Page 1

Distribuição gratuita - Venda proibida

Jaú - Ano 4 | Edição 30 | Mensal - Fevereiro 2013

Viviane Almeida, integra a equipe Neon Eletro

de vida

Neon Eletro uma e empresa para curtir, compartilhar e comprar

CARNAVAL Origem, curiosidades e tradição

XV de JAÚ

Os novos rumos do Galo

gente fina Maria Helena Ressinete: ousadia e paixão pela educação


2 Revista Energia


Editorial

Energia e Heróis

Ano 4 – Edição 30 – Jaú, fevereiro de 2013 Tiragem: 10.000 exemplares Revista Energia é uma publicação mensal da Rádio Energia FM Jornalista responsável Marcelo Mendonça marcelo@radioenergiafm.com.br MTb. 59.385-5SP Diretora: Maria Eugênia Marangoni mariaeugenia@radioenergiafm.com.br Diretor artístico: Márcio Rogério rogerio@radioenergiafm.com.br

Criação de anúncios: Raul Galvão arte@revistaenergiafm.com.br Assistentes de redação: Heloiza Helena C. Zanzotti Repórteres Karen Aguiar Marcelo Mendonça jornalismo@revistaenergiafm.com.br Revisão de textos: Heloiza Helena C. Zanzotti revisao@revistaenergiafm.com.br Diagramação BV Gráfica (14) 3622-2851 Projeto gráfico: Revista Energia Produção fotográfica Leandro Carvalho foto@revistaenergiafm.com.br Social Club social@revistaenergiafm.com.br Colunistas Alexandre Garcia Antonio Paulo G. Trementocio Caroline Pierim João Baptista Andrade Marcelo Macedo Mário Franceschi Netto Paulo Agnini Professor Marins Wagner Parronchi Colaboraram nesta edição Alessandra de S. Parronchi Antônio Orselli Beatriz Avallone Érika Lopez Flávia Cardoso Juliana Midena Ricardo Izar Jr. Comercial Caio Belotto Francelin Jean Mendonça Joice Lopez Moraes Sérgio Bianchi Silvio Monari Fotógrafos Cláudio Bragga Leandro Carvalho Impressão: Gráfica São Francisco Distribuição: Pachelli Distribuidora Revista Energia Rua Quintino Bocaiúva, 330 | 2º andar CEP: 17201-470 | Jaú - Fone: (14) 3624-1171 www.energianaweb.com.br Elogios, críticas e sugestões leitor@revistaenergiafm.com.br

Foto: Cláudio Bragga

Editora de texto: Karen Aguiar redacao@revistaenergiafm.com.br

Num cenário constante de mudanças, inovações, competitividade, percebe-se que as pessoas têm dificuldade para alinhar o seu propósito de vida à atividade profissional, perdendo-se de si mesmas e privilegiando o “personagem” que assumiram na sua profissão. Nesta busca incessante pelo parecer, como retrata bem o livro “Heróis de Verdade”, de Roberto Shinyashiki, as pessoas não estão conseguindo ser, nem ter; o objetivo da vida tornou-se parecer. E, nesta obra, quem são os heróis de verdade? Pessoas que trabalham para realizar os seus projetos de vida, e não para impressionar os outros. Esses são os profissionais que chegam lá, que conseguem o tão esperado sucesso; porque habilidades como criatividade, proatividade, disciplina, produtividade, capacidade de adaptação e flexibilidade só poderão ser desenvolvidas através deste equilíbrio. Posso dizer neste editorial que a nossa equipe é composta por heróis de verdade, pessoas que fizeram e fazem esta empresa sem se preocupar com aparências e vaidades. Adaptações, mudanças, novidades, a Revista Energia passa por constante aprimoramento, sempre baseado em pesquisas e no feedback de anunciantes, leitores, formadores de opinião e da população de Jaú e região. O melhor conteúdo, as melhores fotos, os melhores anúncios, a qualidade da diagramação e impressão, o retorno comprovado dos nossos anunciantes são resultados de muito trabalho dos “heróis da Energia”. Nesta edição, em ritmo de carnaval e muita alegria, trouxemos curiosidades da maior festa do país e voltamos no tempo, entrando nos tradicionais bailes de salão e desfiles de rua de Jaú, quando os foliões lotavam os clubes da cidade. E no início do ano letivo, na volta às aulas, acompanhe a preparação e perspectivas para mais uma jornada entre livros, aulas, professores e horários. Saiba, ainda, como uma empresa jauense conquista consumidores e cresce consideravelmente, firmando sua marca no mercado nacional. Planejamento, novos investimentos e nova direção: acompanhamos o início da caminhada do XV de Jaú rumo à sua reestruturação. E no Gente Fina você confere a trajetória de uma educadora de sucesso: Maria Helena Pirágine Ressinete. Fatos, histórias, gente bonita, moda, beleza, saúde, esporte, tudo o que você confere nas próximas páginas da Revista Energia. Boa leitura!

Maria Eugênia

Quero anunciar comercial@revistaenergiafm.com.br A Revista Energia não tem responsabilidade editorial pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, anúncios e informes publicitários.

Revista 3


ÍNDICE

NESTA EDIÇÃO 06 Carnaval 18 Educação 22 Desafio solidário 26 Tendências 28 XV de Jaú 36 Ação 84 Cotidiano SEMPRE AQUI 10 Radar 12 Jurídico 14 Pense Nisso 16 Especial Profissões 21 DPI 24 Raça do Mês 32 Gente Fina 40 Garota Energia 42 Unimed 48 Quem Fez Jahu 50 Capa 54 Look de artista 58 Varal 62 Look Kids 64 Moda 66 Fitness 68 Social Club 76 Empresarial 78 Boa Vida 82 Gourmet 83 Guia da Gula 86 Vinhos

28

XV de Jaú Começar do zero

32 Gente Fina: Maria Helena Pirágine Ressinete

58

54 Look de Artista

4 Revista Energia

Varal: Peças para arrasar em qualquer ocasião

Distribuição gratuita - Venda proibida

Jaú - Ano 4 | Edição 30 | Mensal - Fevereiro 2013

Viviane Almeida, integra a equipe Neon Eletro

de vida

Neon Eletro uma e empresa para curtir, compartilhar e comprar

CARNAVAL Origem, curiosidades e tradição

XV DE JAÚ Os novos rumos do Galo

GENTE FINA Maria Helena Ressinete: ousadia e paixão pela educação

Nossa capa: Viviane Almeida Foto: Leandro Carvalho Beleza: Escola de Cabeleireiro Tide Style: M.Officer e Arezzo Semijoias: Érica Módolo Agradecimento: Móveis Casa Verde Produção Gráfica: BV Gráfica


Carnaval

Abre alas... é carnaval!!! Por Heloiza Helena C. Zanzotti

S

e é verdade que brasileiro gosta de futebol, é bem provável que existam ainda mais pessoas nascidas nesse país que amem o carnaval. Festejado neste ano em fevereiro, mais precisamente no dia 12, o país explode em comemorações e em qualquer lugar que se olhe, é possível encontrar anúncios de festas de carnaval nos mais variados lugares: avenidas, bares, hotéis, clubes, entre vários outros.

Origem e história

Embora o Brasil apresente números fascinantes, o carnaval não é uma festa exclusivamente brasileira. Foi originado na Grécia e através dessa festa os gregos realizavam seus cultos em agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção. Posteriormente, os gregos e romanos inseriram bebidas e práticas sexuais na festa, tornando-a intolerável aos olhos da Igreja. No decorrer do tempo, o carnaval passou a ser adotado também pela Igreja Católica, e a festa começou a ser comemorada através de cultos oficiais, o que bania os “atos pecaminosos”.

No Brasil

O primeiro carnaval brasileiro, segundo os historiadores, aconteceu em 1641. O governador do Rio de Janeiro, Salvador Correa de Sá Benevides, determinou que se dedicasse uma semana de festa para homenagear a coroação de D. João IV. O povo adorou a ideia. A festa, que começou no domingo de Páscoa, teve desfile de rua, combates, corridas, blocos de sujos e mascarados. Mas o primeiríssimo baile de máscaras aconteceu em 22 de janeiro de 1840 no hotel Itália, na praça Tiradentes, no Rio de Janeiro. A entrada custava dois mil réis, com direito à ceia. Mais tarde surgiram definitivamente as fantasias, a serpentina (de origem francesa) e o confete (de origem espanhola), que enfeitaram os bailes de salão.

Mas qual é a lógica por trás do feriado mais famoso do Brasil?

Sobre a data do carnaval (terça-feira), nem há muito a se dizer: a festa sempre vai cair exatamente 47 dias antes do Domingo de Páscoa. Regra geral, a Páscoa tem de cair no primeiro domingo


Marchinhas de carnaval

“Ó abre alas, que eu quero passar...”. A pedido dos foliões carnavalescos do cordão Rosa de Ouro, em 1899, Chiquinha Gonzaga compôs a marchinha “Ó abre alas”, a primeira música especialmente feita para animar o carnaval. Essas marchinhas acabaram se consagrando como gênero carnavalesco por excelência, prevalecendo até sobre o samba, entre as décadas de 1920 e 1960, quando entraram em relativo declínio. Porém, nunca chegaram a desaparecer, e até hoje animam festas de carnaval em todo o país.

Curiosidades

O povo gosta tanto de carnaval que faz a festa até mesmo fora da época. São as chamadas “micaretas” e começaram em Feira de Santana (BA) em 1937, quando chuvas torrenciais adiaram o Carnaval oficial da cidade para depois da Semana Santa. O sucesso foi tão grande que logo passou a acontecer anualmente. O primeiro desfile de rua aconteceu em 1855, com um grupo formado por oitenta foliões, a maioria fazendo parte da alta sociedade carioca. Eles romperam a tradição e foram às ruas com máscaras,

fantasias, música e muitas flores. Já a primeira escola de samba que se tem notícia surgiu no bairro de Estácio, Rio de Janeiro. Chamava-se “Deixa Falar” e a princípio não tinha concorrentes. Mas isso não durou muito, pois em 1923 três escolas concorreram: Deixa Falar, Vai Como Pode e a Mangueira. A vencedora foi a Vai Como Pode, mas para ninguém se decepcionar, todas ganharam troféus. Em 1950 chega a era do trio elétrico, que começou na Bahia com uma dupla que ficou na história do carnaval baiano: Dodô e Osmar. Eles resolveram reformar um Ford antigo e sair às ruas na caçamba, tocando músicas com som amplificado. Imaginem se não foi o maior sucesso! Daí em diante os trios elétricos só cresceram e tomaram conta dos carnavais atuais.

Mas... e o carnaval em Jaú? Antônio Luiz Cremasco, 64, bancário aposentado, ex-diretor do Aero Clube e Caiçara Clube, lembra-se com saudade dos bons tempos do carnaval jauense: “As Orquestras Continental e Capelozza, por muitos anos, abrilhantaram os magníficos carnavais do Aero Clube de Jahu e do Grêmio Paulista. Os anos 70, com certeza, foram o grande apogeu do carnaval jauense. O Aero recebia, em média, três mil foliões por noite. Para quem ficava em casa, as rádios transmitiam as matinês de domingo e terça, os bailes da noite até por volta das 2 horas da madrugada, mais os belíssimos desfiles de rua. Quem saía, tinha que ter fôlego para acompanhar toda Fotos: Arquivo Museu Municipal

após a lua cheia que seguir o equinócio de primavera do hemisfério Norte, sendo equinócio o nome dado à posição do Sol que marca o começo da estação primaveril. E a data do carnaval caminha junto, acontecendo sempre sete domingos antes da Páscoa. Interessante, não?

Revista 7


a programação de rua e salão. Existiam os desfiles de fantasias. O conjunto Jet Boys, de Assis, animou por sete anos consecutivos as festas de momo do clube, nos anos 70. Trinta dias antes do carnaval as mesas já estavam todas vendidas, em ambos os clubes. A decoração do Aero era idealizada e executada pelo Juvenal Stiarbi, e ansiosamente aguardada pelos sócios e convidados. Continha máscaras alusivas ao evento, painéis iluminados, serpentinas, era um verdadeiro show de luz, brilho e beleza. Os preparativos começavam meses antes, e os foliões caprichavam nas fantasias com roupas coloridas e camisetas que estampavam frases curiosas e divertidas”. Segundo Cremasco, o Grêmio Paulista também teve sua fase de sucesso, com ótimas promoções sociais. Ele ainda falou sobre o carnaval do Aero, que começava na sexta-feira com o “grito de carnaval”, e durante décadas foi o ponto de encontro da juventude. “Na última noite o conjunto encerrava o baile por volta das 7 horas da quarta-feira de cinzas, mas ninguém arredava pé do salão. O Restaurante Gaúcho e o Recanto serviam a tradicional canja da madrugada, um santo remédio para aqueles que

Carnaval de salão no Caiçara Clube de Jahu

bebiam umas doses a mais”. Ainda havia o corso, desfile formado por carros alegóricos e caminhões, que percorria as ruas do centro – uma alegoria viva que retratava muitos dos costumes da época. As ruas ficavam intransitáveis e o chão totalmente coberto de confetes. Os foliões continuaram a frequentar por mais alguns bons anos os salões, porém, aos poucos, o axé music

tomou conta; o alto custo das bandas também influenciou na majoração dos convites e o carnaval de salão passou a ficar caro no âmbito familiar. As pessoas, então, começaram a viajar mais, passaram a lotar praias, ranchos, edículas e barzinhos, o que contribuiu para o esvaziamento dos salões. Mas, sem sombra de dúvida, estes carnavais permanecem na memória de todos aqueles foliões.


Revista 9


Radar

Boa

Por Alexandre Garcia

Brasiluela Cristina Kirchner acaba de levar uma Bíblia para acompanhar Chavez, mas não conseguiu entregá-la pessoalmente. Deixou com um intermediário, Fidel Castro. Fidel deve estar orgulhoso de que a ilha que é dele há 53 anos esteja sediando, em Havana, o governo da Venezuela - que há 191 anos se tornou independente da Espanha. Que confusão! Confusão maior ainda é que o mandato de Chavez terminou no dia 10 de janeiro e ele não tomou posse, mas a Constituição foi atropelada e ele continua presidente - se estiver vivo. Nós, brasileiros, não temos por que estranhar o que acontece na Venezuela. Passamos por um episódio quase idêntico há 28 anos, quando Sarney assumiu a Presidência da República com Tancredo quase moribundo no hospital. A Constituição venezuelana estabelece que, se o presidente eleito está ausente, quem assume é o presidente da Assembléia Nacional, que convoca novas eleições em 30 dias. A Constituição brasileira vigente na época é semelhante. Nos artigos 78 e 79 estabelece que em caso de vaga do presidente (e não havendo vice para assumir), assume o presidente da Câmara Federal, que convoca eleições para 30 dias depois. Na noite da internação de Tancredo eu li esses dois artigos no estúdio da TV Manchete e concluía que assumiria o Doutor Ulysses, e que as eleições seriam diretas, porque já havia passado a emenda das diretas. É bom lembrar que Tancredo fora eleito pelo Congresso, tal como generais presidentes (Geisel e Adalberto ganharam de Ulysses e Barbosa Lima Sobrinho por 400 votos contra 76). Quando terminei a leitura da Constituição, Roberto d`Ávila entrou nervoso no estúdio dizendo que não seria assim; que assumiria José Sarney. Repliquei que não tendo presidente, ele não tem vice, mas Roberto me informou que Afonso Arinos já dava entrevista na Globo dizendo que seria Sarney.

