Page 1

Boletim

Bairro a bairro Carro Biblioteca da Escola de Ciência da Informação

Universidade Federal de Minas Gerais – Ano 20 – Nº 3 – Agosto/ 2016

Agosto é o mês do folclore e o Boletim Bairro a Bairro deste mês traz várias curiosidades a respeito das lendas folclóricas que representam a cultura popular brasileira! Além da tradicional tirinha divertida, você vai encontrar uma poesia do escritor Augusto dos Anjos, considerado um dos mais críticos poetas de sua época com obras extremamente originais. A receita do mês é tradicional e sempre deliciosa: pudim de leite condensado! Você também irá conhecer uma profissão muito importante e pouco conhecida... afinal, o que faz o arquivista? E para fechar o mês com chave de ouro indicamos um passeio muito bacana no planetário da Estação do Conhecimento! Boa leitura! O Boletim Bairro a Bairro é o boletim informativo do Carro-Biblioteca do Centro de Extensão da Escola de Ciência da Informação da UFMG na sua comunidade! Visite o nosso site: carrobib.eci.ufmg.br


Expediente Projeto Boletim Bairro a Bairro Edição Olívia Araújo Alberto Projeto gráfico e diagramação Gustavo Luís Veloso Horta Coordenação e Revisão Profª Marina Cajaíba da Silva Horta

Carro-Biblioteca Coordenação do Carro-Biblioteca Prof. Fabrício José do Nascimento Co-coordenação e Bibliotecária Responsável Gracielle Mendonça Rodrigues Gomes Subcoordenadora e secretária do Cenex Gilma Pereira Funcionário administrativo Edson Lucide do Nascimento (motorista) Bolsistas Ana Flávia Massêo (Letras), Bianca Ribeiro (Museologia), Claudiana Gomes (Letras), Guímel Fonseca (Letras), Larissa Sabino (Letras), Maria Alice da Silva (Letras), Matheus Aguiar (Biblioteconomia), Olívia Araújo Alberto (Biblioteconomia)

Projetos associados - coordenadores Projeto Boletim Bairro a Bairro Profª Marina Cajaíba da Silva Horta Projeto A cidadania da infância em hipermídia Profª Maria Guiomar da Cunha Frota Projeto Conto e Reconto Profª Adriana Bogliolo Sirihal Duarte e Bibliotecária Raquel Miranda Vilela Projeto Inclusão Digital Profª Renata Maria Abranches Baracho Porto e Profª Cátia Rodrigues Barbosa

Agenda de visitas às comunidades 2016 Comunidades Dias Horários São Marcos Segunda 14h – 16h Bonsucesso Terça 9h – 11h Goiânia Quarta 14h – 16h Lagoa Quinta 14h – 16h Morada do Rio Sexta 9h – 11h Tiragem: 350 exemplares

Ilustrações: Freepik.com

Estamos também no Facebook! Perfil: Carro Bibloteca cenex ECI Página: Programa Carro-Biblioteca

boletimbairroabairro@gmail.com Av. Antônio Carlos, 6627. Pampulha CEP: 31.270-901 Tel.: 3409-5202


Hora da leitura!

Retirada do site: http://bibliotecaearte.blogspot.com.br/2014/07/tirinhas-de-quadrinhos-charge-imagem.html

Mágoas

Augusto dos Anjos Augusto dos Anjos Quando nasci, num mês de tantas flores, Todas murcharam, tristes, langorosas, Tristes fanaram redolentes rosas, Morreram todas, todas sem olores. Mais tarde de existência nos verdores Da infância nunca tive as venturosas Alegrias que passam bonançosas, Oh! Minha infância nunca tive flores! Volvendo à quadra azul da mocidade, Minh’alma levo aflita à Eternidade, Quando a morte matar meus dissabores. Cansado de chorar pelas estradas, Exausto de pisar mágoas pisadas, Hoje eu carrego a cruz de minhas dores! Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos nasceu em 28 de abril de 1884 na cidade de Engenho do Pau D’Arco, Pernambuco. Formou-se em Direito no Recife, mas nunca exerceu a profissão. Era conhecido como o ‘poeta da morte’. Faleceu em 1914, aos 30 anos, em Leopoldina, Minas Gerais. Gostou do poema1 deste mês? Este e muitos outros poemas de Augusto dos Anjos podem ser encontrados no acervo do Carro-Biblioteca! ANJOS, Augusto dos. Eu & outras poesias. Rio de Janeiro: Belo Horizonte: Garnier, 1998. 287 p. (Coleção dos autores modernos da literatura brasileira).

