Page 1

Nº2 PRIMAVERA 2018 MAGAZINE

DISTRIB UIÇ Ã O GRATUITA

1


2 www.amoviseu.com

10 “Apostando sempre na inovação e diversificação a Medical Plus abriu em 2010 um laboratório de Ortoprotesia, criando um serviço de qualidade na região. Este espaço é dedicado à produção de ortóteses plantares, ortóteses para tronco e membros, ortótese craneal para plagiocefalia e próteses para membro superior e inferior.“

16 ”Há cerca de 6 anos o trail em Portugal era a nova moda dentro do mundo da corrida. Correr em percursos fora do asfalto e na montanha começou a ter mais e mais adeptos no nosso país. Em Viseu, meia dúzia de atletas começava a participar em algumas provas emblemáticas por esse país fora, como o Trail da Serra da Freita, da Serra D’ Arga, os Abutres e o Oh Meu Deus (Serra da Estrela).”

21 “Em Abril-Maio o Cine Clube de Viseu vai con-

27

tinuar a acolher alguns dos grandes filmes do último ano: o ciclo de cinema “On Art” começou em Fevereiro, e depois de uma vasta seleção de filmes sobre arte, artistas e criação, será Mathieu Amalric a encerrar, com o seu novo filme BARBARA. Um meta-musical ousado sobre o ícone da chanson francesa do pós-Guerra. Será no dia 10 de Abril, às 21h30, no Auditório do IPDJ (Fontelo).“

“As tendências de moda da primavera / verão de 2018 não são nada senão brilhantes, arrojadas e realmente lindas, e a cor que vai brilhar é sem dúvida o amarelo, um tom energizante e vibrante que fará sucesso nesta estação.”

04- Confraria de Saberes e Sabores da Beira – Grão Vasco 05- Saúde e Beleza 08- CHVD – Centro Humanitário Vale do Dão 09- Proteger a Infância das Crianças e Jovens 10- Medical Plus 12- Testemunho – João Sousa 14- Opinião 16- Desporto 19- Animais 20- Música 21- Cinema 22- Leitura 23- Humor 24- Ambiente 26- Moda 28- Viagens 29- Paulo Medeiros 32- Auto 33- Vinho 34- Na Cidade


3 I Vai chegar a Primavera, Domingo de Ramos lá vem, Com loureiros floridos E lindas flores também. II Homens, mulheres e crianças, Seus ramos todos levavam Eram benzidos na missa E em suas casas os guardavam. III Na minha aldeia era assim, Em tempos que já lá vão, No adro da igreja comiam Ovos cozidos, chouriça, bebida e pão. IV Logo a seguir vem a Páscoa Que já não respeita a tradição, Ser o padre a ir a casa De todo aquele que é cristão. V Nesta quadra festiva Temos amêndoas pra dar, A todos os afilhados Que quisemos batizar. VI As mesas estão recheadas Cabrito, queijo e pão de ló, Juntam-se assim as famílias Ninguém se quer sentir só. VII Maio mês de Maria, E os peregrinos lá vão, Pedir à nossa senhora Saúde, paz e protecção. VIII Dia da mãe é em Maio Filhos querem celebrar Mimam as mães nesse dia Com tudo que podem dar.

Leonel Peixoto

AMOVISEU Nº2 . PRIMAVERA . 2018 DIRECÇÃO E EDIÇÃO Bruno Esteves | Nuno Peixoto DESIGN GRÁFICO Studiobox IMPRESSÃO Tipografia Beira Alta O novo acordo ortográfico não foi usado em todos os artigos. A sua utilização ficou ao critério dos autores que redigiram os textos.

Editorial “Viseu, Senhora da Beira Eternamente bonita Fidalga e sempre romeira D’uma beleza infinita Numa das mãos um rosário” A cidade de hoje, como de certeza a de então, faz jus ao poema de Frederico de Brito. Fidalga e de uma beleza infinita, eternamente bonita assim é a cidade que viu Grão Vasco nascer e foi berço do fundador e primeiro Rei de Portugal, D. Afonso de Henriques. Cantada por Hilário, descrita por Aquilino, emprestou o seu cenário ao “amor de perdição” de Simão e Teresa romanceado por Camilo Castelo Branco, a Viseu de outros tempos funde-se com a Viseu de hoje. Com forte influência cristã, ou não estivesse de rosário na mão, tem-se aberto ao mundo, tornando-se cada vez mais na cidade mais “cosmopolita” do interior de Portugal. Não sendo perfeita, se é que há urbes perfeitas, Viseu, cidade e região, é provavelmente o melhor sítio para viver neste Portugal do século XXI. E porquê? Não por “ganhar” prémios que o dizem, mas antes por uma qualidade de vida implícita, consubstanciada numa pacatez urbana aparente, numa tranquilidade sentida e numa prazenteira forma de vida encarnada por muitos dos seus habitantes e que contagia quem nos visita. Numa altura em que tanto se fala em imaterialidade, talvez seja isso mesmo a razão de por aqui se “estar” bem, longe do frenesim vivido nas grandes cidades e perto do intangível prazer proporcionado pelas pequenas coisas que fazem grande tão humilde terra... Podia estar aqui a desfiar palavras e mais palavras para justificar o meu amor a esta cidade que me viu nascer e crescer, mas para quê? O melhor é espalhar ao vento que eu AMO VISEU, porquê? Não sei, ou talvez saiba, mas que interessa o porquê quando se ama...

Rui Rodrigues dos Santos Março de 2018

ADMINISTRAÇÃO | PROPRIEDADE Studiobox - Publicidade e Gestão de Meios, Unipessoal, Lda., Rua Alexandre Herculano, nº 291 R/C, 3510-038 Viseu DEPÓSITO LEGAL . 435657/17 CONTACTO PARA PUBLICIDADE eu@amoviseu.com | 232 435 131 | 962 161 728 | 968 405 494


4 Confraria de Saberes e Sabores da Beira Grão Vasco

I Entronização da Confraria de Saberes e Sabores de Portugal na Suíça Francófona, no dia 27/01 na cidade de Montreux

A constituição desta nova Confraria em muito se deve a Luís Chaves, natural de Viseu, que é também o Almoxarife da mesma. Um trabalho a realçar e que protagoniza o querer e a vontade beirã em terras helvéticas para a criação de uma Confraria que defende a tradição cultural e a gastronómica da Beira na Suíça francófona.

Decorreu em Montreux o I Capítulo da Confraria de Saberes e Sabores de Portugal na Suíça Francófona, que entronizou três Confrades de Mérito, doze Cavaleiros e oito Comendadores.

Na cerimónia, as capas foram abençoadas pelo padre João Sampaio, que teceu rasgados elogios ao trabalho desenvolvido pela comunidade portuguesa naquela região.

O Secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Rebelo fez-se representar pelo Almoxarife da Confraria de Saberes e Sabores da Beira, José Ernesto Silva, que liderou também a comitiva desta Confraria, composta por Odete Madeira, Meirinha Gastronómica, e Manuela Esteves, Meirinha Enófila. Foram entronizados António Ricoca Freire; embaixador de Portugal na Suíça; Miguel Calheiros Velozo, Cônsul Geral de Portugal em Genebra; Maria Ester Vargas, Adida Social da Embaixada de Berna, Amélia Fernanda dos Anjos Pessoa, professora; Lurdes Gonçalves, coordenadora do Ensino Português na Suíça; Christophe Chappuis, empresário de restauração e Armando Loureiro, empresário de construção civil, que receberam o título de Comendador.

De realçar a presença de uma comitiva da Confraria de Saberes e Sabores de Portugal em Zurique, liderada pelo seu Almoxarife Jorge Rodrigues, bem como das Confrarias Gastronómica da Madeira e dos Carolos e Papas de Milho, de Tondela, representada por Elisabete Ferreira e Cília Simões. Marcaram também presença Krystin Bise, da Câmara de Montreux, e do deputado da Assembleia da República, pelo ciclo da Europa, Paulo Pisco. No uso da palavra, o Almoxarife da Confraria de Saberes e Sabores da Beira ‘Grão Vasco’, que apadrinhou a nova Confraria, destacou o trabalho que tem sido desenvolvido junto da comunidade portuguesa na Diáspora, nomeadamente com a realização de cursos com dirigentes Associativos e parcerias com as Confrarias na Suíça, Brasil, Canadá e futuramente noutros países. José Ernesto Silva elogiou o trabalho de Luís Chaves e restantes elementos, agradecendo também às Con-

frades que o acompanharam, Odete Madeira e Manuela Esteves, pelo trabalho, apoio e colaboração prestados na Confraria. O Embaixador de Portugal na Suíça elogiou a iniciativa, aproveitando a ocasião para desafiar a comunidade portuguesa a desenvolver mais eventos deste género que promovem e divulgam a cultura lusa. Usaram também da palavra Miguel Calheiros Velozo, Cônsul Geral de Portugal em Genebra, e do deputado Paulo Pisco. Luís Chaves encerrou a cerimónia, agradecendo a presença de todos. O Almoxarife da Confraria Suíça enalteceu também o trabalho e o apoio da Confraria-mãe, na pessoa de José Ernesto Silva, fazendo também um desafio às autoridades presentes no sentido de apoiar e ajudar a promover este tipo de iniciativas. O capítulo foi abrilhantado por uma Tuna Helvética, pela fadista Diana Gil e terminou em grande com Isabel Silvestre, acompanhada por Abel Moura, que foi muito aplaudida pelos presentes. O almoço promoveu a gastronomia portuguesa e foi regado com vinhos do Dão oferecidos pela Quinta de Lemos, Adega de Silgueiros e Lusovini.


5

SAÚDE/BELEZA

Ortodontia Invisível Os resultados de um tratamento ortodôntico vão muito mais além do que aquilo que se vê. A estética é só um benefício entre outros tantos. Este tipo de tratamento tem como objectivo a prevenção de disfunções dento-faciais, permite uma melhoria da saúde oral facilitando a higiene, diminuindo assim o número de cáries. Permite também uma melhor mastigação e consequentemente uma melhor digestão. Sorrir diariamente sem ter que esconder o sorriso aumenta a confiança e a segurança pessoal, melhorando as relações sociais e a qualidade de vida ao parecermos mais jovens e sentirmo-nos bem com nós próprios. Com o avanço da tecnologia, hoje em dia é possível fazer-se um tratamento ortodôntico sem que ninguém se aperceba, sem recorrermos ao uso dos brackets convencionais. Na Visage, dispomos de dois tipos de sistemas praticamente invisíveis para resolvermos o seu problema, a ortodontia lingual e a ortodontia pelo método Invisalign. Estes tipos de tratamentos são a solução ideal para quem não quer que o tratamento interfira nas suas actividades diárias, tanto sociais como profissionais. Outra indicação é para os desportistas, principalmente praticantes de desportos de contacto como futebol, karaté, boxe, etc., que com o uso de aparelhos convencionais por vezes podem sofrer lesões nos lábios e bochechas.

A ortodontia lingual utiliza brackets que são coladas na face interna dos dentes. Neste tipo de aparelho, tanto as brackets como os arcos são fabricados de maneira individual para cada paciente. A técnica Invisalign, consiste numa série de alinhadores transparentes removíveis, construídos individualmente, com grande precisão para realizar de forma suave e eficaz os movimentos que o Ortodontista programou. Esses alinhadores, usados diariamente, são trocados a cada 1 ou 2 semanas. Aproximadamente a cada 6 semanas terá que nos consultar para vermos o progresso do tratamento e entregarmos novos alinhadores. Como os alinhadores são removíveis, permite-lhe manter uma óptima higiene oral e não ter que se privar de qualquer tipo de alimentos. Assim, de forma quase invisível, conseguimos os sorrisos com que sempre sonhámos.

ALBA MOURA GONÇALVES Médica Dentista Centro Visages


6

SAÚDE/BELEZA

SAÚDE VISUAL NAS CRIANÇAS

5 Dicas

para uma alimentação saudável A primeira coisa que precisa de saber é que uma alimentação saudável não significa passar fome. O objetivo destas dicas é ajudar a manter o consumo de alimentos saudáveis e o estabelecimento de uma rotina alimentar adaptada ao seu organismo. Confira então 5 dicas para obter um hábito alimentar saudável: Faça as refeições com calma e mastigue bem os alimentos O seu organismo precisa de tempo para processar os alimentos. A mastigação deve tornar o alimento pastoso, de forma a facilitar o processo digestivo. Quando se come à pressa, o controlo da ingestão de alimentos prejudica-se e, portanto, acabamos por comer mais. Quando mastigamos bem, estamos automaticamente a ajudar na digestão e no apetite. Então, não coma em menos de 20 minutos cada refeição. Alimente-se várias vezes ao dia O nosso cérebro precisa constantemente de hidratos de carbono. A inconstância deste nutriente traz uma redução na nossa disposição e, além disso, comendo de 3 em 3 horas, a fome mantem-se sob controlo, o que evita as compulsões alimentares.

Sabia que os problemas visuais são a quarta causa de incapacidade escolar? Num estudo realizado em crianças dos 9 aos 15 anos, aproximadamente 25% apresentava problemas de visão. Daí a importância dos rastreios visuais nesta faixa etária, uma vez que permitem o diagnóstico precoce de patologias, evitam a evolução de alterações visuais e podem impedir danos irreversíveis a nível ocular. Assim sendo, os pais têm um papel primário na deteção de alguns sinais indicadores de problemas visuais. É necessário observar o comportamento da criança e estar atento a algumas alterações tais como: franzir a testa, semicerrar os olhos, dores de cabeça, aproximação de objetos, pálpebras descaídas, esfregar os olhos, olhos vermelhos, pupila branca, sensibilidade à luz e dificuldade na aprendizagem. Para evitar perturbações ou até algumas patologias visuais, as crianças também terão que adotar alguns comportamentos e é sempre bom ter em conta os seguintes conselhos: – Quando estás a fazer os trabalhos de casa ou a ler, costumas ter muita luz? Se não, aconselhamos a ter sempre uma luz acesa perto de ti. Quando há pouca luz, os teus olhos vão esforçar-se mais do que deveriam, ficando cansados depois de algum tempo. – Costumas aproximar-te dos livros ou cadernos enquanto estás a ler ou a escrever? Se sim, deves evitá-lo. A maneira como escreves é bastante importante. Deves ter sempre um espaço entre o bico e a zona onde seguras a caneta ou o lápis para que possas ver o que estás a escrever. Assim não precisas de te aproximar tanto da folha. – Quando estás a ver televisão ou no computador, costumas estar deitado de lado? Se sim, aconselhamos-te a não o fazeres. O facto

de estares deitado no sofá ou no chão pode prejudicar a tua visão. Não deves também ter o compartimento onde realizas estas tarefas às escuras. Deves ter sempre uma luz ligada e ainda evitar ver os reflexos da janela ou da luz que tens acesa no ecrã da televisão ou do computador. – Costumas usar o computador ou ver televisão durante várias horas seguidas? Se sim, evita este tipo de comportamento. Os teus olhos precisam de algum descanso. A cada meia hora que estás no computador ou a ver televisão, deves fazer uma pausa de 10 minutos pelo menos. Nestes 10 minutos deves fazer alguma atividade ao ar livre, como andar de bicicleta, por exemplo. A exposição solar é também muito prejudicial, não só para a pele mas também para os olhos. O uso de óculos adequados funcionam como um creme de proteção solar e não devem ser utilizados apenas na praia ou em dias de sol mas também em dias nublados. As crianças devem usar óculos de sol de forma terapêutica e preventiva e não apenas como objeto de cosmética, “só para o estilo”. No entanto os óculos de sol devem ter a proteção ultravioleta adequada e não ter apenas umas lentes escuras. Quando usamos óculos de sol, a nossa pupila (a bolinha preta que temos nos olhos ou a “menina dos olhos”) aumenta de tamanho, aumentando também a entrada de luz solar nos olhos. Se os óculos não tiverem a proteção UV necessária é preferível não os usar porque a longo prazo podem causar sérios problemas visuais, como as cataratas.

Consuma frutas e hortaliças Eles são ótimas fontes de fibras, vitaminas e minerais. Contêm também fitoquímicos que são excelentes antioxidantes, ou seja, protegem as nossas células.

Sabia que…

Alimentos integrais No serviço de urgência é utilizado a triagem de Manchester, um método de triagem que fornece ao doente, uma prioridade clínica de atendimento. Ao doente é atribuída uma das 5 cores de triagem, através de uma pulseira:

Consuma alimentos integrais, são excelentes para manter os níveis de glicémia (açúcar no sangue), têm fibras e ajudam a controlar não só o colesterol como ajudam na saciedade. Ingira líquidos A ingestão de líquidos diariamente, principalmente da água, faz com que nosso corpo se mantenha hidratado e ajuda o organismo a transportar os nutrientes que precisamos.

Vermelha (emergência), com necessidade de atendimento imediato

Fontes: Site nutriadvisers Site minhavida Site natue

Laranja (muito urgente) com necessidade de atendimento, em 10 minutos 

Amarela (urgente), com necessidade de atendimento, em 60 minutos Verde (pouco urgente), pode aguardar atendimento ou ser reencaminhado para outro serviço, em 120 minutos

Azul (não urgente), pode aguardar atendimento ou serem reencaminhados para outro serviço, em 240 minutos. Os utentes dos serviços de saúde podem reclamar dos serviços que lhe são prestados e dispõem das seguintes formas para apresentação de uma reclamação: Nos estabelecimentos públicos, o utente pode solicitar o Livro de Reclamações (designado “Livro Amarelo”) e nele apresentar a sua queixa, no momento e no local da ocorrência. No portal na internet, da Entidade Reguladora da Saúde, através de um formulário (Livro de Reclamações online), acessível a partir do site, https://www.ers.pt/pages/50. Myriam Nunes


7 Como diferenciar alergias de constipação? Os sintomas provenientes das alergias e constipações são tão semelhantes que muitas das vezes são confundidos.

alergias surgem por exposição aos pólenes que aparecem por norma na Primavera e no Outono.

A verdade é que existem algumas diferenças entre as duas e que nos podem ajudar a distingui-las.

Se um sintoma aparece muitas vezes durante a mesma época é provável que seja alergia a algo presente durante essa estação.

Normalmente as constipações trazem consigo problemas de garganta e em alguns casos febre. Quando sentir os olhos a lacrimejar e o nariz pingar podem também ser sintomas de alergia.

Outro fator de determinação é a duração: uma constipação tem, normalmente, duração de três e sete dias. As alergias por sua vez podem durar semanas ou até meses dependendo do tempo que a pessoa tiver sido exposta.

Temos algumas dicas que podem ajudar a distinguir uma da outra:

A cor do muco nasal também permite compreender melhor sobre o que estamos a enfrentar. Se o muco possuir cores como verde ou amarelo, o mais provável é que seja uma constipação ou uma infeção, as alergias por seu lado produzem normalmente uma secreção incolor.

