Issuu on Google+

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO CAMPOS MELO

Fio Condutor

SUPLEMENTO

www.escmelo.web.pt

PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL * ANO 16 * ABRIL 2007

EDITORIAL pág. 2

PREPARAR O FUTURO (IN)FORMAÇÃO pág. 3

NÃO HÁ LER ... SEM ESCREVER págs. 4, 5, 8

PROJECTOS E CLUBES págs. 9 e 11

VIAGENS NA NOSSA TERRA

E

NÃO

PODE

SER

VENDIDO

SEPARADAMENTE

pág. 2

Não há ler ... sem escrever

A ESCOLA E O MEIO

ABRIL

DE

2007

pág. 10

XI Sarau da Campos Melo

Don´t worry, be happy

EDIÇÃO

DO

“NOTÍCIAS

DA

COVILHÔ

DE

19

DE

pág. 12

INTEGRANTE

DA

mwlzarah.blogspot.com2006_12_01_archive.html

SUPLEMENTO

FAZ

PARTE

Semana da Leitura Recital de Poesia Concurso Nacional de Leitura

ESTE

páginas centrais

20 de Abril 21. 30h Teatro-Cine

Entrevista com a Ministra da Educação Os entrevistadores, quatro alunos do 12º D da Campos Melo, dão-nos conta da acolhedora recepção que lhes dispensou a Srª Ministra da Educação, Drª Maria de Lurdes Rodrigues.

página 4


II

19 ABRIL 2007

www.escmelo.web.pt

PREPARAR O FUTURO

Da mesa da redacção Segundo período findo, quase um ano lectivo passado. O novo número do Jornal da Escola está terminado e volta a surgir por aí, num lugar próximo de ti! Fio Condutor de notícias, acontecimentos, projectos, visitas e datas assinaladas. O tema central é a leitura/escrita que o Fio Condutor apresenta com visão crítica. Para saber escrever há que ler! E não existe ler sem escrever. Assim se vão fazendo os versos desta mesa da redacção. Tal como o arado que cava as estrias na terra, o Fio Condutor vai fazendo eco do que provoca emoção. Emoção expressa também nos poemas de alunos mais intervenientes. O tema é a leitura/escrita, informa a professora Elsa sem desdita. Sarau à porta, (É já no dia 20!) com o lema “Don’t worry, be happy”. A coisa volta a prometer!... Não revelamos nada por agora. Mas no próximo número do Fio a reportagem será completa. Neste número, um desafio: Encontrar um Fio do tempo das Descobertas!?! Ora! Vamos mas é para o Sarau antes que a plateia fique repleta! Prof . Steven Casteleiro

e-mail clubedojornal@gmail.com

Editorial PRES. DO CONSELHO EXECUTIVO - ISABEL FAEL

A divulgação da informação, de forma mais fluida, das actividades desenvolvidas pela Escola junto da comunidade é um dos objectivos do nosso Projecto Educativo para 2004/07, que está agora em fase de avaliação. Ao olharmos para os últimos anos de trabalho do Clube do Jornal, facilmente constatamos que, também este sector, que por excelência se dedica à comunicação, contribuiu amplamente para a consecução deste desiderato, retomando a publicação de três números por ano e, nomeadamente, criando o jornal electrónico BREVES_ON LINE, que tem possibilitado à comunidade alargada o acesso cada vez mais rápido e imediato à informação sobre as actividades que se desenvolvem na Escola. Hoje, estamos, certamente, mais integrados na sociedade da informação e do conhecimento, e por isso, pudemos responder com mais criatividade aos desafios que o Plano Nacional de Leitura lançou ao país, ao convite que a DGIDC nos endereçou para participarmos num Seminário Internacional sobre Boas Práticas de Leitura e a tantos outros que as novas formas de literacia nos colocam. Do trabalho árduo que aqui se desenvolve em prol da educação, fica o presente registo. Entretanto, deixamos também o convite para o nosso XI Sarau Cultural, prova inequívoca da vitalidade da nossa Escola.

BREVES DO CRVCC

Os Candidatos, como Adélia Alves na foto, têm reconhecido publicamente a qualidade do trabalho da equipa técnico-pedagógica do nosso Centro RVCC. O Centro Novas Oportunidades iniciou nova itinerância no Teixoso, com mais de 50 adultos. Tem-se verificado também um crescente número de candidatos inscritos no 12º ano, cujas entrevistas começam em Maio. A última Sessão de Certificação realizou-se no dia 27 de Janeiro e a próxima terá lugar a 28 de Abril.

Campos Melo no Workshop do ECVET Por ser a escola da cidade com a mais vasta oferta educativa – nomeadamente no âmbito das Novas Oportunidades – a Campos Melo foi designada pela Coordenação Educativa de Castelo Branco para fazer parte da auscultação para a operacionalização do ECVET.

O ECVET, Sistema Europeu de Créditos para a Educação e Formação Profissional, é um dispositivo centrado no indivíduo, baseado na validação e capitalização dos resultados das suas aprendizagens para adquirir uma determinada qualificação.

Este sistema pretende contribuir para a mobilidade dos trabalhadores no espaço europeu e facilitar a transferência, capitalização e reconhecimento dos resultados das aprendizagens realizadas em contextos formais, não formais ou informais.

Jornal Electrónico: BREVES_ONLINE http://brevescamposmelo.blogspot.com

Formação em Contexto de Trabalho AMÉRICO MENDES - DIRECTOR DO CURSO TECNOLÓGICO DE ELECTROTECNIA E ELECTRÓNICA

Apelo Para a História do Fio Condutor O primeiro Fio há 16 anos

O clube do Jornal da Campos Melo pretende reconstituir as séries do Fio Condutor, cujo arquivo existente na BE/CRE tem muitas lacunas. Como tal, se tiver em casa números antigos do nosso Fio, e estiver na disposição de se desfazer deles, entregue-os no Conselho Executivo! A história, a escola e o clube agradecem. Fio Condutor

No passado dia 12 de Março, teve início a Formação em Contexto de Trabalho, com desenvolvimento supervisionado, em contexto real de trabalho, de práticas profissionais relevantes para o perfil de cada curso. A FCT/Estágio, tem como principal objectivo: desenvolver e consolidar, em contexto real de trabalho, os conhecimentos e as competências profissionais adquiridas durante a frequência do curso; proporcionar experiências de carácter sócio-profissional que facilitem a futura integração dos jovens no mundo do trabalho. A FCT/Estágio é supervisionada pelo

professor orientador, em representação da escola, docentes Américo Mendes e Eugénia Conceição e pelo monitor, em representação da entidade de estágio. Os alunos do 12º ano, dos Cursos Tecnológicos de Electrotecnia e Electrónica e de Administração ficaram colocados em empresas da região tendo, na opinião dos empresários, desenvolvido um trabalho positivo e, acima de tudo, consideram que os alunos se encontram bem preparados e aptos para ingressarem no mercado de trabalho. Este feedback com as empresas é muito importante para que a escola possa reflectir sobre a

formação técnica nela ministrada e melhor preparar jovens para o mercado de trabalho, em áreas cuja mão-de-obra qualificada é escassa na região. Para além de possuir um corpo docente de excelente qualidade, a escola dispõe

ainda de laboratórios e oficinas devidamente equipadas. Deste modo, podemos apostar numa forte componente de formação prática, onde o aluno pode desenvolver um conjunto de actividades em prática simulada.


www.escmelo.web.pt

19 ABRIL 2007

III

(IN)FORMAÇÃO

Um olhar sobre Lloret

Educar para os valores

CONSELHO EXECUTIVO

Na sequência das notícias vindas a público sobre os distúrbios causados por um dos grupos de alunos da nossa Escola que se encontrava em Lloret, na última semana de Março, dada a dimensão nacional que a situação tomou, e após contactos estabelecidos com a Comissão de Finalistas organizadora da viagem, vários pais e alguns alunos, não pode o Conselho Executivo deixar de lamentar o sucedido e, simultaneamente, prestar alguns esclarecimentos à comunidade educativa sobre esta matéria. 1. Como é do conhecimento público, as viagens de finalistas não são da responsabilidade da Escola, organizandose os alunos, com o aval dos seus Encarregados de Educação, através de uma agência de viagens que lhes propõe um pacote. No caso do grupo em questão, é de salientar que, previamente à realização da viagem, os EEs solicitaram uma reunião com os representantes da agência para se inteirarem do tipo de assistência que iria ser prestada aos seus educandos, durante a viagem.

