__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 1

Jaú - Ano 10 | Edição 82 | Fevereiro 2019 Distribuição gratuita | Venda proibida

Dra Camila Turini Toca dos Bichos Excelência em dermatologia veterinária

SOCIAL CLUB Empresas que Movimentam AGRONEGÓCIO A hora e a vez das mulheres


Editorial Ano 10 – Edição 82 – Jaú, fevereiro de 2019 Tiragem: 10.000 exemplares Revista Energia é uma publicação da Rádio Energia FM

Pra ser

feliz!

Diretora e Jornalista responsável Maria Eugênia Marangoni mariaeugenia@radioenergiafm.com.br MTb. 71286 Diretor artístico: Márcio Rogério rogerio@radioenergiafm.com.br Edição e Revisão de textos: Heloiza Helena C. Zanzotti revisao@revistaenergiafm.com.br Criação de anúncios: Moinho Propaganda atendimento@moinhopropaganda.com.br

Inicio meu primeiro editorial do ano entusiasmada com o trabalho que temos pela frente. Estou certa que este será um ano de muitos aprendizados e crescimento!

Fotografia: Moinho Propaganda

Social Club social@revistaenergiafm.com.br Colaboraram nesta Edição Bábara Milani Luiza Caleffi Pereira Tatiane Dias Colunistas Alexandre Garcia Aline Emanuelle Perim Evelin Sanches João Baptista Andrade José Antônio Conessa Paulo Afonso Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves Professor Marins Ricardo Izar Ricardo Yamaguti Lima Comercial Anna Paula Rossi Milene Perez Sérgio Bianchi Silvio Monari Impressão: Grafilar (14) 3812-5700 Distribuição: Panfletos&Cia (14) 3621 1634 Revista Energia Rua Quintino Bocaiúva, 330 | 2º andar CEP: 17201-470 | Jaú - Fone: (14) 3624 1171 www.energianaweb.com.br Elogios, críticas e sugestões leitor@revistaenergiafm.com.br

Foto: Cláudio Bragga

Diagramação Moinho Propaganda (14) 3416 7290 Projeto gráfico: Revista Energia

C

aro leitor,

As perguntas chaves de 2019 são:

“O que realmente me faz feliz?” “Estou fazendo coisas que têm significado para mim?”

Estudos revelam grandes equívocos que temos sobre a felicidade e que o aumento da renda, além de um nível onde as nossas necessidades são satisfeitas, não necessariamente traz felicidade. Não estou dizendo que você não pode querer ganhar mais dinheiro ou estar orgulhoso do seu trabalho, mas é importante não esperar que sua felicidade dependa dessas coisas. A felicidade está ligada aos relacionamentos, conexões humanas, uma relação de qualidade, em que você se sente seguro e pode ser você mesmo! O assunto é tão importante, que em Harvard o curso de felicidade já é um dos mais procurados pelos alunos! No Brasil também já existem Universidades da Felicidade! Confira a matéria sobre essas universidades, fundamentos do curso e a finalidade de aprender felicidade. A edição 82 da Revista Energia chega até suas mãos também com a cobertura completa sobre o prêmio EQM, que reúne a elite empresarial jauense no evento mais disputado da região. Ainda nesta edição, confira a matéria sobre o crescimento das mulheres no agronegócio, que avançam em cargos de liderança. Elas são agricultoras, executivas, pecuaristas, pesquisadoras e empreendedoras que ainda enfrentam obstáculos, mas têm transformado o agronegócio em um setor mais comunicativo e inovador. Em nossa capa, destacamos a veterinária Camila Turini, proprietária da empresa Toca dos Bichos, que, além de oferecer serviços de excelência em pet shop, banho e tosa e clínica veterinária, dispõe de todos os aparelhos e exames necessários para oferecer diagnósticos precisos e o melhor tratamento em dermatologia veterinária. Ótima leitura!

Quero anunciar comercial@revistaenergiafm.com.br A Revista Energia não tem responsabilidade editorial pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, anúncios e informes publicitários.

Maria Eugênia


Revista Energia 5


NESTA EDIÇÃO 08 Perfil

14

Gente Fina

12 Radar 14 Gente Fina 18 Pense Nisso 21 Viagem e Turismo 22 Tecnologia 24 Emagrecimento Inteligente 28 Modernize 30 Capa 35 Bairros de Jaú 39 Energia Solar 40 Look de Família

86

Comportamento Você é feliz?

41 Consultoria 42 Agronegócio 46 Adote um Pet 48 Look de Artista 53 Social Club 58 Social EQM 84 Vida Saudável 86 Comportamento

Nossa Capa: Toca dos Bichos Modelo: Dra. Camila Turini Jaú - Ano 10 | Edição 82 | Fevereiro 2019 Distribuição gratuita | Venda proibida

91 Educação Financeira 94 Social Botudog 95 Varal

48

96 Legislação 99 Boa Vida

Look de Artista

102 Última Página

Dra Camila Turini ToCa Dos BiChos Excelência em dermatologia veterinária

SOCIAL CLUB Empresas que Movimentam AGRONEGÓCIO A hora e a vez das mulheres


A força que muda destinos Algumas pessoas são capazes de transformar a realidade de muitas outras, contribuindo para uma sociedade mais feliz

Texto Heloiza Helena C Zanzotti Fotos Arquivo pessoal

8 Revista Energia


M

atias da Silva Campos, 27, nasceu na cidade mineira de São Lourenço, mas é aqui em Jaú que realiza um trabalho de transformação. De origem humilde e família grande – seus pais Francisco e Olindrina tiveram quatro filhos – morou na roça e sempre foi criado dentro dos princípios cristãos. Mudaram-se para a cidade quando o irmão mais velho decidiu estudar para buscar um futuro melhor. “Minha mãe sempre dizia que sem estudo não poderíamos ser nada na vida, e realmente é verdade!”, pontua Matias. O irmão mais velho, Márcio, passou em algumas faculdades federais de engenharia e isso acabou influenciando os outros: o Mateus foi para a engenharia elétrica, a Mariane para engenharia mecânica e o Matias, nosso entrevistado, passou no vestibular para engenharia mecânica aeronáutica na Universidade Federal de Itajubá, MG. NOVOS RUMOS Segundo Matias, os desígnios de Deus são outros para os seus escolhidos, assim, logo que passou no vestibular o jovem começou a sentir uma inquietação, sentia que algo o levava para além daquilo e foi quando decidiu fazer uma experiência no convento. “No começo não foi fácil, pois estava quebrando a ordem natural de uma família de engenheiros. E então começou um longo processo de aceitação e discernimento”, explica. Matias chegou em Jaú em 2014, morou na Abadia de São Norberto e recentemente foi transferido para São Paulo, onde inicia neste semestre o curso de Teologia no Mosteiro de São Bento. Mas ele também cursou Filosofia, Educação Financeira, Auxiliar de Enfermagem, Enfermagem e Tecnologia da Informação (TI) e de Software. O GRUPO DE JOVENS Em conversa com o Cônego Oswaldo Gonçalves Vieira, prior da Abadia de São Norberto, Matias foi encorajado a tomar a frente de alguma pastoral, a fim de despertar em si algo que gostasse. “Nem imaginava que pudesse ser um grupo de jovens. Na ocasião, conversando com meu amigo Pe. Celso Buscariolo, da Paróquia Nossa Senhora do Patrocínio, ele me disse que precisava de alguém que pudesse ajudar a levantar um grupo de jovens na paróquia. Foi aí que o Espírito Santo pousou sobre nós e a mão de Deus nos deu a possibilidade de reerguer um grupo que fosse uma FORÇA para muitos jovens que precisavam”. O INÍCIO DA JORNADA Em 2018, Matias teve o primeiro contato com o grupo, e confessa que foi um período inesquecível, quando percebeu a oportunidade de trabalhar suas capacidades, inclusive conhecendo a realidade de muitos jovens com os quais nunca havia tido contato direto. Com o apoio do Cônego Oswaldo e do Padre Celso, conseguiu superar obstáculos difíceis como a falta de compreensão e de paciência, uma vez que muitos jovens ali chegavam aborrecidos, desestruturados com questões familiares e não raro com problemas de depressão e tendências suicidas.

Revista Energia 9


FORÇA JOVEM A primeira conquista, segundo nosso entrevistado, foi ter conseguido reerguer o grupo que estava sem nenhuma perspectiva. “Depois de certo tempo conseguimos criar algumas metas como fazer uma camiseta própria, aumentar o número de participantes e fazer retiros que possibilitasse interação entre o grupo de jovens. Inclusive tivemos a oportunidade de conhecer a Comunidade Terapêutica Liberdade, uma clínica de recuperação de dependentes químicos“. Matias conta que foram muitas as atividades realizadas, como abraços grátis, trabalho de arrecadação de alimentos para famílias carentes, atendimento psicológico para jovens de baixa renda, com atenção especial àqueles que se envolveram com drogas e aos queriam deixar de usá-las. O Força Jovem literalmente ganhou força depois de algum tempo de atuação, e teve uma grande acolhida na comunidade. Atualmente o grupo realiza sessão de cinema, campeonato de futsal, palestras, passeios e muitos outros eventos. DEPENDENTES QUÍMICOS: A LUTA Durante o caminhar do grupo, Matias percebeu que muitos jovens vinham de situações onde a droga era fator presencial na vida deles. Muitos não queriam estar ali e buscavam maneiras de sair daquela de vida de vícios e perigos. “Alguns jovens, dependentes químicos, não queriam que soubessem que a droga fazia parte da sua vida, muito menos que eles faziam parte daquele meio. Mas a dependência muitas vezes não os deixava esconder e eles acabavam mostrando isso na postura e nos detalhes. Com o tempo fomos trabalhando e desenvolvendo atividades que demonstrassem que o melhor caminho não era a droga, mas a libertação que o senhor Jesus nos promete. Vivenciando essa situação das drogas na vida dos jovens, fui ao encontro dos problemas e busquei meios que possibilitassem uma aceitação e ajuda para esses dependentes. Em um primeiro momento alguns ficaram assustados, mas com o tempo começaram a aceitar”, esclarece Matias. HÁ MUITO POR FAZER “O caminho é longo e estreito, mas não podemos desistir!”. Com essa frase, ele explica que pretendem dar aos jovens a possibilidade de crescer e evoluir: “não é uma tarefa fácil, mas buscamos oferecer aquilo que o mundo não oferece, que é o sucesso, realização e a vitória para superar os obstáculos da vida”. Este é o maior sonho do nosso entrevistado: que os jovens sejam felizes, buscando o melhor para eles e para seus familiares, e sobretudo, que se realizem na vida profissional e familiar. Para concluir nossa entrevista, Matias agradece a Deus e à Santíssima Virgem Maria por sua vocação e pela oportunidade de ter trabalhado com todos esses jovens. Agora, com sua mudança para São Paulo, ele preparou outros jovens para seguir com o trabalho cuja semente plantou. E salienta: “o trabalho com a juventude é de suma importância para eles e para a sociedade, pois muitos não conseguem encontrar na família aquilo que encontram em um grupo de jovens: união, amor, fraternidade e igualdade”. 

10 Revista Energia

Quer participar? O grupo FORÇA JOVEM se reúne todos os domingos, às 20h, no salão catequético Nossa Senhora do Patrocínio. Todos os jovens são bem-vindos, independentemente da religião que possua ou de onde more.


Informe publicitรกrio

Revista Energia 11


Radar Por Alexandre Garcia

ALEXANDRE GARCIA Jornalista, apresentador, comentarista de telejornais, colunista político e conferencista brasileiro. Atuou no Jornal do Brasil, no Fantástico e na extinta TV Manchete. Atualmente é comentarista político na Rede Globo de Televisão.

Os chifres da gazela

A manchete do jornal do domingo, dia 20 de janeiro, gritava: “Mercado da bala, uma disputa de R$12 bilhões”

O

título não poderia ser mais opinativo. Como boa parte dos meios de informação, o jornal demonstrava estar contra o direito de autodefesa das pessoas e a favor de dar tranquilidade aos bandidos. Insegurança para os leitores e audiência; segurança para os que forem assaltar suas casas e lojas. A mesma mídia que fez barulho contra o decreto que ampliou a validade do registro de arma, fingiu não ter lido o decreto que, além disso, estabeleceu que arma deve ficar inacessível a menores de idade e mentalmente incapazes, o que o Exército já exigia. O resto ficou igual. Comprar quatro armas? Você já podia registrar duas na Polícia Federal e duas no Exército. Na verdade, o “mercado da bala” é o mercado da autodefesa e certamente será bem menor que o mercado que forma o arsenal dos bandidos sem pagar impostos, gerando sim, balas, inclusive as perdidas, que matam crianças e pessoas dormindo em casa. O parágrafo único do primeiro artigo da nossa Constituição diz que todo poder emana do povo. Pois desde 2003 se sente, com o Estatuto do Desarmamento, a vontade de usurpar, do povo, o poder da posse de arma, que representa o direito natural da autodefesa e da defesa de sua família e seus bens. A arma em casa ou na empresa é a primeira linha de defesa contra invasão de bandido. Depois, e nas ruas, é com a polícia.

12 Revista Energia

Na vigência do Estatuto os homicídios só aumentaram, e deram mais segurança aos assaltantes de residências, lojas e propriedades rurais, confiados de que não haverá resistência. O referendo de 2005 vetou a proibição do comércio de armas, na proporção de dois em cada três eleitores. Os governos fingiram desconhecer a vontade do povo. No Rio Grande do Sul, com a tradição de ser a primeira linha de defesa da Pátria, 80% foram favoráveis às armas, no referendo. Até o Exército mantém essa cultura: 90% dos blindados do Brasil estão no Comando Militar do Sul. Armas de fogo, como carros, não matam; é a violência humana que mata - com faca, pau, pedra, veneno, arma de fogo. Por que querem a população desarmada, impotente na defesa de seu direito à vida, propriedade e liberdade? Na Venezuela, em Cuba, na Alemanha de Hitler, foi assim. Tiranos - bandidos ou ditadores - dominam se não houver resistência. Como lembrou o “presidente virtual” dos Estados Unidos, Bill Whittle: se o leopardo ataca a gazela, não deve ela usar os chifres para se proteger? Ou devemos cortar-lhe os chifres? 

