Issuu on Google+


editorial

Lições do Oriente

Sergio Watanabe é presidente do SindusCon-SP, vicepresidente da CBIC e diretor da Fiesp Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: presidente@ sindusconsp.com.br

Na recente Missão Técnica do SindusCon-SP ao Japão, em setembro, nos deparamos com um estreito terreno no centro de Tóquio, onde nada menos de dez equipamentos, entre fresas, guindastes e gruas, trabalhavam simultaneamente. Ao visitarmos a Misawa Homes, tivemos a oportunidade de conhecer uma tecnologia inovadora de pré-fabricação de casas. A partir de um acurado planejamento customizado e da fabricação de pré-moldados, a empresa é capaz de montar uma residência de 1º Mundo em menos de um dia. Preocupação idêntica com o planejamento e a qualidade na execução foram responsáveis pelo feito da construtora Obayashi, que em 2012 concluiu a Skytree, a torre de comunicações mais alta do mundo, com 634 m, na capital japonesa.

crescer nos últimos 20 anos, no Brasil tivemos crescimento econômico em meio à crise internacional, o que foi benéfico, mas lutamos diariamente contra a deterioração do ambiente de negócios. No caso da construção, enfrentamos um problema adicional. Entre 2007 e 2011, enquanto os salários no setor cresceram 3,2% acima da inflação ao ano, a produtividade caiu 5%. Esta situação não pode continuar, sob pena de nossa atividade se inviabilizar. Para elevar a produtividade, boa parte do setor tem se mobilizado via treinamento da mão de obra e elevação do nível de industrialização. Mas este esforço não será suficiente se não houver uma firme determinação dos governos da União, dos Estados e dos Municípios, em formular políticas que proporcionem horizontes à construção. Por exemplo, falta pouco mais de um ano para o término da atual gestão do governo federal e o Programa Minha Casa, Minha Vida ainda não foi transformado numa política de Estado. Essa perenização é fundamental para assegurar um fluxo firme de investimentos sem os quais a industrialização nesse segmento não prospera, obrigando-nos a seguir edificando com práticas artesanais e pouco produtivas. Outra condição necessária ao aumento da produtividade é a diminuição da carga tributária. No próximo mês, a construção ingressa na desoneração da folha, que vai beneficiar quem faz uso de mão de obra intensiva, mas prejudicará justamente quem se modernizou pela industrialização e pela subcontratação de serviços especializados. Precisamos de uma desoneração para valer, que nos permita de fato investir no aumento da produtividade.

Precisamos de políticas que elevem os investimentos em produtividade Também tivemos a oportunidade de presenciar a cooperação – e não o antagonismo – entre o governo e a iniciativa privada, para viabilizar operações urbanas que não só dão margem a gigantescos empreendimentos mistos, como revitalizam extensas áreas deterioradas e melhoram a mobilidade urbana. A mesma cooperação se fez sentir em iniciativas de construtoras japonesas na pesquisa e no desenvolvimento de novos materiais, sistemas construtivos e sustentabilidade, bem como em soluções visando o desenvolvimento de cidades “inteligentes”, voltadas ao bem-estar de seus cidadãos. Enquanto no Japão todo esse desenvolvimento continua em pé mesmo que a economia daquele país tenha parado de

revista notícias da construção

/ Outubro 2013

3


voz do leitor

sumário

MOBILIDADE URBANA

Alexandre de Oliveira Presidente da CompraCon-SP (Associação de Compras da Construção Civil no Estado de São Paulo)

Vice-presidentes Cristiano Goldstein Eduardo May Zaidan Francisco Antunes de Vasconcellos Neto Haruo Ishikawa João Claudio Robusti João Lemos Teixeira da Silva Luiz Antonio Messias Luiz Claudio Minniti Amoroso Maristela Alves Lima Honda Maurício Linn Bianchi Odair Garcia Senra Paulo Rogério Luongo Sanchez Yves Lucien de Melo Verçosa

CULTURA MILENAR

Diretores Paulo Brasil Batistella (Jurídico) Salvador de Sá Benevides (Rel. Internacionais)

A Missão Técnica do SindusCon-SP observou no Japão uma solução de mobilidade que também evita a deterioração urbana: vias expressas suspensas, às vezes de três andares, com construções na parte inferior destinadas ao comércio e aos serviços.

Na Missão Técnica ao Japão, vimos o respeito, o comprometimento, a competência e a obstinação das pessoas em suas atividades. Renato Genioli Jr. Coordenador do Comitê de Trabalho de Sistemas Prediais do CTQ do SindusCon-SP

Capa SEMINÁRIO MOSTRA POTENCIAL DOS PRÉ-MOLDADOS NO PAÍS.............. 6 • Patologias em fundações assustam • Controle de execução: sempre na mira • Em busca da “engenharia de relacionamento” QUALIDADE............................................... 10 • Setor busca inspiração na inovação HABITAÇÃO............................................... 12 • PDE: Prefeitura acolhe parte das propostas • SindusCon-SP defende um MCMV perene RELAÇÕES INTERNACIONAIS...................... 17 • Japão: um tsunami de inspiração • Visita à torre mais alta do mundo • O edifício que menos emite CO2 • Prédio tem 50 itens de sustentabilidade • Operações urbanas feitas com sucesso • Demolição “ecológica” inova • Casas são montadas em um dia • Construtoras investem para inovar • Construtora financia cidade “inteligente” • Embaixada do Brasil abre as portas MEIO AMBIENTE........................................ 27 • SindusCon-SP discute resíduos em Conferência • Recuperação de terrenos requer incentivos RELAÇÕES CAPITAL-TRABALHO.................. 33 • SindusCon-SP prestigia Prêmio Seconci-SP • Ishikawa recebe premiação no Chile • Megasipat reúne mais de 350 em Sorocaba • Ribeirão sorteia de cursos de qualificação

4

revista notícias da construção

/ outubro 2013

Presidente Sergio Tiaki Watanabe

Escreva para esta Seção

e-mail: noticias@sindusconsp.com.br correio: R. Dona Veridiana 55, 2º andar, 01238-010, São Paulo-SP

• Trabalhadores do ABC lotam auditório do Sesi • Evento congrega 200 trabalhadores em Bauru SINDUSCON-SP EM AÇÃO........................... 37 • Sindicato vai à Conferência Nacional das Cidades • Cônsul-geral da Alemanha visita o SindusCon-SP REGIONAIS................................................ 42 • Falcão Bauer conclui palestras em Santo André • Santos debate a logística portuária • São José dos Campos discute desoneração • Formalizada a criação da CPR em Franca • Sorocaba lança curso superior de construção

c ol u n i s t a s Conjuntura | Robson Gonçalves..............................5 Gestão da Obra | Maria Angélica Covelo Silva...........25 Empreendedorismo | Marco Antonio Conejero.........26

Diretores das Regionais Eduardo Nogueira (Ribeirão Preto) Elias Stefan Junior (Sorocaba) Emilio Carlos Pinhatari (São José do Rio Preto) Luís Gustavo Ribeiro (Presidente Prudente) Márcio Benvenutti (Campinas) Renato Tadeu Parreira Pinto (Bauru) Ricardo Beschizza (Santos) Rogério Penido (São José dos Campos) Sergio Ferreira dos Santos (Santo André) Representantes junto à Fiesp Titulares: Eduardo Ribeiro Capobianco, Sergio Porto; Suplentes: João Claudio Robusti, José Romeu Ferraz Neto Assessoria de Imprensa Rafael Marko - (11) 3334-5662 Nathalia Barboza - (11) 3334-5647 Fabiana Holtz - (11) 3334-5701 Conselho Editorial Delfino Teixeira de Freitas, Eduardo May Zaidan, José Romeu Ferraz Neto, Maurício Linn Bianchi, Francisco Antunes de Vasconcellos Neto, Odair Senra, Salvador Benevides, Sergio Porto SUPERINTENDENTE José Luiz Machado editor responsável Rafael Marko REDAÇÃO Nathalia Barboza e Fabiana Holtz (São Paulo) com colaboração das Regionais: Ester Mendonça (São José do Rio Preto); Giselda Braz (Santos); Homero Ferreira (Presidente Prudente); Enio Machado, Elizânio Silva e Tatiana Vitorelli (São José dos Campos); Marcio Javaroni (Ribeirão Preto); Sabrina Magalhães (Bauru); Ana Diniz e Simone Marquetto (Sorocaba); Sueli Osório (Santo André); Vilma Gasques (Campinas). Secretaria: Antonia Matos Arte e diagramação Marcelo da Costa Freitas/Chefe de Arte PUBLICIDADE Vanessa Dupont - (11) 3334-5627 Pedro Dias Lima - (11) 9212-0312 Bruna Batista Avelino - (11) 3334-5659 Thiago Rodrigues - (11) 3334-5637 Vando Barbosa - (11) 97579-8834 Jéssica Schittini - (11) 96646-6525 André Maia - (21) 7834-5379 Eneida Cristina Martins - (11) 99942-7403 Hamilton Silva - (11) 7714-1148 ENDEREÇO R. Dona Veridiana, 55, CEP 01238-010, São Paulo-SP Central de Relacionamento SindusCon-SP (11) 3334-5600 CTP/ impressão: Pancrom Indústria Gráfica Tiragem desta edição: 15 mil exemplares

Marketing de Relacionamento | Rodolfo Zagallo..28 Saúde | Jefferson Podestá Brandão..........................30 Gestão Empresarial | Maria Angelica L. Pedreti.......36 Marketing | Antonio Jesus de Britto Cosenza..............38 Soluções Inovadoras | Karina Yumi Iamato e José Maria de . Camargo Barros................48

Opiniões dos colaboradores não refletem necessariamente posições do SindusCon-SP noticias@sindusconsp.com.br www.sindusconsp.com.br facebook.com/sindusconsp twitter.com/sindusconsp youtube.com/sindusconspmkt Disponível na App Store e no Google Play

Construção da Carreira | Felipe Scotti Calbucci.....50

“O papel desta revista foi feito com madeira de florestas certificadas FSC e de outras fontes controladas.”


Co n j u n t u r a

O que será o amanhã?

Robson Gonçalves é professor dos MBAs da FGV e consultor da FGV Projetos Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: robson.goncalves@ fgv.br

Das muitas coisas descabidas que se espera dos economistas, a mais angustiante é a capacidade de prever o futuro. E muitos de nós simplesmente não resistem a sacar números da cartola. Meses depois, voltam para explicar porque erraram. Mas nem tudo é tão incerto sobre o futuro. A essa altura do ano, por exemplo, começa a ficar claro que o crescimento do PIB deve superar os 2%, desmentindo os mais pessimistas, como eu. Acontece que o PIB é um dos animais mais estranhos e mais incompreendidos da fauna econômica. Por exemplo: qual leigo sabe o que é “efeito carregamento”? Esse fenômeno está ao mesmo tempo puxando as projeções de 2013 para cima e as de 2014, para baixo.

dezembro de 2014, então o crescimento foi zero!” Lego engano! Se a média do ano foi 112, o PIB de 2014 ficou 6,7% acima da média de 2013, que foi de 105. Agora, imagine o contrário. Suponha que o PIB de 2013 teve a seguinte sequência trimestral: 112, 106, 102, 100. O contrário da sequência anterior, certo? Mas com a mesma média 105. Se o PIB de 2014 ficasse parado no nível de 100, o crescimento no ano seria negativo em 4,8%, pois 100 (média 2014) estaria abaixo dos 105 (média 2013). Agora, vamos aos fatos concretos. O crescimento do PIB brasileiro no segundo trimestre do ano surpreendeu favoravelmente. A alta foi de 1,5% contra o trimestre anterior, já descontada a sazonalidade. Mais investimento, mais exportações, bom desempenho da agropecuária. Tudo aparentemente muito bom. Quer dizer, bom no horizonte do ano de 2013. Mas, o que será o amanhã? Os efeitos da forte alta da taxa de câmbio costumam ser desfavoráveis ao crescimento no curto prazo. Os custos se elevam, as empresas importadoras perdem rentabilidade, a classe média se sente mais pobre, pois se recusa a cancelar as férias de final de ano na Flórida. Até que os efeitos benéficos apareçam, demora um pouco. Sendo assim, devemos fechar 2013 com menos crescimento do que na média do ano. Graças a isso, o efeito carregamento não vai favorecer tanto o desempenho de 2014. Entraremos o ano em ritmo mais lento, até, quem sabe, engrenar lá pelo segundo semestre. Mas, estatisticamente falando, o ano que vem deverá ter um PIB com menos brilho do que 2014. O tempo, senhor da razão, é quem dirá.

O crescimento do PIB no início de 2014 deverá ser em ritmo mais lento A coisa é simples. Quando dizemos que o PIB cresceu x% em determinado ano, o que estamos medindo não é a variação entre janeiro e dezembro, o chamado “ponta a ponta”. O crescimento do PIB confronta o nível médio de um ano contra o nível médio de outro. Mas, o que acontece quando o ano já termina muito acima da média? Isso faz com que o ano seguinte já abra em um nível alto, favorecendo o crescimento. Esse é o efeito carregamento. Vamos a um exemplo. Suponha que, ao longo de 2013, o PIB trimestral teve a seguinte sequência (já descontada a inflação): 100 no primeiro trimestre, 102 no segundo, 106 no terceiro e 112 no quarto. Média do ano: 105. Se, no ano seguinte, o PIB estagnasse, mantendo-se nos mesmos 112 do final de 2013, qual seria o crescimento? A resposta ingênua é: “Ora, se o PIB ficou parado de janeiro a

revista notícias da construção

/ Outubro 2013

5


capa

Estruturas: hora de crescer Nathalia Barboza

O segmento de pré-moldados não para de crescer no Brasil. A Abcic (Associação Brasileira de Construção Industrializada de Concreto) diz que a expectativa de aumento deste sistema em 2013 deverá ficar em torno de 9%. Mesmo assim, quem ousa apostar nesta forma industrializada ainda enfrenta obstáculos, demonstrou o arquiteto e urbanista Sidonio Porto, ícone de projetos com sistemas industrializados e pré-fabricados, em sua palestra no 15º Seminário “Tecnologia de Estruturas: projeto e produção com foco na racionalização e qualidade”, realizado em setembro pelo SindusCon-SP, por meio dos Comitês de Tecnologia e Qualidade (CTQ) e de Meio Ambiente (Comasp), no Caesar Business São Paulo Faria Lima. Desde 1966, suas construções mostram ser possível projetar e realizar obras de sucesso com pré-moldados. “Há preconceito em relação à industrialização fechada. Alega-se que ela limita a criatividade. Mas os projetos podem ser mistos, usar vários sistemas, e dar liberdade criativa com o uso de elementos como brises, que conseguem eliminar a rigidez estética”, afirmou Porto. “Venho sugerindo fazer projetos dentro dos conceitos de sustentabilidade e industrialização. Mas precisamos ainda conquistar a aceitação dos clientes e dos construtores. É frustrante. Você propõe, desenvolve o projeto e a coisa não acontece”, lamentou. O Edifício Oscar Americano, na av. Paulista (1968), podia ser erguido todo em 6

revista notícias da construção

/ outubro 2013

pré-moldados. “Só conseguimos fazer as fachadas”, comentou. Do lado, em 1970, também não foi possível finalizar o sonho, mas o Ed. New Center tinha um sistema que escondia o aparelho de ar condicionado e reduzia a insolação, numa época em que todas as fachadas eram de vidro. Em 1988, o “mix total” de soluções aconteceu, segundo Porto, numa fábrica, que recebeu estrutura e forro metálicos, alvenaria armada (escadas), estrutura moldada in loco e concreto pré-moldado. Grande desafio Íria Oliva Doniak, presidente da Abcic, comemorou a inclusão de novos segmentos de obra –como as de infraestrutura, habitacional e comerciais. Também ajudaram as Datec (diretrizes de a­valiação téc­ nica) do Sinat, do PBQP-H­. O presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, prometeu lutar pela isenção tributária dos pré-­ fabricados.

