Revista Business Portugal - Julho 2022

Page 1

Jul.

“NO LIDL, QUEREMOS SER UMA REFERÊNCIA A NÍVEL DA SUSTENTABILIDADE” Elena Aldana, Diretora Assuntos Públicos, Comunicação e ESG

LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO | ESPECIAL SAÚDE | ENSINO SUPERIOR | ESCOLHA DO CONSUMIDOR EMPRESAS GALARDOADAS | PME EXCELÊNCIA | VIVER, VISITAR E INVESTIR | BANDEIRA AZUL | LIDERANÇA: APOSTAS E DESAFIOS REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 1


Construção em Aço Leve (LSF)

Projetamos Sonhos... F I ... C S abricamos

deias

onstruímos

orrisos!

www.luxsteel.pt


Saúde e bem-estar

Sustentabilidade Albino Silva, CEO

Reciclável

Anti-poluição

Energia

Tempo

Preço

Durabilidade

O que é a construção em aço LSF (aço leve)? Aço leve ou LSF (Light Steel Framing) é um sistema construtivo em que o aço leve é o principal material estrutural. É revestido, externa e internamente, com elementos industrializados de alta qualidade que conferem ao produto final conforto, durabilidade e segurança.. A vantagem de trabalhar com a LuxSteel? A grande vantagem de trabalhar com a LuxSteel é a sua comodidade! A fase de projeto inicia com o levantamento topográfico e termina com o taxamento de licença para iniciar o respetivo fabrico do aço, ou seja, realizamos o projecto, o fabrico e a construção. Damos também apoio em todos os serviços burocráticos de modo a conseguirmos dar resposta a todas as suas necessidades com máxima brevidade.


ÍNDICE

Nota de boas-vindas...

Julho 2022

15

39

SAÚDE

SUPERIOR

ESPECIAL

ENSINO

As únicas constantes no futuro dos negócios são a mudança, a agilidade e a capacidade de resposta às mudanças do mercado, numa altura em que a tecnologia se assume como driver para o sucesso. A integração dos mundos digital e tradicional nos mais diversos domínios provoca uma necessidade de convergência e novas abordagens nas práticas de gestão. Esta mudança de mindset tem permitido aos empresários e empreendedores trilharem um caminho de crescimento, elevando as suas empresas para patamares de excelência. Na edição de julho, a Revista Business Portugal reforça o seu papel de meio de comunicação de eleição do mundo empresarial, trazendo às suas páginas verdadeiros exemplos de liderança, resiliência, inovação, capacidade criativa e de cultura empresarial. Boas leituras e boas férias!

Fernando R. Silva

54

82

GALARDOADAS

CM FIGUEIRA DA FOZ

EMPRESAS

BANDEIRA AZUL

FICHA TÉCNICA Editor/Propriedade: António Fernando A. R. Silva | Redação e Publicidade: Av. República 2208 - 3º Drt Centro Frt, 4430 -190 V N Gaia | Diretor: Fernando R. Silva | E-mail: geral@revistabusinessportugal.pt/Comercial: comercial@revistabusinessportugal.pt/Redação: redacao@revistabusinessportugal.pt | Telf: 223 700 510 | Distribuição: Gratuita com o jornal Diário de Notícias | Dec.regulamentar 8-99/9-6 artigo 12 N.ID Depósito Legal: 374969/14 Nº Registo ERC 126515 Impressão: YellowMaster | Avenida João Azevedo Coutinho nº643, 2755-101 Parede Estatuto Editorial: Disponível em www.revistabusinessportugal.pt/estatuto-editorial Periodicidade: Mensal Julho 2022 Tiragem: 25.000 exemplares

4 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


HOTEL

SAÚDE & BEM-ESTAR

GYM + SPA

RELIGIOSO

ALDEIAS HISTÓRICAS & ALDEIAS DE XISTO


LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO

“NO LIDL, QUEREMOS SER UMA REFERÊNCIA A NÍVEL DA SUSTENTABILIDADE”

Elena Aldana, Diretora Assuntos Públicos, Comunicação e ESG

Elena Aldana, Diretora de Assuntos Públicos, Comunicação e ESG no Lidl Portugal, descreve-se como uma pessoa persistente, resiliente e que gosta de desafios. Em entrevista à Business Portugal, revela que o que a atraiu no retalho foi o facto de todos os dias serem diferentes.

Elena Aldana é economista de formação e é especialista em retalho. Que retrato faz do seu percurso pessoal e profissional? Nas minhas várias facetas, e ao longo do meu percurso, pessoal e profissional, posso dizer que fui e sou alguém que gosta de desafios, que procura saber e conhecer mais do mundo e das pessoas e que acredita que todos somos capazes de ir além dos nossos limites, com esforço e dedicação. Tenho especial interesse em aspetos internacionais, o que faz com que seja uma apaixonada pela história, diferentes culturas e idiomas. Sempre sonhei com uma carreira profissional que me permitisse isso mesmo, conhecer o mundo. Vivi em 5 países. Para além do meu país, Espanha: França, Polónia, Brasil e Portugal, onde resido desde há 6 anos. Sou uma pessoa persistente e resiliente, que procura sempre aprender algo novo e o retalho atraiu-me por isso mesmo: todos os dias são diferentes, dando-nos sempre novas oportunidades de buscar novas soluções para os desafios com que diariamente nos deparamos.

6 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

O que a fez dar o “salto” para o Lidl e assumir o cargo de Diretora de Assuntos Públicos, Comunicação e ESG? Que desafios acarretam um cargo desta dimensão? O Lidl é sem dúvida um desafio que me trouxe a oportunidade de continuar a desenvolver os meus conhecimentos e capacidades perante um mercado global, uma vez que a empresa assume um papel preponderante no retalho nacional e internacional. Permite-me, igualmente, encarar estes novos desafios junto das minhas equipas, pela quantidade e variedade de novos projetos desenvolvidos pela empresa nestas áreas. Os desafios são constantes. Na Comunicação, todos os temas são urgentes, pois não há nada pior do que as notícias de ontem, que hoje já ficaram antigas – daí a importância de comunicar sempre de forma ágil, mas, ao mesmo tempo, de forma estratégica, medindo muito o que queres dizer e como o queres dizer. Além disso, o facto de ser responsável pelos departamentos de Comunicação Corporativa e dos Public Affairs, faz com que as áreas se apoiem mutuamente e a influência possa ser ainda maior, até ao ponto de marcar tendências no mercado e/ou na sociedade. A responsabilidade nos departamentos de Responsabilidade Social Corporativa (CSR) e Ambiente, que também estão na minha alçada, têm vindo a crescer nos últimos anos; o que antes era opcional (um “nice to have”), hoje virou uma obrigação (um “must”) da sociedade. O nível de exigência da sociedade perante as empresas fez com que hoje já não baste fazer as coisas bem, tens de ser o melhor e ir muito além do que exige o mercado. A sociedade quer que sejas exemplar e o facto de ser uma das empresas líderes no retalho acarreta uma responsabilidade, faz com que devas operar tendo em conta outros parâmetros em termos de apoio à comunidade e ao ambiente, ser sustentáveis com uma visão de longo prazo, sem perder o foco no dia a dia da operação. A sustentabilidade é uma das maiores preocupações da marca Lidl e, por isso, as suas práticas nesse sentido foram alvo de distinção com três menções honrosas pela APEE (Associação Portuguesa de Ética Empresarial). Qual a estratégia que tem sido adotada pelo Lidl em matéria de sustentabilidade? A sustentabilidade faz parte do ADN do Lidl e é vivida integralmente através da adoção de boas práticas económicas, ambientais e sociais ao longo da nossa cadeia de valor, centrando-se na


LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO

política de oferecer a máxima qualidade ao melhor preço. No Lidl estamos conscientes da nossa responsabilidade perante a sociedade e o ambiente, enquanto uma das principais cadeias de retalho a operar em Portugal e trabalhamos diariamente para tornar a nossa atividade o mais sustentável possível. Nesse sentido, o Lidl tem vindo a assumir vários compromissos sustentáveis, tendo uma atitude proativa e pioneira, não só a nível da sua estratégia 360º relativa ao plástico (com o objetivo de eliminar, reduzir, substituir e transformar), mas igualmente de mobilidade sustentável, redução da pegada de carbono, ou certificações que garantam desde práticas sustentáveis na construção das nossas infraestruturas (BREEAM e LEED) até processos de fabrico sustentáveis e de qualidade dos nossos produtos, assim como o respeito pelo ambiente e pelos direitos humanos (Global GAP, GRASP, Comércio Justo, etc.). Recentemente, desenvolvemos também junto da Global GAP, uma certificação que visa proteger a Biodiversidade e que é também uma das nossas prioridades. Todas as instalações do Lidl operam com energia verde desde o ano 2019, sendo estas provenientes de fontes renováveis. Além disso, instalámos painéis fotovoltaicos em muitas das nossas infraestruturas e este ano esperamos atingir já a neutralidade carbónica. Já atingimos as nossas metas de emissões de CO2, naquelas que dependem da nossa atividade direta (Scope I e II), e vamos continuar a trabalhar nas emissões de CO2 junto dos nossos fornecedores (Scope III), com o objetivo de ter um menor impacto climático da nossa Cadeia Agroalimentar. Procuramos trilhar este caminho sempre lado a lado com os nossos parceiros, pois acreditamos que, em conjunto, conseguimos ter um alcance superior. Estamos na 5ª edição do projeto TransforMAR que, desde o seu início, em 2018, retirou 110 toneladas de plástico das praias portuguesas. Este ano vamos estar presentes com os nossos cubos de recolha em mais de 20 praias de norte a sul do país. Nesta 5ª

edição, o plástico e resíduos recolhidos, passíveis de serem reciclados, serão transformados em T-shirts fabricadas em Portugal, 100% a partir de plástico reciclado, procurando continuar a sensibilizar as comunidades na próxima edição do projeto, em 2023. O plástico e resíduos não passíveis de serem reciclados, assim como redes de pesca (junto da Marinha Portuguesa), serão também eles reaproveitados no âmbito deste projeto, através da criação de esculturas, pela artista plástica portuguesa Soraia Domingos, localizadas no Norte (Matosinhos), Centro (Nazaré) e Sul (Portimão) do país, procurando alertar a população portuguesa para esta temática além praia. Explique em que consiste a campanha “bom demais para deixar para trás” e de que forma é que esta tem contribuído para combater o desperdício alimentar. Comprometido com a redução do desperdício alimentar, o Lidl lançou em abril de 2021 o projeto “Bom demais para deixar para trás”, que promove a venda de produtos nos últimos dias de validade, através da redução do preço dos mesmos em até 50%. Estes produtos têm uma localização específica nas nossas lojas e estão destacados com um selo verde. No caso do pão, em que 12 variedades integram o projeto, por exemplo, os produtos do dia anterior são vendidos com 50% de desconto no dia seguinte. Com esta iniciativa, e envolvendo os clientes para a sensibilização de um consumo mais consciente, evitámos, em apenas um ano, que cerca de 3 milhões de produtos fossem desperdiçados, sobretudo a nível de padaria, frescos e carnes. O “Bom demais para deixar para trás” está, no entanto, enquadrado na estratégia mais ampla e ativa do Lidl para a redução do desperdício alimentar, que aposta num fornecimento diário de frutas, legumes e carnes em loja, garantindo a sua máxima frescura; na existência de um Responsável de Frescos

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 7


LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO

“O Mais Ajuda é muito mais do que um prémio monetário. Trata-se de um programa de capacitação e formação, garantindo a sustentabilidade dos projetos vencedores ao longo dos anos, com o objetivo de que continuem a contribuir para a sociedade” que salvaguarda a frescura das frutas e legumes; na venda a granel de inúmeros produtos de padaria e pastelaria, assim como de fruta e legumes, peixe congelado ou marisco, evitando um consumo excessivo; numa gestão eficiente de inventário, em que procuramos que as encomendas sejam ajustadas às necessidades de cada loja e dos nossos clientes. De destacar também o nosso Projeto Realimenta que, em parceria com 1137 entidades, entre as quais a Re-food, a Zero Desperdício, os Bancos Alimentares e centenas de IPSS de âmbito local, nos permitiu, só em 2021, doar 3.300 toneladas de alimentos, que impactaram positivamente cerca de 195.000 pessoas. “Mais ajuda” foi também uma iniciativa que permitiu a angariação de 361 mil euros para 10 projetos contra desigualdades sociais que abrangem áreas como a educação, a violência doméstica, a emigração, entre outros. Qual o balanço que faz das 3 edições deste projeto? O balanço das três edições do Mais Ajuda não podia ser mais positivo e deixa-nos muito orgulhosos. No total, foram 844.000 euros que foram possíveis entregar a 26 Instituições Sociais e start-up’s com projetos sociais em áreas muito distintas, focados em Crianças, Idosos e na Educação ao longo da vida, e que vão de norte a sul do país. Instituições Sociais tais como a ASTA, uma associação localizada na Guarda, cujo projeto “Contigo à Descoberta” visa integrar pessoas incapacitadas, promovendo turismo de inclusão, ou a Santa Casa da Misericórdia da Pampilhosa da Serra, uma instituição social que criou uma rádio sénior,

em plena pandemia, com o objetivo de dar voz aos idosos e aproximar as pessoas – só para mencionar alguns exemplos. O propósito deste Programa foi cumprido: impulsionar projetos que apoiem a comunidade com soluções inovadoras. O Mais Ajuda é muito mais do que um prémio monetário. Trata-se de um programa de capacitação e formação, garantindo a sustentabilidade dos projetos vencedores ao longo dos anos, com o objetivo de que continuem a contribuir para a sociedade por mais tempo, assim como dar-lhes visibilidade junto da comunicação social. É possível encontrar mais informação sobre o projeto em www.maisajuda.pt Acredita que esta é uma cadeia de supermercados que tem conquistado, a cada dia que passa, o coração dos portugueses? Na sua opinião, a que se deve essa preferência? O Lidl trabalha diariamente em torno do consumidor e das suas necessidades, posicionando-se onde este está. Nesse sentido, temos sido, e continuaremos a ser, disruptivos e inovadores na localização das nossas lojas, procurando levar cada vez mais conveniência às comunidades e aos nossos clientes, com soluções ajustadas à sua rotina diária, mas também tentar surpreendê-los com produtos que só conseguem encontrar no Lidl. Oferecemos desde roupa feita com algodão 100% sustentável ou roupa interior à base de algas marinhas, até uma linha de produtos vegetarianos e vegan, a Vemondo, neutra em emissões de CO2. Face às novas exigências e preocupações dos consumidores, temo-nos adaptado, não só a nível de localização, através das nossas 269 lojas sustentáveis, modernas e de proximidade, mas também com serviços, tais como, a padaria self-service, a oferta de sumo natural de laranja espremido na hora, a oferta de frango assado e outro tipo de refeições prontas, ou mesmo o alargamento da nossa oferta vegetariana e vegana. Ou seja, o antigo hard discount desapareceu para dar lugar a um novo conceito de smart shopping, que permite fazer as compras completas com a máxima qualidade ao melhor preço e que está na base do que fazemos todos os dias. Neste sentido, acreditamos que conseguimos chegar ao coração dos portugueses reforçando a nossa proposta de valor, proporcionando uma experiência de compra simplificada e conveniente, mas também inovadora e diferenciadora com as nossas marcas própias. O Lidl tem conquistado os portugueses pelos seus produtos diferenciadores, tornando-os verdadeiros embaixadores da marca. Como explica este fenómeno? No Lidl apostamos sempre em oferecer a máxima qualidade ao melhor preço aos nossos clientes, alimentar e não alimentar. Nesse sentido, procuramos ser inovadores e diferenciadores na oferta, precisamente

8 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO

para responder aos seus desejos e necessidades, mas acrescentando sempre um toque de inovação e diferenciação, sem perder nunca de vista a qualidade. Dos skyrs e iogurtes proteicos (marca Milbona), a oferta vegan e vegetariana e neutra em carbono (Vemondo) ou a aposta em semanas temáticas que permitem aos clientes viajarem pelo mundo sem sair das suas casas. Também a nossa oferta não alimentar, como as ferramentas Parkside, muito procuradas e de grande qualidade, à oferta têxtil, têm vindo a conquistar um grande número de “embaixadores”, que nos deixa muito satisfeitos, mantendo sempre o desafio de continuarmos a fazer mais e melhor. Transversal a toda a oferta – e garante da sua qualidade – é o facto de esta ser certificada, que é para nós fundamental, e que nos permite ter uma oferta sustentável, que espelha a preocupação da empresa com o ambiente e as pessoas. As mulheres alcançam, cada vez mais, posições de destaque nas empresas, como no caso da Elena. Na sua opinião, as mulheres possuem caraterísticas que podem ser consideradas mais-valias para as organizações? Acredita que estamos num bom caminho no que se refere à paridade de direitos? Acredito que o ponto de partida de qualquer relação de respeito pelo outro tem por base considerá-lo como igual. A igualdade é um princípio fundamental, que deve ser defendido em qualquer circunstância, tanto em género como etnia, orientação sexual ou religião. Temos igualdade nas obrigações, devemos ter também igualdade nos direitos. Considero fundamental a diversidade e a inclusão dentro de uma organização, não só porque é um reflexo da própria sociedade na qual vivemos, mas também porque as experiências destas pessoas, incluídas as mulheres, trazem riqueza em termos de vivências e conhecimentos.

“Transversal a toda a oferta – e garante da sua qualidade – é o facto de esta ser certificada, que é para nós fundamental, e que nos permite ter uma oferta sustentável, que espelha a preocupação da empresa com o ambiente e as pessoas”

No Lidl contamos com uma política de igualdade, onde garantimos não só a igualdade em termos de salário ou acesso a novas oportunidades, mas também em termos de inclusão e diversidade. De facto, há uma percentagem muito relevante de mulheres em cargos de Direção, como é o meu caso. Baseados sempre na meritocracia, como fazemos no Lidl, temos de continuar a dar oportunidades às mulheres por forma a aumentar a proporção de mulheres em cargos executivos, com o objetivo de trazer mais diversidade nos cargos de liderança nos níveis de topo.

A Elena é um verdadeiro exemplo daquilo que é uma mulher líder e empreendedora, pois sempre abraçou todos os desafios com garra, nunca vendo o seu género como uma barreira ou um impedimento para o que quer que fosse. Que palavras gostaria de deixar àquelas que sonham fazer um percurso semelhante, mas que podem ter medo de arriscar? Este tema é muito pessoal, pois cada um define o rumo que quer percorrer na sua vida, mas se somar algumas das experiências que vivi, das coisas que aprendi e dos conselhos que recebi, seria: “Calma, a vida não é uma corrida de velocidade, mas uma corrida de resistência. Como em todas as corridas, há buracos, obstáculos, montanhas muito pronunciadas que parece que nunca vais conseguir subir e percursos calmos onde poderás desfrutar da paisagem e até relaxar um bocado. O importante em tudo isto é saber onde queres ir, traçar o teu caminho. Sê humilde, aceita quando errares e escuta ativamente os conselhos dos mais experientes para continuares a evoluir e aprender; até as coisas mais simples um dia vão servir de ajuda. A confiança em ti próprio/a e a autoestima vão ser fundamentais para teres a força para continuar em frente. Sê uma boa pessoa; quando duvidares, lembra-te dos valores que os teus pais te transmitiram. Acredita, desfruta e, acima de tudo, quer-te muito”. www.lidl.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 9


LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO | TOYOTA CAETANO

“O QUE MAIS ME APAIXONA SÃO AS PESSOAS”

Rita Dória assume que a ligação ao mundo automóvel aconteceu por mero acaso. No entanto, acabou por se apaixonar pela área e, atualmente, exerce o cargo de Diretora Value Chain After Sales Division de uma das marcas com mais notoriedade no mercado: a Toyota Caetano. Foi o meu orientador do projeto de final de curso que propôs que eu fizesse o projeto na Toyota Caetano Portugal e, entretanto, já se passaram 27 anos. Fui me apaixonando pelo mercado automóvel e pela Toyota. E o que me apaixona mais são as pessoas e os processos e, no meu caso, na jornada da Experiência do Cliente, pois tudo que fazemos (serviços, produtos e vendas) é centrado no Cliente. O meu percurso é abrangente, pois já estive em todas as áreas do negócio, pelo que esta diversidade também fez com que me sentisse sempre motivada e desafiada. Assume há mais de 11 anos a função de Diretora Value Chain After Sales Division da Toyota Caetano. Que desafios lhe tem imposto este cargo? Desafios intrínsecos à complexidade que o negócio após-venda acarreta, obriga a uma multiplicidade de conhecimento e de redobrada atenção. Manter o nível de motivação da equipa, gestão de pessoas e conflitos, a criação contínua e a procura de mais e melhor.

A licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial foi importante e deu-lhe a “bagagem” necessária para integrar o mercado de trabalho, nomeadamente a indústria automóvel? A licenciatura de Engenharia e Gestão Industrial, como se dizia há 30 anos atrás, era a “medicina geral” da engenharia, pois abrangia áreas novas e pioneiras nos cursos de Engenharia, como o Marketing, Gestão, Psicologia. Esta abrangência e diversidade fez com que a integração no mundo de trabalho e na indústria automóvel fosse eventualmente mais fácil do ponto de vista de tudo que não é fábrica. Quando é que a Toyota Caetano aparece na sua vida? O gosto pelo sector automóvel sempre esteve presente? Sinceramente, foi por um acaso, nunca me entusiasmei particularmente por automóveis.

10 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Trabalhar numa empresa com a notoriedade da Toyota Caetano é, certamente, uma responsabilidade acrescida. Qual o balanço que faz destes 28 anos na empresa? Quais os momentos que mais a marcaram ao longo do percurso? São anos de paixão, de relações, de kaizen (melhoria contínua), de batalhas, de dedicação, de retorno e satisfação. A Toyota e o Grupo Salvador Caetano são um exemplo de sucessos, de persistência, de nunca desistir e de muito trabalho. O estímulo penso que tem sido o de ter paixão pelo que faço e pelas pessoas que me rodeiam. Tentar seguir um padrão pelas emoções positivas. Enumere as caraterísticas que a definem enquanto mulher e profissional. Considera que, nos tempos que correm, as mulheres continuam a ter que lutar mais do que os homens para se conseguirem fazer ouvir e marcar a sua posição? Ser mulher revelou-se, em alguns momentos da minha carreira, um fator diferenciador, e principalmente pelo lado da


TOYOTA CAETANO | LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO

“O estímulo penso que tem sido o de ter paixão pelo que faço e pelas pessoas que me rodeiam. Tentar seguir um padrão pelas emoções positivas”

assertividade, autenticidade e capacidade de observação de tudo o que nos rodeia. E principalmente neste sector porque por vezes sou a única ou das poucas mulheres em lugares de liderança, a presença com opiniões diferentes ou com visões diferentes, é diferenciadora. E sim, nos tempos que correm ainda é necessário lutar mais do que os homens, os números não enganam quanto à percentagem de mulheres em cargos de liderança e/ou em mais destaque. O que é importante e crucial é reconhecer a diversidade como fator distintivo das organizações, em que a qualidade e a excelência das pessoas dependem de uma cultura inclusiva, onde a seleção é independente do género, etnia, religião ou idade. Deve-se lutar para que estas questões nem sejam tema. 16590 Toyota DAV-Campanha Institucional Anuncio 180x120_AF.pdf

Rita Dória, Diretora Value Chain After Sales Division 1

12/07/2022

17:35

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 11


“ADORO TRABALHAR COM PESSOAS”

Benedita Miranda, General Manager

Benedita Miranda, General Manager da Sitel, em conversa com a Business Portugal, revela como tem sido gerir países com grandes volumes de negócio e culturas tão diferentes. Licenciada em Psicologia e Marketing, rapidamente se interessou pela área do Customer Experience Management, à qual está ligada há mais de 20 anos. O que é que a apaixona nesta profissão? Integrei o mundo profissional relativamente cedo. Ainda estava a estudar, quando comecei a trabalhar no grupo Espírito Santo. Com 26 anos, já chefiava uma equipa com mais de 200 pessoas. Posteriormente, saí para uma empresa de BPO, a Transcom, onde exercia a função de Diretora de Contas Internacional e, mais tarde, fui Diretora do centro do Porto. Juntei-me à Sitel em 2010, onde estou desde então. Comecei enquanto Site Director e, decorridos três anos, fui promovida a Country Manager e, atualmente, sou General Manager. Numa fase inicial geria apenas Portugal, atualmente tenho mais três países a meu cargo: Espanha, Grécia e Itália. O que eu mais gosto nesta área é o facto de poder trabalhar com pessoas das mais variadas áreas e backgrounds. Gosto de liderar e gerir grandes equipas. Paralelamente, aprende-se muito em termos de comunicação e de relação com o cliente. E claro, o facto de durante estes anos ter tido a oportunidade de trabalhar com grandes marcas a nível internacional tem sido igualmente gratificante para mim.

12 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Neste momento, a Benedita é General Manager para Portugal, Espanha, Grécia e Itália? Quais são os principais desafios que um cargo desta dimensão acarreta? Um dos principais desafios é gerir um volume de negócios tão grande , uma vez que estamos a falar de mercados diferentes, com estratégias de crescimento definidas e com pessoas com culturas e perfis diferentes. Além disso, trabalhamos com marcas globais que são premium nas respetivas áreas e, por isso, ter que gerir clientes que têm esta dimensão e que são muito bons naquilo que fazem, é um grande desafio. Trabalhamos com o objetivo de estar ao nível de exigência dos nossos clientes. Como se descreve enquanto mulher e profissional? Alguma vez sentiu que o seu género fosse um impeditivo para alcançar algum objetivo? Qual a sua opinião sobre a paridade de direitos entre homens e mulheres em Portugal? A componente humana é muito importante para mim. Procuro ouvir sempre a opinião de cada um dos colaboradores e consigo juntar pessoas com diferentes personalidades e fazer com que elas formem uma boa equipa. Sempre me interessei por trabalhar com equipas multidisciplinares e o facto de ser diretora-geral permite-me “tocar” em diferentes áreas de negócio, tais como, a vertente financeira, o contacto com os clientes, a gestão de pessoal, entre outros. Sobre a paridade de direitos entre homens e mulheres, na minha opinião, é fundamental. Não estamos onde deveríamos estar e ainda há um longo caminho a percorrer. No entanto,


SITEL | LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO

“Existem diferenças entre a liderança no feminino e no masculino, mas ambas as perspetivas devem ser entendidas e valorizadas” eu considero que o papel da mulher no mundo empresarial tem vindo a mudar nos últimos anos e, apesar de ainda existir algum preconceito em relação à liderança no feminino, são cada vez mais as pessoas que aceitam e valorizam a mulher no mundo do trabalho. Existem diferenças entre a liderança no feminino e no masculino, mas ambas as perspetivas devem ser entendidas e valorizadas. Para que haja uma mudança de paradigma é importante que os processos e planos de carreira sejam desenhados tendo em conta essas diferenças, o que implica que se abandonem planos de progressão de carreira que estavam desenhados apenas para homens. É importante oferecer condições, criar oportunidades e customizar a função de liderança de forma adaptada (também) ao sexo feminino. No meu caso em concreto, posso dizer que tive que lutar mais por ser mulher para chegar onde cheguei. Não tem a ver com as empresas onde eu trabalhei, mas sim com a sociedade em geral. O meu caminho não foi tão fácil como teria sido se eu fosse um homem. Por isso, é fundamental que, ao nível da empresa se conte com uma equipa que apoie e que confie nas nossas competências e qualidades de liderança e que na vida familiar se tenha uma estrutura de apoio que permita partilhar responsabilidades e tarefas. Ainda assim, para as mulheres progredirem nas suas carreiras, é necessário que outras assumam este papel de liderança e isso tem-se visto, pois muitas já são uma referência hoje em dia. Por isso, acho que estamos a conseguir mudar mentalidades e criar oportunidades para mostrar a nossa capacidade de liderança e o Sitel Group® é exemplo disso, pois é uma empresa que oferece igualdade de oportunidades aos seus colaboradores, sejam eles do sexo masculino ou do sexo feminino, em termos de progressão de carreira. No que diz respeito à liderança no feminino, o Sitel Group® lançou o “WeLead – Women’s Empowerment Program”, um programa que pretende promover a liderança no feminino, junto de mulheres que já têm um cargo de chefia intermédio, disponibilizando ferramentas, workshops e sugestões para melhorar as suas capacidades de liderança,

dando oportunidades de progressão de carreira e de empowerment dentro da própria empresa. Apostamos cada vez mais nas nossas pessoas, no seu crescimento, no seu bem-estar e ter mais mulheres em cargos de liderança faz parte da nossa estratégia de crescimento. Tanto é asssim, que este ano a Sitel foi premiada por ser uma das melhores companhias do mundo para mulheres. Qual o balanço que faz de todos estes anos de carreira? E relativamente ao futuro, quais são as suas perspetivas? O balanço é extremamente positivo. Quando eu entrei, em 2010, a Sitel tinha cerca de 270 colaboradores em Portugal. Hoje em dia são mais de 4000 colaboradores, pelo que foi um crescimento enorme. Estou a gerir quatro países em que um deles é novo, a Grécia, e no período de um ano já crescemos imenso. Relativamente ao futuro, espero continuar a evoluir dentro da organização. No que diz respeito à Sitel pretendemos continuar a crescer nos vários mercados onde atuamos e a apostar nos nossos colaboradores, que são o espelho da empresa e, por isso, contamos com eles para continuar a contribuir para o sucesso dos nossos clientes.

