Page 1

PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL​ ​-​ ​PUCRS ​ ​FACULDADE​ ​DE​ ​COMUNICAÇÃO​ ​SOCIAL

ANDRESSA​ ​SOARES ANTÔNIO​ ​HOFSTÄTTER BETINA​ ​D’AVILA GLÓRIA​ ​RÜCKERT

PLANO​ ​DE​ ​MARKETING​ ​POLÍTICO​ ​E​ ​ELEITORAL:​ ​CORALIZAR Candidatura​ ​para​ ​vereadora​ ​de​ ​Porto​ ​Alegre/RS​ ​nas​ ​eleições​ ​de​ ​2020:​ ​Coral Guimarães

Porto​ ​Alegre/RS 2017


ANDRESSA​ ​SOARES ANTÔNIO​ ​HOFSTÄTTER BETINA​ ​D’AVILA GLÓRIA​ ​RÜCKERT

PLANO​ ​DE​ ​MARKETING​ ​POLÍTICO​ ​E​ ​ELEITORAL:​ ​CORALIZAR Candidatura​ ​para​ ​vereadora​ ​de​ ​Porto​ ​Alegre/RS​ ​nas​ ​eleições​ ​de​ ​2020:​ ​Coral Guimarães

Trabalho apresentado como requisito parcial para aprovação na disciplina de Marketing Político e Eleitoral, Curso de Relações Públicas da Faculdade de Comunicação Social, Pontifícia Universidade​ ​Católica​ ​do​ ​Rio​ ​Grande​ ​do​ ​Sul.

Orientadora:​ ​Profª.​ ​Me.​ ​Denise​ ​Pagnussatt

Porto​ ​Alegre/RS 2017


SUMÁRIO Fase​ ​1​ ​-​ ​Candidatura 1​ ​Legenda…………………………………………………………....………………... 1 2​ ​Equipe……………………………………………………………...………………... 1 2.1​ ​Candidato……………………………………………………………………1 2.2​ ​Coordenação​ ​Geral………………….……………………………………..1 2.3​ ​Coordenação​ ​de​ ​Setores………………………………………….……….1 2.3.1​ ​Comunicação​ ​e​ ​marketing………………………………….……..1 2.3.2​ ​Finanças………………………………………..…………………...1 2.3.3​ ​Engajamento​ ​……………………………………………………….1 3​ ​Propósito/enfoque/abordagem…………………....……………………………….2 4.​ ​Objetivos​ ​de​ ​campanha……………………………....……………………………2 Fase​ ​2​ ​-​ ​Campanha​ ​Eleitoral………………………………....……………..…………​3 1​ ​Apresentação​ ​do​ ​Segmento-alvo​ ​e​ ​Periféricos……………...………………….. 3 1.1​ ​Segmento-alvo…………………………………………....……………….3 1.2​ ​Periféricos…………………………………………………......…………..3 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​2​ ​Matriz​ ​SWOT…………………………………………………………...…………...3 2.1​ ​Análise​ ​Ambiental…....………………...……………………………...….3 2.1.1​ ​Pontos​ ​fortes……………………...………………………...…..3 2.1.2​ ​Pontos​ ​fracos……………………....……………………………4 2.1.3​ ​Oportunidades…………………………....……………………..4 2.1.4​ ​Ameaças……………………………………...………………....4 2.2​ ​Quadro​ ​representativo​ ​…………………………………………………….5 3​ ​Referencial​ ​teórico………………………………………………………………….5 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​3.1​ ​Engajamento​ ​jovem​ ​na​ ​política………………….………………..…..…..6 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​3.2​ ​Representatividade​ ​feminina​ ​no​ ​cenário​ ​político…………..…...…....…7 3.2.1​ ​Mulheres​ ​na​ ​política……....……………....………….…...……..7 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​3.2.2​ ​Direitos​ ​das​ ​mulheres……………………….…....……………..8 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​3.3​ ​Representatividade​ ​LGBT​ ​no​ ​cenário​ ​político………...…...…….........10 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​3.3.1​ ​LGBTs​ ​na​ ​política……………………….……...………...….....10 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​3.3.2​ ​Direitos​ ​LGBTs………….…………………...................……...10 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​4​ ​ ​Estratégias​ ​de​ ​marketing………………………….……………………………..12


4.1​ ​Contextualização……………………………………………………...…12 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​5​ ​Programa​ ​resumido...……………………………....…………………………...20 5.1​ ​Políticas​ ​públicas​ ​efetivas……………………….……………..……….20 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​6​ ​Identidade​ ​e​ ​lema……...…….……………..……………………...;.…………..21 6.1​ ​Partido​ ​Mudança………………………………………….…………..…21 6.2

Valores

e

crenças

que

formam

a

identidade

do

candidato……….....22 ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​6.3​ ​Peça-conceito​ ​da​ ​campanha……………………………...……….......23 ​ ​7​ ​Estratégias​ ​de​ ​comunicação…………………………………………………...24 7.1​ ​Video​ ​eleitoral…………………………………………………………….24 7.2​ ​Canais​ ​próprios​ ​de​ ​divulgação​ ​do​ ​programa…………………...…….25 7.3​ ​Participação​ ​em​ ​eventos………………………………………………..45 7.4​ ​Atividades​ ​externas……………………………………………………...45 7.5​ ​Aproximação​ ​com​ ​formadores​ ​de​ ​opinião​ ​e​ ​imprensa​ ​local…….…..46 7.6​ ​Outras​ ​formas​ ​de​ ​comunicação………………………………………...52 8​ ​Pesquisa​ ​de​ ​intenção​ ​de​ ​votos………………………………………..………...53 9​ ​Cronograma​ ​de​ ​gestão…………………………………………………………...54 10​ ​Referências………………………………….…………………………..……….56 11​ ​Apêndices…………………………………………………………………………57


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Fase​ ​1​ ​-​ ​Candidatura​ ​[Pré-campanha] 1.

Legenda:​ ​39​ ​-​ ​Partido​ ​Mudança

2.

Equipe: 2.1.

Candidato: Coral Guimarães. Coral é bissexual, classe média e cursa jornalismo na Famecos/PUCRS. Militante do movimento estudantil desde o movimento secundarista, sempre foi engajada politicamente. Presidiu o Grêmio Estudantil do Colégio Júlio de Castilhos aos 16 anos e, assim que adentrou à Universidade, fez parte do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da PUCRS, liderando um setor de diversidade. Aos 22 anos, sua primeira candidatura no pleito eleitoral será para vereadora de Porto Alegre, através do Partido Mudança, ao qual é filiada​ ​desde​ ​os​ ​16​ ​anos.

2.2.

Coordenação Geral: Andressa Soares (coordenadora de comunicação e marketing), Coral (candidata), Glória Rückert (coordenadora do setor financeiro) e Tom Hofstätter (coordenador de engajamento). Os setores são responsáveis pela gestão e gerenciamento da implantação das​ ​estratégias​ ​e​ ​objetivos.

2.3.

​ ​Coordenação​ ​de​ ​Setores: 2.3.1.

Comunicação e Marketing: Andressa Soares. As principais atribuições são ligadas à pesquisas e análises do cenário político, a fim de elaborar ações estratégicas, humanizar os processos, agregar valor, compreender as necessidades dos públicos, identificar tendências e eventos de engajamento, assessoria​ ​de​ ​imprensa​ ​e​ ​gestão​ ​das​ ​mídias​ ​sociais.

2.3.2.

Finanças: Glória Rückert. Crucial na etapa de tomada de decisões e implantação de ações. Ademais, realiza a gestão de caixa e mensuração de resultados, retorno financeiro e nível de investimento​ ​disponível​ ​para​ ​campanha​ ​eleitoral.

2.3.3.

Engajamento: Tom Hofstätter. Volta-se ao diagnóstico da retenção e fidelização dos públicos, a partir do feedback das ações desenvolvidas. Além disso, tem uma função crucial e 1


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

intangível: ligação afetiva, de valores e de objetivos do negócio e​ ​dos​ ​stakeholders. O engajamento tem como atribuição o planejamento e execução da ‘mão na massa’, ou seja, elaborar ações para candidata dispor do contato direto com seu público-alvo. Organizar a agenda de debates, panfletagem em locais estratégicos, analisar quais pontos de comum acesso são mais frequentes para esse público e, dessa forma, propiciar maior visibilidade​ ​e​ ​atividade​ ​para​ ​Coral. 3.

Propósito/enfoque/abordagem: é a primeira candidatura de Coral. Seu público é focado majoritariamente em universitários e as pautas da campanha serão direcionadas à mulheres em geral e LGBTs (​Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros)​. Seu principal foco é a criação de políticas públicas voltadas para seus públicos de interesse nas áreas de saúde e educação. O foco de Coral não é ser eleita, e sim unir as bandeiras das minorias que defende e sustentar sua imagem para possíveis candidaturas​ ​no​ ​futuro.

4.

Objetivos de campanha: o objetivo não é a eleição, afinal é uma candidatura pequena. Coral tem como propósito aumentar a voz de algumas minorias, levantando pautas pouco debatidas no meio político e eleitoral. Além disso, deseja engajar seus públicos para que não se calem e busquem seus direitos sempre​ ​-​ ​não​ ​apenas​ ​no​ ​momento​ ​eleitoral.

2


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Fase​ ​2​ ​-​ ​Campanha​ ​Eleitoral 1.

Apresentação​ ​do​ ​segmento-alvo​ ​e​ ​periféricos: 1.1.

Segmento-alvo: A candidata foca em mulheres e no público LGBT. Ambos segmentos obtiveram crescimento nos últimos anos em relação à luta pela representatividade e direitos igualitários, o que afeta diretamente no número de pessoas que Coral possui o objetivo de impactar e engajar. Sendo assim, é necessário avaliar tendências e urgências desses públicos, através de pesquisas e análises para que dessa forma, seja viável a realização da disseminação dos seus ideais, como candidata, e garantir o apoio​ ​para​ ​realização​ ​das​ ​propostas​ ​estabelecidas. Entre os segmentos, estão mulheres heterossexuais, mulheres bissexuais, mulheres gays, mulheres transsexuais, mulheres jovens, homens bissexuais, homens gays, homens transsexuais. Jovens eleitores entre 16 e 25 anos, estudantes de universidades e faculdades públicas e particulares das classes A,​ ​B​ ​e​ ​C.

1.2.

Periféricos: O público periférico são os eleitores, os quais se acredita que virão a ser engajados pelos segmentos principais da candidata. Entre eles estão familiares que apoiam LGBTs que fazem parte de sua família; homens e mulheres heterosexuais simpatizantes da causa LGBT; ativistas da luta pró-LGBTs e pró-feminismo; universitários com a mente aberta para a recepção de novas visões sociais; homens e mulheres que adotam​ ​um​ ​estilo​ ​de​ ​vida​ ​liberal,​ ​anti-conservadores.

2.

Matriz​ ​Swot: 2.1.

Análise​ ​dos​ ​ambientes: 2.1.1.

Pontos​ ​fortes: -

Desejo​ ​de​ ​mudança;

-

Militância; 3


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

-

Apoio​ ​das​ ​minorias​ ​(mulheres;​ ​mulheres​ ​lésbicas);

-

Juventude​ ​para​ ​inovar​ ​a​ ​política​ ​com​ ​novos​ ​ideais;

-

Possui​ ​uma​ ​forte​ ​história​ ​pessoal​ ​e​ ​família;

-

Planejamentos​ ​estratégicos​ ​bem​ ​estruturados​ ​em​ ​sua Organização​ ​de​ ​Base;

2.1.2.

2.1.3.

-

Vivência​ ​social​ ​e​ ​cultural;

-

Presença​ ​e​ ​utilização​ ​consciente​ ​das​ ​redes​ ​sociais;

-

Ficha​ ​limpa/boa​ ​reputação.

Pontos​ ​fracos: -

Inexperiência;​ ​Iniciante​ ​na​ ​política;

-

Falta​ ​de​ ​apoio​ ​de​ ​conservadores;

-

Cultura​ ​conservadora;

-

Verba​ ​e​ ​recursos​ ​escassos;

-

Partido​ ​pouco​ ​conhecido.