10 Revista Energia

Figueiredo, que se recusou a entregar a faixa a Sarney e saiu pelos fundos do Palácio, alegando inconstitucionalidade, me contou que quem decidira entregar a presidência a Sarney fora o já escolhido novo ministro do Exército, general Leônidas. Segundo se comenta, o general teria dito que não daria posse a Ulysses porque o deputado comparara Geisel com Idi Amin Dada. Nesse ponto a Venezuela nos supera, porque lá consultaram o Supremo. Aqui, consultaram um general. De qualquer forma o resultado foi o mesmo. O Brasil não correu o risco de ser expulso do Mercosul porque ainda não havia a cláusula exigindo respeito à Constituição dos países. A Venezuela, recém-recebida no Mercosul, é uma autocracia chavista, tanto quanto o kirchnerismo argentino. A bíblia de Cristina deve ter como imortais profetas Hugo e Nestor.


Jurídico

Por Wagner Parronchi

Danos morais pela perda do tempo útil Quem nunca se irritou com o SAC – Serviço de Atendimento ao Consumidor – de uma grande empresa e se viu obrigado a “perder” um bom tempo para resolver problemas simples do dia a dia? Quem nunca sentiu o descaso com que determinada empresa trata o seu consumidor, ou se sentiu um mero número para esta ou aquela empresa? Quem nunca viu suas ligações caírem sucessivamente, ou serem transferidas de atendente a atendente, num verdadeiro “jogo de empurra”, parecendo que nenhum deles é competente para resolver o seu problema? Será que as transferências de atendente a atendente e as quedas de ligações não são de propósito, de forma a não deixar o consumidor reclamar ou solucionar a questão? Aliás, tais práticas já foram denunciadas por atendentes de telemarketing, que revelaram à imprensa as técnicas para tentar enganar clientes. Fato é que perdemos muito tempo de nossas vidas tentando resolver problemas simples que se tornam verdadeiras guerras entre consumidores e fornecedores, pela ocorrência sucessiva

12 Revista Energia

e acintosa de mau atendimento ao consumidor, gerando a perda de tempo útil, irritação e sentimento de descaso. É certo que diversos problemas de nosso dia a dia necessitam de algum tempo para serem solucionados, o que nos permite afirmar que é normal “perder” algum tempo para cuidar destas questões, inclusive as de consumo. Porém, quando esse tempo se torna excessivo, é razoável exigir do consumidor que perca um tempo precioso para solucionar questões dessa natureza, quando ao mesmo tempo há outros afazeres e problemas mais sérios a serem resolvidos no decorrer do dia? Claro que não! Quando o tempo perdido é excessivo e ocorre pela má prestação de um serviço, sem qualquer razão lógica para tanto, causando irritação, frustração, sentimento de descaso e de se sentir somente um número no rol de clientes de uma empresa, podemos afirmar que houve a violação do direito à paz, à tranquilidade, à prestação adequada dos serviços, enfim, a uma série de direitos ligados à dignidade humana, passível de reparação civil, dando ensejo à indenização por danos morais. Somente assim é que as empresas tratarão o consumidor brasileiro com dignidade e respeito.


Revista 13


nisso

Pense

LUIZ MARINS Antropólogo e escritor. Tem 26 livros publicados e seus programas de televisão estão entre os líderes de audiência em sua categoria. Veja mais em www.marins.com.br

Por Professor Luiz Marins

Quem tem medo de 2013? O mundo está passando por um momento econômico e social complicado. A zona do Euro está em extrema dificuldade. Grécia, Portugal, Espanha, Itália e mesmo França se encontram, em menor ou maior grau, em estado de alerta, senão de emergência. O mundo árabe sofre com problemas crônicos advindo de várias correntes e fundamentalismos. É claro que o Brasil não é uma ilha isolada do mundo. As empresas com maior dependência do mercado externo sofrerão os efeitos dessa crise mundial. E isso se refletirá em toda a economia, que deverá crescer no máximo 4% em 2013. Isso é bom ou ruim? Diante da crise mundial, crescer 4% não é tão mau. E esse crescimento será possível graças ao mercado interno, que continuará a se expandir com a gradual ascensão da classe C para

14 Revista Energia

a B. Com renda familiar mensal entre R$2,2 mil e R$7 mil, a classe B deverá, nos próximos anos, ser o extrato social com maior potencial de consumo, ultrapassando a classe C. Além disso, o governo dispõe de mecanismos capazes de incentivar setores da economia, como tem demonstrado aptidão de fazer. Assim, terá medo de 2013 o empresário que não acreditar no Brasil e na sua capacidade de crescer. Não acreditando, não investirá e perderá a grande chance dos próximos anos, quando o crescimento deverá se manter e ser até superior. Terá medo o profissional que não se aperfeiçoar, não compreender que o mercado será ainda mais competitivo e que somente os melhores poderão vencer, pois teremos uma nova onda migratória de técnicos europeus para o Brasil nos próximos anos. Terá medo quem, não investindo e não se aperfeiçoando, continuar apostando contra o Brasil, olhando apenas para suas mazelas, dificuldades e fazendo vista grossa para suas vantagens estratégicas, comparativas no mundo de hoje. Afinal, somos uma democracia constitucional consolidada; não temos problemas de fronteira; não temos problemas étnicos ou religiosos sensíveis; somos autossuficientes em petróleo, em fontes alternativas de energia e temos um mercado interno enorme e em crescimento. Meu conselho: não tenha medo de 2013. Acredite e pise fundo!


Psicopedagogia

A volta às aulas e as dificuldades de aprendizagem

N

este mês milhares de crianças voltam às aulas em nossa cidade e, além da preocupação com a compra de materiais escolares, uniformes, mochilas, etc, outra questão aterroriza os pais de alunos: as dificuldades de aprendizagem. É muito comum atribuir a culpa pelas notas baixas ao aluno, afirmando que ele não presta atenção nas aulas ou tem preguiça de estudar, porém, muitos fatores podem contribuir para as dificuldades de aprendizagem como problemas acadêmicos, genéticos, hereditários, emocionais, de saúde, etc. O importante é verificar os sintomas e sinais o mais rápido possível para, assim, poder intervir no processo de aprendizagem e corrigir o problema de forma específica e adequada, com a ajuda de um profissional especializado, contribuindo para o crescimento social e educacional do aluno.

Mas quais são esses sintomas? Problemas de comportamento: criança agitada, não presta atenção ao que se está falando, não consegue ficar muito tempo parada em frente à televisão, não consegue terminar nenhum jogo que começa, não aceita frustração, não aceita mudanças nas rotinas diárias, não consegue interagir com outras crianças, não consegue esperar sua vez, etc. Problemas de linguagem e escrita: demorou para adquirir a fala ou ainda tem problema de fala, tem dificuldade em distinguir palavras tanto na escrita quanto na leitura (vaca/faca, dente/tente), inversão de letras ou omissão na escrita (perto/ preto, ola/alo), dificuldade em soletrar, em discriminação de som, etc. Coordenação motora e organização: dificuldade para pegar objetos pequenos, para recortar, colar, escrita ilegível,

problemas com lateralidade (direita/esquerda, etc), tropeça com frequência, inverte roupa (de trás para frente, roupa do avesso), perde com frequência os materiais escolares, não consegue decorar os dias da semana, os meses ou a sequência numérica, etc.

Além desses sintomas existem muitos outros Ainda é possível observar o próprio rendimento escolar do aluno como, por exemplo, notas baixas, dificuldades para assimilar a matéria dada ou para fazer a tarefa de casa, dificuldades para memorizar, entre outros sinais. Por isso, se você percebeu alguns destes sintomas ou sinais em seu filho, ou se ele teve muita dificuldade na escola no ano anterior, lembre-se, o diagnóstico precoce é a melhor opção para ajudar seu filho a crescer de forma mais saudável e feliz.

Alessandra de Souza Parronchi Psicopedagoga associada à Associação Brasileira de Psicopedagogia - ABPp nº. 12.762


Especial profissões

Gráfico

Por Érika Lopez | Foto Leandro Carvalho

O profissional gráfico e suas atividades

E

ste profissional transforma sonhos em realidade, trazendo do intangível para o tangível as ideias dos clientes. O trabalho nem sempre é simples ou reconhecido, e exige muito conhecimento em diversas áreas para saber suas limitações. Todos deveriam reconhecer a importância de um material gráfico dentro de uma empresa como um investimento, e não como uma despesa. Segundo Maria Lúcia Fantin Amaral, proprietária da Real Gráfica Editora e há 18 anos no mercado, “O profissional gráfico imprime, expressa e reflete sua paixão na cultura da impressão”. Seu filho Leo Fantin Amaral, que também é um profissional gráfico, (formado em Design Gráfico, MBC em Comunicação e Marketing, MBA em Administração e atualmente cursando Produção Gráfica no SENAI Theobaldo de Nigris em SP) conta que o profissional antigo que “pintava papel” está perdendo mercado; já o atual e globalizado tem a função de buscar novas soluções para resolver todos os problemas dos clientes. Depois de muitos desafios, esforços e dedicação ao trabalho, a Real Gráfica Editora adquiriu, em setembro do ano passado, uma impressora alemã com alta tecnologia e modernidade. “Depois de muita luta, erros e conhecimento, hoje posso dizer que somos uma indústria gráfica, e não estou falando apenas dos nossos equipamentos, mas principalmente dos colaboradores que temos. Batalhamos muito para conseguir fazer a união de bons equipamentos com ótimos colaboradores”, conta Léo, que parabeniza os profissionais gráficos, todos os clientes, vendedores e colaboradores “que fazem cada dia ser tão especial.”

MERCADO DE TRABALHO Na visão de Léo Fantin Amaral, o Brasil possui muitas gráficas, principalmente no Sudeste. “Acredito que uma tendência das empresas é a união, para ficarem maiores e conseguirem melhores negociações com os fornecedores. Hoje, já temos o que chamamos de “compra e produção em grupo”. Empresas que se “uniram” apenas para compras de materiais e produção de alta demanda, de um mesmo pedido em um curto prazo; com isso, conseguem atender clientes que, sozinhas, não conseguiriam, além de comprar as matérias-primas com um valor bem menor do que individualmente”, explica. O profissional ainda ressalta que as empresas que não se preocupam com a concorrência para fazer o seu melhor, focando em oferecer o melhor serviço que o seu público alvo precisa, certamente achará que o mercado está saturado.

SALÁRIO O salário médio inicial é de R$1.111,00, mas varia de acordo com cada setor escolhido.

ONDE ESTUDAR A cidade mais próxima de Jaú que oferece o curso é Bauru. Segundo Léo, a estrutura é pequena e os cursos podem durar 8, 12 ou até 18 meses, com aulas duas vezes por semana. Sendo assim, fica complicado enviar os colaboradores para um curso rápido.

DIVERSIDADE O profissional gráfico possui várias áreas de atuação: Agências de Propaganda, Editora, Indústria Gráfica (Promocional / Editorial / Embalagens) Comunicação Visual ou até mesmo no setor de Marketing das empresas. Grande parte dos profissionais formados está sendo levada para a indústria, em fábricas de tintas, produtos químicos, celulose e papel. Também para trabalhar com vendas e suporte técnico, atendendo as gráficas que encontram algum tipo de dificuldade em seu processo. 16 Revista Energia

Léo Fantin Amaral e Maria Lúcia Fantin Amaral


Revista 17


Educação

Energias repostas e a oportunidade de aumentar a bagagem de conhecimentos, conquistar novas amizades e dar mais um passo rumo a um futuro promissor. Texto Flávia Cardoso | Fotos Leandro Carvalho

Carla Regina Medeiros Rodrigues, Maria de Fátima Galvão de França Pupo, Cristiane Duarte das Neves Perlatti, Leise Cristina Serotine Oliveira, Lilian Cristina Costa e Roseli Terezinha Padroni

A

umento significativo das vendas nas papelarias, tráfego intenso desde as 6h, juventude enfeitando e movimentando as ruas da cidade, e muita ansiedade e expectativa neste período em que estudantes de todas as idades voltam aos bancos escolares. Pais, docentes, coordenadores, diretores, funcionários, enfim, grande parte da sociedade está envolvida no processo da volta à rotina escolar. Crianças e adolescentes normalizam seus horários de sono e refeições, universitários e “concurseiros” voltam a dormir menos, e educadores encaram mais uma maratona de dez ou onze meses a fim de compartilhar experiências, informações, instruções, conteúdo, enfim, estabelecer com êxito a relação “ensino-aprendizagem”.

Dedicação que não tira férias Numa conversa com Lílian Costa, Diretora Pedagógica do Colégio Academia de Comércio Horácio Berlinck, a respeito do período que antecede a movimentação de mais de 800 alunos que circulam pela escola durante todo o ano letivo, ela declara que como em qualquer instituição de ensino, no Colégio Academia, todo mês de janeiro é dedicado à organização. “Refletimos e atu18 Revista Energia

alizamos o Projeto Pedagógico, passamos por formação contínua de professores e coordenadores, e atuamos no atendimento aos pais com informações sobre as metas educativas e efetuação de matrículas”, conta a Diretora, ressaltando também que, como parte importante desta preparação, o Colégio Academia passa pelo processo de manutenção e limpeza intensa em suas instalações. “Todas as equipes trabalham ativamente a fim de deixar o ambiente pronto para o início das aulas, no final de janeiro”, afirma Lilian. Segundo a Diretora, toda essa organização está relacionada ao respeito do espaço coletivo de convivência e disciplina, que é cuidado com muita atenção para que se possam assegurar a ordem e oferecer a todos um excelente ambiente. “Entendemos que apropriação do conhecimento é tão importante quanto assegurarmos um ambiente de acolhimento e respeito pela diversidade de ideias, sentimentos, desenvolvimento e formas de expressão”. Lilian ressalta que a grande preocupação do Colégio Academia, com 91 anos de tradição, e com alunos do Ensino Fundamental, Médio, Graduação e Pós Graduação, é a função de seus educadores. “Prezamos pelo bem estar físico e emocional dos nossos jovens, assim como pelo desenvolvimento de todas as


suas capacidades. Nossa missão é viabilizar possibilidades para que os alunos se apropriem do conjunto de informações, instrumentos, atitudes e procedimentos necessários para sua formação de vida e se tornem seres atuantes na produção do conhecimento”. Baseando-se na experiência consolidada por tantos anos de experiência e na busca constante pela inovação do ensino, ainda de acordo com a Diretora, o objetivo do Colégio Academia é construir um espaço cada vez mais amplo, e chegar aos 100 anos fazendo o que há de melhor em educação.