A altura do ano é um fator que influencia e muito o aparecimento de ambas. No Inverno há maior probabilidade de as constipações surgirem. Ao contrário das constipações, as

Agora todas as mulheres inscritas nas Unidades de Saúde, com idade entre 50-69 anos, podem realizar uma mamografia, de forma gratuita, de 2 em 2 anos.

A Viseucare Clinic tem ao seu dispor a NOVA tecnologia da LPG® endermologie® - Alliance Medical, um equipamento médico-estético capaz de remodelar o seu corpo. Endermologie® é o princípio de acção exclusivo e patenteado da tecnologia LPG® em que ocorre a estimulação da superfície da pele para reactivar a actividade celular. Indicada para combater todas as manifestações inestéticas: rugas, flacidez, gorduras resistentes localizadas, celulite entre outras. Abdómen ou flancos, celulite ou firmeza… o eterno dilema deixa de existir. No mesmo tratamento o manípulo realiza 3 acções em simultâneo: Eliminar depósitos de gordura Melhorar o aspecto da pele “casca de laranja” Reafirmar a pele Uma técnica 100% natural, não invasiva e sem efeitos secundários.

Sabia que… O Programa Nacional de Rastreio de Cancro da Mama alterou a faixa de idade rastreável. Até há pouco tempo, a idade rastreável era definida entre os 45-65 anos.

LPG® endermologie®

Marque a sua consulta de diagnóstico personalizada e totalmente gratuita. A Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) é constituída por um conjunto de instituições, públicas ou privadas, que prestam cuidados continuados de saúde e de apoio social a pessoas em situação de dependência, tanto na sua casa como em instalações próprias. Myriam Nunes

ÚNICO EM VISEU


8

CHVD

Centro Humanitário Vale do Dão

Cruz Vermelha Viseu

Missão Constitui missão do Centro Humanitário Vale do Dão da Cruz Vermelha Portuguesa, prestar assistência humanitária e social – em especial aos mais vulneráveis e desfavorecidos – prevenindo e reparando o sofrimento, e contribuindo para a defesa da vida, da saúde e da dignidade humana, em obediência aos Estatutos da Cruz Vermelha Portuguesa e em conformidade com as normas do Direito Internacional Humanitário e respectivos Princípios Fundamentais: Humanidade, Imparcialidade, Independência, Neutralidade, Voluntariado, Unidade e Universalidade.

Possui hoje o Centro Humanitário Vale do Dão: Equipa de Socorro e Transporte – Estrutura Operacional de Emergência; Acção Social: Gabinete de Apoio Psicossocial; Gabinete de Ação Social – apoio a pessoas/famílias com as mais diversas carências (alimentares, vestuário, material escolar, despesas e encargos familiares); Loja Social e Apoio Geral (voluntários que ajudam nas diversas acções e valências); Centro de Formação de Socorrismo: ensino e formação interno e externo de socorrismo e formação dos elementos que posteriormente integram as estruturas de emergência.

local/espaço e horário definidos. Uma vez por semana (quintas-feiras) são realizadas avaliações da Tensão Arterial, Glicemia, Peso e Pulso a quem se dirige ao local, sem qualquer custo para as pessoas. Uma vez por mês tem também lugar a avaliação do Colesterol. Formação/Ensino

Quem somos / Breve historial

O que fazemos:

Através do Centro de Formação de Socorrismo é promove o ensino, formação interna e externa de socorrismo e formação dos elementos que posteriormente integram as estruturas de emergência. A dinamização de Workshops de Primeiros Socorros e de acções de sensibilização à comunidade são também levadas a cabo.

A Delegação de Viseu foi criada em 24 de Outubro de 1870. Tendo desenvolvido toda a sua acção no âmbito da sua matriz humanitária, de acordo com as orientações e prioridades nacionais e internacionais. Nos anos subsequentes a Delegação de Viseu, inicialmente com sede na Rua António José de Almeida, e depois na Rua Direita no ano de 1952, era constituída fundamentalmente pelo Núcleo auxiliar feminino, que não obstante os fracos recursos, com a sua generosidade e descrição, levaram a efeito uma cruzada a favor dos excluídos, materializada em ajudas de vária ordem (material e moral), conforto e compreensão. A 21 de Dezembro de 1983 foi criado o Centro de Socorrismo, tendo como finalidade a formação de novos elementos e dotar esta estrutura de novas valências.

Apoio social

Voluntariado

Resposta de intervenção e emergência com o objectivo de suprir as necessidades imediatas de pessoas ou famílias carenciadas. Esta resposta conjuga dois tipos de apoio: Alimentar e/ou Vestuário.

Tendo em conta que a Cruz Vermelha é uma Instituição humanitária de carácter voluntário, o Voluntariado constitui assim a sua essência. No Centro Humanitário Vale do Dão é possível fazer voluntariado em duas áreas: Apoio Geral – no âmbito da Acção Social; e Emergência – Equipa de Socorro e Transporte. Conta com cerca de 60 voluntários, nas duas áreas de intervenção Social e Emergência.

Consequentemente a 17 de Julho de 1993 foi criada a unidade de Socorro, constituída inicialmente por uma ambulância, melhorando gradualmente os seus recursos com aquisição de mais duas unidades tendo hoje ao seu dispor cerca de 14 viaturas ao serviço, que tem permitido desenvolver a sua acção, de forma mais eficaz, vocacionada no apoio primário, estabilização e transporte de vítimas às unidades hospitalares. A Delegação de Viseu da CVP esteve provisoriamente sedeada no parque de material do IEP – Cruzamento de Gumirães. As novas instalações foram inauguradas em Setembro de 2007 na Freguesia de Ranhados. A Delegação de Viseu é hoje Centro Humanitário Vale do Dão, sendo estrutura autónoma; fruto da reestruturação feita no ano de 2015, sendo constituído por duas estruturas (Viseu e Santar).

O apoio ao nível de bens alimentares é o resultado das Campanhas de recolha de Alimentos anuais realizadas no hipermercado Continente e, pontualmente, de doações pessoas particulares. Já o apoio de Vestuário é assegurado pela dinamização da Loja Social “O Cruzinhas” através da cadência gratuita ou a um preço simbólico de produtos ou bens, usados ou novos, doados por particulares, empresas ou comerciantes, tais como: vestuário, calçado, têxteis, brinquedos, mobiliário, entre outros. Socorro e Emergência Prestação de serviço pré-hospitalar (emergências), prestação de transporte de doentes e apoio a eventos culturais, desportivos e recreativos. Saúde Projecto “+Perto+Saúde”: Projecto que nasce perante a necessidade sentida de uma maior proximidade com os utentes, que manifestamente não têm capacidade de se deslocarem junto dos centros de saúde. Face a esta constatação e, em parceria com a Junta de Freguesia de Ranhados, o projecto foi implementado em 2015 e continua em curso, com a existência de um gabinete que funciona em

Contactos Sede Administrativa Centro Humanitário Vale do Dão Av. Prof. Egas Moniz, Lote 308 Qta da Pomba – Ranhados 3500-643 Viseu Tel. Geral Viseu: 232 484 050 geral@chvd.cruzvermelha.org.pt Serviços de Transporte Tel.: 232 484 051 Polo Humanitário de Santar Estrutura Operacional de Santar Largo Visconde Taveiro 3520-147 Santar Tel. 232 949 446


9

Proteger a Infância das Crianças e Jovens P Proteger a Infância das Crianças e Jovens Prevenção dos maus tratos infantojuvenis na comunidade de Viseu Não é viável falar da temática dos maus tratos infantojuvenis sem abordar, necessariamente, a história da criação da Campanha do Laço Azul iniciada em 1989, na Virgínia, Estados Unidos da América quando uma única avó, Bonnie Finney, decidiu colocar uma fita azul na antena do seu veículo e com isso criar nas pessoas a curiosidade de se questionarem do porquê. Passados vinte e nove anos desde esse marcante e simples feito, continuamos a apelar, sensibilizar e lutar pelos direitos de todas as crianças e jovens contra os maus tratos de que, por vezes, são alvo. O Destacamento Territorial de Viseu da Guarda Nacional Republicana, tendo por base o facto de, no mês de abril se levar a cabo um conjunto de iniciativas que visam o relembrar da necessidade da proteção das nossas crianças e jovens, quis associar-se a esta nobre causa, pois acredita que também dessa forma se protege o futuro da nossa sociedade e, assim, se investe num tempo de cidadãos mais conscientes, equilibrados e capazes. Desse modo, e porque a base de recrutamento da GNR é a própria sociedade, investir hoje na nossa juventude e no seu desenvolvimento é garantir que os futuros guardas nacionais republicanos também serão sempre melhores. Em estreita colaboração com a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Viseu, o Destacamento Territorial abraça esta causa e torna-se porta-voz da mensagem de que todos temos Direitos, mas também Deveres e, é um dever, diremos mais, é uma obrigação, que toda a sociedade zele pelo bem-estar e proteção dos mais frágeis e desprotegidos, como é o caso das crianças e jovens, acautelando todas as situações em que tal possa ser posto em causa. A sensibilização que se intensifica, porque o objetivo é para chegar a todos, deixa um alerta para o facto de que a violência contra as crianças e os jovens não se faz sentir unicamente na forma física, mas também na forma psicológica, marcando-as, em certas situações, para a vida. E também por isso é apresentado o “Violentómetro”, como forma prática de resumir e compreender a escalada de violência que pode e infelizmente continua a ser utilizada, diariamente, contra crianças e jovens. Assim, quem quiser compreender como funciona o Violentómetro, basta que se dirija ao quartel do Comando Territorial de Viseu, para que aí, possamos ajudar qualquer cidadão na compreensão da referida escalada e sua medição.

Nem sempre é fácil identificar os maus tratos e sinalizar crianças e jovens que deles sejam vítimas, mas importa que tudo sejamos capazes de fazer, de modo unido e responsável, para que as nossas crianças e jovens de hoje possam ser adultos felizes e equilibrados do amanhã. Não existe uma fórmula, um método ou panaceia que nos ajude a identificar ou alertar para uma situação em que uma criança ou jovem esteja a ser vítima de maus tratos, antes teremos de ser todos nós a estar atentos a certos fatores, sinais e comportamentos e, a partir daí, chegar a certas conclusões, que devem, ainda assim, ser prudentes e equilibradas. Arriscar-nos-íamos a enunciar algumas, tais como: • Insucesso escolar; • Fraco relacionamento social; • Estado emocional debilitado; • Agressividade; • Consumo e abuso de certas substâncias. Perante tais sinais, podemos e devemos reagir atempadamente e corretamente, informando as autoridades competentes, para que algo possa ser feito, no sentido da confirmação dos indícios e, a partir daí, da tomada de posições por parte da própria sociedade, representada pelas instituições que na matéria têm responsabilidades. Durante todo o mês de abril e integrado na iniciativa de sensibilização para a temática vai ser possível acompanhar diversas atividades, das quais se salientam: • 10 de março a 27 de abril - Concurso “Laço Azul” • 01 e 03 de abril - Distribuição de Laços Azuis pelos profissionais do Centro de Saúde Viseu - (UCC Viseense) • 02 a 27 de abril - Exposição “Laço Azul” (UCC Viseense), Dinamização de atividades no Pré-Escolar dos Agrupamentos de Escolas do Concelho de Viseu, Afixação de Violentómetros - (Escolas Secundárias do concelho de Viseu, Centros de Saúde Viseu 1 e 3, CHTV

Viseu, GNR Viseu, PSP Viseu e Segurança Social Viseu) e Exposição nos edifícios das entidades parceiras da Rede Social do “Laço Azul” - (Rede Social) • 16 de abril - Seminário “Prevenção dos maus tratos infantojuvenis na comunidade de Viseu”, no auditório da Escola Superior de Saúde de Viseu. Por todo o concelho de Viseu poderão ainda ser vistos, no decurso desse espaço temporal, diversos laços azuis que se constituem como símbolo da temática, sendo que, querendo associar-se, qualquer cidadão o poderá fazer, bastando que coloque um laço azul no seu carro, casa, espaço de trabalho ou até mesmo na lapela, mas especialmente denunciando e protegendo todas as crianças e jovens que sofram maus tratos. Ao longo dos tempos o respeito pela diferença sempre foi o grande desafio das sociedades, mas estamos convictos de que hoje, mais do que nunca, estamos no caminho certo, trilhado com passos por vezes lentos, mas seguros. E é nesse contexto que a Guarda Nacional Republicana se quer associar, também a esta louvável iniciativa, e dar desse modo cumprimento nobre à sua missão e fazer jus ao lema de uma Força Humana, Próxima e de Confiança. Porque o futuro começa a ser construir hoje, é importante que a sociedade se saiba e queira mobilizar em torno de campanhas e medidas que a transformem e a encaminhem no sentido do respeito por tudo e por todos, pois que essa é a marca de uma sociedade madura e adulta. Mas importa nunca esquecer de que o dever de lutar por uma sociedade melhor e mais justa é de todos nós, porque para todos nós. Alferes Rui Carvalho Comandante do Destacamento Territorial de Viseu Alferes Rui Carvalho Comandante do Destacamento Territorial de Viseu


10

Ao serviço da saúde Sediada em Viseu, a Medical Plus dedica-se à comercialização de produtos médicos e hospitalares desde 2003. O projecto nasce com a crescente necessidade de adaptar a oferta às necessidades do seu público-alvo. Com uma estrutura de atendimento ao público especializada, a Medical Plus pretende assim, responder eficazmente às exigências do mercado. Apostando sempre na inovação e diversificação a Medical Plus abriu em 2010 um laboratório de Ortoprotesia, criando um serviço de qualidade na região. Este espaço é dedicado à produção de ortóteses plantares, ortóteses para tronco e membros, ortótese craneal para plagiocefalia e próteses para membro superior e inferior. Trabalhando em colaboração com diferentes empresas nacionais e internacionais, a Medical Plus comercializa vários equipamentos e consumíveis médicos e hospitalares, abrangendo várias áreas ligadas à Saúde. Garante, igualmente, um óptimo serviço de assistência e uma grande proximidade com os seus clientes. De entre as principais áreas de actividade da Medical Plus, destacam-se as seguintes: Geriatria, Hospitalar, Reabilitação, Ajudas Técnicas para a vida diária, Alteração de Veículos para usuários de cadeiras de rodas, Acessibilidades, Fisioterapia, Cardiologia, Espirometria, Audiometria, e equipamentos diversos. A Medical Plus é um parceiro de referência no fornecimento de equipamentos médicos para cuidados domiciliários, de forma a proporcionar maior qualidade de vida, apoiando-se na ampla experiência e vastos conhecimentos em posicionamento, sedestação e material de prevenção de escaras. Assegurando a qualidade de vida de pessoas com mobilidade condiciona e/ou reduzida, a Medical Plus dispõe de uma diversidade de equipamentos e soluções a pensar em si. Desde cadeiras elevatórias, plataformas elevatórias, adaptação de carros e elevadores. Dispomos de uma equipa técnica especializada capaz de encontrar a melhor solução. Facilitar a sua acessibilidade é o nosso objectivo! O Sistema de Gestão de Qualidade da Medical Plus - Produtos Médicos e Hospitalares, implementado na comercialização de produtos médicos e hospitalares; laboratório de ortoprotesia; instalação e assistência técnicas a equipamentos e dispositivos médicos está certificada pela APCER de acordo com a norma ISO 9001:2015. A evoluir e a ir de encontro cada vez mais às exigências do consumidor, a Medical Plus mudou recentemente de instalações. Agora poderá nos encontrar na Rua do Palácio do Gelo, lote 215. Frente à porta norte do shopping Palácio do Gelo e englobado no conjunto urbano onde se insere o edifício com o hospital CUF Viseu. Medical Plus


11

PRODUTOS MÉDICOS E HOSPITALARES GERIATRIA HOSPITALAR

REABILITAÇÃO AJUDAS TÉCNICAS

RUA DO PALÁCIO DO GELO, Nº3 LOTE 215 LOJA I 3500-606 VISEU, PORTUGAL

ALTERAÇÃO DE VEÍCULOS FISIOTERAPIA

TELEF.: +351 232 458 619 EMAIL: GERAL@MEDICALPLUS.PT

MEDICINA NO TRABALHO EQUIPAMENTOS DIVERSOS

www.medicalplus.pt


12

Testemunho João Sousa

Todos temos uma história de vida, com a qual aprendemos muito, eu procuro com a minha inspirar e motivar outras pessoas que têm o mesmo problema que eu tive ao longo de 30 anos da minha vida. 13 de Agosto de 2013 como retrata a foto estava contente, feliz e na companhia dos meus amigos e colegas de empresa da Finiclasse, comemorava os meus 30 anos, pesava mais de 150kg. Alguns meses antes a balança passou a dar erro devido ter excedido os 150kg de peso limite, não sabia quanto pesava, mas também não me importava. Pensava em mudar mas não sabia quando nem como começar, apenas sabia que quando começasse iria até ao fim. O que me fazia pensar assim era a história de vida dos meus pais, o meu pai faleceu em 08 de Julho de 2002, com um enfarte do miocárdio nos meus braços enquanto o agarrava na queda para o chão. Tínhamos acabado de almoçar no restaurante do meu padrinho de batismo em Coimbra e despedíamo-nos para regressar a Trancoso depois de uma manhã de exames no Hospital Universitário de Coimbra. A minha mãe tinha diabetes, e tinha cancro dos intestinos, media os diabetes três vezes ao dia, injetava insulina duas vezes ao dia e tomava 9 comprimidos por dia para os diabetes e para a hipertensão. Toda a minha vida fui obeso, o peso nunca parou de aumentar, por mais exercício que praticasse. No início do mês de outubro de 2013 comecei a minha dieta, parei de fazer

exercício físico e passei a controlar a minha alimentação, apercebi-me que se sempre que fazia exercício físico a gula aumentava e comia mais do que tinha perdido, assim cortei em todos os açucares adicionados, refrigerantes, bolachas, sobremesas, chocolates, aumentei o consumo de fruta sem as misturar. Bebia cerca de 1,5L de refrigerantes por dia, substitui por água, comia sobremesas doces que troquei por fruta. O resultado deste corte fez-se rapidamente sentir em 23 de Novembro de 2013 já tinha perdido pelo menos 17 kg a balança já marcava 133kg, as pessoas ainda não notavam, eu ainda usava a mesma roupa, mas eu já notava a diferença. Estava mais motivado, os resultados apareciam, decidi começar a caminhar e nadar, já me conseguia controlar, não era fácil, caminhava uma hora por dia mesmo que chovesse e nadava duas vezes por semana. Em janeiro de 2014 decidi começar a correr, lia muitos artigos sobre alimentação, exercício físico, tentava perceber que caminho havia de seguir para continuar a perder peso, assim decidi começar a correr, era a melhor forma de acelerar o processo de perda de peso, comecei pelos 100 metros e aos poucos ia aumentando, intercalava a corrida com a caminhada, até que já corria mais do que caminhava. Aos poucos cortei nos fritos e gorduras, fui substituindo os hidratos de carbono, deixei de comer batatas, as massas e o arroz passaram a integrais e o pão era de sementes, os legumes passaram a ser presença assídua no meu prato. Não como chocolates, bolachas nem bebo refrigerantes, o segredo

