Issuu on Google+

Distribuição gratuita

impresso

Surdos querem curso de Libras nas escolas Página 5

Música auxilia aprendizagem do estudante

Jornal Mensal de Educação

Páginas 6 e 7

Ano 7

N.º 71 Junho de 2009

INTERNET: ALERTA CONSTANTE

Cursos de Pedagogia passam por avaliação e são reprovados

Apesar das facilidades proporcionadas pela internet, o número de crimes praticados pela rede tem crescido. Com isso, aumenta o perigo a que adolescentes e jovens são expostos. Nas escolas,

Página 12

professores devem orientar alunos sobre acessos permitidos durante as aulas. Pensando nisso, um grupo de advogados de Curitiba criou um guia para conscientizar estudantes, pais e

Nossos Colunistas Esther Cristina Pereira

O que importa: o caminho ou a chegada? Pág. 4

Jacir J. Venturi

O programa do Enem 2009 Pág. 5

Teo Pereira Neto

De vento em popa Pág. 6

José Leopoldo Vieira

Do professor, quem cuida? Pág. 12

educadores a lidar com a tecnologia de forma simples e segura. Páginas 8 e 9.


Palavra do Especialista

Educação Infantil

Esther Cristina Pereira

O que importa: o caminho ou a chegada?

Todos os anos temos (e co- mãe que o colocou no mundo e memoramos) o Dia das Mães. que o ama incondicionalmente. Não é somente o momento Recentemente o festejamos. E foi exatamente no mês passa- que conta, mas o processo todo do que percebi o quanto algu- desta homenagem. O caminho mas escolas estão negligenci- que seguimos durante 10 dias ando o Dia das Mães. E, por ta- dentro da escola, para efetivar bela, outras datas importantes a festa, as cantigas, as cartambém. Qual seria o motivo tinhas, os desenhos. Os beijos de batom nos cartões etc, etc, disso? Em conversa com alguns edu- etc. A importância desta data cadores descobri que todos os não concede a nós o anos rola o maior estresse para A importância direito de retirá-la do calendário, pois ela é colocar todas as mães, 30 minu- desta data não universal, em função tos em contato concede a nós do verdadeiro valor e importância da figura com os filhos o direito de da mãe para o ser hudentro da escola, mano. ou até fora dela, retirá-la do O questionamento em atividade de calendário, da não presença e do comemoração a sofrimento da criança pois ela é este dia. em tais momentos se Sentimos universal, em ressignifica, pois a nesta época do função do escola sempre soliciano, sérios prota alguém próximo da blemas com relaverdadeiro criança para fazer tal ção ao real valor valor e papel em condição de da data. Lemos coisas como importância falta extrema, impossibilidade extrema. “abolimos em da figura da Mas, verificamos asnossa escola essim, desta forma. te dia, pois as mãe para o apenas um dia mães não têm ser humano. no Éano. Um Dia das tempo. AboliMães no ano, uma homos, pois as mães não têm tempo para ficar menagem anual. Será que isso com os filhos, abolimos a data e é tão inviável assim! A não precolocamos a data no calendário sença. Será tão difícil organizar a vida para este momento? como Dia da Família... etc.” Vamos repensar nossos vaVem uma reflexão que não deixa nossa consciência em lores. O momento de viver a criança e não o presente de dopaz... ABOLIR O DIA DAS MÃES!!! mingo. O presente em valor e Quando imaginamos a ho- sim o presente em atitude. Mães, vocês são fundamenmenagem do Dia das Mães pensamos num momento mágico, tais para o sucesso dos filhos, de poucos minutos, mas de va- do sucesso por meio de um solor imensurável! Mas pensamos nho, que possa ser coroado de também em todo um preparo respeito, companheirismo, adfeito pelo filho anteriormente, miração mútua e amor, muito mensurando o valor real desta amor. Esther Cristina Pereira é psicopedagoga e diretora da Escola Atuação. Contatos: cris@escolaatuacao.com.br / (41) 3274-6262