Oportunidades: -

Desejo​ ​de​ ​mudança;

-

Eleitores indecisos e/ou que não acreditam mais na velha política;

-

Crescer através de âmbitos pouco explorados por outros candidatos.​ ​Ex.:​ ​arte​ ​e​ ​espaços​ ​culturais;

-

Engajamento​ ​com​ ​jovens​ ​pelas​ ​mídias​ ​digitais;

-

Engajamento através de mídias pouco exploradas no âmbito​ ​eleitoral.​ ​Ex.:​ ​podcast.

2.1.4.

Ameaças: -

Eleitores​ ​resistentes​ ​a​ ​mudanças;

-

Preconceito​ ​de​ ​conservadores;

-

Vereadores com polarização na cidade e grande histórico político;

-

Partidos​ ​já​ ​consolidados​ ​fazem​ ​parte​ ​da​ ​concorrência;

4


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

2.2.

Quadro​ ​representativo: Quadro​ ​1​ ​-​ ​Matriz​ ​swot.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​pelo​ ​grupo.

3.

Referencial teórico: advinda das ideias e ideais da candidata a vereadora Coral Guimarães, pautadas em necessidades, direitos igualitários e questões sociais voltadas às minorias, sendo seu principal público alvo identificado com LGBT e mulheres, entre 16 a 30 anos, o embasamento analisado na survey destina-se a diagnosticar tendências desse segmento. A fim de possibilitar a análise sucinta, mas coerente, a pesquisa foi categorizada em três​ ​tópicos​ ​e​ ​seus​ ​respectivos​ ​subtópicos:

5


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

3.1.

Engajamento​ ​jovem​ ​na​ ​política: De acordo com a pesquisa desenvolvida pelo Instituto Data Popular1, a geração Z, ou seja, nascidos entre 1988 até 2010, são mais informados que seus pais e mais engajados com a política. Além disso, identificam-se com o desejo de mudança e o viés de oposição ao atual cenário brasileiro. 50% dos respondentes, dentre 3.500 jovens entrevistados, afirmam que, atualmente, estão indecisos quanto ao seu voto para as próximas eleições e provavelmente o anulariam, visto que 63% ressaltam que o Brasil não está no rumo certo. “Eles querem serviços públicos de mais qualidade, maior conectividade, acessos livres a banda larga e a tecnologia de ponta. E não abrem mão da manutenção do poder de compra”, relata o autor do estudo, o publicitário​ ​Renato​ ​Meirelles,​ ​presidente​ ​do​ ​Data​ ​Popular. Ademais 59% dos entrevistados indicam que o país estaria melhor se não existisse partidos políticos. Esse dado reafirma a tendência apontada por José Álvaro Moisés2 acerca dos fatores decisivos para que um indivíduo escolhe seu candidato. O professor de Ciência Política da Universidade de São Paulo reitera que "o brasileiro não vota em partidos, mas em homens", isto é, o povo brasileiro não se identifica com partidos políticos, mas optam por votar em determinada pessoa em virtude das afinidades de ideias e ideais. As associações partidárias e os governantes não falam a linguagem do público jovem: “os políticos são analógicos e a juventude digital”, atesta Renato Meirelles. A apropriação e empoderamento adquirido e, diariamente, reafirmado pela geração Z advém, sobretudo, da inserção da tecnologia no cotidiano dos indivíduos e o crescimento do acesso à informação - ainda que não seja uma totalidade, nas grandes capitais

​ ​Disponível​ ​em: <https://istoe.com.br/380009_O+QUE+OS+JOVENS+PENSAM+SOBRE+A+POLITICA/>.​ ​Acesso​ ​em 25​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 2 ​ ​Disponível​ ​em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-64451990000200007>.​ ​Acesso​ ​em​ ​26 de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 1

6


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

do Brasil o percentual de domicílios que possuem internet corresponde a 57,8%, segundo o IBGE (2015)3. Soma-se a isso, a questão da juventude digital possuir mais escolaridade que os pais. O recorte da pesquisa traz dados relevantes em relação à educação nos lares brasileiros: a evolução educacional dos filhos da classe C corresponde a​ ​54%​ ​dos​ ​brasileiros. Para finalizar, vale ressaltar outra característica determinante sobre o perfil dos jovens do país é que eles não querem saber de censura, almejam a ruptura dos padrões estéticos, exigem direitos igualitários e leis voltadas às minorias sociais. As questões sociais estão cada vez mais presentes no seu dia-a-dia. Já o fator segurança aparece em segundo lugar como uma preocupação urgente, segundo a pesquisa​ ​do​ ​Data​ ​Popular. A conclusão do estudo é que, apesar da geração Z desejar um futuro melhor e igualitário, não enxerga na classe política a possibilidade de solução para isso. Principalmente, porque os políticos não falam a linguagem dos jovens e não compreendem suas necessidades. 3.2.

Representatividade​ ​feminina​ ​no​ ​cenário​ ​político: 3.2.1.

Mulheres​ ​na​ ​política: A última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio, divulgada pelo IBGE em 2013, indica que as mulheres representam 51,3% da população brasileira. Entretanto, esse dado não notabiliza, de fato, a inserção das mulheres no meio político. De acordo com o estudo divulgado pela ONU Mulheres em janeiro de 2017, acerca do mapa mundial de mulheres na política, dos 193 países pesquisados, o Brasil encontra-se na 154ª posição. Além disso, a pesquisa realizada pela Secretaria de Políticas para Mulheres (SPM) em 2012, 13,5% do total dos

​ ​Disponível​ ​em <https://exame.abril.com.br/brasil/apesar-de-expansao-acesso-a-internet-no-brasil-ainda-e-baixo/>. Acesso​ ​em​ ​28​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 3

7


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

cargos correspondentes nas câmaras municipais são ocupados por mulheres. Tânia Fontenele, coordenadora do instituto de pesquisa aplicada da mulher, ressalta que os dados apontam nitidamente que as mulheres estão sub-representadas nos níveis da política no país. Ademais, comparando as eleições de 2008 e 2012, o número de candidaturas, para as 5.568 câmaras municipais, subiu de 72.476 para 133.864, ou seja, crescimento de 84,5%. Porém, não propiciou o aumento da presença feminina: em 2008, o percentual corresponde a parcela que se elegeu às câmaras municipais correspondia a 8,9%, já em 2012,​ ​o​ ​total​ ​foi​ ​de​ ​5,7%4. 3.2.2.

Direito​ ​das​ ​mulheres: A partir de 2011, a Mesa Diretora do Legislativo Municipal de Porto Alegre propôs modificar a conotação ‘leis’ para ‘direitos’ e, posteriormente, divulgadas em forma de coletânea, a fim de facilitar a fiscalização da comunicação em relação a essas. Em vista disso, os direitos são organizados de acordo com a temática que os circundam: Acessibilidade; Adoção; Administração Pública; Albergue; Assento Reservado; Atendimento Prioritário; Centro Integrado de Planejamento Familiar; Código Municipal de Saúde; Comissão Municipal de Atenção às Mulheres em Situação de Violência; Comitê de Tolerância Zero para Mortalidade por Câncer de Mama; Direitos Sexuais e Reprodutivos, Combate à Discriminação; Economia Solidária;

Gestante;

Linguagem

Inclusiva;

Preservativo

Feminino;​ ​Transporte​ ​Público;​ ​entre​ ​outros. Em virtude das propostas da vereadora Coral Guimarães enfatizarem os direitos à saúde e educação, ressalta-se, como anexo, a inclusão da Lei Maria da Penha, lei federal de nº

​ ​Disponível​ ​em: <http://www.brasil.gov.br/cidadania-e-justica/2016/07/mulheres-ainda-tem-baixa-representatividade-n a-politica-diz-especialista>.​ ​Acesso​ ​em​ ​26​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 4

8


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

11.340, promulgada em 7 de agosto de 2006, em vista de sua relevância para que diminua os casos de violência doméstica e familiar​ ​contra​ ​a​ ​mulher. Além disso, de acordo com a Seção I, artigo 150, sofrerão penalidades, multas e cassação do alvará de funcionamento das instituições ligadas às pessoas físicas ou jurídicas que praticarem discriminação racial, de gênero, orientação sexual, estado civil, ideologia política, idade e/ou deficiência física, mental ou motora. Em questões de saúde, a Seção IV, artigo 161, são de competência do município assegurar o fornecimento da educação voltada ao planejamento familiar, com a intenção de possibilitar a informação e o acesso aos métodos contraceptivos, bem como o livre arbítrio para que a mulher possa utilizá-los ou não e seja da sua escolha conceber​ ​filhos​ ​ou​ ​evitar. Já a Lei Complementar Nº 325, de 7 de Julho de 1994, no capítulo I, artigos 1º, 2º e 3º, promovem os direitos humanos e de liberdade fundamental. Cita-se a participação feminina na Política Municipal, a liberdade de expressão, informação e organização na sociedade civil, o exercício de qualquer culto e religião, orientação e defesa dos direitos reprodutivos, o direito ao trabalho, à educação, à saúde, à moradia e à assistência social. Concernente às questões da saúde, A Lei Nº 10.556, de 14 de Outubro de 2008, está relacionada com o Comitê em prol da prevenção e cuidados aos casos de câncer de mama. Além disso, prevê informar sobre as ações preventivas, diagnóstico precoce e visa a redução da mortalidade em virtude do câncer. Soma-se a Seção IV, o art. 44, que presta “atenção à saúde da mulher

compreende

preventivas,

de

um

conjunto de ações educativas,

diagnóstico,

tratamento ou recuperação,

objetivando a melhoria do nível de vida da população feminina, 9


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

nas fases da adolescência, adulta e pós-reprodutiva”. Como parágrafo único e complementar ao artigo, cita-se que “nas ações da saúde da mulher incluem-se as áreas da saúde reprodutiva, especialmente as ações de planejamento familiar, atendimento dos casos de aborto previstos em lei e mortalidade materna”. O artigo 45 aborda as atividades básicas de assistência

à

mulher

quanto

ao

atendimento

à

clínico-ginecológica, assistência pré-natal e assistência ao parto e puerpério e, em casos de gestante adolescente, fornecer a assistência especial e integral. Inclui direitos vinculados à gestação, à maternidade e em casos de tratamentos de saúde. No capítulo V (Da Vigilância à Saúde) enfatiza-se as obrigações e deveres da Secretaria Municipal de Saúde para com o cumprimento dos artigos anteriores, a regulamentação e fiscalização das instituições de saúde quanto prestadoras de serviços. 3.3.

Representatividade​ ​LGBT​ ​no​ ​cenário​ ​político 3.3.1.

LGBTs​ ​na​ ​política Conforme indicado pela Carta Política em sua matéria ‘Eleição de candidatos LGBTs cresce no mundo, mas não no Brasil’5, publicada em 18 de junho de 2017, as últimas eleições mundial obtiveram um aumento em candidatos LGBTs eleitos, entretanto, no Brasil, a representatividade continua estagnada: “as últimas eleições para o Parlamento do Reino Unido terminaram em 8 de junho (de 2017) com um saldo positivo para a representatividade LGBT na política (...) Na Irlanda, um país tradicionalmente católico, um filho de imigrantes e gay assumido, Leo Varadkar, foi recentemente escolhido pela população como o novo primeiro-ministro (...) No Brasil, palco

​ ​Disponível​ ​em: <https://www.cartacapital.com.br/politica/eleicao-de-candidatos-lgbts-cresce-no-mundo-mas-nao-no-b rasil>.​ ​Acesso​ ​em​ ​28​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 5

10


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

de uma das maiores manifestações de Orgulho LGBT do mundo, gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros ainda estão longe do poder político. Na Câmara dos Deputados, há apenas um representante da diversidade: Jean Wyllys (PSOL-RJ), figura constantemente atacada por colegas conservadores de parlamento”. Apesar do quadro insatisfatório, a última pesquisa divulgada pela Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) apontou o crescimento de concorrentes em eleições municipais, sendo 377​ ​representantes. Ademais, Feitosa escreve em seu artigo publicado no Justificando que "o campo político é pouco permeável às pautas e pessoas LGBT, há uma notória tendência do eleitorado em votar em candidatos que detém o perfil dominante da arena política, ou seja, masculina, burguesa, branca e heterossexual, mesmo​ ​entre​ ​o​ ​eleitorado​ ​LGBT". 3.3.2.