é simples quando vou ao supermercado não os compro! Dia 25 de abril de 2014 pelas 11h30m fiz a minha primeira prova a sério, na minha própria terra e para espanto de muitos, eu estava equipado e pronto a correr os cerca de 6 quilómetros da prova, não me interessava o tempo nem o lugar, verdadeiramente ainda hoje não me interessa, apenas pretendia acabar a prova bem, sem lesões, sem dores e feliz. E acabei à frente de todos os outros que não correram! Depois deste dia nada voltou a ser como antes, a paixão pela corrida deixou a estrada e passou para o monte, seguindo-se as montanhas, o meu peso continuou a descer até aos 80Kg no início de julho de 2014, tinham passado 10 meses de dieta e perdi cerca de 70kg. O que nesta altura chamava de dieta ainda hoje são os meus hábitos alimentares, tinha então atingido o peso que queria e pretendia. No mês seguinte, mais propriamente no dia 10 de agosto de 2014, faleceu a minha mãe no hospital da Guarda devido a uma infeção, tinha muitos problemas de saúde, hipertensão, diabetes e vivia há mais de 10 anos com uma bolsa de colostomia, tudo derivado a uma alimentação rica em açucares, gorduras e hidratos de carbono, tudo isto aliado ao sedentário estilo de vida… A paixão pelo desporto foi aumentado, para além de correr experimentei o triatlo e as travessias a nado, neste momento estão postas de parte porque com o tempo aprendi que se não treinar o suficiente, chego às provas e sofro muito, então por falta de condições de treino deixei o triatlo e as travessias para um


13 dia regressar. Foco-me em fazer aquilo que mais gosto de fazer, correr, fui aumentando as distâncias para perceber os meus limites, mas ainda não os alcancei, estou nos 110km como a maior distância que corri até hoje, mas pretendo superar. Em outubro de 2015 fazia parte do grupo recém-formado Guarda Runners, sentia que em Trancoso apenas o Futebol era desporto e achava que havia a necessidade de ser criado um grupo de atletismo. Foi então que em fevereiro de 2016 fiz uma crítica no Facebook a uma publicação do Grupo Desportivo de Trancoso em que disse que nem só de Futebol vive o desporto, o Grupo Desportivo de Trancoso apenas tinha o Futebol e o Futsal. Perante a crítica a actual Presidente Carla Santos desafiou-me a juntar-me ao grupo e a criar a secção de atletismo. Assim fiz, tentei juntar amigos ao projeto mas ninguém quis trabalho, decidi avançar sozinho, comecei os treinos de prospeção em julho de 2016, reuni apoios para t-shirts técnicas com o nome do clube e lancei-me em provas a vestir a camisola e a levar outros comigo, conquistamos pódios, filiei o Grupo Desportivo de Trancoso na secção de Atletismo da Guarda, apostei na minha formação tirando o curso de Treinador de atletismo pela Federação Portuguesa de Atletismo em Novembro de 2016, faltando-me ainda o estágio para conclusão do curso. No início foi-me prometido muita coisa, caixa de saltos, pista de atletismo…, mas o tempo passa e nada, é difícil trabalhar sem ferramentas, vivo do improviso. Foi então que decidi alterar os meus treinos porque os meus atletas se tivessem jogo de futebol já não iam à prova de atletismo! Decidi continuar com a secção, porque queria e quero tornar o atletismo uma tradição em Trancoso. Achei que devia ajudar a mudar vidas como eu mudei a minha e criei o formato de dois treinos semanais, atualmente à terça e à quinta no pavilhão da escola EB 2 e 3 de Trancoso.

Um treino funcional onde procuro ensinar a correr e a ganhar forma física para pessoas que sintam a falta de estarem em forma independentemente da idade e assim ganharem qualidade de vida. Nos meus treinos cada um faz o que consegue, não há nada obrigatório, podem ser sugeridos exercícios apesar de haver um plano de treino para cada treino. O grupo não pára de crescer, fizemos um seguro coletivo em que apenas tem quem quer, nada é obrigatório e o meu trabalho é gratuito, dou dicas de alimentação e faço circular o livro “Dieta –Um Modo de Vida” de Ana Barros e Luís Matos com planos alimentares. Mais do que a satisfação de quem frequenta os meus treinos estão aqueles que aos poucos conseguem seguir o meu exemplo e vão vencendo a obesidade mórbida tal como eu, o meu amigo Pi (Pedro Santiago) decidiu mudar aos 180kg, está no bom caminho com 100kg, começou a dieta no início de 2017, frequenta os nossos treinos desde Julho e desde então tem ganho saúde de dia para dia. Acredito que o meu “projeto” faz muita gente feliz, é essencial que para além do dinheiro, as pessoas sejam proactivas e ajudem a desenvolver novos projetos que venham trazer mais qualidade às nossas vidas, o meu “projeto” já está a ser replicado nas Freixedas, uma pequena aldeia do concelho de Pinhel pela mão do Pi (Pedro Santiago) da mesma forma que eu o desenvolvo, gratuitamente porque nada paga a alegria e motivação que eu encontro em todos os meus “atletas” nos meus treinos, a todos eles o meu “Muito Obrigado”.


14

OPINIÃO

A Arte Urbana Uma cidade em Viseu no caminho da sustentabilidade A cidade de Viseu é reconhecida não só pelos seus vinhos, mas também pela sua riqueza histórica, mas não é só isso que distingue esta cidade que já foi considerada a melhor para se viver. Há muito mais para descobrir. Viseu possui um vasto número de edifícios que ficaram no esquecimento com o passar dos anos, por isso o Município de Viseu convidou vários artistas talentosos para que deixassem sua marca pela cidade. Para realizar essas obras de artes foram convidados artistas como: •AKA Corleone que já fez duas intervenções em Viseu, a primeira em 2015 no Bairro da Balsa e a segunda em 2016 que pode ser observada entre os dois edifícios da Universidade Católica de Viseu. Teve o seu primeiro trabalho muito bem recebido pelos habitantes locais que nomearam o projeto de 2015 como “Balsa City”. •BASIK nascido em Itália, considerado pela revista Aelle como um dos mais influentes “graffiti wrinters”, é conhecido pelas suas pinturas a óleo com temas medievais tendo como inspiração o pintor português Grão Vasco. Podemos encontrar a sua obra junto a Rua Serpa Pinto. •Daniel Eime nascido em 1986, nas Caldas da Rainha, é considerado o mestre do stencil (técnica usada para representar um número, letra, símbolo tipográfico ou qualquer outra forma ou imagem figurativa ou abstrata). Em 2016, inaugurou a sua primeira exposição a solo: MOVE, em Viseu, o seu trabalho pode ser admirado na Escola Básica da Avenida. •Frederico Draw, natural do Porto, fez duas intervenções em Viseu. A primeira em 2015 consiste numa bela mulher com uvas nas mãos e a segunda encontra-se no bairro municipal. Frederico é um adepto das expressões humanas. •Mariana, nascida em 1986, em Leiria, estudou Design Gráfico. O seu trabalho em Viseu está localizado no coração histórico da cidade, retratando uma mulher a comer uvas, sendo que as uvas são rostos masculinos. •Gustavo Teixeira mais conhecido como Mesk, começou como desenhista de banda desenhada, mas logo se aventurou no mundo dos graffitis e desde então nunca mais o largou. Podemos observar o seu trabalho junto à central de camionagem de Viseu. Esses são apenas alguns exemplos de artistas para além de Mário Belém, Bruno Reis Santos (Lord Mantraste) e Ângela Ferreira (Kruella d’Enfer). Decidiram aceitar o desafio e colocar em prática a sua arte em Viseu. Na minha opinião acredito que trouxe uma certa beleza à nossa cidade, dando-lhe um ar mais moderno sem ofuscar a parte histórica.

Jonathan Silva

O candeeiro sempre-em-pé

Com uma paisagem determinada pela grandeza montanhosa da serra, a cidade de Viseu e as suas freguesias são um destino de eleição para inúmeros turistas que procuram cultura, entretenimento e turismo sustentável aliado ao bem-estar. Com um património riquíssimo e uma cultura com mais de dois mil e quinhentos anos de história, Viseu é uma região que inspira pessoas de todo o país. Nos dias de hoje, no terreno, as ruas tortas do centro histórico parecem um labirinto, sempre limpas, com movimento, turistas e alegria. Pode-se, à vista desarmada, precipitar a conclusão de que esta é das melhores cidades para viver. De facto, o marco a partir do qual Viseu se desenvolve, é que somos a Melhor Cidade para Viver, em Portugal! Viseu é referência nacional de qualidade de vida, caracterizada por um espaço urbano conhecido, um centro histórico reabilitado, uma mobilidade eficiente, várias infraestruturas, serviços e iniciativas sustentáveis. Não só por termos belos jardins, característica fundamental para a defesa do nosso turismo, sendo que cá se encontram monumentos emblemáticos, boa gestão do património, uma qualidade de água e ar fantásticos e boas acessibilidades. A nossa cidade conserva a qualidade de vida a par com um avanço na questão da eficiência energética e de sustentabilidade, na medida em que possuímos jovens agricultores nas nossas freguesias, usufruímos da ETAR mais evoluída do país, as escolas integram vastos programas de educação ambiental, as empresas crescerem de forma sustentável e possuímos vários espaços para a prática de turismo rural. Com muito gosto promovemos o vinho do Dão, motivo de grande aposta nacional, a nossa cozinha, os nossos espaços florestais, as nossas freguesias. Apostamos nas nossas origens. Viseu é uma cidade cheia de ideias, com vida e vontade de crescer e de se afirmar no território ibérico. Está a desenvolver-se e a evoluir no caminho da sustentabilidade, a reconhecer o valor das áreas rurais e a tentar preservá-las. Viseu, não é apenas ‘verde’ nos espaços verdes, mas também na cultura e entretenimento. Dito isto, a nossa cidade pode considerar-se um exemplo para outras cidades.

Paulo Alexandre Cardoso

Nº de inventário: 5131 Diâmetro: 6,82 cm Altura: 13,5 cm “Deus disse: Faça-se a luz. E a luz foi feita. Deus viu que a luz era boa, e separou a luz das trevas. Deus chamou à luz dia e às trevas noite.” Viver à luz deste dia era bom, mas nas trevas da noite era mau. Foi preciso esperar milénios pela descoberta do fogo para que pudéssemos contar com a iluminação artificial. Uma acha, uns gravetos, umas “pinhas” foram as primeiras “lanternas”. As resinas, a gordura dos animais, os óleos vegetais ajudaram a criar as tochas, as velas e as lucernas, logo que o trabalho do barro o permitiu. E o homem nunca mais parou. De descoberta em descoberta foi progredindo cada vez mais na sua capacidade de melhor se iluminar. Entre nós, ainda estão na lembrança dos mais velhos as diversificadas candeias de azeite, os candeeiros e lampiões de petróleo, os gasómetros de carboneto, os petromaxes de gente rica ou dos pescadores, as velas de cera ou estearina. Tudo isto antes da descoberta “milagrosa” da eletricidade vinda do tempo do grego Tales de Mileto até que em 1875 se instalou na gare du nort, em Paris, um gerador capaz de produzir eletricidade para iluminar esta enorme estação do caminho de ferro francês. O candeeiro que hoje vos trazemos funciona a creosende (designação popular do petróleo de iluminação) e era uma peça de gente abastada. Arredondado e pesado na sua parte inferior, dava garantias de se manter sempre em pé, mesmo em circunstâncias de qualquer pequeno acidente. O seu tamanho, o feitio arredondado ao jeito da mão humana e a pequena e eficiente chaminé permitiam e aconselhavam a sua utilização em movimento pela casa não iluminada.


Mark’it O Mark’it é um evento que ocorre há 5 anos consecutivos no final do 2º semestre e que pretende dar a conhecer os produtos desenvolvidos pelos alunos da Licenciatura em Marketing, da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu, criados no âmbito do Projeto Mark’it, uma ferramenta diferente e inovadora de ensino por projeto. O Projeto Mark’it Integra várias unidades curriculares dos segundo e terceiro anos do curso. Os alunos têm uma visão integradora dos diferentes conteúdos, criando um produto ou serviço, desde a fase de conceção até à sua colocação no mercado. Todos os anos é lançado um tema sobre o qual os alunos desenvolvem o seu produto. Os temas nos últimos 5 anos foram “Thermal Water Cosmetics”, “Creative Food”, “Healthy Food”, “Wood Design” e “Souvenirs de Viseu”. Este ano o tema escolhido foi Casa e Jardim. O evento Mark’it tem ganho notoriedade ao longo destes anos, contando com uma plateia repleta de participantes, essencialmente alunos (do Ensino Secundário e do Ensino Superior), empresários, professores e profissionais ligados à área de Marketing. A parte da manhã é reservada para a apresentação dos diferentes produtos, onde cada grupo terá de enfrentar os comentários dos jurados, que irão decidir o produto merecedor do 1º lugar. A parte da tarde é dedicada a palestras com oradores de renome. O evento já contou com a presença do apresentador e marketeer Gonçalo Morais Leitão (na 2ª edição), do humorista e apresentador Fernando Alvim (na 3ª edição) e na última edição contou com o Tim Vieira, CEO da “Special Edition Holding” (África) e “Bravegeneration” (Europa), conhecido também pela sua participação na 1.ª Temporada do “Shark Tank Portugal”. Este evento é organizado pelos alunos do 3º ano da Licenciatura em Marketing. É de salientar que este projeto está sempre associado a uma causa solidária, apoiando assim várias causas e instituições, como por exemplo, os Bombeiros Voluntários de Viseu, a Liga Portuguesa Contra o Cancro, a Operação Nariz Vermelho e o Internato Viseense de Santa Teresinha. A 6ª Edição do Mark’it irá ocorrer no dia 29 de maio de 2018, na Aula Magna do Instituto Politécnico de Viseu, com o tema “Casa e Jardim” e apoiará a Associação “Plantar Portugal”.

15 Sabia que... Entrou em vigor, no dia 1 de janeiro de 2018, a nova lei do tabaco, a Lei nº 63/2017. Esta dita que será proibido fumar nos locais destinados a menores de 18 anos, mesmo que estes sejam ao ar livre. Institui também a proibição do uso de produtos equiparados a cigarros, em locais públicos fechados. Tais como cigarros eletrónicos, produtos que produzam aerossóis, vapores, gases ou partículas inaláveis, tabaco de mascar ou inalar.

A Unidade de Longa Duração e Manutenção, nesta inserida, proporciona internamentos de 90 dias por ano, a cuidadores de pessoas dependentes, quando estes têm necessidade de descanso. Com a realização do registo eletrónico da vacinação, o boletim de vacinas «eBoletim de Vacinas» passa a poder ser consultado online pelo cidadão, desde que esteja registado na Área do Cidadão do Portal SNS. Myriam Nunes

Amamentar viseu Somos a Laura Orion, Assessora de Lactação e Psicóloga, e a Vanda Rodrigues, Educadora Social, e queremos dar a conhecer o AMAMENTAR + VISEU. É um projeto piloto de promoção e apoio na amamentação. Este é inovador na forma como se apresenta e como prevemos que seja implementado. Queremos que o maior número de mães tenha acesso a um serviço de saúde de qualidade, gratuito, em que possam ver esclarecidas todas as suas dúvidas em relação à amamentação assim como, se vejam acompanhadas, auxiliadas, orientadas e apoiadas de forma prática e eficaz nesta nova fase de vida. O projeto foi desenvolvido para ser implementado no sistema nacional de saúde e ajustado à realidade da nossa cidade e distrito.

- Prestar assistência de proximidade nas áreas do aconselhamento, saúde, psicologia, direitos humanos, reintegração social e cidadania; - Orientar e direcionar sobre a importância da amamentação, técnicas e principias desafios nos primeiros dias; - Despertar nas mulheres da comunidade o interesse pela prática do aleitamento materno e a sua normalização em termos sociais; - Trabalhar questões formativas, orientadas e estruturadas, com os profissionais de saúde. - Conciliar as necessidades e objetivos das mães e bebés com as necessidades e objetivos do Hospital e assim promover saúde, segurança e bem-estar emocional de forma equitativa. Pensamos que este projeto será uma mais valia para a nossa cidade e para o sistema nacional de saúde.

Os principais objetivos do projeto são: - Propor mudanças na compreensão e na prática do aleitamento materno da gestante, da sua família, da sociedade e dos profissionais de saúde, contribuindo para uma adequada orientação às gestantes, quanto à nutrição dos lactentes;

Poderá saber mais sobre o projeto na página do Facebook da Amamenta Viseu ou na página do Viseu Social

Laura Orion e Vanda Rodrigues


16

DESPORTO

JUDO CLUBE DE VISEU “COM VISEU DESDE 1970” Os primeiros contactos com o Judo em Viseu datam de 1968, tendo sido fundado o Judo Clube de Viseu em 1970, por António Cândido da Rocha Guerra Ferreira (1º Presidente). Foi o 31º Clube filiado na Federação Portuguesa de Judo. Em 1975, regressado de Angola, radica-se em Viseu António de Figueiredo Almeida, pessoa que muito contribuiu para o desenvolvimento da modalidade do Distrito de Viseu. Foi Presidente do Judo Clube de Viseu e devido às atividades desenvolvidas por este Clube e seu reconhecimento pelas entidades oficiais, foram conseguidas as verbas necessárias para a construção do Pavilhão de Judo do Fontelo, que foi inaugurado a 13/06/1987. Este mesmo Pavilhão, foi demolido aquando das obras de remodelação do Pavilhão Desportivo do Fontelo. Desde a criação do Judo Clube de Viseu e até aos dias de hoje, esteve envolvido sempre António José Rodrigues de Sousa. O Mestre Rodrigues Sousa, como é conhecido em Viseu, está no Judo há perto de 50 anos, ligado ao Judo Clube de Viseu desde sempre, foi Presidente e ainda hoje é o Diretor Técnico e Treinador de Competição do Clube. Tem a graduação de 6º Dan (Cinto Vermelho e Branco), das mais altas atribuídas em Portugal e é Treinador de II Grau de Judo. Em Fevereiro de 2017, assumiu a Presidência do Clube, Bruno Figueiredo (neto de António Figueiredo Almeida), que assumiu um projeto de reestruturação e modernização do Clube. Com o apoio do Mestre Rodrigues Sousa na componente Técnica, de Formação e Competição, criaram Manuais de Formação para serem utilizados num Programa de Formação Interno para o Clube.

