__MAIN_TEXT__
feature-image

Page 16

18

Poesia Ana Duque* São migalhas, meu senhor 0 amor não se estraga. Dá-se aos bocadinhos, como pão para as pombas que correm a bicar nas migalhas. Enche-se uma mão e atira-se ao ar, esperando que fiquem presas pelo bico num voo alto, rasante ao nosso coração. Na praça da paixão eu passo as tardes sentada numa escada de igreja a vê-las juntar-se e afastar-se tontas nos caminhos. Apressadas. Depois param. Entortam a cabeça em movimento rápido e miram-me. De lado.

Sabem que te espero ao fim da tarde e tenho um punhado de pedaços do meu carinho para compores como uma manta de retalhos. Com migalhas fazemos o pão-nosso de cada dia juntos. Porque o amor, já lhe disse meu senhor, não se estraga. Amassa-se devagarinho e dá-se de comer aos corações.

* Pseudónimo de Arminda Rosa Pereira, natural do Porto. Foi actriz do Teatro Experimental do Porto e colabora na tertúlia Onda Poética de Espinho. Colaboradora da Notícias Magazine e do Jornal de Letras.

Profile for Villa da Feira LAF

Villa da Feira 13  

Revista, Villa

Villa da Feira 13  

Revista, Villa

Advertisement

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded

Recommendations could not be loaded