Page 1

R

A Revista de Lauro de Freitas e Região

Mirela Macedo, deputada estadual

Irmã Carol, líder religiosa

Adriana Ribeiro, médica

Ano 21 Edição 242| Março 2019

Ana Andrade, professora e empresária

8 de Março Dia Internacional da Mirian Martinez, vereadora

Ana Cleide, empresária

Mameto Lúcia, líder religiosa do Terreiro São Jorge Filho da Goméia

MULHER Mães, esposas, donas de casa, empresárias, educadoras, profissionais liberais, políticas, líderes religiosas, bancárias... Nossa homenagem à todas as mulheres da nossa cidade

Zizette Balbino, advogada e empresária Tânia Regina, artesã

Luciana Dumiense Dias, bancária

Andrea Maestri, empresária

Adalgisa Rolim, professora e empresária


CENAS DA CIDADE O mês de fevereiro começou sob as bênçãos de Yemanjá. A reverência à rainha do mar aconteceu no dia 2, e atraiu milhares de pessoas às praias e rios de todo o estado. Na praia de Buraquinho, @kilendoo traz a entrega do presente, que sempre é composto pela beleza das rosas e com cheiro da seiva de alfazema (1). O mar, por sinal, tem sido

2

o cenário para vários cliques no último mês, como o encontro de @velfreitas e suas amigas (2) ou o belo pôr do sol de @kaioamaral (3), com aquele ar de saudade do verão que já está indo embora.

3

1 EMERSON KILENDO

A revista de Lauro de Freitas & Região

www.vilasmagazine.com.br Facebook: VilasMagazine.Online Instagram: @VilasMagazine

Publicação mensal de propriedade da EDITAR - Editora Accioli Ramos Ltda. Rua Praia do Quebra Coco, 33. Vilas do Atlântico. Lauro de Freitas. Bahia. CEP 42708-790. Tels.: 0xx71/3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377. Diretor-Editor: Carlos Accioli Ramos (diretoria@vilasmagazine.com.br). Dire­to­ra: Tânia Ga­zi­neo Accioli Ramos. Gerente de Negócios: Álvaro Accioli Ramos (comercial@vilasmagazine.com.br). Assistentes: Leandra Almeida e Vanessa Silva (comercial@ vilasmagazine.com.br). Gerente de Produção: Thiago Accioli Ramos. Assistente: Bruno Bizarri. Administrativo/Financeiro: Miriã Morais Gazineo (financeiro@vilasmagazine.com.br). Distribuição: Álvaro Cézar Gazineo (responsável). Tratamento de imagens e CTP: Diego Machado. Redação: Rogério Borges (DRT 6851/MG), coordenador. Colaboradores: Jaime de Moura Ferreira e Raymundo Dantas (articulistas), Thiara Reges (jornalista freelancer). Tiragem desta edição: 30 mil exemplares. Im­pressão: Log & Print Gráfica e Logística S. A. (Vinhedo/SP).

Para anunciar: comercial@vilasmagazine.com.br Tels.: 0xx71 3379-2439 / 3379-2206 / 3379-4377. Contatos com a Redação: redacao@vilasmagazine.com.br Vilas Magazine é uma revista mensal de serviços e facilidades, distribuída gra­tuitamente em todos os domicílios de Vilas do Atlântico e condomínios residenciais de Lauro de Freitas e região (Abran­tes, Ja­uá, Stella Maris, Pra­ia do Flamengo e parte de Itapuã). Disponível também em pontos de distribuição criteriosamente selecionados na região. As opiniões expressas nos artigos publicados são de responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, as da Edi­tora. É proibida a reprodução total ou parcial de matérias, gráficos e fotos publi­cadas nesta edição, por qualquer me­io, sem autorização expressa, por escrito da Editora, de acordo com o que dispõe a Lei Nº 9.610, de 19/2/1998, sobre Di­reitos Autorais. A revista Vilas Magazine não tem qualquer responsabilidade pelos serviços e produtos das empresas anunciados em suas edições, nem assegura que promessas divulgadas como publicidade serão cumpridas. Cabe ao leitor avaliar e buscar informações sobre os produtos e serviços anunciados, que estão sujeitos às normas do mercado, do Código de Defesa do Consumidor e do CO­NAR – Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária. A revista não se enquadra no conceito de fornecedor, nos termos do art. 3º do Código de Defesa do Consumidor e não pode ser responsabilizada pelos produtos e serviços oferecidos pelos anunciantes, pela impossibilidade de se deduzir qualquer ilegalidade no ato da leitura de um anúncio. No entanto, com o objetivo de zelar pela integridade e cre­di­bilidade das mensagens publicitárias publicadas em suas edições, a Editora se reserva ao direito de recusar ou suspender a vei­culação de anúncios que se mostrem enganosos ou abusivos, por constrangimentos causados ao consumidor ou empresas. A revista Vilas Magazine também u­ti­liza conteúdos edi­to­ri­ais licenciados pela Agência Fo­lhapress (SP) e Agência A Tarde (BA). Os títulos Vilas Ma­­gazine e Boa Dica – Facilidades e Serviços, constantes desta edição, são marcas regis­tradas no INPI, de propriedade da EDITAR – Editora Accioli Ramos Ltda.


Marรงo de 2019 | Vilas Magazine | 3


Registros & Notas

CELEBRANDO BODAS Cultivando uma sólida amizade de muitos anos, os casais Roberto e Magda Mascarenhas (esq.) e Valdemar e Nazaré Leal celebraram bodas de casamento recentemente: Bodas de Crizo, 33 anos de casados, em 1º de março; e Bodas de Mármore, 39 anos de casados, em 12 de janeiro.

Para as “meninas” da Irmandade, qualquer motivo é pretexto para confraternização. Em 23 de fevereiro o encontro celebrou as aniversariantes do mês: Jacqueline, Tânia e Iris, que recebeu o grupo em sua casa para um suculento cozido. A terra tremeu! HOMENAGEM O Rotary Club Lauro de Freitas, dando continuidade ao seu programa Personalidade do Mês, homenageou, durante reunião ordinária em fevereiro, a 52ª CIPM/Lauro de Freitas, em comemoração ao aniversário de 194 anos da honrosa Polícia Militar do Estado da Bahia. Na ocasião, foram homenageados os policiais militares a subtenente PM Juracy Brandão de Oliveira, o cabo PM Lesley de Souza Carneiro e o soldado PM Alisson de Santana Leal, pelo trabalho à frente do PROERD - Programa Educacional de Resistência às Drogas. PROJETO AGREGA SERVIÇOS DE SAÚDE Com as dificuldades cada vez mais evidentes para se pagar planos de saúde, umas das opções que tem atraído muitas pessoas é o sistema de pré-pagamento e descontos em clínicas, hospitais e serviços especializados. Pesquisas do segmento apontam que Lauro de Freitas é hoje uma das cidades com o menor número de pessoas com cobertura de planos de saúde, sendo que o maior índice aponta para pessoas sem qualquer tipo de cobertura, dados que acarretam números negativos na saúde da população, e consequentemente inflando os serviços de atendimento público.

4 | Vilas Magazine | Março de 2019

CASA NOVA Referência na região, com 25 anos de funcionamento, a papelaria e copiadora Isso & Aquilo está em nova casa, mais ampla, confortável e com ambiente refrigerado. No comando de sempre, a empresária Kitty assegura a continuidade do eficiente atendimento dispensado aos clientes.

Com esse cenário, 25 empresas do seguimento fecharam um projeto de parceria com a Rede Único e trouxeram para Lauro de Freitas um moderno sistema de atendimento, único no estado, disponibilizando para a região uma rede centralizada de pré-pagamento de serviços de saúde, oferecidos por diversas clínicas da região, agregando como ponto principal o programa de prevenção à saúde empresarial. Mais de 250 médicos de 40 especialidades, urgência pediátrica e ortopédica, exames e procedimentos, cobertura odontológica, além de descontos em farmácias e óticas, credenciam o projeto como uma alternativa mais econômica para empresas e pessoas físicas.


q CIDADE

Prefeitura lança Plano de Bairros e convoca comunidade a pensar a cidade que deseja

A

prefeitura deu início em 13 de fevereiro ao Plano de Bairros, que tem como proposta detalhar as diretrizes de uso e ocupação do solo e os instrumentos de política urbana do município. A metodologia e calendário de oficinas do Plano, que será elaborado até o mês de julho bairro a bairro, foram apresentados na Escola Dois de Julho, em Itinga. A Prefeitura apresenta o Plano de Bairros, como “ferramenta de mobilização popular criada na revisão do PDDM (Plano Diretor de Desenvolvimento Municipal), tendo como foco principal o diagnóstico técnico das cinco macrozonas de Lauro de Freitas. Em 2008 elaboramos o Plano Diretor que envolveu a comunidade, para ser revisado em dez anos. A revisão foi feita em 2015 e aprovada pela Câmara no final de 2018, com a implementação do Plano de Bairros. Além de

TADEU MIRANDA

trazer proposições urbanísticas e servir como instrumento de consulta, o plano deverá apontar a cidade desejada por cada bairro”, explicou a prefeita Moema Gramacho na ocasião. CONSTRUÇÃO COLETIVA A metodologia das oficinas para a elaboração de um diagnóstico participativo entre comunidade e poder público considera a compreensão coletiva do que é bairro, identificação dos pontos fortes e principais problemas, proposição de soluções, visão de futuro e definição de prioridades. A Prefeitura esclarece que as oficinas serão realizadas nos 19 bairros de Lauro de Freitas como definido no calendário de macrozonas sinalizadas no PDDM, além de audiências públicas gerais em cada uma delas. Para bairros que possuem TAC’s (Termo de Acordo e Compromisso) a revisão do PDDM aponta que ficam mantidas as disposições contidas nos termos, quando não contrariarem a Lei nº 1.773, de 17 de dezembro de 2018, até a aprovação do Plano de Bairros. A realização dos Planos de Bairros será coordenada pelas Secretarias de Governo e Sedur, com o envolvimento de todas as demais secretarias. | Continua na página 6 u

PRECISANDO

BOX DE

1,5 a 12m²

DE ESPAÇO?

NÓS TEMOS!

9 8164-2148 71 3379-4689

 71 

guardetudomalibu.com.br Março de 2019 | Vilas Magazine | 5


q CIDADE

u Continuação da página 5

CALENDÁRIO No período de 18 de março a 18 de abril serão realizadas oficinas na Macrozona de Concentração de Interesse Social (MUCIS), compreendendo os bairros de Itinga, Caji, Parque São Paulo, Recreio de Ipitanga, Vida Nova e Caixa D’Água. Entre 22 de abril e 6 de Maio será a vez da Macrozona Urbana Central (MUCE), em Vila Praiana, Centro e Aracui. Entre 9 e 20 de maio na Macrozona Urbana Consolidada (MUCO) no bairro de Portão. De 23 de maio até 13 de junho, Macrozona de Expansão Urbana/Industrial (MEUI), em Areia Branca, Jambeiro, Capelão, Barro Duro e Quingoma. Por fim, entre 17 de junho até 15 de julho, Macrozona Urbana Turística (MUT), nas localidades de Ipitanga, Pitangueiras, Buraquinho e Vilas do Atlântico. REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA Outra estratégia de desenvolvimento municipal prevista pelo PDDM é a Regularização Fundiária (REURB), um programa que garante direitos de posse de terras e propriedades, na forma da Lei Federal 13.465, de 11 de julho de 2017. “Muitas pessoas querem ter a documentação de seus imóveis, ter o seu nome no papel. Por isso, vamos lançar uma campanha para a REURB, para que todos estejam seguros do que quiserem fazer com as suas propriedades”, prometeu a prefeita. A regularização será composta por duas modalidades: de interesse social (REURB-S) – aplicável aos núcleos urbanos informais ocupados predominantemente por população de baixa renda; e de interesse específico (REURBE) – adequado aos núcleos urbanos informais ocupados por população não qualificada.

6 | Vilas Magazine | Março de 2019

Prefeitura intensifica fiscalização de esgotos irregulares na cidade

E

quipe técnica da Secretaria de Meio Ambiente, Saneamento e Recursos Hídricos (Semarh), em cooperação com agentes operacionais da Empresa Baiana de Águas e Saneamento (Embasa), intensificou em fevereiro, a fiscalização e notificação de conexões irregulares de esgotamento sanitário em imóveis nas proximidades da Rua Martiniano Santana, em Ipitanga. A ação identificou ligações inadequadas na rede de água pluvial, incidência de despejo de águas provenientes da totalidade do esgoto doméstico e outros efluentes. As ligações irregulares identificadas foram constatadas a partir de vistoria visual nas ruas, teste com permanganato – um composto oxidante de coloração vermelho forte que auxilia no mapeamento dos canais de esgoto – e pela aplicação de hidrojato nas tubulações. “As ações de fiscalização também serão intensificadas em Vilas do Atlântico e Buraquinho”, afirmou o secretário da Semarh, Alexandre Marques. “Detectada as irregularidades, estamos notificando e pedindo mais uma vez aos proprietários que apresentem o projeto de esgotamento sanitário de seus imóveis. A constatação de irregularidades é passível de multas frente a lei dos crimes ambientais”, enfatizou. Em julho do ano passado a Secretaria já havia notificado imóveis do bairro de Ipitanga a apresentarem seus projetos de construção. A Semarh conta também com apoio da Secretaria de Infraestrutura (Seinfra) para o monitoramento e administração da galeria pluvial do município, e da Secretaria da Fazenda com o levantamento de dados de imóveis construídos no entorno do Rio Sapato em Ipitanga, Vilas do Atlântico e Buraquinho, para identificar os proprietários que ainda não apresentaram seus sistemas de esgotamento sanitário.


