Page 1

Jaú - Ano 8 | Edição 75 | Dezembro 2017 Distribuição gratuita | Venda proibida

Mirante do Pouso

O sabor da sua casa

GENTE FINA Edison Luiz Coelho

CASAMENTO

Na alegria e na tristeza

DORES EMOCIONAIS

O processo da cura


Editorial Ano 8 – Edição 75 – Jaú, dezembro de 2017 Tiragem: 10.000 exemplares Revista Energia é uma publicação da Rádio Energia FM Diretora e Jornalista responsável Maria Eugênia Marangoni mariaeugenia@radioenergiafm.com.br MTb. 71286

“Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam” (Jack Kerouac)

Diretor artístico: Márcio Rogério rogerio@radioenergiafm.com.br Edição e Revisão de textos: Heloiza Helena C. Zanzotti revisao@revistaenergiafm.com.br

C

Criação de anúncios: Moinho Propaganda atendimento@moinhopropaganda.com.br

om o objetivo de valorizar empresas locais, cujas ações refletem diretamente no desenvolvimento da nossa cidade, nós, da Energia FM, instituímos o EQM – Empresas que Movimentam.

Fotografia: Moinho Propaganda e Daniel Jorjin Diagramação Moinho Propaganda (14) 3416 7290

Colaboraram nesta Edição Bárbara Milani Letícia Koehler Verônica Zenerato Colunistas Alexandre Garcia André Santos Bruna Pultrini Aquilante Celso Aparecido Catalan Edson Copi Edson Yukiharu Kawakita Evelin Sanches João Baptista Andrade Luciano Tane Maria Ceci Toffano Mariana Fantin Bichuette Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves Professor Marins Rachel Soares de Brito Ricardo Izar Rogéria Coimbra Vicente Comercial Anna Paula Rossi Milene Perez Sérgio Bianchi Silvio Monari Impressão: Real Gráfica Editora (14) 3621 9237 Distribuição: Panfletos&Cia (14) 3621 1634 Revista Energia Rua Quintino Bocaiúva, 330 | 2º andar CEP: 17201-470 | Jaú - Fone: (14) 3624 1171 www.energianaweb.com.br

Foto: Cláudio Bragga

Projeto gráfico: Revista Energia Social Club social@revistaenergiafm.com.br

Empresas que movimentam

Acreditamos que valorizar e defender quem empreende em nossa cidade e região é um reconhecimento a quem colabora efetivamente para o desenvolvimento do lugar onde vivemos, onde criamos nossos filhos e netos. Empreender vai muito além de abrir uma empresa. É construir relacionamentos, detectar oportunidades, ter habilidade de contornar imprevistos e persistir nos objetivos. Assim são construídas as marcas sólidas e respeitadas, como as que fazem parte desta nossa primeira edição do EQM. A participação de tantas empresas nesse primeiro ano comprova que cada vez mais as companhias de sucesso estão prontas para abraçar novas ideias, buscar soluções inovadoras e firmar parcerias que contribuam com o bem-estar comum. Agradecemos as instituições parceiras; a cantora Paula Fernandes, que abrilhantou a noite com sua voz única; e não podemos deixar de mencionar aqueles que nos ajudaram a colocar em prática este evento que, certamente, abrirá as portas para muitos outros: Lumare Eventos, Natalia Peretti - Cerimonial e Eventos, KanaCaiana, Couple Films Cine Wedding, Bella Decorações Eventos (Kely Savio Cantador), Jardins de Monet Buffet (Lee Andriotti), DJ Alfieri, Beto Transporte e Turismo. E à equipe Energia, sem a qual nada acontece, nossa gratidão e os parabéns pela iniciativa e realização. Confira na próxima edição da RE a cobertura completa desta festa que movimentou Jaú. E assim fechamos mais um ano de grandes histórias, emoções, lições de vida, conhecimento, mas, principalmente, encerramos um ano em que construímos bons relacionamentos baseados no respeito e na ética. Que venha 2018. Nós estamos prontos. E você? Feliz Natal e um Ano Novo de muita paz.

Elogios, críticas e sugestões leitor@revistaenergiafm.com.br Quero anunciar comercial@revistaenergiafm.com.br A Revista Energia não tem responsabilidade editorial pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, anúncios e informes publicitários.

Maria Eugênia Revista Energia 5


16

13 Radar 15 Pense Nisso 16 Gente Fina 22 Relacionamento 27 Depilação a Laser 28 Capa 33 Bairros De Jaú Gente 37 Medicina Fina 39 Segurança 41 Saúde E Bem-estar 43 Consultoria 44 Tradição 48 Adote um Pet 50 Modernize Tradição 52 Viagem e Turismo 63 Vida Profissional 64 Social Club 76 Terapia 82 Varal 85 Educação 89 Educação Financeira 91 Look de Artista 95 Vida Saudável Nossa Capa: 96 Água Na Boca Restaurante Mirante do Pouso 101 Saúde Bucal 103 Direito 107 Seguros e Previdência 108 Vitrine Presentes 109 Profissões 110 Legislação 114 Boa Vida Mirante

44

Jaú - Ano 8 | Edição 75 | Dezembro 2017 Distribuição gratuita | Venda proibida

ÍNDICE

91

NESTA EDIÇÃO Look 08 Perfil de Artista

GENTE FINA Edison Luiz Coelho

do Pouso

O sabor da sua casa

CASAMENTO

Na alegria e na tristeza

DORES EMOCIONAIS

O processo da cura


Perfil

TRABALHO SÉRIO E RECONHECIMENTO É óbvio que quem se aventura pelo mundo da música espera sucesso e reconhecimento, entretanto, é a dedicação e o amor pelo que fazem que conquista a lealdade dos fãs. Todos os dias surgem nomes desejando alçar voo nesse universo, mas, como o próprio Marcos afirma, nenhuma banda consegue permanecer 27 anos no mercado se não tiver um trabalho sério, honesto e profissional. Para a Fly By Night, é preciso estar em constante atualização com as inovações do mercado, especialmente com relação à produção e equipamentos. “Nossa preocupação sempre será manter e melhorar nossa qualidade musical e visual, sempre acompanhando as tendências em equipamentos de ponta, para atender nossos clientes da melhor forma possível”.

Voar pela noite... “Para que tentar? Eu sei porquê. Este sentimento aqui dentro me diz que é hora de ir. Cabeça fria, nova vida por vir. Eu quero ser rei e não só mais um peão” Texto Heloiza Helena C Zanzotti Fotos Arquivo pessoal

A

ssim começa a música Fly by night, da banda canadense Rush, lançada em fevereiro de 1975. A partir deste álbum a banda deixa de lado o hard rock blues e assume sua verdadeira identidade. Algo a ver com a banda jauense? Tudo! A começar pelo nome.

ORIGEM E VERSATILIDADE Fundada em 1991, a Banda Fly By Night sempre se destacou pela qualidade musical, profissionalismo e animação nos mais diversos tipos de eventos, de casamentos e formaturas a comemorações corporativas. Fundada por músicos que vinham de outras bandas já diluídas, especialmente pelo baterista Marcos Massola, 45, que permanece até hoje, em quase 27 anos de existência a Fly By Night já atuou ao lado de grandes artistas como Ana Carolina, Banda Eva, Guilherme Arantes, IRA!, Rick & Renner, Ultraje a Rigor, Capital Inicial, Lulu Santos, Família Lima, Maurício Manieri, Exaltasamba, Agnaldo Rayol, Bateria Império Casa Verde-SP, Bateria X-9 Paulistana-SP, Demônios da Garoa, entre outros. 8 Revista Energia

OS INTEGRANTES Dos componentes da banda, somente o Marcos está desde o início, no entanto, outros talentos foram chegando e agregando qualidade ao grupo. Hoje, o elenco é composto por Anna Kelly, 25, cantora; Sirley Rodrigues, 40, cantora; Tom Martins, 44, cantor; Matheus Silva, 22, cantor; Cristiano Fagian, 44, cantor e saxofonista; Joe Miranda, 40, tecladista; Beto Carli, 32, guitarrista; André Jota, 30, contrabaixista; Markinhos Ferrucci, 38, percussionista; Marcos Massola, 45, baterista; além do corpo de ballet composto de dois a seis bailarinos, conforme o evento. Marcos Massola é o responsável pela administração geral, pela produção de palco e produção musical nos eventos, e um escritório próprio cuida do marketing e da parte comercial.

Chegamos a viajar dentro do baú do caminhão junto com a carga de equipamentos por várias vezes antes de comprar nosso primeiro ônibus”, conta Marcos. As apresentações começaram em barzinhos, festivais de rock e casas noturnas em Jaú e outras cidades da região. “Ficamos durante um ano aproximadamente fazendo apresentações pequenas, mas em 1992, com a entrada de uma cantora e um tecladista, a banda tomou outro rumo, apresentando-se em bailes, formaturas e atuando em grandes clubes, com repertório diversificado para qualquer segmento de evento”, explica o baterista. REPERTÓRIO DIVERSIFICADO Não há como não gostar de ouvir o grupo, que atualmente é um dos mais solicitados, com compromissos já agendados para o ano que vem. Já são mais de duas mil apresentações realizadas. “Como atuamos num mercado bem diversificado, temos que agradar todo tipo de público e principalmente nossos contratantes, então, temos um repertório bem eclético”, afirma Marcos. Com mais de trezentas músicas em vários estilos, a Fly By Night está bem preparada para atender qualquer evento, com repertório específico para cada ocasião. De boleros, sambas, MPB, jovem guarda, anos 60/70/80 nacional e internacional, até músicas italianas, espanholas e outras. Além disso, possui equipamentos de som e iluminação digitais, e figurinos específicos para cada tipo de apresentação.

AOS PARCEIROS, CLIENTES E FÃS Quem acompanha o trabalho da Fly By Night sabe do profissionalismo e respeito que a banda possui. E se o reconhecimento vem do público para com estes profissionais, a recíproca também é verdadeira. “Temos prazer em tocar, em poder levar um pouco de emoção através da música e sentir que todos estão curtindo e dançando com nosso som. E o reconhecimento, no final, não tem preço. Nosso agradecimento aos clientes, fãs e a todos que um dia confiaram e curtiram nosso trabalho de alguma forma”, ressalta o baterista. E finaliza: “A banda Fly By Night agradece e parabeniza a Revista Energia pela grande iniciativa em divulgar talentos que levam com orgulho o nome de Jaú Brasil afora”.  Contato para shows Site: www.bandaflybynight.com.br E-mail:contato@bandaflybynight.com.br Facebook: bandaflybynight-oficial Instagram: /bandaflybynightoficial Tel: (14) 99778-1218 / 99778-2656

OS PRIMEIROS PASSOS A estrada para o sucesso normalmente é longa e exige muito esforço. Como para a maioria dos grupos musicais, o início não foi fácil. “Começamos apenas com nossos instrumentos e as dificuldades foram várias. Revista Energia 9


10 Revista Energia

Revista Energia 11


Radar Por Alexandre Garcia

ALEXANDRE GARCIA Jornalista, apresentador, comentarista de telejornais, colunista político e conferencista brasileiro. Atuou no Jornal do Brasil, no Fantástico e na extinta TV Manchete. Atualmente é comentarista político na Rede Globo de Televisão.

A raiz do crime Em Portugal os jornais noticiaram com destaque a morte do antigo chefe mafioso Salvatore Totò Riina, nascido em Corleone, na Sicília, cidade que inspirou Mário Puzzo a escrever O Poderoso Chefão

T

otò morreu na cadeia um dia depois de completar 87 anos, de câncer nos rins. Foi ele que mandou explodir o carro onde estava, com a mulher, o juiz Giovanni Falcone, da operação Mãos Limpas, tão estudada pelo juiz da Lava-Jato, Sérgio Moro. Os juízes Falcone e Borsellino foram assassinados em 1992 e no ano seguinte Totò estava preso. As autoridades foram ajudadas por delações premiadas, como a de Tomaso Buschetta, preso no Brasil. Totò, ao morrer, já estava 24 anos atrás das grades, cumprindo 26 condenações à prisão perpétua. Sem direito a tornozeleira, prisão domiciliar ou semiaberto. Morreu sem abrir a boca para contar suas ligações com políticos de Roma. A Itália é o berço do Direito Romano, que é ensinado a todos os brasileiros que queiram ser advogados. E foi a Justiça italiana que condenou, em todas as instâncias, à prisão perpétua, o assassino de quatro pessoas, Cesare Battisti. Mas ele está livre, porque fugiu para o Brasil com passaporte falso. Ele sabe que aqui é o país da impunidade; por isso veio para o Brasil. Desde menino vejo em filmes americanos que o bandido, para escapar impune, vai para o Brasil. Foi assim com o assaltante do trem pagador inglês, Ronald Biggs. Em vez de ser preso, ficou famoso no Brasil. No Brasil, bandidos ficam famosos. No caso do tetra-assassino Battisti, ganhou a proteção do então Presidente da República, Sr. Lula. É o país onde mesmo que a Justiça mande prender, o Legislativo manda soltar. E se argumenta com Montesquieu, com a separação de poderes, autônomos e funcionando como pesos e contrapesos do poder, o que sugere o trocadilho “presos e contrapresos”. 12 Revista Energia

Outros são condenados várias vezes, mas cumprem a pena em casa, dançando em festas - como se divertem com este país festivo! A lei permite que o condenado só cumpra uma sexta parte da pena e já vai saindo das grades. Outros nem querem sair, porque de lá ficam comandando o crime nas ruas, mandando matar os rivais, como fazia Totò antes de ser preso. Depois, ele ficou incomunicável com o mundo. Aqui, não; tem o celular, tem advogados, tem amigos entre autoridades. Aqui, assaltante é preso, mas é solto em 24 horas e pode continuar o exercício de sua profissão. É protegido pela lei, por advogados, por militantes dos direitos humanos, pelos que odeiam a polícia. Aliás, muita gente se queixa da insegurança, mas odeia os defensores da lei. Muita gente se queixa de bala perdida, mas cheira a cocaína com que se compram fuzis. Muita gente se queixa de que as leis são fracas, mas trata de enfraquecê-las ainda mais, desrespeitando-as sempre que for de seu interesse egoísta e incivilizado. Dá arrepios de pensar que na nossa cultura, Totò, quem sabe, pudesse ser candidato à Presidência da República. Parece que vivemos num hospício legal, jurídico, político e de incivilidades.

“Aqui, assaltante é preso, mas é solto em 24 horas e pode continuar o exercício de sua profissão” Revista Energia 13


nisso

Pense

Por Professor Luiz Marins

LUIZ MARINS Antropólogo e escritor. Tem 26 livros publicados e seus programas de televisão estão entre os líderes de audiência em sua categoria. Veja mais em www.marins.com.br

Pense bem antes de convocar uma reunião

A

O que os executivos de empresa mais fazem? Grande parte do seu tempo é gasto em reuniões

s reuniões são, entre outras coisas, a pedra angular para a construção de times vencedores, que por sua vez é o maior fator de sucesso de uma empresa. Mas a verdade é que as reuniões nem sempre conseguem atingir seus objetivos. Um estudo recente feito por uma consultoria americana aponta que os gerentes passam mais de três quartos do tempo em reuniões. O estudo ainda apontou que apenas 12% dos gerentes acham que suas reuniões são produtivas. Nas empresas de alto desempenho, a avaliação da produtividade das reuniões subiu para 25%, e nas empresas pouco eficientes essa produtividade caiu para apenas 2%. “Apesar de toda a tecnologia de informação, todos nós vamos para mais e mais reuniões”, desabafa um colaborador de uma grande empresa. Coordenar bem uma reunião é realmente uma arte, e um número crescente de empresas está treinando seus executivos em como fazer reuniões eficazes. Muitas dessas “reuniões” acontecem no corredor ou em torno da máquina de café, e essas são provavelmente as mais eficazes porque os participantes tendem a ser mais espontâneos, diretos e rápidos. Muitas empresas têm feito reuniões “em pé”, para aumentar o foco e a produtividade. Vale experimentar. Reuniões maiores são geralmente mais problemáticas. Estudos mostram que um dos maiores problemas é a falta de cuidado pré-reunião. Muitas vezes não se planeja, com o cuidado que deveria, a agenda, o local, as pessoas convidadas e os resultados esperados. Sem esses cuidados na preparação ela acontece dando margem a ideias sem importância, divagações, falta de foco ou indivíduos entediados olhando para o relógio ou consultando seus celulares. Normalmente há dois tipos de reunião: (1) para compartilhar informações, (2) para resolver problemas. Para o primeiro tipo, alguns especialistas sugerem que se peça a todos que repitam, no final, o que eles entenderam e o que foi concluído, para que o 14 Revista Energia

coordenador corrija desinformações ou conclusões equivocadas. Já para a resolução de problemas o objetivo não deve ser apenas um brainstorming, mas prestar atenção para que as soluções sejam realmente colocadas em prática. O que torna as reuniões especialmente importantes e indispensáveis para as empresas é que nelas as crenças e valores da empresa são transmitidos e times vencedores são formados e moldados. David Bradford, professor da Stanford Business School, especializado em estudar equipes, argumenta que muitas vezes, as empresas desperdiçam enorme quantidade de tempo em reuniões: “Em uma empresa, a equipe executiva passou três reuniões decidindo o design dos cartões de visita”, conta ele. Assim, a melhor forma para obter uma boa decisão de uma reunião formal é pensar seriamente em como o tema a ser discutido será proposto ao grupo. Se você já decidiu fazer alguma coisa e quer a colaboração dos participantes para fazer acontecer, não pergunte se você deveria ou não fazer. Em vez disso, peça a ajuda de seus colegas dizendo: “Queremos fazer isso ou aquilo: como chegamos lá?”. Pense nisso. Sucesso!