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 13


LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO | HAPPINESS BUSINESS SCHOOL

A SUA ACADEMIA PARA A FELICIDADE CORPORATIVA Um trabalho feliz leva a uma vida feliz, quem o diz é Madalena Carey, Founder & Director da Happiness Business School, destacando que este é um projeto que deu vida ao sonho e missão de levar mais felicidade para o trabalho e mais felicidade para o dia a dia das pessoas.

Madalena Carey, Founder & Director

Esteve mais de quatro anos ligada à área do coaching. A experiência adquirida durante este período foi o “mote” para a criação da Happiness Business School? Conte-nos como tudo começou. Absolutamente. Quando comecei a facilitar processos de coaching, ajudando os meus clientes a otimizar as suas vidas, percebi que as causas que maioritariamente alavancavam o mal-estar dos mesmos, eram laborais. Na altura tinha acabado de chegar da Austrália, onde vivi muitos anos, e tive também um choque com o contraste da cultura de trabalho cá e decidi que tinha que tinha de promover em Portugal o que tinha vivido lá fora. Os problemas do trabalho não ficam no trabalho, eles impactam a nossa vida pessoal. E sendo que passamos a maior parte do nosso tempo acordados a trabalhar, percebi que a minha missão era trazer mais felicidade para o trabalho, para trazer mais felicidade para o dia a dia das pessoas. Acredita que a felicidade no local de trabalho é um tema ao qual ainda não é dada a devida importância? Explique o trabalho que é desenvolvido pela HBS e quais os cursos que são disponibilizados. A importância dada ao tema aumenta de dia para dia e a cada dia convertemos mais céticos. Fazemo-lo através da desmistificação da temática e da qualidade do nosso trabalho. As empresas que não davam importância ao tema são as que hoje mais pedem ajuda porque os desafios e estatísticas internos falam por si. Os colaboradores estão mais exigentes do que nunca. Nós certificamos Happiness Managers e Chief Happiness Officers, que são posições que começam a ser cruciais na gestão da felicidade corporativa. Temos um MBA Felicidade Organizacional com o ISEC Lisboa. www.happinessbusinessschool.com

14 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Damos formação, workshops e palestras em Liderança Humanizada, Mindset for Happiness, e outros à medida na área comportamental. Fazemos também consultoria, onde ajudamos empresas a criar um Plano de Felicidade e Bem-estar organizacional. A HBS está, atualmente, presente em Portugal, em Angola e no Brasil. Quais os passos que se seguem? Temos, neste momento, um portfólio de clientes em 15 países, não tendo sede nos mesmos, o que é em si um desafio de logística. À medida que a consciencialização da marca cresceu, os pedidos de parceria e representação da mesma têm vindo a ser muitos. Nesse sentido, a primeira novidade que posso adiantar é que estamos a desenvolver um modelo de negócio de franchising e vamos ter o primeiro franchisee no Canadá a partir de Setembro. Outra novidade, é o lançamento da HBS On Demand: pacotes de formação digital para as academias de formação interna das empresas, com o grande objetivo de democratizar o acesso ao Desenvolvimento Profissional. Por último, a partir de Outubro vamos estar em várias escolas internacionais com uma atividade extra curricular ‘The Class of Happiness’, para que as crianças – que são os adultos do futuro – possam ter acesso à Educação Positiva que muitos de nós não tivemos e assim conseguirem lidar com a pressão deste mundo cheio de incerteza. O trabalho da Madalena enquanto Diretora da Happiness Business School tem sido notável. Que caraterísticas acha necessárias para liderar uma equipa? Que palavras gostaria de deixar às mulheres que ambicionam fazer um percurso semelhante? Liderar pelo exemplo, inspirar o propósito do que fazemos e tentar honrar e reforçar os talentos de cada pessoa da minha equipa, ao invés de corrigir as suas fraquezas é o que tento fazer. A quem queira fazer um percurso semelhante: Não levem a vida tão a sério, e usufruam do processo.


Especial Saúde

Jul.

HIDRATAÇÃO | SAÚDE DA VISÃO | DIA MUNDIAL DO CANCRO DO PULMÃO | DIA MUNDIAL DO CÉREBRO DERMATOLOGIA E IMUNOALERGOLOGIA | DOR | AÇÃO SOCIAL | PARENTALIDADE E SAÚDE MENTAL REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 15


HIDRATAÇÃO | ÁGUA

ÁGUA: ELEMENTO INDISPENSÁVEL AO BEM-ESTAR

A água é a substância mais abundante no corpo humano, é componente essencial de todos os tecidos do organismo. Sem água, uma pessoa pode sobreviver durante poucos dias: em temperaturas moderadas, os adultos podem viver aproximadamente 10 dias; as crianças vivem cerca de cinco dias. A perda de 20 por cento da água corporal pode causar a morte e a perda de 10 por cento causa distúrbios graves. A água é fundamental a quase todas as funções do corpo humano: digestão, absorção e transporte de nutrientes; serve de meio aquoso para os processos químicos; tem um papel de solvente para os resíduos do corpo, dilui-os para diminuir a sua toxicidade e ajuda no processo de excreção dessas substâncias; ajuda a manter a temperatura do organismo estável. Sendo necessária na formação de tecidos do organismo, proporciona a base para o sangue e todas as secreções líquidas (lágrimas, saliva, sucos gástricos). É também responsável pela manutenção da pele macia e elástica. Perdemos água através dos rins, através do processo de respiração e através da transpiração. A cor da urina é uma forma fácil de verificar se a ingestão de água é suficiente. O défice de água no organismo aumenta o risco de cálculos renais (pedras) ou cálculos na bexiga. Regra geral, os adultos devem ingerir 35ml/kg de peso, as crianças 50 a 60ml/kg de peso e as lactentes 150ml/kg de peso. Ou seja, uma pessoa que pesa 70kg, aproximadamente, deve ingerir diariamente cerca de 2,5 litros de líquidos. Quando a temperatura é mais elevada, a prática de exercício físico demasiado intensa, quando se está com febre, constipações ou outras doenças, a ingestão de água deve ser ainda maior. Durante a gravidez, essa necessidade também aumenta, devido à formação do líquido amniótico, o aumento do volume de sangue e para atender às necessidades do feto em desenvolvimento.

16 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Durante a amamentação, a necessidade mantém-se: o leite materno tem cerca de 87 por cento de água. A qualidade da água é algo que deve ser tido sempre em conta. Existem três tipos de água potáveis: 1. as águas minerais naturais 2. as águas de nascente 3. as demais águas destinadas ao consumo humano. As águas engarrafadas, diferentes das águas minerais naturais ou de nascente, têm sobretudo relação com a cultura anglo-saxónica. Só ocasionalmente aparecem no mercado português. Esta distinção é fácil de perceber lendo o rótulo das embalagens. As águas minerais naturais são de origem subterrânea, bacteriologicamente sã e de composição química estável. Diferenciam-se por poderem ser ricas em certos sais minerais e oligoelementos e pela sua pureza original estável, uma vez que provêm de aquíferos preservados pelo estabelecimento legal de perímetros de proteção. As águas de nascente são, também, águas de origem subterrânea, cujas características naturais e de pureza estão adequadas ao consumo humano. Uma excelente forma de nos mantermos hidratados, as torneiras GROHE Blue Pure permitem consumir água filtrada diretamente da torneira, em qualquer zona do globo. O filtro de carbono ativado remove cloro, biocidas e pesticidas. E a versão Ultrasafe elimina bactérias, o que torna a água potável, mesmo nas regiões em que é de má qualidade. A sustentabilidade é outra mais-valia: enquanto a produção de 1 litro em garrafas de plástico requer até 7 litros de água, com a GROHE Blue Pure é aproveitada cada gota, sem desperdício. Não bebemos apenas porque temos sede, bebemos (ou devemos beber) independentemente disso. É uma questão de saúde.


GROHE BLUE PURE

SABOR PERFEITO

&

CONSUMO SUSTENTÁVEL

Experimente a tecnologia de filtragem GROHE Blue Pure e desfrute do melhor sabor da água diretamente da sua torneira de cozinha.

INCLUI

GROHE BLUE FILTRO DE CARBONO ATIVADO

Capacidade: 3000 L

GROHEPT

@grohe_p t

Tel. + 351 234 529 620

E-mail comercial-pt@grohe.com REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 17


SAÚDE DA VISÃO | OLHO SECO

Prof. Doutor J. Salgado-Borges. MD, PhD, FEBO Diretor Clínico da Clinsborges e Embaixador em Portugal do TFOS (Tear Film & Ocular Surface Society) www.clinsborges.pt / www.salgadoborges.com

NO VERÃO O OLHO SECO É UM PERIGO IMINENTE “Ardência, prurido, sensação de areia, vermelhidão, hipersensibilidade à luz, visão esborratada, dificuldade em usar lentes de contacto, lacrimejo excessivo ou mesmo fadiga ocular são apenas alguns dos sinais e sintomas a ter em atenção e que merecem um diagnóstico imediato.” De acordo com estudos recentemente publicados a Síndrome do Olho Seco atinge mais de 20% da população mundial e, em Portugal, são quase 2 milhões de portugueses que se queixam de dor ou desconforto ocular na sequência desta patologia. O olho seco é um distúrbio ocular que origina desconforto, instabilidade do filme lacrimal e consequentemente danifica a superfície ocular se não for tratado atempadamente. Os nossos olhos necessitam de lágrimas para se manterem saudáveis e confortáveis, mas, quando há um desequilíbrio ou deficiência no sistema lacrimal, ou até quando as lágrimas evaporam mais rápido do que suposto, o paciente vai manifestar alguns dos sinais ou sintomas do Olho Seco. Assim, na época mais quente do ano o olho seco tende a manifestar-se com maior frequência, devido a fatores que potenciam esta doença como é o caso da utilização do ar condicionado, o aumento à exposição solar, insuficiente ingestão de água, cloro de piscinas, sal do oceano, exposição excessiva aos aparelhos digitais e outros. Além destes, há ainda outros fatores de risco que, quando aliados aos anteriormente mencionados, agravam ainda mais a condição do paciente. Estes são: o envelhecimento (idade),

18 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

nomeadamente a menopausa na mulher; efeitos secundários de alguns medicamentos tais como os anti-histamínicos; doenças que afetam a capacidade de produzir lágrimas, como a artrite reumatóide; Síndrome de Sjogren e o uso prolongado de máscaras de proteção facial. Assim, enquanto médico oftalmologista partilho algumas dicas de prevenção determinantes para esta altura do ano: evitar o fumo de fogueira ou churrasco; usar óculos de sol com proteção UV (há lentes de óculos de sol com uma classificação proteção UV, que bloqueará 99% -100% dos raios UV); o ar condicionado ou fluxos de ar como o vento que podem agravar a sua condição; por último e mais importante, beber bastante água! Importa referir que o olho seco se pode manifestar em qualquer altura do ano, idade ou sexo. Na maioria dos casos com sintomas ligeiros é suficiente usar lágrimas artificiais como, por exemplo, o ácido hialurónico sem conservantes e com diferentes constituintes, consoante o tipo de Olho Seco. Em condições crónicas é imprescindível um diagnóstico aprofundado. Existem hoje tecnologias emergentes, tanto a nível de diagnóstico como do tratamento, aptas para responder de forma eficiente e não invasiva. É o caso do Thermaeye Plus - Luz Intensa Pulsada (IPL), em que estudos por nós realizados mostraram a sua eficácia no

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

tratamento da inflamação em doentes geneticamente propensos a desenvolver Síndrome do Olho Seco. Se apresenta algum dos sintomas acima referidos, como ardência, olho vermelho, sensação de areia ou dificuldade em usar lentes de contacto, aconselho a agendar uma consulta de Oftalmologia.


REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 19


SAÚDE DA VISÃO | ÓCULOS DE SOL

IMPORTÂNCIA DOS ÓCULOS DE SOL NA SAÚDE DOS NOSSOS OLHOS Prof. Doutor J. Salgado-Borges, Médico e Cirurgião Oftalmologista Diretor da Clinsborges e Embaixador em Portugal do TFOS (Tear Film & Ocular Surface Society) www.clinsborges.pt / www.salgadoborges.com

Na altura do verão passamos mais tempo a usar óculos de sol. Mas sabe porque é tão importante utilizá-los? Quer esteja a contar os dias para as suas férias de verão ou para fazer ski no inverno, os seus óculos de sol são o melhor assessório para levar consigo. É uma ótima altura para saber como pode proteger a sua visão durante o ano todo. Os óculos de sol são uma grande ajuda durante o ano e não apenas para os meses de verão. O índice UV pode não ser tão intenso no inverno, mas o sol pode ter na mesma um efeito prejudicial na saúde visual dos seus olhos ao longo de todo o ano. Porque preciso de utilizar óculos de sol? Nos dias em que se esquece dos seus óculos de sol, passa muito tempo a semicerrar os olhos enquanto tenta ver em ambientes de luminosidade forte, momento que pode ser bastante frustrante. Proteger os seus olhos do sol não só vai prevenir este desconforto, como também ajudar a reduzir os riscos de doenças oculares. Isto acontece porque demasiada exposição aos raios UVA e UVB pode pôr os seus olhos em risco. É importante investir na solução certa que corresponde às suas necessidades visuais. Existem vários tipos de lentes de sol: polarizadas, coloridas, espelhadas e fotocromáticas. Todas com diferentes benefícios e estilos.

20 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL 20 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Como é que os óculos de sol protegem a minha visão? Os óculos de sol não protegem apenas os seus olhos da intensidade da luz para o ajudar a ver melhor. São ferramentas importantes para bloquear os raios UV e prevenir que cheguem aos seus olhos. Os diferentes tipos de lentes solares têm diferentes benefícios que se adaptam às suas necessidades quando falamos em proteção solar para os seus olhos. As lentes polarizadas oferecem o máximo de proteção contra os reflexos intensos e a luz UV. Os reflexos intensos estão presentes durante todo o ano e podem ter várias origens como a estrada, a água, a neve ou gelo. Isto pode ser muito perigoso se estiver a conduzir ou a fazer ski devido ao encandeamento que esses reflexos provocam. Quão perigosos podem ser os Raios UV para a sua visão? A exposição aos raios UV depende da localização, ambiente ou altura do ano e hora do dia. Por exemplo, a exposição UV é maior quanto mais se aproximar da linha do equador e quando o sol está mais alto, normalmente entre as 11 e as 16 horas. A exposição aos raios UV ocorre sobretudo em espaços exteriores, especialmente quando próximo de superfícies refletoras. Sabia que a exposição aos raios UV pode ser até 80% superior se forem refletidos na neve? O IPMA recomenda o uso de óculos de sol a partir do nível 3 de raios UV, no entanto deve utilizar se estiver exposto a uma luminosidade intensa. O excesso de exposição pode resultar em problemas na saúde visual dos seus olhos que podem ser prevenidos com as medidas correta. Comparativamente, é o mesmo que estar exposto ao sol sem aplicar o protetor solar.


REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 21


DIA MUNDIAL DO CANCRO DO PULMÃO

DIA MUNDIAL DO CANCRO DO PULMÃO Assinala-se a 1 de agosto, o Dia Mundial do Cancro do Pulmão, uma doença que, todos os anos, é diagnosticada a quatro mil portugueses. A nível mundial, afeta dois milhões de pessoas e representa um dos tipos de cancro com maior índice de mortalidade. Na grande maioria dos casos, o diagnóstico é tardio, o que, em parte, justifica o mau prognóstico e as elevadas taxas de mortalidade associadas ao cancro do pulmão. Dra. Maria Teresa Almodovar, Presidente do Grupo de Estudos do Cancro do Pulmão (GECP)

A incidência do Cancro do Pulmão, uma doença rara até ao início do século XX, tem vindo a aumentar rapidamente nos últimos 100 anos. Atualmente, o Cancro do Pulmão é uma das doenças oncológicas mais diagnosticadas em todo o mundo e a principal causa de morte por cancro a nível mundial, com uma sobrevivência de 15 a 18% aos cinco anos. Os dados do Registo Oncológico Nacional de 2018 referem 4.424 novos casos de Cancro da Traqueia e Brônquios em Portugal. Já a Organização Mundial de Saúde estima que em 2020, em Portugal, foram diagnosticados 5.284 novos casos de Cancro do Pulmão, representando a terceira neoplasia mais frequente no País, embora a primeira em termos de mortalidade. A elevada letalidade do Cancro Do Pulmão é devida ao seu diagnóstico tardio e à má resposta ao tratamento nos casos de doença avançada. Cerca de 70 a 80% dos casos de Cancro do Pulmão são diagnosticados em estadio localmente avançado ou metastizado, situação em que não há terapêutica curativa. Mesmo com os avanços de diagnóstico nesta área, as pessoas com Cancro do Pulmão continuam a chegar aos centros de diagnóstico e terapêutica dos Hospitais em fase avançada da doença que não permite terapêutica curativa. O diagnóstico tardio do Cancro do Pulmão está relacionado, fundamentalmente, com o facto de os sintomas serem de aparecimento tardio e poderem-se confundir com os sintomas de bronquite ou uma infeção respiratória arrastada, com tosse com ou sem expetoração, falta de ar, farfalheira ou com cansaço, dores ósseas, dores de cabeça. Embora a idade média de aparecimento de Cancro do Pulmão se situe nos 72 anos, esta não é apenas uma doença de idosos. Há um elevado número de mortos abaixo dos 65 anos. Aliás, este é o cancro com maior número de anos de vida perdidos. Embora o tabaco seja a causa mais importante de Cancro de Pulmão, a

diminuição de hábitos tabágicos na população nos últimos anos tem diminuído o número de cancro derivado do tabaco. A percentagem de pessoas que não fumaram, mas que têm Cancro do Pulmão tem vindo a aumentar, rondando atualmente os 20%. Já o número de mulheres com Cancro do Pulmão tem vindo a aumentar devido ao aumento de mulheres fumadoras e também a alterações genéticas causadoras de cancro. Idade mais baixa, sexo feminino e o facto de não ser fumador, que eram considerados anteriormente indicadores de muito baixa probabilidade de ter cancro do pulmão, já não podem ser considerados como tal. É importante que todos estejamos atentos à possibilidade do diagnóstico de Cancro do Pulmão, médicos e população em geral. O aparecimento de tosse sem causa aparente ou com duração de mais de uma semana, cansaço inexplicável e cefaleias são sintomas que devem levar à consulta do médico assistente com suspeita de Cancro de Pulmão.

GLOBOCAN. Disponível em: https://gco.iarc.fr/today/data/factsheets/cancers/ 15-Lung-fact-sheet.pdf, acedido a 07/22

22 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 23


DIA MUNDIAL DO CÉREBRO

DIA MUNDIAL DO CÉREBRO - Parkinson A doença de Parkinson também é uma das doenças do sistema nervoso que afetam principalmente a população idosa, sendo que em Portugal registam-se cerca de 20 mil casos. Trata-se de uma doença degenerativa e progressiva, que é causada pela diminuição da produção de um neurotransmissor chamado dopamina, muito importante para o funcionamento do cérebro.

Assinala-se anualmente no dia 22 de julho. O Dia Mundial do Cérebro tem como objetivo alertar para as grandes questões do cérebro, procurar promover a saúde neurológica e mental e a prevenção de doenças relacionadas. O cérebro é um órgão de vital importância para o funcionamento de todo o nosso organismo. Saber como ele funciona ajuda-nos a entender melhor algumas doenças que afetam o cérebro. É tão curioso quanto fascinante verificar como o cérebro trabalha com as informações. Ele processa junto das estruturas do encéfalo tudo o que recebe através dos cinco sentidos (visão, audição, paladar, olfato e tato), coordenando os nossos movimentos, comportamentos, emoções e, ainda, funções ligadas à inteligência, linguagem, consciência e memória. É por isso que qualquer disfunção no cérebro pode desencadear consequências em todo o corpo humano e nos seus sentidos. Principais doenças do sistema nervoso - Acidente Vascular Cerebral (AVC) O Acidente Vascular Cerebral (AVC), também conhecido como derrame cerebral, pode acontecer devido a um entupimento ou rompimento dos vasos que transportam sangue ao cérebro. Os principais sintomas da doença, que deve ser tratada imediatamente, normalmente são: dormência ou paralisia da face, do braço ou da perna em apenas um lado do corpo, dor de cabeça intensa e dificuldades motoras, cognitivas, na visão e na fala. - Epilepsia A epilepsia é um distúrbio que ocorre no cérebro e, geralmente, é decorrente de pequenas lesões que acometem a região. Essas lesões podem ter várias causas como: herança genética, uso excessivo de álcool e drogas, traumas e até mesmo outras doenças do sistema nervoso. - Esclerose Múltipla A esclerose múltipla é mais uma das doenças do sistema nervoso que faz com que o corpo não responda corretamente aos comandos do cérebro. Isso ocorre devido a determinadas lesões nos nervos e medula espinal causadas pelo sistema imunológico. - Alzheimer A doença de Alzheimer representa cerca de 60 a 70% de todos os casos de demência no mundo e ronda os 200 mil casos em Portugal. Os sintomas mais comuns da doença são: perda de memória, confusão mental, falta de noção do tempo, mudanças de comportamento e falta de discernimento.

24 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

- Enxaqueca A enxaqueca corresponde a um tipo de cefaleia, termo médico utilizado quando se fala de um desconforto ou dor de cabeça. As cefaleias podem ser ocasionais e ligeiras, não interferindo com as atividades do dia a dia, contudo, em certos casos, podem ser frequentes e dolorosas, podendo afetar negativamente a qualidade de vida da pessoa. Existem inúmeros tipos de cefaleias, mas a enxaqueca é o mais conhecido e incapacitante, sendo três vezes mais comum em mulheres do que em homens. - Doenças psiquiátricas As doenças psiquiátricas, também chamadas de transtornos mentais, são caracterizadas como o comprometimento das funções cognitivas e assumem uma condição de anormalidade na ordem psíquica, mental ou cognitiva, e podem ter causas determinadas ou não. Principais doenças psiquiátricas - Doença bipolar Essa é das doenças mentais mais comuns na sociedade moderna. Esse desequilíbrio provoca oscilações imprevisíveis no estado emocional, afeta o humor e tem relação muito próxima com a depressão. As suas principais características são a instabilidade psicológica, que se revela pela alternância de um estado de angústia e desânimo com um estado de impulsividade e extroversão. - Ansiedade A Ansiedade é caracterizada por um sentimento de tensão, preocupação e medo. A ansiedade pode provocar vários sintomas físicos como arritmia/taquicardia (alteração no ritmo cardíaco ou do coração), vertigens ou tonturas, boca seca, dificuldade respiratória (falta de ar), entre outros. Para além destes sintomas físicos, a ansiedade pode provocar várias alterações psíquicas, como reações cognitivas (preocupação excessiva, dificuldades de concentração), comportamentais (tremores, paralisação) e sociais (dificuldades em falar em público, evitamento de eventos sociais...) que podem afetar a qualidade de vida dos indivíduos. - Esquizofrenia A Saúde Pública classifica a Esquizofrenia como um dos principais transtornos psicóticos. Os sinais mais evidentes da esquizofrenia são os distúrbios da linguagem e a desorganização do pensamento. No grau mais avançado, ela também afeta a perceção da realidade e altera a expressão do pensamento. - Depressão A depressão é uma doença que vai além de apenas se sentir triste. Ela causa exaustão mental, perda do interesse em realizar atividades e um imenso sentimento de vazio. É o distúrbio psiquiátrico mais comum no mundo. Estima-se que cerca de 350 milhões de pessoas apresentam um quadro de depressão clínica, contudo, menos de um terço procura tratamento.


YOUNG PARKIES PORTUGAL | DIA MUNDIAL DO CÉREBRO

LANÇADA ASSOCIAÇÃO PARA QUE DOENTES “NÃO CARREGUEM PESO” DO PARKINSON JUVENIL SOZINHOS Maria do Carmo Teixeira Bastos recebeu aos 44 anos o diagnóstico de que tinha Parkinson. Depois de largas semanas para o aceitar, mudou o ritmo da sua vida e criou a Young Parkies para que outros doentes “não carreguem este peso” sozinhos. Há cerca de três anos, Maria do Carmo começou a sentir dificuldade em escrever, em lavar os dentes e a engatar as mudanças no carro. Estes e outros pequenos sinais sugeriam-lhe que seria uma tendinite, mas depois de vários tratamentos de despiste e exames, o diagnóstico chegou: doença de Parkinson. Naquele dia, recorda, “estava completamente descontraída” na consulta, mas a notícia fez com que ficasse “colada à parede”. Seguiram-se várias horas, dias e semanas de reorganização da sua própria vida e de “tentar aceitar” uma doença que surgia em idade precoce. “Não sabemos, dentro do quadro da doença, o caminho que vai seguir em nós”, contou à Lusa. Os primeiros meses foram de “expectativa”, na tentativa de perceber se a evolução seria rápida ou lenta, se as implicações seriam imediatas e se os sintomas seriam ligeiros. A par de alguma medicação, Maria do Carmo começou a fazer desporto regularmente, alternando entre o ténis, o pilates e o andar a pé. No banco onde exercia um cargo de gestão de equipa, optou por deixar a função. “Enquanto o desporto é o principal redutor dos sintomas, o stress é o principal indutor. A certa altura, achei que precisava de mais tempo para mim e de uma função menos desgastante, observou.” Enquanto abrandava o ritmo da sua vida, procurou por mais informação sobre a doença e outros doentes. O que encontrou “não se enquadrava no que procurava”, nem se sentia representada. “O tipo de estímulos que uma pessoa com 30, 40 ou 50 anos precisa é completamente diferente do tipo de estímulos de uma pessoa mais velha. As pessoas estão no auge da carreira, têm filhos pequenos, outras ambições e objetivos”, disse. Maria do Carmo sentiu que era preciso “mudar a tónica”. Procurou junto de especialistas e, em julho de 2021, criou a Young Parkies Portugal, uma associação que junta todos os envolvidos no processo: doentes, médicos, cuidadores, investigadores e fisioterapeutas. “Não queremos ser uma associação assistencialista, quase paliativa. O objetivo é dar conteúdos, ter conferências, informação, aulas online e coaching”, esclareceu Maria do Carmo, que vê agora a associação ganhar forma e ser lançada em site. O site permitirá, acredita Maria do Carmo, criar “espírito de comunidade” e fazer com que as pessoas com Parkinson se sintam bem, tenham confiança e não “carreguem o peso da doença sozinhas”. Foi através de uma “cilada” armada por Maria do Carmo e pelo investigador Tiago Outeiro que João Massano, médico neurolo-

gista do Hospital de São João, conheceu os meandros por detrás da Young Parkies Portugal e a ela se associou. “Os nossos doentes têm de ter uma voz mais audível e juntando-se, trocando ideias, tudo isso é facilitado e lhes confere um certo conforto”, observou o médico, que não ficou indiferente ao perceber que a iniciativa partia dos próprios doentes. “Isso sensibilizou-me muito e dá uma força muito diferente à associação”, contou à Lusa. Em Portugal, estima-se que entre 18 e 20 mil pessoas tenham doença de Parkinson, sendo que em cerca de 10% destas a doença se manifesta antes dos 50 anos, o que é considerado Parkinson juvenil. A grande maioria dos casos de Parkinson juvenil tem origem em mutações genéticas que ajudam, “apesar de tudo”, a certificar o diagnóstico que é essencialmente clínico. Com os sintomas a manifestarem-se em diferentes frentes, além das conhecidas implicações motoras, os avanços científicos têm tentado procurar formas de tornar a Levodopa [fármaco indicado para o tratamento] “mais eficaz durante mais tempo”. Parte da investigação está também a debruçar-se sobre “moléculas e estratégias moleculares” na tentativa de encontrar as proteínas que estão na génese da doença de Parkinson. A par disso, esclareceu João Massano, a investigação sobre a doença tem apostado no desenvolvimento de novas tecnologias. Criada para informar, integrar e acompanhar pessoas com Parkinson juvenil, a Young Parkies Portugal conta neste momento com cerca de 200 associados e mais de 10.000 seguidores nas redes sociais.

geral@youngparkiesportugal.org www.youngparkiesportugal.org

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 25


26 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 27


DERMATOLOGIA | ROSÁCEA

ROSÁCEA: COMO SE MANIFESTA E COMO TRATAR Dr.ª Rosa Garcia (OM69562), Dermatologista no Trofa Saúde Braga Norte, Braga Centro, Braga Sul e Hospital Central

A rosácea é uma doença inflamatória crónica da pele, de causa desconhecida, e uma das dermatoses mais frequentes nos consultórios de Dermatologia, que pode comprometer significativamente a qualidade de vida de seus portadores. Tem origem multifatorial, com fatores genéticos e ambientais envolvidos, possuindo diversas opções terapêuticas específicas para cada doente. Uma das principais caraterísticas da rosácea é a possibilidade dos seus sinais e sintomas (principalmente o flushing, caraterizado pela vermelhidão da pele) serem desencadeados por fatores ambientais ou hábitos de vida, ditos fatores desencadeantes. Entre estes, os mais comuns são: • exposição solar • stress emocional • clima quente • exercícios físicos intensos • consumo de álcool • banhos quentes • clima frio

28 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

• alimentos condimentados ou picantes, • humidade • certos produtos para o cuidado da pele, • bebidas quentes • cosméticos • medicamentos. A doença pode acometer crianças, adultos e idosos, é mais frequente nas pessoas de pele clara e possui manifestações clínicas que variam desde uma pele sensível aos cosméticos, vermelhidão facial transitória ou duradoura, presença de vasos sanguíneos dilatados, edema, descamação, aspereza e sensação de ardência da pele do rosto, até lesões inflamatórias que simulam acne. A rosácea ocular é frequentemente negligenciada. A sua incidência não está diretamente relacionada à gravidade das lesões cutâneas, ou seja, doentes com formas leves de rosácea podem ter sintomas oculares da doença, como descamação e comichão nas pálpebras, sensação de corpo estranho, lacrimejamento, conjuntivite e o chamado “olho seco”. A abordagem diagnóstica adequada e o tratamento precoce e individualizado por um dermatologista podem minimizar os sinais e sintomas e impedir a evolução da rosácea para a sua forma mais grave – a rosácea fimatosa –, mais comum nos homens e na qual ocorre proliferação de tecido fibroso e de glândulas sebáceas, principalmente no nariz, com aumento expressivo do seu tamanho (rinofima) e cujo exemplo mais conhecido é o nariz de Cyrano de Bergerac, imortalizado no cinema por Gèrard Depardieu. O uso de máscaras e o stress associados à pandemia de Covid-19 parece estarem a contribuir para o agravamento dos sintomas dos doentes com rosácea. Apesar da impossibilidade de cura, há tratamentos tópicos e orais, além de lasers e outras tecnologias, que, aliados ao controlo dos fatores desencadeantes, proporcionam excelentes resultados, com possibilidade de longos períodos de remissão e impacto positivo na qualidade de vida.


