Page 1

repórterdomarão do Tâmega e Sousa ao Nordeste

28 Dez a 11 Jan’10

Ciência cresceu muito em Portugal Nº 1228 | Quinzenário | 1€ | Ano 25 | Director: Jorge Sousa | Director-Adjunto: Alexandre Panda | Subdirector: António Orlando | Edição:Tâmegapress | Redacção: Marco de Canaveses | 910 536 928

Considera Sobrinho Simões em entrevista ao RM O director do IPATIMUP, que não tem telemóvel e é pouco adepto das novas tecnologias, considera que o país deu um salto na ciência mas ainda falta “transformar o conhecimento em valor acrescentado”. De todo o seu percurso na investigação da oncologia e do cancro da tiróide assinala que a sua maior conquista “foi perceber que há muitos cancros provocados mais porque as células são imortais [e resistentes] do que por se proliferarem muito”. p. 6-7

Netmóvel parado desde Agosto Municípios do Tâmega prometem reactivar projecto em que investiram 75 mil euros p.12

Quase 11 mil novos inscritos em 2009 nos Distritos de Vila Real e Bragança

Futuros estão hipotecados mas há quem consiga vingar p. 2-4 PAÇOS DE FERREIRA

AMARANTE

Desporto social movimenta milhares

EIA “aprova” barragem de Fridão à cota 160

DOURO

CULTURA

Rectificação da EN101 pode avançar em 2010

Delegação Norte mantém-se em V. Real


02

08 Dez a 28 Dez’09

repórterdomarão

Futuros estão hipotecados Jovens chegam a questionar se a formação superior não terá sido a ‘fundo perdido’ Patrícia Posse | pposse.tamegapress@gmail.com | Fotos P.P. e Arquivo

S

ão jovens com sonhos e passam pelos dias embalando a esperança de oportunidades que tardam em chegar. Para alguns, o encontro dá-se por casualidade e persistência. Para quem ainda o procura, o desalento anda de mãos dadas com as expectativas resistentes. André, Liliana, Hélder e Patrícia são alguns dos rostos das estatísticas do desemprego na região transmontana que o RM foi conhecer.

Helder Magalhães

Os números mais recentes do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) mostram que, no fim de Novembro, havia 523 680 indivíduos desempregados em todo o País, o que representa um acréscimo de mais de 29% em relação a igual período de 2008. O distrito de Bragança regista 5 918 desempregados e o de Vila Real, quase o dobro, com 10 711. Hélder Magalhães faz parte das estatísticas do IEFP de Vila Real, mas já não conta “com muita coisa, muito menos na área”. Quando se inscreveu, afirma, torceram logo a cara perante a sua condição de licenciado. “Aqui funciona a nível local, onde é que achas que te vamos encaixar?”, disseram-lhe. “É mais centro de desemprego”, considera o jovem de 25 anos. Desempregado desde o término do curso de comunicação e multimédia, em 2008, Hélder recebeu uma única proposta de emprego, em Julho último. Contudo, as condições oferecidas não lhe permitiram aceitar o trabalho no Porto. Os dias são passados em casa dos pais, a maior parte do tempo no computador. “Olho para a janela, vou lá fora ou fico aqui?” é a dúvida que o assola. Às vezes, vai até ao café para “não parecer que o dia tem 50 horas”.

| Tempo passado a mandar currículos | Hélder questiona-se se a formação

superior não terá sido um investimento a fundo perdido. “Tens tempo para pensar se foi perda de tempo e de dinheiro tirar o curso, sentes maior frustração.” Ainda assim já investiu na formação pedagógica inicial de formadores para “criar mais uma ferramenta e ocupar o tempo de ócio que é enorme”. Do currículo de Liliana Arada consta um bacharelato em secretariado de direcção pela Universidade de Aveiro, um estágio profissional nessa área, um curso de especialização para desempregados qualificados, um trabalho activo numa associação florestal, entre outras qualificações. Está desempregada desde Maio, sendo que essa já não é uma situação nova. “O meu primeiro período de desemprego foi de dez meses, logo a seguir a terminar o curso. Na altura, a principal dificuldade era a falta de experiência”, explica. A jovem de Mondim de Basto envia uma média

André Pires

de 30 currículos por mês e “no máximo” obtém uma a duas respostas. “Dizem que, de momento, não procuram ninguém, ou que tenho demasiadas habilitações para o cargo que quero, ou que sou jovem. Depois, hoje em dia, mais do que um CV importa ter uma boa rede de contactos.” Duas a três vezes por semana, percorre Vila Real “de cima a baixo”. “Procuro tudo, vou a lojas, escritórios, vejo panfletos ou anúncios que peçam colaboradores. O meu trabalho agora é procurar emprego.” As investidas pela Internet acontecem todos os dias. “Vou à biblioteca procurar em vários sites, nomeadamente da Bolsa de Emprego Público e no Diário da República, e leio também toda a imprensa escrita para me actualizar.”

| Faltam apoios aos jovens que saem das universidades | Já lhe ofe-

receram 100 euros para trabalhar num café, duas horas diárias nos sete dias da semana, ou 200 euros mensais por 25 horas semanais a distribuir catálogos, sendo que as deslocações ficavam por sua conta. Liliana queixa-se de não existir qualquer apoio para os jovens que saem das universidades ou que fazem um estágio profissional, obrigando-os a sobrecarregar os pais. “O estágio profissional é uma mais-valia a nível de experiência, CV e oportunidade para ingressar nos quadros da empresa, mas não há nada a nível social que, no fim, nos ampare.” Da parte do IEFP, não vê “medidas efectivas” desde Maio. “Não me chamaram para nenhuma iniciativa (entrevista, formação), não têm feito coisa alguma.” Aos 27 anos, enveredar pelo mundo do empreendedorismo implica “um risco muito grande” e, apesar das comparticipações do IEFP e da possibilidade de recorrer ao micro-crédito, “é preciso ter já uma base financeira por trás, que não tenho”. Vive em Bragança desde os nove anos e vê-se, agora, empurrado para sair da região. André Pires, 27 anos, é licenciado em ensino básico e está desempregado há cinco meses. “É profundamente desolador ter vontade de trabalhar e não conseguir, é sentirme inútil por não estar a produzir”, confessa. Não tendo sido colocado para dar aulas, trabalhou num call center mais de um ano com contratos de trabalho renováveis de 3 em 3 meses. “Foi uma solução para remediar, uma forma de ganhar dinheiro.” Surgiu, então, a possibilidade de fazer um estágio profissional na área administrativa e, mais tarde, ministrou 150 horas de formação em oito meses, sendo os recibos verdes o regime acordado. André procura emprego na Internet, envia candidaturas espontâneas pelos CTT, às quais “nunca houve resposta”. Quando há feedback, “aumentam os níveis de expectativa e de confiança, mas sempre com pé atrás”. De todos os CV’s enviados, teve ape-


08 Dez a 28 Dez’09

03

repórterdomarão

mas há quem consiga vingar Dificuldades em encontrar trabalho servem de trampolim para novos rumos

nas uma entrevista para um estágio do PEPAL (Programa de Estágios Profissionais na Administração Local) e fora do distrito. “Na cidade, as propostas de emprego escasseiam e a tendência é piorar, porque muitas lojas estão a fechar. As pessoas tem cada vez menos possibilidades de arranjar emprego aqui.”

| Família é a porta de abrigo para os jovens | Sem direito a subsídio de

desemprego, é a família que o socorre. “A minha situação é idêntica há de muitos jovens. As famílias ajudam com comida e algum dinheiro, se não muita gente estaria a passar fome.” Natural de Mogadouro, Patrícia Cangueiro tem 26 anos e uma licenciatura em ensino básico (1º ciclo)

Carla Baptista

pelo Instituto Politécnico de Bragança. Findo o curso, trabalhou num hipermercado de Bragança, onde permaneceu um ano. Fazia 20 horas semanais e viu o contrato de seis meses ser renovado uma única vez, por igual período de tempo. “Gostava de trabalhar em Bragança porque gosto da cidade, cresci cá, considero-a a minha cidade, tem boa qualidade de vida e é acolhedora, mas em questão de emprego não tem mesmo nadinha”, desabafa. Em dois anos foi a cinco entrevistas em lojas, mas nunca ficou com o lugar. “No meu dia-a-dia só há desânimo e mal-estar. Consigo sobreviver porque vivo em casa dos meus pais”, refere. O IEFP nunca lhe propôs trabalho algum e ir trabalhar para Espanha é uma hipótese.

Perseverança contra a fatalidade Nos meandros do desemprego, há também quem faça pela sorte e chegue a bom porto. O percurso de Mara Sampaio, 31 anos, é disso exemplo. Licenciada em português-inglês pela UTAD, a jovem flaviense ficou desempregada após o estágio curricular, em 2002. “Nunca desisti de procurar e procurei em todos os meios, pesquisava imenso na Internet e nos jornais locais e nacionais. Mandei milhares de CV’s para tudo, fiz até um levantamento de colégios da região norte e enviei currículos por correio”, relembra. Sem baixar os braços, fez uma pós-graduação em legendagem, no Porto, e, em paralelo, dava explicações e fazia traduções. Foi justamente com esse trabalho que se tornou na responsável pelo departamento internacional de revisão e tradução de uma empresa alemã. “Um dos trabalhos precários que fiz foi a revisão de textos em português para uma empresa internacional. Ganhava pessimamente, mas como não tinha outras coisas continuei a fazer.” Pagavam-lhe 1,5 euros por cada revisão, mas “não foi por ganhar pouco que negligenciei o meu trabalho”, reitera. Ao fim de quatro meses, foi convidada a integrar os quadros da empresa e, desde então, já foi aumentada duas vezes, o que lhe permite auferir agora um rendimento acima da média e a partir de casa. Nos cinco anos em que esteve desempregada, Mara nunca foi contacta pelo IEFP para cursos de

valorização profissional nem para entrevistas de emprego. “Fui chamada para fazer formações de como preencher um CV”, lembra com tom irónico. A ajuda dos pais foi crucial para subsistir, embora durante dois anos tenha recebido subsídio de desemprego, em virtude da única experiência profissional na área de formação. Mara sempre apostou na formação, porque, como diz, se tivesse ficado só com a licenciatura talvez continuasse desempregada. “Quem quer trabalhar na área tem que se sujeitar às ofertas que há, ou arranjar alternativas, fugindo à formação base.” Para responder à necessidade de “estar sempre a aprender”, Mara pretende tirar um mestrado em espanhol, abrir a sua própria empresa e conciliar com o teletrabalho que actualmente desenvolve. Já Carla Baptista, engenheira zootécnica de 39 anos, criou o seu posto de trabalho em Outubro. “Pensei em criar qualquer coisa para mim e comecei a ver programas e ajudas que havia.” Foi junto da Glocal – Empresas Locais com Orientação Global (projecto de apoio ao empreendedorismo em Vila Real, lançado em 2003) que conseguiu apoio para uma ideia que surgiu “por acaso” e que terminou com quase três anos de desemprego. É na cozinha de Ferreiros, aldeia onde reside, que Carla passa os dias a desenformar os seus bombons de chocolate. Mais tarde, coloca-os à venda em Vila Real, naquela que é a primeira cho-

Mara Sampaio


04

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

vidas

VILA REAL E BRAGANÇA

Quase 11 mil novos desempregados este ano De acordo com os dados do IEFP relativos ao último mês, dos 10 711 desempregados do distrito de Vila Real, 6 767 estão inscritos há menos de um ano. Já no distrito de Bragança, dos 5 918 desempregados, 4 095 estão nessa situação. Em ambos os distritos, as pessoas mais afectadas pelo desemprego têm idades compreendidas entre os 35 e os 54 anos e a maioria procura um novo emprego. No distrito vila-realense, 8 836 dos desempregados já trabalharam, enquanto no de Bragança, são 4 842. Neste distrito, estão inscritos 667 indivíduos com formação superior, enquanto no de Vila Real são 998. O total do número de ofertas de emprego disponível no fim de Novembro, nos centros de emprego do nordeste, foi de 440, sendo que mais de metade (294) foram no distrito brigantino. Também aí o número de colocações foi superior, com 172 indivíduos a conseguirem emprego, comparativamente com o vila-realense, que registou 86 ofertas de emprego satisfeitas. Tanto no distrito de Bragança como no de Vila Real, foi o sexo feminino que conseguiu arranjar mais empregos com 96 e 53 colocações, respectivamente.

