Page 1

Distribuição gratuita - Venda proibida

Jaú - Ano 5 | Edição 45 | Mensal - Maio 2014

ARKUS tecnologia criativa

Perfil Henrique Garcia inovação Ursinho Elo gente fina Fabianne Mendes Uma mulher de garra


2 Revista Energia


Revista Energia 3


Homenagem

Mãe. “São três letras apenas, as desse nome bendito: Três letrinhas, nada mais. E nelas cabe o infinito”, disse Mário Quintana. Como forma de homenagear quem tem o dom de curar, amar, proteger e dar a vida, a Revista Energia selecionou três histórias regadas de amor, superação, diversão e boas lembranças

4 Revista Energia


Silvana Pracuccio, 51, do lar, mãe de Fábio, 21, e Flávia, 9.

Fotos Leandro Carvalho

...

D

entre muitos momentos vividos quando se é mãe, há dois hilários que marcaram a minha vida. O primeiro aconteceu quando eu ainda morava perto do Cano Torto. Na época meu filho Fábio tinha um ano e meio, minha mãe veio nos visitar e fomos passear na praça, no entorno do rio. Enquanto eu e minha mãe conversávamos, meu filho colocou a cabeça naquele vão de cimento que até hoje existe em volta da praça. Eu entrei em desespero, comecei a puxá-lo, mas ele estava entalado e chorando. Minha mãe estava nervosa e eu não sabia o que fazer, pensava em chamar os bombeiros, mas não tinha nem telefone e ao mesmo tempo pensava que se os bombeiros viessem iriam serrar e poderiam machucá-lo. Minha mãe, com toda calma e jeitinho, conseguiu tirá-lo dali. Mesmo após 20 anos, acredito que ficou marcado este fato, porque até hoje ele não passa perto da ponte. A segunda situação aconteceu quando eu já tinha a Flávia, minha segunda filha. O Fábio, estava com doze anos e ela com uns dez meses. Eu estava na cozinha fazendo comida enquanto eles brincavam na copa. De repente ouvi um barulho e o choro dela. Saí correndo para ver o que tinha acontecido. O Fábio falava: mãe eu não fiz nada e chorava. Quando olhei para a Flávia e percebi que ela estava com um galo na testa, comecei a gritar: pega a faca Fábio, pega a faca. Ele assustado dizia: mãe não me mata, eu não fiz nada, eu juro. E eu gritei não é para você, é para a Flávia. E ele chorando ainda mais, falava: não mãe, você vai matar ela? Aí expliquei que quando a gente cai e forma um galo, é só passar a faca em forma de cruz que o galo diminui. Até hoje quando nos lembramos deste fato é só gargalhada.

Revista Energia 5


H

á dois anos a Letícia teve uma síndrome que me deixou sem chão. Escola nem pensar, catequese era a pior coisa de todas, só chorava e ficava o tempo todo atrás de mim, dizendo que sentia muito medo. O choro nunca cessava e eu já em desespero procurei ajuda médica, na verdade, várias, mas nada dela melhorar. Até para tomar banho eu tinha que ficar com ela. Isso dói muito para uma mãe! Sofremos juntas, eu a acompanhei até a escola inúmeras vezes e nunca desisti, jamais desistiria! Certo dia a levei em Dourado, voltei no outro dia e no terceiro, com a minha fé e ela de joelhos no chão, o Padre José impôs suas mãos abençoadas sobre a Letícia. Naquele momento senti um alívio imediato. No dia seguinte eu não achava a Letícia, ela estava brincando na casa da amiga. Sim, ela estava curada! Descobrimos que ela teve Síndrome do Pânico devido ao amor que sente pela irmã, e quando a Marina foi estudar fora ela se sentiu só e ocasionou isso. Letícia é uma filha maravilhosa, uma benção em minha vida e nos ensinou muito, principalmente que é preciso ter fé e que Deus existe.

Gilmara Mori Martini, 38, do lar, mãe da Marina, 17, e Leticia, 13.

6 Revista Energia


A

os seis anos de idade sofri um acidente de carro junto com meu pai, vindo na rodovia sentido Bauru-Jaú. A porta do carro abriu e eu saí rolando na pista, sendo que bem próximo, atrás de mim, vinha um caminhão de cana carregado e que estava no mesmo sentido, e eu continuava a rolar ladeira abaixo. Com esforço consegui parar a tempo e saí da pista. Sofri escoriações no corpo inteiro, mas o mais interessante é que no momento da queda minha mãe, que estava trabalhando, pressentiu algo ruim. Meia hora depois meu pai ligou e contou o que tinha acontecido. Sem pensar ela saiu do trabalho, nem mesmo pediu ao patrão. Quando ela me viu naquele estado ficou apavorada e me trouxe até o pronto-socorro. Esteve o tempo todo ao meu lado durante o a limpeza dos machucados com álcool, quando eu gritava de dor, pois ardia muito. Em casa ela contou ao meu pai que previu que algo ia acontecer e sentiu-se mal. Bem que dizem que pressentimento de mãe é certeiro. Tenho orgulho dela, todos falam que nos parecemos muito e chegam a perguntar se somos irmãs!

Nádia Luana Rossin, 19, estudante de Jornalismo, filha de Nilma Aparecida Franco Rossin

Revista Energia 7


8 Revista Energia


Editorial

O que nos impulsiona

Ano 5 – Edição 45 – Jaú, Maio de 2014 Tiragem: 10.000 exemplares Revista Energia é uma publicação mensal da Rádio Energia FM Diretora e Jornalista responsável Maria Eugênia Marangoni mariaeugenia@radioenergiafm.com.br MTb. 71286 Diretor artístico: Márcio Rogério rogerio@radioenergiafm.com.br Fotografia, Produção Fotográfica, Projetos Especiais, Direção e Revisão de Diagramação: Leandro Carvalho foto@revistaenergiafm.com.br

A

vida é energia em movimento. E energia é o que nos impulsiona a realizar sonhos e trabalhar da melhor forma possível na direção de nossas metas. E como colocamos muita energia positiva em tudo aquilo que desenvolvemos, o produto final é sempre gratificante. Assim, esta edição chega até você com matérias que vão emocionar, surpreender e provocar grandes reflexões.

Revisão de textos: Heloiza Helena C. Zanzotti revisao@revistaenergiafm.com.br Criação de anúncios: Well Bueno arte@revistaenergiafm.com.br Repórteres Heloiza Helena C. Zanzotti heloiza@radioenergiafm.com.br Marcelo Mendonça marcelo@radioenergiafm.com.br Tamara Urias tamara@revistaenergiafm.com.br

Quando encontramos novas habilidades dentro de nós, criamos novos modos de ser e novas maneiras de ver as coisas. Veja como é possível mudar resultados, quando você investe em autoconhecimento.

Diagramação Junior Borba (14) 99749.6430 Projeto gráfico: Revista Energia

Colunistas Alexandre Garcia Brenda Ruffo Carlos Alexandre Trementose João Baptista Andrade Marcelo Macedo Professor Marins Ricardo Izar Jr. Wagner Parronchi Comercial Jean Mendonça Joice Lopez Moraes Sérgio Bianchi Silvio Monari

Impressão: Gráfica São Francisco Distribuição: Pachelli Distribuidora

Foto: Cláudio Bragga

Social Club social@revistaenergiafm.com.br

Emocione-se com as histórias de esperança do Ursinho Elo, um brinquedo que aliado à tecnologia, minimiza o sofrimento das crianças em tratamento contra o câncer. Dos efeitos que o uso intenso da internet provoca em nosso cérebro, ao comportamento de quem deixa frequentemente suas tarefas para depois, entenda que tudo é mesmo uma questão de disciplina. Esta edição traz ainda o guitarrista Henrique Garcia no Perfil, e Fabianne Ferreira Mendes é nossa Gente Fina. E como nossa energia não para, vem aí mais um sucesso: o caderno especial Casa e Construção, na próxima edição da RE. Ótima leitura.

Revista Energia Rua Quintino Bocaiúva, 330 | 2º andar CEP: 17201-470 | Jaú - Fone: (14) 3624-1171 www.energianaweb.com.br Elogios, críticas e sugestões leitor@revistaenergiafm.com.br Quero anunciar comercial@revistaenergiafm.com.br

Maria Eugênia

A Revista Energia não tem responsabilidade editorial pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, anúncios e informes publicitários.

Revista Energia 9


NESTA EDIÇÃO

04 Homenagem 20 Profissão 30 Comportamento 36 Evolução 49 Beleza 62 Tecnologia 66 Inovação 74 Autoconhecimento 82 Internet

ÍNDICE

SEMPRE AQUI

12 Perfil 14 Radar 16 Jurídico 18 Pense Nisso 22 Raça do Mês 24 Gente Fina 34 Garota Energia 38 Capa 44 Quem Fez Jahu 45 Look de Artista 50 Varal 52 Escolha Certa 54 Fitness 56 Social Club 70 Boa Vida 71 Guia da Gula 72 Vitrine 81 Vinhos 85 As 5+ 86 Trabalho e Previdência 90 Entre Aspas

Nossa capa: Arkus Foto:Leandro Carvalho Arte: Arkus Locação: Fonseca Fotografias Agradecimentos: Fonseca Fotografias Produção Gráfica: Junior Borba

34 Garota Energia

24

Gente Fina “uma mulher de garra”

Distribuição gratuita - Venda proibida

Jaú - Ano 5 | Edição 45 | Mensal - Maio 2014

ARKUS tecnologia criativa

PERFIL Henrique Garcia INOVAÇÃO Ursinho Elo GENTE FINA Fabianne Mendes Uma mulher de garra


Revista Energia 11


Perfil Perfil

12 Revista Energia


Músico de

Profissão O Perfil traz o produtor e guitarrista Henrique Garcia. Além de já gravar com nomes nacionais, o músico trabalha com um dos produtores mais requisitados do momento

Texto Marcelo Mendonça Foto Leandro Carvalho

N

ão importa entrar em estúdio às sete da manhã e passar o dia e a noite trancafiado em busca do som perfeito, da gravação com a melhor qualidade; é quase um caminho sem volta para um guitarrista dedicado e apaixonado pela música. Henrique Garcia, 30, começou tocando na Igreja e fez desse período um processo de amadurecimento e gosto pela arte. “Na época ainda trabalhava com calçado e aos 18 anos decidi viver só de música, dando aulas, estudando com professores aqui da cidade como Fabio Lopes e Luizinho Felipe, e produzindo alguns artistas da região. Depois estudei em São Paulo, no EM&T (Escola de Música e Tecnologia), e foram quatro anos de estudos e conhecimento do instrumento”.

Talento reconhecido O início das produções, ainda aqui em Jaú, se estendeu e o trabalho do guitarrista jauense foi parar nos ouvidos de um dos maiores produtores da música, Dudu Borges. “Hoje é o nome mais forte da música sertaneja, produzindo Jorge e Mateus, Fábio Júnior, Bruno e Marrone, dupla com a qual eu gostaria de tocar”. Com Dudu, o músico fez recentemente a gravação das guitarras do D.V.D do cantor Lucas Lucco, sucesso nas rádios com o hit “Mozão”, que será lançado no mercado em breve, e gravou também a nova canção da dupla Guilherme e Santiago.

Influências Quando você pensa em um guitarrista, logo imagina um som de rock and roll, mas no caso de Henrique não foi somente com esse estilo que ele procurou sua formação profissional. “Acho que minhas influências vinham de todos os gêneros, na verdade de Planet Shakers a Aviões do Forró, o pessoal até ria, mas no final foi importante, é bom ouvir de tudo e estar antenado com as novidades independente do gênero, isso facilitou muito para mim e acho que por isso meu trabalho foi bem recebido”.

Muito trabalho e novos projetos Henrique tem uma rotina agitada. Ele passa dias em São Paulo, gravando, e ainda viaja para o Rio onde toca com a cantora gospel Cassiane, percorrendo todo o Brasil. “Mesmo viajando tanto ainda não consegui me mudar de Jaú, não consigo morar em outro lugar; fico dois, no máximo três dias e viajo de novo, prefiro assim”.

Se eu pudesse dar um conselho para quem sonha em ser um guitarrista, diria: ouça de tudo um pouco, busque influências de todos os lados e tire seu próprio som O guitarrista está envolvido em diversos projetos de artistas consagrados e novas promessas. Entre esses, o fenômeno da internet Gabi Luthai, que grava cover tocando violão e vai lançar agora seu primeiro trabalho próprio. Trabalho, aliás, é o que não falta para Henrique. “Ontem entrei em estúdio às sete da manhã e saí às cinco da madrugada, gravando duplas sertanejas e músicas gospel; nem vejo o tempo passar”. Casado com a primeira namorada e com quatro filhos, Fernanda, 2; Gabriela, 3; Isabela, 4 e Gabriel, 6, que já aprende música no projeto Guri. Exemplo em casa e apoio do pai é que não vai faltar.  Revista Energia 13


Radar

Boa

Por Alexandre Garcia

A copa e o copo Comerciantes não pretendem aumentar o estoque, nem contratar mais funcionários, e muito menos enfeitar as lojas com as cores da seleção brasileira

A

praticamente um mês da abertura da Copa, o SPC (Serviço de Proteção ao Crédito) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas fizeram uma pesquisa entre pequenos empresários de sete, das doze capitais que vão receber jogos. Descobriram que 63% dos comerciantes, ou seja, dois em cada três, não pretendem aumentar o estoque nem contratar mais funcionários, e muito menos enfeitar a loja com as cores da seleção brasileira. Para eles não haverá oportunidades de venda por causa do certame de futebol. Confesso que essa mesma ausência de entusiasmo eu constato em todas as pessoas com quem me relaciono, embora isso não seja uma amostragem segura. As pessoas, com aquele espírito das manifestações de junho, se perguntam em quanto isso vai ajudar, a não ser a FIFA. É um grande evento comercial que prioriza o futebol e desvia dinheiro que poderia estar sendo empregado em saúde, educação, estradas e em outras atividades que realmente sejam perenes e estimulem o crescimento. Ganhamos segurança, dirão alguns. Sim, segurança para a Copa, como foi para os jogos pan-americanos no Rio, ou a Copa das Confederações no ano passado. De lá para cá as estatísticas de sequestros, assaltos e homicídios continuam inflando.

Mas temos os aeroportos reformados. Independentemente de Copa, nossos aeroportos estavam - e estão - defasados, atrasados, antiquados, sem acompanhar o ritmo da demanda no país, sem sistema ferroviário de passageiros. Sejam bem-vindos os aeroportos modernizados. Pena é que a atividade econômica pode ser prejudicada com paralisações nos dias dos jogos, sem contar a suspensão de aulas nas escolas. Lembro-me da Copa de 1950, em que nada parava no Brasil. Nem mesmo os campeonatos regionais de futebol. Na final entre Brasil e Uruguai, eu estava ao lado de meu pai, que transmitia um jogo da segunda divisão em Lajeado. O próprio público já manda avisos. No Rio de Janeiro, o campeonato estadual deste ano teve uma média de 2.509 pagantes por partida. Enquanto isso, a reforma do Maracanã - o ícone do futebol brasileiro - orçada para R$ 705 milhões, ficou em R$ 1,2 bilhões. Na capital do país, onde se gastaram R$ 2 bilhões para reconstruir um estádio orçado em R$ 600 milhões, a média de pagantes no campeonato local é de 1.025 por partida. Um dos jogos chegou a ter nove pagantes - havia mais jogador em campo do que público nas arquibancadas. Nesta semana a FIFA reabriu a venda de ingressos para a Copa - sinal de que ainda tem muita cadeira vazia. Mas como a bola já está em campo, agora é tudo fazer para conseguir tirar proveito do evento. 


