Page 1

Actualidad

Economia ibérica dezembro 2016 ( mensal ) | N.º 234 | 2,5 € (cont.)

Aumenta en España el número de mujeres emprendedoras pág. 16

Ana Paula Vitorino quer duplicar valor da economia do mar até 2019 pág. 58

Negócios de base tecnológica: visão do futuro

PÁG. 48

Caderno Especial XXI Torneio Ibérico de Golfe CCILE pág.29


2 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


Índice

índice

Foto: Sandra Marina Guerreiro

Nº234

entra em Portugal 12. CRIT num momento de aceleração do trabalho temporário

Actualidad

Economia ibérica

Propriedade e Editor: CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA LUSO-ESPANHOLA - “Instituição de Utilidade Pública” Comissão Executiva: Enrique Santos, António Vieira Monteiro, Luís Castro e Almeida, Ruth Breitenfeld, Eduardo Serra Jorge, José Gabriel Chimeno, Vítor Fernandes e Rui Miguel Nabeiro

Grande Tema

Negócios de base tecnológica: visão do futuro

48.

Direção de Informação (interina): Belén Rodrigo Coordenação de Textos: Clementina Fonseca Redação: Belén Rodrigo, Carlos Sánchez-de la Flor (estagiário), Clementina Fonseca e Susana Marques

Copy desk: Joana Silva Santos, Beatriz González e Laura Dominguez Fotografia: Sandra Marina Guerreiro Publicidade: Rosa Pinto (rpinto@ccile.org) Assinaturas: Laura Couselo (laura@ccile.org) Projeto Gráfico e Direção de Arte: Sandra Marina Guerreiro Paginação: Sandra Marina Guerreiro Colaboraram neste número: Cecilio Oviedo, José-Benigno Pérez Rico, Laura Dominguez e Nuno Ramos Contactos: Av. Marquês de Tomar, 2 - 7º 1050-155 Lisboa Tel:. 213 509 310 • Fax: 213 526 333 email: ccile@ccile.org redação: actualidade@ccile.org website: www.portugalespanha.org NIPC: 501092382

Opinião 04.

Proteccionismo y productividad - Cecilio Oviedo

28.

Impressão: What Colour is This? Unipessoal Lda. Rua do Coudel, 14, Loja A 2725-274 Mem Martins

Grandes retos para el nuevo Gobierno de España - José-Benigno Pérez Rico

Depósito Legal nº 33152/89 autorizado pela Direção Geral de Correios e Telecomunicações de Portugal Nº de registo na Entidade Reguladora para a Comunicação Social: 117787

O Estatuto Editorial da Actualidad€-Economia Ibérica está disponível no site www.portugalespanha.org As opiniões expressas nesta publicação pelos colaboradores, autores e anunciantes não refletem, necessariamente, as opiniões ou princípios da Câmara, do editor ou do diretor. Periodicidade: Mensal Tiragem: 6.000 exemplares

Atualidade 20.

Fujifilm se reinventa y prevé beneficios récord en los próximos años

22.

Empresas familiares mantêm forte peso no contexto ibérico

E mais... 06. Apontamentos de Economia 24.Marketing 26.Vinhos & Gourmet 29.Caderno Especial 58.Eventos 62. Setor Automóvel 64.Barómetro Financeiro 66.Intercâmbio Comercial 68.Oportunidades de Negócio 70.Calendário Fiscal 71.Bolsa de Trabalho 72.Espaço de Lazer 74. Statements

Câmara de Comércio e Indústria

Luso Espanhola

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 3


opinião opinión

Proteccionismo y productividad

L

os temas de productividad preocupan y mucho. En el pasado mes de julio, la OCDE convocó una masiva reunión con expertos y autoridades de todos los países miembros para tratar el tema de la productividad los días 7 y 8, en Lisboa, con una invitación a los participantes en Cascais por parte del gobierno portugués. Actualmente la escasa productividad y la bajada de la inversión provocadas por la disminución de las expectativas empresariales y de las inversiones públicas y privadas son los frenos más importantes al crecimiento y factores que preocupan a los expertos, especialmente en la UE, la OCDE y el FMI. Por otra parte, el FMI piensa que los problemas de productividad están relacionados con la ralentización del comercio internacional, por lo que su líder Christine Lagarde está preocupada por impulsar la productividad como locomotora del crecimiento, trabando los intentos de proteccionismo e impulsando la apertura de los mercados en coordinación con la Organización Mundial de Comercio (OMC), en un difícil momento mundial. Los expertos del FMI defienden que la mayor apertura permitirá combatir uno de los principales problemas a los que se enfrenta el crecimiento global: la caída de la productividad, que está haciendo que los países crezcan muy por debajo de su potencial. El aumento del comercio mundial puede reforzar la productividad e impulsar el crecimiento. El FMI reclama una coordinación de países y organis-

4 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

mos internacionales en una liberalización comercial para revitalizar el comercio y aumentar la competitividad y la productividad Para ello se debe invertir mucho en tecnología e innovación para ser más eficientes y las empresas deben aumentar sus esfuerzos hacia el mercador exportador con mayor preparación y ganando ventaja competitiva, haciendo más abiertas a las economías. Un

“El PIB mundial avanzará un 3,1% este año, menos que en 2015 (...). La zona euro crecerá un 1,7% este año y un 1,5% el próximo, menos que en 2015” comercio internacional más libre beneficia más a las empresas, que pueden tener un acceso a los mercados mundiales y eso a la vez les da más incentivo para seguir capitalizándose con nuevas inversiones que aumenten sus exportaciones. Es claro que el comercio internacional puede así inf luir también en las expectativas empresariales y en las decisiones de inversión creando riqueza para el futuro. Lagarde dice que cerrar las fronteras no es el camino, a pesar de la competencia de países en desarrollo con menores costes. Hay que buscar nuevas soluciones, como la

Por Cecilio Oviedo* mayor integración de los mercados y de las áreas económicas. En muchos países hay partidos que quieren ganar votos “nacionalistas” a base de promover el proteccionismo, olvidando los perniciosos resultados que estas medidas tuvieron para todos en los años treinta del siglo pasado. La OMC ha revisado sus previsiones y calcula ya un aumento de los f lujos comerciales de sólo 1,7% este año (el comercio ya está creciendo menos que la economía mundial), cuando a principios del año 2016 calculaba casi un 3% de crecimiento en los intercambios internacionales. Pero el bajo crecimiento de la economía no puede llegar en peor momento por factores económicos y políticos; desaceleración de China e incertidumbre sobre el precio de las materias primas, Brexit, problemas con los acuerdos comerciales con Estados Unidos, TransatlánticoTTIP y Pacífico-TTP, elecciones en muchos países desarrollados. El PIB mundial avanzará un 3,1% este año, menos que en 2015, aunque Brasil y Rusia se pueden reactivar llevando la tasa de crecimiento a 3,4% en 2017, mientras China se ralentiza. La zona euro crecerá un 1,7% este año y un 1,5% el próximo, menos que en 2015, por lo que de acuerdo con el FMI, el BCE debe reforzar la Política Monetaria expansiva, dotando a la Zona Euro de más liquidez. Japón, sólo crecerá 0,5% en 2016 y un 0,6% en 2017. Por otra parte las economías emergentes aceleran su desarrollo hasta el 4,2% en 2016 y 4,6% el siguiente. El FMI llevaba años esperando


opinião

opinión

que los emergentes equilibraran la ralentización de las economías desarrolladas, pero los ritmos no son suficientes en relación con el crecimiento potencial de todas las regiones del mundo y especialmente por China. La OMC analiza que la nueva tendencia ref leja la desaceleración del crecimiento en China, que está demandando menos materias primas al producir menos, lo que devalúa los precios de las mismas, así como las menores importaciones de muchos países desarrollados (principalmente de Estados Unidos). El Organismo con sede en Ginebra ya está advirtiendo muy seriamente que las cosas pueden empeorar si comienzan los “egoísmos comerciales” de

los gobiernos para respaldar una política industrial proteccionista en contra de la internacionalización y de la competencia global. Y todo siguiendo la tendencia a la desaceleración del comercio de bienes y servicios que se viene percibiendo desde 2012, rompiendo las tendencias de tres décadas anteriores. La preocupación por la debilidad de la economía mundial no es nueva. El resultado de la Gran Recesión, ha sido frágil, con estancamiento en muchos lugares y con malas noticias de orden político, con las llamadas populistas para restringir el comercio y las migraciones. El FMI teme una ola de populismo por la debilidad económica global, del cual

el Brexit es una primera muestra, con la incertidumbre que se ha creado a las expectativas empresariales. Afortunadamente el Acuerdo UE-Canadá (el CETA) ha podido ser firmado después de unos tensos días. También en Europa la firma de acuerdos comerciales está siendo respondida por la sociedad civil y existe un prolongado y difícil calendario electoral en muchos Estados miembros. Y no sería extraño que el tema del proteccionismo entrara en la campaña de las elecciones de Francia y otros países.  * Consejero de Economía de la Embajada de España en Portugal Email: coviedo@comercio.mineco.es

PUB

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 5


apontamentos de economia apuntes de economÍa

O banco Santander Totta obteve um resultado líquido de 293,7 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, uma subida homóloga de 66,2%, revelou a instituição. A margem financeira ascendeu a 548,5 milhões de euros, mais 31,4% do que no período homólogo, “continuando a beneficiar da diminuição do custo de depósitos”, realçou o banco liderado por António Vieira Monteiro. Já o produto bancário cresceu 21,2%, para 899,1 milhões de euros. “Estes bons resultados decorrem do crescimento orgânico da nossa atividade, e do controlo de custos e do risco de crédito”, salientou António Vieira Monteiro. Os custos operacionais aproximaramse dos 395 milhões de euros, nos primeiros nove meses, um aumento homólogo de 11,1%. Por seu turno, o rácio de crédito vencido há mais de 90 dias situou-

Foto Sandra Marina Guerreiro

Resultados líquidos do Santander Totta sobem 66% até setembro

se em 3,63%, uma descida de 0,86 pontos percentuais face aos primeiros nove meses do ano passado. A rentabilidade dos capitais próprios (ROE) atingiu os 10,9%. Já o rácio common equity tier 1 (CET1) foi de 15,8% (transição para as novas regras) e de 15% (com as novas regras totalmente implementadas) e o rácio tier 1 de 18,9%. Os rácios de capital continuam “claramente acima dos requisitos mínimos exigidos pelo Banco Central Europeu (BCE)”, assinalou o líder do Santander Totta.

Fehispor 2016 com forte presença do turismo de Portugal e Espanha A Fehispor 2016, que reuniu em Badajoz mais de 110 empresas expositoras, reforçou o seu estatuto de principal feira luso-espanhola, visando a integração comercial, cultural e empresarial de Espanha e Portugal. Os 110 expositores presentes nesta feira, realizada entre 17 e 20 de novembro, ocuparam uma área de 10 mil metros quadrados do recinto da Feira de Badajoz (Ifeba), sendo quase metade deles de origem portuguesa. Entre os expositores portugueses, podem destacar-se a CCILE, a Câmara Municipal de Elvas, a Câmara Municipal de Mora, Câmara Municipal de Portel, ou ainda as empresas Delta Cafés, e Edia – Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva, entre muitas outras entida-

6 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

des, nomeadamente universidades e ainda associações ligadas ao turismo do Algarve, de Lisboa e do Alentejo. A moda, calçado, a gastronomia, o setor do mobiliário e da decoração foram outros dos setores económicos que contaram com expositores na Fehispor 2016. Algumas das secções especiais que decorreram nesta feira multissetorial foram a exposição “Mitos de uma Galáxia. Coleccionismo de Star Wars”, o lugar de realidade virtual Samsung Gear VR, V edição de Exporegalo, o encontro de sabores ibéricos, além dos diversos encontros empresariais e conferências que anualmente atraem à Ifeba milhares de visitantes. Este ano, terão passado pela feira cerca de 30 mil visitantes, de acordo com a organização.

Exporpymes fomenta exportações galegas Na sua terceira edição, a Exporpymes permitiu o estabelecimento de 2.500 contactos entre as empresas portuguesas e espanholas participantes quer com o objetivo de identificar novas oportunidades de negócio, como para fechar negócios,

revelou a Cámara de Comercio de A Coruña. Este evento, dedicado à internacionalização das PME da Galiza, e que se realizou entre 15 e 16 de novembro, contou ainda com o apoio da Xunta de Galicia, do IGAPE, bem como com os fundos do FEDER, entre outros. “A Corunha converteu-se, com a Exporpymes, no epicentro da exportação galega, reunindo no mesmo espaço 90 importadores de 14 países” – entre os quais podem destacar-se o Chile, a Colômbia, os EUA, ou Portugal –, além de 150 empresas galegas vocacionadas para a exportação (dos setores da alimentação, bebidas, construção e maquinaria), profissionais e empreendedores ligados ao comércio internacional, e ainda algumas PME portuguesas (dos setores das bebidas, alimentação e materiais de construção), neste caso no âmbito de uma missão empresarial organizada pela CCILE.


Breves Cachapuz, My Dynamic e O Bacorinho foram os grandes vencedores da 2.ª edição dos prémios BEFA

Os “Business Excellence Forum & Awards (BEFA)”, prémios internacionais destinados a distinguir a excelência nas empresas portuguesas, foram recentemente entregues, numa cerimónia realizada em Lisboa. A Cachapuz, líder e pioneira em Portugal na conceção e fabrico de equipamentos de pesagem, foi uma das grandes vencedoras da noite, ao garantir os prémios de melhor cultura empresarial e de CEO do ano para Graça Coelho (na foto). Também a My Dynamic, especializada em produção de eventos, levou para casa dois dos galardões da noite: o de

melhor campanha de marketing e o de jovem empreendedor do ano para o seu responsável, Ângelo Lobo, de 35 anos. O Bacorinho, estabelecimento de comércio de leitão assado, venceu nas categorias de empresa mais inovadora e de empreendedor do ano para o seu fundador, Hélio Gaspar. Depois de em 2012 estar praticamente em falência técnica e com apenas quatro colaboradores, hoje esta empresa conta com 52 funcionários e atingiu, em 2015, uma faturação de 3,4 milhões de euros. Nos restantes prémios, o Colégio do Vale, da Charneca da Caparica, em Almada, venceu na categoria de empresa com maior impacto na comunidade, a Konceptness, empresa de consultoria, reconversão e manutenção de edifícios, venceu na categoria de empresa com maior crescimento, enquanto a LTintas, com 38 anos de história no comércio de tintas, foi considerada a melhor empresa.

Mapfre apresenta lucros superiores a 570 milhões de euros A seguradora MAPFRE registou um volume acumulado de receitas de 20.964 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, o que representa um crescimento de 1,8% em relação ao período homólogo de 2015. O lucro antes de impostos e interesses minoritários aumentou 15,5%, chegando a 1.342 milhões de euros. Quanto ao resultado líquido, situou-se em 572 milhões de euros, menos 3,3% do que nos primeiros nove meses do exercício anterior. Por outro lado, os prémios situaram-se em 17.109 milhões de euros, evidenciando uma ligeira redução de 1,3%.

A economia administrada do grupo registou um aumento de 6%, alcançando os 38.718 milhões de euros, enquanto o rácio combinado do grupo ficou em 97,2%. Em 2015, foram registados dois eventos extraordinários que afetaram de forma relevante o resultado do exercício: a venda do negócio de seguros em conjunto com o CatalunyaCaixa e as despesas extraordinárias decorrentes das tempestades de neve nos EUA. Descontando esses efeitos, o lucro consolidado do grupo teria crescido 5,5% nos primeiros nove meses do ano.

Sete empresas espanholas entre as mil mais inovadoras do mundo A Telefónica, a Amadeus, a Grifols, a Iberdrola, a Acciona, a Indra e a Repsol foram as únicas companhias espanholas incluídas no grupo das mil empresas do mundo que mais investem em I+D+i. Estas sete companhias investiram em 2016 um total de 2.539 milhões de dólares (2.329 milhões de euros), de acordo com o estudo “2016 Global Innovation 1.000”, elaborado pela consultora PwC. As sete firmas aumentaran os seus investimentos nesta área em 4,5% face ao mesmo período de 2015, adiantam os dados recolhidos pela consultora. No topo da tabela, figuram empresas como a Volkswagen, Samsung, Amazon, Google, ou a Intel. O estudo anual da consultora revela que, entre 2015 e 2016, o investimento em I&D das mil empresas que mais investem em inovação no mundo foi de 629.630 milhões de euros, em linha com o valor aplicado no ano anterior. Portos atingem novo recorde homólogo em carga movimentada

Os portos nacionais atingiram um novo recorde homólogo, com a marca de 61,3 milhões de toneladas movimentadas durante os primeiros oito meses de 2016. A contribuir para este crescimento, esteve sobretudo o desempenho do Porto de Sines: mais 3,5 milhões de toneladas e um aumento da quota de mercado, representando já 54,4% do total, adianta a AMT - Autoridade da Mobilidade e dos Transportes. “O volume do movimento portuário ultrapassa em 1,6% o de 2015 e é uma consequência da conjugação de variações positivas da carga embarcada e desembarcada, com +0,3% e +2,5%, respetivamente, com o Porto de Sines a ser o único a apresentar uma variação positiva face ao período homólogo de 2015, fixada nos 11,6%. Em sentido inverso, os portos da Figueira da Foz, Faro, Setúbal, Leixões, Aveiro, Viana do Castelo e Lisboa apresentaram quebras de -3,2%, -42,6%, -3,3%, -4%, -10%, -11,8% e -17,5%, respetivamente”. No mercado de contentores, os primeiros oito meses totalizaram um movimento de 1,75 milhões de TEU,

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 7


Breves correspondente a uma quebra de -1,3% face ao período homólogo de 2015. A quebra é determinada “pelo porto de Lisboa, que regista uma quebra de -30,9% no volume de TEU movimentado”, aponta a AMT, ressalvando as prestações positivas dos portos de Setúbal, Figueira da Foz, Leixões e Sines.

Adecco Portugal presente na cimeira sobre contact centers em Barcelona A Adecco Portugal, subsidiária do grupo Adecco, líder mundial em soluções de recursos humanos, marcou presença na “Cimeira Excellence in Contact Center and Costumer Interaction”, que se realizou em Barcelona (Espanha), nos passados dias 9 e 10 de novembro. O diretor da unidade de Contact Center Solutions da Adecco Portugal, Vítor Antunes, foi um dos oradores do encontro, apresentando a visão da empresa sobre o “valor do capital humano”. A ECCCI Summit destinou-se a profissionais de telecomunicações, banca e comércio, que procuram novas oportunidades e formas de gerir o negócio dos contact centers. Esta conferência teve como objetivo partilhar uma nova perspetiva para contact centers & customer interaction management, com vista à inovação, através de demonstrações de produtos inovadores e fornecedores especializados da indústria. As áreas abordadas durante a conferência passaram ainda pelas tendências atuais e pelo futuro dos contact centers, e por áreas como quality assurance, cost efficiency, visão e cultura, liderança, entre outras.

8 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

Foto Sandra Marina Guerreiro

Receitas da Vodafone Portugal crescem 2,2% A Vodafone Portugal apresentou um crescimento operacional nos segmentos mais relevantes do mercado e consolidou a tendência de melhoria dos indicadores financeiros durante o segundo trimestre do exercício fiscal de 2016-2017, iniciado a 1 de abril de 2016. As receitas de serviço atingiram os 236,9 milhões de euros entre julho e setembro, o que representa um acréscimo de 2,2% face ao período homólogo e uma evolução positiva pelo quarto trimestre consecutivo, adiantou a operadora. Na análise semestral deste exercício, as receitas de serviço da Vodafone mantiveram também uma evolução positivia, atingindo os 457,6 milhões de euros (mais 1,2% na comparação homóloga). Por outro lado, a operadora salientou o “inovador e pioneiro no mercado” Yubuy TV, um canal interativo de TV-commerce, lançado em parceria com o El Corte Inglés e que permite aos clientes da Vodafone comprar produtos de uma forma simples e conveniente, a partir da televisão.

BPI obtém mais valia de oito milhões de euros com venda de 2% do BFA

A venda pelo BPI de 2% do capital do BFA à Unitel vai gerar uma mais valia de oito milhões de euros para o banco de Fernando Ülrich (na foto). De acordo com um documento apresentado pelo BPI à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a operação acordada a 7 de outubro entre o BPI e a Unitel, para a venda de 2% do capital do BFA à operadora angolana pelo montante de 28 milhões de euros, e que implica a perda de controlo por parte da instituição nacional no banco angolano (diminuindo de 50,1% para 48,1%), caso tivesse sido

efetuada a 30 de setembro implicaria “uma mais valia nas contas consolidadas do Banco BPI de 11 milhões de euros”. Este valor, adianta o BPI, resulta da diferença “entre o valor da venda (28 milhões de euros) e o valor correspondente a 2% dos capitais próprios do BFA nessa data”. Já nas contas individuais do BPI, a mais valia gerada seria de 27 milhões de euros face ao custo de aquisição da participação, podendo dar lugar ao pagamento de três milhões de euros de impostos em Angola (10% da mais valia). Com a operação que visa terminar com a exposição aos grandes riscos de Angola por parte do BPI, uma imposição do Banco Central Europeu, a participação do BPI no BFA passa a ser registada pelo método de equivalência patrimonial, o que implica que nas contas consolidadas do banco português deixem de ser reconhecidos todos os ativos e passivos do BFA, passando a participação no BFA a ser registada integralmente na rubrica “Investimentos em associadas e filiais excluídas de consolidação”.

