Page 1

ASSOCIAR +

INFORMAÇÃO JUVENIL

FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

ENTREVISTA COM

LUÍS ALVES

DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL ERASMUS + JUVENTUDE EM AÇÃO

EDUCITIZENS

COOPERAÇÃO PARA A INOVAÇÃO E PARTILHA DE BOAS PRÁTICAS

ESPECIAL

CONHECE OS NOVOS VOLUNTÁRIOS SVE DA FAJDP COM O APOIO DE:


2017 9 de DEZEMBRO

i

FAJDP.PT

CASA DAS ASSOCIAÇÕES INSCREVE-TE JÁ!

ASSOCIATIVISMO : FERRAMENTA DE DINAMIZAÇÃO COMUNITÁRIA


ÍNDICE

EDITORIAL

06 08 10

CASA DAS ASSOCIAÇÕES

REPORTAGEM

A CASA DAS ASSOCIAÇÕES DE PORTAS ABERTAS À COMUNIDADE

AGENDA DE ATIVIDADES

03

Pre joa sid qui en m te Lim da a FA JDP

03 04

EDITORIAL

ENTREVISTA LUÍS ALVES

ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

12

ARTIGO DE OPINIÃO

13

TUTORIAL

14 15

ASSUNTOS DE INTERESSE

DAVIDE GARCIA: PARTICIPAÇÃO JUVENIL COMO FATOR DE COESÃO TERRITORIAL MONITOR DE POLÍTICAS AUTARQUICAS DE JUVENTUDE

ESPECIAL

CONHECE OS NOVOS VOLUNTÁRIOS DA FAJDP

FICHA TÉCNICA Coordenação: Frederica Ferreira Direção de Conteúdos: Susana Costa Colaboradores de Texto: Susana Costa, Joaquim Lima, Cláudia Ferreira, Léa David, Tiago Gouveia, Eva Thoma, Miglė Neverdauskaitė e Emre Değirmenci Investigação: Cláudia Ferreira, Susana Costa, Léa David e Tiago Gouveia Design e Paginação: Neuza Moreira

REVISTA ASSOCIAR+ POR:

FAJDP

FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

Email: info@fajdp.pt casadasassociações@fajdp.pt

A atitude de quem tem um verdadeiro espírito associativo faz-se querendo, partilhando, criando pontes, sendo altruísta, criando igualdade, praticando a generosidade, trabalhando em equipa mas, sobretudo, sendo solidário. Essa solidariedade faz com que o rosto de cada associado ou dirigente se assuma simplesmente no nome da sua organização, com intenções, mas sem carácter individualista, onde os verdadeiros protagonistas são a sua comunidade. É isso que hoje queremos transmitir, uma Federação das Associações Juvenis do Distrito do Porto com uma nova equipa diretiva para fará tudo pelo associativismo da região no próximo biénio, que não pretende assumir-se pelos seus nomes próprios, isto porque o mais importante são as suas capacidades para potenciar os vários projetos associativos presentes no distrito. Sim, assumimos o Porto como o local que pela sua história passada e presente congrega a maior participação associativa juvenil do País. Tal facto corresponde a uma grande responsabilidade para tentar garantir não só a forte e ativa participação do movimento na cena nacional e internacional, mas também um respirar de novas ideias. Essa vontade corresponde ao constante empenho em colocar nos próximos anos vários projetos ao dispor das associações juvenis, criando o primeiro Centro de Estudos Associativos direcionados para a juventude; apresentando novas formas de formar dirigentes associativos através de mais edições do Capacita.te; divulgando dados estatísticos sobre qual a perceção das políticas autárquicas de juventude (dados que serão fornecidos pelo projeto Monitor das Politicas Autárquicas da Juventude, realizado nos 18 Concelhos do Distrito do Porto); resgatando o conceito dos Encontros Distritais de Associações Juvenis através da realização comemorativa, continuando apostar na massificação da informação juvenil através do conceito Associar +. Mas, principalmente, defendendo os interesses das associações juvenis quanto à definição da nova Lei do Associativismo Jovem que deverá ser feita à medida da realidade vigente, e não concretizando um conceito utópico de um associativismo juvenil. Pois, a nosso ver, uma nova lei só faz sentido, caso exista um enquadramento que permita uma valorização da atividade associativa em sede de benefícios fiscais. Isto porque não se pode mudar uma lei, com o objetivo de fazer meras intervenções de fachada sem que as mesmas não se reflitam em progressismo e melhoramento das condições reais para as Associações Juvenis! Novas políticas de juventude sim, mas ouvindo o movimento associativo!