Direitos​ ​LGBTs: O cenário desigual é perceptível na representatividade política e, sobretudo, quanto às leis e direitos da comunidade LGBT. O conteúdo digital disponível torna-se quase nulo, enfatizando a necessidade e a urgência dessa pauta ser debatida​ ​e​ ​trazida​ ​à​ ​frente​ ​em​ ​uma​ ​candidatura​ ​de​ ​vereadora. A Assembleia Legislativa, por intermédio do Gabinete de Consultoria, divulgou as leis e direitos incorporadas na Constituição do Estado. As seções e artigos circundam na inclusão da temática igualitária em ambientes educacionais, para que isso resulte a melhoria da cidadania e respeito entre os indivíduos da sociedade porto alegrense, através da promoção de debates e discussões. Outrossim, adversidades adicionais estão aos cuidados da Secretaria da Justiça e Desenvolvimento​ ​Social. 11


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Percebe-se que as leis municipais da capital gaúcha6 expõe planos rasos e langorosos, quando comparado às demais questões sociais - mulheres, negros, índios, imigrantes, entre​ ​outros. 4.

Estratégias​ ​de​ ​marketing: 4.1.

Contextualização: A candidata Coral defende a melhorias dos direitos da população

LGBT e de mulheres de Porto Alegre nos quesitos educação e saúde, por isso​ ​foi​ ​feito​ ​um​ ​panorama​ ​da​ ​situação​ ​desse​ ​segmento. Conforme a pesquisa de “Análise do acesso e da qualidade da Atenção Integral à Saúde da população LGBT no Sistema Único de Saúde” 7 de 2016, a população LGBT possui até os dias atuais grande estigma em relação às Doenças Sexualmente Transmissíveis, onde a AIDS ainda tem associação direta com essa população. A conotação histórica é muito forte neste entendimento, uma vez que na década de 80 houve avanço da doença sobre a população LGBT, com destaque para o segmento de gays, momento em que a mídia propagou ideias que trouxeram cunho negativo relacionando a população LGBT à AIDS. Tal ideário que se perpetuou ao longo do tempo, não é acompanhado pelos dados, que demonstram que o vírus atinge toda a população, podendo em determinados momentos e lugares concentrar-se em algum​ ​segmento​ ​populacional​ ​ou​ ​não.

​ ​ ​Disponível​ ​em​ ​<http://dh.sdh.gov.br/download/conferencias/legisltacao-LGBT/RS.pdf>.​ ​Acesso​ ​em 28​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 7 ​ ​Disponível​ ​em:​ ​<http://www.nesp.unb.br/saudelgbt/images/arquivos/Perfil_PortoAlegre.pdf>.​ ​Acesso em​ ​6​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 6

12


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Gráfico​ ​1​ ​-​ ​Casos​ ​de​ ​Aids​ ​identificados​ ​em​ ​Porto​ ​Alegre.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​pelo​ ​NESP

O processo de saúde e doença da população de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros (transexuais e travestis) – LGBT - sofre influência de determinantes sociais como renda, habitação (Cardoso e Ferro, 2012). Quanto às demandas específicas na utilização dos serviços de saúde, alguns autores com base em revisão, identificaram que entre as mulheres lésbicas, havia a descrença de adquirir alguma doença sexualmente transmissível (DST), por não praticarem sexo com homens, colocações quanto ao despreparo dos profissionais de saúde no atendimento, refletindo na falta de regularidade quanto à ida ao serviço de saúde para cuidados preventivos, como ginecologia. Já no que se referem aos homens gays, as ações ligadas especificamente a HIV/AIDS, constituíam um estigma à essa população. Aos transgêneros, o não reconhecimento ao corpo biológico com a identidade de gênero, resulta em demandas relacionadas a procedimentos de âmbito ambulatorial-hospitalar, pois, como detentores de direito a saúde integral, possibilita o exercício da cidadania,​ ​compreendendo​ ​suas​ ​especificidades​ ​(Cardoso​ ​e​ ​Ferro,​ ​2012).

13


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Segundo a Carta Capital8, no quesito educação, LGBT compõem um grupo populacional que tem seu direito fundamental à educação violado, com altas taxas de evasão escolar. Em razão da total invisibilidade dada ao problema, órgãos governamentais ainda não dispõem de indicadores que possam medir o tamanho estatístico dessa exclusão escolar. No entanto, pesquisas qualitativas sinalizam a recorrência com que a exclusão escolar aparece nas trajetórias de vidas das pessoas LGBT e são sempre associadas ao ódio e à violência perpetrados contra essa população, dentro do ambiente escolar. Encontrar dados sobre a população LGBT em termos de saúde e educação, principalmente dados oficiais, é complicado. O que mostra o descaso com esse público. Nos dois sistemas, nota-se a não-revelação da orientação sexual coberta de de receio, constrangimento e dúvida se haverá discriminação ou não. Portanto, a invisibilidade nos diversos serviços da sociedade,​ ​potencializam​ ​no​ ​preconceito​ ​e​ ​invisibilidade​ ​da​ ​vida​ ​social. Segundo o site da Prefeitura Municipal de Porto Alegre9, na área de Direitos Humanos a Prefeitura de Porto Alegre possui a Secretaria Adjunta da Livre Orientação Sexual (SALOS)10: coordenar e controlar as políticas públicas relativas

à

população

LGBT

(Lésbicas,

Gays,

Bissexuais,

Travestis,

Transexuais e Transgêneros) em substituição ao Núcleo de Políticas Públicas para a Livre Orientação Sexual (NPPLOS), é a primeira secretaria específica para​ ​a​ ​população​ ​LGBT​ ​no​ ​Brasil. Ademais, possui o Centro de Referência em Direitos Humanos Relações de Gênero e Sexualidade e tópicos que abordam “Porto Alegre e a população LGBT”: Curso de Formação: qualificação e informação para os servidores da Prefeitura Municipal de Porto Alegre no convívio e atendimento ao​ ​público​ ​LGBT. ​ ​Disponível​ ​em: <​https://www.cartacapital.com.br/sociedade/genero-e-diversidade-sexual-nas-escolas-uma-questao-d e-direitos-humanos-6727.html>.​ ​Acesso​ ​em​ ​14​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 9 ​ ​Disponível​ ​em:​ ​<http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smdh/default.php?p_secao=46>.​ ​Acesso​ ​em​ ​6​ ​de outubro​ ​de​ ​2017​. 10 ​ ​Disponível​ ​em:​ ​<http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smdh/default.php?p_secao=45>.​ ​Acesso​ ​em​ ​6 de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 8

14


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

GT LOS (Grupo de Trabalho da Livre Orientação Sexual da Prefeitura Municipal de Porto Alegre): criado através do Decreto nº 14.962/05), que possui como uma de suas atribuições a instrumentalização do poder público municipal na formulação de políticas públicas LGBT visando a transversalidade entre​ ​todos​ ​os​ ​órgãos​ ​municipais​ ​de​ ​Porto​ ​Alegre. Centro de Referência às Vítimas de Violência (CRVV): é um serviço do Município, em parceria com o Governo Federal, criado para prestar informações e orientações às vítimas de violações de direitos, abuso de autoridade,​ ​exploração​ ​sexual​ ​e​ ​qualquer​ ​tipo​ ​de​ ​discriminação. Frente Parlamentar da Livre Orientação Sexual: foi criada pela Câmara Municipal de Porto Alegre para discussão e encaminhamentos de políticas públicas​ ​LGBT​ ​no​ ​Município​ ​de​ ​Porto​ ​Alegre. Conferência Municipal LGBT: ocorre a cada dois anos, sob orientação da​ ​Secretaria​ ​Nacional​ ​de​ ​Direitos​ ​Humanos. Plano Municipal da Diversidade Sexual de Porto Alegre: neste ano (2017) devem iniciar as discussões, pois este plano definirá as prioridades e propostas de políticas públicas LGBT para os próximos anos, em parceria com a​ ​sociedade​ ​civil​ ​organizada. Saúde para população LGBT: parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para campanhas de prevenção e atendimento a LGBT portadores​ ​de​ ​doenças​ ​virais. SMED – Temática LGBT: parceria em campanhas de informação, convívio, atendimento e inclusão do público LGBT nas escolas municipais. Compêndio da Legislação LGBT: criação de um guia das legislações referentes à população LGBT. Campanha pelo Estatuto da Diversidade Sexual - OAB: intensificação da campanha para obtenção de 1.400.000 assinaturas em todo o Brasil. Além desses, é citado no site o Art.150 da Lei Orgânica Municipal, regulamentada pelo Decreto 11.411/96, que prevê: “Art. 150 – Sofrerão penalidades de multa até a cassação do alvará de instalação e funcionamento os estabelecimentos de pessoas físicas ou jurídicas que, no território do Município, pratiquem ato de discriminação racial; de gênero; por orientação 15


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

sexual, étnica ou religiosa; em razão de nascimento; de idade; de estado civil; de trabalho rural ou urbano; de filosofia ou convicção política; de deficiência física, imunológica, sensorial ou mental; de cumprimento de pena; cor ou em razão​ ​de​ ​qualquer​ ​particularidade​ ​ou​ ​condição”. Programa de Empreendedorismo da população LGBT - criação de um programa em parceria com a INOVAPOA, SMIC e SMTE para fomentar cursos profissionalizantes, acompanhamento e encaminhamento com a finalidade de inclusão​ ​no​ ​mercado​ ​de​ ​trabalho. Quarto Rosa (quarto para o Público LGBT nos albergues de Porto Alegre): estudar a viabilidade de expansão dos mesmos, bem como estudar a viabilidade​ ​de​ ​criação​ ​de​ ​albergues​ ​Arco-íris,​ ​somente​ ​para​ ​a​ ​população​ ​LGBT; Parada Livre de Porto Alegre: realizada anualmente no Parque Farroupilha​ ​(Redenção). Também no site da Prefeitura Municipal de Porto Alegre11, na parte de Planejamento e Gestão, aparece o escopo do programa Porto da Igualdade, que apresenta políticas públicas para mulheres o “desenvolvimento de um conjunto diversificado de ações voltadas ao desenvolvimento de políticas públicas para as mulheres, reconhecendo as ferramentas que estão postas em toda a estrutura da Administração. Promoção de políticas que valorizem, protejam e garantam direitos conforme a propagação universal.” Para população LGBT apresenta o “monitoramento das políticas públicas de direitos humanos relativas à população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros), por meio da articulação com órgãos públicos, entidades​ ​privadas​ ​e​ ​sociedade​ ​civil.”. Apesar de Porto Alegre se posicionar dessa forma, a realidade da população LGBTs na cidade é distante do proposto. ​Para marcar o Dia Mundial de Luta contra a Homofobia em 2017, a Coordenadoria da Diversidade Sexual da Prefeitura de Porto Alegre fez entrevistas com a população LGBT no Largo Glênio Peres, Centro da Capital, sobre como ela avalia e quais são os

​ ​Disponível​ ​em:​ ​<http://www2.portoalegre.rs.gov.br/smpeo/default.php?p_secao=116>.​ ​Acesso​ ​em​ ​6 de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 11

16


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

problemas que identifica no serviço público municipal. Conforme o Sul 21

12

,

em entrevista a Dani Boeira coordenador da Diversidade Sexual de Porto Alegre, os principais questionamentos apresentados pelas pessoas ouvidas pela coordenadoria e pela Defensoria Pública estão relacionados ao tratamento que transexuais e homossexuais recebem da Brigada Militar e dos serviços de saúde. O pior de tudo, do ponto de vista social, é a falta de reconhecimento do nome social, do respeito da identidade de gênero, o que se constitui como umas das formas de violência. Ao ir num posto de saúde, mesmo com pneumonia, os LGBTs têm que passar por exame de HIV, o que Boeira considera o cúmulo, porém diz que não sabiam, descobriram através dessa metodologia. Já Gabriel Galli, coordenador geral do grupo Somos – Comunicação, Saúde e Sexualidade, diz que a principal dificuldade é que na realidade não existem políticas públicas para a população LGBT em Porto Alegre e critica a atual coordenadoria por focar no atendimento, em vez de trabalhar na articulação com outras pastas e movimentos sociais para realização de políticas públicas. Assim, todas as ações são muito assistencialista e não há indicativos de que a coordenadoria tenha traçado estratégias para a população em relação a políticas públicas. Por outro lado, Boeira diz que a coordenadoria já realizou mais de 120 atendimentos desde o início de fevereiro e, até o momento, não teve nenhum retorno de que alguém não recebeu atendimento adequado. Célio Golin, coordenador geral da ONG Nuances – Grupo pela Livre Expressão Sexual, pondera que a população LGBT vive um contexto de retrocesso de políticas públicas, especialmente em termos federais e estaduais. Ele cita como exemplo a decisão do governo Sartori de extinguir o setor na Secretaria de Segurança Pública que lidava com políticas públicas para a área, bem como a retirada de linhas de financiamento para movimentos