No distrito de Bragança, os concelhos de Vimioso (138 inscritos), Miranda do Douro (199) e Freixo de Espada à Cinta (199) são os menos afectados pelo desemprego, enquanto no de Vila Real, há menos desempregados em Boticas (195), Murça (268) e Sabrosa (309).

Há quem consiga resistir ao infortúnio colateria transmontana. Para já, a afluência das pessoas é um sinal auspicioso, apesar de ainda não existir “aquele consumo continuado”. Ao chocolate belga, Carla adiciona os produtos da região (amêndoas, mel, nozes, figos, entre outros) e vai explorando as propriedades gustativas das suas criações. No fim de 2006, Carla perdeu o emprego no Instituto de Financiamento e Apoio ao Desenvolvimento da Agricultura e das Pescas (IFADAP), onde fazia análise de projectos. “Estive lá três anos, sempre a recibos verdes.” Daí nunca ter tido subsídio de desemprego. Valeu-lhe a ajuda do marido. Quando saiu da UTAD, Carla percebeu que “não havia grandes saídas”, por isso trabalhou “em todas as áreas e mais algumas”. “Logo que me aceitassem, ia para tudo. Como eram trabalhos temporários, uns meses trabalhava-se, noutros estava-se em casa.” Havia empregos em que lhe diziam que tinha “habilitações a mais” ou que não se enquadravam. Só durante uns meses é que trabalhou na sua área de formação, no Parque Natural do Alvão. “Hoje se fizesse um curso tinha que ter saídas, porque a gente pode gostar muito mas depois não chega.” Fora de Vila Real, de onde é natural, Carla deu aulas em Valpaços e trabalhou “uns meses” como administrativa em Lisboa. “Se o trabalho é longe e precário, não vale a pena sair. Depois, chegase a certa altura em que uma pessoa fica farta de tudo ser tão provisório, quer-se ter uma base, quer-se constituir família e não dá”, sublinha. Embora os filhos lhe ocupassem o tempo, Carla estava “desesperada” por estar em casa. “A gente vai-se muito abaixo, fica-se desanimado, porque se passa-se de uma vida laboral, com horários para entrar e sair, para ficar em casa. Às vezes, só saia para ir levar o lixo e ir às compras.” De modo que abrir o seu próprio negócio foi “a única saída”, apesar das dificuldades. “Exigem muita papelada, é declaração para isto e para aquilo, depois não é fácil entrar no mercado e a época de crise também afecta muito.”

Região no topo das preferências Por uma questão de identidade e ligação às raízes ou de maior qualidade de vida, muitos dos desempregados procuram trabalho na região, mesmo com a consciência de que ficar limita as oportunidades. Mara Sampaio admite que se sente “muito” o factor da interioridade, mas isso não é suficiente para a fazer desistir da sua região. “Já estive noutras cidades e não troco. Queria ficar cá, porque tem muito mais qualidade de vida. Ir a outras cidades vou quando quero.” Vila Real, Braga, Guimarães e zona de Basto são as áreas geográficas em que Liliana Arada procura emprego e alguma estabilidade. “Gostava de ficar por Vila Real para não ter que andar a fazer e a desfazer malas como na Universidade, pelo menos, para poder planear a minha vida por um ou dois anos.” Além de que as propostas que surgem no litoral oferecem condições que “não chegam para te manteres lá”. “Não é que os jovens não queiram fixar-se no interior, mas mesmo com os programas de apoio é 90% de sorte e 10% de CV e trabalho”, considera. Mesmo com vontade de permanecer por Bragança, André Pires é “obrigado a sair”. “Sinto-me bem a viver aqui, mas há falta de alternativas e a gente vê-se empurrada a procurar fora e ter que abandonar a região para ir para o litoral ou estrangeiro.” A falta de perspectivas de emprego na região deve-se, no entender de André, à falta de investimento no interior. “A região tem sido alvo de um desmantelamento progressivo nos últimos anos. As pessoas não encontram razões para continuar a viver no distrito e há também passividade por parte de algumas entidades públicas que, apesar de não poderem criar milagres, podiam tentar fixar alguns daqueles que querem ficar aqui.”


06

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

entrevista

“Nunca pensei ser outra coisa que não médico” Sobrinho Simões é professor no Porto, Filadélfia, China e Japão Liliana Leandro | lleandro.tamegapress@gmail.com | Fotos Estela Silva | Lusa

M

anuel Sobrinho Simões nasceu no Porto em 1947 mas já correu o mundo todo (falta-lhe a Nova Zelândia) em trabalho. O director do IPATIMUP (Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto) tem um extenso currículo na medicina e anatomia patológica, tendo-se especializado em oncologia, concretamente no cancro da tiróide. Não porque a área o tenha fascinado particularmente mas porque as circunstâncias o levaram por esse caminho. Cedo percebeu que não queria ser clínico “sobretudo por medo da insegurança” mas não por qualquer problema em relações interpessoais. De facto, é não só professor na Faculdade de Medicina do Porto mas também na Faculdade de Medicina da Thomas Jefferson University em Filadélfia (EUA). Gosta de dar aulas. É essa a actividade que desenvolve, que considera a “mais engraçada entre ser professor, médico e investigador”. Em entrevista ao Repórter do Marão, Sobrinho Simões revelou que podia estar neste momento a trabalhar na Noruega, de onde recebeu um convite “muito bom”, mas a família e o sol que tem em Portugal falaram mais alto.

| Chineses e japoneses são alunos preferidos |

“Sou muito sensível à luz. A minha grande aspiração ao fim-de-semana é ter um bocadinho de sol”, contou o investigador. Todos os fins-de-semana escapa-se para Vila Praia de Âncora e no Verão reserva três semanas de férias em Arouca onde gosta de caminhar e pedalar na bicicleta. Todas as restantes saídas são sempre em trabalho, sendo que este ano conta já com 16 viagens para o estrangeiro, o que considera “mais do que suficiente para ficar de gatas”. Com frequência é convidado para dar aulas, conferências e palestras na China e no Japão, mas já passou pelo Brasil, Turquia, Grécia, entre muitos outros. Prefere os alunos chineses aos japoneses porque no final das aulas “fazem perguntas” e vão ter com os professores, o mesmo não sucedendo no país do sol nascente onde há “uma barreira absoluta”. No Brasil observou “uma evolução enorme e extraordinária na ciência nos últimos anos”, com alunos “mais preparados para perguntar e comunicar” que os portugueses.

| Investigador do cancro |

Mas como chegou Sobrinho Simões a este patamar do ensino? “É preciso reconhecimento dos pares”, explica. No domínio da ciência é-se conhecido pelos artigos que se publica, havendo uma “competição internacional muito grande e uma avaliação permanente”. O ponto de partida foi a licenciatura em Medicina no Porto. Não por vocação ou particular atracção mas “pela família”. “O meu pai, o meu avô e bisavô eram médicos pelo que nunca pensei ser outra coisa que não médico, nem tive alternativa”, lembrou. Para fugir à prática da medicina clínica optou pelo lado da investigação, pela patologia humana. Em 1971 licenciou-se com 19 valores e mais tarde especializou-se com 20 va-

lores. “Adorava estudar”, admitiu, classificando-se mesmo como um “aluno muito empenhado”. Em 1979/80 ruma, com a família já de três filhos, para a Noruega para fazer o pós-doutoramento no Instituto do Cancro. O diagnóstico de doenças oncológicas era então o seu trabalho principal, numa altura em que “começaram a aumentar as neoplasias” (vulgarmente designadas tumores que podem ser benignos ou malignos). O cancro da tiróide mostrou ser uma “patologia muito frequente em Portugal” especialmente por duas razões: “no interior do País, como na área do Marão, havia falta de iodo e por isso havia muitos bócios. Por outro lado, junto ao mar a quantidade excessiva de iodo provocava um tipo especial de cancro da tiróide”. Sobrinho Simões viu assim “uma possibilidade muito boa de estudar dois tipos de patologias médicas”, acabando por ser esta a área que optou por investigar ao longo de todo o seu percurso.

| Sem telemóvel e pouco adepto das novas tecnologias | Com todo o trabalho que vai desenvolvendo, não lhe sobra

muito tempo para actividades ditas de lazer. No escritório encontramos vários livros, desde “A mensagem” de Pessoa à “Origem das Espécies” de Darwin. A revista Nature, também na mesa, terá de “levar para casa” para conseguir folhear e o cinema, de que tanto gosta (é fã de Godard), tem estado adiado para dias mais calmos. O curioso em Sobrinho Simões – cientista e investigador – é o facto de não se dar com tecnologias. Não tem telemóvel e é a secretária quem responde aos e-mails que recebe. “Prefiro mandar cartões personalizados”, sorri. Na música admite que ficou nos tempos de Jacques Brel. Ao mesmo tempo, Simões já publicou cerca de 300 artigos científicos em revistas internacionais, foi co-autor de 20 livros e capítulos de livros, recebeu o Prémio Pessoa (2002), foi condecorado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique e à nossa chegada ao IPATIMUP despedia-se com um abraço do “amigo” Mário Soares.

Liderou o grupo que criou, em 1989, o IPATIMUP que dirige desde essa altura. É, desde 1990, Professor Associado de Patologia e Biologia Celular da Faculdade de Medicina da Thomas Jefferson University em Filadélfia (EUA).


Ciência foi a “área que mais se desenvolveu” em Portugal

08 Dez a 28 Dez’09

07

repórterdomarão

Director do IPATIMUP considera que curiosidade “é a alma do cientista” “A ciência foi a área que mais se desenvolveu em Portugal nos últimos 30 anos. Primeiro porque partimos de um nível muito baixo, logo mais fácil de fazer crescer. Depois, os ministros da ciência foram bons a impulsionar a avaliação externa e internacionalização necessárias”, destacou o director do IPATIMUP, Manuel Sobrinho Simões. Porém, contrapôs, a “cultura portuguesa não é muito de perguntas” e será mesmo a curiosidade e essa capacidade de perguntar que está na origem de um cientista. “Há pessoas que são geneticamente muito curiosas, mas são fundamentalmente os professores da instrução primária, os pais, os avós e os amigos que no fundo ensinam o gosto em perguntar”, sublinha. Quanto à evolução da investigação em Portugal, considera que o “problema do País é ter uma grande oferta da parte científica de base e de conhecimento mas faltar ainda bastante na área da transformação de conhecimento em valor acrescentado, produtos ou serviços”. Sobrinho Simões acredita que quando Portugal for capaz de “preencher o intervalo” entre a produção de ciência e o produto final de valor acrescentado, poderá “dar um salto muito maior”. De todo o seu percurso na investigação da oncologia e cancro da tiróide considera que a sua maior conquista “foi perceber que há muitos cancros provocados mais porque as células são imortais do que por se proliferarem muito”. No cancro, explicou, há “um tecido a mais”, sendo que “havia a noção de que as células desse tecido se proliferavam muito”. No seu trabalho, Sobrinho Simões demonstrou que muitos cancros da tiróide se desenvolvem “não porque as células proliferam mais que as normais mas porque são imortais e ganharam uma grande resistência”. Actualmente, e no seguimento de um consórcio do IPATIMUP com o IPO (Instituto Português de Oncologia), o médico encontra-se a desenvolver um trabalho de levantamento de todos os casos diagnosticados de cancro ou lesões suspeitas na tiróide de doentes vistos e tratados nos últimos 30 anos no Hospital de São João e no IPO do Porto. “Queremos saber se podíamos ter diagnosticado mais precocemente e saber se, uma vez diagnosticado, poderíamos ter seleccionado uma terapêutica mais eficiente”. Com 62 anos, Sobrinho Simões não se imagina sem ser a trabalhar. Por se considerar um “workaholic típico” admite ter “pavor de pensar” no que irá acontecer assim que tiver que se reformar. “Vou-me ver aflito. Dependo muito do meu mundo profissional”.

