Page 1

Renováveis ENERGIAS COMPLEMENTARES

Ano 2 - Edição 30 / Dezembro de 2018

FASCÍCULO

Performance e viabilidade de sistemas fotovoltaicos conectados à rede aplicados em instalações de telecomunicações no Brasil NOTÍCIAS DE MERCADO ABSOLAR estabelece parceria estratégica com Intersolar para debater avanço do setor solar fotovoltaico no Brasil e na América do Sul Braskem viabiliza expansão de parque eólico da EDF Renewables na Bahia Echoenergia adota soluções da Fortinet e revoluciona o mercado de energia renovável no Brasil COLUNA EÓLICA: Certificados de energia renovável COLUNA SOLAR: Renováveis no Brasil: maturidades diferentes para cada fonte exigem cuidados especiais APOIO


Apoio

34

Fascículo

Renováveis

Por Gustavo M. Buiatti, José V. Neto, Rafael A. S. Carvalho, Vitor G. Pacheco e Valdiney A. de Oliveira

Performance e viabilidade de sistemas fotovoltaicos conectados à rede aplicados em instalações de telecomunicações no Brasil


Apoio

35

I - Introdução

A energia fotovoltaica (FV) tem sido aplicada de forma constante no setor de

telecomunicações desde 1950: num primeiro momento como fonte conveniente para satélites e depois para instalações de telecomunicações remotas onde não havia a presença de linhas de distribuição de energia [1]. Recentemente, em diversos países que adotaram o sistema de geração distribuída (GD) através do sistema de compensação de energia, sistemas fotovoltaicos conectados à rede se tornaram também uma solução muito interessante para empresas de telecomunicações visando à redução de custos de operação conectadas em sua maioria em redes de baixa tensão, uma vez que instalações BT possuem limites de potência e consumo, e altas tarifas (como o caso do Brasil [2]).

Em vários países, a maioria das instalações terrestres de telecomunicação estão

localizadas em áreas urbanas e são alimentadas por uma rede de distribuição robusta e confiável. Essa característica torna os sistemas designados como “off-grid” desnecessários e inviáveis, devido ao alto investimento associado a um sistema “off-grid”, e à adição de baterias e inversores híbridos na solução. Nessas situações, caso a paridade entre LCOE e as tarifas das distribuidoras sejam atingidas, uma solução mais interessante é a instalação de sistemas fotovoltaicos nos espaços disponíveis no terreno da instalação e conectá-los à rede de distribuição. Entretanto, ao projetar esse tipo de sistema, deve-se atentar ao ambiente em que o sistema será instalado, uma vez que vários equipamentos da instalação podem provocar sombreamento (como antenas, quadros elétricos, árvores, paredes, edifícios etc). II - LCOE: teoria e o cenário brasileiro

Neste artigo, o Custo Nivelado da Energia (do inglês Levelized Cost of Energy, LCOE),

considerando a energia solar fotovoltaica como fonte e conectada à rede [3,4] é calculado para as 36 distribuidoras de energia presentes no Brasil, de acordo com equação abaixo:

Onde N é vida útil do um sistema FV em anos, CAPEX é o custo de investimento e de

retrofit no ano “i”, OPEX são os custos de operação e manutenção e demais recorrentes no ano “i”, ITC é a Taxa de Investimento de Crédito no ano “i”, e E é a energia gerada no ano “i”, levando em conta a irradiação e níveis de temperatura em cada região (dados climáticos obtidos da plataforma SWERA-INPE e a geração de energia simulada com o auxílio do software PVSYST © para o primeiro ano, com orientação voltada para o Norte e ângulo de inclinação ótimo).

Para realizar a comparação do LCOE solar em todas as regiões brasileiras foi utilizada

a tarifa base de baixa tensão de todas as 36 companhias de comercialização de energia. O preço da energia de todas as companhias é calculado e regulado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). As tarifas BT foram utilizadas devido ao fato de serem as maiores, quando comparadas com tarifas de média tensão e alta tensão, e também porque instalações de telecomunicação em BT são geralmente as mais comuns.