Perspectiva de quem leciona e também aprende Num relato abastado de expectativas, a professora de Língua Portuguesa Tamara Carolina de Lucena conta que neste período ela sente a mesma ansiedade de quando era aluna. “O engraçado é que aquele bom e velho friozinho na barriga que antecede o início das aulas ainda me acompanha, mesmo depois de tanto tempo estando em sala de aula. A diferença talvez esteja no peso da responsabilidade, que agora, é claro, é muito maior, pois parte da formação de centenas de adolescentes também depende de mim, da minha atuação enquanto educadora.” Partindo da própria experiência enquanto docente, desde 2004, Tamara confessa que o professor nunca deixa de se preparar, mesmo quando está de férias, pois antes do retorno dos alunos participa de reuniões com os colegas de profissão, nas quais discutem sobre erros e acertos do ano anterior e pensam em estratégias que possam atingir o discente de forma mais assertiva e prazerosa. “Tenho preparado atividades de sondagem, que possam me ajudar a resgatar os conceitos ensinados nos anos anteriores e a verificar o que de fato o aluno aprendeu, seja ele um aluno já conhecido ou um novo aluno. É uma forma de direcionar o início do trabalho, é uma forma de começar a partir daquilo que eles já sabem ou do que se lembram, evitando assim dificuldades maiores nesse início de trabalho.” Para a educadora, é fundamental estar atenta a todas as mudanças, procurar mecanismos para a inovação em sala de aula e aproximar os alunos de atividades como a leitura, para que, assim, o conhecimento seja algo prazeroso e revelador. “Voltar nem sempre é fácil, além

Tamara Carolina de Lucena

do planejamento de metas pedagógicas, é preciso criar vínculos  e recuperar laços afetivos.”

Alunos e borboletas Por Prof. Ms. Emilio Giachini Neto (Mestre em Literatura e Ensino pela UEL. Docente dos colégios Academia, Fundação, Nie e das Faculdades Integradas de Jaú) “Ontem à tarde, eu estava em uma papelaria no centro da cidade. Muitos adolescentes escolhiam, sob os olhares atenciosos e reguladores das mães, agendas e canetas coloridas. Enquanto aguardava para ser atendido, distanciei-me um pouco daquela agitação e pensei que, quando eu estiver mais velho, serão eles médicos, fisioterapeutas, dentistas, advogados, arquitetos, profissionais dos quais, seguramente, precisarei. Isso às vezes ocorre em sala de aula. Eu observo meus alunos e penso “qual deles será meu médico um dia”... Ou meu dentista, ou o prefeito da cidade... A juventude, como disse o filósofo e escritor francês Albert Camus, é, sobretudo, uma soma de possibilidades. Os jovens amadurecem de uma maneira não linear. O que quero dizer é que o mais fascinante da volta às aulas é redescobrir alunos mais confiantes. Às vezes, um adolescente tímido e com algumas dificuldades específicas de aprendizagem inicia uma transformação. Alguma coisa o despertou, o mundo passou a fazer mais sentido, as vergonhas ficaram de lado. Esta é a principal mudança pela qual os jovens passam, mais do que as mudanças físicas. Lecionar é como criar borboletas. Um dia, você tem a sala cheia de casulos. No outro, ao abrir a porta, as borboletas estão prontas. É quase um milagre!”.

Revista 19


20 Revista Energia


DESIGN PUBLICIDADE INOVAÇÃO

CASE

Um evento completo e de sucesso: Identidade Visual. Quando nasce a ideia de se promover um evento, seja cultural, beneficente ou até um evento particular, uma das primeiras coisas a ser considerada deve ser a sua identidade visual. Por “identidade visual” entende-se tudo que caracteriza o evento: logo, cores, tipografia, estilo de comunicação, tudo que faça gerar uma “identidade”, uma marca. Para que isso aconteça, é preciso conhecer os objetivos e a essência do evento, para que a criação seja atrativa e de fácil entendimento. O público deve perceber quais os objetivos e conceitos do evento apenas sentindo o ambiente, e o que dá esse “mood” é a identidade visual presente em todos os pontos de contato dele com o evento (e-mail, site, ambientação, cartazes, faixas, fanpages, brindes, prêmios, promoções). Tudo deve se conversar conceitualmente e visualmente, pois tendo tudo coeso, evita-se a dispersão de esforços e investimentos. Já sabemos, portanto, que a marca, a identidade visual do evento, favorece a comunicação, o reconhecimento e ajuda na rememoração. Mas, além disso, contamos com o argumento principal: é cientificamente provado que nos seres humanos a visão gera 70% dos sentidos.

por DPI Agência

Com uma identidade visual definida, é possível caracterizar o evento e padronizar toda a sua divulgação, reforçando a imagem, criando seu conceito, sua personalidade, e refletindo profissionalismo e organização - fatores cruciais para um evento despertar o interesse do público e dos patrocinadores. Um evento que tem esses fatores claramente aplicados no seu programa transmite maior credibilidade, e como consequência desperta o interesse não só do público, mas também de possíveis patrocinadores e apoiadores, uma vez que esses sempre desejam relacionar as suas marcas a grandes acontecimentos, que fiquem na memória das pessoas e tragam um retorno positivo. Em resumo, uma identidade visual bem elaborada e praticada torna-se responsável pela “cara” do evento, agregando valor, reforçando a imagem, e principalmente, fazendo com que a marca do realizador permaneça presente na lembrança, tanto dos participantes quanto dos patrocinadores e apoiadores. Isto se torna fundamental quando, além do desejo de um evento de sucesso, há também o desejo de um evento que se repita em outras e futuras edições.

O objetivo da coluna DESIGN, PUBLICIDADE e INOVAÇÃO é falar sobre comunicação de maneira democrática, Fotos: Leandro Carvalhoabrindo espaço para quem queira perguntar, opinar, sugerir e interagir. Entre em contato conosco e participe da nossa comunidade! leitor@dpiagencia.com.br www.fb.com/dpidigital

“COM O MANUAL EM MÃOS, FOI MUITO MAIS FÁCIL CONSEGUIR PARCERIAS, APOIO E PATROCÍNIO” O Vila Real Hotel conta com um atleta entre os seus administradores. Rodrigo Massoni é responsável pelos Eventos do Hotel e ainda dedica boa parte do seu tempo aos treinos e provas de Iron Man e outras corridas. A DPI Agência já vinha desenvolvendo outros trabalhos para o Hotel, quando Rodrigo surgiu com a ideia de promover uma corrida em Jaú. Sentamos, analisamos as possibilidades e, durante o brainstorm, decidimos por um evento que visasse a saúde e o bem-estar não só dos participantes, mas que pudesse beneficiar alguma instituição ou organização. Criamos a identidade visual do evento, buscando elementos que transmitissem toda a informação necessária ao participante e ao patrocinador. Assim nasceu o Desafio Solidário Vila Real Hotel, com sua primeira edição voltada ao benefício das crianças da pediatria do Hospital Amaral Carvalho e da Casa Ronald de Jaú. A proposta é que o Desafio se torne anual, e que possa sempre contar com grandes parceiros e manter o cunho beneficente. “Com o Manual de Identidade do Desafio em mãos foi muito mais fácil conseguir parcerias, apoio e patrocínio de empresas e pessoas, que se comoviam com a soma da proposta apresentada ao profissionalismo com que apresentávamos.” – diz Rodrigo Massoni.


Correr pelo bem 1º Desafio Solidário de Jaú traz o esporte e a Casa Ronald para mais perto dos jauenses Texto Beatriz Avallone | Fotos Leandro Carvalho

A

lguns quilômetros e muitos sorrisos. Essa é a intenção de Rodrigo Massoni com o Desafio Solidário Vila Real Hotel, uma corrida que pretende movimentar a cidade de Jaú em prol do esporte e da solidariedade. A ideia de realizar uma corrida de nível profissional, reverter brinquedos e o lucro a um projeto solidário já estava na cabeça de Rodrigo há um bom tempo. A princípio, ele pensou em beneficiar a ala pediátrica do Hospital Amaral Carvalho, tanto que entrou em contato com o presidente da Casa Ronald McDonald Jahu, José Antônio Barata, para propor a parceria. O tempo passou, a vontade foi amadurecendo, e então a Casa Ronald foi a eleita para receber parte dos recursos da corrida, depois de apuradas todas as despesas. “Recebemos com a maior felicidade o interesse dessa parceria. Um desafio esportivo aliado ao fazer o bem para o próximo. Farei questão de participar também de uma das provas”, conta Barata. A Casa Ronald, como apresentada na matéria da nossa última edição, é uma instituição que disponibiliza um lar para as crianças em tratamento de câncer e seus acompanhantes, proporcionando o maior conforto possível durante esse período de

22 Revista Energia

luta. Com quase 1.700 m², a casa possui área destinada a pacientes transplantados, com instalações adequadas para a recuperação dos doentes, além de oferecer também apoio psicossocial às famílias, com lazer e atividades terapêuticas. Foi pensando nas crianças e adolescentes em tratamento no Hospital Amaral Carvalho e hospedadas na Casa é que, além da taxa de inscrição para participar da corrida, os atletas também precisam realizar a doação de um brinquedo. “Só a Casa Ronald possui 64 leitos para hospedar crianças e adolescentes, então, imagine quantos brinquedos serão necessários para divertir toda essa garotada! Muitos, com certeza”, anima-se Rodrigo. Realizar um projeto assim, que visa ao bem do próximo, é algo que mexe com quem faz e também com quem observa o trabalho, e foi isso que aconteceu. Ao buscar patrocínio para a corrida, apresentando o esporte e a solidariedade unidos pelo bem das crianças com câncer, Rodrigo conseguiu o apoio do várias empresas jauenses que estão em peso, juntas, nessa luta pelo bem. Com o passar do tempo o evento foi ganhando forma, percurso, data e nome. Desafio Solidário, no dia 23 de fevereiro,

Rodrigo Massoni

com saída do Lago do Silvério a partir das 18h. Mas, já que é um evento para que todos conheçam o trabalho da Casa Ronald, abra-se espaço, então, para aqueles que fazem o melhor acontecer. O grupo Remédicos do Riso participará juntamente com a população, fazendo rir todos os que se permitirem, e também apresentando seu trabalho na sua forma mais pura, por meio da alegria. Rodrigo contou sobre a vontade que sempre teve de promover o esporte em sua cidade, sem deixar a responsabilidade social e o estímulo ao voluntariado de lado. “Essas bandeiras devem ser levantadas por qualquer cidadão. Devemos agir, e não só esperar que as coisas simplesmente aconteçam. Esporte, saúde, voluntariado, solidariedade caminham juntos. O desafio vai contar com uma grande estrutura. Já que o evento será realizado à noite, tochas vão iluminar o caminho pelo qual os atletas irão passar e, ao final do percurso, um lounge com frutas, água, refrigerantes e energéticos vai estar à espera dos concluintes da prova. E um DJ ainda vai dar o tom no momento. Cada participante ganha uma camiseta, uma medalha especial, além de ter seu tempo cronometrado por chip e participar de uma prova


com estrutura inédita em Jaú”, explica Rodrigo. Além de todas essas novidades, nomes de peso em corridas como Diamantino dos Santos e Marizete Resende, vencedores de maratonas e São Silvestre, participarão da ação.

Iniciativas como essa merecem o nosso reconhecimento e respeito. Doar parte do seu tempo em razão do bem comum é uma atitude nobre, que contagia todos que se deixam tocar pelo espírito do bem.


Raça do mês C

Shih-tzu

Por Juliana Midena | Fotos Leandro Carvalho

om origem no Tibet, o cão da raça Shih-tzu foi adotado como companheiro dos imperadores chineses no século 17 e era visto por eles como um pequeno leão que trazia boa sorte, determinando assim o seu nome - Shih-tzu – que significa “cão-leão”. Conhecido por sua pelagem lisa, longa ou curta, este cãozinho gracioso e elegante mantém-se reconhecido por seu apreço pelos donos. Sempre disposto a fazer companhia, o Shih-tzu pode passar o dia seguindo as pessoas por onde andam, sendo sociável também com as visitas. Divertidos, dóceis e tranquilos, os cães desta raça são ótimos com crianças, gostam de brincar, de descansar no colo, adoram receber carinho e em troca distribuem ternura pelo ambiente. Por ser um cão pequeno, o Shih-tzu se adapta tanto a casas quanto a apartamentos, mas não dispensa passeios com os donos. Normalmente silenciosos, os Shih-tzus latem quando alguma coisa realmente os incomoda, por esta característica são conside-

rados pequenos guardiões da família. De acordo com a veterinária, Dra. Vanessa Santiago Baviloni, os cães braquiocefálicos, devido à estrutura física, com olhos grandes e focinho curto, têm mais facilidade em desenvolver problemas oculares. Dentre eles, os mais comuns são úlceras de córnea, entrópio e distriquíase. Os proprietários devem ficar atentos quando observar o animal coçando os olhos, com secreções oculares e vermelhidão, devendo procurar rapidamente o veterinário para o diagnóstico precoce, evitando perfurações oculares e cegueira, como afirma a veterinária. No momento em que decidiu ter um novo cachorro, Isabela Bueno, 15, encontrou a pequena Layla em uma feira de animais. “Ela parecia triste por ficar presa o dia todo, então a trouxe para casa e não quis mais deixá-la ir embora”, diz Isabela, que conta também porque escolheu a raça Shih-tzu: “Eu queria uma cachorra pequena, que pudesse ficar no colo. A Layla é extremamente amorosa e companheira, está sempre por perto e quando alguém está dormindo ela fica do lado ou na porta do quarto, como se estivesse tomando conta da gente”. Durante a visita, a Equipe Energia pode perceber que a Layla é cheia de disposição, como confirma Isabela: “Ela não é arteira, mas gosta muito de brincar, a vida dela é a bolinha, tem bolinhas até na casa da minha avó! E a gente só pode parar de brincar quando ela está cansada”. Isabela Bueno ao lado da pequena Layla

24 Revista Energia


Revista 25


Tendências

Prepare-se para um visual glamouroso! Texto Érika Lopez | Fotos Leandro Carvalho

A

ssim como as roupas, os acessórios e o make, as cores dos cabelos também seguem tendências. Você já sabe quais são? Ainda não? A cabeleireira Cintya Barros dá dicas de um novo conceito, baseado na Schwarzkopf, uma das maiores marcas da Henkel, que oferece produtos de todas as categorias como coloração, cuidado e finalização.  Segundo Cintya, o look do verão 2013 é completamente diferente dos verões anteriores. O cabelo com tom monocromático está em alta, fugindo um pouco do ómbre e da californiana, que foram “hit” durante tantos anos. As mulheres podem apostar no tom ruivo (acobreado e levemente avermelhado), no comprimento longo com fios repicados para dar mais movimento e em franjas mais leves e mais curtinhas, na altura da sobrancelha. 26 Revista Energia

Cintya Barros e a cliente Maria Tereza Maziero

Para completar o visual, é importante caprichar na maquiagem. O que está dominando no momento é “cara limpa”, acompanhada de uma boca bem chamativa. “Inspirados no Essential Looks, que proporciona aos profissionais criatividade em tempo real e tendências com uma linguagem internacional da moda, apresentamos Glamazon, uma tribo de exóticas e sofisticadas misturas de sensualidade dos anos 70. Para representar esta época vamos de lábios brilhantes, os tons mais coloridos vão dominar a boca das garotas. As cores laranja, coral, pink ou rosa mais claro vão dar destaque quando a maquiagem for mais leve e natural, conta Cintya. Adote o estilo de rosto mais cru, com um make bem discreto, que faça parecer que não tem produto algum, deixando uma aparência saudável e natural. Para dar cor, use um batom bem colorido.


