Page 1


Guia médico

Revista Saúde Edição 15 | Novembro . 2019 | Criciúma.SC

Dr. André Nesi Neurocirurgia CRM/SC 15764 | RQE 8934

Neurosul Rua João Cechinel, 168 - Centro Médico São José, Conj. 207 Centro - Criciúma/SC 48 3433-5158

Dr. Carlos Fernando dos Santos Moreira

Dr. Eduardo Ancelmo Martins

Neurocirurgia

Dermatologista - Médico de Família CRM/SC 13012 | RQE 12641 | RQE 17671 Clínica Unna Rua Cel. Pedro Benedet, 505, Sala 110 Edifício Millenium Saúde Center Centro | Criciúma/SC 48 3433-3307 | 48 99102-1415 Clínica CMD Rua Jacob Batista Uliano, 238, 1º Andar Edifício São Lucas - Braço do Norte/SC 48 3658-3756 | 48 99998-1738

CRM/SC 15507 | RQE 12403 Neurosul Rua João Cechinel, 168 - Centro Médico São José, Conj. 207 Centro - Criciúma/SC 48 3433-5158

Dr. Fernando Lupselo

Dra. Gabriela Zambon

Ortopedia e Traumatologia CRM/SC 17718 RQE 12327 | TEOT 14190 Levve Ortopedia Rua Augusto dos Anjos, 158 | Pio Corrêa | Criciúma/SC 48 3056-1227 | 48 3056-1224 Ergomed Especialidades Médicas Rua Cruz e Souza, 103 | Pio Corrêa | Criciúma/SC 48 3437-6621 | 48 99996-1008

Oftalmologia

Dr. Jeverson Bellido Colin

Dr. Jonas Dalló Dal Pont

Psiquiatra CRM/SC 13393 | RQE 10983

Médico

Edifício Interclínicas Av. Marcolino Martins Cabral, 2075 | Vila Moema - Tubarão/SC 48 3632-8334 - 99650-1020 Clínica Saúde Plena Av. Santa Catarina, 999 | Centro | Imbituba/SC 48 3255-4504 - 99923-9327

Dr. Luiz Pedro Willimann Rogério Neurocirurgia

CRM/SC 24359 | RQE 16629

Pizzolatti Oftalmologia Rua Cel. Pedro Benedet, 333, Sala 1707 - Edifício Metropolitan Business Center - Centro - Criciúma/SC 48 3443-6514 | 48 3462-8412 48 99619-7114

CRM/SC 16183

Clinica Brave New Life Edifício Millenium Saúde Center - Rua Cel. Pedro Benedet, 505, Sala 5 Centro | Criciúma/SC 48 3438-5994 | 48 9 9105-3856

Dr. Marcos Longo Pizzolatti Oftalmologia CRM/SC 11400 | RQE 16736

CRM/SC 17821 RQE 14899 Neurosul Rua João Cechinel, 168 - Centro Médico São José, Conj. 207 Centro - Criciúma/SC 48 3433-5158

Pizzolatti Oftalmologia Rua Cel. Pedro Benedet, 333, Sala 1707 - Edifício Metropolitan Business Center - Centro - Criciúma/SC 48 3443-6514 | 48 3462-8412 48 99619-7114

rsaude.com.br | Novembro . 2019 | Revista Saúde

3


Guia médico

Revista Saúde Edição 15 | Novembro . 2019 | Criciúma.SC

Dra. Meriene Viquetti

Dra. Milliane E. Rossafa

Pediatria Hematologia e Hemoterapia Pediátrica

Psiquiatria CRM/SC 21585 | RQE 13984

CRM/SC 18825 | RQE 13981 | RQE 14697

Instituto Médico São Lucas Rua Antônio de Lucca, 100, Sala 205, CLION, Centro - Criciúma/SC 48 3433-3534 | 48 99949-9772

Clínica Unna Rua Cel. Pedro Benedet, 505, Sala 110, Edifício Millenium Saúde Center, Centro - Criciúma/SC 48 3433-3307

Dra. Priscila Nunes Antunes

Dr. Rafael Locks

CRM/SC 24268 | RQE 15286

CRM 12944 | RQE 9210

Otorrinolaringologia

Clínica Médica

Rua Cel. Pedro Benedet, 333, Sala 414 - Metropolitan Business Center Criciúma/SC 48 3045-7300 | 48 99109-2317

Dr. Romulo Cézar Pizzolatti

Dra. Thais Bacha Berti

Nefrologia - Clínica Médica

Oftalmologia

CRM/SC 1868 | RQE 2806 | RQE 3001

CRM/SC 13656 | RQE 11272

Pizzolatti Oftalmologia Rua Cel. Pedro Benedet, 333, Sala 1707 - Edifício Metropolitan Business Center - Centro - Criciúma/SC 48 3443-6514 | 48 3462-8412 48 99619-7114

Metropolitan Business Center Rua Cel. Pedro Benedet, 333 7º Andar - Sala 705 - Criciúma/SC 48 3411-6218

Dr. Vitor Hugo P. Ricci Hematologia e Hemoterapia CRM/SC 16000 | RQE 11684 Clinigastro Medicina Integrada Rua Antônio de Lucca, 50 Pio Corrêa | Criciúma/SC 48 3431-9999 Onkológica Clínica Médica Rua Antônio de Lucca, 50, Sala 109 Pio Corrêa/SC 48 3437-0878 4

Clínica Locks Rua Antônio de Lucca, 165 Sala 204 Edifício Vitale - Pio Corrêa - Criciúma/SC 48 3437-5443

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br


Índice

Revista Saúde Edição 15 | Novembro . 2019 | Criciúma.SC

7

Entendendo a biópsia e o exame histopatológico na odontologia Dra. Patricia F. Ávila Ribeiro Dra. Alessandra Dutra da Silva

26

28

8

Você conhece a Prótese Osteo Ancorada – BAHA? Dr. Rafael Locks

10

Dra. Caroline de Medeiros Marcos

32

Transtornos mentais podem influenciar no comportamento sexual Dra. Milliane E. Rossafa

14

16

Dermatite seborreica Dr. Eduardo Ancelmo Martins

Conhecendo a Medicina do Estilo de Vida Dra. Priscila Nunes Antunes

18

22

Ceratocone Dr. Marcos Longo Pizzolatti Dra. Gabriela Zambon

Especial Capa Criciúma O Sul de Santa Catarina ganhará um empreendimento completo para serviços de saúde

24

Especial Capa Tubarão Oral Sin Implantes, referência em Tubarão e em todo Brasil Oral Sin

Recessão Gengival Dr. Guido Antonio Canela

Meu filho tem baixa imunidade? Dra. Meriene Viquetti

10

Tratamentos alternativos para dor crônica Marcos Thomé Palácios

34

36

38

40

12

Hemorragia Subconjuntival Dra. Thais Bacha Berti

Tendinite no quadril Dr. Fernando Lupselo

Ginástica Laboral Cristiane Cesconeto

14

16

Violência invisível Sheila Marquardt

18

42

Quando levar a criança ao dentista? Dra. Roberta Pereira Dr. Henrique Peruchi Madalena

Santa Vita

07

Izabela Francisca Nunes Palácios

12

Dr. Jeverson Bellido Colin

30 Remoção segura de amálgama dental

Você sabe o que é hipocondria?

Dra. Aline Maria Rohr

44

26

Tratamento endovascular do AVC Agudo Dr. Luiz Pedro Willimann Rogério

rsaude.com.br | Novembro . 2019 | Revista Saúde

5


Expediente

Revista Saúde Edição 15 | Novembro . 2019 | Criciúma.SC

REVISTA TRIMESTRAL Novembro 2019 | ANO 4 | Nº 15 | Criciúma | Tubarão e Região - SC Editora Lopes e Rampani Ltda - CNPJ 07.986.256/0001-69 Franquia de Criciúma: Laura Latrônico Alvarenga - ME - CNPJ: 24.316.513/0001-74 ESCRITÓRIOS Umuarama (sede): Rua Paulo Pedrosa de Alencar, 4291 - Ed. Manhattan Garden - CEP: 87501-270 | Centro | Tel.: 44 3622-8270 | e-mail: revistasaude@sempresaude.com. br - Maringá: Av. Carlos Correia Borges, 970 - Sala 1 | CEP: 87040-240 | Zona 4 | Tel.: 44 3346-4050 - e-mail: artemaringa@sempresaude.com.br

