Page 1

Distribuição gratuita - Venda proibida

Jaú - Ano 6 | Edição 54 | Mensal - Fevereiro 2015

nutrição A saúde na lancheira trânsito Perigo nas estradas Gente Fina Antonio Donisete Milani

Conexão


2 Revista Energia


Revista Energia 3


4 Revista Energia


Editorial

Vamos nessa?

Ano 6 – Edição 54 – Jaú, Fevereiro de 2015 Tiragem: 10.000 exemplares Revista Energia é uma publicação mensal da Rádio Energia FM Diretora e Jornalista responsável Maria Eugênia Marangoni mariaeugenia@radioenergiafm.com.br MTb. 71286

A falta de água tornou-se, obviamente, o principal assunto da mídia nos últimos meses

Diretor artístico: Márcio Rogério rogerio@radioenergiafm.com.br Repórteres Heloiza Helena C. Zanzotti heloiza@radioenergiafm.com.br Tamara Urias tamara@revistaenergiafm.com.br Revisão de textos: Heloiza Helena C. Zanzotti revisao@revistaenergiafm.com.br

S

Criação de anúncios: Well Bueno arte@revistaenergiafm.com.br Fotografia: Douglas Ribeiro foto@revistaenergiafm.com.br

Social Club social@revistaenergiafm.com.br Colaboraram nesta Edição Camila Perobelli Marcelo Mendonça Colunistas Alexandre Garcia Carlos Alexandre Trementose Giovanni Trementose João Baptista Andrade Natália Fernanda Marques Martinez Paulo Sérgio de A. Gonçalves Professor Marins Wilson Pedro Filho (Peter) Comercial Carlos Alberto de Souza Joice Lopez Moraes Sérgio Bianchi Silvio Monari Impressão: Gráfica São Francisco Distribuição: Pachelli Distribuidora Revista Energia Rua Quintino Bocaiúva, 330 | 2º andar CEP: 17201-470 | Jaú - Fone: (14) 3624-1171 www.energianaweb.com.br Elogios, críticas e sugestões leitor@revistaenergiafm.com.br Quero anunciar comercial@revistaenergiafm.com.br

Foto: Cláudio Bragga

Diagramação Junior Borba (14) 99749.6430 Projeto gráfico: Revista Energia

Mudança de hábitos.

ão inúmeras as campanhas e medidas adotadas para que a população economize água. E energia, pois sem a água o fornecimento de energia elétrica também estará comprometido. E muito mais caro. Portanto, é hora de mudarmos os hábitos, inventarmos novas formas de consumir com mais responsabilidade, não podemos esperar que medidas nos obriguem a atitudes que sabemos que são necessárias. E qualquer atitude, por mais simples que seja, faz a diferença. Tomar um banho mais rápido, não lavar calçadas e ruas, reaproveitar o que for possível. Não há previsão de que nos próximos anos as chuvas estarão acima da média, e isso significa que a crise da água vai se estender por mais tempo, então, mudar é imprescindível. Nesta edição de RE alertamos também para outra mudança que pode salvar sua vida: direção segura nas rodovias. Se a grande maioria dos acidentes com vítimas fatais acontece por imprudência, por que as pessoas ainda se arriscam tanto? É inadmissível que multas mais altas e outras penalidades obriguem as pessoas a cuidar da própria vida e da vida de suas famílias... Em tempos de volta às aulas, foco na lancheira das crianças. Veja nossas dicas de lanches deliciosos e muito saudáveis. E aproveite o verão com tudo o que ele tem de bom, mas atenção às doenças oportunistas, principalmente as ginecológicas, que sempre aparecem nesta época. Nosso Gente Fina é o simpático 1º Sargento da Polícia Militar do Corpo de Bombeiros de Jaú, Antônio Donisete Milani, que tem muita história para contar. E antes que você comece a leitura da RE, aproveito para desejar um carnaval de muita alegria, mas não esqueça, é hora de mudar! Boa leitura!

A Revista Energia não tem responsabilidade editorial pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, anúncios e informes publicitários.

Maria Eugênia


NESTA EDIÇÃO

13 Idiomas 16 Seguros 22 Saúde 36 Trânsito 44 Comportamento 54 Legislação 56 Gastronomia 60 Nutrição 64 Carnaval 66 Tecnologia

SEMPRE AQUI

ÍNDICE

08 Perfil 11 Jurídico 12 Radar 14 Pense Nisso 15 Consultoria 18 Gente Fina 26 Transformação Animal 27 Garota Energia 30 Capa 35 Conheça Jahu 40 Look de Artista 48 Varal 50 Social Club 58 Boa Vida 59 Guia da Gula 63 Trabalho e Previdência

40 Look de Artista

18 Gente Fina

Distribuição gratuita - Venda proibida

Jaú - Ano 6 | Edição 54 | Mensal - Fevereiro 2015

NUTRIÇÃO A saúde na lancheira TRÂNSITO Perigo nas estradas GENTE FINA Antonio Donisete Milani

Nossa capa: Conexão Pré-Vestibular Foto: Douglas Ribeiro Produção Gráfica: Junior Borba

Conexão


Informe Publicitário

Até que ponto a imagem é fator relevante para o sucesso pessoal e profissional de um indivíduo?

B

em, a verdade é que nunca teremos uma segunda chance de causar uma primeira boa impressão, então, fazer as opções corretas, investir no visual é de suma importância para quem almeja vencer na vida a na carreira. Esta é a proposta da grife Juliana Benatti, que através de uma consultoria de imagem desenvolve um trabalho personalizado, valorizando as formas e respeitando a personalidade de cada cliente. Trabalho inédito no interior paulista, após agendamento e análise do foco de cada cliente a estilista elabora peças exclusivas, desenhadas de acordo com a necessidade, seja para um evento que exija formalidade ou para um de absoluta irreverência. Criatividade, tecidos diferenciados, cores, aplicações em bordados e pedrarias fazem com que cada modelo seja único, causando impacto e destacando o que a pessoa tem de melhor. Para noivas, os vestidos da grife refletem a personalidade e o glamour desse momento ímpar. Outro segmento de destaque são os uniformes corporativos, diferenciados e com a imagem que a empresa deseja transmitir. Além disso, em parceria com a amiga Bruna Manzon (modelo, repórter, assistente de palco do “Domingo Legal” do SBT e fenômeno no Instagram), Juliana aposta nas T-shirts Bruna Manzon by Juliana Benatti, que trouxeram um toque todo especial à velha e conhecida camiseta, deixando-a chique, moderna e cheia de personalidade. Filha e neta de estilistas, Juliana é formada em Negócios da Moda, é maquiadora profissional e trabalhou com o conceituado estilista Reinaldo Lourenço em desfiles na São Paulo Fashion Week e Natura Fashion. Com especialização em Produção de Moda e Marketing, atuou na Consultive, trabalhou com Lino Villaventura e foi contratada como estilista pela empresa Dotti Fashion. Consultora de imagem formada no Brasil por Ilana Berenholc e em Londres por Oriona Robb da London Academy Of Media Film e TV, também concluiu curso nas áreas de figurino para Cinema e Televisão. Toda a experiência culminou na criação da marca Juliana Benatti São Paulo. Os atendimentos são agendados no domicílio do cliente em Jaú e região, e em breve Juliana inaugurará seu Atelier em Bariri.

Bruna Manzon veste Juliana Benatti

Juliana Benatti

Revista Energia 7


Imagens: Divulgação

Perfil

8 Revista Energia


Camisa 26 Com velocidade e técnica, Auro Júnior ganhou os holofotes do meio futebolístico após substituir Paulo Miranda no profissional, aos 14 minutos de jogo contra o Sport, no Morumbi

Texto Tamara Urias / Colaboração: Marcelo Mendonça

C

om 18 anos o lateral-direito do São Paulo, Auro Álvaro da Cruz Júnior, vem ganhando destaque. Com 1,68 m e 62 kg, o jauense fez sua primeira aparição no time profissional no dia 7 de setembro de 2014, quando foi convocado para substituir o jogador Paulo Miranda após 14 minutos de jogo. Com garra e vontade, o filho de Auro e Tarcília Cruz, e irmão de Priscila e Daniele, integrou a equipe que jogava contra o Sport, no Morumbi. A atuação segura levou os holofotes ao jovem, que ganhou elogios do técnico Muricy Ramalho e do presidente Carlos Aidar. “Jogar no Morumbi era um sonho que eu realizei. A vitória sobre o Sport veio para coroar a estreia”, recorda. Com habilidade e poder ofensivo, aproveitou a ocasião e mostrou que veio para ficar. “Futebol é assim, a oportunidade acontece e você precisa estar preparado. Já estou há quatro anos lá, pretendo continuar e conquistar mais títulos com a camisa 26”.

listano. “Aos doze anos tive a oportunidade de fazer um teste no São Paulo, naquela época o time fazia uma avaliação periódica, então, minha rotina era ir para lá acompanhado de minha mãe e permanecia por uma semana”. Neste período os gastos da viagem eram bancados pelos pais, investimento que ocorreu dos 12 aos 14 anos de Auro. Cansado dessas idas e vindas, após o convite de um amigo foi tentar a sorte na Portuguesa. Lá ficou por três dias e recebeu uma proposta, mas como seu coração pertencia ao São Paulo, Auro voltou e foi convidado pelo time paulista a ingressar no sub 15. “Eles me ligaram pedindo para fazer um último teste. Eu fiz, e em 2010 me alojei em Cotia”. O jovem foi disputando campeonatos e subindo de categoria. Aos 17 anos foi titular da seleção no Mundial sub 17 do ano passado, depois que o jogador Foguete se contundiu. Após um ano no sub 20 ele se profissionalizou. “O período de base para o sub 20 é difícil. É treino de manhã, academia à tarde e à noite tem que estudar”.

Infância A bola sempre foi sua primeira opção. Carrinhos, bicicleta e outras brincadeiras ficavam sempre em segundo plano. “Eu queria brincar o dia todo de futebol. Manhã, tarde e noite”, diverte-se. Durante a entrevista, o jogador conta que passou a adolescência tentando jogar nas categorias iniciais do time pau-

Carreira Revelado no Centro de Formação de Atletas Laudo Natel, em Cotia, antes de se tornar lateral-direito Auro jogou em outras posições, que lhe trouxeram experiência, velocidade e técnica. “Passei por diversas faixas e isso me tornou um jogador volátil. Não importa a posição, o que importa é que onde estiver quero jogar”.

Revista Energia 9


No início de 2014, junto com o empresário André Cury, fez uma visita de uma semana ao centro de treinamento do Barcelona, onde encontrou Daniel Alves, Neymar e Messi. Ao ser questionado sobre uma futura contratação, o jovem disse que foi para passear e conhecer a estrutura do clube. “Eu tenho ainda quatro anos de contrato com o São Paulo, mas não descarto a ideia de um dia estar jogando lá ou em outro time da Europa”. Com relação a cobranças, o jogador conta que elas existem, e é uma mão de via dupla. “Nós somos uma equipe, então um cobrar o outro faz parte”. Nem em dezembro, durante suas férias em Jaú, o jogador parou. Mesmo com a garoa fina, treinava no kartódromo: “Estou de férias, mas não de folga. Tenho muitos planos para este ano, então não posso perder o foco”. Todo trabalho está focado nos campeonatos Sul-Americano, Paulista, Libertadores e Brasileiro, por isso tem treinado intensivamente de manhã e à tarde. 

10 Revista Energia

Passei por diversas faixas e isso me tornou um jogador volátil. Não importa a posição, o que importa é que onde estiver quero jogar


Jurídico

Por Carlos Alexandre Trementose juridico@revistaenergiafm.com.br

Guarda compartilhada O que realmente muda com a nova lei

A

nova lei estabelece que os juízes devem dar prioridade à guarda compartilhada para os casos em que os pais não chegam a um acordo sobre a guarda dos filhos. Tal regra também é válida para os casais homoafetivos, e só deve ser aplicada nos casos em que tanto uma parte quanto a outra demonstrem ter boas condições de cuidar dos filhos. Diferente do que se tem ouvido, os filhos não passarão metade do tempo com um dos pais e metade do tempo com o outro, pois, estabeleceu-se que: “O tempo de convívio com os filhos deve ser dividido de forma equilibrada com a mãe e com o pai, sempre tendo em vista as condições fáticas e os interesses dos filhos”, situação que decidirão os juízes buscando a solução ideal para cada caso. Toda criança e todo adolescente tem rotina, sendo assim, o Poder Judiciário continuará a fixar o domicílio do menor e a decidir sobre o regime de convivência com um dos pais com o qual o menor não resida. Define-se Guarda Compartilhada em “responsabilização conjunta e exercício de direitos e deveres do pai e da mãe que não vivam sob o mesmo teto, concernentes ao poder familiar dos filhos comuns”, de certo que o detentor da guarda não pode tudo, deixando o outro à mercê de tais decisões. Ser guardião não significa ser dono dos filhos. Cabe ressaltar que a nova lei não acaba com a guarda unila-

teral. A guarda unilateral poderá ser fixada pelo juiz sempre que for a alternativa mais benéfica ao menor. Em linhas gerais, a legislação de 2008 foi mantida, eis que se deve priorizar o guardião com melhores condições de proporcionar “afeto nas relações com o genitor e com o grupo familiar”, “saúde e segurança”, “educação” e, guardadas as proporções, é evidente que os pais detentores de guarda compartilhada também podem cobrar informações relativas aos seus filhos. No que diz respeito à pensão alimentícia, essa continua existindo, pois a parte com a qual residem as crianças ou adolescentes continuará tendo que arcar com os custos de subsistência dos menores. Por fim, extrai da nova lei que a mesma deve ser interpretada à luz dos melhores interesses da criança, buscando permitir que ambos os pais participem da vida dos filhos, opinando nas decisões relativas ao seu desenvolvimento. 

Ser guardião não significa ser dono dos filhos


Radar

Por Alexandre Garcia

Perdão para traficante O governo brasileiro, fiel à cultura nacional de ter pena de bandido e não ligar para as vítimas, exigiu que o traficante brasileiro, que por anos entrava com cocaína na Indonésia, não fosse fuzilado, como manda a lei daquele país

C

omo o presidente de lá se manteve fiel à lei e não interferiu na Justiça, a presidente Dilma se disse “indignada” e chamou o embaixador brasileiro “para consultas”, o que significa uma ameaça de rompimento de relações. Se romper, só quem perde é o Brasil, que tem vendido aviões e veículos para o arquipélago asiático. A Indonésia deve estar muito preocupada. Quem sabe o Brasil manda uma expedição punitiva? Onde já se viu matar traficante brasileiro, com 25 anos de serviço, que aqui sobrevive tão bem? Danem-se as famílias indonésias, cujos filhos receberam cocaína que o carioca levava por anos nos tubos da asa-delta, apresentando-se como instrutor de voo livre. A indignada presidente não olha para seu próprio país, que tem cerca de 150 execuções de brasileiros por dia, todos os dias. A Indonésia, com 250 milhões de habitantes, tem 19 mil assassinatos por ano. O Brasil, com 200 milhões, tem 54 mil assassinatos anuais. São 7 contra 27 homicídios por 100 mil habitantes. A diferença está bem explicada pelas leis penais e pela forma como são cumpridas, lá e aqui.