2. No dia 30 de Março, fomos surpreendidos pelo destaque que os media deram à expulsão do grupo de 57 alunos do hotel onde estavam alojados, sem que tivesse sido feita uma investigação mais cuidada às razões a ela subjacentes. Afinal, não se tratou de um fenómeno genera-lizado, tal como a gerência do hotel teve conhecimento no momento (até porque a maioria dos alunos estava a dormir e foi violentamente despertada e instada a abandonar de imediato as instalações), mas apenas de um grupo de quatro alunos que tinha feito voar ovos cozidos pelo corredor (na companhia de três colegas de outra escola, igualmente expulsa no mesmo dia). A confusão gerada e circunstâncias que estão a ser esclarecidas junto da agência de viagens e da gerência do hotel, juntamente com telefonemas de e para Portugal (onde as famílias ficaram em sobressalto com as notícias veiculadas pelos media), terá feito com que se perdesse a necessária tranquilidade para que o assunto fosse resolvido no momento. Tanto mais que o grupo se ofereceu para fazer a limpeza do espaço e lhe foi devolvida metade da caução paga, revertendo o restante,

alegadamente, para os gastos com a referida limpeza, tendo o hotel cobrado, de imediato, os prejuízos causados. 3. O que, do ponto de vista dos jovens se tratou de “uma brincadeira de mau gosto”, perfeitamente circunscrita, rapidamente se transformou num assunto de interesse nacional, servindo de tema de abertura televisiva. Foi assim que a Escola Campos Melo viu, durante vários dias, o seu nome abusivamente relacionado com todo e qualquer tipo de situação anómala vivida em Lloret, no presente e em anos anteriores, e que nada tem a ver com o episódio protagonizado pelos nossos alunos, o mesmo tendo sucedido com vários artigos e notícias entretanto publicados na imprensa. Não podemos deixar de lamentar que o mesmo destaque não seja dado à Escola e aos nossos alunos quando obtêm prémios nacionais e internacionais, nomeadamente na área científica e tecnológica! 4. Felizmente, esteve lá, nesse mesmo dia, o pai de duas alunas finalistas, e pôde acompanhar de perto a situação. A agência, por sua vez, propôs ao grupo o realojamento noutro hotel. Mas os alunos queriam um pouco de tranquilidade

e as famílias ansiavam tê-los de volta, nunca pensando que os media continuassem a interessar-se por este assunto. Queremos deixar claro que a Escola, ainda que compreendendo a irreverência juvenil, reprova em absoluto tais actos. Contudo, e reflectindo sobre eles, cumpre-nos trazer à discussão alguns aspectos que envolvem estas viagens de finalistas: Qual o papel das agências no acompanhamento destes jovens e no tipo de oferta que lhes proporcionam? Qual o papel dos seguranças dos hotéis na prevenção e acompanhamento destes jovens, para quem esta é, muitas vezes, a primeira experiência de liberdade face à família? Qual o papel das autoridades espanholas no controlo das situações trazidas a público, sabendo que Lloret é um destino de acolhimento de dezenas de milhares de jovens? E, finalmente, qual o papel da comunicação social nestas matérias? Deixamos este alerta aos nossos jovens e aos seus Encarregados de Educação, na certeza de que continuaremos a trabalhar em conjunto para que interiorizem cada vez mais atitudes conducentes a comportamentos de cidadania plena.

Na tarde do dia 15 de Março, teve lugar uma palestra proferida pela Professora Dra. Maria Luísa Branco, no auditório da escola, organizada pelos Núcleos de Estágio de Português-Espanhol e Português-Inglês, sobre o tema «Educação para os Valores».

“Do Ensino Secundário para o Superior, a transcendência da mudança” foi a temática abordada no dia 20 de Março pelo Mestre em Sociologia Carlos Nolasco do Instituto Piaget, no auditório, destinada aos alunos do 12º Ano.

BE/CRE Um Centro de Recursos a aproveitar Acção de Formação organizada pela BE/CRE, no dia 23 de Fevereiro, sob orientação da Drª Natália Caseiro – coordenadora desde 1989 da Biblioteca Escolar/Centro de Recursos Educativos da Escola Secundária de Domingos Sequeira, Leiria, especialista em Ciências Documentais, e formadora nas áreas de Animação da Leitura, Tratamento Técnico Documental, Organização de Bibliotecas e Literacia da Informação –, que versou os seguintes temas: “Literacia da informação ao serviço da Área de Projecto” e “Práticas de Leitura dos jovens do Ensino Secundário”.

Workshop - Excel 2003 Por iniciativa do Núcleo de Estágio de Informática, realizou-se neste período um Workshop sobre Microsoft Excel-2003, destinado a professores.

Exposições de Arte O 11º F promoveu uma exposição de reproduções dos grandes Mestres do Renascimento. Os “artistas” do 12º G brindaram-nos com duas exposições: uma de composição livre com técnicas mistas e outra de ilustração de fábulas de La Fontaine.

Fio Condutor


IV

19 ABRIL 2007

www.escmelo.web.pt

NÃO HÁ LER... SEM ESCREVER

Entrevista com a Ministra da Educação

Guerra Justa?

ANA FONSECA, DAVID SILVA, JOÃO OLIVEIRA, Mª CAROLINA GOULÃO E VÂNIA PINHEIRO – 12º D

PROF CARLOS NEVES

Estávamos longe de imaginar que o nosso trabalho de Área de Projecto sobre o Sistema Educativo Português nos iria levar ao gabinete da Senhora Ministra da Educação, porém, foi o que aconteceu. No dia 21 de Março dirigimo-nos ao Ministério da Educação

para a tão ansiada entrevista, na qual fomos muito bem recebidos. A Doutora Maria de Lurdes Rodrigues não se fez esperar e mostrou-se extremamente afável para connosco, respondendo a todas as nossas questões de forma tão humilde e coerente que desde logo nos conquistou. Surpreendentemente fomos convidados de forma muito gentil, para nos dirigirmos ao Centro Cultural de Belém com o intuito de assistirmos às comemorações do Dia Mundial da Poesia. Nesse mesmo local fomos apresentados, pela Senhora Ministra, ao Ministro dos

Assuntos Parlamentares e à Ministra da Cultura, que se revelaram muito atenciosos para com o nosso trabalho. Aquando da despedida e com vista a um enriquecimento do nosso trabalho, convidámos a Senhora Ministra da Educação a participar no nosso debate que se irá realizar em breve na nossa escola, convite que ela aceitou prontamente. Achámos a viagem muito proveitosa e esperamos no próximo número podermos dar mais informações sobre o debate em que esperamos contar com a Senhora Ministra, entre outros.

Estamos no século XXI e no horizonte ergue-se um cenário de guerras políticas culturais e religiosas. Alguns historiadores falam em «choque de civilizações» Actualmente, o inimigo que ataca o Ocidente tem por fim instaurar uma ordem moral e social oposta à da civilização ocidental. É importante ter em conta que um combatente deve estar convicto de que trava uma guerra justa. Surge portanto a questão: Haverá guerras justas? Neste primeiro artigo, abordaremos apenas a resposta à questão, em termos das guerras que antecederam as do século XX, já que a situação posterior apresenta novas características. Nos três primeiros séculos da era cristã a questão que estamos a analisar não foi considerada relevante. No Concílio de Aries de 313, verificou-se uma condenação do pacifismo: «Aqueles que desprezem as armas sejam excomungados». Santo Agostinho (354-430), elaborou uma primeira doutrina cristã relativa à questão da guerra, que marcou toda a Idade Média, ao afirmar: «todos os homens procuram a paz mesmo quando fazem a guerra...». Defendeu que a guerra é um mal por vezes necessário para se restabelecer uma paz verdadeira. Afirmou que são justas as guerras que se

destinam a castigar injustiças. Um novo contributo para o tema foi o de Tomás de Aquino (1225-1274), o qual retomou o conceito de guerra justa de Agostinho, tendo indicado três condições necessárias para que uma guerra possa ser justa: a guerra deve ser proclamada por uma autoridade competente; deve existir culpa da parte daqueles contra os quais se faz a guerra; aquele que combate deve fazê-lo com recta intenção.

É importante salientar que temos estado a referir-nos à guerra ofensiva, pois a guerra defensiva sempre se inseriu no direito do Homem à legítima defesa. A Segunda Escolástica também abordou o tema da guerra justa. O espanhol Suárez(15481617) escreveu: «a guerra não é intrinsecamente má, nem proibida aos cristãos; esta é uma verdade de fé contida na Sagrada Escritura...». Este autor distinguiu guerra defensiva, a que repele uma agressão

injusta enquanto a mesma é desferida, de guerra ofensiva, a que é empreendida para reparar uma injustiça cometida. A guerra ofensiva pode até ser indispensável; claro que o que se pretende reparar tem que ser muito grave para que se justifique o recurso à guerra. O Catecismo Maior, como resposta à pergunta: «Existirão casos em que seja lícito matar?», afirmava que é lícito matar: quando se combate numa guerra justa, quando se executa a condenação à pena de morte por ordem da autoridade suprema, quando for o caso de necessária defesa contra um agressor injusto. Portanto os pacifistas cometem um equívoco quando procedem à transposição de preceitos de ordem moral, reservados à pessoa individual, para o plano social e político. De acordo com a interpretação pacifista, terse-ia que acabar com a propriedade, com os tribunais, com os órgãos da sociedade hierárquica, com o serviço militar e com qualquer guerra. No entanto, os indivíduos, por vezes, têm o direito e até o dever, de se defenderem de agressores injustos, principalmente se estiver em causa o bem comum.