Virar a página

Na pele sensível com vermelhidão

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 29


DERMATOLOGIA E IMUNOALERGOLOGIA | DERMATITE ATÓPICA

DERMATITE ATÓPICA A dermatite atópica é uma doença crónica que causa inflamação da pele. A pele torna-se seca, ou seja, tem falta de lípidos (gordura). A pele fica com uma sensação de desconforto, rigidez e formam-se placas que causam muito prurido (comichão), cuja intensidade é variável (normalmente piora à noite), e conduz à coceira compulsiva, o que pode levar à formação de feridas. Os principais fatores que agravam o prurido são o calor, suor, contacto com irritantes (por exemplo vestuário com fibra ou lã), o stress emocional, as infeções das vias aéreas e alguns alimentos. É uma doença benigna e não contagiosa, mas é complexa, podendo alterar muito a qualidade de vida, afetando atividades como o sono, trabalho, estudo, etc. Os sintomas de dermatite atópica, também conhecida como eczema atópico, podem acontecer em qualquer pessoa, mas são mais comuns em bebés e crianças até aos 5 anos. Esta inflamação da pele pode ser desencadeada por uma combinação de fatores, tendo uma forte interação entre genética e fatores ambientais. Os locais mais afetados variam de acordo com a idade, sendo mais comum nas dobras dos braços e joelhos, podendo, também, aparecer nas bochechas e junto às orelhas dos bebés, ou no pescoço, e, nos adultos, nas mãos, pés e rosto, principalmente nas pálpebras, e nos casos graves pode ocorrer eritrodermia generalizada (pele vermelha e descamativa). Apesar de não ter cura, a dermatite atópica pode ser tratada com medicamentos (remédios) em forma de pomada, com aplicação nos locais afetados, contendo cortisona ou inibidores da calcineurina (tacrolimus e pimecrolimus), mas sempre de acordo com a orientação do médico. É muito importante manter sempre a pele bem hidratada, com muito creme, sendo também importante identificar o fator responsável por estimular os sintomas. Principais sintomas Os principais sintomas da dermatite atópica são a pele seca e a comichão, especialmente nas mãos, cotovelos, pescoço, parte de trás do joelho e/ou tornozelos. No entanto, podem surgir outros sintomas como: • Inchaço na pele; • Vermelhidão; • Descamação da pele, devido à secura; • Formação de feridas, devido ao ato de coçar constantemente; • Mudança na cor de uma área da pele, que pode ficar mais clara ou mais escura que o normal. Estas lesões podem surgir em qualquer idade e tendem a aparecer em períodos de “surto”, desaparecendo após alguns dias. Quando as lesões não são tratadas ou permanecem por muito tempo na pele (forma crónica), podem desenvolver uma coloração mais escurecida e parecer uma crosta, situação chamada de liquenificação (engrossamento da pele, com uma superfície áspera e seca). Devido à pele seca, coceira e formação de feridas, há maior risco de desenvolver infeção na pele causada por bactérias, vírus ou fungos, o que pode agravar a inflamação, piorar os sintomas e dificultar o tratamento.

30 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Como confirmar o diagnóstico O diagnóstico da dermatite atópica é feito pela análise de um médico, essencialmente através da avaliação dos sinais e sintomas apresentados pelo doente. Além disso, o médico deve levar em consideração a história clínica e familiar do doente, fatores de agravamento, dados de análises clínicas e presença de algumas complicações da doença. Por vezes, é necessário realizar alguns exames para excluir outras doenças. Poderá também ser necessário analisar alergénios de contacto (através de testes epicutâneos), para distinguir da dermatite de contacto alérgica. Ainda que o diagnóstico de dermatite atópica seja clínico, dada a frequência com que se associa a alergia alimentar e a doenças alérgicas respiratórias, é importante o doente ser observado por um Imunoalergologista e mediante cada caso decidir a realização de um estudo alérgico. É importante que o diagnóstico da dermatite atópica seja feito assim que surgirem os primeiros sintomas para que o tratamento possa ser iniciado logo de seguida e sejam prevenidas complicações, principalmente as infeções na pele. Causas de dermatite atópica Acredita-se que os sintomas da dermatite atópica surjam devido à alteração na barreira da pele e/ou sejam consequência de alteração no sistema imunitário, que resulta numa resposta inflamatória mais intensa. Alguns fatores podem ser responsáveis por estimular a inflamação da pele e levar ao aparecimento dos sintomas de dermatite atópica, como alteração climática, poluição, detergentes, sabonetes muito concentrados e contacto com tecidos sintéticos, por exemplo. Como é feito o tratamento O tratamento para dermatite atópica pode ser feito com o uso de cremes ou pomadas corticoides prescritos pelo médico, como Dexclorfeniramina ou Dexametasona, duas vezes ao dia. É ainda importante adotar alguns hábitos para diminuir a inflamação e tratar as crises, como: • Usar hidratantes, à base de ureia, evitando-se produtos com cor e cheiro; • Não tomar banho com água quente; • Evitar tomar mais que um banho por dia; • Evitar alimentos com maior possibilidade de causar alergias, como camarão, amendoim ou leite. Além disso, podem ser necessários medicamentos anti-histamínicos em alguns doentes para reduzir o prurido (comichão), mas não alteram o curso da doença.


REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 31


PUBLIRREPORTAGEM | LIVRE-SE DOS ÁCAROS

LIVRE-SE DOS ÁCAROS São difíceis de ver a olho nu, estão em toda a parte e causam muito desconforto, sobretudo a quem sofre de alergias respiratórias. Conheça os locais onde se escondem os ácaros em sua casa e proteja-a desses pequenos invasores. As alergias respiratórias são cada vez mais frequentes em crianças e são muitas vezes desencadeadas após o contacto com substâncias alergénicas ou irritativas que existem no ambiente: pelo dos animais, fumo, ácaros do pó da casa, entre outros. Existem mais de 30 mil espécies de ácaros e apesar de não terem pedido licença para entrar, moram confortavelmente nas nossas casas. Daí ser determinante adotar algumas medidas simples que podem revelar-se de grande utilidade no controlo e prevenção das alergias respiratórias e consequentemente na melhoria da qualidade de vida das crianças. CUIDADOS A TER Em todas as divisões da casa existem ácaros, no entanto dê especial atenção ao quarto da criança, dado que é uma das zonas onde o seu filho(a) passa grande parte do seu tempo. • Lave a roupa de cama, protetores de berço e peluches na máquina, a uma temperatura superior a 55 graus. Certifique-se de que está bem seca antes da próxima utilização. Os ambientes húmidos favorecem a proliferação de ácaros e fungos. • Opte por almofadas de látex ou de espuma antialérgica, dado que acumulam menos ácaros. • Evite cobertores felpudos ou almofadas com penas. • Aspire o colchão e estrado da cama semanalmente. • Evite carpetes ou tapetes com pelo. • Aspire o soalho diariamente. • Guarde os bonecos e brinquedos em caixas fechadas. • Limpe regularmente os filtros de aparelhos de ar condicionado. • Use produtos de limpeza neutros, com odores pouco ativos. • Controle a humidade dentro de casa: ventile ou aqueça os espaços propícios ao aparecimento de fungos. • Evite as manchas de humidade nas paredes e tetos removendo-as logo que aparecem. • Proteja as paredes com uma demão de acabamento da tinta anti-insetos e anti-ácaros Artilin 3A Mate, da CIN. Esta tinta aquosa decorativa elimina por contacto insetos e ácaros, e previne a formação de teias de aranha, durante pelo menos cinco anos, contribuindo para a melhoria da higiene e eliminação de fatores alergénicos. • Privilegie mobiliário com materiais fáceis de limpar, como a madeira, metal, couro e superfícies lisas.

32 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


LIVRE-SE DOS ÁCAROS | PUBLIRREPORTAGEM

Dia Mundial da Alergia O Dia Mundial da Alergia celebra-se a 8 de julho. A data da Organização Mundial da Saúde visa alertar as pessoas sobre a importância do tratamento das alergias, visto que em certos casos as alergias podem provocar a morte. Alergias mais comuns As alergias mais comuns em Portugal são as alimentares e as respiratórias (pólenes, ácaros, fungos, pêlos de animais). Nos adultos, as alergias alimentares mais frequentes são aos peixes, mariscos e a certas frutas. Nas crianças, as alergias alimentares mais comuns são às proteínas do leite de vaca, mariscos e ovos. As alergias alimentares manifestam-se com comichão e inchaços nos lábios, vómitos, diarreia, pele irritada e rouquidão. As alergias respiratórias provocam espirros, falta de ar, tosse, comichão nos olhos e dores de cabeça. Já as alergias a medicamentos podem provocar náuseas, vómitos ou dificuldades respiratórias. Sabia que? Estima-se que metade dos europeus sofre de alergias. Um terço das crianças europeias sofre de alergias. Um lençol pode conter um milhão e meio de ácaros, mas deixar a cama por fazer por meia hora é suficiente para os matar. Em Portugal, as doenças respiratórias são responsáveis por 15 milhões de dias de baixa anuais, por cinco milhões de consultas e 1,8 milhões de idas às urgências.

TINTA ARTILIN 3A MATE DA CIN • É a única tinta anti-insetos e anti-ácaros com autorização de venda na União Europeia, certificada quanto à sua eficácia, durabilidade e não toxicidade. • É uma tinta aquosa para a pintura de paredes interiores, anti-insetos e anti-ácaros, que permite obter uma película resistente ao desenvolvimento de fungos. • Única no mundo. • Destrói por contacto insetos e ácaros e evita a formação de teias de aranha. • Eficácia comprovada até 5 anos. • Melhora a qualidade de vida dos asmáticos, sendo recomendada pela Associação Portuguesa de Asmáticos.

SAIBA MAIS EM CIN.COM/DECO

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 33


ARTIGO DE OPINIÃO | COMPREENDER E TRATAR A DOR

COMPREENDER E TRATAR A DOR O que é a dor? Perceba melhor a razão pela qual o nosso corpo sente dor e as várias causas da dor corporal. Definir a dor corporal A dor é uma sensação desagradável que pode limitar a nossa capacidade de prosseguir a nossa rotina diária. Serve, muitas vezes, de aviso para nos alertar de que há algo errado com o nosso corpo. A definição, amplamente aceite, de dor foi desenvolvida pela Associação Internacional para o Estudo da Dor: “A dor é uma experiência sensorial e emocional desagradável que se encontra associada com danos efetivos ou potenciais ao nível dos tecidos ou descrita em termos de tais lesões.” A dor corporal pode ir de desconforto moderado e localizado a agonia. Pode ser aguda e breve, ou tornar-se um problema crónico de longo prazo. A dor aguda tem uma função protetora para os humanos, ensinando-nos a evitar danos corporais ou situações potencialmente causadoras de lesões e protegendo a parte do corpo lesionada enquanto esta se regenera. A dor corporal é uma ocorrência comum e pode por vezes afetar as nossas rotinas diárias. Se a dor não for tratada ou se for tratada incorretamente, poderá tornar-se crónica. Se isto acontecer, deverá consultar um médico.

34 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Porque sentimos dor? A dor pode ser um sentimento desconfortável; algumas pessoas pesquisam muito para tentar compreender como aliviar a sua dor. Se não sentíssemos dor, seríamos incapazes de evitar lesões recorrentes ou danos permanentes ao nosso corpo. A dor evoluiu como um mecanismo de defesa que nos alerta para uma lesão, permitindo-nos assim proteger o nosso corpo. A dor é controlada pelo sistema nervoso e é um processo muito complexo. Ocorre quando perante um estímulo externo, por exemplo ao tocar numa frigideira quente, as células nervosas recetoras são ativadas para enviar mensagens através da nossa espinal medula até ao cérebro. Estes recetores podem sentir calor, frio, luz, toque, pressão e dor. A dor pode provocar outros sintomas físicos, como náusea, tontura e fraqueza. Muitas vezes, o primeiro impulso quando se sente dor é deixarmos de nos mover. Muitos acreditam que o descanso ajudará à recuperação, mas, de facto, por vezes o movimento moderado pode ajudar a uma recuperação mais rápida. 86% das pessoas sofrem de dores no corpo 71% das pessoas consideram que as dores as impedem de realizar as atividades físicas que gostam

Identificar e tratar a dor A dor alerta-nos para que nos protejamos contra mais danos. Contudo, a dor pode também tornar as atividades diárias difíceis e tornar mais lenta a recuperação do movimento. Acima de tudo, pode alterar o nosso estilo de vida e colocar em risco o nosso trabalho, relações e independência. A dor é sempre subjetiva e cada indivíduo sente a dor à sua maneira. A dor aguda aparece, normalmente, de repente e é um sinal de que o nosso corpo sofreu danos. Em princípio desaparece depois de a lesão ter sido debelada. A dor crónica dura mais tempo do que a dor aguda e, por vezes, é resistente a tratamentos. É, normalmente, associada com uma doença de longo prazo. Ao contrário da dor aguda, a dor crónica tende a estar relacionada com disfunções ou doenças que se prolongam. Se pensa sofrer de dor crónica, deverá consultar um médico. Os tratamentos para a dor variam muito por causa de todos os fatores envolvidos na experiência do indivíduo em relação à dor e às suas muitas causas. Os medicamentos para a dor incluem anti-inflamatórios não-esteróides, corticosteroides ou analgésicos. Antes de recorrer a um tratamento analgésico, é útil compreender a razão da ocorrência da dor e a melhor maneira de lidar com ela. Se tiver dúvidas, aconselhe-se junto do médico ou farmacêutico.


REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 35


AÇÃO SOCIAL | SCM ÓBIDOS

Carlos Orlando, Provedor

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE ÓBIDOS: UMA GRANDE AMIGA DA COMUNIDADE OBIDENSE Ao que tudo indica, estamos a falar de uma das Santas Casas da Misericórdia mais antigas. Apesar de pobre em termos de doações, é detentora dum valioso espólio documental e de um património artístico e da sua capacidade de resposta aos cidadãos de Óbidos e quem o diz é Carlos Orlando, Provedor, que se encontra a cumprir o seu último mandato.

36 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

A fundação da Santa Casa da Misericórdia de Óbidos pela mão da Rainha D. Leonor remonta ao ano de 1511 e é a primeira instituição de caridade e benemerência do concelho. Até 1970, manteve em funcionamento o único hospital de Óbidos que na altura contava com ilustres médicos, nomeadamente o Dr. João Lourenço e o Dr. Ernesto Moreira. A partir de 1977, o hospital deu lugar ao Lar de Terceira Idade que se manteve no mesmo local até agosto de 2002. As novas instalações só foram inauguradas mais tarde, a 11 de janeiro de 2003, data em que se comemora o feriado municipal. O atelier da Empresa de Inserção Social- Misericórdia de


SCM ÓBIDOS | AÇÃO SOCIAL

Artes de Ofícios Tradicionais, onde eram produzidas verdadeiras obras de arte que conquistam o coração dos obidenses, e se encontram espalhadas por todo o país, estava instalado no antigo edifício que, entretanto, acolheu o velho hospital, tendo este sido posteriormente transformado em “Pousada da Vila”, pelo Grupo Pestana. Valências sociais “Enquanto Mesa Administrativa não queremos que os obidenses olhem para a Santa Casa da Misericórdia de Óbidos como uma instituição antiga e obsoleta, mas sim como um recurso importante para ajudar à resolução dos seus problemas”, começa por explicar o Provedor Carlos Orlando. É nesse sentido que a Santa Casa procura dar resposta a algumas valências sociais e, por isso, entre os seus serviços, destaque para o Lar, a Creche, o SAD (Serviço de Apoio ao Domicílio) e outros apoios relevantes como é o caso do Banco Alimentar. Relativamente ao Lar, a sua capacidade é de 53 utentes e é difícil conseguir vaga uma vez que “temos sempre uma enorme lista de espera”, afirma o entrevistado. As instalações, apesar de se encontrarem em bom estado, precisam de ser remodeladas, pois “os utentes que temos hoje não são os mesmos que tínhamos há uns anos, o que se deve em grande parte ao excelente trabalho que tem sido feito por parte do SAD”, explica Carlos Orlando. Quanto à equipa, os seus elementos têm que ter o perfil certo para cuidar da terceira idade e, por isso, contam entre os seus profissionais com um médico, uma enfermeira, uma fisioterapeuta e uma animadora cultural. O SAD é um serviço mais recente que está em franco progresso e tem conseguido cumprir o seu propósito: fazer com que as pessoas permaneçam, confortavelmente, o máximo de tempo possível nas suas casas. Embora tenham capacidade para 42, neste momento contam com 35 utentes. “Podermos estar nas nossas habitações sem ter a necessidade de irmos para uma ERPI (Estrutura Residencial para Pessoas Idosas) é muito bom”, salienta o Provedor. Já no que se refere à Creche, inaugurada nos 500 anos da Misericórdia, abrange cerca de 42 crianças e foi criada com o intuito de estreitar laços entre a terceira idade e os mais novos originando a realização de projetos pedagógicos, intergeracionais. É por isso que todas as datas especiais como, por exemplo, o Dia da Criança, o Dia dos Avós ou mesmo o Natal e muitas outras, são celebradas em conjunto. Ainda assim, esta é uma resposta social que tem dificuldade em garantir a sua sustentabilidade, uma vez que “o Governo ainda não encontrou a melhor estratégia para ir ao encontro dos pais das crianças e das dificuldades financeiras das instituições”, refere. A arte como forma de expressão A Santa Casa da Misericórdia de Óbidos sempre demonstrou o desejo de ter um artesanato próprio e é assim que, em meados de 1998, a mesa administrativa faz uma candidatura ao fundo social europeu para criar um curso de pintura assente em três grandes objetivos: formar, educar e empregar. Depois da candidatura ser aceite e da conclusão do curso, optaram pela pintura da tijoleira de São Paulo recorrendo à técnica da corda seca, “esta tem o aspeto de uma tinta preta com

a qual fazemos o desenho e que serve para os vidrados não se misturarem. Posteriormente, colocam-se os vidrados e estes vão ao forno a uma temperatura de 1020 graus”, explica o Provedor Carlos Orlando. Estas magníficas obras de arte são utilizadas para decorar vários espaços públicos, tal como acontece em Alpalhão, Celorico da Beira e Niza, por exemplo. Ainda assim, todas elas se encontram disponíveis para venda na loja, pois Óbidos é visitado por milhares de turistas que aterram em Lisboa e se deslocam para visitar Óbidos, Fátima, entre outras localidades.

“A Santa Casa da Misericórdia de Óbidos sempre demonstrou o desejo de ter um artesanato próprio” A visão sob o futuro Se por um lado, importa manter tudo aquilo que foi construído até então, por outro há que olhar para o futuro. Com esse efeito, na opinião do Provedor, era muito importante aumentar os vencimentos dos funcionários da Santa Casa da Misericórdia de Óbidos e nesta questão o Governo deveria assumir a responsabilidade e aumentar a sua comparticipação. Ainda assim, Carlos Orlando procura encarar os tempos que aí se avizinham com esperança e refere a importância de continuar a angariar fontes de receita, já possuindo uma loja, um quiosque, um atelier, um bar “O Arco da Cadeia”, uma “Pousada”, e preocupando-se em atrair turistas, continuar a cumprir a sua obrigação moral de dar a conhecer todo o seu património imaterial, tendo sido a Misericórdia de Óbidos recentemente convidada para fazer parte da “Rede Europeia de Celebrações da Semana Santa e Páscoa”.

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 37


PARENTALIDADE E SAÚDE MENTAL | SANDRA R. SANTOS

“PROFISSIONALISMO, FOCO E ORIENTAÇÃO PARA O PACIENTE” Sandra R. Santos, Psicóloga Clínica

Parentalidade e saúde mental, apesar de distintos, são temas igualmente importantes e para os quais Sandra R. Santos, psicóloga, chama a atenção em conversa com a Business Portugal. O sonho de criar um gabinete próprio concretizou-se em setembro de 2020. Que balanço faz deste percurso e quais os valores em que assenta o seu crescimento? O balanço destes quase dois anos é muito positivo! Com a pandemia houve uma intensificação da procura, as pessoas estão mais sensíveis, abertas e atentas às questões de saúde mental e isso tem sido um fator determinante para o sucesso destes dois anos. Os valores em que este crescimento assenta são o profissionalismo, o foco e orientação para o paciente e uma prática assente na evidência científica. Estes valores permitem orientar os resultados e garantir a eficácia dos serviços prestados. Quais as principais áreas de intervenção e quais os principais serviços que a clínica disponibiliza aos pacientes? Os principais serviços disponibilizados são a avaliação, intervenção e acompanhamento psicológico, a avaliação e reabilitação neuropsicológica, o aconselhamento parental e a orientação vocacional. Para colegas de profissão tenho a supervisão clínica e para os futuros colegas a orientação do ano profissional Júnior como orientadora externa. A Sandra R. Santos é psicóloga clínica, também especializada em parentalidade positiva, na sua ótica quais os maiores desafios que pais e filhos enfrentam? Neste contexto que conselhos recomenda para contribuir para uma relação mais profunda e saudável entre pais e filhos? Os desafios são obviamente diferentes consoante as idades, mas de forma geral, pais e filhos enfrentam atualmente desafios como a dependência das tecnologias, a gestão de regras e limites e uma dificuldade na definição dos respetivos papéis. A passagem Sandra R. Santos

Psicologia Clínica 38 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

de uma estrutura familiar baseada numa hierarquia bem definida para uma estrutura mais horizontal trouxe algumas dificuldades na definição de uma linha clara que separa os diferentes papéis familiares e respetivas responsabilidades. Podemos ter uma relação de respeito mútuo, mas pais e filhos são pais e filhos e não amigos. O que não significa que a relação não possa ter características que existem numa amizade, mas há limites que devem ser intransponíveis para que a relação se mantenha saudável. O conselho essencial que posso deixar é que se estabeleçam regras e limites claros, bem ajustados à idade e negociados com os filhos sempre que possível. Negociar também as consequências das transgressões é um ponto essencial para os responsabilizarmos pelas suas ações. Termos uma comunicação direta, aberta e disponível em que os filhos se sintam à vontade para partilhar problemas e preocupações sem julgamentos é também basilar. Sendo que ter esta linha de comunicação não implica falta de repreensão ou responsabilização pelas ações, significa apenas abertura e disponibilidade. Dar espaço para expressarem emoções positivas, mas sobretudo negativas! Elas existem e devem ser sentidas. A saúde mental é um tema cada vez mais importante. Acredita que existe atualmente uma maior consciência e sensibilização para a importância do bem-estar mental aliado ao físico ou considera que ainda há um caminho a percorrer? É notório que nos últimos anos tem havido um maior foco e abertura para se falar da saúde mental e para a importância do bem-estar mental, mas precisamos de continuar a investir nessa sensibilização e consciencialização. Continuar a derrubar os estigmas e os mitos associados à saúde mental e à doença mental. Para que enquanto sociedade possamos assim acolher mais a doença mental, aceitá-la e compreendê-la. E para que enquanto sociedade civil possamos exigir investimento, mais recursos, respostas adequadas às necessidades da população e pressionar para a concretização de projetos e propostas que estão há anos (se não décadas) na gaveta! Telemóvel: 913 683 024 Website: www.sandrarsantos.pt Email: psicologa@sandrarsantos.pt Locais: Rua Cerâmica do Vouga 15, 3º Q, 3800-011 Aveiro


ENSINO SUPERIOR INVESTIGAÇÃO, INOVAÇÃO E EXCELÊNCIA O ensino superior é, provavelmente, a etapa mais importante do percurso escolar do ser humano. É durante esse período que se formam grandes profissionais e, sobretudo, grandes pessoas. Nos estabelecimentos de educação superior, procura-se incutir nos alunos o “bichinho” da investigação e o desejo constante de adquirir conhecimento, pois tal como se costuma dizer, “o saber não ocupa espaço”. Para além disso, procura-se estimular o pensamento crítico, bem como o sentido de inovação. Assim, a Faculdade de Belas Artes, a Porto Business School, a ISCTE Business School e a Escola Náutica Infante D. Henrique têm primado pela excelência no que diz respeito à preparação dos seus alunos para a entrada no mundo profissional. Tal facto, confere a estas instituições um enorme reconhecimento, não só ao nível nacional, mas também internacional, tal como vai poder comprovar na leitura das próximas páginas.

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 39


ENSINO SUPERIOR | ISCTE

“REFORÇAR O POSICIONAMENTO INTERNACIONAL” A Iscte Business School é uma escola de gestão internacionalmente acreditada e pioneira no ensino da gestão em Portugal. Em entrevista, a Professora Doutora Maria João Cortinhal, Diretora da instituição, destaca a elevada reputação nacional da Escola e salienta a importância de reforçar o seu posicionamento internacional. Maria João Cortinhal foi a primeira mulher eleita Diretora da Iscte Business School. Que vetores estratégicos assumiu para a sua gestão? Num mundo que se debate hoje com mudanças rápidas e constantes, em que a transição digital e os objetivos de desenvolvimento sustentável lançaram novos desafios para os quais é urgente encontrar soluções, a chave para o sucesso de qualquer organização, seja ela de ensino ou não, passa obrigatoriamente pela inovação. E, porque acredito que numa Escola de Gestão, a inovação também passa pela implementação de estratégias que dinamizem a participação ativa de todos os seus stakeholders, o cunho que tenho tentando imprimir na dinâmica da Escola é a de um espaço aberto, cada vez mais colaborativo e participativo, e onde o conhecimento é gerado a partir de ligações estreitas e dinâmicas com a sociedade. Em termos de vetores estratégicos, destacaria reforçar o posicionamento internacional da Escola. A Iscte Business School detém uma elevada reputação nacional. Pela oferta formativa que disponibiliza, que desde sempre tem procurado dar resposta às necessidades do mercado laboral. Pelas abordagens ensino-aprendizagem a que recorre, que incluem ambientes de aprendizagem ativos, participativos e multiculturais, conduzindo assim os seus estudantes para fora da sua zona de conforto e permitindo-lhes desenvolver elevadas competências técnicas e, não menos importante, humanas.