Presidiu à Sociedade Europeia de Patologia de 1999 a 2001, depois de ter sido Secretário-Geral de 1989 a 1997. Criou as Divisões de Moscovo (2001), Ankara (2003), Craiova (2005) e HradecKralové – Charles University (2006) da Escola Europeia de Patologia.

Sobrinho Simões já publicou mais de 300 artigos científicos em revistas internacionais indexadas que deram origem a cerca de 6000 citações. Foi autor ou co-autor de 20 livros e capítulos de livros publicados na Europa, EUA e Japão.


08

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

IC 26 entre Amarante e Mesão Frio poderá ser lançado ainda em 2010 O

projecto do primeiro troço do Itinerário Complementar (IC) 26, entre Padronelo (Amarante) e Mesão Frio, que aproveita globalmente o corredor da EN 101, está “numa fase relativamente adiantada” devendo ficar “concluído em 2010”, anunciou ao Repórter do Marão o vice-presidente da Estradas de Portugal (EP), Eduardo Gomes. O projecto, explica aquele responsável, “assenta na premissa de aproveitar o mais possível a plataforma existente [da Estrada Nacional 101], corrigindo aquelas curvas mais complicadas. É uma obra com alguns viadutos importantes, mas que de alguma forma minimiza também a afectação daquelas encostas e vales”. O processo está “em muito boa marcha e quase em fase de conclusão”, afirmou Eduardo Gomes. A construção da nova estrada e o aproveitamento do corredor da actual EN 101 para o lanço entre Amarante e Mesão Frio tinha sido comunicado recentemente ao novo presidente da Câmara de Mesão Frio, Alberto Pereira, após uma reunião na direcção de Vila Real da Estradas de Portugal. Alberto Pereira, eleito em Outubro presidente da Câmara de Mesão Frio pelo PS, é acérrimo defensor da construção do IC 26 e assumiu como uma das suas prio-

ridades a melhoria das acessibilidades para concretizar o desenvolvimento do concelho. A construção do IC 26, que vai ligar Amarante ao Peso da Régua, é encarada como a solução para a resolução desse problema.

| Problemas ambientais entre Mesão Frio e Régua | O vice-presiden-

te da Estradas de Portugal reconhece que o IC 26 vai ter “um impacte ambiental muito sério e um custo de construção brutal”. A ideia é que a nova estrada cruze com a A24. “A questão é de facto o ponto de cruzamento e como é que se faz a chegada à A24 porque é uma estrada que neste troço é contrária à orografia, ao terreno, são montes e vales atravessados de forma transversal”. O traçado sinuoso e com imenso tráfego “vai passar a ser mais fácil um bocadinho e será mais rectilíneo”. A estrada ficará “com outro conforto de circulação” assegura o vice-presidente da EP afirmando ter sido uma das preocupações da empresa “fazer menos estragos possíveis naquelas encostas”. Em termos de plano de investimento, a obra “pode ser equacionada a mais curto prazo”. A definição desse calendário fica fora da competência da EP, mas tra-

douro

ta-se de “uma obra que estará em condições de se promover mais cedo”, assegura Eduardo Gomes. Ainda não está definido, mas existem opções em cima da mesa: desenvolvimento de uma sub-concessão ou realização da obra por ajuste directo. Essa decisão é política e compete ao Governo. O segundo troço do IC 26, entre Mesão Frio e Peso da Régua, “está ainda numa fase muito embrionária de discussão, até porque é uma zona de grande sensibilidade ambiental”, com classificação de património mundial. “Temos em curso algumas discussões com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte e que também cruzam com uma avaliação ambiental estratégica que está em curso pelo Instituto das Infra-Estruturas Rodoviárias (INIR) e que ainda está numa fase de definição de opções”. Eduardo Gomes diz que a Estradas de Portugal tem “quatro opções em cima da mesa”, mas este processo está “numa fase mais atrasada”. Relativamente ao lanço do IC26 entre Lamego e Trancoso, como consta do PRN (Plano Rodoviário Nacional), o INIR lançou em meados de 2008 um concurso para a elaboração de um Estudo de Avaliação Estratégica. J.S./P.C.


10

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I cultura

‘Equipamentos culturais têm que funcionar em rede e atrair novos públicos’ Paula Silva foi nomeada para directora regional da Cultura do Norte em Dezembro e garante que a sede vai permanecer em Vila Real Paula Lima | plima.tamegapress@gmail.com

A

arquitecta Paula Silva é a nova directora da Cultura Regional do Norte, substituindo Helena Gil. A desempenhar funções desde o início de Dezembro, a responsável ainda está a conhecer os dossiers e os projectos mas sossega os transmontanos: a sede da DRCN vai permanecer em Vila Real. Com a sua vinda do Porto para Vila Real, levantaram-se algumas vozes com receio de que a direcção regional transitasse para a Invicta. Paula Silva garantiu ao Repórter do Marão que a DRCN anda à procura de novas instalações, de um “sítio mais qualificado do ponto de vista institucional”, e que, para o efeito, estão a decorrer conversações com diversas instituições da cidade. “Está fora de questão a sede sair de Vila Real”, sublinhou.

| Trabalho em rede | A DRCN possui uma área de intervenção que abrange os cinco distri-

tos do Norte do país, desde o Porto a Vila Real, Bragança, Viana do Castelo e Braga. Um território onde nos últimos anos foi feito um “enorme esforço de investimento em equipamentos”, desde museus, bibliotecas ou centros culturais. Desses equipamentos, Paula Silva destaca os museus do Douro, aberto há um ano no Peso da Régua e o de Arte e Arqueologia do Côa, que deverá abrir até à Primavera em Vila Nova de Foz Côa. Agora, de acordo com a responsável, é preciso potenciar essas estruturas e pô-las a funcionar em sintonia. No fundo, diz, é valorizar aquilo que já existe. Paula Silva defende o trabalho em rede e com uma maior articulação entre as diversas valências da cultura. “Acho absolutamente fundamental criar redes que permitam que a massa criativa circule pela região, pois é isso que vai valorizar e potenciar as estruturas criadas”, sublinhou. O passo mais difícil será talvez levar as pessoas

ao teatro, cinema ou visitar exposições, por isso, Paula Silva, garante que é fundamental começar a trabalhar com as crianças de tenra idade. “É absolutamente primordial que as crianças desde a pré-primária se habituem a visitar e a conhecer os sítios”, afirmou. Por isso mesmo, diz que nas candidaturas apresentadas pela DRCN aos fundos comunitários existe “uma proposta de interligação aos meios escolares das regiões para atrair as crianças aos sítios e tornar esses mesmos sítios apelativos para as crianças”. É preciso, segundo referiu, criar documentos dirigidos ao público infantil e que lhe dê vontade de visitar esses locais.

Museu de Arte e Arqueologia do Côa deverá abrir até à Primavera Fonte do Milho

Tarouca


28 Dez a 11 Jan’10

entrevista

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

QREN financia parte substancial da actividade da Delegação Rede de Monumentos do Douro aguarda aprovação Com um orçamento do Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central (PIDDAC) de cerca de 1,5 a dois milhões de euros, a DRCN desenvolve grande parte da sua actividade recorrendo a candidaturas aos fundos comunitários. Segundo Paula Silva, foram entregues 16 candidaturas ao actual Quadro de Referencia Estratégico Nacional (QREN), algumas das quais já estão em execução enquanto outras aguardam aprovação. Projectos para continuar nos próximos tempos são o “Viajar Com…”, que guia os visitantes pelos locais emblemáticos e de inspiração de autores que nasceram ou têm ligações ao Douro. Ou então, a série de documentários em DVD sobre esses mesmo escritores.

| Tarouca e o vale do Varosa | A decorrer está também o projecto de valorização do Vale do Varosa, um afluente do rio Douro, onde estão localizados os “dois mosteiros mais imponentes e mais significativos” de toda esta região, o de São João de Tarouca e o de Salzedas, concelho de Tarouca. Cada um destes mosteiros será alvo de intervenções de cerca de 600 mil euros. Paralelamente, será feita uma intervenção no mosteiro de Ferreirim e valorizada a Torre do Ucanha, de forma a criar um Roteiro Turístico do Vale do Varosa. Como forma de promover esta iniciativa, serão ainda criados produtos de marketing, como livros e outros objectos, ligados à figura de João Cirita, um monge piedoso que terá fundado o mosteiro de São João de Tarouca em 1139. Um projecto que aguarda aprovação é a Rede de Monumentos do Douro, que pretende evidenciar 15 monumentos, desde igrejas a castelos, que estão espalhados ao longo do vale do rio Douro, até Miranda do Douro, Moncorvo e Freixo de Espada à Cinta. “É um conjunto de monumentos classificados e património do Estado que se pretende valorizar e se constituem como pontos de referência do património que existe na região”, salientou. | Fonte do Milho | Já aprovada está a recuperação da Fonte do Milho, localizado em Canelas, Peso da Régua. Este é um dos projectos mais acarinhados pela nova directora já que naquele monumento se encontram vestígios com 2000 anos da produção de vinho no Douro. Trata-se de uma iniciativa conjunta entre Ministério da Cultura e a Câmara da Régua, que prevê um investimento de cerca de um milhão de euros. A Fonte do Milho, monumento nacional e afecto ao Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR) desde 1992, foi uma “villa” romana fortificada com vestígios de ocupação entre o século I e o Baixo-Império, ocupando uma área superior a um hectare. Para além do estudo e valorização das ruínas, o projecto prevê a construção de um núcleo museológico interpretativo da Fonte do Milho na aldeia de Canelas. | Guimarães Capital da Cultura 2012 | A DRCN está envolvida na organização de Guimarães Capital da Cultura em 2012. Paula Silva destacou a importância deste evento que, defende, deve ser aproveitado como pólo de atracção turística para todo o Norte do país. “Deve constituir um momento importante de divulgação de Portugal e especificamente do Norte de Portugal”, sublinhou.

“Viajar Com…” autores que nasceram ou têm ligações ao Douro vai continuar

11

repórterdomarão


12

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

tamega

Netmóvel parado desde Agosto Investimento de 75 mil euros do Tâmega Digital ainda sem data de reactivação Jorge Sousa | jsousa.tamegapress@gmail.com O posto móvel de internet (Netmóvel) do projecto Tâmega Digital está parado há quatro meses – desde o fim de Agosto, quando terminou o contrato com a técnica – e o seu regresso à actividade está ainda por agendar, apurou o Repórter do Marão. São 75 mil euros que estão parados, um investimento na viatura e em equipamento informático que foi realizado no âmbito do projecto Tâmega Digital, acção financiada pelo POS Conhecimento que abrangeu cinco municípios – Amarante, Baião, Marco de Canaveses, Celorico de Basto e Mondim de Basto. Com a extinção da Comunidade Urbana do Tâmega o Netmóvel passou a propriedade da Associação de Municípios do Baixo Tâmega enquanto outros bens foram distribuídos pelos municípios, disse ao RM o anterior presidente de ambos os órgãos, Manuel Moreira, também presidente da Câmara do Marco de Canaveses. Além do Netmóvel, a acção mais conhecida por ter sido pioneira no norte do país, o Tâmega Digital financiou ainda as plataformas digitais dos municípios, sites autárquicos e um portal regional, que terá sido iniciado mas não chegou a ver a luz do dia (ou

seja, a ficar on-line), segundo uma fonte que esteve envolvida no projecto. Manuel Moreira – que foi substituído por Armindo Abreu (Amarante), em 10 de Dezembro, na presidência da Associação de Municípios do Baixo Tâmega (AMBT), que junta também o de Cabeceiras de Basto aos cinco que integravam a ComUrb do Tâmega – disse ao RM que o projecto Tâmega Digital “foi cumprido”, mas terminou com a extinção da comunidade urbana. Segundo o autarca, o portal regional financiado

“era o portal da Comunidade Urbana que foi extinta” e que o Netmóvel, que passou a ser propriedade da AMBT, voltará em breve à actividade, de acordo com a decisão já tomada pelos municípios. Por seu lado, o autarca de Amarante, que há algum tempo admitia estar interessado em ter o Netmóvel ao serviço do seu concelho, assegurou que o posto móvel de internet voltará à estrada “em breve”, sob a tutela da AMBT. “Vamos definir o quadro de pessoal da associação de municípios e nesse âmbito encontraremos uma solução para o Netmóvel”, referiu o autarca, sem precisar quanto tempo mais o veículo vai ficar recolhido num armazém do Tâmega Park, em Amarante. O Netmóvel, que entre Julho de 2008 e Agosto de 2009 percorreu as festas e romarias da região, além de feiras, exposições e outros eventos e atendeu milhares de utentes, foi criado com o objectivo de “promover a inclusão e a literacia digital junto da população dos cinco municípios”. Além disso, dois dos 10 postos do Netmóvel estão preparados para receber cidadãos com mobilidade reduzida.