O preço das tarifas BT é apresentado através da área azul sombreada mostrado na figura

1a, da maior para a menor tarifa, expresso em reais por megawatt hora (R$/MWh). Como mostrado nessa mesma figura, a paridade é atingida em todas as regiões do País. Mesmo na região menos atrativa, mostrado pela figura 1b, a tarifa ainda é 8% maior que o LCOE da região.


Apoio

Fascículo

36

Renováveis pelos equipamentos ao redor, como mostrado na figura 2. Os níveis de irradiação e temperatura foram obtidos através da base de dados do SWERA-INPE.

Para que a melhor performance seja atingida em condições de

sombreamento parcial, é necessário realizar diferentes arranjos de strings e a definição da posição e orientação (retrato ou paisagem) de cada painel fotovoltaico para otimizar a produção de energia e reduzir o número de diodos de by-pass em condução devido ao sombreamento. As ferramentas utilizadas para esse cálculo são apresentadas na figura 3, bem como a configuração das strings e o arranjo de cada uma. Outras duas bases de rádio foram inspecionadas: uma segunda em Uberlândia (Sistema FV 2, com 10,71 kWp) e uma última em Patos de Minas (Sistema FV 3, com 44,88 kWp), ambas em Minas Gerais e distantes aproximadamente 225 km entre si.

Figura 1: (a) Solar FV LCOE e tarifas em baixa tensão de 36 distribuidoras no Brasil e (b) a respectiva paridade demonstrando o nível de atratividade dos sistemas FV em cada distribuidora.

No Estado de Minas Gerais, a região com o segundo maior número de

consumidores no Brasil, operado em sua maioria pela comercializadora CEMIG, a tarifa é 37% maior do que o LCOE solar da região (figura 1b). De fato, devido à alta tarifa de energia, confiabilidade e qualidade da rede no Estado e os altos níveis de irradiação solar, aproximadamente 23% de toda a potência instalada em GD no País até junho de 2018 pertence a Minas (69,5 MWp de 305,4 MWp). III - Resultados das simulações

Os resultados da energia gerada aplicados em (1) foram

todos baseados em situações ótimas de orientação, ângulo de

Figura 2: Avaliação dos efeitos de sombreamento utilizando o software PVSYST©.

inclinação e sem a presença de sombreamento por fontes externas e desconsiderando o sombreamento mútuo provocado pelos painéis fotovoltaicos.

Para avaliar casos reais, três estações de rádio com área suficiente

para a instalação de sistemas fotovoltaicos na ordem de “dezenas de kW” foram identificadas: duas localizadas na cidade de Uberlândia e uma na cidade de Patos de Minas (ambas sobre a área de concessão da CEMIG).

Todos os desenhos e simulações foram realizados pelos

Figura 3: Cálculo do sombreamento e definição das strings para a minimização das perdas devido ao sombreamento parcial dos painéis.

pesquisadores e engenheiros da ALSOL utilizando o software PVSYST©, desta vez com uma maior precisão das informações das instalações

e dos sistemas, como as condições dos arredores, equipamentos

monofásicos e operam na mesma tensão AC da rede (220V, 60Hz), não

utilizados e outros. Todas as simulações foram realizadas utilizando

foi necessário utilizar parâmetros de perdas por transformação. Outras

os mesmos módulos de silício poli cristalino, 255Wp da fabricante

perdas dos sistemas foram definidas por padrão pelo software.

Canadian Solar (modelo CS6P-255P), inversores strings de 5 kW, da

fabricante Fronius (modelo Primo 5.0-1).

inversores (PFV/PINVERSOR) foi limitada a 17%, visto que os inversores

seriam instalados ao ar livre, fixados na estrutura de apoio dos módulos

No primeiro caso, uma base de rádio em Uberlândia (Sistema

Uma vez que todos os inversores utilizados nos três sistemas são

A relação entre a potência de pico FV e a potência nominal dos

FV 1) foi inspecionada e um sistema fotovoltaico de 35,19 kWp foi

FV, assim sendo expostos a altas temperaturas. Três diferentes relações

simulado, levando em consideração o sombreamento provocado

PFV/PINVERSOR foram simuladas: 1.17, 1.07 e 1.12, respectivamente.