Coleta seletiva volta a ser incentivada em Vilas do Atlântico

E

m maio de 2011, a SALVA, juntamente com o Colégio Apoio, implantou o seu primeiro projeto de coleta seletiva e reciclagem de lixo em Vilas do Atlântico, denominado “Feliz Cidade Limpa”, elaborado pelo então coordenador de Meio Ambiente da entidade, Jaime de Moura Ferreira, que lamentavelmente, por uma série de problemas operacionais e comportamentais, terminou não dando o resultado esperado. Agora a entidade, em parceria com a Secretaria de Serviços Públicos de Lauro de Freitas – SESP e a Cooperativa de Catadores e Agentes Ecológicos de Lauro de Freitas – CAELF, retoma a coleta seletiva, uma vez que a comunidade de Vilas do Atlântico, para contribuir com a preservação do Meio Ambiente, deve fazer a sua parte, apoiando a coleta seletiva e a reciclagem do lixo, tão benéficas para o meio ambiente, para a comunidade, e geração de emprego e renda. A coleta seletiva em Vilas do Atlântico começou em fevereiro e o modelo utilizado é através de Pontos de Entrega Voluntária, locais situados em pontos estratégicos do bairro, de forma a facilitar

aos moradores a entrega dos resíduos sólidos. Os containers foram fornecidos pela SESP e a coleta está sendo realizada pela CAELF, instalada no Caji, que passa de segunda a sábado nos pontos para a coleta dos resíduos que serão reciclados. O primeiro PEV está localizado na confluência das duas principais vias de Vilas do Atlântico – Av. Praia de Itapuã e Av. Praia de Copacabana, nos fundos do Vilas Tênis Clube. À medida que o projeto vá se desenvolvendo, novos containers serão fornecidos pela SESP e novos PEVS serão instalados. Apesar da SESP ter fornecido containers para papéis, plásticos e metais, não será necessário ao morador separar o lixo, que pode ser descartado de forma misturada. A seleção e triagem será feita pela cooperativa de catadores. Importante é que a comunidade siga algumas orientações: MATERIAIS RECICLÁVEIS Vidro: copos, garrafas, frascos e cacos; Metal: latas de alumínio (cervejas e

refrigerantes), latas de conservas, latas de leite, chapas metálicas, panelas, fios, arames, pregos, sucatas de ferro e cobre (que caibam no container); Papel: jornais, revistas, caixas, papelão, folhas de caderno, fotocópias, resto de papel cortado, cartolinas, impresso em geral, caixa de ovos de papelão e envelopes; Plástico: embalagens plásticas, garrafas pet, frascos de produto de higiene e limpeza, tubos e conexões, brinquedos quebrados, engradados de bebidas, baldes, cartucho de impressora, sacos plásticos, embalagens tetra pack, copos descartáveis, pvc e isopor. MATERIAIS NÃO RECICLÁVEIS Adesivos, papel carbono, fotografias, pneus, seringas, louças, lâmpadas, esponjas de aço, pilhas, tomadas, espuma, cerâmicas, papel higiênico, fraldas, espelhos, lixo orgânico de cozinha. OBSERVAÇÃO: É importante lembrar | Continua na página 8 u

Março de 2019 | Vilas Magazine | 7


q CIDADE

u Continuação da página 7

que o lixo orgânico (cozinha) e dos banheiros (papel higiênico usado) não devem ser misturados ao material a ser reciclado. ECOPONTO No início de abril, a comunidade passa a ter um local apropriado para descarte de poda, resíduo da construção civil, madeira, eletrônicos e volumosos (geladeiras, sofás, etc.). A Prefeitura está construindo um ecoponto na Rua Arlete Souza Costa, no Miragem. A escolha do local foi feita com base no alto índice de descarte de entulho na região. O equipamento terá capacidade para receber até 8 metros cúbicos de cada tipo de resíduos por dia. Não será permitido o descarte de material orgânico para evitar a proliferação de pragas. O ecoponto vai funcionar de segunda a sexta, das 8h às 17h, e aos sábados, das 8h às 12h. Cada pessoa só pode descartar até 0,5 metros cúbicos. O local é fechado e não terá acesso de catadores. Todo material recebido pelo ecoponto será direcionado para o aterro do Ecoma Ambiental, no Quingoma. O ecoponto está sendo construído com verba de contrapartida social. A previsão é que mais sete ecopontos sejam construídos em Lauro de Freitas. De acordo com o secretário de Serviços Públicos, Renato Braz, o ecoponto vai trazer tranquilidade para os moradores da região e evitar o descarte irregular que além de deixar a cidade suja pode ser foco de doenças. Em 10 de outubro do ano passado foi publicada a Lei nº 1.742 que proíbe jogar resíduos sólidos de construção civil, podas e outros descartes em locais inadequados. O cidadão que for flagrado descartando lixo de forma ilegal será punido com multa, a depender da infração, entre R$ 156 e R$ 890. 8 | Vilas Magazine | Março de 2019

Feira de Economia Solidária movimenta e gera renda no Quingoma todo sábado

F

rutas, hortaliças, comidas baianas, artesanato e outros produtos estão movimentando o espaço em frente à Igreja São José, na comunidade de Quingoma. Todos os sábados, das 6h às 15h, produtores locais promovem a Feira de Economia Solidária, com o intuito de fortalecer o vínculo comunitário e a geração de renda. A feira conta com a parceria da Prefeitura de Lauro de Freitas e da Central do Artesanato. Partindo de uma iniciativa da própria comunidade, a feira foi ganhando ritmo e hoje reúne mais de 30 moradores que produzem nos quintais e terrenos de suas casas mercadorias da agricultura familiar e artesanal. Entre a venda de ovos, galinha caipira e mudas de plantas em recipientes biodegradáveis, a agricultora Fabiane dos Santos afirma que a organização da feira é colaborativa. “Há mais de um ano pensávamos em realizar uma feira no Quingoma. Nosso foco é que os moradores daqui utilizem seus espaços de maneira produtiva. Esse trabalho movimenta nossa comunidade, além de que um ajuda o outro. Não importa o tamanho do quintal ou do terreno, mas da iniciativa de nos fortalecermos, gerando nossa própria economia”, enfatizou.

Prefeitura promete para maio o novo mercado municipal

“A

té maio devemos concluir a reforma do Mercado Municipal e fazer isso aqui virar um point do centro da cidade, um grande mercado em condições de atender a população”, prometeu a prefeita Moema Gramacho ao visitar os 1.500 m² da estrutura em construção de 20 novos boxes da segunda etapa da obra, um investimento de mais de R$730 mil de verba federal.

A obra contempla serviços de drenagem, piso intertravado, instalação elétrica e hidráulica e construção de um estacionamento. Cada box dispõe de 7,5 metros quadrados. Após a conclusão da segunda etapa do mercado – a primeira etapa foi entregue na gestão anterior de Moema –, a Prefeitura promete realizar a requalificação da área que atualmente abriga nove boxes e dos banheiros. Serão utilizados cerca de R$200 mil do tesouro municipal para esta fase da obra. “Assim que entregar a segunda etapa vou fazer uma melhoria na parte que entreguei antes porque muita coisa foi destruída e está deteriorando”, observou a gestora.


e investigação etiológica completa. Também está em curso a pavimentação asfáltica de 2,6 quilômetros da Rua Djanira Maria Bastos e a construção de uma via de acesso ao novo hospital, que beneficiará moradores de Camaçari, Candeias, Dias D’Ávila, Itaparica, Lauro de Freitas, Madre de Deus, Mata de São João, Pojuca, Salvador, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Simões Filho e Vera Cruz.

Obras do Hospital Metropolitano seguem aceleradas

C

om 58% de obras concluídas, o Hospital Metropolitano, que está sendo erguido em Lauro de Freitas, será inaugurado no segundo semestre deste ano. A informação é do secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas. De acordo com o secretário, o “Hospital Metropolitano será o principal equipamento de saúde da Região Metropolitana de Salvador, atendendo a todos os casos da rede de urgência e emergência do litoral norte e das cidades que compõem a região metropolitana, pois é de fácil acesso, a partir de diversas vias expressas, desafogando assim o Hospital Geral do Estado e Hospital Geral Roberto Santos”, ressalta. Entre obras e equipamentos, a unidade receberá investimentos da ordem de R$ 180 milhões. Com 265 leitos, sendo 55 de Terapia Intensiva (UTI), o hospital será de grande porte, com 27.900 m² de área construída. A unidade será referência para casos de urgência e emergência, trauma, acidente vascular cerebral (AVC) e contará com oito salas de cirurgia. Um dos destaques do projeto é a Unidade de Atenção ao Acidente Vascular Cerebral (UAVC), que atende pacientes acometidos pelo Acidente Vascular Cerebral (isquêmico, hemorrágico ou ataque isquêmico transitório), na fase aguda, ofertando tratamento trombolítico venoso, reabilitação precoce

Policlínica que vai atender moradores de Lauro de Freitas será entregue em maio

O

governador Rui Costa e a prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho, visitaram as obras da Policlínica Regional, em Simões Filho. Além de Lauro de Freitas e Simões Filho, a Policlínica Regional vai atender pacientes de Mata de São João, Conde, Camaçari e Dias d’Ávila. A unidade

vai oferecer consultas e exames nas especialidades de otorrinolaringologia, ginecologia/obstetrícia, angiologia, cardiologia, endocrinologia, gastrenterologia, neurologia, ortopedia, oftalmologia, mastologia e urologia. Para transportar os pacientes, cada município vai dispor de um ônibus. O equipamento, que será mantido financeiramente em 60% pelo Estado, deve disponibilizar 48 mil consultas anuais. Os seis municípios que integram o consórcio serão responsáveis por dividir 40% do custo da manutenção da unidade. Cerca de 800 mil habitantes serão beneficiados.

Faz toda a diferença estudar com mensalidades acessíveis.

R$ 156, Mensalidades a partir de

00*

MATRÍCULAS ABERTAS unicesumar.edu.br

Lauro de Freitas - BA (71) 3378-3733 Rua Mucugê, 95

(71) 99617-1544

* Preço válido para os cursos de graduação em: Gestão das Organizações do Terceiro Setor, Gestão de Lojas e PDV e Empreendedorismo. Consulte tabela de preços da sua região. ** Maior IGC entre as IES vinculadas aos 10 maiores grupos educacionais do Brasil (Análise Setorial Hoper - 2017), considerando a média do IGC contínuo das mesmas IES como critério de desempate. Consulta Avançada disponível no e-MEC/2018.

Março de 2019 | Vilas Magazine | 9


q MEMÓRIAS

IPITANGUENSES:

Contos, crônicas e histórias da freguesia de Santo Amaro de Ipitanga

Capítulo 1:

Filha de Manoel dos Anjos e Defina do Nascimento, dois irmãos, e uma vida muito simples, numa casa de taipa. O colchão, eles mesmos faziam, com palha que buscavam na vizinhança. A água tinha que buscar na fonte do Dendezeiro para encher o tonel, e ainda vendia para quem precisasse, por ‘10 mil réis’. Para cozinhar, tinha que cortar a lenha. Nos dias de festa, como São João e Natal, a casa era enfeitada com ‘areia alva’ e pitangas. Apesar de tudo isso, dona Aidê não tira o sorriso do rosto. Da infância, lembra ainda das pescarias na beira do rio Joanes, das brincadeiras com bonecas de pano, da casinha com móveis feitos de caixa de fósforo coladas com goma, de jogar ‘baleou’ com as outras crianças, ou até mesmos dias inteiros lavando roupa, no ‘paiti’. “Já saia de casa com a farinha, o sal e um molho. O peixe era pescado na hora. No final da tarde voltava para casa com as roupas já dobradas dentro do balaio”, lembra. Ainda criança, acompanhou a chegada de um circo na cidade. Ficou encantada e quando foram embora ela decidiu fazer seu próprio circo em casa. Pegava um biquíni e as anáguas de sua mãe, e dizia que era uma bailarina. Seu pai era muito rigoroso e quando viu aquela fantasia, deu-lhe uma surra. “Naquela

Dona Aidê, a festeira de Portão THIARA REGES | Freelance para a Vilas Magazine

A

idê Nascimento dos Anjos, 65, ou simplesmente dona Aidê, é uma figura bem conhecida da cena cultural de Lauro de Freitas. Mestre de Cultura Popular e responsável pelo Terno de Reis de Portão, dona Aidê tem orgulho de ser nascida, criada e residir até hoje no bairro de Portão. “Sou portãozeira”, afirma com fervor. As memórias da época de infância a fazem viajar no tempo e sorrir. “O nome do bairro é Portão porque tudo isso aqui antes era uma fazenda, muito grande, tinha muito mato, e um portão que era realmente muito grande, mas que estava sempre aberto para a comunidade. Para ir de um lugar a outro, acessar o rio, tinha que passar por ele, e assim ficou. Portão!”.

Esq.: Caíque Barbosa grava depoimentos de dona Aidê. Abaixo: Participando de grupo de dança, nos anos 70

10 | Vilas Magazine | Março de 2019


época tudo era muito rigoroso, mas era aprendizado e me fez ser a Aidê que sou hoje”, diz. As gincanas eram uma diversão à parte. “A gente sempre trazia o primeiro lugar, fazíamos de tudo. Num ano descobrimos com antecedência que iam pedir numa das provas para levar um bicho, uma coruja. Pensei: ‘Vamos para o mangue agora procurar esse bicho’. Atravessamos para o outro lado do rio, a ponte ainda era de madeira que dava para ver o rio embaixo, em tempo de cair na água. Pegar esse bicho deu trabalho. Uma das meninas lembrou que o bicho só saia de noite. Fomos para casa, deu de noite voltamos, naquela época não fazia medo, e achamos uma coruja enfiada dentro de um tronco. Ganhamos a gincana daquele ano”. Sua mãe fez questão que todos os

filhos estudassem. Dizia que eles precisavam dar exemplo a toda família. “Eu andava sempre alinhada, não porque pudesse, mas porque tinha uma tia que morava no Rio de Janeiro e me mandava roupas de presente. O uniforme da escola era bem passado. Todas as crianças usavam kichute, mas eu tinha um vulcabras, um sapato de luxo na época. Eu andava toda bonita”, conta. Sonhava em ser professora. Com 16 anos juntava as crianças da rua para ensinar. O pai, carpinteiro, fazia as carteiras, e o resto era por sua conta. “Pouco tempo depois começaram as aulas da turma do Mobral (Movimento Brasileiro de Alfabetização) ensino para adultos, idosos, pessoas analfabetas da cidade, no Colégio Constantino Vieira, e eu fui convidada para dar aula. Ainda hoje encontro com pessoas que foram meus alunos”. Seu irmão é carpinteiro, sua irmã é pedagoga e dona Aidê se formou em

Administração. Mas não foi assim tão fácil. “Primeiro fui fazer Contabilidade, lá no Lomanto, em Salvador. Mas não deu certo. A música e a dança eram muito fortes dentro de mim. Em vez de ir para aula, ia para o Malê de Balê. A dança sempre mexeu comigo, gostava muito. Quando tinha festa em Arembepe, Jauá, nós estávamos lá. Não tinha transporte. Íamos andando, mas não se perdia a festa”, conta sorrindo. Como havia perdido a vaga em Contabilidade, foi preciso encontrar outro caminho. Começou a estudar no Colégio Ipitanga, mas era particular. Para conseguir o dinheiro para custear a escola, ajudava a mãe a lavar e passar roupas. “Minha mãe pegou roupa de três capitães da Base Aérea (Aeronáutica) para lavar. Eu ajudava ela. Saia de casa cedo, ia para a escola, e depois ia até a Base Aérea para fazer a entrega. Da escola para casa vinha | Continua na página 12 u

ARQUIVO PESSOAL

Março de 2019 | Vilas Magazine | 11


MEMÓRIAS IPITANGUENSES: Contos, crônicas e histórias da freguesia de Santo Amaro de Ipitanga

 Continuação da página 11

formou em Administração. Não se casou. “Namorei muito, muito mesmo. Naquela época a gente achava que só de encostar na pessoa já pegava barriga (rs). Morria de medo de engravidar, porque não queria ter filhos, não queria criar uma criança naquelas condições, numa casa de taipa. E minha mãe sempre dizia: ‘Se tiver seus filhos, não traga para eu criar!’. E ela estava certa, já havia criado nós três, não era obrigação dela. Mas posso dizer que tenho muitos filhos, tenho a minha comunidade de Portão”. 9 “Eu não posso passar pela rua de baixo, todo mundo me chama, ôh cumadre gomar, ôh goma, ôh goma, ôh goma de gomar” 9 andando pela ‘Pintangueira’. Não existia Vilas do Atlântico, transporte só tinha um, a ‘Matraca’. O nome é porque ‘matracava’ mesmo, só andava cheia e devagarzinho”, lembra. Por fim, deu certo. Dona Aidê se

“Essa cantiga lembra de mim. Quando passo pelas ruas a criançada já vem perguntar quando sai o Terno de Reis, quando sai a Burrinha. Ensinei muita criança a dançar, fiz e faço muitos projetos culturais. No Carnaval deste ano saí no Ilê Aiyê e no Bankoma. Vou dizer que minha vida é ruim? Não posso! Tenho orgulho de ser a mulher negra de Portão”, conclui.

NOTA DO EDITOR A série “Memórias Ipitanguenses: contos, crônicas e histórias da freguesia de Santo Amaro de Ipitanga”, surge da parceria entre a revista Vilas Magazine e a Escola Municipal Ana Lúcia Magalhães. Nosso objetivo é contar as várias histórias de personagens da cidade de Lauro de Freitas, desde quando ainda se chamava Santo Amaro de Ipitanga. O pontapé para esse trabalho foi a produção do filme documentário “Memórias de Santo Amaro de Ipitanga”, (veja edição 241, janeiro de 2019). Podermos presenciar a história oral da comunidade, trazer luz para personagens que construíram referências da cidade e capturar as emoções de suas memórias através do olhar, nos é plenamente gratificante. Neste primeiro capítulo, conhecemos a história de dona Aidê, mestre de Cultura Popular, orgulhosa de sua infância e juventude bem vividos no bairro de Portão. Além de ler, você também pode assistir a história em vídeo. Confira no QR Code. Participaram da produção deste capítulo: Aidê Nascimento dos Anjos, professor Antonio Cláudio, Caíque Barbosa e a jornalista Thiara Reges.