O traficante carioca, ao ser flagrado, ainda fugiu do aeroporto, mas foi capturado depois. Costumava fazer a rota Rio-Amsterdam-Báli levando cocaína comprada no Peru, Bolívia e Colômbia. Ele próprio era viciado em manfetamina cristal, muito usada em raves brasileiras. Outro brasileiro deve ser fuzilado neste mês pelo mesmo motivo: levava cocaína nas pranchas de surfe, disfarce para chegar a Báli. A família alega que ele sofre de distúrbio mental. O que não impediu a engenhosidade de esconder o pó em equipamento esportivo, como o outro traficante. Depois disso, dificilmente algum traficante brasileiro vai levar cocaína para destruir os jovens indonésios. O que foi fuzilado sempre teve confiança de que voltaria ao Rio. Ainda levava na cabeça a cultura nacional de que nada é sério e tudo é bagunçado. E tinha lá suas razões. Afinal, o Brasil deu abrigo ao italiano que matara quatro a sangue frio e havia sido condenado em todas as instâncias no país que criou o Direito Romano. Faz sentido, afinal, abrigamos uma multidão de traficantes ou assassinos. Ou não seríamos executados à razão de 150 brasileiros por dia. 


Idiomas

Por Wilson Pedro Filho (Peter)

Wilson Pedro Filho (Peter) Professor na Avalon Idiomas/Jaú e sócio da Avalon Idiomas/São Carlos. Morou 10 anos na Inglaterra e conhece mais de 30 países.

A importância de aprender um segundo idioma Inúmeros são os fatores relevantes sobre a importância de se aprender uma segunda língua

P

ara aqueles que desejam construir uma carreira em empresas privadas ou multinacionais é praticamente obrigatório saber outro idioma. Os profissionais bilíngues terão a oportunidade de atuar em atividades diferenciadas e mais expostas, ampliando as possibilidades de um plano de carreira com crescimento rápido e consistente. A língua inglesa é imprescindível nos dias atuais, a globalização faz com que se torne algo fundamental. O Inglês é a língua internacional, a língua dos estudos, das viagens, dos negócios, enfim, a língua da comunicação com todo o mundo. Todos os dias convivemos com uma série de palavras em inglês, daí percebemos a importância e a influência que ela exerce sobre a nossa cultura. No mercado de trabalho, o Inglês virou atributo essencial para a conquista da maioria das vagas de nível universitário. Quantas vezes você já ouviu alguém dizer: “Perdi a oportunidade, pois não sei Inglês”? Pois é, mesmo que o candidato não vá utilizar o Inglês ou vá utilizar muito pouco em seu novo emprego, o fato de saber Inglês é um diferencial em seu currículo. Pesquisas salariais revelam que o salário de uma pessoa que domina um segundo idioma é 30% superior em relação ao salário de outra que saiba apenas uma língua. Muitos brasileiros têm ido ao exterior para estudos, negócios e férias. Da mesma forma, muitos estrangeiros também têm vindo para o Brasil com as mesmas finalidades. Nestas horas, qual a

língua que mais utilizamos para nos comunicarmos com os estrangeiros? O Inglês. Apesar de muitos profissionais saberem Inglês, a maioria se enquadra no nível básico para o intermediário, portanto, ter fluência nesta língua ainda é um diferencial bastante competitivo para conquistar postos mais altos. Assim, se você quer entrar no mercado de trabalho e ganhar bem dedique-se a aprender Inglês ou outra língua estrangeira. Dicas para acertar em cheio nas escolhas e garantir o bom andamento da sua viagem! 1. A melhor época para viajar precisa atender às necessidades do corpo da gente: se não gosta de frio, não vá para Europa no inverno. Se não suporta calor, evite Miami no verão. 2. Cuidado com temporadas perigosas: pesquise sobre possíveis épocas de furacões, tufões ou previsões extremas de clima no seu destino. 3. Índia, Honduras, Jordânia, Nepal, Indonésia, Marrocos e Polônia são destinos relativamente baratos. 4. Os lugares mais parecidos com o Brasil são Barcelona, Sidney e Cidade do Cabo. 5. Evite brincadeiras e comentários desnecessários perto de agentes de companhias aéreas ou policiais de imigração. 6. Os voos low cost podem ser a salvação de uma viagem, mas só funcionam para quem leva o mínimo ou nada de bagagem. 

Revista Energia 13


nisso

Pense

Por Professor Luiz Marins

LUIZ MARINS Antropólogo e escritor. Tem 26 livros publicados e seus programas de televisão estão entre os líderes de audiência em sua categoria. Veja mais em www.marins.com.br

Você é responsável pelo que joga dentro de você Nós somos os únicos responsáveis pelas coisas que jogamos dentro de nós

S

e não somos totalmente responsáveis, pelo menos temos o controle da grande maioria das coisas que comemos, lemos, assistimos, ouvimos e tocamos. Assim, temos que assumir o controle do que permitimos entrar em nós pelos nossos sentidos. Se não assumirmos esse controle, outras pessoas assumirão e aí perderemos o domínio de nós próprios. Temos que controlar o que comemos. O sábio não é o que come mais. É o que come melhor, com mais sabedoria. É o que não se enche de comida de má qualidade, sem pensar no que está ingerindo. Temos que controlar o que bebemos. O sábio não é o que bebe qualquer coisa em grande quantidade. É o que sabe o que beber, como beber, quando beber. É o que sabe o valor dos líquidos para a nossa saúde e seleciona o que bebe. Temos que controlar o que lemos. O sábio não lê qualquer coisa. Não se permite encher sua cabeça com informação que não o conduzirá à maior sabedoria, ao sucesso ou ao crescimento pessoal, espiritual, intelectual. Assim, temos que sele-

cionar os jornais, as revistas e os livros que lemos. Se lermos notícias ruins, revistas de péssimo conteúdo e livros que nada nos agregam, a culpa será nossa de termos uma vida de baixa qualidade intelectual e espiritual. Temos que controlar o que vemos. Se ficarmos defronte ao televisor assistindo programas de baixa qualidade, nos tornaremos a cada dia piores, sem conteúdo, terminaremos o dia piores do que começamos, não nos sentiremos crescendo nem pessoal, nem profissionalmente. Apenas perdemos um tempo irrecuperável e ainda nos prejudicamos, enchendo a nossa mente de coisas de baixo valor. Temos que controlar com quem conversamos. Se somente conversarmos com pessoas sem conteúdo, sem valores morais e éticos, é claro que seremos influenciados por elas e andaremos para trás, sem sucesso na vida.

Temos a liberdade de fazer as escolhas certas ou erradas O mundo de hoje nos oferece muitas opções. Cabe a nós decidir o que fazer, o que usar, o que comer, o que permitir que seja jogado dentro de nós. Temos a liberdade de fazer as escolhas certas ou erradas. Só cabe a nós a decisão, a responsabilidade. As consequências serão só nossas. Portanto, veja bem o que você está jogando dentro de você. 

Imagem: Internet

Pense nisso. Sucesso!

14 Revista Energia


Consultoria

Por Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves consultoria@revistaenergiafm.com.br

Paulo Sérgio de Almeida Gonçalves é administrador, contador, consultor, palestrante e professor universitário com MBA pela FGV – RJ em Gestão Estratégica de Pessoas; presidente  da AESC – Associação dos Escritórios e Profissionais da Contabilidade de Jaú e região - gestão 2004/2005; atualmente  diretor da AESC Jaú; proprietário do DinamCorp Corporação Empresarial e Contábil; proprietário da Prosol Unidade Jaú e consultor e orientador em desenvolvimento de softwares Prosol – São Carlos

Aprendendo a administrar com o carnaval Allah-lá-ô, ô ô ô ô ô ô, Mas que calor…. Deixando de lado o preconceito, podemos utilizar o carnaval do Rio de Janeiro como inspiração na administração de uma organização. Mas como?

Q

uem sabe, sabe, conhece bem… Começando por toda a estrutura montada anualmente para que seja realizado com o maior sucesso possível e quase imperceptíveis erros, que consequentemente aumentam ano após ano as receitas dos cofres municipais, patrocinadores, acionistas e tantos outros que investem neste evento, gerando empregos e levando “alegria” ao povo.. Menina vai, com jeito vai, senão um dia… Fazendo uma analogia entre um negócio qualquer e o carnaval, percebemos muitas semelhanças: em gestão de pessoas, financeira, logística, materiais, compras, marketing, produção, vendas, etc. Ei você aí, me dá um dinheiro aí, me dá um dinheiro aí… Observe que o carnaval é planejado no início do ano anterior, buscando patrocinadores, desenvolvendo temas, roupas, fantasias, músicas, participantes, todo o efetivo policial que será utilizado, a estrutura básica (saúde, segurança, econômica, etc.) que será oferecida pela gestão municipal, entre outras tantas. Sua empresa se reúne anualmente para levantar o que irá vender, onde vender, quem contratar, políticas de preços, melhores fornecedores? Não!!! Olha, olha, olha, olha a água mineral… Um exemplo claro de despreparo é acreditar que tudo ocorre no vizinho, mas nada em nosso próprio quintal, é a falta de água atualmente em quase a totalidade dos estados brasileiros. Há dezenas de anos os biólogos e tudo que há de “ólogos”, vêm chamando a atenção para o problema. Os nossos governos se gabavam por temos o maior lençol freático de água do mundo. Mas esqueceram que para utilizar essa água precisam planejar, investir e criar ações para o uso

sustentável, não apenas contar com o ovo dentro da galinha. Quanto riso, oh quanta alegria… Os blocos no carnaval são divididos como os departamentos nas empresas, porém, os blocos têm total consciência do valor que cada um terá para si e para o outro, e que a soma dos esforços levarão ou não a escola ao sucesso tão almejado. Se a canoa não virar, olê, olê, olá… eu chego lá… Durante o desfile, cada componente se dedica totalmente, inclusive apesar de se machucarem com alegorias e adereços, os foliões sabem que não podem deixar a peteca cair e dão literalmente seu sangue pela escola. Ê, ê, ê, ê, ê, índio quer apito. Se não der, pau vai comer! Diariamente os departamentos nas organizações desconhecem que todos estão no mesmo barco e que as falhas poderão tirá-los do mercado. O que vemos são departamentos que mutuamente se boicotam como se fossem inimigos de guerra: o departamento de vendas acha que é mais importante que o da expedição; o financeiro reclama do setor de compras; o departamento de marketing joga contra o de recursos humanos. As águas vão rolar… Portanto, os líderes necessitam de muita competência para coordenarem pessoas que muitas vezes nem se conhecem, e que ao final estarão tão afinadas como uma verdadeira bateria nota dez. É imprescindível saber as regras e os quesitos do jogo, fazendo com que todos participem deste processo com dedicação, respeito e comprometimento. Caso contrário, não estarão no desfile das campeãs, e assistirão suas equipes e negócios fora da Apoteose. Aí só restará: Mamãe eu quero, mamãe eu quero, Mamãe eu quero mamar, dá a chupeta, dá a chupeta pro bebê não chorar....


Proteção

nunca é demais Criado para proporcionar segurança para você e sua família, os benefícios do Clube de Vantagens da Família vão muito além, oferecendo serviços especiais e descontos exclusivos em diversos segmentos

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

16 Revista Energia

Imagem: Internet

Seguros


Saúde total Que tal poder contar com excelentes profissionais na área da saúde, de todas as especialidades, pagando apenas valores entre R$ 35,00 e R$ 45,00? Além disso, você ainda dispõe de consultas com fisioterapeuta e nutricionista ou sessões de psicologia; colocação de aparelhos ortodônticos pagando apenas a manutenção; tratamentos odontológicos a preços populares e excelentes descontos em exames laboratoriais e por imagem. Tudo isso contando com a melhor proteção para toda sua família.

rantia de que aqueles que dependem financeiramente de você não passarão por dificuldades financeiras caso lhe aconteça alguma fatalidade. Veja os benefícios que um seguro de vida garante a sua família e dependentes:  Morte natural do titular ou dependente (cônjuge ou filhos): R$ 1.500,00  Morte acidental do titular em consequência de crime: R$ 5.000,00  Adaptação de casa ou veículo para o titular, em caso de incapacidade causada por acidente: até R$ 5.000,00  Morte acidental do titular: R$ 3.000,00  Morte acidental do titular em transporte público com passagem paga: R$ 10.000,00  Diária por internação hospitalar do segurado titular em consequência de crime (máximo 30 diárias): R$ 100,00 por dia  Um ano de utilização gratuita do Clube de Vantagens no caso de morte do titular. Assim, a família não fica desamparada e ainda pode ter acesso aos descontos em consultas, exames e todos os demais serviços, sem pagar mensalidade durante 12 meses. 

Apenas R$ 20,85 Este é o valor mensal para você e sua família usufruírem de todas as reais vantagens que o Clube de Vantagens da Família oferece. São produtos e serviços de alta qualidade, médicos e outros profissionais conceituados, preços competitivos e excelência no atendimento. Seguro de vida É claro que você já ouviu falar em seguro de vida, aquele contrato que você faz com uma seguradora para garantir proteção financeira para seus familiares e/ou dependentes no caso de sua falta. Ele também possui coberturas para os casos de invalidez, diárias para internação hospitalar, etc. São muitas as combinações que um seguro de vida pode oferecer e embora pareça um produto que bancos e outras instituições querem empurrar para os clientes ele é, na verdade, uma ga-

Revista Energia 17

(lembrando que as coberturas de morte acidental não se acumulam)

P

roteger sua família e ainda contar com diversos benefícios já é realidade em Jaú. Agora você tem o Clube de Vantagens da Família, um seguro de vida com serviços essenciais, para serem utilizados na sua vida e de seus dependentes. Os associados têm à sua disposição vantagens em consultas médicas, diárias para internação hospitalar em caso de crime, exames laboratoriais, tratamentos odontológicos, aparelhos ortodônticos e uma série de descontos em empresas conveniadas como escolas técnicas, cursos profissionalizantes, academias, hotéis, pousadas e dezenas de lojas.


