Deccs Skateboarding Magazine #116 - Revista Skate

Page 1


RYAN PRESTES

Patrocínio: xtreme__ skateboarding alphaflipskatesurf_ Apoio: barbeariabarbado Curitibaskatepark Local: rua15 de novembro Fotografo: @lightsbybill Curitiba

Skatista: Ryan Prestes Idade: 16 anos Tempo de skate: 14 anos Instagram: @ryanprestessk8 Cidade: Piraquara Técnico: @técnicoskt [02] - DECCS MAGAZINE


FOTOGRAFO: @LIGHTSBYBILL

BS CROOKED

DECCS MAGAZINE - [03]


FRONTSIDE FIVE O GRIND indice

Editorial

Agradecimento e Novidades

ANDRE PAIVA

[04] - DECCS MAGAZINE

Salve!! Meu nome é Andre Paiva satisfação total, Chegamos na edição N116, gratidão a todos que estão abraçando a Revista Deccs Magazine de uma maneira incrível e acolhedora, Gratidão por todos que estão na edição N116 e aceitaram o desafio de tão pouco tempo. novidade, estamos com um novo layout de Capa Versão 2022, Gratidão também a todos os Fotógrafos e todos os leitores que estão sempre marcando presença nas edições Semanal.

CAPA Skatista: Victor Telles Capa - 01/AGO - N116 Manobra Capa: Ollie Acompanhe a entrevista - inédita. Corre lá Pag: 12-17


IGOR DANIEL Instagram: @igorsorry

Fotografo: @Sk8NoFront

indice

EDITORIAL

INDICE

DIRETOR: ANDRE PAIVA REVISÃO: DECCS MAGAZINE EDIÇÃO: JUL DIA 01 ED: N116 REDAÇÃO: DECCSMAGAZINE CORREÇÃO: DECCS MAGAZINE ANUNCIE: DECCSMAGAZINE@GMAIL.COM ASSINE: WWW.SHOP.DECCSMAGAZINE.COM.BR

CAPA - VICTOR TELLES: ABERTURA - RYAN PRESTES: IND & EDIT: IGOR DANIEL: FLOW/AM - LÚCIO ALVES: FLOW/AM - GABRIEL DATSCH: FLOW/AM - FERNANDO BILL: FLOW/AM - JUNIOR LOPES:

Editorial

A REVISTA DECCS MAGAZINE É UMA PUBLICAÇÃO SEMANAL DCS WWW.SHOP.DECCSMAGAZINE.COM.BR

:12-23 2-3 4-5 6 7 8 9

FLOW/AM - GLAUBER HAMANN: FLOW/AM - DIOGO FERNANDES: MATÉRIA - CA$A DOI$: FLOW/MIRIM: WENDEL MONTEIRO: ANUNCIANTE: OBI TRUCKS CONTRA CAPA - VICTOR TELLES:

10 11 18-21 22 23 24

DECCS MAGAZINE - [05]


FLOW AM

FLOW/AM

LÚCIO ALVES

30 ANOS, 18 ANOS DE SKATE, BALNEÁRIO CAMBORIÚ – (SC) / @LUCIOALVESZ Como surgiu o interesse de ser skatista? Quando eu era criança em frente em minha casa existia um bosque com uma quadra de futsal, mas o que dominava a quadra era o skate, fui vendo a rapaziada e comecei a cola junto pra se divertir. Como foi se adaptar e ainda conseguir evoluir nessa situação da covid? Na real na COVID foi embaçado! Correria de trampo e muitas outras coisas que tive que deixar o skate um pouco de lado e tentar conciliar entre skate e trapo! Estava em uma faze de mudança de cidade então foi bem embaçado! Conte sobre seus treinos e preparos físicos? Uma alimentação correta e alongamentos diários. Você está trabalhando em alguma vídeo parte? No momento não estou fazendo parte vídeo, porém algumas produções em projetos dos camaradas.

FOTOGRAFO: DIOGO FERNANDES MANOBRA: FAKIE POP [06] - DECCS MAGAZINE

Conte sobre uma trip que marcou sua caminhada no skate? A primeira vez que fui pra SP! Inesquecível! As sessões diárias e as vivências nós picos clássicos da cidade cinza não vão sair da memória! Mais uma imagem cabulosa que tenho é quando colei no vale e tinha um mano só com a metade do pé, e estava cheio de bicho … sinistro. Como está sua caminhada para se profissionalizar? Na real até estou desencanado de ser profissional, faço um rolê pós trampo quando rola, skate está em minha vida desde a infância então pra mim sempre foi e sempre vai ser diversão garantida. Como está o trabalho em Competições? No momento não estou mais competindo, a correria do dia a dia me limita para poder viajar e participar de eventos.