TAP vai vender participação na Lojas Francas de Portugal A TAP, a Vinci Airports (que detém a em 2017 e reafirma que este acordo ANA) e a Dufry chegaram a um acordo “reforça os negócios da LFP e protepara a realização de um negócio que ge os seus interesses, bem como o envolve a venda da Lojas Francas de dos seus trabalhadores”. “A LFP vai Portugal (LFP), no âmbito do qual a prosseguir a sua relação comercial companhia aérea vai vender a posição com a TAP”, afirma ainda a compaaccionista de 51% que detém naquela nhia aérea, assinalando que no que empresa ao grupo francês. Já a Dufry respeita aos contratos de concessão vai manter a participação de 49% que para exploração das lojas duty-free e já detém. Em comunicado, a TAP re- outras operadas sob a marca Nuancorda que a concessão por parte da ce, pertencente ao Dufry Group, não ANA Aeroportos de Portugal das li- haverá alterações respeitantes à concenças da LFP poderá ser rescindida tinuação da operação.


Hotelaria alcança melhor semestre dos últimos 12 anos O primeiro semestre de 2016 foi o melhor dos últimos 12 anos para o setor da hotelaria portuguesa, relativamente à taxa de ocupação, preço médio por quarto disponível e receita média por turista, de acordo com o relatório “AHP Tourism Monitor”. A taxa de ocupação cresceu 3,4 pontos percentuais, para os 63,2%, e o preço médio por quarto ocupado situou-se nos 72,3%, mais 6,3% face ao período homólogo de 2015. Já o chamado RevPar, ou seja, o preço médio por quarto disponível, situouse nos 45,7 euros, 12,2% acima de 2015. A receita média por turista atingiu os 107 euros, mais 7%. No período em análise, a estada média foi de 1,88 dias, igual ao ano anterior. “Os primeiros seis meses deste ano foram bons para a hotelaria. Registámos, mês após mês, um crescimento em praticamente todos os indicadores, apenas a estada média não tem aumentado, o que acaba por ser um

ponto menos positivo, mas que estará, em destinos urbanos, relacionado com o perfil dos novos turistas”, como salientou Cristina Siza Vieira, presidente executiva da AHP. Os Açores destacaram-se no primeiro semestre, em termos de taxa de ocupação, e o Grande Porto e Algarve em termos de preços. Lazer e férias foram a principal motivação das dormidas (com 76%) nos primeiros seis meses do ano, seguindo-se os negócios/ profissionais (15%) e outras motivações (9%). As dormidas de estrangeiros representaram 75%, com destaque para a Alemanha (17%), Reino Unido (15%), França (7%) e Espanha (5%).

Foto WIKIPEDIA

Pilar del Río ganha Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2016

A jornalista Pilar del Río venceu o Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2016, pelo seu trabalho “como fundadora e presidente da

Fundação José Saramago, dedicada à defesa dos direitos humanos”. Pilar del Río é ainda distinguida pela “promoção da literatura portuguesa e ao intercâmbio da cultura portuguesa, espanhola e latinoamericana”, sustenta o júri. “Na sua própria pessoa e na Fundação que dirige se encarna o espírito e os valores da fraternidade luso-espanhola”, lê-se na nota de imprensa do Ministério da Cultura. O prémio, atribuído pelos governos de Portugal e de Espanha, no valor de 75 mil euros, reconhece a obra de um criador no âmbito da arte e da cultura, que fomente a comunicação e cooperação cultural entre os dois países.

Gestores

em Foco

Rui Moreira (na foto) foi nomeado pela CBRE head of shopping centre services, em Portugal. Este é um novo cargo na CBRE, que terá como função desenvolver o negócio de centros comerciais, transversalmente a todas as linhas de negócio, apresentando uma proposta de valor assente numa lógica de serviços integrados. Com 11 anos de experiência no retalho, Rui Moreira juntou-se à CBRE em 2012, como gestor de cinco centros comerciais em Espanha e integrou depois a equipa de investimento em Madrid. Licenciado em Economia, pela Universidade do Porto, desempenhava atualmente o cargo de associate director no Departamento de Investimento da CBRE Portugal. Nuno Ramos (na foto) é o novo diretor executivo da Agripro (grupo Agriloja), especializado em produtos e soluções profissionais agrícolas. Desde outubro de 2016, Nuno Ramos é o responsável pela área B2B do grupo, tendo como objetivos desenvolver e modernizar, através de processos e ferramentas tecnológicas, o agronegócio na vertente profissional. Licenciado e com uma pós gradução em Gestão de Marketing no IPAM (Instituto Português de Administração e Marketing), o gestor manteve um percurso profissional, durante 22 anos, no setor das TIC, tendo estado, nos últimos três anos, ligado à área farmacêutica. Antonino Labate é o novo diretor de Estratégia, Desenvolvimento de Negócio e de Operações da Seat Sport. Neste novo cargo, o gestor italiano será responsável pela definição e desenvolvimento de estratégias de negócio de longo prazo, em paralelo com a área da concorrência. A direção de Estratégia, Desenvolvimento de Negócio e de Operações é uma nova divisão que trabalhará em coordenação com o Departamento Técnico da SEAT Sport. Antes de entrar na Seat, Labate foi diretor de Operações da Ducati no Brasil, durante um ano e meio, e teve a missão de reforçar a presença da marca italiana no país sul-americano. Antonino Labate possui mais de 30 anos de experiência no setor automóvel.

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 9


Breves Orange invertirá otros 228 millones de euros en fibra y 4G en Andalucía La operadora de telecomunicaciones Orange prevé realizar una inversión adicional en Andalucía de 228,5 millones de euros, según ha comunicado su secretaria general, Carmen Recio, en una reunión con altos cargos de la Junta. La intención de Orange es destinar 72,5 millones de euros a la red 4G, con el objetivo de alcanzar una cobertura del 95% de la población, y otros 156 millones a la fibra óptica, con la meta de llegar a 1,8 millones de unidades inmobiliarias. La compañía ha invertido cerca de 400 millones de euros hasta 2015, 235 millones en 4G y 160 en fibra óptica, para el despliegue de redes de telecomunicaciones de última generación en la comunidad. El compromiso de Orange con la transformación y la innovación digital inspira proyectos como Sé Digital Andalucía, para formar a 7.000 ciudadanos de la comunidad, y Lánzate, en el que se ha premiado a dos startups andaluzas: Métrica6 Ingeniería y Desarrollo y Las Aventuras de Tate. Ikea avanza en sus planes de venta por Internet en España La compañía sueca Ikea, que celebra este año su 20 aniversario en la Península Ibérica, ha extendido el servicio de e-commerce en nuevos establecimientos. Así, en una primera fase, Ikea puso en marcha este servicio en sus tres tiendas de Barcelona (Badalona, L’ Hospitalet de Llobregat y Sabadell), las de Valladolid, Málaga, Asturias y A Coruña. Ikea también ofrece ahora venta online en sus tres establecimientos de Madrid, situados en San Sebastián de los Reyes, Alcorcón y Vallecas. Esta prueba piloto permite comprar a través de la web y recogerlo en tienda (click and collect), con un coste de 16 euros en todos los establecimientos con servicio online, excepto en Granada, donde Ikea ofrece estos servicios a través de un proveedor externo y entonces los gastos de envío son de 29 euros. Ikea también ofrece la posibilidad de recibirlo en casa, con un coste de envío de entre 50 a 280 euros, dependiendo del precio del producto. A través de la web, se pueden comprar la mayoría de artículos del catálogo de Ikea exceptuando plantas naturales, productos de alimentación, encimeras a medida o artículos cuya referencia sea la misma para diferentes colores.

10 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

EL BBVA no descarta comprar entidades en Chile y Estados Unidos El presidente de BBVA, Francisco González, no ha descartado comprar algún banco en Chile y Estados Unidos en los próximos dos o cuatro años, con el fin de alcanzar una “mayor presencia” como proveedores de productos fi- El Mercurio. González admite que el nancieros. Para ello, ha esgrimido banco español no tiene en Chile una la reducción de costes gracias a la presencia “acorde” con la importantecnología. “Entre dos y cuatro años cia del grupo a nivel global, mientras más, deberíamos tener una capaci- que recuerda que la entidad está en dad de negociación suficiente para la posición número 20 en Estados provocar alguna operación física. Unidos sobre cinco mil bancos. Pero es una consecuencia natural “No estamos conformes”, ha afirmado, de la evolución del banco”, explica para después incidir en que BBVA se el presidente de BBVA en una entre- erige como el número uno o dos en vista concedida al periódico chileno México, Perú, Colombia y Turquía.

Cepsa mejora un 18% sus resultados

Cepsa obtuvo en los nueve primeros meses del año un resultado neto (eliminando los elementos no recurrentes y calculando la variación de inventarios a coste de reposición) de 373 millones de euros, un 18% superior a la del mismo periodo de 2015. Calculando la variación de inventarios a coste medio unitario, el resultado si situó en 457 millones, frente a los 407 millones del año pasado. Según indica la compañía en una nota

de prensa, el periodo ha estado marcado por la volatilidad de los precios del crudo, “aún en bajas cotas”, que ha penalizado los resultados del área de exploración y producción (upstream), que se ha amortiguado gracias al plan de contención de costes. Las ventas de crudo se situaron por encima de los 13 millones de barriles, un 6% más que en igual periodo de 2015. Además, continuó el estrechamiento de los márgenes de refino. Cepsa indica que “gracias a la excelencia operativa y a la continua búsqueda de eficiencia, los márgenes de refino han sido aceptables, aunque claramente inferiores a los del mismo periodo del año pasado, que se situaron en un entorno excepcionalmente favorable”.


Breves Telefónica ataca el negocio digital en Alemania con la nueva filial Next

Telefónica quiere extender su estrategia de crecimiento en los negocios digitales en todos los países en los que tiene operaciones. Ahora le ha tocado el turno a Alemania. Así, la teleco ha anunciado la creación de una nueva filial, bautizada como Telefónica Germany Next GmbH, que se va a concentrar en los segmentos del mundo digital. La división, que tendrá su sede en

Berlín, va a concentrarse en segmentos de fuerte crecimiento como el big data (análisis masivo de datos) y el internet de las cosas. La nueva filial actuará como una startup independiente en el mercado, para desarrollar productos y servicios digitales. La teleco indicó que la división se ha establecido de forma deliberada en Berlín porque en la capital germana converge un amplio ecosistema digital con jóvenes emprendedores, compañías, inversores y responsables políticos. Para dirigir Next, Telefónica ha fichado a Nicolaus Gollwitzer, ex consejero delegado de Vodafone Automotive y ex responsable del negocio telemático del propio grupo británico.

Globalia crea una división de viajes de empresa

Globalia ha anunciado la puesta en marcha a partir de enero de Globalia Corporate Travel, una marca especializada en el sector corporativo que espera elevar su facturación un 7% hasta alcanzar los 430 millones de euros este año. Esta nueva insignia, que dependerá de la división minorista de Globalia, nace del fruto de la unión de Halcón Empresas y

Halcón Eventos, ambas filiales de Halcón Viajes. Ambas acaparan en la actualidad un 35% de las ventas de la división minorista. El grupo nace con una cuota de mercado corporativo de en torno al 14% ocupando por tanto la segunda posición nacional tras el grupo Viajes El Corte Inglés. Una posición que esperan superar en los próximos años con el objetivo de convertirse en la primera agencia de viajes corporativa del país a finales del año 2017. La adjudicación del megacontrato público por el que centralizan los viajes de la Administración General del Estado por valor de 200 millones de euros ha servido de gran impulso para la matriz de la compañía.

México se convierte en principal suministrador de petróleo de España México produjo 6.576 kilotoneladas (kt) de crudo con destino España, según las estadísticas de la Corporación de Reservas Estratégicas de Productos Petrolíferos (Cores). De esta manera se ha convertido en el principal suministrador, con un porcentaje de participación en el total de las importaciones del 13,9%, dos décimas más que el año pasado. A continuación, Nigeria, que ha perdido el primer puesto frente a México, exportó a España 6.312 kt, un 17% menos que en 2015. Su cuota bajó más de tres puntos, al pasar del 16,7% en el conjunto de 2015 al 13,3% en los nueve primeros meses de 2016. Por su parte, en el tercer puesto se mantiene Arabia Saudí, con 4.763 kt, un 8,9% menos que un año antes. Su presencia disminuyó medio punto, pasando del 10,5% al 10%. En la cuarta posición sí ha habido cambios, puesto que Angola ha sido superado por dos países que aumentan de forma significativa sus exportaciones a España: Rusia e Irak. Este país surafricano exportó 2.463 kt a España, un 49,2% menos. Su cota fue del 5,1%, frente al 9,2% de 2015. Lidl solo usará leche española para su marca propia La cadena de supermercados alemana Lidl ha decidido renunciar al mercado lácteo internacional y comprar toda la leche de su marca propia– Milbona– a ganaderos españoles. La decisión, anunció la compañía en una nota de prensa, “generará nuevos empleos y una mayor inversión para la industria de la leche”. Lidl, presente en España desde el año 1994, cuenta actualmente con más de 535 supermercados en el país, diez plataformas logísticas y una plantilla de más de 11.500 empleados. En España, la cadena tiene una cuota de mercado del 4,1% y el pasado año alcanzó unas ventas de 3.048 millones de euros, lo que representa un incremento del 12,5% con relación al ejercicio anterior. La empresa ya tiene un 100% de productos españoles en su surtido fijo de carne, compuesto por 75 artículos bajo las marcas “Rústico” (ternera, cerdo y conejo) y “Delave” (ave). En cuanto a las frutas y hortalizas, el 80% procede de producción nacional; en total, adquirió 1,2 millones de toneladas de frutas y hortalizas en 2015, un 11,6% más que en el año anterior. Eso supone, según el comunicado de la firma, el 6% de la producción agraria española.

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 11


atualidade actualidad

CRIT entra em Portugal num momento de aceleração do trabalho temporário Confiante no crescimento económico do mercado português, a multinacional de recursos humanos Crit abriu uma delegação em Lisboa no final do ano passado e quer abrir no Porto em 2017. Françoise Martinage Argullos, responsável pelo mercado ibérico, aponta a área comercial, a informática, a tecnologia e o turismo como as mais necessitadas de profissionais com formação adequada, em Portugal.

A

Texto Susana Marques smarques@ccile.org Fotos Carlos Sánchez de la Flor carlos@ccile.org

tualmente, “o mercado de trabalho temporário cresce a dois dígitos em Portugal”, assinala Françoise Martinage Argullos (na foto), responsável pelo mercado ibérico na multinacional de recursos humanos Crit. Este dinamismo do mercado é frequente depois de momentos de crise económica, observa a gestora: “Portugal, tal como Espanha, viveu um mau momento económico, fez muitos esforços para recuperar e está a crescer. As atividades comerciais vão crescer, os serviços vão crescer, o número de call centers vai aumentar. Por outro lado, o país possui profissionais com formação, que falam diversos idiomas. 12 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

A taxa de desemprego é alta, mas as pessoas têm vontade de trabalhar. Os custos laborais são muito competitivos porque os salários não são muito elevados. Irão subir pouco a pouco, à medida que o país recupere e o consumo aumente. Há bons indicadores, que apontam para o crescimento de Portugal.” Com mais de meio século de atividade na área dos recursos humanos, o grupo de origem francesa Crit é o quarto maior no âmbito do recrutamento e trabalho temporário em França. A multinacional atua também em Espanha, em Inglaterra, Suíça, Alemanha, EUA, Marrocos, Argélia, Tunísia e Serra Leoa, sendo parceira de 28 mil

empresas e participando na contratação de mais de 100 mil profissionais por ano. Em Espanha, a empresa já está desde 1999 e entrou no fim de 2015 em Portugal, numa altura em que se desenham perspetivas de crescimento para o mercado de trabalho e para aproveitar as sinergias com Espanha, explica a responsável pelo mercado ibérico da Crit: “A proximidade entre Espanha e Portugal é enorme. Há muitas empresas que estão nos dois países, muitas centrais de compras comuns. Muitos dos nossos clientes em Espanha estão também em Portugal.” Acresce que “o grupo está em plena expansão” e tira partido do facto de “o trabalho temporário


actualidad atualidade

crescer muito nas saídas de cri- cing representa 29% do negócio se”, salienta a gestora. Esse é, ali- da Crit e é requisitado sobretudo ás, ”um bom indicador de que a em áreas como a informática e a economia está a recuperar”, nota. O recurso ao trabalho temporário configura “um risco menor para Em Portugal, a as empresas, sobretudo quando empresa espera já perderam muito dinheiro com a crise”, observa ainda a especiachegar aos três lista. milhões de euros de Para a Crit, o trabalho temporário é responsável por “70% do faturação, em 2017, e negócio”. De acordo com Françoiaos 10 milhões dentro se Martinage Argullos, as áreas que mais solicitam à empresa de de três anos recursos humanos profissionais para contratos de trabalho temporários são as indústrias petroquímica, automóvel, farmacêutica tecnologia. A multinacional prese alimentar, bem como no setor ta também serviços de consultoria dos serviços, a hotelaria, os call de recursos humanos de alto nível, centers , as telecomunicações, o fazendo formação e outplacement retail e a distribuição. O outsour- (recolocação de profissionais).

Em Portugal, Françoise Martinage Argullos constata que “faltam profissionais sobretudo nas áreas de informática, tecnologia, na área comercial”. Faltam também “técnicos especializados em áreas como a eletricidade e a eletromecânica”. O turismo e a restauração, em forte crescimento também apresentam lacunas, diz: “O turismo é um paraíso em Portugal. Não podemos descartar isso e faltam, por exemplo camareiras. Temos muitas solicitações de clientes na área do turismo.” Françoise Martinage Argullos informa que a Crit não se limita a empregar pessoas e que investe muito na formação: “Somos muito fortes na área da formação e queremos dar formação em Portugal. Temos um leque de cursos muito completos em áreas como a lide-

PUB

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 13


atualidade actualidad

rança, técnicas de venda, desenvolvimento pessoal, etc. A questão da formação é fulcral para os profissionais, já que mesmo que não se mantenham no posto de trabalho no final de um contrato, ficam com a formação. As pessoas saem mais capazes do que entraram e com maiores possibilidades de uma próxima colocação.” A gestora frisa ainda que “as empresas têm um problema de passagem de testemunho e contratam jovens sem os formarem”. Isto porque “há pouca formação especializada”, sustenta, acrescentando que “as universidades estão a adaptar-se, mas não conseguem ainda dar resposta às lacunas do mercado.” Importa ter em conta que “estes jovens serão os diretores de amanhã”. A diretora geral da Crit em Portugal e em Espanha realça que “a prioridade é colocar as pessoas no mercado de trabalho” e que a grande aposta em Portugal são os jovens: “Comprometemo-nos com os jovens portugueses. Há muito desemprego jovem quer em Portugal, quer em Espanha. Quem nunca trabalhou tem mais dificuldade em arranjar emprego. Fazemos entrevistas, testes psicotécnicos, testes de habilitações, de idiomas, e damos a formação necessária. Somos rápidos e eficientes a apre14 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

sentar soluções aos nossos clientes e tecnologicamente potentes.” A Crit faz cerca de 60 mil contratos de trabalho por ano em França, seis mil em Espanha e espera fazer mil em Portugal. Em todo o mundo empregam 100 mil profissionais por ano.