Revista Energia 15


Gente Fina

Edison

Luiz Coelho “Cada um de nós, enquanto cidadão, tem um papel a desempenhar na criação de um mundo melhor para as nossas crianças”

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

16 Revista Energia

Revista Energia 17


É

de Nelson Mandela a citação que abre este Gente Fina onde vou apresentar um especialista em relacionamento com crianças e adolescentes: o Tio Bilé. Alguém discorda? Edison Luiz Coelho, 58, nasceu em Barra Bonita onde morou até vir para Jaú, em 1986. Estudou até a oitava série no Sesi daquela cidade, trabalhou na Usina da Barra e ali casou-se com Antônia Aparecida Ribeiro Coelho, 57, com quem teve duas filhas. Homem de poucas palavras, sua simplicidade encanta no primeiro contato. Tio Bilé trabalha no Colégio Saint Exupéry e concorda em dar esta entrevista, mas somente após receber e organizar a entrada das crianças na escola. Ao longo de nossa conversa, entendo um pouco mais sua paixão pelos pequenos. Vamos começar falando sobre a sua infância Foi na Barra Bonita que eu nasci. Somos cinco irmãos: duas irmãs e três irmãos. Todos estudaram no Sesi, mas eu não era bom de escola não, viu? Gostava mesmo de jogar bola, na escola ia mal. Jogava peão, bolinha, soltava pipa... Foi uma infância tranquila, meu pai desde pequeno trabalhou na usina da Barra e é aposentado pela mesma firma. Tenho mais dois irmãos aposentados por lá e eu também trabalhei na usina da Barra. Como conheceu a sua esposa? Foi na Barra Bonita mesmo. Nós nos conhecemos na pracinha e foi rapidinho, casamos logo. Namoramos pouquinho, não foi nem um ano. Temos duas filhas: Luciana e Renata. A Luciana trabalha com calçados e a Renata está terminando enfermagem na IEP. O que o trouxe para Jaú? Eu saí da usina em 1985 e no ano seguinte vim para Jaú cuidar mais do meu sogro. Meu cunhado trabalhava na construção com o Seu Sebastião, marido da Dona Maria Helena, e um dia meu cunhado falou: “Tem um biquinho lá para você fazer”, e eu fui. Trabalhei na casa do Seu Sebastião por uns seis meses, então as aulas estavam para começar e ele disse: “Vai lá, vê se você se acostuma com as crianças”. E estou aqui no Exupéry até hoje, faz 30 anos.

Você já morou na escola? Uma vez o Seu Sebastião foi para a praia e eu dormia na casa dele, para olhar. Um dia deu uma chuva tão forte que minha casa encheu de água. Não chegou a estragar nada, mas saiu até no jornal e quando ele chegou de viagem falou: “muda para a escola, vamos derrubar sua casa, você compra o material e eu vou descontando um pouquinho por mês”. Morei uns três anos na escola. Na época, onde era a secretaria fiz a cozinha, onde era uma sala de aula, dividimos e fizemos o quarto e a sala. Então construí minha casa, tinha uns 40 anos. Como é estar aqui há 30 anos? Eu me acostumei fácil. A escola só tinha essa parte onde nós estamos (nossa entrevista aconteceu na biblioteca). Onde hoje é a parte nova, era o campinho onde eu jogava bola com a molecada. Aqui, para mim, é uma família. Como o Seu Sebastião me disse um dia: “te considero como filho, não como funcionário”. Nas férias a gente pinta a escola inteirinha, todo ano. Temos uma equipe boa, com pedreiros que ajudam bem a gente. Já precisou se afastar por problemas de saúde? Fiquei três meses afastado para fazer a cirurgia bariátrica. Eu pesava 140 kg e fiz redução de estômago há dez anos, em Piracicaba, porque em Jaú não fazia ainda. Antes disso tirei a vesícula, fiquei afastado também, e tinha muita saudade das crianças. Quando podia andar, vinha devagarzinho só para ver as crianças. E uma vez precisei operar o ombro... Caí com uma jarra na mão e para não quebrar a jarra, me joguei com o ombro. Mas a jarra não quebrou (risos). Como é seu relacionamento com as crianças? Elas gostam muito de mim. Na hora do recreio ajudo a cuidar delas, faço a entrada e saída, hoje muitas crianças vão de van, então ajudo a olhar, a colocar nas vans. Em dia de chuva busco os alunos no carro, fico molhado, mas as crianças não.

Já teve algum problema com as crianças, algum desrespeito? Nunca. E nunca teve nenhuma reclamação de mim. Eu me dou bem com elas, brinco bastante. Tem um menino que fica aqui o dia todo, o Cauê, que tem sete anos. Eu chego perto dele e falo: “chora não, bebê”, e ele olha para mim e fala: “chora sim, bebê”. É uma forma carinhosa de brincar. Nesses trinta anos aqui, algum acontecimento marcou você? Sim. Um menino que estudava conosco e foi para a casa de um amiguinho, no Santo Antônio, para brincar. Ele foi atropelado por um ônibus e morreu... Faz muitos anos, eles estavam brincando na rua quando aconteceu. Você recebe muitas homenagens, todos os anos? Já fizeram muitas homenagens para mim. O pessoal da oitava série faz sempre. É gostoso ser homenageado, fico feliz... Geralmente é na formatura, no teatro. Sou chamado lá na frente, ganho lembrancinha, é muito bom. Qual é o maior desafio que você encontra ao lidar com as crianças? Eu não tenho dificuldade nenhuma. Ajudo na educação delas. Sempre falo: “olha o papelzinho no lixo”, e todos me respeitam. Se precisar acudir um professor, eu fico na sala e a molecada respeita. Já fiquei até nas salas dos mais velhos também, principalmente na troca de aula. Já teve que proteger algum aluno da mãe? Várias vezes. Tem uns que se esquecem de trazer o material e me pedem: “não conta nada para a minha mãe”. Tem uns malandrinhos sim, eu não conto nada, mas sempre dou o sermão... Você tem um olhar atento às necessidades das crianças... Muito. Quando percebo alguma criança triste já aviso. Outro dia tinha um menininho que eu falei que não estava bom. Vi que ele estava amuado, cabeça baixa e avisei a coordenação. E ele estava mesmo com um probleminha de saúde.

18 Revista Energia

Quando não está trabalhando, o que gosta de fazer? Além da escola, eu tenho um barzinho, mas só abro na parte da tarde. Aos domingos tem um senhor que ajuda e eu não vou. Entro 6h na escola e saio 15h45; almoço aqui, tenho uma hora de almoço. Quando saio do trabalho passo em casa, tomo banho e vou para o bar, fico lá até 21h. O bar fica no Jardim Padre Augusto Sani. Faz um ano que estou com o bar, mas já estou pensando em parar (risos). Estamos vivendo tempos de muita violência, brigas entre alunos. Por que acha que isso acontece? As crianças não estão recebendo muita educação, mas aqui na escola as crianças respeitam muito a gente. Fico lá fora na saída dos alunos e não sai encrenca nenhuma, se começa uma confusão a gente já leva para a coordenadora. Está faltando educação, mas tem que vir de dentro de casa mesmo. Como é o relacionamento com suas filhas? É muito bom. Minhas filhas são solteiras ainda, moram comigo e também temos duas crianças que criamos depois que a mãe delas morreu, aos 29 anos. Minha esposa cuidava delas para a mãe trabalhar. Uma vai fazer 11 anos e a outra 10 anos. A mãe deixou um menininho com 8 anos também, mas ele fica com a avó. As meninas ficam mais em casa, a avó deixa porque faz tempo que estão com a gente, desde pequenininhas. Uma se chama Luana e a outra Amanda. Quais seus planos para o futuro? Eu já estou aposentado há quase cinco anos, mas continuo aqui e pretendo continuar mais um pouco. E a hora que tiver que parar? Como vai fazer? Não sei se vou conseguir parar não... É difícil...  Revista Energia 19


20 Revista Energia

Revista Energia 21


Felizes

Imagem: Internet

Relacionamento

para sempre Não é apenas nos contos de fadas que ouvimos o famoso “viveram felizes para sempre”, muitos casais estão vivendo essa realidade nos dias atuais

Texto Letícia Koehler

22 Revista Energia

Revista Energia 23


C

omo manter a paixão durante todos os anos do casamento? Como sobreviver às brigas, desentendimentos e caras fechadas, tão comuns nos relacionamentos? É importante destacar que a busca pela felicidade no matrimônio, segundo especialistas, deve passar por abrir mão de determinadas coisas, levar em consideração a vontade do outro, dedicar um bom tempo à relação. Estes são detalhes que fortalecem a união. As estatísticas apontam, a cada ano, um aumento no número de divórcios, no entanto, as pessoas continuam se casando, embora muitas delas não sejam capazes de manter um casamento por muito tempo. O que acontece nas relações? POR TODA UMA VIDA No contexto atual, muitas pessoas acreditam que não é possível manter uma união por toda a vida, mas Luciana Marolla Garcia, 37, psicóloga e especialista em Gestão de Pessoas e em Psicoterapia Breve Operacionalizada, defende o contrário: “Acredito que é possível, desde que o casal tenha planos e objetivos em comum, e desenvolva a habilidade da empatia, ou seja, um se colocar no lugar do outro”. Alguns fatores ajudam o casal a ultrapassar os 30, 40 anos de união, e são considerados pilares importantes em um relacionamento saudável e duradouro. “O primeiro deles é o diálogo - dizer como se sente - sem este pilar nada é possível, existe apenas uma convivência, mas o casal vai se distanciando. Outros pilares importantes são: um se cuidar para o outro; planos em comum como viagens, aquisição da casa própria, entre outros; contribuição nas tarefas do dia a dia e planejamento financeiro”, explica a psicóloga. TERAPIA DE CASAL Para casais que estão passando por uma fase de desentendimento, por alguma crise no relacionamento, a terapia de casais costuma ser eficaz, e antes de qualquer atitude é sempre bom buscar ajuda. Neste tipo de terapia os parceiros participam juntos, com foco nos problemas que estão vivendo, tendo como objetivo colocar seu casamento, noivado e até mesmo um namoro em ordem. “A terapia de casal acontece com o casal, porém, estarão juntos na sala de terapia algumas vezes, e outras vezes estarão separados, em sessões individuais”, explica Luciana. O terapeuta facilita a reflexão e a ação que o casal deve tomar. O que leva um casal à terapia, na maioria dos casos, é a comunicação falha, mas existem outros motivos como quebra de confiança, falta de compreensão, problemas financeiros, etc. Luciana explica que as soluções giram sempre em torno dos pilares, da prática do diálogo, do estabelecimento de metas e objetivos em comum. “A solução se dá no momento em que um se coloca no lugar do outro, e entende que somente esperar que o outro mude não vai resolver. Cada um tem que buscar conhecer suas limitações e realizar pequenas mudanças no dia a dia para, assim, gerar comportamento diferente no parceiro também”. SENSAÇÃO DE FELICIDADE Casados há quase um ano, mais precisamente em 20 de janeiro de 2017, os apaixonados Sara Martins Bravi, 24, e Danilo da Silva, 26, se conheceram e começaram a namorar durante o curso colegial. Ao perguntar a ambos o que é um casamento perfeito, Sara responde: “Casamento perfeito não existe, o que existe são duas pessoas que 24 Revista Energia

se amam e se respeitam dentro do relacionamento. Mas o amor vence tudo, qualquer tipo de barreira que impeça o casal de ser feliz”. Danilo dá a sua versão: “Nada é perfeito, o casal vai se ajustando com muito amor um pelo outro, com coisas muito simples como uma gargalhada depois de ter dito coisas sem sentido, o orgulho e admiração pelo outro ao conquistar o que tanto desejava”. Para Sara, as sensações após ter se casado são inúmeras, mas o que ganha destaque é a felicidade: “Felicidade de dormir e acordar ao lado da pessoa que você tem muito orgulho de chamar de esposo; felicidade de compartilhar sua vida, seus planos com ele; e melhor de tudo, saber ouvir o que o outro tem a dizer, pois a conversa entre o casal é essencial para manter o casamento e a relação”. Já para Danilo, ter a pessoa ao lado em todos os momentos, sem precisar dar um “tchauzinho” ou até logo é tudo de bom: “É ir trabalhar e a metade do seu coração ficar em casa. Assistir filme até tarde, sair acompanhado na hora que quiser, é ser muito feliz por essas coisas e outras tantas”. NA ALEGRIA E NA TRISTEZA Foi em uma festa no Restaurante do Capelinha onde tudo começou. Casados há 31 anos e pais de duas filhas, o casal Severino Gomes do Nascimento, 62, comerciante aposentado, e Terezinha de Fátima Mantovani Nascimento, 62, também aposentada, orgulham-se do que construíram ao longo do tempo: “Temos duas filhas lindas, a Talita e a Bruna, que são nossas maiores riquezas, e também temos a caçula que é a Nina, nossa cachorrinha de estimação”, comenta Terezinha. Severino completa: “E temos a Princesa, que é outra cachorrinha também”. Com muita união e amor, o casal foi somando conquistas ao longo do tempo. Severino conta que eles já conseguiram construir mais de uma casa trabalhando duro, e lembra que para se obter uma conquista é preciso mais de uma pessoa e muito trabalho. “Chegamos a ter um lar, uma casa própria com muita luta, um ajudando o outro. Eu saía para trabalhar e ela ficava cuidando da casa, do comércio, de tudo. Meu irmão trabalhava e morava com a gente, era solteiro. Todas as nossas conquistas conseguimos juntos, construindo as casas, formando nossas filhas, comprando carro para nós e para elas”. Como em toda vida de casal, há também os problemas que enfrentaram juntos. Terezinha lembra que a perda de uma empresa foi o pior de todos: “Foi muito difícil, nós tivemos que começar tudo de novo, nossas filhas estavam estudando, tivemos que trabalhar muito na escola a troco da bolsa delas. Foi muito difícil, mas hoje a gente vê que tudo valeu a pena”. O casal deixa um recado para os mais jovens: “Tenham muita paciência um com o outro, saibam que a vida de casado não é todo dia um mar de rosas, vão ter muitas dificuldades, muitas perdas, muitos danos. Então, tem que saber superar tudo isso com amor, carinho e acima de tudo muito respeito um para com o outro. A partir do momento em que perder o respeito um pelo outro, acabou o casamento”.

