{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1

1


2 www.amoviseu.com

8 Envelhecer “O projeto Envelhecer nasceu, em 2017, em formato digital para satisfazer as necessidades crescentes de informação das pessoas com 50 e mais anos sobre áreas de interesse e atualidade como: saúde e bem-estar...”

14 Escola de Triatlo de Viseu “Em Setembro de 2018, fruto da vontade de triatletas apaixonados pela modalidade, surgia a Escola de Triatlo de Viseu com uma só missão...”

16 Confraria ‘Grão Vasco’ “A Confraria ‘Grão Vasco’, como é mais conhecida, promove e divulga os saberes e os sabores da região Beirã, nomeadamente as suas tradições e gastronomia...”.

24 MISS Queen Portugal 2020 “No grande dia da final Nacional do Miss Queen Portugal, foi uma mistura de sentimentos, pois sabia que estava tudo a terminar...”.

04- Direito de ser criança! 06- Importância do controlo postural 09- Alzheimer antes dos 30 10- GIRO HC 11- Diabetes e exercício físico 12- Remax 15- PADEL 18- Animais 20- Leituras 21- 21 Bridges: Crítica 23- Aromaterapia 24- Moda 26- Viseenses pelo mundo 28- Alice Piloto 30- Segurança 34- Na Cidade


3

Editorial Liberdade Ai que prazer Não cumprir um dever, Ter um livro para ler E não o fazer! Ler é maçada, Estudar é nada. O sol doira Sem literatura. O rio corre, bem ou mal, Sem edição original. E a brisa, essa, De tão naturalmente matinal, Como tem tempo não tem pressa... Livros são papéis pintados com tinta. Estudar é uma coisa em que está indistinta A distinção entre nada e coisa nenhuma. Quanto é melhor, quando há bruma, Esperar por D. Sebastião, Quer venha ou não! Grande é a poesia, a bondade e as danças... Mas o melhor do mundo são as crianças, Flores, música, o luar, e o sol, que peca Só quando, em vez de criar, seca. O mais do que isto É Jesus Cristo, Que não sabia nada de finanças Nem consta que tivesse biblioteca...

Fernando Pessoa

O inverno, estação do ano fria e sombria, que nos convida a eternas tardes e noites à lareira, ouvindo o crepitar da lenha, rodeados da família e amigos ou então só na solidão de quem lê um livro ou reflecte sobre a própria vida. O inverno eleva-nos o palato à mais “açucarada” doçaria conventual e não só, ou não fosse nessa estação do ano que por cá se comemora a época natalícia, tão dada a excessos de natureza gastronómica que perduram ano após ano no nosso imaginário colectivo sempre com um salivar acrescido pelos tempos que passaram e pelos tempos que estão para vir... No inverno, por cá, por Viseu, costuma fazer frio e chuva, mas só nas ruas que se “despem” mais cedo que o habitual como que dando corpo e voz a uma aceitação colectiva do frio que emana da terra e nos remete para o remanso do lar. Mas, o inverno, o do frio seco, não o molhado, convida a caminhadas matinais ou de início de tarde bem agasalhadas para retemperar e enrijecer os músculos como o faziam ou pelo menos diziam que faziam os nossos antepassados que do frio não tinham medo mas a ele respeitavam no aconchego do quente do lume aqui e ali conjugado com um trago de uma qualquer bebida quente que lhes enchia o peito tal como o faz nos dias de hoje quando o mesmo fazemos. O inverno, dos dias curtos e das noites longas, eleva-nos à memória um Viseu de outros tempos em que a neve fazia parte do cardápio invernoso que hoje em dia se encontra tão distante do que era muito por força, assim o dizem, das alterações climáticas a que o nosso Mundo está sujeito e para as quais o Homem, a sociedade, ainda parece meio adormecido. É hora de desejar a todos vós, leitores, parceiros e todos os que contribuem para que esta revista continue a chegar até si todas as estações do ano, festas felizes e um excelente ano de 2020. Até breve!

Rui Rodrigues dos Santos Viseu, Dezembro de 2019

AMOVISEU Nº9 . Inverno. 2019 DIRECÇÃO E EDIÇÃO Bruno Esteves | Nuno Peixoto DESIGN GRÁFICO Studiobox IMPRESSÃO Tipografia Beira Alta O novo acordo ortográfico não foi usado em todos os artigos. A sua utilização ficou ao critério dos autores que redigiram os textos.

ADMINISTRAÇÃO | PROPRIEDADE Studiobox - Publicidade e Gestão de Meios, Unipessoal, Lda., Rua Alexandre Herculano, nº 291 R/C, 3510-038 Viseu DEPÓSITO LEGAL . 435657/17 CONTACTO PARA PUBLICIDADE eu@amoviseu.com | 232 435 131 | 962 161 728 | 968 405 494


4

Direito de ser criança!

Passados trinta anos sobre a convenção dos direitos da criança assinada a 20 de novembro de 1989, ratificada por Portugal em 1990, resta-nos refletir sobre os ganhos inequívocos para a criança, perspetivando áreas de intervenção onde possamos progredir enquanto sociedade numa perspetiva de garantia de equidade de direitos civis, culturais, sociais e políticos. Tendo como pilares fundamentais de uma sociedade a educação e a saúde, é importante que se assuma de uma forma séria e comprometida uma política de base para a família, para a educação e para a criança. Lidar com os novos desafios ideológicos e tecnológicos requer que se ajustem as equipas numa atitude multidisciplinar onde a criança e a família estejam impreterivelmente no centro, com o compromisso de estarmos a contribuir para uma sociedade mais igualitária. Assim, a educação e a saúde devem caminhar lado-a-lado, desconstruindo as desigualdades e reformulando a estrutura organizacional a que estamos habituados, talvez acomodados. Falemos de inclusão, de educação inclusiva e do paradigma da escola inclusiva consagrado pela declaração de Salamanca (UNESCO, 1994), invocando a necessidade de os estados criarem condições para que todos os alunos, independentemente da sua situação possam aprender juntos, partilhando os mesmos contextos educativos. Falemos sem medo do preconceito dos meninos “diferentes” sendo que, pensando bem são todos, porque nenhum é igual ao outro. Os contextos devem ser igualitários e únicos em função da individualidade de cada um, cada criança tem necessidades distintas e, portanto, deverá ser respeitada na sua diferença. Mais estigmatizadas são as situações das necessidades de educação e as necessidades de saúde diferenciadas. No que diz respeito às necessidades de saúde, pensemos em todas as crianças com doença que frequentam a escola e que tantas vezes são desrespeitados no seu direito à Não Discriminação, não sendo garantidas igualdades de direito em relação aos pares. São várias as situações de doença aguda ou crónica que levam a cabo comportamentos desadequados por parte dos pares e até dos profissionais, que agem muitas vezes por desconhecimento ou ingenuidade, comportamentos estes que não promovem o bem-estar da criança ou a sua recuperação, retar-

dando muitas vezes a adesão aos tratamentos. O estigma da doença mental persiste culminando muitas vezes em automutilação e suicídio, bem como o bullying e o cyberbullying, uma realidade que requer intervenção. Este trabalho pode e deve começar em casa, na família, ouvindo o seu filho, estando atento aos sinais, dedicando tempo de qualidade ao diálogo, à interação, à brincadeira. É muitas vezes na hora do conto, antes de adormecer que ele aborda estes assuntos, na segurança de casa. Enquanto pais temos a responsabilidade de estarmos atentos e de agir precocemente. Aumentar os níveis de literacia da comunidade educativa capacitando-a relativamente à criança com doença é da responsabilidade das equipas de saúde, em particular das equipas de saúde escolar, integradas nas Unidades de Cuidados na Comunidade (UCC), equipas que pertencem aos Agrupamentos de Centros de Saúde (ACeS), equipas estas que se têm destacado na implementação de programas de promoção de hábitos de vida saudáveis, promovendo a saúde e na efetivação de programas direcionados para a minimização do impacto da doença. A responsabilidade é de todos! Enquanto cidadãos devemos agir no sentido de promover o bem-estar, o crescimento e o desenvolvimento harmonioso da criança, contribuindo para uma sociedade mais justa e equilibrada, onde todos possam dar o seu contributo. Todas a crianças têm o direito irrevogável de serem felizes.

Marília Flora Enfermeira Especialista em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediatria UCC Viseense


5


6

SAÚDE

Importância do controlo postural na prevenção de quedas O fisioterapeuta é o profissional de saúde que analisa e avalia o movimento e postura, baseando-se na estrutura e função do corpo, utilizando modalidades educativas e terapêuticas específicas, com base essencialmente, no movimento, nas terapias manipulativas e em meios físicos e naturais, com a finalidade de promoção da saúde e prevenção da doença, da deficiência, da incapacidade, da inadaptação e de tratar, habilitar ou reabilitar indivíduos com disfunções de diversas naturezas. Como tal o fisioterapeuta tem capacidades para avaliar o risco de quedas nos indivíduos e prevenir o seu aparecimento. Com o consequente envelhecimento o nosso organismo torna-se cada vez mais vulnerável, devido à degradação lenta dos diversos sistemas como musculosquelético, cardiorrespiratório e neuromuscular. Estes problemas tornam-se visíveis pela perda progressiva de força muscular, equilíbrio, coordenação motora, propriocepção e controlo postural. Assim, perante a conjugação destas múltiplas alterações decorrentes do envelhecimento, a possibilidade de ocorrência de uma queda torna-se altamente provável Quais são os fatores de risco de quedas? As quedas resultam, essencialmente, das interações entre o Homem e o ambiente, existindo fatores de risco inerentes a cada um. Os fatores intrínsecos que estão relacionados com o Homem e os fatores extrínsecos que são as características do meio ambiente. Enquanto profissional na área, intervir nos fatores intrínsecos como forma de prevenção é uma solução viável para evitar quedas. Um dos componentes intrínsecos de principal relevância é o controlo postural. O que é o controlo postural? O conceito de controlo postural está definido como sendo a capacidade de controlar a posição do corpo no espaço com um propósito duplo de orientação e estabilidade, constituindo uma das condições indispensáveis para execução de muitas tarefas funcionais. O controlo postural permite realizar movimentos seletivos de modo a manter o centro de massa dentro da base de suporte e tem um papel muito importante na estabilidade proximal necessária para realização dos movimentos a um nível distal. Uma alteração do controlo postural promove perturbações do centro de massa para fora da base de suporte potenciando a ocorrência de quedas. Quais são as estratégias de ajustes posturais? A manutenção da postura, perante as perturbações, requer que o sistema nervoso central utilize principalmente dois tipos de estratégias de ajuste postural, os antecipatórios e os compensatórios. Os ajustes posturais antecipatórios (APA’s) estão associados à ativação dos músculos posturais antes que a perturbação ocorra e são desencadeados com a finalida-

de de minimizar os efeitos de uma perturbação prevista utilizando mecanismos de feedforward. Os APA’s permitem a coordenação entre a postura e o movimento, garantindo um estado de equilíbrio antecipando os desequilíbrios possíveis criados pelo movimento. Como intervir nos ajustes posturais antecipatórios? Os APA’s, são influenciados pela aprendizagem, pela experiência e por inputs sensoriais. Após uma alteração do sistema nervoso central, as respostas posturais surgem como resposta a um estímulo e não como antecipação, devido a falta de um apropriado mecanismo de feedfoward. Os problemas de controlo postural são comuns e resultam na dificuldade em recrutar atividade dos músculos posturais o que leva a uma dificuldade em manter a atividade antigravítica adequada para um movimento harmonioso. A fraqueza muscular e a alteração da informação aferente contribuem para a instabilidade postural, conduzindo ao aparecimento de estratégias de compensação ou fixação que impedem o desenvolvimento de movimentos adaptados e limitam a variabilidade de movimentos.

Dicas para melhorar a sua digestão As indisposições gástricas como o enfartamento, indigestão e azia são incómodos que ocorrem no tubo digestivo, causadas por refeições pesadas, ingestão de um determinado alimento, angústia, stress, entre outros fatores. Para evitar estes problemas é essencial escolher bem os alimentos, comer sem pressas, e adotar algumas atitudes, como as que se seguem. Antes de Comer: •

Adote uma postura direita, que evite a compressão do estômago. Mas, não coma de pé.

Procure usar roupa larga, que não aperte na cintura.

O ambiente deve ser relaxante, sem ruídos estridentes.

Esqueça-se dos problemas, durante a refeição.

Se possível, coma em boa companhia, para se sentir relaxado.

Durante a refeição: •

Leve o tempo necessário para comer. Uma refeição não deve durar menos de 20 minutos, nem mais de 40.

A refeição deve ser ligeira: evite as gorduras em excesso.

Mastigue lentamente cada pedaço: a digestão começa na boca.

Levante-se da mesa antes de ter a sensação de estar cheio.

Evite os alimentos de difícil digestão, embora este conceito seja algo vago, porque a tolerância depende de cada pessoa.

Qual o papel do fisioterapeuta? O fisioterapeuta tem um papel preponderante na alteração dos APA’s, encontrando estratégias apropriadas para potenciar os músculos antigravíticos, através de técnicas de ativação muscular, como fortalecimento muscular, extensão de tronco na posição de pé, treino em apoio unipodal com degrau, treino propriocetivo, cruzar a linha média, facilitar a dissociação de cintura, utilizar atividades funcionais (como subir e descer escadas, posição de gatas, sentar e levantar de uma cadeira) de forma a estabelecer objetivos reais para o indivíduo. A nível sensitivo é importante realizar técnicas de input sensorial, utilizando materiais de diversas texturas, pisos irregulares, atividades com os olhos fechados (eliminando o input visual), de forma a estimular as vias aferentes do sistema nervoso central. Conclusão O fisioterapeuta é o profissional de saúde mais adequado para melhorar as diversas componentes do controlo postural, de forma a prevenir as quedas e os desequilíbrios frequentes. Por isso em caso de dúvida aconselhe-se com o seu fisioterapeuta.

Carlos Beselga

Depois de comer: •

Depois de uma grande jantarada, é preferível dar um passeio a pé, em vez de ficar sentado no sofá, a ver televisão.

Quanto ao hábito de dormir a sesta, não convém fazê-lo logo após a refeição: é melhor esperar uns 15 minutos. Há quem, depois da sesta, desperte como novo, enquanto outros não conseguem evitar a sensação de peso. O mais sensato é fazer aquilo que o próprio corpo dita.

Adote estas atitudes no seu dia-a-dia e veja a sua indigestão a passar.