CRIT pondera comprar empresa de recursos humanos para crescer no mercado português Em Portugal, a empresa espera chegar aos três milhões de euros de faturação em 2017 e aos 10 milhões em três anos. “Não estamos a descartar a possibilidade de comprar uma empresa de recursos humanos em Portugal, como aconteceu em Espanha (compraram duas empresas em 2006)”, adianta Françoise Martinage Argullos, indicando apenas que estão a sondar o mercado nesse sentido. O crescimento será sustentado também pela abertura de uma delegação no Porto, previsivelmente em 2017, revela. “Abriremos onde os nossos clientes pedirem”, remata. A gesto-

ra sublinha que “as delegações da Crit são bastante autossuficientes”, já que “o grupo é f lexível e aberto às propostas dos profissionais de cada delegação”, o que é muito importante para respeitar a idiossincrasia de cada mercado. Em Espanha, a Crit faturou 105 milhões de euros em 2015 e espera faturar 120 milhões de euros este ano. No conjunto dos mercados em que opera, a multinacional fatura anualmente dois mil milhões de euros. O grupo, criado em 1962 com o nome Centre de Recherches Industrielles et Techniques por Claude Guedj, continua a ser uma empresa de cariz familiar, já que a família do fundador detém 73% do capital. O restante está cotado no segundo mercado da bolsa de Paris (desde 1999). Françoise Martinage Argullos argumenta que a empresa mantém uma forte preocupação com a ética, já que essa sempre foi a filosofia do fundador. “Somos uma multinacional sana e sólida, muito focada na ética de trabalho. A família fundadora do grupo tem esses valores sempre presentes. Não queremos ganhar dinheiro a qualquer custo. Temos um programa de responsabilidade social. Empregamos deficientes, colaboramos com associações que ajudam pessoas em risco de marginalização. Queremos fazer isso em Portugal também. Tratamos bem as pessoas que trabalham connosco. Os nossos funcionários diretos podem aceder a um sistema de horário f lexível. Subimos os seus salários. Também aos profissionais que empregamos em contratos temporários pagámos acima da lei.” A gestora indica que “a margem de ganhos para a Crit é de 5 a 6%, em termos globais”, acrescentando que “a média do setor ronda os 3%”. Em Portugal, “ficamos contentes se estivermos dentro da média”, conclui.


actualidad atualidade

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 15


atualidade actualidad

Aumenta en España el número de mujeres emprendedoras y diversifican las áreas de inversión En los últimos años ha crecido un 7% el número de emprendedoras y empresarias en España, llegando a las 650.000 actuales. Apuestan por nuevos sectores, algunos de ellos dominados tradicionalmente por los hombres.

E

Textos Belén Rodrigo brodrigo@ccile.org Fotos DR

l autoempleo ha sido la única salida para muchas mujeres que se quedaron sin trabajo en España tras la crisis de 2008. A día de hoy ya existen más de 650 mil mujeres emprendedoras y empresarias, una cifra fruto del crecimiento del 7% en los últimos años. Según constata Eva Serrano (foto en la pág. 18), presidenta de la Asociación Española de Mujeres Empresarias de Madrid (ASEME), “ha crecido mucho el número de mujeres que han creado su propio empleo y en el 90% de los casos han utilizado capital privado, bien procedente de la indemnización del despido o de sus ahorros”. Actualmente “existen dos mujeres em-

16 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

prendedoras por cada tres hombres” y por ASEME durante el Congreso han sido las empresas dirigidas por el Iberoamericano de Mujeres Empresasexo femenino las que “han superado rias que se celebró en Madrid del 27 mejor la crisis”. Desde esta asociación al 29 de octubre (en la foto). Evento se subraya la entrada del emprende- que abordó distintos temas como las durismo femenino en las nuevas tec- razones que mueven a las empresas a nologías “sobre todo por parte de las trabajar en RSC, la diversidad como mujeres más jóvenes, entre los 24 y los valor estratégico o la mujer como mo30 años”. A partir de los 40 cada vez tor de cambio de modelo de la empreson más las empresarias dedicadas a sa, entre otros. los servicios y al e-commerce. Además Un elemento común en los nuevos “buscan negocios que puedan durar en proyectos empresariales de mujeres es el tiempo y hoy se pueden encontrar la incorporación de la responsabilidad mujeres al frente de editoriales o de social corporativa (RSC) en el plan de empresas de detectives, por ejemplo, negocio. “La crisis ha dejado imporáreas tradicionalmente dirigidas por tantes aprendizajes: la RSC es rentahombres”, puntualiza Eva Serrano. ble para todo proyecto empresarial y Estos son algunos datos revelados para la sociedad”, resalta la presidenta


actualidad atualidade

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 17


atualidade actualidad de ASEME. “Las empresarias del siglo XXI tenemos una responsabilidad para mejorar nuestro entorno, generar valor y riqueza con transparencia y de forma honorable”, añade. Informe “Mujeres con Impacto” Mujer de 40 años, casada o en pareja (un 65%). Este es el perfil de la emprendedora social que ha dibujado el Instituto de Innovación Social de ESADE a partir de la consulta a cerca de 70 mujeres que lideran o colideran una empresa social en España. Una radiografía titulada “Mujeres con Impacto. Ecosistema de mujeres emprendedoras sociales en España”, impulsada por la Fundación Abertis y la Fundación EY, que ha encontrado diferencias entre éstas y las emprendedoras en general

en relación a la edad y el grado de formación. “La mayoría de las consultadas afirma haber emprendido un negocio una vez adquirida experiencia en el ámbito social, y su nivel educativo es mayor al de la emprendedora en general”, comenta Mar Cordobés, investigadora del Instituto de Innovación Social de ESADE y responsable del informe. Sonia Navarro, directora del Instituto de Innovación Social de ESADE, añade: “el 93% de las consultadas afirma tener educación superior, un porcentaje más elevado que el 65% que registra el “Informe Global Entrepreneurship Monitor” como media para las emprendedoras. De hecho, un 60% de las consultadas tiene algún máster o curso de postgrado y otro 18% tiene un doctorado”.

Proyecto Promociona

El Ministerio de Sanidad, Servicios Sociales e Igualdad y la Confederación Española de Organizaciones Empresariales (CEOE) organizaron el mes pasado en Madrid la jornada “Presencia femenina en puestos de alta dirección”, en el marco del “Proyecto Promociona. Mujeres en la Alta Dirección de las Empresas”, que contó con la presencia de la reina Doña Letizia, la ministra de Sanidad, Servicios Sociales e Igualdad, Dolors Montserrat, el presidente del BBVA, Francisco González y el presidente

18 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

de la CEOE, Juan Rosell, entre otros. El proyecto “Promociona” pretende fomentar la presencia de las mujeres en los puestos de alta dirección de las empresas. Este propósito fundamental se lleva a cabo a través de la identificación y promoción del talento femenino y el desarrollo y fortalecimiento de las capacidades y habilidades profesionales y de liderazgo de mujeres. Entre los participantes estuvo Pilar Cabrera, directora general de Somague Concessões (grupo Sacyr en Portugal).

El rasgo principal de las emprendedoras sociales es su pasión y determinación por conseguir un determinado impacto social, rasgos que son considerados como los factores clave del éxito más importantes por la mayoría de emprendedoras. El segundo factor más valorado es contar con el equipo adecuado, valorado como muy importante por un 81% de las mujeres, mientras que la propia capacidad de liderazgo sólo es valorada en el mismo grado por un 49% de las mujeres. Estos datos parecen corroborar el efecto de “humildad femenina” que hace que las mujeres suelan atribuir el éxito colectivamente más que de forma individual. No les ha influido, sin embargo, la ambición económica – sólo un 13% de las consultadas lo han visto como algo importante– ni la necesidad – el porcentaje de emprendedoras que ha creado su empresa social por este motivo se sitúa en un escaso 10%. Poder conciliar la vida profesional y familiar, en cambio, sí han sido valorados como factores muy importantes por más de una tercera parte. La dificultad en el acceso a la financiación es una de las principales barreras a la hora de emprender para el 58% de las consultadas. Casi la mitad de ellas se ha visto obligada a costear con recursos propios más del 75% del total de la inversión necesaria para crear sus empresas. 


actualidad atualidade

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 19


atualidade actualidad

Fujifilm se reinventa y prevé beneficios récord en los próximos años La multinacional celebra en Europa su 50º aniversario convertida hoy en una empresa diversificada que opera en sectores tan diversos como el sanitario, la energía renovable y el medioambiente, la imagen y su tratamiento, o la cosmética. España y Portugal se presentan como dos buenas oportunidades de negocio para purificación del agua y del gas natural a partir de las películas fotográficas.

L

Textos Belén Rodrigo brodrigo@ccile.org Fotos DR

a práctica desaparición de la película fotográfica fue el motivo de renacimiento de Fujifilm que en los últimos años se ha convertido en una multinacional diversificada con siete grandes áreas de negocio: photo imaging, electronic imaging, medical, graphics, optical devices, recording media y productos industriales. “La crisis de la película comenzó en el 2001, y en poco tiempo bajábamos un 20% cada periodo. Fue un gran shock, pero conseguimos luchar contra esta realidad rápidamente”, explica Takaaki Kurose, vicepresidente de Fujifilm Europa. “Decidimos cambiar el proceso. Teníamos la tecnología, éramos competitivos y buscamos nuevas salidas”, añade. La materia prima sigue siendo la misma, la película fotográfica, compuesta en un 50% de colágeno. La

20 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

diferencia es que hoy hablamos de una compañía que opera en sectores tan diversos como el sanitario, las energías renovables y el medioambiente, la imagen y su tratamiento, o la cosmética. Fujifilm basa la innovación en dos estrategias fundamentales. Tal y como explica Antonio Alcalá, director general de Fujifilm Ibérica, “por un lado creamos espacios muy concretos donde poder cocrear con otras compañías, los llamados Open Innovation Hubs y por otro entramos en contacto con otras empresas buscando la forma de crear joint-ventures para lanzar nuevos productos al mercado a partir de nuestras tecnologías Fujifilm, que en Europa conmemora ahora los 50 años de su actividad, ha conseguido crear membranas para la purificación del agua y del gas natural, medicamentos para luchar contra el ébola, el cáncer o el alzhéimer y aditivos usados en lubricantes para el sector de la automoción que optimizan el rendimiento de los vehículos, entre otros. “En España y en Portugal hay mucho campo para invertir en las energías renovables”, apunta Alcalá. “El próximo gran negocio será la creación de membranas para la purificación del gas natural a partir de

las películas fotográficas”, añade. Durante los meses de octubre y noviembre, la compañía ha llevado a cabo un tour con presentaciones en 12 ciudades de España y Portugal en las que ha dado a conocer algunos de los últimos avances que ha logrado en el campo de la energía, el medioambiente y la industria. “Todo nace de la película y del profundo conocimiento que tenemos del colágeno, de los procesos de oxidación, de la imagen y de la nanotecnología”, recuerda el director general de la multinacional para la Peninsula Ibérica. El resultado ha sido el desarrollo de medicamentos para luchar contra el ébola, el cáncer o el alzhéimer, sistemas para impedir las copias fraudulentas de productos, almacenamientos de datos casi eternos, aditivos usados en lubricantes para el sector de la automoción que optimizan el rendimiento de los vehículos o membranas para la purificación del agua y del gas natural. En el último ejercicio, Fujifilm alcanzó una cifra de negocio de 22.000 millones de euros y un beneficio de 1.700 millones. Anualmente, el 7% de los ingresos se destina a investigación y desarrollo (I+D), lo cual implica invertir más de 1.600 millones de euros anuales en el desarrollo de nuevos productos. 


actualidad atualidade

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 21


Empresas familiares mantêm forte peso no contexto ibérico

Foto Carlos Sánchez de la Flor

atualidade actualidad

O papel imprescindível das empresas familiares foi destacado num recente seminário realizado no Porto e que contou com uma perspetiva económica e legal em ambos os países ibéricos.

O

Texto e Foto Actualidad€ actualidade@ccile.org

crescimento do grupo Luís Simões não pode ser dissociado da sua estrutura de natureza familiar, destacou José Luís Simões, filho do fundador do grupo e atual presidente, no seminário “Empresas familiares em Portugal e Espanha: Preparar o presente, assegurar o Futuro”, realizado no passado dia 27 de outubro, no Porto. A história do maior grupo transportador do país remonta aos anos 30 do século passado, quando Fernando Luís Simões começou com o transporte, de carroça, de hortaliças e fruta para os mercados abastecedores de Lisboa e da Malveira. Desde 1948, ano da compra do primeiro camião, até hoje, este grupo, que se converteu numa das maiores empresas na área da logística e assumiu uma dimensão internacional, percorreu um caminho que hoje significa contar com 1.500 colaboradores diretos e transportar cerca de oito mil milhões de toneladas por ano de mercadorias para toda a Europa e até, suportado em parcerias, para outros pontos do mundo, destacou José Luís Simões, um dos oradores do seminário co-or-

22 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

ganizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso Espanhola (CCILE) e pela Associação Comercial do Porto, contando com diversas intervenções de âmbito económico-comercial e, ainda, jurídico-legal. A temática das empresas familiares reveste-se da maior importância, uma vez que representam 70% do produto interno bruto mundial e 50% do PIB nacional, em linha com os valores para a Europa. Em Espanha, esta percentagem é ainda mais significativa, ascendendo a 57%. Considerando o volume de emprego, as empresas familiares são responsáveis por 40 a 50% do emprego na Europa, garantindo mais de 60% dos postos de trabalho em Portugal e em Espanha. As sociedades familiares ocupam lugar de destaque entre as maiores empresas europeias, muitas delas cotadas nas principais bolsas dos respetivos países. Também em Portugal, as empresas familiares são a forma empresarial predominante na economia, correspondendo a 80% das 350 mil empresas a operar em Portugal. Adicionalmente, existe uma relação entre a

longevidade e o facto de a empresa ser familiar, sendo que quase 45% das empresas maduras são familiares, de acordo com dados da Associação das Empresas Familiares portuguesa. Face à importância destas empresas na economia, é fundamental assegurar que existem mecanismos e condições adequadas para responder aos desafios que a sua especificidade lhes confere, salientaram os diversos oradores presentes no encontro. O desafio mais evidente com que estas empresas se deparam é o da sucessão, que se materializa na dificuldade em escolher os sucessores (selecionar e preparar o descendente mais adequado independentemente da participação direta no capital), proceder à sucessão na altura mais oportuna, o que muitas vezes implica vencer a resistência dos séniores em abdicar do controlo, em particular das funções executivas, e profissionalizar a gestão. Mas outros desafios se colocam a estas empresas, tais como incompatibilidade de interesses ou divergências entre membros da família que exercem funções executivas e os que


actualidad atualidade

Também Pedro Fernandes, diretor à liberdade de dispor resultantes das apenas detêm participação de capital e o equilíbrio entre as necessidades Central da Banca de Empresas do BPI, regras relativas à sucessão legitimária de liquidez da família e da empresa. frisou a importância destas empresas (quota indisponível)”. Neste contexto, deu-se nota de que Nestas empresas são, ainda, fre- no tecido empresarial nacional, as quentes os dilemas de caráter finan- quais têm também uma atenção espe- o sistema jurídico português é avesso ceiro, tais como a dificuldade em cial por parte deste banco, assegurou às relações jurídicas que implicam a encontrar soluções para financiar o no seminário, onde participaram cer- contitularidade de bens. Os especialistas alertaram, igualcrescimento sem diluir o controlo ca de 60 pessoas. Houve ainda a oportunidade de de- mente, para o risco do aumento geneda família, ou resolver problemas financeiros associados à mudança bater os temas jurídicos associados às ralizado da tributação do património empresas familiares, através das inter- imobiliário (de que é exemplo o novo de geração. Na mesma linha, Jose Manuel venções de Miguel Durham Agrellos, imposto sobre o património imobiGarcía, diretor da Câmara Oficial que deu o enquadramento português, liário), que reflete uma tendência no de Comércio e Indústria e Navega- e de Rafael Garcia Llaneza, com a sentido da tributação geral do patrição de Pontevedra e Vigo, referiu perspetiva da legislação espanhola. Os mónio, com potenciais consequências as boas perspetivas de crescimento dois advogados da Uría Menéndez- gravosas para as empresas familiares. Foi ainda destacada a importância para a economia espanhola, subli- Proença de Carvalho salientaram, denhando ainda o forte peso das em- signadamente, a importância do pla- da criação de holdings familiares, presas familiares no tecido empre- neamento sucessório, nomeadamente, nomeadamente para garantir uma sarial do país, e em particular da através da utilização de instrumentos maior eficiência fiscal do investique permitam “mitigar as restrições mento, e não só.  região autónoma da Galiza.

PUB

Centro de Formação CCILE Inteligência Emocional Lisboa, 05 de dezembro 09h00 – 13h00

A inteligência emocional representa a habilidade de entender, administrar e expressar corretamente os sentimentos: os seus e os dos outros. É uma habilidade essencial para a formação, desenvolvimento e a manutenção de relacionamentos; pessoais e profissionais. Estudos já comprovam que a inteligência emocional é uma competência essencial para sucesso futuro das organizações: os líderes emocionalmente inteligentes têm mais sucesso, chegam mais longe na sua carreira e criam ambientes mais produtivos.

Apresentações em Contexto Empresarial Lisboa, 07 de dezembro 09h00 – 13h00

Como comunicar ideias ao cliente com confiança e dinamismo, dando ênfase ao produto e destacando-se da concorrência? Descubra como construir uma apresentação dinâmica e infalível, planear reuniões de acordo com o contexto, técnicas de condução, fecho positivo e oratória em situações de pressão com o nosso novo curso!

clientes, pois a sua comunicação gera confusão e hostilidade. A assertividade resolve muito problemas imediatos, minimizando a probabilidades de problemas futuros, mas há que saber quando e como a aplicar!

Comunicação Assertiva

Lisboa, 13 de dezembro 09h00-18h00

Lisboa, 12 de dezembro 09h00-18h00

A comunicação assertiva é uma expressão aberta e honesta, clara e concisa sem constrangimento ou ansiedade: Transmitir ideias, afirmações e opiniões de forma direta sem ser percebido como uma pessoa agressiva, dominadora ou evasiva. A pessoa não assertiva acaba por perder negócios e

Gestão Construtiva de Conflitos (2ª Sessão) Nas equipas de trabalho é importante prevenir e atuar face à conflitualidade comportamental, que deve ser ativamente adereçada e não desviada, uma vez que a divergência é inevitável. Distinguir o tipo de conflito, conhecer e usar o modelo e abordagem adequados de resolução de conflitos e a aplicação de uma estratégia apropriada conduz, na verdade, a um maior compromisso, motivação, produtividade, inovação e sentido de equipa. Departamento de Formação Anaís Hernández Tel. 213509310/6 • E-mail: anais@ccile.org DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 23


marketing

marketing

Primera campaña publicitaria de la bebida Yosoy Y osoy es una bebida vegetal perteneciente a la empresa Liquats Vegetals que se elabora en el parque natural del Montseny, montaña que es el icono de su primera campaña de publicidad, con la que el anunciante quiere posicionar a la marca como referente de bebida 100% vegetal, natural y saludable. “Con esta campaña queremos dar el primer paso para empezar a construir una marca que nunca antes ha hecho comunicación de ningún tipo. Tiene muchas características que la hacen única, como que son los líderes y pioneros en España, que tienen tecnología propia que les permite extraer el mejor sabor con la mínima intervención, o que no usan transgénicos. Pero en lo que quisimos basar nuestra diferenciación en comunicación fue en que son los únicos que

usan agua de montaña, lo que incide en el sabor y en la salud” explican Nacho Oñate y Nestor García, directores creativos ejecutivos de Lola MullenLowe Barcelona, agencia responsable de la campaña. Bajo el concepto “Nada más que naturaleza en cada gota”, se han

desarrollado seis spots para televisión y un vídeo donde se puede ver parte del casting que se llevó a cabo para seleccionar la montaña protagonista de la campaña. Además, la agencia ha creado un microsite y piezas para campaña exterior. Arena Media maneja los medios. 

Coca-Cola lanza un vaso para los tragos lentos C oca-Cola ha lanzado un vaso de trago lento, con el diseño de CuldeSac y en colaboración con Bungalow25 Circus, pensado para disfrutar entre amigos. Presentado en el mercado de diseño y gastronomía Big Food Grrrreat Market celebrado en Madrid, el lanzamiento del vaso se enmarca dentro de la campaña #UnpluggedMoments, un movimiento que representa los momentos auténticos alejados del postureo. El vaso quiere inaugurar una nueva categoría en el mundo del mixing : el trago lento. A diferencia del trago largo (mezcla menos alcoholizada y servida normal-

24 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

mente en vasos altos) o el trago corto (mezcla con más alcohol y servida en copas pequeñas), el trago lento se ha definido como aquel que ayuda a disfrutar del momento, manteniendo la copa en su punto perfecto de consumo durante más tiempo. La fabricación del vaso ha requerido de un proceso de elaboración complejo y está hecho de un vidrio especial de alta resistencia, tiene un anillo de madera para conservar el frescor y capacidad para un gran combinado. El vaso mide 80 mm de diámetro por 110 mm de alto (aproximadamente), y tiene una capacidad de 55-60 c. 


marketing

marketing

Gallina Blanca vende 100 millones de unidades de Yatekomo en tres años G allina Blanca sigue cosechando éxitos gracias a su marca Yatekomo , con la que ha alcanzado las más de 100 millones de unidades vendidas en España en tres años, y en 2016 se prevé vender 50 millones más. Más de 7 millones de españoles han probado alguna de las 15 variedades de Yatekomo. El actor Dani Rovira es el prescriptor de la marca. “Superar las 100 millones de unidades vendidas de Yatekomo es un orgullo para la compañía y un hito que subraya la clara apuesta de Gallina Blanca por la innovación, nuestro motor de crecimiento desde nuestros inicios hace casi ocho décadas” explica en un comunicado Fernando Fernández, director gene-

ral de Gallina Blanca. Yatekomo, asimismo, ha dado un impulso a la categoría de fideos orientales. Hoy es líder en el mercado español con una cuota de mercado del 62% y ha hecho crecer el segmento de los platos preparados en un 74%, aseguran desde la marca en el mismo comunicado.Con un grado de penetración del 100%, Yatekomo se puede encontrar en todos los supermercados e hipermercados de España. Además, pueden consumirse a bordo de los aviones de Iberia o Vueling y en los trenes del AVE. Tras su lanzamiento hace ahora tres años, Yatekomo ha renovado su imagen y, a partir de ahora, se llamará Yatekomo “Los Origina-

les”. Además, Gallina Blanca ha lanzado Yakisoba Bag, la opción más gourmet para los paladares más exigentes, ahora disponible en formato bolsa y por sólo 1 euro. Hasta el momento y desde su lanzamiento hace dos años, los fideos Yakisoba solo estaban disponibles en formato vaso. 