“Armas de fogo, como carros, não matam; é a violência humana que mata”


Revista Energia 13


Gente Fina

Maria Sylvia Longhi

“Um cachorro não liga se você é rico ou pobre. Esperto ou não. Inteligente ou não. Entregue o seu coração, e ele lhe dará o dele” (John Grogan, “Marley & Eu”) Texto Heloiza Helena C Zanzotti 14 Revista Energia


Q

uem conhece Maria Sylvia Longhi, 52, vendedora, sabe que não há como desvincular sua imagem da melhor amiga, sua cachorrinha Hanna. Essa intensa relação de amor entre as duas demonstra, de fato, o quanto uma é indispensável na vida da outra. E essa é uma história que você vai conhecer no decorrer dessa entrevista. Maria Sylvia nasceu em Jaú, na Vila Nova, e há dois anos mora no bairro Santo Antônio. Filha única do casal Gidney e Maria Sylvia (sim, ela tem o nome da mãe), é solteira e não tem filhos, ou melhor, não tem filhos humanos, porque ela cria dez cachorros. Convido você, leitor, a acompanhar esta história de superação e fé. Que recordações tem da infância? Foi uma infância boa, graças a Deus. Morei na rua Quintino Bocaiúva, em frente à Casa Vítor, andava muito de bicicleta. Naquele tempo não havia muitos carros, estava sempre brincando ali com as crianças da vizinhança. Tinha a família Fuzinato, com vários filhos, a gente brincava muito. Tinha também a família Stripari, além de outras ali pela redondeza. Na frente havia o Bar do Calixto e a Neia, com quem sempre tive muita amizade. O meu avô Otávio Longhi foi o primeiro cabeleireiro que atendia mulheres, isso há 52 anos, muitas senhoras hoje ainda se lembram do meu avô como sendo seu cabeleireiro, mas na época ele sofreu preconceito. Qual a maior dificuldade que enfrentou quando criança? A separação dos meus pais. Foi um dos primeiros casos de separação na cidade e aconteceu porque meu pai era usurário de drogas, isso não era comum em Jaú. Foi um dos primeiros desquites que teve por aqui. Na época diziam que meu pai estava bêbado, mas não era bebida, era droga mesmo. Eu enfrentei muito preconceito na escola por ser filha de pais separados, por isso era uma criança muito fechada naquele ambiente, mas na vizinhança eu era feliz porque todos sabiam da minha vida e me aceitavam como eu era. Como foi para sua mãe enfrentar uma separação na época? Eu tinha dois ou três meses e fiquei morando com minha mãe e meus avós maternos. Sempre tem aquele monte de julgamentos, não é? Muita gente dizia: “fulana não presta”; a mulher era sempre a culpada. Mas eu amava muito a minha mãe, independente dela ter se separado, era tudo para mim. Meu pai vinha me ver, eu também o amava da mesma forma, mesmo sabendo tudo o que ele tinha feito. Quem usa droga abandona tudo. Para o usuário, o principal é a droga. No começo eu achava que meu pai havia abandonado a minha mãe, depois, mais velha, fui entendendo a situação dele e fui relevando. Ele foi embora para Campinas, mais tarde meus avós paternos também foram. Ele morreu lá, em decorrência do uso de drogas. Cursou uma faculdade? Sim. Estudei no Magalhães, na Escola Industrial e depois fui para a faculdade em Barra Bonita, onde cursei Educação Física. Eu me formei por volta de 1988 e já no estágio comecei a dar aulas. Lecionei durante onze anos no Estado, mas precisei parar porque minha mãe ficou muito doente e eu tive que cuidar dela. Gostava muito de

dar aulas, era bem diferente dos dias de hoje, os alunos gostavam de fazer exercícios, de jogar bola, vôlei... Hoje em dia a mocidade só quer saber de celular, tablet, os assuntos são outros. Como era seu relacionamento com os alunos? Era ótimo, só que eu era um pouco autoritária (risos). Tentava passar para eles um pouco de respeito, mas agora que estou com mais idade não quero mais exercer esta profissão, meu físico já não está mais para isso, correr atrás de bola, fazer exercícios... A perda da sua mãe foi o pior momento da sua vida? Sem dúvida. Ela tinha 56 anos, ficou doente, teve pneumonia e foi se agravando. Ela era meu tudo. Ficar sozinha, sem pai, sem irmãos, esta foi a fase mais difícil. Quando ela faleceu foi um baque muito grande, então fui buscar Deus. Comecei a me apegar com Ele, senão eu seria enterrada junto com a minha mãe. Foi aí que também encontrei forças para sobreviver, para pensar em novos rumos, tocar a vida. Eu era uma pessoa que não tinha muito tempo para Deus: dava aula, trabalhava, não tinha uma afinidade com Ele. E foi nesse momento difícil que O encontrei. Sou evangélica, mas acho que isso não vem muito ao caso, porque o importante é a fé, ela me levantou. O que aconteceu depois? Quando parei de lecionar para cuidar dela, meu padrasto supria as necessidades. Um ano depois que ela morreu, vendemos a casa onde a gente morava e nos separamos, eu fiquei com metade da casa e ele com a outra metade. Com aquele dinheirinho consegui me virar, só que abri um negócio que não deu muito certo, uma lan house na minha própria casa, no bairro Santo Antônio, mas acho que o lugar ali não era bom para isso, não deu certo. Foi aí que surgiu o Hiper Saúde? Cheguei numa situação que estava fazendo uma rifa da minha geladeira, foi quando conheci o meu patrão atual. Eu estava em frente à Choperia Jardim oferecendo a rifa para alguns clientes de lá quando ele me chamou e perguntou: “a senhora vende rifa de geladeira?”. Expliquei que estava precisando mesmo e ele me convidou para trabalhar para ele vendendo Hiper Saúde, que na época era Bauru Cap. Acho que ele viu minha força de vontade e foi assim que comecei no serviço onde estou há dez anos. Revista Energia 15


Teve uma companheira inseparável? Na época eu tinha uma cachorrinha preta, mestiça de basset com pinscher, a famosa Hanna. Acho que quase todos em Jaú conheceram a Hanna. Era o amor da minha vida! Como eu não tive filhos, tinha ela como se fosse minha filha. Onde eu ia, ela ia junto. Foram 16 anos juntas, faz um ano que ela morreu. Quando comecei a vender Bauru Cap, na Rua Lourenço Prado - faz uns bons anos que estou ali – ela virou minha garota propaganda (risos). Ela ficava o dia todo comigo, eu trazia água, ração, uma caminha para ela deitar, e assim foi nossa vida até ela falecer, teve câncer. Como superou a morte da Hanna? Quando ela morreu meu mundo caiu de novo, porque ela simbolizava um pouco do meu passado, a única coisa que tinha sobrado, eu já tinha perdido minha mãe, meu pai, tinha perdido tudo. E em todos estes momentos mais difíceis de perdas, ela estava comigo. Eu chorava, desabafava com ela. Para mim, o dia que ela morreu foi semelhante ao dia em que minha mãe morreu, porque a Hanna era como se fosse uma filha mesmo. Eu acordava no meio da noite chorando de saudades dela.

Como você arrumou dez cachorros? Depois de um ano que eu já estava com essa Hanna, pensei em arrumar um outro cachorrinho para fazer companhia e apareceu uma cachorrinha que estava precisando de ajuda, o dono tinha morrido e não tinham para onde levá-la. Era uma menina preta, bonita,

Agora tem uma nova Hanna? Sim, é a terceira. Antes da que morreu, já tive uma que faleceu naturalmente, com quinze anos, que não chegou a trabalhar comigo. Esta que tenho agora também me acompanha. Quando a minha Hanna morreu eu coloquei no facebook que queria uma pretinha, igualzinha a ela. Apareceram várias e eu peguei esta, coloquei o mesmo nome, trouxe para trabalhar comigo desde o primeiro dia, numa caixinha. Dei as vacinas e aí já podia colocar na coleira. É um amor imenso, ela veio para suprir um pouco a dor de perder a outra. É a única que vem comigo, estou com dez cachorrinhos em casa!

e eu me apaixonei por ela. A Hanna também adorou. Depois apareceu uma outra perdida perto de casa, branquinha, e eu adotei. De repente apareceu uma ninhada, trouxeram para eu cuidar até achar quem adotasse, e me apaixonei por um deles. Então, já eram quatro. Daí apareceu uma estava doente, outra que resgatamos na rua, um que estava apanhando de outros cachorros. Então, é assim: cinco são meus e os outros cinco estou cuidando, mas são para adoção. Consegue ter uma renda suficiente? Graças a Deus! E amo o que eu faço, queria que ressaltasse isso. Eu amo as pessoas com quem converso, fiz muitas amizades por causa da Hanna também. Quero deixar bem claro aqui que eu amo meu trabalho, não trocaria esta profissão por nada neste mundo! Por que nunca se casou? Tive muitas decepções. Namorei, mas nunca fui feliz e achei melhor nem procurar mais. E sou tão feliz comigo mesma que nem sinto falta de filhos. Lógico que toda mulher quer ser mãe, mas tenho a Hanna, meus cachorrinhos, sou feliz. Feliz com as pessoas, com Deus, com meu trabalho. Amar o que você faz é importantíssimo. Eu me sinto a pessoa mais feliz do mundo, com todas as dificuldades que enfrento. Não se sente sozinha? Quem é sozinha sempre enfrenta aquele rótulo de tia. Alguns se perguntam: “por que será que ela é sozinha?”; outros dizem: “ninguém quis”; ou ainda: “nossa, não tem filhos, não prestou nem para isso”. Existe este preconceito. Mas mesmo com essas dificuldades e as financeiras também, porque não consegui me aposentar ainda e pago aluguel, ainda assim sou feliz, Deus me sustenta.

16 Revista Energia


Tem algum projeto que ainda deseja realizar? Tenho o sonho de Deus usar o Hiper Saúde para eu comprar minha casa própria e meu projeto é ter um canil para poder acolher todos os cachorrinhos de rua, ter um veterinário só para cuidar deles, esse sonho aflorou dentro de mim de uns tempos para cá. Você compra o Hiper Saúde? Toda semana. Eu já vendi 37 cartelas premiadas, todos os tipos de prêmios: casa, carro, moto, camionete, mas eu mesma ainda não fui premiada. Já passei raspando, mas nunca fui sorteada. Tenho fé que vai chegar a minha vez. Para você, que trabalhou com jovens, o que falta na juventude atual? Falta Deus. Eles têm um anseio tão grande pela beleza externa e por aventuras que muitos acabam se perdendo em drogas, prostituição... A família é a base de tudo. Tem que começar desde pequeno a mostrar Deus para os filhos, independente de religião, Deus é o mesmo em qualquer lugar. A quem gostaria de agradecer neste momento? Primeiro a Deus, por tudo o que Ele fez na minha vida. Também quero agradecer a toda a população jauense pelo amor e carinho das pessoas que passam pela rua, me cumprimentam,

gostam de estar junto a mim. Sou muito grata à Irma do Menegheti e à Cecília Francischini, duas pessoas que me ajudaram muito e me estenderam a mão na hora que minha mãe morreu. E a todos os pastores e obreiras da minha igreja; aos meus distribuidores Maria Cláudia, Reginaldo, Márcia e Sinésio. E meu agradecimento ao Hiper Saúde, empresa onde trabalho há 10 anos e através da qual eu tiro o meu sustento e dos meus cachorrinhos. Sua mensagem final Amar a Deus sobre todas as coisas, amar o teu próximo, perdoar, plantar coisas boas, porque tudo aquilo que a gente planta, a gente colhe em dobro. Plante boas amizades e o seu jardim vai ser muito florido. Esse jardim é a sua vida e ela será de paz, alegria e saúde, porque tudo o que a gente dá para as pessoas, a gente recebe de volta. 

Depois da nossa entrevista, Maria Sylvia ligou para me contar que criou um grupo no facebook, “Um segredo para ser feliz fazer alguém feliz”, com a finalidade de ajuda mútua: doações de roupas, cestas básicas, itens para bebês. Criado em 15 de janeiro último, o grupo já tem mais de 240 membros e está dando bons resultados. Participe!

Revista Energia 17


nisso

Pense

Por Professor Luiz Marins

LUIZ MARINS Antropólogo e escritor. Tem 26 livros publicados e seus programas de televisão estão entre os líderes de audiência em sua categoria. Veja mais em www.marins.com.br

Os que não fazem e não deixam fazer Há pessoas que não fazem e não deixam os que querem fazer, fazer

T

udo elas criticam, acham erros, em tudo colocam obstáculos. Não conte com elas. Elas não fazem nada e o que é pior, fazem tudo para que as coisas não aconteçam. Conheço administradores, públicos e da iniciativa privada, que têm como característica principal não fazer e não deixar fazer. Além de não fazerem, não deixam fazer. Colocam dificuldades, empecilhos, motivos esdrúxulos, enfim, toda forma de desculpa para não fazer e impedir os que querem fazer de agir. São administradores paralisados e paralisantes. Tudo impedem, tudo acham melhor esperar, tudo postergam, para tudo pedem “muito cuidado”. Não sei se pelo medo de enfrentar as consequências que qualquer ação com certeza traz ou por pura preguiça, esses gestores são enormes focos de desalento entre os colaboradores e acabam gerando um clima geral de desmotivação na organização, seja ela pública ou privada. Sua inércia se espalha como um vírus e o “não fazer” fica sendo a regra geral. A maioria desses administradores que estudei tem, em comum, querer fugir de qualquer responsabilidade ou comprometimento. Eles passam semanas e meses analisando exaustivamente uma situação e nunca decidem, a não ser por não fazer, não permitir,

18 Revista Energia

não comprar, enfim, deixar como está. Como eles não se envolvem com a ação e têm consciência disso, impedem que outros ajam com medo de que as ações deem certo e quem as fez apareça, seja elogiado, prestigiado e considerado melhor que eles. Esses administradores não correm riscos porque são medrosos e até covardes, e querem apenas manter seus cargos, funções e privilégios intactos. Não fazendo e não deixando fazer, tudo fica como está e a culpa será sempre de alguém externo - a crise, a lei, o mercado, os concorrentes, o Ministério Público, etc. Só não erra, quem não faz. E essas pessoas, com medo da crítica, com o seu eterno ficar em cima do muro, preferem o conforto de uma gestão medíocre a um protagonismo dos verdadeiros líderes que os empurram para a ação, para o testar, para o permitir, para o acreditar, para o sim em vez do não, enfim, para o fazer consciente e consequente que sabe que toda unanimidade é burra e que sempre haverá riscos para aquele que faz e permite o fazer. Pense nisso. Sucesso! 

