Issuu on Google+


editorial

A voz das ruas

Sergio Watanabe é presidente do SindusCon-SP, vicepresidente da CBIC e diretor da Fiesp Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: presidente@ sindusconsp.com.br

A montagem de uma extensa agenda de trabalho em torno das propostas lançadas em junho pela presidenta Dilma Rousseff precisa mirar os alvos certos para arrefecer o mal-estar nacional destampado pelas manifestações de rua em todo o país. Propostas como aquelas feitas pela presidenta vão ajudar. Mas a melhoria da educação depende de um grande conjunto de fatores além dos recursos futuros dos royalties do petróleo e do pré-sal. E a saúde requer muito mais ações além da construção de novas unidades, da abertura de vagas e da contratação de médicos estrangeiros. A reforma política possivelmente tomará impulso. Quem sabe a proposta da realização de um plebiscito sobre seus tópicos finalmente faça essa matéria andar de fato dentro do Congresso.

em 2012 a essa finalidade, apenas R$ 489 milhões foram gastos até agora. Desonerar da PIS/Cofins o diesel e a energia elétrica usada em trens e metrôs ajudará a segurar tarifas, mas terá um custo orçamentário. O mesmo vale para os governos estaduais e municipais que reduzirem tributos com essa finalidade. Para compensar essas perdas, não teria cabimento governos estaduais e prefeituras lançarem mão do corte de investimentos e do aumento de tributos. Que benefício teria a população se, para reduzir a tarifa a R$ 3, a Prefeitura de São Paulo adiar obras de novos corredores de ônibus ou de alargamento dos atuais? Ou cortar o subsídio prometido às moradias do Minha Casa, Minha Vida? Ou aumentar excessivamente o IPTU? Toda a criatividade e empenho serão necessários para evitar cortes nos investimentos que agora demandam sua ampliação. E toda a eficiência deverá ser impressa às administrações nas três instâncias de governo, para o corte de gastos de custeio, onde isso puder ser feito sem afetar as metas propostas. A eficácia na busca de saídas também dependerá de as lideranças responsáveis em todos os partidos deixarem a disputa política de lado, para trabalharem em benefício do país. Legislativo e Executivo, bem como União, Estados e Municípios, precisam se unir na busca de soluções. Atender à voz das ruas é fundamental. Mas não se pode perder de vista a necessidade de os governantes estimularem o crescimento econômico. É urgente reverter a queda no ritmo da geração de renda e empregos. Para tanto, será preciso dar um novo horizonte à iniciativa privada.

O momento pede menos tributos e mais investimentos de governo Nada a opor quanto ao controle dos gastos públicos para assegurar a estabilidade fiscal. No entanto, mais racionalidade nas despesas oficiais e uma revisão dos juros pagos ao governo federal na amortização das dívidas de Estados e Municípios são indispensáveis. Incluir a corrupção na lista de crimes hediondos pode intimidar, mas já há legislação severa para punir acusados dessa prática. Um ataque sistemático às causas da corrupção certamente terá mais eficácia. A promessa da liberação de mais R$ 50 bilhões em investimentos para obras de mobilidade urbana é alentadora. Mas ao mesmo tempo seria relevante saber por que, dos R$ 5,7 bilhões do PAC destinados

revista notícias da construção

/ Julho 2013

3


sumário

Presidente Sergio Tiaki Watanabe

voz do leitor

MBA DA CONSTRUÇÃO Bastante instigante e bem elaborada a proposta do MBA da Construção SindusCon-SP/FGV, apresentada em Notícias da Construção (edição 123, junho/2010). Tomara que o setor aproveite e estimule seus profissionais a ingressarem neste e em outros cursos de formação. Eriberto Zózimo Engenheiro, São Paulo

Escreva para esta Seção

Capa SINDUSCON-SP LANÇA GUIA PARA medir EMISSÕES EM EDIFICAÇÕES..... 6 • Ciclos de vida na construção MEIO AMBIENTE........................................ 12 • Lição alemã pode servir para o MCMV IMOBILIÁRIO............................................. 14 • Sustentabilidade e mercado: ajustes QUALIDADE............................................... 17 • Eletropaulo agiliza para construtoras RELAÇÕES INTERNACIONAIS...................... 22 • Missão do SindusCon-SP irá ao Japão CARGA TRIBUTÁRIA................................... 27 • Sem desoneração nem RET menor? RESPONSABILIDADE SOCIAL...................... 28 • ‘Prevenção é chegar antes que a droga’ OBRAS PÚBLICAS...................................... 29 • PAC: propostas mudanças nos pagamentos SEGURANÇA.............................................. 33 • Elevador de obra: garantias do fabricante SINDUSCON-SP EM AÇÃO........................... 34 • ‘Resgatemos a agenda da construção’ • Sindicato vai à Conferência das Cidades • ‘Perspectivas do setor seguem favoráveis’ • Infraestrutura requer mais incentivos

4

revista notícias da construção

/ julho 2013

e-mail: noticias@sindusconsp.com.br correio: R. Dona Veridiana 55, 2º andar, 01238-010, São Paulo-SP

INSUMOS.................................................. 38 • Feira mostra inovações em infraestrutura REGIONAIS................................................ 40 • Sorocaba conclui curso de argamassa • Mairinque ganhará mais um Senai • Santos confraterniza com autoridades • Ribeirão debate economia e crise • Regionais planejam novas ações • Prudente realiza Salão do Imóvel • Bauru investe em capacitação • Campinas forma 1ª mestre de obras • Santo André debate segurança e saúde

colunistas Conjuntura | Robson Gonçalves..............................5 Gestão da Obra | Maria Angélica Covelo Silva...........16 Ponto de Vista | Maurício Bianchi.........................18 Empreendedorismo | Carlos Alberto Júlio.............20 Gestão Empresarial | Maria Angelica L. Pedreti.......26 Saúde | Michele Piai Lino.....................................30 Marketing | Antonio Jesus de Britto Cosenza................32 Jurídico | Marcos Minichillo de Araújo.......................36 Soluções Inovadoras | André Delfino Azevedo e

Vice-presidentes Cristiano Goldstein Eduardo May Zaidan Francisco Antunes de Vasconcellos Neto Haruo Ishikawa João Claudio Robusti João Lemos Teixeira da Silva Luiz Antonio Messias Luiz Claudio Minniti Amoroso Maristela Alves Lima Honda Maurício Linn Bianchi Odair Garcia Senra Paulo Rogério Luongo Sanchez Yves Lucien de Melo Verçosa Diretores Paulo Brasil Batistella (Jurídico) Salvador de Sá Benevides (Rel. Internacionais) Diretores das Regionais Eduardo Nogueira (Ribeirão Preto) Elias Stefan Junior (Sorocaba) Emilio Carlos Pinhatari (São José do Rio Preto) Luís Gustavo Ribeiro (Presidente Prudente) Márcio Benvenutti (Campinas) Renato Tadeu Parreira Pinto (Bauru) Ricardo Beschizza (Santos) Rogério Penido (São José dos Campos) Sergio Ferreira dos Santos (Santo André) Representantes junto à Fiesp Titulares: Eduardo Ribeiro Capobianco, Sergio Porto; Suplentes: João Claudio Robusti; José Romeu Ferraz Neto Assessoria de Imprensa Rafael Marko - (11) 3334-5662 Nathalia Barboza - (11) 3334-5647 Fabiana Holtz - (11) 3334-5701 Conselho Editorial Delfino Teixeira de Freitas, Eduardo May Zaidan, José Romeu Ferraz Neto, Maurício Linn Bianchi, Francisco Antunes de Vasconcellos Neto, Odair Senra, Salvador Benevides, Sergio Porto SUPERINTENDENTE José Luiz Machado editor responsável Rafael Marko REDAÇÃO Nathalia Barboza e Fabiana Holtz (São Paulo) com colaboração das Regionais: Ester Mendonça (São José do Rio Preto); Giselda Braz (Santos); Homero Ferreira (Presidente Prudente); Enio Machado, Elizânio Silva e Tatiana Vitorelli (São José dos Campos); Marcio Javaroni (Ribeirão Preto); Sabrina Magalhães (Bauru); Ana Diniz e Simone Marquetto (Sorocaba); Sueli Osório (Santo André); Vilma Gasques (Campinas). Secretaria: Antonia Matos Arte e diagramação Marcelo da Costa Freitas/Chefe de Arte PUBLICIDADE Vanessa Dupont - (11) 3334-5627 Pedro Dias Lima - (11) 9212-0312 Bruna Batista Avelino - (11) 3334-5659 Thiago Rodrigues - (11) 3334-5637 Vando Barbosa - (11) 97579-8834 Jéssica Schittini - (11) 96646-6525 André Maia - (21) 7834-5379 Sérgio Neves - (11) 99904-1063 Eneida Cristina Martins - (11) 99942-7403 Hamilton Silva - (11) 7714-1148 ENDEREÇO R. Dona Veridiana, 55, CEP 01238-010, São Paulo-SP Central de Relacionamento SindusCon-SP (11) 3334-5600 CTP/ impressão: Pancrom Indústria Gráfica Tiragem desta edição: 16,2 mil exemplares

Opiniões dos colaboradores não refletem necessariamente posições do SindusCon-SP noticias@sindusconsp.com.br www.sindusconsp.com.br facebook.com/sindusconsp twitter.com/sindusconsp youtube.com/sindusconspmkt Disponível na App Store e no Google Play

André Luiz Gonçalves............48 Construção da Carreira | Felipe Scotti Calbucci.....50 “O papel desta revista foi feito com madeira de florestas certificadas FSC e de outras fontes controladas.”


Co n j u n t u r a

Caminho de volta

Robson Gonçalves é professor dos MBAs da FGV e consultor da FGV Projetos Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: robson.goncalves@ fgv.br

Há alguns dias, um repórter de um jornal gaúcho me ligou. Queria que eu analisasse o que ele chamou de “sinuca” na qual a política econômica havia se metido. “Afinal”, argumentava ele, “a economia está em ritmo fraco e, ainda assim, o Banco Central está elevando os juros”. O guri ficou intrigado quando eu respondi que não havia contradição alguma entre alta de juros e estímulo ao crescimento. Não foi fácil fazer o dedicado repórter se livrar das fórmulas consagradas da Economia convencional. Mas, acho que consegui. Vamos resumir a conversa que tive com ele. O tema ainda é pertinente e atual. Segundo as análises padrão, típicas dos manuais, a alta das taxas de juros dificulta o crédito, encarece a tomada de recursos de terceiros e, por isso, freia consumo e investimento, os dois principais componentes da demanda agregada. Resultado: menos crescimento no curto prazo.

Mas o grande problema da “nova matriz” é que ela jamais foi definida com clareza. A redução dos juros deveria favorecer, sobretudo, o investimento, mas continuou-se a estimular o consumo. A aceleração dos gastos públicos veio junto com práticas contábeis “pouco convencionais” para assegurar o cumprimento formal do superávit primário. E o câmbio subiu e desceu, oscilando entre a proteção à indústria nacional e o alívio inflacionário. Desde abril deste ano, porém, o governo federal parece estar fazendo o caminho de volta, reafirmando o tripé superávit primário-­ metas de inflação-câmbio administrado. Esse tem sido o fundamento da política econômica desde 1999. Foi com esses três elementos que o presidente Lula governou por oito anos, atingindo recordes de popularidade. Na gestão Dilma, aconteceram alguns avanços importantes. O maior deles, com certeza, foi trazer a taxa de juros para níveis civilizados, removendo um mecanismo poderoso de concentração de renda. Mas, para além disso, pouca coisa a respeito da “nova matriz” tinha ficado explícito. Nesse sentido, disse eu ao intrigado repórter, se os parâmetros da ação do governo voltaram a se tornar mais claros, a redução da incerteza pode ser um estímulo ao investimento (e ao crescimento) que mais do que compense a alta dos juros. Custo do crédito, perspectivas de lucro e confiança nas expectativas sempre foram os termos da equação que define a ação empresarial. Portanto, juros mais elevados, combinados com menor incerteza podem, sim, resultar numa combinação pró-crescimento. E, para isso, não é preciso abrir mão do controle inflacionário, nem da melhoria da distribuição de renda. Continuamos na torcida.