MAQUIAGEM

Opte por uma base com filtro solar livre de óleos. Nos lábios, as cores são bem vibrantes e os tons cítricos entram com tudo na próxima estação. Abuse no olho de gatinho, podendo sair do tradicional preto, indo para cores como rosa, azul ou mesmo o dourado.

CABELO

Mantenha o cabelo bem hidratado. O sol, o mar, a piscina e esse clima quente desestruturam os fios. É preciso o auxílio de uma máscara para repor todas essas perdas, mas lembre-se sempre de usar o condicionador depois, para garantir um tratamento completo. Finalizadores em creme ou em silicone são imprescindíveis, produtos como Aneethun, Loreal, Moroccanoil, entre outros, são grandes aliados nesta estação.

PENTEADOS

As tranças ficam lindas e são bem fáceis. As clássicas, de lado e até mesmo despojadas. Vale tudo! E os coques que são práticos, rápidos e dão todo um charme no visual. Cintya Barros Rua Lourenço Prado, 841 Fone: 14 3622 4945

Revista 27


XV de Jaú

Os novos rumos do Galo da Comarca Pouco se ouviu sobre o XV de Jaú depois da maior tragédia da sua história. O rebaixamento à quarta divisão do futebol paulista fez o torcedor se calar. Não havia mesmo nada a fazer. Nossa camisa, hoje, precisa começar do zero. Texto Marcelo Mendonça | Fotos Leandro Carvalho 28 Revista Energia


O

planejamento de um clube que precisa se estruturar novamente começa com uma nova direção. Assim, depois do mandato de Zé Construtor à frente do Galo, é a vez de Ivo da Silva Ferraz assumir. No seu primeiro discurso à frente do time, o novo presidente disse para a imprensa que primeiro vai reestruturar o clube. O Campeonato Paulista da série B só começa no mês de maio, e até lá muita coisa vai mudar nas instalações do Galo.


A nova direção pretende também conversar com alguns jogadores que ainda possuem contrato para analisar caso a caso. Vai demorar um pouco ainda para o torcedor ver o time entrando em campo. O que se pode notar agora no Jauzão são obras dentro do clube, começando pela secretaria, passando pelos vestiários, alojamentos, refeitório, cozinha, lavanderia, sala de fisioterapia e musculação. “São melhorias para darmos estrutura aos atletas, assim os resultados aparecem no campo”, conta Ivo. A ideia também é movimentar o estádio, então a nova direção inaugurou o Bar do Galo, dentro do Zezinho Magalhães, para se tornar um ponto de encontro dos torcedores. “O Bar Galo da Comarca é para que o torcedor possa frequentar o clube e também acompanhar os treinos da equipe. Quero que a torcida esteja presente no dia a dia do XV e este é o primeiro passo para podermos aproximar mais o torcedor”, diz o presidente no site oficial. Na visita que nossa equipe fez ao estádio, já se notam mudanças na pintura e no departamento médico, que recebeu novos equipamentos. “É só o começo, ainda há muito trabalho pela frente”. Sobre o time de 2013, a expectativa é de que seja firmada a parceria com o Corinthians, que poderia ceder alguns atletas para o Galo, e isso vem sendo tratado direto com o presidente do clube da capital, o jauense Mário Gobbi, através do advogado Geraldo Adib Jabur, parceiro também nessa nova fase do time. Enquanto isso, Atílio Madela é o responsável por realizar as peneiras visando à montagem do elenco, até a chegada de um novo treinador e uma nova comissão técnica. O torcedor e colaborador Adilson Oliveira Beber, que fez parte da extinta torcida Galo Mania, se mostra motivado com a nova direção. “A nossa intenção ao colaborar é fazer renascer o orgulho, a autoestima do torcedor”. Nova direção, colaboradores, gente querendo trazer de volta o

30 Revista Energia

Galo que já foi o terror do interior. Onde se fala em XV de Jaú, todos que acompanham o futebol se lembram da sua histórica tradição. Mas queremos que se lembrem do presente do time. Há pouco tempo, na praia do Guarujá, um vendedor comercializava canecas de clubes, na areia. Entre Palmeiras, Corinthians, São Paulo, Santos, lá estava a do XV de Jaú. Reconhecimento que agora precisa se tornar real nos campos, com vitórias e o seu lugar: a primeira divisão.

Ivo Ferraz


Informe Publicitário

Reconstrução de mama A

Foto: Leandro Carvalho

mama, muito além de uma glândula láctea importante na amamentação, é também fundamental na feminilidade e sensualidade da mulher. Infelizmente, o câncer de mama é uma doença grave e de incidência crescente na população brasileira, sendo a ressecção da mama, sem dúvida, parte importante de seu tratamento, que deve ser realizada pelo mastologista. Ocorre que a ressecção da mama afeta, e muito, o lado emocional destas pacientes. A reconstrução de mama tem como objetivo tratar justamente esses aspectos psíquicos e emocionais destas mulheres, que estão muito fragilizadas emocionalmente pelo fato de saberem que têm câncer e, além disso, se defrontam com a possibilidade de ficarem sem a mama total ou parcialmente. Assim, a finalidade deste procedimento cirúrgico é ajudar as pacientes a enfrentarem esta doença de frente e “de cabeça erguida”.

É um procedimento desafiador, que exige conhecimento, capacidade técnica, equipe treinada e muito senso estético. E o profissional especializado capacitado para realizá-lo é o cirurgião plástico. A reconstrução mamária pode ser imediata, no mesmo ato da ressecção do câncer da mama; ou tardia, num segundo momento, geralmente meses após a realização do tratamento oncológico (mastectomia, quimioterapia e radioterapia). A reconstrução imediata tem a vantagem de evitar o estigma triste que a retirada da mama causa para as pacientes, pois ela é reconstruída no mesmo ato cirúrgico. Desta forma, a mulher não passa pelo duro trauma de ficar sem a mama. Porém, existem os casos nos quais não é possível realizar a reconstrução da mama imediatamente. Mesmo assim a maioria destas pacientes poderá ter suas mamas reconstituídas. Nesse caso a reconstituição será tardia, geralmente executada meses após ter concluído o tratamento oncológico, que inclui a cirurgia (mastectomia), quimioterapia e radioterapia. A ressecção da mama pode ser radical (toda a mama) ou conservadora (parcial). De uma maneira geral, ressecções radicais são realizadas quando a doença está mais avançada, e necessitam de reconstituição com tecido de outro lugar do corpo.

As áreas doadoras de tecido mais comumente utilizadas para a reconstrução da mama são a barriga e as costas. Nestas áreas doadoras sempre são realizadas plásticas para deixá-las com o melhor aspecto estético e funcional possível. Nos casos de tumores iniciais, geralmente é realizada a ressecção conservadora, que possibilita realizar cirurgias reparadoras menos complexas, sendo muito comumente utilizada a reconstrução com próteses mamárias de silicone. Os métodos usados para a reconstrução com tecido ou prótese podem proporcionar excelente aspecto estético, e devem ser indicados conforme a necessidade de cada caso. Sabe-se hoje que o câncer de mama é uma doença muito heterogênea, relacionada a diversos fatores, entre eles os hormonais e genéticos. E devido a este aspecto seu tratamento é cada vez mais individualizado. Devido à complexidade da doença, o tratamento multidisciplinar proporciona melhor atenção aos muitos detalhes que exigem assistência e, portanto, traz maiores benefícios. O cirurgião plástico é o profissional especializado melhor preparado para realizar as reconstruções mamárias, no intuito de proporcionar o máximo de beleza e simetria com a outra mama e, com isso, dar dignidade para estas mulheres enfrentarem com coragem este momento tão difícil. Consultar sempre seu médico e realizar exames de rotina como a mamografia e o ultrassom de mama podem detectar uma doença inicial, Dr. Marcos Carneiro de Lyra e assim melhorar muito o progCRM 113.274 nóstico do tratamento. Cirurgia Plástica Estética e Reparadora Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Atende em Jaú na Clínica CentralMed, próxima à Santa Casa .

Revista 31


Maria Helena Pirágine Ressinete Se hoje sou empresária é por circunstância da vida. Estou empresária, mas serei sempre uma operária da educação!

S

e os pesquisadores pudessem identificar no DNA qual a vocação para o trabalho de cada indivíduo, a partir da análise da estrutura de suas moléculas, com certeza encontrariam a palavra EDUCADORA impressa nos genes de Maria Helena Pirágine Ressinete. Há 43 anos à frente do Colégio Saint Exupéry, Maria Helena sempre sonhou em poder transformar as pessoas através dos estudos. “Se hoje sou empresária é por circunstância da vida. Estou empresária, mas serei sempre uma operária da educação!”, afirma. Casada há mais de 40 anos com Sebastião Ressinete, a união resultou em quatro filhos e três netos. A família não a impediu de se graduar em Pedagogia, com duas especializações e pós-graduações no currículo. Pelo contrário, sempre foi a principal força motriz que impulsionou o crescimento da pequena escolinha infantil para o atual centro de ensino que atende desde recém-nascidos até universitários: “meu marido tem sido meu ‘porto seguro’ durante todos esses anos. A ousadia e a coragem para enfrentar sem medo os desafios foram alicerçadas no apoio integral do meu esposo”, conta a educadora. Numa conversa que tenta reunir um pouco dos cerca de 43 anos de magis32 Revista Energia


Maria Helena: uma operária da Educação De uma pequena escola para crianças ao complexo educacional Exupéry, acompanhe a trajetória desta educadora que vive para a profissão que escolheu. Texto da Redação Fotos Leandro Carvalho Revista 33


tério, Maria Helena fala sobre o começo difícil e os novos projetos em andamento. A senhora sempre sonhou em ser professora? Desde menina. O meu sonho era ser professora e hoje tenho a convicção de que minha maior satisfação é mesmo lidar com pessoas. Meus avós maternos, Daltyra de Toledo Castro e Túlio de Castro, meu tio Lioty de Toledo Castro, minha mãe Heleninha de Castro Pirágine, além de outros antepassados, todos foram educadores. Então, é óbvio que herdei esse pendor, essa paixão pela Educação. E eles aturam com tanto brilhantismo que figuram hoje como patronímicos de Instituições e Escolas de nossa terra. Como tudo começou? Em 1969 comecei com a “escolinha” de educação infantil “O Pequeno Príncipe”, que funcionava em sala adaptada, com um pequeno grupo de crianças. O sucesso pedagógico foi tão grande que fomos crescendo ano a ano, ocupando espaços cada vez mais amplos e mais equipados, enquanto as turmas se multiplicavam, novos professores chegavam, tudo foi dando certo. Graças a Deus tivemos o nosso trabalho reconhecido e valorizado pelas famílias e pela comunidade jauense. Ainda há projetos de crescimento para o colégio? Sem dúvida, pois atendemos desde o berçário até a universidade. Administramos um verdadeiro complexo educacional: o Colégio Exupéry; o Polo Universitário Unopar, com inúmeros cursos de graduação e pós-graduação; o Studio de Dança Exupéry e ainda a Escola de Idiomas Excellent

34 Revista Energia

Global, nossa parceira desde 2012. O Studio de Dança Exupéry é tão importante quanto o colégio, concorda? Na verdade, é a realização de um antigo sonho. O prédio foi construído na Avenida Dr. Quinzinho e dispõe de uma estrutura e instalações privilegiadas. É um grandioso espaço cultural com proporções e equipamentos adequados para as aulas de dança, ballet clássico com o método da Royal Academy of Dance, ballet contemporâneo, jazz, sapateado, street dance, dança de salão e outros ritmos variados.


A senhora tem ideia de quantos alunos já passaram pelo colégio em todos esses anos? Ah, gerações. São mais de 40 anos. É gratificante olhar nos olhos de pais, alunos e encontrar uma resposta positiva, numa demonstração de que o nosso trabalho encontrou êxito e atingiu seu objetivo. É enorme a nossa felicidade ao vê-los atuando nas mais diferentes profissões como médicos, empresários, advogados, juízes e promotores de Direito, bem sucedidos e realizados. E quando a senhora está em casa, o que lhe dá prazer? Gosto de ler, amo a leitura. Sou uma leitora incansável. Gosto muito de cinema, espetáculos de arte, teatro, dança.

Leio e releio desde os clássicos da literatura universal, bibliografias inspiradoras, até obras técnico-científicas de Administração, Gestão de Pessoas, Psicologia e Pedagogia. Tenho muito a aprender, sou uma eterna aprendiz. A senhora é feliz com a escolha profissional que fez? Sinto-me abençoada na minha trajetória de Educadora. Sou imensamente grata a todas as pessoas que caminharam ao meu lado e ajudaram a construir essa história de sucesso. Sou imensamente grata àqueles que compartilharam meus sonhos e ideias. Se chegamos até aqui, foi graças à competência, sabedoria e comprometimento da minha equipe imbatível.