“Eu quero falar que se fosse para casar outra vez eu só me casaria com ela. Ela é meio chatinha, mas eu aguento” (Severino. Gomes do Nascimento) MAIS DE CINCO DÉCADAS JUNTOS Joana Viario da Silva, 73, e Antônio César da Silva, 80, ambos aposentados, estão há muito tempo juntos. São 55 anos de muito amor, companheirismo, dedicação e alegria ao longo da vida. Eles se conheceram em uma fazenda, em um baile de casamento, e nem passou pela cabeça dos dois que um dia esse encontro se transformaria em um casamento tão duradouro como é o deles. O casal tem três filhos e como o Antônio é um pouco tímido, deixa que Joana fale pelos dois sobre o que acreditam ser um casamento perfeito, que para eles é o amor: “Um casamento perfeito é amar um ao outro”. Para o casal, família é tudo. Orgulhosos, têm como a maior realização os três filhos que dão orgulho e já deram também dois netos e um bisneto. Joana aponta o que é necessário aos recém-casados para levarem a união para a vida toda: “Sempre se amarem e terem paciência um com o outro, esse é o segredo do tempo”. DEPENDENTES UM DO OUTRO Amor, confiança e respeito são os itens que fazem com que o casal Jeni Cordeiro Conte, 74, e Romildo Conte, 77, permaneça unido até hoje. Eles têm 56 anos de casados e como todo casal que está junto há muito tempo, têm lá seus problemas. Romildo diz que levam os problemas na esportiva. Ao perguntar sobre os casais da atualidade, que em qualquer briguinha já partem para a separação, Jeni responde que com eles é diferente: “Eu dependo dele e ele depende de mim, nunca nós vamos viver separados. Eu não me vejo sem ele e para o Romildo é a mesma coisa. Somos muito unidos”.

A certeza de que na velhice alguém vai cuidar da gente com muito amor é presente na vida de Romildo: “Ela cuida muito bem de mim”. Jeni rebate dizendo que quem cuida muito bem é ele: “Ele me ajuda a levantar da cama, traz cafezinho para mim de manhã, ele é o meu amor”. As demonstrações de afeto não param por aí, e Romildo termina dizendo que tudo o que faz por ela é pelo amor de muitos e muitos anos que já viveram. Com relação aos filhos, Jeni afirma que conseguiram passar essa noção de casamento: “Nossos filhos são casados e também fazem a mesma coisa por suas esposas. Eles levaram para si a experiência e sabedoria do pai”. E Romildo finaliza: “Eu sempre procurei fazer as coisas certas”. AMOR E PAIXÃO Para a Dra Rogéria Coimbra Vicente, especialista em Direito de Família, no questionamento quanto ao que contribui para um casamento ser duradouro na esfera jurídica, o maior fator persiste basicamente na vontade de permanecer casado e comprometido com seu companheiro, caso contrário inevitavelmente haverá rompimentos constantes. “É impossível pensar que um casamento baseia-se apenas em sentimento de paixão. Durante esse tempo atuando como advogada de família cheguei a fazer quatro divórcios para o mesmo cliente, e destas relações nasceram três filhos. Essa facilidade jurídica em casar-se e divorciar-se, sem limitação ou exigência de prazo de espera que a lei anterior exigia, facilitou a crescente busca pelo parceiro ideal. O certo é que não haverá limites para o desfazimento das relações se as pessoas não entenderem a diferença entre amar e estar apaixonado. Ninguém pode viver a vida toda de paixão, uma vez que o casamento é comprometimento e respeito”, esclarece. 

“Não haverá limites para o desfazimento das relações se as pessoas não entenderem a diferença em amar e estar apaixonado”

Revista Energia 25


Depilação a Laser Por Dra Mariana Fantin Bichuette Médica pós-graduada em dermatologia

Conheça as vantagens desta técnica A EspaçoLaser chegou ao Jaú Shopping no mês de setembro de 2017 trazendo tecnologia e comodidade à população

A

Dra Mariana Fantin Bichuette, médica jauense pós-graduada em dermatologia, conhece bem o produto e a tradição da EspaçoLaser, pois trabalhou em 2008 na matriz em São Paulo compondo a equipe do fundador da Espaçolaser, Dr. Ygor Moura. A evolução da Espaçolaser é motivo de orgulho. A primeira clínica foi fundada em 2002 com o propósito de melhorar a qualidade de vida das pessoas que prezam por saúde, beleza e bem-estar. Desde o início a empresa apresenta como diferencial a tecnologia inovadora do laser GentleLase Alexandrite, o mais sofisticado do mercado por possuir um sistema especial de resfriamento por gás criogênio, tornando a aplicação mais rápida e confortável que os demais métodos. Hoje, a EspaçoLaser é a maior rede de clínicas de depilação a laser do mundo, com mais de 300 unidades espalhadas pelo Brasil e mais de 2 milhões de tratamentos realizados. Mas, quando falamos em depilação a laser, ficamos ainda com muitas dúvidas, e as mais frequentes são: A depilação a laser é mesmo definitiva? Sim. O método age progressivamente ao longo de 10 sessões, com aproximadamente 45 dias de intervalo entre elas, e garante a remoção definitiva dos pelos. Condições hormonais especiais e pelos brancos, ruivos ou loiros podem não responder ao tratamento devido à ausência de melanina. Depilação a laser dói? Comparado aos demais procedimentos, o laser Alexandrite é a técnica mais confortável, pois inclui um sistema de refrigeração por gás criogênio que é disparado milésimos de segundo antes do raio laser resfriando a pele, tornando o procedimento praticamente indolor. Quem aplica o laser? Somente fisioterapeutas inscritas no Crefito são

contratadas e passam por rigoroso treinamento de especialização, unindo o que há de melhor em serviço e tecnologia. Somente mulheres pode fazer depilação a laser? Não. A praticidade e relação custo-benefício têm ganhado adeptos entre os homens. Os procedimentos mais procurados são: barba, abdômen e costas. O laser oferece algum risco à saúde? Não! O laser é um raio de luz concentrado, atraído pelo pigmento do pelo, não penetrando profundamente na pele ou em qualquer outro tecido. Quais as vantagens e benefícios da depilação com o laser Alexandrite? Remove definitivamente os pelos escuros // elimina problemas dermatológicos como foliculite (pelos encravados) // clareia a pele da região tratada // custo-benefício incomparável com demais métodos // menor dor e maior eficácia // aumento da autoestima // grande praticidade É possível fazer em qualquer parte do corpo? Sim, exceto sobrancelhas por ser uma região próxima aos olhos. Existe algum tipo de restrição? Sim, há restrições como: pessoas com fototipo V; pacientes bronzeados; gestantes; pacientes que fazem uso de Roacutan; paciente com herpes ativa; paciente que faça uso de algum tipo de acido na região a ser tratada (interromper alguns dias pré e pós sessão) Dica importante ! Para peles com bronzeado recente é necessário aguardar pelo menos 30 dias antes de iniciar o tratamento, e a exposição ao sol só poderá acontecer 7 dias após a aplicação do laser. Não utilizar loções autobronzeadoras e métodos de depilação pela raiz durante o tratamento. As áreas a serem tratadas devem ser protegidas por filtro solar. 

Horário de Funcionamento: Segunda a sábado das 10h às 22h. Domingos e feriados das 13h às 19h. Telefones: (14) 2104-2369 / (14) 3416-2357 Endereço: Av. Quinzinho, 511, Chácara Peccioli, Jaú, SP 26 Revista Energia

Revista Energia 27


Capa

A cada

dia mais

irresistível!

28 Revista Energia

O mercado de comida caseira não para de crescer no Brasil. Cada vez mais as pessoas estão trocando alimentos processados por opções mais saudáveis

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

Revista Energia 29


C

om o tempo cada vez mais curto para preparar alimentos em casa, os restaurantes especializados em comida caseira caíram no gosto de quem não abre mão de uma boa comida, preparada com ingredientes selecionados e com o sabor, tempero e cheiro característicos da comida da vovó. Quem nunca passou por esse saudosismo? Quando saímos da casa de nossos pais, sentimos falta de muitas coisas, mas a comida caseira de nossas mães e avós... TEM QUE SER ESPECIAL O mercado já se deu conta disso e muitos restaurantes abriram suas portas com o título de comida caseira, no entanto, o que diferencia um bom restaurante de todos os outros, o que o torna especial e faz com que caia na preferência das pessoas são detalhes que fazem com que o cliente se sinta em casa, se identifique com o lugar. Bom atendimento e qualidade da comida são obrigações de qualquer empresa, mas um tratamento personalizado cativa qualquer um. Os clientes gostam de sentir que são bem cuidados, que são respeitados e que suas preferências não são esquecidas após uma refeição. SENTIR-SE EM CASA Conquistar a confiança e fidelizar clientes é uma preocupação constante em bons estabelecimentos. Saber a mesa onde você gosta de se sentar, a marca da cerveja que você toma e priorizar seu conforto são detalhes indispensáveis em um mercado onde a concorrência é cada vez mais acirrada. E fazer tudo isso aliando

bom atendimento, qualidade e preços justos é, sem dúvida, o maior diferencial para quem deseja manter-se em primeiro lugar na preferência. MIRANTE DO POUSO Quando falamos em comida caseira, não há como deixar de mencionar o melhor estabelecimento especializado em Jaú e região. Com localização privilegiada, o Restaurante Mirante do Pouso surpreende logo na chegada. A estrutura agrada já ao estacionar o veículo, com amplo espaço e visual agradável. Ao entrar no local, o ambiente espaçoso, climatizado e acolhedor explica porque a casa está sempre lotada. Inaugurado em maio de 2012, o Restaurante Mirante do Pouso tornou-se referência em comida caseira no bairro Pouso Alegre de Baixo, em Jaú. Sob a direção de Érika Patrícia de Melo Miranda, Sidnei Miranda e Douglas de Melo Miranda, o estabelecimento tem atraído moradores de Jaú, da região e até de outros estados. DETALHES QUE CATIVAM A CLIENTELA Se, como mencionamos acima, a preocupação com qualidade e atendimento deve ser obrigação de estabelecimentos gastronômicos, no Mirante do Pouso estes itens são levados muito a sério. Produtos de primeira e frescos são prioridade na casa, afinal, uma boa refeição começa na escolha dos ingredientes e na elaboração do cardápio, que é ponto forte no restaurante. Os pratos servidos são muito elogiados pelo sabor e preparo caprichado, com destaque para a leitoa e o frango à passarinho, a picanha na chapa e a tilápia frita. Todos acompanhados de arroz com bacon, feijão, salada e a irresistível polenta frita.

O SABOR TEM SEUS SEGREDOS Na cozinha do Restaurante Mirante do Pouso, organização é a regra. Cada funcionário tem a sua função, cada coisa seu lugar, cada prato tem seu modo de preparo e tempero específicos. A leitoa e o frango são fritos em sete tachos, cada um em uma temperatura diferente, passando de uma mais fria até a mais elevada. Já a picanha é cortada em pedaços e feita na chapa, enquanto a tilápia é empanada e frita, servida com um delicioso molho. Imperdível a polenta frita, sequinha e crocante. Além destas opções, existem outras porções igualmente preparadas dentro dos mais altos critérios de qualidade como linguiça frita, panceta, batata com queijo e bacon, e a deliciosa mandioca de alho ou de carne seca, pratos que dão água na boca e são perfeitos para acompanhar o chope ou a cerveja bem gelados. ESTRUTURA E ATENDIMENTO ÍMPARES Os responsáveis pela casa estão sempre inovando nos detalhes e no ambiente. Um exemplo é a área infantil monitorada: no conforto de suas mesas os pais acompanham seus filhos nas brincadeiras, através de monitores estrategicamente instalados no salão. O ambiente é amplo, com área climatizada e um deck com vista para a vegetação nativa ao redor, para quem gosta de sentar ao ar livre. Os clientes são recebidos com cortesia e atendidos em todas as suas necessidades e preferências, o que faz com que sempre voltem. Imagine você que, a cada semana, são utilizados cerca de 250 kg de leitoa, 200 kg de frango, 100 kg de picanha e 100 kg de peixe! Nos finais de semana, passam pelo local aproximadamente 1.200 pessoas, sendo 50% desse total somente no domingo, dia de maior movimento. Aos domingos, o feijão e a salada são substituídos por uma deliciosa macarronada e maionese, e de terça a quinta-feira os clientes podem saborear um prato diferente no cardápio: um caprichado filé à parmegiana. E se você não quer perder seu jogo favorito, a casa faz transmissões dos jogos de futebol nacionais e internacionais nos finais de semana. QUEM CONHECE, APROVA Luiz Castelo Branco Uchoa, 58, químico, mora em Bariri e não abre mão de saborear as delícias do Mirante do Pouso. “O Mirante é um restaurante agradável, o atendimento do Ney e de toda sua equipe é excelente, então, frequentamos aqui o ano todo, semana sim, semana não. Um local muito agradável, que eu recomendo”. Osmar Hernandez, 49, que mora em Jaú, compartilha dessa opinião. “Com relação ao Mirante, eu e a minha família só temos a agradecer o atendimento daqui, a comida maravilhosa, mas o principal é a organização. Você pode chegar aqui cedo ou um pouco mais tarde que o atendimento vai ser igual, muito organizado e acima de tudo familiar. Só tenho a parabenizar os proprietários”. Rony Lacerda, também de Jaú, aprova. “Frequento o Mirante há uns dois anos. É um ambiente onde me sinto muito bem, sou muito bem tratado pelos funcionários, bem recebido pelo Ney, pela Érica, eu me sinto em casa aqui. Sem contar a comida que é muito boa”.

30 Revista Energia

Revista Energia 31


MOTIVOS NÃO FALTAM Na era dos fast foods, o consumidor atual está se conscientizando quanto à importância de uma alimentação saudável e equilibrada, assim, saborear uma refeição variada e completa, com ingredientes naturais, tem sido a opção número um. Além da comida caprichada e saborosa, preparada por cozinheiros que valorizam o famoso gostinho de casa, no Mirante você é recebido com sorrisos, atenção e respeito. Reúna a família, os amigos e não perca a oportunidade de conferir uma maravilhosa comida caseira, em ambiente tranquilo e acolhedor. 

O Restaurante Mirante do Pouso recebe excursões e reserva espaço para eventos como casamentos, festas de aniversário, confraternização de empresas e outras comemorações. Basta entrar em contato e fazer a reserva.

Tel: (14) 3623-1533 Facebook: MiranteDoPouso Rua Olindo Sorani, 150 - Pouso Alegre de Baixo - Jaú/SP

Texto Bárbara Milani

D

esde 2013, uma página no facebook retrata a história do bairro São Benedito, relembrada por moradores antigos e pessoas que nasceram e viveram momentos inesquecíveis ali. Aberta, a página recebe fotos e relatos de gerações de pessoas que viveram toda a vida no local. A antiga capela de São Benedito possuía uma arquitetura que remetia à década de 1920 e contemplava escadarias, arcos e vitrais. Informações extraoficiais relatam que o local também já foi chamado de Santo Antônio. A capela foi elevada em 19 de março de 1972 e o primeiro pároco foi o Padre Augusto Sani, responsável pelo local por muitos anos e onde realizou diversos casamentos. Depois, o padre Milton Vendrametto assumiu a igreja e atualmente o pároco Armando Bernardinelli Júnior está à frente da paróquia.

32 Revista Energia

O local onde se encontra a Igreja São Benedito já foi prédio da escola SESI 026, que atualmente localiza-se no Jardim Pedro Ometto. Moradores locais contam que a escola não tinha muros ou grades, mas nenhum aluno sequer atravessava a rua sozinho. O bairro São Benedito foi o pioneiro a receber o asfalto em Jaú, em agosto de 1957. Naquela época, toda a pavimentação da cidade era de paralelepípedo. Pelo fato de ser o primeiro bairro asfaltado na cidade, ali aconteciam as famosas corridas de lambretas, entre os anos de 1960 e 1970. José Walter Franco, 75, tem um salão de barbearia há 56 anos no bairro e conta que assistia as corridas. “Elas começavam em frente à Igreja São Benedito, subiam a Rua Tenente Lopes até a Avenida Zezinho Magalhães, que naquele tempo chamava-se Rua da Constituição, e depois desciam a Rua Edgar Ferraz até a igreja. As corridas eram muito bonitas”. Segundo o Sr José Walter, o bairro evoluiu muito. “Naquele tempo jogávamos bola na rua e hoje não podemos nem atravessar direito porque o fluxo de veículos é muito grande. O asfalto que chegou ao bairro também ajudou a melhorar o seu desenvolvimento”, conta. O bairro possui o mais antigo reservatório de água da cidade. Ali também havia um campinho de futebol, onde a molecada batia bola e se divertia, e pelas ruas do bairro, antes do carnaval, os moradores acompanhavam os ensaios da Escola de Samba “Faixa Branca”. Até o trem passava pelo local, recolhendo o café colhido na fazenda Maria Luiza, onde havia tulhas, barracão com máquina de beneficiar café e arroz, além do moinho de fazer fubá. Muitas fotos retratam a época em que os homens usavam paletó e chapéu, e nas horas de lazer costumavam se reunir para jogar bocha. O Sr José brinca que naquela época existia o bar do Joaquim e o bar do Alcindo. “Hoje o comércio aqui é grande... Tem farmácia, estabelecimento veterinário, lojas de roupas e outros cabeleireiros. Antigamente não tinha nada, só boteco”, finaliza.

