Page 1

Ano 12 Nº 65 Novembro/Dezembro 2017 AÇÃO IC

AM

R$ 12,00

OR PUBL AI

N O RT E

www.revistaamazonia.com.br

ISSN 1809-466X

D

O

Ano 12 Número 65 2017 R$ 12,00 5,00

É HORA DE PARAR DE DESTRUIR A TERRA COP-23, FIJI – CONFERÊNCIA DO CLIMA EM BONN BIOFUTURO, UM NOVO CONCEITO ECONÔMICO


12

REVISTA AMAZÔNIA

_anuncio impresso uma paĚ gina EnerSolar2018_20,5x27_credenciamento.indd 1

revistaamazonia.com.br

31/10/17 15:14


Agência EKO

Desenvolvimento de novos artistas Concertos abertos para a comunidade Promoção da cultura

Foto LED Produções

Gente que faz música, música que faz gente.

Contém:

Rafaele Brabo, 22 anos. Foi aluna e hoje é professora do Vale Música, programa patrocinado pela Vale via Lei Rouanet

Assim como as notas musicais, o apoio à cultura se propaga e toca as pessoas de diferentes formas. Rafaele Brabo ingressou no programa Vale Música quando tinha10 anos. Aos 13, se apresentou pela primeira vez no Theatro da Paz e, com 15, já tocava em concertos pelo eixo Rio-São Paulo. Mas nada se compara à emoção de ter sua família e amigos do bairro do Jurunas na primeira fila dos espetáculos do Vale Música, em Belém. A Vale acredita no potencial transformador do investimento em cultura e, por isso, os eventos do programa são gratuitos, amplindo o acesso da população à música clássica.

Conheça mais sobre a história de Rafaele e de outras pessoas que lado a lado com a gente. Acesse vale.com/ladoalado 12 crescem REVISTA AMAZÔNIA

revistaamazonia.com.br


EXPEDIENTE

05 08 14

44 50

COP-23, Fiji – Conferência do Clima em Bonn, na Alemanha Foi presidida por um dos países mais vulneráveis ao aquecimento, Fiji – um país insular situado no Pacífico, que depois de receber a aprovação da ONU para acolher a COP-23, viu que nenhuma das suas ilhas tinha capacidade para acomodar mais de 20 mil participantes que participaram dessas reuniões. Assim, a ONU, ofereceu-lhes a sua sede em Bonn para exercer a sua presidência, e para abrigar os diplomatas de cerca de 200 países que estão...

Amazon Bonn Pela primeira vez estados da Amazônia Legal, representados pelo Fórum de Governadores da Amazônia Legal, estiveram em uma Conferência do Clima (COP) da Nações Unidas (ONU). Eles reforçaram sua atuação conjunta na organização deste evento e reafirmaram acordos com governos da Alemanha, Reino Unido e Noruega que são apoiadores de iniciativas de governos estaduais do Brasil e de outros países, em escala subnacional. Em parceria com o Ministério do Meio Ambiente do Brasil, o evento teve participação do ministro...

Biofuture Summit 2017 O encontro, que contou também com o apoio da Associação Brasileira de Biotecnologia Industrial (ABBI), reuniu mais 300 delegados, provindos dos 28 países que integram a plataforma, e cumpriu com o objetivo de facilitar ações e estimular o diálogo e a colaboração global, voltando o pensando coletivo de membros do setor público e privado para a necessidade de implementação de políticas sustentáveis e de baixa emissão de carbono. Estiveram no centro das discussões e preocupações dos participantes...

DIRETOR Rodrigo Barbosa Hühn PRODUTOR E EDITOR Ronaldo Gilberto Hühn COMERCIAL Alberto Rocha, Rodrigo B. Hühn ARTICULISTAS/COLABORADORES Andrea Cunha Freitas, Ascom Biofuture Summit, Ascom FIEAM, BBEST 2017, FAPESP, Felipe Maeda/Fapesp, Felipe Mairowski, Forest Heroes, Georges Mougin, IPCC, Márcia Flesch Grillo, Ocean Cleanup, Ronaldo G. Hühn FOTOGRAFIAS Adrian Raftery/University of Washington, Antti Lipponem/ NASA, Ascom FIEAM, Barbara Frommann/Divulgação, Biofuture Summit, CEBDS, Claudio Arouca, Phelpe Janning/ Agência Fapesp, Cleverton Amorim, Cristino Martins/Ag.Pará, Daniel Nardin / Secom, David T. Silva, Centro de Pesquisa Florestal Internacional, Fábio Alencar, Gilberto Soares/MMA, Gilberto Soares/MMA, Gilberto Marques/ A2img, GISS Surface Temperature Analysis-GISTEMP, Google Earth, Infográfico: Rosamund Pearce/ CarbonBrief, James Cridland/Flickr, Karen Robison, Lee Tsz Cheung/Atlas Das Nuvens (OMM), JPL Nasa, NASA, NASA/MODIS, NASA/SDO, NASA / SDO / Goddard, Rudolph Hühn, Sérgio Vale /MMA, UNFCCC FAVOR EDITORAÇÃO ELETRÔNICA POR Editora Círios SS LTDA DESKTOP Rodolph Pyle

I LE ESTA REV

NOSSA CAPA Ilustração de “Knowing”, um filme de suspense – ficção científica (2009), dirigido por Alex Proyas e estrelado por Nicolas Cage.

Agropalma é destaque em relatório do Forest Heroes A Forest Heroes divulgou recentemente o relatório, Green Cats: Marcas de óleo de palma e soja em Políticas e Transparência Florestais, que analisa as promessas públicas de 26 empresas - 21 no mercado de óleo de palmeira asiático da Ásia e cinco na indústria latino-americana de soja. Ele examina a divulgação pública em 18 fatores diferentes relacionados ao desmatamento zero e...

Terceira edição da Brazilian Bioenergy Science and Technology Conference (BBEST) Especialistas estimam que iniciativas em diferentes setores serão necessárias para reduzir as emissões de gases estufa, manter o aquecimento global abaixo de 2º C até o fim do século e, dessa forma, minimizar os impactos da mudança climática para a humanidade...

MAIS CONTEÚDO

[20] O Sol está queimando o campo magnético da Terra [22] Emissões de CO2 atingiram os maiores níveis em 800 mil anos [24] Pode diminuir muito a quantidade de carbono que ainda podemos jogar na atmosfera [26] Gráficos mostram como a Terra ficou mais quente nos últimos 100 anos [28] El Niños extremos podem dobrar em frequência, mesmo sob 1.5C de aquecimento [31] Abraciclo aponta recuperação do setor [32] Concentração de CO2 na atmosfera bate novo recorde [33] Cientistas propõem modificar nuvens para arrefecer o planeta [36] Novo estudo mostra que a Amazônia faz sua própria estação chuvosa [38] NASA liga níveis do mar das cidades ao derretimento das geleiras [41] As maiores ameaças humanas aos oceanos [46] Inovação sustentável para os negócios e o planeta [48] Prêmios valorizam projetos no Pará e Amazonas [54] 6º Diálogo Brasil-Alemanha de Ciência, Pesquisa e Inovação [56] Congresso Ecogerma 2017 [58] 17º Congresso Latino-Americano de Ciências do Mar – COLACMAR’ 2017 [60] 14º Marintec South America 2017 [63] Terra pode aquecer até 5ºC neste século [64] Índice mede impactos da mudança do clima

CIC

RE

16

Mais de 15 mil cientistas de 184 nações assinaram uma carta aberta para a humanidade, educadamente pedindo aos seus companheiros primatas bípedes que parem de destruir o planeta, se não for muito incomodo.“Alerta dos Cientistas do Mundo para a Humanidade: Um Segundo Aviso” é, como sugere o nome, a sequência de um aviso semelhante ao emitido em 1992. Aparentemente cientistas estão há algum tempo preocupados com a destruição da bioesfera da Terra! O primeiro aviso observou que a civilização humana e o mundo...

EDITORA CÍRIOS

ST A

É hora de parar de destruir a Terra

PUBLICAÇÃO Período (Novembro/Dezembro) Editora Círios SS LTDA ISSN 1677-7158 CNPJ 03.890.275/0001-36 Rua Timbiras, 1572-A Fone: (91) 3083-0973 Fone/Fax: (91) 3223-0799 Cel: (91) 9985-7000 www.revistaamazonia.com.br E-mail: amazonia@revistaamazonia.com.br CEP: 66033-800 Belém-Pará-Brasil

Portal Amazônia

www.revistaamazonia.com.br


É hora de parar de destruir a Terra Os seres humanos estão em um “curso de colisão com o mundo natural” Fotos: James Cridland/Flickr

M

ais de 15 mil cientistas de 184 nações assinaram uma carta aberta para a humanidade, educadamente pedindo aos seus companheiros primatas bípedes que parem de destruir o planeta, se não for muito incomodo. “Alerta dos Cientistas do Mundo para a Humanidade: Um Segundo Aviso” é, como sugere o nome, a sequência de um aviso semelhante ao emitido em 1992. Aparentemente cientistas estão há al-

* * *

gum tempo preocupados com a destruição da bioesfera da Terra! O primeiro aviso observou que a civilização humana e o mundo natural estavam em uma “rota de colisão”. “Estávamos diminuindo o número de peixes do mar, destruindo florestas tropicais, liberando dióxido de carbono na atmosfera e, acima de tudo, adulterando a independência da cadeia alimentar do planeta”.Infelizmente, parece que continuamos a fazer essas coisas. “Desde 1992, com a exceção de estabi-

lizar a camada de ozônio da estratosfera, a humanidade falhou ao progredir na solução de desafios ambientais previsíveis, e de forma alarmante, a maioria deles têm ficado cada vez pior”, escrevem os cientistas. “Em breve será muito tarde para mudar a rota deste trajeto, e o tempo está se esgotando”, dizem os autores da carta, claramente mais preocupados que o restante da humanidade. “A humanidade recebe agora um segundo aviso”.

Redução de 26 por cento na quantidade de água fresca disponível per capita, uma queda na colheita de peixe selvagem, apesar do aumento do esforço de pesca e um aumento de 75 por cento no número de zonas mortas pelo oceano; Perda de 300 milhões de hectares de floresta, grande parte convertida para uso agrícola e uma redução coletiva de 29% no número de mamíferos, répteis, anfíbios, aves e peixes; Aumentos significativos nas emissões globais de carbono e nas temperaturas médias, um aumento de 35% na população humana. revistaamazonia.com.br

REVISTA AMAZÔNIA

05


Desde 1992, com a exceção da estabilização da camada de ozônio estratosférico, a humanidade não conseguiu fazer progressos suficientes para resolver esses desafios ambientais previstos e, de forma alarmante, a maioria deles fica bem pior. Além disso, é importante notar que, no caso de GEEs de queima de combustíveis fósseis (Hansen et al., 2013), o desmatamento (Keenan et al., 2015) e a produção agrícola – particularmente de ruminantes agrícolas para consumo de carne ( Ripple et ai al. 2014). Exemplos de diversos e eficazes passos que a humanidade pode levar à transição para a sustentabilidade (não por ordem de importância ou urgência): (A) priorizar a promulgação de conexão bem financiada e reservas bem geridas para uma proporção do mundo terrestre, habitat marinho, de água doce e aéreo; (B) manter o ecossistema da natureza serviços interrompendo a conversão de florestas, pastagens e outros habitats nativos; (c) restauração de plantas nativas de grande escala em comunidades, particularmente paisagens florestais; (D) restaurar ecossistemas prejudicados pela extinção local de espécies nativas, especialmente predadores de ápice, para restaurar processos ecológicos e dinâmicos; (E) desenvolvimento e adotando políticas adequadas e instrumentos para remediar a crise de caça furtiva e a exploração e comércio de espécies ameaçadas; (F) reduzir o desperdício de alimentos através educação e melhor infra-estrutura; (G) promover mudanças na dieta em direção a principalmente alimentos à base de plantas; (H) reduzir as taxas de fertilidade, garantindo que mulheres e homens tenham acesso à Educação e planejamento familiar e serviços voluntário, especialmente ainda faltam recursos; (I) aumento da educação de natureza ao ar livre para crianças, bem como o envolvimento geral da sociedade na apreciação da natureza; (J) desinvestimento monetário à investimentos e compras, para incentivar mudança ambiental positiva; (K) elaboração e promoção de novos produtos verdes tecnologias e adoção maciça de fontes de energia renováveis enquanto proibir subsídios à produção de energia através de combustíveis fósseis; (L) revisando nossas economias para reduzir a desigualdade da riqueza e garantir que os preços, a tributação e sistemas de incentivo levam em consideração os custos reais que o padrão de consumo impõe ao nosso ambiente; (M) cientificamente defendível, tamanho da população humana sustentável para o longo prazo, enquanto se reúnem nações e líderes para apoiar isso como objetivo vital.

06

REVISTA AMAZÔNIA

revistaamazonia.com.br


Crescimento demográfico descontrolado

Na 6ª extinção em massa, em cerca de 540 milhões de anos, muitas formas de vida atuais poderiam ser aniquiladas ou, pelo menos, colocando a biodiversidade do nosso planeta em risco excepcional até o final deste século

Especialistas da WWF, já advertiram que, até 2030, podemos perder-se até 170 milhões de hectares (420 milhões de hectares) de floresta (representada) equivalente ao tamanho combinado da Alemanha, França, Espanha e Portugal

revistaamazonia.com.br

Os avisos dos cientistas evoluíram com o tempo. Enquanto em 1992 a carta focava na redução da camada de ozônio estratosférica, o consumo exacerbado de recursos naturais e o crescimento demográfico descontrolado, a revisão de 2017 dá mais ênfase na “atual tendência de uma potencial mudança climática catastrófica”, e o fato que estamos nos estágios iniciais de uma sexta extinção em massa “em que muitas atuais formas de vida podem ser aniquiladas ou pelo menos extintas até o fim deste século”. A carta, “Alerta dos Cientistas do Mundo para a Humanidade: Um Segundo Aviso”, assinala 25 tendências globais negativas de como o planeta mudou desde o primeiro alerta em 1992: Mas nem tudo é tão ruim. Os cientistas apontam que a taxa em que estamos destruindo florestas tem diminuído em algumas partes do mundo. Além disso, o setor de energia renovável tem prosperado. E temos feito um bom trabalho em diminuir o buraco na camada de ozônio desde os anos 1990. Inclusive, desde a implementação do Protocolo de Montreal, que baniu clorofluorcarbonetos, o buraco tem se restaurado. Bom trabalho, humanos. Para evitar um apocalipse ecológico, os autores dizem que precisamos insistir que nossos governos tomem partido. Uma “onda popular de esforços organizados” é necessária para convencer os líderes do mundo a preservar e restaurar nossas áreas selvagens, reduzir a desigualdade econômica e promover a energia limpa. Mas dá para imaginar porque eles acham que nossos líderes não estão tomando alguma atitude. Individualmente, todos nós podemos salvar o planeta tendo menos filhos, comendo menos hambúrgueres e tentando não juntar muito lixo. No vigésimo quinto aniversário de sua convocação, olhamos para trás em seu aviso e avaliamos a resposta humana explorando dados da série temporal disponíveis.

REVISTA AMAZÔNIA

07


COP-23, Fiji – Conferência do Clima em Bonn, na Alemanha Fotos: Gilberto Soares/MMA, Rudolph Hühn, UNFCCC

F

oi presidida por um dos países mais vulneráveis ao aquecimento, Fiji – um país insular situado no Pacífico, que depois de receber a aprovação da ONU para acolher a COP-23, viu que nenhuma das suas ilhas tinha capacidade para acomodar mais de 20 mil participantes que participaram dessas reuniões.

Patricia Espinosa, Secretária Executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), na cerimônia de abertura da Conferência sobre o Clima de Fiji, em Bonn

A conferência foi aberta pelo primeiro-ministro de Fiji, Frank Bainimarama. A ilha no Pacífico começa a sofrer os efeitos do aquecimento global e está sendo submersa pela elevação do oceano

Assim, a ONU, ofereceu-lhes a sua sede em Bonn para exercer a sua presidência, e para abrigar os diplomatas de cerca de 200

12 REVISTA 08 REVISTAAMAZÔNIA AMAZÔNIA

países que estão participando da COP23 para discutir a transição para um novo modelo de desenvolvimento de baixo carbono. Nesta linha, Fiji colocou no centro do debate “a extrema vulnerabilidade de lugares, como as pequenas ilhas da Ilha do Pacífico que estão sendo devoradas pelo aumento do nível do mar, diante dos efeitos de uma mudança climática causada por outros”. Fiji quis também marcar o conteúdo, e as formas da COP23, e decidiu chamar de “Bula” – que na sua língua nativa significa “olá” – área onde as plenárias de negociação estão localizadas –, bem como de “Diálogo de Talanoa”, a forma como os governos se preparam para cumprir as promessas de redução, adaptação e financiamento de emissões feitas no Acordo de Paris, em referência ao espírito de consenso e confiança com o qual os nativos dessas ilhas se sentam em círculo e se olham no rosto para resolver seus problemas. “Ao se concentrar nos benefícios da ação, esse processo movimentará a agenda global do clima”, afirmou o presidente da COP-23 e primeiro-ministro de Fiji, Frank Bainimarama.

revistaamazonia.com.br


Crianças de Escola Internacional de Bonn desfilando em plenário na cerimônia de abertura da COP23

Salaheddine Mezouar, Presidente da COP 22 / CMP 12 / CMA 1, entrega o martelo ao primeiro-ministro Frank Bainimarama, Fiji e Presidente COP 23 / CMP 13 / CMA 1-2

Políticas de combate ao desmatamento foram destaques no espaço brasileiro na Conferência do Clima, em Bonn

Milhares de pessoas saíram às ruas de Bonn, para exigir o fim do uso de combustíveis fósseis, em especial o carvão, na abertura da COP-23

Brasil e outros 19 países lançaram declaração conjunta para promover a bioeconomia a nível global

revistaamazonia.com.br

REVISTA REVISTAAMAZÔNIA AMAZÔNIA 09 13


Alerta para recordes de desastres climáticos O planeta está batendo recordes seguidos das maiores temperaturas da história, de aumento do nível do mar, do número de tempestades, secas, inundações, incêndios, furacões e ciclones. É o que afirma o relatório apresentado na plenária de abertura da COP-23, a Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas, em Bonn, na Alemanha. O documento da OMM (Organização Meteorológica Mundial) – agência da ONU para questões de clima, tempo e água – compila dados de diversas agências sobre a ocorrência de eventos climáticos extremos no mundo e revela um 2017 de recordes absolutos na frequência e na intensidade desses fenômenos. O aumento da ocorrência de eventos extremos acompanha a curva de crescimento das emissões de gases-estufa e do aumento da média de temperatura global, como mostra o relatório. De 2015 a 2016, a taxa de emissões de gases-estufa foi a maior já registrada, chegando a um total de 403,3 partes por milhão na atmosfera. Já a média de cinco anos, de 2013 a 2017, é 1,03°C acima do período pré-industrial e também a mais quente já registrada. O nível do mar, no entanto, está retornando a valores mais próximos da tendência de longo prazo, depois de um pico em 2016 com aumento de 10 mm acima da média da última década -influenciada pelo último El Niño. Os oceanos seguem, mesmo assim, entre as três maiores médias de temperatura já registradas, o que vem aumentando a destruição de corais e a acidificação das águas. As geleiras do Ártico e da Antártica também batem recordes negativos: as cinco extensões máximas mais baixas ocorreram de 2006 para cá. Brasil. Classificação 19. O Brasil lidera o grupo de países com desempenho médio. Especialistas criticam a política climática do governo atual, dizendo que não tem substância, especialmente em relação à implementação de medidas já existentes. A sua grande parcela de energia hidrelétrica e, portanto, seu alto nível de energias renováveis no mix de energia, faz o Brasil ser considerado relativamente alto na categoria do índice de renováveis. Na categoria das emissões de GEE, o país conseguiu atingir terceiro lugar sob a influência de suas tendências fracas ao longo dos anos passados. Sinais promissores de redução das emissões da silvicultura foram relativizados recentemente quando o governo cortou políticas importantes desse setor. O mesmo vale para consumo de energia, onde, em comparação com os outros países, o Brasil é avaliado muito baixo em seus desenvolvimentos nos últimos cinco anos, mas ainda assim, Médio, ao comparar o seu caminho alvo de redução para 2030, com um teto abaixo de 2°C.

Avaliação/resultados da COP23 Os mais de 190 países signatários da Convenção do Clima deram um passo à frente no enfrentamento ao aquecimento global. A comunidade internacional encerrou a 23ª Conferência das Partes (COP 23) sobre mudança do clima, em Bonn, decidindo que o inventário de suas reduções de emissões de gases de efeito estufa e os planos de financiamento serão discutidos em 2018, na COP24, que será realizada em dezembro, em Katowice, Polônia – foi a resolução final da COP23.

10

REVISTA AMAZÔNIA

Eventos extremos Secas e tempestades aparecem no relatório da OMM como os eventos extremos com mais danos calculados. Na China, as perdas pela inundação na bacia do rio Yangtze, em 2017, somaram U$ 5 bilhões e 56 mortes. Em Bangladesh, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), mais de 13 mil casos de doenças transmitidas pela água e infecções respiratórias foram relatados durante as ocorrências de tempestades com inundações e deslizamentos de terra neste ano. Fortes chuvas também causaram desastres em Serroa Leoa, Colômbia, Nepal, Índia, Peru e Inglaterra. Entre outros recordes, o último inverno nos EUA foi o mais chuvoso registrado para Nevada e o segundo mais úmido para a Califórnia. Já a severidade das secas castiga com mais danos os países mais pobres.Com os rebanhos reduzidos em até 60% desde dezembro de 2016, a Somália tem hoje o dobro de pessoas à beira da fome: já são mais de 800 mil afetadas pelos prejuízos na agricultura e a redução de rebanhos, segundo o Programa Mundial de Alimentos da ONU.

revistaamazonia.com.br


Sarney Filho ressaltou recuperação da vegetação e combate ao desmatamento em sessão plenária da COP 23

Patricia Espinosa, Secretária Executiva da UNFCCC, com membros da iniciativa “Green Footprints” visando o aumento da participação das crianças na ação das mudanças climáticas

As ondas de calor também chegaram a novos limites, passando de 54°C em vários locais do Oriente Médio e chegando a 43,5°C em janeiro em Puerto Madryn, na Argentina -a maior temperatura já registrado tão ao sul da Terra. Os dados da OMM também mostram que o calor extremo e a seca contribuíram para incêndios florestais destrutivos recentes no Chile, Brasil, Austrália, Nova Zelândia, África do Sul, Portugal, Espanha, Croácia, Itália e França. Mas o extremo mais impressionante foi a série de furacões neste ano no Atlântico Norte. Foi a primeira vez que dois furacões da Categoria 4 (Harvey e Irma) atingiram a terra no mesmo ano nos EUA. Irma teve ventos de 300 km/h por 37 horas -o mais longo no registro de satélite naquela intensidade, tendo passado três dias consecutivos como um furacão de Categoria 5, também o mais longo registrado. Maria também atingiu a categoria 5 e causou grandes destruições. Para a OMM, “é provável que a mudança climática induzida pelo ser humano torne as taxas de precipitação mais intensas e que o aumento contínuo do nível do mar exacerbem os impactos das ondas de tempestade.”

revistaamazonia.com.br

Membros da sociedade civil mostraram uma “Arca de Noé”, incentivando os delegados a cumprir o Acordo de Paris

Esse gráfico tem uma linha com altos e baixos em forma de serra: correspondem à diferença entre o Inverno e o Verão no Hemisfério Norte, onde há mais florestas na Terra. No Inverno, como as árvores estão sem folhas e não absorvem tanto CO2, os níveis deste gás têm valores maiores. Na Primavera, quando as plantas acordam, absorve-se mais CO2 e os níveis voltam a descer.

