Page 1

P r é m i o Ta l e n t o 2 0 0 9 Correio de Venezuela

@correiodvzla

@correiodvzla

Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

EDIÇÃO N° 702 • ANO 17 • DEPÓSITO LEGAL: 199901DF222 • BS. 500

Legislação pode ser “inconstitucional” se excluir emigrantes lesados da banca /P.8

Regressos da Venezuela vão aumentar em Agosto Tanto o governo regional como o governo da República, admitem um aumento previsível do número de luso-descendentes e seus familiares que deixam a Venezuela devido à crise social, económica e política. /5 PUB

COMUNIDADE

Autoridades portuguesas entrevistaram candidatos de programas de apoio social Propostas de alteração do PSD, CDS e BE à legislação que enquadra a solução para o papel comercial, e que poderiam alargar o âmbito desta a outros lesados, nomeadamente emigrantes, foram chumbadas na votação parlamentar na especialidade. /P.8

VENEZUELA

PORTUGAL

COMUNIDADE

Augusto Santos Silva, que falava aos jornalistas no final de uma reunião de trabalho com o homólogo togolês, Robert Dussey, insistiu na ideia de que é preciso cumprir vários requisitos para que se possa avançar para a normalidade na Venezuela. /P.4

Portugueses em Lara recebem jornada consular /P.8

PORTUGAL

MNE português insiste em diálogo político para solucionar crise na Venezuela

GEOTA: Muitas declarações mas pouca acção depois de Pedrógão /P.13

CULTURA

CRISE

Mais de 7,5 milhões votaram em consulta simbólica contra ANC /P.7

Alex Pita faz parte do elenco na obra “Histeria” /P.17

DESPORTO

SEC: “Emigrantes devem regressar assim que a situação regularize” /P.5

Moreirense contrata Ronaldo Peña /P.27


2 Editorial

Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela

cartas do leitor Decisão lamentável

E agora?

Escrevo esta carta para expressar a minha indignação perante um facto que para muitos é motivo de tristeza. Parece-me lamentável que se tenha suspendido a visita da imagem peregrina da virgem de Fátima a Caracas. É ainda mais lamentável que não se fale de uma possível data para a visita, sendo que Caracas a capital e uma das cidades com maiores conflitos nas ruas atualmente, e isto sem contar com a grande quantidade de portugueses e lusodescendentes que vivem cá. Tenham em conta que a visita significaria uma esperança no meio de tanto caos que se vive na cidade. Através desta carta, gostaria de fazer uma petição ao comité para que reconsidere a decisão e inclua Caracas num dos pontos de peregrinação. Entendo que queiram resguardar a integridade da virgem vinda de Portugal, mas eu pergunto-me: Não faz sentido a Virgem chegar onde mais temos sido atingidos para que, juntos, peçamos à imagem que se acalmem os ânimos e se encontre ma solução para o que estamos a passar? Fernando Goncalves

Gostava de saber qual será o passo seguinte após a entrega das assinaturas do BES. Sou filha de uma dos afetados e o que estão a fazer connosco já me parece um circo. Primeiro, foi a incerteza quando fechou o banco e agora é este tormento para que nos devolvam um dinheiro que é nosso, que foi ganho com o nosso suor, com o nosso esforço e o trabalho de uma vida. Como é possível que o Banco de Portugal não faça de uma vez por todas uma proposta concreta para solucionar esta aldrabice da qual fomos vítimas principalmente os madeirenses, embora haja afetados de todas as partes do mundo. São os madeirenses os principais afetados, mas ainda dizem que ainda nem se vê uma solução à vista… Esta não foi mais do que uma artimanha para roubar os emigrantes que mais não fizeram do que trabalhar. Do que estão à espera? Que o caso arrefeça e se perca definitivamente o nosso dinheiro? Rosario Duarte

Dados que não parecem reais

O que aconteceu com os acordos com Portugal?

Recentemente, li numa notícia que o secretário de Estado das Comunidades garantiu que o Governo português não tem informação sobre o êxodo massivo de portugueses. No mesmo texto, Carneiro garantia que os dados consulares não demonstram um aumento substancial em número de processos, o que os leva a supor que o êxodo é normal. Agora me pergunto: Tem a certeza disto, senhor Secretário de Estado? Infelizmente, tenho que o informar que está enganado. É incrível que as nossas autoridades tenham atitudes como estas, quando todos os portugueses e lusodescendentes que vivem no país conhecemos pelo menos uma pessoa que regressou a Portugal! Ou, pensando bem, poderia ter razão: há dezenas de cidadãos lusos que preferiram ir embora para outros países que lhes oferecem melhores possibilidades para recomeçar, pois Portugal prefere manter a sua política de apoio aos emigrantes unicamente quando estes precisam de dinheiro. Com certeza que assim pode não haver um êxodo massivo! Agostinho Pita

Cumprimentos, amigos do CORREIO. Acompanho constantemente as vossas notícias que publicam semanalmente. No últimos meses, tenho reparado que têm publicado pouca informação sobre os acordos comerciais que existem entre Portugal e a Venezuela (e antes publicavam notícias sobre esta temática todas as semanas). Isto levou a perguntar-me o que aconteceu… Será que já não há acordos a decorrer? Ou o Governo português já se atreve a assinar acordos devido à falta de pagamentos por parte do governo venezuelano e o possível default que preveem diferentes organismos internacionais? Não é que esteja muito de acordo com alguns acordos, pois de verta forma o que têm feito é colaborar com o governo chavista no discurso de que se está a fazer grandes coisas, quando realmente não fazem nada e só metem ao bolso milhões de dólares para as suas contas pessoais… Mas Portugal, na verdade, também beneficia bastante e a saída da crise de Portugal é graças a estes acordos com a Venezuela. Mas o Governo português tem que saber que quando a situação mudar os cidadãos venezuelanos não vão estar dispostos a reconhecer estes acordos, se houver corrupção pelo meio. É chegado o momento de fazerem um discurso coerente e de não aceitarem mais dinheiro de um executivo incapaz de satisfazer as verdadeiras necessidades dos venezuelanos. Filipe Santos

Envie-nos a sua carta ou comentário para: correio.prensa@gmail.com

fotoflash

Um ano excepcional

Grupo Editorial

www.correiodevenezuela.com Rif.: J-40058840-5

Diretor Aleixo Vieira Gerente: Sergio Ferreira Soares Endereço: Av. Veracruz. Edif. La Hacienda. Piso 5, ofic. 35F. Las Mercedes, Caracas. Telefones: (0212) 9932026 / 9571 Telefax: (0212) 9916448 E-mail: editorial@correiodevenezuela.com Site: www.correiodevenezuela.com

Estamos no final de mais um ano lectivo, em que novamente, com muito gosto, destacamos os inúmeros graduados nos cursos de Língua Portuguesa, que continuam a despertar grande interesse. Foi um ano excepcional, com uma adesão muito expressiva, nomeadamente de jovens que reconhecem no idioma de Camões uma forma de valorização pessoal e profissional e de enriquecimento dos seus currículos académicos. As perspectivas para o próximo ano são também muito animadoras, porventura melhores, em termos numéricos, face às verificadas no ano escolar que agora termina. E partilhando desse optimismo podemos anunciar que a Embaixada de Portugal em Caracas está a preparar a distribuição de um novo lote de livros que chegam diretamente de Portugal, graças aos convénios estabelecidos com a Porto Editora e com a Editorial Lidel.

Chefe de redação Sergio Ferreira |Jornalistas Ommyra Moreno, Victoria Urdaneta, Kenner Prieto, Antonio Da Silva |Correspondentes Edgar Barreto (Falcón), José Manuel De Oliveira (Falcón), Carlos Balaguera (Carabobo), Sandra Rodríguez (Aragua), Trinidad Macedo (Lara), Silvia K. Gonçalves (Bolívar), Mariana Santos (Nueva Esparta), Luis Canha (Mérida), Carlos Marques (Mérida), Daniela García (Miranda), Antonio Dos Santos (Zulia) |Colaborações Catanho Fernandes, Sónia Gonçalves, Arelys Gonçalves, Antonio López Villegas, Isabel Idárraga, Serafim Marques, António Delgado, Daniel Bastos |Publicidade e Marketing Sergio Ferreira |Paginação Elsa de Sá |Fotografia Francisco Garrett |Administração Jesús Quijada, M. Liliana Batista |Distribuição Luis Alvarado, Carlos A. Perregil R. |Impressão Impresiones Newsprinter. Caracas -Venezuela |Tiragem 15.000 exemplares |Fontes de Informação Agência Lusa, Diário de Notícias, Diário de Notícias da Madeira, Ilhapress, Portuguese News Network e intercâmbio com publicações em língua portuguesa.


Correio da Venezuela | Sรกbado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

Publicidade 3


4 Venezuela

Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela

POLÍTICA

MNE português insiste em diálogo político para solucionar crise na Venezuela

SANTOS SILVA

“Ainda não chegou o momento de discutir sanções”

AGÊNCIA LUSA

O ministro dos Negócios Estrangeiros português escusou-se a falar sobre uma eventual imposição de sanções à Venezuela, defendendo ser necessário criar condições para que as partes se sentem à mesa para encontrar uma solução duradoura. Augusto Santos Silva, que falava aos jornalistas no final de uma reunião de trabalho com o homólogo togolês, Robert Dussey, insistiu na ideia de que é preciso cumprir vários requisitos para que se possa avançar para a normalidade na Venezuela. “A posição portuguesa é muito simples: é preciso acompanhar a evolução na Venezuela com todo o cuidado e atenção e devemos estar do lado daqueles que querem favorecer um diálogo político entre as partes, capaz de chegar a uma solução política duradoura”, sublinhou Santos Silva. “Para isso, há condições que nos parecem essenciais, como a libertação dos opositores políticos que estão presos, mesmo que seja em prisão domiciliária, como o respeito de todas as partes pelo princípio da solução pacífica dos

diferendos, pelo respeito pelo direito à manifestação e pelo regresso ao calendário eleitoral que há muito está determinado. Isso implica fazer eleições regionais que deveriam ter tido lugar já no ano passado, e preparar as eleições presidenciais do futuro próximo”, explicou. Segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Portugal “está do lado daqueles que favorecem” um diálogo político inclusivo, capaz de chegar a uma solução política duradoura.

“Esta é a posição, também, da União Europeia.”, afirmou. Sobre o referendo organizado domingo pela oposição venezuelana, Santos Silva destacou a adesão popular “muito significativa”, o que deve encorajar as partes a avançar para o diálogo político necessário. “Julgo que o resultado dessa consulta tem de ser passos em frente de ambas as partes para o diálogo político que é preciso fazer na Venezuela”, sublinhou.

UE

Portugal nega ter-se oposto a sanções contra a Venezuela AGÊNCIA LUSA

O Governo português negou ter-se oposto à aplicação de sanções à Venezuela no seio da União Europeia, contrariando uma notícia hoje publicada no diário espanhol El País. “A informação hoje veiculada pelo jornal El País não é verdadeira. Portugal não se opôs, no seio da União Europeia, à aplicação de sanções à Venezuela, pela simples razão de que essa questão não foi ainda discutida entre os Estados-Membros da UE”, lê-se numa nota do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE). O El País publicou que Portugal é o único país da União Europeia que descartou sanções à Venezue-

la. De acordo com o comunicado do MNE, Portugal “tem participado ativamente na formação do consenso necessário à definição da posição da UE sobre a Venezuela”. O ministério adianta que Portugal “se revê inteiramente” nas conclusões aprovadas no Conselho de Negócios Estrangeiros (da União Europeia) de 15 de maio e também na declaração feita na segunda-feira pela alta representante da Política Externa e Segurança da UE, Federica Mogherini. A alta representante exortou o Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, a “suspender” o processo para uma Assembleia Constituinte e advertiu que “todas as opções”, tais como sanções, estão em cima

da mesa. “A UE, e com ela Portugal, têm feito tudo o que está ao seu alcance para favorecer uma solução política inclusiva na Venezuela, respeitadora do Estado de Direito, do pluralismo político e do princípio de resolução pacífica dos diferendos”, indicou ainda a nota do MNE. Um relatório da delegação da UE em Caracas referiu que 27 dos 28 Estados-Membros estão abertos à aplicação de sanções à Venezuela, de acordo com o El País. O periódico espanhol referiu que, segundo fontes diplomáticas, “os grandes países são a favor, embora outras delegações não vejam ainda a necessidade de aplicar essa medida. Apenas Portugal é claramente contra”.

