Page 1

P r é m i o Ta l e n t o 2 0 0 9 Correio de Venezuela

@correiodvzla

@correiodvzla

De 9 a 15 de agosto de 2017

Edição n° 704 • Ano 17 • Depósito Legal: 199901DF222 • Bs. 500

ATUAL

Estado Português e Região Autónoma de mãos dadas /P.15 Promulgado decreto que indemniza lesados do BES /P.4

pub

comunidade diáspora

Tap Portugal continua a operar os três voos diretos semanais entre Caracas e Lisboa, estipulados para as terças, sextas e domingos. Da mesma forma, o pessoal da linha aérea em Caracas indicou que embora a venda de viagens na Venezuela esteja suspensa (os passageiros só podem adquirir viagens desde o exterior com moeda estrangeira), os voos estão cheios por ser período de férias. /P.4

Governo luso aprova lei para legalizar mais imigrantes /P.11 Iliana Goncalves ofereceu novo concerto /P.19

Pedro Sousa sobe 17 lugares no ‘ranking’ /P.25

portugal

empresas

TAP mantém programação de voos para Venezuela

Sistema de Saúde de portas abertas aos emigrantes /P.6

portugal

Situação que se vive na Venezuela dominou trabalhos do Fórum Madeire Global, encontro dos representantes das comunidades madeirenses, que se reuniram esta semana no Funchal. Miguel Albuquerque, presidente da Região Autónoma da Madeira, destacou que é intenção do seu Governo criar «uma rede mais profícua e mais forte», sendo que um dos próximos objetivos do seu Governo é a criação de uma associação de empresários da diáspora. /P.14

CULTURA

Secretário de Estado das Comunidades evidencia medidas concretas de apoio à comunidade luso-venezuelana

Clubes sociais lusos ativos apesar da insegurança /P.8

desporto

Lesados do Banif querem mesma solução do ex-BES /P.4

Conselho da Diáspora reuniu-se no Funchal Reconhecendo o esforço feito pelo Governo Regional e Nacional para apoiar os luso-venezuelanos que retornam ou chegam pela primeira vez a Portugal, o Conselho da Diáspora subscreveu “a orientação da União Europeia na condenação da violência”, defendendo negociação entre as partes para conseguir o regresso à normalidade democrática. /P.15


2 Editorial

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela

cartas do leitor Passagens absurdamente caras

Decisão lamentável

As passagens aéreas estão absurdamente caras, de tal forma que não se conseguem comprar. Até há alguns anos, a minha família e eu podíamos viajar de férias para a ilha da Madeira para visitar os nossos familiares. Hoje, é impossível. Muitos falam da dívida em divisas, mas eu acho que isto é um complot das linhas aéreas, que se aproveitam da grave crise que vivemos na Venezuela para praticar preços exorbitantes nas passagens aéreas. Quando tentamos comprar uma passagem, o site apresenta-te imediatamente o valor em euros, mas os nossos salários não são em euros… E se tentas fazer o câmbio nas centenas de sistemas de câmbio que temos, o resultado é o mesmo, bilhetes excessivamente caros. Para além disto, já sabemos que o sistema de aquisição de divisas não cobre a vaga de viajante para cobrir as despesas no exterior. Então, estamos praticamente impossibilitados de viajar. O que me parece irónico é que leio muitas vezes que os representantes da TAP garantem que não vão deixar a Venezuela e que vão continuar a apoiar a comunidade. Mas como?Que tipo de apoio é este?É que nem sequer se consegue comprar uma viagem para Portugal… Nem pela própria TAP! Mas se for outro destino, as viagens são muito mais acessíveis! Maria Gomes

Escrevo esta carta para expressar a minha indignação perante um facto que para muitos é motivo de tristeza. Parece-me lamentável que se tenha suspendido a visita da imagem peregrina da virgem de Fátima a Caracas. Muitos de nós ficamos com a ilusão de a receber e é ainda mais lamentável que não se fale de uma possível data para a visita, sendo que Caracas a capital e uma das cidades com maiores conflitos nas ruas atualmente, e isto sem contar com a grande quantidade de portugueses e lusodescendentes que vivem cá. Tenham em conta que a visita significaria uma esperança no meio de tanto caos que se vive na cidade. Através desta carta, gostaria de fazer uma petição ao comité para que reconsidere a decisão e inclua Caracas num dos pontos de peregrinação. Entendo que queiram resguardar a integridade da virgem vinda de Portugal, mas eu pergunto-me: Não faz sentido a Virgem chegar onde mais temos sido atingidos para que, juntos, peçamos à imagem que se acalmem os ânimos e se encontre ma solução para o que estamos a passar? Joao Catanho

Lesados Banif e BES E agora? Gostava de saber qual será o passo seguinte após a entrega das assinaturas do BES. Sou filha de uma dos afetados e o que estão a fazer connosco já me parece um circo. Primeiro, foi a incerteza quando fechou o banco e agora é este tormento para que nos devolvam um dinheiro que é nosso. Como é possível que o Banco de Portugal não faça de uma vez por todas uma proposta concreta para solucionar esta aldrabice da qual fomos vítimas principalmente os madeirenses, embora haja afetados de todas as partes do mundo. São os madeirenses os principais afetados, mas ainda dizem que ainda nem se vê uma solução à vista… Esta não foi mais do que uma artimanha para roubar os emigrantes que mais não fizeram do que trabalhar. Rosario Duarte

Envie-nos a sua carta ou comentário para: correio.prensa@gmail.com

Li com atenção a notícia sobre os lesados do Banif e do BES e a suposta nega do partido socialista em reconhecer na Assembleia da República sobre os direitos dos emigrantes que foram “roubados” pelos bancos. Não posso deixar de ficar com “raiva” perante esta notícia. Natural, diria eu… Como no caso do Banif foi o Partido socialista que entregou o Banif aos donos do Santander por 150 milhões de euros não querem mexer mais no assunto. Nunca pensaram nos emigrantes, não os valorizam e parece que os lixaram ao máximo. Vivo em Portugal há aproximadamente dois anos. Também a minha família foi prejudicada pela venda do Banif ao Totta e pelo desconhecimento de aplicações que o meu pai tinha no Banco… Vim aqui com essa finalidade já há dois anos. As pessoas são boas, educadas, solidárias com a exceção dos donos dos bancos, assim como todos os seus funcionários, sem deixar também culpas aos políticos do PSD e do PS, que sempre ignoraram as poupanças da emigração portuguesa… Deixo ainda as minhas palavras de reconhecimento ao partido comunista que, apesar de não ser dessa tendência política, reconheço nesse partido preocupação pelos interesses da emigração… Juvenal M. Pereira

fotoflash A TAP Portugal desmentiu na segunda-feira, doa 7 de agosto, que esteja previsto a companhia abandonar os voos regulares que continua a realizar entre o Aeroporto Internacional Humberto Delgado, em Lisboa, e o Aeroporto Internacional Simón Bolívar, em Maiquetia, que serve a cidade de Caracas. A delegação da companhia aérea em Caracas esclareceu que o voo TP173 previsto para o domingo, dia 6 de agosto, tinha sido adiado para a segunda-feira, dia 7, devido a limitações de tripulações. O tráfego está regularizado e a companhia assegura que manterá as três frequências semanais que realiza entre Portugal e Venezuela. O facto de não ter havido voo no domingo, poderá ter suscitado a confusão e estar na origem da notícia, divulgada primeiro pelo jornal ‘El Nacional’, mas imediatamente desmentida. A imprensa de Caracas deu força ao boato de que a TAP poderia ser a próxima companhia aérea internacional a abandonar as escalas em território venezuelano, o que, felizmente não é verdade. A TAP continuará a garantir os voos entre os dois países.

Grupo Editorial

www.correiodevenezuela.com Rif.: J-40058840-5

Diretor Aleixo Vieira Gerente: Sergio Ferreira Soares Endereço: Av. Veracruz. Edif. La Hacienda. Piso 5, ofic. 35F. Las Mercedes, Caracas. Telefones: (0212) 9932026 / 9571 Telefax: (0212) 9916448 E-mail: editorial@correiodevenezuela.com Site: www.correiodevenezuela.com

Chefe de redação Sergio Ferreira |Jornalistas Ommyra Moreno, Victoria Urdaneta, Kenner Prieto, Antonio Da Silva |Correspondentes Edgar Barreto (Falcón), José Manuel De Oliveira (Falcón), Carlos Balaguera (Carabobo), Sandra Rodríguez (Aragua), Trinidad Macedo (Lara), Silvia K. Gonçalves (Bolívar), Mariana Santos (Nueva Esparta), Luis Canha (Mérida), Carlos Marques (Mérida), Daniela García (Miranda), Antonio Dos Santos (Zulia) |Colaborações Catanho Fernandes, Sónia Gonçalves, Arelys Gonçalves, Antonio López Villegas, Isabel Idárraga, Serafim Marques, António Delgado, Daniel Bastos |Publicidade e Marketing Sergio Ferreira |Paginação Elsa de Sá |Fotografia Francisco Garrett |Administração Jesús Quijada, M. Liliana Batista |Distribuição Luis Alvarado, Carlos A. Perregil R. |Impressão Impresiones Newsprinter. Caracas -Venezuela |Tiragem 15.000 exemplares |Fontes de Informação Agência Lusa, Diário de Notícias, Diário de Notícias da Madeira, Ilhapress, Portuguese News Network e intercâmbio com publicações em língua portuguesa.


Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

Publicidade 3


4 Venezuela

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela

EMPRESAS

TAP Portugal desmente cancelamento de rota Caracas-Lisboa SERGIO FERREIRA SOARES

No dia 7 de agosto, publicou-se nas redes sociais a notícia do suposto cancelamento dos voos da TAP Portugal para a Venezuela, publicada pelo jornalista Luis López no jornal El Nacional. Em declarações exclusivas ao CORREIO, os representantes da linha aérea em Caracas asseguraram que a notícia é falsa e que não se prevê abandonar este destino que liga ambas as nações há cerca de 41 anos. «Informamos que o voo de Lisboa-Caracas do dia 8 de agosto está confirmado», conforme publicou a linha aérea na sua conta de Twitter (@taportugal), dado que foi confirmado pelo pessoal da TAP na sua loja comercial em Chacao e nos balcões da linha aérea n Aeroporto Internacional de Maiquetía Simón Bolívar de Maiquetía, Estado Vargas. «A decisão de antecipar o voo que chegaria no domingo foi tomada em Lisboa devido a questões técnicas que deveriam ser solucionadas. Esperamos que hoje (segunda-feira) às 15h30 aterre o voo que correspondia ao dia de ontem e se continue com o nosso cronograma de três voos semanais», assinalou a fonte consultada. Ainda, assinalaram que, se existissem alterações, estas serão publicadas nos canais oficiais da linha aérea. Tap Portugal continua, assim, a operar os três voos diretos semanais entre Caracas e Lisboa,

estipulados para as terças, sextas e domingos. Da mesma forma, o pessoal da linha aérea em Caracas indicou que embora a venda de viagens na Venezuela esteja suspensa (os passageiros só podem adquirir viagens desde o exterior com moeda estrangeira), os voos estão cheios por ser período de férias. No que se refere ao funcionamento da loja de representação na Venezuela, soubemos que tudo funciona normalmente. «O nosso pessoal continua a trabalhar como habitualmente. Atualmente, temos 25 trabalhadores, entre a sede de Chacao e o pessoal do aeroporto. A nossa tripulação está a ficar no Curaçau por uma questão de operacionalização interna relacionada cm a gestão da tripulação; mas não é a primeira vez que isto acontece,

pois já tinha acontecido entre os anos 2002 e 2004. Portanto, a TAP continua a querer honrar o seu compromisso de oferecer um serviço de conexão com os que moram neste país», garantiu a nossa fonte. A Tap Portugal iniciou as suas operações em Caracas em abril de 1976 e, desde então, tem trabalhado de forma ininterrupta Atualmente, não faz voos diretos entre a Madeira e o Porto. Contudo, os três voos semanais para Lisboa permitem ligações com qualquer destino de Portugal e do Mundo. Os interessados em obter mais informações sobre as reservas e as passagens podem entrar em contacto com o pessoal da companhia em Caracas, entre as 8h30 e as 12h30, e as 13h30 e as 16h30, através do número telefónico (0058)212.951.05.11.