CAPA CRICIÚMA

CAPA TUBARÃO

O maior empreendimento de saúde do sul do Brasil

Oral Sin Implantes, referência em Tubarão e todo Brasil

Santa Vita

Oral Sin

Foto Capa: Laís Latrônico Alvarenga DIREÇÃO GERAL

Marcelo Adriano Lopes da Silva

Ueslei Dias Rampani

FRANQUEADOS DESTA UNIDADE

José Carlos Junqueira Alvarenga

Laura Latrônico Alvarenga

Sandra Regina Latrônico Alvarenga

COLABORADORES LAYOUT E DIAGRAMAÇÃO: Alison Henrique, Bruno Assunção, Dyego Bortoli, Jean Carlos, Marcio Garcia. CORREÇÃO ORTOGRÁFICA: Professora Marcia Souza, Professora Laís Miriany. FOTOGRAFIAS: Láis Latrônico Alvarenga - 48 99941-9632 - laislatronico@gmail.com. JORNALISTA RESPONSÁVEL: Caio Henrique dos Santos Rosa - 0011175/PR. CIRCULAÇÃO: Criciúma, Tubarão e região. FRANQUIAS Apucarana/Arapongas-PR - Leandro Henrique | Paula Renatha Pontim - comercial@sempresaude. com.br - 43. 99611-5553 | 43. 99611-5563 - Araçatuba/Bauru-SP - Anderson Hernandes | Carol Lopes - aracatuba@sempresaude.com.br - 18. 99740-2777 | 18. 99813-7777 - Boa Vista-RR - Julio Graziani Carlos - boavista@sempresaude.com.br - 95. 99169-4071 - Campina Grande-PB - Everton Barros | Victor Lima - campinagrande@sempresaude.com.br - 83. 99988-0372 | 83. 99988-0429 - Campo Mourão-PR - Rafael Morimoto - rafael@sempresaude.com.br - 44. 99911-8081 | 44. 98811-6206 - Chapecó-SC - Fábio Bortolone - chapeco@sempresaude.com.br - 49. 99916-5719 - Cianorte-PR - Paulo Paixão | Andreia Gabriel - cianorte@sempresaude.com.br - 44. 99922-0310 | 44. 3346-4050 - Criciúma-SC - José Carlos Junqueira Alvarenga | Sandra Alvarenga - criciuma@ sempresaude.com.br - 48. 99912-5253 | 48. 99914-0810 - Cuiabá-MT - Márcio Costa - cuiaba@ sempresaude.com.br - 66. 99683-1899 - Florianópolis-SC - Paulo Victor Frasson Cordeiro - floripa@ sempresaude.com.br - 48. 99133-3334 | 48. 99610-5357 - Foz do Iguaçu -PR - Rosana Segovia - rosana@sempresaude.com.br - 45. 99991-2500 - Goiânia-GO - Tiago de Souza Brito | Josiane Vicentim - goiania@sempresaude.com.br - 62. 99649-2036 | 62. 98326-2003 - João Pessoa-PB José Adriano Danhoni Neves | Ednéia Tenório - joaopessoa@sempresaude.com.br - 83. 98750-7070 | 83. 98812-7080 - Joinville-SC - Ana Paula de Campos | Bruno Bellio - joinville@sempresaude. com.br - 47. 99930-6364 | 47. 99930-7637 - Londrina-PR - Leandro Henrique | Paula Renatha Pontim - londrina@sempresaude.com.br - 43. 99611-5553 | 43. 99611-5563 - Macaé/Rio das Ostras-RJ - Andreia Garcia | Paulo Cesar Ceranto - macae@sempresaude.com.br - 22. 98847-5455 | 22. 98842-9166 - Maringá-PR - Paulo Paixão | Andreia Gabriel - paulopaixao@sempresaude.com. br - 44. 99922-0310 | 44. 3346-4050 - Natal-RN - Dirceu Filho - natal@sempresaude.com.br - 83. 98788-7070 - Palmas/Araguaína-TO - Fábio Lima - palmas@sempresaude.com.br - 63. 98503-9960 | 44. 99829-0245 - Paranavaí-PR - Paulo Paixão | Andreia Gabriel - paranavai@sempresaude.com.br - 44. 99922-0310 | 44. 3346-4050 - Ponta Grossa-PR - Sérgio Oliveira | Mara Megda - pontagrossa@ sempresaude.com.br - 42. 99987-8180 | 42. 99835-0400 - Porto Velho-RO - Arthur Marandola portovelho@sempresaude.com.br - 69. 99366-1466 | 69. 99366-1470 - Ribeirão Preto-SP - Eduardo Borges - ribeirao@sempresaude.com.br - 16. 99711-7770 - Rio Verde-GO - Marcelo Piai | Verônica Venâncio - rioverde@sempresaude.com.br - 64. 99625-8105 | 64. 99625-8305 - Rondonópolis-MT - Marcio Costa | Fernanda Lima - rondonopolis@sempresaude.com.br - 66. 99683-1899 | 66. 981397824 - São José dos Campos-SP - Marcelo Piai | Verônica Venâncio - sjcampos@sempresaude.com. br - 12. 99625.8005 | 12. 99625-1005 - São José do Rio Preto-SP - Renato Dias Renovato | Kelly Renovato - riopreto@sempresaude.com.br - 17. 99669-1700 | 17. 99669-7771 - Sinop/Sorriso/ Lucas do Rio Verde-MT - Luiz Carlos Rampani - rampani@sempresaude.com.br - 66. 99994-2442 | 66. 99659-7210 - Uberlândia-MG - Wander Marcio Rosada - uberlandia@sempresaude.com.br - 34. 99990-2479 | 34. 99967-1225 - Umuarama-PR - Ueslei Rampani | Marcelo Adriano - revistasaude@ sempresaude.com.br - 44. 98407-0698 | 44. 99941-9930 | 44. 3622-8270

www.rsaude.com.br /revistasaudecriciuma

ENTRE EM CONTATO PARA MATÉRIAS E ANÚNCIOS

José Carlos Junqueira: 48 99912.5253 Laura Latrônico: 48 99967.5012 Sandra Latrônico: 48 99914.0810 criciuma@sempresaude.com.br

6

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

Você também pode ler esta edição online pelo site:

www.rsaude.com.br

As matérias e imagens veiculadas são de responsabilidade dos seus autores.


Entendendo a biópsia e o exame histopatológico na odontologia As doenças que acometem a boca são frequentes na população e podem ser de natureza bastante variada. Assim, na clínica odontológica é comum o cirurgião-dentista se deparar com lesões bucais, cujo diagnóstico muitas vezes não pode ser feito baseado somente no exame clínico e de imagens, como radiografias e tomografias. Dessa forma, para estabelecer o adequado diagnóstico torna-se imprescindível, além da realização de uma anamnese detalhada, e um exame físico minucioso, a solicitação de exames complementares mais específicos como a biópsia. Para uma grande parcela da população o termo biópsia causa um certo temor aos pacientes, uma vez que a maioria acredita que a solicitação deste exame significa a suspeita de um câncer. Porém, ao contrário disso, esta técnica é indicada tanto para enfermidades menos graves, como doenças inflamatórias e infecciosas, quanto para lesões suspeitas de malignidade como o câncer. A biópsia consiste em um procedimento com fins de diagnóstico, que se caracteriza pela remoção de um fragmento de tecido vivo para o estudo microscópico. Após a realização da biópsia, o material deve passar por um processamento laboratorial, seguido pela confecção de lâminas histológicas, análise e descrição histopatológica do tecido visualizado ao microscópio. O exame histopatológico permite a análise microscópica dos tecidos, com a

finalidade de informar ao clínico a natureza, a gravidade e a extensão das lesões, além de sugerir ou confirmar o diagnóstico de determinada doença. Por exemplo: um nódulo na boca, pode ser, desde um processo inflamatório até um tumor benigno ou maligno. Desta forma, este exame permite definir o correto diagnóstico, direcionando o dentista para o tratamento adequado da lesão. Em geral, a biópsia é um procedimento cirúrgico simples realizado no consultório odontológico, sem necessidade de internação. É importante ressaltar que a análise das peças de biópsia oriundas da cavidade bucal devem ser realizadas por um Patologista Bucal, que é um profissional treinado para analisar pequenos fragmentos de tecidos oriundos da boca, com o intuito de confirmar, elucidar ou afastar as hipóteses de diagnósticos sugeridos pelo

cirurgião-dentista. Assim, frente a qualquer lesão na cavidade bucal persistente, presente por mais de quinze dias, cuja história clínica e aspecto não permitam o diagnóstico, deve-se procurar o cirurgião – dentista para a realização de uma biópsia, a fim de estabelecer um correto diagnóstico e tratamento. Frente a lesões suspeitas de malignidade, este procedimento deve ser realizado o mais breve possível, com intuito de promover o diagnóstico e tratamento precoce, o que possibilita uma melhor sobrevida e qualidade de vida ao paciente.

DRA. PATRICIA F. ÁVILA RIBEIRO

DRA. ALESSANDRA DUTRA DA SILVA

CRO/SC 5338 Cirurgiã-dentista

CRO/SC 9009 Cirurgiã-dentista

CURRÍCULO • Especialista e Doutoranda em Radiologia; • Mestre em Patologia Bucal.

CURRÍCULO • Mestre e Doutora em Patologia Bucal.

48 3438-3888 | 48 99101-1480 Rua Felipe Schmidt, 304 - Precisão Radiologia Odontológica Digital - Pio Corrêa - Criciúma/SC 48 3055-3043 | 48 99187-5952 Rua Altamiro Guimarães, 145 Sala 301 - Precisão Radiologia Odontológica Digital - Centro - Içara/SC

rsaude.com.br | Novembro . 2019 | Revista Saúde

7


Você conhece a Prótese Osteo Ancorada – BAHA? A orelha é o órgão que detecta som e nos ajuda a manter o equilíbrio. É composta por três partes, orelha externa, média e interna. Quando qualquer parte das vias auditivas esta lesionada, as informações sonoras podem não ser transmitidas corretamente para o cérebro, resultando em algum grau de perda auditiva. A maioria das pessoas com problemas de audição usa aparelhos auditivos que amplificam o som, ou seja, fazem os sons ficarem mais altos e os enviam do canal auditivo e do ouvido médio para o ouvido interno (cóclea), onde está o nervo auditivo. No entanto, algumas pessoas não são capazes de ouvir bem através desse processo. Essas pessoas têm problemas no ouvido externo, no ouvido médio ou em ambos. Nestes casos, o som tem que tomar um caminho diferente para o ouvido interno, a fim de evitar essas armadilhas da audição. É nesses casos em que a condução óssea desempenha um papel vital. O corpo humano pode conduzir naturalmente o som de duas maneiras: Vias aéreas O processo que envolve a condução aérea do som é através do canal auditivo que encaminha o som ao ouvido médio e depois para o ouvido interno.

Via óssea O Processo de condução óssea usa a condução do som através do osso. O canal auditivo está rodeado por osso, o som pode ignorar a orelha externa e média e enviá-lo diretamente para o ouvido interno. O resultado é um som limpo, claro, sem distorções ou feedback, geralmente associado aos aparelhos auditivos. Para pessoas com problemas no ouvido externo ou médio, ou que são surdos de um ouvido só (surdez unilateral), um implante de condução óssea, como o Baha®, é o meio mais eficaz de proporcionar audição. O Sistema Baha® pode ser testado antes de tomar a decisão de prosseguir com a cirurgia. Com o processador de som ligado a uma tiara ou headband Baha, é possível experimentar a sensação do som em diferentes ambientes testando através do Sistema Baha. Implantes de condução óssea podem ajudar adultos e crianças com: • Perda auditiva condutiva (problema no ouvido externo ou médio); • Perda auditiva mista (problemas no ouvido externo, médio e interno); • Surdez unilateral (surdez total em um ouvido).

DR. RAFAEL LOCKS CRM 12944 | RQE 9210 | Otorrinolaringologia

8

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4

Para definir a indicação do candidato ao Sistema Baha® é necessária uma avaliação médica otorrinolaringológica e avaliação audiológica completa.


Remoção segura de amálgama dental Restaurações de amálgama são aquelas obturações metálicas presentes nos dentes que tiveram a doença cárie. Elas são utilizadas há muito tempo na odontologia pela sua alta resistência à mastigação e alta durabilidade.

O Amálgama é uma liga metálica constituída de uma mistura de metais onde 50% da sua composição é de Mercúrio, um metal pesado extremamente tóxico para o organismo. Esta liga metálica já é proibida na União Europeia para crianças abaixo de 15 anos, gestantes e lactantes. No ano de 2009 a FDA (Food and Drug Administration) e outras corporações reconheceram que a restauração de amálgama libera vapor de mercúrio elementar (forma tóxica) no organismo principalmente durante a mastigação. Estudos revelam que a contaminação pela exposição ocupacional (durante o trabalho) ao mercúrio mostram condições de saúde alteradas em dentistas e suas equipes como: Alterações hormonais, doenças neurológicas, doenças respiratórias, doenças autoimunes, fadiga crônica, entre outros. O mercúrio atravessa facilmente a

barreira hematocefálica (cérebro) e lá fica depositado, isso também acontece em outros órgãos do corpo como tireóide, baço, rins, mama, fígado e próstata. Ele tem afinidade por sítios de ligação na superfície de células T , prejudicando diretamente a função da célula. O mercúrio também se deposita nos tecidos fetais e da placenta podendo até ser encontrado no leite materno. Ë importante salientar que o mercúrio tem efeito cumulativo no corpo, uma vez depositado ele não é totalmente excretado. Neste ano de 2019 a ANVISA proibiu a fabricação, importação, comercialização assim como o uso do mercúrio e do pó para a liga metálica de amálgama na forma não encapsulada, não só na área odontológica como também proibiu os termômetros e medidores de pressão que utilizam mercúrio. Estes medidas foram tomadas depois da Convenção de Minamata, um tratado firmado por 128 países em outubro de 2013 com o objetivo de minimizar o impacto na saúde da população e no meio ambien-

te decorrentes do uso deste material. Durante a remoção destas restaurações pode-se gerar no ambiente 13.000 vezes mais da quantidade de mercúrio preconizado pela Agência de Proteção Ambiental (APA). A remoção segura do amálgama deve ser feitas com extremo cuidado pelo dentista para que não haja maiores contaminações para o paciente , pois durante a retirada deste material ocorre uma grande liberação de vapor e resíduos, e ele não deve ter contato com a pele, mucosa, olhos e muito menos ingerir e inspirar o conteúdo retirado. Alguns cuidados são essenciais na retirada deste material, como o uso de isolamento absoluto, óculos de proteção, roupas descartáveis e, de preferência, o uso de máscara de oxigênio. Ainda há muita discussão acerca deste assunto dentro da odontologia e muitos estudos continuam sendo realizados para saber ao certo qual a extensão dos problemas que este elemento causa no organismo, porém já se sabe que pode trazer inúmeros prejuízos para a saúde.

DRA. CAROLINE DE MEDEIROS MARCOS CRO/SC 15060 Cirurgiã Dentista Especialista em Endodontia Habilitada em Ozonioterapia

10

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br


Transtornos mentais podem influenciar no comportamento sexual A prática da sexualidade para alguns indivíduos é tão vital para a saúde quanto comer, dormir e fazer exercícios. Mas existem inúmeros fatores que podem influenciar no comportamento sexual, incluindo os transtornos mentais. A redução da autoestima, dificuldades de relacionamento, redução do interesse, cansaço, irritabilidade, são alguns sintomas que costumam estarem presentes em diversos transtornos mentais e podem causar redução da frequência e da qualidade das relações sexuais. Grande parte dos pacientes com transtornos mentais têm dificuldades sexuais em consequência da própria doença ou dos medicamentos utilizados para tratá-las, o que pode levar a problemas no relacionamento com o parceiro e uso de substâncias sem prescrição médica. Estas consequências podem provocar um desfecho ainda mais arriscado, que é o abandono do tratamento psiquiátrico. Entretanto, a interrupção do tratamento medicamentoso sem orientação médica, na maioria dos casos, pode levar a piora dos sintomas, prejuízo social, redução do rendimento e da qualidade de vida. O acompanhamento médico e psicológico permite ampliar o entendimento das possíveis causas e fornece qualidade de vida ao paciente, muitas vezes a fisioterapia também se faz necessária.

É importante saber se a disfunção foi adquirida ao longo da vida ou se ocorre desde o início, se acontece em todas as relações sexuais ou em algumas. Questões culturais, religiosas, estresses, histórico de abuso sexual e de álcool e drogas assim como a idade são fatores de risco. A avaliação de outras especialidades médicas é indispensável em muitos casos para identificar se existem alterações hormonais e também excluir causas clínicas passíveis de intervenções específicas. Transtornos depressivos, de ansiedade, de estresse pós-traumático, psicose, transtorno afetivo bipolar podem também influenciar no desejo sexual. Em alguns casos pode ser considerado o ajuste dos remédios que o paciente está usando ou a introdução de novas medicações que ajudem a atenuar os sintomas tanto da doença de base como das dificuldades sexuais.

A saúde sexual envolve não somente a ausência de doença, mas também a capacidade de se envolver em relações sexuais consensuais, seguras, respeitosas e prazerosas. Tocar no assunto é o primeiro passo para o alívio do desconforto. Quebrar a barreira da vergonha e discutir o tema com os profissionais envolvidos no tratamento permitem a individualização da terapêutica e a melhora da qualidade de vida. Ejaculação precoce ou retardada, transtorno do orgasmo feminino, transtorno da dor gênito-pélvica, disfunção induzida por substâncias são algumas disfunções existentes. A função sexual envolve interação biológica, psicológica e sociocultural e todo o contexto da vida do indivíduo deve ser avaliada para que assim possamos traçar a melhor forma de ajuda-lo.

DRA. MILLIANE E. ROSSAFA CRM/SC 21585 | RQE 13984 Psiquiatra CURRÍCULO • Graduada em Medicina pela Universidade Camilo Castelo Branco de Fernandópolis/SP; • Pós-Graduação “Latu Sensu”, especialização em Psiquiatria na Universidade do Oeste Paulista - Unoeste e Hospital Regional de Presidente Prudente/SP; • Membro da Associação Brasileira de Psiquiatria.

12

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4


Dermatite seborreica Dermatite seborreica é uma inflamação na pele que causa principalmente descamação e vermelhidão em algumas áreas da face, como sobrancelhas, cantos do nariz, couro cabeludo e orelhas. É uma doença de caráter crônico, com períodos de melhora e piora dos sintomas. Os sintomas mais comuns da dermatite seborreica são: • Oleosidade na pele e no couro cabeludo; • Escamas brancas que descamam – caspa; • Escamas amareladas que são oleosas e ardem; • Coceira, que pode piorar caso a área seja infectada pelo ato de “cutucar” a pele; • Leve vermelhidão na área; • Possível perda de cabelo. Mas o que muitas pessoas não sabem é que a alimentação tem influência sobre essa dermatite, visto que uma dieta anti-inflamatória melhora o processo inflamatório da pele. É importante que o paciente afetado pela dermatite seborreica cuide do sistema imunológico, evitando alimentos potencialmente desencadeadores de inflamação celular, melhorando assim a resposta imunológica intestinal, favorecendo a recuperação e diminuindo as reincidências da doença. Alguns nutrientes altamente anti-inflamatórios são os ácidos graxos (ômega 3), vitamina E, vitamina A, vitamina C, Zinco, glutationa (encontrada no

espinafre, aspargos, abacate, quiabo, cúrcuma). É importante também ficar bem longe de alimentos que causam inflamação ao nosso organismo. Alguns alimentos produzem citocinas pró-inflamatórias que geram diversas doenças inflamatórias e crônicas, como a dermatite seborreica, essa dieta geralmente é rica no que chamamos de produto alimentício. Os produtos alimentícios ou alimentos “processados”, como o próprio nome já diz, passaram por alguma interferência que modificou sua forma original, alguns comuns exemplos são os leites industrializados e derivados, embutidos como salame, mortadela, presunto e também frituras em óleo de soja, biscoitos, farinha branca, açúcares e refrigerantes. Para tratar a dermatite seborreica é importante uma combinação de medicamentos prescritos pelo médico dermatologista junto ao controle do

seu estresse e também as mudanças alimentares. Em certos casos é necessária a realização de alguns exames como o micológico, a biópsia e o teste de contato. Deixo aqui mais algumas dicas importantes para aqueles que desencadearam a dermatite seborreica: • Não tome banhos muito quentes; • Enxugue-se bem antes de se vestir; • Use roupas que não retenham o suor (tecidos sintéticos costumam serem contraindicados para quem tem tendência à dermatite seborreica); • Controle o estresse físico e mental; • Retirar completamente o xampu e o condicionador dos cabelos quando os lavar. O tratamento precoce das crises é importante, por isso ao perceber os sintomas procure um médico dermatologista.

DR. EDUARDO ANCELMO MARTINS CRM/SC 13012 | RQE 12641 | RQE 17671 | Dermatologista - Médico de Família CURRÍCULO • Membro da Associação Médica Brasileira - AMB • Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD • Membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica - SBCD • Membro da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade - SBMFC

14

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4


Conhecendo a Medicina do Estilo de Vida Do inglês Lifestyle Medicine, a Medicina do Estilo de Vida tem o objetivo de tratar da saúde de maneira preventiva, promovendo-a ou restaurando-a a partir da reconfiguração de hábitos de vida. Surgiu nos Estados Unidos, país cujo índices de doenças vinculadas aos maus hábitos são quase equivalentes aos dos brasileiros. Para os estudiosos desse cenário, estava claro que era necessário avançar em outro caminho. A ciência havia progredido imensamente na criação de remédios e tecnologias para tratar o diabetes e a obesidade, por exemplo, alcançando um teto difícil de ser superado. Sem contar os custos do atendimento, cada vez mais elevados. Modificar efetivamente comportamentos, portanto, era o terreno a ser explorado, e com urgência. Estima-se que até 80% das doenças cardíacas, acidentes vasculares encefálicos, diabetes tipo 2 e mais de um terço dos casos de câncer poderiam ser prevenidos se eliminados os quatro seguintes fatores de risco: uso de tabaco, inatividade física, alimentação não saudável e uso nocivo de álcool. Comportamentos e estilo de vida não saudáveis estão entre os principais fatores de risco para morte precoce ou incapacidade crônica. Globalmente, as Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DNCTs) são causa de 63% de todas as mortes. Em 2030, estima-se que essas doenças possam representar 52 milhões de mortes anuais em todo o mundo.

A mudança de estilo de vida com a adoção de hábitos saudáveis aumenta a expectativa de vida em 6-10 anos. Mudanças efetivas na alimentação, manutenção de exercícios físicos, bom padrão de sono, equilíbrio emocional ainda são capaz de reprogramar a expressão de genes relacionados ao desenvolvimento das DCNTs, incluindo alguns tipos de câncer, tais como o de próstata e o de mama. Assim, a Medicina de Estilo de Vida, a partir de uma abordagem multiprofissional, empodera os pacientes a adotarem um estilo de vida saudável, promovendo longevidade e maior qualidade de vida, representando a base para a promoção de saúde e bem-estar. É uma prática clínica baseada em evidências científicas onde mudanças de hábitos (como atividade física, nutrição, gerenciamento do estresse e conexão humana) são utilizados para prevenir, tratar e até mesmo reverter a progressão de doenças crônicas - tendo como foco não apenas a consequência mas a causa do problema. Pesquisas mostram que a intervenção intensiva no estilo de vida está associada a: • Melhores perdas de peso durante todo o estudo;

DRA. PRISCILA NUNES ANTUNES CRM/SC 24268 | RQE 15286 | Clínica Médica

16

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4

• Maiores melhorias no condicionamento físico; • Hemoglobina glicada, necessidade de insulina reduzida que é tão importante quanto o tratamento medicamentoso para o diabetes. • Melhorias no HDL (colesterol bom), e menos melhora no LDL (colesterol ruim), mas menos uso de estatina, embora os resultados não mostrem diferença significativa nos eventos cardiovasculares. O papel do médico é avaliar, realizar o diagnóstico e fornecer ferramentas para a realização das mudanças. Durante o processo de educação/orientação o paciente tem autonomia para escolher as ferramentas que mais se encaixem no seu perfil. O comprometimento e a disciplina são muito importantes para resultados relevantes. A medicina do estilo de vida encontra-se em ascensão em todo o mundo – propondo-se a prevenir e a tratar fatores de risco comportamentais associados ao desencadeamento de doenças, oferecendo um conjunto de orientações para mudanças realmente efetivas e duradouras.


Ceratocone O ceratocone é uma doença de caráter hereditário, mas que tem como principal fator de progressão o ato de coçar os olhos. Ao contrário de várias doenças oculares, o ceratocone tem seu início geralmente entre a idade escolar e o princípio da idade adulta, o que pode influenciar muito essa fase importante de formação do indivíduo.

É uma doença em que a córnea (camada transparente localizada na parte anterior do olho) se torna fina e em formato de cone (daí o nome ceratocone), de caráter bilateral e assimétrico, o que significa que afeta os dois olhos, mas com intensidades diferentes. Por ser um processo progressivo se não tratado, faz com que a visão se torne cada vez pior mesmo com uso de óculos. Os sintomas são a piora da visão, que costuma ser mais intensa em um dos olhos inicialmente, com distorção da imagem e dores de cabeça. Mudanças frequentes no grau dos óculos também é um sinal de alerta. Boa parte dos pacientes tem associado a esses sintomas a coceira ocular, o que está intimamente relacionada com a piora significativa

Muitas vezes o médico oftalmologista

ao paciente, é possível utilizar lentes de

pode associar as duas técnicas depen-

contato rígidas. É muito importante tra-

dendo do estágio do ceratocone.

tar alergias associadas e evitar a coceira.

• Transplante de córnea: em casos avan-

Procedimentos podem ser indicados

çados, em que os tratamentos acima

dependendo do estágio da doença: • Crosslinking: tem como objetivo fortalecer a estrutura da córnea, promovendo uma ligação mais firme entre

não são indicados ou foram ineficazes, pode ser necessária a substituição do tecido da córnea por um tecido doador saudável. A troca pode ser da camada

as fibras de colágeno existentes, evi-

anterior da córnea quando somente

tando a progressão da doença.

essa se encontra danificada (Transplan-

• Implante de anéis intraestromais:

te lamelar anterior), ou então a córnea

em que uma prótese composta de ma-

é substituída em toda a sua espessura

Existe tratamento?

terial acrílico é colocada em um túnel

(Transplante penetrante).

O tratamento para o ceratocone tem

confeccionado no meio da córnea. É

A avaliação da severidade do cera-

evoluído muito nos últimos anos. Ini-

um procedimento que não deteriora

tocone e a escolha da melhor opção

cialmente a única maneira de melhorar

a córnea, mas sim regulariza a sua su-

de tratamento são feitas pelo médico

a visão era com o uso de óculos, muitas

perfície, sendo ajustável e reversível

oftalmologista em consultas de rotina

vezes com graus elevados. Casos em

se necessário.

ou ao surgirem os sintomas.

da doença.

18

que os óculos não oferecem boa visão

DR. MARCOS LONGO PIZZOLATTI

DRA. GABRIELA ZAMBON

CRM/SC 11400 | RQE 16736 Oftalmologia

CRM/SC 24359 | RQE 16629 Oftalmologia

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4


ESPECIAL CAPA CRICIÚMA


ESPECIAL CAPA CRICIÚMA

O SUL DE SANTA CATARINA GANHARÁ UM EMPREENDIMENTO COMPLETO PARA SERVIÇOS DE SAÚDE Katia Farias Jornalista - SC- 2895 -JP ___________________________ Em cinco anos, Criciúma poderá tornar-se referência em serviços que visam trazer benefícios para o bem-estar e a saúde da população do sul catarinense, com o nascimento do Santa Vita Saúde Center. Um projeto ousado, que contará com espaços planejados e modulares para diferentes segmentos de atuação da área da saúde, e pensado para atender todas as necessidades do profissional e do paciente em um só lugar. 22

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

Localizado no coração de Criciúma, o Santa Vita Saúde Center terá 31 andares, com espaço para implantação de mais de 390 consultórios, acesso para pedestres e automóveis por duas ruas centrais da cidade e estacionamento rotativo e privativo com mais de 1400 vagas, 16 elevadores, além de exclusiva ligação via passarelas ao Hospital São José, que realiza, hoje, o maior número de atendimentos para as regiões da AMREC e AMESC. O empreendimento, devido à sua grandiosidade e estrutura, precisará dividir sua obra em

duas etapas. A primeira fase, dos nove andares de garagens, será entregue em até dois anos, a fim de garantir a melhora do fluxo de veículos que transitam a região do Hospital São José, das clínicas particulares e dos laboratórios em seu entorno. A segunda parte, dos andares aéreos, deverá ser entregue em até cinco anos. Mais que um completo centro de saúde, o Santa Vita surge como um presente para toda a região sul de Santa Catarina e seus habitantes, oferecendo diferenciais antes só vistos em grandes cidades.


Vagas exclusivas para ambulâncias

Heliponto

Recepção com identificação e triagem

Duas passarelas ligando ao Hospital São José

Saguão área comercial

Praça elevada no 10º pavimento

DIFERENCIAIS DO SANTA VITA O Santa Vita Saúde Center será a maior obra arquitetônica que a cidade de Criciúma já registrou. Um projeto desafiador para todos os envolvidos, que compõem 26 equipes entre idealizadores, investidores, engenheiros, arquitetos, equipes de segurança, de logística, de comunicação, entre outros. O Santa Vita possuirá mais de 40 diferencias se comparado com empreendimentos do mesmo segmento na região. Entre os principais estão as duas passarelas climatizadas que farão a ligação com o Hospital São José, otimizando tempo e privacidade,

RDC 50

ANVISA - PLANTAS EM CONFORMIDADE

ALAMEDA DE SERVIÇOS Praça de alimentação e lojas do segmento da saúde

principalmente para pacientes, que poderão se locomover do consultório médico ao hospital em tempo médio de dois minutos. O acesso controlado na recepção para consultórios e clínicas também será outro grande diferencial para a segurança do prédio e de seus usuários, com credenciamento de todas as pessoas que forem adentrar aos andares superiores do Santa Vita. Para oferecer conveniência e comodidade aos pacientes, acompanhantes e público em geral, o Santa Vita contará com praça de alimentação e alameda de serviços no térreo e mezanino, e uma exclusiva praça elevada no décimo pavimento do edifício

16

ELEVADORES

+132 MIL m

2

que, além de uma bela vista da cidade, contará com fonte de água, árvores, centro ecumênico, auditórios e salas de reunião. No topo de seus 115 metros de altura, um heliponto irá facilitar o acesso aéreo de pacientes a consultas, tratamentos ou atendimentos de emergência no Hospital São José. Completando seus principais diferenciais, toda a estrutura de salas aéreas e espaços para clínicas e consultórios do Santa Vita estará preparada em conformidade com a RDC 50 da ANVISA, quesito fundamental para garantir segurança e confiabilidade ao atendimento de pacientes e profissionais na área da saúde.

+1400

+390

DE ÁREA CONSTRUÍDA

VAGAS DE ESTACIONAMENTO

CONSULTÓRIOS MODULARES

SEGURANÇA

HELIPONTO

Recepção com acesso controlado para consultórios e clínicas

Eficiência e agilidade em emergências

PRAÇA ELEVADA E CONVENÇÕES

PASSARELAS COM 2 VIAS

Auditórios modulares para até 180 pessoas e 7 salas para reuniões e treinamentos

Conexão direta ao Hospital São José com ambiente climatizado


24

Revista SaĂşde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br


Você sabe o que é hipocondria? A hipocondria é um estado psíquico em que a pessoa tem a crença infundada de que possui uma doença grave

Esqueça a caricatura da pessoa mais velha, com pensamento negativo e remédios sempre à mão. A hipocondria é uma doença mental que causa muito sofrimento a homens e mulheres em todas as faixas etárias, porém, predominante entre 20 e 30 anos de idade. A hipocondria pode afetar as relações sociais, profissionais e familiares. Comumente, a pessoa é vista como exagerada e negativista e com isso, muita gente se afasta. Ela muitas vezes está associada aos transtornos de ansiedade, transtornos depressivos e transtornos de pânico. É considerado hipocondríaco a pessoa que apresenta medo quanto à possibilidade de ter uma doença grave. O indivíduo interpreta de forma

errada as sensações corporais normais como condições patológicas, apesar de avaliações, exames laboratoriais e garantias médicas apropriadas de que nada exista. Os sintomas principais além da preocupação excessiva é a supervalorização dos sintomas ou desconforto no organismo e o comportamento repetitivo de verificação da saúde. Passar por médicos, especialistas, uma série de exames e resultados negativos e, mesmo assim, a pessoa desacreditar de tudo e ter a certeza de que não está recebendo o tratamento que deveria e,

DR. JEVERSON BELLIDO COLIN CRM/SC 13393 | Psiquiatra - RQE 10983

26

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4

portanto, cogita que pode morrer por falta de assistência. É importante lembrar, no entanto, que nem sempre a pessoa com hipocondria consegue ter crítica suficiente para buscar o tratamento adequado. A hipocondria pode ser transitória, motivada, por exemplo, por caso de doença grave ou morte na família. Cada caso deverá ser avaliado, inclusive para que se tenha um bom prognóstico. Apesar de ser uma doença séria, a hipocondria é tratável e o tratamento é realizado em conjunto por meio de terapia e utilização de medicamento.


Recessão Gengival Podemos definir que a recessão gengival é uma exposição da raiz dentária em consequência de um deslocamento ou migração da margem gengival. (Fig.1) Além do comprometimento estético, as recessões podem predispor o indivíduo a problemas funcionais, como a hipersensibilidade dentinária, e maior risco de desenvolvimento de lesão na raiz dentária. As recessões gengivais também podem dificultar a higienização bem executada nestes locais acometidos. Entretanto, o desenvolvimento de defeitos do tipo recessão pode ser relacionado aos seguintes fatores: • Anatômicos: como um mal posicionamento do dente; • Patológicos: quando uma inflamação gengival em resposta de acúmulo de placa bacteriana; • Traumáticos: em uma situação de escovação inadequada, agressiva ao tecido gengival e traumas acidentais. Esses fatores podem influenciar a capacidade de mastigar e digerir os alimentos, e são também um motivo de preocupação para pacientes e profissionais. Portanto, opções adequadas de diagnóstico e tratamento com base em evidências devem ser oferecidas para atender às expectativas dos pacientes. O recobrimento radicular é o tratamento que tem como objetivo clínico devolver a função e estética local. O ganho de espessura tecidual gengival garante a estabilidade longitudinal das recessões. A reconstrução tecidual mediante a instituição de manobras regenerativas e plásticas recupera integral ou parcialmente estruturas de suporte e revestimento periodontal comprometidas.

A busca por melhoria nas técnicas cirúrgicas periodontais para recobrimento de raízes expostas tem sido constante. Nesse especial aspecto, a técnica do envelope (enxerto de tecido conjuntivo subepitelial) tem se mostrado com boa previsibilidade e alta taxa de sucesso (Fig.2). Esta técnica oferece uma estética bastante favorável, visto que a manipulação destes tecidos é menor, favorecendo uma cicatrização pós-operatória mais rápida. A técnica de forma simples e delicada, com mínimo trauma cirúrgico pois não há necessidade de incisões relaxantes, e o tecido conjuntivo enxertado fica em íntimo contato com o tecido gengival e radicular da área receptora, proporcionando ao enxerto dupla nutrição sanguínea. Também pode ser utilizada em casos de tecido gengival fino para o tratamento de discromias marginais (alterações na coloração) relacionadas à transparência gengival. É muito frequente a presença de um halo acinzentado ao redor de restaurações, interferindo drasticamente no equilíbrio estético da zona de transição dente/gengiva. Esta condição é causada pela presença de raízes pós tratamento endodôntico (canal) e/ou substratos (pinos) escuros. A recessão gengival é uma consequência da perda parcial da estrutura óssea e gengival que protege o dente, conhecido também como periodonto. O periodonto tem estruturas nobres que sustentam os dentes e devem ser preservadas. Portanto, a visita ao especialista em periodontia previne alterações gengivais e os demais tecido de suporte.

1

2

3

Figura 1. Acima da demarcação na imagem mostra a exposição radicular. Figura 2. Ilustração da técnica de envelope. Figura 3. Antes e Depois do tratamento das recessões gengivais, utilizando a técnica de envelope com enxerto subeptelial de tecido conjuntivo.

PERIO&

IMPLANT CIRURGIA E ESTÉTICA ORAL

DR. GUIDO ANTONIO CANELA CRO/SC 11454 Especialista em Periodontia Especialista em Implantodontia • Graduação em Odontologia pela Universidade Luterana do Brasil – ULBRA; • Especialista em Implantodontia pelo Instituto de pósgraduação – IPENO; • Especialista em Periodontia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS; • Mestrando em Periodontia pela Faculdade de Odontologia São Leopoldo Mandic – SLMANDIC.

28

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

perioimplant_ www.perioimplant.com.br Edifício Prime Tower Executive Center: Rua Princesa Isabel, 40, Sala 802 Centro | Criciúma/SC (48) 3413-8978 / (48) 98819-1803 Clínica Médica Mulher e Filhos: Rua Padre Marcelino Champagnat, 33 Pio Corrêa | Criciúma/SC (48) 3413-8978 / (48) 98819-1803

PE CIR


Meu filho tem baixa imunidade? É comum recebermos no consultório pais preocupados com relação à imunidade de seus filhos. Mas o que é imunidade? A imunidade é o sistema que defende o corpo contra agentes agressores, como bactérias, vírus e parasitas. Ela é formada por diversos componentes, mas os principais são os glóbulos brancos sanguíneos e as proteínas que os mesmos liberam (os anticorpos). E o que é erro inato da imunidade? São doenças onde por alteração genética a criança nasce com predisposição a infecções de repetição e graves devido ao seu sistema de defesa ser defeituoso. Sabemos que o sistema imune da criança por si só já é imaturo, o que a predispõe a mais infecções que o adulto. Mas então o que é considerado anormal? Quando posso considerar que meu filho tem infecções de repetição? Quando a criança tem mais de 06 infecções de via aérea superior (sinusites, resfriados, gripes, otites) ao ano, mais de 01 infecção respi-

ratória ao mês ou 03 infecções de via aérea inferior (pneumonias) ao ano. Nestas situações o caso deve ser investigado. Toda criança com infecção de repetição tem erro inato da imunidade? Não. 50% delas serão saudáveis, 30% alérgicas, 10% terão outras doenças crônicas predispondo infecções e apenas 10% terão erro inato de imunidade. Há alguma forma de se detectar estas doenças precocemente? Sim. Hoje, na rede privada há disponível detecção destas imunodeficiências através de sua inclusão em um tipo específico de teste do pezinho expandido. Quais são os sinais de alerta para erro inato da imunidade? (tabela ao lado). Apesar de raras, as doenças da imunidade podem ser graves e levar a criança a morte. Porém é bom lembrar que o sistema de defesa da criança ainda é imaturo e é comum que a criança tenha diversas infecções ao ano e nem por isso merecer investigação. Fique atento e converse com seu pediatra.

Os 10 Sinais de Alerta para Imunodeficiência Primária na Criança adaptados para o nosso meio são: • Duas ou mais Pneumonias no último ano; • Quatro ou mais Otites no último ano; • Estomatites de repetição ou Moniliase por mais de dois meses; • Abscessos de repetição ou ectima; • Um episódio de infecção sistêmica grave (meningite, osteoartnite, septicemia); • Infecções intestinais de repetição e/ou diarréia crônica; • Asma grave, Doença do colágeno ou Doença auto-imune; • Efeito adverso ao BCG e/ou infecção por Micobactéria; • Fenótipo clínico sugestivo de síndrome associada a imunodeficiência; • História familiar de imunodeficiência.

DRA. MERIENE VIQUETTI CRM/SC 18825 Pediatria - RQE 13981 Hematologia e Hemoterapia Pediátrica - RQE 14697 CURRÍCULO • Pediatria Hospital da Criança Conceição de Porto Alegre/RS; • Hematologia e Hemoterapia Pediátrica Hospital de Clínicas de Porto Alegre; • Mestre em Saúde da Criança e do Adolescente - Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS; • Docente de Medicina da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC.

30

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4


Tratamentos alternativos para dor crônica A dor é um sentimento angustiante, podendo ser causada por um estímulo nervoso em decorrência de uma lesão, doença ou distúrbio emocional. Por ser um fenômeno complexo e subjetivo, sua definição acaba sendo um desafio. Segundo a Associação Internacional para Estudos da Dor, ela é uma experiência sensorial ou emocional desagradável associado à um dano tecidual real ou potencial, que ocorre em diferentes graus de intensidade, podendo ser um desconforto leve à uma dor insuportável. Sendo assim, é uma experiência complexa que envolve o estímulo de algo nocivo e as respostas fisiológicas e emocionais a um evento. Por isso, a dor é sempre subjetiva. A percepção da dor pode variar não somente de uma pessoa para outra, mas também de acordo com a cultura, sendo transformada por muitos fatores. Portanto, cada indivíduo aprende a sensação por meio de experiências relacionadas com lesões no início da vida. Tipos de Dor Podemos classificar a dor pelo tempo de duração, sendo ela aguda ou crônica: • A dor aguda faz parte do sistema de proteção do corpo, sendo um alerta para uma lesão real ou iminente, se manifestando transitoriamente por um período curto e na maioria das vezes com causas facilmente identificáveis (exemplo: dor pós- operatória, por traumatismo relacionados à esforços excessivos, fraturas, etc ). Ela desempenha um importante papel na manutenção da integridade física do organismo e de seu restabelecimento, é possível tolerar a dor aguda até certo ponto, no entanto, quando tratada inadequadamente, ela se torna um fator de risco para o desenvolvimento de dor crônica. • Já a dor crônica, perdeu a função de alerta e de proteção do organismo, pois não tem mais relação a nenhum

evento traumático em particular. Nestes casos, a dor persiste por mais de seis meses, e vai além da cura da lesão que lhe deu origem e quase sempre está associada a um processo de doença crônica. Nestes casos, a dor vai muito além da sensação dolorosa, envolvendo vários componentes físicos e psicológicos: ansiedade, mobilidade reduzida, alterações do sono e do apetite e depressão. Estes sintomas estão associados a uma diminuição da qualidade de vida dos indivíduos e a uma limitação laboral e da função social, exigindo o uso frequente de recursos de saúde. Dor: alívio sem remédios Surgem evidências de que terapias alternativas ajudam na luta contra dores crônicas, tais como enxaqueca, cefaleia tensional, fibromialgia, dores na coluna (com ou sem hérnia de disco), ciática, musculares e articulares. Além de evitarem o abuso de medicações. Grande parte da população faz automedicação, sendo que boa parte dos analgésicos e anti-inflamatórios podem ser comprados sem receita médica. Porém, o uso incorreto dessas drogas podem mascarar sintomas de um problema grave e causar danos em rins, fígado e coração. Se somente os remédios não silenciam as manifestações dolorosas de uma vez por todas, precisamos contar com o esforço conjunto entre médicos, fisioterapeutas, psicólogos, educadores físicos e nutricionistas. A ideia é lançar mão de diversas técnicas e mudanças na rotina que, juntas, farão as dores atenuarem ou sumirem. Portanto, no combate às dores crônicas, não há como imaginar o tratamento sem o auxílio de vias não

IZABELA FRANCISCA NUNES PALÁCIOS Crefito 93209-F Fisioterapeuta Atlasprof

48 99994-9430 Rua Joaquim Nabuco, 650, Sala 01 - Viva Bem - Centro de Qualidade de Vida - Michel - Criciúma/SC Atlasprof - Izabela Nunes |

32

@atlasprof_izabelanunes

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

medicamentosas, ajustes na dieta, terapias alternativas e prática de exercícios. Tratamentos Alternativos Dentre os tratamentos alternativos para dor, podemos contar com: • AtlasPROfilax: a abordagem que integra essa técnica é o processo de auto cura, após o realinhamento do Atlas (C1), sendo que o corpo após o procedimento inicia uma reorganização de suas estruturas. • Liberação Miofascial: age com um toque suave, porém profundo dos tecidos (músculos, fáscia, tendões), reequilibrando o corpo, melhorando as dores, assim como a consciência corporal e movimentos, que estavam restritos pela fáscia. • Quiropraxia Japonesa (terapia dos Martelos): utiliza manobras sutis que trabalham articulações, nervos e fáscia, através da vibração suave de martelos de madeira. • Quiropraxia Instrumental: através de uma manipulação eletromecânica, visa ajustar coluna e articulações sem movimentos bruscos e com mais segurança, bem como pode ser usado nos pontos gatilhos. Esses tratamentos podem ser aplicados em pessoas que têm escoliose, dores na coluna (com ou sem hérnia de disco), dores articulares, dores musculares, dormências em braços e pernas, dor no ciático, fibromialgia, enxaqueca e dor de cabeça, entre outros. Porém, a colaboração de cada indivíduo é de extrema importância nos resultados, sendo que as mudanças necessárias nos hábitos de vida terão relação direta com as melhorias.

MARCOS THOMÉ PALÁCIOS CREF 6884-G/SC Educador Físico • Liberador Miofascial pela ABR Associação Brasileira de Rolfing® • Personal Trainer


Hemorragia Subconjuntival Hemorragia subconjuntival é um pequeno acúmulo de sangue sob a conjuntiva (a membrana que reveste o globo ocular anteriormente). Pode afetar o olho todo ou ser setorial. O sangue vem de pequenos vasos sanguíneos na superfície do olho, não do interior do olho. Pelo fato do sangue não envolver a córnea (a camada clara na frente da íris e pupila) ou interior do olho, a visão não é afetada. Sintoma: olho vermelho, sendo geralmente assintomático. Sinais: Sangue sob a conjuntiva, comum em uma área localizada do olho (setorial) ou espalhado em toda a superfície da conjuntiva. A visualização completa da esclera pode ser obstruída pelo sangue. Diagnóstico Diferencial: • Sarcoma de Kaposi: lesão vermelha ou púrpura sob a conjuntiva, em geral levemente elevada. Deve ser realizado um teste para HIV/AIDS; • Outras neoplasias conjuntivais(por exemplo: linfoma) com hemorragia secundária. Etiologia: • Valsalva: (por exemplo: tosse, espirro, vômitos, constipação ou outras formas de esforço); • Traumática: pode ser isolada ou estar associada com uma hemorragia retrobulbar ou ruptura do globo ocular;

• Hipertensão: (muito comum após um pico hipertensivo); • Distúrbio Hemorrágico; • Uso de medicações anticoagulantes: (por exemplo: AAS (acidoacetilsalisílico), clopidogrel, varfarina...); • Idiopática.

5. Se houver sinais orbitas (proptose, motilidade ocular diminuída, PIO elevada) em casos sem trauma, realizar tomografia computadorizada axial e coronal das órbitas, com e sem contradte, para a pesquisa de uma massa orbital (por exemplo: neuroblastoma em crianças ou linfangioma em adultos).

Avaliação: 1. Histórico: avaliar a presença de problemas hemorrágicos ou de coagulação, uso de medicações, fricção do olho, trauma, esforço físico extenuante tais como tosse forte, espirros, vômito(Valsalva), histórico de hipertensão mal controlada; 2. Exame ocular: verificar a motilidade extraocular, medir PIO(pressão intra-ocular). Em causos de trauma, descartar outras lesões oculares (por exemplo: ruptura do globo ocular, hemorragia retrobulbar ou fratura orbital; 3. Medir a pressão arterial; 4. Se o paciente apresentar hemorragias subconjuntivais recorrentes ou um histórico de problemas hemorrágicos, averiguar o tempo de sangria através de um coagulograma completo com contagem de plaquetas, proteínas C e S;

Tratamento: • Colírios de lágrimas artificiais podem ser utilizados; • Colírios de antibiótico com esteroide tópico podem ser utilizados quando houver irritação ou desconforto ocular; • Suspender o uso, se possível, dos medicamentos anticoagulantes; • Tratamento da hipertensão arterial. Seguimento: Costuma ocorrer uma melhora espontânea dentro de 2 a 3 semanas. Os pacientes devem ser orientados a retornar se o sangue não desaparecer por completo ou se houver recorrência. O encaminhamento a um clínico geral, cardiologista e hematologista devem ser feitos conforme indicado pelo quadro de hipertensão ou presença de distúrbios da coagulação.

DRA. THAIS BACHA BERTI CRM/SC 13656 | Oftalmologia - RQE 11272 • Especializada em oftalmologia pelo hospital de Olhos Sadalla Amin Ghanem - Joinville/SC; • Fellow em Córnea e Cristalino pelo hospital de olhos Sadalla Amin Ghanem - Joinville/SC; • Membro do Conselho Brasileiro de Oftalmologia - CBO.

34

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4


Tendinite no quadril A tendinite dos quadris é um problema comum entre os atletas que utilizam em excesso os tendões à volta do quadril, como corrida, ciclismo, tênis, futebol etc. Além disso, pode também estar presentes em faixas etárias mais elevadas e relacionada ao sedentarismo, encurtamento muscular e fatores relacionados a diminuição de mobilidade da articulação, como a artrose do quadril. Por definição, tendinite é a inflamação nos tendões que causa dor e inchaço. Os locais do corpo mais acometidos por este tipo de inflamação costumam ser os membros superiores, como ombro, punho, cotovelo e mãos. Mas o esforço e a sobrecarga podem causar tendinite também no quadril. Diversos fatores podem levar à tendinite no quadril. Dentre elas as causas mais frequentes são o excesso de impacto do tendão sobre proeminências ósseas que fazem parte da estrutura do quadril e o aumento de carga de forma abrupta que ocorre devido ao uso excessivo das pernas ao se praticar determinadas atividades esportivas, laborais ou da vida diária. O esforço repetitivo e as lesões musculares também contribuem para o desenvolvimento da patologia. Além disso, anormalidades biomecânicas, como o valgo dinâmico, que é a posição em X das pernas, podem ser uma das causas. A falta de fortalecimento muscular e alongamento, o uso de tênis inadequados para a prática esportiva e postura inadequada durante a atividade, além de fatores anatômicos predisponentes

podem causar ou piorar o quadro de tendinite no quadril. O principal sintoma referido é a dor no quadril. Essa dor se localiza principalmente na lateral do quadril, mas pode se irradiar por todo o quadril e para as pernas e geralmente ela se intensifica no período noturno devido ao relaxamento muscular. Os pacientes podem apresentar uma dificuldade durante a movimentação, principalmente na realização dos movimentos de abdução e rotação interna do quadril como ao caminhar, subir escadas, sentar ou deitar sobre o lado afetado. Para o diagnóstico da tendinite no quadril, o médico ortopedista especialista em quadril irá analisar através do exame físico o nível de dor e sensibilidade que o paciente sente na área, os

padrões anatômicos e testes provocativos, além de pedir exames específicos, como o raio-x e a ressonância magnética quando necessário. O paciente também deve relatar a rotina e as atividades que costuma realizar para que a análise feita pelo especialista seja a mais precisa possível. Em caso de dor, não tente se automedicar ou esperar ela passar. Consulte um médico ortopedista especialista em quadril, ele terá a melhor orientação para o quadro específico de cada paciente e isso evitará complicações no futuro. Nos casos em que o tratamento é realizado da forma adequada, o paciente costuma apresentar uma melhora completa dos sintomas e um retorno aos esportes em nível bastante satisfatório.

DR. FERNANDO LUPSELO CRM/SC 17718 | RQE 12327 | TEOT 14190 | Ortopedia e Traumatologia CURRÍCULO • Ortopedista e Traumatologista pelo Hospital Governador Celso Ramos (SC) • Pós Graduação em Cirurgia e Patologias do Quadril pela Pontifícia Universidade Católica do Parana (PUC-PR) • Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) • Membro da Sociedade Brasileira de Quadril (SBQ) • Membro internacional da AANA (Arthoscopy Association of North America)

36

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4


Ginástica Laboral Mais do que em qualquer época, as empresas estão muito preocupadas com a saúde de seus colaboradores.

