Page 1

Actualidad

Economia ibérica dezEMbro 2019 ( mensal ) | N.º 270 | 2,5 € (cont.)

Inovação impulsiona cortiça pág.38

“Estamos a olhar para o Brasil como motor para a América Latina” pág. 14

BFF Banking oferece soluções financeiras a fornecedoras do setor público pág. 20

Presidente da AICEP: “O que é português é bom” pág. 50


2 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019


Índice

Foto Capa

índice

DR

Nº 270 - dezembro de 2019

Actualidad

Economia ibérica

Grande Tema 38.

Diretora (interina) Belén Rodrigo Coordenação de Textos Clementina Fonseca Redação Belén Rodrigo, Clementina Fonseca, Laia Cerdán (estagiária), Olga Hernández (estagiária) e Susana Marques

El corcho y su desafío permanente con la innovación

Copy Desk Julia Nieto e Sara Gonçalves Fotografia Sandra Marina Guerreiro Publicidade Rosa Pinto (rpinto@ccile.org) Assinaturas Sara Gonçalves (sara.goncalves@ccile.org) Projeto Gráfico e Direção de Arte Sandra Marina Guerreiro

Editorial 04.

Paginação Sandra Marina Guerreiro

Cortiça: inovação consolida liderança mundial de Portugal

Colaboraram neste número Cecilio Oviedo, Nuno Almeida Ramos e Teresa Patrício da Silva Contactos da Redação Av. Marquês de Tomar, 2 - 7º 1050-155 Lisboa Telefone: 213 509 310 • Fax: 213 526 333 E-mail: actualidade@ccile.org Website: www.portugalespanha.org Impressão What Colour is This? Rua do Coudel, 14, Loja A 2725-274 Mem-Martins Distribuição VASP – DISTRIBUIDORA DE PUBLICAÇÕES Sede: Media Logistics Park, Quinta do Grajal – Venda Seca 2739-511 Agualva-Cacém Nº de Depósito Legal: 33152/89

Opinião 06.

Hacia una nueva depresión o simplemente hacia un menor crecimiento? - Cecilio Oviedo

46.

Proibição de louça de plástico de utilização única - Teresa Patrício da Silva

Nº de Registo na ERC: 117787 Estatuto Editorial: Disponível em www.portugalespanha.org As opiniões expressas nesta publicação pelos colaboradores, autores e anunciantes não refletem, necessariamente, as opiniões ou princípios do editor ou do diretor. Periodicidade: Mensal Tiragem: 6.000 exemplares _________________________________________ Propriedade e Editor CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA LUSO-ESPANHOLA - “Instituição de Utilidade Pública” NIPC: 501092382 Av. Marquês de Tomar, 2 - 7º 1050-155 Lisboa Comissão Executiva Enrique Santos, António Vieira Monteiro, Luís Castro e Almeida, Ruth Breitenfeld, Eduardo Serra Jorge, José Gabriel Chimeno, Ángel Vaca e Maria Celeste Hagatong

E mais...

Atualidade 22.

Encuentro de la secretaria de Estado de Comercio de España con las empresas españolas asentadas en Portugal

24.

Promol, velas portuguesas que iluminam a Europa

28.

El PSOE vuelve a ganar las elecciones en un difícil entorno de gobernabilidad

08. Apontamentos de Economia 14.Grande Entrevista 30.Marketing 34.Fazer Bem 46. Advocacia e Fiscalidade 48. Setor Imobiliário 50.Eventos 54.Vinhos & Gourmet 58.Ciência & Tecnologia 60. Setor Automóvel 62.Barómetro Financeiro 64.Intercâmbio Comercial 66.Oportunidades de Negócio 68.Calendário Fiscal 69.Bolsa de Trabalho 70.Espaço de Lazer 74. Statements

Câmara de Comércio e Indústria

Luso Espanhola DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 3


editorial editorial

Cortiça: inovação

consolida liderança mundial de Portugal

4 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

aplicações da cortiça” para os mais variados setores de atividade, seja a construção civil, os transportes, entre muitas outras. “O grupo investe anualmente cerca de 7,5 milhões de euros em I&D+I, tecnologia de ponta e processos de produção exclusivos com o selo da Amorim”, revela em entrevista à “Actualidad€” António Rios de Amorim, CEO da corticeira, e que se pode ler também no “Grande Tema” deste mês. “A aposta em I&D permitiu a criação de novas oportunidades e a cortiça passou a usufruir de um novo posicionamento internacional: conquistando mercados cada vez mais ávidos por produtos naturais com qualidade premium”, fatores de impulso que permitem “reforçar a nossa liderança no setor a nível mundial”, assegura o mesmo res-

ponsável. “Portugal, enquanto líder mundial do setor, tem apostado na inovação e I&D, quer ao nível das empresas, quer do envolvimento com a comunidade científico-tecnológica do país. A indústria investiu, nos últimos 15 anos, mais de 700 milhões de euros em I&D, novas fábricas, novos processos, novas competências”, adianta a Apcor. A principal associação do setor revela ainda o peso crescente que Espanha tem tido, quer como fornecedor de matérias quer como importador de produtos transformados de cortiça (Espanha foi o destino de mais de 15% das exportações nacionais do setor, que ultrapassaram em 2018 os 1.067 milhões de euros).  E-mail: cfonseca@ccile.org

Foto Eric Petschek

A

s novidades nunca acabam e o setor mostra-se renovado a cada dia. A cortiça portuguesa afirma-se, cada vez mais, pela qualidade, mas também pelo design , ou pela funcionalidade, nas mais variadas exigências de aplicações. A cortiça portuguesa não está só nas garrafas dos melhores vinhos e champanhe do mundo. Ela está também – já era conhecido – incorporada na estrutura de isolamento de foguetões e naves espaciais, nos comboios e metros de várias companhias europeias, a cortiça ou seus derivados (como os aglomerados compósitos) são a prova de que há ainda muita coisa para descobrir ou retirar desta matéria-prima natural, de cuja transformação industrial Portugal é líder mundial. Há mais de 20 anos que a líder mundial Corticeira Amorim resolveu apostar na investigação e desenvolvimento (I&D) a partir da cortiça, e que fazem da A morim Cork Research um laboratório essencial, “p r o m o v e n d o novas patentes em processos e produtos, c ont r ibu i ndo constantemente para ampliar o portefólio de


editorial

DEZEMBRO DE 2019

editorial

AC T UA L I DA D € 5


opinião opinión

Por Cecilio Oviedo*

¿Hacia una nueva depresión o simplemente

hacia un menor crecimiento?

D

esde hace ya muchos años, en distintos mementos del ciclo económico, he venido escribiendo de temas de economia iberica y mundial en esta binacional revista empresarial y de economía. Portugueses y españoles lo pasamos mal con la gran recesión desde hace once años y en los tiempos de la gran austeridad al principio de esta década. La mejora de la imagen de España y Portugal y la mejora de los datos macroeconómicos de la economía ibérica desde 2014 han sido muy destacables y sin embargo actualmente ya pintan bastos. Proteccionismo americano contra China y contra la UE, contra nosotros, y el brexit en muy mala posición. Los tiempos están cambiando. Quizás como las plagas de Egipto del génesis soñadas por el faraón, el periodo bueno se puede acabar tras siete años. Pero indudablemente ya se perciben síntomas de desaceleración mundial y en Europa incluso la misma Alemania ya tiene trimestres de bajón, aunque quiera inyectar incentivos a su economía. El proteccionismo y la las guerras comerciales de Trump en distintos frentes son malos para las expectativas empresariales después de un gran periodo para la bolsa americana. Pero nada es eterno aunque en la década anterior se pensó

6 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

que la depresiones habian acabado. ¿Recordamos a Bush Junior? lo único que podemos pedir es que la próxima recesión o depresión sea más suave porque indudablemente la habrá. Y esta vez también puede afectar a los emergentes. Aunque yo no sea un pesimista, nunca los no expertos se han preocupado demasiado por una crisis en china, pero también china es susceptible de una fuerte desaceleración (aunque no tenga que caer en depresión) y eso afectaría a un tibio crecimiento del comercio internacional como ya advierte la OMC y al PIB mundial porque las perspectivas tampoco son buenas para los emergentes ni para muchos países de la OCDE y del área Euro. En conclusión, 2019 no va a ser un buen año y aún desconocemos todo de 2020. La incertidumbre creada por el brexit final de Johnson es grave aunque la partida no está cerrada, gracias a los tribunales británicos y escoceses. El brexit es una guerra incruenta que especialmente perjudica a los británicos (que discrepan radicalmente entre sí), pero también perjudica nuclearmente al resto de la UE. Hay generaciones de políticos británicos desde Thatcher a Boris Johnson que han sido tocados por la cuestión europea. Los británicos – a diferencia de los españoles o portugueses – siempre han tenido reticencias con la pérdida de soberanía que supone

la Unión Europea, pero pensaron que ganaban más si estaban dentro (cheque británico, por ejemplo) y que mantenían un protagonismo que estaban empezando a perder en los años setenta. Hubiera sido mejor que hubieran seguido liderando su EFTA (en la que también estuvo Portugal, por cierto) y su Commonwealth. ¿Fue un error histórico que el Reino Unido, la vieja Inglaterra imperial, se hubiera adherido a las comunidades europeas más de una década después de su creación por alemania, Francia, Benelux e Italia (conjuntamente con su vecina Irlanda)? Hace no mucho tiempo, Boris Johnson forzó a la reina Isabel a cerrar el Parlamento británico, en una medida considerada por los jueces como un abuso del poder ejecutivo sobre el legislativo pero está cerca de unas elecciones que probablemente le perjudican en todos los aspectos. Boris Johnson ha creado una retórica personalista que puede acabar destruyéndole y así se podría evitar el brexit (con un nuevo referendum). ¿Nos imaginamos que pasará en Escocia si el brexit sin acuerdo sigue adelante?. Los jueces escoceses también dieron una lección magistral. A nivel global, con las mayores locomotoras mundiales en perspectiva negativa, parece haber empezado el punto de inf lexión de desaceleración del ciclo. Sólo cabe esperar que con la actual deuda


opinión

americana y mundial los dirigentes se den cuenta que el gran poseedor de activos financieros, el gran acreedor global, es China. Y China no está creciendo a los ritmos acostumbrados. El menor crecimiento está provocado entre otros motivos por las malas expectativas de varias industrias, especialmente las del automóvil, por las malas previsiones del motor de combustión interna a 20 años y los cambios tecnológicos y empresariales a los que obliga el impulso previsto a los motores eléctricos e híbridos. En cambio, en el otro lado del mundo, España y Portugal, dos paises tan juntos y tan distintos, las elecciones generales a los parlamentos se han producido con cinco semanas de distancia. los partidos socialistas en ambos países, según las encuestas y los comicios han resultados los ganadores. Después de cuatro años de éxitos del Gobierno socialista en portugal, llamado “geringonça” (artilugio), con ministros socialistas y apoyos parlamentarios de la izquierda sólo en la asamblea, el PM António Costa ha estado muy cerca de obtener la mayoría absoluta parlamentaria y formará un gobierno con ministros del PS, apoyado por partidos de izquierda a nivel de la Asamblea pero no por el PCP. Aquí “lo primero es siempre Portugal”. En España, nunca ha habido una “jeringonza” a pesar de los intentos de lograr un pacto de Gobierno del PSOE tanto con el centro derecha (con Ciudadanos) como por la izquierda (con Unidas Podemos, UP). A pesar de ser Pedro Sánchez el ganador de las elecciones de abril de 2019, sus apoyos parlamentarios no le han permitido aprobar los presupuestos al no tener una mayoría suficiente y fallar los pactos posibles. Tuvo que convocar

elecciones generales para el 10 de noviembre con intención de obtener mayor número de diputados y mayor capacidad negociadora en pactos, objetivo no conseguido. La nueva votación ha tenido como consecuencia un Parlamento más dividido que el anterior donde los pequeños partidos pueden tener un papel importante. Dos días después de tener los resultados de las elecciones se ha firmado un preacuerdo de “ gobierno progresista” con Pablo Iglesias (UP) como vicepresidente y varios ministros de UP, apoyado inmediatamente por el PNV e Iñigo Errejón (Más País, antiguo miembro de Podemos). ante la negativa de ciudadanos tiene que conseguir más apoyos de otros partidos entre ellos los independentistas de ERC con trece diputados y otros más pequeños para sumar una mayoría igual o superior a 176 diputados en cortes. Después de estos pactos con UP se ha descartado un posible gobierno de coalición a la alemana con el segundo partido en diputados y número de votos, el Partido Popular (PP) con quien hubiera tenido un apoyo suficiente de 209 diputados en el Congreso (120 del PSOE y 89 del PP). Esto hace que realmente sea difícil

opinião

conseguir un apoyo parlamentario estable que permita la gobernabilidad del país para tratar con temas tan importantes como el problema territorial, ya que hay varios partidos en el Parlamento que demandan la república y la independencia de Cataluña, discrepando de la constitución española, de las decisiones del Gobierno central y de las sentencias del Tribunal Supremo. La situación económica en desaceleración es otro reto del próximo Gobierno a corto plazo. Con la necesidad del apoyo de tantos partidos en juego, incluidos posiblemente los independentistas, la estabilidad del pacto es débil a medio plazo, en el caso de obtener una mayoría en el Congreso en primera o segunda votación y seguir adelante la coalcición de Gobierno. Un fallo en el Gobierno de coalición, la pérdida de una votación importante como la de los presupuestos o una peor situación en cataluña, podría llevar a la convocatoria de unas nuevas elecciones pasados los tiempos mínimos necesarios en 2020, lo que llevaría a un nuevo Gobierno en funciones con la inestabilidad económica que ello conlleva.  *Economista y ex vicepresidente de honor de la CCILE Email: oviedotudela50@gmail.com

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 7


apontamentos de economia apuntes de economÍa

Resultados líquidos do Millennium Espanhóis da bcp crescem 5% até setembro Bogaris investem 35 milhões num retail park em Lisboa O resultado líquido consolidado do Millennium bcp ascendeu a 270,3 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2019, revelando um crescimento de 5% face aos 257,5 milhões de euros apurados no período homólogo do ano anterior. O bom desempenho da atividade em Portugal foi determinante para a evolução do resultado líquido do Grupo, na medida em que o contributo da atividade internacional nestes primeiros nove meses do ano se revelou inferior ao apresentado em igual período de 2018. O resultado líquido consolidado alcançado até ao final do terceiro trimestre de 2019 inclui um ganho de 13,5 milhões de euros, resultante da alienação do grupo Planfipsa em fevereiro de 2019, refletido como resultados de operações descontinuadas ou em descontinuação. Na atividade em Portugal, o resultado líquido aumentou 7,1% em relação aos 117,1 milhões de euros alcançados nos primeiros nove meses de 2018, situando-se em 125,5 milhões de euros* em igual período de 2019.

Este crescimento beneficiou da evolução favorável da generalidade das rubricas, à exceção dos custos operacionais e dos resultados por equivalência patrimonial. O maior contributo para aquela evolução decorreu do menor nível de imparidades constituídas para riscos de crédito. Na atividade internacional, o resultado líquido acumulado no final do terceiro trimestre de 2019 cifrou-se em 131,4 milhões de euros, que compara com 140,8 milhões apurados no período homólogo de 2018. Nesta evolução, salienta-se o crescimento de 16,4% dos proveitos core que, contudo, não foi suficiente para acomodar a menor apropriação dos resultados gerados pelo Banco Millennium Atlântico, influenciada pelo término da aplicação da IAS 29, e o desempenho da operação na Polónia, condicionado pelos impactos não recorrentes resultantes dos custos associados à integração e ao reconhecimento inicial da carteira de crédito da operação Euro Bank, adquirida em maio de 2019.

O grupo espanhol de interesses diversificados Bogaris prepara-se para abrir o seu quinto retail park em Portugal. A notícia, avançada pelo “Negócios. pt”, adianta que o grupo andaluz, que produz azeite no Alentejo e que já detém quatro parques comerciais à volta da capital portuguesa, irá investir 35 milhões de euros no futuro Lisboa Retail Park, que terá lojas-âncora como o Continente, a Conforama e a Leroy Merlin. O novo espaço, de 11 mil metros quadrados, junta-se aos quatro retails park da Bogaris na Grande Lisboa e em Setúbal e Montijo. O grupo está presente em Portugal desde 2003, onde arrancou com a exploração de alguns milhares de hectares de olival na região do Alqueva, ainda de acordo com a mesma fonte.

“Portugal Exportador” destaca alguns dos setores que potenciam a exportação O Novo Banco promoveu, em parceria com a Fundação AIP e a AICEP Portugal Global, a 14.ª edição do Portugal Exportador, o maior evento dedicado às exportações nacionais. “Ajudar as empresas portuguesas a enfrentar e ultrapassar os desafios dos mercados de exportação, permitindo-lhes o acesso a informação fundamental, ao conhecimento das experiências das empresas que já deram esse passo e à partilha de ideias e de contactos, tem sido, desde o seu início, o fio condutor da programação do ‘Portugal Exportador’”, refere o Novo Banco. Ao longo dos 14 anos do Portugal

8 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

Exportador, o peso das exportações no PIB nacional evoluiu favoravelmente (passando de cerca de 30% em 2004 para 44% em 2018), “mas a atualidade e pertinência deste desígnio mantém-se: países europeus similares apresentam performances superiores, valores esses que devemos procurar alcançar”, enquadra a mesma fonte, na antevisão do certame deste ano. Na edição de 2019, além dos mercados e setores abordados nos workshops (designadamente Espanha, Alemanha, Angola e os setores da metalomecânica, agroalimentar e e-commerce), de destacar a presença no “Portugal Exportador”

dos vários compradores e delegações internacionais. Está ainda previsto o acesso a consultoria especializada em áreas ligadas à exportação, como o trade finance, instrumentos de cobertura de risco cambial, seguros de crédito, logística ou social selling, Relativamente ao dinamismo que o setor metalúrgico e metalomecânico vive, este revela-se também ao nível das exportações– de realçar que em 2018 foi mesmo atingida a melhor marca de sempre neste indicador (com 18.334 milhões de euros de exportações e uma subida homóloga de 11,3%). Por países, o destaque foi para Espanha, seguida da Alemanha.


Breves EDP Renováveis aumenta lucros em 200%

A EDP Renováveis registou lucros de 342 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2019, um aumento de 197% em relação ao mesmo período de 2018. A empresa informou o mercado de que as receitas até setembro totalizaram 1.300 milhões de euros, um aumento 10% em relação a um ano antes. O lucro antes de impostos, juros, depreciações e amor tizações (EBITDA) totalizou 1.200 milhões de euros, mais 40% do que no mesmo período de 2018. A EDP Renováveis, que tem sede em Madrid, mas é cotada na bolsa de Lisboa, tinha a 30 de setembro

1.526 colaboradores (mais 12% do que no ano ante rior). E ger ia um por tefólio de ativos operacionais de 10,8 GW ( gigawatts ) em todo o mundo, sendo que nos últimos nove meses construiu 344 MW (megawatts), dos quais 145 MW na Europa e 199 MW nos EUA. Nos primeiros nove meses do ano a EDP Renováveis produziu 21,9 TWh (terawatts) de energia “limpa”, mais 9% do que no mesmo período de 2018, evitando 15 Mt (megatoneladas) de emissões de gases nocivos (CO2). A EDP Renováveis apresentou lucros de 313 milhões de euros no final do exercício de 2018, um aumento de 14% em relação a 2017.

Repsol entra no capital da Belmont Technology A Repsol, através do seu fundo de investimento estratégico Repsol Corporate Venturing, adquiriu uma participação na startup norteamericana Belmont Technology, especializada no uso da inteligência artificial (IA) para a indústria de exploração e produção de petróleo e gás natural. Desta forma, o grupo presidido por Antonio Brufau entra numa empresa tecnológica vocacionada para o negócio global de energia. Em concreto, a Belmont Technology desenvolve a tecnologia “Sandy”, baseada no recurso à IA para a atividade petrolífera, com maior efi-

ciência e menores custos ao nível da perfuração de poços de petróleo, de forma mais segura e otimizada. Por usa vez, a startup de Houston poderá, graças a este investimento da Repsol, “expandir e acelerar a implantação da sua plataforma”. O fundo de investimento estratégico da Repsol conta com uma dotação de 85 milhões de euros para o periodo 2016-2020, com o objetivo de atrair inovação tecnológica para a sua área de negócio. O fundo participa em mais de uma dezena de empresas, como a Nanogap, dedicada à nanotecnología, entre outras.

ARUs do Porto somam 231,9 milhões de euros de investimento imobiliário no primeiro semestre Entre janeiro e junho de 2019, as nove áreas de reabilitação urbana (ARU) do Porto receberam 231,9 milhões de euros de investimento imobiliário, num total de 623 operações, revela a “Confidencial Imobiliário”, no âmbito do SIR-Reabilitação Urbana, sistema estatístico que cobre o território delimitado pelas referidas ARUs. A Baixa é o principal destino de investimento, concentrando 110,9 milhões de euros de investimento, ou seja, 48% do volume transacionado no território. O Centro Histórico apresenta-se como a segunda localização preferencial, contabilizando 30,7 milhões de euros, correspondentes a um peso de 13%, um volume próximo do registado nas ARUs da Foz Velha (26,2 milhões de euros), da Lapa (23,7 milhões de euros) e de Campanhã (22,8 milhões de euros), com quotas entre 11% e 10%. As ARUs de Bonfim, Corujeira, Lordelo do Ouro e Massarelos apresentam quotas de 3% ou menos, com volumes de investimento a variar entre 7,8 e 1,0 milhões de euros. Em termos de operações, a liderança cabe também à Baixa, que registou 246 negócios de investimento no primeiro semestre, o equivalente a 39% do total. Seguem-se, de longe, Lapa e Centro Histórico, com pesos de 15% (cerca de 90 operações cada) e Campanhã, com uma quota de 14% e 86 operações. Foz Velha e Bonfim registaram, respetivamente, 41 e 34 operações de aquisição de imóveis, correspondentes a quotas de 7% e 5%. Nas ARUs de Corujeira, Lordelo do Ouro e Massarelos o número de operações variou entre 8 e 15, com quotas de 1% e 2%. No total do território, o ticket médio de investimento por operação no semestre foi de 372,3 mil euros. Mercado automóvel regista crescimento homólogo de 7% em outubro Em outubro, foram matriculados pelos representantes oficiais de marca a operar em Portugal um pouco mais de 19 mil veículos automóveis, ou seja, mais 7% do que em igual mês do ano anterior, revelam dados da Acap-Associação Automóvel de Portugal. No período de janeiro a outubro de 2019, foram colocados em circulação 225.597 novos veículos, o que representou uma queda homóloga de 3,1%. Quanto ao segmento dos veículos ligeiros de passageiros, no mês em análise, foram matriculados em Portugal 15.649 automóveis ligeiros de passageiros novos, ou seja, mais 12,2% do que no mês homólogo do ano anterior. Nos dez meses de 2019 as matrículas de veículos ligeiros de passageiros totalizaram 189.673 unidades, o que se traduziu

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 9


Breves numa variação negativa de 3,5% relativamente ao período homólogo de 2018. Relativamente ao mercado de ligeiros de mercadorias, sofreu uma queda de 9,6% face a outubro de 2018, com 2.917 unidades matriculadas. Em termos acumulados, entre janeiro e outubro de 2019, o mercado atingiu 31.073 unidades, o que representou também uma queda de 1,3% face ao período homólogo do ano anterior. TAP prepara lançamento de emissão obrigacionista, no valor de 375 milhões de euros A TAP concluiu uma emissão de obrigações, no valor de 375 milhões de euros, de acordo com informações do site da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A receita obtida com esta oferta vai ser canalizada para o reembolso antecipado de empréstimos da TAP e extensão do respetivo prazo médio de maturidade, pagamento de comissões e despesas geradas pela emissão de obrigações e financiamento das necessidades decorrentes da atividade da empresa. A TAP anunciou que “concluíu com sucesso o pricing de obrigações sénior 5,625% com o valor nominal agregado de 375 milhões de euros e com maturidade em 2024”, de acordo com a mesma fonte. “As obrigações serão emitidas ao preço de emissão de 99,463%. Prevê-se que a liquidação da oferta ocorra em 2 de dezembro de 2019”, pode ler-se no mesmo comunicado, adianta o portal “DinheiroVivo”. Concreta’19 recebe cerca de 34 mil visitantes e reforça o seu lugar a nível internacional A bienal Concreta voltou à Exponor, com “o objetivo de se posicionar como o maior evento nacional nas áreas da arquitetura, engenharia do futuro e construção, afirmando-se a nível ibérico e cravando o seu lugar na rota das feiras internacionais”. Assim, nos passados dias 21 a 24 de novembro, os 400 expositores da 29ª edição da Concreta – Feira de Construção, Reabilitação, Arquitetura e Design receberam cerca de 34 mil visitantes. Uma bienal organizada pela Exponor Exhibitions, em parceria com a Ordem dos Arquitetos - Seção Regional Norte e Ordem dos Engenheiros - Região Norte. Num momento em que o setor da construção regista uma inversão positiva, com uma procura em alta, que em 2018 se concretizou num volume de faturação de 21,1 mil milhões de euros, a Concreta reuniu os pilares da indústria e apresentou respostas disruptivas e inovadoras, ao nível de temas como a sustentabilidade, a economia circular ou a tecnologia 4.0.