04

REPORTAGEM

A Casa das Associações ~ de Portas Abertas à comunidade Pelo segundo ano consecutivo comemorámos o Dia Aberto da Casa das Associações ! Um dia dedicado às associações juvenis, ao seu trabalho e, claro, a um dos projetos mais emblemáticos da FAJDP. À semelhança da edição passada, preparámos não um, mas dois dias de atividades. Iniciámos a mostra associativa na noite de sexta com uma sessão de cinema ao ar livre, nas traseiras da Casa, cuja curadoria e organização foi do Porto Femme International Film Festival e da Associação XX Element Project (que no dia seguinte viria a assinar o protocolo de integração no Ninho das Associações). Em noite de goleada portista, oferecemos à população “O Sonho de Wadjda” (de Haifaa Al-Mansour), a menina saudita cujo maior desejo era ter uma bicicleta. A sua persistência e astúcia levaram-na a concretizar o seu objetivo no final, mostrando-nos que os sonhos estão ao alcance da nossa determinação. Um filme notável, que, para além de ser a primeira candidatura do país para o óscar de língua estrangeira, destacou-se por ser a primeira longa-metragem a ser filmada inteiramente na Arábia Saudita e o primeiro filme realizado por uma mulher. Sem dúvida, uma excelente abertura! O segundo dia começou bem cedo nas instalações da Casa das Associações. Ao contrário do ano passado, desta vez quisemos fazer uma manhã de trabalho interna, só com a presença das associações integradas no Ninho. Foi um momento de debate e reflexão sobre o papel da Casa das Associações no trabalho associativo e a consolidação das sinergias e relação entre associações incubadas e a FAJDP. Foi também

um momento de abordar os desafios futuros deste projeto e de que forma as associações do Ninho podem contribuir para a contínua consolidação da Casa das Associações. Ainda de manhã, demos as boas-vindas a três novos projetos que integraram a incubadora associativa: Jade Portugal, XX Element Project e Refugees Welcome Porto. Três projetos de áreas bastante diferentes, com missões distintas, mas com valores semelhantes, contribuindo para enriquecerem o já diversificado e rico grupo de associações residentes.


REPORTAGEM

A sessão de trabalhos terminou com um almoço diferente do habitual. A convite da MEDesTU, uma das participantes no projeto Route to Connect – um evento promovido pela plataforma SCI , que reúne jovens que, ao longo de vários meses, recolheram imagens e vídeos sobre os refugiados - partilhou com os/as presentes as suas experiências num campo de refugiados na Grécia.

A ANIMAÇÃO ~ ASSOCIATIVA... Por volta das 15h todos os caminhos foram dar à Praça da Batalha onde decorreu a Animação Associativa aberta a toda a comunidade do Porto. Iniciámos a tarde com a presença habitual das/dos bailarinos da Wish Ferreirinha e da Vai Avante; seguimos com uma aula de Kickboxing promovida pela ATSVL e uma demonstração de kung fu – oferecida pela Academia de kung fu da Póvoa de Varzim - que deliciou todas as pessoas presentes. A Associação Juvenil Relata Talentos e a AJDC Penido deram continuidade ao espetáculo com as suas demonstrações de dança e o dia terminou com a atuação da Tuna TS - Tuna de Tecnologia da Saúde do Porto. Ao longo da tarde, homens e mulheres, habitantes locais e turistas, jovens e menos jovens, ninguém ficou indiferente ao talento e energia das nossas associações e os cliques, as palmas, os sorrisos,

05

as danças foram uma constante nesta tarde animada de momentos de partilha, convívio e diversão. Decerto, uma tarde muito diferente da habitual na Praça da Batalha. Paralelamente, a Associação Juvenil MEDesTU, dinamizava, nas instalações da Casa das Associações, um workshop de caligrafia árabe, seguido de uma biblioteca humana onde refugiados/as partilhavam as suas experiências com o público. Mais um ano do projeto Casa das Associações, mais uma celebração do valor acrescentado que o associativismo traz à comunidade, mais um ano de trabalho em prol das associações e dos/as jovens, mais projetos incubados, mais participação, mais cidadania! Em suma, o balanço é mais do que positivo e nós não podíamos estar mais satisfeitos/as em fazer parte deste movimento. E continuaremos a trabalhar para o seu sucesso não só de portas abertas, mas também fora de portas!