Agrosys - Tecnologia em Agronegócio - Criciúma/SC A ginástica Laboral se tornou, na ultima década, uma ferramenta fundamental para manutenção desta qualidade de vida. Indiferente ao horário que é aplicada, o envolvimento da empresa na conscientização por uma vida melhor é o que leva seus colaboradores a realizar as atividades. O Orientador, Professor de Educação Física, é o profissional habilitado a analisar a empresa e definir qual o melhor horário para realização da atividade física. Dentre os principais horários estão: Preparatória: Quando se dá no inicio da jornada de trabalho e o próprio nome a define, prepara o corpo para o Trabalho, aumenta o fluxo sanguíneo e a disposição. Compensatória: Durante a jornada de trabalho ou em momentos importan-

tes, após alguma reunião extravasante, após o almoço ou quando ocorre uma diminuição da produtividade. Relaxamento: ao final do expediente, a mesma pode ser de baixa média ou alta intensidade. A Sessão que pode variar de 10 à 30min, é o que chamamos de quebra de Rotina, deve ser animada, movimentada, mas sempre respeitando as limitações de espaço e vestimenta dos envolvidos. Podemos usar materiais e locais alternativos para que possamos cativar e atrair os clientes. O exercício da flexibilidade não deve se imposto, mas sim incentivado, pois a proposta inicial é a prevenção de Lesões, as famosas DORTs, porém vai muito além disto, a qualidade de vida proporcionada pela prática de exercícios programados se torna parte da vida,

pois o bem estar é permanente e assim levamos a prática de exercícios para o dia a dia, também fora da empresa. Mostrar ao colaborador a sua importância para a Empresa através da promoção da qualidade de vida sem duvida alguma é uma atitude louvável. Há 16 anos no mercado de Trabalho da Ginástica Laboral posso ajudar sua empresa nesta Promoção de Qualidade de vida.

CRISTIANE CESCONETO CRF/SC 8575 | Personal Trainner CURRÍCULO • Profissional de Educação Física • Gerente Executivo New Corpus Academia • Palestrante na Área de Saúde Preventiva e Ginástica Laboral • Sócia Proprietária BrasilFit Assessoria Esportiva • Pós-Graduada em Personal Trainner • Pós-Graduanda em Fisiologia da Performance • Integrante da Rede Lutz

48 3045-4689 | 48 98801-1329 Rua Felipe Schmidt, 265 | Pio Corrêa | Criciúma/SC

38

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br


Violência invisível Vivemos numa sociedade que experiencia cotidianamente várias formas de violência. A violência que ocorre dentro de casa, exercida por pessoas próximas à vítima, de quem ela espera acolhimento e proteção, acaba sendo uma das formas mais perversas de violência. O alto grau de envolvimento emocional entre vítima e agressor faz com que o sofrimento se intensifique e a notoriedade da violência seja de tão difícil percepção que as vezes nem mesmo a vítima se dá conta. A violência tem raízes na discriminação e dominação, sendo as mulheres historicamente as que mais sentiram/ sentem os reflexos negativos. Por muito tempo as mulheres não tiveram voz, não podiam votar, estudar, e até hoje, na maioria das vezes, obtém menor remuneração que o sexo oposto para realizar a mesma função. O combate a todas as formas de violência - Física, Sexual, Psicológica, Moral e Patrimonial - perpetrada contra as mulheres já tem hoje em dia amparo jurídico/legal, sendo legitimada a partir da Lei Maria da Penha. Porém, ainda falta muito para que todas as formas de violência ganhem a devida relevância, principalmente a violência psicológica, já que o dano causado por ela costuma não deixar rastro, sendo que muitas vezes nem mesmo para a própria vítima, acostumada com o rebaixamento do seu potencial, acaba por se achar merecedora da agressão. O agressor gera medo na vítima utilizando-se de lavagem cerebral, ameaças,

A violência tem raízes na discriminação e dominação, sendo as mulheres historicamente as que mais sentiram/sentem os reflexos negativos. ofensas, xingamentos, humilhações, deboche, desqualificações, agressões verbais, jogos psicológicos de culpa e de responsabilização, podendo atacar filhos, animais de estimação e bens para atingi-la. É costumaz o agressor isolar a vítima de parentes e amigos com a intenção de fragiliza-la ainda mais sem rede de apoio, tornando-a mais submissa à ele, aumentando seu poder sobre a mesma. A vítima, como fica acostumada a ser “a errada”, cobrada, desvalorizada, culpada, acaba acreditando no que vivencia, desenvolvendo vários danos emocionais como, diminuição da autoestima, sentimentos de incapacidade, menos valia e de culpa, podendo evoluir para transtornos ansiosos e depressivos. Na ânsia de ser aceita pelo

parceiro a vítima acaba se isentando da sua própria vida, gastando energia para não desagradar, confrontar, irritar, preocupar o seu abusador emocional, potencializando o ciclo vicioso do relacionamento abusivo. Para o agressor a psicoterapia é necessária para descontaminar pensamentos errados de que a parceira “precisa” dele ou de que só estaria com ele por necessidade ou medo. Dirimir as formas do funcionamento manipulativo, fazendo com que ele perceba que pode ser amado sem a necessidade de exercer qualquer forma de coerção e poder. Para a vítima a psicoterapia é imprescindível para o resgate da autoestima, autoconfiança, auto respeito, dos seus direitos, da sua identidade, da sua vida.

SHEILA MARQUARDT CRP/SC 12/11480 | Psicóloga 48 99941-0045 Rua Antônio de Lucca, 100 - Sala 306 - Instituto Médico São Lucas - Centro - Criciúma/SC sheilamarquardt@engeplus.com.br @psicosheilamarquardt

40

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br


Seja voluntรกrio! Siga a RPV nas redes sociais: contato@protecaoavida.com.br redeabraceumavida @rpv_rede


Quando levar a criança ao dentista? A primeira consulta odontológica deve ocorrer com um odontopediatra no primeiro ano de vida. A saúde bucal é parte da saúde geral da criança e não deve ser deixada de lado. É no primeiro ano de vida que se estabelecem os hábitos de higiene oral, amamentação e alimentação, assim como os hábitos de sucção não nutritivos (mamadeira, chupeta e dedo). Desta forma, quanto antes pais ou responsáveis procurarem a orientação de um profissional odontopediatra (que é o que está apto para atender crianças de forma correta e atualizada) maiores serão as chances de a criança crescer com saúde bucal adequada, evitando não somente a doença cárie como também algumas más-oclusões (alterações do encaixe dos dentes). É de fundamental importância que essa primeira consulta seja preventiva, pois levar a criança com dor ao dentista pela primeira vez (seja por cárie ou trauma por exemplo) fará com que ela associe o consultório odontológico e o dentista como algo ruim, criando memórias negativas até mesmo com a ro-

DRA. ROBERTA PEREIRA CRO/SC 14310 Odontopediatra CURRÍCULO • Graduada em Odontologia pela Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL; • Pós-Graduada em Odontopediatria pela Faculdade São Leopoldo Mandic Curitiba/PR;

CONSULTÓRIO ODONTOLÓGICO Dr. Henrique Peruchi Madalena Dra. Aline Maria Rohr

42

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

tina diária da escovação, tornando esse momento cada vez mais difícil. Quanto antes ocorrer a primeira consulta, mais facilmente a criança irá incorporar hábitos saudáveis em seu dia a dia. A ida ao odontopediatra no primeiro ano de vida permite uma abordagem individualizada e diminui os riscos do desenvolvimento da doença cárie seguindo as orientações recomendadas. Assim, diminuem as chances de tratamentos restauradores desnecessários e em contra partida as despesas financeiras com tratamentos odontológicos serão reduzidas. Prevenindo cárie na dentição decídua (dente de leite) certamente se prevenirá cáries na dentição permanente. É importante os pais estarem cientes que até os três anos de idade em média as crianças tem medo do desconhecido, chorar ao ser avaliado por um odontopediatra não significa que a criança esteja sofrendo ou ficará traumatizada. Para isso, antes de qualquer consulta o profissional precisa orientar e tranquilizar os pais explicando e sanando as dúvidas e angústias que pairam sobre

eles. Nenhuma avaliação e procedimento profilático (preventivo) causam dor, o que causa dor é dente com lesão de cárie, alterações de esmalte e traumas. Outra questão importante está relacionada ao momento que antecede a consulta. Não se deve assustar e nem falar frases do tipo “Não vai doer”, “Não fica com medo que o titio/titia é nosso amigo (a)”. Resuma a conversa em frases do tipo: “vamos na titia amiga do dente, ela vai nos ajudar a cuidar melhor do seu dente e deixá-lo mais lindo e feliz”. As frases “não tenha medo”, “não vai sentir dor”, costumam causar efeito contrário, além de gerar uma expectativa nem sempre positiva. A primeira consulta jamais deve ser traumática, tanto para os pais quanto para os filhos, mas sim, um encontro agradável com esse importante profissional que cuidará da saúde bucal da criança.

DR. HENRIQUE PERUCHI MADALENA

DRA. ALINE MARIA ROHR

CRO/SC 13729 Implantodontia e Ortodontia

CRO/SC 14487 Endodontia

CURRÍCULO

CURRÍCULO

• Graduado em Odontologia pela Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL; • Especialização em Lato sensu em Ortodontia pelo Centro Universitário Ingá - UNINGÁ; • Especialização em Implantodontia pela Universidade do extremo Sul Catarinense - UNESC.

48 3413-7447 |

• Graduada em Odontologia pela Universidade do Sul de Santa Catarina - UNISUL; • Especialização em Lato sensu em Endodontia pelo Centro Universitário Ingá - UNINGÁ.

48 99920-2091

Rua Júlio Gaidzinski, 760, Residencial Amália Brito, Sala 02, Bairro Mina Brasil - Criciúma/SC


Tratamento endovascular do AVC Agudo Como já foi demonstrado na última matéria, um Acidente Vascular Cerebral (AVC) ocorre quando um coágulo sanguíneo bloqueia uma artéria interrompendo o fluxo sanguíneo para uma área do cérebro. Isto faz com que as células do cérebro morram causando sequelas ou até mesmo levando o paciente à morte.

Atualmente existe uma medicação aplicada na veia que consegue dissolver os coágulos e reestabelecer o fluxo de sangue para o cérebro. Quando bem indicado, rapidamente administrado e associado aos demais cuidados hospitalares, tem capacidade de evitar que a lesão cerebral ocorra, neutralizando as consequências do AVC. Entretanto, quando a obstrução é de uma grande artéria do cérebro, como acontece em 20-30% dos AVCs, e infelizmente são os casos mais graves que deixam mais sequelas e levam a óbito, nestes casos muitas vezes a medicação não é suficiente para desobstruir a artéria. Quando isto acontece, será necessário o tratamento endovascular O tratamento endovascular é realizado em hospitais que tenham serviço de hemodinâmica e é realizado por um médico neurorradiologista intervencionista. De maneira minimamente invasiva através da técnica endovascular

(por dentro dos vasos) é realizado uma punção na virilha e navegado até a localização do coágulo onde o médico consegue realizar desobstrução mecânica da artéria cerebral acometida, restabelecendo o fluxo de sangue e evitando que a lesão cerebral ocorra. O método é capaz de evitar que o paciente fique com sequelas ou mesmo que o paciente vá a óbito pela doença. Um em cada seis pessoas terão um AVC na vida, e essa pessoa pode ser qualquer um de nós. Portanto, saber identificar a ocorrência de um AVC e procurar rapidamente um hospital que ofereça toda as opções de diagnóstico e tratamento é de suma importância. Na sequência de matérias publicadas, primeiro mostrei o panorama do AVC, no que consiste a doença e as principais formas de tratamento, nesta explico melhor o que é o tratamento endovascular, na próxima matéria será abordado como identificar um AVC. Até lá!