Revista 35


Ação

Operação Canudos: alunos e professores da Universidade Federal de Viçosa/MG e Universidade do Sagrado Coração de Bauru/SP 36 Revista Energia


Expedição para a vida Texto Juliana Midena e Karen Aguiar

Fotos: Arquivo Pessoal

V

ocê, jovem universitário, já pensou em deixar sua casa por algumas semanas e viajar para as cidades mais distantes e simples do Brasil para ajudar uma população desfavorecida de recursos como água, energia elétrica, saúde e educação básica? Esta é uma experiência que aproximadamente 1.200 voluntários se dedicaram a viver ao participar do Projeto Rondon, entre os meses de janeiro e fevereiro de 2013. Trata-se de um projeto coordenado pelo Ministério da Defesa, que tem por objetivo promover a integração social entre universitários e comunidades carentes, buscando levar a estas os conhecimentos adquiridos na universidade, desenvolvendo oficinas nas áreas de saúde, educação, saneamento, cultura, comunicação, entre outras. Dentre os voluntários das expedições que ocorreram em 60 municípios, e das 120 universidades participantes, a Universidade Sagrado Coração (USC) de Bauru levou um grupo de rondonistas à Capitão Gervásio Oliveira, no estado do Piauí, que fica a 540 km da capital Teresina. Uma cidadezinha com 3.878 habitantes (segundo o censo 2010 do IBGE). Reunidos aos voluntários da Universidade Federal de Viçosa, os alunos da USC formaram a Equipe da Operação Canudos e, entre eles, dois jauenses! O estudante de Relações Públicas Luiz Fernando Ramalho e o aluno de Geografia Paulo Sérgio Francisco. Para Luiz Fernando, 23, conhecer a cultura de um lugar tão distante, diferente, é satisfatório. “Por mais que esteja no mesmo país, há um choque grande entre nossos hábitos em São Paulo e os do sertão nordestino. O povo de lá, mesmo com condições precáRevista 37


rias devido à falta de água, é alegre e acolhedor”, conta. Paulo Sérgio, 23, foi coordenador da oficina de gastronomia e empreendedorismo social, realizada logo nos primeiros dias do projeto. “O objetivo da oficina foi capacitar os participantes a utilizar as receitas como forma de geração de renda e aprimoramento nutricional. Cerca de 60 pessoas, de ambos os sexos, participaram da oficina e aprenderam a fazer uma receita de bolo de bagaço de milho, servidos na palha do milho, e também pão de milho americano. Após o preparo, todos puderam experimentar e quem provou, gostou! Fiquei feliz com o resultado e com a participação da comunidade”. Pensando nas experiências vivenciadas, Luiz Fernando afirma que o aprendizado, a união, foram os pontos cruciais da expedição. “Nossa equipe esteve muito unida, o clima era ótimo. Mesmo com as dificuldades, aprendemos que a união nos torna mais fortes. Fomos até lá levar o conhecimento que adquirimos na universidade mas, no fim das contas, fomos nós quem mais aprendemos. Eu, por exemplo, pude significar novamente o que importa e vale a pena. A cada atividade, novas lições”. De acordo com Guilherme Franceschini, professor do curso de Engenharia Ambiental da USC, essa interação entre os alunos das universidades participantes foi um ponto forte no desenvolvimento dos projetos. “Além da união, o fato de termos estudantes de todas as áreas, humanas, biológicas e exatas, permitiu uma ampla aprendizagem e práticas interdisciplinares em várias oficinas como a de eletricidade, saneamento básico, culinária, entre outras.” Segundo Guilherme, houve também regastes culturais

38 Revista Energia

Luiz Fernando Ramalho em visita à comunidade Raiz, próxima à cidade de Capitão Gervásio Oliveira - PI

em oficinas como a de pífanos e a criação de uma peça do boi-bumbá, além das desenvolvidas na área de comunicação social, gestão pública, inclusão digital, educação ambiental, fossas sépticas econômicas, saneamento básico, educação ambiental, artesanato, saúde do homem e da mulher, formação de educadores e agentes de saúde. “Com certeza, todos voltaram transformados e gratos pela oportunidade desta experiência, deste aprendizado e desta lição de vida!”, conta o professor, satisfeito. Durante toda a expedição, os voluntários da Operação


Canudos registraram os momentos em um blog: http://nosnorondon2013. blogspot.com.br

Compartilhando experiências únicas “Na oficina sobre comunicação e sua importância, houve uma discussão sobre os meios de comunicação tradicionais e as formas com a qual atuam, passando pela televisão, os meios impressos, a internet e, por fim, o rádio, já que o município conta com uma rádio comunitária. A partir daí, o foco passou a ser essa rádio. O filme nacional “Uma Onda no Ar”, que conta a história de uma emissora comunitária, foi exibido e serviu de base para o debate. Os adolescentes ficaram sensibilizados com a importância e as possibilidades que o veículo oferece. A partir daí, várias ideias de produções culturais e serviços em prol da comunidade surgiram.” Luiz Fernando, estudante de Relações Públicas. “O Projeto Rondon nos proporcionou uma experiência fantástica. Seria difícil conhecermos a realidade do interior de algum estado da região nordeste se não tivéssemos essa oportunidade. Em Capitão Gervásio Oliveira, nossos irmãos nordestinos sofrem demais com a falta de água; toda semana um caminhão pipa passa abastecendo as caixas d’água da população. Segundo os moradores, a cidade enfrenta um dos maiores períodos de estiagem já registrado. A população traz consigo toda a energia do nordeste brasileiro. Não precisamos andar muito para ganharmos um sorriso no rosto de uma criança ou de um adulto, como forma de agradecimento. Até pelo

Paulo Sérgio Francisco

nome as pessoas nos chamavam pela rua, isso nos contagiava.” Paulo Sérgio, estudante de Geografia. “Durante o retorno de uma visita a um município próximo, atolamos o ônibus em plena caatinga! Seguimos pela estrada a pé e, por sorte, um homem que morava por perto nos levou de camionete até a escola, onde fizemos um acampamento de última hora. Usamos uma lona para cobrir o chão e os moradores nos emprestaram várias redes e cobertores. Por lá não tinha banheiros ou energia elétrica. Dormimos bem e ninguém reclamou. Conseguimos levar como uma experiência positiva e sentimos na pele o que alguns moradores passam por toda uma vida. Isso sim é Rondon! Vivemos experiências que nenhum outro lugar poderia nos proporcionar!” Gabriele Pazetto, estudante de Jornalismo.

O Projeto Rondon teve início em 1967 e tornou-se conhecido em todo o Brasil nas décadas seguintes. Entretanto, o Governo Federal deixou de priorizar o Projeto, que chegou a ser extinto em 1989. As atividades do Rondon retornaram em 2005, quando sua coordenação foi atribuída ao Ministério da Defesa. O Projeto ganha mais força e reconhecimento a cada operação, mais de 12.000 rondonistas já foram levados a cerca de 800 municípios. O nome foi escolhido como uma homenagem ao Marechal Cândido Rondon, militar que se dedicou a programas de proteção aos índios e terras do Brasil.


Energia Garota

Por Cláudio Bragga

Carolina Florenzano Perez Apelido: Carol Data de nascimento: 01/07/1996 Mulher bonita: Ana Hickmann Homem bonito: Caio Castro Música que gosta: Titanum - David Guetta Perfume: It’s Life - Paris Elysees Comida: Strogonoff Filme:Um amor para recordar Não vive sem: Meus pais e amigos Frase: “Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos haverá guerra.”

Ficha técnica:

Fotos: Cláudio Bragga Produção: Leandro Carvalho Acessórios: Santa Felicitá Fone: (14) 3621.9078 Locação: Rancho Villa Looks: Garbin Modas Fone: (14) 3624.8635 Cabelo e make: Rafael Camargo Site: www.rc-hd.com.br Fone: (14) 3032.0121

Quer ser Garota Energia?

Acesse o nosso site e saiba como: www.energianaweb.com.br 40 Revista Energia


Revista 41

Carolina Florenzano Perez


42 Revista Energia


A Unimed é mais que um plano, é atenção à saúde.

Alimentação x Verão Como aproveitar a estação?

Destaques Pró-Meninas recebe doação da Unimed Regional Jaú

ANS-nº 30676-2

Osteoporose Prevenção é o melhor remédio

Informativo Saúde!

Secretário: Dr. José Carlos Berto

Ano 4 - Edição 13 – Jaú, Fevereiro de 2013 Informativo Saúde! é uma publicação da Unimed Regional Jaú

Assessora de Marketing e Comunicação: Fernanda de Almeida Conrerp 2ºr - 4092

Presidente: Antônio José Craveiro Faria Vice-Presidente: Dr. Paulo De Conti Superintendente: Dr. Paulo Fernando Campana

Jornalista Responsável: Nádia De Chico MTB – 46538/SP

Redação/Fotos: Fernanda de Almeida Nádia De Chico Colaboração: Felipe Azevedo Silva Gisele Magi Diagramação: Revista Energia

Distribuição: Revista Energia Informativo Saúde! Rua Álvaro Floret, 565 - Vila Hilst Jaú/SP - Cep: 17207-020 Central de Relacionamento: 0800 10 53 33 www.unimedjau.com.br Elogios, críticas e sugestões de pauta nadia.chico@unimedjau.com.br


PALAVRA do PRESIDENTE Prezado Leitor,

A

Saúde Suplementar Brasileira apresenta algumas nuances que merecem ser discutidas. O beneficiário paga plano de saúde porque o Estado não cumpre com seu papel constitucional de dar saúde a todo cidadão brasileiro. Assim, quando pagamos por plano de Dr. Antonio José saúde, achamos que temos direiCraveiro Faria to a todas as coberturas, a exaDiretor Presidente mes e procedimentos, e temos. da Unimed Regional Jaú Porém, só é possível administrar isso porque enquanto uns estão utilizando o plano, outros não estão. No entanto, há que se questionar se a quantidade de exames que fazemos e o número de procedimentos são, de fato, necessários. Alguns acreditam que médico bom é o que pede muitos exames e/ou que prescreve muitos medicamentos. Há que se questionar se essa premissa é verdadeira. Hoje, com acesso a informações pela internet, “Dr. Google” nos dá orientações que nem sempre são as mais corretas, pois cada caso é um caso. Nosso objetivo é esclarecê-lo de que existem maneiras confiáveis de consulta e que poderão avaliar se os exames solicitados são, de fato, necessários. Lembramos que exames têm a finalidade de elucidar diagnóstico, mas não curam o paciente. Médico bem formado é capaz de fazer diagnóstico com uma boa história clínica e com o exame propedêutico adequado. Por isso, sugerimos que o brasileiro que necessitar de informações pela internet procure o próprio site da ANS, que comporta algumas informações que são diretrizes de utilização para algumas patologias.

Funbbe Mais um cliente da Saúde Ocupacional

O site da AMB, onde consta o Projeto Diretrizes da AMB, chancelado pelo Conselho Federal de Medicina, deve ser largamente consultado, pois lá encontramos inúmeros temas médicos. Sugerimos, também, os sites das Sociedades de Especialidades Médicas (cada uma tem o seu site específico), que terão temas do seu interesse. Assim, você poderá ter uma informação bem adequada, tendo ciência de que geralmente não é preciso fazer tantos exames ou procedimentos desnecessários. Se assim procedermos, poderemos pagar menos pelo nosso plano de saúde.

Muito Obrigado! Dr. Antonio José Craveiro Faria Presidente

Marilda recebendo a placa da Saúde Ocupacional do representante da Unimed Jorge Salve

A Fundação Barra Bonita de Ensino é mais uma empresa que oferece aos seus colaboradores os serviços de Saúde Ocupacional da Unimed Regional Jaú. De acordo com a assistente de Recursos Humanos da empresa, Marilda Aparecida Martins Chimenas, os serviços prestados pela Unimed Regional Jaú estão tendo um grande grau de importância para a empresa. “É uma garantia para o funcionário e para a empresa também, já que em tudo o que precisamos da Unimed estamos sendo atendidos”, finaliza

A Unimed é mais que um plano, é atenção à saúde. 44 Revista Energia


Por que o verão não combina com alimentos pesados? Agência de Noticias Unimed do Brasil

Sensação de estufamento, queimação e desconforto são sintomas típicos da má digestão, que pode ser potencializada quando são ingeridos alimentos pesados, especialmente em dias muito quentes. “Com o calor, há o aumento da temperatura corporal. Como reação do organismo para reduzir a sensação de calor, produzimos o suor. Dessa forma, perdemos água e sais minerais

importantes para o organismo”, explica a nutricionista Camila Pacheco, colaboradora da Unimed Campo Grande. O consumo de comidas pesadas exige muito do organismo, pois o corpo deposita toda sua energia para realizar a digestão desses alimentos, podendo causar o desconforto, indigestão e azia. Por isso, o ideal é o consumo de itens de fácil digestão, ricos em água, vitaminas e sais minerais, perfeitos para repor o que foi eliminado pelo suor. Frutas, verduras, legumes, cereais, peixes e queijos magros (brancos) são os alimentos mais indicados para os dias com altas temperaturas, pois além de serem de fácil digestão, não possuem alto valor calórico. Já os pratos ricos em gordura como frituras, maioneses, carnes gordas, molhos feitos com queijo e massas como lasanha, devem compor a lista dos alimentos evitados nessa época do ano. A nutricionista também ressalta que líquidos devem ser ingeridos sempre, com preferência à água, sucos e chás para hidratar o corpo. Siga todas as recomendações e aproveite o verão.

Revista 45


Resultados mais importantes 1. Redução de 19% para 4,10% no número de quedas destas mulheres acompanhadas no Programa 2. Redução de 8,7% para 1,3% no número de fraturas 3. 17,9% a menos em internações clínicas 4. 42% a menos em internações cirúrgicas

Unimed atua contra os riscos causados pela osteoporose O NAS - Núcleo de Atenção à Saúde da Unimed Regional Jaú atua na prevenção dos riscos causados pela Osteoporose, doença que atinge os ossos afinando e enfraquecendo-os, em função de um desequilíbrio no processo de renovação. O programa, específico para as mulheres com diagnóstico de Osteoporose pós-menopáusica, tem obtido resultados importantes. As mulheres são estatisticamente mais atingidas pela doença devido à perda acentuada de cálcio dos ossos após as alterações hormonais ocasionadas pela menopausa. De acordo com o Coordenador do NAS, Dr. Ramiro Teixeira

Hernandes, o Núcleo tem atualmente 135 mulheres cadastradas, com 73 delas completando um ano de acompanhamento. “Esse programa tem foco na avaliação clínica das portadoras desta doença e também na avaliação dos riscos ambientais de queda no domicílio”, fala Hernandez, que conta ainda que os resultados atingidos pelo programa são extremamente animadores. (veja quadro) É possível se prevenir contra a doença que atinge homens e mulheres, ainda quando jovem. Basta se alimentar de forma equilibrada, praticar atividade física de forma regular, evitar o fumo, o álcool e o excesso de café.

ATENÇÃO MUDANÇAS PARA AGILIZAR O ATENDIMENTO NA SEDE DA UNIMED A fim de diminuir o tempo para o atendimento presencial em sua sede, a Unimed implementou mudanças no sistema de senha da área de autorizações. Agora, os beneficiários são atendidos em guichês específicos para cada segmento. Fique atento para retirar a senha correta, evitando demora desnecessária:

46 Revista Energia

Beneficiário dos planos UNIMED (cartão Unimed)

senha verde

Beneficiários de outros convênios: Autogestões (Economus, Sabesprev, Caixa Econômica Federal, Fundação CESP, Assefaz e ABET) e Funerárias

senha vermelha

Atendimento preferencial: (idosos, gestantes e portadores de deficiência sem diferenciação por plano)

senha especial

Para ganhar tempo, sempre solicite à secretária do seu médico a emissão de autorização on-line dos exames solicitados. Todos os consultórios e clínicas estão equipados para fornecer a autorização dos exames sem necessidade de que o beneficiário se desloque até a Unimed.