28 Dez a 11 Jan’10

amarante

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

13

repórterdomarão

Pediatria fecha ou não em Amarante? Centro Hospitalar garante que se manterá até fim de 2010 mas ARS Norte alerta que a taxa de internamento é diminuta Jorge Sousa | jsousa.tamegapress@gmail.com

O

e ventual encerramento do internamento de Pediatria no Hospital de S. Gonçalo (HSG) voltou neste final de ano à ordem do dia, mas o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa (CHTS) assegura que o serviço “se manterá até ao final de 2010”, quando termina o plano de gestão traçado pela actual administração. Um ano e meio depois da falhada tentativa de encerrar o serviço nos meses de Verão por falta de recursos humanos – que originou uma abertura de concurso depois da intervenção de um membro do Governo junto da ARS Norte – o assunto volta a preocupar dirigentes políticos da oposição e a própria autarquia.

| PSD acusa CHTS de quer fechar unidade de Amarante | A dete-

rioração do serviço de pediatria no HSG (e de outras valências, nomeadamente da medicina interna), segundo o líder do PSD Amarante, “é notória” e José Luís Gaspar, que, recordemos, já foi administrador daquela unidade de saúde durante o período de governação social-democrata (2002-2005), é directo na

acusação à administração do CHTS. “Há decisões que são danosas e são tomadas claramente para criar mau ambiente e pôr pessoas a insurgirem-se contra os médicos”, afirmou o vereador esta segunda-feira, em plena reunião camarária. Segundo José Luís Gaspar “há muita forma habilidosa para dar a volta” e “o CA [Conselho de Aministração do CHTS] tem tomado decisões para acabar com o hospital de Amarante”. Perante a insistência do vereador para que a autarquia tome uma posição, o presidente da Câmara acabou por dizer que ia interpelar a administração do centro hospitalar, presidida por José Alberto Marques.

| Não fecha até fim de 2010 | O Repórter do Marão sabe que o internamento de Pediatria em Amarante é de 10 camas desde que o hospital de S. Gonçalo foi integrado no Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, mas a taxa de internamento tem vindo a descer nos últimos dois anos, sobretudo desde a desactivação da maternidade e do serviço de obstetrícia, concentrados na unidade de Penafiel. Fonte oficial do CHTS disse esta segunda-feira ao

RM que “é falso que o serviço de Pediatria tenha sido encerrado”. “Por uma questão de optimização de recursos humanos foi decidido na quadra natalícia transferir a única criança que se encontrava internada na unidade de S. Gonçalo para a unidade de Penafiel, situação que de resto já foi ultrapassada, estando a Unidade de São Gonçalo em Amarante a internar, com normalidade, as crianças que apresentem indicação de internamento”, acrescentou a fonte. Entretanto, o RM apurou que a ARS Norte alertou este mês a Câmara de Amarante de que o plano de contingência para a Gripe A H1N1 organizado pelo CHTS pode deixar “pontualmente sem pediatras” o internamento do hospital de Amarante, obrigando à transferência das crianças para a unidade de Penafiel. O ofício da administração regional de saúde enviado a 18 de Dezembro à autarquia de Amarante – originado após uma comunicação do CHTS para a tutela –, além de salientar a insuficiência de recursos humanos que afecta o centro hospitalar (leia-se, pediatras), também chama a atenção para a “baixa taxa de internamento” do serviço no hospital de S. Gonçalo.


16

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

economia / ambiente

Estudo de Impacte Ambiental “aprova” barragem de Fridão à cota 160 Consulta pública decorre até 15 de Fevereiro Jorge Sousa | jsousa.tamegapress@gmail.com O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) das duas barragens de Fridão, no rio Tâmega, a montante de Amarante, em discussão pública até 15 de Fevereiro, é “globalmente favorável” à sua construção, do ponto de vista ambiental, consideração que dificultará a posição dos ambientalistas na sua luta contra o empreendimento hidroeléctrico. “Globalmente e tendo em conta as vantagens e desvantagens e os impactes positivos e negativos identificados, a construção do empreendimento é ambientalmente favorável, não se identificando qualquer aspecto crítico relevante que não possa ser minimizável para níveis aceitáveis e controláveis”, apregoa o EIA, elaborado pela empresa AgriProAmbiente, Consultores, SA e aprovado pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que o está a submeter a consulta pública até meados do mês de Fevereiro.

| Impactes negativos | Como referimos no edição anterior, a EDP, que tem a concessão do empreendimento, desistiu de instalar um grupo reversível (que poderia fazer de bomba para levar a água de volta à albufeira depois de turbinada) no escalão principal e também de montar grupos geradores de energia eléctrica no escalão de jusante, uma barragem de menor dimensão – 30 metros de altura – que servirá para modular os caudais turbinados, regularizando o leito do Tâmega sobretudo na zona urbana de Amarante, onde, no verão, funciona uma praia fluvial (apesar de não ser oficial) e circulam embarcações de recreio. Refere o EIA que os impactes negativos mais relevantes “residem na afectação de solos e usos na área a ocupar pelas albufeiras e barragens, e nos impactes socioeconómicos e patrimoniais aí existentes”, bem como na “alteração do rio para um sistema lagunar, com alterações no ecossistema existente que, no entanto, já se apresenta alterado devido à existência da barragem do Torrão a jusante, e à submersão da vegetação e habitats existentes nessa mesma área”. Relativamente aos aspectos positivos do empreendimento, o documento assinala a “maior disponibilidade de água, a produção de energia renovável e limpa,

contribuindo para a redução da poluição atmosférica e o uso turístico e económico da albufeira pelos concelhos a montante da barragem – Celorico de Basto e Mondim de Basto. A equipa que elaborou o EIA realça também as novas acessibilidades criadas pelas duas barragens, em suma, duas novas travessias no rio Tâmega, beneficiando a mobilidade da população das freguesias de Fridão e Gatão, em Amarante e Codessoso, em Celorico de Basto. “Serão [as duas novas estradas, bem como os restabelecimentos de vias] elementos que também contribuirão para o melhor aproveitamento desta oportunidade de desenvolvimento regional e local”, sublinha o estudo. É igualmente valorizado “o elevado impacte positivo no emprego” – estimado em cerca de um milhar de empregos directos no pico da construção (2014) – e a animação da actividade económica dos concelhos envolvidos pela presença muito elevada de trabalhadores durante os cinco anos de construção. A EDP, como assinala o EIA, vai ter de executar um conjunto de medidas compensatórias, nomeadamente “estruturas de valorização recreativas e turísticas a construir nos regolfos dos rios Cabril e Veade com praias, ancoradouros e áreas de lazer”, equipamentos a construir nos concelhos de Mondim de Basto e Celorico de Basto. A hidroeléctrica propõe-se ainda construir uma pista de águas bravas na cidade de Amarante, dotada de condições para a prática de actividades náuticas diversas (em substituição da estrutura de canoagem/águas bravas que a autarquia construiu em Fridão e que vai ficar inutilizada) e repor várias infraestruturas, como praias fluviais, pista de motocross de Celorico de Basto, parque de campismo de Mondim de Basto, áreas de lazer e zonas de pesca desportiva. Apesar de a EDP já ter desistido da cota máxima NPA 165 (Nível de Pleno Armazenamento) em Fridão, o EIA vem também apoiar a opção por uma cota inferior em cinco metros. “A alternativa de cota mais baixa, ao NPA 160, se apresenta como mais vantajosa ambientalmente, não só

porque minimiza impactes negativos significativos, mas também porque potencia de forma mais favorável os impactes positivos do Aproveitamento Hidroeléctrico”.

| Câmara de Amarante promete debate esclarecedor | Entretanto, o

presidente da câmara de Amarante disse ao RM “que promoverá um debate sobre a barragem com pessoas descomprometidas [com a EDP]”, admitindo que pretende realizá-lo até ao final de Janeiro. Armindo Abreu confessou ao nosso jornal alguma dificuldade em encontrar técnicos qualificados que não estejam directa ou indirectamente ligados à empresa concessionária da barragem, mas garantiu que não desiste de realizar esse debate. O debate, ao contrário do realizado há meses, não versará apenas aspectos técnicos da barragem e da sua segurança, mas também os impactes ambientais sobre a região e em particular sobre o curso de água. Devemos salientar, entretanto, que um dos mapas do EIA contém dois erros, no mínimo, “estranhos”: o plano da albufeira do Torrão é apresentado à cota 65, quando desde a sua construção nunca foi além da 62, depois de uma resolução do Governo de então, e também o rio Olo é colocado dentro da alfufeira da barragem de jusante [desagua 400 metros abaixo, directamente no Tâmega], lapso injustificável quando o EIA foi executado por uma das empresas nacionais com mais experiência em estudos de impacte ambiental. Fica uma dúvida: o erro da cota do Torrão e que afectará sobretudo a cidade de Amarante se ultrapassar o nível 62, não esconderá outras intenções da EDP, sobejamente [e historicamente] contestadas pelos amarantinos?


28 Dez a 11 Jan’10

paços de ferreira

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

17

repórterdomarão

Desporto social em Paços de Ferreira envolve milhares de jovens Jogos permitem que atletas não federados prossigam prática desportiva Paula Costa | pcosta.tamegapress@gmail.com

A lista de modalidades é longa e junta desportos muito diversos, alguns até inesperados: boccia, atletismo, pesca, matraquilhos, dominó, futebol ou sueca. Esse leque de desportos e a participação massiva de crianças e jovens contribuem decisivamente para a festa em Paços de Ferreira volte a acontecer na quarta edição dos jogos concelhios. Para a autarquia, os jogos são um exemplo de “verdadeira democratização do desporto para todos independentemente da classe social, género e grupo etário, visando uma melhoria da qualidade de vida e da promoção da saúde”. O calendário de provas começa a 09 de Janeiro e conta com três novas modalidades: mini-pólo, street basket e gira vólei, as duas últimas num espaço aberto ainda por definir.

| Grupo Martins patrocina | A Câmara de Paços de Ferreira espera a participação de 2 200 atletas, número que representa 4 por cento da população do concelho, envolvendo de forma voluntária o movimento associativo e a generalidade das 16 juntas de freguesia, salienta o presidente da Câma-

ra, Pedro Pinto. O Grupo Martins volta a patrocinar os jogos concelhios (fornecendo os equipamentos que vão ser usados pelos atletas), manifestando dessa forma as “preocupações sociais” afirmou Adelino Martins, administrador do Grupo durante a apresentação dos jogos na Câmara de Paços de Ferreira. A quarta edição dos jogos concelhios de Paços de Ferreira tem um calendário pré-definido que se estende até ao Verão. O encerramento vai ocorrer em Julho, mês em que se vão realizar os jogos finais e a

gala que vai decorrer em Sanfins, a freguesia vencedora dos últimos jogos concelhios.

| Clubes e escolas envolvidos |

Para a câmara, os jogos contribuem para a dinamização desportiva e do lazer no concelho de Paços de Ferreira e permitem que atletas não federados prossigam a prática desportiva federando-se, o que resulta numa “boa sobrecarga para os clubes e associações”. Coordenados pelo Gabinete de Apoio ao Associativismo da empresa municipal Gespaços, os jogos concelhios traduzem a política municipal de formação desportiva e são vistos como “uma festa que tem rigor, condições técnicas e disciplina”, procurando proporcionar divertimento e aprendizagem aos jovens atletas. A calendarização de algumas modalidades foi alterada com o objectivo de “as tornar mais competitivas e participativas”, procurando “maior envolvência e visibilidade”. A autarquia procura abranger as escolas, clubes, entidades privadas e associações de todas as freguesias do concelho.


18

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

paredes

Reduzir solidão dos idosos custa 15 euros por mês à Câmara de Paredes Tele-assistência abrange 50 pessoas, mas as necessidades apontam para 300 aparelhos Paula Costa | pcosta.tamegapress@gmail.com

Como a maioria das mulheres do seu tempo Maria Madalena Moreira casou muito jovem, aos 21 anos. Tem 13 filhos, 19 netos, sete bisnetos e três trinetos, mas a imensa prole não lhe diminuiu a solidão, contou a idosa ao Repórter do Marão no dia em que recebeu em casa, na freguesia da Vandoma, o equipamento de teleassistência a idosos, entregue pela Câmara de Paredes. Aos 80 anos, Maria Madalena vive os dias sozinha. Os filhos seguiram as suas vidas. Uns estão mais perto, outros mais longe (na Alemanha). “É a vida!”, desabafa resignada a idosa que ocupa o dia-a-dia de forma distinta consoante o estado do tempo: “Estando sol ainda dou uma volta até lá acima”, diz. Nos dias de chuva, a cama ou a cadeira junto ao aconchego do fogão-a-lenha são poisos certos.

| Experiência arrancou em Vandoma | No concelho de Paredes, Maria Madale-

na Moreira foi das primeiras a receber o equipamento gratuito de teleassistência a idosos, uma medida de acção social que é pioneira na região. Numa primeira fase a autarquia vai entregar 50 aparelhos (25 da empresa Hepphone e outros tantos da Portugal Tele-

com). Nos próximos meses vão ser distribuídos mais 200 aparelhos que se destinam a ajudar “a resolver problemas do dia-a-dia dos idosos mais sozinhos e necessitados”, afirmou o vice-presidente da Câmara de Paredes, Pedro Mendes. Trata-se de uma medida de “combate à solidão”, que é a resposta à constatação de “que era urgente equacionar novas formas de intervenção nesta área”. O equipamento, que custa à autarquia cerca de 15 euros por mês, é accionado por um botão de controlo remoto à prova de água que pode ser colocado num fio ao pescoço (o que permite, por exemplo, ser usado durante o banho), e ao ser accionado faz com que na central de assistência um operador, que tem formação na área, responda à chamada do idoso.

A solidão e até o abandono em que vivem muitos idosos são problemas que resultam da organização social moderna. O serviço de teleassistência pretende minorar os efeitos negativos do isolamento. E, por outro lado, ser também um meio de ajuda em situações de segurança, no caso de ruídos estranhos, ou da presença de intrusos; quando o idoso se sente mal em termos de saúde (numa indisposição ou dor aguda), ainda no caso de haver uma queda ou ferimento, entre outras situações.

| Central acciona meios | Mediante o tipo de emergência, a central de assistência acciona os meios necessários: bombeiros, polícia, familiares ou vizinhos para prestação de auxílio. No levantamento feito pela Câmara de Paredes verificou-se que são cerca de 300 os idosos a precisar deste serviço, mas como há quem não tenha telefone fixo, lembrou a vereadora da Acção Social, Hermínia Moreira, os casos vão ser analisados e por enquanto vai receber o equipamento quem já tem telefone fixo. Depois de ser analisado o “grau de satisfação alcançado” a câmara irá optar por um dos dois fornecedores do equipamento alargando o serviço em 2010.


28 Dez a 11 Jan’10

outras terras

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

19

repórterdomarão

Novo hotel de Mesão Frio já pode avançar

Câmara de Baião criou unidade de biodiesel Foi a “afinidade com Baião” que se manifesta nas visitas regulares que faz ao concelho, onde a pé ou de bicicleta se dedica a conhecer montes e serras, que levou o engenheiro portuense Eduardo Leite a sugerir a criação de uma unidade de produção de biodiesel. A ideia foi apresentada há cerca de três anos e pretendia associar um combustível amigo do ambiente (feito a partir de óleos vegetais usados) às potencialidades naturais características de Baião. A Câmara resolveu avançar com o processo. Resultado: no final de 2009 começaram a circular em regime experimental as três primeiras viaturas movidas a biodiesel. A pequena unidade de produção de biodiesel, que resultou do “processo de parceria e cooperação” com a empresa Enercalis, funciona nos armazéns da Câmara de Baião. Após um demorado processo burocrático, o novo combustível começou a ser usado a dez por cento, misturado com gasóleo convencional. Durante 2010 a percentagem de biodiesel deverá aumentar até aos trinta por cento e a utilização vai ser alargada à restante frota da Câmara, num total de 60 viaturas, incluindo máquinas. As viaturas que estão a ser usadas em sistema de teste estão a ser monitorizadas, explicou Celso Ferreira, engenheiro mecânico da Câmara de Baião, salientando que a nível técnico, à partida, “não haverá contra-indicações” à utilização do biodiesel. O primeiro passo do processo de produção é a limpeza e filtragem dos óleos recolhidos. Depois é feita a substituição da glicerina por outro álcool, o metanol. Uma das vantagens da recolha dos óleos domésticos é evitar serem enviados para a rede de saneamento onde acabam por causar a ruptura e outros danos nas condutas. Satisfeito com o resultado da “preserverança” necessária ao longo do processo que levou à produção de biocombustível, o presidente da Câmara de Baião, José Luís Carneiro, salienta o interesse já manifestado por câmaras de concelhos vizinhos, o que poderia levar a um aumento significativo do biodiesel a produzir pela nova unidade. A venda livre do novo combustível não é permitida. O biodiesel só pode ser usado em veículos a gasóleo de frotas cativas propriedade de empresas, escolas, autarquias ou Instituições Particulares de Solidariedade Social. Cada litro de biodiesel está a ser vendido a 0,84 euros. Se a procura aumentar, poderá haver uma diminuição no preço de venda. Para já oitenta por cento dos custos de produção de biodisel são com a matéria-prima (óleos vegetais já usados) que é recolhida gratuitamente por uma empresa especializada que a vende à Enercalis a 0,30 euros por quilo. Eduardo Leite, que é proprietário de duas pequenas empresas que produzem biodiesel na Suíça e na Roménia, lembra que a produção de sementes “pode ser uma oportunidade para a região”. As sementes de abóbora ou de nabo/nabiça (conhecidas no estrangeiro por colza) são indicadas para a produção deste biocombustível. Paula Costa

O Plano de Pormenor da Rede (PPR) foi aprovado, depois de se arrastar por seis anos impedindo a construção do Douro Marina Hotel, junto ao rio Douro, em Mesão Frio, anunciou esta semana a autarquia. Fonte da Câmara de Mesão Frio disse, em comunicado, que a Assembleia Municipal (AM) “aprovou finalmente”, com 18 votos a favor e duas abstenções, o PPR dando assim o último passo que faltava para a sua publicação final em Diário da República. Segundo a autarquia, com a aprovação deste plano de pormenor, “os promotores do Douro Marina Hotel têm assim via aberta para iniciar o empreendimento”. O PPR estabelece novas regras de construção na Rede, junto ao rio Douro, potenciando uma melhor integração paisagística das novas construções mediante o uso correcto de materiais, requalificação dos espaços públicos em geral, dotação de todas as edificações de infraestruturas básicas e criação de condições favoráveis a investimentos privados no pa-

trimónio edificado actual. O plano nasceu do interesse do empresário Mário Ferreira, proprietário da Douro Azul, em construir no lugar da Rede um empreendimento de luxo e um campo de golfe, tendo este projecto sido classificado como Projecto de Interesse Nacional (PIN), pela Agência Portuguesa para o Investimento. Posteriormente o projecto foi adquirido, conjuntamente com os terrenos e o Solar da Rede, pela CS Hotéis, que reformulou o projecto para ser integrado no PPR. O presidente do grupo CS Hotéis, Carlos Saraiva, já disse que o Douro Marina Hotel vai começar a ser construído em 2010. O CS Douro Marina Hotel, que terá 175 quartos, SPA, piano bar, restaurante gourmet e um campo de golfe com 18 buracos espalhados pelas duas margens do rio, representa um investimento de 54,5 milhões de euros e vai criar 175 postos de trabalho.


20

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

outras terras

Autarcas do PSD viabilizaram orçamento socialista em Amarante

Plano Estratégico de Mobilidade prevê novos parques em Penafiel O Plano Estratégico de Mobilidade da Cidade de Penafiel para os próximos dez anos prevê a construção de quatro parques de estacionamento público: o siloauto, junto à Rua Relógio do Sol, dois parques periféricos à cidade e outro de apoio ao pavilhão de feiras e exposições. O Plano foi publicamente apresentado e a autarquia espera contributos, críticas e sugestões da sociedade civil. “O espaço público é para todos”, afirmou Alberto Santos, presidente da Câmara de Penafiel ao propor a reflexão e participação de cidadãos, políticos, associações num “plano dinâmico” que contou com a “intervenção transversal de toda a câmara”. Apresentado sob a forma de livro (com cerca de 150 páginas), o Plano Estratégico de Mobilidade de Penafiel é o primeiro da região Norte e o segundo a nível nacional. O que, para o presidente da Câmara, vem confirmar que Penafiel é uma “cidade pioneira nestas matérias da mobilidade”. As políticas que têm sido implementadas no concelho seguem as tendências modernas “de integração social através da mobilidade”, disse Alberto Santos na cerimónia em que esteve o galego Xoán Vázquez Mao, secretário-geral do Eixo Atlântico, organização a que pertencem 34 cidades da Galiza e do Norte de Portugal. “ Os planos de mobilidade são instrumentos que

Jorge Manuel Costa Pinheiro

Comércio de todo o tipo de material de escritório Rua Teixeira de Vasconcelos - Amarante

Telef. 255 422 283 * Telem. 917 349 473

nós [Eixo Atlântico] prevemos, defendemos e consideramos fundamentais ”, explicou Xoán Mao frisando que “não se pode fazer uma cidade contra as pessoas”. O envolvimento dos vários agentes sociais é fundamental para evitar a perda de sinais de identidade e mesmo a morte das cidades. Referindo-se às orientações da União Europeia para o período 2014-2020, Xoán Mao afirmou que o que vai acabar “são os fundos para o cimento”. O financiamento para projectos de inovação, desenvolvimento social e desenvolvimento sustentável, “esses não acabam” assegurou em Penafiel o secretário-geral do Eixo Atlântico. Por se tratar de “matéria transversal” a mobilidade tem ligações muito próximas a áreas como o saneamento, obras municipais, turismo, tratando-se por isso de “uma matéria estruturante para o desenvolvimento de uma cidade”, considerou Paula Teles, vereadora do pelouro da Mobilidade da Câmara de Penafiel e especialista nesta área. O Plano Estratégico de Mobilidade de Penafiel dá a conhecer as principais orientações e medidas propostas nas áreas da circulação rodoviária, estacionamento, transportes públicos, e nas redes pedonal e ciclável (utilização de bicicleta). P.C.

Alguns presidente de junta eleitos em lista social-democrata estragaram sábado passado a estratégia do PSD na última assembleia municipal de Amarante e viabilizaram o orçamento aprovado anteriormente pela maioria socialista. Os vereadores do PSD já tinham votado contra o orçamento em reunião do executivo e a expectativa de os documentos previsionais serem chumbados no órgão deliberativo, de maioria laranja, permaneceu durante toda a sessão. Na contagem dos votos, contudo, registaram-se três abstenções (duas delas também de autarcas de freguesia), 38 votos contra (PSD) e 39 a favor. A principal crítica do PSD ao orçamento socialista é a falta de protocolos com as juntas de freguesia (como se verificou em anos anteriores), mas o presidente da Câmara argumentou que não há, em 2010, condições financeiras para o fazer. “Não proporei nenhum protocolo para juntas e não me vão obrigar a fazer propostas que eu sei que não posso cumprir”, sustentou Armindo Abreu.

Pires Cabral ganha prémio de poesia O escritor António Manuel Pires Cabral venceu o Prémio de Poesia Luís Miguel Nava 2009 com o livro “As Têmporas da Cinza”. Para o júri, de que fizeram parte Carlos Mendes de Sousa, Fernando Pinto do Amaral, Gastão Cruz, Luís Quintais e António Carlos Cortez, “a limpidez e a precisão da escrita de A. M. Pires Cabral, a sua penetrante e austera visão dum mundo cuja expressão encontra numa espécie de imitação da terra o modelo para uma linguagem poética de invulgar intensidade” fazem do autor “um dos casos mais representativos da nossa melhor poesia contemporânea.» Nascido em Chacim, Macedo de Cavaleiros, em 1941, A. M. Pires Cabral é licenciado em Filologia Germânica pela Universidade de Coimbra e foi vencedor por unanimidade do Prémio D. Dinis 2006, atribuído pela Fundação Casa de Mateus pelos seus livros “Douro: Pizzicato e Chula” e “Que Comboio é Este”. Em 1983 tinha ganho o Prémio Círculo de Leitores com o romance “Sancirilo”. A. M. Pires Cabral é cronista regular do Repórter do Marão, onde assina “Cesto da Gávea”.

Dívida vai condicionar por muitos anos desenvolvimento no Marco de Canaveses O orçamento da Câmara do Marco de Canaveses para 2010 ronda os 28 milhões de euros e foi aprovado por maioria pelo PSD, quer na Câmara quer na Assembleia Municipal. A oposição votou contra ou absteve-se. Comparativamente a 2009, o investimento vai diminuir 28 por cento, facto que o presidente da Câmara, Manuel Moreira, explica, em parte, com o aumento da despesa com a amortização do empréstimo de 45 milhões de euros contraído pelo executivo que cessou funções em 2005. Apesar dos constrangimentos financeiros, a Câmara prevê gastar em 2010 cerca de três milhões de euros em obras, com destaque para o início do processo de requalificação urbana.


28 Dez a 11 Jan’10

nordeste

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

21

repórterdomarão

Formação em primeiros socorros para apoiar idosos nas aldeias de Bragança Iniciativa é do Centro de Saúde e da Cruz Vermelha Em três aldeias do concelho de Bragança há pelos menos uma pessoa com conhecimentos para prestar primeiros socorros e poder acudir, sobretudo a idosos que vivem sós e com dificuldade de acesso aos serviços de saúde. A iniciativa é da Cruz Vermelha e do Centro de Saúde de Bragança que esperam por mais meios financeiros e humanos para fazerem funcionar o projecto em pleno e alargá-lo a todas as aldeias do concelho. Para já, há 26 socorristas em Gondesende, Parâmio e Espinhosela, no âmbito do projecto formação de socorristas na área rural. Maria Emília Pires e Teresa Diz fazem parte do grupo e mais de um ano depois de receberem formação dão “Graças a Deus” porque ainda não precisam de aplicar os conhecimentos. “É bom sinal”, dizem, mas elas, funcionárias do centro de dia de Espinhosela, mais do que ninguém reconhecem a importância desta iniciativa porque lidam com idosos. Distribuem todos os dias pelas localidades da freguesia e vizinhas o almoço a utentes que vivem sós, sem condições de se deslocarem e com muitas necessidades de acompanhamento. Acreditam que ficaram com “algumas luzes” para

saber identificar o estado da vítima, como abordá-la e tratá-la até chegar o apoio necessário. “É difícil dizer sem ver. Se nos aparecer um caso, se calhar vamos ficar todas atrapalhadas, mas vamos ver”, confessa Teresa. Quem não tem dúvidas da importância desta formação é Abílio Rodrigues, da direcção do centro de dia de Espinhosela, embora corrobore que “ainda não precisaram de utilizar os conhecimentos”. Para além da formação, foi também entregue a cada freguesia uma mala de primeiros socorros com diverso material como compressas, luvas, gaze, betadine, e aparelhos para medir a tensão arterial e glicemia. A de Espinhosela encontra-se na sede da freguesia e ainda não foi utilizada de emergência, mas já serviu de apoio aos peregrinos da romaria de Santa de Rita. O presidente da junta, Telmo Afonso, é enfermeiro e entende que seria “mais útil” entregar a cada socorrista um kit para poder utilizar quando necessário. Aplaude a iniciativa e defende mesmo que “toda a gente devia ter formação de primeiros socorros”. O “presidente-enfermeiro”, eleito nas últimas autárquicas é agora “o doutor” para muitos dos fregue-

ses como o casal José Afonso e Laurinda Gil que, com mais de 80 anos, bem sabem “o que custa ter de ir a Bragança”. Eles ainda podem deslocar-se em viatura própria, mas outros esmorecem perante a dependência dos transportes públicos e as voltas que têm de dar na cidade para ir ao centro de saúde. Os idosos, sobretudo do meio rural, são a principal preocupação da delegação de Bragança da Cruz Vermelha, como disse à Lusa o presidente Joaquim Queirós. A direcção está apostada em dinamizar iniciativas para preencher o tempo destas pessoas e em conseguir apoios, nomeadamente financeiros para dar continuidade ao projecto dos socorristas. De apoios está também dependente outro projecto para a criação de uma loja do cidadão móvel que leve às aldeias serviços como pagamentos automáticos de facturas.

Formados 26 socorristas para três freguesias da área rural.


22

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

nordeste

Empresário promete parque ecológico em Vila Real Investimento previsto é de 10 milhões de euros e pode criar até 100 postos de trabalho directos Um empresário de Vila Real promete construir o primeiro parque ecológico de Portugal, reunindo parques de campismo, aquático, aventura, pistas de gelo e quinta pedagógica, num investimento de 10 milhões de euros, adiantou à Lusa. O “Natur Water Park” – Parque de Diversões do Douro, que poderá criar até 100 postos de emprego directos, é uma ideia do casal Ana Fátima Anjo, 34 anos, e Eduardo Rodrigues, 37 anos, que se arrasta há já seis anos mas que só agora reuniu as condições para começar a ser construído, na zona de Andrães, nos arredores da cidade de Vila Real.

| Área de 15 hectares | O empresário Eduardo Rodrigues disse à agência Lusa que o “primeiro parque ecológico do país” vai ocupar uma área de 150 mil metros, ao longo dos quais vão ficar dispersos um parque de campismo de quatro estrelas com uma capacidade para 150 lugares. Haverá ainda um parque aquático com diversas piscinas e capacidade para 2.000 pessoas para o Verão e uma pista de gelo para o Inverno. Estas estruturas estarão concluídas na primeira fase do projecto que, segundo o empresário, tem abertura prevista para Junho de 2011. Um ano depois, deverá estar pronto o parque aventura, com as mais diversas actividades, e uma quinta pedagógica, uma espécie de zoológico com animais de quinta. A tudo isto juntam-se ainda campos de golfe

e de ténis, sala de jogos, supermercado ou a venda de produtos regionais. A parte ecológica vai ser consolidada com o recurso à produção de energias renováveis, como a solar, e a reciclagem das águas para rega e autoclismos dos sanitários. Durante a construção serão ainda utilizados materiais biodegradáveis. Quando estiver em pleno funcionamento, o “Natur Water Park” vai dar emprego a 100 pessoas diariamente, mas, segundo o responsável, o projecto vai criar 500 postos de trabalho indirectos.

| Mercado do Norte mas também da Galiza | Eduardo Rodri-

gues salientou ainda que está a ser dada prioridade às empresas da região para a construção do projecto, recorrendo apenas a uma empresa espanhola para o fornecimento dos equipamentos. A aposta vai ser feita nos mercados espanhol, francês, inglês, italiano e alemão, precisamente as línguas em que o site na Internet (www.naturwaterpark.pt) do parque vai estar traduzido. Eduardo Rodrigues referiu que projecto vai custar 10 milhões de euros e possui uma comparticipação de fundos comunitários na ordem dos 50 por cento. Referiu ainda que a ideia nasceu da constatação de que “não há nenhum equipamento do género ao longo de uma área que vai desde o Porto até à Galiza, em Espanha”.

Condecoração para o Pe. Fontes Um grupo de amigos do sacerdote transmontano Padre Fontes está a organizar na internet uma petição em defesa da atribuição de um dos graus das Ordens Honoríficas Portuguesas por parte do Presidente da República. O sacerdote é conhecido pela organização do Congresso de Medicina Popular de Vilar de Perdizes. Segundo os organizadores, a inicitiva já recolheu depoimentos de pessoas das mais diversas áreas, desde o meio académico, religioso ou político, até de admiradores do Padre Fontes provenientes da Galiza. Segundo o texto da petição, publicado no endereço www.peticaopublica.com, os subscritores consideram que seria “justo e merecido” que Cavaco Silva lhe atribuísse um dos graus das Ordens Honoríficas Portuguesas. Os impulsionadores da iniciativa enaltecem as iniciativas e actividades que, “ao longo de toda a sua vida, o padre António Lourenço Fontes, de Vilar de Perdizes, levou a efeito em prol da defesa das tradições sociais e culturais de Trás-os-Montes, em geral, e dos usos e costumes de Barroso, em particular, atraindo meios académicos e mobilizando a imprensa nacional e internacional para dar visibilidade à sua região”. António Fontes nasceu em Cambezes do Rio, em 22 de Fevereiro de 1940, tendo ingressado no Seminário de Vila Real em 1950, de onde saiu em 1960. Foi ordenado sacerdote em 1963. O sacerdote ficou conhecido pela organização do Congresso de Medicina Popular de Vilar de Perdizes, onde em Setembro se junta o sagrado ao profano e se reúnem curandeiros, bruxos, adivinhos ou ervanários. Os amigos do sacerdote salientam a sua “obra social” na ajuda a muitas famílias da região, ainda a sua obra literária ou no conhecimento e preservação de ervas e chás da região, muito procurados para combater as mais diversas doenças. As assinaturas serão posteriormente remetidas ao Conselho de Ministros, a quem cabe depois propor o reconhecimento à Chancelaria das Ordens.


28 Dez a 11 Jan’10

património

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

23

repórterdomarão

Museu Abade de Baçal Situado no centro histórico de Bragança, apresenta um grande espólio de arqueologia e numismática

É no centro histórico de Bragança, no antigo Paço Episcopal, edifício do século XVIII, que se situa o Museu Abade de Baçal. O espaço foi alvo de sucessivas remodelações, a última das quais da autoria dos arquitectos António Portugal e Manuel Maria Ramos. O acervo original do Museu era constituído por colecções de arqueologia, numismática e peças que pertenciam à diocese e estavam no Paço Episcopal de Bragança. O Museu Abade de Baçal foi fundado em 1915, então com a designação de Museu Regional de Obras de Arte, Peças Arqueológicas e Numismática de Bragança. Em 1935, data da jubilação do Abade de Baçal, nome por que ficou conhecido o padre Francisco Manuel Alves (1865-1947), passa a designar-se Museu Abade de Baçal, em homenagem ao padre que se dedicou à recolha e investigação etnográfica e histórica e que foi também director do Museu entre 1925 e 1935. Para o Instituto de Museus e da Conservação, foi de grande importância para o Museu o trabalho de Raul Teixeira, director do Museu do Abade de Baçal entre 1935 e 1955. Raul Teixeira foi “grande impulsionador da cultura da região e defensor do seu património”, tendo desempenhado “um papel decisivo na projecção do Museu e na angariação de parte significativa do seu acervo”, sobretudo pelas “excelentes relações que tinha junto dos meios culturais e artísticos da época”. Ao longo dos anos as colecções foram aumentando, especialmente com as dádivas de Abel Salazar e da família Sá Vargas nos anos 30, o legado de Guerra Junqueiro, nos anos 50 e o de Trindade Coelho no início dos anos 60 do século XX.

Redacção | tamegapress@gmail.com | Fotos M.A.B.

