__MAIN_TEXT__

Page 1

ENTREVISTA COM

CATARINA ARAÚJO VEREADORA DO PELOURO DA JUVENTUDE E DESPORTO DA CM PORTO

DIA DO ASSOCIATIVISMO JOVEM ESPECIAL ESTUDAR MAIS É PRECISO! PENSA NO TEU FUTURO

COM O APOIO DE:


ÍNDICE EDITORIAL

06 08 10 12 13

CASA DAS ASSOCIAÇÕES

14 15

REPORTAGEM

DIA DO ASSOCIATIVISMO JOVEM 2018 AGENDA DE ATIVIDADES

ENTREVISTA

03

Pre joa sid qui en m te Lim da a FA JDP

03 04

EDITORIAL

CATARINA ARAÚJO

ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO ARTIGO DE OPINIÃO JOSÉ JANEIRINHO

PROJETOS FAJDP

A FAJDP JUNTOU-SE AO PROJETO INYOUS!

ASSUNTOS DE INTERESSE ESPECIAL

ESTUDAR MAIS É PRECISO!

FICHA TÉCNICA Coordenação: Frederica Ferreira e Marco Santos Direção de Conteúdos - Susana Costa Colaboradores de Texto - Susana Costa, Joaquim Lima, Cláudia Ferreira, Ana Soares, Léa David, José Janeirinho e Tiago Gouveia. Investigação - Susana Costa e Léa David Design e Paginação - Neuza Moreira com edição DesignPORTO.pt

REVISTA ASSOCIAR+ POR:

FAJDP FEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

Email: info@fajdp.pt casadasassociações@fajdp.pt

É inevitável considerar-se que as tentativas de alteração de um documento tão estratégico e tão orientador do nosso movimento como é a Lei do Associativismo Jovem, exige-nos um exercício de profunda reflexão sobre qual é a verdadeira intenção política de o tentar fazer. João Paulo Rebelo, atual Secretário de Estado da Juventude e Desporto, tem um desejo profundo (mas perverso) de tentar, a todo o custo, alterar o paradigma do associativismo juvenil, tendo por base uma atitude que não tem em conta princípios de respeito institucional, de capacidade negociadora e perceção de quais são as necessidades dos Jovens Portugueses. Falo, primeiramente, da falta de respeito institucional, onde o responsável pela pasta da juventude tem afirmado - em público e em privado - a convicção que o movimento associativo vê com bons olhos esta alteração legislativa. Ora, perante as variadas manifestações contra a proposta de lei – lideradas pela FNAJ e subscritas por todas as Federações de carácter regional e distrital onde se associam centenas de organizações -com níveis evidência incontornáveis, temos, então, um indício que o Senhor Secretário de Estado cada vez que declara estar convicto que esta alteração é pacífica, está, no mínimo, a desrespeitar todos os dirigentes associativos juvenis que o interpelaram sobre esta situação. Inexplicavelmente, em todo este processo nunca, e em momento algum, sentimos ter abertura necessária para que a Secretaria de Estado acolhesse os nossos contributos na discussão sobre questões sensíveis e, para perplexidade de todos, nunca houve nenhuma negociação séria e respeitosa. Inegavelmente, este processo de lei é unilateral e não tem a concordância das associações juvenis. Verdade é que houve momentos em que foram ouvidos os mais diretos beneficiários da lei, mas ouvir em democracia é também acolher, é por em causa e é, sobretudo, trabalhar no consenso. E esta lei, não só não é consensual, como possui graves falhas conceptuais e técnicas, nomeadamente a estratificação do movimento associativo através das associações de carácter juvenil e as alterações relacionadas com os padrões etários impostos. Mas tendo em conta que toda a forma e condução do processo foi muito mal dirigida por parte do poder político, ficamos com a sensação - que a nosso ver é o mais grave- de que a Secretaria de Estado da Juventude não dispõe de capacidade de entender quais os reais problemas das instituições que gere, das associações beneficiárias das suas políticas e, consequentemente, dos jovens. Isto porque existem pessoas e dirigentes que não estão devidamente preparados para assumir cargos de gestão pública de forma a melhorar as condições para os seus concidadãos. Portanto, é como jovens que temos de exigir que os nossos políticos tenham currículo e capacidade demonstrada para poder dedicar-se à causa pública, já que em Portugal, infelizmente, ser político é uma profissão e não um serviço à comunidade. E enquanto assim for, iremos ter pessoas à frente de órgãos cuja preparação e trabalho demonstrados revelam incapacidade e inoperância. Saudações Juvenis