Íria, Porto, Jorge Batlouni, Watanabe, Milititsky, Luiz Lucio e Paulo Sanchez: Seminário de Estruturas dissemina as boas práticas nas obras


Patologias em fundações assustam Evoluímos nos ensaios para diagnósticos, mas paramos no tempo e só fazemos os testes em obras muito especiais”, comparou. “Não importa o tamanho e a relevância da obra; a investigação é sempre fundamental.” Há também quem faça a investigação, mas falhe na análise dos resultados. “É cada vez mais difícil encontrar qualidade nas sondagens. Temos desde o uso de equipamentos inadequados ou quebrados até procedimentos fraudulentos de geração de resultados ou de multiplicação de furos de sondagem que não foram feitos”, comentou Milititsky. O especialista recomenda sondagens realizadas por técnicos idôneos, equipamentos calibrados e acompanhamento (supervisão). “Não dá para dispensar a contratação de quem faz a melhor sondagem.”

Problemas de manifestações patológicas em fundações acontecem em todas as etapas da obra –investigação do solo, análise, projeto, execução, no pós-conclusão e na degradação dos materiais. A advertência foi dada no 15° Seminário de Estruturas do SindusCon-SP pelo engenheiro civil geotécnico Jarbas Milititsky, professor do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, vice-presidente para a América Latina da International Society for Soils Mechanics and Geotechnical Engineering e diretor da Milititsky Consultoria Geotécnica, que falou sobre o assunto e fez recomendações de boas práticas. “Gostaria que estes desafios fossem motivadores, no setor da construção civil, para melhorar as práticas. Afinal, no Brasil temos tecnologias e procedimentos do século 21 ou do século 19, dependendo de onde a obra está localizada”, disse. Segundo ele, os problemas relativos a investigações do subsolo são os mais frequentes. “Não temos estatísticas no Brasil, mas, na França, 80% dos problemas acontecem pelo desconhecimento do solo. A geotecnia deveria ser como na área médica. Fotos: Gabriel Pevide

Análise e projeto Em termos de análise e projeto, os problemas podem ser relativos ao comportamento do solo sob carga, aos mecanismos de transferência de solicitações, à estrutura das fundações, especificação construtiva etc. Milititsky também citou que muitas vezes a execução começa antes de uma última revisão do projeto de estruturas (após uma série de mudanças de projeto ao longo do tempo). Já os problemas construtivos são o segundo maior responsável pelas patologias de comportamento das fundações. “Pessoal especializado, material correto, supervisão e controle rigoroso são as soluções”, afirmou. Para ele, os chamados ensaios “PIT”, de verificação de integridade, devem ser usados “de forma inteligente e racional”. Segundo Milititsky, eles detectam padrões ou anomalias. “Prefiro usá-los para detectar padrões”, observou. E a “prova de carga estática”, disse, é “a única forma de entender o desempenho das fundações”. Nos eventos pós-conclusão, disse o geotécnico, os problemas são “geralmente devidos a deslocamentos da massa de solo”. revista notícias da construção

/ Outubro 2013

7


CAPA

Erro de feitio, o “gogó da ema” volta à pauta do Seminário de Estruturas “O aço só trabalha quando o concreto fissura”, relembrou o engenheiro projetista de estruturas Ricardo Leopoldo e Silva França, professor da Poli-USP, em sua palestra no Seminário de Estruturas do SindusCon-SP. Falando sobre controle de execução, desempenho estrutural e durabilidade, França destacou o caso do “gogó da ema” e revelou que, por conta da palestra do seminário em 2011, recebeu consultas do país inteiro sobre “o improviso” que faz retorcer o vergalhão retirando dele boa parte de sua resistência e vida útil. “Pude ajudar a agir para resolver muitos casos de estruturas que poderiam colapsar a qualquer momento”, contou. Em sua apresentação deste ano, França enumerou os problemas na concepção de estruturas projetadas: falhas no detalhamento das armaduras ou decorrentes do detalhamento automático feito pelos programas de estruturas, e não detectadas por revisão de um engenheiro experiente; falhas decorrentes de interferências não detectadas na fase de projeto e coordenação; na execução das armaduras na obra; no processo de concretagem e cura; no fornecimento dos materiais; ou ainda na interação estrutura/vedações decorrentes da estrutura ou das vedações. “Também o controle de fissuração é essencial e não tem sido feito nas obras”, disse. Já o procedimento de “escora e reescora” é para cuidar bem da laje enquanto ela está em processo de cura. “Uma boa prática é posicionar a reescora no mesmo ponto da escora. Do contrário, você judia da laje recém concretada e promove um carregamento não previsto nela, provocando flexão e fissuras.” Em relação aos furos que vazam as

8

revista notícias da construção

/ outubro 2013

Fotos: Gabriel Pevide

Controle de execução: sempre na mira

lajes, França advertiu que há “casos absurdos” em vigas, nas quais muitas furações são feitas sem levar em conta as perdas de resistência. “Alguns tubos embutidos são totalmente inadequados. Não sobra espaço para a laje e a viga funcionar! Além disso, furos muito próximos fazem a viga perder fortemente sua capacidade! Tudo fica como um grande furo horizontal que precisa de grandes reforços e concretagem bem feita.” Segundo ele, as condições necessárias para que a corrosão se inicie são dadas por 5 fatores, que precisam acontecer todos: pH do concreto menor que 9; permeabilidade alta do concreto; presença de água; presença de oxigênio; diferença de potencial elétrico entre duas partes da armadura. Desde a concepção “O problema mais grave é o de concepção de estruturas. A única forma de evitar é ter a verificação de projetos”, defendeu França. Um dos problemas é a falta de experiência de engenheiros novatos nos canteiros. Por isso, o ideal seria ter uma espécie de “Exame da Ordem” para quem quisesse trabalhar como projetista de estruturas.

França criticou os “casos absurdos” de furos nas lajes e vigas: “a perda de resistência é enorme”


Scheffer

Setor deve valorizar a engenharia de relacionamento a confiança dele e tira de cena a ideia de demissão, o trabalhador se paga. No fim das contas, este é diferencial imenso”, disse. Entre as atividades que são realizadas na obra estão um campeonato interno de futebol, cafés especiais, visita familiar aos domingos, ajuda para o planejamento de férias e a compra de passagens, casamento comunitário, doação de alimentos e sangue, campanha contra as drogas, bolo de aniversário e confraternização de fim de ano. Entre os resultados de produtividade que Barbosa revelou está a redução de nove para seis meses de execução das fundações. A opção pelo sistema Trejor de execução de juntas de pilar também baixou o tempo de 130 min, no método tradicional por solda, para 50 min. Soluções Ao analisar a produtividade na concepção de estruturas de concreto, Francisco Paulo Graziano, professor da Poli-USP, concluiu que as estruturas com maior consumo de fôrmas em viga tendem a apresentar maior custo relativo de mão de obra, com um risco de aumento de custo para variações de prazo. Segundo ele, “a espessura média e a taxa de armadura não refletem necessariamente o custo da estrutura e não são referências confiáveis para a decisão do sistema estrutural”. Além disso, Graziano advertiu que a remuneração da mão de obra por m³ de concreto inviabiliza a adoção de sistemas mais rápidos, por “transferir ao empreiteiro grande parte do benefício destes sistemas”.

Graziano (à esq.) e Barbosa: produtividade passa pelo fator humano

Simplicidade, Resistência e Versatilidade

para obras pesadas e de infraestrutura.

LTT SH Extra ®

• Cada poste da torre suporta 6 toneladas ou mais, dependendo da modulação e do contraventamento usado; • Excelente relação entre o peso do equipamento e a carga admissível na torre. O quadro mais pesado tem apenas 22,5kg; • Utilização de menos peças do que os sistemas similares na montagem da estrutura; • Grande flexibilidade na composição das alturas das torres.

Desde 1969

O fator humano tem sido primordial na obra da Arena Corinthians, que a Odebrecht Infraestrutura executa na zona Leste. Frederico Marcos de Almeida Horta Barbosa, gerente Operacional da Odebrecht, contou que, não fosse a “engenharia de relacionamento” que implementou na obra, “dificilmente esta teria chegado até aqui sem greves e com bons índices de produtividade”. Segundo ele, os 1.400 operários do canteiro foram “lapidados” pela construtora e a rotatividade ficou “abaixo de 1%”. Pelos menos 300 chegaram à Arena pelo programa Acreditar, de qualificação de mão de obra da Odebrecht, e 700 puderam receber cursos de requalificação, o que lhes permitiu trabalhar também em outras etapas da construção. Além disso, 85 pessoas foram alfabetizadas no canteiro. “Fidelize que eles te dão produtividade”, garantiu Barbosa. Para ele, a relação com as pessoas será o grande legado da obra, mais que a construção em si do estádio para a Fiel e do que isto pode significar para Itaquera. “Você pode ter um planejamento bem feito, a melhor tecnologia à sua disposição, o melhor equipamento, mas se não tiver o trabalhador motivado, a máquina vai quebrar. Se você conquista

fôrmas

andaimes

escoramentos

Presente em todas as regiões do Brasil revista notícias da construção

9 0800 282-2125 www.sh.com.br

/ Outubro 2013


qualidade

Setor busca inspiração na inovação Construção debateu o que deve fazer para se tornar mais competitiva “Inovar é gerar dinheiro novo”. A frase do pesquisador de gestão e estratégia Clemente Nóbrega foi lembrada por Roberto Maschetta, diretor executivo do TecnoPUC, centro de inovações da PUC-RS, no evento “Caminhos para a Inovação na construção e implantação do BIM”, do ciclo de debates “Agenda Produtiva da Construção”, que o CTE está promovendo em 2013. Segundo Maschetta, não há condição de inovar com o modelo atual de organização das empresas brasileiras. “O ambiente é fundamental para a criatividade e o envolvimento da direção da empresa também. É obrigação do processo trabalhar em grupo”, afirmou. Maschetta sugeriu que, no ambiente de inovação, “o padrão é dar errado algumas vezes”. Segundo ele, é preciso insistir, investir, ter liberdade e aceitar o desafio. “Dá certo lá pela quarta vez...” Fundador do CBB (Centro Cerâmico do Brasil) e da Anfacer (2003), Sergio Risola, CEO do Cietec, organismo ligado à USP/Ipen que abriga as chamadas startups, lembrou que as incubadoras e os parques tecnológicos “estão na base do sucesso da Coreia”, além da educação de base. “Queremos deselitizar a inovação”, comentou. Com autonomia administrativa e financeira, o Cietec mantém uma estrutura capaz de fazer com que 91% das empresas que nasceram ali estejam vivas. “O empreendedor é o cara que consegue resistir à vontade de desistir”, definiu Risola. Para Luiz Henrique Ceotto, diretor da Tishman Speyer e membro do CTQ (Comitê de Tecnologia e Qualidade) do 10

revista notícias da construção

/ outubro 2013

SindusCon-SP, a despeito das melhores condições para o desenvolvimento tecnológico da construção civil, o setor não avança e, ao contrário, enfrenta declínio na qualidade das obras e prejuízos e desvalorizações das ações, entre outros obstáculos. Segundo ele, o problema é que “não estarmos preparados para o sucesso”, que requer entender que a cadeia da produção é uma cadeia de valor, suas necessidades e possibilidades; criar indicadores de desempenho; promover melhores condições de competitividade; e, sobretudo, ter liderança. Industrialização Jorge Batlouni Neto, diretor da Tecnum e coordenador do CTQ, afirmou que “as obras precisam ser executadas de forma mais produtiva”. Segundo ele, “o aumento da competitividade das construtoras depende do aumento da produtividade no canteiro e isso passa pelo uso de soluções industrializadas”. Batlouni alertou que, “se não mudarmos agora, não vamos sobreviver”. Segundo ele, a média de crescimento da produtividade no mundo é de 4% e a do Brasil, de apenas 2%. Mesmo assim, a alta foi sensível para estruturas de concreto. “Em 1960, a produtividade da atividade era de 72,43 Hh/m³; em 2008, baixou para 17 Hh/m³; em 2013, a melhor obra da Tecnum

Para Fernando Correa, adotar o BIM nas construtoras “é voltar a fazer engenharia”