BANCA

Presidente promulga decreto que permite indemnizar lesados do BES RTP/CORREIO

O Presidente da República promulgou o decreto que regula a recuperação de créditos, aprovado no passado dia 19 de julho pelo Parlamento. É o diploma que permite pôr em marcha a compensação dos lesados pelo papel comercial do Grupo Espírito Santo. No portal da Presidência da República pode ler-se que Marcelo Rebelo de Sousa promulgou o decreto em causa “tendo em consideração o passo dado, em termos de Justiça e credibilização do sistema financeiro, por este regime legal, a que se soma o entendimento envolvendo instituição nascida do processo de resolução, relativamente a portugueses residentes no estrangeiro”.Mais de dois mil clientes perderam 400 milhões de euros com a aquisição de papel comercial aos balcões do Espírito Santo. Prometida pelo primeiro-ministro, a solução para os clientes do papel comercial do antigo banco do Grupo Espírito Santo foi apresentada no final de 2016, ao cabo de mais de um ano de negociações. O processo negocial envolveu a Associação de Indignados e Enganados do Papel Comercial, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o Banco de Portugal, o próprio BES, já como banco mau, e o Governo socialista, representado pelo advogado Diogo Lacerda Machado. A fórmula acordada permite aos lesados reaverem 75 por cento do montante investido, até a um teto de 25 mil euros, caso as aplicações cheguem a 500 mil

BANCA

euros. Para lá deste montante, a recuperação é de 50 por cento. O pagamento caberá ao denominado fundo de recuperação de crédito: o fundo paga 30 por cento da indemnização imediatamente após a assinatura do contrato de adesão à solução; o restante será pago em duas fatias adicionais, no próximo ano e em 2019. O processo legislativo O diploma agora promulgado teve aprovação parlamentar, em votação global, a 19 de julho. Chegou na passada quinta-feira ao Palácio de Belém. Após a introdução de alterações em sede de especialidade, a legislação foi viabilizada com votos favoráveis de PS e Bloco de Esquerda, o voto contra da maioria da bancada do PSD e as abstenções de CDS-PP, PCP, Partido Ecologista “Os Verdes”, do PAN e de cinco deputados social-democratas. O partido de Catarina Martins logrou ver aprovada uma proposta de alteração no sentido de abranger emigrantes lesados no mecanismo de compensação. Contou, para tal, com os votos a favor de PS, PCP, PEV e de cinco deputados do PSD. A maioria da bancada laranja absteve-se, assim como o único deputado do partido Pessoas-Animais-Natureza. Fica desta forma aberto o caminho para pôr em prática a fórmula de indemnização a mais de dois mil clientes lesados com a compra de papel comercial da Espírito Santo Financial e da Rioforte. Investimentos dados como virtualmente irrecuperáveis em 2014, quando o banco e o Grupo Espírito Santo desabaram.

Lesados do Banif reúnem-se com CMVM a 16 de agosto AGÊNCIA LUSA

A Associação dos Lesados do Banif (Alboa) reúne-se a 16 de agosto com a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a propósito das reclamações apresentadas por esses clientes contra o que consideram ter sido vendas fraudulentas de produtos financeiros. A informação foi confirmada

à Lusa por fonte oficial da Alboa, após o encontro com o regulador dos mercados financeiros ter sido noticiado pelo Expresso. A 25 de julho, a Alboa pediu uma reunião urgente à presidente da CMVM, Gabriela Figueiredo Dias, para discutir as mais de mil reclamações de clientes e uma eventual solução que os compense parcialmente pelas perdas sofridas, à semelhança da encontrada para

os lesados do papel comercial do BES. A Alboa pediu o encontro depois de declarações do primeiro-ministro, António Costa, no Funchal, em que disse haver “vontade política de responder a uma situação gravíssima”, considerando que é “evidente” que essas pessoas “fizeram confiança num sistema que as aldrabou”. A reunião decorrerá, então, na

quarta-feira da próxima semana às 9h00, em Lisboa. Os lesados do Banif queixam-se, nomeadamente das vendas de obrigações pelo banco, já quando este era maioritariamente detido pelo Estado, considerando a Alboa que houve “vendas extremamente agressivas e ardilosas por parte dos comerciais bancários” e que há “documentos internos a provarem estas práticas”.


Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

POLÍTICA

Assembleia Constituinte da Venezuela inicia sessões

CORREIO DA VENEZUELA

Os membros da Assembleia Constituinte da Venezuela tomaram posse e se reuniram pela primeira vez na passada sexta-feira, após a votação para a escolha dos integrantes do órgão no domingo. Em sua primeira decisão, a ex-ministra das Relações Exteriores Delcy Rodríguez foi eleita como presidente da Assembleia Constituinte. A nomeação foi feita pelo líder do partido socialista, Diosdado Cabello, e aprovada unanimemente pelos 545 delegados. Rodríguez é um nome entre os aliados próximos do presidente Nicolás Maduro que deixaram seus cargos para participar da Assembleia Constituinte, que terá amplos poderes para reformar instituições. Na primeira reunião da Assembleia Constituinte, o primeiro item da agenda foi a destituição da procuradora-geral Luisa Ortega Díaz, que se tornou a principal voz dissidente dentro do chavismo. Antes, foi lida uma notificação do Supremo Tribunal de Justiça, que considera haver motivo para abrir um processo contra Ortega. Ela está proibida de deixar o país e seus bens e contas bancárias estão bloqueados. Em declarações à imprensa, Luisa Ortega Díaz prometeu continuar a “lutar pela liberdade e democracia na Venezuela” e afirmou que a sua destituição do cargo consiste numa tentativa para “ocultar as provas de corrupção [referindo-se às investigações sobre o processo eleitoral da Constituinte] e da violação dos Direitos Humanos”.

Governo travou revolta militar Diosdado Cabello anunciou, este domingo, que “atacantes terroristas” entraram numa base militar na cidade de Valencia, durante a madrugada, mas foram detidos. As autoridades venezuelanas anunciaram que as forças de segurança travaram um levantamento militar na base de Paramaracay, situado na cidade de Valencia, no centro do país. O anúncio foi feito através do Twitter pelo vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela, dando conta de “vários terroristas detidos”. Umas horas antes, o antigo capitão da Guardia Nacional Bolivariana, Juan Caguaripano, divulgou um vídeo, no qual anunciava o início de uma revolta militar contra o Governo: “Isto não é um golpe de Estado, mas sim uma ação cívico-militar para restabelecer a ordem constitucional”. Caguaripano conseguiu organizar alguns militares com o objetivo de tomar o armazém de armas e outras zonas da base de Paramacay. Smartmatic denuncia “manipulação” dos resultados Desde 2004, a empresa Smartmatic é provedora da plataforma tecnológica de votação e nesse período nunca havia denunciado nenhuma irregularidade nos processos. Isso mudou na última quarta-feira, quando o diretor-executivo da Smartmatic, Antonio Mugica, deu uma entrevista coletiva em Londres, denunciando “manipulação” nos números de comparecimento às urnas no domingo passado. Mugica estimou em ao menos 1 milhão de eleitores

Venezuela 5

UE

Mogherini critica destituição de Luisa Ortega Díaz

“a diferença entre a quantidade anunciada (pelo governo) e a computada pelo sistema”. A presidente do CNE, Tibisay Lucena, chamou a denúncia de “irresponsável” e “sem fundamento” e manteve as cifras anunciadas no domingo passado. Moeda em desvalorização Em paralelo às denúncias de fraude eleitoral e a instalação da Assembleia, a moeda venezuelana sofreu uma queda histórica em relação ao dólar livre do mercado negro. O resultado é que, nesta semana, o bolívar sofreu depreciação de mais de 50% em relação ao dólar no mercado paralelo. Ainda que na Venezuela vigore um controle estatal das divisas financeiras, o sistema não foi capaz de conter o aumento desmedido de preços, a ponto de o país ter hoje a inflação mais alta do mundo - 700% ao ano, segundo o FMI. Mercosul suspende Caracas Entretanto, o Mercosul decidiu suspender a Venezuela por “rutura da ordem democrática”. “A suspensão é aplicada devido aos atos do Governo de Nicolás Maduro, e constitui um apelo a um início imediato de um processo de transição política e de restauração da ordem democrática”, explica o comunicado enviado pelos países fundadores do Mercosul após uma reunião em São Paulo, Brasil. A Venezuela já tinha sido colocada à margem do mercado comum sul-americano desde dezembro, por motivos comerciais. Mas a invocação da cláusula democrática destina-se a obter uma maior repercussão política.

DN MADEIRA

A representante da União Europeia (UE) para a Política Exterior, Federica Mogherini, afirmou nesta segunda-feira (7) que a tomada de posse da Assembleia Constituinte na Venezuela e a destituição da procuradora-geral, Luisa Ortega, dificultam a “volta pacífica à ordem democrática”. As informações são da agência EFE. “A posse da Assembleia Constituinte e suas primeiras ações, incluindo a remoção de Luisa Ortega de seu posto no Ministério Público, debilitaram ainda mais as perspectivas de uma volta pacífica à ordem democrática na Venezuela”, destacou uma porta-voz de Mogherini em um comunicado. Além disso, “aumentou a polarização de uma sociedade já dividida”, lamentou. A porta-voz insistiu que “não há alternativa relacionada às instituições legítimas, à separação de poderes e ao direito dos cidadãos a expressarem livremente sua opinião política”.

“O Governo da Venezuela tem a responsabilidade de garantir o respeito à Constituição venezuelana”, disse, reiterando que a UE “chama todos os atores na Venezuela a trabalharem para instalar a confiança necessária para uma solução negociada da crise institucional”. A UE pediu ao presidente Nicolás Maduro que “libere urgentemente todos os prisioneiros políticos e garanta o respeito ao Estado de Direito e aos direitos humanos”. A União Europeia, destacou o comunicado, “seguirá trabalhando com todos os parceiros, nacionais e internacionais, para garantir um apoio adequado a um retorno não violento à ordem democrática e uma solução aos apuros econômicos e sociais” nos quais se encontra o povo venezuelano. No domingo (6), Maduro defendeu que a decisão da Assembleia Constituinte de remover a procuradora-geral era “necessária”. O presidente também defendeu a legalidade do órgão que reescreverá a Carta Magna.


6 Venezuela

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela

mne

“Solução passa por um compromisso entre as partes” LUSA/CORREIO

O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou que Portugal se junta aos restantes países da União Europeia e não pode reconhecer a Assembleia Constituinte da Venezuela eleita no domingo dia 31 de julho. No final da apresentação da candidatura do Porto a sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA), Augusto Santos Silva disse que a União Europeia (UE) está neste momento a preparar uma declaração que, basicamente, refere que os Estados-membros não podem reconhecer a Assembleia Constituinte. Trata-se de “um passo negativo no processo”, disse, acrescentando que “é necessário o regresso à normalidade constitucional, com pleno respeito dos poderes dos órgãos eleitos, pela separação de poderes, e é um apelo muito veemente da nossa parte para que as partes recusem e renunciem a qualquer forma de violência e se envolvam num processo político que resulte num compromisso, o regresso à normalidade constitucional na Venezuela e um calendário eleitoral que seja por todos aceite”. Sobre o pedido do presidente do Parlamento Europeu à União Europeia para que esta imponha sanções aos membros do Governo venezuelano de Nicolás Maduro, como a limitação dos movimentos

no território comunitário e o congelamento de ativos económicos, o ministro referiu que ainda não existe uma decisão. “Não ultrapassamos etapas e definimos sempre a nossa posição, o nosso falar e o nosso silêncio a partir da pergunta principal: o que ajuda mais e o que prejudica mais a nossa comunidade portuguesa e luso-venezuelana que reside na Venezuela. Não faço nada que prejudique e faço tudo o que possa ajudar”, garantiu. O ministro considera, por isso, que na frente diplomática “queimar etapas não faz sentido”, ainda mais estando em causa a eventual aplicação de sanções a Caracas. A este propósito, referiu que “o Governo português concorda com a posição da União Europeia, que ainda não considerou a possibili-

dade de utilização de outras ações políticas e diplomáticas”. “Vamos ver qual é a necessidade que temos de conduzir um processo de pressão político-diplomática que está em curso sobre todas as partes venezuelanas no sentido de facilitar um compromisso entre elas”, afirmou, quando questionado insistentemente pelos jornalistas. “Não há nenhuma solução política que não passe por um compromisso entre as partes, que têm de renunciar a qualquer uso de violência”, esclareceu, acrescentando os recados dos 27 países para os dois lados em confronto e, em particular para o governo de Nicolas Maduro. Enquanto isso não sucede, Portugal vai “manter-se atento e na linha da frente da defesa dos interesses do país e dos portugueses”.

diplomacia

Marcelo Rebelo de Sousa compreende discrição do Governo português sobre a Venezuela

