Issuu on Google+

FRATERNITAS Por. Vol. XLVI. Nr. 196 — OFM Roma — E-mail: fraternitas@ofm.org — 01. 03. 2013

Felix Alleluia!

La Verna – 800 anos da doação do monte a S. Francisco 2013, ano em que se recorda o VIII centenário da doação do Monte La Verna a S. Francisco. A história do Monte la Verna está ligada a um

episódio significativo na história do território, a saber, sua doação a Francisco de Assis pelo conde Orlando, em 1213, após o encontro no castelo de S. Leão. Nas Fontes Franciscanas lemos: "E, enfim, disse esse senhor Orlando a S. Francisco: “Tenho em Toscana um monte devotíssimo, o qual se chama La Verna, é mui solitário e selvagem e é apto bem demais a quem quisesse fazer penitência num lugar longe de

D

pessoas ou que desejasse vida solitária. Se lhe agrada, com boa vontade, eu lho darei e aos seus companheiros...' " (FF 1898). Desde então, Francisco dirigiu-se muitas vezes ao La Verna com seus confrades, até 1224, quando recebeu ali os estigmas. Graças à generosidade do Senhor Orlando, Francisco recebeu de presente esse monte, que os Frades Menores da Toscana, há 800 anos preservam como lugar em que o Pobrezinho de Cristo recebeu o último selo.

S

Iquitos, Peru – Encontro das presenças franciscanas na Amazônia

e 02 a 06 de junho de 2013, realizar-se-á em Iquitos, cidade no coração da Amazônia peruana, um encontro para os missionários da grande região amazônica, com a presença do Ministro geral, sobre o tema A presença franciscana na Amazônia. Proposto pela Fraternidade missionária de Requena, apoiado pela Conferência Bolivariana, da UCLAF e aprovado pelo Definitório geral, foi convocado pelo Ministro geral, Fr. José R. Carballo. Tomarão parte os missionários OFM da Grande-Amazônia, os Bispos dos Vicariatos confiados à nossa Ordem e situados nessa região, alguns Ministros provinciais, representantes de outras Famílias franciscanas, os dois Definidores gerais para a América Latina, o Secretário geral para as Missões e o Animador geral para a Evangelização, o Diretor do Escritório da JPIC.

empre me impressionou o fato de os cristãos orientais, neste período, se saudarem com as palavras: “Cristo ressuscitou!” E responderem: “Sim, realmente ressuscitou!” Fazemos essa confissão de fé, agora, no contexto do Ano da Fé, desejado por Bento XVI “para que a Igreja renove seu entusiasmo de crer em Jesus Cristo, único Salvador do mundo, reviva a alegria de caminhar na via que nos indicou, e testemunhemos de maneira concreta a força transformadora da fé” (Bento XVI, Audiência de 17/10/2012). (Da carta do Ministro geral pela Páscoa 2013).

Agenda do Ministro geral

Os objetivos são, fundamentalmente, três: 1. Fazer memória da presença franciscana na Amazônia, desde o século XVI; 2. Partilhar a vida e os desafios das presenças atuais; 3. Buscar linhas comuns para a presença franciscana na Amazônia, para hoje e o futuro. A metodologia será a de ver/ contemplar, julgar/meditar, agir/ restituir. Além disso, são previstos relatórios e, sobretudo, espaços para o diálogo e partilha, momentos de oração, leitura orante e celebração. Tudo será preparado por uma Comissão "ad hoc".

►01-03 de março: Encontro com os Frades jovens, em formação, da Conferência Sul-Eslava (Zagreb Croácia). ►04-08 de março: Participação no Seminário das Novas Formas de Evangelização (Gréccio – Itália). ►09 de março: Participação no Senado Acadêmico da PUA. ►11-22 de março: Tempo forte do Definitório na Cúria Geral (Roma – Itália). ►19 de março: Onomástico do Ministro geral. ►24-31 de março: Semana Santa. ► 25 de março: Encontro com a Conferência da Família Franciscana (Roma – Itália).