1


Você sabia?

Origem das lendas brasileiras Você sabia que a cultura popular brasileira é muito rica? As lendas folclóricas fazem parte dessa cultura! Muitos pesquisadores, historiadores e folcloristas afirmam que as lendas são apenas frutos da imaginação popular, porém, as lendas em muitos povos são ‘os livros na memória dos mais sábios’. Mas, você sabe a origem das lendas brasileiras? Elas surgiram da imaginação dos povos com o objetivo de explicar e compreender acontecimentos tidos como sobrenaturais ou misteriosos e misturam, muitas vezes, fatos reais com históricos. As lendas no Brasil são inúmeras e podem ser ouvidas em diferentes versões por todas as regiões do país. As mais contadas são as seguintes: • No norte do país temos as lendas do bicho-papão, boitatá e curupira; • No nordeste surgiram as lendas da cuca, vaqueiro misterioso e vaqueiro de cuia; • No centro-oeste, as lendas do arranca línguas, pai do mato, mãe do ouro; • No sul do país existem as lendas do péde-garrafa, negrinho do pastoreiro e joão-de-barro; • Na região sudeste, temos a lenda da porca dos sete leitões, onça-maneta e saci-pererê. Conheça algumas dessa lendas Cuca: de origem portuguesa, a lenda da Cuca está associada muitas vezes com o “bicho papão”. Ela é uma personagem muito temida pelas crianças, uma velha feia e

malvada com cara de jacaré que raramente dorme. Assim, sua personagem está associada ao rapto de crianças desobedientes e que não querem dormir. Por isso, a tradicional cantiga de ninar crianças diz: ‘Nana neném que a Cuca vem pegar’. Curupira: A lenda folclórica do Curupira foi, provavelmente, a primeira a ser documentada no Brasil, em 1560, pelo padre José de Anchieta. Os índios que aqui viviam antes da chegada dos colonizadores já contavam histórias sobre o ser fantástico que habitava e protegia as florestas. O nome Curupira significa ‘corpo de menino’ na língua tupi-guarani. Apesar de sua descrição sofrer variações regionais, sua versão mais popular é de uma criança, com cabelos cor de fogo e pés virados para trás. Também são atribuídos a ele poderes diversos, como o de criar ilusões e encantamentos, supervelocidade, transformação, força sobre-humana, entre outros. Só há um consenso, o de que ele é um guardião da fauna e da flora e que não tolera aqueles que ameaçam depredar o meio ambiente, mas ajuda as pessoas de bom coração que estão perdidas ou em perigo. Sua principal arma contra os caçadores, lenhadores e ou-


Receita do mês A receita do mês é de pudim de leite condensado. Com ajuda de um adulto, você fará uma sobremesa deliciosa e irá se divertir muito! Apenas lembre-se: o forno e o liquidificador devem ser manuseados por um adulto!

tros vilões é a sua esperteza: cheio de artimanhas, ele engana os malfeitores fazendo com que eles fiquem perdidos na mata. Claro que existem muitas e muitas outras lendas pelo Brasil afora! Mas, você sabe contar alguma? Pergunte aos seus familiares mais velhos ou ao seu professor. Com certeza eles terão uma boa lenda para te contar! Você se interessou pelas lendas folclóricas? No acervo do Carro-Biblioteca você encontra vários autores do folclore brasileiro como Monteiro Lobato, Clarice Lispector, Ricardo Azevedo e Walcyr Carrasco. Não perca tempo! Corra para essa deliciosa aventura da leitura!

INGREDIENTES Pudim • 1 lata de leite condensado • 1 lata de leite (medida da lata de leite condensado) • 3 ovos inteiros Calda • 1 xícara (chá) de açúcar • 2 xícaras de água MODO DE PREPARO Pudim • Primeiro, bata bem os ovos no liquidificador. • Acrescente o leite condensado e o leite, e bata novamente. Calda • Derreta o açúcar na panela até ficar moreno, acrescente a água e deixe engrossar. • Coloque em uma forma redonda e despeje a massa do pudim por cima. • Asse em forno médio por 45 minutos, com a assadeira redonda dentro de uma maior com água (banho maria). • Espete um garfo para ver se está bem assado. • Deixe esfriar e desenforme.