Trail

Da moda à consolidação

O desafio foi lançado por Bruno Figueiredo a uma atleta do Clube a estudar em Inglaterra, Mariana Cancelas de Noronha, que criou uma mascote para o Clube – “NEKÔ”. Com a mascote criada, foram concebidos também dois Manuais de Formação Infantis, de modo a gerar um contexto de aprendizagem e estruturação do trabalho feito na Formação e Iniciação do Clube. A recuperação do Código Moral do Judo, o redescobrir da tradição da Arte Marcial e dos princípios que regem o Judo, têm sido os principais pontos para a atual Direção implementar desde as camadas mais jovens do Clube. Na área de Competição, em 2017/2018 destacaram-se com excelência dois Atletas do escalão de Cadetes, Rodrigo Boavida (Medalha de Prata e de Bronze em Provas Internacionais em 2017; Campeão Nacional Cadetes 2018; Vice-Campeão Nacional Juniores 2018; Penta Campeão Zona Norte) e Francisco Soares (Campeão Nacional Cadetes 2017; Medalha Bronze Nacional Cadetes 2018; PentaCampeão Zona Norte; Participação em Taças da Europa entre outros), cujo sucesso muito se deve à orientação do Mestre Rodrigues Sousa. O Clube conta atualmente com mais de 200 Atletas inscritos, tem Sede e Sala de Judo no Pavilhão Desportivo do Fontelo. As aulas de Iniciação e Formação são dos 4-8 anos; 9-12 anos e as aulas Técnicas e de Competição +13 anos. Trabalham semanalmente 3 Treinadores efetivos, com um 4º treinador em Estágio. O Judo Clube de Viseu está a reinventar-se a cada dia e continua a prestigiar ao mais alto nível o Judo e a Cidade de Viseu. Bruno Almeida

Há cerca de 6 anos o trail em Portugal era a nova moda dentro do mundo da corrida. Correr em percursos fora do asfalto e na montanha começou a ter mais e mais adeptos no nosso país. Em Viseu, meia dúzia de atletas começava a participar em algumas provas emblemáticas por esse país fora, como o Trail da Serra da Freita, da Serra D’ Arga, os Abutres e o Oh Meu Deus (Serra da Estrela). Os relatos das experiências e as evidências fotográficas partilhadas levaram-me a participar em algumas provas… desde os 25km até aos 70km em Portugal e no estrangeiro, nomeadamente na Suíça, em que a minha participação numa das distâncias da prova rainha do Trail, o Ultra Trail du Mont Blanc (UTMB), foram 55km de pura adrenalina na “Meca” do Trail. O que me tem motivado a continuar é o contato com a natureza e o tão falado “espírito” do Trail, em que as classificações ficam para segundo ou terceiro plano, o importante é o convívio e a camaradagem entre os participantes e alcançar o fim da prova com boas sensações. Em Viseu o número de atletas e equipas é impressionante e isso vê-se nas provas que contam com grande participação. Têm contribuído para esse fim os grupos organizados de corrida que há nesta cidade e arredores (Viriatus Runners, Viseu 360º, Correr Viseu, Viseu Running Team, Viseu Trail, Os Ribeirinhos, PSP Runners, Runners do Demo, entre outros). Para mim é uma modalidade consolidada na qual os visienses têm tudo para ter bons resultados a nível nacional dado que as condições geográficas são umas das melhores do país. Jomi Runner


17 Futebol Para Leigos O Futebol nasceu em Inglaterra dando origem à The Football Association, tendo as primeiras regras deste desporto rei surgido em 1863 e que constituem atualmente as bases deste desporto. Para quem não compreende muito bem como funciona este desporto que encanta e leva multidões à loucura abordarei alguns aspetos que fazem parte do futebol. O Campo de futebol deve ser retangular com medidas compreendidas entre 90 a 120 m de comprimento e 45 a 90 m de largura. As linhas que envolvem o campo podem ser chamadas de linhas laterais e as menores são denominadas por linhas de baliza, devido ao facto de ter as balizas sobre elas. O campo encontra-se dividido por uma linha que é chamada de linha de meio campo, tendo sobre ela um grande círculo e o centro do campo onde se dá o início de cada partida. Nos quatro cantos do campo existem 4 bandeiras onde são marcados os cantos. Para quem não sabe um Canto é quando a bola ultrapassa a linha de baliza, quer pelo chão quer pelo ar, tocada, por último, pela equipa que está a defender a sua baliza. O Futebol é um jogo que é disputado por onze jogadores de cada lado sendo que um deles é denominado de guarda-redes, o único em campo que pode usar as mãos. O jogo não pode começar se uma das equipas dispuser de menos que 7 jogadores. Um jogo de futebol é constituído por duas partes de 45 minutos sendo que a esses 45 podem ser acrescentados mais alguns minutos mediante decisão do árbitro. Num jogo oficial só podem ser realizados 3 substituições, tirando os escalões inferiores como os das crianças, que não existem limites.

O Futebol é jogado com uma bola esférica feita de couro ou outro material equivalente. Um jogo de futebol é arbitrado por um Árbitro que tem na sua equipa dois bandeirinhas e que são os responsáveis pelas marcações dos fora de jogo e algumas faltas. Mas a autoridade e última decisão que é tomada dentro de campo passa sempre pelo árbitro e só pode ser revogada por ele se se verificar incorreta ou por indicação dos seus assistentes. Para além disso o árbitro é o responsável pela aplicação das regras do jogo, como manter a ordem em campo, através da atribuição de cartões amarelos ou vermelhos consoante o entender das faltas ou em casos como desrespeito para com o árbitro ou jogadores. Os bandeirinhas são os responsáveis por marcar os fora de jogo. Um Fora de jogo é quando um jogador da equipa que está a atacar se encontra mais perto da linha de baliza do que o penúltimo adversário, valendo lembrar que só contam as partes que podem marcar golos, por isso se tiver os braços à frente do penúltimo adversário não é considerado fora de jogo, também não é considerado fora de jogos nos lançamentos laterais, pontapé de baliza. No Futebol o objetivo é marcar para poder ganhar, pois uma vitória num jogo oficial equivale a 3 pontos e um empate a 1 pontos. Para isso acontecer a bola tem que entrar na baliza ultrapassando por completo a linha, esta possui 7,32 m de comprimento por 2,44 m de largura.

Jonathan Silva

Educar o sonho “Educar o sonho: ética e envolvimento parental na prática desportiva” é o título do livro que leva para uma reflexão provocadora do triângulo do desporto de formação: o atleta, os pais e o clube/treinador. A importância dos pais, a gestão das expetativas destes para com os seus filhos, a formação de treinadores e dirigentes são a chave para o sucesso de um desporto de formação com valores. Enquanto assim não é estamos a formar hooligans desportivos que vão revelar-se através de atos e/ou palavras. Importa referir que o livro não se limita a tocar em aspetos menos positivos do comportamento de Pais e Treinadores, ele promove, concomitantemente, a profilaxia destes comportamentos acendendo luzes orientadoras para este difícil processo de formação através do Desporto. Os insucessos são sempre referidos como incompetência e servem para «chacota». As redes sociais são eco de clubites exacerbadas e de falta de cultura desportiva mesmo por aqueles que têm prática desportiva. Algo falhou nessa prática! Fará sentido em Portugal falar de interioridade? Fica um manifesto, de certa forma político, na abordagem da desertificação e a falta de recursos como aspetos limitativos do desenvolvimento desportivo fora dos grandes centros urbanos. O momento de crispação em que vive o futebol português é muito por falta de cultura desportiva. O livro contém ainda um caderno pedagógico sobre a participação dos pais na prática desportiva. Uma obra de leitura obrigatória para todos os que intervêm, direta ou indiretamente, no processo de formação de futuros Homens através do Desporto. Vitor Santos


18 Clube Golfe de Viseu

GOLFE O Golfe como modalidade tem origens centenárias que remontam ao século XIII, tendo crescido em popularidade na Escócia e no resto do mundo a partir do século XIX. Aliando o desporto e a questão social, esta modalidade consegue desenvolver aspetos únicos nos seus praticantes. O Golfe estimula a coordenação motora e a capacidade de concentração, ao mesmo tempo que ajuda a definir e a estabelecer objetivos, estimulando o auto-conhecimento e o respeito pela natureza. Além dos óbvios benefícios a nível físico e motor, o Golfe representa um desporto de sociabilização, de troca de experiências e amizades. Desde tenra idade, os seus praticantes são familiarizados com um conjunto de regras de “etiqueta” que abrangem cortesia, cuidados com o campo, ordem de jogo e tratamento interpessoal, sempre aliados a um jogo lúdico e divertido. Apesar de aliado a um certo tipo de “elitismo”, o estigma do Golfe tem vindo a ser desmistificado nos últimos anos, principalmente através do ensino da modalidade aos mais novos. Grande parte desta aproximação tem sido feita através das Academias, dos campos e outros, que procuram integrar-se na comunidade da melhor forma possível. Com a criação de eventos e torneios voltados para jovens e novos praticantes, como os open days e ofertas gratuitas de experimentação, esta modalidade começa a entrar cada vez mais no mindset da sociedade, contribuindo para um crescimento cada vez maior. Se quiser experimentar em primeira mão esta modalidade, faça uma visita ao Montebelo Golfe, situado a dez minutos de Viseu, e enquadrado pelas serras da Estrela e do Caramulo. Este campo de 27 buracos afigura-se como um agradável golfe de montanha, emoldurado por uma paisagem de sonho.

MONTEBELO GOLFE

ClubedeGolfe Portugal tem vindo a ser considerado internacionalmente como o melhor país para a prática de golfe, facto que se traduz num notável crescimento da importância desta modalidade desportiva no sector do turismo nacional. O aumento do número de campos de golfe de norte a sul do continente e nas ilhas, sendo atualmente cerca de 90, muito tem contribuído para o crescimento do número de praticantes. De acordo com dados da Pordata, nos últimos 20 anos em Portugal passámos de 4 500 para cerca de 15 000 praticantes federados, número que está continuamente em crescendo. Viseu dispõe de um dos melhores campos de golfe do país – o Golfe Montebelo – criado pelo Grupo VISABEIRA em 1997. Esta importante infraestrutura desportiva e turística muito tem contribuído para o crescente número de praticantes nesta Região. Dotado de excecionais condições para a prática da modalidade, num desafiante ambiente natural de montanha, o Golfe Montebelo tem três percursos de 9 buracos, apoiados por espaços destinados à formação e treino dos jogadores (driving-range e putting green) e, ainda, um percurso de pitch & putt. Em 2008, um grupo de golfistas viseenses, norteado pela perspetiva de tornar mais acessíveis as condições para a prática do golfe, decidiu constituir o Clube de Golfe de Viseu. Da parceria que este Clube desde logo estabeleceu com o Grupo VISABEIRA, resultaram importantes benefícios económicos para os praticantes de golfe seus associados, bem como a criação de melhores condições para o desenvolvimento desta modalidade na nossa Região. Destaca-se a criação de um driving-range

instalado na cidade de Viseu (Complexo Desportivo do Príncipe Perfeito, em Cabanões) que, com aulas de iniciação gratuitas a quem pretenda experimentar este fantástico desporto, muito tem contribuído para a captação de novos praticantes, ao mesmo tempo que proporciona aos jogadores já federados um local de treino mais próximo do centro da cidade. O Clube de Golfe de Viseu, que tem atualmente cerca de 200 sócios que praticam esta modalidade de forma regular, está a desenvolver um importante plano de ação para a divulgação do golfe e captação de novos praticantes na nossa Região. Incluem-se neste plano as ações que estão já a decorrer junto das camadas jovens, em articulação com a Federação Portuguesa de Golfe e o envolvimento do Golfe Montebelo, dos Municípios de Viseu e de outros concelhos limítrofes e de um conjunto de Escolas Básicas e Secundárias da Região, no sentido de divulgar a modalidade e pôr a jogar mais jovens e os seus pais. Por outro lado, entre outras medidas que o Clube planeou desenvolver, irá reiniciar-se brevemente a realização regular de torneios de golfe para iniciados e torneios de pitch & putt, nas manhãs de domingo, no Campo de Golfe Montebelo. Importa finalmente salientar que, ao contrário do mito que ainda perdura e que, no passado longínquo, terá tido algum fundamento, o golfe é hoje uma modalidade desportiva com custos acessíveis e com grande vantagem na relação custo/benefício. Com efeito trata-se de um desporto que pode ser praticado por pessoas de todos os níveis etários (e até com eventuais limitações físicas), que proporciona uma vida mais saudável com uma plena imersão na Natureza, possibilita o convívio e o desenvolvimento de novas relações pessoais e que muito contribui para melhorar a saúde e a qualidade de vida dos seus praticantes. Venha experimentar!

www.clubegolfeviseu.com


19

ANIMAIS

O que dizer da situação dos animais em Portugal?

A importância dos animais de estimação… Ninguém tem dúvida que os animais de estimação são grandes companheiros e que fazem muito bem a todos, tanto crianças como adultos. Chega uma altura em que a maior parte das crianças deseja ter um animal de estimação, mas nem todos os pais ficam muito felizes com essa ideia. Em primeiro lugar porque ter este elemento na família exige compromisso, dedicação, trabalho. É necessário alimentar, passear, prestar cuidados de higiene e saúde entre outras responsabilidades. Mas nem tudo são responsabilidades e paralelamente a esse trabalho existem inúmeros benefícios e alegrias. É muito positivo que as crianças tenham animais de estimação pois para além de contribuírem para a felicidade das mesmas são um excelente apoio ao desenvolvimento das capacidades sociais e emocionais. Diversos estudos apontam vantagens em ter animais de estimação como amenizar a solidão, reduzir o stress, a ansiedade, a depressão e ainda incentivar o exercício físico. Cuidar de um animal ensina às crianças valores como a responsabilidade e compaixão. A criação de laços com o seu cão, gato, etc. fomenta a empatia e as crianças aprendem o importância da confiança. Os animais de estimação podem também servir muitas das vezes como confidentes tantos para adultos como para crianças, no campo da Psicologia demonstrou-se que as crianças que “falam” com os animais são menos tímidas e ansiosas. Pesquisadores começaram a explorar cientificamente os benefícios que existem entre o vínculo do Homem e o animal e chegaram à conclusão que um dos efeitos terapêuticos é que os animais satisfazem as necessidades básicas do ser humano como tocar, acariciar, abraçar, que nos permite rapidamente acalmar quando enfrentamos momentos de stress ou quando estamos ansiosos. Segundo a American Heart Association o convívio diário com os animais de estimação reduz o risco de doenças cardíacas e combate o aparecimento de alergias, por isso bebés que se relacionam com animais até aos 12 meses têm menos risco de doenças alérgicas e terão uma maior longevidade. Se ficou com vontade depois de ter lido este texto de ter um “companheiro” na sua vida e na sua família não se esqueça o melhor é ADOTAR.

O que dizer de um País de mentalidade pequena, que não compreende que os animais são seres sencientes, sentem dor, frio e fome... O que dizer de um País onde se tem cães só por ter, onde se compram gatos só pela raça, onde se acorrentam cães, onde se maltratam e negligenciam cães, gatos e tantos outros... Enquanto cada um de nós não fizer a sua parte, nunca será diferente. Associações sofrem com sobrelotação, falta de condições, sobrevivem à custa de donativos, campanhas de angariação de ração, sempre na corda bamba. Sofrem com falta de voluntários e excesso de abandonos. Acumulam dívidas astronómicas em veterinários. O mesmo para protectores a título individual que, dentro das suas possibilidades, ajudam estes seres tão dependentes e tão descurados pela sociedade. A missão é recolher, tratar, cuidar, acarinhar e encaminhar para adopção. Encontrar uma família para um protegido é o sonho e objectivo final de todos os protectores. Uma boa família, que o acolha como mais um membro e que o ame para toda a sua vida! Mas existem muito mais animais abandonados e errantes do que famílias para os acolher... e parte dessas famílias ainda alimenta o comércio de vidas...

E aquele cidadão que vê um cão na rua e chama o canil? Ou aquele que se incomoda por um velho e solitário gato dormir à sua porta? O espaço é de todos e todos têm direito à vida. Aquele que tem muita pena do animal mas a única coisa que é capaz de fazer é telefonar para o protector ou para a associação e quando estes negam ajuda por não ter capacidade de fazer mais, se indignam como se fosse obrigação destes agir! A obrigação é de toda a sociedade, aquele que vê, que se dá ao trabalho de fazer um telefonema e que se diz sensibilizado com a situação do animal, se assim o é realmente, tem que ele próprio tomar uma atitude e não atirar a responsabilidade para quem já nada mais tem capacidade de fazer. Num futuro, espero que não muito distante, existirá em Portugal um programa capaz de dar resposta a estas questões, caminhamos a passo, lento, mas rumo a uma evolução que outros países já concretizaram. A mudança tem que ser estruturada e bem alicerçada e não estamos a começar da melhor maneira: sem um projecto nacional de esterilização de animais de rua como se concretizará a curto prazo o fim dos abates em canis municipais?

Susana Andrade

São estas associações e particulares que substituem as Câmaras Municipais, fazem com o coração o que os municípios deveriam fazer por obrigação. Recolhem e tratam, recolhem e esterilizam numa tentativa de evitar mais uma ninhada que morrerá numa qualquer estrada, ou de inanição, ou doente, animais que sofrerão nas ruas, estarão sujeitos a maus tratos por quem não tem o mínimo de decência, princípios ou valores.

Jonathan Silva

Estes cães estão disponíveis para adopção responsável na GRUMAPA.

Américo

Adulto, porte grande, muito meigo e tímido

Cláudia

Porte pequeno (cerca de 5kg), jovem, muito meiga

Flora

Porte pequeno (cerca de 5 kg), jovem, muito meiga.

Duarte

Adulto, porte médio, super meigo. Gosta muito de colo.

Rossinha

Adulta, porte pequeno (cerca de 8 kg). Meiga, sabe andar de trela.

Ruben

Ruben, adulto, porte médio, muito meigo, sabe andar de trela.

São muito sociáveis e extremamente dóceis, procuram famílias que os acolham nas suas casas e nos seus corações. Estão todos vacinados e chipados e habituados a pessoas. Para mais informações www.grumapa.pt


20

MÚSICA

O que sentes? Inícios de 2018, na cidade de Viseu, tu sentes o frio eu sinto o Techno! Sente-se uma crescente oportunidade para os artistas deste estilo demonstrarem que Viseu tem qualidade na Techno Scene. Tudo se deve ao forte empenho de todos nós, artistas de música, em partilharmos os nossos sentimentos através de uma faixa de áudio, ou através de um set. Sentem-se os clubes noturnos da cidade a apoiarem e a apostarem mais neste estilo (comparando a 2017), o que tem levado a uma maior diversidade musical na noite de Viseu. A aposta no Techno está a elevar a nossa motivação, deixando-nos, cada vez mais, com vontade em nos expandirmos para além das oito fossas, que, por enquanto, limitam alguns artistas à cidade de Viriato. O que para alguns é um mero hobby, para mim é um sonho poder partilhar as minhas energias com uma enorme diversidade de culturas, em diferentes países. Mas, para se lá chegar, sentem-se fraquezas, dúvidas, desmotivações... sentem-se altos e baixos que com força de vontade se ultrapassam, sentem-se novas ideias para temas musicais. Sente-se, também, que o nosso empenho em proporcionarmos uma noite com boas energias, para muitos, é desvalorizado. Sente-se que primeiro temos de ser valorizados no estrangeiro, e só depois, é que se ganha valor em Portugal, não por ser assim a nossa forma de pensar, mas por ser esta a realidade. Se me perguntarem o que gostaria de sentir em 2018, esta seria a minha resposta: “Gostaria de sentir as vibes do Techno misturadas com as aragens da cidade de Viseu. A aposta em eventos mais regulares e de maior dimensão na cidade seriam uma boa iniciativa. Os benefícios iriam ser sentidos não só pelos artistas e habitantes da cidade, mas também pela cidade em geral. Como? Colocando-a como o ponto da região centro mais atrativa para os seguidores deste estilo. São diversas as pessoas que por vezes se deslocam a Lisboa ou ao Porto, só para poderem absorver e sentir as energias transmitidas pelos artistas internacionais de Techno.”