Revista Energia 15


Jurídico

Por Wagner Parronchi juridico@revistaenergiafm.com.br

Estabilidade gestante para o homem

E

Para, para, para tudo! Ficou maluco? Como assim, estabilidade gestante para o homem?

sse seria o espanto com que muitas pessoas receberiam essa notícia há alguns anos. De fato ainda não é uma realidade, porém, hoje é possível cogitar essa possibilidade. A estabilidade gestante está prevista na Constituição Federal no artigo 10, II,“b” dos Atos das Disposições Constitucionais Transitórias, pelo qual fica vedada a dispensa sem justa causa “da empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto”. Historicamente, referido dispositivo era interpretado como uma proteção em primeiro plano à trabalhadora gestante, deixando para segundo plano o feto, motivo pelo qual se admitia a dispensa arbitrária ou sem justa causa nos contratos de experiência e no aviso prévio. Mas esse cenário mudou, e passou-se a entender que o objetivo da norma era justamente o de proteger o feto, e não a trabalhadora propriamente dita, promovendo uma gestação mais tranquila com a manutenção do emprego, livrando a mulher do estresse e preocupações, permitindo que pudesse prover seu sustento e o da criança por um determinado período. Com isso, até mesmo em caso de gravidez nos contratos de experiência, ou no período do aviso prévio, passou-se a garantir à gestante a estabilidade provisória, uma vez que se lança o olhar à proteção da criança que se forma, garantindo a esta uma gestação tranquila. Com esse entendimento questões antes discutidas caem por terra como, por exemplo, o conhecimento ou não da gravidez pelo empregador, ou se são necessários ou não motivos para não aceitar de volta o emprego, podendo a mulher optar por receber a indenização correspondente.

Assim, se o objetivo da norma é proteger a criança que está por vir, por que não aplicá-la ao homem que provê, mesmo que com a ajuda da companheira, o sustento de sua família? Do mesmo modo que uma gestante trabalhadora que perde o emprego também perde o sossego, a futura mamãe que depende exclusivamente ou não do companheiro para prover uma gravidez tranquila se afligirá com as inseguranças do desemprego de seu cônjuge, sem contar as necessidades básicas e especiais deste período e nos primeiros meses do recém-nascido. Muitos devem estar questionando: mas a norma não diz “empregadA”? Então, como aplicá-la ao homem? E eu respondo com outra pergunta: qual lei permitiu a união estável e o casamento entre pessoas do mesmo sexo? O artigo 226, § 3º da Constituição Federal diz expressamente que “Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar (...)”. Acontece que o Brasil evoluiu, e hoje se sabe que a norma escrita serve para dar um norte ao aplicador do direito, devendo ser interpretada de acordo com a evolução da sociedade, motivo pelo qual o Supremo Tribunal Federal, mesmo diante de norma expressa na Constituição Federal, garantiu aos homossexuais o direito de ter reconhecida a união estável e, consequentemente, de se casarem. Logo, se o entendimento atual é o de que a norma tem por objetivo a proteção do feto, referido direito pode e deve ser estendido ao marido ou companheiro, independente da existência de norma específica, garantindo plenamente a proteção a que se propõe.


Revista Energia 17


nisso

Pense

Por Professor Luiz Marins

LUIZ MARINS Antropólogo e escritor. Tem 26 livros publicados e seus programas de televisão estão entre os líderes de audiência em sua categoria. Veja mais em www.marins.com.br

O desafio da atenção Vivemos a era da distração. Não conseguimos ter foco!

O

excesso de informação disponível, a facilidade de acesso, os smartphones e as redes sociais, tudo nos tira a atenção, nos distrai, leva nosso pensamento para longe daquilo que estamos fazendo e devemos fazer. Nossa mente vagueia de uma informação para outra, de uma foto para outra, de um vídeo para outro, de uma mensagem instantânea para outra, e aí nos damos conta de que o tempo passou e não fizemos o que deveríamos fazer ou cometemos dezenas de erros pela falta de atenção e concentração em nossa tarefa essencial. Há autores que dizem que durante o nosso trabalho, em mais de 50% do tempo nossos pensamentos viajam para lugares distantes.

A verdade é uma só: é preciso reaprender a atenção, a concentração, o foco Preocupados com esse desafio, empresas e pessoas têm procurado formas de reeducar a nossa atenção. Há empresas como a Google, por exemplo, que oferecem cursos de “mindfulness” (uma forma de exercício de meditação para se concentrar naquilo que está fazendo). Há mesmo universidades famosas como Harvard, MIT, INSEAD, nos Estados Unidos e Europa, que já oferecem cursos que ensinam como se concentrar e dar total atenção ao momento presente. Esses cursos ensinam desde como controlar a respiração até exercícios simples de meditação dos monges orientais e ocidentais como os beneditinos, por exemplo. Mosteiros têm se voltado a ensinar pessoas a prestar atenção ao que estejam fazendo, às pessoas com quem estejam conversando, às leituras que estejam fazendo, etc.

18 Revista Energia

Muitos jovens e adultos se tornaram viciados nas redes sociais e passam o tempo todo reportando, postando, twitando o que estão fazendo, mas não se sentem realmente presentes onde estão. São repórteres de sua vida sem vivê-la com intensidade e foco. Conheço pessoas que não conseguem passar mais de alguns minutos sem checar sua caixa de mensagens, suas páginas nas redes, e vivem num mundo da mais alta distração. É preciso reeducar a atenção! E é preciso reeducar a atenção ao outro, à outra pessoa. Estamos correndo o risco de perder a capacidade de conversar presencialmente. Entro numa lanchonete e vejo vários jovens, todos com seus smartphones na mão “conversando” com pessoas que não estão à sua frente. Vejo almoços de família em que todos se voltam para seus celulares e se despedem sem praticamente conversar. Nas empresas, as pessoas estão perdendo a capacidade de se dirigir ao outro e falar. Muitos problemas poderiam ser resolvidos com uma simples troca de opinião verbal, ao vivo, frente a frente, em vez de dezenas de mensagens que entulham caixas postais e geram desinformação. Faça um propósito de prestar atenção no que esteja fazendo e nas pessoas com as quais esteja conversando. Reeduque a sua atenção e você terá mais motivação e muito mais sucesso, pois aprenderá o valor da atenção e do foco. Pense nisso. Sucesso! 


Revista Energia 19


Oftalmologia A estrutura dos olhos, os mistérios da visão e como os seres humanos e animais enxergam exercem um fascínio sobre você?

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

D

efinido como o ramo da medicina que estuda e trata as doenças relacionadas à visão, à refração e aos olhos e seus anexos, a oftalmologia tem várias subespecialidades como oftalmo-pediatria, plástica ocular, doenças orbitárias, doenças das vias lacrimais, estrabismo, entre outras. A oftalmologia foi um dos primeiros ramos da medicina a ser tratado como especialidade independente. Os antigos egípcios já 20 Revista Energia

se interessavam pela visão, mas a oftalmologia clínica começou realmente com os gregos: Hipócrates e seus alunos estudaram minuciosamente as doenças oculares.

Formação e atuação Um oftalmologista precisa possuir diploma de Medicina, posterior especialização e residência de no mínimo dois anos na área, ou realização de estágio em instituição reconhecida,

Imagem Internet

Profissão


com duração de três anos. Para ser um oftalmologista, além de todo o conhecimento adquirido na faculdade de medicina, algumas características são importantes para a formação de um bom profissional como capacidade de observação, facilidade para lidar com as pessoas, sensibilidade, autocontrole e disponibilidade permanente para o estudo. Para se destacar no mercado a constante atualização e especializações sempre são um diferencial. O médico oftalmologista realiza consultas, cirurgias, prescreve tratamentos e correções para os distúrbios de visão e acompanha a saúde ocular em pacientes de outras especialidades.

Os avanços e o mercado Grandes descobertas se deram principalmente no campo da prevenção de doenças, com a realização de exames regulares e tratamentos precoces de deficiências visuais. Além disso, avanços notáveis como a criação dos bancos de olhos, que possibilitaram os transplantes; novas técnicas microcirúrgicas; métodos de colocação de lentes acrílicas na córnea e as cirurgias corretivas, utilizando ultrassom e raios laser. O mercado de trabalho para o oftalmologista é sempre amplo, e a precariedade da saúde pública faz com que haja constante necessidade de profissionais, assim como a rede particular, com grande demanda, principalmente na área de estudos e pesquisas.

É gratificante Charles Bussab, 46, médico oftalmologista há 20 anos, formado pela USP de Ribeirão Preto e especialista em doenças oculares externas afirma: “A oftalmologia é uma especialidade médica que se beneficiou muito com o avanço de novas tecnologias. Atualmente temos tratamentos curativos ou paliativos para a maioria das doenças oculares. É uma especialidade gratificante, por ter um índice de resolutividade muito alto, assim como é grande a satisfação dos pacientes quando melhoramos sua visão, que é o sentido responsável por mais de 50% das informações que nos chegam do mundo exterior”. 

Charles Bussab

Foto Leandro Carvalho


Raça do mês

Husky Siberiano Por Heloiza Helena C. Zanzotti | Fotos Leandro Carvalho

De olhar cativante e visual único, ele é irresistível

Bruna Arielle de Godoi e Akira

A

pesar da sua cara de lobo, o Husky Siberiano é um cão muito sociável e adora estar na companhia de outros animais ou seres humanos. Divertido, aventureiro, alerta, inteligente, teimoso, travesso e obstinado. Tudo isso descreve bem essa raça marcante e muito ativa, que pode correr quilômetros sem se cansar. Não é um cão de guarda, mas é um caçador nato e pode perseguir e matar gatos, galinhas e outros pequenos animais. O Husky gosta de crianças, é muito asseado e tem muita energia, sendo pouco recomendada a vida em apartamento. Além disso, ama a vida ao ar livre e adora dormir fora de casa. Mais do que latir, ele tem a particularidade de uivar, e embora tenha origem nórdica, adapta-se bem ao clima temperado. A altura dos machos varia de 53 a 60 cm e as fêmeas podem ter entre 50 e 56 cm, sendo que seu peso varia de 16 a 28 kg. De natureza muito independente, fujona e caçadora, são cães cheios de energia, o que pode transformá-los em cães travessos quando não têm espaço para gastar toda sua vitalidade. Quando estão entediados costumam cavar jardins, roer móveis ou mesmo dar uma «escapada» pelos muros e portões. Por esse motivo, criadores sérios recomendam aos futuros proprietários da raça que só adquiram um exemplar se possuírem espaço para ele exercitar-se. O Husky é uma raça saudável e seu pelo precisa ser escovado com frequência. 22 Revista Energia

A pessoa que pretende possuir um Husky deve ter um quintal grande e muita disponibilidade para passear todos os dias A fidelidade desse cão em relação ao seu dono é uma de suas características mais marcantes, pois o Husky pode até mesmo morrer de depressão caso seja fique longe do dono por muito tempo. Bruna Arielle de Godoi, 24, advogada, é a feliz proprietária da Akira, de 1 ano e 4 meses. Ela lembra que Akira foi adquirida em São Carlos, SP, logo depois que sua Rottweiller morreu. “Foi paixão à primeira vista, meu namorado escolheu e juntos decidimos o nome, achamos Akira forte, e caiu feito luva para ela, cheia de personalidade”. Bruna diz que é contra o comércio de cães e a favor da adoção, mas afirma que não resistiu aos olhos azuis da Akira. Ela faz um alerta: “Devido à sua energia, a pessoa que pretende possuir um Husky deve ter um quintal grande e muita disponibilidade para passear todos os dias. Ela gosta muito de correr e outra característica é ser fujona, então, tento sempre mantê-la ocupada, deixando ossos e brinquedos no quintal”. E finaliza: “Para sempre Akira será meu bebê lobo de olho azul! Se você tem um cão dessa raça, jamais terá outro com as mesmas características! 


Informe Publicitário

Agility

Inspirada nas regras do hipismo, essa atividade requer bastante concentração e habilidade

O

Agility começou como uma maneira de entreter as plateias durante os intervalos das exposições caninas e demais competições. O que era para ser apenas um “show do intervalo” acabou fazendo tanto sucesso que se tornou o esporte canino mais praticado no mundo. A Comissão Brasileira de Agility (CBA) é a responsável pela regulamentação dos campeonatos nacionais e pela participação do Brasil em campeonatos internacionais. O esporte proporciona uma relação de confiança, diversão e muito gasto de energia tanto paro o dono como para seu parceiro, e auxilia em problemas de mau comportamento, tirando o stress da rotina. O cão costuma receber o adestramento de obediência também, o que ajuda ensinar a executar os obstáculos e a focar no condutor. Durante uma prova de Agility, o dono deve conduzir seu cão pelo percurso na ordem correta dos obstáculos, sem tocá-lo ou lhe oferecer qualquer tipo de gratificação. O cão, por sua vez, deve obedecer as regras de percurso. O vencedor é a dupla que menos perder pontos. Em caso de empate, é julgado o tempo. Os comandos usados são verbais e corporais (através da movimentação) e qualquer contato físico é considerado uma falta que pode até resultar na desclassificação da dupla. Qualquer cão, de qualquer tamanho, raça (ou sem raça definida) pode participar do Agility, talvez por isso tenha se tornado tão popular. Para que a competição seja justa, o Agility é dividido em 3 categorias:  Categoria Small - para cães medindo menos de 35 cm na cernelha.  Categoria Medium - para cães medindo de 35 cm até menos de 43 cm na cernelha.  Categoria Large - para cães medindo mais de 43 cm na cernelha. Venha fazer uma visita e conhecer nosso Agility. Ligue Cevet (14) 3622.3515 

Diego Salviato - Adestrador Browdog

Quer participar?