Datas comemorativas Dia do Folclore Você sabe o que é o Folclore? Folclore é o conjunto de mitos e lendas que as pessoas passam de geração em geração. E dia 22 de agosto é Dia Nacional do Folclore! Essa data tão importante, oficializada em 1965, é marcada por várias comemorações em todo o Brasil. A palavra folclore é de origem inglesa. O termo folk, em inglês, significa povo, enquanto lore significa cultura. E você sabia que para uma estória ser considerada folclore é necessário algumas características? A estória tem de ser de origem anônima, antiga e popular, tradicional numa determinada região (sendo praticada e divulgada por muitas pessoas) e ter se espalhado através do famoso ‘boca a boca’. Por isso, dizemos que o folclore conserva as tradições populares. Através de uma festa, como a do Bumba Meu Boi, surge uma herança imaterial, isto é, um estoque de valores e sabedoria que vai se perpetuar dos mais velhos aos mais novos. O folclore brasileiro é muito rico e não se limita às lendas e mitos. Há uma grande variedade de manifestações culturais em todo o Brasil. Temos as festas populares que incluem o carnaval, festas juninas, festa do Divino Pai Eterno; música e dança como o frevo, samba, fandango, xaxado; cantigas de roda com os clássicos atiraram o pau no gato, escravos de Jó, ciranda-cirandinha e tantas outras. Além disso, o folclore manifesta-se de muitas formas e em todas as regiões do

mundo, pois a cultura popular é bastante versátil e se desenvolve com força em qualquer sociedade. No Brasil, desenvolveu-se de várias maneiras de acordo com as regiões do país, principalmente a partir da interação das tradições dos principais povos que se misturaram em terras brasileiras: os africanos, os nativos indígenas e os europeus. É importante estudar e conhecer as práticas do folclore, não apenas do Brasil, mas de todos os povos, das variadas regiões do mundo. No acervo do Carro-Biblioteca você encontra vários livros que falam sobre as lendas e mitos do folclore brasileiro! Veja alguns títulos para você ler e se divertir: • Abecê do folclore. • Armazém do folclore. • Bazar do folclore. • Coisas do folclore. • Folclore brasileiro Piauí.


Quando eu crescer, eu vou ser... Arquivista Você sabe o que faz o profissional formado em Arquivologia? Ele é o responsável por identificar, organizar, avaliar, preservar e restaurar documentos. Além de textos, o arquivista trabalha com imagens e dados, sejam eles registrados em papel ou na forma de fotografia, filme, mídia digital, ou, ainda, banco de dados on-line. O arquivista normalmente trabalha nos arquivos, mas não fica limitado a esse local! Ele pode atuar em muitos e muitos lugares como em empresas públicas e privadas, centros de documentação e informação, universidades, centros de pesquisas, museus e serviços de informação. Pode, também, realizar serviços de consultoria arquivística e assessorias. O arquivista não trabalha sozinho, pelo contrário, tem contato com muitos profissionais. Junto de historiadores ele trabalha com pesquisa histórica. Com bibliotecá-

rios, trata e organiza a informação. Atua também com especialista de informática, quando disponibiliza e trata a informação em meio digital. Na UFMG, o curso de Arquivologia tem duração de quatro anos. E devido à sua grande importância a procura tem sido cada vez maior! O curso enfoca o ciclo de registro de informações em unidades documentais, desde a sua criação, até o seu descarte ou armazenamento permanente, bem como o acesso aos registros em meios diversos. Gostou de conhecer a profissão do arquivista? Você pode ter mais informações no site do colegiado do curso da UFMG: http://colgradarquivo.eci.ufmg.br.

UniverCidade Localizado no Espaço do Conhecimento da UFMG (Praça da Liberdade, 700), o Planetário oferece belíssimas apresentações astronômicas. Simulando o céu, de acordo com a data e local de observação, o planetário permite que os usuários compreendam alguns conceitos so-

bre astronomia que são explicados pela equipe de astronomia do museu em sessões comentadas. Instalado no quinto andar, com cadeiras reclináveis e sala climatizada, o planetário tem capacidade para 65 pessoas e funciona em sessões regulares, ao longo de todo o dia.