Textos Belén Rodrigo brodrigo@ccile.org Fotos DR

PUB

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 25


Vinhos & Gourmet

vinos & Gourmet

“Encontro com o Vinho e Sabores” atraiu cerca de 20 mil visitantes D

e 11 a 14 de novembro, teve lugar em Lisboa a 17ª edição do maior evento vínico e gastronómico de Portugal, o “Encontro com o Vinho e Sabores 2016”. Durante os quatro dias, foi possível desfrutar de uma experiência única com mais de 2.500 vinhos, dos cerca de 450 produtores provenientes de todas as

regiões vínicas do país e do estrangeiro. Além do protagonismo natural do vinho, esta edição trouxe novidades importantes no referente aos “Sabores”. Em cada dia, houve um ingrediente protagonista nas tertúlias de cozinha, como o azeite, o arroz, ou o bacalhau, que foram acompanhadas de demonstrações culinárias, harmonizações vínicas e provas, apresentações e conversas, entre outras atividades. Participaram no evento quatro chefes de renome: Henrique Mouro (Bagos Chiado), Tiago Bonito (Lisboeta), Joaquim Sousa (chefe pasteleiro no The Oitavos Hotel) e Paulo Morais (conhecido sushiman, atualmente no Rabo d’Pêxe). No primeiro dia teve lugar uma prova histórica de “Vi-

nhos da Talha”, uma tradição milenar que o Alentejo conservou e que hoje volta a ser recuperada com grande entusiasmo por pequenas e grandes empresas da região. E também foram revelados os premiados do Concurso de Vinhos “A Escolha da Imprensa”. Em prova, estavam quase 350 vinhos, em cinco categorias: espumantes, brancos, rosés, tintos e licorosos. No final, foram eleitos quatro vinhos que ficaram com o cobiçado “Grande Prémio Escolha da Imprensa”, atribuído aos vencedores, depois de uma finalíssima com os três mais pontuados em cada categoria: espumante Quinta da Calçada Colheita Imperial Minho Reserva, branco Dory Regional Lisboa Reserva 2014, tinto MR Premium Reg. Alentejano 2012 e licoroso Kopke Porto Colheita 1966 (na foto). 

ViniPortugal ensina a arte de servir vinho a copo A ViniPortugal, organização interprofissional do setor vitivinícola, está a organizar até ao final do ano várias sessões sobre “Como melhorar o seu serviço de vinhos: Vinho a Copo” em Lisboa, Edifício IVV ViniPortugal, e no Porto, no Palácio da Bolsa. As iniciativas visam promover um melhor serviço de vinhos através de um maior conhecimento sobre a arte de servir vinho a copo. As sessões estão focadas em técnicas e instrumentos de conservação de vinho. Com o objetivo de promover um serviço responsável apresentam-se também as diretrizes sobre iniciação aos vinhos de Portugal e noções básicas de harmonização.

Estas formações são direcionadas para profissionais de diferentes áreas, como restauração, bares, discotecas ou wine bares. As ações têm como meta permitir uma melhoria do negócio através de um serviço elegante e sofisticado que favoreça uma experiência única na degustação do vinho a copo. As formações,

que se inciaram em setembro e decorrem em Lisboa e Porto, terminam a 5 de dezembro no Porto e a 12 de dezembro em Lisboa. 

Textos Belén Rodrigo brodrigo@ccile.org Fotos DR

26 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


vinos & Gourmet

Vinhos & Gourmet

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 27


opinião opinión

Cartas de Madrid Grandes retos para el nuevo Gobierno de España

Por José-Benigno Pérez Rico *

Foto Carlos Sánchez de la Flor

o r fin, tras un año de bloqueo, ha sido ha descendido en la última legislatura de 5,2 millones posible la constitución de un Gobierno en a finales del 2011 hasta los 3,8 millones a finales de España. Desde una perspectiva empresa- octubre de este año. La situación sigue siendo dramática rial, el desbloqueo político supondrá un para las personas que buscan un empleo, circunstancia estímulo para el crecimiento económico y que sufre todavía un 20% dela población activa. El la creación de empleo. La constitución de este nuevo segundo de los problemas graves es el de las pensiones Gobierno deja atrás dos elecciones generales y un par- que exige medidas urgentes para evitar la quiebra del tido socialista roto cuyas piezas sueltas tardarán tiem- sistema. En los últimos cuatro años la hucha de las pensiones disminuyó en po en recomponerse. No más de 40 mil millones de hubiera sido nada bueno euros, pasando de más de para el país ir de nuevo 60 mil millones a menos a terceras elecciones por de 20 mil millones en el la mala imagen que los momento actual. De conpolíticos españoles protinuar esta tendencia, en el yectarían de España en el año 2018 se agotarían las exterior y por las consereservas. Por último, otra cuencias económicas que de las grandes preocupasufriríamos los españoles. ciones es la relativa al enComienza una legisladeudamiento público que, tura que no parece que si bien el déficit ha caído vaya a ser de color de del 9 al 4% en los últimos rosa para quienes tienen cuatro años, la deuda púque regentar un Gobierblica siguió creciendo y no que no cuenta en el supera en estos momentos Parlamento con mayoría el 100% del PIB. absoluta. Se verán obligaLos ciudadanos hemos dos a consensuar y a deconseguido con nuestro batir las leyes y habrá que voto que desaparezca el vencer dificultades hasta bipartidismo en España conseguir el acuerdo de y que hoy tengamos un las distintas fuerzas pogobierno sin precedentes líticas. Sería deseable que en la era democrática esse impusiera la cordura y la actitud constructiva en todos los diputados a fin pañola. A pesar de que la nueva forma de gobernar de hacer posible la gobernabilidad del país y poder está creando cierta incertidumbre, existe la esperanza dar continuidad a la senda del crecimiento económi- de que los presupuestos sean aprobados en breve y co iniciado en esta última legislatura tras una larga que la legislatura tenga la duración necesaria para dar crisis que nos ha dejado profundas secuelas y cuyas solución a los distintos problemas que vive España. heridas aún no han cicatrizado. Son muchos los retos a los que el nuevo Gobierno * Ex-vicepresidente de la Cámara de Comercio e Industria tiene que enfrentarse y algunos muy preocupantes. Luso Española Uno de los más graves es el desempleo. Si bien éste E-mail: jbperezrico@hotmail.com

28 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


Caderno especial

XXI Torneio Ibérico de Golfe CCILE DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 29


caderno Especial caderno especial

Emílio Fernandes repete triunfo em Belas

Perto de uma centena de jogadores disputaram o XXI Torneio Ibérico de Golfe CCILE, no passado dia 29 de outubro, no Belas Clube de Campo, nos arredores de Lisboa. A vitória voltou a sorrir a Emílio Fernandes, nove anos depois de ter arrebatado o troféu CCILE no mesmo campo.

R

epetente na prova e de conhecer bem o terreno, Emílio Fernandes atribui sobretudo aos parceiros de jogo a inspiração que o levou à vitória no XXI Torneio Ibérico

de Golfe CCILE: “Ganhar este torneio é sempre um ‘must’. Este é um dos melhores, para não dizer o melhor torneio social que se faz em Portugal. A prova correu-me excepcionalmente bem,

muito por força da boa disposição e do incentivo dos meus parceiros.” O vencedor da geral Gross da edição XXI do Torneio Ibérico de Golfe CCILE, realizada no passado dia 29 de outubro, no

Emílio Fernandes: “Este é um dos melhores, para não dizer, o melhor torneio social que se faz em Portugal”

01

30 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

Belas Clube de Campo, soma este troféu a dezenas de outros, conquistados ao longo de mais de 20 anos de prática da modalidade. Destaque para a vitória que obteve em 2007, na XII edição do Torneio Ibérico de Golfe CCILE, também no Belas Clube de Campo. “Normalmente jogo em Belas, o que foi uma vantagem neste torneio, visto conhecer relativamente bem o campo”, admite o jogador. Emílio Fernandes diz ter participado em quase todos os torneios da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola, exceto na edição do ano passado, em Vidago: “Este é o torneio que todos querem jogar, não só pela excelente tômbola oferecida pelos parceiros, mas também devido à excelente organização que permite desfrutar de forma única da confraternização entre jogadores e patrocinadores. Uma última palavra de agradecimento e reconhecimento a toda a equipa, que torna este torneio possível ano após ano. A dedicação, empenho e profissionalismo com que o fazem é de uma dimensão tão grande que torna este torneio ‘o’ torneio.” O convívio é um dos fatores que leva o gestor aos campos de golfe: “Comecei a jogar golfe há já alguns anos e o que mais


caderno especial

caderno Especial

03

02

me atrai na modalidade é o convívio com os amigos, o estar ao ar livre, mas também as lições de humildade que se aprende. Quantas vezes pensamos que estamos em forma e que temos o swing afinado e saímos do campo com resultados péssimos?” O vencedor desta prova organizada pela CCILE considera que não treina muito: “Jogo alguns torneios, mas, ultimamente, por razões de tempo, tenho jogado menos. Os torneios sociais demoram sempre algum tempo.” O gestor conta que quando precisa “de fazer alguma correção técnica” recorre ao “ilustre e incontornável Mário Marques Pinto”. Também contente com a sua prestação e com o bom ambiente da prova ficou Asa Eklund. A jogadora, de nacionalidade sueca, ganhou o prémio relativo ao drive mais longo de senhoras e ficou na segunda posição na classificação de net senhoras, liderada por Isabel Costa Campos: “A prova correu-me muito bem, embora seja um campo difícil. Tive um jogo muito estável e joguei num grupo impecável. É um dos torneios mais divertidos, tem sempre um ambiente amigável.” Asa Eklund joga golfe há 19 anos, sobretudo no campo da Penha Longa, mas também gosta de experimentar noutros campos. Pratica a modalidade na companhia de “amigos e de novos amigos”, graceja. Já ganhou alguns prémios, mas joga menos vezes do que gostaria, já que viaja muito. A jogadora também já participou noutras edições do Torneio Ibérico de Golfe CCILE, também na qualidade de empresária. A sua empresa de artigos de golfe foi mais uma vez uma das parceiras do torneio. Fernando Serpa foi outro dos jogadores em destaque. Depois de ter vencido algumas edições do Torneio Ibérico de Golfe CCILE, o jogador ficou este ano na segunda posição da geral gross e venceu o prémio de drive mais longo entre os homens. Fernando Serpa participou no torneio juntamente com a sua mulher, Lurdes Serpa, que garantiu também uma boa classificação: a segunda posição da segunda categoria net, atrás de José Jesus Costa. Já na primeira categoria Net, brilhou outro antigo vencedor do Torneio Ibérico de Golfe CCILE, José Carlos Agrellos: “Fico sempre muito satisfeito por jogar

04

05

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 31


caderno Especial caderno especial

Em jogo

06

07

um torneio tão simpático como este e fiquei contente com a classificação”. Jogador de golfe “há mais de 50 anos”, José Carlos Agrellos é o sócio número quatro do mais antigo clube de golfe do país, o do Porto (campo de golfe de Espinho). Foi em Espinho, em 1962, que se estreou e em Espinho que joga mais regularmente, ainda que menos do que gostaria. A principal razão para jogar continua a ser a oportunidade de “praticar desporto com amigos”. Na segunda posição da primeira categoria Net, ficou Henrique Catarino, outro jogador assíduo nos torneios organizados pela CCILE. A edição deste ano jogou-se num dia ameno e soalheiro, que em muito contribuiu para a boa disposição reinante. Considerado pela maioria dos jogadores um campo exigente e desafiante, o Belas Clube de

08

01.Emilio Fernandes 02.João Correia, José Pereira Coelho, António Nobre e Luís Sobral 03. Henrique Catarino, Isabelle Catarino, José Vendeirinho e Carlos Tamm 04., 05, 06., 08. e 09. O Torneio Ibérico de Golfe CCILE conta com mais de uma dezena de marcas patrocinadoras e apoiantes 07.Momento de concentração de uma das equipas participantes 10.Reinério Pereira, Luís Alves Costa, Virgílio Borges e Hélio Nunes

09

32 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


caderno especial

caderno Especial

XXI Torneio Ibérico de Golfe CCILE Campo é um dos eleitos pelos jogadores residentes na grande Lisboa, bem como por vários visitantes da cidade. O Belas Clube de Campo foi fundado e é gerido pela Planbelas, Sociedade Imobiliária, S.A., uma empresa do grupo André Jordan, responsável por outros projetos emblemáticos como a Quinta do Lago (Algarve). O empreendimento associa a vertente residencial à prática de golfe. O campo de golfe foi “desenhado pelo conceituado arquiteto americano Rocky Roquemore”, que o imaginou “como sendo um espaço verde de excepção para os residentes e golfistas”, salienta-se na página Web da infraestrutura. A Academia de Golfe possui “excelentes áreas de treino que permitem treinar da relva o ano todo, incluindo também duas zonas de jogo curto e dois Putting Greens”. Liderada pelo professor Marco Rios, “a Academia tem atraído centenas de novos jogadores através de uma variedade de programas de golfe tanto para jogadores que se iniciam na modalidade como para jogadores que querem melhorar o seu jogo”.

10 11. e 13.O jogo disputou-se na modalidade shotgun de 18 buracos 12. Os jogadores puderam retemperar energias no bar de campo 14. Almoço de convívio, que reuniu mais de uma centena de jogadores e convidados e antecedeu a entrega de prémios (sorteio em tômbola e prémios aos vencedores- ver págs. segs.)

Textos Susana Marques, com CF e CSF Fotos Sandra Marina Guerreiro e Filipe Guerra

11

12

13

14

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 33


caderno Especial caderno especial

Sorteio

No final da prova, houve prémios para todos os participantes, graças aos apoios das marcas parceiras desta XXI edição do Torneio Ibérico de Golfe CCILE

01

02

04

03

05

01.António Nobre 02.Pedro Lalanda, Sandra Carvalho e António Horta Correia 03. Rosalva Fonseca, Montserrat del Pozo e Sérgio García 04. Berta Dias da Cunha, José Vendeirinho, Bárbara Polzot e Manuel Anok 05. José Ladeira, António Martins Victor, Agustín Alarcón, Rui Gomes da Silva, António Santos Morais e Juan Carretero

34 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d €


caderno Especial caderno especial

Sorteio

06

07

09

11

14

10

12

15

08

13

16

06. Julia Nieto e José Carlos Agrellos 07. Jose Valero e José Pereira Celho 08. Omar Luís e José Miguel Campos 09. Manuel Ferreira, Isabel Moreno, Maria Luísa Mota, Abílio Simões e Reinério Pereira 10. Teresa Vendeirinho, Henrique Catarino, Ricardo Jorge Coelho e Luis Valero 11.Luis Valero e Henrique Barata Mota12.José Leal Araújo e José Martinho13.João Potier, Carlos Tamm, Pilar Riera, Maria Graciosa Trindade, Maria Teresa Vizcaíno e Fernando Serpa14. Fernando Almeida e Geraldine Matías 15. Mary Matías e Balbino Prieto 16. José Jesus Costa, Augusto Morais, Manuela Barber, Carlos Mota e Álvaro Carneiro

36 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d €


caderno Especial caderno especial

Sorteio

17

18

20

19

22

21

23

24

17.Antonio Basagoiti, Luís Alves Costa e José Leal Araújo 18. Maria Bernardete Santos, Asa Eklund e João Potier 19. Ana Maria Pinheiro, Celeste Hagatong e Virgílio Borges 20.Agustín Alarcón, Manuel Figueira, Antonio Basagoiti e Lurdes Serpa 21.Balbino Prieto e Sergio García 22.Julia Nieto e Julio García Flores 23.Reinério Pereira e João Pedro Martins 24. Manuel Anok, Celso Ponce, Jose Manuel García, João Pedro Oliveira e Asa Eklund

38 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d €


caderno Especial caderno especial

Prémios

Vencedores

Emílio Fernandes venceu o prémio Gross, com 30 pontos

11

26 25

27

28

29

30

25. Enrique Santos entrega o prémio ao vencedor da Geral Gross, Emílio Fernandes 26. Manuel Ferreira entrega o prémio Forrabolas a Agustín Alarcón 27. Manuel Ferreira entrega o prémio Forrabolas a Isabel Moreno 28. Manuel Ferreira entrega o prémio Par Revelação a José Jesus Costa e a Henrique Barata Mota 29. Antonio Basagoiti entrega prémio Bola mais perto do buraco a Sergio García 30. Antonio Basagoiti entrega prémio Drive Mais Longo Homens a Fernando Serpa

40 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


caderno especial

caderno Especial

XXI Torneio Ibérico de Golfe CCILE

31

32

34

33

35

37

36

31. Antonio Basagoiti entrega prémio Drive Mais Longo Senhoras a Asa Eklund 32. Celeste Hagatong entrega prémio a Asa Eklund, 2ª classificada na Categoria Net Senhoras 33. Celeste Hagatong entrega prémio a Isabel Costa Campos, 1ª classificada na Categoria Net Senhoras 34. Gabriel Chimeno entrega prémio a Lurdes Serpa, 2º classificada da 2º Categoria Net 35. Gabriel Chimeno entrega prémio a José Jesus Costa, 1º classificado da 2º Categoria Net 36. Berta Dias da Cunha entrega prémio a Henrique Catarino, 2º classificado da 1º Categoria Net 37. Berta Dias da Cunha entrega prémio a José Carlos Agrellos, 1º classificado da 1º Categoria Net

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 41


caderno Especial caderno especial

Classificação GROSS

Pos.

Nome

Pontos

Front/ Back

1

Emílio Fernandes

30

(17:13)

2

Fernando Serpa

28

(14:14)

3

Álvaro Carneiro

27

(13:14)

4

Henrique Catarino

25

(11:14)

5

José Jesus Costa

25

(13:12)

6

Paulo Herder

22

7

Reinério Furtado Pereira

8

António Oliveira

10

(1:9)

45

Tiago Delgado

10

(2:8)

46

António Santos Morais

10

(3:7)

47

José Ladeira

9

(2:7)

48

Isabelle Catarino

9

(3:6)

49

José Miguel Campos

9

(4:5)

50

Fernando Velasco

9

(4:5)

(9:13)

51

Bernardo Santiago Gonçalves

9

(6:3)

22

(12:10)

52

Hélio Nunes

8

(2:6)

José Carlos Agrellos

21

(07:14)

53

Vitor Manuel Rodrigues

8

(4:4)

54

Montserrat del Pozo

7

(1:6)

55

António Horta Correia

7

(1:6)

56

Maria Teresa Vizcaíno Villarrubia

7

(1:6)

57

José Martinho Barroso

7

58

Bárbara Polzot

7

Maria Bernardete Santos

9

Manuel Figueira Calhanas

20

(08:12)

10

Eduardo Correia Andrade

20

(09:11)

11

João Pedro Oliveira

20

(10:10)

12

João Oliveira e Costa

20

(10:10)

13

Ricardo Jorge Coelho

20

(11:09)

14

44

Henrique Barata Mota

19

(07:12)

Net - 1ª Cat. Pos.