“Só não erra, quem não faz”


Revista Energia 19


LAN ÇA MEN TOS

D E

V E R Ã O

Loja 1: Rua Major Prado, 126 - Centro. Loja 2: Av. Claudionor B., 689 - Centro. Loja 3: Rua Lourenço Prado, 474 - Centro. 20 Revista Energia

Jaú | (14) 3621.8433 Bariri | (14) 3662.8713 Jaú | (14) 3418.7797


Revista Energia 21


Tecnologia

Por José Antônio Conessa Proprietário da Next Tecnologia da Informação Certificação em Novell Engineer, Microsoft MCP, Linux LPI

Sua internet cai toda hora?

E

Os provedores de internet brasileiros cobram caro por um serviço que, muitas vezes, não atinge nossas expectativas

sse cenário é propiciado por um mercado altamente concentrado. Apenas três empresas retêm 61% dos usuários do país, assim, é importante pensar em soluções para nos prevenirmos das quedas constantes de conexão, ainda que não haja uma melhoria na qualidade da oferta dos provedores de internet. Veja 5 dicas que separamos

para você. 1. Adeque provedores e planos. Procure o melhor provedor possível e um plano adequado às suas necessidades. Planos residenciais, por exemplo, contam com limitações incapazes de atender o público corporativo, cujo uso é intenso, geralmente por um número maior de pessoas conectadas ao mesmo tempo. Um bom provedor deve atender a três principais critérios para ser selecionado por sua empresa: • Reputação – pesquise na internet, nas redes sociais ou fale com atuais clientes para verificar o que as pessoas comentam sobre os serviços ofertados pelo provedor. Há interrupções constantes? Elas são justificadas? As manutenções são programadas ou ocorrem em horário comercial? A velocidade contratada é constantemente entregue pelo provedor ou há fortes oscilações? • Disponibilidade de velocidade – analise se dentre os planos oferecidos para o endereço de sua empresa existe um adequado às suas necessidades. Não é incomum que um provedor atenda seu endereço, mas não tenha um plano adequado ao seu consumo. Vale também conferir quais outras vantagens a empresa proporciona. • Qualidade do atendimento – busque informações sobre a agilidade do suporte técnico. A principal tarefa na etapa de contratação é equacionar a velocidade do link contratado às necessidades da empresa. A equipe de suporte técnico pode ajudá-lo nessa atividade! 2. Equipamentos de qualidade fazem a diferença. Contar com roteadores e repetidores de qualidade é uma medida importante a adotar. A popularização dos dispositivos móveis torna hoje o Wi-Fi o principal meio por onde é realizada a conexão com a internet. A rede sem fio é

22 Revista Energia

naturalmente mais lenta que a cabo, por isso, é fundamental equipar-se com o melhor. Outras duas dicas podem ajudá-lo a manter a performance de sua conexão de internet: • Use cabos de rede sempre que possível e deixe o Wi-Fi para ser usado esporadicamente, como quando o colaborador não estiver em sua estação de trabalho. • Smartphones, tablets e outros dispositivos podem utilizar uma rede secundária, de “Visitantes”, inclusive com um plano de menor capacidade. 3. Fique de olho nas configurações do hardware de rede de seus computadores. Caso haja falhas nesse componente ou ele esteja desabilitado, nem mesmo os melhores planos ou equipamentos manterão sua conexão ativa, não é mesmo? 4. Use um link de redundância. Para evitar instabilidades e indisponibilidades da conexão, há a opção de contratar um link de redundância, assim, quando o link principal falhar, o secundário entrará em ação. O suporte técnico pode configurar sua rede para utilizar de forma automática o link secundário, quando o principal cair, e retomar o provedor principal assim que ele ficar disponível novamente. Uma ótima opção para empresas que dependem da internet para realizar a maioria de suas tarefas, pois evita interrupções no trabalho e aumenta a disponibilidade da internet. 5. Gerenciamento de TI como apoio. Com profissionais especializados, os serviços gerenciados de TI garantem configurações corretas às máquinas e equipamentos de rede, facilitam a interface entre sua empresa e os provedores de internet e agiliza a resolução de problemas por meio do monitoramento de sua conexão. Não deixe que a internet mine a produtividade da sua equipe. Com os cuidados sugeridos, você minimiza os problemas de queda de conexão e obtém os melhores resultados para sua empresa! Gostou deste artigo? Fique atento ao nosso blog para mais informações sobre gerenciamento de TI.


Revista Energia 23


Emagrecimento Inteligente Por Aline Emanuelle Perim Formada em Biomedicina Estética pela UNIARA, aprimoramento em análises clínicas pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, especialista em Biologia Molecular pelo Instituto Naoum, especialista em Biomedicina Estética pelo Nepuga, Estrategista de Emagrecimento - Licenciada pelo Método de Emagrecimento Afine-se aline_perim@hotmail.com

Saia do piloto automático A coluna Emagrecimento Inteligente servirá de grande motivação e aprendizado para você que deseja emagrecer de forma saudável e sustentável

A

perda de peso traz inúmeros benefícios para a saúde, entre eles: diminuição do risco de diabetes, melhora do colesterol e suas frações, diminuição da pressão arterial, aumento dos níveis de energia e disposição, etc. Quando falamos em emagrecimento, muita coisa vem à nossa mente, mesmo porque é um tema muito abrangente e popular, todo mundo conhece alguém que precisa emagrecer, seja por motivos estéticos, emocionais ou problemas de saúde. A verdade é que, dentre as inúmeras formas de promover emagrecimento, a mudança de hábitos é a única forma de se ter resultados sustentáveis, porém, a grande dificuldade da maioria das pessoas é realmente consolidar esses hábitos e mantê-los ao longo de suas vidas. O nosso programa de emagrecimento inteligente, “Afine-se”, consiste na união de estratégias que promovem bem-estar físico, mental, social, e assim possibilita ao paciente ter um processo de transformação total dos seus hábitos de forma supervisionada. Para isso contamos com ajuda nutricional, estética, psicológica e também de terapias alternativas; a união de todos esses processos é o que possibilita ao paciente um emagrecimento rápido, saudável e duradouro, sendo que todo o processo é focado na transformação de hábitos. Muitos dos nossos hábitos estão no piloto automático, e isso é uma forma que o nosso cérebro encontra para economizar energia; para que ocorra a transformação do hábito precisamos sair do piloto automático. Então, hoje eu gostaria de dar algumas dicas de como você pode começar a sair do piloto automático e iniciar uma transformação de hábitos que pode ajudar a transformar a sua rotina e, consequentemente, obter o resultado de emagrecimento que você tanto sonha.

24 Revista Energia

O primeiro ponto para iniciar a transformação de hábitos é saber o que você quer transformar, ter consciência do ponto de partida e do ponto de chegada, ou seja, seu estado atual e seu estado desejado. Depois disso, sair da zona de conforto e planejar uma nova rotina que leve em direção ao seu objetivo; praticar a nova rotina diariamente, de forma a sempre observar o quanto é bom e quanto benefício essa nova prática está trazendo; fixar suas energias e seu pensamento no lado bom de estar mudando; ser persistente, disciplinado e repetir diariamente a nova rotina sempre acompanhando o seu progresso. Definir ponto de partida (estado atual); Definir ponto de chegada (estado desejado); Planejar rotina (muito importante que essa nova rotina seja detalhada, com horários específicos para cada tarefa); Persistir e ser disciplinada a realizar todos os dias a rotina estipulada; Acompanhar a sua evolução e conquistas. Antigamente e até mesmo nos dias atuais, achava-se que 21 dias era o tempo necessário para incorporar um novo hábito, mas na verdade esse dado não possui um embasamento científico. Estudos atuais demonstram que o tempo necessário para essa mudança depende de vários fatores, inclusive da complexidade dos hábitos que se quer criar e de cada pessoa, portanto, essa transformação pode ocorrer de 2 a 8 meses, segundo estudos desenvolvidos por Phillippa Lally, pesquisadora de psicologia da saúde na University College London, publicado no European Journal of Social Psychology. Agora que você já sabe como começar a mudar seus hábitos para ter um resultado de emagrecimento saudável e duradouro, basta colocar tudo em prática! Vamos lá?


Revista Energia 25

Informe publicitรกrio


26 Revista Energia


Revista Energia 27


28 Revista Energia


Revista Energia 29

Informe publicitรกrio


Capa

Pets: com a saúde

sempre em dia!

Quem tem um animal de estimação sabe que cuidados constantes garantem boa saúde e qualidade de vida Texto Heloiza Helena C Zanzotti Fotos Arquivo pessoal 30 Revista Energia


Revista Energia 31


M

uito se fala atualmente na importância da medicina preventiva para a saúde dos humanos, mas ela também funciona para os animais. Manter visitas periódicas ao veterinário, vacinas e vermifugação em dia são cuidados fundamentais para evitar doenças que podem comprometer a saúde do seu melhor amigo.

CUIDADOS NO VERÃO

Sol, calor, chuvas... Neste período de altas temperaturas a proliferação de mosquitos, pulgas e carrapatos é muito comum, por isso é importante estar sempre atento a alguns problemas típicos dessa época do ano e que podem ocasionar problemas dermatológicos como coceiras, alergias, perda de pelo e até mesmo doeças graves, como a Erliquiose e Babesiose, transmitidas pelo carrapato. Ambas merecem bastante atenção porque podem provocar a morte do pet. DERMATOLOGIA VETERINÁRIA

Esta é uma área que vem crescendo muito nos últimos anos. Problemas dermatológicos em cães e gatos são bastante frequentes em clínicas veterinárias e muitos podem ser evitados com consultas preventivas e orientações corretas. Além de uma série de doenças que podem atingir os animais, o excesso ou escassez de banhos e o uso de alimentos ou produtos inadequados também prejudicam a saúde dos pets e muitos acabam sofrendo devido à falta de informação dos seus tutores. A dermatologia veterinária cuida especificamente da pele, pelos, unhas e problemas nos ouvidos, fazendo a prevenção, o diagnóstico correto e o tratamento adequado das doenças. DRA ANA CAMILA TURINI COGO

Proprietária da Clínica Veterinária e Centro de Dermatologia Veterinária Toca dos Bichos, a Dra Ana Camila é médica veterinária pós-graduada em Clínica Médica de Pequenos Animais pelo Instituto Qua-

ANTES

DURANTE

DEPOIS

O cãozinho da foto é a Valentina, que teve a sorte de ser tratada pela Dra Camila. A Valentina tinha celulite juvenil e após o tratamento está assim, charmosa e saudável! 32 Revista Energia


littas de Pós Graduação em Medicina Veterinária (2004), Mestre em Clínica Veterinária pela FMVZ – UNESP de Botucatu com ênfase em Dermatologia (2008), com estágios e exercícios profissionais na área de Dermatologia e Otologia na Universidade Federal de Lavras - MG (2006/2008) e atualmente cursando pós-graduação em Dermatologia pelo Instituto Equalis. Desde 2007 é sócia efetiva da Sociedade de Dermatologia Veterinária, que congrega os dermatólogos veterinários de todo o país promovendo reuniões, seminários, encontros e congressos regionais, nacionais e internacionais, visando ao aprimoramento técnico e científico de seus associados. APRIMORAMENTO PROFISSIONAL

Apaixonada por animais, a Dra Camila começou a desenvolver seu amor pela dermatologia em 2003, durante a pós-graduação em Clínica de Pequenos Animais, depois de frequentar aulas com grandes mestres da área como o Dr. Ronaldo Lucas, Dr. Marconi Farias e Dr. Carlos Arthur Lopes Leite. Convidada a fazer o TCC na área e estagiar na Universi-

instalações apropriadas, aparelhagem moderna para realizar os exa-

dade Federal de Lavras, MG, posteriormente fez o mestrado também

mes necessários para obter diagnósticos precisos e o melhor tratamen-

na área de Clínica Médica de Pequenos Animais, defendendo tese em

to para o seu pet, além de um centro cirúrgico completo para cirurgias,

dermatologia, além de outros cursos, congressos e aperfeiçoamentos,

das mais simples às mais complexas, além de diversos outros serviços

o que possibilitou que recebesse o título de dermatóloga. Atualmente, a

para os animaizinhos.

especialista atende em Jaú e cidades vizinhas, ministra palestras para veterinários em todo o Brasil através da empresa Centagro, onde também

EXCELÊNCIA EM SERVIÇOS

desenvolve material técnico. Devido ao avanço constante no campo da

Sob os cuidados da Dra Camila Turini, o seu animal ficará sempre

dermatologia de cães e gatos, tanto na esfera de conhecimentos técnico-científicos como nos diagnósticos e terapias, a médica veterinária está sempre em processo de atualização através de cursos e congressos de dermatologia e da veterinária em geral.

com a saúde em dia. Entre os serviços disponíveis na clínica, estão: Exames como parasitológico de raspado cutâneo, luz de Wood, biópsia, histopatologia, otoendoscopia, tricograma, etc. Pet shop, onde você encontra as melhores marcas de rações e petiscos, modelos variados de roupas e camas, comedouros, brinquedos

TOCA DOS BICHOS

e acessórios, sempre com muitas novidades para agradar você e o seu

Fundada em 2001, a Toca dos Bichos possui uma equipe completa

melhor amigo.

e dedicada de profissionais, proporcionando o que há de melhor nas

Banho & tosa, com profissionais treinados e capacitados para que

especialidades de ortopedia, neurologia, oncologia, oftalmologia, en-

a hora do banho seja sempre tranquila; ambiente climatizado e isolado

docrinologia, cardiologia, acupuntura e ozonioterapia, além de ser refe-

das outras dependências da clínica e do pet shop. Além disso, a utili-

rência em dermatologia no interior do estado de São Paulo, oferecendo

zação de produtos e procedimentos Pet Smack garantem a máxima

os mais avançados recursos e tratamentos para cães e gatos. Possui

qualidade no serviço.