Conte um pouco sobre seus patrocinadores que fortalecem seu skate no dia a dia? Sem palavras! A MERCADO SKATE SHOP e a MESS GLOBAL sempre chegando junto nas ideias para um progresso pessoal! Uma família que o Skateboard me deu, tenho certeza que estamos caminhando juntos para um futuro muito próspero. Influências no skate? Ahhh são várias!!!! Não poderia de deixar de falar do kennan, tom penny, Mariano entre outros. Mensagem e Agradecimento... Agradeço a Deus pela saúde e família concedida O skate mudou minha vida e deu um rumo aos meus caminhos colocando pessoas de bem em minha volta ! Uma frase? Trabalhe enquanto eles dormem! Faço você mesmo!


FLOW AM

GABRIEL DATSCH

FLOW/AM

30 ANOS, 22 ANOS DE SKATE, CASCAVEL - (PR) / @GDATSCH45 Como surgiu o interesse de ser skatista? Através da evolução social que tive na época em que conheci o esporte skate, percebi que era essencial praticar uma atividade cultural que indica o caminho para a interação com as pessoas, que começou quando meu pai Antonio Datsch dos Santos me passou dicas durante o treino, construindo obstáculos e pistas, com o objetivo de me levar em práticas esportivas como na capoeira e no skate. Como foi se adaptar e ainda conseguir evoluir nessa situação da covid? Quando percebi a necessidade de manter o distanciamento social, único problema era não poder sair de casa para treinar o skate, com as despesas econômicas por não ter trampos devido a pandemia, usava shapes e rodas gastas mesmo. usava qualquer tênis que ainda não tinha furos no solado muitas vezes presenteado pelos amigos, então aproveitei que tinha tempo de sobra e junto com uns parceiros do role, fizemos o corre, saímos pegar imagens das manobras na rua. Conte sobre seus treinos e preparos físicos? Antes das sessões de skate board, sempre rola um skate no solo para ver se os movimentos estão em dia, além do aquecimento e os alongamentos que é de lei. Você está trabalhando em alguma vídeo parte? Com o tempo em que treinando as manobras o nível de dificuldade começou a ser notado pelos videomakers e ficou cada vês mais fácil registrar, através dos treinos e com os amigos juntos pra filmar, é possível ter uma gravação de qualidade, tendo a possibilidade de se divulgar em uma vídeo parte. Conte sobre uma trip que marcou sua caminhada no skate? * Viajar com meu Pai para um campeonato da maha e conhecer uma distribuidora onde ganhei minha primeira cota como atleta de uma marca de skate. Como está sua caminhada para se profissionalizar? Sempre buscando manter o preparamento físico e a resistência durante as sessões no skate. Como está o trabalho em Competições? Sempre treinando manobras de bom nível para ter como opção em campeonatos que rolar a oportunidade de participar. Conte um pouco sobre seus patrocinadores que fortalecem seu skate no dia a dia? Já tive Patrocínios que ajudaram a manter o role durante um bom tempo da minha vida, hoje compro com skateshopes de skatistas, mas mantenho as despesas sendo pagas com Trabalho em empresas. Influências no skate? Rodolfo e Wagner Ramos, Anderson Camargo, Neverton Casela, Alexandre Massotti, Alex Carolino, Marcos Matozo, Cristian Barreira. Mensagem e Agradecimento... Agradeço a todos os Parceiros que contribuem para a evolução do role a cada dia inclusive a Deccs pela oportunidade, isso é o skate que não para. Uma frase? diante das dificuldades sempre há uma oportunidade.

FOTOGRAFO: DIOGO FERNANDES MANOBRA: OLIE DECCS MAGAZINE - [07]