Gente Fina

24 Revista Energia


Fabianne Ferreira

Mendes “A princípio tive que provar a mim mesma, depois para as pessoas que trabalhavam comigo, e em seguida para as que estavam ao meu redor que eu era capaz de dar conta de tudo”

Texto Tamara Urias Fotos Leandro Carvalho

Revista Energia 25


I

nicio este Gente Fina com uma frase de William Shakespeare, “Fortes razões, fazem fortes ações”. Talvez você esteja pensando: por que esta frase? Vem comigo, que no caminho eu explico. Natural de Bauru e de família tradicional, Fabianne Ferreira Mendes, 37, é fonoaudióloga, professora de inglês, diretora de escola e há pouco tempo decidiu embarcar na área de eventos. Sempre estudou em colégio de freira e era considerada a princesinha da casa, já que por uma fatalidade a irmã mais velha faleceu. Cresceu na cidade sem limites. Apaixonou-se e casou com apenas 20 anos. O cordão umbilical teve que ser cortado já que, ao lado do marido, faria residência em Jaú. Cheia de idealismo, Fabianne montou um consultório, trabalhou na APAE e em escolas. O tempo passou, ela teve duas filhas, Gabriella, 13, e Julia, 9. Foi cultivando amigos, criando vínculos, raízes, e quando percebeu já era uma jauense nata. Por amor e companheirismo apoiou o ex-marido na campanha política. Após alguns anos, o relacionamento chegou ao fim, e ela mais uma vez teve à frente um leque de escolhas. Decisões, ações, sonhos, surpresas fazem parte desta história e nos mostram que somente fortes razões são capazes de instigar mudanças tão intensas. Ou seja, a vida muitas vezes nos tira para dançar, e aí nos cabe dançar conforme a música ou fazer o próprio ritmo. Como foi ser esposa de deputado? Ficamos juntos durante 13 anos. Por dez anos levamos uma vida totalmente diferente. É interessante como as coisas mudam da água para o vinho, e só quem vive ou viveu tem propriedade para falar. Nos dois primeiros anos do período da política foi o auge, todo mundo é seu amigo, ainda mais por você ser titulada como esposa de deputado. Alguns diziam para mudar o jeito de me vestir. Outros falavam para eu ir morar em Brasília com ele e ainda tinha os que me questionavam sobre eu continuar dando aula sendo a ‘esposa do deputado’. Eu não mudei o meu jeito de ser, talvez isso tenha gerado críticas, mas eu gosto de coisas simples e de ter pessoas verdadeiras ao meu lado, no meu círculo social. Eu quis ficar na escola porque lá era o nosso alicerce, eu deixei a minha família em Bauru e vim para cá construir uma vida, e é aqui que vou ficar. Hoje, quando paro para pensar, agradeço a Deus por ter continuado ali, as coisas infelizmente aconteceram da forma que tinha que ser, mas isso me fortaleceu. Tudo foi bom enquanto durou. Nunca pensou em participar ativamente da política? Muitos perguntam por que não vou para o ramo da política e sempre digo que foi uma parte da minha vida que teve início, meio e fim. Já me convidaram para sair candidata a vereadora e vice-prefeita, mas sempre digo não. A política não é algo que me atrai, na época aceitei estar junto porque meu ex-marido gostava muito. Você vem de uma família tradicional, como foi o processo de separação? Não foi fácil. Recebi muitos valores dos meus pais, dentre eles a importância da união. Por isso, quando começamos a falar sobre separação, cheguei a pensar: a menina certinha vai se separar? Confesso que o medo de magoá-los existia. Neste meio tempo até tivemos uma reconciliação, mas percebermos que não dava mais e a partir daí eu estava certa do que queria, e decidi arcar com as consequências. Mas para permanecer em Jaú eu tinha que pelo menos ter a minha casa, meu trabalho e como nunca saí da escola, na separação eu fiquei com ela. Na época perdi muitos alunos, as pessoas achavam que como ele não estava mais, a escola ia falir. A princípio tive que provar a mim mesma, depois para as pessoas que trabalhavam comigo, e em seguida para as que estavam ao meu redor que eu era capaz de dar conta de tudo. Acha que o bom relacionamento com as filhas tem a ver com o fato de você ter sido mãe jovem? Acredito que tem um pouco disso sim, e também porque elas têm o jeito de ser muito parecido com o meu. Eu gosto de sair, passear e elas são bem assim. Muitas vezes falo em pedir uma pizza em casa e elas já instigam para sairmos 26 Revista Energia


Confesso que morro de medo da solidão

para comer. O bacana é que nós temos o mesmo ritmo e somos muito amigas mesmo. Elas estão sempre cientes das minhas escolhas. Mas vejo que a educação que recebi também influenciou. Meus pais sempre conversaram comigo sobre tudo e eu sempre quis passar isso para elas.

O que é ser mãe? Quando se é criança a gente ouve uma frase e não dá muita importância: “Quando você for mãe, você vai saber”. Ser mãe é um pouco de tudo: amiga, confidente, abraço confortável, entre muitos outros itens, mas acima de tudo também precisa saber colocar limites. Como professora é a mesma coisa. Alguns alunos vêm, pedem conselhos e contam assuntos que muitas vezes nem os pais sabem. Nessa hora eu até brinco e falo ‘ah, então não me conta’. Vejo que minha profissão tem tudo a ver com o ser mãe. Quanto à minha mãe, esta distância causa sofrimento e você vai dizer, mas Bauru é um pulo, mas não dá para ir todo dia, ela tem a rotina dela e eu a minha. Mesmo às vezes tendo pensamentos divergentes, faz falta a presença, a opinião. Uma vez mãe, sempre mãe. Com o passar do tempo a preocupação só vai mudando, mas é um colinho que você vai ter para a vida inteira. Como você faz para conservar o bom relacionamento com o pessoal da escola? Tem gente que comenta que eu sou muito mais coração do que razão. Eu trato as pessoas igualmente, não é porque um é filho de médico e o outro de faxineira que tem diferença. Para mim são iguais - alunos querendo alcançar objetivos. Quanto aos funcionários, sinto que tem pessoas que até nem precisariam estar mais ali pela capacidade, poderiam estar em empresas maiores, mas continuam felizes e satisfeitas. Hoje em dia não está fácil trabalhar, por isso acredito que devemos criar um ambiente gostoso, manter o bom relacionamento fazendo o que gosta é essencial. Eu tenho uma equipe maravilhosa e muito competente, e sei que se precisar ficar fora durante um tempo, o negócio vai andar em todas as áreas que compõem o empreendimento. Eu estou na escola há 16 anos, gosto do que faço e deste tratamento/ relacionamento. Crítica sempre haverá, mas estou feliz desta forma e não vou mudar. Tem um hobby? Algo que não abro mão é de ir à academia. Lógico que tem o lance da vaidade e da saúde, mas vai além, faz bem para o espiritual, lá eu libero as energias. O dia que eu não vou, parece que não rende, fico um pouco estressada. Quando as pessoas me perguntam se faz tempo que eu malho, falo que acho que desde que nasci. Sempre fui uma criança agitada, comecei com o balé, depois foi o jazz e hoje faço aulas de danças. Ah, também adoro estar com amigos, seja num barzinho ou em casa. Adoro este contato. Planos para o futuro? Sou muito sonhadora, então, fico desejando coisas o tempo todo. Crescimento da escola e dos negócios sempre está no pensamento de uma empreendedora. Na área pessoal quero ver minhas filhas estudando e bem encaminhadas. Também quero sempre ter saúde, viajar e poder aproveitar tudo isso ao lado do meu namorado. Pensar em casar novamente, eu não penso. Mas espero não ficar uma velhinha solitária. Confesso que morro de medo da solidão.  Revista Energia 27


28 Revista Energia


Revista Energia 29


Comportamento

Vo “O segredo é descobrir o que te desvia das metas e fazer do clichê ‘não deixe para amanhã o que pode fazer hoje’ um objetivo” - Ludymila

30 Revista Energia


ocê procrastina? O nome até parece um palavrão, mas seu significado traduz o comportamento de se adiar o início ou término de uma tarefa, trabalho, ou tomada de decisão. Saiba até que ponto este comportamento não é prejudicial

Texto Tamara Urias Fotos Leandro Carvalho

V

inda do latim procrastinare, é a união do prefixo pro (encaminhar) e castinus (amanhã), ou seja, se simplificarmos é o famoso ato de adiar ou atrasar a realização de atividades. Hoje em dia, de modo geral, existe a sensação de se ter menos tempo para tudo. E a quantidade de decisões que se toma diariamente também aumentou. Assim, somos bombardeados por novas informações (estímulos), além do que a propagação da tecnologia aumentou o leque de possibilidades, criando novas “necessidades” e instigando um grande número de deliberações e atos imediatistas. Talvez este novo comportamento explique o porquê da procrastinação estar tão presente na vida das pessoas. De acordo com o psicólogo clínico e judiciário Clever Roberto Munhoz, 38, o procrastinar nem sempre deve ser avaliado de forma negativa. Sob outro prisma, pode-se dizer que não se está procrastinando, mas sim priorizando algumas tarefas em detrimento de outras. “A diferença se dá quando identificamos que

essa atitude implica em algum prejuízo pessoal ou social, e se está acontecendo de forma constante”. Além disso, o especialista dá um exemplo claro sob a ótica de estar incentivando o comportamento. “Às vezes os pais se queixam do filho que procrastina a tarefa escolar, e que ao invés de fazê-la, fica jogando videogame. Na última hora, por se preocupar com as consequências da tarefa negligenciada, eles o ajudam para que filho não seja penalizado”. Esta atitude poderá contribuir para um comportamento procrastinador, ou seja, na próxima vez a criança poderá priorizar o prazer de jogar videogame e, de novo, no último instante, provavelmente terá a ajuda “zelosa” do pai ou da mãe, mesmo que venha sob uma chuva de repreensões verbais. Para mudar este panorama e tornar o fazer a tarefa mais atrativa, os pais poderão reduzir os “estímulos” do ambiente e deixá-los sob a supervisão do adulto, o que demonstra zelo e atenção, e só depois liberar o videogame. “Desta forma estará mostrando que pode ser melhor Revista Energia 31


“Eu fico dizendo para mim mesma que se eu fizer agora, depois vou ter tempo livre para ‘o novo” - Renata

Foto Wilian Olivato

32 Revista Energia


Quando se torna prejudicial Se a atitude de procrastinar está ocorrendo para evitar alguma consequência negativa da cadeia comportamental exigida para se obter a tarefa assumida e se, dessa forma, se consegue evitar tal consequência aversiva, o que pode ocorrer é que a atitude de procrastinar por ter tido sucesso em evitar algo “negativo”, pode se generalizar para outras demandas do dia a dia da pessoa. Outra característica importante encontrada no ato de procrastinar são as consequências da atitude exigida não serem imediatas. Portanto, para evitar outras situações aversivas ou cujas consequências não são imediatas, a pessoa vai deixando de realizar um número cada vez maior de tarefas ou comportamentos, o que em muitos casos pode-se identificar como um quadro depressivo. Ao identificar a ocorrência de comprometimento social e sofrimento psicológico atribuídos à procrastinação, sem que com essa consciência se consiga uma mudança comportamental satisfatória, é fundamental que procure ajuda de um psicólogo para uma avaliação funcional.

“Não espere a vontade chegar. Aja! É preciso disciplina, não espere que “algo interior” mobilize você”

que é algo que está enraizado em mim e o que tem raiz, para ser eliminado dá um pouco mais de trabalho, mas não é impossível! Um dia vai bem, no outro nem tanto, mas o importante é persistir”. A apresentadora de TV e colunista da área musical, Ludymila Nascimento, 27, conta que sempre foi aquele tipo de aluna que estuda às vésperas da prova. “Nunca gostei de me desesperar, acho que fazer as coisas com pressão atrapalha tudo. Essa calma em achar que sempre tudo vai acabar bem me levou à procrastinação”, diverte-se. Ela ainda lembra que o fato de trabalhar com comunicação e viver conectada a torna uma procrastinadora num nível tolerável. “Muitas vezes quando eu abro uma rede social para compartilhar uma foto da gravação ou uma informação importante, acabo me distraindo respondendo mensagens ou olhando postagens de outras pessoas, causando pequenos atrasos para outras tarefas e compromissos”. Segundo a apresentadora, isso a atrapalha num nível tolerável, para não dizer inevitável. Eliminar ela acha difícil, mas tem se policiado e pequenas mudanças têm resultado em bons progressos. “Silenciar os grupos de whatsapp e notificações de messenger no celular tem sido fundamental durante o horário de trabalho. Não recebendo notificações o tempo todo, não desvio minha atenção para outros assuntos, fazendo com que as tarefas sejam realizadas no tempo certo”.  Clever Roberto Munhoz

De qualquer forma, Munhoz dá algumas orientações: Se o trabalho exige muito tempo para o resultado final e sua execução não é prazerosa, divida o trabalho em etapas, intercaladas por pequenos períodos em que se realize algo com gosto, e programe-se para objetivos diários e progressivos. Com isso, na medida em que se perceber que houve uma evolução, essa atitude será reforçada e a adesão ao trabalho ficará mais fácil e leve. E lembre-se, é o reconhecimento de que sua ação foi recompensada que fará você prosseguir até o objetivo final.

Procrastinadoras assumidas A tradutora Renata Miliani, 32, conta que o “tudo para depois”, principalmente se tratando de atividades domésticas, faz parte do seu dia a dia. Ou melhor, fazia. Observando o quão desgastante se tornou o procrastinar, decidiu mudar as atitudes. “É cansativo fazer tarefas acumuladas, além de tomar mais tempo. Quer ver um exemplo? Vejo que se eu tivesse lavado o copo na hora não teria acumulado com o prato do almoço e o talher do jantar. E se de repente aparecer um convite legal para fazer algo certamente mais interessante, eu não poderei ir, pois tenho uma casa inteira de “procrastinações” para arrumar, ou seja, o tempo que eu fiquei enrolando e não fazendo estará sendo perdido e anulando o que pode estar por vir”. Tentando ser mais disciplinada, Renata salienta que a mudança não é fácil, afinal são 32 anos agindo desta forma. “Minha mãe sempre fez tudo na hora e sempre me ensinou a fazer assim. Sinto

procrastinação x preguiça Normalmente na procrastinação há o desejo do objetivo final da ação, mas há repúdio no processo pelo qual tem que passar para alcançá-lo. Já na preguiça, pode-se dizer que é apenas um estado fisiológico, um cansaço, uma indolência física, passageira e generalizada, ou seja, que não está direcionada à execução de uma tarefa específica e que, de modo geral, não acarreta sofrimento psicológico. Revista Energia 33

Arquivo Pessoal

fazer a lição de forma concentrada e adequada, sem o desgaste da última hora e das repreensões, e assim ter mais tempo livre para outras atividades prazerosas”.


Energia Garota

Rafaela Grossi

Por Pr贸 Modas

34 Revista Energia


Ficha técnica:

Fotos e Produção: Leandro Carvalho Looks: Pró Modas Fone: 3416 7779 Cabelo e make: Sim Beauty Salon Fone: 3416 7110

Quer ser Garota Energia? É super fácil e não custa nada! Vá até o Fena Foto na Edgar Ferraz, 171, agende um ensaio fotográfico gratuito e ganhe de presente duas fotos, uma delas é para você e a outra entregue na recepção da Energia FM para seleção. Aí, é só torcer!

Revista Energia 35


Evolução

Acelera aí... Mais de um século após sua invenção, o automóvel ainda é o símbolo dos avanços em direção à perfeição tecnológica

D

os primeiros carros de que se tem notícia àqueles que conhecemos hoje, é inegável que a indústria automobilística avançou a passos largos. O primeiro veículo autopropulsionado surgiu em 1769, um triciclo com motor a vapor concebido pelo francês Nicolas Joseph Cugnot. Usado pelo exército para puxar canhões a uma incrível velocidade de 4 km/h, em

sua viagem inaugural Nicolas descobriu que não havia pensado em como parar seu invento, e este foi o primeiro acidente automobilístico da história, já que o pesado Cugnot foi parar em um muro. Ainda no final do século XIX, dois engenheiros alemães, Karl Benz e Gottlieb Daimler, montaram duas fábricas concorrentes de automóveis, e são considerados os pioneiros do carro moderno. Com sistema de arranque a manivela, o carro de Benz

Fotos: Divulgação

Texto Heloiza Helena C Zanzotti


podia atingir 18 km/h. Daimler e Benz, aliás, se uniram em 1926 criando a Daimler-Benz, cujos carros, com o nome Mercedes-Benz, são vendidos até hoje.

