicassem a resgatar almas perdidas? l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

33


MISIONÁRIO MUNDIAL 34 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


histórias de vida

A LIBERAÇÃO DE

JORGE

É

possível que a mais obscura vida se transforme em luz? Desde a existência mais sórdida, Jorge Dionisio Montejo Mateo confirma, mais uma vez, o infinito poder do Senhor. Librar-se do homossexualismo, as drogas e o álcool é algo que ninguém criou possível. Mas para Deus, nada é impossível. Marlo Pérez Foto: Salvador Carillo y Arquivo familiar

Jorge, com sua pequena Bíblia, se dirige a sua comunidade de La Laguna, localizada na cidade de Jacaltenango, Guatemala. Ao chegar ao lugar ou campo branco, como a Igreja do Movimento Missionário Mundial denomi¬na os setores onde a Obra está começando, limpa o pequeno recinto e convida os poucos irmãos que vivem nesse lugar. Jorge desempenhou esta função de evangelização desde que deu seus primeiros passos de fé no cristianismo. Ele sabe, como todo bom cristão, que tem que travar uma dura batalha contra o diabo, arrebatando-lhe as centenas de almas daquele setor que também é sua terra natal, e ganhá-las para Cristo como um dia ele mesmo foi ganho quando se encontrava perdido no álcool, nas drogas e no homossexualismo. Uma experiência que marcou sua vida.

INFÂNCIA CONFUSA Hoje, com 30 anos de idade e com um amor incessante pelas almas perdidas, Jorge Dionisio Montejo Mateo confessa sem rodeios e abertamente que foi homossexual. Ele o diz a todo aquele que lhe pergunta sobre seu obscuro passado. Não tem medo da opinião das pessoas, porque ele e quem foi seu namorado foram livrados de pecado pelo Todo-Poderoso em maio de 2010, uma data inesquecível em que ambos nasceram novamente e foram novas criaturas por vontade do Criador. No entanto, ele também lembra os incessantes assédios que recebeu em sua infância, que geraram nele sérios conflitos de identidade sexual. “Eu não sei o que aconteceu comigo para que adotasse essa conduta… essa era minha personalidade, mas eu tentava mudar, ser diferente, mas isso se enraizava mais em minha vida”, lembra Jorge. Aquela experiência traumática mudou sua forma de ser, de falar e

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

35


Quando acabou seus estudos secundários, Jorge se cansou de sua dupla vida e aceitou sua homossexualidade, entregou-se a um homem casado, com quem manteve uma relação e o levou a conhecer mais amplamente o mundo perverso em sua pequena localidade guatemalteca. No meio desse ambiente se fez conhecido como ‘Yorch’, frequentando bares e discotecas onde dezenas de jovens como ele exibiram sua perturbada personalidade. de caminhar e se deixou levar por seus precoces instintos perante seus companheiros da escola. Sua conduta chamou a atenção e foi considerado um menino afeminado. “Meus companheiros me tratavam como um afeminado, como uma pessoa que não era bem vista e recebia todos os insultos que uma pessoa desse tipo podia receber”. Já na secundária, a presença de Jorge sempre foi um sinônimo de diversão e chacota para todos seus companheiros. Não existiu momento nem jogo no qual não sentisse uma mão que vulnerasse MISIONÁRIO MUNDIAL 36 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

sua intimidade e o mostrasse como era. Isso o levou a uma terrível depressão e a odiar a si mesmo por ser desse modo, e a se fechar em sua solidão. Seus pais, Baltasar Montejo Hernández e Catarina Mateo Díaz, não puderam fazer nada para endireitar aquele último filho de oito, que crescia torto no seio de seu lar. “Eu acho que meus pais notaram a conduta que eu tinha, porque em uma ocasião não quis que me comprassem brinquedos de menino, mas de menina… Eles perceberam isso, mas como não conheciam a Palavra de Deus, não me deram uma instrução e até me empurravam sutilmente a esse estilo de vida”, lembra Jorge.

ESSA DURA VIDA Quando acabou seus estudos secundários, Jorge se cansou de sua dupla vida e aceitou sua homossexualidade, entregou-se a um homem casado, com quem manteve uma relação e o levou a conhecer mais amplamente o mundo perverso em sua pequena localidade guatemalteca. No meio desse ambiente se fez conhecido como ‘Yorch’, frequentando bares e discotecas onde dezenas de jovens como ele exibiram sua perturbada personalidade. Pouco se importou com as opiniões de sua família e das pessoas sobre sua orientação sexual. Jorge se aceitava como era. “Nós nos vestíamos como roqueiros, com o cabelo arrepiado, usávamos maquiagem nos olhos e nas celhas, penteávamos nossas unhas, e até usávamos lentes


histórias de vida

de contato para chamar a atenção”. Foi assim que Jorge começou seu frenesi, conhecendo muito de perto a vida caótica de muitos jovens homossexuais. Caiu no alcoolismo e nas drogas. Ali começou sua ruína e sua vida se afundou em um profundo vazio. “Muitos dos jovens se prostituem por dinheiro. Expulsos de seus lares por seus pais, eles se transvestem, ou seja, usam roupa de mulheres, saem às ruas e esperam nas esquinas para ser levados. Muitos dos jovens são apunhalados por seus amantes ou por seus mesmos companheiros, pela infidelidade; ou são assassinados por pessoas homofóbicas. Existem casos de jovens nas cidades que são sequestrados, torturados, desmembrados e assassinados”. Já com 20 anos de idade e com experiência nos novos vícios, fez da promiscuidade sua bandeira e se relacionou com um sem-fim

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

37


de jovens que procuraram uma noite de diversão e perversão. Sua vida confusa o levou a percorrer cidades próximas como Quetzaltenango e a Cidade da Guatemala, onde era conhecido em bares e discotecas para gays. “Nesses lugares havia muitas infidelidades, muitos conflitos, brigas… Um roubava o namorado ao outro. Alguns chegavam a matar por ódio… Muitas vezes eu me perguntei: Por que estou aqui, neste lugar? Este lugar não me pertence… Em minha ignorância, eu queria mudar. Não queria estar nas drogas e MISIONÁRIO MUNDIAL 38 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

no alcoolismo, queria ser uma pessoa diferente e não queria estar nessa situação”, relata ele. Dois anos depois, Jorge aparentemente assentou a cabeça e estudou Enfermaria Profissional com uma bolsa de estudos que lhe foi outorgada para a Universidade Rafael Landívar. No entanto, depois de seis meses deixou sua preparação médica e se apaixonou pelos estudos de Desenvolvimento Humano e Esportes na Universidade Galileo, na capital de seu país. Após um ano, Jorge se deixou levar


histórias de vida

ma a seu povo. Em poucos meses, ambos estabeleceram um pequeno negócio de venda de produtos médicos, cujos ganhos malgastaram em bares, discotecas e todo tipo de festas e depravações. Estando no meio desse mundo, Jorge novamente questionou sua existência junto a esse vazio no coração que o afundava muito mais. No entanto, uma leitura bíblica mudou sua vida. “Uma noite, eu conversava com este homem com quem convivi e me perguntou se era possível que eu pudesse mudar minha vida. Eu lhe respondi que não, porque todo estava arraigado dentro de mim, e não podia fazer isso. Então, ele me ensinou a Palavra de Deus e quando a abriu e me falou pela primeira vez de Jesus Cristo, o Espírito Santo abriu meu entendimento e sua Palavra entrou em meu coração e no seu”, lembra Jorge. Passadas algumas semanas e tentando sair do homossexualismo, Jorge viveu uma série de circunstâncias que lhe revelaram que lutava contra o mesmo demônio, que não o queria fora de seus domínios. Foi assim que um delinquente o atacou e por pouco perde a vida. Além disso, sua fé em Deus foi posta à prova quando soube que seu namorado tinha o HIV. Felizmente esta doença foi descartada com os exames médicos que ele se realizou.

por seus instintos mundanos e abandonou seus estudos. A libertinagem o esperava.