REVISTA AMAZÔNIA

11


Principais pontos positivos da COP23 *Diálogo de Talanoa Um dos pontos positivos da COP 23 foi o lançamento de um diálogo facilitador entre as Partes em 2018 — o Diálogo de Talanoa — para fazer um balanço dos esforços coletivos em relação ao progresso das propostas e ações para atingir o objetivo de limitar o aquecimento do Planeta a 1,5 graus Celsius (ºC) até o final do século. Talanoa é uma palavra tradicional usada no arquipélago de Fiji, ameaçado pela alta do nível do mar, e em outras nações insulares no Pacífico, para refletir um processo de diálogo inclusivo, participativo e transparente. No primeiro encontro, marcado para maio do próximo ano, o diálogo se dará em torno de três temas: onde estamos; onde queremos chegar; e como chegar lá. A expectativa é que as respostas possam aprimorar as contribuições nacionalmente determinadas (NDCs).

*Combate ao desmatamento A Alemanha e o Reino Unido prometeram um investimento de 153 milhões de dólares para expandir programas de combate às mudanças climáticas e o desmatamento na floresta amazônica. Aproximadamente 88 milhões de dólares irão para um programa que faz pagamentos a povos indígenas e a agricultores em troca da manutenção da cobertura vegetal e que também fornece financiamento para projetos de desenvolvimento econômico sustentável.

*Aliança global contra o carvão Liderados por Reino Unido e Canadá, mais de 20 países do mundo lançaram uma nova aliança global contra o carvão. A investida, que também reúne empresas e organizações da sociedade civil, visa eliminar rapidamente o consumo dessa fonte de energia poluente e acelerar o desenvolvimento limpo nos países através da transição para fontes de energia renovável. Os países membros concordaram em colocar uma moratória em todas as novas centrais tradicionais de carvão sem captação e armazenamento de carbono. A meta é aumentar a aliança para 50 parceiros até a COP24, em Katowice, na Polônia, outro consumidor voraz de carvão.

*Cidades fazem a sua parte Os prefeitos C40 de 25 cidades pioneiras, que representam 150 milhões de cidadãos, comprometeram-se a desenvolver e começar a implementar planos de ação climáticos mais ambiciosos antes do final de 2020, quando os pontos do acordo de Paris serão revisados, para entregar cidades neutras em carbono e mais resistentes ao clima até 2050.

*Os EUA “continuam no jogo” com ou sem Trump Universidades, prefeitos, líderes empresariais e governadores de todo os EUA lançaram a campanha #WeAreStillIn, representando mais de 127 milhões de americanos e 6,2 trilhões de dólares em poderio econômico. Em uma robusta demonstração de apoio às negociações climáticas da ONU, a coalização traz uma mensagem clara — “continuamos no jogo” — mostrando que a ação do país nas questões climáticas não será limitada pelas políticas na esfera federal. Os EUA são o único país de fora do Pacto climático global.

*Os oceanos devem ser prioridade Muitos grupos na COP23 trabalharam arduamente para persuadir os países de que os oceanos devem ser tratados de forma prioritária nos esforços globais de combate às mudanças climáticas. Os oceanos são verdadeiros “heróis” do clima: eles absorverem cerca de 30% das emissões de dióxido de carbono, poderoso gás de efeito estufa, funcionando assim como um regulador climático. A proteção da vida oceânica deveria ser um ponto central nos planos nacionais e globais para enfrentar as mudanças climáticas, o que não ocorre na prática. Para ressaltar essa relação crítica, a presidência de Fiji, que coordenou as reuniões da COP23, lançou a Ocean Pathway, iniciativa que visa fomentar a cooperação entre os países para proteção de ecossistemas marinhos críticos e a inserção de programas específicos nas contribuições nacionalmente determinadas.

*Aliança global pelo transporte Transporte eficiente, tanto público quanto privado, também é um componente essencial para atingir as metas climáticas. O setor é responsável por cerca de um quarto de todas as emissões de CO2 relacionadas com a energia, e entre 15 e 17% das emissões globais por atividades humanas. Para fazer a parte que lhe cabe, o setor global de transportes anunciou na COP 23 uma nova “Aliança de Descarbonização de Transportes (TDA)”, que busca impulsionar ações climáticas mais rápidas e estimular maior liderança política no setor.

12

REVISTA AMAZÔNIA

revistaamazonia.com.br


Delegados durante a plenária de encerramento

Brasil se oferece para sediar Conferência do Clima em 2019 O Brasil anunciou sua candidatura para ser a sede da Conferência do Clima de 2019, mas a decisão, ao contrário do que se esperava, não foi chancelada até o fechamento da COP23, em Bonn.

Decisões para 2018

O novo satélite da Nasa, o Orbiting Carbon Observatory 2 (OCO-2)

Verificação das emissões no futuro Os satélites vão desempenhar um papel maior no monitoramento das emissões de gases do efeito estufa e na análise geral do cliclo global de carbono.Isso porque os combustíveis fósseis não são a única fonte de gases do efeito estufa. Os últimos três anos fornecem um exemplo perfeito disso. Mesmo que as emissões anuais oriundas de combustíveis fósseis tenham se mantido constantes entre 2014 e 2016, a concentração total de dióxido de carbono na atmosfera aumentou de forma muito mais rápida do que em anos anteriores.

revistaamazonia.com.br

Um novo satélite da Nasa, o Orbiting Carbon Observatory 2 (OCO-2), associou esse aumento a mudanças nas florestas tropicais na Região Amazônica, assim como na África e na Indonésia. Esses satélites vão recolher dados de países onde fatores financeiros ou políticos impedem a medição in loco, assim como de regiões que simplesmente não são acessíveis. “Eles vão voar sobre grandes ecossistemas florestais, onde manter uma rede de medição é muito difícil por causa da tecnologia e do apoio humano necessários, e sobre os oceanos, onde eles poderão medir o escoamento continental”.

Reafirmação dos países desenvolvidos dos cumprimentos de suas metas até 2020 – uma vitória para os países em desenvolvimento. O chamado Diálogo Talanoa, expressão de Fiji – que tem a presidência da COP – para um diálogo de colaboração e conciliação, que deve ocorrer no ano que vem. Doação de US$ 100 bilhões para os países em desenvolvimento até 2020, valor que ainda não está claro sobre como vai ser obtido.

REVISTA AMAZÔNIA

13


Amazon Bonn Protagonismo amazônico para sustentabilidade, na COP23

Fotos: Daniel Nardin / Secom, Gilberto Soares/MMA, Sérgio Vale

O governador do Pará defendeu que “é preciso um maior protagonismo dos Estados na implementação de medidas para a preservação ambiental”. Segundo Jatene, “só os entes subnacionais podem avançar com medidas específicas”, que atendam os diferentes contextos amazônicos, principalmente, a partir da socioeconomia. Jatene falou numa revolução do conhecimento para a produção de forma sustentável na Amazônia e lembrou que povos tradicionais como os indígenas e quilombolas devem fazer parte deste processo. “Esses povos têm um grande conhecimento e precisamos disso para melhorar o padrão de vida deles, sem impor o nosso padrão de vida, mas repensando, inclusive, o nosso consumo”, afirmou.

Noruega

P

O ministro José Sarney Filho disse que o Governo Federal adotou uma política que já está permitindo este protagonismo dos Estados. “Descentralizamos o processo de criação de projetos ambientais e capacitação de recursos para a implementação dos mesmos”.

ela primeira vez estados da Amazônia Legal, representados pelo Fórum de Governadores da Amazônia Legal, estiveram em uma Conferência do Clima (COP) da Nações Unidas (ONU). Eles reforçaram sua atuação conjunta na organização deste evento e reafirmaram acordos com governos da Alemanha, Reino Unido e Noruega que são apoiadores de iniciativas de governos estaduais do Brasil e de outros países, em escala subnacional. Em parceria com o Ministério do Meio Ambiente do Brasil, o evento teve participação do ministro Sarney Filho, que na abertura relatou os avanços ocorridos na política ambiental brasileira, ressaltando que o momento é uma boa oportunidade para o país continuar avançando no modelo de Desenvolvimento Sustentável. Na ocasião, o ministro anunciou em primeira mão dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), atualizados, com os números apontando redução do desmatamento em 16% em relação ao ano anterior, sendo 28% deste índice nas Unidades de Conservação Federal. O Amazon Bonn teve o apoio da Agência Alemã de Cooperação Internacional (GiZ), do banco alemão de desenvolvimento KfW, do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) e da Força Tarefa de Governadores para o Clima e Florestas (GCF). O evento serviu para importantes anúncios da Noruega, Alemanha e Reino Unido, países que se contabilizarmos desde o início da parceria com o Brasil, em 2012, terão destinado até 2020, cinco bilhões de euros para a conservação das florestas tropicais.

14

REVISTA AMAZÔNIA

Amazônia Como porta-voz desse grande esforço subnacional, o governador do Pará, Simão Jatene, falou em nome dos demais oito governadores da Amazônia Legal, e ressaltou que o Amazon Bonn simboliza a união que traz a mensagem aos demais estados do Brasil e ao mundo as possibilidades, limites e compromissos que todos devem ter quando o assunto é mudança climática. Jatene fez questão de traduzir o sentimento de todos os governadores, que acreditam que uma atuação federal no comando e controle é essencial e foi responsável por resultados importantes, mas que é a atuação de governos em escala estadual que vai permitir a continuidade de bons resultados.

O ministro do Clima e Meio Ambiente da Noruega, Vidar Helgesen, anunciou que seu país vai continuar colaborando com o Brasil. “As florestas tropicais são como turbinas para a redução das emissões de carbono. A proteção florestal não é um luxo, é uma necessidade. Sabemos da responsabilidade que o Brasil tem, pois estamos acompanhando e nos orgulhamos de ser parceiros nesse processo, e o encorajamos a continuar, mas sabemos da necessidade de termos mais parceiros engajados”, ressaltou.

Alemanha O vice-ministro para a Cooperação Econômica e de Desenvolvimento da Alemanha, Thomas Silberhorn, pontuou a importância da parceria do seu país com o Brasil, por meio do Fundo Amazônia, e de projetos realizados diretamente com os estados da Amazônia.

Vidar Helgesen, ministro do Clima e Meio Ambiente da Noruega, principal doadora de recursos ao FundoAmazônia, reconheceu os resultados alcançados pelo governo brasileiro. “Temos bastante orgulho da nossa parceria, que completará 10 anos de colaboração aberta e construtiva em breve”

revistaamazonia.com.br


O Amazon Bonn foi marcado pelo espírito de união e integração entre os estados amazônicos e o mundo

Mato Grosso. Hughes disse também que seu governo vai trabalhar na conscientização de possíveis novos parceiros. “Vamos colaborar com 43 milhões de euros que serão destinados ao programa REDD Early Movers, realizados no Acre (20 milhões) e Mato Grosso (23 milhões), e 19 milhões para os governos brasileiro e peruano”, ressaltou.

Novos olhares, respeito às tradições

Raoni Kayapó (na tribuna) também falou na sessão de abertura do Amazon Bonn

O líder indígena da etnia Kayapó, Raoni Kayapó, foi convidado para representar todos os índios do Brasil, na abertura do Amazon Bonn. Chamando todos de irmãos, ele pediu mais união. “Somos de uma única origem e precisamos estar juntos novamente”, disse. “O cacique Raoni deu uma admirável lição ao dizer que estão destruindo muitas áreas, muitas florestas, o calor está aumentando, as comunidades também, e que podemos unidos fazer algo melhor para nossos filhos e netos. Com simplicidade, Raoni nos deixa a mensagem de como o mundo deve agir se quer alcançar resultados para a melhoria da qualidade de vida”, comentou Tião Viana.

Conclusões

José Sarney Filho com Raoni Kayapó, no Amazon Bonn

Ele ressaltou que esse compromisso é contínuo para que a redução do desmatamento aconteça, e fez questão de reforçar que é possível realizar o crescimento econômico com a conservação ambiental, desde que as condições sejam dadas para isso acontecer, e nesse sentido ressaltou que as parcerias são fundamentais entre governos, sociedade civil e setor privado. Na ocasião, um acordo foi assinado entre a Alemanha e o Fundo Amazônia/BNDES, para uma nova contribuição de € 33,92 milhões (cerca de R$ 129 milhões) para o Brasil, pela redução da taxa de desmatamento na Amazônia em 2015. 10 milhões de euros para o Acre e 17 milhões para o Mato Grosso, por resultados já alcançados na redução do desmatamento. O vice-ministro Silberhorn também chamou a atenção para o fato do Brasil precisar concentrar esforços para a proteção das terras indígenas do país. “Eles nos mostram que é possível viver em harmonia com a natureza”, ressaltou ao anunciar que a Alemanha está disposta a investir mais 35 milhões ao Fundo Amazônia, por novos resultados que precisam ser alcançados quanto à redução de desmatamento.

revistaamazonia.com.br

Reino Unido De maneira objetiva, Kate Hughes, representante da ministra da Economia, Indústria e Mudanças Climáticas do Reino Unido, Claire Perry, reforçou o compromisso do Brasil com a conservação das florestas tropicais, buscando uma atuação de forma conjunta com a Noruega e a Alemanha, no que diz respeito a experiências já existentes e bem sucedidas, como é o caso do banco alemão, KfW, com o estado do Acre, e agora, com o

Os resultados das discussões do Amazon Bonn serão fundamentais para fortalecer o sentido dessas duas palavras tão faladas em todos os discursos, união e integração, envolvendo não só a sociedade amazônica, mas o mundo, na consolidação de uma visão de futuro para o desenvolvimento da Amazônia que promova uma economia de baixa emissão de carbono, com proteção e uso sustentável das florestas tropicais, para o equilíbrio e a adaptação às mudanças do clima. Estiveram presentes no evento autoridades brasileiras e internacionais, representantes de agências de fomento, instituições financeiras, projetos empresariais com foco em sustentabilidade, organizações da sociedade civil, populações tradicionais e indígenas.

O pronunciamento do governador Simão Jatene, do Pará, foi acompanhado por autoridades da Alemanha, Noruega e Reino Unido, além do ministro do Meio Ambiente do Brasil, José Sarney Filho, e membros da sociedade civil brasileira

REVISTA AMAZÔNIA

15


Fotos: Biofuture Summit, CEBDS, Gilberto Marques/ A2img

Uma iniciativa lançada e liderada pelo governo brasileiro durante a COP 22, em 2016, com o objetivo de encontrar mecanismos para a criação de uma bioeconomia de grande escala, sustentável e de baixa emissão de carbono, criar uma agenda de diálogos e proposições e ajudar a firmar o país como uma liderança na busca por uma mudança econômica mundial O governador Geraldo Alckmin na abertura do Biofuture Summit 2017

O

encontro, que contou também com o apoio da Associação Brasileira de Biotecnologia Industrial (ABBI), reuniu mais 300 delegados, provindos dos 28 países que integram a plataforma, e cumpriu com o objetivo de facilitar ações e estimular o diálogo e a colaboração global, voltando o pensando coletivo de membros do setor público e privado para a necessidade de implementação de políticas sustentáveis e de baixa emissão de carbono. Estiveram no centro das discussões e preocupações dos participantes e apoiadores do evento o desenvolvimento da bioeconomia avançada e de soluções biotecnológicas eficientes para a reversão dos impactos das mudanças climáticas no planeta.

16

REVISTA AMAZÔNIA

Na cerimônia de abertura, o Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, ressaltou o grande desafio a ser superado pelas atuais potencias econômicas nos próximos anos: aumentar exponencialmente o investimento, a produção e o uso dos biocombustíveis e bioprodutos de baixo carbono como forma de frear o aquecimento global e cumprir com as metas assumidas durante o acordo de Paris, firmado em 2015 por 195 nações. “A bioeconomia não é apenas capaz de mitigar as mudanças climáticas e promover alternativas verdes aos materiais fósseis, como também de gerar mais valor e produtividade para a agricultura, possibilitar o reaproveitamento de resíduos urbanos e rurais, criar demandas de empregos de alta qualificação, realizar o manejo sustentável da biomassa e estimular o desenvolvimento tecnológico e a segurança energética. Além disto, ela é uma fonte de negócios próspera, responsável por movimentar € 22 bilhões anualmente”, destacou Nunes. Ainda na abertura, o governador Geraldo Alckmin, destacou: “A importância do evento e da bioeconomia, além do grande exemplo de São Paulo e do Brasil no setor. Enquanto o mundo tem 14% da matriz de energia renovável, o país conta com 42%.

Ministro Aloysio Nunes falando na abertura do evento

Um dos casos de destaque no Biofuture Summit 2017 foi o RenovaBio, programa que propõe uma política inovadora para os biocombustíveis de baixo carbono em elaboração pelo governo brasileiro

revistaamazonia.com.br


São Paulo tem 60% da matriz com recursos renováveis. Ressalto o nosso exemplo na área de transporte, pois o Brasil tem 90% dos motores de carros leves a álcool e gasolina”. Roberto Jaguaribe, presidente da ApexBrasil, explicou que é possível combinar desenvolvimento social com aumento da capacidade de produtiva. “Um estudo da Climate Bonds Initiative mostrou que áreas em que foram implantadas usinas de cana-de-açúcar no Mato Grosso do Sul ganharam com a preservação do meio ambiente. Gerar renda nesses espaços faz diferença na conservação e proteção do meio ambiente, porque a pobreza tende a degradar a natureza”, pontuou. O vice-diretor geral da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA), Sakari Oksanen, complementou reforçando que a bioenergia é essencial para atingirmos os ODS. Paul Simons, vice-diretor executivo da Agência Internacional de Energia (IEA), afirmou que o nosso país é visto como ator fundamental na construção de um mundo mais sustentável. “O Brasil apresenta diversas soluções inovadoras, seguras e acessíveis para o futuro energético global”, reconheceu.

Para Paolo Frankl, chefe da Divisão de Energia Renovável da IEA: “Temos que expandir massivamente a bioenergia e fazê-lo rapidamente”

Marina Grossi - presidente do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS)

No Painel 2 – “Superando os desafios atuais e estruturando as opções políticas futuras”

A bioeconomia no Brasil O conceito de bioeconomia é definido como toda atividade que constrói uma economia circular, utilizando matérias-primas sustentáveis, empregando recursos biotecnológicos e gerando produtos de alto valor agregado que podem complementar e até substituir modelos econômicos insustentáveis e de alto impacto ambiental. “Ou seja, a bioeconomia avançada baseia-se na aplicação de ciência e pesquisa no desenvolvimento de biotecnologias, cujos resultados criarão novos produtos e processos de base biológica para uso em alguma atividade econômica, principalmente no segmento industrial”, explicou o presidente executivo da ABBI, Bernardo Silva. Segundo o palestrante e membro do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), Plínio Nastari, as principais iniciativas bioeconômicas desenvolvidas no Brasil estão centradas na produção de biocombustíveis:

Rasmus Valanko, diretor de Clima e Energia do World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), apresentou o below50

“Ela é a energia que advém da biomassa e se apresenta através etanol, biogás, biometano, bioquerosene, ou seja, biocombustíveis. É um recurso muito interessante e que precisa se expandir, pois além de sustentável, gera desenvolvimento, novas oportunidades de trabalho, investimentos em pesquisas e tecnologia e melhor distribuição de renda” enfatizou. Para Nastari, as soluções em bioenergia representam um formato que alia fornecimento e independência enérgica em escala global a um modelo de desenvolvimento econômico, alicerceado na geração de oportunidades e na sustentabilidade socioambiental.

São Paulo tem 60% da matriz com recursos renováveis, disse Alckmin

revistaamazonia.com.br

Desta forma, no Brasil - país que é o segundo maior produtor mundial de biocombustíveis - a bioeconomia traz perspectivas de crescimento para além dos biocombustíveis - não apenas do ponto de vista econômico: “A bioeconomia tem uma amplitude de ofertas e externalidades para ajudar o Brasil a fixar uma cultura de desenvolvimento em sua agenda, criando novas oportunidades de empregos, negócios e tecnologias e de se consolidar como uma liderança ambiental para o restante do mundo”. De acordo com diretor do Laboratório de Ciência e Tecnologia do Bioetanol, Gonçalo Pereira, o Brasil possui não apenas potencial para alcançar uma liderança global em bioeconomia, mas também uma vocação natural, uma vez que o país possui excelentes condições climáticas, solos férteis em abundancia, recursos hídricos, ciência, tecnologia e investimentos de três décadas em qualificação e capacitação humana para criar culturas bioeconômicas de alta qualidade. “As soluções que desenvolvemos aqui melhoram as condições atmosféricas para o mundo inteiro.

REVISTA AMAZÔNIA

17


No Biofuture Summit para estabelecer regulações e incentivos para iniciativas que beneficiem o futuro e as pessoas

Presidente e líder da delegação de Bioenergia da IEA, Kees Kwant, mostrando rotas para ampliar a bioeconomia

O Brasil tem o dever de mostrar que é possível realizar uma transição da economia fóssil para a renovável e que este é um excelente negócio global”, enfatizou Pereira. Endossando esta concepção, o Presidente do Conselho Diretor da ABBI e Presidente da Novozymes Latin America, Emerson Vasconcelos, enfatizou o importante papel desempenhado pelo país e sua missão de encabeçar práticas ambientalmente comprometidas: “Durante a COP 21, o Brasil foi um dos países que demonstrou maior interesse em adotar práticas sustentáveis e estabeleceu um dos target´s mais agressivos do encontro. Nós nos comprometemos a reduzir nossa emissão de carbono em 43% até 2030 e firmamos em nossa carta de intenção a utilização de biocombustíveis no transporte como forma de atingir a meta. O país tem ocupado uma posição muito importante neste aspecto, afinal o setor de transporte é responsável por 1/3 das emissões de carbono do mundo e, como fornecedor global de biocombustíveis, temos a capacidade de oferecer uma ótima alternativa ao problema”.

Roberto Jaguaribe - presidente da ApexBrasil - disse que a pobreza tende a degradar a natureza

Contudo, a transição para uma bioeconomia avançada depende do aumento da produtividade e valor agregado do setor, apoio de políticas públicas e conscientização social, temas que pautaram os debates e proposições do Biofuture Summit, evento que consolidou o interesse brasileiro em liderar estas discussões. “Recursos nós temos, indústrias interessadas para que isso aconteça também. Precisamos educar o mercado de consumo para a era da bioeconomia e

cobrar do governo políticas aptas a dar o suporte e incentivo necessário a estas iniciativas. Neste aspecto, a plataforma Biofuture é um marco global, uma demonstração que setor público e privado podem e devem trabalhar e pensar juntos em busca de soluções eficientes e inovadoras”, apontou Vasconcelos. Nesta mesma direção, Bernardo Silva sinalizou a urgência para a consolidação deste novo modelo industrial: “Precisamos conscientizar empresas e pessoas dos benefícios que os produtos e processos renováveis oferecem para o meio ambiente, saúde humana e o bem-estar social. Conseguir incorporar a mentalidade de que, por exemplo, valor não é apenas o preço, mas principalmente os benefícios externos que um produto traz. Em segundo lugar, precisamos que o governo assuma a implementação de políticas públicas como meta prioritária para estimular a competitividade e a dimensão deste novo mercado e, assim, possibilitar que o país caminhe rumo a uma transição da economia fóssil para a renovável”. Durante o Biofuture, alguns pontos ficaram claros: o Brasil pode e deve se posicionar não apenas como uma autoridade global em bioeconomia, mas também como uma forte liderança entre os países que constroem o caminho para um futuro sustentável. Mas para isto ocorrer é necessário a implementação de boas práticas, como valorização da propriedade intelectual e rápida concessão de patentes, modernização do atual marco regulatório, desenvolvimento em tecnologia e inovação, diminuição dos custos de investimentos no setor, e a viabilização dos projetos em escala comercial. E o que ficou mais evidente e se firmou como essencial durante o encontro: Educação. “Precisamos preparar o olhar social para esse novo paradigma que já é uma realidade”, finalizou Silva.