FLOW AM

FLOW/AM

FERNANDO BILL

28 ANOS, 18 ANOS DE SKATE, MANDAGUAÇU – (PR) / @FERNANDOBILL Como surgiu o interesse de ser skatista? Uns caras andavam de skate na rua da casa da minha vó, foi quando eu começar andar. Como foi se adaptar e ainda conseguir evoluir nessa situação da covid? Na situação do COVID procurei andar em uns picos mais mocado. Mas foi uma fase complicada. Conte sobre seus treinos e preparos físicos? Eu tive uma lesão recente no tornozelo, estou fazendo fisioterapia, e procurando me cuida, mas agora, antes não fazia nenhum exercício fora andar de skate. Você está trabalhando em alguma vídeo parte? Sim, estou guardando algumas imagens de Vx, quero solta uma parte somente de VX. Conte sobre uma trip que marcou sua caminhada no skate? Este ano fomos para Barcelona com nossa Crew 147 skateboard e com certeza fui umas das trip que mas meu marcou. Como está sua caminhada para se profissionalizar? Então sou meio desencanado com isso eu amo de andar de skate, é isso sendo profissional ou não vou continuar andando. Se for para ser vai acontecer naturalmente. Como está o trabalho em Competições? Ultimamente estou procurando filmar na rua. Não estou muito envolvido com campeonatos, acredito que os campeonatos de skate mais grande estão tomando um rumo diferente do skate que eu vivo. Mas essa é minha opinião, nada contra campeonatos ou pessoas que andam de skate para correr campeonato! Skate é livre. Conte um pouco sobre seus patrocinadores que fortalecem seu skate no dia a dia? Eu tenho uma skateshop ( minguante skateshop) da onde eu consigo manter minhas contas de casa, é da onde vem minha renda. E estou a um tempo na Posible com shape , e roupa e faz uns 6 meses que estou ganhando uns tênis e roupas da Hokcs, que estão fortalecendo bastante também. E a 147 skateboard que sem palavras, pagou toda nossa viajem pra Barcelona. Obrigado Guilherme Deus abençoe irmão. Influências no skate? Meus amigos. Mensagem e Agradecimento... Primeiramente a Deus por ter colocado skate na minha vida, e quem corre comigo! Uma frase? Snake life. DECCS MAGAZINE - [08]

FOTOGRAFO: RONIEL FONSECA MANOBRA: NOLLIE HARD HEELGLIP B/S TAIL


FLOW AM

JUNIOR LOPES

FLOW/AM

31 ANOS, 18 ANOS DE SKATE, CASCAVEL – (PR) / @JUNIORLOOPPES Como surgiu o interesse de ser skatista? Influência do Meu tio. Como foi se adaptar e ainda conseguir evoluir nessa situação da covid? Fê. Conte sobre seus treinos e preparos físicos? Alongamentos. Você está trabalhando em alguma vídeo parte? Sim. Conte sobre uma trip que marcou sua caminhada no skate? Londrina só quem estava se lembra só vivência skatebord rua. Como está sua caminhada para se profissionalizar? Quando for a hora certa. Como está o trabalho em Competições? Vai indo. Conte um pouco sobre seus patrocinadores que fortalecem seu skate no dia a dia? Vai indo do jeito que dar estilo brasileiro com meus manos 147 skatebord-Há vela banks in the night- original capulho modo urbano. Influências no skate? Meus amigos de verdade. Mensagem e Agradecimento... Obrigado skate. Uma frase? Fé em Deus e pé na tábua.

FOTOGRAFO: HENRIQUE SANTOS MANOBRA: B/S BORDSLIDE DECCS MAGAZINE - [09]


FLOW AM

FLOW/AM

GLAUBER HAMANN

42 ANOS, 30 ANOS DE SKATE,CAMPO MOURÃO – (PR) / @GLAUBERHAMANN Como surgiu o interesse de ser skatista? No ano de 1993 surgiu o programa Skate Session, que passa a na televisão, vários amigos começaram a andar pela influência desse programa e eu fui no embalo rsrs. Como foi se adaptar e ainda conseguir evoluir nessa situação da covid? Não consigo andar várias vezes na semana, pela família e trabalho. Porém sempre mantive meus roles e trios durante o COVID, mais isolado, porém sem paralisações. Conte sobre seus treinos e preparos físicos? Em 2017 rompi o ligamento do tornozelo esquerdo enquanto filmava para um vídeo. Isso me deixou com os movimentos limitados, o que acabou causando sobrecarga no joelho direito. Em 2022 iniciei musculação de duas a três vezes por semana, o que está ajudando no fortalecimento.