A VERDADE VOS LIBERTARÁ Em meados de 2009, Jorge trabalhou como docente em uma instituição e conheceu outro jovem homossexual que anteriormente tinha sido um cristão evangélico, pelo qual se apaixonou e com o qual conviveu alugando um pequeno quarto em uma cidade próxi-

HOMEM DE DEUS Uns meses depois, Jorge e seu companheiro se decidiram por Cristo e ambos assistiram a uma campanha evangelística que se realizou pelas ruas de sua localidade. Isto aconteceu em 24 de maio de 2010, data significativa para eles porque foram mudados e obtiveram uma nova natureza. Com o tempo, Jorge chegou ao Movimento Missionário Mundial. “Deus fez a mudança completa em mim. Em suas mãos, nós somos novas criaturas. Apesar de que me julguem, Jesus já me perdoou e com seu sangue limpou meus pecados”, afirma Jorge l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

39


“A IDEOLOGIA DE GÊNERO AFETA O

A FAMÍLIA”

Oficial Internacional do MMM, Rev. Humberto Henao, levanta sua voz para defender os valores centrais de toda convivência sã e frutífera. A ideologia de gênero tenta corroer a sociedade pondo em risco o mundo inteiro.

Com a firmeza para defender os valores da família e respaldado pela Palavra de Deus, o Oficial Internacional do MMM, Rev. Humberto Henao, faz um reconto de seu luta contra a ideologia de gênero que tenta se estabelecer na Colômbia e que atualmente ameaça vários países latino-americanos. Que vinculações tem o denominado processo de paz com as FARC com a ideologia de gênero que se quer impor na Colômbia? Fomos para saber do conteúdo destes diálogos de paz e acerca da ideologia de gênero, mas um mês antes da aprovação desses acordos, já tinham sido assinados sem que o povo pudesse conhecê-los, o que originou um recusa... Uma ampla maioria votou pelo “Não”, e não porque não queiramos a paz, mas porque o conteúdo (a ideologia de gênero) afeta a família como núcleo social. O que contém o material repartido nas escolas de seu país acerca da Ideologia de Gênero? Estes materiais contêm muito veneno, porque diz que as crianças devem decidir, quando terem uso de razão, com que sexo vão se identificar, o que é um absurdo desde o ponto de vista científico, antropológico e biológico… Isto significa que querem eliminar o conceito de “homem” e “mulher”, o que está claro por milênios, e não é um conceito arcaico e primitivo, mas porque biblicamente, socialmente, geneticamente e antropologicamente é uma realidade. De maneira que isso corrói a base da sociedade, ou seja, a família. Como se encontra o povo colombiano depois deste processo? Nestes momentos, o povo colombiano está muito polarizado, e isso não é bom para o país porque gera violência. Nós oramos, clamamos, mas também fazemos saber ao Governo que há certos aspectos, entre eles o povo de Deus, que deve levar em consideração, porque a ideologia de gênero é algo que toca as fibras mais sensíveis de nossa alma, já que tem que ver com a família, com os

MISIONÁRIO MUNDIAL 40 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

valores cristãos, éticos e morais, e isso não é saudável para a sociedade colombiana. Este tipo de movimentos de identidade sexual se propaga por toda a América Latina, o senhor que opina sobre isso? A ideologia de gênero está se difundindo pelo mundo inteiro, especialmente na América Latina, que é um objetivo do movimento LGBTI... A América Latina é considerada parte do terceiro mundo porque, segundo eles, somos países um pouco atrasados devido a certas tradições de caráter familiar… Eles consideram que somos radicais, e somos radicais nesse aspecto; mas aqui, na América Latina, há um bastão grande do cristianismo (evangélicos e católicos) e nos veem com um grupo de retrasados; por isso tentam afetar esta parte do mundo. O senhor acha que o povo cristão deveria ser representado por funcionários que defendem os valores da família? Considero que a política é nociva desde o ponto de vista do humano que a exerce; por isso muitos cristãos sentem antagonismo e aversão por ela, mas a política exercida desde o ponto de vista bíblico é boa. A Bíblia fala dos reis e dos assessores que eles tinham; quantos profetas foram assessores de reis, quanto conselho recebiam os governantes desse tempo, os monarcas. De maneira que realmente são necessários homens e mulheres com valores claros e precisos, para que não só levantem sua voz de protesto contra normas e leis que atentem contra a Bíblia, mas também para que falem no ouvido dos governantes e lhes digam que devemos considerar o Deus do céu. Devido a todo este avanço nocivo que atenta contra a família natural em vários países, o Movimento Missionário Mundial fará algum pronunciamento ou emitirá uma mensagem oficial sobre este tema? Nós já fizemos isso na Colômbia, devido a que nosso presidente, o Rev. Gustavo Martínez, é colombiano e leu os acordos; por isso se disparou o alarme; mas aparte das pregações para prevenir este mal, nós não fizemos um pronunciamento de maneira oficial, apesar de que o fazemos por meio de nossas normas e princípios. Em cada púlpito se prega o que a Palavra diz a este respeito; mas, desde o ponto de vista social não o fizemos e não sei se possivelmente se toque o tema, porque isso tem que ver com o desenvolvimento e o avanço da Igreja… Os políticos já sabem que o cristianismo é oposto à ideologia de gênero, porque nós cremos que o homem nasce homem e a mulher nasce mulher, e que a família é o vínculo entre um homem e uma mulher l


entrevista

Janeiro 2017 / Impacto evangĂŠlico

41


A VERGONHA DO

PECADO

“A justiça exalta os povos, mas o pecado é a vergonha das nações”. Provérbios 14:34.