40 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

A Iscte Business School foi também uma das primeiras escolas de Gestão portuguesas a iniciar o seu percurso de internacionalização. Foi pioneira em mobilidades Erasmus, em oferta formativa em Inglês, nomeadamente Summer e Winter Schools, unidades curriculares e programas lecionados em Inglês. Ao longo deste percurso, estabeleceu também parcerias estratégicas com um conjunto de Escolas de Gestão internacionais de elevada reputação e que lhe permitiram disponibilizar um alargado conjunto de programas de duplo grau. Tendo já alcançado um prestigiado reconhecimento internacional, ao estar incluída nas 5% de Escolas, a nível mundial, que possuem a acreditação internacional Association for Advance Business Schools (AACSB) e a nível de formação executiva, a acreditação AMBA para o Executive MBA. Falta agora, reforçar a posição dos seus programas nos mais prestigiados rankings internacionais, aumentar a captação de estudantes internacionais e a participação dos nossos docentes e investigadores em projetos internacionais financiados. Ajudar os estudantes a tornarem-se líderes empresariais inovadores, social e globalmente responsáveis faz parte do ADN da instituição? Desde a sua criação, que a Escola se destacou pela sua ligação ao mundo empresarial, quer seja na criação conjunta de programas quer seja através da inclusão de elevados quadros empresariais entre os seus docentes convidados. Esta forte ligação ao mundo empresarial tem permitido a implementação de currículos e técnicas de ensino-aprendizagem que potenciam o desenvolvimento de características únicas nos nossos estudantes, das quais destaco a sua capacidade para encontrar soluções inovadoras para os diferentes problemas que lhes são colocados pelas empresas nossas


parceiras. E, porque a responsabilidade social é hoje um fator determinante para o sucesso de qualquer empresa, a Escola tem tido a preocupação constante em estimular entre os seus estudantes a adoção de posturas e comportamentos que conduzam à implementação de práticas que promovam o bem-estar de todos os envolvidos. Por isso, ajudar os estudantes a tornarem-se líderes empresariais inovadores, social e globalmente responsáveis faz parte do ADN da instituição. Que programas e áreas de formação disponibiliza a instituição e quais os mais procurados? A Iscte Business School disponibiliza uma alargada oferta formativa, que inclui licenciaturas, mestrados e doutoramentos, para além de formação executiva através da Iscte Executive Education. A nível de 1º ciclo, para além da mais tradicional licenciatura de Gestão, oferecida em Português e em Inglês, a Escola também possui licenciaturas em Economia, em Finanças e Contabilidade, em Gestão Industrial e Logística, em Gestão de Recursos Humanos, em Gestão de Marketing e em Ciência de Dados, sendo esta última uma licenciatura pioneira em Portugal. É difícil destacar qual das licenciaturas é a mais procurada, já que todas elas preenchem todas as vagas na 1ª fase de candidaturas e com notas de corte- a nota do último colocado- entre as três mais elevadas a nível nacional e entre as duas mais elevadas, na região de Lisboa. Já a nível do 2º ciclo, a diversidade é ainda maior. Para além dos tradicionais mestrados em Gestão, Gestão de Empresas, Gestão Internacional, Economia, Finanças, Contabilidade, Gestão de Recursos Humanos e Gestão de Marketing, a Escola disponibiliza também mestrados em Gestão de Serviços de Saúde, Gestão de Hotelaria e Turismo, Gestão de Serviços e Tecnologia, Gestão Sustentável, Gestão Aplicada, pioneiro em Portugal com a duração de um ano apenas e que destina a profissionais com pelo menos cinco anos de experiência, Economia da Empresa e da Concorrência, Matemática Financeira, Business Analytics, Ciência de Dados, Ação Humanitária, e um Erasmus Mundus em Desenvolvimento Turístico e Cultura, em parceria com as universidades de Glasgow, Malta, e Lund. Também no 2º ciclo a Escola regista uma procura superior à oferta, preenchendo a grande maioria das suas vagas na 1ª fase de candidaturas. A oferta de 3º ciclo inclui o doutoramento em Gestão, com seis ramos de especialização e que se destaca entre os mais procurados, em Economia, em Finanças e em Gestão Empresarial (DBA). No ranking Financial Times 2022 de mestrados de Finanças, a Iscte Business School destaca-se com uma subida de dez posições em relação a 2021. O que representa este reconhecimento internacional? O Mestrado em Finanças é um programa de elevada qualidade, lecionado em Inglês e que tem uma parceria com a CFA, o que faz com que o seu currículo esteja alinhado com o programa CFA® Candidate Body of Knowledge® syllabus e que permite aos seus estudantes prepararem-se para o Programa CFA® em simultâneo. Para além disso, oferece anualmente a 30 dos melhores candidatos ao mestrado uma estadia de duas semanas na Universidade de Delaware dando-lhes assim a oportunidade de obter uma valiosa experiência internacional, incluindo contacto direto com empresas e instituições da indústria financeira local, visitas à Bolsa de Nova Iorque e à Bloomberg. Este mestrado é hoje o

Professora Doutora Maria João Cortinhal, Diretora

“A estratégia da Escola é simples. Estar atento ao mundo que nos rodeia e trabalhar diariamente em prol da qualidade” resultado de um trabalho que foi desenvolvido ao longo dos anos em prol dos nossos estudantes e, por isso, a subida de dez posições no ranking do Financial Times 2022 de mestrados de Finanças é mais um reconhecimento internacional da qualidade do nosso ensino. Marca assim mais uma etapa no reforço do posicionamento internacional da Escola. Qual a estratégia assumida para que a escola seja cada vez mais reconhecida pela excelência na aprendizagem e na investigação, ligação sólida ao meio empresarial, bem como pela liderança no empreendedorismo e inovação? A estratégia da Escola é simples. Estar atento ao mundo que nos rodeia e trabalhar diariamente em prol da qualidade. Na vertente de ensino, a estratégia passa por manter uma oferta formativa atualizada e adequada às necessidades do mercado laboral e técnicas de ensino-aprendizagem centradas nos nossos estudantes, promover uma cultura inclusiva e uma relação muito próxima entre docentes e estudantes, incentivar e apoiar a participação dos nossos estudantes em atividades extracurriculares, por exemplo competições, ações de voluntariado, e projetos com organizações, e reforçar o leque de iniciativas disponibilizadas pelo gabinete de gestão de carreiras, nomeadamente na vertente internacional. Na investigação, reforçando as nossas parcerias estratégicas com instituições universitárias, associações, organizações e redes internacionais.

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 41


ENSINO SUPERIOR | FACULDADE DE BELAS-ARTES

UM CENTRO DE ENSINO E INOVAÇÃO LIDERANTE NA FORMAÇÃO ARTÍSTICA

Professor Doutor Fernando Pereira, Presidente

A Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (FBAUL) é fundadora do ensino artístico em Portugal e tem vindo a transformar-se cada vez mais numa referência nacional e internacional no Ensino, na Investigação e na Transferência de Conhecimento, como revela o Presidente da instituição, Professor Doutor Fernando Pereira. De que forma, a FBAUL tem vindo a adaptar a sua formação às novas exigências do mercado? Tem sido implementada uma estratégia bem delineada e focada nas necessidades dos estudantes, mas sem esquecer as tendências atuais e a tradição do ensino. Além das sete licenciaturas correspondentes aos departamentos existentes, que oferecem formação nos três ciclos de estudos, garantimos um Minor à licenciatura de Estudos Gerais, transversal a toda a ULisboa, e unidades de crédito às licenciaturas do IST, no quadro da reforma recentemente aí implementada. Importa agora fazer ressaltar a nossa oferta pós-graduada constituída por 14 Mestrados e dois Doutoramentos sediados na FBA, em Belas-Artes (com sete especialidades, a saber Arte Multimédia, Ciências da Arte e do Património, Desenho, Design de Comunicação e Novos Media, Design de Equipamento, Escultura, Pintura), e em Artes, ou seja, Artes Performativas e da

42 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Imagem em Movimento (APIM) e, em parceria, em Educação Artística e em Sustentabilidade. No quadro das pós-graduações não conferentes de grau, estão abertas as inscrições para 17 novos cursos especializados em diferentes áreas de ensino artístico, abaixo referidos. Ademais, privilegiamos a aprendizagem prática, baseada em laboratórios equipados com tecnologia de ponta - o Project Lab, o Heritage Lab - e em diferentes unidades de experimentação nas áreas de cerâmica, design, fotografia, gesso, gravura, madeiras, metais, pedra, prototipagem, conservação e restauro, integrados nos dois centros de investigação, reconhecidos e consolidados, no campo das artes visuais, do design e dos estudos do património: CIEBA e VICARTE. A localização assume-se como um dos fatores que mais contribui para a sua identidade? A localização da FBAUL, o bairro cultural da zona Bairro Alto – Chiado, é um dos fatores que mais contribui para a sua identidade. A territorialidade contribui para a sustentabilidade da sua projeção cultural, considerando que atrai investimento e trabalhadores criativos, fatores determinantes para estimular a receção das práticas culturais, dos que gostam de estar perto dos artistas e da criação artística. A importância da territorialidade na produção e no consumo culturais é refletida na confirmação de uma atmosfera propícia à criatividade. O bairro cultural Bairro Alto - Chiado surgiu espontaneamente, sem a necessidade de implementação de políticas direcionadas para o desenvolvimento e crescimento destas atividades, e a presença mais do que secular da Faculdade de Belas-Artes foi um dos motores para este surgimento espontâneo que cativa naturalmente públicos culturais ecléticos, transgressores e marginais, com hábitos de consumo cultural mais alternativos, e públicos com uma vivência cultural mais institucionalizada. A Faculdade de Belas-Artes é um motor de dinamização cultural estimulando parcerias com outras instituições do sector cultural e criativo, localizadas também neste bairro, permitindo assim que a cultura esteja enraizada no bairro.


FACULDADE DE BELAS-ARTES | ENSINO SUPERIOR

Na vasta panóplia de cursos, qual a área que mais alunos tem atraído nos últimos anos? Duas áreas disputaram, nas duas últimas décadas, o maior interesse por parte dos candidatos ao Ensino Superior: Design de Comunicação e Arte Multimédia. Mais recentemente, Desenho passou a ser o curso com 100% de primeiras opções desses candidatos. Esses três cursos e, ainda, o de Pintura, têm médias de acesso superiores a 17. Contudo, na FBAUL a média de acesso é superior a 16 em qualquer uma das outras três licenciaturas. Ao nível dos Mestrados, os cursos ministrados pelos Departamentos de Design de Comunicação, de Arte Multimédia, de Pintura, de Desenho, de Design de Equipamento, de Ciências da Arte e do Património e de Escultura preenchem sempre as suas vagas, na totalidade ou muito próximo disso, o mesmo acontecendo com os dois Doutoramentos sediados na FBA, Belas-Artes e APIM. Fale-nos um pouco do CIEBA enquanto produtor e disseminador de discurso científico e criativo e do trabalho desenvolvido? A investigação no seio da FBAUL processa-se de acordo com a ligação institucional entre o Ensino Superior e a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT). Nesta ligação entre a docência e a investigação, duas vertentes que complementam o que se define como ensino universitário, foi criado o CIEBA, Centro de Investigação e Estudos em Belas-Artes. A maioria dos docentes da FBAUL são investigadores no CIEBA, outros no VICARTE (Vidro e Cerâmica para as Artes), centro de investigação comum à FBAUL e à FCT da NOVA e, ainda, há alguns que são investigadores noutros Centros da ULisboa. O CIEBA constitui-se como um produtor e disseminador de discurso científico e criativo nos vários campos das artes visuais, do design e dos estudos do património, contribuindo com práticas e aquisições de conhecimentos ‘sobre arte’, ‘através da arte’ e ‘para a arte’. ‘Sobre arte’ e ‘para a arte’ é onde podemos encontrar as pesquisas em que se baseiam disciplinas como a História da Arte e do Design, a Filosofia Estética, a Cultura Visual, as Práticas Curatoriais, Museológicas e de Conservação e Restauro, assim como a Crítica ou a Teoria da Imagem. Na abordagem ‘Através da Arte’ estão as possibilidades de intervenção, de educação e ensino, formal ou informal, geral ou vocacional, formando cidadãos ou, também, formando artistas e curadores. Que desafios avalia ser decorrentes da transformação digital no ensino superior? A longa tradição das Belas-Artes permite-nos traçar um futuro consolidado, de crescimento controlado, integrado e com aprofundamento das suas várias dimensões artísticas e científicas e da sua influência à escala nacional e internacional. A vivência dos dois últimos anos requereu um enorme esforço, pois é o oposto ao ensino artístico, que é eminentemente presencial e onde a presença dos professores e o apoio dos técnicos é essencial para o desenvolvimento do trabalho de projeto. Isto independentemente de ser um projeto em escultura, pintura, cerâmica, gravura, ou arte e multimédia, ou ainda de design de equipamento ou de comunicação, ou inclusive de museologia ou de conservação e restauro. Nos períodos de maior desconfinamento, foi possível haver aulas presenciais por turnos e em streaming, mantendo as aulas teóricas on-line, para permitir o aumento de espaços a serem utilizados

pelas unidades curriculares práticas e para evitar excessiva circulação de pessoas na faculdade. Naturalmente que esta mudança se constituiu como um desafio, pois também os serviços se tiveram que adaptar, tal como as provas académicas também passaram ao regime on-line, assim como parte das avaliações. Também no quadro da investigação desenvolvida no CIEBA e no VICARTE e nos diversos departamentos foi possível por zoom e por outras plataformas realizar encontros nacionais e internacionais, conferências, debates e simples conversas, de forma a manter o ritmo e a circulação de ideias próprias da investigação feita na faculdade. Que cunho pretende imprimir na sua presidência para que a instituição seja cada vez mais uma referência nacional e internacional? A nossa intervenção não se reduz à escala local ou regional, mas visamos uma clara dimensão nacional e internacional, prova disso é a vasta e diversa comunidade estudantil que acolhemos em todos os Ciclos de Estudos. Formámos, igualmente, muitos dos quadros docentes e de investigação de outras escolas de arte de todo o país. É, sobretudo, através da inovação no âmbito da Arte, do Design, da Educação Artística e dos Estudos do Património (envolvendo as dimensões da Museologia, Curadoria e Conservação e Restauro) que a FBAUL procura dar resposta às necessidades que vão emergindo na vida cultural e artística da sociedade portuguesa, estabelecendo parcerias e protocolos com fundações, empresas, organismos do Estado e autarquias de todo o país. Para responder aos novos desafios, a FBAUL aumenta todos os anos a sua oferta formativa, irá proceder à recuperação integral de novos espaços para melhorar a sua capacidade de acomodamento de novas valências e renova, sistematicamente, as suas parcerias com outros atores sociais. Nos nossos espaços acontecem no mínimo dez exposições anuais. Estas exposições, abertas ao público, promovem o enriquecimento cultural da comunidade em que a Faculdade está inserida e não só, também através da divulgação da criação artística e científica não apenas de alunos, mas também de antigos alunos de reconhecido mérito artístico que passaram pela FBAUL, ao longo dos anos. São estes nomes que fazem a história da instituição. Atualmente, artistas de gerações mais recentes, alumni e docentes da FBAUL, reconhecidos a nível nacional e internacional pela sua produção artística individual, contribuem também para o orgulho e credibilidade da instituição, que é, não o esqueçamos, a mais antiga, a maior e a melhor escola de arte, design e de estudos do património de todo o país.

www.belasartes.ulisboa.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 43


ENSINO SUPERIOR | PORTO BUSINESS SCHOOL

UMA REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO EXECUTIVA

Patrícia Teixeira Lopes, Associate Dean

Na ótica de Patrícia Teixeira Lopes, a Associate Dean, a Porto Business School é o melhor ponto de partida para a construção de uma carreira de sucesso. O Financial Times colocou quatro escolas de gestão portuguesas entre as 50 melhores do mundo em executive education, uma delas é a Porto Business School. Estes resultados constituem estímulos para continuar a inovar e a desenvolver programas de excelência? É um orgulho para a Porto Business School consolidar a posição no ranking do Financial Times, contribuindo para posicionar Portugal como referência mundial na formação executiva. Temos de trabalhar e evoluir, de forma a inovarmos com programas de excelência que respondam às necessidades dos alunos para uma mudança contínua dos indivíduos e das empresas. Ao falarmos deste ranking e da posição da Porto Business School nos critérios de avaliação, sublinho que na categoria de Custom Executive Programmes, a escola destacou-se em indicadores, como crescimento da atividade, design do programa, escolas parceiras e utilização futura das competências adquiridas.

44 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Que programas e áreas de formação disponibiliza a instituição e quais os mais procurados? A baixa produtividade das empresas portuguesas resulta da parca adoção de boas práticas de gestão. Um país inovador e competitivo pede gestores com competências em gestão, liderança, transformação digital e sustentabilidade; investimento em tecnologia para a produtividade; práticas de inovação e processos de crescimento das empresas. Falamos de competências adquiridas em programas de formação em gestão ao longo da vida. Os nossos três programas de MBA promovem estas competências e o networking nacional e internacional. O Executive MBA, focado nas ferramentas para a liderança de negócios e reforço das “soft skills”, promove o pensamento estratégico e inovador. O International MBA, uma experiência imersiva e transformacional de aprendizagem, desenvolve competências para gerir e fazer crescer negócios num mundo globalizado e digital. O Digital MBA alia aspetos de um MBA tradicional às novas tendências do digital num programa flexível, customizável e adaptado à vida dos participantes. Temos também 18 programas de Pós-Graduação em áreas como a Gestão; o Marketing e Vendas; ou a Inovação e Transformação Digital, que estão entre as melhores do mundo (Eduniversal Best Masters Ranking). E os programas de formação para executivos, em áreas como Inovação e Transformação Digital, Sustentabilidade ou Internacionalização, estão no top 40 mundial (Financial Times Executive Education Ranking). A Porto Business School é acreditada pela AACSB e os nossos MBA são acreditados pela AMBA e pela EFMD. Temos as três acreditações internacionais mais relevantes do meio. Somos um parceiro de referência das empresas para responder aos desafios de reskiling e upskiling. A Porto Business School aposta em programas diferenciadores, dinâmicos e com uma forte componente prática com o intuito de formar a próxima geração de líderes da economia global. Neste sentido, a ligação e proximidade com as empresas tem um papel chave? A proximidade com as empresas é fundamental. É crucial conhecermos as suas necessidades para desenvolvermos soluções que capacitem gestores e líderes para os desafios presentes e futuros. Destaco, por exemplo, os Open Executive Programmes de Blockchain; Gestão de Projetos; Gestão e Inovação para Farmacêuticos; Wine Business Management; Logistics and Supply Chain Management; Sustentabilidade no Imobiliário; Cross-Cultural Communication in Business Negotiation; ou International Business Strategy.


PORTO BUSINESS SCHOOL | ENSINO SUPERIOR

Para melhorar a qualidade na gestão das empresas, é necessário investir em formação e no desenvolvimento de competências dos gestores. Segundo um estudo da IDC, espera-se que em 2023, cerca de 40% das instituições de ensino superior, evoluam para novas pedagogias digitais. Que desafios e oportunidades avalia ser decorrentes da transformação digital no ensino superior? São muitos os desafios da transformação digital e a pandemia veio acelerar a necessidade de colmatar falhas de acesso ao mundo digital e à normalização do teletrabalho, por exemplo. Em 2020, a Porto Business School criou o Digital MBA, que se distingue pela sua flexibilidade e customização; uma clara resposta ao contexto que vivemos. O talento é um dos grandes desafios, que tem sido exponenciado com a transformação digital. Estima-se que, nos próximos dez anos, em Portugal, 1,1M de empregos sejam extintos devido à automação e que outros tantos novos empregos sejam criados e que exigem novas competências. Este contexto exige iniciativas de reskiling e upskilling. E a União Europeia espera que, em 2030, 8% da população tenha competências digitais elementares. Mais, aproximadamente 20% das verbas do PRR destinam-se à transição digital; um contributo crucial para que estas iniciativas de reskiling e upskiling se intensifiquem. Por isso, é crucial que as organizações se unam num esforço coeso de partilha de capacidades e de investimento. Que estratégia está desenhada para que a Porto Business School seja cada vez mais um dos principais polos de inovação e empreendedorismo e alcance cada vez mais reconhecimento internacional? Na Porto Business School desenvolvemos estratégias consoante os sinais, tendências e drivers que identificamos e que são o ponto

de partida para capacitar os profissionais para este mundo volátil e para os desafios sociais, económicos e ambientais. Definimos perspetivas orientadas para um futuro onde é possível estimular e inspirar a inovação e o pensamento estratégico. Para trabalharmos a inovação temos o CBI – Center for Business Innovation organizado em três áreas: Educação, para capacitar pessoas e organizações para fazer a mudança acontecer através de um mindset de inovação e de programas de pós-graduação, formação para executivos ou master classes; Empreendedorismo, com iniciativas de apoio ao crescimento; e Investigação Aplicada e Consultoria que acompanha as tendências, produz conhecimento aplicado e desenvolve consultoria especializada. Assim, o CBI liga o que de melhor se faz na academia às empresas, desafiando-as a darem o próximo passo nos seus negócios. O futuro reside, cada vez mais, na tecnologia e na Porto Business School acreditamos que é importante colocar a experiência humana no centro dos futuros possíveis e desejáveis. Por isso, capacitamos os profissionais e as empresas com as competências e os recursos necessários para questionar, desafiar o status quo, testar hipóteses, repensar e redefinir metas.

“Definimos perspetivas orientadas para um futuro onde é possível estimular e inspirar a inovação e o pensamento estratégico”


ARTIGO DE OPINIÃO

OPORTUNIDADES DE PORTUGAL NA TRANSIÇÃO ENERGÉTICA A crise energética provocada pela guerra na Ucrânia apanhou a União Europeia desprevenida. Apesar do crescente investimento nas energias renováveis, alguns países europeus revelaram uma forte dependência do petróleo e gás natural russos. Ao contrário dos EUA, que são energeticamente autossuficientes, a Europa sofre agora com as disrupções no fornecimento mundial de energia e com a escalada dos preços dos produtos energéticos, principal causa do atual choque inflacionista. Ora, reduzir a dependência energética da Europa implica acelerar a descarbonização da economia, aumentando o investimento dos 27 em energias renováveis e na eficiência energética. Obviamente que isto não se faz de um dia para o outro, mas é urgente que os Estados-membros avancem, de forma coordenada, para uma transição energética mais célere, sem deixarem de acautelar os impactos deste processo para as empresas e famílias. A aceleração da transição energética pode ser uma boa oportunidade económica para Portugal. As energias renováveis conheceram um extraordinário desenvolvimento no nosso país, o que permitiu reduzir as emissões de gases com efeito estufa, diminuir as importações de combustíveis fósseis, aliviar a fatura de eletricidade dos consumidores e deixar o sector produtivo menos exposto às oscilações de preços dos produtos energéticos. Para se ter uma ideia, Portugal é o quarto país da União Europeia que mais consome energia produzida por fontes renováveis (solar, eólica, hídrica, biomassa e outras). Em 2021, as energias renováveis abasteceram 59% do consumo de eletricidade do país, podendo este indicador chegar aos 80% já em 2025. As energias renováveis são um fator crítico de crescimento, investimento, emprego, inovação e sustentabilidade. Considerando a sua situação geográfica e as suas condições meteorológicas (tempo húmido e ventoso mas com elevada exposição solar), o nosso país apresenta um elevado potencial nas fontes de energia renovável. Importa, porém, tirar o devido partido, não só dos recursos naturais, mas também da massa crítica, do conhecimento, das infraestruturas e da tecnologia de que o país dispõe no sector energético. O sector português das energias renováveis atingiu os 50.996 empregos (diretos e indiretos) em 2020 e, entre 2016 e 2020, contribuiu com 18,5 mil milhões de euros para o PIB e permitiu uma poupança de 6,1 mil milhões de euros na fatura do consumidor de eletricidade. Pena é que haja algum desequilíbrio entre as fontes que contribuem para a produção de eletricidade. Se, por um lado, a energia hídrica tem um peso nessa produção de 27% e a eólica de 26%, por outro, a biomassa só representa 7% e a energia fotovoltaica 3,5% (dados de 2021). É do nosso interesse estratégico desenvolver as energias renováveis. Para além das vantagens ambientais, há condições para termos um cluster industrial forte centrado na produção de equipamentos geradores de energia (aerogeradores, painéis fotovoltaicos, torres eólicas, componentes elétricas e eletromecânicas, etc.) e até constituirmos um hub europeu de exportação de energia renovável, desde que sejam construídas as necessárias interligações elétricas, principalmente entre Espanha e França. As energias renováveis garantem ainda maior competitividade à nossa indústria e possibilitam o desenvolvimento de sectores de ponta, designadamente na área da mobilidade sustentável (eletrificação, hidrogénio e biocombustíveis). Mas, para que o sector das energias renováveis se desenvolva e reforce a sua competitividade, há que implementar um conjunto de medidas estruturais. A saber: redução da burocracia nos licenciamentos industriais, aumento dos incentivos à inovação, abertura de linhas de financiamento específicas para o sector energético, dinamização do Pólo de Competitividade e Tecnologia da Energia, reformulação do Programa COMPETE e criação de um bónus no IRC para empresas que criem emprego e valorizem salários.

Alexandre Meireles, Presidente da ANJE - Associação Nacional de Jovens Empresários 46 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


BREVES Cientistas de Coimbra criam dispositivo inovador

Software ajuda empresas a adequar oferta

Uma equipa de cientistas da Universidade de Coimbra

Um software criado por um aluno do Instituto Supe-

criou um dispositivo inovador para converter em energia

rior de Engenharia do Politécnico de Coimbra aproveita

elétrica a energia das ondas do mar, uma invenção já pro-

os dados gerados em compras para ajudar as empresas a

tegida por uma patente internacional. O novo dispositi-

adequar a oferta ao comportamento dos consumidores.

vo, denominado REEFS, resultou de oito anos de uma

O programa venceu a 18.ª edição do Concurso Regional

investigação desenvolvida no Laboratório de Hidráuli-

Poliempreende, que decorreu na INOPOL Academia de

ca, Recursos Hídricos e Ambiente do Departamento de

Empreendedorismo do Politécnico de Coimbra, e vai re-

Engenharia Civil da Faculdade de Ciências e Tecnologia

presentar a instituição no concurso nacional.

Empresa de tecnologia espacial fixa-se em aldeia da Pampilhosa da Serra A empresa tecnológica espacial ATLAR vai fixar-se na Aldeia de Xisto de Fajão, no concelho da Pampilhosa da Serra. A start up especializa-se no desenvolvimento de plataformas de computação avançada e de ferramentas de monitorização inteligentes, relacionadas com a operação e controlo de radares e telescópios.

Marítima Eletrotécnica ansportes e Logística | Engenharia Tr | Gestão de s Marítimas O) ina OV qu (N Má es de utador Engenharia tica e de Comp má or Inf ia ar Engenh em ária | Pilotag Gestão Portu

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 47


ESCOLHA DO CONSUMIDOR 10 ANOS DE ESCOLHAS Lançado em 2012, o “Escolha do Consumidor” é o sistema de avaliação de marcas número um em Portugal, através do qual são avaliadas mais de 900 marcas anualmente, em mais de 100 categorias de consumidores. Quanto aos critérios para a seleção das mesmas são, no fundo, o grau de satisfação e aceitabilidade que geram junto dos seus consumidores. Este ranking permite que os portugueses façam uma escolha mais consciente no momento da compra. Para além disso, ter este selo valoriza as empresas e, ao mesmo tempo, atribui-lhes maior confiança. Assim, no que concerne à preferência dos consumidores, a escolha é unânime! A Betano, a Norauto e a Agência Abreu são as marcas de eleição dos portugueses e, por isso, merecem o devido destaque nesta edição.

48 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 49


ESCOLHA DO CONSUMIDOR | NORAUTO

NORAUTO: EXPERIÊNCIAS MEMORÁVEIS Eleita “Escolha do Consumidor” pelo 5º ano consecutivo, a Norauto é o centro de manutenção automóvel com mais notoriedade no mercado. Em entrevista, Elisabete Martins, Responsável Marketing Cliente & CRM, explica os fatores que fazem desta uma marca distinta. mesmos. E é com base nesta premissa que procuramos proporcionar experiências memoráveis e diferenciadoras para os nossos clientes para que encontrem na Norauto todas as ofertas duráveis para a sua mobilidade, seja ela em duas, três ou quatro rodas. Receberam pelo quinto ano consecutivo o prémio “Escolha do Consumidor” na categoria de Centros de Manutenção Automóvel. Receber esta distinção reforça a vossa confiança e o compromisso de transparência para com os consumidores? Receber esta distinção, pelo quinto ano consecutivo, deixa-nos muito orgulhosos e confiantes no futuro. Reforça o nosso posicionamento e a confiança dos consumidores portugueses na marca Norauto, ainda mais numa categoria com uma grande concorrência, como a dos centros de manutenção automóvel. Trata-se de uma motivação extra para todas as equipas da Norauto e é o reforço de que estamos no caminho certo.