Apoio

37

Tabela 1 : Performance simulada dos 3

diferentes sistemas fotovoltaicos

Geração de energia Simulada para o ano de 2017(kWh) Mês

Sistema FV 1 Sistema FV 2 Sistema FV 3

Janeiro

4688

1408

7092

Fevereiro

4510

1402

5483

Março

4612

1441

6351

Abril

4611

1449

6488

Maio

4352

1338

6399

Junho

4083

1257

5432

Julho

4198

1298

5098

Agosto

4627

1445

7113

Setembro

4936

1554

6518

Outubro

5121

1610

7303

Novembro

4434

1392

5650

Dezembro

4646

1467

6461

Total

54819

17131

75389

Potência do Sistema (kWp)

35.19

10.71

44.88

Potência dos Inversores (kW)

30

10

40

PPV/PINVERTER

1.17

1.07

1.12

Produção Específica

1558

1600

1680

Como observado na figura 5, o sistema FV avaliado neste artigo

é uma expansão de um sistema antigo, instalado em 2013 e com diferentes equipamentos (6,58 kWp).

Figura 5: Sistema FV 2 com 10,71 kWp com presença parcial de sombreamento. Este sistema é uma expansão da instalação original

(kWh/kWp/ano)

Após diversas simulações com cada um dos sistemas, todos os parâmetros ótimos foram atingidos. Os resultados de geração ao longo do primeiro ano são mostrados na tabela 1.

Portanto, a próxima seção é dedicada aos resultados experimentais

após a implementação dos três sistemas simulados e a performance real atingida após o primeiro ano de operação. IV - Resultados: estudo de caso no Brasil

Três diferentes sistemas FV foram instalados e conectados à rede

no ano de 2016, como mostrado nas Figuras 4,5 e 6. É possível ver nos

Figura 6: Sistema FV 3 com 44,88 kWp sem nenhuma fonte externa de sombreamento e orientação ótima ao Norte.

sistemas a presença de sombreamento parcial devido à presença de

obstáculos próximos, como antenas, árvores etc.

Finalmente, os resultados experimentais para todo o ano de

2017 são mostrados na tabela 2, sem interrupções da rede neste período. A relação entre a potência de pico do sistema FV e a potência nominal dos inversores (PFV/PINVERSOR) é destacada novamente. O sistema FV 1 teve a menor produção específica entre os três sistemas analisados neste artigo, devido ao forte sombreamento e alta relação PFV/PINVERSOR: 15% menor do que o maior valor registrado no sistema FV 2. Apesar de o sistema FV 3 possuir o melhor desenho teórico e a maior irradiação com menor temperatura durante todo o período analisado, ele não possuiu a melhor performance, como simulado utilizando o software PVSYST©. A precisão dos dados de temperatura e irradiação utilizados nas simulações pode ter levado a esse erro, como também as altas perdas associadas a uma relação PFV/ PINVERSOR. Como mostrado na tabela 2, o sistema FV 2 possuiu a melhor performance, mesmo com desvio azimutal e a presença de

Figura 4: Sistema FV 1 com 35,19 kWp e forte sombreamento.

fontes de sombreamento.


Apoio

Fascículo

38

Renováveis

Table 2 : Performance em 2 0 1

para suprir o consumo da instalação, bem como para a geração de

7 dos 3 sistemas FV instalados

Geração Real dos Sistemas FV no ano de 2017 (kWh) Mês

créditos de energia e utilizados em outras instalações que não possuem

Sistema FV 1 Sistema FV 2 Sistema FV 3

Janeiro

4095

1439

6416

Fevereiro

4137

1428

5546

Março

4160

1527

6160

Abril

3526

1393

5733

Maio

3469

1337

5489

Junho

3444

1239

6010

sistemas FV [2]. Após estes resultados, 8 outros sistemas conectados à rede em 7 diferentes instalações de telecomunicação foram instalados, resultando em uma potência total de 550 kWp e validando tal tendência no País, uma vez que a Geração Distribuída utilizando sistemas fotovoltaicos é viável em todo o País, como mostrado no gráfico do LCOE. VI - Referências