Rev. Luis M. Ortiz

U

MA VERGONHA é algo dito ou feito, por nós ou por outra pessoa, que inesperadamente nos confunde, nos descobre e nos mostra tal qual somos. Uma pessoa pode parecer muito saudável exteriormente e, sem saber, pode que o terrível câncer o esteja devorando internamente; cedo ou tarde o câncer deve se manifestar. Além disso, uma pessoa pode parecer exteriormente muito honorável; no entanto, em privado comete atos vergonhosos, e cedo ou tarde tais atos aparecerão em público e a envergonharão. Frequentemente culpamos a Deus por nossas desgraças, por nossas tragédias, por nossos males. Mas Deus quer nossa felicidade, nossa prosperidade, nosso bem-estar; ele quer que estejamos em prosperidade tanto espiritual como material. “Amado, desejo que te vá bem em todas as coisas, e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma” (3 João 1:2). A ausência de prosperidade na alma significará a ausência de prosperidade em todos os outros aspectos, apesar de que às vezes parece que estamos em prosperidade em todos os outros aspectos, menos na alma; dito de outra forma, a presença do pecado em nossa alma nos envergonhará como indivíduos e como nação, e causará transtornos indizíveis em nossa vida. Quando nossa alma não está bem perante Deus pela presença do pecado, não pode haver bênção, não pode haver amor fraternal, não pode haver paz, não pode haver verdadeira prosperidade, não pode haver Espírito de compreensão, não pode haver Espírito de perdão, não pode haver arrependimento. “O pecado é a vergonha das nações”. O pecado enfeia a nação, envilece o povo, destrói seus reservas morais e espirituais; o pecado rouba à nação a glória da justiça, a bênção da prosperidade, o gozo da convivência fraternal. “O pecado é a vergonha das nações”. Um pecado que envergonha o mundo é o pecado da idolatria, este pecado é a ruína do povo, porque é um pecado que é abertamente contra Deus, é uma violenta prevaricação MISIONÁRIO MUNDIAL 42 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

do primeiro e grande mandamento que diz: “Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus” (Êxodo 20:3-5). Notemos a grande vergonha deste pecado escrita pelo apóstolo Paulo, e diz: “Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corrup-


devocional

A ausência de prosperidade na alma significará a ausência de prosperidade em todos os outros aspectos, apesar de que às vezes parece que estamos em prosperidade em todos os outros aspectos, menos na alma; dito de outra forma, a presença do pecado em nossa alma nos envergonhará como indivíduos e como nação, e causará transtornos indizíveis em nossa vida. Quando nossa alma não está bem perante Deus pela presença do pecado, não pode haver bênção, não pode haver amor fraternal.

tível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém. Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para

com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm…” (Romanos 1:22-32). Há muitos pecados que envergonham a nação, como o pecado do uso das bebidas alcoólicas, a adição às drogas que arruína vidas, lares, empresas, indústrias, e são a causa direta da imensa maioria dos crimes e acidentes. Também o pecado do jogo de azar, que faz com que a honra no trabalho do homem se perca e o torna um parasito e em um folgazão. Muitos outros pecados que em tempos passados, por ser tão vergonhosos, eram praticados em segredo, em nossos dias saíram à luz e são praticados abertamente e sem nenhuma reserva, e para maior vergonha, até se pretende justificar tais pecados, como o homossexualismo, o lesbianismo, a pornografia, etc. Sim, o pecado é vergonha da nação e do indivíduo. Mas há um remédio eficaz para tudo isso, escute a voz de Deus por meio do profeta Isaías, que diz: “Vinde então, e argüi-me, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.… E voltarei contra ti a minha mão, e purificarei inteiramente as tuas escórias; e tirar-te-ei toda a impureza” (Isaías 1:18, 25). E também Deus diz: “Então aspergirei água pura sobre vós, e ficareis purificados; de todas as vossas imundícias e de todos os vossos ídolos vos purificarei.” (Ezequiel 36:25) Também nos diz: “E o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.” (1 João 1:7). Amigo meu, ali mesmo onde você se encontra, aceite a Jesus Cristo como seu grande Salvador. Se o aceitar, será eliminada de você a vergonha do pecado que o humilha e desonra. Amém l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

43


HÁ RUÍDO DE UMA ABUNDANTE

CHUVA

“Então disse Elias a Acabe: Sobe, come e bebe, porque há ruído de uma abundante chuva.” 1 Reyes 18:41. Rev. José Arturo Soto Benavides

N

OS DIAS do profeta Elias, o povo de Israel se encontrava em uma situação espiritual crítica. Uma parte decidiu abandonar a Jeová para adorar os deuses pagãos, e outra, descartou também Deus como soberano, e pediu a Samuel que lhes constituísse um rei como as outras nações (1 Samuel 8:5-22). A mudança política gerou na nação um decrescimento religioso e moral. Depois da morte do rei Salomão, este problema se agudizou, até que se exacerbou comMISIONÁRIO MUNDIAL 44 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

pletamente com a divisão do reino. As guerras nacionais geraram, ao mesmo tempo, novas alianças com os povos pagãos e ímpios. O rei Onri de Israel fez aliança com o rei dos sidônios, que se concretizou mediante o casamento de seu filho Acabe com Jezabel (1 Reis 16:32). Aquela mulher era muito zelosa de seu Deus Baal e instaurou o baalismo como religião nacional. Elias começou seu ministério profético, e entrou na corte de Acabe para entregar a palavra do julgamento divino: “Vive o Senhor Deus de Israel, perante cuja face estou, que nestes anos nem orvalho nem chuva haverá, senão segundo a minha palavra” (1 Reis 17:1). Segundo a profecia de Elias, não choveu em Israel durante três


devocional

anos consecutivos (1 Reis 18:1). A seca provocou fome na terra, mas Deus protegeu Elias, e o sustentou no meio da crise: Deus lhe forneceu água do ribeiro de Querite e carne por meio de uns corvos. Depois, quando o ribeiro secou, Deus o enviou a uma viúva em Sarepta; e com só um punhado de farinha e um pouco de azeite sobreviveram o profeta, a viúva e o filho desta.

PRIMEIRA ASCENSÃO DE ELIAS AO MONTE CARMELO Quando Deus decidiu que era tempo de que a chuva caísse de novo sobre a terra de Israel, ele inquietou Acabe, com o fim de que este saísse à procura de erva verde para alimentar os cavalos e as mulas da corte (1 Reis 18:5). O rei comissionou um de seus mordomos, Abdias, que era um homem piedoso e temeroso de Jeová –escondeu cem profetas de Jeová em cavernas e os alimentou quando Jezabel desencadeou uma perseguição contra eles–, para que fosse o primeiro a se encontrar com Elias. Este último lhe encarregou uma mensagem, que subiria para se encontrar com Acabe. As primeiras palavras de Acabe para o profeta acusavam Elias de turbar Israel. Elias, investido pela autoridade de Deus, não só disse ao rei que este era o turbador do povo, mas que também lhe deu ordens: que reunisse todos os profetas de Baal no monte Carmelo, para eles realizarem sacrifícios, e que “o deus que responder por meio de fogo esse será Deus” (1 Reis 18:24). E era hora de que o povo deixasse de claudicar entre os deuses pagãos e Jeová! Elias era um servo de Deus com um grande senso de humor, e não vacilou em ridicularizar os profetas de Baal, zumbando deles. Era necessário que fizesse isso, para que o povo entendesse que os ídolos não podiam escutá-los nem fazer absolutamente nada (Salmos 135:15-18). Pois bem, quando o povo ficou convencido de que Baal não responderia por fogo, Elias reconstruiu o altar de Jeová. E para que não

ficasse nenhuma dúvida de que Deus estava no assunto, para que todos vissem que não se tratava de algum truque, o profeta cavou um rego ao redor do altar e o encheu de água; também regou com água o altar e o sacrifício (1 Reis 18:34-35). Depois de finalizar os preparativos, Elias clamou a grande voz a Deus (1 Reis 18:36-37). Não foi necessário que Elias desse um espetáculo durante horas como os profetas de Baal, nem que se cortasse e ferisse; com uma simples oração de fé, Deus respondeu com fogo e consumiu o sacrifício.