O governo parece ter voltado ao tripé econômico que fez sucesso sob Lula Acontece que esse tipo de raciocínio desconsidera as expectativas dos empresários. A piora desse elemento foi o grande responsável pelo crescimento pífio de 2012, anulando os efeitos do corte de juros. Desde agosto de 2011, o governo estava buscando o que foi chamado de “nova matriz de política econômica”. Juros reais baixos, mais gastos públicos e uma política cambial “pragmática” (ou indefinida, se alguém preferir). Um ano e meio depois, essa combinação tinha resultado em crescimento muito baixo e inflação no topo da meta.

revista notícias da construção

/ Julho 2013

5


capa

Lançado guia de emissões Metodologia do SindusCon-SP uniformizará medição e permitirá reduções Fabiana Holtz

Na trilha de soluções que ajudem no combate ao aquecimento global, o SindusCon-SP lançou em 27 de junho o Guia Metodológico para Inventários de Gases de Efeito Estufa (GEE) na Construção Civil – Setor Edificações. A publicação, que propõe um padrão metodológico para as construtoras e incorporadoras elaborarem inventários, é uma realização da vice-presidência de Meio Ambiente do sindicato e do seu Comitê de Meio Ambiente (Comasp). Ao uniformizar o cálculo das emissões, possibilitando comparações, o guia permitirá ações de redução. Por considerar apenas construções voltadas para o setor imobi­ liário, a metodologia nele proposta não se aplica para obras pesadas de infraestrutura. Com apoio institucional da Cetesb (que sediou o evento), da Secretaria Esta­ dual do Meio Ambiente e da Caixa Econômica Federal, o lançamento foi marcado pela realização de um seminário e uma mesa-redonda. “Esta parceria é antiga e remonta a outubro de 2008, quando assinamos o primeiro protocolo conjunto, com o compromisso 6

revista notícias da construção

/ julho 2013

de realizar ações voltadas à sustentabilidade na construção”, afirmou Sergio Watanabe, presidente do SindusCon-SP, ao lembrar os percalços que deram origem à iniciativa. Ao seu lado estavam o presidente da Cetesb, Otavio Okano (representando o secretário estadual de Meio Ambiente, Bruno Covas); o vice-presidente, Nelson Bugalho; e o gerente Nacional de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental da Caixa, Jean Benevides. Para Francisco Vasconcellos, vice-presidente de Meio Ambiente do Sindus­ Con-SP, é fundamental que o sindicato seja protagonista dessas discussões, criando grupos de trabalho e orientando seus associados. O assunto, acrescentou o vice-presidente, está na pauta do sindicato há pelo menos cinco anos. Bugalho, da Cetesb, elogiou o pioneirismo do sindicato. “O SindusCon-SP marca mais uma vez o seu caráter pioneiro,

Okano (dir.), que elogiou o pioneirismo da iniciativa do SindusCon-SP, recebe um exemplar do guia das mãos de Watanabe


que já vimos em outros momentos, como na discussão sobre o reuso da água e a destinação de resíduos sólidos da construção. Temos agora um incentivo a mais para fazer valer o que está previsto na Política Estadual de Mudanças Climáticas”, afirmou. Na sequência, a coordenadora do Centro de Pesquisa em Construção Civil e Meio Ambiente da Unicamp, Vanessa Gomes, falou sobre a peculiaridade dos ciclos de vida na construção (texto na próxima pág). O consultor Ricardo Neuding, da ATA Empreendimentos e Participações em Ativos Ambientais, discorreu sobre a metodologia proposta para elaboração de inventários no setor de edificações. Junto com a coordenadora técnica do Comasp, Lilian Sarrouf, ele trabalhou na estruturação e redação do guia a partir da colaboração voluntária de um grupo de empresas que realizavam seus inventários com metodologias próprias e se uniram para criar um único padrão: CCDI, Cyrela, Even, OR, Racional, Rossi, Stan e Tecnisa. Na mesa-redonda, coordenada por Odair Senra, vice-presidente de Imobiliário

Temos agora um incentivo a mais

para fazer valer o que está previsto

do SindusCon-SP, o público teve a oportunidade de esclarecer dúvidas sobre avanços e gargalos na elaboração e divulgação de inventários. Participaram do debate Alexandre Baltar, representante do Fórum Clima; Janaína Alves de Morais, gerente de desenvolvimento de Negócios de Concreto da InterCement Brasil; Ricardo Dinato, pesquisador do programa brasileiro GHG Protocol; e Silvio Gava, diretor executivo técnico e de sustentabilidade da Even. Neuding e Vanessa também foram convidados para a mesa. Silvio, da Even, observou que a empresa já divulga em seus lançamentos um orçamento de carbono. “Com o guia fica tudo mais fácil”, acrescentou. Janaína, da InterCement, destacou os avanços que serão proporcionados a partir da parceria com a USP para o desenvolvimento de um concreto eficiente. Segundo ela, o projeto tem como meta a redução de 40% nas emissões. Já Baltar, do Fórum Clima, informou que o guia específico para obras de infraestrutura será lançado em agosto.

Vasconcellos (ao microfone) destacou o protagonismo do SindusCon-SP no debate sobre emissões, ao abrir o evento ao lado de Bugalho (da Cetesb)

O consultor Ricardo Neuding apresentou em detalhes a metodologia recomendada no guia

na Política Estadual de Mudanças Climáticas Nelson Bugalho revista notícias da construção

/ Julho 2013

7


CAPA

Ciclos de vida na construção No lançamento do guia, ao falar sobre a elaboração de inventários e avaliação do ciclo de vida de produtos e empreendimentos, a coordenadora do Centro de Pesquisa em Construção Civil e Meio Ambiente da Unicamp, Vanessa Gomes, propôs a divisão do trabalho de caracterização das edificações em três etapas. Ela também abordou fatores relacionados às mudanças climáticas que possam afetar a competitividade das construtoras. Empenhado em estudar o assunto, o SindusCon-SP assinou um protocolo de intenções com a Unicamp, que inclui a coordenação, desenvolvimento e participação em projetos de pesquisa, cursos e seminários. A iniciativa está inserida no âmbito do projeto Metodologia e Benchmark brasileiros de energia e CO2 incorporado em edificações, coordenado pela professora Vanessa. O projeto SindusCon-SP/Unicamp tem um planejamento com horizonte de quatro anos. Ainda será realizado um programa piloto de pelo menos 12 meses. “Também é preciso encorajar o estabelecimento de metas gerenciais de redução e o envolvimento da cadeia de valor”, afirmou. Ao destacar a importância da criação do guia, a professora apontou que em primeiro lugar existem leis estaduais e municipais que determinam a redução das emissões. “Temos metas que precisam ser atingidas e só conseguimos gerenciar o que conseguimos medir”, acrescentou. Lembrando que o setor da construção é

8

revista notícias da construção

/ julho 2013

extremamente peculiar nesse sentido, o Guia traz uma metodologia que possibilita calcular os fatores de emissão. Etapas A professora ressaltou ainda que o SindusCon-SP já iniciou as atividades de caracterização da etapa de construção parte do primeiro estágio do ciclo de vida - de edificações, em termos de emissões de CO2. Em paralelo, e abarcando potencialmente o mesmo grupo de empresas participantes desta iniciativa, na fase dois da proposta serão realizados o desenvolvimento da metodologia e a coleta de dados para caracterização das edificações em termos de energia e carbono incorporados nos materiais e componentes de construção. As edificações consideradas deverão configurar, na maior extensão possível, diferentes tipologias funcionais. O segundo estágio, mais operacional, precisa ser conhecido para fins de referência de comparação com a energia e carbono incorporados contabilizados nos demais estágios do ciclo de vida, explicou a professora. Assim, os estudos de casos deverão ser constituídos por edificações que tenham passado por simulação energética, o que é comum em empreendimentos buscando certificação ambiental. Edificações em uso, com ocupação típica por pelo menos 12 meses consecutivos, também são candidatas a estudos de casos, desde que as informações necessárias para aplicação da metodologia nas duas etapas iniciais tenham sido devidamente registradas e estejam disponíveis. Finalmente, o estudo chega ao terceiro estágio do ciclo de vida (“pós-vida útil” ou “fim de vida”) da edificação e seguirá a base metodológica desenvolvida para as fases anteriores. Só gerenciamos o que conseguimos medir, lembrou a professora da Unicamp, Vanessa Gomes


CAPA

Guia se concentra no segmento de edificações Com a proposta de uniformizar o cálculo das emissões de gases de efeito estufa (GEE) na edificação de empreendimentos, o guia metodológico para inventários de emissões é um projeto realizado pela Vice-presidência de Meio Ambiente do SindusCon-SP e por seu Comitê de Meio Ambiente (Comasp). Com coordenação de Francisco Vasconcellos (vice-presidente de Meio Ambiente); André Aranha (coordenador do Comasp) e Lilian Sarrouf (coordenadora técnica do Comasp), e consultoria de Ricardo Neuding e Roberto Marin, da ATA Ativos Técnicos e Ambientais, o guia foi constituído com base nos princípios e recomendações das Normas Gerais referentes a inventários corporativos de emissões de GEE previstas no Protocolo GHG e na ABNT NBR ISO 14.064-1:2007, além de orientações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), da ONU. De cunho complementar, o guia apresenta orientações que tratam de questões específicas não abordadas nas Normas Gerais, visando contribuir com as metas para a redução de emissões. O projeto contou ainda com ativa participação da CCDI, Cyrela, Even, Odebrecht Realizações Imobiliárias, Racional, Rossi, Stan e Tecnisa, que contribuíram voluntariamente com a expertise, apresentando suas dificuldades na elaboração dos inventários, bem como propostas de novas ações visando reduzir as emissões. Uma das grandes preocupações do grupo envolvido no projeto foi garantir a difusão e a aplicabilidade do guia, incentivando seu uso. A intenção é implementar um sistema padrão para a elaboração de inventários. Futuramente, o trabalho deve se estender para as fases de uso e operação das 10

revista notícias da construção

/ julho 2013

edificações, com a expectativa de divulgação de indicadores de emissões. Em um segundo momento, a partir dos resultados obtidos as empresas devem trabalhar com a introdução de um programa de redução de emissões. Como próximos passos, as empresas que participaram da criação deste Guia indicam a necessidade da criação de um banco de dados dos indicadores de emissões de edificações, materiais e sistemas construtivos, a divulgação dos inventários e a criação de uma ferramenta estratégica para o cálculo das emissões que possa ser utilizada pelas empresas. O SindusCon-SP juntamente com as empresas irá desenvolver estes trabalhos. De acordo com Lilian Sarrouf, a proposta de metodologia apresentada no guia é apenas a primeira versão, de forma que as empresas possam validá-la. A partir das observações dos usuários, esse trabalho deve se consolidar, com os devidos ajustes, caso sejam necessários. Já está em fase de preparação um guia específico para as empresas da construção pesada (obras de infraestrutura). Baixe o guia gratuitamente em www. sindusconsp.com.br .

Guia tem como base os princípios das Normas Gerais previstas no Protocolo GHG e na ABNT, além de orientações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU


MEI O A M B IENTE

Lição alemã pode servir para o MCMV A Secretaria Nacional de Habitação, do Ministério das Cidades, se comprometeu a aumentar a sustentabilidade no Programa Minha Casa Minha Vida, sobretudo na fase de manutenção dos empreendimentos, para garantir a qualidade de vida e a permanência dos beneficiários de baixa renda. A afirmação é da diretora do Departamento de Desenvolvimento Institucional e Cooperação Técnica do MDIC, Junia Santa Rosa, que participou em abril da Missão Técnica “Eficiência Energética em Edifícios”, realizada a convite da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GMBH e do banco de desenvolvimento alemão KfW. A GIZ é a agência de cooperação do governo alemão designada a implementar programas e projetos em parceria com instituições brasileiras, como a Caixa. Junia Santa Rosa diz que a missão à Alemanha também “foi muito oportuna para o momento atual de revisão dos textos normativos dos programas de habitacionais do governo federal, especialmente do MCMV”. Segundo ela, “existem muitas oportunidades no sentido de implementar a sustentabilidade”. Para ela, a priorização de soluções que sejam ambiental e economicamente favoráveis ao perfil social dos empreendimentos e das famílias benefi-

12

revista notícias da construção

/ julho 2013

ciadas “é certamente um dos principais desafios da agenda de sustentabilidade e de melhorias do PMCMV”. Para isto, as ações precisam estar relacionada à produção e ao uso racional e sustentável de água, energia, emissão de CO2, tratamento de esgoto e de resíduos sólidos. As visitas técnicas a cidades, instituições de pesquisa e de financiamento e a empreendimentos e edifícios com práticas e exemplos de eficiência energética e de sustentabilidade ambiental e urbana “demonstram que, a partir de metas e indicadores previamente acordados entre os setores governamentais, financeiros, produtivos e sociais, foi possível reestruturar não só as soluções e prioridades do setor construtivo, mas também legitimá-las na agenda política e de bem estar de toda sociedade”. Compromisso Para tanto, aponta, é preciso garantir investimento em pesquisa, tecnologia e em protótipos “que alinhem os interesses acadêmicos, técnicos e produtivos, com recursos de financiamentos privados ou públicos”. Segundo a diretora, especialmente os fundos públicos destinados à construção “devem necessariamente cumprir um papel indutor e garantidor de patamares mínimos de qualidade e sustentabilidade, estabelecidos por parâmetros e metas acordados e sempre revisados ao longo de certos períodos”. Para Junia, “a premiação pela excelência e qualidade dos empreendimentos que se diferenciem pela adoção de soluções tecnológicas e sustentáveis” está na agenda de compromissos de melhoria contínua do MCMV. (Nathalia Barboza) Vista do estacionamento de bikes de condomínios em área que privilegia os ciclistas e o verde, em Freiburg

