Page 1


Revista de Imprensa 05-11-2014

1. (PT) - Portugal News Online, 29/08/2014, Abandoned animals double as associat ions show little confidence in new protection law

1

2. (PT) - Público - Público Porto, 25/08/2014, Trinta mil animais abandonados em 2013 e número duplicou desde 2008

3

3. (PT) - Jornal de Notícias, 21/08/2014, PAN e Livre concertam posições

5

4. (PT) - Diário de Notícias, 21/08/2014, Livre e PAN juntam propostas

6

5. (PT) - i Online, 20/08/2014, PAN reuniu-se com Livre e levará propostas do partido à Comissão Nacional

7

6. (PT) - Diário de Notícias, 19/08/2014, Direção do livre reúne com o PAN

8

7. (PT) - Portugal News Online, 08/08/2014, Animal and Nature party welcomes "historic" law change but urges country to stop seeing animals as "things"

9

8. (PT) - DiáriOnline Algarve Online, 05/08/2014, Paulo Borges apresenta livro «Quem é o meu próximo?» em Faro

10

9. (PT) - TVI 24 - Diário da Manhã, 04/08/2014, Manifestação anti-tourada na praia de Mira

11

10. (PT) - Diário de Coimbra, 02/08/2014, Manifestação contra tourada na Praia de Mira

12

11. (PT) - Diário de Notícias da Madeira, 31/07/2014, Ratazanas tomaram conta da casa de gatos construída pelo PAN

14

12. (PT) - Setubalense, 25/07/2014, PAN manifesta-se contra corridas de toiros em Setúbal

15


A1

Abandoned animals double as associat ions show little confidence in new protection law

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Portugal News Online

URL:

http://www.pt.cision.com/s/?l=7ec1af41

Data Publicação:

29/08/2014

/

Last year the number of abandoned animals being cared for in kennels throughout Portugal reached close to the 30,000 mark, more than double the numbers from six years earlier. Just last month a "historic" new animal protection bill was passed making the neglect or abandonment of pets a criminal offence punishable with jail time, but associations are showing little faith that it will make any difference at all. In 2008, according to figures published in newspaper Público's lead story on Monday, official kennels and catteries throughout the country housed 13,399 unwanted animals. Six years later, in 2013 that number had more than doubled to 29,645 homeless dogs and cats, an increasing number of them dumped at the kennels by families who could no longer afford to keep them as a result of the crippling crisis. Municipal vets, Público wrote, testified that the ongoing crisis has contributed to the rise in discarded animals, but said it is also becoming an "easy excuse" for people looking to get rid of their pets. Alexandra Pereira, municipal vet for Sintra, told the newspaper that after being given up by their owners and locked away in the kennels' small cells "many of these animals give up on living; they self-harm, fight among themselves, stop eating and get sick. And like that, no one wants to adopt them. It's a snowball. They don't come in sick but they end up that way." Another major problem currently being faced is that many kennels are overcrowded and cannot guarantee a desirable quality of life for the animals. While the number of dogs and cats being taken in has soared in recent times, staff and other resources, such as medication and financing, have stayed the same. At the end of last month a new bill proposing changes to the existing penal code was passed in parliament, harshening punishment for pet owners who neglect or abandon their animals to include prison sentences. That document has now been promulgated by the President of the Portuguese Republic, Cavaco Silva, and will come into effect either on 1 October or 1 November2014, depending on when it is published in the Government Gazette. The bill foresees six months in prison or a 60-day fine equivalent for anyone who abandons an animal; up to a year in jail or a 120-day fine equivalent for anyone found mistreating an animal, or up to two years in prison or a 240-day fine in the event the harm results in the animal's death. In a statement sent to The Portugal News last week PAN - the Party for Animals and Nature - said it welcomed the "historic step in the country's protection of animals" but added "there is still a lot of work to be done" in terms of animal rights in Portugal. Speaking to Público this week Paulo Borges, the president of PAN, said animal abandonment habits that exist in Portugal "urgently need tackling." While the new law is a step forward, he acknowledged, there is still a need to "prevent, make aware, and actually punish" as the fines currently in place are not applied and there is little enforcement of the law. This is a view shared by a number of private associations throughout Portugal, who have also seen a rise in the number of animals they have taken in, in recent times. Ana Duarte, president of the Sesimbra-based Bianca animal shelter which currently has around 300 dogs and cats waiting to be re-homed, told The Portugal News that over the last three years the number of unwanted animals taken in by the association has "increased significantly." "In 2009 Bianca Charity had 150 animals; today we have more than 300. Every month we receive between 40 and 50 new animals. It is not a surprise for me. People continue to acquire irresponsibly and unconsciously new animals, and after a couple of months put them outside the home or give them to charities because they cannot deal with the situation." "Unfortunately", she adds, "people don't think of animals as having needs, and when they realise they need food, medical care, etc, they give them away." She believes school programs should include animal welfare, "to educate children to be responsible citizens as they learn to read and write." Bianca conducts its own awareness-raising programmes and visits a number of schools every year, "but this is not enough and must be done on a national level." Ms Duarte believes the new law "will bring positive results in the medium term" but not immediately. Agreeing with the views of the PAN President that more must be done to enforce the law, Página 1