“Quando eu falo em segunda geração eu me refiro ao açúcar, não apenas ao etanol. Ao solubilizar os açúcares presentes na cana-energia, as possibilidades são inúmeras e dependem apenas da sua tecnologia”, diz Gonçalo Pereira, diretor do CTBE

Ana Szklo, do CEBDS, moderou o painel sobre o desenvolvimento de biocombustíveis na indústria

18

REVISTA AMAZÔNIA

revistaamazonia.com.br


Painéis destacam oportunidades e desafios Após a abertura, foram realizados dois painéis com a finalidade de discutir os cenários climáticos e os principais desafios para o desenvolvimento da bioeconomia global. Moderado por Christian Zinglersen, chefe da Secretaria Ministerial de Energia Limpa (IEA), o debate “Cenários climáticos e a necessidade de ampliar a bioeconomia avançada” destacou a urgência de se desenvolver o mercado de bioenergia em suas diversas frentes, da produção ao consumo, respeitando as diferenças regionais. Paolo Frankl, chefe da Divisão de Energia Renovável da IEA, ressaltou que os biocombustíveis são indispensáveis para o alcance das metas do Acordo de Paris. “Mesmo cumprindo com todas as NDC, será difícil atingir as metas acordadas na COP21. Pela frente, temos como principal desafio o aumento, em grande escala, da participação de biocombustíveis na matriz energética global até 2030”. Para ele, o caminho é expandir o desenvolvimento de tecnologias. Bernardo Gradin, CEO da Granbio, trouxe a perspectiva da indústria para o debate. “A descarbonização oferece um amplo espectro de oportunidades de negócios, mas faltam programas e políticas que estimulem a produção e a demanda de biocombustíveis”, defendeu.

Mais de 270 delegados de 28 países discutiram as melhores maneiras de criar uma bioeconomia sustentável

O painel contou também com a participação de Sakari Oksanen. O segundo painel – Superando os desafios atuais e estruturando as opções políticas futuras -, moderado pelo diretor geral de Desenvolvimento Sustentável, Energia e Clima do Ministério do Meio Ambiente da Itália, Francesco LaCamera, teve como principal questão debater soluções concretas para a superação das barreiras, especialmente as legislativas. O painel também teve contribuições do chair de Bioenergia da IEA, Kees Kwant; e do chair do Grupo de Trabalho em Biocombustíveis do Ministério de Petróleo e Gás da Índia, Ramakrishna Y.B.

O papel da indústria na bioeconomia Dia seguinte, os participantes da Cúpula se dividiram em três painéis paralelos, com o objetivo de esmiuçar temas relativos à bioeconomia, como a construção de políticas públicas e o desenvolvimento de biocombustíveis e bioprodutos de baixo carbono. O painel “Desenvolvimento Industrial

na Bioeconomia: combustíveis de baixo carbono” foi moderado pela gerente sênior de Assessoria Técnica e Projetos do CEBDS, Ana Szklo, e formalizou o roadshow do below50. O segundo debate sobre o desenvolvimento da bioeconomia na indústria contou com a participação de parceiros do below50 – hubAmérica do Sul. Bernardo Silva, presidente da Associação Brasileira de Biotecnologia Industrial (ABBI), abordou as oportunidades que o Brasil têm pela frente com o programa do governo federal para alavancar os biocombustíveis. O I Biofuture Summit foi organizado pelo Ministério de Relações Exteriores em parceria com o CEBDS e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), e contou com o apoio da ABBI; ABiogás; Unica; Ubrabio; Confederação Nacional da Indústria (CNI); Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia de Bioetanol (CTBE); e Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM). Os debates tiveram como tema central as melhores formas de encarar o relevante desafio para o futuro do planeta.

NÃO DESPERDICE RESÍDUOS!

© Photo: Pete Ryan/Getty Images

Cada garrafa é importante. A moderna tecnologia de sensores para reciclagem da TOMRA Sorting permite alcançar altos índices de pureza, chegando à 99,9% - reduzindo perdas de materiais valiosos com a maximização do processo. Nossa meta: transformar os aterros em história e assegurar o futuro para o seu negócio. www.tomra.com/recycling

revistaamazonia.com.br

TOMRA BRASIL SOLUÇÕES EM SEGREGAÇÃO LTDA // +55 11 3476 3500 // INFO-BRASIL@TOMRASORTING.COM

TSRE_Revista Amazonia_Plastics_205x135mm+3_PT_160315.indd 1

REVISTA AMAZÔNIA

19

15.03.2016 14:11:01


Ilustração de artistas de eventos sobre o sol que alteram as condições no espaço da Terra

O Sol “queimando”

o campo magnético da Terra Fotos: NASA, NASA/SDO, NASA / SDO / Goddard

R

ecentemente, a NASA detectou rajadas de radiação (labaredas solar) desprendidas de erupções, detectadas pelo satélite Solar Dynamics Observatory, da agência especial estadunidense. É mais poderosa dos últimos 12 anos, com uma intensidade de X9.3. Essa escala determina o tipo de fulguração por meio de uma letra, nesse caso “X”, utilizada para as erupções extremamente grandes; e um valor, que determina sua intensidade. Quando ocorrem fulgurações desse tipo, a energia emanada do centro do disco solar consegue alcançar 1 trilhão de megatons de TNT. Isso é uma quinta parte da energia emitida pelo Sol em um único segundo e mais que toda a energia que o homem é capaz de produzir em 1 milhão de anos. Essas fulgurações perturbam e perturbaram as comunicações de rádio de alta frequência durante uma hora no lado da Terra situado em frente ao Sol e também as comunicações de baixa frequência utilizadas na navegação. Além disso, podem alterar o funcionamento dos satélites de comunicação e o GPS, assim como as redes de distribuição elétrica ao chegarem à atmosfera superior da Terra. As duas erupções ocorreram em uma região ativa do Sol onde já havia ocorrido uma erupção de intensidade média em 4 de setembro. O ciclo atual do Sol se iniciou em dezembro de 2008 e tem um promédio de 11 anos. Durante esse tempo, a intensidade da atividade solar diminuiu bruscamente, abrindo caminho ao “mínimo solar”.

20

REVISTA AMAZÔNIA

Tempestades solares que já afetaram a Terra Quando as tempestades solares liberam flamas solares (labaredas solar) e ejeções de massa coronal, ou CMEs, em direção à Terra, podemos sentir os efeitos aqui no chão. Eles podem interferir com nosso campo magnético e produzir correntes induzidas geomagnéticamente, ou GICs. Estes GICs afetam nossa rede elétrica e podem causar danos permanentes aos componentes críticos da grade, incluindo transformadores de alta tensão. Uma tempestade geomagnética em março de 1989 causou distúrbios da rede em toda a América do Norte. Os efeitos mais perturbadores foram experimentados em Quebec, onde a rede desabou em menos de dois minutos e causou danos a alguns transformadores de alta tensão. Em outubro de 2003, uma série poderosa de tempestades ao redor do Dia das Bruxas não causou apenas fortes distúrbios no norte da Europa e um apagão regional na Suécia, mas eles também podem ter danificado 12 transformadores na África do Sul, que geralmente são menos suscetíveis aos efeitos GIC devido à sua baixa latitude

revistaamazonia.com.br


No final da fase ativa, essas erupções se tornam cada vez mais raras, o que não significa que não sejam potentes. As tempestades solares são o resultado de uma acumulação de energia magnética em alguns lugares. Essas rajadas de matéria ionizada se projetam a grande velocidade na Coroa Solar e além, até centenas de milhares de quilômetros de altitude. Atualmente, toda essa energia está “queimando” o campo magnético terrestre, no momento em que o planeta enfrenta uma nuvem de plasma solar que alcança um diâmetro de aproximadamente 100 milhões de quilômetros. Em entrevista, o físico solar Mauro Messerotti, do Observatório de Trieste, explicou os danos do fenômeno. “A tempestade bateu no campo magnético da Terra algumas horas mais cedo do que a previsão inicial. Ela criou problemas nas comunicações de rádio em regiões polares, mesmo em latitudes mais baixas, e perturbou os sistemas de navegação GPS, porque a atmosfera estava cheio de partículas eletricamente carregadas e receptores não podia captar os sinais enviados pelos satélites “, informou. O fenômeno também provocou auroras boreais com brilhos mais intensos do que o habitual, sendo possível vê-las claramente em todas as regiões polares, como também em latitudes mais baixas, como aconteceu no estado de Arkansas, nos Estados Unidos. Já nos países nórdicos, o brilho das auroras atrapalharam até o trânsito em algumas regiões. Além disso, esses fenômenos também podem afetar as naves que viajam pelo espaço, já que poderiam apresentar mais resistência ao entrarem na órbita da Terra e terem problemas de orientação e de aumento de carga. Como curiosidade, a aurora boreal poderá ser vista mais baixa da Pensilvânia ao Oregon. Especialistas já previram o surgimento de auroras polares em cidades da Rússia e do Canadá.

O planeta Terra é uma esfera rochosa que contém, em seu interior, ferro líquido incandescente, em constante movimento e carregado eletricamente. Essas correntes elétricas geram um campo magnético que envolve o planeta e protege a Terra contra a radiação espacial - mais especificamente, do Sol.

Erupção solar ocorrida em 06 de setembro de 2017

NASA detectou a maior erupção solar desde 2008 Esse fenômeno, causado pela série de erupções que aconteceram de 9 para 10 de setembro, alcançou o nosso planeta, “queimando” seu campo magnético. È ocasionado por milhões de toneladas de vento solar que viajam centenas de quilômetros em um fluxo poderoso em direção da Terra.

O Observatório de Dinâmica Solar da NASA capturou esta imagem de um alargamento solar - como visto no flash brilhante do lado direito - em 10 de setembro de 2017. A imagem mostra uma combinação de comprimentos de onda de luz ultravioleta extrema que destaca o material extremamente quente em flamas, que foi então colorido. Classe X8.2, em uma mistura de luz dos comprimentos de onda 171 e 304 angstrom

“A matéria solar alcançou uma velocidade 1,5 vezes superior ao que se esperava e o impacto na Terra é mais potente do que calculávamos. A direção desta última erupção é desfavorável para o nosso planeta: seu campo está oposto ao terrestre e nesses momentos ‘queimará’ o campo magnético da Terra”, revela o Laboratório de Astronomia do Sol, do Instituto Físico Lebedev da Academia de Ciências da Rússia. A série de erupções no Sol começou em 4 de setembro. Primeiro, aconteceram erupções da classe M, de 4 a 5 pontos de potência. Depois, em 6 de setembro, ocorreu uma erupção da classe X, de 2,2 pontos, e no mesmo dia foi registrada outra extremamente forte, de intensidade X9,3. Ao mesmo tempo, os cientistas destacam que, para além destes fenômenos atmosféricos impressionantes, a recente erupção pode provocar uma forte tempestade geomagnética, capaz de interromper o funcionamento de satélites, embora não deva afetar a saúde dos habitantes da Terra. [*] Assista como foram as recentes erupções do Sol: https://www.youtube.com/watch?v=qZQBlWdlAY&feature=youtu.be [*] Assista como os Cientistas da NASA, descrevem as erupções solares de todos os tamanhos, em 5 Passos: https://youtu.be/-tdRTn2lwng

revistaamazonia.com.br

REVISTA AMAZÔNIA

21


Emissões de CO2 atingiram os maiores níveis em 800 mil anos Fotos: NASA’s Goddard Space Flight Center/Ludovic Brucker, NASA/JPL-Caltech

O estado dos gases de efeito estufa na atmosfera, com base em observações globais até 2016

A

A rede global da GAW para o CO2 na última década (o A rede para CH4 é similar)

no passado, um poderoso El Niño deixou meteorologistas na expectativa de um aumento nas emissões de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. A World Meteorological Organization (WMO) divulgou um relatório recentemente, que confirma estas projeções, mostrando que concentrações de CO2 “aumentaram em velocidade recorde em 2016 para os maiores níveis em 800 mil anos”. A combinação de atividades humanas e o El Niño – que lançaram uma série de secas em regiões tropicais, o que limitou o sequestro de CO2 pelas plantas – causaram concentrações médias de CO2 a elevar em um ritmo recorde de 3,3 partes por milhão (ppm). Concentrações subiram para 403,3 ppm em 2016, em comparação, 2015 atingiu 400 ppm. Níveis de CO2 estão 145% acima de níveis pré-industriais, que registravam aproximadamente 280 ppm. Ao anunciar os resultados na reunião anual sobre efeito estufa nas Nações Unidas, o secretário-geral da WMO, Petteri Taalas, alertou que sem cortes rápidos em emissões de CO2 e outros gases do efeito estufa, a temperatura aumentara além de 2º Celsius até o fim do século, meta estabelecida pelo Acordo de Paris sobre mudanças climáticas.“As leis da física mostram que encararemos um clima muito quente e muito mais extremo no futuro”, ele disse.

22

REVISTA AMAZÔNIA

“Atualmente não existe uma varinha de condão que possa remover este CO2 da atmosfera”. De acordo com o relatório, a taxa de aumento do CO2 atmosférico nos últimos 70 anos é aproximadamente 100 vezes maior que a taxa do fim da era do gelo. “Pelo que podem nos dizer as observações diretas e indiretas, mudanças tão bruscas nos níveis atmosféricos de CO2 nunca foram vistas antes”, escrevem os autores. Ano passado também foi o ano mais quente já registrado desde 1880, quando registros modernos tiveram início. O relatório – junto de outro estudo, “Relatório de Emissões de Gás” do departamento de meio ambiente das Nações Unidas, que rastreia as emissões de gases do efeito estufa em países – foi divulgado na véspera das negociações climáticas das Nações Unidas, que ocorrem de 7 a 17 de novembro, em Bonn, na Alemanha.

A taxa de aumento do dióxido de carbono atmosférico (CO2) nos últimos 70 anos é quase 100 vezes maior do que no final da última era do gelo. No que diz respeito a observações de procuração podem dizer, tais mudanças abruptas nos níveis atmosféricos de CO2 nunca antes foram visto. A figura à esquerda mostra o CO2 atmosférico conteúdo no final da última era do gelo, e a figura à direita mostra o conteúdo atmosférico recente de CO2 [1]. A área cinza fina na figura esquerda, que parece como uma linha vertical, corresponde a um período similar de 70 anos, conforme ilustrado na figura para certas vezes. Aumenta rapidamente os níveis atmosféricos de CO2 e outros gases com efeito de estufa (GEE) têm potencial para iniciar mudanças imprevisíveis no sistema climático, devido a fortes retroalimentações positivas, levando a graves interrupções ecológicas e econômicas. A OMM Global no programa Atmosphere Watch (GAW) rastreia o alterar dos níveis de GEE e serve de aviso prévio, detectando mudanças nessas chaves motoras das mudanças climáticas.

revistaamazonia.com.br


No sul e sudeste da América do Sul tropical, incluindo a floresta amazônica, a seca severa estimulada por El Niño fez 2015 o ano mais seco em 30 anos. As temperaturas também foram superiores ao normal, e essas condições mais secas e mais quentes reduziram a fotossíntese, o que significa que árvores e plantas absorveram menos carbono da atmosfera, então houve um aumento líquido na quantidade de carbono liberada para a atmosfera. Em contrapartida, as chuvas na África tropical estavam em níveis normais, com base em análises de precipitação que combinavam medições de satélites e dados de pluviometria, mas os ecossistemas experimentaram temperaturas mais quentes do que normais. Árvores mortas e plantas se decompuseram mais, levando a liberação de mais carbono para a atmosfera. E a Ásia tropical teve o segundo ano mais seco nos últimos 30 anos - o aumento da liberação de carbono, principalmente da Indonésia, deveu-se principalmente ao aumento dos incêndios de turfa e florestas, também medidos usando instrumentos de satélites. Juntos, os relatórios visam mostrar como a lacuna entre as atuais emissões e as metas de emissões podem ser superadas. “Os números não mentem. Continuamos a emitir demais e isso precisa ser revertido”, disse Erik Solheim, chefe do departamento de meio ambiente das Nações Unidas, em um comunicado. “Nos últimos anos temos visto uma enorme aceitação da energia renovável, mas devemos redobrar nossos esforços para garantir que estas novas tecnologias de baixa emissão de carbono possam prosperar. Já temos muitas das soluções para resolver este problema. O que precisamos agora é vontade política global e um novo senso de urgência”. A administração do presidente americano, Donald Trump, tem dramaticamente diminuído o senso de urgência sobre mudanças climáticas nos EUA, com o presidente até ameaçando retirar o país do Acordo de Paris.

revistaamazonia.com.br

Força radiativa atmosférica, em relação a 1750, de LLGHGs e a atualização de 2016 da NOAA AGGI [3, 4]

As florestas tropicais da Terra deram um grande vazamento de CO2 durante o El Niño do ano passado

Enquanto as três regiões tropicais liberaram aproximadamente a mesma quantidade de dióxido de carbono na atmosfera, a equipe descobriu que as mudanças de temperatura e chuva influenciadas pelo El Niño eram diferentes em cada região Segmento de núcleo de gelo extraído no sudeste Greenland, pela equipe de Lora Koenig, uma Glaciologista da NASA Goddard Space, Centro de voo em Greenbelt

Apesar de tudo isso, os EUA ainda exercerão se retirar do acordo antes de 2020. Muitas um grande papel nas futuras conversas sobre nações ainda acreditam que os EUA podem mudanças climáticas, já que nenhum país pode ser convencidos a se manter no acordo.

REVISTA AMAZÔNIA

23


Pode diminuir muito a quantidade de carbono que ainda podemos jogar na atmosfera

N

o tratado climático de Paris, quase todos os países do mundo concordaram em tentar limitar o aquecimento global a mais de 2 ° C acima das temperaturas pré-industriais e, de preferência, mais perto de 1,5 ° C. Mas um novo estudo publicado na Nature Climate Change observa que o acordo não definiu quando começa o “pré-industrial”. Nossas medidas instrumentais da temperatura média da superfície da Terra começam no final dos anos 1800, mas a Revolução Industrial começou em meados dos anos 1700. Há também uma teoria de que a agricultura humana tem influenciado o clima global há milhares de anos, mas a combustão em massa de combustíveis fósseis chutou a influência humana em alta velocidade. Podemos estar a 1 ° C ou 1,2 ° C de aquecimento desde “pré-industrial” Sabemos que, desde o final dos anos 1800, os seres humanos causaram que as temperaturas globais da superfície aumentassem em cerca de 1 ° C. Mas e a influência humana nos séculos anteriores, que são tecnicamente ainda “pré-industriais”? O novo estudo utilizou simulações de modelos climáticos de 1401 a 1800, durante o qual sabemos as influências climáticas de efeitos naturais como a atividade solar e vulcânica bastante bem.

Probabilidade de exceder o limite de temperatura para diferentes linhas de base pré-industriais assumidas

24

REVISTA AMAZÔNIA

Eles descobriram que, dependendo do ponto de partida, as temperaturas globais da superfície durante esse período eram menores de 0 a 0,2 ° C do que o final dos anos 1800. De acordo com o último relatório do IPCC, para ter uma chance de 50% de ficar abaixo do alvo de 2 ° C, quando contabilizamos os gases de efeito estufa sem carbono, temos um orçamento restante de cerca de 300 bilhões de toneladas de dióxido de carbono. Mas isso foi para o aquecimento de 2 ° C acima das temperaturas de 1800. Se adicionarmos mais 0,1 ° C de aquecimento pré-industrial, os autores do estudo estimaram que o orçamento diminui em 60 bilhões de toneladas (20%) e se houve um aquecimento pré-industrial adicional de 0,2 ° C, o orçamento de carbono de 2 ° C encolhe Em 40%. Como um dos autores do estudo, Michael Mann, afirmou:

revistaamazonia.com.br


Diferença simulada por modelo na temperatura média global entre diferentes períodos pré-industriais 1850-1900

Dados históricos e projeções futuras para a temperatura média global

Ou os objetivos de Paris devem ser revisados, ou, alternativamente, decidimos que os alvos existentes realmente deveriam descrever apenas o aquecimento desde o final do século XIX. É um ponto importante se queremos medir se conseguimos ou não cumprimos os objetivos climáticos de Paris. E é importante saber se o nosso orçamento deve ser fixado em mais de 300 mil milhões de toneladas, ou mais como 200 mil milhões de toneladas de poluição por dióxido de carbono.

revistaamazonia.com.br

Estamos indo na direção errada No entanto, ainda não estamos no bom caminho para atender o orçamento do clima climático de Paris. Com base nas promessas nacionais atuais, os seres humanos causarão um aquecimento de cerca de 3 a 3,5 ° C acima das temperaturas do final de 1800 até 2100. Mas o tratado de Paris incluiu um mecanismo de bloqueio através do qual os países podem gradualmente

tornar seus alvos de poluição de carbono mais agressivos. Se bem sucedido, esse bloqueio poderia limitar o aquecimento global a 1,8 ° C acima das temperaturas de 1800, o que provavelmente é inferior a 2 ° C acima das temperaturas pré-industriais. Para atingir esse objetivo, os EUA teriam que reduzir sua poluição por carbono até 45% abaixo dos níveis de 2005 até 2030, por exemplo. Mas, no momento, a América está se movendo na direção errada, tornando-se vergonhosamente a única nação que anuncia a retirada do tratado de Paris, com o objetivo de se juntar à Nicarágua (que declinou assinar devido a objeções de que o acordo era muito fraco) e da Síria (o que não Participar de uma guerra civil) como os únicos países não signatários. Felizmente, outros países como a China e a UE estão intensificando para preencher o papel de liderança global desocupado pela América sob a administração Trump.Independentemente disso, precisamos reduzir a poluição por carbono o mais rápido possível Também é importante lembrar que 2 ° C não é uma linha vermelha - que, se causarmos 2,1 ° C, o mundo acabará ou a 1,9 ° C, tudo será bom e dandy. O alvo de 2 ° C é razoável por dois motivos: 1) Acima de cerca de 2 ° C, começamos a entrar no reino onde existe um risco significativo de grandes impactos climáticos, como o branqueamento de corais generalizado, a diminuição da produção de alimentos, o aumento significativo do nível do mar e até 30% das espécies globais em risco de extinção . 2) Do ponto de vista político prático, cumprir o orçamento de carbono de 2 ° C é o melhor que podemos fazer. Mesmo isso exigirá uma ação global agressiva, com países que reduzam seus alvos de poluição por carbono. Mas a lógica chave é que quanto mais o aquecimento global causamos, os impactos climáticos mais caros e mais prejudiciais serão. Quanto mais rápido travarmos a nossa poluição climática, menor será o risco de uma catástrofe climática ou, especialmente, impactos climáticos prejudiciais.Estamos no ponto em que precisamos reduzir a poluição por carbono tão rapidamente quanto possivelmente possível. Isso é verdade se a Terra aqueceu 1,0 ou 1,1 ou 1,2 ° C acima das temperaturas “pré-industriais”. No entanto, saber qual é o caso é útil para estabelecer metas concretas e avaliar se as encontramos. Mas se vamos encontrá-los, teremos que reverter rapidamente os erros da administração Trump.