Cinco artistas portugueses para acompanhar em 2018 - Surma Débora Umbelino, mais conhecida por SURMA, é um projeto one-woman-band onde domina as teclas, cordas, vozes e loop stations em melodias que nos levam a paisagens desconhecidas mas com muito prazer na viagem. O seu álbum de estreia “Antwerpen” lançado em Outubro do ano passado recebeu destaque em várias revistas portuguesas, mas também no resto do mundo, o que a levou a ser confirmada para o festival South by Southwest nos EUA , este ano. Mas não é só – irá estar no Eurosonic na Holanda, fazer uma mini digressão na Bélgica e, claro, muitas atuações pelo nosso país.

- Calmness Calmness é o nome artístico do jovem Guilherme Tavares que lançou o seu EP de estreia “Lavender” em Novembro do ano passado, e graças à atenção que ganhou na rede social Twitter levou-o ao número 1 do top do Itunes nacional logo no dia de lançamento. O rapaz de 20 anos compôs oito temas minimalistas, através de melodias suaves ao piano e guitarra que criam paisagens na nossa imaginação deixando-nos calmos e fazem-nos desejar mais. Estamos ansiosos para ver o que Guilherme vai lançar este ano.

- Isaura Isaura ficou conhecida em 2014, com o lançamento do seu tema “Useless” e tem estado em ascensão desde aí. Lançou o seu primeiro EP “Serendipity” em 2015 e captou a atenção do público através dos seus reflexos sonoros Fontes: Página do Facebook dos artistas Site “dezanove” Site “noticiasaominuto” Site “observador” Site “shifter” Patreon da “Isabela Nóbrega”

que se movimentam entre uma mistura pop/ electrónica bastante revivalista. Em 2016 e 2017, lançou vários singles onde destacamos o “I need ya” que contou com muitas streams online. Atualmente está a trabalhar no seu álbum de estreia, o qual já lhe podemos sentir o primeiro toque, pois no início de janeiro deste ano lançou “The Crossover (Intermission)”, uma curta música para a sua avó. Conta ter mais novidades para breve pelo seu canal da VEVO no YouTube – estaremos à espreita!

-The Legendary TigerMan The Legendary Tiger Man é o nome artístico de Paulo Furtado, um músico de blues com um estilo muito singular. Furtado utiliza vários microfones para efeitos, loop pedals e instrumentos electrónicos. O sexto álbum de originais do músico português, “Misfit”, que realizou na estrada numa viagem pela América, tem ganho a atenção do público. Começou em Fevereiro uma turné por Portugal – este ano tem tudo para ser um bom ano para o músico.

- Isabela Nóbrega Isabela Nóbrega ganhou a primeira atenção do público em 2014 quando participou no programa de televisão “Fator X”. A sua originalidade e criatividade interpretativa levaram-na até à sexta gala do programa. Apesar de não ter conquistado um lugar no pódio, nunca desistiu da música – tendo lançado alguns singles ao longo dos anos. No fim de janeiro, lançou o seu primeiro álbum de originais - “Young”, onde toca bateria, guitarra, baixo, piano, vocais e que compôs e escreveu sozinha. Ficamos atentos e ansiosos para o futuro da artista!

É isto que eu sinto. E tu? O que Sentes? 2018, GIVART

Adfectus Ricardo José Barros Rocha é um músico autodidata, compositor, cantor/autor, multi-instrumentista, nascido a 9/12/1981 natural da cidade de Viseu.

vências, momentos e memórias, assim como, por concertos de elevada intensidade, criados por um leque de instrumentos e equipamentos que culminam em perfeita harmonia.

Cria a sua música livremente sem limites ou barreiras de estilo musical.

Este ano de 2018 apresentou um novo álbum denominado ‘Estilos’, que é um passo declarado e afirmado na sua evolução.

Iniciou-se jovem com uma guitarra clássica e desde aí sempre esteve ligado à música e a vários projetos musicais, apresentando-se em 2016 com um projeto de seu nome - Adfectus. Ao viajar por vários estilos musicais, convida o público a embarcar também nessa viagem despertando nele variadas sensações. O projecto musical Adfectus tem vindo a afirmar-se principalmente pela sua criatividade. O seu percurso tem sido marcado pela criação de temas capazes de atingir cada indivíduo na sua intimidade, relembrando-lhe vi-

Um disco feito de canções que nascem na sua forma mais simples pela voz da guitarra acústica e que aos poucos vão sendo esmiuçadas, trabalhadas e laminadas até atingirem uma dimensão plena de criatividade. A inclusão de diferentes elementos como uma loopstation e sintetizadores, dão-lhe um novo carácter e novas cores sem que se perca a essência da canção. As canções presentes neste álbum relatam vivências e demonstram a espontaneidade do seu autor.


21 Fantastic

DJ e Produtor de música electrónica, original e remisturada, em várias vertentes do panorama da dance music. Já com algumas datas marcadas, a sua primeira performance será no Festival Secundário na Figueira da Foz. O FANTAST1C é o resultado de um grande desafio, de um trabalho árduo de equilíbrio entre o exercício de liberdade criativa e de gestão de expectativas e, claro, da aplicação de conhecimentos técnicos nas áreas da modelação e impressão 3D, criada pela empresa jovem Ponto Z, situada em Viseu. A conceção e modelação 3D da personagem foram feitas a partir de uma digitalização 3D do corpo do FANTAST1C para que pudesse servir na perfeição. Começou aqui a criação de algo único, singular, feito à medida. A modelação foi um processo de sucessivos ajustes e redefinições permitindo testar, virtualmente, várias soluções estéticas e funcionais, antes da materialização da solução final. O robot, hoje apresentado como uma peça só, foi concebido tendo em conta a

necessidade de impressão 3D em dezenas de partes. Foram usadas quatro impressoras 3D – BLOCKS ONE, ULTIMAKER ORIGINAL, ULTIMAKER 2+ e BIG BUILDER – dezenas de kilos de PLA (termoplástico ecológico) e muitas centenas de horas de impressão. Depois de impressas, as peças foram coladas, emassadas e, por fim, pintadas com tintas ecológicas pela ECO PINTURA AUTO. Por fim, foram introduzidas as iluminações em LED, as fixações ao corpo e os encaixes entre as várias peças. Isto não é resultado de um fabrico em série. É um modelo único, à medida da vontade de uma pessoa, também ela única. A impressão 3D possibilita criações exclusivas. O Ponto Z também. O Fantast1c tem uma equipa técnica que o acompanha, com conhecimentos na área da multimédia e espectáculo. Os seus sets vivem da música electrónica, misturando ao vivo o áudio e o vídeo. O segredo do FANTAST1C é o anonimato e a eternidade da sua imagem.

CINEMA

Cine Clube de Viseu Organizada desde 2008, a Festa do Cinema Italiano, é o acontecimento mais importante em Portugal dedicado à cultura italiana e um dos festivais cinematográficos mais apreciados no país. No seu 10º aniversário, terá extensões e programação a decorrer em várias cidades (Lisboa, Porto, Coimbra, Aveiro, Funchal, entre outros), onde serão recebidas estreias inéditas do melhor cinema italiano contemporâneo. E pela primeira vez, Viseu acolherá uma extensão da Festa, em colaboração com o Cine Clube de Viseu, entre 17 e 19 de Abril. 17 Abril. “SICILIAN GHOST STORY” de Antonio Piazza e Fabio Grassadonia Cinema Italiano em antestreia, Luís Filipe Rocha, Zeca Afonso, Teresa Villaverde, entre as novidades no Cine Clube de Viseu já nas próximas semanas. Em Abril-Maio o Cine Clube de Viseu vai continuar a acolher alguns dos grandes filmes do último ano: o ciclo de cinema “On Art” começou em Fevereiro, e depois de uma vasta seleção de filmes sobre arte, artistas e criação, será Mathieu Amalric a encerrar, com o seu novo filme BARBARA. Um meta-musical ousado sobre o ícone da chanson francesa do pós-Guerra. Será no dia 10 de Abril, às 21h30, no Auditório do IPDJ (Fontelo). Festa do Cinema Italiano (17-19 Abril) - pela primeira vez em Viseu

A Festa arranca no dia 17, com o novo filme dos realizadores do aclamado “Salvo” (2013): um conto sinistro de fantasia e amor adolescente, baseado no sequestro real de Giuseppe, rapaz de 12 anos aprisionado pela Máfia durante dois anos para silenciar o seu pai, informante da polícia. Filme de abertura da Semana da Crítica de Cannes 2017. > “Um filme incrível que combina um olhar político, fantasia e uma história de amor, com uma poderosa mestria” - Charles Tesson, Cannes 2017

que passa o dia num café a receber estranhos: oferece-lhes a realização de qualquer desejo, pedindo em troca que façam algo por ele. Um dos grandes filmes italianos de 2017, numa sessão única em Viseu. Sessão especial 24 de Abril: ROSAS DE ERMERA, com Luís Filipe Rocha Numa sessão evocativa do 25 de Abril, será exibido ROSAS DE ERMERA, o documentário de Luís Filipe Rocha sobre os anos de juventude de Zeca Afonso e seus irmãos, separados pela Guerra durante vários anos. A sessão terá presença do realizador, que apresentará o filme e dialogará com a audiência no final. O filme baseia-se nas memórias de Mariazinha e João Afonso dos Santos - irmãos de Zeca Afonso, ambos soberbos contadores de histórias. As memórias dos anos em que Mariazinha esteve confinada com os pais a um campo de prisioneiros em Timor durante a ocupação francesa. As memórias de João e José Afonso, que estudavam em Coimbra e durante anos não souberam nada da irmã e dos pais, nem sequer se estavam vivos.

18 Abril. “IN GUERRA PER AMORE” de Pif A nova comédia de Pif, um dos mais conhecidos comediantes italianos: um conto de amor entre um casal italiano a viver em Nova Iorque em 1943. Para conseguir casar com Flora, Arturo tem de obter a aprovação do pai dela, que vive numa pequena aldeia na Sicília. Para lá chegar, só há uma maneira: alistar-se no exército americano, que se prepara para invadir a Itália. 19 Abril. “THE PLACE” de Paolo Genovese Também em antestreia, o novo filme de Paolo Genovese, sobre um homem misterioso

Tudo bons motivos para ir ao Cine Clube em Abril. Sessões todas as terças-feiras no Auditório do IPDJ (Fontelo). Para toda a informação sobre a programação: www.cineclubeviseu.pt Facebook: Cine Clube de Viseu Instagram: cineclubeviseu


22

LEITURA

ROCHA, DIOGO

GRANT, VICKI

36 Perguntas Que Me Fizeram Gostar de Ti Hildy e Paul, dois jovens que nada têm em comum, nem mesmo as suas razões para participar no estudo de psicologia em que se inscrevem. No caso de Paul, a motivação são os 40 dólares, no caso de Hildy são razões muito mais complexas, como toda a sua natureza humana. O estudo pretende dar resposta a uma simples questão: pode o amor ser provocado entre duas pessoas que não se conhecem? Hildy e Paul têm de fazer 36 perguntas um ao outro, desde «Qual é a sua pior recordação?» até «Quando cantou para si pela última vez?». Até chegarem ao fim do questionário, passam por muitos momentos constrangedores, alguns felizes, outros de sofrimento, mas também descobrem os segredos mais dolorosos que cada um tentava esconder. Mas será que se apaixonaram? Inspirado num estudo real, popularizado pela coluna «Modern Love», do New York Times

ARAMBURU, FERNANDO

Leituras Obrigatórias

Hoje Diogo Rocha

Pátria

Prémio Fotografia Portugal Cookbook Fair 2017.

O retábulo definitivo sobre mais de 30 anos da vida no País Basco sob o terrorismo.

Um dos novos embaixadores da nova cozinha portuguesa, Diogo Rocha tira partido dos produtos nacionais, ao sabor do correr das estações, e devolve-lhes a sua nobreza, reinterpretando-os de forma inovadora. Com Mário Ambrózio e a sua equipa, selecionou produtos e receitas; partiu à descoberta da origem desses produtos; revisitou paisagens da sua região e as suas memórias. Hoje Diogo Rocha é mais do que um simples livro de receitas, é um livro de histórias sobre produtos bem portugueses: as azeitonas, o azeite, o queijo da Serra, o requeijão, o arroz, o bacalhau, o vinagre, o cabrito, os percebes, a maçã bravo de Esmolfe, o coelho, a lebre, os marmelos, o cherne, a batata, o presunto, as ervas aromáticas e os incontornáveis enchidos. “Tenho o sentimento de dever cumprido e de orgulho num trabalho singular inspirado pela riqueza da gastronomia portuguesa, começando essa viagem na mesa da minha região, que é o Dão. (...) Gostava que este livro estivesse na casa de todos os que se sentem apaixonados pela gastronomia portuguesa e que se precisarem de uma boa história ou uma boa receita sobre um produto o tenham à mão e... inspirem-se!” Diogo Rocha

No dia em que a ETA anuncia o abandono das armas, Bittori dirige-se ao cemitério para, na sepultura do marido, Txato, assassinado pelos terroristas, lhe contar que decidira voltar à casa onde tinham vivido os dois. Mas poderá ela conviver com aqueles que a perseguiram antes e depois do atentado que transtornou a sua vida e a da família? Poderá saber quem foi o encapuzado que num dia chuvoso matou o marido, quando este regressava da sua empresa de transportes? Por mais que chegue às escondidas, a presença de Bittori alterará a falsa tranquilidade da terra, sobretudo a da vizinha Miren, amiga íntima noutros tempos, e mãe de Joxe Mari, um terrorista encarcerado e suspeito dos piores receios de Bittori. O que aconteceu entre essas duas mulheres? O que envenenou a vida dos filhos e dos respetivos maridos, tão unidos no passado? Com lágrimas escondidas e convicções inabaláveis, com feridas e coragem, a história arrebatadora das suas vidas, antes e depois da tormenta que foi a morte de Txato, fala-nos da impossibilidade de esquecer e da necessidade de perdoar numa comunidade fragmentada pelo fanatismo político.


HUMOR

23

MENESES, FILIPE RIBEIRO DE

Bife no Olho, mas sempre de Olho no Bife

De Lisboa a La Lys 100 anos da batalha de La Lys O corpo expedicionário português na primeira guerra mundial. 9 de abril de 1918 foi um dos dias mais mortíferos na história militar de Portugal. Numa só manhã, perto de 400 portugueses morreram, muitos mais foram feridos e o número de prisioneiros rondou os 6600. O Corpo Expedicionário Português (CEP), símbolo máximo do esforço de guerra nacional durante a Primeira Guerra Mundial, desapareceu dos campos de batalha franceses enquanto unidade organizada. A jovem República apostara forte na constituição do CEP e seu envio para a Frente Ocidental, e perdera. Neste volume Filipe Ribeiro de Meneses regressa ao tema da participação portuguesa na Primeira Guerra Mundial, propondo uma nova interpretação das causas e das consequências do desastre sofrido em La Lys.

Se já ouviu dizer que o bife acalma os inchaços dos olhos, tome atenção e abra bem os olhos antes de os tapar com o bife. Em primeiro lugar e quando sair de casa, pense se vai dar porrada em alguém. Pode ser uma daquelas pessoas que tem tudo programado, que é refém da agenda e pode ser suficientemente honesto para declarar que num determinado dia vai andar à pancada. Se for o caso, leve logo o bife no bolso e não se preocupe em embrulhá-lo, vai aquecê-lo e vai fazer com que ele perca todas as suas qualidades curativas. Se a sua indumentária for o blazer, pode sempre colocá-lo no bolso de fora, dá um ar clássico e, tem a vantagem de se manter fresco. Não coze com o calor do seu corpo, o que lhe ia dar um cheiro estranho, especialmente se for daqueles que acredita em vampiros e também anda com alhos no bolso. Os seus amigos vão pensar que esse bife é um bonito lenço, caro, que por acaso, se for de vitela, é.

MAGALHAES, ANA MARIA/ALÇADA ISABEL

Vai parecer o Humphrey Bogart em Casablanca, a sétima arte a desfilar nas ruas da terrinha, o Nobel da moda em pessoa. O ícone dos likes no facebook.