04 DIA DO ASSOCIATIVISMO JOVEM 2018 REPORTAGEM

Desde 2004 que se comemora, em Portugal, o Dia do Associativismo Jovem. Tendo em consideração a história recente, podemos afirmar que o facto de a data comemorativa ser tão próxima do 25 de abril – ímpeto máximo da liberdade – não é um acaso. Antes da queda do regime o Estado era a entidade que assumia a responsabilidade de guiar e controlar todos os movimentos de empoderamento de jovens, colocando-os todos sobre a dependência e supervisão do Alto Comissário para a Mocidade Portuguesa que também tinha o poder de aprovar ou não a criação de novos movimentos. O movimento associativo juvenil, portanto, tinha as suas liberdades bastante limitadas, aliás como as demais esferas da vida pública e privada dos cidadãos portugueses. Só em 1978 foram criados na Constituição Portuguesa, o Artigo 70, referente aos Direitos dos Jovens e, mais tarde, durante a década de 80 o conceito de “organização da juventude” foi definido com o objetivo de diferenciar positivamente a associações juvenis das restantes. Em 1985 foi criado o Conselho Nacional da Juventude e, a nível governamental, foi criada a Secretaria de Estado para a Juventude. Um ano depois surge a Federação das Associações Juvenis do Distrito do Porto com o objetivo de combater o crescente desinteresse e falta de participação dos/das jovens e ausência de representação dos poderes públicos e políticos. O regime ditatorial foi bastante rígido para os/

as jovens, e a sua voz foi calada e manipulada durante muitos anos, pelo que o novo fôlego de liberdade levou o seu tempo para cimentar e dar frutos.

PORQUE TE ESTAMOS A CONTAR ISTO TUDO? Para perceberes o quão jovem é o movimento associativo em Portugal e tudo aquilo que conseguimos conquistar num tão curto espaço de tempo. Isto tudo graças à voz de todos e todas que não quiseram calar a sua voz e as suas ideias. Uma inspiração que tem perdurado e motivado milhares de jovens a agir e a lutar pelos seus direitos através do movimento associativo. E como todos os movimentos positivos na vida da sociedade devem ser lembrados e celebrados, a FAJDP juntou-se ao IPDJ e à Câmara Municipal do Porto nas comemorações de 2018 do Dia do Associativismo Jovem, celebrado no dia 30 de abril. À semelhança de anos anteriores, por todo o país decorreram as mais diversas atividades, sendo que, o mote das celebrações deste ano foi “Pelo Ambiente - Conhecer para Proteger” com projetos relacionados com a proteção e educação ambiental, pintura de murais, sensibilização e limpeza. Neste sentido, a delegação do Norte do IPDJ,


REPORTAGEM organizou, pela parte da manhã, uma caminhada nas Serras do Porto, que abrangeu os concelhos de Valongo, Gondomar e Paredes. À tarde todos os caminhos vieram ter à Rua Mouzinho da Silveira, onde se situa a Casa das Associações que abriu portas para acolher este evento. Os formandos de algumas turmas dos Cursos de Técnico Auxiliar de Saúde, Técnico de Turismo, Técnico de Contabilidade em OES e Técnico de Secretariado em OES da Escola Profissional de Economia Social, participaram nos workshops de Reutilização Criativa e Biodiversidade: À Mão de Enraizar dinamizados pela Lipor com o objetivo de despertar nos/as jovens a consciência ambiental e abordar formas criativas de reutilização. Ao mesmo tempo as técnicas da FAJDP desenvolveram algumas dinâmicas de educação não-formal relacionadas com a Igualdade de Género.