Andreia Gonçalves


7 Médicos indiferenciados, uma realidade sem fim à vista. Somos frequentemente bombardeados pelos mass media com notícias sobre a falta de médicos nos hospitais e centros de saúde em Portugal, que levam ao encerramento parcial ou total de serviços de urgência e maternidades, como aconteceu bem recentemente com o Serviço de Urgência de Pediatria do Hospital Garcia de Horta em Almada, que ainda aguarda a contratação de médicos especialistas para reabrir em Janeiro. Por outro lado, este ano cerca de 1100 médicos ficaram impossibilitados de prosseguir a sua formação médica especializada, por falta de vagas para realizar o internato de especialidade.

Afinal, há falta de médicos ou estamos a formar médicos a mais? Para melhor responder a esta questão vamos começar por perceber, qual o percurso que um jovem acabado de sair do ensino secundário tem que fazer para ser médico. Terminado o ensino secundário e tendo uma média que ainda lhe permita escolher uma vaga para ingressar no Mestrado Integrado em Medicina, o jovem, futuro médico, faz a sua formação ao longo de 6 anos, numa das faculdades médicas do nosso país. No final desses 6 longos anos, o jovem é médico, não especialista, não autónomo e com muito pouca experiência clínica. Para prosseguir a sua formação com vista a obter o grau de médico especialista, o agora médico, necessita de realizar a Prova Nacional de Acesso à Formação Especializada (PNAFE), antigamente conhecida como o temido “Harrison”. Este exame, para o qual terá que estudar de forma intensiva durante cerca de um ano, conta atualmente com 150 perguntas, sendo que o número de respostas certas irá definir a sua nota e consequentemente a sua ordem de escolha na lista de todos os candidatos à formação especializada.

acabe o curso e não entre numa especialidade, não fica “médico de medicina geral e familiar”, pois a Medicina Geral e Familiar é também ela uma especialidade para a qual é preciso ter vaga para ingressar).

O que são e o que fazem estes indiferenciados? São médicos autónomos, não especialistas, com muito pouca experiência clínica, com condições precárias de trabalho e que são contratados como prestadores de serviços, pagos à hora, através de empresas de trabalho temporário, para assegurar urgências e serviços onde faltem médicos. Muitas vezes são colocados em zonas distantes, sozinhos, onde têm que tomar decisões importantes sem a experiência necessária para as tomar e sem a oportunidade de as discutir com colegas mais velhos e experientes. Basicamente, substitui-se o trabalho de um médico especialista pela mão de obra mais barata de um médico indiferenciado, quase sem experiência, sendo muitas vezes os médicos indiferenciados a assegurar a uma grande parte do serviço de urgência de alguns hospitais do nosso país ou de centros de saúde em zonas isoladas. Um risco para os doentes, um risco para os médicos e a contribuição para o aumento da degradação do Serviço Nacional de Saúde (SNS). Começaram por ser 114 os médicos indiferenciados em 2015 e os números foram crescendo de forma exponencial, atingido neste ano de 2019 a marca dos 1100 médicos indiferenciados. Estima-se que em 2021 possam ser mais de 4000.

Após esse exame, o médico passa por um ano de formação geral em que passa por várias especialidades médicas e cirúrgicas sendo autónomo apenas no final desse ano. Ainda no fim desse ano escolhe então a especialidade em que pretende ingressar para realizar o internato de formação especializada que irá durar mais 4, 5 ou 6 anos (dependendo das especialidades).

Para deixar de ser indiferenciados, estes médicos podem repetir o exame (PNAFE), tentando obter uma nota suficiente para ficar numa posição que permita a escolha de uma especialidade. Desta forma estão a concorrer com os colegas do ano seguinte ao seu por uma mesma vaga de especialidade, o que leva a que o número de médicos indiferenciados continue a aumentar de ano para ano. Por outro lado, podem sair do país e tentar ingressar numa especialidade médica no estrangeiro, desperdiçando assim todo o investimento do estado português na sua formação, que não é desta forma aproveitada para colmatar a falta de médicos especialistas por todo o país. Os 1100 médicos que este ano não conseguiram aceder a uma especialidade poderiam perfeitamente fazer parte da solução dos problemas que o SNS enfrenta hoje em dia.

O grande problema atual da formação médica em Portugal e motivo da luta dos estudantes de medicina nos últimos anos, surge neste ponto. Desde 2015 que o número de candidatos a vagas de especialidade é superior ao número de vagas. Ou seja, nem todos os médicos conseguem ter uma vaga para ingressar numa especialidade, ficando classificados como médicos indiferenciados (ao contrário do que uma grande parte da população pensa, um médico que

Foram vários os fatores que nos encaminharam à situação em que nos encontramos hoje. Desde há quase duas décadas que a gestão e planeamento da saúde em Portugal foi sendo feita de forma ineficiente no que toca ao planeamento da necessidade de médicos em Portugal. A falta de médicos especialistas nalgumas zonas levou a um aumento desmedido do numerus clausus (o número de vagas para entrar no curso) o que fez com que, nesta altura, exista um número de

estudantes e um rácio aluno-tutor muito superior ao recomendado. Fazendo uma analogia, é como se tivéssemos um recipiente já a transbordar de água, e a ser continuamente enchido por uma torneira. Em vez de fecharmos a torneira para tentar escoar primeiro a água que temos, continuamos a manter a torneira aberta, contribuindo ainda mais para o transbordar do recipiente. O que acontece atualmente na formação médica, é que estamos a desperdiçar jovens médicos por não ter capacidade de os “escoar” para a formação especializada. Com a degradação das condições do SNS e a aposta por parte de hospitais privados oferecendo melhores condições de trabalho, muitos dos médicos especialistas abandonaram o SNS, levando ao adensamento do problema da formação especializada. Em resposta à pergunta inicial sobre se há falta de médicos ou se estamos a formar médicos a mais, a resposta parece-me então clara: temos falta de médicos especialistas, mas não temos falta de médicos. São precisos médicos especialistas para formar estes médicos em médicos especialistas, pois são estes que estão essencialmente em falta no SNS. Havendo menos médicos especialistas, há menos tutores capazes de formar mais especialistas, aumentado ainda mais o número de médicos indiferenciados. Este efeito bola de neve aumenta ainda mais a degradação do SNS. A solução não passa pelo aumentar do número de vagas de entrada na faculdade. Médicos nós já temos a mais, estando inclusivamente a perdê-los para o estrangeiro. Pelo contrário necessitamos de diminuir o número de vagas de entrada na faculdade, tentando desta forma diminuir o número de médicos indiferenciados. Mas tão ou mais importante que isso, é a necessidade de aumento do investimento em saúde, reorganizando o SNS e redefinindo as prioridades de investimento, criando melhores condições, para que mais médicos sintam vontade de ficar no SNS, ajudando-o a crescer, a formar mais médicos especialistas, que por sua vez ficarão e formarão mais médicos especialistas. Uma bola de neve desta vez no sentido positivo. Nós, estudantes e jovens médicos, mantemos a esperança num SNS melhor, onde não existam médicos indiferenciados nem escassez de recursos humanos ou materiais. Queremos fazer parte da solução dos problemas! Dr. Fábio Abreu Médico interno de Formação Geral Centro Hospitalar do Baixo Vouga, Aveiro


8 “ENVELHECER É ARTE, SORTE E GRAÇA”

“Zé dos Rios”, com 81 anos, improvisou, cantou e explicou - “Envelhecer é arte, sorte e graça” - na apresentação do projeto Envelhecer, no Museu Nacional Grão Vasco. O José de Oliveira Luiz é Poeta, Ator, Escritor e Especialista em Atividades Inespecíficas e é um exemplo vivo do objetivo central do projeto Envelhecer: contribuir para que as pessoas adotem um estilo de vida promotor da longevidade, da saúde e da felicidade. Um enorme bem-haja Zé dos Rios por nos desvendar o segredo da sua longevidade: “andar e conversar”.

O projeto Envelhecer nasceu, em 2017, em formato digital (https://envelhecer.pt/) para satisfazer as necessidades crescentes de informação das pessoas com 50 e mais anos sobre áreas de interesse e atualidade como: saúde e bem-estar, cultura, nutrição, economia, política, lazer, turismo e viagens, tecnologia, moda… Temos presença digital- no Site; no Facebook; no Instagram; Linkedin e Youtube – e participamos em Seminários, Conferências, Workshops relacionados com o envelhecimento e a nova longevidade.

O sonho foi, desde a primeira publicação online, oferecer aos nossos leitores um produto informativo, formativo e cultural que lhe permita fruir de uma leitura tranquila e concentrada, através do toque, do som e do aroma do virar de cada página. Conscientes da inevitabilidade e das mais-valias da leitura nos ecrãs, acreditamos nesta nossa aposta complementar.  O sonho foi concretizado com o lançamento, em outubro, do primeiro número da Revista Envelhecer em suporte de papel, no âmbito do 1º Torneio VIRIATVS MONTEBELO GOLF, no dia 12 de outubro de 2019. Estamos muito gratos a todos os parceiros e colaboradores. Sentimos um enorme orgulho no editorial que o senhor Presidente da República, generosamente, escreveu do qual transcrevo o último parágrafo:

“Os avanços científicos e tecnológicos colocam-nos perante a certeza de que, mesmo não conseguindo vencer a nossa finitude terrena, vivermos cada vez e, provavelmente, cada vez melhor. E esse facto está já a evolucionar as sociedades humanas. Questioná-lo, analisando-o e perspetivando-o à luz dos valores que nos são próprios e devem permanecer imutáveis é um desafio para todos, desse e deste lado das páginas da revista”.


9 A Revista Envelhecer procura, a cada edição, contribuir para a Nova Longevidade, tal como a define o nosso colaborador Diego Bernardini, autor do livro La Segunda Mitad: Los 50 + - Vivir la Nueva Longevidad:

“A nova longevidade não é viver mais, mas melhor, de modo diferente, plenos, participativos e integrados. E isso depende dos hábitos, dos projetos e da própria atitude.” «ADAPTAÇÃO» poderá ser o cerne do envelhecimento positivo e da nova longevidade, se atendermos às experiências relatadas pelo mítico artista Iggy Pop (ICONE, EL PÁIS, N.º 68, outubro de 2019) e pelo conceituado estilista português Luís Buchinho (ENVELHECER, N.º 2, dezembro de 2019). O ADN do nosso projeto tem três unidades centrais:

COMUNIDADE + LONGEVIDADE + SUSTENTABILIDADE É com base nesta premissa que nasce a linha de cosméticos naturais do projeto Envelhecer. Uma pareceria feliz com a empresa Amor Luso e a artista plástica e ilustradora Inês Flor, também autora do logótipo:

“A Dendrocronologia é um método científico de estabelecer a idade das árvores, baseando-se nos padrões dos anéis dos seus troncos. Este método serviu de inspiração para a elaboração do logótipo ENVELHECER, assim como a silhueta do perfil humano, sendo o principal elemento do assunto que trata. As árvores sempre simbolizaram para mim, sabedoria e longevidade, pois elas seriam eternas se não estivessem à mercê de forças externas como o clima e a ação humana. A árvore mais antiga do mundo, Pinus longaeva, tem aproximadamente 5 mil anos de idade. Sabedoria e longevidade também podem caracterizar o envelhecimento humano, se este for vivido de forma saudável e ativa, e é o que a revista Envelhecer tem a intensão de valorizar e promover.” Já está disponível o 1.º produto – Sabonete «Vinha» - ZERO DESPERDÍCIO | SUSTENTÁVEL | VEGAN | ARTESANAL. O segundo número da Revista Envelhecer será lançado em dezembro, foi elaborado com uma enorme dedicação de uma equipa que quer, a cada edição, fazer mais e melhor em prol da nossa razão de ser, o público leitor.

ALZHEIMER ANTES DOS 30 ANOS Os casos de diagnóstico de Alzheimer antes dos 30 anos são extraordinariamente raros, mas existem. Quando há um diagnóstico de Alzheimer precoce, a progressão da neurodegeneração é ainda mais agressiva porque as proteínas se acumulam mais rapidamente no cérebro dos jovens diz-nos a especialista Sánchez Del Valle, em entrevista ao diário espanhol El Mundo. Na sua edição de 03 de setembro de 2019, a jornalista Laura Tardón conta-nos o caso de Ana que desde os 20 anos suspeitava que tinha Alzheimer genético. Os médicos não consideravam possível.... Infelizmente, o seu caso foi confirmado e publicado na revista científica Journal of Alzheimer´s Disease, provavelmente por ser o caso mais precoce detetado até à data. Aproximadamente 1% dos casos de pessoas com doença de Alzheimer apresentam sintomas antes dos 60 anos. Como explica Sánchez, quando há mutação de determinados genes, do pai ou da mãe, as possibilidades de desenvolver a doença são de praticamente 100%. Este caso, ainda que raro, relatado no mês mundial da doença de Alzheimer chama a atenção para a urgência da adoção de políticas que apostem na prevenção e promoção da saúde, no diagnóstico precoce e no reforço de tratamentos adequados. Não há cura para a doença de Alzheimer, mas podemos cuidar mais e melhor, melhorando os serviços de apoio social e de saúde e apoiando, como merecem e necessitam, os cuidadores informais. Continuamos sem respostas específicas que garantam os necessários recursos a estas famílias. A comunidade merece obter respostas a algumas questões: •

José Carreira

Um ano após a aprovação da Estratégia Nacional da Saúde para a Demência (que aplaudimos) o que foi efetivado?

Quando serão implementados os projetos piloto (que aplaudimos) anunciados pela Segurança Social?

Quando serão executadas as medidas plasmadas no recentemente aprovado Estatuto do Cuidador Informal (que aplaudimos)?

ALGUNS DADOS RELEVANTES: •

No mundo há um novo caso de demência a cada três segundos.

Há 50 milhões de pessoas no mundo que vivem com demência.

Estes números triplicarão até 2050 atingindo152 milhões de pessoas.

Custo estimado da demência em 2019 - 1 bilião de dólares.

Custo estimado da demência em 2030 - 2 biliões de dólares.

Os cuidados informais corresponderão a 72 milhões de horas.

71% das horas de cuidado informal são realizadas por mulheres.

Nos Estados Unidos a demência mata mais do que o cancro da próstata e da mama juntos.

A demência é a principal causa de morte em Inglaterra e no País de Gales.