10 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

Galp aumenta investimento no segmento da energia solar em Espanha A Galp alargou o seu portefólio significa mais de 650 GWh de enercomercial, para fornecer energia gia renovável adquirida no total que renovável aos seus clientes em fornecerá mais de 200.000 casas, o Espanha, com a assinatura de um que economizará 430.000 tonelacontrato de compra e venda (PPA) das de CO2 por ano. Este acordode longo prazo com a Grenergy -quadro está em conformidade com Renovables. a estratégia da Galp de garantir um O acordo inclui um total de 200 MW fornecimento equilibrado e comem projetos de produção de ener- petitivo em sua atividade de longo gia solar fotovoltaica em Espanha, prazo para as suas atividades eneratualmente em fase de desenvol- géticas, oferecendo aos seus clienvimento, e que cobrirão um total tes acesso a soluções energéticas de entre 300 a 360 GWh por ano. A eficientes e ambientalmente susempresa alocará gradualmente essa tentáveis. energia para atividades comerciais Mais de metade da eletricidade vena partir de agosto de 2021 por um dida pela Galp em 2018 foi originada período de 12 anos. a partir de fontes renováveis, dos Este é o segundo contrato PPA quais 293 GWh gerados pela próassinado pela Galp este ano, o que pria empresa.

Contact centers em Portugal faturaram quase 600 milhões em 2018 As 96 empresas de contact centers Em 2018, 36,5% destas empresas (centros de contacto) em Portugal tinham capitais próprios negativos tiveram uma faturação total de 593 e 41,7% tiveram resultados líquidos milhões de euros no ano passado, negativos. mais 10,6% do que em 2017. No ano passado, 58,3% das empreDe acordo com uma análise da sas de contact center localizavamAssociação Portuguesa de Contact -se na Área Metropolitana de Lisboa, Centers (APCC), com base na “Central onde se encontravam 91% dos recurde Balanços” do Banco de Portugal, sos humanos e se realizava 88% da no ano passado, extinguiram-se oito faturação da totalidade das empresas. empresas do setor e foram criadas O peso das importações nas compras outras 16. No mesmo período, exis- destas empresas foi de 16%, enquantiam 12 grandes empresas, 12 médias, to o peso das exportações nas ven18 pequenas e 54 microempresas no das atingiu 62,2%. setor. A agregação feita pelo Banco de O estudo feito a partir dos dados do Portugal engloba apenas os balanços Banco de Portugal refere ainda que das empresas que têm a atividade de as cinco empresas mais antigas em contact center no seu código de ativi2018 concentravam 61,9% dos recur- dade económica (CAE), não incluindo sos humanos e 66,3% do volume de os contact centers de gestão própria faturação da totalidade dos agentes ou os prestadores deste serviço que económicos considerados. não o identificam no seu CAE.


Gestores

Portugal Ventures investe 800 mil euros em três startups dos Açores A Portugal Ventures investiu em três visitantes das ilhas Terceira e Graciosa, startups dos Açores – a Azores Touch, a desde a sua chegada à partida”, foi reaCereal Games e a Yara Pets –, no mon- lizado através através do fundo Turismo tante global de 800 mil euros, de acor- Crescimento. Sérgio Ávila, vice-presido com um comunicado da sociedade dente do Governo Regional, assinala em pública de capital de risco. comunicado que “é fundamental para De acordo com o site “Dinheiro Vivo”, captarmos investimento, nos dias de a Cereal Games dedica-se ao desen- hoje, a alavancagem do capital de risco volvimento de jogos sérios e educa- nas startups, porque a economia muntivos, recorrendo a tecnologias como dial está a mudar, o que nos obriga a Realidade Aumentada, dispositivos adaptar. A postura do Governo será móveis e Internet das Coisas. Já a Yara sempre a de apoiar os empreendedores”. Pets desenvolve e comercializa produ- Rui Ferreira, vice-presidente da capital tos na área dos animais domésticos. O de risco pública, sublinha que estes investimento nestas duas startups foi “novos investimentos resultaram do concretizado através do Fundo Azores compromisso assumido pela Portugal Ventures, criado pela Portugal Ventures Ventures junto do Governo Regional em parceria com Governo Regional dos dos Açores, de estreitar relações com Açores. Este instrumento tem como obje- o ecossistema do empreendedorismo tivo “colmatar a falha de mercado para a daquele arquipélago, no sentido de idenregião dos Açores na dinamização de tificar projetos e concretizar investimenprojetos de inovação e empreendedo- tos na criação de empresas na Região rismo, bem como aumentar a criação de Autónoma dos Açores, que desenvolemprego e competitividade empresarial vam atividades inovadores e que perno arquipélago”. Já o financiamento da mitam a fixação de recursos humanos Azores Touch, startup da área do turis- qualificados e que sejam considerados mo e que “tem como objetivo propor- estratégicos para o desenvolvimento da cionar a melhor experiência possível aos economia regional dos Açores”.

em Foco

Joana Miranda (na foto) é a nova diretora da área de Administração Pública e Saúde da Minsait, participada da Indra e líder em transformação digital e tecnologias de informação. A nova diretora da Minsait tem 18 anos de experiência e assume a responsabilidade pelo departamento com o objetivo de dinamizar a oferta de soluções e serviços, com especial enfoque na transformação digital e organização do setor. Joana Miranda, formada em Comunicação Social e Cultural, pela Faculdade de Ciências Humanas, conta, igualmente, com um mestrado em Ciência Política, Relações Internacionais, Segurança e Defesa, pelo Instituto de Estudos Políticos, também da Universidade Católica Portuguesa, e uma pós-graduação em Gestão, pela Nova SBE. A Liborty Seguros nomeou Antonio Pepin (na foto) como CFO para Portugal, Espanha e Irlanda. O novo responsável financeiro, cuja nomeação teve em consideração a sua experiência enquanto líder de equipas financeiras de vários países, fará parte da equipa de gestão de seguros, tendo a dupla função de reportar a Matt Johnson, Finance Leader of Global Retail Markets, e Tom McIlduff, CEO da Liberty Seguros. Até ao momento, Antonio Pepin ocupava o cargo de CFO da AIG Europe em França e na Península Ibérica.

PUB

Av. Marquês de Tomar, Nº 2, 7º, 1050-155 Lisboa Tel: 213 509 310 Fax: 213 526 333 Mail: ccile@ccile.org Site: www.portugalespanha.org

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 11


Breves Telefónica inicia contactos con OI para adquirir su negocio móvil Ángel Vilá, el consejero delegado del grupo Telefónica, ha confirmado que la operadora brasileña OI ha iniciado ya el proceso para vender su negocio móvil en Brasil, y que el grupo brasileño, a través de sus asesores en la operación, ha contactado ya con los principales candidatos potenciales, entre los que se encuentra la operadora española, que es el líder del mercado móvil en el gigante latinoamericano. Vilá señaló que la operación interesa mucho a la operadora española, puesto que existen grandes posibilidades de generar sinergias. “Vamos a estudiarlo porque siempre hemos apoyado las oportunidades de consolidación en el mercado. OI Mobile es un jugador que ha sido excelente en el pasado por lo que tiene una base de clientes sustancial y tiene una importante posición en el espectro de frecuencias “ señaló. Telefónica y sus dos principales rivales en Brasil, la italiana TIM y la mexicana América Móvil, han señalado durante mucho tiempo su interés en adquirir activos de Oi. Varios informes han señalado que el negocio móvil de OI podría tener un valor potencial de unos 4.350 millones de euros. Ford España triplica su beneficio en 2018 Ford España registró un beneficio neto de 151,55 millones de euros al cierre del año pasado, lo que supone más que triplicar (más 229%) las ganancias de 46 millones de euros contabilizadas durante el año precedente. Fuentes de la compañía explicaron a Europa Press que esta significativa mejora de su beneficio neto anual se debe principalmente a la revalorización de la participación que mantiene en Ford Italia y también al avance del resultado operativo. Según la cuenta de pérdidas y ganancias de la compañía, Ford España finalizó el año pasado con un volumen de negocio de 8.438 millones de euros, lo que se traduce en una disminución del 7,7% si se compara con los ingresos de 9.150 millones registrados en el año previo. De este total facturado, el 36,2% se generó en España, mientras que el 56% lo hizo en Europa y el 7% en otros mercados, mientras que la línea de vehículos representó el 89,5% de los ingresos de Ford España en 2018, los recambios el 1,9%, los motores cerca del 5,6% y los componentes casi el 2,7%.

12 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

El grupo Iberia compra Air Europa por 1.000 millones de euros

IAG ha anunciado un acuerdo para la adquisición de Air Europa por 1.000 millones de euros en efectivo, una operación con la que pretende que su hub de Madrid se convierta en “un verdadero rival” para los de Ámsterdam, Frankfurt, Londres Heathrow y París Charles De Gaulle. La marca Air Europa será conservada inicialmente y será un centro de ingresos autónomo dentro Iberia dirigida por el consejero delegado de Iberia, Luis Gallego. Además, la adquisición de la aerolínea de Juan José Hidalgo supon-

drá el reposicionamiento de IAG “como líder” en el mercado de Europa a América Latina y el Caribe y ofrecerá unas “significativas potenciales sinergias” en términos de costes e ingresos. El beneficio por acción aumentará durante el primer año completo y la rentabilidad sobre el capital invertido de IAG aumentará en el cuarto año después del cierre. Se espera que el cierre de la transacción tenga lugar en la segunda mitad del 2020 tras obtener las autorizaciones oportunas. En 2018, Air Europa generó ingresos por importe de 2.100 millones de euros y una ganancia operativa de 100 millones de euros. Transportó 11,8 millones de pasajeros en 2018 y terminó el año con una flota de 66 aviones.

Acciona regresa a España con su inversión en renovables Acciona vuelve a invertir en España con su negocio de construcción de instalaciones de energías renovables tras varios ejercicios centrando sus inversiones en el exterior. El próximo año comenzará a construir dos nuevos proyectos en el país que suman 75 megavatios (MW) de potencia. Además espera tener otros 350 MW adicionales listos para construir también el próximo año y a partir de 2021, contempla el desarrollo en el mercado doméstico de entre 400 y 600 MW anuales más, siempre condicionados a los retornos que ofrezca el mercado, según indicó el director de mercados y relación con inversores del grupo, Raimundo FernándezCuesta. Las dos nuevas instalaciones

de renovables de 75 MW ya previstas en España se enmarcan en la cartera de proyectos 1.106 MW que Acciona ya tiene previsto construir y poner en marcha en los años 2020 y 2021. Todos ellos se abordarán en “mercados estratégicos” del grupo como son, además de España, Estados Unidos, Australia, México, Chile y Ucrania.


Breves La Feria HispanoPor tuguesa de Badajoz (FEHISPOR), que este año cumplió su 30ª edición y que se ha realizado en Ifeba-Feria Badajoz, fue presentada en la Embajada de España en Portugal días antes. FEHISPOR, que se celebró del 21 al 24 de noviembre, en la Institución Ferial de Badajoz, con la presencia de unas 130 empresas y más de 30 mil visitantes, tuve el espacio “Turiberia – Muestra de Turismo Ibérico” como principal novedad. El principal objectivo de este certamen es ser el punto de encuentro de la economía y de las empresas ibéricas, así como de la sociedad y de la cultura luso-española. La presentación en Lisboa (en la foto) contó con la presencia del alcalde de Badajoz, Francisco Javier Fragoso, el ministro consejero de la Embajada,

Foto Sandra Marina Guerreiro

FEHISPOR 2019 ha recibido más de 30 mil visitantes

Francisco Montalbán, y el presidente de la Cámara Municipal de Elvas, Nuno Mocinha, entre otras individualidades de los dos países. El alcalde de Badajoz destacó “la importancia que supone celebrar los 30 años de creación de una de la ferias más emblemáticas de la ciudad como fiel reflejo y apuesta, por parte de la sociedad extremeña y alentejana, para contar con un foro de encuentro que permite conocernos mejor y desarrollar importantes proyectos conjuntos”.

Imperial ultima la venta de Tabacalera por 1.300 millones de euros Imperial Brands ha entrado en la fase decisiva del proceso de venta de Tabacalera, la filial española que agrupa el negocio de fabricación y venta de cigarros puros de la compañía británica, en una operación con la que espera ingresar 1.300 millones de euros. Alison Cooper, consejera delegada de Imperial Brands, ha explicado que la operación se encuentra en “una etapa avanzada”, aunque se trata de un “acuerdo complejo”, que requiere la aprobación de varios gobiernos. Uno de ellos es el cubano, ya que uno de

los activos que será traspasado es el 50% que Tabacalera posee en Grupo Habanos, donde una empresa estatal de la isla posee el otro 50%. Fuentes del sector señalan que la compañía china Huabao mantiene las negociaciones más avanzadas. Otros grupos tabaqueros y varias firmas de inversión anglosajonas no han llegado tan lejos en la puja, lanzada en el mes de abril, por el temor a las sanciones estadounidenses sobre los negocios en Cuba. Con 4.500 empleados, Tabacalera fabrica cada año 340 millones de puros.

Iberdrola entra en Australia con la construcción de un proyecto renovable híbrido Iberdrola entrará en el mercado australiano con la construcción de un proyecto híbrido solar y eólico con una capacidad de 320 megavatios (MW), cuya inversión ascenderá a unos 310 millones de euros. En concreto, la instalación, compuesta por un parque eólico y una planta fotovoltaica, se llevará a cabo en el Estado de South Australia y se prevé que esté operativa a lo largo de 2021, según la energética. El grupo presidido por Ignacio Sánchez Galán, focalizado en mercados de Europa, Estados Unidos, México y Brasil, da el salto a un nuevo mercado como el de Australia, país en el que ya están presentes otras empresas españolas del sector como Acciona o Naturgy, a través de su filial internacional Global Power Generation. Además, Iberdrola dispone, incluyendo este proyecto, una cartera de proyectos “verdes” en el país, que asciende unos 650 MW de potencia, tanto instalaciones eólicas como solares, en los estados de Queensland y South Australia. Enagás compra un 13% de la startup británica de biogás SEaB Power Enagás, a través de su filial de Enagás Emprende, ha adquirido el 13% de la startup británica de biogás SEaB Power, informó la compañía, que no precisó el importe de la operación. El grupo indicó que esta operación se enmarca en su apuesta por el emprendimiento corporativo y la innovación abierta a través de Enagás Emprende, y por el desarrollo de las energías renovables no eléctricas, como el hidrógeno verde y biogás/biometano, como soluciones energéticas claves en el proceso de descarbonización y en el impulso de la economía circular. En concreto, la tecnología de SEaB Power consiste en una planta que se instala en el lugar donde se generan restos de alimentos y desechos biológicos para transformarlos en energía verde, agua y fertilizantes. Con ello, se reutilizan de manera sostenible los desperdicios orgánicos, evitando la gestión de su traslado y tratamiento y permitiendo al usuario un rápido retorno de la inversión. Este sistema, llamado “Flexibuster”, se comercializa en Reino Unido, Portugal, Francia y Estados Unidos. El apoyo de Enagás Emprende facilitará su desarrollo y la fabricación de equipos en España.

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 13


grande entrevista gran entrevista

Nuno Rangel CEO & Vice President da Direção da Rangel Logistics Solutions

14 act ualidad€

dezembro de 2019


gran entrevista grande entrevista

“Estamos a

olhar para o Brasil como motor para a América Latina” Quase a chegar aos 40 anos de atividade, as soluções de logística e transporte da Rangel conseguem chegar a 220 países. A empresa, sedeada na Maia, encerrou o ano de 2018 com uma faturação de 175 milhões de euros, valor que ultrapassará este ano, graças a novos contratos com empresas como a Autoeuropa. O CEO da empresa, Nuno Rangel, frisa que a inovação tem sido o acelerador do grupo, sobretudo junto de clientes do setor farmacêutico e automóvel. A empresa já tem uma forte presença na Europa e em África e quer reforçar a sua atividade na América Latina, a partir do Brasil.

C

Textos Susana Marques smarques@ccile.org Fotos DR

omo sintetiza a evolução do grupo Rangel e do setor?

A Rangel foi criada em 1980 com a atividade aduaneira. Perante os desafios dos nossos clientes fomos criando solução one stop shopping. Empregamos, atualmente, 2300 colaboradores e somos a única empresa portuguesa a oferecer ao mercado nacional uma solução integrada de transportes e logística. Estamos presentes em Cabo Verde, Moçambique, Angola, Brasil e temos expectativas de crescimento na internacionalização da Rangel. A nossa atividade tem uma cobertura global. Criámos unidades exclusivas para desenvolver soluções adaptadas a cada setor de atividade (nomeadamente pharma&healthcare, automotive&aviation, fashion, ali-

mentar & perecíveis, vinhos e bebidas, logística industrial, eletrónica de consumo, petróleo & gás, e-commerce). Em 2020 faremos 40 anos a unir pessoas e negócios em todo o mundo. Que inovações do grupo destaca?

Estamos sempre atentos ao mercado e às novas oportunidades. Ao longo dos últimos 39 anos, a Rangel tem crescido e mantido a aposta na inovação e desenvolvimento de novas soluções e tecnologias. Acompanhamos sempre os desafios dos nossos clientes. Estamos sempre atentos às inovações, pois sabemos que esta é e será sempre a nossa mais valia. Temos uma equipa especializada que diariamente desenvolve ferramentas IT para automatizar e melhorar os serviços prestados aos nossos clientes.

A título de exemplo, podemos falar sobre a e-koller (nova solução desenvolvida pela unidade Pharma para garantir maior segurança, fiabilidade e eficácia no transporte de produtos farmacêuticos em ambiente refrigerado). Outro exemplo de apoio à indústria farmacêutica (em resposta à nova Diretiva europeia sobre medicamentos falsificados) lançámos uma solução tecnológica que permite a verificação diária dos medicamentos que entram em distribuição em Portugal, num sistema diretamente ligado ao repositório nacional da MVO Portugal (Associação Portuguesa de Verificação de Medicamentos). Lançámos o portal Myway, uma solução essencialmente dirigida a todos os negócios de B2C e e-commerce que pretendem melhorar e impulsionar a experiência de dezembro de 2019

ac t ua l i da d € 15


grande entrevista gran entrevista

compra dos consumidores e reduzir as dificuldades e o número de ausências na entrega das encomendas. Através de um link , recebido via e-mail ou SMS, o recetor pode alterar a morada, o destinatário, a data, pedir para entregar a encomenda num vizinho e, brevemente, será ainda possível recolher a encomenda num ponto de entrega. Além de permitir acompanhar o estado da entrega, a tecnologia promove a interação e facilita o contacto entre o destinatário e a Rangel, evitando desperdícios na entrega e inconvenientes para o consumidor. Quais são os segmentos de negócio mais lucrativos e os que irão crescer?

Queremos continuar a investir na projeção e especialização da Rangel no setor de logística industrial nomeadamente no setor Automotive & Aviation . Queremos 16 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

“A ferrovia tem muito que evoluir em Portugal. É necessário desenvolver este meio de transporte para abastecimento à Europa Central. Estamos interessados e disponíveis para ser um interveniente ativo na cadeia” continuar a investir neste setor e na cadeia total de fornecimento (supply chain), nomeadamente no transporte internacional. Ao longo deste ano temos vindo a demonstrar a nossa capacidade de resposta

a projetos especializados de grande dimensão, reforçando e consolidando a nossa posição no mercado, nomeadamente com a Bosch e, mais recentemente com a Autoeuropa (caixa). O que é mais desafiante atualmente para o grupo e para o setor?

São mesmo os desafios que os clientes nos colocam diariamente e que nos têm feito crescer e criado soluções inovadoras e customizadas. A Rangel Pharma & Healthcare nasceu depois de uma conversa com um cliente, que nos informou da sua necessidade de transportar medicamentos sensíveis oncológicos e de não ter, na distribuição nacional, um operador capaz de oferecer este tipo de serviço tão sensível e de alta responsabilidade. Foi um desafio e criámos uma unidade completamente inovadora, sempre em colaboração com


gran entrevista grande entrevista

o cliente, que foi desenhando o processo e confiando na Rangel, quando nós não tínhamos experiência comprovada. Acreditou e, passados 12 anos, mantemos esta forte parceria, sempre a tentar inovar, oferecendo novas soluções. Estamos a tentar fazer o mesmo no automotive & aviation . Queremos demonstrar know-how e a capacidade técnica que temos vindo a desenvolver e ganhar novos contratos ao mais alto nível, como sucedeu com a Autoeuropa. Que tipo de transporte utilizam mais? Frota própria ou subcontratada?

Toda a nossa frota é subcontratada, com exceção da frota da pharma , que pela sua especificidade (quer em temperatura controlada, quer GDP e legislação e regulamentação do setor). O transporte aéreo, marítimo e rodoviário internacional representa para a Rangel em Portugal 47 %.

“É fundamental que as empresas nacionais desenvolvam uma estratégia de e-commerce que inclua uma componente logística rápida e eficiente, pois isso é o que o cliente online cada vez mais exige” Que papel poderá ter o comboio de alta velocidade para mercadorias em Portugal?

A ferrovia tem muito que evoluir em Portugal. A economia deve estar sensível à questão ambiental e

sem dúvida que a ferrovia é uma opção ecológica viável, no entanto, na minha opinião Portugal ainda tem muito para evoluir e trabalhar. É necessário desenvolver este meio de transporte para abastecimento à Europa Central. Na Rangel, estamos muito interessados e estamos disponíveis para ser um interveniente ativo na cadeia. Acreditamos fortemente neste meio de transporte e queremos oferecer mais soluções inovadoras. Como têm evoluído a Rangel em termos de eficiência energética?

Esta é uma preocupação que temos tido ao longo dos últimos tempos. Este ano investimos 750 mil euros num novo sistema de iluminação baseado em tecnologia LED, para melhorar a eficiência energética nas nossas instalações em Portugal. O novo sistema vai reduzir o consumo energético em 25%. Além da preocupação ambiental, queremos DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 17


grande entrevista gran entrevista tribuem em medida alguma para o efeito de estufa. Que espaço representa o e-commerce no vosso negócio?

apostar cada vez mais na utilização de tecnologias inovadoras nas nossas operações e no serviço que prestamos aos nossos clientes. Assim, obtivemos melhorias significativas em termos de qualidade de iluminação e uma redução drástica dos consumos energéticos. O projeto de eficiência energética prevê ainda a adoção de fontes de energia renováveis e a implementação de um sistema de gestão de consumos de energia. Também a tecnologia e-koller 18 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

contribuiu para a diminuição da pegada ecológica, pois uma das principais vantagens do novo sistema de transporte, é ser “amigo” do ambiente, permitindo à Unidade Pharma da Rangel não utilizar soluções passivas, comuns ao transporte refrigerado, reduzindo os custos ambientais decorrentes do processo de produção. Igualmente importante é o facto de este sistema inovador contar com compostos de refrigeração que, ao contrário das soluções convencionais, não con-

Há já vários anos que as vendas online têm crescido a dois dígitos, a nível global. O indicador mais crítico do e-commerce para as empresas nacionais é o elevado comércio cross-border, isto é, 85% dos consumidores portugueses fazem as suas compras online fora das nossas fronteiras. Por aqui se vê o potencial que existe para o tecido empresarial português. É fundamental que as empresas nacionais se ajustem a esta realidade e desenvolvam uma estratégia de e-commerce que inclua uma componente logística rápida e eficiente, pois isso é o que o cliente online cada vez mais exige – preço e rapidez na entrega do produto. Vários estudos internacionais apontam que a logística/distribuição é um dos principais motivos para não ser fácil vender internacionalmente. Como resposta a este desafio e de forma a apoiar o tecido empresarial português, a Rangel Logistics Solutions lançou em 2016, na Web Summit, a solução Rangel Ecommerce Full Service. Um serviço de logística completa e integrada para e-commerce, dirigido às empresas que querem melhorar ou dar o salto para as vendas online. O serviço integrado assegura todas as componentes do retalho online, desde o desenvolvimento de plataformas, serviços de logística e transporte, marketing digital e apoio ao cliente em várias línguas. Temos também desenvolvido ferramentas tecnológicas, que permitem dar visibilidade ao e-shopper em todo o processo logístico, para uma melhor e mais consistente experiência de compra. Investimos no desenvolvimento de soluções para e-commerce e a nossa presença na Web Summit tem sido


gran entrevista grande entrevista

constante, enriquecedora e contribuido para o processo de digitalização do negócio dos nossos clientes. Que expetativas tem face à parceria com a Correos de Espanha (que comprou 51% do capital social da Rangel Expresso)?