Centro Comunitário em edifício requalificado no bairro sustentável Vauban, em Freiburg


i m ob i l i á r i o

Ajuste no caminho do mercado Fotos: Luiz Machado

Nathalia Barboza

“O Brasil, aquele gordinho simpático que todo mundo gosta, de repente teve um infarto assintomático”. Foi assim que José Roberto Bernasconi, presidente do Sinaenco-SP (entidade da engenharia consultiva), definiu a atual situação do país, diante das recentes manifestações públicas, em palestra no Seminário Agenda Produtiva da Construção – Caminhos para a Sustentabilidade e o Desenvolvimento Imobiliário, que o CTE (Centro de Tecnologia de Edificações promoveu com o apoio do SindusCon-SP. Segundo Bernasconi, os últimos acontecimentos aumentaram o risco de olharmos só para o próprio “gueto”. “A solução não é colocar mais dinheiro. Temos de pensar mais na sociedade, romper os limitadores que levam a focar só no que por perto”, afirmou. A chave, disse, está em “pensar antes para fazer melhor”, de forma coordenada, “fazendo um ‘bom planejamento lato sensu’ e um ‘plano urbano, em particular’, com diretrizes e mecanismos que garantam a durabilidade, consistência e permanência aos programas de investimento”. Para ele, uma gestão não faz tudo, nem faz sozinha. “O empreen­dedor imobiliário tem condição e poder de mudar muita coisa. Espero que tenhamos disposição e juízo para isto”, provocou. Cidade compacta Ricardo Pereira Leite, ex-secretário municipal de Habitação de São Paulo e diretor da P3URB, insistiu na ideia de que a solução urbanística é implantar o conceito de cidade compacta, valendo-se de uma “abordagem bastante técnica e transparente”. Fabio Villas Boas, diretor de Engenharia da Tecnisa e conselheiro do SindusCon-­ SP. Ele destacou exemplos de bairros que levaram a sério o desafio da sustentabilidade, como o Bledzed, em Londres, e a Masdar 14

revista notícias da construção

/ julho 2013

City, de Abu Dhabi. “O Bledzed chegou a ser considerado fracassado porque tinha como meta ser ‘carbono zero’, embora tenha reduzido significativamente as emissões de poluentes. No Masdar, a sociedade não foi consultada, mas o bairro é lindo e oferece ótimas ideias”, comentou. Villas Boas citou que, no Brasil, já há vários indutores de boas práticas de urbanismo sustentável, como o Setor Noroeste, em Brasília; a Pedra Branca, em Florianópolis; o Parque da Cidade e o Jardim das Perdizes, ambos em São Paulo. Segundo ele, uma das grandes dificuldades do Perdizes tem sido a resistência da Prefeitura em aprovar diversas soluções sustentáveis, sob o argumento de que não terá condições e expertise para fazer a manutenção dos sistemas. Outro exemplo icônico é o Porto Maravilha, de requalificação da região portuária do Rio de Janeiro. Luiz Antonio Mendonça, diretor de Novos Negócios da Concessionária Porto Novo, falor sobre o empreendimento, de R$ 7,6 bilhões, que deve ficar pronto em 2016. O modelo de negócio é uma PPP, a maior do país. “Finalmente os planetas se alinharam: União, Estado e Município vieram juntos. E a modelagem econômica foi muito feliz”, disse. “A PPP só é viável quando há uma manifestação prévia de interesse privado. Infelizmente, ainda hoje as

Mendonça, Villas Boas, Bernasconi, Leite e Roberto de Souza, diretor do CTE, debateram os modelos econômicos para empreendimentos sustentáveis


coisas se resumem ao trinômio ideologia, interesse, ignorância”, ponderou Leite. Fundamentos imobiliários Para Odair Senra, vice-presidente de Imobiliário do SindusCon-SP, o problema do mercado atual é que ele tem se desviado dos seus fundamentos. “Aprendi que o negócio imobiliário começa com uma boa equipe comprando o melhor terreno. Empreender é uma questão de conhecimento e dedicação contínua. É acertar no terreno, localização, tipo e preço. Mas teve gente comprando terreno pelo Google! Construir é muito diferente: é executar bem. O que não pode é o homem do mercado de capitais comandar o homem da produção. A lógica do negócio é que os bons lançamentos consertem o preço das ações, não o contrário”, comentou. Ronaldo Cury, diretor da Cury Construtora, falou sobre o segmento de baixa renda, exemplo de como a lógica da Bolsa de Valores afetou as empresas nos últimos anos. “Entramos no trem fantasma já sabendo que ele fazia curva. Na teoria é muito bom, vende na hora, não tem problema de fluxo de caixa. Mas muita gente não pensou que teria o ônus de fazer a infraestrutura”, ponderou. Por fim, Cury elogiou o SindusCon­SP pela luta à frente da continuidade do programa Minha Casa, Minha Vida. “Apóio este trabalho. O MCMV traz empregos e qualidade de vida às pessoas.”

Já Paulo Aridan Mingione, diretor da Odebrecht Realizações Imobiliárias e membro do Comitê de Tecnologia e Qualidade do SindusCon-SP, com a mudança do ambiente de negócios, o desenho do produto e a definição do projeto passam a ter foco na redução dos impactos, mas o desafio é desenvolver um senso de prioridade, repensando o modelo de negócio, que passou a ser “o novo pilar crítico”. “Certificação ambiental é default. De­ ve­mos ter flexibilidade para negociar contrapartidas e canais abertos e eficientes com os vizinhos e uma boa relação com sindicatos e o comprometimento com os funcionários.” A gestão de ativos é outro ponto crítico, já que só ela é capaz de garantir o bom desempenho da edificação por um longo tempo. Marcos Maran, presidente da Abrafac (associação dos profissionais de facilities), comentou: “fala-se que os prédios verdes não estão tão econômicos como se pensava. Isto tem muito a ver com a falta de gente especializada para operar toda a alta tecnologia embarcada nestes prédios. Sem planejamento rigoroso e profissionalização da equipe, por melhor que a manutenção seja, o prédio vai degradar e diminuir seu desempenho real”, disse.

Em sua palestra, Odair Senra alertou para o fato de que importantes fundamentos do mercado imobiliário têm sido negligenciados

revista notícias da construção

/ Julho 2013

15


G EST Ã O D A O B R A

O engenheiro e o Google

Maria Angelica Covelo Silva é engenheira civil, mestre e doutora em engenharia, diretora da NGI Consultoria e Desenvolvimento Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: ngi@ngiconsultoria. com.br

A partir da segunda metade dos anos 80, a escassez de recursos para a construção formou toda uma geração de engenheiros com foco na diminuição dos custos de produção, por meio de racionalização (e não de industrialização) e, em alguns casos, de redução dos atributos e do desempenho das edificações. Esta geração aprendeu a retirar tudo o que se considerava “excessivo”. Reduziram-se as espessuras de concreto e taxas de armadura de estruturas. Junto, vieram os projetistas que propunham estruturas mais econômicas sem atendimento a normas, as quais julgavam exageradas. Retirou-se o contrapiso, mesmo que este proteja a estrutura para sua durabilidade e melhore o desempenho acústico. Edificaram­-se paredes externas com espessura de bloco de 9 cm, mesmo com sacrifício ao desempenho térmico.

embasamento tecnológico, até o mais básico, como o funcionamento de uma estrutura, o comportamento do concreto etc. E nas universidades se instalou a falsa ideia de que a engenharia pode ter professores que seguem a carreira acadêmica sem nunca terem vivido um projeto ou uma obra. O resultado é uma enorme distância entre o que se ensina e o mundo real. Em paralelo, esta geração passou a atuar nas obras “rápidas” em que engenheiro bom é aquele que cumpre prazo. E quem planejou o prazo, em geral, não tem conhecimento de tecnologia suficiente para saber dos riscos (e põe riscos nisso!) de fazer uma obra encurtar o prazo mantendo-se a mesma tecnologia com pouca industrialização. A este engenheiro que está gerindo a obra falta muito conhecimento de tecnologia e sobra conhecimento de como deixar de fazer as atividades tecnologicamente corretas para atender o custo e o prazo que muitas vezes são os únicos medidores de seu “bônus”. E todo mundo se viciou: o contratante de obras, o projetista, a construtora... Para mudar, é preciso que a cadeia inteira avalie os grandes riscos envolvidos neste contexto. O fato de não conhecê-los faz todo mundo viver uma ilusória sensação de que somos melhores de engenharia do que no início dos anos 90. Nossos empreendimentos são mais bonitinhos, pois os enfeitaram, mas ainda estão longe de ter desempenho adequado ao longo de sua vida útil. E o engenheiro? Tem bem mais recursos, consegue informação em segundos sobre o melhor do conhecimento tecnológico no mundo... mas não foi ensinado a valorizar isso e se dedicar ao aprofundamento.

É preciso avaliar os grandes riscos do saber instantâneo mas superficial Esta mesma geração formada no início dos anos 90 não teve mais dos professores a indicação de bons autores técnicos e livros que embasavam conceitos e conhecimento tecnológico e o estímulo a pesquisar, buscar conhecimento. Ao contrário, foi estimulada a estudar por “apostilas” com resumos de livros, por anotações de aula e naquilo que ia cair na prova. Excelentes alunos se formaram sabendo bem só esses conteúdos. A geração seguinte, formada a partir do início dos anos 2000, “evoluiu”. Passou a estudar por slides publicados pelos professores na intranet das escolas e pelo Google. Com essas informações instantâneas, muitas vezes de origem e valor duvidosos, foi-se embora o

16

revista notícias da construção

/ julho 2013


Qualidade

Canal para construção já dá os primeiros resultados A concessionária de energia elétrica AES Eletropaulo testou, neste ano, num projeto piloto realizado em acordo com o CTQ (Comitê de Tecnologia e Qualidade) do SindusCon-SP, novos procedimentos de atendimento exclusivo às construtoras. As tratativas do CTQ começaram no final de 2012, com as primeiras conversas entre Yorki Estefan, diretor da Conx Engenharia e membro do CTQ, e representantes da Eletropaulo. Em novembro, um encontro do CTQ com o vice-presidente de Operações da concessionária, Sidney Simonaggio, e a diretora comercial Teresa Vernaglia, selou o compromisso de trabalhar em conjunto. Já naquela ocasião os construtores destacavam a urgência do diálogo e citavam informações das construtoras sobre edifícios que ficaram prontos com o Habite-se concedido, porém sem energia ligada. Além, disso, o CTQ queixou-se de dificuldades para obter um processo de ligação que envolva servidão de passagem e de prazos de mais de 6 meses para conseguir um boleto e fazer o pagamento das taxas. Em dezembro, Teresa Vernaglia reiterou a disposição de abrir um canal de comunicação com as construtoras. Numa nova reunião em fevereiro, os membros do CTQ receberam os representantes da Eletropaulo, que informaram as providências em andamento para um atendimento especializado. Entre as melhorias, a concessionária apresentou o “Canal Construtoras”, novo modelo segundo o qual as empresas passariam a utilizar a Senha “K”. A Eletropaulo também revelou que o atendimento será feito via lojas e contact center. No final de fevereiro, começou a experimentar a nova sistemática nas lojas próprias.

Em maio, SindusCon-SP e AES mostraram que o caminho estava correto. “O canal de comunicação está definido e a interação com as construtoras atende as expectativas. Os ganhos alcançados até agora pelo grupo de trabalho não devem parar por aí, trata-se de um processo contínuo na busca da excelência”, afirma Silvio Duarte Junior, coordenador de Clientes Varejo da Eletropaulo. Processo O novo procedimento, que segundo Duarte Jr. ainda poderá sofrer melhorias, começa com o comparecimento de um representante da construtora ao canal de atendimento presencial, para dar entrada no pedido, que passa a seguir um fluxo especialmente projetado para atender às construtoras. Segundo a Eletropaulo, seis lojas já operam o novo sistema. (Nathalia Barboza)

revista notícias da construção

/ Julho 2013

17


ponto de vista

Futuro promissor

maurício linn bianchi é engenheiro e vice-presidente de Relações Institucionais do SindusCon-SP Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: mbianchi@ groupe-allard.com.br

O tempo em que a construção era vista pelo governo e pelo mercado como um setor fragilizado da economia acabou. Nos últimos oito anos, o setor vem crescendo sem parar e seu nível de emprego mais do que dobrou. Hoje, a construção gera cerca de 3,5 milhões de postos de trabalho formais com carteira assinada e, junto com os demais elos da cadeia produtiva, responde por cerca de 65% do PIB (Produto Interno Bruto) da cadeia produtiva do setor, a qual, por sua vez, é responsável por 9% do PIB nacional. Assim, a indústria da construção não é algo passageiro, volátil, sensível a boatos como os que por vezes trafegam no mercado de capitais. Temos uma cadeia produtiva extensa, profissionais competentes atrás das pranchetas, analisando ensaios e projetos, ideias e ideais. Contamos com uma indústria de base forte e estabelecida dentro dos mais altos padrões de confiabilidade.

construtivos, treina seu pessoal e se prepara para os períodos de atividade mais intensa. Por isso, no médio e no longo prazo, a construção definitivamente se consolidou como uma atividade que, longe de ser provisória, é cada vez mais estruturada com solidez. Seu “núcleo duro” se fortalece e se expande continuamente. Os pequenos e médios empresários da construção, que constituem 86% do setor, e que viveram por décadas com baixas taxas de retorno e alta carga de tributos, estão mais maduros e se mostram capazes de enfrentar crises com criatividade. Não foi somente o governo quem acordou para o efeito cascata da riqueza gerada pela construção, apostando em programas como o de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Minha Casa, Minha Vida. Também os agentes financeiros hoje acreditam mais no capital produtivo gerado pelo setor. Neste ano, deveremos contar com cerca de R$ 95 bilhões em novos financiamentos imobiliários com os recursos da Caderneta de Poupança, algo jamais visto neste país. Isto sem falar nos demais recursos de que dispomos, originários de diversas fontes como os fundos de investimento imobiliários. E se olharmos para a demanda contínua pela moradia, para a carência ou a inexistência de infraestrutura, nós construtores podemos tranquilamente ampliar nossos horizontes com confiança e otimismo e nos prepararmos para o mercado que se apresenta. Essa perspectiva nos anima a encarar nossos maiores desafios: aumentar o investimento em infraestrutura, desenvolver novas fontes de financiamento, industrializar mais os processos construtivos e aumentar a produtividade.