Fotos: Satoru Takaesu


Para Batlouni, setor precisa mudar para sobreviver

(5D) e execução (6D) do projeto. “Um gerente BIM precisa saber das duas coisas. E isto muda a visão dentro da empresa: todos na obra percebem melhor o projeto e entrega melhores resultados”, contou. Alio Ernesto Kimura, diretor da TQS, que fornece softwares para o sistema BIM, revelou que em breve a empresa lançará uma ferramenta de interligação de informações entre o projeto e o canteiro de obra. “A construtora poderá gerenciar a execução integrando todos os agentes, com mobilidade total”, prometeu. A ideia é que o produto faça o controle da qualidade e tenha o mapeamento de fotos digitais tiradas conseguiu 12,77 Hh/m³ com o uso de grua”, no local, em tempo real, tudo registrado e afirmou Batlouni. documentado. “A empresa poderá controlar “As empresas mantêm uma postura a concretagem, comparando os volumes de conservadora, não consideram o desenmateriais projetados e efetivamente utilizavolvimento tecnológico como algo realdos”, anunciou. mente importante e ainda usam processos A arquiteta Miriam Addor, direconstrutivos artesanais e de baixa produtora da Addor tividade”, disse e Associados, Ceotto. “Sequer destacou o pasabemos avaliar pel da coordeo impacto da nação de projetecnologia no tos BIM. “Mais nosso negócio.” importante que a detecção de Caminho interferências sem volta é a tomada de Entre as decisão a partir ações de inovadisso”, justifição que ainda cou. Segundo estão em andamento, destacou Roberto de Souza, do CTE, e Ceotto: problema é o conservadorismo ela, a adoção dos chamados o debate, está “modelos federados” é boa, mais ainda o entendimento de que o BIM (Building guarda as partes do projeto “em silos”. O Information Modeling) é um dos camiideal, afirmou, seria o “modelo composto”, nhos inevitáveis. A defesa desta visão foi que agrega e funde todas as disciplinas. feita por Fernando Correa, diretor da Sinco Para Thomas Martin Diepenbruck, geConstrutora e coordenador da Comissão de rente técnico da Hochtief do Brasil, o BIM Trabalho de BIM do CTQ. Para ele, adoé um caminho sem volta, mas o país ainda tar o BIM na construtora é “voltar a fazer precisa mudar seus paradigmas, ter mais engenharia”. colaboração entre as empresas e “saber a Correa disse que, além de possibilitar a dose certa do remédio certo”. E alertou: inclusão de planos mais complexos dentro “cuidado para não ficar para trás!” do projeto, como o planejamento da obra (Nathalia Barboza) (4D), o BIM permite gerenciar o orçamento

revista notícias da construção

/ Outubro 2013

11


H A B ITA Ç Ã O

Proposta de Plano Diretor reduz a insegurança Haddad atendeu boa parte das sugestões do SindusCon-SP A proposta do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, para o novo Plano Diretor Estratégico (PDE) da cidade atendeu a maioria das sugestões enviadas pelo SindusCon-SP. Entre as questões centrais para o sindicato está a vigência dos efeitos da lei. Em carta enviada ao prefeito, o SindusCon-SP havia pedido que os projetos protocolados até seis meses após a data da publicação da lei sejam analisados de acordo com a legislação hoje em vigor. Isto porque o anteprojeto dispunha que os processos protocolados após 31 de julho já seriam apreciados pelo futuro Plano Diretor, o que gerou insegurança no setor. A sugestão foi parcialmente atendida pela Prefeitura, que no anteprojeto deixou de fazer menção aos projetos protocolados “após” 31 de julho. E dispôs que os processos de licenciamento protocolados “até” 31 de julho de 2013, nos quais não tenha sido expedido alvará de aprovação ou alvará de aprovação e execução, poderão ser apreciados de acordo com a legislação hoje em vigor, caso o interessado manifeste sua opção no prazo de 90 dias a partir da publicação da futura lei. Possivelmente, por engano, “após” foi trocado por “até”. O sindicato também havia pedido regras para se evitar a “corrida do protocolo”. Nesse contexto, o PDE de Haddad propõe que os processos de licenciamento de obras e edificações protocolados até 31 de julho de 2013 sejam indeferidos caso não estejam instruídos com a documentação mínima que possibilite a análise do projeto. A proposta de uso da Planta Genérica de 12

revista notícias da construção

/ outubro 2013

Valores do IPTU para o cálculo da outorga onerosa, o que eliminaria a possibilidade de opção pelos valores de referência do ITBI, também foi aceita pelo prefeito. A entidade também pediu a revisão dos fatores de planejamento indicados no quadro 06 referente ao tema, cujo custo da outorga onerosa muitas vezes inviabilizaria o desenvolvimento imobiliário. Os fatores foram revistos e o sindicato fazia sua análise no fechamento desta edição. Com relação ao limite de 25% para vagas não computáveis na rede de estruturação da transformação urbana, que na avaliação do sindicato seria incompatível com o perfil das unidades habitacionais menores para famílias de renda média, a prefeitura acatou a sugestão do SindusCon-­SP e adotou o limite de uma vaga não computável por apartamento. Entre as propostas apresentadas pelo sindicato, mas que não foram atendidas e agora devem ser objeto de discussão na Câmara Municipal, estão: a manutenção do coeficiente máximo de 2,5% no centro de bairro (visto que uma diminuição desse parâmetro ensejaria um aumento no custo das unidades); a definição de parâmetros para casos híbridos de demolição e reconstrução de edifícios com os mesmos parâmetros urbanísticos (retrofit total), considerando a possibilidade de se agregar lotes lindeiros; e que no caso de exigência de doação de áreas ao município para fins de produção de Habitação de Interesse Social, a legislação “deva” prever a concessão de incentivos ao empreendedor (e não apenas “possa” prever). (RM e FH)


habitação

Futuro do MCMV em jogo SindusCon-SP pede ao governo rever os valores e perenizar o programa

que, para os empresários, as regras da faixa 1 são indispensáveis. “Nela, você consegue trabalhar em parceria com os governos. A faixa 2 depende só do mercado”, disse.

A estratificação por faixas de renda do Minha Casa, Minha Vida (MCMV), uma das bases do programa federal, poderá se tornar seu maior problema caso o governo não reveja os valores das faixas 1 e 2. O alerta ao governo foi dado em setembro pelos empresários do setor, durante o Painel “Programa Minha Casa, Minha Vida: Presente e Futuro”, da Convenção Secovi 2013. O presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, solicitou a Maria do Carmo Avesani, diretora do Departamento de Produção Habitacional da Secretaria Nacional de Habitação, que levasse ao governo o pedido de correção de valores e perenização do Minha Casa. “No MCMV 1, a diferença entre as faixas foi muito clara. Mas, com o crescimento econômico, muitas famílias passaram para a faixa 2, perdendo o direito a um subsídio maior, sem o qual elas não conseguem comprar imóvel nas Capitais.” Ele questionou “o que será do Minha Casa” após as eleições: o programa acaba em 2014. “Em 2011, ficamos 9 meses para retomá-lo. Se isso se repetir, nenhum investidor dará continuidade aos projetos.” José Carlos Martins, vice-presidente da CBIC, defendeu o estudo daquilo que chamou de “faixa um e meio”. Ele lembrou

Política de Estado Em relação à transformação do MCMV em política de Estado, Watanabe citou a PEC 285/2008, que tramita na Câmara com o apoio dos empresários, trabalhadores e movimentos sociais de luta pela moradia. “Perenizar o MCMV é fundamental, mesmo que seja em valores inferiores aos da PEC”, disse. A Proposta de Emenda à Constituição 285 prevê destinar recursos orçamentários aos Fundos de Habitação de Interesse Social, na União (2%), nos Estados, no Distrito Federal e nos Municípios (1% cada). Sua aprovação é uma das principais bandeiras da Campanha Nacional pela Moradia Digna, que o SindusCon-SP e a CBIC encabeçaram. Martins concordou. “Perenizar é fundamental. Antes do MCMV, 87% destas habitações eram feitas informalmente. O programa é vitorioso e muito bem-avaliado. Não passa pela cabeça de ninguém que não se mantenha no longo prazo.” Maria do Carmo disse que um futuro MCMV 3 deverá tratar os valores “de forma regionalizada”. Ela disse ainda caber ao mercado privado buscar alternativas “construtivas” e áreas com terrenos mais baratos nas grandes cidades, para adequar os preços dos imóveis aos limites do programa. (Nathalia Barboza) Flávio Prando, do Secovi-SP, Martins, Maria do Carmo e Watanabe: Minha Casa, Minha Vida é fundamental para o país, mas precisa de ajustes urgentes

Fotos: Calão Jorge


RE L A Ç Õ ES INTERNACI O NAIS

Um tsunami de inspiração Qualidade e inovação no Japão entusiasmam a Missão Técnica do SindusCon-SP 2013 RAFAEL MARKO

Mesmo atingido por estagnação econômica e deflação, o Japão não deixou de produzir obras e projetos inspiradores. As construtoras japonesas esbanjam: rigor no planejamento; execução industrializada, produtiva, limpa e perfeitamente acabada, feita por mão de obra bem formada e qualificada; atualização tecnológica permanente, e preocupações crescentes com resistência antissísmica e sustentabilidade ambiental. Tudo isso entusiasmou os 29 integrantes da Missão Técnica do SindusCon-­SP que visitou aquele país, de 6 a14 de setembro. Líder do grupo, o presidente do SindusCon-­SP, Sergio Watanabe, observou que “a construção japonesa chegou a um alto padrão tecnológico num país de tradições e cultura milenares. Tecnologia até se pode comprar, mas estamos muito distantes na qualificação da mão de obra. Precisamos correr, porque ficará cada vez mais difícil nos atualizarmos.” “O grande diferencial foi vermos inovações em projetos e tecnologias já sendo aplicadas”, comentou o vice-presidente de Tecnologia e Qualidade, Paulo Sanchez. A Missão foi realizada pela Diretoria de Relações Internacionais, conduzida por Salvador Benevides – a décima sob sua responsabilidade e na qual se despediu do encargo por razões pessoais. “O SindusCon-­ SP trouxe inúmeras contribuições em tecnologia, qualidade e sustentabilidade para 16

revista notícias da construção

/ outubro 2013

a construção brasileira de suas viagens, das quais pretendo continuar participando como integrante. Esta foi uma das melhores missões, graças à excelente agenda técnica, à agência de viagens e a toda a equipe do SindusCon-SP.” Promovida pelos Comitês de Tecnologia e Qualidade e de Meio Ambiente do sindicato, a Missão teve a agenda técnica elaborada pelo ex-superintendente Sussumu Niyama, com o apoio de Itamaraty, Embaixadas do Brasil em Tóquio e do Japão em Brasília, e Consulado Geral do Japão em São Paulo. A operação foi da Interbusiness Tours. Além de Watanabe, Sanchez, Benevides e Niyama, pelo SindusCon-SP participaram os vice-presidentes Eduardo Zaidan, Haruo Ishikawa, João Lemos e Maurício Bianchi; os representantes junto à Fiesp José Romeu Ferraz Neto e Sergio Porto; o diretor Jurídico, Paulo Batistella; o ex-presidente e conselheiro Artur Quaresma Filho; o 2º vice-presidente do Conselho Consultivo, José Batista Ferreira; os membros do CTQ Alexandre Oliveira, Fábio Ribeiro Filho, Fernando Fernandes, Luiz Lucio, Paulo Aridan e Renato Genioli Jr. Também participaram o presidente do Sinaenco-SP, José Bernasconi; o membro do Conselho Deliberativo da Abece, Francisco Graziano; o diretor da Abece, Virgílio Ramos; o vice-presidente da Ademi-RJ, Joaquim Andrade; o presidente do Conselho Consultivo da Asbea, Henrique Cambiaghi; o presidente da Formaplan, Francisco Pigatto Neto; os diretores José Arruda Sampaio (JDL); Carlos Franck (Gesso New); Argemiro Villaça (Interbusiness), e o editor de Notícias da Construção, Rafael Marko.

Integrantes da Missão Técnica em reunião na Embaixada do Brasil em Tóquio, com o embaixador Marcos Galvão (no destaque)

Benevides no trem para Kashiwa-no-ha, com a bandeira brasileira que sempre fez questão de levar nas 10 missões do SindusCon-SP ao exterior, por ele coordenadas

Veja a galeria de fotos da Missão Técnica ao Japão em facebook.com/ sindusconsp


A torre mais alta do mundo Um dos destaques da Missão Técnica ao Japão foi conhecer o processo de construção da Skytree, a torre mais alta do mundo, com 634m, concluída em 2012. Antes, o grupo subiu ao mirante da torre a 350 m de altura (alguns foram até 450 m) nos elevadores mais velozes do Japão (600m/minuto). A montagem das 37 mil t de tubos de aço da estrutura externa foi feita usando BIM, medição em 3D com GPS e correções de até um décimo de milímetro com solda. Kiyoshi Tanabe, vice-diretor da obra da Obayashi, apresentou o processo que custou US$ 650 milhões à Togo, dona da torre: as estacas de 50m; os tubos feitos por 19 siderúrgicas e sua montagem por 2 gruas que subiam junto com a obra e 2 guindastes no chão; a construção com fôrmas deslizantes da coluna central interna (que funciona como contrapeso quando há terremotos ou ventania); os 12 shafts por onde passam os 8 elevadores com capacidade para 40 pessoas cada, e o içamento da antena. “É engenharia na veia!”, entusiasmou-se José Roberto Bernasconi, do Sinaenco-SP. Também impressionou filmagem feita no topo da torre, no terremoto de 2011. A estrutura e os trabalhadores nada sofreram. Durante os 3 anos e 8 meses da obra não se registrou acidente grave entre os 3 mil operários. Uma vez ao ano verificam-se a pintura, a posição dos pilares centrais e o sistema de controle antissísmico, informou o vice-­diretor de manutenção, Tatsuo Sugiyama.

Edifício alto A Missão Técnica visitou um dos dois edifícios altos que a Maeda e a Kajima estão construindo em Idabashi, investindo US$ 600 milhões. A obra de 30 andares, 136m de altura e 124 mil m² de área, que depois de pronta abrigará 7 mil pessoas, com 36 elevadores à velocidade de 360m/minuto, impressionou: estrutura mista com pilares de aço recheados de concreto, e proteção antichama; reforço a partir do 4º andar com sistema de amortecimento a terremotos (tubos de aço recheados de concreto); refeitório e área de vivência com ar condicionado para os 800 trabalhadores, com circuito interno de TV para orientações diárias; elevador de obra para 3 t e velocidade de 100m/minuto; limpeza da obra e proteção segura do poço do elevador definitivo, o que chamou a atenção do vice-presidente Haruo Ishikawa e do consultor José Carlos Sampaio. O chefe da obra, Ichiyanagui Shigeyuki, apresentou detalhes como a fachada de perfis montados na Tailândia com vidros da China e que depois recebem brises para elevar o conforto térmico. O edifício comercial prevê apenas 140 vagas para automóveis em seus dois subsolos numa região bem servida pelo transporte público. Contrapartidas viárias estão sendo feitas em troca da autorização para a altura elevada.

revista notícias da construção

Etapa da construção da Skytree, quando ela já ultrapassava 300 m de altura; utilização de BIM no projeto da edificação; com 634 m, a torre de comunicações eleva-se sobre Tóquio

Detalhe das fundações da torre, que têm 50 m

Membros da Missão dentro do elevador que tem capacidade para 3 t e velocidade de 100m/ minuto, na obra da Kajima; organização e limpeza impressionaram

/ Outubro 2013

17


relações internacionais

O edifício com a menor emissão de CO2 O destaque ambiental da Missão Técnica ao Japão foi a visita à nova sede da Shimizu, inaugurada em 2012 e que conquistou o título de edifício em operação que menos CO2 emite no mundo. O gerente de Planejamento, Toru Furuya, apresentou inovações como: combinação da conservação de energia com racionalização dos espaços de trabalho; economia de 93% de energia gasta em iluminação mediante luminárias de LED nos tetos, abajures de mesa e desligamento automático da luz em ambientes vazios; persianas com gradação automática controlada; refrigeração do ambiente por dutos de água nos tetos e ar frio que sai do piso; dois tipos de painéis de captação de energia solar e monitoramento informatizado do gasto energético e térmico regulando persianas internas. Vigas de alumínio recebem revestimen-