SEGUNDA ASCENSÃO DE ELIAS AO MONTE CARMELO Após estes acontecimentos, o povo ateou fogo nos profetas de Baal, e Elias degolou todos no ribeiro de Quisom, para que aqueles não enganassem novamente. Depois, Elias anunciou que vinha a grande chuva e que Acabe devia retornar a sua casa para que esta não o surpreendesse no caminho. O profeta foi por seu lado e ascendeu pela segunda vez ao monte Carmelo para orar e procurar o rosto de Deus. Enquanto isso, seu servo auscultava o céu à procura de algum sinal da chuva vindoura.

As primeiras palavras de Acabe para o profeta acusavam Elias de turbar Israel. Elias, investido pela autoridade de Deus, não só disse ao rei que este era o turbador do povo, mas que também lhe deu ordens: que reunisse todos os profetas de Baal no monte Carmelo, para eles realizarem sacrifícios, e que “o deus que responder por meio de fogo esse será Deus” (1 Reis 18:24). E era hora de que o povo deixasse de claudicar entre os deuses pagãos e Jeová!

Quando o servo lhe indicou que não via nada, Elias o enviou para que realizasse a mesma tarefa mais sete vezes. Enquanto isso, ele continuava clamando e confiando na Palavra que Deus tinha lhe revelado. Na sétima vez, o servo de Elias viu uma nuvem pequena como a palma da mão, ou seja, algo insignificante. Por outro lado, Elias viu a grande chuva de Jeová que se aproximava: “Eis aqui uma pequena nuvem, como a mão de um homem, subindo do mar. Então disse ele: Sobe, e dize a Acabe: Aparelha o teu carro, e desce, para que a chuva não te impeça. E sucedeu que, entretanto, os céus se enegreceram com nuvens e vento, e veio uma grande chuva… E a mão do Senhor estava sobre Elias, o qual cingiu os lombos, e veio correndo perante Acabe, até à entrada de Jizreel…” (1 Reis 18:44-46). Para o planeta Terra, a chuva significa vida e toda classe de bênção: permite que a vegetação cresça e produza frutos, e que o coração dos homens se alegre. No âmbito espiritual, a chuva é também purificação, limpeza, refrescamento espiritual, vivificação, crescimento e poder. Que Deus continue abençoando! l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

45


SERÁ MUITO LONGO

O CAMINHO

“E o anjo do Senhor tornou segunda vez, e o tocou, e disse: Levanta-te e come, porque te será muito longo o caminho.” 1 Reis 19:7. Rev. Carlos Guerra

D

EPOIS DE SALOMÃO, rei de Israel, houve vários reis que ascenderam ao trono, todos eram maus, ímpios, malvados, mundanos, idólatras, frouxos, medrosos, bêbados, humanistas, gnósticos; nenhum deles foi bom, tanto que o epitáfio de suas lápidas dizia: Fizeram o mal perante os olhos de Jeová; entre eles estava Jeroboão, que disse: Não vamos mais para Jerusalém. Para que devemos ir até lá? Para que tão longe? Seria melhor que façamos nossos deuses aqui, façamos um bezerro, uma imagem. Este Jeroboão também elegeu sacerdotes que nem sequer eram filhos de Levi, homens que não tinham sido chamados por Deus. Este fato marcou o início da apostasia, que começa com a corrupção do sacerdócio e ministros eleitos pelo homem. Já tinham passado 58 anos desde que o reino se dividiu; nunca antes Israel tinha caído em uma condição tão paupérrima como nesse momento, era a época mais obscura da história de Israel. Então, Deus levantou o profeta Elias no meio de uma apostasia terrível. Jesus falou em Mateus 7:21-23, dizendo: “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.” Depois de Jeroboão, reinou seu filho Nadabe durante dois anos; depois apareceu Baasa, que assassinou o rei Nadabe e reinou durante 24 anos; posteriormente reinou um bêbado chamado Elá, que foi assassinado por Zinri, um dos comandantes de seu exército; depois, Zinri, militar conspirador que não esteve durante muito tempo no trono, só sete dias, foi sitiado por Onri, general do exército, e quando Zinri viu que se enconMISIONÁRIO MUNDIAL 46 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


devocional

trava completamente encurralado, ele se suicidou. Depois reinou Onri, que agiu pior que os que tinham reinado antes dele. Imagine, temos uma lista de mentirosos, suicidas, conspiradores, bêbados e, para finalizar, veio o filho de Onri: Acabe. Acabe foi o mais pecador de todos: assassino, vil, pagão, malvado, idólatra e embusteiro; ele se casou com Jezabel, filha de um rei pagão, e descaradamente começou a adorar a Baal, e a adoração para Jeová desapareceu; a adoração santa, reverente e ungida foi se contaminando com o desenfreio, com ritmos sensuais, obscenos, humanistas. Os sacerdotes de Baal começaram a crescer e a formar congregações. O baalismo entrou na moda, adorar a Baal com a nova doutrina, nova música, novo ritmo, novo louvor, novos métodos. Mas o que mais indigna é que, entre as coisas que ensinavam, mencionavam que Jeová tinha morto e que com ele

morreram suas leis, sua música e seus ministros. Jeová morreu! –diziam–, mas no meio desta imoralidade, apostasia, mundanidade e heresia, quando parecia que a porta da sã doutrina tinha sido fechada, que a luz tinha se extinguido, que o diabo tinha o controle de tudo e que escapou impune, no meio de tudo isso apareceu um ungido, desconhecido para os homens, mas conhecido no Céu; não se sabe o nome de seus pais, mas era um escolhido de Jeová, este era Elias, o tisbita, que significa: “O Senhor é meu Deus”; seu nome nos fala da profunda convicção deste homem. Um desconhecido, um homem do qual não se sabe onde estava seu lar, rude, endurecido pela vida, acostumado a viver em solidão; aparece em cena com uma mensagem diferente da da maioria, diferente da de Baal; sem muita retórica, sem eloquência humana, porque não procurava agradar a ninguém, não tinha diploma em teologia; um homem simples, com uma mensagem que não era muito popular, que ia incomodar o rei Acabe e a reina Jezabel, que ia irritar os ministros de Baal. Um ministério poderoso, um ministério para despertar o povo da mundanidade, da idolatria, da indiferença, da apostasia; um ministério que fizesse com que tornassem ao caminho de santidade. Deus não levantou Elias para que fosse um homem comum, Deus o levantou para que fosse um servo diferente; precisava-se coragem, fé, perseverança, esforço físico e mental, porque o desânimo e a solidão iam visitá-lo. Chegou um momento em que sentiu que estava sozinho, muitas vezes pensou que chegou ao fim do caminho, ao ver que o povo não despertava; e, em um momento, quis morrer. Possivelmente, você se encontra nessa situação, pensando que chegou ao fim do caminho; Elias também pensou o mesmo, mas Deus lhe disse: “Ainda tens um longo caminho, isto não acabou. Não estás acabado, não te desanimes; levanta-te e continua porque te será muito longo o caminho; todavia tens muito a fazer: ungir dois reis e o teu sucessor, há muito a fazer” l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

47


Um relatório superficial do trabalho que a Obra do Movimento Missionário Mundial desenvolve pelos caminhos da América e ao redor do mundo. A Santa Bíblia diz: “E, perseverando unânimes todos os dias no templo… E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.” Atos 2:46, 47.