WORKSHOP DA LIPOR Foram também apresentadas em público pela primeira vez as personagens do projeto de banda desenhada sobre o Associativismo Juvenil do Geoclube, por Carlos Ferreira, presidente da associação. Este projeto, provisoriamente designado de Gang Y. (Why)? tem como objetivo informar os/as jovens de forma simples e divertida – através de personagens de banda desenhada - acerca dos programas de juventude em Portugal e na Europa. Ao final da tarde o sol deu uma preciosa ajuda para a realização do Youth Sunset que contou com um cocktail e Dj assim como com a atuação do Grupo de Fados da Faculdade de Farmácia e da Associação Juvenil Wish Ferreirinha e do seu grupo de dança que abrilhantou o final da tarde

05

e fechou com chave de ouro as comemorações do Dia do Associativismo Jovem 2018 no Porto. Não podíamos terminar a descrição deste dia sem mencionar a término do primeiro curso

FAC. FARMÁCIA

grupo de FADOS

profissional de Técnico/a de Juventude que decorreu - desde dezembro de 2016 - na Casa das Associações. Os/as primeiros/as profissionais do recente curso receberam nesse mesmo dia os seus diplomas e integraram a equipa organizadora dos eventos que decorreram ao longo do dia. A importância destas comemorações não se resume só à sua celebração. O seu significado vai muito além do dia 30 de abril. Com as diversas atividades decorridas de norte a sul pretendeu-se divulgar o associativismo como uma escola de cidadania e participação na vida democrática da sociedade. Pretendeu-se, também, celebrar a luta de muitos/as jovens antes e pós 25 de abril e de todos e todas que diariamente fazem do associativismo o seu lema de vida e contribuem para o desenvolvimento de uma sociedade mais justa e igual.

wish ferreirinha

grupo de dança


06

CASA DAS ASSOCIAÇÕES

eventos culturais porto JAM pulses OPEN WINDOW

A FAJDP não perde uma oportunidade de ser master na dinamização e na organização de momentos com a taxa mais difícil de conseguir e por isso tão agradável, a qualidade. Torna-se óbvio que ter um espaço como a Casa das Associações, que foi pensado para ser o palco não só das associações, mas também da criatividade e do acolhimento, torna tudo muito mais fácil. No passado dia 24 de março os voluntários acolhidos pela nossa organização, no âmbito do programa de serviço voluntário europeu, juntaram o útil ao agradável e em conjunto com os colaboradores da Federação fizeram de um dos espaços da Casa das Associações – o antigo “StoryBoard Café” – palco para dois artistas cujas vozes não são indiferentes aos milhares que passam pelas mais conhecidas ruas da cidade do Porto.

OPEN WINDOWS JAM “Open Windows Jam” foi o nome escolhido para o evento que celebrou, através da música, a chegada da primavera e uma maratona de Sol. Contudo São Pedro não nos trouxe, pelo menos nesse dia, grandes raios luminosos, mas os artistas convidados preencherem essa lacuna com número redondo. Rui Pinto e Keely Denham foram os nomes escolhidos e o talento falou por si numa noite em que o intimismo ligou o público à música. Acolhidos por uma iluminação baixa e um chá quente, o público foi presenteado com músicas old school na voz do Rui Pinto e pela graciosidade na abordagem da Keely. E digamos que os aplausos duraram tempo suficiente para lhes arrancar sorrisos. Finalizando, organizar um evento com o propósito de receber uma primavera que se mostrava antecipadamente tímida não poderia ter sido melhor ideia, porque acreditamos, agora, que os céus se vão abrir para ser tecto das vozes que se mostraram, pela cara da FAJDP, a dezenas de pessoas que foram surpreendidas por uma noite um tanto ou nada maravilhosa. Texto de Ana Pinto, voluntária FAJDP


associar informação juvenil espaço coworking

CASA DAS ASSOCIAÇÕES

Desde a sua abertura, a casa das associações afirmou-se como local de realização de diversos eventos, por parte das associações juvenis e organizações de juventude do distrito do Porto. Perspetivando o futuro, apresentamos a agenda para o próximo semestre de 2018.