​ ​Disponível​ ​em: <https://www.sul21.com.br/jornal/no-dia-mundial-de-luta-contra-homofobia-ativistas-criticam-ausencia -de-politicas-publicas/>.​ ​Acesso​ ​em​ ​10​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 12

17


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

sociais. É justamente o discurso de ódio que hoje está se propagando à vontade na sociedade brasileira que acaba legitimando as atitudes de LGBTfobia. Os números de assassinatos de travestis e homossexuais têm aumentado​ ​e​ ​é​ ​um​ ​reflexo​ ​do​ ​ambiente​ ​político. Galli afirma que, diante da ​retirada das questões de gênero e sexualidade do Plano Municipal de Educação​, ​há um temor dos professores em tratar desses temas em sala de aula e que isso se reflete no aumento da violência contra a população LGBT. Golin salienta que o fato de o atual governo municipal ter apenas uma coordenadoria voltada para esta população – no governo passado existia a secretaria-adjunta de Livre Orientação Sexual, vinculada à secretaria de Direitos Humanos – já representa uma perda política. Ele também questiona o fato de que a Prefeitura já informou os movimentos sociais de que não irá ajudar no financiamento da Parada Livre deste ano, o mesmo que ocorreu com o Carnaval. Para Galli, há um processo geral de desarticulação das instituições que faziam acolhimento à população LGBT, com perda de capacidade de financiamento. Quando uma pessoa sofre discriminação ou algum problema psicológico, não se sabe ao certo para onde encaminhar​ ​a​ ​pessoa. Está no discurso, no papel, mas na realidade não se sabe se vão receber o atendimento adequado. Golin diz que há uma grande demanda por políticas de saúde pública voltadas para a comunidade LGBT, como a implementação de um ambulatório voltado para travestis e transexuais, onde possam

receber,

por

exemplo,

tratamento

hormonal

e

consultas

especializadas. Ele também cobra políticas voltadas para o combate de HIV, uma vez que Porto Alegre é a capital do país com maior mortalidade de portadores do vírus, o que provém do descanso com as políticas públicas. A partir disso, nota-se uma disparidade entre o site e os discursos da prefeitura e a efetividade dessas políticas públicas, que no cotidiano passam longe de ajudarem​ ​a​ ​população​ ​LGBT. Já no âmbito da mulher, Porto Alegre conta com a Secretaria Adjunta da Mulher (SAM), órgão com o intuito de elaborar e acompanhar propostas e programas específicos com Secretarias e outros organismos para que a ação 18


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

pública não discrimine as mulheres em qualquer aspecto. A SAM monitora e colabora o combate à violência contra a mulher, contribui para a inserção da mulher no mercado de trabalho e estabelece constante diálogo com movimentos sociais de mulheres. No entanto, conforme o diagnóstico apresentado pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal em 2015, a rede de assistência às mulheres de Porto Alegre ainda é centralizada, e a cada gestão municipal é mais sucateada. Além da secretaria, Porto Alegre uma capital com mais de 700 mil mulheres - possui apenas uma Delegacia Especializada. A realidade da violência doméstica assombra o cotidiano de centenas de cidadãos. Segundo o Mapa da Violência de 201513, em 2013 foram registrados 4762 homicídios de mulheres no país, sendo 50,3% cometidos por familiares. Isto é, a principal causa das agressões sofridas por mulheres acontecem dentro de casa. A partir dos Indicadores da Violência Contra a Mulher, da Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande Sul, percebe-se que 53,92% das mulheres de Porto Alegre já sofreram algum tipo de agressão - seja ela física ou psicológica. Para romper com este ciclo violento, é preciso pôr em prática medidas de prevenção e enfrentamento à violência contra a mulher. A cidade também possui o Centro de Referência Márcia Calixto, e apenas um abrigo para mulheres vítimas de violência que têm suas vidas comprometidas. Ambos os equipamentos municipais localizam-se em regiões centrais,​ ​dificultando​ ​o​ ​acesso​ ​da​ ​maioria​ ​da​ ​população. Conforme o último censo do IBGE, as mulheres são a maioria da população em Porto Alegre, totalizando 53,61% da cidade. Entretanto, a média salarial é 25% a menos que a dos homens, de acordo com a Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED). Buscar medidas para equiparar os gêneros é fundamental para uma cidade um pouco mais justa e comprometida com as pautas​ ​das​ ​mulheres.

​ ​Disponível​ ​em:​ ​<​http://www.ssp.rs.gov.br/indicadores-da-violencia-contra-a-mulher​>.​ ​Acesso​ ​em: 30​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 13

19


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

5.

Programa​ ​resumido: 5.1.

Políticas​ ​Públicas​ ​efetivas: 5.1.1.

Educação: Entrega de “cartilhas LGBT” em escolas públicas e a promoção de debates e rodas de conversa sobre a inclusão de LGBTs nos meios sociais. Desenvolver e aplicar projeto de lei para​ ​que​ ​seja​ ​permanente.

5.1.2.

Saúde: projeto à doação de sangue de homens gays e visibilidade. É preciso garantir que nenhum LGBT deixe de receber atendimento médico em função de sua orientação sexual ou identidade de gênero. A garantia da fiscalização de serviços é fundamental para que os profissionais da saúde sejam fidedignos à ética humana sem reproduzir preconceitos e gerar constrangimentos14. Projeto de lei para que homens gays possam doar sangue, uma vez que todos os sangues são testados.

5.1.3.

Certificados de Espaços Livres de Preconceito: em parceria com o movimento LGBT e iniciativas particulares, a criação de um projeto para conceder certificados a espaços livres de preconceito. A plataforma colaborativa

Freeda15 pode ser o

primeiro​ ​parceiro​ ​do​ ​projeto. 5.1.4.

Fortalecimento do Atendimento às Mulheres Vítimas de Violência: projeto de lei que obrigue a prefeitura a ampliar o atendimento às mulheres vítimas de qualquer violência a comunidades da cidade, modernizando e descentralizando os serviços.

5.1.5.

Campanhas de promoção da maternidade e paternidade consciente: colaborar, a partir de ações afirmativas, para que a rede de assistência das periferias da cidade priorize a vida das mulheres.

14

Disponível em: <http://www.prosangue.sp.gov.br/artigos/sangue_seguro>. Acesso em 25 de outubro​ ​de​ ​2017. 15 ​ ​Disponível​ ​em:​ ​<http://freeda.me/>.​ ​Acesso​ ​em​ ​25​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017.

20


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

5.1.6.

Combate ao machismo na educação: pressionar a prefeitura para que haja mais investimento na educação para a igualdade de gênero, promovendo atividades de combate à violência nos bairros​ ​e​ ​escolas.

5.1.7.

Projeto para tornar obrigatória a igualdade salarial: pressionar órgãos públicos e privados para que o salário de mulheres seja equiparado​ ​ao​ ​dos​ ​homens.

6.

Identidade​ ​e​ ​Lema 6.1.

Partido​ ​Mudança Fundado em 2008, o Mudança já conta com mais de 10 mil filiados,

sendo sua maioria LGBTs e mulheres. Possuem 6 vereadores no Brasil, e apenas dois são homens - o que demonstra a relevância do partido na luta pelo empoderamento feminino. Acreditam que a política deva ser renovada através das ideias, mas principalmente através das pessoas: contam com mais​ ​mulheres​ ​e​ ​mais​ ​jovens​ ​em​ ​todos​ ​os​ ​cenários. O Mudança defende que o principal motor para as mazelas sociais é uma sociedade livre. É preciso, na visão deles, de cidadãos livres, um poder descentralizado e um governo eficiente com atribuições limitadas. Para mudar a sociedade, é necessário municípios com mais autonomia e uma sociedade​ ​civil​ ​mais​ ​engajada. Acreditam que a forma como governantes e servidores públicos veem os brasileiros deva ser mudada também: a maioria da população é vista como pigmeus. A lógica deve ser alterada garantindo a paz do cidadão, não interferindo indevidamente na vida particular das pessoas, e garantindo os valores de democracia, Estado de Direito, livre-mercado e transparência em todas​ ​as​ ​suas​ ​instâncias. Sendo assim, as práticas do partido se fundamentam no lema: “M de missão, M de melhora, M de mudança”, buscando tornar o indivíduo livre e a sociedade​ ​civil​ ​mais​ ​engajada. Protótipo do logotipo do Partido Mudança: composto pelo nome do partido e seu respectivo número nas cores azul escuro contrastando com o

21


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

símbolo do arco-íris (remetendo ao ideais liberais e apoio à causa LGBT), fundo​ ​branco​ ​para​ ​manter​ ​clareza​ ​na​ ​identificação​ ​visual​ ​do​ ​partido. Imagem​ ​1​ ​-​ ​Logotipo​ ​do​ ​Partido​ ​Mudança.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

6.2.

Valores​ ​e​ ​crenças​ ​que​ ​formam​ ​a​ ​identidade​ ​do​ ​candidato A mola propulsora da candidata é a vontade de mudar as mazelas do

presente. Desde a adolescência lutando contra o conservadorismo e a favor das minorias, Coral acredita na força do indivíduo para a conquista dos direitos básicos da população - sobretudo LGBT e feminina. Liberal, a candidata não vê no Estado uma alternativa segura para a mudança e só acredita na evolução a partir de uma sociedade civil engajada e ciente de seus​ ​passos. Coral crê na verdade como base para as relações, sejam elas pessoais, profissionais ou políticas. Sendo assim, também acredita que a justiça e a igualdade devam andar lado a lado, sendo direitos básicos de qualquer​ ​cidadão. O slogan da campanha é

​“Colorindo o presente, para coralizar o

futuro”, pois consiste na ideia de colorir (lembra alegria, assim como representa a causa LGBT) o presente, ou seja, focar nessas minorias para poder coralizar (tornar algo petrificado como o coral do mar), isto é, fortalecer essas políticas públicas e esse segmento para um futuro melhor. As palavras do slogan “brincam” com o nome da candidata: Coral (cor - colorir e coral do mar-​ ​coralizar). 22


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

6.3.

Peça-conceito​ ​da​ ​campanha: A peça-conceito da campanha é simples, mas jovem: escrita objetiva e

imagem da candidata em destaque, evidenciando ela em seu jeito de ser. O fundo utilizado é o Parque Farroupilha (Redenção), um ponto turístico e de grande referência na cidade de Porto Alegre de grande integração entre diferentes tribos, culturas e idades. Local onde a candidata costuma frequentar como pessoa e política; também é onde jovens se encontram para momentos de lazer e para eventos relevantes de debates. As cores utilizadas são complementares na paleta de cores: azul e coral. Além disso, a escolha do coral faz alusão ao nome da candidata e o azul se refere ao partido que representa. Coral é a representatividade jovem, LGBT e feminista, defendendo os direitos desses grupos. Justamente por isso que seu slogan reflete o objetivo de colorir o presente e assim poder ​coralizar (fortificar) o futuro desses grupos da sociedade que são tratados como minorias, mas que na realidade constituem uma parcela importante da população. A candidata engloba no seu discurso questões atuais e negligenciadas para esses públicos: a educação e a saúde, isto é, direitos básicos, mas ainda rasos e pouco discutidos nesse âmbito. Ela também busca a mudança e assim a igualdade, engajada​ ​seu​ ​partido​ ​(Partido​ ​Mudança).

23


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​2​ ​-​ ​Peça-conceito​ ​da​ ​campanha.

​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

7.

Estratégias​ ​e​ ​ações​ ​de​ ​comunicação: 7.1.