Esta aliança enquadra-se na prossecução do nosso objetivo conjunto de assegurar uma oferta unificada a nível ibérico, que permitirá entregas de encomendas em 24 horas em qualquer ponto da Península Ibérica, através da criação de uma rede de entrega única, ágil e eficiente, favorecida pela ampla capilaridade e pela configuração de um canal de vendas único. Entre os planos da nova empresa para os próximos cinco anos, prevê-se a entrega total de cerca de 35 milhões de encomendas, com Espanha como origem ou destino, e um crescimento de 2,5 vezes as vendas

(cerca de 60 milhões de euros). Para atingir este objetivo, a Correos Express Portugal definiu um plano para a automatização das instalações, à semelhança da Correos Express, baseado na sua estratégia de automatizar 100% das plataformas com sistemas inteligentes e equipamento de classificação de mercadorias. O Grupo Correos prepara-se, juntamente com a Correos Express Portugal, para responder à eclosão do comércio online em Portugal onde, atualmente, as entregas a particulares representam apenas 15% face aos 85% a empresas. Quanto faturou o grupo em 2018 e quanto esperam faturar este ano?

Em 2018, o grupo faturou 175 milhões de euros e face aos novos negócios que temos vindo a assinar, as expetativas são muito positivas. Estamos, até setembro, com um crescimento de 5%, mas o último

Contrato com a Volkswagen Autoeuropa A Rangel investiu 3,4 milhões de euros no cluster automóvel em 2019 e espera “atingir os 220 milhões de euros de faturação acumulada, em 2024”, neste segmento, afirma Nuno Rangel. Para tal contribuirá o contrato assinado com Volkswagen Autoeuropa, em agosto: a Rangel assegura uma operação complexa e de grande dimensão para a qual conta com cerca de 750 colaboradores, distribuídos por 19 turnos semanais. Todo o processo logístico decorre nas instalações da fábrica de automóveis, a partir de um armazém de 21.000 m2 e uma área adicional de 16.000 m2 de logística interna, onde são garantidas as entregas aos armazéns de body e pintura e abastecimento aos supermercados internos e linhas de montagem, através de

mais de 50 rotas internas e cerca de 150 processos. “A nossa grande vantagem competitiva são as soluções One Stop Shop adaptadas ao setor, com serviços integrados de logística contratual, transporte aéreo, marítimo, rodoviário e atividade aduaneira. As necessidades do cluster Automotive & Aviation estão também alicerçadas no just in time que, com o nível de exigência que coloca em toda a cadeia produtiva e de abastecimento, faz com que muitos serviços normais se transformem em emergentes e críticos. Por esse motivo também a nossa unidade de Custom Critical tem sido uma referência junto do cluster nacional, oferecendo serviços Time Critical”, assinala o CEO.

trimestre do ano é muito importante para nós. Além do contrato ganho com a Autoeuropa, temos a expetativa de crescer 8,5% e atingir os 190 milhões de euros de faturação em 2019. Como estão a correr os negócios da Rangel em Angola e em Espanha? Quais os novos mercados em que estão a tentar entrar?

A Rangel opera à escala global, desde o transporte para Espanha até países longínquos como o Guam, ou Burquina Faso, ou Tajiquistão. Em 2018, cobrimos 204 países, mas temos soluções para cobrir 220 países e territórios. Começámos a nossa internacionalização em Angola, em 2007, em Moçambique em 2011, no Brasil em 2014, e Cabo Verde em 2015, com o objetivo de criar um triângulo logístico entre a América, África e a Europa. As perspetivas apontam para a continuidade de expansão para outros países. Estamos a olhar para o Brasil como motor para a América Latina, onde consideramos ter fortes oportunidades de expansão. Em Angola, continuamos a investir no nosso leque de serviços de forma a apoiar as empresas locais. Somos hoje o único operador logístico em Angola que detém um depósito temporário no aeroporto de Luanda e consegue assegurar a cadeia de abastecimento completa, desde o transporte internacional até ao nosso centro de distribuição (incluindo temperatura controlada). Em todos os países onde a Rangel está fisicamente presente temos como objetivo oferecer a solução logística integrada que somos capazes de oferecer em Portugal (nomeadamente pharma & healthcare, automotive & aviation, fashion, alimentar & perecíveis, vinhos e bebidas, logística industrial, eletrónica de consumo, petróleo & gás, e-commerce). DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 19


atualidade actualidad

BFF Banking Group oferece soluções financeiras a empresas fornecedoras do setor público O BFF Banking Group, entidade líder na prestação de serviços de factoring sem recurso e gestão de créditos devidos, está a consolidar o seu crescimento em Portugal. Os fornecedores da Administração Pública são os principais clientes do grupo, num mercado com “muito potencial” e onde querem desenvolver uma “relação mais próxima com clientes e devedores”.

O

Textos Belén Rodrigo brodrigo@ccile.org Fotos DR

plano estratégico do BFF Banking Group para 20192023 passa pelo crescimento na Europa. Nos últimos dois anos consolidou a sua posição em Portugal, com resultados positivos a nível de créditos a clientes (um total de 129 milhões à data de 30 de setembro de 2019), e em volume de negócio (87 milhões). “Esperamos dar continuidade à trajetória de crescimento adotada no país, contribuindo para a obtenção de resultados ainda melhores em toda a Europa”, explica Michele Antognoli (na foto), vice-presidente dos Mercados Internacionais do BFF Banking Group. A nível de grupo, nos primeiros nove meses do ano, conquistaram um total de mais de 3,5 milhões de euros em créditos a clientes e um total de 3,3 milhões em volume de negócio. O BFF Banking Group, fundado em Itália em 1985, opera no mercado português desde 2014. Abriu a sucursal em 2018 e começou recentemente a oferecer também o serviço de gestão de créditos. “Paralelamente, a abertura

20 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

da sucursal foi também importante para trazer maior valor acrescentado ao mercado de factoring para fornecedores do Sistema Nacional de Saúde (SNS) e da Administração Pública portuguesas, gerando maior liquidez financeira para as empresas”, considera o responsável. Sublinha que Portugal representa para todo o grupo um mercado de extrema importância, “com um potencial de crescimento significativo nos próximos cinco anos, sendo que queremos durante este período desenvolver uma relação mais próxima com clientes e devedores”. Desde 2014, adquiriram um volume acumulado de 638 milhões de euros em créditos devidos pelo SNS e Administração Pública portuguesas. O seu portefólio de clientes em Portugal é composto principalmente por fornecedores do SNS e de outros setores da Administração Pública, em consonância com a tipologia de clientes que tem em outros mercados do grupo. “Começámos agora a oferecer serviços de gestão de créditos a clientes que trabalham com o SNS e outros setores da

Administração Pública, graças à nossa experiência neste setor e ao nosso conhecimento do mercado local. Ao fazer outsourcing do serviço de gestão de créditos, o cliente beneficia da redução de custos e liberta-se do encargo administrativo, conseguindo assim garantir uma gestão eficiente dos créditos para a sua organização”, explica Antognoli. Crescimento do factoring

Em relação ao factoring, lembra que “é um setor que regista um crescimento de 15% ao ano em toda a Europa, sendo que é um instrumento que é mais benéfico para as empresas que registam atrasos mais significativos nos pagamentos que lhes são devidos”. Trabalham num setor de nicho, o factoring de créditos sobre entidades públicas, “sendo que Portugal é um mercado onde acreditamos que podemos trazer maior valor acrescentado à indústria”, acrescenta. As últimas estatísticas divulgadas pela ALF (Associação Portuguesa de Leasing e Factoring) indicam-nos que o setor do factoring está a crescer em Portugal. No


actualidad atualidade

primeiro semestre de 2019, registou[1]se um crescimento estimado da atividade de 11,1% face ao período homólogo do ano anterior. “Só as empresas associadas da ALF tomaram 16,6 mil milhões de euros em faturas neste período. As empresas vendem as suas faturas para terem liquidez de imediato, para que não tenham de suportar prazos de pagamento dilatados e possam assim investir em áreas fundamentais da sua atividade”, sublinha o vice-presidente de Mercados Internacionais. Na sua opinião, “o factoring passou de um conceito praticamente desconhecido no mercado, para um instrumento financeiro para o qual a procura aumentou exponencialmente em Portugal”. Esta situação é resultado dos esforços dos operadores de factoring e da crescente necessidade que as empresas têm de encontrar soluções no mercado que lhes permitam aumentar a sua estabilidade financeira, melhorar a

sua liquidez e os seus rácios financeiros e múltiplas estruturas com maior autoque contribuam para a diminuição dos nomia. Até à abertura da sucursal, a prazos para obtenção do pagamento. equipa de Espanha teve um papel “Em suma, as empresas libertam-se do fundamental no desenvolvimento da esforço de cobrança dos seus créditos, ao abordagem que deveria ser adotada no mesmo tempo que conseguem ganhar mercado português, precisamente pormargem para continuar a desenvolver a que as sinergias entre os dois mercados sua atividade”, pontualiza. sempre tiveram aqui algum peso”. Em Portugal, a sua estrutura tem O ano passado unificou-se a marca vindo a crescer na mesma proporção do grupo. “A existência de uma marca que as necessidades do próprio negócio. comum tem apoiado a consolidação da Conta também de uma equipa cen- nossa posição no mercado como a entitral para atividades cross-border, que dade líder na prestação de serviços de trabalha com o intuito de desenvolver factoring sem recurso e gestão de créacordos comerciais para vários países. ditos devidos pelos sistemas de saúde O responsável sublinha uma das prin- e administrações públicas europeias”, cipais diferenças entre o mercado espa- frisa Antognoli. nhol e o português que tem que ver Até 2023, o grupo identificou potencom a própria estrutura administrativa ciais novos mercados onde poderia e política em que ambos os países se operar em regime de livre prestação organizam. “Em Portugal existe uma de serviços, entre eles França – onde estrutura de poder bastante centrali- começou a operar em agosto deste ano zada, sendo que em Espanha existem –, Roménia, Bulgária e Hungria.  PUB

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 21


atualidade actualidad

Encuentro de la secretaria de Estado de Comercio de España con las empresas españolas asentadas en Portugal Con motivo de la visita de la actual secretaria de Estado de Comercio de España en funciones, Xiana Méndez, a Lisboa, el pasado 5 de noviembre tuvo lugar en la residencia de la Embajadora de España en Portugal un encuentro de directivos de las distintas empresas españolas establecidas en el país luso.

E

Texto Olga Hernández olga@ccile.org Fotos Sandra Marina Guerreiro sguerreiro@ccile.org

l encuentro congregó a más comerciales entre España y Portugal; existe entre ambos países”. España es de 20 altos cargos de dife- una relación ibérica próspera por su para Portugal el principal proveedor rentes ámbitos, los cuales no cercanía geográfica, afinidad cultu- a la vez que el principal destino de quisieron perderse esta gran ral y hábitos de consumo, como así sus exportaciones, siendo así nuestro oportunidad de reunirse con hicieron hincapié. país el principal socio comercial del la secretaria de Estado de Comercio Todos los presentes coincidieron en país luso. Por otro lado, Portugal de España en funcioes, Xiana que se están viviendo unos años muy constituye para España el cuarto Méndez, para exponerle el estado de buenos para la inversión española destino de sus exportaciones. En sus empresas en Portugal. en Portugal, destacando el visible cifras, en 2018, las empresas espaDurante la reunión – que tuvo cambio de paradigma respecto a la ñolas exportaron al país vecino lugar días antes de las elecciones presencia de la Marca España en el por un valor económico de 3.000 millones de euros, mientras que generales en España –, todos ellos país luso. debatieron sobre sus diversos secDurante la reunión, la secretaria de Portugal exportó a España por un tores (alimentario, bancario, auto- Estado de Comercio reveló algunos valor de 200 millones de euros. En el sector del comercio minomoción, aéreo, turismo, energia…) datos económicos que constataban y sobre el futuro de las relaciones la “saludable balanza comercial que rista, uno de los grandes hitos de

22 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019


actualidad atualidade

este año ha sido el desembarco de Mercadona en Portugal, que ha supuesto una inversión de casi 300 millones de euros desde que anunció su entrada y una creación de empleo de 1.100 puestos de trabajo. Por otro lado, durante la reunión, el grupo El Corte Inglés también anunció nuevas aperturas en el país luso. Asimismo, se destacó el turismo como uno de los ámbitos donde las relaciones hispano-lusas están más presentes que nunca, debido al gran flujo de turistas que atraviesan cada año la frontera para visitar este año de Caixabank al hacerse el país vecino. En cuanto a las entidades finan- con el control del Banco BPI. Por otro lado, los altos cargos cieras españolas, Portugal es el único país del mundo donde se de las aerolíneas españolas que encuentra la totalidad de las enti- asistieron a la reunión reseñaron dades españolas, controlando casi el aumento de conexiones entre más de un cuarto del sistema ban- España y Portugal, enfatizando la cario de Portugal, tras la entrada importancia que tenía para ellos

dicha relación comercial. Por último, el tratado de libre comercio entre la UE y Mercosur también ocupó un papel importante durante la reunión, un acuerdo sin precedentes para todos los allí presentes por el que apostaban con ilusión y optimismo.  PUB

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 23


atualidade actualidad

Promol, velas portuguesas que iluminam a Europa A Promol, empresa produtora de velas – decorativas e não só – exporta a maior parte da sua produção aos países europeus, nomeadamente para a Alemanha. Aldi, Ikea e Conforama estão entre os seus grandes clientes, num mercado competitivo, onde estar no extremo do continente dificulta a logística. A aposta pela inovação permitiu a Promol manter-se entre os primeiros do setor.

A

inovação está no ADN da Promol, a empresa portuguesa que produz cerca de nove mil toneladas de velas decorativas por ano (o que equivale a 135 milhões de unidades) e fatura 17,5 milhões de euros. “A vela é hoje um produto de impulso, o cliente tem que gostar do aspeto, da forma, da decoração, da fragrância exalada, e as tendências e mercado, neste sentido, são voláteis– daí que a nossa dinâmica seja constante”, explica Paulo Roque, diretor general da Promol. Num mercado maduro o sucesso da companhia lusa “vem da diferença e dos nichos de mercado específicos aos quais temos que estar permanentemente atentos”, acrescenta. Inaugurada em 1976, pelas mãos de empreendedores portugueses, a Promol foi, posteriormente, adquiri24 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

Texto Belén Rodrigo brodrigo@ccile.org Fotos DR

da pela empresa alemã Gies Kerzen, com sede em Hamburgo. No início dos anos 90, foi entretanto, adquirida pelo grupo Midway, com sede na Suécia, juntando-se a outras empresas do setor, como sejam a Liljehomens (na Suécia) e a Asp Holmblad (na Dinamarca). “No final dos anos 90 o grupo passou de mãos para a Blyth, com atividade na mesma área nos EUA e em 2006 voltou à esfera do grupo sueco ALG, onde permanece desde então”, esclarece o seu diretor-geral. O nome Promol é um acrónimo retirado da expressão “promoções”, e, segundo explica Paulo Roque, o seu negócio principal advém da variedade de velas com um preço e timing definidos “que propomos a determinadas superfícies comerciais de venda a retalho, no formato de marca própria ou não, através das

unidades comerciais do grupo ou diretamente”. Trabalham maioritariamente com a Alemanha e os países escandinavos, que compõem respetivamente 73% e 14% do seu mercado, valendo 15 milhões de euros. “O destino de referência dos nossos produtos e cliente de referência do nosso grupo é o grupo Aldi na Alemanha (e daqui para todas as suas 10.000 lojas, em toda a Europa)”, afirma o responsável. Outros clientes do grupo são também a Ikea, Rossmann, C&A, Conforama, Metro, Jysk, Tradeway, Coop, Kid, etc. “Produzimos também para as marcas próprias do grupo, como a Gies, a ASP e a Liljehomens, para venda massiva nos mercados respetivos, como sejam a Alemanha, Dinamarca e Suécia”, acrescenta. As marcas próprias Promol, como sejam a Driada


actualidad atualidade

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 25


atualidade actualidad

(segmento premium) e a 5Sence de alemães são um mercado bastante (segmento base), foram lançadas em apetecível para o produto vela como é 2018 e “ainda têm um raio de ação fisi- visto como uma commodity no concamente limitado à Ibéria (em expan- sumo corrente e por isso de baixo valor são) mas com presença no mercado acrescentado”. A matéria-prima de eleion-line para todo o mundo”, esclarece. ção é a parafina e a estearina de Palma. No mercado ibérico, o produto vela Diferenças entre mercados é visto como um agregado de produto Para a Promol, este produto apresenta de decoração e de promoção do bemuma grande “assimetria” em termos -estar. “Nesta perspetiva, o primeiro quantitativos e sob o ponto de vista gesto que o nosso cliente manifesta da perceção do cliente, consoante os ao entrar na nossa loja de fábrica é mercados. “A Escandinávia tem das cheirar a vela. Mais que tudo ela tem maiores taxas de consumo de velas por que transmitir um bem estar, e deve habitante da Europa. Mas pretende ser agradável ao toque. Neste conceito, fundamentalmente um produto sim- o mercado do Sul da Europa, no qual ples, branco e produzido em estearina estamos incluídos, é o mais sensitivo animal, por ser uma matéria prima e menos quantitativo– o consumo per sustentável ”, informa Paulo Roque. capita desce quando comparado com a Na Alemanha, encontram um conceito média europeia. Para além das demais, de produto diferente, onde as cores e há aqui a introdução de outras matérias as fragrâncias são introduzidas com primas de origem vegetal, como sejam moderação “sendo que os 80 milhões a soja e o coco, que fazem toda a dife-

26 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

rença”. Por este motivo, o diretor-geral da Promol considera que no mercado ibérico existe algum potencial numa de produtos básicos “mas é sobretudo nos produtos com valor acrescentado que há o verdadeiro potencial. Estamos a falar concretamente em velas em vidros requintados, com fragrâncias que exalam essências excecionais e dotadas de uma embalagem requintada. Este nicho de mercado já não é das commodities, mas dos artigos de lazer”. O produto base da Promol é a vela pilar e tem uma gama de pilares vai até 100 milímetros de diâmetro e 300 milímetros de altura. As velas em vidro estão a crescer e dispõem também de velas de tipo religioso, “onde podemos ir até 400 milímetros de altura, normalmente com 20 a 30 milímetros de diâmetro, com cores e decorações diversas”, sublinha Roque. Também estão as tea-lights e maxi-lights, ou velas de presença, “onde produzimos em branco ou em colorido e com fragrância”. Contam igualmente com um gabinete de desenvolvimento de velas por medida onde “ora desenvolvemos séries próprias sujeitas a um tema específico ora desenvolvemos sob conceito do cliente”. Querem agora reforçar os segmentos e mercados premium. A fábrica da Promol encontra-se nas Caldas da Rainha, e dispõe de uma área coberta de 31.500 metros quadrados. Conta também com uma loja de fábrica. A equipa é constituída por 120 pessoas, mas em função das encomendas pode chegar às 300. 


actualidad atualidade

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 27


atualidade actualidad

El PSOE vuelve a ganar las elecciones en un difícil entorno de gobernabilidad

La repetición de elecciones legislativas en España no ha permitido acabar con el bloqueo político del país. La elección de un presidente de Gobierno sigue dependiendo de posibles acuerdos entre las fuerzas en un mapa político que algo ha cambiado a la hora de repartir los escaños. El centro, representado por Ciudadanos, casi desaparece mientras que Vox, el partido de extrema derecha, aumenta notablemente sus votos y ya es la tercera fuerza política del país. Texto Belén Rodrigo brodrigo@ccile.org Foto DR

D

espués de las elecciones del pasado 10 de noviembre el panorama político en España se ha complicado todavía más y sigue lejos del desbloqueo de la gobernabilidad, principal objetivo de los comicios. El PSOE repitió victoria electoral pero pasó de 123 a 120 diputados perdiendo casi 800.000 votos (de 7.513.000 en abril a 6.749.000). En segundo lugar quedó el PP de Pablo Casado, que crece hasta los 88 escaños y 600.000 votos más (partía del peor resultado de su historia, con 66), pero lejos de poder formar una alternativa de gobierno con sus aliados. La sorpresa de la noche electoral la protagonizó Vox, ya que logró convertirse en tercera fuerza política del país duplicando sus escaños. Pasó de 24 a 52 diputados y logró casi 800.000 votos más que en el pasado mes de abril superan-

28 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

do los 3,5 millones de votantes. Unidas Podemos bajó de 42 a 35 diputados, dejándose varias decenas de miles de votos por el camino mientras que Ciudadanos obtuvo un resultado mucho peor de lo esperado incluso en los sondeos más negativos. La formación hasta entonces liderada por Albert Rivera pasó de 57 a 10 escaños, provocando la salida de su líder en menos de 48 horas. Además, las formaciones nacionalistas y a favor de la independencia llegarán a la Cámara Baja con un total de 36 diputados, superando los resultados obtenidos en los comicios del pasado mes de abril y rompiendo el techo histórico que consiguieron en 2011. Como novedad en esta convocatoria han entrado en el Parlamento los antisis-

tema de la Candidatura de Unidad Popular (CUP) con dos escaños y regresa al Hemiciclo con un escaño el Bloque Nacionalista Galego (BNG). El PNV ganó pasando a tener siete, Bildu se quedó con otro y pasa a contar con cinco diputados, JxCat sumó uno más y tendrá ocho y y solo ERC perdió dos y pasa de 15 a 13. Con este reparto ningún bloque llega a sumar los 176 diputados que conforman la mayoría absoluta. El conjunto de la izquierda formado por PSOE, Unidas Podemos y Más País supera en siete escaños al bloque de la derecha (PP, Vox y Cs), pero para alcanzar la mayoría absoluta sería imprescindible el concurso de ERC y el PNV. Los socialistas, además, perdieron la mayoría absoluta que tenían en el Senado, una Cámara que, con su nueva composición, podría bloquear las iniciativas de un posible Ejecutivo progresista. 


actualidad atualidade

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 29


marketing

marketing

Portugueses são dos mais disponíveis para realizar gastos na Europa S e os portugueses eram conhecidos pelo seu pessimismo, atualmente, apresentam-se com um espírito mais positivo face ao futuro e, de acordo com dados da Nielsen referentes ao terceiro trimestre deste ano, serão mesmo os mais otimistas de entre os povos do Sul da Europa– à frente de Espanha, França e Itália– e que mais dispostos estão para o consumo. Além disso, o otimismo dos consumidores nacionais continua a apresentar máximos históricos, acima da média europeia. O “The Conference Board Global

Consumer Confidence Survey” indica que 54% dos portugueses não considera que o país se encontre em recessão (contra 22% em Itália, 36% em França e 37% em Espanha) e cerca de metade admite boas ou excelentes perspetivas laborais e financeiras para 2020. “Num cenário de maior confiança, a tendência entre os portugueses tem sido de comprar mais e gastar mais. Importa, por isso, que marcas e retalhistas consigam encontrar estratégias para potenciar um espírito de optimismo crescente entre os consumidores portugue-

Mercadona apresenta coleção de perfumaria exclusiva N a primeira quadra natalícia em Portugal, a Mercadona aposta na sua perfumaria com coleções exclusivas. Explicando como a companhia de distribuição “elaborou estas coleções exclusivas inspiradas nos seus clientes”, fonte da empresa adiantou que o primeiro passo consistiu em estar “atentos às necessidades dos clientes antes de dar forma às coleções. No Centro de Coinovação de Perfumaria, reunimo-nos com alguns dos nos-

30 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

sos clientes para perguntar o que gostariam de encontrar nas nossas lojas este Natal”, tendo depois disso sido realizadas “provas cegas com os especialistas do Centro de Coinovação”, adianta a mesma fonte. “Procurámos pelo mundo inteiro os criadores e perfumistas mais prestigiados, que a posteriori escolheram as matérias primas para alcançarmos a máxima qualidade nos nossos produtos”, revelou

ses”, como sublinha Ana Paula Barbosa, Retailer Vertical Director da Nielsen Portugal, citada pela “Marketeer”. Ainda assim, apesar de maior disponibilidade para gastar, os portugueses também parecem recetivos à ideia de poupar. Cerca de metade diz poupar o dinheiro que sobra após o pagamento das principais despesas. Dos que afirmam poupar, 31% opta por gastar o dinheiro acumulado em férias e viagens e os restantes dois terços dos inquiridos dizem guardar as suas economias. 