AVIVA, Ó SENHOR, A TUA OBRA

C

om uma notável presença de fiéis e do Espírito Santo, a Obra na República da Nicarágua se fez presente ao realizar sua gloriosa Convenção Nacional. A Obra do Movimento Missionário Mundial na Nicarágua se vestiu de festa para celebrar a Décima Quarta Convenção Nacional, de 24 a 27 de novembro de 2016, sob o lema “Aviva, ó Senhor, a tua obra”, no PoliesMISIONÁRIO MUNDIAL 48 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

portivo de Granada, uma das principais cidades do país, também conhecida como ‘a Paris da América Central’. Para este evento se contou com a participação do Presidente Internacional do MMM, Rev. Gustavo Martínez Garavito; o Diretor Internacional Rev. Álvaro Garavito; o Supervisor Nacional da Guatemala, Rev. Gustavo Chay; o Supervisor Nacional do Panamá, Rev. Epifanio Asprilla, e das diversas delegações das igrejas da Obra na América Central. Os serviços se desenvolveram em dois

horários, às 9h00 e às 18h00 horas, em 24 de novembro, e a ministração da Palavra de Deus esteve a cargo do Rev. Gustavo Martínez, que citou o livro de Gênesis 26 para fundamentar o tema “A fidelidade a Deus nos faz herdeiros de suas bênçãos”. Em 25 de novembro, pela manhã, o Rev. Alcides Ramea, do Panamá, expôs “O que a Igreja precisa”, baseado no livro dos Atos 2:1. Pela noite, o Rev. Álvaro Garavito, Diretor Internacional da Obra, compartilhou a mensagem bíblica que sustentou na Segunda Epístola de Pedro 2:15-17.


evento

No dia seguinte, pela manhã, o Rev. Gustavo Chay, Supervisor na Guatemala, emitiu a mensagem “O jovem nos propósitos de Deus”, citando o livro dos Salmos 32:8. E, pela noite, o Rev. Epifanio Asprilla, Supervisor do Panamá, compartilhou sua alocução com a seguinte pergunta: “E tu, a quem vês?”, citando o profeta Isaías 6:1-8. E no último serviço deste maravilhoso evento, o Rev. Gustavo Martínez Garavito expôs o tema “Se você quiser continuar conquistando, levante-se da derrota”, baseado em Josué 7:1-13. Com a poderosa presença do Espírito Santo se desenvolveu esta gloriosa convenção; os resultados foram abundantes. Deus continue abençoando a Nicarágua! l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

49


JESUS PARA A

FELICIDADE DA FAMÍLIA

A

Obra do Senhor estabelecida na Bolívia realizou sua Oitava Confraternização de Povos Originários. O Movimento Missionário Mundial da Bolívia celebrou sua Oitava Confraternização de Povos Originários na cidade de Llallagua, localizada no departamento de Potosí, que recebeu a visita de numerosos membros da Obra de Deus. O acontecimento do MMM da Bolívia, realizado de 6 a 9 de outubro de 2016, teve como lema “Jesus para a felicidade da família”, e se desenvolveu no Teatro Sindical do Mineiro. MISIONÁRIO MUNDIAL 50 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


evento

No evento, os pastores exibiram roupas tradicionais com o objetivo de se identificar com os presentes. Assim, além disso, os ministros do Senhor se sentiram com maior confiança para transmitir as boas novas de Deus aos indígenas bolivianos. Do mesmo modo, eles manifestaram que os jovens do Estado Plurinacional da Bolívia não devem se envergonhar de suas raízes.

O Rev. Ciro Alfonso Soto, Supervisor Nacional do MMM da Bolívia, determinou que a Confraternização estivesse a cargo de um grupo de pastores integrado pelos ministros Enrique Valenzuela, Daniel Zárate, Arturo Saavedra e Ramiro Campos. Além do mais, este grupo de quatro servos do Senhor teve a responsabilidade de pregar a Palavra durante os três dias que durou a festa espiritual.

A Oitava Confraternização de Povos Originários do Movimento Missionário Mundial da Bolívia, que incluiu uma marcha evangelística pelas principais ruas de Llallagua, foi transmitida nas diferentes plataformas informativas que a Obra de Deus tem atualmente em território boliviano. Assim, os fatos do evento foram difundidos pela televisão, pela rádio e pela internet l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

51


EIS AQUI A SERVA

DO SENHOR

A

Obra de Deus do Panamá realizou sua Vigésima Convenção Nacional de Damas com uma grande assistência. O acampamento da Obra de Deus localizado na zona de Chilibre, no centro do território panamenho, serviu de cenário para a realização da Vigésima Convenção Nacional de Damas do Movimento Missionário Mundial do Panamá de 16 a 19 de novembro de 2016. O evento, que se organizou sob o lema “Eis aqui a serva do Senhor”, contou com uma grande participação de seguidoras panamenhas do Senhor. Transmitida ao vivo pela cadeia de rádio e televisão “Oasis de Santidad”, a convenção começou com a participação da irmã Ada Luz Simití, Presidenta Nacional de Damas do MMM do Panamá, que expôs o tema “Eis aqui a serva do Senhor”. Em sua intervenção, a irmã Simití salientou a necessidade de pregar

MISIONÁRIO MUNDIAL 52 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

o Evangelho do Senhor nestes tempos finais. Depois, no culto matutino do segundo dia de atividades, o reverendo Epifanio Asprilla, Supervisor Nacional do Movimento Missionário Mundial do Panamá, foi o responsável por compartilhar a Palavra de Deus. Posteriormente, pela noite, a irmã Sheyla de Hernández teve a tarefa de evangelizar os presentes. Durante o terceiro dia, o Rev. Eliseo Obando, assistente de supervisão, e a irmã Esmeralda Obando compartilharam as boas novas de Jesus Cristo. O pastor Obando desenvolveu o tema “Deixe os como para Deus”, enquanto a irmã Obando esteve a cargo da alocução “Pela fé continuaremos conquistando reinos”. Depois, na quarta data, o reverendo José Arturo Soto, Vice-Presidente Internacional da Obra de Deus, pregou a Palavra do Senhor. Finalmente, no encerramento da Convenção, a irmã Elizabeth de Calderón anunciou o Evangelho de Jesus Cristo l


evento

Janeiro 2017 / Impacto evangĂŠlico

53


MINISTROS QUE

CONSTROEM COM RETIDÃO O

Movimento Missionário Mundial de Porto Rico realizou seu Retiro de Obreiros no município de Trujillo Alto.

Sob o lema “Ministros que constroem com retidão”, baseado em 1 Coríntios 3:10, o Movimento Missionário Mundial de Porto Rico realizou de 1 a 3 de dezembro de 2016 seu Retiro de Obreiros no Centro Evangelístico Metropolitano (La Finca), localizado no município de Trujillo Alto, onde chegou um grande grupo de fiéis provenientes de diferentes partes da Ilha do Cordeiro. O Rev. Alberto Ortega, Supervisor Missionário do MMM do Haiti, foi o responMISIONÁRIO MUNDIAL 54 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


evento

sável por transmitir todos os ensinamentos emitidos durante os três dias do Retiro de Obreiros do MMM de Porto Rico. Guiado pelo Senhor, o pastor Ortega compartilhou com os obreiros da Obra de Deus mensagens comovedores que tocaram de grande forma nos irmãos que encheram o Centro Evangelístico Metropolitano (La Finca). No dia inaugural, o Rev. Ortega desen-

volveu o tema “Cuidado com seu ministério”, que teve como base bíblica a passagem 1 Coríntios 3:10. Em sua intervenção, o ministro de Jesus Cristo exortou os presentes a manterem a humildade. Além disso, afirmou que os membros do Movimento Missionário Mundial devem ter paixão pela sã doutrina divulgada pela Obra nos cinco continentes.