FOTOGRAFO: CAMILA JULIÃO MANOBRA: BS SMITHGRIND [10] - DECCS MAGAZINE

Você está trabalhando em alguma vídeo parte? Em 2018 lancei o vídeo "Jovens há bastante tempo" no YouTube (divulgado pela blackmedia e tribo). Atualmente estou produzindo o #2 que pretendo lançar até o fim de 2022, contando com skatistas street old school "peso pesados"... Já tenho bastante material. Conte sobre uma trip que marcou sua caminhada no skate? Todas no Rio de Janeiro, parece Europa hahaha Como está sua caminhada para se profissionalizar? No momento não tenho interesse na profissionalização como atleta, porém já atuo profissionalmente na elaboração de projetos de pistas. Atividade que pretendo divulgar mais e também me dedicar mais. Como está o trabalho em Competições? A categoria master nós campeonatos amadores voltou com tudo e com isso estou animado. Sem grandes pretensões, mas sempre gostei de competir

pelo desafio e também pra rever grandes amigos dos campeonatos dos anos 90. Conte um pouco sobre seus patrocinadores que fortalecem seu skate no dia a dia? Tenho o canal no YouTube "olho do gato skatevideos" e trabalho com o canal do Instagram @jovenshabastantetempo que coloco manobras de skatistas old school como incentivo aos amigos. Influências no skate? PJ Ladd, Stevie Willians, Josh Kalis, Tiago Lemos e meus amigos da crew @olddirtyskaters Mensagem e Agradecimento... Agradeço à Deccs Magazine pelo convite para expor um pouco das minhas idéias sobre skate pra galera, a Deus, por me dar saúde pra continuar manobrando com 42 anos de idade, minha mãe Dona Elci que sempre me apoiou na caminhada, minha esposa Camila que anda sempre ao meu lado e minha filha Teodora que é a melhor coisa que já me aconteceu. Uma frase? Hoje, melhor que ontem.


FLOW AM

DIOGO FERNANDES

FLOW/AM

29 ANOS, 22 ANOS DE SKATE, CASCAVEL – (PR) / @DIOGFERNANDES Como surgiu o interesse de ser skatista? Tudo se iniciou na música, por volta de 1999, como meus pais eram camelo, tive o privilégio de abrir uma sacola e escutar dez cd’s de música de cada gênero, entre eles rap, que mais me identifiquei, era um álbum do Da Guedes que fazia uma citação de “Bem vindo Skaters” e na época quando eu voltava do colégio a galera da minha rua sempre estava escutando rap e andando de skate, foi onde me aproximei. Salve willian, Cleiton Como foi se adaptar e ainda conseguir evoluir nessa situação da covid? A restrição foi pra todo mundo, então foi muito difícil poder manobrar, acredito que a evolução sempre tem que ser mental e física, então dei uma atenção a mais nos meus projetos digitais, e fortalecimento das lesões. Conte sobre seus treinos e preparos físicos? Skate machuca mesmo e eu tenho muita história de cada lesão, tenho cirurgia e inúmeras fraturas, o treino e o fortalecimento faz parte do atleta e não da pra parar, se não a lesão volta e você se machuca, minha intenção é nunca parar de fazer natação e conciliar o fortalecimento, e andar de skate até quando der. Você está trabalhando em alguma vídeo parte? Filmar e produzir conteúdo é uma das coisas mais belas do skate, então o foco sempre é filmar e eternizar cada momento, registrar a evolução mesmo, e direcionar as manobras pra vídeo parte, projeto das marcas e amigos que fortalecem, atualmente criei um Instagram @MOCACCINOHD pra servir de HD digital, onde digitalizei muita coisa das fitas antigas, e vou postando esse material pra não se perder mais nada. Conte sobre uma trip que marcou sua caminhada no skate? As viagens pro Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre, Bahia marcou bastante, mas as melhores trip foi quando comecei ir pra Maringá-PR em 2006, onde fui morar mas tarde, a cultura de vídeo a energia era diferente, e foi essencial pra minha evolução, um salve pro Roberto Moreira, Pedrin, Rafa Gomes, Lindolfo e Cayo Corbello. Como está sua caminhada para se profissionalizar? No momento não estou muito empenhado com a papelada, mas sempre ser profissional nas ideias. Mas sim penso em me profissionalizar pela Cbsk um dia. Como está o trabalho em Competições? Não sou muito dos campeonatos, mas sempre me divirto muito, e a competição sempre é comigo mesmo pra acertar as manobras na rua. Conte um pouco sobre seus patrocinadores que fortalecem seu skate no dia a dia? Atualmente meus amigos do skate de infância tem uma loja que me fortalece, e são responsáveis por movimentar o skate na cidade com a associação e os projetos, se chama Impar skate shop, salve Diego Nazari e Neverton Casela. Influências no skate? Rafael Gomes, Jb Gillet, Wilton souza, são minhas referencias entre outros, mas minha influência sao meus amigos e todo mundo que me faz se sentir motivado a acertar. Mensagem e Agradecimento... Primeiramente queria agradecer meus amigos que me influenciam a andar, minha família, e a Deus, que sabe o tanto que eu amo isso e não me deixa desistir, obrigado skateboard, E obrigado Deccs magazine pelo espaço. Uma frase? Uma vez eu disse que Skate talvez não enche minha barriga, mas com certeza é o que mais me deixa vivo Obrigahh skate.