AGÊNCIA LUSA

O Presidente da República disse compreender que “certas realidades” sobre a atual situação da comunidade portuguesa na Venezuela sejam tratadas pelo Governo com discrição. “O bom senso aponta para que haja matéria que o Governo trata, mas não divulga na praça pública”, afirmou o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, aos jornalistas, durante uma visita ao concelho de Góis, no distrito de Coimbra. Segundo o Presidente da República, “há certas realidades

que devem ser mantidas discretas”. Marcelo Rebelo de Sousa voltou ainda a criticar a criação de uma Assembleia Constituinte na Venezuela, por iniciativa do Presidente Nicolás Maduro, considerando que o novo órgão de soberania venezuelano “não parece um passo positivo” para “a estabilização política” deste país da América do Sul. A Assembleia Constituinte traduz “um poder paralelo”, afirmou, sublinhado que “qualquer pessoa de bom senso percebe que não contribui para um Estado de direito democrático”.

saúde

SNS “totalmente de portas abertas” aos emigrantes que regressam da Venezuela AGÊNCIA LUSA

O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, disse que o sistema nacional de saúde está “totalmente de portas abertas” para garantir o tratamento e o acompanhamento a emigrantes madeirenses que regressam da Venezuela. “Qualquer português que regresse da Venezuela, que tenha as suas origens na Madeira e que não encontre resposta no sistema de saúde regional (por exemplo, questões ligadas à hemodiálise e oncologia), o sistema de saúde

nacional está totalmente de portas abertas para garantir tratamento e acompanhamento a estes cidadãos”, afirmou. José Luís Carneiro falava aos jornalistas antes da sessão de abertura do Fórum Madeira Global 2017, um encontro organizado pelo Governo Regional da Madeira, com o objectivo de reforçar a ligação entre as diversas comunidades madeirenses espalhadas pelo mundo, que decorre hoje no Funchal. O governante explicou que a área “mais complexa” em termos de apoio aos emigrantes, na Ma-

deira, é a da saúde, devido à sobrecarga no sistema regional, isto numa altura em que as autoridades estimaram que cerca de 4.000 cidadãos já regressaram à região, motivados pela instabilidade política, social e económica que se vive na Venezuela. José Luís Carneiro realçou que, para além de garantir o tratamento de doentes ao nível nacional, o Governo está também a accionar linhas de apoio à aquisição de medicamentos, em articulação com as estruturas consular e associativa. O secretário de Estado vincou, por outro lado, que foram tomadas

outras medidas de auxílio aos emigrantes, entre as quais se conta o reforço dos meios consulares, para garantir um tratamento especial aos cidadãos indocumentados. “Decidimos também criar um conjunto de 150 bolsas de estudo relacionadas com o ensino da língua portuguesa e com a formação

e aquisição de competências em língua portuguesa”, disse José Luís Carneiro. O Governo da República vai, ainda, “ajustar” os termos jurídicos do programa habitacional PROHABITA, de modo a que os emigrantes tenham acesso a casas que o Instituto Nacional de Habitação dispõe na Madeira.


Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

POLÍTICA

PSD saúda Governo mas pede condições para acolher comunidade portuguesa

Venezuela 7

POLÍTICA

Cristas pede “palavra de tranquilidade” para luso-venezuelanos

AGÊNCIA LUSA

“É bom que o Governo comece a agilizar procedimentos para acolher todos aqueles luso descendentes”, disse Hugo Soares, líder da bancada parlamentar do PSD O líder da bancada parlamentar do PSD considerou esta quinta-feira que o Governo “andou bem” e tomou uma posição “firme” face à situação na Venezuela, mas apelou para que crie condições para o país poder acolher quem quiser regressar. “É bom que o Governo comece a agilizar procedimentos para acolher todos aqueles luso descendentes, portugueses, que queiram regressar ao nosso país”, declarou Hugo Soares, em conferência de imprensa realizada esta quinta-feira ao início da tarde na sede do partido, em Faro. Questionado sobre a posição dos outros partidos relativamente às eleições do passado domingo, o social democrata referiu que as posições do PCP e do BE o preocupam “muito mais” quando estes “são uma força de bloqueio à transformação” de Portugal e “às reformas estruturais que o país precisa”, considerando que “funcionam como espartilho ao Governo e à governação do PS”. Reiterando as saudações ao executivo pela sua posição política face à situação na Venezuela, Hugo Soares insistiu na necessidade de o Governo manter abertos “todos os canais de comunicação” com a

AGÊNCIA LUSA

comunidade portuguesa residente naquele país, para que, quem queira, possa regressar. O líder da bancada parlamentar do PSD defendeu ainda que esta não deve ser uma matéria partidarizada, devendo antes “unir o país” e, questionado sobre se apoiaria a eventual aplicação de sanções à Venezuela, argumentou que não deve ser Portugal “que deve andar à frente” nessa exigência. “A União Europeia ainda não colocou em cima da mesa essa matéria e eu creio que não vai ser Portugal que deve andar à frente nessa exigência”, concluiu. A União Europeia recusou, na quarta-feira, reconhecer a Assembleia Constituinte eleita no domingo na Venezuela e pediu que a “instalação efetiva” daquele órgão seja suspensa, de acordo com declarações da chefe da diplomacia,

Federica Mogherini, em nome dos Estados-membros. Questionado pelos jornalistas, na quarta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva considerou que a eleição foi “um passo negativo” e frisou que a União Europeia está a preparar uma declaração que, basicamente, refere que os Estados-membros não podem reconhecer a Assembleia Constituinte. Convocada a 01 de maio pelo Presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, a eleição da Assembleia Constituinte decorreu no domingo passado sob uma forte vigilância militar. Maduro convocou a eleição com o principal objetivo de alterar a Constituição em vigor, nomeadamente os aspetos relacionados com as garantias de defesa e segurança da nação, entre outros pontos.

A presidente do CDS-PP pediu ao Governo “transparência e uma palavra de tranquilidade, serenidade e confiança” para os portugueses que estão na Venezuela. “Hoje [sexta-feira] é o dia em que olhamos para os nossos 500 mil concidadãos que estão na Venezuela, num país onde hoje tomou posse uma Assembleia constituída por uma fraude e contrariando aquilo que é a vontade maioritária do seu povo”, disse Assunção Cristas, sublinhando ainda que o partido está “preocupado” e vem chamando à atenção do Governo “há muitos meses”. A candidata às eleições autárquicas de Lisboa participou na apresentação da candidatura à junta de freguesia da Branca do candidato centrista Carlos Coe-

lho, durante a qual salientou a importância de “uma sociedade que não fica de braços cruzados, mas que usa da sua liberdade para que todos possam progredir na vida”. “Perguntamos como as coisas estão a ser preparadas. Já esta semana tive a oportunidade de perguntar ao Governo se estamos a fazer tudo o que podemos fazer do ponto de vista humanitário para ajudar os nossos concidadãos na Venezuela. Se estamos preparados, se for caso disso, de hoje para amanhã os recebermos todos aqui. Também aqui é bom que o Governo use transparência”, sublinhou Assunção Cristas. A líder centrista destacou que a Venezuela se aproxima de uma “ditadura totalitária de esquerda”, e que “não há nenhum bom exemplo no mundo de ditaduras de esquerda, ou de direita, que façam bem aos seus povos”.

TRANSPARÊNCIA E INTEGRIDADE

Batalha: “Timidez do Governo face à crise não ajuda emigrantes” AGÊNCIA LUSA

O diretor-executivo da Transparência e Integridade disse que a timidez da reação do Governo português face à crise na Venezuela não ajuda a comunidade emigrante naquele país, considerando que Portugal deve ser firme na condenação do governo venezuelano. “A timidez, a falta de clareza, a falta de assertividade do Governo na reação a esta crise por parte de

um país amigo, como é ou deveria ser a Venezuela, não protege, não ajuda a proteger a comunidade portuguesa”, declarou à agência Lusa João Paulo Batalha. Para o responsável da associação cívica, o Governo português “deve ser firme na sua condenação a este tipo de deriva antidemocrática e, obviamente tem de estar capacitado para dar, se necessário for, o apoio aos portugueses”. “Sabemos que há, obviamente,

muitos portugueses que estão no centro desta crise. Eu acho que isto tem justificado alguma timidez, chamamos-lhe assim, do Governo português na forma como tem reagido a esta crise”, sublinhou o diretor executivo da Transparência e Integridade. “Isso faz-me lembrar a cumplicidade que o Governo português teve, na altura, com o Apartheid sul-africano, exatamente com o mesmo argumento da existência

de uma grande comunidade portuguesa na África do Sul”, acrescentou. “Lamento que o Governo português não seja mais claro nas suas tomadas de posição e menos ambivalente, infelizmente o tem

sido, porque é fundamental que a comunidade internacional, neste momento, coloque-se do lado dos cidadãos venezuelanos e da sociedade civil venezuelana na rejeição deste estado de coisas”, disse ainda o responsável da associação cívica.


8 Venezuela

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela

CLUBES

Centros sociais tentam manter-se ativos apesar da situação do país

Ommyra Moreno Suárez

Os recentes protestos no país têm afetado a vida civil e, com isso, as atividades desenvolvidas nos diferentes centros sociais, que têm tido que alterar as suas programações e até suspender as suas tradicionais comemorações para poder salvaguardar a integridade dos sócios e dos seus familiares. É o caso da Asociación Civil Centro Portugués, localizada na urbanização Macaracuay, a Este da cidade de Caracas. O clube capitalino fez saber, no mês de junho, a sua decisão de suspender as próximas festividades, assegurando que «não há condições para festejar». Rafael Gomes, em declarações à Agência Lusa, acrescentou: «A decisão foi tomada pela direção». Noutros Estados, os centros

luso-venezuelanos continuam a promover as suas iniciativas normalmente, com optando contudo por reforçar a segurança dos seus espaços para evitar serem vítimas da insegurança. Neste sentido, o Centro Social Madeirense, localizado no município San Diego do Estado Carabobo, enviou um comunicado onde anuncia uma nova normativa para o acesso às suas instalações. Recorde-se que no passado mês de maio 40 comerciantes portugueses foram vítimas de pilhagens e destroços aos seus negócios, localizados naquela localidade. «Devido à situação atual, e especialmente aos últimos acontecimentos que tiveram lugar nas proximidades da nossa sede, os concessionários não puderam abrir e tivemos muito poucos trabalhadores, para além

do risco iminente à segurança do pessoal, sócios e instalações, pelo que manteremos só uma porta aberta e em estado de alerta perante qualquer imprevisto», pode ler-se no texto publicado pelo centro social na sua conta oficial do Facebook. Em Aragua, a Casa Portuguesa do Estado Aragua, localizada no setor La Morita de Maracay, continua a trabalhar normalmente. Contudo, os responsáveis de eventos têm achado pertinente não programar por enquanto eventos culturais. «Aqui na Casa Portuguesa as nossas instalações estão abertas aos sócios, a única diferença é que os responsáveis pelos diferentes eventos suspenderam algumas convocatórias por opção própria», comentou Sergio Ramos, coordenador de eventos do clube de Aragua.

CLUBES

Centro Português de Guayana anuncia plano de férias Ommyra Moreno Suárez

O Centro Portugués Venezolano de Guayana, localizado em Puerto Ordaz, Estado Bolívar, anunciou o seu plano de férias, sob a premissa “Põe alegria às tuas férias!”. A iniciativa, destinada a crianças com idades entre os 5 e os 13 anos, tem lugar entre os

dias 7 e 25 de agosto, num horário compreendido entre as 8h00 e as 12h00, de segunda a sexta. Programa contempla um sem-número de atividades para entreter, com divertimento, os mais pequenos durante a temporada de férias, entre as quais se destacam treinos de futebol, basquetebol, voleibol e jogos aquáticos, assim como

atividades ao ar livre, eventos musicais, rally, cântico, dança e teatro, entre outros. Desta forma, o clube apresenta-se como uma proposta que promove o esparzimento saudável entre as crianças e jovens da comunidade. Os interessados podem entrar em contacto através dos números (0286) 9622089 e 9625519.