REVISTA AMAZÔNIA

25


Gráficos mostram como a Terra ficou mais quente nos últimos 100 anos Fotos: Antti Lipponem/NASA, GISS Surface Temperature Analysis-GISTEMP

A

ntti Lipponen, que é pesquisador do Instituto Meteorológico de Helsinque, na Finlândia, especialista em Física Computacional, Matemática Aplicada, Computação em Matemática, Ciências Naturais, Engenharia e Phd em Medicina, usou dados disponíveis publicamente da NASA para demonstrar o aumento das temperaturas em todo o mundo. Esta não é a primeira vez que a história do aquecimento global foi contada com a ajuda de um gráfico fascinante. No ano passado, Brad Plumer escreveu sobre um GIF viral criado pelo cientista climático Ed Hawkins, e David Roberts escreveu sobre um conjunto de GIFs de clima inteligente inspirados pelo que Hawkins fez. O GIF de Hawkins em 2016 mostrou o aumento da temperatura global de 1850 a 2016, mas não desagregou por país como o Lipponen’s. Ainda assim, a descrição de Plumer é útil para entender o que o vídeo de Lipponen mostra: O aquecimento global não é um processo suave e há flutuações de ano para ano devido à variabilidade interna (por exemplo, mudanças na intensidade do sol, erupções vulcânicas ou mudanças na quantidade de calor armazenado em camadas mais profundas do oceano). Mas, como continuamos adicionando gases de efeito estufa à atmosfera e continuamos a atrapalhar o calor extra na Terra, esse efeito eventualmente domina, empurrando as temperaturas globais cada vez mais altas. A espiral se move para fora. No gráfico de Lipponen, a cor e o comprimento de uma barra representam a mesma coisa: a anomalia média da temperatura de cada país a cada ano. Antti Lipponen, é pesquisador do Instituto Meteorológico da Finlândia

26

REVISTA AMAZÔNIA

Veja o gráfico ano a ano com as anomalias saltando aos olhos

Ao usar dados de anomalia (em vez de dados de temperatura absolutos), Lipponen facilita a visão de como a temperatura de cada país em um determinado ponto difere de uma linha de base. É certo que, se você está tentando ter uma ideia do que isso tudo significa para o aumento da temperatura global, você não pode simplesmente classificar as barras. Alguns níveis de temperatura relativamente menores em países grandes contribuem mais para a temperatura global média do que os aumentos maiores em países menores.

revistaamazonia.com.br


Anomalias de temperatura ao redor do mundo desde 1900. 1980 é o período-base

Inovação durante a noite, estatísticas da NASA O trabalho de Lipponen envolve a detecção remota de partículas finas na atmosfera terrestre e outras de coleta de dados relacionados ao clima. O pesquisador diz que seu hit video, que ele chama de combinação de trabalho e lazer, nasceu em uma única noite. “Estou interessado em saber como certos tipos de dados podem ser apresentados de forma compreensível, especialmente como acompanhar com precisão as mudanças de temperatura”, diz Lipponen. Lipponen usou dados abertos das estatísticas Goddard Institute for Space Studies (GISS) da NASA em temperaturas médias mundiais. As estatísticas são atualizadas mensalmente. “Eu vi vídeos de mudanças de temperatura em todo o planeta, mas grandes contribuintes para o aquecimento global tendem a ser superados em mapas como esse. Os países individuais estão melhor representados no meu gráfico, os comentadores que louvaram”, conta Lipponen. VEJA O VÍDEO REVELANDO AS ANOMALIAS DE TEMPERATURA AO REDOR DO MUNDO. 117 ANOS DE DADOS EM 35 SEGUNDOS HTTPS://WWW.FLICKR.COM/ PHOTOS/150411108@N06/35471910724/BR

E diferentes regiões são afetadas de forma diferente pela mudança climática. Mas uma tendência ampla é surpreendentemente clara, e Lipponen insere um gráfico menor no canto superior direito para mostrar: está ficando mais quente em todo o mundo. O gráfico em vídeo, mostra a extraordinária tendência do aquecimento global em mais de 100 países. 117 anos de dados em 35 segundos. Ele analisou dados de 190 países nas cinco regiões do globo coletados pela Nasa, a agência especial americana. Lipponen calculou primeiro a temperatura média de 1951 a 1980 em cada país - o que chamou de período-base. Então, comparou ano a ano as variações de temperatura relativas à média dessa base de referência. No gráfico, as barras azuis mostram os anos em que as temperaturas estão abaixo da média. As barras laranjas, por outro lado, que as temperaturas estão bem acima da média. A conclusão foi de que a Terra está ficando mais quente, comprovando mais uma vez o aquecimento global.

revistaamazonia.com.br

A conclusão é de que o mundo está ficando mais Quente

REVISTA AMAZÔNIA

27


El Niños extremos podem dobrar em frequência, mesmo sob 1.5C de aquecimento Infographico: de Rosamund Pearce/Carbon Brief

O

evento El Niño de 2015-16 foi um dos mais fortes registrados, trazendo inundações em grande parte da América do Sul, sul dos EUA e África Oriental e severas secas para a Austrália e o sudeste da Ásia. Agora, um novo estudo, publicado na Nature Climate Change, sugere que eventos semelhantes de “extremos” de El Niños, podem se tornar mais frequentes à medida que as temperaturas globais se elevam. Se o aquecimento global atingir 1.5C acima dos níveis pré-industriais – o limite aspiracional do Acordo de Paris – eventos extremos de El Niño podem acontecer duas vezes, com frequência, acham os pesquisadores. Isso significa ver um extremo El Niño em média a cada 10 anos, em vez de 20 anos. El Niño é um fenômeno climático global que se origina no Oceano Pacífico. Um enfraquecimento nos ventos alísios no Pacífico equatorial traz temperaturas oceânicas quentes para o Pacífico oriental, ao largo da costa da América do Sul.

El Niño, as mudanças climáticas conduzem condições climáticas extremas

Eventos extremos

Os gráficos mostram o número de El Niños extremos por 100 anos (linha roxa, eixo direito) conspirados contra a temperatura média global (linha preta, eixo esquerdo, contra uma linha de base pré-industrial de 1869-1899). Os gráficos mostram projeções até o final do século 21 (esquerda) e depois para o meio do século 23 (à direita). A área sombreada verde indica a média ao longo dos 31 anos, centrada em 1.5C de aquecimento; A área sombreada roxa indica uma média de 2050-2150. Fonte: Wang, G. et al. (2017).

28

REVISTA AMAZÔNIA

revistaamazonia.com.br


Isso tem grandes impactos nos padrões de chuvas em todo o mundo, explica o co-autor do estudo, Dr. Wenju Cai, da Organização de Pesquisa Científica e Industrial da Commonwealth (CSIRO) na Austrália. Ele diz: “Esses movimentos causam uma reorganização maciça da circulação atmosférica, levando ao clima extremo e aos climas em todo o mundo. Por exemplo, inundações no Equador, no Peru e no sudoeste americano, mas a seca na Indonésia e outros países do Pacífico Ocidental”. Embora possamos ver um evento de El Niño a cada cinco anos, cada década ou duas em um evento “extremo” chegará. Além do evento 2015-16, alguns dos mais fortes El Niños na história recente incluem 1982-83 e 1997-98. No novo estudo, os pesquisadores definem um evento “extremo” pelo tamanho da mudança de chuva do Pacífico Ocidental para o Pacífico oriental normalmente seco. Usando uma coleção de 13 modelos climáticos, os pesquisadores simularam a frequência de eventos extremos de El Niño de um período pré-industrial de 1869-99 até o final do século XXI. Suas simulações assumem que as emissões globais seguem a via RCP2.6. Este é um cenário de “pico e declínio”, onde as tecnologias rigorosas de mitigação e emissões negativas significam picos de concentração atmosférica de CO2 e depois cai durante este século. Os modelos sugerem que um evento extremo de El Niño em tempos pré-industriais ocorreria talvez uma vez a cada 22 anos. À medida que as temperaturas globais aumentam, a frequência de El Niños extremos nos modelos aumenta em ritmo semelhante. Você pode ver isso no gráfico acima: à esquerda, que mostra o aumento da temperatura global (linha preta, eixo esquerdo) e a frequência de eventos extremos de El Niño (linha roxa, eixo direito). As duas linhas acompanham de perto. No momento em que o aquecimento atinge 1.5C acima dos níveis pré-industriais (veja a faixa verde sombreada), o El Niño extremo ocorre aproximadamente uma vez a cada 10 anos. Esse é um aumento de 130% em relação à frequência pré-industrial, as notas de papel.

Aquecimento desigual Usando um subconjunto de cinco modelos, os pesquisadores continuaram suas simulações até meados do século 23. Eles acham que, mesmo após o aumento da temperatura, a frequência de eventos extremos de El Niño continua aumentando. Você pode ver isso no gráfico à direita acima. À medida que as temperaturas globais (linha preta) diminuem lentamente após 2050, a frequência de eventos extremos de El Niño (linha roxa) continua a aumentar. Além de 2050, os eventos aumentam para cerca de um evento a cada sete anos, diz o jornal, eventualmente atingindo um evento a cada cinco anos no início do século 22. revistaamazonia.com.br

REVISTA AMAZÔNIA

29


Apenas três anos para salvar o objetivo climático de 1,5C, diz o PNUMA

Este foi um resultado inesperado, diz Cai: “Surpreendentemente, a frequência do extremo El Niño continua a aumentar por mais um século e pelo menos 40% após a estabilização da temperatura média global”. Não é até em 2150 que a frequência de eventos extremos começa a cair novamente. Isso acontece porque a maneira como a Terra se aquece não é uniforme, diz Cai, o que torna mais fácil para o Pacífico mudar para um estado de El Niño: “O aquecimento no Pacífico equatorial oriental é maior do que as regiões circundantes ... facilitando a mobilidade da convecção e a chuva tropical [tropical] para o Pacífico equatorial oriental. Após a estabilização das temperaturas médias globais, o aquecimento mais rápido no Pacífico equatorial oriental persiste “. Os eventos extremos de La Niña poderiam se tornar mais frequentes no século 21 – de uma vez a cada 23 anos, à uma vez a cada 13 anos

La Niña O estudo também analisou possíveis mudanças futuras em eventos extremos da contrapartida de água fria de El Niño – La Niña. Durante os eventos de La Niña, os ventos alísios se fortalecem e o Oceano Pacífico central e oriental se torna ainda mais frio do que o normal. La Niñas é conhecida por trazer a seca ao sudoeste dos EUA, inundações para a América Central e furacões

para o Oceano Atlântico. Um estudo prévio de muitos dos mesmos autores descobriu que, se as emissões globais de carbono não forem travadas, os eventos extremos de La Niña poderiam se tornar mais frequentes no século 21 – de uma vez a cada 23 anos, à uma vez a cada 13 anos. No entanto, o novo estudo sugere que os eventos mais frequentes de La Niña extremas serão evitados se o aumento da temperatura global for limitado a 1.5C ou 2C.

No geral, a pesquisa “fornece outro exemplo de por que a definição de mudanças climáticas” perigosas “em termos de metas de temperatura média globais não dá a imagem completa”, diz o Prof. Mat Collins, presidente da Met Mettable em mudança climática na Universidade de Exeter, que não estava envolvido no estudo. Em outras palavras, os impactos das mudanças climáticas são muito mais complicados do que apenas como as temperaturas médias globais mudam. Mas para estar plenamente confiante nas descobertas do estudo, os cientistas precisam superar algumas questões com a forma como os modelos simulam a temperatura do oceano em regiões tropicais do Pacífico, diz Collins: “Eu ainda me preocupo com problemas com modelos no Pacífico tropical, pelo que eles tendem a produzir temperaturas da superfície do mar que são muito frias no presente. Em última análise, precisamos melhorar significativamente os modelos e reduzir os vieses sistemáticos, a fim de testar a robustez dos resultados como este”.

Movimentos causam uma reorganização maciça da circulação atmosférica, levando ao clima extremo e aos climas em todo o mundo

30

REVISTA AMAZÔNIA

revistaamazonia.com.br


Abraciclo aponta recuperação do setor Fotos: Fábio Alencar

O

último mês de outubro apresentou um crescimento de 4,1% na produção de bicicletas na Zona Franca de Manaus na comparação com o mesmo mês do ano passado. Os dados foram apresentados pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) para jornalistas do setor em uma apresentação no hotel Windham Garden, na zona Oeste da capital amazonense. Mesmo com a produção acumulada do ano registrando recuo de 1,7% em relação ao período de janeiro a outubro de 2016, as 72.093 bicicletas fabricadas no mês passado pelas indústrias do Polo Industrial de Manaus (PIM) foram encaradas pela Abraciclo como um sinal de estabilização e recuperação do setor. “A diferença em relação ao ano passado vem diminuindo cada vez mais e a tendência é fechar o ano estável”, comemorou João Ludgero, vice-presidente do segmento de bicicletas da Associação.

revistaamazonia.com.br

Durante a apresentação do superintendente da Zona Franca de Manaus, Appio Tolentino, sobre os incentivos fiscais oferecidos na região e a importância deles para o segmento de Duas Rodas no Brasil

Sete veículos de imprensa especializados em notícias sobre bicicletas participaram da 1ª Press Trip organizada pela Abraciclo em Manaus, que teve a intenção de mostrar de perto a produção na Zona Franca - produção esta que permite ao Brasil ser o quarto maior produtor mundial de bicicletas. Os jornalistas tiveram a oportunidade de conhecer as linhas de produção de quatro empresas do PIM (Caloi, Sense, Houston e Ox) e, durante a noite, conversaram com o superintendente da Zona Franca de Manaus, Appio Tolentino, que fez uma apresentação sobre os incentivos fiscais oferecidos na região e a importância deles para o segmento de Duas Rodas no Brasil. Durante a apresentação, o superintendente revelou que a recuperação sentida no segmento de bicicletas reflete uma realidade observada na Zona Franca como um todo e que o ano deve fechar com boas notícias para a economia nacional. “Acreditamos que este ano vá fechar com um faturamento de R$ 79 bilhões no Polo Industrial, o

que, apesar de tímido, representa crescimento em relação a 2016, o que é motivo para comemorar”, disse Tolentino.

Appio Tolentino, o superintendente da Zona Franca de Manaus. recebendo a mais recente edição da Revista Amazônia, de nosso diretor Rodrigo Hühn

REVISTA AMAZÔNIA

31


Concentração de CO2 na atmosfera bate novo recorde, continuando um crescimento implacável

Concentração de CO2 na atmosfera bate novo recorde Nível de dióxido de carbono atingiu marca de 412 ppm

Os especialistas da agência meteorológica do Reino Unido (Met Office) haviam previsto que esse recorde só seria alcançado em maio. Desde setembro de 2016, a concentração de dióxido de carbono vem superando os 400 ppm de modo permanente. A crescente presença de CO2 na atmosfera é considerada a principal responsável pelo aquecimento global e pelas mudanças climáticas no planeta. O ano de 2016 já foi o mais quente desde 1880, ou seja, desde quando há dados disponíveis. A temperatura média do aumento planeta viaja para 3 graus, enquanto a meta indicada pelo clima Paris indica 2 graus ou objetivo mais ambicioso de 1,5 graus centígrados, níveis além do qual a “febre” do planeta que pode resultar, de acordo com a comunidade científica, efeitos devastadores.

Estamos vivendo numa atmosfera em que o teor médio de CO2 é de 400 partes por milhão

A

concentração de CO2 na atmosfera bateu um novo recorde histórico e superou pela primeira vez a marca de 410 partes por milhão (ppm). Esse patamar foi ultrapassado de maneira inédita no último dia 18 de abril, segundo medição feita pelo Observatório de Mauna Loa, no Havaí (EUA), a mais antiga estação de detecção de dióxido de carbono no planeta. Além disso, no dia 26, o índice de CO2 na atmosfera atingiu sua marca mais alta até hoje, 412 ppm.

As “leis da física não são negociáveis” Índice de CO2 na atmosfera atingiu sua marca mais alta – 412 ppm

32

REVISTA AMAZÔNIA

Com o aumento do calor, a formação de vapor de água aumenta e mesmo que esse vapor tenha com uma esperança de vida curta, bem como o dióxido de carbono, são elementos primordiais na criação do efeito de estufa. A energia presa pelo dióxido de carbono, entre outros gases, causa o efeito de estufa e o sucessivo aquecimento da superfície terrestre. “Um aumento do teor de vapor de água da atmosfera gera armadilhas e por sua vez, ainda mais calor”. As “leis da física não são negociáveis”. Sessenta por cento das emissões de metano têm como origem atividades humanas, incluindo pecuária, cultivo de arroz, exploração de combustíveis fósseis. Os níveis de concentração atmosférica deste gás aumentaram e têm aumentado muito desde a era pré-industrial. revistaamazonia.com.br


Cientistas propõem modificar nuvens para arrefecer o planeta por Andrea Cunha Freitas

Fotos: Divulgação, Lee Tsz Cheung/Atlas Das Nuvens (Organização Meteorológica Mundial)

Combate às alterações climáticas pode passar por estratégias mais ousadas como interferir na formação de algumas nuvens ou injetar partículas de sulfato na estratosfera. Porém, estas possíveis soluções artificiais para arrefecer a Terra ainda levantam muitas preocupações

R

eduzir as emissões de CO2 e aumentar a captura de carbono são as principais armas que temos atualmente para reduzir os efeitos das alterações climáticas e, mais precisamente, do aquecimento global do planeta. Porém, os cientistas que trabalham no campo da geoengenharia estão a estudar outras estratégias que podem também vir a ser um importante contributo neste esforço. revistaamazonia.com.br

Dois artigos diferentes apresentam duas propostas para arrefecer a Terra de forma artificial: uma, já discutida antes, é a injeção de partículas de sulfato na estratosfera (imitando o que os vulcões fazem de forma natural) e outra, mais inovadora, é mexer nas nuvens, altas e finas, chamadas cirros (ou cirrus). Uns querem imitar a natureza e injetar partículas na estratosfera, outros propõem varrer um certo tipo de nuvens do céu.

O objetivo é o mesmo: ajudar a travar o aquecimento global do planeta. As duas propostas surgem numa área que é chamada geoengenharia e, para já, ainda levantam muitas reservas. Os próprios autores dos artigos sublinham que, antes de avançar, é preciso estudar bem os eventuais efeitos secundários destas medidas que mexem de forma artificial no céu. Mas, defendem, é possível fazê-lo. REVISTA AMAZÔNIA

33


Outra tem a ver com os custos desta operação: “Assumindo um cenário de uma mitigação agressiva e uma captura a grande escala que poderá começar tão tarde como em 2040, seria necessário injetar sulfato durante 160 anos para limitar o aumento de temperatura no planeta a 2.º Celsius – uma aventura dessas poderia custar mais de 17 mil milhões de euros por ano”. A aventura nas nuvens é mais inesperada, mas também levanta algumas reservas. Há muitos tipos de nuvens e que têm efeitos diferentes. O alvo dos investigadores do Instituto de Ciência Atmosférica e Climática na Suiça são os cirros. São nuvens que parecem finos farrapos de algodão que se formam a uma altitude que pode chegar aos 10 quilómetros (quase na estratosfera) e que são feitas de cristais de gelo. “São nuvens que estão situadas lá no alto e praticamente transparentes.

Aumento de vapor de água na atmosfera associado pela primeira vez à atividade humana

“Isto são coisas que não foram postas em prática e que, por agora, teoricamente funcionam e teoricamente fazem sentido”, comenta Alfredo Rocha, professor no Departamento de Física e no Centro de Estudos do Ambiente e do Mar da Universidade de Aveiro. A proposta de injeção de partículas de sulfato na estratosfera não é surpreendente e apoia-se num fenómeno natural, adianta. “Quando há erupções vulcânicas muito fortes como, por exemplo, a que aconteceu no monte Pinatubo (nas Filipinas) em 1991, há uma injeção de partículas de sulfato na estratosfera que refletem a radiação solar e impedem que entre no planeta, ou seja, enquanto lá estiverem a Terra deixa de aquecer tanto”. Os modelos apresentados no estudo sugerem que esta intervenção feita de forma artificial pode mitigar as alterações provocadas pelos gases com efeito de estufa na temperatura global e na precipitação extrema. Porém, avisam os investigadores do Instituto para a Meteorologia Max Planck (na Alemanha) e do Centro Nacional de Investigação Atmosférica norte-americano,

esta ação poderá abrandar o ciclo hidrológico e, consequentemente, reduzir a precipitação e a água disponível. Uma das dúvidas está relacionada com a quantidade de partículas que é preciso injetar para obter o efeito desejado, sem prejuízos.

Você imagina a gente faz.

O termo “geoengenharia” é a variedade de tecnologias que visam, através de modificações em grande escala e deliberadas do balanço energético da Terra, reduzir as temperaturas e contrariar a mudança climática antropogênica Geoengenharia de modificações climáticas

Comunicação Interna e Externa

91

98112-0365

91

98011-3600

Impressão Digital

91

3230-4426

Serviços Customizado

Rua dos Pariquis, 1635 entre Padre Eutiquio e Apinagés Batista Campos 34 REVISTA AMAZÔNIA

www.signsim.com.br revistaamazonia.com.br


A radiação solar atravessa os cirros, mas absorvem muita radiação emitida pela Terra em direção ao espaço e que, depois, emitem para a superfície de novo. Isso vai aquecer a superfície da Terra como aquece mais dióxido de carbono ou vapor de água na atmosfera”, explica Alfredo Rocha. Os cientistas querem diminuir a espessura e quantidade destas nuvens no céu. Como? Criando nuvens artificiais com moléculas que atraem a humidade. “Em termos de ciência, acho muito interessante alterar a área e espessura das nuvens cirros. No fundo, é alterar a forma como se forma a nuvem. Em vez de ser só partículas líquidas que congelaram, é introduzir lá partículas solidas em torno das quais o vapor de água se vai depositar e congela”, diz o professor da UA. “Criam-se nuvens de outro tipo e com outra espessura e eventualmente mais baixas, descem um pouco. Serão cirros modificados pela ação humana.”Os autores do artigo avisam que se o fabrico destas nuvens artificiais não for feito da maneira correta o efeito pode ser o contrário do desejado e, em vez de ajudarmos a arrefecer o planeta, poderemos antes aquecê-lo. “É preciso ter cuidado. Podemos fazer um mal à atmosfera e depois não conseguimos corrigir”, concorda Alfredo Rocha, acrescentando que estas propostas são prometedoras mas têm de

Pode um milhão de toneladas de dióxido de sulfato combater a mudança climática?

ser bem estudadas. “Reduzir as emissões e diminuir o CO2 na atmosfera é algo que vai demorar muito tempo a produzir um efeito. Se calhar, algumas destas novas medidas poderão conseguir reduzir os efeitos das alterações

climáticas bastante mais rápido”, admite, repetindo: “Mas é preciso ter cuidado porque está tudo ligado”. “É como os medicamentos. É preciso avaliar a relação do benefício de um remédio e os seus efeitos secundários”.

Celebre suas festas com produtos Galiotto. Liderança pela qualidade.

HÁ MAIS DE 50 ANOS PROPORCIONANDO MOMENTOS FELIZES AOS APRECIADORES DE UM BOM VINHO. VINHOS E SUCOS revistaamazonia.com.br

Site: www.vinicolagaliotto.com.br E-mail: representante@galiotto.com.br Belém: (91) 99251-7939 (91) 99986-2223 Macapá: (91) 3224-1690 (91) 99986-2223 (91) 98287-7539 (96) 8124-8578 REVISTA AMAZÔNIA

35


Novo estudo mostra que a Amazônia faz sua própria estação chuvosa

U

m novo estudo dá a primeira evidência observacional de que a floresta amazônica do sul, desencadeia sua própria estação chuvosa usando o vapor de água das folhas das plantas. A descoberta ajuda a explicar por que o desmatamento nesta região está relacionado com a redução das chuvas. O estudo analisou dados de vapor de água do Espectrômetro de Emissão Troposférico (TES) da NASA no Satélite Aura, juntamente com outras medidas de Satélites, para mostrar que no final da estação seca, as nuvens que se acumulam sobre o sul da Amazônia são formadas a partir de água subindo da própria floresta. A pesquisa foi publicadarecentemente na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). Tem sido um mistério por que a estação chuvosa começa quando chove na Amazônia ao sul do Equador. Na maioria das regiões tropicais, dois fatores controlam o tempo da estação chuvosa: os ventos de monção (uma mudança de direção sazonal nos ventos predominantes) e a Zona de Convergência Intertropical (ITCZ), um cinturão de ventos comerciais convergentes ao redor do equador que se desloca para o norte ou o sul, com as estações. O sul da Amazônia experimenta estes dois. Mas eles não ocorrem até dezembro ou janeiro, enquanto a estação chuvosa começa atualmente em meados de outubro, dois ou três meses antes.

Fotos: Centro de Pesquisa Florestal Internacional, NASA/MODIS

Então, o que desencadeia o aumento das chuvas? O cientista Rong Fu da UCLA, líder dos novos esforços de pesquisa, publicou um artigo em 2004, sugerindo que o aumento da evaporação da água das folhas – um processo conhecido como transpiração – pode ser a causa. “Nós não tivemos provas difíceis”, disse ela. “Nós especulamos que a umidade veio da vegetação, porque as medidas do satélite mostram que a vegetação ficou mais verde no final da estação seca”. Plantas mais verdes são um indicador provável do aumento do crescimento e transpiração das plantas, mas não definitivo. Além disso, as medidas de cor não podem mostrar a quantidade de vapor de água que se move das plantas para a atmosfera ou se está subindo suficientemente alto na atmosfera para criar nuvens e chuva. Então, a especulação permaneceu assim, até agora.