Gincana Solidária

Unimed doa freezer Industrial para Pró- Meninas A Entidade Pró-Meninas de Jaú recebeu da Unimed Regional Jaú um freezer industrial por ter sido a instituição escolhida pela equipe vencedora da Gincana Solidaria 2012 – “Eu fiz um Natal Feliz para muitos” - campanha de arrecadação realizada pelos funcionários da Cooperativa no final de 2012 e que conseguiu levantar 2,4 toneladas de alimentos e produtos de higiene. Esta ação contou com a ajuda de várias empresas de Jaú e região, teve o patrocínio de Guaraná Seguros e o apoio

Crianças e Responsáveis do Pró-Meninas durante a entrega da doação, com Leandro Fontana, representando a Unimed. do Redi Supermercados na distribuição das doações. A entrega do freezer aconteceu em 15/01 na sede da entidade, e vai atender a uma grande necessidade desta instituição. O Pró-Meninas atende cerca de 100 meninas entre crianças e adolescentes, para as quais trabalha em prol da formação da cidadania através de atividades educativas e socioculturais, auxiliando no seu desenvolvimento, melhoria da qualidade de vida e participação na sociedade.

A Unimed é mais que um plano, é atenção à saúde. Revista 47


QuemfezJahu

Isaltino do Amaral Carvalho Texto Heloiza Helena C. Zanzotti

Agricultor, nasceu em Jaú a 10 de fevereiro de 1908 e sempre viveu aqui. Nesta edição da RE, vamos conhecer um pouco mais este cidadão que dá nome a uma importante avenida de nossa cidade. Muito querido e respeitado pela sociedade local, casou-se com Carlota Reis do Amaral Carvalho com quem teve seis filhos: José Eduardo, Maria Etelvina, Beatriz, Maria, Isaltino Filho e Maria Lúcia. Atuante na política desde muito jovem, embora sempre nos bastidores, foi amigo íntimo e um dos grandes conselheiros de Zezinho Magalhães, o então líder da UDN (União Democrática Nacional), partido de grande força política na época. Isaltino ajudou Zezinho Magalhães a se eleger prefeito e participou ativamente de sua gestão, inclusive do seu Plano Diretor. Entretanto, Zezinho afastou-se para concorrer a uma vaga como deputado estadual, e Isaltino foi aclamado pela Câmara como prefeito eleito para substituí-lo, tendo ocupado o cargo de 14 de dezembro de 1958 a 31 de dezembro de 1959. Continuando a administração do amigo, acabou por concluir diversas de suas obras. Isaltino do Amaral Carvalho Filho, 68, advogado, filho de nosso homenageado, recebeu a RE e conta: “Ele foi ótimo marido e um excelente pai. Não possuía inimigos, era um homem do bem. Religioso, frequentava a missa das 10h aos domingos, na Igreja Matriz. Muito brincalhão, foi um grande amigo dos filhos. Dialogava, aconselhava, era muito justo, generoso e bondoso. Mas extremamente enérgico quando necessário”. Isaltino Filho lembra, também, que na maioria das vezes as conversas políticas aconteciam em reuniões sociais. “Na época existia a Padaria Universal, que tinha uma sala reservada nos fundos, onde os homens se encontravam

48 Revista Energia

para essas conversas. Meu pai ia muito lá”. Ele também cita uma característica marcante do pai: “Ele tinha mania de tomar sua cerveja em pé, sozinho e sempre pagava antes. Gostava de sair e dizer que já estava pago”. Isaltino do Amaral Carvalho tinha fama de pessoa justa e ponderada, sempre aberto a conversas, por isso era muito procurado por amigos que gostavam de ouvir seus conselhos. Sempre ligado a atividades relacionadas à agricultura, atuou como gerente da Cooperativa de Cafeicultores de Jaú por aproximadamente seis anos. Depois que se afastou da Cooperativa, foi convidado a assumir a provedoria da Santa Casa de Jaú, cargo em que teve grande destaque, principalmente pela contratação de um grupo de consultoria especializada, dando início à modernização dos serviços então prestados naquela entidade. Enquanto provedor da Santa Casa, trabalhou em parceria com as freiras que ali exerciam suas funções religiosas em um amplo projeto social em prol das pessoas carentes que procuravam assistência médica naquele hospital. Teve muitos colaboradores, entre os quais um muito marcante, Dr Luciano Pacheco de Almeida Prado Neto. Após seu falecimento, quem o substituiu na provedoria da Santa Casa foi seu filho José Eduardo. Isaltino do Amaral Carvalho faleceu de câncer, aos 67 anos, em 10 de março de 1975, após lutar seis meses contra a doença.


Decoração

Equipa Lar: Utilidades e decoração ao alcance de todos À frente da Equipa Lar, empresa que comercializa utilidades domésticas, Tânia Helena, 45, artista plástica, conta um pouco da sua trajetória de sucesso e antecipa um grande lançamento ainda para este ano. Estabelecida na cidade de Barretos por 12 anos, a Equipa Lar veio para Jaú há 8 meses, quando Tânia casou-se com Sílvio José, 49, empresário jauense. Com vendas diretas ao consumidor, no sistema “de porta em porta” mesmo, acabou conquistando espaço oferecendo comodidade ao cliente que adquire os produtos e efetua os pagamentos sem sair de casa. As vendas são à vista ou a prazo; os funcionários visitam os clientes todos os meses e ainda há um diferencial: quem paga em dia recebe um brinde a cada prestação quitada. E neste primeiro ano em Jaú, todos os clientes que quitaram o carnê concorreram a diversos prêmios pela Loteria Federal, entre eles uma TV 42”, uma TV 32” e um Microondas. Mas Tânia não para por aí. Dotada de extremo bom gosto, o que se comprova na decoração de sua casa e nos quadros pintados por ela, que ilustram essa matéria, ela anuncia para breve a inauguração de uma loja Equipa Lar, que será focada também no segmento decoração. “Meu objetivo é provar que qualquer pessoa pode ter uma casa linda, bem decorada, sem gastar muito dinheiro. Será uma loja onde decoração estará ao alcance de todos os bolsos. Beleza não é sinônimo de preços altos”, diz Tânia. E enquanto aguardamos a inauguração, vale a pena conferir os produtos da Equipa Lar. Solicite uma visita dos vendedores. Tânia e Silvio, proprietários da Equipa Lar

Equipa Lar Fone: (14) 9811 9888 (14) 4103 3035 Revista 49


Capa

50 Revista Energia


A empresa certa na hora certa e no lugar certo! Texto Heloiza Helena C. Zanzotti| Fotos Leandro Carvalho

O

Viviane Almeida, colaboradora da empresa jauense Neon Eletro

que está fazendo a Neon Eletro crescer tanto é uma combinação única e adequada de fatores. A empresa está no lugar certo, na hora certa, e com a estratégia certa. As vendas pela internet cresceram consideravelmente no último ano, o que fez a Neon Eletro apostar no segmento e investir na diversificação de produtos oferecidos via site. O ambicioso plano de expansão previa o aumento do número de funcionários, o que efetivamente aconteceu, e acalenta a expectativa de dobrar ainda no primeiro semestre deste ano. Estratégia certíssima para um segmento cujo atendimento é um dos pilares do negócio: “Precisamos atender sempre muito bem, porque o atendimento é a experiência do cliente. Quando ele é bem atendido, cria uma base de segurança e confiança, o que faz com que o cliente volte a comprar no site”, afirma José Henrique Casale Júnior, 21, fundador da Neon Eletro. O maior impulso deste mercado veio do crescimento da classe média; o brasileiro vem comprando cada vez mais pela internet. Poucas empresas estavam tão bem preparadas para a demanda deste mercado como a Neon: “Estamos abrindo uma filial em Miami para facilitar o trânsito nas exRevista 51


Thiago Carraro Cineis, cliente Neon Eletro

portações e trâmites alfandegários. Nosso objetivo é agilizar ainda mais a entrega dos produtos, para surpreender nossos clientes. Queremos ser a primeira opção no nosso segmento”. Esse é um modelo de negócio único, que exige muito preparo de quem está no ramo, além de parcerias com outras empresas de peso.

Grandes parcerias fortalecem a marca A divulgação do negócio está nas mãos de empresas comprometidas e mundialmente famosas como a UOL, a rede de TV SBT, a rede de relacionamentos Facebook e a Energia FM. Só na rede social Facebook, a Neon Eletro já superou em números, nas opções “curtir” e “falando sobre isso”, empresas que estão no mercado há décadas. Como a marca é forte, a Neon quer investir em expertise de alta tecnologia. Para isso já se associou à marca Napoli 52 Revista Energia

Eletronics para desenvolver uma linha de produtos eletroeletrônicos com o seu nome. Assim, TV, tablets e muitos outros produtos estarão em breve à disposição do consumidor com a etiqueta NEON NAPOLI.

Satisfação e credibilidade E para comprovar a credibilidade da empresa, nada melhor que ouvir os próprios consumidores, como Thiago Carraro Cineis, 32, microempresário: “Compro há alguns anos pela internet, porém, realizava minhas compras apenas em empresas âncoras. Daí surgiu a Neon Eletro. O que me fez comprar na Neon foram os testemunhais feitos pela equipe da Rádio e Revista Energia, e também o grande investimento em propaganda na TV e em vários outros setores. Isso me passou segurança e a impressão de credibilidade, nivelando a empresa jauense às grandes empresas onde já realizava minhas compras. Acabei apostando na Neon e só


tive boas surpresas, a começar pela qualidade dos produtos que adquiri e principalmente com a economia que fiz, pois somente realizo minhas compras depois de pesquisa de mercado. Sou um cliente satisfeito”. Como Thiago, quem também aproveita as ofertas e bons preços da Neon é José Raul Baumann Júnior, 27, vendedor, que diz: “Sou cliente Neon Eletro por vários motivos: preços atrativos, boa qualidade dos produtos, entrega conforme o combinado e o mais importante, estou dando preferência para empresa de nossa cidade, onde são gerados muitos empregos”. Outro consumidor que falou com a RE foi o Avner Vítor, 20, produtor, que conta: “No final de setembro estava com vontade de trocar a TV. Iniciei uma pesquisa pelas lojas da cidade e por alguns sites, quando me deparei com a neoneletro.com.br. Sem dúvida, o preço que a Neon Eletro oferecia era o melhor, com uma diferença absurda. A princípio fiquei com receio, pois há

muitos sites charlatões. Comecei a fazer uma pesquisa sobre o site, o que me surpreendeu, pois não achei nenhuma nota ruim. Então efetuei a compra, mas fiquei preocupado com o prazo de entrega (60 dias). No meio desse prazo entrei em contato com o site e fui muito bem atendido pelo jurídico, que me assegurou que em poucos dias entregariam a TV, e foi o que aconteceu. Estou muito satisfeito com o serviço do site e recomendei para vários amigos, que também fizeram a compra e não tiveram problema nenhum”. Considerando que o setor de eletroeletrônicos é tido como um dos maiores e mais importantes segmentos de mercado no país, a Neon Eletro está cada vez mais preparada para atender ao consumidor permeando inovações, qualidade e preços competitivos. Enfim, são muitos os motivos que fazem da Neon Eletro uma empresa especial. E, por tudo isso, pode anotar: você ainda vai ouvir falar muito desta marca!!!

Revista 53


Look de artista

54 Revista Energia


Revista 55


Look de artista

Fotografia Leandro Carvalho Modelo Ana Laura Avelino Beleza Rafael Camargo Style Vestylle Megastore Joias Érica Módolo 56 Revista Energia


Revista 57


Varal

Fotos Leandro Carvalho

Ana Maria Fitness:

Rua Marechal Bittencourt, 82 Fone: (14) 3624.7276 - Jaú Rua Tiradentes, 415 Fone: (14) 3652.6454 Dois Córregos

Santa Felicitá:

R. Humaitá, 1440 R. Sebastião Ribeiro, 658 Fone: (14) 3621.9078 58 Revista Energia

Érica Módolo:

Fone: (14) 8128.1900

Cintya Barros:

Rua Lourenço Prado, 841 Fone: (14) 3622.4945


Vestylle Megastore Rua Edgard Ferraz, 281 Fone: (14) 2104.3500

Arezzo:

Jaú Shopping Piso Superior Fone: (14) 3416.7737

M. Officer:

Jaú Shopping - Piso Térreo Fone: (14) 3416.0831

Gold Silver:

Jaú Shopping - Piso Térreo Fone: (14) 3416.1858

Revista 59


Varal

Menfis Modas:

Rua Tenente Navarro, 619 Fone: (14) 3626.8108

Charlotte

Av. João Ferraz Neto, 1610 Fone: (14)3621.3902

Design Moderno

Casaforte

Móveis Planejados

empreendimentos

Está sonhando com uma casa que lhe proporcione uma melhora na qualidade de vida e no bem-estar da 60 Revista Energia sua família? A Casaforte tem a solução para você!