Video​ ​eleitoral: O vídeo se apresenta como uma estratégia para influir na vontade dos

eleitores, mediante um discurso que fixa a imagem do candidato e suas linhas de ação política. O propósito é apresentar os principais pontos do perfil da​ ​Coral​ ​como​ ​candidata. Pretende-se quebrar a ideia de política sendo tão formal, por isso, o vídeo é dinâmico e, por vezes, engraçado, fugindo do convencional. Buscou-se

inspiração

para

apresentar

algo

lúdico,

mas

também

representativo da candidata, com referências jovens, justamente porque a juventude​ ​deve​ ​ocupar​ ​a​ ​política​ ​e​ ​renovar​ ​o​ ​cenário. Para fazer o vídeo, optou-se por pessoas que conhecem a candidata para falar dela, como um marketing boca-a-boca. As falas perpassam assuntos sérios e outros cômicos, mas sempre mostrando as bandeiras da

24


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

candidata (seja de forma explícita ou subentendida). Também se pronunciam no vídeo os componentes da equipe de campanha eleitoral da Coral, com intuito de evidenciar a noção de equipe. Por fim, a candidata fala de si e de suas​ ​propostas. Acredita-se que o quadro político está mudando: as pessoas não votam mais tanto pelo partido e sim por afinidade de ideias, principalmente os jovens, que são o público da Coral. Assim, a comunicação é jovem e procura trazer​ ​impacto. O vídeo eleitoral acontece 45 dias antes das eleições e é nesse período​ ​que​ ​ele​ ​circula,​ ​principalmente​ ​nas​ ​redes​ ​sociais​ ​da​ ​candidata. 7.2.

Canais​ ​próprios​ ​de​ ​divulgação​ ​do​ ​programa: 7.2.1.

Redes​ ​sociais: As redes sociais são a principal forma de comunicação dos

jovens, que ​segundo uma pesquisa realizada pelo Núcleo Jovem da Editora Abril (Sondagens16) investigou os jovens brasileiros, de 15 a 24 anos, que utilizam as redes sociais. A pesquisa revelou que os jovens acessam as redes sociais todos os dias, estando online pelo menos uma hora por dia. As redes sociais fazem parte da vida e dos relacionamento sociais dos jovens de maneira intensa: conforme a pesquisa, 10% ou mais deles afirmaram que não conseguiriam ficar sem

acessar as redes, cerca de 10% só conseguiria ficar

desconectado por um dia e 20% só ficaria offline no final de semana. Por isso, para divulgar a candidata Coral e alcançar visibilidade, optou-se pela criação de redes sociais que podem impactar mais o seu público-alvo. 7.2.1.1.

Facebook: na página, Coral Guimarães estimula o engajamento do público com o compartilhamento dos

​ ​Disponível​ ​em: <https://issuu.com/njovem/docs/sondagemredessociais?layout=http%253A%252F%252Fskin.issuu.c om%252Fv%252Flight%252Flayout.xml&showFlipBtn=true>.​ ​Acesso​ ​em:​ ​26​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 16

25


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

conteúdos de seu blog, desde artigos políticos à novidades​ ​do​ ​cotidiano. O vocabulário é jovem e informal, fazendo com que Coral seja vista como uma amiga que faz parte de sua​ ​rede​ ​social​ ​e​ ​não​ ​uma​ ​candidata​ ​política. A página também serve para a divulgação de eventos que Coral estará presente como: rodas de conversa, encontros culturais, passeios de bicicleta, entre outros. Ademais, contará com ferramentas de divulgação para maior disseminação de conteúdo, contudo, o objetivo é promover as ações de forma orgânica impactando​ ​o​ ​público-alvo​ ​de​ ​forma​ ​mais​ ​intimista. A frequência de posts é conforme a agenda da candidata, mas ocorrem todos os dias dois posts já definidos, os demais surgirão a partir dos eventos, debates, visitas, etc que a candidata faz. As postagens variam

de

compartilhados

cards, etc,

fotos, para

vídeos, não

tornar

textos, o

links

conteúdo

interessante​ ​e​ ​menos​ ​massivo. Por meio da página a candidata busca interações, por isso comentários e outras reações serão levadas em consideração e assim respondidos. O Facebook possui a ferramenta de ​live (vídeo ao vivo) que é utilizado pela candidata, uma vez por semana, a partir das 20h30min. Esse encontro virtual é divulgado em suas redes sociais e ocorre a cada duas semanas nas terças-feiras, com cerca de uma hora, onde a candidata vai falar sobre suas propostas, futuros eventos que participará e responderá perguntas​ ​que​ ​virão​ ​nos​ ​comentários​ ​da​ ​live​.

26


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​3​ ​-​ ​Protótipo​ ​da​ ​página​ ​do​ ​Facebook.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

Imagem​ ​4​ ​-​ ​Protótipo​ ​de​ ​card​ ​para​ ​o​ ​Dia​ ​Internacional​ ​da​ ​Mulher.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hostätter.

27


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

7.2.1.2.

Instagram: a conta utilizada durante a campanha é o perfil pessoal de Coral Guimarães. A plataforma tem o objetivo de mostrar o lado pessoal da candidata, trazendo momentos do seu dia-a-dia e pensamentos fora do campo político, como forma de humanizar seu contato com o público engajado virtualmente. O recurso do instastories ​possibilita transmissões ao vivo em que Coral terá a oportunidade de conversar e responder questões de​ ​interessados​ ​em​ ​sua​ ​campanha. Além de poder fazer fotos e vídeos sobre o cotidiano, suas ideologias e eventos/visitas/debates que participará ou que está participando. Ocorre uma postagem por dia e no ​intastories durante todo o dia, porém cuidando para não se tornar repetitivo e cansativo. As​ ​postagens​ ​são​ ​mais​ ​fotos​ ​e​ ​vídeos,​ ​do​ ​que​ ​cards

28


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​5​ ​-​ ​Protótipo​ ​da​ ​conta​ ​e​ ​postagens​ ​do​ ​Instagram.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter

Imagem​ ​6​ ​-​ ​Posts​ ​‘6​ ​motivos​ ​para​ ​votar’.

29


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​pela​ ​comunicação​ ​do​ ​Candidato​ ​Luciano​ ​Victorino.

*Esse é um exemplo retirado das redes sociais do candidato a vereador de Porto Alegre nas eleições de 2016, Luciano Victorino. Acredita-se que a forma de comunicação e suas ideias são próximas da Coral. Então, o post poderia ser “6 motivos​ ​para​ ​coralizar”​ ​e​ ​o​ ​restante​ ​seriam​ ​os​ ​motivos​ ​para​ ​votar​ ​na​ ​candidata. 7.2.1.3.

Youtube: utilizada como banco de vídeos das aparições e atos públicos da candidata e os vídeos de propaganda. 30


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

A divulgação do conteúdo ocorrerá através das outras redes sociais que Coral está presente, principalmente Facebook e Blog. A frequência depende dos eventos da semana, porém pode-se inferir cerca de uma publicação semanal, após o lançamento e durante os meses que antecedem o lançamento da campanha eleitoral. Após, haverá​ ​três​ ​postagens​ ​semanais. Imagem​ ​7​ ​-​ ​Protótipo​ ​do​ ​canal​ ​no​ ​Youtube.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

7.2.1.4.

Flickr: serve como banco de imagens das aparições e atos públicos da candidata. Existe um baixo engajamento entre usuários no Flickr, mas é um importante espaço para um resgate memorístico dos feitos de Coral na política. A frequência depende dos eventos da semana, infere-se,​ ​em​ ​média,​ ​duas​ ​postagens​ ​semanais.

31


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​8​ ​-​ ​Protótipo​ ​da​ ​conta​ ​do​ ​Flickr.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

7.2.1.5.

Blog: a candidata possui um blog que tem objetivo de compartilhar suas ideias e propostas políticas, divulgar notícias e acontecimentos importantes da cidade de Porto

Alegre

e

região,

compartilhar

artigos

que

interessem seu público-alvo (mulheres e LGBTs) e manter um espaço para registro da trajetória de Coral no âmbito político e virtual. A frequência de posts é de dois a três por semana e serão divulgados nas outras redes sociais​ ​da​ ​Coral.

32


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​9​ ​-​ ​Protótipo​ ​do​ ​blog​ ​da​ ​Coral.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

33


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

7.2.1.6.

Soundcloud: inserida na campanha com o intuito de realizar

podcasts

debatendo

diversos

assuntos

pertinentes dentro da campanha de Coral: machismo, homofobia, feminismo, saúde, educação, liberdade do corpo feminino, entre outros assuntos. Podcasts são tendendência no Brasil e uma forma interessante consumir conteúdo. Por isso para divulgar as ideias da candidata de uma maneira verdadeira, os podcasts funcionam. Na conta, a candidata possuirá um programa chamado “Coralizando” e em cada um, haveria a adaptação do título, por exemplo: #01 Coralizando a luta contra o machismo, #02 Coralizando a homofobia, entre outros. A palavra coralizar é usada no sentido de fortalecer algo. Cada programa tem em média quarenta minutos e é permeado por debates e conversas entre a candidata e convidados que dominam o tema. A divulgação ocorrerá através das outras redes sociais que Coral está presente. Os programas são postados a cada duas​ ​semanas​ ​toda​ ​terça-feira,​ ​a​ ​partir​ ​das​ ​20h30min. Imagem​ ​10​ ​-​ ​Protótipo​ ​podcast​ ​Coralizando.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

34


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

7.2.1.7.

Spotify: a plataforma de música é utilizada por boa parte dos jovens. A pesquisa feita pela Associação Brasileira de Música Independente (ABMI)17, ​o Spotify lançou o estudo “Power of Music”, que aponta as tendências atuais em consumo de música digital no Brasil. A ​música tornou-se um recurso básico, visto que a popularização da internet fez com que estivesse cada vez mais acessível e a um preço mais baixo, assim não existem mais momentos ou situações onde ela não possa entrar, gerando​ ​uma​ ​cultura​ ​da​ ​abundância. A música seria um combustível para vida, sendo que está presente em todos os momentos do cotidiano, ajudando a potencializar a trajetória e as emoções a cada situação da vida. Assim como permite a intimidade compartilhada, pois as pessoas interagem ao demonstrar suas emoções reais por meio da música que ouvem; e uma rede de interações e proximidade baseada na afinidade: a ligação entre todos os usuários criou acesso direto a uma biblioteca interminável de gosto musical. Outro fato interessante é que com a desfragmentação dos álbuns e o apogeu das playlists, as pessoas não buscam músicas apenas por artistas ou faixas: buscam cada vez mais por listas que contemplem o estado de espírito​ ​que​ ​elas​ ​querem​ ​acessar. O objetivo deste engajamento é a criação de playlists ​(seleção de músicas) para representar os diversos estilos musicais, emoções e estados de espírito da​ ​candidata​ ​buscando​ ​afeiçoar-se​ ​ao​ ​seu​ ​público.

​ ​Disponível​ ​em: <http://www.abmi.com.br/website/noticias/estudo-do-spotify-aponta-tendencias-em-consumo-de-musi ca-digital>.​ ​Acesso​ ​em​ ​16​ ​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 17

35


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

A playlist “Coral e as Minas”: seleção de músicas com vozes de mulheres relevantes e poderosas da música brasileira representando as diversas gerações de mulheres do Brasil. Encontram-se nomes como: Elis Regina, Elza Soares, Pitty, Alcione, Gal Costa, Vanessa da​ ​Mata,​ ​Negra​ ​Li​ ​e​ ​outras. Imagem​ ​11​ ​-​ ​Playlist​ ​Coral​ ​e​ ​as​ ​Minas.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

Playlist “Coral e os LGBTs”: seleção de músicas com vozes que trazem a representatividade LGBT ao cenário musical brasileiro. Encontramos nomes como: Cazuza, Cássia Eller, Ney Matogrosso, Banda Uó, Pabllo Vittar,​ ​Renato​ ​Russo,​ ​Ana​ ​Carolina​ ​e​ ​outros. Imagem​ ​12​ ​-​ ​Playlist​ ​Coral​ ​e​ ​os​ ​LGBTs.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

36


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

7.2.1.8.

Observações finais: as redes sociais da Coral serão ativadas e alimentadas com conteúdo, um ano antes do lançamento oficial da candidatura. Porém, com menor frequência do que na época de campanha. Os assuntos abordados envolvem o engajamento com a temática LGBT e das mulheres. O maior cuidado será para não vincular a candidata com a candidatura de vereadora. Depois do lançamento, a legenda, partido e slogan da candidata são evidenciados, assim como as peças da candidatura.

7.2.2.

Mídia​ ​impressa

7.2.2.1.