06

CASA DAS ASSOCIAÇÕES

~ para a EDUCITIZENS – Cooperação ~ e partilha de boas práticas. inovação

O projeto Educitizens insere-se numa Ação-Chave 2 do Programa Erasmus+, Parcerias Estratégicas na área da Educação de Adultos e tem como objetivo principal a criação de uma grelha de avaliação para identificar as melhores práticas na construção de uma cidadania ativa, assim como recolher e partilhar essas práticas. A FAJDP assume o papel de entidade parceira neste projeto, juntamente com a Mine Vaganti NGO (Itália), EGEA (Holanda), Stowarzyszenie Pastwisko (Polónia), Suomen Ymparistoopoisti SYKLI (Finlândia), Ankara Yidirm Bevazit Universitesi (Turquia) e o promotor da Alemanha, CRN – Comparative Research Network. É cada vez mais importante no mundo atual, educar cidadãos/ãs cada vez mais conscientes de si mesmos/ as, abertos/as a novas ideias, culturas e conceitos, dispostos/as a formar e a influenciar ativamente e de forma positiva a sua sociedade. Por conseguinte, será benéfico criar currículos que tenham uma perspetiva europeia sobre cidadania e participação. Cada país da União Europeia tem uma abordagem diferente relativamente aos sistemas de ensino e de aprendizagem, quer sejam formais ou informais. Cada vez existem mais forma-

ções e workshops, por exemplo, mas essas práticas nunca foram reunidas a nível europeu. Essa partilha de “smart practices” – que se consubstanciará numa publicação física e online – será como uma caixa de ferramentas para formadores/as, professores/as e outros/as facilitadores/as que tenham por objetivo utilizar princípios inovadores, assentes na educação não formal e testados em toda a Europa nos vários sectores educacionais.


CASA DAS ASSOCIAÇÕES

07

O projeto tem a duração de 2 anos, tendo arrancado no fim do ano de 2016. É composto por várias reuniões internacionais de partilha de boas práticas por cada entidade parceira, assentes nos princípios da participação, empowerment, educação e cidadania. Durante as várias reuniões de projeto, serão trabalhadas cerca de 70 boas práticas, 14 inputs diretos e 7 recomendações políticas, partilhadas na publicação física e E-book. Para os participantes neste projeto, é uma oportunidade para aumentar e partilhar estratégias que visam a participação e a cidadania ativa, contactando com diferentes realidades europeias. O Educitizens visa ainda que a aprendizagem seja um princípio adotado ao longo da vida, e que através dela estejam previstos métodos participativos de ensino e formação, que motivem cada vez mais os/as cidadãos/ãs europeus/eias a participar na construção de uma sociedade mais livre, justa e igualitária.

A longo prazo, o Educitizens insere-se nos objetivos da Estratégia da Europa 2020: envolver cada vez mais pessoas na aprendizagem ao longo da vida, capacitando-as e empoderando-as, fortalecendo assim uma sociedade mais informada e apta no combate a todo o tipo de radicalizações. Cláudia Ferreira


08

ENTREVISTA

LUÍS ALVES DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL ERASMUS + JUVENTUDE EM AÇÃO Quais as expectativas / objetivos que tem para a Agência Nacional Erasmus + Juventude em Ação agora que inicia funções como diretor? Penso que a expectativa tem que ser – e é-o genuinamente – aproximar o projeto europeu dos jovens, das organizações, dos líderes associativos e animadores de juventude portugueses, por esta via que é o Programa Erasmus+, verdadeiramente colocado ao serviço dos valores europeus, da participação na vida democrática e dos jovens. E procuraremos fazer isso cumprindo 3 objetivos fundamentais: Aproximar ainda mais o Erasmus+ Juventude em Ação e as suas oportunidades de todos: do norte ao sul, do litoral ao interior, do continente aos Açores e à Madeira, dos grandes centros urbanos às comunidades mais rurais e do interior. Esta presença efetiva no terreno, capacitando todos para serem capazes de utilizar o Programa e as suas oportunidades, é fundamental e tem o poder de funcionar como verdadeira alavanca de mudança e capacitação para as pessoas, as organizações e as comunidades que acolhem os projetos.