Revista Energia 33


34 Revista Energia

Revista Energia 35


Medicina

Por Dra Bruna Pultrini Aquilante Pediatra, Alergista e Imunologista, formada pela Universidade de São Paulo (FMUSP) Título de Especialista em Pediatria pela SBP / Título de Especialista em Alergia e Imunologia pela ASBAI

As férias chegaram! Podemos viajar com as crianças? Saiba aproveitar os momentos de diversão com tranquilidade e segurança!

P

assear na praia, descansar no hotel fazenda ou visitar a vovó em outra cidade está nos planos de muitas famílias durante o período de férias. Para garantir uma viagem prazerosa, livre de intercorrências médicas, é fundamental estar atento aos cuidados necessários. As recomendações sobre segurança no transporte, uso de protetor solar e de repelentes variam de acordo com a idade da criança e uma conversa com o pediatra facilita a compreensão. Avaliação prévia sobre as condições de saúde, checagem do cartão de vacinas e orientações individualizadas devem fazer parte da consulta pediátrica antes da viagem. Sobre os principais tópicos, seguem dicas rápidas: Protetor solar: recomendado para crianças a partir dos 6 meses, com proteção 100% física até os 2 anos. Após essa idade podem ser utilizados protetores que misturam proteção física e química, basta checar as diferenças no rótulo. Para menores de 6 meses utilizar apenas roupas leves e chapéus. Existem roupas especiais com fator de proteção UV, capazes de evitar queimaduras. O sol deve ser evitado entre 10h e 16h para todas as crianças. As brincadeiras devem ocorrer em áreas de sombra e para evitar desidratação, líquidos devem ser oferecidos frequentemente. O filtro solar deve ser aplicado sobre pele seca, 20 minutos antes da exposição solar mesmo em dias nublados, e reaplicado a cada 2 horas ou após imersão na água. Formulações em creme são preferíveis. Não esquecer os lábios e orelhas. Repelente: não é permitido para menores de 6 meses. Nesta idade, roupas longas e mais grossas, além de telas e mosqueteiros garantem a proteção. Roupas escuras costumam atrair mais mosquitos. Após os 6 meses estão liberados os repelentes com o princípio ativo IR3535, e acima de 2 anos é permitido o uso de Icaridina e DEET, a depender da recomendação em rótulo. Nunca deixar a criança espalhar o produto no corpo para não contaminar olhos e boca. Durante o sono, são preferíveis barreiras físicas para evitar contato prolongado de agentes quí-

micos na pele da criança. Não aplicar próximo de boca, nariz e olhos, já que a maioria dos repelentes agem até 4 cm do local da aplicação. Sempre aplicar primeiro o protetor solar e após 20 minutos o repelente. O tempo de reaplicação varia conforme o fabricante. Os repelentes de tomada são úteis e devem ser colocados próximos de janelas e portas, no mínimo a 2 m do berço. Cuidado com os reservatórios que podem ser manipulados pela criança e acidentalmente ingeridos. Viagem de avião: permitida para qualquer idade, mas é importante lembrar que os bebês, que naturalmente possuem vacinação incompleta, devem evitar aglomerações pelo risco aumentado de infecções. Solicitar assentos na primeira fileira e dar preferência a assentos individuais, onde o bebê fica acomodado no bebê-conforto e afivelado ao cinto de segurança, como no automóvel. Embarcar antes dos demais passageiros, aproveitando o atendimento preferencial, facilita esta organização. Em crianças pequenas, a estrutura menos calibrosa dos ouvidos tende a colapsar, principalmente no pouso, e o estímulo à deglutição, através do seio materno ou mamadeira, melhora a sensação. Sedativos são contraindicados. Viagens aéreas podem não ser seguras para pacientes com anemia grave, doença cardíaca ou pulmonar pela menor oxigenação no interior da aeronave. Se for viajar de carro, não esquecer as recomendações da cadeirinha no banco de trás, seguindo a idade da criança. Maiores de 13 anos e com mais de 1,45 m já podem sentar no banco da frente. Algumas crianças são sensíveis ao movimento e podem apresentar enjoos ou vômitos durante deslocamento, condição conhecida como cinetose. Ingerir quase nenhum alimento antes da viagem, olhar sempre para frente e utilizar medicação preventiva podem evitar os sintomas. Cuidado ao oferecer alimentos diferentes ou suspeitos de má conservação pelo risco de diarreia. Seja qual for o tipo de passeio, todas as atividades infantis devem ser supervisionadas por adultos na intenção de prevenir acidentes. Boa viagem! 

Revista Energia 37


Segurança Por Edson Copi Diretor Geral da Ceintel Segurança Eletrônica

Feliz Ano Novo!

E

Esta é a frase mais ouvida e falada nesta época, afinal, vem aí um ano novinho em folha

sse é um momento muito especial, é época de reflexão, de renovação, de repensarmos tudo o que fizemos nesse ano e planejarmos o que iremos fazer no ano vem. Espero sinceramente que suas expectativas para o ano novo sejam as melhores, e que seus sonhos sejam o combustível para alcançar .seus objetivos. A chegada do final de ano é sinal que as tão esperadas férias estão por vir. Verão, praia, sombra e água fresca; mas também tem aqueles que preferem um local mais tranquilo, sem barulho e sem a agitação do litoral, enfim, as férias chegaram e agora é só viajar! Depende. Se sua casa, escritório ou empresa estiverem seguros, sim; se não estiverem, é bom pensar em protegê-los. Nessa época é muito comum ladrões se aproveitarem da ausência de seus donos para arrombarem residências e estabelecimentos comerciais. Segundo as estatísticas, o aumento dos roubos nessa época do ano é de 43%, quando a grande maioria das pessoas viaja com sua família; as empresas e indústrias param suas atividades para férias coletivas; faculdades e escolas encerram o ano letivo e só retornam no próximo ano, após o carnaval. Então, para que você possa curtir suas férias e ao mesmo tempo cuidar do seu patrimônio, o melhor a fazer é investir na segurança da sua residência ou empresa. Existem várias opções para se implantar uma boa segurança, mas eu destacaria duas muito simples, com ótimo custo/benefício e muito eficazes na proteção do seu patrimônio. Uma é o sistema de alarme com monitoramento 24 horas, e a outra é o sistema de câmeras de vigilância com gravação e visualização à distância, conhecido como CFTV (circuito fechado de tv). Os alarmes com monitoramento 24 horas são muito eficazes no combate ao roubo, especialmente em período de viagem, uma vez que ao disparar mediante invasão de pessoa não autorizada, envia um sinal eletrônico à central de monitoramento que, por sua vez, toma as medidas cabíveis. É importante salientar que sistemas de alarme eficazes são instalados por

empresas especializadas, e não é difícil nos depararmos com alarmes que disparam em falso frequentemente ou que não funcionam em casos de arrombamento, e isso poderá se tornar uma tremenda dor de cabeça, principalmente se você não estiver na cidade. As câmeras de vigilância também são ótima opção para quem vai viajar e deixar sua residência ou comércio sozinhos, pois além do fator inibidor, elas gravam imagens em alta resolução, armazenam essas imagens localmente em servidores à distância ou em nuvem, e também transmitem em tempo real tudo o que está acontecendo para o celular do proprietário. São vários os fabricantes de sistemas de CFTV e de aplicativos com essa funcionalidade. Vale lembrar que a instalação desse tipo de equipamento também deve ser feita por empresa especializada, pois instalar um sistema por conta própria ou por profissionais não especializados pode sair muito mais caro, além de não obter os resultados esperados. Dicas de segurança para quem vai viajar Informe os vizinhos de confiança sobre sua ausência, peça para que prestem atenção em barulhos estranhos e veículos desconhecidos estacionados em frente à sua garagem. Não deixe acumular jornais e revistas na porta da casa, peça para um vizinho recolher ou suspenda a entrega temporariamente. Não deixe objetos de valor na garagem, quintal ou varanda da casa, principalmente se seu portão ou grade forem vasados, isso é convite aos criminosos. Programe seu telefone fixo no modo ‘siga-me’, assim você poderá atender ao telefone da sua casa onde estiver. Desligue a campainha ou interfone temporariamente, para que marginais não tenham certeza sobre sua ausência. Seja discreto nas redes sociais, procure não chamar a atenção se estiver viajando, marginais também se aproveitam dessas informações para agir. Se você busca por produtos e serviços de segurança eletrônica com qualidade, entre em contato conosco, nós iremos até você e faremos um orçamento personalizado, de acordo com a sua necessidade e sem compromisso. Viaje tranquilo, e boas férias!

Revista Energia 39


Saúde e bem-estar Por Dr Edson Yukiharu Kawakita – CRF-SP 24288 acupuntura.mtc@yahoo.com Medicina tradicional chinesa, Fitoterapias, Estética avançada

Acupuntura nos esportes Há quase seis meses em Jaú, cidade muito acolhedora, deparei-me com uma grande quantidade de pessoas que praticam atividade física regular por prazer, em busca de qualidade de vida

C

omo o verão está chegando (na minha percepção já chegou faz tempo), o número de praticantes tende a aumentar, e proporcionalmente aumentam os casos de lesões esportivas. Nestas situações, a Medicina Tradicional Chinesa (MTC) e a Acupuntura são muito utilizadas por serem tratamentos rápidos e eficazes. Segundo a MTC, durante a prática de atividades físicas ocorre a circulação da energia Qi nos meridianos, que são canais de energia onde está localizada a maior parte dos pontos de acupuntura. Entretanto, se essa atividade for em excesso, o fluxo energético pode estagnar nas regiões onde a exigência física for maior. Neste caso, o fluxo energético não conseguiu se restabelecer após uma sobrecarga de energia em determinados músculos, tendões ou articulações, é uma desarmonia ocorrendo de dentro para fora. Estudos recentes mostram que a acupuntura trata eficazmente lesões esportivas como entorses no pescoço, ombro, cotovelo, quadril, dor no joelho e tornozelo, estiramento de músculos e canelites. Com a acupuntura é possível restabelecer o livre e harmônico fluxo energético nos meridianos, tratando desta forma não apenas a lesão, mas promovendo o equilíbrio entre o corpo e a mente, prevenindo futuras lesões. A atividade física é muito importante, mas vale lembrar que o seu excesso é tão perigoso quanto o sedentarismo, por isso é preciso ressaltar

40 Revista Energia

que uma alimentação balanceada e a instrução de um orientador físico são fundamentais para manter o organismo sempre saudável. O tratamento do paciente é individualizado, dependendo do seu desequilíbrio energético constitucional, emocional e físico. A realização de uma boa anamnese (entrevista feita pelo profissional com seu paciente) fornecerá informações para o terapeuta definir qual a melhor estratégia, combinações de pontos e técnicas que serão necessárias para obter os melhores resultados. Particularmente tenho utilizado com frequência a ventosa, acupuntura sistêmica e auricular, moxabustão, stipper, eletroacupuntura e, recentemente, Laser Frio de baixa intensidade com excelentes resultados. De forma geral, podemos afirmar que desequilíbrios energéticos agudos, considerados superficiais, respondem mais rapidamente ao tratamento e o inverso também é verdadeiro: os desequilíbrios energéticos crônicos, considerados internos, demoram mais tempo para se restabelecer. Portanto, recomenda-se que a procura por um acupunturista deve ocorrer o quanto antes e que a acupuntura seja considerada não como a última alternativa para seu tratamento, mas como uma terapia complementar aos tratamentos convencionais. Quem não conhece ou não teve experiências com a acupuntura precisa desmitificar essa maravilhosa e milenar técnica oriental que está a seu dispor.

Revista Energia 41


Consultoria Por Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves

consultoria@revistaenergiafm.com.br

Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves é administrador, contador, consultor, palestrante e professor universitário com MBA pela FGV – RJ em Gestão Estratégica de Pessoas; presidente  da AESC – Associação dos Escritórios e Profissionais da Contabilidade de Jaú e região - gestão 2004/2005; atualmente  diretor da AESC Jaú; proprietário do DinamCorp Corporação Empresarial e Contábil; proprietário da Prosol Unidade Jaú e consultor e orientador em desenvolvimento de softwares Prosol – São Carlos

Tenha uma sacada diferente, compartilhe informações Quando você tem informações sobre produtos e serviços, geralmente compartilha com os colegas de trabalho ou é daqueles que adora escondê-las, acreditando estar à frente dos demais, pois sabe mais que os outros?

M

uitas pessoas pensam: “Eu, compartilhar pra quê?”. Imagine a cena: você é vendedor da empresa É ISSO AÍ LTDA, o cliente entra para comprar, mas você está em horário de almoço; o mesmo é atendido por outra pessoa e pediu informação sobre um determinado produto ou serviço em que são especialistas, porém, a pessoa que atendeu não soube responder, dizendo que o produto não atendia às necessidades do cliente e orientando a procurar um concorrente. Quando retorna do almoço, seu colega comenta sobre o caso ocorrido e você percebe que as informações eram aquelas que você deixou de compartilhar com ele. Quem será que perdeu com isso? Talvez diga que foi ele, pois deixou de efetuar as vendas e não receberá as comissões que teria direito. E ainda pensa: “Bem feito, não gosto dele mesmo!!!”. Na verdade quem perdeu foi ele, você e a empresa onde trabalham. O cliente foi ao concorrente, inclusive indicado por sua empresa, e isso teve peso de ouro. O concorrente, ao ouvir da boca do seu cliente que vocês o indicaram, ficará muito feliz, pode ter certeza, mas não repassará os créditos por isso. O que as pessoas não entendem é que, ao trabalhar numa determinada organização, recebem nome e sobrenome dela, e carregam isso durante muitos anos em suas vidas, ou até mesmo pela vida inteira. Quando alguém é mal atendido no balcão da Loja Ficaesperto Ltda, todos os funcionários dela recebem a culpa, desde a faxineira até o mais alto esca-

lão. O cliente, numa conversa com outro colega, não irá dizer que foi João de Deus que o atendeu, mas dirá: “Aquela Loja Ficaesperto Ltda tem um bando de incompetentes, mal educados, atendem pessimamente, não respeitam os clientes”. E com certeza muita gente ficará sabendo disso, pois ele fará o possível que isso ocorra. Porém, quando alguém é bem atendido, a percepção do cliente é que todos que pertencem à Loja Parabénspragente Ltda são maravilhosos, entendem sobre os produtos que vendem e os serviços que prestam, e ao pensar num bom atendimento para indicar a um conhecido o primeiro nome que citará será da sua empresa. Aproveite as oportunidades em dividir com sua equipe conhecimentos, procure informações, estude, leia manuais de instruções dos produtos que representa e os coloque em prática. Conheça os serviços que prestam e os diferenciais que possuem em relação a outras empresas do mesmo segmento que o seu. Saiba como as coisas funcionam, como usar, para que servem, tempo de garantia, opções de substituições de peças, material que é composto, cores que existem, quais as vantagens que o cliente terá em adquiri-los, etc. Portanto, tenha uma sacada diferente, crie um ambiente de troca de informações e de aprendizado. Ao menos uma vez por semana faça com que todos participem de reuniões de apresentação de produtos e serviços, incentive-os, faça com que entendam que estão no mesmo barco e que se aproveitarem o tempo em que muitas vezes estão com os braços cruzados, todos sairão à frente, deixando os concorrentes para trás, e muito lá atrás. 