FOTOGRAFO: JUNIOR LOPES MANOBRA: BS BOARDSLIDE DECCS MAGAZINE - [11]


FLOW AM Quando você decidiu que gostaria de ser skatista e embarcou na jornada, como foi esse início? Minha jornada com o skate começou a partir dos 13 anos, em meados de 2013, onde meu sonho era sair em uma capa de revista representando o skate, como eu via nas revistas e internet, e também viajar vivendo desse sonho. A ideia inicial foi um pouco desafiadora com respeito à aceitação da minha família, pois o skate na época tinha um olhar muito marginalizado e era considerado “coisa de vagabundo”. Porém, ao longo da jornada, eles foram entendendo o real conceito do skate e demonstrando interesse em compreender mais sobre essa cena, consequentemente, foram me dando mais suporte e apoio para trilhar esse caminho. O que você sente sendo capa da edição N116 da Deccs Magazine? Sinto que essa é realização do meu sonho de criança. Poder representar a cena do skate onde eu nasci e cresci, e ser visto como exemplo de determinação e persistência pra molecada é extremamente gratificante e me traz ainda mais força pra continuar correndo atrás de todos os meus objetivos e sonhos. Além disso, o corre do skate pra mim é muito mais do que somente subir em cima do skate e pular obstáculos, é preciso também desenvolver o autoconhecimento e trabalhar a saúde mental em paralelo para que possamos também aprender a ultrapassar e vencer os obstáculos e desafios da vida, e de verdade, mais da hora ainda é poder passar essa visão. Tivemos sua entrevista no Flow/Am na edição N21, o que mudou dela para hoje? Com toda certeza a minha maturidade. Um ano após a edição nº21 me mudei para São Paulo capital, morando sozinho, sendo independente e tendo a real vivência do skate. Ao mesmo tempo em que foi incrível, porque aprendi muito sobre a cena na capital e desenvolvi ainda mais meu desempenho, também foi extremamente desafiador. Passei por vários perrengues que hoje vejo que foram necessários para que eu amadurecesse e desse valor às coisas que realmente importam: minha base familiar, minha saúde (mental, espiritual, emocional, física), meus princípios e valores, enfim, minha evolução constante. Atualmente, sigo viajando e conhecendo diversos picos, e me conhecendo, inspirando e sendo referência pra menorzada, mostrando que o importante, além de andar de skate, é descobrir quem nós somos, de onde viemos, nossa essência e verdade. Como está a cena do skate em sua região? Na minha cidade natal atualmente, tivemos uma reforma na pista de skate que trouxe mais praticantes e interessados pelo esporte, ainda mais depois das olimpíadas. Tem muita gente evoluindo e tenho a sensação de que o skate está deixando de ter aquele olhar marginalizado, vejo muitos pais e avós levando os filhos e netos na pista para andar de skate. Conte como estão os projetos de sua vídeo parte? Minha vídeo parte está em construção, já coloquei tudo no papel e resta apenas encontrar um videomaker para gravar, incorporando o trabalho dos meus patrocinadores e tudo mais. Mas sinto que tem muita coisa boa vindo ai pela frente, estou muito aberto a fazer acontecer.

VICTOR TELLES @tellesskt

[12] - DECCS MAGAZINE

FOTOGRAFO: LUCAS SANDER - @AKA.SANDER


FOTOGRAFO: LUCAS SANDER MANOBRA: OLLIE

DECCS MAGAZINE - [13]