Ilias Ermenidis, perfumista de Firmenich, criador de uma das fragrâncias masculinas da nova coleção da Mercadona. “Foram levadas a cabo muitas modificações, muitas reuniões, mas a nossa equipa gostou muito do resultado final, tal como a Mercadona. Foi um processo muito harmonioso. Sempre elaborámos criações realmente boas colaborando com o cliente”, adianta Ilias Ermenidis. Os perfumistas ligados à nova coleção salientaram ainda que “o desenvolvimento de um perfume inclui a coordenação de um extenso grupo de trabalho, no qual contamos com: químicos, avaliadores e perfumistas. A figura do avaliador é fundamental no processo, uma vez que acompanha o perfumista durante o tempo da criação e faz o elo de ligação entre a sua criatividade e o gosto do consumidor final”. 


marketing

marketing

SEAT & CUPRA On Tour chega a Portugal com gama completa de novos modelos

A

SEAT escolheu Portugal para esta nova etapa do seu projeto de divulgação internacional SEAT & CUPRA On Tour, que reuniu os mais recentes modelos, veículos históricos e algumas das próximas novidades, em Cascais. Esta série de eventos, que leva a marca e o símbolo de elevada performance, a CUPRA, a alguns dos mais importantes mercados, ajuda a difundir o espírito “Created in

Barcelona” por toda a Europa. “O projeto SEAT & CUPRA On Tour aproxima as nossas marcas e modelos dos mercados principais, enaltecendo os valores de acessibilidade da marca em toda a sua envolvente,” diz o presidente da SEAT Luca de Meo. “Levar a comitiva a Portugal reforça a nossa determinação em evidenciar a gama, a sua abrangência, história e futuro tanto da SEAT como da Cupra, à medida que caminhamos para uma nova era de mobilidade individual e de desenvolvimento tecnológico”, afirmou na apresentação

do passado dia 16 de outubro. O Tarraco FR PHEV desvenda o início do caminho da SEAT rumo à eletrificação da gama, combinando os benefícios do motor convencional de combustão interna com um poderoso motor elétrico e pack de baterias de forma a garantir uma experiência de condução dinâmica, eficiente e envolvente. Um modelo totalmente elétrico é o SEAT el-Born, o primeiro SEAT 100% elétrico assente sobre a plataforma MEB do grupo Volkswagen. 

Credibom recebe “Prémio Cinco Estrelas 2019” na categoria de crédito ao consumo O Banco Credibom, especializado no crédito ao consumo e em particular no financiamento automóvel, recebeu o Prémio Cinco Estrelas 2019, na categoria de crédito ao consumo. Pelo segundo ano, o banco detido pelo Group Crédit Agricole conseguiu destacar-se da concorrência nas áreas de satisfação pela experiência, relação preço-qualidade, recomendação, confiança na marca e inovação. O Banco Credibom foi reconhecido positivamente pela sua flexibilidade nas soluções de crédito e rapidez na aprovação e disponibilização do valor. As taxas de recomendação e de satisfação do consumidor cifraram-se, respetivamente, nos 96,8% e 93,7%, o que reflete a qualidade do serviço,

atendimento e aconselhamento prestados pela equipa dedicada de gestores de clientes do Credibom. A inovação foi um dos critérios com mais destaque nesta análise. O processo inovador de autenticação de assinatura através de meios digitais, que se desenrola sem recurso a nenhum documento em papel, é um dos critérios mais apreciados pelos consumidores-alvo pelo facto de acelerar e simplificar todo o processo. Na relação qualidade-preço, o Banco Credibom destacou-se pelo atendimento personalizado e um aconselhamento transparente, apresentando um preço justo e aceitável. Relativamente à confiança na marca, o Credibom registou uma subida de 5,6% face ao

ano anterior, um facto que demonstra o empenho das equipas para melhorar a relação de proximidade com os seus clientes. Gilbert Ranoux, CEO do Banco Credibom, afirma que “é com enorme satisfação que recebemos esta importante distinção, que reconhece não só a qualidade do nosso serviço, como a satisfação dos nossos clientes e o apreço pela competitividade e inovação que temos como pilares da nossa estratégia”. O Prémio Cinco Estrelas é da exclusiva responsabilidade da U-scoot e baseia-se num sistema de avaliação que mede o grau de satisfação que os produtos, serviços e as marcas conferem aos seus utilizadores. 

Textos Olga Hernández olga@ccile.org Fotos DR DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 31


marketing

marketing

TAP batiza avião em homenagem a Raúl Solnado

R

aúl Solnado, um dos maiores nomes do humor português, dará nome, desde o passado dia 21, a um avião da TAP. “A TAP presta homenagem a um dos maiores ícones da televisão portuguesa”, refere uma nota da transportadora, na data em que se celebra exatamente o dia mundial da televisão, a 21 de novembro. Depois de homenagear Jorge de

Sena, Agustina Bessa-Luís, Carlos Paredes e, mais recentemente, Zé Pedro, a TAP escolheu outro nome das artes para batizar um dos seus novos aviões. Raúl Solnado morreu, aos 79 anos, a 8 de agosto de 2009. Até à sua morte foi diretor da Casa do Artista, sociedade de apoio aos artistas situada em Carnide, Lisboa, que fundou juntamente com Armando

Cortez, entre outros. Raúl Solnado começou a trabalhar em 1947 no teatro amador, na coletividade lisboeta Guilherme Cossul. Em 1952, estreou-se profissionalmente num show no “Maxime”, e a partir daí esteve ligado quer ao teatro de revista, quer ao teatro clásscio, opereta, ao cinema, televisão. O grande salto na carreira deu-se na década de 60 do século passado: o monólogo “A Guerra de 1908”, estreado em outubro de 1961, cedo passou a ser a “guerra do Solnado”, e que imortalizou para sempre a sua faceta de humorista. Oito anos mais tarde, em 1969, com Carlos Cruz e Fialho Gouveia apresentou na RTP um programa inovador que se tornou um marco na programação televisiva: o “Zip-Zip”. Ainda nessa década, criou e dirigiu o Teatro Villaret. Uma carreira recheada de êxitos, que ficará agora assinalada para os clientes da TAP, com o batismo do novo A321neo. 

Campanha multimeios do Bankinter promove soluções de financiamento às empresas C rescer, simplificar, exportar e investir, representam as áreas centrais da nova campanha estruturada em quatro momentos importantes para a vida das empresas promovida pelo Bankinter. “Se é para crescer, é para crescer” é a assinatura da nova campanha multimeios do Bankinter inteiramente dedicada às empresas. No âmbito desta campanha, é também dinamizado o novo Crédito Multilinha do Bankinter, que permite às empresas o acesso a diversas soluções de financiamento através de um único contrato e com um

limite global de crédito. A campanha, que vai estar no ar até 19 de dezembro, com presença no digital, na imprensa, na rádio e na televisão, aborda quatro momentos essenciais da vida das empresas “Crescer, Simplificar, Exportar e Investir” - onde o Multilinha pode ajudar a simplificar processos de financiamento”. José Luis Vega, diretor da Banca de Empresas e membro da Comissão Executiva do Bankinter em Portugal, reafirma “o compromisso do Bankinter com as empresas e os empresários em Portugal.

O Bankinter apresenta soluções abrangentes, que vão desde a gestão de tesouraria à banca de investimento, passando por soluções de apoio ao negócio internacional, dirigidas a empresas de pequena, média e grande dimensão”. O Bankinter abriu recentemente em Portugal mais quatro Centros dedicados a Médias Empresas, totalizando 10 por todo o país, a que se somam 2 Centros Corporate em Lisboa e Porto, serviços de Banca de Investimento e 81 Agências com Gestores dedicados ao segmento de Negócios. 

Textos Laia Cerdán actualidade@ccile.org Foto DR

32 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019


marketing

DEZEMBRO DE 2019

marketing

AC T UA L I DA D € 33


fazer bem Hacer bien

Millennium bcp, no âmbito da sua estratégia de sustentabilidade, subscreve o “Guia do CEO sobre Direitos Humanos”, uma iniciativa do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) e do Business Council for Sustainable Development (BCSD Portugal). O Guia incorpora as políticas e práticas de referência e pretende contribuir para a implementação e promoção dos direitos humanos nas organizações e nas suas cadeias de valor. Miguel Maya (na foto), CEO do Millennium bcp, junta-se ao conjunto de presidentes e CEOs de empresas que subscrevem a versão portuguesa do “Guia do CEO sobre Direitos Humanos”. São 38 os empresários e gestores que se comprometem e desafiam os seus pares para uma maior

ambição na promoção dos direitos humanos nas suas organizações e nas suas cadeias de valor, indo além da gestão de risco e do cumprimento dos quadros legislativos e regulatórios, na busca de transformações positivas na vida das pessoas. Este guia identifica aspetos importantes em matéria de direitos humanos, que desafiam as empresas a agir de forma mais responsável, acompanhando assim uma regulação mais exigente e alinhada com as expetativas dos investidores e da sociedade em geral. Para Miguel Maya, “a subscrição deste guia é um passo natural para uma organização que está, como o Millennium bcp, fortemente comprometida com o respeito pelos direitos humanos, uma organização que tem

Foto arquivo

Millennium bcp subscreve “Guia dos Direitos Humanos” O

nas pessoas a pedra angular de todas as suas atuações; uma organização que privilegia e promove uma cultura de inclusão e de respeito pela diversidade”, adianta a mesma fonte. 

Coviran reafirma o seu compromisso na luta contra o cancro da mama

A

Coviran mostrou, um ano mais, o seu apoio na luta contra o cancro da mama, no âmbito do dia internacional dedicado a esta doença, que se assinalou no passado dia 19 de outubro, uma efeméride que procura consciencializar sobre os riscos de um problema que afeta uma em cada oito mulheres em Portugal. A cooperativa, através da sua fun34 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

dação, tem levado a cabo, ao longo do ano, em Espanha e Portugal, distintas ações de sensibilização dirigidas aos consumidores, com o acento posto no fomento de hábitos de vida saudáveis para prevenir doenças e também de colaboração com a Associação Espanhola contra o Cancro (AECC), que dedica o seu esforço à atenção das pessoas que padecem da doença e suas famílias. A presidente da Coviran, Patro Contreras, destacou o papel que desenvolve a AECC para melhorar a vida das pessoas que lutam contra o Cancro e referiu o compromisso da cooperativa com esta causa e a promoção de um estilo

de vida saudável: “É um desafio compartilhado colaborar no avanço da investigação para melhorar o diagnóstico e o tratamento da doença. Na Coviran, apoiamos as iniciativas solidárias e damos grande importância às campanhas de promoção de uma alimentação sã e equilibrada como método de prevenção”, adianta a cooperativa de origem andaluza. A Fundação Coviran reforçou as suas ações para sensibilizar e prevenir o cancro da mama. Além do guia de alimentação onco-saudável, editada em colaboração com a AECC e de consulta na web , a cooperativa está presente em distintas iniciativas solidárias para recolher fundos destinados à investigação que permitam um melhor diagnóstico e tratamento da doença. 


Coca-Cola fabrica a sua primeira garrafa de plástico reciclado a partir de lixo marinho A

Coca-Cola apresentou recentemente a sua primeira garrafa no mundo fabricada com plástico reciclado proveniente de lixo marinho, recolhido através dos “Mares Circulares”, um ambicioso projeto de sensibilização para a problemática do lixo marinho com intervenção em limpeza de costas, praias e fundos marinhos, que tem sido implementado em Portugal e Espanha. Esta inovação demonstra que até o plástico mais degradado do fundo do mar poderá ser transformado em novas garrafas para uso alimentar. Graças ao trabalho conjunto desenvolvido pela Ioniqa Technologies, pela Indorama Ventures, pelo projeto Mares Circulares e pela CocaCola, conseguiu-se fabricar cerca de 300 garrafas utilizando 25% de plástico reciclado, proveniente de praias e fundos marinhos de Portugal e Espanha. “Estas garrafas demonstram a capacidade das inovadoras e revolucionárias técnicas de reciclagem que permitiram transformar um

plástico PET muito degradado em matéria prima de alta qualidade”, afiança a Coca-Cola. São, assim, as primeiras garrafas no mundo fabricadas com material proveniente de plástico marinho e aptas para serem utilizadas em alimentação e bebidas. Em 2017, a Coca-Cola lançou o “Avançamos”, a sua estratégia de sustentabilidade para a Europa Ocidental que tem como principais objetivos, para 2025, recolher e reciclar o equivalente a 100% das garrafas ou latas que comercializa, que todas as suas embalagens sejam 100% recicláveis, bem como assegurar que as suas garrafas de plástico contenham, pelo menos, 50% de PET reciclado. Assim, a Coca-Cola atualizou os seus objetivos relativamente a embalagens sustentáveis na Europa Ocidental, entre os quais se destacam, desde

logo, a eliminação do plástico desnecessário ou difícil de reciclar do seu portefólio, através do aperfeiçoamento de embalagens e da eliminação das embalagens secundárias de plástico (filme retrátil e anilhas de plástico nos packs de latas e garrafas de PET 500 mililitros). Isto representará a eliminação de mais de 11 mil toneladas de plástico por ano na Europa Ocidental (2.600 das quais na divisão ibérica, a partir de 2020). Além disso, a Coca-Cola eliminará este outono o plástico que atualmente reveste os packs de latas, substituindo-o por cartão com certificado PEFC, o sistema de certificação florestal mais utilizado a nível mundial, que assegura a sustentabilidade florestal. Esta medida representa a eliminação, a partir de 2020, de 1.380 toneladas de plástico na sua cadeia de fornecimento na região ibérica. 

EcoX e Mistolin Pro apresentam programa pioneiro a nível mundial A EcoX em parceria com a Mistolin Pro apresentam um programa pioneiro a nível mundial que garante a transformação de um resíduo em detergentes ecológicos profissionais utilizando uma tecnologia patenteada pela Universidade de Coimbra. Cada dia que passa são geradas 150 toneladas de óleos alimentares usados, apenas em Portugal. Cerca de metade desse óleo usado não é valorizado, situação que se traduz em graves danos para o ambiente e para os municípios traduz-se também num peso financeiro estimado de 300 milhões de Euros para remo-

ver estes mesmos óleos usados das águas das ETAR. O Programa Green Grease serve-se dos princípios da Economia Circular para solucionar de forma mais eficiente dois problemas com que a maioria dos estabelecimentos profissionais se deparam diariamente: a recolha de óleo alimentar usado e o fornecimento de detergentes ecológicos. Adicionalmente, o programa garante também que estes estabelecimentos recebam certificados ecológicos devidamente reconhecidos pela Quercus. O programa materializa uma ligação– até à data inexistente– entre a

transformação de um resíduo (óleo vegetal usado) e o fornecimento de um produto de primeira necessidade (detergentes ecológicos profissionais de elevada biodegradabilidade), tornando-se assim pioneiro a nível mundial e a prova real de que os princípios de economia circular podem integrar um modelo de negócio rentável a toda a cadeia de valor. Segundo César Henriques, coordenador do projeto, o Programa Green Grease assume-se como movimento inovador e pretende servir de inspiração a iniciativas futuras de âmbito global nas áreas da ecologia, reciclagem e valorização de recursos.  DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 35


fazer bem Hacer bien

Santander lança mais de 500 bolsas para estudantes universitários até ao fim do ano O Santander Universidades vai lançar mais de 500 bolsas até ao final de 2019, num valor que supera os 800 mil euros. Ao todo, são mais de 200 Bolsas Santander Futuro 2019/ 2020, que já têm as candidaturas abertas, num processo que decorre até 29 de novembro, para além de 100 Bolsas Santander Global e 200 Bolsas Santander Ibero-Americanas. As Bolsas Santander Futuro 2019/2020 destinam-se a apoiar estudantes universitários com recur-

sos económicos limitados – inscritos numa instituição de ensino superior beneficiária de mecenato do Banco Santander e aderente ao programa – e que estejam determinados a prosseguir ou terminar um ciclo da carreira académica. Estas bolsas, num valor unitário que pode ascender a mil euros, têm como objetivo contribuir para uma estabilidade financeira potenciadora de um melhor desempenho escolar dos beneficiários. Além disso, “o Santander em

Portugal, através do Santander Universidades, assume o compromisso de promover as melhores práticas na resposta aos desafios da sociedade portuguesa, sendo já uma referência a nível nacional no que diz respeito à promoção do ensino superior, colaborando atualmente com 50 instituições de ensino”, refere o banco de origem espanhola. O banco investe, anualmente, mais de sete milhões de euros na área de responsabilidade social corporativa. 

Ferry norueguês eletrificado com baterias de carga ultrarrápida da Siemens A rota do ferry Moss-Horten, a maior da Noruega, passará a operar com energia elétrica a partir de 2021, graças às novas baterias desenvolvidas pela Siemens. Trata-se da bateria mais potente jamais desenvolvida para uma operação totalmente elétrica e do maior conjunto de baterias alguma vez fornecido para um ferry norueguês com esta dimensão. As baterias Siemens, refrigeradas a água, destacam-se por ter potências de carga recorde, ajudando a reduzir

tanto o custo das baterias, como as emissões de CO2. O ferry Moss-Horten transporta, anualmente, 1,8 milhões de veículos e 3,7 milhões de passageiros através do fiorde de Oslo. O projeto da Siemens inclui um sistema de armazenamento de energia com baterias de 4,3 MW e um sistema de gestão de energia, que funcionarão a bordo do novo ferry a partir de janeiro de 2021. A Siemens fornecerá também a infraestrutura de carga que permitirá fazer um car-

regamento ultrarrápido enquanto o ferry estiver atracado, requerendo uma ligação ao cais em alta tensão e uma potência até 7,2 MW. Inicialmente, o ferry funcionará cerca de 65% do tempo com energia elétrica, uma vez que, de momento, apenas existem instalações de carregamento num dos lados do percurso, na cidade de Horten. Assim que as instalações de carregamento em Moss ficarem prontas, o ferry passará a operar 100% a energia elétrica. 

Textos Laia Cerdán actualidade@ccile.org Fotos DR

36 act ualidad€

dezembro de 2019


Hacer bien

fazer bem

Galp é a energética mais sustentável da Europa e EDP destaca-se também

P

elo oitavo ano consecutivo, a Galp está presente no Dow Jones Sustainability Indices (DJSI), tendo, no entanto, atingido este ano a sua melhor pontuação e liderado mesmo no segmento de ambiente. A empresa liderada por Carlos Gomes da Silva classificou-se em primeiro lugar na secção “Oil & Gas Upstream

& Integrated”, onde se encontram as restantes concorrentes do setor. A nível mundial, a empresa portuguesa surge em terceiro lugar, entre as 52 empresas avaliadas. “Este reconhecimento reflete o compromisso da Empresa em criar valor partilhado para todos os seus ‘stakeholders’, implementando as melho-

res práticas nas dimensões ambiental, social e de governo corporativo”, considerou Carlos Gomes da Silva, CEO da Galp Energia, em comunicado. A Galp atingiu os melhores resultados do setor na dimensão ambiente, ficando também bem classificada na dimensão económica, liderando na gestão de risco e de crise, a nível global. O índice DJSI foi criado em 1999 como o primeiro indicador da performance financeira das empresas líderes em sustentabilidade, a nível mundial. Os membros deste índice são classificados como as empresas mais capazes de criar valor para os acionistas a longo prazo, através de uma gestão eficaz dos riscos associados a fatores económicos, ambientais e sociais. Também a EDP se voltou a destacar entre as companhias globais com as melhores práticas de sustentabilidade, tendo alcançado 90 pontos no mesmo índice, quer a nível europeu como também a nível mundial. 

“É um Restaurante”: projeto social com sabor muito especial A

Associação Crescer, fundada em 2001, atua desde então na área de intervenção comunitária na cidade de Lisboa. O seu mais recente projeto, “É um Restaurante”, vem no seguimento de outras iniciativas como “É uma Rua, é uma Casa”, Lisboa Housing First ou “É uma Vida”, entre outras intervenções que a associação tem vindo a desenvolver com vista à inclusão e melhoria da qualidade de vida de pessoas em situação vulnerável. O “É um Restaurante” é exatamente isso, um restaurante, e é agora uma realidade que tem como objetivo dar formação e criar oportunidades de emprego na área da restauração, a pessoas em condição de sem abrigo. A ideia que nasceu em 2016, cres-

ce agora com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa, que está ao lado da Crescer desde o seu início, e que cedeu o espaço, além da sua contribuição financeira para a viabilização do projeto. Mas conta também com outros parceiros, como a Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa (EHTL), com o importante contributo a nível formativo, o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), entidade promotora da formação, o Instituto da Segurança Social, que contribui com apoio técnico e financeiro para os recursos humanos afetos ao projeto, e a Stavros Niarchos

Foundation e o WiZink Bank que contribuem para a implementação do projeto, entre várias outras entidades solidárias que quiseram apoiar e ajudar a tornar esta ideia uma realidade, como a SIC Esperança que atribuiu à Associação um Prémio Especial 15 anos SIC Esperança – Delta em 2018, o que possibilitou a aquisição do equipamento de cozinha. 