she stresses: "It is not enough that citizens are vigilant and denounce the relentless evil inflicted on the animals, it is crucial that authorities also "believe" in this law. "The thousands of complaints about mistreatment of animals, which come annually to the authorities, must have finally a development. But it is up to the animal-lovers, to ensure this, and not wait, because this process that has now begun, will take time and we have to remind the police, judges and others authorities responsible for law enforcement, that the law exists." Chris Cottis, spokesperson for the Donkey Sanctuary animal refuge in Lagoa (Algarve), one of southern Portugal's longest-standing animal rescue and re-homing charities, reflects these thoughts, challenging: "How the heck do we get anyone to do anything? The police just shrug their shoulders. I think the government should lay down guidelines for people to act on." Gosia Nesterowicz, of the re-homing association Dogs of Portugal, which works with shelters across the country to find new homes for unwanted animals, has also noticed more pets needing new homes: "People tell me that they see fewer animals on the streets but this does not mean that there are fewer being abandoned. Simply there are more shelters. But those shelters, many of them, hardly have any conditions. The dogs are on chains and they have no veterinary attention, so basically the problem is less visible but it still exists." Gosia is also involved in the running of the Cantinho da Milu shelter in SetĂşbal, which currently houses over 500 dogs. "In our shelter every week we have people bringing their animals with the same excuse: divorce, moving from a house to an apartment, moving abroad. And this is just half, the other half is found on the street. Cantinho da Milu now has over 550 dogs and it is very difficult to say no to new dogs but we try to although it is heart breaking to know how many go without help." And, she says, another phenomenon is emerging - the hoarders: "People that feel sorry for abandoned dogs, usually old single women that bring them to the house, more and more and more and they end up in a catastrophic situation. And they don't sterilize them either. We have been involved in rescuing animals from three hoarders recently, each of them managed to have more than 80 animals at home", she explains. The new law, Gosia believes, "will not make any difference. First, because of the mentality. People find it normal to have dogs on balconies in the sun, on a chain, bitten and starved. Neighbours support neighbours. People will not be making complaints. But even if they do... where will those dogs go? To municipal kennels with zero conditions? And even if the law exists, it will lack executory legislation to actually enforce it. And this will take another few years. So I am no optimist."

PĂĄgina 2


Público Porto A3

ID: 55413214

25-08-2014

Tiragem: 35060

Pág: 12

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 27,41 x 30,75 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 2

Trinta mil animais abandonados em 2013 e número duplicou desde 2008 Cavaco Silva já promulgou diploma que criminaliza os maus tratos e abandono de animais e devolveu-o ao Parlamento para publicação. Alteração ao código penal pode entrar em vigor a 1 de Outubro RICARDO SILVA