Cartaz: de tamanho maior, o cartaz ficará exposto em locais estratégicos da cidade e de estabelecimentos, para tornar a candidata conhecida. Distribuído no período da campanha eleitoral, quatro vezes semanais, a fim de verificar a qualidade e distribuição do material, e em três pontos​ ​distintos.

37


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​13​ ​- Protótipo​ ​cartaz.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

7.2.2.2.

Panfleto: o panfleto é de design mais simples e de apenas uma página, contendo sobre

informações básicas

candidata. Sua circulação será nos pontos

estratégicos (onde estão o público-alvo), mas também por toda cidade, por ser mais simples e para alcançar visibilidade para candidata. Sendo assim, uma estratégia de massa, como se fosse um “santinho” político. E, igual ao cartaz, será distribuído no período da campanha eleitoral,​ ​todos​ ​os​ ​dias​ ​e​ ​em​ ​três​ ​pontos​ ​distintos.

38


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​14​ ​-​ ​Panfleto

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofsttäter

7.2.2.3.

Folder: é mais elabora e possui dobras, por isso tem design diferenciado e informações mais aprofundadas sobre a candidata e suas propostas. É distribuído nos locais

onde

ocorre

a

divulgação

da

candidata,

principalmente para seu público-alvo, sendo assim segmentada. Distribuído no período da campanha eleitoral, todos os dias e em três pontos distintos ao longo​ ​da​ ​capital​ ​gaúcho.

39


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​15​ ​-​ ​Protótipo​ ​de​ ​folder.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Impressul.

Imagem​ ​16​ ​-​ ​ ​Folder​ ​parte​ ​1:​ ​frente.

​ ​ ​ ​ ​interna

​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​contra-capa

​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​ ​capa

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter

40


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​17​ ​-​ ​Folder​ ​parte​ ​2:​ ​verso.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

7.2.2.4.

Flyer: possui dimensões reduzidas e é impresso frente e verso. Design diferenciado, com cores vivas, layout atraente, para que o flyer se destaque e evidencie a identidade da candidata. Um lado do flyer é o cabelo da candidata (o marcante rosa encaracolado), como uma marca dela. O outro lado terá suas principais propostas de maneira objetiva, slogan e redes sociais da candidata, além de um QR Code que ao escanear leva até o vídeo eleitoral, para sua divulgação. São distribuídos nos pontos de engajamento, todos os dias da semana, em três pontos diferentes, e onde a candidata estiver, sendo segmentado​ ​para​ ​o​ ​público-alvo.

41


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​18​ ​-​ ​Flyer​ ​frente​ ​e​ ​trás.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

7.2.2.5.

Bottom

e

adesivo:

são

formas

tradicionais,

mas

interessantes por poderem chamar atenção através do design e divulgarem a candidata. Também auxiliam a dar visibilidade porque estão em movimento, como por exemplo um adesivo em um carro. Inclusive são decorativos, por exemplo o bottom ser usado em jaquetas e mochilas. São distribuídos para o público-alvo e para quem defende a candidata, quatro vezes semanais,​ ​em​ ​pontos​ ​estratégicos.

42


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Imagem​ ​19​ ​-​ ​Bottom​ ​modelo​ ​1​ ​e​ ​2.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter

Imagem​ ​20​ ​-​ ​Adesivo

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter

7.2.2.6.

Bandeira: outra forma tradicional, que contribui para divulgação da candidata. É levada em todos os momentos, seja de panfletagem ou de eventos que a candidata participa. São dois modelos de bandeira: um do partido (Mudança 39) e outro da mesma forma, porém de um lado terá o nome da candidata e seu número. O design será simples e objetivo. Ocorrerá em conjunto 43


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

com a panfletagem, todos os dias da semana e em três pontos​ ​estratégicos. Imagem​ ​21​ ​-​ ​Bandeira​ ​da​ ​candidata.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter.

Imagem​ ​22​ ​-​ ​Bandeira​ ​do​ ​partido.

Fonte:​ ​desenvolvido​ ​por​ ​Antônio​ ​Hofstätter​.

7.2.3.

Agenda​ ​da​ ​Coral: Todos os dias úteis terão panfletagens. A prioridade será, três

vezes por semana, estar presente em universidades e cursos técnicos. 44


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

Quando duas ou mais panfletagens acontecerem no mesmo horário, a candidata comparecerá na de maior movimento - ou na que ainda não compareceu naquela semana. Nos finais de semana, a preferência é para as rodas de conversa e eventos de coletivos. Ao menos duas vezes por semana precisa acontecer distribuição de panfletos em terminais​ ​de​ ​ônibus​ ​e​ ​no​ ​Centro​ ​Histórico. Horários: -

Universidades e cursos: 7h - 8h30 / 12h - 14h (principalmente​ ​federal)​ ​/​ ​18h30​ ​-​ ​20h30

-

Centro​ ​Histórico:​ ​11h30​ ​-​ ​14h​ ​/​ ​17h​ ​-​ ​19h

-

Terminais​ ​de​ ​ônibus:​ ​6h30​ ​-​ ​8h30​ ​/​ ​17h​ ​-​ ​19h

A entrega dos flyers e folders é acompanhada, na maioria das vezes e quando possível, pela candidata. Além das pessoas que a ajudam na parte do “mão na massa”, ou seja, fazer acontecer. Em todas as panfletagens, os ajudantes carregam bandeiras e sabem explicar as propostas da candidata, acreditando nos seus ideias, para poder​ ​gerar​ ​assim​ ​mais​ ​engajamento. 7.3.

Participação em eventos: participação em encontros organizados por coletivos de mulheres e LGTBs que tenham aproximação com a candidata, como os coletivos que ela fez parte durante a juventude. É importante que a imagem de Coral seja relacionada a estes coletivos, uma vez que eles englobam os ideais do partido e podem ser porta voz para a candidatura. Por usar a bicicleta como meio de transporte sempre que pode, a candidata também comparecerá em eventos de ciclismo urbano, como a Massa Crítica, realizado na última sexta-feira de​ ​cada​ ​mês.​ ​Contabiliza-se,​ ​em​ ​média,​ ​seis​ ​eventos​ ​por​ ​semana.

7.4.

Atividades externas para interação entre a população e o candidato: visitas a centros de minorias para compreender suas necessidades e dialogar com estes públicos. Também acontecerá uma visita à delegacia da mulher e ao Hospital Fêmina, onde mulheres que sofrem 45


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

violências buscam auxílio imediato. ​Permanecerá durante a campanha eleitoral​ ​com​ ​frequência​ ​mensal​ ​de,​ ​em​ ​média,​ ​seis​ ​encontros. 7.5.

Aproximação​ ​com​ ​formadores​ ​de​ ​opinião​ ​e​ ​imprensa​ ​local: 7.5.1.

Formadores de Opinião: para tornar a candidata conhecida é importante reconhecer os formadores de opinião do mesmo nicho que o dela. Para isso, é feito pesquisa e levantamento de principais nomes que podem auxiliar na candidatura. É feito um contato para poderem apoiar a Coral ou convidá-la para conversar, como no caso de canais do Youtube ou Blogs. A relevância dessa estratégia é gerar uma espécie de marketing boca​ ​a​ ​boca​ ​de​ ​forma​ ​massiva​ ​e​ ​engajada.

7.5.2.

Engajados​ ​politicamente: Thiago Braga18 ​foi candidato a vereador pelo Partido dos Trabalhadores (PT) em 2016 e classificou-se como suplente. É estudante de Direito da Faculdade do Ministério Público. Iniciou sua atividade política como um jovem militante dos direitos humanos e hoje é visto como uma forte referência nas mobilizações pela reivindicação e ocupação democrática dos espaços públicos em Porto Alegre. Tem ideologias semelhantes com as de Coral e se mostra uma parceria interessante para uma candidatura de Coral Guimarães para a troca de experiências​ ​entre​ ​os​ ​candidatos. Fernanda Melchionna19 ​é filiada ao Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) foi a vereadora mais votada nas eleições de 2016 em Porto Alegre. Tem presença política desde os 13 anos quando participou de protestos contra privatizações realizadas pelos governos de Antônio Britto e Fernando Henrique Cardoso. Também fez parte da implementação do Partido dos Trabalhadores (PT) no Rio Grande do Sul. Tem

​ ​Disponível​ ​em:​ ​<​https://www.facebook.com/amenacanal/​>.​ ​Acesso​ ​em​ ​31​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. ​ ​Disponível​ ​em: <​https://gauchazh.clicrbs.com.br/politica/eleicoes-2016/noticia/2016/10/fernanda-melchionna-e-a-vere adora-mais-votada-em-porto-alegre-7647629.html​.​ ​Acesso​ ​em​ ​31​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 18 19

46


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

ideologias semelhantes com as de Coral e se mostra uma parceria interessante para uma candidatura de Coral Guimarães para​ ​a​ ​troca​ ​de​ ​experiências​ ​entre​ ​os​ ​candidatos. O ​SOMOS – Comunicação, Saúde e Sexualidade20 é um grupo situado em Porto Alegre (RS) que realiza ações transdisciplinares, tendo como base os direitos humanos, com ênfase em direitos sexuais e direitos reprodutivos, a partir da articulação das áreas de educação, saúde, comunicação e arte. O apoio deste canal é pertinente durante uma candidatura LGBT

pois

soma a forças das minorias que buscam

representatividade

LGBT

no

cenário político gaúcho. A

abordagem e parceira se concretiza através da vontade de fazer​ ​a​ ​diferença​ ​no​ ​mesmo​ ​âmbito​ ​social. Coordenada pela ONG ​Coletivo Feminino Plural​, de Porto Alegre, o ​Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão21 integra a Rede Nacional dos Pontos da Cultura que tem como objetivo acionar o corpo feminino para diversas formas de se expressar. O projeto possui apoio do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, por meio da Secretaria de Cultura do Estado. Tem como foco percorrer lugares onde as integrantes atuam em parcerias, para o compartilhamento de conhecimento, focando nas mulheres moradoras do bairro Restinga, em Porto Alegre. Mostra ser um apoio interessante para uma candidatura como a de Coral Guimarães que visa o empoderamento e visibilidade feminina dentro da sociedade atual. A abordagem com a ONG poderia ser realizada através de engajamentos em eventos de participações mútuas, troca de experiências​ ​e​ ​materiais​ ​de​ ​divulgação.

​ ​Disponível​ ​em:​ ​<​http://somos.org.br/>.​ ​Acesso​ ​em​ ​31​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. ​ ​Disponível​ ​em:​ ​<​https://pontodeculturafeminista.wordpress.com​>​ ​Acesso​ ​em​ ​31​ ​de​ ​outubro​ ​de 2017. 20 21

47


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

A ​Themis – Gênero, Justiça e Direitos Humanos22 foi criada com o objetivo de enfrentar a discriminação e conflitos sociais

contra

mulheres

no

sistema

judiciário.

É

uma

organização da sociedade civil com sede em Porto Alegre com a missão de ampliar as condições de acesso à justiça. Possuem três estratégias principais: fortalecer o conhecimento das mulheres sobre seus direitos, advogar em casos para proteger e levar a diante os direitos das mulheres e dialogar com instituições que preservam e/ou reproduzem a discriminação contra a mulher. O apoio político da Themis significa ter um segmento mais profissional e político engajando-se nos ideais da luta de candidatas no âmbito eleitoral que sofrem com os mesmos preconceitos contra mulheres. O contato com essa parceria deve ser mais formal, procurando exibir sua visão mais formal​ ​e​ ​estratégica​ ​da​ ​candidatura. 7.5.3.