Concurso EntrePalavras - Texto Argumentativo

A Discriminação e a Violência Conjugal FLORENCE OLIVEIRA, ANDRÉ FERNANDES, RICARDO MORAIS E VITÓRIA ESTEVES – 8º A E B

Num “Jornal de Notícias” vinha uma frase destacada que dizia “O correcto é dizer “violência conjugal”. O correcto? Esta frase é perturbante. O correcto era que a expressão não existisse, que a violência não existisse! E o que se poderá fazer num país tipicamente machista, onde bater é uma demonstração de poder? Onde a violência já é abordada banalmente? E onde os homens são maioritariamente os “manda-chuva”, os que reinam, os que não se dignam deitar uma lágrima? O que fazer para que não tenham o poder de agredir as

Fio Condutor

mulheres e filhos, desculpando-se com o facto de estarem embriagados ou que o dia no trabalho correu mal? O que fazer para que não se achem donos de todos os direitos? A violência conjugal não pára de aumentar em Portugal. O agressor agride a vítima verbal e, em casos extremos, fisicamente, e só quando isso acontece é que algumas vítimas apresentam queixa, pois sabem que fazer queixa da violência psicológica, ou não fazer, não faz diferença absolutamente nenhuma, pois os processos são suspensos e os agressores ficam impunes. A mulher aguenta vários anos sem nada

fazer contra o agressor, pois ou fica à espera que ele mude de atitude perante ela e perante o mundo, ou tem medo de represálias, ou receia o estigma social. Se a mulher não apresentar queixa contra o agressor logo nos primeiros “sintomas” de violência pode ocorrer a violência física, ou violação sexual continuada ou até mesmo o homicídio. Na violência conjugal não é só a mulher que sofre. Se houver crianças envolvidas vão sofrer tanto como as vítimas: vão considerar-se culpadas, vão ter medo das atitudes do agressor, ter pena da mãe e do agressor, que embora lhes meta medo, continuam a

ver como pai. Estas crianças ficam traumatizadas com estas situações e também muito divididas, por um lado a mãe precisa de ser consolada e/ou o pai vai precisar de ajuda para deixar de bater na mãe. Mas sabem que qualquer partido que tomem vai desapontar alguém. O que pode levar mesmo a casos em que o pai começa também a agredir os filhos. É um facto que a mentalidade da pessoa e a forma como foi educada a lidar com os outros incentiva para estes aspectos de machismo. E são estes mesmos aspectos que influenciam a vida das mulheres no nosso país

e em vez de serem criticados, são tema para novos programas televisivos e reportagens dadas com “ar de espanto”. Passou uma reportagem na TVI, há uns dias, que falava das mulheres que estão cada vez mais a trabalhar em empregos de homens. Em empregos de homens?! Então agora há empregos para homens e para mulheres?! Em que século estamos? Também na TVI há agora um reality show onde existem 8 homens inteligentes e 8 mulheres bonitas. Ali realizam-se perguntas para mostrar que as

mulheres são “burras”… Com reportagens assim, com programas assim, a mentalidade do país dificilmente muda, uma vez que a televisão é o meio mais influente. Com exemplos assim dificilmente se consegue obter a igualdade de direitos e deveres, de oportunidades, entre homens e mulheres. Para concluir, é preciso não ter medo e denunciar sempre. Como diria Einstein, é mais fácil decompor um átomo, do que um preconceito. Associação de Apoio à Vítima http://www.apav.pt


www.escmelo.web.pt

19 ABRIL 2007

V

NÃO HÁ LER... SEM ESCREVER

Um livro CONSTANÇA SANTOS – 12º B

Quando acordei hoje de manhã, o dia chegava à minha janela envolvendo o meu corpo, ainda quente, com o frio de Outono, aquele frio cortante que nos faz querer passar mais algumas horas na cama. É Sábado. Fiz deslizar um camisolão de lã grossa pela pele arrepiada e enfiei os pés em dois coelhos cor de mel. Ao descer as escadas, senti o cheiro das torradas e do café com leite que a minha mãe fazia na cozinha. A

Mousci, a minha gata de orelhas felpudas, dirigiu-se a mim e roçou o seu pelo ruivo nas calças escuras do meu pijama, como se me quisesse dar os bons dias. Sentei-me à mesa com a minha mãe. Falamos de tudo e de nada: do tempo, da escola, dos artigos do jornal da manhã. O meu pai chegou com os croissants da Padaria da Esquina. Subi e enfiei-me na cama outra vez. Sobre a mesinha de cabeceira está o livro que acabei de ler ontem à noite. Os lençóis estão frios mas a

sensação é a mesma da noite anterior. É a mesma sensação que temos quando desvendamos um segredo, quando sabemos mais que os outros, quando passamos pela minúscula porta que separa o real da imaginação. Pela minha mente passam imagens do mundo que visitei. A magia do livro prendeume para que eu lesse até à última palavra. E a viagem recomeça cada vez que eu abro um livro. Uma nova caminhada, uma nova experiência. Um livro

não é só um monte de folhas, um monte de palavras nem tão pouco um objecto guardado numa estante. Um livro é uma porta, um refúgio, um oásis, um caminho. Pego-lhe e seguro-o com ambas as mãos. Passados alguns minutos, o livro fica quente. Desfolho-o e tem cheiro. Fala comigo e eu ouçoo. Somos amigos de longa data e ele revela-me uma vez mais, paciente e calmo, a sua história. O livro parece vivo. E em mim, o livro acontece.

Uma história quase perfeita… MIUKHY

A pensar em ti estou eu mais uma vez… Invadida por momentos de solidão e ilusão…chego a pensar que ter-te novamente na minha vida seria muito bom…mas que digo eu?? Tu outra vez não! Chega! Não quero voltar a passar pelo mesmo. Instala-se em mim uma mistura de sentimentos…amor, felicidade, recordação…por todos os momentos bons que passei…ódio, por te ter amado demais, desilusão, angústia pela maneira como tudo acabou, pela maneira como brincaste não comigo, mas com o que eu sentia por ti. Enfim, disto tudo, recordar apenas as lembranças, são poucas, eu sei, mas tão bonitas, especiais, difíceis de esquecer. Cada vez, que nos chateávamos, era só mais um passo para passar a amar-te ainda mais. Contigo, encontrei o sentido do verdadeiro amor…e estou feliz por isso…por ti fiz tanto…com pouco poder mas muito amor…e esse foi o erro…amar-te demais…

O Sonho JOANA QUINTELA – 12º G

«Eles não sabem nem sonham Que o sonho comanda a vida Que sempre que um homem sonha O mundo pula e avança...» António Gedeão

A Internet JOANA VENÂNCIO – 12º G «Indestrutível, descentralizada, propriedade de todos, a Internet fez renascer o sonho utópico de uma comunidade humana harmoniosa, planetária, onde cada um se apoia nos outros para aperfeiçoar os seus conhecimentos». Nadeije Zanerye-Dagen (dir.), Memória do Mundo — das origens ao ano 2000, trad. de Fernando Melro. Maria Irene Bigotte de Carvalho, Maria Luísa Costa, Lisboa, Círculo de Leitores, 2000

A Internet é, realmente, uma comunidade virtual da qual todos podemos fazer parte. Mas, por alguma razão, a própria autora utilizou o termo “utópico”... Talvez porque este sonho de uma “comunidade humana harmoniosa, planetária” não seja bem aquilo a que a Internet está a levar. Primeiro, porque não é acessível a todos, mas sim a qualquer pessoa que tenha acesso a um computador e um modem com ligação a uma rede. Ora, se uma grande parte da população mundial vive abaixo do limiar da pobreza (e outros tantos não muito

acima…), terão acesso à Internet? E não falando apenas nas pessoas, há locais do mundo, por exemplo em Africa, em Angola, onde, apesar do país ser pobre há quem tenha acesso a computadores mas, mesmo assim, as ligações à Internet são muito instáveis... Então, planetária a Internet não é, pelo menos até hoje. Será ela harmoniosa? Será que cada um se apoia nos outros para aperfeiçoar calmamente os seus conhecimentos? Como se costuma dizer, “de boas intenções está o inferno cheio”... Se quem possibilitou a internet tinha esse propósito, esse não é certamente o que

muitos têm em mente ao navegar na rede... Aparecem constantemente novos sites duvidosos, casos de pedofilia que começaram através da Internet, sites com informação errada. Vírus que são lançados pela Internet e que atacam milhares de computadores, publicidade enganosa, burlas por e-mail. Pessoas malintencionadas que usam aquilo que está ao dispor de todos para prejudicar os outros. Se nunca uma comunidade humana foi perfeita, esta então está muito longe disso. Mas... será ela realmente humana? Quem está por detrás de

um computador? A única informação que se tem é um endereço de IP. A quem corresponde? E com a ciência sempre a inovar, há já tarefas que um computador executa sozinho... Definitivamente, nunca descreveria a Internet como uma comunidade humana, harmoniosa e planetária... Não quer isso dizer que seja má! Mas é um mundo de possibilidades. E se nem todas são boas, é preciso ter cuidado...