Gente Fina

18 Revista Energia


Antonio

Donisete Milani “A partir do momento em que saio da atmosfera e afundo minha cabeça na água, começo a fazer minha oração pedindo proteção”

Texto Tamara Urias Fotos Douglas Ribeiro

A

revista já está a todo vapor e hoje é dia de entrevista com o nosso Gente Fina. Parece que aquela sensação dos dias estarem correndo já se iniciou, afinal, hoje é 14 de janeiro. Por volta das 10h chego ao Quartel do Corpo de Bombeiros. Ao entrar sou recebida com um forte aperto de mão pelo nosso convidado, o 1º Sargento da Polícia Militar do Corpo de Bombeiros de Jaú, Antônio Donisete Milani, 52. Jauense, filho de Aristide Milani e Ana Maria Prieto Milani, é casado pela segunda vez e pai de três filhos. Com currículo vasto, Milani tem inúmeros cursos como Formação de Sargentos; Mergulho Profissional e Instrutor de Mergulho; Instrutor de Resgate; além de formação acadêmica no curso de Logística pela Fatec de Jaú; Técnico em Enfermagem e o de Segurança do Trabalho. Com isso, acumula 28 anos de Polícia Militar, sendo 10 anos no policiamento de rua e 18 anos como bombeiro. O desejo de ingressar nesta profissão não foi um sonho de infância, mas este foi tomando forma diante de um panorama de insatisfação. De família humilde, Milani começou a trabalhar ainda garoto, com 11 anos. Foi ajudante de pedreiro e também

trabalhou com calçado. Perdeu o pai cedo, aos 15 anos. Objetivando melhorar de vida, Milani se espelhou em um tio de São Paulo, prestou o concurso para a Polícia Militar e passou. Após alguns anos no policiamento de rua, uma oportunidade surgiu: ingressar no Corpo de Bombeiros, entidade da qual tem orgulho de falar. Durante a conversa, ele conta que a área de abrangência do Posto em Jaú é de nove cidades, e o protocolo diz que após o recebimento de uma ocorrência, os bombeiros de plantão têm até trinta segundos para sair do quartel, por isso a resposta é rápida. “Se estiver almoçando, largamos o prato e saímos. Trinta segundos pode parecer pouco, mas para quem está em uma parada cardiorrespiratória faz toda a diferença”. Dentre os hobbys estão jogar futebol, ouvir moda de viola, pescaria no Mato Grosso e comer churrasco. Católico, vai à missa e diz que Deus é tudo em sua vida. Durante toda a entrevista, o que mais chama atenção além do seu amor à profissão é a gratidão. Gratidão, sentimento puro e que todos nós deveríamos ter, afinal, como diria o fundador da religião Seicho-No-Ie, Masaharu Taniguchi, “expresse gratidão com palavras e atitudes. Sua vida mudará muito de modo positivo”. Eu acredito nisso, e você? Revista Energia 19


Acredito que Deus dá em proporção ao merecimento

Qual foi a ocorrência mais marcante? São muitas as ocorrências que marcam, fica difícil descrever uma. Já tive ocorrências de óbito de mulher grávida, de crianças que têm a idade dos meus filhos, de afogamento no qual a gente acompanha o desespero de quem está do lado de fora esperando. Por mais que se esteja há anos na profissão, situações de óbito mexem com a gente, pois é uma vida que está indo embora. Nós vemos a angústia das pessoas, por isso o que tivermos que fazer iremos fazer, independente da hora e local. Nós nos empenhamos para resolver a situação o mais rápido possível, afinal, ali tem alguém que está depositando toda a confiança em nós.

É fácil reverter o quadro? Em muitas situações nos deparamos com um acidente horrível e conseguimos reverter a situação. A pessoa está presa às ferragens, inconsciente. Aí aplicamos os nossos conhecimentos, a mão de Deus abençoa, conseguimos retirar a vítima, reanimá-la e reestabelecer o seu estado. E a pessoa volta à vida.

Qual a parte mais difícil como mergulhador? Uma vez um colega pediu para mergulhar no meu lugar e eu fiquei fora da água aguardando. Ali, ao meu lado, estavam os pais desesperados, aguardando encontrar o corpo das duas filhas, uma de 11 e outra de 8 anos. Quando foram encontrados e começamos a tirar da água, não aguentei, chorei. Passaram muitas coisas pela minha cabeça, principalmente por eu ter filhos desta idade. Nessas situações é preciso ter um controle emocional muito forte e não infiltrar os problemas na família. Mas depois de uma ocorrência desta, a gente deita na cama e passa o filme do dia. Não tem como se desvencilhar, mas é preciso saber administrar.

Como surgiu a ideia de fazer o Papai Noel Radical? Em 1999 estava em São Paulo fazendo um curso e assisti a um evento semelhante ao que hoje nós fazemos. Ali mesmo pensei em trazer a ideia para Jaú. Na época o nosso Tenente, o Amaro, que hoje é Major, abraçou a ideia. Fui conversar com o Padre Celso, que foi muito prestativo e nos apoiou. No início foi bem difícil, tivemos que criar tudo, fazer cálculos de ângulos, verificar potência de carga para ter o dimensionamento da descida. Para tornar a descida ainda mais bonita, fomos agregando iluminação, som e fogos (doados por amigos). Também tivemos a atenção do Cláudio Veloso, que desde o início é quem fala durante a descida, com tal emoção que cria um estado con-

20 Revista Energia

Existem os reencontros? Sim, muitas pessoas vêm ao quartel para saber quem atendeu no acidente, pois não viu nada. As pessoas respeitam e confiam nos Bombeiros, e isso ao mesmo tempo em que é gratificante, aumenta ainda mais a nossa responsabilidade.


tagiante nos presentes. A partir do terceiro ano eu assumi como o Papai Noel, antes era um amigo. Fizemos um acordo com a prefeitura no qual ela ficaria encarregada das alegorias, e nós da parte operacional. Para este evento ocorrer, praticamente o quartel inteiro se empenha, até o pessoal de férias vem para ajudar, além dos civis. Tamanho foi o sucesso que o acontecimento virou tradição e posso afirmar que evento igual ao nosso não acontece em nenhum local do Brasil.

Já teve algum acidente de trabalho? Sou uma pessoa abençoada. Graças a Deus nunca tive nenhum problema que comprometesse a minha vida. Mas há pouco tempo passei por uma situação que me deixou um pouco apreensivo. Eu estava em um serviço operacional, mais precisamente cortando uma árvore, e num certo momento fui manipular a viatura, baixando a patola. Ao abaixá-la ela pegou o meu dedão do pé e o esmagou. A cena foi como se tivesse pisado em cima de um tomate podre. Em função disso fiquei cem dias sem fazer atividade física e colocar sapato. O médico disse para cuidar bem, para não dar nenhum tipo de infecção, pois se esta aparecesse e atingisse o osso, poderia perder o dedão. Ele inflamou, a recuperação foi lenta, confesso que fiquei preocupado, mas deu tudo certo. Um fato interessante é que o primeiro dia em que coloquei sapato após o acidente foi no dia da descida do Papai Noel. O que significa ser bombeiro? É praticamente a minha vida, devo tudo o que tenho a isso. Eu amo o que faço, tanto que venho trabalhar com prazer e satisfação. Tem dias calmos, outros exaustivos, pois trabalhamos bastante, acidente não tem hora para ocorrer. Temos outro agravante, com a falta de efetivo a carga de responsabilidade tem aumentado. Sinto-me premiado em ter vindo trabalhar numa instituição como esta, pois muitas pessoas tentam, mas não conseguem. Aqui somos uma equipe e temos total consciência de que ninguém trabalha sozinho. Graças a Deus, em nosso posto, temos um grupo bem formado, de pessoas empenhadas, desde o nosso comandante até o mais novo da instituição.

O que você faz quando chega a situações extremas? Geralmente, quando vou atender uma situação de afogamento eu mergulho sozinho, sempre tem alguém me monitorando, e se eu precisar sei que ele vai me puxar para cima. Mas ali é uma escuridão só, você não vê nada e não sabe o encontrará no fundo do rio; ali tem de tudo, desde faca a mesa. São doze anos de mergulho, mas a partir do momento que saio da atmosfera e afundo minha cabeça na água, começo a fazer uma oração pedindo a proteção. E quando vejo que estou chegando ao limite, uso uma oração que aprendemos durante o curso de mergulho: “Ó senhor meu Deus, dai-me tudo aquilo que nos resta, dai-me a fome, dai-me o frio, dai-me a sede, dai-me o medo, mais dai-me acima de tudo a vontade de vencer. Pois uns têm e não podem, outros podem e não têm, por isso vos agrademos Senhor”. E assim ultrapasso meus limites e graças a Deus nunca tive um acidente. Considera uma profissão de alto risco? A maioria das nossas atividades são perigosas, se você entra em um incêndio, você não sabe se ali tem algo que vai explodir; no afogamento você não sabe o que tem no fundo do rio; quando está cortando uma árvore, não sabe se vai estourar uma corda; durante um resgate sinalizado numa rodovia, você não sabe se alguém virá desgovernado e atropelará um bombeiro, coisa que já aconteceu. Você tem que pensar em tudo, em todas as possibilidades, ter prudência, sabedoria e também colocar na mão Deus. Em todas as ocasiões é preciso ser cauteloso, tomar conta da situação e transmitir confiabilidade para as pessoas. O que almeja para o futuro? Paz, saúde e tranquilidade, pois se a vida estiver perturbada vai por água abaixo. Já alcancei muitos objetivos, estou almejando outros, mas acredito que Deus dá em proporção ao merecimento, se eu merecer mais, que venha. Deixo a critério dEle. Posso dizer que vida que eu levo está ótima, eu sou feliz e realizado. 

Revista Energia 21


Saúde

Verão X

higiene íntima

O cuidado com a saúde íntima da mulher é extremamente importante, principalmente no verão, quando muitas doenças ginecológicas aparecem Texto Tamara Urias 22 Revista Energia


Imagem: Internet

N

o verão é preciso ter mais atenção com a saúde ginecológica, já que a mudança da flora vaginal causada por hábitos próprios da época criam condições favoráveis para o crescimento de fungos, protozoários e bactérias que resultam em incômodos e doenças. De acordo com a médica ginecologista e responsável pelo programa de prevenção do

câncer ginecológico do Hospital Amaral Carvalho, Lenira Maria Queiroz Mauad, 54, as vulvovaginites são as patologias que mais acometem neste período. Dentre elas está a candidíase, a tricomoníase e a vaginose bacteriana. Causadas por agentes específicos, elas têm como queixas principais o corrimento vaginal e a coceira na vulva. Mas as alterações menstruais também aparecem neste período.


Candidíase, vaginose, tricomoníase Decorrentes de uma ou mais espécies de fungo, a candidíase predomina na fase pré-menstrual e caracteriza-se por corrimento branco com grumos e coceira na vagina, principalmente após o banho com água quente. O tratamento pode ser feito com cremes de uso vaginal ou medicamentos ingeridos via oral. Nos casos especiais de episódios frequentes, pode-se necessitar de tratamentos mais prolongados. Vinda através de uma bactéria, a vaginose bacteriana manifesta-se com corrimento espesso, que piora na fase pós-menstrual e causa odor bem desagradável durante o fluxo e após as relações sexuais. O tratamento também pode ser feito com comprimidos via oral ou cremes vaginais, sendo os primeiros considerados mais eficazes. A tricomoníase é fruto de um protozoário (parasita) e tem como sinais corrimento vaginal esverdeado com odor. É transmitido sexualmente e o tratamento deve ser feito com cremes vaginais e medicamentos orais. Lenira acrescenta que no caso da candidíase e da vaginose bacteriana, o tratamento do casal não é necessário, mas quando se trata de tricomoníase é essencial que o parceiro seja tratado. “Os medicamentos usados para o tratamento da vaginose bacteriana e da tricomoníase não podem ser associados à bebida alcoólica, que deve ser evitada até 48 horas após o uso do medicamento”, afirma. Nesta época também acontecem muitas alterações menstruais devido ao aumento do volume e antecipação do fluxo menstrual. “Elas podem ser tratadas com medicamentos hormonais contidos nas pílulas contraceptivas ou em medicamentos específicos prescritos pelo médico, após definida a causa da alteração”, afirma.

do a umidade da região genital; uso de roupas úmidas como biquínis e maiôs; ingestão de alimentos ricos em carboidratos como massas, doces e bebidas, ou ácidos como frutas cítricas. “Além disso, as relações sexuais são mais frequentes sem uso de preservativos”, comenta. Já as alterações menstruais ocorrem por esquecimento ou atraso no horário de ingestão da pílula contraceptiva no período de férias ou festas, e uso de medicamentos para atrasar ou adiantar a menstruação para viagens. Cuidados importantes Em relação às infecções vaginais, Lenira recomenda o uso de calcinhas de malha de algodão, que devem ser trocadas pelo menos duas vezes ao dia, lavadas com sabão de coco (menos irritativo e sem perfume) e secadas ao sol ou passadas com ferro quente antes do uso. “Usar roupas leves e compatíveis com a temperatura do verão é importante”. Trocar a roupa de banho (biquínis e maiôs) a cada 3 ou 4 horas e lavá-las com os mesmos cuidados da calcinha é de extrema importância, principalmente quando em praias ou clubes, onde há maior umidade e concentração de fungo no ambiente. O uso de preservativos nas relações sexuais, principalmente com parceiros eventuais, é essencial e não somente nesta época. Evitar excessos alimentares e de álcool também são itens recomendados pela médica. Em relação às alterações menstruais, as dicas são: seguir os horários de tomada das pílulas, não usar medicamentos para antecipar ou adiar o fluxo menstrual sem orientação médica uma vez que, se não forem iniciados no período adequado do ciclo, podem causar mais transtornos que o fluxo normal.

Qual a causa? A vulvovaginites são mais frequentes durante o verão, principalmente por hábitos mais comuns neste período como o uso de roupas grossas (jeans) e calcinhas de lycra, aumentanFoto: Douglas Ribeiro

Lenira Maria Queiroz Mauad

Fique atenta A higiene após micções e principalmente após evacuações é indicada em qualquer estação, mas no verão o mais impor-

“Os medicamentos usados não podem ser associados à bebida alcoólica, que deve ser evitada até 48 horas após o uso” 24 Revista Energia


tante é evitar a umidade local. “Além das roupas mais leves e ventiladas, a higiene e a troca de calcinhas pode ser mais frequente se houver sensação local de umidade”, diz. O uso de sabonetes íntimos com pH (índice de acidez) mais balanceado é melhor que o sabonete comum, mas não é essencial.  “O cuidado com roupas de banho e com as calcinhas é muito importante, jamais podem ser deixados secando no banheiro ou no vestiário sem lavar, pois a água do mar ou da piscina com cloro não higienizam. Se não houver sol, pelo menos o forro que fica em contato com os genitais deve ser passado com ferro quente antes do uso”, ressalta. 