Revista Energia 33


AMAR É CUIDAR

Uma série de doenças se manifesta através da pele dos pets que, por tratar-se do maior órgão do corpo, pode ser porta de entrada para outras doenças mais graves e muitas pessoas acabam gastando tempo e dinheiro com tratamentos errados, agravando muitas vezes a saúde do animal. Além do diagnóstico e tratamento corretos, a Dra Camila orienta e indica os melhores produtos e procedimentos para você utilizar na rotina do seu pet. Sabe aquela simples coceirinha, que muitas vezes não damos a devida atenção? Ela pode ser um indício de algum problema mais sério, então, não facilite! DICAS IMPORTANTES

Como mencionamos, no calor é grande a proliferação de mosquitos, pulgas e carrapatos que podem transmitir doenças, por isso, é fundamental cuidar da limpeza do local onde o animal vive para evitar a presença desses parasitas. Uma boa alimentação, água limpa e fresca, vacinas em dia, banho e escovação periódica ajudam a manter o bichinho saudável, mas nem sempre impedem que alguma alergia ou outro problema apareça, por isso, visitas constantes ao veterinário são fundamentais. Com o cuidado certo, com certeza você e seu amiguinho terão muitos momentos felizes. E se ele precisar você já sabe: na Toca dos Bichos ele será sempre muito bem tratado! 

34 Revista Energia

Tel: (14) 3624-6655 99148-2160 Rua Humaitá, 1411 Centro, Jaú/SP contato@tocadosbichosjau.com.br


Texto Heloiza Helena C Zanzotti

O

Decreto 4.186 de 22 de julho de 1996, assinado na gestão do então prefeito Waldemar Bauab, deu nome ao bairro onde seria implantado um núcleo habitacional composto por dois mil lotes urbanizados, em área pertencente à Fazenda Santana. O nome escolhido, Jardim Padre Augusto Sani, foi uma homenagem ao padre italiano que morou em Jaú e muito fez pelo bairro, inclusive modernizando sua capela e tendo lutado mais tarde pelo calçamento do local. A RE conversou com Cristiano Pires de Campos, 43, pescador profissional, e sua esposa Rosa Maria Mendes,40. O casal contou que mora no bairro desde 2006, época em que residiam na última rua. “Era tudo terra, não tinha as casas da Cohab. Tinha um barzinho bem pequeno e as pessoas vendiam as coisas nas casas mesmo, em peruas que passavam, ou de porta em porta”, conta Cristiano. Ele lembra que não havia água encanada, então, um caminhão passava abastecendo as residências, mas conta que o asfalto e a energia elétrica chegaram rapidamente. “Aí já começaram a abrir os comércios, padaria, mercadinhos”, explica. De acordo com o pescador, eles venderam a casa onde moravam, no final do bairro, e compraram outra mais bem localizada. “O bairro cresceu bastante, agora tem praticamente tudo. Gostamos de morar aqui”, afirma. Cristiano também vai deixar sua marca no local. Ele foi o responsável pela construção de um parquinho para as crianças com balanço, escorregador e outros brinquedos adquiridos com recursos próprios. “Também fiz uma quadra de vôlei ao lado

da base policial, coloquei os pneus coloridos e fiz bancos para o pessoal que espera o ônibus”. No Jardim Padre Augusto Sani está localizado o Recinto de Exposições Sebastião Ferraz de Camargo Penteado, palco da Expo Jaú, onde já ocorreram diversas edições da Feira Agropecuária local, além de outras exposições e eventos. 

Revista Energia 35


Informe publicitรกrio

36 Revista Energia


Revista Energia 37


HÁ 19 ANOS

Distribuindo Resultados AGRADECEMOS NOSSOS PARCEIROS E CLIENTES

PELA CONFIANÇA!

A Panfletos&Cia é uma empresa especializada na distribuição profissional de panfletos em diversas modalidades DE CASA EM CASA

DE MÃOES EM MÃOS

VEÍCULOS ESTACIONADOS

SEMÁFOROS

PONTOS COMERCIAIS

9.9120-0387 www.panfletosecia.com

38 Revista Energia

Jaú/SP

• jau@panfletosecia.com • /PanfletoseCia.Jaú Rua José Manoel Caseiro, 800 • Jd. Maria Cibele • 14 3621-1634

Cara do Cartão

ORÇAMENTOS


Energia Solar Por Ricardo Yamaguti Lima Proprietário da LB Sol Energia Solar

Você ainda não usa energia solar? A energia solar fotovoltaica crescerá mais de 80% em 2019 e será uma grande locomotiva de prosperidade (Ronaldo Koloszuk- Absolar)

D

e acordo com o site “Investimentos e Notícias”, a energia solar já é uma das fontes renováveis mais competitivas do Brasil, com retornos sobre investimento entre 3 e 7 anos na geração distribuída. Isso significa que, atualmente, em pouco tempo você tem retorno do capital investido. Sem mencionar o quanto vai economizar na conta de energia elétrica, é claro. Em se tratando de empresas, então, as vantagens fazem valer o investimento mais rapidamente, além de ser fonte de energia renovável. E tem mais: a valorização do imóvel com a energia fotovoltaica instalada tem um aumento significativo, muitas vezes superior ao que se gasta com a instalação do projeto, gerando lucro imediato. Se a preocupação é com a falta do capital, saiba que diversas instituições financeiras já oferecem linhas de crédito e até consórcios para a aquisição de um sistema de energia solar, inclusive com carência para o cliente realizar o primeiro pagamento, e estão disponíveis para pessoas físicas, empresas e produtores rurais. Não é por acaso que muitas pessoas estão adiando a compra de um veículo zero ou até uma viagem internacional para investir em um sistema de energia solar, que pode durar mais de 30 anos, gerando economia de imediato. Esses consumidores estão de olho num futuro muito próximo, quando a economia certamente será convertida em mais lazer e bem-estar.

Micro Inversor Solar Essa novidade já está disponível na LB Sol, que trabalha com tecnologia de ponta. O micro inversor é um inversor solar em menor tamanho, projetado para trabalhar com um único painel ao invés de uma série de painéis solares. A maioria dos sistemas residenciais mais avançados já utiliza essa tecnologia que possui a mesma função do inversor tradicional, com algumas vantagens, como por exemplo, se houver falha em um dos painéis, não afetará todo o sistema, como acontece no caso do inversor tradicional. E como os painéis são independentes, é possível adicionar um ou mais, se houver necessidade. O novo sistema tornou a instalação mais rápida, fácil e segura, o que contribui para a viabilidade do projeto. Com a LB Sol, cada sistema é avaliado e personalizado de acordo com as suas necessidades; cada projeto é realizado de forma específica, minimizando os custos e aumentando a eficiência. Para todas as estações Nestes dias de calor intenso que estamos atravessando, em que o uso do ar-condicionado é imprescindível para suportar as altas temperaturas, você estará utilizando a energia gerada pelos painéis solares, sem preocupar-se com a conta do próximo mês. Do mesmo modo, nos dias mais frios, quando o chuveiro é o grande vilão por consumir muita energia elétrica, quem utiliza a energia solar não gasta mais, mesmo em dias nublados. Agora que você já conhece todas as vantagens, que tal solicitar um projeto para sua casa ou empresa? 

Revista Energia 39


40 Revista Energia


Consultoria Por Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves

consultoria@revistaenergiafm.com.br

Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves é administrador, contador, consultor, palestrante e professor universitário com MBA pela FGV – RJ em Gestão Estratégica de Pessoas; presidente  da AESC – Associação dos Escritórios e Profissionais da Contabilidade de Jaú e região - gestão 2004/2005; atualmente  diretor da AESC Jaú; proprietário do DinamCorp Corporação Empresarial e Contábil; proprietário da Prosol Unidade Jaú e consultor e orientador em desenvolvimento de softwares Prosol – São Carlos

Que tal tomar uma dose de consciência, regada a um banquete de juízo? Você sabia que o Brasil, a partir de 2019, está a caminho

F

de ser um novo país, em todos os aspectos?

alo isso porque hoje o povo está muito mais antenado com seus direitos e, consequentemente, fará o mesmo com suas obrigações. Vamos tentar analisar juntos e para isso não precisamos fazer muitas contas. Comece olhando para as mudanças ocorridas com a Reforma Trabalhista: ao contrário do que muitos pregam, na verdade ela trouxe muitas mudanças boas, sem a redução de direitos dos trabalhadores, claro que dá para melhorar ainda mais, vem por aí a Reforma da Previdência Social e a Reforma Tributária, cogitadas pelos atuais governos Estadual e Federal, com redução de cargas tributárias e muito mais. Temos um governo totalmente renovado (por mais que digam não ser o melhor, é o que temos para o almoço), com ministros escolhidos a dedo, que conhecem como ninguém as áreas em que atuam, começando pelo Ministro Juiz Sérgio Moro, que juntou num único superministério o Ministério da Justiça, Polícia Federal, Receita Federal e Coaf; eu imagino o que eles farão com as informações cruzadas, ou seja, só vai continuar fazendo coisas erradas quem não tiver juízo nenhum mesmo. O eSocial também trouxe uma mudança absurdamente radical na cultura dos empregadores, e que ainda não foi percebida por muitos empresários e trabalhadores autônomos. Espero que você não esteja entre os que não perceberam. Teremos, no mínimo, quatro super órgãos olhando a cada minuto para a relação empresa x trabalhador, entre eles RECEITA FEDERAL DO BRASIL, PREVIDÊNCIA SOCIAL, CAIXA FEDERAL e MINISTÉRIO DO TRABALHO, assistindo de camarote as peripécias daqueles que ainda se julgam acima da lei. Além disso, os supercomputadores da Receita Federal já estão confrontando informações de tudo com tudo; você comprou ou vendeu um carro, eles já sabem; comprou um imóvel (casa, apartamento, terreno, fazenda, chácara, sítio, etc), eles também já sabem; ampliou sua casa, pois é, eles já sabem. Tudo isso é muito simples pelo CPF e CNPJ, inclusive o que você faz com seu cartão de débito e crédito, além da movimentação em contas correntes, aplicações, investimentos e poupanças. Sabem através

do e-financeiro, ou seja, daqui há muito pouco tempo a Receita Federal irá perguntar ao empresário em qual conta deverá ser debitado o valor do tributo apurado, sem o menor esforço. Isso quer dizer, na prática, que as coisas irão melhorar? Sim, exatamente isso. Mas não será de graça, tudo tem um custo para ficar melhor. Olhando pelo lado positivo isso é ótimo, pois o brasileiro sempre quis que houvesse de fato a cobrança de tributos, desde que usassem de forma correta o nosso dinheiro, pois sempre tivemos a sensação e a certeza que nosso suor nunca foi aplicado de forma justa e correta. Também a concorrência entre empresas de segmentos semelhantes serão mais justas e coerentes, sendo que todos terão que emitir notas fiscais, pois nos bastidores sempre se ouve: “se eu fizer o que é para ser feito, minha empresa quebra”. Acho melhor rever estes conceitos, pois não vale a pena correr riscos. Hoje as pessoas descobriram uma poderosa ferramenta que pode e deve ser utilizada a nosso favor: as chamadas mídias sociais. Através delas podemos gerar movimentos pacíficos quando estamos descontentes com qualquer assunto, especialmente aqueles relacionados aos governos sem competência para administrar uma cidade, um estado ou mesmo a própria União. A sensação para o futuro, e inclusive tenho conversado com muitas pessoas e empresários, são as melhores possíveis. O Brasil está mudando, nós estamos mudando e queremos gerar bons parâmetros, para que possamos ter uma vida melhor, com mais saúde, segurança, educação e trabalho, não importa a ordem, desde que tenhamos. Então, prepare-se para crescer a partir deste ano, mas também prepare-se para observar se seu negócio está trabalhando de maneira adequada e legalizada. Que tal tomar uma dose de consciência, regada a um banquete de juízo e rezar para que tudo dê certo? Com certeza o Brasil estava precisando de novos ares; espero sinceramente que essa mudança atenda a todos os duzentos e tantos milhões de brasileiros e que estejamos entre eles. Amém. 

Revista Energia 41


Agronegócio

Elas

são agro! Empoderamento feminino cresce no agronegócio Texto Bábara Milani Fotos Arquivo pessoal

M

esmo nos dias atuais, sabemos que a inclusão de mulheres em diversos segmentos da sociedade ainda são vistos com certo tabu. A maioria das pessoas é criada com pensamentos opressores às mulheres e infelizmente ainda acompanhamos inúmeras situações de casos abusivos. Por outro lado, vemos também que elas não estão ficando mais caladas, mas buscam seus direitos, conquistando espaço dentro e fora do mercado de trabalho. Nesta edição da RE vamos mostrar para vocês, leitores, o quanto o empoderamento feminino e o agronegócio estão andando lado a lado, e a importância desses fatores para uma sociedade mais justa.