AGÊNCIA LUSA

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse que ainda não chegou o momento da União Europeia (UE) discutir sanções contra a Venezuela. “Nós [da UE] ainda não chegamos à fase em que tenhamos que discutir eventualmente a aplicação de sanções contra a Venezuela. Se chegarmos a esta fase, Portugal manifestará a sua posição”, afirmou. A declaração do chefe da diplomacia portuguesa foi feita após o conselho de ministros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Brasília. Questionado sobre qual seria a posição de Portugal se a aplicação de sanções contra a Venezuela fosse discutida entre os Estados membros da UE, o ministro declarou que não trabalha com hipóteses. “É sempre errado responder, em diplomacia, a perguntas que começam com a palavra si. A nossa preocupação, dos europeus, é de que haja em todas as partes da Venezuela um diálogo político inclusivo e produtivo”, disse. Santos Silva reconheceu, porém, que “o processo político-diplomático é sempre dinâmico” e, portanto, Portugal e a UE vão atualizar o seu posicionamento

“em função dos factos que forem ocorrendo e também do consenso que há entre os Estados europeus”. O ministro dos Negócios Estrangeiros também fez questão de repetir informações já divulgadas pelo seu ministério num comunicado em que o Governo informava que Portugal não tratou da discussão sobre sanções à Venezuela porque este debate não aconteceu. “Esta questão ainda não foi discutida pelos Estados membros da UE. Nós temos uma posição comum que foi exposta numa declaração que saiu do conselho dos ministros (de Negócios) Estrangeiros em maio, que é muito clara sobre o nosso entendimento da crise na Venezuela”, recordou. Sobre o aumento da movimentação de portugueses e lusodescendentes que residem na Venezuela e estão a mudar-se para a ilha da Madeira, fugindo da instabilidade política no país sul-americano, Santos Silva avaliou que “estas pessoas são bem-vindas e serão apoiadas pelas autoridades portuguesas no sentido de promover a sua integração o mais rápido possível”. “O Governo da República e o Governo da Madeira estão em contacto para que as condições de integração sejam as melhores”, concluiu.


Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

CRISE

Regressos da Venezuela vão aumentar em Agosto

AGÊNCIA LUSA

O fim do ano lectivo na Venezuela e o habitual fluxo de emigrantes para umas férias na Madeira, deve ser diferente este ano. Tanto o governo regional como o governo da República, admitem que várias famílias regressem à Madeira e pretendem inscrever os filhos nas escolas. Um aumento previsível do número de luso-descendentes e seus familiares que deixam a Venezuela devido à crise social, económica e política. Neste momento são cerca de 4.000 cidadãos oriundas daquele país que estão na Região, mas a tendência é para aumentar. Essa foi uma das conclusões das reuniões de ontem, entre o secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, os membros do Governo Regional com as as pastas dos Assuntos Parlamentares, Sérgio Marques, Finanças, Rui Gonçalves e Inclusão, Rubina Leal e diversos representantes de entidades que lidam com os emigrantes. José Luís Carneiro recebeu um

relatório pormenorizado (ver destaques) dos cinco sectores principais de intervenção - Saúde, Habitação Social, Emprego, Educação e Segurança Social - e propostas de acção, ao nível nacional e regional. Não há verbas concretas para os apoios do Estado, mas o secretário regional das Finanças, Rui Gonçalves, admite que sejam “vários milhões de euros” a despesa adicional para o orçamento da madeira. “Foi feita uma identificação rigorosa das necessidades e da tipologia das necessidades e estabelecer metodologia de cooperação”, referiu o secretário de Estado, no final de uma reunião que durou mais de três horas. Desta reunião saiu a decisão de realizar um encontro, em Lisboa, até ao final do mês, para avaliar as formas de cooperação entre os dois governos. “Será um encontro presidido pelo senhor ministro dos Negócios Estrangeiros e vários membros dos governos das áreas identificadas de trabalho comum ”,

adianta José Luís Carneiro. Questionado sobre as verbas que o Estado poderá garantir à Região, o secretário de Estado das Comunidades diz que este ainda não é o tempo de falar de números. Rui Gonçalves, secretário regional das Finanças, também não quantificou as verbas necessárias, mas garantiu que a Região vai necessitar de “vários milhões de euros”. Só na educação, os cerca de 220 alunos inscritos no ano lectivo que agora terminou representam uma despesa de cerca de 1,6 milhões de euros. “Há estimativas que carecem de um trabalho aprofundado, entre o governo da República e do governo regional. O mais importante não é falar dos recursos financeiros, mas de modo como corresponderemos às necessidades destes cidadãos”, afirma. Posição semelhante tem o secretário regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, Sérgio Marques que considera que “a questão financeira não é, neste momento, a mais prioritária”.

Venezuela 5

SEC

“Emigrantes devem regressar assim que a situação regularize”

DN MADEIRA

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas acredita que o regresso de um crescente número de emigrantes da Venezuela à Madeira é “temporário”. José Luís Carneiro diz que assim que a situação “regularize”, é intenção dos portugueses voltar àquele país. Estima-se que tenham regressado à Região entre 4 a 5 mil madeirenses, após a situação política, económica e social se ter degradado com o aumento das manifestações violentas, contra o Presidente Nicolas Maduro. Muitos abandonaram a Venezuela deixando para trás trabalho e negócios, aguardando, entretanto, que o país reencontre a paz social, apesar de não ser expectável que a normalidade volte brevemente à pátria que reúne uma comunidade de cerca de 270 mil madeirenses e descendentes. José Luís Carneiro não acre-

dita num “êxodo maciço” de emigrantes e garante que o Ministério dos Negócios Estrangeiros acompanha de forma “permanente e intensa” a comunidade portuguesa e que mantém com as “mais altas instâncias” do governo venezuelano contactos políticos que garantam a protecção dos cidadãos nacionais. Desse diálogo permanente, assegura que o governo de Caracas comprometeu-se a apoiar a reconstrução dos negócios de cidadãos portugueses vítimas de actos de vandalismo nas últimas semanas, quando os protestos se intensificaram nas ruas do país: “As autoridades venezuelanas comprometeram-se a promover sessões de informação e inventariação dos estragos causados nos distúrbios ocorridos”, garante o secretário de Estado, que vai reunir com Sérgio Marques, secretário dos Assuntos Parlamentares e Europeus e com Rubina Leal, secretária da Inclusão e Assuntos Sociais.

ACTUAL

Apoios ao regresso da Venezuela decididos em reunião em Lisboa AGÊNCIA LUSA

José Luís Carneiro esteve reunido com membros do governo da Madeira e representantes dos diversos sectores envolvidos no acolhimento dos luso-descendentes e familiares que regressam da Venezuela. Não há verbas concretas para os apoios do Estado, mas

o secretário regional das Finanças, Rui Gonçalves, admite que sejam “vários milhões de euros” a despesa adicional para o orçamento da madeira. “Foi feita uma identificação rigorosa das necessidades e da tipologia das necessidades e estabelecer metodologia de cooperação”, referiu o secretário de Estado,

no final de uma reunião que durou mais de três horas. Desta reunião saiu a decisão de realizar um encontro, em Lisboa, até ao final do mês, para avaliar as formas de cooperação entre os dois governos. “Será um encontro presidido pelo senhor ministro dos Negócios Estrangeiros e vários membros dos governos das áreas identificadas

de trabalho comum para, nos casos em que não haja canais de cooperação, possamos estabelecer. Nomeadamente na saúde, porque na segurança social e na habitação já há áreas de cooperação desde os últimos incêndios na Madeira”, adianta José Luís Carneiro. Emprego, justiça, administração interna e no apoio ao investimento são ou-

tras das áreas a debater. Questionado sobre as verbas que o Estado poderá garantir à Região, o secretário de Estado das Comunidades diz que este ainda não é o tempo de falar de números. “Há estimativas que carecem de um trabalho aprofundado, entre o governo da República e do governo regional”.


6 Venezuela

Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela

POLÍTICA

Venezuela “é um problema nacional, não é regional” DN MADEIRA

Vânia Jesus (PSD) reintroduziu no debate as questões da saúde dizendo que o grande desafio em 2015 implicavam encarar resistências à mudança, dificuldades no SESARAM e a necessidade de reorganizar o sector. Era preciso actuar em vários níveis, como as listas de espera e as altas clínicas, só para exemplificar. Mas, “há coisas por fazer e coisas feitas”. A deputada acusou alguns partidos da oposição de nada fazerem para ajudar a que o Estado pague a divida que tem ao SESARAM. Marco Gonçalves (PSD) também abordou a questão da dívida dos subsistemas de saúde: “Verbas fundamentais ao SESARAM”. O deputado também lembrou que os Açores têm mais 16 milhões de euros da Segurança Social do que a Madeira. Adolfo Brazão (PSD) referiu-se ao aumento demográfico, com a vinda de madeirenses que estão nas comunidades, como na Venezuela, onde se vive um “pandemónio”. Um regresso que leva a um aumento de despesas, por exemplo, com subsídios de desemprego. O deputado também se manifestou preocupado com o Reino Unido e quis saber se a Madeira tem sido ouvida no âmbito das negociações de saída. Para as respostas, o primeiro a

falar foi Pedro Ramos. “Ainda bem «que toda a gente está preocupada com a saúde, porque nós também estamos (...). Temos uma equipa, uma estratégia, um rumo”. O governante afirmou que os subsistemas devem 16 milhões de euros. Sobre as saídas de médicos, Pedro Ramos desvalorizou-as, em termos de número, e garantiu estar a fazer os possíveis para os fixar e lembrou que, no continente, há 700 médicos que não podem exercer, porque não têm lugar nos hospitais públicos. Rubina Leal interveio, pela primeira vez, para afirmar que a Madeira, “sem apoio da geringonça”

tem realizado vários investimentos, nomeadamente, para resolver o problema das vítimas dos incêndios. A secretária também confirmou que a Madeira continua a receber menos do que os Açores. Sérgio Marques reconheceu a “situação preocupante de grave crise social e económica” da Venezuela e lembrou que já foi criado um gabinete de apoio a quem regressa. Em breve será concluído um relatório sobre o impacto do regresso e a necessidade de ajuda da República. “Este é um problema nacional, não é regional”. Mas a Região diz que vai assumir o que “lhe compete”.

Liliana Rodrigues e Reitor da UMa em reunião sobre alunos da Venezuela Liliana Rodrigues reuniu-se com José Carmo, Reitor da Universidade da Madeira (UMa), na sequência do convite feito pela eurodeputada madeirense a 20 jovens venezuelanos, que se encontram a frequentar aquela instituição, para visitar o Parlamento Europeu. “É preciso estabelecer sessões de esclarecimento aos imigrantes que chegam da Venezuela para que possam ver as suas dúvidas sobre a Universidade, sobre o processo de acesso, reconheci-

Madeira admite ter de gastar “milhões de euros” com o acolhimento de emigrantes da Venezuela

DN MADEIRA

UMA

DN MADEIRA

FINANÇAS

mento e creditação de formação, esclarecidas”, afirmou. Liliana Rodrigues destacou o “bom trabalho que a Universidade da Madeira tem feito até agora”, embora considere que é necessário fazer mais. Durante a reunião discutiu-se como está a ser feita a condução do processo de certificação dos cursos e dos diplomas das pessoas que regressam da Venezuela; os entraves da legislação nacional nos processos de acesso ao ensino superior e também no reconhecimento dos cursos e a existência de contrainformação,

no que diz respeito aos procedimentos de creditação da formação. Neste encontro estiveram também presentes o vice-reitor da UMa e o responsável pelos Serviços de Acção Social e Henrique Vieira, rosto do movimento civil “Luso-venezolanos Por la Verdade”. Desde 2014, a UMa conta com 85 alunos venezuelanos a frequentar o ensino superior. No início de Julho, a estimativas das autoridades madeirenses eram de que cerca de quatro mil emigrantes na Venezuela já regressaram a Portugal.