FLOW AM Fale um pouco dos patrocinadores que fortalecem seu skate no dia a dia? Atualmente sou patrocinado pela Sanluk e Mäeve company, ambas marcas de roupas autênticas e confortáveis pro rolê. Eu e a Sanluk fizemos atualmente essas fotos que disponibilizei para essa edição da revista, lá no Vale do Anhangabaú em SP, em prol do novo drop Sanlukinho, trazendo uma parada mais divertida, espontânea e, claro, mostrando um também um pouco da nossa vivência lá no “valioso vale”. Sigo planejando novos projetos, tanto com a Mäeve quanto com a Sanluk. Agora, com relação a skateshops, sigo no corre independente e aberto as oportunidades. Alguns projetos em desenvolvimento para soltar em 2022? Fiquem atentos no meu Instagram, família, muita coisa pra rolar e está vindo uma super novidade, mas ainda não posso dar spoilers! Mas, com a Saluk já estou sabendo que vai rolar drop novo com uma pegada de desenho e caricatura, fiquem ligadíssimos que jajá está saindo. Além disso, sigo nos projetos e corre independente, focado em profissionalizar cada vez mais. Conte sobre uma trip que marcou sua caminhada no skate? Sem dúvida foi a minha ida para São Paulo capital, centrão mesmo kk, aprendi de tudo, vi de tudo, vivi real e original, e principalmente o skate 24/48h. Ia trampar de skate, voltava, colava no Vale, na Roosevelt, Largo da Batata, seloko, pra todo lugar eu estava com o skate no pé. Perdi o skate pra um caminhão que passou por cima e quebrou ele todo... E foi lá que eu me acidentei também, porém nem estava com o skate. Escada de uns 20 degraus, quando a gente pula gap quase não acontece nada com a gente, mas aí eu fui descer um morro indo trabalhar de bike alugada do Itaú, caí, desmaiei, quebrei a clavícula, tudo isso um dia antes do meu aniversário kkkk enfim, foi uma verdadeira escola da vida. Como está sua caminhada para se profissionalizar? Há 2 anos eu percebi que viver o skate é o que eu realmente quero, já faz parte do meu lifestyle, essa é a minha essência, desde pequeno já tenho essa brisa e está sendo muito bacana poder ser eu e ainda falar sobre isso. E o lema é: skate todo santo dia. Enfim, tem muitas coisas para acontecer ainda, sigo focado no aqui e agora, atento as oportunidades e aos caminhos que vão se abrindo. Estou nesse propósito de viajar conhecendo a cena do skate brasileira, tirando o máximo de conhecimento, vivências, experiências, e muito networking, conexões reais que trazem esse desenvolvimento pessoal e que podem inspirar outras pessoas lá na frente. Conte um pouco sobre suas correrias em competições? Agora que a pandemia deu uma “brecha” e que voltei pra minha cidade, estou participando dos campeonatos regionais, inclusive nesse próximo sábado vou colar no campeonato PAM AM, idealizado pela skatista Pamela Rosa, onde fui convidado para representar Guaratinguetá. Fora isso, estou num período de transição me mudando para SC nos próximos meses então o foco está mais nessa região sul do Brasil. Quais suas influências no skate? Minhas referências e inspirações são Rodrigo TX, Marcelo Formiga, Aldemar Luquinha do ademafia, Paulo Piquet, Nicholas Dias, Anselmo Carvalho, Daniel Vargas, o da não haha, Marcelo Profeta, Vinicius Costa... e claro, meus amigos da sessão. Oque o skate proporciona para sua vida? Me proporciona machucados haha brincadeira! É o meu estilo de viver né, pai! O skate me proporciona momentos inesquecíveis, conexões com inspirações que jamais imaginei acontecer, me mostra que tudo é possível e o aprendizado mais louco que eu ganhei é que, da mesma forma que precisamos focar a mente naquela trick,

[14] - DECCS MAGAZINE

FOTOGRAFO: LUCAS SANDER - @AKA.SANDER


esquematizar e visualizar ela sendo acertada na minha mente primeiro, pra que então você acerte perfeitamente na hora de mandar, nós também precisamos focar, esquematizar e, principalmente, visualizar os nossos objetivos e metas em todas as áreas da vida se concretizando e dando certo, um tipo de pensamento positivo direcionado que cria realidade. Oque você está buscando hoje para sua Realização no skate? Bom, hoje compreendo que a minha realização no skate está totalmente vinculada à minha realização pessoal e interior, sobretudo ao meu autoconhecimento. Comecei a estudar mais e a me estudar, me entender, entender o que eu sinto, a perceber que eu crio a minha realidade da mesma forma que eu ‘crio’ uma manobra (quando a realizo). Essa auto-observação me fez olhar para as minhas limitações e auto sabotagens e consigo hoje enxergar com mais detalhes onde eu estou errando e onde eu posso melhorar para que o meu desempenho no skate seja cada vez melhor e mais profissional. “Afinal, o que aconteceria se, em vez de você se concentrar naquilo