O sonho é abordado neste excerto do poema de António Gedeão não como a amálgama de elementos misturados no subconsciente que nos surgem sob a forma de imagens durante o sono, mas como projectos e desejos para o futuro. “O homem sonha, a obra nasce” é a citação que resume a ideia aqui expressa; é através do desejo de algo que esse algo pode ser obtido. Edgar Allen Poe afirmou que “aqueles que sonham de dia são conhecedores de muitas coisas que escapam àqueles que apenas sonham de noite”. “O sonho comanda a vida” escreve António Gedeão. É através de sonhos, de desejos que podemos ir mais longe; são eles que nos movem, que nos fazem lutar, esta ânsia de alcançar algo que por vezes nem está bem definido na nossa mente e nos consome a alma, o vazio sempre presente no coração do ser humano, que nos faz procurar infinitamente por algo mais, independentemente do que seja, chegando ao fim da vida sem ter colmatado esse vazio apesar de todas as conquistas que podemos ter feito, o vazio também cantado pelos poetas. Os sonhos incitam as pessoas a avançar rumo à conquista daquilo que desejam; se não sonhássemos ficaríamos limitados ao nosso estado presente e nada faríamos para o melhorar, por isso “Sempre que o homem sonha/ O mundo pula e avança”.

N o t a : Os textos A Internet e O Sonho foram produzidos em Sala de Aula.

Fio Condutor


VI

19 ABRIL 2007

www.escmelo.web.pt

NÃO HÁ LER... SEM ESCREVER

Semana da Leitura Na Semana da Leitura, que se realizou de 5 a 9 de Março por todo o país, as actividades na ESCM para além de promoverem o gosto por ler e escrever, aliaram-se às comemorações do dia Mundial da Mulher, 8 de Março, e foram bastante diversificadas e interdisciplinares. Assim, o Professor João Boléo, do Grupo de Artes, com o 11º H – CEF – Técnico de Desenho Gráfico excutou um cartaz de divulgação da Semana, com base no cartaz nacional, em que se fez a divulgação dos direitos do leitor tal como os definiu Daniel Penac em Como um Romance. Este mesmo grupo produziu Marcadores de Livros inspirados em frases de personagens célebres sobre a importância da leitura, pesquisadas pela equipa da BE/CRE, cuja amostra pode ser vista na página 5 deste Fio. O Clube do Jornal, em colaboração com o Departamento de Línguas Românicas, publicou uma série de textos de treze escritoras portuguesas do séc. XX, no jornal-blogue BREVES_ONLINE, a partir dos quais se imprimiram cartazes afixados por toda a escola e se desenvolveu o Jogo de Identificação «Quem é quem?», que o leitor pode jogar aqui mesmo ao lado. A semana encerrou-se com a actividade inter-pares, da iniciativa da BE/CRE de que damos conta também nesta página. No entanto, a promoção dos hábitos de leitura e escrita não se resume, na nossa escola, apenas às actividades desenvolvidas durante esta semana. Como o presente número bem documenta, os desafios à leitura e escrita são frequentes e produzem bons resultados. Não resistimos a dar a ler ao leitor do Fio um dos textos publicados no BREVES que tão bem resumem os dilemas prosaicos (das mulheres) dos nossos dias.

A VERDADE HISTÓRICA A minha filha partiu uma tigela na cozinha. E eu que me apetecia escrever sobre o evento, tive que pôr de lado inspiração e lápis, pegar numa vassoura e varrer a cozinha.

Não eram grãos de trigo de Pompeia, mas eram respeitosos cereais de qualquer forma. E a tigela, mesmo não sendo da dinastia Ming, mas das Caldas, daqui a cinco ou dez mil anos devia ter estatuto admirativo.

A cozinha varrida de tigela ficou diferente da cozinha de tigela intacta: local propício a escavação e estudo, curto mapa arqueológico num futuro remoto.

Mas a hecatombe deu-se. E escorregada de pequeninas mãos, ficou esquecida de famas e proveitos, varrida de vassouras e memórias. Por mísero e cruel balde de lixo azul em plástico moderno (indestrutível).

Uma tigela de louça branca com flores, restos de cereais tratados em embalagem estanque espalhados pelo chão.

Concurso Nacional de Leitura Realizou-se na tarde de 21 de Março, no auditório, a selecção a nível de Escola do Concurso Nacional de Leitura para o 3º Ciclo. A prova escrita testou os conhecimentos dos concorrentes sobre as obras: O Cavaleiro da Dinamarca de Sophia de Mello Breyner Andresen, O Principezinho de Antoine de Saint-Exupéry, O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá de Jorge Amado e A Lua de Joana de Maria Teresa Maia-Gonzalez. A prova oral avaliou a competência de leitura expressiva. Foram seleccionados para a fase seguinte, a nível distrital, os alunos Ana Luísa Rocha, André Fernandes e Márcia Pais, todos do 8º ano. Parabéns aos vencedores e a todos os participantes!

Fio Condutor

Minha Senhora de Quê, Quetzal Editores, Lisboa, 1999

Incentivo à leitura Semana da Leitura / Dia Internacional da Mulher «Ler, mais do que um saber é um prazer...» «Ler, é a única forma de viver várias vidas...»

Na tarde do dia 9 de Março, encerraram-se as actividades da Semana da Leitura na Campos Melo com a realização de um painel inter-pares orientado por alunas do 12º E, de Ciências Sociais e Humanas, dirigido a colegas seus do 7º e 8º anos. Ana Henriques, Ana Sofia Barata, Daniela Martins e Nazaré Sousa, oradoras com currículo feito na ESCM, deram os

seus testemunhos de leitura e apresentaram o seu trabalho de Área de Projecto, Mulheres que marcaram a História – planificado para assinalar o dia 8 de Março, Dia Internacional da Mulher – no qual evidenciaram a importância histórica das figuras de Cleópatra, Frida Kahlo e Adelaide Cadete. Elas prometiam e saíram-se muito bem!


www.escmelo.web.pt

19 ABRIL 2007

VII

NÃO HÁ LER... SEM ESCREVER

Os nossos poetas

Dia Mundial da Poesia A noite de 21 de Março foi preenchida por uma Viagem por um Século de Poesia em Língua Portuguesa. O Recital, que assinalou o Dia Mundial da Poesia, contou com a participação de alunos, professores e encarregados de educação. A elevada assistência apreciou o serão, em particular o grupo de jovens estudantes da UBI, oriundos de Cabo Verde, que deliciaram o público com a sua musical e apurada actuação. Com o espírito reconfortado pelas palavras dos poetas, o público pôde ainda, no final do serão, saborear um chá com bolos. A Organização foi do Clube de Poesia, com colaboração dos Núcleos de Estágio de PortuguêsEspanhol e Português-Inglês. Na impossibilidade de reproduzir todos os poemas, ficam as imagens.

Poetas portugueses: “A Língua Portuguesa”, João Anglin, “Promessas de Poesia”, Duarte (13 anos), “Foguete de Lágrimas”, António Gedeão, “Dez Réis de Esperança”, António Gedeão, “Base”, Francisco Coimbra, “Abaixo o D. Quixote”, José Gomes Ferreira, “O Menino Grande”, Sebastião da Gama, “A Realidade Evocada”, Fernanda de Castro, “O que eu quero ser quando for grande”, Carlos Tê, “Poema para a Lili”, Fernando Pessoa, “Preciso de Espaço”, Vasco Lima Couto, “E tudo era possível”, Ruy Belo, “Há Cidades Acesas”, Sophia de Mello Breyner, “As Mãos”, Eugénio de Andrade, “Soneto de Inês”, Ary dos Santos, “O País”, Ary dos Santos Poetas de Expressão portuguesa: “Mãe Negra”, Alda Lara (Angola), “Cântico de Angola”, Geraldo Bessa Victor, “Poema da Despedida”, Mia Couto (Moçambique), “Versos”, José Craveirinha, “Prelúdio”, Jorge Barbosa (Cabo Verde), “Em torno da minha Baía”, Alda Espírito Santo (S. Tomé e Príncipe), “Mulher da minha Terra”, Eunice Borges (Guiné), “Amor Antigo”, “No Meio do Caminho”, “O Verbo Ser”, “Cidadezinha Qualquer”, “Quadrilha”, “Exorcismos”, “E Agora José”,Carlos Drumond Andrade (Brasil).

O grupo de alunos da UBI: Jacluin’ Elaine Freire, Vanusa Coelho, Denilson Ribeiro, Christian Araújo Lopes, Yannick Teixeira, Pedro Silva

¿A qué quieres que te hable? LUCIANA TEODÓZIO – 9º A

¿A qué quieres que te hable? Deja, deja, Oye el concierto, mira el palco Lleno de instrumentos.

No, no llores, que la música También me hace llorar No lo mires angustiada, no suspires La música no merece.