Regula et vita Minorum Fratrum haec est, scilicet Domini nostri Jesu Christi sanctum Evangelium observare (RB I,1)

Dom Aloísio A. Dilli, OFM, Bispo de Uruguaiana, RS-Brasil

D

om Aloísio A. Dilli é Bispo da Diocese de Uruguaiana, no extremo Sul do Brasil, na fronteira com Argentina e Uruguai. «Sou o único franciscano nesta Igreja local», exclamou, e acrescentou com um sorriso: «Ainda bem que o Ministro geral nos tenha dito que ‘onde há um Bispo franciscano, ali a Ordem está presente”». Ao pedido de descrever brevemente seu serviço pastoral, disse-nos ser "itinerante", mesmo que tenha de pensar no trabalho na Cúria. De fato, precisa ir no meio das pessoas nas paróquias, comunidades, escolas, movimentos, entre os pobres, para escutar, partilhar, ensinar, evangelizar, celebrar. Ao pedir que nos falasse de suas alegrias e esperanças como Bispo franciscano, disse-nos: «A maior alegria é ver como Deus realiza

‘grandes obras’ em nossa pequenez (menoridade) e, através de nós, a tantos outros no ministério episcopal e sacerdotal. ‘Cuidar’ do outro, da pessoa, essa é a atividade do Pastor; é atitude tipicamente franciscana. Portanto, espero que venham entre nós os Frades Menores!” Refletindo, brevemente, sobre quais são as alegrias e as esperanças presentes em sua Igreja local, recordou a celebração do centenário da Diocese, em 2010, com a ação de graças comunitária e a celebração da reconciliação entre as pessoas dessa Igreja. Além disso, acrescentou, a Diocese tem um evento especial: a peregrinação de Nossa Senhora Conquistadora, padroeira da Diocese. «Em 2010 – disse-nos com uma ponta de orgulho – éramos cerca de 40 mil pessoas». E, concluiu: «Esperamos construir um Santuário e uma Igreja viva de discípulos missionários». Os confrades, Frades Menores, como podem ser-lhe próximos e de ajuda no ministério? «Através das comunicações da Ordem, como já acontece, a continuação dos encontros dos Cardeais e Bispos franciscanos e a chegada dos Frades Menores à minha Diocese. O que poderia acontecer em 2013!».

Bruxelas, Bélgica – Curso de formação especial

entre outros temas, os projetos de solidariedade, de desenvolvimento a favor das populações locais ou das Entidades, de como e a quem pedir ajuda concreta. Foi também ocasião para um melhor conhecimento mútuo. Foto: Visita da Comissão econômica e social europeia. Fr. Vitório Melícias, Ministro provincial de Portugal e Membro da Comissão, com os participantes do Curso de Formação.

Como confrade de cerca de 14 mil Frades Menores, dispersos pelo mundo, o que julga útil dizer-nos para que vivamos plenamente a novidade desse momento, segundo nosso carisma? É preciso sempre retornar ao espírito das origens, de como Francisco vivia e como propunha o Evangelho. Voltar ao coração de sua pregação: Jesus sofredor, pobre e humilde. Ao seu espírito de oração e devoção, à sua oração contínua, oração contemplativa que, dia após dia, lhe dava os mesmos olhos de Deus, para ver as coisas com os olhos de Deus. A primeira coisa é exatamente isto: escutar e meditar a Palavra do Senhor para poder ver como Deus vê. Se a gente perder esse contato e essa modalidade própria do contato franciscano, então não se vê bem e também a missão perde seu foco interior. Por isso, gostaria de dizer aos meus confrades que a missão renova sempre a Igreja, dá nova fecundidade à Ordem. Hoje, em toda parte é terra de missão: sair, ir, procurar as pessoas lá onde vivem, para oferecer-lhes o Evangelho de Jesus. Pessoalmente, quando visito famílias, não vou apenas como amigo, mas também como Frade Menor e escuto sua vida e procuro iluminá-la com a luz do Evangelho. Enfim, penso que deva ser recuperada uma boa pastoral vocacional: ir às praças; sim, também internet é um tipo de praça, mas a presença é sempre melhor: entrar no campo, ousar, levar motivos daquela esperança que vive dentro de nosso coração.