Textos Actualidad€ actualidade@ccile.org Fotos DR DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 37


grande tema gran tema

El corcho

y su desafío permanente con la innovación Las características y propiedades de las que dispone el corcho hacen de éste un material único en el campo del desarrollo de nuevos productos. Por esta razón, están naciendo nuevos e interesantes proyectos de I&D+I. Nuno Gama, investigador de la Universidade de Aveiro, explica a Actualidad€ una de estas investigaciones. Por otro lado, João Rui Ferreira, presidente de la Associação Portuguesa da Cortiça (Apcor), destaca la creciente importancia de las múltiples y sofisticadas utilidades del corcho. Además, la mayor empresa de corcho del mundo cuenta cuáles son sus nuevos retos y cómo augura el futuro del sector. Textos Laia Cerdán actualidade@ccile.org Fotos DR

38 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019


grande tema

P

ocos materiales como el corcho manifiestan al tiempo tantas características útiles. Por citar algunas de sus propiedades, éste es inodoro, prácticamente imputrescible, impermeable, inatacable por los líquidos y resistente a los agentes químicos. Otras se basan en su extraordinaria capacidad de recuperación dimensional, elasticidad, escasa conductividad térmica, elevada resistencia mecánica y su excelente aislamiento acústico y de vibraciones. Es por ello que Portugal, como líder mundial del sector, ha apostado por la investigación, desarrollo e innovación (I&D+I), tanto en las empresas como en la participación con la comunidad científico-tecnológica del país. Como destaca el presidente de la Associação Portuguesa da Cortiça (Apcor), João Rui Ferreira: “La industria ha invertido en los últimos 15 años más de 700 millones de euros en I+D, nuevas fábricas, nuevos procesos, nuevas competencias. Somos conscientes de que se han dado pasos muy grandes, pero que tampoco podemos estancarnos y, por eso, la inversión en estas áreas será siempre una apuesta del sector.” En particular, desde Apcor, se ha implantado el proyecto Cork_Inov, el cual tiene el objetivo de llevar a la práctica las líneas de acción presentes en el plano estratégico de la industria del corcho, en torno a la innovación, competitividad e internacionalización. Como encuadra João Rui Ferreira, los principales objetivos del proyecto consisten en incrementar las competencias empresariales del sector, proporcionando información económica del mismo, sobre el posicionamiento de los productos y de los mercados, así como contribuir al cambio de paradigma de la industria en estas materias. Una de estas empresas es Corticeira Amorim, la cual es la mayor empresa de corcho del mundo y la más internacional, con un recorrido de casi 150 años. Corticeira Amorim, a parte

gran tema

En 2018, las exportaciones del sector supusieron 1.067 millones de euros, destacando destinos como Francia, España, EEUU, Italia, Alemania o China de liderar el sector, diferenciándose por su calidad e innovación, también desempeña una labor a nível de la promoción y viabilidad de todo el sector del corcho y de la conservación de los alcornocales, gracias a la vanguardia de la industria, la tecnología y la sostenibilidad. La empresa dedica una gran parte de su inversión en I&D+I dando soluciones y productos de máxima calidad que se destina a los tapones de corcho, su actividad principal, y también en nuevas áreas como la construcción y el transporte – terrestre, fluvial y aeronáutico. “Después de años de investigación, la implantación de tecnologías de vanguardia, muchas de las cuales desarrolladas internamente, potenciaron la capacidad productiva, la implantación

de la utilización del corcho y, consecuentemente, la ampliación del portfolio de productos y soluciones disponibles para el cliente final”, cuenta a "Actualidad€" António Rios de Amorim, CEO de Corticeira Amorim. Para la empresa, la significativa inversión en I&D+I tiene un excelente resultado en nuevas soluciones tecnológicas y, es por ello, que para desenvolver actividades crearon la Amorim Cork Research como empresa autónoma. “Amorim Cork Research es la responsable de los proyectos de investigación más desafiantes, promoviendo nuevas patentes en procesos y productos, contribuyendo constantemente para ampliar el portfolio de aplicaciones del corcho”, destaca António Rios de Amorim. Todo ello llevado a cabo gracias a una inversión anual cercana a los 7,5 millones de euros (ver entrevista en las págs. 42/43). En efecto, uno de los mayores proyectos en los que ha participado Corticeira Amorim fue el nuevo Terminal de Cruceros de Lisboa, un emblemático edificio diseñado por el arquitecto portugués João Carrilho da Graça. Por primera vez, una infraestructura presenta una solución revolucionaria que combina el corcho con el hormigón, creando un efecto arquitectónico de extraordinaria belleza y reduciendo el peso de su estructuDEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 39


grande tema gran tema tos naturales más característicos de Portugal y, además, forma parte de nuestra vida cotidiana debido a la versatilidad de las empresas. Éstas han superado con creces los límites de este producto procedente de la corteza del alcornoque. Una materia prima que se retira cada nueve años acogiéndose a la ley portuguesa, a fin de proteger la especie, y que cuya cáscara se auto-regenera, es decir, el árbol no necesita ser cortado. El 32% de los alcornoques que están en el mundo se encuentran en el país luso, convirtiéndose así en el mayor productor mundial de corcho, produciendo 160 mil toneladas al año, seguido por España con el 22%. “Hay una relación bilateral con el mercado español. Es un importante mercado vinícola al ocupar la tercera posición en el ranking mundial de productos de vino, habiendo registrado, incluso, un aumento de 37%

La industria portuguesa del corcho ha invertido, en los últimos 15 años, más de 700 millones de euros en I&D+I ra. Esto último ya que el hormigón blanco estructural con granulado de corcho natural es 40% más leve que el hormigón tradicional. Al mismo tiempo, a pesar de la inversión requerida para la innovación en las utilidades de esta materia prima, los especialistas resaltan la importancia de invertir por igual en la investigación de los alcornocales. “Esta inversión tecnológica deberá producirse en paralelo con la investigación en el área forestal, por la exigencia de trabajo preparatorio previo, que soporte crecimientos futuros. Y, también, en 40 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

este campo, el sector ha sabido inno- de su producción de 2017 para 2018. var para responder a los desafíos que En el mismo período, el país vecino se están planteando al sector”, explica aumentó sus importaciones de corcho el presidente de Apcor. portugués en valor (25,8%) y en volu“El proceso de modernización sec- men (19,8%), asumiendo la tercera torial es un hecho, bien visible en el posición, con el 15,5% de nuestras parque tecnológico y en el nivel de los exportaciones, lo que equivale a 165,8 procesos de trabajo, y se reconoce el millones de euros. De esta cifra, 92,7 esfuerzo de las empresas en favor de millones de euros se destinan a los la industria 4.0 y de los principios de tapones de corcho”, destaca el presila economía circular”, sentencia João dente de Apcor. Rui Ferreira. Por otro lado, en 2018, España conquistó el lugar de mayor imporMás allá de los tapones de botella tador de corcho como material de El corcho es uno de los produc- construcción y decoración, con un


gran tema grande tema

21,2% del total, representando 58,1 millones de euros, ultrapasando así al líder Alemania y Estados Unidos. Además, una parte importante del origen de materia prima, transformada en Portugal, tiene origen en los productores forestales españoles, representando el 70,7% de lo que importa el país luso – lo que equivale a 152,2 millones de euros. Aunque en la actualidad el sector está en su pleno apogeo, no fue hasta finales de los noventa cuando comenzó a crecer la utilidad de este artículo. Esto último se produjo después de que la búsqueda de materiales más baratos para fabricar tapones acentuase significativamente la caída de las ventas del corcho. En suma, las empresas se vieron obligadas a buscar usos alternativos y, por consiguiente, lograron nuevas aplicaciones tanto en el campo de la moda como en el diseño. De igual forma, el sector está siempre en busca de nuevas ideas y las empresas establecen colaboraciones transversales, como por ejemplo con universidades, de las que depende el éxito de la capacidad de innovación de forma amplia. Así, esa apuesta en I+D ha permitido el origen de nuevas oportunidades, creãndose productos con un mayor valor industrial. El corcho se ha beneficiado de un nuevo posicionamiento internacional. “Hemos colaborado con la Nasa, importando material para la creación de las naves y cohetes desde la misión del Apolo XI, que llevó al hombre a la Luna por primera vez. Más recientemente, desarrollando una cápsula de reentrada a la atmósfera que debe incorporar un dispositivo para ser enviado a Marte”, cuenta António Rios de Amorim. Los alcornocales, pilares sociales y medioambientales Sin duda alguna, los alcornocales, son un pilar social, económico y medioambiental determinante en los países del Mediterráneo. Éstos

constituyen uno de los 36 ecosistemas mundiales más importantes para la conservación de la biodiversidad ya que sus características son idóneas para soportar una ecología única y frágil. Estos campos tan emblemáticos del clima cálido y de la tierra árida, además de constituir un hábitat para especies en vía de extinción, también protegen contra la erosión y la consiguiente desertización. Igualmente, debido a la baja combustión del corcho, forman una barrera natural antincendios que desempeña un papel importante en la regulación del ciclo hidrológico. “La economía y los modos de vida creados en torno al corcho representan una de las razones más importantes para conservar y proteger los alcornocales". Estos bosques y dehesas sólo se distribuyen por siete países del Mediterráneo occidental y man-

ciervo africano). Además, millones de aves migradoras invernan aquí, según World Wild Fund for Nature. A todo ésto se debe sumar que la utilización de materiales naturales contribuye al cuidado del medioambiente. “Lo que es residuo para unos, puede ser materia prima para otros”, afirma Nuno Gama, el investigador responsable del proyecto de la Universidade de Aveiro (UA) con el que han conseguido producir espuma para el aislamiento térmico, a través de la impresión 3D. Un proyecto que consiste en la utilización de recursos/ residuos de biomasa para producir materiales poliméricos más amigos del medioambiente, siempre pensando en la economía circular. La economía circular ofrece una alternativa al actual modelo de producción, basado en una cadena de valor lineal que genera residuos en todas las etapas, desde la extracción de materias primas hasta la generación de residuos, pasando por las fases Un grupo de de fabricación, distribución y consumo. La alternativa consiste en proinvestigadores de longar la vida económica útil de los la Universidade de materiales y los recursos tanto como sea posible, reduciendo al mínimo la Aveiro ha conseguigeneración de residuos. do producir espuma También se debe tener en cuenta que los alcornocales son imprescindibles para aislamiento para la reducción de los gases con térmico a través de efecto invernadero, el principal origen del cambio climático, ya que se calla impresión 3D cula que por cada tonelada de corteza producida, los bosques acaparan más tienen una extraordinaria diversi- de 73 toneladas de CO2. Asimismo, dad biológica. En una superficie de la capacidad de retención de dióxido alcornocal equivalente a la quinta de carbono se extiende a los productos parte de un campo de fútbol, se transformados de corcho, que siguen han llegado a encontrar hasta 135 garantizando esta función de fijación especies distintas de plantas. Por otra de CO2. parte, estos bosques dan cobijo a “Estos bosques son uno de los mejoalguna de las especies animales más res ejemplos del equilibrio entre la emblemáticas y amenazadas de los conservación del medio ambiente y el ecosistemas mediterráneos, como el desarrollo sostenible -sólo el hecho de águila imperial y otras rapaces diur- que ningún árbol sea talado durante nas y nocturnas, la cigüeña, el lince el proceso de extracción del corcho ibérico, el meloncillo, el camaleón, la constituye un caso único en términos gineta y el ciervo de Berbería (el único de sostenibilidad”, destaca el grupo DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 41


grande tema gran tema

Corticeira Amorim invierte anualmente cerca de 7,5 millones de euros La mayor empresa del mundo de transformación y comercialización de corcho, Corticeira Amorim, acaba de adquirir otra compañía de pequeña dimensión, Vinolok, por la que pagó 11 millones de euros, para mantener el 50% de esta empresa de la República Checa. Vinolock se dedica a la producción y comercialización de selladores de vidrio para botellas de vino y de bebidas espirituosas, siendo este negocio una oportunidad para que la multinacional portuguesa consolide el negocio de los vedantes para vinos premium. Esta es una de las áreas de apuesta y de diversificación de negocios de Corticeira Amorim, como explica en la entrevista a "Actualidad€", Antonio Rios de Amorim. Además, ha reforzado su participación en la francesa Bourrassé hasta el 70%. Corticeira Amorim acaba de divulgar sus datos relativos a los primeros nueve meses del año, en los que la facturación fue de 602,6 millones de euros y se destacó un crecimiento del 5,3% en el negocio de los tapones (con ventas de 432,2 millones de euros). Para 2019, la previsión anunciada anteriormente era de un volumen de negocios de 800 millones de euros. En 2018, el grupo obtuve un volumen de negocios de 763 millones de euros, un crecimiento anual del 9%, con beneficios netos de 77,4 millones.

¿Cuál es la importancia de la investigación tecnológica para Corticeira Amorim? A lo largo de los años, la apuesta en la investigación estuvo en el centro

42 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

¿Cómo se desarrollan nuevos productos?

de la estratégia de Corticeira Amorim, siendo, en verdad, uno de los principales pilares de la visión de la empresa. El resultado de este enfoque se ha traducido en una inversión sin precedentes en investigación tecnológica. Después de años de investigación, la implementación de tecnologías de vanguardia, muchas de las cuales fueron desarrolladas internamente, potenció la capacidad productiva, la ampliación del uso del corcho y, por consiguiente, la ampliación de la cartera de productos y soluciones a disposición del cliente final. Este aspecto ha sido fundamental para responder a un mercado cada vez más exigente, no sólo desde el punto de vista de la calidad, sino también del enfoque creativo. Así, el concepto “tradicional” de corcho ha evolucionado a las aplicaciones más sofisticadas, dando una nueva dimensión de negocio y permitiendo la afirmación del corcho como materia prima de elección en muchos otros sectores además del vino.

Las competencias de investigación, desarrollo e innovación son transversales en todas las unidades de negocio (UN) de Corticeira Amorim. Por lo demás, el desarrollo de nuevos productos es misión de los equipos de I&D+I de cada UN que tienen equipos asignados a ese propósito. Mejoramos el rendimiento de algunos productos, creamos otros productos desde cero, desarrollamos nuevas tecnologías, incrementamos soluciones alternativas y potenciamos el uso del corcho con otros materiales, etc. Sin embargo, para estar en la cima de las nuevas tendencias mundiales de forma continua, se creó Amorim Cork Research como empresa autónoma, que promueve el desarrollo de actividades de I+D+I y protege los derechos de propiedad intelectual del grupo. Amorim Cork Research es responsable de los proyectos de investigación más desafiantes, promoviendo nuevas patentes en procesos y productos, contribuyendo constantemente a ampliar la cartera de aplicaciones del corcho. El grupo invierte anualmente unos 7,5 millones de euros en I&D+I, tecnología de vanguardia y procesos de producción exclusivos con el sello de Amorim.

¿Cuáles son sus socios (por ejemplo, universidades, centros de investigación)? Corticeira Amorim está siempre en busca de nuevas ideas, sobretodo como foco del enfoque realmente disruptivos. Teniendo en cuenta la multiplicidad de aplicaciones del corcho, la empresa establece aso-


gran tema grande tema

en I&D+I ciaciones transversales, de las cuales depende el éxito de la capacidad de innovar de forma amplia. Por citar algunos ejemplos, existen asociaciones desde hace varios años con la Nasa, y es importante subrayar que la integración del corcho en las naves y cohetes comenzó con la misión Apolo XI, que llevó al hombre a la Luna por primera vez. Más recientemente, destacan la colaboración desarrollada para una cápsula de reentrada a la atmósfera que debe incorporar un dispositivo a ser enviado a Marte. El proyecto fue desarrollado por un consorcio 100% portugués, liderado por Corticeira Amorim, y que cuenta con la participación de Critical Materials, PIEP e ISQ.

¿Qué productos pueden destacarse en el ámbito de la innovación? El desafío de la diferenciación llevó al descubrimiento de nuevas, concretas e inesperadas aplicaciones para el corcho y a un portafolio de soluciones inigualables. El resultado es un conjunto innovador de usos de la materia prima, que incluye áreas tan distintas como la aeroespacial, la aeronáutica, el transporte terrestre, la construcción, el deporte, el calzado, el textil, el surf o la decoración de interiores. Destaca, como proyecto innovador en el ámbito del transporte marítimo, la solución en la que el corcho desempeña un papel importante en la reducción del peso de los buques, garantizando una mayor comodidad de los pasajeros y una construcción ecológica conforme a los exigentes parámetros de la Organización Marítima Internacional. Más precisamente, un disruptivo decking primario de corcho para cruceros fluviales de lujo construido por MV Werften en colaboración con

Wolznautic y Corticeira Amorim, que permitió, entonces, la reducción de peso de siete toneladas por barco. Esta solución de composite de corcho ofrece mayor confort térmico y acústico, revelándose un material único en términos técnicos y funcionales, con enormes beneficios para este sector. Esto además de la ligereza y facilidad de instalación. En el surf, a través de una asociación entre Mercedes-Benz Portugal y Corticeira Amorim, fue creada una tabla de surf para que Garrett McNamara desafiara las olas legendarias. Una tabla diferente de todas las que se han hecho hasta el momento, en un proyecto de ámbito nacional con impacto mundial. Los blanks utilizados en las nuevas tablas de surf forman parte de la gama de productos Corecork, ofreciendo una fuerza de impacto y resistencia significativas, esenciales para resistir con seguridad al impacto de las olas gigantes. Ya en el área de la decoración de interiores se ha creado una nueva generación de pavimentos con huella de carbono negativa. Realidad que contribuye positivamente al equilibrio ambiental. ¿Cuál es el rendimiento de esta inversión? La apuesta en I+D permitió la creación de nuevas oportunidades y el corcho pasó a beneficiarse de un nuevo posicionamiento internacional: conquistando mercados cada vez más ávidos por productos naturales con calidad premium. Por todas estas razones, hemos venido reforzando nuestro liderazgo en el sector a nivel mundial, en una clara validación por el mercado de la “preciosidad” del material que trabajamos. Un estudio de la Universidad de Aveiro, dice que es posible crear espumas de

corcho en impresión 3D para aislamiento con el tapón encima, etc. ¿Cómo ven esta posibilidad en el futuro? El proyecto en cuestión, así como todos aquellos que se proponen valorar las características únicas del corcho, es muy positivo. En este caso, concretamente a través de la investigación, se ha podido crear una solución mediante la cual se mejoran las principales ventajas del corcho, en particular su capacidad de aislamiento, donde el uso de la materia prima ha hecho posible una mayor sostenibilidad y la flexibilidad de las espumas. Además de estos aspectos, el enfoque de este proyecto va en la misma dirección que la visión de Corticeira Amorim, en la medida en que la principal orientación implícita es la reutilización de los restos del corcho utlizados por la industria. Este es un enfoque particularmente presente en todas nuestras unidades productivas y en todas las unidades de negocio: la reutilización de todos los materiales de corcho. Esta cuestión es tan relevante en la filosofía empresarial de Corticeira Amorim que hemos creado una unidad de negocio específica para este efecto: Amorim Cork Composites. El corcho no utilizado por la industria de tapones es la principal materia prima utilizada por esta UN, en un modelo ejemplar de economía circular. Como referencia internacional en la investigación, desarrollo y producción de nuevas soluciones de composites de corcho, UN Amorim Cork Composites tiene entre sus principales clientes algunas de las industrias más exigentes del mundo en términos de calidad e innovación. Texto: Clementina Fonseca, con LC Foto: Anabela Rosas Trindade

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 43


grande tema gran tema

Producción de espumas de corcho por impresión 3D de co-promoción con una empresa.

Nuno Gama, investigador de la Universidade de Aveiro, explica en que consiste el proyecto de producción de espumas de aislamiento a través de la impresi on en 3D.

¿Cuáles son las futuras aplicaciones potenciales? Como he comentado con anterioridad, estamos sometidos a una candidatura en un proyecto de copromoción en que el objetivo es producir un material para ser utilizado en objetos domésticos, que concilie la absorción sonora y térmica. No entanto, como estamos en fase de candidatura, prefiero no alargarme mucho sobre el asunto.

¿Cuáles son las propiedades de la corteza? El corcho es la corteza del alcornoque por lo que es un material 100% natural. Está formada por una estructura celular similar a una colmena, llena de un gas similar al aire. El aire retenido dentro de la estructura celular confiere ligereza (baja densidad) al corcho. Además, este aire proporciona al corcho una elevada capacidad de aislamiento térmico (pues el aire es de los materiales con menor conductividad térmica). Otras propiedades interesantes del corcho son su flexibilidad o impermeabilidad.

¿En qué consiste la economía circular en el caso de la corteza? La principal aplicación de la corteza es la producción de tapones de botella. Sin embargo, no todo el corcho extraído de los alcornoques puede ser aprovechado para este fin. Es decir, el excedente es residuo/desperdicio. Por lo tanto, este residuo/desperdicio se utiliza para producir, por ejemplo, paneles de corcho, entre muchas otras aplicaciones. El polvo de corcho tiene varios usos, como la producción de materiales compuestos. Con este

trabajo se ha presentado otro uso, que contrapone, por ejemplo, su quema. La utilización de un residuo (también vegetal) en la sustitución de materias primas de origen fósil presenta diversas ventajas, como la reducción del impacto ambiental de los materiales, la reducción del consumo de materias primas de origen del petróleo, puede aumentar la biodegradabilidad de los materiales, reducir la huella ecológica de los materiales, aumentando su ecoeficiencia. Por último, también podría aumentar la sostenibilidad de la indústria generadora de residuos y de la que los explota.

¿La impresión en 3D que realizan es a nivel experimental o está testada por alguna empresa? La impresión 3D que realizamos fue a nivel experimental, pero en este momento la hemos sometido a una candidatura en un proyecto

Amorim. en su página web. También for Nature, más de cien mil personas es importante para la base de una eco- en el sur de Europa y en el norte de nomía de futuro ya que es el trabajo África dependen directa e indirecagrícola mejor pagado del mundo, tamente de estos bosques. Sólo en además un conjunto de otras activi- Portugal, donde existe la mayor área dades agronómicas, forestales, cinegé- de alcornocales del mundo, dependen ticas y económicas. directamente de esta economía cerca “Según WWF -World Wild Fund de 700 empresas responsables de más 44 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

¿Portugal está avanzado o atrasado en esta materia? En el caso de la corteza, Portugal es de los principales productores/ exportadores de corteza y, por lo tanto, su indústria está bastante desarrollada. En cuanto a la impresión 3D, puedo decir que Portugal no es el principal player, no obstante, dentro de la Universidad de Aveiro existen en este momento diversos proyectos utilizando la impresión 3D, por lo tanto, en el futuro puede ser que esta tecnología sea más común en el país.

¿Y en términos de la economía circular del corcho? Así mismo, respecto a la economía circular en lo que concierne a la corteza está bastante avanzada. En la industria del corcho se reutilizan prácticamente todos los subproductos.

de 8.300 puestos de trabajo directos, a lo que se suman millares de puestos de trabajo indirectos”, concluye la misma fuente. En definitiva, el aprovechamiento del corcho produce beneficios ambientales y sociales muy importantes y que deben ser tenidos en cuenta. 


gran tema grande tema

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 45


opinião opinión

Por Teresa Patrício da Silva*

Proibição de louça de plástico de utilização

única

P

ortugal vem, desde 2006, assumindo vários compromissos a nível Internacional, comunitário e doméstico no sentido de reduzir a utilização e promover a reciclagem de plásticos. Neste sentido, Portugal adotou medidas internacionais, comunitárias e nacionais, as mais relevantes das quais passamos a elencar:

Assembleia Geral das Nações, que consumo sustentáveis centradas em se centra nos “5P”: pessoas, planeta, todo o ciclo de vida dos produtos, de prosperidade, paz e parcerias. Este modo a preservar os recursos e fechar plano tem como objetivo erradicar a o ciclo. A utilização mais eficiente pobreza e o desenvolvimento susten- dos recursos proporcionaria também tável com a colaboração de todos os poupanças líquidas consideráveis às Estados e partes interessadas. empresas da União, às autoridades públicas e aos consumidores, reduLegislação comunitária zindo simultaneamente as emissões totais anuais de gases com efeito de Diretiva 2008/98/CE do Parlamento estufa”. Compromissos internacionais Europeu e do Conselho Esta Diretiva, de 19 de novem- O Acordo de Paris sobre as alteraResolução (A/RES/70/1) da bro de 2008, alterada pela Diretiva ções climáticas Organização Mundial das Nações (UE) 2018/851 do Parlamento O Conselho Europeu reafirmou Unidas Europeu e do Conselho de 30 de firmemente o compromisso da UE e Em 2015, Portugal adotou esta maio de 2018, relativa a resíduos na dos seus Estados-membros de impleResolução, “Transformar o nosso União Europeia, pretende melhorar mentar rápida e integralmente, o mundo: Agenda 2030 para o a gestão sustentável dos materiais, Acordo de Paris. O Acordo continua Desenvolvimento Sustentável”. por forma a “proteger, preservar e a ser uma pedra angular dos esforços Nesta cimeira foram adoptados melhorar a qualidade do ambiente, globais para combater efetivamente um conjunto de 17 Objetivos de proteger a saúde humana, assegurar as mudanças climáticas, constituindo Desenvolvimento Sustentável, bem uma utilização prudente, eficiente e um elemento essencial para a modercomo 169 metas que acompanham racional dos recursos naturais, pro- nização da indústria e da economia estes objetivos. É uma agenda com mover os princípios da economia europeias. É também essencial para uma dimensão universal, a ser imple- circular, reforçar a utilização da ener- implementar a Agenda 2030 para o mentada a nível global. gia renovável, aumentar a eficiência Desenvolvimento Sustentável. A UE A definição dos objetivos visa energética, reduzir a dependência e os seus Estados-Membros reforalcançar a gestão sustentável, o uso da União de recursos importados, çarão a cooperação com parceiros eficiente dos recursos, reduzindo o proporcionar novas oportunidades internacionais no âmbito do Acordo desperdício alimentar e a geração económicas e contribuir para a com- de Paris, em particular com os paíde resíduos através da prevenção, petitividade a longo prazo. A fim de ses mais vulneráveis, demonstrando redução, reciclagem e reutilização tornar a economia verdadeiramente assim solidariedade com as gerações até 2030. circular, é necessário tomar medidas futuras e responsabilidade por todo É um plano de ação, adotado pela adicionais em matéria de produção e o planeta.

46 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019


opinión

Diretiva (UE) 2019/904 do Parlamento Europeu e do Conselho Esta Diretiva, de 5 de junho de 2019, vem estabelecer medidas com o objetivo de prevenir e reduzir o impacto de determinados produtos de plástico no ambiente, mais particularmente no meio aquático e na saúde humana, bem como promover a transição para uma economia circular com modelos de negócio, produtos e materiais inovadores e sustentáveis. A Diretiva é aplicável aos 10 artigos de plástico de utilização única mais encontrados nas praias europeias, aos produtos feitos de plástico Oxo degradável e, às artes de pesca que contêm plástico, definindo medidas e objetivos diferenciados em função do tipo de artigo. Os Estados-Membros têm um prazo para implementar as disposições legislativas, regulamentares e administrativas necessárias para dar cumprimento à Diretiva, até 3 de julho de 2021, não obstante os diferentes prazos previstos para implementação de cada uma das medidas. Legislação nacional A nível nacional, foram adotadas as seguintes medidas no sentido de reduzir o consumo de produtos de plástico: Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de setembro O Artigo 7.º deste diploma dispõe que “a política e a legislação, em matéria de resíduos, devem respeitar a seguinte ordem de prioridades no que se refere às opções de prevenção e gestão de resíduos: a) prevenção e redução; b) preparação para reutilização; c) reciclagem; d) outros tipos de valorização, por exemplo a valorização energética; e) eliminação”. Não restam assim dúvidas quanto à prioridade da prevenção e redução face a todas as outras fases de gestão dos resíduos.