18

revista notícias da construção

/ outubro 2013

to de poliestireno que também ajuda à não dilatação do concreto interno, e sensores apagam a luz quando não há ninguém no ambiente (exceto no refeitório, usado para reuniões). Diante da necessidade de economizar o consumo de energia da rede pública, ocasionada pelo acidente da usina nuclear de Fukushima, a temperatura ambiente no verão é elevada, porém com baixa umidade. Sustentabilidade No mesmo dia, a Missão Técnica conheceu as iniciativas ambientais da Toda, a única construtora japonesa que tem uma subsidiária no Brasil. Shoichirou Iguchi, diretor de Assuntos Ambientais, mostrou alguns dos 50 itens de sustentabilidade ambiental na construção e operação de um edifício na cidade de Aoyama. Entre estes, figuram o resfriamento da água utilizada no sistema de ar condicionado passando por tubulações enterradas a 34m de profundidade; paredes externas duplas, painéis de captação de energia solar, iluminação e ventilação naturais, telhados e paredes “verdes”, e reuso de água de chuva para irrigá-los. Ele também mostrou outras iniciativas de responsabilidade socioambiental da construtora, como a construção e instalação no mar de um protótipo de equipamento gerador de energia eólica, e a coleta de óleo de cozinha e sua transformação em biodiesel e posterior utilização nos equipamentos utilizados em canteiro de obras. A empresa ainda apresentou um sistema de mudanças nas cores e na intensidade da iluminação interna ao longo do dia, visando adaptação ao ritmo de trabalho conforme o horário (luminosidade mais forte pela manhã), bem como a filtragem do ar condicionado para a eliminação de bactérias. Edifício da Toda em Aoyama, com 50 itens de sustentabilidade

Combinação de luz natural, LED e sensores de presença diminuiu em 93% a energia para iluminação das salas na sede da Shimizu

Fio vertical com 5 sensores de temperatura, chapa de alumínio revestida de poliestireno e bloco de concreto armado, na Shimizu

Reforço antissísmico na obra da Kajima


Sucesso em operações urbanas A Missão Técnica assistiu a uma apresentação do diretor de Projetos da construtora Mori, Masayochi Yuge, sobre o investimento de US$ 850 milhões na edificação do complexo Toranomon Hills, dentro de uma operação urbana. O edifício está praticamente concluído, com 247m de altura, 244 mil m² de construção e 6 mil m² de área verde. Seus 52 andares serão distribuídos para uso hoteleiro, residencial e comercial, além de 544 vagas de garagem. Como a prefeitura planejava completar no local um anel viário, ela permutou o direito de passagem desta via sob o edifício pelo direito de construção com coeficiente de 11,5 vezes a metragem do terreno. Esta proposta de edificação do complexo foi apresentada pela Mori à prefeitura, que a aceitou e abriu a licitação ganha pela incorporadora. “É um projeto cidadão”, elogiou o vice-presidente Maurício Bianchi. “Foi louvável como o poder público e a iniciativa privada se uniram para revitalizar uma área degradada e concluir um anel viá­ rio”, comentou o vice-presidente Eduardo Zaidan. Foi utilizada a técnica da escavação invertida das fundações para edificar os subsolos ao mesmo tempo em que se erguem os pavimentos. Haverá geração própria de eletricidade a partir de painéis solares, com possibilidade de venda do excedente para a rede pública. Coleta e reutilização de água de chuva também foram providenciados. Uma curiosidade: entre os materiais de acabamento, será utilizado basalto adquirido em Porto Alegre.

Gabarito elevado O gerente de Planejamento da Mitsubishi Estate, Tetsuya Shirane, e sua equipe apresentaram à Missão Técnica detalhes da operação urbana que possibilitou o retrofit de edifícios da região central de Marunouchi, elevando a altura de alguns deles de 31m (gabarito que vigorava desde 1923, com a construção do primeiro shopping center local) para 200m, com aumento proporcional do número de vagas para carros. O grupo pagou US$ 500 milhões de outorga onerosa à Prefeitura, realizou melhorias viárias e remodelou a estação ferroviária de Tóquio, situada na mesma região. Desde 1890, a Mitsubishi é dona de 30% da área de Marunouchi. Os edifícios têm lojas e restaurantes nos andares inferiores, e escritórios nos superiores. Aumentou o número de vagas de garagem. A largura das ruas diminuiu, para expandir a área destinada aos pedestres. Áreas verdes foram criadas, elevando o movimento de pessoas nos fins de semana. O acesso dos pedestres às estações de metrô e de trem foi ampliado. O grupo visitou o Shimanouchi, um dos 100 edifícios da área que está sendo reurbanizada, e recebeu itens de sustentabilidade, como um sistema de ar condicionado por aquecimento e refrigeração da água.

revista notícias da construção

Canteiro limpo e organizado da obra do Toranomon Hills; dos 2 mil trabalhadores na obra do edifício, os de laranja são da construtora; os demais, terceirizados

O edifício da Mori de 247m de altura, em fase de acabamento

/ Outubro 2013

19


relações internacionais

Demolição “ecológica” O método de demolição “ecológica”, pelo qual o edifício do Hotel Príncipe Akasaka em Tóquio ia sendo rebaixado andar por andar por macacos hidráulicos, foi apresentado à Missão Técnica por Hideki Ichiara, gerente da Taisei Corporation. Segundo ele, o método, indicado para edifícios de estruturas de aço com mais de 100 m de altura, reduz em 90% a poeira e em 70% o ruído que incomodam a vizinhança; destina à reciclagem 95% dos resíduos, e reutiliza a energia produzida durante a descida do material pelo guindaste central montado no centro da obra. Os três últimos andares e meio do edifício foram envelopados com uma película de aço fina, as paredes e as lajes seccionadas internamente e o material descia por um guindaste que gerava energia com este movimento, usada para puxar o cabo para cima e iluminar o ambiente. Distribuídos pelas colunas, os macacos hidráulicos trabalhavam simultaneamente. Levaram-se 8 dias para demolir cada 2 pisos, e meio dia para a descida do material. Utilização de BIM Em outra visita, a Missão conheceu a utilização de BIM pela construtora Toda, no edifício comercial que ela está construindo

20

revista notícias da construção

/ outubro 2013

da nova sede da Takigen, para substituir a anterior destruída pelo terremoto de 2011. Aiko Takimoto, dona da obra, contratou o renomado escritório de arquitetura de Shin Takamatsu para desenvolver um projeto aliando um ambiente de trabalho motivador para os funcionários a uma estrutura resistente a terremotos, idealizada em colaboração com a Universidade de Tóquio. Bence Kovacs, diretor da Graphisoft no Japão, e a equipe de tecnologia da Toda explicaram a utilização de BIM para o projeto executivo, para evitar colisões e definir os locais dos equipamentos e até da fixação de parafusos. Os softwares Vico, para gerenciar custos, e ArchiCAD também foram usados. Na demolição do edifício existente na área, descobriram-se estacas de madeira da era Edo. Em vez de parede diafragma, usou-­ se a técnica de Soil Mixed Wall, bastante difundida no Japão. A estrutura de aço foi construída do oeste para o leste (e não de baixo para cima) no prazo de 45 dias. Brises pré-moldadas em madeira clara, especialmente projetadas pelo escritório de arquitetura, controlarão a luminosidade interna. Ao término do dia, o grupo foi recepcionado pela Graphisoft no restaurante Gonpachi, que serviu de inspiração para o cineasta Quentin Tarantino retratar uma casa do gênero em Tóquio, no filme Kill Bill. Maquete do futuro edifício comercial da Takigen, com brises em madeira

Rebaixamento por macacos hidráulicos do edifício do Hotel Príncipe Akasaka, enquanto ele era demolido internamente

Macaco hidráulico instalado em viga

Os níveis de ruído (acima) e da vibração (abaixo), medidos em tempo real e mostrados no tapume da obra do Toranomon Hills


Casas montadas em um dia O processo de construção industrializada de casas pré-fabricadas da Misawa Homes foi apresentado à Missão Técnica pelo diretor da empresa, Toshitsugu Hirata, e pelo gerente de Tecnologia, Takami Mukayama. Atuante desde 1967, a Misawa já edificou 1,247 milhão dessas residências, incluindo a estação japonesa de pesquisas na Antártida. Com vida útil de 60 anos e custando em média entre US$ 2 mil e US 3 mil o metro quadrado (excetuado o terreno), as residências combinam produção industrializada com rigor técnico, sistemas de amortecimento a abalos sísmicos, conforto térmico e uma arquitetura funcional e de apurada estética. Entre a assinatura do contrato e a entrega da residência passam-se cerca de seis meses, dos quais metade é dedicada à elaboração do projeto em conjunto com o cliente. Depois de ter as partes fabricadas, a casa pode ser montada em um dia, estruturada em madeira, aço ou concreto. Paredes com isolamento térmico, painéis solares, ar condicionado à base de tubulações de água fria, vidros duplos e iluminação de LED garantem produção de energia maior que o consumo e a consequente venda do excedente à rede pública. Oshiro e Tenkumo, na apresentação à Missão brasileira

Vergalhão inovador em estudos Uma apresentação sobre os desenvolvimentos da Kuraray em fibrocimento e suas pesquisas sobre um novo geopolímero para substituir o aço em vergalhões foram o destaque da recepção oferecida à Missão Técnica. Ficou acertado um contato da empresa com projetistas no Brasil, para uma avaliação mais profunda. O grupo foi recebido pelo presidente da Divisão de Fibras da Kuraray, Kazuhiro Tenkumo; pelo diretor Hideki Oshiro, e pelo representante no Brasil, Stanley Fukuyama. Eles mostraram os materiais produzidos para a construção, como os polímeros para reforço de concreto e argamassas, e em substituição ao amianto na fabricação de telhas. A empresa também desenvolve pesquisas com construtoras japonesas em pavimentação e na prevenção de descolamentos de placas de revestimento em túneis.

Interior de uma casa préfabricada pela empresa; membros da Missão vibram em simulador de terremotos na Misawa

Teste de resistência da fixação de madeiras (as amarelas ao centro), com cola feita de resina natural da Misawa

Montagem da residência com partes industrializadas leva um dia, diz a empresa


relações internacionais

Construtoras investem para inovar A pesquisa e o desenvolvimento de inovações, feitos por institutos ligados a construtoras do Japão em parceria com o governo e as universidades daquele país, “são um exemplo para a construção brasileira”. A afirmação foi feita pelo presidente Sergio Watanabe a Hajime Taniguchi, gerente geral do Instituto de P&D da construtora Takenaka Komuten, ao término da visita da Missão Técnica àquela instituição, em Chiba. Considerado o maior centro de pesquisas em estado da arte da construção civil do mundo, o instituto com 150 pesquisadores foi fundado em 1953 e tem laboratórios voltados à pesquisa e desenvolvimento em som e acústica, materiais e instalações prediais, sistemas de paredes “verdes”, estruturas e resistência ao fogo, resistência ao vento, fundações e tecnologias de ponta. A Missão Técnica conheceu os trabalhos do laboratório que desenvolveu o sistema acústico de reprodução de sons de instrumentos e vozes humanas do Teatro Nacional do Japão. Viu amostras de concreto que passaram por ensaios para evitar rachaduras, bem como sistemas de paredes “verdes” plantadas sobre estruturas de metal e de concreto com fibra de vidro. Ouviu

22

revista notícias da construção

/ outubro 2013

uma explicação sobre o desenvolvimento de estruturas de madeira que recebem placas de concreto em seu interior, para que resistam a incêndios por uma hora. E assistiu a uma apresentação sobre os estudos desenvolvidos para otimizar a iluminação natural de acordo com as estações do ano, para um prédio de escritórios de Osaka. O instituto recebe anualmente cerca de US$ 60 milhões de sua principal mantenedora, a construtora Takenaka, além de subsídios do governo e de outras instituições. Muitas de suas pesquisas são feitas em conjunto com fabricantes de materiais de construção. Cidade “inteligente” A Missão Técnica viajou de trem para Kashiwa-no-ha, onde conheceu uma cidade sustentável em formação, gerida a partir de parcerias entre a Mitsui Estate, outras construtoras, universidades e a prefeitura local. Hiroya Mimaki, vice-presidente da entidade sem fins lucrativos UDCK, formada para impulsionar o projeto, apresentou as iniciativas em desenvolvimento: soluções ambientais como o esforço para monitorar e gerar toda a energia consumida; soluções para uma sociedade como a japonesa com 25% de idosos, como o controle preventivo de saúde e atividades diversas para a sociedade promovidas pela universidade; e inovações para a indústria, aproveitando a sinergia de se ter nas proximidades 20 institutos de pesquisa e desenvolvimento nacionais, 70 ligados à iniciativa privada e 3 universidades locais de primeira linha. Maquete da cidade “inteligente” de Kashiwa-no-ha, em parte já edificada

No Instituto Takenaka, guia mostra madeira com enxertos de placas cimentícias para resistir ao fogo por ao menos uma hora; iluminação natural otimizada em edifício de escritórios de Osaka, a partir de estudo feito pela instituição

Pesquisa com parede “verde” no Instituto Takenaka Komuten


Embaixada abre as portas O embaixador do Brasil no Japão, Marcos Bezerra Galvão, colocou a embaixada brasileira em Tóquio à disposição da Missão Técnica do SindusCon-SP para localizar empresas japonesas interessadas em levar às construtoras brasileiras materiais e tecnologias que tragam produtividade e sustentabilidade ambiental. Saudando o embaixador e os diplomatas Paulo Martins, Iberê Barbosa e Fábio Schmidt, o presidente Sergio Watanabe manifestou o interesse na busca de tecnologias que aumentem a produtividade das construtoras, salientando que “o setor pode oferecer oportunidades para investimentos japoneses”. Galvão traçou um histórico da economia japonesa, que busca sair da estagnação com a política econômica do primeiro-­ ministro Shinzo Abe. Destacou que as empresas daquele país seguem com grande capacidade de inovação e têm interesse em compartilhar tecnologias, sobretudo em sustentabilidade ambiental. “O Brasil dá menos atenção ao Japão do que a outros países, e estamos prontos a aproximar construtoras brasileiras e empresas japonesas.” O embaixador comentou que o reduzido interesse das empresas japonesas nas concessões de infraestrutura no Brasil advém principalmente de uma cultura bastante conservadora e avessa ao risco. Habitação A Missão Técnica foi recebida pelo diretor do Departamento de Habitação do Ministério da TerInoue, ao receber a Missão no Ministério da Terra

Idoso dança e canta observado por menina, em apresentação no Museu Metropoliltano de Edo, em Tóquio, no dia livre da Missão Técnica: 25% da população têm mais de 65 anos

ra, Infraestrutura, Transportes e Turismo, Inoue Toshioki, e equipe. Watanabe fez um relato da política habitacional brasileira e salientou que o Brasil “oferece grandes oportunidades de negócios em toda a cadeia produtiva da construção” e necessita “espelhar-se no Japão para produzir habitação em massa e combater o déficit habitacional”. Toshioki relatou que, devido à estagnação econômica, o Japão produz apenas 900 mil moradias por ano, contra 1,8 milhão no passado, e que o país tem 57 milhões de unidades habitacionais para as 50 milhões de famílias que compõem sua população de 127 milhões de pessoas. Ele informou que a construção japonesa tem características próprias: cuidado com a acessibilidade (25% da população tem mais de 65 anos); racionalização energética (o Japão importa todo seu petróleo e reduziu drasticamente o consumo da energia nuclear depois do tsunami que paralisou a usina de Fukushima); segurança antissísmica das construções (a norma técnica de estruturas é revista periodicamente, e hoje as novas edificações são construídas para resistir a terremotos no grau 9 da escala de Richter); e manutenção do corpo técnico das construtoras, apesar da redução da produção habitacional. revista notícias da construção