A evolução

Na verdade o carro foi evoluindo aos poucos, depois que Daimler inventou o pedal do acelerador (era de madeira, daí a expressão “pé na tábua”), Vacheron inventou o volante, os Michelin introduziram os pneus, Panhard fabricou a primeira carroceria fechada e Dietrich-Bollée teve a ideia do para-brisa. E logo a Cadillac lançou o acessório que seria o mais vendido no Brasil oito décadas depois: o sistema antirroubo.

A era Ford

O automóvel, embora tenha sido criado na Europa, foi aperfeiçoado nos Estados Unidos. E foi o americano Henry Ford quem criou a linha de montagem, barateando os veículos ao padronizar sua produção. Em 1920 metade dos carros do mundo era do modelo Ford T, e a empresa tornou-se uma das maiores construtoras do planeta. A indústria americana apercebeu-se rapidamente do quanto era importante aperfeiçoar o automóvel e torná-lo cada vez mais confortável e original.

O primeiro carro motorizado chegou ao Brasil em 1891. Seu proprietário era um rapaz de dezoito anos na época, Alberto Santos Dumont, o futuro Pai da Aviação Sonho de consumo

De lá para cá muita coisa mudou. Nossos automóveis atuais são cada vez mais confortáveis, rápidos, silenciosos, seguros e com muita tecnologia. Quem duvida pode passar em uma concessionária e conferir os últimos lançamentos. Como, por exemplo, o Ford Fusion 2014 que possui oito air bags, direção elétrica, piloto automático adaptativo, alerta de colisão e, acredite, sistema de estacionamento automático (Active Park Assist) que opera o volante sozinho durante a baliza, com auxílio de sensores e da câmera de ré. Diante de tantas inovações no mercado automotivo uma coisa é certa: em se tratando de automóveis, o futuro já chegou. 

Revista Energia 37


Capa

Mona Stefanini Leonelli - Diretora de Atendimento, Marcelo Arradi Sichieri - Diretor de Criação e Murilo Ronchesel - Diretor Geral.

38 Revista Energia


Marque a

sua

“Se eu tivesse um único dólar, investiria em propaganda” - Henry Ford

Texto Heloiza Helena C Zanzotti Fotos Leandro Carvalho Arte Arkus

Revista Energia 39


N

ão é por acaso que um dos maiores nomes da indústria automobilística de todos os tempos fez a citação que abre esta matéria. Empreendedor, fundador da Ford Motor Company, tornou-se um dos homens mais ricos e conhecidos no mundo todo. E sempre investiu muito em publicidade. Se você tem um negócio e quer que ele seja viável acredite: é melhor começar a pensar como ele.

Acerte o alvo

O objetivo de sua empresa é crescer? Vender mais produtos? Ir além? Então você precisa de uma agência de publicidade. E em publicidade a palavra correta é investimento! Sim, você irá investir para que sua marca/serviço/produto seja conhecido pela maioria dos clientes em potencial. Entretanto, se divulgar seu negócio é muito importante, fundamental é divulgar no lugar certo, para o público alvo e com o conceito correto. E é aí que entram as agências de publicidade. Com a competitividade que temos hoje em praticamente todos os setores, sem a divulgação correta uma empresa simplesmente não aparece no mercado. E uma divulgação eficiente requer conhecimentos específicos sobre o cliente, a escolha certa das mídias e a busca pela melhor relação custo x benefício, visando a atingir o público alvo com a maior precisão possível. Lembre-se: consumidores apenas se transformarão em seus clientes depois de conhecerem o que a sua empresa tem a oferecer.

Personalidade é fundamental

Seja qual for o seu ramo de negócio, cada vez mais os consumidores valorizam as empresas que se comunicam com conteúdo. Propagandas lotadas de informações, mas sem profundidade e sentido são vistas e esquecidas, e todo ano são varridas do mercado muitas empresas despreparadas para lidar com o seu público. Uma das funções mais importantes da publicidade é construir uma personalidade para uma empresa. Uma boa campanha publicitária pode fazer toda a diferença na divulgação, lançamento de novos produtos ou serviços e também na fixação de uma marca. Uma boa propaganda é aquela que vai atrair novos consumidores, mas também convencer os consumidores das empresas rivais a optar pelo seu produto. E é aí que a qualidade de um serviço especializado faz a diferença.

Saia na frente

Passar a mensagem correta, convencer as pessoas de que seu produto ou serviço atende às necessidades delas e ser o escolhido diante de tanta concorrência é um grande desafio. Assim, você pode imaginar o quanto divulgar sua marca de maneira incorreta seria prejudicial. E como não correr esse risco? Escolhendo e contratando os serviços de uma agência de publicidade. Ao contratar uma equipe profissional, você estará encarando a divulgação e imagem da sua empresa profissionalmente. Para João Baptista Andrade, consultor de empresas, membro da AMA - American Marketing Association (Chicago, EUA) e diretor das consultorias Mentor Marketing e AMA Brasil, a energia do empresário deve estar no seu negócio. “Se você desvia seu foco, tempo e energia daquilo que faz para ganhar dinheiro,

40 Revista Energia

para se preocupar com comunicação, propaganda ou publicidade, alguma coisa vai dar errado, a não ser que você seja publicitário”, afirma. Para João Baptista, quem confia a divulgação de seu negócio a uma agência de propaganda sai na frente: “Uma boa equipe publicitária sabe do que o cliente precisa, entende o que ele quer e conhece o alcance da cada mídia”.

Fuja de aventureiros

A contratação de curiosos, freelancers ou estudantes pode ser interessante para pequenos trabalhos, mas você não arriscaria sua vida na mão de estudantes de medicina ou amantes da profissão, não é? Então, não arrisque a sua empresa e a sua marca. Não adianta colocar o máximo de informações em um outdoor, por exemplo. Fundamental é comunicar com eficiência e conquistar o seu público alvo.

Conhece a Arkus?

Há dez anos no mercado, com sede em Jaú, filial em Curitiba/PR, e escritórios de atendimento no Rio de Janeiro/RJ e Brasília/DF, e constantemente buscando as mais criativas ideias visando sempre aos melhores resultados, a Arkus trabalha com profissionais que conhecem muito do assunto e, o principal, são totalmente apaixonados pelo que fazem. Com visão empreendedora e respeito pela sua marca, a Arkus acompanha cada etapa do processo que envolve seus clientes, caminhando sempre junto com o sucesso da sua empresa.

Estudar o cliente, identificar suas necessidades e encontrar sempre a melhor solução é o que faz da Arkus uma das mais competentes e conceituadas agências de publicidade Muito mais que propaganda

Foi-se o tempo em que as agências de publicidade eram apenas criadoras de anúncios. Hoje a atuação de uma agência é muito mais ampla e precisa estar integrada a uma série de ações de comunicação e marketing. Unindo a propaganda à ativação, a Arkus evoluiu o modelo convencional de agência, e a partir do comando do departamento de atendimento, desdobra-se em áreas que fazem toda a diferença. Por exemplo? A internet. Com o aumento da interatividade, segurança e velocidade, ela se tornou uma ferramenta de marketing poderosa. E a Arkus está preparada para colocar a imagem da sua empresa no meio virtual como uma ferramenta inteligente, que possa corresponder positivamente ao tempo e dinheiro investidos.Com os serviços de comunicação ON, na criação de web sites e gerenciamento de mídias sociais com acompanhamento e monitoramento de conteúdo. E também com a comunicação OFF com o Branding, atraindo os consumidores para as marcas, além de toda a campanha publicitária (marketing, comerciais de TV, spots de rádio, impressos, jingles, outdoors).


“O comprometimento da ARKUS no desenvolvimento de nosso site foi fundamental para atender a todas as nossas demandas. A cada passo dado surgiam novos pedidos por parte de nossas coordenadorias e todos eles eram atendidos. A ARKUS tornou-se parceira na finalização de nosso projeto. Passamos a têlos como a primeira opção em um mercado tão competitivo” Luciano Melo, técnico responsável pela Internet e Intranet da CBTU

“A lição que guardamos depois de 10 anos é: seja você mesmo. Trabalhar com comunicação é lidar com pessoas, cada uma com sua própria maneira de ser, pensar e agir. Esse é o grande barato. Nós, da ARKUS, sempre levamos a sério esse conceito de sermos nós mesmos, apaixonados pelo que fazemos. Durante os últimos 10 anos fizemos Jaú se tornar conhecida no Brasil e no mundo, através das participações que tivemos na Missão Oficial da Embaixada Brasileira em Las Vegas, NV, para participação da Digital Signout Expo 2013 e da Missão Internacional de Negócios no Vale do Silício, em San Francisco, CA, em 2014. Temos equipe e condições de apresentar resultados tão bons quanto os das grandes empresas de publicidade e comunicação. Com tantas novidades, tecnologias e formatos, podemos nos reinventar todos os dias. Basta sermos quem somos desde o inicio: #SomosARKUS. E que venham os próximos 10 anos”

​Murilo Ronchesel, diretor geral da Arkus​​ Revista Energia 41


Relação de confiança

O Brasil é um dos países que menos investe em propaganda no mundo todo. Muitos empresários ainda encaram como "gasto" qualquer quantia aplicada em propaganda. Imagine se Nike, Adidas, Coca Cola e outras marcas gigantes pensassem assim, certamente elas estariam mortas nas mentes das pessoas há muito tempo. Já está mais do que na hora de modificarmos esta maneira antiga de pensar sobre a propaganda. Os caminhos para o sucesso passam pelas oportunidades que podem ser geradas a partir de uma relação de parceria entre anunciantes e boas agências. Para João Baptista Andrade, essa relação cliente/agência tem que ser de absoluta confiança. “É importante confiar sua imagem a bons profissionais. E uma agência séria é aquela que sabe dizer ao cliente que aquilo que ele quer não é bom para ele”. Desse modo, a Arkus atua no sentido de fazer a diferença para o cliente sem deixar de ser fiel a si mesmo, e sem nunca perder suas convicções de vista.

E a sua marca, como fica? Os exemplos estão aí. Qualquer produto líder de mercado, com marca consagrada junto ao seu público, certamente tem

42 Revista Energia

uma boa agência por trás dele. E você, quer que a sua marca seja lembrada? Então, está na hora de pensar na Arkus. Afinal, quem cuida da marca de tanta gente, e faz isso com muita competência, certamente está preparada para fazer com que a sua seja inesquecível. 

“Parabéns à ARKUS pelos dez anos de funcionamento, sempre evoluindo com uma criação cada vez melhor e um atendimento altamente prestativo. Fico muito orgulhoso de ser o primeiro cliente e de ver nascer esta agência praticamente dentro de nossa escola. Espero que os próximos dez anos sejam ainda melhores e continuemos juntos ainda por muito tempo” Paulo Reis, Mantenedor do COC Jaú


Clientes Arkus: Procuradoria Geral da Republica Conselho Regional de Fonoaudiologia da 1ª Região CBTU - Companhia Brasileira de Trens Urbanos TUR.SP - Companhia Paulista de Eventos e Turismo USP - Universidade de São Paulo Faculdade de Educação Prefeitura Municipal de Itaí Hospital Amaral Carvalho Ford Zevel COC Jaú Espaço União União das Artes Redi Supermercado Hot Seven

Inside Cosméticos Online Informática Lucy Modas 4 Patas Soumeq Materiais para Construção Bellari - Corte e Dobra Container Segurança ID Holding Sea Coast Calçados Blumarine Calçados Elite Modas Aqui Barato Multimarcas Premium Empreendimentos Imobiliários Maq Frio

Revista Energia 43


QuemfezJahu

Texto Heloiza Helena C. Zanzotti

Elza Schwarz E lza Maria Meira Marsiglio Schwarz: uma mulher incomum. Filha de Mario Berto Marsilio e Carlota dos Santos Meira, nasceu em Santa Rosa de Viterbo, SP, em 29 de julho de 1927. Aos 11 anos foi para Ribeirão Preto estudar no Colégio Sion, em regime de internato. Via os pais e irmãos apenas nas férias e contava que ia para o castigo frequentemente, porque aprontava bastante. Em 1940 seu pai foi nomeado diretor da Caixa Econômica Estadual em Jaú, e mudaram-se para esta cidade, para uma casa situada na esquina das ruas Major Prado e Visconde do Rio Branco, em frente à Igreja Matriz Nossa Senhora do Patrocínio. Uma mulher à frente do seu tempo, Elza possuía um sonho arrojado: pilotar aviões. Em 1946 uma turma foi formada para o curso de piloto no Aero Clube de Jaú, que naquele tempo era um hangar onde ficavam diversos aviões. Com a aprovação da mãe, mas sem que o pai soubesse, ela inscreveu-se, fez as aulas e depois de aprovada em uma prova realizada pela Aeronáutica, conseguiu seu brevê (a carteira de piloto). Mas ao contar o fato para o pai acabou recebendo um castigo, e não teve autorização para ir ao Rio de Janeiro buscar o documento. Segundo familiares, Elza foi uma das primeiras mulheres a pilotar avião no estado de São Paulo. Formou-se professora em Jaú, no Colégio São José, e como não pode seguir a carreira de piloto, devido à resistência do pai, prestou concurso para professora, passou e escolheu ministrar aulas em uma escola rural em Herculândia, SP. Foi morar na fazenda de um coronel daquela cidade e ia de charrete para a escola, que distava uns 12 km do lo-

44 Revista Energia

cal onde morava. Tempos depois, através de uma permuta que fez com outra professora, voltou para Jaú. Em 1951 casou-se com Richard Schwarz, com quem teve cinco filhos, todos homens. Quando sua mãe aposentou-se como professora no Grupo Escolar Dr. Pádua Salles, Elza assumiu a vaga e ali lecionou por 25 anos, tendo posteriormente passado a vice-diretora e diretora, funções que exerceu nos últimos 10 anos de sua carreira. Paulo Eduardo Marsiglio Schwarz, jornalista, 56, um dos filhos de Elza, contou à RE que segundo cálculos da mãe, ela chegou a conhecer cerca de 10 mil alunos, atuando de forma marcante na educação jauense. Elza Schwarz ficou viúva com apenas 42 anos, ainda muito jovem e bonita, mas nunca quis se casar novamente. Entre tantos desafios que enfrentou, provavelmente o maior tenha sido educar sozinha seus cinco filhos. Sua casa foi local de ensaios para as bandas da Jovem Guarda, das quais os filhos faziam parte. Pelos netos, era chamada de “Vovó Pode-Pode”, pois em sua casa podiam fazer tudo o que quisessem, desde que não oferecesse perigo. Alguns chegaram a aprender xadrez com a avó. Em 2008 Elza começou a apresentar sintomas do Mal de Alzheimer. Segundo Paulo, durante a doença ela foi perdendo a consciência, mas nunca o bom humor. “Era uma velhinha engraçada e até seis meses antes da sua morte me reconhecia e me chamava pelo nome”, lembra. Ele diz que a mãe estava bem até dezembro, quando contraiu uma pneumonia. “Ela até se recuperou da infecção, mas por ter ficado muito tempo no hospital ficou debilitada e não resistiu”. Elza Schwarz morreu em 20 de fevereiro de 2014, aos 86 anos, e está sepultada no cemitério municipal de Jaú.