O secretário regional das Finanças foi o primeiro a reunir-se na passada quarta-feira com o Secretário de Estado das Comunidades, para uma avaliação dos custos relacionados com o acolhimento dos emigrantes que regressam da Venezuela. Rui Gonçalves admite que serão “milhões de euros” que a Região terá de gastar em áreas como a habitação, saúde, educação e apoio social. José Luís Carneiro está na Região para reuniões de avaliação da situação dos cerca 4000 regressados da Venezuela. Neste momento decorre uma reunião alargada, com o secretá-

rio dos Assuntos Parlamentares e a secretária da Inclusão e Assuntos Sociais e com representantes dos diversos sectores envolvidos no apoio aos emigrantes da Venezuela. O Governo Regional preparou um relatório em que aponta os problemas dos vários sectores e propõe medidas, de âmbito regional e nacional. Na Educação, por exemplo, serão cerca de 200 os alunos provenientes da Venezuela matriculados, o que poderá representar uma verba superior a 1,5 milhões de euros anuais. Medicamentos, alojamento, equivalência de habilitações e segurança social, são outros problemas apresentados ao Secretário de Estado.


Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

RELATÓRIO

3.000 emigrantes venezuelanos regressaram à Madeira AGÊNCIA LUSA

O “Relatório sobre emigração proveniente da Venezuela” estima que, devido à instabilidade neste país da América do Sul, tenham regressado ou chegado à Madeira entre 3.000 e 4.000 pessoas desde 2016, divulgou a Secretaria Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus. Entre estes cidadãos contam-se emigrantes de primeira geração, lusodescendentes e cônjuges. O Governo Regional, através da resolução 354/2017, de 02 de junho, constituiu o Gabinete de Apoio aos Emigrantes Madeirenses regressados da República Bolivariana da Venezuela, envolvendo todos os departamentos do executivo, bem como outras entidades externas convidadas. Segundo o documento, elaborado pela secretaria regional, há 585 inscrições destas pessoas regressadas nos centros de saúde com necessidades acrescidas de cuidados diferenciados (consultas de várias especialidades, problemas oncológicos, tratamentos de hemodiálise, diálise peritoneal, terapêutica imunossupressora, entre outros) e, na habitação social, existem 100 processos entrados no Instituto de Habitação da Madeira, propondo-se o realojamento provisório com recurso ao arrendamento e ao Programa de Recuperação de Imóveis Degradados. Há também 1.000 inscritos no Instituto de Emprego da Madeira (200 com inscrição condicionada) e, nesta área, propõe-se a criação de um programa específico de integração socioprofissional para

venezuelanos e formação e requalificação profissional. O diagnóstico dá conta de 197 alunos matriculados e da instrução de 37 processos de equivalência (no âmbito do Gabinete de Acesso ao Ensino Superior). Em relação à Segurança Social, atualmente existem 173 agregados familiares apoiados (entre setembro 2016 e junho 2017), num total de 476 pessoas. Foram registados alguns problemas como a falta de pagamento de pensões por parte do Estado venezuelano, pedidos de Rendimento Social de Inserção, abono e subsídio eventual mensal. O relatório hoje divulgado indica também uma série de medidas, quer a nível nacional, quer a nível regional, para lidar com a situação. O reforço do pessoal nas estruturas consulares portuguesas na Venezuela, particularmente agora que se avizinha o período de férias, para agilizar o processo

de repatriação; o alargamento do prazo, a título excecional, para proceder ao reembolso de repatriações não sanitárias; a dispensa de emolumentos para a emissão de documentos consulares e o reforço do ASEC - Apoio Social a Emigrantes Carenciados, alargando concretamente o seu âmbito de ação (doenças crónicas), são algumas das medidas propostas a nível nacional. A nível regional, a Secretaria Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus diz estarem disponíveis programas de emprego e sistemas de incentivos (para empresas), aos quais estes emigrantes podem candidatar-se como outro qualquer cidadão. Criar, através do Instituto de Desenvolvimento Empresarial, um fundo específico, incluído no Sistema de Apoio Empreender 2020, para fomentar a criação de novas empresas, e definir um programa de emprego regional destinado às migrações são outras propostas.

Venezuela 7

POLÍTICA

Mais de 7,5 milhões votaram em consulta simbólica contra projecto do Presidente Maduro

AGÊNCIA LUSA

Mais de 7,5 milhões de eleitores votaram na consulta simbólica contra o projeto de Assembleia Constituinte, promovido pelo Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou a oposição. “Com 99,01% dos votos escrutinados, participaram 7.535.259 venezuelanos” na consulta popular organizada pelos opositores do Presidente, Nicolás Maduro, para se pronunciarem sobre a alteração constitucional promovida pelo Executivo, informou, em conferência de imprensa, a reitora da Universidade Central da Venezuela (UCV) e membro da comissão de garantias do plesbicito, Cecilia García Arocha. “Esta ação, realizada pela população venezuelana, é uma mensagem clara e contundente, a nível nacional e internacional”, de que a população “quer uma mudança” de Governo “através

da democracia”, sublinhou. Os venezuelanos foram convocados, no domingo, pela oposição venezuelana, para participarem num plebiscito simbólico contra o projeto de Assembleia Constituinte do Presidente Nicolás Maduro. Naquele que a oposição designou como o maior ato de “desobediência civil”, os venezuelanos deviam responder se apoiam, ou não, a Assembleia Constituinte, promovida por Maduro e convocada para 30 de julho. Nesta votação, os eleitores pretendem exigir que as Forças Armadas defendam a atual Constituição e apoiem o parlamento, onde a oposição detém a maioria, afastando-se do Governo. A consulta incluía uma terceira pergunta sobre se aprovavam uma renovação dos poderes Públicos, a realização de eleições livres e a formação de um governo de unidade.

CRISE

Pelo menos 261 detidos durante greve geral da oposição Dados avançados pela organização não-governamental Foro Penal Venezuelano AGÊNCIA LUSA

Aorganização não-governamental (ONG) Foro Penal Venezuelano (FPV) afirmou que pelo menos 261 pessoas foram deti-

das durante protestos que marcaram a greve geral de quinta-feira, convocada pela oposição. A FPV disse tratar-se do segundo maior número de detenções num só dia, desde 19 de abril, o dia com mais detenções até agora. A ONG registou detenções na ilha de Margarita, Caracas e nos estados de Arágua, Anzoátegui, Carabobo, Cojedes e Barinas, e também em Lara, Mérida, Moná-

gas, Portuguesa, Táchira e Yaracuy. A oposição anunciou que 85% dos venezuelanos aderiram à greve geral de quinta-feira, em mais um protesto contra a eleição da Assembleia Constituinte, convocada pelo Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e prevista para 30 de julho. “Depois de 7,5 milhões se expressarem no último domingo [no plebiscito simbólico contra

Maduro], hoje [quinta-feira] 85% do país cumpriu a greve cívica ativa”, anunciou o presidente do parlamento, Júlio Borges, no Twitter, onde publicou um mapa com as regiões do país que paralisaram. Na Venezuela, as manifestações a favor e contra Maduro intensificaram-se desde 01 de abril passado, depois de o Supremo Tribunal ter divulgado duas sentenças, que limitam a imunidade parlamentar e em que aquele or-

ganismo assume as funções do parlamento. A 01 de maio, Maduro anunciou a eleição de uma Assembleia Constituinte para alterar a Constituição, o que intensificou os protestos. Para a oposição, a Assembleia Constituinte vai acabar com a democracia no país e impor um regime comunista ao estilo de Cuba. Pelo menos 102 pessoas morreram desde o início dos protestos.


8 Venezuela

Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela

SERVIÇOS

Autoridades portuguesas entrevistaram candidatos de programas de apoio social

Iniciativa realizou-se nas instalações do Consulado Geral de Portugal em Valencia, Estado Carabobo Ommyra Moreno Suárez

Na passada quarta-feira, dia 12, e na quinta-feira, dia 13 de julho, Marlene de Almeida, funcionária da Embaixada de Portugal na Venezuela e o conselheiro das Comunidades Portuguesas, Leonel Moniz Da Silva, entrevistaram vários cidadãos portugueses com o propósito de conversar sobre as ajudas sociais que serão canalizadas através dos programas impulsionados pelo Governo português: Apoio Social a Idosos Carenciados (ASIC) e Apoio Social

a Emigrantes Carenciados (ASEC). A iniciativa teve lugar nas instalações do Consulado Geral de Portugal em Valencia, Estado Carabobo. No local, as autoridades foram responsáveis por revistar os casos e oferecer informação sobre estes programas, cujo propósito é ajudar os portugueses mais carenciados na Venezuela. Recorde-se que, a meados do ano passado, soube-se que as gestões dos programas ASIC e ASEC estavam já encaminhadas. Contudo, na oportunidade, o apelo era para o Governo, com o intuito de que permitisse flexibilizar os trâmites e, desta forma, ativar os programas de apoio o mais brevemente possível. REQUISITOS PARA PROGRAMAS DE APOIO - 2 fotografias do interessado - Carta pessoal de petição de aju-

da, dirigida ao Consulado Geral - Fotocópia do Bilhete de Identidade ou Cartão de Cidadão - Fotocópia da cédula de identidade venezuelana vigente - Fotocópia do passaporte do interessado em dia (título de residência vigente) - ‘Carta persona’ de composição e ingressos agregado do grupo familiar (apresentar cartas de trabalho dos membros que gerem ingressos) (original) - Duas cartas de pobreza (juntamente com as de vizinhos, da autarquia ou câmara) - Prova médica em CD (RX, ressonância, tomografia, exames de sangre, etc.) - Informação médica (situação médica e tratamentos futuros) - 3 orçamentos médicos (instituições diferentes) - Trazer uma fotocópia de todos os documentos (obrigatório)

SERVIÇOS

Portugueses em Lara recebem jornada consular Foram atendidas 115 pessoas, sendo emitidos 80 passaportes e 20 cartões de cidadão Ommyra Moreno Suárez

Na quarta-feira 12 e na quinta

13 de julho, a comunidade portuguesa da cidade de Barquisimeto, Estado Lara, recebeu uma nova jornada para a emissão de passaportes e cartão de cidadão nos espaços das residências Adicora, localizadas na avenida Morán, entre as autoestradas 23 e 14, onde atualmente se leva a cabo o atendimento consular. No total, foram

atendidas 115 pessoas, sendo emitidos 80 passaportes e 20 cartões de cidadão, enquanto que outras 15 foram atendidas para pedidos de informação consular. A iniciativa contou com a presença de João Brito Câmara, cônsul de Portugal em Valencia, e de Pedro Acacio Ferreira, cônsul honorário de Portugal em Barquisimeto.

BANCA

Legislação pode ser “inconstitucional” se excluir emigrantes lesados da banca

Em causa o enquadramento da solução para o papel comercial que deve ser votada hoje no parlamento AGÊNCIA LUSA

A Associação de Defesa de Clientes Bancários (ABESD) afirmou que a aprovação de legislação que enquadra a solução para o papel comercial no parlamento, hoje, poderá ser “inconstitucional”, uma vez que exclui emigrantes lesados do BES. “Caso esta legislação seja aprovada amanhã [esta quarta-feira] em plenário, estaremos perante uma solução que não será equitativa para os lesados do BES, sendo que ficam de fora perto de mil pessoas, incluindo todos os emigrantes lesados”, afirma o presidente da direção da ABESD, António Borges, em comunicado hoje divulgado. Em caso de aprovação, “será exclusivamente por vontade política que passará a qualificar os lesados do BES/GES em duas categorias - os de primeira categoria, incluídos na solução, e os de segunda categoria, excluídos na solução política. Logo, será inconstitucional, pois as leis têm de ser gerais e equitativas, para todos os cidadãos lesados”,

acrescentou o presidente da associação sem fins lucrativos, constituída em julho de 2014 após o colapso do BES/GES. Na última sexta-feira, propostas de alteração do PSD, CDS-PP e BE à legislação que enquadra a solução para o papel comercial, e que poderiam alargar o âmbito desta a outros lesados, nomeadamente emigrantes, foram chumbadas na votação parlamentar na especialidade. Na quarta-feira, decorrerá no parlamento a votação final global. A ABESD refere que legislação em causa “não prevê solução para os clientes das sucursais externas financeiras”, designadamente Madeira, Venezuela, Suíça, África do Sul e Panamá, apesar “de a maioria destes investimentos terem sido subscritos nas instalações do grupo BES em Portugal e posteriormente domiciliados em sucursais externas financeiras, sem conhecimento dos clientes”. “Resta somente esperar que o sr. Presidente da República na sua apreciação desta legislação, e caso a mesma seja amanhã aprovada, veja a forma diferenciada” como “são tratados os lesados do BES/GES e sobretudo os emigrantes e devolva o diploma à Assembleia da República, para que exista equidade e justiça na solução dos lesados do BES/GES”, conclui António Borges.


Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

COMUNIDADE

Falcón recebeu Festas do Espírito Santo Programação é entre 9 e 16 de julho em várias paróquias da cidade de Punto Fijo

Venezuela 9

IDIOMA

CSM realiza cerimónia de graduações do Curso de Língua Portuguesa

Ommyra Moreno Suárez

No dia 9 de julho, a comunidade portuguesa em Punto Fijo, Estado Falcón, iniciou as festividades em honra do Espírito Santo. A programação contemplou também a receção da Imagem Peregrina de Fátima. O cronograma iniciou-se com as novenas, nas casas de várias famílias, a partir das 18h00, de 9 a 15 de julho, quando se deu as boas-vindas à Imagem Peregrina em Paraguaná Mall, especificamente na entrada à cidade de Punto Fijo. De seguida, teve lugar a peregrinação pelas paróquias de Nuestra Señora de Chiquinquira do setor Puerta Maraven; Inmaculado Corazón de María do setor Carirubana; Catedral Virgen de Coromoto e Nuestra Señora de Fátima do setor Caja de Agua; Cristo Rey do setor Judibana e San Nicolás de Barí do setor Santa

Ommyra Moreno Suárez

Irene, onde se realizou a eucaristia solene de boas-vindas, a partir das 18h30. No domingo 16 de julho, às 9h00, os fiéis reuniram-se para a comemoração eucarística de coração do Divino Espírito Santo, seguida pela procissão de coroas

e uma partilha no Centro Português de Punto Fijo. Às 12h00, teve lugar a despedida da Imagem Peregrina para a sua visita ao Santuário Mariano de Carrizal. O emotivo momento foi acompanhado por cânticos religiosos e tradicionais lenços brancos.

Na próxima sexta-feira dia 21 de julho, os estudantes do Curso de Língua e Cultura Portuguesa 2017-2018 do Centro Social Madeirense receberão os seus certificados de promoção de nível num ato pautado para as 17h00 nas instalações do salão Madeira do clube, localizado no município San Diego do Estado Carabobo. Ao todo, 84 alunos serão promovidos, dos quais 25 frequentaram o nível intensido, 40 o nível bási-

co, 19 o nível intermédio e 15 o nível avançado. O evento contará com a presença de João Brito Camara, cônsul de Portugal em Valencia; Sidonio Pestana; presidente do Centro Social Madeirense; Rita Fernández; presidenta da Fundación Camoes, e David Otero, diretor de cultura do Centro Social Madeirense. As datas de inscrição para os cursos correspondentes ao período 2017-2018 serão anunciadas brevemente através das contas oficiais do clube no Facebook e no Instagram.

Santuário recebeu Imagen Peregrina Casa Portuguesa

Venezolana recebeu Virgem de Fátima

O Estado Miranda prepara amplo cronograma religioso e cultural para comemorar Centenário das Aparições

Ommyra Moreno Suárez

Sergio Ferreira

No dia 15 de julho, a comunidade portuguesa de San Pedro de los Altos, Estado Miranda, recebeu a Imagem Peregrina da Virgem de Fátima, no âmbito das comemorações do Centenário das Aprições. A eucaristia de receção realizou-se às 17h00, seguida por uma vigília até às 12h00, dentro da igreja da paróquia San Pedro Apóstol. No domingo 16 de julho, os locais despediram-se da imagem com uma celebração eucarística que teve lugar às 7h00. No domingo 23 de julho, a imagem chega ao Santuário de Betania, localizado em Cúa, es-

tado Miranda. Às 8h30, espera-se a chegada da Virgem à antiga paragem “La Peñita”, onde será recibida con um ato de boas-vindas por parte do comité de receção. Desta forma, dá-se início à peregrinação em Los Valles del Tuy, Estado Miranda. Às 9h00, os paroquianos reunemse para a procisão no adro do santuário, que será acompanhada pelo sanro terço. Às 10h00, realiza-se a missa solene, presidida pelo monsenhor Ovidio Pérez Mora-

les, bispo emérito da Diocese de Los Teques. Se seguida, às 11h00, terá lugar no santuário, um concerto em honra de Nossa Senhora de Fátima, pela Coral Betania. Às 12h00, o Grupo de Teatro Os Pastorinhos apresentam uma peçade teatro dedicada às aparições de Fátima na Cova de Iria, em portugal. Por seu lado, a Fundación Cultural Grupo Folclórico Cantinhos da Madeira entretém o público com o melhor do folclore português.

No dia 30 de junho, a Casa Portuguesa Venezolana recebeu a imagem peregrina da Virgem de Fátima, que chegou ao Estado de Carabobo no dia 17 de junho integrado num tour pelo nosso país no âmbito das comemorações do Centenário das Aparições. O ato de fé teve início às 9h00 com a entrada da Virgem no centro social, localizado no município de San Diego do Estado de Carabobo. Às 10h00, foi realizada uma dramatização da primeira aparição da Virgem de Fátima na Cova de Iria, Portugal, seguida de uma eucaristia de boas-vindas. Às 14h00, teve lugar a hora santa e o Terço da Divina Mise-

ricórdia, a cargo da Confraria da Michelena. Às 16h00, os peregrinos reuniram-se novamente para uma hora santa, seguida pelo Santo Rosário e celebração da eucaristia. Às 19h00, atividades religiosas culminaram com a tradicional procissão de velas que acompanhou a imagem da Virgem até à Igreja da Esmeralda da localidade.


10 Venezuela

Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela

MADEIRA

Festa Luso-Venezuelana na promenade da Ribeira Brava

EMPRESAS

Automercados Plaza’s organiza atividades para os mais pequenos

Próxima iniciativa tem lugar nas instalações da sucursal, localizada no setor Valle Arriba Ommyra Moreno Suárez

O evento, que se realiza a 12 de Agosto, será também de entrada gratuita DN MADEIRA

A Ribeira Brava volta a receber a Festa Luso-Venezuelana. Este ano, o evento, que se realiza no dia 12 de Agosto, pelas 18 horas, está repleto de novidades, a começar pela mudança do espaço, deixando para trás o Campo de Futebol da Ribeira Brava para se ‘instalar’ na promenade – frente-mar da vila. Além disso, outra das grandes novidades desta edição é a entrada gratuita. Uma medida que, segundo Rui Gouveia, vereador da Câmara Municipal da Ribeira Brava, está relacionada com o facto de, nesta altura, a Venezuela estar a passar por “situações complicadas” e, por isso, “não faria sentido” que as entradas fossem pagas, como acontecia nas edições anteriores. “Este ano, a Festa Luso-Venezuelana realiza-se na promenade, porque o campo de futebol foi alvo de remodelações e, além disso, deixam de existir ingressos, porque nao faria sentido cobrar as

entradas, sobretudo numa altura em que a Venezuela estáa passar por inúmeras dificuldades”, explicou. Tendo em conta que muitos luso-descendentes estão a regressar para a Madeira, o vereador acredita que o evento irá receber mais pessoas. E, apesar de considerar que algumas possam não estar muito receptivas a “grandes festividades”, referiu que esta é também uma forma de demonstrarem a sua “solidariedade” para com aquele país. “Todos os anos é visível o ambiente familiar que se vive no dia em que se realiza a festa. Este ano, tenho a certeza de que os luso-descendentes, assim como os madeirenses, irão demonstrar o quão unidos estão, sendo esta também uma forma de dizer que estamos todos solidários com o que se está a passar na Venezuela”, afirmou. A iniciativa, que se realiza em parceria com o DIÁRIO, irá contar com a actuação de um rol de artistas que prometem animar o recinto do espectáculo. Miro Freitas, mais conhecido por ‘menino do povo’, é um dos músicos madeirenses que irá subir ao palco da Festa Luso-Venezuelana, levando até à Ribeira Brava a energia que lhe é característica.

Além disso, o evento recebe ainda Leo Alessandri e Ricardo Thompson, com o seu projecto a solo, artistas esses que irão demonstrar a razão pela qual têm vindo a deixar a sua impressão digital nos eventos por onde têm passado. Porque a Zumba está na moda, a Festa Luso-Venezuelana não poderia se realizar sem a presença de Juan Gonzalez, que irá dar uma mega aula de Zumba, cujos passos de dança e movimentos corporais serão convidativos a um ‘pezinho’ de dança. Refira-se que, até agora, estes são os artistas que estão confirmados para esta edição, estando ainda por avançar mais alguns nomes sonantes, que serão anunciados brevemente. A Festa Luso-Venezuelana é também conhecida por aliar a música à gastronomia. E, nesse sentido, o evento volta a ter ‘petiscos’ regionais, nacionais e venezuelanos. Na ‘ementa’ estarão as famosas hallacas e empanadas, mas também a espetada e a poncha. Além disso, e como já vem sendo um ‘habitueé’, haverá ainda uma zona para crianças, com insufláveis, pinturas faciais e modelagem de balões. Uma animação que, no entanto, ainda está a ser estudada pela organização devido à alteração do local do evento.

No sábado 22 de julho, o Automercados Plaza´s realiza uma atividade de nutrição onde se inclui a preparação ao vivo de um prato especial para as crianças por parte do chefe Víctor Moreno, com recomendações da nutricionista Mary Garófalo. A iniciativa, agendada no Dia da Criança, terá lugar nas instalações da sucursal, localizada no setor Valle Arriba, a este da cidade capital. No sábado dia 15 de julho, foi a vez da sucursal das Galerías Los Naranjos, onde as crianças e os seus representantes puderam desfrutar de shows de malabarismos e acrobacias, degustação de produtos, macaquices, balões, entrega de prémios e parede de escalada, entre outros.

Ainda assim, foram planificadas duas assessorias nutricionais para crianças, com o apoio de Ponce&Benzo e o seu produto Wampole, nos dias 15 de julho na Sucursal Los Naranjos e a 29 de julho na Sucursal Galerías Prados del Este, com o objetivo de destacar a importância das vitaminas no crescimento das crianças e jovens. A programação também contempla os ateliês junior chef para adolescentes com idades compreendidas entre os 13 e os 17 anos, exclusivos para os filhos de clientes filiados em Suma Plaza’s. as inscrições realizam-se através da página www. elplazas.com, na seção Escuela de Cocina e Zona Deleite. Os interessados em obter mais informações sobre as iniciativas de AutomercadosPlaza’s, podem consultar as redes sociais, como o Twitter e o Instagram, através dos perfis @elplazas, ou o Facebook, como Automercados Plazas, ou ainda visitar a página web.

CLUBES

Punto Fijo comemorou Dia da Madeira Ommyra Moreno Suárez

O Centro Portugués de Punto Fijo, localizado no Estado Falcón, comemorou o Dia da Madeira e das Comunidades Madeirenses no dia 1 de julho. O evento teve início às 17h30 com um ato protocolar e a entoação de hinos nacionais da Venezuela, Portugal e da Região Autónoma da Madei-

ra. Depois, os sócios reuniram-se para a celebração da missa solene. Durante o evento, os presentes puderam desfrutar do arraial, que ofereceu uma grande variedade de pratos, bebidas e sobremesas tradicionais da gastronomia portuguesa. A animação musical esteve a cargo de um cantor de música portuguesa.


Correio da Venezuela | Sรกbado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

Publicidade 11


12 Portugal

Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela

DISTINÇÃO

Cavaco Silva recebe segunda-feira Medalha de Ouro da Galiza AGÊNCIA LUSA

O antigo Presidente da República Aníbal Cavaco Silva recebe na segunda-feira a Medalha de Ouro da Galiza, distinção que representa um “agradecimento” a pessoas ou instituições cuja atividade “honra” aquela comunidade autónoma de Espanha. De acordo com fonte do gabinete do ex-chefe de Estado, a cerimónia irá decorrer na segunda-feira, pelas 13:00 locais, em Santiago de Compostela. Em 13 de julho, no final da reunião onde foi aprovado o decreto que concedeu a distinção, o presidente da Junta da Galiza, Alberto Núñez Feijóo, explicou que a Medalha de Ouro é a distinção máxima atribuída às pessoas ou instituições que estão ou estiveram comprometidas com a comunidade autónoma.

“É um agradecimento em forma de medalha àquelas pessoas, insti-

tuições ou fundações cuja atividade honra a nossa terra”, disse Alberto

Núñez Feijóo, citado numa nota divulgada no ‘site’ da Junta da Galiza.