Depois, no início da segunda data, o Rev. Ortega compartilhou a Palavra de Deus por meio da mensagem “O manejo dos perfis”. Horas mais tarde, no serviço noturno, transmitiu as boas novas de Jesus Cristo mediante o tema intitulado “Construtores ou remodeladores”. No encerramento do evento, desenvolveu a alocução “Os limites do nome” l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

55


O SEGREDO DA FELICIDADE

C

om uma grande assistência, o Uruguai celebrou sua Décima Convenção Nacional com a presença de delegações de vários países da região. Com um precioso serviço para o Senhor, marcado pela liberdade para adorar a Deus, o Movimento Missionário Mundial realizou sua Décima Convenção Nacional MISIONÁRIO MUNDIAL 56 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

na cidade de Montevidéu, capital do Uruguai. Este evento se desenvolveu de 3 a 6 de novembro de 2016 nas instalações do Clube Defensores de Maroñas e o Salão El Dorado. Esta convenção, promovida com o lema “O segredo da felicidade” e que tentava alcançar novas vidas, começou com a apresentação das delegações das diferentes igrejas do país e da Argentina, Peru, Colômbia e outras nações vizinhas. Um dos primeiros pregadores que anunciou as boas novas foi o Rev. Gerardo

Martínez, Supervisor do Chile e Supervisor Missionário para a América do Sul. Sua mensagem se baseou no livro de Êxodo 14:15, e teve como título “Levanta-te e avança”. O povo recebeu esta Palavra de fortaleza e fôlego com grande entusiasmo, dando um início glorioso a esta convenção. O segundo serviço se realizou no dia seguinte pela manhã e esteve a cargo do Rev. Marcos Rau, Oficial Nacional da Obra no Peru. A mensagem “É tempo de marchar, a preparação já passou, agora é tempo de agir”


evento

Fotos: Gerard Porras

se baseou em Josué capítulo 6. Mais tarde, o Senhor entregou palavras de fortaleza ao povo uruguaio por meio do Rev. Humberto Henao, Oficial Internacional, com sua alocução “Um pouco mais de esforço”. O quarto serviço se realizou por e para a grande maioria de jovens presentes, e a Palavra do Senhor foi entregue pelo Rev. Bernardo Neyra, Oficial no Peru, que compartilhou as inumeráveis experiências que viveu com o Senhor. Nessa mesma noite, perante uma grande assistência, a Palavra esteve a cargo do Rev. Ismael Parrado, Supervisor da Argentina, que compartilhou a mensagem de advertência “Não queremos cristãos com dupla moral em nossas igrejas”; o povo do Senhor respondeu humilhado perante o altar, procurando a ajuda e misericórdia de Deus. Em seu último dia e com um ambiente cheio de assistentes que adoraram e ouviram sua Palavra, desenvolveu-se um glorioso Culto Missionário no qual o Rev. Humberto Henao pregou sobre “A missão de cada um”. Foi uma vitória para a Obra do MMM no Uruguai, que retomou forças para continuar avançando l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

57


ESFORÇA-TE E TEM

BOM ÂNIMO

C

om a presença de irmãos italianos, a Obra na Suíça celebrou sua Sétima Confraternização Nacional. No evento se formou a nova Junta Diretiva Nacional desse país europeu.

A Obra do Movimento Missionário Mundial na Suíça realizou sua Sétima Confraternização Nacional, na qual todo o país se deslocou, de 4 a 6 de novembro de 2016, a Route de Pres Bois 20, 1215 Meyrin, Suisse. O evento se intitulou “Esforça-te, e tem bom ânimo” ( Josué 1:9). Nesta atividade estiveram presentes vários pastores da Itália, como o Assistente de Supervisor do Bloco B da Europa, Rev. David Echalar; o Rev. Leonel Cedeño, de Milão; Galo Fiori, de Bérgamo; e entre os nacionais estiveram o Rev. Jimy Ramírez e o pastor Elvis Chávez. Todos eles anunciaram a Palavra do Senhor. Também se contou com a presença do pastor César Gonzales e sua esposa, Rafaela; a irmã Rebeca Yamberla e a irmã Elizabeth Vanegas e seu esposo, Pascuale, entre outros que chegaram de Langenthal, de Lausana e do Ticino, cidades suíças.

MISIONÁRIO MUNDIAL 58 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Ao encontro cristão assistiu uma grande quantidade de irmãos de todo o país, cerca de 150 almas, incluindo os servos do Senhor que anunciaram o Evangelho de Jesus Cristo. Todos eles entoaram louvores e adoraram ao Criador no ambiente de espiritualidade perpétua que encheu todo o recinto com sua presença. Durante o desenvolvimento do evento se fez um precioso reconhecimento ao Rev. Jimy Ramírez, como Presidente da Junta Diretiva da Suíça; à Irmã Mercedes Lechón, como Tesoureira, e ao pastor Elvis Chávez, como Secretário. Assim ficou constituída a Junta de Oficiais Nacionais, por quem oraram o Rev. David Echalar e todo o povo de Deus presente para que o Senhor guie seu trabalho. “Ao Rei dos reis seja a glória e a honra, por todo seu apoio e guia em cada momento para poder realizar esta gloriosa atividade, que foi de grande bênção para muitas vidas. Agradecemos a Deus porque se transmitiu por meio da internet, nossa rádio Ebenezer Suíça e nosso Canal do YouTube. Por tudo isso, damos a glória a Deus. Aleluia!”, expressou o Rev. Jimy Ramírez. Depois manifestou sua gratidão a todos os irmãos presentes, em especial a Mercedes Lechón de Basileia e Benila Zephyr de Boupin, as anfitriãs do evento l