SOLIDARIEDADE

Crise não trava trabalho das “Espetadas”

Nos últimos meses, academias têm sido obrigadas a alterar planos de ação devido à situação do país, que tem feito cancelar tradicionais tertúlias Ommyra Moreno Suárez

Nos últimos meses, as tertúlias e os eventos que as academias da espetada costumavam realizar mensalmente com fins solidários têm vindo a ser alterados devido à situação do país. Contudo, as instituições garantem que, apesar das dificuldades, vão continuar a trabalhar em prol das diferentes causas sociais que defendem. No âmbito da comemoração do seu oitavo aniversário, a Academia da Espetada de Caracas realizou uma iniciativa para angariar donativos, que teve lugar nas instalações do HogarBambi de Venezuela, localizado no sector San Bernandinoda cidade capital. No local, as amigas tiveram a oportunidade de visitar as instalações da instituição e conversar com o pessoal administrativo, a quem entregaram brinquedos, alimentos, roupa e outros bens que se destinam às

mais de cem crianças e jovens que são acolhidas pelo lar. Desta forma, a academia capitalina reafirma o seu compromisso com os menores em situação de rua, que fazem parte de uma problemática pela qual tem trabalhado incansavelmente nos últimos anos através de instituições como a Casa Hogar Domingo Savio, a Casa Hogar Madre Teresa de Calcuta, HogaresBambi de Venezuela, entre outros locais de beneficência localizados na área metropolitana de Caracas e o Estado Vargas. No estado Carabobo, as amigas da Academia da Espetada Valencia continuam a promover a solidariedade, apesar de, por enquanto, não estar prevista a realização das tradicionais iniciativas de angariação até que a tensão na localidade, provocada pelas recentes protestas, se acalme. Contudo, esta situação não tem sido impedimento para que as amigas realizem o seu trabalho, e através deste têm conseguido ajudar dezenas de pessoas com baixos recursos, na sua maioria pacientes com cancro, a quem lhes foi oferecida ajuda para suportar os seus tratamentos médicos. Perante a impossibilidade de levar a cabo convocatórias, a academia carabobenha também optou por organizar convícios nos lares e geriátricos da região.


Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

Publicidade 9


10 Portugal

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela

CNE

Candidaturas independentes não podem usar a palavra “partido” DIÁRIO DE NOTÍCIAS

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) considera ilegítimo um movimento independente ter o mesmo símbolo na candidatura a todos os órgãos autárquicos e usar “a palavra ‘Partido’ na denominação”, como acontece com Rui Moreira no Porto. A apreciação do gabinete jurídico da CNE, a que a Lusa teve acesso, surge em resposta a um “pedido de esclarecimento” sobre candidaturas de grupos de cidadãos e indica que “parece não ser legítima a utilização do mesmo símbolo a todas ou algumas das assembleias de freguesia”, bem como o “uso da palavra ‘Partido’ na denominação” dos movimentos independentes, remetendo porém para tribunal a decisão sobre “a regularidade do processo”. Contactado pela Lusa, o diretor da campanha do movimento “Rui Moreira: Porto, o Nosso Partido” revelou que a juíza do tribunal cível do Porto informou esta tarde a candidatura de que “o nome e a sigla foram aceites” e disse estar “convicto de que o esclarecimento [da CNE] não se refere” àquela candidatura. “A candidatura foi informada, junto dos mandatários presen-

tes no sorteio [da ordem que cada candidatura vai ter no boletim de voto], de que a sigla e o nome foram aprovados”, acrescentou o diretor de campanha, notando tratar-se de uma matéria cuja decisão cabe ao tribunal, no caso o Juízo Local Cível do Porto, e não à CNE. A avaliação do gabinete jurídico da CNE, com a data de sexta-feira, diz que “parece não ser legítima a

utilização do mesmo símbolo por candidaturas a todos ou algumas das assembleias de freguesia da área do município”, cabendo “aos tribunais verificar a regularidade do processo”. A CNE acrescenta que “se o símbolo for julgado definitivamente inadmissível, é atribuído um numeral romano [...], de acordo com sorteio a realizar pelo juiz competente”.

“Quanto ao uso da palavra ‘Partido’ na denominação, afigura-se igualmente não ser legítima a utilização da mesma, sem prejuízo de a respetiva decisão caber aos tribunais competentes”, acrescenta o gabinete. Numa outra avaliação do gabinete jurídico da CNE, datada de 27 de julho, refere-se que “parece não ser legítima a utilização da mesma

POLÍTICA

PSD vai propor eliminação do adicional ao IMI DIÁRIO DE NOTÍCIAS

O PSD anunciou que vai propor a eliminação do adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis, justificando que se trata de um ataque ao investimento quando o país já não vive em austeridade. “Em sede de Orçamento do Estado vamos propor a sua eliminação, o país já está sobrecarregado de impostos”, afirmou o deputado social-democrata Duarte Pacheco, em conferência de imprensa no parlamento Referindo que o novo imposto sobre o imobiliário que as pessoas estão a receber em casa para pagar no mês de setembro “corresponde a um ataque às poupanças, um ataque ao investimento, um ataque à classe média”, o deputado considerou que “se a austeridade tinha sido removida, se o período de emergência tinha sido ultrapassado, não há razão, a não ser uma razão ideo-

lógica” para a sua cobrança. O adicional ao Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) -- também conhecido por “imposto Mortágua”,

por ter sido anunciado pela deputada do Bloco de Esquerda (BE) Mariana Mortágua e não pelo Governo, deverá chegar em setembro

a 211.690 contribuintes, revelou na semana passada o Diário de Notícias. Esta será a primeira vez que o

denominação e sigla por candidaturas a todas ou algumas assembleias de freguesia”. “No que respeita às freguesias, dificilmente poderá ser entendido como o mesmo grupo de cidadãos eleitores, uma vez que o primeiro proponente (e os restantes) são obrigatoriamente outros e o mandatário também não pode ser o mesmo”, observou na ocasião a CNE. Contactado pela Lusa, o porta-voz da CNE afirmou que os esclarecimentos e respostas daquela instituição “espelham o que está na lei”, sendo que “quem tem competência” para decisão nesta matéria “é o juiz/tribunal que aprecia a candidatura”. Admitindo não conhecer o parecer do gabinete jurídico da CNE, o diretor de campanha de Rui Moreira garantiu que o movimento não recebeu “nenhuma queixa ou notificação” nem pediu “nenhum esclarecimento sobre essa matéria”. “Estamos absolutamente convictos de que esse esclarecimento não se refere à nossa candidatura”, frisou o diretor de campanha de Rui Moreira. O diretor de campanha considera que a avaliação da CNE “contraria a lei e a jurisprudência”, já que os moldes em que a candidatura foi apresentada foram os mesmos que, há quatro anos, foram aprovados pelo tribunal, nomeadamente no que diz respeito ao uso da palavra ‘Partido’ na designação. “Não há, na lei, nenhuma sustentação que leve a tirar a conclusão de que não se pode usar esta ou aquela palavra”, observou.

Ministério das Finanças irá aplicar este imposto, previsto no Orçamento do Estado para 2017. Os proprietários terão de pagar uma taxa de 0,7% sobre valores imobiliários que excedam os 600 mil euros e de 1% sobre imóveis que ultrapassem o valor de um milhão de euros. Os sociais-democratas justificaram a tomada de posição no dia de hoje por ser este o momento em que os contribuintes estão a receber as notas de liquidação para pagarem o imposto. O PSD, que votou contra a criação do adicional ao IMI, alertou ainda que a cobrança do imposto terá como consequência que “potenciais investidores, aqueles que estavam a regressar a Portugal a fazer com que Portugal voltasse a ter mercado imobiliário em dinamismo (...) possam afastar-se e possam fugir” para outros países. Para Duarte Pacheco o novo imposto não faz sentido quando a emergência nacional foi ultrapassada e lamentou que “mais uma vez a classe média seja chamada a contribuir com dezenas, centenas de milhares de euros para os cofres, é o preço que o PS paga ao BE para se manter no poder”.


Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

DIÁRIO DA REPÚBLICA

Governo aprova lei para legalizar mais imigrantes

DIÁRIO DE NOTÍCIAS

Contra o parecer do SEF, os imigrantes podem agora ser legalizados apenas com “promessa” de trabalho e sem visto de entrada. A “promessa de um contrato de trabalho” passou a ser admitido como requisito para um estrangeiro poder obter uma autorização de residência no nosso país, de acordo com a alteração à lei de estrangeiros publicada em Diário da República. O diploma - aprovado pela esquerda no parlamento, sob propostas do PCP e do BE e em contraciclo com o resto da Europa-, revogou ainda a exigência de permanência legal em Portugal ou no espaço Shengen, previsto no anterior regime para os casos de legalização, a título excecional, de imigrantes já com contratos de trabalho. A nova lei impede também que sejam expulsos imigrantes que tenham cometido crimes como homicídios, roubos violentos ou tráfico de droga. O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que tinha alertado para os riscos de segurança que poderia causar esta regularização extraordinária e o seu efeito de chamada de imigrantes para território nacional, foi surpreendido pela aprovação do diploma. De acordo com uma nota emitida pela direção nacional a todos os dirigentes distritais, na passada sexta-feira, até o Ministério da Administração Interna (MAI) clarificar o alcance das novas regras, algumas das quais contraditórias com outros artigos da legislação

anterior que não foram alterados, está suspenso o chamado SAPA, o serviço de agendamento online onde os imigrantes registam as suas “manifestações de interesse”. O SEF também lembra, nesta informação interna, a falta de recursos humanos e meios informáticos suficientes para responder ao expectável aumento de pedidos de autorização de residência. A isenção de vistos de entrada, recorde-se, chegou a ser aplicada irregularmente pela anterior direção do SEF, procedimento que levou a abertura, em 2016, depois de noticiada pelo DN, de processos de averiguações pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) e pela Procuradoria-Geral da República (PGR), sem resultados ainda conhecidos. No ano em que vigorou, 2015, teve um efeito de chamada de milhares de imigrantes que estavam ilegais noutros países europeus. De acordo com dados oficiais do SEF nesse ano houve um número recorde de novos pedidos de residência, na casa dos 12 mil, grande parte a pretexto da exceção aberta pelo SEF. A maioria eram provenientes de países considerados e risco e tinham apenas a intenção de obterem o visto de residência em Portugal para poderem circular livremente no espaço europeu, o que foi aproveitado pelas redes de imigração ilegal. Quando tomou posse, no início de 2016, atual diretora do SEF, Luísa Maia Gonçalves, constatou a irregularidade e revogou a “orientação” do seu antecessor. Mas estava, nessa altura, pendentes mais de três mil “manifestações de

interesse” de imigrantes e a medida não agradou às associações de imigrantes que organizaram protestos de rua, como apoio do BE. Pressionado pela esquerda o governo ordenou ao SEF que recuasse e analisasse “caso a caso” os novos pedidos para que os pudesse enquadrar legalmente, o que tem vindo a ser feito, embora com muita demora. Entretanto, na altura, a 20 de maio de 2016, o BE avançou com o projeto de lei para tornar regra aquilo que era exceção (e só com autorização da direção do SEF e da tutela), o que se concretizou agora com as alterações aprovadas. O BE considera “grave” o despacho de revogação de Luisa Maia Gonçalves “que passou a exigir, com efeitos retroativos, um comprovativo de entrada legal no território nacional”. O BE assume que a sua proposta “visa claramente reduzir a margem de discricionariedade e de arbitrariedade da administração” na análise destes processos. O gabinete da ministra Constança Urbano de Sousa refutou que esta alteração legislativa possa ser entendida como uma regularização extraordinária e ter um efeito de chamada de imigrantes ilegais: “As alterações à Lei de Estrangeiros apenas limitam a arbitrariedade, permitindo maior segurança jurídica”. Acrescenta ainda que se “mantém a obrigatoriedade da obtenção de visto” e que “não está em causa a regularização de quem tenha entrado ilegalmente. Uma leitura distinta da feita pelo SEF que, por ter dúvidas, já pediu esclarecimentos ao MAI.

Portugal 11

PEDRÓGÃO GRANDE.

Governo diz que está a reforçar cuidados de saúde primários

DIÁRIO DE NOTÍCIAS

O secretário de Estado adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, disse que está a ser feito um reforço da resposta nos cuidados de saúde primários na zona afetada pelo incêndio de Pedrógão Grande. Fernando Araújo sublinhou que está a ser feito um reforço na resposta nos concelhos mais afetados pelo incêndio, sendo que alguns dos profissionais de saúde já chegaram e a contratação de outros já foi aprovada. De acordo com o membro do executivo, há reforço de médicos de família, enfermeiros, bem como fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e técnicos de serviços sociais. Para o secretário de Estado, as equipas multidisciplinares que vão para a zona mais afetada têm de ficar na região “durante muito tempo”, face aos problemas que poderão surgir nos próximos tempos. “Temos uma população idosa com vários problemas de saúde, como diabetes, hipertensão, problemas respiratórios e cardíacos”, cuja situação acabou por ser

agravada com o incêndio, sendo que se tem de dar “uma resposta local a esses problemas para se evitar que [as pessoas] tenham de ir para grandes cidades para receber apoio”, frisou. Segundo o membro do Governo, o reforço é feito “à medida das necessidades”. “Quando esta mediatização passar, vamos continuar no terreno a identificar problemas e respostas para os mesmos”, sublinhou, considerando que as equipas vão manter-se no local “durante o tempo necessário”. Para Fernando Araújo, a resposta na saúde mental “é o maior desafio”. O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho, no distrito de Leiria, provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos e só foi dado como extinto uma semana depois. Mais de dois mil operacionais estiveram envolvidos no combate às chamas, que consumiram 53 mil hectares de floresta, o equivalente a cerca de 75 mil campos de futebol. O fogo chegou ainda aos distritos de Castelo Branco, através da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra e Penela.