Elisabete Martins, Responsável Marketing Cliente & CRM

A Norauto está em Portugal desde 1996 e, ao longo destes anos, tem vindo a reinventar-se e a inovar em novos serviços de forma a responder às necessidades e expetativas dos automobilistas. Que balanço faz deste percurso? O balanço não podia ser mais positivo para a Norauto! Lançámos serviços e produtos completamente inovadores no mercado, sendo exemplo a Oficina Móvel e serviço SOS Baterias. Pioneiros na venda on-line através do site norauto.pt e hoje com uma oferta hiper-alargada, é outro exemplo de sucesso. Com a transformação Automobilística e as adversidades da pandemia, aceleramos através da adoção de uma estratégia people centric: reinventamos a nossa forma de trabalhar através da metodologia Agile, fomos reativos e inovamos todos os dias para facilitar a vida dos Automobilistas e para responder às necessidades e expetativas dos

50 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

A Norauto é uma marca com bastante notoriedade há vários anos. Na sua opinião, a que se deve esta preferência por parte dos clientes? Quais são os fatores que vos diferenciam? Somos hoje, o centro de manutenção automóvel, com maior notoriedade no mercado português. E este resultado é consequência do empenho e dedicação de todos os copilotos Norauto, que estão em constante formação para apresentar novas soluções e serviços inovadores, assentes numa gestão colaborativa e na responsabilidade e autonomia das equipas. Por outro lado, queremos estar ao lado dos automobilistas e proporcionar verdadeiras experiências memoráveis. É por essa razão que colocamos o cliente no centro das nossas ações. O sector automóvel está a passar por uma enorme transformação, quer do ponto de vista tecnológico, quer do ponto de vista da utilização. Apostar em soluções inovadoras e tecnologicamente avançadas para poder responder e antecipar as necessidades dos clientes é o ponto central da vossa estratégia? Sem dúvida, estamos ao lado dos automobilistas nesta transição automobilística e de braço dado com o futuro. Queremos ser os líderes da relação automobilística, a referência no mercado nas soluções multimarca e em soluções duráveis de mobilidade. Como tal, há muito que o grupo Mobivia, do qual a Norauto faz parte, está a acompanhar, guiar e apoiar os automobilistas nesta transição económica, ecológica, comportamental e digital. Por isso, fiquem atentos porque estamos a desenvolver soluções inovadoras e com novas tecnologias, no mercado português.


SCM ÓBIDOS | LIDERANÇA: APOSTAS E DESAFIOS

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 51


ESCOLHA DO CONSUMIDOR | AGÊNCIA ABREU

AGÊNCIA ABREU: NO TOP OF MIND DOS PORTUGUESES começa a estabelecer-se um outro destino no Índico: Zanzibar, na Tanzânia, está a ganhar vários adeptos atualmente. Por outro lado, verificamos que estão a ressurgir outros destinos, como os Estados Unidos e Brasil. No capítulo nacional, os portugueses continuam a esgotar a oferta para Porto Santo e Madeira, e mantém-se a procura pelos Açores e Algarve, destinos tradicionais que garantem segurança e qualidade. Quanto aos resultados esperados para este ano e, se vamos bater os números de 2019, no geral não sabemos, mas, no contexto atual, já superámos todas as melhores expectativas previstas até à data.

Pedro Quintela, Diretor de Vendas e Marketing

Pedro Quintela, Diretor de Vendas e Marketing da Agência Abreu, em entrevista à Business Portugal, salienta o compromisso com o Turismo e o respeito pelo cliente que os desafia à inovação, mostrando-se simultaneamente orgulhoso pela eleição da Agência Abreu como “Escolha do Consumidor 2022”. O turismo foi, sem dúvida, um dos sectores mais afetados pela Covid-19. Sente que agora as pessoas estão menos preocupadas e mais disponíveis para viajar? Tem havido um aumento da procura? Desde março/abril, que estamos a verificar um aumento da procura. Esses meses correspondem à altura em que se diminuíram as medidas de restrição e os números de casos confirmados começaram a baixar. Por sua vez, as pessoas sentiram o apelo das viagens mais forte e aderiram. Acreditamos que é por essa razão que já temos operações muito bem vendidas, até porque, em boa verdade, os portugueses sempre demonstraram ter vontade de viajar. Quais os destinos mais procurados? Acredita que este ano será possível “bater” os números registados pré-pandemia? Fora do território nacional, a procura dirige-se para destinos já bastante conhecidos dos portugueses, como Cabo Verde, Marrocos e Tunísia, Ilhas Espanholas, e o regresso, em força, das Caraíbas - República Dominicana e México em destaque. A estrela dos últimos anos, as Maldivas, continua a chamar pelos portugueses; e

52 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Qual é a sensação da Agência Abreu ser pelo 9º ano consecutivo eleita “Escolha do Consumidor”? Entre os atributos objetos de avaliação quais os mais valorizados pelos consumidores? Sentimos que estamos a cumprir com a missão com a qual nos comprometemos desde início. Ao fim de todos estes anos como “Escolha de Consumidor”, mantemo-nos no top of mind dos portugueses, comprovando que só com muito foco conseguimos o êxito da nossa atividade. Este ano, a Agência Abreu distinguiu-se como Escolha de Consumidor, posicionando-se acima dos 90% em diversos atributos avaliados, sejam eles a Capacidade de resposta aos problemas (98%); a Organização e clareza de informação prestada sobre os roteiros (95,90%); os Procedimentos a adotar perante imprevistos (93,90%); o Atendimento personalizado (91,80%) e a Relação de confiança, histórico/fiabilidade da agência (91,80%). A estes atributos juntam-se muitos outros que nos permitem destacar seja pela variedade da oferta apresentada, pela sugestão de destinos ou pelo acompanhamento antes, durante e pós viagem.

“Sentimos que estamos a cumprir com a missão com a qual nos comprometemos desde início” Qual a estratégia desenhada para que a marca continue a superar as expetativas dos consumidores? Após estes dois anos de estagnação, estamos mais fortes, superámos inúmeros desafios, que somente através do enorme esforço e dedicação das nossas equipas nos permitiu manter a confiança dos clientes. Também prova que a estratégia que temos seguido deve manter-se em consonância com a filosofia que nos consagra ao longo de quase dois séculos de história. Estamos comprometidos com o Turismo e o respeito que temos pelo nosso cliente desafia-nos à inovação. Vamos continuar determinados em superar objetivos e em concretizar os sonhos de quem nos procura, todos os dias.


A sua experiência fala por nós!

Há 9 anos consecutivos Escolha do Consumidor dos portugueses.

Obrigado! Viagens Abreu, S.A • Capital Social € 10.500.000 • Sede: Praça da Trindade, 142, 4º • 4000-539 Porto • RNAVT 1702 • NIPC: 500 297 177 • 2022


EMPRESAS GALARDOADAS O esforço, o empenho e a dedicação, de alguma forma, acabam sempre por ser reconhecidos. E é isso mesmo que tem acontecido com várias empresas portuguesas que têm sido alvo de distinção através, nomeadamente, dos galardões “Empresas Gazela” e “Top 5%”. Relativamente ao primeiro, trata-se de um prémio que visa distinguir empresas jovens que, num curto espaço de tempo, apresentam um crescimento no emprego e no volume de negócios. Já no que concerne ao “Top 5%”, este reconhece o desempenho e a solidez financeira das empresas. Ter a honra de receber qualquer um destes prémios é não só motivo de orgulho e uma motivação extra para as equipas, como também uma responsabilidade acrescida no sentido de continuarem a fazer um bom trabalho.

54 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


#ofuturopodesermelhor O mundo mudou. As rotinas, as regras, as expectativas, a nossa própria capacidade de prever o futuro. A estabilidade existe quando estamos rodeados das pessoas certas, quando podemos decidir — em conjunto — qual é o melhor caminho.

brainpower.com.mt REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 55


EMPRESAS GALARDOADAS | BRAIN POWER

Sandra Soares, CEO

“ESTA DISTINÇÃO É UM RECONHECIMENTO IMPORTANTE DA NOSSA VISÃO” A Brain Power interliga empresas e profissionais capazes de fazer a diferença, adicionando valor humano e qualificado. A escolha das melhores soluções para os seus colaboradores é a chave que lhe garante uma liderança coesa e sustentada num mundo em constante mutação, como destaca a CEO Sandra Soares, em entrevista à Revista Business Portugal. Comecemos por falar sobre o início deste projeto. Quando e porque motivo surge a Brain Power? Descreva a sua equipa. A Brain Power é uma marca criada em 2016, com o objetivo de responder à necessidade urgente de mais direitos, mais garantias e mais estabilidade dos trabalhadores independentes. Temos uma visão única e inovadora de planeamento das ofertas formativas e da gestão administrativa de uma carreira profissional de consultoria – baseada em relações duradouras que respondem às ambições de longo prazo dos profissionais e das empresas que nos procuram para encontrar soluções de outsourcing. Somos, neste momento, uma rede de empresas que valoriza, sobretudo, a singularidade humana – face à constante inovação tecnológica e à turbulência que o mundo atravessa. A nossa equipa é um conjunto diverso de profissionais de excelência, unidos e unidas por este propósito comum: dar respostas personalizadas, atentas e inovadoras aos desafios do mercado laboral.

56 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Explane a panóplia de serviços que disponibilizam aos clientes. O outsourcing é uma ferramenta de trabalho cada vez mais importante e procurada pelas empresas? O outsourcing é um método que reflete as mudanças profundas que as nossas sociedades efetuaram nas últimas décadas. Em Portugal, na União Europeia e em todo o mundo pós-industrial, a possibilidade de organizar em projetos a atividade das empresas faz com que a rede de conhecimentos e capacidades disponível seja quase ilimitada.

ESTABILIDADE. CONHECIMENTO. CONFIANÇA.


BRAIN POWER | EMPRESAS GALARDOADAS

“Só através da procura de soluções contemporâneas e inovadoras seremos capazes de enfrentar da melhor forma os desafios do século XXI. Esta distinção é um reconhecimento importante da nossa visão”

No nosso caso, aliamos este método a um modelo de negócio que consegue oferecer aos dois lados da equação – as empresas e os colaboradores - uma estabilidade contratual e administrativa que é, de facto, ímpar em Portugal.

A Brain Power integra o top 5% das melhores PME de Portugal. Acredito que esta distinção seja motivo de orgulho para vocês… É um motivo de muito orgulho, sobretudo na medida em que reflete o nosso compromisso com colaboradores e clientes. A inovação em Portugal é muitas vezes vista como um elemento necessariamente desestabilizador, no entanto, só através da procura de soluções contemporâneas e inovadoras seremos capazes de enfrentar da melhor forma os desafios do século XXI. Esta distinção é um reconhecimento importante da nossa visão. Relativamente ao futuro, quais os projetos que tem em mente para a Brain Power? No futuro próximo, planeamos a expansão da nossa rede para o norte da Europa. Vamos continuar a promover as relações genuínas e mutuamente benéficas entre os nossos clientes e colaboradores, de forma a contribuirmos para um futuro melhor - para todos.

Podemos dizer que o conhecimento, a estabilidade e a confiança são os três grandes pilares em que assenta o método de trabalho da Brain Power? Sem dúvida. O conhecimento, porque estudamos em profundidade cada contexto laboral em que operamos e partilhamos essa inovação com os nossos clientes e colaboradores. A estabilidade, porque o nosso modelo de negócio oferece condições previsíveis, adequadas e personalizadas. A confiança, porque cada um dos nossos projetos tem para nós uma dimensão fundamentalmente humana – as pessoas não são números nem estatísticas, são dignas e merecedoras de direitos e da nossa mais cuidada atenção. Hoje em dia, saber trabalhar com as novas tecnologias é fundamental para ingressar no mercado de trabalho. Acredita que estas trouxeram mais vantagens para as empresas? Se sim, quais? Claramente. A proliferação de sistemas digitais de comunicação, gestão e controlo é um desafio para qualquer empresa. A inovação tecnológica introduz novas possibilidades com uma frequência veloz e cabe a cada organização limitar a aquisição de ferramentas de acordo com as suas estratégias de médio e longo prazo. No âmbito da formação profissional, identificamos como prioridade os sistemas que facilitam a comunicação assíncrona e o desenho colaborativo de projetos. Estas são duas dimensões que já definem os modos de trabalho no contexto pós-pandemia e que vemos como fundamentais num modelo de aprendizagem flexível, adaptado aos constrangimentos da mobilidade urbana e da gestão pessoal do tempo. É fundamental delinear um modelo híbrido de colaboração profissional que contemple os imprevistos globais que as empresas vão enfrentar nos próximos anos e que inclua desde já as novas exigências do mercado. Um modelo flexível, mas composto por elementos clássicos de eficiência demonstrada e por novas apostas, digitais e humanas.

Avenida da Liberdade, 38 - 3º esq. 1250-145 Lisboa 211 387 935

www.brainpower.com.mt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 57


EMPRESAS GALARDOADAS | 2B-ON

CONSULTORIA E TECNOLOGIA LADO A LADO

João Geraldes, CEO

João Geraldes, CEO da 2B-On, faz uma breve análise do percurso que tem sido percorrido pela empresa. Como surgiu a 2B-On e que balanço faz do seu percurso? A 2B-On é uma consultora fundada em 2015, com o intuito de responder de forma ágil aos desafios dos clientes, apresentando orçamentos altamente competitivos e soluções científicas. Através de uma estrutura dispersa por vários países, está presente em Portugal, Espanha, Dinamarca, Holanda, Suécia e Suíça. Os nossos colaboradores são uma peça fundamental para o trabalho que temos vindo a desenvolver, pelo que é crucial proporcionarmos um equilíbrio entre a vida profissional e pessoal, contribuindo para o seu bem-estar, adotando a filosofia da flexibilidade de horário, e o teletrabalho sempre que possível e desejado. Somos gratos à nossa equipa, parceiros e fornecedores, pois o seu contributo estratégico permitiu o reconhecimento pelo segundo ano consecutivo da 2B-On como uma das TOP 5% Melhores PME de Portugal, afirmando-se como consultora de Gestão, Tecnologia, Business Intelligence, Data Science, Cloud e Marketing Digital. Quais as áreas de negócios e os serviços disponibilizados? A 2B-On oferece ao seu mercado soluções completas e chave na mão nos domínios da Consultoria Tecnológica, soluções Cloud, Analytics, Business Intelligence, Data Science, Marketing Digital, e tecnologia para o sector da saúde proporcionando, em cada projeto, uma abordagem única e integrada. A 2B-On, está organizada em 4 eixos: 2B-On TECH, 2B-On CLOUD, 2B-On MKT e 2B-On HEALTH. Pretendemos ser a opção certa para a resolução de problemas inspirados em Tecnologia e Criatividade. Os nossos serviços são focados no ciclo de vida do cliente, de forma a criar experiências alinhadas com a nova realidade digital. Adotámos tecnologias por forma a criar arquitecturas de soluções e entregar serviços que resolvam problemas de negócios. Trabalhamos com parceiros líderes nas suas soluções tecnológicas, de modo a alcançar os melhores resultados sempre com paixão e inovação. A 2B-On apresenta soluções chave na mão proporcionando uma abordagem única e integrada? A 2B-On promove de forma multidisciplinar a fusão entre a consultoria e a tecnologia por forma a criar experiências excecionais para os seus clientes - desde soluções de integração de backend, passando pela digitalização de processos até modelos de negócios inovadores. OFERTA 2B-On TECH A 2B-On Tech é especialista em Technology Consulting

58 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Solutions, Digital Workplace, Configuration Manager, Monitoring and Automations Solutions, Data Analytics, and Outsourcing Solutions. As nossas soluções são estruturadas para assegurar um serviço completo e chave na mão, proporcionando aos clientes uma abordagem única e integrada. A nossa equipa pode apoiar a sua empresa nos seguintes domínios: • DWs | Digital Workplace solutions • CMs | Configuration Manager solutions • MAs | Monitoring and Automation solutions • DAs | Data Analytics solutions • OSs | Outsourcing solutions OFERTA 2B-On CLOUD MODELOS CLOUD - Construção de modelos de consumo Cloud assentes em automação e orquestração. Introdução de Portais de self-service para consumo de serviços de IT. EVOLUÇÃO E TRANSFORMAÇÃO - Projetos de evolução e transformação de Data Center e posto de trabalho assentes na definição do mundo físico pelo Software. CAMADA DE ABSTRAÇÃO - Construção de camadas de software que permitem uma abstracção da localização física dos recursos – Abstração de Hardware e Abstração da Cloud. A nossa equipa pode apoiar as empresas nos seguintes domínios: • SDDCs | Software Defined Data Center Solutions • SDCs| Smart Data Center solutions • EUCs | App Delivery and End User Computing solutions • PSOs | Professional Services & Outsourcing solutions OFERTA 2B-On HEALTH Somos especialistas em Consultoria na área da saúde nos domínios de Gestão, Tecnologia, Analytics, Data Science e Marketing Digital e construimos soluções completas e chave na mão, que proporcionam ao cliente uma abordagem única e integrada, no seguintes domínios: • e-Health | Hospital Information System & Eletronic Health Record • IMed | Imagem Médica • STMED | Serviços para TeleMedicina • HMkt | HEALTH MARKETING OFERTA 2B-On MKT Para apoiar a migração do seu negócio de um modelo tradicional, para o mercado digital, apresentamos soluções nos seguintes domínios: • CXs | CIs Customer Experience solutions & Customer Intelligence solutions • DPs | Digital Production solutions • WMs | Website, Landing Pages & Mobile Sales solutions • DSs | Data Science Solutions • DTs | Digital Transformation solutions A nossa metodologia apoia as empresas a construir, evoluir, integrar e a controlar a(s) sua(s) estratégia(s) de gestão, tecnologia e de comunicação.

www.2b-on.com


IMANUEL MOREIRA LDA | EMPRESAS GALARDOADAS

A RESILIÊNCIA É A CHAVE PARA O SUCESSO Imanuel Moreira, em entrevista à Revista Business Portugal, faz uma análise ao percurso que tem sido feito pela sua empresa, considerada uma das “empresas Gazela” em 2021. Revela ainda que o futuro passa pelo investimento na inovação, bem como na formação dos seus colaboradores que têm sido fundamentais na conquista do sucesso. Completam já 17 anos de presença no mercado nacional. Explique como e quando é que tudo começou. Sim, já estamos no mercado nacional e internacional há 17 anos, com sucessos e alguns insucessos, mas nunca desistimos. Iniciámos a atividade como empresário em nome individual numa pequena garagem, com um torno e uma fresadora e com muita dedicação e muitas horas ausentes de casa e da família. Em 2016, constituímos a sociedade que veio substituir a atividade do ENI. Assim, conseguimos atingir a posição e o reconhecimento que nos é conferido atualmente. Em termos de serviços, enumere o que os clientes podem encontrar na Imanuel Moreira. Podemos dizer que o know-how, o rigor e a qualidade são três caraterísticas inerentes a esta empresa? Quanto aos serviços, a Imanuel Moreira é especializada no fabrico de ferramentas. Ao nível das caraterísticas que nos definem, eu diria que são, essencialmente, a excelente qualidade do nosso trabalho, o profissionalismo dos nossos colaboradores e o acompanhamento constante durante o processo de fabrico e após a entrega do produto final.

Imanuel Moreira, Sócio-Gerente

Foram uma das 91 empresas Gazela da região centro em 2021. A atribuição deste tipo de prémios vem reforçar o bom trabalho que tem sido feito pela empresa ao longo dos anos? Na sua opinião, qual é a chave do sucesso da Imanuel Moreira? Na minha ótica, o sucesso deve-se ao facto de nunca baixarmos os braços e procurarmos, constantemente, alternativas e formas de contornar as dificuldades, como aconteceu em tempo de pandemia e agora de guerra. Estes acontecimentos resultaram num aumento dos custos de produção. Por onde passa o futuro desta empresa? Há algum projeto em desenvolvimento que queira destacar? A atividade que desenvolvemos depende da utilização de equipamentos tecnologicamente muito avançados. Neste contexto, é nossa intenção continuar a apostar na substituição e atualização do parque de máquinas e investir na formação dos nossos colaboradores. Só assim conseguiremos manter a tendência de crescimento do volume de negócios e a penetração em novos mercados.

www.imanuelmoreira.com REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 59


“A NOSSA MOTIVAÇÃO É FAZER SEMPRE MAIS E MELHOR”

Então vimos boa oportunidade de mercado para exportação no tipo de produtos no qual trabalhamos, nomeadamente, ervas aromáticas e hortícolas biológicas frescas, e assim, fomos avançando no mercado europeu. De que tipo de serviços/ produtos estamos a falar? E onde produzem? Falamos de aromáticas e hortícolas frescas, salsa, coentros, hortelã, espinafres, acelgas coloridas, pimento padrão e alguns frutos vermelhos. Produzimos em São Pedro do Sul e em Lagoa, no Algarve.

Em entrevista à Revista Business Portugal, Guilherme Pinto, sócio-gerente da MaisEcológico, deu a conhecer a empresa, os produtos que disponibiliza e mostrou-se muito feliz com a distinção “Empresa Gazela 2021”, sem dúvida uma motivação para fazer mais e melhor. Como e quando é que surge a ideia do projeto MaisEcológico? A empresa MaisEcoLógico surge em 2016, ideia minha e da minha sócia Eng.ª Ângela Pinto que, além de sócia, também é minha mulher. Decidimos criar este projeto, porque da empresa que viemos tivemos um conflito de gerações (empresa do meu sogro).

Rua Serpa Pinto 663 Edificio Jardim, piso 5 - 3.º esq. frente 3660-512 São Pedro do Sul 232 723 337 geral@ecomaislogico.com www.maisecologico.com

60 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Sente que hoje em dia há uma maior preocupação com a alimentação e que as pessoas optam cada vez mais pelos produtos biológicos? Sem dúvida! Noto um aumento gradual em Portugal, mas ainda não nos podemos comparar com os países nórdicos nesse consumo. Em Portugal, ainda se tem muito a ideia que o produto biológico é muito mais caro e na realidade não é. Vimos, muitas vezes, nas prateleiras dos supermercados alguns produtos frescos que são caros comparativamente com os convencionais, mas aí a culpa não é do produtor! Foram distinguidos como “Empresa Gazela 2021”. Esta eleição é mais uma motivação para continuarem o excelente trabalho que têm feito até aqui? E o futuro, por onde passa? Fiquei feliz pelo reconhecimento, sem dúvida, não estava à espera, admito. A nossa motivação é fazer sempre mais e melhor, então o futuro será aumentar a produção e explorar ainda mais os mercados com os quais já trabalhamos (Inglaterra, Holanda, Dinamarca, Suíça e Alemanha). São grandes mercados e são os que para já nos sentimos à-vontade em trabalhar. Temos pena que em Portugal ainda não tenhamos as portas abertas, mas talvez um dia.


MANUTENÇÃO FINS DE LINHA | EMPRESAS GALARDOADAS

REGRESSAR ÀS RAÍZES João Paulo Gomes, em entrevista à Business Portugal, revela os motivos que o levaram a abrir o seu próprio negócio: a Manutenção Fins de Linha. Como e quando é que surge a ideia da criação da “Manutenção Fins de Linha”? Que valores é que norteiam esta empresa? A ideia para a criação da MFL começa a ser cozinhada entre 2010 e 2012. Sendo eu trabalhador de uma empresa de Madrid, desenvolvia o meu serviço 90% em Espanha, tendo deixado de trabalhar a tempo inteiro em Portugal a partir do ano 2000. Assim, interessei-me por criar uma empresa em Portugal que me voltasse a dar as raízes que tinha perdido com o nosso País. Facilmente essa empresa teria a atividade na qual trabalhei toda a vida – Montagem automação de máquinas de fins de linha e robótica. O nosso sector alvo seria, principalmente, o agroalimentar: rações, cereais, farinhas, etc... Também outros como: plásticos, cimentos, entre outros. Em 2013, formei então a MFL tendo como sócia a minha esposa ,Luísa Silva. Iniciámos a manutenção e reparação de máquinas mais simples e pequenas, pois eu continuava a trabalhar em Espanha e só me podia dedicar a esta at ividade aos fins de semana. Em 2015, o meu então patrão, agora sócio, propôs-nos entrar na sociedade da MFL com o objetivo de dar mais proximidade aos seus clientes em Portugal. Em 2016, A Enesval comprou a cota da Luísa e a MFL passou a ter como sócios a 50% a Enesval e eu. Com esta alteração a atividade e o volume da empresa iniciou uma alteração significativa. Os quais se têm vindo a incrementar gradualmente, ano após ano. Objetivos da MFL: - Satisfazer e fidelizar os nossos clientes, prestando soluções técnicas, inovadoras e à medida de cada projeto. - Desenvolvimento constante de novas tecnologias e aptidões para proporcionar aos nossos clientes serviços de qualidade e personalizados, utilizando as últimas tecnologias disponíveis. - Serviço pós-venda, manutenções e reparações em tempo útil, proporcionando aos nossos clientes o mínimo de paragens de produção. Os valores que norteiam a MFL são: Competência, Compromisso, Credibilidade, Ética, Excelência, Inovação, Qualidade, Segurança Industrial e Transparência. Explane a gama de produtos/serviços disponibilizados. A nossa atividade desenvolve-se principalmente a nível de fins de linha: seleção/contagem/pesagem; ensaque/embalamento; fecho das embalagens/sacos; paletização; envolvimento/acondicionamento paletes. Proporcionamos aos nossos clientes os seguintes serviços: • Projetos de instalações novas e otimização de instalações existentes. • Automação, robótica e sistemas. • Instrumentação. • Quadros elétricos.

João Paulo Gomes, Sócio-Gerente

A nossa gama de produtos: • • • •

Balanças Ensacadoras Encaixotadoras Fecho de sacos: cosedoras, termo seladoras – fechos de caixas: com cola e fita • Sistemas de paletização – sacos ou caixas – cartesianos, de arrastre ou com braço robotizado • Envolvedoras/encapuçadoras • Complementos: chequeadoras de peso; detetores de metais; etiquetadoras; marcadores; transferes; empurradores; viradores; entre outros. Dispõe de todo o tipo de sistemas que se encontram no mercado, desde os mais manuais/tradicionais aos mais automáticos/modernos. Isto garante uma maior eficácia em termos de resposta às necessidades do cliente? Sem dúvida. Cada cliente é um caso. Cada instalação deve ser configurada e dimensionada de acordo com a abrangência de cada cliente e em função da personalização de cada processo. Por isso, a uma maior gama de produtos, uma maior adequação e personalização dos processos em cada particular cliente. Que comentário lhe merece a distinção de “Empresa Gazela 2021”? É sinónimo de que o trabalho tem sido bem desenvolvido? Concordo. Para a nossa empresa considero que é um merecido reconhecimento. Sentimo-nos orgulhosos de poder receber esta distinção. Alegro-me também por ter na região centro a CCDR Centro a realizar este trabalho com o objetivo de dar visibilidade às suas empresas.

Complexo Industrial Troviscais Rua Dos Troviscais, Nº 7 - Lote 2, Armazém 1 3020-886 Souselas 239 099 883 | 913 889 198 geral@mfl.pt

www.mfl.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 61


EMPRESAS GALARDOADAS | PASSAGEM FREQUENTE

“A NOSSA EFICIÊNCIA REFLETE-SE NA PONTUALIDADE COM QUE HONRAMOS OS COMPROMISSOS” Manuel Póvoa é o gerente da Passagem Frequente. Começou o trabalho com poucos recursos, mas em poucos anos a empresa evoluiu, sendo capaz de adquirir mais veículos e contratar mais funcionários. O segredo é a dedicação e o esforço que aplica no seu trabalho.

eficiência reflete-se na pontualidade com que cumprimos os nossos compromissos”, salienta o gerente da Passagem Frequente.

Fundada em 2016, a empresa Passagem Frequente, que desenvolve a sua atividade no âmbito da organização do transporte, possuía apenas uma viatura. O trabalho iniciou-se em Ovar, numa multinacional grega, a Iberfibran. Segundo Manuel Póvoa, foi ao longo do tempo que “começaram a surgir mais oportunidades”. Assim, foi possível aumentar o número de viaturas e “crescer” no meio dos transportes. Atualmente, a empresa possui 12 camiões, que suportam 40 toneladas, e duas carrinhas de porte menor. O trabalho foca-se na Península Ibérica, dividindo-se entre Portugal e Espanha.

“A nossa eficiência reflete-se na pontualidade com que cumprimos os nossos compromissos”

As dificuldades na atualidade Ultimamente, as maiores dificuldades sentidas estão relacionadas com o constante aumento do preço dos combustíveis, que afeta diretamente a empresa. Contudo, “há uma dificuldade muito comum neste tipo de indústria que é a parte humana”, afirma Manuel Póvoa. Para o mesmo, é difícil encontrar bons profissionais para trabalhar na área, com competência e bom caráter. Neste momento, a empresa conta com 12 trabalhadores. A vontade de satisfazer o cliente Em 2020, a Passagem Frequente foi considerada uma das “Empresas Gazela”, o que, para Manuel Póvoa, é o reflexo do esforço e dedicação de todos os que fazem parte da mesma. No ano seguinte, receberam o mesmo prémio, fazendo parte de uma das cinco empresas distinguidas como “Gazela”, no município de Ovar. No quotidiano, o objetivo é prestar o melhor serviço possível aos clientes, o que significa, sobretudo, fazer as entregas dentro do tempo estimado, de forma a não criar constrangimentos. É, precisamente, neste aspeto que Manuel Póvoa considera que a Passagem Frequente se distingue. “A nossa

62 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Perspetivas para o futuro No futuro, o plano passa pela venda da empresa. Até lá, o objetivo é manter o ritmo de trabalho para, posteriormente, “encontrar um parceiro que tenha o interesse de adquirir a empresa”, afirma Manuel. Aproximando-se da idade da reforma, este considera que “há uma altura em que temos de parar e aproveitar para descansar e dedicar mais tempo à família”. Ainda assim, o sentimento é de “missão cumprida” e a principal preocupação é deixar um legado positivo, relativamente ao trabalho realizado pela empresa. Sobre a escolha do futuro comprador, Manuel realça a importância de que este transmita confiança e que seja um profissional competente, de forma a garantir que a empresa continua a trabalhar com qualidade, assegurando-se de que não desilude ou prejudica os clientes.

Passagem Frequente Unipessoal, Lda. Rua Sacadura Cabral, nº 19, 1º dto 3880-391 Ovar


NÉLIA SOUSA UNIPESSOAL, LDA | EMPRESAS GALARDOADAS

“SE FOSSE FÁCIL, NÃO SERIA PARA MIM” Audaz e sem medo de desafios, assim se descreve Nélia Sousa, a enfermeira que abriu o seu próprio negócio numa área completamente diferente: a manutenção de alguns meios de transporte. Descreva o seu percurso profissional desde o início até ao momento em que decidiu abrir o seu próprio negócio (Nélia Sousa Unipessoal, Lda). Sou enfermeira desde 1997, desde então sempre trabalhei num hospital e numa clínica. Sou de famílias humildes, ligadas ao trabalho de campo, habituada a ver os meus pais e avós trabalhar muito diariamente. Em plena crise económica em Portugal, com três filhos a cargo, desiludida com a falta de carreira de enfermagem e a pensar em emigrar devido aos cortes salariais sofridos na função publica, surgiu a oportunidade de abrir o meu negócio, em consequência da empresa em que o meu ex-marido trabalhava ter deixado de prestar serviço para a Bombardier, que na altura fazia a manutenção do Metro do Porto, isto em 2013. Portanto no início com um único funcionário a prestar serviço para a Bombardier, depois EMEF e agora CP. A escolha do nome pessoal para a empresa prendeu-se pelo facto de não ter tempo legal para escolher outro nome, esta janela de oportunidade foi literalmente de um dia para o outro. Inicialmente achava um pouco estranho ouvir o meu nome associado à empresa, mas era imperativo dar continuidade ao trabalho desenvolvido pelo meu ex-marido o mais rápido possível e, como tal, no dia 13 de maio de 2013, consolidou-se um projeto de empresa com recurso a capitais pessoais para se conseguir deslocar o único colaborador de Barcouço para o Porto diariamente. Não foi fácil, mas se assim não fosse não seria para mim… Até hoje mantenho a relação profissional com o meu ex-marido que continua a ser o encarregado geral da empresa. Eu assumo funções de gerente, recursos humanos, tesouraria, responsável pela aquisição de fardamento e EPIs, faturação e salários. Mantenho-me a trabalhar como enfermeira ainda e o meu filho mais velho já trabalha na empresa desde 2019 como pintor, formado em contexto de trabalho por um dos nossos colaboradores.

Nélia Sousa, Empresária

O que nos pode dizer mais sobre esta empresa? Que serviços são disponibilizados ao cliente? A empresa Nélia Sousa Unipessoal, Lda executa todo o tipo de trabalhos de manutenção de comboios, metros, carruagens e outros equipamentos ferroviários. Desde trabalhos de pintura, limpeza de grafitis, impermeabilizações de tejadilhos, recuperação de chão das carruagens, mudança de vidros, restauro de locomotivas antigas, trabalhos de eletricidade, mecânica e serralharia, lavagem de equipamentos e outros. Prestamos serviços em Guifões, Contumil, Entroncamento e Barreiro. Em 2021 a sua empresa recebeu pela segunda vez consecutiva a distinção “Gazela”. Tal eleição é sinónimo do bom trabalho que tem sido desenvolvido por si e pela sua equipa? Como é evidente, uma empresa depende sempre do trabalho dos colaboradores e de quem a gere no sentido de manter os colaboradores e clientes satisfeitos. A empresa tem sido uma ponte para a admissão de pessoal para os quadros da CP. A falta de mão de obra qualificada nesta área é evidente e, como tal, os colaboradores são admitidos, passam por um período de formação sempre acompanhados pelo pessoal da CP e a maioria tem transitado para os quadros da CP por realmente prestarem um excelente serviço. Onde vê a Nélia Sousa Unipessoal, Lda no futuro? Quais são as metas que traça? O mundo é dos audazes! E por norma a minha coragem é sempre maior que o medo. Manter a prestação de serviço à CP é o principal objetivo, no entanto, no sentido de aumentar o número de clientes da empresa Nélia Sousa Unipessoal, Lda, pretendo prestar outro tipo de serviços de manutenção de equipamentos nas áreas da eletricidade e serralharia. Quero continuar a dar a oportunidade de pessoas com pouca formação na área, mas com vontade de aprender também possam adquirir conhecimentos/ ferramentas para se tornarem bons profissionais. Nélia Sousa Unipessoal, Lda

R. das Portelas 17, 3050-087, Barcouco Mealhada, Aveiro 962 500 198 REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 63


EMPRESAS GALARDOADAS | RATATUI

“MARCAR A DIFERENÇA PELO RIGOR, DEDICAÇÃO E EFICÁCIA” A Ratatui é “Empresa Gazela” pelo terceiro ano consecutivo, assumindo-se uma empresa jovem que, num curto espaço de tempo, apresentou um crescimento sustentado e que quer continuar o rumo da expansão nacional, de forma a abranger todo o território, como conta Ivan Brás, Sócio-Gerente, em entrevista à Business Portugal.

Explane a história da criação da empresa. Da panóplia de serviços que disponibilizam, quais os que destaca? A Ratatui é uma empresa prestadora de serviços de controlo de pragas e desinfestação, fundada em 2012, em Leiria, com o objetivo de preencher uma lacuna existente no mercado. Somos especialistas no controlo de diversos tipos de pragas, nomeadamente roedores, insetos rastejantes e voadores. Temos vindo a especializar-nos em outros tipos de pragas, como as térmitas e o caruncho, apostando na formação contínua dos nossos técnicos e colaboradores. Sabemos que esta é uma empresa que também se dedica à comercialização de produtos. De que tipo de produtos estamos a falar? Qual a sua utilidade? No decorrer da nossa atividade, constatámos que os nossos clientes valorizavam a existência de um fornecedor mais completo que colmatasse diversas necessidades. Desta forma, apostámos na comercialização de produtos de higiene e limpeza com um maior foco em clientes da área de restauração. Face à grande aceitação do mercado, arriscámos na criação de uma linha própria destes produtos. Atualmente, dispomos de uma ampla gama de produtos como embalagens take-away e descartáveis, utensílios e máquinas, produtos consumíveis, entre outros. A Ratatui foi a primeira empresa de Leiria a ser certificada pela CEPA e, atualmente, conta com mais duas certificações. O que é que tem sido feito neste sentido? A Ratatui sempre primou pela qualidade dos serviços oferecidos ao cliente. Por esse motivo, foi para nós essencial a obtenção das certificações CEPA e IS0 9001, de forma a garantir o rigor e eficácia dos serviços e produtos que disponibilizamos aos nossos clientes. Face à crescente preocupação ambiental a que temos assistido nos últimos anos, consideramos crucial que as empresas sejam ambiental-

geral@ratatui.pt www.ratatui.pt 64 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

mente responsáveis. Na Ratatui, temos consciência do impacto que a nossa atividade tem no meio ambiente e, por esse motivo, fez todo o sentido para nós a obtenção da certificação ambiental ISO 14 001. A obtenção desta certificação foi especialmente desafiante devido à sua natureza minuciosa que nos obrigou a efetuar alterações nos processos internos, nomeadamente na procura de fornecedores e produtos mais ecológicos e na forma como manuseamos e encaminhamos os resíduos resultantes da nossa atividade. Em 2021, para além de terem sido eleitos como “PME Líder”, foram também eleitos “Empresa Gazela” pelo 3º ano consecutivo. Que comentário lhe merece esta distinção? Os últimos dois anos foram particularmente desafiantes para as empresas nacionais. A conjuntura económica não foi favorável ao crescimento e assistimos ao encerramento de muitas empresas. O ano de 2020 foi impactante principalmente para empresas de restauração, que representam grande parte dos clientes da Ratatui. Ainda assim, não deixámos de estar ao lado dos nossos clientes neste período, apresentando novas soluções para os problemas que iam surgindo. Só desta forma nos foi possível continuar a crescer e também ajudar os nossos clientes a crescer neste período. Por estes motivos é para nós um grande orgulho obter estas distinções, enquanto PME Líder e Empresa Gazela, provando a nós mesmos que conseguimos prosseguir com a dedicação e empenho que empregamos no nosso trabalho diário. Sobre o futuro da Ratatui, o que nos pode revelar? A Ratatui encontra-se em crescimento e em fase de expansão. Atualmente, contamos com três franchisings em território nacional (Santarém, Lisboa e Cercal do Alentejo) e um em território internacional (São Tomé e Príncipe). Faz parte dos nossos objetivos continuar com a expansão nacional, de forma a abranger todo o território e, quiçá, internacional. Adicionalmente, pretendemos ser uma empresa dinâmica e em constante atualização da nossa oferta. Os novos desafios são o que nos motiva a tentar chegar mais além e não baixar os braços.


FERNANDO CARVALHO MARQUES | EMPRESAS GALARDOADAS

EXEMPLO DE LUTA E DEDICAÇÃO CONSTANTE

Fernando Marques, Gerente

Começou numa simples garagem aquilo que hoje é um grande negócio. A Fernando Carvalho Marques tem feito um percurso que em muito orgulha o seu fundador, bem como os restantes elementos da equipa. Em que momento é que decidiu abrir a sua própria empresa e porquê esta área? Decidimos abrir esta empresa após a crise de 2010. Na altura, o Jorge encontrava-se numa sociedade, decidiu então aventurar-se por conta própria na pintura automóvel que sempre foi uma paixão antiga tendo em conta que já exerce esta profissão desde os 14 anos de idade, o que perfaz um total de 40 anos de experiência. Uma vez que já tinha os seus conhecidos clientes e fornecedores de outras parcerias onde chegou a trabalhar, achou que seria uma boa oportunidade de negócio e, para além disso, ia continuar a fazer o que gostava. Reconhecendo que todos os percursos têm altos e baixos, como tem sido o desta empresa? Que balanço faz destes anos de atividade? A Fernando Carvalho Marques começou numa garagem com lugar para pouco mais de dois ligeiros automóveis. O balanço que fazemos destes anos é de muita luta e dedicação constante! A procura foi aumentando e consecutivamente fomos obrigados a aumentar o espaço e a equipa. Obviamente que também fomos afetados pela pandemia, mas com muito esforço podemos dizer que estamos a ver resultados do nosso trabalho e de toda a equipa Fernando Carvalho Marques.

momento são: colisão automóvel ligeiro/pesado e pinturas gerais ou artísticas (ligeiros: pesados; autocarros; maquinarias; etc.) A nossa boa relação com o cliente e a relação qualidade/preço ajudam-nos a ser uma empresa distinta no ramo porque o nosso objetivo principal é termos clientes satisfeitos para que a “publicidade” se faça sozinha.

“É a primeira vez que recebemos tal distinção e não podíamos ficar mais orgulhosos pela Fernando Carvalho Marques”

Foram distinguidos como “Empresa Gazela”, que palavras lhe merece esta atribuição? Quais os projetos que tem em mente para o futuro? É a primeira vez que recebemos tal distinção e não podíamos ficar mais orgulhosos pela Fernando Carvalho Marques. Temos muitos objetivos para o futuro como, por exemplo, a expansão interna (área de oficina). Atualmente estamos num armazém com 1000 metros quadrados mas com o contínuo aumento da procura e do número de clientes iremos aumentar as nossas instalações para 2000 metros quadrados. Vamos de objetivo em objetivo para a evolução de ano após ano, com isso a melhoria de qualidade e o acompanhamento da tecnologia.

Enumere os principais serviços que disponibilizam ao cliente e explique que caraterísticas fazem da Fernando C. Marques uma empresa distinta no ramo da manutenção e reparação automóvel? Os principais serviços que disponibilizamos ao cliente de

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 65


EMPRESAS GALARDOADAS | HC CAIXILHARIA

HC CAIXILHARIA: SERIEDADE E RESPEITO PELO CLIENTE

Vanda Carvalho e Hélder Carvalho, Administradores

Hélder Carvalho sempre esteve ligado à área da caixilharia. Em 2013, decidiu arriscar e abrir a sua própria empresa. Em entrevista à Business Portugal, o Diretor-Geral da HC Caixilharia, reconhece a importância do “passa a palavra” para o crescimento do seu negócio. Explique em que momento e porque razão surge a empresa HC Caixilharia. Sempre esteve ligado a esta área? Eu já trabalhava na área da caixilharia desde 2002, no entanto, era por conta de outrém. Em 2007, registei a empresa em nome individual. Não iniciei como fabricante de caixilharia, mas sim como revendedor uma vez que, naquela altura, não tinha capacidade económica para comprar máquinas e armazéns. Os anos foram passando e a empresa onde eu tinha trabalhado foi à falência e consegui adquirir as máquinas da mesma. Comprei-as e guardei-as num armazém e quando pude iniciei a produção por conta própria, ainda em nome individual. Em 2013, a empresa passou a designar-se HC Caixilharia. Já tínhamos a carteira de clientes criada, foi só iniciar a produção e, na altura já contávamos com quatro colaboradores. Com o tempo fomos crescendo e, atualmente, a equipa é composta por 15 pessoas.

HC Caixilharia, Lda. Rua dos Carvalhos, 17 - Casal da Maceda 2460-348 Cela - Alcobaça geral@hcaixilharia.com 66 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Quais os serviços disponibilizados ao cliente? Que caraterísticas fazem da HC Caixilharia uma empresa distinta no mercado? O nosso serviço distingue-se pelo fornecimento de caixilharia de qualidade e servico pós-venda. Para nós, cada cliente é único e merece um tratamento personalizado. Eu diria mesmo que a seriedade e o respeito pelo cliente são as principais caraterísticas que nos distinguem no mercado. O que nos tem levado ao sucesso é o facto da nossa prioridade ser a satisfação do cliente, pois este é o nosso melhor vendedor. Na HC Caixilharia não temos comerciais e isso deve-se ao facto dos clientes se aconselharem uns aos outros, existe o chamado “passa a palavra” que tem sido fundamental para o crescimento do nosso negócio. Sabemos da importância das redes sociais, mas quando uma empresa é aconselhada por um amigo, por exemplo, à partida já temos a confiança de que vamos ser bem servidos. Qual o sentimento de estarem entre as “Empresas Gazela 2021”? Este reconhecimento é o resultado do trabalho e da dedicação da sua equipa ao longo do ano? Evidentemente. É sinal de que toda a equipa fez um bom trabalho, devidamente planeado e estruturado. Não importa se fazemos muito, é preciso fazer bem, de forma a obter resultados sólidos e é isso que a minha empresa tem conseguido ao longo dos anos. Qual a análise faz destes oito anos de atividade e que planos tem em mente para o futuro da empresa? O balanço que eu faço é muito positivo, superámos todos os objetivos estipulados. Em relação ao futuro, perante a conjuntura atual, é difícil fazer previsões. No entanto, penso que temos que dar o nosso melhor no dia a dia, de forma a conseguirmos responder a eventuais obstáculos que possam surgir. Identifico grandes desafios ao nível da captação e retenção de mão de obra qualificada, assim como na flutuação dos preços das matérias-primas.


REVESTLAR | EMPRESAS GALARDOADAS

REVESTLAR: QUALIDADE, RIGOR E PROFISSIONALISMO Luís Mendes, Gerente da REVESTLAR, mostra-se orgulhoso pelo desempenho da sua empresa, cuja fundação resulta da experiência em empresas do sector da construção civil e da ambição de iniciar o seu próprio negócio.

Luís Mendes, Gerente

Descreva o seu passado profissional e explique porque motivo decide criar a sua própria empresa: a REVESTLAR. O que representa para vocês a distinção de “Empresa Gazela”? A criação da REVESTLAR é fruto de um misto de experiência em empresas do sector da construção civil com a ambição de ter o próprio projeto pessoal. Trabalhei em empresas do ramo da construção civil e assim que senti que tinha os conhecimentos e aptidões necessárias para arriscar, assim fiz. A distinção de “Empresa Gazela” é uma consequência natural de todo o trabalho que os nossos colaboradores realizam diariamente. Também a nossa rede de parceiros, fornecedores e clientes contribuiu para esta distinção. Para a equipa da REVESTLAR é uma forma de reconhecimento, mas, ao mesmo tempo, é uma motivação para ser mais e melhor. O nosso propósito assenta na melhoria contínua em todas as frentes. Enumere os serviços disponibilizados aos clientes. Qualidade, rigor e profissionalismo são valores inerentes à equipa da REVESTLAR? A empresa REVESTLAR – Reabilitação e Renovação de Edifícios, Unip. Lda. é uma empresa jovem, dinâmica e inovadora e que tem como atividade principal a prestação de serviços nas áreas de reabilitação, remodelação/renovação de edifícios, revestimentos e impermeabilizações. A empresa atua por todo o território nacional, com especial destaque para os distritos de Aveiro, Porto, Viseu, Coimbra e Lisboa. A experiência das equipas, constituída por profissionais devidamente credenciados, permite responder com sucesso aos desafios colocados pelos clientes com soluções testadas e aprovadas no mercado. É uma empresa que se prende a valores como a qualidade, o rigor e o profissionalismo, visando sempre a satisfação do cliente.

Sente que as pessoas valorizam cada vez mais o conforto e a comodidade nas suas casas? Esta é uma caraterística que também têm em consideração? Sim, sem dúvida, se há uns anos era um fator que não consideravam importante, hoje em dia, cada vez mais, temos várias pessoas/ clientes que procuram saber as principais vantagens e benefícios dos serviços que executamos. Como em todas as áreas da construção civil, procuramos inovar e estar sempre atualizados, bem como ter os nossos colaboradores, o mais preparados possível. Uma vez que abrangem praticamente todo o país, a internacionalização não faz parte dos vossos planos para o futuro? Neste momento, temos obras e projetos em quase todo o país, é um facto, no entanto, a curto prazo, não pensamos na internacionalização. Poderá ser algo a ponderar a longo prazo, mas atualmente devido à instabilidade dos mercados, apenas vamos atuar em Portugal.

geral@revestlar.pt www.revestlar.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 67


“AS GRANDES EMPRESAS SÃO FEITAS DE GRANDES PESSOAS” O CEO da Strategy Bright Consulting, revela que esta é uma área de negócio que tem tendência para continuar a crescer. Quando é que foi criada a Strategy Bright Consulting e como tem sido o percurso desta empresa? A Strategy Bright foi criada em 2020 como uma empresa que opera a nível comercial na angariação de clientes e gestão de carteira nas áreas das telecomunicações, tanto com particulares como com empresas, no mercado de energia liberalizada e nos painéis fotovoltaicos. Nesse mesmo ano, expandimos o modelo de negócio e começamos a trabalhar com uma rede de parceiros, os chamados subagentes, que podem ser, por exemplo, lojas de informática, contabilistas, agentes de seguros, entre outros. Entretanto, temos vindo a progredir tanto tem termos de faturação, como da rede de parceiros. No que ao futuro diz respeito, esperamos dar continuidade a este crescimento e acrescentar outras áreas de negócio de valor para os nossos parceiros. No decorrer ainda deste ano, estamos a pensar acrescentar a área do turismo ou do imobiliário. Explique que tipo de serviços são disponibilizados ao cliente. Neste momento temos três áreas de negócio: as telecomunicações ao nível particular e empresarial, representando todas as marcas nacionais; o mercado de energia liberalizado, recrutando alguns comercializadores, nomeadamente a EDP Comercial, a Endesa e a Galp Energia; e os painéis fotovoltaicos, onde trabalhamos com a EDP Comercial e a Galp Solar.

www.strategybright.pt

Acredita que são cada vez mais as pessoas que se preocupam com o meio ambiente e em reduzir a pegada ecológica o que se reflete, por exemplo, na aposta nos painéis solares fotovoltaicos? Quais as maiores vantagens da utilização desta tecnologia? Normalmente, o fator poupança é aquele que leva mais pessoas a aderir ao sistema de painéis fotovoltaicos. Depois, também se tem sentido muito essa preocupação com o meio ambiente, pois estamos a falar de um sistema que não depende totalmente da rede, que vai buscar energia ao sol que, como sabemos, é das fontes de energia mais limpas. Portanto, desde o ano de 2020 que a procura pelos painéis solares tem vindo a aumentar e perspetiva-se que assim continue devido, por exemplo, à transição energética e a fatores externos como a atual guerra na Ucrânia. A experiência que possuem no mercado aliada ao vasto conhecimento e know-how, são duas das caraterísticas que vos definem e que fazem com que sejam merecedores da confiança dos clientes? No mercado das telecomunicações, por vezes, existem alguns conflitos e burocracias que precisam de ser resolvidas. Os profissionais da Strategy Bright trabalham neste negócio há praticamente uma década e, por isso, conhecem os processos das operadoras e sabem como dar a melhor resposta, o que acaba por ser uma mais valia para os clientes. Quando estes nos procuram, têm-nos como “gestores de contas”, pois qualquer dúvida que eles tenham, são sempre auxiliados nesse sentido. Na minha ótica, as grandes empresas são feitas de grandes pessoas e isso, felizmente, é o que acontece no nosso caso. Quando surge algum problema, nós sabemos perfeitamente onde temos que nos dirigir ou com quem falar, seja através de contactos internos ou orientando o próprio cliente e, claro, o conhecimento a nível técnico também é muito elevado. Para quem quiser tornar-se um revendedor autorizado, pode consultar o site www.strategybright.pt para mais informações.

68 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


PME EXCELÊNCIA

O estatuto de “PME Excelência” trata-se, no fundo, de um selo de reputação que confere às empresas a possibilidade de se relacionarem tanto com fornecedores, como com clientes, sistema financeiro, autoridades nacionais e regionais, estabelecendo uma relação de confiança mútua que permite e facilita a realização de negócios. Dado o contexto atual de pandemia em que vivemos e tendo em conta a impossibilidade da realização da cerimónia de entrega de prémios, as empresas que haviam sido consideradas PME Excelência em 2020, renovaram o estatuto em 2021. Nesta temática, o destaque vai para a Isauro Neves Ferreira, uma loja de ferramentas situada em Aveiro que se tem distinguido no mercado devido ao facto de trabalhar com marcas de referência a nível nacional e também ao profissionalismo da sua equipa.


“UMA EMPRESA COM PERSONALIDADE PRÓPRIA” A Isauro Neves Ferreira comemora o seu 60 º aniversário. Em conversa com a Business Portugal, João Filipe salienta que ter uma boa equipa, capaz de dar resposta aos mais diversos desafios, tem feito toda a diferença no percurso da empresa, e é determinante para conquistar e manter a confiança de clientes e fornecedores, ano após ano. Quando Isauro Neves Ferreira casou, comprou uma pequena mercearia onde trabalhava a sua esposa, Rosa. A mercearia acabaria por dar lugar à loja de ferragens, a tradicional “drogaria”, depois de vários anos em que o negócio familiar se dividia entre as duas. Ao longo do tempo, Isauro procurou sempre apostar na modernização e na inovação, priorizando, simultaneamente, o profissionalismo e a ética que conquistariam a confiança dos clientes e das gentes da sua terra. A empresa está localizada em Aveiro e representa as melhores marcas de máquinas e ferramentas para a indústria e construção bem como sistemas de fixação, abrasivos, equipamentos de proteção e acessórios industriais. O catálogo de produtos está em constante atualização e resulta de um trabalho permanente de pesquisa das últimas inovações, da evolução tecnológica e do acompanhamento próximo e dedicado dos clientes, no sentido de perceber quais as necessidades e que produtos respondem melhor às exigências de cada sector. Hoje, é a segunda geração da família, Graça Ferreira e João Filipe, que comanda os destinos da empresa, sem nunca esquecer os princípios transmitidos pelo seu fundador: pensar em primeiro lugar no cliente e na melhor forma de lhe ser útil. “Procuramos ter uma parceria constante tanto com os clientes, como com os fornecedores e talvez seja este o segredo do nosso sucesso”, começa por dizer João Filipe, “nós consideramos que uma empresa deve assemelhar-se, em certa medida, a uma pessoa e ter personalidade própria, isto é, os clientes sabem o que podem esperar da Isauro, da

70 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

mesma forma que a Isauro sabe o que pode esperar deles”, reitera. Outro aspeto que consideram da maior importância para o sucesso da empresa está na qualidade e fiabilidade do serviço pós-venda dos seus fornecedores, bem como o facto de trabalhar com empresas líderes no que diz respeito ao fabrico dos produtos, independentemente do sector. Assim, a relação de proximidade e a confiança mútua que se estabelecem entre a empresa e os clientes são a imagem de marca da Isauro Neves Ferreira.


ISAURO NEVES FERREIRA LDA | PME EXCELÊNCIA

60 anos de história Este tem sido “um caminho de progressão contínua: lento, mas sustentado”, começa por afirmar o entrevistado quando questionado sobre a análise que faz dos 60 anos da empresa. Atravessaram e ultrapassaram várias crises, algumas especialmente difíceis para o pequeno comércio de retalho; mas, na opinião de João Filipe, é mesmo nos momentos mais difíceis que se encontram as maiores oportunidades para evoluir e crescer, desde que a seu lado se tenha uma equipa sólida, profissional e que dá todas as garantias, como é o caso da Isauro Neves Ferreira. Cultivar o espírito de equipa Atualmente, a Isauro Neves Ferreira conta com onze funcionários, e o entrevistado refere que estão em vias de contratar mais um comercial para acompanhar o crescimento que têm sentido na procura. Será mais um elemento para uma equipa que tentam que seja paritária ou próximo disso, feita de pessoas com diferentes percursos, nível de experiência e áreas de formação diversas, que se complementam. “Por outro lado, uma remuneração justa do trabalho e o reconhecimento do esforço e dedicação que cada um traz todos os dias são fundamentais para a existência de um ambiente de trabalho saudável, de entreajuda e respeito – sem o qual qualquer empresa terá pernas curtas”, remata João Filipe. Ainda acerca da importância do ambiente de trabalho, recentemente foram feitas obras com o objetivo de melhorar as instalações da empresa e dar melhores condições aos funcionários. Trata-se de uma área onde estes podem descontrair e disfrutar dos momentos de pausa, fazer as suas refeições e conviver, promovendo o espírito de equipa – uma equipa que tem na lealdade, na confiança, no compromisso e no rigor, os seus principais valores.

Um futuro que se antevê risonho João Filipe refere que as suas filhas estão a começar os percursos profissionais, em áreas totalmente distintas e, por isso, não fará qualquer pressão para que assumam as rédeas da empresa. Ainda assim, garante que a estrutura da empresa está bem montada: “os resultados dão-nos razão e demonstram que estamos a fazer o nosso trabalho”. E se, como o próprio afirma, “a equipa é tudo”, basta olharmos para os profissionais da Isauro Neves Ferreira para perceber que o futuro será, tal como foi até agora, repleto de sucesso.

Rua do Marco 30, 3810-132 Aveiro 234 341 671

geral@isauro.pt www.isauro.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 71


VIVER, VISITAR E INVESTIR

As Terras de Basto (que incluem os territórios de Celorico de Basto, Mondim de Basto, Cabeceiras de Basto e Ribeira de Pena) e os municípios de Serpa e da Lourinhã, que receberam o Prémio Autarquia do Ano, são ideais para se viver, visitar e fazer negócios, tal como vai poder verificar de seguida ao ler as entrevistas aos respetivos presidentes da câmara. Estes locais primam pela sua beleza paisagística, pelo património magnífico, a promoção da cultura e a gastronomia que não deixam ninguém indiferente. As pessoas procuram fugir do caos das grandes cidades e vão em busca de lugares onde reina a paz e em que o único som que se faz ouvir é o da natureza.

72 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


PROBASTO | TERRA DE BASTO

O IMPORTANTE PAPEL DA PROBASTO Maria José Santos, Coordenadora

Maria José Santos, a Coordenadora da Probasto, evidenciou o trabalho notório que a organização tem feito em prol da promoção da Terra de Basto. A Terra de Basto está dividida por dois distritos, localizados numa zona de transição entre o Litoral Norte e o Interior de Trás-os-Montes. Contudo, os concelhos que as constituem (Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Mondim de Basto e Ribeira de Pena) representam uma zona contínua e homogénea centrada sobre o Rio Tâmega considerado, por si só, um elemento tradicionalmente aglutinador. Aliás, a água é um elemento sempre presente em Basto, quer pela sua qualidade e importância nas atividades rurais tradicionais, desde os vinhedos aos lameiros, quer pela beleza que confere à paisagem. As paisagens de Terra de Basto encontram-se dispostas em anfiteatro sobre o Tâmega e limitadas por um conjunto de formação montanhosa, o que em termos físicos, lhe confere uma grande coesão interna. Historial da Probasto Desde 1991, ano da constituição da Probasto, que esta entidade vem desenvolvendo atividades no território com vista ao apoio e implementação de projetos que promovem o desenvolvimento rural. Para além da gestão dos Programas Leader I, Leader II, Leader +, sub-programa 3 do PRODER, e mais recentemente, o DLBC, o SI2E e o + CO3SO, a Probasto tem participado, simultaneamente, na implementação de vários projetos de cooperação, quer interterritorial, quer transnacional, nomeadamente: • • • • • • • • • •

Projeto Aldeias de Tradição e Aldeias de Portugal; Sementes de Futuro; 7 Maravilhas da Gastronomia; EQUAL “Parques com Vida”; Carta Europeia do Turismo Sustentável (CETS Alvão); Rota do Românico; Marca NATURAL.PT; MINHO IN; Rural Experimenta; Bioeconomia.

Simultaneamente, a Probasto tem marcado presença em vários certames, designadamente, feiras de turismo, artesanato e outras temáticas, sempre em representação do território. Os vinhos, o mel, os doces, o desporto natureza, o turismo rural, o artesanato e o próprio território constituem um cabaz global, cuja imagem a Probasto já consolidou e procura divulgar e contagiar, sobretudo em espaço supra regional. Com uma experiência de 30 anos em matéria de gestão de instrumentos de política de desenvolvimento local, a Probasto já aprovou mais de um milhar de projetos que significaram um investimento nas Terras de Basto de 28 milhões de euros, divi-

didos em investimento público e privado e consubstanciados em riqueza para o território, para as empresas e melhoria da qualidade de vida das pessoas. Ao nível da parceria (GAL PROBASTO), a mesma é composta por 26 entidades, sendo de destacar a sua diversidade e representatividade ao nível dos vários sectores de atividade existentes no território, aspetos que foram evoluindo ao longo da implementação dos vários Programas. Promoção de workshops A Probasto promoveu recentemente nos quatro concelhos um ciclo de workshops temáticos, inseridos numa estratégia de valorização e posicionamento da Região no contexto do Turismo de Natureza com destaque para o walking & cycling. Foram abordadas questões de estruturação, diferenciação e posicionamento do destino Basto e seus produtos turísticos, através do conhecimento e apresentação de um caso real desenvolvido no território da Peneda-Gerês, enquanto destino e produto walk friendly. Entre outros objetivos pretendeu-se incentivar à cooperação das empresas que atuam na economia do turismo em Basto, visando melhorar a sua competitividade assim como a competitividade do destino turístico Basto. De salientar a oportunidade dos empresários se conhecerem, trocarem perspetivas, expetativas, e desfrutarem de um espaço de encontro, motivação e inspiração renovadas para o desenvolvimento das suas atividades profissionais, numa lógica de mitigação de pontos fracos e otimização de pontos fortes. Perspetivas para o futuro O futuro da PROBASTO passa por consolidar e afirmar o território rural através do desenvolvimento de projetos que tragam desenvolvimento e contribuam para mitigar os efeitos da interioridade que nos carateriza. Temos consciência do impacto que a conjuntura nacional e internacional tem em territórios como Basto, mas também se reconhecem as oportunidades que podem surgir em contextos desfavoráveis. O território é distinto, as pessoas são o cerne e as entidades, em conjunto, são detentores de experiência e muita vontade de prosperidade. No momento, a Probasto posiciona-se já para continuar a ser a entidade gestora de um envelope financeiro que Bruxelas disponibilizará no próximo Quadro Comunitário. www.probasto.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 73


TERRA DE BASTO | CM CABECEIRAS DE BASTO

SOSSEGO E AVENTURA DE MÃOS DADAS

Segundo Francisco Alves, o Presidente da Câmara Municipal, em Cabeceiras de Basto reina o poder da Natureza. Francisco Alves, Presidente

Quais os principais locais de interesse turístico do município de Cabeceiras de Basto? Em Cabeceiras de Basto o imenso verde é toldado por rios e ribeiras, um lugar onde o sossego e a aventura ‘andam de mãos dadas’, onde a monumentalidade e a história marcaram a vivência das nossas gentes. Em Cabeceiras de Basto o poder da Natureza corta a respiração! Prova disso mesmo são as exuberantes paisagens que podem ser apreciadas dos miradouros naturais existentes ao longo de todo o território. Esta Rede de Miradouros, constituída por 11 intervenções espalhadas de norte a sul do concelho, encontram-se em zonas altas e de vistas desafogadas, debruçadas sobre os vales. Estes espaços assumem um papel de interesse turístico e cultural. Existem também trilhos para percorrer, como o do Pisão e do Nariz do Mundo, o da Ribeira de Cavez, o das Torrinheiras e o da Levada de Víbora. Paralelamente, oferecemos agradáveis passeios, a pé ou de bicicleta, pela Ecopista do Tâmega, na freguesia do Arco de Baúlhe e Vila Nune. Nos dias tórridos de verão, os veraneantes podem desfrutar da Praia Fluvial de Cavez ou das Zonas Fluviais do Poço de Frade, da Ranha, do Caneiro e de S. Nicolau que permitem, para além da fruição das multivalências das suas áreas de lazer, banhos refrescantes nas águas dos rios de Cabeceiras de Basto ou a prática de desportos aquáticos, como a canoagem ou o canyoning. São também pontos obrigatórios de visita o Centro de Educação Ambiental e o Centro Hípico em Vinha de Mouros, dois equipamentos localizados num local sobranceiro ao centro da vila, que cativam grande número de utilizadores e visitantes. E ao nível da gastronomia e da cultura, o que é que esta região tem de melhor para conhecer? Cabeceiras de Basto é um concelho para descobrir, desfrutar e degustar. É um local de cultura, de tradições e de boa gastronomia. Os nossos produtos certificados de grande qualidade, como as carnes barrosã e maronesa, o cabrito das Terras Altas do Minho, o mel de Basto, os vinhos de Basto que podem ser degustados nos diferentes restaurantes, mas também o fumeiro, os licores, as compotas, os doces são produtos a destacar. Em Cabeceiras de Basto a gastronomia carateriza-se por sabores sublimes e autênticos. O património edificado e arqueológico em Cabeceiras de Basto é muito rico e bastante diversificado. Para descobrir, o visitante pode começar pelo ex-líbris do

74 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

concelho – que é o nosso Mosteiro de S. Miguel de Refojos – e, estando na Praça da República, apreciar também a estátua d’ O Basto que personifica a “raça” das gentes desta região. Destaque, também, para a Casa do Tempo, a Casa da Lã, o Núcleo Ferroviário do Arco de Baúlhe e o Núcleo de Arte Sacra, assim como os Moinhos de Rei mandados construir pelo Rei D. Dinis. A Festa de S. Miguel de Refojos realiza-se no próximo mês de setembro. A animação está garantida, certo? A Feira e Festas de S. Miguel constituem um dos cartazes de maior atração de público das terras do norte do país. Em época de colheitas agrícolas, esta feira secular, que também é festa, valoriza aquilo que de melhor se produz nesta região, bem como as tradições mais genuínas. A feira de S. Miguel é um acontecimento que data da Idade Média. Começou por ser uma feira franca e foi sempre muito concorrida por forasteiros que a animavam desde o alvorecer do dia 20 até ao dia 30 de setembro. O dia 28 é o dia do grande arraial minhoto que se propaga pela noite dentro, dando lugar às festas da vila no dia 29, dia do padroeiro, Arcanjo São Miguel, notando-se a vistosa e rica procissão, uma das mais afamadas do Minho. A Feira e Festas de S. Miguel aliam a tradição à modernidade. Uma festa religiosa que tem também associada uma vertente pagã, onde os usos e costumes assumem evidência. Ao longo dos onze dias de festa, o programa incluiu animação para todos os gostos e diferentes públicos. Destaque para as chegas de bois, corridas de cavalos, concurso pecuário, desfolhada, garraiada, para o folclore, ronda das concertinas, cantares ao desafio, dança e teatro, entre outros artistas/cantores em destaque no panorama nacional. Organizamos também a Agrobasto – Exposição/Feira das Atividades Económicas de Basto. Em colaboração com as Juntas de Freguesia e com as Associações Locais, a Câmara Municipal organiza o Cortejo Etnográfico que tem como principal objetivo a promoção e valorização do património natural e edificado, das gentes, dos costumes, das memórias, das lendas, da medicina popular e dos ofícios de cada uma das freguesias do nosso concelho. A oferta é extraordinária e para todos os gostos. Visite Cabeceiras de Basto!

www.cabeceirasdebasto.pt


CM CELORICO DE BASTO | TERRA DE BASTO

José Peixoto Lima, Presidente

CELORICO DE BASTO: ONDE O MINHO MUDA DE COR

Para aqueles que procuram aliar a natureza, o desporto, a história e a cultura, Celorico de Basto é a melhor opção e quem o afirma é José Peixoto Lima, o Presidente da Câmara Municipal.

Enumere os motivos pelos quais as pessoas devem visitar Celorico de Basto (ao nível do património, da natureza, da cultura, entre outros). Celorico de Basto assume-se, cada vez mais, como um destino turístico de excelência. Temos um vasto património arquitetónico com história anterior à da própria nacionalidade, temos um património natural de encantar pintado pelo verde dos seculares jardins de camélias e pelas extensas vinhas do nosso afamado vinho verde, e temos um clima ameno temperado pelas águas do rio Tâmega. A animar o território, Celorico de Basto conta ainda com uma vasta agenda cultural que alia o património e a história, o desporto e a natureza, a gastronomia e os vinhos verdes. De que forma promovem a gastronomia, a cultura e o turismo da região? Celorico de Basto conta com inúmeros eventos anuais que têm por objetivo promover o muito que de bom se faz por cá e nos distingue, com destaque para a Festa Internacional das Camélias, que se realiza anualmente no mês de março, e que destaca o nosso património natural de encantar, as Festas do concelho em julho, a Feira de Artesanato e Gastronomia em agosto que valoriza e promove a nossa gastronomia, o nosso artesanato e os nossos vinhos verdes, a tradicional Feira de Santa Catarina em novembro que destaca muitos dos nossos produtos endógenos, e a Feira Medieval que se realiza na aldeia do Castelo. Outros eventos se destacam ao longo do ano, nomeadamente espetáculos musicais, nomeadamente o Festival Inquieto e o CBT Rock, espectáculos de teatro, e as tradicionais romarias e festas populares, com destaque para a tradicional romaria à N. Sra. do Viso. Eventos que realçam o que é nosso, a nossa cultura, a nossa identidade, a nossa tradição, e que ajudam a promover Celorico de Basto como um destino de eleição para quem procura aliar a natureza, o desporto, a história e a cultura.

Agosto é mês de festa para os habitantes de Celorico de Basto. Assim sendo, o que nos pode contar sobre a feira de artesanato e gastronomia a decorrer entre 11 e 15 de agosto? Gostaria de deixar um convite aos portugueses? A Feira de Artesanato e Gastronomia é um dos maiores eventos do nosso programa anual de atividades e um dos maiores do género na região e no país. Temos preparada a 23ª edição de uma feira que tem vindo a crescer de forma sustentada ao longo das duas últimas décadas, uma edição que marca também o regresso das festividades após dois anos de interrupção devido à pandemia. Estamos a preparar algumas novidades, pensadas na promoção da identidade do concelho, nomeadamente os produtos locais, com especial destaque para o vinho verde, elemento distintivo da região, com um valor crescente na economia, por força do trabalho realizado nos últimos anos na valorização da vinha e do vinho e pelo esforço e capacidade dos nossos produtores que têm vindo a criar produtos de elevado valor, conquistando o mercado nacional e estrangeiro, fazendo de Celorico de Basto um dos principais produtores da região dos vinhos verdes. Temos confirmada a presença de mais de duas dezenas de produtores, todos do nosso concelho, com marcas que são já uma referência no panorama nacional. Faço o convite para que visitem Celorico de Basto por estes dias, que conheçam o nosso património natural e edificado, que se deliciem com a nossa gastronomia e os nossos vinhos. Tenho a certeza que ficarão com vontade de voltar e conhecer tudo o que temos para mostrar a quem nos visita.

www.mun-celoricodebasto.pt REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 75


TERRA DE BASTO | CM MONDIM DE BASTO

BELEZA, SIMPLICIDADE E AUTENTICIDADE

Bruno Ferreira, Presidente da Câmara Municipal de Mondim de Basto, destaca os pontos de interesse turístico do concelho e deixa o convite para a XVII Edição da Feira da Terra. As Fisgas de Ermelo são uma das grandes referências da região de Mondim de Basto. Que outros pontos de interesse turístico aconselharia aos visitantes do concelho? Aos visitantes do nosso concelho aconselhamos, além das Fisgas de Ermelo, quatro locais a não perder por um verdadeiro Explorador por Natureza. O primeiro, a pouco mais de um quarto de hora do centro de Mondim de Basto, é o Parque Natural do Alvão, que assume um papel determinante na oferta da biodiversidade. As coisas mais simples e mais autênticas encontram-se aqui: as aldeias de granito e colmo suspensas nas nuvens de algodão, aldeias de xisto e lousa encrostadas nas gargantas das montanhas dão vida ao Alvão. As Fisgas de Ermelo são o local mais emblemático da área protegida do Parque Natural do Alvão e são uma das maiores quedas de água da Europa, com um desnível de cerca de 400 metros. Segue-se a Senhora da Graça, conhecida pela mítica subida ao “Monte Farinha”. É um dos momentos mais esperados na Volta a Portugal em Bicicleta, seja pela dureza da prova ou pela moldura humana. Eleva-se a uma altitude de cerca de mil metros, sendo um local privilegiado para os amantes de natureza e importante referência desportiva. É destino de fé, religião e de turismo nacional e internacional. Em terceiro, aconselhamos a conhecerem as “Levadas do Alvão”, canais criados para transporte de água para irrigação dos campos. Os percursos pedestres concebidos junto às “Levadas do Alvão” são embrenhados pelas paisagens e sons da natureza, lado a lado com a leveza do correr das águas. De alto a baixo, o tecido granítico do concelho de Mondim de Basto é rasgado por rios e riachos que escondem locais paradisíacos como: o Rio Tâmega e a sua Ponte Centenária, os Rios Ôlo e Cabril e as suas Pontes Medievais e o Rio Cabresto e a sua Ponte Romana. Por fim, mas não menos importante, recomendamos a Estrada Nacional 304 que é uma das mais inesquecíveis estradas do mundo. Considerada pela Ford, em 2019, como uma das melhores estradas para conduzir e a Europe’s Greatest Driving Roads também já a sugeriu! O trajeto mais bonito entre a vila de Mondim de Basto e o Alto de Velão oferece magníficas paragens obrigatórias para tirar fotografias e imortalizar momentos que ficarão na sua memória para sempre.

76 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Bruno Ferreira, Presidente

E relativamente à gastronomia, o que é que este concelho tem para oferecer? É na riqueza do património natural que a gastronomia Mondinense vai buscar os seus principais valores. A suculência e o flavor evidenciam-se na tradicional Posta Maronesa, onde dos prados naturais de altitude e da vegetação espontânea dos montes vem a carne do Cabrito Assado com arroz de forno. Da nossa tradição, constam da ementa da terra as Couves com Feijão, o Arroz de Cabidela, os Milhos Ricos e o Fumeiro, pratos estes tão bem acompanhados pelos Vinhos Verdes, brancos e tintos, que dão alma ao corpo da nossa gastronomia. Entre os dias 4 e 7 de agosto terá lugar a XVII Edição da Feira da Terra. Explique em que consiste este certame e enumere os motivos pelos quais as pessoas devem marcar presença. A Feira da Terra regressa para mais uma edição de promoção dos produtos da terra e demonstrações das tradições e costumes Mondinenses. Após dois anos afastados de todas as festividades ficamos entusiasmados em anunciar que a Feira da Terra retorna ao nosso Município. A pandemia da COVID-19 privou-nos da confraternização, dos abraços e da animação e, mais do que nunca, queremos que esta edição seja o recomeço certo de tudo aquilo que mais gostávamos nestes dias de promoção e divulgação dos produtos da Terra, e de convívio entre munícipes e todos aqueles que nos visitam. De 4 a 7 de agosto, a XVIII edição da Feira da Terra terá como principal objetivo a promoção dos recursos e potencialidades do nosso concelho. Contará com a presença de mais de uma centena de expositores desde agricultores, artesãos, restauração, vinhos e ainda entidades de desenvolvimento local. No programa de animação damos especial destaque à participação dos grupos de cantares do concelho e aos espetáculos de animação de rua. A Feira da Terra é um evento da responsabilidade da Câmara Municipal que encara este certame como um meio de potenciar os valores económicos, culturais e sociais da nossa região. Nestes dias os nossos visitantes poderão sentir Mondim como Cultura, Tradição e Identidade.

www.municipio.mondimdebasto.pt


CM RIBEIRA DE PENA | TERRA DE BASTO

FEIRA DO LINHO: MOSTRA DE PRODUTOS LOCAIS Conhecer as gentes de Ribeira de Pena é de uma riqueza particular, nos seus lugares, nas suas aldeias, como conta João Noronha, Presidente da Câmara Municipal, em entrevista. Enumere os motivos pelos quais as pessoas devem visitar Ribeira de Pena (ao nível do património, da natureza, da cultura, entre outros). Ribeira de Pena tem ofertas excepcionais relacionadas, essencialmente, com a natureza. São vários os parques de lazer junto aos nossos rios Beça e Poio que permitem um contacto único com os nossos recursos naturais, há percursos pedestres que podem ser usados junto ao rio Tâmega e ficar a conhecer melhor por onde Camilo Castelo Branco também andou na sua juventude. O núcleo museológico de Ribeira de Pena permite uma viagem aos diferentes tempos e culturas vividas no nosso concelho – Museu Escola, Museu do Linho, Casa de Camilo. Durante este verão há inúmeras possibilidades de viver as festas populares bem como uma programação específica do município que levará aos vários pontos do concelho, espetáculos intimistas e únicos em cada lugar de beleza singular. Conhecer as nossas gentes é de uma riqueza particular, nos seus lugares, nas suas aldeias. Há recantos sui generis que merecem uma visita atenta – a Natureza em estado puro.

João Noronha, Presidente

De que forma promovem a gastronomia, a cultura e o turismo da região? Temos estado presentes em várias mostras de produtos quer a nível nacional e também internacional. Através de programas próprios do município ou em conjunto com a Comunidade Intermunicipal, Ribeira de Pena tem feito por se promover nos diversos locais onde o fluxo de pessoas interessadas em conhecer é mais intenso. Anualmente também temos a nossa Feira do Linho que permite mostrar um conjunto de produtos locais relacionados com esta cultura e não só. Também realizamos todos os anos o Fim de Semana Gastronómico dos Milhos, em que se promove este produto de forma mais específica. Agosto é mês de festa para os habitantes de Ribeira de Pena. Assim sendo, o que nos pode contar sobre a feira de artesanato e gastronomia a decorrer entre 05 e 07 de agosto? Gostaria de deixar um convite aos portugueses? A Feira do Linho é um momento muito importante de celebração no calendário anual de Ribeira de Pena. A Feira do Linho é mais do que um momento de mostra de produtos locais, por si só muito importante e reveladora do que mais tradicional ainda se vai fazendo no nosso concelho, mas é também um lugar onde a contemporaneidade ressalta no refinadíssimo desfile de moda que, desde 2018, é realizado no âmbito da Feira do Linho. Durante estes três dias de festa há um sem número de animação que poderá ser do apreço dos locais e dos visitantes mas reitero que a noite do desfile é um momento em que o tradicional e o contemporâneo se unem de forma única e, certamente, tem todo o potencial para ser um momento memorável para todos aqueles que nos visitem nesse dia.

www.cm-rpena.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 77


TERRA DE BASTO | IMÓVEIS B&B

Gil Neto, CEO do Grupo B&B e Carol Barbosa, Diretora da Agência

MODERNIDADE, DISPONIBILIDADE E RESPONSABILIDADE Começou na advocacia, mas rapidamente se apaixonou pelo mercado imobiliário. Em poucas palavras, esta é a história de Gil Neto, CEO do Grupo B&B, que se rendeu aos encantos de Portugal e, juntamente com a esposa, Carol Barbosa, abriu a agência Imóveis B&B. Gil Neto é advogado de formação desde 2007, porém, sempre se focou no mercado imobiliário. Durante alguns anos trabalhou numa construtora, no entanto ingressou no ramo imobiliário em 2002, quando fundou uma agência no Rio de Janeiro, a Barbosa & Barbosa Assessoria Imobiliária – dirigindo-a até 2007, justamente na altura em que terminou o curso de Direito. A pós-graduação realizada em Portugal na Universidade de Coimbra, fez com que o entrevistado passasse a ver o país com “outros olhos”. Assim, em 2016, toma a decisão de vir com a esposa, Carol Barbosa, para Portugal “à procura de uma maior tranquilidade”, salienta. Após uma fase inicial de adaptação ao país, o casal decide comprar uma casa em Cabeceiras de Basto. Curiosamente, foi durante esse processo de compra de casa que, em conversa com o proprietário da agência escolhida para tratar do processo, Gil Neto abordou o seu percurso profissional e foi assim convidado para integrar a empresa. Perante a parca qualidade dos serviços prestados pelas agências que visitaram, o empresário ficou encarregue de levar esta agência a bom porto e acabou por pedir ajuda a Carol que, mesmo sem experiência na área, embarcou com ele nesta nova aventura. Meses mais tarde, o sucesso verificou-se, no entanto, começaram algumas divergências com o proprietário da marca, por isso é o momento em que nasce a Imóveis B&B, Agência dirigida pela Carol Barbosa. Decorridos três anos da génese da agência, os entrevistados fazem um balanço

78 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

muito positivo do caminho percorrido até ao momento e revelam que a concorrência é muito saudável, pois faz com que uma pessoa “não se acomode com aquilo que já foi alcançado e procure sempre evoluir, fazendo mais e melhor”, salientam. Uma das caraterísticas que distinguem esta agência são as visitas virtuais que tiveram um aumento significativo desde o início da pandemia. Isto deve-se, sobretudo, à aposta e ao investimento que fizeram no marketing e nas redes sociais. Aliás, a Imóveis B&B patrocina os vários escalões (exceto os juniores e seniores) da Contacto Footsal Clube, a equipa de futsal mais popular da região de Cabeceiras de Basto, o que consistiu também numa grande oportunidade para a divulgação da marca, além do apoio ao desporto local. Relativamente à zona de atuação, esta agência abrange as Terras de Basto, inclusivé Ribeira de Pena e Salto (a maior freguesia do concelho de Montalegre). Há ainda a destacar a presença de um comercial em Guimarães e outro em Braga. Apesar da Imóveis B&B ainda não possuir outras lojas físicas, para o futuro perspetiva-se que isso possa acontecer e, quem sabe, no arquipélago da Madeira. E já que falamos do futuro, para Gil Neto, o cenário que se aproxima para o mercado imobiliário não é muito animador, uma vez que “a inflação é uma realidade e o remédio amargo para o combate a esta situação é a subida dos juros, o que afeta significativamente os créditos imobiliários”. Para além disso, o preço dos materiais de construção aumentou consideravelmente e o poder de compra das pessoas é menor. Por todos estes motivos e também por saberem que este não é um negócio de casas, mas sim de pessoas, Gil Neto e Carol Barbosa têm nos valores da modernidade, disponibilidade e responsabilidade, a chave para dar resposta aos obstáculos que possam surgir pelo caminho da Imóveis B&B.

www.imoveisbeb.pt


CM LOURINHÃ | PRÉMIO AUTARQUIA DO ANO

LOURINHÃ E O APOIO AOS SEUS MUNÍCIPES O Presidente João Duarte Carvalho, em entrevista, revela que o seu objetivo é deixar um concelho melhor para as próximas gerações.

O Município da Lourinhã foi distinguido com o Prémio Autarquia do Ano com o projeto Buy Lourinhã. O que representa a distinção? João Duarte Carvalho, Presidente Trata-se do reconhecimento pelo trabalho desenvolvido durante a pandemia no âmbito do apoio ao tecido empresarial. A plataforma foi, sem dúvida, uma das medidas de maior destaque como forma de promover a integração das micro, pequenas e médias empresas na economia digital, criando um marketplace e fomentado a venda de produtos e serviços das empresas do concelho. A Buy Lourinhã apresenta diversos sectores de atividade em que se destaca o vestuário, alojamento, retalho alimentar, serviços imobiliários, seguros, materiais de construção, entre outros. Tendo havido esta aceitação e adesão por parte do tecido empresarial local e por parte da comunidade, o Prémio Autarquia do Ano veio dar alento para continuar a trabalhar em prol do apoio ao comércio local. A adaptação ao digital foi uma forma de estar mais perto da comunidade? A aproximação à comunidade e ao comércio local é uma das prioridades do Município da Lourinhã que tem um gabinete próprio para estabelecer a sua relação com o tecido empresarial, criando proximidade e networking – Gabinete de Apoio ao Empresário da Lourinhã (GAEL) – e tem vindo a implementar diversas atividades de apoio de que são exemplos a campanhas desenvolvidas em parceria com a ACIRO “Compre no Comércio Local. É bom, é nosso” e “Natal é no Comércio Tradicional”. A plataforma Buy Lourinhã foi mais uma forma de aproximação à comunidade, apoiando este sector do comércio local em período pandémico e permitindo a sua transição para o digital. Visto que muitos comerciantes nunca tinham contactado com o digital, o município desenvolveu ações de capacitação no âmbito das funcionalidades da plataforma e da fotografia de produto. Quais as caraterísticas que fazem da Lourinhã o município ideal para se viver, visitar e investir? É um município localizado a cerca de 60 km de Lisboa com uma linha de costa de 12 km onde podemos encontrar praias de reconhecida qualidade. São três as praias com Bandeira Azul, duas com o galardão Qualidade de Ouro e três com a distinção Praia Acessível. Desde 2015 que é também atribuído à Lourinhã o Galardão Bandeira Verde ECOXXI promovido pela ABAE – Associação da Bandeira Azul da Europa que reconhece as melhores práticas de sustentabilidade ao nível municipal.

Do ponto de vista turístico, destaca-se a paleontologia, mas também o património associado ao turismo militar, religioso, aos amores de D. Pedro e D. Inês, ao Mar, à gastronomia de mar, aos desportos náuticos e aos inúmeros produtos de qualidade como é o caso do pão, abóbora, Aguardente DOC Lourinhã, sendo a Lourinhã uma das três regiões demarcadas do mundo para a produção de aguardentes vínicas. Com interessantes dinâmicas culturais e sociais, o Município da Lourinhã aposta na sustentabilidade económica, social e cultural e apoia o empreendedorismo, nomeadamente através da existência de uma incubadora de empresas: Startup Lourinhã. Além disso, o território apresenta uma localização geográfica que lhe confere especificidades físicas, paisagísticas e humanas distintas, conciliando uma extensa faixa litoral com uma área de interior com características predominantemente rurais, o que permite tirar partido do melhor da praia e do campo. Que projetos ainda espera concretizar neste último mandato? Encaro este meu último mandato como se fosse o primeiro. Temos vindo a trabalhar com empenho e dedicação à causa pública, de forma a assegurar os compromissos assumidos com os lourinhanenses. Face à dinâmica imposta, registamos neste momento um aumento significativo da população residente e temos vindo a trabalhar de forma a aumentar as infraestruturas de suporte, tais como, as redes de abastecimento de água e saneamento. Assumimos desde sempre que a educação é um eixo estratégico do nosso projeto e dessa forma estamos a realizar um conjunto de investimentos na melhoria do parque escolar, proporcionando as melhores condições aos nossos alunos. Potenciando os fundos comunitários, elaborámos um conjunto de projetos de requalificação urbana, criando novas zonas verdes e de lazer, que irão melhorar significativamente o nosso território, tornando-o mais sustentável. As intervenções no Parque Verde da Cegonha, do eixo Ribeirinho do Rio Grande, da envolvente da Igreja do Castelo bem como a regeneração do Cordão Dunar, são projetos a concluir brevemente. Insisto na melhoria das acessibilidades ao concelho, com a criação de variantes à Lourinhã, de forma a garantir a segurança dos cidadãos e a reduzir tempos, para que as nossas empresas consigam escoar os seus produtos em condições competitivas. Estou focado em deixar um concelho melhor para as gerações vindouras, mais atrativo e com melhor qualidade de vida, tendo sempre presente a estabilidade financeira e os objectivos para o desenvolvimento sustentável.

www.cm-lourinha.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 79


PRÉMIO AUTARQUIA DO ANO | CM SERPA

SERPA: PATRIMÓNIO E TRADIÇÃO O Presidente João Palma salienta o papel das gentes do concelho que fazem de Serpa uma terra ainda mais forte. A distinção com o Prémio Autarquia do Ano, no projeto “Gente Saudável em Corpos Ativos”, resulta da promoção de uma vida mais ativa e saudável junto dos munícipes? Para o Executivo da Câmara Municipal de Serpa o compromisso assumido com a faixa etária dos mais maduros, passa pela criação de atividades que promovam o envelhecimento ativo. Pretende-se que o exercício intelectual e físico, desenvolvido entre pares, contribuam para retardar problemas de saúde, evitando o isolamento social. São muitos os que se inscreveram na Academia Sénior e nas Oficinas Seniores que têm lugar nas diversas freguesias do concelho de Serpa, optando por um percurso de atividade e de aprendizagem, de partilha e de crescimento pessoal. A Academia Sénior de Serpa, fundada em 2009, pretende ser uma resposta social e cultural ao envelhecimento da população. Em 2017 iniciou-se o processo de alargamento da mesma às freguesias, com o objetivo de promover o envelhecimento ativo, proporcionando oportunidades para a troca de experiências, para a participação nas atividades sociais e culturais, para o ensino, para a formação ou para o convívio. Paralelamente, a autarquia promove o programa Gente em Movimento, em todas as freguesias do concelho, dirigido também a esta faixa etária. Falamos de um programa de atividade física promovido pelo Município de Serpa, desenvolvido em parceria com as Uniões e Juntas de Freguesia, destinado à população sénior residente no concelho. Visa promover a ocupação saudável dos tempos livres, orientado para o desempenho de atividades desportivas, de animação e lazer, facilitando um envelhecimento saudável e participativo, potenciando a melhoria da sua qualidade de vida. O Gente em Movimento divide-se atualmente em três modalidades: ginástica, hidroginástica e boccia sénior, sendo que na ginástica existem dois grupos, o “Ativo” e o “+Ativo”. As aulas do Programa decorrem de forma descentralizada, à exceção das aulas de hidroginástica que são lecionadas na Piscina Municipal Coberta, em Serpa.