A construção tornou-se forte e está pronta para os desafios do mercado A exemplo dos demais setores da economia, ainda precisamos melhorar a qualidade da mão de obra. Uma parte de nossos trabalhadores não tem instrução adequada. Mas muitos deles se revelam inteligentes, criativos, com aspirações e sonhos de futuro. Outra de nossas características é a ocorrência de períodos em que a atividade é menos intensa, por conta de uma série de fatores: queda no nível de investimentos no país, demanda mais retraída, arrumação interna nas empresas. Isto acontece em períodos de curto prazo. Mas, nesses mesmos períodos, a construção realiza planejamentos, revigora seus métodos

18

revista notícias da construção

/ julho 2013


empreendedorismo

Pense diferente

Carlos Alberto Júlio é empresário, palestrante, autor, vice-presidente do Conselho de Administração da Tecnisa e professor na USP, ESPM e FGV Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: julio@ carlojulio.com.br

Nosso país tem experimentado uma profunda alteração no paradigma do fazer. Em anos recentes, inúmeros jovens foram seduzidos pela ideia de montar um negócio próprio. Desejam mais autonomia e liberdade criativa. Há quem persiga esse sonho para se livrar do chefe e lucrar mais. Perfeito. É importante gerir-se no mundo do trabalho. No entanto, como ensinava o mestre Peter Drucker, o principal objetivo da atividade empresarial é constituir mercados. Trata-se da ação transformadora que gera produtos ou serviços, supre demandas, cria empregos e faz girar a economia. A moderna gestão empreendedora se dá no campo da mudança contínua e acelerada. As jovens empresas sofrem transformações permanentes. Para não se tornarem obsoletas, precisam estar conectadas com demandas de uma clientela cada vez mais exigente e complexa.

centros de viver erigidos por meio do esforço da organização, gastam-se menos água e energia elétrica. Alguém pode empreender repetindo uma fórmula já consagrada. Mas quantas pizzarias, papelarias e restaurantes ainda cabem no mercado brasileiro? Se muda a sociedade, alteram-se as demandas no campo dos negócios. Em Alphaville, passei meses procurando um bom consultor local para fazer funcionar meu projetor. Não encontrei e recorri ao que me atendia em São Paulo. Quantos outros consumidores não enfrentaram os mesmos problemas? E quantas oportunidades não foram perdidas pelos técnicos da área? Neste circo de transformações, o empreendedor salta à frente se puder identificar esses vácuos de atendimento, desenvolvendo expertise para as novas demandas. Para isso, ele precisa informar-se pelos canais convencionais, conversar com as pessoas e, sobretudo, ousar na criação de soluções de conforto. Muitas vezes, o fracasso marca a atividade de quem monta uma empresa apenas interessado na obtenção do lucro. O sucesso, ao contrário, é companheiro frequente de quem tem prazer em se debruçar sobre os nobres ofícios da inovação. Muitos dos grandes empreendedores, de Carnegie a Ford, de Gates a Jobs, alcançaram o sucesso financeiro como efeito colateral de um excelente vício: mudar para melhor a vida das pessoas. Está aí o caminho, especialmente para os empreendedores brasileiros. Temos inúmeros desafios a vencer, inovações a propor e oportunidades a aproveitar. Quer sair na frente? Pense diferente. Para si e para os outros.

Atualize-se sempre e seja ousado para atender às novas demandas Até mesmo empresas consolidadas, como a Tecnisa, que tive a honra de presidir, atuam dessa forma, gerindo estrategicamente a mudança. Ali, aperfeiçoam-se continuamente as técnicas construtivas, os métodos de trabalho e o próprio marketing. No contexto 2.0, de hiperconectividade, a ordem foi estabelecer uma relação de comprometimento com o cliente, valorizando-o desde o primeiro contato. A empresa passou a trabalhar também em projetos de crowdsourcing – sistemas baseados na combinação de inúmeras sugestões dos públicos de afinidade. Assim, tornamos seus produtos mais econômicos e inteligentes, seguindo a lógica da sustentabilidade. Nestes

20

revista notícias da construção

/ julho 2013


REL A Ç Õ ES INTERN A CI O N A IS

Missão viajará ao Japão com foco em tecnologia e sustentabilidade Edifício com a menor emissão de CO2 do mundo será visitado Conhecer de perto as inovações em tecnologia e construção sustentável colocadas em prática no Japão será o objetivo da Missão Técnica que o SindusCon-SP levará àquele país, de 5 a 14 de setembro. A Missão deverá congregar cerca de 30 participantes, entre representantes de construtoras, escritórios de projetos e fornecedores do setor. A realização é da Diretoria de Relações Internacionais do sindicato com o apoio do Itamarati e do Ministério das Relações Exteriores do Japão, das respectivas embaixadas e do Consulado do Japão em São Paulo. Os trabalhos da Missão se iniciarão por uma reunião institucional com os diplomatas brasileiros na Embaixada do Brasil em Tóquio, instalada em um edifício projetado por Ruy Othake. Outra visita, técnica e institucional, será ao Ministério da Terra, Infraestrutura, Transportes e Turismo.

Obayashi, da Tóquio Skytree, considerada a segunda maior torre do mundo (634 metros de altura). O planejamento urbano da capital japonesa e as obras de revitalização, modernização e integração com seus sistemas de transportes serão objeto de visita ao governo metropolitano. Outro destaque: a visita ao Hotel Príncipe Akasaka, que sofreu uma redução de 140 m de altura para 70 metros.

Menos poluição Em Tóquio, a programação ainda inclui visitas ao conglomerado Kuraray (fabricante de insumos para a construção), a uma obra comercial da Corporação Kajima e à nova sede da corporação Shimizu, considerado edifício com a menor emissão de CO2 do mundo. O grupo também vai conferir a utilização de BIM (Modelagem da Informação na Construção) na construção de uma obra da Maeda; as casas pré-fabricadas da Misawa e da Toyota; e a edificação, pela

Cidade inteligente Uma visita à construtora Toda, que utiliza BIM e tecnologias ambientais, será seguida de viagem à cidade inteligente Kashiwa-no-ha, entre Tóquio e Tsukuba. Por último, a Missão conhecerá o Instituto de Pesquisas e Desenvolvimento da Takenaka Komunten, considerado o maior centro de pesquisas de estado da arte do mundo. Reportagem completa sobre a Missão será publicada na edição de outubro de Notícias da Construção. (RM)

22

revista notícias da construção

/ julho 2013

Vista do Monte Fuji, que foi declarado Patrimônio da Humanidade pela Unesco em junho


s

o d Ita

Im l s

e

r a g

lU

a maior vitrine mundial das inovações e tendências da construção espera por você! faça parte do grupo de associadas que visitará a Batimat 2013

4 a 8 de novembro de 2013, em Paris Inscreva-se! maIs Informações:

(11) 3016-1411

Pedro ou Yves

realIzação e organIzação:

aPoIo:

roteIro 1 de novembro (6ª feira) - são PaUlo / ParIs 1º dia - apresentação no aeroporto internacional de São Paulo (GRU) e embarque com nossa assistência em vôo direto air France com destino a Paris (vôo noturno: aF 457 partida às 18h25 - chegada às 8h30). 2 de novembro (sábado) - ParIs 2º dia - Chegada, recepção e traslado ao hotel. Restante do dia livre para atividades independentes. 3 de novembro (domingo) - ParIs 3º dia - dia livre para atividades independentes* 4 de novembro (2ª feira) a 8 de novembro (6ª feira) - ParIs 4º ao 8º dia - 5 dias livres para visita à BaTiMaT 2013 9 de novembro (sábado) - ParIs / são PaUlo 9º dia - dia livre para atividades pessoais. Saída do hotel (check-out) até as 12h. À tarde, em horário a ser informado, traslado com assistência ao aeroporto de Paris (CdG) para embarque vôo air France de regresso ao Brasil. (vôo noturno: aF 454 partida às 23h30 – chegada às 8h05). EstE pacotE inclui: • Parte aérea air France São Paulo/PariS/São Paulo em tariFa claSSe econômica (tariFa gruPo); • traSlado aeroPorto/Hotel/aeroPorto Para o gruPo, com aSSiStência braSileira, conForme o Programa; • PariS: 2-9 nov = 7 noiteS no Hotel radiSSon blu ambaSSador 4*SuP, com caFé da manHã e taxaS incluSoS; • Wi-Fi gratuito noS aPartamentoS; • ingreSSo Permanente viP de viSitação a batimat 2013; • Seguro de viagem mic euroPa, conForme exigência da comunidade euroPeia Para o Período deSSe Programa; • aSSiStência local braSileira do noSSo rePreSentante em PariS;

• maPa de PariS e roteiro de metrô com aceSSo ao PariS nord villePinte. * Consulte nossa programação de tours opCionais EstE pacotE não inclui: • taxaS de aeroPortoS e exceSSoS de bagagenS; • eventuaiS viSitaS técnicaS ProgramadaS PoSteriormente ao noSSo Programa; • bebidaS/reFeiçõeS não mencionadaS e demaiS ServiçoS e deSPeSaS de caráter PeSSoal; • reSPonSabilidade deSta oPeradora Por PaSSaPorteS ou viStoS negadoS ou não obtidoS a temPo Para viagem; • tudo o que não conStar como incluído; • reSPonSabilidade deSta oPeradora Por alteraçõeS de vôoS eventualmente imPoStaS PelaS ciaS. aéreaS.

ValorEs por pEssoa (Em Euros) para saída dE são paulo** aPto duPlo: € 2.595,00 aPto individual: € 3.695,00 ** Consulte-nos sobre Condições espeCiais para empresas assoCiadas do sindusCon-sp e para saídas de outras Cidades.


G EST Ã O EMPRES A RI A L

O Administrador Global

Maria Angelica Lencione Pedreti é professora de Contabilidade e Finanças da FGV e mestra em Administração de Empresas; trabalha em Planejamento Estratégico Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: maria.lencione@ fgv.br

Na edição de junho, discutimos como uma empresa evolui em sua estratégia de internacionalização, a partir da constatação da existência de um mercado potencial a atingir, fora das fronteiras de seu país de origem. Assim, normalmente o processo se inicia com a exportação de produtos para os mercados-alvo, em distribuidores-chaves; esta fase é seguida pela contratação de uma equipe comercial externa. Mais adiante, surgem contratos de fornecimento internacional a grandes players do mercado. Finalmente, a intenção de produzir externamente se materializa com um possível processo de transferência de tecnologia a um parceiro situado no país de interesse. Posteriormente, com o aumento e a estabilização da demanda, pode surgir a oportunidade de construir uma fábrica própria nos mercados externos, o que completa o processo de evolução e transforma a empresa numa multinacional.

volatilidade, a mudança faz parte da regra geral e neste caso a empresa deve se sentir confortável em se adaptar às evoluções do ambiente mais amplo em que operará. • Rapidez: se a adaptabilidade é uma força, a rapidez em se adaptar garantirá a vantagem competitiva da empresa neste ambiente volátil. • Foco no Core Competence, mesmo que vez ou outra determine desinvestimentos: diante de tantos estímulos, ameaças e oportunidades, manter o foco no negócio nada mais é que garantir os fundamentos, muito úteis para orientar uma equipe mais dispersa, pelo mundo. O sucesso desta equipe depende de um Administrador Global, que, por sua vez: 1. Adapta-se às mudanças mais rapidamente do que elas possam acontecer! Ou seja, que se antecipa às mudanças e, portanto, tem visão: entende as variáveis que influenciam o destino da companhia, monitora-as, podendo até trabalhar para prevê-las em certas circunstâncias, monta cenários prospectivos e acompanha tais variáveis, para enxergar qual cenário se aproxima, no horizonte; a partir daí, ele prepara as estratégias para enfrentar o futuro que se aproxima, bem como planos de contingência para situações potencialmente devastadoras, para as quais a empresa pode e deve estar preparada. 2. Finalmente, este Administrador Global conhece detalhadamente suas operações, para saber adaptá-las quando o ambiente muda, aproveitando oportunidades ou enfrentando ameaças. A qualidade de sua decisão aumenta as chances de sucesso da companhia, que segue sua evolução.