12 Portugal

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela

SERVIÇOS PRISIONAIS

Nove guardas expulsos por tráfico nas cadeias DIÁRIO DE NOTÍCIAS

Entre 2014 e 2016, foram instaurados 21 processos disciplinares a elementos da Corpo da Guarda Prisional, devido à introdução de drogas, telemóveis e outros objetos proibidos nas prisões, revela o jornal Público, adiantando que, nesse âmbito, foram expulsos nove guardas, três foram suspensos, três multados e três repreendidos. Segundo o jornal, no ano passado, 12 guardas foram privados de liberdade por esses e outros crimes. E, neste momento, há setes detidos por introdução de material proibido nas cadeias. Ouvido pelo Público, Celso Manata, diretor-geral dos Serviços Prisionais, declarou “tolerância zero” ao comportamento dos guardas prisionais. “Já disse que ia andar em cima das pessoas que traficam drogas, telemóveis e outras coisas. Agora, digo que vou andar em cima das pessoas que estão nas portarias.” Estas declarações surgem na se-

quência de uma notícia no semanário Expresso do último sábado que citava o relatório do Serviço de Au-

ditoria e Inspeção da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais para garantir que grande parte do

tráfico nas cadeias portuguesas é feito pelos próprios guardas e não pelas visitas dos reclusos. O rela-

VALE INDÚSTRIA

Governo dá 4,2 milhões para digitalizar PME DIÁRIO DE NOTÍCIAS

A partir desta semana e até 29 de setembro, as pequenas e médias empresas portuguesas vão poder submeter as suas candidaturas ao primeiro concurso no âmbito do programa Vale Indústria 4.0, que vai distribuir 4,2 milhões de euros em vales, cada um com um valor máximo de 7500 euros, para projetos com foco na digitalização. A confirmação foi dada pela nova secretária de Estado da Indústria, Ana Lehmann, que herdou do seu antecessor João Vasconcelos a execução do ambicioso programa-bandeira do governo Indústria 4.0: um investimento de 2000 milhões de euros, para um retorno de 4,5 mil milhões nos próximos quatro anos, e um conjunto de 60 medidas que deverão ter impacto em mais de 50 mil empresas. “Será publicado ainda esta semana o aviso para a abertura do concurso. Este é o primeiro a ser lançado, mas o objetivo é que existam mais no futuro”, confirmou Ana Lehmann em declarações exclusivas ao DN/Dinheiro Vivo, as primeiras desde que assumiu o cargo em substituição de Vasconcelos, que

apresentou demissão na sequência do escândalo das viagens da Galp ao Euro 2016. No total, o Vale Indústria 4.0 prevê a atribuição, nos próximos quatro anos, de 12 milhões de euros de apoios (em quatro tranches, sendo esta a primeira) a cerca

de 1500 empresas. Podem candidatar-se as PME de todos os setores que cumpram vários critérios (pelo menos três postos de trabalho, sem outras candidaturas aprovadas ou em fase de decisão na tipologia de investi-

mento “qualificação das PME”, entre outros). O apoio, com duração de um ano, é dirigido a empresas que queiram “implementar sistemas de comércio eletrónico, melhorar a sua posição nos motores de busca e a experiência do utilizador no

tório aponta “para uma intolerável falta de controlo na entrada de funcionários das prisões”. A situação é descrita como ocorrendo em todas as cadeias e sobretudo no fim-de-semana e no período da noite. Numa reportagem publicada pelo DN em julho do ano passado, eram relatados vários casos de guardas que foram apanhados em esquemas com os detidos. Os “salários não são desculpa”, admitia na altura Jorge Alves, presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP). “Tem-se notado mais nos últimos anos guardas a praticar crimes”. Para o dirigente sindical há dois fatores que explicam o fenómeno: “Trabalham no meio da criminalidade e têm falta de formação profissional.” Já no ano passado, a tutela tinha anunciado que a vigilância sobre os guardas prisionais iriaaumentar. A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem propôs uma mudança na lei que vai apertar os limites para a presença de álcool no sangue e de drogas.

site ou apostar em marketing”, explicou. “Destina-se também a empresas que queiram avançar com processos associados à Indústria 4.0, nomeadamente a realidade aumentada, big data ou sistemas de inteligência artificial, e ainda para a contratação de serviços, como a assistência técnica”, clarificou Ana Lehmann. “Na internacionalização, a aposta no digital e em sites bem estruturados permitirá a estas empresas criarem montras para os clientes internacionais, permitindo gerar mais negócio e maior exposição e penetração em mercados externos, de forma acessível e eficaz.” O objetivo? Empresas mais eficientes e competitivas. No início do ano foi já realizado um concurso para acreditar 381 entidades que vão prestar serviços às empresas que se qualificarem no âmbito deste concurso, como por exemplo as universidades de Aveiro e da Beira Interior, o Instituto Pedro Nunes, entre outras empresas tecnológicas. Os incentivos são calculados através da aplicação às despesas consideradas elegíveis a uma taxa de 75% (40% para os projetos na região de Lisboa). Apesar de não ser a 100%, o financiamento é a fundo perdido. “Será uma medida muito relevante ao serviço da modernização e da competitividade da indústria, que ajudará muitas empresas a dar os primeiros passos no caminho da digitalização”, garante Ana Lehmann.


Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

ENSINO SUPERIOR

Pela primeira vez desde 2009 há mais candidatos do que vagas na 1.ª fase

DIÁRIO DE NOTÍCIAS

Pela primeira vez desde 2009 o número de candidatos ao ensino superior na 1.ª fase do concurso nacional de acesso supera o número de vagas, com 52.579 proponentes para 50.838 vagas nas universidades e politécnicos públicos. De acordo com dados publicados no portal da Direção-Geral do Ensino Superior (DGES), 52.579 alunos entregaram candidatura para aceder ao ensino superior, mais 2.924 do que os 49.655 estudantes que o fizeram em 2016. No final do dia de segunda-feira, penúltimo dia para concorrer à 1.ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, o número de candidatos já era superior ao do ano anterior, com 50.593 candidaturas entregues. É preciso recuar a 2009 para encontrar um concurso de acesso com mais candidatos do que vagas: houve 52.949 candidaturas para 51.352 vagas. Nos últimos anos, sobretudo nos que coincidiram com um período de forte crise financeira e económica, em que o país esteve sob resgate e sujeito a uma intervenção externa, universidades e politécnicos públicos assistiram a uma quebra quer no número de vagas abertas, quer no número de candidatos. Depois de quatro anos de de-

clínio, o número de lugares disponíveis no ensino superior público recuperou ligeiramente em 2016 e este é o segundo ano consecutivo com um aumento no número de vagas, ainda que residual. Uma das razões que pode contribuir para o aumento do número de candidaturas é a melhoria das médias registadas na 1.ª fase dos exames nacionais, sobretudo a português e a matemática, duas das disciplinas cujos exames mais contam como prova de acesso a universidades e politécnicos públicos. De acordo com os dados da DGES, as 50.838 vagas abertas este ano representam um acréscimo de 150 lugares face a 2016. A tutela apelou para um reforço na oferta de vagas em áreas como Tecnologias de Informação, Comunicação e Eletrónica -- para promover a literacia digital e responder a novas necessidades do mercado de trabalho -, mas também em Física e Engenharia Física -- neste caso por solicitação da Direção-Geral de Saúde, que identificou “uma elevada carência específica de profissionais especialistas em física médica e de peritos qualificados em proteção radiológica, o que provoca óbvias limitações atuais e futuras ao funcionamento do Serviço Nacional de Saúde”. Depois de reduzidas as limitações à abertura de novas vagas nestas áreas, as instituições res-

ponderam, criando, no caso da Física e da Engenharia Física, 52 novas vagas em cursos já existentes. O maior aumento foi registado no mestrado integrado em Engenharia Física da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, que no próximo ano abre 60 vagas, mais 25 do que no ano transato. Os alunos que se candidatarem ao ensino superior público através do concurso nacional de acesso podem este ano escolher entre 1.062 cursos disponíveis. “Ainda no regime geral de acesso ao ensino superior público, às vagas fixadas para o concurso nacional acrescem 656 vagas para ingresso em cursos em que, pela sua natureza, a candidatura é realizada através de concursos locais, organizados pelas instituições de ensino superior”, precisa a nota da DGES, referindo-se a cursos como os das escolas superiores de artes, cuja entrada se realiza, regra geral, mediante prestação de provas específicas. Há 42.128 vagas para 952 licenciaturas, 8.547 vagas para 103 mestrados integrados e 163 vagas para sete cursos preparatórios de mestrado integrado. Os resultados da primeira fase são divulgados no dia 11 de setembro, no portal da DGES, e seguem-se depois a segunda e terceira fases do concurso nacional de acesso.

Portugal 13

INCÊNDIOS

Marcelo promulga diplomas para reforma da floresta apesar de reparos

DIÁRIO DE NOTÍCIAS

O Presidente da República promulgou hoje quatro diplomas para a reforma da floresta, alertando que as leis estão “longe de esgotar todas as atuações dos poderes públicos”, ressalvando que apenas a criação do cadastro florestal não suscita reparos. Apesar de considerar que ainda havia trabalho a fazer na elaboração dos diplomas, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, justificou a promulgação dos mesmos com o “esforço de enquadramento jurídico e de ensaio de novas pistas para enfrentar antigos e não ultrapassados problemas”. Incluídos na reforma da floresta do atual Governo, os quatro diplomas promulgados visam criar um sistema de informação cadas-

tral simplificada, criar um regime aplicável aos baldios e aos demais meios de produção comunitários, alterar o Sistema Nacional de Defesa da Floresta contra Incêndios e alterar o regime jurídico aplicável às ações de arborização e rearborização. No âmbito da promulgação destes diplomas, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que estas leis “conheceram um longo processo de elaboração, iniciado em outubro de 2016 e acelerado em junho deste ano, perante o dramatismo da realidade vivida”. Ainda assim, o Presidente da República frisou que os diplomas promulgados estão “longe de esgotar todas as atuações dos poderes públicos no domínio versado”, advogando que “apenas um deles -- o do cadastro -- não suscita reparos”.


14 Madeira

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela

Fórum Madeira Global aborda situação da Venezuela e apresenta medidas concretas para apoio à diáspora Secretário de Estado das Comunidades enaltece papel do Governo Regional na transmissão das preocupações dos luso-venezuelanos

APOIO À HABITAÇÃO «Houve também um compromisso da Secretaria de Estado da Habitação de procurar ajustar os termos jurídicos do programa “Prohabita” que carece de ser agilizado de forma a podermos aproveitar algumas habitações que temos na Madeira para que essas famílias possam aceder a essas habitações», ressalvou.

Sónia Gonçalves

AGILIZAÇÃO DE PROCESSOS Foi também decidido que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras SEF procurará um posto avançado na Embaixada da Venezuela tendo em vista que aqueles que queiram sair possam fazê-lo devidamente documentados. «Temos a decisão, num despacho conjunto, para agilizar um apoio social para emigrantes carenciados específico, dispensando um conjunto de documentos que eram necessário para podermos apoiá-los».