Em ano de eleições legislativas ajude a amplificar a mensagem da Campanha #ALZHEIMER6OUT2019. Partilhe a mensagem com os seus amigos: Solicitamos aos partidos políticos, que concorrem às eleições legislativas no dia 06 de outubro de 2019, um compromisso público com a luta contra a doença de Alzheimer e outras demências. #ALZHEIMER6OUT2019. José Carreira


10

GIRO HC A “Giro Hc - Associação de Pessoas com Diabetes do Distrito de Viseu” distinguiu, em dezembro, dois dos seus parceiros, atribuindo às empresas Moloni e Medical Plus o  «Galardão Parceiro do Ano», com o patrocínio da Liberty Seguros.  A formalização desta distinção, pelo apoio prestado e cooperação estabelecida com a associação ocorreu nas instalações de cada uma das empresas. Ruben Costa, CEO e cofundador da Moloni e João Vaz, fundador  e sócio-gerente da Medical Plus, receberam os respetivos Galardões das mãos do presidente da Direção da associação, Quental Nunes. A Moloni identificou a importância do impacto social que pode gerar nas comunidades onde tem implementação física e assume um esforço de gestão significativo ao apoiar instituições direcionadas para causas sociais como a Giro Hc.   Criada em 2012, a Moloni desenvolve e fornece um software de faturação e gestão comercial desmaterializado, disponível online em “www.moloni.pt”  e tem apresentado um crescimento sustentado, tornando-se uma referência no mercado nacional. De modo a combater o sedentarismo dos seus recursos humanos, esta empresa promove, junto dos colaboradores, condições de vida ativa e prática de desporto, mantendo uma equipa de running, a “Moloni Running Team”, que marca presença nos principais eventos do calendário de “Trail” nacional. Sediada em Viseu e com novas instalações junto à porta norte do shopping Palácio do Gelo, a Medical Plus dedica-se, desde 2003, à comercialização de produtos médicos e hospitalares, primando por uma estrutura de atendimento ao público e assistência especializadas e pela forte aposta na inovação e diversificação dos serviços e produtos que comercializa, patentes no seu website www.medicalplus.pt. A Medical Plus dedica-se a diversas áreas dentro do universo da saúde e promoção da qualidade de vida, reflexo da sua ampla experiência e conhecimentos em posicionamento, sedestação e em material de prevenção de escaras. Desde 2010 que a Medical Plus tem também aberto ao público um laboratório de ortoprotesia especializado na produção de ortóteses plantares, ortóteses para tronco e membros, ortótese craneal para plagiocefalia e próteses para membro superior e inferior.   Estas duas empresas são um exemplo de boas práticas no âmbito da política de Responsabilidade Social Empresarial, na comunidade onde se inserem.

www.girohc.pt

Quental Nunes


11

Diabetes e exercício físico A Diabetes é uma doença caracterizada pelo aumento dos níveis de açúcar no sangue. Nas pessoas com diabetes tipo 1, o pâncreas deixa de produzir insulina, a hormona responsável pelo transporte dos açúcares que estão no sangue para dentro das células. Nas pessoas com diabetes tipo 2, o pâncreas produz uma quantidade insuficiente de insulina e as células são resistentes a esta hormona.

Caso a diabetes não seja controlada, as consequências para a pessoa podem ser devastadoras, com problemas microvasculares (por exemplo: retinopatia), macrovasculares (por exemplo: acidentes vasculares cerebrais [AVCs]) e conjugação de problemas micro, macro e neurovasculares (por exemplo: pé diabético). Independentemente do tipo de diabetes, a atividade física estruturada realizada com o objetivo de aumentar a aptidão física (exercício físico) é essencial para a melhoria dos níveis de açúcar no sangue. O problema é que a maior parte das pessoas com diabetes não pratica exercício físico. Uma vez que cerca de 90% das pessoas com diabetes têm diabetes tipo 2, irei centrar-me nas recomendações internacionais de exercício físico para o controlo deste tipo de diabetes. O exercício físico aumenta a captação de glicose por parte dos músculos ativos, contrariando a resistência à insulina característica destes indivíduos. Consequentemente há uma melhoria do controlo glicémico e uma diminuição do risco cardiovascular e da mortalidade. A dose aconselhada é de 150 minutos de exercício aeróbio de intensidade moderada a vigorosa

(mínimo 3 dias por semana) e exercícios de força para os principais grupos musculares (distribuídos por pelo menos 2 dias por semana). Há também a recomendação para que indivíduos com diabetes tipo 2 realizem exercícios de flexibilidade como complemento do exercício aeróbio e de força. Os programas comunitários de exercício físico são uma ótima solução para que estas pessoas possam praticar exercício de forma segura e eficaz. Além disso, há a possibilidade dos profissionais que estão a supervisionar as sessões adaptem os exercícios às capacidades de cada indivíduo.

Para além da prática de exercício físico, é igualmente importante: •

diminuir o tempo que as pessoas com diabetes passam sentadas. A cada 30 minutos que a pessoa passe sentada, esta deve levantar-se e fazer algum movimento para que assim os efeitos nefastos do sentar não sejam tão notórios.

as atividades da vida diária permitam que a pessoa seja o mais ativa possível.

Carlos Vasconcelos Prof. Doutor, docente ESEV, IPV Sócio da www.girohc.pt


12

... a agência RE/MAX mais antiga do distrito de Viseu

Podemos dizer, com toda a convicção, que a Re/Max veio alterar por completo o paradigma da mediação imobiliária em Portugal.

A Re/Max Dinâmica abriu as suas portas no ano de 2006, sendo neste momento a agência Re/Max mais antiga do distrito de Viseu. O início deste percurso de 14 anos foi marcado pelas dificuldades normais associadas ao arranque de qualquer negócio próprio e pelo pouco conhecimento que o balão, hoje uma referência mundial, granjeava junto do cidadão comum. Uma época em que quase não se ouvia falar em contratos de mediação imobiliária e muito menos em exclusividade, hoje em dia condição basilar de um serviço efetivamente profissional, quer ao proprietário quer ao comprador, bem como o garante dos resultados que tornaram a Re/Max a rede nº1 a nível nacional e mundial. Podemos dizer, com toda a convicção, que a Re/Max veio alterar por completo o paradigma da mediação imobiliária em Portugal.

Os primeiros 6 anos de atividade foram pautados por alguma irregularidade, contudo, desde 2012 que a Re/Max Dinâmica se encontra numa curva de constante e franco crescimento, sendo que este crescimento assentou fundamentalmente em pilares como o profissionalismo, rigor, exigência, método e sobretudo serviço ao cliente. Naturalmente que este crescimento em Volume de Negócios foi acompanhado por um crescimento do seu espaço físico e da sua estrutura, sendo neste momento constituída por 41 profissionais (diretor de agência, coordenadora, gestora de acompanhamento, gestora de crédito, recrutadora, responsável de marketing e 35 consultores), assumindo-se como a maior equipa imobiliária do distrito de Viseu e a agência nº1 em Volume de Negócios.


13

Uma equipa heterogénea em idade, formação e experiência profissional. Uma empresa que hoje, mais do que uma simples agência imobiliária, se tornou num negócio de sucesso, criador de emprego e gerador de mudança na vida das pessoas que nela trabalham diariamente. Como projeto para o futuro a Re/Max Dinâmica aposta na contínua liderança do mercado imobiliário da região, alicerçado num reforço da sua estrutura e na melhoria das suas instalações (ampliação e remodelação), sempre com o objetivo de melhor servir os seus colaboradores e os seus clientes. A experiência que se cria em quem nesta casa trabalha e em quem recorre aos nossos serviços tem de ser uma experiência gratificante e que fique na memória pelas melhores razões e esses será sempre o nosso mote!


14 Escola de Triatlo de Viseu: três desportos num só!

Em Setembro de 2018, fruto da vontade de triatletas apaixonados pela modalidade, surgia a Escola de Triatlo de Viseu com uma só missão: transmitir os Valores do Triatlo aos mais jovens. De facto, a resiliência e a superação pessoal, a diversidade e a polivalência, a competitividade e o fairplay norteiam todo o trabalho que é desenvolvido pelo grupo.

de alunos (com idades entre os 7 e os 15 anos) reúnem-se para aprofundar os seus conhecimentos e as suas capacidades num desporto completo que combina a natação, o ciclismo e a corrida. O Parque Desportivo do Fontelo é a casa-mãe dos treinos (a Natação decorre nas Piscinas Municipais do Fontelo, o Ciclismo na Mata do Fontelo e a Corrida na Pista de Atletismo do Estádio do Fontelo).

Esta Escola é um dos projectos desportivos da Associação Os Infantes de Viseu, também responsável pelo Clube de Triatlo de Viseu.

A época de 2019, a primeira deste projecto, foi bastante rica. Foram vários os atletas que foram ingressando na Escola e muitas as actividades que se realizaram, incluindo 8 provas/competições. As cidades de Vila Nova de Cerveira, Paredes, Vila Real, Oliveira do Hospital, S. João da Madeira, S. Maria da Feira e Póvoa de Lanhoso viram os nossos atletas nadar, pedalar e correr. Viseu, contudo, marcará para sempre estes alunos. A sua primeira prova de Triatlo realizou-se em Maio, na nossa cidade. O Pavia baptizou-os!

Na Escola promove-se a aptidão física, associada à saúde e à performance, o fairplay, o respeito pelas regras e pelos outros, a amizade, a entreajuda e a responsabilidade. As etapas de desenvolvimento biológico e pedagógico do treino são respeitadas pela equipa técnica (constituída por Professores de Educação Física e Triatletas com formação especializada em Triatlo e Natação), promovendo o correcto crescimento e evitando a especialização precoce. A literacia desportiva, o civismo, a ética e a capacidade de manter na vida adulta os hábitos desportivos, seja de competição ou de lazer, é igualmente uma preocupação. Este projecto sem fins lucrativos tem o apoio da Divisão de Desporto e Juventude do Município de Viseu e segue as orientações das melhores práticas da Federação de Triatlo de Portugal. Às terças e aos sábados cerca de uma dúzia

A Associação Os Infantes de Viseu, responsável por este projecto, tem vindo a dinamizar bastantes actividades de Triatlo na nossa cidade. Em Maio, conforme já referimos, realizou-se o Triatlo Jovem de Viseu que trouxe à nossa cidade mais de uma dezena de jovens triatletas que deram uma nova utilização às águas do Pavia e às suas margens. Já em Janeiro tinha organizado o Forlife Triexperience – o primeiro triatlo indoor de Viseu – que permitiu que algumas dezenas de atletas se desafiassem neste desporto e, sendo um evento 100% solidário, todo o valor angariado foi para apoiar o Centro Apoio Alzheimer VISEU.

Em Setembro, num evento igualmente dinâmico, mas realizado fora de portas, a zona que lhe deu o nome recebeu o Mini Triatlo do Fontelo onde algumas dezenas de atletas, maioritariamente jovens, realizarem o seu primeiro Triatlo. A natação, realizada na piscina, foi a grande atracção mas o ciclismo e a corrida, realizados na zona envolvente, permitiram igualmente momentos de grande espectáculo. As provas (que podem ser de Aquatlo: natação e corrida; Duatlo: ciclismo e corrida ou Triatlo: natação, ciclismo e corrida) têm sempre distâncias variadas e ajustadas para cada escalão etário, permitindo que os alunos vão pondo em prática os seus conhecimentos e capacidades. Sendo um projecto recente e ambicioso há ainda muito por fazer, mas, nesta época de 2020 o foco da Escola é a sua consolidação. Várias serão as melhorias implementadas e está já prevista a realização de um estágio na época da Páscoa. Por isso, se tens entre os 7 e os 15 anos, sabes nadar e gostas de desafios, vem experimentar o Triatlo. Que a época de 2020 seja um sucesso! A Direcção, Escola de Triatlo de Viseu fb.com/escolatriatloviseu


DESPORTO

PADEL

15

YOGA - Postura do Gafanhoto SHALABHASANA Como qualquer outra postura do yoga, deve ser praticada com instrução apropriada, pois o facto de uma postura trazer inúmeros benefícios não significa que ela é ideal para o seu corpo e para seu momento. Principais benefícios:

O padel é uma modalidade relativamente recente em Portugal e que tem vindo a atrair cada vez mais praticantes. Segundo dados da Federação Portuguesa de Padel existem já cerca de 100 mil jogadores havendo um equilíbrio muito grande entre homens e mulheres. Este crescimento deve-se sobretudo à facilidade com que alguém, mesmo que nunca tenha jogado desportos de raquete, consegue começar a bater umas bolas, perceber a dinâmica e sentir a evolução após três ou quatro experiências de jogo. Acresce também o facto de este desporto ter uma componente social muito forte já que implica a presença de duas duplas em simultâneo no campo. Além disso, a organização de eventos e a disputa de torneios promovem o espírito competitivo e o fair-play, sendo que no final se criam novas amizades. Os benefícios da prática desta atividade abrangem também a parte física pois fomenta a perda de peso, a tonificação muscular, a eliminação do stress e a melhoria da coordenação motora visto que o jogo requer destreza na combinação de movimentos. O Padel Viseu localiza-se num pavilhão desportivo situado na Urbanização Vilabeira, em Repeses, e tem 2 campos de padel, balneários, estacionamento gratuito e zona de convívio. O Padel Viseu disponibiliza um leque variado de serviços que se dividem aulas, clínicas de iniciação ou aperfeiçoamento, open days, festas de aniversário, eventos de promoção de marcas e torneios. O Padel Viseu oferece ainda a todos os estreantes a oportunidade de experimentar gratuitamente a modalidade tendo direito a uma aula, de cerca de 30 minutos, com um dos seus treinadores. André Campos

Relaxa a coluna vertebral, aliviando a dor nas costas, ciática, hérnia de disco (quando não em estágio avançado).

Shalabhasana é uma postura de yoga tradicional muito importante – (conhecida como a Postura do Gafanhoto).

Tonifica o nervo ciático.

Fortalece da região lombar, os órgãos da pelve e dos glúteos.

Fortalece os músculos do abdómen e braços.

Shalabhasana, é uma asana do hatha yoga tradicional original da Índia. Sem distorções, para um resultado mais amplo, profundo e seguro.

Tonifica e regula o funcionamento dos órgãos intra-abdominais, especialmente no fígado, rins, estômago, intestinos e pâncreas.

Abre o tórax, energizando e tonificando a caixa torácica.

Melhora a força e a sensação de assertividade e segurança.

Alivia a ansiedade.

Com a orientação adequada para a prática desta postura, desenvolve aos poucos a perfeição desta, atingindo os seus variados e preciosos benefícios testados há séculos, numa sensação de harmonia e ao mesmo tempo desenvolvendo força, tônus muscular e flexibilidade. A Postura do Gafanhoto, estimula todo o sistema nervoso autónomo, especialmente o parassimpático. Aviva os nervos particularmente proeminentes desde a região do pescoço à pélvis, ativando o 2º e 3º chacras na área pélvica e abdominal. Esta postura assim fortalece a área lombar e órgãos pélvicos, e tonifica os nervos ciáticos. Equilibra também as funções do fígado e outros órgãos abdominais. Sendo uma postura de nível médio, é apropriado começar a prática com uma variante mais simples chamada Ardha Shalabhasana, ou então Metade de Gafanhoto, podendo levantar uma perna lentamente, mantendo alguns segundos a respirar normalmente, para se ir adaptando à postura, retirando de todo o percurso os benefícios que esta vai promovendo.