��������������� ��������������

2��������������� ������������������

Vilas do Atlântico: Tel: 3379-0303 | Stella Mares: Tel: 3374-5420 12 | Vilas Magazine | Março de 2019


q GERAL

Bahia emite alerta sobre aumento de 301% nos casos de Dengue em 2019

O

número de casos de Dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, cresceu 301,4% em 2019, se comparado ao mesmo período de 2018. Até 16 de fevereiro desse ano foram notificados 3.725 casos em 123 municípios. O município de Feira de Santana lidera com 1.520 registros e quatro óbitos. Outros dois óbitos foram confirmados, sendo um em Salvador e outro em Candeias. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) sugere que os municípios realizem mutirões de limpeza, com atividades de vistoria e remoções de focos do vetor nas residências, juntamente com caminhadas de conscientização e distribuição de materiais informativos. O governo da Bahia já distribuiu 7.400 kits para serem utilizados pelos agentes de controle de endemias dos 417 municípios. Com investimento superior a R$ 2,6 milhões, cada kit é composto de 26 itens, como pesca larva, pipetas de vidro, tubos de ensaio, álcool, esponja, lanterna de led recarregável, bacia plástica, dentre outros materiais. “Os agentes de controle de endemias têm um papel fundamental

na eliminação de focos do Aedes aegypti, pois na visita aos imóveis, eles eliminam criadouros, orientam moradores e realizam mobilizações”, afirma o secretário da Saúde da Bahia, Fábio Vilas-Boas. O titular da pasta estadual da Saúde ainda ressalta que “construir uma estratégia agressiva de combate ao mosquito e controle dos agravos é fruto de um esforço conjunto do poder público, empresas e sociedade em geral, visto que mais de 80% dos focos estão dentro das casas”. A distribuição desses kits se configura como um apoio essencial aos municípios, considerando que a maioria tem dificuldades para aquisição de bens e equipamentos, bem como escassez de recursos. “Os materiais e equipamentos adquiridos pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) são todos padronizados pelo Ministério da Saúde”, destaca o secretário. O primeiro sintoma da Dengue é a febre alta, entre 39° e 40°C. Tem início repentino e geralmente dura de dois a sete dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e

coceira no corpo. Também pode haver perda de peso, náuseas e vômitos. A população deve procurar a unidade básica de saúde (UBS) mais próxima. Além do diagnóstico clínico, a equipe de saúde pode utilizar o teste rápido Dengue IgG / IgM da Bahiafarma, que foi o primeiro do gênero desenvolvido por um laboratório público brasileiro a obter registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O dispositivo detecta tanto anticorpos para infecções ativas (IgM), quanto para infecções anteriores (IgG), auxiliando no correto tratamento dos casos. Realizado com uma pequena amostra de sangue, o teste fornece o resultado em até 20 minutos. O produto é comercializado para o Ministério da Saúde e distribuído para todo o País.

Detran agiliza serviços na substituição para a placa Mercosul

Q

uando os veículos baianos circulavam somente com a placa cinza, o cidadão levava três horas, em média, para concluir o processo de emplacamento no Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Atualmente, com a obrigatoriedade da placa Mercosul para veículos novos e no caso de transferência, o tempo do serviço foi reduzido para uma hora e meia. Para realizar o primeiro emplacamento, é preciso | Continua na página 14 u

Março de 2019 | Vilas Magazine | 13


q GERAL

pagar a taxa de R$ 221,95 e solicitar a placa Mercosul, que vem com QR Code para rastreabilidade, em uma das empresas credenciadas ao Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). Os preços variam entre R$195 e R$240. Quatro fabricantes da matéria prima e 100 estampadores estão aptos a operar na Bahia. Em seguida, a pessoa pode fazer a instalação da identificação do veículo no Detran ou por conta própria, já que o novo modelo não tem o lacre usado na placa cinza. No caso de transferência de propriedade, a taxa custa R$ 208,40 e o veículo precisa passar por uma vistoria. No Detran, a avaliação eletrônica custa R$ 104,20 (carro) e R$72,94 (moto), enquanto nas empresas privadas o valor varia entre R$160 e R$ 180 para qualquer tipo de veículo. Sobre os questionamentos feitos pelo Ministério Público, em relação ao número de empresas que fornecem as placas Mercosul no estado, o Detran afirma que tem prestado os esclarecimentos. “Todas as vezes que somos provocados para rebater supostas inconsistências no processo do novo emplacamento, vamos ao Ministério Público. O número de empresas cadastradas, em Brasília, para o fornecimento da placa Mercosul, tem correspondido à demanda, com previsão da chegada de mais empresas”, disse o diretor-geral do Detran, Lúcio Gomes.

MATEUS PEREIRA / GOVBA

u Continuação da página 13

Bombeiros baianos que atuaram em Brumadinho voltam para casa

O

s 31 bombeiros militares baianos que atuaram no trabalho de resgate na tragédia de Brumadinho, em Minas Gerais, retornaram a Salvador em 14 de fevereiro, quando foram recebidos pelo comandante-geral da corporação, coronel Francisco Telles, e por familiares. Segundo o coronel Francisco Telles, a Bahia foi um dos estados com maior número de bombeiros especializados em situação de colapso a atuar no momento mais crítico das buscas. “Além da preparação por meio de cursos, esses bombeiros são colocados na experiência diária para que possam atuar da melhor forma em situações de extrema dificuldade. Tanto que a maioria deles são especialistas e são profissionais que atuam em várias partes do nosso estado. Encaminhamos os melhores bombeiros para oferecer a melhor ajuda possível”, afirmou. A força-tarefa baiana em Minas Gerais foi comandada pelo major Ramon Gabriel.

Obras Sociais Irmã Dulce abrem inscrições para curso de cuidador de idosos

A

s Obras Sociais Irmã Dulce (OSID) estão com inscrições abertas para o Curso de Cuidador de Idosos. O programa tem como objetivo desenvolver os conhecimentos teórico-práticos necessários à capacitação do profissional no cuidado adequado ao idoso, seja para atuação em residências ou instituições de longa permanência, a exemplo de abrigos. As inscrições são presenciais e podem ser feitas até o dia 15 deste mês, no Centro de Geriatria e Gerontologia da OSID, localizado na sede da instituição (Av. Dendezeiros do Bonfim, 161, Bonfim), de segunda a quinta-feira, das 14h

14 | Vilas Magazine | Março de 2019

às 17h, e às sextas-feiras, das 14h às 16h. Para efetivar a inscrição é necessário apresentar original e cópia da carteira de identidade e do comprovante de conclusão do Ensino Médio, além de uma foto 3x4. O curso tem taxa única de R$ 300 e carga horária de 98 horas, sendo 80 horas de aulas teóricas e 18 horas de aulas práticas. Entre os temas que serão discutidos no programa estão fisiologia e mitos do envelhecimento; relação do idoso com a família; o papel do cuidador; cuidados higiênicos e com o uso de medicamentos; prevenção de quedas; condutas em situações de intercorrência; aspectos nutricionais; promoção da saúde; humanização e espiritualidade. As aulas serão ministradas no período de 18 de março a 1º de agosto, às segundas e quartas-feiras, das 13h às 17h, e às sextas-feiras, das 13h às 16h. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (71) 3310-1169.


12 anos de atuação e mais de 500 vidas preservadas

T

FOTOS: MATEUS PEREIRA / GOVBA

idos por muitos como verdadeiros anjos da guarda, integrantes do Grupamento Aéreo Militar da Bahia (Graer) têm salvado vidas há mais de uma década, nos quatro cantos do território baiano. Os 12 anos de existência foram completados em janeiro, junto com a marca de 533 vidas preservadas em operações realizadas em parceria com outras entidades da administração estadual ligadas à proteção e ao socorro da população. ‘O céu é nosso’ é o lema do Graer que, mesmo com toda a experiência e casos exitosos reunidos ao longo da história, está sempre buscando evoluir e estar preparado para adversidades. O comandante da unidade, tenente-coronel Renato Lima, destaca que “o desafio não para. Houve o começo e a conquista da credibilidade, que tem que ser mantida. Há uma preocupação contínua em manter um serviço de qualidade, com segurança, produtivo e que permita que a população veja que está revertido para o seu bem, socorro e proteção”. O Graer realiza ações de inteligência, transporte, resgate aeromédico, busca, salvamento aquático e em altura, bem como outros procedimentos de alta complexidade. São exemplos o transporte de órgãos, apoio no combate a incêndios e até auxílio em situações envolvendo o tráfico de drogas, como a localização de plantações de maconha. Sediada no Aeroporto Internacional de Salvador, a unidade possui uma frota composta por sete aeronaves, batizadas de guardiões: três aviões e quatro helicópteros. São 59 policiais formando o efetivo, sendo 19 pilotos, 12 tripulantes, sete mecânicos de transportes aéreos e 21 operadores de apoio de solo. Comandante desde 2015, o tenente-coronel Renato Lima presenciou o nascimento do grupamento e foi o primeiro

comandante de aeronave da história da unidade. “Nós vamos para situações em que fazemos a diferença e muitas foram elas desde o surgimento do Graer. Uma delas envolveu uma parturiente que entrou em trabalho de parto prematuro em pleno congestionamento, na Avenida Paralela. Descemos a aeronave na pista, embarcamos a parturiente e levamos para o hospital. O médico nos informou que, pelo fato de ser o terceiro filho e uma cesárea, ela teria sérias complicações se não chegasse em no máximo 40 minutos”, relembra o comandante. INTEGRAÇÃO O grupamento atua no conceito de multimissão, no qual uma aeronave e a respectiva tripulação está equipada e treinada para atuar, de pronto, em uma gama de ocorrências, como resgate de afogados, rebeliões prisionais, transporte de feridos, sequestros e roubo a bancos. Entre os itens embarcados nas aeronaves estão macas, armamentos, roupas de mergulho, cestas de resgate e cordas de rapel. Um exemplo da atuação do Graer, em parceria com outra unidade, ocorreu recentemente. Foi o transporte de Santo Antônio de Jesus a Salvador, solicitado pela Central Estadual de Regulação de Transplantes, de córneas, fígado, coração e rins. A distância de 190 quilômetros foi vencida em apenas 30 minutos por um dos guardiões da unidade – em detrimento às três horas que seriam feitas de carro – o que resultou em sobrevida para quatro pessoas, que aguardavam pelos órgãos em diferentes hospitais. “Tivemos também o caso de uma senhora de meia-idade, que teve morte encefálica no Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus e a família optou por doar os órgãos, que beneficiaram pacientes que estavam aguardando na fila de transplantes. Isso somente foi possível com a ajuda do Graer, que fez o transporte tanto da equipe captadora como o retorno dos órgãos, o que viabilizou o aproveitamento com melhor tempo de isquemia e melhor qualidade do transplante”, assegura a coordenadora da Central, Carolina Sodré. Além das vidas salvas, o grupamento contabiliza 15 mil horas de voo. Reconhecida nacionalmente, a atuação do Graer perpassa ainda pela capacitação e acordos de cooperação técnica, bem como pelo treinamento para uso de drones, dispositivo que passou a integrar variadas operações estratégicas do grupamento. Março de 2019 | Vilas Magazine | 15


q MOBILIZAÇÃO

Daiane, Daiane Xavier, Girlene, Katia, Maira e Marleide.

Terapia de mães: grupo de WhatsApp vira rede de apoio para mães de crianças com autismo THIARA REGES | Freelance para a Vilas Magazine

P

arque da Cidade, em Salvador, numa manhã de domingo. Toda área estava tomada por pessoas fazendo exercícios, piqueniques, e famílias em torno de brinquedos e brincadeiras das mais diversas. No meio de todos estes, um grupo bem especial: famílias do grupo Projeto Mães Autismo Conhecer para Entender, uma rede criada com objetivo de fornecer apoio mútuo e trocar experiências de vida, que já conta com a participação de 137 mães de Salvador, Lauro de Freitas e do interior da Bahia. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, estima que uma a cada 59 crianças está no espectro autista. Até 2013, o autismo era dividido em cinco categorias, dentre elas a síndrome de Asperger. Naquele ano, quando do lançamento do último Manual Diagnóstico e Estatístico de Distúrbios Mentais da Associação Americana de 16 | Vilas Magazine | Março de 2019

Psiquiatria, o DSM-5, a classificação e as formas de diagnóstico mudaram. Hoje, o Transtorno do Espectro do Autismo – TEA, é dividido por graus de funcionalidade. No Brasil a estimativa é que cerca de 1 milhão de pessoas tenham TEA. Na Bahia os números chegam à casa dos 200 mil. E apesar de serem números elevados, as causas ainda são desconhecidas, nem sempre as terapias conseguem agir de forma eficaz e o preconceito ainda assusta muito. Maíra Cavalcante, 45, mãe de Gabriel, seis anos, foi quem teve a ideia de fundar o grupo, em 2017. Moradora de Lauro de Freitas, o diagnóstico veio quando Gabriel estava com quatro anos, e hoje, todo o atendimento médico e terapias estão concentrados na cidade, através do plano de saúde. “Existe o atendimento pelo SUS, mas eu sei que tem muitas mães de Lauro de Freitas precisando, para poucas vagas disponíveis. Então


luto pelo atendimento do plano de saúde até como uma forma de oportunizar o atendimento para outras crianças”, destaca. Através do grupo do WhatsApp são organizadas sessões terapêuticas em grupo com psicóloga, palestras com nutricionista, fisioterapeuta, e contação de histórias e outras ações em escolas, para conscientização tanto da escola como das crianças, acerca do TEA. Do ponto de vista do lazer, Maíra gosta muito da receptividade da equipe do Parque Ecológico, em Vilas do Atlântico, e do acesso ao Salvador Norte Shopping. O que mais a preocupa é o preconceito. “Algumas vezes quando estamos no shopping Gabriel tem crise sensorial, e o olhar das pessoas para nós é muito ruim, como se meu filho fosse uma criança sem educação. No condomínio onde moro, sofremos preconceito constantemente. Os pais das outras crianças orientaram seus filhos a não interagir com Gabriel. Então, muitas vezes quando vamos para o parquinho ele volta para casa chorando”, conta. DIREITOS GARANTIDOS, ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO. SERÁ? Esse ano o pequeno Benjamim, quatro anos, não vai estudar. Filho de Iara Pereira, 37, no ano passado, quando as características do TEA não estavam tão perceptíveis, Iara achou que a escola onde ele estava matriculado atendeu relativamente bem às necessidades de seu filho. “Não tinha acompanhante especializado, o material escolar e atividades não foram adaptadas, mas a professora e os colegas receberam meu filho muito bem, e conquistamos muitos ganhos do ponto de vista da socialização. O dar ‘tchau’ e um abraço no final da aula, que parece uma coisa tão boba, para uma pessoa com TEA é um passo muito grande”, destaca. Esse ano Iara decidiu ir em busca de uma escola, no bairro de Brotas, em Salvador, onde residem, que proporcionasse também a inclusão pedagógica. “Muitas vezes eu visitava a escola, tinha um primeiro contato, tudo ótimo. Mas quando eu citava a questão do TEA, o discurso era outro. Tentei matricular então na mesma escola de 2018, mas a diretora me informou que já havia uma criança de inclusão na turma e por isso não ia aceitar Benjamim”, relata. A Lei nº 12.764, de 2012, determina que pessoas com TEA podem frequentar escolas regulares, inclusive com direito a acompanhamento. Mas na prática as dificuldades de ensino são muito grandes. Girlene Andrade, 35, já experimentou tanto o ensino público como o particular, e a conclusão é que a inclusão de verdade está longe de acontecer. “Minha filha Antonela já passou tanto por escola pública como particular, e a inclusão de fato não existe. Quando tem o cuidador, não tem a parte pedagógica, e vice e versa”, frisa Girlene. Quando o assunto é saúde, a realidade em Lauro de Freitas e Salvador segue o mesmo caminho: muita demanda e poucas vagas.