07


08

ENTREVISTA

RAIO X Nome: Catarina Araújo Data e Local de Nascimento: 5 de Setembro - Bragança Citação: “O que se aprende na juventude dura a vida inteira.” - Francisco de Quevedo Música: Viva la vida - Coldplay Viagem de sonho: Japão - no início da primavera.

CATARINA ARAÚJO VEREADORA DO PELOURO DA JUVENTUDE E DESPORTO DA CM PORTO

Como ocupa os tempos livres: Leitura e Cinema Três qualidades que aprecia num jovem: Iniciativa, Vontade de vencer e Responsabilidade

Como disse, envolver amplamente os jovens e as organizações de juventude na discussão sobre temas prioritários da Juventude, é a via que considero ser a certa para obter resultados úteis que Não posso deixar de referir que foi com enorme sirvam a política de Juventude, ou seja, aos Jovens. gosto que tomei posse como Vereadora na Câmara O Plano Municipal da Juventude do Porto que Municipal do Porto, assumindo, entre outras, temos, contou com a participação ativa dos competências na área da Juventude. representantes do movimento associativo juvenil, As minhas primeiras iniciativas públicas foram na académico e partidário, dos membros do Conselho área da Juventude, um sinal claro do dinamismo, Municipal de Juventude do Porto, bem como de da vitalidade das novas gerações, da juventude da todos os jovens que a nível individual e “anónimo” cidade do Porto, que de imediato pude constatar. manifestaram vontade de participar nas decisões Decidi que a fase inicial do meu mandato iria ser respeitantes aos jovens da Cidade e elegeu como dedicada essencialmente a reunir com os diferentes eixos prioritários a diversidade territorial e a terriinterlocutores e players da área, com o propósito torialidade das políticas, a participação cívica, a de os ouvir e envolver na identificação e construção empregabilidade e transição para a vida adulta, a de soluções para os mais diversos desafios com qualidade de vida, saúde e bem-estar e os fenóque se deparam hoje os jovens. E, neste âmbito, o menos de exclusão social, nos quais nos revemos e Conselho Municipal da Juventude do Porto é uma que têm sido reafirmados no contacto que temos importante e privilegiada ferramenta de auscul- tido. tação dos jovens. Todas as políticas públicas, todas Temos o diagnóstico dos comportamentos, das as questões econópreocupações e das percemicas e sociais dizem ções dos jovens que residem hoje respeito à Juvenusufruem da cidade do “Este espaço [Casa das Associa- ou tude! São cada vez Porto. O trabalho colabomais e mais diversas as ções] é de inegável importância rativo, bastante particiquestões que afetam e já feito e que estamos para o associativismo juvenil ...” pado, preocupam os nossos a aprofundar, permitiu Jovens. E por isso é tão e permitirá atuar sobre importante a promoção os problemas sabendo o do debate e da discussão sobre questões que que querem e o que pensam os jovens que vivem, preocupam e dizem respeito aos Jovens que no estudam ou trabalham na nossa Cidade. presente se preocupam e preparam responsavel- Desta forma, as ações e medidas para os próximos anos serão o resultado do envolvimento dos jovens mente seu futuro. e demais agentes que intervêm na oferta para a Quais os principais desafios dos/das jovens no Porto Juventude. e que medidas a CM Porto tem disponíveis para ultrapassar esses desafios? Quais as expectativas / objectivos que tem para o Pelouro da Juventude agora que inicia funções como Vereadora?