Look de artista

Blusa Lezalez Short Natural Basic Acessรณrios dona onรงa

blusa trettiore calรงa cheroy acessรณrios dona onรงa

Revista Energia 45


Look de artista

Regata la chocolê jaqueta amissima short insp Acessórios dona onça

46 Revista Energia


Revista Energia 47

Fotografia Leandro Carvalho Modelos Márcia Eleutério e Luana Trufino Beleza Sim Beauty Salon Style Vestylle Megastore Acessórios Dona Onça

blusa mooncity saia club soda acessórios dona onça


48 Revista Energia


Beleza

Texto: Tamara Urias Fotos: Leandro Carvalho

Franjas: a vez é delas! De look novo, com uma linda franja, Giovana Antonelli tem instigado as mulheres a mudar o visual e aderir às franjas, mas será que todas combinam com essa tendência?

A

s franjas estão em tudo: roupas, sapatos, bolsas e nos cabelos das mulheres! Quem tem acompanhado a novela Em família, pode observar que a franja de Clara, personagem vivida por Giovana Antonelli, tem chamado a atenção. Tanto que o assunto rendeu comentários na mídia e nos salões de beleza. Para esclarecer o assunto, a Revista Energia convidou as visagistas Flávia e Francine Jorgin, do salão Jorgin Cabelo e Estética, que no decorrer desta matéria irão analisar e comentar sobre esta tendência. De acordo com as profissionais, a franja não combina com todas as mulheres, portanto, antes de passar a tesoura é necessário observar algumas características: o formato de rosto adequado, estilo e o desejo de imagem com linhas delicadas. Inspirada nas atrizes globais, a modelo Iula Parelli decidiu aderir ao novo conceito. Mas antes de cortar a franja foi feito um estudo e constatado que seu rosto é em formato retangular, com linhas retas que remetem a mulheres fortes. O estudo REI (como ilustra a foto) mostra que ela é uma pessoa racional e intuitiva, e que neste momento ela precisa ser intuitiva emocional. “Iula está em um momento de sua vida em que precisa ser romântica, delicada em sua aparência, mas não pode esconder seu lado mulher guerreira. Agora ela é mãe de dois filhos e tem uma loja para administrar, então, a inclinação na linha do intelecto proporciona suavidade ao seu rosto, e a linha reta na vertical a força da administradora”, afirma Flávia. O estudo feito na modelo revela que o estilo de

14 3622.8364

Avenida Frederico Ozanan, n° 770

vida dela requer uma franja, porém tem que ser usada mais na linha do olhar, para que seja transmitida a imagem na qual Iula se projetou, onde o formato do seu rosto favorece. Já a análise de colorimetria, destinada à maquiagem, mostra que ela deve usar batom vermelho para transferir o poder de seu racional escondido pela franja para o intuitivo (linha da boca), dando ênfase à sua palavra na hora de administrar seu negócio. De acordo com as especialistas, analisando as globais nota-se que a personagem de Giovana já está entrando em outra fase da novela: o momento de indecisão. Clara já não está mais meiga e infantil como no início da trama, por isso suas aparições com a franja estão diminuindo. “Agora ela precisa se mostrar mais forte, por isso a mudança gradativa no visual”, comenta Francine. Após todas essas diretrizes é possível notar que a franja está ligada a atitude pessoal, mas o formato do rosto deve sempre ser levado em conta. Ou seja, para não errar ou infantilizar a sua imagem, procure um profissional visagista.  Revista Energia 49


Varal

Fotos Leandro Carvalho

Calf Modas

Rua Riachuelo, 819 Fone: (14) 3622.0927

Saint’ Flex

Av Joaquim Ferraz Neto, 610 Fone: (14) 3416.1011 | 3416.1012

Dona Onça Semijoias

Av Dr Quinzinho 1110 Fone: (14) 3032.8779 | 98136.3324

50 Revista Energia

Feminina Moda Íntima

Rua Lourenço Prado, 364 C - Centro Fone: (14) 3626.8455 Jaú Shopping Piso Superior Fone: (14) 3624.4854


Maria Bonita Acess贸rios

Rua : 7 de Setembro, 1064 Fone: (14)99727.4949 | 99792.6904

Tati Marini

Territ贸rio do Cal莽ado Fone: (14) 3624.4008 www.tatimarini.com.br

Revista Energia 51


Escolha certa

Você e Eu

Modas

Na onda do hippie chic

Quem tem acompanhado a moda pode observar que, além do animal print, o estilo Boho ou hippie chic, que chegou meio tímido, a cada dia conquista mais e mais o sexo feminino. Para quem não conhece, ele é super eclético e mistura o étnico, o vintage, o folk, o country e o romântico. As peças que mais representam este estilo são as saias longas, os babados, as batas, as famosas ciganinhas, os vestidos de tecidos esvoaçantes, estampa étnica, estampa tie dye, jeans (presente na calça boca de sino e no short curto bem estonado), franjas presentes em roupas, sapatos e bolsas, e muitos acessórios como pulseiras, anéis, headbands e óculos com a lente redonda. Os candy color continuam, além das cores sólidas como vinho, azul turquesa, chocolate e caramelo. Se você não se sente à vontade para abusar desta tendência, comece devagar: use uma peça, vá acrescentando outras aos poucos e arrase!!!  52 Revista Energia


Modelo Monique Belotto Cabelo e Make Espaço Mulher - 14 3416.3485 Roupa e acessórios Você e Eu Modas Fotos Leandro Carvalho

Revista Energia 53


Fitness

Por Marcelo Macedo “Tchelinho”

Imagem Internet

crefito: 169450-F | cref: 044143-G/SP

Stand Up Paddle Mais conhecido como Stand Up Paddle, o SUP é um esporte aquático que consiste em remar em pé sobre uma prancha

P

raticado em lagoas e praias o esporte é a sensação do momento no Brasil, e serve tanto para passeios como para travessias de longa distância. Quem pratica o SUP sabe que ele vai muito além de uma prática esportiva, é uma mistura de lazer e diversão, que possibilita principalmente estar em contato direto com a natureza.

54 Revista Energia

Como surgiu Sua origem foi nas Ilhas Havaianas, no início do século XX, por meio de alguns nativos que, para se deslocarem pelos mares carregando alimentos e objetos, usavam grandes pranchas de madeira, auxiliados por um remo. Após isso, já nos meados dos anos 60, os instrutores de surf havaianos começaram a utilizar essa nova técnica para ensinar seus alunos a surfar. Não


existia uma definição específica para esse tipo de prática, mas aos poucos os surfistas começaram a praticar o SUP e a produzir os equipamentos necessários.

O Brasil se encantou aos poucos com o SUP, um esporte que atualmente conta com a Associação Brasileira de Stand Up Paddle (ABSUP), com vários campeonatos espalhados pelo país Com criatividade e experiência, é possível inventar diferentes formas de remar de pé em cima de uma prancha. O SUP Yoga é um exemplo disso: não é considerada uma modalidade esportiva, e é uma boa opção para quem deseja fazer apenas por diversão. Mas para quem deseja competir, existem duas modalidades oficiais: - SUP Surf: também conhecida como SUP Wave, essa modalidade consiste em descer as ondas em pé na prancha, com o auxílio do remo. Por sua dificuldade, ela possui menos adeptos no Brasil. - SUP Remada: Sua prática consiste em ficar em pé em cima da prancha e remar pequenas ou grandes distâncias. Ela

possui várias categorias como a SUP Race, que necessita de pranchas especiais para que o surfista possa remar a favor do vento e da correnteza.

Benefícios e prática O Stand Up Paddle é um esporte que traz vários benefícios aos seus praticantes. Além da alta queima calórica, é uma excelente opção de condicionamento físico: fortalece braços, pernas e abdômen; melhora o equilíbrio, a concentração e proporciona bem-estar físico e mental, já que acontece em contato direto com a natureza, podendo ser praticado por qualquer pessoa. Assim como qualquer outro tipo de atividade física, o SUP deve ser feito com a postura correta para evitar possíveis lesões. Procure manter sempre a coluna ereta, pernas levemente flexionadas e abdômen contraído. Para ficar em pé na prancha, ajoelhe, e com as mãos apoiadas coloque os dois pés ao mesmo tempo, um ao lado do outro, levemente afastados e lateralmente. Na hora da remada, uma das mãos deve segurar a cabeça do remo e a outra o seu meio. Quando inverter o lado da remada, troque a posição das mãos. Não há regras para o número de remadas de cada lado. Olhe sempre para o horizonte, para facilitar o equilíbrio. O Stand Up Paddle não é um esporte barato. As pranchas variam de materiais e preços, e custam por volta de R$ 4 mil. Por outro lado, o litoral está lotado de lugares onde se alugam pranchas e remos, e o aluguel do equipamento completo sai em torno de R$ 50. 

Lazer, saúde e boa forma, agora no mesmo lugar. O Vila Real Hotel apresenta o Vila Real Studio Fitness. Aqui você encontra uma estrutura completa com os melhores equipamentos de ginástica e musculação, acompanhados por professores altamente qualificados, que darão atendimento personalizado, com treinos específicos e avaliações físicas periódicas.

Modelo Renan Conti Espricigo Foto Leandro Carvalho

Além disso, os alunos do Vila Real Studio Fitness poderão usufruir de toda a estrutura de lazer do Hotel*, como piscina, sauna e massagem, além de café da manhã, restaurante e lobby bar. Aqui é fácil e gostoso ganhar condicionamento físico e qualidade de vida! Venha conhecer, e garanta seu horário. Tel:(14) 3602 6300 ĉ Cel: 98121 7007 E-mail: informações@hvrj.com.br *Consulte nossos planos

Revista Energia 55

Av. Benedito Ferraz de Almeida Prado, nº 651 · Jaú/SP · www.hotelvilarealjau.com.br · Tel: (14) 3602 6300 / 98121 7007 · e-mail: informacoes@hvrj.com.br *Consulte nossos planos


club

Espaço Confiança Jaú Eventos

Fotos: Leandro Carvalho e Fena Foto

Social

Para apresentar um novo conceito em salão de festa, Confiança Eventos recepcionou, no dia 12 de abril, mais de 600 pessoas entre amigos, parceiros e convidados com um delicioso e refinado coquetel. Com dois pavimentos, um deck e um imponente lustre, o local encheu os olhos de quem ali esteve. A festa durou até altas horas ao som da banda La Fiducia.

1

2

3

4


1. Erica Ferreira Paghete e João Geraldo Paghete 2. Airton Bachiega, Estavão Garcia e Carlos Belotto 3. Raquel Ferreira, Fernando Catanni, Isabel Catnni, Zilda Ferreira Schiavon, Claúdio Schiavon, Dione Ferreira Galvão de Castro, Rodrigo Galvão de Castro, Erica Ferreira Paghete e João Geraldo Paghete 4. Colaboradores Confiança 5. Geraldo e Erica Paghete, Mirian Cristina Paghete e Silvana Paghete

5

6

7

8

9

10

6. Li Medeiros e Ismael Silva de Medeiros 7. Geraldo Paghete, Sérgio Belotto, Beatriz Belotto, Lucas Belotto e Renata Belotto 8. Banda La Fiducia: Alexandre Tart, Rodrigo Oliveira, Erick Ferreira Paghete, Hétore Paghete, Pedro Vendramini e Paulo Henrique 9. Junior Campos Prado, Juliana Basso e Margareth Camargo 10. Juliano Gustavo Bachiega, Soraya Morales Bachiega, Arthur Morales Bachiega, Airton Bachiega e Geraldo Paghete


club

Social

Fotos: Saigon Fotos

1

Parabéns Na noite de 12 de abril, Isabella Bortolucci comemorou seus 15 anos na Linda Chácara Salão de Festas. O toque especial ficou por conta da torteria Doce Pimenta, P & A Tendas e Saigon Fotos. Os pais Sílvio e Érica organizaram uma belíssima festa para recepcionar familiares e amigos.

1. Isabela Bortolucci 2. Isabela e Gabriela Bortolucci 3. Isabela e Silvio Bortolucci 4. Isabela Bortolucci 5. Silvio Rogério Bortolucci, Erica Imbriani Bortolucci, Isabela e Gabriela Bortolucci

2

3

4

58 Revista Energia

5


Bar do Português Reconhecido nacionalmente pelo melhor e mais saboroso chopp, o Bar do Português é diariamente escolhido como ponto de encontro de amigos pelo ambiente aconchegante, deliciosos petiscos e bom atendimento.

Fotos: Murilo Pirikito

veja mais em: www.jaunabalada.com.br

1. Graciela Silva e Aline Moraes 2. Bruna Bulsonaro, Eduardo Bulsonaro, Thiago Soares e Vanessa Bergamini 3. Natalia Cano, Henrique Luchini, Renato Luchni, Renato Polonio e Larissa Cipola

1

Seu imóvel a um click! AGORA TAMBÉM EM BAURU!

2

A Tec Imóveis reúne os melhores imóveis das principais imobiliárias da região, em um só lugar.

3

www.tecimoveis.com.br


Foto: Arquivo Pessoal

club

Social

Mônica, Maria e Ricardo 1 Rodrigues

Inauguração

No último dia 26 de abril uma aconchegante recepção foi organizada pelos proprietários Thaís Tochette Garcia e João Gabriel Garcia para apresentar a nova Quatro Patas. Amigos e parceiros estiveram presentes conferindo o amplo espaço, no Jaú Shopping.

Thaís, Davi e João Gabriel Garcia

Meu primeiro aninho!

Foto: Arkus

A linda Maria Moretti Rodrigues comemorou seu primeiro aninho no dia 19 de fevereiro. Os papais Ricardo Pascucci Rodrigues e Mônica Raquel Moretti Rodrigues, que está grávida de uma nova menina, Manuele, organizaram uma belíssima festa com o tema galinha pintadinha, no salão de festas Sonho Meu. Familiares e amigos prestigiaram este momento marcante.

60 Revista Energia


Algazarra Na noite do dia 11 de abril, a graciosa Ana Júlia comemorou cinco anos. Com o tema Monster High, a festa aconteceu na Algazarra Festas. Cercada de muito carinho por Heucha Krugner Ferracini, Cesar Augusto Ferracini, familiares e amigos, os olhos da doce menina brilharam na hora dos parabéns.