Influenciadores​ ​digitais: As ​Blogueiras Feministas23 é um coletivo gaúcho sobre feminismo que já conta com a participação de 70 mulheres publicando seu posicionamento em relação ao cotidiano na visão feminina. O apoio destas mulheres é pertinente em uma campanha feminina política visto que possuem relevância e voz nas mídias digitais. O contato com essa parceria deve ser realizado através de divulgações de materiais, utilizando o engajamento​ ​do​ ​coletivo​ ​e​ ​os​ ​ideais​ ​em​ ​comum​ ​de​ ​Coral. Ana De Cesaro24 é uma mulher gaúcha e influente nas mídias digitais por conta de sua imagem empoderada e jeito livre de viver. Ficou famosa ao registrar seu mochilão pela Europa e postando seu programa para emagrecer 40kg com seu projeto “Ana Gostosa”. Com seu sucesso e engajamento

​ ​Disponível​ ​em:​ ​<​http://themis.org.br/somos/equipe/>.​ ​Acesso​ ​em​ ​31​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. ​ ​Disponível​ ​em:​ ​<​http://blogueirasfeministas.com/sobre-o-blog/>.​ ​Acesso​ ​em​ ​31​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 24 ​ ​Disponível​ ​em:​ ​<​https://www.anadecesaro.com.br/>.​ ​Acesso​ ​em​ ​31​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. 22 23

48


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

virtual, publicou livros e hoje realiza palestras motivacionais. É importante que Coral tenha nomes fortes ao seu lado e que transmita a mesma mensagem que quer passar aos seus segmentos-alvo. ​O contato com essa parceria deve ser realizado através de divulgações de materiais, utilizando o engajamento​ ​do​ ​coletivo​ ​e​ ​os​ ​ideais​ ​em​ ​comum​ ​de​ ​Coral. O ​Canal Amena25 ​é um ​vlog ​no Youtube com página no Facebook que tem como objetivo disseminar conteúdo jovem, lésbico e diferenciado, como as próprias produtoras descrevem. É interessante para Coral impactar pequenos grupos que fazem parte do seu segmento-alvo para um engajamento efetivo. O contato com essa plataforma pode ser realizado em interações nas redes sociais, uma forma fácil e atual de receber visibilidade. 7.5.4.

Imprensa​ ​Local:

7.5.4.1.

Jornais:

acredita-se

que

o

jornal

é

uma

forma

interessante de divulgar o conteúdo da candidata, visto que o leitor está mais concentrado e usa o meio para relaxamento e tem seu próprio ritmo. Essa mídia é procurada

como

fonte

de

informações,

tendo

credibilidade. Por sua segmentação, é possível atingir o público pretendido. Também é uma forma da candidata se destacar, com criatividade nas formas de inserção. Outra vantagem, é que o jornal impresso e digital se complementam. 7.5.4.2.

Gaúcha ZH: por possuir um grande público em Porto Alegre e região, é pertinente a presença da candidata no veículo para maior divulgação de sua imagem para conhecimento público de suas propostas e ambições no cenário​ ​político​ ​gaúcho.

25

​ ​Disponível​ ​em:​ ​<​https://www.facebook.com/amenacanal/.​ ​Acesso​ ​em​ ​31​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017.

49


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

7.5.4.3.

Jornal do Comércio: possui abrangência relevante em Porto Alegre e credibilidade nas notícias, tendo uma área importante para a política. Assim, é um veículo promissor para​ ​divulgar​ ​a​ ​candidata​ ​e​ ​suas​ ​propostas.

7.5.4.4.

Correio do Povo: é interessante para propagar a candidata, devido ao alcance do jornal. Veicular a imagem da Coral ao veículo é transparecer objetividade, credibilidade e qualidade, como o próprio Correio do Povo​ ​se​ ​diz​ ​ser.​ ​Também​ ​possui​ ​uma​ ​divisão​ ​de​ ​política. alcance

7.5.4.5.

Sul 21: o veículo, apesar de menor abrangência que os ante​riores, apresenta ideologia e público mais parecido com as da candidata. O Sul 21 é um jornal gaúcho independente, que se diz comprometido com a verdade e seus discursos buscam a valorização dos direitos humanos: ideal que a candidata Coral também acredita. Além​ ​de​ ​que​ ​apresenta​ ​um​ ​teor​ ​político​ ​mais​ ​evidente.

7.5.4.6.

Considerações finais: A abordagem com os jornais ocorre por meio de releases com as informações e propostas principais da candidata. É entrado em contato através do contato disponibilizado por esses meios, como por exemplo o Sul 21: possui um e-mail para releases especificado

no

site

(​sul21@sul21.com.​br).

A

aproximação ocorre cerca de dez dias antes do lançamento da candidatura; e se dá de maneira amigável,

profissional

e

objetiva, demonstrando a

identidade da candidata. Mas também se adequando ao tipo​ ​de​ ​linguagem​ ​do​ ​veículo. 7.5.5.

Rádio: é uma mídia popular e de grande abrangência. O ouvinte possui fonte de entretenimento a qualquer hora e por isso pode fazer outras atividades enquanto escuta a rádio. Como o meio usa música e sonoplastia, a palavra e o discurso são 50


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

reforçados. O digital também auxilia na complementação dessa mídia. 7.5.5.1.

Rádio Bandeirantes: o viés jornalístico traz credibilidade e responsabilidade de informações para a rádio. Sua programação é de 24 horas com diversos programas. É muito tradicional, mas vem se adequando aos meios digitais. Para Coral, o veículo é importante pela grande extensão​ ​e​ ​pelos​ ​conteúdos​ ​comprometidos.

7.5.5.2.

Rádio Atlântida: trata-se de uma rádio direcionada ao público jovem das classes A e B (idade entre quatorze e vinte e cinco anos). Centra-se em hits de música pop com lançamentos decentes. O veículo também se denomina como geradora de conteúdo no rádio e internet, sendo uma rede de entretenimento. O público é interessante e o alcance é expressivo da Atlântida, por isso que é um canal apropriado para Coral. A Rá​dio Atlântida também possui o blog ATL Girls, que se diz “ o lado mulherão da Atlântida” e acredita no girl power​; apresenta conteúdo de moda e de vertente feminista. Assim,​ ​o​ ​conteúdo​ ​se​ ​aproxima​ ​das​ ​ideias​ ​da​ ​candidata.

7.5.5.3.

Rádio Mix: a maior parte dos seus ouvintes são os jovens e sua programação envolve principalmente músicas do gênero pop, sendo um veículo relevante e conhecido para​ ​a​ ​candidata.

7.5.5.4.

Considerações finais: ​Para se aproximar das rádios, o processo é o mesmo dos jornais: por intermédio de releases com informações e propostas principais da candidata, porém com chamadas e discursos mais propícios para mídia. O relacionamento ocorre cerca de dez dias antes do lançamento da candidatura, de uma forma amigável, profissional e objetiva, demonstrando a

51


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

identidade da candidata. E o contato se dá pelos meios disponibilizados​ ​pelas​ ​rádios. 7.6.

Outras​ ​formas​ ​de​ ​comunicação 7.6.1.

Rodas de Conversa: a partir de conversas periódicas com seus simpatizantes,

Coral

Guimarães

debaterá

acerca

das

necessidades de seus públicos. As conversas acontecerão não apenas durante a campanha: a ideia é que sejam eventos contínuos, uma vez por trimestre - e, durante a campanha, ocorrerão três rodas de conversa, cada uma com uma tema diferente. A candidata acredita no diálogo como principal forma de impacto social. Sendo assim, encontros em praças e parques da cidade serão a chave principal compreender as reais​ ​demandas​ ​de​ ​seus​ ​possíveis​ ​eleitores. 7.6.2.

Jingle: a intenção é criar um jingle, como nas campanhas publicitárias, para melhor fixar a imagem do candidato na mente do eleitor e na memória coletiva. O jingle é uma narrativa musical simples, muitas vezes lúdica, justamente para fazer o candidato e suas ideias serem lembradas. Por isso, umas das formas de comunicação seria o jingle da Coral, usando recursos sonoros, melodia cantada e o slogan dela no final, juntamente com seu número.O jingle seria veiculado em suas plataformas de​ ​comunicação​ ​digital​ ​(Facebook,​ ​Instagram,​ ​Blog,​ ​Podcast).

7.6.3.

Protótipo​ ​jingle:

Música:​ ​Despacito​ ​-​ ​Luis​ ​Fonsi​ ​feat.​ ​Daddy​ ​Yankee Letra: CORAL​ ​APOIA As​ ​mulheres​ ​a​ ​toda​ ​prova LGBTs​ ​estão​ ​na​ ​sua​ ​hora Políticas​ ​Públicas​ ​para​ ​agora CORAL​ ​APOIA 52


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

A​ ​transformação​ ​que​ ​revigora A​ ​mudança​ ​que​ ​o​ ​jovem​ ​aprova É​ ​a​ ​candidata​ ​que​ ​inova Vote​ ​Coral​ ​Guimarães,​ ​“colorindo​ ​o​ ​presente,​ ​para​ ​coralizar​ ​o​ ​futuro”.​ ​Vote​ ​39391! 8.

​ ​Pesquisa​ ​de​ ​intenção​ ​de​ ​votos: 8.1.

Grupo Focal: a proposta é fazer três grupos focais segmentando os públicos da candidata. O primeiro grupo focal é composto de LGBTs de escolas, que em sua maioria não votam ainda. O propósito é entender a realidade que esses jovens passam no dia- a-dia escolar, como por exemplo o bullying. Outro grupo se constitui de mulheres LGBTs e heterossexuais, também com o intuito de saber o que elas vivem e pensam sobre seu cotidiano e direitos. O último grupo é compostos de homens LGBTs, para compreender suas condições. Esses grupos focais ocorrem antes da campanha para a candidata poder pensar e elaborar suas propostas de maneira mais condizente com as circunstâncias vividas por esses grupos na cidade de Porto Alegre. Acredita-se que uma pesquisa mais qualitativa auxilia de modo efetivo para descobrir o que realmente ocorre com esses grupos e poder

melhorar

as

propostas

da

Coral.

Para

escolher

os

representantes, a própria candidata anuncia em suas redes sociais, a busca por jovens LGBTs ou mulheres que tenham ideologia parecida com​ ​a​ ​da​ ​candidata. 8.2.

Clipagem: durante a campanha eleitoral, executar a clipagem toda semana para entender o que os veículos de comunicação online comentam sobre a candidata e, assim, compreender sua adesão e reconhecimento, além de verificar quais canais e públicos a candidata está atingindo. Antes do lançamento da candidatura, a clipagem é feita uma vez por mês, durante o período eleitoral, será feita diariamente. Esse monitoramento possui fundamental relevância, uma vez que identifica o discurso como as informações sobre a Coral estão 53


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

circulando pelos meios digitais e, através de uma análise minuciosa, como​ ​isso​ ​pode​ ​ser​ ​utilizado​ ​de​ ​maneira​ ​benéfica​ ​para​ ​sua​ ​campanha. 9.

Cronograma​ ​de​ ​gestão 9.1.

Cronograma:​ ​em​ ​apêndice.

9.2.

Métricas: como a campanha da candidata se foca no meio digital, para medir os resultados e obter entendimento da efetividade, sugere-se as seguintes​ ​formas: 9.2.1.

Google Trends: é possível descobrir as principais tendências nas pesquisas de usuários em relação a palavras-chave ou assuntos específicos. Dessa forma, é interessante para identificar padrões de comportamentos nas buscas dos usuários.

9.2.2.

Google Analytics: permite o acesso a relatórios completos de medição de acessos a um determinado site, podendo analisar quais foram as páginas mais acessadas, por quanto tempo os usuários permaneceram em cada página, quais páginas têm a maior taxa de rejeição e quais têm a maior taxa de interesse. Além disso, possibilita saber qual a região de cada usuário que acessou o site, independente de forem resultados orgânicos ou pagos.

9.2.3.

Facebook Insights: fornece informações importantes a respeito do alcance das publicações de uma página no Facebook, como a quantidade de visualizações, interação dos usuários, alcance orgânico e alcance pago. Também é possível visualizar de forma comparativa o desempenho geral das publicações da página.

9.2.4.

Taxa de Rejeição: relevante para identificar a usabilidade do site ou possíveis falhas. É por meio dela que se pode descobrir quantos usuários acessam e abandonam logo na primeira página do site. Assim, é possível entender problemas como a elaboração do layout ou visualização do conteúdo. Quando a 54


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

taxa é alta, significa que há mudanças que devem ser feitas o quanto​ ​antes.

55


​ ​ ​PONTIFÍCIA​ ​UNIVERSIDADE​ ​CATÓLICA​ ​DO​ ​RIO​ ​GRANDE​ ​DO​ ​SUL Faculdade​ ​de​ ​Comunicação​ ​Social

10.

Referências

Câmara Municipal de Porto Alegre. ​Coletânea de Leis Municipais relativos aos Direitos

da

Mulher​.