Contra-indicações: •

Evitar nas desordens pépticas de úlcera e hérnia ou problemas nos discos intervertebrais.

Não é recomendado em casos de hipertensão.

Evitar para quem sofre de dores de cabeça regulares.

Não é recomendada para gestantes.

Seja feliz.

Carolina Saha Galeria 21 Rua Ponte de Pau, 21 (Atrás do Forum, Rua do Funicular)


16 A Confraria ‘Grão Vasco’ e a Diáspora Portuguesa

A palavra Confraria vem desde a Idade Média e resulta da junção dos termos em latim “com”, que quer dizer “junto”, mais “frater”, que quer dizer “irmão”. O termo pode ser definido como Irmandade, uma associação de pessoas ligadas por um interesse ou característica comum, podendo, inclusive, ser uma associação de indivíduos que exercem a mesma profissão. O seu papel, à época, revestia-se de grande importância, nomeadamente na prestação de apoios sociais, na interajuda e partilha na assistência em caso de doença, pobreza e velhice. Hoje, algumas das nossas confrarias assentam também parte da sua ação no apoio aos mais necessitados e em causas solidárias. A Confraria de Saberes e Sabores da Beira ‘Grão Vasco’ promove, desde a sua fundação a 19 de Abril de 2002, essa partilha e solidariedade por altura do Natal, com a colaboração de muitos dos nossos Confrades. A Confraria ‘Grão Vasco’, como é mais conhecida, promove e divulga os saberes e os sabores da região Beirã, nomeadamente as suas tradições e gastronomia, com a realização de inúmeras iniciativas, mas também em diversas publicações, assinadas por figuras ilustres de Viseu e da região, nas áreas do património e da gastronomia.

Suíça, em Zurique (45) e Montreux (30), entre Confrades, Comendadores e instituições de revelo. Nesta área da Internacionalização, temos tido diversos convites para criação de novas confrarias irmãs noutros países, nomeadamente Estados Unidos, Venezuela e Argentina. A Confraria de Saberes e Sabores da Beira ‘Grão Vasco’ é membro fundador e detém a presidência da Assembleia Geral da Federação das Associações da Diáspora, com sede em Viseu. É de realçar o trabalho desenvolvido por estas confrarias Irmãs, com diversas Entronizações, semanas culturais, festival do Caldo, participação activa no dia de Portugal, entre outras, mantendo viva a Nossa Cultura e as Nossas Tradições, elevando bem alto o Orgulho de Ser Português. Neste quadro, temos recebido convites de diversos Clubes ou Associações portuguesas espalhadas pelo mundo e recebemos na nossa cidade, para além de ilustres membros de Associações e Clubes da Diáspora Portuguesa, personalidades de diversos Países. O estreitar de relações com os nossos irmãos residentes fora de Portugal é algo que nos distingue e nos enche a alma.

Para além dessas publicações, temos promovido diversos Capítulos de Entronização e Capítulos Temáticos, aproveitando esses eventos para apresentação de temas relevantes, com a participação de membros da nossa Confraria, mas também inúmeras personalidades nacionais e internacionais convidadas.

O desígnio assumido pela Confraria Grão Vasco, de promover e divulgar a cultura Beirã nas suas mais diferentes áreas, também na parte musical, com a Nossa Tuna Sabores da Música, tem vindo a dar os seus frutos, mas queremos mais. Pensamos que a Diáspora Portuguesa merece mais e da nossa parte faremos muito do nosso esforço para atingir tal objectivo.

Nos últimos anos temos promovido uma forte ligação à nossa diáspora, com a realização de diversas iniciativas e cursos para Dirigentes Associativos da Diáspora, mas também com a criação de Confrarias Irmãs, no Rio de Janeiro, (com 150 membros); em Manaus, no norte do Brasil (60); em Toronto, na Casa das Beiras (50), mas também na

José Ernesto da Silva (Almoxarife da Confraria de Saberes e Sabores da Beira ‘Grão Vasco’)


OPINIÃO

Quem é a viseense Vanda Rodrigues? São pequenos gestos que a Vanda faz questão de levar a cabo para que de alguma forma possa melhorar a vida de quem por vezes sofre. Mas, porque se sente feliz assim. Gosta de dar um pouco mais de si aos outros. Estas e outras ações podem parecer pequenas, mas têm um grande impacto na vida de quem delas beneficia fazendo o projeto Viseu Social andar para a frente, sem apoios financeiros ou outros de nenhuma entidade, e enchem a sua mentora de orgulho.

É certo que para muitos este nome não é reconhecido à primeira vista e pode até não lhes dizer nada. Contudo, esta jovem de 34 anos é uma cidadã que tenta estar envolvida o mais possível na vida da cidade e transformar a vida daqueles que se cruzam com ela. Viseense de gema, educadora social de profissão, Vanda Rodrigues gere sozinha e sem quais apoios financeiros o projeto Viseu Social. É com este projeto que leva um pouco de calor e sorrisos aos que mais precisam. Vanda Rodrigues pede aos amigos e familiares que em vez de prendas no natal lhe ofereçam bens alimentares para que possa constituir alguns cabazes e oferecer a famílias carenciadas.

E já assim é desde 2013. Na véspera de natal faz questão de ir entregar estes bens alimentares a quem mais precisa. Por teimosia e por acreditar que pode marcar a diferença, através de parceria que estabelece, gosta de presentear, simbolicamente, crianças institucionalizadas. E é no natal, que também, faz esta distribuição. Esta educadora social recebe inúmeros pedidos na sua página e já não é primeira vez que ao fim-de-semana ou de noite recolhe alguns bens (roupas, brinquedos, produtos de higiene pessoal) e sai, pelos seus próprios meios, para acudir a quem chamou por ela. Já o fez com várias famílias, com filhos bebés, não só na cidade, mas também do distrito, que estavam mesmo necessitadas.

Vanda Rodrigues é, ainda, uma acérrima defensora de outras causas nomeadamente ligadas à questão da defesa dos direitos laborais das mulheres e das mães que a levou a criar um projeto totalmente inovador na cidade de Viseu que promove e apoia mães lactantes e famílias que se vejam envolvidas no processo de amamentação de um bebé. Estes pequenos gestos valeram a esta viseense o reconhecimento da Nobre Casa da Cidadania que lhe atribuiu em 2018 o prémio de cidadã nobre e em 2019 foi reconhecida com prémio Anim´arte Voluntariado. Mas, quem a conhece sabe que não são os prémios o que a fazem mais feliz e sim poder ajudar e contribuir para uma sociedade mais justa, solidária e feliz. Viseu Social “Por uma Educação Social mais forte” Acompanhe-nos em /www.facebook.com/pages/ Viseu-Social/162176517279221

17


18

ANIMAIS

O luto depois da perda de um filho de 4 patas Dizem-nos que um cão, não deixa de ser apenas um animal de estimação, dizem-nos que a família é só a de sangue, dizem-nos para não chorar quando o triste dia chega. Dizem isto e muito mais.

família, aqui em casa não havia dono ou dona, mas sim mamã e papá e mana claro, que ele protegia como ninguém, sem esquecer a nossa adorada Lilly, a companheira de aventuras e outra filha para nós.

Pois eu digo-vos que o meu cão era sim um membro da família, como um filho, até porque afinal, tanta gente adota crianças, nos adotámos o nosso cão.

Confiava de olhos fechados quando ele brincava com a nossa filha biológica, e como ela adorava brincar com ele, aliás todos nos adoramos, sim porque mesmo não estando cá fisicamente, está sempre nas nossas lembranças e coração.

Acredito que eles nos escolhem para cuidar deles e eles de nós, o nosso filho de 4 patas, via-nos como sua família, e eu como sua mãe, era mesmo assim, passámos muitas aventuras juntos, muitas noites tenebrosas, mas sempre como muito amor. Só ele sabia retribuir todo o carinho, como ninguém, só ele sabia amar, respeitar, compreender, cuidar como nenhum ser humano irá jamais conseguir. Tanta cumplicidade não se explica, sente-se, vive-se a cada riso, cada disparate, cada aflição. Quem tem assim um filhote tão especial na vida sabe do que estou a falar, sabe o que sentimos quando, eles adormecem para sempre. Nunca se está preparado para uma tão grande perda. O nosso Teddy tinha em nós uma verdadeira

Não tem sido fácil para nenhum de nós esta adaptação sem o nosso melhor companheiro, temos o apoio uns dos outros e os laços que construímos, fazem o nosso amor conseguir superar e continuar felizes como ele era. Aconselho a quem já tenha passado ou está a passar pela mesma situação, a criar muitas lembranças enquanto eles estão cá, tirem muitas fotos, mesmo que com pouca qualidade, façam parvoíces juntos, levem-nos sempre que possível com vocês para participarem dos passeios em família, tudo isto fará a vossa história, para mais tarde recordarem e mostrar aos vossos filhos o que realmente importa nesta vida é o amor incondicional e a lealdade de um ser que sabe muito mais acerca do amor do que nós alguma vez saberemos, e o bem que lhes podemos fazer é pouco perante tanta dedicação que eles nos têm.

A ti meu eterno menino, sei que partiste em paz, adormeceste num sono profundo como uma criança, sei que agora estás livre do peso das dores que carregavas e que foste com toda a certeza um verdadeiro lutador, um herói. Sem nunca desistirmos, fizemos tudo o que nos foi permitido, e acima de tudo, foste sem sombra de dúvida, muito amado e feliz, completaste a nossa família como ninguém e agradeço todos os dias por teres entrado nas nossas vidas e me teres dado o privilégio de ser tua mãe. Corre livremente como tanto gostavas de fazer, agora junto do nosso adorado Kiko, o nosso gatinho que tanta falta nos faz e que tu também adoravas como um irmão. Um dia voltaremos a nos juntarmos.

Até já meu urso pardo. Cecíle Sousa

Estes cães estão disponíveis para adopção responsável na “Amigos do Pêlo”

Bobby

Dalila

Fox

Kiara

Mickey

São muito sociáveis e extremamente dóceis, procuram famílias que os acolham nas suas casas e nos seus corações. Estão todos vacinados e chipados e habituados a pessoas. Para mais informações facebook.com/amigosdopelo

Nikn e Falkor


Estas são as razões porque deve fazer um

19

SEGURO DE VIAGENS

As viagens com a família ou amigos são, geralmente, momentos de grande descontração e diversão.

há seguros para qualquer que seja o propósito da sua viagem.

de bagagem é sempre uma boa opção para quem quer ter umas férias descansadas.

Geralmente só pensamos nos dias de descanso e nos momentos mais felizes que vamos ter junto dos

Facilidade em termos de doença ou deslocação

Cobertura de gastos em caso de cancelamento ou atraso de uma viagem

preocupações.

Não, as apólices não cobrem apenas morte ou invalidez. Embora essas sejam as coberturas mais frequentes também há seguros que abrangem hospitalizações, não o obrigando a ter que pagar quantias exorbitantes em caso de internamento. Como se isto não bastasse também há soluções que dão ao segurado a possibilidade de receber a visita de um médico diretamente no quarto de hotel onde está hospedado, evitando assim ter que se deslocar. Em muitas destas apólices mais abrangentes até os medicamentos estão incluídos.

gado ou até se um familiar morrer e não puder viajar ou tiver que interromper uma viagem, saiba que um seguro devidamente contratado antes da viagem começar pode ajudá-lo a não perder todo o dinheiro gasto.

Mas a verdade é que mesmo de férias os problemas podem acontecer e subscrever um seguro pode ser a forma de manter as suas férias o mais tranquilas possível. Eis algumas das vantagens:

Tranquilidade E é precisamente pela tranquilidade que começamos. O facto de saber que se algo correr mal, pode ter alguém com quem contar vai deixá-lo muito mais tranquilo. Ter um seguro adequado faz com que esteja protegido contra tudo o que poderá fugir ao seu controlo, seja uma doença súbita ou uma alteração de última hora da companhia aérea.

Há seguros ajustáveis ao cariz de cada viagem Quer seja em lazer, negócios ou até para fazer desportos radicais na neve, mergulho ou montanhismo,

Há valores para todos os bolsos sar que um seguro destes deve ser demasiado caro, não desista já. Há seguros para todos os bolsos.

Reembolso por atrasos ou cancelamentos de viagens Ter férias marcadas e não poder voar porque as condições climatéricas não permitem é sempre aborrecido, mas em casos normais estes imprevistos não dão lugar a indemnizações aos passageiros das companhias aéreas. Ter um seguro que cubra atrasos, perda de ligação aérea ou até extravio ou dano

www.seguris.pt

Paulo Matos (Seguris)


20

LEITURA

REIS CABRAL, AFONSO

ROCHA, DIOGO AMBRÓZIO, MÁRIO

LOBO ANTUNES, ANTÓNIO

Leituras Obrigatórias

Leva-me contigo

A Outra Margem do Mar recupera o início da sublevação na Baixa do Cassanje, em Angola. O romance recai, assim, nos incidentes ocorridos antes da guerra colonial, quando grandes plantações de algodão começaram a ser incendiadas, acontecimentos que foram fulcrais para o desenrolar do conflito.

Descubra os segredos dos nossos melhores queijos e aventure-se a comê-los sob outras formas para além da simples fatia!

A Estrada Nacional 2, com os seus quase 739 quilómetros, é a maior de Portugal e uma das maiores do mundo. Traça o país numa linha contínua, de Chaves a Faro, que não é só feita de asfalto. Estrada mítica e com identidade própria, trata-se do mais belo caminho para as pessoas e as paisagens. Através dela, conhecemos Portugal. O escritor Afonso Reis Cabral, autor dos livros O Meu Irmão (vencedor do Prémio LeYa) e Pão de Açúcar, decidiu percorrê-la a pé. Durante vinte e quatro dias, sozinho, deixou que a estrada o guiasse ao encontro das pessoas, localidades e histórias. Atravessou montanhas, cruzou planícies, mergulhou em rios, caminhou debaixo de tempestades e de muito calor. Mas sobretudo parou para conversar com quem encontrava. No fim de cada dia, publicava na sua página de Facebook um diário escrito no telemóvel relatando os principais eventos da viagem. Agora em versão ampliada e ilustrada, eis em livro o diário do caminho.