Resolução do Conselho de Ministros n.º 141/2018, de 26 de outubro Este diploma aprova medidas tendentes à promoção da utilização mais sustentável dos recursos e à adoção de soluções circulares na Administração Pública, promovendo a redução do consumo de produtos de plástico.

opinião

nicas – n.º 2 do artigo 3.º • No contexto de emergência social e/ou humanitária é permitida a utilização de louça de plástico de utilização única – n.º 3 do artigo 3.º Em termos de aplicação no tempo, o artigo 10.º dispõe que os prestadores de serviços de restauração e/ ou bebidas têm um ano a partir da data de entrada em vigor da lei, que ocorreu a 3 de setembro de 2019, para implementar as alterações; os prestadores de serviços não sedentários de restauração e/ ou bebidas e os prestadores dos serviços que ocorram em meios de transporte coletivos, têm dois anos para implementarem as referidas alterações; o setor do comércio a retalho tem três anos para implementar as alterações.

Lei n.º 69/2018, de 26 de dezembro Procede à primeira alteração ao Decreto-Lei n.º 152-D/2017, de 11 de dezembro, relativo ao Regime Unificado dos Fluxos Específicos de Resíduos, instituindo um sistema de incentivo à devolução de embalagens de bebidas em plástico não reutilizáveis, a implementar até 31/12/2019, bem como um sistema de depósito de embalagens de bebidas em plásti- Conclusão co, vidro, metais ferrosos e alumínio não reutilizáveis, obrigatório a partir Portugal entrou, assim, numa fase de 01/01/2022. de desenvolvimento e crescimento sustentável, apostando na sua Lei n.º 76/2019, de 2 de setembro vantagem competitiva e procuranEsta lei determina a não utilização do posicionar-se como líder desta e não disponibilização de louça de nova tendência global da econoplástico de utilização única nas ati- mia verde e da economia circular. vidades do setor de restauração e/ Tanto a nível Internacional, como ou bebidas e no comércio a retalho. a nível Comunitário e nacional, as Tem um âmbito abrangente, por medidas postas em prática foram forma a incluir todas as “atividades sempre com o mesmo objetivo de comércio a retalho”, “retalho comum, que é a redução gradual não sedentárias”, de “restauração de resíduos de plástico libertados e/ ou bebidas não sedentária” e no meio ambiente e minimizar a “estabelecimentos de restauração e/ utilização de utensílios de refeição ou bebidas”. descartáveis em plástico convenO n.º 1 do artigo 3.º determina cional (à base de petróleo). que, em todos os estabelecimenO objetivo primordial é transfortos, outros locais e atividades não mar o “descartável” em “reutilizásedentárias do setor da restaura- vel”, uma vez que estes resíduos de ção e/ou bebidas, deve ser utiliza- plástico são dos que mais poluem da louça reutilizável ou louça em o planeta, podendo permanecer no material biodegradável. meio ambiente durante décadas e As exceções são: pensa-se até mesmo séculos, ori• No contexto clínico/ hospitalar, ginando desequilíbrios graves nos com especiais indicações clínicas, ecossistemas.  é permitida a utilização de louça de plástico de utilização única, nos * Partner da Teresa Patrício & Associados termos das referidas indicações clíEmail: tp@tpalaw.pt DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 47


setor imobiliário

sector inmobiliario

Patrizia invertirá hasta 500 millones de euros en España y Portugal en 2020 L a gestora de inversión inmobiliaria alemana Patrizia prevé invertir entre 300 y 500 millones de euros en España y Portugal el próximo año, lo que le permitirá reforzar su posición en Iberia donde cuenta con 1.000 millones de euros bajo gestión. La compañía prevé mantener este ritmo de inversión de entre 300 y 500 millones durante los próximos tres años. Los segmentos en que prevemos centrarnos más en los próximos meses son oficinas, residencial y logístico, sin descartar otro tipo de activos si se presentan opor-

tunidades”, apunta Eduardo de Roda, nuevo director general de Patrizia en Iberia. Patrizia está focalizada actualmente retail y oficinas, con un 29% y 27%, respectivamente, seguido de logística (19%), residencial y hote-

lero, con un 12% cada uno de ellos. “No nos planteamos crecer por crecer, sino brindar el mayor valor a nuestros inversores”, añade De Roda. En concreto, en los últimos doce meses la compañía ha invertido 310 millones de euros en la región. La compañía cuenta actualmente con 30 propiedades en la región. La gestora, que opera solo en Europa, dispone de activos bajo gestión por 42 mil millones, con un peso del 64% del valor en Alemania. Por eso, la compañía tiene interés en diversificar en otras economías. 

Telefónica vende su sede histórica de Barcelona por 100 millones de euros

T

elefónica ha vendido su sede histórica de Barcelona, situada en el centro de la ciudad, en la confluencia de la calle Fontanella con la avenida Portal de l’Àngel.

48 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

La operación se cerró hace algunos meses y a pesar de completar la transacción, la operadora de telecomunicaciones continuará en el edificio en régimen de alquiler. De he-

cho, Telefónica continúa ocupando 12 de las 23 plantas del edificio, unos 15.000 metros cuadrados de un total de 26.000. Inaugurado en 1928, el edificio de Telefónica está situado al lado de la Plaza de Catalunya y acoge en sus plantas inferiores el espacio Movistar Center, que cuenta con una agenda de actividades relacionadas con la tecnología abiertas a los ciudadanos. El pasado mes de mayo, Emperador Properties, la división inmobiliaria del Grupo Emperador, propiedad del empresario filipino Andrew Tan, adquirió a Telefónica la Torre Diagonal 00 de Barcelona, edificio que alberga actualmente la sede de la compañía en Cataluña. 


sector inmobiliario

setor imobiliário

CaixaBank tendrá su primera oficina all in one de Madrid C aixaBank ha decidido situar su primera gran oficina del nuevo modelo all in one de Madrid en el emblemático edificio número 1 de la Plaza de Colón. Su anterior inquilino era desde 1971 Barclays, banco que vendió el inmueble en enero de 2017 a la gestora de activos internacionales CBRE Global Investors. La entidad de origen catalán alquiló este edificio, conocido como Axis, el pasado mes de junio. Su función inicial pasaba por albergar el área de banca privada de CaixaBank, pero finalmente, a mediados del pasado mes de octubre, el banco decidió

ubicar aquí la primera macrooficina de Madrid. El edificio destaca por su ubicación, en plena intersección entre la plaza de Colón, el paseo de la Castellana y el paseo de Recoletos de Madrid. El edificio está siendo remodelado por el arquitecto Norman Foster. Cuenta con 3.910 metros cuadrados de superficie repartidos en semisótano, planta baja y tres en altura.

De esta forma, esta megaoficina supera a la que acaba de inaugurar de este modelo en Barcelona, con 3.000 metros cuadrados, o la que ya abrió hace alrededor de un mes en Valencia, de 2.200 metros cuadrados. 

Textos Belen Rodrigo brodrigo@ccile.org Fotos DR

PUB

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 49


eventos eventos

01

Presidente da AICEP: “O que é português é bom”

02

O resto do mundo já sabe que “o que é português é bom”, afirma Luís Castro Henriques, presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, informando que o peso dos produtos de maior valor acrescentado tem crescido nas exportações portuguesas. O responsável pela AICEP está convencido que o país vai continuar a evoluir de forma positiva no que se refere à captação de investimento e às exportações, já que as empresas com perfil exportador apenas representam 6,3% das SNF portuguesas.

A

Texto Actualidad€ actualidade@ccile.org Fotos Sandra Marina Guerreiro sguerreiro@ccile.org

o longo das últimas três dé- para o Investimento e Comércio Lisboa. “O maior aumento das excadas “o paradigma de in- Externo de Portugal, no início da portações portuguesas aconteceu vestimento e de exportação sua intervenção no almoço de negó- em 2011”, recorda o gestor, comenem Portugal alterou-se sig- cios promovido pela Câmara de Co- tando que além de as exportações nificativamente”, frisa Luís Castro mércio e Indústria Luso-Espanhola, terem aumentado, o nosso perfil exHenriques, presidente da Agência no passado dia 31 de outubro, em portador mudou: “Há duas ou três 50 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019


eventos

eventos

03

04

03

05 décadas o paradigma de exportações assentava nos produtos de baixo custo e de baixo valor acrescentado, com uma forte dependência do mercado europeu”. O Investimento Direto Estrangeiro (IDE) vinha de “empresas que apostavam na mão-de-obra intensiva, trazendo para o país pouco valor acrescentado”. O IDE de alto valor acrescentado “estava concentrado sobretudo no setor automóvel”, acrescenta Luís Castro Henriques. Atualmente, “a base exportadora está mais alargada e mais diversificada, quer em produtos, quer em mercados e o peso dos produtos de alto valor acrescentado e com componente tecnológica, na nossa balança exportadora, é cada vez maior”, constata o presidente da AICEP, acrescentando que “há a noção clara de que o que é português é bom, mesmo nos setores tradi-

Os investidores procuram Portugal pela “enorme qualidade e flexibilidade dos recursos humanos portugueses... pelo acesso a uma boa rede de infraestruturas e centros de investigação, bem como devido à existência de redes de fornecedores de elevada qualidade”

06 cionais”, uma vez que “aumentou a qualidade dos produtos e melhorou a reputação dos setores tradicionais e de mão de obra intensiva, como é o caso do têxtil, por exemplo”. Também “batemos recordes de angariação de investimento, e os projetos são cada vez mais sofisticados e inovadores”, nota Luís Castro Henriques, salientando que “se verifica um “crescente peso de setores tecnologicamente avançados e com alto VAB, com o surgimento de novos clusters de indústrias de ponta”. Há novos investimentos “em centros de serviços partilhados”. Os investidores procuram Portugal pela “enorme qualidade e flexibilidade dos recursos humanos portugueses, sobretudo em áreas como a engenharia ou as línguas, pelo acesso a uma boa rede de infraestruturas e centros de investigação, bem DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 51


eventos eventos

como devido à existência de redes de fornecedores de elevada qualidade, como acontece com o setor automóvel ou aeronáutico”. O gestor assinala que os dois principais construtores de aviões têm uma presença industrial em Portugal. Apesar de as exportações representarem “35% do peso no volume de negócios total do país e 23% do emprego, as empresas com perfil exportador apenas representam 6,3% das SNF (Sociedades Não Financeiras) portuguesas”, o que “é pouco, se comparamos com o resto da Europa”, comenta Luís Castro Henriques, admitindo que é preciso trabalhar no sentido de continuar a evoluir. Neste quadro de economia global, é de notar que “o volume das trocas bilaterais aumentou quase quatro vezes ao longo dos últimos 20 anos” e que Espanha continua a ser um parceiro fundamental para Portugal, 52 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

07

08

09

10

espanhola. Entre 2015 e 2018, Espanha cresceu 12% e as exportações “Batemos recordes portuguesas de bens e serviços cresceram mais de 22%. Por seu lado, de angariação de Espanha exporta mais para Portugal investimento e os do que para toda a América Latina”, sublinha o presidente da AICEP, projetos são cada acrescentando que os espanhóis vez mais sofisticatêm também investido em Portugal, dando o exemplo de empresas como dos e inovadores” a Mercadona, a Repsol, a Coviran, a Finsa ou a Font Salem. “Existe uma no papel de principal importador grande complementaridade entre o dos produtos portugueses e maior tecido industrial português e o espafornecedor do país. “Espanha é o nhol”, realça. De acordo com os dados da AICEP, primeiro cliente (absorvendo mais de 20% do total das vendas para o há sete mil empresas portuguesas a exterior) e o primeiro fornecedor exportar para Espanha – mais 1.500 (mais de 30% total das importações novas entre 2015 e 2018”. O volume chegam de Espanha). Portugal é o global das trocas comerciais bilaterais quarto cliente e o oitavo fornecedor de bens e serviços em 2018 ascendeu do mercado espanhol. A evolução a 45 mil milhões de euros, o que cordas exportações para Espanha acom- responde a 22% do PIB português. panhou a boa evolução da economia Espanha lidera o ranking de clien-


eventos

eventos

11

12

13

14

tes portugueses, seguido da Alema- que há dados novos na equação do nha, da França e do Reino Unido, comércio internacional e que Poros mesmos quatro que encabeça- tugal pode tirar partido disso: “O vam a lista em 2001. A novidade e-commerce está a crescer e neste é a entrada para o top 15 de clien- contexto, a proximidade e a propostes de países como o Brasil a China, ta de valor são cada vez mais imporMarrocos. tantes, pelo há oportunidades enorLuís Castro Henriques considera mes para portugueses e espanhóis”. 01. Luís Castro Henriques, presidente da AICEP 02. Enrique Santos, Luís Castro Henriques, Marta Betanzos e Luís de Castro e Almeida 03. Cai Run e Marta Betanzos 04. Cai Run, Juan Santos, André Stock e Jorge Ferreira 05. Maria Celeste Hagatong e Luís Castro Henriques 06. António Silva Diogo Lacerda, Luís Castro Henriques e José Vital Morgado 07.Luisa Cinca, Rodolfo Serrano, Christian Torrell, Margarita Hernández, Manuela Barber e Antonio Braz

O presidente da AICEP está otimista quanto à evolução das exportações ibéricas, mas também relativamente ao investimento: “Vamos ter cada vez mais investimentos espanhóis estruturantes em Portugal. Estamos convencidos (na AICEP) de que 2020 vai ser um ano bom”. 

08.Laia Cerdán, Ana Paula Ferreira, Laura Domínguez, Sandra Guerreiro, Bernardo Pinheiro-Torres e Hortense Atanásio 09.José Lucas, Maria Almeida, Julia Llata, Luís Lucas 10.Maria José Melo, Cláudia Almeida e Susana Marinho 11.Luís de Castro e Almeida, Cláudia Almeida, Diogo Lacerda e João Viegas Anjos 12.José Catarino Tavares, Cristovão Byrne e Maria Celeste Hagatong 13.Juan Francisco Montalbán, Cai Run, Xiang Xuan e Pedro Moriyón 14.Pedro Ruiz, Cristina Matos e Bruno Costa

Patrocínios:

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 53


Vinhos & Gourmet

vinos & Gourmet

Casa Relvas propõe visitas e prova de vinhos para o Natal C om mais uma época natalícia à porta, voltam as escolhas difíceis sobre os presentes para oferecer. Mas há sempre aqueles amigos ou familiares para quem sabemos que o vinho é a escolha mais acertada, e, por isso, a Casa Relvas tem algumas sugestões e edições de oferta que vão de certo ser do agrado de muitos. Mas este ano, além um bom vinho, e para os maiores apreciadores ou para os mais curiosos do mundo vitivnícola, o produtor de vinhos alentejano apresenta uma proposta mais original, e sugere uma “Experiência na Adega”, um voucher , para duas pessoas, disponível em duas opções (para compra em presença ou por email ), e com validade até 1 de dezembro de 2020. 

54 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

La Rosa Reserva tinto 2016’ com 94 pontos e no ‘TOP 100 Cellar Selections’ da Wine Enthusiast A duriense Quinta de La Rosa acaba de receber mais uma boa notícia, a propósito do seu La Rosa Reserva tinto 2016. Não só chegou ao patamar dos 94 pontos na crítica de Roger Voss, responsável pela avaliação dos vinhos portugueses na “Wine Enthusiast”, como isso o levou a conquistar um lugar no pódio do “Top 100 Cellar Selections of 2019” da revista norte-americana. Ascendeu ao 64.º lugar da lista mundial dos 100 melhores vinhos de guarda. Mas a “Wine Enthusiast” não foi a única publicação internacional a deliciar-se com o La Rosa Reserva tinto 2016. A “Wine Spectator” atribuiu-lhe 93 pontos, seguindo-se, o convite para a Quinta de La Rosa participar – pela primeira vez e com este néctar – na “New York Wine Experience”, uma mostra de vinhos muito exclusiva, onde apenas participaram 270 vinhos do mundo inteiro, a convite da revista, adianta fonte da Quinta de la Rosa. “A publicação ‘Rober Parker Wine Advocate’ também se rendeu ao mesmo, cabendo a nota de prova nos 92-94 pontos”, adianta a mesma fonte. Em Portugal, o La Rosa Reserva tinto 2016 foi distinguido no “Concurso Vinhos de Portugal”, com uma medalha de Grande Ouro. Ora aqui está uma excelente premissa para este tinto do Douro, prestes a dar a vez à colheita de 2017. Predominado pela Touriga Nacional (60%), a casta-bandeira de Portugal, entre uma panóplia

de variedades de uvas provenientes de Vinhas Velhas, o La Rosa Reserva tinto 2016 “denota peso e um maravilhoso caráter perfumado, que ajuda a aperfeiçoar os seus poderosos taninos”, segundo Roger Voss. O crítico da especialidade realça, ainda, o potencial deste vinho, daí que o seu consumo possa ser adiado para 2022. O La Rosa Reserva tinto 2016 foi, maioritariamente, fermentado em tradicionais lagares de granito com pisa a pé. O estágio decorreu em barricas de carvalho francês e foi engarrafado em julho de 2018. Graças às condições climáticas registadas nesse ano, revela-se um vinho fresco, estruturado, com máxima expressão aromática. Denota um perfil menos maduro do que o ano de 2015. Na boca, apresenta uma excelente estrutura, com textura complexa, onde a fruta em boca é um prolongamento do que se sente em nariz. Os taninos finos e firmes conferem classe e longevidade a este néctar que, à mesa acompanha, preferencialmente, pratos de carne fortes, enchidos ou queijo da Serra. 


Masterclass de Vinhos Quinta da Gaivosa de Espanha Casa Rojo lança Vinha de Lordelo 2016 O N produtor Bodegas Casa Rojo, juntamente com a La Vida Ibérica, realizou uma masterclass de vinhos espanhóis no Gourmet Experience - El Corte Inglés de Lisboa, junto com o contributo do representante dos Queijos de ovelha La Antigua de Fuentesaúco, que harmonizaram a degustação. A Casa Rojo, com sede em Paraje de La Raja, Jumilla (zona mediterrânica espanhola), caracteriza-se por elaborar pequenas produções de vinho em diferentes regiões de Espanha de modo a refletir o património vínicola espanhol. Trabalham com uvas autóctones que selecionam em cada uma dessas regiões, viajando desde as Rías Baixas (Galiza) até Jumilla (Região de Múrcia) e passando por Rioja, Ribera del Duero, Bierzo, Rueda ou Penedés, entre outras. Este inovador projeto enológico, que insere a legenda de “Enologia Criativa”, nasceu no ano 2010, pelas mãos de José Luis Gómez e Laura Muñoz. Cada um dos seus vinhos, elaborados em nove diferentes zonas de Espanha, conta uma determinada história, de trabalho no campo, de superação, de tradição, mas também de inovação. Nomes como MachoMan Monastrell, The Invisible Man ou El Gordo del Circo fazem parte dos vinhos elaborados, vinhos que se encontram nos melhores restaurantes do mundo e que em Portugal, desde há alguns meses, podem-se encontrar na secção Gourmet do El Corte Inglés (Lisboa e Gaia-Porto). Nesta ocasião, os vinhos em prova foram: El Gordo del Circo, D.O. Rueda; The Orange Republic, D.O.Valdeorras; Ladrón, D.O. Bierzo; The Invisible Man, D.O. Rioja; Alexander The Great, D.O. Ribera del Duero; MachoMan Monastrell, D.O. Jumilla. 

ascido na centenária Vinha do Lordelo, o majestoso anfiteatro natural da Quinta da Gaivosa, o homónimo Quinta da Gaivosa Vinha de Lordelo (na foto, o Quinta da Gaivosa Vinha de Lordelo, e não o Tapada de Coelheiros Tinto, como, erradamente, se ilustrou na notícia da pág. 61 da última edição) apenas se revela em anos de qualidade excecional, senda a colheita de 2016 o mais recente lançamento. Com uma produção bastante limitada, a Vinha de Lordelo expressa as várias nuances e particularidades do terroir onde se insere. No vinho, imprime uma inigualável riqueza aromática, elevada frescura e enorme complexidade, características potenciadas apenas pela qualidade do ano de colheita. A exclusiva edição deste icónico monovinha já se encontra disponível no mercado português, com distribuição da OnWine Nacional. 

Quanta Terra Golden Edition: uma era Douro E m 2011, Celso Pereira e Jorge Alves, os enólogos responsáveis pelo projeto Quanta Terra, resistiram à corrente que marcava a região do Douro e decidiram começar a reservar, todos os anos, nas suas melhores barricas, cerca de mil litros do vinho destinado à produção dos brancos da casa. Seis anos mais tarde, numa prova ocasional, redescobriram estes lotes e ficaram surpreendidos pela sua elevada qualidade, resultado de uma excelente evolução no tempo.

Depois do sucesso do primeiro lançamento no ano passado, colheita de 2011, chega agora ao mercado a edição especial Quanta Terra Golden Edition Branco 2012. Elaborado a partir de um blend das castas Gouveio (50%) e Dorinto, Donzelinho e Boal (50%), oriundas de vinhas plantadas no Planalto de Alijó, a cerca de 650 metros de altitude, em solos de transição entre xisto e granito, o grande segredo deste vinho está no paciente estágio a que foi

submetido. Durante seis anos, repousou em barricas usadas de carvalho francês, com capacidade para 228 litros. O resultado é um vinho com personalidade própria, marcado pela complexidade de aromas e sabores ao primeiro contacto. Mineral e com uma frescura intensa, revela uma harmoniosa acidez e um final longo e cativante. Desenhado para resistir ao tempo, pode no entanto ser desde já consumido. O preço de venda (PVP) recomendado é de 60 euros. 

Textos Olga Hernández colga@ccile.org Fotos DR DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 55


Vinhos & Gourmet

vinos & Gourmet

Portugal é o terceiro maior exportador de azeite da União Europeia A s exportações de azeite português representam já 10% das exportações globais deste produto no conjunto dos 28 Estados-membros da União Europeia, de acordo com os dados do Eurostat.Em 2018, Portugal exportou 56 mil toneladas de azeite para fora da União Europeia, sendo assim o terceiro maior exportador entre os 28 países comunitários, depois de Espanha e Itália. Esse volume de exportações corresponde a 10% do total. Apesar de ser o terceiro “classificado”, Portugal fica longe dos volumes exportados por Espanha (52% do total) e por Itália (33%). Ainda assim, o azeite exportado por Portugal para fora da União Europeia gerou receitas de 257,1 milhões de euros para os produtores nacionais no ano passado. Este é o valor mais elevado de sempre, segundo a série histórica do Eurostat, e mais do dobro do que se verificava há dez anos. Em 2009, Portugal exportava cerca de 100 milhões de euros em azeite para fora da UE. A maior parte das exportações de azeite para fora da UE têm

como destino os Estados Unidos. Estes absorvem 35% do azeite que os europeus exportam. Segue-se o Brasil com 11%, o Japão com 9%, o Canadá e a Austrália ambos com 5%. No entanto, a maior parte (63%) do azeite exportado pelos Estadosmembros é importado pelos seus vizinhos. Também nessa ótica Espanha e Itália dominam as exportações. Porém, no mercado interno, a Grécia supera Portugal, ficando com o terceiro lugar de maior exportador. O azeite

português é o quarto mais exportador dentro da UE, em termos de valor (321,2 milhões de euros). Neste caso, a evolução ao longo dos anos é ainda mais expressiva. Recuando a 2010, Portugal apenas exportava 33 milhões de euros de azeite para o mercado interno da UE. No ano seguinte, o valor subiu exponencialmente para 73 milhões de euros e assim foi crescendo até aos mais de 300 milhões de euros (10 vezes mais do que em 2010) atingidos no ano passado. 