Uma Aventura no Palácio das Janelas Verdes Coleção: Uma Aventura - volume 60

Chegou à escola uma nova colega, a Flora, que convida o grupo a representar para um concurso a peça de teatro O Cavaleiro sem Cabeça, peça ligada a uma terrível maldição. Quando estavam nos ensaios em casa do tio de Flora, o Emanuel, que além de coleccionador de arte era também inventor, e descobriu um spray que fazia derreter as coisas. Acontece que contratou um grupo de malfeitores para, no Palácio das Janelas Verdes, utilizar o seu spray e destruir alguns quadros para que os seus passassem a valer mais. O grupo de malfeitores decidiu trair o tio Emanuel e ameaçar o diretor do Museu de que ou lhes entregavam uma avultada quantia ou destruiriam as obras de arte lá expostas. Mas, no meio de uma grande confusão, os nossos heróis vão resolver a situação. No fim até vão brilhar na representação de O Cavaleiro sem Cabeça, sem que lhes surja qualquer maldição. Alvaro Almeida LeYa na Pretexto

Claro que esses são os seus amigos parvos, mas vai ver que a moda pega e depois de pegar, pode deixar de o usar e recorrer ao bife do amigo, mas sempre continuando a ser o Cantinflas do bairro. Neste caso, não esquecer da bigodaça lateral nos cantos da boca, assim como, a graciosidade na sua carícia. Polegar e indicador em uníssono, num movimento perfeito de um piscar de olhos. Nunca se distraia e tome sempre muita atenção na escolha do bife. Escolha um bife generoso, liso e sem muita gordura, pode manchar o blazer. Evite o tipo costeletão, pá de porco, pernil fumado, ou fiambre empacotado, são demasiado grandes e parece que saiu da aldeia do Astérix. O efeito analgésico, não é proporcional ao tamanho do naco. Também nunca escolha, a tradicional costeleta ou o osso de assuã. No meio da confusão e com o pânico da cara inchada, pode espetar o osso no olho. Não vai dar conta, porque tem a cara a arder dos bofardos nas trombas, mas depois, vai reparar que está cego, não cego do olho inchado, mas sim cego do osso no olho. Vai também perceber que o inchaço não está a diminuir, mas sim a aumentar, muito. Foi o osso que viu o olho e o olho já não vê nada. Se por acaso for um osso de assuã e não de costeleta, é natural que também tenha furado o cetro nasal, que também tenha a beiça

levantada e tenha engolido um dente, num caso mais grave um pivô, num caso extremo, a prótese. Não empurre com vinho tinto, não vai saber o que está a fazer. Para evitar esta desagradável situação, escolha um bife tenrinho, de preferência da vazia e depois bata-o suave e delicadamente com um martelo de cozinha. Sempre atenua algumas imperfeições e rugosidades do bife, protege-lhe a face e mantem-lhe a estética. Não tem o efeito baba de caracol. Evite usar roupas brancas ao sair. Caso se tenha aleijado no corpo, um bife vermelhinho ou rosado, sobressai no branco e não augura muito sucesso para o resto da noite, exceto, se der volume a algum inchaço que você quisesse ter inchado desde nascença. Aí o bife pode ajudar, mas mais uma vez tome atenção para não ter osso. Pode ficar com problemas de voz, suores frios, falta de ar, aumento de temperatura, e como já lá tem a costeleta, essa já não o pode arrefecer nem aliviar, pelo contrário, vai assá-lo e o cheiro que vai ficar não vai ser de churrasco, mas sim da cozedura de um belo cozido à portuguesa. Espero que nessa altura seja um atleta, no mínimo, um quase olímpico, porque a cachorrada num raio de 3 quarteirões, vai cheirar, sentir o seu odor e aí vai persegui-lo, atacá-lo, tentar arrebatar o prémio, o cozido, ou seja, despedaçar-lhe o inchaço. Se teimar na cor branca, escolha uma bifana, dá menos contraste e sempre é porco no porco, no caso de você cheirar mesmo mal. Não ponha mostarda nem piripiri. Obviamente. Por favor, depois de usar o bife e de o esfregar nos inchaços, não o coma. Faça esse favor a si mesmo. É como se estivesse a comer uma parte de si, a pior parte. Não tente assá-lo, grelhá-lo e muito menos comê-lo mal passado, passado já ele está e você também se vai passar. Lembre-se que o bife é nosso amigo, manuseie-o com cuidado, respeite a validade e mantenha-o fresco e sempre sem temperos, pode cegar. E nunca se esqueça, evite vê-lo de perto porque pode deixar de o ver. Bocejo Lopes


24

AMBIENTE

Betula celtiberica Rothm. & Vasc.

A importância dos espaços verdes em meio urbano A população mundial - que se estima ter atingido o número de 7,6 biliões em Outubro 2017 - tem vindo consistentemente a aumentar desde a Idade Média. O impacto deste crescimento demográfico tem-se traduzido numa urbanização do planeta: com a construção de cidades compactas que permitam albergar essa população crescente. Este crescimento materializou-se em betão, com sacrifício da natureza e do bem-estar dos seus habitantes – pois um mundo cada vez mais artificial e industrializado trouxe inúmeros problemas de saúde, nomeadamente respiratórios. A constatação deste desequilíbrio veio criar movimentos como o da Cidade Jardim, no qual a natureza integrava o desenho urbano e se tentava equilibrar as áreas construídas – impermeabilizadas e inertes – com espaços verdes permeáveis e arborizados. Surgiram termos como Pulmão Verde e os grandes parques começaram a ganhar expressão nas cidades como locais por excelência de reunião, recreio e sociabilização. Desde essa altura que o impacto positivo dos espaços verdes nos meios urbanos tem sido estudado e tem vindo a ser correlacionado com a qualidade de vida numa cidade. A presença de espaços verdes e a continuidade destes no tecido urbano através da arborização urbana são fundamentais para: - garantir a infiltração das águas – que promove a recarga dos aquíferos – mas também permite reduzir os riscos de cheia. - amenizar o clima que em meios extremamente inertes se torna inóspito

Eis, uma das mais belas espécies existentes na cidade de Viseu, que deixa os seus ramos dançar alegremente à melodia do vento.

– muito quente no Verão e com ventos muito fortes no Inverno – as árvores promovem um ensombramento e efeitos quebra-vento que reduzem significativamente esse efeito. - a vegetação tem o poder de fixar poeiras em suspensão na atmosfera – reduzindo a poluição atmosférica e melhorando a qualidade do ar. Respirar ar puro melhora os níveis de serotonina (neurotransmissor do bem-estar) no organismo e consequentemente tornanos mais felizes. - permitir a presença de fauna e vida silvestre nas cidades, graças à criação de corredores verdes. - o contacto com a natureza exerce ainda efeitos calmantes, reconectando-nos com os ciclos naturais das estações do ano, a vegetação com efeitos cambiantes vão assinalando as estações do ano, com mudança das cores das folhas no outono e as florações na primavera. Este contacto com a natureza reduz o stress e promove um maior bem-estar psicológico e mental, o que tem vindo a ser comprovado pela ciência através de inúmeros estudos científicos. Viseu tem vindo a ser eleita a melhor cidade portuguesa para viver e a qualidade de vida da cidade é indissociável dos seus espaços verdes e belas alamedas arborizadas, que nos fazem sentir orgulhosos Viseenses.

Corine Lopes arquiteta paisagista

Uma fralda descartável 450 anos

Em 1995 o consumo doméstico de energia eléctrica per capita era de 735,6 KWh e no ano de 2016 foi de 1267,4 KWh? Em 2016 circulavam 6.208.350 veículos em Portugal? Em 1970 éramos 8.663.252 e em 2016 já éramos 10.309.573 habitantes?

Uma linha de pesca 650 anos Pensos higiénicos 500 a 800 anos Um saco de plástico 20 a 1000 anos Uma garrafa de vidro 1 milhão de anos ou mais Um pedaço de esferovite 1 milhão de anos ou mais...

Quase metade de todo o plástico produzido pelo homem termina no mar? No distrito de Viseu arderam em 1981 - 167 hectares, em 2015 – 767 hectares e em 2017 todos sabemos a desgraça que foi. Se nada for feito, em 2050 haverá mais plástico que peixes nos Oceanos? O que fazemos ao Planeta a nós retornará.

Em Portugal no ano de 2016 foram recolhidos resíduos urbanos na quantidade 460,9 kg/habitante e que apenas 75,1 kg/ habitante foram recolhidos selectivamente?

É considerada uma espécie pioneira, pois melhora as propriedades solo proporcionando melhores condições de instalação de outras espécies mais exigentes. Além disso, sendo uma espécie que necessita de luz, oferece o ensombramento adequado para o desenvolvimento dos carvalhos. A floração ocorre entre Abril e Maio. Pode atingir 20 metros de altura e tem uma esperança de vida compreendida entre os 80 e 130 anos, apresentando um crescimento relativamente rápido até aos 30 anos, idade em que estabiliza. Uma característica muito comum do género Betula é o ritidoma branco. As suas raízes são pouco profundas e extensas. A palavra livro tem origem no latim “librum”, nome dado à parte interna do ritidoma, que era utilizada como papel na Antiguidade. Em medicina popular a seiva pode ser usada como diurético, antirreumático e anti-inflamatório renal. Pode igualmente ser fermentada para produzir “cerveja de bidoeiro”. As folhas jovens são comestíveis cruas ou cozinhadas. A flexibilidade dos seus ramos permite a aplicação em cestaria, ataduras, vassouras. Os finlandeses utilizam os ramos mais finos e verdes, para se açoitarem nas saunas, pois favorece a circulação sanguínea.

Trata-se de uma espécie que pode ser utilizada como folhosa de altitude para silvo-pastorícia e para compartimentação de resinosas, com função de proteção contra incêndios.

Uma embalagem de leite 5 anos As pilhas 100 a 500 anos

Devido à sua rusticidade, adapta-se a vários tipos de solo, exigente em humidade, suporta o encharcamento estacional. Tolera solos superficiais argilosos, compactos ou pouco arejados, daí a sua adaptabilidade como planta ornamental, tanto em arruamentos como em parques urbanos.

A madeira é macia, leve e durável. Pode ser usada em pequenas peças, tornearia, móveis, bastidores, artigos desportivos e parquet.

Sabia que... Um jornal demora 2 a 6 semanas a decompor-se?

É uma espécie de origem europeia distribuindo-se até à Ásia. Em Portugal, podemos encontrá-la em altitudes elevadas, nomeadamente nas serras do Norte e Centro, junto a linhas de água e em encostas.

Dados estatísticos: pordata.pt

Inge Balls


25

COLOQUE AQUI A SUA PUBLICIDADE eu@amoviseu.com


26

MODA

Miss Viseu 2018

Em 2016, o Grupo Peixoto | Peixoto Imagem© & Peixoto Eventos© decide fazer parte deste projeto, tornando-se pioneiro como representante do mesmo em todo o distrito de Viseu, tendo conseguido que mais de 80 Viseenses se inscrevessem para participar na 1ª Fase do Miss Queen Portugal, um número muito acima do que anualmente a organização conseguia ter (média de 7 inscrições). Com essas 80 inscrições, conseguem voltar a fazer “história”, tendo sido apuradas para a final nacional, 4 candidatas do nosso distrito, feito esse nunca antes conseguido por nenhum distrito, em nenhum dos certames de beleza realizado no nosso país. Em 2017, voltam a ser os representantes do concurso no distrito de Viseu, tendo realizado duas finais distritais, Miss Sernancelhe 2017 e Miss Viseu 2017. Voltando a fazer história quando na final nacional conseguem eleger a Miss Viseu, Barbará Pais, como 2ª Dama de Honor, coroação essa que lhe deu a possibilidade de representar Portugal num certame Internacional, durante o ano de 2018. 2018, volta a ver a realização do Miss Viseu, à responsabilidade do Grupo Peixoto, mas apesar de esta não ser uma novidade, o Miss Viseu 2018 traz consigo algumas mudanças.

Este ano, além da possível coroação durante a final nacional, a Miss Queen Portugal 2018, irá ser presenteada com um magnífico automóvel. Mas as novidades não ficam por aqui, antes da realização da final distrital (onde será realizado um desfile com 3 indumentárias distintas), onde serão eleitas a 2ª Dama de Honor, 1ª Dama de Honor e Miss Viseu 2018, e por este ser um concurso associado à SOLARIS (associação nacional para a defesa ambiental, social e da saúde), a organização pretende levar a cabo uma forma diferente de avaliação das candidatas, todas as inscritas serão convidadas a participar em campanhas solidárias que se irão realizar no distrito de Viseu, fazendo jus à verdadeira imagem de uma Miss, ou seja, o uso da sua imagem e da sua palavra, no despertar de consciências para as emergentes problemáticas ambientais, sociais e da saúde, dando força ao lema do Miss Queen Portugal “Beleza Por Uma Causa”. Convidamos por isso todas as candidatas residentes no distrito de Viseu, a inscreverem-se em “missqueenportugal.com/inscricoes-2018”, (não dispensa a consulta dos requisitos de participação, presentes no link).

Os Homens também se sabem vestir A vaidade masculina e o interesse por moda têm alterado a forma como os homens se aprumam nos dias que correm. O cuidado com a sua imagem é cada vez maior, a preocupação com o que vestem e como se apresentam no dia a dia, passou a ser uma prioridade no setor masculino.

Travessa dos Andrades Nº4 1º Dr. Viseu

232 092 540

Os pêlos do rosto são uma questão que nunca sai do radar masculino. Nos últimos tempos então, cresceu ainda mais o interesse dos homens pelos cuidados especiais com essa parte do corpo, o que fez com que crescessem também as chamadas “BarberShop”, não basta ter barba, é preciso que a mesma esteja no seu melhor look. Mas não é só no que diz respeito ao seu corpo que os homens mudaram, os homens descobriram agora o que muitas mu-

lheres já haviam descoberto há anos, as mochilas e bolsas tipo carteira não ajudam apenas a carregar objetos, mas também ajudam a complementar o seu look, e não ficamos por aqui, cada vez mais homens utilizam acessórios, antes usados, na sua maioria pelo público feminino, como por exemplo abotoaduras, óculos, anéis, pulseiras, colares, entre outros. Além disso as mulheres hoje em dia valorizam, cada vez mais os homens que cuidam da sua aparência, da sua imagem, mas antes disso, é preciso olhar-se no espelho e gostar do que se vê. É preciso estimular os homens a tomarem coragem de usar moda de verdade, e não apenas vestir roupas... Para ter estilo é preciso pensar no conjunto. Além da roupa, a barba, o cabelo, o calçado e até os acessórios são fundamentais para compor o visual...


27 Tendências calçado Verão 2018

Amarelo é o novo preto? As tendências de moda da primavera / verão de 2018 não são nada senão brilhantes, arrojadas e realmente lindas, e a cor que vai brilhar é sem dúvida o amarelo, um tom energizante e vibrante que fará sucesso nesta estação. O amarelo pode ser uma proposta que pode variar em looks, usados com descontracção, como a looks com bastante classe, e pode ser usado com tons neutros. Confira as minhas sugestões para vestir o amarelo e acompanhar esta tendência.

sraquel45.wixsite.com/pureblackdiamond As sapatilhas brancas vão continuar em destaque, mas desta vez com ornamentos extra: bolas, pérolas, pedras, bordados e outras aplicações. Os ténis de plataforma vão estar em voga assim como os Sock Sneakers, estes que parecem botins. O calçado azul vai também estar em uso, seja ele azul claro ou em modo jeans. Ainda em termos de cores o rosa metalizado integra as tendências para este Verão. O Animal Print tem-se mantido firme na lista das principais tendências de calçado, o padrão cobra destaca-se. Os apontamentos furry continuarão em 2018, mesmo nas sandálias enriquecidas com pequenos apontamentos de pêlo.

Por favor!!! Tão preocupada com o pandã dos sapatos com a carteira e às vezes com os brincos... tão preocupada com aquela última tendência da calça... o cabelo sempre bem alinhado e maquilhagem à altura! Salto alto causador de sofrimento! Unha meticulosamente arranjada! (Mas muitas vezes sem banho tomado... in Amo Viseu Revista nº1) E depois cruzas a perna e vislumbramos 19 pêlos... porque é Inverno???

E no Verão??? Usas aquele calção xpto, marca xpto II, modelo xpto III, nesse corpito também ele, às vezes, xpto e acima do joelho conseguimos visualizar uma penugem (que de penugem nada tem) loura (de alourada) mas farta!?!?

Os mules voltaram e este verão poderão ser vistos em muitos pés!

Não combina... Não combina, nada... e faz cair por terra toda a “montagem” que te deste ao trabalho de fazer de manhã... E sim há quem vá maquilhada para a praia... mas sem estar depilada acho que não!?!?

Carlota Joaquina

Dica...

Vale a pena experimentar:

contabilizar o custo do número de tampões e pensos usados em período de tempo equivalente e tirar conclusões! - É bastante cómodo, dependendo do fluxo menstrual, o copo pode ser colocado por um período de 12 horas. - Diminui a tua pegada ecológica. Ao longo da vida, uma mulher usa entre 8 000 e 16 000 tampões ou pensos higiénicos que depois de descartados têm grande impacto no meio ambiente. - Previne infeções e respeita a flora vaginal pois não contém químicos. Mulheres com tendência a ter cistites e candidíases beneficiam do uso do copo menstrual.

- Tem um preço muito acessível (entre 20 e 30€). Considerando que podem durar até 10 anos, é só

Mas atenção! Também tem algumas desvantagens...

E se pudesses, quando estás menstruada, ter uma vida completamente normal, respeitar o ambiente e ainda poupar dinheiro? Entre muitas outras vantagens! Já conheces o copo menstrual? A primeira patente do copo menstrual foi registada nos Estados Unidos em 1932! Mas até hoje há mulheres que o desconhecem!

- Não é fácil de colocar e pode ser um desafio nos primeiros tempos! Se não estiver bem colocado pode haver fugas, por isso durante período experimental o ideal é manter um penso higiénico por segurança. Nada que a prática não solucione! - Os cuidados com a higiene do copo incluem passá-lo por água tépida a cada esvaziamento o que pode ser problemático quando a sanita e o lavatório estão separados... Usar a casa de banho dos deficientes pode ser uma opção! - É necessário esterilizá-lo no fim e no início de cada período menstrual. Mas não custa nada, basta fervê-lo durante 3 minutos em água!


28

VIAGENS

Porque devemos viajar

Road Trip:

Viseu - Benidorm - Lloret de Mar: Espanha agosto de 2016

Vivemos numa época em que nos distraímos facilmente pelo facto de possuímos rotinas agitadas. Os dias tornam-se iguais e a nossa vida acaba por ser nada mais do que uma simples repetição de atividades. E é por isso que viajar é essencial. Quem viaja expande horizontes, conhece novas pessoas, e mais importante de tudo constrói memórias. Isto porque as situações às quais somos submetidos quando estamos fora da nossa zona de conforto desafiam-nos. E não importa se a viagem for a passeio ou a negócios; sozinho ou em grupo - viajar é ganhar a visão que temos do mundo e de nós mesmos. Algumas das aquisições que uma viagem pode proporcionar para o nosso desenvolvimento pessoal: Aprender a lidar com imprevistos Os imprevistos acontecem a qualquer momento. É um facto. Acontece que quando estamos fora, os imprevistos acontecem mais, pois são mais prováveis em ambientes com as quais não estamos familiarizados. Ou seja, uma viagem é um prato cheio para treinar essa habilidade. Melhorar a administração do tempo Quando estamos a viajar, queremos aproveitar cada segundo, para que todas as coisas sejam exploradas, não é? Por isso, viajar exercita a habilidade de administrar melhor o tempo – desde acordar cedo, ao traçar as melhores rotas e organizar os compromissos durante uma viagem são atitudes que ficam a fazer parte da nossa rotina quando voltamos para a vida “normal” – e isso é enriquecedor. Descobrir características pessoais Viajar não serve só para conhecermos lugares e pessoas novas, mas também para explorarmos o nosso conhecimento sobre nós próprios. Neste processo, passamos a identificar características da nossa personalidade que antes desconhecíamos. Podemos então afirmar que viajar é um dos melhores investimentos que devemos fazer. Além de promover o nosso desenvolvimento pessoal, ainda voltamos com boas lembranças dos lugares que visitamos.