Ingrediente incontornável da cozinha portuguesa e do prato dos portugueses, o queijo é um alimento essencial pela sua riqueza sensorial e aromática mas também pela facilidade com que rapidamente fazemos qualquer refeição do dia com queijo sem que tenhamos de cozinhar, limitando-nos apenas a fatiar e sozinho ou acompanhado de alguma fruta, pão ou bolachas, vejamos bem cumprido o nosso objetivo em saciar a fome e repor as energias. A acrescentar às características, método de produção, sugestão de petisco e harmonização com vinho de cada queijo que compõe este guia, encontrará mais de 50 receitas para utilizar os melhores queijos portugueses.

VILELA, JOANA STICHINI

Queijaria do chef

COUTO, MIA

A outra margem do mar

O universo num grão de areia

A presente coletânea, a que o autor deu o feliz título de O Universo num Grão de Areia, reúne discursos e artigos de Mia Couto proferidos e publicados nos mais diversos lugares e perante as mais diversas audiências: uma conferência no Estoril, num artigo no jornal britânico The Times, discursos numa Universidade do estado norte-americano de Oklahoma e numa Universidade moçambicana de Maputo, etc. Apesar de toda esta diversidade, o livro apresenta-se-nos com uma grande unidade, assente na atitude de responsabilidade, que o autor nunca abandona, perante os problemas do mundo de hoje. Como já acontecera em E se Obama Fosse Africano, o leitor encontra aqui, apresentada de uma forma muito viva e diferente, uma reflexão sobre os grandes problemas de mundo de hoje.

Livraria LeYa

GOSCINNY, R. UDERZO, A.

Uma reflexão sobre os grandes problemas de mundo de hoje.

A filha de Vercingétorix Novo álbum das aventuras de Astérix (o nº 38), assinado pela nova dupla de autores que já foi responsável pelos três álbuns anteriores (“Astérix entre os Pictos”, “O Papiro de César” e “Astérix e a Transitálica”). O lançamento será simultâneo em todo o mundo e ocorrerá em 24 de outubro de 2019, sendo que a ASA irá lançar uma versão em português (na data do lançamento mundial) e outra em mirandês (a lançar em novembro). Como já é habitual, os pormenores sobre este novo álbum estiveram (e em grande parte continuam) envoltos no mais rigoroso sigilo. Para já, sabe-se apenas que desta vez o 38º álbum das Aventuras de Astérix nos revela uma incrível descoberta: o ilustre Vercingétorix tinha uma filha!

LX JOGA Ser Amália por um dia. Construir casa nas avenidas novas. Ajudar Sá-Carneiro a encontrar o amor. E fazer parte da revolução. A Lisboa do século XX é uma cidade em transformação permanente. Depois das viagens a um passado recente com “LX60 – a vida em Lisboa nunca mais foi a mesma”, “LX70 – Lisboa, do sonho à realidade”, e “LX80, Lisboa entra numa nova era”, este livro convida-nos a participar nos acontecimentos mais extraordinários que moldaram a face da cidade – e do país - que hoje conhecemos. Das convulsões políticas às rivalidades no futebol. Dos escândalos abafados às personagens incontornáveis. Cromos, máscaras, jogos de tabuleiro e mais, num conjunto de desafios tão bem documentados como surpreendentes, para aventureiros dos oito aos 88 anos.


CINEMA

21 Bridges - Uma crítica tes, como sejam Taylor Kitsch e Stephan James, mas, infelizmente, não é dado tempo de cena suficiente a nenhuma das suas personagens para permitir aos actores mais conhecidos demonstrar a verdadeira extensão dos seus talentos praticamente até ao fim do filme, em cujo culminar já algo tardio o espectador mais atento pensa “então foi por isso que os contrataram a eles!” (recordemo-nos de que não existem papéis menores; apenas actores menores). A trama do filme parece, a princípio, algo banal e insalubre, e mesmo a revelação surpresa, que transforma um argumento aparentemente insípido numa história digna de ser contada num écran, vem já tarde e chega perante o espectador vinda “do éter”, sem contexto ou explicação, e nem mesmo a dolorosamente inevitável exposição imediatamente antes do clímax satisfaz devidamente todas as questões que levanta.

Nem todos os filmes podem ser “pedradas no charco” ou grandes êxitos de bilheteira: alguns têm necessariamente que ser só “mais um filme”, seja porque o argumentista se está a estrear ou porque o realizador estaria mais à vontade noutro meio ou simplesmente porque o estúdio precisa de ganhar algum dinheiro rapidamente. Este não é uma “pedrada no charco”. É fácil, para um filme policial, ceder à tentação de descambar num enorme tiroteio com a semblança de um enredo a acompanhar, mas, em sua defesa, “21 Pontes” evita essa armadilha surpreendentemente bem. Desde o primeiro momento que o filme, muito apesar de se tratar de uma história de polícias e ladrões, prima por se concentrar no aspecto mais cerebral da perseguição aos bandidos, ao invés do confronto físico com os mesmos. Não quer isto dizer que o filme peque, à maneira de certas séries policiais de televisão, como, por exemplo, “C. S. I.”, de passar demasiado tempo no ambiente estéril de algum laboratório; pelo contrário, em “21 Pontes”, o protagonista, interpretado por Chadwick Boseman, passa todo o seu tempo nas ruas escuras de Manhattan, onde a acção decorre no espaço de apenas algumas horas, mas, ao contrário do que é frequente em filmes de acção, não se limita a confrontar os “maus” e dar-lhes tiros. De facto, este detective da polícia demonstra não só a capacidade de parar de correr e pensar em para onde há de correr a seguir como também a propensão para resolver o inevitável confronto com os alvos da sua perseguição sem recorrer à violência. Sienna Miller e J. K. Simmons juntam os seus nomes ao elenco, se bem que em capacidades menores que Boseman e, surpreendentemente, menores ainda que nomes menos sonan-

Do ponto de vista técnico, o filme só pode ser descrito como “competente”: em nenhum momento se pode apontar a algum aspecto da fotografia, do som ou mesmo do desempenho dos actores e exclamar “está mal!”, mas, simultaneamente, a menos de um único plano menos convencional, mas belo, logo perto do princípio, o filme não ousa sair dos trâmites do que é “seguro” nem tenta capturar a atenção do espectador com alguma decisão artística potencialmente acutilante ou polarizante - um pouco como se, na tentativa de agradar a Gregos e a Troianos, o filme se tenha antes contentado com “não desagradar nem a Gregos nem a Troianos”. Da mesma forma, é-me difícil sentir alguma empatia para com qualquer das personagens, uma vez que o filme passa pouquíssimo tempo a caracterizá-las, resumindo quase tudo o que o espectador precisa de saber a momentos de exposição. Não quer isto dizer que o filme seja “aborrecido” ou “só conversa”, mas, ao despachar a caracterização das personagens em meia dúzia de frases ditas a correr para poder voltar à história, não deixa o espectador devidamente satisfeito, uma vez que não lhe dá oportunidade de conhecer as pessoas à volta de quem a trama gira. Uma vez que a acção do filme decorre numa noite, a vasta maioria das cenas exteriores (e mesmo muitíssimas das cenas interiores) são escuras, e a paleta de cores do filme rapidamente se deixa tornar maioritariamente fria, o que não é um defeito por si só, mas a falta de contraste com cenas que quebrem esta regra geral torna a estética algo cansativa, o que não é melhorado pela prevalência de arquitectura modernista e decoração semelhantemente espartana. Os diálogos do filme, mais uma vez, não fazem nada de mal, mas também não fazem nada de memorável. Noutros filmes, particularmente filmes de mistério, surgem, por vezes, pormenores importantes, mencionados pela primeira vez casualmente em conversa, quase sem que ninguém se aperceba, que depois se vêm a revelar como cruciais. Outras vezes, certos elementos visuais indiciam eventos mais adiante na trama, exactamente da mesma forma que, em literatura, a escolha de uma palavra em detrimento de outra semanticamente semelhante prepara o leitor, de forma subtil, para uma surpresa mais tarde. Por seu lado, este filme não faz nada disso, e é pena… Fãs do género provavelmente gostarão mais do filme do que eu, que, mesmo sem conseguir apontar a nada no filme e chamar-lhe um erro, gostaria de ter visto um filme mais ousado. É antes o tipo de trabalho que esperaria ver na televisão, onde, de resto, o realizador Brian Kirk tem mais experiência, e não representa devidamente a arte nobre a que chamamos “cinema”. Custa-me afirmar que o filme valha o preço de um bilhete e recomendo antes esperar que o título surja no Netflix.

Pedro Polónio

21


22

AMBIENTE

Droseras pygmys As Droseras pygmys são encontradas principalmente no Sul da Austrália Ocidental. Como o nome indica estas plantas do género Drosera são plantas de pequeno tamanho. Normalmente não ultrapassam os 1,5 a 2,0 cm de diâmetro, mas algumas das maiores espécies do grupo podem crescer mais, principalmente em altura, como por exemplo, a Drosera scorpioides, que depois de poucos anos o caule fica completamente rodeado de folhas secas e atinge uma altura considerável para este grupo de Droseras (Figura 1).

experiência própria aconselho que se use uma mistura de turfa com areia de sílica em vez da habitual mistura de turfa com perlite, pois a areia diminui em muito a probabilidade da propagação de algas e musgo indesejado que tanto afeta estas pequenas plantas (Figura 3).

Figura 3 - Plantas em solo rico com areia de sílica

Figura 1 - Drosera scorpioides Estas Droseras são geralmente encontrados em zonas caracterizadas em termos meteorológicos por um inverno chuvoso e um verão seco. Durante o inverno e a Primavera, as plantas crescem e florescem. Durante o verão, elas passam por um período de repouso com o centro da planta revestido com estípulas brancas. Para obterem água essencial à sua sobrevivência num verão tão agreste estas plantas produzem raízes compridas que retêm a humidade do fundo do solo. No outono começam a aparecer no centro da planta, folhas modificadas (gemmae), as gemmae (Figura 2), permitem que estas plantas possam reproduzir-se assexuadamente o que é uma mais-valia para a disseminação destas plantas, as gemmae são espalhadas no local através do vento e da chuva, embora em apenas distâncias curtas.

As Droseras pygmys apreciam Sol directo o que influencia o crescimento, a cor e as vezes que floresce, a maioria das espécies produz sementes se as flores forem polinizadas, o que já não acontece com a maioria dos híbridos que geralmente não são viáveis. As sementes tal como as gemmae devem ser colocadas na superfície do substrato ou ligeiramente enterradas. No caso de futuramente querer transplantar as plantas há que ter muito cuidado pois é muito difícil transplantar estas Droseras sem ter uma alta taxa de mortalidade porque tendem a ter uma única raiz longa e dificilmente formam novas se a única que têm for danificada (Figura 4).

Figura 4 - Flor de Drosera nitidula

Figura 2 - Drosera carbarup com gemmaes no centro da planta Em cultivo são muito fáceis de cuidar e ficam espetaculares quando plantadas próximas umas das outras formando uma superfície reluzente de armadilhas prontas a capturar a sua próxima refeição, podem ser cultivadas no exterior o ano inteiro sem qualquer problema. Não são muito exigentes ao tipo de solo, no entanto por

Concluindo… As Droseras pygmys não são das plantas carnívoras mais imponentes, mas são igualmente curiosas e fascinantes e de muito fácil cultivo em Portugal, e uma coisa é certa… há sempre espaço para mais uma!


23

Aromaterapia O “pai” da Aromaterapia O “inventor” do termo aromaterapia foi o químico francês René-Maurice Gattefossé em 1927, que, enquanto trabalhava nos laboratórios da sua empresa de cosméticos, terá feito uma queimadura grave na mão. Para tentar minimizar a sintomatologia, mergulhou a mão no primeiro líquido que encontrou, sentindo de imediato um grande alívio. Quando foi ver, o líquido era óleo essencial de lavanda! Após esse incidente, verificou que a recuperação do ferimento ocorreu de forma mais célere do que era esperado e sem deixar cicatrizes. Este episódio fomentou grande curiosidade levando-o a investigar as propriedades terapêuticas de diferentes óleos essenciais. O trabalho de Gattefossé inspirou o médico francês Jean Valnet, que serviu as tropas francesas durante a segunda guerra mundial, e aplicou de forma significativa os óleos essenciais facilitando a cura de infeções e diminuindo o uso massivo de penicilina. É de salientar que apesar do termo “aromoterapia” só tenha surgido no início do século XX, o uso dos óleos essenciais remonta às civilizações antigas, como a egípcia, a grega e a romana. As várias culturas de todo o globo utilizam os óleos e as suas propriedades curativas há mais de oito mil anos.

O que é aromaterapia? A aromaterapia faz parte de um leque de terapias consideradas holísticas e complementares que utiliza óleos essenciais para a promoção e manutenção da saúde. Como terapia holística, olha para o indivíduo como um todo, tendo como objetivo o equilíbrio e o bem-estar físico, psicológico e espiritual de cada indivíduo. Este não é visto como a soma das partes mas sim como um todo, um ser único e indivisível.

O que são óleos essenciais? Os óleos essenciais são substâncias naturais criadas pelas plantas e cada planta tem moléculas aromáticas que lhe dão um aroma distinto. São substâncias muito voláteis, extremamente concentradas que possuem princípios ativos de acordo com as suas composições químicas. Os óleos essenciais que usamos são provenientes de algumas plantas e são extraídos das folhas, caules e raízes, sendo a sua composição extremamente complexa e variada que traz benefícios profundos para a saúde, incluindo pelas suas propriedades antisséticas, capacidade de diminuir a dor, aliviar sentimentos depressivos, melhorar a memória… entre muitos outros benefícios surpreendentes.

Como usar? •

Difusor de óleos – adicionar 4 a 6 gotas do óleo na água e programar para 4 horas.

Lenço – é uma forma muito prática, basta aplicar uma gota do óleo num lenço, e ao longo do dia vai-se cheirando.

Mistura para Massagem – juntar 6 gotas do óleo a cerca de 30ml de óleo-base para massagem.

Inalação de vapor – excelente para problemas do sistema respiratório. Colocar água a ferver numa taça e juntar 3 a 5 gotas do óleo, colocar a cabeça sobre a taça coberta com uma toalha e mantenha-se nesta posição 5 a 10 minutos.

Banhos de Imersão – misture na água do banho 6 gotas do óleo se for criança e 12 no caso dos adultos, deite-se na água e desfrute!