Actualmente, o Museu Abade de Baçal reúne um conjunto ecléctico de colecções, com obras de grande valor documental, artístico e histórico. As principais colecções que integram o acervo do museu são de Arqueologia, Epigrafia, Arte Sacra, Pintura, Ourivesaria, Numismática, Mobiliário e Etnografia. Da colecção de pintura fazem parte quadros de Malhoa, Abel Salazar e um conjunto de cerca de 70 desenhos de Almada Negreiros, escultura, ourivesaria e mobiliário. O espólio do Museu foi sendo gradualmente enriquecido através de doações, legados e aquisições. Uma importante colecção de máscaras transmontanas foi adquirida em 2001. Marcos miliários e peças de cerâmica do período romano, ourivesaria e mobiliário dos séculos XVIII e XIX, e uma escultura quatrocentista da Virgem com o Menino, estão entre as peças que justificam uma visita. O Museu Abade de Baçal está aberto ao público de terça a sexta-feira das10:00 às17:00. Ao sábado e domingo, entre as 10:00 e as18:00. Encerra à segunda-feira e nos feriados de 1 de Janeiro, domingo de Páscoa, 1 de Maio e 25 de Dezembro. O bilhete normal de ingresso custa dois euros. Professores dos vários graus de ensino, reformados e jovens entre os15 e os 25 anos pagam um euro. Portadores do Cartão jovem, 0,80 euros. Crianças até aos 14 anos entram gratuitamente. Aos domingos e feriados até às 14:00 a entrada gratuita. Além de um serviço educativo, o Museu Abade de Baçal disponibiliza visitas guiadas a grupos organizados (a partir de 25 pessoas).


24

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

opinião

Que podemos esperar de 2010

N

ão se esperam facilidades nos tempos mais próximos, nem creio, motivo para grandes sorrisos.

Os Portugueses sentem todos os dias a crise, que é profunda e teima em não se afastar de nós. Diariamente tomamos conhecimento de empresas a despedir trabalhadores. Empresas que encerram aqui, para abrir, mais a leste, porque o custo de mão-deobra é 50% mais baixo na Eslováquia e 80% mais baixo na Bulgária e Roménia, do que em Portugal. A taxa de desemprego já chegou à barreira psicológica dos dois dígitos. Portugal continua a crescer menos do que a União Europeia, divergindo, cada vez mais, dos nossos parceiros Europeus. Continuamos a cavar o nosso empobrecimento. Os relatórios do Banco de Portugal dão-nos conta que o País perde quota de mercado nas exportações. Sem exportar, não criamos riqueza e não seremos competitivos com os nossos parceiros comerciais. Um número significativo de famílias, outrora denominada de “classe média”, vive hoje com enormes dificuldades, e muitas destas, abaixo do limiar da pobreza. Temos hoje uma nova pobreza: A daqueles que sentem vergonha social por terem caído em tal situação e que por isso a escondem. Os impostos, dizem os especialistas vão ter de aumentar e a despesa pública, apesar de todas as pro-

obstáculo à competitividade nacional, quando nos comparamos com os empresários espanhóis ou franceses, as taxas do IVA, a carga fiscal ou a legislação laboral nacionais, são factores que tornam muito difícil a competitividade, obrigando muitos dos nossos empresários a procurar a produção além fronteiros.

messas, continua descontrolada e a crescer. Continuamos a ter despesa a mais. O País gasta mais do que pode e o Estado continua a gastar mais do que deve. O aumento dos impostos, a acontecer, para além de não resolver o problema das finanças do Estado, que é estrutural, vai agravar ainda mais a vida das empresas, obrigando-as, nuns casos, a fechar as portas e, noutros, a saírem de Portugal.

Em 2010 os Portugueses vão continuar a viver em crise e a arcar com mais sacrifícios, sem qualquer esperança de melhoria de vida. Em 2010, o governo, agora sem maioria parlaÉ inaceitável exigir mais sacri- Carlos Sousa Pinto mentar, não vai além do “serviço mífícios aos portugueses. Cobrar-lhes Penafiel nimo”, gerir apenas “o prejuízo”, à mais impostos, sem que o Estado imponha a si próprio regras de contenção, cortando des- espera de uma vaga de fundo ou uma qualquer despesas onde podem e devem ser cortadas, diminuindo culpa que lhe permitia vitimizar-se e provocar eleio peso e as funções do Estado, dando mais espaço à ções antecipadas à espera de uma nova maioria absoluta. E para depois governar o quê, e como? Para Sociedade. governar como o fez nos últimos 5 anos? Ou terá, fiPortugal continua sem rumo, sem norte, com me- nalmente esse governo, seja ele de que partido for, didas ao acaso, na maioria das vezes em função dos ca- abençoado pelos Deuses, coragem para tomar as melendários eleitorais e dos seus interesses partidários. didas que os especialistas reputam como necessárias Enquanto outros países têm uma politica económica e imprescindíveis e que nos permita acalentar a espevoltada para a produção, para o crescimento económi- rança, a única que nos resta, que Portugal ainda pode co e do tecido empresarial, com apoios reais às expor- ter futuro. tações, Portugal continua a virar as costas ao empreCom este pessimismo para 2010, pensemos então endedorismo nacional, sem criar mecanismos legais no que poderá ser 2011. E se podermos, saltemos de que os torne mais competitivos internacionalmente. ano. Poupávamos, todos, um ano de sacrifício. Até lá, e dentro do possível, endereço a todos voPara além do factor geográfico, que à partida é um

Eleições, pesos e medidas (2)

N

ão é novidade para ninguém, penso eu, que muitas vezes as palavras proferidas a quente, como se costuma dizer, ultrapassam o que se quer transmitir como mensagem. Todos nós teremos telhados de vidro nessa matéria. Mas não deixa de ser também verdade que há quem se aproveita do facto de se poder aproveitar dessa desculpa para proferir frases insensatas, embebidas muitas vezes de segundos sentidos ou até insinuações que em condições normais não teriam a coragem, ou disfarce de soltarem cá para fora… Há contudo ocasiões onde esse fenómeno acontece e, convenhamos, nem sempre com más intenções… O exemplo que me vem à mente nesse aspecto são os panegíricos que se ouvem aquando do desaparecimento de alguém que se considera que deve ser elogiado: do pecador se faz um santo, do mentiroso, o exemplo de rigor, etc. Mas sem dúvida que as ocasiões por excelência para esses desvarios são os períodos eleitorais. Tudo é permitido, da provocação à afirmação dúbia, do elogio oco à descoberta de qualidades que nunca ninguém tinha vislumbrado, ou pior ainda, na desvalorização gratuita do adversário, como se todas as virtudes só pudessem estar dum lado… Há também o frequente emprego de vocábulos

desvirtuando, ou abusando do seu verdadeiro significado. Foi o caso nas passadas autárquicas, com a palavra ‘peso’. Etimologicamente essa palavra tem dois significados principais: o que resulta da força da gravidade, com algumas declinações mais ou menos lógicas, e no sentido figurado mas amplamente usado, que é de influência, autoridade, sensatez, notoriedade. Claro que estas noções são subjectivas e consequentemente muitas vezes não consensuais. Daí o cuidado que se devia ter Luís Magalhães quando se pretenEngenheiro de ‘avaliar pesos’. Por isso achei altamente deselegante um comentário veiculado pelo JN onde se pretendia comparar pesos entre os dois candidatos à Presidência da Assembleia Muni-

cipal de Amarante. Claro que já devíamos estar habituados a essas ‘derrapagens verbais’, mas ainda assim dizer que «Amarante perde em termos de representatividade porque tal candidato tem um peso em Amarante que o opositor (que afinal ganhou por margem confortável) não tem». Ligam-me aos dois então candidatos sólidos laços de amizade e consideração forjados noutros campos, e por isso estou à vontade neste caso para emitir a minha opinião que é de ter sérias e fundamentadas dúvidas nesse julgamento, no mínimo, repito, deselegante e altamente duvidoso. Não será aliás, longe disso, a opinião generalizada, até pela actividade profissional pelos dois exercida, com alta e reconhecida qualidade, mas uma mais ‘abrangente’ e geradora da tal noção de peso no sentido de “influência” ou “notoriedade”… E que dizer da publicidade feita a um grupo, e passo a citar, de «figuras de peso de Amarante que apoiam» determinada candidatura… Duvido que tenham sido os próprios, «que circunstâncias da vida levaram a outras paragens (…) mas sempre com Amarante no coração» que se tenham ‘auto- pesado’, até porque, nos casos que conheço, são pessoas de sensatez.


28 Dez a 11 Jan’10

opinião

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

Ser cuidador de doentes terminais O

f enómeno do envelhecimento, o doente terminal carece à mesma de as múltiplas formas de apoiar cuidados de saúde mas precisa de cuios seniores e os cuidados com dadores e cuidadoras que lhe ajudem doentes terminais ganharam amplitu- a saber franquear a passagem da vida de já que a dependência, o carinho com para a morte. o doente sénior, a medicina do bom en“Caminhando com Doentes Tervelhecimento, os cuidados geriátricos, minais”, por Joyce Rupp e Joyce Hupor exemplo, estão em permanente tchison (Editora Sinodal, distribuíadaptação. da em Portugal pela Editora Vozes) é Os serviços de proximidade têm um pungente e experimentado relato constituído uma alternativa útil aos acerca da nossa caminhada final. Ser cuidados familiares (mesmo quando se cuidador destas pessoas pressupõe um tornou proverbial existirem famílias de investimento afectivo fortíssimo, uma quatro gerações obrigadas a reexami- grande preparação e disponibilidade. nar as relações dentro da esfera desse A obra acolhe diferentes relatos grupo), dão apoio e conforto ao sénior, de coragem e consolo e mostra como prestando-lhe por vezes cuidados con- por vezes a simples presença de altinuados e nalguns casos até cuidados guém pode capacitar o paciente termiterminais. O envelhecimento activo, nal a vencer as suas angústias e prepor outro lado, tem sido uma resposta conceitos. Um cuidador tanto pode ser a este envelhecimento demográfico em um profissional de clínica ou hospital que os seniores não como qualquer mempodem ficar sem présbro da família. Os astimo e exclusivamensistentes sociais ajute entregues à Segudam os doentes e as rança Social. Por isso, famílias a lidar com o se procura incentivar stress emocional e teo sénior a estar ocupamos evidentemente a do muito para além do questão delicada dos tempo da reforma e a aportes morais e resaber envelhecer meligiosos já que camilhor prestando sernhando para a morte viços sociais e dando a despedida tem semsolidariedade aos oupre um determinatros. Os auto-cuidados do sentido ou é aceite e a vida activa podem sem sentido. No funBeja Santos contribuir para envedo, o cuidador encoAssessor Inst. Consumidor lhecer melhor e cada raja o doente terminal vez mais lentamena descobrir um deterte. Não é novidade para ninguém que minado sentido para o fim da vida, liagora aos 60 anos podemos ainda pen- berta ansiedades, orienta o sofrimensar em ter 20 a 30 anos de vida autóno- to para o amor de Deus, reforça a fé, ma. Hoje, a resistência dos seniores, 75 toma a família do doente terminal coanos, é proporcional à resistência dos esa, esbate ressentimentos, faz revelar seniores de 60 anos do século XIX. Mas segredos, fomenta dádivas de humor, também sabemos que o nosso corpo e unindo ainda mais aqueles que julgamente não envelhecem de uma só vez vam que só havia vida até que a mormas em peças separadas. Daí, as estra- te os separasse. tégias de prevenção de envelhecimenNão se esconde que este livro de to terem obrigatoriamente um forma- coragem e consolo para cuidadores to personalizado. não esteja dominado por uma tóniA despeito deste envelhecimento ca ética e religiosa, porque o está. São activo e de uma longevidade franca- histórias comoventes, que falam na esmente mais saudável, até uma doen- perança do amor divino. Mas igualça precoce pode derrubar um sénior mente são relatos cheios de alegria cheio de sonhos. O aspecto que pre- que nos conclamam a termos esperantendemos agora focar tem a ver com ça e paz nos momentos dolorosos da os doentes terminais (aqueles que, fru- partida, nossa ou dos entes queridos to de uma doença terrível, aguardam que nos rodeiam. uma morte inexorável, com ou sem Para muitos este livro será uma quimioterapia, ou cujo definhamen- bênção. E nenhum cuidador de doento seja igualmente irreversível). Es- tes terminais ficará indiferente a estes tes doentes terminais eram acompa- relatos. Por isso propomos esta leitura nhados no passado por profissionais sem hesitar, independentemente da fé de saúde e familiares cuidadores. Hoje de cada um.