2

F R A T E R N I T A S

I

rmãos provenientes de diversas Entidades ou de países de língua francesa (Terra Santa, Marrocos, República Centroafricana, Congo RDC, Congo/Brazzaville, África Ocidental, Burundi, Ruanda, Madagáscar, Ilha Maurício, Quebec, França) encontraram-se na Fraternidade "Nossa Senhora das Nações", em Bruxelas, de 07 a 11 de janeiro, para uma sessão de formação, sob patrocínio da MZF. Nessa ocasião foram discutidos,

Entrevista com o Cardeal Cláudio Hummes, OFM, sobre a Nova Evangelização


Regula et vita Minorum Fratrum haec est, scilicet Domini nostri Jesu Christi sanctum Evangelium observare (RB I,1)

Marcalivro franciscano

crescimento. Estão sendo descobertas, hoje, como fontes de espiritualidade. O que encontramos nelas? As Regras monásticas nascem de uma experiência vivida, de uma forma de vida. Mesmo que, às vezes, sejam centenários, esses textos são frequentemente a base de uma experiência humana e nos oferecem linhas e guias para nossa vida, hoje. Pessoas, que buscam sentido de sua vida quotidiana, acham nesses textos sabedoria em harmonia com seus desejos mais profundos. Clara de Assis é a primeira mulher que compôs uma Forma de vida da Ordem das Irmãs Pobres. É o documento mais importante da herança espiritual da Ordem das Irmãs Pobres de Santa Clara. Até hoje, há mulheres em todo o mundo que orientam sua vida contemplativa segundo essa forma de vida. Qual é seu segredo? A resposta encontra-se nesse livro. O autor explora a sabedoria escondida na vida de Clara. Aborda o texto qual modelo espiritual, em vista da transformação. Trata-se de reflexo de uma vida evangélica vivida, o Evangelho de Jesus Cristo. É dessa sabedoria do Evangelho que a Forma de vida recebe sua força transformadora. Algumas perguntas, que tentamos responder, são: como podemos orientar nossa vida, hoje, segundo a inspiração original de Clara e de suas coirmãs? O livro é escrito como guia para pessoas que procuram conhecer, dia após dia, a espiritualidade de Clara e de suas coirmãs, e orientar sua vida, hoje, segundo essa inspiração originária. ► Fonte Clarianas, organizado por G. Boccali, Ed. Porciúncula, Assis, 2013, 1472 p. A importância desse livro é que mostra como, contrariamente ao que muitas vezes se afirma, na história da Igreja existem numerosas mulheres que tiveram um papel de fundamental importância. Entre essas, sem dúvida, figura Santa Clara de Assis: de fato, como se pode ver nas Fontes Clarianas, há pouco publicadas, sua correspondência com Inês de Praga é um dos casos únicos da rara correspondência feminina medieval que chegou até nós. Além de sua Regra, confirmada pelo Papa Inocêncio IV, ser o primeiro caso de uma Regra para mulheres, essa é obra de mulher. Também uma das suas biografias foi escrita por uma mulher, Irmã Battista Alfani, uma clarissa do século XV, que também traduziu ao italiano, com extremo rigor filológico, o Processo de Canonização de Santa Clara de Assis. Eis apenas alguns motivos que indicam a importância das Fontes Clarianas, que obrigam a rever diversos juízos sobre o papel da mulher na Igreja e, por conseguinte, um pressuposto machismo. ► Visite: http://www.franciscanpublications.com/ ► Visite: http://www.libreriafrancescana.it

3

F R A T E R N I T A S

► Journey into God by St. Bonaventure. Itinerarium Mentis in Deum, Traduzido por J. Raischal, OFS & A. Cirino, OFM, Tau Publishing, 2012, 128 p. Parece que S. Boaventura tenha tido em mente uma perspectiva pastoral por meio de sua obra. Muitos, que se uniam à Ordem, no século XIII, eram iletrados; por isso eram incapazes de ler o Itinerarium. Boaventura teceu a estrutura do Itinerarium nos acontecimentos da vida de S. Francisco, que recontou na Legenda Maior de S. Francisco. Na realidade, muitos creem que a Legenda Maior, composta pouco após, poderia ser, na realidade, lida como comentário ao Itinerarium. ►Evangelho da criança. Ilustrações em marchetaria e comentários de Frei Raul Ribeiro de Mello, OFM, (Fr. Raul Ribeiro de Mello, OFM), Divinópolis – MG, 2012, pp. 105. Com caraterísticas populares brasileiras, a arte de Fr. Raul nos apresenta cenas bíblicas em situações atuais. Mesmo que as faces não se repitam, os principais temas do cristianismo são frequentemente representadas como o Natal, a morte e a crucificação de Cristo, os milagres, etc. Cada obra é novo ensinamento, que guia o espectador pelo caminho de Jesus, comunicando vida, alegria, amor, fé, fraternidade, esperança - franciscanismo. A vocação sacerdotal e a sensibilidade de Fr. Raul são dispostas ao longo de todo o curso de sua vida: o Frade artista fez da madeira seu púlpito a fim de pregar a palavra de Deus e com a qual, como afirmou, fez os melhores sermões. ► O poder necessário. Os Bispos de Roma e o governo temporal de Sabiniano a Zacarias (604-752), Andrea Lonardo, Ed. Antonianum, Roma, 2012, 603 p. Se a Doação de Costantino for claramente uma falsidade, também não é de negar que a mudança da capital do império a Constantinopla tenha iniciado um processo de enorme importância, que mostrou plenamente suas consequências nos séculos VII e VIII d.C. Como se conclui da análise do “Liber pontificalis”, uma crônica redigida e constantemente atualizada pelo cronista lateranense da época, ao afastamento do poder imperial, forçado a enfrentar, primeiramente, a ameaça persa e, depois, aquela árabe, gerou uma situação na qual Roma e seu território circunstante se abrigaram sempre mais ao redor da autoridade pontifícia. O Bispo de Roma, apesar de obrigado a esperar, até Zacarias – o primeiro que disso será isento, autorização imperial para ser