Animais Alexandra Guerreiro As oito horas de trabalho estão a dez minutos de terminar para Rosa Teixeira. Vai agora recolher os cães para as celas mais abrigadas. Num corredor interior que liga as boxes feitas de grades de ferro há, junto a cada, um fio que mantém aberta uma porta para os animais passarem. O Parque dos Bichos, o Centro de Recolha Oficial de Odivelas, está sobrelotado — como a grande maioria dos estabelecimentos congéneres, de norte a sul do país. Contactada pelo PÚBLICO, a Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) confirma que as taxas de abandono cresceram desde 2008. Nesse ano, tinham sido recolhidos pela totalidade dos canis/gatis do país 13.399 animais. Em 2013, foi mais do dobro: 29.645 cães e gatos. Os veterinários municipais de diferentes canis argumentam que esta situação é um reflexo da crise, mas notam que essa é também uma nova desculpa para muita gente — ocupando agora o lugar das alergias que os animais supostamente provocavam ou da agressividade que teriam. O diploma que altera o Código Penal, criminalizando o mau trato e abandono de animais, foi aprovado em votação final no Parlamento no final de Julho e enviado para Belém a 5 de Agosto. O Presidente, Cavaco Silva, promulgou o diploma e já o devolveu à Assembleia da República, para ser publicado. Se isso acontecer até ao fim deste mês, a alteração legislativa entra em vigor a 1 de Outubro. Se só sair em Diário da República em Setembro, entrará em vigor a 1 de Novembro. A nova lei, pela qual houve uma petição com 41.511 assinaturas, prevê penas de prisão de seis meses ou multa de 60 dias (para quem abandone animais) até um ano ou multa de 120 dias (para quem maltrata) ou dois anos de prisão ou multa de 240 dias (se houver maus tratos e morte). Alexandra Pereira, a veterinária responsável pelo canil de Sintra, o mais povoado da Grande Lisboa, com 250 cães e 90 gatos, sublinha que “são sempre mais os que entram do que aqueles que saem”. A respon-

custa sempre eutanasiar um animal, como se fosse a primeira vez, frisando que só equaciona o abate quando não tem outra solução. E lamenta que “muitos profissionais ainda usem a eutanásia como método de trabalho e não de recurso”. Outros veterinários municipais, nomeadamente em Almada e no Montijo, têm uma leitura semelhante e defendem que é necessário mudar mentalidades para que os animais sejam devidamente tratados. Apesar de trabalhar nas modernas instalações do canil de Sintra, Alexandra Pereira descreve assim o estado em que os cães ficam ao serem fechados: “Muitos desistem de viver, automutilam-se, lutam entre si, deixam de comer e ficam doentes. E assim ninguém quer adoptá-los. Vão ficando cada vez mais tempo e cada vez mais em baixo. É uma bola de neve.” Não chegam doentes, mas acabam por ficar, e é então que surge o “último recurso”.

Vinte e cinco multas por ano sável afirma que a crise trouxe mais animais e menos recursos. E explica que a sobrelotação de um canil “traz problemas gravíssimos”, de bemestar animal e de saúde pública. “Está muito complicado: o número de animais aumenta diariamente e o de funcionários mantém-se.” Todos os dias mais bichos são deixados à porta do canil. As câmaras de Lisboa, Oeiras, Loures, Sintra, Montijo, Almada e Porto, contactadas pelo PÚBLICO, garantem que não houve cortes

nos financiamentos. Mas os técnicos lembram que nos canis não abundam os medicamentos, coisa que se repercute desde logo no tratamento dos animais errantes. Para Rosa Teixeira, do Centro de Odivelas, o dia tinha começado cedo. De galochas verde-tropa nos pés e mangueira nas mãos, varre as celas com um jacto de água logo pelas oito horas. Em hora e meia, tudo fica limpo, com ração e água nas taças. Já na “zona suja” do canil, onde estão as arcas frigoríficas com MIGUEL MANSO