Imagem: Internet

“Além das roupas mais leves e ventiladas, a higiene e a troca de calcinhas pode ser mais frequente se houver sensação local de umidade”

Revista Energia 25


Transformação

Depois

Antes

26 Revista Energia

Fotos: Douglas Ribeiro

Animal

O

verão chegou e vivemos dias extremamente quentes no último mês. E se nós sofremos com o calor, imagine aquele pet peludinho que você tem em casa! Especialmente se ele for de focinho curto como o Bulldog, Lhasa apso, Pequinês, Pug, Shih Tzu, entre outros, que em dias muito quentes podem apresentar dificuldades na respiração. É fácil observar isso, pois eles ficam constantemente com a língua para fora e deitados no piso. Tosar os cães de pelagem longa é uma dica para o verão, pois eles ganham mais disposição para brincadeiras e passeios, além de facilitar a visualização de pulgas e carrapatos, comuns nesta estação. Para aliviar o calor do Fred, um Lhasa apso de 3 anos, o Dr Fabrício Pascolat, oncologista, levou o pequeno ao Beto Banho e Tosa, onde a Viviane Nalio optou pela tosa com tesoura, mais indicada quando não se quer retirar toda a pelagem. Após a tosa higiênica, limpeza dos ouvidos e corte das unhas, Viviane fez o banho usando shampoo branqueador e finalizou com o condicionador à base de óleo de argan. A seguir Fred passou pela secagem e foi feita a tosa com tesoura, aparando e acertando os pelos no maior capricho. Lindo e muito feliz, Fred vai passar bem melhor os dias quentes que vierem pela frente. 


Energia Garota

Por Paula Mesquita

Revista Energia 27


Garota Energia na Edição 33, em maio de 2013

Taiane Alves

Tel.: (14) 3626 3850 Rua Campos Salles, 256 - Centro Jaú/SP Paula Mesquita Modas


Ficha técnica:

Fotos e Produção: Douglas Ribeiro Looks e Acessórios: Paula Mesquita Beleza: Pro Hair Cabelo e Estética Fone: 3416 2576 Locação: MPM Estrutura Metálicas Revista Energia 29


vencer Capa

Escolha

Ver seu nome na lista de aprovados da universidade é a recompensa máxima que um vestibulando pode ter após tanto tempo de estudo e dedicação Texto Heloiza Helena C Zanzotti Fotos Douglas Ribeiro

30 Revista Energia


C

onquistar uma vaga nas melhores universidades do país está cada vez mais competitivo. É preciso estar focado naquilo que deseja, dedicar-se muito, estar bem preparado. Nessa hora, a escolha de um curso pré-vestibular de qualidade é decisivo para que você realize boas provas, esteja por dentro do que está acontecendo pelo mundo e garanta a vaga no curso almejado. Dúvidas Uma coisa é certa: no Brasil, você não vai escapar do vestibular. Aqui, como na maioria dos países, o número de candidatos supera o de vagas para os cursos superiores, sendo necessário algum tipo de seleção que determine quem ocupará tais vagas. A MELHOR OPÇÃO Escolher um curso pré-vestibular que vai preparar você para uma prova que pode determinar o rumo da sua vida é tarefa importante, não pode ser feita no chute, ou porque o amigo falou, ou ainda porque é um curso famoso. É preciso que a instituição tenha responsabilidade na sua preparação, ajude você a estudar melhor, aproveitar bem o seu tempo e é importante que ela ofereça, além de conhecimento, uma estrutura de apoio e orientação ao aluno. Entre tantas boas escolas preparatórias em Jaú, a RE foi conhecer o trabalho e

32 Revista Energia

a proposta do Conexão Pré-Vestibular, que tem se destacado no segmento pelos excelentes resultados obtidos. CONEXÃO PRÉ-VESTIBULAR Comprometidos com o sucesso dos alunos que buscam uma boa preparação para os vestibulares, o Conexão trabalha com as ferramentas necessárias para que essa conquista seja alcançada. Apaixonados pela educação, o professor Alexandre Camilo Magalhães e a professora e pedagoga Mariane Pereira de Medeiro Magalhães, ambos com mais de quinze anos de experiência profissional, realizaram em 2011 o sonho de iniciar a preparação de jovens que almejam uma vaga no ensino superior. Preocupados com as salas lotadas dos cursos tradicionais, onde o conteúdo é transmitido e o aluno tem que “se virar”, os educadores trouxeram um novo conceito em pré-vestibular, com visão também para o individual e o psicológico dos vestibulandos. A equipe do Conexão sabe que este período é desgastante, mas com foco bem definido e estratégia diferenciada tem conduzido seus alunos aos resultados desejados, enfrentando com otimismo e confiança todas as pressões desta etapa. TURMAS REDUZIDAS Indispensável para um bom aproveitamento, no Conexão o estudante não é apenas um número, ele é conhecido em


todos os seus pontos fortes e fracos; suas habilidades são valorizadas e suas necessidades atendidas de forma individual, personalizada, porque cada aluno é único. Desse modo ele consegue tirar suas dúvidas no momento em que elas surgem, sempre com acompanhamento que avalia constantemente seu desempenho. CORPO DOCENTE Todos os professores do Conexão possuem excelente currículo, são especializados no segmento pré-vestibular e têm compromisso em ministrar aulas com excelência aos alunos. Com bom humor, respeito e dedicação, dominam as estratégias para otimizar o desempenho do vestibulando frente a cada disciplina, o que tem gerado altos índices de aprovação, uma vez que o candidato enfrenta as provas sem medo ou inseguranças, cientes de que estão bem preparados e dominam o conteúdo. MATERIAL DIDÁTICO Muito mais que apostilas repletas de conhecimento, o material didático utilizado no Conexão é riquíssimo. Textos para leitura, exercícios constantemente atualizados, Portal interativo, temas para debates e simulados quinzenais, através dos quais o aluno testa o que aprendeu, avalia seu desempenho, além de serem excelentes instrumentos de controle do tempo, um dos mais temidos fatores dos processos seletivos.

Aprovação começa na preparação Eles escolheram estar entre os melhores

Diferenciado “Escolhi o Conexão pelos professores diferenciados, que sabem transmitir conhecimento. Eu estudo aqui porque confio nessa escola para me ajudar a passar no curso de Medicina”. Ana Lia Lamesa de Almeida Prado Medicina

Essencial “Percebo o quanto foi essencial o Conexão, pois amadureci bastante, tanto na organização de estudos quanto na parte emocional”. Marcos Donisete Granado Junior Medicina

Completo “Poucas são as instituições tão completas e preparadas como essa. Com toda certeza, durante a minha trajetória de cursinho e busca por um sonho tão especial, não teria conseguido sem o Conexão.” Larissa Cardoso Medicina

Salas com turmas reduzidas, um diferencial


Alexandre e Mariane - preocupados com a qualidade do ensino e salas superlotadas, abriram uma escola com conceito inovador

A qualidade já é sentida pelo alto índice de aprovações; procura por matrículas cresce exponencialmente a cada ano

CURSO DE REDAÇÃO – CRIAR Analisando os últimos resultados do Enem 2014, que teve em sua redação o tema “Publicidade infantil em questão no Brasil”, temos que nos atentar para o fato de que 529.373 candidatos tiveram a redação zerada. Entre os motivos deste desempenho negativo estão o desconhecimento sobre o tema proposto, a cópia de outros textos já conhecidos, candidatos que escreveram menos de sete linhas, entre outros. Ciente da importância de uma boa redação em qualquer vestibular, no Conexão o estudante conta com o Criar - Língua Portuguesa e Redação. Referência em aprovações nos vestibulares, concursos e na preparação de alunos e profissionais, este é um diferencial que coloca os alunos do Conexão à frente dos outros, pois promove o desenvolvimento do senso crítico, conhecimento geral e prática da escrita com acompanhamento individual, deixando-os mais tranquilos e seguros para enfrentar qualquer prova e desenvolver qualquer tema proposto pelas universidades em seus vestibulares.

ESCOLHA O SEU São diversas as opções de curso para melhor atender você quanto a horário e carreira pretendida. Extensivo diurno: com aulas pela manhã e algumas tardes. Além de plantões e aulas especiais, ainda aborda disciplinas esquecidas por outros cursinhos como Sociologia, Filosofia, Atualidades e História da Arte. Para aqueles que vão enfrentar grande concorrência. Supermed: para alunos que desejam aproveitar todo o tempo. Ideal para quem vai disputar vaga para Medicina ou Engenharias. Extensivo noturno: com material completo, mesmos professores do diurno e plantões de aprofundamento, é líder em aprovações em 2014. Extensivo vespertino: para alunos que ainda cursam o Ensino Médio e querem aprofundar seus conhecimentos. Muitos são aprovados e já ingressam no ensino superior ao terminar o terceiro ano. Intensivo (Intensivão): com duração de 5 meses, vai de agosto a dezembro. Para aqueles que precisam revisar todo o conteúdo, retomar os estudos, resolver exercícios, ver dicas.

INFRAESTRUTURA Tudo pensado para que o estudante tenha o maior conforto. Um prédio inteiro dedicado apenas a curso pré-vestibular com instalações adequadas que permitem que o aluno do Conexão preocupe-se somente em aprender. Ambientes amplos, ventilação e luminosidade ideais, móveis apropriados. ATENDIMENTO PSICOPEDAGÓGICO Auxiliar o aluno a construir seu próprio conhecimento, orientá-lo quanto ao curso escolhido, formular roteiros de estudo são ações desenvolvidas no Conexão por uma coordenação atuante que, através do atendimento individualizado, direciona o estudante para um aprendizado de qualidade. 34 Revista Energia

DO SONHO À CONQUISTA Ingressar em uma boa faculdade requer muito mais que horas de estudo e dedicação. Requer disciplina, um bom plano de estudos, estar por dentro do que acontece pelo mundo, eliminar todas as dúvidas, resolver muitos exercícios, enfim, nessa hora o apoio de um bom curso preparatório é fundamental. No Conexão seu potencial estudantil é explorado de forma eficiente, levando-o a ampliar sua capacidade dedutiva otimizando suas anotações, ensinando técnicas e estratégias para enfrentar com tranquilidade toda a maratona de provas. Escolha fazer parte da turma do Conexão, afinal, você também quer vencer! 


Heloiza Helena C. Zanzotti

Igreja Matriz Nossa Senhora do Patrocínio

Foto: Internet

A

ntes da criação da Igreja Matriz, que deu início à nossa cidade, as famílias que queriam expressar sua fé tinham que viajar até a Capela de Brotas, um percurso de aproximadamente cinquenta quilômetros através de trilha aberta no meio da mata, que era feito em lombo de burro ou à pé. Daí surgiu a necessidade da criação de um povoado, com uma capela e um cemitério, que atendesse a população fixada nesta região. Após algumas reuniões de uma comissão ficou acertado que a capela seria construída à margem esquerda do Rio Jaú e também à esquerda do Córrego da Figueira, e que a área teria 40 alqueires, terras que foram doadas em partes iguais por Francisco Gomes Botão e Tenente Manoel Joaquim Lopes. Assim teve início a construção de uma pequena capela e de um cemitério (onde hoje encontra-se a escola Major Prado). Escolhido o dia da festa da Assunção de Nossa Senhora para sua inauguração, Bento Navarro trouxe de Itu a imagem de Nossa Senhora do Patrocínio, e em 15 de agosto de 1853 o padre Francisco de Paula Camargo celebrou a primeira missa e posteriormente benzeu o cemitério. Construída de pau-a-pique, a pequena capela logo precisou ser substituída, pois a população local aumentava bastante. Ergueu-se, então, uma capela de madeira no lugar da anterior, que foi demolida. Tendo Bento Navarro deixado parte de seus bens para a construção de uma nova igreja, e com Jahu elevada à categoria de Distrito, um novo templo começou a ser erguido, desta vez de tijolos. Mas a doação não foi suficiente e várias medidas foram tomadas para arrecadação de recursos. Entretanto, pouco depois do final de obra, a construção já não satisfazia mais as necessidades e as exigências do progresso local. Nova comissão foi constituída e esta trouxe para Jahu um engenheiro recém chegado da Bélgica, João Lourenço Madein, que elaborou um projeto monumental, com sua planta em forma de cruz, cuja pedra fundamental foi lançada em 24 de novembro de 1895. A nova Matriz, reconhecida como um dos mais notáveis monumentos de São Paulo e do país, teve suas obras prolongadas por vários anos, devido à sua complexidade. A igreja anterior ainda permaneceu sendo utilizada para missas e outros atos religiosos, enquanto à sua volta era erguido o novo templo, mas acabou sendo demolida tempos depois. A inauguração da nova Matriz aconteceu no dia 9 de junho de 1901, mesmo não estando completamente concluída, o que ocorreu quatro anos depois, em 1905, com a inauguração oficial no dia 15 de outubro daquele ano. Na década de 60, como as pinturas já se encontravam deterioradas, os pintores sacros internacionais Américo e Eva Makk,

que se encontravam concluindo um trabalho na Capela Episcopal de São Carlos, foram contratados para restaurar os painéis da Matriz de Jahu. Os sinos, confeccionados pelos irmãos Bellini, do Rio Grande do Sul, chegaram em 1953, e até hoje batem de meia em meia hora. Construída em estilo gótico e tombada pelo Patrimônio Histórico Municipal, a Matriz Nossa Senhora do Patrocínio é considerada por muitos estudiosos uma verdadeira catedral, por seu significado histórico e valor arquitetônico. 


v Trânsito

A próxima

ítima

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

Imagem: Internet

Falta de experiência está entre as principais causas de acidentes nas estradas. Somada à imprudência e imperícia, estes fatores respondem por cerca de 90% das ocorrências com vítimas fatais