Katia Oliveira, 39, destaca que faz o acompanhamento de seu filho, Marco Antônio, 10 anos, pelo SUS. “O que percebo é que se ampliou a quantidade de locais que atendem crianças com TEA em Salvador, mas a precariedade ainda é muito grande; são poucas vagas para a quantidade de crianças”, afirma. Daiane Xavier, 30, faz o acompanhamento de Kauã, cinco anos, no CAP´s de Lauro de Freitas.” Assim que descobri o diagnóstico de TEA, em dezembro de 2017, no CAP´s de Lauro de Freitas, corri atrás de garantir todos os benefícios que ele tem direito, como o passe livre e BPC, e criei o grupo de Whatsapp das mães do CAP´s, para ajudar as outras mães com o conhecimento que já tenho”, conclui. A LUTA PELA DESCONSTRUÇÃO DE MITOS Dia 2 de abril é uma data muito importante para essas mães. Trata-se do dia Mundial de Conscientização do Autismo, um momento em que o assunto fica em evidência e muitos mitos podem ser desconstruídos. Katia Oliveira, conta que quando soube do diagnóstico de Marco Antônio demorou a ‘cair a ficha’, porque o que ela convivia diariamente não era o que ela já havia visto, ouvido ou assistido sobre o autismo. “Respeito outras mães, mas, para mim receber o diagnóstico de TEA não gerou um sentimento de luto. Eu sigo a doutrina espírita, e compreendo, dentro do que eu acredito, o porque deste contexto. Mas me recordo de questionar a médica se ela tinha certeza do diagnóstico, pois o comportamento dele era completamente diferente de toda a informação que eu já tinha recebido sobre o autismo através dos noticiários de TV. E hoje a minha luta é por essa desconstrução”, destaca. | Continua na página 18 u

Iara e o filho Benjamim

Março de 2019 | Vilas Magazine | 17


u Continuação da página 17

Mitos sobre o TEA surgem constantemente. Um dos mais recentes, que ganhou destaque internacional, foi o surto de sarampo no Canadá, que ao que tudo indica aconteceu porque os pais decidiram não vacinar as crianças por acreditar que a vacina MMR (que combate sarampo, caxumba e rubéola) poderia provocar autismo, o que não é verdade. Katia Oliveira destaca que a preocupação está para além disso, e que já existe hoje um verdadeiro ‘mercado do autismo’, onde pessoas se aproveitam da fragilidade das famílias com promessas de cura em troca de grandes fortunas. “São promessas de tratamento mirabolantes, remédios para isso e aquilo, e tem muitas famílias embarcando nessa onda do ‘vou te curar’. Esse trabalho de desconstrução também é para isso. Para saber o que se está se dizendo e quem são os profissionais de confiança”, conclui. FORÇA DE MÃE “Quando você me pergunta se me sinto atendida em minhas demandas, a resposta é não. Tenho certeza que não entrei em depressão porque a minha rede de apoio familiar é muito forte. Acho que ainda temos muito o que caminhar e é maravilhoso ver essa mobilização, perceber esse cenário com tantas mulheres lutando por seus filhos, e agora eu me incluo entre elas”. O desabafo de Iara Pereira, demonstra a intensidade de uma luta que ainda está no início. Todas as mães entrevistadas relataram que participar de grupos de WhatsApp tem sido uma importante ferramenta de apoio, que supre uma carência de cuidados próprios. “Penso que nós mães também deveríamos ter um acompanhamento psicológico, e não apenas as crianças. Talvez até na mesma hora da terapia deles. Então o grupo de WhatsApp das mães acaba suprindo essa carência. Trocamos experiências; para aquelas que têm filhos mais novos conto o que fiz em determinada situação e que funcionou, e com as mães que têm filhos mais velhos, tento aprender. O objetivo não é apontar

18 | Vilas Magazine | Março de 2019

o dedo para ninguém, mas sim, dar apoio”, destaca Girlene Andrade. Fazer planos é bem complicado, muitas vezes os próprios médicos desacreditam as crianças. Mas mães são tinhosas e não desistem. “Penso sobre tudo que ainda pode acontecer com meu filho, desde bullying na escola, preconceitos; e já me preparo pra dar esse suporte. E busco forças em Deus, no meu marido, Eliomar, na família”, declara Daiane Xavier. “Você mãe, que recebeu o diagnóstico de seu filho, busque as redes de apoio, busque outras famílias para você conversar, desabafar, trocar informações. Muitas vezes o que eu estou falando você já vivenciou ou vai vivenciar; ou pelo menos você vai entender o que estou falando e sentindo naquele momento; porque quem mais entende o que eu passo é outra mãe que passa por algo semelhante, independente de classe social, grau de instrução ou recursos disponíveis”, conclui Katia Oliveira.

“O esporte é muito mais do eu pensava: transformou o meu filho”. Marleide Nogueira, mãe de Igor, autista e campeão mundial de jiu-jitsu.

“S

eu filho não vai ler, não vai escrever, e não vai ter a capacidade nem de amarrar o cadarço do sapato”. Essa foi a sentença dada pelo médico neuropediatra que diagnosticou o menino Igor Nogueira com autismo. Isso em meados de 2002, uma época que pouco se falava sobre autismo, e nada se falava sobre inclusão. Mas a luta de Marleide Nogueira, 44, começou anos antes. Foram várias idas e vindas em médicos a fim de entender o que estava acontecendo com o seu filho, Igor, na época com três anos. “Confesso que recebi o diagnóstico com um certo alívio, porque depois de quatro anos de busca, ou seja, meu filho já estava com sete anos, eu estava recebendo um diagnóstico e a partir daquele momento eu sabia o que era, e poderia ir atrás de tratamento”, frisa. As características de Igor batiam exatamente com a definição do autismo, mas para Marleide era muito duro ter que aceitar aquela sentença que o médico havia dado a seu filho. E ela não aceitou e decidiu escrever uma história diferente para seu filho.


Foi mais de um ano até conseguir uma escola regular que Em 2016 Igor concluiu o ensino médio, e já tem uma meta aceitasse Igor. “Andei muito. Na escola específica para pessoas para o futuro: a graduação em Educação Física. com deficiência, senti que Igor estava regredindo e aumentando O esporte entrou na vida de Igor em 2013. Nos exames de a quantidade de ‘manias’. Nas escolas regulares a resposta que rotina da família, todos estavam com colesterol alto. “Ou toma eu recebia era sempre a mesma, que não trabalhavam com in- remédio ou faz exercício”, disse o médico. Marleide escolheu clusão. E era uma época tão complexa de comunicação que eu os exercícios e começou a acompanhar o filho à academia. Lá pensava ser a única mãe que tinha um filho com autismo”. Por conheceu o anjo que transformou as suas vidas. Marcelo Vidal, indicação de duas amigas, Miriam e Eunice, Marleide chegou até professor de Educação Física e faixa preta de jiu jitsu, passou quauma escola regular no bairro da Pituba, em Salvador. A diretora, se dois meses tentando convencer Marleide a deixar Igor treinar. pró Lea, os recebeu para que pudesse enfim alfabetizar Igor. “Eu tinha uma visão equivocada do esporte. Achava que Mas ela impôs como condição era violento, que ia machucar que Marleide ficasse na escola meu filho ou ele ia machucar como acompanhante do filho. alguém. Mas Marcelo insistiu Marleide, formada em Petanto que pensei: ‘Vou deixar. tróleo e Gás, já havia desistido Esporte de contato? Igor tem de sua carreira acadêmica e proaversão ao toque; não vai dar fissional. Seu marido garantiu o certo mesmo e ele larga do sustento da casa, e ela entrou meu pé’. Depois de cerca de três de cabeça, corpo e alma no meses treinando, um dia em processo de educação de Igor. casa fui repreender Igor e pela “Não me pergunte como, primeira vez ele me olhou nos mas eu desenvolvi uma meolhos. Comecei a chorar, foi uma todologia com Igor me aprodas maiores emoções de minha priando justamente de duas vida, e eu entendi que o esporte características do autismo: a era muito mais do eu pensava repetição e a memorização. e que estava transformando o Aprendi também que o tempo meu filho”, conta. dele é diferente do das ouDaí em diante foi questão de tras crianças, mas quando ele tempo. Em 2016, Igor começou aprende, não esquece mais. a participar de competições e Foi um ano e meio na sala de entrou para a história do jiu-jitsu aula, junto com meu filho, e deu baiano como a primeira pessoa certo”, frisa. com autismo a disputar, de igual Durante esse período, já para igual, competições sem dehavia dois anos que Igor estava ficiência, e a ganhar medalhas. na escola, a diretora pediu que Em 2018 veio a consagração: Marleide comparecesse na diremedalha de ouro, na divisão, e toria. “Era para nos comunicar a prata, no absoluto, nas compeque um pai de dois alunos da tições de ParaJiu-Jitsu do World escola tinha ameaçado retirar Igor Nogueira com os pais, no programa Encontro, de Pro, da UAEJJF, que acontece os filhos, caso Igor continuasse Fátima Bernardes, na Rede Globo e no pódio, em Abu Dhabi em Abu Dhabi (UAE). Este ano, na escola. Confesso que meu coIgor volta para Abu Dhabi para ração ficou apertado, já pensei defender o título. um monte de situações, em ter que tirar o meu filho da escola, “Nós começamos a ser chamados para dar entrevistas em começar tudo de novo. Para minha surpresa ela disse que ex- veículos de alcance nacional. Fomos no Encontro, com Fátima plicou ao senhor, que o meu filho era tão importante quanto Bernardes e Esporte Espetacular, ambos da Rede Globo, e peros filhos dele. O pai acabou por tirar os filhos dele da escola. Já cebemos que a nossa história poderia fazer a diferença. eu, fiquei muito emocionada, porque era a primeira vez que eu Hoje Igor está com 23 anos, somos ativistas, sobretudo sobre sentia alguém me estendendo a mão, o que fez com que eu me a importância do esporte na vida do autista, e queremos ajudar a fortalecesse para continuar na batalha”, lembra. reescrever a história de outras famílias”, conclui Marleide. FOTOS: ARQUIVO PESSOAL

Março de 2019 | Vilas Magazine | 19


q CIDADE

8 DE MARÇO | DIA INTERNACIONAL DA MULHER

O desafio de ser mulher no século 21

Mais oportunidades, mais reconhecimento, mais respeito, sem perder a ternura THIARA REGES | Freelance para a Vilas Magazine

A

credito que as centenas de operárias que morreram queimadas em 1857, reivindicando por redução da jornada de trabalho e direito à licença-maternidade, e que 54 anos depois seriam homenageadas com a criação do Dia da Mulher, jamais imaginaram que em pleno século 21,

Como gastar sem culpa Dicas da economista e presidente da SPC Brasil

C

onciliar as obrigações profissionais, familiares e os cuidados com a casa são atividades que fazem parte da vida de muitas brasileiras. Cada vez mais no controle de suas vidas, as mulheres atualmente vêm conquistando novos espaços e trilhando carreiras nas mais diversas áreas. Engenheiras, advogadas, médicas, professoras, físicas, administradoras, vendedoras, entre outras tantas profissões, elas estão em

20 | Vilas Magazine | Março de 2019

esta luta ainda estaria caminhando em passos tão lentos e enfrentando um desafio ainda maior: o de estar viva. Verdade seja dita: nunca se falou tanto em feminismo, empoderamento, igualdade de gêneros, lideranças femininas, e também, em feminicídio. Dados da Comissão Interamericana dos Direitos Humanos (CIDH), braço da Organização dos Estados Americanos – OEA, apontam que quatro mulheres foram mortas por dia no Brasil desde o início de 2019, e olha que o ano nem bem começou. A taxa chamou a atenção da OEA, que cobra do Estado brasileiro a implementação de estratégias de prevenção, bem como punição aos responsáveis. Nos últimos anos o Brasil e outros 15 países da América Latina, região com os maiores índices de feminicídio no mundo, tem intensificado as ações de combate aos crimes contra mulher, inclusive com a introdução de leis que tratam especificamente sobre o tema. Aqui, as penas podem chegar a 30 anos de prisão para agressores condenados. Apesar da Lei Maria da Penha ser avaliada como uma das mais completas no mundo neste quesito, muito ainda precisa ser feito na prática. Um levantamento da Ong Human Rights Watch aponta que em todo o país existem apenas 74 abrigos para receber vítimas de violência doméstica, o que é muito pouco em um universo populacional de mais de 200 milhões de habitantes. Além disso, em média, apenas uma em cada

todos os lugares. E precisam dar conta de cuidar da casa, dos filhos e da vida pessoal e financeira. “O controle do orçamento é o segredo para não se enrolar, aprender a lidar com os gastos e poupar dinheiro para atingir seus objetivos”, diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil. Por isso, é importante manter a organização financeira em dia para conhecer a renda mensal da casa, saber quanto sobra ao fim do mês e entender o quanto você pode gastar com seus mimos pessoais. Por onde começar? A primeira lição é não achar que administrar as contas é tarefa do marido ou do pai. “É importante estar consciente dos ganhos e gastos. A mulher precisa entender sobre finanças para tomar as decisões da casa em conjunto ou até mesmo administrar a casa sozinha. Assim, ganha-se liberdade financeira”, observa Marcela. E este é apenas o começo. É importante também mudar os próprios hábitos no que diz respeito às formas de pagamento. Contas do salão, como cabelo e manicure, por exemplo, devem ser pagas à vista. “Se for preciso, deixe o cartão de crédito em casa. Gastar menos do que se


três mulheres agredidas fazem a denúncia, e é assustador imaginar que os números de violência e feminicídios podem ser ainda maiores. Maria, Ana, Isabel, Márcia...nomes de nossas amigas, mães, colegas de trabalho, mas também algumas das vítimas de feminicídio aqui na Bahia. Em 2018 foram registrados 70 casos, sendo 8 na capital e 62 na Região Metropolitana e interior do estado. Mas felizmente, nem só de estatísticas ruins se faz o Dia Internacional da Mulher. Por exemplo: o número de deputadas federais eleitas aumentou 51% em relação a 2014, e de deputadas estaduais, o aumento foi de 35%; já somos mais de 24 milhões de mulheres empreendedoras no Brasil (dados da Rede Mulher Empreendedora); e desde 1901, o Prêmio Nobel já concedeu essa honraria à 51 mulheres. Ao longo do último mês tive a oportunidade de conversar com diversas mulheres da nossa cidade sobre os desafios de ser mulher no século 21. Empresárias, médicas, políticas, mães, mulheres, que marcam seus nomes na história de Lauro de Freitas com exemplos de conquista, força e superação.

Adriana Ribeiro, médica. Natural de Vitória da Conquista, veio para Lauro de Freitas a trabalho, exercendo a sua formação em medicina. Com o passar dos anos foi ficando mais próxima das pessoas até decidir abrir a sua própria clínica, dentro da especialidade de gastrologia. Hoje, com 46 anos e mais de 12 anos de exercício, é reconhecida por seus pacientes por sua postura leve, sensível e profissional. “Sempre trabalhei focada em oferecer o melhor para o outro, de modo que nunca me incomodei com qualquer barreira que pudesse existir pelo fato de eu ser mulher. Se você ficar preocupada, acaba tirando o foco daquilo que de fato você deve fazer. Acho que as mulheres têm buscado ocupar mais espaço na sociedade, e cada vez menos o gênero é determinante. A valorização vem com o tempo, com a prova de seu profissionalismo. Ser mulher é algo divino, a maternidade é algo singular, somos muito sábias, e não devemos temer a nada.”

ganha é determinante para equilibrar suas finanças”, afirma a economista. “As mulheres devem, ainda, reservar alguns minutos do seu tempo para analisar suas contas. Ter registrado tudo o que gastou é pertinente para mensurar e entender onde está gastando mais dinheiro. Essas anotações podem ser feitas em um simples caderno, em uma planilha do Excel e também pelo celular. Já existem aplicativos que ajudam nesta tarefa, entre eles, o Mobilis e o GuiaBolso. Após fazer as contas, você perceberá que tudo questão de analisar as finanças e conhecer as próprias prioridades”, afirma a profissional. É possível se cuidar gastando menos? Descubra suas habilidades e faça você mesmo algumas coisas, como sobrance| Continua na página 22 u

Março de 2019 | Vilas Magazine | 21


q CIDADE

8 DE MARÇO | DIA INTERNACIONAL DA MULHER

u Continuação da página 21

lhas, unhas, esfoliação na pele e hidratação no cabelo. Você pode também investir em tratamentos caseiros para cuidar da pele e cabelo. Existem milhares de produtos disponíveis – e resenhas de pessoas reais sobre eles, explicando como usar, suas vantagens e desvantagens, como o blog Petiscos e blog da Camila Coelho.