Y allá en el público ya se escuchan Las palmas Las palmas vivas como la gloria De la victoria.

Sí quiero oírlo mucho, mucho ¡Ay! Aleja Su música me encanta Calla, calla, mi alma sueña.

Mira el maestro que sonríe A sus músicos ¡Cuánta magia! ¡Cuánta música! ¿No parece el paraíso?

¡Cuánta magia! ¡Cuánta música! Oye, oye Los violines, violoncelos y contrabajos

¿Por qué me gusta tanto la música? ¿Qué?, ¿Qué dices?, ¿Que no llore? Deja, deja Mira el concierto, mira el palco Lleno de instrumentos. (Baseado no poema “¿A qué quieres que te hable?” de Juan Ramón Jiménez)

Sonata ao luar ANA AFONSO – 11º D

Sexta-feira. Não treze, mas outra qualquer. É noite. Abro a janela do meu quarto escuro E olho. Respiro o aroma adocicado e tranquilo Da noite. Não chove. Brilha um gomo de lua A poente; é crescente. A neblina difracta a sua luz. Desce até encontrar o manto Abstracto das nuvens. São brancas? Não! Alaranjadas; efeito citadino. Flutuam, tocam levemente a serra. Oiço água correr aqui perto Aguda e constante. As sombras encostam -se à minha janela. Movem-se rapidamente, ao sabor Da brisa e dos faróis dos carros. Hoje há estrelas no céu E o mundo voltou a ser a preto e branco. Paro. Respiro. Confundo-me Na tranquilidade da noite. Tudo corre veloz e calmamente, Ao mesmo tempo. Já não estou aqui.

A música soa melhor contigo MARIANA CRUZ – 12º D

A música soa melhor contigo Entra e mantém-se na cabeça Mantém-se em ti e comigo Faz do silêncio uma conversa Une-nos numa pessoa especial Torna mágico o que era normal Apaixonou-nos, define-nos e permaneceu… Nos sorrisos, olhares e beijos Nas amarguras e nos desejos. Estou num comboio infinito Com destino indefinido Ouço sussurrar um grito Ou se calhar foi um gemido Dor ou prazer? Ou é a excitação que faz doer? Cantas-me ao ouvido Carinhoso, derretido… A música soa melhor contigo. Tocas notas quando me tocas Com as mãos dançamos Somos felizes E adoramos. A lua está mais perto O céu menos coberto Consegues ver? Agarra-me na mão E vamos viver Para um planeta maior Porque contigo a música soa melhor.

Fio Condutor


VIII

19 ABRIL 2007

www.escmelo.web.pt

NÃO HÁ LER... SEM ESCREVER

O Humano Hoje

Oficina de Escrita e Leitura

JOANA FERNANDES

Discretamente contemplo o Sol… Sinto os seus raios quentes No meu corpo vazio. E deixo-me levar devagar… Como sabe bem Esta paz… Este silêncio interminável… Observo o céu, Está sem dúvida divinal! Irreverentemente cheio de azul. Transporto-me para junto dele E lá fico, Apenas a flutuar… Por entre sonhos cheios de nada… E sonhos cheios de tudo… Sei que a perfeição está lá. Lá, E em toda a simplicidade da vida Que teimamos em ignorar. Um tesouro à vista de todos, Mas que só os mais atentos Acabam por alcançar. Como é isto possível? O tempo passa, Tanta coisa muda. Às vezes sinto E pressinto, E sinto novamente… O humano de hoje anda perdido… Algures entre o céu e a terra… Algures entre a terra e o mar… Daqui sim, Vejo. O povo anda perdido… Os olhares cruzam-se, Deixaram de brilhar. As almas estão desoladas, Deixaram de sonhar. Os corações já não batem, Vão batendo devagar… Os rostos pálidos choram, Perderam a cor, Já não sabem o que significa amar. Neste meu trono de magnificência, Aqui onde só chega quem sonha, Visualizo como te perdes no que é fútil... Tu, Que deixaste de procurar O teu lugar, Esse teu espaço privado De fantasia… Aproveita esta luz. Pára o tempo E vem comigo! Embarquemos juntos Nesta viagem ao irreal E procuremos ainda mais juntos O que tanto nos tem faltado.

Fio Condutor

Invade os céus e encontra a Lua, Entrega-te ao mar e desvenda os seus segredos, Apaixona-te pela terra E encontra o verdadeiro significado de amar! Traça o teu destino com magia Com a mesma magia De uns olhos de criança… E faz do teu rumo arte. Persegue insaciavelmente esse calor Que nos faz sentir tão bem E nos acolhe…nos protege. Tu, sim! Humano de ontem, de hoje e de amanhã! Humano de sempre. Humano que faz história. Faz com que o teu nome brilhe, No perpétuo e abençoado livro da vida. És pequeno eu sei… Mas essa fragilidade que te é inata, Pode desaparecer, Basta quereres! Sê grande E forte E louco! Destrói o preconceito E entrega-te à realidade! Obrigado por existires, Por me ouvires… Por tal como eu, te perderes também… Talvez um dia, Quem sabe… Os astros se combinem E o reflexo do céu nos ilumine. Lá encontraremos… Sim! O que tanta falta nos faz, Essa vida hoje já tão escassa, Essa fraca chama Que já não aquece as almas… Essa luz perdida, Nas profundezas do infinito… Por isto, Acorda Homem! Sente cada dia, Atreve-te a atrever-te E brilha! Brilha tão intensamente, Que todos irão notar! Brilha E todos quererão como tu, Brilhar! Não te percas mais Na sedutora escuridão da noite. Encontra a tua luz, Vem comigo! Lembra-te que Para além de existir, É preciso viver… E só vivendo, Amaremos o Mundo.

Nota: Este poema ganhou o 1º prémio no Concurso O Humano Hoje, promovido pelo Departamento de Ciências Sociais e Humanas, no ano transacto, e não foi publicado a seu tempo por lapso de informação.

Cartazes com aplicação dos conteúdos do texto publicitário à obra escolhida no Contrato de Leitura produzidos pela Joana Arrifano, Ana Sofia Barata e Miguel Baptista, 12º ano.

Retalhos de uma vida OFICINA DE TEATRO - 8º B - 1º TURNO Nascimento (Na auto-estrada vai um carro com uma grávida. Não há hospitais por perto.) Tio – Está tudo bem aí atrás? Mãe – Oh, meu Deus, rebentaram-me as águas!!! Pai – Que nome lhe vamos dar querida? Mãe – Não sejas parvo, isso não tem importância agora!!! Ele vai sair. Pai – Não te enerves, eu vou falar com ele: Filho, aguentate até chegarmos ao hospital, não queiras nascer aqui, ainda por cima no carro novo e para além disso só tens 8 meses e meio! Mãe – Não sejas tonto! Achas que ele te vai ouvir? (Já no hospital, o bebé nasce e o médico dá-lhe uma palmada, em troca recebe uma estalada do pai.) Médico – Mas o que é isto? Pai – Você está a bater ao meu rico filho, o Esdrubal, por alma de quem? Médico – Isto não fica assim, vou fazer queixa à ordem dos médicos! Mãe – Esdrubal?! Eu não quero que ele se chame Esdrubal! Infância (A mãe acorda o Esdrubal) Mãe – Esdrubal, acorda. Vou preparar o pequeno-almoço. Esdrubal – Está bem mãe. (Na casa de banho, sobe para um banco e põe-se a mexer nas coisas dos pais. Encontra um preservativo.) Esdrubal – Mãe! O que é isto? Come-se? (mostra o preservativo). Mãe – Filho, não te disse já que não quero que andes a mexer nas coisas dos pais?!? Esdrubal – Não foi por mal. Estava à procura do creme de barbear para poder fazer a barba, não vês que já está grande? (passa a mão pela cara). Mãe – Ainda não tens idade para fazer a barba! És muito pequeno para essas coisas. Esdrubal – Não mãe! Eu pusme em cima de um banco! Adolescência (Esdrubal conhece duas raparigas no liceu, a Germana e a Luísa, vem a apaixonar-se pela Germana mas tem sempre uma atracção pela Luísa. No meio de uma aula, Esdrubal pede a Germana em namoro.) Professora – Bom dia camaradas! Hoje vamos ter uma aula muito interessante, vamos falar sobre