A

afirmação é da Polícia Rodoviária Federal, que conclui que os outros 10% se dividem entre más condições das vias (6%) e falhas mecânicas (4%). Quem dirige precisa ter em mente que conduzir um carro é diferente de conduzi-lo com segurança, especialmente nas estradas. Transitar por ruas e avenidas das cidades, mesmo em grandes centros, significa andar em velocidade baixa, parar em sinais e esquinas, respeitar a sinalização horizontal (aquelas pintadas sobre o pavimento das vias), estar atento a guardas de trânsito, etc. Nas estradas, a situação é outra. A velocidade permitida pode chegar aos 110 km/h, embora muitos motoristas ultrapassem este limite, e o tempo de resposta a qualquer intercorrência é extremamente curto. Além disso, ainda há fatores que podem variar durante uma viagem como clima (chuva, neblina) e iluminação (dia, noite). Antes de pegar a estrada Uma grande preocupação com relação aos motoristas que trafegam pelas rodovias é justamente o fato de que uma parte deles tirou recentemente sua CNH, e é obvio que as autoescolas não preparam os futuros condutores para dirigirem nas estradas, o que seria realmente um grande risco. Imagine um aluno aprendendo a dirigir por uma rodovia movimentada! O ideal é que após tirar sua CNH o novo motorista saia por estradas de menor movimento com alguém de sua confiança, habilitado e que esteja acostumado a situações de viagens. É fundamental que treine velocidade, distância, sinalização, ultrapassagens, para só depois aventurar-se a viajar sozinho. Há sinais e situações peculiares de quem trafega por rodovias que só são aprendidos com muita prática, mas que fazem a diferença para uma direção segura. Autoconfiança Outro fator que colabora para a ocorrência de acidentes é o fato de que as pessoas superestimam suas habilidades e seus veículos. A maioria acredita ser excelente motorista e negligencia os riscos. Acredita que está com um excelente automóvel ou motocicleta nas mãos, que estes estão sempre em boas condições, mesmo sem revisão constante. Conta com a sorte, e o trânsito passa a ser extremamente perigoso. Pelas estradas de Jaú e região A RE conversou com o 1º Tenente da Polícia Militar, Daniel Aparecido Demétrio, 35, Comandante Interino da 1ª Companhia, 2º Batalhão de Polícia Rodoviária. Ele explica que nas rodovias da região de Jaú tivemos, em 2014, um total 760 acidentes de trânsito registrados pelo Policiamento Rodoviário. Deste total, foram 43 acidentes com vítimas fatais, resultando em 51 mortes. A SP-255 Questionado sobre os altos índices de mortes por acidentes na rodovia Otávio Pacheco de Almeida Prado, a SP-255, conhecida por Rodovia da Morte, ele esclarece: “A SP-255 conta com 27 quilômetros de extensão e é toda constituída de pista simples e mão dupla de direção, com um considerável fluxo

Tenente Daniel Aparecido Demétrio

de veículos, principalmente no início da manhã e final da tarde. Desta forma, requer maior atenção dos condutores, tendo em vista que os descuidos ou imprudência ocasionam acidentes graves”. Para ele, a duplicação da rodovia certamente trará maior segurança. “Os veículos que trafegam em sentidos opostos terão barreira física dividindo os fluxos, desta forma, ocorrências graves como colisões frontais serão evitadas”, afirma. O Tenente concorda que a maioria dos acidentes é causada por imprudência, e completa: “A maior parte dos acidentes em todas as rodovias, e não apenas na SP-255, são ocasionados por motivos relacionados aos condutores, ou seja, sono, cansaço, imprudência, imperícia, negligência, no entanto, ressalto que a imprudência ocasiona os acidentes de maior gravidade, pois invariavelmente decorrem de excesso de velocidade e ultrapassagens em locais proibidos”. Lei e impunidade A Lei 12.971/2014 entrou em vigor no dia primeiro de novembro de 2014 e fez alterações no texto anterior do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). A principal mudança foi em relação ao valor das multas a serem pagas pelo condutor que cometer infrações, que ficaram bem mais pesadas. Questionado sobre nossa legislação de trânsito, o Tenente Daniel diz que nossas leis são adequadas ao tráfego, basta respeitá-las. Para ele o desrespeito às leis passa, sim, pela impunidade, devido ao fato de que o policiamento não pode estar em todos os locais em todos os momentos, mas ele acredita que o desrespeito deve-se mais à falta de educação e cortesia no trânsito. “Um local que primordialmente deve ser utilizado para deslocamento das pessoas passa a ser utilizado como local de disputa. Quem será o mais rápido? Quem chegará primeiro? Quem ultrapassará onde é proibido? Precisamos mudar o comportamento do condutor de veículo automotor e seu conceito de trânsito”, afirma. Revista Energia 37


Responsabilidade Campanhas e mais campanhas, vídeos educativos, nada disso parece conscientizar alguns motoristas. Sobre esta realidade, o Tenente pensa que a conscientização sobre trânsito não passa exclusivamente pela formação do condutor na autoescola: “A mudança de comportamento no trânsito passa pela mudança de comportamento da pessoa enquanto ser humano, desde seus primeiros conceitos com sua família, passando pela escola, por sua formação religiosa, social, trabalho, etc.” E completa: “Todos somos responsáveis por um trânsito seguro!”. O que mais mata Negligência, imprudência, imperícia, displicência. Um destes fatores, ou mais de um, combinados, podem tirar a sua vida, de sua família ou de terceiros. Atitudes como desrespeito aos limites de velocidade, consumo de bebida alcoólica antes de dirigir, ultrapassagens em locais proibidos ou de maneira perigosa (quando você acha que dá tempo), uso do telefone enquanto dirige, não usar cinto de segurança, falta de habilidade e de treinamento do condutor, reações impróprias, trafegar com pneu desgastado ou conduzir veículos sem manutenção são semelhantes a empunhar uma arma engatilhada: costumam ser fatais. Motos na pista Não importa qual a sua experiência sobre duas rodas, pilotar moto em rodovias é sempre um grande risco. O melhor a fazer é agir como se estivesse aprendendo, pois a prudência pode ajudar muito na hora de evitar um acidente. Se a autoconfiança é fator de risco para quem dirige automóvel, imagine para quem pilota uma moto! Atitudes como checar as condições da estrada antes de sair, ficar atento a cascalho ou óleo no chão são fundamentais e aumentam suas chances de ter controle sobre a motocicleta. As estatísticas são claras: a maioria dos acidentes de moto acontece em função de erros dos pilotos, especialmente nas derrapagens ou quedas ao fazer a frenagem em curvas de alta velocidade. Itens como roupas adequadas para quem pilota e para quem está na garupa; capacetes aprovados pelo Inmetro, com viseiras limpas e faixas reflexivas; moto revisada e com a documentação em ordem são indispensáveis. Carlos Eduardo Marot Filho

38 Revista Energia

Na pista, a regra é ver e ser visto. Ande sempre com o farol aceso e evite transitar no “ponto cego” dos veículos. Além disso, tome os seguintes cuidados: se começar a chover reduza a velocidade, pois a sujeira do asfalto mais a água da chuva tornam a pista escorregadia, e atenção às faixas que dividem as pistas: elas são em alto relevo por ter uma camada de tinta mais grossa, então, andar sobre ela pode desgovernar a moto. Molhadas, então, escorregam demais e qualquer descuido pode causar uma queda. Perda total em 4 veículos Carlos Eduardo Marot Filho, 30, empresário, passou por quatro graves acidentes, sendo dois em rodovias, e contou sua experiência para a RE. O primeiro aconteceu há 11 anos, na SP-225, no trecho Bauru - Jaú, por volta das 7h. Carlos conta que estava em uma camionete Saveiro e não usava cinto de segurança. “Havia saído de uma festa e estava muito cansado. Dormi ao volante, o carro saiu para o acostamento, bateu a lateral e capotou. Não me machuquei, mas o carro teve perda total”. Anos depois ele descia a Avenida Izaltino do Amaral Carvalho por volta das 22h, em uma BMW, quando entrou rápido demais na curva e bateu em um poste. Outra perda total no carro, mas saiu sem ferimentos. Como ia ficar uns dias sem carro, pegou emprestado o Celta do irmão para um compromisso de trabalho, sete dias depois do acidente anterior. Por volta das 10h, na rodovia que liga Marília a Bauru, foi fechado por outro veículo, caiu no canteiro e capotou. “Graças a Deus não me machuquei, apesar de dar PT no carro”, afirma. O mesmo não ocorreu no último acidente, na Avenida Dr Quinzinho. Dirigindo outra BMW ele perdeu o controle na curva, bateu em uma árvore e como consequência teve que colocar oito pinos no braço. Novamente teve perda total do carro. Questionado sobre o que aprendeu com os acidentes ele diz: “Não vale a pena beber e dirigir, correr, fazer loucuras. Enquanto você não se machuca, não tem medo. Mas depois que passa por cirurgia, perde mobilidade, sente dor e fica com limitações você reavalia. Não vale a pena”. Duas experiências marcantes Fabrício Henrique Paixão Herrera, 25, promotor de vendas, passou por momentos difíceis. Em agosto de 2007, aos 18 anos e já habilitado, saiu com amigos para ir até Barra Bonita. Ele pilotava uma moto Twister e após passarem a tarde em Barra Bonita pegou a moto para voltar a Jaú. Ele lembra que em um acesso para pegar a pista deu uma desligada momentânea e acabou passando direto, o que fez com que caísse em uma valeta. Ficou inconsciente e acordou no Hospital de Dois Córregos. Felizmente, teve ferimentos leves. Meses depois, em novembro, estava de carona com outros quatro amigos em um Vectra, na pista Jaú-Torrinha. Assim que passaram a cidade de Dois Córregos, em uma curva acentuada, seu amigo que estava na direção foi atender ao celular e perdeu o controle do veículo, que capotou. “Fraturei o fêmur e fiquei algum tempo em observação, tive hematomas. Mas meu amigo que dirigia o carro perdeu a vida nesse acidente. Ele tinha 21 anos”, conta.


Fabrício Henrique Paixão Herrera

Fatalidade Marcelo Cristiano Botan, 40, aposentado, não teve a mesma sorte dos nossos outros entrevistados. Em 31 de maio de 2005, por volta de meia noite, após sair de uma igreja e voltando de Mineiros do Tietê para Jaú, sua moto CG 150 derrapou na pista devido a sujeira no asfalto, e ele caiu no acostamento, em um gramado. “Na hora percebi que não conseguia mexer as pernas, peguei o celular e liguei para o resgate. Os bombeiros chegaram em 5 minutos. Eu tinha muita dor, mas já imaginava a gravidade da lesão. Duas vértebras comprimiram a medula e perdi os movimentos da cintura para baixo”. Marcelo diz que não teve um arranhão sequer, e até a moto ficou intacta. Ele afirma que estava a uns 90 km/h, não havia bebido e tinha bastante experiência com moto. Atualmente ele joga Tênis de Mesa, é casado e costuma acompanhar a esposa nas caminhadas que ela faz no Kartódromo. “Ela vai caminhando e eu rodando”, brinca Marcelo referindo-se à sua cadeira de rodas.

vez. Mesmo em viagens curtas, uma pequena parada ajuda a oxigenar o corpo, estimula a circulação e renova as energias. Dirigir por muito tempo reduz a percepção e os reflexos, mesmo quando se está sem sono. Previna-se. Confira o estado dos amortecedores e molas. Revise o alinhamento e balanceamento. Se seu carro possui direção hidráulica, verifique também a correia serpentina, pois a quebra dela provoca o endurecimento da direção e pode levar o carro para o sentido contrário da pista. É durante a ultrapassagem que acontece o maior número de acidentes nas estradas. Obedeça à sinalização da pista, existe todo um estudo para que ela esteja ali. Sempre dê seta antes de ultrapassar ou mudar de faixa. Olhe diversas vezes pelos retrovisores e só ultrapasse com segurança. Não ultrapasse nunca em curvas e aclives. Com chuva a atenção tem de ser redobrada. Quando estiver atrás de um caminhão, não tente ultrapassá-lo na descida, momento em que ele pega um forte embalo. Se seu carro não é potente, não tente ultrapassagens em subidas. Os carros 1.0 são limitados para fazer essas ultrapassagens. Para os motociclistas, cuidado com o ar formado nas proximidades dos caminhões, que pode puxá-los e descontrolar a moto. Por fim, lembre-se que várias vidas e sonhos são destruídos nas estradas todos os dias. Cabe a cada um de nós sermos responsáveis. Não seja você a próxima vítima.  Marcelo Cristiano Botan

Cuidados que podem salvar vidas Nas rodovias, assim como nas ruas, nos deparamos com várias pessoas que sabem dirigir, porém, muitas não têm experiência e outras não respeitam velocidade e sinalização. Desse modo, alguns cuidados aliados à direção preventiva são medidas que todo e qualquer motorista deve adotar para preservar a sua vida e a dos outros. Observe e obedeça à sinalização, preste atenção a tudo, pois você não terá tempo de pensar duas vezes. Por isso, mantenha distância segura do veículo à sua frente. Trafegue sempre do lado direito da via, não ande a velocidades muito baixas e nunca utilize o acostamento como pista. Animais na pista representam grande risco, ao avistá-los reduza bastante a velocidade, nunca buzine para não provocar uma reação súbita do animal e à noite, encoste com segurança e apague os faróis, que pode cegá-los. Use apenas as lanternas. Se precisar parar por algum motivo, muito cuidado com os carros que estão atrás. Atente também para o degrau entre a pista e o acostamento, pois é fácil perder o controle do carro ali. Nunca dirija cansado. Não queira cobrir todo o trajeto de uma

Revista Energia 39


Look de artista

Fotografia Douglas Ribeiro Modelos Carolina Esteca, Allana Dias e Karina Godoy Beleza Pro Hair Cabelo e EstĂŠtica Style Vestylle Megastore 40 Revista Energia


Revista Energia 41


Look de artista

42 Revista Energia


Revista Energia 43


Comportamento

Medo

em efervescência A fobia resulta em aversão, medo irracional, persistente e limitador, que pode gerar inúmeros danos à saúde. Saiba que ao admitir o problema fica mais fácil resolvê-lo

Texto Tamara Urias

C

onsiderado um sentimento comum a todas as espécies, o medo faz parte de nossa existência e serve para nos proteger de situações na qual os perigos são iminentes, funcionando como um alerta, ajudando a pessoa a se preparar para alguma ocasião. Já a fobia pode ser definida como um medo persistente e irracional, quando o indivíduo passa a ter uma vida limitada por conta deste medo. Costuma ser de longa duração, por tratar-se de um transtorno de ansiedade, provocando intensas reações

44 Revista Energia

físicas e psicológicas, muitas vezes incoerentes com o perigo real que aquilo representa, descreve a psicóloga e hipnoterapeuta Maira Cibele Espricigo, 28. “O medo é natural do ser humano e há uma grande diferença entre ele e a fobia, que muitas pessoas desconhecem”. Das centenas de fobias existentes, pode-se dividi-las em categorias. A especialista explica que as mais comuns são as específicas, que significam/representam o medo de algo real, que pode ser facilmente identificado como, por exemplo, de objetos, de altura, de lugar fechado, de cachorro, de barata, de