/ Outubro 2013

23


relações internacionais

Cenas do Japão 2013

A Missão diante de casa pré-fabricada da Misawa; Watanabe, ao centro, ladeado por Hirata, diretor da empresa, e Sussumu Niyama, responsável pela agenda técnica

Edifício na “cidade eletrônica” de Akihabara, em Tóquio: comércio fervilhante de eletroeletrônicos

“A Missão Técnica foi ótima para termos uma projeção do futuro da construção no Brasil, com mais equipamentos, tecnologia e qualidade.” Sergio Porto, Representante do SindusCon-SP junto à Fiesp

Instrumentistas em quimonos tradicionais, tocando shamisen em uma moderna praça de alimentação

Terreno exíguo repleto de gruas e guindastes em Tóquio

24

revista notícias da construção

/ outubro 2013

Itens de segurança, como este vasto andaime, impressionaram a Missão


G EST Ã O DA O B RA

Tragédias evitáveis

Maria Angelica Covelo Silva é engenheira civil, mestre e doutora em engenharia, diretora da NGI Consultoria e Desenvolvimento Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: ngi@ngiconsultoria. com.br

O trágico desabamento de uma obra no bairro paulistano de São Mateus, em 27 de agosto, recolocou a construção civil na triste estatística dos “acidentes” evitáveis que vêm aumentando. O mais impressionante é a indiferença percebida nestas situações. Ninguém do setor se manifestou, como se fosse um problema isolado, pontual, que afetasse somente os envolvidos. As 10 vidas perdidas, as 20 pessoas feridas e os vizinhos desalojados não bastaram para mobilizar a construção em torno de ações efetivas de análise sobre o que está levando às várias ocorrências dos últimos anos. Para maior espanto ainda, dias depois, o prefeito de São Paulo assinou uma lei dispensando, do Auto de Conclusão (Habite-se) para obtenção de licença de funcionamento, as edificações comerciais de até 1.500 m² de área construída. Era o caso da obra que desabou antes de ser concluída.

construção– está muito aquém em organização e capacidade do que precisamos para as dimensões de cidade, de país e de nível de atividade econômica atual. E por que nada é feito? Em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, 242 pessoas morreram e em nenhuma parte, nenhuma, do processo noticiado pela imprensa de todo o país, viu-se qualquer menção ao fato de a causa primária de tudo ter sido um material desprovido dos aditivos necessários para não se inflamar daquela forma que causou a tragédia. Temos norma brasileira para o ensaio destas condições naquele material desde 2003 (NBR 9178), mas se permite que o mesmo seja comercializado sem qualquer fiscalização, liberando gases altamente tóxicos em situação de incêndio quando não contém os aditivos. Mas fica “bem mais barato” fabricar sem estes. A não-conformidade no setor da construção sempre é associada a materiais de construção, mas podemos dizer que a não-conformidade às normas e legislação é generalizada em projetos, obras, uso e manutenção. O que será preciso acontecer adicionalmente para que a atividade de construção civil seja mais fiscalizada em todas as suas dimensões e agentes produtivos – proprietários e empreendedores, projetistas, construtoras, fabricantes de materiais, administradores etc., sem corporativismo, mas com foco na segurança da sociedade que utiliza edificações e empreendimentos de toda natureza? Mais mortes? Certamente as teremos em breve, se tudo continuar como está, mas não dá para saber se um dia serão suficientes para sensibilizar quem tem o poder de mudar esta situação.

O ciclo da construção precisa ser fiscalizado com foco na segurança E se tivesse desabado quando o comércio ali previsto estivesse funcionando? Em vez de encontrar solução para a insuficiência de recursos para fiscalizar, adota-se o caminho mais simples: acabar com a exigência. Solução política simples, mas tecnicamente e socialmente desastrosa. Que todos fiquemos bem atentos ao usarmos o comércio que funciona neste tipo de edificação. Podemos ser as próximas vítimas de obras mal projetadas, mal executadas e mal fiscalizadas. O ciclo completo de exercício das profissões ligadas à construção –fiscalização de projetos e obras, licenças para construir, e até fabricação e comercialização de materiais de

revista notícias da construção

/ Outubro 2013

25


empreendedorismo

Cuide do planejamento

MARCO ANTONIO CONEJERO é economista, doutor em Administração pela FEA-USP, professor pesquisador da FACCAMP e sócio­consultor da Stracta Consultoria Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: marco.conejero@ gmail.com

Muito se sabe da pujança vivenciada pelo setor da construção civil em função do bom momento enfrentado pela economia brasileira e de programas governamentais de incentivos fiscais e creditícios. As construtoras claramente vêm buscando acompanhar essa tendência via crescimento orgânico, parcerias estratégias, ou fusões e aquisições de outras companhias. Considerando a história econômica brasileira, com ciclos de alta e baixa, é aconselhável que o empresário do setor aproveite o momento com o uso da ferramenta de planejamento. Em especial, na análise de oportunidades de fusão ou aquisição de outras empresas. É bastante disseminada no mundo dos negócios a prática do Valuation, termo em inglês que significa avaliação de empresas. Nada mais é do que o processo de avaliar o valor dos ativos, financeiro ou real, integrantes da empresa a ser vendida.

fuga de talentos. É preciso realizar um projeto do tipo PMI (Post Merger Integration), que foca em alinhar a empresa adquirida à cultura e estilo de gestão da empresa adquirente, mas preservando os pontos fortes como marca, pessoas, capacidade de inovação e carteira de clientes. Para a empresa adquirente, a compra do concorrente sempre visa ganhar market share e agregar competências complementares. Mesmo assim, lacunas e pontos de melhoria são possíveis de serem identificados. Recomen­dase então a realização de um diagnóstico interno, em ambas as empresas, para identificar lacunas em estratégia, estrutura organizacional, recursos humanos, e em processos comercial, industrial e administrativo-financeiro. Em paralelo a isso, é recomendável a rea­ lização de uma pesquisa de mercado com os clientes estratégicos e segmentos de atuação de ambas as empresas, com vistas a identificar percepções de posicionamento de preço e qualidade de serviços. A voz do mercado é um importante instrumento para evitar possíveis miopias dos executivos internos. Tendo em mãos a lista final de lacunas e pontos de melhoria, sugere-se a proposição de um modelo de gestão (e estrutura organizacional) para a empresa resultante, que leve em consideração: • novo corpo diretivo para a empresa resultante; • admissão e demissão de pessoas conforme a nova estrutura; • melhorias em processos e rotinas nas áreas administrativo-financeira, comercial e industrial; • rotina de reuniões entre a nova administração da empresa resultante.

O que observar nas aquisições e fusões de empresas da construção Antes da concretização da transação, a pedido da compradora, a empresa alvo passa por um processo de Due Dilligence, que significa Diligência Prévia. A ideia é fazer uma investigação formal, que vai além da avaliação econômica, e verificar o cumprimento de aspectos legais, contábeis, fiscais, trabalhistas e ambientais, para minimizar riscos e even­ tuais passivos futuros. Independentemente do Valuation ou do Due Dilligence, essas práticas não garantem uma boa integração das empresas. Nesse sentido, esse artigo procura discutir como realizar esse processo sem perda de market share e

26

revista notícias da construção

/ outubro 2013


MEI O AM B IENTE

Destaque na 4ª Cema SindusCon-SP discute resíduos na Conferência Estadual do Meio Ambiente A parceria que o SindusCon-SP mantém com a Secretaria Estadual do Meio Ambiente para a realização de um projeto piloto de implementação de um sistema online de gestão e rastreabilidade de resíduos sólidos da construção foi destacada pelo secretário da pasta, Bruno Covas em seu pronunciamento na cerimônia de abertura da 4ª Conferência Estadual do Meio Ambiente (Cema) do Estado de São Paulo, no Memorial da América Latina, em setembro. Covas confirmou que o piloto se iniciará em Santos a partir de fevereiro. Segundo ele, se o sistema se mostrar confiável e eficiente, em seis meses poderá ser implementado em outras cidades. Para Ricardo Beschizza, diretor da Regional Santos do SindusCon-SP, a ferramenta “facilitará o trabalho de gestão das construtoras e de monitoramento pela Prefeitura”. Segundo ele, o piloto também poderá servir para reverter o que não funcionar na Lei Municipal de Gestão de Resíduos e melhorá-la. Propostas O presidente do SindusCon-SP, Sergio

Watanabe, compôs a mesa de abertura da Cema, que encerrou o ciclo das etapas preparatórias para a Conferência Nacional de Meio Ambiente (CNMA), marcada para 24 a 27 de outubro, em Brasília. A coordenadora técnica do Comasp (Comitê de Meio Ambiente) do SindusCon-­ SP, Lilian Sarrouf, é membro da COE (Comissão Organizadora Estadual). A 4ª Cema contribuiu com propostas de solução dos entraves e desafios de implementação dos instrumentos da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). No evento estadual, cerca de 800 participantes elegeram os 70 delegados que representarão São Paulo na etapa nacional e votaram em plenário as 20 sugestões prioritárias, 5 por eixo temático (o Eixo 2 refere-se aos resíduos sólidos da construção). Duas propostas das construtoras foram levadas a voto: a primeira de criação de novas linhas de crédito e incentivos fiscais às cooperativas, associações e empresas cujos produtos resultam em redução do consumo de recursos naturais e para usinas de triagem, processamento de RCCs, ecoponto e resíduos de compostagem; a segunda, para incluir nas licitações de obras públicas o uso de resíduos reciclados da construção. Em São Paulo, foram realizadas 32 conferências municipais, 22 regionais (com participação de 507 municípios) e 42 conferências livres. Um total de 539 dos 645 municípios participou das conferências regionais e municipais, o que representa 83,56% dos municípios do Estado. O SindusCon-SP também teve um estande no saguão do auditório Símon Bolivar, no Memorial, no qual expôs e distribuiu material impresso sobre as ações do sindicato na área de meio ambiente. (Nathalia Barboza) Estande do SindusCon-SP revista notícias da construção / Outubro 2013 distribuiu informações sobre as ações de meio ambiente

27


marketing de rel acionamento

Tiro certeiro

RODOLFO ZAGALLO é presidente do Grupo ZAZCOMM. e fundador do C3 – Clube da Construção Civil. Atua há 15 anos no mercado de comunicação e marketing Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: rodolfo@ zazcomm.com.br

Nesta edição vamos falar sobre como atingir o alvo com o “calibre certo”. Fala-se cada vez mais em segmentação, mas o mercado continua usando esta prática de forma primária e equivocada. Muitos definem seu foco de atuação em cima do tradicional público alvo, que todo empresário já escutou um dia: homens ou mulheres de x a y anos, casados ou solteiros. Atualmente temos ferramentas para trabalhar a segmentação de forma muito mais profunda, mídias dirigidas para um público muito mais fechado e receptivo a certos pontos de contato. Novamente volto a falar da importância do relacionamento, é muito mais barato manter um cliente feliz do que conquistar um novo. Enfim, muitos continuam dando tiro de canhão no lugar de usar uma sniper e o resultado não pode ser diferente do que dispersão de dinheiro. As agências de propaganda não se cansam de usar a tradicional “fórmula de bolo”, até porque a velha máxima “está dando certo assim, para que mudar?” continua sendo aceita principalmente nas grandes empresas.

Mercado imobiliário deveria usar estratégias regionais e dirigidas O profissional que ousa, inova ou tenta mudar, muitas vezes é mal visto por vários departamentos da empresa, e quando dá certo quase nunca é reconhecido. As empresas que se propõem a reinventar enfrentam uma barreira grande e na maioria dos casos escutam: “Nossa, que grande ideia, mas acho melhor não arriscar”. Como sempre, gosto de usar exemplos. Vou arriscar e dar um do mercado da indús28

revista notícias da construção

/ outubro 2013

tria da construção civil. Sempre escuto de muitos empresários que o maior volume de vendas está nos investidores e na mão dos corretores... Apesar disso, continuam investindo milhões em uma campanha de jornal ou revista que fala com 300 mil pessoas. Gostaria muito de saber: por que falar com uma pessoa de Guarulhos sobre um empreendimento residencial nos Jardins? Para que comunicar o lançamento de um empreendimento corporativo em Campinas, para empresas de Taubaté? É aí que entram as estratégias de segmentação e marketing de relacionamento, por exemplo, relacionamento com investidor e cultura do corretor. As pessoas se esquecem de analisar o perfil de consumo da região, fazer uma pesquisa no entorno, conversar com moradores da região, entender o comportamento do seu futuro cliente. Antes de definir qualquer campanha, precisamos entender com quem queremos falar, o que eles querem escutar e, muito além disso, quais os sonhos e desejos deles. Não podemos nos esquecer de que cada região é quase como um outro mundo, com costumes, desejos e ambições diferentes. Quando falamos de empreendimentos corporativos não muda muito, as empresas também têm DNA próprio. E quando pensamos no empreendimento a ser lançado, imediatamente temos que imaginar qual o DNA da empresa que queremos para povoar este complexo. Atualmente, existem dados prontos de mercado que nos orientam para seguir estes caminhos. Reflita: Inovar e criar dá trabalho, o mercado está cada dia mais preguiçoso.


meio ambiente

Falta incentivar a remediação Após a regulamentação da Lei Estadual 13.577/2009 pelo decreto 59.263, que permite gerenciar efetivamente áreas contaminadas no Estado de São Paulo, os debates sobre a questão poderiam avançar um pouco mais com a criação de um mecanismo de incentivo à recuperação destas áreas por empresas do mercado imobiliário, indica Francisco Vasconcellos Neto, vice-presidente de Meio Ambiente do SindusCon-SP. Segundo ele, os 103 artigos do decreto sobre as diretrizes e procedimentos para a proteção da qualidade do solo e das águas subterrâneas representam “um grande progresso”, sobretudo ao criar o Feprac (Fundo Estadual para Prevenção e Remediação de Áreas Contaminadas), mecanismo financeiro destinado à identificação e remediação das chamadas “áreas órfãs”. “O Estado não dispunha de mecanismo que lhe permitisse

assumir os custos de um projeto de remediação, cobrando judicialmente do responsável num segundo momento. Isto vinha fazendo com que muitas áreas potencialmente descontamináveis ficassem abandonadas”, comenta Vasconcellos. Segundo ele, os incentivos às construtoras seria ótima alternativa. “No mundo todo isto acontece. As empresas remediam a área e, em troca, têm um andamento mais rápido nos processos de licenciamento”, conta. A regulamentação obriga, entre outras coisas, a averbação da informação sobre a contaminação identificada na área na respectiva matrícula do imóvel e institui o seguro ambiental que garante a execução do Plano de Intervenção. “O decreto juntou, melhorou e deu base legal às ações de descontaminação de áreas”, diz o vice-presidente do SindusCon-SP.

Vasconcellos: incentivos às construtoras beneficiariam toda a sociedade

Andaimes Urbe fornece equipamento para estádio da Copa do Mundo Brasil 2014 Sede da abertura do mundial, o Estádio do Corinthians, já tem 82% das suas obras concluídas. A versatilidade de aplicações do Andaime Fachadeiro Urbe proporcionará rapidez e produtividade para a fase de acabamento da obra e ajudará a garantir a inauguração dentro do prazo previsto, dezembro / 2013.