A Secretaria Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus realizou pelo segundo ano consecutivo o Fórum Madeira Global, que contou com a presença do Secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, assim como de deputados à Assembleia Legislativa Regional e de membros do Governo Regional. O Presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, abriu o fórum e, em declarações aos jornalistas, destacou que o Governo está a «consolidar as relações com as nossas comunidades, criando uma rede mais profícua, mais forte». Acrescentou que a Madeira vai continuar a ser uma região global, pelo é necessário continuar a estreitar relações. ASSOCIAÇÃO DE EMPRESÁRIOS DA DIÁSPORA Miguel Albuquerque defendeu que «o próximo grande passo» do Governo é criar a Associação de Empresários da Diáspora. Isto dando resposta às pretensões da comunidade. Aliás, o Fórum Madeira Global resultou de reivindicações das comunidades. No Encontro das Comunidades, em 2015, surgiu a proposta de se realizar este fórum, explicou aos jornalistas o Presidente do Executivo, que sublinhou a preocupação do Executivo madeirense com a situação da Venezuela. «Estamos em estreita articulação com o Governo nacional, a tratar das políticas de acolhimento e a posição da Madeira é consonante com a do Governo português e da UE», assegurou no seu discurso de abertura. Por sua vez, o Secretário de Estado das Comunidades enalteceu a boa cooperação entre o Governo da República e o Governo Regional, devido aos acontecimentos recentes naquele país, que visitou recentemente. José Luís Cordeiro, que se diz muito bem informado por parte da Madeira, na pessoa do Secretário Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques, que também visitou

APOIO NA ÁREA DA SAÚDE Em termos de saúde, o Governo da República tomou medidas para apoiar na prescrição de medicamentos, garantindo tratamentos para doentes que precisem de fazer hemodiálise e tratamentos relacionados com oncologia, por exemplo. Conclui, ainda, que há linhas de apoio que estão a ser acionadas em articulação a estrutura consular e a estrutura associativa.

aquele país e tem sido o porta-voz das preocupações da comunidade luso-venezuelana. O Secretário de Estado destacou que estes contactos com a Região já permitiram pôr em prática várias medidas, sendo que «já foram tomadas decisões que têm a ver com apoios concretos à diáspora», nomeadamente a criação de um posto avançado para tratamento de documentação, a atribuição de bolsas de estudo, apoios à habitação, a agilização de processos e apoios específicos na área da saúde.

POSTO AVANÇADO PARA TRATAR DOCUMENTOS «O Ministério dos Negócios Estrangeiros já decidiu um reforço de meios consulares para garantir um tratamento especial para os cidadãos indocumentados», indicou, acrescentando que se criou um posto avançado para tratar de documentos. 150 BOLSAS PARA ENSINO DE PORTUGUÊS Anunciou, ainda, que o Governo da República criou, na Venezuela, um conjunto de 150 bolsas de es-

tudo relacionadas com o ensino da língua portuguesa e também com a formação e aquisição de competências na língua portuguesa, ferramenta que considerou essencial para a criação de emprego. «Decidimos estender um programa ao empreendedorismo jovem e esse programa, que está a ser desenvolvido por várias secretarias de Estado, será também estendido aos esforços que o Governo Regional está a desenvolver para apoiar aqueles que querem empreender, criando o seu próprio emprego na Madeira», sublinhou.

EMIGRANTES PRESERVAM CULTURA Por sua vez, o Padre Tolentino Mendonça, conceituado poeta madeirense, falou sobre a sua escrita, abordando “o olhar do forasteiro”, que visita a ilha, deixando duas notas: a primeira sobre o deslumbramento perante a ilha e a segunda que realça a pobreza das nossas populações. O escritor refere que «a Madeira é uma terra de emigrantes também devido à escassez dos seus recursos, pela sua pobreza sistémica, que obriga as populações a partir à procura de melhores condições de vida». E defende que as suas coisas estão ligadas, pois são os emigrantes que continuam o processo de mitificação da própria ilha, sendo por isso necessário fazer uma história da emigração para perceber a própria ilha. Destacando a importância da literatura oral na Região Autónoma da Madeira, que é passada de geração em geração através da memória, sublinha o papel dos emigrantes na preservação da cultura madeirense.


Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

Madeira 15

Conselho da Diáspora subscreve condenação da UE contra qualquer tipo de violência na Venezuela Conselho da Diáspora reuniu-se para discutir temas de interesse para a comunidade madeirense espalhada pelo Mundo Sónia Gonçalves

O Co n s e l h o d a D i á s p o r a reuniu-se no dia 8 de agosto de 2017, no Funchal, para discutir vários temas de interesse. O encontro, presidido pelo Secretário Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques, permitiu a cada um dos 12 conselheiros oriundos de várias partes do Mundo intervir para apresentar as preocupações do país que representam. Reconhecendo o esforço feito pelo Governo Regional e Nacional para apoiar os luso-venezuelanos que retornam ou chegam pela primeira vez a Portugal, o Conselho da Diáspora subscreveu «a orientação da União Europeia na condenação da violência de am-

bas as partes e no respeito pela integridade institucional e pela Constituição Bolivariana, mas insiste em manter abertos todos os canais diplomáticos com as instituições diplomáticas», defendendo negociação entre as partes para conseguir o regresso à nor-

malidade democrática. O Conselho salvaguardou, também, «o direito ao voto nas eleições legislativas regionais», garantindo-se atento às consequências da saída do Reino Unido do BREXIT e apelando à defesa dos emigrantes lesados pela Ban-

ca Nacional, entretanto alvos de processos de resolução. O órgão instou, ainda, os membros do Governo a visitarem com mais frequência os países onde residem as comunidades mais volumosas, comprometendo-se «a aprofundar o contacto,

«Não pode haver uma única pessoa sem apoio do Estado português» Declarações do Secretário de Estado das Comunidades na mesa redonda moderada pela jornalista Fátima Campos Ferreira Sónia Gonçalves

Numa mesa redonda, a jornalista da RTP Fátima Campos Ferreira moderou o debate denominado “Língua, Cultura e Fé nas Comunidades Madeirenses”, que contou com a participação do Secretário Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques; do Cónego Alexandre Mendonça; de Ana Isabel Moniz, Presidente da Faculdade de Artes e Humanidades da Universidade da Madeira, entre outros. Foram chamados a intervir

vários representantes da comunidade a residir na Madeira, nomeadamente representantes de associações de luso-venezuelanos (Venexos e Venecom), empresários, consulados, etc.

Sérgio Marques destacou que, desde o primeiro momento, o Governo Regional tem contacto com a Secretaria de Estado e já recebeu entre 3.500 a 4.000 pessoas oriundas daquele país, e estas de

diferentes faixas etárias, desde crianças a idosos. Contudo, no decorrer do debate, frisou-se a questão de ainda estarem naquele país cerca de 350 mil portugueses e, como tal,

concertação e reflexão entre os Conselheiros, de forma pró-ativa e complementar às reuniões plenárias do Conselho». Finalmente, censurou a TAP por não ter sido restabelecida uma frequência direta entre Lisboa e Joanesburgo, África do Sul.

ainda poderem regressar à Região mais pessoas. Por sua vez, chamado a participar no debate, o Secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, sublinhou que estão a ser criadas condições para que os portugueses e os luso-venezuelanos tenham apoio. «Não pode haver uma única pessoa sem apoio do Estado português», sublinha, ao falar das carências sociais e frisando que na sua visita foi feito um levanto das necessidades. Um pouco depois, e ainda que noutro contexto, o Padre Alexandre Mendonça diz que «todos sofrem e sofrem muito, mas um padre tem que guardar o segredo sacramental». O Capelão da Guarda Nacional agradeceu todo o apoio visível do Governo Regional e Nacional e mostrou-se confiante do país poder voltar a uma situação mais harmoniosa dentro de um mês. Finalmente, Ana Isabel Moniz, da Universidade da Madeira, referiu que os cursos de português para estrangeiros têm registado muita procura de venezuelanos e luso-venezuelanos, sendo que, a título de exemplo, em 2013, este curso teve três alunos com essa origem e o curso decorre neste ano tem dezoito.


16 Publicidade

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela


TEATRO

Ommyra Moreno Suárez

RECOMENDAÇÕES

Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

Cultura 17

“En la palma de tu mano”

“Flojito y Cooperando”

Centro Cultural BOD

Centro Cultural BOD

Nesta posta em cena, Gladys Prince encarna Irene, uma avó que está a tentar conseguir angariar dinheiro suficiente para poder salvar o seu neto doente, que precisa de fazer uma delicada cirurgia. A. Irene recebe uma proposta de negócio por parte de Mickey, um habilidoso empresário que é dono de um estabelecimento noturno muito peculiar, que põe nas mãos de Irene a satisfação dos seus mais exigentes clientes masculinos.

Richard “El Buitre” Mogollón apresenta o Stand UpComedy“Flojito y Cooperando”. Trata-se de umshowonde “El Buitre” é responsável por contar anedotas pessoais, expondo as resistências do ser humano para conseguir o bem-estar. Todas estas perguntas tentam ser resolvidas com humor e histrionismo. Motivador, conferencista e Master Trainer CRP, o também escritor vai lançar o seu livro “El Buitre que decidió no comer carroña”.

MÚSICA

Karen Ferreira destaca-se em Miami

RÁDIO

Alex Goncalves apresenta programa #Connector Ommyra Moreno Suárez

CINEMA

Ommyra Moreno Suárez

RECOMENDAÇÕES

O locutor e comediante luso-venezuelano Alex Goncalves deu a conhecer os projetos que está a desenvolver desde a sua nova residência na cidade de Miami, estados Unidos, onde decidiu estabelecer-se no início do ano. Trata-se do programa de rádio #Connctor, que é transmitido às 7h30 através do portal WujuuRadio, InstagramLive de @

elalexgoncalvese a aplicação TuneIn Radio. #Connector é um programa que junta as notícias com o rock, um género musical muito próximo do lusodescendente. «No caso concreto do #Connector, é uma ideia que venho a alimentar desde que fui para o Panamá em 2015, quando supostamente ia desenvolver este projeto naW radio, mas essa gerência me deixou mal e por isso nos mudamos para Miami. Este é o programa que

sempre quis: informar de forma irreverente e pôr a música que gosto e com total liberdade de expressão», declarou numa entrevista ao portal Entorno Inteligente. Por outro lado, Goncalves também anunciou que o seu programa #NoSiTv, que era transmitido por VivoPlay, regressará ao Youtube às quartas e sábados às 11h00, mas desta vez com a participação de Jean Mary, a sua ex-companheira de ChataingTv. «Jean Mary foi a minha chave em ChataingTv, amo o seu sentido de humor e ver-nos na mesma cidade foi uma tentação enorme pois permitiu-nos trabalhar juntos. Ela veio reforçar o programa e estou feliz por isso, e temos planos de fzer um podcast e um tour standupcomedy pelos EUA e a América Latina», disse.

Lusodescendente está a trabalhar em múltiplos projetos Ommyra Moreno Suárez

A locutora e animadora luso-venezuelana está na cidade de Miami, estados Unidos, com o seu marido, o também locutor Alex Goncalves. Desde ali, a lusodescendente está a trabalhar em múltiplos projetos relacionados com o mundo do entretenimento. Das 9h00 às 11h00, Ferreira partilha gabinete com Arturo de los

Ríos e RichelleLehrer na revista matutina “WujuuMorning”, que é publicada no site www.wujuuradio.com e através da conta deInstagram@kaferreiraf. Ainda, Karen Ferreira apresenta juntamente com JhonnieGriffin o programa “Miami Extrema”, transmitido todos os sábados através do sinal da TV Venezuela. O espaço serve para documentar os melhores locais e eventos a visitar na cidade de Miami. Em paralelo, Karen marca presença no Youtube com um web show intitulado “Pero qué tanto”, que realiza juntamente com o animador venezuelano Jesús Torres, conhecido como “El Guaro”.

“La Torre Oscura”

“El Castillo de Cristal”

“La Torre Oscura”é composta por um conjunto de oito novelas escritas por Stephen King entre 1982 e 2004, através das quais relata a travessia de Roland Deschainpara chegar à Torre Escura. Na sua viagem, Deschainencontrará um camino cheio de perigos e dificuldades, que complicam quando é perseguido por El Hombre Negro, interpretado por MatthewMcConaughey. Na sua missão de salvar a humanidade, Deschain contará com a ajuda de JakeChambers, interpretado por Tom Taylor.

“La Torre Oscura”é composta por um conjunto de oito novelas escritas por Stephen King entre 1982 e 2004, através das quais relata a travessia de Roland Deschainpara chegar à Torre Escura. Na sua viagem, Deschain encontrará um camino cheio de perigos e dificuldades, que complicam quando é perseguido por El Hombre Negro, interpretado por Matthew Mc Conaughey. Na sua missão de salvar a humanidade, Deschain contará com a ajuda de Jake Chambers, interpretado por Tom Taylor.