Muitos dos animais nos canis desistem de viver, diz veterinária

os cadáveres dos animais mortos que são obrigatoriamente recolhidos e depois encaminhados para incineração, Rosa também fala da crise a propósito do aumento dos abandonos. “Muitos dos que aqui vêm tentar deixar o cão contam que perderam a casa e que não podem ficar com ele, ou que mudaram para uma habitação mais pequena, ou que nem sequer tecto têm”. Maria Nabais, a veterinária municipal, diz que é difícil salvar os animais com poucos meios. No centro, que não recebe gatos, funciona também o Consultório Veterinário Municipal. “Com uma vertente infelizmente nada comum”, refere a médica, este gabinete presta assistência, por um preço módico, aos animais de famílias mais carenciadas. “Alguns colegas acusam-me de estar a fazer concorrência desleal às clínicas. Mas só vem ao consultório quem não pode pagar pelos tratamentos. É aqui ou não é”, justifica. Tem uma lista de espera de ano e meio para operações e só o básico pode ser feito, por falta de meios. “Somos muito criticados, mas, se não temos como tratar um animal, o que vamos fazer? Não o podemos deixar sofrer.” Veterinária há 23 anos, diz que lhe

O presidente do Partido dos Animais e da Natureza, Paulo Borges, diz ao PÚBLICO que é necessário combater urgentemente os hábitos de abandono de animais que existem em Portugal. A nova lei, que considera crime o abandono e os maus tratos aos animais domésticos, já é um avanço, reconhece, mas falta “prevenir, sensibilizar e punir de facto”. Afirma que as coimas em vigor não são aplicadas e que há pouca fiscalização do cumprimento da lei. A DGAV garante, porém, que todos os processos são objecto de decisão e salienta que a aplicação de uma sanção ao responsável por uma infracção “está condicionada à verificação de um conjunto de premissas, como seja, designadamente, a existência de prova inequívoca dos factos e um efectivo nexo de causalidade”. Entre 2010 e 2013, foram instaurados 206 processos, dos quais 106 resultaram numa punição por maus tratos e abandono, pouco mais de 25 por ano, em média. “Quando comecei a trabalhar aqui, em Abril de 2006, pensava que os canis estavam em vias de extinção”, diz Alexandra Pereira. Agora, confessa com tristeza, já não acredita que isso esteja para acontecer. Com Rita Brandão Guerra. Texto editado por José António Cerejo

Página 3


Público Porto ID: 55413214

25-08-2014

Tiragem: 35060

Pág: 1

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 19,06 x 8,08 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 2 de 2

Quase 30 mil animais abandonados no ano passado em Portugal Diploma que criminaliza maus tratos e abandono de animais já foi promulgado pelo Presidente e aguarda publicação. Alteração prevê prisão de seis meses a dois anos e pode entrar em vigor em Outubro Local

Página 4


A5

ID: 55364386

21-08-2014

Tiragem: 82017

Pág: 24

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,35 x 6,04 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 5


A6

ID: 55365041

21-08-2014

Tiragem: 31611

Pág: 10

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,86 x 10,78 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 6


A7

PAN reuniu-se com Livre e levará propostas do partido à Comissão Nacional

Tipo Meio:

Internet

Meio:

i Online

URL:

http://www.pt.cision.com/s/?l=d064618f

Data Publicação:

20/08/2014

/

A reunião realizou-se na terça-feira e as delegações do PAN e do Livre foram lideradas, respectivamente, por Paulo Borges e Rui Tavares O Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN) reuniu-se com uma delegação do Livre e levará a discussão e votação na próxima Comissão Nacional algumas das opções políticas do partido liderado por Rui Tavares, foi hoje anunciado. "A delegação do PAN saudou a iniciativa do Livre, tendo apresentado também as grandes linhas do seu projeto político, assinalando pontos de convergência e de divergência, e registou as propostas desta força política que serão levadas a discussão e votação na próxima reunião da nossa Comissão Política Nacional, no próximo mês de setembro", declarou o PAN, em nota enviada hoje às redações. A reunião realizou-se na terça-feira e as delegações do PAN e do Livre foram lideradas, respetivamente, por Paulo Borges e Rui Tavares. O PAN aceitou a proposta de encontro do Livre "tal como já o fez no passado com outras forças políticas de diferentes orientações ideológicas", diz o partido, que frisa ainda que desde a sua fundação se assume "como um partido aberto ao diálogo e à cooperação no âmbito dos seus princípios e valores". "Tal como expressámos ao Livre, recordamos que o PAN é um projeto político não-antropocêntrico que não se reconhece no paradigma comum à esquerda, centro e direita, que continua a ser o do crescimento económico ilimitado ao serviço do ser humano, desprezando o bem comum a todos os seres vivos, aos ecossistemas e ao planeta, o que acaba por ser nocivo à própria humanidade e põe em risco o atual modelo de civilização", diz o partido. O PAN diz ainda ser importante que as próximas eleições legislativas "constituam um marco para superar o bipartidarismo e dar expressão parlamentar a outras forças políticas". *Este artigo foi escrito ao abrigo do novo acordo ortográfico pan comissao nacional Agência Lusa