VOCÊ CONHECE O AGRONEGÓCIO? O termo “agribusiness” surgiu na Universidade de Harvard, em 1957. Os pesquisadores John Davis e Ray Goldberg atribuíram ao “business” o sentido de “ocupação” e não de “negócio” propriamente dito. Em português, o termo foi traduzido de diversas formas, mas a palavra agronegócio é uma das mais utilizadas. Agronegócio é a soma das operações de produção e distribuição de suprimentos agrícolas; das operações de produção nas unidades agrícolas; do armazenamento, processamento e comercialização dos mesmos e de itens produzidos a partir deles. O setor também envolve a pesquisa científica e até a comercialização de alimentos, fibras e energia. A MULHER EM DESTAQUE Já passou a época em que as mulheres eram rebaixadas em questões sociais ou serviam de motivo de gozação por parte de pessoas machistas. Aposto que você, leitor da RE, já ouviu piadas de mau gosto ou já leu algo na rede social do tipo “lugar de mulher é na cozinha”. Aviso cedo: lugar de mulher é onde ela quiser. E essa frase tão usada atualmente faz total sentido! O empoderamento feminino é o ato de conceder o poder de participação social às mulheres, garantindo a ciência delas sobre a luta por seus direitos. Empoderar mulheres e promover a igualdade de gênero em todas as atividades sociais e econômicas são garantias de um fortalecimento, mas também é uma revolução. 42 Revista Energia

Sempre relevante na parte nutricional das famílias, a presença da mulher no agronegócio foi discreta por muito tempo, mas é algo que está começando a mudar. Existe um número maior de agricultoras, pecuaristas, executivas de empresas do setor, pesquisadoras e empreendedoras que estão ocupando um papel de liderança no agronegócio. De acordo com o agricultor e presidente da Associação dos Plantadores de Cana da Região de Jaú (Associcana) e da Organização dos Produtores de Cana do Centro Sul do Brasil (Orplana), Eduardo Vasconcellos Romão, a figura da mulher no agronegócio é um cartão de visita e ajuda nas negociações. “A escolha da nossa ministra da Agricultura tem a ver com isso, fora sua competência como agrônoma e executiva na produção de proteína animal”, explica. PERFIL DA MULHER Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG) entrevistou 862 mulheres divididas em três categorias: antes da porteira (serviços que atendem a fazenda), dentro (produtoras em geral) e depois da porteira (atividades relacionadas ao comércio e industrialização). Segundo os dados, 74,2% das mulheres afirmaram já terem sofrido preconceito. No entanto, 61,1% relataram que não se intimidaram com a situação. Outro ponto abordado na pesquisa foi o papel delas na adoção da tecnologia no agronegócio: com a maior participação feminina, o setor se tornou mais comunicativo e inovador. Felizmente, pelo menos 20,1% das mulheres possuem interesse em aprender sobre o mercado tecnológico. Como já citamos, existe a discriminação de gênero, e isso é uma barreira, infelizmente. Uma pesquisa da Corteva AgriscienceTM, Divisão Agrícola da DowDuPont, realizada entre agosto e setembro de 2018 em 17 países, serviu para ressaltar a importância das mulheres no setor e identificar as barreiras que as impedem de uma participação total. No Brasil, 433 mulheres foram entrevistadas, sendo que 90% sentem orgulho em trabalhar no campo ou na indústria agrícola, mas isso não quer dizer que elas sejam felizes ou que estão satisfeitas. No nosso país, a maior parte das entrevistadas indicou a desigualdade de gênero e afirmou ainda que recebem salários me-


Imagem: Internet Revista Energia 43


nores do que os homens que exercem funções semelhantes. O que mais chama a atenção nessa pesquisa é que 44% das mulheres entrevistadas acreditam que o Brasil levará, em média, de uma a três décadas para alcançar a igualdade entre os gêneros. De acordo com elas, cinco fatores poderiam remover os obstáculos para que ocorra a equidade: mais treinamento em tecnologia, mais educação acadêmica, mais apoio, comunicar e sensibilizar o público em geral para a discriminação de gênero na agricultura. CAPACITAÇÃO O significado do termo tem a ver com a preparação da pessoa para enfrentar situações derivadas da função que exerce. A medida dá autonomia e autoconfiança para gerar crescimento e melhorias, e estimula o desenvolvimento de habilidades, independentemente da personalidade pessoal. Na nossa região, precisamente em Torrinha, a capacitação de mulheres no agronegócio parte de treinamentos entre o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural e o Sindicato Rural do município. A engenheira agrônoma Renata Rodrigues de Almeida Farias Cassola, 44, vê como um avanço a inserção da mulher no setor. “Somos proativas, práticas, inovadoras e existem atributos que facilitam acompanhar o dinamismo do agronegócio”, afirma. De acordo com Renata, em 2018 foram capacitadas 47 mulheres nos diversos segmentos do agronegócio como legislação ambiental, cultura do café e turismo rural.

NOSSA REGIÃO Especialista em exportadores de commodities agrícolas, líder em soja-milho, açúcar, suco de laranja, proteína animal e café, a Associcana realiza a inserção da mulher no agronegócio. Para o presidente Eduardo Vasconcellos Romão, não há distinção entre homens e mulheres, todos são empreendedores. “As mulheres fazem parte da Associcana, que está inserida em um contexto de 32 outras associações. Todas debaixo do guarda-chuva, pois é a Orplana que as congrega. Como atual presidente, no nosso planejamento estratégico consta a inserção da mulher no agro. Isso nos fortalece perante a sociedade de maneira geral”, pontua. Aposto que você já ouviu o ditado “mais vale qualidade do que quantidade”, acertei? Foi essa a impressão que o presidente Eduardo passou quando questionado se tinha ideia de quantas mulheres atuam no agronegócio, especificamente em Jaú. “Não tenho essa noção, mas com certeza são muitas. As que conheço nos fortalecem! Nos ajudam com seu exemplo de dedicação, empenho e sabedoria, e são produtoras de sucesso. O exemplo auxilia no empenho para o êxito no negócio”, explica Romão. MÃO NA MASSA Sempre acompanhando o pai, a agricultora canavieira Ana Neuza Sajovic Vaz de Camargo, 65, tomou a frente do agronegócio em 2002. De acordo com ela existe uma maior inclusão das mulheres no agronegócio, mas esse fator pode-se dar também em função de uma viuvez ou herança. Desde muito nova, Ana Neuza frequentava fazendas com interesse. O pai, médico e por tradição de família de agricultores, comprou a dele. “Eu o acompanhava muito e queria saber tudo o que estava acontecendo. E ele sempre me explicava”, conta. Com o falecimento do pai em 1989 e o falecimento do irmão em 2002, Ana Neuza assumiu as duas propriedades: uma de pecuária e outra canavieira. Segundo ela, o processo de transição foi muito delicado porque era uma mulher assumindo e muitos homens torcendo para que tudo desse errado. “Fui muito feliz, meus primos e amigos foram de grande compreensão e ajuda”, relata. Como em todos os setores, no agronegócio também temos momentos de dificuldades. A agricultora teve um início mais estável de 2002 a 2006, mas nem sempre tudo foram flores. “Tem momentos em que você quer largar tudo... a mãe natureza é forte, teve períodos em que ora chovia, ora a seca tomava conta”, diz. Mas ela nunca desistiu, apesar dos obstáculos. Ana Neuza procura sempre frequentar palestras, encontros e feiras onde se informa e aprende ainda mais sobre o seu negócio. “Como não sou agrônoma, veterinária ou técnica na área, procurei e procuro pessoas especializadas. Sempre senti boa receptividade por parte da ala masculina. Infelizmente, poucas são as mulheres que participam dos eventos que são oferecidos em nossa região. Não consigo participar de todos, porque às vezes me falta tempo”, comenta. PRECONCEITO Diversas pessoas ainda têm preconceito com relação à inserção das mulheres em alguns aspectos da sociedade, mas você sabe o que é preconceito ao pé da letra? É um juízo pré-concebido que se manifesta em uma atitude discriminatória perante as pessoas, crenças, sentimentos e tendências de comportamento. Trata-se de uma ideia formada antecipadamente, sem fundamentação, além de ser o resultado da ignorância das pessoas. A definição, por si só, já não é legal? Agora, imagine isso na prática, porque o preconceito sobre a mulher assumir os seus direitos está cada vez mais forte. Acompanhando o noticiário vemos crescer os casos de feminicídio no Brasil, considerado o quinto país no ranking dos países que mais matam mulheres. Na maioria das vezes, os casos são relacionados ao crime passional, mas existem casos de homens que não aceitam um papel de destaque das mulheres na sociedade e as matam. A agricultora Ana Neuza sofreu preconceito no setor da pecuária, mas houve uma superação por parte dela quando assumiu as propriedades da família. “O maior preconceito existe por parte do

44 Revista Energia


pessoal de fora, que vem colher a sua cana. A mulher de hoje é muito guerreira, trabalhadora, organizada e se preocupa muito com a qualidade do projeto que vai plantar; assim, conquista um melhor resultado final”, destaca. NA POLÍTICA A deputada Tereza Cristina Correa da Costa Dias assumiu o cargo de ministra da Agricultura no início de janeiro. Ela foi a primeira mulher a compor o primeiro escalão do governo do presidente eleito, Jair Bolsonaro. A nomeação aconteceu após críticas de que a equipe de transição do novo presidente era composta apenas por homens, mas apesar das críticas, o ato pode ser visto com bons olhos! A ação deixa ainda mais nítida a inserção da mulher no setor do agronegócio e também na política. De acordo com o presidente Eduardo Romão, com a mudança de governo a economia do país está tomando outro rumo. “Sem ideologia, mas buscando eficiência nos processos e trazendo qualidade de vida a toda a sociedade. As regionalidades irão no mesmo caminho. Precisamos ficar atentos e com muito trabalho, buscar por uma agricultura mais sustentável”. EVENTOS PELA REGIÃO No mês passado, Jaú sediou um evento exclusivo para as mulheres do agronegócio. Realizada pela primeira vez, a “Conferência Mulheres no Agro” expôs conteúdos sobre o setor, destacou cases de sucesso e criou um ambiente de inspiração por meio da troca de experiências. Mais de 500 mulheres de diversas cidades do Estado de São Paulo e outros Estados se inscreveram, mas o evento comportou cerca de 60 pessoas. Mas você, mulher do agronegócio, que sempre fica antenada nas palestras e eventos, não se preocupe! Anote na sua agenda: dia 21 de março, em Ribeirão Preto, acontecerá o “Encontro Cana Substantivo Feminino”, no Centro de Cana do IAC, que servirá para debater ações que visam ao aumento da presença feminina na agroindústria canavieira, além de abrir espaço para mulheres contarem suas experiências e

sugerirem soluções para o desenvolvimento sustentável do setor. Não dá para perder, não é? Além do acesso aos debates, a inscrição dá direito a test drive em máquinas agrícolas, café de boas-vindas, coquetel de confraternização e sacola oficial do evento recheada de mimos. ABRA SUA MENTE Se você chegou até aqui é porque o assunto interessou, por isso, abra sua mente em todos os aspectos. Caso ainda sinta algum preconceito ao ver mulheres assumindo posições e correndo atrás dos seus direitos, lembre-se que, como mencionado acima, o lugar da mulher é onde ela quiser! Clichê ou não, a frase diz tudo. Que neste ano que se inicia possamos abrir mais nossas mentes e aceitar que todos temos os mesmos direitos. 

Revista Energia 45


46 Revista Energia


Revista Energia 47


Look de artista

48 Revista Energia


Fotos: Mayra Ferroni Modelo: Rafaela Oliveira da Silva Looks: Vestylle Megastore Produção: Jorgin Cabelo e Estética

Local: Flora Paraíso Paisagismo Revista Energia 49


50 Revista Energia

Tel: 14 3622 8364 Av. Frederico Ozanan 770 - JaĂş/SP


Revista Energia 51


52 Revista Energia


club

Social

Mirante do Pouso A tradição e o sabor característicos da comida caseira! Se você é daqueles que não perdem a oportunidade de ir a um bom restaurante para o almoço de domingo, uma ótima pedida é o Restaurante Mirante do Pouso. Confira quem aproveitou as delícias no almoço do último dia 13/01.

Revista Energia 53


Supermercados Jaú Serve - promoção “Natal Feliz de Casa Nova” A Rede de Supermercados Jaú Serve encerrou em grande estilo a promoção “Natal Feliz de Casa Nova”, que premiou 36 clientes que representaram todas lojas da rede. Há mais de uma década o Jaú Serve brinda seus clientes com essa tradicional e aguardada promoção. O sorteio foi comandado pelo Woody, garoto propaganda da empresa, e foi transmitido ao vivo pelo facebook e por mais de 60 veículos de comunicação entre TVs, rádios, jornais e redes sociais. O ponto alto foi o prêmio extra: uma casa no valor de 180 mil reais. Confira mais fotos em nosso site: www.jauserve.com.br

54 Revista Energia

Foto: Arquivo pessoal

club

Social


Revista Energia 55


club

Social

Jaú Shopping O mês de janeiro foi muito divertido no Jaú Shopping. Além de todas as atrações que o empreendimento oferece, teve recreação para as crianças, pinturinhas de rosto com a Coloré Pinturinhas e Teatrinhos infantis com a Kids Story Personagens. Toda a programação montada pelo Jaú Shopping foi gratuita.

56 Revista Energia


club

Social

HVA Confraternização

Médicos Veterinários de Jaú e região O Sítio Araújo foi o local escolhido para a confraternização da Associação dos Médicos Veterinários de Jaú e região. O evento reuniu membros da associação, amigos e fornecedores que aproveitaram para colocar o papo em dia, trocar experiências e relaxar.