Nome

Pontos

Front/ Back

1

Emílio Fernandes

37

(21:16)

2

José Carlos Agrellos

36

(14:22)

3

Henrique Catarino

35

(16:19)

4

Asa Eklund

35

(17:18)

5

Álvaro Carneiro

34

(17:17)

6

António Nobre

33

(15:18)

7

Ricardo Jorge Coelho

33

(18:15)

8

Virgílio António Borges

32

(10:22)

9

Paulo Herder

32

(14:18)

10

Reinério Furtado Pereira

32

(17:15)

11

João Correia Pires

32

(18:14)

(2:5)

12

Manuel Anok

31

(13:18)

(2:5)

13

Fernando Serpa

31

(16:15)

7

(3:4)

14

(11:19)

15

Manuel Anok

19

(07:12)

59

Sergio García Lanizbarrutia

30

16

António Nobre

19

(08:11)

60

Luís Sobral

7

(3:4)

15

João Pedro Oliveira

30

(14:16)

61

Manuel Pereira Costa

7

(5:2)

16

Fernando Silva Almeida

30

(15:15)

62

Jose Manuel García Albuerne

6

(1:5)

17

Eduardo Correia Andrade

29

(14:15)

63

Balbino Prieto

6

(1:5)

17

Luís António Alves Costa

29

(14:15) (15:14)

17

Luís António Alves Costa

19

(09:10)

18

Asa Eklund

19

(09:10)

19

João Pedro Martins

19

(10:09)

20

Lurdes Serpa

19

(12:07)

21

Virgilio António Borges

18

(04:14)

22 23 24 25

Sergio Garcia Leanizbarrutia

18

Isabel Costa Campos

18

Joao Correia Pires Juan Carretero

18 17

(05:13) (07:11)

64

José Maria Pereira Coelho

6

(2:4)

19

Abílio Oliveira Pinheiro

29

65

Pilar Riera

6

(2:4)

20

João Pedro Martins

29

(15:14)

(3:3)

21

Manuel Figueira Calhanas

28

(13:15)

(4:2)

22

João Oliveira e Costa

27

(14:13)

(0:5)

23

António Basagoiti

26

(11:15)

24

José Gabriel Chimeno

26

(12:14)

66

(10:08)

67

Diogo Ortigão Ramos

(06:11)

68

José Leal de Araújo

26

Augusto Morais

17

(06:11)

27

Pedro Lalanda Gonçalves

17

(08:09)

28

Carlos Manuel Mota

16

(06:10)

29

Fernando Silva Almeida

16

(08:08)

30

Manuel Calçada

15

(05:10)

31

César Vidal da Silva

14

(04:10)

32

Abílio Oliveira Pinheiro

14

(06:08)

33

Artur Pedro Caetano Cabral

14

(06:08)

34

João Folque Patrício

13

(05:08)

(1:4)

70

Jose Maria Santo Tomás

5

(2:3)

23

71

Maria Jesus Riera

5

(2:3)

28

César Vidal da Silva

23

(8:15)

23

(11:12) (6:16)

12

(4:8)

40

Rui Gomes da Silva

12

(5:7)

41

Carlos Tamm

12

(5:7)

42

Vitor Domingues dos Santos

12

(6:6)

43

Marcos Lagoa

12

(6:6)

42 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

Vítor Domingues dos

73

Julio García Florez

5

(3:2)

29

74

João Potier

4

(1:3)

30

António Oliveira

22

Santos

75

Isabel Moreno

4

(1:3)

31

Gustavo Mascarenhas

21

(6:15)

Maria Luisa Garcia Mota

4

(2:2)

32

Manuel Calçada

21

(8:13)

Luis Valero Artola

2

(1:1)

33

José Martinho Barroso

18

(7:11)

(1:1)

34

Pilar Riera

15

(5:10)

35

José Maria Santo Tomás

14

(5:9)

36

Agustín Alarcón

11

(3:8)

Mário Marques Pinto

-

N.D.

77

Antonio Basagoiti

(8:15)

Juan Carretero

(7:6)

39

(12:12)

27

(05:08)

(2:10)

(12:14)

24

(2:3)

13

12

26

José Nabor Ferreira

5

13

Gustavo Mascarenhas

Carlos Tamm

Jorge Duarte Branco

José Nabor Ferreira

38

25 26

71

José Gabriel Chimeno

(9:4)

5

5

35

13

6

Agustin Alárcon

36

Celso Ponce Nunes

6

69

76

37

Jovita Ortiz Casero

78 -

Ana Maria Oliveira Pinheiro Abel Santos Mario Marques Pinto

2 -

(N:D) (N:D)

-


caderno especial

caderno Especial

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 43


caderno Especial caderno especial

Classificação Net - 2ª Cat.

Pos.

Nome

Gross Pontos

Front/ Back

1

José Jesus Costa

47

(24:23)

2

Lurdes Serpa

40

(23:17)

3

Henrique Barata Mota

37

(15:22)

4

Isabel Costa Campos

37

(16:21)

5

Augusto Morais

33

(13:20)

6

Pedro Lalanda Gonçalves

33

(16:17)

7

Tiago Delgado

32

(12:20)

8

Rui Gomes da Silva

32

(16:16)

9

Maria Jesus Riera

31

(12:19)

10

José Maria Coelho

31

(14:17)

Vítor Manuel Rodrigues

22

(10:12)

32

José Ladeira

21

(7:14)

33

Ana Maria Oliveira Pinheiro

21

(8:13)

34

Manuel Pereira Costa

21

(13:08)

35

Hélio Nunes

20

(7:13)

Drive mais Longo-Senhoras

36

Jorge Duarte Branco

19

(9:10)

Asa Eklund

37

Diogo Ortigão Ramos

19

(10:9)

38

Balbino Prieto

18

(4:14)

Bola mais Perto do Buraco Sérgio Garcia

39

Luis Valero Artola

17

(7:10)

João Potier

16

(6:10)

41

Julio García Floréz

16

(8:8)

Par Revelação

42

Isabel Moreno

14

(4:10)

José Jesus Costa e Henrique Barata Mota

-

N.D.

-

Abel Santos

11

Marcos Lagoa

31

(15:16)

Fernando Velasco

31

(16:15)

13

Carlos Manuel Gaspar Mota

29

(11:18)

14

Maria Luísa Garcia Mota

29

(16:13)

15

Celso Ponce Nunes

28

(17:11)

1

Lurdes Serpa

40

(23:17)

2

Isabel Costa Campos

37

(16:21)

Senhoras - Net Nome

Pontos

Front/ Back

16

Maria Bernardete Santos

27

(10:17)

17

Maria Teresa Vizcaíno

27

(11:16)

3

Asa Eklund

35

(17:18)

4

Maria Jesus Riera

31

(12:19)

Montserrat Del Pozo

27

(12:15)

19

António Horta Correia

26

(9:17)

20

Artur Pedro Caetano Cabral

26 26

(11:15) (12:14)

21

Isabelle Catarino

22

Bernardo Santiago Gonçalves

26

(15:11)

23

Jovita Ortiz Casero

25

(11:147)

24 25

João Folque Patrício Luís Sobral

26

José Miguel Campos

24 24

(11:13) (12:12)

23

(11:12)

27

Bárbara Polzot

23

(11:12)

28

José Leal de Araújo

22

(6:16)

29

António Santos Morais

22

(8:14)

30

José Manuel García Albuerne

22

(10:12)

Antonio Basagoiti

40

12

18

Drive mais Longo-Homens

31

5

Maria Luísa Garcia Mota

29

(16:13)

6

Maria Bernardete Santos

27

(10:17)

7

Maria Teresa Vizcaíno

27

(11:16)

8

Montserrat Del Pozo

27

(12:15)

9

Isabelle Catarino

26

(12:14)

10

Jovita Ortiz Casero

25

(11:14)

11

Bárbara Polzot

23

(11:12)

12

Ana Maria Oliveira Pinheiro

21

(8:13)

13

Pilar Riera

15

(5:10)

14

Isabel Moreno

14

(4:10)

Lista completa de classificações disponível no nosso site

www.portugalespanha.org Informação cedida pela Mediagolf

44 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


caderno especial

caderno Especial

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 45


caderno Especial caderno especial

Imagens de campo

46 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d €


grande tema gran tema

Foto Sandra Marina Guerreiro

Negócios de base tecnológica: visão do futuro A criação de startups e empresas de base tecnológica contribui para fomentar o clima de inovação no país e para aumentar também a competividade do setor industrial e outros setores económicos. Em Portugal, tem-se procurado dar atenção também a esta realidade, quer por parte do setor privado quer por parte do Governo, que anunciou recentemente novos incentivos de apoio às empresas tecnológicas mais inovadoras. Da parte da Comissão Europeia, sairá também um novo pacote de co-investimentos de capital de risco até aos 400 milhões de euros para a área das startups. Dois anúncios feitos durante o Web Summit, um dos maiores eventos de sempre a nível de empreendedorismo na área tecnológica já realizado em Portugal e que reuniu 70 mil participantes de todo o mundo em Lisboa, no início de novembro. Textos Clementina Fonseca cfonseca@ccile.org, com Susana Marques smarques@ccile.org, Laura Dominguez laura@ccile.org e Carlos Sánchez-de la Flor carlos@ccile.org Fotos DR

48 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


gran tema grande tema

F

oi durante "um fim de semana de surf " que surgiu a ideia do conceito da Unbabel, uma empresa criada por quatro amigos portugueses, licenciados em diversas áreas tecnológicas. Após concluir os seus estudos nos Estados Unidos da América em language and LP (processamento de linguagem natural), Vasco Pedro iria lançar, em 2013, a Unbabel, juntamente com outros três parceiros, alguns com o mesmo doutoramento em processamento de linguagem natural. Em pouco mais de três anos, a Unbabel conta já com um leque importante de empresas clientes, sendo o seu target "grandes companhias de prestação de serviços, com mais de 200 clientes" (ver caixa na pág. 53). Esta foi uma das duas mil empresas que se mostraram ao mundo no Web Summit de Lisboa, que decorreu na capital portuguesa, entre 7 e 10 de novembro último. Uma das maiores montras de ideias e projetos de startups de sempre na Europa, que se tem realizado em Dublin, na Irlanda, e que este ano e até 2018 se realizará em Portugal. A próxima Web Summit será entre 6 e 9 de novembro de 2017, também em Lisboa, e promete atrair, de novo, milhares de empresas e entre 50 mil a 70 mil participantes, de mais de 160 países. Nos números deste ano, há a reter ainda a participação de 660 oradores especializados na área tecnológica e empreendedorismo e 1.200 a 1.300 investidores nacionais e internacionais, que estiveram a conhecer as ideias e projetos já implementados apresentados durante o certame de quatro dias. Entre fundos de capital de risco e business angels , estiveram presentes representantes de empresas como a Google Ventures, Y Combinator, 500 Startups, Seedcamp ou a Portugal Ventures,

o fundo público português de ca- revolução da indústria – ligar a pital de risco que deu um prémio chamada internet das coisas à inà startup vencedora dos pitches dústria. Portugal precisa disto", (apresentações de projetos/ ideias destaca Luís Murcho, co-founder de empreendedores) do evento. da Glartek, uma startup que desenvolveu uma aplicação tecnolóMontra tecnológica catapulta gica baseada em realidade aumennegócios internacionais tada, que permite visualizar mais Nesta gigante "montra", estive- facilmente e em tempo real as ram em destaque 66 startups tec- diversas áreas mecânicas de instanológicas portuguesas, algumas lações industriais, detetando mais das quais integravam um grupo de rapidamente eventuais paragens 50 startups em que os investidores na produção (ver caixa na pág. do Web Summit estavam mais in- seg.). "O movimento começou na teressados, de acordo com infor- Alemanha e agora está a chegar mação da organização do evento. a Portugal, aos poucos", destaca Estas sete empresas portuguesas ainda o jovem empreendedor. eram a Unbabel, a Codacy, a Ap- A nível da União Europeia, a estratégia delineada em 2010 prevê a criação de um mercado único digital europeu, mas faltam ainda O Governo "consensos" entre os 27 para esta português vai lançar implementação, como admitiu no evento de Lisboa o vice-presidente um programa de da Comissão Europeia. Andrus coinvestimento, Ansip adiantou que eventos como o Web Summit são essenciais de 200 milhões para promover os pilares sobre de euros, para os quais esta estratégia assenta, e que passam, designadamente, empresas pela harmonização das regras dos inovadoras que vários países no que diz respeito precisam de capital a questões cruciais para empresas que operam online (como são as de risco telecomunicações e a gestão de dados). Em 2016, houve já alguns progressos, nomeadamente no toide, a FarmControl, a Agroinsi- corte de taxas de roaming , mas der, a Kinematix e a Performetric. os principais avanços deverão Desta lista de 50, consta ainda a sentir-se em 2017, afirmou ainda Defined Crowd, que foi funda- o comissário, no primeiro dia do da por portugueses nos Estados encontro. Unidos da América (ver caixas nas A economia digital europeia está a crescer a um ritmo de págs. segs.). No último ano, foram investidos 12% ao ano, sendo já maior, por mais de mil milhões de euros em exemplo, do que a economia belstartups que participaram na Web ga. Há sete milhões de empregos Summit em 2015, de acordo com a no setor europeu das tecnologias mesma fonte. da informação e da comunicação (TIC). Por outro lado, estima‑se Fomentar uma nova revolução que metade do crescimento da industrial produtividade provenha de inves"Estamos na Indústria 4.0, a nova timentos nas TIC. DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 49


grande tema gran tema

Nome: Glartek Nº de colaboradores: 6 Produtos: plataforma virtual para equipamentos industriais Na produção industrial, a paragem das máquinas por falhas mecânicas custa, normalmente, bastante dinheiro às empresas. Para evitar estes tempos de paragem prolongados, a Glartek criou um sistema digital, que lê a informação dos sensores de máquinas e equipamentos industriais de forma mais intuitiva, através deste sistema que liga a Internet das Coisas à realidade aumentada. Basta apontar um dispositivo móvel (como um tablet) a uma dada máquina para ver em destaque todos os dados e informações relevantes em tempo real (na foto). “Ao mostrar todos os dados dos sensores das máquinas mais rapidamente e intuitivamente, vê-se logo a temperatura, pressão ou energia da máquina, a realidade aumentada mostra logo”, exemplifica Luís Murcho, um dos empreendedores fundadores da Glartek. Nascida em julho, a empresa tem

Novos apoios nacionais e comunitários à inovação Aproveitando a realização deste 50 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

e empresas que quiseram realçar o seu trabalho no campo do apoio à inovação. O Governo português anunciou um investimento de 200 milhões de euros do Estado num programa de coinvestimento para empresas inovadoras que precisam de capital de risco. O anúncio foi feito por António Costa, num evento realizado no âmbito da Web Summit. O primeiro-ministro salientou que "o Estado põe 200 milhões de euros, mas quem decide a sua aplicação são os investidores, internacionais ou nacionais, que escolhem as melhores empresas, desenvolvido um projeto piloto os melhores projetos, a quem é para o Centro Cultural de Belém, necessário assegurar venture capianalisando máquinas de suporte tal [capital de risco] para poderem da climatização do edifício, mas o arrancar e desenvolver a sua ativiobjetivo é chegar a outros clientes, dade". O governante salientou que já que “o projeto se adequa a todo a criação deste novo instrumento o tipo de equipamentos industriais de apoio se destina sobretudo às desde centrais elétricas, climatiempresas dos "setores mais inovazação/ refrigeração ou linhas de dores e mais disruptivos, da robóprodução”, adianta Gonçalo Santica à biotecnologia...". tos, outros dos responsáveis da As candidaturas ao programa empresa, que foi distinguida no "200M–Co_invest with the best" âmbito dos prémios “EDP Open vão ser geridas através dos organisInnovation” recentemente atribumos do Ministério da Economia e ídos às empresas com projetos estarão abertas até ao fim do ano. mais inovadores. A startup espera As sociedades de capital de risco conquistar novos clientes, desta apresentam as candidaturas e têm feita na área da grande distribuide investir 50% do valor total do ção. investimento, enquanto o restante Depois de um curto período de iné concedido pelo Estado. cubação na EDP Starter, a Glartek Um novo pacote de investimenvai agora integrar dois aceleradotos para startups , que podem beres de startups, um em Itália (Veneficiar ainda de apoios no âmneza) e outro em Espanha (Bilbau), bito dos programa de benefícios onde irá contar com um parceiro fiscais Semente e de fundos do espanhol para o desenvolvimento Portugal 2020, entre outras medida sua solução. das englobadas no pacote Startup Foi ainda uma das 11 startups Portugal.Já durante a Web Sumque estiveram presentes na Web mit, o comissário europeu para Summit 2016, pela mão da EDP a Investigação, Ciência e a InoStarter. vação, Carlos Moedas, anunciou que a Comissão Europeia (CE) vai disponibilizar até 400 milhões evento internacional, decorreram de euros para fundos de capital de em paralelo diversos outros even- risco, com o objetivo de financiar tos, agendados por outras entidades startups . Carlos Moedas salientou


gran tema grande tema

que “um dos grandes desafios na Europa é começar uma empresa, escalá-la na Europa e ficar na Europa”, justificou, salientando a necessidade da UE reduzir o gap face aos EUA em termos de investimentos de capital de risco nestas áreas. De acordo com informação da CE, os fundos de capital de risco europeus totalizam, em média, 60 milhões de euros, metade dos 120 milhões dos congéneres americanos.

A Comissão Europeia vai disponibilizar até 400 milhões de euros para fundos de capital de risco para financiar startups na Europa Com os 400 milhões de euros que serão disponibilizados, a CE espera fazer chegar um montante global de 1.600 milhões de euros à economia, uma vez que a participação de dinheiros comunitários será até aos 25% do investimento total a realizar. As regras para este financiamento estipulam também que pelo menos metade do capital tenha de ser privado. No debate em que participou no evento, no dia 8 de novembro, Carlos Moedas reconheceu a dificuldade do mercado de investimento de risco na Europa acompanhar as rondas de financiamento de maior dimensão, que muitas vezes obrigam as empresas a procurar investidores nos EUA. Todavia, no encontro, alguns responsáveis das empresas presentes apontaram outros constrangimentos, como a multiplicidade

Nome: Prod Smart Nº de colaboradores: 10 Produtos: aplicação de análise da produção de fábricas Outra aplicação interessante para as empresas da área industrial foi desenvolvida pela Prod Smart. Esta ferramenta analisa, em tempo real, a produção desenvolvida em fábricas ou em pequenas unidades produtivas, sem necessidade de recorrer a relatórios em papel e evitando ainda desperdícios (exemplo na foto). A aplicação móvel “transforma a linha de produção numa fábrica digital”, onde se pode visualizar de forma intuitiva “o estado de todo o processo produtivo, a qualquer momento. É uma gestão muito holística”, remata Gonçalo Fortes, o fundador da empresa, lançada há três anos no seio da Startup Lisboa. Esta incubadora tem sido deter-

minante para o sucesso desta aplicação recente, mas que já está a “gerir cerca de dois mil utilizadores em quatro países – Portugal, Alemanha, Roménia e Reino Unido”. Estes utilizadores vão desde os operários aos diretores de produção das diversas empresas que usam a solução da empresa portuguesa. Também o papel da Microsoft Portugal é realçado por Gonçalo Fortes, pois a ligação a esta multinacional garante “visibilidade e credibilidade” perante potenciais clientes, sobretudo internacionais, refere. Graças a ter vencido recentemente o Startup Challenge lançado pela Microsoft Portugal e pela embaixada norte-americana, a empresa irá integrar um acelerador de negócios em Boston, nos EUA, durante um ano, entre outros apoios para desenvolver o seu negócio.

de regulações em cada país e a Os apoios das incubadoras ausência do já referido mercado e outras entidades comum digital. Por outro lado, Portugal impõe-se cada vez mais os empreendedores salientaram como morada para startups nacioa grande dimensão do mercado nais e estrangeiras. A capital connorte-americano, onde é possível ta agora com a platafoma "Made testar os produtos antes de se in- of Lisboa-Community of Lisbonbased Innovators", que agrega e ternacionalizarem. DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 51


grande tema gran tema

Nome: Emozionella Nº de colaboradores: 2 Produtos: serviço de consultoria B2B para desenvolvimento de apps para smartwatch Atualmente, nas estratégias das empresas em todo o mundo, a funcionalidade e o conhecimento do cliente são dois pontos-chave. Para conhecer melhor o cliente, a Emozionella cria apps para smartwatch, uma nova inteligência artificial que permite reconhecer, através da geolocalização e de um revolucionário algoritmo, o que cada pessoa está a fazer em cada momento. De acordo com os dados recebidos através do dispositivo, a app consegue criar um perfil de usuário através do reconhecimento do contexto – se está a andar, a dormir, a viajar… Com todos estes dados, o dispositivo pode recomendar ou propor conteúdo ao

portador. A diferença desta app face às que existem no mercado, é que não se baseia nas pesquisas do utilizador, mas sim no que está a fazer. Isto permite às empresas que contratam este serviço, antecipar as necessidades dos seus clientes e enviar notificações no melhor contexto. Segundo Giuliano Valeri (na foto, à dir.), CEO da empresa, “construímos experiências através do contexto e da personalidade de cada utilizador em tempo real. Isso é exactamente o que as smartwatch apps precisam para libertar todo o seu potencial”. A empresa com sede em Madrid, foi fundada em 2015 e já desenvolveu vários protótipos de apps para entidades em Espanha nos setores da banca e dos seguros. Esta foi uma das startups espanholas presentes na Web Summit. A Emozionella está à procura de um investidor.