SAIBA MAIS

A perfumaria está cara? Busque por receitas caseiras para fazer cremes de hidratação para o cabelo e outros cosméticos. O blog Escolha Natural está cheio de opções. Dá para economizar com academia? Que tal reunir as amigas para correr no parque, numa praça? Em duas horas semanais de corrida, você perde cerca de 1000 calorias – e o melhor, sem gastar um centavo sequer. Sente falta do personal trainer? Você pode baixar aplicativos que fazem todo o controle de quilometragem, definem metas e calculam sua velocidade. É o caso do Nike Training Club e Adidas Corrida & Treino, ambos totalmente grátis. Se correr não é a sua onda, que tal se exercitar em casa? O aplicativo Daily Workouts Free te ajuda a se organizar para malhar por 5, 15 ou 30 minutos diários. Mimos são possíveis? Sim, e você não precisa cortar todos os gastos com o que lhe faz bem, não! É possível também incluir os tratamentos estéticos ou gastos com beleza no orçamento, basta ter prioridades. Descubra, qual é o seu ponto fraco e destine um valor mensal para ele, incluindo este valor no orçamento. Quem é louca por roupas, pode separar um valor para isso. Quem ama livros, deve separar um dinheiro só para isso. Aproveite brechós ou sites de venda de segunda mão, como o Enjoei, para encontrar itens descolados e baratos. E, para economizar ainda mais, é fundamental pesquisar e comparar preços. 22 | Vilas Magazine | Março de 2019

l Para quem está entrando no mercado de trabalho, o ideal é que comece a poupar desde cedo. “É muito fácil se deslumbrar ao receber o primeiro salário. Afinal, você não recebia nada e, agora, passa a ter o próprio dinheiro. Mas é preciso ter cuidado para não gastar descontroladamente”, diz a economista. Atente-se que este é o momento ideal para começar a guardar dinheiro, pois geralmente, você ainda não tem muitos gastos com filhos ou casa. É hora também de planejar a sua carreira! l Se você já mora sozinha, é preciso dobrar os cuidados para manter a saúde financeira em dia. “A reserva para essas pessoas deve ser ainda maior. Pois, em caso de emergência, não há muito para onde correr. Também é importante planejar toda a movimentação financeira para, pelo menos, um ano”, alerta Marcela. l Se, além de morar sozinha, você tem filhos, é preciso encaixar os gastos com a criança no orçamento básico. Aqui, a palavra de ordem, mais que nunca, é o planejamento. “Os gastos com escola, a cada ano, vão ficando ainda maiores. Uniforme, material escolar, tudo deve ser colocado no papel. Por isso, planeje sua reserva para um período ainda maior”, explica Marcela.

Está no vermelho?

Veja dicas para organizar a sua vida financeira. E, se quiser se aprofundar mais em finanças femininas, a economista indica três leituras certeiras: l Finanças Femininas, de Carolina Ruhman Sandler e Samy Dana. l Detox das compras, de Carolina Ruhman Sandler. l O meu guia de finanças pessoais — Como gastar sem culpa e investir sem erros, de Mara Luquet.


Ana Cleide, empresária. Ana Cleide, 40 anos, é empresária há 19 anos, e há três se mudou em definitivo para Lauro de Freitas. Madrinha de dois projetos sociais (Projeto Crescer e Construindo o Amanhã), Ana Cleide investe em jovens talentos locais, gerando emprego e renda, como forma de retribuir para a cidade o carinho com o qual foi recebida. “As mulheres têm ocupado cada vez mais espaço, mas o desafio é grande.

Andrea Maestri, empresária. Andrea Maestri, 48 anos, é natural de Curitiba, mas a 19 anos é empresária e moradora de Lauro de Freitas. “Quando cheguei em Lauro abri a minha empresa, a Andrea Maestri Hidroginástica. Após muitos desafios, cheguei no formato atual, e fico muito feliz em hoje ter um espaço que propicia saúde e bem estar para o público feminino, sobretudo porque a mulher que antes era somente dona de casa, acumulou mais uma função fora do lar exigindo dela a capacidade de gerir o trinômio: lar, família e trabalho. Muitas mulheres já passaram pela academia, e muitas amizades nasceram aqui.” Somos mães, trabalhamos, administramos a casa e a empresa. Algumas vezes senti um olhar diferente, uma resistência com fornecedor na hora de uma negociação, acham que somos frágeis, que não vamos conseguir. Tenho um filho e duas filhas, e a mensagem que sempre transmito é que devemos ser humildes e nunca cansar de adquirir conhecimento; é através dele que ocupamos nossos espaços, alcançamos os objetivos e nos fazemos respeitar”.

Menos acidentes de trânsito

A

s mulheres são maiscuidadosas, prudentes e se envolvem menos em acidentes. Especialistas garantem que algumas características do sexo feminino, refletem, sim, no trânsito. E os dados divulgados pela Seguradora Líder, responsável pela administração do DPVAT, no Boletim Estatístico Especial “Mulheres no Trânsito” comprovam a afirmação. Do total de quase 384 mil indenizações pagas pelo Seguro DPVAT em 2017, apenas 25% foram para vítimas do sexo feminino. No último boletim disponível, com dados de janeiro a outubro do ano passado, o percentual se mantém inalterado. As mulheres tendem a ser mais atentas na direção ou nas ruas. Além disso, elas costumam respeitar mais às normas e leis de trânsito, como o uso do cinto de segurança e da cadeira infantil. Isso reflete diretamente nos números. Em casos de morte, por exemplo, a diferença no pagamento das

indenizações é ainda maior: 82% das Estatística do vítimas são do sexo masculino. PDVAT mostra Dados do Denatran mostram que, dos 67 milhões de motoristas no Brasil, que mulheres 34% são do sexo feminino, mas elas são mais recebem apenas 25% das indenizações. Proporcionalmente, se envolvem em cuidadosas menos acidentes de trânsito. Segundo o Censo do IBGE 2010, a população brasileira é composta por 49% de homens e 51% de mulheres. Ainda de acordo com os números da Seguradora Líder, o menor risco associado à mulher ao volante também pode ser verificado pelas estatísticas referentes ao condutor do veículo. Em 2017, apenas 7% das indenizações pagas foram para motoristas do sexo feminino, contra 42% para motoristas do sexo masculino. Março de 2019 | Vilas Magazine | 23


q CIDADE

8 DE MARÇO | DIA INTERNACIONAL DA MULHER

Tempo: 7 dicas para gerenciar

U

m dos maiores dilemas enfrenta- rapidamente sua independência, porém dos pelas mulheres atualmente isso tem um valor muito alto: o tempo é a falta de tempo. Elas assumem delas”, diz o especialista no Brasil em inúmeros papéis e responsabilidades, administração de tempo e produtividade que vão muito além da jore CEO da Triad PS, Christian nada de trabalho e incluem Barbosa. Gerenciar o obrigações com familiares e Na maioria dos casos, tempo é um atividades de casa. E, para as mulheres focam grande dar conta de tantas missões parte do dia nos problemas, dos maiores diárias, muitas acabam se nas urgências do trabalho, de desafios para casa, dos filhos e do marido, o anulando e deixam de lado as atividades pessoais. que resulta na falta de tempo as mulheres “Aliás, essa é uma das para realizar as atividades grandes diferenças entre as que realmente gostariam de mulheres e os homens. Raramente, eles fazer, como ir à academia, sair com as amise anulam diante de uma atividade roti- gas ou ler um livro. Uma forma de reverter neira, como deixar de ir ao futebol com esse cenário, segundo ele, é aprender a os amigos. No mundo em que vivemos, as gerenciar melhor o tempo. Para ajudar as mulheres se cobram cada vez mais por se- mulheres, Barbosa fez uma lista com sete rem capazes de liderar o próprio sucesso. dicas. Elas cresceram na carreira e assumiram Confira abaixo.

SAIBA QUAIS SÃO 1 – Entenda suas urgências para evitá-las: as mulheres têm mais urgências diárias, porém é preciso entender por que a urgência aconteceu e o que poderia ser feito para evitá-la em uma próxima oportunidade. Aprenda com essa urgência e antecipe futuros problemas. Isso irá reduzir o tempo perdido apagando incêndios; 2 - Delegue tarefas aos seus familiares: assumir todas as responsabilidades de casa sozinha faz com que as mulheres não tenham tempo e estejam sempre cansadas. Elas precisam compartilhar essas atividades com filhos e maridos. A casa não é apenas dela, é responsabilidade de todos; 3 – Exercite o uso da palavra “não”: você não precisa dizer sim para tudo. Se você não quer fazer algo, seja sincera. Ao dizer sim para os outros quando gostaria de dizer não, você está assumindo coisas circunstanciais que não gostaria de realizar. A regra é simples: nunca diga sim para alguém quando quiser dizer não; 4 – Decida a roupa na noite anterior: o período da manhã costuma ser 24 | Vilas Magazine | Março de 2019

de baixa produtividade para muitas mulheres. Para quem se enquadra nesse perfil, a dica é deixar toda a roupa do dia seguinte separada, passada e arrumada na noite anterior. Isso irá poupar um bom tempo. Tente também expandir essas ações deixando pronto seu café da manhã, a bolsa, os documentos etc.; 5 – Utilize um sistema de pastas: não guarde os documentos jogados de qualquer jeito. Crie pastas com assuntos específicos – carro, IR, bancos, contas a pagar, contas a receber, imóvel, faculdade, etc. Desta forma, você terá tudo o que precisar facilmente; 6 – Transforme seus filhos em aliados da produtividade: organize antecipadamente as tarefas da semana com as crianças. Imprima um quadro com todos os itens que devem ser feitos dia a dia e, quando algo for concluído, estimule-as a registrar no quadro. Isso acabará se transformando em uma brincadeira divertida e ajudará a criar hábitos de organização nas crianças; 7 – Organize seus acessórios: compre uma caixa pequena com divisões para guardar os acessórios. Coloque em cada divisão um item específico: anéis, brincos, colares, gargantilhas etc. Faça o mesmo procedimento com as maquiagens. A organização vai ajudar a poupar o tempo.


Ana Cristina Andrade, professora e empresária. Ana Cristina, 60 anos, é professora há 16 anos, empresária há 34 anos, moradora de Lauro de Freitas há 36 anos. Foi a primeira mulher a presidir o Rotary Club Lauro de Freitas, na gestão 2009/2010, e é membro fundadora da Academia de Letras de Lauro de Freitas. “Não gosto de vitimização. Acho que todos nós temos o poder de mudar a nossa história; não é porque a pessoa nasce, por exemplo, na favela, que ela não pode ser um médico. Temos que lutar. E a minha vida inteira me esforcei para chegar onde estou. Invisto em conhecimento, e penso que esse é um caminho que todos deveriam fazer, pois é assim que acabamos com a desigualdade. Mulheres e homens devem receber seus salários de acordo com a sua qualidade, e não pelo gênero; e me sinto totalmente apta para competir com qualquer homem no mercado de trabalho. Sou feminina e empoderada, me aceito e sou feliz como sou, sou batalhadora e sei me posicionar. E ser empoderada para mim é ser batalhadora, sinto orgulho quando vejo uma mulher que correu atrás, estudou, venceu na vida, tem seu dinheiro, pode viajar, pode fazer o que quiser. Para mim foi uma experiência muito boa o período que estive a frente do Rotary, na época era a única mulher em um grupo de cerca de 30 homens, e conseguimos realizar lindos projetos, um deles foi a Feira da Cidadania, que oferecia serviços essenciais para a comunidade; e na hora de botar a mão na massa e fazer acontecer eu estava lá, com minha calça jeans, no meio dos homens. Digo que a mulher não é mais que homem, e nem o contrário, somos complemento.”

Atenção para os exames Mulheres devem tomar pelo menos dois cuidados básicos com a saúde

O

Dia Internacional da Mulher tem por objetivo discutir o papel da mulher na sociedade atual. A data funciona também para estimular os cuidados com a saúde feminina. Estar atenta aos sinais do corpo e manter hábitos saudáveis podem ajudar tanto na prevenção quanto no diagnóstico precoce de doenças. Para isso, especialistas recomendam o check-up feminino como uma avaliação abrangente voltada à melhoria da qualidade de vida. Segundo o médico Jurandir Passos, médico ginecologista que compõe o corpo clínico do Laboratório Exame, existem exames específicos para cada fase femini-

Mirela Macedo, deputada estadual. Fisiorapeuta por formação, Mirela, 40 anos, veio para Lauro de Freitas em 2005 exercer a sua profissão. Em 2012 foi eleita vereadora do município, e desde então tem um trabalho ativo na vida política. Atualmente Mirela ocupa o cargo de deputada estadual. “Ser mulher é uma luta diária. Vivemos em uma cultura machista, e no ambiente político isso fica bem claro. De uma forma geral os olhares são de que nós não pertencemos ao cenário político, mas, nós mulheres, temos que saber conduzir com muita inteligência e sabedoria, e demonstrar cada vez mais a nossa importância na sociedade. Estamos ocupando nosso espaço, mas ainda falta muito para chegar ao desejado. Independentemente do gênero, eu acredito que qualquer pessoa pode ocupar qualquer espaço, e é muito importante que isso seja trabalhado na educação, em casa e nas escolas, com lições de respeito social”.

na. “Para quem ainda não possui vida sexual ativa, recomenda-se realizar a vacina contra o HPV (vírus do papiloma humano). Além do preservativo, atualmente é a única forma de prevenção contra esse tipo de infecção sexualmente transmissível que, se não for tratada, expõe a mulher ao câncer do colo uterino”, explica. No caso das mulheres que já tiveram relação sexual, segundo o especialista, é aconselhável fazer anualmente o exame Papanicolau, que serve para detectar possíveis células cancerosas no colo do útero. “Quando esse procedimento apresenta alterações, como presença de verrugas, manchas, vermelhidão ou feridas, o ginecologista solicita exames complementares para avaliação mais detalhada da vulva, vagina e colo do útero”, destaca Passos. Nos casos de mulheres que possuam família com registro de mioma, Passos enfatiza a importância de um acompanhamento do útero e do ovário por meio de ultrassom transva| Continua na página 26 u

Março de 2019 | Vilas Magazine | 25


q CIDADE

8 DE MARÇO | DIA INTERNACIONAL DA MULHER

u Continuação da página 25

ginal. “A população feminina deve estar atenta para sintomas como dores, menstruação atrasada por períodos longos, sangramento pós-relação sexual ou após a menopausa e fluxo menstrual intenso, pois indicam que algo está errado.” MAMAS De acordo com o médico, quando a mulher possui histórico familiar de câncer, ao completar 20 anos deve iniciar a realização do autoexame, que consiste em uma técnica de prevenção para identificar estágios iniciais do câncer de mama. Esse método é indicado para ser feito mensalmente de três a cinco dias após o aparecimento da menstruação. “Quando há algum tipo de suspeita ou existência de nódulo, é solicitado um ultrassom. Caso tenha um risco maior, solicita-se uma mamografia. Esta última, é obrigatória após os 35 anos e deve ser feita de forma anual”, destaca. Passos acrescenta que existem exames mamários considerados complementares, como a ressonância – procedimento de diagnóstico por imagem usado para o acompanhamento de lesões, e a mamografia tomográfica, que possui capacidade superior de detecção de câncer de mama em até 30%. EXAMES Quando há o desejo de engravidar, o ginecologista elucida que o mais correto é a mulher procurar um especialista para lhe acompanhar no planejamento da gestação. “Futuras mamães que estão nesse processo, precisam primeiramente avaliar alguns aspectos para saber como está a saúde. Por isso, o médico que a auxilia solicitará exames para detectar diabetes, riscos de infecções congênitas como rubéola, toxoplasmose, citomegalovirose ou as sexualmente transmissíveis que podem trazer problemas para o bebê, sendo elas a sífilis, hepatites e HIV”, completa Jurandir Passos. 26 | Vilas Magazine | Março de 2019