18 Publicidade

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela


MODA

Ommyra Moreno Suárez

RECOMENDAÇÕES

Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

Após o indiscutível êxito do rosa quartzo, o “rosa milenar”, como é conhecido, chega para se unir à ampla gama de tons rosáceos. Este ano, a aposta recai sobre um rosa mais energético e menos romântico. Trata-se de uma cor rosa intensa, quase fúcsia, que tem ganho força nas últimas temporadas, aparecendo com conjuntos vistosos sem deixar de lado

as estruturas e as silhuetas definidas. Para combinar com estes tons atrevidos, as branco, preto, cinzento e azul-marinho serão as principais opções a ter em conta. Das propostas favoritas pelos amantes da moda, destaca-se o uso de camisas voláteis, que representam peças muito femininas que, graças à sua versatilidade, podem produzir um sem-núme-

ro de combinações. Se o que se procura é um look mais formal, pode-se optar por uma vestimenta comprida com esta cor e desta forma cortar com o tradicional vestido preto e parecer vanguardista. Outra das propostas para os estilos mais conservadores é utilizá-lo como acessório, com brincos, bolsas de tiracolo e bandoletes.

Cultura 19

Dicas para usar com estilo o “rosa milenar” MÚSICA

Iliana Goncalves apresenta“Contando y Cantando Fados”

MÚSICA

Dj Alex Nunes leva a sua música além-fronteiras Tour internacional, que começou no dia 17 de julho na Venezuela, prolonga-se ao longo deste mês com dez apresentações Ommyra Moreno Suárez

Ommyra Moreno Suárez

ARTES

RECOMENDAÇÕES

O Dj luso-venezuelano Alex Nunes prepara-se para levar a sua carreira além-fronteiras com TrumpetsInternational Tour, que prevê

visitar o Panamá, para reunir fanáticos do género WorldMusic. Na cidade do Panamá, apresenta-se em locais como Casa Jaguar, 360 Roof Top, Casa Casco e La Séptima Central, onde exaltará o nome da sua terra natal através da música. Desta forma, Nunes embarca no seu primeiro tour com a assinatura da empresa Buda Booking. O tour, que começou no dia 17 de julho na Venezuela e se prolonga por todo o mês de agosto, compreende um total de dez apresentações que serão anunciadas brevemente. Importa destacar que, desde

muito cedo, Alex tem-se dedicado a este género com a qual tem conquistado cidades da Venezuela, como Maracay, Maracaibo, Valencia, Coro, Punto Fijo, Puerto La Cruz e Caracas, entre outras. Ainda, tem partilhado palco com grandes talentos, entre eles VíctorPorfidio, Rafa Ávila eOscar Leal, para além de La MelodíaPerfecta. Para conhecer todos os pormenores das apresentações e seguir de perto a carreira de Alex Nunes, os interessados podem segui-lo nas redes sociais como DJ Alex Nunes, no Facebook, e noInstagram, como @djalexnunes.

Durante o evento, que se iniciou às 13h30, presentes tiveram oportunidade de se deleitar com os clássicos deste género musical de origem lusa Ommyra Moreno Suárez

A cantora luso-venezuelana Iliana Goncalves ofereceu no dia 9 de julho um concerto dedicado ao fado. A iniciativa, intitulada “Con-

tando y Cantando Fados”, teve lugar na Casa da Cultura “Dr. David Ferríz Olivares”, situada na avenida Sucre de Los Dos Caminos. Durante o evento, que se iniciou às 13h30, os presentes tiveram a oportunidade de se deleitar com os clássicos deste género musical de origem lusa. Ainda, as interpretações foram acompanhadas por um repertório de histórias e anedotas sobre o fado e a sua história. A lusodescendente acompanhou em cena Jorge Torres (mandolim), Daniel Pacheco (guitarra), Xavier Perri (baixo) e Andrés Pérez Palmar como convidado especial.

“Una nación en pocas palabras”

“Caracas 2017”

Museo Alejandro Otero

Galería D´Museo

A sala 5 do Museo Alejandro Otero, localizado em La Rinconada, em Caracas, recebe a mostra individual do artista Jesús Hdez-Güero “Una nación en pocas palabras”. Na oportunidade, Hdez-Güero baseia-se na pintura, o vídeo e as instalações para representar tópicos como o poder e o vazio. “Una nación en pocas palabras” recria-se através do silêncio e a ausência de informação, onde se cobra um passado que está por se sabe”.

Mostra que está patente ao público na Galería D´Museo no âmbito do 450º aniversário da fundação da cidade de Caracas. Nesta exposição coletiva, participam 13 artistas venezuelanos, que com o seu trabalho expõem o estado dos habitantes da capital. Augusto Marcano, Aureliano Parra, Daniel Atilano, Francisco Acuña, Francisco Pereira, Gabriel Pérez, José Bonilla, Juan Toro e Gladys Calzadilla são os artistas participantes.


20 Publicidade

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela


Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

Opinião 21

PALAVRAS

As remessas dos emigrantes

DANIEL BASTOS

Na recente apresentação do boletim económico de maio pelo Banco de Portugal, a instituição que tem como missão essencial a manutenção da estabilidade dos preços e a promoção da estabilidade do sistema financeiro nacional, realçou o crescimento no ano transato da economia portuguesa, que na ótica da instituição tem revelado capacidade de ajustamento macroeconómico e uma reestruturação setorial assente numa dinâmica de internacionalização das empresas. No conjunto dos contributos positivos, elencados pela instituição, que impulsionaram o crescimento da

economia nacional, destaca-se a subida pelo quinto ano consecutivo das remessas dos emigrantes, que desde a crise de 2011 subiram 38%, isto é, enviaram para Portugal mais 913 milhões de euros. Embora as remessas oriundas da Alemanha, Angola e Suíça tenham até diminuído, a que não é alheio no caso destes últimos dois países, respectivamente, a queda do preço do petróleo e questões cambiais, segundo o Banco de Portugal o fluxo de remessas aumentou impulsionado pelas transferências provenientes de França, EUA, Reino Unido e, em menor grau, de Espanha e Luxemburgo.

Tradicional destino da emigração portuguesa, a França continua a liderar e a contribuir decisivamente para o fluxo de remessas, que subiram 12% no último ano e atingiram os 1123 milhões de euros, equivalendo a 33% do total. No ano do Brexit, cujo impacto ainda é desconhecido no seio da comunidade portuguesa, o dinheiro enviado do Reino Unido subiu 12% face a 2015, chegando aos 285 milhões de euros, e no caso dos Estados Unidos, aumentou 16% para os 243 milhões de euros. Desconsiderados em vários casos por responsáveis económicos e políticos do nosso

país, inclusivamente pela instituição liderada por Carlos Costa, veja-se as centenas de emigrantes lesados do BES e do BANIF, o boletim económico de maio apresentado pelo Banco de Portugal mostra que os emigrantes continuam a desempenhar um papel fundamental no desenvolvimento de Portugal. Assumindo-se como fautores do progresso e promoção de qualidade de vida nos seus territórios de origem e destino, os emigrantes portugueses funcionam igualmente como elos fundamentais na internacionalização e valorização das empresas e produtos nacionais.

ARTIGO JURÍDICO

Atrasos de vôos, cartão de cidadão e estatuto de residência fiscal

ANTÓNIO DELGADO

O seu voo atrasou-se ou foi cancelado? Sabia que pode ter direito a uma indemnização até 600€? De acordo com dados recentemente divulgados, as companhias aéreas ganham 200 milhões de euros por falta de queixas devido ao desconhecimento da Lei. Mas fique a saber que, em caso de atraso, cancelamento ou recusa de embarque devido a overbooking, poderá reclamar e receber entre 125€ e 600€ a título de indemnização. Este valor deverá ser pago pelas companhias aéreas europeias desde que tais situações lhe tenham acontecido nos últimos três anos.Como fazer valer os seus direitos? Poderá contactar a transportadora aérea do voo em causa. Se não ficar satisfeito com a resposta, pode reclamar junto da Autoridade Na-

cional da Aviação Civil, que é o organismo responsável pela aplicação dos direitos dos passageiros no que se refere aos voos à partida dos aeroportos nacionais e aos voos de países terceiros com destino a esses aeroportos, desde que efetuados por transportadoras aéreas comunitárias. Mudar o cartão de cidadão se for para o estrangeiro Para o bem ou para o mal, a morada que consta no Cartão do Cidadão é considerada a morada fiscal. Quem vai para fora mais de 6 meses deve alterá-la junto dos consulados. Mas antes de avançar para o terreno, convém certificar-se do tempo que demora a realizar esta operação e se o Consulado dispõe de meios que o permitam fazer.Se a saída for para um país de fora da União

Europeia, além da morada do Cartão de Cidadão é ainda obrigatória a nomeação de um representante fiscal em Portugal. O estatuto de residência fiscal dos portugueses residentes no estrangeiro O sistema fiscalportuguês exige que o contribuinte que trabalha e reside no estrangeiro comunique a alteração da sua morada fiscal à Autoridade Tributária e Aduaneira no prazo de 60 dias. Contudo, uma grande parte da comunidade emigrante portuguesa no estrangeiro não o faz, entrando assim em incumprimento e, em último caso, declarando incorretamente os seus rendimentos auferidos em ambos os países. Uma pessoa é considerada residente fiscal em Portugal se

permanecer mais de 183 dias seguidos ou interpolados em qualquer período de 12 meses com início ou fim no ano em causa; ou se possuir habitação que faça supor a intenção de a manter e ocupar como residência habitual. Mas os milhares de portugueses na diáspora podem arriscar a ver os seus rendimentos tributados em Portugal e no seu país de residência, em virtude de não atualizarem o seu estatuto de residência fiscal, acabando por declarar erradamente os seus rendimentos em Portugal e no país de residência. Assim, é muito importante que os portugueses residentes no estrangeiro regularizem o seu estatuto de residência fiscal junto das finanças e procurem aconselhamentojurídico e fiscal para acautelar os seus interesses.

O CORREIO da Venezuela não pode ser considerado responsável e/ou patrocinador das opiniões que são expressas neste espaço


22 Publicidade

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela


Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

Miscelânea 23 ---SABIA QUE?---

---SAÚDE EM DIA---

É possível exercitar o cérebro?

Alimentos que provocam doenças Sergio Ferreira

Existem milhões de pessoas que sofrem de alergias alimentares, ou seja, respostas anormais do sistema imunitário em relação a um alimento em particular. “As causas não são de todo conhecidas, mas há, claramente, uma predisposição genética”, explicou ao diário Las Américas o gastrenterologista perito na matéria Danny Oksenberg. A resposta imunitária do corpo, que nos protege contra substâncias nocivas como bactérias, vírus e toxinas, que se desencadeia por ingerir um determinado alimento, e as substâncias que se libertam para combater essa suposta ameaça são as que nos adoecem. “As alergias mais comuns em crianças são ao leite de vaca, ovo, soja, amendoim e peixe; e nos adultos, alergia aos frutos secos, mariscos, peixe e látex. Afecta mais os mais novos do que os adultos e numa proporção muito semelhante entre homens e mulheres”, acrescenta o especialista. Os primeiros sintomas aparecem nas duas horas posteriores à ingestão

do alimento em causa, e os sinais mais frequentes são “dor abdominal recorrente, diarreia, inchaço, e por vezes dor no peito ou sensação de atoro”. “O tratamento consiste em eliminar da dieta aqueles alimentos que aparecem nos testes diagnósticos como causadores dos sintomas”, assinala Oksenberg. Muitas vezes há que suprimir os alimentos suspeitos e ir incorporando um a um, para descobrir qual é o causador. E no caso das mães que estão a amamentar, elas também deverão adequar o seu menu, no caso de os bebés sofrerem desta condição.

As dores abdominais repetitivas podem afectar a vida de qualquer pessoa, e, claro, ainda mais no caso dos desportistas. Por isso, perante a suspeita de sofrer deste tipo de alergia, é fundamental consultar um especialista, gastrenterologista ou imunologista, para confirmar o diagnóstico e depois iniciar a dieta correspondente. Identificar o alimento que provoca a alergia e submeter-se a um tratamento oportuno são medidas que melhorarão a qualidade de vida e os resultados desportivos. Quem sabe o seu maior rival esteja na sua própria mesa.

dieta baixa em glucose e alta em fibra otimiza o rendimento cerebral, pois dessa forma os alimentos de decompõem mais lentamente, provocando um fluxo de energia mais estável para o cérebro. Da mesma forma, é preciso ter em conta que fazer dietas radicais pode ter o efeito contrário e levar a graves perdas de memória. Por outro lado, a razão pela qual se recomenda cumprir com um mínimo de horas de sono é porque quando não se dorme o suficiente a função cerebral pode ser gravemente afetada, pois a comunicação entre os neurónios é obstruída, dificultando a aprendizagem e o ato de pensar.