Paisagismo

Mais informações:

www.casafortejau.com.br 14 2104-0800


Revista 61


Look

kids

Por Leandro Carvalho

62 Revista Energia


Crianças

Leandro Augusto, Julia Sorrila Locação: Flora Paraíso Fone: (14) 3626.1760

Revista 63


Moda Por Caroline Pierim

moda@revistaenergiafm.com.br

64 Revista Energia


A

Revista Energia deste mês antecipa tendências do Outono/Inverno 2013 para vocês! Uma delas é o Militar Chic, tendência antiga, habilmente qualificada e pronta para qualquer estação. As apostas são silhuetas estruturadas e toques de camuflagem, que vão do clássico aos mais ousados, misturando até a camuflagem de peles como onça e zebra, no estilo militar. Nas passarelas a tendência é marcada por casacos e capas com calças ajustadas, juntamente com os tradicionais toques militares como ombreiras e botas, tudo em uma paleta de cores escuras. Roupas e Acessórios: Hot Seven Rua Amaral Gurgel, 523 Centro - Jaú Fotos: Leandro Carvalho Modelo: Caroline Pierim

Revista 65


Fitness

Por Marcelo “Tchelinho” Macedo Fotos Leandro Carvalho

Kangoo Jump C

onhecido como Kangoo Jump - termo que em inglês significa “salto do Canguru”, a modalidade foi desenvolvida na Suíça e veio para o Brasil para inovar as academias de ginástica. Com um grande poder de queimar gordura e tonificar os músculos, as botas lembram os antigos patins, mas no lugar das rodinhas estão dois arcos de borracha e um de plástico na base. Os exercícios queimam, em média, 500 calorias e o equipamento é fácil de ser transportado, pesando aproximadamente 1,8 kg, podendo ser levado para se exercitar em qualquer lugar. Os exercícios são bem divertidos. Além de trabalhar o condicionamento físico, o Kangoo Jump tem o efeito de treina66 Revista Energia

mento funcional, pois sobre a base instável o praticante tenta se equilibrar e, assim, recruta vários grupos musculares para se manter em pé. O movimento intensifica a maior parte das musculaturas do abdômen e das pernas, melhorando também a postura e eliminando as celulites que tanto incomodam as mulheres. Tanto em aulas específicas quanto em corridas, o princípio dessas botas funciona como uma mola que, quando você salta, o arremessa para cima, e quando aterrissa amortece o impacto em até 80%. Para quem corre é ainda mais vantajoso, pois funciona ainda como exercício educativo, já que essas molas impulsionam para cima e para frente, ajudando a aumentar a


amplitude das passadas sem causar qualquer tipo de lesão nas articulações. A parte mais difícil com a qual devemos ter cuidado é em calçar as botas. Elas devem sempre ser colocadas na posição “sentado” e, ao levantar-se, não ficar parado, pisando sempre no meio do solado, sem olhar para baixo. A cada passo dado o arco cede, aumentando a superfície de contato com o chão, o que facilita bastante na hora de se manter em pé. Essa é a razão pela qual é aconselhado às pessoas não ficarem paradas! É importante, especialmente para os iniciantes, que os exercícios sejam realizados na ordem proposta. Eles começam simples e vão sendo dificultados gradativamente, conforme o praticante adquire mais habilidade sobre o Kangoo Jumps. Não há restrições quanto ao uso das botas, mas é preciso ficar de olho nas contra-indicações. O Kangoo Jump não é indicado para crianças menores de seis anos ou com menos de 32 kg, gestantes ou portadores de labirintite. O valor médio do equipamento no mercado gira em torno de R$ 760,00 a R$ 1.000,00.

Aula de Kangoo Jump

Revista 67


club

Social

1

social@revistaenergiafm.com.br

Bar do Português Nada melhor do que reunir os amigos em um final de tarde e curtir um happy hour no Bar do Português. Confira quem curtiu bons momentos no lugar. 2

3

5

1. Paulo Takaki e Bruno Freitas 2. Ana Karina Rodrigues e Ligia Dante 3. Juliana Tersi e Tatiane Frabetti 4. Poliane Martins e Ana Claudia Gonçalves 5. Richard Castilho, Cristiano Garcia e Keila Freitas 6. Joici Bolsoni , Gabriela Bergamasco e Jaqueline Bergamasco 7. Cristiano Mendonça Carvalho, Rafael Tadashi, Katarini Miguel e Natalia Zamaro da Silva 8. Mônica Rett, Juliana Carrara e Bianca Lopes 9. Mariana Bussab, Lais Bersan e Marcelo Garute

68 Revista Energia

4

6


7

8

9

Revista 69


club

Social

social@revistaenergiafm.com.br

Palácio do Sorvete

1

Com o aumento das temperaturas, um sorvete a qualquer hora do dia é sempre bem-vindo. Nas fotos, gente bonita aproveitando a tarde para espantar o calor, aproveitando os sabores deliciosos do Palácio do Sorvete.

2

3

4

5

1. Marli de Oliveira 2. Keo MIssaci e Sérgio Ferreira 3. Cibele Bernardes, Amanda Bernardes, Giovana Bernardes e José Antônio Bernardes 4. Yasmin Pacheco Borsoli e Adriana Pacheco 5. Marina Pacheco de Almeida Prado e Luana Segali

70 Revista Energia


Revista 71


Pratique esportes com seu filho Texto Érika Lopes | Fotos Leandro Carvalho

T

odo mundo já sabe que praticar exercícios físicos faz bem para a saúde pois melhora a circulação, os batimentos cardíacos, tonifica a musculatura, além de deixar o corpo definido. Estudos já comprovaram que atividades aeróbicas são ótimas para quem sofre de problemas crônicos como hipertensão arterial e diabetes. Agora, pesquisas recentes realizadas pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em parceria com a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) comprovaram que os exercícios aeróbicos regulares podem agir até como um antiinflamatório natural contra dores agudas, e isso serve para qualquer órgão (por exemplo, situações orgânicas que envolvam quadros inflamatórios agudos, como um AVC - acidente vascular cerebral, ou um infarto). Porém, não são apenas os adultos que devem praticar esportes, é de extrema importância a criança também fazer algum tipo de exercício. A palavra-chave para estimular os filhos a praticar atividades físicas chama-se: exemplo. Um exercício simples, que pode ser feito com você e sem qualquer contra indicação é a caminhada. É claro que você não pode pegar seu filho e desejar que ele ande quilômetros ao seu lado. Tudo deve ser feito pensando na criança, em seu conforto e segurança. Outras atividades que a criançada mais gosta são andar de bicicleta e fazer natação. Ambas são indicadas pelos médicos. O esporte é fundamental para a criança, pois não só é bom para a saúde física como também é excelente para a saúde mental. Estimular o gosto e a prática cons-

72 Revista Energia

Ailson Parelli, que se prepara para introduzir o esporte na vida do filho de 2 anos

tante de exercícios é saber que você está estimulando seu filho a ser uma pessoa mais saudável, mais feliz e mais disposto a encarar a vida e todos os desafios que aparecerem em seu caminho. Não esqueça que os pequenos devem fazer atividades físicas nas quais se divirtam. Desta forma nota-se, também, uma melhora na sua auto-estima e a perda de algum medo que possa existir. Lembre-se que são importantes o apoio de uma orientação e avaliação médica, além de uma alimentação balanceada.


Revista 73


Danilo Comenalli, professor de química

Pré-vestibular COC Jaú... agora é você quem escolhe!!! V

Conheça melhor o “Isoladas COC”

Pensando em um curso Pré-vestibular que se adapte às necessidades de cada aluno, o Sistema COC de Ensino lança as Isoladas COC, cursos modulados por disciplina, onde você terá a opção de trabalhar com algumas matérias nas quais tenha mais dificuldade, ou com todas, se assim pre74 Revista Energia

ferir. É você quem escolhe quais deseja estudar e se aprofundar.

Veja as vantagens das Isoladas COC:

Preparação em disciplinas específicas Aulas no período da tarde Corpo docente de alto nível – professores que participam da elaboração do material didático COC Aberto a alunos de todas as escolas, inclusive alunos que ainda cursam o ensino médio Material didático de alta qualidade Acesso ao Portal COC (Vídeo aulas, livro eletrônico, banco de resoluções, revisões on-line, simulados) Pró-ENEM – módulo voltado ao ENEM Custo acessível – você paga apenas as disciplinas que cursar e ainda tem desconto progressivo de acordo com o número de disciplinas escolhidas Gratuidade para alunos matriculados no Ensino Médio do COC Desconto de 50% para ex-alunos COC Altos índices de aprovação nas melhores universidades do país

Fotos: Leandro Carvalho

ocê, que está se preparando para o vestibular, sabe que sempre tem algumas disciplinas nas quais tem mais facilidade e outras onde é preciso dedicar-se mais, não é? Assim, inovando mais uma vez, o COC Jaú lança o Pré-vestibular “ISOLADAS COC”, onde você decide quais disciplinas deve fazer, pagando apenas por elas. Com mais de 49 anos de experiência em cursos pré-vestibulares e altos índices de aprovação nas melhores universidades do país, o sistema COC faz parte do maior grupo educacional do mundo e está à frente no que existe de mais moderno em educação. Tecnologia de ponta, apostilas e materiais didáticos de altíssimos níveis são os maiores diferenciais do COC, que ainda conta com uma equipe de professores e diretores extremamente capaz e diferenciada. Tudo isso para que você seja bem preparado para o ENEM e para os mais concorridos vestibulares do país.


Disciplinas oferecidas Matemática – 140 aulas estruturadas, 10 livros de teoria, exercícios propostos Português - 140 aulas estruturadas, 06 livros de teoria, exercícios propostos Química - 140 aulas estruturadas, 06 livros de teoria, exercícios propostos Física - 140 aulas estruturadas, 06 livros de teoria, exercícios propostos Biologia - 140 aulas estruturadas, 06 livros de teoria, exercícios propostos História - 84 aulas estruturadas, 08 livros de teoria, exercícios propostos Geografia - 84 aulas estruturadas, 10 livros de teoria, exercícios propostos Pró-ENEM – Caderno com 1372 exercícios associados às 120 habilidades listadas no ENEM

No COC Jaú o futuro já chegou!!! Matricule-se já. Início das aulas: março/2013 Ligue 14 – 3602 7799 e saiba mais sobre o melhor curso pré-vestibular de Jaú

Depoimentos:

“A exigência de grandes vestibulares nos dias de hoje vem sugando o máximo de conhecimento de nossos alunos e os vestibulandos necessitam se aprimorar em todas as áreas exigidas, sem fraquejar em nenhuma delas. O COC Jaú traz com exclusividade, junto com sua excelente equipe de professores, o curso de disciplinas isoladas, onde cada aluno pode escolher qual disciplina tem maior dificuldade ou deseja reforçar o conteúdo. Essas disciplinas isoladas têm, como objetivo maior, trazer os mínimos detalhes aos alunos preparando, fortalecendo e aprimorando com excelência, para qualquer prova futura de qualquer vestibular”. Prof. Danilo Comenalli – Professor de Química “É uma maneira de o aluno estudar somente as disciplinas onde encontra maior dificuldade, e também a oportunidade de começar a se preparar mais cedo. Alunos da rede pública e privada podem fazer algumas disciplinas na 2ª série e outras na 3ª, com um custo menor. O sistema de matérias isoladas é, sem dúvida, o futuro dos cursos pré-vestibulares”. Prof. Paulo Reis - Diretor

Paulo Reis, diretor

Revista 75


Empresarial

Por Antônio Paulo Grassi Trementocio

O sucesso como causa do insucesso empresarial Há muito tempo desejo escrever sobre este tema que traz muitas indagações e conflitos, muitas vezes sem respostas, principalmente por se tratar de expressões antagônicas, porém interligadas em um único efeito, o insucesso. Infelizmente, em minha experiência com empresas de vários tipos, tamanhos, qualificações, etc... é exatamente o que tenho visto. O objeto de toda empresa, e consequentemente do empresário, é alcançar o sucesso empresarial, que leva a outros sucessos. Podemos observar que a maioria das empresas busca sempre o crescimento de seus empreendimentos, desde o aumento de seu faturamento, de sua mão de obra, de seu acervo comercial, industrial, de prestação de serviços, etc... Logicamente esse desejo é muito saudável, faz parte integrante da vida da empresa, pois é regra salutar que “...antes que seque o seu poço, você deve iniciar a abertura do próximo...”. Essa é a temática do sucesso da empresa e do empresário. Observamos, nessa fase de crescimento, o empresário totalmente focado em sua atividade, participando ativamente de toda a cadeia produtiva de seu negócio e nessa fase há uma dedicação total. Porém, quando ele alcança o sucesso, nasce aí a grande causa de seu insucesso, qual seja, a sua desídia, o seu descaso, a sua falta de foco, a sua soberba, entre outros elementos. Quero deixar claro que não estou falando de situações inusitadas, onde o empresário chega no auge de sua atividade, mas é surpreendido por fatos de força maiores, sem o seu consentimento, bem como de empresários que não passam por esse efeito. Talvez você já tenha ouvido falar que determinada empresa, quando estava em determinado prédio ou tamanho, tinha um grande sucesso, mas quando se mudou para um prédio maior ou cresceu, experimentou o insucesso. Creio que é natural do ser humano, quando tudo está bem e tranquilo, deixar de lado um pouco a sua atividade empresarial, e muitas vezes mudar o seu foco para outra atividade, até porque esse é um dos efeitos do sucesso. Porém, isso não pode ocorrer, pois os resultados são terríveis, e levam a empresa ao insucesso, pois o mundo capitalista é implacável e não admite e ou aceita equívocos dessa ordem.

76 Revista Energia

É muito comum vermos alguns empresários, quando estão experimentando a vitória em sua atividade, migrarem ou buscarem simultaneamente desenvolverem outra atividade, totalmente diversa daquela exercida. Isso é nocivo, pois essa conduta divide e rouba energia, divide e rouba o foco. É o mesmo que dizer que o empresário está com os pés em duas canoas e, inevitavelmente, vai afundar. Assim, você empresário, cuidado com o sucesso, ele pode levá-lo ao insucesso. Mantenha sempre a sua energia no mesmo nível, principalmente quando está em ascensão. Não perca nunca o foco, ele é fundamental para a manutenção de seu sucesso. Agregue, sim, empreendimentos simultâneos, eles são saudáveis, mas desde que sejam dentro da sua atividade empresarial. Gostaria de encerrar esta matéria mencionando as palavras de São Paulo “...é quando estou fraco que estou forte...” E aqui cabe essa analogia, pois é realmente quando somos vigilantes, seja na oração, seja em nosso empreendimento, que realmente somos vitoriosos.