80 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

“Cante nas Escolas” é um projeto promovido pela câmara de Serpa, em que é que consiste? Em abril de 2009, o Município de Serpa implementou o ensino do Cante nas escolas do 1.º ciclo do ensino básico, em contexto escolar, com os alunos do 3.º e 4.º ano de escolaridade, com aulas semanais, ministradas por um formador especializado em Cante Alentejano. Para além do ensino, faz-se também a recolha de modas tradicionais do concelho de Serpa e respetiva etnografia que lhe está associada, junto das famílias dos alunos e agentes locais. O ensino nas escolas do 1.º ciclo do ensino básico do Cante Alentejano permite valorizar a cultura popular tradicional e incentivar os mais novos a dar continuidade ao Cante Alentejano, um dos objetivos também propostos no Plano de Salvaguarda do Cante promovido pelo Município. São exploradas modas do cancioneiro tradicional alentejano, respeitando as festividades cíclicas que caracterizam o concelho e a região. O projeto é uma ferramenta privilegiada de motivação para o ensino e aprendizagem do Cante, bem como para a revitalização e dignificação desta que é a mais marcante manifestação cultural da população alentejana. Fruto deste projeto, registou-se o aumento de jovens a integrarem Grupos Corais, bem como a constituição de novos grupos de jovens no concelho. De destacar que o Projeto Cante nas Escolas está integrado no Plano Municipal de Combate ao Insucesso Escolar. No ano passado foram concluídas as obras de reabilitação do mercado municipal. Como é que os munícipes têm reagido ao “novo mercado”? Pensamos que a requalificação do Mercado Municipal, que teve como objetivo a melhoria das condições de funcionamento, criando novas funcionalidades, adequando o espaço às necessidades e exigências atuais e valorizando o seu papel como centro privilegiado de comércio de proximidade, de revitalização urbana e de promoção dos recursos locais de qualidade, valorizando também a sua vertente turística e o reforço da marca Serpa na promoção dos recursos locais de qualidade, foi apreciada por todos. Pelos que compram, pelos que vendem, mas também pelos visitantes que aí podem encontrar, além dos produtos frescos da


época, a Loja do Queijo e a Loja do Vinho, onde estão à venda as melhores produções do concelho. Está ainda disponível no Mercado, o Centro Interpretativo do Queijo Serpa, um projeto da iniciativa do Município, totalmente dedicado a este produto, com materiais expositivos e informação multimédia. Dentro das novas funcionalidades criadas com a intervenção, existe um espaço multiusos com cozinha, que permite realizar ações de dinamização e de sensibilização, nomeadamente oficinas de culinária, provas e degustações, iniciativas culturais, entre outras atividades. O Mercado Municipal de Serpa integra o projeto Serpa - Mercados em Rede, no qual o Município pretende criar, revitalizar e dinamizar os seis mercados do concelho - Serpa, Brinches, Pias, Vila Nova de S. Bento, Vale de Vargo e Vila Verde de Ficalho – os quais vão estar todos em interligação, criando sinergias próprias e complementares no quadro da estratégia municipal para o desenvolvimento do concelho, na qual os recursos terra e o património se constituem como pilares estruturantes. Para quem visita Serpa, quais os pontos de passagem obrigatórios? E relativamente à gastronomia, que produtos destaca? Serpa é sinónimo de patrimónios e de tradição. O Cante, por exemplo, é algo que não se pode perder, seja em eventos anuais de divulgação e promoção deste cantar polifónico, seja em ensaios dos Grupos Corais, muitos abertos ao público (mediante marcação). O Queijo Serpa é o produto mais emblemático do concelho, mas anda sempre “de braço dado” com o pão, o vinho ou os enchidos. A gastronomia típica, que pode ser degustada nos restaurantes no concelho, é composta por iguarias tradicionais que fazem crescer água na boca. Caldo de bacalhau ou de cação, açorda, gaspacho, ensopado de borrego, entre muitos outros pratos típicos. Mas também a natureza e o património, são imagens de marca de Serpa. O Castelo de Serpa, local em que está instalado o Museu Municipal de Arqueologia, as muralhas, o aqueduto e a nora são também locais emblemáticos, a não perder. Quais os maiores desafios com que se tem deparado no seu primeiro mandato? Sendo este o meu primeiro mandato é um mandato de continuidade, em termos de opções e bases de trabalho. A realidade do concelho, do país e do mundo, alterou-se nos dois últimos anos,

tendo-se vivenciado uma estagnação económica e social decorrente da pandemia. Esta teve repercuções muito graves nas populações, sobretudo na faixa mais idosa, pelo isolamento e ausência de atividade, o que nos coloca agora desafios muito superiores aos que já sentíamos anteriormente. Torna-se necessário uma aproximação mais efetiva a estas populações e desenvolver atividades que lhes devolvam o gosto pelo sair de casa, passear e fazer atividades em conjunto. Por outro lado, é necessário retomar a atividade económica, que no nosso concelho está muito ligada às atividades agroindustriais e garantir que, por parte do município, toda a ajuda é prestada e que as atividades de promoção do concelho têm efetivamente impactos positivos na vida económica das empresas. Sem dúvida que outra das áreas importantes para o município é o estabelecimento de parcerias com as empresas e associações com vista à elaboração de candidaturas que nos permitam apresentar propostas ao Plano de Recuperação e Resiliência, dotando este território de infraestruturas e tecnologias que permitam fixar população. Apesar de distante dos grandes centros de decisão, este concelho é resistente e resiliente. Preservamos, e fazemos gosto em preservar, as nossas tradições e cultura e estamos certos de que além de todos os patrimónios que temos, são as pessoas o que de melhor temos. O município está de braços abertos para quem aqui chegue, seja para visitar, seja para residir, trazendo saberes e tecnologia, mas sobretudo vontade para fazer esta SERPA TERRA FORTE, cada vez mais forte!

www.cm-serpa.pt REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 81


BANDEIRA AZUL O galardão “Bandeira Azul” tem como principal objetivo promover um desenvolvimento sustentável, nomeadamente em praias costeiras, fluviais e lacustre, portes de recreio e marinas e embarcações de recreio e ecoturísticas que reúnam alguns critérios relacionados com a qualidade da água, a gestão ambiental, a segurança, a informação e a educação ambiental, a segurança e os serviços, a responsabilidade social e o envolvimento comunitário. Trata-se, por isso, de um símbolo de qualidade que tem o intuito de alertar e consciencializar os cidadãos para a importância de protegerem as suas praias e, ao mesmo tempo, preservarem o meio ambiente, de forma a garantir o futuro das próximas gerações. Assim, nesta edição colocamos em destaque Figueira da Foz, o município da região centro com mais bandeiras atribuídas a praias costeiras. São dez as praias distinguidas: Buarcos, Cabo Mondego, Costa de Lavos, Cova Gala, Cova Gala-Hospital, Figueira da Foz-Relógio, Leirosa, Murtinheira, Quiaios e Tamargueira.

82 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


Leirosa

Costa de Lavos

Cova Gala-Hospital

FIGUEIRA DA FOZ Praias Com Qualidade

www.cm-figfoz.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 83

Cabo Mondego


BANDEIRA AZUL | CM FIGUEIRA DA FOZ

FIGUEIRA: ÚNICA NO VERÃO E NO INVERNO

A Figueira da Foz é o Município da Região Centro com mais bandeiras azuis atribuídas a praias costeiras, num total de dez. Em entrevista à Business Portugal, Pedro Santana Lopes, Presidente da Câmara Municipal, salienta as singularidades que tornam a Figueira única, quer no verão, quer no inverno.

Qual é a importância para o concelho de possuir dez praias galardoadas com a Bandeira Azul? É inequívoca a importância de o concelho possuir dez praias galardoadas com a Bandeira Azul, pois significa que somos um concelho empenhado na sustentabilidade do turismo, por reunirmos critérios de natureza ambiental que evidenciam a nossa responsabilidade social para assegurar o respeito pela segurança, conforto e informação de quem frequenta as nossas praias. Sem esquecer, claro, a repercussão a nível internacional deste galardão por ser reconhecido como um Ecolabel, pela Comissão Europeia e pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente. ​​ Buarcos, Cabo Mondego, Costa de Lavos, Cova Gala, Cova Gala-Hospital, Figueira da Foz-Relógio, Leirosa, Murtinheira, Quiaios e Tamargueira são as praias distinguidas. Quais as principais características que destaca de cada uma delas que possa deslumbrar quem as visita? Há uma característica que é transversal a todas as praias, a beleza que as mesmas encerram, em termos específicos, vou limitar-me a indicar apenas uma característica de cada uma delas: Buarcos: conjuga um areal extenso, onde a prática de desportos de praia é uma realidade, a par do «Projeto Mais Mobilidade, Praia Segura para Todos», onde uma equipa permanente e exclusiva de dois nadadores-salvadores e uma cadeira anfíbia, conduzem veraneantes com mobilidade reduzida a tomar banho em segurança, sem esquecer a bonita baía que ali se forma, ao abrigo das Muralhas de Buarcos. Cabo Mondego: Para além de ser uma praia integrada na Área Protegida do Monumento Natural do Cabo Mondego, é muito apreciada para algumas atividades desportivas. Note-se que é nesta praia que nasce a onda mais comprida da Europa e que, em dias de maré baixa, nas poças de maré formadas nas cavidades rochosas, é perfeita para os mais novos brincarem e conhecerem a vida marinha local. Costa de Lavos: é uma praia perfeita para quem procura algum

84 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Figueira da Foz - Relógio

recato e tranquilidade, também apreciada pelos adeptos de desportos de água e por todos, em geral, aquando da reprodução de uma tradição piscatória: a famosa arte xávega. Cova Gala: Uma praia para relaxar com privacidade. Dividida por dois esporões e pontões, oferece um mar mais tranquilo, com bonitos recantos para os veraneantes que procuram zonas menos frequentadas. Cova Gala-Hospital: a quietude nas águas que resulta do facto da praia estar dividida por pequenos pontões que delimitam a agradável extensão de areia. Figueira da Foz-Relógio: A praia com a icónica Bola de Nívea, apresenta, para além dos passadiços, no presente ano, uma viatura que transporta os veraneantes, encurtando distâncias, não esquecendo a Piscina Insuflável este ano instalada para delícia dos mais novos, dos 4 aos 14 anos. Saliente-se que a Praia da Claridade, que percorre a Avenida 25 de Abril e a Avenida do Brasil, apresenta o areal de maior extensão urbana. Leirosa: Esta praia é por excelência tranquila, com uma imensidão de areia, boas ondas para o surf e um refrescante pinhal frondoso. Murtinheira: A praia que nos oferece um cenário único de beleza intacta onde a natureza e o mar se tocam, sem esquecer a riqueza dunar selvagem que a envolve. É uma praia muito popular entre adeptos da prática de surf e bodyboard. Quiaios: A praia ideal que combina mar, natureza, família e divertimento, onde as ondas são um convite constante à ação, sem esquecer que fica inserida na Mata Nacional das Dunas de Quiaios. Tamargueira: Praia para os apreciadores do sol, do mar e para aqueles que não dispensam o convívio entre amigos e família. Muito procurada por abrigar nas suas rochas uma grande quantidade de seres vivos como cracas, lapas e mexilhões. Que tipo de ações têm sido desenvolvidas nas praias para cumprir com os critérios da Bandeira Azul e que no fundo foram cruciais para alcançar as recentes distinções? O nosso serviço educativo programou um conjunto de atividades


CM FIGUEIRA DA FOZ | BANDEIRA AZUL

sobre o mote em causa, direcionadas a crianças de várias idades e que passaram e passam, pois ainda há atividades em curso, sujeitas a inscrição, por estarmos em período de férias letivas, por sensibilizar os mais novos para a importância de protegermos as nossas praias, conservando-as limpas. Desde logo, idas à praia para recolha de lixo e consciencialização do que não se deve fazer quando se frequenta uma praia; visualização de filmes seguidos de interessantes debates com esse público tão perspicaz sobre a poluição dos oceanos; workshops sobre a importância da preservação dos ecossistemas, alguns deles, atualmente, em curso no programa «Férias na Biblioteca». Tudo isto, tendo sempre presente uma verdade que, hoje já aceitamos como uma verdade de La Palisse, os mais novos assimilam fortemente o que apreendem nestas ações de educação ambiental, sendo os próprios os promotores de hábitos, gestos e atos cometidos pelos próprios familiares. Quais são as expectativas para o verão deste ano, em termos de turistas e repercussões económicas, após dois anos de limitações? As expetativas são positivas, mas resultados “só no final do jogo”. Tivemos, recentemente, um evento que trouxe milhares de visitantes à cidade e que, em termos de hotelaria, excedeu as expetativas. Fomos considerados pela Jetcost como a cidade do país mais procurada no mês de julho, a seguir a Porto Santo, o que por si só nos leva a inferir que a Figueira está no bom caminho em termos de procura turística. Temos e vamos continuar a investir em campanhas publicitárias que levem o nome da Figueira não só ao país, mas ao mundo. “Figueira, tu és única”, no verão e no inverno. Face ao exposto, estamos crentes que as repercussões económicas vão ser muito positivas e tudo continuaremos a fazer para que assim o seja, trabalhando e consolidando projetos para “fazermos o que ainda não foi feito”: Figueira como destino turístico anual. Além das praias com o selo da excelência das zonas balneares, que outros motivos destaca para uma visita à Figueira da Foz? Desde logo o património, não só edificado e historicamente tipificado, como o património enquanto conjunto de aspetos que integram a cultura deste concelho e são verdadeiros ex-líbris (Casa do Paço; Forte de Santa Catarina; Bairro Novo e Casino; Parque das Abadias; Museu Municipal Santos Rocha; Palácio Sotto Mayor; Paço de Tavarede; Núcleo Museológico do Sal; Marginal, desde a Torre do Relógio até Buarcos, em tempos uma aldeia piscatória, mas integrante da cidade, conservando ainda assim um ambiente próprio, mais tradicional; o Centro de Artes e Espetáculos; Ruas, algumas delas exclusivamente pedonais, com edifícios com fachadas cheias de história…). Depois a restauração, cuja oferta é rica e diversificada, onde o peixe da nossa costa é rei na mesa e onde a qualidade de oferta é cada mais elevada, sem esquecer a já célebre animação noturna que não se cinge ao Bairro Novo, mas se estende a todas as freguesias do concelho com espetáculos de natureza variada. E, por último, as gentes desta terra, a simpatia e a hospitalidade na receção daqueles que nos visitam e que queremos que voltem, não apenas no verão, mas durante todo o ano. Note-se que a Figueira da Foz apresenta uma situação geográfica privilegiada, central, capaz de catapultar visitantes todo o ano. Queremos uma Figueira para todas as estações do ano e não apenas cingida ao verão. Não posso terminar, sem elencar um motivo que destaco de suma importância numa visita à Figueira, o pôr do sol, sem dúvida o mais esplendoroso do país.

Pedro Santana Lopes, Presidente

Este ano assinalam-se os 250 anos de elevação da Figueira da Foz a vila e os 140 anos de elevação a cidade. Que iniciativas estão delineadas para homenagear a Figueira enquanto concelho, destacando o seu nascimento, identidade e afirmação? Estão delineadas atividades diversas e direcionadas a todo o público, dos 8 aos 80. Tratando-se de um evento histórico, deve, mais do que nunca, chamar a atenção de todos, dos mais novos para um conhecimento da história da terra que os viu nascer. É uma programação transversal e diversificada que congrega concertos, exposições, palestras, debates, sessões de leitura, desporto, entrevistas, no fundo, um leque muito abrangente que pretende alcançar várias gerações.

Leirosa

Tamargueira

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 85


LIDERANÇA: APOSTAS E DESAFIOS Liderar uma equipa é, por isso só, uma tarefa complexa. Torna-se ainda mais desafiante se olharmos para o contexto atual em que vivemos - o da transformação digital, que tem causado um grande impacto nos negócios. A comunicação é feita através das novas tecnologias, a informação chega a todo o lado e de forma extremamente veloz. Tudo isto torna o mercado cada vez mais competitivo e exigente e, por isso, é preciso que as empresas tenham um líder à altura e que saiba como motivar e incentivar os seus colaboradores. Assim, o representante da empresa deve reunir um conjunto de caraterísticas, entre as quais, delinear os objetivos da organização que lidera, saber fazer uma gestão eficaz do tempo, administrar conflitos e manter um bom ambiente “dentro de portas” e saber trabalhar e orientar a sua equipa em ambientes de maior stress. No entanto, o bom resultado de uma equipa é fruto do comprometimento de todos os seus membros. Por isso, só trabalhando todos juntos e com o mesmo objetivo é que conseguirão alcançar o sucesso e levar a empresa a “bom porto”.

86 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


NESTE VERÃO, NAVEGAR É O MELHOR NEGÓCIO!

+ 40.000 barcos para alugar, em destinos de todo o mundo e com o melhor preço. Leia as revisões de outros navegadores e reserve com segurança.

Pontuação de 4.7/5 por +100.000 clientes

www.clickandboat.com REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 87


LIDERANÇA: APOSTAS E DESAFIOS | NOGUEIRA FERNANDES

À CONQUISTA DO MUNDO Em entrevista, Joaquim Fernandes, Administrador, assume que a sustentabilidade tem sido um dos principais pilares da Nogueira Fernandes. “Um mundo em madeira” é o lema da empresa. Foi com o propósito de dar vida aos sonhos dos clientes que decidiram arriscar e abrir o vosso próprio negócio? Como é que tudo começou? Tudo começou em 28 de setembro de 1992. Cinco irmãos (Joaquim Fernandes, Alberto Fernandes, Fernando Fernandes, Paulo Fernandes e Miguel Fernandes) decidiram concretizar o sonho de fazer nascer uma empresa de construção em madeira e fizeram do seu nome, a marca: Nogueira Fernandes. A nossa primeira morada foi em Perafita, num pequeno armazém construído por nós mesmos. Com um pedido conjunto do subsídio de desemprego, a Nogueira Fernandes trabalhou durante nove anos em exclusividade para a empresa Consorcil. Contudo, os sonhos cresceram e por isso decidimos arriscar e conquistar o mundo por nós mesmos. Em 2001, adquirimos uma infraestrutura na Zona Industrial da Varziela, em Vila do Conde, onde permanecemos durante sete anos. Foram nessas mesmas instalações que começamos a realizar as nossas próprias construções esforçando-nos por criar produtos desejáveis, tecnicamente evoluídos e com um grande respeito pelo meio ambiente. O tempo foi passando e a Nogueira Fernandes conseguiu, assim, desvincular-se da empresa sobre a qual tinha exclusividade. Contratou mais colaboradores, adquiriu novas máquinas e aumentou consideravelmente sua carteira de clientes. Para acompanhar o seu crescimento, a empresa foi mudando de instalações para receber maiores equipamentos e projetos, foi o caso do armazém em Custóias onde permaneceu até 2008. Em 2020,

88 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

em plena pandemia por Covid-19, a Nogueira Fernandes mudou a morada para onde tudo começou: Perafita. Agora, nas suas maiores instalações de sempre, a Nogueira Fernandes tem grandes sonhos por conquistar. Falamos de uma empresa que já conta com mais de 29 anos de experiência no mercado. Assim sendo, o balanço que faz é positivo? O balanço é positivo. Temos crescido muito e a procura, felizmente, tem aumentado. Já vemos casas em madeira espalhadas um pouco por todo o nosso Portugal e isso deixa-nos orgulhosos. Recentemente, tornamo-nos uma empresa certificada pela APCER e já podemos contar com uma carteira de clientes de renome com os quais temos um enorme prazer em trabalhar. Podemos destacar alguns, além do caso que demos acima. São eles: Expertwoods, Grupo Pestana, Grupo Tivoli e Grupo Nau. Relativamente à oferta, quais os serviços disponibilizados ao cliente? Que valores fazem desta uma empresa única e merecedora de confiança? A qualidade dos nossos materiais e o tempo de construção (máximo de seis meses) são dois aspetos diferenciadores da nossa empresa. Temos uma equipa diversificada que está pronta a resolver todas as etapas para que o projeto se realize no menor tempo possível. Além disso, acreditamos que a empatia e a forma acolhedora como recebemos os nossos clientes é algo que faz a diferença. Contudo, a sustentabilidade, sem dúvida, é um dos aspetos que mais nos distingue no mercado. A Nogueira Fernandes preocupa-se, em todas as etapas, com o meio ambiente.


MULTISERVICE | LÍDERES E EMPRESÁRIAS DE SUCESSO Felizmente, a satisfação dos nossos clientes faz com que exista muito o “passa-a-palavra”. Acreditamos, também, que tal acontece pela qualidade das nossas construções e pelo suporte que damos ao cliente. Tentamos sempre nunca deixar o nosso cliente desamparado, estando sempre disponíveis para duvidas, alterações, entre outros. A sustentabilidade é uma das maiores preocupações da Nogueira Fernandes. Que medidas é que têm sido adotadas no sentido de proteger o meio ambiente? A Nogueira Fernandes tem a sustentabilidade como um dos principais pilares da empresa. Não avançamos com um projeto que sabemos, à partida, que poderá ter impacto na natureza. Por isso, tanto a nível interno como externo, tentamos ao máximo elevar os nossos padrões de sustentabilidade. A nossa madeira, por exemplo, é proveniente do norte da Europa, de florestas sustentáveis certificadas. Ainda assim, a madeira é um produto de origem natural, cujo processo produtivo exige baixo consumo energético, quando comparado com outros produtos industrializados. Ao contrário de outras matérias-primas, quando a madeira envelhece ou deixa de desempenhar a sua função estrutural, não constitui qualquer perigo para o meio ambiente, já que é facilmente reconvertida. Embora da construção não resultem resíduos consideráveis, a Nogueira Fernandes, assegura o seu correto tratamento, através de processos apropriados de reciclagem/recuperação de substâncias orgânicas. Os produtos que usamos são maioritariamente ecológicos e ainda temos cerca de 620 painéis solares nas nossas instalações que nos permitem ter energia suficiente para trabalharmos a todo o gás. No vosso portfólio constam habitações, bares de praia, bungalows, entre outros. Algum projeto em específico que queira destacar? E em termos futuros, o que podemos esperar da Nogueira Fernandes? Todos os nossos projetos são especiais para nós. Orgulhamo-nos de cada um deles. Desde habitações a grandes estruturas. Contudo, se tivéssemos que ressalvar algumas – que não habitações – poderíamos destacar a restauração da cobertura do Teatro Circo, em Braga, a Zmar, no Alentejo, restauros nos hotéis Tivoli e vários bares de praia, por exemplo. Também podemos incluir as 75 casas que estamos, de momento, a construir na Comporta para o Grupo Pestana. De tantos projetos que temos na nossa história, há um que nos marcou particularmente e que não podíamos deixar de referir: uma ala de cuidados intensivos para doentes com covid-19, para o Hospital Pedro Hispano. Em apenas duas semanas concluímos a ala. O projeto ganhou prémios nacionais e internacionais. Para o futuro, temos como objetivo principal a produção de CLT (Cross Laminated Timber). A Nogueira Fernandes será uma das primeiras empresas a produzir este material, em Portugal, de uma forma industrializada.

geral@nogueirafernandes.pt www.nogueirafernandes.pt

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 89


LIDERANÇA: APOSTAS E DESAFIOS | GRUPO UNU CONFIANÇA

“COLOCAR AS PESSOAS EM PRIMEIRO LUGAR” tentes e uma relação de amizade e proximidade que contribui bastante para a continuidade deste crescimento. Em segundo lugar, algo que está no ADN da UNU é a importância que se dá às pessoas. Temos a consciência que, a longo prazo, só um grupo muito coeso e com uma relação de entreajuda e solidariedade pode vingar e crescer de forma sustentável e é nisso que estamos focados. Procuramos pessoas que juntem a vertente técnica ao perfil certo, e quando somos obrigados a escolher entre um dos dois, escolhemos o perfil e investimos posteriormente com o objetivo de fortalecer a parte técnica através das várias ferramentas que temos ao nível da formação, a grande maioria delas, também disponibilizadas pela UNU Portugal.

Pedro Neves, Diretor-Geral

Pedro Neves, Diretor-Geral, destaca que o ADN do Grupo UNU Confiança é colocar as pessoas em primeiro lugar, sendo este um princípio basilar da atuação da empresa, até porque acredita que este mercado é muito mais sobre pessoas do que sobre casas. Estudou Economia, licenciou-se em Comunicação Empresarial e, mais recentemente, ingressou num MBA em Gestão de Empresas no Institute of Business Management. Como surge o projeto Grupo UNU Confiança no seu percurso? O Grupo UNU Confiança surge no meu percurso na fase final da licenciatura como uma forma de ingressar no mercado de trabalho. É uma empresa que nasceu na família, pelo meu pai, que me deu oportunidade de ingressar no mercado de trabalho numa área e num sector que tanto gosto. Comecei por desempenhar funções relacionadas com a área da Comunicação e Marketing. Nessa fase, senti que o crescimento da empresa dependia mais de mudanças estruturais do que propriamente do Marketing ou da Comunicação e tomei a iniciativa de assumir a responsabilidade pelas operações do Grupo. Mais tarde e, felizmente, graças a um crescimento exponencial, no ano de 2020, fomos “obrigados” a aumentar a estrutura e, foi nesse momento, que me tornei sócio e diretor-geral da empresa. A empresa assume o propósito de prestar o melhor serviço e a ambição de ser a referência no mercado. Nos últimos três anos, a rede imobiliária UNU aumentou em 70% a sua faturação. Que fatores explicam este sucesso? São vários os fatores que explicam esse crescimento. Os 70% quase que falam por si e são a combinação entre agências mais robustas, com mais anos de mercado, e outras que, um pouco à nossa imagem, estão agora a acelerar o seu crescimento. Creio que há dois fatores principais que caracterizam muito a UNU Portugal. Em primeiro lugar, o Master e a proximidade que existe com todas as agências. Temos todo o apoio em todas as ver-

DivineCharm - Mediação Imobiliária, Lda - Licença AMI 14396

90 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL

Cada agência tem o seu próprio nicho de mercado, qual o vosso? As pessoas em primeiro lugar faz parte do vosso lema e ADN? Neste momento, existem dois nichos de mercado dentro do Grupo UNU Confiança. As agências de Torres Vedras e Alenquer são direcionadas ao mercado tradicional e a agência de Cascais, a UNU Luxury Trust, é direcionada ao mercado de luxo. Independentemente do segmento ou do nicho de mercado, o ADN é o mesmo e colocar as pessoas em primeiro lugar é uma máxima e um princípio do qual não abdicamos em qualquer circunstância. Acreditamos que este mercado é muito mais sobre pessoas do que sobre casas e isso não muda com o segmento ou o tipo de cliente, é transversal.

Como é que vê o futuro do mercado imobiliário? Na sua opinião, quais é que serão os maiores desafios a enfrentar? Acredito que a tendência será sempre de crescimento, obviamente com alguns desafios. Neste momento, vejo a oferta como o grande desafio que enfrentaremos nos próximos tempos, por não conseguir corresponder minimamente à procura. São demasiados os entraves à construção, desde a carga fiscal à lentidão e excesso de burocracia envolvida nos processos de licenciamento que aumentam bastante o risco dos investimentos. Creio que quem tem poder para atenuar este problema está a fazê-lo no sentido errado e a tentar resolver o problema da procura quando o problema que existe realmente está na oferta. A juntar a isto, obviamente que o panorama económico que se vive em todo o mundo poderá contribuir para alguns desafios extra, nomeadamente a subida das taxas de juro e todos os mecanismos aplicados ao controlo da inflação. Cabe às mediadoras fazer o seu papel no melhor aconselhamento tanto a compradores como a vendedores, algo que só é possível quando as pessoas estão em primeiro lugar.


D ES F RUT E DO QUE R E A L M EN T E IMPORTA Fique em sintonia com a

Natureza

Para mais informações: melia.setubal@meliaportugal.com 265 240 400

meliasetubal.com

REVISTA BUSINESS PORTUGAL // 91


92 // REVISTA BUSINESS PORTUGAL


Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.