25

repórterdomarão

Uma prenda com História E

ra um homem sempre sorridente, sempre com um gesto simpático, na casa dos 60 e picos, com traços bem compostos, ex-combatente, ex-emigrante, um bom conversador. Era um “expert” na sueca, lembro-me de o ouvir dizer, “nunca perco, simplesmente posso ficar em segundo”. Era o meu bom amigo Sr. Fernando. Ao ver a sua fotografia no Jornal, vi que tinha falecido. Recordei então o momento em que ele me ofereceu uma prenda. A prenda era um livro que tinha em sua posse há muitos anos e, atendendo a que não tinha filhos, considerou ser eu a pessoa ideal para ficar com ele. O gesto emocionoume e responsabilizou-me. O livro é de facto uma obra única, datado de 1802. Tem, portanto, 207 anos e o autor é, simples-

Hernâni Pinto Marco de Canaveses

mente, Bocage. Do livro retiro algumas quadras que passo a transcrever na íntegra, pois considero que possuem um mensagem sempre actual.

“O ELEFANTE, E O BURRO” X No tempo, em que inda fallavão Os animaes como a gente, He tradição que tiverão Conferencia em caso urgente.

Depois de lhe ter ouvido Alguns conceitos de arromba, O carrancudo elefante Lhe disse, torcendo a tromba:

O burro, que, não sei como, Se introduzio no conselho, Quis, fingindo-se estadista, Tambem metter seu bedelho.

“ Esse tempo, que tens gasto “ Inutilmente em clamar, “ Insensato, não podias “ Aproveitallo em pastar?

Eis n`um tom, que differia Bem pouco do que hoje he zurro, Foi revolvendo a questão, Discreteou como hum burro.

“ Vens affectar eloquencia, “ Animal servil, e adjecto! “ Hum tolo nunca he mais tolo, “ Que quando quer ser discreto. In Rimas de Manoel Maria De Barbosa Du Bocage, Dedicadas A’ Amizade

Escolhi esta rima porque me faz lembrar as histórias do Sr. Fernando com a subtileza e ironia a elas adjacentes. Como tal, resta-me fazer neste Natal o que ele gostava, um BRINDE À VIDA!


26

28 Dez a 11 Jan’10

repórterdomarão I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I

crónica|diversos

António Mota

Maria e José Este é último Natal, José Manuel. Juro que este é último ano que vou à tua terrinha passar o Natal . Estás farto de saber, José Manuel , que eu sempre fiz esse sacrifício por causa das meninas. Aquilo é um frete de todo o tamanho. Ai, José Manuel aquilo é um suplício que dura há tanto tempo e custa tanto a passar. Todos os anos, mal vem o Dezembro, lá começas tu com a ladainha: temos de lá ir, temos de lá ir, se não parece mal, é feio, é muito desagradável. E todos anos, para que não pareça mal, e para que reine a paz na tua família, eu, que detesto aquela casa, aquela terra e aquela gente, tenho de sair de minha casa, tenho de me meter num carro que nos leva por aquelas curvas e contra-curvas que me fazem uma dor de cabeça horrorosa e põem as meninas enjoadas. A mais nova, coitadinha, fica tão mal que só não vomita as tripas porque não pode. É bem desgraçada a terra onde nasceste, José Manuel. É fria, é desagradável, nos caminhos há montanhas de bosta das vacas, ou dos bois, ou das cabras, ou esses animais todos, e cheira mal. É bem atrasada a terra onde nasceste, José Manuel. Sinceramente, não consigo perceber como é que tu ainda gostas disto. Impressionante, sinceramente. Eu quando ponho os pés naquele chão fico logo a tremer de frio. E a casa dos teus pais é tão fria, é tão antiga, é tão desagradável. Cheira a mofo e a naftalina, e a velas acesas, é um cheiro estranho. E o quartinho onde nós ficamos naquela noite é tão pequenino, tão húmido, tão frio. Um horror. Eu chego lá e as tuas irmãs põem-se a olhar para mim de esguelha, manhosas, muito caladas, cochicham nas minhas costas, sorriem umas com as outras, e eu bem percebo que estão a gozar com a minha roupa, com os meus sapatos muito caros, com o corte e a cor do meu cabelo, com a minha maneira de estar. Dá-me vontade de lhes dizer; não cochichem que parece mal, os vossos sorrisos estoiram-me com os nervos. Por vossa causa, suas tontas, vou ter de tomar um valium para cair na cama e dormir como uma pedra.

Eu sei que estão nos vossos terrenozinhos patuscos, eu sei que estou a mais no vosso castelo, eu sei que não gostam de mim porque ganho bem, vivo bem, faço férias onde quero, já estive no México, em Cuba, no Brasil, na Tunísia, em Cabo Verde, no Dubai. E viajo sempre em executiva, porque tem outro conforto, muito mais espaço para estender as pernas, mais classe. E tenho um carro que arranca suspiros a muita gente. Entro naquela casinha e penso para os meus botões: que estás aqui a fazer, Maria! Vai embora, Maria. Mas nunca vou, por causa das meninas conhecerem alguma família. Por isso ali fico à espera que o tempo passe. Sorrio para toda a gente, tento ser prestável, muito educada, mostrar-me atenta e interessada. O que aquela gente papagueia. Falam de coisas que não me interessam, que nem conheço. Depois, sentam-se à mesa, enchem os pratos até ao tecto, e comem como alarves, e bebem como esponjas. Cada vez falam mais alto, bebem vinho do Porto, bebem champanhe, bem whisky, bebem bagaço, e voltam a comer e voltam a beber, e depois arrotam, riem-se muito, e mostram os dentes cariados. E se eu não te beliscasse tu fazias o mesmo, voltas a ser troglodita. As meninas olham para mim, e eu mando-lhes um sorriso. Elas, como são inteligentes, entendem muito bem que lhes estou a dizer para terem paciência. Faltam poucas horas para que tudo volte à normalidade. anttoniomotta@gmail.com

Fico à espera que o tempo passe. Sorrio para toda a gente, tento ser prestável, mostrarme atenta e interessada. O que aquela gente papagueia. Falam de coisas que não me interessam, que nem conheço.

Acordo Ortográfico - O hífen, os acentos, as duplas grafias Das muitas alterações constantes do Novo Acordo Ortográfico, as que respeitam ao hífen figuram entre as mais vezes citadas, com destaque para o «desbaste» a que é sujeito nas formas monossilábicas do presente do indicativo do verbo haver. Hei de, há de, hás de e hão de são as novas grafias daquele que é talvez um dos mais maltratados verbos da língua portuguesa. Ocorre perguntar porquê o corte do hífen? Ajudará a pôr cobro a atropelos do tipo «hádes» (em vez de hás-de) ou «hádem» (no lugar de hão-de)? Nada disso. A razão, como se lê na Nota Explicativa do Acordo, é a seguinte: «nestas formas verbais, o uso do hífen não tem justificação, já que a preposição ‘de’ funciona ali como mero elemento de ligação ao infinitivo com que se forma a perífrase verbal (cf. hei de ler, etc.), na qual ‘de’ é mais proclítica do que apoclítica». Não é tudo: o hífen cai mais vezes. Cai, por exemplo, quando o prefixo de uma palavra termine em vogal e o elemento seguinte comece por r ou s - casos em que se dobra a consoante (contrarregra, semirracional, microssistema) - e cai quando o prefixo termina em vogal e o elemento inicial da segunda palavra é uma vogal diferente (antiaéreo, extraescolar). Mas não cai sempre. Continua, por exemplo, com a abóbora-menina, a erva-doce, o bem-estar, a sem-cerimónia, o pé-de-meia... Também muito citadas, pelo seu «peso» no Acordo, têm sido as consoantes mudas ou não articuladas, c e p, em sequências consonânticas como cc, cç, ct, pc, pç, pt. Há quem fale de «massacre» para qualificar a razia a que são sujeitas. E há quem a este argumento contraponha o de «limpeza», de «cosmética» pura e simples. Na verdade, há, no tratamento aplicado, soluções «para todos os gostos e dizeres». Assim:

1 - Conservam-se «nos casos em que são invariavelmente proferidas nas pronúncias cultas da língua» (ex: compacto, friccionar, pacto, adepto). 2 - Saem de circulação «nos casos em que são invariavelmente mudas nas pronúncias cultas da língua» (abstracionismo, otimismo, objeto, ação, coleção, ativo, excecional). 3 - Saem ou não, facultativamente, «quando se proferem numa pronúncia culta» ou «quando oscilam entre a prolação e o emudecimento» (aspecto/aspeto, cacto/cato, recepção/receção). As duplas grafias - para os opositores, uma das áreas de maior debilidade e perigo do Acordo - acontecem ainda noutros passos. Na acentuação gráfica, por exemplo. Atentas as variações de pronúncia de um lado e do outro do Atlântico, são aceites duas variantes. Entre muitos exemplos possíveis: em Portugal, «académico», «gémeo», «polémico», no Brasil, «acadêmico», «gêmeo», «polêmico». Do lado brasileiro, desaparecem o trema, usado em palavras como «aguentar» e «frequente», o acento agudo em palavras com o ditongo «ei» como sílaba tónica («plateia», «assembleia») e o acento circunflexo em palavras como «abençoo» e «voo». A facultatividade é um dos «cavalos de batalha» dos opositores do Acordo, que preveem e temem uma geral confusão no reino da escrita e lembram que o Acordo de 1945 rejeitava liminarmente as «grafias duplas ou facultativas». Não deixando de recusar a nova Norma no seu todo, perguntam os opositores se a rejeição expressa no Acordo de há 64 anos não seria a opção mais razoável, a que mais contribuiria para «unidade essencial da língua» que se aponta como objectivo. Os dados estão lançados. A seu tempo se saberá o que mais vai pesar na balança: os benefícios que os apoiantes dão como certos ou os danos que os opositores temem como prováveis. Até um próximo (des)acordo.


28 Dez a 11 Jan’10

cartoon | nós

IIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIII

27

repórterdomarão

C a r t o ons de Santiagu [Pseudónimo de António Santos]

Fundado em 1984 Quinzenário Regional Registo/Título: ERC 109 918 Depósito Legal: 26663/89 Redacção: Rua Manuel Pereira Soares, 81 - 2º, Sala 23 Apartado 200 4630-296 MARCO DE CANAVESES Telef. 910 536 928 - Fax: 255 523 202 E-mail: tamegapress@gmail.com Director: Jorge Sousa (C.P. 1689), Director adjunto: Alexandre Panda (C.P. 8276) Sub-director: António Orlando (C.P. 3057) Redacção e colaboradores: Alexandre Panda, António Orlando, Jorge Sousa; Alcino Oliveira (C.P. 4286), Paula Costa (C.P. 4670), Liliana Leandro (C.P. 8592), Paula Lima (C.P. 6019), Carlos Alexandre Teixeira (C.P. 2950), Helena Fidalgo (C.P. 3563), Helena Carvalho, Patrícia Posse. Cronistas: A.M. Pires Cabral, António Mota Cartoon/Caricatura: António Santos (Santiagu) Colunistas: Alberto Santos, José Luís Carneiro, José Carlos Pereira, Nicolau Ribeiro, Paula Alves, Beja Santos, Alice Costa, Pedro Barros, Antonino de Sousa, José Luís Gaspar, Armindo Abreu, Coutinho Ribeiro, Luís Magalhães, José Pinho Silva, Mário Magalhães, Fernando Beça Moreira, Cristiano Ribeiro, Hernâni Pinto. Colaboração/Outsourcing: Media Marco, Baião Repórter/Marão Online Promoção Comercial, Relações Públicas e Publireportagem: Iva Soares - Telef. 910 536 928 ivasoares.tamegapress@gmail.com, publicidade.tamegapress@gmail.com Propriedade e Edição: Tâmegapress - Comunicação e Multimédia, Lda. NIPC: 508920450 Sede: Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, 230 - Apartado 4 4630-279 MARCO DE CANAVESES Partes sociais superiores a 10% do capital: António Martinho Barbosa Gomes Coutinho, Jorge Manuel Soares de Sousa.

Cap. Social: 80.000 Euros Impressão: Multiponto - Baltar, Paredes Tiragem desta edição: 30.000 exemplares

Inscrição na APCT - Ass. Portuguesa de Controlo de Tiragem e Circulação | Em fase de auditoria A opinião expressa nos artigos assinados pode não corresponder necessariamente à da Direcção deste jornal.

José Saramago 2009

Apresentado a concurso no:


Repórter do Marão  

O maior Jornal Regional de Portugal - 30 mil exemplares em formato revista

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you