Preparar o futuro do Erasmus+: em plena execução deste Programa – até 2020 – este é o tempo em que nos temos que focar já no desenho e na preparação do que será o futuro após 2020. Estamos empenhados em trabalhar para que se criem condições para um Programa financeiramente mais relevante, socialmente mais próximo e mais preparado para dar respostas reais às necessidades concretas dos sectores juvenis. O desafio da conjugação das quatro áreas do Erasmus+ - Educação, Formação, Juventude e Desporto - , o Corpo Europeu de Solidariedade, a cada vez mais relevante importância das experiências internacionais no perfil dos jovens europeus, a tecnologia ao serviço do programa e da simplificação dos procedimentos, a partilha de boas práticas e o impacto efectivo dos projetos na vida das pessoas e das comunidades são as coordenadas que devem orientar a nossa participação na construção desse futuro em conjunto com os jovens e as suas organizações. Este ano o programa Erasmus comemora o seu 30º aniversário. Como avalia o impacto do programa em Portugal?

Parece-me consensual nos dias de hoje que em todas as suas dimensões, o Erasmus+ representa mudança, crescimento, competências, abertura à Afirmar a Educação não forEuropa e ao mundo. “O Erasmus+ representa Estudos recentes da Rede de inmal como elemento fundamental de trabalho com os jovens vestigadores que na área da Jumudança, crescimento, dos nossos dias: a história do ventude – RAY Network – avacompetências, abertura Erasmus+, nomeadamente nos lia o impacto do Programa por programas da área da Juventutoda a Europa prova exatamente à Europa e ao mundo”. de, prova de forma inequívoca isto: mostra que a diversidade a importância vital da educação cultural, o diálogo intercultural e não formal para o sucesso dos a educação não formal e informal são amplamente meprojetos realizados. É fundamental que sejamos capazes lhorados com os projetos; que a comunicação com pessode criar processos, ferramentas, conhecimento e estraté- as que falam outro idioma e que têm diferentes contextos gias que permitam aos jovens e organizações viver cada culturais são substancialmente melhoradas; que os parvez mais e melhor a educação não formal, potenciando ticipantes ficam mais capazes de desenvolver uma ideia as aprendizagens e valorizando-as para o seu percurso de e colocá-la em prática, negociar soluções conjuntas no vida pessoal, cívica e profissional. interesse da comunidade ou da sociedade, que tomaram


ENTREVISTA consciência do desenvolvimento de suas competências e procuram envolver-se no futuro outras oportunidades, entre outros resultados.