Fotos: Jairo Momesso

Ana Julia Krugner , Heucha Krugner Ferracini e Cesar Augusto Ferracini

José Ayres Ferracini, Heucha Krugner Ferracini, Cesar Augusto Ferracini, Ana Julia Krugner e Maria Angela Sparapan Ferracini

Heucha Krugner Ferracini, Aparecida Lucila Spirito Krugner, Ana Julia Krugner, Cesar Augusto Ferracini e Carlos Roberto Krugner

Revista Energia 61


Tecnologia

X Fotos: Divulgação

Cérebro

62 Revista Energia


X

Internet Alterações decorrentes do uso intensivo do computador têm sido alvo de estudos de cientistas e filósofos em diversos países. E eles já constataram: a internet modifica nosso cérebro Texto Heloiza Helena C Zanzotti

D

ificuldade de concentração, perda da capacidade de atenção. Você, ou alguém que você conheça, tem apresentado alguma dificuldade nesse sentido? Estamos na era da informação onde tempo, tecnologia digital e velocidade se superam a cada dia. Entretanto, as novas tecnologias, em especial a internet, têm uma ação profunda na vida de todas as pessoas e os cientistas querem saber qual o efeito delas em nosso cérebro.

Conexões cerebrais De acordo com pesquisa da Academia de Ciências da China, viciados em internet têm alterações similares no cérebro àqueles que usam drogas ou álcool em excesso. Cientistas chineses estudaram os cérebros de jovens viciados em internet e descobriram diferenças na massa branca (parte do cérebro que contém fibras nervosas) em comparação a pessoas não viciadas. Análise de exames de ressonância magnética do cérebro de homens e mulheres entre 14 e 21 anos revelou alterações nas partes do cérebro relacionadas a emoções, tomada de decisão e autocontrole, classificadas como Desordem de Dependência da Internet. Segundo Gunter Schumann, do Instituto de Psiquiatria do King’s College, em Londres, estudos mostram mudanças na função cerebral de pessoas que usam a internet ou jogos eletrônicos com frequência. Além desses, um artigo publicado recentemente no periódico científico PLoS One por pesquisa-

dores britânicos concluiu que o vício em internet pode até fazer com que um indivíduo apresente traços de autismo.

Eles não leem Nas escolas, os professores vêm observando uma tendência preocupante: a dificuldade que os alunos têm de prestar atenção. E a queixa é comum entre as pessoas dos mais diversos setores de atividades: alguma coisa vem interferindo no funcionamento do cérebro. Nada a ver com perda de memória, mas com a capacidade de concentração. Há quanto tempo você não lê um livro? E se tentou, conseguiu passar da metade dele? Se este texto fosse duas vezes maior, você provavelmente nem iria lê-lo. E se está lendo, quantas vezes você parou para checar sua caixa de mensagens? Ler um livro ou um artigo longo de jornal ou revista atualmente é uma tarefa exaustiva. Ao ler um livro, a tentação de pular páginas ou correr para o computador e ver sua resenha é grande. O dinamarquês Jakob Nielsen, cientista da computação e Ph.D. em interação homem-máquina, ao ser questionado sobre como os usuários leem na web, respondeu: “Eles não leem...”. Com efeito, pesquisadores alemães relataram que a maioria das páginas da web é vista por dez segundos ou menos.

Navegar ou naufragar? Educadores concordam que a qualidade da produção acadêmica também foi afetada: os trabalhos escolares hoje são Revista Energia 63


montagens, junta-se um pedacinho aqui, outro ali, não há mais uma pesquisa onde o aluno desenvolva um pensamento, um argumento, uma reflexão. Para o filósofo, escritor e professor universitário Mário Sérgio Cortella, há um efeito benéfico que é o acesso extremamente veloz à informação; em contrapartida temos a superficialidade e a ideia errônea de que basta ter a informação que já se possui o conhecimento. Em entrevista ao programa Matéria de Capa da TV Cultura, ele afirma que a internet é um poderoso meio de acesso à informação, mas ela em si não gera conhecimento. “Muitas pessoas dizem que navegam na internet, mas não é verdade, uma parte naufraga. Para navegar é preciso ter critério de seleção; comer bem não é comer muito”. De maneira geral, alertam os cientistas, há um empobrecimento nas conversas atuais. Como as pessoas não leem ou leem pouco, os assuntos estão cada vez mais superficiais, os diálogos mais pobres. Temos mais assuntos, porém, com menos profundidade.

Mário Sérgio Cortella

Impacto nas relações Você já deve ter visto esta cena: duas pessoas conversam e uma delas interrompe para atender o celular ou ler uma mensagem. Ou ainda um casal em uma mesa, cada um com seu tablet a mil por hora. Neste universo digital, como ficam as relações pessoais? Um fato os neurocientistas já constataram: o mundo digital exerce uma pressão permanente sobre o cérebro e o impacto disso pode alterar a forma como as pessoas interagem e

PROMOÇÃO ESPECIAL

de 13/05 até dia 13/07 FINAL da COPA TOME 4 CERVEJAS PAGUE 3

Venha com sua ASSISTIR AOS

JOGOS DO

FAMILIA

BRASIL

! Palito sco no a r r u o Ch Arte d

Av. Isaltino do Amaral Carvalho, 2006 - Esquina c/ Cap. José Ribeiro 64 Revista Energia

Colaboração:

14 3622-2227


provocar mudanças no humor. Para Susan Greenfield, neurocientista britânica, o admirável mundo da internet e redes sociais não é tão admirável assim. Em entrevista ao site da VEJA ela afirma que as crianças que estão crescendo nesse ambiente virtual não vão aprender a olhar alguém nos olhos, a interpretar tons de voz ou linguagem corporal. Ela diz ainda que muitos escritórios já se tornaram locais bastante silenciosos, porque em vez de conversarem entre si, as pessoas preferem enviar mensagens. E outro fator muito preocupante é este: o isolamento.

“A solidão humana aumentará na proporção exata do avanço dos meios de comunicação” (Werner Herzog)

O grande desafio

reagir contra a atração que a internet exerce. Obviamente isso se aplica também ao uso do computador fora da internet. Existem programas como o Mindfulness Bell que soa um gongo a cada intervalo de tempo que o usuário determina. Outra recomendação imediata refere-se às multitarefas. Deve-se ter disciplina e se concentrar numa única tarefa, ou seja, ao ler um texto não acionar outro programa como o de e-mails. Ao escrever um e-mail, não examinar a caixa de entrada para ver se chegou outro e-mail. Ao abrir-se uma página com muitas informações, concentrar-se naquilo que está procurando, e não se distrair com o restante. Uma síntese de todas essas recomendações é: procure fazer atividades físicas e mentais contrárias às que a internet força em seus usuários. É preciso, cada vez mais, exercer o pensamento, a reflexão, a leitura. Ao mesmo tempo em que a internet se torna algo imprescindível em nossas vidas, é importante lembrar que ela não substitui as relações humanas.  Jacqueline Scarabelo

O uso da internet possui lados positivos e negativos. Refletir sobre sua interferência em nosso cérebro não significa ignorar sua enorme contribuição a todos os setores de atividades, nem a possibilidade de se relacionar, colaborar em rede e o acesso instantâneo à informação. Mas seu lado negativo inclui o comprometimento da atenção e da dependência da tecnologia, que apresentará novas demandas na área da saúde e da psicologia muito em breve. O desafio é conciliar o uso cada vez mais necessário do computador com a importância de exercitar o cérebro.

Não fico sem Para Jacqueline Scarabelo, 17, estudante de jornalismo, ficar sem internet é impensável. “A internet sempre esteve presente na minha vida. Desde criança eu navegava em sites de jogos e pesquisa. Hoje eu acordo e já pego o celular para dar uma olhadinha nas redes sociais. Muitas vezes é assim, automaticamente, ao abrir o navegador já ir para a rede social, mesmo que tiver que fazer outra coisa. Acredito que sou mesmo dependente da internet”.

Sintomas Os sinais que devem servir de alerta são: uso intensivo associado à perda do senso de medida; negligência com outras tarefas; sentimentos de raiva, tensão ou depressão na falta de acesso ao computador; a necessidade frequente de buscar novos equipamentos e softwares; risco da perda do emprego, de amigos ou de relacionamentos íntimos por conta da internet; mentir para a família ou terapeuta a fim de esconder o envolvimento excessivo com a rede; utilizar o computador para escapar de problemas sociais.

O que fazer A recomendação fundamental é estabelecer um período para uso contínuo da internet, seguido de um intervalo sem usar o computador. Por exemplo, um período de 50 minutos, seguido de 10 minutos de intervalo. É imprescindível que, atingidos os 50 minutos, interrompa-se imediatamente qualquer tarefa, pois com isso treina-se a força de vontade para Revista Energia 65


Inovação

66 Revista Energia


Encurtando

distâncias Ele vai além de um simples brinquedo. Com tecnologia inovadora, o Ursinho ELO aproxima quem está a milhares ou quilômetros de distância com um simples apertar de mão.

Texto Tamara Urias Fotos Leandro Carvalho

S

ó quem frequenta e convive nos corredores de um hospital sabe o quanto a situação não é agradável. O Hospital Amaral Carvalho (HAC), referência em oncologia infantil no Brasil e na América Latina, para tentar amenizar a saudade e afastar a solidão das crianças internadas na instituição em função do tratamento do câncer, criou o ursinho ELO. A ideia ganhou forma através dos tradicionais ursos de pelúcia, mas com um diferencial: ao apertar a mão do brinquedo, as crianças podem ouvir mensagens de áudio repletas de carinho e confiança, enviadas a todo o momento via aplicativo de voz. Entretanto, antes de serem retransmitidas elas passam por uma moderação, já que existe todo um cuidado com o seu conteúdo. Em parceria com a FOM, empresa fabricante de travesseiros, brinquedos e almofadas, foram confeccionado dez ursos em material atóxico, antialérgico e lavável, que ficam no hospital em tempo integral, à disposição dos baixinhos. Da proposição até a ação,


o projeto levou cerca de sete meses. De acordo com a chefe da pediatria do Hospital Amaral Carvalho, Claudia Teresa de Oliveira, especialista em Hematologia e Oncologia Pediátrica, a ideia surgiu informalmente, quando estavam pensando em criar um mascote para a ala. Aos poucos foi sendo aperfeiçoada até chegar ao Ursinho ELO. “O foco era criar um brinquedo/mascote, mas evoluiu para um urso que traz mensagens”, conta. Com tecnologia avançada, o Ursinho ELO possui um dispositivo semelhante a um aparelho celular, que faz um elo entre a criança e amigos ou parentes que estão distantes e impossibilitados de acompanhá-los nos períodos de internação. Os números são individuais e fornecidos para os familiares. A médica acredita que

Sabrina e Theo

68 Revista Energia

através do mecanismo inúmeros sentimentos são transmitidos para as crianças em tratamento, contribuindo para a recuperação e bem-estar. Em torno de cinquenta crianças já usufruíram desta ferramenta de aproximação. “Também temos interesse em expandir o número de ursos, inclusive utilizá-lo na enfermaria e na ala do TMO (Transplante de Medula Óssea), com as crianças de lá”. O vídeo de apresentação da ação superou as expectativas, foi compartilhado milhares de vezes e se tornou notícia com foco nacional. “Tínhamos a expectativa de que eles gostassem, mas não pensávamos numa repercussão tão positiva e contagiante. Fantástico isso!” A receptividade das crianças foi excelente e pelo brilho nos


olhos, dá para perceber que tem sido uma alegria estar com o ELO e utilizar seus recursos.

“As mensagens podem ser atualizadas e ficam à disposição da criança para a próxima vez que decidir apertar a mão do ursinho” - Dra. Claudia Estímulo, carinho e aproximação Sabrina Vômero Teixeira Manzini, 35, conta que há dez meses descobriu que o seu filho Theo Teixeira Manzini, 4, estava com LLA (leucemia linfoblástica aguda). O seu organismo respondeu muito bem aos medicamentos, e desde o primeiro mês de tratamento não tinha mais a doença. Ela diz que sabia que ia ser difícil, mas não da forma como foi. “Ele ficou muito tempo internado, foram tanto internações que faziam parte do protocolo de tratamento, como também algumas intercorrências ‘normais’ que podem acontecer durante o mesmo”. Para Sabrina, o ursinho ELO veio tornar significativas as mensagens de carinho e apoio que até então ela transmitia apenas por recado para ele. “A demonstração de carinho dos amiguinhos da escola se tornou algo muito especial. Diferente de transmitir o recado, foi ouvir a própria voz das pessoas que ele tanto ama”.

E realmente como mostra no vídeo, Theo ficou muito surpreso e jamais imaginou que aquele urso que estava em suas mãos, além de ser um brinquedo lindo e macio, também transmitia mensagens de carinho, amor e superação. “Inclusive foi difícil de ele entender que não poderia levá-lo para casa, uma vez que o objetivo neste momento é somente para as crianças em isolamento”. Theo, que está curado, é o garoto que queria fazer um pijama para o seu ELO companheiro durante os dias em que esteve internado. Após vários exames, há um mês o simpático Sidney dos Santos Santana Cassimiro, 9, está internado no Hospital Amaral Carvalho. Vindo de Penápolis/SP com sua mãe, a monitora Claudiana Salustiana da Silva, 34, ele chegou ao local para tratar um linfoma. As mensagens chegam a todo instante através do ELO, estimulando a alegria e o alto astral neste momento tão difícil. “Minha mãe, irmãs, a professora e os amiguinhos da escola enviam mensagem o tempo todo, demonstrando que mesmo com a distância estão conosco torcendo por sua recuperação”. Um momento de bastante comoção foi o primeiro contato entre Sidney e o mascote. “Ele apertou a mãozinha, me olhou e disse que o ursinho contou para ele que todos estão com saudade e esperando ansiosamente por ele”. O menino, que foi adotado pela monitora com poucos dias de vida, tem uma fissura palatial, faz tratamento na AACC e no dia desta reportagem estava raspando os cabelos que começavam a cair. 

Acesse o vídeo: http://youtu.be/cEZ4Ob1RLo8

Sidney Dra. Cláudia


vida

Boa

Por João Baptista Andrade

Comida e Sal Qualquer médico, nutricionista, preparador físico ou profissional da saúde vai dizer mal do sal de cozinha

A

liás, eu acho que essa coisa de demonizar algum tipo de comida ou componente alimentar é um troço meio cíclico. Quer exemplos? Só para ficar nos clássicos: manteiga versus margarina; carne vermelha versus frango com hormônio; proteínas versus carboidratos e por aí afora. Só de cabeça sou capaz de listar dúzias de artigos “definitivos” sobre os malefícios à saúde causados por algo tão singelo quanto um ovo ou açúcar! Acho que isso é uma coisa decorrente do terrorismo politicamente correto que a todos nós aflige e, por que não dizer, aporrinha sobremaneira. Uma vez, numa dessas rodas de boteco (sim, eu gosto de frequentar bons botequins porque gosto da comida e da bebida – detesto gente hipócrita), alguém contou a “História” do beijo. A necessidade de obter sal levava os nossos antepassados evolutivos a buscar o dito cujo no suor do colega. Daí a preferir alguém do sexo oposto julgado atraente... Daí a preferir lamber a pele do rosto... Daí a roçar nos lábios... Claro que eu não encontrei nenhuma confirmação da história, mas foi divertido ouvir o papo de boteco. Ainda mais que deu o maior assunto com a minha mulher (sim, eu sou daqueles que beija a própria mulher, e com paixão!).