BANCA

Ricardo Salgado diz que Novo Banco devia “permanecer português” AGÊNCIA LUSA

O antigo banqueiro Ricardo Salgado afirmou, em entrevista ao Dinheiro Vivo, que o Novo Banco devia ficar em mãos portuguesas, manifestando oposição à venda da instituição bancária ao fundo norte-americano Lone Star. “No meu entender, a melhor solução para o Novo Banco era permanecer português, (...) quer fosse adquirido pela Caixa [Geral de Depósitos], quer [fosse] pelo Millenium BCP. Mas também pergunto: e o Banco de Fomento, para que é que serve? O Banco de Fomento podia perfeitamente ser recapitalizado pelo Estado para reforçar o Novo Banco”, afirmou Ricardo Salgado. O ex-banqueiro já tinha manifestado a mesma posição numa entrevista por correio eletrónico à agência noticiosa Bloomberg na semana passada. O Novo Banco é o banco de transição que ficou com os ativos e passivos considerados não problemáticos do Banco Espírito Santo.

A Comissão Europeia aprovou em 10 de julho a operação de venda do Novo Banco à Lone Star, à

luz das regras comunitárias de concentrações, mas o processo necessita ainda de um consentimen-

to separado, a nível das regras de ajudas de Estado. Milhares de pequenos investi-

Nesse sentido, acrescentou, os premiados deste ano tiveram “percursos consolidados que, em distintas áreas, tentaram melhorar a Galiza”. Sobre o antigo Presidente da República e ex-primeiro-ministro, o chefe do executivo galego recordou que “é um dos políticos que mais contribuiu” para desenvolver a democracia portuguesa e que sempre teve presente que Portugal e Espanha deviam “estreitar os seus laços”. “Na sua presidência fortaleceu-se a cooperação transfronteiriça e também se estreitaram os laços da Galiza com a lusofonia”, acrescentou, recordando ainda que as visitas de Cavaco Silva àquela comunidade autónoma serviram para reforçar a presença do português na cultura da região. Cavaco Silva, disse, foi um “dirigente sensato” e um “amigo da Galiza”. Além de Cavaco Silva, serão distinguidos com a Medalha de Ouro da Galiza 2017 Miguel Ángel Blanco, jovem político espanhol assassinado há 20 anos pela ETA, Isabel Castelo, antiga cantora profissional de ópera e atual presidente executiva do “Grupo Seguros Ocaso”, e José Manuel Romay Beccaría, ex-vice-presidente do primeiro Governo autónomo da Galiza e que preside atualmente ao Conselho de Estado.

dores têm afirmado que perderam as poupanças, ao serem enganados para comprarem produtos do Grupo Espírito Santo (GES) aos balcões do BES, estando alguns a lutar em tribunal e o Governo a tentar arranjar uma solução para uma indemnização parcial. Na entrevista, publicada nos diários JN e DN e também citada pela rádio TSF, o antigo CEO do banco disse que que nunca foi hostilizado pelos lesados do BES e que compreende as razões de queixa que apresentam. Ricardo Salgado defendeu que sempre teve intenção de pagar tudo a toda a gente e, se não o fez, foi porque “o Governador do Banco de Portugal decidiu avançar com a resolução do BES”. Salgado acrescentou ter feito um mau julgamento do empresário angolano Álvaro Sobrinho e do empresário luso-angolano Hélder Bataglia, considerando que “os dois tiveram um papel terrível” na “destruição do BES em Angola”, e acusou os dois homens de terem feito uma “gestão ruinosa” do BESA. Após o colapso do BES português, o BESA foi intervencionado pelo Estado angolano, a 04 de agosto de 2014. O Grupo Espírito Santo foi criado por José Maria Espírito Santo, que abriu a ‘Caza de Câmbio’, em Lisboa, em 1869 para vender e comprar títulos de crédito e lotarias.


Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

INCÊNDIOS

Muitas declarações mas pouca acção depois de Pedrógão, defende GEOTA

INCÊNDIOS

Zona afectada pelos incêndios de Pedrógão vai ser alvo de estudo para avaliar impacto na saúde da população

AGÊNCIA LUSA

AGÊNCIA LUSA

O grupo ambientalista GEOTA defende que, mais de um mês depois do incêndio na zona de Pedrógão Grande, centro, que provocou 64 mortes, há muitas declarações mas “pouca ação no fundamental”. Questionado pela Lusa se o país está a tirar as lições certas da tragédia de Pedrógão, para que não se repita, responde João Joanaz de Melo, do Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA), que ainda não se entendeu se se tirou alguma lição e lamentou que “no ordenamento florestal se tenha feito muito pouco”. “O mais importante é o ordenamento florestal, e o clima e o despovoamento do interior tende a agravar a situação. O resto são questões conjunturais”, diz o dirigente à Lusa, salientando que é preciso perceber o que não funcionou no dispositivo de combate ao incêndio, ainda que não esteja em causa a boa vontade e abnegação dos bombeiros. Não é, salienta, para atribuir culpas, é antes para aprender com os erros, porque o que aconteceu em Pedrógão não foi nada que não fosse previsível acontecer um dia.

E depois há uma série de questões fundamentais para resolver, como a de o Estado ter perdido capacidade no setor florestal. “Há matérias na área da gestão florestal que precisam da capacidade do Estado e dos privados. O Estado desequipou-se, alienou pessoas, conhecimento, infraestruturas”, diz Joanaz de Melo, lembrando a existência, no passado, de guardas florestais e guarda-rios, de haver muitos mais vigilantes da natureza do que há hoje. Joanaz de Melo lança outras sugestões, todas elas, entende, vitais. Faz sentido, por exemplo, criar zonas de proteção à volta das localidades e das estradas, porque não se para um incêndio no meio da mata mas nos corta-fogos. E resume-as assim: “O grande problema é a completa ausência de uma estratégia de ordenamento do território. Falta uma estratégia e faltam meios para por essa estratégia em prática. É essencial uma discussão de fundo sobre o que queremos para o país, e isso não vemos acontecer”. Há uma semana o GEOTA apresentou uma posição sobre a política florestal e disse que as leis que foram discutidas e aprovadas na quarta-feira no parlamento tocam superficialmente o problema do ordenamento e ignoram o despo-

voamento do mundo rural e as alterações climáticas. O grupo propõe uma floresta com espécies autóctones, melhor coesão territorial, promoção do associativismo florestal, ou então melhorar o cadastro, fazer cumprir a lei e rever a instalação do eucalipto. E se não se resolve “de um dia par o outro os problemas acumulados por décadas de negligência”, a verdade é que “as soluções essenciais são conhecidas”. “Haja coragem política para assumir o caminho e bom senso para ouvir quem tem de ser ouvido”. Joanaz de Melo salienta o desleixo a que se votou a floresta desde as últimas quatro décadas e frisa também a necessidade de se voltar a plantar outras espécies que não pinheiros e eucaliptos, e que se acabem as manchas contínuas de floresta, que tornam a prevenção e o combate dos fogos muito mais difícil. E volta à pergunta inicial para dizer que com calamidades como a de Pedrógão não há “uma medida que funcione como uma varinha mágica”. O que é preciso é uma discussão sobre a floresta, que envolva toda a sociedade. Uma discussão que, diz Joanaz, pode durar um ano. Mas tem de começar agora.

Portugal 13

A Administração Regional de Saúde do Centro vai dinamizar um estudo em Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, que vai avaliar o impacto do incêndio na saúde das populações, ao longo de dois anos. O projecto vai contar com a parceria de diversas instituições e assume-se como um “diagnóstico, tendo em vista a prevenção, o tratamento e a investigação” na zona afectada pelas chamas, disse à agência Lusa o presidente da Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC), José Tereso. Segundo o responsável, o estudo tem como objectivo “identificar os riscos para a saúde” na zona mais afetada pelo incêndio que deflagrou a 17 de junho em Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e “implementar medidas correctivas e preventivas na defesa da saúde das populações”, em função dos resultados que se encontrem no terreno. O estudo vai contar com diferentes projectos integrados, nomeadamente o estudo de “morbi-mortalidade [do foro respiratório, cutâneo, oftalmológico, cardíaco, psíquico e outros], o estudo da função respiratória e cardiovascular, estudo do solo e alimentos, a qualidade do ar e a qualidade da água de consumo”, acrescentou. Na área do impacto da função respiratória, a iniciativa vai contar com o apoio do serviço de pneumologia do Centro Hospitalar e

Universitário de Coimbra, sendo que será “dirigido um inquérito e uma avaliação semestral da função respiratória, através de espirometria e outros exames complementares de diagnóstico”, explanou José Tereso. Esse estudo será realizado a partir de “uma amostra aleatória da população”, nos três concelhos mais afectados - Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera -, sendo que as espirometrias devem começar a ser feitas em setembro. A iniciativa é coordenada pelo delegado de saúde regional do Centro, João Pedro Pimentel, e vai contar com a colaboração de instituições e organismos como o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, a Agência Portuguesa do Ambiente, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, a Direção-Geral de Saúde e a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária. O projecto está, neste momento, a ser desenhado, estando previsto arrancar a 31 de julho e terminar a 31 de julho de 2019, com a conclusão do relatório final apontada para 30 de outubro desse mesmo ano, informou José Tereso. O incêndio que deflagrou em Pedrógão Grande no dia 17 de junho, no distrito de Leiria, provocou 64 mortos e mais de 200 feridos, e só foi dado como extinto uma semana depois.


14 Portugal

Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela

POLÍTICA

Costa afirma que Portugal está a perder tempo ao adiar a descentralização AGÊNCIA LUSA

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou que o país está a perder tempo ao adiar o processo de descentralização para as autarquias, dando como exemplo de ganhos de eficiência a transferência para os municípios da gestão dos transportes coletivos. António Costa falava no Parque das Nações, em Lisboa, após terem sido assinados contratos de aquisição de autocarros de passageiros a eletricidade e gás para a Carris, os STCP (Sociedade de Transportes Coletivos do Porto) e para vários municípios, entre os quais o de Coimbra. Nesta primeira fase, segundo dados do Ministério do Ambiente, vão ser adquiridos 510 autocarros, num investimento de 145 milhões de euros, que tem uma comparticipação da União Europeia na ordem dos 46 milhões de euros.

Num discurso de cerca de dez minutos, após a intervenção do ministro do Ambiente, João Pedro

Matos Fernandes, António Costa dirigiu-se ao presidente da Associação Nacional dos Municípios

Portugueses (ANMP) e autarca de Coimbra, Manuel Machado, que se encontrava sentado na primeira fila

PESCA

Portugal deve analisar alternativas para a frota por causa da sardinha AGÊNCIA LUSA

A plataforma de organizações não-governamentais portuguesas sobre pesca (PONG-Pesca) defende que, mais do que pensar nas quotas, Portugal deve analisar alternativas para a frota, que hoje está muito assente na pesca da sardinha. A posição da PONG-Pesca surge depois de se saber que o organismo científico que aconselha a Comissão Europeia sobre as quotas de captura de peixe recomenda a suspensão total da pesca de sardinha por um período mínimo de 15 anos. Segundo a PONG-Pesca, “o stock de sardinha sofreu uma queda acentuada nos últimos 10 anos, particularmente visível no recrutamento da espécie”, ou seja, nos elementos juvenis (com menos de um ano de idade), o que dificulta a recuperação da espécie. Num comunicado, a PONG-Pesca cita Rita Sá, da organização e conhecedora do parecer do International Council for the Exploration of the Sea (ICES) sobre o stock de sardinha gerido por Portugal e Es-

panha, que diz que não é possível “contornar os dados científicos”. Nesse sentido, defende “o reforço da capacidade da investigação em Portugal, designadamente no IPMA [Instituto Português do Mar e da Atmosfera]” e considera: “devemos pensar em alternativas para a frota, hoje muito assente na pesca da sardinha, mais do que estarmos

sempre a pensar em termos de quotas”. Entre as alternativas, Rita Sá refere o carapau, “que se for capturado pelo cerco é perfeitamente sustentável”, entre outras espécies tradicionalmente menos valorizadas, mas que são suscetíveis de valorização. A cavala, que tem sido valoriza-

da, é encarada com algumas reticências por Rita Sá, que alega que “se desconhece o estado do stock”. Por seu lado, a Quercos, que faz parte da plataforma PONG-Pesca, veio dizer que tem acompanhado “com grande preocupação a situação da pesca da sardinha ibérica” e considerou que “a sustentabilidade de uma pescaria não pode ser vista

da plateia. O primeiro-ministro deixou então uma mensagem de caráter político, numa alusão ao impasse existente na Assembleia da República para a aprovação do processo de descentralização de competências e meios para as autarquias locais. “Estamos a perder tempo adiando a descentralização em geral. Tal como no sistema de transportes, os municípios estarão em melhores condições para obter resultados positivos na educação, na saúde e em vários outros setores onde é fundamental que possam ganhar competências”, sustentou. Depois de uma referência ao atual clima de pré-campanha ao nível local, António Costa deixou um apelo: “Volvido este interregno eleitoral autárquico, é preciso concluir a reforma que ficou agora em suspenso, mas que é essencial ser concluída”. “Tal como estamos a ter bons resultados nos transportes, é preciso ter melhores resultados em outras áreas que importa descentralizar para os municípios”, insistiu. Na sua intervenção, o primeiro-ministro pegou em palavras antes proferidas pelo seu ministro João Pedro Matos Fernandes e fez também críticas à linha seguida pelo anterior executivo (PSD/CDS-PP) para os transportes coletivos.