09

A participação dos jovens é elemento central e irrenunciável para a definição e implementação de verdadeira politicas publicas de juventude. Promover essa participação pressupõe mais do que apenas declarações de intenções: Acredita que o programa Erasmus + beneficia a em- exige que se associe à vontade política de impulsionar pregabilidade dos/das jovens? De que forma? políticas juvenis nos seus diferentes âmbitos, a criação dos instrumentos institucionais permanentes que as susEstou convencido que sim. Porque cria condições ide- tentem e tornem efectivas e a valorização do associativisais para que no desenvolvimento dos projetos de que são mo juvenil como elemento estruturador da participação parte adquiram um conjunto substancial de conhecimen- dos jovens, dando espaço à sua criatividade e aprendizatos nas mais diversas áreas direta e indiretamente abor- gem social. O recentemente lançado processo de consdadas nos projetos, porque trução de um Plano Nacional permite a aquisição e o treide Juventude tem a ambição “É fundamental que sejamos no de competências diversas, de ser esse elemento mobidesde a dimensão intercultural lizador da implicação dos capazes de criar processos, à gestão de conflitos, do trajovens e suas organizações balho em equipa à resiliência, ferramentas, conhecimento e que possa impulsionar para das línguas estrangeiras, às novos patamares de intervenestratégias que permitam aos TIC, permitindo que, de facto, ção e qualidade as Politicas se deixem transformar com a de Juventude em Portugal! jovens e organizações viver vivência destes projetos. O YouthPass, que valida este Como é do conhecimento cada vez mais e melhor crescimento em forma de geral, uma das novidades a educação não formal. competências, e cria um dodesta nova geração do procumento formal para poderem grama Erasmus+ Já, perutilizar no seu CV, nas suas mitiu que qualquer organientrevistas e na sua vida profissional desempenha tam- zação/empresa se pudesse candidatar ao programa. bém um papel importante. A seu ver, essa estratégia é acertada? Numa altura em que tanto falamos de “soft skills” e da sua importância no perfil desejado pelos principais em- Essa possibilidade – limitada sobretudo à acção chapregadores, uma experiência Erasmus+ é, certamente, ve 2 - bem como, de resto, todas as dimensões noruma forma muita efectiva de trabalhar esse perfil. mativas, substantivas ou orçamentais do Erasmus+ Já devem merecer uma profunda avaliação conjunta, que O seu percurso profissional (e pessoal) está bastante envolva esta Agência mas também os jovens e as suas ligado ao associativismo juvenil. Como interpreta, ac- organizações. Será com base nessa avaliação e incortualmente, o papel do associativismo na participação porando aquelas que são as expectativas, dificuldades cívica dos/das jovens portugueses/as? e anseios dos destinatários do programa que nos propomos participar muito activamente no debate sobre a O associativismo juvenil representa hoje um eixo fun- história futura do Erasmus + pós 2020. damental da participação dos jovens na sociedade, nos Quero dizer, em qualquer caso, que esta Agência, no seus múltiplos campos. Catalisador da energia empreen- estrito cumprimento dos regulamentos e princípios do dedora da juventude, o associativismo desempenha um programa, terá sempre a participação dos jovens como papel formativo e pedagógico, fomentando o espírito de objectivo central que orienta o sentido profundo da participação cívica e a aprendizagem democrática. São sua intervenção. verdadeiras escolas de cidadania, espaços de participação, de trabalho em equipa, de aprendizagem contínua. Qual é a mensagem que pretende deixar a uma asContribuem assim para a melhoria da qualidade de vida sociação juvenil que pretenda candidatar-se pela prida sociedade, defendendo os interesses dos jovens espe- meira vez ao programa? cialmente aqueles em situação de desvantagem social, colaborando na resolução de necessidades sociais con- Que o Erasmus+ é, também para eles. Que a Agência cretas e gerando, com originalidade, novas e propostas Erasmus+ Juventude em Ação tem as portas abertas para alternativas de melhoria das comunidades. Os valores eles e um site com imensa informação à sus disposição – que desta forma as associações juvenis promovem – jus- www.juventude.pt – e que estamos certos que depois de tiça, solidariedade, entrega, responsabilidade, coopera- realizarem o primeiro projeto financiado pelo Erasmus+ ção, consciência social… - são valores irrenunciáveis Juventude em Ação não mais desistirão de tentar outros. para o bem-estar da sociedade. Não vai ser tão fácil como parece à primeira vista nem tão difícil como aparenta na leitura do guia oficial. ReQual a importância da participação dos/das jo- presentará, certamente, um esforço grande que, sendo vens nas políticas de juventude? De que forma se colectivo, constituirá não só um importante factor de pode aliciar os/as jovens a participar ativamente desenvolvimento pessoal mas também um motor de dena sua definição? senvolvimento social.


10

ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

JADE PORTUGAL

A JADE Portugal – Federação de Júnior Empresas de Portugal – surgiu em 2011 e veio unificar, representar e potenciar o Movimento Júnior que tem génese na Europa em 1967 e surge em Portugal em 1990. O propósito da JADE Portugal é promover e aprofundar o Movimento Júnior português como a principal plataforma complementar de formação e desenvolvimento empreendedor dos estudantes do ensino superior, por via do conceito de Júnior Empresa (JE), apoiando a difusão do conceito e a formação de novas JEs. Em Portugal existem cerca de 600 Júnior Empresários, distribuídos por 14 JEs federadas, em 6 cidades portuguesas: Aveiro; Braga; Coimbra; Porto; Lisboa e Vila Real. Ao longo dos últimos anos o movimento tem crescido quer em nº de JEs, projetos, volume de negócios, qualidade dos processos, capacidade de resposta, mas acima de tudo o desenvolvimento dos Júnior Empresários através de projetos de alto valor acrescentado, de formações e do contacto empresarial. Para fazer parte do Movimento Júnior português, saber como colaborar com uma Júnior Empresa ou com a JADE Portugal e descobrir tudo sobre o Movimento nacional e internacional, visita o nosso website: www.jadeportugal. pt ou contacta-nos diretamente: geral@jadeportugal.com