36

REVISTA AMAZÔNIA

Essas imagens de satélite mostram o progresso da estação seca à estação úmida. Durante o auge da estação seca, há poucas nuvens e pouca umidade acima do dossel da floresta (acima, topo). À medida que as árvores crescem folhas e a fotossíntese aumenta, a umidade acima do dossel aumenta, levando a nuvens tipo pipoca (meio). A energia liberada pela condensação do vapor de água nas gotículas de água conduz a convecção e cria trovoadas (abaixo)

John Worden, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia, desenvolveu uma técnica de análise de dados para TES que permitiu a Fu, estudar o primeiro autor Jonathon Wright (Universidade de Tsinghua, Pequim) e colegas para identificar a fonte de umidade. A técnica distingue entre o hidrogênio e o seu isótopo mais pesado, que combina com oxigênio para produzir água pesada. Os isótopos mais leves se evaporam com mais facilidade do que os isótopos mais pesados.

Isso significa que o vapor de água que se evaporou na atmosfera tem menos deutério que a água líquida. Por exemplo, o vapor de água que se evaporou do oceano tem menos deutério do que a água que ainda está no oceano. A água que é transpirada pelas plantas, por outro lado, tem a mesma quantidade de deutério que a água que ainda está no chão – a planta suga água do chão como uma palha, independentemente do isótopo que contenha a água.

revistaamazonia.com.br


Se o desmatamento desacelerasse o aumento da transpiração até o ponto em que não poderia mais desencadear uma estação chuvosa, as chuvas não começariam até a ITCZ chegar ao final do ano

ITCZ – Zona de Convergência Intertropical (área que circunda a Terra, próxima ao equador, onde os ventos originários dos hemisférios norte e sul se encontram)

Isso significa que o vapor de água transpirou de plantas tem mais deutério que o vapor de água evaporado do oceano. Essa diferença é a chave que permitiu aos cientistas desbloquear o mistério da estação chuvosa. Os dois isótopos têm diferentes “assinaturas” espectrais que podem ser medidas a partir do espaço pelo instrumento TES. As medidas mostraram que, durante a transição da estação seca para a estação úmida, a água transpirada torna-se uma fonte significativa de umidade para a atmosfera e, em particular, para a troposfera média, onde o aumento do vapor de água fornece o combustível necessário para iniciar a estação chuvosa. “O que mostramos é que, durante a estação seca, a água da vegetação é bombeada para a troposfera média, onde pode se transformar em chuva”, disse Worden, co-autor do novo artigo. O achado levanta outra questão: por que as plantas começam a crescer e transpirarem mais durante a estação seca, antes que haja um aumento na chuva? Isso ainda é assunto de pesquisa, disse Fu. “Esta pode ser a forma como as florestas otimizam o seu crescimento. Na estação seca tardia, as plantas ainda recebem luz do sol e podem antecipar a próxima estação chuvosa porque estão adaptadas à sazonalidade da chuva”. No entanto, essa sazonalidade vem mudando nas últimas décadas. A estação chuvosa no sul da Amazônia agora começa quase um mês depois do que na década de 1970.

revistaamazonia.com.br

Há evidências de que, se a estação seca da Amazônia se tornar mais longa do que cinco a sete meses, a floresta já não receberá

chuvas suficientes por ano para manter as árvores vivas, e a região passará da floresta para planícies gramíneas. Em uma grande fração do sul da Amazônia, a estação seca é agora apenas algumas semanas menor em média do que esse limiar de transição. Já houve danos irreversíveis na floresta. A perda de um importante ecossistema da floresta amazônica poderia aumentar as secas brasileiras e potencialmente perturbar os padrões de chuvas tão longe quanto o Texas.As razões para o início tardio da estação úmida não são completamente compreendidas, mas o novo estudo evidencia a ideia de que o desmatamento está desempenhando um papel. Reduzir as árvores disponíveis para produzir umidade reduziria naturalmente a capacidade de construção da nuvem da floresta. Se o desmatamento desacelerasse o aumento da transpiração até o ponto em que não poderia mais desencadear uma estação chuvosa, as chuvas não começariam até a ITCZ chegar ao final do ano. O achado destaca o quão estreitamente conectado o ecossistema da floresta com o clima, disse Fu. “O destino da floresta amazônica do sul depende da duração da estação seca, mas o comprimento da estação seca também depende da floresta tropical”. Queimadas na Floresta amazônica

A vegetação da floresta amazônica tem uma conexão surpreendentemente íntima com a atmosfera. Oscilações sazonais na área foliar da floresta podem não ser apenas uma resposta aos ciclos de precipitação sazonal, mas também a causa deles

REVISTA AMAZÔNIA

37


NASA liga níveis do mar das cidades ao derretimento das geleiras

U

ma nova ferramenta da NASA liga as mudanças no nível do mar em 293 cidades portuárias globais para regiões específicas de derretimento do gelo terrestre, como o sul da Groenlândia e a Península Antártica. Pretende-se ajudar os planejadores costeiros a se preparar para o aumento dos mares nas próximas décadas. Todas as cidades costeiras verão alguns impactos do aumento global do nível do mar. Mas a nova ferramenta mostra que, por exemplo, a cidade de Nova York é mais fortemente afetada pelo derretimento do gelo no nordeste da Groenlândia do que no sudoeste da Groenlândia; enquanto Sydney tem um risco maior da Península Antártica que derrete rapidamente do que da Antártida Oriental. Um artigo descrevendo a nova ferramenta, intitulada “Os planejadores costeiros devem se preocupar com o ponto de derretimento do gelo terrestre?”, foi recentemente publicado na revista Science Advances. O time de pesquisa é Eric Larour, Erik Ivins e Surendra Adhikari do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA em Pasadena, Califórnia. O derretimento do gelo e o aumento das temperaturas do oceano contribuem de forma uniforme para o aumento global do nível do mar hoje. As cidades individuais também são afetadas por condições locais, como o afundamento de terras. Outros recursos baseados na Web, como o US Climate Resilience Toolkit, abordam alguns desses problemas, mas a nova ferramenta da NASA é o único recurso para combinar locais de derretimento específicos de gelo com seus efeitos nas portas do mundo.

Fotos: Google Earth, JPL Nasa

Belém, apesar de estar mais longe da Antártida, é sensível ao derretimento em todo o continente gelado.

A água do gelo derretido na terra não se espalhou uniformemente pelos oceanos do mundo por causa de um empurrão gravitacional entre o gelo e o oceano.

Apesar de estar no norte do Brasil, Belém é menos afetada pelo derretimento na Groenlândia do que Recife e Rio

38

REVISTA AMAZÔNIA

À medida que uma geleira de derretimento ou uma camada de gelo diminui, ela perde massa, fazendo com que sua atração gravitacional local na água do oceano próxima diminua. A água do mar que tinha sido puxada para o gelo pela força da gravidade afasta-se - em outras palavras, o nível do mar cai nas proximidades de uma geleira derretida, mas se eleva mais longe. Quando este padrão espacial pode ser atribuído a uma determinada geleira ou camada de gelo, é conhecida como uma impressão digital do nível do mar. Para calcular esta e outras influências sobre o nível do mar, como a rotação da Terra, Larour e seus colegas usaram uma fórmula matemática dinâmica chamada método adjunto, que é usada em estudos sísmicos e meteorológicos. O método permite uma rápida computação da sensibilidade da saída de um modelo às suas entradas - neste caso, a sensibilidade do nível do mar ao derretimento do gelo. Eles usaram o método com o modelo computacional bem testado da

revistaamazonia.com.br


O vermelho indica a maior contribuição do nível do mar, o azul é a menor a nenhuma contribuição. A nova ferramenta da NASA permite aos usuários pesquisar as contribuições de todas as regiões do gelo terrestre global para o nível do mar em 293 cidades portuárias. A novidade do modelo criado pela equipe de Eric Larour é incorporar todos esses elementos no modelo de previsão, para ter mais detalhes sobre como essa redistribuição acontece. “Outros estudos já haviam mostrado a atuação desses três fatores, mas agora podemos calcular a sensibilidade exata - numa cidade específica - do nível do mar em relação a cada massa de gelo do mundo”. O objetivo principal, diz ele, é ajudar no planejamento das principais cidades do mundo para os próximos cem anos - sabendo quais geleiras apresentam mais risco e em que velocidade elas estão derretendo, governos podem pensar em como diminuir efeitos do aumento do nível do mar. Larour ressalta que quase todo o gelo da Terra está em algum estado de derretimento. “Algumas áreas específicas estão aumentando, mas são poucas, e também há poucas que estão no meio do caminho. A maioria está derretendo ou quebrando, liberando mais icebergs no oceano”. Acesse a ferramenta em: https://vesl.jpl.nasa.gov/research/sea-level/slr-gfm JPL de derretimento da camada de gelo, o Ice Sheet System Model, para desenvolver sua nova ferramenta, denominada Mapeamento de impressão digital Gradient. Os usuários da ferramenta não precisam de treinamento especializado ou potência de computador extrema; eles simplesmente baixá-lo, dados de entrada ou projeções de perda de gelo, e deixá-lo evoluir os padrões de gelo e água em mudança para o futuro. O resultado: um perfil detalhado da sensibilidade do nível do mar em qualquer uma dessas cidades para mudanças no gelo em qualquer lugar do mundo. Os cálculos das impressões digitais do nível do mar foram feitos em estudos anteriores, mas tenderam a ser pesados e espacialmente grosseiros, disse Larour. A nova ferramenta fornece um mecanismo geral para calcular rapidamente resultados de alta resolução usando uma variedade de conjuntos de dados potenciais.

revistaamazonia.com.br

Se derretesse de uma vez e por completo, a Groenlândia aumentaria em mais de 6 metros o nível do mar no mundo, mas a água se distribui de formas diferentes

O Mapeamento de Impressões Digitais de Gradiente não depende de um cenário particular de mudança climática, disse Larour. “Você pode aplicar o método a qualquer tipo de cenário de fusão que você deseja”. Isso significa que ele manterá sua utilidade, uma vez que as projeções melhoradas de perda de gelo ficam disponíveis no futuro.

Os cálculos mostram que a localização específica da perda de massa na Gronelândia é crucial, pois afeta as previsões locais do nível do mar para muitas das principais cidades costeiras da América do Norte e da Europa. Os detalhes espaciais do derretimento antártico são importantes para áreas ao sul do equador na América do Sul, África e Ásia do Sul.

REVISTA AMAZÔNIA

39


Entre alguns resultados intrigantes, Larour disse, são aqueles para Nova York, Londres e Oslo. A corrente de gelo do nordeste da Groenlândia mostrou ter um efeito excessivo no nível do mar local de Nova York, mas as geleiras do sul da ilha tiveram pouca influência. Londres foi mais fortemente afetada pelas geleiras do noroeste e oeste da Groenlândia. E a Noruega está tão perto da Groenlândia, a impressão gravitacional da ilha está contribuindo para a diminuição do nível do mar em Oslo. Os autores observam que a dinâmica do oceano pode acelerar ou compensar as mudanças no nível do mar a partir de impressões gravitacionais - particularmente em Nova York, onde a contribuição do derretimento do gelo para o aumento acelerado do nível do mar é menor em comparação com outras fontes.

Como o derretimento na Antártida afeta Recife - mais vermelho significa que a cidade é mais sensível à dissolução do gelo dessa região

O nível do mar no Rio seria fortemente modificado pela dissolução das geleiras na Groenlândia

Como o Rio de Janeiro será afetado pelo derretimento do gelo em cada região da Antártida; azul significa que a cidade é pouco sensível ao colapso desse trecho

“Esta é realmente uma nova capacidade”, disse Larour. “Agora, um planejador costeiro pode entender e ver como o derretimento ou o crescimento de uma determinada camada de gelo pode ser prejudicial ou benéfico para um local específico”.

Recife será apenas um pouco menos afetada pelo derretimento da Groenlândia do que o Rio de Janeiro

40

REVISTA AMAZÔNIA

Eric Larour, físico e engenheiro mecânico, líder do projeto

revistaamazonia.com.br


As maiores ameaças humanas aos oceanos – e seus antídotos

Registro no Golfo da Califórnia, uma região biologicamente rica, ameaçada pelo aumento do desenvolvimento

C

omida, transporte, matérias-primas, lixo: há séculos a humanidade trata os mares como se fossem inesgotáveis e invulneráveis. A consciência sobre a necessidade de protegê-los aumenta, mas ainda há muito o que fazer. Surfar, velejar, nadar, passear pelas praias: claro, os seres humanos adoram os mares – além de precisarem deles para sobreviver. Apesar disso, tratam da pior forma possível essas extensões de água que cobrem mais da metade do planeta. A DW dá uma olhada de perto nas cinco maiores ameaças de fabricação humana para os oceanos, e por que se deveria tentar salvá-los o mais breve possível – enquanto ainda se tem chance.

Sobrepesca exterminadora

Peixes e frutos do mar são alimento saudável. Mais ainda: em todo o mundo, sobretudo em nações em desenvolvimento, muitos dependem dessas fontes proteicas marinhas para sobreviver. Antigamente a humanidade só pescava tanto quanto a natureza podia repor. Mas esse equilíbrio foi destruído. Segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), no ano 2015 foram pescadas mais de 81 milhões de toneladas de peixes e frutos do mar – 1,7% a mais do que no ano anterior. Quase um terço dos estoques pesqueiros do mundo já foi esgotado, mais da metade está no limite máximo. As nações de maior atividade pesqueira em 2015 foram a China, Indonésia e os Estados Unidos, com 23 países, a maioria industrializados, respondendo por 80% das pescas em todo o mundo.

Pesca descontrolada está esgotando as reservas de alimento humano nos oceanos

revistaamazonia.com.br

Durante muito tempo considerou-se que a solução seria criar peixes em culturas aquáticas. Na realidade, porém, elas até pioram a situação.Ironicamente, a criação industrial em massa, por exemplo em grandes gaiolas ao longo dos litorais, exige enormes quantidades de peixes e frutos do mar – afinal, os animais nos viveiros também precisam ser alimentados. Além disso, os excrementos e medicamentos das fazendas pesqueiras poluem as águas vizinhas e propiciam a disseminação de doenças.Para corrigir a situação, seriam necessárias quotas de pesca rigorosas e, no geral, uma melhor gestão das reservas pesqueiras. As populações têm melhores chances de recuperar se forem deixadas em paz por um período. Mas para que isso funcione, é preciso agir a tempo. Do ponto de vista do consumidor, o conselho seria só comer peixes e frutos do mar em quantidades moderadas, atentando para que tipo de animal vem de que parte do mundo.

Quando o mar fica azedo

Ostras são particularmente sensíveis a oscilações de pH

Embora as emissões de dióxido de carbono tenham se multiplicado desde o início da industrialização, a concentração do gás poluidor na atmosfera só aumentou 40%. O motivo é que os oceanos assimilam CO2, que é solúvel em água, e assim desaceleram a mudança climática. Só que o preço ecológico também é alto. Quando o CO2 se dissolve na água, gera-se ácido carbônico. Em 1870, o pH (coeficiente de acidez) médio do mar era 8,2. Atualmente está em 8,1, devendo, segundo certos prognósticos, chegar a 7,7 até o ano 2100. Essa variação parece mínima, mas significa que os oceanos conterão 150% mais acidez, tornando inviável a vida para muitas espécies. Sobretudo certos moluscos deixarão de se reproduzir, acabando por extinguir-se.

REVISTA AMAZÔNIA

41


Na Grande Barreira de Corais, um dos maiores e mais diversos ecossistemas do mundo, Branqueamento já dizima parte dos seus recifes de coral

Também extremamente sensível à acidificação é o plâncton, fonte microscópica de alimento para numerosos peixes e mamíferos marinhos. Em 2005, o declínio das fazendas de ostras no litoral da Califórnia, EUA, ilustrou de forma dramática as consequências desse processo: a água do mar tornou-se ácida demais para as larvas das ostras, que foram exterminadas – e com elas, todo esse setor industrial na região. Para conter a acidificação dos oceanos é preciso reduzir as emissões de dióxido de carbono, o mais rápido possível.

Sujeira que mata

Durante muito tempo os oceanos constituíram um gigantesco lixão para navegadores, navios de cruzeiro e cidades costeiras. Atualmente, embora a atitude tenha se modificado profundamente, continua se acumulando uma enorme quantidade de resíduos nas águas internacionais. Nos oceanos formaram-se cinco grandes vórtices de lixo, em que as correntes concentram trilhões de fragmentos de plástico e outros resíduos. Calcula-se sua superfície total entre 700 mil e 15 milhões de quilômetros quadrados. No entanto, 99% do lixo nunca chega a esses redemoinhos gigantes, sendo lançado de volta nos litorais, onde ameaçam aves, tartarugas e outros animais marinhos. Além disso, grande parte se decompõe em partículas minúsculas. O microplástico resultante se deposita então no fundo do mar ou no gelo dos polos. Também os nitratos e fosfatos da agropecuária industrial desaguam nos oceanos, levados pelos rios. Eles estimulam o crescimento de algas que, ao morrerem, são decompostas por bactérias.

Mar morno e pálido Os mares não absorvem apenas CO2, mas também cerca de 93% do calor produzido pelas emissões de gases-estufa. A consequência inevitável, contudo, são águas oceânicas mais quentes. Entre 1900 e 2008, a temperatura superficial dos oceanos subiu, em média, 0,62º C; em certas zonas, como o Mar da China, até 2,1º C. Para muitos organismos submarinos, como os corais, isso representa um grande problema. Corais são animais que desenvolvem carapaças rígidas de calcário e mantêm simbiose com algas coloridas e ativamente fotossintéticas, as quais vivem em seu interior. No entanto, quando a água fica quente demais, os corais deixam de prover as substâncias necessárias às algas, as expelem e acabam por morrer por falta de alimento. Esse processo, denominado branqueamento dos corais, já matou um terço da Grande Barreira, na Austrália. Só uma redução das emissões de CO2 poderia evitar o aumento continuado das temperaturas marítimas. Paralelamente, cientistas tentam desenvolver variedades de coral mais resistentes a temperaturas mais elevadas.

42

REVISTA AMAZÔNIA

É crucial reduzir o despejo de plástico na natureza

Grande parte do lixo plástico volta às costas, como em Juhu Beach-Mumbai

revistaamazonia.com.br


O processo reduz o oxigênio contido na água, a ponto de criar “zonas da morte” em que nada mais cresce. As águas residuais da indústria continuam sendo lançadas nos mares, levando consigo substâncias químicas e metais perigosos como chumbo, mercúrio e elementos tóxicos orgânicos de difícil decomposição. Estes se concentram na gordura de baleias, tubarões e outros animais, no fim da cadeia alimentar. Entre as iniciativas para debelar as montanhas de lixo oceânico está a fundação holandesa The Ocean Cleanup, que em 2018 começará a retirar o lixo plástico do grande redemoinho do Oceano Pacífico, usando um dispositivo flutuante desenvolvido especialmente. Além disso, é crucial reduzir o despejo de plástico na natureza e adotar leis mais rigorosas sobre o tratamento das águas residuais.

Um braço robótico agarra uma amostra de Nódulos de manganês (cobiçados para produção de ligas metálicas) no mar Bismarck, em Papua Nova Guiné

Caça aos tesouros marinhos A grande corrida aos mares provavelmente ainda está por vir. Pois, nas profundezas dos oceanos, incontáveis riquezas esperam para ser extraídas, a fim de satisfazer a cobiça e a sede de progresso humanas. Um exemplo são os nódulos de manganês, elemento empregado na produção de ligas metálicas, sobretudo de aço inoxidável. Calcula-se que haja mais de 7 bilhões de toneladas de manganês no fundo dos mares – mais do que em terra. Diversos países já reivindicaram com sucesso o uso do solo marinho, para poder começar com a extração num futuro próximo. Outros metais valiosos, como níquel, tálio e terras raras, são encontrados nas profundezas. No entanto, as áreas contendo as rochas compostas de ferro e hidróxido de manganês são também focos de biodiversidade. Em 2016 mesmo, descobriu-se num desses campos uma espécie inédita de polvo, de aparência fantasmagórica, que os cientistas apelidaram “Casper” (o “Gasparzinho, o Fantasminha Camarada” das histórias em quadrinhos). Atividades mineradoras nessas áreas ameaçariam os ricos, porém sensíveis ecossistemas. Somente a proibição total ou, no mínimo, regras rigorosas para a mineração marítima de profundeza podem evitar o pior.

MANAUS JÁ PODE CONTAR COM AS VANTAGENS DE UM ESCRITÓRIO COMPARTILHADO.

Espécie inédita de polvo, de aparência fantasmagórica, que os cientistas apelidaram “Casper” (o “Gasparzinho, o Fantasminha Camarada” das histórias em quadrinhos)

• Econômico para você que quer abrir uma empresa; • Ideal • Flexível para quem precisa fazer reuniões eventuais; • Prático Ligue agora! (92) 3878.2600

revistaamazonia.com.br

Rua Salvador, 120 - 12º Andar Vieiralves Business Center Adrianópolis - Manaus/AM

REVISTA AMAZÔNIA

43


Agropalma é destaque em relatório do Forest Heroes Um movimento e esforço global, para proteger as florestas e o clima da Terra, bem como as comunidades selvagens e humanas que dependem delas, para romper o vínculo entre a agricultura e o desmatamento, para garantir um futuro vivo para as florestas do mundo

A

Forest Heroes divulgou recentemente o relatório, Green Cats: Marcas de óleo de palma e soja em Políticas e Transparência Florestais, que analisa as promessas públicas de 26 empresas - 21 no mercado de óleo de palmeira asiático da Ásia e cinco na indústria latino-americana de soja. Ele examina a divulgação pública em 18 fatores diferentes relacionados ao desmatamento zero e políticas trabalhistas justas, e a implementação transparente dessas promessas. A implementação efetiva dos compromissos de desmatamento é indiscutivelmente o método mais eficiente para mitigar os riscos financeiros do desmatamento. Conforme demonstrado pelo trabalho da Chain Reaction Research, o desmatamento pode levar a riscos de acesso ao mercado, terra encalhada, custos legais, danos à reputação, aumento dos custos de financiamento e outros impactos negativos nos negócios. Os resultados do estudo Forest Heroes podem ser incluídos em modelos de avaliação de risco para os setores de óleo de palma e soja.

A Agropalma aparece como a primeira empresa melhor ranqueada no relatório Green Cats: Scoring Palm Oil and Soy Companies on Forest Policies and Transparency (Gatos verdes: Marcas de óleo de palma e de soja com políticas florestais e de transparência, em tradução livre), da Forest Heroes Campaign.

A restauração da floresta é viável e está acontecendo em grande escala

44

REVISTA AMAZÔNIA

revistaamazonia.com.br


Examinando o mercado de óleo de palma Com 77 pontos, a Agropalma, de maior pontuação, junto com a Daabon e a Musin, são as únicas produtoras participantes do Palm Oil Innovation Group (Grupo de Inovação do Óleo de Palma) – iniciativa de empresas de óleo de palma e ONG”s que promovem práticas de produção responsáveis acima e além dos critérios estabelecidos pela Mesa Redonda sobre Óleo de Palma Sustentável (RSPO). As empresas de pontuação mais baixa, Eagle High Plantations, Triputra Agro e Genting Plantations ganharam menos de 20% dos pontos disponíveis ( menos de um quinto dos pontos de seus competidores de pontuação alta). Destas empresas, nenhuma aplicou políticas florestais para o óleo de palma para operações globais ou excluiu o abastecimento de matérias-primas de florestas naturais, nem desenvolveram sistemas para rastrear óleo de palma para o seu ponto de origem dentro da cadeia de suprimentos. Entre as empresas de maior desempenho nesta análise, há margem para melhorias. Além disso, nenhuma empresa obteve pontos completos em uma categoria que exige a publicação de procedimentos detalhados para atender fornecedores que violam a política da empresa. O relatório revela uma lacuna entre as políticas nos livros e a medida em que o progresso em relação a esses objetivos é relatado. É necessário mais trabalho no terreno para monitorar a execução dessas políticas, bem como para fornecer análise financeira do impacto da não execução nos investidores, se a incapacidade de implementar suas próprias políticas expõe as empresas a riscos ou suspensões de ativos troncados materiais.