Fontes: Site “abiliodiniz” Site “webartigos”

Sara Cunha

Carla Ferreira, residente em Viseu, para além de ser docente do Ensino Básico, há muito que é uma apaixonada pelas viagens, como a mesma diz “uma apaixonada pelo mundo”. Em dezembro de 2015 e, após incentivo por parte de alguns familiares e amigos, decidiu criar um blogue sobre viagens para partilhar o que vai conhecendo e também para inspirar as pessoas a viajarem. Escolheu para nome do blogue Continuando à procura, e porquê este nome? Porque tal como na vida, também as viagens são uma procura contínua… #continuandoàprocura em Espanha, foi no início de agosto de 2016 que decidimos partir para mais uma road trip, a segunda, desta vez desde Viseu, passando por Madrid, Benidorm até Lloret de Mar, numa viajem de carro de sete dias cheia de aventuras e muitas paisagens. De Viseu dirigimo-nos para Madrid, onde ficámos uma noite a aproveitámos para conhecer um pouco mais da cidade, mas a aventura mesmo, essa começou em Benidorm, uma cidade balnear com muita animação. As praias estão sempre cheias devido à temperatura da água que, geralmente, está muito quente e agradável. Como gostamos muito de ficar em parques de campismo, mais uma vez a nossa escolha para dormir foi o parque de campismo Villamar. Continuando a road trip, seguimos por por Altea, Calpe, Xábia e Gandia. Por entre laranjais passámos ao lado da grande cidade de Valência, para chegarmos a Benicàssim, uma cidade balnear muito bonita e tranquila, que conjuga praias de finas areias com paisagens de montanha, densamente povoadas de bosques e matagais mediterrâneos. Depois de nos instalarmos novamente num parque de campismo, no Bonterra Park, passamos o resto da tarde na praia a fazer castelos de areia e a trabalhar um bocadinho para o bronze.

No final do dia fomos saborear uma magnífica paella, um prato muito típico em Espanha e passear um pouco pelo calçadão junto à praia. No dia seguinte, antes de prosseguirmos com a nossa rota, fomos descobrir o Parque Natural del Desert de les Palmes, que fica a 5Km, e o que mais apreciámos foram as magníficas vistas, um mosteiro carmelita em ruínas e a beleza da flora. De regresso à nossa rota seguimos para Oropesa, Peníscola e saímos da Costa Azahar para entrar na Costa Dourada, na província de Catalunha, passando por Sant Carles da Rápita. O destino que se seguiu foi a maravilhosa praia de Mont-Roig localizada perto da conhecida estância balnear de Salou. Nesse local ficámos no fantástico parque de campismo La Torre del Sol, um dos melhores e maiores parques em que já pernoitámos. O que mais gostámos foi do acesso direto à praia, uma praia de areia branca, água quentinha e tranquila. Apreciámos tanto este local que decidimos ficar duas noites, aliás esses dois dias foram dos melhores que já tivemos nas nossas vidas. Foi maravilhoso por exemplo, jantar na praia e ter como companhia a lua, as estrelas e nós os quatro simplesmente, brincar de noite na praia, lançar balões de ar quente para o céu e apreciar o seu reflexo no mar tranquilo. Foram sensações indescritíveis que jamais esqueceremos, foram momentos de pura magia e de liberdade fantásticas, foi um sentimento de simplicidade e felicidade que nos acompanhará para sempre. De regresso à road trip, passámos por Salou, seguiu-se Tarragona, uma antiga cidade romana da qual ficaram alguns vestígios como o Circo Pretorio, o anfiteatro, aquedutos e as muralhas ciclópeas.


29 No dia seguinte fizemo-nos novamente à estrada e as povoações que se seguiram foram Calella, Blanes e Lloret de Mar, muita conhecida pelas viagens de finalistas. Continuando pela escabrosa e perigosa Costa Brava de falésias de pedra desgastada pela erosão do ar, chegámos à população de Tossa de Mar, uma localidade lindíssima, uma paisagem simplesmente deslumbrante. De facto, a partir de Tossa de Mar a paisagem costeira muda bastante, começam a surgir as famosas Calas, ou seja, praias muito pequenas inseridas no fundo de verdejantes montanhas. Passámos por locais simplesmente maravilhosos com paisagens e vistas fantásticas, como foi o caso de Cala Giverola, Cala Futadera, Cala Pola, etc.. Nesse dia pretendíamos ficar num Parque de Campismo em Cala Pola, no entanto, quando lá chegámos o céu começou a ficar muito cinzento e a ameaçar chover. Como a nossa tenda não é à prova de chuva, decidimos partir… Para onde? Não tínhamos plano B, mas mesmo assim lá fomos… As horas foram passando, a noite aproximava-se e por isso procurávamos efusivamente na internet um sítio para ficarmos, mas não encontrávamos nada disponível. A estrada avançava tal como a noite. De repente conseguimos disponibilidade num parque de campismo em Zaragoza e o nosso coração sossegou.

De seguida dirigimo-nos para a grande cidade de Barcelona. Tivemos apenas uma tarde para visitar a cidade, foi uma correria louca para conhecer o máximo possível, as pernas pequeninas da mais nova tiveram alguma dificuldade em acompanhar-nos, algumas vezes tivemos de a carregar no colo, mas lá conseguimos visitar os locais mais emblemáticos de Barcelona, como a Sagrada Família, a Casa de Batlló, La Pedrera, Parque Güell, entre outros. Terminámos o dia percorrendo La Rambla e desfrutando do movimento incrível desta grande avenida. A noite foi passada no parque de campismo 3 Estrellas.

Já em Zaragoza dirigimo-nos ao parque e como a ameaça de chuva continuava decidimos ficar num bungalow, o que para nós foi muito bom, pois foi a primeira vez. Estávamos desejosos e delirantes para experimentar dormir numa pequena “casinha”. Foi uma experiência muito gira, foi como dormir numa casa de bonecas, em que tudo é pequeno, mas engraçado. No dia seguinte, e uma vez que tínhamos uma longa viagem pela frente, fizemo-nos de novo à estrada para regressar ao nosso país e à nossa casa. Foram muitos quilómetros, mas também foram muitas as paisagens maravilhosas que tivemos oportunidade de conhecer. Chegámos cansados, mas chegámos de alma cheia por mais uma experiência vivida a quatro e que guardaremos para sempre no nosso coração.

No dia seguinte, e uma vez que tínhamos uma longa viagem pela frente, fizemo-nos de novo à estrada para regressar ao nosso país e à nossa casa. Foram muitos quilómetros, mas também foram muitas as paisagens maravilhosas que tivemos oportunidade de conhecer. Chegámos cansados, mas chegamos de alma cheia por mais uma experiência vivida a quatro e que guardaremos para sempre no nosso coração.


30

PAULO MEDEIROS Moçambique | 1965 O Paulo Medeiros é uma pessoa normalíssima, que, por acaso, até adquiriu o gosto pela pintura e já o anda a desenvolver há alguns anos. Discreto q.b., detesta holofotes, brilhos e reflexos, porque o caminho deve ser percorrido sem deslumbramentos encandeantes e sempre com os pés bem assentes no chão. “Bicos de pés não é para mim”, afirma. “Se tiverem que nos encontrar, irão encontrar-nos de certeza. Nem que seja depois de ‘esticarmos o pernil’, o costume... Era um tipo brilhante, um ‘gajo porreiro’, todas aquelas adjetivações e medalhas que deveriam ter sido feitas e ofertadas quando o visado ainda andava por aí, ainda não tinha ‘embarcado’. Tu entendes!...”

Foste selecionado já por duas vezes para a Bienal de Vila Nova de Cerveira, todos os anos expões trabalhos em Taiwan, tudo fora daqui. “Senti um prazer enorme quando fui selecionado pela primeira vez para Vila Nova de Cerveira, foi gratificante mas não passou disso. Tens que continuar a trabalhar senão és ultrapassado. Uns gostam, outros não, feitios!” “Agora estás tu a pensar: Mas não te ‘passam cartão’ na tua terra! É o costume, não é só comigo nem é só aqui. É a velha história dos santos da casa. ‘Marimbo-me’, para não dizer outra coisa, completamente para o facto de não ser solicitado para muitas das coisas que se vão fazendo por aí. A vida é assim mesmo. Eu não sou de Viseu, nem de Moçambique, nem de lado nenhum! Um artista, se me virem como tal, é do mundo. Eu sou mais um tipo que gosta do que faz e que tem o seu espaço, como milhares de outras pessoas que fazem o que gostam nas mais variadas áreas. Seria injusto não fazer aqui uma ressalva para falar da Diocese de Viseu, Instituição que sabe que existe um Paulo Medeiros”. Ao fim do dia, depois do trabalho, sim, porque não se vive só da pintura, normalmente vai ‘beber um copo’ com os amigos, poucos mas bons! “Fala-se de tudo e de mais alguma coisa. Momentos de partilha, importantíssimos para quem gosta de viver. Inspirações. É como uma obra. Se não nascer para ser partilhada, não faz sentido algum a sua existência. Um trabalho nasce, desenvolve-se e tem um ponto final. A partir daí, segue outros trilhos. Exposições, alguém o compra, segue o seu destino em outro lugar onde vai ser ‘bebido’ por outros olhares. É assim que entendo o percurso de uma peça. Eu! Eu vou andando por aí e também em www.paulomedeiros.eu.” Excerto de uma rápida conversa de café.


31


32

AUTO

Períodos de Revalidação dos Títulos de Condução

10 dicas

(condutores de veículos das categorias AM-A1-A2-A-B1-B-BE-Ciclomotores-Tratores Agrícolas)

1 – Contrate sempre o seguro a um mediador

Condutores habilitados antes de 02 de Janeiro de 2013

2–

50 anos (sem apresentação de atestado) 60 anos (com apresentação de atestado médico) 65 anos (com apresentação de atestado médico) 70 anos e posteriormente de 2 em 2 anos (com apresentação de atestado médico)

para a hora de contratar o seguro de seguros devidamente habilitado e registado.

Preencha corretamente o questionário de avaliação de risco, dados do veículo e dados pessoais. Não omita nenhuma informação.

3–

Verifique a sua franquia, que é o valor de sua responsabilidade em caso de sinistro. Franquias maiores diminuem o valor do seguro a pagar, aumentando a sua responsabilidade.

Condutores habilitados a partir de 02 de Janeiro de 2013

4 – Verificar se há extras no veículo que preci-

Data que consta averbada no título de condução e posteriormente de 15 em 15 anos até perfazer os 60 anos (sem apresentação de atestado médico) 60 anos (com apresentação de atestado médico) 65 anos (com apresentação de atestado médico) 70 anos e posteriormente de 2 em 2 anos (com apresentação de atestado médico)

5 –

Condutores habilitados a partir de 30 de Julho de 2016 15 em 15 anos após a data de habilitação até perfazer os 60 anos (sem apresentação de atestado médico) 60 anos (com apresentação de atestado médico) NOTA: condutores que se habilitam pela 1ª vez com idade igual ou superior a 58 anos, efetuam a 1ª revalidação aos 65. 65 anos (com apresentação de atestado médico) 70 anos e posteriormente de 2 em 2 anos (com apresentação de atestado médico)

sam ser indicados na apólice.

Verificar o que engloba a assistência 24 horas. É importante saber se existe franquia no serviço de assistência em viagem.

6 –

Verificar também se está a contratar um seguro de danos próprios, ou um seguro que responsabilidade civil contra terceiros, uma vez que apenas o primeiro garante a responsabilidade pelo dano material na sua viatura.

7 – Pergunte à sua seguradora quais as coberturas e exclusões existentes na sua apólice.

8 – Atenção: a opção mais barata, nem sempre

é a melhor. O mais importante é verificar quais as coberturas e os tipos de serviço que cada seguradora oferece.

9 – Faça o seguro sempre em nome do proprie-

tário(a) do veículo, caso não o faça a companhia poderá declinar a responsabilidade de sinistros que ocorram.

10 –

Não compre veículos sem verificar a sua regularidade de documentação, impostos, etc.

Como apareceram os pneus? Como muitas das maiores invenções da humanidade; o pneu também tem sua história peculiar. Em 1834, uma alfaiataria de Massachusetts presenteou o então presidente dos Estados Unidos, Andrew Jackson, com um terno impermeável. A goma aplicada ao terno ficou conhecida como borracha. Na mesma alfaiataria, o filho de um inventor de ferramentas foi designado para resolver um dos maiores problemas da borracha: endurecer no frio e derreter no calor. Seu nome: Charles Goodyear. Depois de até ser preso por não conseguir pagar suas dívidas (adquiriu empréstimos para suas pesquisas), Goodyear encontrou a fórmula: “cozinhar” a borracha em altas temperaturas. Isso aconteceu em 1839. Dois anos depois, ele pediu a patente de vulcanização da borracha. Em 1845, um engenheiro escocês revestiu as rodas de sua carruagem com borracha vulcanizada insuflada com ar, para diminuir o barulho e torná-la mais macia. Em 1888, John Boyd Dunlop, também escocês, mas que vivia na Irlanda, descobriu uma maneira de evitar as quedas de seus filhos na bicicleta: costurou uma válvula a um tubo de borracha e encheu esse tubo com ar, cobrindo com um pedaço de lona. Assim surgiu o primeiro pneu para bicicletas. Em França, os irmãos Édouard e André Michelin foram os primeiros a patentear o pneu para automóveis. Em 1894, havia naquele país apenas 200 carros, todos com motores a vapor e pneus de borracha maciça. Numa corrida entre Paris e Bordeaux, em 1895, os irmãos Michelin inscreveram um carro com pneu insuflável, que ganhou a corrida com certa folga. O problema eram os constantes furos nos pneus. Em 1903, diante do grande sucesso, eles foram negociar seu produto numa pequena, mas promissora cidade americana chamada Detroit, onde acabava de ser montada uma grande fábrica de automóveis: a Ford. Em seguida, vieram pedidos de patentes de outros fabricantes: Pirelli, Firestone, Goodyear e muitas outras. A história do pneu tem curiosidade. Quem fundou a Goodyear não foi Charles Goodyear, mas Frank A. Sciberling, que deu à sua empresa o nome Goodyear, em homenagem ao inventor do processo de vulcanização da borracha. Já o boneco Bibendum, da Michelin, foi criado quando os irmãos Michelin viram uma pilha de pneus que, de longe, parecia uma pessoa.

Fonte: Portal São Francisco


33

VINHO

GIRAR O COPO:

GESTO SNOB, OU ATÉ FAZ SENTIDO? Para os amantes do vinho, beber o “néctar dos deuses” é viajar, é imaginar, é saborear, é descobrir. Cada copo é uma viagem até ao local e ao tempo em que o vinho foi produzido, é pensar no que poderá ter acontecido durante a vindima e de que é que as pessoas falavam naquela altura, é destrinchar cada sabor e ir descobrindo cada aroma que vem do copo. Ao termos a perceção destes aromas e sabores do vinho não estamos apenas a bebê-lo, mas também a compreendê-lo. Quase sempre vemos pessoas a girar o copo, umas com mais e outras com menos elegância, quando estão a degustar um vinho. Mas por que razão o fazem? Terá caráter glamouroso? Será só por tradição? Ou haverá, na verdade, alguma relação entre este gesto e a evolução do vinho, na hora de o beber? “Abanando” o vinho estamos, na verdade, a fazer entrar mais oxigénio no copo. O oxigénio areja o vinho e ajuda a libertar mais desses aromas. Depois disto, quando levamos o copo até ao nariz, a diferença é notável. E, assim,

começamos a enumerar os aromas mentalmente. No entanto, um fenómeno recorrente é o facto de muitas pessoas “abusarem” deste gesto de girar o copo. Pode parecer bonito, mas, na verdade, há aromas que estão a ser desperdiçados, pelo que não devemos estar sempre a girá-lo.

CURIOSIDADE / DICA Com a prática, desenvolvemos competências ao nível do olfato, do paladar e da memória sensorial, que nos vão ajudando a construir o “mapa mental” de prova. Este mapa não é mais do que o resultado dos aromas e sabores que fazem parte do quotidiano (desde as frutas e legumes que temos na nossa cozinha às folhas das árvores e plantas por que passamos nas ruas). A dica é que cheiremos tudo o que há à nossa volta, para contribuir para uma memória olfativa mais rica.

António Rizz Félix

Sabia que... Diversos estudos demonstraram: o vinho tinto, tomado de forma moderada, faz bem à saúde. Conheça os benefícios que pode ter ao ingerir esta bebida. Beber um bom vinho pode ser um grande prazer, ajuda a descontrair no final de um dia de trabalho, acompanha divinalmente uma refeição, e quando consumido moderadamente faz bem à saúde. Segundo um estudo da Harvard Medical School, o resveratrol, componente encontrado na pele das uvas pretas, estimula a produção de uma proteína que tem propriedades anti-envelhecimento, promovendo a longevidade. Ainda o resveratrol, este melhora o desempenho do hipocampo, parte do cérebro que está associada à formação de novas memórias, aprendizagens e emoções, desenvolvendo a capacidade de memorização. Investigadores da Universidade da Virgina associaram o resveratrol ao bloqueio do desenvolvimento de uma proteína que ‘alimenta’ as células cancerígenas, reduzindo assim o risco de cancro.

O vinho tinto promove a saúde ocular, Na Islândia um estudo descobriu que consumidores moderados de vinho tinto têm 32% menos probabilidade de vir a desenvolver cataratas. Pesquisas recentes também demonstraram que os anti-oxidantes presentes no vinho podem atenuar o desenvolvimento de bactérias presentes na boca e assim prevenir cáries, melhorando a saúde dentária. Reduz o risco de doenças cardíacas. Um estudo de 2007 sugere que procyanidins, um composto encontrado no vinho tinto, ajuda a promover a saúde cardiovascular. O vinho produzido no Sul de França e Sardenha, onde as pessoas tendem a viver até mais tarde, tem elevadas concentrações deste composto. Algumas variedades de vinho poderão ajudar a baixar o colesterol e ajudam a prevenir as gripes comuns. Graças aos antioxidantes presentes no vinho, investigadores descobriram que as pessoas que bebiam determinada quantidade de vinho por semana tinham menos 40% de probabilidade de contrair o vírus da gripe.


34

NA CIDADE

Aromático 54

Num espaço pensado ao pormenor para o bem-estar de quem o visita, o Aromático 54, disponibiliza um menu arrojado que alia os sabores tradicionais ao mais inovador da cozinha contemporânea. Horário: 12h00-15h00 e das 19h30- 22h30 Largo da Prebenda, 51 Viseu 963 742 999 facebook.com/aromatico54

O Pateo

Situado na Rua Direita, zona histórica da cidade, O Pateo está ligado à gastronomia tradicional, confeciona excelentes pratos como o bacalhau à moda da aldeia para 6 pessoas, o bife na caçarola, a grelhada terra e mar, o espeto de lulas com gambas. Estes são alguns dos pratos de referência que satisfazem o cliente, acompanhados por uma selecção de vinhos das várias regiões do país, Douro, Dão e Alentejo. O turismo está a crescer na cidade e o Pateo já é uma referência Nacional e Internacional.