ERASMUS STUDENT NETWORK PORTO

A Erasmus Student Network (ESN) Porto é uma associação sem fins lucrativos formada por estudantes voluntários que defendem os interesses de todos os estudantes internacionais na cidade do Porto. O seu grande objetivo é ajudar estes estudantes nos seus primeiros passos na cidade e faculdade bem como introduzir os costumes e cultura portuguesas no seu dia a dia. Para isso, realizam diversos eventos semanais como por exemplo: eventos culturais, festas, viagens, eventos solidários, etc. São a secção mais antiga de ESN em Portugal, fundada em 1991, tornando-se uma secção oficial em 2002. Desde então, recebem cerca de 3000 estudantes de intercâmbio por ano. Ao manter uma estreita parceria com a Universidade do Porto e também colaborar com todas as universidades do distrito, organizam várias atividades para proporcionar aos estudantes internacionais a melhor experiência possível durante o seu período em Portugal. Estão organizados em 8 departamentos: Atividades, Festas, Comunicação e Branding, Fundraising, Recursos humanos, Erasmus Social, Buddy e IT.


ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA P.E.J.

A Associação Portuguesa – P.E.J. constituída formalmente em 1999, é a representante oficial, em Portugal, do Parlamento Europeu dos Jovens Internacional. É uma Associação independente, cultural, sem fins lucrativos nem filiação partidária, com competência no âmbito da concepção, implementação e realização de iniciativas – congressos, fórum, colóquios, debates – na área da Educação não formal. Os Comités Nacionais promovem as atividades do EYP International na sua esfera interna, responsabilizando-se pela organização de Sessões de Seleção Nacional, Sessões Regionais, Sessões Escolares e eventos pontuais, de forma a abranger o maior números de jovens e professores, bem como órgãos de decisão locais e nacionais. Foi reconhecida em 1989 de interesse nacional, pela Secretaria de Estado da Cultura e, até à data, foi responsável pela organização de 32 Sessões de Seleção Nacional, 16 Sessões Regionais, mais de 30 Sessões Escolares, 1 Fórum Inter-Regional, 1 Fórum Académico, 1 Fórum Internacional e 2 Sessões Internacionais. Em 2017 integraram o Ninho das Associações da FAJDP.

1 1

REFUGEES WELCOME PORTO

A Refugees Welcome Porto é um Grupo Informal de Jovens, que desenvolve um projeto que tem como principal missão contribuir para a criação de uma cultura de boas vindas. O seu foco é apoiar pessoas refugiadas na sua vida num país diferente do seu de origem, procurando mitigar, no que for possível, as dificuldades de adaptação a uma realidade diferente. Acreditam que todas as pessoas devem ser tratadas com dignidade e respeito, e as situações dos mais vulneráveis devem merecer especial atenção. Repudiam todo o tipo de discriminação, seja racial, nacional, cultural, religiosa, social, de género… E acreditam na construção de uma sociedade aberta, informada, livre de preconceitos e acolhedora, principalmente dos que, sofrendo perseguição, fugir de zonas de conflito. O projeto Refugees Welcome Portugal foi acolhido pela associação portuguesa Home Without Borders e lançado em setembro de 2015. A equipa do Porto nasceu pouco depois. Prestam apoio na área da habitação, ensino de português, organizam atividades culturais e de lazer, apoio à empregabilidade assim como apoio jurídico e psicológico. Oferecem também apoio de mentoria em parceria com a plataforma de Mentores para Migrantes do Alto Comissariado para as Migrações (ACM).


12

OPINIÃO

POR DAVIDE GARCIA PRESIDENTE DA DIREÇÃO DA FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DA GUARDA.

A relação dos jovens com o sistema democrático, nomeadamente nos modelos e mecanismos convencionais de participação política, constitui uma das preocupações fundamentais de qualquer ator do setor da juventude. O consequente afastamento e desinteresse por uma participação efetiva na definição de politicas e estratégias de desenvolvimento para o país obriga-nos a refletir sobre os mecanismos de fazer política em Portugal e os problemas de representação e identificação com os partidos políticos. Se por um lado o desinteresse e imaturidade dos jovens são fortemente apontados como os principais fatores de uma fraca participação, a ausência de uma reforma efetiva do sistema, que valorize a co-gestão e desenvolva estratégias locais, sem recurso às máquinas partidárias, apenas adensa a distância entre os jovens e uma participação política ativa. É nos territórios de baixa densidade populacional que mais se identifica a necessidade de desenvolvimento de um plano estratégico a longo prazo, que altere o foco das políticas locais e regionais, possibilitando uma alteração de paradigma que permita aos jovens ambicionar a fixação na sua área de residência. Para o efeito, com um trabalho silencioso e muitas vezes desconhecido, o movimento associativo juvenil tem contribuído