Julho

3637

1325

6113

Agosto

3891

1471

6351

[1]. I. F. Garner, "Photovoltaic Power System Design for Telecommunications,"

Setembro

4500

1661

6127

Telecommunications Energy Conference, 1985. INTELEC '85. Seventh

Outubro

4495

1564

6554

International, Munich, Federal Republic of Germany, 1985, pp. 461-469.

Novembro

3915

1317

4785

Aderogba, K. A. (2011)” Significance of Kaduna River to Kaduna Refining and

Dezembro

3815

1314

5381

Petrochemicals Complex” African Journals, Vol. 5 (5), Serial No. 2 Pp.83-98.

Total

47085

17016

70666

Potência do Sistema (kWp)

35.19

10.71

44.88

Potência dos Inversores (kW)

30

10

40

PPV/PINVERTER

1.17

1.07

1.12

[3]. M. Delfanti, V. Olivieri, B. Erkut and G. A. Turturro, "Reaching PV grid

Produção Específica

1338

1589

1575

parity: LCOE analysis for the Italian framework," 22nd International

(kWh/kWp/ano)

[2]. D. Vieira, R. Amaral Shayani and M. A. Goncalves de Oliveira, "Net Metering in Brazil: regulation, opportunities and challenges," in IEEE Latin America Transactions, vol. 14, no. 8, pp. 3687-3694, Aug. 2016.

Conference and Exhibition on Electricity Distribution (CIRED 2013), Stockholm, 2013, pp. 1-4.Sadal O.I.,Marwa S.M.,Wala T.A. (2012) “Linear Alkylbenzene Production from Kerosene” Seminar presented to the

Como já conhecido, módulos fotovoltaicos de silício poli cristalino

Department of Chemical engineering University of Khartoum.

possuem uma degradação em torno de 1% a 2% no primeiro ano de

[4]. A. De Sabata, D. Mărgineanu, D. Jovanović, I. Luminosu, S. Ilie and D.

operação [6]. Considerando essas perdas, o valor experimental de

Krstić, Economics of a small-scale, grid-connected PV system in Western

produção específica para o sistema FV 2 (1600 kWh/kWp/ano) foi

Romania: An LCoE analysis," 2014 11th International Symposium on

validado. Entretanto, a precisão das simulações realizadas para os

Electronics and Telecommunications (ISETC), Timisoara, 2014, pp. 1-4.UOP

sistemas FV 1 e 3 não foi a mesma. O erro encontrado para o sistema

(1990) “Linear Detergent Alkylation Unit, General Operating Manual” pp. 1

FV 1 gira em torno de 12.4% e o motivo para tal diferença pode ser

–610.

explicado pela imprecisão das perdas de sombreamento calculadas pelo

[5]. R. Dabou et al., "Impact of partial shading and PV array power on the

software PVSYST© submetido às condições analisadas. Análises mais

performance of grid connected PV station," 2017 18th International

detalhadas em outros sistemas FV com forte sombreamento devem

Conference on Sciences and Techniques of Automatic Control and Computer

ser realizadas para conclusões mais precisas a respeito da imprecisão

Engineering (STA), Monastir, 2017, pp. 476-481. Xiaoming J, Gang Rong

dos resultados das simulações comparados com resultados obtidos

and Shuqing Wang (2003), “Modelling and Advanced Process Control (APC)

experimentalmente. Para o caso do sistema FV 3, o erro encontrado foi

For Distillation Columns of Linear Alkylbenzene Plant Key Lab of Industrial

de 4,4% após 2% de perdas por envelhecimento no primeiro ano. Visto

Control Technology, Institute of Advanced Process Control, Zhejiang

que existe apenas o sombreamento mútuo pelas estruturas de apoio

University, pp1-6.

dos painéis, a imprecisão pode ser explicada pela variação nos dados de

[6]. C. Raupp et al., "Degradation rate evaluation of multiple PV technologies

irradiação e temperatura da base de dados SWERA-INPE.

from 59,000 modules representing 252,000 modules in four climatic regions of the United States," 2016 IEEE 43rd Photovoltaic Specialists

V - Conclusões

Conference (PVSC), Portland, OR, 2016, pp. 0255-0260.