Empresas que movimentam 2018

EMPRESAS QUE

movimentam

A

segunda edição do prêmio EQM veio coroar o ano de 2018! Mais uma vez, cada um dos envolvidos deu um verdadeiro show. A festa foi realizada no Lumare Eventos, com organização assinada pela cerimonialista Natália Peretti. A decoração ficou por conta da Bella Decorações que, aliada às soluções de iluminação da empresa K Eventos, tornaram a festa memorável em cada detalhe. O EQM premiou as empresas que se destacaram durante o ano, reunindo mais de 450 pessoas. O delicioso Buffet Renato Grizo trouxe ainda mais personalidade ao evento! Com uma equipe preparada, equipamentos de ponta e profissionalismo destacável, as empresas Couple e Kana Kaiana impressionaram até os mais antigos na área, através de fotos e vídeos. No som, o DJ Xande deu um show de profissionalismo! O artista destaque de 2018, Daniel, presenteou convidados com um show maravilhoso, esbanjando simpatia e carisma. Para fechar com chave de ouro, ele ainda abençoou o Grupo Energia, nos presenteando com uma imagem da Nossa Senhora Aparecida, momento que emocionou a todos! Aproveito este espaço para parabenizar todas as empresas que movimentam, agradecer nossa equipe e nossos parceiros por mais um ano de sucesso absoluto deste projeto. O ano está só começando e temos muitas novidades! Vem aí EQM 2019, aguardem!

Lumare Eventos

Couple Films Cine Wedding

58 Revista Energia

Renato Grizzo Buffet

Bella Decorações

DJ Xande

K Eventos

Natalia Peretti Cerimonial e Eventos

KanaCaiana


Social

EQM 2018 O prêmio EQM – Empresas Que Movimentam, idealizado pelo Grupo Energia, homenageou empresas de Jaú e região que desfrutaram de um belíssimo jantar show com o cantor Daniel.

Antônio Badih Chehin

AD Movelaria Italínea

Alvorun Projetos Esportivos

Atacadão das Baterias

Revista Energia 59


Auto Escola Gabriel

Auto Posto Continental

Avatim

BarracĂŁo Mais Supermercados

60 Revista Energia


Auto Posto e Conveniência Confiança

BBZ Materiais Elétricos

Bebidas Jaú

Belchior Imóveis

Revista Energia 61


Bella Decorações

Botudog

Box São Vicente

Cebrac

62 Revista Energia


Ceintel Segurança Eletrônica

Central Supermercados

Clayton Lifan Motors

Clínica Espaço Europa

Revista Energia 63


COC Jaú

Confiança Supermercados

CVC

Cynthia Cappellin

64 Revista Energia


Daniel Rosalin Turismo

ColĂŠgio Galileu Mackenzie

DINAMCORP

Equimetal Moenco

Revista Energia 65


Espaçolaser

Colégio Saint Exupéry e Unopar

Fausto Gomes Cabelo & Arte

Fernando Papelaria & Informática

66 Revista Energia


Ford Zevel

Funerária Jauense e Drogaria Exclusiva

GF Materiais para Construção

Gigliotti Seguros

Revista Energia 67


Grupo Infobras

Hotel Jardim

Jahum Real, Real Shopping e Lojão 2 Reais

Jaú Serve Supermercados

68 Revista Energia


Jaú Shopping

Jorgin Cabelo e Estética

K Eventos

Kaisho Culinária Japonesa

Revista Energia 69


La Belle Modas

LB Sol Energia Solar

Lian Sorvetes

Luiz Auto Center

70 Revista Energia


Lumare Eventos

Marquinho’s Bike Sport

Meu Atacado

Monkafé

Revista Energia 71


Mori Motors

New Card

Odontoclinic Jaú

Óticas Carol Jaú

72 Revista Energia


Panfletos & Cia

Perfumaria Sumirê

Posto São João

Primavera Decor

Revista Energia 73


Restaurante Mirante do Pouso

RB Investimentos

Refrigeração Madrona

Renato Grizzo Buffet

74 Revista Energia


Óticas Precisão

RTE Rodonaves

Safira Semijoias

ServLimp

Revista Energia 75


Restaurante Polaco

Shopping Car Centro Automotivo

Sócolchões & Cia

Sorriprime Clínicas Odontológicas

76 Revista Energia


Suporte Soluções Financeiras

Escola Tide

Tom da Pele Boutique

Varejão de Carnes Popular

Revista Energia 77


Villa Jahu

Vivo JaĂş Shopping

Wagui Motos

78 Revista Energia


Prêmio EQM EMPRESAS QUE

movimentam

2018

Mais uma vez a equipe Energia deu um show de dedicação e talento na realização de uma festa deslumbrante, na comemoração de mais um ano de sucesso e de parceria com empresas que movimentam Jaú e região!

Najla e Flávio

Milene e Kleber

Maria Eugênia Marangoni e Antônio Badih Chehin

Claudio e Aline

Keli e Silvio

Márcio Rogério e Fabiana

Heraldo e Heloiza

Revista Energia 79


Maria Eugênia Marangoni e Antônio Badih Chehin

Helena e Elaine

Maria Aparecida e Luisa

Dito e Valéria

Kleber e Talita

Marcelo e Aline

80 Revista Energia

Wilson e Anna Paula

Inês e Camila

Mariana e Sergio


Yassmim e Leonardo

Naiara e Tiago

Prêmio Grupo Energia - Antônio Badih Chehin

Tatiane, Patricia, Jhonny e Vera

Júlia e Junior

Beatriz e Flavio

Prêmio Valor Profissional - Najla Moraes Caleffi

Revista Energia 81


Equipe Energia

82 Revista Energia


Revista Energia 83


Por Evelin Sanches Mestrado em Administração Pública e Governo MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Ações promovem esporte, cultura, lazer e solidariedade Além de colaborar no treinamento e desenvolvimento de

A

atletas, eventos ajudam pessoas através de projetos sociais

lvo Run é uma iniciativa sem fins lucrativos, fundada em

Agora, para abrir o ano de 2019 com brilhantismo, a ABDA Urban Run,

2015 pela voluntária Evelin Sanches (gestora de projetos

uma corrida beneficente que conta com 1.000 inscritos adultos e 250

sociais e esportivos) e Gustavo Bauab (corretor de segu-

crianças, lançada no final de outubro. Com menos de 50 dias de divulga-

ros), a fim de viabilizarem projetos sociais e esportivos de

ção e apenas dez 10 dias antes do

caráter social.

evento, já se encontravam encer-

Durante esses anos a iniciativa estendeu-se a empre-

sários e profissionais liberais que compõem essa equipe de muito suces-

radas as inscrições e havia uma grande lista de espera!

so: Danielli Rios, triatleta e empresária; Luis Okuso, empresário; Mayara

O que mais dizer? Esporte,

Moya Cogo, dentista; Juliano Cogo, gerente administrativo; Fabiana To-

saúde e solidariedade movimenta-

ratti, secretária; João Paulo Prado, professor; Carmyn Del Rosso, gerente;

rão ainda mais o ano de 2019.

Isaque Del Rosso, empacotador e Deise Ferracini, aposentada. Dentre muitos eventos de sucesso, destacam-se: a Tradicional Corrida

Alvo Run. Um Brasil com uma nova visão. 

de São João, em Bocaina, realizada já há 4 anos; a inesquecível corrida Show Aeroclube Night Run, com encerramento da Banda Ira! atraindo milhares de participantes; a corrida Chiquinho Summer Run, arrecadando 500 brinquedos em trinta dias e atendendo mais de 500 crianças.

84 Revista Energia

A agenda de 2019 está completamente fechada, sem vagas para novos eventos.


VESTUÁRIO MASCULINO

CALÇADOS FEMININO

ACESSÓRIOS INFANTIL

ATACADO E VAREJO

POR QUE PAGAR MAIS CARO?

40% ATÉ

!

DESCONTOS NO OUTLET

2 LOJAS NO WWW.OUTLETBRASILMULTIMARCAS.COM Revista Energia 85


Comportamento

Cartilha da felicidade “Felicidade é viver na sua companhia. Felicidade é estar contigo todo dia. Felicidade é sentir o cheiro dessa flor. Felicidade é saber que eu tenho seu amor” Texto Tatiane Dias Fotos Arquivo pessoal

N

essa música, Seu Jorge resume a simplicidade que é sentir-se feliz. Se quem canta seus males espanta, quem canta uma música sobre felicidade consegue ser feliz? Diante de tantos questionamentos que rondam minha cabeça sobre um sentimento que parece ser tão simples para alguns, e para outros se torna algo tão complicado, em muitos casos distante de ser alcançado, seja por um momento ou por uma vida inteira, como saber se de fato somos felizes? Ou se vivemos a síndrome de Poliana, tentando ver a situação melhor do que parece ser? De fato, o que é felicidade? Como conseguir alcançar esse estado de espírito? Existe receita? Qual é a formula? Onde encontro o livro que vai me ensinar a ser feliz? Se você for como eu, cheio de perguntas e vivendo uma constante busca por respostas, garanto que deve estar se perguntando agora: “como conquistar a felicidade? QUERO SER FELIZ QUANDO CRESCER Sabe aquela perguntinha clichê que os adultos fazem para as crianças: “o que você quer ser quando crescer?”. Desde pequena eu já tinha o encantamento pela comunicação e me simpatizava com a profissão de repórter de telejornal, algo que até hoje me faz suspirar, mas não me lembro de pensar sobre felicidade. Acho que pensava que quando conseguisse trabalhar com essa profissão iria viver feliz para sempre, mas até quando esse sentimento iria durar?

86 Revista Energia

Puxando em minhas lembranças, alguns amiguinhos até comentavam em seguir profissões diferentes, mas ninguém falava que queria ser feliz ou que buscava a felicidade. Acho que para uma criança a felicidade deve ser algo tão natural que vem de brinde, junto com a realização do sonho, sendo algo vitalício e estável. DE SENTIMENTO A DISCIPLINA NA FACULDADE Algumas instituições pensaram além, e criaram a disciplina Felicidade. Isso mesmo! Felicidade virou uma disciplina, com importância igual às tradicionais como português, matemática, física, etc. Agora, os alunos vão para a faculdade para aprender a serem felizes. Começou nas gigantes Harvard e Yale, que buscaram apresentar essa disciplina para os alunos que se sentissem infelizes, mas o interesse foi tanto que, em Harvard, é a disciplina mais concorrida entre os graduandos. Em 2018, mais de mil alunos se inscreveram para saber o que o professor Tal Ben-Shahar tinha para ensinar. Esse professor usa técnicas da psicologia para ajudar os alunos a buscarem a sua realização pessoal, dentro de cada área. FELICIDADE NAS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS Outras instituições perceberam o sucesso que é ensinar felicidade e acabaram encaixando a disciplina na grade. No Brasil, universidades públicas como a Universidade de Brasília (UNB) e


Imagem: Internet Revista Energia 87


a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) aderiram à experiência, que foi muito bem recebida pelos alunos. Na UNB, a disciplina é oferecida no campus de Gama, onde se concentram os cursos de engenharia (aeroespacial, automotiva, eletrônica, de energia e de software). Esses cursos exigem muita dedicação dos graduandos, com alta carga horária, muitas disciplinas e pesquisas. Além disso, esse campus não tem uma das melhores estruturas, os alunos vêm de longe, são cada vez mais novos e têm a responsabilidade de estudar em uma instituição tradicional e fazer um curso que, em muitos casos, é o sonho de toda família. Outro fator importante é relacionado a quem desistiu do curso e resolve voltar. Na grande maioria dos casos, o pedido vem acompanhado de um atestado de saúde mental. Foi observado que na metade de todo semestre os alunos começam a apresentar problemas como ansiedade e depressão. A instituição chegou a receber pedidos de pais que, preocupados com os filhos, pediram para a universidade tomar alguma providência. Mas essa disciplina não poderia ser uma cobrança a mais para os alunos que já estavam saturados de tantas responsabilidades, então, a nota deixou de ser uma prioridade, os alunos já começam o semestre com 9 ou 10 no boletim, porque é mais importante a integração dos estudantes do que a nota. No fim do semestre os alunos se juntam em grupos e desenvolvem atividades ou produtos para trazer mais felicidade ao campus. DO PONTO DE VISTA CIENTÍFICO O cientista especialista em fisiologia aeroespacial Misael Chagas, 39, diz que para ele a felicidade está relacionada com o tempo de contribuição para a sociedade, pois quando fazemos algo por outra pessoa há o aumento de endorfina, causando a sensação de bem-estar, “Minha sensação de felicidade está intrincadamente ligada à ideia de que com meus estudos posso ajudar um número de pessoas muito grande”, explica Misael. Para ele, devemos buscar o que nos une e não ressaltar as diferenças, e isso é explicito na época em que vivemos. Então, fica a dica: ajudar os outros vai te deixar mais feliz. BOAS RELAÇÕES E FELICIDADE Sobre as instituições acadêmicas ensinarem felicidade aos seus alunos, o cientista diz ser um grande desafio, pois o sentimento pode estar ligado a vários fatores, como desenvolvimento pessoal e profissional, e é uma tendência confundir esse sentimento com prazer, além da cultura e experiências pessoais de cada um. “É sabido que a sensação de satisfação adulta se relaciona com emoções saudáveis vividas na infância. Generalizar essas sensações para um grupo heterogêneo de estudantes pode gerar um efeito contrário. O aprendizado também se dá por comparação. Estudantes de hoje precisam de internet rápida para a sensação de bem-estar; há pouco tempo precisavam de boa iluminação”, pontua. Ele considera que pessoas que estão com uma relação saudável com família, amigos e sociedade tendem a ser mais felizes e até a 88 Revista Energia