Mercado de soja em metas, implementação Conforme mostrado abaixo, em comparação com o setor de óleo de palma, o setor de soja obteve um menor valor. Das empresas de soja analisadas no relatório, apenas o Grupo Andre Maggi é produtor; as outras empresas incluídas são comerciantes e processadores. Somente a ADM conseguiu ganhar metade dos pontos disponíveis, enquanto Cargill, Bunge, Grupo Andre Maggi e Louis Dreyfus Company obtiveram menos de um terço dos pontos disponíveis. As principais áreas de melhoria incluem a rastreabilidade dos produtos de soja em seus pontos de origem e o fosso entre as políticas prometidas e o progresso em relação a elas. O progresso em direção à criação e implementação de procedimentos para a resolução do incumprimento foi lento. Pesquisas anteriores da Chain Reaction Research mostram que a falta de transparência e rastreabilidade pode criar riscos para os in-

revistaamazonia.com.br

Um relatório recente da Chain Reaction Research descobriu que as políticas de abastecimento de NDPE agora cobrem 74% da capacidade de refinação do Sudeste Asiático, incluindo muitas das empresas mencionadas aqui. As empresas que cultivam apenas óleo de palma e que não possuem sua própria capacidade de refinação podem achar cada vez mais difícil acessar o mercado sem adotar e implementar suas próprias políticas. O documento analisa as promessas de políticas públicas de 26 empresas do setor, sendo 21 da Ásia e 5 da América Latina, referente a 18 diferentes fatores relacionados ao desmatamento zero, políticas trabalhistas justas e implementação transparente dessas promessas. Para cada um dos critérios, pelo menos uma empresa obteve pontos completos, exceto 1H, que exige a publicação de procedimentos detalhados para atender os fornecedores em violação da política da empresa. Várias empresas receberam meio ponto nesta categoria. Embora algumas dessas empresas tenham o potencial de alcançar uma pontuação perfeita, nossa investigação revela uma diferença significativa entre as políticas declaradas e os relatórios sobre o progresso. As empresas do Green Tiger - as que marcaram o terceiro lugar - receberam uma média de 83% dos pontos para as políticas, mas apenas 59% para a implementação e a transparência. O terceiro terço das empresas - os Orange Tigers - obteve 66% para as políticas e apenas metade da implementação e transparência. Enquanto o nível inferior das empresas obteve um terço dos pontos na política, seu progresso na implementação e na transparência foi praticamente inexistente.

vestidores, que podem não estar conscientes de que estão expostos ao risco de terra encalhado em áreas ambientalmente sensíveis, como a região do Cerrado no Brasil. Até à data, os produtores de soja podem continuar a desmatar grandes linhagens de Cerrado Savana sem enfrentar o risco de perder o acesso ao mercado. No entanto, com o crescente apoio ao Manifesto do Cerrado, incluindo de 23 grandes empresas

Pontuação das empresas de soja ADM Cargill Bunge Grupo Andre Maggi LDC

50 31 27 14 6

consumidoras, o desmatamento pode rapidamente colocar em risco a receita e o valor dos ativos das terras agrícolas. O relatório constatou que há uma margem significativa de melhoria em ambos os setores. As diferenças entre líderes e retardatários são significativas. Sime Darby é a empresa mediana de óleo de palma, com uma pontuação de 56 por cento. A pontuação média da empresa de soja é Bunge com uma pontuação de 27. As empresas foram classificadas com base em suas políticas e realizações associadas à implementação e transparência que afetam o desmatamento e violações trabalhistas. Para cada um dos critérios, pelo menos uma empresa obteve pontos completos, com exceção dos critérios que exigem a publicação de procedimentos detalhados para atender os fornecedores em violação da política da empresa. Várias empresas receberam meio ponto nesta categoria. Embora algumas dessas empresas tenham o potencial de alcançar uma pontuação perfeita, a investigação de Forest Heroes revela uma diferença significativa entre políticas declaradas e relatórios sobre o progresso


Inovação sustentável para os negócios e o planeta por Marcia Flesch Grillo

A

população mundial deverá atingir 9,7 bilhões de pessoas em 2050 e as cidades estarão cada vez mais urbanizadas. Atualmente, já somos 7,3 bilhões de habitantes e, com a ampliação da população, teremos também maior procura por recursos finitos do planeta, como minerais, água, agricultura, áreas florestais, petróleo e gás. O crescente apetite por combustível, comida e insumos de produtos que dependemos diariamente em nossas vidas, faz com que um preço seja por isso: o impacto no meio ambiente. Como podemos gerenciar melhor os recursos limitados que temos enquanto asseguramos que estamos sendo respeitosos com o planeta, o bem mais precioso que temos e lar de bilhões de habitantes? Será que o aumento da concorrência levará a confrontos sobre os recursos hídricos ou podemos encontrar uma maneira de gerenciá-los de forma mais eficaz? Que alterativa teremos para a falta de minerais? Teremos que viajar para ao espaço para encontrar minerais que ficarão esgotados na Terra, como o cobre, vital em muitos bens de consumo e que entrará em escassez em menos de 20 anos?

Com a ajuda da tecnologia, hoje, projetos de recursos naturais, assim como seus impactos no meio ambiente e nas comunidades, já podem ser simulados na tela do computador

Ao mesmo tempo em que as questões sobre o futuro dos recursos naturais e da humanidade estarão sendo discutidas globalmente, as empresas assumirão uma responsabilidade social ainda maior e terão seus projetos acompanhados de perto pelas comunidades, que buscarão informações e uma melhor gestão ambiental para beneficiar os cidadãos locais ao longo de suas vidas.

As organizações estão se perguntando sobre como podem responder ao aumento das obrigações e, ao mesmo tempo, manter a rentabilidade em um momento no qual os preços das commodities são variáveis e imprevisíveis. Com a ajuda da tecnologia, hoje, projetos de recursos naturais, assim como seus impactos no meio ambiente e nas comunidades, já podem ser simulados na tela do computador.

Empresas assumirão uma responsabilidade social ainda maior e terão seus projetos acompanhados de perto pelas comunidades, que buscarão informações e uma melhor gestão ambiental para beneficiar os cidadãos locais ao longo de suas vidas

46

REVISTA AMAZÔNIA

revistaamazonia.com.br


O engenheiro francês Georges Mougin, vem aperfeiçoando uma sugestão revolucionária: rebocar icebergs e utilizá-los para produzir água doce. Estudos com recursos de 3DExperience comprovam a viabilidade técnica do projeto

O mundo virtual de colaboração e visualização traz inovação social por descobrir novas formas de gerenciar os recursos naturais e melhorar a eficiência de como eles são recuperados. Isso resultará em um modelo ganha-ganha para as pessoas e as empresas, uma vez que o consumo de combustível e as emissões de gases serão reduzidas, diminuindo o impacto no meio ambiente e minimizando os custos operacionais. Em algumas partes do mundo onde a água é escassa, será possível reunir grupos de trabalho remotos com cientistas de diferentes lugares e autoridades locais dos governos para encontrar maneiras de usar os limitados recursos hídricos de forma ainda mais eficiente. Modelos internacionais de sucesso poderão ser aplicados localmente ao redor do planeta. Ideias poderão ser testadas juntamente com alternativas que dependem de menos água, por exemplo, em lavouras. Boas ideias estão sendo estudadas ao redor do mundo.

O engenheiro francês Georges Mougin, por exemplo, vem aperfeiçoando uma sugestão revolucionária: rebocar icebergs e utilizá-los para produzir água doce. Estudos com recursos de 3DExperience comprovam a viabilidade técnica do projeto, considerado por muitos como uma maluquice. Georges Mougin se prepara para descobrir uma nova forma de produção de água e energia e vem utilizando tecnologias de inovação social para formar uma rede internacional de especialistas em engenharia, glaciologia, meteorologia e oceanografia física, experiências virtuais realísticas e as mais recentes tecnologias de simulação científica para integrar informações oceanográficas e meteorológicas complexas. Ele planeja utilizar icebergs que flutuam naturalmente à deriva e que vão derreter e desaparecer na água salgada do oceano de qualquer maneira. A tecnologia pode ajudar a aproveitar ao máximo as correntes e os ventos para rebocar esses icebergs.

Com a ajuda de sistemas para simulações científicas em três dimensões, Georges Mougin demonstrou recentemente a viabilidade de vários cenários em um curto espaço de tempo, abrindo novos horizontes para a população mundial com seu projeto. A iniciativa promete ser revolucionária, uma vez que quase um bilhão de pessoas no mundo ainda não têm acesso à água potável e mais de 2,5 bilhões não possuem nenhum tipo de sistema de saneamento. Esta realidade acarreta consequências graves como perdas de produções agrícolas, má nutrição e doenças graves. Sem dúvida, o problema de falta de água é global e deve ser considerado como uma questão de máxima importância. A tecnologia já existe e precisamos agora começar a pensar de forma diferente sobre como gerenciamos os recursos naturais, ao invés de esperar 2050. [*] General Manager da Dassault Systèmes para a América Latina

/OlimpioCarneiro @olimpiocarneiro

Receptivo em Manaus

revistaamazonia.com.br

www.olimpiocarneiro.com.br reservasolimpiocarneiro@gmail.com (92) 99261-5035 / 98176-9555 / 99213-0561 REVISTA AMAZÔNIA 47


Prêmios valorizam projetos no Pará e Amazonas

O

s Prêmios Professor Samuel Benchimol e Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente, que tem como objetivo fomentar mudanças inovadoras para o desenvolvimento sustentável da Região Amazônica, foram entregues recentemente, na sede da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (FIEAM), no auditório Gilberto Mendes de Azevedo. Os Prêmios dividem-se em categorias e contemplam projetos inovadores que visam à conservação ambiental, responsabilidade social e/ou a viabilidade econômica. Para o presidente da FIEAM, empresário Antonio Silva, a promoção dos dois prêmios é inspirada nas teses de desenvolvimento da Amazônia e sua importância para o Brasil e para o mundo, defendida pelo professor Samuel Benchimol. “Esses foram os ideais que moveram o patrono deste evento, um intelectual que em toda a sua vida e obra dedicou-se a estudar as relações sociais e econômicas da Amazônia”, disse Silva. Para o presidente do Banco, Marivaldo Gonçalves de Melo, “Os Prêmios são ações que evidenciam para a sociedade o quanto o Banco da Amazônia valoriza o desenvolvimento sustentável. Nossa razão de existir é oferecer crédito e soluções para que a Amazônia se desenvolva forte, preservando o meio ambiente para as gerações futuras”. Durante a edição deste ano, além das premiações, as homenagens foram para os trabalhos realizados pelo jornalista Phelippe Daou, que faleceu em 2016, para os 75 anos do Banco da Amazônia, 60 anos da Universidade Federal do Pará (UFPA), 25 anos da Ação Pró-Amazonia, 10 anos da Fundação de Amparo a Estudos e Pesquisas(Fapespa) e ao Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento. Os prêmios foram criados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Fotos: Ascom FIEAM, Cleverton Amorim

Marivaldo Gonçalves de Melo, presidente do Banco da Amazônia, homenageado pelos 75 anos do Banco

Agraciados Prêmio Prof Samuel Benchimol e Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente 2017

(MDIC) e Banco da Amazônia, com o apoio da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Secretaria de Estado de Planejamento, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (SEPLANCTI/AM) e do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae).

Antonio Silva acompanhado do Presidente da Rede Amazônica Phelippe Daou e do Jornalista Elias Emanuel entregam placa para Mauri e Sebastião Guerreiro

48

REVISTA AMAZÔNIA

Prêmios Professor Samuel Benchimol Categoria Projeto de Desenvolvimento Sustentável na Região Amazônica “Valoração ambiental de imóveis rurais na Amazônia, acesso a crédito rural e capitalização do produtor”, do pesquisador Antônio de Santana, do Pará – 1º lugar; “Programa Amazônia Conectada-Infraestrutura de Telecom para interiorização de políticas públicas na Região Amazônica”, de João Guilherme Silva, do Amazonas – 2º lugar; e, “Leveduras isoladas na fermentação de cacau na Amazônia: da qualidade do chocolate à produção de cerveja”, de Alessandra Lopes, do Pará – 3º lugar. Mario Expedito Neves Guerreiro, do Amazonas, venceu em “Personalidades dedicadas ao Desenvolvimento Sustentável da Região Amazônica”.

revistaamazonia.com.br


O empreendedor começou com pequena barraca de pastel no bairro Parque 10 e hoje é proprietário de quatro lojas e um centro de Distribuição em Manaus, além de filiais em Fortaleza, Uberlândia e Belém.

Projetos premiados

Nosso diretor Rodrigo, o premiado Chef Dedé, com nossa Amazônia

Prêmio Banco da Amazônia de Empreendedorismo Consciente Categoria Iniciativa de Desenvolvimento Local (IDL) “Conserva de Peixes da Amazônia – Jaraqui, Matrinxã, Tambaqui e Pirarucu”, da pesquisadora amazonense Jaqueline de Araújo Bezerra – 1º lugar; “Aquaponia: proposta para produção sustentável de alimentos livres de agrotóxico em escala comercial”, para produção sustentável de alimentos livres de agrotóxico em escala comercial, de Otilene Santos – 2º lugar; e, “Agroindústria do cacau para fabricação de chocolate artesanal integrado ao ecoturismo na ilha do Combu”, de Katiane de Souza, do Pará – 3º lugar. Categoria Microempreendimento na Amazônia O Prêmio Florescer Urbano, para Rosicléia Bentes e o Prêmio Florescer Rural, à Banca da Deusa. As homenageadas são do Pará e possuem histórias de empreendedorismo com auxílio do fomento do programa Amazônia Florescer do Banco da Amazônia.

Empresa na Amazônia Foi vencedor o Grupo Dedé, da Cachaçaria do Dedé. O empresário da gastronomia, amazonense André Parente, 49 anos, conhecido popularmente como “Chef Dedé”, recebeu a homenagem. A empresa está há 26 anos no mercado e é genuinamente amazonense. O Grupo Dedé está ampliando seus negócios para todo o Brasil, levando a cultura e gastronomia amazônica para todo o país. São restaurantes e empórios com produtos de primeira linha, gastronomia em destaque com vasta carta de cachaças e produtos de marca própria. Na cerimônia, o empresário Jaime Benchimol pediu licença para quebrar o protocolo e prestar homenagem a André Parente, que iniciou sua trajetória profissional ainda adolescente como office-boy na presidência do Grupo Bemol. “André sempre buscou aprender e buscar novos oportunidades dentro da empresa”, relatou.

revistaamazonia.com.br

A “Valoração ambiental de imóveis rurais na Amazônia, acesso a crédito rural e capitalização do produtor” foi o vencedor na categoria Projeto Desenvolvimento Sustentável na Região Amazônica, do pesquisador Antônio Santana, da Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA). “O prêmio é mais um passo dado na causa do auxílio para produtores rurais, espero caminhar cada vez mais rumo ao desenvolvimento desse trabalho e atender não só o Estado do Pará, mas de toda a Amazônia Legal”, destacou o pesquisador. “Programa Amazônia Conectada-Infraestrutura de Telecom para interiorização de políticas públicas na Região Amazônica”, do pesquisador João Guilherme, e “Leveduras isoladas na fermentação de cacau na Amazônia: da qualidade do chocolate à produção de cerveja”, de Alessandra Lopes, classificaram-se em 2º e 3º lugares, respectivamente. Premiada na categoria Iniciativa de Desenvolvimento Local (IDL), Jaqueline Araujo, apresentou “Conserva de Peixes” para criação da Indústria de Conserva de Pescado da Amazônia (ICPA), em Iranduba (AM). “Esse prêmio é uma forma de perceber cada vez mais que estou no caminho certo na inovação. Vejo que essa premiação me impulsiona a tentar cada vez mais trazer mais projetos como esse”, disse a pesquisadora Jaqueline Araujo. Em 2º lugar ficou o projeto “Aquaponia: proposta para produção sustentável de alimentos livres de agrotóxico em escala comercial” seguido pela “Agroindústria do cacau para fabricação de chocolate artesanal integrado ao ecoturismo na ilha do Combú”, em 3º lugar. “Personalidade dedicada ao Desenvolvimento Sustentável da Região Amazônica”, premiação denominada esse ano de Phelippe Daou, homenageou o empresário Mário Expedito Neves Guerreiro, pioneiro da industrialização das fibras na Amazônia, juta e malva, representado pelos filhos Mauri e Sebastião Guerreiro.

João Guilherme, 2º colocado do Prêmio Samuel Benchimol, Rosicléia Bentes ganhadora do Mircro empreendimento urbano (ao centro), e rural Deusamar Silva.

Prêmio Florescer Os mais de 15 anos vividos em função da agricultura renderam o Prêmio Micro empreendimento na Amazônia Rural para a “Banca da Deusa”, localizada em Tailândia (PA). A proprietária de um hortifrúti e um sítio de onde retira os frutos e legumes para venda faz parte do programa “Amazônia Florescer” de microcrédito rural do Banco da Amazônia. Com o trabalho familiar, Deusamar Silva se diz surpresa com o reconhecimento. “Muitas famílias em Tailândia vivem desse mesmo sustento, fico surpresa de ser a premiada. Agora levo um incentivo maior não só para a minha família, mas para os outros agricultores rurais que tiram dai o seu sustento diário”, disse a agricultora. Com o “Micro empreendimento na Amazônia Urbano”, a artesã Rosicléia Bentes foi a agraciada da noite. Cadeirante desde quatro anos de idade, a microempresária aprimorou suas habilidades manuais. Hoje a artesã, moradora de Santarém (PA), trabalha com crochê e costura.“Aprendi sozinha a manusear a máquina e produzir diversas peças de roupa, como saia, blusa, short, camisa, blazer e varanda de rede. Mesmo com as minhas limitações fui agraciada e nunca esquecerei esse momento”, relata a artesã emocionada.

Chef Dedé Parente acompanhado da família e do superintendente Sidnei Dutra, na premiação como Empresa na Amazônia no Prêmio Samuel Benchimol 2017

REVISTA AMAZÔNIA

49


Bioenergia será estratégica para a economia sustentável Fotos: Divulgação/CTBE, Divulgação Desenvolvimento, Claudio Arouca, Phelipe Janning / Agência FAPESP

“A conveniência de usar combustível líquido é relevante e ainda há espaço para os motores a combustão se tornarem menores e mais eficientes. A eletricidade e os biocombustíveis são soluções complementares e terão de trabalhar juntos. A demanda por biocombustíveis no futuro estará associada principalmente à aviação, navegação oceânica e viagens rodoviárias de longa distância”, afirmou. A fatia representada pelas fontes renováveis na matriz energética cresce em quase todos os países. Em locais como Nova Zelândia, Suécia, Noruega e Islândia já representa mais de 40%. “No Brasil esse índice é de 41%, algo que poucos conseguem alcançar. A principal fonte renovável brasileira é a cana-de-açúcar, que atende a 17,2% da demanda. Quase 9% da energia elétrica gerada no Brasil hoje é oriunda da queima de biomassa, o que mostra que além dos transportes a bioenergia tem espaço em outros setores”, disse Brito Cruz.

Mesa oficial da Abertura do BBEST 2017 ( esd/dir): Heitor Cantarella, pesquisador do Instituto Agronômico (IAC), secretário-geral do BBEST; Luuk van der Wielen, diretor do Biotechnology based Ecologically Balanced Sustainable Industrial Consortium (BE-Basic) e um dos organizadores da BBEST; Gláucia Mendes Souza, professora do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP) e membro da coordenação do BIOEN, e também organizadora do BBEST; José Goldemberg, presidente da FAPESP; Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, e Marcio de Castro Silva Filho, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP) – um dos secretários-gerais do BBEST 2017

E

specialistas estimam que iniciativas em diferentes setores serão necessárias para reduzir as emissões de gases estufa, manter o aquecimento global abaixo de 2º C até o fim do século e, dessa forma, minimizar os impactos da mudança climática para a humanidade. Para Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, a bioenergia tem lugar garantido nesse conjunto de soluções. A avaliação foi feita durante a palestra de abertura da terceira edição da Brazilian Bioenergy Science and Technology Conference (BBEST). Organizado no âmbito do Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia (BIOEN), em Campos do Jordão e tendo como foco principal discutir a bioenergia no contexto da bioeconomia, ou seja, na construção de uma economia sustentável. “Energia é essencial para o desenvolvimento. Nos próximos anos, países como China, África, Índia, Oriente Médio, Rússia e Brasil vão precisar de mais energia para criar uma vida melhor para sua população. Isso torna ainda maior o desafio de conter as emissões e, portanto, será preciso buscar novas formas de lidar com esse problema”, disse Brito Cruz.

50

REVISTA AMAZÔNIA

A bioenergia, acrescentou, pode ajudar a mitigar as emissões de gases de efeito estufa principalmente no setor de transportes – que atualmente é o que mais demanda energia no mundo (27% de toda a energia consumida). Para Brito Cruz, a ideia de que os carros elétricos vão substituir totalmente os motores a combustão interna precisa ser vista com cautela. A indústria automobilística ainda precisaria superar o desafio de aumentar a densidade energética das baterias – que determina a autonomia dos veículos entre uma recarga e outra.

Na Abertura da BBEST 2017, o presidente da FAPESP, José Goldemberg, considerado um dos maiores especialistas em energia do mundo), falou sobre o desenvolvimento da bioenergia

Para Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da FAPESP, a bioenergia, é essencial para a redução das emissões de gases estufa

revistaamazonia.com.br


Projetando uma Bioeconomia Sustentável Durante a Cerimônia de Abertura da BBEST 2017, o presidente da FAPESP, José Goldemberg, destacou que até 2050 a bioenergia corresponderá a quase 30% de toda a energia usada no mundo. Atualmente, esse índice está em torno de 10%, segundo dados da International Energy Agency (IEA), organização intergovernamental autônoma criada no âmbito da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico. “Por estar ciente dessa situação a FAPESP criou o BIOEN, que desde sua criação em 2008 já recebeu R$ 80 milhões de investimento”, disse. Gláucia Mendes Souza, professora do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP) e membro da coordenação do BIOEN, afirmou que a BBEST nasceu praticamente ao mesmo tempo que o Programa FAPESP de Pesquisa em Bioenergia com o intuito de congregar a academia, a indústria e fazer um esforço de comunicar os avanços no campo da ciência e da tecnologia para os formuladores de políticas públicas do setor. “Nas edições anteriores da BBEST, conseguimos mostrar como a bioenergia pode interagir com questões como segurança alimentar, segurança ambiental, segurança climática e com o desenvolvimento sustentável. Nos últimos três anos, começamos a pensar em todas essas questões de uma maneira mais integrada, buscando o desenvolvimento de uma bioeconomia. Por meio do BIOEN, estamos desenvolvendo tecnologias para usar a biomassa e para fazer muitas outras coisas além do bioetanol, como combustíveis de aviação e bioprodutos que substituam aqueles hoje produzidos pela indústria petroquímica”, afirmou. Para Luuk van der Wielen, diretor do Biotechnology based Ecologically Balanced Sustainable Industrial Consortium (BE-Basic) e organizador da BBEST ao lado de Mendes Souza, a bioeconomia é um caminho para o Brasil superar a turbulência e as dificuldades econômicas atuais.

revistaamazonia.com.br

André von Zuben foi um dos palestrantes do evento, com o professor Luís Augusto Cortez, do Agropolo Campinas-Brasil, e do professor doutor Luuk van der Wielen, da Fundação BE-Basic, da Holanda Regina Priolli, professora da Unisanta

“Há muitas iniciativas nesse sentido que serão mostradas ao longo destes três dias”, afirmou. Também participaram da cerimônia de abertura Heitor Cantarella, pesquisador do Instituto Agronômico (IAC), e Marcio de Castro Silva Filho, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq-USP) – ambos secretários-gerais da BBEST 2017.

Óleo de soja mais saudável Resultados recentes foram apresentados em Campos do Jordão durante a BBEST 2017: “Aumentar o teor de ácido oleico no óleo de soja seria interessante não apenas para o consumo humano como também para a produção de biodiesel.

REVISTA AMAZÔNIA

51


Por esse motivo, nosso projeto busca marcadores genéticos que possibilitem, por meio da seleção genômica, modificar o perfil de ácidos graxos do óleo de soja”, disse Regina Priolli, professora da Unisanta. (O azeite de oliva tem alta concentração de ácido oleico (até 84% do total de ácidos graxos do produto, também conhecido como ômega 9, trata-se de um ácido graxo monoinsaturado ao qual têm sido atribuídas propriedades anti-inflamatórias e a capacidade de reduzir o colesterol ruim (LDL)). Como explicou Priolli, além do ácido oleico, outros quatro ácidos graxos são encontrados no óleo de soja. O ácido palmítico (11% em média) e o ácido esteárico (4%) são gorduras saturadas – consideradas ruins para o sistema cardiovascular. Já o ácido linoleico ou ômega 6 (54%) e o ácido linolênico ou ômega 3 pertencem ao grupo das gorduras poli-insaturadas – também consideradas boas para a saúde – e estão associados às características de sabor do óleo de soja. “Por meio de melhoramento genético poderíamos, por exemplo, diminuir o teor de ácido palmítico e aumentar o de ácido oleico. Mas é preciso encontrar uma proporção ideal, pois teores desbalanceados destes ácidos graxos fariam com que o óleo endurecesse em temperaturas baixas”, disse “A soja é uma das principais fontes de proteína e óleo vegetal do mundo. A correlação negativa entre esses dois nutrientes no grão dificulta o aumento simultâneo de ambos. Por esse motivo, elevar a qualidade do óleo modulando a composição de ácidos graxos pode ser a saída para o melhoramento da soja”, afirmou Priolli. Pesquisa de Regina Priolli tem por objetivo tornar óleo de soja mais saudável

52

REVISTA AMAZÔNIA

A bioenergia pode interagir com questões como segurança alimentar, segurança ambiental, segurança climática e com o desenvolvimento sustentável

A competição Global Biobased Business – G-BiB Os jurados selecionaram a equipe brasileira de Taubaté com a proposta da SANergya como vencedora da competição G-BiB. A final geral do primeiro concurso anual Global Biobased Business (G-BiB), uma iniciativa do Mega-Cluster do BioInnovation Growth (BIG-Cluster), ocorreu no dia 19 de outubro de 2017 na 3ª Conferência Brasileira de Ciência e Tecnologia BioEnergy (BBEST ) em Campos do Jordão, no Brasil.

A competição teve como objetivo estimular o empreendedorismo e a inovação. O desafio para todas as equipes foi escrever um plano de negócios inovador com base em um projeto para a produção sustentável de produtos biodegradáveis, como biocombustíveis e biomateriais ou soluções parciais que irão apoiar o desenvolvimento desses produtos. N-Chroma da Universidade de Wageningen, SANergya da Universidade de Taubaté e Bicomer da Universidade de Bielefeld competiram na final em geral depois de ganharem as meias-finais respectivamente na Holanda, no Brasil e na Alemanha. Eles foram escolhidos de um total de 14 equipes, existentes de estudantes de mestrado e doutorado. N-Chroma fez um plano de negócios para comercializar o uso de microorganismos para produzir compostos de cores sustentáveis de alta qualidade para uso nas indústrias de alimentos, cosméticos e nutracêuticos. A SANergya fornecerá soluções para o tratamento de resíduos através da purificação de biogás e adicionará valor aos subprodutos, p. Ex: converter o excedente de lodo e resíduos municipais no biogás para produzir fertilizantes e enxofre elementar; e a Bicomer, fez um plano de negócios para desenvolver uma plataforma de plataforma fermentativa para produzir carotenóides valiosos como a astaxantina para a indústria de cosméticos com o objetivo de desenvolver AVASTA (copolímero de AVA e ASTA) para indústria de cosméticos em uma fase posterior.

revistaamazonia.com.br


SANergy anunciada como vencedora da competição G-BiB no BEST 2017

As equipes lançaram seus planos de negócios para a audiência BBEST e para o júri. Os membros do jurado, Gonçalo Pereira (CTBE), Jan Wery (Corbion), Wilson Nobre Filho (FGV) e Manfred Kircher (CLIB2021) foram muito positivos sobre o espírito e o entusiasmo das três equipes e elogiaram seus negócios para contribuir com mais bioeconomia sustentável. O júri foi positivo quanto ao potencial prospectivo e de valor agregado, tanto para Bicomer quanto para N-Chroma com sua tecnologia flexível e sua gama de produtos. De acordo com o júri, a SANergya propôs usar tecnologia simplista para fornecer um serviço altamente necessário com um grande potencial de redução de emissão de GEE. Eles desenvolveram um modelo interessante sem cura, sem pagamento, oferecendo um serviço completo no local para o tratamento de resíduos e águas residuais para instalações industriais. Seu mercado-alvo é impressionante com o compromisso concreto da indústria. Jan Wery entregou o prêmio de € 10.000, - fornecido por Corbion ao time da SANergya para desenvolver ainda mais seu plano de negócios. A SANergya usará o dinheiro para criar uma planta piloto para ampliar sua tecnologia.

Além de reduzir em 95% a emissão desse gás, esse novo método, não afetou a diversidade bacteriana do solo

Novo método de manejo ajuda a mitigar a emissão de gases estufa no cultivo da cana Descobrir de que forma os microrganismos presentes no solo processam os fertilizantes e os resíduos orgânicos usados no cultivo da cana pode ajudar a mitigar a emissão de gases de efeito estufa e tornar a produção de etanol mais sustentável.

Para Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor científico da Fapesp, a bioenergia tem lugar garantido no conjunto de soluções para minimizar os impactos da mudança climática para a humanidade

revistaamazonia.com.br

Um conjunto de estudos com esse objetivo foi apresentado pela pesquisadora Eiko Kuramae, do Instituto de Ecologia da Holanda (NIOO-KNAW): “Quando a mistura de vinhaça e fertilizantes nitrogenados normalmente usada na cultura da cana é aplicada, as atividades da microbiota do solo são estimuladas e ocorrem transformações, resultando na produção de gases como dióxido de carbono (CO2), metano (CH4) e, principalmente, óxido nitroso (N2O), cujo poder de reter calor na atmosfera é 289 vezes maior que o do CO2. Nossa pesquisa busca entender as funções dos microrganismos e determinar os processos envolvidos na emissão de N2O, principalmente, com o objetivo de encontrar meios de intervir”, disse Kuramae. Com o objetivo final de diminuir as emissões de N2O. “Determinamos que, quando não há palha ou vinhaça no solo, o principal processo que ocorre é o de nitrificação causada por bactérias. Decidimos então testar dois compostos capazes de inibir a enzima amônia mono-oxigenase de bactérias que fazem a conversão do nitrogênio do fertilizante em N2O. Além de reduzir em 95% a emissão desse gás, esses compostos não afetaram a diversidade bacteriana do solo”, contou Kuramae.

REVISTA AMAZÔNIA

53


6º Diálogo Brasil-Alemanha de Ciência, Pesquisa e Inovação

O

cenário ambiental está intimamente ligado aos planos econômicos de qualquer país. A demanda por alimento deverá crescer pelo menos 70% até 2050. Junto a isso, há ainda a degradação do solo e as mudanças climáticas que alteram padrões e reduzem a área agrícola e de pastagens. Sem contar com o inevitável esgotamento dos combustíveis fósseis, seja por escassez ou pela liberação de CO2 na atmosfera, impulsionando o aquecimento global. Tendo esse cenário em vista, ganha força a transição do modelo econômico apoiado pela bioeconomia. Processos e estratégias inovadoras para fazer uso dos recursos naturais existentes de forma mais sustentável e eficiente foram o tema do 6º Diálogo Brasil-Alemanha de Ciência, Pesquisa e Inovação, realizado recentemente, no auditório da FAPESP. “A bioeconomia tem o potencial de resolver os maiores problemas que estamos enfrentando em relação à produção de alimentos, segurança alimentar e segurança energética. A inovação é a chave para o crescimento e a prosperidade, mas para que isso aconteça é preciso colaboração global”, disse Martina Schulze, diretora do Centro Alemão de Ciência e Inovação - São Paulo (DWIH-SP), organizador do evento junto com a FAPESP. Para José Goldemberg, presidente da FAPESP, o objetivo do evento de fortalecer o diálogo entre pesquisadores alemães e brasileiros será uma grande oportunidade, principalmente tendo em vista a discussão internacional sobre a importância do uso da biomassa para a geração de energia em todo o mundo.

Fotos: Felipe Maeda/FAPESP

Abertura do evento contou com a participação do embaixador alemão no Brasil

“Hoje, 10% da energia do mundo provém da biomassa e os outros 90% são novas energias. A transformação de novas energias trouxe novos problemas – como poluição nas grandes cidades e o aquecimento global – e a biomassa, que supriu a necessidade da humanidade por séculos, mostra-se hoje ainda mais importante.

Pesquisadores dos dois países participaram na FAPESP do 6º Diálogo BrasilAlemanha de Ciência, Pesquisa e Inovação (esq. p/ dir.: Marcio Weichert, coordenador do Centro Alemão de Ciência e Inovação São Paulo (DWIH-SP), Luis Felipe Fortuna, assessor especial de Assuntos Internacionais do MCTIC, José Goldemberg, presidente da FAPESP, Georg Witschel, embaixador da Alemanha no Brasil, Eduardo Moacyr Krieger, vice-presidente da FAPESP, e Fernando Menezes, diretor administrativo da FAPESP

54

REVISTA AMAZÔNIA

Há, inclusive, estudos mostrando que sua participação como fonte de energia pode aumentar de 10% para 25% ou 30%”, disse Goldemberg na abertura do evento. Segundo os participantes, nesse sentido há amplo espaço para a cooperação entre Brasil e Alemanha. “A bioeconomia só funciona em escala global, por isso precisamos de colaboração internacional para atingir nossos objetivos”, disse Andrea Noske, chefe da Divisão de Bioeconomia do Ministério de Educação e Pesquisa da Alemanha (BMBF). O plano estratégico da Alemanha para a bioeconomia, elaborado em 2010, tem a segurança alimentar como estratégia prioritária. “Estamos buscando primeiro estabelecer segurança nutricional global, uma agricultura sustentável com a produção de alimento saudável e seguro. Depois temos outras possibilidades industriais, como garantir o uso de recursos renováveis e de biomassa”, disse Noske.

revistaamazonia.com.br


Os palestrantes também apresentaram pesquisas na área de segurança alimentar com foco em plantas e em animais, uso integrado da terra, prospecção da biodiversidade, tecnologia em biomassa e química renovável

Pesquisa da Alemanha e Brasil, com uma espécie selvagem de tomateiro, foi destaque

Diferente da Alemanha, que tem a segurança alimentar como prioridade, no Brasil, a principal estratégia em bioeconomia é a biomassa. “Os conceitos-chave do plano estão no uso da biomassa e da biodiversidade nacional. Já existem várias ações no Brasil em bioeconomia – no desenvolvimento de novos bionegócios e bioprodutos, a segurança hídrica-energética e alimentar –, o que falta para avançarmos é a sinergia entre essas ações”, disse Bruno Nunes, coordenador-geral de Bioeconomia do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) do Brasil. Os painéis do 6º Diálogo Brasil-Alemanha de Ciência, Pesquisa e Inovação mostraram iniciativas dos dois países em pesquisas científicas tendo a bioeconomia como base. “A bioeconomia é uma via para superar vários problemas e isso inclui muitos desafios e avanços. Sabemos, por exemplo, que é preciso manter a saúde do solo para que haja plantas (e alimentos) saudáveis. No entanto, não sabemos ainda como ocorre exatamente essa interação entre solo e planta”, disse Georg Backhaus, diretor do Instituto Julius Kühn, Instituto Federal de Pesquisa do Cultivo das Plantas na Alemanha.

revistaamazonia.com.br

Questionado pela plateia sobre a necessidade de inserir transgênicos na produção de alimentos e com isso fazer com que as lavouras se tornem mais resistentes às mudanças climáticas, Backhaus foi taxativo. “É uma ótima solução, mas infelizmente, na Alemanha, a população não apoia. E sabemos que quando a população não quer, os políticos também não querem”, disse. Paulo Arruda, coordenador do Laboratório de Estudo da Regulação da Expressão Gênica da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), destacou que novas técnicas como análise genômica (genes), proteômica (proteínas) e metaboloma (metabolismo) podem ser determinantes para a pesquisa em produção alimentar, assim como para pesquisas em saúde. “Precisamos melhorar em eficiência.

À frente do Instituto Julius Kühn, centro federal alemão de pesquisa de plantas cultivadas, o professor Georg Backhaus usa seis “F”s para responder aos desafios das mudanças que o futuro pede: “food, feed, fiber, fuel, flower e funding”. As palavras, que na tradução significam comida, alimentação, fibra, combustível, flor e financiamento, resumem as frentes de trabalho no campo científico que estão colocando a Alemanha no rumo da bioeconomia. “A mudança para a economia do futuro passa pela produção baseada em recursos biológicos. E para isso, precisamos acabar com a dependência dos recursos fósseis e investir nos recursos biogenéticos”, afirma Backhaus. As ferramentas são as mesmas para investigar mecanismos de doenças em plantas e em humanos. Não se esqueçam que quando falamos em bioeconomia saúde é um ponto muito importante”, disse. Os palestrantes também apresentaram pesquisas na área de segurança alimentar com foco em plantas e em animais, uso integrado da terra, prospecção da biodiversidade, tecnologia em biomassa e química renovável. “O Brasil dispõe de vantagens na área de bioeconomia. Chegou ao topo na agricultura por meio de pesquisa e acredito que possa fazer o mesmo em energia, farmacêutica, cosmética. A Alemanha amparou seu crescimento tendo a pesquisa científica e tecnológica como base. Precisamos converter a diversidade biológica em sucesso econômico. Portanto, uma comparação entre biotecnologia dos dois países é muito sensata, faz sentido”, disse Georg Witschel, embaixador da Alemanha no Brasil.

Bioeconomia foi o tema central do 6º Diálogo Brasil-Alemanha de Ciência, Pesquisa e Inovação

REVISTA AMAZÔNIA

55


Fotos: Felipe Mairowski

A

Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK São Paulo), por meio do seu Departamento de Meio Ambiente, Energias Renováveis e Eficiência Energética, realizou a nona edição do Congresso Ecogerma, que contou com o apoio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e do Instituto AUÁ, patrocinado pela LANXESS e pela BRTÜV. O Congresso deste ano abordou os “Avanços e desafios da Política Nacional de Resíduos Sólidos” e foi aberto por Eliane Siviero, Membro da Comissão de Sustentabilidade da Câmara Brasil-Alemanha e CEO da LANXESS; Mario Hirose, Diretor Titular Adjunto do Departamento de Meio Ambiente da FIESP e Jens Gust, Cônsul-geral Adjunto e Adido para Economia, do Consulado Geral da República Federal da Alemanha em São Paulo. Em sua fala, a CEO da LANXESS afirmou que todas as “atividades industriais geram resíduos sólidos que precisam ser gerenciados para evitar danos à sociedade. Isso é um desafio principalmente para as empresas de pequeno porte. Esperamos que as informações disponibilizadas nesse evento contribuam para a melhora da qualidade e disponibilidade de recursos ambientais”.

56

REVISTA AMAZÔNIA

Durante o Congresso Ecogerma, no auditório da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP)

A primeira palestra do Congresso abordou os avanços e desafios da Política Nacional de Resíduos Sólidos, e foi ministrada por Carlos Roberto Vieira da Silva Filho, Diretor-Executivo da ABRELPE (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais). Da Silva Filho trouxe a reflexão sobre um dilema que o País enfrenta nesse momento. “Manter os lixões no Brasil em funcionamento equivale a um gasto estimado com saúde pública

de 30 bilhões de reais ao longo dos próximos anos, sendo que, se no mesmo período fosse realizado um investimento de 10 bilhões de reais, poderíamos resolver o problema dos lixões por completo. Insistir nesse modelo é insustentável”. O Diretor-Executivo da ABRELPE questiona o fato de sete anos após a criação da lei de resíduos sólidos o número de lixões no Brasil ainda não ter sido reduzido significativamente, havendo ainda 2.975 lixões de pequeno e médio porte em todo o País.Em seguida, o evento contou com a contribuição da Dra. Christiane Pereira, Coordenadora no Brasil do Departamento de Resíduos e Recursos Naturais da TU Braunschweig e do Centro de Pesquisa, Educação e Aplicação em Resíduos Urbanos (CREED), que palestrou sobre “Gestão de resíduos sólidos na Alemanha – lições a serem compartilhadas com o Brasil”. A pesquisadora comparou o modelo de gestão de resíduos alemão com o brasileiro apontando, entre outras coisas, para a necessidade de repensarmos o nosso modelo de coleta de resíduos.

revistaamazonia.com.br


Dra. Pereira afirma que diferentemente do Brasil na “Alemanha a coleta é escalonada, não existe uma coleta diária. Coletar um dia a mais ou a menos não vai impactar o descarte de lixo, agora se fizermos uma coleta mais eficiente e usarmos melhor os recursos disponíveis poderemos gerar um impacto maior sobre a gestão desses resíduos”. O evento ainda contou com a palestra sobre “Logística Reversa – da teoria à realidade dos acordos setoriais”, de Paulo Roberto Leite, Presidente do Conselho de Logística Reversa do Brasil (CLRB). Já Diego Iritani, Doutor em Sustentabilidade e Economia Circular pela Universidade de São Paulo (USP) e Fundador da Upcycle, falou sobre “As Oportunidades e os Desafios da economia circular no Brasil”. Iritani acredita que para a economia circular ser implementada no País, é necessário haver uma mudança de mindset na sociedade. “Como a redução de custo é o foco da nossa cadeia produtiva atual, excluímos de nossa produção os processos relativos à gestão de resíduos a fim de diminuir custos. Entretanto, em uma economia circular, a geração de valor passa a ser mais importante do que a redução de custos, incorporando a gestão de seus resíduos ao planejamento estratégico das empresas”. Em um segundo momento, foram apresentados quatro cases de sucesso, sendo eles o “Ciclo Verde”, apresentado por Francisco Tofanetto, Gerente de Engenharia e Utilidade da LANXESS Brasil; o projeto Nat. genius que foi apresentado por Felipe Oliveira, Técnico Desenhista da Embarco; Tania Gengo, Gerente de Operações na BWS e da ES-fashion, apresentou o case de sucesso sobre “Moda Circular” e o “Programa ProLata” da Abeaço Brasil foi apresentado por Thais Faguri, Presidente Executiva da Associação Brasileira de Embalagem de Aço.

Prêmio Von Martius de Sustentabilidade Ao final do Congresso Ecogerma, as principais iniciativas de sustentabilidade e conservação do Brasil foram homenageadas pela Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha com o Prêmio Von Martius de Sustentabilidade. Uma das premiações mais relevantes do setor, cujo objetivo é reconhecer projetos de todo o País que promovam o desenvolvimento socioeconômico e cultural, alinhados com respeito ao conceito de sustentabilidade. Desde a primeira edição já foram inscritos mais de dois mil projetos, nas três Categorias - Humanidade, Natureza e Tecnologia - sendo selecionadas em cada, as três melhores iniciativas inscritas.

revistaamazonia.com.br

Mariana Akamine Scofano, representante do projeto “Gaia + Valores” e Peter Elemer Milko, jurado do Prêmio von Martius. 1º lugar, na categoria Humanidade

Premiados em 2017: Na categoria Tecnologia Ficou em 1º lugar o projeto ‘Florestas de valor’, do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola - Imaflora Brasil. O projeto consolida iniciativas de valorização de produtos florestais extrativistas e garante os direitos do bem-estar das populações locais nas Áreas Protegidas na Amazônia. Em 2º lugar ficou o projeto ‘O cultivo da Pupunha para produção de palmito’, da Embrapa Florestas e por último o projeto sobre ‘Tecnologia para conservação da ictiofauna no Rio Uruguai’, da Engie Brasil Energia.

Na categoria Natureza O projeto selecionado em 1º lugar foi o ‘Cambuci, Mata Atlântica e o ecomercado’, do Instituto AUÁ de Empreendedorismo Socioambiental. O projeto aposta no uso sustentável e na comercialização de produtos agroecológicos para a conservação ambiental, desenvolvimento local e a criação de uma identidade territorial. Já em 2º lugar e 3º lugar ficaram, respectivamente, o ‘Projeto Cidadão Cientista’, da Sociedade para a Conservação das Aves do Brasil – SAVE Brasil e o ‘Estradas com Araucárias’, da Embrapa Florestas.

Roberto Palmieri, secretário executivo adjunto do Imaflora, recebe de Luciano Coelho, da comissão julgadora e representante da FIESP, o 1º lugar, na categoria Tecnologia, com o projeto ‘Florestas de valor’, do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola - Imaflora Brasil

Em 2º lugar ficou a ‘Cidade das Abelhas – Parque Ecológico, cultural e de lazer’, da Cidade das Abelhas e o projeto ‘Um olhar para a cidadania’, do Oi Futuro (Instituto Telemar) ficou em 3º lugar.

Na categoria Humanidade O projeto ‘Gaia + Valores’, do Grupo Gaia, ficou em 1º lugar. A iniciativa possibilita que crianças e professores atinjam o máximo de suas potencialidades e desenvolvam uma nova perspectiva de vida, adquirindo características essenciais para uma vida feliz e plena com a Psicologia Positiva e o Mindfulness.

Gabriel Menezes recebendo o prêmio para o Instituto AUÁ - em 1º lugar, na categoria Natureza, com o projeto “Cambuci, Mata Atlântica e o ecomercado”

REVISTA AMAZÔNIA

57


Congresso coloca saúde ambiental e viabilidade econômica dos oceanos como prioridades Fotos: David T Silva

D

Na solenidade de abertura do COLACMAR’2017, o pesquisador colombiano Néstor Hernando Campos, presidente da Associação Latino-Americana de Pesquisadores em Ciências do Mar – ALICMAR

iferentes questões ligadas aos oceanos e que envolvem as suas relações com a sociedade latino-americana e mundial, estiveram no centro dos debates promovidos pelo 17º Congresso Latino-Americano de Ciências do Mar – COLACMAR’2017, realizado no Centro de Convenções do Hotel Sibara Flat, no Balneário Camboriú, com representantes de 36 países, além do Brasil, a maioria deles ligados a um workshop da Organização das Nações Unidas – ONU sediado pela primeira vez no Brasil que integra uma ação internacional voltada a avaliações globais e integrada dos oceanos. Na solenidade de abertura do COLACMAR’2017, o tom entre as autoridades presentes já dava sinais do que viria a ser a semana de congresso. “O COLACMAR é o mais importante congresso do gênero na América Latina, um dos mais respeitados do mundo, e frente às demandas urgentes relacionadas aos oceanos, como tal tem a responsabilidade de viabilizar às nações costeiras o conhecimento necessário sobre diversos aspectos das ciências do mar”, destacou o pesquisador colombiano Néstor Hernando Campos, presidente da Associação Latino-Americana de Pesquisadores em Ciências do Mar – ALICMAR, ao dar início oficial ao Congresso.

58

REVISTA AMAZÔNIA

Neste sentido, a contribuição do COLACMAR’2017 foi significativa. Deixou para os anais da comunidade científica centenas de estudos apresentados em painéis e de forma oral, através de minicursos, exposições, conferências, palestras e debates. “Toda a programação foi construída com o objetivo de promover a diversidade de temas proporcionando ampla participação dos congressistas a todo nosso planejamento”, ressalta o presidente do congresso, Fernando Luiz Diehl. Morador de Balneário Camboriú, Diehl destaca ainda que o COLACMAR’2017 deixou um legado para a cidade. “Trouxemos para o coração do município um aperitivo do que virá a ser a temporada de verão, considerando as centenas de latino-americanos aqui presentes, povo historicamente apaixonado pela cidade e que deixou boas impressões, além de lucros para o comércio local”. O município foi tema em vários momentos do congresso, como as discussões sobre o ressurgimento de espécies exóticas como os briozoários, na Praia Central da cidade, além de modelo para debates de engenharia e gerenciamento costeiro, a respeito de métodos de engordamento da faixa de areia das praias, tema que há anos vem sendo debatido no como um projeto de extrema urgência para a orla local.