A verdade é que o corpo humano precisa ingerir sal porque o elimina sistematicamente através da urina, do suor e assim por diante

Também existem exemplos de várias outras espécies animais que comem terra por causa do sal. Nem vou mencionar as guerras e disputas que ocorreram por causa do sal de cozinha. Quem leu Gandhi sabe o que representou a marcha pelo sal na libertação da Índia. Também vou deixar de lado aquela coisa batida sobre a etimologia da palavra salário, que o sal foi usado como 70 Revista Energia

meio de pagamento, etc. Não quero cansar o leitor com essas informações banalizadas de tão repetidas. E se por acaso você é cristão como eu, desnecessário mencionar Jesus, o sal da terra. Mas tem uma fábula infantil que eu adoro. O rei tinha três filhas e sempre perguntava a cada uma delas o quanto era amado. Claro que princesas de fábulas têm umas falas inacreditáveis e sempre descreviam seu amor comparando-o a jóias, riquezas, sabedorias, prosperidade eterna e assim por diante. Menos a caçula. Ela sempre respondia baixinho “Amo-vos como ao sal”, o que muito irritava ao rei. Passam-se os anos, as princesas se casam e se vão. O rei fica velho e abandonado e quem cuida dele? Claro que a filha caçula, senão a fábula não faria sentido. O momento preferido do rei? Quando a princesa acrescentava uma pequena pitada de sal na sopa dele. Destaque para a palavra pequena, por favor. Agora com essa tal globalização reinando absoluta, até mesmo acima da Dona Dilma e seus asseclas ou do rei da fábula, é possível encontrar tudo quanto é tipo de sal. Por causa da Aninha, minha filha, estamos usando sal do Himalaia (é cor de rosa e uma delícia nas saladas). Mas no geral é fundamental que você coma pouco sal, considerando que os alimentos já possuem sal. Melhor ainda: evite os produtos industrializados, pois o sal é o conservante mais barato do mundo e a indústria alimentícia usa e abusa do dito cujo, que acaba sendo, injustamente, o vilão da história toda. Você eu não sei, mas eu tenho dificuldades para perceber quanto sal eu coloco na comida enquanto cozinho. Sistematicamente é menos do que eu devia, mas de vez em quando eu me empolgo e exagero. Graças a Deus eu tenho essa maravilha cristalina que por aqui anda e tanto me alegra. Uma princesa que controla os delírios desse meu lado marinheiro e, por conseguinte, o peso da minha mão na hora de usar o saleiro (esse aí mora na cozinha e jamais frequenta a minha mesa!). Nada mais eficaz que uma mulher absolutamente doce para compensar os abusos de um homem apaixonado (e compulsivo). Ou não... Até a próxima.. 


guia da gula

guia gastronômico

Foto: Divulgação

sabores para todos os paladares

Sodiê Doces Com uma enorme gama de produtos à pronta entrega, agilidade e atendimento de qualidade, a Sodiê Doces atende diariamente de segunda a quarta-feira das 8 às 20h; de quinta a sábado das 8h às 22h e domingos e feriados das 8h às 18h. Para esta edição apresentamos o bolo do mês, o suculento Delícia de abacaxi, feito à base de pão de ló, recheio de doce de leite com abacaxi e cocada; cobertura de marshmallow e cerejas. Este mês o quilo desta delícia sai por R$ 26,90*. Sodiê Doces Rua Lourenço Prado 112 - Centro - Jaú/SP (14) 3621 2090

* Preço válido a partir de um quilo.


Vitrine

Sua melhor

opção de compra! Tecnologia sobre rodas! Texto Marcelo Mendonça

Nova Saveiro

Volkswagen lança linha 2015

Avenida Antonio Henrique Gallerani Pelegrina 315 Fone 14 3601 3000

A Volkswagen do Brasil acaba de lançar a linha 2015 do Gol, Voyage e Saveiro, que chegam às concessionárias no início de abril. Com ainda mais conteúdo de série e novos itens de tecnologia, o grande destaque é o novo motor 1.6l MSI de até 120 cv (com etanol), da família EA211, produzido na fábrica de São Carlos. Um dos mais modernos fabricados pela Volkswagen no país, o propulsor faz sua estreia no Gol Rallye e na Saveiro Cross, oferecendo excelentes resultados de performance e de consumo de combustível. Além do novo 72 Revista Energia

motor, outra novidade da linha 2015 é a incorporação da nomenclatura global para diferenciar as versões do Gol e do Voyage: Trendline, Comfortline e Highline. A Saveiro 2015 também vem com a nomenclatura global de comerciais leves da marca. Agora são 3 versões: Startline (Cabine simples e motor 1.6l MSI, de até 104 cv), Trendline (Simples e Estendida e o motor 1.6l MSI) e Cross (Estendida e o novo motor 1.6l MSI, de até 120 cv). Em sua linha 2015, a Saveiro é a picape compacta com mais recursos de segurança do Brasil.


VEM AÍ

VESTIBULAR DE INVERNO! INSCRIÇÕES ABERTAS!

Revista Energia 73


Fotos: Divulgação

Autoconhecimento

Investindo em você 74 Revista Energia


Quem se conhece profundamente e controla seus sentimentos e atitudes tem competência para realizar grandes conquistas

Texto Heloiza Helena C Zanzotti

A

humanidade passa, atualmente, por um momento de busca. Pela felicidade, pela realização de sonhos, por desenvolvimento pessoal e profissional, enfim, por qualquer coisa que traga mudança. As experiências que vamos adquirindo ao longo de nossas vidas formam nossa visão do mundo e aliadas a fatores culturais, educação familiar e convívio social, vão formando o caráter e as crenças de cada indivíduo. Com o passar do tempo vamos adquirindo também medos, bloqueios, ansiedades e transtornos causados por experiências desagradáveis que vivemos em algum momento de nossa existência. Assim, diversos setores de nossa vida acabam sendo afetados de alguma maneira, e é quando nos apercebemos disso que acabamos procurando ajuda.

Desenvolvimento pessoal x autoajuda Com uma coisa todos concordam: quem se conhece tem maior controle sobre suas ações e emoções e, portanto, mais equilíbrio e tranquilidade, o que traz benefícios na vida pessoal e profissional. Entretanto, escolher entre os milhares de títulos de autoajuda disponíveis no mercado e afundar-se na leitura costuma ser decepcionante. Porque embora existam excelentes livros e autores, cada pessoa possui uma história diferente; a história pessoal do autor e do ambiente em que ele vive é diferente da sua. Assim, o que realmente funciona é a experiência de cada um, e é isso que os treinamentos de desenvolvimento pessoal fazem. Não há milagre, não existe o gênio da lâmpada. Você tem que se envolver no processo.

contemporânea, entre outras. E os benefícios de sua aplicação se sustentam ao longo do tempo. Conheça alguns treinamentos disponíveis, e saiba como eles podem ajudar você.

Pró-Vida Criada em 1978 pelo médico e filósofo Dr. Celso Charuri, é um movimento filosófico que se propõe a conduzir pessoas interessadas a reconhecer e despertar o enorme potencial de suas capacidades mentais, psíquicas e espirituais. Oferece um programa gradual de treinamento e desenvolvimento mental através de cursos ordenados em níveis de formação, apresentados através de exercícios, treinamentos, reuniões, palestras, pesquisas e convívio. Atividades que permitem o desenvolvimento e a ampliação da consciência, da percepção e reconhecimento de si mesmo e do meio, favorecendo a realização de seus objetivos. O interessado deverá primeiramente agendar e comparecer em uma visita a uma de suas sedes para inscrever-se. Há uma sede em Jaú. (fonte: www1.provida.org.br)

Empretec Realizado pelo Sebrae, utiliza metodologia da Organização das Nações Unidas (ONU) voltada para o desenvolvimento do comportamento empreendedor e para a identificação de novas oportunidades de negócios. Todo ano, o Empretec capacita em torno de 10 mil participantes. O Empretec visa à melhoria no desempenho empresarial, maior segurança na tomada de decisões, a ampliação da visão de oportunidades aumentando, assim, as chances de sucesso empresarial. Há uma turma prevista para agosto/2014 em Jaú. (Sebrae Bauru - 0800 5700800)

Treinamentos e cursos É cada vez maior o número de pessoas e empresas que estão recorrendo a treinamentos de desenvolvimento pessoal a fim de melhorar a vida e a carreira profissional. A pergunta é: até que ponto esses treinamentos ajudam a realizar grandes mudanças e trazer excelência para a vida destas pessoas? Alterar a maneira como cada um atua não é simples, mas tudo depende de como o processo é conduzido pelo treinador, e da vontade de quem passa pelo processo. Com determinação, é possível ultrapassar limites e alcançar o tão almejado equilíbrio pessoal ou sucesso profissional. São inúmeros os métodos aplicados através de técnicas de Coaching, PNL, Psicologia

Não há milagre, não existe o gênio da lâmpada. Você tem que se envolver no processo Instituto Tadashi Kadomoto (ITK) Com sede em Campinas, SP, fundado há mais de vinte anos por Tadashi Kadomoto e atuando atua na área de treinamento Revista Energia 75


Marcelo José Avante

comportamental, desenvolvimento e crescimento pessoal, o ITK trabalha com a Psicologia Transpessoal, que estuda os diferentes níveis de consciência e suas relações com a percepção de realidade, crenças, valores, ação, doença e saúde das pessoas. Possui modalidades como Leader Training, Transcendendo seus limites, A arte de negociar e vender, Orientação vocacional e profissional, Vivendo com inteligência emocional, entre outros. (www.tadashi.com.br)

Eles enfrentaram os desafios Marcelo José Avante, 39, empresário, fez o Empretec e afirma: “Quem opta por fazer o Empretec sai na frente. Todo empreendedor que vai começar um negócio deveria fazer este treinamento. O investimento compensa muito. Sempre fiz todos os cursos do Sebrae e quando fiquei sabendo do Empretec não tive dúvidas. Fiz em Bauru, acho que fui da 1ª turma. É fantástico, melhorou minha visão do negócio, permitiu um crescimento pessoal e grande maturidade como empresário”. Luiz Carlos de Campos Prado Júnior, 49, engenheiro, já fez Pró-Vida, Matrix University Brasil e DLDesenvolvimento e Liderança, entre tantos outros. Ele conta que sempre procura por cursos de aperfeiçoamento pessoal, pois eles acrescentam muito à vida das pessoas. “É muito importante para aqueles que

76 Revista Energia


querem ter o controle da própria vida e, assim, serem mais felizes”, afirma. Sobre o valor do investimento nesses cursos ele diz: “Não acho que seja tão alto. Quem acha caro, não conhece seu real valor e seus benefícios. É algo que reflete na família, no trabalho, nos contatos sociais”. Denise Sgavioli, 49, gerente em saúde, participou há 12 anos de um treinamento de liderança através do Instituto Tadashi Kadomotto. E diz: “Foi uma experiência única, intensa e profunda, o meu próprio resgate, a oportunidade de enfrentar situações que não havia entendido ou resolvido. Cada pessoa envolvida nesse treinamento se encontra com a história da própria vida. Exercito sempre a tolerância e o respeito pelo tempo de ação de cada pessoa com a qual convivo, e tenho a certeza que minha vida tem que estar sob o meu controle para que eu possa assumir e resolver sentimentos e situações sob o prisma dos meus valores, tornando a convivência com os outros melhor, sem culpas, agressões ou cobranças indevidas”. Paulo de Souza Gambarini, 60, médico na área de Patologia Clínica conta: “Participei do Treinamento Você em fevereiro de 2012, convidado por um amigo, numa hora em que me encontrava bastante cansado física e mentalmente. Como o próprio nome diz, esse treinamento é direcionado a nós mesmos, e é impossível não sair mudado dessa experiência. Foram vários resultados positivos, principalmente na questão da autoestima, aumento da confiança e segurança, aprendendo a eliminar os sentimentos incapacitantes diante da vida. Eu quero, eu posso! Por tantos benefícios que esse treinamento proporciona, com toda certeza é um investimento que vale a pena, e recomendo a todas as pessoas que estão em busca de melhora nos seus relacionamentos pessoais e profissionais, tão necessária no mundo de hoje!”

Depende de você Ninguém lhe dirá que após qualquer curso ou treinamento você será todo poderoso e resolverá todos os problemas de sua vida. A paz, o equilíbrio e a felicidade que procuramos não podem ser encontrados no externo, mas devem ser trabalhados internamente. Através de treinamentos sérios, você terá acesso a conteúdos que realmente poderão mudar sua vida, desde que esteja disposto. Mudanças profundas com resultados permanentes só são obtidas por aqueles que se dão a oportunidade. E você, está pronto para uma nova empreitada? 

Paulo de Souza Gambarini

Revista Energia 77


Informe Publicitário

Gerenciamento de obra é coisa

séria!

Evite surpresas desagradáveis para que seu sonho não se torne um pesadelo

N

ão restam dúvidas de que para qualquer coisa que se queira realizar, quanto mais planejamento e organização, mais satisfatórios serão os resultados finais. Funciona quando se quer o sucesso de uma festa, de uma viagem ou de uma construção. Nesse caso, contamos com o engenheiro generalista que tem ampla experiência em gerenciar o trabalho de especialistas dentro da sua construção.

Não é luxo

Contratar um profissional para coordenar seus projetos não é um luxo, mas uma atitude inteligente de quem quer ter segurança e economizar tempo e dinheiro garantindo eficácia em todas as etapas.

Quero construir, por onde começar? Pela compra do terreno, onde já é fundamental uma consultoria ao engenheiro que irá coordenar sua obra, pois é importante analisar custo, localização e acesso, bem como avaliar as condições do solo e nível da rua e terreno, a fim de prever e evitar problemas como enchentes e gastos absurdos com aterros. Além de conferir a área de zoneamento e documentação.

Anteprojeto e projeto Essa é a hora de mostrar suas preferências e seu estilo de vida, sem esquecer-se da verba que pretende investir. Nessa hora será levada em consideração a fundação, insolação, arborização, possíveis ampliações, adega, churrasqueira, piscina, escritório, pontos de elétrica e hidráulica, alarme, sonorização, telefonia, ambientes com móveis planejados, padrão de acabamento, etc... Depois vem a elaboração dos projetos Arquitetônico, Estrutural, Elétrico e Hidráulico e se você não tiver acompanhamento profissional na coordenação de todas essas informações dentro da obra, o resultado poderá ser desastroso e oneroso.

Obra e legalização O engenheiro coordenador conta com especialistas de cada setor e sabe como conduzir todos eles no momento ideal, bem como orientar na cotação de preços, opinar quanto à qualidade do serviço e material, direcionar a contratação de mão de obra dentro da expectativa do cliente. Quanto à legalização da obra, esse profissional sabe orientar ou providenciar alvará de construção, registro junto ao INSS, habite-se, entre outros. 