coloca em diálogo todos os que cubadoras e programas de acelerase movem no ecossistema empre- ção da cidade". Os números estão endedor da cidade. Margarida Fi- em constante crescimento, mas gueiredo, da Câmara Municipal até agosto de 2016 existiam 475 de Lisboa, explica que se trata de startups alojadas em incubado"uma forma de mapear todas as in- ras e aceleradoras de Lisboa, em52 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

pregando cerca de 3.160 pessoas. A Startup Lisboa, uma das incubadoras, avança que cerca de 30% dos empreendedores que apoia são estrangeiros. Nos últimos meses, "o interesse de empreendedores estrangeiros pela cidade tem aumentado consideravelmente", esclarece Marta Miraldes, da direção da incubadora. A nível nacional, a EDP Starter é uma das entidades que se destaca pelo apoio dado às startups e projetos universitários que desenvolvam soluções inovadoras para a área da energia. Esta incubadora de projetos inovadores apoia os empreendedores "desde a fase da ideia até ao investimento no projeto, passando pela prototipagem rápida", etc., enquadra Carla Pimenta, Head of Entrepreneurship

As empresas de prestação de serviços que não comunicam em inglês "têm um serviço de apoio ao cliente pior”, adverte Vasco Pedro da EDP Starter. No final destas etapas, está a EDP Ventures, constituída com cerca de 40 milhões de euros de fundos de capital de risco para aplicar nestes projetos. Metade deste valor já foi aplicado, desde 2009, em troca de uma participação acionista minoritária do fundo na empresa apoiada, o qual trabalha em parceria com a Portugal Ventures, a Caixa Capital, entre outras entidades, nomeadamente incubadoras no Brasil. Atualmente, a EDP Starter apoia "22 startups , mas já passaram mais de 30 pelo nosso programa", adianta Carla Pimenta. Este con-


gran tema grande tema

Nome: Unbabel Nº de colaboradores: 29 Produtos: software de traduções automáticas para unidades de customer service A Unbabel fornece aos seus clientes – empresas de telecomunicações, entre outras, serviços de tradução automática, em diversas línguas, de resposta a emails ou mensagens de chat recebidos pelo customer service da empresa, onde se faz o apoio aos utilizadores. “A tradução automática feita pela plataforma é depois, progressivamente, corrigida por pessoas em todo o mundo”, ou seja, por uma comunidade de tradutores nativos que estão associados ao projeto. Esse processo demora apenas alguns minutos a concluirse, surgindo a resposta do customer service na língua utilizada para o cliente final, enquadra o CEO da Unbabel, Vasco Pedro. O serviço tem a capacidade de traduzir automaticamente em 90 línguas, sendo um dos serviços mais pretendidos a tradução entre as línguas inglesa e espanhola. Vasco Pedro refere mes-

mo que “cerca de 20% do nosso volume de negócios” é gerado pela procura de traduções com este par de línguas. Deste modo, uma das maiores comunidades de tradutores ao serviço da companhia é a espanhola – mais de quatro mil tradutores –, comenta ainda. Por enquanto, o serviço apenas abrange a resposta por email (texto), sem voz. Surgida em 2013, em Lisboa, esta startup foi, em 2014, ”a primeira empresa portuguesa a ser incubada no Y Combinator, em São Francisco, o acelerador mais famoso do mundo, de onde saíram a Airbnb, Dropbox, a Stripe, etc.” Os clientes que usam a aplicação da Unbabel vão desde a Microsoft, ao Ebay, Pinterest, Sky Scanner, entre muitas outras grandes companhias com operações B2C. “Quem não fala inglês tem um serviço de apoio ao cliente pior”, adverte Vasco Pedro, salientando assim a necessidade de usar traduções para esta língua pelas empresas na resposta aos seus clientes/ consumidores.

junto de três dezenas de empresas colaboração com estes empreendedoapoiadas pela incubadora "repre- res poderá um dia nascer um "nesentam 300 postos de trabalho gócio disruptivo" na área da energia, criados, e um volume de negócios acredita a responsável da EDP Starter, global de 40 milhões de euros", entidade que levou ao Web Summit referente a 2016. Todas continu- 11 startups de base tecnológica. am a ter sede em Portugal, embora Outra das entidades diretamente exportem para 15 países, adianta envolvidas no apoio às startups é a a mesma responsável. Microsoft Portugal, que, através do Os projetos devem visar áreas como seu programa Ativar Portugal Staro aumento da sustentabilidade e efi- tups, apoia a criação e o crescimento ciência energética, soluções para o de startups de base tecnológica com cliente, redes inteligentes, armazena- elevado impacto e potencial de escala mento de energia, entre outros pro- a nível mundial, de modo a reduzir a jetos com "ideias fora da caixa, dos taxa de mortalidade destas empresas mais novos, para inovar e conquistar e a capacitá-las com os recursos nenovos mercados" no setor elétrico. Da cessários para serem bem sucedidas,

Nome: Noxidity Nº de colaboradores: 4 Produtos: aplicação para prevenção da corrosão em máquinas industriais Um problema que se apresenta a algumas empresas da área industrial é a corrosão da maquinaria necessária para o desenvolvimento da sua atividade produtiva. A Noxidity desenvolveu uma aplicação que “combina o uso de tecnologia Internet das Coisas (do inglês, Internet of Things) e de sensores de corrosão. "Pretende-se a previsão e a monitorização da corrosão em tempo real, de modo a prevenir tempo de inatividade não programado, reduzir impactes ambientais, melhorar a segurança no trabalho e reduzir os custos operacionais. Através da otimização dos processos de manutenção, garantir-se-á um crescimento e desenvolvimento sustentável nas indústriasalvo", adiantam os empreendedores ligados à Noxidity. Esta startup nasceu há pouco mais de sete meses, a partir de elementos de nacionalidades portuguesa e bielorussa, que pretendem assim com a aplicação "obter relatórios de estado e acompanhar o status a nível de corrosão, reparação e manutenção de todas as máquinas e instalações do cliente”.

em colaboração com um vasto conjunto de entidades e empresas já estabelecidas. Entre estas entidades estão aceleradores de startups, incubadoras, empresas de capital de risco e business angels, onde se podem destacar a AICEP, APBA, Beta-I, Caixa Capital, DNA Cascais, Faber Ventures, FáDEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 53


grande tema gran tema

Nome: Codacy Nº de colaboradores: 15 Produtos: software de criação/ correção de códigos de programação

Nome: YClient Nº de colaboradores: 5 Produtos: app de gestão de campanhas de marketing para o retalho

Criada em 2013, a Codacy nasceu para detetar automaticamente erros e outras falhas na programação informática, muito comum entre os programadores. Mas foi em 2014 que a empresa conheceu um crescimento exponencial, depois de ter sido a startup vencedora da competição de pitches da Web Summit 2014, realizada na Irlanda. Jaime Jorge, o fundador da Codacy, recorda que este momento “abriu-nos imenso as portas, trazendo importantes clientes desde então”, sendo também decisivo em termos de atração de investidores da área tecnológica para a empresa. Os primeiros passos foram dados na Startup Lisboa, tendo depois recebido investimento do fundo britânico Seedcamp. Hoje, a Codacy conta já com 25 mil programadores em todo o mundo a utilizar o seu serviço, tendo como clientes empresas como a PayPal, adobe, entre outras. Além de Lisboa, tem escritórios também em Londres e São Francisco.

Nascida há apenas um ano, a YClient “disponibiliza ao retalho uma ferramenta de utilização simples e orientada ao utilizador, que permite desenvolver e gerir de forma eficiente, e em tempo real, as campanhas de marketing e comunicação com os clientes”. Centrada em ferramentas de CRM (customer relationship

brica de Startups, IPN Incubadora, Portugal Ventures, Startup Braga, Startup Lisboa, Startup Pirates e a Uptec. As startups suportadas pelo Ativar Portugal beneficiam gratuitamente de software, ferramentas e serviços cloud da Microsoft, graças ao programa BizSpark, que desde 2008 já apoiou cerca de 700 startups em Por54 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

tugal, contribuindo assim para ajudar "também a posicionar e a projetar Portugal como um centro de inovação e empreendedorismo de referência internacional, estimulando a inovação, desenvolvimento económico, competitividade e criação de mais emprego qualificado para o país”. Segundo Luís Calado de Sousa, o responsável pelo programa – que já apoia mais de 900 empresas, de entre as quais 120 de forma mais regular – uma das principais vantagens é o apoio à internacionalização dos projetos de elevado potencial, que se pretende se transformem em empresas de escala, com volumes de negócio relevantes a nível internacional. O responsável frisa ainda o "crescimento assinalável do empreendedorismo nesta área", que tem muito a ver com a criação de auto-emprego por parte dos jovens licenciados que saem das universidades e destaca a papel da "Startup Portugal para segurar estas empresas cá" e atrair talento e investidores para o país. Existem, atualmente, mais de 35 mil startups em Portugal, responsáveis pela criação de cerca de 70 mil

management), a YClient permite “de forma fácil e intuitiva, através de vários suportes, desenvolver e implementar campanhas de marketing e comunicação, que têm em conta as particularidades de cada um dos seus clientes, direcionando a sua ação para uma atuação personalizada, e proporcionando uma melhor experiência ao seu cliente”, explicam os promotores do projeto.

Nome: Eventfuel Nº de colaboradores: 8 Produtos: solução mobile para eventos Foi em 2013 que surgiu a Eventfuel, uma solução mobile para eventos que, através da sua plataforma única, permite que os participantes descubram, interajam e deem feedback . Ao mesmo tempo, permite que os organizadores criem rapidamente um ou vários eventos na app e possam gerir toda informação em qualquer lugar, através de uma plataforma de gestão de conteúdos online acessível para os organizadores dos eventos. A app está disponível tanto para iOS como Android, sendo ainda possível personalizar tanto a marca como o nome. A Eventfuel é hoje constituída por uma equipa de oito pessoas, com sede em Portugal e presença também na Austrália e Singapura.


gran tema grande tema

Nome: Defined Crowd Nº de colaboradores: 15 Produtos: plataforma inteligente de recolha e transformação de dados para sistemas de inteligência artificial e aprendizagem automática. A Defined Crowd oferece uma plataforma inteligente de recolha, enriquecimento, processamento e transformação de dados para sistemas de inteligência artificial (AI) e aprendizagem automática. Esta plataforma disponibiliza processos pré-concebidos que combinam tarefas realizadas por humanos (crowdsourcing), aplicações/ ferramentas e aprendizagem automática de modo a acelerar e aperfeiçoar a criação de sistemas inteligentes. “Com isto, os data scientists podem criar os robôs da próxima geração, sistemas que reconhecem fala, ou sistemas que compreendem linguagem natural", explica João Freitas, CTO (chief technology officer) da empresa. "A combinação de crowdsourcing (contributos dados por voluntários

que realizam determinadas tarefas padronizadas) com aprendizagem automática vai permitir que através da compilação de milhares de inputs se possa, por exemplo, dar "voz" a um assistente pessoal como a Siri, da Apple, ou a Cortana, da Microsoft, reunindo-se metainformação que pode ser reconhecida/ trabalhada para robôs. Além do crowdsourcing, usamos também sistemas de aprendizagem automática, que olham para os dados e conseguem ver se têm qualidade. Estes mesmo sistemas permitem também fazer uma pré-geração desses dados ou ajudar os membros da nossa comunidade nas suas tarefas". O target da empresa serão as grandes companhias tecnológicas dos EUA e Ásia, que estão a desenvolver robôs, assistentes pessoais virtuais, ou anúncios online que induzem a compra, entre outros sistemas de AI. Em Portugal, a Definde Crowd tem já alguns potenciais clientes, nas área das telecomunicações e do

retalho. Quando estiver integralmente desenvolvido, o service software da Defined Crowd será depois disponibilizado aos clientes através do site da empresa. "Isto será a curto prazo. A longo prazo, temos a ambição de nos tornar líderes de mercado como data providers para AI". Criada nos Estados Unidos, e incubada no acelerador da Microsoft de Seattle, em agosto de 2015, a Defined Crowd abriu depois uma subsidiária em Portugal, onde tem o seu Centro de Desenvolvimento Tecnológico, para "aproveitar todo o potencial que existe em Portugal, em termos de recursos humanos", de forma mais competitiva, enquadra João Freitas. Atualmente, a startup liderada por Daniela Braga tem 10 colaboradores em Portugal (e cinco nos EUA), os quais deverão aumentar para 12 ainda este ano. Recentemente, a Defined Crowd fechou uma ronda de investimento envolvendo a Amazon, Sony e Portugal Ventures, obtendo cerca de um milhão de euros.

PUB

Av. Marquês de Tomar, Nº 2, 7º, 1050-155 Lisboa Tel: 213 509 310 Fax: 213 526 333 DEzEMBRO Mail: ccile@ccile.org Site: www.portugalespanha.org

DE 2016

ac t ua l i da d € 55


grande tema gran tema

Nome: Inviita Nº de colaboradores: 7 Produtos: app Inviita e quiosque Powered by Inviita Quatro jovens empreendedores portugueses lançaram, há pouco mais de um ano, uma aplicação móvel para quem está em viagem ou simplemente quer "viver as cidades e visitar todos os pontos de interesse existentes”, calculando um roteiro a partir do local onde se encontra e de acordo com os interesses pessoais do utilizador, bem como o tipo de experiência que pretende usufruir – de aventuras, cultural ou outro. Calculando o mood do utilizador, a aplicação sugere pontos de interesse e atividades diversas para realizar nas proximidades, a nível de museus, bares e restaurantes, disponibilizando informação detalhada sobre cada um, as opiniões de outros utilizadores, localização no mapa, entre outros dados. O utilizador pode, assim, arrastar as sugestões de que se gosta para a zona de planeamento e criar uma lista com o que mais lhe interessa fazer, bem como partilhar com amigos as sugestões encontradas, seja através da aplicação, seja através de redes sociais, SMS ou email, explicam Joana Baptista e Bernardo Véstia (na foto), dois dos fundadores do projeto Inviita, que no ano passado foi considerada pela Apple “a melhor aplicação, de um total de 37 países”. Desenhada inicialmente apenas

para sistemas IOS, a aplicação será em breve atualizada e disponibilizada também para Android, “alargando de forma significativa os potenciais utilizadores da app, para cerca de cem mil”, estima Bernardo Véstia. A aplicação, cujas receitas provêm dos parceiros da Inviita, como hotéis, museus, eventos, etc., já foi descarregada por cerca de “50 mil utilizadores, em 144 países, e 3.500 cidades, num total de 65 milhões de pontos de interesse”, adianta o empreendedor. A empresa, que continua incubada na Vodafone PowerLab e

postos de trabalho e representando, mesmo estudo, são cada vez mais as em média, 18% do emprego gerado empresas startups que exportam e anualmente, de acordo com o es- 10% destas iniciavam a exportação tudo “Empreendedorismo em Por- dos seus produtos/ serviços logo no tugal: 2007-2014”, realizado pela primeiro ano de vida. Informa D&B. De acordo com o Um dos mercados alvo, a nível 56 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

na Uptec-Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, está já a desenvolver uma nova plataforma baseada na mesma tecnologia, mas cuja forma é definida com parceiros, como sejam, empresas de turismo. Nesta nova área de negócio, designada Powered by Inviita, foi já desenvolvido um quiosque multimédia para os hotéis Pestana CR7 em parceria com a Microsoft Portugal, que se poderá adaptar a outros parceiros da área do turismo, aeroportos, etc. Bernardo Véstia adianta que “há outros clientes interessados no formato web app e na aplicação mobile”.

de internacionalização, é Espanha, como salientaram algumas das empresas entrevistadas, quer em termos de novos clientes, quer com vista à formação de parcerias com congéneres deste país. 


gran tema grande tema

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 57


eventos eventos

01

Ana Paula Vitorino quer duplicar valor da economia do mar até 2019

A ministra do Mar acredita que a Península Ibérica poderá contribuir para alargar o peso e o valor da economia azul, que atualmente representa 3% da riqueza gerada anualmente, a nível mundial. Aquicultura, indústria conserveira, reparação naval, estruturas de recreio, energia offshore e investigação estão entre as prioridades do Governo.

N

Texto Actualidad€ actualidade@ccile.org Fotos Sandra Marina Guerreiro sguerreiro@ccile.org

a economia global, segun- Valor Acrescentado Bruto mundial, azul. do os últimos cálculos da totalizado 1,7 triliões de dólares. A miNum almoço organizado pela CâOCDE, as indústrias ba- nistra Ana Paula Vitorino lembra que mara de Comércio e Indústria Lusoseadas nos oceanos contri- estes números estão longe de concreti- Espanhola (CCILE), no passado dia 26 buem para cerca de 3% do zar o potencial da chamada economia de outubro, em Lisboa, a ministra do

02 58 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

03


eventos

eventos

04 Mar lembrou que “a extensão da plataforma continental estenderá o território português para cerca de 4.000.000 de quilómetros quadrados (a aguardar confirmação das Nações Unidas)”. A ministra sublinha que “os recursos que estes espaços encerram - biológicos, genéticos, minerais, energéticos, etc. -, abrem perspetivas de exploração que podem transformar o futuro de Portugal”. Atualmente, “a economia do mar em Portugal é responsável pot 171.300 empregos, sendo 47% concentrados no turismo”, informa a ministra, acrescentando que “cerca de 30% do PIB do mar provém deste setor”. O segmento dos portos, logística e transporte marítimo responde por outra fatia de 30%, diz. De acordo com “a conta-satélite do mar do Instituto Nacional de Estatística, a economia do mar terá gerado quatro mil milhões de euros anualmente

entre 2011-2013, ou seja, 3,1% do VAB na economia nacional”. Ana Paula Vitorino argumenta que “ainda existe um imenso potencial económico por explorar e rentabilizar no mar da nossa nação, não só através do aumento da diversificação das atividades, como também da exploração de novas fronteiras de valor económico nos negócios”. Acresce que “Espanha, sendo o nosso principal mercado exportador, responsável por 25% das vendas nacionais, é um parceiro estratégico para a atração de investimento estruturante para a nova economia do mar que o presente Governo quer desenvolver em Portugal.” A ministra avança que até final de 2019, o objetivo é “duplicar o peso da economia do mar no PIB nacional”, o que “trará benefícios económicos”, com o “desenvolvimento de um modelo de prosperidade sustentável para Portugal”.

05 A ministra alerta para a necessidade de “preservar os mecanismos dos ecossistemas geradores de toda esta riqueza biológica e mineral”, recorrendo às “inovações de tecnologia e de negócio que abrem um novo potencial transformador do posicionamento geoestratégico de Portugal em várias fileiras de atração de investimento”, assinala Ana Paula Vitorino. O investimento deverá fazer subir na cadeia de valor atividades económicas tradicionais como a pesca e a indústria do pescado, a náutica, o turismo marítimo, o transporte marítimo e a atividade portuária, que “podem e devem funcionar como motor de desenvolvimento e potenciadores de sinergias com inúmeras atividades”, advoga a ministra, dando o exemplo da flor de sal ou das novas conservas gourmet: “As conservas, que chegam a mercados de todo o mundo, os congelados e trans-

06

07

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 59


eventos eventos

08

09

10

11

formados da pesca totalizam em exportações cerca dos 900 milhões de euros/ “Portugal agora ano. Com os agentes económicos queé o país mais remos impulsionar as exportações dos produtos em conserva, transformação e competitivo da congelados, para atingirmos 1000 miEuropa para licenciar lhões de euros em exportações no final da presente legislatura.” um negócio no setor Para salvaguardar a sustentabilidade da aquicultura”, com dos oceanos, “outra área emergente em importância estratégica na economia licenciamentos em do mar portuguesa é a aquicultura”, menos de três meses aponta. Esta área será acelerada por este Governo, garante a ministra: “Cerca de 50% do pescado para consumo humano a nível mundial é proveniente euros. Queremos duplicar estes valores da aquicultura, atividade que cresce à e atingir em 2019 uma produção supeescala mundial, mas que na Europa rior a 20 mil toneladas e que represente estagnou, sendo 65% do pescado con- mais de 100 milhões de euros anuais.” sumido na União Europeia importado. Para captar investimentos, o Governo Em Portugal, a aquicultura representa encurtou o processo de licenciamento cerca de 10 mil toneladas/ano, com um do investimento na aquicultura de três montante estimado de 53 milhões de anos para três meses: “Portugal agora 60 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

é o país mais competitivo da Europa para licenciar um negócio no setor da aquicultura”. Potenciar “o crescimento da manutenção e reparação naval por via do aumento substancial do tráfego nos nossos portos” é outra linha de ação referida pela governante, bem como o setor de recreio e desportivo. A atividade cresceu 12,5% em dois anos, nota a ministra “Representava 181,3 milhões de euros em 2011 e 207,3 milhões de euros em 2013. É expectável o seu crescimento ao longo dos próximos anos, em resultado dos investimentos na qualificação das estruturas de recreio ao longo de toda a costa.” O transporte marítimo e de cruzeiros também cresceu próximo dos 20% no período 2011-2013, de 108,33 milhões de euros, passando para 134, 4 milhões de euros. No campo da energia, “o grande de-


eventos

eventos

12 safio agora é rentabilizar em termos de negócio os protótipos das tecnologias Windfloat (eólica flutuante) e Waveroller (ondas) atualmente em funcionamento”, indica Ana Paula Vitorino. A biotecnologia azul é outro eixo emergente na mira do Governo: “A biodiversidade presente nos ambientes extremos do mar ultra-profundo português, nas fontes hidrotermais, e a enorme diversidade de espécies aquáticas presente no nosso oceano desvelam oportunidades para a criação de novas aplicações farmacêuticas e medicinais disruptivas.” Ana Paula Vitorino quer “reforçar a centralidade euro-atlântica de Portugal, aumentar fortemente a competitividade do sistema portuário nacional e do transporte marítimo e disponibilizar ao setor produtivo nacional cadeias de transporte competitivas e sustentáveis”.

A ministra sublinha que “os portos portugueses são hoje uma referência internacional nas rotas logísticas ibéricas, mas também nas grandes rotas mundiais norte-sul e este-oeste, posicionando-se como dos poucos setores da nossa economia que apresentam resultados positivos e contribuindo para o crescimento das nossas exportações”. O Governo pretende investir nas ligações ferroviárias aos hinterlands europeus, com prioridade para a ligação ferroviária ao porto de Sines. Para recuperar a já escassa marinha mercante nacional, o Executivo promete criar “condições legais e fiscais mais favoráveis, no respeito pelas regras europeias e internacionais, tendentes a fomentar o aumento do número de navios com pavilhão nacional. Outra aposta é dotar o sistema portuário de infraestruturas para abas-

13 tecimento dos navios movidos a gás natural liquefeito, bem como a dinamização potencial de um hub de trading desta fonte energética. O financiamento de todas estas linhas de ação virá do programa Mar 2020, com 500 milhões de euros disponíveis até 2020, bem como do “Fundo Azul”, criado para apoiar o desenvolvimento da economia do mar, da investigação científica e da proteção e monitorização do meio marinho. “Este Fundo público será dotado de uma verba inicial de 13,6 milhões de euros e está concebido para a criação de linhas de apoio dedicadas em articulação com outros fundos públicos e privados, facilitando assim a disponibilidade de financiamento com maior escala”, detalha a ministra, confiante de que o mar, em Portugal, terá no futuro protagonismo semelhante ao que já teve no passado. 

01. A ministro do Mar, Ana Paula Vitorino

07. Morais Rocha, Lídia Sequeira e José Castel Branco

02. Keitumetse Matthews, Ana Paula Vitorino e Juan Matías

08. Antonio Carmona, Miguel Seco, José Coutinho e Nuno Guilherme

03. António Caneco, Marco Vale e Carlos Santos

09. Ana Paula Vitorino, Juan Manuel de Barandica e Miguel Bernal

04. Enrique Santos, Juan Manuel de Barandica e Ana Paula Vitorino

10. António Luís Tavares, Alfonso Mateo e Luisa Cinca

05. Pedro Brenes, Miguel Socorro, David Angel Martínez e António Vítor

11. Clara Muñoz, Jorge Fonseca e Antoine Veija

06.André Stock, Cristiano Esteves, João Patrício, Alexandrina Lopes e Bárbara Costa Pinto.

12. José Ladeira, Bernado Sousa Moniz e Anabele Mouquiño 13. Jorge Filipe, Gustavo Matinho e Andrade Santos

Patrocínios:

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 61


Setor automóvel sector automóvil

Por Nuno Ramos nrc.gmv@gmail.com

Volkswagen Golf VII

Mais evoluído tecnologicamente

Baseado na plataforma modular MQB, utilizada em diversos modelos das marcas do grupo VW e, apresentando um peso 100 kg inferior à atual geração, o Golf VII contará com várias evoluções tecnológicas e uma maior eficiência nos consumos.. Fotos DR

É

a primeira grande atualização da sétima geração do Volkswagen Golf. Novos motores, novas tecnologias e uma ligeira atualização estética. Apesar de receber a designação de uma nova geração, o Golf VII será efetivamente um facelift do modelo atual. Maior, mais leve e económico, o novo Golf promete um enorme salto em termos de qualidade e eficiência, com a marca alemã a anunciar uma redução de peso na ordem dos 100 kg. Para isso, contribui a adoção de uma nova plataforma, denominada MQB, que utiliza aço mais forte, por forma a conseguir diminuir a quantidade de metal utilizada, 62 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

assim como uma nova suspensão, composta maioritariamente por elementos em alumínio. Face à anterior geração, cresce 56mm em comprimento e 59mm na distância entre eixos, beneficiando não só o espaço interior, mas também a capacidade da bagageira, que ganhou 30 litros para um total de 380 litros. E stetica mente existem também algumas evoluções, mas necessitamos estar muito

atentos, para vê-las. No entanto elas estão lá. As jantes ganharam novo design, os para-choques assumiram linhas mais dinâmicas, e os faróis dianteiros e luzes traseiras ganha-


sector automóvil Setor automóvel

ram uma nova “assinatura” luminosa. Goste-se ou não, a verdade é que tem resultados práticos positivos. No que diz respeito à evolução tecnológica, este foi o ponto onde foi feita uma grande aposta. O novo Golf surge mais completo, com recurso a diferencial eletrónico XDS, sistema de infoentretenimento com ecrã tátil de 9,2 polegadas, travão de parque elétrico, sensor da pressão dos pneus, Multi-Colision Braking System e ainda um sistema que previne o abastecimento com o combustível errado. A Volkswagen espera diminuir substancialmente a sinistralidade grave envolvendo modelos da marca. Por exemplo, através da utilização dos sistemas Front Assist e City Emergency Braking, que são capazes de fazer o reconhecimento de peões e travar automaticamente, se necessário, evitando atropelamentos. O sistema de condução semi-autónoma Traffic Jam Assist, por seu turno, permitirá ao novo Volkswagen Golf acelerar, travar e até virar, a baixa velocidade, em situações de tráfego intenso. Mais uma das novidades é a nova versão híbrida a gasolina que reclama 4,7 l/100 km reais. Isso é possível com a introdução de um sistema híbrido de 48V composto por um

motor 1.0 turbo de três cilindros, um compressor elétrico e um motor/ gerador com uma bateria de chumbo-ácido que armazena a energia recuperada. Este sistema permite auxiliar o carro a baixos regimes e reduzir os consumos, sem se apoiar funcionamento no motor convencional no arranque. Em termos de motorizações, além da referida anteriormente, o novo Golf conta com a última geração da família de propulsores gasolina turbo TSI, com sistema ativo de gestão de cilindros, incluindo o novo 4 cilindros 1.5 TSI EVO de 150 cavalos e a variante BlueMotion de 130 cavalos, que desliga temporariamente

o motor quando ele roda em velocidade de cruzeiro, com enormes vantagens em termos de consumo. A versão desportiva Golf GTI vê a sua potência aumentada para os 230 cavalos, enquanto a GTI Performance sobe aos 245 cavalos. Em relação aos níveis de equipamentos, vão existir três; Trendline, Confortline e Highline. Este último, o topo de gama e, inclui Jantes de liga leve de 17 polegadas, Bancos desportivos em tecido e alcântara e Inserções cromadas. Lançado no mercado português no passado mês de Novembro, o preço de venda é semelhante ao do seu antecessor. 

PUB

Sponsors Oficiais Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 63


barómetro financeiro

barómetro financiero

Economia portuguesa cresceu 1,6% no terceiro trimestre

Foto DR

O

produto interno bruto (PIB) registou, em termos homólogos, um aumento de 1,6% no terceiro trimestre de 2016 e 0,8% em cadeia, de acordo com a estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística (INE). "O crescimento mais intenso do PIB refletiu, principalmente, o aumento do contributo da procura externa líquida, verificando-se uma aceleração mais expressiva das exportações de bens e serviços em comparação com a das importações de bens e serviços", diz o INE, acrescentando que "o contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB também aumentou", "em resultado da acelera-

ção do consumo privado". Desde o terceiro trimestre de 2014 que o crescimento, trimestre a trimestre, não era tão acentuado. "Por comparação com a área do Euro, onde o crescimento médio foi de 0,3%, apraz-nos registar que Portugal foi o país que exibiu não só o maior crescimento económico, mas, também, a maior aceleração. A incorporação destes dados nas previsões para a economia portuguesa implicará uma revisão em alta dos últimos números divulgados por várias instituições", referiu o Ministério da Economia, em comunicado, citando os dados do Eurostat.

"Brexit" leva a redução Exportações aumentam 6,6% do crescimento previsto para 2017 em setembro A Comissão Europeia reduziu as previsões de crescimento para 2017, em 0,3%, devido a uma maior volatilidade e ao impacto da decisão dos britânicos de abandonar o bloco, o que implicaria também uma queda de quase 50% da expansão do próprio Reino Unido. "Em 2016, o crescimento na zona do Euro será de 1,7%; em 2017, de 1,5% , e de 1,7% em 2018", anunciou o comissário europeu de Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, ressaltando "o nível elevado de incertezas na Europa e em outras regiões". Quanto ao processo de separação, "provavelmente, a incerteza continuará alta enquanto as negociações sobre o futuro das relações entre Reino Unido e o bloco europeu continuarem", acrescentou o comissário. Bruxelas prevê para 2017 uma queda de quase 50% do crescimento do PIB britânico, passando agora para apenas 1%.

As exportações de bens portuguesas aumentaram 6,6% e as importações subiram 1,9% em setembro deste ano face ao mesmo mês de 2015, tendo o défice da balança comercial recuado 172 milhões de euros, para os 921 milhões, revelou o INE. De acordo com os dados relativos ao comércio internacional de Portugal, quanto ao terceiro trimestre de 2016 as exportações de bens cresceram 1,8% e as importações aumentaram 0,8%, em termos homólogos (-1,1% e -0,1%, respetivamente, no trimestre terminado em agosto de 2016). Em agosto, as exportações e as importações de bens tinham registado subidas homólogas de 5,1% e de 9,8%, respetivamente. Só em setembro, face ao mesmo mês de 2015, excluindo os combustíveis e lubrificantes, as exportações aumentaram 7,8% e as importações subiram 3,6% (respetivamente +7,2% e +13,1% em agosto de 2016).

Desemprego em Portugal estabiliza nos 10,9% em agosto A taxa de desemprego situou-se, em setembro, nos 10,8%, segundo a estimativa provisória divulgada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que reviu em baixa os valores de agosto para 10,9%, face à estimativa inicial de 11%. A estimativa provisória da população desempregada em setembro foi de 555,6 mil pessoas e a da população empregada foi de 4567,5 mil pessoas, de acordo com os números divulgados.

A estimativa definitiva da taxa de desemprego de agosto, segundo o INE, foi de 10,9%, mantendo-se inalterada face ao mês anterior, o que representa uma revisão em baixa relativamente ao valor provisório publicado há um mês, em menos 0,1 pontos percentuais. A estimativa provisória da taxa de desemprego de setembro, por sua vez, foi de 10,8%, tendo diminuído em relação ao valor definitivo do mês anterior e face à estimativa definitiva do mesmo mês de 2015. Textos Actualidad€ actualidade@ccile.org

64 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d €


intercâmbio comercial intercambio comercial

Intercambio comercial luso

español en enero-septiembre de 2016

S

e acaban de hacer públicos los datos estadísticos del comercio hispano portugués referentes a los nueve primeros meses del año, y de los mismo se habrá de destacar el dinamismo de este comercio, cuyo valor total, es decir compras más ventas, alcanzó los 21.430,8 millones de euros, frente a los 21.343,6 millones alcanzados en igual periodo del año pasado, lo que representa un incremento del 0,4%. Las ventas españolas, en dicho periodo, pasan de los 13.354,9 millones de euros en 2015 para los actuales 13.489,9 millones (+1%). A su vez, las compras españolas registraron una quiebra muy tenue del 0,6%, pasando de los 7.988,8 millones de euros el año pasado para los actuales 7.940,9 millones.

El mes de septiembre registró aumentos muy significativos tanto en las ventas como en las compras españolas respeto al mes de septiembre. Las ventas españolas registraron un aumento del 16,7% y en el caso de las compras este aumento superó los 26,3% Por lo que a la distribución geográfica del comercio exterior español se refiere, Portugal mantiene la quinta posición entre los principales clientes del mercado español con un peso relativo del 7,15 % y del 3,9 % sobre el total de la demanda española. Los mercados francés y alemán son los principales socios comerciales de España y juntos representan el 26 % de nuestro comercio exterior. Por lo que a la distribución de comercio bilateral por CC.A A. se re-

fiere, las ventas españolas a Portugal están encabezadas por Cataluña, con 3.244,2 millones de euros (24% del total de las ventas españolas a Portugal), seguido de Madrid, con 1.983,8 millones de euros (14,7%), Galicia, con 1.877,4 millones de euros (13,9%), y en la cuarta posición Andalucía, con 1.377,6 millones de euros (10,2 %). En el ranking de las principales CC.A A. compradoras a Portugal destaca Galicia con 1.425,0 millones de euros (17,9 % del total de las compras españolas a Portugal), Cataluña con 1.269,2 millones de euros (15,9%), Madrid, con 1.181,2 millones de euros (14,8%), y la Comunidad Valencia, con 763,9 millones de euros (9,6%). No se detectan en estos datos

Balanza

1.Balanza comercial de España con Portugal en enero-septiembre 2016 VENTAS ESPAÑOLAS 16

COMPRAS ESPAÑOLAS 16

Saldo 16

Cober 16 %

VENTAS ESPAÑOLAS 15

COMPRAS ESPAÑOLAS 15

Saldo 15

Cober 15 %

ene

1.265.646,00

754.840,44

510.806

167,67

1.273.065,27

787.297,60

485.768

161,70

feb

1.465.191,08

827.300,47

637.891

177,11

1.424.674,66

881.040,78

543.634

161,70

mar

1.561.949,47

932.848,80

629.101

167,44

1.544.255,54

909.551,96

634.704

169,78

abr

1.477.756,94

899.902,04

577.855

164,21

1.483.478,88

890.593,70

592.885

166,57

may

1.525.932,63

937.979,01

587.954

162,68

1.485.269,66

936.319,08

548.951

158,63

jun

1.612.563,57

935.179,29

677.384

172,43

1.617.427,95

945.815,34

671.613

171,01

jul

1.567.605,41

940.868,83

626.737

166,61

1.674.117,52

978.191,32

695.926

171,14

ago

1.390.294,43

756.495,36

633.799

183,78

1.265.446,98

757.335,49

508.111

167,09

sep

1.623.011,96

955.459,47

667.552

169,87

1.587.123,43

902.605,53

684.518

175,84

oct

0

1.563.637,65

968.476,56

595.161

161,45

nov

0

1.524.960,94

932.714,75

592.246

163,50

dic

0

1.471.544,58

807.681,82

663.863

182,19

17.915.003,09

10.697.623,95

7.217.379

167,47

Total

13.489.951,49

7.940.873,71

Valores en Miles de Euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia.

66 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016

5.549.078

169,88


Rankings 2.Ranking principales países clientes de España enero-septiembre 2016

considerables alteraciones en la distribución sectorial del comercio hispano portugués, respecto a los periodos anteriores. El sector vehículos automóviles; tractor mantiene el liderazgo tanto en la oferta como en la demanda española y este sector representa el 10% del comercio bilateral con una cifra que supera los 2.086,2 millones. En la demanda española se habrá que destacar la partida materias plásticas; sus manufacturas con una cifra de compras superior a los 517,3 millones de euros, seguido de las prendas de vestir con 498,5 millones de euros y en la cuarta posición las máquinas y aparatos mecánicos con 357,9 millones de euros. El conjunto de las diez primeras partidas de las compras españolas a Portugal representan el 52 % del total de las compras a Portugal. Por lo que a la oferta española a Portugal se refiere, el sector vehículos automóviles; tractor mantiene, igualmente, el liderazgo con una cifra de ventas que supera los 1.179,7 millones de euros, seguido de la partida máquinas y aparatos mecánicos con 892,4 millones, las materias plásticas, sus manufacturas, con 863,9 millones, y los aparatos y material eléctricos, con 718,4 millones. En el caso de la oferta española, las 13 primeras partidas representan el 53 % del total de las ventas españolas a su vecino Portugal. Finalizamos este breve comentario destacando, de nuevo, el dinamismo del comercio entre los dos países ibéricos y con base en las cifras alcanzadas en los nueve primeros meses de este año es muy probable que cerremos el año superando la cifra de 2015 que se situó en los 28.612,6 millones de euros. 

Orden País

Importe

1

001 Francia

28.548.147,27

2

004 Alemania

21.363.615,98

3

005 Italia

15.035.350,72

4

006 Reino Unido

14.679.735,66

5

010 Portugal (d.01/01/86)

13.489.951,49

6

400 Estados Unidos

8.406.439,41

7

003 Países Bajos

6.006.108,98

8

017 Bélgica (d.01/01/99)

5.763.888,09

9

204 Marruecos

5.026.519,98

10

052 Turquía

3.848.664,04

11

720 China

3.700.108,31

12

060 Polonia

3.572.756,91

13

039 Suiza (d.01/01/95)

3.045.654,01

14

412 México

2.969.774,87

15

208 Argelia

2.200.815,64

16 17 18 19 20

732 Japón 952 Avituallamiento terceros 632 Arabia Saudí 508 Brasil 038 Austria SUBTOTAL TOTAL

1.820.715,32 1.803.081,18 1.790.806,02 1.724.754,04 1.660.590,42 146.457.478,35 188.485.239,16

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T. y elaboración propia

3.Ranking principales países proveedores de España enero-septiembre 2016 Orden País 1

004 Alemania

4.Ranking principales productos comprados por España a Portugal enero-septiembre 2016 Orden Sector 87 VEHÍCULOS AUTOMÓVILES; TRACTOR

906.476,85

2

39 MAT. PLÁSTICAS; SUS MANUFACTU.

517.316,82

3

61 PRENDAS DE VESTIR, DE PUNTO

498.531,78

4

84 MÁQUINAS Y APARATOS MECÁNICOS

357.881,26

5

94 MUEBLES, SILLAS, LÁMPARAS

354.491,42

6

27 COMBUSTIBLES, ACEITES MINERAL.

349.207,06

7

85 APARATOS Y MATERIAL ELÉCTRICOS

320.506,33

8

72 FUNDICIÓN, HIERRO Y ACERO

288.311,39

9

62 PRENDAS DE VESTIR, NO DE PUNTO

001 Francia

22.728.114,13

720 China

17.774.732,70 13.263.036,95

4

005 Italia

5

400 Estados Unidos

9.369.928,32

6

003 Países Bajos

8.473.058,68

7

006 Reino Unido

8.274.771,17

8

010 Portugal (d.01/01/86)

7.940.873,71

9

017 Bélgica (d.01/01/99)

5.225.298,49

10

204 Marruecos

4.092.088,33

11

052 Turquía

3.797.341,65

12

060 Polonia

3.680.207,56

13

208 Argelia

3.451.025,34

14

061 República Checa(d.01/01/93)

2.927.978,00

15

732 Japón

2.712.018,61

16

039 Suiza (d.01/01/95)

2.623.315,19

17

664 India

18

508 Brasil

19 20

7.940.873,71

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T. y elaboración propia

5.Ranking principales productos vendidos por España a Portugal enero-septiembre 2016 Orden Sector

Importe

1

87 VEHÍCULOS AUTOMÓVILES; TRACTOR

1.179.753,95

2

84 MÁQUINAS Y APARATOS MECÁNICOS

892.369,78

3

39 MAT. PLÁSTICAS; SUS MANUFACTU.

863.865,58

4

85 APARATOS Y MATERIAL ELÉCTRICOS

718.424,73

5

27 COMBUSTIBLES, ACEITES MINERAL.

524.046,46

6

02 CARNE Y DESPOJOS COMESTIBLES

445.049,24

7

72 FUNDICIÓN, HIERRO Y ACERO

427.060,93

8

03 PESCADOS, CRUSTÁCEOS, MOLUSCOS

408.294,09

9

48 PAPEL, CARTÓN; SUS MANUFACTURA

398.180,92

TOTAL

13.489.951,49

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T. y elaboración propia

Importe

2

268.306,16

TOTAL

6.Evolución del Intercambio Comercial Portugal-España 2016

27.226.430,30

3

Importe

1

7.Ranking principales CC.AA. proveedoras/clientes de Portugal enero-septiembre 2016 CC.AA.

VENTAS ESPAÑOLAS 16

2.577.330,81

Cataluña

3.244.218,88

Galicia

1.425.006,94

2.369.463,35

Madrid, Comunidad de

1.983.785,99

Cataluña

1.269.181,48

288 Nigeria

2.356.259,12

Galicia

1.877.360,49

Madrid, Comunidad de

1.181.235,04

412 México

2.350.413,88

Andalucía

1.377.648,09

Comunitat Valenciana

763.958,96

SUBTOTAL

153.213.686,29

Comunitat Valenciana

1.002.658,31

Andalucía

691.545,69

TOTAL

201.712.317,65

Castilla-La Mancha

797.370,52

Castilla y León

566.611,46

Valores en Miles de Euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia.

COMPRAS ESPAÑOLAS 16

Valores en Miles de Euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia.

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d € 67


oportunidades de negócio

oportunidades de negocio

Empresas Portuguesas

Oportunidades de

negócio à sua espera

BUSCAN

REFERENCIA

Distribuidores españoles interesados en vender productos alimenticios portugueses

DP160706

Empresas españolas proveedoras de harina para uso industrial

DP160801

Colegios privados en Madrid

DP160802

Empresas españolas que compren material reciclado (latas de acero)

DP160803

Operadores aéreos en España

DP160804

Empresas españolas importadoras de cortinas, edredones y tejidos por metro

DP160901

Empresas españolas dedicadas a la comercialización de materiales de perforación de piedra/roca Empresa portuguesa de mediación inmobiliaria busca inversores inmobiliarios interesados en invertir en Portugal para presentar oportunidades de negocio

DP160902 DP160903

Proveedores españoles de aceite vegetal usado (UCO - Used Cooking Oil) con certificación ISCC (International Sustainability & Carbon Certification) Empresa portuguesa del área de la decoración busca empresas españolas de importación de muebles e iluminación para relación comercial

DP161001 OP160901

Tiendas gourmet españolas interesadas en vender productos de panadería y pastelería portugueses

OP160902

Empresa portuguesa liquida stock de velas perfumadas en vaso (varios colores) a precio de fábrica

OP160903

Empresa portuguesa de manutención exterior en aeropuertos ofrece sus servicios a empresas del mismo sector en España

OP160904

Empresas Espanholas PROCURAM

REFERÊNCIA

Empresas portuguesas do setor do caravanismo/ autocaravanismo e campismo

DE160701

Empresas portuguesas da área da venda e reparação de maquinaria de limpeza Importadores portugueses de produtos de alimentação Empresas portuguesas de transporte rodoviário de passageiros Empresas portuguesas de confeção de vestuário para mulher e criança

DE160901 DE160902 DE160903 DE160904

Armazéns em Portugal de bagas, frutos de caroço e citrinos

DE161001

Distribuidores de vinho espanhol em Portugal Fábricas em Portugal de confeção têxtil para rapaz e rapariga Empresas portuguesas importadoras e distribuidoras de cosméticos Empresas espanholas de transporte marítimo com interesses na América Latina Fabricantes espanhóis de tubos de bronze Empresa espanhola fabricante de embalagens metálicas procura agente comercial para Portugal Particular espanhol procura sócio comercial em Portugal no setor do tabaco, para apresentar a sua marca de cigarros, para fabrico e comercialização dos mesmos

DE161002 DE161003 DE161004 DP161101 DP161102 OE160601 OE160901

Legenda: DP-Procura colocada por empresa portuguesa; OP-Oferta portuguesa; DE - Procura colocada por empresa espanhola; OE- Oferta espanhola

Las oportunidades de negocios indicadas han sido recibidas en la CCILE en los últimos días y las facilitamos a todos nuestros socios gratuitamente. Para ello deberán enviarnos un fax (21 352 63 33) o un e-mail (ccile@ccile.org), solicitando los contactos de la referencia de su interés. La CCILE no se responsabiliza por el contenido de las mismas. As oportunidades de negócio indicadas foram recebidas na CCILE nos últimos dias e são cedidas aos associados gratuitamente. Para tal, os interessados deverão enviar um fax (21 352 63 33) ou e-mail (ccile@ccile.org), solicitando os contactos de cada uma das referências. A CCILE não se responsabiliza pelo conteúdo das mesmas.

68 act ualidad€

DEzEMBRO DE 2016


oportunidades de negocio

oportunidades de negĂłcio

DEzEMBRO DE 2016

ac t ua l i da d â‚Ź 69


calendário fiscal calendario fiscal >

S

T

Q

Q

S

S

D

S

T Q

Q

S

S

D

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 F 26 27 28 29 30 31

Dezembro Prazo

Imposto

Até

Declaração a enviar/Obrigação

Entidades Sujeitas ao cumprimento da obrigação

Observações

12

IVA

Declaração periódica e pagamento do imposto apurado, relativamente às operações efetuadas em outubro/2016

Contribuintes do regime normal mensal

12

Segurança Social

Declaração de remunerações relativas a novembro/2016

Entidades empregadoras

15

IRC

3º Pagamento por conta do IRC - 2016

Entidades residentes ou não residentes com estabelecimento estável

Este pagamento poderá ser limitado conforme a estimativa do IRC final.

15

IRC

3º Pagamento adicional por conta da derrama estadual - 2016

Entidades residentes ou não residentes com estabelecimento estável

Este pagamento pode ser limitado, em termos idênticos ao previsto para o pagamento por conta do IRC

20

IRS/IRC/ SELO

Pagamento das retenções de IRS e IRC ou Imposto do Selo liquidado em novembro/2016

Entidades devedoras dos rendimentos e do Imposto do Selo

20

Segurança Social

Pagamento das contribuições e quotizações relativas às remunerações de novembro/2016

Entidades empregadoras

20

IVA

Declaração recapitulativa relativa às transmissões intracomunitárias de bens e/ou prestações de serviços realizadas em novembro/2016, que se consideram localizadas noutros Estados membros

Contribuintes do regime normal mensal, ou do regime trimestral quando o total das transmissões intracomunitárias de bens tenha excedido 50.000 € no trimestre em curso ou em qualquer um dos quatro trimestres anteriores

É aplicável aos sujeitos passivos isentos do artº 53º do CIVA, que tenham prestado serviços a sujeitos passivos de outros Estados membros, quando tais serviços sejam aí localizados

20

IRS

3º Pagamento por conta – IRS 2016

Sujeitos passivos titulares de rendimentos da categoria B, do IRS

Este pagamento poderá ser limitado (reduzido ou cessado) conforme a estimativa do IRS final, tendo em conta as retenções na fonte e pagamentos por conta já efetuados

26

IVA

Comunicação dos elementos das faturas emitidas em novembro/2016

Sujeitos passivos do IVA (pessoas singulares ou coletivas)

- Por transmissão eletrónica de dados (faturação eletrónica), através do Portal da AT;

Declaração mod. 30, relativa aos rendimentos pagos ou colocados à disposição de sujeitos passivos não residentes, em outubro de 2016

Entidades pagadoras dos rendimentos

31

70 act ualidad€

IRC

DEzEMBRO DE 2016

- Por envio do ficheiro SAF-T (PT), mensalmente, através do Portal; - Por recolha direta no Portal.

Obtenção de Nº fiscal especial para a entidade não residente


bolsa de trabajo Bolsa de trabalho

Página dedicada à divulgação de Currículos Vitae de gestores e quadros disponíveis para entrarem no mercado de trabalho Código

Sexo

Data de Nascimento Línguas

Área de Atividade

BE160165 BE160166

M

1975

INGLÊS/ FRANCÊS/ ESPANHOL

TÉCNICO DE RH

M

19/02/1988

INGLÊS/ ESPANHOL/ ALEMÃO/ FRANCÊS/ ÁRABE

INTÉRPRETE E TRADUTOR (MILITAR)

BE160167

M

06/10/1977

ESPANHOL

AUXILIAR ADMINISTRATIVO

BE160168

F

16/08/67

INGLÊS/ FRANCÊS/ ESPANHOL

CONSULTORIA JURIDICA

BE160169

M

22/07/1970

ESPANHOL

COMERCIAL

BE160170

F

02/05/1980

ESPANHOL/ INGLÊS

SETOR SOCIAL E EDUCAÇÃO

BE160171

M

24/06/1976

INGLÊS/ FRANCÊS

ADMINISTRATIVO/ LOGÍSTICA E EMPILHADORES/ MANOBRADOR

BE160172

M

15/08/1987

INGLÊS/ ALEMÃO

CONSULTOR

BE160173

M

INGLÊS/ PORTUGUÊS/ ESPANHOL

ADMINISTRATIVO

BE160174

M

12/09/1961

ESPANHOL/ INGLÊS/ FRANCÊS

COMERCIAL NA ÁREA SEGURADORA E BANCÁRIA.

BE160175

F

30/09/1978

BE160176

M

BE160177

M

20/10/1993

INGLÊS

GESTORA DE EMPRESAS

INGLÊS

COMERCIAL/ FINANCEIRO

INGLÊS/ ESPANHOL

RECURSOS HUMANOS

Os Currículos Vitae indicados foram recebidos pela CCILE e são cedidos aos associados gratuitamente. Para tal, os interessados deverão enviar um e-mail para rpinto@ccile.org, solicitando os contactos de cada uma das referências. A CCILE não se responsabiliza pelo conteúdo dos mesmos. Los Currículos Vitae indicados han sido recibidos en la CCILE y los facilitamos a nuestros socios gratuitamente. Para ello deberán enviarnos un e-mail para rpinto@ccile.org, solicitando los contactos de cada referencia de su interés. La CCILE no se responsabiliza por el contenido de los mismos.

PUB

novembro DEzEMBRO D de E 2016 4

ac t ua l i da d € 71


espaço de lazer

espacio de ocio

Agenda cultural

MAAT mergulha no legado dos designers Charles e Ray Eames

Livro

“Lx80 – Lisboa entra numa nova época”

“A Lisboa dos anos 80 é uma cidade onde tudo parece possível”, lê-se na contracapa do livro da jornalista Joana Stichini Vilela e do designer Pedro Fernandes. “Lx80 – Lisboa entra numa nova época” segue-se a “LX 60 – Lisboa, do sonho à realidade”, lançado em 2012, e a “LX 70 – A vida em Lisboa nunca mais foi a mesma”, em 2014. O novo livro recua até à década em que Portugal e Espanha entraram na então Comunidade Económica Europeia (CEE), a década “que abriu com a morte de Sá Carneiro em Camarate, teve em ‘Kilas’, a grande fita, viu as últimas noites europeias com Livramento e as primeiras noites com a novela Vila Faia”. Como se recorda na sinopse, por essa altura, “Futre ainda estava no Sporting e ainda não tinha um Porsche amarelo, davam-me 30 escudos por dia para um bolo e um copo de leite, desapareceu o Monumental e o Martim Moniz deixou de ser um terreiro”. O livro, rico em fotografias, devolve-nos à memória o escândalo das Amoreiras e da Dona Branca, os 98 bairros da lata que na altura existiam em Lisboa, o incêndio no Chiado, a movida que animava as noites do Bairro Alto. “Quase uma centena de histórias baseadas em factos e memórias reais”, numa altura em que “as mulheres tinham o primeiro filho aos 23 anos e gozavam três meses de licença de maternidade” e que “a taxa de analfabetismo era de 18,6%, mas entre elas subia para 23%”.

72 act ualidad€

Exposições

DEzEMBRO DE 2016

“O Mundo de Charles e Ray Eames”, designers já falecidos, continua a ser o nosso mundo, já que as suas criações perduram: fabricam-se e comercializam-se em massa. Algumas dessas peças estão em exposição no MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia. Charles Eames e Ray-Bernice Alexandra Kaiser Eames conheceram-se em 1940, na Cranbrook Academy of Art, no Michigan, nos Estados Unidos. Um ano depois, casaram e iniciaram uma parceria que durou até ao fim da vida de Charles (1978), como assinala a sinopse da mostra: “A singular colaboração entre ambos deu origem a um vasto corpo de trabalho pioneiro e influente no campo do design. Este trabalho extraordinário teve como ponto focal o ateliê Eames, em Venice, na Califórnia: um ‘laboratório’ interdisciplinar, ativo durante quatro décadas, onde os Eames e os seus colaboradores investigaram e desenvolveram produtos, mobiliário, filmes, slideshows, design gráfico, projetos expositivos e arquitetónicos, bem como novos modelos pedagógicos. Movidos por ideais filosóficos que valorizavam o conhecimento, a descoberta e a disciplina, abraçavam o potencial da tecnologia e da ciência numa lógica de contribuição para o bem comum. Para eles, não havia separação entre vida e trabalho.” Esta exposição “explora a variedade de mundos em que Charles e Ray Eames viveram e trabalharam, dos seus primeiros anos juntos desenvolvendo novos produtos no âmbito do esforço de guerra e a adaptação destas experiências para a fabricação de mobiliário no pós-guerra, até à sua casa, estúdio, e rede internacional de clientes e amigos”. As criações mais icónicas, como as célebres cadeiras Eames, os “protótipos experimentais e trabalhos raramente vistos em filme, fotografia e arquitetura” podem ser vistos na sala central 1 do MAAT. Na apresentação da exposição, o neto do casal, Eames Demetrios, sublinhava a constante preocupação dos designers com a melhoria das suas criações, que testavam e corrigiam em função da funcionalidade e do conforto. Além das peças de mobiliário, que ainda hoje são fabricadas pela Herman Miller e pela Vitra, destaca-se a “Eames House, Case Study House No. 8”, a casa que idealizaram e que acabou por ser a sua residência na Califórnia. O edifício, que lembra uma pintura de Mondrian, na estrutura, na geometria e nas cores, continua a ser um dos marcos da arquitetura moderna.

Até 9 de janeiro de 2017, no MAAT, em Lisboa

Reviver a exposição de Amadeo de Souza Cardoso no Porto

Onde hoje é o Coliseu do Porto, há cem anos mostraram-se obras de Amadeo de Souza-Cardoso, um dos mais conceituados artistas do modernismo português. A mesma exposição, na altura polémica, está recriada agora noutro ponto da cidade, no Museu Soares dos Reis. Raquel Henriques da Silva – historiadora de arte e comissária da mostra, juntamente com Marta Soares –, lembra que “nos últimos anos, temos assistido a um núme-


espacio de ocio ro crescente de exposições que revisitam exposições do passado, prática que chamou a atenção de historiadores, curadores e críticos de arte”, como pretexto para refletir sobre a importância da exposição como meio para a compreensão da arte moderna e contemporânea. Das 114 obras que há cem anos foram expostas no então salão de festas do jardim Passos Manuel, 81 podem ser revistas no Porto, para assinalar o centenário de uma mostra que agitou a cultura do país, na época, já que o jovem artista trazia para Portugal uma forte influência de Paris, onde viveu e contactou com movimentos como o cubismo o futurismo ou o expressionismo, refletidos na sua obra. A mostra exibe os quadros pela ordem que Amadeo de Souza Cardoso os colocou no catálogo alusivo à antiga exposição. Pretende-se recriar a curadoria da época, distinta da que se faria hoje. O artista, nascido em Amarante em 1887, morreu 30 anos depois. Em 1906, partiu para Paris e passou a residir em Montparnasse. Tornou-se amigo de Amadeo Modigliani, Constantin Brancusi e Alexander Archipenko e mais tarde de Sonia e Robert Delaunay, que o apresentaram a Apollinaire, Picabia, Chagall, Boccioni, Klee, Franz Marc e Auguste Macke.

Até 1 de janeiro de 2017, no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto

Dona Maria II acolhe “As Criadas”, de Jean Genet

“Repudiando as virtudes do vosso mundo, os criminosos concordam irremediavelmente em organizar um universo paralelo. Concordam em viver nele. O ar é nauseante: eles conseguem respirá-lo.” As palavras são de Jean Genet, o autor de “As Criadas”, a peça agora em cena no Teatro Nacional Dona Maria II. Escrita no pós-guerra, em 1947, pelo dramaturgo francês, du-

espaço de lazer

rante uma das suas passagens pela prisão, a peça coloca-nos no território dos desalinhados, dos excluídos, simultaneamente vítimas e culpados. “A partir do momento em que a patroa se ausenta, a fantasia rasga-se no imaginário de duas irmãs, que se transportam para longe das suas próprias vidas, numa fuga urgente de um quotidiano miserável”. A história de Genet é contada na sequência de um crime real da época: duas irmãs mataram a patroa e a filha. Com encenação de Marco Martins, a peça é interpretada pelas atrizes Beatriz Batarda, Sara Carinhas, as criadas, e Luísa Cruz, a patroa.

Até 18 de dezembro, na sala estúdio do TNDM II, em Lisboa Textos Susana Marques smarques@ccile.org Fotos DR

“Intimidade” de Renoir no Museu Thyssen-Bornemisza Figura de proa do impressionismo, Pierre-Auguste Renoir (1841-1919) foi o autor da 75 obras agora em exposição no Museu Thyssen-Bornemisza, na mostra intitulada “Intimidade”. Trata-se da primeira retrospetiva em Espanha sobre este pintor francês e “destacará o papel central que ocupam as sensações tateies nas suas telas, percetíveis nas distintas etapas da sua trajetória numa ampla variedade de géneros, tanto nas cenas de grupo, nos retratos e nus como nas naturezas mortas e nas paisagens”, lê-se na nota de imprensa sobre a exposição. Comissariada por Guillermo Solana, diretor artístico do Museo Thyssen-Bornemisza, a mostra “permitirá descobrir como Renoir se servia das sugestões tácteies de volume, matéria ou texturas como veículo para plasmar a intimidade nas suas diversas formas – amistosa, familiar ou erótica – , e como esse imaginário vincula obra e espetador com a sensualidade da pincelada e a superfície pictórica”. Observamos mãos que entrelaçam cabelos, abraços, ou o toque entre as personagens. A distância entre os protagonistas das telas dos também impressionistas Manet ou Degas e o espetador é suprimida nos quadros de Renoir, que “dota as suas figuras de uma proximidade tangível”. A exposição percorre seis temas: Impressionismo: o público e o

privado; Retratos encomendados; Prazeres quotidianos; Paisagens do norte e do sul; A família e o seu contexto e Banhistas. Será possível apreciar obras célebres, como “Depois do almoço” (1879), “Almoço no restaurante Fournaise” (1869), “Le Moulin de la Galette” (1875-1876) “Banhos no Sena” (1869), “Retrato da mulher de Monet (1872-1874), “Mulher com sombra num jardim (1875). Sobre o pintor Renoir, o seu filho, o cineasta Jean Renoir, escreveu que “olhava as flores, as mulheres, as nuvens do céu como outros homens tocam e acariciam”.

Até 22 de janeiro de 2017, no Museu Thyssen-Bornemisza, em Madrid D E z embro de E M B R O de DE 2016

ac t ua l i da d € 73


últimas

últimas

Statements Para pensar

“Num futuro próximo, poderemos ter empresas portuguesas a desenvolverem negócios interessantes no Brasil ou a serem apoiadas financeiramente pelas incubadoras que atuam aqui [no Brasil]. Também poderemos ter empresas brasileiras que querem desenvolver ações no mercado europeu indo para Portugal”. Este protocolo tem como principal objetivo dar mobilidade às startups”

Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia, após assinar um contrato com a Federação das Indústrias de São Paulo (Fiespa) para o desenvolvimento de startups de ambos os países, “Jornal Económico”, 17/11/16

• Assessoria ao Comércio Externo • Missões Empresariais • Serviço de Tradução e Intérprete • Recuperação de IVA • Seminários / Conferências • Almoços de empresários • Revista Actualidad€ Economia Ibérica • Torneio Ibérico de Golfe e Padel • Eventos sociais • Formação

“O mundo muda, a Europa muda, mas as nossas relações bilaterais não mudam (...) Eu e o Governo português estamos profundamente empenhados nesta ambição nacional de captar investimento estrangeiro direto, essencial para manter crescimento, empregos e desenvolvimento social e económico”

Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República, num evento em Londres com investidores internacionais, defendendo que a saída do Reino Unido da União Europeia não deve comprometer as relações bilaterais de séculos com Portugal, “Negócios Online”, 16/11/16

“O mundo assiste ao arranque da quarta revolução industrial, ou indústria 4.0, que resulta da combinação das potencialidades de diferentes tecnologias, como a automação, o big data, a Internet das Coisas, a cloud, os dispositivos móveis, as redes sem fios ou os sistemas cibernéticos. A interoperacionalidade entre estas tecnologias permite o desenvolvimento de fábricas inteligentes, em que os processos industriais excluem a intervenção do homem e até as próprias decisões são tomadas sem recurso à mente humana” João Rafael Koehler, presidente da ANJE, “Jornal Económico”, 15/11/16

Interlocutor Privilegiado nas Relações Bilaterais Portugal / Espanha www.portugalespanha.org Av. Marquês de Tomar, Nº 2, 7º Piso, 1050-155 Lisboa Tel Geral: (+351) 213 509 310, e-mail: ccile@ccile.org

“A quarta revolução industrial está, como facilmente se percebe, a provocar mudanças profundas nos modelos de negócio e no funcionamento orgânico das empresas, com consequências preocupantes ao nível da criação de emprego e da sustentabilidade e bem-estar no trabalho” Idem, ibidem


Actualidade Economia Ibérica - nº 234  

Edição de dezembro 2016

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you