de forma constante e sustentada, sendo palco das primeiras experiências democráticas e espaço de criatividade e empreendedorismo. A participação juvenil ativa, com menos militância e mais mobilização crítica é diretamente proporcional à estabilidade que o jovem encontra quando está totalmente integrado na sociedade, quer no mercado de trabalho quer na vida familiar e social. O movimento associativo juvenil é muitas vezes a plataforma que permite, não só essa integração, como garante a estabilidade da mesma. Percorremos o país de norte a sul e podemos encontrar nos vários municípios de baixa densidade populacional todo o tipo de instalações culturais, desportivas e sociais, muitas delas edificadas já no século XXI, com arquitetura arrojada e tecnologia avançada. Contudo, são esses os espaços que mais encontramos vazios de ideias e de pessoas. É necessária uma rápida evolução das políticas locais, regionais e nacionais, que valorizem o património histórico, cultural e natural de cada região personificado naquele que é o seu maior ativo: as suas gentes. Este é um passo fundamental para a diferenciação e crescimento sustentável de cada região que poderá permitir uma evolução demográfica mais favorável ao país e assegurar um futuro (já no presente) para as gerações mais jovens.


TUTORIAL

13

MONITOR DE POLÍTICAS AUTÁRQUICAS DE JUVENTUDE

A FAJDP é representante do movimento associativo juvenil no distrito do Porto – queremos contribuir e dar respostas aos desafios atuais.

O QUE É?

Projeto de diagnóstico das políticas locais de juventude

PRETENDE IDENTIFICAR Boas Práticas

Necessidades das Associações Juvenis

Levantamento das políticas de juventude implementadas pelos 18 municípios do território.

COMO? ~

ParticipaçãO Juvenil Diálogo Estruturado

~

Em que áreas? ~

Educação não-formal

~

Objetivos a longo prazo Recurso para o poder local na elaboração das políticas locais para a juventude e permitindo assim a criação de redes permanentes de troca de boas práticas a vários níveis entre Técnicos/as de Juventude, Municípios e Associações Juvenis.

Formação

Associativismo juvenil

Voluntariado

SABIAS QUE... Dada a relevância deste estudo, a FAJDP estabeleceu uma parceria com o CEDH - Centro de Estudos em Desenvolvimento Humano da Universidade Católica Portuguesa – Centro Regional do Porto?


14

ASSUNTOS DE INTERESSE

MOBILIDADE NA EUROPA E NO MUNDO

EMPREGO E FORMAÇÃO

I.D.A. O Programa Erasmus+ faz em 2017 30 anos. O que começou, em 1987, como um programa de mobilidade estudantil, cresceu ao longo do tempo, enriquecendo a vida de mais de cinco milhões de jovens. Foi este o motivo que nos levou, em 2014, a reunir vários programas num só programa: o Erasmus+. O programa Erasmus+ é amplamente reconhecido como o mais bem-sucedido programa da UE e constitui um exemplo concreto do impacto positivo da integração europeia e do seu alcance internacional. Só entre 2014 e 2016, quase dois milhões de pessoas da Europa e de outras partes do mundo participaram no Erasmus+.

O IDA é um programa dirigido às associações e federações juvenis com candidatura aprovada à medida Estágios Emprego medida que integra os estágios profissionais desde a introdução do programa Impulso Jovem. Visa a atribuição de apoios financeiros destinados à comparticipação das despesas inerentes ao projeto de estágio, a cargo da associação, desde que não comparticipadas por outros organismos ou programas. Um dos grandes objetivos do Programa IDA é focalizar o apoio na obtenção de resultados, em particular a continuidade estágio-empregabilidade, diminuindo os riscos de utilização dos estágios.