Como atuam os óleos essenciais no organismo Podem atuar de duas formas, local – quando aplicamos o óleo na zona afetada, ou sistemicamente – quando o óleo passa a epiderme e é absorvido pelos capilares entrando na corrente sanguínea. Ou seja, o efeito dos óleos vai muito além do local onde é aplicado.

Os óleos essenciais e as crianças A aromaterapia pode e deve ser usada em bebés e crianças, inclusivamente até na altura do parto. No entanto é muito importante lembrar que tanto nas crianças como nos bebés os óleos devem ser bastante diluídos. Os óleos podem, por exemplo, ajudar a um sono mais tranquilo – colocando uma gota de óleo essencial de lavanda perto da cabeceira da cama; na altura do nascimento dos dentes pode ser usado óleo essencial de lavanda e camomila, sempre diluídos, podendo massajar no rosto até à zona da orelha. Estes mesmos óleos podem ser aplicados na região abdominal sempre que houver cólicas. Nas crianças os óleos mais usados são: lavanda, camomila, rosa e benjoim que podem ajudar a resolver situações como tosse, otites, dores de garganta, cólicas, comichão, picadas de insetos, constipações, dores de dentes, insónias, medos, etc. O reconhecimento dos óleos essenciais como poderosos promotores de saúde física, mental e emocional está a expandir-se rapidamente pelo mundo. Este reconhecimento tem vindo a ser apoiado por uma crescente validação científica, fazendo com que estes se tornem a escolha número um no “caminho natural” para manter toda a família saudável.

Cristina Farias


24

MODA

MISS QUEEN Portugal 2019 - A Semana da final

Tenho que começar pelo mês anterior à semana tão esperada, esse mês foi muito cansativo e stressante, tinha alguns desafios para fazer, associados às ações sociais ligadas ao concurso, tinha prazos para cumprir e tinha de conjugar isso com o meu trabalho e a minha vida pessoal, confesso que não foi nada fácil, mas consegui, e graças ao apoio de todas as pessoas que me rodeavam, família, amigos e os meus mentores, o Grupo Peixoto.

No segundo dia acordei com um nervoso miudinho, pois estava a acontecer tudo o que tinha esperado nesses meses após a eleição do Miss Viseu 2019, e o que eu mais queria era aproveitar ao máximo esta semana e dar o meu melhor. Considero por isso que a primeira impressão que causamos é muito importante, e a forma como nos apresentamos diz muito sobre nós, por isso foi crucial ter uma boa aparência e postura, e isso foi algo que tive em atenção.

E é então que finalmente chega o dia 25 de Novembro, dia de início do estágio, para a derradeira final nacional, a semana de sonho, sinceramente fui para lá sem muitas expectativas e sem saber o que me esperava.

Neste primeiro dia tivemos uma entrevista, onde fizemos uma pequena apresentação nossa e onde foram abordados diversos assuntos, contudo os organizadores do evento, (Ricardo e Letícia) souberam colocar-me à vontade o que acabou por tornar a mesma muito mais fácil.

Confesso que o meu maior medo era o facto de sermos muitas raparigas e que a competição se tornasse demasiado “agressiva” e competitiva. Cheguei ao hotel e fui encaminhada para o meu quarto, onde já se encontravam as restantes companheiras de quarto. Assim que cheguei fui muito bem recebida e tivemos logo uma longa noite de conversa onde deu para nos conhecermos um pouco, estipulámos os horários para os banhos, pois teríamos que estar no pequeno-almoço às 08h00, já maquilhadas, cabelo pronto e vestidas a rigor para o dia que se avizinhava, era assim todos os dias.

A partir daqui os nossos dias foram passados em constantes atividades, o que me obrigava a cumprir todos os horários estipulados, pois havia hora marcada para tudo o que realizávamos, de forma a que tudo corresse pelo melhor, era preciso dar o melhor de mim para que nada falhasse. Entre muitos outros espaços, visitámos o museu do Azeite onde conhecemos o Dono, Srº António e a sua Família, fomos muito bem recebidas por eles, tivemos uma visita guiada que nos possibilitou conhecer toda a história envolvida na criação

do museu, e que permitiu que percebesse o quão especial foi a criação do mesmo, pois o Museu foi fruto de um sonho do Srº António, ouvir a sua história inspirou-me muito, pois, o Sonho comanda a Vida. No decorrer da semana, foi ficando tudo mais tenso e stressante, para além do tempo não ajudar muito para as atividades que tínhamos a realizar, tínhamos uma coreografia para ensaiar e decorar. Para a coreografia era essencial estarmos bem sincronizadas, respeitar os tempo, tentar não errar nos passos e ainda tínhamos que estar a sorrir, não é fácil, pois chegava ao final do dia e o que queria era tomar um bom banho e descansar, mas não podia ser, pois a noite era a única altura do dia que tinha tempo para me dedicar aos ensaios, pois queria dar um bom espetáculo para todas as pessoas que iam estar na final a apoiar-me. Num instante chegámos a quinta-feira, o dia da gala preliminar, aí já tive um pouco da noção de como seria a Gala Final, o stress, os nervos, mas ao mesmo tempo o entusiamo de mostrar tudo o que tinha andado a treinar e trabalhar. Nesse dia passei por um momento complicado em que tive quase a ceder à pressão, mas respirei fundo e o facto de ter pessoas amigas ao meu


25

lado ajudou-me muito e foi o que me “salvou”. Dei o melhor de mim, aproveitei ao máximo e colhi os frutos do meu esforço, ganhei a coroação de “Miss Bikini Portugal 2019”, foi mesmo muito gratificante para mim e para as pessoas que me apoiavam. No grande dia da final Nacional do Miss Queen Portugal, foi uma mistura de sentimentos, pois sabia que estava tudo a terminar, mas ao mesmo tempo ainda tinha muito para mostrar e provar. Fomos para o Museu do Azeite, onde realizámos um ensaio geral, de seguida tivemos que nos preparar pois teríamos que dar entrevistas para o programa da RTP 1, Aqui Portugal. Com o passar do dia os nervos foram-se acumulando, mas felizmente ganhei amigas que permitiram momentos de descontração, e isso de facto foi uma grande ajuda. O início da Gala foi fantástico, passámos a mensagem contra a Violência Doméstica, pois para além de este ser um concurso de beleza temos a vertente das causas socias, fizemos a nossa coreografia, e correu muito bem, valeu todo o esforço e as horas investidas. Depois entre os desfiles foi uma correria, trocar de roupa, colocarmos-mos em posição para entramos no palco, foi muito stressante, na verdade nem dá para desfrutar o momento, mas tivemos sempre meninas

e o Nuno Peixoto que nos ajudaram imenso em todos os pormenores, e que sem dúvida que foram essenciais. Após todos os desfiles chega o momento do TOP 16, eramos vinte e oito meninas, todas elas com sonho de chegar o mais longe possível, e no meio das escolhidas, oiço o meu nome, ser chamada foi um momento muito gratificante, pura felicidade, após a eleição do top 16 tivemos o desfile individual, onde posteriormente foi escolhido o TOP 8, não fui selecionada, nesse momento perdi a esperança, cedi a toda a pressão e foi o único momento da semana que chorei e fui abaixo, não tanto por mim, mas por todas as pessoas que me estavam apoiar e a torcer por uma coroação, pois de certo modo considerei que as tinha desiludido. Contudo não baixei a cabeça e tentei recompor-me o mais rápido possível, voltei para o palco, junto com as candidatas que não tinham ficado no Top 8 e sempre com o sorriso no rosto. É nesse momento que anunciam que chegou o momento das coroações e aí, sem contar, pois não tinha ficado selecionada no Top 8, informam que serão coroadas 2 meninas que não estavam no Top 8, quando estão a anunciar a Mrs. Portugal 2019 e chamam por “Viseu”, nem acreditei, a verdade é que nem me mexi, apos alguns segundos é que caí em mim, e percebi que ia realmente ser coroada, e sim foi uma felicidade tão grande,

tão pura, afinal havia esperança. Consegui!!! Foi muito gratificante receber esta coroação, pois lutei imenso, e não só, também lutaram por mim e acreditaram em mim, e é por isso que dedico o meu prémio a todas essas pessoas, sem elas nada disto seria possível. Só tenho que agradecer por tudo, aos meus patrocinadores, aos meus amigos, à minha família e aos meus mentores, o Grupo Peixoto, porque sozinha não conseguiria, por trás do sucesso de uma pessoa há sempre um trabalho de equipa e eu tenho a melhor equipa do mundo, prometo dar sempre o meu melhor por vocês. Vou lutar sempre por Viseu, quero ser uma Voz Activa da sociedade e levar o bom nome da nossa Cidade e de Portugal o mais longe possível. A vossa Mrs. Portugal 2019 Catarina Narciso


26

VISEENSES PELO MUNDO

Nasci no coração do Concelho de Castro Daire. A aldeia da Moita foi meu berço até aos 3 anos de idade. Em 1975 descobri a América, e em Março aterrei em Montreal, então o coração da Nação Canadiana. Meu último destino e casa até aos 16 anos foi Winnipeg, Manitoba. Como a capital da Província de Manitoba, Winnipeg é historicamente conhecida não só como invernos gélidos e longos, mas também pela sua relevância na história Canadiana como tendo um papel chave no desenvolvimento do Oeste Canadiano. Um Oeste desertificado que acolhia grandes ondas de emigração no início do século 20. Quis o destino, e por razões profissionais dos meus pais que eu também me aventurasse por esses caminhos. Atravessei planícies sem fim e descobri o coração Canadiano. Fiz de Saskatoon a minha segunda casa. Uma pequena cidade na Província de Saskatchewan onde também tive a oportunidade de estudar com colegas de turma de várias reservas indígenas Canadianas. Com a diversidade cultural aprendi a conviver e a respeitar novas vivências e de olhar o mundo de uma forma diferente. A minha perspectiva Euro-Centrista transformou-se numa aceitação multicultural (globalização). Foi durante os 8 aos 16 anos que tive a oportunidade de conhecer outras províncias “praries”. Saskatoon a cidade que guardo saudosamente na minha memória, e hoje em

dia conhecida como “Paris” da América do Norte pelas suas inúmeras pontes que atravessam o Rio Saskachewan. Aos meus 16 anos, juntamente com o meu pai, redescobrimos novos destinos Canadianos. Aventurámo-nos a conhecer outra província, e consequentemente torná-la a nova casa da família. Toronto, a capital da Província do Ontário e o coração da indústria Canadiana. Recordo a viagem inesquecível. Os 2031 km de viagem foram percorridos com olhos na estrada e com o coração deslumbrado com belas imagens de lagos intermináveis. A Província do Ontário no seu total oferece aos seus visitantes 250.000 lagos, dos quais o Lake Ontario a Sul exerce um destaque especial por evidenciar a grande cidade de Toronto.

curso na Faculdade de Letras em 1995. Um ano bastante difícil e complexo, pois o país encontrava-se em recessão económica. Com poucas opções profissionais, e com apetência pela aventura, regressei a Portugal no Verão de 1995. Com apenas 23 anos de idade e com sonhos do tamanho de continentes, iniciei um novo capítulo da minha vida com o regresso ao berço. Com vontade de mudar o mundo e de deixar a minha marca nas novas gerações de estudantes iniciei a busca por um emprego na área da docência. Em setembro de 2004 consegui colocação, numa escola em Viseu.

Já na “High School”, recordo-me dos finais dos anos 80 e de toda a vivência duma época o que evidenciou toda uma cultura musical (Jackson, Prince, Madonna) entre outros. Uma fase memorável na minha vida pelo facto de viver num continente que efervescia de cultura musical.

Durante nove anos em Viseu tive a oportunidade participar e de desenvolver novos projectos. A salientar e mais marcantes foram a minha participação na génese do Bloco de Esquerda em Viseu, no qual fui candidato a presidente de Câmara de Castro Daire em 2001. Uma experiência que guardo com muito apreço, pois não só porque me deu a oportunidade de conhecer o concelho e o distrito, mas mais importante por me expor a uma maior aproximação à real vivencia da população local.

Após a conclusão da escola secundária, ingressei na Universidade de York, onde terminei o meu

Foram anos memoráveis e para sempre registados no meu percurso político-social. Apos con-


27

cluído o curso de Especialização em Estudos Culturais e o Mestrado em Estudo Anglo-Americanos regressei ao lugar onde viu crescer. Uma decisão baseada na dualidade cultural fruto da minha infância. Por um lado, o berço que me acolhia com amor, mas que me oferecia poucas progressões profissionais e por outro lado o Canada a pátria que me criou. Tendo um espírito aventureiro e gosto pela novidade decidi ser importante mudar o percurso de uma vida. Onde estava Toronto de 1995? Encontrei não só uma cidade cheia de novos arranha-céus, mas também uma cidade que se transformou com as mudanças tecnológicas do século 21. Uma cidade dinâmica e deveras competitiva que me acolhia de braços semi-abertos. Uma cidade que exigia de mim as competências de um novo século, e qualificações académicas e profissionais para enfrentar o exigente mercado estudantil. A profissão de docente tinha sofrido grandes mudanças durante os anos em que estive em Portugal. Os alunos esperavam do professor, não só conhecimentos e informações factuais, mas também que lhes ensinassem a entender um novo mundo. Foi com essa filosofia que decidi ingressar na Universidade de Niagara, nos Estados Unidos

onde conclui o Mestrado em Ciências da Educação. Continuo a exercer a profissão de docente e de director escolar na cidade de Toronto. Toronto, é hoje a minha casa, mas recordo com nostalgia os tempos que passei em Viseu. Recordo principalmente os amigos que aí deixei e que continuo a prezar. Com as férias escolares tenho a oportunidade de regressar a Viseu todos os verões. No berço construí um lar e dele faço o meu refúgio. Aproveito a oportunidade para rever e conviver com amigos e familiares e recordar vivências. A cada partida de Portugal vem-me à mente uma nostalgia de Viseu do tamanho da sua Sé, bem como uma Saudade do tamanho de sua existência.