Fotos: Gina Saavedra


evento

Janeiro 2017 / Impacto evangĂŠlico

59


EM CRISTO SOMOS MAIS

QUE VENCEDORES

A

cidade de Terraza realizou o Retiro de Pastores do Bloco A do Movimento Missionário Mundial da Espanha. Um grande grupo de colaboradores e pastores do Bloco A do Movimento Missionário Mundial da Espanha participou do Retiro de Pastores organizado pela Obra MISIONÁRIO MUNDIAL 60 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia


evento

do Senhor; realizou-se na cidade de Terraza, de 10 a 12 de novembro de 2016. A reunião serviu para ouvir a Palavra de Deus e reafirmar a dedicação plena da comunidade cristã espanhola ao Evangelho. Na jornada inaugural, realizada em 10 de novembro pela noite, o Rev. Carlos Medina, Supervisor Nacional do MMM da Espanha e do Bloco A da Europa, foi o encarregado de compartilhar as boas novas. Em sua alocução “Guardiães da Obra”, o pastor Medina instou os obreiros a cumprir os trabalhos encomendados por Deus. Depois, na abertura da segunda data, o Rev. Medina pregou novamente o Evangelho por meio de sua exposição “Colunas de um ministério vitorioso”. Apoiado nas Santas Escrituras, o ministro de Jesus Cristo

afirmou: “Pastor, você é especial. Deus lhe deu um coração para abrigar os sofrimentos dos outros”. Horas mais tarde, pela noite, o reverendo Salomón Ramírez foi mensageiro dos anúncios de Cristo. Respaldado em 1 Samuel 12:13, o pastor desenvolveu o tema “Aproveitando ocasiões”, mediante o qual falou acerca da importância de ser fiel ao Senhor. Além disso, o Rev. Ramírez exor-

tou os pastores da Obra a lutarem contra o maligno. Posteriormente, no encerramento do evento se realizou uma reunião na qual os líderes do MMM da Espanha falaram acerca do crescimento do Evangelho na península Ibérica. Além disso, efetuou-se uma conferência sobre os meios de comunicação cristãos, realizada pela equipe de Avivamiento Producciones l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

61


É TEMPO DE QUE

DEUS NOS VISITE

O

Senhor visitou El Salvador mediante sua gloriosa Convenção Nacional, que foi transmitida por diversos meios de comunicação e as redes sociais.

O Movimento Missionário Mundial na República de El Salvador celebrou a Oitava Convenção Nacional com o lema “O tempo de sua visitação”, que se realizou de 3 a 6 de novembro de 2016 no salão multiuso “El Palmar”, da cidade de Santa Ana, no ocidente do país. Esta festa espiritual contou com a presença dos Oficiais Internacionais Rev. MISIONÁRIO MUNDIAL 62 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Fotos: Yaakob Parada Gomez


evento

Rubén Concepción, Rev. Margaro Figueroa e Rev. Álvaro Garavito, entre outros pregadores. Além disso, estiveram presentes delegações da República da Guatemala, Honduras, Nicarágua, Estados Unidos, Porto Rico e Colômbia. Uma das primeiras mensagens foi abordada pelo Rev. Álvaro Garavito, que falou sobre “A oportunidade que todos nós temos na Terra” (1 Timóteo 1:12); ele salientou: “Todos nós temos que entender o tempo de nossa visitação, o que você fez com a oportunidade que Deus pôs em suas mãos, com o privilégio que ele lhe deu?”. Outro dos temas tratados esteve a cargo

do Rev. Margaro Figueroa, que pregou sobre o tema “Quando se perde o tempo de Deus” (Marcos 3:24, 27), no qual salientou o crescimento da Igreja, que pode levantar institutos bíblicos e centros de convenções para ganhar mais almas, até sair a outros países: “Deus não vai esperar que você se decida o que não aproveite este tempo. Ele tem um plano estabelecido, e se alguém não se decidir, procurará um substituto”. No sábado, pela manhã, o Rev. Elder Arnaldo Ramírez falou sobre “O caráter da vida cristã” (Josué 1:1-9) e deixou claro que a América Central passou por seu deserto, mas o Senhor nunca esqueceu esta região

porque ela cumpre todas suas promessas a tempo: “Deus nos chamou para crescermos, prosperarmos, alcançarmos cidades... É você quem deve alcançar as promessas”, manifestou ele. E para fechar com chave de glória, no domingo pela manhã, o Rev. Rubén Concepción novamente fez parte da pregação da Palavra de Deus com a alocução “Não temas” (Lucas 5:10), e fez a seguinte pergunta: “Para que você quer que Deus o visite?”. O pregador afirmou que o Senhor entregou a sua Obra uma palavra desafiante, mas também uma promessa. “Sabemos que vêm coisas grandes”, salientou o reverendo l

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

63


BATISMOS EM MADAGASCAR A Obra do Senhor realizou uma cerimônia de importância para a consolidação da fé no país insular, localizado no Oceano Índico.

O Movimento Missionário Mundial de Madagascar celebrou em 18 de outubro de 2016, na região de Sava, uma significativa cerimônia de batismo na qual três crentes entregaram suas vidas ao Senhor. O evento, que fez parte da Confraternização Nacional do MMM de Madagascar, foi liderado pelo Rev. Alberto Ortega, Supervisor Missionário do MMM do Haiti, que se encarregou de compartilhar a Palavra de Deus. Perante a presença de dezenas de fiéis, o pastor Ortega fez descer às águas batismais os novos membros da Obra do Senhor. Deste modo, Madagascar, nação insular situada no Oceano Índico, na frente da costa sudeste do continente africano, continua solidificando sua união com Jesus Cristo. Depois da cerimônia, Ortega, miMISIONÁRIO MUNDIAL 64 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

nistro de Jesus Cristo, salientou que o MMM de Madagascar é uma filial em crescimento que conta com membros comprometidos com o cristianismo.

Além disso, o reverendo afirmou que se poderão ver em breve os frutos do trabalho evangelístico realizado pelo MMM no território de Madagascar l


Outros Eventos

HOLANDA

MÉXICO

Primeira Escola Bíblica Confraternização em de Férias Coatzacoalcos Na Primeira Escola Bíblica de Férias, realizada de 28 a 30 de julho de 2016, em Almere, Holanda, participaram crianças de entre 4 e 12 anos. A atividade se desenvolveu com histórias objetivas, cantos, trabalhos manuais e jogos. As crianças aprenderam durante esses dias sobre a misericórdia e a fé. “Deus nos deu o maior regalo possível: seu Filho Jesus (misericórdia); para receber este maravilhoso regalo, nós agradecemos primeiro ao Pai; depois convidamos Jesus a vir a nosso coração. Jesus tomou seu lugar e tomou nossas culpas, e nos deu nova vida (Fé). As crianças receberam suas coroas; agora são filhos de Deus”. Agradecemos a Deus por permitir que as crianças desfrutem de seu amor.

A Confraternização do MMM no México se realizou em 18 de outubro de 2016, no Salão D’Caché, na cidade de Coatzacoalcos, estado de Veracruz. Contou-se com a presença do Rev. Álvaro E. Garavito, Oficial Internacional do MMM; do Rev. Alejandro Roblero González, Supervisor Nacional; do Rev. Adán Verdugo Gómez, Presbítero da Zona V, e de pastores provenientes de Chiapas, Tabasco, Puebla, estado do México e Guatemala, respectivamente. O Rev. Garavito expôs a mensagem da Palavra de Deus sob o tema “Jogado no caminho sem ter quem me possa ajudar” (Lucas 10:25-35). As almas acudiram ao chamado e reconheceram a Jesus Cristo como seu único Salvador. Pela manhã, os pastores se reuniram na Igreja local desta cidade para levantar petições para nosso Pai Celestial. Pela tarde, realizouse um evangelismo pelas ruas de Coatzacoalcos, entoando cânticos evangelísticos e repartindo folhetos. Nessa noite, o Rev. Álvaro E. Garavito compartilhou sua alocução “Não éramos povo” (João 1:11-14), mediante a qual falou acerca do que é guardado para Deus. O poder do Salvador se manifestou e as almas aceitaram a Cristo.

evento

GUINÉ EQUATORIAL Confraternização em Ikunde

Uma gloriosa Confraternização na Igreja do MMM de Ikunde, cidade de Bata, Guiné Equatorial, realizouse de 16 a 18 de setembro de 2016. O lema nesta ocasião foi “Cure nossa terra”. Nesta festa espiritual se derramou o poder de Deus, que ministrou cada assistente. Em 16 de setembro, o portador da mensagem divina foi o pastor Antonio Yombo, com a alocução “O acusador será derrubado” (Apocalipse 12:9-10). No dia seguinte, na Reunião de Obreiros, o responsável pela mensagem foi o presbítero da zona, Rev. Benjamín Engono, que ensinou por meio do tema “O pastorado é algo sério”. Pela noite, o responsável pela mensagem “Limpando a Igreja de Cristo” foi o pastor José Antonio. No encerramento, no domingo, a prédica do Rev. Cornelio Esono foi “Sair diante de Deus”. Neste último dia da confraternização, muitas vidas passaram ao altar.