Veja o que se espera da liderança de uma empresa internacionalizada Diante desse processo, o que se esperaria de um administrador, para que ele se habilitasse a transitar nesse contexto? As habilidades exigidas do administrador muito se relacionarão às habilidades exigidas de uma empresa que pretenda passar por esse processo, tais como: • Flexibilidade: a empresa deve estar preparada para reagir a mudanças de um ambiente muito mais volátil, por ser influenciado por mais variáveis que simplesmente aquelas domésticas, tradicionais. • Adaptabilidade: no contexto de maior

26

revista notícias da construção

/ julho 2013


C A R G A TRI B UTÁRI A

Sem desoneração nem RET menor? Desde 3 de junho, não valiam mais as disposições da MP 601, que havia caído por decurso de prazo. Com isto, ficaram sem efeito a diminuição de 6% para 4% do RET (Regime Especial Tributário) para a incorporação imobiliária feita em patrimônio de afetação, e a substituição da contribuição previdenciária patronal de 20% sobre a folha de pagamentos das construtoras de edificações e de suas subcontratadas por uma contribuição de 2% sobre a receita bruta. O governo havia articulado que as mudanças da MP 601 seriam inseridas na MP 610, que até o início de julho não tinha sido votada pela Câmara dos Deputados. Caso isto ocorra ao longo do mês, o respectivo Projeto de Lei de Conversão ainda seria votado no Senado e, caso não sofresse novas alterações, enviado à sanção presidencial. O presidente do SindusCon-SP, Sergio

Watanabe, lamentou o episódio e manifestou a expectativa de que o governo, no mínimo, aja rapidamente para restabelecer alguns avanços da MP 601. “No caso da contribuição previdenciária das empresas, o ideal seria uma redução linear da sua alíquota sobre a folha de pagamentos, o que beneficiaria todo o universo de construtoras”, comentou. Já em relação à MP 612, continuavam em vigor duas disposições: 1) se a empresa exercer uma atividade incluída na desoneração e outra não, todo o seu recolhimento previdenciário deve se pautar de acordo com o disposto para o CNAE de sua atividade que proporciona a maior receita; 2) a partir de 1 de janeiro de 2014, as construtoras de infraestrutura e as empresas de serviços técnicos de engenharia e arquitetura estarão incluídas na mudança da contribuição previdenciária. (Rafael Marko)

Para Watanabe, ideal seria redução linear da alíquota previdenciária

revista notícias da construção

/ Julho 2013

27


RESP O NS A B ILID A DE S O CI A L

‘Prevenção é chegar antes que a droga’

Multiplicadores “Com essa cartilha, tenho certeza de que poderemos ajudar muitas pessoas”, destacou Ramalho, que também é presidente do Sintracon-SP. “Ainda que a causa seja uma luta no longo prazo, pelo menos uma semente estará sendo plantada nos nossos trabalhadores.” 28

revista notícias da construção

/ julho 2013

Na primeira etapa de divulgação, serão distribuídas 200 mil cartilhas. “Queremos atingir o maior número possível de trabalhadores e que eles possam ser multiplicadores nessa luta contra as drogas”, adiantou Ramalho. Na cartilha, elaborada pelo Cel. Ferrarini, após 43 anos de experiência, ele alerta para a armadilha que as drogas oferecem para a sociedade. “Prevenção é chegar antes que a droga. É importante aprendermos a dizer não para este mal. Quando evitamos o primeiro contato, certamente caminharemos para não sermos atingidos por elas”, enfatizou. Nenhum dependente que ele conta ter conhecido era feliz. “É só tristeza; só lágrimas”, diz. (Nathalia Barboza)

LIÇÕES CONTRA AS DROGAS

“ ““ ““ “

“ ““ “ “ “

O avanço das drogas é um mal que está em todos os setores da sociedade, e os trabalhadores da construção civil também são alvo em potencial. Pensando nisso, os deputados estaduais Antonio Ramalho e Coronel Edson Ferrarini lançaram em junho uma campanha que distribuirá nos canteiros de obra cartilhas com informações sobre prevenção e combate às drogas, álcool e tabaco. O vice-presidente de Relações Capital-­ Trabalho do SindusCon-SP, Haruo Ishikawa, prestigiou a cerimônia de lançamento da cartilha e definiu a iniciativa como um “gol de letra”. Segundo ele, a construção civil precisava que o problema das drogas fosse atacado. “O SindusCon-SP apoia totalmente esta iniciativa. Todas as empresas vão apoiar. É muito importante esta união para orientar os trabalhadores, porque infelizmente a droga chegou aos canteiros”, afirmou. Para Maristela Honda, vice-presidente de Responsabilidade Social do SindusCon-­ SP, a luta contra as drogas vem permeando muitas das importantes ações do sindicato. “Desde a primeira Megasipat falamos com os trabalhadores sobre os riscos de todos os tipos de drogas: tabagismo, alcoolismo e até do crack”, contou. O tema também foi incluído nas palestras sobre a violência contra as mulheres e em outras ações pontuais. “Faz parte do escopo do Programa SindusCon-SP de Segurança oferecer palestras sobre drogas nos canteiros de obra”, completou Maristela.

Elogiar a maconha é propaganda enganosa

Desinformação, curiosidade e pressão de amigos podem induzir ao uso É difícil falar em cura para dependência química

O drogado não se reconhece como doente porque os sintomas não lhe causam dor Dependência é doença física, moral e espiritual arraigada nos neurônios

A participação de familiares é fundamental para ajudar usuários de álcool e drogas


ob r a s p ú b l i c a s

SindusCon-SP propõe mudança nos pagamentos do PAC O vice-presidente de Obras Públicas do SindusCon-SP, Luiz Antônio Messias, propôs uma alteração na forma de remuneração das obras do PAC, em reunião da Câmara Brasileira da Indústria da Construção com a Caixa em Brasília. Pela sistemática atual, o Ministério do Planejamento disponibiliza mensalmente 5% do valor da obra. Mas se a construtora produziu mais em determinado mês, ela só receberá esses 5% e precisará solicitar ao ministério o restante, em um processo que leva mais de 50 dias. Se a empresa produziu menos de 5%, no mês seguinte o governo somente repõe apenas o que foi gasto, porque a sistemática não é cumulativa. O vice-presidente sugeriu que a verba

para o PAC seja administrada pela Caixa como um todo e não 5% para cada convênio. “Assim, se está sobrando em uma obra e faltando em outra, a Caixa transfere de um convênio para outro naquele mês.” A Caixa apresentou o sistema de medição dos contratos. O Modelo de Aferição por Parcelas, implementado nas regras do PAC 2, estabeleceu o pagamento imediato de Boletins de Medição antes da aferição pela Caixa. De acordo com a Portaria 164/2013, publicada em abril, todos os termos de compromisso cujo objeto seja “obra” serão incluídos automaticamente nesse modelo. Veja a apresentação da Caixa em http:// www.sindusconsp.com.br/novoConstrumail/ files/Afericao_ParcelasCAIXA.pdf (RM)

Messias: distribuição da verba precisa ser proporcional à produção

revista notícias da construção

/ Julho 2013

29


PREVEN Ç Ã O E S A ÚDE

A prevalência da lombalgia

MICHELLE PIAI LINO é fisioterapeuta do Seconci-SP, formada pela USC em Santos e pós-graduada em Intervenção Fisioterapêutica nas Doenças Neuromusculares, pela EPM da Unifesp Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: comunicacao@ seconci-sp.org.br

A lombalgia é o sintoma mais prevalente nas sociedades industrializadas, representando 70% dos afastamentos do trabalho. Caracteriza-se pela dor na região lombar, na parte mais baixa da coluna, perto do quadril. A dor pode ter diferentes causas, algumas complexas. No entanto, o problema pode não ser sério. Frequentemente os motivos são a má posição ao sentar, deitar, abaixar e, no caso dos trabalhadores da construção, carregar objetos pesados de maneira inadequada. Pode ainda ser inflamação, infecção, hérnia de disco, escorregamento da vértebra, artrose ou problemas emocionais. A dor lombar se divide em dois tipos. A forma aguda é o que chamamos de “mau jeito”, quando a dor forte aparece geralmente após um esforço físico. A maioria das dores nas costas é aguda e costuma desaparecer no período de quatro a seis dias. A crônica costuma ocorrer na população acima dos 45 anos. A dor não chega a ser tão intensa, porém é contínua e prolongada.

pamentos adequados e, o principal, adotar posturas corretas durante o trabalho. Nesse quesito, há cuidados simples, mas muitas vezes negligenciados, como dobrar os joelhos e não a coluna, ao se abaixar para pegar um objeto pesado. Outra recomendação é fazer pausas durante a jornada de trabalho, que podem se tornar grandes aliadas contra as lesões musculoesqueléticas. Associado a isso, devem-se praticar regularmente exercícios apropriados, essenciais para o fortalecimento da musculatura utilizada no trabalho. A dor pode ocorrer por falta de preparo do corpo para executar uma função pesada, como é a rotina dos trabalhadores da construção. A orientação básica, assim que surgirem as dores, é procurar profissionais especializados, como o médico e fisioterapeuta da área ortopédica. Após avaliação, eles poderão orientar a melhor forma de tratamento. No Seconci-SP, os trabalhadores da construção têm acesso a essas especialidades e serviços, incluindo um moderno e bem equipado Centro de Fisioterapia. A fisioterapia é fundamental para melhorar a qualidade de vida. Em um caso ortopédico, deve-se estudar como determinado movimento é responsável pelo aparecimento de um problema. Após localizar a dor, identificam-se quais as estruturas que a provocaram e agravaram ou que fatores podem tê-la desencadeado. Com isso, realiza-se tratamento local para diminuir a dor e a inflamação. Simultaneamente, objeti­vase melhorar a postura e corrigir eventos que possam ter gerado os sintomas. Para tanto, são propostos exercícios de fortalecimento, alongamento e o uso de aparelhos que ajudam a reestabelecer o indivíduo.

Adotar posturas corretas e fazer exercícios certos previnem as dores Na crise aguda o exercício é totalmente contraindicado. O repouso absoluto e a fisioterapia analgésica são as intervenções mais indicadas para esse caso. No repouso, recomenda-se deitar em posição fetal, de preferência com um travesseiro entre as pernas, para corrigir a coluna. Em casos de crises muito agudas, os analgésicos e anti-­ inflamatórios podem ser utilizados, desde que prescritos por médico. Muitos fatores são importantes para evitar que a lombalgia aguda se torne crônica. Entre eles, podemos citar o uso de equi-

30

revista notícias da construção

/ julho 2013


SindusCon-SP: inovar, desenvolver e construir um Brasil cada vez melhor Razões para associar-se ao SindusCon-SP: 1 - SindiCato atuante na defesa, promoção e desenvolvimento do setor

9 - CondiçõeS eSPeCiaiS para eventos e treinamentos

2 - rePreSentação PolítiCa junto aos governos federal, estaduais e municipais

10 - aCeSSo exCluSivo às informações do setor

3 - amPla rede de relacionamento profissional 4 - aSSeSSoria jurídica

11 - informaçõeS eStratégiCaS, pesquisas e dados do setor para tomadas de decisões

5 - rePreSentação nas principais regiões administrativas do estado

12 - CaPaCitação profissional, elevação de escolaridade, qualidade de vida e centro de atividades através do sesi - senai-sP

6 - rePreSentação nas negociações sindicais e trabalhistas

13 - ConliCitação - informação sobre licitações no estado de são Paulo

7 - orientação sobre saúde e segurança no Trabalho (ssT)

14 - ComPraCon-SP - filiação automática à associação de Compras da Construção Civil

8 - manuaiS téCniCoS sobre tecnologia, inovação e meio ambiente

Associe-se e faça parte desta história

Informações: (11) 3334-5600


marketing

Eficiência no serviço

Antonio Jesus de Britto Cosenza é consultor de empresas e professor da EAESPFGV e da BBS Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: cosenza@ cosenzaeassociados. com.br

Como muita coisa, no Brasil também o esporte é tratado de forma amadora. Os profissionais que cuidam dos clubes projetam que suas expectativas sejam as mesmas de todos os torcedores. Esse é o primeiro gap de qualidade preconizado pelo marketing de serviços. Ele ocorre quando o responsável por estruturar a oferta a ser feita ao mercado pressupõe saber o que os diversos segmentos esperam, e define como deverá ser “embalada” a oferta. Aí temos o segundo gap: arenas de espetáculos inadequadas, inseguras, mal dimensionadas nas áreas de higiene pessoal, de alimentação, de acesso e abandono. Elas costumam ser adequadas apenas no que diz respeito à visão do “palco”. Os estacionamentos também costumam ser subdimensionados e as bilheterias, quando existem em número suficiente, estão fechadas em sua grande parte. E a segurança é cada vez mais deixada de lado.