A Sororidade feminista

E

la é embaixadora da Boa Vontade pela ONU Mulheres e uma das criadoras do movimento HeForShe, que apela aos homens para defenderem a igualdade de gênero. Aos 11 anos ela foi apresentada no papel de Hermione Granger, atuando como umas das bruxas mais famosas da literatura jovem e do cinema. Essa é a descrição da estrela Emma Watson, que é atriz, feminista, incentivadora da leitura e fashionista. Seu trabalho é admirado por muitos, pois ela tenta provar todos os dias que o feminismo não é passageiro e nem hedonista. É uma causa para ser defendida por todos. Watson defende, também, que o apoio das mulheres com as próximas deve ser uma questão de sororidade (união e aliança entre mulheres, baseado na empatia e companheirismo), sem estigmas ou a vã necessidade de avaliação de terceiros enquanto são livres para fazerem o que desejarem. O feminismo se define pela luta de que homens e mulheres devem possuir direitos e oportunidades iguais. É justiça, prega que todo ser humano tenha igualdade política, econômica e social, não importando o sexo. Porém, ainda nos dias de hoje, homens estão aprisionados em estereótipos de gênero e mulheres lutam entre si, quando na verdade deveriam se apoiar pela liberdade e crescimento da representatividade feminina em diversas áreas. Entretanto, essas relatividades do feminino são coisas recentes? Claro que não! O conto “Quando fui uma Bruxa” publicado em 1910, do livro “O Papel de Parede Amarelo – e outros contos”, da autora norte-americana Charlotte Per-kins Gilman, em edição pela Via Leitura do Grupo Editorial Edipro, aborda muito bem essa temática. A história, narrada em primeira pessoa, relata uma bruxa que só pode realizar magia negra sendo todos seus feitiços relacionados com a ira e o caos. Dado tempo, a protagonista começa a observar mais as mulheres e as dificuldades que elas enfrentam perante a sociedade machista em que vive. Querendo ajuda-las, passa a desejar que todas pudessem por fim concretizar a condição feminina, seu poder, orgulho e emergir para a vida plena, para o trabalho, felicidade e liberdade de escolha. Mas seu feitiço não dá certo, pois ela é uma bruxa e desejou uma magia branca – a tão importante sororidade entre mulheres. Charlote Gilman foi escritora, poetisa e uma ativista do movimento feminista dos Estados Unidos ainda no século 19, seu livro “O papel de parede Amarelo – e outros contos” foi o best seller da Feminist Press, uma editora que promove a liberdade de expressão, justiça social e igualdade. Sua escrita se tornou um modelo para todas as gerações de feministas que viriam depois dela.

Feminismo não é passageiro e deve ser defendido por todos


Mirian Martinez, vereadora.

Tânia Regina, artesã.

Natural do Piauí, 58 anos, casada e mãe de três filhos. Em 1986, Mirian escolheu Lauro de Freitas com cidade para acolher sua família e foi ali que diante do desemprego, ao lado do seu marido, abriu as primeiras bancas de revistas e livraria do município. Ocupa desde 2016 uma cadeira na Câmara de Vereadores de Lauro de Freitas. “Mesmo nos século 21, mulher em papel de liderança ainda é uma questão que chama atenção e exige de nós posicionamentos muitas vezes difíceis. Ocupar esse espaço é sobretudo uma responsabilidade imensa levando em consideração que exercemos uma representatividade para outras mulheres que nos veem como exemplo a ser seguido. Na prática os desafios são os mesmos que outras mulheres enfrentam na sociedade diariamente, somando a isso as outras cobranças em função do papel que exercemos. Situações de discriminação acontecem no cotidiano. Não só na minha vida como na de todas as outras mulheres. O tempo todo precisamos provar que somos capazes de exercer determinadas funções ou que conseguimos fazer coisas que a sociedade acredita que apenas os homens conseguem.”

Nascida no Recôncavo, Tânia chega em Lauro de Freitas em dezembro de 1996, e aqui permanece fazendo sua arte. Ela é artesã, e sua matériaprima é a cabaça. É a atual presidente da Associação de Artesãos de Lauro de Freitas, onde cerca 99% dos membros são mulheres. “Um dos maiores desafios para nós, mulheres, é o da sobrevivência, é uma conquista a cada dia. Assim como a maioria das mulheres do século 21, mantenho meu comprometimento diário com o meu trabalho, mas também cuido da minha casa. Desafios são constantes na vida da mulher que faz escolhas, que tem consciência do que ela quer e que vai a luta. Sinto que temos mais resistência, mais força em nos expressar, estamos seguras em nossas atividades diárias. Quando somos representantes de uma categoria não estamos sozinhas. Representamos vozes e vezes de muitas mulheres. As mulheres que se propõem a liderar são mulheres desafiadoras e corajosas. Parabéns para todas nós, mulheres!”.

Zizette Balbino, advogada, empresária e bisavó. Zizette, 86 anos, é filha do ex-governador da Bahia, Antônio Balbino (1954-1959). A princípio vinha para Lauro de Freitas apenas para veranear, mas há cerca de 30 anos é moradora da cidade. Em 2016 Zizette completou 50 anos de formação acadêmica, em Direito, e se recorda que eram apenas sete mulheres em um universo de mais de 100 homens. “Tive a felicidade de conviver muito com a minha avó, que me deu noções básicas de estudos, e minha mãe, que meu deu sobretudo o senso de organização e o saber se comportar nas diversas ocasiões. Hoje tenho duas filhas, seis netas, duas bisnetas, e todas são mulheres fortes, de opinião e que sabem se impor. Eu, por exemplo, não hesito em dizer o que penso. As mulheres não devem ter medo de nada; tem que ter certeza daquilo que fazem, pois a condição humana de nascer mulher não as enfraquecem; ser uma pessoa forte, digna e que se imponha. Não existe diferença entre mulher e homem; o que existe é a diferença entre corretos e incorretos. Agora, a mulher tem um algo mais que é a doçura e o carinho, que os homens têm mais dificuldade em demonstrar. Ser mulher é um privilégio. Sejamos todas nós mulheres de força, mostrando que somos feitas para vencer, sempre pedindo aos céus, que Maria, o Sacrário de Jesus, esteja na nossa frente e conduza os nossos passos.”

Adalgisa Rolim, professora e empresária. Mãe e empresária, Adalgisa, 56 anos, fundou há 28 anos a escola de Ballet Adalgisa Rolim, que já formou bailarinos para importantes academias mundiais, a exemplo do Ballet Bolshoi. “Comemorar o Dia da Mulher reforça a nossa importância na sociedade, os nossos múltiplos papéis e a nossa capacidade de harmonizá-los com nossa vida pessoal. Seja em qualquer classe social, vemos a mulher que concilia um trabalho externo, com o trabalho de cuidar da casa e criar filhos. Percebem-se mudanças neste panorama, onde vê-se a participação dos homens na vida doméstica e no cotidiano dos seus filhos. Há mudanças significativas no cenário desde o final do século passado e neste que estamos vivendo. Isso é possível por todo processo histórico-cultural que acompanha a evolução das mulheres no mercado de trabalho e na sociedade. Bom termos essas conquistas. Bom termos acreditado que podíamos alcançar novos patamares. Resiliência e perseverança são qualidades inerentes à mulher na atualidade e, com toda certeza, também serão qualidades que farão parte da geração das que estão chegando neste século 21.” Março de 2019 | Vilas Magazine | 27


q CIDADE

8 DE MARÇO | DIA INTERNACIONAL DA MULHER

Elas são vítimas duas vezes Assediadas ou abusadas têm mais chances de desenvolver doenças

D

e acordo com a publicação científica Jama Internal Medicine, mulheres que sofreram agressão sexual ou abuso têm três vezes mais probabilidade de desenvolver depressão e duas vezes mais chances de apresentar ansiedade do que mulheres sem histórico de trauma sexual. Aquelas que sofreram ataques sexuais ou assédio ficaram duas vezes mais propensas a ter insônia. Os dados foram divulgados no último trimestre do ano passado, nos Estados Unidos. O estudo incluiu 304 mulheres não fumantes com idade entre 40 e 60 anos. O levantamento apontou que 19% das mulheres relataram já ter sofrido assédio sexual, 22% afirmaram ter passado por agressão sexual em algum momento da vida e

28 | Vilas Magazine | Março de 2019

10% disseram que passaram por ambas as situações. “Como o assédio ou o abuso sexual interferem diretamente nas áreas emocionais do cérebro, as mulheres podem sofrer consequências desastrosas que incluem também o transtorno de estresse pós-traumático, além de absenteísmo no trabalho, dores somáticas, fobia social, perda de confiança em si e transtorno obsessivo compulsivo (TOC)”, explica o professor e psicólogo do Centro Universitário Internacional Uninter, Ivo Carraro. Já as mulheres que relataram ter sofrido assédio sexual no local de trabalho apresentaram pressão arterial alta, situação que poderia colocá-las em risco, pois problemas com pressão arterial elevada podem causar Acidente Vascular Cerebral (AVC) como Isquemia ou Aneurisma Cerebral, doenças renais e ataques cardíacos, conforme especialistas. Segundo Carraro, as vítimas precisam procurar ajuda profissional para superar as pressões psicológicas. “Elas precisam criar uma realidade psíquica vencedora em situações ameaçadoras, bem como esquivar-se do efeito perturbador causado pelo assédio sexual sofrido no ambiente de trabalho”, recomenda o psicólogo.


Irmã Carol Oliveira, líder religiosa. Natural de Miradouro (MG), quinta filha de dez irmãos; foi educada na fé católica e muito cedo deu início à sua vida religiosa e missionária na catequese e nos grupos de jovens de sua paróquia. Consagrada e membro da Fraternidade das Missionárias do Evangelho, hoje se dedica à paróquia de São João Evangelista, em Vilas do Atlântico, já tendo passado também pelas paróquias de Santo Amaro de Ipitanga, Santo Antônio (Portão), Nossa Senhora Aparecida (Itinga) e Santo Agostinho (Areia Branca). Cantora e compositora, Irmã Carol gravou 12 CD´s e mais de 400 canções inéditas. “Cada vez mais, o Dia Internacional da Mulher é um momento de refletir sobre os desafios e progressos realizados, chamar para a mudança e celebrar atos de coragem e determinação de tantas mulheres, que têm desempenhado um papel extraordinário na história de suas vidas e da sociedade. São muitos os desafios que a mulher vem enfrentando no novo milênio. Um mundo novo e totalmente diferente nas relações familiares, no mercado de trabalho e até na missão da Igreja. Estamos diante de novos modelos, padrões e valores que exigem mais sensibilidade nas abordagens frente aos conceitos atuais. As mulheres estão rapidamente ganhando espaço em todos os campos, e é imprescindível que se pense nelas ao desenhar políticas públicas, produtos e serviços que facilitem essa marcha inexorável rumo ao futuro, que será feminino, como demonstram as estatísticas.”

Luciana Dumiense Dias, bancária. Gerente de agência bancária, mãe e esposa. A princípio Luciana, 44 anos, tinha resistência em morar em Lauro de Freitas, por conta da distância dos serviços em Salvador. Mas hoje, nem em sonho cogita a possibilidade de sair: “Aqui consegui reunir meus hobbies, meus restaurantes preferidos, meus amigos, meu trabalho e família. Adotei Lauro de Freitas como minha cidade e já se vão 15 anos”. “Assumo um papel de gestão na empresa onde trabalho, e como todas as mulheres, os desafios estão em sermos profissional e construírmos uma boa carreira, e fico muito feliz pois consegui isso. A empresa onde trabalho incentiva o empoderamento, valoriza o profissional, independente do gênero. Mas sei que isso não é a realidade nacional. Me sinto realmente privilegiada por conseguir viver isso. Para se ter uma ideia, minhas chefias imediatas são mulheres que construíram suas carreira de sucesso, e torcemos para que isso se estenda para várias empresas e deixe de ser um tabu. Sabemos que ainda temos muito espaço para ocupar, cenas de discriminação, violência e feminicídio ainda são muito comuns. Mas a voz da mulher hoje é mais forte do que ontem, conseguimos provocar o debate, e a esperança é que isso um dia acabe. Quanto mulher, me sinto realizada e desafiada, não havendo nada que me faça parar por conta do meu gênero.”

Mameto Lúcia, líder religiosa do Terreiro São Jorge Filho da Goméia. Sucessora herdeira de Mãe Mirinha de Portão, descendente de João da Goméia, respeitado e considerado o rei do candomblé em Lauro de Freitas, Mameto Lúcia, 53 anos, é hoje uma líder religiosa muito respeitada, não apenas em sua comunidade. Nascida no Rio de Janeiro, desde menina frequentava Lauro de Freitas, passando as férias escolares com a sua avó, no terreiro. “Infelizmente existem dois contextos, a luta da mulher e a luta da mulher de cor. O candomblé talvez seja o único espaço onde a mulher assume naturalmente um papel de protagonista no contexto de liderança religiosa. Mas são várias as lutas, e de uma forma geral dizem que matamos um leão por dia; eu acho que matamos leões, tigres, matamos várias coisas para poder verdadeiramente conquistar. Agora a mulher, com esse dom de prover a vida, de ser mãe, ela não desiste; na verdade assume um papel muito importante dentro da sociedade, lutamos para fazer um mundo melhor para aqueles que amamos. E estamos derrubando barreiras e conquistando nosso espaço, seja no nível intelectual, seja na política, seja na espiritualidade. É difícil saber o que desperta tanta maldade no ser humano ao ponto dele ser capaz de tirar a vida de outro. O que percebemos é que o fato da mulher não ser mais submissa como foi em outras épocas incomoda muito; que a falta de entendimento de muitos homens de que a mulher é capaz de tudo para defender seus filhos, e que possui uma grande força interior, também incomoda. Quando você pega esses fatos e coloca no Brasil, um país com tanta impunidade, infelizmente os números de feminicídio só tendem a aumentar. Mas nós mulheres, juntas, unidas, somos como uma manada de elefantes, e vamos incomodar muito mais.” Março de 2019 | Vilas Magazine | 29


q TURISMO & LAZER

Fernando de Noronha Como se dar bem em uma ilha mais cheia e mais cara a cada ano Turista informado pode driblar a gentrificação Visita ao parque nacional exige agendamento

A

Noronha que faz sucesso nas redes sociais, com fotos de celebridades, pousadas-butique e piscinas de borda infinita, é bem diferente da Noronha dos moradores – e da maioria dos turistas. A Vila dos Remédios, centro da ilha e antiga sede da administração militar que geriu o local até 1988, tem casas simples, prédios em ruínas, chão de pedra e bugues que parecem precisar de manutenção. Para chegar aos atrativos naturais e às pousadas, o visitante deve pegar a BR-363, com sete quilômetros de extensão, e estradas de terra, nem todas em bom estado. As opções de hospedagem vão além das pousadas luxuosas com spa e diárias que ultrapassam R$ 1.000. Há estabelecimentos familiares e hostels que cobram cerca de R$ 400 por um quarto. É o caso do hostel Casa Swell, onde a