viverem mais que pessoas que se isolam. Além disso, o isolamento não causa somente tristeza, mas também faz decair o empenho cerebral. O cientista também faz uma observação sobre a vida online. Para ele, as redes sociais mostram falta de qualidade nas amizades. “Não existe, e dificilmente existirá, um medidor de qualidade de amizade online. Boas relações e relações seguras nos mantêm felizes e saudáveis”. TEORIAS IMPROVÁVEIS Para o jornalista e professor Erick Pisanni, 30, a felicidade é um estado momentâneo que representa positividade. “Um instante de vida, um recorte do todo que gostaria que durasse para sempre”. Ele diz que não vê sentido em nascer e depois morrer, então, para Erick, devemos buscar a felicidade mesmo não sabendo se é possível encontrá-la. O jornalista não se conforma com as teorias conhecidas, “porque todas as teorias são improváveis, ou seja, que não se podem provar, dependendo exclusivamente da fé. Fé é acreditar em algo que não se pode comprovar; como não tenho fé, não me conformo com as teorias que já ouvi”, explica. Ele acredita ainda que a situação econômica não representa ligação com a felicidade. “Tendemos a achar que quanto mais rico, onde a corrupção não é tão epidêmica como na Dinamarca, Suécia ou Finlândia, há mais felicidade. Então, não acho que exista uma relação entre estado, política e felicidade”, conclui. Sobre o meio acadêmico, ele diz que ensinar felicidade nas universidades, só se for como disciplina optativa, para quem realmente necessite e esteja disposto a pagar com dinheiro ou com tempo. “Acho que a universidade deveria canalizar o tempo e a energia para formar habilidades e competências objetivas de interesse social e econômico, e deixar a felicidade para que cada um encontre a sua, da sua maneira, porque se houvesse a fórmula da felicidade seria fácil erradicar a tristeza, assim, quem diz ter a fórmula, a meu ver, é uma teoria que não se sustenta em todos os casos”. Erick ressalta a importância do oposto, da tristeza, pois sem esse sentimento a felicidade seria apenas um estado natural e não seria notada. Nas redes sociais, ele diz que as pessoas buscam a impressão de serem felizes, pela necessidade de likes e comentários, para assim se sentirem felizes. Se isso acontece constantemente, é provável que essa pessoa não seja feliz. FELICIDADE É SAÚDE A estudante de enfermagem Amanda Araújo, 20, saiu da casa dos pais em sua cida-


de natal para estudar. Ela mora atualmente em uma república de meninas e passou a valorizar mais momentos felizes e de tranquilidade. “Foram muitos momentos infelizes, quando pude valorizar os momentos nos quais me encontro em paz e assim me fortalecer. Período crucial para o desenvolvimento da minha maturidade. Pude ver um pouco do quão ingênuos podemos ser, sem ter sequer a noção de quão grande é o mundo, de tamanhas possibilidades e inúmeras oportunidades”, reflete. Para ela, felicidade é essencial para uma vida saudável, sendo um filtro para retirar as coisas tóxicas que nos acompanham em determinados momentos da vida. Sobre as universidades que ensinam a felicidade, Amanda vê como instituições comprometidas com o bem-estar dos alunos. “Universidades preocupadas e comprometidas querem não só uma vida profissional, mas o profissional com a qualidade de vida. Felicidade pode ser considerada caso de saúde, já que a depressão é também a falta da mesma”, conclui. ESPERANÇA É O MESMO QUE FELICIDADE? O agente escolar, Fabio Pastorelli, 24, acredita em uma teoria para definir felicidade: “Eu consigo ao menos acreditar em uma teoria fácil de ser questionada, mas difícil de ser desmentida. Em nossas vidas passamos por uma série de acontecimentos e em cada fato novo existente os graus de envolvimento sempre são variáveis, contudo, independente de intensidade nas participações desses fatos, nosso corpo e mente desenvolvem sentimentos”. Para ele, se existe esperança, existe felicidade; os infelizes são aqueles que têm diferenças entres esses dois aspectos, já os felizes são os que buscam alguma realização. “Quem tem planos, quem sonha, quem sempre se propõe a buscar algo, esse tem sempre inspiração, vigor e coragem para viver; o processo entre sonho e conquista, acredito que seja a felicidade, sentimento que, por consequência, é o sinônimo mais fiel de esperança. O indivíduo, quando está munido da felicidade não se conforma, não se abate, não se acomoda e tem sempre mais e mais aspirações, porque conhece mais de si e da vida que os demais, pois sabe que a vida pode ser muito generosa para aquele que não a teme”, finaliza. FELICIDADE VEM DE DENTRO A psicóloga organizacional e empreendedora social Célia Maria Lopes da Silva, 64, entende que a felicidade é constituída internamente, construída passo a passo, como uma evolução para se tornar cada dia melhor para si próprio e para outras pessoas. Às vezes achamos que a felicidade está em padrões de beleza, em bens

materiais, em posição social, em ter mais que os outros, mas Célia explica que esse sentimento é passageiro, uma falsa felicidade. “Quando você consegue algo desses itens, por quanto tempo dura essa felicidade? Eu entendo que não se deve perguntar o que é felicidade, a pergunta que deve ser feita é: onde está a sua felicidade?”. A psicóloga diz que a insatisfação logo chega após conquistarmos algo material. “A felicidade é uma conquista de dentro do seu ser, começando, por exemplo, pela sua autoestima, da energia e amor que flui de dentro de cada um e da energia que cada um distribui para si e para os outros. Não devemos buscar sermos melhores e sim mais humanos”, declara Célia. JÁ OUVIU FALAR DE BUTÃO? Butão é um pequeno país localizado no sul da Ásia, fazendo fronteira com a China e a Índia, e eram pequenos feudos em guerra até o século XVII. Em 2008, a nação passou da monarquia absoluta para a monarquia constitucional e fez sua primeira eleição geral. O país é membro da Organização das Nações Unidas e também da Associação Sul-Asiática para a Cooperação Regional. Agora vocês me perguntam: “Tati, o que isso tem a ver com felicidade?”. Tem tudo, meus amigos, porque esse pequeno país é um local muito feliz! Em 2006, após uma pesquisa global, a revista Business Week avaliou essa nação como a mais feliz na Ásia e a oitava mais feliz do mundo. Lá em Butão, o indicador de desenvolvimento PIB (Produto Interno Bruto) virou o FIB (Felicidade Interna Bruta). Apesar de viver com simplicidade, a felicidade está estampada no rosto da população, na preservação da harmonia e tradições, no respeito que eles têm uns com os outros, na educação, na alimentação, no sistema de vida e em muitos outros aspectos. E por que esse local tem crenças e costumes tão diferentes do resto do mundo? Talvez por terem vivido isolados durante séculos... VOCÊ É FELIZ? Depois de conhecermos tantos pontos de vista diferentes sobre felicidade, fica uma pergunta: Você é feliz? Acho que essa reflexão deve ser feita diariamente; devemos pensar mais sobre o que é felicidade para cada um, sobre o que fazemos para alcançá-la e também o que está impedindo que isso aconteça. Pense mais, sinta mais, perca o medo, saia do modo automático e corra atrás de seus objetivos. Busque realizações que, de fato, fazem bem para você e lembre-se: não fique parado! Não se acomode e muito menos se conforme com algo que não o faça feliz. Daqui a algum tempo você vai desejar ter começado a correr atrás do seu sonho hoje. Então, não espere!

Revista Energia 89


90 Revista Energia


Educação Financeira Por Paulo Afonso Economista, consultor, professor doutor nas Faculdades Integradas de Jaú afonso@conectcor.com.br

Diagnóstico financeiro. Isso tem a ver com a sua saúde...financeira Você sabe com certeza quais são os seus reais rendimentos?

Q

uando o assunto é dinheiro não existe uma fórmula mágica. A vida financeira é regida por uma lei lógica e infalível: não se deve gastar mais do que se ganha. Parece óbvio, mas existem milhões de pessoas à revelia dessa lei. Você, inclusive, pode ser uma delas sem ainda nem ter se dado conta disso. Quando gastamos “além da conta”, contraímos dívidas que crescem cada vez mais, simplesmente porque o dinheiro que ganhamos nos meses seguintes nos impede de manter um padrão de vida e ao mesmo tempo pagar dívidas elevadas. Isso cria uma bola de neve alimentada pelos juros. Para evitar esse transtorno é necessário fazer um diagnóstico financeiro. Conforme falei na edição anterior, quando você não está bem de saúde o seu médico solicita alguns exames para fazer um diagnóstico mais preciso e tratar a causa do problema. Em educação financeira é muito parecido. Precisamos fazer um diagnóstico da nossa saúde financeira e a conscientização é o primeiro passo. Em seguida é preciso refletir sobre quais são seus reais rendimentos e detalhar todas as suas despesas, do cafezinho ao aluguel da casa. Como esse assunto demanda maior tempo e espaço, falarei nesse artigo somente sobre rendimentos e no próximo trataremos com mais detalhes a questão das despesas. O primeiro ponto é saber realmente quanto você ganha e nesse caso me refiro a exatamente quanto você põe no bolso porque, conforme o quadro, para um salário bruto de R$ 1.000,00 é preciso deduzir todos os descontos como INSS, IRPF, vale-alimentação, vale-transporte, etc. Nesse caso o seu ganho real é de R$ 900,00. Parece pouco, uma diferença de apenas R$ 100,00, mas isso representa 10% do valor bruto do rendimento. A grande armadilha é que você passa a ter um padrão de vida de R$ 1.000,00 por mês quando seu ganho real é de R$ 900,00 mensais. Essa diferença de R$ 100,00 provavelmente você buscará no cheque especial, com juros estratosféricos, e que no período de um ano vai gerar um grande rombo. Falando em cheque especial, atenção!!! Limite de cheque especial e limite de cartão

de crédito não é rendimento!!! Parece brincadeira, mas muitas pessoas consideram isso como rendimento. De início, sugiro apenas que você procure calcular quanto possui de rendimento mensal, conforme o quadro a seguir: -----------------------------------------------------------------Rendimento Mensal Valor (R$) ------------------------------------------------------------------Total Rendimento Bruto .......... 1.000,00 Salários .................................. 900,00 Comissões ............................. 100,00 -----------------------------------------------------------------Total Descontos Diversos ....... 100,00 INSS ..................................... 80,00 IRPF ............................... Vale-alimentação .................. 20,00 ------------------------------------------------------------------Total Rendimento Líquido (1 – 2) 900,00 ------------------------------------------------------------------Depois de fazer esse levantamento, calcule quanto os rendimentos representam ao longo do ano (mês a mês), incluindo férias e décimo terceiro salário. Mesmo que os rendimentos mensais não sejam altos, você certamente se surpreenderá ao calcular o valor total deles ao longo de um ano. Ao começar a refletir sobre seus rendimentos, você dará início a um processo de mobilização psicológica fundamental em seu comportamento financeiro: a conscientização. Fique atento para não cair na armadilha de superestimar ou subestimar os valores. Não deixe que sua mente sabote essa iniciativa e siga em frente. Isso é muito importante. É preciso ter plena consciência de seus rendimentos, saber exatamente o valor disponível para fazer frente às suas despesas. Em nossa próxima conversa farei o passo a passo de um diagnóstico financeiro referente a despesas. Enquanto isso, mãos à obra, faça o levantamento real de seus rendimentos! Revista Energia 91


92 Revista Energia


Revista Energia 93


Social Pet

por

O final do ano de 2018 foi um sucesso!!! Tivemos a campanha “Apadrinhe um Amipet Apaja”, conseguimos muitas doações e muitos clientes vieram participar da entrega dos presentes com a presença do Papai Noel!!!

94 Revista Energia


Revista Energia 95


Legislação

Ficha Limpa 2 Inicia-se no mês de fevereiro de 2019 mais um período de 4 anos de atividade legislativa aos parlamentares (re)eleitos no pleito de Outubro de 2018

Texto: Deputado Federal Ricardo Izar

S

egundo cálculo da Secretaria-Geral da Mesa Legislativa da Câmara dos Deputados Federais – casa onde exerço mandato desde fevereiro de 2011 -, esta é a maior renovação desde a redemocratização, isto é, desde a eleição da Assembleia Constituinte ocorrida em 1986. Com a eleição de outubro de 2018, a Câmara dos Deputados apresentará a partir de 2019, em sua composição, 243 deputados novos; o que significa uma taxa de renovação parlamentar de 47,3% (até então, a eleição com maior número de novos rostos havia sido a de 1990, com uma taxa de 46% de renovação). Além desses 243 novos deputados (em seu primeiro mandato federal), 251 deputados foram reeleitos, de um total de 444 candidatos à reeleição. Teremos também, dentre os Deputados Federais desta nova legislatura, Senadores que tentaram e conseguiram migrar de casa legislativa e vice-versa, Deputados que se tornaram Senadores ou mesmo Governadores ou Ministros. Temos inclusive, hoje, um antigo colega da Câmara dos Deputados ocupando pelos próximos quatro anos o cargo máximo de comando da nação brasileira: a Presidência da República. Dentro de um forte espírito nacional de renovação par-

96 Revista Energia

DEPUTADO FEDERAL RICARDO IZAR Economista, coordenador para o Sudeste da Frente Parlamentar em Defesa do Consumidor de Energia Elétrica e membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Federal, Presidente da Frente Parlamentar de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, Membro do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados

lamentar, foi com enorme honra e alegria que fui escolhido para continuar representando por um terceiro mandato, 122 mil brasileiros residentes no Estado de São Paulo. Para mim e toda a equipe que me assessora em um trabalho diuturno, é um privilégio continuar lutando pela construção de melhorias junto ao universo dos vulneráveis: crianças, idosos, deficientes físicos e intelectuais, portadores de doenças raras e neurodegenerativas, pacientes na fila do transplante de órgãos, animais não-humanos, entre tantos outros. Além disso, é sempre recompensador verificar que o auxílio que presto a algumas centenas de municípios paulistas, muitos desassistidos pelo Poder Público em ações importantes, conseguem junto ao meu gabinete o espaço e os recursos que necessitam. Entendo que tenho, felizmente, conseguido ser um parlamentar de trabalho relevante em Brasília. Atribuo isso à efusiva resposta popular e ao enorme legado de ensinamentos recebido do meu pai, Ricardo Izar, que foi Deputado Federal Constituinte e exerceu por 7 mandatos uma trajetória política relembrada por todos como íntegra, transparente e correta ao longo de toda sua vida. É, portanto, minha responsabilidade honrar meus eleitores, assim como sua história pública e política, e o sobrenome de toda minha família.