Num momento de expansão de nossa economia digital, ainda há eventos que só podem ser adquiridos nas próprias bilheterias. É o que acontece, por exemplo, com os excelentes programas culturais promovidos pelo Sistema S. É incrível que ainda não haja um site interativo com os seus associados e muito menos com o público em geral. Ressalto que o marketing poderá tornar os eventos esportivos um grande negócio. Basta deixar de lado os “egos gerenciais” e começar pelo princípio, ou seja: análise* - investigação para conhecer as expectativas dos públicos alvos. Afinal temos de jovens a idosos, de solteiros a famílias etc.; adaptação* - a partir do conhecimento real do que o mercado deseja, desenho dos processos que integram as ofertas a serem feitas e estabelecimento do valor adequado a se pagar por elas; ativação* - comunicação pelos canais e veículos mais eficientes para alcançar os públicos alvos, com a antecedência necessária para que eles possam adquirir ingressos com a maior conveniência possível, sem ter que se deslocar no caótico trânsito. Avaliem a percepção do custo total desse ingresso para o público quando ele tem que perder uma ou mais horas, apenas para assegurar que poderá assistir ao programa; avaliação* - saber se o público teve o seu desejo realizado, a sua expectativa atendida. Um pequeno agradecimento pela presença com um rápido questionário colocado na rede será o instrumento necessário. E o esporte e a indústria do entretenimento não serão mais os mesmos no nosso país.

O marketing pode transformar o esporte em um business no Brasil O terceiro gap ocorre porque a capacitação dos funcionários do atendimento é feita não para gerar uma experiência de lazer e emoção legítima, mas apenas para facilitar a identificação deles. Manutenção, limpeza, reparos durante os eventos são ações que não constam dos manuais do treinamento. Todas elas devem anteceder os “espetáculos” e só voltarem à cena após o seu término e o esvaziamento do local. Outro ponto a ser destacado é a maior ou menor facilidade que existe para a aquisição dos ingressos.

32

revista notícias da construção

/ julho 2013

* Prof. Raimar Richers – EAESP - FGV


s e g u r a n ça

Elevando o nível do debate sobre elevadores Trabalho do SindusCon-SP, Haruo Ishikawa, Os construtores não devem adquirir propôs aos representantes uma agenda elevadores de obra sem a garantia de que as positiva cujo objetivo é mudar a imagem próprias fabricantes farão a manutenção preruim dos fabricantes e do setor, divulgando ventiva do equipamento e sem a garantia de em nível nacional os equipamentos que já treinamento e qualificação dos montadores tenham um grau de segurança de acordo e dos operadores de acordo com as regras com o que exige a Portaria 644, de 9/5/2013, vigentes. “Temos de fazer urgente um uppublicada no DOU em 10/5/2013. grade no treinamento desta gente”, disse o Segundo Ishikawa, a ideia é divulgar as auditor fiscal do Trabalho, Antonio Pereira, empresas que já colocaram equipamentos durante reunião convocada em junho pelo seguros no mercado. “Temos a obrigação e SindusCon-SP com representantes das prino dever de colaborar com os bons fabricantes cipais empresas fornecedoras e locadoras e afastar do mercadestes equipamentos. do a concorrência Pereira tamEquipamentos de desleal. Queremos bém recomendou trabalhar para mudar aos fabricantes que obra seguros terão a imagem do setor e se debrucem sobre a a preferência das mostrar para as consmelhoria dos equipatrutoras que o valor mentos e de um Proconstrutoras de uma manutenção grama de Manutensegura não é nada ção Preventiva mais comparado ao custo total da obra”, ponderou específico e bem documentado. “O plano Ishikawa. de manutenção não pode ser genérico. Tem “Mais do que isso, queremos alertar as de explicitar que a manutenção do mancal empresas construtoras de que o INSS tem precisa acontecer em janeiro, que a do freio, investido em ações regressivas contra elas. em fevereiro, e assim por diante”, explicou. O vice-presidente de Relações Capital-­ O custo de uma ação deste tipo dói fundo no bolso”, comentou. O que diz a NR 18 A Portaria 644 altera a redação do item 18.14.23.7 e dos subitens 18.14.23.7.1 e 18.14.23.7.2 da NR 18, dando prazo de 12 meses para a instalação e utilização de elevadores de passageiros tracionados com um único cabo, desde que atendam à NR 18. Depois deste prazo, os elevadores de um cabo já instalados só serão autorizados a operar por mais 12 meses, sendo que as novas instalações precisarão atender também ao disposto na NBR 16.200. (NB) Haruo: agenda positiva para melhorar a imagem do setor

revista notícias da construção

/ Julho 2013

33


Fotos: Gabriel Pevide

SINDUSC O N - SP EM A Ç Ã O

‘Resgatemos a agenda da construção’ O presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, convocou a cadeia produtiva da construção a “resgatar uma agenda positiva para evitar que a desaceleração do crescimento da economia provoque uma inflexão no desempenho do setor no segundo semestre”. Discursando em junho na abertura da Construction Expo 2013 – 2ª Feira Internacional de Edificações e Obras de Infraestrutura, ele destacou “a importância de elevarmos continuamente o número de obras, impactando positivamente o crescimento econômico”. A coordenadora do PBQP-H (Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat) do Ministério das Cidades, Salette Weber, pediu que o setor apresente “propostas concretas e sua forma de implementação” para o país crescer. “É preciso maturidade para entender que, mesmo com tudo o que o governo fez nos últimos dez anos, a diminuição da desigualdade leva tempo.” Segundo ela, tanto o governo como o setor

da construção “têm que se modernizar”. Já o secretário de Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, Julio Semeghini, destacou o “alinhamento” entre o governo federal, o estadual e a Prefeitura de São Paulo em parcerias como no Programa Minha Casa, Minha Vida. O deputado estadual e presidente do Sintracon, Antonio Ramalho, manifestou preocupação com a “desindustrialização do país”, e defendeu a necessidade de investimentos em qualificação: “Tenho conversado muito com Sergio Watanabe para levarmos cursos aos canteiros de obras.” O Brasil precisa, urgentemente, trocar o vetor do consumo pelo dos investimentos públicos e privados, com ênfase nas áreas de infraestrutura para crescer e gerar empregos. Assim se manifestou Afonso Mamede, presidente da Sobratema, entidade organizadora do evento. (Rafael Marko)

Watanabe (esq.) na inauguração da Construction Expo 2013: elevar o volume de obras

Sindicato é eleito para Conferência das Cidades A 6ª Conferência Municipal da Cidade de São Paulo elegeu em junho 10 integrantes do SindusCon-SP para, junto com mais 3 do Secovi-SP e 14 de outras entidades, representarem a bancada empresarial de 27 membros na Conferência das Cidades do Estado de São Paulo, a realizar-se em setembro. A articulação que chegou a essa representação da bancada empresarial contou com a participação do gerente de Produção e Mercado do SindusCon-SP, Elcio Sigolo, 34

revista notícias da construção

/ julho 2013

na conferência municipal realizada no Palácio das Convenções do Anhembi. Cerca de 9 mil pessoas participaram da Conferência, presidida pelo prefeito Fernando Haddad. Com o tema “Quem muda a cidade somos nós: Reforma Urbana já!”, o evento foi organizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano de São Paulo, com apoio do Conselho Municipal de Política Urbana (CMPU) e da Comissão Preparatória Municipal.


‘Perspectivas seguem favoráveis’ Embora a construção brasileira tenha desacelerado o ritmo de seu crescimento, ela segue operando dentro de um bom patamar de atividade e as perspectivas de continuidade são favoráveis, pelo menos até o segundo semestre de 2014. Esta foi a mensagem transmitida pelo vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan, em palestra sobre o desempenho e as perspectivas da construção, aos clientes do Deutsche Bank, em junho, em São Paulo. O vice-presidente reiterou a estimativa de que o PIB da construção deva crescer em torno de 3% neste ano. Ele mostrou que, depois de um primeiro trimestre marcado por poucos lançamentos e lenta ascensão

do emprego, a construção incrementará sua atividade no segundo trimestre. “Até abril, o total de lançamentos na Região Metropolitana de São Paulo já era 41% superior ao de igual período de 2012. As vendas também têm sido maiores tanto em volume quanto em valores. No primeiro trimestre, foram vendidas 6,8 mil unidades na cidade de São Paulo, o que representou um VGV (Valor Geral de Vendas) de R$ 4,5 bilhões, ou seja, crescimentos de 18,6% e 5,5%, respectivamente em relação ao primeiro trimestre de 2012.” Veja a apresentação em http://www.sindusconsp.com.br/novoConstrumail/files/_Apresentacao_Zaidan0306.pptx

Mais incentivos para infraestrutura Durante encontro com associados e representantes de outras entidades promovido em parceria com a Fiesp em junho, o presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, destacou que entre os principais desafios enfrentados pelo setor está a insuficiência de incentivos para se investir em infraestrutura. “Em uma década a construção civil mais que dobrou o contingente de trabalhadores com carteira assinada”, afirmou, ao apresentar dados do setor. Mas, segundo o presidente, a construção civil ainda enfrenta

vários obstáculos. “Um deles evidentemente é a mão de obra. Estamos em um nível de atividade muito alto e a taxa de desemprego na construção civil é menor que 3% (pleno emprego). A mão de obra é um insumo fundamental e faz falta para o crescimento do setor”, acrescentou. Entre outros desafios apontados estão a necessidade de desenvolvimento de novas fontes de financiamento para habitação e infraestrutura, maior industrialização dos processos construtivos, avanço sustentável com ocupação adequada do solo e aumento da produtividade. Além de Paulo Schoueri, diretor da Central de Serviços da Fiesp, compareceram ao encontro o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), Walter Cover; o presidente do SindInstalação, José Silvio Valdissera; e o presidente da Sobratema, Afonso Mamede, entre outros. (RM) Schoueri, Watanabe e Haruo Ishikawa no encontro na Fiesp

revista notícias da construção

/ Julho 2013

35


JUR Í DIC O

Atenção, contribuinte!

Marcos Minichillo de Araújo é advogado, sócio de Almeida e Associados Consultores Legais, membro do Conselho Jurídico do SindusCon-SP Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: marcosminichillo@ almeidaeassociados. com.br

Desde 2008 o STF está para julgar o Recurso Extraordinário 592.616, para excluir o ISS da base de cálculo da PIS/Cofins. O STF atribuiu o caráter de repercussão geral para o julgamento desse caso, de tal modo que a solução deverá ser aplicada para todas as ações que discutem o mesmo tema. Em questão análoga, 6 ministros do STF deram provimento ao RE 240.785 para determinar a exclusão do ICMS da base de cálculo da Cofins. Para eles, o valor do ICMS não representa faturamento do contribuinte, mas sim do Estado. Considerando que o STF tem 11 membros, parece certa a vitória da exclusão. Mas os ministros que já votaram podem alterar seus votos, ou os novos ministros votar no lugar dos ministros substituídos. Já a União propôs uma ação (ADC 18) para que o STF analise e declare a constitucionalidade da inclusão do ICMS na base de cálculo da Cofins nas operações internas; portanto, ainda haverá muito debate sobre a questão. E o julgamento definitivo certamente repercutirá no julgamento da exclusão do ISS, e ainda possibilitará a discussão da exclusão dessas contribuições sociais da base de cálculo do ICMS e do ISS.

de encargos tributários é bem-vinda. Assim, considerando o cenário favorável à tese da exclusão do ISS e ICMS da base cálculo da PIS/Cofins e vice-versa, parece que esperar a definição dessas discussões poderá acarretar prejuízos financeiros, até porque a cada mês avança a prescrição sobre o possível direito do contribuinte. Em dezembro de 2008, em artigo que escrevi em Notícias da Construção, propus que, antes de iniciar discussão judicial a respeito, o contribuinte deveria refletir sobre três pontos relevantes, a saber: a) apesar de haver 6 votos favoráveis à tese da exclusão do ICMS da base de cálculo da Cofins, o julgamento final poderá ser diferente, haja vista a possibilidade de modificação dos votos já proferidos e também em razão da mudança da composição do STF; b) a questão debatida no STF está restrita ao conceito de faturamento, na redação anterior à EC 20/98, e que a nova redação do artigo 195, I, da Constituição Federal permite que a Cofins possa incidir sobre a receita ou o faturamento; c) o ICMS e o ISS representam custo da mercadoria/serviço ou são receitas de terceiros? De lá para cá já se passaram quase 5 anos e ainda não há definição sobre esses temas. E quem não iniciou a discussão judicial não interrompeu a contagem do prazo prescricional. Assim, parece-me recomendável que qualquer medida judicial para discutir a exclusão de ISS/ICMS da base de cálculo da PIS/Cofins deveria ser acompanhada do depósito judicial do valor correspondente ao tributo que se deixar de recolher, a fim de se evitarem surpresas.