Ommyra Moreno

Com os seus milhares de milhões de neurónios, o nosso cérebro é o contentor e a fonte das nossas emoções, pensamentos, sonhos, tristezas e alegrias. A sua constituição é, sem dúvida, um dos temas mais complexos quando se trata de estudos científicos. Contudo, uma das coisas que está comprovada é que o cérebro, assim como o resto do nosso corpo, também pode ser exercitado para manter saudáveis as principais funções cognitivas. Para tal, a aprendizagem é fundamental, sobretudo a que envolve o desconhecido. Ao contrário da crença popular, uma

---PENSA VERDE---

Truques para uma cozinha verde

Rolo de Bacalhau em bacon

Sergio Ferreira

Seja porque pensa no ambiente ou porque na verdade precisa de fazer alguns ajustamentos económicos em casa, neste Pensa Verde trazemos-lhe algumas recomendações para que a cozinha não represente uma das fugas económicas e ecológicas do seu lar. Não se trata de mais trabalho mas sim de melhorar os processos a fim de chegar a um uso adequado dos aparelhos que tornarão a vida mais simples na cozinha. Por exemplo, quando estiver a fazer algo no forno, seja num forno eléctrico ou a gás, não abra a porta até que a comida esteja pronta, já que de cada vez que abre a porta do forno perde-se 20 por cento do calor que já se tinha acumulado. Outra dica importante e que poucos conhecem: Se vai usar o forno durante mais de uma hora não precisa pré-aquecer o forno. E se vai cozinhar algum alimento, tape a panela para que o processo acelere. Ainda que se diga que na Venezuela se produz um dos melhores gases para cozinha, esteja atento quando

---CULINÁRIA---

usar a cozinha a gás e à cor da chama. Assegure-se de que a chama é azul ou de cor arroxeada, já que se for amarela ou laranja é porque tem uma combustão inadequada e está a ser gasto mais gás do que é necessário. Outra das coisas que poucos sabem é que as cozinhas eléctricas com acendedor eléctrico poupam mais energia que outras. Recomendamos ainda que quando

descongelar algum alimento, em vez de colocá-lo no microondas, deixe-o desde a noite anterior no frigorifico, de forma a que o refrigerador aproveite o frio que se desprende do alimento a descongelar e melhore o rendimento. Por último, recomendamos que lave periodicamente a louça de barro com água fria, isto evita que a gordura fique pegada, gasta menos água e o brilho das loiças dura mais.

Ingredientes: 500gr de bacalhau; 400gr de puré de batata; 1 embalagem de espinafres congelados; 1 cebola grande; 2 dentes de alho; Azeite; Papel vegetal; Fatias Bacon. Preparação: 1. Coze-se o bacalhau e desfaça-o em lascas. 2. Num tacho leve ao lume o azeite, a cebola e os alhos picados. 3. Deixe alourar, junte o bacalhau,

os espinafres descongelados e bem escorridos, misture bem. 4. Faça o puré cortando um pouco do líquido para este ficar mais consistente. 5. Em cima de uma folha de papel vegetal coloque as fatias de bacon, juntando depois o puré e o preparado do bacalhau, formando um rolo, que coloca num tabuleiro forrado de papel de alumínio. 6. Regue com azeite e leve ao forno durante 30 minutos a 170º.


24 Publicidade

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela


26 Desporto

Quinta-feira 30 de Outubro a Quarta-feira 6 de Novembro de 2014 | Correio da Correio Venezuela da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

Desporto 25

FUTEBOL

Marítimo inicia I Liga com vitória sobre o Paços de Ferreira TÊNIS

Pedro Sousa sobe no ‘ranking’, João Sousa fica às portas do top-50 AGÊNCIA LUSA AGÊNCIA LUSA

O Marítimo venceu em casa o Paços de Ferreira, por 1-0, em jogo da jornada inaugural da I Liga portuguesa de futebol, disputado no Funchal. Um golo do brasileiro Éber Bessa, aos 57 minutos, foi o suficiente para o “europeu” Marítimo iniciar o campeonato com um triunfo e somar os primeiros três pontos, juntando-se às equipas que seguem no topo da classificação.

Daniel Ramos, técnico do Marítimo, repetiu o onze que conseguiu apurar-se para o play-off da Liga Europa, enquanto Vasco Seabra colocou três reforços de início, André Leão e Bruno Moreira, que regressaram este verão aos castores, e Xavier, extremo que jogou no Marítimo nas três épocas anteriores. O melhor período dos insulares surgiu por volta dos 20 minutos, com a grande ocasião, desperdiçada por Rodrigo Pinho, que recebeu um ‘brinde’ de Bruno Mo-

reira, mas falhou o golo na cara de Mário Felgueiras. O Marítimo entrou a pressionar no segundo tempo e, após um aviso do lateral brasileiro Bebeto, aos 54 minutos, chegou mesmo ao golo aos 57. Luís Martins recuperou a bola e entregou-a a Ricardo Valente, que cruzou para a entrada de Éber Bessa na grande área e o médio brasileiro, mesmo em queda, conseguiu ‘improvisar’ um remate que surpreendeu Mário Felgueiras.

RALI

Governo Regional congratula-se por “mais um sucesso”do Rali Vinho Madeira

Pedro Sousa, que venceu no domingo o ‘challenger’ de Liberec, na República Checa, reforçou a condição de número dois português, fixando-se hoje no 126.º lugar do ‘ranking’ mundial, a sua melhor posição de sempre. Enquanto Pedro Sousa, que conquistou o segundo ‘challenger’ na carreira, deu um ‘salto’ de 17 posições, João Sousa, que no sábado perdeu a final do torneio de Kitzbuhel, Áustria, recuperou 11lugares na classificação do circuito e surge às portas do top-

FUTEBOL

Benfica terá ordenado regresso de Talisca a Portugal

AGÊNCIA LUSA AGÊNCIA LUSA

O Governo Regional endereçou “as maiores felicitações a todos quantos possibilitaram mais um sucesso do Rali Vinho Madeira, contribuindo para a promoção do nosso destino turístico e para a dinamização da economia local”. Num comunicado assinado pelo presidente do executivo regional, Miguel Albuquerque feli-

citou a organização, “pela forma inteligente e empenhada como conseguiu montar uma prova com qualidade e competitividade”, assim como os pilotos, “pela entrega e espetáculo que proporcionaram”. O governante agradeceu ainda ao público, “pela forma entusiasta e responsável como acompanhou o rali”. A nota enviada à redação do JM conclui com o Governo Re-

gional a “dar os parabéns a todas as equipas que concluíram a prova, e a todos os madeirenses que nela participaram”. Destacou, em particular, a dupla vencedora Alexandre Camacho/Pedro Calado, “que demonstrou capacidade, determinação e conhecimento para discutir a vitória numa das provas mais emblemáticas da Europa, enchendo todos os madeirenses e porto-santenses de enorme orgulho”.

50, na 51.ª posição. O topo da tabela não sofreu mexidas entre a elite dos dez melhores. A classificação continua a ser liderada pelo britânico Andy Murray, seguido de perto pelo espanhol Rafael Nadal. Em femininos, e tal como sucede na tabela masculina, não houve ‘mexidas’ nos lugares cimeiros da classificação, que continua a ser comandada pela checa Karolina Pliskova, seguida da romena Simona Halep. Mighelle Larcher de Brito subiu cinco ‘degraus’ na lista, aparecendo hoje na posição 315.

O Benfica terá ordenado o regresso imediato de Talisca à Luz, isto depois da queixa apresentada pelo Besiktas à FIFA por ainda não ter recebido o certificado do jogador. De acordo com o jornal A Bola, os ‘encarnados’ alegam que as ‘águias negras’ não pagaram os dois milhões de euros pela renovação por mais um ano do empréstimo do brasileiro até ao

prazo previsto: 15 de julho Neste sentido, a SAD benfiquista terá exigido o regresso do médio a Portugal. O jornal Record, por sua vez, refere que o clube da Luz pediu a devolução do Certificado Internacional de Transferência (CIT) do jogador junto da Federação Portuguesa de Futebol (FPF). De referir que, enquanto a situação não estiver resolvida, o jogador não poderá ser utilizado pelo emblema turco.


26 Publicidade

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela


26 Desporto

Quinta-feira 30 de Outubro a Quarta-feira 6 de Novembro de 2014 | Correio da Venezuela Correio da Venezuela | De 9 a 15 de agosto de 2017

CLUBES

Centro Luso Venezolano de Araure promove I Clínica Motivacional de Natação

FUTEBOL

Atlético Venezuela vence por 4-1 o Caracas Futbol Club No oitavo aniversário do clube, a raça atlética obteve o triunfo com uma jogada de Ariannyz Oropeza e um golo de Wilerma Vázquez Ommyra Moreno Suárez

O Atlético Venezuela, do qual faz parte a lusodescendente Carla Carvalho, fechou a Súper Liga Femenina a derrotar o Caracas Fútbol Club por 4-1 no dia 23 de julho no Estádio Brígido Iriarte, localizado na Urbanização El Paraíso da cidade capital. No oitavo aniversário do clube, a raça atlética obteve o triunfo com uma jogada de Ariannyz Oropeza e um golo de Wilerma Vázquez. A jornada 14 da super liga começou às 15h00 quando a

Nesta primeira edição, o evento desportivo conta com a presença do campeão panamericano de águas abertas, DannyChocron Ommyra Moreno Suárez

Empenhado em promover o desporto na região, o Centro Social Luso Venezolano de Araure, Estado Portuguesa, através da Junta Dire-

tiva e a Comissão de Natação, realiza no dia 13 de agosto a I Clínica Motivacional “NataciónSinLímites” (Natação sem limites). A iniciativa terá lugar nas piscinas do centro social, localizado no quilómetro 4, via Barquisimeto, setor Los Malabares da cidade de Araure, estado Portuguesa. Nesta primeira edição, o evento desportivo conta com a presença do campeão pan-americano de águas abertas, DannyChocron, que será responsável por dirigir as diferentes dinâmicas da atividade e partilhar técnicas desenvolvidas

Desporto 27

equipa feminina saiu ao terreno de jogo. A primeira oportunidade do Atlético chegou ao minuto 4, quando Ana Oropeza deu um passo na área para Caravalho. No minuto 15, um centro de Carla Carvalho terminou com um choque de Alixon Moreno, que passou muito perto da baliza da equipa adversária. No minuto 36, a atacante Wilerma Vázquez atacou para Ariannys Oropeza, que rematou contra o poste e fez o golo do empate. A jogadora continuou a procurar a melhor forma de ampliar o marcador e no minuto 71 conseguiu fazer outro golo. Três minutos depois, Oropeza converteu o golo do hat-trick, graças a outro passe de Vázquez que concretizou o atacante. Finalmente, no minuto 84, Janelly Francopassou a bola dentro da área a Wilerma Vázquez, que rematou e marcou o quarto golo para o Atlético Venezuela, consolidando assim a sua primeira vitória nacional no dérbi capitalino.

na sua amplia trajetória como atleta. A clínica funcionará durante seis horas e meia e destina-se a pessoas a partir dos seis anos de idade. As vagas são limitadas. COORDENADAS CONTACTOS: Olga de Arpaia 0424 533 38 79 José Chirino 0416 959 59 76 César Sedano 0414 517 28 46 Correio eletrónico: academiadenatacionlusoven.2015@gmail.com / sebastian-sedano@hotmail.com

FUTEBOL

Ronaldo Peña empatou o jogo no Bonfim de cabeça O Vitória esteve em vantagem ao longo de setenta minutos, mas deixou-a escapar por entre os dedos O Vitória de Setúbal e o Moreirense empataram a um golo, em

jogo da primeira jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado no Estádio do Bonfim, em Setúbal. Os sadinos adiantaram-se no marcador aos 13 minutos, por Edinho, mas viram o Moreirense empatar pelo venezuelano Ronaldo Peña aos 83. Uma primeira parte agradável, com bom futebol, mas com a qualidade de jogo a cair a pique na etapa complementar com Manuel

Machado a tirar proveito do futebol direto e do enfraquecimento da boa organização que os sadinos tinham exibido na primeira parte. Os minhotos chegaram ao empate num momento em que estavam em vantagem numérica, depois de, aos 71 minutos, Vasco Fernandes se ter tornado no primeiro jogador a ver o cartão vermelho na edição 2017/18 da I Liga.


28 Publicidade

De 9 a 15 de agosto de 2017 | Correio da Venezuela

Correio de Venezuela 704  

Edición 704

Correio de Venezuela 704  

Edición 704

Advertisement