DR. LUIZ PEDRO WILLIMANN ROGÉRIO CRM/SC 17821 | RQE 14899 | RQE 18028 | Neurocirurgião - Neurorradiologia CURRÍCULO • Título de Especialista em Neurocirurgia pela Sociedade Brasileira de Neurocirurgia • Fellowship em Neuroradiologia Intervencionista Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre / Hospital São Lucas da PUCRS / Grupo Hospitalar Conceição (GHC) • Título de Especialista em Neurorradiologia Intervencionista pelo Colégio Brasileiro de Radiologia

44

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

MAIS INFORMAÇÕES CONSULTE NOSSO GUIA NAS PÁGINAS 3 E 4


Guia de profissionais CLÍNICA MÉDICA

Revista Saúde Edição 15 | Novembro . 2019 | Criciúma.SC

OFTALMOLOGIA

Clínica Unna

Dra. Priscila Nunes Antunes

Dra. Gabriela Zambon

Rua Cel. Pedro Benedet, 333, Sala 414 - Metropolitan Business Center Criciúma/SC

Pizzolatti Oftalmologia

Rua Cel. Pedro Benedet, 505, Sala 110, Edifício Millenium Saúde Center, Centro - Criciúma/SC

Rua Cel. Pedro Benedet, 333, Sala 1707 - Edifício

48 3433-3307

48 3045-7300 | 48 99109-2317

DERMATOLOGIA

Dr. Eduardo Ancelmo Martins Clínica Unna Rua Cel. Pedro Benedet, 505, Sala 110 - Edifício Millenium Saúde Center Centro | Criciúma/SC

Metropolitan Business Center - Centro - Criciúma/SC 48 3443-6514 | 48 3462-8412 | 48 99619-7114

Dr. Marcos Longo Pizzolatti

48 99994-4538

48 3443-6514 | 48 3462-8412 | 48 99619-7114

Rua Jacob Batista Uliano, 238, 1º Andar Edifício São Lucas Braço do Norte/SC

Dra. Thais Bacha Berti

48 3658-3756 | 48 99998-1738

Metropolitan Business Center Rua Cel. Pedro Benedet, 333 - 7º Andar Sala 705 - Criciúma/SC 48 3411-6218

Clinigastro Medicina Integrada 48 3431-9999 Onkológica Clínica Médica

ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA

Dr. Fernando Lupselo

Rua Antônio de Lucca, 50, Sala 109 Pio Corrêa/SC

Levve Ortopedia

48 3437-0878

Rua Augusto dos Anjos, 158 | Pio Corrêa | Criciúma/SC

MEDICINA

Dr. Jonas Dalló Dal Pont Clinica Brave New Life Edifício Millenium Saúde Center - Rua Cel. Pedro Benedet, 505, Sala 5 - Centro | Criciúma/SC 48 3438-5994 | 48 9 9105-3856

NEFROLOGIA | CLÍNICA MÉDICA

Dr. Romulo Cézar Pizzolatti

48 3056-1227 | 48 3056-1224 Ergomed Especialidades Médicas Rua Cruz e Souza, 103 | Pio Corrêa | Criciúma/SC 48 3437-6621 | 48 99996-1008

ENFERMEIRA

Ana Paula Arcaro Clinica Brave New Life Edifício Millenium Saúde Center - Rua Cel. Pedro Benedet, 505, Sala 5 - Centro | Criciúma/SC 48 3438-5994 | 48 9 9105-3856

ESTÉTICA

Dra. Mariana M. Búrigo Canela Clínica Médica Mulher e Filhos: Rua Padre Marcelino Champagnat, 33 | Pio Corrêa | Criciúma/SC 48 99919-1216 | 48 99120-1005

FISIOTERAPIA

Izabela Francisca Nunes Palácios Viva Bem - Centro de Qualidade de Vida Rua Joaquim Nabuco, 650, Sala 01 - Michel - Criciúma/SC 48 99994-9430

OTORRINOLARINGOLOGIA

Dr. Rafael Locks Clínica Locks Rua Antônio de Lucca, 165 Sala 204Edifício Vitale - Pio

Pizzolatti Oftalmologia

Corrêa - Criciúma/SC

Rua Cel. Pedro Benedet, 333, Sala 1707 - Edifício Metropolitan Business Center - Centro - Criciúma/SC

www.clinicalocks.com.br

48 3443-6514 | 48 3462-8412 | 48 99619-7114

48 3437-5443

NEUROCIRURGIA

Viva Bem - Centro de Qualidade de Vida

Rua Cel. Pedro Benedet, 333, Sala 1707 - Edifício

Clínica CMD

Rua Antônio de Lucca, 50 - Pio Corrêa | Criciúma/SC

Marcos Thomé Palácios Rua Joaquim Nabuco, 650, Sala 01 - Michel - Criciúma/SC

48 3433-3307 | 48 99102-1415

Dr. Vitor Hugo P. Ricci

EDUCAÇÃO FÍSICA

Pizzolatti Oftalmologia Metropolitan Business Center - Centro - Criciúma/SC

HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA

PEDIATRIA

ODONTOLOGIA

Dra. Alessandra Dutra da Silva Precisão Radiologia Odontológica Digital Rua Felipe Schmidt, 304 - - Pio Corrêa - Criciúma/SC 48 3438-3888 | 48 99101-1480 Precisão Radiologia Odontológica Digital Rua Altamiro Guimarães, 145 Sala 301 - - Centro - Içara/SC 48 3055-3043 | 48 99187-5952

Dr. André Nesi

Dra. Meriene Viquetti

Dra. Aline Maria Rohr

Neurosul

Instituto Médico São Lucas

Consultório Odontológico

Rua João Cechinel, 168 - Centro Médico São José, Conj. 207 - Centro - Criciúma/SC

Rua Antônio de Lucca, 100, Sala 205, CLION, Centro -

Rua Júlio Gaidzinski, 760, Residencial Amália Brito, Sala 02, Bairro Mina Brasil - Criciúma/SC

48 3433-5158

Criciúma/SC 48 3433-3534 | 48 99949-9772

Neurosul

48 3413-7447 | 48 99920-2091

Dra. Caroline de Medeiros Marcos

Dr. Carlos Fernando dos Santos Moreira PSIQUIATRIA

Clinica Brave New Life

Rua João Cechinel, 168 - Centro Médico São José, Conj. 207 - Centro - Criciúma/SC

Dr. Jeverson Bellido Colin

Edifício Millenium Saúde Center - Rua Cel. Pedro Benedet, 505, Sala 5 - Centro | Criciúma/SC

48 3433-5158

Edifício Interclínicas

48 3438-5994 | 48 9 9105-3856

Dr. Luiz Pedro Willimann Rogério Neurosul Rua João Cechinel, 168 - Centro Médico São José, Conj. 207 - Centro - Criciúma/SC 48 3433-5158

46

Dra. Milliane E. Rossafa

Revista Saúde | Novembro . 2019 | rsaude.com.br

Av. Marcolino Martins Cabral, 2075 | Vila MoemaTubarão/SC 48 3632-8334 - 99650-1020 Clínica Saúde Plena

Dr. Elias Manoel R. Neto Oral Sin

Av. Santa Catarina, 999 | Centro | Imbituba/SC

Av. Marcolino Martins Cabral, 2414 (em frente ao Farol Shopping) | Tubarão/SC

48 3255-4504 - 99923-9327

48 3052-8900


Revista Saúde Edição 15 | Novembro . 2019 | Criciúma.SC

Guia de profissionais

ODONTOLOGIA

Dr. Guido Antonio Canela Edifício Prime Tower Executive Center Rua Princesa Isabel, 40, Sala 802 - Centro | Criciúma/SC 48 3413-8978 | 48 98819-1803 Clínica Médica Mulher e Filhos Rua Padre Marcelino Champagnat, 33 - Pio Corrêa | Criciúma/SC 48 3413-8978 | 48 98819-1803

Dr. Henrique Peruchi Madalena Consultório Odontológico Rua Júlio Gaidzinski, 760, Residencial Amália Brito, Sala 02, Bairro Mina Brasil - Criciúma/SC 48 3413-7447 | 48 99920-2091

Dra. Luana da Silva Minatto Oral Sin Av. Marcolino Martins Cabral, 2414 (em frente ao Farol Shopping) | Tubarão/SC 48 3052-8900

Dr. Luigi Franchesco G. Cornicelli Oral Sin Av. Marcolino Martins Cabral, 2414 (em frente ao Farol Shopping) | Tubarão/SC 48 3052-8900

Dra. Patricia F. Ávila Ribeiro Precisão Radiologia Odontológica Digital Rua Felipe Schmidt, 304 - - Pio Corrêa - Criciúma/SC 48 3438-3888 | 48 99101-1480 Precisão Radiologia Odontológica Digital Rua Altamiro Guimarães, 145 Sala 301 - - Centro - Içara/SC 48 3055-3043 | 48 99187-5952

Dra. Roberta Pereira Consultório Odontológico Rua Júlio Gaidzinski, 760, Residencial Amália Brito, Sala 02, Bairro Mina Brasil - Criciúma/SC 48 3413-7447 | 48 99920-2091

PERSONAL TRAINNER

Cristiane Cesconeto Rua Felipe Schmidt, 265 | Pio Corrêa | Criciúma/SC 48 3045-4689 | 48 98801-1329

PSICOLOGIA

Sheila Marquardt Rua Antônio de Lucca, 100 | Sala 306 | Instituto Médico São Lucas | Centro | Criciúma | SC 48 99941-0045

rsaude.com.br | Novembro . 2019 | Revista Saúde

47


Profile for Revista Saúde

REVISTA SAÚDE CRICIÚMA - EDIÇÃO 15 - 06/11/2019  

REVISTA SAÚDE CRICIÚMA - EDIÇÃO 15 - 06/11/2019