Issuu on Google+

Agrupamento de Escolas da Cordinha

A Festa dos Nutrientes

Conto Viajante – 3º Ano

2010 - 2011


Havia convites espalhados por todas as hortas, prados, pomares, quintas, olivais, vinhas, rios‌ da região centro de Portugal Continental que diziam:


Convite Convidam-se todos os alimentos a participar na grandiosa FESTA DOS NUTRIENTES, com relaxamento, desfile e baile, no dia 16 de outubro, pelas 18:30, no pomar da Senhora Vitamina C. Contamos com a vossa presenรงa!


No pomar da Senhora Vitamina C havia uma grande azåfama na preparação da maior festa das redondezas.


As maçãs, as peras, as laranjas, os limões, os Kiwis… preparavam tudo ao pormenor e com grande limpeza, não fossem eles os nutrientes que evitam as infeções. As diferentes tonalidades das folhas que o Outono pintou decoravam e coloriam o ambiente da tão esperada Festa!


O conjunto musical “Nozes e Avelãs” treinava as músicas para o grandioso baile.


Por todo lado ouviam-se rumores entre diversos alimentos.


A festa abriu com um momento de relaxamento proporcionado pelas gotas de água do rio Mondego e com música de fundo tocada pelo conjunto “Nozes e Avelãs”.


Seguiu-se o desfile dos alimentos saudáveis, sendo os laticínios os primeiros. - Nós somos alimentos ricos em proteínas. Somos muito importantes, pois ajudamos na construção das células que o ser humano precisa para crescer! – diziam eles.


As leguminosas desfilaram em seguida. Nos seus cartazes estava escrito:


Seguiu-se um breve

INTERVALO

com música suave, pois a festa ainda estava no início!!!


Os legumes juntaram-se todos e desfilaram maravilhosamente exibindo os seus nutrientes: vitaminas, ferro, fósforo e cálcio.

A primeira parte do desfile terminou com muita alegria, entusiasmo e emoção!


Após o intervalo, a Festa recomeçou em grande. Para muito espanto de todos, com a chegada de alguém especial, num carro de último modelo e topo de gama!... Dona Roda dos Alimentos, a anfitriã daqueles festejos, pediu ao chefe de cerimónias: -Ananás, por favor, vai esperar, à entrada Majestade, a Rainha D. Água Cristalina.

do salão, Sua


- Certamente, Senhora, mas temos que aumentar o nĂşmero de lugares, Ă  mesa, para o jantar, pois fui informado que sua Majestade se faz acompanhar, pela Vossa grande amiga e respeitosa Senhora , Rosa das Frutas


A entrada foi brilhante, pois dona Rosa das Frutas, Rainha do Condado das Vitaminas, vinha elegantemente vestida de cor de rosa e fazia-se acompanhar pelo mais novo dos seus filhos. O belo, simpático e vermelho , o príncipe Morango que, seria naquela festa, apresentado à sociedade dos Alimentos.

Príncipe Morango era um rapaz, alto, cabelos verdes e lisos e olhos grandes e negros, sempre atentos a tudo que se passava à sua volta.


De tal maneira que, logo da porta de entrada do salão, avistou, vindo ao seu encontro, a Princesa Rebeca, com um delicioso chapéu na cabeça e, nas mãos, transportava um presente para lhe entregar, em sinal de boas vindas. Delicadamente, o príncipe aceitou e convidou-a para dançar ao som das Bodas de Fígaro que, o conjunto, tão bem interpretou Todos os convidados aplaudiram a forma como rodavam e rodopiavam no salão. Contudo, as rainhas também perceberam a troca de olhares, mas acharam que seria o efeito do Dia de S. Valentim.


No pomar das Vitaminas, de Sua Alteza Real, D. Roda dos Alimentos, tudo era alegria, festa e boa disposição. A noite já ia longa, quando a uma certa hora da madrugada, se ouviu grande estrondo, vindo do mais alto torreão do castelo. Todos pararam e o grupo, Nozes e Avelãs, desafinou pela primeira vez, para grande admiração de todos!...

Parecia um trovão seguido de um sopro furioso de mau estar!... Alguém muito estranho que queria entrar, a toda a força, mesmo sem ter sido convidado, mas insistia.


Pelas escadas de pedra, em forma de caracol, vinda do torreão, ouvia-se, como que um forte e pesado andar!... Bum…tam… pum… bum… tam… pum… Ananás, sempre cumpridor das suas obrigações e dos seus cuidados, reuniu alguns homens e foi imediatamente ver o que se passava. Qual não é o seu espanto quando se apercebe, já nos corredores de acesso à cozinha, que tinham entrado as indesejadas gorduras: pai e filha, Dom Azeite de Oliva e sua filha, a princesa Manteiga Maldisposta, Ananás – Não sois bem vindos, bem o sabeis, pois fostes vós os culpados do grande problema de saúde de Vossa Alteza a Rainha D. Roda dos Alimentos. Esteve este reino das Vitaminas a viver na tristeza e na solidão com o excesso de peso da Rainha.


Muito decidido, Ananás, mestre de cerimónias, ordenou aos seus homens que expulsassem aquela gente do palácio. Ele não conseguia perceber, porque razão eles queriam tomar a festa de assalto. - Porque quereis estragar uma festa tão bela? – perguntou, Ananás, furioso – - Porque não fomos convidados, como todos os outros. respondeu Dom Azeite, irritado - . - Sim, eu sei, mas vós fazeis muito mal à saúde e como invadistes, este lugar, ides direitinhos para a cadeia, nos subterrâneos.


No entanto e apesar de fechados às sete chaves, os dois cobardes conseguiram fugir por debaixo da terra. Ao chegarem à superfície, pé ante pé, conseguiram chegar à entrada do salão, tendo fixado o par, apaixonado, dos Príncipes. - É agora – disseram - vamos lançar-lhes as gorduras fortes e potentes, para os destruirmos.


No entanto, os guardas que estavam mais próximos, deram conta do que aqueles dois combinavam. Rapidamente, foram avisar os Príncipes, do perigo que corriam. Mas mesmo assim, Dom Azeite de Oliva, com toda a sua força conseguiu entrar no salão e arruinou o baile, gritando vingança. Em todas as direções lançou as suas horríveis gorduras, aos nutrientes.

Por todos os lados procuravam D. Roda dos Alimentos, mas aqueles malvados negavam-se a contar onde a tinham escondido.


O D . Azeite e a D. Manteiga raptaram e levaram a D. Roda dos Alimentos para a masmorra do castelo deles e começaram a darlhe comida para ela engordar. Ela não resistiu e começou a comer e a engordar.


Passavam os dias e a D. Roda dos Alimentos ficava mais gorda e gritava, cada vez mais alto por socorro.

Até que um dia, uma pessoa ouviu os seus gritos de aflição….

e foi contar ao Ananás e ele foi lá salvá-la.


A Dona Roda dos Alimentos deixou-os ir à festa, mas com uma condição, não podiam ir a todas as festas.

Dona Roda dos Alimentos marcou as datas num calendário. E ficaram felizes para sempre.


FIM


Conto Viajante