São Paulo (11) 2256-6000 Osasco (11) 3601-2777 Campinas (19) 3216-4440 revista notícias da construção / Outubro 2013 29

www.urbe.com.br


P REVEN Ç Ã O E SA Ú DE

Saúde bucal

JEFFERSON PODESTÁ BRANDÃO é cirurgiãodentista formado pela Unisa, com especialização em periodontia e gerente de Odontologia do Seconci-SP Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: comunicacao@seconcisp.org.br

A saúde bucal é parte integrante e inseparável da saúde do indivíduo. Os trabalhadores da construção apresentam problemas bucais relevantes que podem culminar em urgências odontológicas com impacto na qualidade de vida, produtividade e, eventualmente, em absenteísmo, chegando em alguns casos até a comprometer os relacionamentos sociais, evidenciando a importância do atendimento odontológico na saúde desses trabalhadores. É fundamental conhecer as doenças bucais que afetam os trabalhadores. Compartilhar dados estatísticos sobre atendimentos e procedimentos permite evidenciar o impacto das afecções bucais no processo produtivo e na saúde do trabalhador. Em 2012, a equipe de Odontologia do Seconci-SP realizou 40.617 atendimentos para os trabalhadores titulares, o que corresponde a 66% do total de pacientes atendidos.

incidência de cárie, é aplicado durante as consultas. Os serviços odontológicos no SUS têm se revelado insuficientes e os planos de saúde que preveem assistência odontológica apresentam impactos financeiros significativos que limitam o acesso, sobretudo para os trabalhadores do setor e suas famílias. Um dos diferenciais do Seconci-SP é proporcionar o acesso à assistência odontológica, com recursos físicos e materiais de primeira qualidade e com atendimento humanizado, contando com um índice de satisfação elevado entre os usuários. Diferentemente do que ocorre na rede pública e privada de saúde, o tempo de espera para agendamento de consultas no Seconci-­ SP é inferior a 15 dias. A instituição oferece ainda pronto atendimento para as urgências e emergências, contando com um rol completo de especialidades. Outro fator relevante é que os atestados emitidos em 2012 tiveram prazo máximo de afastamento entre um e dois dias. Assim como os atestados médicos emitidos pela entidade, os odontológicos representaram 4% do total de atendimentos realizados. A extração dentária foi responsável por 95% desse total. Mediante solicitação das empresas, o atendimento também pode ser oferecido diretamente nos canteiros de obras, pois o Seconci-SP dispõe de Unidades Móveis Odontológicas, capacitadas para percorrer todas as regiões do Estado. A manutenção da saúde bucal dos trabalhadores, além de melhorar a qualidade de vida, contribui para o aumento da produtividade e para a redução dos índices de absenteísmo nas obras.

Seconci-SP dá tratamento e leva dentistas aos canteiros de obras Entre os principais procedimentos realizados no período, as restaurações foram a maioria com 36,5%, seguidos de triagem (sem hora marcada) com 26,5%, periodontia (tratamento de gengivas) com 14% e a reabilitação protética (próteses) com 10%. Considerando que os procedimentos vinculados à triagem e à periodontia trabalham conceitos e ações preventivas, evidencia-se a relevância dessas especialidades no combate à cárie e aos problemas gengivais. Nos atendimentos odontológicos no Seconci-SP, o conceito de escovação, o uso do fio dental e informações sobre hábitos alimentares adequados são transmitidos aos pacientes. O flúor, importante na redução da

30

revista notícias da construção

/ outubro 2013


TREinAMEnTo DA nR-35 Trabalho em Altura PARCERiA: SindusCon-SP / Senai-SP Apoio às empresas da construção, capacitação e prevenção para o trabalhador. ESTE é uM BEnEfíCio gRATuiTo APEnAS PARA EMPRESAS ASSoCiADAS Do SinDuSCon-SP O Programa SindusCon-SP de Segurança (PSS) foi criado em 2005 para orientar e disseminar conhecimentos sobre o cumprimento da NR-18 e agora proporciona treinamento da NR-35.

Procure o SindusCon-SP da sua cidade e obtenha mais informações SEDE Tel (11) 3334-5600 cursos@sindusconsp.com.br

Presidente Prudente Tel/fax (18) 3222-9801 sindusppte@sindusconsp.com.br

São José do Rio Preto Tel/fax (17) 3226-5626 sindussjp@sindusconsp.com.br

Bauru Tel (14) 3234-1242 bauru@sindusconsp.com.br

Ribeirão Preto Tel (16) 3623-1340 sindusrp@sindusconsp.com.br

São José dos Campos Tel: (12) 3942-5007 sindusjc@sindusconsp.com.br

Campinas Tel/fax (19) 3236-8069 sinduscps@sindusconsp.com.br

Santo André Tel (11) 4990-6433 Fax (11) 4992-4676 sindussan@sindusconsp.com.br

Sorocaba Tel/fax (15) 3224-2369 (15) 3234-3211 sinduscaba@sindusconsp.com.br

Mogi das Cruzes (Delegacia) Tel: (11) 4735-5274 sindusmogi@sindusconsp.com.br

Santos Tel (13) 3222-5396 Fax (13) 3223-2035 sindusstos@sindusconsp.com.br

www.sindusconsp.com.br

facebook.com/sindusconsp

@sindusconsp


RE L A Ç Õ ES CA P ITA L - TRA B A L H O

SindusCon-SP é premiado no Chile O SindusCon-SP recebeu a “Distinción Asociación Latinoamericana de Seguridad e Higiene en el Trabajo”, prêmio concedido pela Asociación Latinoamericana de Seguridad e Higiene en el Trabajo (Alaseht) a empresas ou instituições que realizem atividades e ações meritórias nas áreas de segurança, meio ambiente e saúde no trabalho, em setembro, em Santiago, no Chile. A distinção foi entregue ao vice-presidente de Relações Capital-Trabalho do sindicato, Haruo Ishikawa, pelo presidente do Conselho Nacional de Seguridade do Chile, Guillermo Gacitúa Sepúlveda, eleito novo presidente da Alaseht. Criada em 1977, a Alaseht é composta por nove membros, entre os quais o Brasil, para promover a segurança por meio de prevenção de acidentes, saúde e segurança no trabalho, proteção ambiental, bem como para melhorar a produtividade e a competitividade na construção latino-­americana. Prêmio Seconci-SP Haruo Ishikawa e a vice-presidente de Responsabilidade Social, Maristela Honda, representaram o SindusCon-SP na segunda edição do Prêmio Seconci-SP de Saúde e Segurança do Trabalho, promovido em se-

tembro. Distribuída em quatro categorias, a premiação incentiva as melhores práticas em saúde e segurança do trabalho em canteiros de obras residenciais, comerciais e industriais em todo o Estado de São Paulo. Ishikawa entregou o bronze na categoria “Campanhas motivacionais em saúde e segurança no trabalho” para a equipe da Racional Engenharia responsável pela obra do Shopping Iguatemi Esplanada, em Sorocaba. Coube a Maristela entregar a prata na categoria aos engenheiros da Odebrecht Realizações Imobiliárias (OR). Personalidade Nesta edição, o presidente do Sintracon-­SP, Antonio de Souza Ramalho, foi escolhido a Personalidade do Ano. Na categoria de Trabalhador Modelo foi homenageada a carpinteira Lenice Carvalho da Silva Oliveira, da MPD Engenharia. Além de Ishikawa, Maristela e Antonio Carlos Salgueiro de Araújo, presidente do Seconci-SP, a cerimônia contou com as participações de José Sílvio Valdissera, presidente do Sindinstalação, e Carlos Alberto Laurito, representante do Sinicesp. (Fabiana Holtz)

revista notícias da construção

Ishikawa (dir.) recebe o prêmio das mãos de Gacitúa, em Santiago

Maristela entre os premiados do Seconci-SP

/ Outubro 2013

33


relações capital-trabalho

Megasipat reúne mais de 350 trabalhadores em Sorocaba Mais de 350 trabalhadores da construção civil aproveitaram o dia no Sesi de Sorocaba na 14ª edição da Megasipat (Mega Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho) em setembro. Realizada pelo SindusCon-SP, em parceria com Fiesp, Sesi-­ SP, Senai-SP e Seconci-SP, a Megasipat é o maior evento paulista de Saúde e Segurança do Trabalho. Em nome da vice-presidente de responsabilidade social, Maristela Honda, o diretor da regional, Elias Stefan Junior, deu as boas-vindas aos trabalhadores e agradeceu as entidades parceiras. Julio Cesar Martins, diretor do Sesi Sorocaba, disse ser importante que os participantes repliquem em casa o que aprenderam durante o evento. Emílio Alves, presidente da Feticom, também ressaltou a importância da segurança do trabalho. Já o diretor do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil em Sorocaba e Região, Vitorino Gabriel, chamou a atenção para a prevenção de acidentes, um procedimento que deve ser constante. Para Jocilei Oliveira, diretor do Senai Sorocaba, a Megasipat é um momento para se pensar na formação de cada um. “Os tra-

balhadores precisam aproveitar para refletir sobre novos aprendizados e qualificação”. Os participantes fizeram exames médicos, receberam orientações sobre saúde e qualidade de vida. Também assistiram a palestras sobre segurança no trabalho e violência doméstica, intercaladas com esquetes teatrais e sorteios. Foi oferecido aos trabalhadores café da manhã e almoço. O evento percorrerá, até novembro, as nove Regionais do SindusCon-SP, além da Delegacia de Mogi das Cruzes e a Capital. A expectativa neste ano é de reunir mais de 2.500 trabalhadores da construção civil em todo o Estado. (Lívia Camargo)

Reunidos em Sorocaba, Martins, do Sesi, Stefan Júnior, da Regional, Alves e Costa, da Feticom-SP, e Oliveira, do Senai

Ribeirão tem sorteio de cursos Com a participação de aproximadamente 200 trabalhadores, a Megasipat de Ribeirão Preto aconteceu no Teatro do Sesi e nas dependências do CAT José Villela de Andrade Jr. A abertura do evento contou com as presenças do diretor adjunto da Regional, Fernando Junqueira, da auditora fiscal do Ministério do Trabalho Nara Soares Borba, do coordenador administrativo do Seconci-­ SP Agnaldo Silva e dos representantes do 34

revista notícias da construção

/ outubro 2013

Sesi-SP, Heloísa Lança, e do Senai-SP, Valdeir Borges, além de Iussef Miguel Iun, que representou a prefeita Dárcy Vera. Ao final foram sorteados diversos brindes, entre eles cursos de qualificação profissional oferecidos pelo Instituto da Construção. “É preciso que as pessoas se cuidem bem. Vocês são a mão de obra que todos procuram”, afirmou Iussef Iun. (Márcio Javaroni)


Trabalhadores do ABC lotam auditório do Sesi Mauá

Público recebeu dicas de prevenção de acidentes

Na Regional Santo André, a Megasipat lotou o Sesi CAT Ministro Raphael de Almeida Magalhães, em Mauá. Para o diretor da Regional, Sergio Ferreira dos Santos, o sucesso de público é sinal de que a iniciativa está atingindo sua finalidade: a conscientização sobre a importância que devemos dar à segurança em nossas vidas, e não só em nosso ambiente de trabalho. Na abertura do evento, a diretora-­ adjunta da Regional, Rosana Carnevalli, destacou a importância dessa ação, que tem contribuído para a prevenção de acidentes e apresentado reflexos importantes na saúde

do trabalhador há 14 anos. Para o professor Carlos A. Carvalho, diretor do Sesi local, “é motivo de grande honra e satisfação poder prosseguir com essa parceria em prol da saúde e segurança dos trabalhadores da Indústria da Construção Civil.” Nancy Fasioli, agente de treinamento do Senai A. Jacob Lafer, comentou “É um dia diferente e especial para os trabalhadores. Quando falamos em segurança, precisamos ficar atentos a todos os detalhes.” Ao dar as boas-vindas ao público, Wilson Roberto Anighi, diretor de saúde e segurança do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, disse que a conscientização dos trabalhadores eleva também a produtividade. “Ainda há muito trabalho pela frente, mas evoluímos muito nesse sentido”, argumentou. Anighi abordou também a importância da boa saúde piscológica do trabalhador, que deve ser desenvolvida em casa, com diálogo e bom relacionamento entre os familiares, o que resulta em um trabalhador mais atento. (Sueli Osório)

Bauru tem curso de artesanato Em Bauru, a Megasipat reuniu cerca de 200 trabalhadores do setor da construção civil no Senai João Martins Coube. Além de exames gratuitos, palestras sobre importância da prevenção para a saúde de homens e mulheres e sorteio de brindes, neste ano a programação incluiu um minicurso de artesanato. As apresentações de um grupo teatral, que interligavam as palestras, também fizeram sucesso com músicas e participação da plateia. (Sabrina Magalhães)

revista notícias da construção

/ Outubro 2013

35


G EST Ã O EM P RESARIA L

Novo paradigma

Maria Angelica Lencione Pedreti é professora de Contabilidade e Finanças da FGV e mestra em Administração de Empresas; trabalha em Planejamento Estratégico Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: maria.lencione@ fgv.br

Um estudo do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário concluiu que as empresas brasileiras que faturam mais de R$ 48 milhões/ano costumam viver, em média, 35 anos. Esta amostra representa apenas 2% das 13 milhões de empresas do Brasil. Ainda segundo o estudo, uma em cada seis empresas pequenas morrem antes de completarem cinco anos, o que não é diferente da estatística do resto do mundo. Se enxergarmos as empresas como um conjunto de pessoas e de culturas, fica mais fácil entender que as ideias podem ficar ultrapassadas e muitas vezes, as culturas, que foram importantes em certo momento da vida da empresa, se tornem um obstáculo ao seu crescimento futuro ou até à sua sobrevivência. As empresas são feitas de pessoas, que acabam criando procedimentos para defenderem seus interesses, e muitas vezes isso conflita com os interesses, especialmente de longo prazo, da organização. Assim, torna-se imperativo preparar a cultura da empresa ao que está por vir, para que ela seja um fator propulsor, e não um entrave ao crescimento sustentável.

A mudança dos paradigmas também possui um papel importante nesse processo: enquanto for mais eficiente e eficaz que uma empresa tenha funcionários, uma sede, uma só razão de ser, ela existirá. O que ocorre, segundo os especialistas, é que os custos de transação estão se reduzindo, de modo que, em alguns casos, pode ser mais fácil e mais barato contratar profissionais de acordo com o projeto a ser realizado, com a vantagem de contar com profissionais especializados, a custos mais baixos, graças aos avanços das comunicações. Assim, a empresa, constituída hoje como um conjunto de pessoas que entram em diferentes tipos de contratos, em torno de uma mesma ideia, será substituída por um novo tipo de organização, baseada num conjunto de contratos e de ideias para cada oportunidade. A organização antiga dará lugar à nova e quem mudar não precisará morrer. Obviamente, há empresas que morrem por erros de administração, de gestão de risco, por briga entre os sócios, problemas de sucessão, práticas desleais da concorrência. Mas um dos maiores riscos à existência de uma empresa são as ações de outra empresa, como aquele jogo de xadrez, em que você deve prever o que o oponente fará antes de tomar sua posição. E, segundo o consultor e acadêmico Clayton Christensen, inovações de ruptura são praticamente imprevisíveis. Não posso deixar de destacar, no entanto, que mesmo imprevisíveis são estas inovações de ruptura que potencializam as empresas ao crescimento sustentável que criará valor. Nas próximas edições, detalharemos um pouco mais sobre os principais problemas das empresas e como tratá-los a tempo!