Nasce um novo topo de gama dos brancos da Marcolino Sebo O produtor Marcolino Wines And Oils decidiu proceder ao upgrade da sua gama de brancos, produzindo um novo vinho, o Visconde de Borba Branco Reserva 2017, que passa a ocupar o topo de uma hierarquia já muito reconhecidamente valorizada. Obtido a partir das castas Antão Vaz e Chardonnay, este vinho

de excelência teve fermentação em barricas de carvalho francês. É um vinho de cor de palha ligeira, aroma complexo de fruta tropical, especiarias, frutos secos (avelã) e algum toque cítrico. Na boca, é macio com boa estrutura, ligeira acidez e um final de prova bastante persistente. Aconselha-se, especialmente, para acompanhamento de pratos de peixe assado e carnes brancas, devendo ser servido a uma tem-

peratura entre os 10 e os 12 graus centígrados, recomenda o produtor alentejano. Foram engarrafadas 4.200 unidades, que devem ser comercializadas com um preço de venda ao público (PVP) recomendado de 11 euros. Jorge Santos foi, mais uma vez, o enólogo responsável por todo o processo de produção deste novo vinho da Marcolino Wines and Oils. 

Textos Actualidad€ actualidade@ccile.org Fotos DR

56 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019


vinos & Gourmet

Vinhos & Gourmet

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 57


ciência e tecnologia

Ciencia y tecnología

esenhada para criar mudanças sociais positivas em larga escala, o AI Moonshot Challenge desafia equipas de todo o mundo a resolver problemas ambientais complexos, através da inteligência artificial (IA) e de outras tecnologias espaciais emergentes. Precisamente 50 anos depois da humanidade ter dado o seu grande passo no espaço, o AI Moonshot Challenge abre a oportunidade para que talentos de todo o mundo possam utilizar a tecnologia e os dados para encontrar soluções para os problemas mais prementes da terra. Nesse sentido, ao atrair e apoiar o desafio de encontrar soluções ambiciosas de mudanças em larga escala, esta competição posicionará Portugal e a Europa na vanguarda da IA e das tecnologias espaciais emergentes, afirmou o ministro Adjunto

e da Economia, Pedro Siza Vieira (na foto, à esq.). A edição inaugural do programa concentra-se na gestão de resíduos e sustentabilidade, nomeadamente na deteção, localização e monitorização de resíduos marítimos à escala planetária. Equipas de todo o mundo irão competir para encontrar a melhor solução para este complexo problema, aplicando técnicas avançadas de IA para analisar grandes quantidades de dados. A partir de janeiro de 2020, os participantes terão nove meses para desenvolver, experimentar e validar suas soluções de IA com grandes dados da terra.

Foto Sandra Marina Guerreiro

FCT, PT Space, ESA e Unbabel lançam competição global envolvendo IA e tecnologias do espaço D

Os vencedores serão anunciados em novembro do próximo ano, na Web Summit 2020, e receberão um prémio de 500 mil euros para formar uma equipa de especialistas e realizar pesquisas adicionais em Portugal por um período de até dois anos. 

OutSystems anuncia Low-Code School para formar novos profissionais

A low-code

OutSystems, empresa líder mundial do mercado de plataformas para o desenvolvimento rápido de aplicações, anunciou o lançamento da Low-Code School. O principal objetivo desta iniciativa “é formar profissionais na tecnologia OutSystems, de forma a aumentar as suas oportunidades de carreira e expandir o atual ecossistema em constante crescimento”, afirma a tecno-

58 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

lógica portuguesa. Com o lançamento deste programa estão previstas cinco edições, em regime integral e pós-laboral, nas cidades de Lisboa, Braga e Castelo Branco. Os cursos, totalmente gratuitos, estão disponíveis para estudantes finalistas e/ ou recém-formados de cursos profissionais (na área de Ciências Informáticas), bem como para programadores com mínimo de três anos de experiência profissional em linguagens de programação web ou mobile. A Low-Code School consiste numa formação de duas semanas em tecnologia OutSystems, com acesso gratuito a exame de certificação profissional e a oportunidade de uma

proposta de emprego numa empresa parceira do ecossistema OutSystems. Até ao final do ano, o objetivo é formar mais de uma centena de novos profissionais na tecnologia low-code. A primeira edição decorreru em Lisboa, entre 21 de outubro a 4 de novembro, em horário pós-laboral. As próximas edições pós-laboral para profissionais ocorrerão em Castelo Branco, de 2 a 16 de dezembro. A procura de profissionais com certificação técnica em OutSystems tem vindo a crescer de forma sustentada e é expectável que venha mesmo a duplicar no próximo ano. Atualmente em Portugal e Europa existem mais de 600 vagas que procuram profissionais com certificação nesta tecnologia low-code. 


Ciencia y tecnología

ciência e tecnologia

Minsait inaugura centro de desenvolvimento tecnológico e de incubação na Amadora A

Minsait, uma empresa do grupo Indra, inaugurou um novo centro de desenvolvimento tecnológico, no espaço de negócios Villa Park, na Amadora (Lisboa). Na ocasião, a Minsait e a Câmara Municipal da Amadora (CMA) assinaram um protocolo de colaboração para a criação de uma incubadora de ideias e startups da Amadora Inovation num espaço de co-inovação criado pela Minsait. A Onesait Platform Community permite a programadores das startups e da Minsait colaborarem na construção de projetos digitais usando componentes de open source, que permitem o desenvolvimento de soluções clássicas no que toca à gestão e combinação das mais recentes tecnologias, como o caso da big data, inteligência artificial e internet das coisas.“Encontrámos na Amadora um importante apoio institucional à inovação, ao mesmo tempo que estamos próximos de importantes centros de talento. São estes os fatores chave para esta decisão de abrir um novo

centro de desenvolvimento tecnológico no concelho,” refere Vicente Huertas Pardo, CEO da Minsait em Portugal (na foto, a assinar o acordo com a presidente da CMA, Carla Tavares). Em Portugal, o negócio da Minsait tem vindo a acompanhar a curva de crescimento da transformação digital no mercado, aumentando a sua carteira de clientes, as receitas e a contratação de novos recursos. A Minsait tem estado envolvida em alguns dos principais projetos de transformação digital em Portugal, em setores como a energia, indústria e consumo, serviços financeiros, telecomunicações e media, bem como a administração pública (central e local).

“A Minsait tem para Portugal um ambicioso plano de crescimento. O país é uma das geografias-chave na Europa e queremos alavancar o talento local, fruto da excelente formação que os programadores têm no país, sejam eles de universidades ou politécnicos, para exportar serviços e produtos de software para os grandes clientes da Minsait na Europa”, destacou Vicente Huertas Pardo. 

SiteMinder cria a primeira ligação universal de aplicações para serviços hoteleiros A SiteMinder, a plataforma líder mundial na aquisição de hóspedes no setor hoteleiro, lança a Hotel App Store, a primeira loja de aplicativos que permite a hotéis de todas as dimensões descobrirem, escolherem e conectarem-se facilmente a aplicativos através dos seus sistemas, oferecendo assim uma melhor experiência para os hóspedes e aumento de rendimentos para os hotéis. A Hotel App Store da SiteMinder vem abrir esse acesso a todos os hotéis, ao permitir que estes se co-

nectem a mais de 100 aplicativos diretamente, incluindo aplicativos de gestão de receitas e de vendas, de mensagens de hóspedes, de reviews de hóspedes, controlos de quarto, transfers de aeroportos e entrada sem chave, através de uma interface única e a partir de uma seleção de mais de 80 PMS ou do gestor de canais da SiteMinder. “A Hotel App Store é uma grande oportunidade para encontrar soluções prontas em que não tínhamos pensado ou que não conseguíamos encontrar. Tornou-se um

local confiável para serviços que, em circunstâncias normais, implicariam todo um esforço de programações e integrações extras”, explicou o gerente de E-commerce da cadeia hoteleira, Nuno Sacramento. A plataforma SiteMinder já ganhou a confiança de mais de 35 mil hotéis, em 160 países, para gerar mais de 87 milhões de reservas, equivalentes a mais de 28 mil milhões de dólares (cerca de 25,4 mil milhões de euros) em receitas anuais para estes hotéis. 

Textos Olga Hernández olga@ccile.org Fotos DR DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 59


Setor automóvel sector automóvil

Por Nuno Ramos nrc.gmv@gmail.com

Cupra Ateca

Edição limitada A Cupra aumenta níveis de sofisticação e de desempenho para um patamar ainda maior, num SUV de elevadas performances. Apenas serão produzidos 1.999 Cupra Ateca Limited Edition, proporcionando elevada exclusividade.

C

Fotos DR

upra era o nome das versões mais desportivas da SEAT. Agora, autonomizada como marca virada para a criação de modelos desportivos e no futuro também vai englobar propostas elétricas e eletrificadas. A Cupra virou-se para o Ateca e entendeu que era chegada a hora de posicioná-lo como uma proposta ainda mais desportiva e, simultaneamente, com uma dose extra de refinamento. O resultado assume a forma de uma edição limitada a apenas 1999 unidades para todo o mundo, cujo lançamento traz outra novidade: a estreia de uma plataforma de reservas online, que 60 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

irá permitir aos clientes reservar o seu SUV até seis semanas antes do arranque das vendas. Para já, esta ferramenta só estará disponível em Espanha, mas oferece um primeiro vislumbre de como poderá vir a ser desenhada a estratégia de e-commerce da marca. Em termos de imagem e dimensões, não há grandes diferenças entre o SEAT Ateca e o Cupra Ateca, mas os mais atentos vão reparar no spoiler anterior, na grelha dianteira com o logótipo Cupra, nas jantes de 19 polegadas e nas quatro saídas de escape e alguns detalhes estéticos específicos. No interior prossegue o reforço do caráter desportivo, nomeada-

mente com a inclusão de bancos tipo bacquet em alcântara azul petróleo, tonalidade que se encontra ainda nos bancos traseiros e nos painéis das portas. Além disso, as saídas de ar e a consola central passam a ser emolduradas a negro, ficando a fibra de carbono reservada para a capa da chave e para a base do painel de instrumentos e dos comandos de climatização. Na consola, entre os assentos dianteiros, surge o comando que permite escolher os “modos” de condução , Comfort, Sport, Individual, Snow, Offroad e Cupra. O espaço disponível para os ocupantes dos bancos traseiros e o volume da bagageira é de 485 litros.


sector automóvil Setor automóvel

O volante tem a assinatura Cupra, sete velocidades e tração integral. A mas todo o sistema digital do painel diferença é que, nesta versão espede instrumentos e do ecrã central é cial, o “cantar” do SUV compacto semelhante ao que a SEAT lançou ganha outra sonoridade, cortesia em 2018, quando apresentou este do sistema de escape em titânio da SUV. O painel de instrumentos Akrapovic, que retira 7 kg ao peso pode ser configurado a gosto e, no total do Cupra Ateca. modo de condução Cupra, assume Apesar dos 1.615 quilogramas de peso, o Cupra Ateca é capaz de pero conta-rotações em destaque. Sob o capot não há novidades, formances elevadas, como atestam com o Cupra Ateca Limited Edi- os 5,2 segundos dos zero aos 100 tion a continuar a recorrer ao 2.0 km/h, os 25,1 segundos nos zero TSI de 300 cavalos e 400 Nm, cai- aos 1000 m, ou os 247 km/h de xa de dupla embraiagem DSG com velocidade máxima. As emissões

médias oficiais são de 168 g/km ao que corresponde um consumo de 7,4 l/100 km. Em Portugal, o Cupra Ateca estará disponível a partir dos 52.494 euros. Um valor que pode subir quando navegamos pela lista de opcionais. Deixemos alguns exemplos: bancos tipo baquet em alcântara: 1.506 euros; sistema de som BeatsAudio, 439,59 euros; teto panorâmico, 981,56 euros; ou a pintura metalizada, 522 euros.  PUB

Sponsors Oficiais Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 61


barómetro financeiro

barómetro financiero

Economia portuguesa abranda crescimento

Foto DR

economia portuguesa abrandou A o ritmo de crescimento, no terceiro trimestre, para 0,3%, face ao

trimestre anterior, mas uma revisão nos primeiros seis meses revelou um crescimento homólogo mais rápido. Assim, após a revisão em alta do Instituto Nacional de Estatística (INE) do crescimento homólogo do PIB nos dois primeiros trimestres do ano em uma décima– passando assim de 0,5 para 0,6% do PIB em cada um deles – verifica-se que o crescimento no terceiro trimestre abrandou. Apesar deste abrandamento do

ritmo de crescimento em cadeia, a economia cresceu 1,9% em termos homólogos, a previsão que o Governo mantém para o conjunto do ano. O menor crescimento da economia deve-se a uma desaceleração do investimento. Mas a manutenção da procura interna, em especial com a aceleração do consumo privado, permitiu à economia manter o ritmo de crescimento em termos homólogos, apesar do menor crescimento face ao segundo trimestre do ano. O Governo e o FMI esperam que a economia cresça 1,9% este ano.

Taxa de inflação recua para valores negativos

Exportações aumentam 5,8% e importações sobem 13,2% em setembro

A taxa de inflação anual na União Europeia recuou para 1,1% em outubro. Já nos países da Zona Euro caiu para 0,7%. Portugal tem os preços a recuar, registando a terceira menor taxa negativa, menos 0,1%, em outubro, de acordo com os dados do gabinete de estatísticas europeu. Os dados relativos a outubro revelam que em igual período de 2018 a taxa foi de 0,8%. Já quanto ao mês de setembro deste ano, a taxa registada em Portugal foi de menos 0,3%. A taxa de inflação anual recuou, em outubro, para 0,7% na Zona Euro, o que compara com uma taxa de 2,3% em igual período de 2018 e com 0,8% em setembro deste ano, revela o Eurostat.

As exportações de bens aumentaram 5,8% e as importações subiram 13,2% em setembro face ao mesmo mês de 2018, recuperando da quebra de 4,5% registada em ambos os fluxos em agosto. De acordo com as Estatísticas do Comércio Internacional do INE, "destacam-se os acréscimos nas exportações e importações de material de transporte (+19,8% e +30,1%, respetivamente) e nas importações de combustíveis e lubrificantes (+40,4%)". Excluindo os combustíveis e lubrificantes, em setembro as exportações aumentaram 7,2% e as importações cresceram 10,3% (-0,1% e +4,0%, respetivamente, em agosto de 2019). No mês em análise, o défice da balança comercial de bens atingiu 1.802 milhões de euros, mais 518 milhões do que no mês homólogo de 2018, sendo que, excluindo os combustíveis e lubrificantes, o saldo foi negativo em 1.195 milhões, deteriorando-se em 234 milhões face a setembro de 2018. No terceiro trimestre de 2019, as exportações e as importações aumentaram 1,2 e 6,3%, respetivamente, face ao mesmo período de 2018 (-3,6% e +0,5%, pela mesma ordem, no trimestre terminado em agosto de 2019).

Taxa de desemprego volta a cair em outubro O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Portugal voltou a diminuir em outubro, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP). No total, existem cerca de 300 mil desempregados inscritos nos centros de emprego, o que corresponde a menos 0,4%, ou 1.263 pessoas, do que em setembro. Já quando comparado com o mês homólogo de 2018, a quebra é de 10,2%, ou que corresponde a 34.222 pessoas. A redução do número de inscritos nos centros de emprego tem acompanhado a evolução da taxa de desemprego, que

tem vindo a diminuir. Os últimos dados conhecidos referemse a setembro, tendo a taxa de desemprego recuado para 6,1%, o valor mais baixo da série de dados desde 2011. Comparando com séries anteriores, é o menor valor desde 2003, adiantam os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Contudo, não foi apenas o número de inscritos nos centros de emprego que diminuiu. As ofertas de emprego também registaram uma redução, quer em termos homólogos quer em cadeia. As regiões do centro, Açores e o Algarve são onde a procura das empresas mais caiu. Textos Actualidad€ actualidade@ccile.org

62 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019


intercâmbio comercial intercambio comercial

Intercambio comercial luso

español en enero-septiembre de 2019

S

e acaban de hacer públicos los datos estadísticos del comercio hispano portugués referentes a los nueves primeros meses del año. Se mantiene un ritmo y un volumen de intercambios comerciales muy importante habiendo superando, en dicho periodo, los 24.515,7 millones de euros frente a los 24.236,5 millones alcanzados en el mismo periodo del año pasado lo cual significa un ligero incremento del 1,2%. Las compras españolas registraron una ligera disminución del -3,7% habiendo superado los 8.326,1 millones de euros frente a los 8.648,2 millones en 2018, y las ventas española a su vecino Portugal alcanzaron los 16.189,6 millones de euros este año frente a los 15.588,3 millo-

nes del año pasado, lo cual repre- conjunto del 24,2% del comercio senta un aumento del 3,8 %. exterior español. El mes de septiembre respecto al Tampoco se detectan considerames de agosto presenta aumentos bles alteraciones en la distribución significativos tanto en las ventas sectorial del comercio hispano porcomo en las compras españolas, del tugués (cuadros 4 y 5). Encabeza la 15,1 y del 44,5%, respectivamente. lista de las principales partidas de la Respecto a los cuadros 2 y 3 que oferta española la partida 87 (vehírecogen la distribución geográfica culos automóviles; tractor) con del comercio exterior español se 1.643,5 millones de euros, seguido mantiene la estructura habitual en de la partida 84 (máquinas y aparala cual el mercado portugués conso- tos mecánicos), con 1.161,3 millolida de nuevo la cuarta posición en- nes, y la 27 (combustibles, aceites tre los principales clientes de Espa- minerales), con 1.082,9 millones. ña con un peso relativo del 7,5% y En la demanda española destacan la octava posición entre los princi- igualmente la partida 87 (vehículos pales proveedores con un peso rela- automóviles; tractor), con una cifra tivo del 3,5%. A su vez los merca- que supera los 1.158,1 millones de dos francés y alemán, que suman euros, seguido de la partida 39 (maambos una cifra de transacciones terias plásticas; sus manufacturas), de 110.662,8 millones de euros, li- con 630,2 millones, y la 84 (Máderan este ranking y representan en quinas y aparatos mecánicos), con

Balanza

1.Balanza comercial de España con Portugal en enero-septiembre de 2019 VENTAS ESPAÑOLAS 19

COMPRAS ESPAÑOLAS 19

Saldo 18

Cober 18 %

ene

913 960,29

828 775,04

190,68

1 724 280,06

883 855,16

840 424,90

195,09

feb

1 706 821,40

873 899,16

832 922,24

195,31

1 619 549,72

907 007,03

712 542,69

178,56

mar

1 812 053,31

984 166,48

827 886,83

184,12

1 772 798,36

1 024 557,96

748 240,40

173,03

abr

1 810 815,75

906 315,91

904 499,83

199,80

1 660 720,07

972 023,11

688 696,95

170,85

may

1 951 251,80

999 087,41

952 164,40

195,30

1 870 420,80

1 012 520,48

857 900,32

184,73

jun

1 894 918,30

892 750,62

1 002 167,69

212,26

1 768 703,00

1 056 754,24

711 948,77

167,37

jul

1 888 569,00

1 057 136,40

831 432,60

178,65

1 792 110,10

1 050 599,30

741 510,80

170,58

ago

1 572 644,63

694 691,19

877 953,44

226,00

1 659 938,34

841 414,54

818 523,80

197,28

sep

1 809 737,87

1 004 127,43

805 610,44

180,00

1 719 811,59

899 423,91

820 387,68

191,21

oct

0,00

0,00

0,00

0,00

1 974 638,16

1 020 896,56

953 741,61

193,42

nov

0,00

0,00

0,00

0,00

1 927 320,92

964 117,13

963 203,79

199,91

dic

0,00

0,00

0,00

0,00

1 595 440,58

928 133,49

667 307,09

171,90

16 189 547,41

8 326 134,90

7 863 412,51

194,44

21 085 731,71

11 561 302,90

9 524 428,81

182,38

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia

64 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

Cober 19 %

VENTAS COMPRAS ESPAÑOLAS 18 ESPAÑOLAS 18

1 742 735,34

Total

Saldo 19


Rankings 2.Principales países clientes de España enero-septiembre de 2019

624 millones de euros. Se habrá de añadir que el 31,4% del comercio bilateral se concentra en estos cuatro grupos utilizando la clasificación TARIC (clasificación del arancel aduanero común para territorios comunitarios). Por lo que a la distribución por CC.AA. se refiere, Cataluña, con 3.622,8 millones de euros, lidera la oferta española (22,7% del total de las ventas a Portugal), seguido de Madrid, con 2.732,3 millones (16,9%), y Galicia, con 2.332 millones (14,4%). En el sentido contrario, Madrid asume el liderazgo, con 1.437,4 millones de euros (17,3% del total de las compras a Portugal), seguido de Cataluña, con 1.370,3 millones (16,5%), y Galicia, con 1.328,2 millones (16,0%). Con base en los datos acumulados en estos tres primeros trimestres del año y haciendo un ejercicio de extrapolación al conjunto del año el comercio bilateral deberá mantener o incluso superar la cifra alcanzada en 2018, que fue de 32.647 millones de euros. 

Las empresas que deseen información más concreta sobre el comercio bilateral deberán ponerse en contacto con la Cámara que con mucho gusto les facilitará los datos: Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola Email: ccile@ccile.org

Orden País

Importe

4.Ranking principales productos comprados por España a Portugal enero-septiembre de 2019 Orden Sector

Importe

1

001 Francia

32 359 146,35

1

87 VEHÍCULOS AUTOMÓVILES; TRACTOR

2

004 Alemania

23 416 908,79

2

39 MAT. PLÁSTICAS; SUS MANUFACTU.

1 158 057,06 630 137,14

3

005 Italia

17 243 175,75

3

84 MÁQUINAS Y APARATOS MECÁNICOS

623 968,03 459 955,12

4

010 Portugal

16 189 547,41

4

27 COMBUSTIBLES, ACEITES MINERAL.

5

006 Reino Unido

14 811 927,46

5

72 FUNDICIÓN, HIERRO Y ACERO

445 176,41

6

400 Estados Unidos

10 185 007,44

6

94 MUEBLES, SILLAS, LÁMPARAS

302 694,52

7

003 Países Bajos

7 305 398,06

7

48 PAPEL, CARTÓN; SUS MANUFACTURA

298 401,59

73 MANUF. DE FUNDIC., HIER./ACERO

276 025,58

85 APARATOS Y MATERIAL ELÉCTRICOS

8

204 Marruecos

6 235 371,22

8 9

9

017 Bélgica

5 940 121,50

10

720 China

4 769 356,73

11

060 Polonia

4 575 815,46

12

039 Suiza

3 731 507,45

13

052 Turquía

3 317 675,62

14

412 México

3 176 548,63

15

952 Avituallamiento terceros

2 794 366,49

16

208 Argelia

8 326 134,90

Valores en Miles de Euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia.

5.Ranking principales productos vendidos por España a Portugal enero-septiembre de 2019 Orden Sector

Importe

2 294 236,27

1

87 VEHÍCULOS AUTOMÓVILES; TRACTOR

1 643 517,52

2

84 MÁQUINAS Y APARATOS MECÁNICOS

1 161 270,30

3

27 COMBUSTIBLES, ACEITES MINERAL.

1 082 946,75

4

85 APARATOS Y MATERIAL ELÉCTRICOS

1 007 747,58

5

39 MAT. PLÁSTICAS; SUS MANUFACTU.

939 120,48

6

72 FUNDICIÓN, HIERRO Y ACERO

576 281,38

7

02 CARNE Y DESPOJOS COMESTIBLES

540 123,00

8

62 PRENDAS DE VESTIR, NO DE PUNTO

444 235,89

9

03 PESCADOS, CRUSTÁCEOS, MOLUSCOS

433 698,55

17

951 Avituall.y combust. intercambios comunitarios

2 115 548,78

18

732 Japón

1 981 719,38

19

508 Brasil

1 921 268,28

20

009 Grecia

1 904 221,76

SUBTOTAL

166 268 868,83

TOTAL

215 599 974,54

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia

3.Principales países proveedores de España enero-septiembre de 2019 Orden País

273 678,78

TOTAL

Importe

1

004 Alemania

30 020 956,30

2

001 Francia

24 865 754,82

3

720 China

21 931 209,45

4

005 Italia

15 330 872,99

5

400 Estados Unidos

11 484 328,02

6

003 Países Bajos

10 086 519,28

7

006 Reino Unido

8 626 766,43

8

010 Portugal

8 326 134,90

9

052 Turquía

5 842 674,21

10

017 Bélgica

5 337 620,85

11

204 Marruecos

5 164 395,03

12

060 Polonia

4 224 163,59

13

288 Nigeria

4 171 844,31

14

412 México

3 556 846,82

15

732 Japón

3 315 845,40

16

061 República Checa

3 276 737,38

17

632 Arabia Saudí

3 234 937,12

18

664 India

3 211 364,13

19

959 Países y territorios no determinados.Intraco.

2 939 271,50

20

216 Libia

2 921 410,40

TOTAL

6.Evolución del intercambio comercial 2019

7.Ranking principales CC.AA. proveedoras/clientes de Portugal enero-septiembre de 2019 CC.AA.