Revista Energia 79


80 Revista Energia


Vinhos Por Brenda Ruffo

E

Espumantes e Casamentos

Espumante é festa, é a celebração da vida e da alegria, e tem tudo a ver com momentos como este

m determinado momento você se depara com a hora de escolher o que servir de bebidas. Uísque, cerveja, refrigerante e água são até fáceis de definir, mas quando o tema é o espumante, a situação muda um pouco. Há diversos tipos e preços de espumantes no mercado, e a busca pode ser infinita. Nesta edição damos algumas dicas para você escolher o seu tipo de espumante. Espumantes Brut ou Prosecco são super elegantes e vão bem desde a recepção até o final da festa, passando tranquilamente pela harmonização dos pratos. Por não ser doce, é menos consumido. Pode-se calcular uma garrafa para até seis pessoas da festa. Uma excelente opção é colocar um vinho do tipo Moscatel, que é levemente adocicado e exatamente por isso é bastante usado, por agradar o paladar de grande parte dos convidados. Elabora

uma harmonização leve e sutil com o bolo e os doces. Calcula-se no máximo uma garrafa para quatro pessoas. Por fim temos os famosos Lambruscos, que são muito procurados possivelmente pela questão do preço, geralmente um pouco mais em conta do que os outros citados. Considerar uma garrafa para até cinco pessoas. Não poderia deixar de citar o Champanhe, que é o máximo da sofisticação. Indica-se ter ao menos uma garrafa para o brinde aos noivos. Para quem ainda não sabe, os espumantes nacionais estão na elite mundial. Estamos produzindo rótulos de muito boa qualidade, isto é um fato. Assim, seguem sugestões para facilitar ainda mais na hora de escolher o vinho que vai servir neste momento tão especial: Prosecco Valmarino, San Diego Brut, Castellamere Moscatel, Casa Valduga Moscatel. 

Revista Energia 81


Fotos: internet

Internet

Saúde Animal A questão da saúde animal é também uma questão de saúde humana

O

Texto Ricardo Izar |Colaboração Luís Filipe Nazar

PL 3764/2012, de minha autoria, permitirá a venda fracionada de medicamentos voltados aos animais. Estou acompanhando também o PL 1089/2003, que permitirá a existência de medicamentos veterinários genéricos. Ao cuidar bem da população animal estamos inevitavelmente prevenindo diversas doenças humanas, já que os animais podem ser focos de disseminação de diversas doenças infectocontagiosas, além, é claro, de dar-lhes o devido e digno tratamento que merecem. 82 Revista Energia

Os projetos que permitem a venda fracionada de medicamentos para uso veterinário e a aprovação da autorização e regulamentação para fabricação de medicamentos genéricos na medicina veterinária são providências importantes para avançarmos no âmbito de saneamento e saúde humana e animal, na medida em que essas providências vão baratear o custo do tratamento e, portanto, torná-los mais acessíveis a uma gama maior da população brasileira. Podemos dizer que os grandes benefícios do medicamento genérico é proporcionar qualidade, eficácia e segurança a um


custo baixo e muito mais acessível, o que trará benefícios à saúde dos animais.

Uma das principais razões que elevam os custos das consultas em clínicas veterinárias é o valor alto de alguns medicamentos A meu pedido, o PL dos genéricos veterinários foi colocado em pauta e aprovado pelo Plenário da Câmara dos Deputados. Trata-se de um substitutivo do apresentado pelo Senado, que permite a utilização de medicamentos genéricos na medicina veterinária e estabelece preferência para eles nas compras governamentais. Já com relação à venda fracionada, permitiremos que a economia seja de até 80% em determinados casos. Existem remédios que são vendidos em uma caixa com muitas ampolas, e o consumidor poderá comprar somente uma com a aprovação desse PL. A venda fracionada será permitida em clínicas, pet shops e demais estabelecimentos. Esse Projeto já foi aprovado na Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara (CAPADR), e até agora tem contado com o apoio dos meus pares, que a meu pedido estão dando andamento ao Projeto dentro da Câmara dos Deputados. Uma vez aprovado, o PL seguirá para o Senado e posteriormente para Sanção Presidencial, e somente então entrará efetivamente em vigor. Como criador e presidente da Frente Parlamentar do Congresso Nacional em Defesa dos Direitos Animais, sigo lutando dentro do nosso Parlamento para conseguirmos cada vez mais avanços na proteção de todos os seres vivos. 

Deputado Federal Ricardo Izar Economista, coordenador para o Sudeste da Frente Parlamentar em Defesa do Consumidor de Energia Elétrica e membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara Federal, Presidente da Frente Parlamentar de Habitação e Desenvolvimento Urbano, Presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Animais, Membro do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados


Informe Publicitário

Páscoa com solidariedade tem sabor especial! Páscoa é sinônimo de renascimento, renovação, doação, desprendimento!

E

não poderia haver significado maior para esta data do que a total entrega de Nosso Senhor Jesus Cristo para salvar a humanidade. A Impressora Brasil, acatando os ensinamentos do Mestre que nos diz: “Olhai com bondade e fraternidade para os mais humildes e pequeninos”, faz questão de realizar singelas doações para creches e entidades assistenciais de nossa cidade, além de contemplar também os familiares dos colaboradores e funcionários, em todas as datas especiais que comemoramos durante o ano - Natal, Páscoa, Dia das Crianças. Uma atitude concreta de uma empresa que respeita o ser humano e sabe do seu papel e responsabilidade na sociedade e no contexto em que está inserida. Desta forma, nesta Páscoa não poderia ser diferente, a

Impressora Brasil realizou no dia 16 de abril último, a doação de ovos de páscoa para as crianças das creches da Vila XV, Jardim Padre Augusto Sani, Jardim Maria Luiza IV e também aos colaboradores da empresa, com muita satisfação e orgulho por fazer a sua parte e promover momentos de alegria e satisfação a todos os nossos irmãos que foram generosamente contemplados. 

Que a cada amanhecer as alegrias, energias e esperanças possam renascer abundantemente em cada um de nós! São os mais sinceros votos da Equipe Impressora Brasil.


1

Garantia de três anos

2

Melhores taxas de juros

A garantia Fiat existe para toda linha de carros de passeio. De acordo com a marca, em janeiro deste ano a cobertura para motor e câmbio passou para 36 meses, abrangendo defeitos de montagem ou de fabricação e incluindo a garantia legal de 90 dias. Torcemos sempre para não precisar usá-la, entretanto, é sempre bom estar seguro, afinal, imprevistos acontecem.

As

No parcelamento de um carro zero quilômetro as taxas de juros são as menores possíveis, podendo até ser “zero”, dependendo do valor da entrada. Entretanto, quando o assunto são carros seminovos, as taxas são maiores. Isso faz com que o valor das parcelas seja mais alto, assim como o preço final do veículo. Vale ficar atento!

+ 5

Vantagens

de adquirir um Fiat O km Quem não gosta de sentir aquele cheirinho de carro novo? Além disso, adquirir um zero quilômetro tem vantagens indiscutíveis: mecânica confiável, custos de manutenção baixos, garantia de fábrica e, claro, as revisões

3

Confiat

4

Mais tranquilidade e segurança

5

Certeza de bom negócio

Confiat é um programa de assistência 24 horas que a Fiat oferece aos seus clientes em casos de pane elétrica ou mecânica, dentre outros benefícios. Tem abrangência em todo o território nacional e você poderá usufruir do programa por até 3 anos (exceto para veículo reserva, que só é concedido no primeiro ano), 24 horas por dia, 7 dias por semana, inclusive feriados. Acionando o Confiat, você tem a certeza de que seu veículo será reparado por uma oficina autorizada Fiat, e isto lhe garantirá a máxima tranquilidade na preservação dos itens cobertos em garantia e ainda a qualidade dos serviços. Benefício esse apenas para quem compra um zero!

Na compra de um zero quilometro não existe dúvida alguma quanto à procedência do veículo. E sabemos que quando o assunto é segurança, todo cuidado é pouco. Portanto, nada melhor que saber que seu carro saiu da concessionária direto para sua garagem.

Com quatro modelos entre os dez mais vendidos (Uno, Palio, Siena e Strada), a Fiat encerrou 2013 na liderança do mercado brasileiro de automóveis e comerciais leves pela décima segunda vez. Em uma empresa em que a credibilidade e qualidade não ficam de lado, a compra de um zero quilometro é certeza de um bom negócio. 


Trabalho e 1 Previdência Por Giovanni Trementose

empresarial@revistaenergiafm.com.br

Benefícios residuais Como deverão ser recebidos os valores residuais de benefícios do INSS após o falecimento do segurado

O

s valores residuais junto ao INSS são as diferenças de benefícios não pagas ao segurado enquanto vivo. São compostos pelo proporcional de dias do mês do falecimento do segurado e pelo valor do 13º salário, igualmente proporcional ao número de meses do ano em que o segurado faleceu. Podemse incluir outros valores, como os devidos por revisão de benefício ou até quando a concessão é feita após o óbito do segurado. Para melhor exemplificar, temos o caso do segurado falecido em 20/03/2014. O valor residual a ser pago pelo INSS corresponderá aos 20 dias do mês de março, mais o correspondente a 3 meses do 13º salário. Existindo dependentes legais, os valores residuais serão pagos a quem se habilitar ao benefício de pensão por morte. Não havendo dependentes que possam se habilitar à pensão por morte, os valores serão pagos aos herdeiros legais. Vale lembrar que para o recebimento dos valores será necessária a apresentação de um alvará judicial (ou formal de partilha, caso exista inventário).

Muita atenção quanto aos saques feitos após o óbito! Ele é indevido, e o INSS solicitará a devolução dos valores Muita atenção quanto aos saques feitos após o óbito! Neste caso, o saque será indevido, sendo que o INSS solicitará a devolução dos valores. Mesmo que o crédito se refira a um período em que o segurado estava vivo, este não poderá ser levantado após o óbito. Como já destacado, somente uma autorização judicial consentirá o recebimento de tais valores, podendo responder, inclusive criminalmente, quem de forma ilegal efetuar saques dos valores residuais. Portanto, fique atento e faça valer seu direito, sempre visando ao mais lídimo respeito à legislação em vigor. 


Entre Aspas

Quase tudo sobre elas...

N

Por Leandro Carvalho

inguém que ama acredita exagerar demais: diz a todo o momento que é preciso ter cuidado, para levar o guarda-chuva, não esquecer a blusa de frio, não beber muito, não falar com estranhos, sempre olhar a rua ao atravessar, pega aquilo, faz aquilo outro, não esquecer deste, traz tal coisa. Dentre tudo isso e mais uma infinidade de coisas, existe o amor no olhar. Talvez este amor exagerado, esse cuidado excessivo venha embutido na palavra mãe, na ação de ser uma mãe. Pensei ser fácil falar sobre este assunto, mas quando comecei me dei conta de que tenho três mães: minha avó, minha tia e a que me gerou. Exagero meu? Não! Sou filho sem pai e me orgulho de ter as três mosqueteiras em minha vida, pois com elas aprendi muito e tentarei transcrever meu orgulho. Nunca foi uma vida repleta de desejos realizados, afinal, eu nem fui planejado. Apareci na vida de uma jovem de 17 anos, que teve de pausar seus sonhos para me dar a vida. Nasci de oito meses, fui acolhido por elas com todo amor que um ser indefeso poderia ter. Minha mãe precisou voltar a trabalhar para me dar algo, foi pra roça, foi lavar banheiro de madame, onde seus pés e mãos alcançaram para levar comida pra mesa. Já minha tia parou de trabalhar um tempo para cuidar de mim, e minha avó ficava comigo à noite, pois minha mãe tão pouco tinha energias para aguentar minhas brincadeiras. Cresci observando todo aquele cuidado, vieram meus primos e dividiram comigo a força que elas tinham para nos socorrer. Forças que ainda continuam, pois sempre escutei minha avó dizer que “depois da primeira noite como mãe, nunca mais teve uma calma noite de sono”. Na escola sempre tive notas boas, mas por falar ou bagunçar demais elas eram chamadas. E eu achava aquilo lindo, mas hoje me lembro do olhar de decepção que elas tinham. Com uma boa bronca, eu acalmava meus ânimos e tentava ser mais comportado, eu disse tentava, ok? Resolvi sair de casa, ir morar sozinho, não por regras ou pressão, nunca tive isso, nós quatro sempre tivemos boas conversas e sempre soube por elas o que era certo ou errado, apenas quis correr atrás dos meus sonhos, e elas me apoiaram em todas as decisões que eu tomei, me incentivaram, muitas vezes sabendo que não era o melhor para mim, mesmo assim elas diziam para eu tentar, e que se não desse certo eu teria as asas para me acolher. O tempo passou, e minhas princesas continuam do mesmo jeito, mas apenas hoje eu vejo que tudo que elas faziam era para o meu bem. Eu não entendia o motivo de tanta preocupação ou tanta defesa, era apenas para me proteger do mundo que muitas

vezes quer nos engolir. E eu consigo agora ver que o que mãe fala acontece! Se ela diz que vai chover, você vira a esquina e cai o temporal; se diz pra tomar cuidado com uma nova amizade, não demora muito até você levar uma história ruim para ela. E eu tive três vozes para me alertar do perigo das pessoas e suas maldades, mesmo assim, muitas vezes, ou melhor, na maioria das vezes eu penso ser um exagero, mas o que sempre sei é que a razão é sempre delas. Não digo que sou santo, pois estou muito longe de ser, me arrependo de bater a porta, gritar no quarto, deixá-las aflitas, sair sem avisar, deixá-las dormirem com dor no olhar, mas as loiras da minha vida me mostraram como ser um homem melhor, pois quando eu quis cair, elas me levantaram; quando chorei, elas dividiram o mesmo choro; quando o mundo parecia ter me virado as costas, elas me mostraram a luz que eu precisava ver. Muitas vezes deixamos de dizer o quanto as amamos, mas eu procuro sempre fazer isso, pois sei que não seria nada do que sou sem elas, e muito menos o que pretendo ser um dia. Elas se fizeram meu porto seguro, meu muro mais alto, onde quase nada que me faça mal consiga passar. Foi tamanha dedicação que me faz mais forte a cada dia, mesmo que todo dia eu precise fazer um novo começo. Tenho amigos que não tiveram mãe, e meu sentimento aperta quando falo sobre isso, pois mãe é uma coisa que deveria ser eterna. Elas nos dão a vida, e por qual motivo elas partem? Tudo bem, talvez eu tenha uma resposta: o fluxo natural da vida, a dor é maior quando a mãe vê seu filho partir. E também amigos que não têm mãe biológica, mas o que importa isso? O amor de mãe adotiva é o mesmo: ela criou, deu educação, amou como se fosse a parte que dela saiu. Protegeu, brigou, respeitou e passou por cima de preconceitos que a sociedade colocou. Errando, sendo cruéis e muitas vezes ofensivos com nossas mães, somos estúpidos e sabemos que logo depois da lágrima de decepção vem o perdão, afinal, o único amor verdadeiro é de mãe para com seu filho. Sem elas nada disso seria possível, por mais que haja briga, desentendimento, rancor, sempre há uma nova maneira de dizer “mãe, obrigado!”. E se já for tarde para dizer isso, diga em pensamento, pois elas nunca nos abandonam e não importa o que faça, ela sempre estará do seu lado. E se muitas vezes não entendemos certas coisas, é porque não temos o dom de ter o sentimento de mãe. Agradecer todos os dias talvez seja o mínimo, e de tantas coisas que poderíamos dizer para elas, muitas vezes terminamos assim, em silêncio, pois nada no mundo compreenderia tanta gratidão por alguém que simplesmente nos deu a vida e nos amou incondicionalmente. 


Revista Energia 45  

A Revista Energia é uma publicação mensal da Rádio Energia FM. Garanta seu exemplar, gratuitamente, nos pontos de retirada: Posto São João e...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you