ENTREVISTA

09

movimento associativo local, integra um conjunto significativo de associações filiadas dos concelhos do distrito do Porto e tem, também por isso, um papel importantíssimo na dinâmica associativa e jovem da cidade. É importante apurar os fatores de risco que estão A Casa das Associações é um exemplo disto mesmo, associados à problemática dos jovens NEET, de surgiu da necessidade identificada de prover a forma a podermos atuar segundo uma lógica cidade do Porto e a Região com um espaço de preventiva. Mas também agimos de uma forma promoção do associativismo juvenil que funciona pró-ativa, destacando, como exemplo, no domínio como ninho de associações com serviços essenciais da promoção do emprego, o projeto-piloto que para o desenvolvimento de projetos e partilha de está previsto no nosso experiências. Este espaço programa que tem como é de inegável imporobjetivo desenvolver ações para o associati“Reconheço à Juventude, aos tância inovadoras de apoio a vismo juvenil favorecendo esta população jovem, que o encontro, a partilha, o Jovens, uma energia ímpar” promovam uma aproxiintercâmbio associativo mação entre estes jovens juvenil e as práticas de e as empresas. Referir, educação não formal. ainda, que a estratégia para o sucesso das ações Quero aproveitar para enaltecer a parceria que junto desta população, reside em ajustar a inter- temos mantido com a FAJDP em projetos implevenção às suas necessidades específicas. mentados pelo Município, em especial, a profícua ligação com o Gabinete da Juventude, dos quais Como caracteriza o movimento associativo juvenil um dos exemplos é o programa Capacita-TE é, no Porto? parceria à qual em boa hora também se juntou a Federação Académica do Porto. Este programa O movimento associativo juvenil do Porto é um pretende contribuir e estimular a componente movimento dinâmico que integra dirigentes cívica, a partilha de boas práticas, o networking, preocupados, interessados e criativos, sendo de com o objetivo último de fornecer as competênsalientar, como uma das evidências disto mesmo, cias técnicas, as ferramentas, que contribuam a presença assídua e interventiva das associações para um bom desempenho associativo, mas que de jovens, no Conselho Municipal da Juventude do também seguramente ajudarão na transição para Porto bem como, as propostas que apresentam no o mercado de trabalho. âmbito da dinamização deste órgão. De referir também, a sua dimensão no concelho do Qual o seu compromisso, enquanto Vereadora, para Porto, já ultrapassando a centena só no Registo com os dirigentes associativos? Que mensagem Nacional das Associações de Jovens (RNAJ) gostaria de lhes deixar? segundo dados do IPDJ de março de 2018. Sabemos, ainda, da existência de um conjunto de A Juventude é peça fundamental na construção associações de jovens de caracter informal com de respostas conjuntas em questões importantes importância já reconhecida enquanto meios de da sociedade civil. Consultar e auscultar, promover excelência de exercício de cidadania a par com as um debate conjunto, entre jovens e decisores, uma debate sobre prioridades, sobre implementação e associações de jovens de caracter formal. Tendo em conta o trabalho que realizamos, de sobre o acompanhamento das políticas de Juvenpromoção do associativismo juvenil, um trabalho tude é, parece-me, o caminho certo e que decidi de proximidade, agilizando processos e disponibi- trilhar. “Participação” é para mim a palavra-chave, lizando recursos para a dinamização de algumas e que desejo que seja a marca do meu mandato. das suas atividades, temos a perceção de que a Reconheço à Juventude, aos Jovens, uma energia ação das associações de jovens do Porto é multifa- ímpar, uma capacidade de questionar, de antecipar cetada, abrangendo projetos com âmbito diverso, temas, de enfrentar desafios, de marcar a agenda integrando atividades que visam promover a soli- da sociedade civil que não pode ser cerceada e dariedade social, a convivialidade e sociabilidade, deve, sempre, sempre, ser estimulada, numa realia cultura, a educação, a ciência, o voluntariado, a dade que muda a uma velocidade absolutamente empregabilidade e o empreendedorismo, a prática vertiginosa, e na qual não podemos nunca deixar de desportiva, por exemplo. olhar para o futuro! Como motivar os jovens NEET, e que estratégias utilizar, que promovam a sua efetiva integração no mercado de trabalho ou reintegração no sistema educativo?