consagrado, tornou-se de fato o árbitro dos acontecimentos romanos, da gestão dos negócios administrativos e econômicos, em defesa da urbe. Na segunda metade do século VIII, o imperador, impelido pelas disputas teológicas sobre o monotelismo e, depois, sobre o iconoclasmo, retirou o sul da península da dependência de Roma. Quando Ravenna caiu em poder dos longobardos, em 751, só o Pontífice levantou-se para defender o antigo território bizantino. ►Vivere il Vangelo con Francesco d’Assisi. Temi e figure della fraternità minoritica (Viver o Evangelho com Francisco de Assis. Temas e figuras da Fraternidade menorítica), Wieslaw Block, EDB (Teologia spirituale), Bologna, 2013, 384 p. Os que conheceram pessoalmente o santo de Assis permaneceram tão impressionados pela sua mensagem evangélica a ponto de permanecer assinalados por ela de maneira profunda. O autor ilustra o percurso espiritual da primeira Fraternidade menorítica, que se formou ao redor de Francisco: trata-se de uma experiência ligada ao período originário do carisma franciscano, caraterizada por forte carga motivacional, baseada predominantemente sobre intensa vida de fé, tecida de humildade, docilidade espiritual, serviço evangélico, a ponto de desejar o martírio. Naquele grupo de Frades encontramos todos os tipos de personalidades, associados no empenho sincero de viver segundo a «perfeição do Santo Evangelho». A primeira parte do estudo apresenta as principais caraterísticas da vida espiritual da jovem Fraternidade menorítica, situando-a em seu ambiente histórico e cultural, enquanto na segunda parte se examina algumas figuras de Frades, cuja vocação foi marcada de maneira singular pelo encontro com S. Francisco: Bernardo de Quintavalle, Frei Leão, Cesário de Spira, Egídio de Assis, Tomás de Celano, Rizzério de Muccia, Simão de Collazzone, Giordano de Giano, Giovanni de Pian del Carpine, Antônio de Pádua. A escolha dessas figuras foi causada, em primeiro lugar, pela presença de textos escritos pelos protagonistas ou seus hagiógrafos que permitem descrever os traços salientes de sua personalidade. A experiência narrada é totalmente atual e oferece reflexões importantes, não só para formar os irmãos e irmãs menores, a partir do modelo Francisco. ► Come pellegrini e forestieri. Chiara d'Assisi, Forma di Vita delle Sorelle Povere: Un modello spirituale di trasformazione (Como peregrinos e forasteiros. Clara de Assis, Forma de Vida das Irmãs Pobres: Um modelo espiritual de transformação), Edith Van den Goorbergh, (Tradução de Rafaël Maria Theuvenet, Sr. M. Laura Hammel, OSC e Sr. M. Pacelli Millane, OSC). Media House, Delhi 2013, 283 p. O interesse pelas Regras monásticas está em


Regula et vita Minorum Fratrum haec est, scilicet Domini nostri Jesu Christi sanctum Evangelium observare (RB I,1)