Mário Guilherme do Sul Silva


28

Alice Piloto Nasceu em Viseu, cidade onde cresceu e estudou. Frequentou o curso de Direito na Universidade de Coimbra. Desde cedo que o gosto pela pintura a atraía, mas só em 1990 é que surgiram os primeiros trabalhos. Começou pelo vidro, porcelana, pastel, mas deleita-se pelo acrílico e pelo óleo, é aí que se encontra e se perde... Amante da natureza, gosta de transportar para a tela aquilo que os seus olhos captam, tentando transmitir o que mais toca a sua sensibilidade, com relevância para as cenas simples e belas que fazem o quotidiano. Espalha as suas obras pelo círculo de amigos e motivada por eles aparece então o primeiro contacto com o público: • Clube de Campo de Geró, S. Pedro do Sul • 1ª Mostra de Pintura, Viseu • Expobeiras, Viseu • Museu Almeida Moreira, Viseu • 2ª Mostra de pintura, Viseu • 2º Turismo, Aguiar da Beira • Auditório Mirita Casimiro, Viseu • Hotel Montebelo, Viseu • Centro Regional de Segurança Social, Viseu • Arviedra, Viseu • C.M. Guarda • Expobeiras, Viseu • 3ª Grande Mostra de Pintura, Viseu • Hotel Montebelo, Viseu • Biblioteca da C.M. Seia • C.M. Nelas • Palacio do Gelo, Viseu • Hotel Montebelo, Viseu • C.M. Viseu • 4º Salão de Pinturas de Nelas • Espaço D´Arte/98 • Expobeiras, Viseu • Convento dos Santos-o-Novo, Lisboa

• Casa Municipal da Cultura, (Ciudad Rodrigo, Espanha) • Hotel Príncipe Perfeito, Viseu • Biblioteca Nobre do Hospital de S. José, Lisboa • 1ª Churrascada do Artista, Funchal • Leilão do Rotary Club do Funchal • Workshop com Jorge Curval no Instituto Politécnico de Viseu • Mageenta, Figueira da Foz • C.M. Castro Daire • Sernancelhe • Cnap, Lisboa • Galeria Exclusive e Galeria Magestic, Porto • Fundação Bissaia Barreto, Coimbra • Museu da Água, Lisboa • Galeria d´Arte House, Cascais • 1ª Mostra de Pintura Expovis, Viseu • Centro de Congressos do Estoril, Feira de Arte

Alice Piloto é sócia da Sociedade Nacional de Belas Artes, está representada em colecções, particulares nomeadamente, na Bélgica, no Brasil e nos E.U.A. Sócia da Associação de Amizade e Arte Galego Portuguesa e é associada e ilustradora da HISTÓRIA AJUDARIS com sede no Porto. Está ainda representada: - No Livro de Ouro de Arte Contemporânea do sec. XX; - No livro Cristais de Talentos, no Brasil; - No anuário de Arte 2011; - No livro ACROS CONTINENTS - ARTCOM - Associação Internacional de Artistas. Ganhou: - Prémio Animarte 2007 em Viseu - Produção Artística de Pintura; - Prémio Mário Silva 2014; - Medalha de prata no IV salão premiado ARTE SEM FRONTEIRAS em Mira; - Medalha de bronze no concurso PEEIXEIRAS DA FIGUEIRA DA FOZ 2014.

“Pintar é transpor para a tela algo de mim”.


29


30

SEGURANÇA

Duas Rodas a Motor sempre em segurança!

VAGA DE FRIO

Uma vaga de frio é produzida por uma massa de ar frio e geralmente seco que se desenvolve sobre uma área continental. Considera-se vaga de frio sempre que, pelo menos em seis dias consecutivos, a temperatura mínima do ar seja inferior em 5 ºC, ou mais, ao valor médio das temperaturas mínimas diárias no período de referência. Durante estes fenómenos ocorrem reduções significativas, por vezes repentinas, das temperaturas diárias, descendo os valores mínimos abaixo dos 0 ºC no Inverno. Estas situações estão geralmente associadas a ventos moderados ou fortes, que ampliam os efeitos do frio. As vagas de frio podem ser a causa de morte, por hipotermia, sobretudo nos idosos, crianças e pessoas mais desprotegidas. O Comando Territorial da GNR de Viseu, com o objetivo de incrementar a segurança rodoviária, em particular dos motociclistas, partilha alguns números para reflexão e alguns conselhos para serem seguidos.

Os impactos estendem-se igualmente à agricultura, ao sector dos transportes prejudicando a circulação de pessoas e mercadorias e a avultados gastos com energia, devido à necessidade de utilização intensa dos sistemas de aquecimento.

Sabia que:

Em Portugal, a sua presença está geralmente associada ao posicionamento do anticiclone dos Açores próximo da Península Ibérica ou de um anticiclone junto à Europa do Norte.

• O risco de morte dos motociclistas é 4 vezes superior ao dos condutores de automóveis ligeiros. • Não ver os veículos de 2 rodas a motor é a causa de mais de 70% dos acidentes que são provocados por condutores de outros veículos. Conselhos: • Proteja-se. Use o capacete, vestuário resistente e material refletor. Lembre-se que os passageiros devem usar a mesma proteção que o condutor. • É obrigatório circular sempre com os médios acesos, para ser visto facilmente. • Não circule entre filas de veículos. É perigoso e proibido. • Não esqueça a manutenção do veículo. Garanta que está em perfeitas condições de circulação, mesmo para trajetos curtos.

Fonte: www.prociv.pt

Recomendações que deve adotar com o frio • Proteger nariz e boca evitando a entrada de ar frio nos pulmões bem como mudanças bruscas de temperatura; • Uso várias camadas de roupa adequada para o Inverno (luvas, gorro, cachecol, casaco e calçado quente);

• Cuidado com o posicionamento na via. Afaste-se dos ângulos mortos dos veículos. Os condutores não veem.

• Evite a exposição prolongada ao frio em espaços exteriores e o esforço físico e faça por ingerir bebidas e alimentos quentes;

• Adeque a velocidade ao estado do piso e garanta a distância de segurança.

• Proteja as extremidades do corpo;

• Redobre a atenção em condições de mau tempo. A diminuição da visibilidade aumenta o risco.

• Se for conduzir adote uma postura defensiva devido à possibilidade de água e gelo no pavimento.

• Em cruzamentos, entroncamentos e rotundas, mesmo que tenha prioridade, aproxime-se com atenção redobrada. Outros condutores poderão não o ver.

• Se tiver lareira em casa não deixe que o monóxido de carbono se acumule pelo perigo de intoxicação, abrindo uma janela ocasionalmente para que haja renovação do ar.

Para mais informações contactar o Oficial de Relações Públicas do Comando Territorial de Viseu, tenente-coronel Adriano Resende: 961 195 243.

• Seja particularmente vigilante relativamente a familiares ou a vizinhos em situação de maior isolamento.

Fonte: www.tempo.pt


31


32

GASTRONOMIA

Espumante

A bebida de 2020!

Sabia que... Em Portugal, a produção de vinho espumante de 2003/04 para 2014/15 cresceu 324%, fixando-se nesta última campanha nos 37,4 mil hL, sendo mais de 75% espumante branco. As regiões de produção mais representativas são a Bairrada, Távora-Varosa, Península de Setúbal e Dão. Estima-se também que o consumo de vinho espumante per capita em Portugal seja de 0,34 litros, quando o consumo de vinho tranquilo é de 41 litros por habitante. As vendas de espumante no mercado nacional aumentaram desde 2000 - 15,6% em valor – estabelecendo-se nos 106 milhões euros em 2014. Excluindo Champagne e Cava, as vendas de outros espumantes (maioritariamente espumantes nacionais) foram de 80 milhões euros no mesmo ano, sendo o retalho especializado o principal canal de comercialização na venda de vinhos deste segmento. Em 10 anos (2004-2014), as exportações de vinho espumante no mundo cresceram 107% em volume e 72% em valor, fixando-se no último ano nos 754 milhões de litros, no valor de 4,6 mil milhões de euros.

Em valor, as exportações de Champagne representam 52% do total exportado, pelo que a França é o maior exportador de espumantes a nível mundial, seguindo-se Itália e Espanha. Em sentido inverso, Reino Unido, EUA e Alemanha são os maiores importadores a nível mundial. Portugal é o 18º maior exportador e o 29º importador, em valor, de vinhos espumantes a nível mundial. Apesar da crescente produção de vinho espumante português, o Champagne é ainda o segmento de espumante mais representativo no comércio externo, visto representar 56% do valor total de importações de 61% das exportações. Além disso, Portugal importa mais espumante do que aquele que exporta. Face a 2004, as exportações de espumante português (certificado e não certificado) aumentaram 229% em volume e 234% em valor, sendo Angola, França e Brasil os seus principais destinos.

As “borbulhas” já estão na moda! Algumas pesquisas mostram que o consumo do espumante cresceu em Portugal em volume e curiosamente ao longo do ano. Na verdade, o espumante combina praticamente com tudo, inclusivamente com as diferenças do nosso clima! Sendo refrescante e versátil, combina com a maioria da nossa culinária, podendo ser servido como aperitivo, como acompanhamento das principais refeições, bem como em eventos festivos! O ideal é ser servido entre os 6 – 8 ºC. Na minha opinião, dependendo do espumante e da nossa disposição, o casamento perfeito pode ser feito com ostras, camarões, leitão, morangos, chocolate e sobremesas em geral. Bom 2020 com muitas borbulhas!

Bruno Esteves

Fonte: viniportugal

www.viriatvs.com

seja responsável. beba com moderação.


CONEXÃO

O conexão snack bar vem trazer um conceito de integração de público através da gastronomia. Mesclamos a diversidade do bom tempero do Brasil com os sabores mais apreciados pelos portugueses. Todos os sábados preparamos eventos com boa música, drinks e pratos tradicionais do Brasil e de Portugal. Nas quintas e sextas feiras teremos nossos encontros de “happy hour” que são momentos de descontração pós laboral com o intuito de promover o convívio. Também iremos implementar o equipamento de karaoke de maneira a tornar o ambiente mais divertido e aproximar mais o público. Nossa casa possui dois ambientes para gerir os momentos recreativos de karaoke e de eventos, aniversários ou comemorações. Fazemos uma brincadeira com nossos pratos do dia tendo sempre “duelos” de pratos, oferecendo assim duas opções para escolha do público, para além da sopa. Temos parceria com a coxinha mais “queridinha” de Viseu, oferecendo opção de vários sabores d’AQUELA COXINHA. Além das coxinhas temos diversas opções de petiscos que passam pelo pica-pau e as alheiras assadas e chegam até à nossa mandioca frita. Estamos sempre nos renovando e buscando trazer novidades apetitosas. Temos disponível uma diversificada garrafeira de vinhos do Douro e do Dão. Vamos nos conectar.

33


34

NA CIDADE

Gin & Cocktail

Que Viso Eu?

IceClub Viseu

Contrate os nossos serviços de Bartending para os seus eventos.

A “Que Viso Eu?” é um estabelecimento de comércio tradicional situado no Centro Histórico da cidade de Viseu. Este espaço é dedicado aos produtores portugueses, aqui, encontra Sabores da Gastronomia Tradicional da Beira Alta, Beira Interior, Beira Litoral e Douro. Organizamos jantares por encomenda, em exclusivo no nosso espaço com a assinatura do chefe FRANK.

O Ice Club é a discoteca de Viseu com dois conceitos e duas pistas de dança, um bar e uma agradável esplanada onde se realizam concertos intimistas no Verão.

gincocktailbarcatering@gmail.com +351 967 506 198

Edifício Palácio do Gelo 966 234 409 facebook.com/iceclubviseu

Rua Nunes de Carvalho nº 5, 7 e 9 Viseu 232 458 474 www.quevisoeu.pt

Utopia

Irish Bar

Café Amaral

Utopia Bar com 10 anos de existência situado na zona de Jugueiros com ambiente seleccionado com um staff dedicado e conhecedor das melhores técnicas de bar, de bem servir e bem receber.

Desde 1999 que pretendemos que o The Irish Bar seja um dos icons da história desta cidade. Com uma leque variado de cervejas, cocktails e um espírito irlandês vincado e perceptível a quem nos visita. Recebemos com simpatia e dedicação. Até já Slaintê

O café Amaral abriu portas no ano de 1968 na Rua Alexandre Herculano, mudando-se no ano 2000 para o número 43 da Rua Mendonça. Está aberto de Segunda a Domingo das 07h00 às 21h00 com um vasto serviço de pastelaria.

Rua Nova de Jugueiros, lote 107, R/C Direito

Largo Pintor Gata, nº8 232 488 156 facebook.com/Irishbarviseu

facebook.com/amaralcafeviseu


Aromático 54

Situado no grande portão verde do Largo da Prebenda, o Aromático 54 promete uma viagem de aromas e sabores. O ambiente acolhedor funde-se com o gosto de bem servir, proporcionando uma experiência gastronómica apaixonante. Horário: 12:00-15:00 e das 19:30- 22:30 Largo da Prebenda, nº51 963 742 999 facebook.com/aromatico54

Tasquinha do Brasileiro

Há mais de 50 anos a servir os melhores petiscos portugueses, refeições económicas e o bom vinho! Mudámos de instalações, mas os sabores tradicionais mantêm-se, enguias, polvo, bacalhau, fígado, moelas, e muito mais! Venha nos visitar na Rua Camilo Castelo Branco, na Quinta das Mesuras, de Segunda Feira a Sábado, entre as 8h e 23h! Para reservas contactar 232423013

35 O Pateo

O PATEO é um dos restaurantes mais apreciados de Viseu, situado na zona histórica da cidade, os seus clientes e turistas ficam agradavelmente surpreendidos com a sua cozinha e algumas especialidades da casa como o cabrito alho, Bacalhau à moda da aldeia, o bitoque na caçarola, a grelhada terra e mar, o polvo dourado com migas, o espeto de lulas com gambas, entre tantos outros. Estes podem ser acompanhados pela excelente seleção de vinhos do Dão e néctares do Douro e Alentejo. Horário: De Segunda a Sábado R. Direita 48 B, 3500-115 Viseu 232 413 209 facebook.com/pateorestauranteviseu

Tasquinha da Sé

O Cortiço

Cantinho da Saudade

Em pleno centro histórico, muito próximo à Sé de Viseu, a Tasquinha da Sé apresenta diversos petiscos portugueses, num ambiente regional e acolhedor com a simpatia do seu proprietário Artur Ferreira.

Cortiço gastronomia tradicional. 50 anos de História, com muitas histórias para contar. Espaço tradicional de cozinha antiga. O nosso convite... “Venha como está, seja como é.”