Ingressos: inteira: R$ 6,00, meia: R$ 3,00. Têm direito à gratuidade: estudantes do sistema de ensino público (básico, fundamental, médio e superior), professores licenciados e associados ao ICOM -International Council of Museums. Para mais informações acesse: www.espacodoconhecimento.org.br ou ligue (31) 3409-8350.


Eu indico

♫ ♫

Ajude-nos a construir essa coluna do Boletim!

Este espaço é reservado para as suas opiniões de leitura. Gostou de um livro? Indique-o aqui para que outro usuário possa ter a mesma experiência literária! Não gostou? Pode dizer os motivos aqui também! Para participar basta depositar a sua opinião sobre o livro que leu na caixinha do CarroBiblioteca. Contamos com a sua participação!

Referências

A culpa é das estrelas

Ilustração Curupira: Lucas Hikaru (lucashikaru.com) Ilustração Saci: xGotikox (xgotikox.deviantart.com)

Gilmar Júnior, 10 anos

Sítio do Picapau Amarelo Nivia Izaura, 10 anos

Diário de um Banana

Informações sobre as lendas brasileiras disponíveis em: <http://www.qdivertido.com.br/verfolclore.php?codigo=24>, <http://www.sohistoria.com.br/lendasemitos/ linguas/>, <https://www.todamateria.com.br/lendas-dofolclore/> <http://www.kurupira.net/projetokurupira/foclore.php> Acesso em: 13 jul. 2016. Receita do pudim de leite condensado disponível em: <http://www.tudogostoso.com.br/receita/31593-pudim-de -leite-condensado.html>. Acesso em: 11 jul. 2016. Informações sobre o folclore disponíveis em: <http://www. suapesquisa.com/folclorebrasileiro/dia_folclore.htm> . Acesso em 15 jul. 2016. Informações sobre o curso de arquivologia disponíveis em: <http://www.cursoseeventos.ufmg.br/CAE/DetalharCae. aspx?CAE=7326>. Acesso em 15 jul. 2016.

Mariana Raissa e Daniel, 10 anos

Diário de um banana disponível no acervo do Carro-Biblioteca como: KINNEY, Jeff; SOARES, Antonio de Macedo. Diário de um banana: as memórias de Greg Heffley. Cotia (SP): V & R Editoras, c2008. 217 p. (Coleção diário de um banana ; 1) ISBN 9788576831303 (enc.).

A droga da obediência

Adryan Henrique, 10 anos

Você também pode enviar a sua sugestão pelo email: boletimbairroabairro@gmail.com

A culpa é das estrelas disponível no acervo do Carro-Biblioteca como: GREEN, John; PETTENGILL, Renata. A culpa é das estrelas. Rio de Janeiro: Intrinseca, 2012. 286 p. ISBN 9788580572261 (broch.). Sítio do Picapau Amarelo disponível no acervo do CarroBiblioteca como: AS MELHORES histórias em quadrinhos do Sítio do Picapau Amarelo: contos de fadas. São Paulo: Globo, 2008. 96 p. (HQs do Sítio do Picapau Amarelo) ISBN 9788525045621 (broch.). A droga da obediência disponível no acervo do CarroBiblioteca como: BANDEIRA, Pedro; QUEIRÓS, Bartolomeu Campos; GOMES, Hector; NADDEO, Alberto. A droga da obediência. 12.ed. São Paulo: Moderna, 1984. 136p. (Literatura em minha casa; Novela; v.3)). ISBN 8516032590 (Broch.).

Profile for Boletim Bairro a Bairro

Boletim Bairro a Bairro - ano 20 nº3 agosto 2016  

Agosto é o mês do folclore e o Boletim Bairro a Bairro deste mês traz várias curiosidades a respeito das lendas folclóricas que representam...

Boletim Bairro a Bairro - ano 20 nº3 agosto 2016  

Agosto é o mês do folclore e o Boletim Bairro a Bairro deste mês traz várias curiosidades a respeito das lendas folclóricas que representam...

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded