Page 1

Nº 1274 | abril ' 13 | Ano 30 | Mensal | Assinatura Nac. 40€ | Diretor: Jorge Sousa | Edição: Tâmegapress | Redação: Marco de Canaveses | t. 910 536 928 | Tiragem média: 20 a 30.000 ex. | OFERECEMOS LEITURA

Arminda criou 11 filhos após 20 gravidezes

ABRIL ’ 13

repórterdomarão + n o rt e Prémio GAZETA

Pastelaria de Vila Real criou empresa de logística para contrariar a crise

Paulo Morais culpa PSD e PS pela ruína das PPP


pessoas

ARMINDA MARTINS teve 20 gravidezes, nasceram 14 bebés, 11 filhos sobreviveram

A mesa era preparada como se, todos os dias, viesse uma equipa de futebol, o treinador e o adjunto. Os 13 lugares eram ocupados pelos filhos e pelos progenitores. Arminda e António Silva viram a família crescer quando nasceram os netos e conheceram as feições dos bisnetos.

Patrícia Posse patricia.posse@gmail.com

Fotos: P.P. e D.R

02

abril'13 | repórterdomarão


Um colo que não envelhece A memória de Arminda de Jesus Martins é uma espécie de relicário. Nela guarda datas, acontecimentos, emoções e sentimentos. Aos 87 anos, desfia a história da sua vida com precisão e simplicidade. A sua baixa estatura está longe de permitir adivinhar que engravidou vinte vezes. Dos 14 filhos nascidos, três faleceram pouco depois. “Tenho 8 rapazes e 3 raparigas, 17 netos e 7 bisnetos”, informa envaidecida. À exceção de um filho emigrado e das três filhas, os restantes moram em Bragança. “Tinha-os muito parecidos com o pai, que era uma pessoa muito calma, mas eram mais parecidos comigo, no feitio e fisicamente”, garante. Mas, curiosamente, nenhum lhe herdou o azul dos olhos.

Namoro dominical Nascidos e criados na freguesia de Vila Caiz [Amarante], Arminda e António acabariam por se apaixonar. “O meu marido morava num lugar mais em baixo, mas aos domingos passava à minha porta para ir à missa e ao terço. Então, fazia-me esperas e começámos a namorar. Tinha 14 anos.” O romance não fez alterar os rituais. “Só namorávamos ao domingo: vínhamos da igreja juntos e íamos a casa de uma tia, onde passávamos um bocado a conversar.” António, pedreiro de cantaria, não se esqueceu do aniversário da amada quando foi trabalhar para Vila Real. “Mandou-me uma carta e nunca mais se me esqueceram estes três versos:

«Foi a 23 de agosto que tu viste a luz do dia, tens hoje 16 anos e és a minha alegria / oh 23 de agosto bendito sejas para sempre por trazeres ao mundo quem eu amo eternamente / salve 23 de agosto, dia de tanta alegria, foste tu que aliviaste o meu coração que sofria».” A 21 de outubro de 1944, casaram. Ela com 19 anos, ele com 25. Foi uma cerimónia simples, na igreja da terra, mas Arminda ainda se lembra bem do repasto:

coelho assado no forno e aletria. No verão seguinte, Arminda teve o primeiro filho, que morreu com icterícia. Só aos 22 anos é que segurou nos braços uma menina. O marido acabaria por rumar a Bragança, porque “quando fizeram o Palácio da Justiça e a Taça, meteram muitos canteiros de fora”. “Fiquei muito triste, porque fiquei sozinha. Nessa altura já tinha duas crianças. Disse-me que se arranjasse cá vida, também vinha.” E assim foi, poucos meses depois. “No Castro de Avelãs [Bragança] tive mais dois filhos. Depois, os partos foram sempre no hospital.”

De Amarante para Bragança Arminda responde com um riso tímido quando questionada sobre o porquê de tão longa descendência e acrescenta: “não fazíamos nada para eles não virem”. “O meu homem era muito católico. Foi sempre sacristão, até em solteiro. Como diziam que era pecado evitar os filhos, ele pronto.” No momento do parto, Arminda tinha uma curiosidade imediata. “Perguntava logo se era menino ou menina, porque eram nove meses à espera para saber.” António não se inibia de dar palpites quando se encostava à barriga da esposa. “Sentia-os e dizia «este vai ser rapaz, já anda a jogar à bola» e, às vezes, acertava.” Apesar de já ter crianças a seu cargo, Arminda assegura que vivia cada gravidez “contente da vida” e “o pai era igual, não ficava nada triste”. “Só dizia: «eles cá vêm e Deus há de dar-nos força para os criar», confidencia. Entre os nascimentos, a família teve de gerir algumas perdas. “Mesmo pequeninos e doentinhos, foram todos batizados. Nisso o meu homem tinha muito cuidado.”

 repórterdomarão | abril'13

03


pessoas

Arminda e uma prole de outros tempos:

"Tive os filhos que “Tê-los leva umas horas e são umas dores muito grandes, mas criá-los custa mais”, admite. As dificuldades foram muitas, sobretudo para os vestir, calçar e alimentar. “Passámos bons sacrifícios. O meu marido trabalhava muito e ia para longe. Eu ficava e, para os sustentar, ia aos feixes de lenha e quantos tachos de roupa fui lavar para o rio...”

Prole em expansão Para cuidar da prole, socorria-se dos mais velhos. Eram todos “sossegadinhos e bem comportados”, só que se o pai os repreendia “guardavam-lhe muito respeito”. “Comigo abusavam mais um bocadinho”, sublinha. O exemplo que deviam seguir era, justamente, o do progenitor: “queria que fossem trabalhadores, poupados e respeitadores”. Cada descendente decidiu se queria estudar ou

04

março'13 | repórterdomarão

trabalhar, contando com o apoio dos pais. Arminda foi avó pela primeira vez aos 48 anos, dois anos antes de ser mãe pela última vez. “Senti uma alegria grande, apesar da primeira neta ter nascido em Moçambique.” Acompanhou, pois, o crescimento dos netos. “Vinham aqui para casa e pintavam a manta”, diz. E porque havia sempre espaço para mais um, Arminda tornou-se até avó adotiva de um vizinho. “Dos bisnetos já não tomei conta. O primeiro nasceu há nove anos”, afirma. Ver a família crescer é “uma alegria”, porém os descendentes não lhe seguiram as passadas. “No máximo, têm dois filhos e há alguns que nem um.” Arminda não vê com bons olhos o adiar da maternidade nos tempos que correm, mesmo que justificada pelas dificuldades financeiras ou por motivos profissionais. “Deviam ter os filhos mais cedo, quando se casam, e deviam ter mais, mas agora querem dar-lhe tudo e mais alguma coisa. Eu tive os filhos que Deus me deu.”


Deus me deu" Paulo, 47 anos, é o terceiro descendente mais novo do casal Silva. Orgulha-se de ter tido uma infância feliz, rodeado de tanta gente. “Não tínhamos tudo o que queríamos, mas o mais importante não faltava: a amizade e o amor dos pais e dos irmãos mais velhos.”

Nunca faltou o essencial numa família em que só o pai trabalhava Não raras vezes era alvo da curiosidade dos colegas de escola: “tantos irmãos? Que família tão grande, deve ser giro”. Quando os pais comunicavam a chegada de mais um membro havia reações paralelas: “a minha irmã mais velha ficava danada, porque teria mais trabalho; para os mais pequenos era uma alegria”. Os progenitores nunca lhe deixaram faltar nada, ape-

sar de serem “uma família humilde, com tantos filhos e só com o pai a trabalhar”. Havia “algumas limitações” e tantas lições para a vida. “Ensinaram-me a ser uma pessoa justa, honesta, amiga, trabalhadora. Tantas coisas importantes para o meu futuro.” A meninice de Tiago Silva, 28 anos, ficou marcada pela presença dos avós, pois ficava a seu cargo enquanto os pais trabalhavam. “Aprendi muito com eles e, também, os chateei muito”, reconhece. Crescer numa família numerosa foi francamente positivo: “sou a pessoa que sou, graças a isso”. “É sempre bom reunir toda gente e onde quer que vá encontro sempre alguém da família”, conclui. Agora, já viúva, é muito raro Arminda ver a família toda reunida. “Estivemos todos juntos nas bodas de ouro e foi uma festa bonita”, recorda. Diariamente, um ou outro filho empurra o portão da sua casa, avivando as lembranças do tempo em que os via, ainda catraios, chegar de mais um dia de escola.

O casal Silva, com filhos e netos, numa comemoração familiar (à esq., numa foto de que não se sabe a data) e Arminda com os filhos Jorge (esq.) e Paulo, fotografados para esta reportagem.

repórterdomarão | abril'13 repórterdomarão | março'13

05 05


artes

...

Uma canta em inglês e a outra em português, a primeira 15 anos e a segunda 30, as duas nasceram e vivem no Porto, tocam piano, são apaixonadas por música e acabaram de apresentar os seus álbuns de estreia ao público que se tem rendido à singularidade de cada uma. Kika mostra o seu álbum “Alive” com 11 temas de onde sai o single “Guess it’s alright”, já nos tops nacionais. Cristina Massena traz “O que não se vê” com 12 originais escritos pela própria que escolheu “O meu nome é Terra” para o lançamento ainda que o seu grande sucesso seja a música “Acorda Portugal” que escreveu após a manifestação de 15 de setembro e se tornou viral nas redes sociais. Texto de Liliana Leandro

KIKA – A nova estrela da pop Francisca Castro, ou Kika, tinha cinco anos quando pediu aos pais para ter aulas de piano. Depois veio a guitarra e um dia quis um microfone profissional para poder gravar as músicas que gostava de cantar e sabia de cor depois de horas de ensaios durante intermináveis viagens de carro até ao Algarve. Quando as aulas de música que tinha no colégio Luso Internacional do Porto, onde estuda desde criança, já não lhe chegavam procurou uma escola onde acabou por conhecer aquele que viria a ser o seu grande mentor no projeto que ganhou corpo e voz e chega agora ao público. Foi na Jahas Academia de Artes Rockschool, à qual chegou por mero acaso do destino, que o diretor a apresentou a Daniel McAlister, um músico britânico que já tinha alguns originais escritos e gostou da voz da Kika para os cantar. McAlister levou-a para Inglaterra onde gravou seis temas que o pai de Francisca um dia em Madrid, para onde se desloca frequentemente a trabalho, conseguiu mostrar a RedOne durante um convívio de amigos. O produtor marroquino de artistas como Lady Gaga, Cher e Jennifer Lopez viu ali uma estrela e decidiu apostar e colaborar na criação deste “Alive” que rapidamente se tornou num êxito em Portugal. Agora no 10.º ano, Kika quer continuar a estudar e um dia tirar um curso. Nunca imaginou aos 15 anos, e prestes a fazer 16 em maio, ter tanto sucesso a fazer aquilo que tanto gosta. E se o single “Guess it’s alright” com que se apresentou é uma música pop, o álbum traz temas mais animados mas também baladas já que a cantora gosta de misturar vários géneros de música. Para já não é a Kika, que além de piano também toca guitarra e bateria, a escrever os temas que canta. Ainda não tem sobre o que escrever e nem está a sofrer de amor, diz a brincar. 06

abril'13 | repórterdomarão


e no Porto nasceram duas estrelas CRISTINA MASSENA – Uma estrela maior Começou a estudar música aos sete anos quando integrou as aulas de piano e formação musical da Academia Musical de Vilar do Paraíso. Em casa cresceu rodeada de música, mas um dia optou por seguir estudar arquitetura, para matar a curiosidade que sentia em relação às artes. Acabou por perceber que estas se cruzam e dialogam, que da imagem nasce som e decidiu dedicar-se ao que mais gostava de fazer: cantar. Quis fazer um álbum e bateu à porta de muitas editoras mas foi Pedro Abrunhosa quem a ouviu, escutou, entendeu e decidiu produzir o disco que começou a desenvolver em 2007, foi maturando e chega agora a público. Abrunhosa convidou-a mesmo para cantar com ele num espetáculo a música “Se houver um anjo da guarda”. Mas o anjo de Cristina foi Abrunhosa que perante a musicalidade da sua voz quente quis dar corpo a “O que não se vê”, nome do primeiro álbum da cantautora que nele conta um pedaço da sua história, através de sons, palavras e até de imagens, já que os desenhos que acompanham a capa e o livrete do álbum são da sua autoria. Com 12 músicas originais, que cantam a sua luta e o seu mundo interior, “O que não se vê” tenta ser pessoal mas também social, fala

de dias cáusticos e desabafos e termina com o tema “Acorda Portugal” que retrata as observações da artista sobre a sociedade portuguesa. Cristina esteve na manifestação de descontentamento de 15 de setembro de 2012, sentiu as pessoas na rua, absorveu os seus rostos, chegou a casa e sentou-se ao piano para tocar o que tinha vivido. Daí nasceu o grito, a canção de intervenção, o gesto de cidadania que se tornou num hino maior que o próprio nome da autora. O álbum estava terminado quando escreveu o “Acorda” mas Cristina quis incluí-lo como forma de agradecimento a todos os que tinham ouvido e cantado. Cristina Massena, irmã do maestro Rui Massena, cresceu a ouvir Miles Davis, Aretha Franklin, The Beatles e diz-se “eclética” na sua audição musical. Talvez por isso não consiga determinar influências precisas naquilo que canta. Começou a compor aos 27 anos, depois de passar pela Escola de Jazz do Porto, para poder eternizar momentos e contar histórias, as suas histórias, e deixar uma mensagem. Foi na música que encontrou a sua genuína identidade. Canções não faltarão para um próximo trabalho mas para já quer trabalhar e cantar este primeiro que lançou. Talvez ainda aprender a tocar guitarra este ano. Afinal, como a própria diz, nunca é tarde para sonhar.

repórterdomarão | abril'13

07


cidadania

Paulo Morais acusa antigos governantes do PS e PSD

Escrutinador implacável da má despesa pública, dos fenómenos da corrupção e das ruinosas parcerias público privadas – as celebérrimas PPP – Paulo Morais afirma que os últimos governos de Portugal assumiram compromissos de 24 mil milhões de euros no período de vigência dos contratos, maioritariamente na área rodoviária. É a segunda parte da entrevista que concedeu ao RM e que na última edição abordava genericamente o estado da Nação. O professor aponta o nome de alguns dos culpados, políticos dos partidos do poder: "São pessoas

que usaram os seus lugares públicos para mais tarde irem beneficiar desses negócios".

08

abril'13 | repórterdomarão

PPP 24 mil Paulo Morais é taxativo na sua análise à dívida pública portuguesa: "os compromissos com as PPP são insustentáveis". O professor caracteriza o estado a que o país chegou e culpa os governantes das últimas décadas e os grandes grupos económicos. "Na forma como este regime está a funcionar, com partidos que dominam completamente o regime de forma partidocrática e que funcionam a favor de determinados tipos de negócios, não vai obviamente levar Portugal a lado nenhum. Os portugueses já perceberam isso porque são um povo sábio e percebem que se estão afastar desta política, porque esta política é má". Qual é hoje o nosso regime? "Temos um sistema constitucional de governação alicerçado no Parlamento, no Governo, no Presidente da República, enfim, no regime que nós conhecemos, mas a maioria destas estruturas estão orgânicamente dependentes dos grandes grupos económicos.  O que quer dizer que a maioria das pessoas na política estão ao serviço de um sistema que por sua vez está refém dos grandes interesses económicos, razão pela qual nós hoje vamos analisar a estrutura do orçamento de Estado português e vemos que a maior despesa em 2013 vai ser os pagamentos de juros da dívida pública. Temos compromissos do Estado com as parcerias público-privadas (PPP) na ordem dos dois mil milhões que vão orçar 24 mil milhões em todo o período de maturidade dos contratos. Portanto, isto é insuportável.

Os portugueses neste momento são escravos de um fisco que por sua vez alimenta os grandes grupos económicos."  Qual é o instrumento que faz este interface? "É a atividade política. Também isto acontece porquê? Porque a promiscuidade entre a política e os negócios é absoluta. No parlamento,  neste momento, mais de 50 deputados, um terço dos deputados, são administradores, diretores, consultores ou advogados dos grandes grupos económicos que fazem negócios com o Estado. Por isso, enquanto parlamentares, que deviam fiscalizar a atividade do Estado nos negócios, o que fazem é incentivar os negócios com o próprio Estado, a favor dos lucros privados de quem são salariados. (...) Todos os grandes negócios que dependem do Estado foram gizados por pessoas que usaram os seus lugares públicos para mais tarde irem beneficiar desses negócios. As parcerias públicoprivadas são negócios criminosos da parte de quem os celebrou do lado do Estado e que são desastrosos para as finanças públicas".  Paulo Morais pergunta e dá a resposta: "Hoje [essas PPP] são geridas por quem? Por aqueles que enquanto governantes os gizaram. A ponte Vasco da Gama, a primeira parceria públicoprivada, que é um negócio ruinoso também para as finanças portuguesas, é pensada no Governo de Cavaco Silva pelo Joaquim Ferreira do Amaral que é hoje o presidente da Lusoponte, concessionário da própria ponte. Portanto, ele no Governo fez, em nome do Governo, um mau


vão custar ao país milhões de euros negócio que seria um bom negócio para os privados – que contratualizaram com o Estado – onde ele neste momento se encontra. E ele era o Ministro das Obras Públicas de Cavaco Silva. E depois, quem era o Ministro das Obras Públicas de Guterres? Jorge Coelho. Onde é que está Jorge Coelho? Na Mota Engil [abandonou as funções executivas no início deste ano, depois de cinco anos à frente do grupo, passando a liderar um conselho consultivo estratégico], que é a empresa portuguesa de construção detentora de mais parcerias público-privadas. E a seguir a Jorge Coelho? Depois de Guterres, no governo de Durão Barroso, quem era o ministro das Obras Públicas? Luís Valente de Oliveira. Onde está Valente de Oliveira, ministro das Obras Públicas? Na mesma Mota Engil a gerir as parcerias público-privadas que estimulou e incentivou enquanto ministro das Obras Públicas. Não pode ser". E como é possível que se isso se mantenha? "Isto só é possível manter no atual estado à custa do sacrifício das pessoas. O feudalismo era um regime execrável mas subsistiu durante muito tempo à custa da fome das pessoas.

hh

a, o da Gam c s a V e t A pon eria ira parc e m i r p a ue rivada, q p o c i l b pú oso cio ruin ó g e n m éu para as também as, rtugues o p s a ç o finan o Govern n a d a s é pen o Silva. c a v a C e d

Neste momento, os portugueses são, na sua maioria através de impostos, servos dos grandes negócios do orçamento do Estado. O orçamento de Estado é hoje o instrumento de maior corrupção de Portugal." Paulo Morais conclui a sua visão sobre as PPP. "Mais de 90% do valor das PPP dependem do grupo Mello, do grupo Espírito Santo e do grupo Mota, o que quer dizer que todos os anos, neste caso das PPP, os portugueses estão a trabalhar durante todo um ano. Todo o dinheiro que foi retirado aos funcionários públicos em 2011 foi direto para o grupo Mota Engil pela via de um acordo de renegociação com a Ascendi que houve em 2011". Como os portugueses saem deste buraco? "Os portugueses, em termo geral, só saem deste buraco se se combaterem as causas que nos trouxeram ao buraco. Não vale a pena combater os sintomas, também vale, mas o essencial quando há uma doença usa-se 'Benuron' para tratar da febre mas se quisermos tratar da doença tem que se atacar na causa da febre. Por isso, atacar apenas a crise financeira e o problema do défice é atacar os sintomas. O que é preciso é atacar a causa que nos trouxe até aqui e a causa é essencialmente a corrupção. Não há outra maneira".

hh

o dos Um terç os são deputad , tradores s i n i m d a sultores n o c , s e diretor s ados do ou advog grupos m grandes que faze s o c i m ó do. econ m o Esta o c s o i c negó

repórterdomarão | abril'13 09


economia regional

CRISE Bem conhecida pela doçaria conventual, a Casa Lapão, na cidade de Vila Real, arrancou este mês com uma empresa de distribuição para ir ao encontro dos clientes, pois “a crise está aí”. O estabelecimento é, também, um dos aderentes da marca Parques Com Vida, pela filosofia de trabalho em rede em prol de um turismo sustentável.

Patrícia Posse

patricia.posse@gmail.com Texto e Fotos A ideia de avançar para o setor da distribuição já não é de agora, mas só se concretizou quando Ricardo Cramez decidiu trocar a engenharia civil por um negócio que conhece desde pequenino. Aos 31 anos, pertence já à 5ª geração da família que fez nascer a Casa Lapão. “Como os nossos produtos são diferentes e de qualidade, queremos dar-lhe bastante visibilidade e expandir ao máximo.” Constituída em fevereiro deste ano, a Casa Lapão Distribuição abrange Vila Real, numa fase inicial, e outras latitudes posteriormente. “O próximo passo é expandir para a região de Trás-os-Montes. Depois, a área metropolitana do Porto e avançar para sul”, revela o sócio-gerente. Apesar de ainda não existirem contactos, Espanha poderá ser uma janela de oportunidade para a internacionalização deste serviço recém-criado. A atual conjuntura que a economia portuguesa atravessa acabou por funcionar como catalisa-

Casa Lapão, na Rua da Misericórdia, em Vila Real 10

abril'13 | repórterdomarão

dor. “O comércio está a atravessar uma crise em que as pessoas estão a ir cada vez menos aos locais de compra. Logo, as empresas têm cada vez menos lucros e nós temos que combater isso.” A solução encontrada assenta no imperativo de que “se o cliente não vem a nós, vamos nós ao cliente”. “Temos que ir à procura do cliente e não ficar de braços cruzados, à espera que bata à porta, porque a crise está aí”, salienta. A localização e a falta de estacionamento na rua da Misericórdia também desmotivam até a clientela fiel. “Já diz o ditado que «quem não é visto não é lembrado» e as pessoas que conhecem e que gostam acabam por se esquecer dos produtos se não passam aqui”, afirma Ricardo. Por outro lado, se os doces conventuais se encontrassem noutras pastelarias, o consumo aumentaria. “Muitos cafés e restaurantes não têm porque não tinham como vir cá buscar.”

CASA LAPÃO cria empresa de logística para distribuir doçaria conventual de Vila Real

Os pitos de Santa Luzia e as cristas de galo, dois dos doces mais vendidos da casa


gera novas estratégias de comercialização

Por isso, a Casa Lapão responsabiliza-se pelo transporte e acondicionamento adequados. “Na nossa zona, qualquer produto é entregue pela empresa de distribuição porque será vendido fresco. Em localidades mais distantes, vamos apostar só em dois ou três produtos e vendê-los congelados, porque, assim, o cliente pode adquirir mais quantidade de uma vez e vai descongelando à medida das necessidades, sem adulterar a qualidade”, explica o sócio-gerente. As encomendas também podem ser feitas por clientes particulares, desde que a quantidade justifique os custos inerentes à entrega.

Meta: vender 100 dúzias/dia Em Vila Real, a empresa propõe-se distribuir doces conventuais, salgados, bolos, semifrios e outras especialidades “quando e onde o cliente quiser”. “Fora da nossa localidade já tem de ser rentável para a deslocação. Por exemplo, não vamos entregar meia dúzia de cristas ao Porto, mas iremos regularmente consoante o número de clientes”, explica Ricardo. O balanço destas primeiras semanas é positivo, com “alguns clientes a aderir”, porém, a expectativa é chegar a vender, diariamente, 100 dúzias de produtos. “Tudo depende da aceitação dos consumidores finais”, ressalva. Com a empresa de distribuição, a Casa Lapão pretende ainda marcar presença em certames gastronómicos e feiras medievais, de Norte a Sul do país. “Tínhamos uma ou duas por

ano, mas não tínhamos possibilidade de abranger grande parte delas, porque envolvia muitos custos e logística.” Portalegre, Amarante, Vila Nova de Famalicão e Caldas de São Jorge [Santa Maria da Feira] são os próximos destinos. “Como são cozidos a altas temperaturas, os doces não precisam de frigorífico e conservam-se durante muito tempo. Por isso é que podemos levá-los à-vontade para as feiras”, acrescenta Rosa Cramez.

Cristas de galo no topo Fundada no início do século XX, a Casa Lapão é uma referência na doçaria vila-realense. Rosa Cramez dedicou-lhe os últimos 25 anos da sua vida. “Procuramos não alterar o legado deixado pela minha bisavó. Além da fidelidade à receita tradicional, não há nenhum corante nem conservante e procuramos sempre os produtos portugueses.” Diariamente são vendidas 60 dúzias de cristas de galo, tornando-as no doce mais requisitado. “Quando a Casa começou, era um doce de eleição. O pito de Santa Luzia era um doce sazonal, que só se fazia no inverno porque era a altura que havia abóbora. Como havia ovos e amêndoa durante o ano inteiro, as cristas iam-se fazendo.” À mesa, as impressões gustativas são consensuais. “O nosso cliente tradicional gosta, por isso é que vem e repete. A satisfação com que vemos os nossos turistas comer os produtos e voltar no dia seguinte é incrível.”

Desde 2005 que o estabelecimento se associou à marca Parques Com Vida, que procura promover os territórios que integram quatro parques de montanha do Norte de Portugal (Montesinho, Douro Internacional, Alvão e Peneda-Gerês).

Servir o turista de “toda a região” “Cada vez mais, os turistas são exigentes e estão informados daquilo que querem. Procuram casas típicas e com qualidade. Não querem vir só comprar os produtos, mas querem ser servidos de toda a região. Se tivermos uma marca a trabalhar tudo isso e em conjunto é uma mais-valia”, justifica Rosa Cramez. Esta marca é atribuída a estabelecimentos de restauração, alojamento, pontos de venda e empresas de animação, comprometendo-os com princípios de preservação da Natureza e património cultural; educação da população; disponibilização de uma oferta turística integrada e de qualidade; destinos turísticos de natureza social e ambientalmente responsável. “A marca tenta que as pessoas que vêm de fora saibam que se escolherem a Casa Lapão comem produtos de qualidade”, frisa. Por outro lado, numa região em que “todos trabalham isolados”, começar a trabalhar em rede é “uma mais-valia”. “Hoje, o turista que vem fica pelas quintas e não faz mais nada. Temos um monopólio barco-quintas que deve ser contrariado”, conclui. repórterdomarão | abril'13 11


agenda | crónica

Sete Aldeias de Portugal no

FREIXO

Marco de Canaveses Tongobriga, freguesia de Freixo, no concelho de Marco de Canaveses, possui um vasto espólio arqueológico que testemunha a existência naquele lugar de uma antiquíssima cidade romana. Estão classificados como Monumento Nacional cerca de 50 hectares, espaço designado por Área Arqueológica de Freixo. O IPPAR, a que o Monumento está afecto, criou um Gabinete, sedeado na aldeia, responsável pela sua investigação, conservação, gestão e divulgação. A aldeia desenvolveu-se em torno deste achado arqueológico. Tongobriga detém ainda as características de uma aldeia tradicional expressas nas casas de granito, no património religioso, nas leiras cultivadas e nas suas gentes. Merecem destaque a Casa do Freixo e a Igreja Matriz.

RUA

Aboadela - Amarante O lugar da Rua, na freguesia da Aboadela, concelho de Amarante, é o povoado mais típico e bem conservado da aldeia banhada pelo rio Ovelha. Trata-se de um aglomerado com casas típicas e construções agrícolas tradicionais em bom estado de conservação. A dinamização da aldeia tem beneficiado da parceria público-privada estabelecida entre a Câmara Municipal de Amarante, Dolmen e proprietários locais que possibilitou a apresentação de uma candidatura ao AGRIS e consequente recuperação da arquitectura rural. Foi criado o Centro Interpretativo e Cultural do Marão, apoiado através do PIC Leader+. A partir da aldeia os visitantes podem explorar as belezas naturais da Serra do Marão, através dos percursos pedestres “Rota do Marancinho” e “Rota de S. Bento”.

BOASSAS Cinfães

A aldeia de Boassas, freguesia de Oliveira de Douro, no concelho de Cinfães, apresenta um património edificado de grande valor arquitectónico, cultural e histórico. O núcleo mais antigo da aldeia, a Arribada, revela uma acentuada influência mediterrânica e traduz a presença árabe/islâmica em terras durienses. Percorrer as ruas estreitas e os típicos pátios ornamentados de vasos coloridos com flores, mostra-nos um passado sublime, expresso na arquitectura das casas e nas tradições e mitos de Boassas. O enquadramento natural de Boassas, uma aldeia debruçada sobre o rio Douro, a albufeira da Pala e ainda o vale do Bestança justificam uma visita, nomeadamente aos lugares de Lapa da Chã, Vista do Coreto, os Penedos e o Sítio da Tília. A aldeia foi também uma referência na arte de cerâmica.

PORTO MANSO Baião

Porto Manso é uma aldeia da freguesia de Ribadouro, no concelho de Baião. É um povoado em crescimento, devido ao extraordinário enquadramento paisagístico que possui com a albufeira da Pala e a foz do rio Ovil, no lugar do Poço Negro, junto à igreja paroquial. A aldeia ficou celebrizada pelo romance homónimo de Alves Redol, em que o escritor retrata a realidade social portuguesa de meados da década de 40. Nas proximidades da aldeia os visitantes encontram diversos locais de interesse, como o Convento de Ancede, a “Casa de Souto Moura”, a Casa de Tormes, a Casa do Lavrador, a Barragem do Carrapatelo e o Cais Náutico da Pala. Porto Manso dispõe ainda de alojamento qualificado, no segmento do turismo de habitação.

Centros de Promoção Produtos Locais: MARCO DE CANAVESES: DOLMEN - Alameda Dr.

22 outubro'12 | repórterdomarão


agenda | crónica agenda Produção editorial da responsabilidade da DOLMEN

Douro Verde

ALMOFRELA

OVELHINHA

Baião

Amarante

Casas de arquitectura tradicional e estruturas agrícolas associadas como as eiras, cortes e os conjuntos de espigueiros são a referência dominante na aldeia de Almofrela, freguesia de Campelo, no concelho de Baião. Possui um albergue, adaptação da antiga Escola Primária e a Capela de S. Brás. A aldeia foi percursora das primeiras feiras do Fumeiro do concelho de Baião (finais dos anos 70), mas também é conhecida pelos queijos frescos de ovelha e pela sua gastronomia, sobretudo o bazulaque e o anho assado com arroz de forno (servido a preceito na Tasquinha do Fumo). A aldeia situa-se a meia encosta da Serra da Aboboreira e tem cerca de 30 habitantes, dispondo de excelentes condições para percursos pedestres. Apesar do envelhecimento da sua população, a monografia da aldeia identifica como oportunidades a criação de novo investimento privado a nível de alojamento e restauração, de novos percursos pedestres e de desportos natureza.

CANAVESES Sobretâmega - Marco de Canaveses

Três n candi ovas datur as

A aldeia de Ovelhinha, freguesia de Gondar, no concelho de Amarante, já existiria no tempo das Invasões Francesas pois alguns testemunhos da época falam de uma casa solarenga incendiada pelas tropas do general Loison, mas é a sua paisagem (banhada pelo rio Fornelo) e sobretudo o afamado "pão da Ovelhinha" que lhe perpetuam o nome. A aldeia tem ainda vestígios de antigos moinhos a água e uma casa senhorial, além de um aglomerado de casas típicas, habitadas por meia centena de pessoas. Apesar de a panificação ter surgido na Ovelhinha, a padaria acabou por ser transferida para outros lugares da freguesia de Gondar, que possui várias unidades industriais. O "pão da Ovelhinha" é ainda produzido por algumas destas padarias seguindo os moldes antigos, em fomo de barro e com aquecimento a lenha. Nas proximidades, há muito património para conhecer: igreja e Mosteiro de Gondar e o Centro Histórico do Barro Negro e o Museu Rural, ambos no lugar de Vila Seca.

Canaveses, aldeia formada por lugares das freguesias de Sobretâmega e S. Nicolau, no concelho de Marco de Canaveses, dispõe de paisagem deslumbrante e importante Património Cultural e Edificado, nomeadamente as igrejas de Santa Maria de Sobretâmega e de S. Nicolau, que integram a Rota do Românico do Tâmega e Sousa, Casa da Ribeira, Casa da Palmatória, Capela de S. Sebastião, ponte dos Asnos e Casa de Penidos. Nas tradições, destaque para os cantares das Janeiras e Reis, a matança do porco e o baile dos Santos Populares. A gastronomia acompanha as iguarias típicas da região: Pão-podre, anho assado com arroz de forno, Bazulaque (verdinho) e Vinho Verde. A aldeia é ainda ponto de interesse turístico pelo seu Centro Náutico, circuito pedonal e de manutenção e fluvina para 40 embarcações, além de três plataformas de pesca desportiva. Em Maio, entre os dias 17 e 19, terá lugar a terceira edição do Mercado Medieval.

. Miranda da Rocha, 266 | T. 255 521 004

CANAVESES S. Nicolau - Marco de Canaveses

BAIÃO: DOLMEN - Rua de Camões, 296 | T. 255 542 154

repórterdomarão | outubro'12 23


educação

Escola Profissional de Agricultura do Marco de Canaveses em avaliação

EPAMAC triplicou o número O diretor da Escola Profissional de Agricultura do Marco de Canaveses (EPAMAC), Victor Vitor, anunciou que este estabelecimento de ensino cresceu nos últimos anos 200 por cento. "Triplicamos o número de alunos, temos mais turmas, temos novos cursos", referiu o dirigente da escola profissional marcuense, na sessão de abertura de uma nova avaliação externa, a cargo da Inspeção-Geral de Educação e Ciência.

"Como vimos pelos dados comparativos com outras escolas nós estamos acima, os nossos índices são melhores do que a média das escolas que oferecem o mesmo tipo de serviço e portanto eu penso que o saldo tem que ser extremamente positivo", disse o diretor da EPAMAC. Victor Vitor considerou que tem sido feito "um esforço a nível das instalações, na qualificação de cursos técnicos para fazer face ao crescente aumento do número de jovens que nos procuram", mas ressalvou que a escola ainda tem algumas lacunas ao nível das instalações desportivas e da biblioteca escolar. "Penso que não há escolas perfeitas, não somos uma escola modelo mas somos com toda a certeza um bom modelo de escola, porque há sempre coisas que por mais que se

14

abril'13 | repórterdomarão

faça nunca se consegue ter a 100%. É o caso da biblioteca escolar e é o facto da escola não ter instalações desportivas o que nos obriga a levar os alunos a uma freguesia vizinha e ainda a pagar um aluguer do pavilhão. Mas são

coisas que vamos tratar nos próximos anos e resolve-las", enfatizou. Na conversa com a imprensa, o diretor da EPAMAC também abordou a dificuldade de a escola continuar a ter uma estrada a atravessar


externa

de alunos o seu "campus" escolar: "Um aspeto recorrente dos últimos anos, que não está dependente de mim, senão já estaria resolvido. É uma questão que tem a ver com a Junta de Freguesia e a Câmara Municipal. Espero que se consiga, não sei se, agora, com esta nova renovação das freguesias se vai haver alguma consideração com este aspecto. De facto uma escola pública ter uma estrada pública a passar a 10 metros das salas de aula acho que é um fator de instabilidade e que traz alguma perigosidade para os nossos jovens e pessoas que nos visitam". O grau de empregabilidade dos alunos que saem da escola está acima da média e isso é realçado pelo seu responsável: "Cerca de 51% dos nossos alunos arranjam emprego e mais de 17% vão para o ensino superior. Portanto, a nível da taxa de sucesso e de empregabilidade nós estamos bem. O desemprego jovem em Portugal anda à volta de 40% e a crescer, e nós estamos abaixo desse número nesta crise e numa região em que a oferta de emprego não abunda". O diretor da EPAMAC, a propósito da aposta, acertada, da escola na formação agrária, salienta "que tem havido uma grande procura por este tipo de cursos e ainda bem que a escola apostou nesta matriz agrícola e do desenvolvimento rural, que é basicamente a nossa oferta, porque agora está a dar os seus frutos".

Freguesia de S. Nicolau organiza Mercado Medieval A terceira edição do Mercado Medieval de S. Nicolau, a realizar junto à ponte de Canaveses, será reeditado de 17 a 19 de maio. Organizado pela junta de freguesia, com a colaboração da Câmara Municipal e o apoio da cooperativa Dolmen, o Mercado Medieval voltará a recriar as bancas dos vendedores medievais. Artesanato, animação, dança, teatro, tabernas, música e algumas surpresas vão marcar o Mercado Medieval de Marco de Canaveses, segundo anuncia a organização. Pelo seu rigor organizativo e histórico, nomeadamente das vestes dos figurantes, começou a figurar na agenda de eventos regionais.

repórterdomarão | abril'13 15


regiões

Minas de ouro de Paredes já têm centro interpretativo Um centro interpretativo das antigas minas romanas de ouro do município, em Castromil, em Paredes, instalado na antiga escola primária da freguesia, vai permitir divulgar o património geomineiro da zona. No espaço será possível ver uma seleção de amostras geológicas e artefactos arqueológicos, que inclui um tanque onde se pode exercitar a arte de garimpar. O local está ainda dotado de suportes gráficos e multimédia. O vereador Pedro Mendes assinala que o concelho de Paredes "preserva testemunhos únicos da passagem dos romanos por este território" e que com este centro representa "uma mais-valia do ponto de vista geológico, ambiental, histórico, cultural e turístico". Este centro de interpretação, que deverá organizar visitas aos vestígios das antigas minas, foi um projeto cofinanciado pelo PRODER, representando um investimento de 200 mil euros. O percurso pedestre foi delineado através de um trabalho de investigação do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (UP). As antigas minas de ouro de Castromil e Banjas foram exploradas até ao século XX e a eventual reexploração das jazidas de ouro tem surgido de tempos a tempos, como aconteceu há mais de uma década. Nessa época, os veementes protestos da população levaram o governo de então a recuar na concessão da exploração mineira, alegadamente devido a problemas ambientais decorrentes da sua exploração a céu aberto.

Pintora Paula Rego vence prémio Amadeo

Baião assinala em junho Foral dos 500 anos

O júri do Prémio Amadeo de Souza-Cardoso atribuiu o prémio consagração à pintora Paula Rego. Segundo anunciou a organização, a artista será convidada a realizar uma exposição no museu municipal e algumas das suas obras serão adquiridas para a coleção do próprio museu. Entretanto, até 30 de maio, decorrem as inscrições para a 9ª edição do prémio bienal atribuído pelo Município de Amarante.

Para celebrar os 500 anos da atribuição do Foral ao concelho de Baião, a autarquia está a preparar uma Recriação Histórica, que terá lugar a 1 e 2 de junho. Segundo a autarquia, "será uma viagem no tempo onde se poderá ver como era o concelho naquele período histórico mas também nas épocas da pré-história ou do período romano". A exemplo de outros concelhos, o foral foi atribuído no reinado de D. Manuel I (1469-1521).

Tecnologias da Madeira com licenciatura A Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras (ESTGF) e o Município de Paredes celebraram um protocolo relativo à criação de uma licenciatura em Tecnologias da Madeira. De acordo com a autarquia, esta formação "vem dar resposta à necessidade de uma maior ligação entre o meio universitário e a realidade empresarial". Este curso, com duração de três anos, será repartido pela ESTGF e pelo Centro Tecnológico das Indústrias de Madeira e Mobiliário, em Lordelo, onde predominam as atividades económicas ligadas ao setor do mobiliário. Segundo a mesma fonte, esta licenciatura resulta "do esforço que a autarquia tem vindo a desenvolver na qualificação dos seus recursos humanos, no estímulo às atividades de investigação e desenvolvimento e no aumento da competitividade e sustentabilidade do tecido empresário local".

Paços de Ferreira ensaia novo mercado Paços de Ferreira está a ensaiar um novo mercado agrícola, no terceiro sábado de cada mês, no espaço do renovado parque urbano, anunciou a autarquia. A Câmara pretende apurar "se a procura e a forma de funcionamento correspondem às expectativas da população" e só posteriormente decidirá se a sua criação passará a definitiva. Durante a fase experimental, funcionará entre as 13:00 e as 18:00. O mercado disponibilizará produtos hortícolas, frutícolas, mel, compotas e outros produtos caseiros. Segundo a fonte, a Câmara Municipal e a Cooperativa A Lavoura pretendem disponibilizar à população que vive na cidade um local de aquisição de "produtos frescos e de qualidade".

Escolhidos os 15 finalistas do Prémio Douro Empreendedor A Rede EmpreenDouro anunciou os 15 finalistas ao Prémio Douro Empreendedor, estando programado que em maio sejam conhecidos os três vencedores. Este concurso, em que participaram 69 empresários, pretende distinguir e impulsionar a criação de "projetos inovadores na região duriense". Desde produtores de vinho, turismo cultural e rural, produtos de cosmética, trabalhos na área do xisto, museus interativos, transformação de frutas e

16

abril'13 | repórterdomarão

legumes, restaurantes e chás com vinho do porto, muitos foram os projetos que aderiram. Segundo a organização, foi uma "adesão surpreendente", pelo facto de as 15 empresas a disputar o concurso gerirem "uma carteira de negócios de cerca de 55 milhões de euros" em diversas áreas. Os três vencedores – cada um receberá um prémio de cinco mil euros –, vão poder usufruir de acompanhamento e consultadoria gratuita das estruturas de apoio ao empreendedorismo da Universida-

de de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) ou do Instituto Politécnico de Bragança (IPB), entre outras regalias definidas pela Rede EmpreenDouro. As empresas finalistas são: Douro Boys; Duorum Vinhos; Restaurante DOC (Armamar); Solicel; Quinta do Avessada; Bairro do Casal; João Brito & Cunha; Néctar de Sabedoria; Quinta do Pessegueiro; William Smith & Lima (Quinta de Covela); Cachicos; Douro Skincare; Low Cost Douro Tours; Lusa Saudade e TeaPort.


crónica

Descubra o mundo com ... A.M.PIRES CABRAL

NIHIL NOVUM

Helena, Margarida e Luís *

BALI Bali é um destino turístico mundial, situado na Indonésia, que todos os anos recebe turistas europeus, americanos e asiáticos, sendo o turismo a principal fonte de receitas da ilha

e a atividade sobre a qual gira toda a economia. O fuso horário, relativamente a Portugal, é de oito horas, caracterizando-se por possuir praias paradisíacas, símbolo da ilha, que transbordam cultura. Com três milhões de habitantes, o seu ponto mais alto é o Monte Agung com 3142 metros de altura, estratovulcão localizado no leste da ilha de Bali que entrou em erupção pela última vez em 1963, quando os fluxos piroclásticos mataram milhares de pessoas. Em muitas zonas do país o idioma varia entre o inglês e o holandês. As suas cidades principais são Porto de Singaraja, Denpasar, Sinur e Ubud, cada uma delas com características diferentes, sendo a capital da cultura de Bali, Ubud, destino de muitos artistas mundiais. A comida na Indónesia caracteriza-se pela sua variedade. O arroz é a base de muitos pratos, sendo no entanto temperado de forma diferente em cada um deles. Este país tem um clima tropical húmido, com uma estação seca entre junho e setembro e uma estação húmida entre dezembro e março. A temperatura é constante ao longo do ano, variando entre 28ºC e os 35ºC. O custo de uma viagem para Bali é de cerca de 525 euros por pessoa. * Alunos do 2º ano do curso Técnico de Turismo Ambiental e Rural da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural de Marco de Canaveses

​Nihil novum sub sole — eis uma verdade como um punho, tirada do Eclesiastes via Vulgata. Não há nada de novo debaixo do Sol. Aquilo que nos parece novo já aconteceu antes. Vivemos no reino do déjà vu. Isto não se aplica, naturalmente, a inovações técnicas e científicas, que nesse campo surge todos os dias muita novidade, mas sim a situações e comportamentos, e é decerto nesse sentido que no Eclesiastes aparece a frase, que se viria a tornar um aforismo, que digo eu?, um lugar-comum. O Grémio Literário Vila-Realense publicou muito recentemente uma antologia sobre os animais no quotidiano das pessoas, a que chamou Bestiário trasmontano e alto-duriense, numa alusão aos bestiários medievais que, contudo, tinham geralmente uma finalidade edificante e moralizadora: tratava-se de contrastar o comportamento dos homens com o dos animais, levando a que os primeiros imitassem as qualidades e evitassem os defeitos dos segundos. No caso deste bestiário trasmontano, a finalidade foi sobretudo dar voz a escritores da nossa região que tenham escrito páginas sobre animais. Folheando o livrinho, a minha Mulher (re)leu o excerto do poema “O melro”, de Guerra Junqueiro — justamente aquele momento em a ave envenena os filhos e morre depois, supostamente de dor. O Leitor recordará a cena: incapaz de libertar as crias aprisionadas numa gaiola, o melro acaba por, entre muita retórica (que apesar de tudo tem ainda o poder de comover, pelo menos a mim), lhes dar a comer uma qualquer planta venenosa. O próprio Guerra Junqueiro, em nota ao poema, esclarece que este se baseia num facto da natureza: certas aves (melros, pintassilgos, rouxinóis — precisa) envenenam os filhos, se lhos encarceram. Mas, adverte o poeta, só fazem isto «os mais extraordinários, os mais heróicos». O que, acrescenta ainda, «demonstra que a acção é livre e responsável, e não um simples produto duma fatalidade orgânica». Voltando ao rego. Acabado de (re)

ler o excerto, a minha Mulher comentou que o que o melro fez é o que vemos hoje em dia fazer a tantas mulheres, que matam os filhos, às vezes conjuntamente com elas próprias. Nunca tinha pensado nisso, mas é claro que lhe dei razão. Podem os motivos do acto não ser exactamente os mesmos, dos melros para os humanos. O melro mata os filhos porque os vê privados da liberdade, que é a condição suprema de uma ave: […] Meus filhos, a existência é boa Só quando é livre. A liberdade é a lei. Prende-se a asa, mas a alma voa… Ó filhos, voemos pelo azul!... Comei! As mulheres matam-nos porque os vêem privados de perspectivas de vida. Mas a violência do impulso é a mesma: como se pode avolumar o desespero de uma criatura a ponto de, no mais anti-natural dos gestos, conseguir dar a morte pelas suas próprias mãos àqueles a quem tinha anteriormente dado a vida? Resta uma reflexão breve sobre as causas próximas desse desespero. No caso do melro, é a própria ignorância e a gulodice do padre-cura. Estupidez, porque atribui erradamente aos melros a destruição das colheitas; gulodice porque se prepara para comer as avezinhas, que, diz, guisadas com arroz são excelentes. Que petisqueira! Melros com chouriço!... E então a Fortunata Que tem um dedo e um jeito para isso!...

E no caso das mães humanas? Dispenso-me, Leitor, de dizer que outro e pior padre-cura é que leva essas extraordinárias, heróicas mães ao desespero de matar os filhos. O Leitor sabe bem quem é ele, mais a Fortunata que lhe guisa os melros. De qualquer modo, como se disse acima, nihil novum. pirescabral@oniduo.pt

Nota: Este texto foi escrito com deliberada inobservância do Acordo (?) Ortográfico.

repórterdomarão | abril'13 17


poder local

EPAMAC

Sérgio Pacheco e Carlos Sousa integrados em empresas agrícolas de Penafiel e Marco de Canaveses

Alunos de produção agrária encontram trabalho com facilidade Sérgio Pacheco e Carlos Sousa são dois jovens alunos da EPAMAC que terminaram o seu curso profissional de Técnico de Produção Agrária no último ano letivo. Ambos estão já inseridos no mundo laboral, o que demonstra, mais uma vez, o elevado grau de empregabilidade e de saídas profissionais dos cursos da Escola Profissional de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Marco de Canaveses (EPAMAC). Sérgio tem 19 anos e reside em Lousada. Depois de cumprido o 9º ano na EB de Lustosa, surgiu a oportunidade de ingressar na EPAMAC, onde completou o 12º ano. O apelo da agricultura e as raízes familiares, nomeadamente do avô, fizeram-no escolher o curso agrícola. Está a fazer um estágio profissional numa empresa agrícola de Casais Novos, em Penafiel. O percurso de Carlos Sousa, 20 anos, de Vila Boa do Bispo, não é diferente. Até ao 7º ano de escolaridade frequentou a EB 2/3 de Alpendurada, ingressando a seguir na Escola Profissional da Pedra, também em Alpendurada, onde completou os dois anos seguintes, antes de ingressar na EPAMAC. São dois casos de alunos que encontraram rapidamente trabalho após a sua formação base, em produção agrária.

SÉRGIO PACHECO (Lousada) Porque escolheu a EPAMAC?  Gosto muito da área agrícola, de conviver com os animais e de andar na Natureza. Recebi uma carta em casa a informar sobre a escola e os cursos que havia, gostei das opções, fui lá ver e inscrevi-me. Adorei. Andei lá três anos, saí no ano de 2012.  Tinha alguém da família ligado a esta área que o fizesse apaixonar pela mesma?  O meu avô tem uns terrenos, com animais e tambem produção de vinho. Desde cedo convivi muito com isso, com a vida do campo. Que formação a escola passa para os alunos?  Como conviver com as pessoas, trabalhar no campo. Aprendi muito. Trouxe umas bases boas para juntar aos conhecimentos que já tinha e assim aprofundei melhor esta área.

Teve alguma formação fora da Epamac?  Nao, aprendi tudo lá. Tive também um estágio durante o meu percurso escolar, o que veio ajudar um pouco. Como é esse estágio?  A Escola tem parcerias com algumas empresas do Marco. Estagiei em aviários, numa salsicharia e numa ovinocultura [unidade de criação de ovelhas]. Foram experiências para a vida e gostei muito. Como surgiu a oportunidade de ingressar nesta empresa?  Acabei a escola no ano passado e, depois do verão, recebi uma proposta de uma empresa vitivinícola para um estágio profissional durante nove meses. Aproveitei a oportunidade. É uma mais valia para o meu currículo. Qual o seu papel nesta empresa? 

Trabalho na área do vinho, na adega, na preparação das terras, nas vindimas e até no engarrafamento. Fazemos toda a produção do vinho. E no final do estágio?  Se surgir a oportunidade de ficar a trabalhar aqui seria ótimo porque gosto do que faço, de trabalhar nesta área e nesta empresa. As pessoas são excelentes e aprendo bastante com todos.  Vai querer trabalhar futuramente nesta área? Sim. No meu caso digamos que tive sorte, porque o estágio é remunerado. Como as coisas estão, é complicado ingressar na agricultura, mas acho que há mais oferta na vitivinicultura do que na parte de produção animal. Cada vez se faz mais vinha e isso faz com que seja necessário mais mão de obra. Tem boas recordações da escola? Muito boas. Foram tempos bons, fiz muitas amizades. Repetiria a experiência.

CARLOS SOUSA (Marco de Canaveses)

Como ingressou na Escola Profissional de Agricultura do Marco de Canaveses? Através de primos que já lá andavam. Escolheu um curso profissional ligado à Agricultura. Porquê? Desde sempre gostei da agricultura. Os meus pais são agricultores e também gosto do trabalho ao ar livre. Passa pela agricultura o meu futuro profissional. Que importância teve a EPAMAC na sua formação escolar e profissional? A EPAMAC é um início para a vida, onde aprendemos muito. Que recordações guarda da sua passagem pela Escola? Momentos de convívio com professores e amigos.

Que percurso escolar fez na EPAMAC? Técnico de produção agrária. Depois do curso fui logo trabalhar. Fiz um estágio na empresa onde estou a trabalhar atualmente [uma empresa do Marco de Canaveses que tem como atividade a produção de micro legumes para a área gourmet e que usa a técnica da hidroponia] e em várias outras quintas. Que funções exerce na empresa? Faço de tudo, desde os trabalhos da estufa, o maneio dos animais e agricultura ao ar livre. Trabalha nesta empresa desde quando? Agosto de 2012. 14

fevereiro'13 | repórterdomarão


Produção editorial da responsabilidade da EPAMAC

repórterdomarão | fevereiro'13 15


opinião

A CHAVE PARA O FUTURO

José Carlos Pereira Gestor

Para onde vamos? O que nos espera? Vêm aí mais impostos? Vai haver uma remodelação governamental “a sério”? Paulo Portas mantém-se fiel à coligação? A maioria no poder aguenta-se até ao final da legislatura? O PS de Seguro é alternativa? A Europa muda de políticas? Quem já não ouviu ou fez alguma destas perguntas? Mais de dois anos após o início do programa de assistência financeira, Portugal regista alguns ajustamentos positivos, nomeadamente ao nível das contas externas, mas para conseguir esses escassos ganhos mergulhou numa profunda recessão. Os portugueses olham para a sua situação, para o discurso dos governantes e para os sinais que chegam da Europa e não encontram motivos para acreditar no futuro próximo. Este desânimo é devastador para o país e para as empresas. O Governo prossegue alinhado com as teses mais ortodoxas na defesa das políticas de austeridade e do controlo dos défices nacionais, sem cuidar de verificar se tais fins justificam os meios usados. Passos Coelho e Vítor Gaspar são os filhos pródigos de Merkel, Schäuble e companhia e insistem em provar que são capazes de aplicar, sem tergiversar, as medidas macroeconómicas impostas pelo directório alemão e pela troika. Neste quadro, quaisquer medidas que contrariem ou incomodem os países que lideram a zona euro e as instituições internacionais são prontamente afastadas pelo Governo. Aliás, as divergências cada vez mais notórias entre PSD e CDS passam também pela maneira como Portugal se apresenta nos fóruns europeus. Quando o executivo procura mudar a agulha e apelar a um consenso entre as principais forças políticas, provavelmente forçado a isso pelos credores internacionais, o CDS defende, e bem, que esse propalado consenso deve ser usado para forçar junto dos nossos parceiros uma negociação dos prazos, das taxas de juro e das maturidades dos empréstimos que nos foram concedidos. Para além da pequena política que leva o CDS a lutar por certas pastas governamentais e Paulo Portas a sinalizar o seu descontentamento com a ausência na tomada de posse dos dois novos ministros, os centristas têm defendido teses muito próximas das do PS, nomeadamente quando defendem uma forte aposta na área económica, de modo a criar condições mais favoráveis ao investimento e ao emprego.

Na sua visita a Portugal – pelos vistos só cá vem, ou é noticiado, quem apoia e aplaude a austeridade governamental, o que ele fez na grande entrevista que deu ao Público – o PM da Finlândia afirmou para o justificar do alto da sua autoridade, que «não há atalhos para o céu». Espero que o Governo, para além da vanglória do elogio, aprenda algo que não sei se o senhor lá do topo frio da Europa não quereria transmitir de forma subliminar: a procurar o atalho, já que não falta por cá quem o tenha descoberto há muito tempo. É ver os altos “dependentes" do Estado, lá colocados ou noutro sítio por via dele, os banqueiros verdadeiros ou os que nisso se armaram, e os muitos “colaboradores” que aproveitaram o regabofe e nos puseram a pagar o que esmifraram. Não falta por cá quem saiba onde estão as poldras para caminhar sobre as águas sem se afogar. Era assim que um velho colega explicava o bíblico andar sobre as águas quando o mestre disse a Pedro para as indicar ao Judas que já tinha a água pela boca. Outra questão interessante é a dos off-shores que tem vindo a ganhar espaço mediático e as preocupações de alguns líderes mundiais, agora com um novo fôlego após o escândalo do ministro francês e a lista do nosso Zé das medalhas. Reaparecem “intenções” de fazer o que há muito devia ter sido feito: acabar com eles. Bem sei que é medida difícil pois implica acordos de muitos países, alguns deles nada interessados em que tal aconteça, mesmo os “mais sérios”. Mas, tendo de começar por algum lado, seria bom passar da palavra aos actos. Além de melhor controlo dos fluxos fiduciários e dos rastos que deixam, aplique-se a Justiça Fiscal com agravamentos em vez de perdões, e a Justiça Cível eficazmente e a tempo e horas. Cá por mim punha já a correr a ideia do que, pro20

abril'13 | repórterdomarão

Passos Coelho e Vítor Gaspar, contudo, têm uma visão diferente e não dão mostras de ceder, mesmo perante as críticas de destacados sociais-democratas como Manuela Ferreira Leite. Na sua óptica, impõe-se cumprir até ao fim o guião da troika, prosseguindo com a austeridade e a redução da despesa, “custe o que custar”. A própria forma como o Governo reagiu ao chumbo pelo Tribunal Constitucional de medidas previstas no Orçamento do Estado revela que, aos seus olhos, qualquer entrave às políticas governamentais é um bloqueio que coloca em risco a imagem de Portugal como país cumpridor. Ora, isto é inaceitável, desde logo porque, neste caso concreto, é o Governo que tem de legislar de acordo com as normas constitucionais e não o Tribunal Constitucional que tem de se acomodar às leis aprovadas no parlamento. Passos Coelho, depois de uma remodelação que não deixou ninguém satisfeito, uns porque queriam alterações mais profundas, outros porque queriam mais PSD no executivo, ensaia agora uma nova estratégia, visando atrair o PS para um consenso em torno das metas orçamentais. A necessidade de proceder a cortes na despesa pública – feitos à pressa e sem o devido planeamento – é a razão imediata para essa tentativa de aproximação. A batata quente da redução salarial e do número de funcionários públicos queima nas mãos do Governo. Como já defendi nestas páginas, o PS não deve furtar-se ao diálogo e ao sentido de compromisso. Todavia, as cartas que a maioria PSD/CDS quer colocar em cima da mesa não podem estar marcadas à partida. O consenso deve ser trabalhado entre as forças do arco da governação de modo a defender Portugal e os portugueses e não as folhas de excel de Vítor Gaspar. É evidente para todos a necessidade de reduzir a despesa pública, em face das receitas arrecadadas e de não haver espaço para mais impostos – mas isso deve ser feito obedecendo a uma estratégia cuidada e planeada. A nossa economia tem de continuar o seu processo de ajustamento – mas é fundamental criar condições para o investimento das empresas nacionais e estrangeiras e para a criação de emprego. Portugal terá de pagar o que deve aos seus credores – mas tal só será possível se tivermos condições ajustadas ao perfil da nossa economia. Este é o guião (do consenso) possível para os próximos anos.

vavelmente, irá acontecer e até já aconteceu. Os off-shores são recentes mas apenas com este nome. Sempre houve bancos fanáticos do segredo. Lembrando só um exemplo, antes e durante a II Guerra Mundial, grandes fortunas de judeus e não só atafulharam os cofres de certa banca. Muitos dos legítimos donos “evaporaram-se” e por lá ficou a massa. Hoje, sem ser necessário que as pessoas se “volatilizem”, não custa a crer que os “honestíssimos” detentores da massa e dos seus depositantes ou intermediários lancem no éter a escassíssima contabilidade, pois tal o exige e recomenda o “esquema”, mandando-os receber a Chipre ou ao Totta como antes se dizia... Mas o mais preocupante, e cada vez me convenço mais das tácticas político/partidárias concertadas do “ora agora bates tu e depois bato eu para ficar tudo na mesma”, é o desemprego. Dados recentes, e só no sector dos transportes (Metro, Carris e Transtejo), apontam para terem de “despachar” mais 630 trabalhadores (desde 2010 já foram 2614). Logo a seguir notícia de mais de 3 mil milhões de perdas no financiamento das trasnportadoras em geral por causa dos produtos tóxicos (swap), que mais cedo ou mais tarde nós acabaremos por pagar. Ninguém é culpado. Uns pagam, outros vão para a rua, e os responsáveis têm prémios de desempenho e pedem isenção de cortes salariais. Estes também já descobriram os atalhos das poldras. E para encapotar a realidade, pois os números manipulam-se como der jeito esquecendo que estão a tratar de Pessoas, e apresentam um ou outro exemplo que felizmente ainda aparece como um oásis no deserto. É a separação do trigo do joio, das boas e das más empresas, blá, blá, blá, engrossando as filas dos abandonados em empresas que


Amor líquido, sobre a fragilidade dos laços humanos

Beja Santos

Ex-Assessor D.G.Consumidor

A misteriosa fragilidade dos laços humanos, os sentimentos que esta fragilidade inspira e a contraditória necessidade de criar laços, e ao mesmo tempo, de os manter flexíveis. São as principais questões postas por “Amor Líquido”, por Zygmunt Bauman, Relógio d’Água Editores. Zygmunt Bauman tem sido um dos mais atentos observadores das contradições do mundo atual, fez a sua notável carreira de investigador como sociólogo e lecionou em universidades prestigiadas do mundo anglófilo. A modernidade líquida é uma expressão que lhe é cara nos seus escritos: os habitantes deste líquido mundo moderno detestam tudo o que é sólido e duradouro, tudo o que não se ajusta ao uso instantâneo. O sociólogo explica o interesse neste estudo: “O principal herói deste livro é o relacionamento humano. Os seus personagens centrais são homens e mulheres, os nossos contemporâneos, desesperados por terem sido abandonados aos seus próprios sentidos e sentimentos facilmente descartáveis, ansiando pela segurança do convívio, desesperados por «se relacionarem». E, no entanto, desconfiados da condição de «estar ligado», em particular de estar ligado «permanentemente», pois temem que tal condição possa trazer encargos e tensões para que eles não se consideram aptos nem estão dispostos a suportar e que podem limitar severamente liberdade que necessitam para se relacionarem…” Estar apaixonado ou desapaixonar-se já não é o que era. A definição romântica de amor está fora de moda. Noites avulsas de sexo são descritas por meio da expressão “fazer amor”. O autor recorda que amar significa abrir-se ao destino, à mais sublime de todas as condições humanas, em que o medo se funde com o regozijo numa amálgama irreversível. O amor é uma hipoteca baseada num futuro incerto e inescrutável. Desejo é outra coisa, é vontade de consumir, o desejo não precisa de ser instigado, é ímpeto, é compulsão. O amor é a vontade de cuidar e preservar o objeto cuidado. Amar significa estar ao serviço, sujeita-se à renúncia e ao sacrifício. Ora o nosso tempo é o da aceleração, da vertigem, do descartável, a noção de amor colide com a rapidez das nossas vidas, a vontade de satisfazer desejos que a própria comunicação comercial é um dos principais instigadores. Investir numa relação duradoura é uma operação de risco e de abertura ao longo prazo, o que contradiz o ritmo frenético a que a maior parte quer viver o presente, não está disposta a incertezas nem a consentir a indeterminação do futuro. Tal como nas telenovelas, as relações vão e vêm, geram poucas responsabilidades, dar e receber prazer é uma conta corrente do convívio de viver juntos com espaços-tempo distintos, cada qual tem direito a um universo seu, com as suas leis e lógicas próprias. O mundo digital confirma todas estas possibilidades. É possível estabelecer canais de conversação, ter amigos virtuais, inundar o silêncio com mensagens. Todos pertencem à conversa, aquilo sobre que se conversa é meramente acessório. Para enquadrar este novo mundo de laços

Um país de engodos Armando Miro Jornalista

usam-se expressões como namorado, relação colorida, casais a tempo parcial. São pessoas que odeiam a ideia de partilhar o lar e as atividades domésticas, preferindo manter domicílios, contas bancárias e circos de amizade separados, estão juntos quando sentem conveniência. Esta atitude é diametralmente oposta à que se viveu até chegarmos, com a sociedade de consumo, ao que se convencionou chamar a família nuclear. No passado os filhos eram produtores, eram bons investimentos saudados. Agora, um filho é um objeto de consumo emocional. O sociólogo concretiza: “Os filhos estão entre as aquisições mais caras que o consumidor médio pode fazer ao longo de toda a sua vida. Em termos puramente monetários, os filhos custam mais do que o carro luxuoso do ano. Pior ainda, o custo total tende a crescer com o tempo e o seu volume não pode ser fixado de antemão nem estimado com algum grau de certeza”. E ter filhos significa ter que diminuir ambições pessoais, ter que sacrificar uma carreira, enfim, ter que fazer sacrifícios. Ora a modernidade líquida, insiste-se, é contra os compromissos duradouros, não quer dependências do tipo incapacitante. A vida consumista favorece a leveza e a velocidade, o melhor de tudo é consumir e deitar fora. Numa expressão faz-se a síntese graças a uma inteligente estratégia publicitária de preservativos: sexo seguro, faz-se sexo e não deixa vestígios nem no corpo nem na alma. O sociólogo lembra que o consumidor de hoje o que quer é andar permanentemente com o seu telemóvel, permanecer conectado, ter acesso pronto a um contacto que o conduza à diversão, a uma tarefa, a um biscate, a um encontro. E como crescem as dificuldades de amar o próximo, o melhor, o mais rápido é pagar solidariedades. Os programas televisivos mais apetecidos espelham este estado de espírito. Quando se vê o Big Brother ou o Elo Mais Fraco, a mensagem que passa é que os seres humanos são descartáveis, ninguém é indispensável, a vida é um jogo duro para pessoas duras, o melhor que pode acontecer no convívio humano é encará-lo como um contrato, esse relacionamento só pode existir enquanto as partes imaginam que estão a proporcionar satisfação suficiente para permanecerem na relação. O olhar do cientista social estende-se depois para a vida nas cidades onde cresce a mixofobia (sensibilidade alérgica e febril aos estranhos e desconhecido), se desenvolvem animosidades tribais, regiões gueto e a problemática da segurança é sempre matéria nobre nas campanhas eleitorais. É um olhar que se estende aos refugiados da mesma maneira que procura interpretar a violência que emerge da xenofobia e da perda de raízes culturais. Todo este vasto diagnóstico leva à conclusão de que todas estas manifestações de modernidade líquida só poderão gradualmente desaparecer quando nos entendermos coletivamente sobre a humanidade partilhada: em nenhuma outra época se mostra tão intensa a busca por uma humanidade comum, é o aviso derradeiro que deixa Zygmunt Bauman.

têm mesmo de fechar e outras que aproveitam a onda para despedir sem responsabilidades e encargos. O mais giro disto tudo, se é que se pode sorrir de ironia no drama humano, são os anúncios de criação de emprego. Normalmente, nas áreas comerciais e serviços, os números dos postos de trabalho, directos e indirectos, não têm em conta aqueles que fazem desaparecer, bem mais do que os criados, nos sectores tradicionais. Contudo, o que dizer de um recente anúncio da EDP que ainda encherá as páginas dos jornais, dizendo que só no projecto hídrico vão criar mais de 35 mil empregos? Levantando um pouquinho o véu lá vêm os 8750 directos, eventualmente da sua responsabilidade, e 26.250 indirectos. Não sendo uma relação directa simples, pois os indirectos dizem também respeito aos productos, materiais e equipamentos (e aqui compra-se onde há sem nada de novo), mas são-no também nos serviços e apoios que aqueles geram: um activo para três induzidos: acreditam? E nem sequer falo no que o projecto hídrico prejudica ou tem de negativo. Noutro pequeno exemplo marcante diria que, também na EDP, só os vencimentos de dois dos maiorais, dariam para 800 empregos a 500 euros em 13 meses. Vá lá, deixando-lhes cinco mil euros a cada um que bem lhes chegava para enfrentar a crise, ainda ficariam 780 lugares. Abençoado país com mais de um milhão de pessoas a sobreviver a pão e água... repórterdomarão | abril'13 21


artes

Cartoons de Santiagu [Pseudónimo de António Santos]

O olhar de...

eduardo pinto

1933-2009

Publicação da IV Série

MANOEL DE OLIVEIRA

S/ Título

2º Prémio Especial, na modalidade de caricatura, em Homenagem ao cineasta Manoel de Oliveira no XV PORTOCARTOON.

repórterdomarão Fundado em 1984 | Revista Mensal Registo ERC 109 918 | Dep. Legal: 26663/89 Sede/Redação: Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, 230 | Apartado 200 4630-279 MARCO DE CANAVESES Telef. 910 536 928 E-mail: tamegapress@gmail.com

http://www.issuu.com/rmarao http://www.reporterdomarao.com facebook.com/reporterdomarao

Diretor: Jorge Sousa (C.P. 1689) Redação e colaboradores (permanentes e ocasionais): Patrícia Posse (C.P. 9322), Liliana Leandro (C.P. 8592), Helena Fidalgo (C.P. 3563), Jorge Sousa, Mónica Ferreira (C.P. 8839), Paulo Alexandre Teixeira (C.P. 9336), A. Massa Constâncio (C.P. 3919), Armindo Mendes (C.P. 3041), Manuel Teles (Fotojornalista), Lúcia Pereira (C.P. 6958), Iolanda Vilar (C.P. 5555), Ana Leite (T.P. 1341), Joana Vales (T.P. 1599), Alexandre Panda (C.P. 8276), António Orlando (C.P. 3057), Paula Lima (C.P. 6019), Carlos Alexandre Teixeira (C.P. 2950), Alcino Oliveira (C.P. 4286), Helena Carvalho, Daniel Faiões (T.P. 991).

22

abril'13 | repórterdomarão

SENSIBILIDADES

2013 Amarante - Anos 60

Esta edição foi globalmente escrita ao abrigo do novo acordo ortográfico. Porém, alguns textos, sobretudo de colaboradores, utilizam ainda a grafia anterior.

Fotografia e Fotojornalistas: Marta Sousa, Manuel Teles, Jorge Sousa, Paulo Teixeira. Cronistas: A.M. Pires Cabral, António Mota, Eduarda Freitas. Cartoon/Caricatura: António Santos (Santiagu) Colunistas Permanentes e Ocasionais: António Fontaínhas Fernandes, José Carlos Pereira, Cláudia Moura, Armando Miro, Beja Santos, Alberto Santos, José Luís Carneiro, Nicolau Ribeiro, Paula Alves, Alice Costa, Pedro Barros, Antonino Sousa, José Luís Gaspar, Armindo Abreu, Coutinho Ribeiro, Luís Magalhães, José Pinho Silva, Mário Magalhães, Fernando Beça Moreira, Cristiano Ribeiro, Hernâni Pinto, Carlos Sousa Pinto, Helder Ferreira, Rui Coutinho, João Monteiro Lima, Pedro Oliveira Pinto, Mª José Castelo Branco, Lúcia Coutinho, Marco António Costa, F. Matos Rodrigues, Adriano Santos, Luís Ramos, Ercília Costa, Virgílio Macedo, José Carlos Póvoas, Sílvio Macedo.

Marketing, RP e Publicidade: Telef. 910 536 928 - Marta Sousa publicidade.tamegapress@gmail.com | martasousa.tamegapress@gmail.com Propriedade e Edição: Registo na ERC nº 223800 Tâmegapress-Comunicação e Multimédia, Lda. • NIPC: 508920450 Sede: Rua Dr. Francisco Sá Carneiro, 230 • 4630-279 MARCO DE CANAVESES

Cap. Social: 80.000 Euros – Partes sociais superiores a 10% do capital: António Martinho B. Gomes Coutinho, Marta Cláudia A. Sousa. Impressão: Multiponto SA - Baltar, Paredes Tiragem média: 20.000 a 30.000 ex. (Auditados) | Associado APCT - Ass. Portuguesa de Controlo de Tiragem e Circulação | Ass. nº 486 Assinaturas | Anual: P/ Embalamento e pagamento dos portes CTT – Continente: 40,00 | Europa: 70,00 | Resto do Mundo: 100,00 (IVA incluído) A opinião expressa nos artigos assinados pode não corresponder necessariamente à da Direção deste jornal.

PUBLICIDADE 910 536 928 publicidade.tamegapress@gmail.com


crónica

Cenários de Envelhecimento Cláudia Moura

CAPACIDADE FUNCIONAL E ACESSIBILIDADE x AMBIENTE DOMICILIAR DO IDOSO O bem-estar doméstico é uma necessidade humana fundamental, que está profundamente enraizada e que necessita de ser satisfeita, o que possibilita e mostra na acessibilidade o ganho de autonomia e mobilidade, principalmente nos idosos que possam usufruir dos espaços e das relações com mais segurança, confiança e capacidade funcional. DEIXO-VOS A PENSAR … O envelhecimento populacional associado ao aumento da expectativa de vida tem acarretado novas preocupações, nomeadamente a necessidade de prestação de cuidados aos mais dependentes. Deste modo, o atendimento domiciliário surge como um novo modelo de atenção à saúde do idoso, conduzindo à emergência do conhecimento do ambiente domiciliar. Torna-se essencial ter conhecimento das habilidades funcionais do idoso de forma a poder desenvolver um projeto que minimize as suas dificuldades, dentro de um processo terapêutico para maximizar a aceitação do uso das adaptações e a insatisfação do idoso e da família. Tal conhecimento tem privilegiado o atendimento do idoso no seu domicílio, ao lado da sua família. O modelo assenta na atenção para a transferência desta responsabilidade para a família. Sendo esta a nova tendência do modelo a atenção à saúde do idoso, onde o maior conhecimento e intervenção no ambiente domiciliar, se considera na dinâmica familiar, nomeadamente as verídicas necessidades da família e do idoso, bem como a capacidade funcional do mesmo e as características ambientais no domicílio. Ora tais acontecimentos conduzem à inevitável proposta de avaliação do ambiente domiciliar e da capacidade funcional dos idosos. A velhice é portanto, dependente do referencial histórico vivido. Sendo que o processo de envelhecimento engloba diversos aspetos determinantes para uma velhice saudável e com qualidade. A manutenção da autonomia e da independência constitui-se como condição necessária para o processo de envelhecimento saudável. Que segundo a Organização Mundial de Saúde, é um estado de completo bem-estar físico, psíquico e social, e não meramente ausência de doença. Desse modo, um indivíduo, mesmo portador de alguma doença, pode sentir-se saudável caso mantenha a capacidade de realizar funções ou atividades, de alcançar expectativas e desejos, nomeadamente no que refere a manter-se ativo no seu meio. A saúde poder ser alcançada como a capacidade de o indivíduo continuar a exercer funções no seu meio físico e social, contribuindo para a sociedade e interagindo com a mesma. Porém, é necessário pontuar-se que, apesar da relação do poder fazer e poder escolher, mesmo funcionalmente e/ou fisicamente impedidas, muitos idosos são capazes de exercer as suas capacidades de escolha e de controlo sobre parte do seu ambiente. Pode dizer-se que a dependência na velhice é determinada por eventos biológicos, socioculturais e psicológicos. Portanto, o envelhecimento e o ambiente domiciliar passa a ter um novo significado, daquele antes visto como um ambiente de descanso do trabalho e local de acolhimento familiar passando a ser encarado para muitos idosos o seu único ambiente, podendo, em determinadas alturas, ter uma inter-relação na capacidade funcional destes idosos. Por isso, os ambientes devem ser planeados objetivando a promoção e estímulo da independência e autonomia. claudiamoura@portugalmail.pt Professora Universitária e Investigadora na área da Gerontologia.

António Mota

GABRIELA e ÂNGELO O problema deve ser do meu relógio. Não, não a tenho por mentirosa, a minha Gabriela é uma boa filha. E não há razões para que não seja assim, eu sempre a tratei bem, sempre lhe dei o melhor que consegui arranjar. Mesmo quando ela me disse que ia casar com aquele desgraçado, que tão mal a tratou, eu, que já não ia com a cara dele, disse-lhe: minha filha, se fosse eu mandava-o dar uma volta, mas tu é que sabes o que queres para a tua vida, o que eu mais quero é que tu sejas feliz. Foi a única vez que eu me meti na vida dela, e não me arrependi. A mãe da Gabriela não gostou, disse que era um assunto que não me dizia respeito, e que mais isto e mais aquilo. Tanto me disse e me azucrinou que eu até comecei a ficar com remorsos. Ah, mas a verdade é como o azeite, e quando a Gabriela chegou à nossa beira com óculos de sol num dia de chuva, a dizer que tinha caído na banheira, eu perguntei à mãe da Gabriela: e agora, Benvinda, sempre me dás razão? E a Benvinda respondeu-me, parece que ainda agora a estou a ouvir: Está calado, Ângelo, ele é pai do nosso neto. Queres que o Afonso cresça sem pai? Eu calei-me, naquele tempo o mundo era diferente, não havia tanto casa e descasa como agora é costume e até dá na televisão. E valeu de alguma coisa fazer de conta que éramos cegos e surdos? Claro que não, o desgraçado foi-se embora, para o Luxemburgo, ou para a Suíça, nunca se soube ao certo, a minha Gabriela voltou para o quarto dela, e o Afonso foi o sol que nos alegrou em casa. Depois, a Benvinda morreu sem avisar. Deitou-se e nunca mais acordou. Foi muito complicado, porque eu não estava preparado para acordar com a Benvinda deitada ao meu lado, gelada e dentro da camisa de dormir. Não, a minha Gabriela é uma boa filha, só deve estar um bocadinho atrasada. Eu não gosto que esperem por mim, nunca ninguém esperou por mim, eu tinha vergonha se alguém esperasse por mim. Antes não era assim, mas

agora com estes anos todos em cima das costas qualquer preocupação, mesmo que seja pequenina, não me deixa dormir em paz. Acordo muitas vezes de noite, vou ver as horas e o tempo nunca mais passa. Às vezes, no meio do sono, a Benvinda pára à minha beira e eu pergunto-lhe: porque é que me deixaste? E ela ri-se, não responde, e vai-se embora. Depois custa-me a adormecer. Se isso não tivesse acontecido, se calhar eu e a Benvinda ainda estávamos na nossa casa, e eu não estava aqui no meio destes velhos que mijam nas fraldas e gritam de noite, com pesadelos. Depois da Benvinda ter sido enterrada, a Gabriela tomou logo conta da caderneta do banco da mãe e agora também da minha, e disse que tratava de mim e de tudo. Meteu dentro de casa um sujeito que é muito educado, muito calado, não me parece má pessoa, mas está desempregado e fuma cigarro atrás de cigarro, que só lhe faz mal e seca a carteira da minha filha. Eu já não me importo com nada desde o dia em que acordei no hospital e descobri que metade de mim recusava-se a fazer o que eu queria. Deixei de pensar. É melhor assim. Agora estou aqui num quarto que tem duas camas. Eu estou deitado numa, e na outra fica um pobre diabo que, mal pressente a noite desata a chorar como uma criança de colo. É irritante. Se eu tivesse forças dava-lhe um estalo e dizia-lhe: cala-te, volta a ser um homem, tem vergonha, desaparece de vez. Hoje é domingo, e a Gabriela disse que me vinha buscar, que íamos dar um passeio, almoçar juntos. Dormi mal porque não sabia bem o que havia de pedir lá no restaurante. E ainda não sei. Antes eu sabia logo tudo, agora só tenho dúvidas. O meu relógio diz que são quatro da tarde, mas deve ser engano. Este relógio está pior que o dono.

anttoniomotta@gmail.com repórterdomarão | abril'13 23


Revista Repórter do Marão  

Revista Mensal de Informação. Tiragem média de 20 a 30 mil exemplares. Distritos do Porto, Vila Real e Bragança e parte dos de Viseu, Aveiro...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you