Exclusão do ISS da base de cálculo da PIS/Cofins está para ser julgada Enquanto não há julgamento definitivo, deveriam os contribuintes iniciar já uma ação judicial para não só reaver o que pagaram a mais de tributos, mas também para deixar de pagá-los no futuro? Em tempos de margens reduzidas e probabilidade de pequeno ou nenhum crescimento econômico, qualquer diminuição 36

revista notícias da construção

/ julho 2013


AGOSTO 2013 S Ã O PAULO

::::::::::

DIA 1 Norma de Desempenho

MO G I DAS C R U Z E S

DIA 12 Auditoria Trabalhista

DIA 7 Retenção de 11% em Obras e Serviços de Construção Civil

DIA 13 INSS da Construção Civil

DIA 21 Analista Dpto. Pessoal

DIA 14 Sped Fiscal e Contábil

! ITO ATU ÕES GR Ç ! CRI INS TADAS I M LI

DIA 15 Requisitos do Novo SiAC 2012 DIA 16 Norma de Desempenho

DIAS 20, 22, 27, 29/8 e 3/9 MANHÃS Curso de Fundações para Coordenadores e Engenheiros de obra e Projeto de Construtoras e Gerenciadoras DIA 21 Controladoria e Gestão Econômica DIA 21 Programa Aquisição da Madeira Módulo III DIA 22 Melhoria do Desempenho nos Sistemas de Gestão – Segmento Construção Civil DIA 27 Administração de Obras e Serviços de Engenharia Civil DIAS 26 e 27 Etiqueta Procel - Residencial :::::::::: C AMPI NA S DIA 6 Gestão de Pessoas na Construção Civil DIA 13 Formação de Preço de Venda Aplicado à Construção Civil DIA 21 Orçamento para Licitações Públicas

DIA 22 Gestão de Materiais/almoxarifado para setor da Construção Civil :::::::::: P RE SI DE N TE P RU D E N T E DIA 2 Licitações de Obras e Serviços de Engenharia DIAS 23 e 24 Gestão de Contratos Públicos com Foco na Construção Civil :::::::::: SAN TO AN D RÉ DIA 6 Elaboração de Orçamentos de Obras – Fundamentos Técnicos e Legais :::::::::: SAN TO S DIA 8 Certidões Negativas ou Positivas com efeito de negativas- suas aplicações no Setor da Construção Civil :::::::::: S.J. DO RI O P RE T O DIA 8 Contrato de Empreitada: abrangência, Aspectos Técnicos e seus Questionamentos


Fotos: Divulgação

INSUM O S

Inovando a grande obra O avanço tecnológico dos sistemas construtivos, a excelência em métodos construtivos aplicados nas obras no país e a evolução do segmento de infraestrutura deram o tom da Construction Expo 2013 – 2ª Feira Internacional de Edificações e Obras de Infraestrutura, realizada em junho pela Sobratema (Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração), com apoio do SindusCon-SP. Na feira, foi possível conhecer uma variedade de produtos inovadores, desde geradores solares fotovoltaicos e eólicos de última geração, passando por sistemas de reciclagem de esgoto e efluentes com capacidade para purificar até 6 mil litros por hora; tubos de polietileno de alta densidade de grande diâmetro para drenagem pluvial; sistema construtivo para contenção de taludes, encostas, proteção de margem, proteção costeira e canalização de córregos; resinas hidroativas; novas soluções para canteiros de obra; módulos habitacionais; sanitários hidráulicos; tecnologia para reutilizar, reciclar e “flocular” a lama bentonítica nas estacas escavadas; barretes e paredes diafragma, além de produtos geossintéticos, plataformas móveis, fôrmas e escoramentos.

Maquete de implantação da Linha 4 do Metrô do Rio

38

revista notícias da construção

/ julho 2013

Obras emblemáticas O destaque foi o Salão das Grandes Construções, que mostrou os desafios de obras nacionais. Os visitantes tiveram detalhes dos produtos, serviços, materiais, novas tecnologias e sistemas construtivos que foram utilizados na execução de projeto notáveis como a Arena Corinthians, Linha 4 do Metrô do RJ (Barra da Tijuca - Ipanema), Porto Maravilha e Prosub (Programa de Desenvolvimento de Submarinos). No estande da Linha 4 do Metrô do Rio, os visitantes tiveram informações sobre o Tunnel Boring Machine (TBM) e o New Austrian Tunnelling Method (NATM). O TBM, conhecido por Tatuzão, por exemplo, tem 2 mil toneladas e 120 m de comprimento por 11,5 m de diâmetro (equivalente a um prédio de quatro andares). Para a obra, optou-se pelo Mixshield, capaz de escavar de 15 a 18 metros por dia. O estande também destacou, além da fabricação dos anéis de concreto (aduelas), dos desafios de montagem do TBM e dos sistemas de fixação das aduelas e de vedação dos túneis, o uso de um polímero sintético para estabilização do solo e construção das paredes diafragma. Uma maquete eletrônica era a grande atração do estande que contava o processo de revitalização da zona portuária do Rio (Operação Urbana Porto Maravilha). O projeto oferece um novo sistema viário e a recuperação dos serviços públicos (esgoto, iluminação, lixo e drenagem), que beneficia­ rão os 32 mil habitantes da região. (RM)

Público da Construction Expo teve contato com os equipamentos mais avançados para a infraestrutura e conheceu em detalhes a estrutura e o funcionamento do Tatuzão (detalhe), no estande da Linha 4 do Metrô do Rio


regionais

Sorocaba conclui nova etapa de capacitação em argamassa Com a entrega de certificados aos alunos do curso de Planejamento de Revestimento com Argamassa, a Regional Sorocaba do SindusCon-SP participou em junho da conclusão da segunda etapa do Programa de Desenvolvimento de Construtoras (PDC). Concentrado na capacitação técnica de engenheiros, arquitetos e gerentes de obras, o programa contou com 52 horas de aulas teóricas durante três meses, e teve como instrutores os engenheiros Elza Nakakura, Eugênio Pacelli e Max Junginger. Segundo Eder Faria, representante regional da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP), a escolha desse tema para este ciclo se deu a partir de pesquisa. “As construtoras da região apresentaram uma importante demanda do mercado”. O PDC de Sorocaba é uma parceria entre a Regional do SindusCon-SP, a ABCP, a Associação de Engenheiros e Arquitetos de Sorocaba (AEAS), a Faculdade de Engenha-

ria de Sorocaba (Facens), o Laboratório de Ensaios de Materiais (Lemat) e o Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de Sorocaba (Setcarso). Para informações sobre os novos cursos os associados devem entrar em contato com a regional nos telefones (15) 3224-2369, (15) 3234-3211 ou via e-mail sinduscaba@ sindusconsp.com.br . (Lívia Camargo)

Turma concluiu segunda etapa da capacitação em junho

Mairinque ganhará mais um Senai O diretor da Regional Sorocaba, Elias Stefan Junior, esteve em Mairinque, acompanhando a comitiva do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, em junho, para a assinatura da compra do terreno de 13 mil metros quadrados para a instalação de mais uma unidade do Senai. Com inauguração prevista para 2015, a escola será construída com o que há de melhor na construção civil, disse Skaf. “Serão R$ 40 milhões de investimento para oferecer cursos como os de aprendizagem industrial e operador de processos químicos, entre outros. Teremos 5,5 mil 40

revista notícias da construção

/ julho 2013

matrículas por ano.” Segundo Elias Stefan Junior, a nova unidade irá contribuir para o SindusCon-SP. “O Senai é um dos principais formadores de mão de obra qualificada para a região”, afirmou. A solenidade realizada na Câmara Municipal de Mairinque contou com as presenças da vice-presidente de Responsabilidade Social do SindusCon-SP, Maristela Honda; do coordenador da Regional Sorocaba, José Sarracini; do prefeito de Mairinque, Rubens Merguizo; do prefeito de São Roque, Daniel de Oliveira Costa, além de reunir vereadores e deputados. (LC)


Confraternização em Santos reúne construtores e autoridades O tradicional churrasco promovido pela Regional Santos do SindusCon-SP, em conjunto com a Assecob e o Secovi, em junho, lotou o Grill do Tênis Clube de Santos. O sucesso do evento, que reuniu 120 pessoas, entre empresários e familiares, fornecedores e autoridades, se deveu à consolidação das lideranças do setor. “Estamos colhendo agora os frutos de um trabalho de anos. Exercemos uma atuação muito forte de representação do setor na região, o que foi acompanhado por todos”, diz Ricardo Beschizza, diretor da Regional. Outro fator que ajudou a atrair os participantes ao churrasco foi a chegada de novos nomes às Prefeituras da região. Entre outros, prestigiaram o evento: o vice-prefeito de Santos, Eustázio Alves Pereira Filho; os secretários santistas Ângelo José da Costa Filho (Obras); Marcelo Del Bosco Amaral (Defesa de Cidadania); Luciano Cascione (Meio Ambiente); e Nélson Gonçalves de Lima Jr. (Desenvolvimento Urbano); o secretário de Obras de Bertioga, José Marcelo Ferreira Marques, representando o prefeito José Mauro Dedemo Orlandini; o presidente da Câmara Municipal de

Santos, Sadao Nakai; os vereadores Murilo Barleta, Kenny Mendes e Igor Martins de Melo; o secretário-geral do Seconci, Fernando Costa Neto; o diretor de Relações Institucionais da Santos Brasil, Ronaldo de Souza Forte; o conselheiro Nacional Fiscal da Abenc, André Monteiro de Fazio; o gerente de Governo da Caixa, Sidney Soares Filho; e o gerente regional da Construção Civil da Caixa, Diogo Paz Pedro. O churrasco contou com patrocínio de Deleuse Andaimes e Escoramento, DNA Móveis, Engemix-Votorantim, Fundamenta, KGB, Grupo Mega Forma, Viapol e Votorantim Cimentos. (Giselda Braz)

Reis, Pereira Filho, Beschizza, Amaral e Marques, no evento

revista notícias da construção

/ Julho 2013

41


REGIONAIS

Ribeirão promove encontro sobre economia brasileira e crise global O presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, participou em junho do encontro “A Economia Brasileira e a Crise Global”, promovido pela Regional Ribeirão Preto em parceria com a FAAP – Fundação Armando Álvares Penteado. O evento aconteceu na FAAP, Unidade Ribeirão Preto, com a presença dos diplomatas Clodoaldo Hugueney (embaixador do Brasil na China até março deste ano), Rubens Ricupero (ex-ministro da Fazenda e do Meio-Ambiente) e Sérgio Amaral (ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior). Watanabe abriu o encontro, ao lado do presidente da FAAP, Antonio Bias Bueno Guillon, do diretor da Regional Ribeirão Preto, Eduardo Nogueira, e do superintendente da Caixa na cidade, Isaac Samuel dos Reis. O presidente do SindusCon-SP destacou a expectativa do setor e a sua contribuição para o crescimento do Brasil. “Estamos

estimando que o PIB da construção civil deva crescer em torno de 3% em 2013”, afirmou, citando como exemplo o número de trabalhadores formais do segmento, que dobrou nos últimos dez anos. “A construção civil contribuirá de forma significativa para o crescimento do país”, completou. (Márcio Javaroni)

Watanabe (ao centro) ressaltou expectativas para o setor durante evento na FAAP de Ribeirão Preto

Regionais planejam novas ações Ribeirão Preto sediou em junho o encontro mensal das diretorias regionais do SindusCon-SP. Participaram, além do anfitrião Eduardo Nogueira e dos vice-­ presidentes João Lemos e Luiz Cláudio Amoroso, os diretores regionais Renato Tadeu Parreira (Bauru), Luís Gustavo Ribeiro (Presidente Prudente), Márcio Benvenutti (Campinas), Ricardo Beschizza (Santos), Sérgio Ferreira dos Santos (Santo André) e Renato Monteiro (diretor adjunto em Santos). Durante o encontro foram discutidas situações comuns às regionais, assim como propostas ações em benefício dos associados do interior. "Essa troca de 42

revista notícias da construção

/ julho 2013

experiências é muito salutar, uma vez que nossas particularidades muitas vezes são diferentes daquelas da Capital", afirmou Ricardo Beschizza. "Nossa reunião foi muito proveitosa, direcionando novas ações a cargo de alguns diretores", disse Sérgio Ferreira dos Santos. "Ficamos muito felizes pelos compromissos assumidos: Eduardo Nogueira pela formação de um grupo de qualidade no interior de São Paulo; o Gustavo Ribeiro, por desenvolver uma campanha para atrair novos associados; e Márcio Benvenutti pela implantação do sistema planta online", afirmou Renato Parreira. (MJ)


Salão do Imóvel gira R$ 280 milhões Realizado pela Regional do SindusCon-SP, o Salão do Imóvel de Ribeirão Preto aconteceu nos dias 15 e 16 de junho, junto ao 9º Feirão Caixa da Casa Própria. Durante o evento, que recebeu mais de 20 mil visitantes em uma área de 1.000 m2 do Novo Shopping, foram negociados cerca de R$ 280 milhões, entre contratos assinados e encaminhados. Como nas edições anteriores, o Salão do Imóvel reuniu no mesmo espaço outros agentes, como correspondentes Caixa Aqui e técnicos do banco, responsáveis por analisar e autorizar os financiamentos. “Com isso se ganha agilidade e os negócios podem ser executados com maior facilidade”, afirmou o diretor da Regional, Eduardo Nogueira. O Salão do Imóvel 2013 teve a participação de 12 construtoras e imobiliárias, que ofereceram cerca de 8 mil imóveis, entre novos, usados e na planta. “O evento foi um sucesso. Recebemos um público extraordinário e o índice de vendas foi muito bom”, avaliou Nogueira. Para o diretor da Regional, as facilidades oferecidas pelo Salão do Imóvel/ Feirão Caixa foram fundamentais para o sucesso do evento. “Eles abrangem uma

classe emergente, muito bem atendida pelas empresas, que oferecem excelentes opções de negócios.” Para o superintendente da Caixa em Ribeirão Preto, Isaac Samuel dos Reis, a aprovação do crédito feita na hora também colabora para facilitar ainda mais a negociação. “São fatores determinantes para que o evento se constitua a cada ano em um grande sucesso, com expressivos volumes de negócios fechados e encaminhados”. (MJ)

