Issuu on Google+

eBook Psicologia da Aprendizagem Capítulo II – “Percepção”


FICHA TÉCNICA

Título Psicologia da Aprendizagem – “Percepção”

Adaptação e Actualização (Junho de 2010) Alda Leonor Rocha Susana Martins Maria Helena Mão de Ferro Coordenação Técnica Nova Etapa – Consultores em Gestão e Recursos Humanos Coordenação Pedagógica António Mão de Ferro Direcção Editorial Nova Etapa – Consultores em Gestão e Recursos Humanos Filmes Re-edição e Grafismos - Bruno Lajoso

Nova Etapa Rua da Tóbis Portuguesa n.º 8 – 1º Andar, Escritórios 4 e 5 – 1750-292 Lisboa Telefone: 21 754 11 80 – Fax: 21 754 11 89 Rua Agostinho Neto, n.º 21 A – 1750-002 Lisboa Telefone: 21 752 09 80 – Fax: 21 752 09 89 e-mail: info@nova-etapa.pt www.novaetapaworld.com

2


Índice Objectivos

4

Introdução

5

1. Definição de Percepção

6

2. Características da Percepção

7

3. Factores que Influenciam a Percepção

8

4. Ilusões Perceptivas

9

5. Percepção Social

9

5.1. A Importância das Primeiras Impressões

10

5.2. “Ilusões Perceptivas” a Nível da Percepção Social

12

6. Síntese Conclusiva

14

3


Objectivos Pretende-se que no final deste módulo os participantes sejam capazes de:  Definir conceito de percepção;  Identificar as características da percepção;  Distinguir e definir “percepção a frio” e “percepção a quente”;  Enumerar os factores que influenciam a percepção;  Reconhecer a importância das primeiras impressões;  Identificar e reconhecer as ilusões perceptivas.

4


Introdução Antes de iniciarmos este capítulo, convidamo-lo a ver o filme.

Vivemos num mundo que nos proporciona uma estimulação variada. Todos os dias quando nos encontramos numa determinada situação ou local, somos “bombardeados” com estímulos constantes e variados. Por exemplo, quando circula pela rua de um centro urbano, o que lhe costuma chamar mais a atenção? Será o ruído dos automóveis? As pessoas que passam ao seu lado? A atmosfera poluída? As cores do céu) As imagens apelativas da publicidade nos “out-doors”? Certamente que não consegue aperceber-se de todos estes estímulos porque, em cada momento, fazemos escolhas, selecções sobre onde incidir a nossa atenção. A este processo de selecção chamamos Percepção. 5


É o tema da Percepção e o modo como cada indivíduo tende a percepcionar a informação e a realidade que vamos abordar ao longo deste ebook.

Além disso, há que ter em conta que pessoas diferentes percepcionam o mundo de forma diferente. Inclusive os animais percepcionam-no de forma bastante diferente dos humanos.

1. Definição de Percepção Podemos dizer que:

A

percepção

é

um

processo

mais

individualizado do que se crê comummente.

Os nossos sentidos são como janelas para o mundo, mas nós não lemos apenas essa informação,

pura

e

simplesmente.

Por

exemplo, não tomamos conhecimento que os nossos olhos registam impressões invertidas, não nos damos conta que a imagem na retina está sempre a mover-se ao mesmo tempo que os olhos se movem, e não temos consciência que o cérebro recebe duas imagens diferentes, uma de cada olho. A percepção é o processo de organizar e interpretar os dados sensoriais recebidos, para desenvolvermos a consciência do ambiente que nos cerca e de nós mesmos.

6


A RETER

A percepção não é um mero processo fotográfico: A percepção é uma construção. O facto de a percepção ser uma construção, feita mediante um teste de hipótese, com base em pouca informação, chama a atenção para a necessidade de sermos tolerantes com a forma como os outros percepcionarem as coisas e as situações, pois embora possa ser diferente da nossa forma de percepcionar, não significa que esteja errada.

2. Características da Percepção No nosso contacto com o real e na tentativa de o perceber, de lhe dar um significado, fazemos construções – as chamadas percepções. Toda a percepção apresenta as quatro características seguintes: a) SELECTIVA: ou seja, percepcionamos parte da informação recebida, e desprezamos o restante.

7


b) AFECTIVA: percebemos mais facilmente aquilo que tem maior valor afectivo, isto é, que desperta sentimentos fortes, sejam eles positivos ou negativos. c)

GLOBAL:

temos

tendência

a

perceber a totalidade dos objectos, pessoas, ou situações, e não as suas componentes ou detalhes (o todo é maior que a soma das partes). d)

TEMPORAL:

temos

uma

capacidade limitada de retenção de informação.

A RETER

A Percepção é um processo:  Selectivo  Afectivo  Global  Temporal

8


3. Factores que Influenciam a Percepção O que faz com que, face a um mesmo estímulo, possam existir diferentes percepções? São vários os factores que afectam esta construção individual:  Aprendizagem/Experiência passada  Necessidades/Interesses  Crenças e Valores  Natureza do Estímulo  Situação Ambiental

Exercício:

De que forma a percepção poderá influenciar a relação pedagógica? Anote as suas conclusões.