Revista Energia 43


Imagem: Internet

Tradição

São muitos os natais O natal é comemorado há muitos séculos, sempre marcado por tradições e ritos. Mas você pode se surpreender ao visitar os diferentes natais da família brasileira!

Texto Verônica Zenerato

44 Revista Energia

Revista Energia 45


“Os costumes podem variar dependendo do país ou região, mas a data 25 de dezembro é um consenso em quase todo o mundo”

O

Natal foi instituído há mais de mil e seiscentos anos como uma data simbólica do nascimento de Jesus Cristo. O dia 25 de dezembro coincide com festividades romanas de celebrações às suas divindades e práticas como dar presentes e grandes ceias têm origem nestes costumes. Com o passar dos anos, outras tradições foram acrescidas à data como, por exemplo, a do Papai Noel. Diferente do conhecido velhinho barbado de vestes vermelhas, o Papai Noel teve origem na história com o bispo Nicolau, que costumava dar presentes às crianças e ajudar financeiramente muitas famílias. Por suas benfeitorias foi santificado pela igreja como São Nicolau. Sua transformação em símbolo natalino aconteceu na Alemanha e conquistou outros países da Europa e da América. Nos Estados Unidos, a figura do velhinho bom e generoso ganhou força virou uma forte tradição. UMA FESTA PARA TODOS Montar um presépio, enfeitar a árvore ou presentear um amigo secreto são tradições que fizeram do Natal uma data marcante e memorável. Os costumes podem variar dependendo do país ou região, mas a data 25 de dezembro é um consenso em quase todo o mundo. Num momento em que tantas mudanças acontecem, novas tecnologias, novos conceitos de família, assim como também novos hábitos, questiona-se como a festividade do Natal consegue sobreviver a tantas mudanças na sociedade. O professor e filósofo Mario Sérgio Cortella explica que o Natal é uma festa familiar que toca muitas pessoas, que mesmo não tendo uma religião ou não sendo cristãs, acabam festejando. Claro que não vão tomá-la como uma festa religiosa, mas como uma festa de amorosidade e é por isso que a comemoram ano após ano.

46 Revista Energia

TODA REFEIÇÃO É UMA CEIA A maioria das famílias não dispensa o Papai Noel, nem a farta ceia ou os presentes debaixo da árvore, mas para muitas outras, essas tradições ficaram para trás. Na casa da Cacilda Almeida, por exemplo, nunca teve luzes ou pisca-pisca para enfeitar. Papai Noel e presentes são tradições desconhecidas nesta família que se diz cada vez mais unida, mesmo sem as antigas tradições de Natal. “Sempre ensinei a meus filhos sobre a importância da nossa união. Aqui, toda refeição é uma ceia e nos presenteamos quando dá vontade! (risos). Não precisamos de dia específico para isso”, explica a mãe. Imediatamente, todos os filhos balançam a cabeça concordando com a matriarca. Acontece que Cacilda e seus filhos são membros da religião Testemunhas de Jeová, eles discordam das antigas tradições natalinas, baseados em estudos da Bíblia. De acordo com a filha mais velha, Verônica, o feriado é bem aproveitado pela família como qualquer outro dia, e as tradições não fazem falta. CONVÍVIO E MEMÓRIAS Outra casa onde nem adianta pedir peru é na da Camila, que prefere não ser identificada. Nesta família, o Natal passa longe

das antigas tradições. Ele conta que após a perda da irmã caçula, comemorações em família parecem incompletas, então, eles optaram por uma ocasião sem rituais e frases feitas, apenas no convívio familiar que, segundo ela, é saudável, alegre e muito conectado, apesar de nunca apagar a memória da irmã. NOVA TRADIÇÃO Para a família Costa, o dinheiro para presentes é agora uma vaquinha para a viagem à praia. Ao invés de ceia de natal tradicional, a família preferiu uma fogueira à beira mar, e esta tem sido a nova tradição por dois anos seguidos. A mãe Adriana explica que eles sempre aproveitam essa época para ficar juntos em virtude do feriado. “O importante para nós é poder passar mais tempo com a família e amigos, pois durante o ano trabalhamos e temos poucas oportunidades de viajar”, frisa. “Eu acho muito legal. Tenho amigos que esperam o Natal para ganhar presentes, mas eu prefiro viajar com a minha família”, afirma o filho Henrique, 14 anos.

REPASSANDO TRADIÇÕES No lar da Priscila Moraes, o verdadeiro significado do Natal é celebrar o amor. Cada tradição antiga é respeitada. A família numerosa não deixa de se reunir e repassar as tradições às novas gerações. “Montamos a árvore em família e a menor criança coloca a estrela no topo da árvore. A troca de presentes, a ceia com todos os familiares, para nós as tradições são muito importantes”, defende Priscila. A diversidade de famílias e costumes impera em nossa sociedade. Em cada lar, uma história ou crenças diferentes. Tradicionais ou não, a importância da união e do amor entre as famílias é algo que não se discute.

DE ONDE VEIO O PANETONE? Segundo a lenda, esta tradicional comida natalina pode ter sido inventada por acaso. Aconteceu na corte de Ludovico, em 1494, em Milão, Itália. Um dos empregados da cozinha chamado Toni havia preparado uma massa com sobras de ingredientes, incluindo frutas secas, que pretendia levar para sua casa. Após a sobremesa principal ser queimada, os cozinheiros não tiveram outra opção e ofereceram a massa de Toni para servir à corte. A sobremesa foi tão apreciada que Ludovico resolveu chamá-la de “Pani de Toni”, dando origem ao nome. 

Revista Energia 47


48 Revista Energia

Revista Energia 49


50 Revista Energia

Revista Energia 51


52 Revista Energia

Revista Energia 53


54 Revista Energia

Revista Energia 55


56 Revista Energia

Revista Energia 57


58 Revista Energia

Revista Energia 59


Um toque de classe para sua piscina! Com diversas opções para áreas de lazer, Pedras Decorativas Carinhato oferece revestimento para parede, calçada, quintal e piscina. Tudo para deixar esse espaço mais bonito e seguro.

60 Revista Energia

Av. João Sanzovo, 849 – 5º Dist. Industrial (14) 3622 4542 / (14) 99615 4542 – www.pedrascarinhato.com.br Revista Energia 61


Vida Profissional Por Rachel Soares de Brito Gestora da Escola Profissionalizante CEBRAC Jaú

A vez dos tímidos

P

Mude a forma como você vê o mundo, mude a forma como você se vê e descubra qual o segredo dos introvertidos

elo menos um terço das pessoas que nós conhecemos são introvertidas, são aquelas que preferem escutar a falar, preferem ler a ir a festas, aquelas que inovam e criam, mas não gostam de autopromoção. Essas pessoas se beneficiam trabalhando sozinha mais do que trabalhando em grupo. Embora chamados de quietos, são aos introvertidos que devemos muitas das contribuições à sociedade. Muitas vezes os introvertidos são subvalorizados e de certa forma todos perdem com isso. Cria-se uma falsa ideia de que para ter sucesso nos dias atuais temos que ser extrovertidos, cria-se um ideal de extroversão associado ao sucesso. Aí vem o grande problema, as empresas forçam pessoas tímidas a serem extrovertidas, perdendo muito do potencial dessas pessoas, e até mesmo seu senso de liderança natural é negligenciado. As pessoas tímidas devem mudar o modo de se enxergar na sociedade e também a sociedade e empresas devem mudar o modo de enxergarem pessoas introvertidas e tirarem melhores proveitos de suas capacidades. A diferença entre extrovertidos e introvertidos é que os primeiros necessitam de mais interação social, e isso não significa que os introvertidos têm medo de socializar-se, apenas significa que eles necessitam menos. Mas, se tantas pessoas são introvertidas, por que não as vemos com tanta frequência no nosso dia a dia? Isso ocorre porque na maioria das vezes os introvertidos fingem serem o que não são. Isso mesmo, eles conseguem se disfarçar no meio da multidão e vivem uma jornada da qual não gostam, somente porque a sociedade gratifica quem é extrovertido e faz com que o comportamento introvertido pareça algo errado. Você já percebeu que os alunos mais introvertidos tiram as melhores no-

62 Revista Energia

tas na escola? Porém, os professores e nosso sistema escolar consideram como sendo melhores os alunos extrovertidos, considerando este o comportamento mais adequado. O objetivo deste artigo não é determinar qual é o comportamento ideal para uma pessoa, mas mostrar que podemos tirar melhor proveito de uma pessoa tímida ou de uma pessoa extrovertida com as qualidades individuais que cada uma delas tem. Na nossa sociedade ocidental, que é fundamentada na filosofia do capitalismo, do consumismo, a extroversão é muito valorizada, o que não é nada errado, porém, quando um introvertido tenta mudar seu comportamento para ser aceito nessa sociedade, muitas de suas qualidades são desperdiçadas. Então vem a dica: uma empresa deve identificar quais colaboradores são extrovertidos e quais têm o comportamento introvertido e não tratá-los da mesma forma. As empresas devem proporcionar espaços onde a pessoa introvertida possa desenvolver seu potencial criativo de uma forma mais isolada, e espaços onde possa haver troca de ideias com os extrovertidos, ou seja, saber gerenciar os introvertidos juntamente com os extrovertidos. Esse é o diferencial para uma empresa que busca o sucesso no mercado. 

“Podemos tirar melhor proveito de uma pessoa tímida ou de uma pessoa extrovertida, com as qualidades individuais que cada uma delas tem”

Revista Energia 63


club

Social

1

1

1 ano do Lorenzo

Bar do Português Tradição, qualidade e muito sabor para você ficar ainda mais

club

Social

2

perto dos amigos e aproveitar momentos de descontração, saboreando o melhor chope do Brasil. Confira quem curtiu um sábado incrível com música ao vivo e muitas delícias no cardápio variado.

O Mais Alegria Buffet abriu as portas do reino no último dia 11 de novembro para a linda festa de 1 ano do Lorenzo Bacchiega Missaci de Oliveira. O tema príncipe contou com atrações incríveis, a começar pela recepção dos convidados em grande estilo, feita pelo casal real, mago, baloeira, entre outros. Houve uma linda encenação da descoberta da gravidez, coroação do príncipe Lorenzo e retrospectiva deste primeiro ano de vida. Com decoração impecável, doces maravilhosos e convidados pra lá de especiais, os papais Luiz Fernando de Oliveira e Larissa Bacchiega Missaci de Oliveira esbanjaram felicidade!

2

3

1 - Karolini Bride, Larissa Soares e Fran Conceição 2 - Tamires Campos e Larissa Faria 3 - Lilian Carlos e Bruna Sábio 4 - Aline Souza, Larina Bargas e Juliana Vacarelli 5 - Ana Laura, Bruno Dalpino, Ana Carolina Forti e Leonardo Reginato 6 - Rodrigo Verati e Antônio Filho

3

7 - Silvia Bragion, Marcelo Barro, Gabriella Ramos, Marina Megna e Milene Teixeira

4

5 4 5

6 7

64 Revista Energia

6

1 - Luiz Fernando de Oliveira, Lorenzo Bacchiega Missaci de Oliveira e Larissa Bacchiega Missaci de Oliveira 2 - Valdete Bacchiega Brocca, Alessio Bacchiega, Larissa Bacchiega Missaci de Oliveira, Lorenzo Bacchiega Missaci de Oliveira, Rita Bacchiega Gonçalves e Luiz Fernando de Oliveira 3 - Leonardo Missaci Schreiner, Fernanda Missaci Schreiner, Larissa Bacchiega Missaci de Oliveira, Jose Carlos Missaci, Lorenzo Bacchiega Missaci de Oliveira, Luiz Fernando de Oliveira e Gustavo Missaci Schreiner 4 - Luiz Fernando de Oliveira, Lucia Meronha de Oliveira, Lorenzo Bacchiega Missaci de Oliveira, Larissa Bacchiega Missaci de Oliveira e Valdecir A. de Oliveira 5 - Lorenzo Bacchiega Missaci de Oliveira e o Casal Real 6 - Luiz Fernando de Oliveira, Carlos Camargo, Lorenzo Bacchiega Missaci de Oliveira, Edinete Castelani e Larissa Bacchiega Missaci de Oliveira

Revista Energia 65


1

Fotos: Arquivo pessoal

club

Social

club

Social

Esmalteria Donna Florinda Nail Bar

Comfort House Com produtos exclusivos para seu relaxamento ser completo, a Comfort House inaugurou no dia 21 de outubro a loja que vai revolucionar e deixar seus momentos de repouso ainda melhores. São camas, colchões e sofás incríveis que oferecem toda qualidade que você merece. Comfort House, um novo conceito para seu descanso! Confira os produtos e facilidades de pagamento na Rua Lourenço Prado, 825. Telefone: 3032 8788

Um concorridíssimo coquetel que aconteceu no dia 5 de outubro marcou a inauguração da Esmalteria Donna Florinda em Jaú. A Esmalteria vem com a proposta de oferecer serviços de manicure e pedicure com praticidade e qualidade, além de maquiagem, escovação de cabelo e mais: um espaço incrível com drinks e muita alegria! O evento contou com apresentação profissional da equipe Donna Florinda, Flash Day Tattoo com Fabrício Colodiano, música ao vivo com Manu Saggioro, acessórios femininos BIBA e Móveis Caçambaria. Esmalteria Donna Florinda: um novo espaço para chamar de nosso! 1 - Esmalteria Donna Florinda Nail Bar 2 - Tamiris Adorna, Juliana Castro, Clarice Paulucci, Camila Castro e Reynaldo Bortotto 3 - Edna Sabag e Karina Sabag 4 - Malu Gregori 5 - Edinete Castelani, Gabi Mussi, Karina Sabag, Bete de Bastiani e Sara de Bastiani 6 - Tamiris Adorna e Karina Sabag 7 - Megue Colletti e Fabrício Colodiano(tatuador) 8 - Milene Perez e Juliana Gregio 9 - Milena Parise, Karina Sabag e Dagmar Parise

4

7

66 Revista Energia

1

2

3

5

6

8

9

Revista Energia 67


1

HVA

Fotos: Imagem.com

club

Social

club

Social

Jaú Shopping

O Caiçara Clube de Jaú recebeu a edição 2017 do Oktoboifest. O evento, em prol da creche Jardim das Acácias,

A Chegada do Papai Noel no Jaú Shopping foi emocionante! Às 20h do dia 07/11, ele chegou de paraquedas junto com as estrelas cadentes encantando adultos e crianças. A abertura ficou por conta dos palhaços Dona Pena e Jose Eva e do Minion Bob. O Papai Noel e a Mamãe Noel ficarão na praça de eventos para receber as cartinhas e tirar muitas fotos.

foi realizado no dia 7 de outubro e o HVA novamente marcou presença em mais esta edição, que foi o maior sucesso. 1 - Patricia Prado, Dr Giovani Fernando Araujo e Luca Prado 2 - Equipe atuante e unida 3 - Renato de Mello, Dr Giovani Fernando Araujo, Luiz Monteiro, Patricia Prado e Evandro Fernandes 4 - Muitas pessoas fizeram a diferença

1

2

1 - Yasmim Ullrich 2 - Gabriel Milani 3 - Lucas e Lorenza Granai 4 - Gabriel e Júlia Borsoli 5 - Júlio Cesar, Luís Gabriel e Ana Julia 6 - Pedro Neris Silveira e Melissa de Souza 7 - Ana Luiza Godoy Mantovani 8 - Liz Korkes 9 - Ana Lívia Pintanelli 10 - Rafaela e Ana Beatriz Canollas 11 - Maria Eduarda Rodrigues

2

5 - Colaboradores esbanjaram alegria 6 - Guilherme Abranches Loureiro, Adriana Meireles Name Loureiro, Rosemeire Name e Dr Miguel Name 7 - Vista geral do evento

3

3

4

5

6

7

8

9

10

11

4

5

7

6

68 Revista Energia

Revista Energia 69


club

club

Social

Fotos: Airton Pinto

Social

A. A. Palmeiras

Gaby Biju

Sucesso absoluto de público, o Baile do Hawaii 2017 da Associação Atlética Palmeiras aconteceu no dia 18 de novembro. Com animação da Banda Studio Um, o evento contou com decoração típica, mesa de frutas, muita água de coco e salada de frutas.