Página 7


A8

ID: 55332685

19-08-2014

Tiragem: 31611

Pág: 9

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 5,14 x 8,11 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Página 8


A9

Animal and Nature party welcomes "historic" law change but urges country to stop seeing animals as "things"

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Portugal News Online

URL:

http://www.pt.cision.com/s/?l=f702e471

Data Publicação:

08/08/2014

/

Portugal's Party for Animals and Nature (PAN) has issued a statement to publicly announce its "satisfaction" with the "historic step in the country's protection of animals" made when Parliament, its groups and MPs, passed a new law-change at the end of July, which makes it a punishable, criminal offence to abandon or neglect pets. But, it said, there "is still a lot of work to be done" in terms of animal rights in Portugal. Admitting it did not yet know the exact content of the recently-approved alteration "despite having advised that the amendments of the proposal should seek more severe penalties that are more comprehensive in terms of punishable conduct and which extend the procedural rights of participation to other animal protection associations", PAN says it believes that while it may still be lenient, "criminalisation is, in itself, a first step in the evolution of our country's long way to go towards becoming a more just and cohesive society free of prejudice, in which suffering is valued by pain caused by the condition and not who feels it." In a statement sent to The Portugal News the party stressed that, notwithstanding the "important step forward", it is "essential to clarify that under the civil code, animals in Portugal still have the same rights as "things." It urged the creation of a legal status for animals within the Portuguese legal framework and that their "intrinsic rights are recognised in the Constitution of the Portuguese Republic." "We believe that there is still much work to be done in legal terms and in all branches of law, especially the harmonisation of all laws governing animal welfare in Portugal", PAN reflected. Nonetheless, it said the recent development "is the first step in Portugal's fight against the last, the cruellest and the most ancient of all prejudices: speciesism." Earlier this year lawmakers in a French National Assembly committee voted in favour of the legal status of its pets to be changed from that of 'personal goods' - giving them the same rights as a piece of furniture, for example - to one of 'sentient living beings', which campaigners said should make it easier to prosecute cases of animal cruelty and help courts to decide who gets custody of cats or dogs when couples divorce. The vote took place in spring but must still be passed by the full French Assembly and Senate. The European Union governing body has, since 2009, officially considered animals 'sentient beings' under the Lisbon Treaty though many national governments have been lax in updating their laws; Portugal, according to PAN, is among them. This, the party explained to The Portugal News, could in part be due to countries such as Spain, Portugal and France still being followers of traditions such as bullfighting, which would go against the Treaty's principals that animals are sentient beings capable of feeling pleasure and pain.

PĂĄgina 9


A10

Paulo Borges apresenta livro «Quem é o meu próximo?» em Faro

Tipo Meio:

Internet

Meio:

DiáriOnline Algarve Online

URL:

http://www.pt.cision.com/s/?l=2bd82bf1

Data Publicação:

05/08/2014

/

O professor e filósofo Paulo Borges estará na Associação Ar Quente, em Faro, no próximo sábado, 9, às 21:30 horas, para apresentar o seu novo livro Quem é o meu próximo?. Trata-se de uma compilação de ensaios e textos de intervenção por uma consciência e ética globais, um novo paradigma cultural e civilizacional, realizados pelo autor. Paulo Borges é um professor, ensaísta, filósofo, poeta e escritor português. Sócio-fundador e membro do Instituto de Filosofia Luso-Brasileira, membro correspondente da Academia Brasileira de Filosofia, membro fundador da Associação Portuguesa para o Estudo das Religiões, membro do conselho de direção da Revista Lusófona de Ciência das Religiões, diretor da revista Cultura ENTRE Culturas, expresidente da União Budista Portuguesa, ex-presidente e membro da direção da Associação Agostinho da Silva, vice-presidente da Associação Interdisciplinar para o Estudo da Mente, membro da Sociedade de Ética Ambiental e Presidente do Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN). Foi candidato, pelo PAN, à Presidência da Câmara Municipal de Lisboa, nas eleições autárquicas de 2013. .diariOnline RS 09:34 terça-feira, 05 agosto 2014