de ânimo leve”. Relembra que já existem stocks de outras espécies que entraram em colapso, tais como a sardinha da Califórnia (Oceano Pacífico) e defendeu que Portugal deve seguir esta recomendação de não pescar sardinha por 15 anos. Entretanto, a Comissão Europeia esclareceu na quinta-feira que Bruxelas ainda não tomou qualquer decisão sobre a pesca da sardinha, gestão que é feita pelos Estados-membros, e que só em outubro será conhecida a recomendação do organismo científico com essa tarefa. “Não existe uma quota da União Europeia para as sardinhas. A gestão das existências é decidida pelos Estados-membros”, apontou o diretor-geral de Assuntos Marítimos e Pescas, João Aguiar Machado, numa nota escrita enviada aos jornalistas, em que realça que “não foi tomada nenhuma decisão hoje pela Comissão Europeia sobre este tema, nem tinha aliás que ser tomada”. “Temos agora de esperar pela recomendação final do Conselho Internacional de Exploração do Mar [ICES], que será emitida apenas em outubro. Quando a recebermos, iremos analisar e discutir o parecer com Portugal e Espanha, tendo em conta argumentos científicos mas também o impacto socioeconómico de qualquer decisão, em colaboração com as entidades nacionais”, referiu o responsável.


Portugal 15

Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

FNE

CONSELHO DE MINISTROS

Contrato colectivo vai abranger mais de 40 mil trabalhadores do sector privado de educação

Governo revê a sua lei orgânica com inclusão da secretária de Estado da Habitação

AGÊNCIA LUSA

AGÊNCIA LUSA

Cerca de 600 empregadores e mais de 40 mil trabalhadores do sector privado de educação vão ser abrangidos por um contrato colectivo de trabalho, que será celebrado hoje por patrões e sindicatos da Federação Nacional de Educação (FNE). O acordo, considerado “histórico” pela Confederação Nacional da Educação e Formação (CNEF) e pela FNE e que será assinado em Lisboa, vai abranger milhares de trabalhadores docentes e não docentes de todas as escolas privadas, incluindo as profissionais. Depois de mais um ano de negociações, o acordo, que entra em vigor a partir de 01 de setembro, abrange um universo muito significativo de estabelecimentos do ensino básico e secundário do setor particular, cooperativo e profissionais, assim como de trabalhadores. Em declarações à agência Lusa, Rodrigo Queiroz e Melo, da direção da CNEF, considerou que se trata de um momento “histórico”, pois “é a primeira vez que há um acordo para o setor”, admitindo que houve muitas dificuldades nas negociações devido à questão da sustentabilidade das

escolas provocado pelo problema das verbas de financiamento do Fundo Social Europeu. Em comunicado, a CNEF sublinha ainda que este CCT acaba definitivamente com o trabalho precário e garante a todos os trabalhadores destes estabelecimentos de ensino condições de trabalho mais dignas, ao consagrar o seu direito a vencimentos e carreira, bem como a regras mais claras sobre a organização do trabalho. Também a FNE entende que

este acordo protagoniza um “momento histórico e inovador” na área da Educação, ao cobrir “uma zona em branco pela ausência de contratação coletiva, que são as escolas profissionais privadas”. “Este histórico CCT será um contrato único, válido por um ano, com aspetos considerados inovadores, como sejam as situações excecionais e transitórias, para as organizações que se encontrem com maiores dificuldades financeiras”, refere a FNE.

D&B

Empresas criadas em Portugal aumentam e atingem 21.749 no 1.º semestre AGÊNCIA LUSA

As empresas criadas em Portugal aumentaram em 1.187 na primeira metade deste ano, para 21.749, mais 5,8% do que em idêntico período de 2016, com a Área Metropolitana de Lisboa a representar 37% dos nascimentos, segundo a Informa D&B. “Nos primeiros cinco meses deste ano verificaram-se subidas alternadas com descidas, sendo maio e junho meses de cresci-

mento. Esta melhoria do número de constituições verifica-se após uma interrupção, ocorrida em 2016, do ciclo de crescimento de nascimentos (2013-2015), em que 2015 foi o melhor ano de constituições desde 2007”, explica a consultora no barómetro semestral empresarial, destacando também que a criação de novos negócios continuou a superar os encerramentos (6.620 empresas). A análise permitiu concluir que no primeiro semestre deste ano

os encerramentos diminuíram em 3,2% em relação a igual período do ano passado, mantendo a tendência já observada no ano anterior. Após um primeiro trimestre instável, a partir de abril começou a desenhar-se uma tendência de descida e junho terminou com a maior queda do semestre (-15,9%), sinaliza o barómetro, lembrando que a queda observada nos encerramentos é justificada pelo comportamento dos serviços, grossista e retalho.

O Conselho de Ministros aprovou a segunda alteração ao decreto referente à Lei Orgânica do XXI Governo constitucional, com a inclusão da secretária de Estado da Habitação para “coadjuvar” o ministro do Ambiente. A criação do lugar de secretária de Estado da Habitação, ocupado pela arquitecta Ana Pinho, sob a tutela do ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, foi uma das novidades da recente remodelação governamental operada pelo primeiro-ministro, António Costa. No passado dia 14, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deu posse a oito novos secretário de Estado naquela que

constituiu a maior mudança no executivo de António Costa desde que tomou posse, em 26 de novembro de 2015. Após a demissão de três secretários de Estado - Fernando Rocha Andrade (Assuntos Fiscais), Jorge Costa Oliveira (Internacionalização) e João Vasconcelos (Indústria) - na sequência do caso das viagens pagas pela Galp para assistirem a jogos de futebol do Euro 2016, o primeiro-ministro aproveitou para efectuar mexidas em cinco ministérios e criar uma nova Secretaria de Estado da Habitação, que tem como titular a arquitecta Ana Pinho. A arquitecta Ana Pinho é doutorada em planeamento urbanístico e desempenhou as funções de consultora da Câmara Municipal de Lisboa.

BANCO DE PORTUGAL

Endividamento do sector não financeiro volta a aumentar em Maio para 724,4 mil ME AGÊNCIA LUSA

O valor de endividamento do sector não financeiro de maio significou um aumento de 8.463 milhões em relação ao ano passado. O endividamento do sector não financeiro voltou a aumentar em maio para 724,4 mil milhões de euros, segundo o Banco de Portugal, mantendo a tendência crescente registada desde o início do ano. O valor de endividamento do sector não financeiro de Maio significou um aumento de 1.777 milhões face a Abril e de 8.463 milhões em relação ao mesmo mês do ano passado. De acordo com a informação hoje divulgada pelo banco central, do total do endividamento do sector não financeiro (de 724,4 mil milhões de euros) a maior parte deve-se ao sector privado (empresas e particulares)

com 408,5 mil milhões de euros, mil milhões de euros acima de abril. Já o sector público não financeiro (administrações públicas e empresas públicas) contribuiu com 315,9 mil milhões de euros, neste caso 700 milhões de euros mais do que no mês anterior. O Banco de Portugal justifica o aumento do endividamento do sector público com o “aumento de operações de financiamento entre entidades da administração central”, mas que foi “parcialmente compensado pela diminuição do financiamento obtido junto do sector não residente”. Quanto ao maior endividamento do sector privado, diz que este “ reflecte o acréscimo do endividamento externo das empresas privadas e o decréscimo do endividamento destas empresas e dos particulares junto do sector financeiro residente”.


16 Publicidade

Sรกbado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela


TEATRO

Ommyra Moreno Suárez

RECOMENDAÇÕES

Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

Cultura 17

Camille

“99%: La vida privada de la raza superior”

Centro Cultural BOD

Centro Cultural BOD

O monólogo Camille baseia-se na correspondência de Camille Claudel, escultora eclipsada pela sua amante Auguste Rodin. A posta em cena recorre aos seus anos de maus-tratos, fecho e abandono. Pisada, marginada e incompreendida. Desde cedo, encontrará nas suas mãos o escritório que lhe marcaria para toda a vida. O seu sonho, a sua paixão, o seu desejo por ser reconhecida numa arte conquistada pelos homens.

‘Escena de Caracas’ apresenta: “99%: La vida privada de la raza superior”, uma recriação da obra do dramaturgo alemão Bertolt Brecht. Sob a criação e direção de Félix Herrera, leva-se à cena estas obras curtas com forte carga crítica baseadas em testemunhos e crónicas, que recolhem o mesmo Brecht sobre a magnitude do movimento nacional-socialista; para além de fontes jornalísticas, o autor fez-se valer de entrevistas, cartas e notícias.

TEATRO

Alex Pita na obra“Histeria”

AUDIOVISUAL

Nuno Gomes destaca-se com novo vídeo de Zion & Lennox Videoclip foi gravado na cidade de Miami Ommyra Moreno Suárez

CINEMA

Ommyra Moreno Suárez

RECOMENDAÇÕES

O diretor luso-venezuelano Nuno Gomes foi responsável por realizar o novo vídeo do duo urbano Zion & Lennox “Mi Tesoro”, juntamente com o reggaetonero NickyJam.

O videoclip, gravado na cidade de Miami, conta uma história de paixão, amor e dinheiro. Trata-se de uma travessia onde Zion e a sua companheira conseguem roubar um mafioso interpretado por Lennox. O par comemora rodeado de dinheiro numas cenas de cama muito sensuais. O confronto entre Zion & Lennox é interrompido pela polícia e o clip termina com um final inespera-

do. O vídeo tem sido descrito como uma produção cheia de adrenalina que mostra o duo urbano como nunca antes visto. Assim foi descrito pela revista “People En Español”. A última produção dos ‘boricuas’ foi “Pierdo la cabeza” em 2014. Numa entrevista à People VIP, a dupla explicou que fez uma pausa para começar o processo criativo e levar a sua música, na sua opinião, até onde está hoje.

Peça apresenta-se brevemente no Microteatro Caracas Ommyra Moreno Suárez

O lusodescendente Alex Pita faz parte do elenco da obra “Histeria”, escrita e dirigida por Violeta Fonseca. Trata-se de uma obra cheia de humor negro, baseada na história da senhora Fernández, uma ama de casa londrina, que visita o seu médico por causa de um estranho mal que lhe queima as entranhas. Durante a consulta, a mulher ficou a saber que o seu útero é culpado da sua dor e, presa do seu desespero, exige ao galeno que a submeta a uma massa-

gem pélvica, um método de moda dos finais do século XIX, para aliviar a sua dor. Para o argumento da obra, Fonseca inspirou-se no filme inglês “Hysteria”. «O filme me levou a investigar tudo o que se relaciona com os males que atormentavam as mulheres durante a época vitoriana. E embora o tema seja mais sério do que qualquer pessoa possa imaginar, pensei que a melhor forma de plasmar o sofrimento e a repressão das mulheres seria através do humor negro», comentou a diretora em declarações ao El Nuevo Herald. “No caso de Alex Pita, que não tinha dirigido antes, a sua experiência no Teatro Repertorio Espanhol permite-lhe assumir qualquer personagem sem dificuldade», disse.

Amityville: El despertar

Emoji

O enredo baseia-se na vida de Belle, a sua irmã pequena Juliet e o seu irmão gémeo, que está em coma, James. Os irmãos mudam-se para uma nova casa com a sua mãe solteira, Joan, com a finalidade de poupar algum dinheiro para ajudar a pagar a assistência sanitária do seu irmão. Contudo, a sua estadia ganha um rumo inesperado pois os fenómenos estranhos começam a ocorrer na casa, incluindo a recuperação milagrosa do seu irmão e pesadelos cada vez mais arrepiantes.