VENTAS ESPAÑOLAS 18

COMPRAS ESPAÑOLAS 18

Cataluña

3 622 773,59

Madrid, Comunidad de

1 437 361,45

Madrid, Comunidad de

2 732 345,00

Cataluña

1 370 341,31

Galicia

2 331 939,12

Galicia

1 328 184,68

Andalucía

1 493 292,02

Andalucía

806 109,85

1 167 554,27

Comunitat Valenciana

695 397,54

994 951,04

Castilla y León

663 981,98

SUBTOTAL

177 869 652,93

Castilla-La Mancha

TOTAL

241 045 656,23

Comunitat Valenciana

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia

16 189 547,41

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 65


oportunidades de negócio

oportunidades de negocio

Empresas Portuguesas

Oportunidades de

negócio à sua espera

BUSCAN

REFERENCIA

Empresas españolas de calzado

DP190502

Universidades Españolas

DP190503

Empresas españolas que produzcan vasos de plástico

DP190504

Empresas portuguesas que producen piezas de inyección de aluminio

DP190505

Empresas españolas de equipamiento industriales en la zona de Galicia

DP190506

Empresas españolas de inyección de plástico

DP190507

Empresas españolas que fabrican ropa de lino

DP190601

Empresas españolas de distribución de materiales de construcción, en particular artículos sanitarios

DP190701

Agentes comerciales en el área de moldes y inyección de plástico

DP190702

Empresas españolas fabricantes de hilo acrílico / lana

DP190703

Empresas españolas de material agricola

DP190801

Empresas de fabricación de productos rotomoldeados

DP190802

Empresas fabricantes de utensilios de jardinería domesticos

DP190901

Empresas españolas que necesiten un agente comercial en el área de la construcción

OP190701

Empresas Espanholas PROCURAM

REFERÊNCIA

Empresas portuguesas de limpeza Empresas de produtos alimenticios bio orgânicos Empresas de distribuição de conservas Empresas portuguesas de transporte no norte de Portugal Empresas que compram carne de coelho em Portugal Empresas de artigos de puericultura textil para bebés Empresas portuguesas fabricantes de cosméticos Empresas portuguesas fabricantes de toalhas Empresas portuguesas de calçado Empresas portuguesas distribuidoras de cafés de Africa, Brasil e Timor Empresas que vendam roupa usada e também panos para limpeza Empresas portuguesas no sector industrial Empresa española, lider en el sector, busca agente comercial en el mercado de menaje del hogar y hostelería Comprador de escritório no Porto

DE190201 DE190202 DE190203 DE190301 DE190401 DE190601 DE190701 DE190702 DE190801 DE190802 DE191001 DE191002 DE191003 OE190701

Legenda: DP-Procura colocada por empresa portuguesa; OP-Oferta portuguesa; DE - Procura colocada por empresa espanhola; OE- Oferta espanhola

Las oportunidades de negocios indicadas han sido recibidas en la CCILE en los últimos días y las facilitamos a todos nuestros socios gratuitamente. Para ello deberán enviarnos un fax (21 352 63 33) o un e-mail (ccile@ccile.org), solicitando los contactos de la referencia de su interés. La CCILE no se responsabiliza por el contenido de las mismas. As oportunidades de negócio indicadas foram recebidas na CCILE nos últimos dias e são cedidas aos associados gratuitamente. Para tal, os interessados deverão enviar um fax (21 352 63 33) ou e-mail (ccile@ccile.org), solicitando os contactos de cada uma das referências. A CCILE não se responsabiliza pelo conteúdo das mesmas.

66 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019


oportunidades de negocio

oportunidades de negócio

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 67


calendário fiscal calendario fiscal >

S T Q Q S S D S T Q Q S S D F 2 3 4 5 6 7 F 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 F 26 27 28 29 30 31

Dezembro Prazo Até

Imposto

Declaração a enviar/Obrigação

Entidades Sujeitas ao cumprimento da obrigação

10

IVA

Declaração periódica mensal e respetivos anexos, relativa às operações efetuadas em outubro/2019

Contribuintes do regime normal mensal

10

Segurança Social

Envio da declaração de remunerações com as contribuições relativas ao mês de novembro/2019

Entidades empregadoras

10

IRS

Entrega da declaração mensal de remunerações, relativa a novembro/2019

Entidades devedoras de rendimentos do trabalho dependente sujeitos a IRS (ainda que isentos ou excluídos da tributação)

12

IVA

Comunicação dos elementos das faturas emitidas em novembro/2019

Sujeitos passivos do IVA

15

IVA

Pagamento do IVA apurado na declaração periódica mensal relativa às operações efetuadas em outubro/2019

Contribuintes do regime normal mensal

16

IRC

3º pagamento por conta do IRC de 2019

Sujeitos passivos de IRC que desenvolvam a título principal, atividade de natureza comercial, industrial ou agrícola, cujo período de tributação seja coincidente com o ano civil.

16

IRC

3º pagamento adicional por conta (derrama estadual) do exercício de 2019

Sujeitos passivos de IRC que desenvolvam a título principal, atividade de natureza comercial, industrial ou agrícola, que tenham tido no ano anterior um lucro tributável superior a 1.500.000€.

20

IRS/IRC/ Selo

Pagamento das retenções na fonte de IRS e IRC efetuadas ou do imposto do selo liquidado em novembro/2019

Entidades devedoras dos rendimentos e do Imposto do selo

20

Segurança Social

Pagamento das contribuições relativas a novembro/2019

Entidades empregadoras

20

IVA

Entrega da declaração recapitulativa relativa às transmissões intracomunitárias de bens e/ou prestações de serviços realizadas em novembro/2019

Contribuintes do regime normal mensal, ou do regime trimestral quando o total das transmissões intracomunitárias de bens tenha excedido 50.000 € no trimestre em curso ou em qualquer dos quatro trimestres anteriores

20

IRS

3º pagamento por conta do IRS 2019

Sujeitos passivos de IRS com rendimentos empresariais e profissionais

31

IRS/IRC

Envio da declaração mod. 30 – Rendimentos pagos ou colocados à disposição de não residentes, em outubro/2019

Entidades devedoras dos rendimentos

68 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

Observações

- Por transmissão eletrónica de dados (faturação eletrónica), em tempo real, através do webservice da AT; - Por transmissão eletrónica de dados (faturação eletrónica), em tempo real, através do webservice da AT; - Por envio do ficheiro SAF-T(PT), mensalmente, através do Portal da AT; - Por inserção direta no Portal da AT

É aplicável aos sujeitos passivos isentos ao abrigo do artº 53º do CIVA, que tenham efetuado prestações de serviços a sujeitos passivos de outros Estadosmembros quando tais operações se considerem aí localizadas

Obtenção de n.º de identificação fiscal especial para o não residente


bolsa de trabajo Bolsa de trabalho

Página dedicada à divulgação de Currículos Vitae de gestores e quadros disponíveis para entrarem no mercado de trabalho Código

Sexo

BE190117

F

BE190118

M

30/05/1974

INGLÊS/ FRANCÊS/ ESPANHOL

KEY ACCOUNT

BE190119

M

25/05/1993

INGLÊS/ PORTUGUÊS

ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE

FRANCÊS/ INGLÊS/ ESPANHOL

ACCOUNT 6 MARKETING

04/09/1991

INGLÊS/ FRANCÊS/ ÁRABE/ ESPANHOL

ADMINISTRATIVA / CONSULTORIA IMOBILIÁRIA

BE190120

M

BE190121

F

Data de Nascimento Línguas ESPANHOL / INGLÊS

Área de Atividade ARQUITETURA/ GESTÃO DE NEGÓCIO

BE190122

M

INGLÊS/ FRANCÊS

AUDITOR

BE190123

F

ESPANHOL/ INGLÊS

ASSESSORIA JURÍDICA E RECUPERAÇÃO DE CRÉDITO

BE190124

M

INGLÊS FRANCÊS/ PORTUGUÊS/ ITALIANO

PROFESSOR DE DIREITO INTERNACIONAL

BE190125

F

INGLÊS/ ESPANHOL

ASSISTENTE EXECUTIVA

BE190126

F

BE190127

M

25/01/1966

INGLÊS/ FRANCÊS/ ESPANHOL

ADMINISTRATIVA NA ÁREA FINANCEIRA

INGLÊS/ FRANCÊS

ASSISTENTE DE OPERADOR FINANCEIRO

Os Currículos Vitae indicados foram recebidos pela CCILE e são cedidos aos associados gratuitamente. Para tal, os interessados deverão enviar um e-mail para rpinto@ccile.org, solicitando os contactos de cada uma das referências. A CCILE não se responsabiliza pelo conteúdo dos mesmos. Los Currículos Vitae indicados han sido recibidos en la CCILE y los facilitamos a nuestros socios gratuitamente. Para ello deberán enviarnos un e-mail para rpinto@ccile.org, solicitando los contactos de cada referencia de su interés. La CCILE no se responsabiliza por el contenido de los mismos.

PUB

novembro de 2014

ac t ua l i da d € 69


espaço de lazer

espacio de ocio

Alentejo, Minho e Douro juntam-se no projeto Esporão No Porto Nome de Adega, fundada em 1973 por José Roquette e Joaquim Bandeira, Esporão é também a designação do segundo espaço de restauração do grupo. Ao restaurante localizado na sede da empresa, no Alentejo, soma-se agora o da Rua do Almada, no Porto. O projeto alia as iguarias do chefe Carlos Albuquerque, de inspiração alentejana e nortenha, aos vinhos, azeites e cervejas do grupo. Texto Susana Marques smarques@ccile.org Fotos DR

E

m 2008, com a compra da Quinta dos Murças, na Régua, a Adega Esporão passou a produzir vinhos na região do Douro, alargando o seu portfólio, até então constituído apenas por vinhos alentejanos. Já este ano, a adega dilatou novamente a sua presença geográfica no norte de Portugal, bem como a sua capacidade de produção, com a aquisição da Quinta do Ameal, na região dos vinhos verdes. O mais recente projeto do grupo também mora no Norte e chama-se Esporão No Porto. Catarina Santos, diretora de Marketing do Esporão, explica o conceito que alicerça este restaurante e loja, que o grupo quer replicar

70 act ualidad€

dezembro de 2019

em Lisboa: “ É um projeto que convida a uma viagem entre o vagar, o saber e as vivências nos nossos territórios. Um lugar de pausa na cidade, sendo o Porto, o primeiro destes espaços. Gostaríamos que as pessoas que o visitam experimentem os vários universos do Esporão. Procurávamos um espaço na cidade onde o Esporão pudesse receber as pessoas e partilhar diretamente os nossos produtos, experiências e valores. Queríamos ter na cidade um pouco do universo Esporão acessível a todos. Achamos que Lisboa e o Porto são as cidades mais aptas a este projeto. A oportunidade do Porto surgiu primeiro.” O grupo já possuía um restau-

rante na sede da Adega, o Herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz (Évora), ao que se soma, desde setembro o Esporão no Porto, na Rua do Almada, uma artéria central, paralela à Avenida dos Aliados. O novo espaço funciona como restaurante e loja, acolhendo também prova de vinhos, azeites e cervejas da marca de origem portuense Sovina, a primeira cerveja artesanal portuguesa, lançada em 2011 pela empresa “Os três Cervejeiros Lda”, adquirida pelo Esporão, no ano passado. Ao lema da cozinha está o chefe Carlos Albuquerque, autor de uma carta que dá o protagonismo à cozinha tradicional portuguesa, como


espacio de ocio

salienta Catarina Santos: “O conceito da oferta gastronómica do Esporão No Porto inspira-se no que é tradicional, onde a estação e os produtos e regiões do Esporão são centrais. Pratos descomplicados e genuínos para usufruir com os vinhos, azeites e cervejas do Esporão. Espaço familiar, descontraído, calmo e informal. Uma pausa na cidade.” Abraçar essa oportunidade de pausa passa por eleger entradas como “a empada de rabo de boi à moda antiga, acompanhada com salada do campo”. Catarina Santos ressalva que que há uma opção vegetariana: um prato de cuscus à transmontana, legumes assados e lascas de queijo de S. Miguel. A sugestão de prato de peixe recai sobre o “polvo, romesco, batata doce e bimis”. Entre os pratos de carne, pode eleger a codorniz assada com arroz de enchidos”. Na lista de sobremesas figura “o pudim de Late Harvest, laranja e hortelã e o abacate, Vinho do Porto Quinta dos Murças Tawny 10 anos e limão”. O Esporão No Porto disponibiliza um menu almoço, indica a responsável de Marketing do grupo: “Inclui o couvert , uma entrada ou sobremesa, o prato principal, água, copo de vinho e café. Existe também a opção que apelidámos de Carta Branca, que são cinco momentos gastronómicos com o pairing de três vinhos Esporão.” Aberto há apenas dois meses, Catarina Santos diz que “o balanço tem sido positivo”, pelo que a adega mantém a intenção de abrir um espaço semelhante em Lisboa: “ É possível que sim. Para nós faz todo o sentido reforçar esta proximidade, relação directa do Esporão com as pessoas. Já o fazemos no Enoturismo do Alentejo e Douro (que agora se alarga ao Minho com a compra da Quinta do Ameal) e indiretamente através

de todos os pontos de venda que incluem na sua oferta o portfolio Esporão. Se calhar, abriremos em Lisboa daqui a uns tempos.” O responsável pela decoração do Esporão No Porto foi o designer industrial Christian Haas, que desenvolve produtos em diversas áreas desde mobiliário, iluminação, porcelana e vidro: “Queríamos criar uma atmosfera única e despretensiosa, um espaço onde as pessoas se possam sentir confortáveis, quase como se estivessem em casa. Um lugar perfeito para estar com amigos e família. A luz joga um papel essencial no interior, bem como as madeiras claras, o cimento, as paredes suaves, tecidos e couro. Tudo em tons naturais, que atuam como um palco para as experiências de comida e vinho. Procurámos materiais honestos, que funcionam bem juntos para criar uma atmosfera acolhedora.” A Herdade do Esporão assina-

espaço de lazer

lou 750 anos da sua delimitação, em 2017, mas como empresa vitivinícola existe desde 1973. Fundada por José Roquette e Joaquim Bandeira, a adega gera um volume de negócios próximo dos 50 milhões de euros, produzindo anualmente 12 milhões de litros de vinho. O mercado externo absorve 75% da produção de vinhos como o Esporão Reserva e o Monte Velho (no Alentejo), os Quinta dos Murças (Douro). A estes juntam-se agora os Vinhos da Quinta do Ameal, na região dos vinhos verdes, “onde são produzidos vinhos brancos de excelência a partir da casta Loureiro”. A empresa abriu, em 1997, o Enoturismo da Herdade do Esporão, e, em 2018, o Enoturismo na Quinta dos Murças. 

Restaurante Esporão No Porto Rua do Almada, 501 Porto Telefone: 22 019 0153

DEZEMBRO DE 2019

AC T UA L I DA D € 71


espaço de lazer

espacio de ocio

Agenda cultural Livro

“O Futuro do Capitalismo”

“Um livro ambicioso e provocador” foram os adjetivos escolhidos por Bill Gates para se referir ao livro “O Futuro do Capitalismo” do economista e professor britânico Paul Collier. Conselheiro de vários governos europeus e do Banco Mundial, o autor defende a reinvenção do capitalismo, sistema que, no seu entender, deixou de funcionar. De acordo com a sinopse da obra, “Collier explica como podemos salvar o capitalismo de si próprio – e como nos podemos libertar da bagagem intelectual do século XX”. O autor sugere “como se podem construir identidades nacionais inclusivas apesar do enorme fluxo de migrantes existente; de que forma se podem redesenhar empresas com propósitos que vão além do mero lucro; como se pode tornar mais comum o trabalho com significado; e como uma emergente subclasse de famílias destruturadas pode ser tratada através do “maternalismo social”, em vez do “paternalismo social”, dependente do Estado”. De acordo com Paul Collier, “a expectativa de qualidade de vida das novas gerações é de que viverão em piores condições que os seus pais viveram; os trabalhadores receiam que as suas capacidades sejam desvalorizadas; as populações rurais ressentem-se do crescente fosso que as afasta das metrópoles”. O autor sustenta que “o capitalismo perdeu a sua orientação moral” e que “as sociedades estão a polarizar-se em antigas identidades antagónicas, como o nacionalismo e o marxismo, contra uma nova elite globalizada”.

72 act ualidad€

dezembro de 2019

Exposição

“Os impressionistas e a Fotografia”, no Thyssen-Bornemisza Que impacto teve a invenção da fotografia nas artes plásticas? O Museu Nacional Thyssen-Bornemisza procura responder através da exposição “Os impressionistas e a fotografia”. A mostra exibe obras de vários artistas, produzidas na segunda metade do século XIX, permitindo “suscitar uma reflexão crítica sobre as afinidades e influências mútuas entre pintura e fotografia”, bem como recordar “a controvérsia entre críticos e artistas que o aparecimento da fotografia provocou”. Com curadoria de Paloma Alarcó, chefe de conservação da Pintura Moderna no Museu Thyssen, a exposição reúne 66 pinturas a óleo e obras em papel e mais de 100 fotografias, provenientes de coleções de fotografia da Biblioteca National de França, do Museu J. Paul Gettty Museum de Los Angeles, do Victoria and Albert Museum de Londres e da Société Française de Photographie de Paris. Destaque para obras de Manet, de Monet e de Degas, bem como para os primeiros daguerreótipos de finais da década de 1830. “O olho artificial da câmara de fotógrafos como Gustave Le Gray, Eugène Cuvelier, Henri Le Secq, Olympe Aguado, Charles Marville ou Félix Nadar, estimulou em Édouard Manet, Edgar Degas e nos jovens impressionistas Camille Pissarro, Paul Cézanne, Alfred Sisley, Claude Monet, Marie Bracquemond, Pierre-Auguste Renoir, Berthe Morisot e Gustave Caillebotte, uma nova maneira de ver o mundo”, assinala a sinopse da exposição, acrescentando que “durante as décadas de desenvolvimento do impressionismo, a fotografia gradualmente deixou de ser associada a uma mera reprodução mecânica da realidade e ganhou credibilidade artística”. A fotografia valeu ao

impressionismo “ não apenas como fonte iconográfica, mas também como inspiração técnica, tanto na observação científica da luz como na representação de um espaço assimétrico e truncado e na exploração da espontaneidade e da ambiguidade visual”. Por outro lado, “devido à influência do movimento impressionista, alguns fotógrafos, principalmente os pictóricos do final do século, começaram a preocupar-se com a materialidade das suas imagens e a procurar fórmulas para tornar as suas fotografias menos precisas e mais pictóricas”.

Até 26 de janeiro no Museu Thyssen-Bornemisza, em Madrid

Em Serralves, “Paula Rego. O Grito da imaginação.” Depois das mostras de 1988 e de 2004, A Fundação de Serralves volta a expor o trabalho da pintura portuguesa Paula Rego. “O ponto de partida da mostra é o núcleo de obras da artista na Coleção de Serralves, realizadas entre 1975 e 2004”, mas há também “uma série de gravuras, “Pendle


espacio de ocio

Witches” (1996) e um tríptico, “Shakespeare’s Room” (2006), do espólio da Casa das Histórias Paula Rego e propriedade da Câmara Municipal de Cascais, num total de 35 peças”. “Paula Rego. O Grito da Imaginação.” Foi comissariada por Marta Almeida. A exposição “reúne trabalhos representativos de vários períodos da obra desta relevante artista, que definiu um novo paradigma na pintura portuguesa contemporânea”. Como se lê na sinopse, “o pano de fundo desta mostra incide sobre a capacidade da arte, na sua vertente figurativa, revelar universos onde a surpresa e o espanto se ancoram nos mais básicos e fundamentais anseios da sociedade contemporânea - do papel da mulher nesse universo à capacidade da arte questionar o quotidiano e a realidade social distorcida”.

espaço de lazer

Na sinopse desta terceira exposição em Serralves dedicada a Paula Rego, sublinha-se ainda que “com uma extraordinária arte de hibridação de diferentes universos, justapondo arte erudita e popular, quotidiano e excecionalidade, histórias que ouve e ficções que elabora, crueldade e bondade, normas e tabus, Paula Rego dá corpo à memória e à crítica dos tempos que marcam o tempo das suas obras”.

Até 8 de março de 2020, no Museu de Arte Contemporânea da Fundação de Serralves. Textos Susana Marques smarques@ccile.org Fotos DR

El Prado celebra 200 anos com desenhos e Goya Abriu ao público a 19 de novembro de 1819 para exibir a Coleção Real, por sugestão da rainha Isabel (a portuguesa Maria Isabel de Bragança (1797-1818), filha do rei João VI de Portugal e casada com Fernando VII de Espanha, de quem foi a segunda esposa), que morreu antes de ver o seu projeto realizado. O Museu Real de Pintura e Escultura, mais tarde Museu Nacional do Prado, foi inaugurado com com 311 pinturas da Coleção Real, todas assinadas por autores espanhóis e acumuladas pelos reis da Espanha durante os trezentos anos precedentes. Precisamente no dia em que assinalou o seu bicentenário, o Museu Nacional do Prado abriu ao público uma exposição que “reúne, pela primeira vez, numa ocasião única e irrepetível, mais de trezentos desenhos de Goya, provenientes das próprias coleções do Prado e de coleções públicas e privadas de todo o mundo, proporcionando um percurso cronológico da sua obra, com presença de desenhos de toda a sua produção, desde o caderno italiano até aos álbuns de Bordeaux”. Além disso, “fornece uma visão mo-

derna das ideias que o artista abordou de forma recorrente durante a sua vida e destaca a sobrevivência e a relevância de seu pensamento”. A mostra “Goya. Desenhos. Só a vontade me sobra” resulta do trabalho desenvolvido pelo museu, em colaboração com a Fundação Botín para produzir um novo catálogo fundamentado de desenhos de Francisco José de Goya y Lucientes, nascido em 1746 em Fuendetodos (Saragoça) e falecido em 1828, em Bordéus. “Quando Goya ainda morava em Madrid, três de suas pinturas já estavam penduradas na sala que dava acesso à galeria central, os dois retratos equestres de Carlos IV e Maria Luisa de Parma e El Garrochista”, recorda o museu em comunicado, acrescentando que ao longo do tempo, o Prado foi reunindo “a melhor coleção de obras de Goya, cerca de cento e cinquenta pinturas, quinhentos desenhos, a sua série de gravuras e uma documentação única, como a valiosa correspondência com o seu amigo Martín Zapater”.

Até 2 de fevereiro de 2020, no Museu do Prado, em Madrid dezembro de 2019

ac t ua l i da d € 73


espaço de lazer

espacio de ocio

últimas

últimas

Statements Para pensar

“Estrangulamento do aeroporto [de Lisboa] já leva à recusa de dois milhões de passageiros por ano” Raúl Martins, presidente da AHP–Associação da Hotelaria de Portugal, “Jornal Económico”, 20/11/19

“Montijo é a melhor solução [para o novo aeroporto internacional de Lisboa]. O esgotamento do aeroporto Humberto Delgado afeta todo o país, uma vez que é a principal porta de entrada em Portugal. Portela + Montijo vai permitir passar de 29 milhões passageiros/ ano para 50 milhões, o que irá aumentar em mais de 30% os turistas que chegam ao nosso país” Idem, ibidem

“A banca enfrenta um desafio de rendibilidade, novos desafios regulatórios com impacto na sua performance, gestão de riscos e a ameaça da concorrência de players originalmente não bancários (...). Vejo os bancos a transformarem-se substancialmente [a nível tecnológico], e é claro que os que não se adaptarem, acabarão” António Nogueira Leite, economista, “Revista Risco”, 11/11/19

“Não são apenas as fintech que os ameaçam: nalguns países europeus e, mais aprofundadamente nos Estados Unidos e no Canadá, uma parte substancial do crédito já não é concedida pela banca comercial, mas sim por fundos especializados, a maior parte dos quais funcionando com financiamento de liquidity providers institucionais (como fundos de pensões, fundos de fundos, fundações e trusts, entre outros) e da própria banca. Não vejo no horizonte de previsão que tenho os bancos a acabar, mas vejo-os a transformarem-se substancialmente. 74 ACT UALIDAD€

DEZEMBRO DE 2019

Idem, ibidem


Profile for Actualidade Economia Ibérica

Actualidade Economia Ibérica - nº 270  

Edição de dezembro 2019

Actualidade Economia Ibérica - nº 270  

Edição de dezembro 2019

Advertisement