que já faz bem, passasse a identificar seus pontos fracos, aqueles comportamentos que já viraram hábito, mas que continuam a impedir que alcance o seu melhor desempenho?” (Frase do livro Pare de se sabotar e dê a volta por cima, de Flip Flippen, um livro que estou finalizando e que está me ajudando bastante em todos os aspectos da minha vida.) Fale um pouco mais sobre pontos importantes em sua História? Mano, a parada é acreditar em si, se preocupar com você, com seu corpo, com a sua mente, porque essas são as nossas ferramentas que nos movem pra todo lado e é o que vai fazer dar certo (da mesma forma, você se preocupa em ter um shape da hora, peças de boa qualidade pra conseguir dar sempre o melhor rolê?). Acima de tudo, eu dependo só de mim e do meu movimento em direção à realização dos meus sonhos. E o skate é a minha vida, meu modo de viver, meu modo de pensar, o que eu realmente quero pra mim, e eu corro atrás, dou meus pulos, literalmente, e me comprometo a fazer acontecer.

Deixa sua Mensagem e Agradecimentos? Quero agradecer primeiramente a Deus pela oportunidade de poder transmitir e passar pra frente um pouco da minha vivência, dos meus aprendizados na caminhada do skate, e que a molecada realmente tome como inspiração e se levem a sério, acreditem em si mesmos, não se importem com as críticas e julgamentos, foquem em vocês, persista e se conheça, entenda que tudo tem a sua hora e o seu devido lugar, se concentrem onde querem chegar e sonhem alto, porque seu sonho vai acontecer sim, mas só se você acreditar e se comprometer a fazer acontecer. Agradeço à DECCS Magazine pelo espaço e oportunidade de compartilhar, é uma honra poder participar de mais uma edição e perceber quantas coisas mudaram e como eu amadureci. Quero agradecer também aos meus pais pela compreensão, por entenderem que essa é realmente a minha escolha para a vida e confiarem no meu corre, à Sanluk e a Mäeve pelo suporte nos panos e por acreditarem em mim, no meu trabalho, e a minha namorada Mariana, que me apoia e incentiva muito a seguir meus objetivos e sonhos, me inspira e me traz a luz de estar presente no aqui e agora, sempre em constante movimento e evolução. Tamo junto família. Forte, leal e sincero abraço da minha parte.

FOTOGRAFO: LUCAS SANDER MANOBRA: BS BLUNTSLIDE

FOTOGRAFO: LUCAS SANDER - @AKA.SANDER DECCS MAGAZINE - [15]


FOTOGRAFO: LUCAS SANDER - @AKA.SANDER [16] - DECCS MAGAZINE


FOTOGRAFO: LUCAS SANDER - @AKA.SANDER MANOBRA: BS NOSE SLIDE NOLLIE BIGSPIN DECCS MAGAZINE - [17]