Sabias que a FAJDP faz, em novembro, 31 anos? SAÚDE JUVENIL

De acordo com o estudo “#StatusOfMind”, o Instagram é a pior rede social para os jovens. O Instagram, seguido do Snapchat, é a aplicação que mais preocupa a sociedade sobre a sanidade mental dos adolescentes, seguindo-se o Facebook e o Twitter. No entanto, o Youtube consegue uma avaliação positiva entre as cinco redes sociais que foram analisadas pelo estudo levado a cabo pela Royal Society for Public Health e pela Young Health Movement. Foram sujeitos a inquérito cerca de 1500 jovens do Reino Unido, e o Instagram terá sido apontado como a pior rede social devido ao impacto negativo que tem nos jovens.

ASSOCIATIVISMO JUVENIL

O Orçamento Participativo Jovem (OP Jovem) é um processo de participação democrática no âmbito do qual os jovens com idades compreendidas entre 14 e os 30 anos podem apresentar e decidir projetos de investimento público. A Fase de Votação decorre entre 27 de novembro a 22 de dezembro. Os projetos finalistas serão colocados em votação pública nacional que poderá ser feita através da página do OP Jovem e via SMS.


ESPECIAL

15

OS NOVOS VOLUNTÁRIOS DA FAJDP Pelo segundo ano consecutivo a FAJDP é entidade de acolhimento de voluntários/as no âmbito do Serviço Voluntário Europeu. Em outubro deste ano recebemos o Emre, a Eva e a Miglè que irão ficar connosco 1 ano.

Foi assim que encontrei a FAJDP. Portugal é um país que me atrai bastante – principalmente a cultura, a música, o futebol, a arte, etc.. Por isso, é muito empolgante para mim trabalhar fazer voluntariado neste projeto e neste país.

Miglè

EVA

Olá! Meu nome é Miglė e vim de um pequeno país perto do mar Báltico, chamado Lituânia. Nasci há 18 anos e se alguém me dissesse que estaria aqui, no Porto, eu nunca acreditaria. Mas aqui estou, a fazer voluntariado na Casa das Associações e acho que será uma das melhores experiências da minha vida. Há poucos meses terminei o ensino secundário e decidi fazer um ano sabático. Foi assim que acabei em Portugal! Estou muito interessada na política e na história, na capacitação dos jovens e na sociedade progressista. Estes são os tópicos que podemos discutir enquanto tomamos café ou uma cerveja!

Emre

Chamo-me Emre Degirmenci, tenho 27 anos e venho da Turquia. Os meus principais interesses são literatura, filosofia, geografia, arte e desporto. Antes de chegar a Portugal, trabalhei como especialista em comunicação corporativa numa fundação do meu país. Sou licenciado em cinema e TV. Já trabalhei em vários projetos sobre cinema. Após a universidade, comecei a procurar projetos fora da Turquia. O meu objetivo era trabalhar em projetos ligados ao campo da comunicação. O SVE é uma excelente oportunidade para isso!

Eu sou a Eva, tenho 20 anos e venho da ensolarada Grécia. Acredito que tudo o que precisamos para nos fazer feliz é uma caminhada à beira-mar, um forte abraço e chocolate. Gosto muito de viajar e, até agora, visitei 17 países. No entanto, quando é necessário economizar algum dinheiro, até à minha próxima viagem, viajo pelas páginas de um livro de aventuras. Uso o meu tempo livre para fazer atividades criativas, como jóias artesanais, lenços e velas. Além disso, gosto de aprender línguas estrangeiras- é algo que me dá muita felicidade! Já falo (para além de grego) inglês, espanhol e sérvio e sou capaz de entender francês, russo e turco. O meu próximo objetivo é aprender português e árabe! Geralmente, sou uma pessoa positiva e foco-me na minha felicidade e nos meus sonhos. Aconselho-vos a fazer o mesmo - verão mudanças incríveis nas vossas vidas!

Sabias que, podes seguir as aventuras dos/as nossos/as 3 voluntários/as no blogue Porto Pulses?


FAJDP - Rua Mouzinho da Silveira, 234/6/8, 4050-017 Porto Tel: 22 208 55 00 / 22 508 81 22 E-mail: info@fajdp.pt / casadasassociacoes@gmail.com Internet: www.fajdp.pt

TM: 91 998 95 96

Revista Associar + edição 8  

Já está disponível online mais uma edição da tua revista ASSOCIAR +.

Revista Associar + edição 8  

Já está disponível online mais uma edição da tua revista ASSOCIAR +.

Advertisement