4. Ilusões Perceptivas As ilusões perceptivas são um bom exemplo de como, a nível da percepção de objectos, esta não é uma cópia da realidade e está sujeita a enviesamentos que podem provocar construções erradas. Mas, que implicações podem ter estes fenómenos nas nossas relações interpessoais?

9


5. Percepção Social Temos vindo, até agora, a falar sobre o processo relativo à percepção de objectos, “percepção a frio”. E o que dizer em relação à Percepção Social (também chamada Cognição Social), ou seja, o modo como percepcionamos as outras pessoas e os acontecimentos sociais, “percepção a quente”? Isto significa também, que a percepção social não é uma cópia fiel da realidade, mas sim uma construção condicionada por perspectivas pessoais, pelo que estará sujeita, a ilusões ou a erros perceptivos. Só que, e dado que o objecto percepcionado é um outro sujeito ou uma situação social, as consequências destes erros ou ilusões serão mais gravosas, porque terão implicações no nosso relacionamento interpessoal.

5.1. A Importância das Primeiras Impressões Quando

estamos

pela

primeira

vez

perante uma pessoa ou uma situação, formamos rapidamente aquilo a que chamamos a primeira impressão1, com base em informações insuficientes, que correspondem

1

mais

às

nossas

Erving Goffman (1959) criou o conceito de “gestão da impressão” processo a

que todos nos dedicamos no âmbito da interacção social, e que é idêntico a uma representação teatral, em que desempenhamos diversos papéis, colocando diversas máscaras, de forma a haver coerência.

10


expectativas, crenças e valores (isto é, a esquemas mentais), do que propriamente à realidade da pessoa que avaliamos. Formar uma impressão significa organizar a informação disponível acerca de uma pessoa, de modo a podermos integrá-la numa categoria significativa para nós. Portanto…a impressão é uma representação cognitiva organizada. Tendencialmente construímos sempre primeiras impressões sobre os outros. O mesmo é dizer que os outros também constroem primeiras impressões sobre nós. Também a ordem porque as palavras são transmitidas, pode influenciar o modo como percepcionamos a mensagem. Sugerimos que veja então o filme que lhe apresentamos de seguida:

11


A natureza económica do processo de formação de impressões é positiva porque

permite

rapidamente,

e

com

pouca

informação

disponível,

adoptarmos uma estratégia de comportamento com determinada pessoa ou perante determinada situação, ou seja, permite colocarmo-nos em acção, funcionando como um guia para o nosso comportamento face ao outro (Ickes, 1980).

Exercício:

Pense numa situação em que conhece uma pessoa pela primeira vez. A que aspectos presta atenção para formar uma 1ª impressão? Anote as suas conclusões.

5.2. “Ilusões Perceptivas” a Nível da Percepção Social Na percepção social cometemos vários erros, entre os quais: ESTEREOTIPO- imputação de certas características a pessoas pertencentes

a

determinados

grupos. PRECONCEITO- são características ou qualidades negativas que, de forma inconsciente e sem provas, atribuímos a classes de objectos ou grupos de pessoas.

12


IDEIAS FEITAS- são características ou qualidades que atribuímos a pessoas ou a grupos, concebidas a partir de informações ou generalizações apressadas, que fazemos a partir da nossa experiência. EFEITO DE HALO- resulta da tendência para generalizar o significado afectivo de um traço da pessoa para todos os traços dessa mesma pessoa. Exercício: Na sua opinião, que implicações poderão ter estas “ilusões perceptivas” no nosso relacionamento interpessoal? Como se poderão

manifestar

em

contexto

de

formação?

A RETER

Em todas as situações os indivíduos dão significado aos acontecimentos;  Nem sempre o que é, corresponde ao que percebemos;  Os nossos valores, atitudes, preconceitos, interesses e motivações afectam ou distorcem a percepção, pelo que, o mesmo facto pode ser percebido de forma diferente por pessoas diferentes;  A primeira impressão é sempre uma hipótese. É necessário confirmála procurando novos elementos;  Ter consciência destas interferências e procurar evitar as suas influências negativas, facilita o relacionamento com os outros.

13


6. Síntese Conclusiva Com base no que abordámos ao longo deste ebook, deixamos-lhe algumas ideias fundamentais sobre a Percepção:  A percepção é uma construção, feita com base em muito pouca informação concreta, recorrendo a estruturas de conhecimento préexistentes;  É um processo de construção altamente impreciso, em virtude dos processos que naturalmente nela ocorrem (selecção da informação, ilusões perceptivas, influencia de factores individuais etc.);  A percepção é um processo complexo, no qual intervêm vários outros processos cognitivos (a memória, a atenção, o pensamento, etc.);  A nossa percepção deve ser encarada como uma hipótese, daí devermos ser tolerantes com as percepções de outros que, embora diferentes, podem não estar erradas.

14


Conforme é habitual, deixamos-lhe de seguida a síntese com os principais conceitos sobre este tema. Esta síntese é apenas um compêndio, podendo explorar mais estes conteúdos no manual “Psicologia da Aprendizagem” que também lhe é disponibilizado na plataforma. Clique na imagem para ver a síntese

15


PERCEPÇÃO