Artigo de opinião

Jornal Nota 10 | junho 2009

4

O amor tem que estar presente nos nossos dias Naturalmente somos levados a amar e a construir expressões de sentimentos bons e honestos. O ser humano que prioriza valores e recebe ensinamentos que o levem a conhecer os bons efeitos dessa prática, cria em torno de si a formação de atos mais polidos e condizentes com uma vida saudável. A família é o fator preponderante e responsável por esse ensinamento que vemos estar muito esquecido e, talvez, adormecido por medicamentos que causam a apatia da mordaça inviabilizadora ao respeito aos antepassados. Quando o amor ultrapassa a verdade de nossa razão, passamos a empregar aos ensinados a fragilização que não deve ser demonstrada aos que ainda desconhecem a formação desse sentimento. Amar ... não é apenas permitir coisas ou vontades a quem amamos, mas trazermos ensinamentos que possam dar a eles uma vida próxima a que irão enfrentar em um futuro próximo. Estamos descompassados e perdidos no ato em permitir, estamos mergulhando as novas gerações a um consumismo de “SIM” que, certamente, afastaram deles o sentimento aproximado de um amor maduro e real. O amor começa no ato de nossa fecundação, inicialmente no sim que nossos pais se deram e permitiram o ato de amor entre duas pessoas. Mas temos visto que pessoas estão se dando por um acaso, por um desejo sexualizado pelo modismo e pela aplicação de falsos valores. Geramos filhos do acaso, filhos do impulso, filhos de um ficar irresponsável! Devemos nos preocupar com nossos filhos que devem reconhecer o amor como sendo uma virtude, uma benção e um direito a construir um fu-

turo familiar, e não a banalização de reproduzir pessoas sem o principio de uma família aproximada. O amor esta em nós ... assim como o ar que respiramos ou no simples fato de vivermos. Ainda há tempo para mudarmos o errado, ainda temos forças para trazer a todos eles a exaltação que os levem a aceitar a vida como algo valorizado em cada atitude que eles venham a tomar, mas para isso, temos de acreditar no amor sem traição, no amor sem brigas ou agressões. Ainda estamos chocados pela liberdade sexual que nos é imposta pela mídia ou reportagens que exaltam o sexo pelo sexo. O verdadeiro sabor do amor está em algo maior, em algo além do simples ato de se desejar sexo. O amor começa na simplicidade de um olhar, no desejo de um abraço ou no sabor de um beijo. O sexo é um complemento, uma clarividência da afirmação do desejo em prolongar a beleza desse encontro. O amor nos liga a Deus e, Deus nos quer amando na verdadeira relação de um respeito que venha do homem e da mulher. O amor não é modismo que um dia vem à tona e no outro é esquecido! Ele permanece e per-

manecerá para sempre no convívio entre nos humanos. Existem na história muitos fatos que reafirmam o valor do amor e do quanto estamos ligados a esse sentimento; basta tão somente que olhemos a expressão: Jesus crucificado. O maior, o mais importante e verdadeiro gesto de amor entre os homens. Apesar dos pesares ainda não aprendemos a expressar, ensinar e praticar esse sentimento na dimensão exata que Jesus tanto pregou, ainda desconhecemos a virtude dessa prática, ainda difundimos o amor como sendo algo impossível de se encontrar. Como formarmos uma família saudável se não conseguimos respeitar o amor que deveria unir pessoas? Como ensinar nossos filhos o que é amor se não acreditamos em sua existência? Ainda a tempo de buscarmos uma religiosidade que sustente a nós e aos que surjam do ato de nosso amor. Deixemos de lado o machismo, deixemos de lado o feminismo que transforma o amor em rivalidade entre sexos. Temos muito que aprender e devemos respeitar a natureza que nos mostra um equilíbrio que teimamos em não ver! O amor está na simplicidade, no compromisso sem tempo, no caminhar sem correr e no esperar sem cobrar. Se em sua vida existir um sufocar que distancia, um interessar que apenas compre ou um suportar que impeça o respirar: reinicie. O amor é a chave do perdão, a liberdade do existir e o carinho do coração!

Éder Roberto Dias autor do livro “O amor sempre vence...” publicado pela Editora Gente. ederoamorsemprevence@ bol.com.br


Jornal Nota 10 | junho 2009

5

Protesto defende o uso de Libras nas escolas Surdos fazem manifestação para o cumprimento da Lei No dia 1.º de junho, a Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis) promoveu em Curitiba uma passeata para o reconhecimento dos direitos dos surdos no Paraná. O principal objetivo foi o de reivindicar que a Língua Brasileira de Sinais (Libras) seja implantada nas escolas, além do seu reconhecimento como primeira língua dos surdos no país. Apesar de a Lei de Libras 10.436/02 garantir o acesso das pessoas surdas à educação, a realidade não é bem essa, de acordo com a diretora administrativa da entidade, Iraci Suzin. “Nós queremos garantir a inclusão real da comunidade surda, pois a lei é muito bonita, mas permanece apenas no papel”. Ela explica que a Feneis sempre lutou para o cumprimento da lei, regulamentada pelo Decreto 5626/ 2005. “Fizemos a passeata porque os surdos foram notícia há alguns dias e queremos mostrar que realidade é essa”. A notícia a que se refere Iraci é que a Escola Estadual Alcindo Fanaya Júnior, de Curitiba, ficou em penúltimo lugar no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A ins-