Escondido dentro da aplicação de mensagens, está a Textópolis, uma cidade onde vivem todos os emojis, que esperam ser selecionados pelo utilizador do telefone. Gene, ao contrário dos outros emojis, é um exuberante emoji que nasceu sem um filtro e transborda de múltiplas expressões. Com a finalidade de ser igual aos outros emojis, Gene embarca numa aventura juntamente ao seu melhor amigo Hi-5 e ao notório emoji codificador Jailbreak, para encontrar o código que lhe permite arranjar Gene.


18 Publicidade

Sรกbado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela


MODA

Ommyra Moreno Suárez

RECOMENDAÇÕES

Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

Sabemos que os acessórios podem dar um toque de originalidade ou sofisticação a qualquer conjunto, contudo, a forma de os combinar pode harmonizar ou desproporcionar completamente. Nesse sentido, o melhor é seguir a clássica máxima de “menos é mais”, pois por vezes com o intuito de realçar o nosso vestuário podemos cair em excessos, fazendo

com que se destaque algo errado e a pessoa fique muito carregada. Poer exemplo, se usa um colar cumprido, o melhor é combiná-lo com brincos pequenos. E se o colar é curto, pode-se optar por brincos compridos. No que se refere aos padrões leopardo e zebra, o ideal é optar por uma única peça deste estampado, combinando-o com peças sim-

ples, de uma cor só. Na hora de combinar, já não é preciso bolsa, sapatos e cinto da mesma cor, pelo contrário, devemos combinar várias cores, mas sempre em tons que combinem ou conjuguem entre si. No que se refere a lenços ou pashminas, que são perfeitas opções para complementar, dão peso ao conjunto.

Cultura 19

Como se combinam os acessórios? MÚSICA

Gabriel Figueira: «Queremos viver este momento histórico do país»

Quanto aos seus planos, adianta que a prioridade agora é a situação do país e não faz intenções de realizar grandes eventos por enquanto

CLUBES

Dança invade instalações do Centro Social Madeirense Evento teve lugar no Salón Madeira do centro social, localizado no município San Diego do Estado Carabobo Ommyra Moreno Suárez

Ommyra Moreno Suárez

ARTES

RECOMENDAÇÕES

Na sexta-feira 14 de julho, a partir das 16h00, o estúdio Danza Sherezade do Centro Social Madei-

rense, realizou a promoção de níveis de vinte alunas nas categorias infantil e juvenil. O evento, sob a direção geral de Antonieta Tortolero, foi intitulado de “Viva la Danza” e teve lugar nas instalações do Salón Madeira do centro social, localizado no município San Diego do Estado Carabobo. A iniciativa contou com a presença de um grande número de representantes e convidados, que puderam apreciar as diferentes mostras coreográficas que realizam

Ommyra Moreno Suárez

os grupos que constituem esta academia que contempla os estilos árabe, a cargo da professora Antonieta Tortolero; flamenco, a cargo das professoras Rosangel Chávez e María Alejandra Ferreira; salsa casino, a cargo do professor Iván Parque, e moderna, a cargo da professora Vía Rocco. Desta forma, o Centro Social Madeirense mantém a sua oferta de atividades culturais, através das quais procura oferecer diferentes opções de entretenimento para os sócios de todas as idades.

A banda venezuelana Gaélica, da qual faz parte o lusodescendente Gabriel Figueira, comentou que foram adiados os seus planos de emigrar do país. «Queremos viver este momento histórico do país e talvez para o próximo ano o possamos retomar. Foi duro adiar, mas teve que ser», diz. Gutiérrez, por seu lado, destaca que no início pensaram em Espanha. «Mas a América Latina é a nossa essência, algo que podemos fazer talvez desde Miami. Por enquanto não está descartado, nem que seja

por temporadas, ir e vir, comentou Figueira, numa entrevista ao Nacional. Embora a inspiração para o seu novo material discográfico não tenha surgido com contestações, os músicos admitem que é «absurdo tentar isolar-se». «Há uma sensação de viagens emocionais. É o que as pessoas vão sentir quando o ouçam. O objetivo de Gaélica é deixar uma mensagem positiva», garantiu Rubén Gutiérrez, cantor e guitarrista. Quanto aos seus próximos planos, Gaélica adiantou que a prioridade agora é a situação do país e disse ainda que não tem planos de levar a cabo grandes eventos por enquanto. «Procuramos o poder da palavra através da poesia e da metáfora. Tudo o resto fica a critério de cada um que ouve (…). Na banda, consideramos como prioridade o país por tudo o que está a acontecer, no que participamos ativamente», explicou o lusodescendente ao jornal venezuelano.

Arte + Contexto

Marcos Castillo no século XXI

Galeria EL Anexo

Galeria Odalys

A galeria El Anexo, localizada na quinta Santo Niño de Praga, da avenida Chaguaramos da Alta Florida recebe a mostra intitulada “Arte + Contexto”, que reúne o trabalho de Juan José Olvarría, Miguel Braceli, Juan Toro, Teresa Mulet e Domingo de Lucía. O público poderá apreciar a visão destes cinco artistas venezuelanos sobre como o poder pode afetar os símbolos, a memória e a língua do país.

No âmbito do seu 25º aniversário, a Galería Odalys apresenta a mostra “Marcos Castillo en el siglo XXI“. Depois de 120 anos do seu nascimento, o pintor Marcos Castillo será homenageado nesta mostra constituída por trinta obras, onde retrata a retrospetiva, sob a curadoria de Francisco Da Antonio, como parte do projeto de resgate, promoção e difusão da obra dos grandes expoentes da pintura venezuelana.


20 Publicidade

Sรกbado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela


Opinião 21

Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

PALAVRAS

Por um Ministério das Comunidades Portuguesas

DANIEL BASTOS

Em Portugal, desde o início da década de 1980, as políticas da emigração estão acometidas ao Ministério dos Negócios Estrangeiros, que através da Direção-Geral dos Assuntos Consulares e das Comunidades Portuguesas (DGACCP) assegura a coordenação e execução da política de apoio a portugueses no estrangeiro e às comunidades portuguesas. Ainda nessa época, durante o VI Governo Constitucional, dirigido por Francisco de Sá Carneiro, surgiu a Secretaria de Estado das Comunidades, que atuando em princípio por delegação de competências

do Ministro dos Negócios Estrangeiros tem procurado ao longo dos anos um reforço dos laços entre as comunidades portuguesas e a pátria de origem. Este esforço e tomada de consciência sobre o papel dos emigrantes portugueses no desenvolvimento do país, tem permitido ao longo das quatro décadas de democracia, uma clara revalorização e respeito pela presença de emigrantes e lusodescendentes em todo o mundo, mais do que nunca percecionados como um valioso ativo e fator identitário para Portugal. Nesse sentido, e tendo

em conta que existem cerca de cinco milhões de portugueses emigrantes e luso-descendentes espalhados no Mundo, que correspondem praticamente a metade da população residente em Portugal, o poder político nacional deveria dar passos decisivos tendentes à criação de um Ministério das Comunidades Portuguesas. Esta reestruturação no modelo organizacional da política para as comunidades portuguesas, além de permitir alcançar uma maior autonomia, dignidade e escala na execução das políticas dirigidas às comunidades portu-

guesas, possibilitaria aos emigrantes e lusodescendentes um papel central na sociedade, na política, no desenvolvimento, no crescimento e no aprofundamento da democracia em Portugal. Mais do que uma mera mudança na designação, a criação de um Ministério das Comunidades Portuguesas justifica-se pelo peso no passado, presente e futuro da Diáspora na projeção de Portugal no Mundo, e na própria sustentabilidade do país que se encontra na base do equilíbrio entre o quociente da emigração e imigração.

HERANÇAS E PARTILHAS

Em Portugal, os terrenos abandonados podem ser arrendados compulsivamente pelo Estado ANTÓNIO DELGADO

Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Governo Português avançou rapidamente com algumas medidas para a reforma da floresta portuguesa.A criação do Banco Público de Terras está integrada nessa iniciativa e prevê um arrendamento ‘à força’ dos terrenos abandonados e a gestão

das parcelas sem dono conhecido. Outra das principais medidas está no destino das parcelas de terreno abandonadas que deverão passar a ser penalizadas com impostos. Mais tarde, estes terrenos poderão ser “forçados” a integrar o Banco Público de Terras e dados de ar-

rendamento. A renda será paga apenas depois de ser recuperado o investimento feito na parcela. Por outro lado, os terrenos sem proprietário conhecido no cadastro florestal também serão integrados no Banco Público e geridos pelo Estado, sem a possibilidade de serem

vendidos. Portanto, torna-se cada vez mais importante procurar saber se possui terrenos nestas condições, ou se porventura herdou alguns terrenos que possam estar nestas circunstâncias. Convém fazer um levantamento e procurar regularizar a situação para evitar problemas.

O CORREIO da Venezuela não pode ser considerado responsável e/ou patrocinador das opiniões que são expressas neste espaço.


22 Publicidade

Sรกbado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela


Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

---SAÚDE EM DIA---

Miscelânea 23 ---SABIA QUE?---

Incorporar alimentos ricos em ferro na dieta diária é essencial

É verdade que os surdos são mais inteligentes?

Sergio Ferreira

Os efeitos de uma ingestão pobre em ferro têm sido estudados. Este mineral é necessário para a hemoglobina (pigmento vermelho do sangue) funcionar correctamente e transportar o oxigénio para todas as células do organismo. Os primeiros sinais de falta de ferro são o cansaço e a fadiga. As mulheres e adolescentes que comem pouca carne, aves e peixe ou que se tornaram totalmente vegetarianas apresentam um risco acrescido de ter as reservas de ferro muito baixas e apresentar sintomas de carência. A Organização Mundial de Saúde estima que 600 a 700 milhões de pessoas sofrem de carência em ferro, sendo provavelmente o distúrbio de deficiência nutricional mais comum do mundo, particularmente nos países em desenvolvimento. Embora em muitos países, a perda de sangue (i.e. causado pela infestação de vermes perigosos) seja uma das principais causas deste problema, na Europa ocidental, a deficiência em ferro é normalmente o resultado da

insuficiência da ingestão deste mineral pela alimentação. Estima-se que cerca de 80% das mulheres ocidentais têm carência de ferro. Dr. Michael Nelson, nutricionista do Kings College, Universidade de Londres, acredita que 10% a 20% das adolescentes já estão afectadas. Contudo, as raparigas parecem gozar de uma boa saúde, embora uma carência de ferro afecte a sua vida diária, incluindo a capacidade de concentração e de aprendizagem, na escola. Nelson diz que “nos testes que têm sido feitos indicam que o QI das adolescentes britânicas com um aporte de ferro suficiente é superior

às adolescentes anémicas, produzindo-se diferenças em vários pontos na classificação obtida nos exames”. “As jovens que se submetem a regimes ou que são vegetarianas apresentam um maior risco” explica o Dr. Nelson: “ os novos vegetarianos precisam de ter mais cuidado no primeiro ano com as conversões, porque estes cortam com a carne e não fazem uma substituição correcta para adquirir outras fontes de ferro. Mulheres e raparigas que façam uma dieta vegetariana, tem ao mesmo tempo de consumir alimentos fortificados ou fazer uma suplementação alimentar.

qual se deu conta de um total de 2.300 estudantes da primária e secundária, chegou à conclusão de que os surdos obtiveram melhores resultados, quando comparados com o resto dos participantes no que se refere às tarefas envolvidas, que dificultavam a resolução de problemas, como por exemplo a associação de funções matemáticas a um conjunto de dados. Desta forma, podemos notar como este tipo de resultados mostram que a preferência pode influenciar na cognição até certo ponto, expõem os autores.