Imagem: Internet

Revista Energia 45


Será que eu tenho? Maira explica que as causas das fobias ainda são desconhecidas, porém, acredita-se que elas tenham ligação genética, com alguma experiência negativa com esse objeto, animal ou pessoa e até podem surgir após ouvir relatos assustadores a respeito do mesmo. “Algumas vezes nem é preciso ter uma experiência traumática, basta que o objeto em questão seja associado a verdadeiras cismas que acabam provocando a fobia”. Para descobrir se você tem alguma fobia, a psicóloga ressalta que esta se torna perceptível através dos sintomas que o indivíduo manifesta quando tem contato ou simplesmente se imaginam com esse medo irracional. “As pessoas que desenvolvem o transtorno têm um perfil mais ou menos definido, a maioria delas por serem mais medrosas e inseguras”, diz. Os sinais e sintomas apresentados vão depender do tipo de problema que a pessoa tem, porém, algumas características como coração acelerado, suor intenso, tonturas, formigamentos, falta de ar, sensação de desmaio e falta de realidade, tremores, desconforto no peito, aparecem em todos os portadores, independente da causa da fobia. “Ao notar que o medo está em demasia, o ideal é procurar um especialista em saúde mental”. Nas crianças, as manifestações são mais precoces sendo fácil de detectar. Fica um alerta: Maira relata que ambientes hostis, pais ameaçadores que vivem batendo nos filhos ou os ameaçando de forma crônica e impositiva aumentam a tendência desta criança desenvolver fobias. Procure ajuda A especialista pontua que o tratamento tem o objetivo de eliminar a ansiedade e o medo que existe na mente da pessoa, mas para isso é necessário que haja aceitação e dedicação no tratamento. “Conseguir descrever, encarar e aceitar que algo está errado é um grande passo para chegar a soluções”. Entre os vários tratamentos existentes estão a psicoterapia, a medicação e em alguns casos, dependendo do grau em que a pessoa se encontra, é necessário que haja a união entre medicamento e terapia. “Mesmo que o indivíduo ache que não, se ele estiver sofrendo deste transtorno sua mente estará sempre em efervescência”, complementa. O não cuidado pode comprometer a qualidade de vida, pois as pessoas que sofrem desta patologia são mais propensas a desenvolver depressão e outros transtornos de ansiedade, o estresse de conviver com uma fobia pode levar ao uso excessivo de álcool, drogas, levando à dependência e, em alguns casos, pode até mesmo levar ao suicídio.

46 Revista Energia

Lidando com o problema A Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC), a Terapia da Realidade Virtual e a Hipnose são importantes ferramentas para o controle e eliminação de fobias. A psicóloga salienta que a TCC é uma das mais indicadas e procuradas, pois modifica a forma de pensar, ajudando o paciente a perceber que as situações que para ele aparentam ser perigosas, na verdade são seguras. “O terapeuta também ensina técnicas de relaxamento e respiração, com isso a ansiedade que o paciente sente vai se amenizando”. A Terapia da Realidade Virtual vai expondo a pessoa ao objeto que gera medo, de forma mais controlada e respeitando os limites do paciente, criando uma aproximação gradual desse objeto através de equipamentos virtuais. “Digamos que é uma espécie de enfrentamento, quando o terapeuta percebe a intensificação da frequência cardíaca ele para a seção e induz o paciente ao relaxamento”. Quando o paciente entra em transe na Hipnose, ele confronta o medo através da própria imaginação e com a sua voz o terapeuta cria para o paciente um reflexo de tranquilidade diante daquele medo e insegurança. Vida limitada? Há poucos dias o jornal inglês Daily Mail publicou uma história polêmica e um tanto curiosa. De acordo com a publicação, a britânica Claire Jones, 39, de Liverpool, chegou a pedir para que médicos amputassem suas pernas (saudáveis) para evitar olhar as varizes que criou há três anos, durante a gravidez. Ainda de acordo com o texto, a mulher chega a ter crise de ansiedade e pânico quando vê alguma veia saltada. Para ela, o pavor de veias pode ter iniciado aos seis anos, quando a remoção de um dente mole sangrou bastante (ela imaginou ter sido uma veia sangrando, na época). Além disso, Claire conta que sua mãe, sabendo do pavor da menina, vestia calça para ficar com ela. Após o plano de saúde se recusar a fazer a cirurgia, Claire

“Ao notar que o medo está em demasia, o ideal é procurar um especialista em saúde mental” Foto: Douglas Ribeiro

escuro, entre outras. “Alguma coisa específica, onde a situação representa algo que tenha razão para ter medo”. Outras bastante comuns são as fobias sociais, que sempre estão associadas a ideias negativas, como quando se chega a algum lugar sozinho ou em situações onde é preciso falar em público. “Normalmente o pensamento é ‘eu vou errar’ ou ‘todos vão rir de mim’. Este gera certa ansiedade e como mecanismo de defesa a pessoa limita sua vida social para evitar sentir essas reações”.

Maira Cibele Espricigo


“Deixo de fazer muitas coisas por medo de que algo ruim possa acontecer”

Foto: Arquivo Pessoal

foi encaminhada para a terapia e poderá passar por procedimentos cirúrgicos para a remoção do problema. A estudante e estagiária em agência bancária, Andreza Marcia Meronho, 38, conta que sofre de claustrofobia (medo de permanecer em lugares fechados), acrofobia (medo exagerado de altura) e de andar de avião. Durante a entrevista, a jovem conta que o elevador se tornou um grande problema. “Cheguei a desistir de entrevistas de emprego, pois para eu chegar à sala era preciso ir pelo elevador, uma vez que ela se localizava nos últimos andares de prédios enormes”. Também já deixou de fazer viagens com a família e de visitar a irmã em outra cidade, quando moravam separadas. “Viajar para locais onde o avião é o meio de transporte me gera pavor”. As fobias só foram descobertas após a jovem procurar um médico especializado. “Há alguns anos iniciei tratamento com um psiquiatra e ainda hoje tomo alguns medicamentos como antidepressivos e calmantes”. Ao ser questionada se a fobia atrapalha a sua vida, enfática, diz que muito. “Deixo de fazer muitas coisas por medo de que algo ruim possa acontecer. Sempre acabo sofrendo por antecipação, fato que algumas vezes atrapalha minhas decisões”. 

Andreza Marcia Meronho

Revista Energia 47


Varal

Fotos Douglas Ribeiro

Geniou’s Joalheria Rua Amaral Gurgel, 321 Fone: (14) 3625.4253

Sonia Calçados Av Netinho Prado, 306 Fone: (14) 3416.1116

48 Revista Energia

Nicolly Boutique

Rua General Galvão, 71 - Sala 02 Fone: (14) 3416.8104

Via - Móveis Baby

Rua Visconde do Rio Branco, 734 Fone: (14) 3622.8562


Art`s Calcinhas Território do Calçado Piso Térreo - Loja 30 Fone: (14) 3622.2123

Tom da Pele

Rua Conde do Pinhal, 243 Fone: (14) 3622.4238

Revista Energia 49


club

Social

Fotos: Douglas Ribeiro

1

Chopp geladinho Com o melhor e mais saboroso chopp do Brasil, o Bar do Português é diariamente ponto de encontro de gente bonita e animada pelo ambiente receptivo, atendimento de qualidade e petiscos de dar água na boca.

1. Paulo Takaki e Rafaela Paiva 2. Simone Perez, Fábiana Santos e Gabriel Carrada 3. Sonia Carvalho e Aline morais 4. Mariana Barro, Maria Beatriz Desejacomo e Dulcineia Pereira 5. Rafaela Paiva, Lais Guermandi, Lais Oliveira, Maisa Guermandi, Bruna Tessaroli, Karina Cardoso e Gabi Didoni

50 Revista Energia

2

3

4

5


Jaú Shopping

Fotos: Douglas Ribeiro

O sorteio da promoção “Natal sem igual” Jaú Shopping aconteceu na tarde do dia 13 de janeiro. O Uno Vivace 0 km saiu para Silvio Rogério dos Santos. Neste mês, aproveite e reúna a família e amigos para curtir música ao vivo na Praça de Alimentação do Jaú Shopping. Todas as terças, quintas e sextas-feiras, das 19h30 às 21h30 você poderá se deliciar com inúmeros pratos, ouvindo um som de qualidade.

1. Sílvio Rogério dos Santos (GANHADOR) e Gilson Henrique da Silva 2. Sandra Bedosso e Antonio Carlos Begosso e Francisca Perroni 3. Aline Sabio e Ariel Gibin

1

2

3

Revista Energia 51


club

Social

Fotos: Arquivo Pessoal

1

Natal 50 anos Jaú Serve Na noite de sexta-feira (16/01) no salão de eventos Lumare, a rede Jaú Serve de Supermercados fechou com chave de ouro a promoção Natal 50 Anos Jaú Serve. Foram sorteados 28 prêmios, entre eles um carro Mercedes-Benz C-200, mais 10 automóveis diversos, oito motos e nove eletrodomésticos ou eletroeletrônicos. O mecânico de manutenção José Roberto Sylvestre, morador em Broa, mas que trabalha em São Carlos, tirou a sorte grande e escolheu o envelope da Mercedes C-200. 1. Wood sorteia cliente da loja 15 da Av do Café 2. Cliente loja 02 Centro Jaú Simone Ap da Silva ganhou um Chevrolet Onix 3. Cliente loja 22 São Carlos José Roberto Sylvestre ganhou uma Mercedes C200 4. Cliente Jaú Serve Shopping João Otávio Moura ganhou uma moto Suzuki 150 C 5. O gerente Emílio, do Jaú Serve da Av das Nações Jaú, entrega Renault Sandero para a Cliente Gabriela Missassi

2

4

52 Revista Energia

5

3


Foto: Douglas Ribeiro

Visita No início do mês de janeiro o Ministro das Cidades Gilberto Kassab (PSD) e o Deputado Federal Ricardo Izar (PSD) estiveram em Jaú para o encontro com prefeitos e lideranças políticas da região. Eles eram esperados por 24 prefeitos e vice-prefeitos em um dos salões da Prefeitura Municipal de Jaú. Diversos assuntos foram abordados como demandas, projetos, problemas e prioridades das cidades.

Pet Center Jaú

Foto: Arquivo Pessoal

Foto: Douglas Ribeiro

No último dia 17 de janeiro o Pet Center Jaú sorteou prêmios da promoção “Qual o melhor Pet Shop de Jaú e região?” A cada R$ 20 em compras, um cupom era preenchido para concorrer a belos prêmios. Os sortudos da vez foram Kellen Fature Pracucci, que ganhou a moto Honda Fan; Evandro Francisco da Silva, ganhador da TV Led Full HD 42” e o home theater DVD saiu para a Cintia C. Chiti de Oliveira.

Juliana Benatti Juliana Benatti prestigiou, ao lado de Bruna Santana, a gravação do novo DVD do irmão de Bruna, Luan Santana. As beldades deram um show de elegância nos modelos criados por Juliana Benatti. Bruna chamou a atenção de todos usando um vestidinho vermelho curto, rendado e com transparência.

Revista Energia 53


Imagem: Internet

Legislação

2015 não vai ser fácil para ninguém

54 Revista Energia


A população precisa se preparar: 2015 vai ser um ano complicado para a economia

Texto Ricardo Izar |Colaboração Luís Filipe Nazar

S

erá um ano de acerto nas contas públicas, e espero que as coisas melhorem, ou teremos mais anos de austeridade. A equação é simples: aumento nos impostos, crescimento pífio e inflação em alta, o que pode resultar em desemprego, possível crise e, quiçá, recessão. O governo já lançou um pacote de medidas econômicas e tributárias para «acertar as contas» em 2015, mas que podem contribuir ainda mais para a equação malévola que nos aguarda, resumidamente com o aumento da carga tributária e o aumento nas taxas de juros. Lembramos que qualquer aumento de custo em uma linha de produção, seja ela qual for, e que pode ser traduzida pelo aumento dos impostos também, por exemplo, tem a conta paga pelo final da cadeia produtiva, ou seja, pelos consumidores. O cenário é simples, e o resultado que nos aguarda, assustador. Com menos dinheiro circulando pelo aumento nas taxas de juros, com o aumento no custo da produção pelo aumento dos impostos, que gera inflação também, as pessoas consomem menos e a produção cai, o que pode resultar em demissões e na temida crise/recessão. Outrossim, mesmo com as pessoas parando de consumir, mesmo com o fantasma da crise no horizonte, mesmo com a economia em frangalhos, mesmo com possíveis demissões e recessão, nós teremos alta nos preços e inflação acima da meta devido ao aumento nos impostos, ao aumento no custo da energia e, ainda, pela crise hídrica que assola o maior pátio industrial do país, São Paulo. Para colaborar, o custo Brasil é muito alto, resultado da falta de infraestrutura do país. Nossos portos são sucateados (mas Cuba tem um excelente, que construímos para eles, diga-se de passagem), nossas estradas são uma vergonha, nosso sistema ferroviário para escoamento de produção é obsoleto e

Com menos dinheiro circulando as pessoas consomem menos e a produção cai, o que pode resultar em demissões e na temida crise/recessão

insuficiente, enfim, tudo isso dificulta o comércio externo, traduzindo-se na baixa das exportações e produtos importados caríssimos. Tem mais: as agências que qualificam os países de acordo com o risco nos investimentos, o chamado risco Brasil, baixou nosso querido país de posição. Isso pode não parecer muito alarmante, mas é. Com a queda nas posições, o país perde investimento de uma gama enorme de fundos, que só permitem o investimento em países até uma certa posição nesse ranking. Ou seja, o Brasil terá um êxodo de investidores nesse próximo ano também, o que vai colaborar ainda mais para piorar esse nosso ano de 2015. Não teremos vida fácil, mas o povo brasileiro é guerreiro e não se entrega. Ainda bem, pois vamos precisar de muito suor e sangue derramado para sobrevivermos ao que nos aguarda nesse ano que acabou de começar. 