A principal conclusão obtida com esta análise confirma que

mesmo na presença de sombreamento em áreas urbanas, devido a

Gustavo M. Buiatti, José V. Neto e Rafael A. S. Carvalho são do

antenas, árvores, edifícios etc., sistemas FV conectados à rede são

Departmento de P&D, Alsol Energias Renováveis S.A., Uberlândia, Brasil.

soluções viáveis economicamente e tecnicamente para instalações de telecomunicação localizadas no Estado de Minas Gerais, com uma atratividade sempre maior que 25%, mesmo nas condições mais desfavoráveis.

As superfícies disponíveis nestas instalações devem ser utilizadas

Vitor G. Pacheco é do Departamento de Engenharia, Alsol Energias Renováveis S.A., Uberlândia, Brasil. Valdiney A. de Oliveira é da Controladoria, Alsol Energias Renováveis S.A., Uberlândia, Brasil.


40

Notícias

renováveis

ABSOLAR estabelece parceria estratégica com Intersolar para debater avanço do setor solar fotovoltaico no Brasil e na América do Sul

A ABSOLAR - Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica

anunciou o estabelecimento de uma parceria institucional com a Intersolar South America, evento internacional que reúne players e profissionais do mercado. O objetivo é ampliar a visibilidade e debater os avanços da fonte solar fotovoltaica no Brasil e na região da América do Sul, bem como oferecer diversos benefícios aos associados da ABSOLAR.

A Intersolar South America acontece anualmente no Brasil e

reúne mais de 20 mil fornecedores, distribuidores, prestadores de serviços, empreendedores, integradores de sistemas e fabricantes de equipamentos, componentes e matérias primas. O congresso ocorre em paralelo à feira e conta com a presença de representantes governamentais, entidades setoriais, empresas, instituições financeiras e instituições acadêmicas.

Echoenergia adota soluções da Fortinet e revoluciona o mercado de energia renovável no Brasil

A Echoenergia, empresa que

vitais para sustentar este

implementa e opera projetos

rápido crescimento e atingir

de geração de energia elétrica

os exigentes padrões de

a partir de fontes renováveis,

disponibilidade, além de garantir

adotou soluções da Fortinet,

que soluções inovadoras para o

líder global em soluções

setor fossem usadas com toda

de cibersegurança amplas,

segurança necessária.

integradas e automatizadas,

para otimizar a infraestrutura e

tão positiva que hoje temos

segurança da informação em seu

100% do ambiente de rede com

ambiente de rede.

tecnologia Fortinet em todas

nossas localidades, inclusive

A relação entre a Echoenergia

"A experiência inicial foi

e a Fortinet começou no startup

na sede. Implementar soluções

da empresa quando os firewalls

avançadas resultou no aumento

FortiGates, FortiAPs,

componente, sem perder a

FortiGates foram implementados

da disponibilidade, segurança

FortiAuthenticator e FortiToken,

estratégia sobre outra ópticas

nos dois primeiros complexos

e confiabilidade do ambiente

se deu por atenderem os

como custo, alta disponibilidade,

eólicos adquiridos em maio

de tecnologia da Echoenergia

requisitos, possuir gestão

serviço, curva de implementação

de 2017, ano de fundação da

e, consequentemente,

inteligente e rápida e com forte

e manutenção, entre outros

companhia. Em pouco mais

cooperou para o crescimento

direcionamento também para

fatores. A Fortinet possui

de um ano, as instalações da

e fortalecimento da empresa",

segurança da informação. "É

essas soluções e customiza

Echoenergia quadruplicaram

afirma André Spina, IT Manager

importante avaliar o cenário

de acordo com a nossa

e hoje somam oito complexos

da Echoenergia.

completo, buscando a solução

necessidade", completa Spina. A

que geram mais de 700MW

que melhor se encaixe à realidade

implementação dessas soluções

de energia. As soluções de

integrados da Fortinet Security

da empresa. E não apenas do

ficou a cargo da Danresa, parceira

tecnologias instaladas foram

Fabric, como FortiSwitches,

ponto de vista técnico de um

da Fortinet no Brasil.

A escolha dos recursos


Notícias

41

Braskem viabiliza expansão de parque eólico da EDF Renewables na Bahia

A Braskem, maior petroquímica das

de aproximadamente 3,0 GW, segundo

Américas e líder global na produção de

dados da Comercialização de Energia Elétrica

biopolímeros, vai investir na compra de

(CCEE). Os investimentos já contratados

energia eólica e assim ajudar a viabilizar a

no setor durante o ano por meio dos leilões

expansão do Complexo de Folha Larga, que a

de energia devem fazer o Estado da Bahia

EDF Renewable do Brasil está desenvolvendo

ganhar mais 622 MW de energia eólica até

na Bahia. A Braskem se comprometeu a

2024. A região de Campo Formoso onde está

comprar energia eólica por 20 anos, em um

localizado o parque eólico apresenta vento

contrato estimado em R$ 400 milhões. Esse

forte e constante, muito favorável a eficiência

novo parque de energia renovável, localizado

da geração de energia eólica.

no município de Campo Formoso, a 350 km a

noroeste de Salvador, contribuirá para colocar

compra e venda de energia, assinado com

a Bahia entre os líderes no setor nos próximos

a Braskem, um dos maiores consumidores

anos.

do país, demonstra nossa competitividade

no mercado livre e a vontade da EDF

“A Bahia tem se tornado referência

"Esse primeiro contrato privado de

nacional em energia renovável", afirma

Renewables de se posicionar como um dos

Gustavo Checcucci, diretor de Energia da

principais atores deste mercado" disse

Braskem. "Estamos fazendo nossa parte para

Paulo Abranches, diretor presidente da

o desenvolvimento desse setor. Ao investir

EDF Renewables no Brasil. Estabelecida

numa matriz limpa e sustentável, estamos

há três anos no Brasil, a EDF Renewables

reduzindo a quantidade de emissões de CO2

encontra-se entre as líderes do país no

em 325 mil toneladas ao longo do período do

setor de energias renováveis, totalizando

contrato", diz Checcucci.

cerca de 1 GW em projetos de energia

eólica e solar, já considerando as

O empreendimento de Folha Larga foi

viabilizado pela contratação de venda de

iniciativas que estão em operação e em

energia de longo prazo nos leilões do governo,

fase de construção. Na Bahia, a empresa

e também pela celebração do compromisso da

francesa conta ainda com o Complexo

Braskem no ambiente de contratação livre.

Eólico Ventos da Bahia, município de

Bonito e de Mulungu do Morro, com

A Bahia tem atualmente 113 parques

eólicos em operação, com potência instalada

capacidade para produzir 183


Energia solar fotovoltaica

Ronaldo Koloszuk é presidente do Conselho da ABSOLAR.

42

Rodrigo Sauaia é presidente executivo da ABSOLAR.

Renováveis no Brasil: maturidades diferentes para cada fonte exigem cuidados especiais

é a mais recente dentre as novas

para ampliar o uso desta

é explicada pelas próprias políticas

que evidencia que não se pode

fontes renováveis a contribuir

tecnologia, diversificando a matriz

do setor elétrico brasileiro: a

tratá-la como se tivesse recebido

para a matriz elétrica brasileira.

elétrica, aliviando a demanda

fonte solar fotovoltaica não

o mesmo suporte dado às demais.