Ao longo dos dois mandatos federais anteriores, me alegro de possuir algumas centenas de propostas legislativas em tramitação, muitas bastante avançadas em discussão no Senado, e reunir cinco Projetos de Leis importantes que culminaram em sua Sanção Presidencial – ponto máximo do trabalho parlamentar legislativo. Tal resultado reforça a ideia de que minhas propostas encontram acolhimento dentro da vontade e necessidade popular. Reúno hoje leis que regulamentam profissões de expressiva importância no setor de serviços (Designers de Interiores e Esteticistas), que melhoraram sobremaneira as relações trabalhistas entre o empregado e o empregador no setor da beleza (Lei Salão Parceiro), que obrigam os serviços hospitalares a verificar no ato do nascimento de novos brasileirinhos a manifestação de algumas deficiências importantes (Teste da Linguinha), que obrigam todos os estabelecimentos infantis educativos e recreativos brasileiros, públicos ou privados, a capacitar seu corpo funcional em medidas de primeiros socorros (Lei Lucas). Além disso tive, enquanto Presidente da Frente Parlamentar Mista no Congresso Nacional em Defesa dos Direitos Animais, papel fundamental na criação de uma rubrica junto ao Ministério da Saúde que permite hoje a parlamentares de todo o país destinar, via emenda parlamentar, recursos para que seus municípios adquiram e realizem a manutenção e custeio dos populares Castramóveis - importantes instrumentos para o controle digno e respeitoso da população de animais (cães e gatos) em condição de abandono ou pertencentes a famílias de baixa renda. Não bastasse o trabalho do Parlamentar ser o de apresentar propostas legislativas de relevância nacional, é também igualmente importante seu papel de fiscalizar o trabalho do Executivo. Não por menos, no ano de 2011, durante meu primeiro mandato, protocolei o que considero um instrumento de enorme relevância ao trabalho digno de tantos agentes públicos seriamente envolvidos com a coisa pública. Refiro-me aqui ao Projeto de Lei 1991 de 2011, conhecido popularmente como “Ficha Limpa 2”, o qual dispõe sobre a proibição de nomear em cargos de direção, assessoria e em funções de confiança, em todo o quadro dos Poderes Judiciário, Legislativo e Executivo, assim como em suas Autarquias e Estatais no âmbito municipal, estadual e federal, aquele que tenha sido condenado em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão judicial colegiado, desde a data da condenação até o transcurso do prazo de 8 (oito) anos após o cumprimento total da pena, pelo cometimento de crimes específicos

“É, portanto, minha responsabilidade honrar meus eleitores, e o sobrenome de toda minha família” tais como: crime de abuso de autoridade; contra o patrimônio privado, o sistema financeiro, o mercado de capitais e os previstos na lei que regulamenta a falência; contra a economia popular, a fé pública, a administração pública e o patrimônio público; contra o meio ambiente; contra a saúde pública; crimes eleitorais para os quais a lei comine pena privativa de liberdade; crimes de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores; crimes de tráfico de drogas e entorpecentes, racismo, tortura, terrorismo e crimes hediondos; crimes de redução da condição análoga à escravidão; práticas de organização criminosa, bando ou quadrilha; crimes contra a dignidade sexual ou a vida; situações que tenham condenação contra a sua pessoa na Justiça Eleitoral, em decisão transitada em julgado ou proferida por órgão colegiado, em processo de apuração de abuso do poder econômico ou político, nos 8 (oito) anos seguintes àqueles em que tenha se dado o trânsito em julgado. Considero, portanto, esta proposta um importante instrumento de controle e vigilância sobre malfeitos que eventualmente venham a surgir no início do exercício, ou ao longo do mandato e/ ou gestão pública. É preciso que cada cidadão se aposse dessa ideia e promova a tramitação urgente de projetos de lei como o que acabo de mencionar. A Política institucional é um exercício de natureza intensa, que demanda entrega plena ao coletivo, imbuída de profundo compromisso com a coisa pública. Muitos brasileiros sentem-se seduzidos e deslumbrados pelo exercício de um mandato parlamentar ou pelo investimento em um cargo de gestão pública. Ignoram alguns, contudo, que ocupar esse espaço não é um salvo conduto para o enriquecimento pessoal ou o benefício dos seus. Tampouco é o exercício da atividade política uma prática simplória, facilmente assimilada por qualquer cidadão que por ventura a deseje. Fazer política envolve profundo e constante estudo, a prática da diplomacia, da articulação, do debate fundamentado, de grande conhecimento técnico e histórico, de inteligência emocional e de boas noções de perspectiva. Desejo a cada um dos novos e também dos já alguma vez parlamentares, sabedoria, temperança e humildade na honrosa prática da representação pública: um ofício digno de acompanhamento, respeito e profunda parceria com o coletivo. 

Revista Energia 97


98 Revista Energia


vida

Boa

Por João Baptista Andrade Diretor da Mentor Marketing e AMA Brasil

Comida e Ingratidão Eu não tenho bem certeza se

E

gosto mais de ler ou de cozinhar

se o livro em questão for sobre comida, hein? Hein? Eu gosto dos dilemas que enfrento... Outro dia eu vi (isso mesmo, eu vi!) o Michael Polan fazendo uma TED no YouTube. Foi esquisito (para mim, é claro) ver alguém que você já leu e releu muito, atenta e criteriosamente, num filme. Ele é aquele norte-americano estereotipado que a gente vê na TV: alto, magro, careca e de óculos. Mas o que eu considerei mais bacana foi a natureza da fala. Fazendo curta uma história bem longa, Polan questiona o estilo de vida, as desculpas que inventamos para justificar nossos comportamentos pouco lógicos (eu ia escrever irracionais) e assim por diante. O impressionante é que hoje em dia, para cada pessoa que morre de inanição (leia-se fome), morrem outras duas devido às consequências da obesidade. Vamos ser explícitos: três seres humanos morrem na mesma cidade e no mesmo dia (é só uma analogia, ok? não quero matar ninguém); um dos três não teve acesso à comida em quantidade suficiente, enquanto os outros dois comeram em demasia. O leitor deve estar se perguntando: mas qual era a ideia da coisa toda? Eu explico. O Polan faz uma conta em minutos. Quantos minutos você investe para cozinhar todos os dias? Os resultados são entristecedores... Vai daí que aproximadamente dois terços das pessoas que você vê nas ruas, ao invés de cozinhar, simplesmente consome comida ultra processada. Exemplos? Todos aqueles pratos que existem nos supermercados, que já vêm prontos para aquecer no micro-ondas. Pior, para você jantar diante da TV. O ápice da apresentação é quando o autor/ator pergunta: “Você quer ser magro, saudável e comer tudo aquilo que mais gosta?” Pequena pausa para aumentar a dramaticidade da cena e a resposta: “Coma só aquilo que você mesmo cozinhou”. Bingo! Os malefícios da comida ultra processada para a saúde humana são milhares. Todo mundo sabe disso, mesmo que de maneira intuitiva. Mas, e a ingratidão do título? Fácil. Faz uns anos, cinco, seis, sei lá, que dois anjos desviados diretamente do Céu (com maiúscula!) vieram viver comigo. Eu já contei isso

antes. Obedecendo as melhores práticas da medicina veterinária moderna, eu ofereci o tripé básico (manejo, nutrição e sanidade) mais o meu amor incondicional pelos dois cães. Hoje eles são a essência desta modesta Casinha onde habitamos juntos e felizes. Bom, mas de volta à minha escancarada ingratidão para com o Preto e a Menina, como essa besta que vos escreve recompensou esses anjos de candura que tanto bem me fazem? Com ração. Ração, entendeu? Envolvimento afetivo-emocional? Zicas. Só nutrição... Seguindo a ópera, os mais recentes exames de rotina da Menina mostraram anemia, queda de plaquetas e leucopenia. Oi? Mas ela só come a melhor ração vendida no mercado nacional! Bom, foi daí que eu me rendi (novamente) ao oráculo máximo dos deuses invencíveis (Google) e após uns vinte minutos eu já possuía informações suficientes para me redimir diante dos queridos peludos. Foi difícil porque você precisa misturar a antiga ração com a comida que você produziu. Eles resistiram, eu tive que me impor, aquela coisa de pai superexigente, etc. Adiantou? Depois de cinco (apenas cinco!) dias, meus velhinhos de quatro patas são outros. Felizes, contentes, afetivos, próximos e, se é que isto é possível, ainda mais queridos. Cães são lobos domesticados. A dieta é simples: 50% de carne (incluindo miúdos uma vez por semana), 25% de cereais e 25% de legumes. A digestão dos cães é diferente da nossa, assim como o paladar. Portanto, só azeite (eles gostam muito) e pouquíssimo sal, Além de aumentar um pouco mais o tempo de cozimento. Claro que vai precisar acrescentar muitos outros ingredientes, mas é só misturar tudo, aquecer levemente e deixar rolar. Só não sei exatamente o que fazer com o restante de ração que sobrou no estoque porque os dois lindões (graças a Deus) preferem a minha comida. Eles separam a ração, que acaba ficando na tigela. Preto e Menina, desculpem a minha ingratidão. A partir de agora, eu sou o seu chef. O que querem para almoçar hoje? Até a próxima. 

Revista Energia 99


100 Revista Energia


Última página Por Luisa Caleffi Pereira Jornalista formada pela Universidade Federal de Uberlândia

Nem todo Carnaval precisa ter fim A magia dos confetes e serpentinas existe e resiste, ainda que o confete e a serpentina, por si mesmos, já não sejam protagonistas dessa história

F

ato é que durante essa fase do ano a energia é contagiante. Carnaval e poesia andam lado a lado, num compasso agitado, embalado pelo tamborim e tantã. A vida nessa época é regida pelo rebolar do pandeiro e sonho se mistura com realidade. Fantasia vira roupa do dia a dia e, se tem poesia, o povo toma pileques de ilusão. Dos sambas enredos às marchinhas e de todos os ritmos do Brasil, a pulsação acompanha as batidas do surdo e não há como segurar o pé a balançar entre os refrãos. Talvez seja porque o barulho das canções ameniza quase que por completo as dores do dia a dia. Nas letras, história, resistência, amor, luta e suor. Transborda angústia e ao mesmo tempo libertação. Como a pele a arrepiar de frio e o peito a ponto de queimar, quente, sangue correndo dentro do corpo. Mas o encanto do carnaval teve um fim. E aí começou todo o resto. A grande esperança ficou por conta da imaginação, com uma dose de ansiedade esperando o próximo ano. A próxima avenida. A próxima escola. A próxima fantasia. A próxima magia. Até lá, a realidade entrou sem pedir licença e sem ser convidada; sem ter educação, nem piedade. Enquanto o corpo pede descanso de folia, a cabeça pré-ocupa. A espera pelo próximo deslumbre, porém, pode ser uma nova chance. Todo ano um novo samba é escrito, uma nova história é contada e a fascinação renova. Renovam-se também a esperança, a energia e a fé na crença, se a ciência não curar. Clareia. Todo ano um novo carnaval. Todo ano um novo esforço e um novo objetivo. Intenso, assim como a preparação para os dias de festa. É preciso treino, constância e persistência. Assim como começar uma dieta nova, dar início a uma nova realidade com estímulo e ânimo não é fácil. A excitação da novidade pode se

102 Revista Energia

perder em uma ou duas semanas. E, então, a sem educação da realidade resolve voltar e se instalar, fazer morada. A solução é que façamos dela uma hóspede: trate-a muito bem para que ela queira sempre voltar como convidada. Transformar a nossa realidade em nossa convidada especial; travestir de gala e tê-la, então, como porta bandeira da nossa escola que chamamos de vida. Quando de fato conseguimos essa mudança, que nada mais é do que tentar tornar a nossa existência mais tranquila, o carnaval parecerá não ter fim. Não será preciso assistir aos desfiles para sentir a emoção de um sorriso. Não serão necessários cinco dias intensos de máxima entrega e doação para que a alegria seja renovada diariamente dentro de nós mesmos. O encerramento do carnaval não é o fim da batucada. Na voz doce de Maria Rita, a “madrugada vem trazer meu novo amor”, e podemos esperar a madrugada trazer, também, a realidade que queremos. A realidade colorida, cheia de promessa de vida que envolve o espírito carnavalesco. Carnaval tem raízes psicológicas, culturais e sociais. Fica a nossa escolha se queremos que a árvore carnavalesca dê bons frutos, daqueles que duram o ano todo e não precisam esperar “a época certa” para adoçar o dia a dia. Deixar que o êxtase de um momento tão singelo se torne realidade, rotina revestida de brilho, fantasia e sonho, é escolher viver carnaval o ano todo. E o enredo fica, também, por nossa conta. As notas do cavaquinho dão o tom da energia ao despertar. O bandolim lembra que a qualquer momento podemos desacelerar e acelerar novamente, sem perder o ritmo do surdo. Sem perder o ritmo, seguimos na avenida da vida, desfilando, sambando para as dificuldades. 


Revista Energia 103


104 Revista Energia

Profile for Energia Jaú

REVISTA ENERGIA 81 - FEVEREIRO/2019  

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded