Page 1

Actualidad

Economia ibérica juLho 2017 ( mensal ) | N.º 241 | 2,5 € (cont.)

A fronteira que une

MAPFRE quer chegar às 125 lojas em Portugal pág. 14

Portugal e Espanha têm “muitos interesses convergentes” pág. 48

PÁG. 38

António Vieira Monteiro é o gestor português do ano pág. 49

Nível de jogo sobe em IV Torneio Ibérico de Padel pág. 54


2 act ualidadâ‚Ź

julho de 2017


Índice

índice

Foto de capa: DR

Nº241

Ibéria pretende 20.Epson aumentar universo

de clientes empresariais

Actualidad

Economia ibérica

Propriedade e Editor: CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA LUSO-ESPANHOLA - “Instituição de Utilidade Pública” Comissão Executiva: Enrique Santos, António Vieira Monteiro, Luís Castro e Almeida, Ruth Breitenfeld, Eduardo Serra Jorge, José Gabriel Chimeno, Ángel Vaca e Berta Dias da Cunha Direção de Informação (interina): Belén Rodrigo

Grande Tema

La frontera que une y no separa

38.

Coordenação de Textos: Clementina Fonseca Redação: Belén Rodrigo, Claudia Ballester (estagiária), Clementina Fonseca, Sofía González (estagiária) e Susana Marques

Copy Desk: Beatriz González, Joana Silva Santos e Laura Dominguez Fotografia: Sandra Marina Guerreiro Publicidade: Rosa Pinto (rpinto@ccile.org) Assinaturas: Laura Couselo (laura@ccile.org) Projeto Gráfico e Direção de Arte: Sandra Marina Guerreiro Paginação: Sandra Marina Guerreiro Colaboraram neste número: Antoni Flores, Cecilio Oviedo e Nuno Ramos Contactos: Av. Marquês de Tomar, 2 - 7º 1050-155 Lisboa Tel:. 213 509 310 • Fax: 213 526 333 E-mail: ccile@ccile.org Redação: actualidade@ccile.org Website: www.portugalespanha.org NIPC: 501092382 Impressão: What Colour is This? Unipessoal Lda. Rua do Coudel, 14, Loja A 2725-274 Mem Martins Distribuição: Distrinews II, SA Rua 1º Maio – Centro Empresarial da Granja - Junqueira 2625-717 Vialonga Depósito Legal nº 33152/89 autorizado pela Direção Geral de Correios e Telecomunicações de Portugal Nº de registo na Entidade Reguladora para a Comunicação Social: 117787

O Estatuto Editorial da Actualidad€-Economia Ibérica está disponível no site www.portugalespanha.org

Editorial 04.

Opinião 06.

Ventas B2B: hoy todos vendemos en la empresa

- Antoni Flores

36.

Brexit: algunas consecuencias para Portugal y España

As opiniões expressas nesta publicação pelos colaboradores, autores e anunciantes não refletem, necessariamente, as opiniões ou princípios da Câmara, do editor ou do diretor. Periodicidade: Mensal Tiragem: 6.000 exemplares

Una frontera con muchas oportunidades - Belén Rodrigo

- Cecilio Oviedo

Atualidade 24.

Esporgel intensifica comércio de peixe com Espanha

E mais...

08. Apontamentos de Economia 14.Grande Entrevista 26.Marketing 32.Fazer Bem 44. Setor Imobiliário 46. Advocacia e Fiscalidade 48.Eventos 58.Ciência e Tecnologia 60. Setor Automóvel 62.Barómetro Financeiro 64.Intercâmbio Comercial 66.Oportunidades de Negócio 68.Calendário Fiscal 69.Bolsa de Trabalho 70.Espaço de Lazer 74. Statements

Câmara de Comércio e Indústria

Luso Espanhola

julho de 2017

ac t ua l i da d € 3


editorial editorial

Una frontera

con muchas oportunidades

4 act ualidad€

julho de 2017

nitarios. Se trata de un equipo que dependerá directamente de António Costa y de Mariano Rajoy (ambos en la foto) y que tiene como objetivo definir proyectos de fronteras. Una semana después de celebrarse la cumbre, el ministro de Negocios Extranjeros luso, Augusto Santos Silva, visitó la capital española participando en diversos actos y eventos (ver artículo en las páginas 48-52). En uno de ellos, ante la comunidad portuguesa en España, el jefe de la diplomacia lusa destacó la intensidad y calidad de la relación de los dos países. Y quiso dar valor a dicho entendimiento porque nos guste o no, “la relación entre vecinos nunca es fácil”. Y es que aunque siempre prima la civilización y el compañerismo, cada uno defiende lo suyo y en determinadas situaciones pueden causar de forma involuntaria problemas al otro. Pero por encima de posibles pequeñas disputas la relación entre España y Portugal la calificó de buena “porque tenemos los mismos intereses”. Europa, América Latina, el Mediterráneo e incluso África son territorios en los que España y Portugal tienen mucho que aportar.  Foto DR

P

or primera vez una cum- destacan los relativos al transporte, bre hispano portuguesa se la sanidad, la educación, la inverha centrado en un tema sión, la creación de puestos de específico y no podía ser trabajo mediante el fomento de la otro que el de las relacio- actividad empresarial, la eliminanes transfronterizas (ver también ción de trabas a la actividad econóel “Gran Tema” en esta edición). mica en la frontera, la movilidad o Los habitantes de ambos lados de la lucha contra los incendios. No la raya llevan décadas mostrando basta la buena voluntad de las perlo que es colaborar con sus vecinos sonas sino que hace falta que exista para facilitar el día a día en los más diversos aspectos. Durante todos estos años han demostrado que con trabajo y buena voluntad se puede llegar a acuerdos respetando los intereses de ambas partes. Y lo que es más importante, que juntos tienen más oportunidades que si van por separado. Es cierto que todavía quedan muchos desafíos por delante y que con organización se podrán obtener mejores resultados. Según explicó el propio primer ministro luso, la intención de ambos Gobiernos es “transformar las regiones fronterizas en centros de un gran mercado ibérico de 60 millones de con- el respaldo gubernamental para sumidores”. La finalidad de este avanzar en los distintos desafíos. encuentro era que sirviese para que Entre las conclusiones anunciala cooperación transfronteriza sea das a este respecto destaca la crea“más que una línea de separación, ción de un grupo de trabajo para un punto de unión”. preparar un programa integrado No se puede olvidar que la fronte- de cooperación transfronteriza que ra tiene necesidades urgentes y, en presentarán conjuntamente para algunos casos graves. Entre ellos los próximos presupuestos comu-

Por Belén Rodrigo*

*Directora Email: brodrigo@ccile.org


opinión

julho de 2017

opinião

ac t ua l i da d € 5


opinião opinión

Ventas B2B: hoy todos

vendemos en la empresa

“L

a prueba del algodón” de la actividad existente en una compañía son sus ventas. El nivel de ventas alcanzado, la calidad de las negociaciones con los clientes y el margen obtenido, son el máximo indicador de la calidad de vida de nuestra compañía. Por muy obvio que sea, sin ventas no hay excelencia en modelo de negocio o sofisticación en producto y servicio que valga; sin ventas, simplemente no hay compañía. Paradójicamente, quizás ésta sea el área de gestión que menos se ha evolucionado; prácticamente todas han sido revisadas y reconceptualizadas para adaptarlas a los tiempos de post crisis. Cierto que la tecnología ha aportado eficiencia y un cierto proceso derivado de ella, pero las ventas y en especial dentro del sector B2B, siguen siendo una ciencia “infusa”, dependiente en la mayoría de los casos de la capacidad de las personas que las efectúan, con escaso método y mucha fuerza de voluntad. Son las empresas enmarcadas dentro del concepto B2B, (empresas que venden a otras empresas) las que mayor urgencia tienen en la revisión de sus procesos y en integrar proactividad y método en su acción. Muchas de ellas están haciendo un enorme esfuerzo en adaptar su modelo de negocio y el producto / servicio que de él se derivan: defendiendo nuevas interacciones con sus clientes, intentando monetizar acciones como el servicio postventa o el mantenimiento. Cierto que todo ello es muy difícil de conseguir sin una revisión del modelo de negocio, pero cierto también que lo

6 act ualidad€

julho de 2017

es sin un replanteo de las dinámicas e interacciones comerciales. Ya no vendemos a un “fundador” motivado por la tecnología y su último estado del arte. Tradicionalmente en los bienes de equipo, la relación con el cliente y nuestra empresa se ha efectuado a través del propietario o fundador, motivado por la tecnología y consciente de la competitividad que ésta le puede aportar. Su compra era en muchos casos emocional y desea-

Por Antoni Flores*

departamento de compras, no tienen discurso ni se comunican en un lenguaje financiero/ económico. Lo siguen haciendo en base a las prestaciones, la excelencia y en la mayoría de casos frente a este interlocutor no tienen argumento para diferenciar marcas, precios y calidades distintas, con lo que la presión al margen es asfixiante. Todos vendemos. La figura del departamento comercial o el vendedor como eje de comunicación con nuestro cliente hoy está obsoleta: hoy todos venden. Vivimos en un mun“Paradójicamente, do hiper conectado, donde nuestro quizás ésta sea el cliente tiene infinidad de contactos con nuestra organización la respuesta área de gestión de todos ellos contribuye a la idea que que menos se ha nuestro cliente se forma de nosotros, más allá de la oferta comercial. Nada evolucionado; más potente que nuestro responsable prácticamente todas de I+D comentando las excelencias de nuestro producto; nada mejor que han sido revisadas y nuestros equipos de mantenimiento reconceptualizadas en casa del cliente como “embajada” de todos nosotros. para adaptarlas a Para vender, no podemos solo colos tiempos de post municar en “lenguaje de ventas”, existe un lenguaje de modelo de crisis” negocio adaptado al del cliente, de mantenimiento, de formación, de ba para su empresa el mejor producto obsolescencia tecnológica y su adapposible. tación, financiero, etc. Todos ellos Desafortunadamente ésta es una son necesarios para la venta. especie en extinción. En compras, No vendemos “Caballos de Troya”. su figura ha sido sustituida por un En muchos casos la consecuencia de financiero, quien en muchos casos las ventas B2B y en especial la de no sabe ni quiere saber de tecnología. bienes de equipo, son como vender Lo aspiracional ha sido sustituido por “Caballos de Troya” a nuestro cliente, las hojas de cálculo y la justa amorti- todos ellos llenos de servicios y prozación. ¿Por qué pagar más por algo ductos “del enemigo”. Hoy un bien que supera su amortización? Muchas de equipo, no actúa de forma aislaempresas, en su interlocución con el da, está rodeado de un importante


opinião

opinión

volumen de productos, servicios y consumibles anexos. Es importante que nuestros modelos de negocio y en especial una acción comercial continuada y envolvente lo contemplen. Si nuestra empresa no cubre la necesidad global (por alejada de nuestro core que esté) más pronto que tarde, seremos sustituidos por alguna de las empresas a las que facilitamos el acceso y damos sentido de pertenencia con nuestro cliente. Ya no vendemos un producto ni conseguimos de nuestro cliente el presupuesto necesario para ello. Hoy solucionamos áreas temáticas de un cliente de forma continuada en el tiempo y gestionamos su presupuesto global que a ello le dedica. Hoy una empresa es en su globa-

lidad un colectivo organizado para un fin: la venta. La venta es eminentemente proactiva y ejecutiva. Sin la voluntad de vender no lo conseguiremos. ¡¡Vended, vended

que de ello depende nuestra empresa (y nuestro futuro)!  *CEO da Loop Unique Companies Email: a.flores@loop-cn.com

PUB

julho de 2017

ac t ua l i da d € 7


apontamentos de economia apuntes de economÍa

Portugal mantém posição no ranking NB smart app da competitividade mundial do IMD World ultrapassa os 200 mil clientes frequentes Portugal mantém-se estável no que toca a indicadores de competitividade, mantendo a posição alcançada em 2016, segundo dados do “World Competitiveness Ranking 2017” do IMD, um estudo no qual a Porto Business School colabora, de forma exclusiva, em Portugal. De acordo com o ranking agora publicado, Portugal ocupa a 39º posição na lista de 63 países. A lista continua a ser encabeçada por Hong Kong, seguida pela Suíça. O último dos 63 lugares pertence à Venezuela. No que toca aos principais fatores analisados, Portugal sobe oito lugares em termos de eficiência governamental e uma posição no critério de infraestruturas. Portugal mantém a sua posição quanto à eficiência nos negócios mas desce três lugares na performance económica. No mesmo estudo, a competitividade dos custos, a mão de obra qualificada, a qualidade das infraestruturas, a abertura e atitude positiva e o ambiente empresarial favorável aos negócios são os elementoschave que mais pesam no que toca à atratividade da economia portuguesa. Tal como Portugal, também Espanha se manteve estável. Este país continua a ocupar o 34º lugar da tabela (o mesmo de

2016). Já o Reino Unido (19º) e a Alemanha (13º) desceram ambos uma posição. De notar ainda que a China subiu sete lugares, ficando em 18º , em 2017. Pela primeira vez, este ranking anual avalia também a “competitividade digital”, um relatório específico sobre a performance de competitividade digital de diferentes países, que assenta na análise de novos critérios de medição da capacidade dos países incorporarem e explorarem tecnologias digitais em prol da transformação e da gestão de práticas, de modelos de negócios e da sociedade em geral.Neste ranking, Portugal ocupa o 33º lugar, superando largamente países como Itália, Polónia, Hungria, Eslovénia, Croácia ou Grécia. Os países que ocupam o pódio são Singapura (1º), Suécia (2º) e EUA (3º). Apesar de muitos dos 10 países que registam maior competitividade digital constarem nos primeiros lugares do ranking geral, foram apurados alguns casos excecionais, como o Luxemburgo, que é oitavo na lista global e 20º no domínio digital, enquanto a Finlândia é o 15º na lista geral, mas o quarto na tabela digital.

Os clientes do Novo Banco utilizam cada vez mais o seu smartphone na sua interação quotidiana, dando preferência à NB smart app para o acesso e movimentação das suas contas e compra de produtos financeiros. Recentemente, o número de utilizadores frequentes da NB smart app, ultrapassou a marca dos 200 mil, com um crescimento de 87% face ao final de 2015 e de 17% desde o início do ano. Sintoma desta crescente preferência é também o facto de, pela primeira vez, os acessos quotidianos dos clientes particulares através do mobile terem ultrapassado os do homebanking PC, numa média de 16 acessos por utilizador por mês (mais oito do que no PC). Nos próximos meses, outras soluções serão introduzidas na NB smart app, “sempre enfocadas nas necessidades e preferências dos seus clientes”.

The Edge Group gere carteira de investimentos potencial de 400 milhões de euros O The Edge Group, um conjunto de holdings de investimentos e capital de risco, lideradas por José Luís Pinto Basto, comemora 15 anos de existência, com uma carteira de investimentos que na sua maturidade poderão atingir 400 milhões de euros. Fundado em 2002, o The Edge Group nasceu como holding de capital de risco e de assessoria a grandes investidores do setor imobiliário. Hoje, neste segmento, o grupo tem-se afirmado como um dos principais promotores de edifícios de escritórios na capital portu-

8 act ualidad€

julho de 2017

guesa nos últimos anos. O negócio mais recente do grupo foi a venda do Edifício D. Luís I ao fundo inglês Rockspring, por 29 milhões de euros, comprado dois anos antes e inteiramente reabilitado. Como plataforma de crescimento para atividades complementares ao setor imobiliário, o grupo tem vindo também a investir em empresas portuguesas de elevado potencial de crescimento e internacionalização, como é o caso do Fitness Hut, a maior cadeia de ginásios do país em apenas cinco anos, da cadeia de supermercados Brio, adqui-

rido recentemente pelo grupo Sonae, do Leap, uma rede de escritórios e serviços de desenvolvimento empresarial, bem como a MAP Engenharia, uma das empresas de construção com maior crescimento nos últimos anos. Entre projetos já concluídos e aqueles que têm atualmente em carteira, o The Edge Group calcula um envolvimento do grupo em investimentos da ordem dos 600 milhões de euros, sendo cerca de 100 milhões em capital de risco e 500 milhões em desenvolvimento imobiliário.


Breves Indra quer ser uma referência nos novos modelos digitais para o audiovisual A Indra desenvolveu um conjunto de soluções para acompanhar os novos modelos digitais do setor audiovisual, prevendo tornar-se uma empresa de referência, com soluções próprias para apoiar as empresas deste setor. Para isso, desenvolveu uma carteira de soluções e serviços únicos, que põem a revolução digital ao serviço dos conteúdos. Neste âmbito, destaca-se a FEEP IoT Platform Sofia2 (http://sofia2. com/), a solução Internet of Things (IoT) com capacidades big data e cloud da Minsait, a unidade de negócio da Indra que dá resposta aos desafios colocados pela transformação digital. Esta aplicação atua como middleware e repositório, permitindo a interoperabilidade em tempo real entre siste-

mas, redes, dispositivos e sensores. Torna possível o desenho de regras e a gestão de ações, com base nos dados recebidos de um conhecimento prévio acumulado, através de técnicas analíticas e de machine learning. Incorpora ainda potentes ferramentas de visualização georreferenciada da informação. A sua capacidade de processar em tempo real milhares de eventos e dados por segundo permite uma rentabilidade única em termos de negócio orientado para os novos paradigmas tecnológicos como o IoT e o big data e, especificamente para o setor de media, um melhor conhecimento do cliente, segmentação de targets e uma personalização única em conteúdos e publicidade.

Insolvências em Portugal caem 20% no primeiro trimestre O número de empresas insolventes em Portugal no primeiro trimestre de 2017 foi de 839, o que corresponde a uma queda de 20% em relação ao mesmo período no ano passado, segundo uma análise feita pela Cosec, seguradora líder nos ramos do seguro de créditos e caução. O estudo “Cosec Dinâmica Empresarial” demonstra ainda que os pedidos ao abrigo do processo especial de revitalização (PER) diminuíram 29% nos primeiros três meses deste ano (foram, ao todo, 148) e que foram criadas 11.293 empresas, um número ligeiramente inferior (-1%) ao do ano anterior. A COSEC estima ainda que o encerramento de empresas no primeiro trimestre do ano tenha gerado uma perda de mais de 4.500 postos de

trabalho e de um volume de negócios equivalente a mais de 474 milhões de euros. Berta Dias da Cunha, administradora da Cosec, refere que “a análise destes dados confirma a tendência, evidente desde 2016, de redução do número de insolvências em Portugal, em linha com a evolução de outros indicadores, tais como a taxa desemprego e o crescimento da atividade económica”. As microempresas representam 67% dos casos de insolvência. Esta é uma tendência que tem vindo a verificar-se desde 2009, de acordo com o mesmo estudo. Com quase um quarto das ocorrências, o setor dos serviços (24%) voltou também a liderar este primeiro trimestre, seguido pelo setor da construção (19%) e pelo do retalho (16%).

Inesc e Cintal realizam maior investimento nacional em infraestrutura tecnológica para o mar O Inesc realizou o maior investimento nacional em infraestrutura tecnológica, pioneiro a nível europeu, para desenvolver tecnologias oceânicas. Chama-se “Tec4Sea” e é uma plataforma única vocacionada para investigação, desenvolvimento, testes e validação de tecnologias para potenciar a economia do mar. Criado pelo Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (Inesc Tec) e pelo Centro de Investigação Tecnológica do Algarve (Cintal), o Tec4Sea tem diversos laboratórios espalhados pelo país, que têm como objetivo desenvolver tecnologias para o mar, capacitar as empresas e formar recursos altamente qualificados. As empresas que vão poder beneficiar com esta plataforma são desde as indústrias tradicionais, como a pesca e a aquacultura, do processamento do pescado, transportes, à construção e reparação naval e portos, mas ainda as indústrias emergentes da mineração do fundo marinho, oil & gas de mar profundo e ultra profundo, produtos e serviços Hi-Tec, energia renovável offshore, aquacultura offshore, biotecnologia, vigilância e segurança marítima”, explica Augustin Olivier, um dos responsáveis do Inesc Tec ligado à infraestrutura Tec4Sea. Os objetivos estabelecidos para as indústrias tradicionais passam por aumentar a competitividade das empresas que atuam nestes setores. No caso das indústrias emergentes, o TEC4SEA vai facilitar a capacitação tecnológica das empresas. Grupo Azevedos inaugura nova linha de produção e aponta baterias aos mercados externos O ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes (na foto, à dir.), inaugurou no início de maio a nova linha de produção de medicamentos estéreis/ liofilizados da Sofarimex, unidade industrial do grupo Azevedos, que implicou um investimento de nove milhões de euros e permitiu criar 30 novos postos de trabalho. A nova linha de produção tem uma capacidade de produção de 12 milhões de unidades/ano, sendo que 99%

julho de 2017

ac t ua l i da d € 9


Breves é destinada aos mercados externos. Para o próximo ano, está previsto um novo investimento, de cinco milhões de euros, para ampliação da unidade, com o objetivo de alcançar um volume de produção na ordem dos 30 milhões de unidades/ano. Efapel cresce 8% e constrói novo módulo em Serpins A Efapel fechou o ano de 2016 com vendas de 30,2 milhões de euros, o que representou um aumento de 8% em relação ao anterior exercício. A exportação mantém-se como vetor fundamental da estratégia de crescimento da empresa de Serpins, que em 2015 criou uma subsidiária em Espanha, a EfapelSoluciones Eléctricas. “O investimento de 3,8 milhões de euros em ativos fixos representa a determinação da empresa em explorar todas as potencialidades detetadas no mercado, nomeadamente o reconhecimento da excelência dos produtos Efapel e o crescente aumento da sua procura”, refere o fabricante. “A construção do novo módulo, iniciada em janeiro e com conclusão prevista para novembro, responde justamente ao aumento da exigência, tanto do ponto de vista da produção como da logística”, adianta a Efapel. Este é já o quarto módulo da fábrica de Serpins, a que acresce ainda um pólo situado na Lousã. De salientar que o investimento em ID+I ascendeu aos 760 mil euros, no último ano. “Empack e Transport & Logistics” tem já mais de uma centena de expositores confirmados A “Empack e Transport & Logistics”, a maior feira ibérica de profissionais das áreas da embalagem, armazenagem, manutenção e logística, regressa à Exponor para a sua terceira edição. Com 110 expositores já confirmados, e que representam 90% do total de capacidade da feira, esta edição irá decorrer nos dias 20 e 21 de setembro, no recinto da Exponor, em Matosinhos. Com um programa que percorre o centro de exposições, as conferências, o showroom, o networking bar, esta terceira edição possui ainda um business center, que, de forma simples e eficiente, permite aos presentes continuarem a desenvolver a suas atividades diárias profissionais. De entre as empresas já confirmadas, encontram-se a Lusocargo, a Digidelta, a Interrol, a Pooling Partners, a ID Logistics, a DsSmith, a Ravas Europe, a Nacex, a GS1 Portugal, entre muitas outras.

10 act ualidad€

julho de 2017

Portuguesa Vision Box recebe dois milhões de euros de Bruxelas A PME portuguesa Vision Box Soluções de Visão por Computador, dedicada a tecnologia de controlo de fronteiras e identidade, foi distinguida pela Comissão Europeia através do programa Horizonte 2020. A tecnológica vai receber dois milhões de euros de Bruxelas ao abrigo do programa Horizonte 2020, anunciou a Comissão Europeia no mês passado. A empresa fundada em 2001 e dedicada à tecnologia de controlo de fronteiras em aeroportos, gestão de identidade e segurança, é uma das 69 PME distinguidas por este instrumento de financiamento comunitário. Ao todo, foram apoiadas PME de 21 países diferentes, com um total de

cem milhões de euros. “Em pouco mais de dois anos, o instrumento já financiou várias dezenas de PME portuguesas inovadoras com mais de 15 milhões de euros. Ainda assim, estou certo que estes resultados podem progredir e deixo o desafio para outras PME portuguesas arriscarem e concorrerem a este instrumento que oferece grandes oportunidades”, afirmou Carlos Moedas, Comissário Europeu da Investigação, Ciência e Inovação. Desde o lançamento do programa em 2014, foram seleccionadas 710 PME para financiamento ao abrigo da Fase 2 do Instrumento PME, das quais nove portuguesas.

Covirán Portugal abre seis novos supermercados Desde maio, seis novos supermercados Covirán em Portugal abriram as suas portas. O supermercado José Nunes & Joana Afonso, localizado em Estói, no distrito de Faro, é a segunda abertura deste sócio e conta com uma sala de vendas de 95 metros quadrados onde oferece as secções de charcutaria, frutaria e padaria. Fresco D’amor (na foto) é um supermercado Covirán situado na freguesia de Amor, no distrito de Leiria. Com uma ampla sala de vendas de 500 metros quadrados conta com as secções de frutaria, padaria, talho e charcutaria; a estes serviços foram incorporados o serviço de comida para levar (take away), uma cafetaria e serviços adicionais como uma loja de ótica e um cabeleireiro. Este supermercado é de dois sócios, um deles soma outros dois supermercados Covirán. A estas aberturas somam-se três

supermercados que abriram as suas portas no distrito de Lisboa, nas localidades de Algés, Campo de Ourique e Amadora. Este sócio oferece nos seus três supermercados uma sala de vendas de 250 metros quadrados em cada um deles, com as secções de charcutaria, frutaria e padaria. O último, situado em Viseu, tem uma sala de vendas de 70 metros quadrados e as secções de frutaria e charcutaria. Com estas seis novas aberturas, a Coviran soma 1.415 metros quadrados de sala de vendas e criou 26 novos postos de trabalho.


Conferência “Crescimento da Economia Portuguesa - Mitos e Realidades” Manuel Caldeira Cabral, ministro da Economia, afirmou que a saída de Portugal do procedimento por défice excessivo (PDE) anunciada no final de maio, “é sinal de confiança por parte da Europa, que reforça a convicção de que o rigor seguido pelo sistema financeiro, na gestão do Governo e na análise económica, vai ter de continuar”. O ministro falava durante a conferência “Crescimento da Economia Portuguesa– Mitos e Realidades”, organizada pelo Millennium bcp. “Esta notícia anuncia bons augúrios para o reconhecimento internacional e para a confiança de um país que se diz estar na moda”, disse ainda Manuel Caldeira Cabral, ressalvando, porém, que “estar na moda dá muito trabalho”, o que foi feito “com o esforço de todos os portugueses”, concluíu o ministro na conferência, que se destinava a apresentar as conclusões do estudo “Crescimento da Economia Portuguesa–Realidades e Desafios”, da autoria da consultora Augusto Mateus & Associados, com o apoio do Millennium bcp. O endividamento elevado do país “é uma realidade, não é um mito”, salientou ainda o ministro. Nesse sentido, o reconhecimento da Comissão Europeia mostra que “Portugal está a trabalhar para resolver os problemas da dívida pública” e das contas públicas, salientou Manuel Caldeira Cabral, que a seguir indicou que o enfoque agora tem de ser no crescimento económico. Por seu turno, o comissário europeu Carlos Moedas considera que uma das vantagens da saída do PDE é o acesso aos projetos de investimento do plano Juncker, sem contar para o défice. O estudo do economista e antigo ministro da Economia Augusto Mateus referiu que a economia nacional está no inico de uma recuperação económica ainda tímida e limitada e a meio da transição para um novo paradigma competitivo, concluindo na necessidade de reforçar

as três áreas onde se ganha ou perde a superação da crise: exportações, setores de bens transacionáveis e a inovação e conhecimento. As principais dificuldades da economia portuguesa não correspondem tanto a problemas de produtividade física mas sobretudo a problemas de posicionamento nas atividades com maior relevância. O estudo conclui que a promoção efetiva da competitividade só poderá ter sucesso se for estritamente articulada com a promoção do reforço de diversificação da economia portuguesa”. No evento, que contou ainda com a presença de gestores líderes de multinacionais a atuar em Portugal, Nuno Amado, presidente executivo do Millennium bcp, elogiou a saída de Portugal do PDE e sublinhou que agora é preciso melhorar o rating da República. O responsável considerou que é preciso trabalhar para continuar num caminho de “melhoria sustentável do produto e numa redução da dívida para que as entidades de rating possam alterar a sua avaliação sobre o país”. Na sua intervenção, Nuno Amado considerou que o setor financeiro hoje “está muito diferente do que era no passado”, devido às alterações na estrutura acionista dos bancos e no próprio sistema, com maiores exigências ao nível de capital e de equilíbrio do balanço. Como principais desafios salientou as taxas de juro negativas, o crescimento do digital, além de um “nível de supervisão e regras completamente diferentes”.

Gestores

em Foco

Luís Oliveira (na foto), colaborador da Schindler desde 2006 e até aqui chefe da Agência de Lisboa, é o novo diretor da sucursal de Lisboa da empresa. A Schindler, uma das empresas líderes no setor de transporte vertical mundial, anuncia mudanças na organização em Portugal. Luís Oliveira vem ocupar o cargo deixado por Marco Abala Matos que passou a ocupar a posição de Fulfillment Manager NI Business Management do Sul da Europa, reportando a Alain Garrigue, NI Business Manager do Sul da Europa. Inês Rodrigues Moura é a nova diretora de Marketing da Essilor. Inês Rodrigues Moura, de 37 anos, apresenta um currículo com funções de relevo em multinacionais ao longo de mais de 16 anos, tendo passado pela L’Oréal Portugal, no início da carreira, e continuado depois pela Danone Portugal e pela Danone Medical Nutrition, na Holanda. Na bagagem, traz uma vasta experiência em marketing direcionado para o consumidor final, o que assume como “uma mais valia” para o cargo que desempenha agora na Essilor. A AIG anunciou a contratação de Brian Duperreault (na foto) para os cargos de presidente e CEO da seguradora norte-americana. Com uma ampla experiência no setor segurador, Brian Duperreault era até agora chairman e CEO do Hamilton Insurance Group, tendo ocupado os mesmos cargos entre 2008 e 2012 na consultora Marsch e, anteriormente, trabalhado na seguradora ACE Limited entre 1994 e 2014. A contratação de Brian Duperreault representa o regresso à AIG, uma vez que já tinha desempenhado funções executivas na seguradora norte-americana, entre 1973 a 1994.

julho de 2017

ac t ua l i da d € 11


Breves La comunidad lusa celebra en Madrid el Día de Portugal La comunidad lusa residente en Madrid se reunió para conmemorar el Día de Portugal en una cena que tuvo como invitado al ministro de Negocios Extranjeros del país vecino, Augusto Santos Silva. Organizado por el Fórum de los Portugueses (presidido por Manuel Pereira Ramos) el evento contó con la presencia de un centenar de portugueses y amigos españoles que se dieron cita en el Hotel Westin Palace y en el que participó el embajador de Portugal en España, Francisco Ribeiro de Menezes. Una semana después de celebrarse la cumbre ibérica, el ministro luso resaltó la complementariedad de ambos países en diferentes asuntos, especialmente en el mercado latinoamericano. Además, Santos Silva destacó el importante papel que representa Portugal en las relaciones de Europa con el mundo africano. En lo que se refiere a las relaciones económicas entre ambos países, el jefe de la diplomacia lusa subrayó la importancia de la calidad de las mismas, sin olvidar la evidente intensidad de dicho intercambio financiero. Si bien reconoce que la relación entre vecinos “nunca es fácil” porque en algunos temas existen intereses opuestos, en el caso de España y Portugal en muchas materias “tenemos los mismos intereses”. Por último, Santos Silva puso el ejemplo de los ciudadanos portugueses como pueblo integrador en cualquier parte del mundo gracias a su trabajo y a su respeto por otras culturas sin perder su identidad. La gallega Copasa gana una macroconcesión en Uruguay de 463 millones de euros El grupo español se ha impuesto en el concurso para el diseño, construcción, operación y financiamiento de la Ruta 14 Centro-Oeste, Bypass Sarandi del Yi y Conexión con la Ruta 3, con casi 300 kilómetros de longitud. El contrato, que incluye la concesión durante 20 años, asciende a 463 millones de euros. La licencia de esta obra será realizada en UTE con la firma local Espina Obras Hidráulicas (20%). Copasa rozó la puntuación máxima posible (996,3 sobre un tope de 1.000 puntos), al incorporar a su oferta actuaciones de mejora. Se impuso a propuestas

12 act ualidad€

julho de 2017

El Banco Santander compra el Banco Popular por un euro

El Banco Santander ha comprado el 100 % del Banco Popular por un euro, una vez que el Banco Central Europeo (BCE) constatara la inviabilidad de la entidad de manera independiente y “en aras a garantizar la seguridad de los depositantes del Popular”, según lo comunicado por el Fondo de Reestructuración Ordenada Bancaria (FROB). Con esta decisión se garan-

tiza “la seguridad de los depositantes del Banco Popular y la ausencia de impacto para las finanzas públicas”. Como parte de la operación, el Santander tiene previsto realizar una ampliación de capital de unos 7.000 millones de euros “que cubrirá el capital y las provisiones requeridas para reforzar el balance de Banco Popular”. La compra se produce después de que la entidad, cuyas cuentas están muy lastradas por los activos inmobiliarios, perdiera en bolsa más del 50% de su valor en los días previos a la compra y “sufriera un deterioro significativo en su posición de liquidez”, según explica el BCE.

Repsol descubre mayor volumen de gas de los últimos cinco años Repsol ha descubierto en Trinidad y Tobago su mayor volumen de gas de los últimos cinco años y el mayor descubrimiento de gas en ese país en la última década. La compañía estima unos recursos de unos dos billones de pies cúbicos de gas (2 TCF, en sus siglas en inglés), lo que equivale a dos años del consumo de gas en España. Repsol participa con un 30% en el consorcio descubridor, bpTT, mientras que el resto pertenece a BP. El hallazgo se ha realizado en dos pozos, denominados Savannah y Macadamia, situados en East Block, un bloque ubicado dentro

de la cuenca de Columbus, al este de la isla de Trinidad, en una lámina de agua de unos 150 metros. Después de Estados Unidos, Trinidad y Tobago es el país más importante en términos de producción para Repsol. La compañía produjo en este país 101.887 barriles equivalentes de petróleo al día en 2016.


Breves António Mexia recibe el “Premio Vasco da Gama” La Cámara de Comercio e Industria Hispano Portuguesa le ha concedido a António Mexia, presidente del grupo EDP, y a Amancio López Seijas, presidente del grupo Hotusa, el “Premio a la Excelencia Vasco da Gama”. El galardón se ha entregado a ambos empresarios por su excelencia empresarial y, en particular, por llevar el nombre de ambas empresas a lo más alto del reconocimiento en el mercado ibérico durante el año 2016. António Calçada de Sá, presidente de la Cámara de Comercio e Industria Hispano Portuguesa en España, recono-

ció el esfuerzo, el tesón y el “saber hacer” que dan lugar a la excelencia empresarial en el mercado ibérico. La entrega de los premios se llevó a cabo junto al Embajador de Portugal en España, Francisco Ribeiro de Menezes.

BBVA vende su filial de autorenting BBVA ha vendido su filial BBVA Autorenting a Société Générale, aunque la operación se cerrará en el tercer trimestre del año. El acuerdo incluye una alianza de ambas entidades para trabajar conjuntamente en el desarrollo de este negocio. A partir de ahora BBVA continuará distribuyendo productos de autorenting en su red de oficinas aunque ahora la fábrica de estos productos no será suya sino de ALD,

la filial de Société Générale que trabaja en este negocio y que cuenta con presencia en España. BBVA Autorenting tuvo el año pasado un beneficio neto de 12,3 millones de euros y se coloca en la séptima posición del ranking de esta actividad en el mercado español, con una flota de 25.000 vehículos. Buena parte de éstos están gestionados ya por ALD bajo un contrato de gestión de flotas.

Atrevia refuerza su apuesta por Latinoamérica La consultora global española Atrevia ha abierto oficina en Paraguay, lo que unido a la reciente apertura en República Dominicana, refuerza su oferta de servicios en el territorio y su firme apuesta por el liderazgo del mercado en Latinoamérica, donde ya está presente en los principales mercados. Con esta operación, la consultora adquiere presencia en un país que mantiene una tendencia de crecimiento constante y estabilidad macroeconómi-

ca y que ofrece grandes oportunidades de negocio en prácticamente todos los sectores de la economía, y notablemente en infraestructuras, agroalimentario y servicios.

de otras multinacionales y empresas de la región. Entre ellos figuraban la españolas Sacyr y Rover Alcisa. Entre las soluciones planteadas por la firma gallega a la administración uruguaya destaca la rehabilitación del pavimento actual mediante el reciclado in situ con cemento del material existente en la traza del vial, sobre el que se extenderá una carpeta asfáltica de rodadura. El proyecto comprende la construcción de diez puentes nuevos y la reparación de otros diez ya existentes, la ejecución de un tramo de conexión entre las rutas 14 y 3, y la adecuación de un paso urbano de tránsito pesado de 7,2 kilómetros de longitud en la ciudad de Trinidad. Caser absorbe Unión del Duero Seguros, la aseguradora de No Vida de CEISS La aseguradora Caser ha absorbido a Unión del Duero Seguros Generales, la aseguradora de No Vida del Banco CEISS (España Duero, del Grupo Unicaja) debido al acuerdo de exclusividad que mantiene con este último para ese ramo. Se trata de una fusión por absorción tras la que Unión del Duero Compañía de Seguros Generales se extinguirá, por la vía de la disolución sin liquidación, es decir, que transmitirá su patrimonio a Caser. De esta forma, la compañía que preside Ignacio Eyries adquiere todos los derechos y obligaciones de la sociedad absorbida. La aseguradora advierte en una nota publicada en su web de que todos sus socios y obligacionistas, así como sus acreedores y los representantes de los trabajadores, tienen derecho a examinar toda la documentación relativa a la operación, como el proyecto de fusión, las cuentas anuales y los informes de gestión de los últimos tres ejercicios. Forestalia se adjudica el mayor paquete en la subasta de renovables El grupo Forestalia se ha adjudicado la mayor partida en la subasta de renovables para poner en marcha hasta 3.000 megavatios (MW) de energía limpia. La gran mayoría de los megavatios adjudicados han ido a proyectos eólicos. La empresa zaragozana Forestalia, que cuenta con el apoyo industrial y tecnológico de General Electric, ha vuelto a batir a las grandes eléctricas. A los 400 MW— 300 MW de energía eólica y 100 de biomasa— que se adjudicó en enero de 2016 suma ahora otros 1.200 MW, todos ellos de energía eólica. Por detrás, se sitúa Gas Natural Fenosa, con unos 600 MW; Enel Green Power España, la filial verde de Endesa, con algo más de 500 MW; y Siemens Gamesa, con 206 MW, informa EP. Iberdrola, primera empresa española en energía eólica, se ha quedado fuera del reparto. Todas las empresas concursantes han ofrecido el máximo de descuento permitido, el 63,43%.

julho de 2017

ac t ua l i da d € 13


grande entrevista gran entrevista

MAPFRE quer chegar às 125 lojas em Portugal A MAPFRE protagonizou em 2016 um crescimento de 193% do seu volume de prémios no mercado português. Para continuar a crescer, a seguradora propõe uma nova abordagem para o segmento de empresas, que já vale 43% do negócio em Portugal. A empresa de origem espanhola pretende igualmente aumentar a rede de lojas no território português, de 79 para 125.

D

Textos Susana Marques smarques@ccile.org

e que forma a crise afetou os negócios da MAPFRE em Portugal e em Espanha e como a contornaram?

O primeiro comentário a fazer é que a atiVidade seguradora não tem sofrido excessivamente com a dura crise viVida em Espanha e em Portugal. Logicamente, a curto prazo, a crise teve algum impacto no negócio mas, desde há quase dois anos, e também devido à recuperação económica, verifica-se uma forte recuperação na atiVidade seguradora. Para uma seguradora global como a MAPFRE, com negócios em mais de 100 países, é uma vantagem competitiva poder compensar os pontos baixos dos ciclos económicos em alguns países com o forte crescimento que experimentam outros dos seus mercados.

2016 foi um ano de crescimento para o grupo. A que atribuem esses bons resultados?

O mais relevante é destacar a melhoria nas margens do negócio, como consequência da nossa aposta estratégica em colocar o foco no crescimento rentável. 14 act ualidad€

julho de 2017

Fotos Sandra Marina Guerreiro sguerreiro@ccile.org

Conseguimos um crescimento consistente em alguns mercados que são estratégicos para a MAPFRE como é o caso da Espanha e dos Estados Unidos. Também tivemos o contributo do sólido desempenho na evolução do negócio no Brasil, apesar da complicada situação económica neste país. O nosso negócio ressegurador também teve um contributo positivo para o excelente resultado da MAPFRE.

“A aposta da MAPFRE em Portugal é clara: queremos que a nossa rede própria de lojas seja o principal canal de distribuição” Que receitas e lucros gerou a MAPFRE no mercado português, em 2016? Que expetativas tem para este ano?

O volume de prémios da MAPFRE em

Portugal superou os 289 milhões de euros com um incremento muito relevante (193%) relativamente a 2015, derivado do acordo com o Bankinter em Portugal e da joint venture para o ramo Vida, desenvolVida conjuntamente entre ambos os parceiros. O resultado líquido do negócio das três sociedades da MAPFRE em Portugal (MAPFRE - Seguros Gerais, MAPFRE - Seguros de Vida e Bankinter Vida) foi de 9.620.000 de euros. Para 2017, e com base no desempenho de 2016, esperamos continuar a crescer com força. A recuperação económica, a solvência da nossa marca (top na Europa), a qualidade da nossa oferta e do nosso serviço, assim como o profissionalismo da nossa rede, são motivos para acreditar num significativo crescimento. Quais os segmentos de negócio com maior potencial de crescimento para a MAPFRE, no mercado portugês?

Entre os ramos com melhores espetativas estão o dos seguros de Vida, já que o aumento na oferta de crédito habitação e a necessidade de proteção familiar que existe atualmente vão proporcionar


gran entrevista grande entrevista

Luis Anula CEO da MAPFRE em Portugal julho de 2017

ac t ua l i da d â‚Ź 15


grande entrevista gran entrevista

um aumento nas vendas dos produtos do ramo Vida. Também o ramo dos seguros patrimoniais, nomeadamente seguros de habitação, seguros dirigidos às PME e seguros para as empresas. A melhor situação económica das empresas

deve contribuir para uma maior preocupação em proteger convenientemente os riscos a que estão sujeitas. Queremos ser uma referência no mercado neste tipo de seguros e estamos convencidos que o vamos conseguir pela qualidade

Um grupo com 83 anos, presente em 51 países A multinacional MAPFRE nasceu de uma entidade mutualista criada em 1933, a “Mutua Agrícola de los Proprietarios de Fincas Rústicas de España”. Atualmente, este grupo de origem espanhola desenvolve uma vasta atividade em todas as áreas do setor segurador, contando com “soluções específicas para as necessidades de todos os seus clientes, propriedades e património (seguro, resseguro, banca, finanças, imobiliária, investigação, edição e serviços, etc.)”. O grupo MAPFRE opera atualmente em 51 países, distribuídos pelos cinco continentes. A seguradora conta com uma rede global de mais de 80.000 mediadores, mais de 38.000 empregados e 34 milhões de clientes.

16 act ualidad€

julho de 2017

No ano passado, as receitas do grupo MAPFRE alcançaram mais de 27 mil milhões e os prémios superaram os 22 mil milhões, representando um aumento de 2,2%. A nível global, o lucro líquido da seguradora MAPFRE atingiu os 775 milhões de euros, em 2016, o que representa um aumento de 9,4%, em relação a 2015. Em Portugal, a MAPFRE iniciou atividade há 30 anos, contando com uma rede de 79 lojas e empregando mais de 300 pessoas. De assinalar que, em 2015, a MAPFRE foi distinguida, pelo segundo ano consecutivo, como a melhor seguradora de vida do mercado português pela revista Exame, na categoria “Melhor Média ou Pequena Seguradora Vida”.

da nossa oferta, pela solvência e pelo apoio do importante grupo multinacional ao qual pertencemos. As expetativas são as melhores para os seguros ligados ao crédito à habitação, que tem vindo a crescer nos últimos meses em Portugal. O seguro de Vida e o seguro de habitação são necessários para quem solicita um empréstimo para compra de uma casa. Devem proteger a sua vida para não provocar um problema económico à família, em caso de falecimento ou invalidez, e devem proteger a sua casa para garantir que um sinistro grave não provoque uma perda patrimonial irreparável. A capacidade da nossa própria rede de vendas e as parcerias com alguns bancos em Portugal vão ajudar-nos a crescer no mercado, dando resposta a este tipo de riscos ligados ao crédito à habitação. Outra área com boas perspetivas é a do seguro automóvel, na qual apresentamos uma oferta com um preço muito competitivo, com produtos de alta qualidade e com o melhor serviço para os nossos clientes. O cliente procura preço mas não só. Depois de um sinistro e, se as garantias não são as corretas e o serviço não for o melhor, surgem os problemas. Na MAPFRE, trabalhamos diariamente com este objetivo. Quanto representa o negócio com empresas para a MAPFRE em Portugal?

Em Portugal, o negócio de empresas representa cerca de 43% do nosso volume de negócios. Que novos produtos ou serviços possui a MAPFRE para os clientes empresa?

Mais do que falar de um produto gostaria de falar de uma nova ferramenta que vamos apresentar ao mercado ainda em 2017. É uma nova forma de abordar as empresas e de resolver as suas necessidades de seguros: “Empresas 360º”. Esta ideia revolucionária no mercado segurador oferece a possibilidade de realizar um estudo gratuito para a empresa com toda a informação relativa aos riscos que possam existir. Falamos de um estudo muito completo, com in-


gran entrevista grande entrevista

formação da própria empresa, do setor e do mercado e um comparativo objetivo do nível de proteção existente em cada caso. Isto permite-nos oferecer coberturas adequadas a cada empresa (cada caso é diferente), procurando a eficiência e a poupança nos custos para o empresário e a melhor proteção para o seu negócio. É uma proposta única no mercado português e uma abordagem diferenciadora que nos permitirá oferecer as melhores soluções aos clientes empresa. Quais são os desafios que a MAPFRE enfrenta atualmente e poderá enfrentar nos próximos tempos, em Portugal?

Para além do já comentado, crescer nos ramos Vida, Patrimoniais, Automóvel e nos seguros ligados às empresas acima do mercado, o maior desafio da MAPFRE é crescer na rede própria em Portugal. Temos atualmente 79 lojas em todo o país, que nos permite oferecer um bom serviço aos nossos clientes, mas queremos estar ainda mais perto deles. Para isso queremos ter 125 lojas em Portugal até 2020. A aposta da MAPFRE em Portugal é clara: queremos que a nossa rede própria de lojas seja o principal canal de distribuição. O nosso lema para este ano é “Venc(d) er Com Rentabilidade”. Criámos um

Acreditamos na Salvador Caetano como marca de prestígio na Península Ibérica e como verdadeira referência no negócio automóvel

logótipo, que o representa, onde assumimos os nossos principais objetivos estratégicos: queremos vencer, queremos vender, mas temos que ter sempre o nosso foco na rentabilidade. Esta estratégia começou a ser traçada em julho de 2016, com uma metodologia e intervenção de grupos de trabalho e equipas que reuniram um grande número de colaboradores da MAPFRE. Definimos um plano de comunicação com vários suportes que nos ajudaram a aproximar esta estratégia dos colaboradores.

PUB

Av. Marquês de Tomar, Nº 2, 7º, 1050-155 Lisboa Tel: 213 509 310 Fax: 213 526 333 julho Mail: ccile@ccile.org Site: www.portugalespanha.org

de 2017

ac t ua l i da d € 17


grande entrevista gran entrevista

O grupo MAPFRE ocupa pelo segundo ano consecutivo a primeira posição em investimento no digital, de acordo com um estudo da Feelcapital. Portugal acompanha essa tendência?

Na MAPFRE temos claro que a aposta no digital é a aposta no futuro. Os clientes convivem cada vez mais com o mundo digital e a MAPFRE deve estar presente nesse mundo para lhes apresentar as melhores soluções. O digital faz parte da nossa estratégia de clientes e permite-nos olhar para as suas necessidades e hábitos de compra e, como é lógico, apresentar as melhores propostas através do canal que seja o mais adequado para cada cliente.

Muitas vezes os nossos clientes procuram soluções no digital mas depois concretizam as suas compras junto dos nossos profissionais. Por isso, a nossa estratégia digital é perfeitamente compatível com o desenvolvimento da nossa rede própria. Em Espanha já existe um trabalho muito interessante no digital, que estamos a aproveitar em Portugal para acompanhar a estratégia do grupo. Como perspetiva a evolução do setor dos seguros? Que oportunidades identifica? O que poderá ser mais crítico para o setor?

As oportunidades foram as referidas: seguros de Vida, Patrimoniais, Au-

30 anos ao serviço da seguradora Luis Anula Rodriguez nasceu em setembro de 1965 e é licenciado em Gestão de Empresas, pela Universidade da Corunha, tendo posteriormente frequentado diversos cursos e formações, entre os quais uma formação para executivos, pela ESADE Business School. O gestor espanhol começou a trabalhar na MAPFRE Vida em 1987, tendo-se mantido sempre no grupo, onde desempenhou diferentes cargos na direção regional

18 act ualidad€

julho de 2017

da Galiza, como o de subdiretor da zona. Em 2003, foi nomeado diretor-geral da MAPFRE Vida em Portugal, cargo que ocupou até janeiro de 2008. Recentemente, Luis Anula ocupava as funções de diretor de Banca Seguros da área regional Ibéria e, cumulativamente, era diretor de empresas participadas, fazendo parte dos Conselhos de Administração de todas elas. Luis Anula é casado com uma portuguesa e tem três filhos.

tomóvel e Empresas. Na MAPFRE, estamos convencidos que neste tipo de soluções os melhores profissionais serão os que vão ter mais sucesso. O cliente torna-se cada dia mais exigente. Por isso, a MAPFRE aposta nestes profissionais e na sua formação. Estamos empenhados em desenvolver uma rede própria de distribuição compatível com a nossa aposta no digital. Isto significa aproveitar todo o potencial das novas ferramentas e da tecnologia para levar as melhores soluções aos nossos clientes, através dos melhores profissionais. Na mesma linha, apostamos também em ferramentas modernas pensadas para as empresas, como a “Empresas 360º”. Também faz parte da nossa aposta de futuro os acordos com os bancos e com as marcas automóveis, o que significa estarmos mais próximos dos clientes que procuram o financiamento para a compra de casa ou carro com as melhores soluções. Os riscos para o setor existem quando se pretende crescer em prémios sem olhar para a rentabilidade. A MAPFRE aposta de forma clara no crescimento rentável. Quando não o fazemos, pomos em causa a própria companhia e os segurados. Qual é a posição que o grupo tem na Salvador Caetano e que expetativas tem face a esta área de negócio?

A percentagem que a MAPFRE tem no grupo Salvador Caetano é de 26%. Isto quer dizer que, como já comentei, acreditamos no ramo automóvel como um dos principais pilares de crescimento para o futuro. Acreditamos nos concessionários automóveis, como canal de distribuição, que nos permite estar próximos dos clientes que procuram financiamento, no local onde compram o seu veículo. Neste sentido, acreditamos na Salvador Caetano como marca de prestígio na Península Ibérica e como verdadeira referência no negócio automóvel. 


gran entrevista grande entrevista

julho de 2017

ac t ua l i da d â‚Ź 19


Foto DR

atualidade actualidad

Epson Ibéria pretende aumentar universo de clientes empresariais

O grupo Epson, líder mundial no fabrico de sistemas de impressão e de videoprojeção, pretende expandir a sua gama de produtos dentro do segmento empresarial. A multinacional de origem nipónica, que atua através de representantes e grossistas parceiros, quer difundir junto das empresas as vantagens destas adotarem produtos mais eficientes, a nível de capacidade de reprodução e a nível de eficiência energética, frisa Óscar Visuña, head of Business and Sales da Epson para o mercado ibérico.

O

Textos Clementina Fonseca cfonseca@ccile.org Fotos Sandra Marina Guerreiro sguerreiro@ccile.org

grupo Epson, que desen- de se modernizar em algumas E spa nha, ma s ta l poderá muda r volve três grandes áreas áreas. a breve pra zo, revela o mesmo de negócio na Península A mu ltinaciona l japonesa, que responsável comercia l. Na á rea Ibérica, pretende con- at u a no merc ado por t u g uê s da robótica, o fabrica nte japosolidar vendas no seg- através de representa ntes of i- nês detém já uma quota aprox imento empresarial, onde existem, cia is ou grossista s que reven- mada de 20% a nível mundia l e muitas vezes, reticências à adoção dem os seus produtos, tem três a entrada em força na Penínsu la de produtos mais sofisticados e gra ndes categoria s de produtos Ibérica terá como ta rget o segeficientes. Segundo Óscar Visuña no merc ado ibérico: sistema s mento dos componentes auto(na foto), head of Business and de impressão, videoprojeção e móveis, onde os robôs são já Sales da Epson para o mercado sensores de geoloca lização. A f unda menta is pa ra esta indúsibérico, a Administração Pública á re a de negócio de robót ic a tria. Atua lmente, o grupo forestá mais sensibilizada para esta do grupo a inda não é comer- nece já a sua tecnologia nesta questão, mas continua a precisar cia lizada em Portuga l nem em á rea, através da f ilia l a lemã.

20 act ualidad€

julho de 2017


actualidad atualidade “Uma empresa de inventores” “Somos uma empresa de inventores, que às vezes também vende”, resume de forma irónica Óscar Visuña, para explicar como a Epson se “dedica essencialmente a criar, desenvolver e fabricar” produtos inovadores a nível mundial, os quais são comercializados como produtos finais pelo próprio grupo ou incorporados em produtos/ sistemas de outros fabricantes– é o caso, por exemplo, de componentes de sistemas de impressão, videprojeção ou ainda dos sensores de geolocalização, que entram, nomeadamente, no fabrico de telemóveis, comandos de TV, entre muitos outros equipamentos. Desenvolvimentos tecnológicos e sustentabilidade ambiental “O grupo é líder mundial nas áreas de impressão e de videoprojeção, procurando sempre desenvolver as tecnologias mais inovadoras, em termos de eficiência energética e impacte ambiental”, salienta ainda Óscar Visuña. A empresa, que se dedica apenas à vertente industrial e deixa para a sua rede de parceiros distribuidores a oferta de serviços associados aos equipamentos Epson, garante que as impressoras de jato de tinta representam “o futuro a curto prazo nesta área”. Estas impressoras têm uma maior eficiência energética e um impacte muito menos significativo de resíduos gerados, face às concorrentes a laser. Ao invés, a impressão por laser tem os dias contados, garante Óscar Visuña, sublinhando a intenção da companhia de alertar o setor empresarial e industrial para esta nova realidade tecnológica e ambiental, à qual se devem adaptar, defende. “Se trocássemos todas as impressoras a laser na Europa por jato

Impressoras de jato de tinta serão “o futuro a curto prazo”, a nível tecnológico e de eficiência energética de tinta, podíamos abastecer de energia uma cidade com cerca de cem mil habitantes durante um ano”, exemplifica o responsável. Já na tecnologia desenvolvida para os videoprojetores, o caminho é a tecnologia a laser, que permite reduzir o consumo de energia, comenta o responsável. “A Epson aposta nas tecnologias frias, pela sua maior durabilidade e poupança económica para o utilizador”, conclui. Em termos de segmentos de clientes, em Portugal, o mais importante é o segmento empresarial, ou B2B, que representa cerca de dois terços das vendas do grupo. Dentro deste universo, Óscar Visuña destaca ainda a área da impressão (três terços deste montante), sendo os restantes 25% referentes aos video-

projetores. Se o segmento B2B significa dois terços dos negócios da Epson em Portugal, o B2C representa cerca de um terço deste total. Quer para a vertente B2C ou B2B, destaque para as novas impressoras com tanques recarregáveis (EcoTank, para casa ou pequenos escritórios, e WorkForce Pro, para empresas), em substituição de cartuchos com um período de vida muito limitado. No caso das EcoTank, estas impressoras têm capacidade para imprimir até 11 mil páginas, o que significa dois anos sem ter de mudar os tinteiros. Já as WorkForce Pro, para ambiente empresarial, têm capacidade para imprimir 75 mil a 100 mil páginas sem mudar os tinteiros. Óscar Visuña sublinha que as impressoras com esta tecnologia, que em Portugal já estão na segunda geração (maior capacidade), permitem uma elevada poupança em consumíveis face às de cartucho. “O custo por página é 75% menor”, conclui. Estas impressoras ainda são um “nicho de mercado”, por serem mais caras do que as impressoras mais tradicionais. Óscar Visuña destaca ainda julho de 2017

ac t ua l i da d € 21


atualidade actualidad se destaca, por utilizar impressoras de vários tipos (incluindo de grande formato, para impressão de campanhas no ponto de venda, por exemplo), ou videoprojetores (para atrair clientes para a loja). Além do incentivo às empresas para modernizarem os seus equipamentos por outros mais recentes e eficientes, a Epson espera ainda que a Administração Pública volte a realizar novos concursos globais para a modernização do parque deste tipo de equipamentos, que poderão trazer “grandes benefícios quer na área da educação, quer em museus, quer na da saúde”, incentiva.  as tecnologias de conetividade dos equipamentos da Epson a outros dispositivos móveis ou fixos, como as ligações wi-fi, ou as funcionalidades cloud printing e o acesso a mail box . O gestor comercial lança, por outro lado, o desafio das empresas apostarem na definição de políticas de impressão, com gestão de ordens de impressão consoante as necessidades de trabalho e a capacidade das impressoras, por forma a rentabilizar estes processos. A Epson pode programar os equipamentos para esta gestão, gerindo impressoras e ainda direitos de impressão por perfil de utilizador. Portugal é um dos maiores mercados europeus para a Epson Óscar Visuña destaca ainda que Portugal é um dos mercados mais importantes na Europa para o grupo, quer ao nível dos sistemas de impressão como de videoprojeção. Mesmo assim, Óscar Visuña antevê grande potencial de crescimento no mercado português, esperando que continue a crescer e fique ao nível do mercado espanhol. Dos vários setores de atividade clientes, o retalho é um dos que 22 act ualidad€

julho de 2017

Responsabilidade social corporativa A Epson destaca a sua “profunda responsabilidade de apoio à economia e ao ambiente. Por isso, temos como objetivo reduzir as emissões de CO2 em 90% no ciclo de vida de todos os nossos produtos e serviços até 2050”. “Este é também o motivo pelo qual continuamos a trabalhar no sentido da recuperação e proteção da biodiversidade, em parceria com as comunidades locais. Além disso, estamos a dotar os nossos clientes dos meios que lhes permitam desempenhar o seu papel ao aumentar o valor da nossa oferta ao mesmo tempo que disponibilizamos inovações que minimizam a nossa pegada ecológica”, afirma o grupo. Entre as alterações/ implementações ambientais que pretendem realizar neste período estão ainda: • Produzir equipamentos cada vez mais compactos, precisos e energeticamente eficientes. Ou seja, reduzir o impacte ambiental em todo o ciclo de vida do produto, desde o fabrico, ao transporte e utilização;

• apostar em soluções de economia circular, como é o caso do PaperLab, o primeiro sistema de reciclagem de papel para escritórios, capaz de destruir papel usado e gerar papel novo no próprio escritório, sem necessidade de água. “Juntando às impressoras a jato de tinta, altamente eficientes e com um impacto reduzido no meio ambiente, oferecemos soluções de impressão e uma utilização de papel totalmente circular”, afirma a companhia; • impulsionar a criação de comunidades ecológicas e ambientalmente sustentáveis, no seguimento da “Visão Ambiental 2050” definida pelo grupo; • fomentar os ciclos de reciclagem de produtos entre a cadeia de distribuição da Epson e diretamente junto do consumidor final. • ajudar à transformação da visão ambiental das empresas, fornecendo equipamentos tecnológicos altamente sustentáveis e impulsionando-as a proceder à mudança para o jato de tinta profissional.


actualidad atualidade

julho de 2017

ac t ua l i da d â‚Ź 23


atualidade actualidad

Esporgel intensifica comércio de peixe com Espanha A Esporgel, empresa da Gafanha da Nazaré dedicada à importação e exportação de peixe e outros alimentos congelados, continua a apostar no mercado europeu e asiático, frisa João Neves, que lançou a empresa há cerca de 24 anos e que já trabalha neste setor há 37.

A

Texto Clementina Fonseca cfonseca@ccile.org Fotos DR

Esporgel, empresa da Gafanha da Nazaré (distrito de Aveiro) dedicada ao comércio por grosso de produtos alimentares congelados– essencialmente, peixe congelado–, mas também à prestação de serviços de armazenagem frigorífica, prevê continuar a crescer em 2017, em particular no mercado europeu e asiático. A empresa importa e exporta diverso tipo de peixe congelado. “O peixe que fornecemos é habitualmente da frota portuguesa e espanhola (bacalhau, red fish, palmeta, alabote, solhas e outros), complementado 24 act ualidad€

julho de 2017

por produtos importados da origem uma empresa que sempre teve bons (peixe espada, perca do Nilo, lombos contactos e foco no exterior, sendo de tamboril, salmão)”, refere João pioneira na participação nas feiras Neves, que lançou a empresa em internacionais de alimentação. A 1993, juntamente com dois sócios exportação representou cerca de 60% espanhóis, que, entretanto, saíram do volume de negócios em 2016”, acrescenta João Neves. do capital social da Esporgel. No ano passado, a Esporgel alcanO mercado espanhol é um dos principais mercados de destino dos çou uma faturação superior a 14,5 produtos da empresa, juntamente milhões de euros, tencionando “em com a Dinamarca e a Holanda, na 2017 manter e, se possível, crescer”, Europa, e ainda a China, Coreia do adianta o gestor. Sul e Japão, na Ásia. “Devido à queda “Em 2017, a Esporgel tem como acentuada do mercado nacional nos objetivo continuar uma política de últimos anos, a aposta na exporta- otimização dos gastos, assim como ção era inevitável”, destaca o sócio incrementar o rendimento operaciogerente da empresa. “A Esporgel é nal, com vista à melhoria das con-


actualidad atualidade

dições de produtividade”, acrescenta ainda o responsável. Para isso, procurará manter a sua posição nos mercados em que está presente, “aplicando uma estratégia positivamente agressiva, nomeadamente com visitas frequentes a clientes e fornecedores”, enquadra João Neves. Mantendo a sua estrutura base sedeada em Portugal, a empresa continuará a apostar nos seus recursos humanos e nas “relações comerciais e pessoais junto da frota pesqueira nacional e espanhola, procurando o estabelecimento de parcerias que lhe garantam bom produto para oferta” aos clientes, explica ainda o gestor, com 37 anos de experiência neste setor. Paralelamente, a Esporgel pretende não só “continuar a privilegiar as negociações com os habituais clientes e fornecedores, como procurar outros que demonstrem potencial”. Deste modo, a empresa “estará também atenta aos desenvolvimentos nos mercados, não deixando escapar oportunidades de negócio que se afigurem como proveitosas”. A Esporgel está empenhada em “reforçar a sua posição no mercado”, através da dedicação da sua equipa de trabalho, que conta com 10 funcionários.

a este setor, em Portugal, quer a nível da concorrência desleal, bem como da crise económica que afeta muitos mercados globalmente. Por outro lado, refere que “como é do conhecimento geral, as reduzidas quotas de pescado atribuídas à frota pesqueira nacional e o seu envelhecimento condicionam sobremaneira a expansão do setor em Portugal. Para além disso, outros fatores condicionaram o ano de 2016, nomeadamente, a redução na captura do produto que permitiu em 2015 compensar o desaparecimento do (até à data) Redução das quotas de pesca e outros nosso principal fornecedor e armaconstrangimentos dor nacional. Também relacionado O gestor destaca ainda os gran- com esse facto, tem-se verificado des desafios que se apresentam a mudança dos hábitos migrató-

rios dos cardumes de vários tipos de peixe, que condicionaram de forma significativa as capturas e têm obrigado, muitas vezes, ao atraso no início das viagens e mesmo a viagens mais longas, com consequências naturais no preço”. No entanto, destaca que a Esporgel “procurou e conseguiu tornear as dificuldades, através da procura de mercados alternativos, associada à consolidação das relações mantidas com clientes e fornecedores. Neste aspeto, continuaram a revestir-se de extrema importância as parcerias alcançadas com os habituais armadores ibéricos e do norte da Europa, que permitiram mesmo superar o volume de negócios de 2015”. 

julho de 2017

ac t ua l i da d € 25


marketing

marketing

Delta Q lança primeira máquina de café em cápsulas para restauração

A

Delta Q, marca portuguesa líder de café em cápsulas, apresentou a produção da primeira máquina de café em cápsulas para o canal horeca , Mayor Q, no passado mês de maio em Campo Maior (Alentejo).

Esta nova produção é totalmente projetada pelo grupo Nabeiro e destinada aos canais horeca e empresarial. A Mayor Q reforça, assim, a aposta no segmento business , “contribuindo para a sustentabilidade do negócio e inovação do grupo, através da preocupação constante em oferecer aos clientes e consumidores um produto de qualidade e diferenciador, num contexto distinto, mas sempre com o perfil do café Delta Q”,

refere o grupo Nabeiro. O desenvolvimento e a produção foram realizados no pólo industrial Tecnidelta II, em Campo Maior. Rui Miguel Nabeiro, administrador do grupo Nabeiro-Delta Cafés, afirmou, sobre este lançamento, que “hoje escrevemos mais um capítulo na nossa história que muito nos orgulha”. “Pretendemos continuar a percorrer este caminho com o espírito de equipa e inovação que nos caracterizam e reforçando o compromisso com o futuro”. 

Flip-flops As Portuguesas juntam grupos Kyaia e Amorim O grupo líder nacional do calçado, a Kyaia, junta-se ao líder mundial da cortiça, Amorim Cork, e ao empreendedor Pedro Abrantes com a fim de potenciar o crescimento das flip-flops As Portuguesas e entrar em novos mercados. Uma grande oportunidade para a start-up Ecochic, criada por Pedro Abrantes, que é a primeira marca de flip-flops de cortiça do mundo. A Ecohic, conta agora com um destacado investimento do grupo Kyaia, trazendo uma mais valia em termos de produção, logística e de uma grande rede de distribuição. A coleção para 2018 deverá chegar ao mercado no final do ano. Fortunato Frederico, presidente do grupo Kyaia, realça que “AsPortuguesas trazem consigo um novo conceito de flip-flops, pelo que, perante a oportunidade de nos tornarmos sócios deste projeto, não hesitámos em avançar com a parceria. Com este acordo, entraremos pela primeira vez no segmento das flip-flops, com um produto que con-

26 act ualidad€

julho de 2017

sideramos ter grande potencial”. Pos seu lado, Pedro Abrantes, CEO da Ecohic, mostra o orgulho de trabalhar no mesmo projeto que o líder mundial de calçado e de cortiça, e também explica que “depois do apoio da Corticeira Amorim, cujas valências de I&D foram fundamentais para a maturidade alcançada em termos de desenvolvimento de

produto, o apoio da Kyaia acelerará agora o processo de crescimento internacional d’As Portuguesas”. Desde o seu lançamento, em 2016, AsPortuguesas tiveram um rápido crescimento comercial, sobretudo no mercado internacional, principalmente no Médio Oriente, EUA, França, Alemanha e Reino Unido. 


marketing

julho de 2017

marketing

ac t ua l i da d â‚Ź 27


marketing

marketing

Vodafone Portugal inaugura 200 lojas com uma “visão moderna e inovadora” A Vodafone Portugal vai inaugurar 200 lojas de última geração, de norte a sul do país. O projeto é uma estratégia transversal ao grupo Vodafone, que tem com objetivo uma modernização do conceito da sua rede. Uma renovação total do grupo que olha pela inovação e para o futuro. As Áreas Smart Home e Realidade Virtual estão integradas na nova flagship store (na foto) da Vodafone. no Parque das Naçoes, em Lisboa. Esta loja, a sede da Vodafone em Portugal, acaba de reabrir totalmente transformada e representa já o 192º espaço renovado. O projeto começou em abril de 2015 e, no total, foram renovados mais de 18 mil metros quadrados,

em parceria com 27 parceiros locais e globais. A Vodafone Portugal que está em contagem decrescente para a cele-

bração do seu 25º aniversário, em outubro, quer modernizar, até ao final de 2017 todas as suas lojas, num total de 200. 

Zippy expande unidade do Colombo e reforça serviços aos pais A Zippy reformulou e expandiu recentemente a sua loja no Centro Comercial Colombo, em Lisboa, reforçando a oferta na categoria de puericultura e nos serviços especiais de atendimento para ajudar os pais. Com esta expansão, passando a contabilizar no total 640 metros quadrados, a loja

28 act ualidad€

julho de 2017

tornou-se a segunda maior da marca no país, a seguir ao espaço Zippy no NorteShopping. A nova Zippy no Centro Comercial Colombo apresenta agora uma configuração de loja mais confortável para todos os clientes e uma oferta mais alargada das gamas têxtil e de puericultura. A expansão do espaço no Colombo segue o novo conceito de loja da Zippy, que visa contribuir para o reforço da posição competitiva da marca em Portugal e se traduz num

alargamento da diversidade de serviços disponibilizados pela marca a todos os seus clientes. Dotada de tecnologia moderna e concebida para envolver e agradar a pais e filhos, a Zippy do Colombo tem agora uma Sound Wall, uma parede que através do toque emite vários sons para as crianças, e que se junta ao divertido Playground Digital. Ao longo de mais de dez anos de existência, a Zippy sempre teve uma postura atenta aos seus consumidores e graças ao seu feedback as lojas têm incorporado importantes melhorias, destacando a Zippy da sua concorrência. A Zippy Colombo incorpora serviços distintivos orientados para os pais, nomeadamente: workshops para grávidas, listas de nascimento, sessões de aconselhamento de puericultura e até aluguer de bombas de aleitamento. 


marketing

Av. Marquês de Tomar, Nº 2, 7º, 1050-155 Lisboa Tel: 213 509 310 Fax: 213 526 333 Mail: ccile@ccile.org Site: www.portugalespanha.org julho de 2017

marketing

ac t ua l i da d € 29


marketing

marketing

Millennium bcp premiado como “Model Bank 2017” pela renovação das sucursais O Millennium bcp foi premiado pela consultora norte-americana Celent enquanto “Model Bank 2017” pelatransformação que tem vindo a realizar em Portugal com as suas sucursais do futuro, prémio que a organização entrega às entidades financeiras que

se distinguem pela inovação e pela qualidade de serviço ao cliente. O Customer Branch Experience 2.0 do Millennium bcp representa uma abordagem inovadora c centrada no cliente, através de uma mudança cultural, do redesenho de produtos e processos e da integração de canais digitais. Nas sucursais do Millennium bcp, o papel está a ser descartado e a formalização de contratos substituída por assinaturas digitais, através de tablets. A atividade de tesouraria estará

disponível 24 horas por dia, com as novas máquinas transacionais inteligentes, sendo estes os primeiros equipamentos a permitir o pagamento de cheques de forma automática a qualquer hora, bem como o depósito e levantamentos em moedas. Estes equipamentos também podem ser usados sem qualquer cartão multibanco, bastando para isso a utilização do código multicanal fornecido pelo banco. Além da inovação tecnológica, as sucursais disponibilizam espaços especialmente dedicados aos clientes, com áreas lounge, wi-fi gratuito, carregadores sem fios e zonas de experiências digitais com acesso às apps do banco. A comunicação com os clientes também é inovadora, com um preçário digital e painéis de publicidade eletrónicos. 

Nacex reconhecido como “Melhor Operador Expresso” em Portugal A

Nacex, transportadora de correio urgente e documentação, foi reconhecida como “Melhor Operador Expresso” em Portugal, pelo terceiro ano consecutivo. Distinguida no âmbito dos “Prémios Logística & Transportes Hoje”, do grupo IFE, o operador recebeu o prémio numa cerimónia realizada em maio, no final da primeira “Conferência Logística & Transportes”, dedicada às alterações no setor dos transportes de mercadorias rodoviários. Segundo João Jales, country manager da Nacex, “este prémio vem confirmar a solidez da operação que a Nacex tem vindo a desenvolver em Portugal, ao longo dos últimos anos, e que tem contribuído para um crescimento sustentado

da empresa”. Ao mesmo tempo, o responsável declarou que a responsabilidade de estar ao nível das exigências e das expetativas dos clientes é cada vez maior, depois das três distinções consecutivas como “Melhor Operador Expresso” no país. Par a empresa, o seu rápido crescimento no mercado português deveu-se à “sua qualidade em áreas específicas. A Nacex trabalha em setores-chave da área da saúde e das tecnologias

de informação e comunicação ( TIC ) ” . A empresa oferece uma ampla gama de serviços, associada às mais avançadas ferramentas tecnológicas, nomeadamente ao nível do transporte de material médico-hospitalar nas áreas de ortodontia, laboratórios, farmacêutica e ainda com material ligado à eletrónica, informática, telecomunicações, entre outros. 

Textos Claudia Ballester cballester@ccile.org Fotos DR

30 act ualidad€

julho de 2017


marketing

julho de 2017

marketing

ac t ua l i da d â‚Ź 31


fazer bem Hacer bien

Bolsa GAES já atribuiu 100 mil euros a desportistas amadores e lança segunda edição

A

pós o sucesso da primeira edição, a GAES abre novo período de candidatura às bolsas “Persegue os teus sonhos” em Portugal. No ano passado, a GAES – Centros Auditivos apresentou a sua primeira edição das Bolsas “Persegue os teus Sonhos” em Portugal, um projeto internacional que pretende apoiar o desporto amador. Foram premiados três atletas que veem agora os

seus sonhos mais próximos da realidade. No passado dia 29 de maio, arrancou a segunda edição destas bolsas para desportistas, sendo possível submeter as candidaturas no website oficial do projeto, em www. persegueosteussonhos.pt, até ao próximo dia 15 de dezembro. Até essa data, o público em geral poderá, assim, votar no seu projeto favorito. Apenas os 10 projetos mais votados serão posteriormente submetidos à avaliação por parte de um painel de jurados, que elegerá um ou mais projetos vencedores, aos quais será atribuída uma bolsa no valor total de seis mil euros.

Sobre o sucesso deste projeto, Dulce Martins Paiva, diretora-geral da GAES – Centros Auditivos em Portugal, sublinha que “Portugal está repleto de talento, de sonhos e de vontade de fazer e ser mais! Por isso, queremos ser um motor para que os sonhos se concretizem. Depois da edição do ano passado, estamos certos que este ano novos projetos cheios de valor serão apresentados”. No ano de 2016, foi possível ajudar três desportistas: Alexandre Dias, que se prepara para o “Ironman Barcelona 2017”, João Gonçalves, que pode agora ter um treinador focado nas suas capacidades motoras, e ainda Dionísio Lopes, que tem maior apoio para que consiga fazer todas as maratonas nacionais. É possível acompanhar as várias experiências dos vencedores da primeira edição, através do site da GAES – Centros Auditivos. 

Gas Natural Fenosa renova plano de sustentabilidade A

Gas Natural Fenosa (GNF) acaba de lançar o seu novo plano de sustentabilidade, que engloba aspetos económicos, sociais e ambientais, com o objetivo de proporcionar uma maior sustentabilidade e flexibilidade a todos os níveis organizacionais. O plano dá resposta aos compromissos da empresa para com todos os diferentes stakeholders. O programa desenvolve os oito compromissos da política de responsabilidade corporativa da GNF: excelência no atendimento; compromisso com os resultados; gestão ambiental; interesse nas pessoas; segurança e saúde; gestão responsável da cadeia de abastecimento; compromisso social; integridade e transparência. 32 act ualidad€

julho de 2017

Estabelecidos após uma análise detalhada a 50 temas relevantes para as diferentes áreas da empresa, são oito os eixos estratégicos principais definidos no “Plano Estratégico 2020”. Foram considerados fatores como riscos, tendências reguladoras ou requisitos dos grupos de interesse, entre eles investidores, índices de sustentabilidade e rankings. “A trajetória da GNF no campo da sustentabilidade tem sido reconhecida pelos principais índices e rankings, como o Índice de Sustentabilidade Dow Jones, o FTSE4good ou o Carbon

Disclosure Project. Considerando as novas tendências e a dinâmica que queremos reproduzir sobre este tema, criámos um plano com o objetivo de continuarmos a ser uma das empresas de referência em sustentabilidade”, explica Jordi Garcia Tabernero, diretor geral de Comunicação e Relações Institucionais da GNF. 


Hacer bien

fazer bem

Iberdrola investe 50 milhões em ações socioculturais no norte de Portugal A

Iberdrola, com mais de um século de experiência, está a desenvolver um dos maiores projetos hidroelétricos a nível europeu – o Sistema Eletroprodutor do Tâmega. Preparada para desempenhar um papel de protagonista no novo cenário energético nacional, a Iberdrola prevê que o Sistema Eletroprodutor do Tâmega traga uma dinamização da economia da região norte e do país. Para isso, a empresa irá impulsionar a atividade económica provocada pela construção das três barragens (Daivões, Gouvães e Alto Tâmega) e pelo investimento de 50 milhões de euros assentes num plano com ações previstas para cada município envolvido no projeto. Além da contratação de mão de obra

local, o investimento na economia local e a aposta no comércio da região, a Iberdrola prevê a concretização de ações, em conjunto com as autarquias, que visam a melhoria na qualidade de vida da população. Ribeira de Pena, Vila Pouca de Aguiar, Cabeceiras de Basto, Boticas, Chaves, Montalegre e Valpaços são os municípios que beneficiarão do plano de ação acordado com as autarquias de cada município em 2014. No âmbito do Plano de Ação protocolado entre a Iberdrola e as autarquias dos municípios envolvidos no projeto, a empresa espanhola investiu mais de seis milhões de euros entre 2015 e 2016, e tem protocolado o investimento de mais três milhões para as ações em 2017.

Com vista a promover e desenvolver esta sub-região com 94.143 de habitantes (de acordo com dados da Estratégia Integrada de Desenvolvimento Territorial do Alto Tâmega, referentes a 2011), a Iberdrola, em conjunto com as autarquias dos municípios, pretende criar 13.500 postos de trabalho e, assim, atrair e diversificar uma população maioritariamente envelhecida. Tendo em conta que 27,6% da população do Tâmega corresponde a indivíduos com mais de 65 anos e 21,2% diz respeito à população jovem – dos zero aos 24 anos, o Sistema Eletroprodutor do Tâmega irá, assim, impulsionar os vários negócios, serviços e empresas locais e incrementar a economia nacional. 

Textos Actualidad€ actualidade@ccile.org Fotos DR

PUB

julho de 2017

ac t ua l i da d € 33


fazer bem Hacer bien

Presidente da República já tem uma horta biológica A

Noocity instalou uma horta biológica com plantas e ervas aromáticas no Palácio de Belém. Marcelo Rebelo de Sousa já experimentou o sistema criado pela startup portuguesa, que reduz o consumo de água e se adequa às necessidades da espécie plantada. A Noocity, startup sediada no UPTEC – Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto, oferece uma solução inovadora que permite aos cidadãos cultivar alimentos biológicos em meio urbano. A tecnologia da Noocity é uma cama de cultivo com um sistema de subirrigação integrado que fornece água às plantas pela zona das raízes. O sistema criado pela empresa diminui a evapo-

ração, a frequência de rega, reduz em cerca de 80% o uso de água e termina com o problema de saber quanto e quando regar uma planta. “O Presidente da República não ficou indiferente quando apresentámos a Noocity e sugerimos instalar uma growbed no Palácio de Belém. Mudar comportamentos urbanos, bem como os hábitos de consumo, alimentares e ambientais são valores com os quais Marcelo Rebelo

de Sousa se identifica.”, afirma José Ruivo, CEO da startup. A Noocity, fundada em 2013, já exporta para países como a França, Dinamarca e Brasil. 

Tetra Pak anuncia metas com base científica para redução do impacte climático A Tetra Pak estabeleceu o compromisso de reduzir, até 2030, as emissões de gases com efeito de estufa provenientes das suas próprias operações em, pelo menos, 40% relativamente a 2015. A trabalhar com a iniciativa “Science Based Targets”, a empresa estabeleceu também como objetivo que em 2040 as emissões serão 58% inferiores às registadas há um ano. Ao proceder desta forma, a Tetra Pak torna-se a primeira empresa da indústria de embalagens alimentares a ter as suas

metas de redução do impacte ambiental aprovadas pela Science Based Targets (SBT). Para alcançar estes objetivos, a Tetra Pak vai centrar-se em três áreas: impulsionar a eficiência energética, com o objetivo de reduzir a utilização de energia em mais 12%; adquirir eletricidade proveniente de fontes renováveis, investir em projetos de energia renovável e em sistemas de certificação da eletricidade renovável; e, finalmente, instalar onsite sistemas de energia como painéis solares. A empresa compromete-se, ainda, a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa (GEE) em toda a cadeia de valor em 16% por unidade de receita até 2020, a partir do ano-base de 2010. Mário Abreu, vice-presidente da área de Ambiente da Tetra Pak, sublinha que “a colaboração com a iniciativa SBT ajudou-nos a definir, com

precisão e de forma científica, as nossas metas de emissão de gases com efeito de estufa e a direção para o futuro da empresa. As novas metas garantem que estamos aptos a demonstrar, de forma aberta e transparente, o nosso contributo para uma economia de baixo carbono, juntamente com os nossos clientes e outras partes interessadas.” Cynthia Cummis do World Resources Institute (WRI) referiu: “A iniciativa SBT fornece uma metodologia de base científica às empresas que procuram de forma séria incorporar a sustentabilidade na sua prática de negócios e querem fazer a sua parte no sentido de evitar os piores impactos decorrentes das alterações climáticas. A Tetra Pak é a primeira empresa de embalagem de alimentos que completa o processo de revisão de metas connosco e estamos muito satisfeitos por vê-la juntar-se a um número crescente de empresas que compreendem os benefícios da transição para uma economia de baixo carbono”. 

Textos Actualidad€ actualidade@ccile.org Fotos DR

34 act ualidad€

julho de 2017


Hacer bien

julho de 2017

fazer bem

ac t ua l i da d â‚Ź 35


opinião opinión

Brexit: algunas consecuencias para

Portugal y España

L

a situación de incertidumbre en la Unión Europea y el nuevo auge de los populismos, me hace recordar el poema de Kipling “ If ”: “Si puedes mantener la cabeza en su sitio cuando todos a tu alrededor la han perdido y te culpan a ti. Si puedes seguir creyendo en ti mismo cuando todos dudan de ti pero también aceptas que tengan dudas. Si puedes enfrentarte con el triunfo y la derrota y tratar a esos dos impostores de la misma manera. O ver cómo se destruye todo aquello por lo que has dado la vida y remangarte para reconstruirlo con herramientas desgastadas”. (Extracto de la traducción de “If ” de Rudyard Kipling)

Nos encontramos en la realidad actual con la segunda potencia industrial europea, la nación adalid del librecambio mundial, en el camino de provocar el primer caos importante de la UE. “Inglaterra” (hoy Reino Unido) fue la nación de los defensores de las Leyes Anti-granos (Anti-Corn Law League), que con el rechazo a la participación del Estado y del proteccionismo convencieron al Primer Ministro Peel para abolir el arancel agrario y abaratar los alimentos y sus derivados en 1846. La mayoría de los políticos de las “Islas”, tras la entrada tardía en la Comunidad Europea en 1973, han sido euroescépticos, aunque como socio comunitario, Reino Unido impulsó su Integración de manera pragmática (cheque británico, por ejemplo) de la que ahora ha renegado Theresa May. Tras ganar el referéndum de Escocia y a pesar del asesinato de Jo Cox, una 36 act ualidad€

julho de 2017

Por Cecilio Oviedo*

pequeña minoría de votantes de más país. Un análisis profundo sólo tiene edad hicieron inclinar la balanza con- sentido a largo plazo y no coyunturaltra continuar la UE. mente, después de la firma de un PriEsto hubiera sido impensable con mer Acuerdo al amparo de los Trataotros estadistas , según la frase de Sir dos, puesto que el país aún pertenece Winston (“el político se convierte en a la Unión aunque se hayan iniciado estadista cuando comienza a pensar las complicadas negociaciones el 19 en las próximas generaciones y no en de junio. Como decían Kissinger y Maurois sobre la Historia de la Inglaterra, los británicos han sido un país influido “Para los vecinos por su aislamiento histórico y geográEspaña y Portugal, fico desde que se confinaron en la Isla. Reino Unido no fue de los seis socios el Brexit tiene tres fundadores de la CEE y ha existido consecuencias siempre un fuerte movimiento opositor en los partidos gobernantes resfundamentales: pecto de la pérdida de soberanía, que los emigrantes de normalmente los otros miembros europeos han estado dispuestos a aceptar los otros países, la mejor. De los sentimientos de agravio influencia del tipo comparativo por la entrada de nuevos inmigrantes, se han aprovechado de cambio de la libra los movimientos populistas, al igual esterlina sobre los que ocurre en otros países europeos. Según la mayoría de los analistas el flujos comerciales y sentimiento anti-inmigración fue deturísticos y sobre las cisivo en el voto a favor del Brexit y si el Gobierno de los conservadores balanzas corrientes hubiera invertido lo necesario en sery el impacto de las vicios públicos y en vivienda, el referendum podía haber sido favorable a nuevas inversiones la permanencia en la UE. recíprocas” ¿Es posible que la culpa no sea sólo del Reino Unido? La verdad es que la UE ha pecado de indecisiones muy las próximas elecciones”). Pero el ma- graves. Europa debería estar cohesioyor peligro no es el económico, para nada para hacer frente al terrorismo, el que hay herramientas probadas de a los movimientos migratorios, con negociación. Éste es el primer caso los necesarios cambios reales y legade desintegración política interna en les comunitarios, después de las trala UE y como tal hay que enfocarlo. gedias en el Mediterráneo y Oriente La salida de los residentes del Reino Medio, en un momento en el que se Unido de la UE es, para ambos, un está cuestionando interesadamente, cambio de grandes dimensiones por por muchos, el sentido que tiene la el gran peso relativo de riqueza del UE, a pesar de que la mayoría de las


opinión

poblaciones son partidarias de más política exterior común. Han surgido muchos vectores de fuerzas contrarias a más Europa. Las consecuencias, pueden ser globales a largo plazo (incluso en los Continentes Americano y Asiático). Hay muchos populistas, dentro y fuera de la UE, frotándose las manos de júbilo ante la quiebra de este proceso único integración de las naciones más importantes históricamente hablando. Los descontentos del Reino Unido han abierto una gran brecha en la utopía de la integración económica y política, con ideales de libertad a los que habían aportado mucho. Pero seamos realistas, nos enfrentamos a su salida a corto plazo mientras el BCE y el sistema financiero europeo y mundial han hecho lo posible para mantener el consumo y la estabilidad del sistema económico mundial después de que las bolsas se recuperaron del susto. Los no británicos no deberíamos buscarle tres pies al gato sino defender nuestros propios intereses legítimos. Deberíamos hacer análisis de abandonos posibles del área comunitaria. El Brexit es el primer movimiento de desintegración por referéndum de la UE, quizás no el último, una vez lograda la salida de la primera Gran Recesión del siglo XXI. Hay bastantes países que mantienen relaciones libres con la UE gracias a los principios de la OMC y están firmados muchos Acuerdos de Libre Comercio. Hay países del G-8 fuera de la UE que llevan tiempo analizando cómo aprovechar las nuevas posibilidades comerciales, de servicios y de movimientos de factores que les da el Brexit. Portugal, el antiguo aliado de Inglaterra desde hace muchos cientos de años, es de los países que pueden sufrir más con el nuevo escenario internacional. Pero, como España, también está abierto a las oportunidades de inversión que surgen del Brexit. Para los vecinos ibéricos España y

Portugal, el Brexit tiene tres consecuencias fundamentales: los emigrantes de los otros países, la influencia del tipo de cambio de la libra esterlina sobre los flujos comerciales y turísticos y sobre las balanzas corrientes y el impacto de las nuevas inversiones recíprocas. Prioritariamente España y Portugal están preocupados por los empleos de sus compatriotas en el Reino Unido. La mayoría de los empleos se pueden mantener pero surge una buena oportunidad en la recuperación de talento nacional si las empresas y los organismos hacen el esfuerzo porque muchos vuelvan a su país de origen. La Península Ibérica es muy dependiente del turismo de los turistas y jubilados británicos y del poder adquisitivo de sus pensiones y preocupa la presión sobre los precios y la disminución de los viajes turísticos, así como la reducción de los gastos de ellos diarios y totales. Como es lógico, si la libra se deprecia de manera permanente en relación con el euro el hacer turismo será mucho más caro para los británicos. Casi 17 millones de británicos visitan cada año la Península Ibérica (dejando unos ingresos de más de 16.000 millones de euros) y más de medio millón residen permanentemente en la misma. Casi un millón de británicos tienen una propiedad inmobiliaria en España y 200.000 en Portugal. En lo que se refiere al comercio de bienes y servicios, Reino Unido está entre los 5 principales clientes y proveedores de la Península Ibérica, aunque a distancia de los países líderes Alemania y Francia. Portugal y Reino Unido fueron antiguos socios de la EFTA, pero el volumen de comercio entre ellos ha sido superado hace mucho tiempo por España, Francia y Alemania. Las exportaciones portuguesas son más relevantes. Es visible el papel primordialmente activo que el Reino Unido desempeña en el crecimiento de la economía portuguesa en lo que se refiere a ex-

opinião

portaciones de servicios. En relación a las inversiones, probablemente las empresas británicas no abandonarán en masa la Península Ibérica. Incluso hay empresas y organismos que buscan una segunda sede, por lo cual España y Portugal deben mantener su atractivo para las nuevas inversiones del Reino Unido. No únicamente del sector financiero. El Brexit puede ser un proceso largo, complicado y doloroso. Con todos sus puntos débiles y dificultades la UE ha creado muchas cosas. Pero si nos demuestran que los partidarios del Brexit tenían razón al prometer que el Reino Unido puede tener todas las ventajas económicas actuales sin desventajas (como mercado único sin libre circulación de personas) muchos políticos podrían apuntarse al mismo menú. ¿A quién no le gusta vivir con lo mejor de ambos mundos? Para los 28 implicados teóricamente lo mejor sería la solución “Noruega”, con una compensación monetaria o un Acuerdo a la Suiza, que es un país más parecido en lo que se refiere a los mercados financieros. Por el momento después de un año la situación no ha sido fácil pero tampoco tan dramática como imaginábamos, en buena parte por el resultado de las elecciones en otros países europeos en 2017. Si el Reino Unido quisiera seguir en el Mercado Único, tendrá que seguir aceptando la movilidad laboral dentro de la UE, ya que el impacto negativo de salirse será muy elevado. El nuevo Gobierno en minoría de Theresa May salido de las elecciones del jueves 8 de junio, tiene que definir más claramente unas líneas de negociación con el apoyo del Parlamento. Los temas más importantes a negociar tratan de compensaciones financieras y los derechos de los ciudadanos. Este último punto debería ser tratado cuanto antes.  *Vicepresidente de Honor de la CCILE E-mail: coviedo@comercio.mineco.es

julho de 2017

ac t ua l i da d € 37


grande tema gran tema

La frontera que une y no separa

La XXIX Cumbre Ibérica se centró por primera vez en un tema específico, la cooperación transfronteriza y de forma especial en sus aspectos económico, medioambiental, energético y de infraestructuras. Los dos países quieren poner en valor el amplio espacio regional que comparten.

V

Textos Belén Rodrigo brodrigo@ccile.org Fotos DR

ecinos, amigos y con celebrado hace dos años en Baiona convivencia entre ambos Ejecutivos los mismos intereses. (Galicia) y duró apenas tres horas. y con la relación transfronteriza Portugal y España han Pasado un año, sin encuentro bila- como asunto principal del encuencelebrado una nueva teral por la ausencia de Gobierno en tro. Además de encontrar la manera cumbre donde se ha vuel- España, esta cita se retomó con un de seguir mejorando y reforzanto a poner de manifiesto el buen nuevo formato, iniciándose en un do dicha relación, se abordaron momento que viven las relaciones país y acabando en el otro. Contó materias como las negociaciones del ibéricas y el enorme interés que exis- con la presencia de quince minis- Brexit y el debate sobre el futuro te por ambas partes en intensificar tros de las dos naciones además de de la Unión Europea, con especial alianzas de las más diversas mate- los dos jefes de Gobierno. Fue un atención al fortalecimiento de la rias. La anterior cumbre se había encuentro más amplio y de mayor Unión Económica y Monetaria y la 38 act ualidad€

julho de 2017


gran tema grande tema

gobernanza de la zona euro. Los miembros de las dos ejecutivas llegaron el lunes 29 de mayo por la mañana al aeropuerto de Matacán y, tras desplazarse un tramo por carretera, realizaron un trayecto de 70 kilómetros en barco por el río Duero que partió del muelle salmantino de Vega Terrón y llegó al puerto fluvial de Senhora da Ribeira. Desde allí se trasladaron hasta la próxima ciudad lusa de Vila Real, donde tuvo lugar la cumbre ibérica propiamente dicha. El presidente del Gobierno español, Mariano Rajoy, estuvo acompañado por los ministros de Fomento, Íñigo de la Serna; de Defensa, María Dolores de Cospedal; de Educación, Íñigo Méndez de Vigo; de Empleo, Fátima Báñez; del Interior, Juan Ignacio Zoido; de Agricultura, Isabel García Tejerina; y de Exteriores, Alfonso Dastís. El primer ministro luso, António Costa, acudió al encuentro junto de los ministros de Negocios Extranjeros, Augusto Santos Silva; del Interior, Constança Urbano de Sousa; de Economía, Manuel Caldeira Cabral; de Trabajo, Solidaridad y Seguridad Social, José Vieira da Silva; el titular de Planificación e Infraestructuras, Pedro Marques; de Ciencia, Tecnología y Enseñanza Superior, Manuel Heitor; de Defensa, José Azeredo Lopes, y de Medioambiente, João Matos Fernandes.

año 2020 con el objetivo de tener definido proyectos de fronteras", Los Gobiernos de precisó Mariano Rajoy, quien considera que "puede ser muy útil" Portugal y España para avanzar en la cooperación acordaron crear un transfronteriza. Tal y como se puede leer en la grupo de trabajo declaración conjunta presentada para preparar un al finalizar la cumbre, “Portugal "programa integrado y España quieren poner en valor un amplio espacio regional que de cooperación comparten, dotado de coherencia y vida propia y con un enorme transfronteriza" potencial de afirmación económique presentarán ca y de modernización del tejido productivo, por su centralidad en conjuntamente el espacio de la Península Ibérica”. para los próximos También recuerdan que prueba del dinamismo de la cooperación presupuestos transfronteriza son las sucesivas comunitarios ampliaciones en la AECT DueroDouro, la creación de las euroRelación transfronteriza ciudades de Elvas-Badajoz y del "Queremos transformar las regio- Portugal y España acordaron crear Guadiana, el avance experimennes fronterizas en centros de un un grupo de trabajo para prepa- tado en este año por la macrorregran mercado ibérico de 60 millo- rar un "programa integrado de gión de regiones del suroeste de nes de consumidores", publicó cooperación transfronteriza" que Europa (RESOE), o los nuevos António Costa en su cuenta de presentarán conjuntamente para proyectos y prioridades aprobados Twitter al comienzo de la cumbre los próximos presupuestos comu- de la Eurorregión Galicia-Norte explicando que la intención de este nitarios. Ese grupo de trabajo de Portugal. La cumbre ha analiencuentro es que sirviese para que dependerá "directamente" de los zado las recomendaciones que le la cooperación transfronteriza sea dos jefes de Gobierno, según expli- han sido sometidas, “mostrando "más que una línea de separación, có el primer ministro luso. Es su acuerdo con la necesidad de un punto de unión". Precisamente una iniciativa acordada "de cara nuevos y más adecuados medios en esta materia los Gobiernos de a los presupuestos europeos del para hacer frente a los crecientes 39


grande tema gran tema

Salida de la crisis Durante la conferencia de prensa conjunta el presidente del Gobierno español, Mariano Rajoy, aprovechó para subrayar el hecho de que España y Portugal han superado la "dura prueba" de la crisis y elogió los esfuerzos que han realizado para ello los ciudadanos de ambos países así como las reformas realizadas por los ejecutivos respectivos. Felicitó además a los portugueses y a sus empresas por haberlo logrado y, a continuación, enumeró una serie de datos económicos que considera que sitúan a España a la cabeza de los países del euro tanto en crecimiento económico como en creación de empleo. "La frontera entre España y Portugal es un espacio de intercambio constante", señaló Rajoy, quien destacó el

40 act ualidad€

julho de 2017

volumen creciente de las relaciones comerciales entre los dos países. En relación a un posible apoyo de España al ministro de Finanzas de Portugal, Mário Centeno, para presidir el Eurogrupo, Rajoy recordó que "siempre" prefiere "a los amigos que a los desconocidos". Junto a él, previamente, Costa indicó que si el ministro Centeno se plantea esta cuestión "está disponible", y ha precisado que "nadie deja de ser ministro" por liderar el Eurogrupo, sino que "acumula" las responsabilidades. Además, subrayó que Portugal y España "comparten postura" en la zona euro. "Siempre hemos dicho que el ministro de Economía de España, si se volviera a presentar, contaría con nuestro apoyo", indicó.

desafíos que existen en las regiones de frontera”. Los dos jefes de Gobierno han encomendado a la Comisión Hispano-Portuguesa de Cooperación Transfronteriza que dé inicio a un proceso de ref lexión sobre cómo adecuar mejor el Tratado sobre Cooperación Transfronteriza entre Instancias y Entidades Territoriales (Tratado de Valencia), firmado el 3 de octubre de 2002, a las nuevas realidades de la cooperación transfronteriza, presentando, en la próxima cumbre, las conclusiones de este trabajo, así como eventuales propuestas concretas para la revisión del referido tratado. Acuerdos firmados En el capítulo de infraestructuras, pactaron una declaración de intenciones que fija los compromisos temporales para el desarrollo de los principales enlaces, dando prioridad a la inversión en redes ferroviarias. La Península Ibérica va a tener tres nuevos corredores


gran tema grande tema

ferroviarios totalmente electrificados a partir de 2021: Oporto-Vigo; Aveiro-Salamanca; y un tercero que vaya desde Sines hasta la frontera de Extremadura. En lo relativo a las comunicaciones por carretera, se acordó la firma en breve plazo del convenio para la rehabilitación del Puente Internacional viarioferroviario sobre el río Miño, entre Valença do Minho y Tui, así como el comienzo de las obras de rehabilitación del puente internacional sobre el río Guadiana, entre Vila Real de Santo António y Ayamonte, como consecuencia del convenio firmado en la última Cumbre. La cooperación científica y tecnológica fue otra de las cuestiones tratadas y António Costa explicó la necesidad de que se impartan grados universitarios conjuntos entre ambos territorios y que se posibilite la movilidad de estudiantes, licenciados y doctores de ambos territorios. El Laboratorio de Nanotecnología de Braga (Portugal) o el "Supercomputador"

CRUP (Consejo de Rectores de las Universidades Portuguesas) y la La Península CRUE (Conferencia de Rectores Ibérica va a tener de las Universidades Españolas), contribuyendo a la implementatres nuevos correción del espacio ibérico de ensedores ferroviarios ñanza superior a través de varias iniciativas, como la creación de totalmente electricarreras/ grados conjuntos entre ficados a partir de universidades ibéricas, la promoción de la movilidad, la profundi2021: Oporto-Vigo; zación en proyectos de movilidad Aveiro-Salamanca; para un desarrollo de base científica, el acceso a infraestructuras y un tercero desde científicas por parte de investigaSines hasta la frondores de los dos países y la promoción conjunta del acceso abierto a tera de Extremadura publicaciones y datos científicos. En materia laboral, Rajoy y Costa de Barcelona serán instrumen- destacaron que dos terceras partes tos que podrán ser usados con- de los nuevos puestos de trabajo juntamente por científicos de creados en los dos últimos años en España y Portugal. Este año se ha la Unión Europea (UE) se crearon implementado la Agenda Ibérica entre España y Portugal. En este del Conocimiento y Enseñanza sentido, Rajoy argumentó que "las Superior en la reunión conjun- magníficas relaciones bilaterales ta celebrada en Vila Real los servirán para atender a las persodías 28 y 29 de mayo, entre el nas que viven en las fronteras". julho de 2017

ac t ua l i da d € 41


grande tema gran tema

El primer ministro de Portugal avanzó que el Mercado Ibérico del Gas Natural (Mibgas) estará concluido este año, "esencial para

el ámbito del proceso de integración de los sistemas de energía de los dos países. España y Portugal confían que este hecho sea un hito en la construcción del Mercado Interior de la Energía de la Unión Europea. “La integración de los sistemas de gas natural beneficiará a los consumidores de los dos países y permitirá el acceso al mercado a todos los participantes en igualdad de condiciones, de manera transparente, objetiva y no discriminatoria”, se puede leer en la declaración conjunta. Portugal y España asumieron el compromiso de trabajar conjuntamente para que las propuestas legislativas que las industrias sean más com- europeas, actualmente en negociapetitivas". El objetivo del tratado ción en el ámbito del paquete legises crear y desarrollar un Mercado lativo “Energía Limpia”, incluyan común ibérico de gas natural, en las medidas efectivas para aumen-

Foro parlamentario y Foro empresarial Una semana antes de celebrarse la cumbre tuvo lugar el Foro Parlamentario Hispano-Portugués, también en Vila Real, conducido por el presidente de la Asamblea de la República, Eduardo Ferro Rodrigues, y por la presidenta del Congreso de los Diputados de España, Ana Pastor. El Foro destacó la contribución y compromiso de España y Portugal con la construcción europea, la lucha contra el terrorismo y la cooperación transfronteriza. Durante la apertura del foro Ferro Rodrigues recordó que los dos países “reencontraron el camino de crecimiento económico” y están “convergiendo en una trayectoria de crecimiento por encima de la media europea, generan empleo y están muy dinamizados por la recuperación de la construcción y por los récords del turismo y, en general, de las exportaciones”. Están haciendo

42 act ualidad€

julho de 2017

bien los deberes “y por eso debemos esperar más de Europa en los próximos tiempos”. Eduardo Ferro Rodrigues abordó la central nuclear de Almaraz, una materia que la Asamblea de la República ha acompañado con particular atención. “Conocemos el acompañamiento realizado por la Agencia Internacional de Energía Atómica así como la existencia de mecanismos existentes a nivel bilateral”, explicó subrayando la preocupación que existe al respecto entre los diputados portugueses. “Hace pocos días aprobaron una resolución en el que queda constancia de la aprehensión con la que vemos la extensión de la vida de la central nuclear en Almaraz, por su potencial impacto en la seguridad y vida de las poblaciones”. Paralelamente a la cumbre tuvo lugar el Foro Empresarial, en el

que las patronales de los dos países pidieron a los dos Gobiernos que hagan los mayores esfuerzos para "atraer" la sede de la Agencia Europea del Medicamento (AEM), a la Península Ibérica. La localización de esa institución, que actualmente está en Londres, "potencia la actividad económica y también científica, comenzando por las áreas de salud y biotecnología", señala el texto de las conclusiones del foro empresarial previo al plenario de la cumbre hispanolusa. La Confederación Española de Organizaciones Empresariales (CEOE) y la Confederación de Empresarios Portugueses (CIP) subrayaron que la sede de la EMA "representa, por sí sola, un polo de atracción para numerosas actividades" relacionadas con la investigación, la concesión de licencias o los servicios de apoyo a empresas.


gran tema grande tema

tar de forma urgente las interco- un 10% de interconexión. ta de los Caminos de Santiago y de nexiones con el resto de Europa y Entre otros tratados igualmente Fátima. Para aumentar la seguridad concedan un tratamiento adecua- suscritos, se encuentra el de la a ambos lados de "La Raya", los dos do, que tenga en cuenta el grado delimitación de las líneas de las Gobiernos decidieron ampliar la de interconexión real, en los com- desembocaduras de los ríos Miño franja de cooperación a la hora de promisos y exigencias incluidas en y Guadiana, así como un protocolo extinguir los incendios forestales las propuestas, hasta que sea alcan- de cooperación en el ámbito del hasta los 25 kilómetros a un lado y zado el objetivo de, cuando menos, turismo para la promoción conjun- otro de la frontera. 

PUB

julho de 2017

ac t ua l i da d € 43


setor imobiliário

sector inmobiliario

Mais de 90% do investimento em imobiliário comercial é de capital estrangeiro

O

capital estrangeiro continua a dominar o mercado português de investimento em imobiliário comercial, com 92% do total de 359 milhões de euros transacionados no primeiro trimestre deste ano, afirma a JLL, no seu estudo “Portugal Market Pulse”. Os 8% restantes correspondem ao volume aplicado pelos investidores nacionais, que realizaram cinco das 11 operações, tendo estas no entanto correspondido a “um peso reduzido no volume investido”. “Estes níveis são, na sua maior parte, mínimos históricos em Portugal, mas, ainda assim, continuam a ser superiores à maioria dos mercados europeus, o que torna o nosso país um mercado muito atrativo e muito procurado”, comenta Fernando Ferreira. Ainda assim, “um dos grandes desafios no futuro será a dimensão do nosso mercado, o que exigirá estratégias mais agressivas dos investidores para

conseguirem concretizar os seus negócios, abrindo o espetro de oportunidades de investimento que estão disponíveis para analisar”. Fernando Ferreira, head of Capital Markets da JLL, antecipa que “o ano começou muito dinâmico e, apesar de se terem fechado algumas operações que se encontravam em pipeline em 2016, muitas outras ainda estão por concluir: se a maioria dos negócios que estão em curso forem efetivamente concluídos, antevemos o melhor ano de sempre, com a possibilidade de se transacionarem mais de dois mil milhões de euros”. Os segmentos mais ativos neste trimestre foram: o retalho, com a maior operação, a venda do Vila do Conde Outlet, por 130 milhões de euros, e os escritórios, com a venda do edifício Entreposto, em Lisboa, por 65,5 milhões, com pesos de respetivamente 61 e 26%, junto com a hotelaria, com a transa-

ção do Lux Park Hotel. A JLL afirma no seu estudo que a ocupação de escritórios atingiu 34% no primeiro trimestre do ano, para os 43.641 metros quadrados, o que é largamente superior à média trimestral dos últimos cinco anos, com 60%, fixada em cerca de 27 mil metros quadrados. No retalho, o pipeline de novas aberturas se mantenha reduzido, apenas a loja Ikea integrada no Mar Shopping Algarve abriu neste trimestre, os centros comerciais avançam com níveis elevados de footfall , e pressão sobre as rendas que ascendem aos 120 euros/metro quadrado/ mês, com um total de 20% no primeiro trimestre de 2016. O comércio de rua permanece ativo, quer em Lisboa quer no Porto, com as rendas valorizadas em cerca de 8% no Chiado, para os 130 euros/ metro quadrado/ mês, e de 20% na Rua de Santa Catarina, para os 60 euros/metro quadrado/mês. 

Preço das casas em Portugal apresenta uma subida de 1,8% até março

O

preço das casas em Portugal Continental subiu 1,8% no primeiro trimestre deste ano, face ao trimestre anterior, de acordo com o “Índice de Preços Residenciais”, da “Confidencial Imobiliário”. A valorização acelerou nos primeiros três meses do ano, assinalou a empresa, que recordou que no quarto trimestre de 2016 a evolução tinha sido de 1%. A taxa de variação homóloga tam-

bém voltou a acelerar, com os preços a subirem no primeiro trimestre 6,2%, na comparação com o mesmo período do ano passado. “Recorde-se que no final do ano, o ritmo de crescimento homólogo dos preços abrandou, ficando-se em 5,6% depois de, em setembro, ter atingido a marca mais elevada dos últimos 15 anos, nomeadamente uma valorização homóloga de 7,5%”, referiu a “Confidencial

Imobiliário”, em comunicado. Em termos acumulados, a recuperação dos preços das casas em Portugal situa-se em 14,3%, mas os preços das casas mantêm-se ainda cerca de 3,8% abaixo dos níveis observados em agosto de 2010, o ponto mais elevado do mercado desde o início da atual série do índice. O mínimo do mercado foi registado em junho de 2013. 

Textos Sofía González sgonzalez@ccile.org

44 act ualidad€

julho de 2017


sector inmobiliario

setor imobiliĂĄrio

julho de 2017

ac t ua l i da d â‚Ź 45


ADVOCACIA E FISCALIDADE

aBOGACÍA Y FISCALIDAD

PLMJ estabelece parceria na Guiné-Bissau

A

PLMJ Network estabeleceu uma nova parceria com o escritório de advogados de Armindo Serqueira, na cidade de Bissau, na Guiné-Bissau, reforçando, assim, a sua presença e rede de parcerias nos países lusófonos. “Os novos parceiros integram um gabinete de advogados líder naquele país, com reconhecido rigor e excelência dos serviços jurídicos prestados, contando com os advogados Armindo Serqueira, Domingos Pereira e Elísio Cali. A parceria visa contribuir para a intensificação das relações entre Portugal e Guiné-Bissau, designadamente apoiando projetos de investimento estrangeiro, e, em particular, a atividade de empre-

sas portuguesas e outros investidores estrangeiros na Guiné-Bissau e de empresas guineenses no exterior”, enquadra a sociedade de advocacia portuguesa. A parceria terá a coordenação executiva do sócio da área de M&A e Energia, Manuel Santos Vítor, e da associada coordenadora da equipa PLMJ Energy, Ana Oliveira Rocha. A sociedade de advogados sublinha que “alguns setores na Guiné-Bissau chamam a atenção dos investidores, como o setor agroindustrial e do pescado, a energia e a construção de infra-estruturas, o ecoturismo e outros. O país tam-

bém é rico em recursos piscícolas, sendo a sua exploração uma atividade igualmente atrativa”, destaca o managing partner da PLMJ, Luís Pais Antunes, adiantando que “esta parceria trará consigo a possibilidade de potenciar recursos e sinergias, bem como a capacidade de dar resposta às mais variadas solicitações dos nossos clientes na Guiné-Bissau”.

CCA Ontier ganha prémio internacional de inovação

A

CCA Ontier venceu o prémio “Business Development”, dos “The Legal Week Innovation Awards 2017”, organizados pela prestigiada revista britânica do setor da advocacia de negócios, a “Legal Week”. Foi a primeira vez que a CCA Ontier concorreu, lado a lado com grandes sociedades internacionais, como a DLA Piper e a Hogan Lovells. Para Domingos Cruz (na foto),

managing partner da CCA ONTIER, este prémio é “um re c o n h e c i m e n t o internacional do trabalho inovador que a Startinnovation Team tem vindo a desenvolver com start-ups e pequenas e médias empresas, nacional e internacionalmente, e que muito nos orgulha”, baseando-se na “capacidade de toda a equipa, que se encontra cada vez mais comprometida em criar soluções inovadoras”. Os “Legal Week Innovation Awards” visam premiar e distinguir projetos disruptivos, bem como o trabalho de gestão e inovação levado a cabo pelas sociedades de advogados. A Startinnovation Team é uma marca registada, que nasceu a partir da iniciativa de advogados vocacionados para o empreendedorismo e com ampla experiência na assessoria de start-ups e PME. É constituída por advogados com experiência em várias

áreas, como as tecnologias e propriedade intelectual, M&A e capital de risco. Com uma equipa multidisciplinar, internacional e de excelência, a Startinnovation Team já acompanhou de perto o nascimento e evolução de diversas empresas, desde o início do seu projeto até à sua expansão internacional, o que lhe permite, de forma concreta, agregar valor, preparar e antecipar a estrutura necessária ao crescimento, além de encontrar soluções específicas para cada caso. “Os conhecimentos adquiridos em processos de internacionalização representam também um dos fatores que distinguem a Startinnovation Team”, adianta o mesmo responsável. A CCA Ontier tem uma posição privilegiada, com escritórios próprios em mais de 12 jurisdições, nas quais se inclui a China, EUA, Reino Unido e Brasil.

Textos Actualidad€ actualidade@ccile.org Fotos DR

46 act ualidad€

julho de 2017


aBOGACÍA Y FISCALIDAD

ADVOCACIA E FISCALIDADE

Gómez-Acebo & Pombo renova identidade corporativa A Gómez-Acebo & Pombo (GAP) ganhou um prémio internacional de design com a recente mudança da sua imagem corporativa. Depois de mais de 45 anos a conservar a mesma linha visual com poucas variações, o escritório decidiu realizar uma profunda mudança da sua imagem. Além da renovação do novo logótipo para uma imagem mais estilizada, clara e moderna, foi ainda atualizada toda a identidade visual e verbal. A nova marca já iniciou o seu caminho com êxito, tendo ganho um dos maiores prémios de design, na categoria Branding/ Branding Schemes/ Medium Organizations, pela sua nova identidade de marca nos “Prémios de Design D&AD” deste ano.

A renovação da imagem corporativa da GAP, que esteve a cargo da Interbrand, resulta da sintetização dos dois apelidos (Gómez-Acebo e Pombo) num acrónimo simples “GA_P”, que representa o espaço que separa as duas partes numa resolução de conflito e desenhou GA_P para comunicar o espaço que promove a união e a concórdia. “O universo visual completo da marca representa um espaço de oportunidade que separa um problema da sua solução e a proposta da Gómez-Acebo & Pombo para colmatar esse espaço”, explica a sociedade de advogados de origem espanhola. A ideia apoia-se também na mudança de tipografia e na nova paleta de cores corporativas, com “um maior protagonismo

do cinzento e do preto e detalhes num amarelo, que remete ligeiramente à cor que o escritório já havia utilizado no seu início”. O atual sócio diretor da GA_P, Carlos Rueda, que foi também o sócio diretor do escritório de Lisboa em 2015, assegura que “a mudança é mais profunda do que se percebe num primeiro olhar. Implica a transformação de toda a organização, para que entre todos sejamos capazes de transmitir, interna e externamente, os valores de proximidade, excelência, critério e inovação que nos definem como sociedade”, enquadra o advogado.

BHLP | Advogados abre escritório na cidade do Porto A BHLP | Advogados acaba de abrir um escritório na cidade do Porto. O novo escritório, inaugurado no passado dia 1 de junho, tem como objetivo apoiar a atividade dos clientes da BHLP | Advogados no norte do país com um serviço personalizado e que se preten-

de de proximidade. O novo escritório da BHLP | Advogados situa-se junto à Avenida da Boavista, no centro da cidade do Porto. O escritório do Porto contará com a coordenação do associado sénior Guilherme Soares de Oliveira.

Em trânsito: » Pedro Madeira de Brito, sócio fundador da BAS Sociedade de Advogados, foi reconhecido pelo diretório internacional “Best Lawyers” como uma referência em Portugal na área de prática de direito do trabalho. O advogado e especialista em direito do trabalho é doutor, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, e destacase nas áreas de atuação de direito laboral e emprego público, segurança social, direito administrativo e contratação pública e contencioso civil e laboral. O ranking norte-americano “Best Laywers“ distingue os melhores advogados em cada área de prática jurídica nas diversas jurisdições tendo por base a votação dos pares.

» J. Menezes Falcão, sócio da ACE – Sociedade de Advogados, foi eleito presidente da Interlegal, para os próximos dois anos, durante a assembleia geral da rede internacional de advogados, que decorreu em Montreal (Canadá). A eleição representa o reconhecimento dos “últimos dois anos como vice-presidente desta organização, em que coordenou grupos de trabalho de especialistas internacionais dedicados a temas do foro societário, fiscal, laboral, arbitragem e gestão de sociedades de advogados, entre outros”, adianta a ACE. Com presença em 40 países, a Interlegal agrega atualmente mais de 500 advogados e tem uma “forte ligação” à Federação Mundial de Cônsules. julho de 2017

ac t ua l i da d € 47


eventos eventos

01

Portugal e Espanha têm “muitos interesses convergentes”

02

A união ibérica tem sido vantajosa para os dois países da península e assume agora novo relevo na luta pelo reforço da integração europeia, frisa o ministro dos Negócios Estrangeiros. Augusto Santos Silva assinala que Portugal e Espanha querem as mesmas coisas e batalham juntos pela melhoria das ligações da Europa com a América Latina e com a África. A nível interno, o governante afirmou que a zona da fronteira com Espanha “é quase um diamante por lapidar”.

“N

Textos Actualidad€ actualidade@ccile.org Fotos Sandra Marina Guerreiro sguerreiro@ccile.org

em sempre foi assim, mas Portugal e Espanha alinham agora pela mesma bitola em vários pontos de âmbito económico e diplomático, sublinhou o ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo português, na sua intervenção num encontro com

48 act ualidad€

julho de 2017

empresários e gestores promovido pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola (CCILE), no passado dia 23 de maio, em Lisboa. “Ambos os países têm interesse em completar a união económica e monetária, em batalhar por capacidade orçamental própria da zona euro, em defender a transformação progressiva do me-

canismo europeu de estabilidade num verdadeiro fundo monetário europeu e em completar a zona monetária de forma a torná-la um investimento favorável também para a convergência económica”, frisou Augusto Santos Silva. “Juntos” é a palavra de ordem no que toca às relações ibéricas, que protagonizaram no último


eventos

quartel do século XX “uma mudança qualitativa”, seja do ponto de vista económico seja do ponto de vista diplomático. Augusto Santos Silva recorda que Portugal e Espanha fizeram a sua transição da ditadura para a democracia e o seu processo de integração europeia ao mesmo tempo, o que favoreceu uma aproximação entre ambos. “Até meados dos anos 60, o princípio base da política externa de Portugal era este: onde estivesse Espanha nós não estávamos e agora é ao contrário. Agora estamos juntos na União Europeia (UE), na NATO e na conferência Ibero-Americana.” O ministro considera que esta união “tem dado a Portugal uma vantagem grande na maneira como se posiciona nos espaços em que está”. Isso vê-se no elemento económico, nota: “Até 1986 vigorava a incipiência da relação entre as duas economias, depois seguiu-se uma integração de elevado nível e um elevado nível de interdependência, já que Portugal exporta para Espanha mais do que exporta para o segundo e terceiro destinos de exportação juntos. Espanha exporta para Portugal mais do que exporta para toda a América do Sul.” O posicionamento dos dois países faz com que haja “muitos interesses comuns e convergentes, bem como uma estratégia comum, face à integração europeia”, exemplificou o ministro, acrescentando que, como se verificou na recente cimeira dos países do Sul da Europa, “as propostas dos dois países são as mesmas”. Augusto Santos Silva diz que “há um interesse comum de ambos os países em estarem no núcleo duro da integração europeia e fazer com que a Zona Euro funcione quer do ponto de vista financeiro e orçamental, quer do ponto de vista económico”. Da mesma

eventos

António Vieira Monteiro, gestor português do ano

03

03 Presidente executivo do banco Santander Totta desde janeiro de 2012, António Vieira Monteiro foi eleito pelos sócios da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola, bem como pelo seu comité de concessão de prémios e pela sua junta directiva o melhor gestor português do ano (período 2015-2016). “O premiado é uma importante personalidade do mundo financeiro, com 47 anos de experiência e uma extraordinária e invejável carreira, tendo presidido a vários bancos, não só em Portugal, como também em Espanha, Angola e Moçambique”, afirmou Enrique Santos, presidente da Junta Diretiva da CCILE. O mesmo responsável acrescentou ainda que Vieira Monteiro conduziu, com sucesso, a instituição num dos momentos económicos mais desafiantes: “Apesar da crise económica que vivemos, o seu banco em 2015 obteve um resultado de 292 milhões de euros, um aumento de 50’9% em relação ao ano anterior. Esta entidade bancária registou nos últimos anos excelentes resultados, entre os melhores do sector financeiro português. Por essa razão, foi distinguido pela revista “Euromoney” como “melhor banco”. A revis-

ta Global Finance também o distingue como melhor banco em Portugal. A revista “Exame” concedeu ao Santander Totta o prémio de melhor grande banco, o mais rentável e mais sólido e a revista “The Banker” destaca o seu banco como o banco do ano.” Depois de receber o prémio das mãos do embaixador de Espanha em Portugal, Juan Manuel de Barandica, António Vieira Monteiro sublinhou que se sentia honrado com a distinção, que atribui “a um trabalho de equipa”, desempenhado “num contexto ímpar do sistema bancário português”. O gestor lembrou que “o Santander Totta é o banco mais rentável, mais capitalizado, o que tem o melhor rating e o que gera mais confiança nos portugueses”. Vieira Monteiro rematou, frisando que “o prémio deve ser dado aos empresários portugueses, que durante a crise fizeram um trabalho exemplar, sobretudo no que diz respeito à internacionalização dos seus negócios, o que se reflete no facto de as exportações representarem agora 42% do PIB”. Recorde-se que a CCILE entregou em novembro o prémio gestor espanhol do ano a Luis Osuna, CEO do grupo Covirán.

julho de 2017

ac t ua l i da d € 49


eventos eventos

forma, “ambos defendem a abertura europeia à América Latina”, assinala, lembrando que “este é um ano chave, já que deveremos concluir o acordo de comércio e investimento entre a UE e o Mercosul e entre a UE e o México. Batalhamos para que estes dois objetivos sejam alcançados.” Portugal e Espanha estão também na linha da frente da preparação da próxima cimeira entre a UE e África, indica: “Temos interesses claros em África e defendemos que não devemos deixar África à influência de outros poderes regionais.” O mesmo é válido para o Mediterrâneo: “O Mediterrâneo é um espaço vital da segurança europeia. Achamos que devemos reforçar as parcerias com o Magrebe.” O ministro salienta que “estes interesses convergentes devem 50 act ualidad€

julho de 2017

04

05

06

07

Em 10 anos, o peso das exportações no PIB passou de 29% para 42% ser interpretados no plano económico, à luz das mudanças nas economias que aconteceram nos dois países e que são favoráveis às relações ibéricas”. No caso português, “a primeira mudança é a maior abertura e internacionalização da economia portuguesa”, aponta o governante, acrescentando que “o indicador sobre o peso das exportações no PIB fala por si: passámos de 29% do PIB para 42% do PIB em 10 anos”. A isto, o ministro soma a modernização dos setores ex-

portadores: “O principal setor de exportação é o do turismo e das viagens, mas também encontramos dinamismo e modernização em virtualmente todos os setores de exportação portugueses, nomeadamente no calçado, têxteis, papel, mobiliário e fileira casa, refinação dos combustíveis, máquinas e aparelhos, transportes, agroalimentar, etc.” O ministro realça os progressos feitos igualmente no domínio da captação de investimento exterior, nomeadamente com Espanha. A segunda mudança assinalada por Augusto Santos Silva prendese com o facto de “Portugal ter conseguido um maior equilíbrio externo nos últimos quatro anos”. A balança de capitais “também é positiva, ou seja o saldo orçamental primário é positivo”, diz. O ministro elenca ainda uma


eventos

eventos

08 terceira mudança, o retorno do crescimento, e a quarta, que consiste na recuperação do emprego. Augusto Santos Silva conclui que “as duas economias têm muitos desafios pela frente, nomeadamente ao nível da requalificação dos recursos humanos e da gestão empresarial, bem como no que se refere a uma maior valorização do território”. A isto soma-se o desafio que o Brexit traz, sobretudo tendo em conta que “o Reino Unido absorve 10% das nossas exportações e é o primeiro mercado de origem dos turistas que nos visitam”. Inspirando-se no que fariam os marinheiros portugueses e espanhóis, que protagonizaram os Descobrimentos, o ministro aconselha: “Perante um cenário de incerteza, é aconselhável navegar à bolina perto da costa.” Relativamente à Península Ibérica, o ministro dos Negócios Estrangeiros advoga que a cooperação continue a aumentar e apontou o potencial da zona da fronteira com Espanha como exemplo. Augusto Santos Silva considera que o espaço fronteiriço “é quase um diamante por lapidar”, sendo já “um espaço de referência de centenas de milhares de pessoas, na sua vida quotidiana”. No entanto, “precisamos de dar uma escala económica e política a esta cooperação que já se vai fazendo,

09

“Portugal exporta para Espanha mais do que exporta para o segundo e terceiro destinos de exportação juntos. Espanha exporta para Portugal mais do exporta para toda a América do Sul”

10

nageada Celeste Hagatong com um Diploma de Honra, pelo seu trabalho na qualidade de membro da Junta Diretiva da Câmara, em tornando-a um tema importante representação do BPI. A gestora para o trabalho conjunto dos dois cessou as suas funções neste banpaíses, das suas sociedades civis, co e, consequentemente, na CCIdas suas instituições, das suas em- LE. Enrique Santos, presidente da presas e dos seus trabalhadores”, CCILE, agradeceu “o permanente defende o ministro, acrescentan- espírito de colaboração e cooperado que fazem falta “instrumentos ção” da gestora, que “contribuiu de política pública, incentivos para todos os êxitos da CCILE”. económicos mais adequados e de divulgação das muitas oportuni- Despedida do embaixador dades que existem para o desenEste almoço marcou também a volvimento local e regional” na despedida do embaixador de Eszona transfronteiriça. panha em Portugal. Juan Manuel de Barandica cessa as suas funHomenagem a Celeste ções dentro de alguns dias, já que Hagatong irá jubililar-se. Como lembrou No decorrer deste almoço pro- o presidente da CCILE, trata-se movido pela CCILE, que juntou de “uma personalidade de grande cerca de duas centenas de em- prestígio”, que será “provavelmenpresários e gestores, foi home- te um dos embaixadores que mais julho de 2017

ac t ua l i da d € 51


eventos eventos

11

12

13

14

condecorações recebeu, não só Henrique”. Durante o desempeem Espanha, mas também nos di- nho das suas funções, “o embaiferentes países em que trabalhou, xador Barandica sempre teve uma entre as quais a condecoração ou- atitude muito construtiva e que torgada por Portugal, a da Gran- muito contribuiu positivamente de Cruz da Ordem do Infante D. para as relações diplomáticas e

económicas entre os nossos países”, frisou. A estas distinções soma-se agora mais uma: o Diploma de “Grande Distinção de Mérito de Honra” atribuído pela primeira vez na história da CCILE. 

01.O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e o embaixador de Espanha em Portugal, Juan Manuel de Barandica.

08.Sandra Carvalho Dias, Antonio Carmona, Mónica Ariza, Mário Aparício, Luz Torrico, Ángel Maria Sainz, Juan Diaz del Rio, Julia Llata, David García e Miguel Seco

02.Nuno Amado e Celeste Hagatong

09.Armando Oliveira e Ruth Breitenfeld

03.António Vieira Monteiro e Juan Manuel de Barandica

10.Luís Nobre Guedes, Eduardo Espinar e Gabriel Chimeno

04.Nuno Amado, José Sitima e António Vieira Monteiro

11.David Garcia, José Pulido Valente, Ramón Font e Pedro Reis

05.Francisco Castro e Almeida e Luís Castro e Almeida

12.Ángel Vaca, Nuno Ribeiro da Silva e Maria Teresa Martín

06.Piedad Viñas, Clara Tur e Begoña Íñiguez

13.Jose Ignacio Mongé, Natalia Briales, Ángel Maria Sainz e Luis Jesus

07.António Madureira, Paulo Duarte, Ángel Vaca e Nuno Arruda

14.Manuel Vidal, Pedro Cunha, Sandra Carvalho Dias e Nazaré Vilar

Patrocínios:

52 act ualidad€

julho de 2017


eventos

julho de 2017

eventos

ac t ua l i da d â‚Ź 53


eventos eventos

01

Nível de jogo sobe em IV Torneio Ibérico de Padel O IV Torneio Ibérico de Padel CCILE foi marcado por jogos de elevado nível competitivo, revelando o interesse crescente desta modalidade em Portugal e deste torneio, em particular. As duplas vencedoras (quadro A e B) disputaram sete jogos cada uma.

F

Texto Actualidad€ actualidade@ccile.org Foto Sandra Marina Guerreiro sguerreiro@ccile.org

oi um torneio muito competitivo cia, e num jogo muito tático, a dupla e disputado até à última bola. formada pelos congéneres portugueses, Nesta quarta edição do Torneio e acabariam por ir à final. Na final, a Ibérico de Padel, organizado pela dupla que levou a melhor seria a de CCILE, as 31 duplas participan- Xavier Demattey e Luis Fernández-Cid, tes mostraram um elevado nível de jogo, com algumas das partidas a serem bastante renhidas, tendo levado mesmo a que se prolongasse a prova por mais tempo do que o previsto. Foi o caso da partida que opôs Andrés Osto e José María Echaniz a José Luís Leitão (anterior vencedor do torneio) e Carlos Oliveira, na meia final do quadro A (principal categoria). Este foi mesmo um dos jogos mais intensamente disputados e que reuniu maior atenção por parte dos convidados que assistiam ao torneio, realizado no Rackets Pro, na Cidade Universitária, em Lisboa, no passado dia 3 de junho. Os dois gestores espanhóis superaram com bastante perí-

54 act ualidad€

julho de 2017

que estava mais fresca da meia-final. Esta dupla já tinha dado nas vistas em anos anteriores. De referir que Luis Fernández foi vice-campeão no ano passado (com outro companheiro).

02


eventos

Antes de chegarem à final, estas duplas fizeram seis jogos, o que significa um total de sete jogos num só dia para terminar a prova. Quanto à final B, foi disputada por Pedro Ramos e Vítor Marques, que enfrentaram e venceram a dupla formada por Stephan Catarino e João Pedroso. Segundo Vítor Marques, a jogar pela primeira vez neste torneio, os sete jogos disputados na prova representaram “uma grande jornada”. Após vencerem esta final de forma renhida, a dupla, que costuma treinar e jogar junta, espera continuar a jogar no próximo torneio da CCILE. Foram, de resto, vários os jogadores que referiram, em declarações à Actualidad€, desejar voltar a participar na prova. Quanto aos atrativos da modalidade, Cláudia Soares-Mendes frisou que “este desporto, com algum treino e jeito, per-

mite uma evolução rápida” e propicia “bons momentos entre amigos”, por ser jogado em dupla. Patrocinadores satisfeitos com organização do torneio Além de ganhar cada vez mais participantes para disputar a prova, o Torneio Ibérico de Padel conta, em cada ano, com novos patrocinadores que se querem associar ao evento. A adesão de várias marcas associadas ao torneio permitiu a realização, pela primeira vez, de um sorteio de brindes entre os jogadores, e que a CCILE espera continuar a realizar nas edições seguintes (ver fotos na pág. seg.). Um dos patrocinadores que acompanha a prova desde o primeiro ano é o El Corte Inglés. Para Manuel Paula, diretor de Marketing do El Corte Inglés Portugal, o “objetivo deste patrocínio é

eventos

contribuirmos para promover a prática do padel, não só por defendermos uma vida saudável para as pessoas, para que pratiquem atividade física, como por razões comerciais, já que vendemos esta área” nos Grandes Armazéns. Manuel Paula destaca, ainda, o facto de “cada vez mais pessoas jogarem padel e praticarem desporto, bem como hábitos de vida mais saudáveis”. Quanto à possibilidade de patrocinarem o próximo torneio de padel a organizar pela CCILE, o gestor não tem dúvidas de que a cadeia comercial quer continuar ligada a esta iniciativa. A nível pessoal, Manuel Paula “ainda não” pratica esta modalidade, preferindo a corrida, mas revela que a mulher joga. Também a MAPFRE Seguros volta a patrocinar este torneio, no âmbito da sua política de apoio ao desporto. Em Portugal, o grupo tem “várias iniciativas julho de 2017

ac t ua l i da d € 55


eventos eventos

a nível desportivo, sendo o Torneio de Padel da Câmara do Comércio e Indústria Luso-Espanhola um dos apoios que se tem revelado muito interessante. O padel tem tido, ao longo dos últimos anos, um nível de adesão cada vez maior, com um crescimento de número de par56 act ualidad€

julho de 2017

ticipantes e espaços próprios para a prá- tais como o esforço, a superação, o trabatica deste desporto nas principais cidades lho em equipa e a inovação”. do nosso país”, destaca a Direção de Outra empresa patrocinadora do IV Marketing da MAPFRE Seguros. Para a Torneio Ibérico de Padel foi a Cofaco, MAPFRE, “é importante fazer parte de que, pela primeira vez, se associou a projetos desta natureza e que refletem os este evento. Carlos Perestrelo, do valores que fazem parte do nosso ADN, Departamento Comercial da conservei-


eventos

ra, frisou que “associamos as nossas marcas ao desporto e, com este patrocínio, a este desporto em particular e damos importância a termos os nossos produtos no mercado espanhol. Assim tentamos dar algum destaque, alguma visibilidade aos produtos”. Em especial, a empresa de conservas de peixe procurou dar destaque à “nova gama de sabores e molhos que estamos a lançar”, concluíu Carlos Perestrelo. A empresa não apoia outros torneios, privilegiando antes a ligação à Câmara de Comércio e

Indústria Luso-Espanhola, elogiando a organização “impecável”, o que motiva a Cofaco a voltar a patrocinar futuros eventos promovidos pela CCILE. Por seu turno, José Fonseca, diretor geral da consultora imobiliária Dom Senhorio, salienta que o patrocínio à atividade desportiva e a este tipo de torneio é uma das formas das empresas “ajudarem no âmbito da sua responsabilidade para com os clientes, com os empregados e ainda para com a sociedade”. “Nós apoiamos o desporto,

01. A dupla vencedora do torneio – Xavier Demattey e Luis Fernández-Cid – com Manuel Paula

Patrocinador Oficial

Patrocinadores

eventos

porque é uma escola para a vida, porque partilhamos valores de companheirismo, esforço, superação, etc.”, refere José Fonseca. Quanto a esta modalidade em concreto, de que é praticante, o gestor destaca inúmeras vantagens: “conjuga o trabalho individual com o trabalho em equipa” e sublinha ainda que a ligação que a Dom Senhorio tem mantido ao Torneio Ibérico de Padel “é uma forma de promover a empresa”, especialmente entre a comunidade espanhola. 

02. Sandra Mendes com a dupla vice-campeã, constituída por Jose María Echaniz e Andrés Osto

Apoio

julho de 2017

ac t ua l i da d € 57


ciência e tecnologia

Ciencia y tecnología

Megaprojeto da Siemens no Egito conta com produção portuguesa A Siemens, que está a desenvolver o seu maior projeto de sempre – que visa a expansão da produção de energia no Egipo, através da construção de três centrais elétricas de ciclo combinado – ao fim de apenas 18 meses já bateu todos os recordes na construção das centrais, ao conseguir ligar à rede 4,8 gigawatts, capacidade que supera mesmo o inicialmente pedido. A primeira fase do megaprojeto no Egipto foi inaugurada em março, pela chanceler alemã, Angela Merkel, e pelo Presidente do Egito, Abdel Fattah El-Sisi. O objetivo de aumentar a capacidade da rede em 4,4 GW não só foi cumprido como superado, uma vez que já estão ligados à rede 4,8 GW. A capacidade adicional de 400 megawatts é suficiente para fornecer eletricidade a mais de um milhão de egípcios. A fábrica de Corroios da Siemens, no concelho do Seixal, ficou responsável pela produção e fornecimento de quadros elétricos de média tensão e de quadros de comando e controlo de

turbinas para este megaprojeto, perfazendo um total de 742 unidades, das quais 666 já foram entregues – todas dentro dos prazos previstos, o que também contribuiu para antecipar a entrada em funcionamento das turbinas. Recorde-se que esta fábrica foca a sua produção em quadros elétricos de baixa e média tensão e 95% dos seus equipamentos são exportados para países como a Alemanha, Angola, Brasil, África do Sul, Austrália, México, Coreia do Sul e Emirados Árabes Unidos. Juntamente com os parceiros egípcios Elsewedy Electric e Orascom Construction, a Siemens fornecerá,

em regime chave na mão, três centrais elétricas de ciclo combinado alimentadas a gás natural, cada uma com uma capacidade de 4,8 GW, ou seja, um total de 14,4 GW. Após a conclusão do megaprojeto, prevista para maio de 2018, as três centrais serão as maiores centrais a gás de ciclo combinado do mundo, que irão permitir ao Egito poupar 1.200 milhões de euros em combustíveis fósseis. 

SiteMinder entra na América Latina e agrega já reservas em 26 mil hotéis no mundo

A

SiteMinder, a plataforma cloud global e líder do setor hoteleiro mundial, ultrapassou a barreira dos 26 mil hotéis e outros alojamentos associados 58 act ualidad€

julho de 2017

em todo o mundo, incluindo Portugal (na foto), com a incorporação da RQ Grupo Hoteleiro, uma cadeia que oferece alojamento para estadias prolongadas nas principais cidades de negócios do Chile. “Durante mais de dez anos, a SiteMinder demonstrou a sua capacidade para conetar-se com hoteleiros de todos os cantos do mundo, da Ásia Pacífico ao Reino Unido e a Europa continental, África, Médio Oriente e, mais recentemente, América”, sublinha Fig Cakar , diretorgeral da SiteMinder para o mercado americano. “O crescimento da rede da SiteMinder até alcançar os 26 mil hotéis

mostra a capacidade da nossa tecnologia e dos nossos profissionais. Ambos põem de manifesto as complexas necessidades dos hoteleiros, incluindo a gestão na sua própria língua”. Tendo em conta que o mercado de viagens da América Latina representará perto de 70 mil milhões de euros, nos próximos três anos, e o crescimento constante “das viagens online, que duplica a taxa de aumento do mercado total, os hotéis precisam de capitalizar tecnologias como a da SiteMinder e ter as melhores oportunidades para concorrer com o resto do mundo”, adiantou o mesmo responsável. 


Ciencia y tecnología

ciência e tecnologia

julho de 2017

ac t ua l i da d € 59


Setor automóvel sector automóvil

Por Nuno Ramos nrc.gmv@gmail.com

Jaguar XF SportBrake

De volta às carrinhas premium Depois do sucesso da berlina, a Jaguar deu a conhecer a segunda geração do XF Sportbrake, que representa o regresso da Jaguar ao segmento das carrinhas premium, com uma combinação atraente de design, dinâmica de condução e tecnologias.

C

Fotos DR

onstruída sobre a mesma plataforma de alumínio da berlina, mantém as curvas distintivas na secção dianteira e incorpora uma atraente linha de tejadilho que o diferencia totalmente da concorrência. O seu perfil elegante projeta um dinamismo e sentido prático, que transformam o espaço disponível dentro do veículo. Com 4,955 metros de comprimento e uma distância entre eixos de 2,960 metros, esta versão é 6 milímetros mais curta que o seu antecessor, ainda que a distância entre eixos tenha sido aumentada em 51 milímetros. Isto permitiu 60 act ualidad€

julho de 2017


sector automóvil Setor automóvel

um ganho ao nível do espaço para as pernas no banco traseiro e um aumento de 15 litros na capacidade da bagageira, agora fixada nos 565 litros. O interior disponibiliza um habitáculo espaçoso, cheio de luz natural, graças ao tejadilho panorâmico integral de 1,6 metros quadrados. De destacar ainda a vasta tecnologia disponível, começando pelo Activity Key da Jaguar– uma pulseira robusta utilizada para trancar o veículo e praticar desporto ou atividades ao ar livre sem risco de perder a chave principal. Outra tecnologia a assinalar é a dos condutores poderem configurar a altura de abertura máxima da tampa da bagageira acionada por gestos para evitar danos em locais de altura reduzida, como garagens ou parques de estacionamento. A filtragem e ionização do ar do habitáculo. Sistema que elimina os agentes contaminadores que podem entrar no veículo, aumentando a saúde e o bem-estar. Pela sua parte, os controlos por gestos da tampa da bagageira e a cortina do tejadilho panorâmico em vidro são mais uma amostra do compromisso do XF Sportbrake com a requinte dos ocupantes do veículo.

É também disponibilizado um conjunto completo de sistemas de segurança e de assistência ao condutor, entre os quais se destaca o Monitor da Condição do Condutor da Jaguar, que analisa diferentes ações do condutor para detetar sinais de sonolência e indicar que de ve fazer uma pausa. A oferta mecânica é igual à da berlina. Motores a gasolina e diesel de quatro e seis cilindros da Jaguar Land Rover. Os quatro motores a diesel, três deles de 2.0 litros, com 163, 180 e 240cavalos e um V6 3.0 litros, com 300 cavalos, que permite uma aceleração dos zero aos 100 quilómetros/

hora em 6,6 segundos. A gasolina, só vai existir um de 2.0 litros de 250 cavalos. Os preços de mercado começam nos 54 mil euros, na versão com motorização 2.0 litros a gasóleo, de 163 cavalos, e acabam nos 100 mil euros, com o diesel 3.0 V6, de 300 cavalos. O preço final de cada versão vai depender, naturalmente, do nível de equipamentos escolhidos. A futura Jaguar XF Sportbrake estará disponível no mercado nacional já este verão, mas terá de enfrentar a concorrência de propostas como a nova BMW Série 5 Touring, a Mercedes-Benz Classe E Station, a Audi A6 Avant ou a Volvo V90. 

PUB

Sponsors Oficiais Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola

julho de 2017

ac t ua l i da d € 61


barómetro financeiro

barómetro financiero

Economia com o maior crescimento em 17 anos indicador coincidente do banco O central, para medir a atividade económica, aumentou 3% em maio, o que representou o maior crescimento desde outubro do ano 2000. Os dados do Banco de Portugal apontam, deste modo, para que a economia portuguesa tenha acelerado o seu crescimento face ao primeiro trimestre, período em que cresceu 2,8% em termos homólogos, a maior taxa em 10 anos. O indicador do Banco de Portugal tem vindo a acelerar o crescimento nos últimos meses, passando de uma expansão de 1,4% em janeiro, para 1,7% em fevereiro, 2,1% em março, 2,6% em abril e 3% em maio.

Eurostat confirma descida da inflação na Zona Euro para mínimo do ano O índice de preços no consumidor na Zona Euro cresceu a um ritmo anual de 1,4%, no mês de maio, confirmou o Eurostat. A taxa registada em maio é a mais reduzida deste ano e compara com 1,9% registados em abril, o que indica uma grande travagem no crescimento dos preços na região, retirando pressão sobre o Banco Central Europeu para aliviar a política de estímulos monetários. Na reunião do BCE realizada em junho, a autoridade monetária manteve as taxas de juro e o programa de compra de ativos, embora saliente agora que não deverá ter de descer as taxas de juro na região. De acordo com o Eurostat, as telecomunicações e o vestuário foram os produtos que mais pressionaram os preços em baixa, enquanto a subida dos combustíveis impediu uma desaceleração mais acentuada.

O Governo prevê que o crescimento do PIB no segundo trimestre supere os 3%. O Banco de Portugal tem a previsão mais otimista sobre a evolução da economia nacional para este ano: 2,5%, enquanto o Governo espera 1,8%, em linha com a Comissão Europeia (1,8%) e o FMI (1,7%), já a OCDE prevê 2,1%. Algumas instituições privadas preveem aumentos em torno dos 2,5%, também. O Banco Central divulgou ainda que o indicador coincidente para o consumo privado registou em maio um crescimento de 2,7%, igual ao verificado em abril e que correspondeu ao ritmo mais elevado desde maio de 2010.

Exportações aumentam 0,4% e importações sobem 10,8% em abril As exportações aumentaram 0,4% e as importações 10,8% em abril face ao período homólogo, o que se traduziu num agravamento do défice da balança comercial para 1239 milhões de euros, divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE). Em março, as exportações e as importações tinham registado aumentos homólogos nominais de 23,8 e 14,9%, pela mesma ordem. Agora, de acordo com as estatísticas do comércio internacional do INE, a desaceleração das exportações e das importações "estará em parte associada a efeitos de calendário, mas em sentido contrário ao verificado em março de 2017". É que, em 2017, a Páscoa ocorreu em abril, enquanto em 2016 foi em março. Excluindo os combustíveis e lubrificantes, no mês de abril as exportações diminuíram 2,3% e as importações aumentaram 6,1% (respetivamente +21,1% e +15,0% em março de 2017).

Preços em Portugal caíram em maio Os preços caíram 0,2% entre abril e maio, levando a taxa de variação homóloga a abrandar cinco décimas, para os 1,5%, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE). No mês anterior, a inflação tinha acelerado graças ao efeito Páscoa, que este ano aconteceu em abril, mas que em 2016 ocorreu em março. A justificar a queda mensal nos preços, está o recuo nos preços dos transportes, que foi de 2,4%. Esta variação negativa difere da registada no mês anterior (em que se verificou um crescimento de 2,3%), bem como na do mesmo mês de 2016 (em maio do ano passado, a variação mensal de preços foi de 1%).

Este resultado está "associado, em parte, ao efeito base do feriado móvel da Páscoa", diz o INE. Por outro lado, os preços que deram o maior contributo positivo para a taxa de variação mensal foram os dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas, "com uma variação mensal de 0,4% (0,4% no mês anterior e 0,3% em Maio de 2016)", compara o INE. A queda mensal dos preços levou a um abrandamento da taxa de variação homóloga, que passou de 2% em abril para 1,5% em maio. Textos Actualidad€ actualidade@ccile.org

62 act ualidad€

julho de 2017


julho de 2017

ac t ua l i da d â‚Ź


intercâmbio comercial intercambio comercial

Intercambio comercial luso

español en enero-marzo de 2017

E

n el cuadro 1 se recogen las cifras del comercio hispano portugués referentes a los tres primeros meses del año y del mismo se desprende el importante crecimiento tanto de las ventas como de las compras españolas a su vecino Portugal. Las ventas españolas crecieron 10,6% (4.746,6 millones de euros este año frente a 4.292,8 millones de euros en 2016) y en el caso de las compras el aumento fue del 10,9% (2.788,0 millones de euros este año frente a 2.515,0 millones en el mismo periodo del año pasado). En términos mensuales, es decir comparándolo con el mes de febrero las ventas españolas crecieron un 19,1%, (1.782,6 millo-

nes en marzo frente a 1.497,3 ción en el ranking de proveedomillones en el mes) y en las com- res (el 3,5% del total de las impras españolas también se verifi- portaciones españolas tienen orica un considerable aumento del gen en Portugal). 13,2% (908,4 millones en febreEstos tres primeros meses del ro frente a los actuales 1.027,9 año han generado un superávit millones de euros). favorable a España de 1.958,6 Se habrá de destacar que en este millones de euros y una tasa de último trimestre el comercio ex- cobertura de 170,25%. Adentrándonos en la distributerior global español creció 15,3%, que corresponde a un au- ción sectorial del comercio bilamento del 14,1% en las exporta- teral que se recoge en los cuadros ciones y del 16,5% de las impor- 4 y 5 salta a la vista el liderazgo del sector Vehículos Automóvitaciones del exterior. En los cuadros 2 y 3 que ref le- les; Tractor con un peso relativo jan la distribución geográfica del muy significativo del 10,4% socomercio exterior español, Por- bre el total del comercio bilatetugal mantiene su tradicional ral. Otras importantes partidas quinta posición entre los clientes de la oferta española son las máde España (Portugal absorbió el quinas y aparatos mecánicos con 6,8% del total de las exportacio- 343,3 millones de euros y las manes españolas) y la octava posi- terias plásticas; sus manufactu-

Balanza

1.Balanza comercial de España con Portugal en enero-marzo de 2017 VENTAS ESPAÑOLAS 16

COMPRAS ESPAÑOLAS 16

Saldo 16

VENTAS Cober(%) 16 ESPAÑOLAS 17

COMPRAS ESPAÑOLAS 17

Saldo 17

Cober (%) 17

ene

1.265.646,00

754.840,44

510.806

167,67

1.466.668,97

851.614,13

615.055

172,22

feb

1.465.191,08

827.300,47

637.891

177,11

1.497.298,88

908.400,89

588.898

164,83

mar

1.561.949,47

932.848,80

629.101

167,44

1.782.642,64

1.027.991,04

754.652

173,41

abr

1.477.756,94

899.902,04

577.855

164,21

0,00

0,00

0

0,00

may

1.525.932,63

937.979,01

587.954

162,68

0,00

0,00

0

0,00

jun

1.612.563,57

935.179,29

677.384

172,43

0,00

0,00

0

0,00

jul

1.567.605,41

940.868,83

626.737

166,61

0,00

0,00

0

0,00

ago

1.390.294,43

756.495,36

633.799

183,78

0,00

0,00

0

0,00

sep

1.623.011,96

955.459,47

667.552

169,87

0,00

0,00

0

0,00

oct

1.589.508,93

882.210,88

707.298

180,17

0,00

0,00

0

0,00

nov

1.603.921,81

960.943,67

642.978

166,91

0,00

0,00

0

0,00

dic

1.505.480,32

823.968,22

681.512

182,71

0,00

0,00

0

0,00

18.188.862,55

10.607.996,48

7.580.866

171,46

4.746.610,49

2.788.006,06

1.958.604

170,25

Total

Valores en Miles de Euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia

64 act ualidad€

julho de 2017


Rankings 2.Ranking principales países clientes de España enero-marzo de 2017

ras con 311,2 millones de euros. En la demanda española destacan los combustibles, aceites minerales con 186,9 millones de euros y las materias plásticas; sus manufacturas con 180,1 millones de euros. Respecto a la distribución geográfica del comercio bilateral según las Comunidades Autónomas, más del 24% de la oferta española a Portugal tiene su origen en Cataluña cuya cifra de ventas supera ya los 1.137,3 millones de euros, seguido de Madrid con 690 millones de euros y Galicia con 644 millones de euros. Por lo que a las compras españolas se refiere, Galicia encabeza la lista con 511,8 millones de euros, seguido de Cataluña con 426,4 millones de euros y la Comunidad Autónoma de Madrid con 409,9 millones de euros. 

Orden País 1

001 Francia

10.678.377,59

2

004 Alemania

7.909.281,22

3

005 Italia

5.956.079,79

4

006 Reino Unido

5.206.301,45

5

010 Portugal (d.01/01/86)

4.746.610,49

6

400 Estados Unidos

3.054.794,48

7

003 Países Bajos

2.359.976,77

8

017 Bélgica (d.01/01/99)

2.201.407,13

9

204 Marruecos

1.890.911,35

10

720 China

1.528.354,61

11

060 Polonia

1.419.232,37

12

052 Turquía

1.281.666,65

13

039 Suiza (d.01/01/95)

1.091.439,32

14

412 México

1.003.166,23

15

208 Argelia

644.857,05

16 17 18 19 20

Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola Email: ccile@ccile.org

038 Austria 732 Japón 952 Avituallamiento terceros 030 Suecia 632 Arabia Saudí SUBTOTAL TOTAL

638.587,48 618.138,62 610.408,27 601.035,88 598.215,14 54.038.841,89 69.741.525,85

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T. y elaboración propia

3.Ranking principales países proveedores de España enero-marzo 2017 Orden País 1

Las empresas que deseen información más concreta sobre el comercio bilateral deberán ponerse en contacto con la Cámara que con mucho gusto les facilitará los datos:

Importe

004 Alemania

4.Ranking principales productos comprados por España a Portugal enero-marzo de 2017 Orden Sector 87 VEHÍCULOS AUTOMÓVILES; TRACTOR

321.518,97

2

27 COMBUSTIBLES, ACEITES MINERAL.

186.930,07

3

39 MAT. PLÁSTICAS; SUS MANUFACTU.

180.054,55

4

61 PRENDAS DE VESTIR, DE PUNTO

161.451,80

5

72 FUNDICIÓN, HIERRO Y ACERO

146.233,61

6

84 MÁQUINAS Y APARATOS MECÁNICOS

145.744,06

7

94 MUEBLES, SILLAS, LÁMPARAS

124.778,00

8

85 APARATOS Y MATERIAL ELÉCTRICOS

108.475,89

9

73 MANUF. DE FUNDIC., HIER./ACERO

001 Francia

8.196.211,58

720 China

6.122.162,49

4

005 Italia

4.950.655,85

5

400 Estados Unidos

3.664.575,25

6

006 Reino Unido

3.202.441,81

7

003 Países Bajos

3.018.608,19

8

010 Portugal (d.01/01/86)

2.788.006,06

9

017 Bélgica (d.01/01/99)

1.936.747,70

10

204 Marruecos

1.831.034,95

11

052 Turquía

1.473.782,01

12

208 Argelia

1.437.846,73

13

060 Polonia

1.320.802,63

14

288 Nigeria

1.147.996,42

15

061 República Checa (d.01/01/93)

1.133.698,03

16

412 México

1.120.973,64

17

732 Japón

18

664 India

19

728 Corea del Sur (Rep. de Corea)

20

632 Arabia Saudí

2.788.006,06

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T. y elaboración propia

5.Ranking principales productos vendidos por España a Portugal enero-marzo de 2017 Orden Sector

Importe

1

87 VEHÍCULOS AUTOMÓVILES; TRACTOR

457.537,81

2

84 MÁQUINAS Y APARATOS MECÁNICOS

343.320,17

3

39 MAT. PLÁSTICAS; SUS MANUFACTU.

311.158,28

4

27 COMBUSTIBLES, ACEITES MINERAL.

272.704,46

5

85 APARATOS Y MATERIAL ELÉCTRICOS

225.439,29

6

02 CARNE Y DESPOJOS COMESTIBLES

142.644,95

7

62 PRENDAS DE VESTIR, NO DE PUNTO

141.591,34

8

15 GRASAS, ACEITE ANIMAL O VEGETA

141.439,32

9

03 PESCADOS, CRUSTÁCEOS, MOLUSCOS

132.575,79

TOTAL

4.746.610,49

Valores en miles de euros. Fuente: A.E.A.T. y elaboración propia

6.Evolución del Intercambio Comercial Portugal-España 2017

9.941.087,77

2

93.872,74

TOTAL

Importe

3

Importe

1

7.Ranking principales CC.AA. proveedoras/clientes de Portugal enero-marzo 2017 CC.AA.

VENTAS ESPAÑOLAS 17

COMPRAS ESPAÑOLAS 17

1.023.441,70

Cataluña

1.137.311,43

Galicia

511.812,12

1.015.187,29

Madrid, Comunidad de

690.041,25

Cataluña

426.441,53

936.318,66

Galicia

643.993,59

Madrid, Comunidad de

409.860,78

934.016,13

Andalucía

551.821,50

Comunitat Valenciana

259.609,71

SUBTOTAL

57.195.594,90

Castilla-La Mancha

320.219,24

Andalucía

255.206,17

TOTAL

76.940.812,63

Castilla y León

284.636,04

Castilla y León

193.419,31

Valores en Miles de Euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia.

Valores en Miles de Euros. Fuente: A.E.A.T y elaboración propia.

julho de 2017

ac t ua l i da d € 65


oportunidades de negócio

oportunidades de negocio

Empresas Portuguesas

Oportunidades de

negócio à sua espera

BUSCAN

REFERENCIA

Fabricantes españoles de productos de cosmética para vender en tienda online portuguesa

DP170302

Distribuidores españoles de vino

DP170303

Empresas españolas proveedoras de loza para restaurantes

DP170401

Fabricantes españoles de equipamientos de extracción de humos para claraboyas

DP170402

Empresas exportadoras del País Vasco para Portugal

DP170403

Proveedores españoles de hojas de papel de aluminio para decorar tartas

DP170404

Empresas españolas fabricantes de pañales para bebés

DP170601

Empresas de contabilidad en Vigo

DP170602

Empresas españolas fabricantes de elástico entrenzado de tres cm para fabricar cinturones de hombre Empresas españolas de los sectores químico y petroquímico para poder ofrecer materias primas (productos químicos de limpieza, higiene y desinfección)

DP170603

Empresas españolas del área de las artes gráficas y fotografía para presentar sus servicios

OP170401

Agentes comerciales en España Empresas españolas interesadas en representar el proyecto "My Perfect Way" (paquetes turísticos de senderismo y montañismo)

OP170601

OP170301

OP170602

Empresas Espanholas PROCURAM

REFERÊNCIA

Empresas portuguesas que exportem flores e plantas vivas

DE170601

Empresas portuguesas de contabilidade e assessoria fiscal Empresas portuguesas importadoras de produtos de limpeza para a indústria automóvel Matadouros portugueses de suínos homologados para a Coreia

DE170602 DE170603 DE170604

Fábricas portuguesas de cerâmica decorativa

DE170605

Fabricantes portuguesas de fatos de noivo e parkas na zona do Porto e arredores Fábricas em Portugal de papel, celulose e guardanapos Empresas portuguesas do ramo da injeção de plásticos e da indústria automóvel Empresa espanhola do setor dos congelados procura agente comercial para Portugal Empresa espanhola representante de marcas e produtos relacionados com a medicina desportiva/ ortopedia e puericultura procura profissionais de vendas com experiência no setor farmacêutico Empresa espanhola especializada no setor da decoração e no setor infantil procura agentes comerciais para Portugal Empresas portuguesas importadoras/ distribuidoras em Portugal para apresentar os seus produtos (vinhos e cervejas) Empresas portuguesas de venda online de tecnologia para apresentar a sua empresa (do mesmo setor) para expansão em Portugal

DE170606 DE170607 DE170608 OE170302 OE170304 OE170305 OE170601 OE170602

Legenda: DP-Procura colocada por empresa portuguesa; OP-Oferta portuguesa; DE - Procura colocada por empresa espanhola; OE- Oferta espanhola

Las oportunidades de negocios indicadas han sido recibidas en la CCILE en los últimos días y las facilitamos a todos nuestros socios gratuitamente. Para ello deberán enviarnos un fax (21 352 63 33) o un e-mail (ccile@ccile.org), solicitando los contactos de la referencia de su interés. La CCILE no se responsabiliza por el contenido de las mismas. As oportunidades de negócio indicadas foram recebidas na CCILE nos últimos dias e são cedidas aos associados gratuitamente. Para tal, os interessados deverão enviar um fax (21 352 63 33) ou e-mail (ccile@ccile.org), solicitando os contactos de cada uma das referências. A CCILE não se responsabiliza pelo conteúdo das mesmas.

66 act ualidad€

julho de 2017


oportunidades de negocio

oportunidades de negĂłcio

julho de 2017

ac t ua l i da d â‚Ź 67


calendário fiscal calendario fiscal >

Julho Prazo

Imposto

Até

Declaração a enviar/Obrigação

S

T

Q

Q

S

Entidades Sujeitas ao cumprimento da obrigação

10

IVA

Declaração periódica e respetivos anexos, relativa às operações efetuadas em maio/2017

Contribuintes do regime normal mensal

10

Segurança Social

Declaração de remunerações relativa a junho/2017

Entidades empregadoras

10

IRS

Declaração mensal de remunerações - AT, relativa a junho/2017

Entidades devedoras de rendimentos

15

IRC/IRS/IVA/ Selo

IES - Declaração Anual relativa ao exercício/ ano de 2016

Sujeitos passivos do IRC, com período de tributação coincidente com o ano civil e sujeitos passivos do IRS com contabilidade organizada

15

IRC

Constituição do processo de documentação fiscal, do exercício de 2016, incluindo a documentação relativa à política de preços de transferência

Sujeitos passivos do IRC

20

Segurança Social

Pagamento das contribuições e quotizações relativas às remunerações de junho/2017

Entidades empregadoras

20

IRS/IRC/ SELO

Pagamento das retenções de IRS e IRC ou imposto do selo referentes a junho/2017

Entidades devedoras dos rendimentos e do imposto do selo

20

IVA

Entrega da declaração recapitulativa relativa às transmissões intracomunitárias de bens e/ou prestações de serviços realizadas em junho/2017, que se consideram localizadas no Estado membro do adquirente

Contribuintes do regime normal mensal, ou do regime trimestral quando o total das transmissões intracomunitárias de bens tenha excedido 50.000 € no trimestre em curso ou em qualquer dos quatro trimestres anteriores

20

IVA

Declaração recapitulativa relativa às transmissões intracomunitárias de bens e/ ou prestações de serviços realizadas no 2º trimestre/2017, que se consideram localizadas no Estado membro do adquirente

Contribuintes do regime trimestral quando o total das transmissões intracomunitárias de bens não tenha excedido 50.000 € no trimestre em curso ou em qualquer dos quatro trimestres anteriores

20

IRS

1º pagamento por conta do IRS 2017

Sujeitos passivos do IRS com rendimentos empresariais e profissionais

20

IVA

Comunicação dos elementos das faturas emitidas em junho/2017

Sujeitos passivos do IVA (pessoas singulares ou coletivas)

31

IRC/IRS

Declaração Mod 30 – Rendimentos pagos ou colocados à disposição de não residentes, em maio de 2017

Entidades pagadoras dos rendimentos

31

IRC

1º Pagamento por conta do IRC de 2017

Sujeitos passivos do IRC que desenvolvem a título principal, atividade de natureza comercial, industrial ou agrícola, cujo período de tributação seja coincidente com o ano civil

31

IRC

1º Pagamento adicional por conta (derrama estadual) do exercício de 2017

Sujeitos passivos do IRC que desenvolvem a título principal atividade de natureza comercial, industrial ou agrícola, que tenham tido no ano anterior um lucro tributável superior a 1.500.000 €

31

IVA

Pedido de restituição do IVA suportado em 2016 noutro Estado membro da UE

Sujeitos passivos do IVA

31

IMI

Pagamento da 2.ª prestação do IMI, referente a 2016, quando o seu montante seja superior a 500€

Sujeitos passivos do IMI

68 act ualidad€

julho de 2017

S

D

S

T Q

Q

S

S

D

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

Observações

Rendimentos do trabalho dependente sujeitos a IRS (incluindo os rendimentos isentos ou excluídos da tributação)

Aplicável aos sujeitos passivos do IVA, isentos ao abrigo do artº 53º do CIVA, que tenham efetuado prestações de serviços que se considerem localizadas noutros estados membros da UE

Comunicação por:

- Transmissão eletrónica de dados (faturação eletrónica) através do Webservice da AT; - Envio do ficheiro SAF-T(PT), através do Portal da AT; - Recolha direta no Portal da AT

Não é aplicável qualquer limitação ou dispensa quanto ao 1º ou 2º pagamento por conta

Pode ainda ser enviada até 30 de setembro


bolsa de trabajo Bolsa de trabalho

Página dedicada à divulgação de Currículos Vitae de gestores e quadros disponíveis para entrarem no mercado de trabalho Código

Sexo

Data de Nascimento Línguas

Área de Atividade

BE170138

F

BE170139

F

13/04/1979

ESPANHOL/ INGLÊS/ POLACO

PROFESSORA DE ESPANHOL

ESPANHOL/ PORTUGUÊS/ GALEGO/ INGLÊS

JORNALISMO

BE170140

M

24/03/1972

BE170141

M

22/07/1954

INGLÊS

ÁREA COMERCIAL E APOIO AO CLIENTE

BE170142

F

09/10/1988

INGLÊS/ PORTUGUÊS

ADVOCACIA

BE170143

F

07/12/1984

INGLÊS/ ESPANHOL/ FRANCÊS

COMUNICAÇÃO SOCIAL

BE170144

F

17/06/1981

FRANCÊS/ INGLÊS/ ESPANHOL

ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EVENTOS

BE170145

F

POLACO/ INGLÊS/ ESPANHOL/ ALEMÃO/ PORTUGUÊS

SECRETARIADO E REGISTO MERCANTIL

BE170146

F

02/12/1981

FRANCÊS/ INGLÊS/ ESPANHOL

SECRETARIADO/ GESTÃO DE MARCAS INTERNACIONAIS

BE170147

M

10/04/1979

FRANCES/ INGLÊS/ ESPANHOL/ ALEMÃO

GESTOR DE NEGOCIOS INTERNACIONAIS

BE170148

F

15/12/1992

INGLÊS/ ESPANHOL

PLANEAMENTO E GESTÃO DO TERRITÓRIO

SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS

BE170149

F

INGLÊS

RELAÇÕES INTERNACIONAIS

BE170150

M

INGLÊS/ FRANCÊS

CONSULTORIA INFORMÁTICA

BE170151

F

BE170152

M

BE170153

M

14/11/1975 1983

INGLÊS/ FRANCÊS/ RUSSO

CONTABILIDADE E GESTÃO DE TESOURARIA

INGLÊS/ PORTUGUÊS

ENGENHARIA MECÁNICA

INGLÊS

TECNOLOGIA MECÂNICA

Os Currículos Vitae indicados foram recebidos pela CCILE e são cedidos aos associados gratuitamente. Para tal, os interessados deverão enviar um e-mail para rpinto@ccile.org, solicitando os contactos de cada uma das referências. A CCILE não se responsabiliza pelo conteúdo dos mesmos. Los Currículos Vitae indicados han sido recibidos en la CCILE y los facilitamos a nuestros socios gratuitamente. Para ello deberán enviarnos un e-mail para rpinto@ccile.org, solicitando los contactos de cada referencia de su interés. La CCILE no se responsabiliza por el contenido de los mismos.

n o v ejm u bl h r o d e 2 0 1 47

PUB

ac t ua l i da d € 69


espaço de lazer

espacio de ocio

Agenda cultural Livro

“História de Portugal em 40 Objetos”

Chamava-se Hilda Puga, era alentejana e trabalhava numa camisaria na Baixa de Lisboa, quando, aos 16 anos, o escultor Simões de Almeida a convidou para ser sua modelo. É dela o rosto que serviu de modelo para o busto da República Portuguesa, esculpido pelo artista, em 1910, o ano em que Portugal se converteu numa República. A história da escultura original (da qual se fizeram algumas réplicas) é contada por Sérgio Luís de Carvalho no seu livro “História de Portugal em 40 Objetos”, como também é contada a da andorinha de cerâmica criada por Rafael Bordalo Pinheiro em 1891 e que protagoniza a capa desta edição da Planeta, bem como várias paredes de lares portugueses. Partindo de uma seleção de 40 objetos, o autor conta episódios da História de Portugal ao longo dos séculos, ressalvando que a maior dificuldade foi reduzir a lista apenas para 40, já que Portugal é rico em património. “Que segredos nos reservarão um provador de vinho, uma caneca de cerveja e uma tijela? Que factos nos serão revelados por meio de uma placa funerária, um marco de berma de estrada, uma moeda?”As respostas estão neste livro ilustrado, que faz paragens em vários momentos da História de Portugal. Sérgio Luís de Carvalho é formado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

70 act ualidad€

julho de 2017

Exposições, Música, Cinema Jardim de Verão, na Gulbenkian

“Depois do sucesso da 1ª edição, que em 2016 assinalou o 60º aniversário da Fundação Calouste Gulbenkian, uma grande diversidade de iniciativas volta a animar o jardim e outros espaços da Fundação, ao longo de quase um mês, com a programação a intensificar-se aos fins-de-semana”, assinala o comunicado sobre a 2º edição da iniciativa “Jardim de Verão”. Entre os pontos altos da programação, destaque para o espetáculo da francesa Jane Birkin, que vem a Portugal no dia em que França comemora a Tomada da Bastilha, a 14 julho, cantar temas do excompanheiro Serge Gainsbourg, falecido em 1991. Neste concerto, Jane Birkin revisita em versão sinfónica duas dezenas de temas, como La Javanaise, Jane B, Babe Alone in Babylone, La Chanson de Prévert, Requiem pour un con, Initiales BB, My Lady Heroine ou Lost Song, que a artista britânica vai interpretar na companhia do pianista japonês Nobuyuki Nakajima e da Orquestra Gulbenkian, dirigida por Jan Wierzba. De assinalar ainda o ciclo “A Gulbenkian e o Cinema Português”, que exibe filmes de cineastas portugueses, que contaram com o apoio da Fundação Gulbenkian, sobretudo na última década, como é o caso de Filipa César, Filipa Reis, Gabriel Abrantes (em colaboração com Ben Rivers), João Miller Guerra, João Niza, João Pedro Rodrigues, João Salaviza, João Viana, Leonor Noivo, Leonor Teles, Marco Martins, Miguel Gomes, Patrick Mendes, Pedro Peralta, Pedro Pinho, Sérgio da Costa (em colaboração com Maya Cosa), Susana Nobre e Tomás Baltazar. Este verão, “a Fundação Gulbenkian associa-se aos eventos que assinalam o centenário da guerra de 1914-1918, trazendo à reflexão uma perspetiva cultural e social do impacto que o conflito teve em Portugal”. A participação de Portugal na Grande Guerra teve “efeitos económicos, sociais e culturais que se refletiram no quotidiano dos portugueses e na sua relação com o exterior”, como será possível percecionar e debater com a exposição “Tudo se desmorona’: Impactos Culturais da Grande Guerra em Portugal”, atualmente em exibição. A Fundação Gulbenkian garante que este Jardim de Verão está recheado de “concertos, filmes, conferências, exposições e visitas orientadas, leituras encenadas, conversas, workshops e outras atividades para famílias”, num “programa que reflete a intervenção multifacetada da Fundação Gulbenkian, não apenas no campo das artes, mas também na ciência e nos projetos comunitários que apoia e promove”.

Até 20 julho, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa

Lisboa e Pequim, unidas pela fotografia e pelas motos Nuno Pires, Pedro Roque, Hélder Serôdio e Pepe Brix terminaram, a 3 de julho de 2015, no Casino Lisboa, uma expedição, que começou na capital portuguesa e os levou a Pequim. “Lisboa-Pequim-Lisboa” é o resultado do registo fotográfico dessa viagem e está em exposição na Galeria de Arte, localizada na área circundante ao Arena Lounge, do Casino de Lisboa. Da autoria de Pepe Brix, as fotos resumem uma viagem de 60 dias, cerca de 30 mil quilómetros, feita em três motos: “Tudo nesta viagem nos mostrou sempre que é mais


espacio de ocio

importante a viagem do que qualquer destino proposto. O caso mais evidente foi aquele em que ao chegarmos à fronteira entre o Quirguistão e a China, nos foi negada a passagem com as motos. As autoridades conduziram-nos até à cidade chinesa mais próxima da fronteira e tivemos de lá ficar durante quatro dias até percebermos que não havia alternativa alguma senão voltar atrás. Depois de voltarmos para o Quirguistão a televisão dava-nos a notícia: um atentado terrorista tinha ceifado a vida a dezenas de pessoas e outras tantas tinham sido presas na cidade de Kashgar. A cidade onde estaríamos no sábado do atentado se as autoridades nos tivessem deixado passar”. No espaço serão exibidos quatro filmes que testemunham a aventura e o itinerário percorrido ao longo de 20 países.

Até 31 de agosto, no Casino de Lisboa

espaço de lazer

Coleção de Serralves no Porto de Leixões Ponto de passagem para os turistas, o novo Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões acolhe agora “Passagens: A Coleção de Serralves no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões”. A mostra exibe mais de 30 obras de 16 artistas: Ignasi Aballí, Fernando Aguiar, António Barros, Rui Chafes, João Paulo Feliciano, Carla Filipe, Lívia Flores, Marcius Galan, Runa Islam, Ana J o t t a , Richard Long, Cristina Mateus, Antoni Muntadas, Bruce Nauman, Maria Nordman, Paulo Nozolino, Dennis Oppenheim, Miguel Palma, Fernando José Pereira, Pedro Cabrita Reis, Sebastião Resende, Avelino Sá, António Sena, João Tabarra, Pedro Tudela e Gilberto Zorio.

Até 17 de setembro, no Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões, em Matosinhos Textos Susana Marques smarques@ccile.org Fotos DR

Bienal de Cerveira em itinerância pelo Minho e Galiza “Da Pop-Arte às Transvanguardas, Apropriações da arte popular” é o tema da XIX Bienal de Arte de Cerveira que começa a 15 de julho e se prolonga até 16 de setembro. A decorrer está já o projecto de itinerância da Bienal. Ourense deu o pontapé de partida do circuito itinerante com a exposição “Entre o pincel e o rato”, inaugurada no passado dia 22, no Centro Cultural Marcos Varcárcel, e que “propõe ao visitante uma reflexão sobre a evolução das formas de comunicação inerentes às obras de arte”. O Museu Municipal de Caminha exibirá a partir de 22 de julho a até 31 de agosto a exposição “Paisagem no Acervo”. Também este mês, a partir do dia 29 e até 15 de setembro, o Centro Cultural do Instituto Camões em Vigo apresentará ao público a mostra “Aquarte – Uma mirada galaico-portuguesa sobre o rio Minho 2017”. Trata-se de “um projeto de cooperação cultural transfronteiriça que apresenta a visão de oito jovens artistas das duas margens do rio Minho. Mais tarde, o Centro Cultural de Paredes de Coura apresentará uma circulação de esculturas relacionadas com as “Representações da Figura Humana” (25 de agosto a 1 de outubro). O coordenador artístico da mais antiga Bienal de Arte portuguesa e da Península Ibérica, em atividade, Cabral Pinto frisa que “estas mostras abrem portas a diálogos e expetativas de

como a obra de arte pode ser um meio de comunicação intercultural, esbatendo fronteiras”. Por sua vez, o Presidente da FBAC, Fernando Nogueira sublinha que “a coleção do Museu Bienal de Cerveira, que reúne cerca de 600 obras de arte contemporânea avaliadas em mais de um milhão de euros, é a base das itinerâncias desta 19.ª edição, indo de encontro com a estratégia de descentralização cultural adotada pela Fundação Bienal de Arte de Cerveira”. Além do habitual concurso de arte, que este ano tem 206 peças de 149 autores, provenientes de 25 nacionalidades diferentes, que serão expostas no certame entre 15 de julho e 16 de setembro, um dos pontos altos da XXIX Bienal será a homenagem a Paula Rego, cuja ligação ao evento remonta a 1995, “ano em que a reprodução da sua pintura “Guarda” foi capa do catálogo da VIII Bienal Internacional de Arte de Vila Nova de Cerveira”. Destaque também para a VIII Bienal de Jovens Criadores da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa, que decorre também em Vila Nova de Cerveira, entre 22 e 30 de Julho, integrando a programação da XIX Bienal de Cerveira.

Em Ourense, Vigo, Caminha e Paredes de Coura junho de 2017

ac t ua l i da d € 71


espaço de lazer

espacio de ocio

Happy, com o chefe Pedro Moreira

A fórmula de felicidade do chefe Pedro Moreira inclui comida de sabor caseiro, preparada com técnicas requintadas e apresentada com um toque contemporâneo, num espaço confortável e informal. O primeiro projeto pessoal do chefe chama-se Happy e é um regresso à terra onde nasceu, a Amadora. Texto Susana Marques smarques@ccile.org Fotos Sandra Marina Guerreiro

D

epois de vários anos de experiência em cozinhas de hotéis, catering e restaurantes em Lisboa, Pedro Moreira andava à procura de um espaço para desenvolver o seu primeiro projeto pessoal. Natural da Amadora, o chefe já havia sido desafiado pela autarca local para aí sediar um restaurante que elevasse o nível da oferta gastronómica da cidade. O destino piscou-lhe o olho quando percebeu que uma antiga hamburgueria, “onde já tinha sido feliz”, na adolescência, estava para trespasse. Foi assim que a “Happy Burguer” deu lugar à “Happy”, com a assinatura “Comida caseira”. Para Pedro Moreira, fazia sentido manter

72 act ualidad€

julho de 2017

o nome, já que se tratava de “um espaço icónico da Amadora”, tendo sido “a primeira hamburgueria da cidade”. Além disso, o nome faz eco do que considera ser um dos objetivos da gastronomia: “fazer as pessoas felizes, através dos sabores, do serviço, do ambiente e do convívio”. Formado pela escola de Hotelaria de Lisboa, Pedro Moreira iniciou a sua carreira no Olissippo Lapa Palace, em Lisboa. Depois integrou a equipa que inaugurou a Quinta da Marinha e, quase em simultâneo, começou a colaborar com a Casa do Marquês. Trabalhou na cozinha do Alcântara Café antes de ascender a subchefe do Miragem. Em 2006, fez a abertura do Arriba e tornou-se chefe

dos restaurantes do Páteo Alfacinha – a Mercearia e a Horta – onde permaneceu três anos, antes de se lançar neste projeto. Alicerçado nesta experiência, Pedro Moreira promete combinar “produtos de qualidade confecionados com técnicas atuais, com sabor de comida caseira, mas apresentado com um toque contemporâneo” com “um ambiente informal, onde as pessoas se sintam em casa”. Assim, quem visitar o Happy, na Amadora, poderá ser brindado com uns surpreendentes cones guarnecidos com croquete de alheira e maionese agridoce. Isto depois de provar as pastas caseiras (ervas, foie gras com azeitona, e açafrão com mel) servidas em tubo e prontas a


espacio de ocio

barrar no pão de milho amarelo e branco. O Happy tem duas cartas: a “petiscar e conversar” ou a “receber e aconchegar”. Na primeira sobressaem os ovos escangalhados com chouriço de porco preto, o pica pau do mar, que inclui camarão, mexilhão e polvo, o camarão salteado ao alho com maionese de manga, o lombo de atum sobre cebolada roxa, orégãos e redução de balsâmico ou as bochechas de porco preto com alecrim, confitadas a baixa temperatura e acompanhadas com palitos de batata frita a duas temperaturas. “Primeiro a batata é bringida em lume brando e depois é frita numa temperatura mais alta, mas abaixo dos 180 graus”, explica o chefe, acrescentando que se trata de uma proposta mais saudável, já que o óleo não chega a atingir temperaturas demasiado altas. Da ementa “receber e aconchegar” faz parte uma sopa, que “é todos os dias diferente”. Em jeito de homenagem à antecessora Happy Burguer há hambúrgueres, pregos e bifanas servidas em bolo do caco.

Na secção a que Pedro Moreira chama de “os nossos pratos” figuram o bitoque de lombo de atum fresco, ovo e batata agria, lombo de bacalhau assado na telha com legumes e batata na chapa, risoto do mar, risoto de mix de cogumelos (boletos, pleurotus e shitake) perfumado com óleo de trufa, bochechas de porco preto confitado em sous-vito com chips de batata doce e legumes salteados, entre outras propostas. Pedro Moreira conta que “o que tem feito mais sucesso são os pratos de carne maturada”, nomeadamente “a picanha, o entrecôte nacional e, sobretudo, o chuletón”. O chefe explica que se trata de uma carne com bastante gordura, que é maturada durante 30 dias, num frigorífico especial, sem humidade. Este processo faz com que “a carne ganhe muito sabor, o que a faz dispensar qualquer outro tempero”, na maioria das vezes. Estes pratos de carne maturada grelhada são servidos com batatas fritas e com o molho bearnês do chefe. No capítulo das sobremesas, o chefe

espaço de lazer

Pedro Moreira conta com o talento de Kackeline Barbosa, a comprovar através da “delícia de banana”, onde o fruto surge em três texturas diferentes (desidratada e crocante, puré de banana e ao natural). Pode também optar pela versão brasileira do típico “Romeu e Julieta”, feita com queijo da Serra da Estrela e goiabada (em vez da habitual marmelada), pela mousse de maracujá ou pelo cheesecake de Nutella com flor de sal. Pedro Moreira não descurou a oferta de bebidas, propondo o que chama de “bolhas para acompanhar as entradas” (espumantes), sangria, vinhos brancos e tintos, com destaque para os rótulos Encostas do Olival (Leiria). Ao almoço, nos dias úteis, o restaurante apresenta a “Sugestão do Chefe”, que inclui um prato à escolha de entre três sugestões, uma bebida e café, por 7,50 euros. 

Happy - Comida Caseira Rua Alfredo Keil, 26, Venteira, Amadora Tel.: 913 912 726

julho de 2017

ac t ua l i da d € 73


últimas

últimas

Statements Para pensar

“Um progresso significativo foi conseguido em Portugal em várias frentes, este é o primeiro ponto que temos de ter em mente (...) vulnerabilidades significativas, especialmente no setor da banca, onde há ainda níveis elevados de crédito malparado, como acontece em outros países da periferia [da Zona Euro], e essas vulnerabilidades têm de ser resolvidas”

Mario Draghi, presidente do BCE, sobre os progressos da economia portuguesa, “O Jornal Económico”,

29/5/2017

• Assessoria ao Comércio Externo • Missões Empresariais • Serviço de Tradução e Intérprete • Recuperação de IVA • Seminários / Conferências • Almoços de empresários • Revista Actualidad€ Economia Ibérica • Torneio Ibérico de Golfe e Padel • Eventos sociais • Formação

Interlocutor Privilegiado nas Relações Bilaterais Portugal / Espanha www.portugalespanha.org Av. Marquês de Tomar, Nº 2, 7º Piso, 1050-155 Lisboa Tel Geral: (+351) 213 509 310, e-mail: ccile@ccile.org

“Em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, o PIB aumentou 1,9% na Zona Euro e 2,1% na União Europeia, no primeiro trimestre de 2017, após uma subida de 1,8% e uma de 2,0%, respetivamente, no trimestre anterior. Durante o primeiro trimestre de 2017, o PIB nos Estados Unidos aumentou 0,3% em relação ao trimestre anterior (após de aumentar 0,5% no quarto trimestre de 2016)”

Documento do Eurostat sobre o crescimento da economia portuguesa, que registou o quinto maior crescimento da Zona Euro, “O Jornal Económico”, 8/6/217

“As exportações vão continuar a apoiar o crescimento, beneficiando das reformas estruturais dos anos recentes [no entanto] a procura interna não deverá recuperar fortemente, tendo em conta os níveis persistentemente elevados do endividamento no setor privado”

Relatório da OCDE, sobre as previsões de crescimento de Portugal em 2018, “Expresso”, 7/6/17

“Estamos perante países ou em recuperação (caso da Argentina) ou em consolidada expansão (caso do Chile). Há um potencial de crescimento nestes mercados para as empresas portuguesas, sobretudo nos setores das infraestruturas e do fornecimento de equipamentos” Fonte oficial do Governo português, em declarações à Agência Lusa, referindo que tanto a Argentina, como o Chile, apresentam projeções de crescimento na ordem dos 2% para este ano, sendo, todavia, mercados onde a presença de empresas nacionais ainda é relativamente baixa


Actualidade Economia Ibérica - nº 241  

Edição de julho 2017

Advertisement