Página 10


A11

TVI 24 ID: 55131802

04/08/2014

Meio: TVI 24 - Diário da Manhã Duração: 00:02:29 Hora de emissão: 06:40:00

Manifestação anti-tourada na praia de Mira http://www.pt.cision.com/s/?l=13de1c5a /

Os ânimos aqueceram numa manifestação anti-tourada na praia de Mira. Manifestantes bloquearam a entrada das viaturas que transportavam os forcados, a GNR teve de intervir.

/

Repetições: TVI 24 - Diário da Manhã , 2014-08-04 07:41 TVI 24 - Diário da Manhã , 2014-08-04 09:12 TVI 24 - Notícias , 2014-08-04 11:51

Página 11


A12

ID: 55113645

02-08-2014

Tiragem: 9311

Pág: 13

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 12,14 x 17,01 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 2

Manifestação contra tourada na Praia de Mira Mira vozes e cartazes com palavras de ordem no evento marcado para amanhã, no antigo campo do Touring Margarida Alvarinhas Um grupo de cidadãos está a promover uma manifestação contra a tourada marcada para amanhã na Praia de Mira e espera a adesão de muitos populares contra uma acção que, dizem, serve para o divertimento «à custa do sofrimento animal». «Vamos estar antes, durante e depois da tourada, com palavras de ordem e cartazes», diz Madalena Oliveira, uma mirense que, juntamente com mais três colegas, está a promover a manifestação, semelhante a outras que tem vindo a desenvolver contra as touradas noutras localidades. «O que nos move é, acima de tudo, o respeito pelos animais, dizer não à violência, ao massacre e ao sofrimento animal, a favor do prazer de algumas pessoas», conta Madalena Oliveira

que, nesta luta, tem o apoio do PAN Coimbra (Partido pelos Animais e pela Natureza) e da associação Animal, bem como de muitos populares. Madalena Oliveira lamenta a realização da tourada numa localidade que nem sequer tem tradição tauromáquica. «O meu grito é que a minha Praia de Mira vai ficar banhada de sangue inocente para alimento de sádicos», critica. Diz também que foi a uma reunião da Câmara de Mira manifestar o seu repúdio, mas o presidente da autarquia disse-lhe que a Câmara «apenas licencia a estrutura e não a actividade». A Junta de Freguesia da Praia de Mira adianta ao Diário de Coimbra que a Câmara pediu um parecer sobre o licenciamento do recinto, que não foi dado porque, em simultâneo, já estavam a ser vendidos os bilhetes, pelo que a opinião da

Junta em nada adiantaria a uma decisão que já estava tomada. O evento tauromáquico está marcado para domingo à tarde, no campo antigo do Touring Clube Praia de Mira. Mas o clube garante nada ter a ver com a realização que, assegura, é da responsabilidade de uma empresa. «O Touring não tem nada a ver» com esta realização, assegura o presidente do clube, António Janeiro, frisando que a associação da Praia de Mira apenas foi contactada por uma empresa para a cedência do espaço e vai receber, como contrapartida, 50 cêntimos por cada bilhete vendido. «O Clube não tem dinheiro que possa dispensar uma pequena ajuda», diz António Janeiro, frisando que foi pela contrapartida financeira que o clube aceitou. |

Página 12


ID: 55113645

02-08-2014

Tiragem: 9311

Pág: 1

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,80 x 2,62 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 2 de 2

Praia de Mira recebe tourada com protesto Amanhã | P13

Página 13


A14

ID: 55082800

31-07-2014

Tiragem: 11291

Pág: 6

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Diária

Área: 28,37 x 8,43 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

Página 14


A15

ID: 55165263

25-07-2014

Tiragem: 5000

Pág: 5

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: +2 por Semana

Área: 8,81 x 22,01 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

Página 15

Press Book - Agosto 2014  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you