sexualidade. Vocês são adolescentes e precisam de ter informação e estarem preparados para o futuro. Sabem que é nesta idade que as hormonas despertam. Antes de mais nada vamos desmistificar o conceito da poligamia. Esdrubal – (para um colega) Queres ver um exemplo prático? Esdrubal – Ó Germana! Tu és tão linda, és o sol da minha escura vida, és a luz ao fundo do túnel… Germana – Oh Esdrubal! Eu gosto muito de ti… Esdrubal – Queres namorar comigo? Germana – Sim, sim, sim!!! Professora– Quero o mesmo champô que ela! Esdrubal – (para Luísa) Oh Luísa! Tu és tão linda, és o sol da minha escura vida, és a luz ao fundo do túnel… Luísa – Esdrubal! Tu és tão lindo, e todo bom… Esdrubal – Queres namorar comigo? Luísa – sim, meu torrãozinho de açúcar, meu girassol do campo! Adoro-te! Esdrubal – (para o amigo) Eu não te disse? Professora – Ai meninos já tocou, vamos embora. Fase Adulta Germana – Ó meu amor, meu torrãozinho de açúcar, tenho uma coisa para te contar que vais adorar… Estou grávida! Esdrubal – O quê? Germana – Estou grávida. (Ele desmaia. Ela atira-lhe com água.) Esdrubal – Ai que horror querida. Estava a sonhar que íamos ter outro bebé. Já não bastavam 10? Germana – Mas é mesmo verdade (Esdrubal telefona à Luísa Albuquerque) Esdrubal – Olha, preciso de falar contigo urgentemente. Tenho uma coisa terrível para contar. Encontramo-nos no café do costume. (quando chegam) Luísa – O que é que se passa? Esdrubal – (gaguejando) É muito difícil de contar. É assim, eu vou ser outra vez pai. Luísa – O quê? Eu estou a ouvir bem? Esdrubal – sim, eu não te disse que era um desastre? Luísa – Mas tu prometeste

que não irias engravidar mais a tua mulher! Quero acabar tudo! Fico com as jóias, o carro, o apartamento, tudo! Mas contigo já não quero mais nada! Acabou tudo aqui! Velhice (Entra um casal de idosos. A mulher pára para ver uma montra. Passa uma senhora na rua.) Esdrubal – És toda boa! (senhora faz uma cara escandalizada) Germana – Seu desavergonhado… Esdrubal – Eu? Eu só estava a dizer as horas a esta senhora. (visíveis os braços da senhora cheios de relógios) Germana – Julgas que me enganas?! Além de bígamo és men-tiroso! Julgas que eu não sei da Luísa Albuquerque? Esdrubal – Como descobriste? Pensei que só soubesses da Mª Albertina. Germana – Mª Albertina? Como foste nessa? Devias ter vergonha… um homem da tua idade… Esdrubal – Vê as coisas pelo lado positivo mulher! Podia ser pior… Germana – Lado positivo?! Mas que lado positivo?! Esdrubal – Tão, se a Lucinda ainda fosse viva, em vez de duas eram três… Germana – A Lucinda? A minha falecida irmã? Metesme nojo! O que é que ela tinha que eu não? Esdrubal – (com muita naturalidade) Não tinha bigode… (Ela dá-lhe um estalo e vaise embora. Ele encolhe os ombros.) Esdrubal – Passou-se! (Esconde-se num beco para fumar. De repente aparecem dois homens para o assaltar) Ladrão1 – Ó cota, passa para cá a carteira! Esdribal – Vocês não falam assim comigo! Ladrão2 – (Saca duma navalha) Passa p’ra cá a carteira! Se não vai a bem vai a mal! (Esdrubal começa a dar-lhes com a bengala e eles fogem) Esdrubal – E nunca mais se metam com o Esdrubal Miquelino! Morte e Funeral (Esdrubal joga xadrez com

um amigo e perde) Amigo – Ah ah ah! Perdeste! Esdrubal – Vamos ver quem é que perdeu! (Começa a lutar com o amigo e dá-lhe um ataque cardíaco) (já no funeral) Irmã – Ainda bem que já morreu! Ele deve deixar-me a herança! Empregada – Era mesmo parvo, pensava que eu gostava dele. Vou ficar rica! Amigo – Acabou-se a vida miserável… bendita a hora em que ele me quis bater! Germana – Ai o meu Esdrubal, não merecia morrer assim! Mãe do Esdrubal – Era tão boa pessoa… (Entra uma mulher misteriosa na sala, para a qual todos olham espantados. Era a amante de Esdrubal, Sra. Luísa Albuquerque) Padre – Estamos aqui reunidos para festejar, ai meu Deus, para celebrar, a morte de Esdrubal Miquelino, que foi um bom homem que muitas obras de caridade fez… (Entra o notário e empurra o padre que sai indignado) Notário – Vamos proceder à leitura do testamento. Esdrubal Miquelino deixa todos os seus bens à Sra. Luísa Albuquerque, com a excepção da sua querida e muito usada máquina de barbear, que o acompanhou durante toda a sua vida, que deixa à sua mulher, Sra. Germana Miquelino. E à empregada, o pano do pó. Empregada – O pano do pó? Seu estúpido, eu preferia a vassoura! Germana – Seu animal, seu velho ferrugento, vais pagar por tudo o que me fizeste! A tua máquina de barbear?!? Eu gosto do meu bigode assim como ele está e não é por me dares essa coisa suja, velha e ferrugenta que eu vou mudar! (Esdrubal levanta o tronco) Esdrubal – Pensavam que eu tinha morrido, não era? (a mulher que está ao seu lado assusta-se a acaba por morrer e cai para cima do Esdrubal e este acaba por morrer de vez.) Alguém comenta – Ah, é mesmo obra do destino, nasceram para ficar juntos e para juntos morrer. Luísa – Estou rica! Estou rica! Vamos ver quem será a minha próxima vítima!


www.escmelo.web.pt

19 ABRIL 2007

IX

PROJECTOS

Olimpíadas da Astronomia PROFª ROSA SIMÕES

Projecto de Recomendações “Insucesso e abandono Escolar” MARGARIDA RODRIGUES, DANIEL CATALÃO, DANIELA GONÇALVES E JOÃO ANTÓNIO PIRES - 11º C Segundo o Gabinete de Estatísticas da UE o abandono escolar em Portugal, nos últimos 10 anos diminuiu apenas 0,1%, contrariamente ao verificado na União Europeia, em que a redução foi de 4,6%. Portugal tem agora com uma taxa de abandono escolar de cerca de 40% . Apurou-se também, que são os homens entre os 18 e os 24 anos que mais abandonam a escola, pelo que, entre 1996 e 2006, o abandono masculino aumentou 1,6%, passando de 45,6% para 47,2%, enquanto que na U E a 15 passou de 23,7% para 19,5%, um decréscimo de 4,2%. Um importante factor no sucesso escolar dos alunos é, sem dúvida, a participação activa dos pais/encarregados de educação na vida escolar dos filhos e o interesse que demonstram pelo seu aproveitamento e motivação para a vida escolar. Assim sendo, com o “stress” do presente e os horários preenchidos muitos pais, acabam por se “esquecer” da importância do seu papel na vida escolar dos filhos. Os programas demasiado extensos e desarticulados, retiram tempo ao professor para ultrapassar dificuldades individuais. A desarticulação não permite a leccionação das matérias de forma encadeada e lógica. Com efeito, os alunos repetem os mesmos conteúdos, ao longo dos anos. A falta de recursos nas escolas é também um factor a ter em conta, uma vez que um bom ambiente e instalações adequadas e bem equipadas possibilitam diferentes métodos e recursos de ensino, bem como o bem-estar indispensável à motivação dos alunos. Poucas escolas oferecem actividades curriculares e extra-curriculares diversificadas. Estas levam o aluno a explorar as suas capacidades, aumentam o seu interesse pela escola, ajudam-no a formar-se como cidadão responsável. Ainda que a família faça gosto na licenciatura do jovem e este pretenda seguir a sua carreira estudantil, os elevados custos dos manuais, dos materiais e das deslocações, são um grande impedimento face a possibilidades económicas débeis. A soma destes factores conduz à desmotivação e falta de interesse, ao insucesso escolar e, consequentemente, ao abandono dos estudos. Assim, propomos as seguintes medidas: Aos alunos deve ser facultada informação mais aprofundada sobre o mercado de trabalho, cursos profissionais e ingresso no ensino secundário e superior. Deverão receber uma orientação vocacional, na escola, por um psicólogo que os leve a descobrir as suas vocações e capacidades. Promover a participação e o empenho dos encarregados de educação no percurso escolar dos seus educandos, através da criação de uma “Escola para Pais”. Este projecto disponibilizaria informação sobre como lidar com os jovens, como despertar o seu interesse para a escola, como orientá-los e levar os próprios encarregados de educação a conhecer o meio escolar. Promover a qualidade do ensino básico, nomeadamente do primeiro ciclo, proporcionando aos alunos actividades curriculares e extra-curriculares que permitam explorar a sua criatividade e curiosidade naturais, garantindo as bases para um bom aproveitamento em níveis superiores.

Quando se trata de Olimpíadas os alunos da nossa escola até gostam de mostrar que sabem! Em Janeiro decorreu a fase local das Olimpíadas de Astronomia organizadas, este ano, a partir da Universidade de Évora. A prova realizou-se através da net numa plataforma MOODLE. O professor José António Farias, do ensino especial, foi uma ajuda preciosa com os computadores! O Guilherme Montei-

ro, do 10ºB (com um brilhante 15,8), o Filipe Marmelo e o Miguel Ângelo, do 10ºC (ambos com 13,7) foram seleccionados para a fase regional! Ganharam a viagem a Coimbra, documentada na foto, com passagem pelo Museu da Física e pelo recém inaugurado Museu da Ciência, instalado no recuperado “Laboratório Chímico”, do tempo do Marquês de Pombal. Enfim... mais uma aventura dos alunos da Campos Melo!