Empresas precisam se preparar para enfrentar resistências a mudanças Outro fator encontrado na pesquisa refere-se às crescentes fusões e aquisições. Se uma empresa possui uma estratégia de crescer via aquisições e não apenas por crescimento orgânico, as empresas adquiridas, uma vez incorporadas, tendem a desaparecer. E como a estratégia de aquisições leva a um crescimento mais rápido, é de se esperar que ocorram num mundo cada vez mais dinâmico.

36

revista notícias da construção

/ outubro 2013


SINDUSC O N - S P EM A Ç Ã O

SindusCon-SP é eleito para a Conferência Nacional das Cidades Na 5ª Conferência Estadual das Cidades, no final de setembro, três representantes do SindusCon-SP foram eleitos entre os delegados do setor empresarial que irão participar da Conferência Nacional das Cidades, em novembro, em Brasília: Cristiano Goldstein Filho, Miguel Sastre e Vânia Bonafin. O sindicato também foi eleito para compor o segmento empresarial no Conselho Estadual das Cidades (Concidades-SP). Com a presença de duas mil pessoas, o

evento marcou a criação do Concidades-SP, que integrará o Sistema Nacional e garantirá acesso paulista a projetos e recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Urbano. O presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, participou da abertura da Conferência Estadual, no Memorial da América Latina, ao lado do ministro das Cidades Alexandre Cordeiro (interino) e dos secretários estaduais Edson Aparecido (Casa Civil) e Silvio Torres (Habitação).

Watanabe (3º à dir.) na Conferência Estadual, que marcou a criação do Concidades-SP

Cônsul-geral da Alemanha visita o sindicato O presidente do SindusCon-SP, Sergio Watanabe, afirmou que “a economia brasileira precisa muito da contribuição alemã em tecnologia para elevar a produtividade”. A afirmação foi feita ao receber o novo cônsul-­ geral da Alemanha em São Paulo, Friedrich Däuble, em setembro, no sindicato. Participaram do encontro o cônsul para Assuntos Políticos e Imprensa, Christoph Oversolhl; o vice-presidente Administrativo

e Financeiro do sindicato, Cristiano Goldstein, e o superintendente José Luiz Machado. Watanabe relatou que a construção tem se ressentido do baixo crescimento da economia brasileira, devendo crescer cerca de 2% neste ano e acompanhar o desempenho do PIB em 2014. Ele manifestou a preocupação de que a política econômica adote medidas populistas em função das eleições do ano que vem.

Friedrich Däuble


marketing

Espaços urbanos

Antonio Jesus de Britto Cosenza é consultor de empresas e professor da EAESPFGV e da BBS Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: cosenza@ cosenzaeassociados. com.br

É comum lermos reportagens sobre o que pode ser feito para minimizar o tempo perdido em deslocamentos aproveitando a conectividade gerada pelas redes sociais. Estamos preparados para abrir mão da liberdade do cidadão em prol do monitoramento para uma qualidade de vida melhor nas cidades? Estamos educados para conviver socialmente de forma civilizada sem abusarmos das “pequenas” transgressões de trânsito e da ocupação do espaço público? Já temos maturidade para democraticamente propormos normas de convívio nas cidades, independentemente da tutela governamental? Podemos ter menos interferência estatal porque já somos responsáveis socialmente?

redes sociais uma incessante exposição? A revista The Economist trouxe uma excelente reportagem resultante de um estudo realizado por dois professores, mostrando que, quanto mais as pessoas usam o Facebook, menos satisfeitas elas estão com a vida. Descreve, ainda, as consequências do uso incessante do Facebook no estado de humor dos jovens e recomenda a todos que usem menos as redes sociais e tenham mais contatos pessoais, pois eles fazem bem à saúde emocional e mental. Termina dando a todos um simples e prático conselho: get a life. O equilíbrio entre a intervenção estatal e a liberdade democrática precisa ser buscado, mas é necessária a compreensão do que seja liberdade democrática. Quando esta é confundida com liberalidade ou mesmo libertinagem; quando condutores de veículos realizam conversões proibidas porque não podem perder tempo, estacionam em fila dupla ou em locais proibidos; quando manifestantes depredam patrimônios públicos e privados em nome de reivindicações; quando uma ida a um restaurante ou a uma lanchonete se transforma em uma perda de patrimônio pessoal com risco de vida, não podemos acreditar que haja educação para a vida em uma sociedade democrática. Será que o monitoramento para uma convivência em uma cidade mais inteligente, em nome de uma maior qualidade de vida, não deva ser também policialesco por total falta de compreensão de que cidadania é um conjunto de direitos e deveres? Instrução, educação e civilidade são premissas para um smarter planet. Não há computador capaz de substituir esses pressupostos.

Comodidade do mundo virtual traz consigo uma perda da privacidade Essas e outras questões surgem quando pensamos nas cidades inteligentes. A big data, o big brother, o Admirável Mundo Novo, 1984, a Aldeia Global tornam-se parte de nossa realidade quando somos monitorados por câmeras em nossos movimentos, em nome de uma melhor qualidade de vida. O Rio de Janeiro já está pronto para a Copa do Mundo com todo esse equipamento. Os aplicativos nos smartphones indicam os melhores itinerários para fugirmos dos congestionamentos. Também enviam mensagens de ofertas quando passamos próximos a uma loja, dentro de um shopping ou na rua. Permitem-nos identificar o táxi mais próximo e fornecem uma avaliação sobre o motorista. Toda essa enorme comodidade e conforto não vêm sem uma perda considerável de privacidade. Será que damos importância à privacidade, quando testemunhamos nas

38

revista notícias da construção

/ outubro 2013


s

o d Ita

Im l s

e

r a g

lU

a maior vitrine mundial das inovações e tendências da construção espera por você! faça parte do grupo de associadas que visitará a Batimat 2013

4 a 8 de novembro de 2013, em Paris Inscreva-se! maIs Informações:

(11) 3016-1411

Pedro ou Yves

realIzação e organIzação:

aPoIo:

roteIro 1 de novembro (6ª feira) - são PaUlo / ParIs 1º dia - apresentação no aeroporto internacional de São Paulo (GRU) e embarque com nossa assistência em vôo direto air France com destino a Paris (vôo noturno: aF 457 partida às 18h25 - chegada às 8h30). 2 de novembro (sábado) - ParIs 2º dia - Chegada, recepção e traslado ao hotel. Restante do dia livre para atividades independentes. 3 de novembro (domingo) - ParIs 3º dia - dia livre para atividades independentes* 4 de novembro (2ª feira) a 8 de novembro (6ª feira) - ParIs 4º ao 8º dia - 5 dias livres para visita à BaTiMaT 2013 9 de novembro (sábado) - ParIs / são PaUlo 9º dia - dia livre para atividades pessoais. Saída do hotel (check-out) até as 12h. À tarde, em horário a ser informado, traslado com assistência ao aeroporto de Paris (CdG) para embarque vôo air France de regresso ao Brasil. (vôo noturno: aF 454 partida às 23h30 – chegada às 8h05). EstE pacotE inclui: • Parte aérea air France São Paulo/PariS/São Paulo em tariFa claSSe econômica (tariFa gruPo); • traSlado aeroPorto/Hotel/aeroPorto Para o gruPo, com aSSiStência braSileira, conForme o Programa; • PariS: 2-9 nov = 7 noiteS no Hotel radiSSon blu ambaSSador 4*SuP, com caFé da manHã e taxaS incluSoS; • Wi-Fi gratuito noS aPartamentoS; • ingreSSo Permanente viP de viSitação a batimat 2013; • Seguro de viagem mic euroPa, conForme exigência da comunidade euroPeia Para o Período deSSe Programa; • aSSiStência local braSileira do noSSo rePreSentante em PariS;

• maPa de PariS e roteiro de metrô com aceSSo ao PariS nord villePinte. * Consulte nossa programação de tours opCionais EstE pacotE não inclui: • taxaS de aeroPortoS e exceSSoS de bagagenS; • eventuaiS viSitaS técnicaS ProgramadaS PoSteriormente ao noSSo Programa; • bebidaS/reFeiçõeS não mencionadaS e demaiS ServiçoS e deSPeSaS de caráter PeSSoal; • reSPonSabilidade deSta oPeradora Por PaSSaPorteS ou viStoS negadoS ou não obtidoS a temPo Para viagem; • tudo o que não conStar como incluído; • reSPonSabilidade deSta oPeradora Por alteraçõeS de vôoS eventualmente imPoStaS PelaS ciaS. aéreaS.

ValorEs por pEssoa (Em Euros) para saída dE são paulo** aPto duPlo: € 2.595,00 aPto individual: € 3.695,00 ** Consulte-nos sobre Condições espeCiais para empresas assoCiadas do sindusCon-sp e para saídas de outras Cidades.


JUR Í DIC O

Taxa questionada

José Carlos Baptista Puoli é coordenador do Conselho Jurídico do SindusCon-SP e sócio da Duarte Garcia, Caselli Guimarães e Terra Advogados Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: josepuoli@dgcgt. com.br

De tempos para cá, tem crescido a quantidade de processos ajuizados por adquirentes de imóveis em produção, questionando o pagamento da comissão devida ao corretor de imóveis que atua na intermediação da venda. Explica-se: o alvo do questionamento refere-se à prática de, na aquisição de imóvel na planta, ser destinada ao comprador a responsabilidade pelo direto pagamento da comissão de corretagem. Quando assim é feito, o adquirente, no momento da contratação, emite diversos cheques, parte dos quais destinada ao incorporador imobiliário (a título de pagamento de parcela do preço) e os restantes destinados ao “corretor”. Os argumentos utilizados para impugnar este tipo de contratação podem ser reduzidos a dois principais. De um lado, afirma-se que se trataria de venda casada, pois o adquirente só poderia optar por um corretor que atue com o incorporador para realizar a intermediação no estande do empreendimento. De outro lado, afirma-se que a atuação do corretor, neste tipo de caso, seria apenas do interesse do incorporador o qual, por isto, deveria assumir o custo do serviço.

qual o preço do imóvel e qual a remuneração do corretor (e/ou da empresa de comercialização). Não fosse assim, o custo da intermediação passaria a ser considerado mais um insumo da produção imobiliária e estaria embutido no preço, reduzindo o detalhamento da informação hoje prestada ao comprador. De outro lado, considerado o fenômeno do ponto de vista econômico, também aqui não há prejuízo ao adquirente pois, direta ou indiretamente, este acabaria arcando com o custo da intermediação. Cabe anotar que o serviço realizado é do interesse de ambos os contratantes que “querem” realizar o negócio e contam com a colaboração do intermediador. Neste contexto, parecem realmente equivocados os argumentos de quem questiona este mecanismo. Entende-se ser plenamente legal a transferência ao adquirente de imóveis, no ato da contratação, da responsabilidade por este pagamento. A despeito de ser assim, o tema tem sido levado para apreciação do Judiciário e, mesmo já sendo anotados precedentes favoráveis ao acima exposto, não se tem como prever qual será a palavra final dos juízes a respeito desta controvérsia. Em vista disto, serve o presente para comentar a ocorrência, convidando os empresários do setor da construção a meditarem sobre como esta contratação tem sido realizada. Com tal meditação, a escolha do modelo a ser empregado em cada empreendimento pode ser realizada com conhecimento do risco acima mencionado, reduzindo a surpresa que, esta sim, tem sido muito difícil de assimilar no setor.

Na aquisição de imóvel na planta é legal pagar comissão ao corretor Tais argumentos, contudo, são equivocados. Havendo a intermediação imobiliária (e a realização do serviço não tem sido questionada, pois ele de fato existe), a atuação do corretor deve ser remunerada, de modo que, com a sistemática acima descrita, tal pagamento é feito com transparência, permitindo maior grau de informação ao comprador que pode distinguir exatamente 40

revista notícias da construção

/ outubro 2013


regionais

Falcão Bauer conclui ciclo em Santo André Pela terceira vez neste ano, o diretor técnico do Grupo Falcão Bauer – Centro Tecnológico de Controle de Qualidade, engenheiro Roberto José Falcão Bauer, palestrou na região do ABC por meio da parceria entre o SindusCon-SP e o Grupo Falcão Bauer. O tema “Durabilidade e Vida Útil de Estruturas de Concreto Armado” foi distribuído em dois dias, devido ao seu extenso conteú­ do. As palestras, realizadas no auditório da Etec Júlio de Mesquita, foram dirigidas a engenheiros, mestres de obras e alunos dos cursos de Edificações Modular, Edificações Integrado e Desenho de Construção

42

revista notícias da construção

/ outubro 2013

Civil. O diretor da Regional Santo André, Sergio Ferreira dos Santos, afirmou ser gratificante ver o retorno que esta iniciativa do SindusCon-SP traz. “Seja com relação à qualidade da palestra, como pela presença de tantas pessoas, mostrando o quanto o assunto abordado foi interessante”, afirmou. Para Valéria Santos, engenheira e coordenadora do curso de Edificações da Etec Julio de Mesquita, as palestras despertaram a preocupação em relação à confecção do concreto. “Ele deve ser bem executado na sua parte técnica e composição, com atenção em relação a possíveis patologias desde a execução”, disse. (Sueli Osório)

O diretor da Regional Santo André, Sergio Ferreira (esq.) assistiu à última palestra de Bauer (dir.)


14ª

evento g r a t u it o

MEGA SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DE TRABALHO 2013

vagas limitadas

caleNdário Setembro Dia 18, em Sorocaba (Sesi) Dia 20, em Ribeirão Preto (Sesi) Dia 25, em Santo André (Sesi-Mauá) Dia 27, em Bauru (Senai) outubro Dia 2, em São José do Rio Preto (Sesi) Dia 16, em Presidente Prudente (Sesi) Dia 23, em Campinas (Senai) Dia 30, em São José dos Campos (Sesi) Novembro Dia 6, em Santos (Sesi) Dia 7, em Mogi das Cruzes (Sesi) Dia 28, em São Paulo (Senai-Tatuapé) iNformaçõeS e iNScriçõeS: (11) 3334-5600 ou sindusconsp@sindusconsp.com.br acesse www.sindusconsp.com.br/megasipat e conheça a programação www.sindusconsp.com.br

facebook.com/sindusconsp

realização

@sindusconsp

patrocínio

apoio


REGIONAIS

Santos debate a logística portuária Os empresários da construção estiveram representados pelo SindusCon-SP na 11ª edição do Santos Export – Fórum Internacional para a Expansão do Porto de Santos, no Mendes Convention Center. “A possibilidade de desenvolvimento do porto traz expectativa, tendo em vista que a expansão aquece o setor por exigir a realização de obras”, disse o diretor da Regional Santos, Ricardo Beschizza. Estímulo para as ferrovias e leilão de terminais foram as novidades no seminário, em agosto. O ministro-chefe da Secretaria de Portos, Leô­nidas Cristino, anunciou que a secretaria pretende se unir ao Ministério dos Transportes para aumentar a capacidade das ferrovias que seguem em direção à Baixada Santista. Outra iniciativa será inserir, nos novos contratos de arrendamento de terminais graneleiros, a exigência de que um per-

centual de cargas chegue ou saia do porto em trilhos.