Ommyra Moreno

Há muitos anos, impôs-se a crença de que o talento está vinculado às pessoas surdas. Contudo, sabe-se que o uso de uma mão ou de outra não é mais do que uma manifestação da função cerebral. Esta afirmação tem sido a base para diversos estudos que acabaram por demonstrar que as pessoas surdas têm lesão no hemisfério, o que resulta em maior destreza em determinadas áreas. Nesse sentido, um estudo publicado na revista Frontiers in Psychology, no

---PENSA VERDE---

Módulos ecológicos para carregar baterias

---CULINÁRIA---

Francesinhas Sergio Ferreira

Uma situação típica que acontece com frequência é estares no aeroporto à espera do teu voo e a bateria do telemóvel chega ao fim…. Mais típico ainda é as todas as fichas eléctricas estarem ocupadas, para além de que geram uma carga de energia extra. Mas agora que muitas cidades estão voltando a ver as ruas desde outro prisma, estão a utilizar energias renováveis para ajudar os cidadãos a manter carregados os seus equipamentos enquanto estão na rua. Não é uma fantasia: Em Nova Iorque, conhecida por ser a capital do mundo, a empresa AT&T instalou uns carregadores públicos na rua, sob o nome de Street Charge, que apresenta uns módulos com painéis solares em forma de pétalas de flor, permitindo carregar, por módulo, até seis telemóveis por portal USB, ao mesmo tempo. Também nos Estados Unidos, mas em Boston, existem várias unidades de Soofa, um mobiliário urbano com um painel solar ligado a uma bateria. Assim, os dispositivos po-

dem ser carregados com energia solar, para além de avisar os utilizadores sobre as condições ambientais envolventes. Na América Latina, a batuta é levada por Medellín, Colômbia, em que as Empresas Públicas de Medellín (EPM) instalaram zonas verdes de recarga em locais como o Parque de Los Pies Descalzos, o Parque Explora e o centro comercial Santafé. Os telemóveis e tablets são carregados graças a um painel solar.

Na Europa, em Belgrado, na Sérvia, um grupo de estudantes criou o que se chama de Strawberry Tree, um painel solar de 530W, em forma de árvore, que não só permite carregar os telemóveis como também possui ligação Wi-Fi. O que mais se pode pedir? São ideias simples e económicas para os Estados, que além do mais permitem conservar o ambiente e facilitar as tarefas diárias das agitadas vidas tecnológicas dos cidadãos. Pense verde.

Ingredientes Molho: Cerveja / Leite - 100 ml / Caldo de Carne - 100 ml / Louro 2 Folhas / Margarina - 1 Colher de Sopa / Vinho do Porto - 1 Chávena / Farinha Maizena - 1 Colher de Sopa / Polpa de Tomate - 2 Colheres de Sopa / Piripiri / Pimenta / Sal Francesinha: Pão - 2 Fatias de Forma / Carne Assada / Fiambre / Queijo Flamengo / Salsicha / Linguiça

Preparação: Começa-se por criar o molho, numa panela e levar ao lume, começa por pôr todos os líquidos, a cerveja, o caldo de carne, o vinho, e o leite. Depois acrescenta a margarina, a farinha maizena, o tomate e um pouco de piripiri e mistura bem, se precisares usa a varinha mágica para não deixar criar grumos. Por fim junta o louro e mexe até o molho engrossar e ficar a gosto, se precisar retifica com um pouco de sal e pimenta.


24 Publicidade

Sรกbado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela


26 Desporto

Quinta-feira 30 de Outubro a Quarta-feira 6 de Novembro de 2014 | Correio da Venezuela Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

Desporto 25

FUTEBOL

Portugal perde por 2-0 com a Espanha na estreia absoluta num Europeu feminino FUTEBOL

Ronaldo levou 55 mil à loucura na China DIÁRIO DE NOTÍCIAS DA MADEIRA

DIÁRIO DE NOTÍCIAS DA MADEIRA

A seleção portuguesa feminina de futebol estreou-se na fase final de uma grande competição com um desaire por 2-0 com a Espanha, na primeira jornada do Grupo D do Europeu de 2017, em

Doetinchem, na Holanda. Vicky Losada, aos 23 minutos, e Amanda Sampedro, aos 42, apontaram os tentos da formação espanhola, que já havia batido por duas vezes a formação das ‘quinas’ na fase de qualificação. Portugal, que só fez um remate (contra 16 das espanholas),

muito ao lado, pela ‘capitã’ Cláudia Neto, aos 55 minutos, volta a jogar domingo, em Roterdão, frente à Escócia, que defronta ainda hoje a Inglaterra. Registe-se que a madeirense Laura Luís entrou em campo aos 85 minutos de jogo, para o lugar de Diana Silva.

SURF

Frederico Morais é o primeiro português numa final do circuito mundial de surf

Mesmo sem ter jogado, Cristiano Ronaldo foi a grande figura do jogo-cartaz da jornada deste fim de semana da Liga chinesa, entre o Shanghai SIPG, de André Villas-Boas, e o Guangzhou Evergrande, de Luiz Felipe Scolari, que terminou empatado 2-2. Expliquemos: o craque português, que está em terras orientais num misto de viagem de negócios e lazer, assistiu ao vivo

FUTEBOL

Marítimo inscreve 24 jogadores na Liga Europa, com quatro da equipa B

AGÊNCIA LUSA

AGÊNCIA LUSA

Frederico Morais tornou-se no primeiro português a chegar à final de um campeonato do circuito mundial de surf, ao qualificar-se para o ‘heat’ decisivo da etapa sul-africana, ao vencer o brasileiro Gabriel Medina. O surfista português, 18.º do ‘ranking’, mundial, conquistou na primeira bateria das meias-finais 17,37 pontos (9,27 e 8,10), contra os 14,70 (7,77 e 6,93) do campeão

do mundo de 2014, atual 11.º do circuito. Na final do Corona Open J-Bay, sexta etapa do circuito mundial, ‘Kikas’ vai defrontar o vencedor do embate entre o brasileiro Filipe Toledo, 14.º, e o australiano Julian Wilson, oitavo. No seu ano de estreia no circuito, ‘Kikas’ tornou-se no primeiro português a chegar a uma final de um campeonato, depois de na quarta-feira ter igualado a presença nas meias-finais alcançada

por Vasco Ribeiro, na etapa de Peniche de 2015, e por Tiago Pires, que, durante os sete anos entre a elite, chegou por três vezes às meias-finais. ‘Saca’ foi terceiro classificado no Rip Curl Pro Search, em Bali, em 2008, no Quiksilver Pro France, em Hossegor, em 2009, e no Quiksilver Pro Gold Coast, na Austrália, em 2011, tendo sido afastado das finais por Freddy Patacchia Jr, Mick Fanning e Kelly Slater, respetivamente.

a este encontro e a 15 minutos do seu início subiu ao relvado, na companhia de Ricardo Carvalho, tendo recebido a ovação da tarde, levando à loucura os 55 mil espectadores presentes no estádio. O Guangzhou adiantou-se no marcador aos 51 minutos, por Alan, mas Lei Wu fez a igualdade aos 57’. Aos 70’, Hanchao Yu voltou a adiantar a equipa de Scolari, mas Lei Wu bisou aos 86’ e estabeleceu o resultado final.

O Marítimo divulgou a lista de inscritos para a terceira pré-eliminatória da Liga Europa, a disputar com os búlgaros do Botev Plovdiv, em que quatro futebolistas da equipa B integram os 24 eleitos. O defesa Cristiano Gomes e os médios Gustavo, Teles e Carlos Daniel foram as novidades nas opções do técnico Daniel Ramos, que deixou de fora os reforços Fábio Pacheco, Fabrício e Ibson, além de Keita, Fábio China e Gildo. A equipa insular ainda pode selecionar mais um jogador, elevando assim para 25 os inscritos

para esta fase da prova europeia. O Marítimo desloca-se à cidade de Plovdiv para defrontar o Botev, em 27 de julho, na primeira mão, recebendo nos Barreiros os búlgaros, em 03 de agosto, na segunda partida da terceira pré-eliminatória. Lista de 24 inscritos: Charles, Amir e Broetto (Guarda-redes); Bebeto, Cristiano Gomes, Coronas, Zainadine, Diney, Pablo, Maurício e Luís Martins (Defesas); Erdem Sen, Gamboa, Jean Cléber, Éber Bessa, Gustavo, Teles e Carlos Daniel (Médios); Piqueti, Edgar Costa, Ricardo Valente, Lundberg, Everton e Rodrigo Pinho (Avançados).


26 Publicidade

Sรกbado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela


26 Desporto

Quinta-feira 30 de Outubro a Quarta-feira 6 de Novembro de 2014 | Correio da Venezuela Correio da Venezuela | Sábado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017

FUTEBOL

«A tranquilidade que temos é a de não precisar de ir ao mercado»

FUTEBOL

Moreirense contrata Ronaldo Peña Este é o 12.º reforço oficializado pelo Moreirense, que regressou aos trabalhos a 26 de junho e terá como técnico Manuel Machado Sergio Ferreira

O Moreirense, clube da I Liga portuguesa em futebol, anunciou a contratação do avançado venezuelano Ronaldo Peña, numa nota publicada no sítio oficial do clube na Internet. Ronaldo Peña, de 20 anos, assinou por uma temporada com mais quatro anos de opção. O avançado venezuelano, ex-Las Palmas, é internacional sub-20 pela Venezuela, tendo

O grupo oriental, dirigido pelo lusodescendente, prepara-se para defrontar o Caracas no próximo sábado Ommyra Moreno Suárez

O Monagas, dirigido pelo técnico luso-venezuelano Jhonny Ferreira, tem-se destacado nos seus últimos encontros. Importa destacar que o grupo oriental trabalhou com um grupo pequeno, apenas com 22 elementos. Utilizou-o no primeiro semestre de 2017, tendo a sorte das lesões não terem sido

muito graves, embora sendo uma dor de cabeça para a equipa. Assim o deu a conhecer o jornal Líder. O Monagas, que apenas contou com uma semana de descanso depois de ser campeão da abertura, se confronta com a equipa no próximo sábado com o Caracas, mas desta vez descontraídos, sob o olhar de Ferreira, porque não terão que reestruturar a sua tabela como em disputas anteriores. «Quando chegamos ao Monagas, tínhamos a necessidade de reforçar um plantel pela posição complicada na tabela, com um perfil de jogadores de hierarquia, que pudessem lidar com a pressão da situação desportiva e se conseguisse atingir o objetivo. Para o segundo semestre, constituiu-se um grupo com outras caraterísti-

cas, baixando muito a média de idade da equipa (…). Agora, entre um torneio e outro, é complicado trazer jogadores e a tranquilidade que temos é a de não precisar de ir ao mercado procurar seis ou sete futebolistas», destacou em declarações ao jornal desportivo. No que se refere às contratações, o técnico garante que não se trata de «contratar por contratar, trazer por trazer». «A direção faz alguns esforços para dar à equipa segurança. Nós estamos tranquilos, é possível que chegue alguém com esse mesmo perfil que procuramos para a abertura, para que possa complementar um pouco o plantel (…). Em qualquer uma das nossas linhas, cabe um futebolista mais», explicou.

FUTEBOL

Boavista reforça ataque com avançado Clarke O avançado panamiano Ricardo Clarke, ex-Zamora, da Venezuela, assinou contrato com o Boavista por três épocas, anunciou hoje a equipa da I Liga portuguesa de futebol.

O futebolista, de 24 anos e 1,80 metros, representou a seleção do seu país em duas ocasiões e é descrito pelo Boavista como um “rápido avançado móvel”, tendo-se sagrado campeão da Venezuela pelo

Zamora, clube que representa desde 2013. O Boavista informa que “o jogador estará presente no treino aberto de hoje”, aprazado para as 18:00, no Estádio do Bessa, e “depois jun-

Desporto 27

tar-se-á à seleção do Panamá para disputar a Gold Cup (torneio entre seleções das nações da Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe), que decorrerá entre os dias 07 a 26.

sido vice-campeão no último mundial da categoria, no qual foi titular nos sete encontros da competição, tendo apontado um golo. Este é o 12.º reforço oficializado pelo Moreirense, que regressou aos trabalhos a 26 de junho e terá como técnico Manuel Machado. Na lista de reforços somam-se o guarda-redes Jhonatan (ex- Joinville, Brasil), os defesas Iago Santos (ex-Dibba Al-Hisn, Emirados Árabes Unidos), Koffi Kouao (ex-Vizela), Bruno Silva (ex-Gil Vicente), Rúben Lima (ex-União da Madeira), Mohamed (ex- Athletic Tetouan, Marrocos), os médios Rafael Costa (ex- Red Bull Brasil), Alfa Semedo (ex-Vilafranquense), bem como os avançados Arsénio (ex-CSKA Sofia, Bulgária), Jhonder Cadiz (ex-Nacional) e N’sor Kwame (ex-União da Madeira).


28 Publicidade

Sรกbado 22 a Sexta-feira 28 de Julho de 2017 | Correio da Venezuela

Correio de Venezuela 702  

Edición 702

Correio de Venezuela 702  

Edición 702

Advertisement