A reinauguração da Gaby Biju, que aconteceu no dia 07 de outubro, teve café da manhã e coquetel para recepcionar amigos e clientes que foram conferir de perto a linda loja, bem mais ampla e iluminada, repleta de peças maravilhosas da nova coleção primavera-verão que traz tecidos leves, estampas incríveis e preços inacreditáveis.

Diretoria

Foto Arquivo pessoal

Conselho Deliberativo

Designer Jhonny Cardoso

70 Revista Energia

Revista Energia 71


club

Social

Magistral Pharma Com um elegante coquetel realizado no dia 09 de novembro, a Magistral Pharma recebeu amigos e convidados para a inauguração de sua nova casa, na Rua Rangel Pestana 124. Na ocasião, os presentes tiveram a oportunidade de conhecer a magnífica estrutura da empresa, que faz jus ao selo ISO de qualidade.

72 Revista Energia

Foto: Rogério Castelo Fotografia


club

club

Social

Fotos: Tiago Garcia Fotografias

Social

Abuby Kids

Mori Motors

Fotos: Barra Bonita Info

Em outubro, a Abuby Kids encantou a população de Barra Bonita (06/10) e Jaú (07/10) com o Desfile 2017 Abuby Kids e Teen. Com a presença da agência 3 Marias Casting e da gatíssima Bia Jordão, a Júlia da novela Cúmplices de um Resgate, os eventos proporcionaram momentos de muita diversão e interação com as famílias dos pequenos, além de expor a lindíssima coleção de roupas, calçados e acessórios. A Equipe Abuby Kids agradece aqueles que prestigiaram os eventos e aproveita para desejar a todas as famílias, clientes e amigos um abençoado Natal e um Ano Novo repleto de paz e realizações.

A concessionária Toyota em Jaú marcou presença nos principais acontecimentos da cidade, como na edição 2017 do Oktoboifest, no Caiçara Clube de Jaú, com o tradicional boi no rolete, comida típica, chope e animação da banda Fly By Night. A Mori Motors também participou do jantar da Associação Paulista de Medicina para celebrar o Dia do Médico e a posse da nova diretoria, na Algodoeira Eventos. E no dia 11 de novembro, a empresa ofereceu um delicioso café da manhã para amigos e convidados, marcando o lançamento da nova Hilux 2018.

Foto: Arquivo pessoal

Patrocinadores Barra Bonita

74 Revista Energia

Revista Energia 75


Imagem: Internet

Para

Terapia

não sentir dor O corpo físico é um reflexo de nossas emoções, crenças e pensamentos. Sempre que algo não vai bem, nosso corpo encontra um meio de sinalizar que há algum problema

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

76 Revista Energia

Revista Energia 77


M

uito provavelmente você conhece alguém que foi ao médico e ouviu dele que a sua doença era de fundo emocional. E pode ser que você mesmo já tenha vivido esta situação. Hoje, através de estudos e pesquisas científicas, sabemos que uma série de problemas físicos ocorre quando não conseguimos lidar bem com nossas emoções e sentimentos. Essas doenças são chamadas psicossomáticas, palavra que vem do grego (psico = alma e soma = corpo). Acontece que muitas vezes estes problemas são deixados de lado, quando não encontramos uma causa orgânica para eles. CHECK UP DA SAÚDE PSICOLÓGICA Assim como vamos costumeiramente ao médico realizar exames e checar se está tudo bem com nossa saúde física, cuidar do emocional deveria ser um hábito. Sentimentos pelos quais todos nós passamos ao longo de nossas vidas como tristeza, ansiedade, rejeição, raiva e outros, podem desencadear sérios problemas que refletirão certamente em nosso corpo. E muitas vezes vamos ao médico, ele prescreve um remédio para a dor, ou para relaxar, ou ainda para dormir melhor, mas o problema continua ali, os sintomas voltam e o tratamento parece não ter fim. DORES EMOCIONAIS Uma das maiores referências quando falamos em dores de fundo emocional é Louise Hay, palestrante e professora de metafísica, que iniciou sua carreira como ministra da Ciência da Mente, em 1981, e já escreveu diversos livros sobre o assunto. Suas obras já foram traduzidas para mais de 25 idiomas e algumas delas estiveram na lista dos mais vendidos do The New York Times, como é o caso do best seller “Você pode curar a sua vida”. Louise defende em seus livros que a maioria das enfermidades físicas geralmente são psicossomáticas. Ao começar a divulgar suas ideias foi diagnosticada com câncer e decidiu não realizar cirurgia e tratamentos com drogas, mas desenvolveu um intensivo programa de afirmações, visualizações, reequilíbrio nutricional e psicoterapia. Em seis meses estava completamente curada. ATENÇÃO ÀS SUAS DORES Para Louise Hay, de um simples resfriado a um câncer, doenças são manifestações do inconsciente e é fundamental dar mais atenção às suas emoções e sentimentos. Como a dor é um dos sentimentos mais comuns que experimentamos, é importante saber que ela tem três formas de se manifestar: pela energia, percepção e manifestação física. Segundo a Dra Camila Destro, terapeuta na empresa Flor de Lótus Espaço Terapêutico, fisioterapeuta, instrutora de Yoga e pós-graduada, algumas dores podem facilmente ser relacionadas a emoções e outros problemas. Alguns exemplos mais comuns: Alergias: costumam aparecer em pessoas nervosas e irritadas com outras pessoas; Doenças respiratórias: comum em pessoas que gostam de fazer tudo ao mesmo tempo; Artrite: está associada à mania de perfeição, aparece em pessoas muito críticas; Problemas na coluna: geralmente aparecem em pessoas que costumam fazer tudo sozinhas; Problemas dentários: comum em pessoas que se responsabilizam pelos familiares; 78 Revista Energia

Problemas digestivos: dificuldade de assumir novas experiências; Doenças do fígado: surgem em pessoas que acumulam raiva e rancor; Problemas na garganta: associados ao medo das mudanças, às frustrações; Gastrite: comum naqueles que são introvertidas, que guardam seus problemas para si; Problemas no joelho: inflexibilidade, medo de mudanças; Obesidade: insegurança; Problemas nas pernas: medo de enfrentar as coisas novas do dia a dia; Doenças nos pés: dificuldade em compreender-se; A SOLUÇÃO ESTÁ NAS SUAS MÃOS Se você se identificou com algum dos problemas citados, ou se tem outro e não descobre de onde vem, saiba que a melhor forma de tratar uma dor emocional é procurando alguém que entenda como descobrir as causas e ajude você a lidar com elas. Segundo a Dra Camila, é preciso identificar o que a dor está sinalizando para, assim, mudar os comportamentos e encontrar a cura para o problema. “A cura está dentro de você e pode ser alcançada por meio da compreensão de sua história de vida”, afirma. “Cada tipo de dor pode estar relacionado a um estado emocional específico. Todas as situações que vivemos ao longo de nossa existência ficam registradas em nosso corpo e quando apresentamos algum estresse emocional nosso físico reage”, explica a terapeuta. Algumas terapias têm se mostrado bastante eficazes no tratamento de inúmeras dores, e têm melhorado a qualidade de vida de muita gente. CONSTELAÇÃO FAMILIAR SISTÊMICA Desenvolvida pelo terapeuta alemão Bert Hellinger, a Constelação Sistêmica é uma ferramenta que nos permite lançar um novo olhar sobre a forma como estamos vivendo e trazer dinâmicas ocultas que atuam em nossa vida para a consciência. Com este novo ponto de vista, adquirimos força para seguir o caminho da cura. Situações onde se aplica: traumas, depressão e ansiedade, relacionamento com filhos, situações profissionais, complicações no casamento, etc. “A Constelação Sistêmica pode trazer luz a muitas questões, desfazendo nós inconscientemente criados”, ressalta a profissional. Como afirma Bert Hellinger: “Aquele que não conhece a própria história tende a repeti-la”.

BARRAS DE ACCESS As Barras de Access são constituídas por 32 pontos que correm nos dois lados da cabeça onde estão armazenados todos os pensamentos, ideias, crenças, emoções e atitudes que servem de memória de referência para serem ativados e repetidos ao longo da vida. Uma vez ativados através de toques suaves, permitem que comecemos a nos desfazer de tudo o que está nos limitando, bloqueando e atrasando a nossa vida. O processo permite ao corpo aprender a receber de novo, sem a influência dos ditames culturais, religiosos, morais, sociais, familiares, etc. Qualquer pessoa, em qualquer idade, pode beneficiar-se dos efeitos libertadores das Barras de Access e quanto mais ativarem essas Barras, mais mudanças e mais equilíbrio trarão para suas vidas. Os benefícios imediatos mais comuns são melhora da clareza, disposição e concentração mental e da capacidade de resolver problemas; redução da ansiedade, depressão, problemas de sono; satisfação e motivação diante da vida; relaxamento; mais energia, disposição e ânimo; eliminação de padrões de comportamento negativo; recuperação rápida de cirurgias com menos dores; redução de conflitos internos e externos; fortalecimento do sistema imunológico; redução de tensões físicas e mentais; alívio de traumas e stress; paz interior. A ÚNICA COISA QUE CAÍ DO CÉU É CHUVA Eliane Martinho Rampazo 39, empresária, compartilha sua experiência. “Hoje acredito que todas as doenças são de fundo emocional. Aprendemos em nossa família de origem que adoecer é uma forma de se sentir amado ou aceito, e isso é tão forte em cada um que quando nos damos conta da gravidade já estamos quase mortos vivos... Eu já passei por isso e ainda passo. Tenho uma dor lombar que minha mãe também teve a vida toda, só estou seguindo o padrão e se eu não me cuidar emocionalmente, minhas filhas também terão. Conheci a Camila, hoje minha terapeuta, fazendo yoga no Caiçara, onde ela é professora. Eu estava desanimada, sem qualidade de vida nenhuma, e comecei meu tratamento. O profissionalismo da Camila é nota mil, ela nos ensina a entrar em contato com a dor e nos amarmos de forma sutil, é reconfortante voltamos a olhar para nós mesmos e nos amarmos. Aprendi que acima da aparência existe uma alma que grita por socorro. Os resultados foram muitos e descobri que se eu mudar,

todos ao meu redor também mudam. Meu casamento, o relacionamento com minhas filhas, tudo mudou para melhor. Indico para todos que desejam uma mudança de vida e, consequentemente, a cura de muitas doenças. Temos que sair da nossa zona de conforto e buscar ajuda, porque a única coisa que caí do céu é chuva”.

“Todas as situações que vivemos ao longo de nossa existência ficam registradas em nosso corpo” MAIS LEVE, MAIS FELIZ Ligia Cristovam Lera, 26, teve uma experiência semelhante. “Também acredito que todas as doenças são de fundo emocional, é o nosso corpo gritando por ajuda. No meu caso, foi na forma de psoríases. Meu corpo só estava pedindo para mudar aquilo que eu estava fazendo de errado, que me prejudicava tanto e eu não enxergava. Tudo começou quando fiz parte de um grupo de Constelação Familiar com a Camila. Eu já fazia yoga com ela no Caiçara, mas não conhecia a clínica. Desde então vou lá toda semana para sessões de Barras de Access. É incrível, com essa terapia não precisei mais ir ao médico, nem tomar medicamentos como corticoides que, no meu caso, prejudicavam minha saúde. Essa terapia vai além, limpa todas as nossas crenças e limitações que nos impedem de levar uma vida plena, reprogramando com coisas boas e leves. Eu me sinto mais leve, feliz e aprendi a aceitar tudo de uma maneira muito mais fácil. Acredito que todos deveriam passar por essa experiência. Indico àqueles que buscam melhorar sua vida”. AS FERIDAS DA ALMA DOEM MAIS QUE AS DA PELE Marina Chamariconi Turetta, 25, fashionista e proprietária da Nina Blush e do canal no YouTube Doses de Palavras, passou por sérios problemas. “Tive a primeira crise de depressão aos 15 anos e sérios problemas na minha saúde física e mental. Aos 17 anos, após uma forte crise e um diagnóstico errado, tomei um remédio muito forte que me fez Revista Energia 79


atingir 140 quilos. Passei os três anos da faculdade de moda com crises enormes de sono, pois o remédio dopava muito. Consegui emagrecer 70 quilos, no entanto, isso tudo afetou muito meu psicológico e minha autoestima. Eu me cobrava muito, já que trabalho com moda e a imagem pessoal é uma das primeiras coisas vistas neste campo. Com a indicação de uma amiga da minha mãe conheci a Terapia Barras de Access. Hoje sou a Marina que gostaria sempre de ser, valorizo meus talentos, minha carreira começou a fluir, comecei a acreditar mais em mim. Em meu canal “Doses de Palavras” conto minha história abertamente, mostrando às pessoas o quanto somos especiais na forma de ser, cada um do seu jeito único. A terapia e a Camila foram fundamentais nesse processo, assim como minha família e amigos que sempre me ajudaram de alguma forma. Algumas pessoas perdem a vida toda tentando se descobrir, mas no momento em que você acredita mais em si, começa a fazer as coisas que gosta, sua saúde física e mental melhoram. Tudo leva um tempo, não podemos desistir. É importante acreditar, deixar os falatórios de lado e procurar o melhor para nós. Muitas vezes as feridas da alma doem mais que as da pele, então, é preciso cuidar da nossa saúde mental. A mídia passa que devemos ter o corpo perfeito, mas não existe certo ou errado, corpo perfeito é aquele que te faz viver bem, porém, é necessário querer mudar”.

80 Revista Energia

SEJA FELIZ A esta altura do texto, você deve estar enumerando problemas que gostaria de ver resolvidos, mas entenda que não existe mágica. Toda e qualquer terapia só funciona a partir do seu real interesse e comprometimento. A mágica está em tomar a atitude de buscar ajuda, lembrando sempre que o equilíbrio é a chave para tudo. 

Revista Energia 81


82 Revista Energia

Revista Energia 83


Educação

Por Maria Ceci Toffano Educadora, Psicóloga, Diretora do Colégio NIE, MBA em Gestão Escolar e em Gestão de Pessoas, pós-graduada em Psicologia da Educação

A educação infantil: uma fase de crescimento e descobertas A criança é feita de cem. A criança tem cem mãos cem pensamentos cem modos de pensar de jogar e de falar. Cem, sempre cem modos de escutar de maravilhar e de amar. Cem alegrias (...) (As Cem Linguagens da Criança, Loris Malaguzi)

O

s pais têm buscado cada vez mais escolas de Educação Infantil que incentivem a autonomia, a criatividade, que desenvolvam o senso crítico, a responsabilidade pelo nosso planeta. Os jogos e brincadeiras ocupam um papel especial nesse processo, pois estimulam o raciocínio e oferecem desafios às crianças. As brincadeiras de faz de conta são essenciais para o desenvolvimento da criatividade e da aprendizagem dos papéis sociais que desenvolverão na idade adulta. Nessa etapa de vida, a arte se apresenta como uma forma de expressão muito especial, permitindo experimentar diferentes formas de se conhecer, entrar em contato com suas emoções, representá-las e se apropriar da nossa cultura. Na Educação Infantil, a criança terá a oportunidade de ampliar o seu convívio social, entrando em contato com um tipo de grupo secundário.