Que papel reconhece à FAJDP e à Casa das Associações na dinâmica associativa e jovem da cidade? A FAJDP, enquanto estrutura representativa do


10

ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

CURA+

A Associação Cura+ é uma associação de voluntariado farmacêutico, fundada em 2015. Tem como principais objetivos conceber projetos de cariz social que visam desenvolver e promover o estado de saúde da comunidade, fomentar a interação intergeracional e a educação para a saúde. Atualmente, a associação conta com uma equipa de coordenação composta por 19 pessoas e um total de 80 voluntários nos seus 3 projetos. O projeto “Porto com + Saúde” tem como missão facultar Medicamentos Sujeitos a Receita Médica (MSRM), medicamentos essenciais à vida e à manutenção de um bom estado de saúde, a agregados familiares com dificuldades financeiras, devidamente referenciados por uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS), neste caso, pelo Centro Social e Paroquial de Nossa Senhora da Vitória (CSPNSV). O projeto “Polimedicação + Segura”, que envolve 27 voluntários, quer de Ciências Farmacêuticas, quer de Enfermagem, pretende combater a iliteracia no que toca a medicação e cuidados de saúde na população idosa polimedicada em lares, centros de dia, mas também nos domicílios. Este projeto foca-se na oferta de uma série de sessões de formação subordinadas aos temas inerentes à polimedicação, bem como colmatar possíveis falhas existentes a nível de todo o circuito do medicamento dentro das instituições onde são realizadas as formações. Mais Ajuda. Mais Saúde.

GRUPO RECREATIVO DE REGUFE

O Grupo Recreativo Regufe é uma associação juvenil sem fins lucrativos, que fez 30 anos no passado dia 25 de Abril e que se baseia em quatro áreas principais: Cultura, Desporto, Ação Social e Juventude. Na Cultura o destaque são as Festas de São Pedro com as danças tradicionais, música e comida. No âmbito cultural têm ainda uma escola de guitarra clássica com cerca de 12 alunos. No desporto, o Futebol é dividido em 5 equipas, são mais de 130 atletas que treinam e competem a todas as semanas. Importante é também o ténis de mesa com mais de 65 atletas, que diariamente treinam para competir no final de semana, no atletismo contam com 45 atletas. Para terminar a área desportiva ainda têm uma equipa de BTT, uma modalidade recente que está a ter bons resultados. No aspeto social, ajudam aqueles que mais necessitam, com alimentos, roupas e brinquedos, que recolhem e entregam consoante as carências e os pedidos. Acreditam que os jovens devem-se tornar-se uma força motriz na construção da sociedade em que vivem e, portanto, criamos várias oportunidades para ajudar a moldar uma geração determinada a mudar o nosso país. Na Juventude, o programa ERASMUS + alargou os horizontes e permitiu que os seus jovens tivessem outras experiências e aprendessem sobre outras realidades.

SABIAS QUE... A sede do Grupo Recreativo Regufe fica situado no Farol de Regufe?


ASSOCIAÇÕES JUVENIS DO DISTRITO DO PORTO

VO.U.

A VO.U. - Associação de Voluntariado Universitário nasceu em 2008 fruto das fortes conviccções de um grupo de universitários que reconheceu o potencial inerente à população jovem repleta de entusiasmo e diversidade de aptidões, sendo de extrema importância no combate a muitas carências da nossa sociedade. É uma associação sem fins lucrativos que luta pela promoção da tolerância, igualdade e reciprocidade entre cada um dos elementos da sociedade. Assim, os seus voluntários atuam numa via multidisciplinar: dos idosos às crianças; dos animais ao seu habitat natural; da dança à saúde pública. Durante os seus 10 anos de existência, a VO.U. cresceu de forma exponencial, contando com um total de 4500 inscritos no seu banco de voluntariado. Só no último ano alcançou números históricos, tanto a nível de beneficiários e instituições parceiras, como a nível de voluntários. Graças ao impacto que provoca na sociedade, tem já responsabilidades perante a comunidade, estando ainda longe de alcançar os objetivos ambiciosos que traça.