R. Frei Joaquim Santa Rosa de Viterbo Lote 92 Loja A, 3500-223 Viseu Horário das 07h30 às 19h30 de segunda a sábado Telefone: 910 201 894

Horário: 12:00 às 15:00 das 18:30 às 23:00 Sextas, sábados e véspera de feriado até às 2h00 Rua Augusto Hilário nº62 232436138 / 968671448 facebook.com/tasquinhadase

Horário: De Terça a Domingo - Descanso semanal Domingo ao Jantar e Segunda. Rua Augusto Hilário, nº45 916 461 576 facebook.com/cortico.tradicional


36

NA CIDADE

Bares Obviamente Bar

Galeria 22

Bar de Gelo Viseu

Office BAR

Largo Pintor Gata 26, Viseu 232 093 635 facebook.com/Obviamente-Bar

Palácio do Gelo, Viseu 232 483 931 www.bardegeloviseu.com

4You Bar

Largo Misericórdia 26, Viseu 232 408 761 facebook.com/Galeria

Rua Adelino Azevedo Pinto, Viseu facebook.com/office.coffee.bar

Estado D’alma

Largo Nossa Sra. da Conceição 37, Viseu 966 810 757

Rua Augusto Hilário 55, Viseu 232 431 181 facebook.com/BAR-estado-dalma-270473219676139

Syrah

Penedro Bar

Estrada de Nelas 1, Viseu facebook.com/Syrah.Viseu

Faces

Rua Formosa, Viseu 912 345 973 facebook.com/facesbarcafe

Viriathus Celta

Rua de Santo António 47, Viseu facebook.com/viriatoviseu.graovasco

Café Bar da Academia

Quinta de São José lote D r/c dto, Viseu 918 499 645 facebook.com/baracademiaviseu

Litradas

Urbanização Quinta de Jugueiros 6, Viseu facebook.com/litradas.barviseu

Energy

Urbanização Quinta de Jugueiros 110, Viseu facebook.com/EnergyBarViseu

Vinyl Bar

Rua Engenheiro Beirão do Carmo 22, lote 46, Viseu 962 332 725 facebook.com/vinyl.socialbar

Utopia Bar

Rua Nova 107, Viseu facebook.com/Utopiabarviseu

Rua Augusta Cruz 1, Viseu 938 113 918 facebook.com/penedrodaseviseu

LONDON PUB

Rua Eng. Manuel Moreira Amorim 39, Viseu 232 406 897 facebook.com/londonpub2015

THE BROTHERS

Rua da Paz 26, Viseu 232 440 391 facebook.com/Thebrothers

Bar X25

Urbanização Quinta de Jugueiros 14, Viseu facebook.com/barx25

Maria Xica

Rua Chão do Mestre 23, Viseu 232 435 391 facebook.com/maria.xica.viseu

Lugar do Capitão

Rua Gonçalinho 84/86, Viseu 965 879 510 facebook.com/lugardocapitaobar

Armazém do Caffè

Rua da Paz 11, Viseu 232 425 054 facebook.com/armazemdocaffe

Velha Guarda Taverna Estado Puro

Rua Estevão Lopes Morago 14, Viseu 232 402 841 facebook.com/Estado-Puro-coffee-bar

TreBARunA Viseu

Antigo Mercado 2 de Maio, Rua Chão do Mestre, Viseu facebook.com/TrebarunaViseu

Urban Chic Caffe Bar

Rua Santo António 15, Viseu facebook.com/urbanchiccaffebar

Avenida Monsenhor Celso Tavares da Silva, Viseu 961 608 387 facebook.com/velhaguardataverna

The “T”

Parque de Santiago Viseu 967 473 756


37

Pastelarias Pastelaria Lince

Wolf

Rua Aquilino Ribeiro, lote 1, Viseu 232 428 195 facebook.com/Pastelarialinceviseu

Avenida Europa, Viseu 232 413 679 facebook.com/wolfpastelariaslda

Pastelaria Capuchinha

Pão d´avó

Praça República 16, Viseu 232 435 710

Pastelaria D. João I

Rua Almirante Afonso Cerqueira 363, Viseu 232 468 198 facebook.com/Pastelaria-D-Joao-I

Confeitaria e Pastelaria Serra Da Nave

Rua Ponte de Pau 11, Viseu 232 425 554 facebook.com/serradanave.pastelaria

Pastelaria Salão de Chá Wolf Rua Francisco Alexandre Lobo 37, Viseu 232 437 959

Pastelaria Leão

Avenida Alberto Sampaio 120, Viseu 232 423 207 facebook.com/Pastelaria-LEAO

Pastelaria Gelataria D. Duarte Praça D. Duarte 17, Viseu 963 754 021 facebook.com/pastelariadomduarte

Destino Latino

Rua Engenheiro Beirão do Carmo, Viseu 232 423 323 facebook.com/Pastelaria-Destino-Latino

Pastelícia

Rua Alexandre Herculano 89-r/c, Viseu 232 431 025 facebook.com/Pastelicia

Tresanti

Avenida Dr. António José Almeida 7/9, Viseu 232 431 421 www.tresanti.pt

San Remo

Avenida Dr. António José de Almeida 283, Viseu 232 184 566 www.gelatariasanremo.com

Amaral

Rua Francisco Alexandre Lobo 54, Viseu 232 422 920 facebook.com/Confeitaria-Amaral

Rua da Prebenda 37, Viseu 232 488 005 facebook.com/piazzadiromaviseurRistauranteItaliano

Rua Alexandre Herculano Edifício Alexandre Herculano-r/c loja C, Viseu 232 429 472 facebook.com/Padaria-Pastelaria

Italian Indian Palace

Restaurantes

A Budêga

O Cacimbo

Rua Alexandre Herculano 95, Viseu 232 422 894 www.cacimbo.pt

Dux Palace

Rua Paulo Emílio 12, Viseu 963 004 817 www.duxrestaurante.com

Inprovviso

Rua do Cerrado 9, Viseu 232 461 033 www.facebook.com/INPROVVISO

O Perdigueiro

Quinta do Galo 10, Viseu 232 461 805 www.restauranteoperdigueiro.pt

O Cortiço

Rua Augusto Hilário 45, Viseu 232 416 127 www.restaurantecortico.com

Muralha Da Sé

Rua Adro 24, Viseu 232 437 777 www.muralhadase.pt

Mesa Da Sé

Rua Grão Vasco 29, Viseu 232 425 205 www.restaurantemesadase.com

Tasquinha da Sé

Rua Augusto Hilário 60, Viseu 964 209 802 www.facebook.com/tasquinhadase

Marisqueira Casablanca

Avenida Emídio Navarro 70-72, Viseu 232 422 239 facebook.com/marisqueiracasablanca

Estrela Doce

Avenida Dr. António José de Almeida 50, Viseu 232 480 240 facebook.com/estreladoceviseu

PIAZZA DI ROMA

Taberna Da Milinha

Avenida Dr. António José de Almeida 304, Viseu 232 469 278 www.indianpalace.pt

Rua Direita 3, Viseu 232 449 600 facebook.com/restaurante.abudega

Mesa d’Alegria

Rua da Vitória 21, Viseu 232 400 765 facebook.com/mesadalegria

Forno da Mimi & Rodízio Real Estrada Nacional 2, Vermum Campo, 512, Viseu 232 452 555 www.fornodamimi.pt

HOME Sushi & Asian Food

Quinta D’El Rei lote 243, loja C, Viseu 933 330 867 facebook.com/homesushiasianfoodviseu

Take-Away Moamba

Avenida Alberto Sampaio 94, Viseu 232 390 875 www.moamba.pt

Vintage

Rua Miguel Bombarda 76, Viseu 232 414 323

O Pateo

Rua Direita, Viseu 232 413 209 facebook.com/pateoestauranteviseu

Porta da Sé

Rua 21 de Agosto 160, Viseu 232 404 294 facebook.com/portadasehamburgueres

Nomiya Sushi Bar

Rua da Fontaínha 36, Viseu 931 788 081 facebook.com/nomiyaviseu

A Fábrica

Edifício A Santo Estevão, Viseu 232 414 027 fabricaviseu.pt

Rua Poeta António José Pereira 53, Viseu 969 700 056 facebook.com/Taberna.damilinha

Mota

Santa Luzia

Portas do Sol

Estrada Nacional 2, Viseu 232 459 325 www.restaurante-santaluzia.pt

Rua Dom António Monteiro, Viseu 232 468 072 facebook.com/motarestaurante

Urbanização Vilabeira, bloco 4, r/c, Viseu 232 431 792 facebook.com/portasdosol


38

NA CIDADE

Última Ceia

Torre Di Pizza

Casa da Sé

Dona Maria

Quinta dos Compadres

Avenida Alberto Sampaio, Viseu 963 711 497 facebook.com/TabernaDMaria

Avenida Alto de Abraveses 128, Viseu 232 452 469 www.quintadoscompadres.com

Hotel Grão Vasco

O Viso

Solar da Cerveja

Avenida Infante Dom Henrique 89, Viseu Avenida Cidade de Aveiro lote 16, Viseu 965 446 688 912 441 418 www.torredipizza.com www.ultimaceia.pt

Av. Luís Martins 231, Repeses 232 405 215 www.restauranteoviso.pt

Rua Gonçalinho 62, Viseu 232 422 721 facebook.com/solardacerveja.solar

Ceia dos Malandros

Cem Reis à Mesa

Rua Dr. Azeredo Perdigão 4B, Viseu 232 469 552 facebook.com/CeiaDosMalandros

Franguito Algarvio Rua Dom José da Cruz Moreira Pinto 7, Viseu 232 468 018

I Fratelli Ristorante

Rua Miguel Bombarda 52, Viseu 232 079 450 facebook.com/ifratelliristorante2018

Avenida Alberto Sampaio 92, Viseu 963 720 709 facebook.com/Cem-Reis-a-Mesa

O Cantinho do Tito

CB House

Rua 5 de Outubro 143, Viseu 232 079 732 facebook.com/cbhouse.viseu

Clube de Caçadores

Muna, Bigas, Viseu 232 450 401 facebook.com/Restaurante-Clube-Caçadores

Grão Mestre

Rua Escura 46, Viseu 968 303 990 facebook.com/GraoMestre.Restaurante

Sheng Li

Travessa da Balsa 15, Viseu 232 415 121 www.shengli.pt

Avenida da Bélgica n 203, Viseu 232 410 460 www.hoteldurao.com

Moinho do Vento

Rua das Pedras Alçadas 52, Viseu 232 424 313

Acapulco

Rua Santa Isabel lote 0, Repeses, Viseu 232 416 174 www.casaarouquesa.pt

Hotel Durão

Cantinho dos Frangos

Rua do Largo da Capela, Rebordinho 232 406 780 facebook.com/jasmimviseu

Casa Arouquesa

Largo da Misericórdia, Viseu 232 469 200 montebelohotels.com/ hotelprincipeperfeito

Hotel José Alberto

Largo de São Pedro 52, loja 25, Viseu 232 458 317 facebook.com/Frequente-Restaurante

Recta do Caçador 577, Nó 20 A25, Viseu 232 479 106 www.magarenha.com

Príncipe Perfeito

Rua Padre António Freire Lote 91, fracção A, Viseu 232 399 575 www.daterra.pt

Jasmim

Quinta da Magarenha

Rua Gaspar Barreiros, Viseu 232 423 511 www.hotelgraovasco.pt

daTerra

Restaurante Frequente

Avenida Capitão Silva Pereira 53, Viseu 232 421 996 facebook.com/takeaway.acapulco

Rua Augusta Cruz 12, Viseu 232 468 032 www.facebook.com/casadase

Rua Mário Pais da Costa lote 10, Viseu 232 187 231 facebook.com/cantinhodotito

Mamma Isa

Travessa das Pedras Alçadas lote 2, Viseu 232 399 993 www.mammaisa.pt

Pensão Rossio Parque

Rua Soar de Cima 55, Viseu 232 422 085 www.pensaorossioparque.com

Aromático 54

Largo da Prebenda, 51 Viseu 963 742 999 facebook.com/aromatico54

Hotéis Pousada de Viseu

Rua do Hospital, Viseu 232 457 320 www.pousadadeviseu.com

Montebelo

Urbanização Quinta do Bosque, Viseu 232 420 000 www.montebelohotels.com

Palácio dos Melos

Rua do Chão do mte, nº4, Viseu 232 439 290 www.montebelohotels.com/ hotelpalaciodosmelos

R. Cândido dos Reis 42, Viseu 232 440 440 www.hotelvis.pt

Rua Emílio Paulo, nº13, Viseu 232 424 116 www.hotelmoinhodevento.pt

ONIX

Recta Caçador 16, Viseu 232 479 243 www.hotelonix.pt

Residencial D.Duarte

R. Alexandre Herculano, Viseu 232 421 980 www.residencialdomduarte.pt

Hotel Avenida

Av. Alberto Sampaio, Viseu 232 423 432 www.hotelavenida.com.pt

Viseu Garden Hotel

Vermum Campo, Viseu 232 430 050 www.viseugardenhotel.com

Charme & Alegria

Rua da Vitória, Viseu 232 400 765 www.charmealegria.com

Pousada da Juventude

Rua Dr. Aristides Sousa Mendes, Viseu 232 413 001 facebook.com/pousadajuventudeviseu

Loft Guest House Jardim das Mães Charming Rua Soar de Cima, Viseu 966 144 878 www.bemyguest.com.pt


Museus Museu Nacional Grão Vasco Adro da Sé, Viseu 232 422 049 mngv@mngv.dgpc.pt

39

Receitas Da Avó

Museu de Arte Sacra Adro da Sé, Viseu 232 422 984

Casa da Ribeira

Rua do Coval, Viseu 232 427 428 casadaribeira@cmviseu.pt

Museu do Quartzo

Monte de Santa Luzia, Viseu 232 450 163 museudoquartzo@cmviseu.pt

Casa Museu Almeida Moreira Rua do Soar de Cima 232 427 471 museualmeidamoreira@cmviseu.pt

Quinta da Cruz

Rua São Salvador 232 423 343 quintadacruz@cmviseu.pt

Casa das Memórias Rua da Árvore 1/7 232 423 343

Casa da Lavoura e Oficina do Linho

Várzea de Calde, Viseu 232 911 004 museu.varzea@cmviseu.pt

Colecção José Coelho

Casa do Miradouro 232 425 388 casadomiradouro@cmviseu.pt

Queques de Requeijão Ingredientes: 1 Requeijão 6 Colheres de sopa de açúcar 4 Ovos 3 Colheres de sopa de farinha Passo a Passo: Esmague o requeijão com um garfo e bata-o com o açúcar e com as 4 gemas. Depois de bem batido e misturado junte a farinha e mexa até criar bolinhas na superfície. Por fim junte as claras em castelo e misture com uma colher de pau. Leve ao forno em formas pequenas e untadas com manteiga. Temperatura do forno: 180º Devem ficar “apudinados”

Solar dos Condes de Prime

Rua dos Andrades 232 427 471 museualmeidamoreira@cmviseu.pt

“Avó Maria Alice”


40

Profile for amoviseu

amoviseu  

Número 9

amoviseu  

Número 9

Profile for amoviseu
Advertisement