Deputado Federal Ricardo Izar Economista, coordenador para o Sudeste da Frente Parlamentar em Defesa do Consumidor de Energia Elétrica e membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Federal, Presidente da Frente Parlamentar de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, Membro do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados

Revista Energia 55


Gastronomia

Tão bom que ninguém

resiste

Os restaurantes de comida caseira estão aí para provar que é possível comer bem sem complicação Texto Heloiza Helena C Zanzotti Fotos Douglas Ribeiro

É

difícil encontrar alguém que não goste de uma boa comida caseira. Segmento que está em plena expansão no Brasil, o mercado gastronômico se rende a este jeitinho especial de preparar e servir. É certo que a culinária caseira perdeu espaço ao longo dos anos, pois as mulheres já não têm mais tanto tempo para ficar preparando aqueles pratos saborosos, cujas receitas foram passando de geração para geração. Inseridas no mercado de trabalho, passam cada vez menos horas na cozinha, e muitas famílias acabam comendo fora de casa. Daí a valorização dos estabelecimentos que se especializam em alimentação caseira, resgatando sabores, temperos e cheiros característicos da comida da vovó. Como na sua casa Quando falamos em comida caseira, o primeiro item que avaliamos é a qualidade. Produtos de primeira e frescos devem ser prioridade em um restaurante que se especialize neste tipo de comida. Atraídos pela fama de uma alimentação de qualida56 Revista Energia

de a preços justos, a RE foi conhecer o Restaurante Mirante do Pouso. E a experiência foi uma verdadeira delícia. Mirante do Pouso A localização privilegiada, com estacionamento fácil já chama a atenção logo na chegada. Com uma estrutura bonita, o ambiente espaçoso, climatizado e acolhedor surpreende, e percebemos logo alguns dos motivos da casa estar sempre lotada. Além disso, os clientes são recebidos com cortesia pela administração, que está sempre preocupada em atender suas necessidades e não negligencia detalhes como bom atendimento, limpeza e organização. Um exemplo é a área infantil monitorada: de suas mesas os pais acompanham seus filhos nas brincadeiras, através de monitores estrategicamente instalados no salão. Inaugurado no dia 11 de maio de 2012, o Restaurante Mirante do Pouso já é referência em comida caseira no bairro Pouso Alegre de Baixo, em Jaú. Sob a direção de Érika Patrícia de Melo Miranda, Sidnei Miranda e Douglas de Melo Miran-


Sidnei Miranda, Douglas de Melo Miranda e Érika Patrícia de Melo Miranda

da, o estabelecimento construído pelo sócio empreendedor Edson Roberto Oziliero, com capacidade para quase quinhentas pessoas, tem atraído olhares e paladares dos moradores de Jaú, da região e até pessoas de outros estados. Cardápio caprichado Não é só a estrutura que chama a atenção, na verdade, uma boa refeição inicia-se na elaboração do cardápio, que é ponto forte no restaurante. Os pratos simples lembram bastante o interior, e são muito elogiados pelo sabor e preparo caprichado. Entre as opções, destaque para a leitoa e o frango à passarinho, a picanha na chapa e a tilápia frita. Todos acompanhados de arroz com bacon, feijão, salada e a irresistível polenta frita. Água na boca Visitando a cozinha do Restaurante Mirante do Pouso, percebemos que a organização é a regra. Laerte de Melo mantém o ambiente funcionando perfeitamente, e explica que cada funcionário tem a sua função, cada coisa seu lugar, cada prato tem seu modo de preparo e tempero especifico. A leitoa e o frango são fritos em sete tachos diferentes, cada tacho em uma temperatura, passando de uma mais fria até a mais elevada. Já a picanha é cortada em pedaços e feita na chapa. A tilápia é empanada e frita, servida com um delicioso molho. Imperdível a polenta frita, sequinha e crocante.

Norberto Conte Júnior, Célia Regina Conte e amigos

Além destas opções, existem outras porções igualmente preparadas dentro dos mais altos critérios de qualidade, como linguiça frita, pele pururuca, panceta e uma deliciosa mandioca de alho ou de carne seca, pratos que dão água na boca e são perfeitos para acompanhar o chope ou a cerveja bem gelados que o restaurante oferece. Frequentador assíduo Norberto Conte Júnior, 52, empresário, e a esposa Célia Regina Conte, 49, diretora de escola, residem em Bauru, mas almoçam no Mirante praticamente todos os domingos. “A refeição é excelente, a picanha muito bem preparada, assim como o frango e a leitoa. Percebemos que tudo é feito com muito carinho e, importante, não temos que ficar esperando, tudo é rápido e muito bem servido”, afirmam. Norberto diz que o atendimento faz a diferença, e é o motivo pelo qual se deslocam para cá. E completa: “Fazemos questão de divulgar, sempre trazemos amigos, hoje mesmo trouxemos alguns”. Aprovadíssimo! É claro que a RE conferiu muitas destas delícias e concordamos com Norberto: é imperdível. Entretanto, como em todo negócio temos que estar sempre adiante da concorrência, os responsáveis pela casa estão sempre inovando nos detalhes e no ambiente, sem perder o foco daquela que é a principal atração: a comida caseira, razão de todos voltarmos ao Mirante. Porque é claro, vamos voltar muitas vezes. Você duvida? 

Revista Energia 57


vida

Boa

Por João Baptista Andrade

Comida e Manias Está lá no Dicionário Houaiss para quem quiser ler e comprovar: mania é um substantivo feminino cujo primeiro (dentre vários) significado é: hábito extravagante, prática repetitiva, costume esquisito, peculiar; excentricidade

C

omo se diz lá na gloriosa Monte Alto, mania é coisa de gente maluca, ruim da cabeça, boba das ideias ou fraca dos miolos. Sim. Porque mania quem tem são os outros. Nós? Normais, ué. Absolutamente normais. Aliás, normalíssimos. Existem três esferas ou sistemas de grandeza que definem um ser humano. O primeiro deles é o DNA, essa molécula inacreditável que faz com que nossos filhos sejam como nós. Cães procriam cãezinhos, peixes procriam peixinhos, humanos procriam outros humanos pequeninos. O segundo sistema é a cultura, entendida aqui como um conjunto de comportamentos que se repetem. Assim, chineses têm hábitos característicos lá da China, franceses da França, brasileiros agem como... Bom, melhor deixar quieto como agimos nós, os brasileiros. Por fim, existe ainda a individualidade. Aquele conjunto de coisas que torna cada um de nós único no planeta. Exemplo simples: suponhamos que o leitor tenha um irmão ou irmã. Mesmo DNA, certo? Mesma cultura (os pais, a casa e a educação foram iguais). Entretanto, você e seus irmãos são completamente diferentes, estou correto? Falo tudo isso porque os cozinheiros, meus colegas de forno e fogão, têm lá as suas idiossincrasias (já disse que mania é coisa de gente maluca). Eu, por exemplo, tenho algumas preferências bem específicas sobre cozinhas e sobre cozinhar. Preferências não são manias, ok? Para mim o ato de cozinhar parece um ritual budista. Eu preciso realizar determinadas atividades, senão a comida não sai direito. Fazer a praça é uma delas. Explico: antes de acender o fogo, todos os ingredientes serão picados, lavados, porcionados e dispostos sobre a pia ou mesa de apoio. Quando as panelas entrarem em cena, tudo estará praticamente à mão. Também tenho tábuas de trabalho diferentes para coisas di58 Revista Energia

ferentes. As tábuas de carne são feitas de vidro e as de vegetais em material plástico (esterilizadas todas as semanas). Isso minimiza o risco de contaminação cruzada. Quando estou trabalhando com peixes ou crustáceos, mantenho uma caneca de água fervente no fogo; assim eu posso eliminar os cheiros da pia com mais facilidade. Também por uma questão de método, cozinho sempre com uma vasilha limpa ao meu lado: todos os pedaços de vegetais, cascas, pequenas sobras, etc. são acondicionados em sacos herméticos e congelados. Quando eu tenho um volume suficiente, faço caldo básico de vegetais. Economizo um monte, mantenho a minha saúde e, mais importante, não consumo todo o sal que as empresas colocam nos caldos e temperos. Mas os meus objetos favoritos na cozinha são dois: um espremedor de limão em madeira, que deve ter custado uns três reais, aproximadamente, e a minha faca. Eu queria escrever “minha” em letras maiúsculas, mas achei que poderia ferir suscetibilidades de algum eventual leitor. Eu não posso falar pelos demais cozinheiros, mas com facas alheias não se brinca! Não é mania, é uma preferência. Eu uso uma Ziwilling. J.A. Henckels de 20 centímetros para quase tudo na cozinha. É a mesma faca desde a década de 80 do século passado, e acho que tenho mesmo é ciúmes dela em outras mãos que não as minhas. Afinal de contas são 35 anos de serviços prestados sem nunca passar por um afiador profissional. Só a pedra e a chaira (que alguns chamam de fuzil), aplicadas por mim. Agora, imagine o desconforto que eu senti quando um convidado se dispôs a ajudar e partiu para lavar a louça? Ele, todo solícito, queria passar sabão e detergente no meu espremedor de limão. Não pude me conter e escondi o espremedor. Esse povo tem cada mania...  Até a próxima.


guia da gula

guia gastronômico

Fotos: Douglas Ribeiro

sabores para todos os paladares

Café e Salgadaria Trigo de Ouro

Estilo Mineiro

Referência em bom atendimento e qualidade, o Café e Salgadaria Trigo de Ouro está localizado na área central de Jaú. Além de bolos e tortas inteiras e em pedaços, o local oferece lanches na chapa, salgados assados, pão de queijo e sucos naturais, de polpa e detox. Neste mês a Salgadaria Trigo de Ouro está com uma sensacional promoção de salgados fritos e assados, a unidade sai por R$ 2,80. Mas se for fazer uma festa e precisar encomendar um cento, o assado sai por R$ 38 e o frito por R$ 30. O horário de atendimento é de segunda a sexta-feira das 8h às 18h30, e aos sábados das 8h às 17h.

Há 17 anos o restaurante Estilo Mineiro atende a população de Jaú com qualidade. Com localização estratégica tanto em Jaú, quanto em Bariri, o restaurante Estilo Mineiro oferece uma grande variedade de comida caseira e mineira, em pratos quentes e frios. Há também opções em marmitex, self-service por quilo e à vontade. Cervejas, refrigerantes e suco natural de laranja estão à disposição do cliente.

Rua: Edgard Ferraz, 305 – Centro – Jaú – SP (14) 3416-9110

O horário de funcionamento é das 11h às 14h30. Rua Edgard Ferraz, 762 - Centro - Jaú Telefone (14) 3624 2194 Rua 7 de Setembro, 1090 – Centro – Bariri Telefone (14) 3662 0849

Empório Cervisia Já imaginou um lugar onde você encontra mais de 100 rótulos de cervejas, além de 50 estilos diferentes e mais de 15 nacionalidades? Este lugar existe e tem nome: bem-vindo ao Empório Cervisia! Lá você encontra as mais premiadas e consagradas cervejas brasileiras, alemãs, belgas, inglesas e de vários outros países. E que tal experimentar uma cerveja feita com ingredientes inusitados como pimenta, chocolate, cereja, cana-de-açúcar, mel ou até mesmo café? No Empório Cervisia você encontra bebidas únicas e especiais como essas, além de várias outras opções como cidras, licores e cachaças. Taças e copos exclusivos e diferenciados, que combinam perfeitamente com cada tipo de cerveja e deixam a sua degustação ainda mais saborosa. Se você está pensando em comprar um presente diferente e original, visite o Empório Cervisia. Aproveite e descubra o prazer de saborear uma cerveja especial. Jaú Shopping - Piso Superior Telefone: (14) 3416-9151

emporiocervisia emporio_cervisia


Imagem: Internet

Nutrição

Saudável, instigante e gostoso Preparar diariamente o lanche escolar com alimentos nutritivos e que agrade as crianças é uma tarefa árdua. Para unir o útil ao agradável é preciso criatividade e jogo de cintura TextoTamara Urias

A

s aulas já começaram e junto vem um dilema: o que enviar de lanche? É comum ver mães se descabelarem para conseguir unir uma alimentação balanceada e que agrade ao paladar dos pequenos. Afinal, o lanche é assunto sério, já que é ele que fará com que a criança não permaneça por longos períodos sem a ingestão de alimentos e este item tem papel fundamental no processo de crescimento e qualidade 60 Revista Energia

de vida. A criatividade também tem papel importante para que as crianças adquiram o hábito de uma alimentação saudável. “Neste período as crianças estão crescendo a todo vapor e necessitam de um aporte adequado de nutrientes para que esse desenvolvimento ocorra de forma saudável”, ressalta a nutricionista Danielle Fernando Pressutto, 29. Além disso, como a oferta de alimentos ricos em gorduras e açucares é alta, a obesidade infantil vem crescendo em gran-


de escala e a alimentação escolar tem influência direta nisso. “Sabe-se que uma criança obesa tem 80% de chance de se tornar um adulto obeso”, salienta.

Danielle Fernando Pressutto

Foto: Douglas Ribeiro

Na lancheira O ideal é que diariamente a lancheira contenha alimentos de todos os grupos alimentares, porém, sabemos que nem sempre fica viável por conta da falta de refrigeração. “Com as altas temperaturas, alguns alimentos que necessitam de refrigeração como frios, queijos e iogurtes são contraindicados, já que podem estragar com facilidade”. Em função disso, a nutricionista sugere como alternativa que se envie uma boa fonte de carboidrato, fruta e suco. Para evitar problemas com o não gostar de frutas e legumes, o recomendado é que os pais comecem a oferecer alimentos saudáveis para as crianças desde muito cedo, no período em que se inicia a alimentação complementar. Mas para as crianças que já consomem esse tipo de alimento o trabalho é mais difícil e requer paciência. “Os pais exercem papel fundamental na educação alimentar, assim como escola e professores, que devem orientar quanto à mudança de hábito. É possível negociar com criança, abrindo mão de um dia na semana para alimentos menos saudáveis. Várias escolas já estabeleceram um dia para isso”, diz.

Cuidado em dobro Algumas crianças precisam de atenção especial, já que possuem algum tipo de alergia. Para as celíacas, a dica é manter as sugestões abaixo, porém, os carboidratos devem ser adaptados. Use biscoito de polvilho, biscoitos sem glúten (à base de fubá ou farinha de arroz), bolo de maçã, chocolate, coco, aipim, laranja (sem glúten). “Os pais devem ter atenção redobrada na escolha dos alimentos e verificar sempre o rótulo!” Ela ainda acrescenta que a aveia não contém glúten, mas pode ter sido contaminada no processo de plantio, então recomenda-se evitar o consumo de alimentos que a contenha. Para crianças com alergia à lactose, o melhor seria preparar a refeição em casa, escolhendo receitas que não utilizem o leite como ingrediente. No caso de adquirir um produto industrializado, olhe atentamente o rótulo. “Ele não pode contar leite ou traços de leite”. Uma receita fácil e rápida dada pela nutricionista é o bolo de banana. Para o seu preparo, basta adicionar 4 ovos, 2 xícaras de açúcar mascavo, ½ xícara de óleo de canola, 3 bananas nanicas. “Bata-os até obter uma massa homogênea. Adicione a aveia aos poucos e bata mais um pouco. Por último, coloque o fermento. Asse em forno médio (180º)”. Para a criança diabética, Danielle sugere que use sempre o carboidrato integral, ou seja, uma fruta, um suco, mais uma castanha! “A oleaginosa, nesse caso, é essencial para ajudar a controlar os níveis de glicemia”. Cada criança tem uma necessidade energética diferente, por isso, para obter informações detalhadas sobre tipo de alimentos e quantidade ideal para seu filho recomenda-se procurar uma nutricionista.