84 Revista Energia

Nesse espaço coletivo de convívio, ela terá oportunidade de vivenciar situações lúdicas: ouvir histórias sentada em um tapete colorido, brincar de casinha, de mercado, entrar em contato com a natureza plantando e regando, testando os seus sentidos nas receitas de bolo feitas com o seu grupo, tocando, cheirando, comendo e compartilhando com seus colegas. Todos nós nos lembramos do pátio da escola onde estudamos, pois esse local é tão significativo quanto a sala de aula: é lá que acontecem descobertas, brincadeiras de esconde-esconde e pega-pega e outros jogos muito divertidos. Nesse período, o desenvolvimento da língua acontece de forma impressionante: depois de alguns meses de ingresso na escola, as crianças ampliam significativamente o seu vocabulário, pois, para se comunicar com seus pares e professores, necessitam aperfeiçoar a sua forma de se expressar. O afeto e carinho dos cuidadores e professores nessa comunicação verbal serão o estimulo para se comunicarem cada vez mais! Nessa fase, a aprendizagem de um segundo idioma também acontece de forma natural. Acredito que todos concordam que o ingresso cedo na escola é pré-requisito para um desenvolvimento social, afetivo e cognitivo do ser humano. Afinal, as crianças não possuem tantos espaços de convívios sociais como tínhamos quando éramos crianças; então, a escola se tornou um espaço de socialização para aprender a dividir, a observar o outro, a respeitar, a desenvolver vínculos afetivos que, muitas vezes, permanecerão para a vida toda. A Educação Infantil – 0 a 6 anos – é tão importante quanto a faculdade, pois será nessas primeiras experiências que a criança será apresentada para o mundo, que irá desenvolver a sua curiosidade e gostar ou não de aprender. O ingresso nesse mundo maravilhoso, rico em experiências sensoriais, afetivas e cognitivas será a base para uma vida equilibrada, feliz e saudável. 

Revista Energia 85


86 Revista Energia

Revista Energia 87


Educação Financeira Por André Santos Graduado em Administração Financeira, Pós Graduado em Gestão Empresarial pela FGV, Especialista em Investimentos pela ANBIMA, Consultor e Educador Financeiro, sócio fundador da VICTA Educação Financeira, Associado à ABEFIN, Associação Brasileira de Educadores Financeiros. Blog : Lições de Valor

Você tem esse hábito? Quando se pensa em educação financeira, em primeiro lugar devemos esquecer conceitos complexos, deixar de lado planilhas e cálculos intermináveis que por muito tempo acompanharam este tema

A

educação financeira através da abordagem comportamental tem o objetivo de mudar a maneira com que se lida com o dinheiro para conquistar os caminhos da independência financeira e da realização de nossos objetivos. A educação financeira proporciona o consumo consciente e a oportunidade de poupar com finalidades preestabelecidas, com isso, reconstruímos a ideia de que devemos adequar nossos objetivos ao que ganhamos, revertendo para adaptarmos o que ganhamos aos nossos objetivos. Saber qual é o melhor investimento, quais proporcionam maiores rentabilidades com maior segurança é importante, mas antes de se chegar neste ponto é imprescindível poupar e depois investir. É preciso definir quais são os sonhos e desejos individuais e da família, e priorizá-los antes de sair gastando. Quem investe somente pelo desejo de aplicar é quase certo que este recurso investido em um determinado momento será gasto sem qualquer critério. Já quem possui um propósito tem a segurança de realizar os verdadeiros objetivos.

Resumidamente, educação financeira é um tema comportamental sobre como utilizar o dinheiro que entra e o dinheiro que sai. Planilhas e cálculos matemáticos são importantes para administrar o dinheiro, porém, é mais importante entender que apenas estas ferramentas não mudam o comportamento de uma pessoa, é necessário focar na mudança de hábitos e costumes sobre o dinheiro, substituindo-os por novas atitudes mais saudáveis e sustentáveis para alcançar a autonomia financeira. Uma administração financeira eficiente é capaz de proporcionar estabilidade nos relacionamentos, melhorar a qualidade de vida e, especialmente, a realização de nossos objetivos. 

“Quem investe somente pelo desejo de aplicar é quase certo que este recurso investido em um determinado momento será gasto sem qualquer critério”

www.victainvest.com.br (11) 94882 0582 / (14) 99134 7701

Rua Lourenço Prado 218 - Centro Empresarial 14° andar - Sala 144 88 Revista Energia


Look de artista

Fotos: Daniel Jorjin Modelos: Daniela Schimidt e Lucas Vicentin Looks: Vestylle Megastore Produção: Jorgin Cabelo e Estética Local: Hotel Vila Real - 3602.6300 Av. Benedito Ferraz Almeida Prado, 651 - Jaú/SP

Revista Energia 91


Tel: 14 3622 8364 92 RevistaOzanan Energia770 - JaĂş/SP Av. Frederico

Whats: (14) 99787.8100 www.kekaacessorios.com.br Instagram: kekaacessorios Facebook: kekaacessoriosefolheados Rua Aristides Lobo Sobrinho, 128 - JaĂş/SP

Revista Energia 93


Por Evelin Sanches Mestrado em Administração Pública e Governo MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Corrida une saúde, solidariedade e lazer

H

á algum tempo as corridas de rua deixaram de ser eventos apenas esportivos e se transformaram em grandes ações que envolvem hábitos de vida saudável, ajuda humanitária e momentos de prazer. E vem aí mais um grande evento em Bauru, com corrida e um mega show, em prol da Creche Monteiro Lobato.  Sábado, dia 24 de fevereiro de 2018, no Aeroclube Rock Night Run, corrida e show com uma das maiores bandas do cenário nacional: IRA! A banda paulista fará sua apresentação logo após as corridas de 3 km, 6 km e 12 km. Abertura do evento com a banda bauruense Dr. Whey, fazendo um verdadeiro tributo ao rock nacional.

Food trucks e expositores completam o evento esportivo inédito, onde os atletas correrão na própria pista de voo das aeronaves em mais uma ação de fundo social. Venha correr, cantar, curtir o som e colabore com uma grande causa. Informações: (14) 9 9645 0776 E mail: projetoalvorun@alvorun.com.br Inscrições: www.alvorun.com.br

www.alvorun.com.br

94 Revista Energia

valadao@showtime19.net

Revista Energia 95


96 Revista Energia

Revista Energia 97


98 Revista Energia

Revista Energia 99


Saúde Bucal Por Dr Celso Ap.Catalan CRO-SP 35.913 Cirurgião Dentista Especialização em Prótese e Implantodontia

Protocolo sobre implantes, segurança e qualidade de vida

O

O protocolo sobre implantes é a solução mais segura para pacientes edêntulos totais procedimento é complexo, mas muito compensador

prótese de protocolo, entretanto, para não comprometer o sucesso do

e tem alta durabilidade, podendo resistir por muitos

procedimento o paciente deverá estar com a saúde em dia. A prótese é composta de estrutura metálica, nela estão os encaixes

anos. Inicialmente é feito o implante de pinos de titâ-

onde irão adentrar os implantes de titânio, o que garante maior fixação.

nio para substituir a raiz dos dentes perdidos. Se o

Sobre essa estrutura metálica é confeccionada uma gengiva artificial,

paciente teve muita perda óssea em decorrência do

que tem a finalidade de garantir o complemento estético de forma a se

contínuo processo de reabsorção, o primeiro procedimento será o en-

obter o resultado mais natural possível.

xerto para reposição da arcada. Feito isso, o dentista fixa o protocolo

Esse tipo de prótese pode ser implantada tanto na mandíbula (par-

ou prótese nos implantes já cicatrizados. Dependendo de condições

te inferior) como na maxila (parte superior), proporcionando um sorriso

específicas, e lembrando que cada paciente tem suas peculiaridades,

bonito e simétrico, oferecendo satisfação ao paciente, devolvendo sua

o protocolo pode ser instalado imediatamente, é o processo chamado

função mastigatória e sua qualidade de vida. 

de carga imediata. Os moldes são confeccionados considerando uma série de testes, para que seu resultado final seja altamente satisfatório e que possam devolver de forma permanente a função mastigatória do paciente. A prótese sobre implante fixa na mandíbula foi pioneira na modalidade de tratamentos na era do implante ósseointegrado e o sucesso nos resultados dos protocolos sobre implantes fizeram com que as pesquisas avançassem para equipar a reabilitação de pacientes edêntulos totais, tanto que hoje é responsável pela recuperação de 85% da capacidade das funções mastigatórias, melhorando a qualidade de vida dos chamados inválidos orais. Todo planejamento é feito pelo dentista, que irá avaliará e definir os locais mais indicados para colocar os pinos que darão sustentação à

Claudia Ianeli Baroni Ragazzi

odontologia CROSP 52443

Preparada para atender você e sua família oferecendo diagnóstico especializado e estrutura completa, com a mais avançada tecnologia

CRO . SP 52 . 443

100 Revista Energia

Fone: (14) 3622.7068 - Rua Capitão José Ribeiro, 112 - Jaú/SP

Revista Energia 101


Foto: Arquivo pessoal

Direito Por Dra Rogéria Coimbra Vicente Advogada especialista em Direito de Família e Sucessões

Igualdade parental A igualdade parental é uma forma de respeito e revolucionará a sociedade

A

constituição de 88 trouxe a proibição de qualquer tipo de discriminação entre pessoas, restando certo que homens e mulheres são iguais perante a lei em direitos e obrigações. Disto nasce, no Direito de Família, a igualdade conjugal e parental. Baseado nisso, a mulher que antes era subjugada passou .a ter voz, chegando a patamares mais elevados no âmbito jurídico, STF, bem como no legislativo, na Presidência da República. Não tem para ninguém, nós somos o máximo, não é? Mas, como as coisas não são mágicas e ainda temos uma luta internalizada, não conseguimos tomar posse do nosso direito de igualdade, aglutinamos funções que são do outro e nos tornamos cada dia mais sobrecarregadas. Continuamos ainda a buscar o tal empoderamento da mulher quando, na verdade, isso já nos foi outorgado pela Constituição, só nos resta tomar posse dele. Acontece que ainda mantemos uma postura retrógrada com as mesmas retóricas ao deixamos escapar muitas vezes perguntas como: “seu marido ajuda você em casa?”, quando sabemos que marido não ajuda, ele limpa porque também mora lá e porque o filho é dele também. Chego a pensar que gostamos deste tratamento que deferimos aos maridos, cuidando deles como se fossem um de nossos filhos indefesos; batemos no peito ao dizer o quanto eles são incapazes; cuidamos de tudo e ainda carregamos a culpa por não estarmos fazendo melhor. Como somos o máximo, não é? Questiona-se onde colocamos a igualdade parental, e o que dizer do empoderamento feminino, afinal. Acho que da forma como colocamos os carros nos trilhos, ele vai demorar a chegar e isso depende de nós, mulheres. Já é hora de olharmos o marido realmente como parceiro na criação conjunta e igualitária dos filhos, e não como coadjuvante. Aliás, os filhos não são propriedade exclusiva nossa. Essa relação deve ser revista,

102 Revista Energia

Informe Publicitário

caso contrário, continuaremos estagnadas socialmente, não atingiremos a igualdade que nos liberta e nos faz crescer, bem como jamais atingiremos o dito empoderamento feminino. É preciso entender que a situação está em nossas mãos e somente exercendo a efetiva igualdade parental, dividindo com o marido a criação e a convivência dos filhos, é que seremos iguais, livres da sobrecarga e poderemos cuidar de nós sem a culpa que carregamos. A situação piora quando, neste apego feminino, enfrentamos a separação conjugal e recusamos o ônus da igualdade parental com o exercício da criação conjunta, não aceitamos a convivência simultânea do filho com o ex-marido a pretexto de que ele não sabe cuidar. Na hora de partilhar a convivência dos filhos desconhecemos que somos iguais em direitos e obrigações perante a lei. Questiono se somos o máximo pensando assim. Nesta época de Natal ficamos muito preocupadas pensando em qual o melhor presente para os nossos filhos, mas deixamos de lado a importância do respeito da convivência entre pai e filho, sem nos atinarmos que a presença paterna o fará muito mais feliz que qualquer brinquedo. Já é hora de nós, mulheres, entendermos que a igualdade parental é uma forma de respeito ao outro e a nós mesmas, e isso revolucionará a vida social e fará de nós pessoas mais completas e felizes, e nossos filhos também. Enquanto isso não vem, cabe ao homem buscar a igualdade parental em relação aos filhos, direito já contemplado no Direito de Família através da guarda compartilhada. Nesta época do ano, muitas crianças choram em segredo pela ausência do outro genitor. Entenda que a relação conjugal pode ter terminado, mas a parental em relação aos filhos jamais acabará. Respeite seu filho. Feliz Natal. 

Revista Energia 103


104 Revista Energia

Informe Publicitรกrio

Revista Energia 105


Seguros e Previdência Por Luciano Tane seguroseprevidencia@revistaenergiafm.com.br Especialista em Previdência Privada, Seguros de Vida, Seguros de Sucessão Empresarial, Proteção de Renda

Previdência privada, um bem (mais do que nunca) necessário!

L

Se procurarmos no dicionário, encontraremos que Previdência é o ato de prever algo com o objetivo de evitar determinadas situações ou transtornos que sejam indesejados para o indivíduo

evando isso para o âmbito financeiro, a previdência privada nada mais é que o pagamento extra de caráter individual e não obrigatório, feito por um indivíduo no intuito de complementar a renda do INSS, como também a realização de projetos pessoais, garantia da formação universitária dos filhos ou, quem sabe, a construção de um negócio próprio. Estima-se que 3 entre 10 brasileiros invistam em algum tipo de previdência privada, e estes são números alarmantes se compararmos a países mais desenvolvidos. A boa notícia é que este cenário vem mudando positivamente ano após ano em virtude de uma série de fatores, entre eles, um sentimento coletivo de incertezas em relação ao futuro do INSS, as constantes notícias veiculadas na mídia, os baixos rendimentos da caderneta de poupança e um maior acesso a educação financeira por parte dos brasileiros. Mas quando, quanto e como escolher o melhor fundo de previdência para o meu perfil? Para essa pergunta a resposta está na ponta da língua: procure sempre um profissional especialista no assunto. O corretor de seguros e previdência é a pessoa habilitada para indicar o melhor caminho a seguir. Devido a uma suposta facilidade ou reciprocidade, a maioria das pessoas contrata ou tem planos de previdência privada em bancos, e misturam a obrigatoriedade dos serviços prestados pela instituição bancária com o planejamento do seu futuro. O grande alerta é que essa decisão pode custar muito caro em longo prazo, muitas vezes inviabilizando o investimento, pois normalmente as taxas cobradas pelos bancos são exorbitantes e fora da realidade. Não aceite, em hipótese alguma, pagar taxas de carregamento de entrada! Taxas administrativas justas têm que ser abaixo de 2% a.a. Por este motivo, ao abrir seu fundo de previdência busque sempre

um profissional habilitado, afinal, estamos falando em investimentos em médio e longo prazo. Já fiz comparativos onde o cliente estava ‘deixando na mesa’ cerca de R$ 750 mil apenas com o pagamento dessas taxas abusivas e a baixa rentabilidade dos fundos. Está se tornando constante, e isso é extraordinário, os avós contratarem previdência privada para os netos, pais contratarem para os filhos recém-nascidos, jovens abrirem seus fundos de previdência no recebimento dos primeiros salários. E você? Até quando vai protelar para investir e garantir um futuro melhor para você e sua família? Quando sobrar dinheiro? Ano que vem? Depois da Páscoa? Segundo semestre deste ano? Vale lembrar que a previdência privada deixou de ser luxo para poucos e passou a ser necessário para todos! Para reforçar a importância da prevenção, veja só que dados estarrecedores: segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 46% dos aposentados dependem de parentes, 28% dependem de caridade, 25% continuam trabalhando e apenas 1% é independente. Então, pague-se primeiro! Separe entre 10 e 20% dos seus rendimentos para a construção de um futuro mais digno. Faça parte desse 1% de aposentados independentes. De acordo com uma pesquisa americana, entre os 10 maiores arrependimentos das pessoas em seu leito de morte, uma delas era o de não ter se preparado melhor financeiramente para a aposentadoria. É importante ressaltar que o mercado de seguros e previdência privada aberta no Brasil é extremamente seguro, o controle e fiscalização são feitos com bastante eficácia pela SUSEP (Superintendência de Seguros Privados), autarquia vinculada ao Ministério da Fazenda. 