Olimpíadas da Química + JOÃO NEVES - CLUBE DO JORNAL

Eclipse Total da Lua NÚCLEO DE ESTÁGIO DE FÍSICA E QUÍMICA

Foi no passado dia 3 de Março que três alunos da Escola Secundária Campos Melo participaram na semifinal das Olimpíadas da Química +, destinada ao 10º e 11º anos. Tânia Caramelo, João Neves e João Rodrigues da turma A do 11ºano foram, acompanhados pela professora Marina Santos, até à Uni-

versidade de Aveiro, local da realização da prova. Tiveram ainda a oportunidade de participar numa sessão em que assistiram à realização de experiências diversas. No final, a nossa equipa não foi uma das três vencedoras mas ganhámos uma experiência nova.

Aconteceu no passado dia 3 de Março um eclipse total da Lua. Esta é a primeira ocultação total da Lua desde 2004 e foi visível em toda a Europa, África e Ásia Ocidental. Em termos astronómicos, teve início às 21h30, sendo que o satélite natural da Terra entrou em penumbra às 20h18 e terminou à 01h20. O eclipse total aconteceu entre as 22h44 e as 23h58. Como as nuvens não

estragaram o espectáculo aos terráqueos, e com o astro bem alto nessa noite, virado a sul, as condições foram boas para quem tem o fascínio pelo que se passa lá em cima. É o facto de a Terra se interpor entre o Sol e a Lua que provoca o eclipse. Em 2007 ocorrem dois eclipses totais do satélite natural da Terra. O segundo será a 28 de Agosto.

Pode ver a reportagem fotográfica no BREVES_ONLINE

Recolha de Tinteiros “Quem um tinteiro gastar, uma árvore está a ajudar a plantar” Decorre até dia 25 de Maio a campanha de recolha de tinteiros e toners de impressora com o objectivo de ajudar a reflorestar o país. Por cada 100 tinteiros recolhidos o Projecto Pronatura contribui com a plantação de uma árvore. Os contentores estão na secretaria e na papelaria da escola. Cada árvore adulta

recolhe cerca de uma tonelada de dióxido de carbono da atmosfera, um dos principais gases responsáveis pelo aquecimento global do planeta Terra. Para informações acerca deste projecto inserido nas actividades do Prosepe consulta o link http://www.nicif.pt/ P r o s e p e / prosepe.html

Campeonato Nacional da Língua Portuguesa

Os alunos das turmas B e C do 7º ano, A e B do 8º e B do 9º ano participaram na fase de qualificação do Campeonato Nacional da Língua Portuguesa. Apesar de não terem sido apurados para a final, houve alguns excelentes resultados: a

Ana Rita Folgado, do 9º B, atingiu a pontuação máxima, 20 pontos, e a Ana Luísa Rocha, do 8º B teve 19 pontos. Pela sua participação estão, portanto, de parabéns eles e a sua professora de Português, a Drª Ascenção Pires, que orientou o processo.

Pense Indústria As turmas A e B participam este ano lectivo, no Projecto “Pense Indústria” que decorre uma vez por semana nas instalações do Citeve. Apesar do projecto não ser novo para estes alunos, uma vez que no ano passado também p a r t i c i p a r a m , encontram-se neste momento a desenvolver um projecto, em grupos de trabalho, para conceberem um produto que ainda não

exista no mercado. Têm que pensar ainda na futura utilização do produto criado assim como na sua viabilidade económica tendo em conta a relação custo / benefício. No final terá que ser planeado o respectivo marketing.

Fio Condutor


X

19 ABRIL 2007

www.escmelo.web.pt

VIAGENS NA NOSSA TERRA

12º J-CEF Técnico de Gestão Ambiental

Visita aos Lagares

No dia 9 de Janeiro, o 12º J, Gestão Ambiental deslocou-se aos Lagares de Azeite de Vales do Rio e de Alcaria, a fim de verificar o tipo de efluente/ resíduo produzido nestas unidades de produção de azeite.

O processo de produção tradicional no primeiro lagar apresentava um efluente líquido denominado águas russas. No segundo, todo mecanizado, o efluente produzido denomina-se lamas.

Central de Compostagem Os futuros Técnicos de Gestão Ambiental visitaram, a 27 de Janeiro, a Central de Tratamento de RSU na Quinta das Areias, única no distrito. O tratamento de resíduos consiste na triagem, seguida de compostagem e finalmente deposição em aterro.

Esta estação efectua a produção de fertilizante resultante do tratamento biológico de resíduos produzidos em 13 concelhos incluindo a Covilhã. A visita permitiu reforçar a importância da reciclagem, e da poupança de matérias-primas.

Dias da UBI NÚCLEO DE ESTÁGIO DE FÍSICA E QUÍMICA

Integrada nos Dias da UBI, os alunos das turmas do 7º A e do 7º C fizeram, a 8 de Março, uma visita aos laboratórios de química, de física, ao centro de óptica e ao

Fio Condutor

departamento de matemática. Os alunos demonstraram a sua curiosidade, participando nas actividades e experiências com muito interesse.

Campeonato das Profissões - 2007 PROFS Albertina Matos, Ana Paula Vergamota, Lurdes Faria, Sandra Gamboa e José Manuel Rodrigues

Na sequência do convite do IEFP de Portalegre, deslocaramse a esta cidade, no dia 15 de Março, os alunos e professores dos Cursos de Educação e Formação de Operador de Informática, Assistente Administrativo e Técnico Comercial da nossa Escola, ao Campeonato Nacional das Profissões. Trata-se de um local privilegiado onde os jovens dos Centros de Formação Profissional, Escolas Secundárias e Profissionais, Empresas e outras Entidades, têm oportunidade de demonstrar e avaliar as suas competências profissionais, adquiridas através da formação,

promovendo os valores da qualidade, criatividade, da autonomia e do trabalho em equipa. Mais de 7 000 visitantes puderam contactar ao vivo com os melhores profissionais nas diversas profissões em competição, em que participaram 130 jovens de todo o país, com idades entre os 17 e os 22 anos, com reconhecida competência profissional. Cada concorrente deu tudo por tudo para rumar ao Japão, onde decorrerá o Campeonato Internacional das Profissões. Os alunos do 9ºE e 9ºD – CEF - Operador de Informática, do 10ºJ – CEF Assistente

Administrativo, e do 11ºI – CEF Técnico Comercial e o Curso Profissional de Contabilidade, acompanhados por guias, visitaram os diversos pavilhões, onde tomaram contacto com

a diversidade da oferta formativa e das saídas profissionais, sendo sensibilizados para a importância da formação como factor chave para a sua qualificação.

como é hábito nas saídas efectuadas, a componente teórica fornecida nas aulas do curso fica

bem complementada com a prática observada nos espaços visitados.

Politécnico da Guarda Alunos da nossa escola visitaram o Instituto Politécnico da Guarda, no seu dia aberto, 8 de Março, a fim de identificar oportunidades de prosseguimento de estudos, visitar as instalações e participar em eventos, como o concurso de robótica. De entre as exposições destacamos alguns projectos de viaturas a combustível biológico e solar (2º lugar no país e 20º internacional). Os alunos do Curso

Técnico de Gestão Ambiental visitaram os laboratórios de Civil, Hidráulica, Ambiente, Mecânica e Topografia, observaram análises de espectroscópia realizadas às águas de consumo humano, e projectos de tratamento de águas residuais por osmose inversa. Viram também alguns fenómenos importantes na sua área de estudos: ressaltos hidráulicos, equipamento de JarTest, entre outros. A opinião foi geral:

Coimbra... tem mais Encanto Perto do final do 2º período, a 22 de Março, as turmas A, B e C do 9º ano deslocaram-se à cidade do Mondego numa Visita de Estudo, no âmbito das disciplinas de Ciências Naturais e História. Os alunos conheceram o recém-criado Museu da Ciência que funciona nas instalações do antigo Laboratório Chímico; recuaram até tempos geológicos passados na visita ao Museu Mineralógico e Geológico da Faculdade de Ciências e Tecnologia; conheceram o Museu de Anatomia Patológica da Faculdade de Medicina, que prende muito a atenção pelos

conteúdos expostos nas várias galerias, e visitaram uma antiga sala de autópsias, De tarde, a tradição académica li-gada à Via Latina da Universidade foi revelada assim como os mistérios quase insondáveis de oitocentos anos de História associados à Universidade e à sua Torre, mais conhecida pela “Cabra”. Antes do regresso a casa, após uma visita ao relaxante Jardim Botânico, efectuou-se uma paragem na Quinta das Lágrimas, testemunha de uma das mais marcantes histórias de amor, a de Pedro e Inês.


www.escmelo.web.pt

19 ABRIL 2007

XI

CLUBES

Dia Mundial do Teatro

Clube da Saúde

O Clube da Saúde assinalou o Dia dos Clubes através da apresentação de trabalhos efectuados pelos alunos da turma A do 9º ano de escolaridade, na disciplina de Área -Projecto. Os trabalhos foram apresentados às turmas do 7º e 8º ano da escola.