E chegou para ficar. Baseada na

por recursos hídricos escassos e

foi incluída no Programa de

conversão direta da radiação

reduzindo o despacho de usinas

Incentivo às Fontes Alternativas

como iguais, mas também

solar em energia elétrica, sem

termelétricas fósseis, caras e

de Energia Elétrica (Proinfa),

reconhecer e tratar diferentes

partes móveis, sem ruídos, com

poluentes, em prol de um futuro

instituído pelo Decreto nº 5.025

como diferentes. Isso se aplica

baixa manutenção e de simples

mais sustentável, competitivo e

de 2004, programa este que

muito claramente às fontes

e rápida instalação, a fonte tem

saudável e com qualidade de vida.

representa parcela considerável

renováveis no Brasil, já que cada

proporcionado ao País inúmeros

dos incentivos dados na forma

uma possui um nível distinto de

benefícios socioeconômicos,

estranhamento que, no Brasil,

de descontos nas tarifas de uso

maturidade, tendo recebido suporte

ambientais e estratégicos, cada

a fonte solar fotovoltaica esteja

dos sistemas de transmissão e

governamental por períodos e

vez mais importantes à sociedade.

sendo tratada pontualmente por

distribuição (TUST e TUSD).

em volumes financeiros muito

diferentes e, consequentemente,

A energia solar fotovoltaica

No entanto, causa

Esta disparidade, entretanto,

governos federal e estaduais, o

implementar medidas efetivas

alguns agentes do setor elétrico

têm estruturado programas,

brasileiro como uma fonte que “já

principal impulsionador inicial

tendo atingido patamares de

políticas e incentivos para

amadureceu”. A informação não

da energia eólica no Brasil,

participação na matriz elétrica

acelerar o crescimento da

confere com os fatos: conforme

incentivou apenas três fontes

nacional sensivelmente distintos.

solar fotovoltaica. Em 2018,

dados oficiais da Agência Nacional

renováveis: eólica, biomassa e

Por isso, seria um erro eliminar

a Califórnia, quinto maior PIB

de Energia Elétrica (ANEEL), em

PCHs. A fonte solar fotovoltaica

simultaneamente os incentivos

do planeta, anunciou novas

1º de janeiro de 2017, havia no

foi lamentavelmente deixada

a fontes tão distintas, como se a

medidas para incentivar a fonte:

Brasil apenas 27,8 Megawatts

de fora e nunca fez parte deste

situação de cada uma delas fosse

(i) a partir de 2020, todas as

(MW) em usinas de geração

programa, por isso não representa

equivalente – claramente este não é

novas residências construídas

centralizada solar fotovoltaica

nenhum real sequer dos custos

o caso.

no Estado deverão produzir

em operação, equivalentes a

deste incentivo pagos pelos

energia renovável em seus

menos de 0,01% da matriz

consumidores brasileiros.

das fontes mais democráticas

telhados a partir do Sol; e (ii) a

elétrica nacional. Em setembro

do planeta e traz o consumidor

partir de 2045, toda a energia

de 2018, eram apenas 1.322,1

ainda representa fração irrisória

para o centro das decisões.

elétrica consumida na região

MW operacionais, equivalentes a

da matriz elétrica nacional,

Mesmo em processo inicial de

deverá ser proveniente de fontes

0,83% da matriz, cuja potência

por ser uma fonte em processo

desenvolvimento no País, a

não-emissoras de gases de

total em operação equivale a

de desenvolvimento e cujos

energia solar fotovoltaica tem

efeito estufa, principalmente de

160.209,7 MW. Na mesma data,

projetos contratados ainda se

despertado interesse em massa

fontes renováveis, como a solar

a biomassa representava mais de

encontram em construção.

da população, conforme atesta

fotovoltaica.

14.674,2 MW (8,8%) da matriz,

Consequentemente, é a menos

pesquisa do Ibope Inteligência de

a fonte eólica somava 13.340,9

representativa dentre todas

2018, que mostra que nove em

da fonte solar fotovoltaica

MW (8,0%) e as PCHs equivaliam

as renováveis e a que menos

cada dez brasileiros quer gerar a

são imensos e o Brasil deve

a 5.117,5 MW (3,2%).

acesso teve a incentivos dos

sua própria energia em casa.

Economias de todo o mundo

Os benefícios líquidos

O Proinfa, considerado o

Justiça significa tratar iguais

A fonte solar fotovoltaica

A solar fotovoltaica é uma


Energia Eólica

43

Elbia Gannoum é presidente executiva da Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica).

Certificados de energia renovável O ano de 2018 não pode

de geração de energia renovável.

terminar sem que eu aborde

Quando um consumidor compra

um importante tema para o

um REC de uma geradora, ele

setor de energias renováveis e

se apropria, por meio de um

que está despertando cada vez

certificado, daquela energia que

mais interesse dos empresários.

foi injetada no sistema e aquele

Refiro-me ao Programa de

REC não será usado por mais

Certificação de Energia Renovável,

ninguém e aquela quantidade de

que está registrando um

energia sai da conta do sistema.

crescimento considerável no

Brasil e demonstra que existe

procura por RECs, mais cresce a

um futuro promissor para as

necessidade de termos geradoras

empresas que quiserem investir

de energia renovável. Para que

neste negócio. É mais um fruto

uma determinada geradora possa

importante dos nossos bons

emitir RECs e vendê-los, ela

de RECs no Brasil credenciado

Telefônica no Brasil, informou que,

ventos e que trará benefícios

precisa passar por um processo de

pela organização mundial

a partir de novembro, a empresa

não apenas para as empresas

certificação. No site do Programa

I-REC Services. O Programa de

passa a registrar 100% de seu

que aderirem ao programa, mas

www.recbrazil.com.br, é possível

Certificação de Energia Renovável,

consumo de energia elétrica

para o próprio setor eólico como

ter informações detalhadas sobre

por sua vez, foi criado pela

proveniente de fontes renováveis,

um todo, já que impulsiona seu

todo o processo e como é feita a

Associação Brasileira de Geração

com a obtenção de energia

crescimento.

compra e venda verificadas, em

de Energia Limpa (Abragel)

renovável certificada.

Para os leitores que não

ambiente certificado, de acordo

e a Associação Brasileira de

são do setor, acho que vale uma

com as legislações vigentes que

Energia Eólica (Abeeólica), e

que gostaria de deixar para as

breve explicação introdutória dos

normatizam este sistema.

já conta com apoio da Câmara

empresas é que este é um tema

certificados. O sistema funciona

de Comercialização de Energia

importante e que merece a

por um sistema de contabilização

RECs é maior a cada dia. Até

Elétrica (CCEE) e Associação

atenção de todos os empresários

que controla o equilíbrio entre

outubro de 2018, por exemplo,

Brasileira dos Comercializadores

conscientes de seu papel de

entrada e saída de certificados.

já havíamos chegado à marca

de Energia (Abraceel).

promover a Sustentabilidade.

Quando uma geradora é

de 1,3 milhão de certificados

Nós estamos investindo nesse

certificada, a energia gerada é

comercializados no ano, o que

pela certificação e compra dos

Programa porque acreditamos

acompanhada da geração dos

já era cinco vezes superior ao

RECs sinaliza que as empresas

em seu enorme potencial e em

Certificados de Energia Renovável

comercializado em 2017. Em

estão preferindo consumir energia

seus benefícios para a sociedade.

(RECs) correspondentes ao

2019, a estimativa é chegar a 3

renovável e, ao mesmo tempo,

Nossos bons ventos estão nos

montante produzido. Um REC

milhões de certificados.

mostra o compromisso com a

dando mais uma coisa da qual

é a prova de que 1 MWh (um

mudança de comportamento

poderemos nos orgulhar e que vai

megawatt hora) foi injetado no

mencionando são fornecidos pelo

energético. Em outubro deste ano,

significar uma contribuição para

sistema a partir de uma fonte

Instituto Totum, emissor local

por exemplo, a Vivo, marca da

um futuro mais sustentável.

Quanto mais cresce a

O fato é que a demanda por

Estes dados que estou

O crescimento do interesse

Em resumo, a mensagem


Profile for Revista O Setor Elétrico

Renováveis (edição 155 - Dez/2018)  

Renováveis (edição 155 - Dez/2018)  

Advertisement