O vice-almirante Marcos Sampaio Olsen, diretor da Diretoria de Hidrografia e Navegação – DHN, destacou os rumos da hidrografia brasileira em seu pronunciamento

Durante o COLACMAR’2017, Marinha do Brasil celebrou o Dia da Amazônia Azul

Simpósio Brasileiro de Hidrografia Portuária trouxe demandas urgentes do setor para o debate

revistaamazonia.com.br


Marinha do Brasil foi correalizadora do congresso através da Diretoria de Hidrografia e Navegação - DHN

Hidrografia portuária em pauta Representando a Marinha do Brasil na solenidade de abertura do COLACMAR’2017, o vice-almirante Marcos Sampaio Olsen, diretor da Diretoria de Hidrografia e Navegação – DHN, destacou os rumos da hidrografia brasileira em seu pronunciamento. “Estamos todos aqui imbuídos no propósito de realizar debates em torno de uma das maiores riquezas do Brasil, a Amazônia Azul, cuja extensão territorial brasileira corresponde à da Floresta Amazônica e que no dia 16 de novembro foi celebrada como importante área natural, e de conservação necessária, do território brasileiro”, apontou o vice-almirante. A DHN foi correalizadora do 1º Simpósio Brasileiro de Hidrografia Portuária: Aspectos Náuticos e Operacionais, evento paralelo do COLACMAR’2017 que promove debates relacionados aos usos e ao aprimoramento da hidrografia brasileira. O simpósio reuniu os principais nomes da navegação, praticagem e estudos meteorológicos e hidroceanográficos no Brasil e no mundo.

Temas relevantes Um novo panorama no setor de produção de óleo e gás brasileiro foi destacado durante o COLACMAR’2017. Tratava sobre o descomissionamento ou desativação de plataformas de petóleo. Existem no Brasil cerca de 150 plataformas offshore, e cerca de 15% delas deverão estar em situação de estudos para descomissionamento no período 2017-2020. Empresas operadoras de Petróleo e Gás que já vêm atuando nesta atividade no Golfo do México, na África e no Mar do Norte, tiveram representantes presentes no COLACMAR’2017. Grupos brasileiros de estudos envolvendo Agência Nacional de Petróleo – ANP, IBAMA, Marinha e Petrobras, também marcaram presença. Eles atuam com base a Resolução ANP 27/2006, que trata da desativação de instalações de produção de petróleo.

revistaamazonia.com.br

Descomissionamento de plataformas foi um dos temas atuais em debate no COLACMAR’2017

Vice-Almirante Marcos Sampaio Olsen (D) com o oceanógrafo Fernando Diehl (E), presidente do COLACMAR’2017, e novo presidente da ALICMAR até a realização do 18º COLACMAR

Outros importantes temas, todos relacionados à pesquisa científica, ao desenvolvimento de tecnologias para ambientes costeiros, marinhos e oceânicos, e ao mercado de trabalho, também foram debatidos durante os cinco dias de congresso.

Próxima edição O Congresso Latino-Americano de Ciências do Mar – COLACMAR se despediu do Balneário Camboriú, mas a Associação Latino-Americana de Pesquisadores em Ciências do Mar – ALICMAR, responsável pelo evento, permanecerá na cidade pelos próximos dois anos. Atendendo ao seu estatuto, ao fim de cada congresso ocorre a substituição do presidente da entidade. Toma posse o presidente da última edição do congresso realizado. No caso, o oceanógrafo Fernando Luiz Diehl será

o novo presidente da ALICMAR até a realização do 18º COLACMAR, já confirmado para ser realizado na cidade de Mar Del Plata, na Argentina. “É sempre uma responsabilidade muito grande conduzir uma entidade com o respeito que dispõe a ALICMAR em todo o mundo, mas já ocupamos esta atribuição em outras ocasiões e contamos com forte envolvimento dos parceiros latino-americano e do Caribe, para viabilizar as ações necessárias para a promoção do conhecimento das ciências do mar em nosso continente”, diz Fernando Diehl. O COLACMAR é uma realização bianual da ALICMAR e neste ano foi realizado em parceria com a Associação Brasileira de Oceanografia – AOCEANO, a Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC e a Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI, e apoio da Marinha do Brasil, através da Diretoria de Hidrografia e Navegação – DHN.

REVISTA AMAZÔNIA

59


por Daniel Scheschkewitz

Fotos: Karen Robinson

A

14ª edição da Marintec South America, reuniu mais de 350 marcas nacionais e internacionais e profissionais da indústria naval no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro (RJ). Durante a abertura, autoridades e especialistas da indústria naval apresentaram soluções para reaquecer o setor e anúncio de acordo entre duas grandes empresas de telecomunicações via satélite, além do importante lançamento para o fomento do setor industrial. A UBM Brazil, anunciou o lançamento da MANUTEC - Feira Manutenção e Utilidades Industriais, para atender a demanda das empresas por produtividade e eficiência, abrindo espaço para a cadeia de fornecedores de peças, suprimentos, tecnologia e soluções industriais capazes de dar suporte a todos os tipos de produção, oferecendo o que há de mais moderno para a gestão de água, resíduos, energia, além dos todas as vertentes da manutenção em plantas industriais. Representantes do Ministério de Minas e Energia, da Associação de Armadores Noruegueses, a Cia Marítima Maersk, além de Jan Lomholdt, ministraram palestras compartilhando seus conhecimentos no mercado offshore brasileiro e mundial, além de empresários com o objetivo de estreitar relações com fornecedores de equipamentos, tecnologia e serviços navais.

“Uma de nossas especialidades, além de agenciamento marítimo, é a limpeza de porões de navio. Somos o único grupo no norte do Brasil que executa este trabalho há anos em diversos portos da região. Aproveitamos a Marintec para descobrir o que há de novidades tecnológicas neste setor para modernizarmos ainda mais nossos serviços”, completou Cabral. Entre os visitantes, representantes de estaleiros, companhias marítimas, empresas que abastecem a demanda de portos e terminais, entre outros que fomentaram o mercado naval brasileiro.

Desafios regulatórios brasileiros deram o tom na Marintec

60

REVISTA AMAZÔNIA

Espaço Inovação “Sistemas de Propulsão Marítima Assistida Hibridamente” foi o tema da palestra ministrada por Eric Marini, gerente de Produtos da Cummins Marine no “Espaço Inovação”. Durante o evento, empresas consolidadas, nos cenários nacional e internacional, apresentaram no Espaço Inovação suas novas tecnologias e soluções ao setor e conteúdos de alto nível sobre sistemas de automação, de comunicação à bordo, construção, manutenção preventiva, navegação, propulsão marítima, vedação de pipings e muitas outras tecnologias aplicadas ao mercado marítimo e offshore serão exibidas. Entre os palestrantes, executivos e técnicos de empresas como Aveva, Cummins, JRC do Brasil, Mareste, Marine Express, Metalock Brasil, Navetron, Roxtec, Sotreq e Wärtsilä. A “Sessão de Inovação do Reino Unido no Setor Marítimo” reuniu importantes players internacionais para tratar de novas tecnologias para o mercado brasileiro e incentivar o fomento de parcerias estratégicas entre os países.

revistaamazonia.com.br


O lançamento do programa de educação profissional para compras e suprimentos para a indústria marítima, promovido pela Associação Internacional dos Compradores Marítimos (IMPA), instituição com sede na Inglaterra, deu início à rodada de inovações. Segundo o representante da associação no Brasil, Ismael Santos, o programa visa atender todos os profissionais da cadeia de suprimentos, com cursos online que possuem até 12 meses de duração. “Nos cursos os colaboradores têm a oportunidade de aprender sobre diversas vertentes deste segmento, como gestão logística, gerenciamento de recursos humanos, planejamento logístico estratégico, entre diversos outros temas”, afirma. Santos ressalta que esta não é a única iniciativa do IMPA para o mercado nacional. A Petrobras também participou da sessão promovida pelo Reino Unido e destacou o objetivo da companhia em aumentar as contratações de embarcações de apoio marítimo e offshore. De acordo com o gerente setorial de Gestão Logística Petrobras, Diego Moreira, a companhia estuda há algum tempo substituir os helicópteros que transportam os colaboradores até as plataformas offshore por embarcações que façam o mesmo, pois as aeronaves têm custos muito altos.

Ao destacar os investimentos que vêm sendo feitos em transportes e logística portuária, José de Alex Oliva - presidente do Porto de Santos - Codesp, explicou que operações envolvendo os modais rodoviário, ferroviário e hidroviário podem dar maior eficiência ao setor

José Alex de Oliva - presidente do Porto de Santos, o maior e mais movimentado porto da América Latina, com 16 km de cais utilizáveis e 23 km de canais navegáveis, o Porto de Santos é realmente impressionante. Oliva destacou a importância estratégica do porto para a economia brasileira, com 28,8% do saldo comercial brasileiro, com uma taxa de US $ 92,2 bilhões em mercadorias, passando pelo porto. Alex Oliva, também enfatizou os desenvolvimentos ocorridos na logística e no transporte portuário, a fim de diminuir o tempo que os navios precisam aguardar no mar antes do ancoradouro e operações de carga e descarga mais eficientes. Além disso, ele destacou operações eficientes de caminhões e trilhos dentro e fora do porto, juntamente com a introdução do uso expandido de barcaças de rio e operações de dragagem mais eficientes, o que ele espera que a profundidade operacional dos portos atinja 16 metros, permitindo que navios maiores encaixem.

Treinamentos gratuitos movimentaram os três dias de evento Realizados em todos os dias de feira, os cursos oferecidos que pelo - Grupo RINA, uma das principais companhias de capacitação e qualificação do país, abordaram temas atuais e relevantes para a indústria naval e offshore, tais como, introdução às certificações de antissuborno e compliance, classificação e certificação e a introdução ao gerenciamento de água de lastro. “Os treinamentos que promovemos durante a Marintec obtiveram ótima adesão dos profissionais do setor. Tivemos o prazer de contar com as salas cheias, com uma média de 60 profissionais”, salienta o diretor da companhia no Brasil, Maurizio Nigito. Ainda segundo Nigito, a resposta dos participantes foi grande e muitos já demonstraram interesse em participar de outros treinamentos da Instituição. “Ficamos muito felizes com os resultados”, finaliza o executivo.

revistaamazonia.com.br

Atualmente, sem a tecnologia não chegamos a lugar nenhum e na indústria naval não é diferente

Treinamentos gratuitos foram destaques na Marintec 2017 A Sotreq apresentou no Espaço Inovação, as soluções Cat® Connect, bem como expor os sistemas de filtragem da CJC e Cat® Propulsion

REVISTA AMAZÔNIA

61


Inovação No seminário realizado pela Associação Brasileira das Empresas de Construção Naval e Offshore (ABENAV), o superintendente da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (ONIP), Carlos Camerini, defendeu o desenvolvimento constante de tecnologias para a indústria naval e offshore. “Devemos investir em inovação frequentemente, é um diferencial do Brasil. Tivemos a prova em 2015, quando a Petrobras foi eleita a melhor companhia offshore do mundo. Entre os fatores essenciais para essa escolha, estavam as tecnologias desenvolvidas pela empresa, que serviram de modelos para outras companhias globais. Foram diversas inovações nos últimos anos, como sensores óticos, serviços de inspeções submarinas, bóias oceanográficas, sistemas de escaneamento por laser submarino, veículos de inspeção intra-tubular, entre muitas outras”, disse. Quem também reforçou o quanto é relevante que as companhias do mercado marítimo encarem a inovação como um diferencial competitivo foi o professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Antonio Iacono. “Atualmente, sem a tecnologia não chegamos a lugar nenhum e na indústria naval não é diferente. Não podemos negar que a tecnologia e a inovação são os principais fios condutores da competitividade e que o mercado marítimo tem muito potencial para evoluir ainda mais nesta questão”, completa.

Palestras de compartilhamento de conhecimentos no mercado offshore brasileiro e mundial Mais de 350 marcas nacionais e internacionais e profissionais da indústria naval no Centro de Convenções SulAmérica

Os visitantes da feira puderam conhecer inovações, ... entre muitas outras e maiores informações

Próxima Edição

Com cerca de 350 marcas expositoras, os visitantes da feira puderam conhecer inovações nas áreas de sistemas mecânicos e auxiliares, de manobra e curso, além ter contato com diferentes tipos de soldas, radares, INMARSAT C, trocadores de calor, sistemas Dynamic Positioning, motores, bombas e até separadores de água e óleo. E também movimentação de carga, segurança e em equipamentos de comunicação. Além de maiores informações sobre o setor de offshore, construção marítima, propulsão, plataformas, entre muitas outras e maiores informações sobre o setor de offshore.

62

REVISTA AMAZÔNIA

A 14ª edição da Marintec terminou com saldo positivo, depois de intensos debates, networking, prospecção de negócios e oportunidades de qualificação para os profissionais da indústria naval, armadores, estaleiros, fabricantes e fornecedores. A 15ª Marintec South America, principal evento da América do Sul dedicado aos setores de construção naval, manutenção e plataformas offshore, em 2018, será realizada de 14 a 16 de agosto, no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro (RJ). E a novidade da edição será a realização da MANUTEC – Feira Manutenção e Utilidades Industriais.

revistaamazonia.com.br


O que importa mais para o aquecimento futuro é a intensidade do carbono, a quantidade de emissões de carbono produzidas para cada dólar de atividade econômica

Terra pode aquecer até 5ºC neste século A chance é de 90 por cento, de que as temperaturas aumentarão de 2,0 a 4,9 C Gráficos: Adrian Raftery / University of Washington

O

aquecimento do planeta em 2 graus Celsius é frequentemente visto em um “ponto de inflexão” que as pessoas devem tentar evitar, limitando as emissões de gases de efeito estufa. Mas é muito provável que a Terra exceda essa mudança, de acordo com a nova pesquisa da Universidade de Washington. Um estudo usando ferramentas estatísticas mostra apenas uma chance de 5% de que a Terra aqueça 2 graus ou menos até o final deste século. Isso mostra uma mera chance de 1 por cento de que o aquecimento poderia ser igual ou inferior a 1,5 graus, o objetivo estabelecido pelo Acordo de Paris de 2016.

“Nossa análise mostra que o objetivo de 2 graus é de muito, o melhor cenário”, disse o autor principal, Adrian Raftery, professor de estatística e sociologia da UW. “É possível, mas apenas com esforço maior e sustentado em todas as frentes nos próximos 80 anos”. As novas projeções baseadas em estatística, publicadas recentemente em Nature Climate Change, mostram a chance de 90 por cento de que as temperaturas aumentarão neste século em 2,0 a 4,9 C. “Nossa análise é compatível com estimativas anteriores, mas conclui que as projeções otimistas provavelmente não acontecerão”, disse Raftery. “Estamos mais perto da margem do que pensamos”.

Projeções globais de emissão de carbono ao longo do ano 2100, por ano (esquerda) e cumulativa (direita). As linhas pontuadas mostram os quatro “cenários” do último relatório climático do IPCC. A área sombreada é a nova abordagem orientada estatisticamente, onde a área mais escura é o intervalo de confiança de 90% e o sombreamento mais claro é o intervalo de confiança de 95%.

revistaamazonia.com.br

O relatório mais recente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas incluiu as futuras taxas de aquecimento com base em quatro cenários para futuras emissões de carbono. Os cenários variaram desde as emissões “comerciais e habituais” das economias em crescimento, a sérios esforços mundiais para a transição longe dos combustíveis fósseis. “O IPCC ficou claro que esses cenários não eram previsões”, disse Raftery. “O grande problema com os cenários é que você não sabe o quão provável eles são, e se eles abrangem toda a gama de possibilidades ou são apenas alguns exemplos. Cientificamente, esse tipo de abordagem narrativa não era totalmente satisfatória”. O novo artigo concentra-se em três quantidades que sustentam os cenários para futuras emissões: população mundial total, produto interno bruto por pessoa e a quantidade de carbono emitida por cada dólar de atividade econômica, conhecida como intensidade de carbono. Usando projeções estatísticas para cada uma dessas três quantidades com base em 50 anos de dados passados em países de todo o mundo, o estudo encontra um valor médio de aquecimento de 3,2 C (5,8 F) até 2100 e uma chance de 90% de que o aquecimento deste século falhará Entre 2,0 a 4,9 C (3,6 a 8,8 F). “Os países defenderam o alvo de 1,5 C por causa dos impactos severos em seus meios de subsistência que resultariam de exceder esse limiar. De fato, os danos causados por extremos de calor, a seca, o clima extremo e o aumento do nível do mar serão muito mais graves se 2 C ou temperatura mais alta O aumento é permitido “, disse o co-autor Dargan Frierson, professor associado da UW nas ciências atmosféricas. “Nossos resultados mostram que é necessária uma mudança de curso abrupta para alcançar esses objetivos”. “Em geral, os objetivos expressados no Acordo de Paris são ambiciosos, mas realistas”, disse Raftery. “A má notícia é que é improvável que sejam suficientes para alcançar o objetivo de manter o aquecimento em ou abaixo de 1,5 graus”. A pesquisa foi financiada pelo National Institutes of Health. Outros co-autores são Alec Zimmer, graduado da UW agora em Upstart Networks em Palo Alto, Califórnia; Richard Startz, UW professor emérito de economia que agora ocupa um cargo na Universidade da Califórnia, Santa Bárbara; E Peiran Liu, um estudante de doutorado da UW em estatísticas.

As previsões são péssimas

REVISTA AMAZÔNIA

63


Índice mede impactos da mudança do clima Secas devem se tornar mais frequentes e intensas em todo país

A

mudança do clima e os eventos extremos como ventos fortes e secas prolongadas tendem a ser mais intensos devido ao aquecimento global e vão afetar primeiramente as populações mais pobres do país, segundo previsões do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC). A partir desses dados, um estudo lançado recentemente no Fórum Brasil de Gestão Ambiental, em Campinas (SP), faz um diagnóstico, traça cenários prováveis dos impactos sobre as áreas mais vulneráveis e avalia a capacidade de adaptação dos municípios. É o Índice de Vulnerabilidade aos Desastres Naturais Relacionados às Secas no Contexto das Mudanças do Clima, publicação elaborada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a WWF-Brasil. O trabalho traz o panorama analisado por região e por município, com avaliações da exposição às mudanças e eventos extremos, da sensibilidade relacionada ao contexto socioeconômico e ambiental e da capacidade de cada um de se adaptar aos eventos climáticos.

Mapas da exposição climática às secas no modelo Eta-20km para os modelos Eta-HadGEM (superior) e Eta-MIROC (inferior) nos cenários 4.5 (esquerda) e 8.5 (direita) do IPCC/AR5, calculados para o período de 2011-2040. Obs.: os tons em vermelho indicam o aumento da exposição (“vulnerabilidade climática”), enquanto os tons em azul representam a situação contrária

“Estar mais ou menos exposto aos desastres não significa que eles venham a ocorrer porque há vários outros fatores a serem considerados”, adverte Pedro Camarinha, da Adapta, Assessoria Ambiental e Pesquisa, um dos autores dos estudos. Baseados no que aconteceu em relação ao clima na localidade entre 1961 e 1990 e no quadro atual, o índice permite apontar as regiões mais vulneráveis. O estudo identifica as áreas mais sensíveis socioeconomicamente, levando em conta o uso do solo, a população total e a parcela abaixo da linha da miséria, além da oferta e uso da água para consumo humano e o tratamento dado aos mananciais.

Capacidade

Mapa do subíndice de sensibilidade aos desastres naturais relacionados às secas

64

REVISTA AMAZÔNIA

Os dados analisados permitem, ainda, verificar qual a capacidade que cada município vulnerável tem para se adaptar aos eventos de seca. O trabalho leva em conta informações de indicadores como o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), o Índice de Gini (medidor da desigualdade social) e a taxa de analfabetismo. revistaamazonia.com.br


Mapa do subíndice de capacidade adaptativa aos efeitos das mudanças do clima relacionadas às secas. Obs.: é preciso lembrar que este é o único subíndice que é inversamente proporcional à vulnerabilidade, pois quanto maior a capacidade adaptativa, menor poderá ser o IVDNS.

A região Centro Oeste, por exemplo, ainda não está entre as mais secas do país, mas poderá ser fortemente afetada no futuro, de acordo com o levantamento. No lançamento, a gerente Celina Mendonça, da Secretaria de Mudança do Clima e Florestas do MMA, anunciou que até o final do ano estará disponível, pela internet, um curso de capacitação em adaptação para os gestores municipais. Celina destacou, também, as medidas previstas pelo Plano Nacional de Adaptação à Mudança do Clima, que reúne ações de todo o governo federal voltadas para as áreas vulneráveis e para enfrentar os impactos e a intensificação dos eventos extremos. Segundo ela, o Acordo de Paris, “embora seja direcionado para a redução de emissões de gases de efeito estufa, reconhece a importância dos planos de adaptação”. A analista ambiental Mariana Egler apresentou, ainda, um outro projeto de sistema informatizado que também mede o nível de vulnerabilidade. O trabalho foi realizado em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a previsão é que esteja concluído e disponível no site do MMA até o fim deste ano.

Mapas do IVDNS (compostos pelos subíndices: exposição, sensibilidade e capacidade adaptativa) para o período de 2011-2040. Obs.: em relação as cores, quanto mais próximas de vermelho escuro maior a vulnerabilidade. revistaamazonia.com.br

REVISTA AMAZÔNIA

65


Representação dos resultados IVDNS para os três períodos analisados: 2011-2040; 2041-2070 e 2071-2099, a partir das projeções climáticas simuladas pelos modelos Eta-HadGEM e EtaMIROC, nos cenários RCP 4.5 e 8.5 do IPCC/AR5. Obs.: Quanto mais vermelho maior a vulnerabilidade.

Alguns resultados que esse estudo mostra:

• A vulnerabilidade aos desastres naturais

de secas tende a se elevar por todo o território brasileiro; • As maiores anomalias climáticas já são observadas no primeiro período de análise (2011-2040), trazendo ainda mais urgência para a implementação de medidas de adaptação e políticas públicas de gestão de risco; • O Centro-Oeste é uma das regiões de maior vulnerabilidade. O clima tende a ser mais quente e seco, com secas mais frequentes e severas nas próximas décadas; • A porção ao norte do Ceará, Piauí, Maranhão e Pará também se destaca como uma das mais vulneráveis aos efeitos da mudança do clima no que se refere às secas; 66

REVISTA AMAZÔNIA

• No caso mais crítico, o Maranhão, há evidências de novos cenários de risco às secas severas nos próximos anos, tendência esta que concorda com as ocorrências de secas já observadas nos últimos anos. • Para o Sudeste Brasileiro (com exceção do norte de Minas Gerais), a tendência observada, mesmo que amena, é de aumento de períodos mais secos no futuro. Considerando que esta é a região mais populosa e de maior concentração de capital do país, estes pequenos incrementos da exposição climática podem configurar grandes impactos; • Na região Sul, os efeitos da mudança do clima tendem a intensificar a ocorrência de secas em parte do Rio Grande do Sul e do Paraná;

Obs: *Os resultados finais de vulnerabilidade devem ser analisados com cautela, sendo que a situação ideal é ter conhecimento prévio destas informações.

O Fórum O Ministério do Meio Ambiente (MMA) integrou a programação oficial do Fórum Brasil de Gestão Ambiental, que ocorreu em Campinas (SP) com a participação de cerca de 3 mil pessoas. Entre elas, estavam representantes do governo federal, estados, municípios, setor privado e sociedade civil. O objetivo foi debater os avanços, oportunidades e desafios relacionados à implementação das políticas ambientais brasileiras. revistaamazonia.com.br


Anúncio Revista 20,5 x 27 cm.pdf 1 27/07/2017 11:02:37

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

Para mais informações acesse:

w w w.fa dc.o rg.br /FundacaoAbrinq 12

REVISTA AMAZÔNIA

/fundabrinq revistaamazonia.com.br


Ano 12 Nº 65 Novembro/Dezembro 2017 AÇÃO IC

AM

R$ 12,00

OR PUBL AI

N O RT E

www.revistaamazonia.com.br

ISSN 1809-466X

D

O

Ano 12 Número 65 2017 R$ 12,00 5,00

É HORA DE PARAR DE DESTRUIR A TERRA COP-23, FIJI – CONFERÊNCIA DO CLIMA EM BONN BIOFUTURO, UM NOVO CONCEITO ECONÔMICO

Amazônia 65  

É HORA DE PARAR DE DESTRUIR A TERRA; COP-23, FIJI – CONFERÊNCIA DO CLIMA EM BONN; BIOFUTURO, UM NOVO CONCEITO ECONÔMICO

Amazônia 65  

É HORA DE PARAR DE DESTRUIR A TERRA; COP-23, FIJI – CONFERÊNCIA DO CLIMA EM BONN; BIOFUTURO, UM NOVO CONCEITO ECONÔMICO

Advertisement