Imagem: Internet

Michelle Fernanda Nicola e Victor Nicola de Abreu

Foto: Douglas Ribeiro

Instigando o consumo No Brasil, por ser um país tropical, o leque de frutas, verduras e legumes é grande, mas para haver o consumo é preciso estimular o paladar dessas crianças oferecendo tudo o que for possível. Outro item importante é que as crianças imitam os hábitos dos adultos, portanto, o primeiro exemplo tem que partir dos pais, que também devem fazer a ingestão de frutas, legumes e sucos. “É possível brincar com os alimentos, fazer formas, desenhos no prato para estimular a criança a comer. Mas é preciso muita paciência”, reconhece. O mais saudável é sempre optar por alimentos naturais, mas na compra de sucos industrializados, por exemplo, prefira aqueles que contenham o mínimo de aditivos alimentares (corantes, aromatizantes, espessantes) para isso, leia o rótulo! “Os sucos de frutas integrais, néctar ou água de coco geralmente são os melhores”, afirma.

Equilibrando o cardápio Mãe do gracioso Victor Nicola de Abreu, 5, matriculado no Jardim II, a cabeleireira e manicure Michelle Fernanda Nicola, 32, diz que não tem dificuldades em preparar o lanche, já que o menino é receptivo com frutas e legumes. Diariamente ela insere na lancheira uma fruta, um carboidrato e suco. “Em casa ele come vários tipos de fruta, mas para levar ele pede que seja maçã picadinha ou uva, já que diz que é mais fácil para comer”. Revista Energia 61


dele estudar em escola pública, pois nem todas as crianças têm condição de levar o lanche que geralmente envio, sendo assim, procuro mandar coisas mais simples para que os amiguinhos não fiquem com vontade”. A lancheira sempre contém uma bisnaguinha com presunto e queijo ou manteiga; um suco, uma garrafinha de água, um bolinho e uma fruta que pode ser maçã, morango ou mamão picado, porém, ele geralmente consome tudo, exceto as frutas. Como Pietro não tem o hábito de comer frutas, toda vez que Tatiana as envia, elas retornam junto com a lancheira ao final da tarde. Para tentar mudar isso, ela o incentiva a consumi-las, usando a criatividade, mas acrescenta que é uma tarefa árdua. “Talvez, se a escola pública oferecesse uma alimentação adequada, proibindo levar lanches de casa e lá incentivassem as crianças a consumirem o lanche com frutas e outros mais nutritivos, acredito que a nossa parte em casa seria um pouco mais fácil, mas dentro de uma escola em que é opcional levar o lanche ou não, fica bem difícil esse controle e incentivo”. Para conservá-los, Tatiana sempre envolve os alimentos em papel alumínio e os coloca em um utensílio vedado. “A água eu mando eu uma garrafinha térmica, que conserva sua temperatura; o suco sempre é em temperatura ambiente; já as frutas são lavadas e as envolvo em plástico filme para melhor acondicioná-las”, finaliza.

Para ele não enjoar e voltar com o lanche para a casa, Michelle conta que procura sempre variar nas opções. “Tem dias que envio pão de cenoura com iogurte ou requeijão, outro dia envio bisnaguinha ou bolinho comprado no supermercado. Também intercalo os sabores dos sucos de caixinha com os naturais e de polpa”. A água fresquinha também não pode faltar. Para conservar o lanche, principalmente no verão, ela conta que coloca o suco com algumas pedras de gelo. “O lanche eu embrulho em papel toalha e coloco dentro de um recipiente com tampa. Não sei se é ideal, mas foi a forma que encontrei de conservá-los”.

Tatiana Gruzdiv, Pietro Gruzdiv Correa e José Roberto Correia 62 Revista Energia

Foto: Arquivo Pessoal

As frutas sempre voltam A bacharel em Direito Tatiana Gruzdiv, 39, mãe de Pietro Gruzdiv Correa, 5, que estuda no Jardim II, conta que ao iniciar o ano a dúvida é sempre a mesma: o que enviar para o filho. “Primeiro, por não saber a temperatura de onde ficam as lancheiras, mas também pela preocupação em relação ao fato

Opte pelos saudáveis Para um cardápio equilibrado, Danielle indica os alimentos listados abaixo: Frutas frescas ou secas: banana, maçã, pera, ameixa, pêssego, uva, mamão, goiaba, abacaxi picadinho, manga, melancia, morango. Bebidas: suco de frutas ou água de coco. Pães e biscoitos: prefira sempre a versão integral: bisnaguinha, biscoito salgado ou doce, palitinho salgado, torradinha, barra de cereais, bolo sem recheio. Recheios: geleia de frutas (sem açúcar) Oleaginosas: castanha do Pará, castanha de caju, nozes. 


Trabalho e 1 Previdência Por Giovanni Trementose

empresarial@revistaenergiafm.com.br

Pensão por morte: novos requisitos A MP 664/2014 que altera a Lei 8.213/91 trouxe significativas mudanças na legislação previdenciária, principalmente no que concerne ao benefício de pensão por morte

A

partir da vigência da nova MP passarão a se exigir do beneficiário vários novos requisitos. Será exigida, a partir de 01/03/2015, carência de 24 contribuições para a concessão da pensão por morte como regra geral, salvo algumas exceções legais. Para a concessão do referido benefício, o casamento ou união estável deverá ter ocorrido há mais de dois anos imediatamente anteriores ao falecimento do segurado instituidor, da mesma forma, ressalvada algumas exceções. Vale frisar que a vigência do deste último requisito, deu-se quinze dias após o advento da MP, ou seja, em 14/01/2015, somente se aplicando aos óbitos verificados a contar desta data. A pensão por morte era paga no mesmo valor da aposentadoria que o segurado recebia, ou daquela a que teria direito se estivesse aposentado por invalidez na data de seu falecimento. Entretanto, mais este aspecto foi alterado, determinando-se que “o valor mensal da pensão por morte corresponde a 50% do valor da aposentadoria que o segurado recebia ou daquela a que teria direito se estivesse aposentado por invalidez na data de

seu falecimento, acrescido de tantas cotas individuais de 10% do valor da mesma aposentadoria(...) limitadas a cinco”. Para cônjuges, companheiros e companheiras, a pensão passou a ser temporária ou vitalícia, a depender da expectativa de sobrevida do dependente aferida no momento do óbito do instituidor segurado. A expectativa de sobrevida será obtida a partir da Tábua Completa de Mortalidade - ambos os sexos - construída pelo IBGE, vigente no momento do óbito do segurado instituidor. Para que seja definitiva a pensão por morte é necessário que o dependente, no dia do óbito do segurado, possua uma expectativa de sobrevida de até 35 anos. Caso a expectativa do dependente supere 35 anos, será concedida a pensão por morte temporária, de acordo com a tabela instituída. A nosso entender, as alterações são um verdadeiro retrocesso na proteção previdenciária, mas que foram necessárias, segundo informações oficiais, pelos “enormes gastos gerados pela pensão por morte”. Um verdadeiro absurdo! 

Revista Energia 63


Carnaval

festa

Um dos feriados mais aguardados está próximo. Não perca a animação em função de excessos. Aproveite as dicas e bom carnaval!

TextoTamara Urias 64 Revista Energia

Imagens: Internet

Em ritmo de


0

balancê, balancê/Quero dançar com você/Entra na roda, morena, pra ver/Ó balancê, balancê”. Os foliões de plantão já devem estar com esta e outras marchinhas na cabeça, afinal, estamos há poucos dias da maior festa a céu aberto do mundo, o carnaval. Diversão é a palavra chave, mas para que tudo corra bem é preciso estar atento a alguns itens. Confira as dicas da Energia, que organizou um “guia prático de sobrevivência” para que você se divirta com alegria e guarde somente boas lembranças deste período. Hidratação As altas temperaturas estão constantes e nutricionistas indicam que a hidratação seja feita com frequência. Manter o corpo hidratado é importante para quem quer ter disposição e pique para todas as noites. Ela pode ser feita através de água, água de coco e sucos de frutas, que por possuírem frutose (açúcar natural) ajudam a repor a energia gasta, impedindo que ocorra uma hipoglicemia. Lembre-se que a garrafinha d´água deverá ser seu par constante.

Bota camisinha Nesta época tudo pode ser festa, mas a sua saúde não pode ficar em segundo plano. Tenha sempre preservativo na bolsa. O assunto pode parecer batido, mas as doenças sexualmente transmissíveis como sífilis, Aids, gonorreia e herpes estão aí, e a camisinha previne a transmissão. Mas não é só através da relação sexual que se pode adquirir doenças, a mononucleose infecciosa e a herpes labial são transmitidas pelo beijo. Então, nada de apostar quem beija mais na noite. Todo cuidado é pouco A associação de bebidas alcóolicas com volante resulta em graves acidentes. O endurecimento da Lei Seca já reflete resultados positivos nas rodovias, mas o ideal está longe de ocorrer. Para evitar tragédias, que tal um amigo sóbrio ficar encarregado de ser o motorista da rodada? Nesta época também não é incomum pessoas viajarem para praias, lagos e cachoeiras; em função disso, dados mostram que o número de pessoas vítimas de afogamento cresce. Para não estragar seu carnaval, fique atento, respeite as placas de sinalização e lembre-se de aplicar protetor solar durante o dia.

Álcool com responsabilidade Entre uma marchinha e outra, uma cerveja geladinha pode ser bastante convidativa. Tudo bem, mas lembre-se que as bebidas alcoólicas são diuréticas, portanto, o ideal é que a intercale sempre com água, assim efeitos negativos como a ressaca poderão ser mais brandos. Uma boa forma de evitar acordar com uma tremenda dor de cabeça é alimentar-se bem antes de sair de casa. Que tal fazer um lanche reforçado?

Respeite o seu corpo Para aproveitar o feriado, lembre-se que seu corpo precisa repor as energias, portanto, o corpo necessita de descanso para se regenerar. Descanse de seis a oito horas por dia, se isso não for respeitado em poucos dias seu corpo apresentará cansaço e esgotamento. Foco na alimentação Faça uma refeição que contenha carboidratos, verduras e legumes. Se preferir, leve uma barrinha de cereal na bolsa. Dispense alimentos gordurosos e porções pesadas, que podem causar sonolência e indigestão. Você não quer isso, não é? Estilo e conforto Use roupas leves e calçados confortáveis para aguentar as altas temperaturas, seja no clube ou atrás do trio elétrico. Celulares e documentos devem ser levados nos bolsos ou em bolsas que fiquem presas ao corpo para não serem perdidos nem roubados.

Revista Energia 65


Tecnologia 1

Por Natália Fernanda Marques Martinez

tecnologia@revistaenergiafm.com.br

Pegou vírus? E agora? O nome é o mesmo dos agentes causadores de doenças infecciosas, os vírus. No caso do computador, no entanto, esse organismo não é biológico e sim eletrônico

O

motivo pelo qual alguém lança um vírus pela internet é uma questão importante. Pode ser simplesmente uma brincadeira sem graça para apagar arquivos e alterar o sistema operacional do usuário infectado, ou roubar informações sigilosas. O tipo de vírus mais comum é o chamado “trojan bancário”, feito para pegar dos computadores alheios informações de contas bancárias e de cartões de crédito. Por isso é importante sempre fazer operações ou compras online em sites com certificado de segurança. Os que têm essa proteção a indicam, normalmente, no fim da página. Há muitos tipos de vírus, os mais conhecidos são os simples, que infectam programas e arquivos e são normalmente ativados quando o usuário clica em algum link de internet ou programa executável (aqueles de terminação .exe). Outro tipo é o cavalo de troia, também conhecido como trojan (trojan horse), que parece ser um programa útil, um jogo, por exemplo, mas que na verdade é usado para roubar senhas. O terceiro tipo bastante comum é o worm, mais prejudicial que

66 Revista Energia

os outros vírus, pois consegue se multiplicar sozinho e ampliar a infecção para outros computadores via internet. Quem desenvolve esses vírus são pessoas com grande conhecimento em programação e sistema operacional de computadores. E, por incrível que pareça, existe um comércio de vírus pela internet, principalmente aqueles para roubo de senha de banco e cartões.

Todos os dias aparecem cerca de 1.400 novos vírus, e as empresas mal dão conta de produzir antídotos para todos É, portanto, uma batalha difícil de ser vencida, já que todos os dias há novidades em vírus. Por isso, o melhor é prevenir, trocando sempre as senhas de e-mail e de sites bancários, e atualizando constantemente seu antivírus.


Informe Publicitário

24 horas

Na hora que seu Pet precisar!

O

Pronto Socorro CEVET agora é 24 horas. Com uma estrutura fantástica, comparado aos maiores centros veterinários do país, o Pronto Socorro Cevet tem todos os serviços com muito conforto e segurança para seu animal. Profissionais capacitados e com mais de 15 anos de experiência estão sempre de prontidão para atender seu pet com o maior carinho e dedicação. No Cevet você encontra todos os serviços como Cirurgias, Acupuntura, Vacina, Raios X, Cardiologia, Fisioterapia Veterinária, Exame Laboratorial, Exame Patológico, Tratamento Odontológico, Anestesia Inalatória (maior segurança para o animal), entre outros. Serviço de urgência permanente, disponível no momento em que mais precisar.  Consultas de Clínica Geral  Medicina Comportamental  Ortopedia e Oftalmologia  Vacinas  Laboratório de Análises  Radiologia  Cirurgia Geral Veterinária  Cirurgia Ortopédica e Traumatologia Veterinária  Hospitalização (acompanhamento veterinário 24 horas)  Hospedagem  Serviço de Taxi para Animais  Banhos e Tosa  Pet Shop e Farmácia veterinária

Revista Energia 67


68 Revista Energia

Revista Energia 54  

A Revista Energia é uma publicação mensal da Rádio Energia FM. Garanta seu exemplar, gratuitamente, nos pontos de retirada: Posto São João e...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you