O Cortiço

Cortiço gastronomia tradicional. 50 anos de História, com muitas histórias para contar. Espaço tradicional de cozinha antiga. O nosso convite... “Venha como está, seja como é.” Horário: De Terça a Domingo - Descanso semanal Domingo ao Jantar e Segunda. Rua Augusto Hilário 45 Viseu 916 461 576 facebook.com/cortico.tradicional

Aberto, de segunda a sábado, das 10h às 15h e das 18h30 às 23h, folga na terça à noite.

Break

No coração da Rua Direita e da zona histórica de Viseu, um espaço acolhedor que se faz das delícias do café e das pausas salutares para repor a força anímica! O Break - Coffee & Lounge Bar é por isso uma paragem obrigatória para miúdos e graúdos. Rua Direita Nº91/93 Facebook.com/breakcoffeeviseu Instagram BREAKVISEU

Tasquinha da Sé

A Fabrica

Em pleno centro histórico, muito próximo à Sé de Viseu, a Tasquinha da Sé apresenta diversos petiscos portugueses, num ambiente regional e acolhedor com a simpatia do seu proprietário Artur Ferreira.

A Fábrica proporciona aos seus clientes refeições de excelência e serviço cuidado num ambiente descontraído. A música ao vivo anima as noites de fim-de-semana.

Horário: 12h00 às 15h00 das 18h30 às 23h00 Sextas, sábados e véspera de feriado até às 2h00 Rua Augusto Hilário 62, Viseu 232436138 / 968671448 facebook.com/ tasquinhadase

Horário: 10h00-1h30 Sexta e Sábado 10h00-3h00 Estrada Santo Estevão Viseu - Antiga Provir 232 414 027 www.fabricaviseu.pt/fabricarestaurante.asp


35 Factor C

Um dos bares que não passa de moda na cidade. De ambiente animado e descontraído, tem um serviço cuidado e uma lista interminável de bebidas. Rua do Coval, Nº 43, Ribeira - Viseu www.facebook.com/factorcviseu

NB Club

No centro da cidade o NB é um Club moderno e minimalista, que aposta na conjugação de vários sons, desde o house ao hip-hop e conta regularmente com os melhores Dj`s nacionais e internacionais. Rua Conselheiro Afonso de Melo, Nº39 Viseu 966 234 409 www.facebook.com/nbclubviseu

Irish Bar

Desde 1999 que pretendemos que o The Irish Bar seja um dos icons da história desta cidade. Com uma leque variado de cervejas, cocktails e um espírito irlandês vincado e perceptível a quem nos visita. Recebemos com simpatia e dedicação. Até já Slaintê Largo Pintor Gata, 8 Viseu 232 488 156 facebook.com/ Irishbarviseu

Que Viso Eu?

A “Que Viso Eu?” é um estabelecimento de comércio tradicional situado no Centro Histórico da cidade de Viseu. Este espaço é dedicado aos produtores portugueses, aqui, encontra Sabores da Gastronomia Tradicional da Beira Alta, Beira Interior, Beira Litoral e Douro. Organizamos jantares por encomenda, em exclusivo no nosso espaço com a assinatura do chefe FRANK. Rua Nunes de Carvalho nº 5, 7 e 9 Viseu 232 458 474 www.quevisoeu.pt

IceClub Viseu

O Ice Club é a discoteca de Viseu com dois conceitos e duas pistas de dança, um bar e uma agradável esplanada onde se realizam concertos intimistas no Verão. Edificio Palácio do Gelo-Viseu 966 234 409 facebook.com/iceclubviseu

Anda Ver

Situada no coração do centro histórico de Viseu, sob o mote “A loja onde pode ver, comprar e “andar”!”, AndaVer Portugal é um convite a conhecer o tanto que se faz por terras portuguesas, um conceito que pretende valorizar este país de tantas mais-valias, materiais e imateriais; mostrar e promover o “saber-fazer” de tantos portugueses. O espaço tem à venda vários produtos nacionais, desde vinho, chocolates, conservas, acessórios de moda, roupa, calçado, óculos de sol, livros, entre outros. AndaVer! Rua Grão Vasco, 14 Viseu 963 742 999 232 099 741 www.andaverportugal.pt


36

NA CIDADE

Bares Obviamente Bar

Galeria 22

Bar de Gelo Viseu

Office BAR

Largo Pintor Gata 26, Viseu 232 093 635 facebook.com/Obviamente-Bar

Palácio do Gelo,Viseu 232 483 931 www.bardegeloviseu.com

4You Bar

Largo Misericórdia 26, Viseu 232 408 761 facebook.com/Galeria

Rua Adelino Azevedo Pinto, Viseu facebook.com/office.coffee.bar

Estado D’alma

Largo Nossa Sra. da Conceição 37, Viseu 966 810 757

Rua Augusto Hilário 55, Viseu 232 431 181 facebook.com/BAR-estado-dalma-270473219676139

Syrah

Penedro Bar

Estrada de Nelas Nº1, Viseu facebook.com/Syrah.Viseu

Faces

Rua Formosa, Viseu 912 345 973 facebook.com/facesbarcafe

Viriathus Celta

Rua de Santo António 47, Viseu facebook.com/viriatoviseu.graovasco

Café Bar da Academia

Quinta de São José lote D r/c dto, Viseu 918 499 645 facebook.com/baracademiaviseu

Litradas

Urbanização Quinta de Jugueiros 6,Viseu facebook.com/litradas.barviseu

Energy

Urbanização Quinta de Jugueiros 110, Viseu facebook.com/EnergyBarViseu

Vinyl Bar

Rua Engenheiro Beirão do Carmo 22, lote 46, Viseu 962 332 725 facebook.com/vinyl.socialbar

Utopia Bar

Rua Nova 107, Viseu facebook.com/Utopiabarviseu

Rua Augusta Cruz 1, Viseu 938 113 918 facebook.com/penedrodaseviseu

LONDON PUB

Rua Eng. Manuel Moreira Amorim 39, Viseu 232 406 897 facebook.com/londonpub2015

THE BROTHERS

Rua da Paz, nº26, Viseu 232 440 391 facebook.com/Thebrothers

Bar X25

Urbanização Quinta de Jugueiros, 14, Viseu facebook.com/barx25

Maria Xica

Rua Chão do Mestre 23, Viseu 232 435 391 facebook.com/maria.xica.viseu

Lugar do Capitão

Rua Gonçalinho 84/86, Viseu 965 879 510 facebook.com/LUGARDOCAPITAOBAR

Armazém do Caffè

Rua da Paz 11, Viseu 232 425 054 facebook.com/Armazém-do-Caffè-Viseu

Velha Guarda Taverna Estado Puro

Rua Estevão Lopes Morago 14, Viseu 232 402 841 facebook.com/Estado-Puro-coffee-bar

Palato Wine House

Praça Dom Duarte 1, Viseu 232 094 038 facebook.com/PalatoWineHouseViseu

TreBARunA Viseu

Antigo Mercado 2 de Maio, Rua Chão do Mestre, Viseu facebook.com/TrebarunaViseu

Urban Chic Caffe Bar

Rua Santo António 15, Viseu facebook.com/urbanchiccaffebar

Avenida Monsenhor Celso Tavares da Silva, Viseu 961 608 387 facebook.com/velhaguardataverna

The “T”

Parque de Santiago Viseu 967 473 756


37

Pastelarias Pastelaria Capuchinha

Praça República 16, Viseu 232 435 710 facebook.com/pages/Pastelaria-Capuchinha/

Pastelaria D. João I

Rua Almirante Afonso Cerqueira 363, Viseu 232 468 198 facebook.com/Pastelaria-D-Joao-I

Confeitaria e Pastelaria Serra Da Nave Lda

Rua Ponte de Pau 11, Viseu 232 425 554 facebook.com/serradanave.pastelaria

Pastelaria Salão de Chá O Lobo Rua Dom Francisco Alexandre Lobo 37, Viseu 232 437 959

Pastelaria Leão Lda

Rua Formosa 50, 3500 Viseu 232 423 207 facebook.com/Pastelaria-LEAO

Pastelaria Gelataria D. Duarte Praça D. Duarte 17, Viseu 963 754 021 facebook.com/pastelariadomduarte

Destino Latino

Rua Engenheiro Beirão do Carmo, Viseu 232 423 323 facebook.com/Pastelaria-Destino-Latino

Velvet

Praca Dom Joao I, loja H, Viseu 232 402 170 www.cupcakesvelvet.pt

Pastelícia

Rua Alexandre Herculano 89-r/c, Viseu 232 431 025 facebook.com/Pastelicia

Tresanti

Avenida Dr. António José Almeida 7/9, Viseu 232 431 421 www.tresanti.pt

San Remo

Avenida Doutor António José de Almeida 283, Viseu 232 184 566 www.gelatariasanremo.com

Estrela Doce

Avenida Dr. António José de Almeida 50, Viseu 232 480 240 facebook.com/estreladoceviseu

Amaral

Rua Francisco Alexandre Lobo 54, Viseu 232 422 920 facebook.com/Confeitaria-Amaral

Wolf

Rua Francisco Alexandre Lobo 37, Viseu 232 413 679 facebook.com/wolfpastelariaslda

Pão d´avó

Rua Alexandre Herculano Edifício Alexandre Herculano-r/c loja C, Viseu 232 429 472 facebook.com/Padaria-Pastelaria

Restaurantes O Cacimbo

Rua Alexandre Herculano 95, Viseu 232 422 894 www.cacimbo.pt

Dux Palace

Rua Paulo Emílio 12, Viseu 963 004 817 www.duxrestaurante.com

Inprovviso

Rua do Cerrado 9, Viseu 232 461 033 www.facebook.com/INPROVVISO

O Perdigueiro

Quinta do Galo 10, Viseu 232 461 805 www.restauranteoperdigueiro.pt

O Cortiço

Rua Augusto Hilário 45, Viseu 232 416 127 www.restaurantecortico.com

Muralha Da Sé

Rua Adro 24, Viseu 232 437 777 www.muralhadase.pt

Mesa Da Sé

Rua Grão Vasco 29, Viseu 232 425 205 www.restaurantemesadase.com

Tasquinha da Sé

Rua Augusto Hilário 60, Viseu 964 209 802 www.facebook.com/tasquinhadase

Marisqueira Casablanca

Avenida Emídio Navarro 70-72, Viseu 232 422 239 facebook.com/marisqueiracasablanca

Taberna Da Milinha

PIAZZA DI ROMA

Rua da Prebenda 37, Viseu 232 488 005 facebook.com/piazzadiromaviseurRistauranteItaliano

Italian Indian Palace

Avenida Dr. António José de Almeida 304, Viseu 232 469 278 www.indianpalace.pt

A Budêga

Rua Direita 3, Viseu 232 449 600 facebook.com/restaurante.abudega

Mesa d’Alegria

Rua da Vitória 21, Viseu 232 400 765 facebook.com/mesadalegria

Forno da Mimi & Rodízio Real Estrada Nacional 2, Vermum Campo, 512, Viseu 232 452 555 www.fornodamimi.pt

Home True Sushi Viseu

Quinta D’El Rei lote 243, loja C, Viseu 933 330 867 facebook.com/hometruesushiviseu

Take-Away Moamba

Avenida Alberto Sampaio 94, Viseu 232 390 875 www.moamba.pt

Vintage

Rua Miguel Bombarda 76, Viseu 232 414 323

O Pateo

Rua Direita, Viseu 232 413 209 facebook.com/pateoestauranteviseu

Porta da Sé

Rua 21 de Agosto 160, Viseu 232 404 294 facebook.com/portadasehamburgueres

Nomiya Sushi Bar

Rua da Fontaínha 36, Viseu 931 788 081 facebook.com/nomiyaviseu

A Fábrica

Edifício A Santo Estevão, Viseu 232 414 027 fabricaviseu.pt

Rua Poeta António José Pereira 53,Viseu 969 700 056 facebook.com/Taberna.damilinha

Mota

Santa Luzia

Portas do Sol

Estrada Nacional 2, Viseu 232 459 325 www.restaurante-santaluzia.pt

Rua Dom António Monteiro, Viseu 232 468 072 facebook.com/motarestaurante

Urbanização Vilabeira, bloco 4, r/c, Viseu 232 431 792 facebook.com/portasdosol


38

NA CIDADE

Casa Portuguesa

Sheng Li

Casa da Sé

Última Ceia

Torre Di Pizza

Hotel Grão Vasco

Rua do Adro 19, Viseu 232 094 150 facebook.com/tascaportuguesa.se11

Travessa da Balsa 15, Viseu 232 415 121 www.shengli.pt

Avenida Infante Dom Henrique 89, Viseu Avenida Cidade de Aveiro lote 16, Viseu 912 441 418 965 446 688 www.ultimaceia.pt www.torredipizza.com

Dona Maria

Avenida Alberto Sampaio, Viseu 963 711 497 facebook.com/TabernaDMaria

O Viso

Av. Luís Martins 231, Repeses 232 405 215 www.restauranteoviso.pt

Ceia dos Malandros

Rua Dr. Azeredo Perdigão 4B, Viseu 232 469 552 facebook.com/CeiaDosMalandros

Franguito Algarvio Rua Dom José da Cruz Moreira Pinto 7, Viseu 232 468 018

Ristorante La Cucina

Quinta dos Compadres

Avenida Alto de Abraveses 128, Viseu 232 452 469 www.quintadoscompadres.com

Rua Gonçalinho 62, Viseu 232 422 721 facebook.com/solardacerveja.solar

Avenida Alberto Sampaio 92, Viseu 963 720 709 facebook.com/Cem-Reis-a-Mesa

daTerra

Rua Padre António Freire Lote 91, fracção A, Viseu 232 399 575 www.daterra.pt

Restaurante Frequente

Jasmim

Acapulco

O Cantinho do Tito

Quinta da Magarenha

Recta do Caçador 577, Nó 20 A25, Viseu 232 479 106 www.magarenha.com

Casa Arouquesa

Rua Santa Isabel lote 0, Repeses, Viseu 232 416 174 www.casaarouquesa.pt

CB House

Rua 5 de Outubro 143, Viseu 232 079 732 facebook.com/cbhouse.viseu

Clube de Caçadores

Muna, Bigas, Viseu 232 450 401 facebook.com/Restaurante-ClubeCaçadores

Grão Mestre

Rua Escura 46, Viseu 968 303 990 facebook.com/GraoMestre.Restaurante

Príncipe Perfeito

Largo da Misericórdia, Viseu 232 469 200 montebelohotels.com/ hotelprincipeperfeito

Hotel Durão

Avenida da Bélgica n 203, Viseu 232 410 460 www.hoteldurao.com

Cem Reis à Mesa

Cantinho dos Frangos

Avenida Capitão Silva Pereira 53, Viseu 232 421 996 facebook.com/takeaway.acapulco

Rua Gaspar Barreiros, Viseu 232 423 511 www.hotelgraovasco.pt

Solar da Cerveja

Rua Monte. António Nelas, Viseu 232 405 392 facebook.com/lacucina.viseu

Largo de São Pedro 52, loja 25, Viseu 232 458 317 facebook.com/Frequente-Restaurante

Rua Augusta Cruz 12, Viseu 232 468 032 www.facebook.com/casadase

Rua das Pedras Alçadas 52, Viseu 232 424 313

Rua do Largo da Capela, Rebordinho 232 406 780 facebook.com/jasmimviseu

Rua Mário Pais da Costa lote 10, Viseu 232 187 231 facebook.com/cantinhodotito

Mamma Isa

Travessa das Pedras Alçadas lote 2, Viseu 232 399 993 www.mammaisa.pt

Pensão Rossio Parque

Rua Soar de Cima 55, Viseu 232 422 085 www.pensaorossioparque.com

Aromático 54

Largo da Prebenda, 51 Viseu 963 742 999 facebook.com/aromatico54

Hotéis Pousada de Viseu

Rua do Hospital, Viseu 232 457 320 www.pousadadeviseu.com

Montebelo

Urbanização Quinta do Bosque, Viseu 232 420 000 www.montebelohotels.com

Palácio dos Melos

Rua do Chão do mte, nº4, Viseu 232 439 290 www.montebelohotels.com/ hotelpalaciodosmelos

Moinho do Vento

Rua Emílio Paulo, nº13, Viseu 232 424 116 www.hotelmoinhodevento.pt

ONIX

Recta Caçador 16, Viseu 232 479 243 www.hotelonix.pt

Residencial D.Duarte

R. Alexandre Herculano, Viseu 232 421 980 www.residencialdomduarte.pt

Hotel Avenida

Av. Alberto Sampaio, Viseu 232 423 432 www.hotelavenida.com.pt

Viseu Garden Hotel

Vermum Campo, Viseu 232 430 050 www.viseugardenhotel.com

Charme & Alegria

Rua da Vitória, Viseu 232 400 765 www.charmealegria.com

Pousada da Juventude

Rua Dr. Aristides Sousa Mendes, Viseu 232 413 001 facebook.com/pousadajuventudeviseu

Loft Guest House Jardim das Mães Charming Rua Soar de Cima, Viseu 966 144 878 www.bemyguest.com.pt


39 Museus Museu Nacional Grão Vasco Adro da Sé, Viseu 232 422 049 mngv@mngv.dgpc.pt

Receitas Da Avó

Museu de Arte Sacra Adro da Sé, Viseu 232 422 984

Casa da Ribeira

Rua do Coval, Viseu 232 427 428 casadaribeira@cmviseu.pt

Museu do Quartzo

Monte de Santa Luzia, Viseu 232 450 163 museudoquartzo@cmviseu.pt

Casa Museu Almeida Moreira Rua do Soar de Cima 232 427 471 museualmeidamoreira@cmviseu.pt

Quinta da Cruz

Rua São Salvador 232 423 343 quintadacruz@cmviseu.pt

Casa das Memórias Rua da Árvore 1/7 232 423 343

Casa da Lavoura e Oficina do Linho

Várzea de Calde, Viseu 232 911 004 museu.varzea@cmviseu.pt

Colecção José Coelho

BOLO DE ÁGUA Ingredientes: 2 ovos; 1 chávena (chá) de açúcar; 1 chávena (chá) de farinha; 4 colheres de sopa de água; 1 colher (de chá) de fermento em pó 1 colher (de chá) de sal. Passo a Passo: -Batem-se as gemas com o açúcar, vai-se-lhe juntando as colheres de água, uma por uma, continuando sempre a bater. -Depois junta-se ao preparado as claras em castelo, o sal, a farinha e por fim o fermento.

Casa do Miradouro 232 425 388 casadomiradouro@cmviseu.pt

-Leva-se a cozer no forno, em forma untada com manteiga, (forno brando).

Solar dos Condes de Prime

“a receita pode-se dobrar ou triplicar de forma a aumentar o bolo.”

Rua dos Andrades 232 427 471 museualmeidamoreira@cmviseu.pt

“Avó Maria Alice”


40

Profile for amoviseu

amoviseu  

número 2

amoviseu  

número 2

Profile for amoviseu
Advertisement