SABIAS QUE... A VO.U. tem mais de 4500 voluntários inscritos no seu banco de voluntariado?

11

A.M.C.H. RINGE

A.M.C.H.RINGE é uma instituição particular de solidariedade social (IPSS), sem fins lucrativos, sediada no complexo habitacional de Ringe. Esta associação foi fundada a 24 de Março de 1987, por um conjunto de moradores do complexo habitacional, com a finalidade de apoiar a população nas diversas carências e fragilidades, nomeadamente na criação da uma associação de moradores, de um espaço destinado à ocupação de tempos livres das crianças e dos jovens, bem como de um serviço psicossocial. As sua principais valências são: o centro comunitário, a casa de reinserção apelidada Por Códigos de Vida- Casa do Meio Caminho e o serviço de Atl. O Centro Comunitário disponibiliza atividades e serviços de apoio psicossocial à população, como acompanhamento nos processos de rendimento social de inserção (RSI), a banca de roupa e de  alimentos, ocupação de tempos livres (O.T.L), o voluntariado e ações formativas.  A Casa do Meio Caminho é uma estrutura residencial, de carácter terapêutico destinada a pessoas dependentes de substâncias ilícitas e que almejam a reinserção social. No que diz respeito à valência do ATL é um espaço que visa acompanhar e orientar os tempos livres das crianças, através da dinamização das actividades de carácter lúdico e educativo, almejando também a prevenção de comportamentos desviantes. São também participantes ativos no desporto, nomeadamente, no futebol. Todos os anos organizam um torneio internacional de futebol e, este ano, realizar-se-á a 9ª edição.


12

OPINIÃO

José Janeirinho

Presidente de Direcção da Federação Regional das Associações Juvenis do Alentejo

Associativismo quer-se simplex

O papel do jovem e a lei do associativismo

Num momento em que se vive uma mudança e transformação da sociedade, assente cada vez mais em bases tecnológicas, tornava-se urgente modernizar as ferramentas ao dispor dos jovens e das associações juvenis, nomeadamente, no que toca às plataformas dos programas de apoio do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Depois de inúmeras abordagens e trocas de opiniões sobre futuro do associativismo com as mudanças que a lei irá trazer, é interessante colocarmos a questão de outra perspectiva: qual o papel efectivo dos jovens na tomada de decisão e construção do futuro?

Neste sentido, foi com agrado que jovens e dirigentes receberam a notícia do novo pacote de medidas - o Simplex +, que já está a ser implementado em alguns programas do IPDJ, promovendo uma aposta para os utilizadores individuais e colectivos em plataformas digitais. O objectivo seria concentrar os programas numa plataforma única, modernizar o processo, torná-lo mais intuitivo e, ao mesmo tempo, suprimir a burocracia existente anteriormente. E aqui reside o problema! De facto, podemos referir que a criação de uma experiência mais intuitiva foi conseguido, também não será exagero mencionar que o processo ficou mais modernizado, contudo, o que não pode ser assumido é que a burocracia foi melhorada, e muito menos a junção de todos os programas numa só plataforma. No fundo, não se deu o salto tecnológico e simplificação pretendida, resultando na criação de várias plataformas, que vão obrigar os beneficiários a fazerem múltiplos registos, aumentando a carga burocrática, tudo dentro de um só organismo (IPDJ). Se olharmos com atenção, percebemos que este Simplex que está a ser implementado é caro, complexo e burocrático! Será que merece o nome Simplex +?