Praia do Sancho 30 | Vilas Magazine | Março de 2019

diária do quarto triplo custa R$ 638, e da pousada Magia, que cobra entre R$ 460 e R$ 610 pela diária. As acomodações de luxo chegaram em peso nos últimos 15 anos. Isso contribuiu para aumentar os preços de outros serviços no arquipélago. Daniela Garcia Mesquita, 44, dona da pousada Magia e que vive em Fernando de Noronha desde 1988, sente essa mudança no dia a dia. Daniela conta que alguns lugares que antes eram frequentados por ela agora têm outro público. “Não é mais o meu mundo, nem sei como sentar lá”, diz, sobre o restaurante Mergulhão, que hoje serve, por exemplo, um prato individual ao preço de R$ 149, como o arroz do amado, com polvo, queijo coalho, castanhasde-caju, tomates e banana grelhada. Outro fator que encarece o custo de vida na ilha é a logística: quase tudo o

que é consumido lá chega de fora, o que significa de 24 a 48 horas de barco desde o continente. Mas não faltam pessoas dispostas a pagar o preço para estar naquele cenário. O número de turistas que visitaram o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha cresceu 11% de 2017 para 2018, chegando a 100.402, o que ultrapassa o limite proposto no plano de manejo da unidade: até 89 mil visitantes por ano. O aumento no número de visitantes ainda não resulta em praias cheias como as de Porto de Galinhas (PE), mas pode dar dor de cabeça em quem planejou uma viagem curta, de quatro ou cinco dias. Para preservar a biodiversidade da região, algumas praias e trilhas dentro do parque nacional têm controle de entrada e a visita precisa ser agendada. É no parque que está a praia do Sancho, eleita três vezes a mais bonita do mundo pelo site Tripadvisor. Para chegar até ela é preciso descer uma escada de ferro presa na fenda de uma rocha. Há horários para subir e para descer, das 6h30 às 18h30. Na piscina natural do Atalaia só é permitida a entrada de 96 pessoas por dia, em turmas de 16 visitantes. O local é um berçário de peixes e outros animais marinhos. Outro passeio com restrição de entrada é a trilha e a visita às piscinas naturais na Enseada dos Abreus, que recebe apenas 24 pessoas por dia. As atrações só podem ser reservadas presencialmente, com até seis dias de antecedência, das 17h às 22h, na bilheteria do Centro de Visitantes. As senhas para o agendamento começam a ser distribuídas às 15h30. O ingresso para o parque, sem o qual não é possível fazer o agendamento, pode ser comprado pela internet (parnanoronha.com.br), mas é preciso retirá-lo no Centro de Visitantes. Custa R$ 106 para brasileiros e vale por


dez dias. Pessoas com mais de 60 anos e menores de 12 anos não pagam. Visitantes que vão à Noronha também pagam uma taxa de preservação ambiental, que começa em R$ 73,52 ao dia. Veja a tabela de valores em noronha.pe.gov.tur Mas se não der para agendar um passeio, ainda há o que fazer no arquipélago. As praias dos Americanos – antigo ponto de nudismo – Cacimba do Padre, Boldró, Conceição e Porto não estão na área do parque e têm acesso livre. A praia do Porto é um dos pontos de mergulho da ilha, que é reconhecida como lugar ideal para praticar essa atividade, por ter vida marinha abundante e boa visibilidade na água. É do Porto também que saem os passeios de barco. Logo no começo do trajeto os turistas avistam golfinhos rotadores, um dos símbolos locais. Os barcos circulam pelo “mar de dentro”, que vai do

Porto até a Ponta da Sapata. O mar de dentro é a parte da ilha virada para o litoral brasileiro, que tem dez praias. As águas são calmas durante o período que vai de agosto a dezembro, quando são tiradas as melhores fotos do lugar, e mais agitadas entre janeiro e março, época boa para a prática do surfe. Já o lado de fora, virado para a África, tem mar mexido durante todo o ano. São três praias, Leão, Sueste e Atalaia, que sofrem mais com as correntes marítimas e exigem atenção de banhistas e mergulhadores. O passeio de barco inclui parada para snorkel na praia do Sancho, onde dá para ver corais, peixes coloridos e até tubarões. As embarcações se revezam na alta temporada, porque só cinco delas podem ficar paradas na baía por vez. Os tubarões estão nas águas de No-

ronha e também na conversa dos guias que acompanham os passeios, mas não há motivo para pânico: o habitat na ilha é equilibrado e por isso eles não têm a intenção de atacar humanos. Outra forma de ver a vida marinha de Noronha é no passeio de prancha VIP, modalidade inventada ali mesmo. O turista segura uma prancha pequena, presa a um barco, e é puxado sobre a água. Durante o passeio, é possível ver tartarugas e pedaços de um navio cargueiro que afundou em 1937. O arquipélago é acessível apenas por voos. A Gol e a Azul operam rotas para Noronha de duas a cinco vezes por dia, a partir de Recife. A Azul também faz voos de Natal, duas vezes por semana. As viagens duram cerca de uma hora e 15 minutos. Ana Luiza Tieghi / Folhapress. | Continua na página 32 u VANESSA ALVES BAPTISTA / FOLHAPRESS

Vista do mirante na baía dos Golfinhos Março de 2019 | Vilas Magazine | 31


q TURISMO & LAZER

u Continuação da página 31

Território estratégico, arquipélago já foi presídio e base militar

S

e hoje Fernando de Noronha é um destino que chama a atenção por suas belezas naturais, no passado, sua principal qualidade era a posição geográfica. Em tempos de guerra, era um “porta-aviões em pleno oceano Atlântico, estratégica demais para ficar desocupada”, explica a historiadora noronhense Grazielle Rodrigues, 42. A ilha foi descoberta em 1503 por Américo Vespúcio e doada em 1504 como capitania hereditária a Fernan de Loronha, explorador de pau-brasil que financiava expedições marítimas. Ficou abandonada por décadas e foi invadida por holandeses e franceses. Em 1737, para não perder aquele território, Portugal iniciou a construção do sistema de defesa da ilha, com dez fortes. Há vestígios deles pela região, com canhões pelo caminho, como no mirante São João Baptista dos Dois Irmãos, que dá vista para a Baía dos Porcos. A Fortaleza de Nossa Senhora dos Remédios, de 1737, é a que está em melhor estado de conservação, porque passa por uma restauração feita pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). O ponto permite ver, ao mesmo tempo, os morros do Pico e Dois Irmãos. Em 1738, a ilha foi transformada em colônia carcerária, e recebia os condenados do continente. Havia celas solitárias, como as da Fortaleza de Nossa Senhora dos Remédios, e um espaço para pernoite dos prisioneiros com mau comportamento, a Aldeia dos Sentenciados – suas ruínas podem ser vistas na Vila dos Remédios. Os presos que não apresentavam riscos viviam em casas e faziam trabalhos forçados durante o dia. Eles podiam levar as famílias para acompanhá-los durante a pena. “Quando o presídio foi desativado, alguns ficaram aqui. Tem cinco famílias na ilha que descendem deles”, diz Grazielle. A colônia carcerária recebeu de ladrões de cavalos até falsificadores de dinheiro, passando por presos políticos no início do Estado Novo. Foi encerrada em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, e a ilha foi ocupada por 3.000 militares dos Exércitos brasileiro e americano. “Noronha foi usada para monitorar qualquer movimentação do Eixo, por céu ou mar”, diz Grazielle. Boa parte da população mais antiga que vive hoje ali chegou nessa época, para trabalhar no Exército ou prestar serviços aos militares. Entre 1958 e 1965, na Guerra Fria, o Exército do EUA voltou à ilha, que foi administrada por militares até 1988, quando se tornou território de Pernambuco. Na ditadura militar, entre 1964 e 1967, Noronha voltou a ser presídio político. Entre os presos da época estava Miguel Arraes (1916-2005), então governador pernambucano. Ana Luiza Tieghi / Folhapress.

32 | Vilas Magazine | Março de 2019

Morro dos Dois Irmãos e Baía dos Porcos

Caminho das pedras leva à melhor vista de Noronha

É

do alto de uma falésia recoberta de vegetação que se descortina a melhor vista da baía do Sancho, situada naquele pedacinho de chão firme do meio do Atlântico que é repleto de belezas naturais: Fernando de Noronha. A imagem vai ser ainda mais marcante se houver um barquinho flanando em suas águas transparentes, morada de uma rica fauna marinha. Lá de cima do penhasco, dá para jurar que a embarcação está voando. A praia foi eleita em 2018 a mais bonita do Brasil – e a segunda do mundo – pelo prêmio Traveller’s Choice, do site de avaliações TripAdvisor. Suas águas claras têm coloração que passeia entre os


Há duas formas de alcançar a baía do Sancho. Uma é pelo mar, em barcos, já que aquele é um dos poucos pontos em que é permitida a parada de embarcações para banho, pois não há prejuízo aos corais. A segunda é pelas escadas encravadas dentro de uma fenda na rocha, complementada por degraus nas pedras, descendo até a areia clara. O caminho que proporciona o melhor visual é, sem dúvida, também o mais difícil: a descida pelas escadas. A recompensa vale o esforço, mas é preciso ficar atento à tabela de horários fixos para subida e descida, definidos pelo ICMbio (Instituto Chico Mendes da Biodiversidade), que administra a área. A baía do Sancho localiza-se no mar de dentro. Por se tratar de uma área de preservação ambiental, ali não é permitida a presença de barracas, tampouco de vendedores ambulantes (leve, portanto, água e lanches na mochila). Ah! Não se esqueça da máscara de snorkel: Sancho é considerado um dos melhores lugares do mundo para a prática de mergulho livre. Roberto de Oliveira / Folhapress. ANA LUIZA TIEGHI / FOLHAPRESS

tons de verde e azul, em um degradê visível quase todo o ano, interrompido apenas no período dos “swells”, as grandes ondulações que fazem a alegria dos surfistas. Originado por ventos vindos do oceano, esse movimento tende a deixar o mar revolto, provocando ondas de até quatro metros (geralmente ocorrem entre dezembro e março, mas, é bom lembrar, o clima está uma doideira). Isolada, limitada por uma costa acidentada, a praia exige esforços de quem deseja chegar até ela.

ADRIANO VIZONI / FOLHAPRESS

Praia do Sancho

Março de 2019 | Vilas Magazine | 33


q VIVER BEM

Prato deve ser consumido na medida para ser saudável. Saladas devem ser ingeridas antes do prato quente para saciar a fome. É importante observar a higiene do local

A

rotina agitada nem sempre permite uma alimentação saudável. Por isso, é importante saber como se alimentar fora de casa de forma mais saudável. Os populares PF´s (pratos feitos) podem ser vilões se houver exagero. Estudo internacional, que contou com o apoio da

34 | Vilas Magazine | Março de 2019

Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), mostra que porções exageradas são comuns em restaurantes, como no Brasil. O resultado mostrou que 94% das refeições à la carte e 72% dos pratos servidos em fast foods continham mais de 600 quilocalorias – mais que o consumo


por refeição recomendado pelo Sistema de Saúde da Inglaterra. Por conter fibras, é indicado que a salada seja consumida antes do prato quente, o que contribui para aumentar a saciedade, segundo Daniela Cierro Ros, consultora técnica da Associação Brasileira de Nutrição. “Os temperos devem ser o mais natural possível, como limão, ervas frescas ou secas, azeite, evitando o sal. O ideal é não ter saleiro na mesa”, afirma. Além de escolher lugares que tenham opções mais saudáveis, é preciso se ater à quantidade ingerida, de acordo com nutricionista Isabela Carmona. “Mastigue devagar para se sentir mais saciado com menos quantidade de alimento. Evite frituras, carnes muito gordurosas, molhos prontos para salada, refrigerantes e bebidas em geral durante as refeições.” A nutricionista alerta ainda para os temperos utilizados em restaurantes. “Normalmente são prontos e ricos em sódio, o que facilita na retenção de água e faz com que fiquemos inchados.” Uma recomendação da nutricionista é não pensar só em calorias, e sim na maneira com que o alimento foi preparado, nos ingredientes e na quantidade ingerida de cada alimento. Caso decida levar comida de casa para o trabalho, é preciso ter cuidados importantes, segundo a consultora técnica Daniela Cierro Ros. “Escolha alimentos frescos e de boa procedência. É preciso armazená-los na geladeira e transportar as marmitas em bolsa tér-

mica, com gelo e, assim que chegar, mantenha sob refrigeração ou freezer.” Ela diz que não é aconselhado comida pronta na geladeira por mais de três dias. Tatiana Cavalcanti / Folhapress.

Encontro Vegano

Em fevereiro aconteceu mais uma edição do Encontro Vegano no Evolua Sk8 Park, que tem como proposta prestigiar os adeptos do movimento, público bastante carente de opções que tem no espaço a única opção de local exclusivamente vegano no município. Recomendado pela Organização Mundial de Saúde, listada como de muito menor impacto ambiental com inúmeros benefícios para o planeta e saúde, o veganismo é um movimento que busca a libertação animal em todas as frentes possíveis, incluindo mercado, alimentação, trabalho forçado e entretenimento. Os encontros devem acontecer sempre no último domingo do mês. Mais informações com Carol: Tel.: 9 8895-2212. Março de 2019 | Vilas Magazine | 35


q VIVER BEM

Idosos procuram a quiropraxia para aliviar as dores crônicas

A

quiropraxia tem ajudado idosos a aliviar as dores no corpo, em especial na coluna vertebral. Quem já sofreu com dores crônicas garante que voltou a ter qualidade de vida após as sessões. Por ter trabalhado por anos sentada, a advogada aposentada Silvia Vilardi, 63 anos, desenvolveu problemas na lombar e que traziam muitas dores nas costas. Ela tinha que tomar remédios para não travar. Há seis meses, Silvia iniciou tratamento com quiropraxia, uma vez por

36 | Vilas Magazine | Março de 2019

semana. “Me faz muito bem. Mudou tudo na minha vida. A dor me restringia muito, não saía mais. Agora voltei a ter vida social”, diz. O retorno da qualidade de vida aos pacientes é destacado pelo quiropraxista David Porto. “A técnica ajuda a aliviar dores na coluna vertebral, ombros, cotovelos, punhos, quadril, joelhos, e tornozelos”, afirma. “O idoso consegue ganhar movimento das articulações e reduzir muito os níveis de dor, dando possibilidades para que possa ser mais ativo,

Prática é elogiada por pacientes, mas é preciso ter cuidados antes das sessões para evitar riscos desfrutar de uma vida com qualidade e fugir dos efeitos colaterais que muitos remédios causam no organismo.” Quem tiver interesse, precisa passar por uma primeira consulta com um quiropraxista que irá fazer uma avaliação para checar se não há riscos na prática em idosos, segundo Roberto S. Bleier Filho,


presidente da Associação Brasileira de Quiropraxia. “A prática tem como foco realinhamento da coluna. Em idosos precisa ser adequada e com movimentos mais leves.” O quiropraxista explica quando há contraindicações. “Para pacientes com câncer, osteoporose e problemas vasculares, como trombose e derrame. Não é impossível passarem por sessões, mas é preciso avaliar exames a evitar riscos, já que com a idade o corpo sofre um processo degenerativo.”

TER POSTURA ADEQUADA É ESSENCIAL Roberto S. Bleier Filho, alerta sobre a importância da postura correta. “Ao longo da vida, fará a diferença para o indivíduo. A quiropraxia também ajudará”, diz. O especialista afirma ainda que o sedentarismo e o estresse podem contribuir para problemas na coluna. “É fundamental ter uma alimentação saudável, não fumar e evitar beber.” Tatiana Cavalcanti / Folhapress.

Março de 2019 | Vilas Magazine | 37


q PREVIDÊNCIA

Trabalhador perto de se aposentar terá regra especial

A

transição para a implantação da idade mínima de aposentadoria criada pela equipe do presidente Jair Bolsonaro buscará amenizar o impacto das mudanças em três diferentes perfis de trabalhadores do setor privado: o que está muito perto de se aposentar por tempo de contribuição, indepen-

38 | Vilas Magazine | Março de 2019

Sistema de pontos da regra de transição da reforma é opção para quem começou a trabalhar mais cedo

dentemente da idade; os mais velhos e com períodos não muito longos de recolhimentos; e aqueles que começaram a trabalhar mais jovens. Entre as três opções de transição a serem propostas na reforma, o sistema de pontos é a principal inovação em relação aos projetos de Temer. Essa opção evita que segurados que começaram a contribuir muito jovens e não avançaram aos 50 anos de idade sejam obrigados a se aposentar com a idade mínima de 62 anos (mulheres) e de 65 anos (homens). Se estivesse valendo hoje, o siste-


ma de pontos concederia a aposentadoria ao segurado cuja soma da idade ao tempo de contribuição resultasse em 86 (mulheres) e 96 (homens). A exigência da regra aumenta um ponto a cada ano, até chegar a 100 (mulheres) e 105 (homens). Com essa regra, um homem de 50 anos e com 32 anos de contribuição completaria 105 pontos até o final de 2031 e se aposentaria aos 62 anos – três anos antes da idade mínima de 65 anos. “Seria melhor para o trabalhador uma transição mais longa, com a pontuação subindo a cada dois anos”, diz o advogado Luiz Felipe Veríssimo, do Instituto de Estudos Previdenciários. “Mas ter opção da transição por pontos é melhor que não ter”, afirma o especialista. A proposta apresentada pelo governo de Bolsonaro não é necessariamente a mesma que será votada e, eventualmente, aprovada pelo Congresso. O texto ainda pode ter ajustes pois será submetido à área jurídica do governo e ainda poderá ser modificado por deputados e senadores.