Informe Publicitário

Tratamento multidisciplinar na clínica odontológica O tratamento multidisciplinar consiste no atendimento realizado por um grupo de dentistas especialistas em diversas áreas de atuação da odontologia, por exemplo, um dentista especialista em tratamento de canal e ortodontia, outro especialista em prótese e estética, outro em implante e cirurgia, entre outros. Todos os profissionais somam seus conhecimentos com o objetivo de cuidar e devolver a mastigação e a estética ao paciente. A importância é que cada paciente será avaliado por diversos profissionais, e que cada um irá atendê-lo no momento certo, de acordo com sua especialidade. A partir de uma avaliação criteriosa, a equipe se reúne para planejar e aplicar o tratamento a ser realizado de uma forma integrada. As clínicas que realizam tratamento multidisciplinar vêm com a proposta de atender os pacientes e seus familiares com maior rapidez e a comodidade de ter todo atendimento em um único lugar. Um exemplo desse tipo de atendimento são os casos de traumas ou fraturas dentárias, principalmente aqueles que envolvem os dentes anteriores, influenciando na função, na estética e afetando até mesmo o comportamento do pacien-

te. Esse tratamento acaba envolvendo várias especialidades, como tratamento de canal ou implantodontia, prótese e até mesmo ortodontia. Este é um tratamento de grande complexidade, muitas vezes podendo causar sequelas funcionais, estéticas, psicológicas e sociais, necessitando dessas ações multidisciplinares. Contamos com uma equipe de dentistas altamente qualificada, composta por

especialistas, buscando sempre o aprimoramento técnico, científico e humano. Oferecemos aos nossos clientes um plano de tratamento odontológico diferenciado, visando à qualidade e à saúde de uma forma geral, o que garante o sucesso nos resultados, a satisfação de nossos clientes e a nossa satisfação. IOM – Instituto Odontológico Madalena

Revista 77


vida

Boa

Por João Baptista Andrade

Comida e culpa Se maio é o mês das noivas, janeiro é o mês da culpa. Explico. Muito embora a contagem do tempo seja uma convenção, a civilização ocidental entende que a cada 31 de dezembro surge um ano novo. Nem vou entrar no mérito histórico da coisa, nem dizer que o dia com 24 horas é uma invenção egípcia (que passou aos gregos, depois aos romanos até chegar a nós) onde as horas tinham comprimentos variantes (inverno e verão). Muito menos mencionar a invenção da clepsidra como precursora dos relógios (vai ao Google). Também não quero discorrer sobre a existência de outros calendários contemporâneos, porém, diversos do nosso, como no caso da religião judaica ou da cultura chinesa. Seria tanta confusão que é melhor deixar para lá. Para os brasileiros o Ano Novo é uma festa importante. Um rito de passagem. Um momento especial e único. A hora do renascimento. Assim é que alguns costumam aproveitar o embalo emocional e fazem promessas. Muitas promessas. Também formulam votos de um futuro melhor. Muitos votos. Não. Eu não vou discutir o destino das promessas de Ano Novo nem dos votos de amor e paz para a Humanidade logo após a festa. Cada um que viva de acordo com os ditames de sua consciência. O meu assunto, para variar, é comida. As festas de final de ano geralmente trazem em seu bojo um monte de comidas gostosas. Dependendo da ascendência (europeia, asiática, latina ou brasileira) do sujeito, os pratos serão diferentes. Mas serão muitos e fartos. No Brasil se come de tudo nessa época. Peru, leitoa, bacalhau, churrasco, frutas frescas, farofas, castanhas (cruas ou cozidas) e por aí vai. Tudo junto e, no mais das vezes, misturado. E já que é festa, costuma-se beber um pouquinho a mais. Pensando melhor, tem gente que extrapola e bebe todas. E para quem é cristão fica ainda pior! A festa de Ano Novo acontece poucos dias depois do Natal, que é comemorado duas vezes em seguida: na ceia da véspera e no almoço de Natal. Haja sistema digestório para dar conta de tanta coisa. Mas depois do “Adeus ano velho” cantado a plenos pulmões, depois da comilança, depois do pilequinho, depois da ressaca, o ano recomeça. Admito que os anos costumam começar meio devagar, modorrentos e preguiçosos. Mas o batente espera por boa parte de todos nós. Aí chega a culpa. As contas brotam do nada, iniciando-se pelos impostos (sempre eles...) anuais: IPTU e IPVA. Depois o cartão de crédito ou o carnê das prestações dos presentes e o arrependimento por ter torrado a poupança tão duramente amealhada só por 78 Revista Energia

causa das festas. Para as mulheres é ainda mais cruel. Todas se acham gordas e se culpam pelos excessos. E nem adianta o cavalheiro argumentar que não é nada disso, que ela está linda como sempre. Aliás, eu acho que é pior falar isso. O distinto fica com fama de falso, de sonso ou de mentiroso. Se a sua mulher, noiva ou esposa disser que vai começar uma dieta, não discuta. Afirme que você engordou muito mais que ela e abrace a causa com fervor. Lá em casa é assim. A namorada sempre diz que está gorda, apesar de pesar pouco mais de 50 kg. Eu dou a maior força e, na frente dela, como alface, torradinhas e queijo branco como se fossem pedaços de ambrosia (a mitológica, não o doce homônimo). Quando ela não está eu saio para almoçar com os amigos e me acabo de tanto comer. Assim eu não perco um grama de peso e ainda tenho a oportunidade de elogiar o autocontrole e o metabolismo dela. Culpa é coisa de gente arrependida. Aquele tipo de pessoa que diz “nunca mais eu faço isso”. Eu penso que descartar promessas e votos de Ano Novo não é um crime, ao contrário das promessas que fazem os políticos que nos cercam... O importante para manter a linha e a saúde é prestar atenção no que você vai fazer entre o Ano Novo que passou e o próximo Natal. Não o contrário. E atenção: fevereiro tem Carnaval. Época de se esbaldar antes da quaresma. Eu sou incorrigível mesmo. Feliz 2013 para todos e até a próxima.


apresenta

Chaves para motores: segurança e tecnologia Com o constante crescimento da indústria de açúcar e álcool, a automatização dos processos industriais é necessária. A tecnologia atual auxilia cada vez mais no segmento, ao mesmo tempo em que favorece toda a indústria. Um exemplo deste avanço tecnológico está nas máquinas de moer cana, que possuem um sistema elétrico de trituração. Estes maquinários motorizados recebem energia elétrica da rede e fornecem energia mecânica através da movimentação de seu eixo. A carga de energia pode ser maior do que a necessária, e para economizar neste aspecto pode-se contar com as Chaves para Motores, dispositivos prontos para serem instalados nos maquinários e reduzir a corrente de energia.

A instalação das Chaves, quando bem executada, com componentes de alta qualidade, pode evitar sérios acidentes, tanto materiais quanto, principalmente, humanos, como choques, incêndios, etc. A BBZ Materiais Elétricos dispõe dos melhores itens no segmento: as Chaves para Motores Mar-Girius, marca conhecida em todo país pela sua excelência em qualidade e ampla variedade de chaves para os mais diversos motores elétricos.

Conheça a BBZ Materiais Elétricos e adquira um produto com a verdadeira tecnologia que a loja oferece.

BBZ Materiais Elétricos

Rua Bento Manuel, 436 Centro - Jaú/SP Fone: (14) 3601.1964 www.bbzeletrica.com.br

Revista 79


80 Revista Energia


Revista 81


Gourmet Por Mario Netto

Mario Franceschi Netto Formado pelo SENAC Águas de São Pedro e pelo Instituto ALMA de Cucina Italiana, já trabalhou no Grande Hotel Águas de São Pedro, Café de la Musique em São Paulo, Ristorante Gellius em Oderzo Vêneto e, atualmente, trabalha no restaurante La Gazza Ladra em Módica, na Sicília.

Bigoli in Salsa

Ciao a tutti,

Esse mês trago para vocês uma receita típica da região do Veneto, mais precisamente da província de Treviso: a Bigoli in Salsa, que nada mais é que a versão italiana do nosso macarrão com sardinha. O Bigoli in Salsa é um macarrão que, segundo a tradição, é sempre feito nos dias de festas santas em que não se pode comer carne, como na vigília de natal, sexta-feira santa e quarta-feira de cinzas. O prato é realizado com um molho muito simples, mas também saborosíssimo, com cebola e sardinha fritas dissolvidas lentamente no azeite de oliva. O Bigoli é um macarrão típico da região do Veneto, mas o seu formato é igual a um spaghetti bem mais grosso, e toda a sua superfície é rugosa, favorecendo dessa forma que o molho grude com maior facilidade no macarrão. Pode ser preparado com farinha de trigo normal ou integral, com ou sem ovo, dependendo do gosto do freguês. Bem, sem mais milongas, vamos ao que interessa:

Ingredientes para 4 pessoas: 400g de Bigoli (ou spaguetti número 5 da Barilla, facilmente encontrado em qualquer supermercado) 100 ml de azeite de oliva, 2 cebolas médias brancas 10 pedaços de filezinho de aliche ou sardinha em conserva sal e pimenta do reino a gosto

82 Revista Energia

Modo de preparo

Limpe as cebolas, corte-as pela metade e depois corte-as novamente no sentido longitudinal finissimamente; é muito importante que as fatias sejam muito finas mesmo. Numa frigideira grande, coloque todo o azeite e também toda a cebola, em fogo bem baixo, e faça com que a cebola fique transparente, ou seja, elas devem murchar e soltar toda a água, mas não devem ficar marrons; se a cebola estiver seca e ainda não estiver transparente, junte um pouquinho de água de vez em quando. Enquanto se prepara a cebola, lave os filés de aliche ou sardinha com água corrente até que eles fiquem dessalgados, retire toda a espinha dorsal do peixe e alguns eventuais espinhos que ficam nos lados de fora dos filezinhos e corte-os em pedaços pequenos. Depois que a cebola estiver devidamente transparente, adicione os pedaços de aliche ou sardinha e deixe-os em fogo baixo, mexendo sempre até que fiquem completamente dissolvidos no azeite com a cebola. Cozinhe o macarrão em abundante água salgada, até que fique “al dente”; guarde um pouco da água de cozimento do macarrão. Quando o macarrão estiver pronto, coloque-o todo na frigideira com a ‘’salsa’’, mexa cuidadosamente com uma colher até que a ‘’salsa’’ incorpore ao macarrão; se necessário (se a massa ficar muito seca), adicione um pouco da água em que o macarrão foi cozido.

Buon apetitto i saluti a tutti. Arrivedercci!!!!!


guia da gula

guia gastronômico

sabores para todos os paladares

DORA café & sobremesa No Dora Café & Sobremesa as opções são diversas para aqueles que apreciam um bom café e os melhores acompanhamentos. As tortas doces vêm direto da Casa das Tortas de Campinas; os salgados possuem uma massa diferenciada e saborosa, assim como as tortas de frango, presunto e queijo, de produção própria. Você pode encontrar pães caseiros, bolos decorados e artesanais, bolos sem glúten ou sem lactose (maçã e damasco), feitos também sob encomenda, minicupcakes individuais e até mesmo para eventos! Os sabores dos bolos também são especiais: whisky, nozes, português, leite ninho, prestígio, prestígio com morango, entre outros. Mas as opções não param por aqui, dentre as bebidas, além do tradicional café, você pode degustar um cappuccino quente ou gelado, chás e sucos de polpa ou naturais, uma boa pedida nos dias de calor. O Dora Café & Sobremesa reúne tudo de mais gostoso em um ambiente familiar e aconchegante! De segunda a sexta, das 7h30 às 19h e aos sábados das 7h30 às 18h.

Telefones: (14) 91621994 e (14) 81337383 Rua: Lourenço Prado, 863. Facebook: Dora Nicoletto

PONTO DO CHURRASCO Chegou mais uma novidade deliciosa do Ponto do Churrasco! Todas as sextas e sábados rodízio Bi Legal! O melhor churrasco junto com a melhor pizza! Irresistível, experimente! Rodízio completo com 12 tipos de carnes incluindo picanha, mais as deliciosas pizzas com a qualidade Ponto da Pizza. São 20 variedades, sendo 5 sabores doces e também a especial de sorvete, além do buffet com 30 tipos de saladas, 13 pratos quentes, tudo à vontade por um precinho mais que especial. De segunda a sábado, das 18h30 às 23h30. Rua Quintino Bocaiúva, 1427, Centro – Jaú. Com estacionamento próprio. Fones: (14) 3626-7326 e 3416-0856 Revista 83


Cotidiano

Crescimento socioeconômico e violência pública

O

Brasil é visto no cenário mundial como um país de oportunidades e em que pese tímido aumento do PIB (Produto Interno Bruto) no ano passado (2012), é um dos países que menos sofreu com as recentes crises econômicas que abalaram os Estados Unidos da América, que sofre para se reerguer, e também a Europa, que vive hoje um período de recessões como há tempos não se via. 84 Revista Energia

Sabe-se que mesmo com todas as conquistas já alcançadas, hoje o Brasil ainda é um dos países com maior desigualdade social no mundo. Contudo, as classes menos favorecidas ganharam poder de compra nos últimos anos e melhoraram com isso a sua qualidade de vida. É óbvio que os problemas sociais estão longe de serem resolvidos, de maneira que a saúde, a educação, o saneamento básico e outros assuntos fun-


damentais ainda apresentam problemas que assolam de forma mais impactante as classes menos favorecidas. Contudo, fazendo uma análise macro, o país apresentou melhoras consideráveis em várias áreas de desenvolvimento. Veja que a busca pelo pleno emprego obteve evoluções consideráveis e trouxe muitas melhorias na área da seguridade social possibilitando, ainda, a conquista da casa própria por milhares de brasileiros. Ainda assim, o problema da violência não acompanhou essas melhoras que o país obteve nos últimos anos. Seria coerente prever que ante a melhora social e econômica, mesmo sabendo de todos os problemas que afligem a população brasileira e ciente de que muito ainda precisa ser feito, não sofreríamos tanto com uma desenfreada escalada da violência. Acredito que a falta de investimento em segurança pública e a legislação repressiva fraca contribuíram de sobremaneira para esse aumento da criminalidade. Trata-se da perda do respeito pelo próximo e a certeza da impunidade,

somando-se a essa equação um sistema prisional falido, que não regenera o ser humano. Ainda quando o Estado consegue cumprir o seu dever de proteção aos cidadãos, a certeza da aplicação da pena não é suficiente para coibir a prática de novos delitos. A falência do sistema prisional e as regras frouxas, principalmente de execução penal, afirmam ao delinquente que a conduta criminosa possui um risco aceitável. O investimento em segurança pública, uma solução economicamente viável para o problema das penitenciárias no país, uma legislação condizente com a proteção de valores primordiais e a proteção aos direitos humanos dos cidadãos são providências que precisam caminhar juntamente com o crescimento econômico e com os investimentos na área social, caso contrário o que veremos é o quadro que hoje tanto nos alarma, ou seja, medo de andar nas ruas, violência em cada esquina, pessoas sendo mortas a troco de nada e indignação pela sensação de impunidade.

Texto Ricardo Izar

Deputado Federal Ricardo Izar Economista, coordenador para o Sudeste da Frente Parlamentar em Defesa do Consumidor de Energia Elétrica e membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Federal.

Revista 85


Vinhos

Por Paulo Agnini Especial para Revista Energia

Decanter Existem duas razões práticas para se decantar um vinho: uma delas é para separá-lo de depósitos que tenham se formado na garrafa durante a maturação; a outra é para arear a bebida e deixá-la respirar. No caso de vinhos mais jovens, o indicado é que a garrafa seja aberta e o vinho colocado diretamente no decanter. Vinhos com menos de 10 anos, geralmente, não possuem sedimento e são ricos em aromas primários. Sendo assim, a aeração através do contato com o oxigênio provoca esta micro-oxigenação, fazendo com que estes aromas se transformem em elegantes e complexos, além da percepção do álcool diminuir consideravelmente. Já para os vinhos com mais de 10 anos, a preocupação aumenta em função do possível sedimento que possa ter no fundo da garrafa. Devemos movimentar o menos possível para evitar que seus sedimentos se misturem ao vinho. Após, o vinho deve ser despejado lentamente no decanter, observando a limpidez. Quando estiver no final, temos que redobrar a atenção e observar quando a borra aparecer.

86 Revista Energia

Neste momento interrompemos a entrada de vinho no decanter fazendo, assim, a separação dos sedimentos. Por serem muito frágeis, seus aromas volatilizam rapidamente e por isso não devem ficar muito tempo no decanter.


Revista 87


88 Revista Energia

Revista Energia 30  

A Revista Energia é uma publicação mensal da Rádio Energia FM. Garanta seu exemplar, gratuitamente, nos pontos de retirada: Posto São João,...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you