CHILE Confraternização regional em Osorno

“Agindo com retidão perante os olhos de Deus” foi o lema da Confraternização Regional Zona Sul, realizada na cidade de Osorno, República do Chile, em 9 e 10 de setembro de 2016. Contou-se com a participação do Supervisor Nacional, Rev. Gerardo Martínez, e do Presbítero da Zona, pastor Abel Cabeza. A primeira mensagem foi exposta pelo Rev. Gerardo Martínez, com o tema “Fortalecimento espiritual” (Isaías 40), no qual instou o povo a eliminar tudo o que obstaculiza a vida espiritual. No sábado pela manhã, a atividade começou com uma intercessão pela Obra do Senhor, dando passo assim à exposição da Palavra com a mensagem “Perigos que espreitam o crente”, da boca do Rev. Gerardo Martínez; que exortou o povo a ter cuidado e a saber discernir sobre as diferentes doutrinas que se levantaram. Pela tarde, emitiu-se a última mensagem, por meio do pastor Abel Cabeza, com o tema “Não abandone a promessa, porque há decisões que têm transcendência” (Rute 1:15-17), expôs a importância de manter a tranquilidade e confiar em Deus.

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

65


ESCREVEM-NOS... cartas@impactoevangelistico.net

AGENDA GLOBAL 2017 JANEIRO 2-5 Convenção Nacional em Porto Rico 9-16 Convenção Nacional na Colômbia (Medellín)

LINA MARÍA TAUTIVA Os poucos meses que li a revista foram para mim uma experiência gratificante e cheia de bênçãos. Eu tive um grande alimento espiritual, li e aprendi coisas muito interessantes da obra missionária. A Deus seja a glória! De Villavicencio, Colômbia.

CARMEN VÁSQUEZ Deus abençoe a todos os irmãos desta maravilhosa equipe encarregada da realização desta extraordinária revista, que é de bênção para os membros da Igreja, como para pessoas não crentes. De El Carmen de Bolívar, Colômbia.

LUIS LOAYZA Não deixo de agradecer a Deus pela bênção e o grande privilégio de me sentir parte do ministério desta Obra. Quero lhes dizer que sempre recebo a revista e sinto muita satisfação quando leio suas tão edificantes mensagens e contemplo as fotografias e imagens das variadas atividades que se realizam em diferentes lugares. De Mayagüez, Porto Rico.

JUAN PAULO MARTÍNEZ Eu estava lendo as mensagens da revista e são de muita bênção. Procurava revistas cristãs, e antes lia outras que me deixavam muito desconcertado, mas desde que esta revista chegou a minhas mãos senti que muitas de minhas inquietudes desapareceram. Muito obrigado novamente. De Monterrey, México.

CARLOS ROMERO Amados irmãos, Deus os abençoe de maneira especial. Deus continue lhes dando sabedoria e graça para este ministério, a revista “Impacto Evangelístico”, que foi de bênção para nós e nossas amizades. Sua publicação e sua informação doutrinal fizeram com que muitas

MARIO ALBERTO SÁNCHEZ É uma honra compartilhar com vocês o agradecimento a nosso Deus, dando uma cobertura global a sua Obra missionária; portanto, o único que devemos fazer é reconhecer nosso Redentor em tudo. Deus os abençoe. De Villahermosa, México.

pessoas assistissem à Igreja. Eu convido os irmãos em Cristo a oferecer esta revista nos lugares públicos mais visitados, deixemos ao alcance este meio informativo espiritual. Invista na salvação das almas, Deus o recompensará, o Senhor abençoe seu apoio espiritual. De Cali, Colômbia.

DIEGO PIÑEROS Quando recebo uma nova edição da revista fico muito contente, pois Deus me fala através dos ensinamentos bíblicos, os testemunhos me comovem, as fotos do avanço da Obra me inspiram e, sobretudo, sinto o desafio de fazer algo também para o Senhor. Continuem trabalhando para este maravilhoso projeto e que Deus continue lhes dando sabedoria e graça. De Bogotá, Colômbia.

ANTONIO SOLIER Continuem mostrando temas de atualidade com enfoques bíblicos. Eu parabenizo o grupo de trabalho. Que Deus continue agindo em suas vidas. Deus os abençoe. De Lima, Peru.

Puede descargar el lector de códigos QR gratis desde estas plataformas: n Eventos realizados n Eventos a realizar

evangélico

MISIONÁRIO MUNDIAL 66 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Diretor Fundador: Rev. Luis M. Ortiz. Conselho editorial: Rev. Luis Meza Bocanegra, Jacqueline Rovira, Samuel Martínez, Rev. Andrés Espejo. Coordenador editorial: Rev. Julián Morón. Editor geral: Víctor Tipe Sánchez. Editor: Jaime Tipe Sánchez Editor gráfico: Roberto Guerrero. Design gráfico: Adolfo Zubietta. Redação: Johan Pérez Landeo, Marlo Pérez. Diagramação: Lesly Sánchez, Jorge Cisneros. Webmaster e Infografia: Julio de la Cruz. Ilustrações: Pablo Vilca. Transcrição: Fanny Vidal. Community manager: Juan Becerra, Denisse Barrientos. Distribuição: Javier Arotinco.


AO VIVO NO FACEBOOK

Curtir

Comentar

Compartilhar

Desfrutando do programa junto com minha família. Deus os abençoe.

Um programa de muita bênção. Saudações! Javier esta escrevendo un comentário...

TODOS OS DOMINGOS 8h:30 / COLÔMBIA

Bethel Televisión, o canal do Movimento Missionário Mundial transmite a mensagem da Palavra de Deus mediante uma programação cultural e educativa de Lima-Peru através de 7 satélites e via internet a todo o mundo.

Janeiro 2017 / Impacto evangélico

67


é conhecer o Deus verdadeiro

SEGUNDA-FEIRA A SÁBADO 13H00/PERU

MISIONÁRIO MUNDIAL 68 MOVIMENTO América • Europa • Oceanía • África • Asia

Bethel Televisión, o canal do Movimento Missionário Mundial transmite a mensagem da Palavra de Deus mediante uma programação cultural e educativa de Lima-Peru através de 7 satélites e via internet a todo o mundo.

756_portugues  

Revista Impacto Evangélico Edição Janeiro 2017 Língua Portuguesa

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you