FOTOGRAFA: @FEFREITASANDRADE

MATÉRIA

CA$A DOI$ 10 ANOS DE PROJETO @casadois.skt Pista da 19, zona sul - São Paulo

FOTOGRAFA: @FEFREITASANDRADE

O

Casa Dois é um projeto que teve início em 2018 na pista de skate da 19 localizada na zona sul de São Paulo por um coletivo de amigos que já atua na comunidade da Dz9 há aproximadamente 10 anos, desde quando o local passou por uma reforma urbanística que retirou parte da comunidade para a construção de uma área extensa destinada ao lazer, práticas esportivas e entretenimento. E é na pista de skate e na praça da Dz9 que atuamos em defesa da "cultura de rua" desenvolvendo diversas ações e atividades de valorização do skate e da nossa identidade periférica, em parceria com grupos, coletivos e artistas, realizando eventos como: encontro de grafiteiros, sound systen, shows de grupos de rap, e principalmente evento de skate. Nosso objetivo é criar possibilidades de novas perspectivas para a formação cidadã de diversas crianças e adolescentes que residem e circulam na região da praça, onde as desigualdades, a vulnerabilidade e a violência são gritantes. O Casa Dois nasceu com esse objetivo de realizar um evento de skate mensal assim movimentando a cena de skate local e gerar recursos para manutenção e renovação do espaço. Inicialmente o evento era na última terça feiras do mês no período noturno, com o aumento do público e adição de novas categorias tivemos que alterá-lo para o último domingo do mês em formato integral. A ideia surgiu organicamente de um costume de skatistas locais de realizarem "game of skate" apostando R$ 2,00 da brincadeira se deu origem ao método do evento e seu nome, estabelecendo características diferentes da maioria dos campeonatos tradicionais de skate. Nosso formato é basicamente um "game of skate" utilizando os obstáculos: palco, corrimão e rampa 45. O vencedor leva todo o dinheiro apostado pelos participantes. Os dois primeiros anos o evento atendeu muito bem a ideia inicial, de forma orgânica o coletivo em parceria com as marcas que apoiam o evento fizeram uma edição mensal durante dois anos assim movimentando a cena de skate local e gerando recursos através do churragueto e bazar casa dois clássicos do evento assim também podendo fazer melhorias como iluminação e reforma de obstáculos, porém foi durante o período de pandemia de COVID 19, quando não se podia fazer o evento presencial, que houveram mudanças significativas. Conquistamos o prêmio lei Aldir Blanc pela secretaria municipal de cultura de são Paulo e realizamos uma reforma completa da pista, possibilidades mais acessibilidade e fluidez entre os obstáculos. Realizamos também a instalação da no cede Casa contêiner em frente a pista, o que favoreceu a nossa organização logística e praticidade local para guardamos nossos equipamentos e materiais necessários para nossas ações. Ainda no período de pandemia e com a pista reformada realizamos 3 eventos em formato online por meio do Proac, um prêmio estadual de cultura que possibilitou saciar a sede por eventos de diversos skatistas em um período de escassez e dificuldades. Nessa oportunidade realizamos uma pintura realista no contêiner homenageando skatistas locais da nova geração. No atual momento o coletivo segue para a conclusão " projeto casa na praça " realizado por meio do programa VAI, edital cultura municipal destinada para grupos e coletivos periféricos, que nos permitiu estruturar e implementar o Núcleo CS2 (escolinha de skate para crianças e adolescentes) que atualmente tem uma média de 30 alunos por aula, as aulas são as terças feiras das 19h as 21h na pista de skate da Dz9 a aula é gratuita. Também tem o Casa Dois Cast, com 6 episódios de podcast para trocar ideia informações sobre skate com pessoas do skate, música e da arte e 6 formações onlines para o coletivo e comunidade sobre competência sócio emocionais, mídias sociais, gestão de projetos, racismo estrutural e também o fortalecimento em dinheiro para os vencedores da categoria amador, iniciante e feminino. O Casa dois já realizou 24 edições o que representa para nós a prova viva que é possível a união de pessoas por um bem comum e que o skate salva vidas.

[18] - DECCS MAGAZINE


FOTOGRAFA: @FEFREITASANDRADE

FOTOGRAFA: @FEFREITASANDRADE

FOTOGRAFA: @FEFREITASANDRADE FOTOGRAFA: @FEFREITASANDRADE

COLETIVO

FOTOGRAFA: @FEFREITASANDRADE FOTOGRAFA: @FEFREITASANDRADE DECCS MAGAZINE - [19]


CA$A DOI$

NOSEWILLIE

Fotografo: Sergio kassinow

MAICON GABRIEL Instagram: @maicon_.skate [20] - DECCS MAGAZINE


SAMUEL SILVA

Instagram: @samuca_silva_skt

FS BOARDSLIDE

Fotografo: Sergio kassinow DECCS MAGAZINE - [21]


FLOW mirim

FLOW/MIRIM

WENDEL MONTEIRO

11 ANOS, 4 ANOS DE SKATE, MARAPANIM – (PARÁ) / @JORGEPADILHA.18@

Se apresente aos leitores? Sou Wendel Matheus tenho 11 anos. Sou Marapaniense. Gosto de anda de skate. Como se interessou pelo skt? Através do meu pai Jorge padilha e meu tio que também praticam o esporte. Sua família te apoiou? Sim. Quais são seus patrocínios? Lúcia japonesa. Ananim crew.. Joelson coala. Conte um pouco sobre seus treinos? Meus treinos são mas pela tarde .. na rua de casa .depois do escola ...pois não tem pista de skate na minha cidade. Como foi sua ultima Trip que você fez? Foi em castanhal campeonato do bala skate camping.. onde ganhei em 1° lugar. Esta filmando para algum vídeo qual? Não. Fale um pouco sobre seu foco para 2022? Foco de estudar e manter o foco no campeonato brasileiro de skate.... Para finalizar, deixe sua mensagem e agradecimentos? Agradece a Deus por tudo que tem feito...e agradece a essa oportunidade...e ao Dudu sardor pelo incentivo. Uma frase? Foco fé coragem. [22] - DECCS MAGAZINE

FOTOGRAFO: ZENA GORAYEB MANOBRA: 50-50


DECCS MAGAZINE - [23]