Segundo Nogueira e Reis, evento foi um sucesso em número de negócios

revista notícias da construção

/ Julho 2013

43


REGIONAIS

Bauru investe em capacitação “Precisamos capacitar para crescer”. A afirmação é de Renato Parreira, diretor da Regional Bauru do SindusCon-SP, que tem investido cada vez mais em cursos, treinamentos e palestras para os associados. Segundo ele, materiais e tecnologias evoluem o tempo todo e as empresas precisam estar atualizadas para aproveitar essas melhorias. “O problema era que a maioria dos cursos de atualização estava centralizada em São Paulo. O empresário que quisesse capacitar seus funcionários tinha que enviá-los para a Capital. A Regional Bauru, com apoio da sede do SindusCon-SP, conseguiu trazer boa parte desses cursos para o Interior. Com isso, garantimos uma redução expressiva dos custos com hospedagem, transporte e alimentação, além de reduzir o tempo de ausência do profissional. A ideia foi tão bem recebida que, para 2013, estamos dobrando a oferta de cursos”, comemora. Nos últimos três anos, a Regional manteve a realização de aproximadamente um evento por mês. A demanda tem crescido e, desde o início deste ano, a programação foi ampliada, com a oferta de pelo menos dois cursos por mês, além de palestras, assessoria jurídica local, entre outros. (Sabrina Magalhães)

C l a ss i f i c a d o s

44

revista notícias da construção

/ julho 2013


C l a ss i f i c a d o s

Anuncie nos classificados (11) 3334-5627 comercial@sindusconsp.com.br

revista notícias da construção

/ Julho 2013

45


REGIONAIS

Campinas forma 1ª mestre de obras Cada vez mais requisitados, os profissionais com maior qualificação são referência no setor da construção civil. E a função de mestre de obras se torna ainda mais procurada pelos profissionais da área, inclusive pelas mulheres. Na última turma, cuja formatura ocorreu em junho, Werilene Lago Silva Coelho recebeu seu diploma de Mestre de Obras, sendo a primeira mulher em Campinas a concluir a qualificação. “O mercado feminino está em ascendência. E a construção civil não é diferente, com muitas mulheres nas funções de engenharia. Mas a parceria do SindusCon-­ SP com o Senai está dando oportunidade também para as mulheres fazerem o curso de mestre do obras, o que é muito importante”, diz o diretor da Regional Campinas do SindusCon-SP, Márcio Benvenutti. Essa foi a sétima turma do curso de Mestres de Obras formada pelo Senai e 14 novos profissionais foram habilitados para trabalhar no setor. “Eu espero que a Werilene seja a primeira de muitas mulheres a se

formarem no curso e atuarem nos canteiros de obras”, diz Benvenutti. A própria Werilene acha que pode ser um exemplo para outras mulheres, quebrando assim, uma quase hegemonia masculina na função. “Eu tenho verdadeira paixão por construção civil. Inclusive, pretendo cursar engenharia civil”, adianta. O projeto da Regional Campinas visa qualificar cada vez mais os profissionais do setor e garantir o crescimento da demanda na área, além de oferecer mais oportunidades de crescimento dos trabalhadores em suas carreiras. No ano passado, 46 trabalhadores receberam o diploma e foram qualificados para exercerem a função de mestres de obras. Duas turmas se formam a cada ano. O curso de Mestre de Obras tem duração de 18 meses, com 600 horas de aula, e é também um esforço pessoal de cada profissional, uma vez que as aulas são realizadas no período noturno. (Vilma Guasques)

Werilene (de azul e preto) recebe o certificado de mestre de obras ao lado dos companheiros de turma, em Campinas

Santo André discute Segurança e Saúde Dirigido aos técnicos de segurança, engenheiros, mestres de obra e outros profissionais que atuam no setor, o seminário “Segurança e Saúde na Indústria da Construção” reuniu 108 pessoas em Santo André no mês de maio. O encontro tratou de temas como a escolha, controle e manutenção de gruas, a contratação de Pessoas com Deficiência (PCD), o uso e controle de andaimes

46

revista notícias da construção

/ julho 2013

tubulares e suspensos, boas práticas em SST e pré-requisitos na locação e uso de equipamentos. Para o auditor fiscal Antonio Pereira do Nascimento, que palestrou no seminário, o evento mostrou aos participantes as boas práticas de segurança e saúde adotadas hoje em São Paulo. “Abordamos as mudanças normativas em vigor com a futura revisão da NR 18, com a consulta pública do texto atual e medidas de controle no uso de gruas, elevadores de obras, andaimes e outros equipamentos.” (Sueli Osório) Seminário também abordou a contratação de PCDs


S O LU Ç Õ ES IN O V A D O R A S

Vidros de segurança ANDRÉ DELFINO AZEVEDO é pesquisador do IPT, engenheiro civil, graduado na Poli-USP, desenvolve trabalhos na área de sistemas construtivos

ANDRÉ LUIZ GONÇALVES SCABBIA é pesquisador do IPT e doutorado pela EESC/ USP, atua na linha de pesquisa relacionada à segurança ao fogo Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: azevedo@ipt.br scabbia@ipt.br

48

A utilização de fachadas com vidros de segurança recrudesceu nos últimos anos, em razão da crescente utilização de fachadas envidraçadas e da necessidade de proteção a eventos de vandalismo e invasão, com uso de armas de fogo, em locais como guaritas, joalherias, bilheterias e casas lotéricas. Qualquer tipo de ação direcionada à fachada ou agente que a deteriore afeta tanto as placas de vidro como todos os outros componentes que integram o sistema de vedação. Assim, ao se falar em fachadas com vidro de segurança, aborda-se o vidro e suas interações com os outros componentes. Os vidros de segurança nas fachadas não visam tanto atender os requisitos de desempenho estrutural (cargas de vento e impactos, por exemplo), como as premissas referentes ao uso e operação, específicas para cada edificação. Neste contexto devem ser avaliados os riscos referentes às ações como: tentativa de intrusão, armas de fogo, impacto de veículos, explosões ou vandalismos generalizado. Portanto, o tipo de edificação, o entorno, os índices de criminalidade, o acesso, o fator econômico e o uso são fatores de risco que devem ser avaliados nos projetos das fachadas, principalmente nos aspectos de desempenho estrutural e segurança no uso e operação. Critérios de segurança O vidro é de segurança quando sua tecnologia de fabricação ou montagem permite reduzir a probabilidade de acidentes por choques ou deformações. O vidro temperado, por exemplo, é aplicado em portas e vitrinas de lojas, bancos, assim como no mercado automotivo, pois estilhaça em centenas de pequenos pedaços não pontiagudos ou lascas que poderiam machucar. Há também os vidros multilaminados e os aramados. O primeiro é uma união de vidros, realizada em sua fabrica-

revista notícias da construção

/ julho 2013

Invasão de agência bancária pela fachada envidraçada

ção, onde são utilizadas duas ou mais lâminas de vidro intercaladas por uma ou mais camadas de Polivinil Butiral (PVB) ou resina. Já o vidro aramado possui em seu interior uma malha quadriculada de arame de aço que mantém sua integridade física após a quebra. Os vidros comercialmente chamados de antivandalismo ou blindados são vidros multilaminados, sendo que a sua composição varia em função da aplicação e nível de proteção solicitada. A fachada com vidros de segurança é composta de esquadrias, guarnições, selantes e dispositivos de fixação. Esses componentes também devem ser dimensionados de modo compatível às exigências das fachadas. Ao se adotar um vidro multilaminado, blindado, as esquadrias não podem, por exemplo, ser de alumínio comum, ou apresentar estruturas suportes (tipo aranha) que possuem pequena resistência a impactos. As normas nacionais de vidros de segurança abordam principalmente requisitos e métodos de avaliação relativos à segurança estrutural. A norma ABNT NBR 7199: 1989 – Projeto, Execução e Aplicações de Vidro na Construção Civil – determina as condições a serem obedecidas no projeto de envidraçamento, orientando dimensionamento da espessura do vidro em função do tipo de vidro e sua localização na edificação. Entretanto, há duas normas (ABNT NBR


15000:2005 e ABNT NBR NM 298:2000) que avaliam a resistência dos vidros quanto a impactos de armas de fogo, seres humanos e objetos. Duas normas estrangeiras foram selecionadas para contribuir com a avaliação dos vidros com relação aos aspectos de segurança do usuário (BS EM 356:2000 e BS EN 1063:2000), particularmente quanto à resistência a impactos de ferramenta manual e de armas de fogo. Os critérios e métodos de ensaio dessas normas estão em tabela disponível em http:// www.sindusconsp.com.br/downloads/tabela_artigo_si_ed_124.pdf.

Acima, cobertura com estrutura metálicas e vidros do Museu Britânico, em Londres (esq.); escada em vidro laminado da Apple Store, na Holanda (dir.). Abaixo, detalhe do vidro laminado do degrau da Apple Store; mais abaixo, cabines blindadas do Estádio Wembley, em Londres

Considerações finais A avaliação técnica de fachadas com vidro de segurança deve levar em conta todos os componentes e não só o vidro. No caso dessas fachadas envidraçadas, também devem ser abordados: estrutura suporte dos vidros (perfis guias e montantes metálicos - esquadrias), dispositivos de fixação (parafusos, presilhas, chumbadores), elementos de isolamento, como gaxetas e calços, materiais de vedação, entre outros. Todos os métodos de ensaios para vidro descritos são aplicados em corpos de prova de pequenas dimensões. Entretanto, não se tem certeza se é possível extrapolar tais resultados de ensaio para vidros de grandes dimensões e, portanto, avaliações e métodos de ensaio específicos devem ser criados e testados a fim de garantir o uso destes sistemas de fachadas com a segurança devida.

revista notícias da construção

/ Julho 2013

49


C O NSTRU Ç Ã O D A C A RREIR A

O profissional estrangeiro

Felipe Scotti Calbucci é graduado em Comunicação Social e gerente de Property & Construction da Michael Page, com foco em recrutamento de gerentes e diretores para construtoras e incorporadoras Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: felipecalbucci@ michaelpage.com.br

Caros leitores, nesta edição tenho a satisfação de compartilhar com vocês algumas informações que recebi recentemente sobre o mercado de Real Estate e de construção em outros países. Algumas semanas atrás, participei de uma conference call com os demais responsáveis por contratações de executivos de nosso mercado em alguns dos locais onde opera a companhia para a qual eu trabalho. O objetivo era trocar experiências sobre o perfil das empresas, dos profissionais, bem como encontrar sinergias. Além de Brasil, participaram representantes da Itália, Inglaterra, França, Emirados Árabes, China, Rússia, Alemanha e Austrália. A primeira conclusão a que chegamos é que o negócio de Real Estate e construção tende a ser muito local. Há peculiaridades em cada região, em especial quanto aos aspectos de formação de profissionais e tecnologias.

liderados por empresas multinacionais brasileiras. Outros entraves são o conhecimento de fornecedores locais, o trato com órgãos públicos e, especialmente, a adaptação à cultura do país. Também notamos uma diferença significativa no perfil dos negócios em cada região. Os países europeus possuem predominância de negócios para restaurações históricas, retrofit e gerenciamento de propriedade. Nesses países, há poucos investimentos em desenvolvimento imobiliário ou de infraestrutura urbana. Mesmo com este perfil de negócios, o mercado europeu é enorme, com forte presença de quase todos grandes players globais. América Latina e Ásia apresentam um cenário inverso. Nestes continentes, há muito foco em desenvolvimento para todas as áreas. Isso tem como consequência a entrada de inúmero novos players. Quanto ao perfil de pessoas demandadas pelo mercado, há uma predominância por profissionais com visão de projeto de forma generalista. Requerem-se desses profissionais bons conhecimentos técnicos nas atividades específicas, e que consigam analisar o negócio. Contudo, se o empregador estiver disposto a esperar o tempo de adaptação de um profissional estrangeiro, acredito que pode resultar muito bem. A troca de experiências sempre é válida.

Contratação pode apresentar bom resultado após período de adaptação Contudo, o idioma ainda é o maior limitador para receber profissionais de outras nacionalidades em praticamente todas as regiões. Apenas as regiões como os Emirados Árabes, que passaram por ondas de desenvolvimento muito acima do normal lideradas por empresas estrangeiras, receberam profissionais de outras nacionalidades em grande escala. Podemos dizer que o mesmo ocorreu com países africanos, em grande parte 50

revista notícias da construção

/ julho 2013



Proteção ao Clima