PROFª PAULA ROCHA – COORDENADORA

Por coincidir com a interrupção lectiva, a comemoração do Dia Mundial do Teatro, 27 de Março, foi antecipada para o dia 20. Nesta data visitaram a escola várias personalidades portuguesas importantes na construção da nossa história passada e presente. Egas Moniz, Florbela Espanca, Beatriz Costa, António Salazar, Zeca Afonso, Inês de Castro, Sophia de Mello Breyner, Luís de Camões, Graça Morais e Amália

Rodrigues instalações ficaram surpreendidos, uns mais do que outros, com a mudança radical do ensino em Portugal. Salazar chegou a tirar o lápis azul do bolso mas os seus companheiros não o deixaram utilizar. Foi uma manhã intensa e animada. À tarde o grupo realizou, na Escola Pêro da Covilhã, uma pequena formação a alunos do 5º ano que, motivados, participaram entusiasmadamente.

Ver Amadeo Promovidas pelos grupos de Filosofia e História, respectivamente para alunos do 10º e do 12º anos, realizaram-se no mês de Janeiro, duas visitas à Fundação Gulbenkian, com o objectivo de visitar a Exposição de Amadeo Souza Cardoso. Artista de rupturas, a genialidade da sua obra suscita ainda hoje

No Dia dos Clubes, 23 de Março, o grupo foi as-

sistir a uma peça, no Teatro das Beiras.

Clube de Cinema PROF. JOSÉ ANTÓNIO FARIAS – COORDENADOR

O gosto pelo Cinema deve educar-se em dois sentidos; no da fruição da obra em si pelo espectador, que se deixa envolver, e no sentido crítico, que deve acompanhar tudo o que se vê. Tendo em vista estes objectivos, realizaram-se no nosso auditório duas sessões temáticas: “Interstella 5555: The 5tory of the 5ecret 5tar 5ystem, um filme que “tem

grandes paixões, controvérsias e adesão.

Andarilhos no Centro da Europa

7 Maravilhas A 7 do 7 de 2007, Lisboa anuncia as Novas 7 Maravilhas do Mundo num evento único e memorável, com a presença de vários personalidades de renome internacional. Nesse dia, Portugal e o Mundo vão conhecer as suas 7 Maravilhas. Escolhe as tuas sete maravilhas nacionais no site: http://www.7maravilhas.sapo.pt/

catástrofe que pode destruir o nosso planeta”. Efectuou também a produção em vídeo de curtos documentários, sobre várias actividades realizadas na escola, que estão disponíveis no blogue e incentivaram-se alguns alunos a produzir pequenas peças videográficas igualmente disponíveis no nosso BREVES_ONLINE.

Clube de Artes Conservação e Restauro O BREVES_ONLINE desceu às “catacumbas” da escola e foi apanhar a professora Raquel Pequito e os membros do Clube de Artes, Conservação e Restauro com a mão na massa, em

Aproveitando a interrupção lectiva da Páscoa, os Andarilhos da nossa escola rumaram ao coração da velha Europa para rever conhecimentos de História, Geografia e Arte, ao vivo, e admirar as monumentais paisagens da Áustria, Eslováquia e República Checa. Ei-los no Belvedere, em Viena, com «Bué da estilo».

por base vídeos musicais da banda Daft Punk (os franceses Thomas Bangalter e Guy-Manuel de Homem Christo), agrupados e extrapolados até à duração de uma longametragem; “UMA VERDADE INCONVENIENTE”, (An Inconvenient Truth): “Se a maioria dos cientistas mundiais tiver razão, temos apenas 10 anos para evitar uma grande

intenso trabalho artístico. Em cima da mesa de trabalho a janela Manuelina do Convento de Cristo em Tomar. Não acreditam? Está um espectáculo!!!

Leitura Automática:

Se conseguir ler as primeiras palavras... o cérebro decifrará as outras.

3M D14 D3 V3R40, 3574V4 N4 PR414, 0853RV4ND0 DU45 CR14NC45 8R1NC4ND0 N4 4R314. 3L45 7R484LH4V4M MU170 C0N57RU1ND0 UM C4573L0 D3 4R314, C0M 70RR35, P4554R3L45 3 P4554G3NS 1N73RN45. QU4ND0 3575V4M QU453 4C484ND0, V310 UM4 0ND4 3 D357RU1U 7UD0, R3DU21ND0 0 C4573L0 4 UM M0N73 D3 4R314 3 35PUM4.4CH31 QU3, D3P015 D3 74N70 35F0RC0 3 CU1D4D0, 45 CR14NC45 C41R14M N0 CH0R0, C0RR3R4M P3L4 PR414, FUG1ND0 D4 4GU4, R1ND0 D3 M405 D4D45 3 C0M3C4R4M 4 C0N57RU1R 0U7R0 C4573L0. C0MPR33ND1 QU3 H4V14 4PR3ND1D0 UM4 GR4ND3 L1C40; G4574M05 MU170 73MP0 D4 N0554 V1D4 C0N57RU1ND0 4LGUM4 C0154 3 M415 C3D0 0U M415 74RD3, UM4 0ND4 P0D3R4 V1R 3 D357RU1R 7UD0 0 QU3 L3V4M05 74N70 73MP0 P4R4 C0N57RU1R. M45 QU4ND0 1550 4C0N73C3R 50M3N73 4QU3L3 QU3 73M 45 M405 D3 4LGU3M P4R4 53GUR4R, 53R4 C4P42 D3 50RR1R! S0 0 QU3 P3RM4N3C3 3 4 4M124D3, 0 4M0R 3 C4R1NH0. 0 R3570 3 F3170 D3 4R314

Humor

Fio Condutor


XII

19 ABRIL 2007

www.escmelo.web.pt

A ESCOLA E O MEIO

Parlamento dos Jovens - Secundário

Torneio 24 horas A Associação de Estudantes da Campos Melo realizou nos dias 15 e 16 de Fevereiro, no pavilhão gimnodesportivo da ESCM, um torneio 24 horas de Futsal inter-escolas. Eis os vencedores:

No dia 6 de Março realizou-se no Auditório a Sessão Distrital do Programa “Parlamento Jovem”, iniciativa organizada pelo IPJ, em que participaram dezasseis escolas do Distrito que debateram e votaram os seus projectos de Recomendações sobre o tema “Abandono e Insucesso Escolar”.

O debate de ideias foi bastante vivo. As equipas das dezasseis escolas participantes foram entrevistadas pelo Clube do Jornal, que acompanhou de perto o decorrer dos trabalhos e publicou, em cima do acontecimento, a reportagem detalhada no BREVES_ONLINE. A sessão de abertura contou com a presença de deputados da Assembleia da República, Representantes do Governo Civil de Castelo Branco e da Câmara Municipal da Covilhã e da Coordenadora da Coordenação Educativa de Castelo Branco.

Com a supervisão da Professora Susel Fonseca, um grupo de alunos das turmas A e C do 11º Ano elaborou o projecto que pode ler na página 9.

1º Lugar Feminino - Escola Quinta das Palmeiras

No final dos trabalhos presididos por João Correia, do Instituto Vaz Serra, o Presidente do IPJ, Dr Miguel Nascimento, agradeceu a presença e o esforço de todos, alunos, professores, funcionários e individualidades, e sublinhou a larga participação das escolas do distrito neste projecto. A senhora governadora civil, Drª Alzira Serrasqueiro, encerrou a sessão salientando a importância deste jogo enquanto aprendizagem da cidadania.

1º Lugar Masculino - Escola Campos Melo

Corta-mato e Megasprint Na bela e fria manhã de Inverno de 3 de Fevereiro, os nossos atletas participaram no corta-mato da Escola, que decorreu no Complexo Desportivo da Covilhã. Também no mesmo dia testámos os mais velozes no Megasprint a nível da Escola. De salientar em ambas as provas uma boa participação dos mais novos.

Melhor Jogadora e Marcadora - Escola Quinta das Palmeiras

Convites Saberes, sabores... e mais coisa menos coisa

Melhores Guarda-Redes - Escola Campos Melo

Éeste o mote para a Feira-Mostra a realizar no dia do Departamento de Ciências Sociais e Humanas, 24 de Abril, a par de algumas exposições temáticas, sendo uma alusiva ao 25 de Abril.

I Exposição de Coleccionismo No Dia Internacional dos Museus, 18 de Maio, o Clube do Museu leva a efeito a I Exposição de Coleccionismo. Como participar: Os coleccionadores interessados (alunos, professores e funcionários) deverão inscrever-se na Biblioteca, de 16 a 27 de Abril, onde lhes serão prestadas todas as informações. Melhor Jogador - ESCM

Fio Condutor

Melhor Marcador - ESCM


2006-07 Fio Condutor Nº 2