Quando um governo anuncia que auscultou e incluiu os interessados, será que o fez verdadeiramente? Basta somente incluirmos dirigentes na discussão? Qual foi a preponderância efectiva da vontade dos jovens na construção da política e da mudança? As mudanças são as pretendidas pelos jovens ou pelos governantes? É uma reflexão que devemos ter! O papel dos jovens e dirigentes na tomada de decisão deve ser central, sobretudo em questões políticas que afectam as estruturas de juventude e a sua vida em sociedade. Ao jovem não basta estar nos círculos, é necessário ser ouvido e fazer valer a sua posição, senão a sua preponderância nos temas em que participa vai dissipar-se e perder importância. Infelizmente, a dificuldade de afirmação dos jovens enquanto peças centrais não é um problema exclusivo da área política da Juventude, mas sim uma questão transversal nos vários assuntos que pautam a sociedade e o poder político. É necessário continuar a batalha pela inclusão dos jovens na tomada de decisão, na co-gestão e na sua acção enquanto participantes da vida pública, tendo palavra nos grandes temas da sociedade.


PROJETOS FAJDP

13


14

ASSUNTOS DE INTERESSE

MOBILIDADE NA EUROPA E NO MUNDO

As ações Jean Monnet têm como objetivo construir pontes entre docentes universitários, investigadores e responsáveis políticos europeus. O estudo e a investigação sobre a integração europeia e a compreensão do lugar da UE num mundo globalizado são objeto de especial ênfase. Estas ações são organizadas por instituições de ensino superior, às quais compete apresentar as candidaturas. Contudo, se trabalhares no ensino superior, poderás estar interessado/a em descobrir as várias oportunidades de que podes beneficiar.

EMPREGO E FORMAÇÃO

A medida Incentivo à Aceitação de Ofertas de Emprego consiste num apoio financeiro aos desempregados titulares de subsidio de desemprego que aceitem ofertas de emprego apresentadas pelo IEFP ou se coloquem pelos próprios meios, a tempo completo, com uma remuneração inferior ao valor da prestação de desemprego que se encontram a receber. Deverão ter, à data do início efetivo do contrato de trabalho, direito a beneficiar das prestações de desemprego por um período igual ou superior a 3 meses.

SABIAS QUE A FAJDP FAZ, EM NOVEMBRO, 32 ANOS? SAÚDE JUVENIL

O FNAS pretende assegurar uma estreita colaboração com todos os intervenientes que se comprometeram a desenvolver um conjunto de ações relevantes nesta área e proporcionar um espaço de partilha, discussão, e reflexão sobre conteúdos pertinentes no âmbito da resolução dos problemas relacionados com o consumo nocivo de álcool. Ser Membro do FNAS pressupõe a obrigatoriedade de que as entidades que o integrem possam assumir um ou vários compromissos de ação individual ou em parceria, através do qual contribuam para o cumprimento das metas do Plano Nacional para a Redução dos Comportamentos Aditivos e Dependências.

ASSOCIATIVISMO JUVENIL

O programa “Agora nós”, é uma ação de voluntariado dirigida a jovens que queiram intervir ativamente na comunidade a par de adquirirem novas competências. As ações de voluntariado podem inserir-se nas áreas da cultura, do ambiente, do desporto, da solidariedade social e da saúde. É necessário que o/a jovem tenha entre 14 e 30 anos e seja seleccionado/a para os projetos pelas Direções Regionais do IPDJ. A aceitação da candidatura pressupõe que o/a voluntário/a seja capaz de assumir deveres, como a realização das 5 horas diárias na organização. Deste modo, usufruirá de direitos que sustentarão a duração do voluntariado.


ESPECIAL

15


FAJDP - Rua Mouzinho da Silveira, 234/6/8, 4050-017 Porto Tel: 22 208 55 00 / 22 508 81 22 E-mail: info@fajdp.pt / casadasassociacoes@gmail.com Internet: www.fajdp.pt

TM: 91 998 95 96

Profile for FAJDP

Revista Associar + edição nº 9  

Já está disponível online mais uma edição da tua revista ASSOCIAR +.

Revista Associar + edição nº 9  

Já está disponível online mais uma edição da tua revista ASSOCIAR +.

Profile for fajdp
Advertisement