Grandes/pequenas notícias ► Petrópolis, Brasil – Selos para as missões – Há 50 anos, funciona no convento “Sagrado Coração de Jesus”, em Petrópolis – Brasil, o Centro Filatélico Franciscano. O objetivo principal é o de sustentar as missões franciscanas na África. O Centro recolhe selos novos e usados, ou coleções, do Brasil e de outros países, vende-os a colecionadores e o resultado é enviado aos missionários em Angola, que o aplicam nas paróquias, nos projetos sociais, na horticultura, etc. Portanto, doar selos ou envelopes inteiros significa ajudar as missões na Angola, em fase de reconstrução, após a recente guerra. Pede-se enviar os selos ou os envelopes com selos a este endereço: Centro Filatélico Franciscano, Igreja/ Convento do Sagrado Coração de Jesus, Rua Montecaseros, 95 – Centro, Petrópolis – RJ – Brasil, Cx. Postal 90023.

D

e 14 a 16 de janeiro de 2013, realizou-se um encontro das Igrejas cristãs do Myanmar para discutir sobre "Oportunidades e desafios emergentes em um novo Myanmar: a resposta da igreja à construção da nação e reconciliação". Participaram as Igrejas das 16 Dioceses católicas, as 14 Igrejas que fazem parte do Conselho das Igrejas, as Congregações religiosa, masculinas e femininas, que trabalham com os 135 grupos étnicos. Tratou-se de um evento histórico, mas também de um ponto de pertença para a União das Igrejas em Myanmar e, sobretudo, pela participação dos cristãos no processo de construção da nova Nação. No encontro esteve presente Fr. Soosai Raj, Franciscano indiano, que recentemente se uniu à Fundação. Para saber mais, dirija-se a Fr. Soosai Raj: soosairajofm@gmail.com

Encontro Internacional da JuFra 2013

O

encontro Internacional da JuFra acontecerá na cidade de São João del Rey - MG, de 19 a 22 de julho de 2013. Após o encontro, os participantes unir-se-ão à celebração da JMJ, de 23 a 28 de julho de 2013. Para saber mais, visite: http://ciofs.org/

Agradecimento

D

epois de seis anos e dez meses de serviço à Cúria geral e à Ordem, como Guardião nos primeiros três anos e, ao mesmo tempo, por todo o período de minha permanência na Cúria, como Diretor da Fraternitas e Diretor do Escritório Computador, desejo agradecer a todos os colaboradores e, em particular, aos tradutores de Fraternitas pelo seu grande serviço e também pela sua ajuda. Agora, volto à minha Província de Santa Cruz, na Eslovênia. Desejo a cada um todo o bem no Senhor e em São Francisco: Paz e Bem! Fr. Robert Bahčič.

Novos Visitadores gerais ► Fr. Mário Favretto, da Província de Santo Antônio de Pádua – Itália, foi eleito Visitador geral do Colégio Internacional de Santo Antônio, em Roma. ► Fr. Francisco ó Conaire, da Província de N. S. de Guadalupe – América Central e Panamá, foi eleito Visitador geral para a Província de S. João Batista – USA. ► Fr. Thomas Luczak, da Província da Assunção da BVM - USA, foi eleito Visitador geral da Província de N. S. de Guadalupe - USA.

Novos Ministros provinciais ►Fr. Bernardo de Sousa Brandão Neto foi eleito Ministro provincial da Província de N. S. da Assunção – Brasil. ►Fr. Francisco Gómez Vargas foi eleito Ministro provincial da Província de S. Paulo Apóstolo - Colômbia. ►Fr. Astijus Silvestras Kungys foi reeleito Ministro provincial da Província de S. Casimiro - Lituânia.

Fraternitas - OFM - Roma ► Redator: Robert Bahčič ► Tradutor: Fr. Plácido Robaert ► http://www.ofm.org/fraternitas   ►  http://fraternitasofm.blogspot.it/   ► E-mail: rbahcic@ofm.org

4

F R A T E R N I T A S

►Missão itinerante no Vicariato de Requena: de 06 de janeiro a 06 de fevereiro de 2013, foi realizada a missão itinerante na comunidade junto ao rio Tapiche e na paróquia de Santa Helena, a qual pertence ao Vicariato de Requena, que está sem assistência permanente de sacerdote. A missão foi animada pelos Frades da Fraternidade do Projeto Amazonas: Ortiz, Atílio Battistuz, Ademir Francisco Matilde, com a ajuda de outros Frades, que demonstraram interesse pela Amazônia e são possíveis candidatos a missionários naquela realidade.

Myanmar – Encontro das Igrejas cristãs


0313por