São José dos Campos discute desoneração

Formalizada a criação da CPR em Franca

O Painel Tributário, promovido pela regional São José dos Campos em setembro, discutiu entre outros temas a desoneração da folha de pagamento das empresas. O evento foi uma parceria entre o SindusCon-SP e a Aconvap (Associação das Construtoras do Vale do Paraíba). Cerca de 80 pessoas participaram do painel no auditório da Aconvap. As palestras foram ministradas por Renato Romano Filho e Rosilene Carvalho Santos, assessores jurídicos do SindusCon-SP. Durante o encontro também foram discutidos o Regime Especial de Tributação e as ações regressivas, bem como o Nexo Técnico Epidemiológico . (Elizânio Silva)

Desde setembro, a cidade de Franca, segunda mais populosa entre as integrantes da Regional Ribeirão Preto, tem seu Comitê Permanente Regional (CPR) da NR-18 (norma de segurança e saúde do trabalho). O SindusCon-SP será o coordenador dos trabalhos do Comitê, que terá como membros titulares Carlos André de Carvalho Fávero (Governo - GRTE Franca), Fernando Junqueira (Empregadores SindusCon-SP) e Jaime Plácido Barbosa (Trabalhadores - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Franca). As reuniões serão mensais, na terceira quarta-feira de cada mês. (Márcio Javaroni)

44

revista notícias da construção

/ outubro 2013

Churrasco Em clima de confraternização, empresários de Santos se reuniram em concorrido churrasco que aconteceu no Grill do Tênis Clube de Santos, em setembro. O evento, uma promoção conjunta da Regional do SindusCon-­SP e da Assecob, reuniu mais de cem participantes. Conforme Beschizza, o tradicional encontro, que no início se restringia a empresários e familiares, hoje atrai autoridades e representantes de vários segmentos ligados ao setor, com potencial para gerar negócios. O evento contou com o patrocínio: Grupo Mega Forma, Viapol, Pinte Pronto, Hyundai Elevadores, Fundamenta, Caixa Econômica Federal e Gerdau. (Giselda Braz)

Para Beschizza, tradicional encontro tem potencial de negócios


C l a ss i f i c a d o s

Anuncie nos classificados (11) 3334-5627 comercial@sindusconsp.com.br


REGIONAIS

Sorocaba lança curso para construção de edifícios Atendendo a uma sugestão da Regional Sorocaba do SindusCon-SP, a Universidade Paulista (Unip) terá o novo Curso Superior Tecnológico de Construção de Edifícios. As inscrições já estão abertas para o processo seletivo. Para Maristela Honda, vice-presidente de Responsabilidade Social do SindusCon-SP, o programa-piloto é mais um passo do comprometimento do sindicato com o desenvolvimento da cidade no setor da construção. “Fico orgulhosa em participar de mais

uma etapa que une educação e tecnologia aos nossos futuros empreendedores”, afirmou. O curso pretende suprir, com mão de obra qualificada, o vazio existente entre o engenheiro civil responsável pela construção e os trabalhadores que compõem a equipe de execução da obra. Com duração de três anos, o curso será oferecido a partir de 2014. Mais informações podem ser obtidas: www.unip. br ou pelo telefone (15) 3412 1022. (Lívia Camargo)

revista notícias da construção

/ Outubro 2013

47


S O L U Ç Õ ES IN O VAD O RAS

Hidrofresa inovadora KARINA YUMI IAMATO é engenheira civil da Damasco Penna Engenharia Geotécnica, formada pela Fesp

JOSÉ MARIA DE CAMARGO BARROS é engenheiro civil, doutor Poli/USP e pesquisador do IPT Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: miaylp@gmail.com jmbarros@ipt.br

48

Com a diminuição de áreas disponíveis para novos empreendimentos e o crescimento da frota veicular, há uma forte demanda por edifícios com mais subsolos. Dentre as alternativas existentes, a parede diafragma é a contenção mais recomendada quando se precisam escavar subsolos abaixo do lençol freático. Constituída por lamelas ou painéis de concreto armado e muitas vezes atirantada, essa solução é muito utilizada. Procura-se sempre embuti-la em solo impermeável, eliminando-se assim a necessidade do rebaixamento externo do lençol freático. Em geral não há maiores dificuldades para escavações em solo, utilizando-se o equipamento clam-shell. Entretanto, em razão do grande número de subsolos, atinge-se com frequência o material rochoso, onde a escavação é bem mais complexa. É aí que entra a hidrofresa. Quando se utiliza o clam-shell, as fases principais de execução são: • execução da mureta-guia para proteção do topo da escavação; • escavação com clam-shell até a profundidade de projeto, mantendo-se o furo sempre cheio de lama bentonítica ou polímero; • limpeza do fundo da escavação, tratamento da lama bentonítica, colocação das chapas-junta e colocação da armadura; • lançamento do concreto, de baixo para cima, através de tubos de concretagem; • recuperação das chapas-junta e da mureta-guia. As muretas-guia de concreto armado têm a função de guiar o equipamento nos primeiros metros de escavação. Após sua execução, começa-se a escavação da lamela com o clam-­shell, que tem espessuras variando de 30 a 120 cm e larguras de 250, 280 ou 320 cm. Esse equipamento, preso a um cabo de aço, cai com as mandíbulas abertas dentro da vala.

revista notícias da construção

/ outubro 2013

Estas se fecham, levando para a superfície o material escavado. Para o sucesso desta escavação é indispens��vel a utilização da lama bentonítica ou de polímeros sintéticos para seu preenchimento. Estes são cada vez mais usados, pois, embora mais caros, reduzem os impactos ambientais e os custos com o descarte da lama. Ambos os materiais dão estabilidade à escavação e devem passar por testes de qualidade no canteiro de obras antes de serem utilizados. Terminada a escavação, colocam-se verticalmente, com seção trapezoidal, as chapas­ -junta nas extremidades laterais da lamela, dando-lhe o formato de encaixe. As chapas são retiradas após o inicio da pega do concreto. A armadura é montada em formato de “gaiola” conforme especificações de projeto, içada por guindaste e posicionada dentro da lamela. A concretagem, feita após o posicionamento da armação, é submersa, empregando-se um tubo tremonha que executa o processo de baixo para cima, expulsando a lama bentonítica conforme o concreto é lançado. Assim são executados todos os painéis. Ao final, é necessária uma viga de coroamento, que unifica todas as lamelas, para que não trabalhem isoladamente e não tenham reações diferenciadas. Execução das juntas secantes com a hidrofresa


Com o emprego da hidrofresa, os processos iniciais são os mesmos. Como a hidrofresa apresenta bom desempenho somente em rochas, matacões e solos mais duros, é necessário o uso do clam-shell para escavação da lamela nos seus primeiros metros em solo. A velocidade para execução com clam­ -shell em solos depende de diversos fatores, mas, em geral, varia de 2 m/h a 12 m/h. Quando essa faixa de valores não é atingida, entra em ação a hidrofresa, e a partir daí a execução começa a ser diferenciada. A hidrofresa é montada num guindaste movimentado sobre grandes esteiras ou por unidade hidráulica. O equipamento possui espessuras variando de 60 até 150cm e larguras de 250 à 320cm. A hidrofresa possui duas rodas de corte, acionadas por motores hidráulicos. Elas giram em sentidos opostos em torno de seus eixos horizontais e possuem bits de tungstênio ou vídea, para triturar a rocha. Os detritos, juntamente com o fluido estabilizante, são aspirados por uma bomba hidráulica de alta capacidade de sucção, e direcionados à estação de tratamento da lama, onde ela é reciclada e limpa, retornando à vala. Esse procedimento garante o uso de materiais estabilizantes permanentemente reciclados e limpos. Ao final, o posicionamento das armações e a concretagem seguem os mesmos processos descritos. Sensores instalados no equipamento medem a sua velocidade de avanço e o torque do motor. Sua verticalidade também é medida continuamente e eventuais desaprumos podem ser corrigidos. A central de tratamento de fluidos necessita de um espaço maior e é bem mais complexa, por possuir mais etapas de tratamento, do que a utilizada na escavação com o clam-shell. Em geral, executam-se inicialmente duas lamelas separadas denominadas primárias e entre elas posteriormente uma denominada fechamento ou secundária. As primárias podem ser simples ou duplas (com duas descidas

da hidrofresa) e as de fechamento são sempre simples. O espaço entre as duas primárias reservado para a de fechamento tem uma largura menor que a do equipamento, de forma que, quando essa lamela é escavada, a hidrofresa escarifica as laterais das lamelas primárias vizinhas. Obtém-se uma superfície rugosa no contato entre o concreto fresco e o já endurecido. Essas juntas secantes proporcionam melhor desempenho estrutural da parede e maior estanqueidade da escavação. Como no caso convencional, executa-se a viga de coroamento ao final da execução de todos os painéis. A experiência brasileira no uso de hidrofresa é bastante recente, cerca de quatro anos, e por essa razão ainda há pouca informação sobre seu desempenho. Em certos tipos de rochas, principalmente as mais resistentes e sãs, o desempenho do equipamento deixa a desejar, apresentando dificuldades de avanço e até mesmo não atingindo a profundidade de escavação prevista. Por outro lado, tem mostrado um desempenho bastante satisfatório em obras com a presença de rochas mais brandas ou mais alteradas. Para essas situações, a hidrofresa é uma ferramenta bastante interessante para viabilizar obras com escavações profundas em rocha. Agradecemos à empresa Geofix Fundações pela cessão de algumas das ilustrações deste trabalho.

revista notícias da construção

Conjunto completo da hidrofresa

Processo executivo de uma lamela primária dupla

/ Outubro 2013

49


C O NSTRU Ç Ã O DA CARREIRA

Seja você mesmo

Felipe Scotti Calbucci é graduado em Comunicação Social e gerente executivo de Property & Construction da Michael Page, com foco em recrutamento de gerentes e diretores para construtoras e incorporadoras Envie seus comentários, críticas, perguntas e sugestões de temas para esta coluna: felipecalbucci@ michaelpage.com.br

A maioria dos executivos tem dúvidas sobre como se portar diante de um processo seletivo. Vejamos quais são as boas maneiras e os erros mais comuns. Tudo começa com uma ligação de um headhunter ou do departamento de RH da empresa. Geralmente, este contato é feito no momento do dia menos esperado e estamos ocupados. Por isso, costumamos pedir retorno posterior e às vezes este contato nunca vem. Recrutadores estão sempre em busca de prazos para atender seus clientes e quando entram em contato com o candidato encontram-se em meio a ao menos 50 ligações seguidas, para definir quem será pré-­ selecionado às entrevistas. Ao final destes contatos, provavelmente o selecionador já escolheu os nomes para seu cliente e por isso não liga novamente. Há inúmeras exceções de processos de mapeamento ou quando você foi indicado por alguém.

chance para causar boa impressão. Reforço a recomendação feita em edição anterior: vale ser você mesmo, falar seus resultados tangíveis e ser totalmente sincero em suas respostas. Ao final da entrevista, pergunte sobre os próximos passos. Assim você terá sua expectativa alinhada e saberá o momento certo de fazer um acompanhamento. Um dos maiores erros dos candidatos é o excesso de ligações enquanto não recebe um retorno. Não me interprete mal: feedback é obrigatório e qualquer recrutador sério lhe dará retorno. Contudo, vale a pena dosar as ligações para não “sufocar” a outra ponta e também se fazer presente e interessado. Provavelmente, haverá novas etapas e, na medida em que o processo avança, o recrutador esperará que seu interesse aumente. Por isso, seja sincero caso não esteja 100% interessado no projeto. Não pega bem mudar de ideia na etapa final e como consequência as portas na empresa podem se fechar, especialmente se não houver um headhunter intermediando a relação com a companhia. Caso seja aprovado e receba uma proposta não satisfatória, o melhor é responder com suas dúvidas e contraproposta rapidamente. Assim a empresa saberá que você está decidido a ingressar no projeto, mas faltam ajustes. Recebendo uma proposta satisfatória, é bem aceito que você peça um dia para pensar e conversar com sua família. Ao aceitar a proposta, vale reforçar todos os pontos do projeto que lhe foram apresentados para posterior acompanhamento por você, caso o dia a dia não seja como imaginou.

Conheça a melhor conduta e os erros mais comuns nos processos seletivos Duas dicas: • tente atender a ligação na hora ou anote o telefone da pessoa e retorne; • zele por sua reputação no mercado. Em nosso negócio imobiliário, você é o que suas referências dizem. Entrevista agendada. Como se preparar da melhor maneira? • Pesquise sobre o presente e a história da empresa, e sobre o entrevistador; descubra se existe alguma ligação entre você e ele. • Seja pontual, vista-se de maneira adequada e prepare sua rotina no dia para estar bem na hora da entrevista. Você terá só esta 50

revista notícias da construção

/ outubro 2013


CapaCitação profissional treinamento

em

destaque

Curso de inCorporação de edifíCios Com profº Jamil raHme Nas unidades do SindusCon-SP: São Paulo - 25 a 29/11 e 02 a 04 /12 das 19h às 22h30 Campinas - 23, 24 e 30/11 e 01/12 - sábados das 14h às 20h e domingos das 10h às 14h e 15h30 às 19h30 Ribeirão Preto - 05, 06, 07 e 08/12 – dias úteis 18h30 às 22h30 e final de semana 09h às 13h30 e 15h às 20h

InSCRIçõeS e InfoRmaçõeS: 31 3282.2939 – 31 8765.8481 • www.incorporacaodeedificios.com.br treinamentos

de

novembro

2013

são paulo

Campinas

DIa 6 A Estrutura do Concreto e a Sustentabilidade

DIa 5 A Gestão da Obra Civil em Edifícios com Transporte Vertical

DIa 6 Custos

DIa 8 Como Reduzir Riscos em Contratos com Empreiteiros

DIa 7 Construção Civil x Retenção Previdenciária

DIa 29 Controle Estatístico de Processo (CEP)

DIa 26 Workshop EFD Social

ribeirão preto

DIa 27 Aplicabilidade e Conceitos do Contrato Built to Suit

DIa 6 Entendendo a Construção Civil na Área Previdenciária

DIa 28 Tributação na Fonte do IRPJ, CSLL, PIS E COFINS na Construção Civil

DIa 9 Técnicas de Negociação em Compras

bauru

são José dos Campos

DIa 7 Gestão de Custos em Projetos

DIa 19 Gestão de Contratos Públicos

Mais informações: (11) 3334 5600 Acesse nosso site e conheça o conteúdo completo dos cursos: www.sindusconsp.com.br www.sindusconsp.com.br

facebook.com/sindusconsp

@sindusconsp



Hora de Crescer