IDADE PROGRESSIVA E PEDÁGIO SÃO OPÇÕES Outra opção da transição é a idade mínima progressiva, partindo de 56 anos (mulheres) e 60 anos (homens). Caso o governo imponha uma carência não muito alta – cerca de 20 ou 25 anos de contribuições – para quem vai se aposentar com essas idades, essa regra será a mais interessante para quem, apesar de já ter mais de 50 anos, começou a recolher após os 25 ou 30 anos ou ficou muito tempo sem pagar o INSS. Uma mulher hoje com 55 anos conseguiria se aposentar em 2021, aos 57 anos, idade exigida na transição. Sua aposentadoria, porém, também estará condicionada ao tempo de contribuição que tiver quando alcançar a idade mínima. Caso o número de recolhimentos não tenha sido atingido, ela possivelmente terá de contribuir até completar essa exigência. A terceira opção de transição é o pedágio, o mais interessante para quem está muito perto de se aposentar com o tempo de contribuição exigido hoje (30 anos, para a mulher, e de 35 anos, para o homem). Quem está a até dois anos desse requisito precisará contribuir por mais 50% do tempo que ainda falta para ter o benefício. Clayton Castelani / Folhapress.

Março de 2019 | Vilas Magazine | 39


q FINANÇAS

IMPOSTO DE RENDA 2019

8

questões importantes

A Receita Federal publicou em fevereiro, informações sobre como será o período de preenchimento e entrega da Declaração de Imposto de Renda 2019 - Ano Base 2018. Para o diretor executivo da Confirp – Consultoria Contábil, Richard Domingos, é prudente que as pessoas se preparem com antecedência para declarar, já procurando e separando os documentos necessários. “Quanto mais preparado o contribuinte estiver melhor, já que os primeiros dias são os mais interessantes para o envio, por dois motivos: quem entrega a declaração com antecedência receberá sua restituição antes, além disso, em caso de problemas, o contribuinte terá tempo para resolvê-los, evitando a necessidade de realizar uma declaração retificadora, depois do prazo de entrega, que será 30 de abril”, alerta. Para entender melhor, o consultor detalhou os principais pontos sobre o tema: PRAZO DE ENTREGA O prazo neste ano será menor, indo das 40 | Vilas Magazine | Março de 2019

8 horas de 7 de março até o último minuto de 30 abril.

PRINCIPAIS NOVIDADES PARA DIRPF 2019 Até o momento já se tem duas novidades: uma é que se torna obrigatório informar o CPF de qualquer dependente e/ou alimentandos independentemente da idade. Além disso, serão obrigatórias informações completas referentes a veículos e imóveis. Para às movimentações ocorridas no ano calendário imediatamente anterior. Assim, no preenchimento serão pedidos documentos comprobatórios da compra e venda de bens e direitos (caso tenham ocorrido) no ano calendário 2018:

l IMÓVEIS - Data de aquisição, Área do imóvel, Inscrição municipal (IPTU), número da matrícula do imóvel e nome do Cartório de Imóveis onde foi registrado o imóvel; l VEÍCULOS, AERONAVES E EMBARCAÇÕES - Número do Renavam e/ou registro no correspondente órgão fiscalizador. QUEM É OBRIGADO A ENTREGAR DECLARAÇÃO l Quem recebeu rendimentos tributáveis, sujeitos ao ajuste na declaração, cuja soma foi superior a R$ 28.559,70; l Quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributáveis exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00; l Quem obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens Continua na página 42 u

Raymundo Dantas

Escritor e palestrante, especializado em Marketing no Varejo, com Mestrado na Espanha. raymundo_dantas@uol.com.br

Quem tem medo da opinião pública?

E

ntre dirigentes de empresa, ainda existe muitos que não entendeu a importância e a influência da opinião pública sobre os negócios. Agem como se pudessem ignorá-la. Quando entretanto, um jornal ou revista ou a rede social publicam uma nota desabonadora contra sua loja, aí então é um deus-nos-acuda, e às vezes o varejista não sabe se conduzir: faz feio, agride, acusa o cliente, e sai mais desgastado do que nunca. Ao contrário do que possa parecer, a opinião pública não é a soma,

nem sequer a média das opiniões individuais das pessoas. Ela é formada por alguns líderes, ou mesmo por certas instituições, e logo é abraçada (às vezes inconscientemente) pela população. Uma vez estabelecida, torna-se o padrão de opinião. Ela condiciona atitudes e determina comportamentos. Torna aceitáveis ou inaceitáveis causas, coisas, idéias, pessoas, produtos, empresas, etc. Desnecessário lembrar o quanto as redes sociais têm influenciado, inclusive a vida política do país, impedindo a eleição de uns e elegendo outros até então desconhecidos. Imagine o estrago que pode


fazer com um estabelecimento comercial! Quando instalada, a opinião pública é irracional. Assim, depois que se estabelece que tal loja tem preços altos, as pessoas começam a agir mecanicamente, isto é, nem passam mais por lá, para conferir o preço. Simplesmente deixam de entrar naquela loja. Podemos mudar a opinião pública? Sim, mas esta é uma tarefa difícil, de alto custo psicológico e financeiro, que não se consegue a curto prazo. Além do que, nada, nem ninguém, sobrevive muito tempo contra a opinião pública. Esteja certo disso! Por esse motivo, qualquer empresa tem que se preocupar em se fazer aceita pela sociedade. É preciso que, aos olhos da opinião pública, a empresa seja vista como “boa cidadã”, isto é, uma instituição que cumpre seu papel, paga seus impostos, serve bem aos clientes, gera empregos, tem portanto sua existência

Esse reconhecimento gera simpatia pela marca, boa imagem e mais vendas. Em outras palavras: fideliza o cliente, dá estabilidade ao negócio e aumenta os lucros! Portanto, precisamos influenciar a opinião pública a nosso favor. O primeiro passo é trabalhar corretamente no nosso negócio: atender bem o cliente, ter preço compatível, limpeza, e tudo o mais que você já sabe ser importante num estabelecimento varejista. Mas não basta só isso, porque a opinião pública é criada pelos chamados formadores de opinião. A população apenas acredita no que eles dizem e assumem as versões que eles divulgam. Acredite: as massas não pensam, apenas obedecem a impulsos e emoções! Quem são afinal esses formadores de opinião que precisamos influenciar? Os donos do poder são: a mídia (revistas, blogs, TV, jornal, rádio); as chamadas lideranças da sociedade civil (ONG’s,

ecologistas, associações de classe ou de bairro); as lideranças religiosas (o clero católico, evangélico, cultos afro, entre outros). O próprio Governo com suas estruturas e ramificações, os Rotary e Lions Clubes, todos são, em escalas diversas, formadores de opinião. É preciso desenvolver boas relações com esses personagens, especialmente mantendo-os informados a respeito de tudo de bom que sua empresa oferece à comunidade. E precisamos fortalecer nossas associações de classe, para que possam, com a força da nossa representação, exercer uma influência mais poderosa (um “lobby”, no seu verdadeiro e correto sentido ), mantendo informados e próximos de nós os formadores de opinião. Assim, não é preciso ter medo da opinião pública: é preciso, sim, aprender a formá-la favoravelmente!

Março de 2019 | Vilas Magazine | 41


q FINANÇAS u Continuação da página 40

ou direitos, sujeito à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas; Relativamente à atividade rural, quem: l Obteve receita bruta em valor superior a R$ 142.798,50; l Pretenda compensar, no ano – calendário de 2017 ou posteriores, prejuízos de anos-calendário anteriores ou do próprio ano-calendário de 2016; l Quem teve, em 31 de dezembro, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00; l Quem passou à condição de residente no Brasil em qualquer mês e nesta condição se encontrava em 31 de dezembro; ou l Quem optou pela isenção do imposto sobre a renda incidente sobre o ganho de capital auferido na venda de imóveis residenciais, cujo produto da venda seja aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no País, no prazo de 180 (cento e oitenta) dias contados da celebração do contrato de venda, nos termos do art. 39 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005. DESCONTO SIMPLIFICADO Poderá optar pelo desconto simplificado de 20% do valor dos rendimentos tributáveis na Declaração de Ajuste Anual, limitado a R$ 16.754,34 em substituição de todas as deduções admitidas na legislação tributária. PENALIDADE PELA NÃO ENTREGA Multa de 1% ao mês de atraso, calculado sobre o valor do imposto devido na declaração, sendo essa multa limitada a 20%; Multa mínima de R$ 165,74 (apenas para quem estava “obrigado a declarar”, mesmo sem imposto a pagar). COMO ELABORAR l Computador, mediante a utilização do Programa Gerador da Declaração (PGD) relativo ao Exercício de 2019, disponível

42 | Vilas Magazine | Março de 2019

no site da Receita Federal do Brasil (www. receita.fazenda.gov.br) l Computador, mediante acesso ao serviço “Declaração IRPF 2019 On-line”, disponível no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) no site da Receita Federal do Brasil (www.receita.fazenda.gov.br), com uso obrigatório de Certificado Digital (do contribuinte ou representante/ procurador); l Dispositivos móveis, como tablets e smartphones, mediante a utilização do serviço “Fazer Declaração l Declaração pré-preenchida que poderá ser baixada do site da Receita Federal do Brasil (www.receita.fazenda.gov.br), por meio de certificado digital (do contribuinte ou representante/procurador) DESPESAS DEDUTÍVEIS l Contribuições para a Previdência Social da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios; l Despesas médicas ou de hospitalização os pagamentos efetuados a médicos de qualquer especialidade, dentistas, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, hospitais,

e as despesas provenientes de exames laboratoriais, serviços radiológicos, aparelhos ortopédicos e próteses ortopédicas e dentárias; l Previdência Privada [PGBL] cujo limite será de 12% do total dos rendimentos tributáveis no ano; l Importâncias pagas em dinheiro a título de Pensão Alimentícia em face das normas do Direito de Família, quando em cumprimento de decisão judicial ou acordo homologado judicialmente ou por escritura pública, inclusive a prestação de alimentos provisionais; lDespesas escrituradas em Livro Caixa, quando permitidas; lSoma das parcelas isentas vigentes, relativas à Aposentadoria, Pensão, Transferência para a reserva remunerada ou reforma, pagas pela previdência oficial, ou privada, a partir do mês em que o contribuinte completar 65 anos; lDespesas pagas com instrução (educação) do contribuinte, de alimentandos em virtude de decisão judicial e de seus dependentes, até o limite anual individual de R$ 3.561,50; l Despesas com aparelhos ortopédicos


Jaime de Moura Ferreira e próteses ortopédicas pernas e braços mecânicos, cadeiras de rodas, andadores ortopédicos, palmilhas e calçados ortopédicos, e qualquer outro aparelho ortopédico destinado à correção de desvio de coluna ou defeitos dos membros ou das articulações; l Seguro saúde e planos de assistências médicas, odontológicas. QUEM PODE SER DEPENDENTE l Companheiro(a) com quem o contribuinte tenha filho ou viva há mais de 5 anos, ou cônjuge; l Filho(a) ou enteado(a), até 21 anos de idade, ou, em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho; l Filho(a) ou enteado(a), se ainda estiverem cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, até 24 anos de idade; l Irmão(â), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, com idade até 21 anos, ou em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho; l Irmão(â), neto(a) ou bisneto(a), sem arrimo dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, com idade até 24 anos, se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau; l Pais, avós e bisavós que, em 2018, tenham recebido rendimentos, tributáveis ou não, até R$ 28.559,70; l Menor pobre até 21 anos que o contribuinte crie e eduque e de quem detenha a guarda judicial; l Pessoa absolutamente incapaz, da qual o contribuinte seja tutor ou curador.

Confira na edição de abril GUIA DO IMPOSTO DE RENDA 2019 Anuncie os serviços da sua empresa de contabilidade 3379-2206 / 3379-2439 comercial@vilasmagazine.com.br

Ad­mi­nistrador, consultor organizacional, professor universitário, escritor, ambientalista, sócio fundador do Rotary Club Lauro de Freitas. jaimoufer@hotmail.com

Mudança no sistema educacional

S

em dúvidas, a mudança no sistema educacional é necessária, porém é muito difícil e deverá estar bem acima dos conceitos formais, estabelecidos pelas grades (escolares, acadêmicas, doutorados, etc.). Será preciso muito mais, principalmente quando se trata, no momento, de “educação à distância”: atualização de professores, mudanças familiares, e, acima de tudo, a diminuição da corrupção e a eliminação da impunidade, que transformam empresários e políticos desonestos em usurpadores de recursos que seriam destinados a essa mudança. Têm-se exigido muito das crianças de hoje, para a construção do Brasil do amanhã. No entanto será necessário que muitas modificações sejam feitas, na educação dessa gurizada, para exigirmos a responsabilidade da turma, a exemplo: Educação Moral e Cívica (formação do civismo nacional; ética; símbolos nacionais; histórias de heróis brasileiros; forças armadas; polícias federal, estaduais e municipais, entre outros); Meio Ambiente (plantar, colher e dar manutenção à flora; respeitar e amar os animais de estimação e os silvestres; entender do conceito de esgotamento sanitário; dar valor à água; evitar sujar os ambientes com lixo; promover a coleta seletiva de lixo); Psicologia (inferir que o Grande Deus nos fez iguais aos elementos da Terra e, por isso, somos todos irmãos); Educação no trânsito (respeitar a legislação; ser altruísta com os outros; e observar os sensores e

velocidades estabelecidas); Educação financeira (educarse em dados financeiros pessoais; praticar orçamentos – elaboração e execução; conhecer fluxo de caixa; e saber utilizar-se de cartões de créditos); Limpeza (compreender e participar da necessidade da limpeza individual, familiar, de terceiros e escolar); Acidentes da natureza (ser altruísta e justo com os amigos de perto, nacionais e mundiais, acidentados); Gastos desnecessários (evitar ser consumidor exagerado; e colocar no prato apenas o que se possa comer); Religiosidade (possuir fé em uma religião, seja qual for); Preconceito (abolição de racismo, gêneros, desajustes entre as pessoas e polarização desacertada); Qualidade de vida (estabelecer padrões de vida, de acordo com a sociedade honesta, acatando as discussões em prol do engrandecimento de pessoas ou grupos e mostrar que o viver depende das desigualdades). Essas, a princípio, são soluções necessárias para a mudança da educação da criança e transformá-las em um futuro para o nosso querido Brasil. Pouco adianta “bater palmas” para as atuações de outros países, pois suas culturas foram constituídas há muitos anos. Precisamos mudar a educação da atual juventude, principalmente no exemplo da família. Será muito fácil jogar o problema nas mãos da gurizada, quando a maioria dos pais vivem se locupletando de atitudes, contrárias a sociedade do bem.

Março de 2019 | Vilas Magazine | 43

Profile for Vilas Magazine

Vilas Magazine | Ed 242 | Março de 2019 | 32 mil exemplares  

Vilas Magazine | Ed 242 | Março de 2019 | 32 mil exemplares

Vilas Magazine | Ed 242 | Março de 2019 | 32 mil exemplares  

Vilas Magazine | Ed 242 | Março de 2019 | 32 mil exemplares

Advertisement