Disponível

em

<​http://femininoplural.org.br/site/wp-content/uploads/2013/02/ColetaneaDireitosMulh er1.pdf​>.​ ​Acesso​ ​em​ ​29​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. Secretaria da Segurança Pública. ​Indicadores da Violência Contra a Mulher​. Disponível em: <​http://www.ssp.rs.gov.br/indicadores-da-violencia-contra-a-mulher​>. Acesso​ ​em:​ ​30​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. Impressul.

​Folders

e

dobras:

como

fazer?​.

Disponível

em:

<http://www.impressul.com.br/?p=1838>.​ ​Acesso​ ​em​ ​30​ ​de​ ​outubro​ ​de​ ​2017. Agêndia WCK. ​Conheça as principais ferramentas e métricas para medir os seus

resultados

em

marketing.

​Disponível

em:

<​digitalhttp://agenciawck.com.br/conheca-as-principais-ferramentas-e-metricas-paramedir-os-seus-resultados-em-marketing-digital/>. Acesso em 30 de outubro de 2017.

56


Facebook e Instagram

outubro 2019

Lançamento; Postagens: 3 vezes/semana

novembro 2019

Postagens: 3 vezes/semana

dezembro 2019

Postagens: 3 vezes/semana

YouTube Lançamento; 1 vezes/seman a 1 vezes/seman a 1 vezes/seman a

Blog Rodas de conversa Lançamento; 2 vezes/seman a 2 vezes/seman a 1 vez/ mês 2 vezes/seman a

Clipagem

Flickr

Campanha de lançamento - vídeo

Soundcloud

Spotify

Início da clipagem; Analise dos meses anteriores; 1 vez/ mês

2 vezes/ mês

2 vezes/mês

1 vez/ mês

2 vezes/ mês

2 vezes/mês

2 vezes/ mês

2 vezes/mês

janeiro 2020

2 vezes/seman a

fevereiro 2020

Postagens: 3 vezes/semana

1 vezes/seman a

2 vezes/seman a

1 vez/ mês

Lançamento; 2 vezes/seman a

1 vez/ mês

2 vezes/seman a

2 vezes/ mês

2 vezes/mês

1 vez/ mês

2 vezes/seman a

2 vezes/ mês

2 vezes/mês

março 2020

Postagens: 3 vezes/semana

1 vezes/semana

2 vezes/seman a

abril 2020

Postagens: 3 vezes/semana

1 vezes/semana

2 vezes/seman a

maio 2020

Postagens: 3 vezes/semana

1 vezes/seman a

2 vezes/seman a

junho 2020

Postagens: 3 vezes/semana

1 vezes/semana

2 vezes/seman a

1 vez/ mês

2 vezes/seman a

2 vezes/ mês

2 vezes/mês

julho 2020

Postagens: 3 vezes/semana

1 vezes/seman a

2 vezes/seman a

1 vez/ mês

2 vezes/seman a

2 vezes/ mês

2 vezes/mês

agosto 2020

Postagens: 3 vezes/semana; Início dos 45 dias de marketing eleitoral: postagens 7 vezes/semana

3 vezes/seman a

setembro 2020

Postagens 7 vezes/semana

3 vezes/seman a

outubro 2020

Postagens 7 vezes/semana

3 vezes/seman a

2 vezes/semana

2 vezes/semana

2 vezes/semana

1 vezes/mês

1 vezes/mês

1 vezes/mês

Bottom e Adesivo

Participação em eventos

Atividades externas

Formadores de opinião e imprensa local

Jingle

Grupo focal

2 vezes/ mês

1 vezes/seman a

1 vez/ mês

Banner

2 vezes/ mês

Postagens: 3 vezes/semana

1 vez/ mês

Panfleto, Folder, Flyer e Bandeiras

Diariamente

2 vezes/seman a

Lançamento; Circulação e divulgação nas redes sociais

Diariamente

2 vezes/seman a

Circulação e divulgação nas redes sociais

Diariamente

2 vezes/seman a

Circulação e divulgação nas redes sociais

2 vezes/ mês

2 vezes/ mês

2 vezes/ mês

2 vezes/mês

Três grupos focais segmentando os públicos da candidata,a fim de identificar tendências e necessidades Três grupos focais segmentando os públicos da candidata,a fim de identificar tendências e necessidades Três grupos focais segmentando os públicos da candidata,a fim de identificar tendências e necessidades Três grupos focais segmentando os públicos da candidata,a fim de identificar tendências e necessidades Três grupos focais segmentando os públicos da candidata,a fim de identificar tendências e necessidades Três grupos focais segmentando os públicos da candidata,a fim de identificar tendências e necessidades Três grupos focais segmentando os públicos da candidata,a fim de identificar tendências e necessidades

7 dias por semana, em três pontos distintos

4 dias por semana, em três pontos distintos

4 dias por semana, em três pontos distintos

2 vezes/mês

7 dias por semana, em três pontos distintos

4 dias por semana, em três pontos distintos

4 dias por semana, em três pontos distintos

2 vezes/mês

7 dias por semana, em três pontos distintos

4 dias por semana, em três pontos distintos

4 dias por semana, em três pontos distintos

6 vezes/mês

6 vezes/mês

6 vezes/mês

Permanecerá durante a campanha eleitoral com frequência mensal de, em média, 6 encontros Permanecerá durante a campanha eleitoral com frequência mensal de, em média, 6 encontros Permanecerá durante a campanha eleitoral com frequência mensal de, em média, 6 encontros

Lançamento Primeiro contato com formadores de opinião para prospectar parceiros Soma-se à parceria com formadores de opinião, a imprensa contribui para imagem da candidata

Permanecerá durante a campanha eleitoral

Permanecerá durante a campanha eleitoral


CORAL G U I M A R Ã&#x192; E S

39391


FASE 1:

CANDIDATURA

Equipe: Coral Guimarães - Candidata Andressa Soares - Comunicação e Marketing Glória Rückert - Finanças Tom Hofstätter - Engajamento

Propósito: Unir as bandeiras das minorias que defende e sustentar sua imagem para possíveis candidaturas no futuro. Objetivos de campanha: Não é a eleição; engajamento de público não somente em momentos eleitorais.


SEGMENTOS-ALVO

PERIFÉRICOS

Entre os segmentos, estão mulheres heterossexuais, mulheres bissexuais, mulheres gays, mulheres transsexuais, mulheres jovens, homens bissexuais, homens gays, homens transsexuais. Jovens eleitores entre 16 e 25 anos, estudantes de universidades e faculdades públicas e particulares das classes A, B e C.

Entre eles estão familiares que apoiam LGBTs que fazem parte de sua família; homens e mulheres heterosexuais simpatizantes da causa LGBT; ativistas da luta pró-LGBTs e pró-feminismo; universitários com a mente aberta para a recepção de novas visões sociais; homens e mulheres que adotam um estilo de vida liberal, anti-conservadores.


PONTOS FORTES Desejo de mudança; Militância; Apoio das minorias; Juventude para inovar a política com novos ideais; Possui uma forte história pessoal e familia;

PONTOS FRACOS Inexperiência; Iniciante na política; Falta de apoio de conservadores;  Cultura conservadora; Verba e recursos escassos;  Partido pouco conhecido.

Planejamentos estratégicos bem estruturados em sua Organização de Base; Vivência social e cultural; Presença e utilização consciente das redes sociais.

OPORTUNIDADES

AMEAÇAS

Desejo de mudança;

Eleitores resistentes a mudanças;

Eleitores indecisos e/ou que não acreditam

Preconceito de conservadores;

mais na velha política;

Vereadores com polarização na cidade e

Crescer através de âmbitos pouco explorados

grande histórico político;

por outros candidatos. Ex.: arte e espaços

Partidos já consolidados fazem parte da

culturais;

concorrência.

Engajamento com jovens pelas mídias digitais; Engajamento através de mídias pouco exploradas no âmbito eleitoral. Ex.: podcast.


REFERENCIAL TEÓRICO

Engajamento jovem na política Representatividade feminina no cenário político Direitos das mulheres Representatividade LGBT no cenário político Direitos LGBTS


ESTRATÉGIAS DE MARKETING

CONTEXTUALIZAÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO LGBT E FEMININA EM PORTO ALEGRE


PROGRAMA RESUMIDO POLÍTICAS PÚBLICAS EFETIVAS EDUCAÇÃO SAÚDE CERTIFICADOS DE ESPAÇOS LIVRES DE PRECONCEITO FORTALECIMENTO DO ATENDIMENTO ÀS MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA CAMPANHAS DE PROMOÇÃO DA MATERNIDADE E PATERNIDADE CONSCIENTE COMBATE AO MACHISMO NA EDUCAÇÃO PROJETO PARA TORNAR OBRIGATÓRIA A IGUALDADE SALARIAL


Fundado em 2008, o Mudança já conta com mais de 10 mil filiados, sendo sua maioria LGBTs e mulheres. Possuem 6 vereadores no Brasil, e apenas dois são homens - o que demonstra a relevância do partido na luta pelo empoderamento feminino. Acreditam que a política deva ser renovada através das ideias, mas principalmente através das pessoas: contam com mais mulheres e mais jovens em todos os cenários. O Mudança defende que o principal motor para as mazelas sociais é uma sociedade livre. É preciso, na visão deles, de cidadãos livres, um poder descentralizado e um governo eficiente com atribuições limitadas. Para mudar a sociedade, é necessário municípios com mais autonomia e uma sociedade civil mais engajada. Acreditam que a forma como governantes e servidores públicos veem os brasileiros deva ser mudada também: a maioria da população é vista como pigmeus. A lógica deve ser alterada garantindo a paz do cidadão, não interferindo indevidamente na vida particular das pessoas, e garantindo os valores de democracia, Estado de Direito, livremercado e transparência em todas as suas instâncias. Sendo assim, as práticas do partido se fundamentam no lema: “M de missão, M de melhora, M de mudança”, buscando tornar o indivíduo livre e a sociedade civil mais engajada.


VALORES E CRENÇAS A mola propulsora da candidata é a vontade de mudar as mazelas do presente. Coral acredita na força do indivíduo para a conquista dos direitos básicos da população - sobretudo LGBT e feminina. Liberal, a candidata não vê no Estado uma alternativa segura para a mudança e só acredita na evolução a partir de uma sociedade civil engajada e ciente de seus passos.

O slogan da campanha é “Colorindo o presente, para coralizar o futuro”, pois consiste na ideia de colorir o presente, ou seja, focar nessas minorias para poder coralizar, isto é, fortalecer essas políticas públicas e esse segmento para um futuro melhor. As palavras do slogan “brincam” com o nome da candidata.


CANAIS DE DIVULGAÇÃO


CANAIS DE DIVULGAÇÃO


CANAIS DE DIVULGAÇÃO


MODELOS DE DIVULGAÇÃO


FOLDER


MODELOS DE DIVULGAÇÃO


MODELOS DE DIVULGAÇÃO


APARIÇÕES PÚBLICAS Encontros em diferentes parques da capital para debater propostas com possíveis eleitores através de rodas de conversa. Cada roda de conversa terá um tema diferente, possibilitando maior visibilidade à candidata em relação aos eleitores.

PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS Participação em encontros organizados por coletivos de mulheres e LGTBs que tenham aproximação com a candidata, como os coletivos que ela fez parte durante a juventude. É importante que a imagem de Coral seja relacionada a estes coletivos, uma vez que eles englobam os ideais do partido e podem ser porta voz para a candidatura.

FORMADORES DE OPINIÃO Para tornar a candidata conhecida é importante reconhecer os formadores de opinião do mesmo nicho que o dela. Para isso, é feito pesquisa e levantamento de principais nomes que podem auxiliar na candidatura. É feito um contato para poderem apoiar a Coral ou convidá-la para conversar, como no caso de canais do Youtube ou Blogs. A relevância dessa estratégia é gerar uma espécie de marketing boca a boca de forma massiva e engajada.


JINGLE CORAL APOIA As mulheres a toda prova LGBTs estão na sua hora Políticas Públicas para agora

CORAL APOIA A transformação que revigora A mudança que o jovem aprova É a candidata da hora/sem noia/que inova


Pesquisa de Intenção de Votos

GRUPO FOCAL CLIPAGEM


Cronograma de GestĂŁo (12 meses)


CORAL G U I M A R Ã&#x192; E S

39391

Plano de Marketing Político e Eleitoral: CORALIZAR  
Plano de Marketing Político e Eleitoral: CORALIZAR  
Advertisement