Seguros de Vida e Previdência Dúvidas, agendamentos de palestras, consultoria personalizada O nosso propósito é ajudar as pessoas a assumirem a responsabilidade pelo seu futuro

14 99835.7300

lucianotane

lucianotane

contane

Alameda Dr. Octávio Pinheiro Brizolla 13-10 - Vila Cidade Nova Universitária - Bauru/SP 106 Revista Energia

Revista Energia 107


Profissões

Agronomia O final do ano chegou rápido e já começamos a pensar nos presentes, nas viagens de férias... Para os momentos de descanso, nada melhor que colocar um pijama e relaxar. E quem não gosta de ganhar um lindo pijama de presente? Bonitos e super confortáveis, são excelentes opções para presentear neste Natal, afinal, ninguém quer curtir uma viagem bacana ou começar um ano novinho com pijama velho, não é? A Z Pijamaria tem pijamas incríveis para toda a família! Para as crianças, linha praia Puket: sunga, biquíni, toalha. Moda praia com peças exclusivas e limitadas que, além de fazer o maior sucesso entre a garotada, é sinônimo de conforto e muito estilo!

108 Revista Energia

Gostar de zoologia, botânica, biologia e química, além de números e cálculos, são fatores determinantes para quem deseja optar por esta carreira

O

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

profissional formado em Agronomia atua para melhorar a qualidade e produtividade de rebanhos, plantações e produtos agroindustriais. É fundamental que goste de estar em contato com os animais e com o campo. Estar sempre atualizado sobre novas tecnologias e métodos aplicáveis ao agronegócio também é imprescindível, portanto, deve gostar de leitura e estudos. Sobre o curso superior Os dois primeiros anos trazem disciplinas das áreas de Ciências Biológicas e Exatas, como biologia, bioquímica e estatística. Nos três anos seguintes o forte são as disciplinas profissionalizantes como ciência do solo e agricultura, e também aulas de gestão e administração. Boa parte da carga horária é composta por aulas práticas em laboratórios e fazendas experimentais. Estágio e trabalho de conclusão de curso são obrigatórios. Embora a maioria dos cursos tenha o nome de Agronomia, o profissional formado recebe o título de engenheiro agrônomo. Áreas de atuação O profissional formado em agronomia cuida do planejamento, coordenação e execução das atividades relacionadas a todas as etapas de um agronegócio e acompanha o preparo e o cultivo do solo, processo de colheita, armazenamento e distribuição dos alimentos. Com relação aos animais, cuida da sua alimentação, reprodução, saúde e abate. Também gerencia processos de industrialização. Mercado de trabalho O Brasil é um grande produtor agropecuário, o que mantém o mercado de trabalho aquecido para este profissional, especialmente no setor de biocombustíveis, com atuação na produção de matérias-primas, plantio e lavoura de insumos utilizados na sua produção. Melhores cursos Universidade Federal de Lavras (MG); Universidade Federal de Santa Catarina (SC); Universidade Federal de Santa Maria (RS); Universidade Federal do Paraná (PR); Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, USP, Piracicaba (SP) Preparar-se bem é o caminho Fábio Brunelli Zamorano, 19, cursa Agronomia na USP, em Piracicaba, SP, e conta sua experiência. “Quando fui conhecer a ZEC, em janeiro de 2016, estava atrás de um cursinho onde estudar durante aquele ano, e como eles tinham acabado de inaugurar, ninguém sabia se era um local de confiança. Depois de conversar com o Paulo e a Ester, eu e Maria Clara (minha namorada que

também estudou na ZEC e passou em Medicina) sentimos as responsabilidades que aquelas pessoas colocavam em seu trabalho, a paixão que eles tinham pelo mesmo. A Ester e o Paulo foram segundos pais, como também todos os outros professores. Passaram conhecimento tanto para o vestibular como para a vida. Nós, alunos, sentimos que ali existia uma família onde um ajudava o outro, ria, chorava e muitas outras coisas. Além de me ajudar a crescer muito como pessoa, deixou momentos bons e muita saudade. Quero agradecer a todos da ZEC, que me ajudaram a adquirir o aprendizado que utilizo bastante aqui na faculdade. Sem a base que eu acumulei ao longo do cursinho, provavelmente teria muitas dificuldades em diversas matérias. Mais uma vez, quero agradecer de coração a todos da ZEC, que me apoiaram e me ajudaram a conquistar o meu sonho!”.

Revista Energia 109


Legislação

Lei Salão Parceiro Uma lei que está mexendo com a economia do Brasil

Texto Ricardo Izar |Colaboração Luís Filipe Nazar

D

iante do cenário no qual que se encontra o país, surge uma alavanca muito forte e determinada que simboliza um marco para o setor da beleza. A Lei 13.352/2016 reconhece a relação de parceria entre salões de beleza e prestadores de serviços, e colocou profissionais do setor de beleza na formalidade jurídica e econômica. A chamada “Lei do Salão Parceiro” passa a regulamentar uma prática já existente no setor. De acordo com a nova lei, os salões de beleza poderão firmar contratos de parceria com profissionais cabeleireiros, barbeiros, esteticistas, manicures, depiladores e maquiadores, que atuarão como autônomos, sem vínculo empregatício, mas com regras pré-estabelecidas e segurança jurídica, inclusive no que tange ao recolhimento dos impostos inerentes ao serviço e à relação do profissional com o salão. As Normas Técnicas para o “Salão Parceiro-Profissional Parceiro” claramente determinam as boas práticas, direitos e obrigações de ambas as partes, incentivam o empreendedorismo e encorajam a geração de empregos, que é fundamental ao segmento e contempla a complexidade dos cenários do mercado. Atualmente, mais de 630 mil profissionais do setor de beleza atuam como MEI. O faturamento representa 1,8% do PIB nacional e 9,4% do consumo mundial. Esse cenário demonstra o elevado potencial de geração de renda e de postos de trabalho, e a relevância do segmento de beleza no desenvolvimento econômico e social do país. Vejamos algumas perguntas que foram respondidas por especialistas Como faço para homologar os contratos em uma cidade que não tem sindicato? Por lei, a delegacia trabalhista da cidade tem o dever de homologar os contratos referentes à lei Salão-Parceiro. Caso se recuse a homologar, o profissional tem por direito denunciar a delegacia ou até mesmo o sindicato; no caso da recusa partir do sindicato, a denúncia deve ser levada para o Ministério Público. 110 Revista Energia

DEPUTADO FEDERAL RICARDO IZAR Economista, coordenador para o Sudeste da Frente Parlamentar em Defesa do Consumidor de Energia Elétrica e membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Federal, Presidente da Frente Parlamentar de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, Membro do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados

Se a empresa for optante pelo lucro real ou presumido, já pode se beneficiar do recolhimento do imposto pela parte que cabe a cada um? Ou seja, não ter a bitributação? Segundo o Conselho Gestor do Simples Nacional, em breve sairá uma norma que demonstra como essa divisão será feita neste caso da empresa ser simples ou as duas no simples. Porém, hoje, pressupõe-se que o salão esteja em sistema normal de tributação, ou seja, no regime de presumido ou lucro real. O salão, em relação à parte dele, emite a nota fiscal de serviço relacionada à parte que lhe cabe. Em relação à outra parte, presumindo que ela esteja também no mesmo regime normal, ela emite a parte dela. Haveria de ter, neste caso, duas emissões de notas. O aprimoramento pelo qual estamos lutando é como realizar essa situação. Por que o sindicato da cidade de São Paulo ainda não está homologando os contratos de salões-parceiros? Os sindicatos que reconhecem a categoria trabalhista devem por lei aceitarem a homologação dos contratos da lei SalãoParceiro. Do contrário, a pessoa que teve seu pedido recusado poderá exercer seus direitos e denunciar o sindicato para o Ministério Público do Trabalho. O contrato entre o salão e o profissional precisa ser homologado por dois sindicatos? O patronal e laboral? Onde se tem a convenção coletiva preveem para os dois, os dois assinam; onde não tem, como é o caso de São Paulo, tem que ser assinado pelos dois sindicatos. Você terá que colher a assinatura no sindicato laboral e patronal. Somente no patronal não irá funcionar legalmente a parceria. Sobre o faturamento do salão, do imposto a ser pago pode ser deduzido o valor referente ao faturamento do profissional? O imposto acontece em duas bases tributárias, as porcentagens em relação à administração do salão e os outros tantos por cento será do profissional-parceiro. A partir disso, a divisão de base tributária e cada parte, de acordo com o contrato, terá a sua tributação.

Contratos homologados pelo único sindicato dos cabeleireiros são válidos? Sim, todos os contratos serão validados a partir do consentimento do sindicado da cidade. O CNAE da empresa precisa estar incluso na lei Salão-Parceiro? Qual o CNAE ideal para usar nesse caso? O CNAE para o salão de beleza deve ser o usual, Classe: 96025 para cabeleireiros e outras atividades de tratamento de beleza; e Subclasse: 9602-5/01 para cabeleireiros, manicures e pedicures. Qual a classificação correta para a abertura de um novo salão? Qual é CNAE? Pode ser usado o mesmo CNAE para o profissional e para o salão. As profissionais mulheres que engravidam no período de contrato podem ser rescindidas? Não convém. Existem riscos de interpretações desfavoráveis. E se a profissional engravidar antes de se tornar MEI? Neste caso, se a profissional não tem um contrato, deverá ser empregada pela CLT, portanto, não pode ser dispensada. O que acontece com os salões que contratam profissionais sem o MEI? Os salões que não tiverem o contrato de parceria devem ter todos os profissionais registrados no regime de CLT. Se for mudado para a lei salão-parceiro, o profissional tem disponíveis dois tipos de regimes, MEI e EIRELE. Meu parceiro cabeleireiro não quer assinar o contrato por conta da cláusula que adverte o responsável por possível dano técnico causado pelo seu trabalho. O salão deve dividir esta responsabilidade, que é de conhecimento do profissional? O salão pode dividir esta responsabilidade, desde que ambas as partes estejam de acordo. O profissional-parceiro terá a liberdade de ter controle de sua agenda. Como o salão deve se posicionar de forma que não interfira

na organização do local e no padrão de atendimento? O salão deve coordenar os trabalhos junto aos clientes e profissionais para que ambos fiquem satisfeitos. O profissional irá disponibilizar os horários na agenda do salão onde ele pode realizar seus serviços. Já o salão deverá fazer as marcações na autorização prévia do profissional. Alguns salões têm por regra descontar do profissional os produtos de insumo, matéria prima usada em clientes. Como isso será possível dentro da parceira? Essa questão deve constar no contrato, como será o acordo feito por ambas as partes. O salão-parceiro deve declarar sobre todo o faturamento e descontar do profissional a parte que cabe a ele? A partir de janeiro 2018, o Conselho do Simples Nacional irá traçar as regras de como deve ser este procedimento. Como será feita a transição dos profissionais registrados para o modelo de contratação pelo MEI? Primeiro o profissional deve querer fazer a transição por livre e espontânea vontade, depois o processo deve ser feito junto ao sindicato da sua cidade para dar fé a essa transição. Na cota-parte estará inclusa a baixa administrativa? Como mencioná-la no contrato? Basta descrever no contrato quem irá pagar essa taxa. O profissional-parceiro emitirá nota fiscal do serviço total feito no salão ou apenas da cota-parte? O profissional parceiro irá tirar somente a nota da cota-parte dele. No caso do cartão de crédito, como deve ser feito o pagamento para o profissional? Igual ao que é feito hoje, não irá mudar nada na questão de pagamentos feitos tanto com cartões de credito quanto com dinheiro ou débito. A forma de repasse é que dependerá do que foi acordado em o profissional e a gestão do salão.  Fonte: Beauty Fair Revista Energia 111


Informe Publicitรกrio

112 Revista Energia

Revista Energia 113


vida

Boa

Por João Baptista Andrade Diretor da Mentor Marketing e AMA Brasil

Comida do avô Se você está esperando uma lição de vida, uma receita saudável, algum tipo de conselho sobre longevidade ou alguma história edificante, pode virar a página e procurar algo mais interessante para ler na RE

E

ssa coluna é sobre os meus avôs. Não posso falar nada acerca das lembranças afetivas de quem me lê, mas sei das minhas. E elas têm nomes: Adaucto e Elizário (ordem alfabética). Um deles nascido não sei onde, de pouco estudo (para não dizer semialfabetizado) e o outro médico de anel no dedo. Ambos lindos. Ambos capazes de me encher os olhos d’água pelo simples fato de lembrar-me deles. Como agora. Personagens extremas provocam sentimentos ambíguos, talvez mesmo memórias inventadas. Mas quem liga para precisão factual ou estética numa coluna sobre comida, não é mesmo? Então esses meus dois avoengos mostraram-me as coisas mais abstrusas e inesperadas, porém, sempre de maneira doce. E direta. Absolutamente direta! Quando qualquer um deles falava não havia frases encompridadas desnecessariamente. Era tudo curto e grosso. E as comidas? Meu avô atendeu ao meu desejo infantil de comer um frango assado inteiro (sem destrinchar), feito acontecia nos desenhos animados de antigamente. Quando a ave terminou de assar, na hora do almoço, eu fui acometido por uma prisão de ventre terrível. Meu (amadíssimo) tio Fernando, consolando-me durante as cólicas disse que eu tinha um “pum indeciso”: Ou virava arroto, ou virava um peido. Nesse meio tempo, a minha barriga doía. Devidamente medicado, adormeci profundamente e só acordei lá pelas nove horas da noite. Lá em Monte Alto, naqueles tempos, isso equivalia a acordar às três da madrugada no Saara. Sem luz e sem GPS. Olhando diretamente para mim estava o meu avô com aqueles olhos infinitamente pacientes e doces; uma mão estendida, um sorriso na boca e uma caminhada até a cozinha. Eu, o frango (intocado e frio), meu avô servindo-me pequenos bocados com as mãos, duas cadeiras em frente ao forno desligado e aberto e um maremoto de saudades. Já comeu bolinho de alface? Não? Coitado. Sou naturalmente empático e posso imaginar a sua infelicidade. Mas não tem como

não me regozijar feito uma galinha poedeira e gritar: “Eu já! ”. E dentre os pouquíssimos felizardos no planeta que já provaram a iguaria, faço parte do time mais seleto: meu avô fazia os bolinhos para mim! E olha que o bicho era bruto. Curtido no sol e no sal do suor. Linha dura era coisa de mocinha (no sentido do século XIV) na visão dele. Se o recado pudesse ser dado com cinco palavras, ele usava três. Se o recado precisasse de quarenta palavras, ele também só usava três. E um grunhido para enfatizar. Esse caboclo comia carne de panela desfiada no prato, com mandioca cozida, usando apenas três dedos da mão direita, sendo diabético e cego pelo glaucoma decorrente. Sobremesa? Doce de abóbora e café com muito açúcar. Só durou 88 anos, coitado. Mas, e o bolinho? Ah... Meu avô me acordava de madrugada só para ver as teias de aranha orvalhadas no campo. Eu gostava só das teias perfeitas, até ele me ensinar que se a teia estava perfeita é porque a aranha não havia jantado bem.... Esse cara me ensinou a atirar com uma espingarda pica-pau. É daquelas de carregar pela boca (pólvora, bucha, chumbo...). Eu ainda não tinha sete anos de idade e já sabia atirar. Ele me dava tubaína escondido da minha mãe. Ele cheirava como pó de esmeril ou varetas de solda. Era algo assim. E esse cara misturava arroz com feijão e depois colocava a mistura numa pequena folha de alface perfeitamente temperada. Torcia como se fosse uma trouxinha e me esticava a gostosura. Na boca. Fala sério... Mas por que tudo isso? Quem escreveu sobre a Arte de Ser Avô foi Victor Hugo, portanto, o assunto está esgotado. É que quando o preclaro leitor estiver se digladiando com as aqui mal traçadas, Maria (filha de Camila e Fernando, portanto, minha neta) terá vindo ao mundo. Meu amor por ela já é sem medida, sem noção, sem defesa e sem limites. Ou bem eu infarto de tanta emoção, ou bem eu morro de tanto medo de não ser um avô tão bom para ela quanto foram os meus para mim.  Até a próxima. Ou Adeus... Revista Energia 115


116 Revista Energia

REVISTA ENERGIA - EDIÇÃO 75 - DEZEMBRO/2017

REVISTA ENERGIA 75  
REVISTA ENERGIA 75  

Com o objetivo de valorizar empresas locais, cujas ações refletem diretamente no desenvolvimento da nossa cidade, nós, da Energia FM, instit...

Advertisement