Movimento reuniu surdos, familiares e profissionais da educação.

tituição foi bastante criticada pela colocação. No entanto, os 14 alunos do colégio fizeram as provas pelo sistema tradicional e não por Libras. A diretora Nerci Maria Maggioni Martins, ao contrário de muitos, classificou como positiva a participação dos alunos na prova do Enem. “A participação desses alunos no processo de avaliação é uma superação, pois o surdo enfrenta a falta de acessibilidade todos os dias”. De acordo com Iraci os surdos não têm oportunidades no Brasil. “Queremos mudar a situação”, conta. E para que isso ocorra, é preciso que as escolas cumpram a lei, ofereçam tradução em Libras. “As que

Legislação O artigo 14 da Lei de Libras dispõe que as instituições federais de ensino devam garantir, obrigatoriamente, às pessoas surdas o acesso à comunicação, à informação e à educação nos processos seletivos, nas atividades e nos conteúdos curriculares desenvolvidos em todos os níveis, etapas e modalidades de educação, desde a educação infantil

até à superior. Além disso, o artigo 23 dispõe ainda que estas instituições devam proporcionar aos alunos surdos os serviços de tradutor e intérprete de Libras em sala de aula e em outros espaços educacionais, bem como equipamentos e tecnologias que viabilizem o acesso à comunicação, à informação e à educação.

oferecem têm deficiências, pois há muitos alunos surdos e poucos tradutores”. Ao final da passeata, que reuniu cerca de 500 pessoas, representantes da Feneis entregaram ao diretor da Secretaria do Governo Municipal, Eduardo Aichimger, solicitações para a inclusão de intérpretes de Libras nas escolas municipais. Aichimger apresentou ao grupo ações desenvolvidas pela prefeitura de Curitiba e que beneficiam estudantes com surdez. Dos 115 mil alunos que compõe a rede municipal de ensino, 76 possuem deficiência auditiva. Estes estudantes são atendidos nas escolas municipais e participam de atividades em contraturno na Escola de Educação Especial Efta. O atendimento é uma parceria entre a escola e a prefeitura. “A prefeitura tem muito respeito pelo trabalho desenvolvido por vocês e as solicitações serão analisadas por um especialista na área de surdez. Vamos juntos buscar alternativas para melhorarmos ainda mais as questões educacionais voltadas a pessoas com surdez”, afirmou o diretor.

Palavra do Especialista

Linguagem de sinais

Educação & Ensino Jacir J. Venturi

O programa do Enem 2009

A proposta do MEC – com a recorrentes nos gabinetes e que denominada matriz de referência prejudicam a sala de aula. Estapara o Enem 2009 – tem um atri- mos caminhando na direção cerbuto relevante: a unificação dos ta e é “caminhando que se conscurrículos. O conteúdo progra- trói um novo caminho”. Prevaleceu o bom senso, emmático vigente é excessivo, merece ser mais bem descrito e mais bora haja restrições. No caso esenxuto. Ademais, os programas pecífico da Matemática, ficou gedas disciplinas apresentam nérico demais e foram excluídos disparidades de um estado para os capítulos de Matrizes, outro e de uma universidade para Determinantes e Números Comoutra. Recordemos que o SAT plexos. Reitero que o programa (Scholastic Assesment Test) – o de Matemática deve ser mais envestibular norte-americano ao xuto. No entanto, não se justifica eliminar Matrizes qual o novo Enem e Determinantes, pretende se modeO conteúdo pois são capítulos lar –apresenta um programático que apresentam relecurrículo unificado. vante importância Nenhum educavigente é para boa parte dos dor sério pretende, excessivo, cursos universitários com o novo Enem, e especialmente de fazer com que o merece ser informática (prograaluno estude memais bem mação). Quanto aos nos e sim, que empregue honesta- descrito e mais Números Complexos, o aluno necessita de mente o seu temenxuto. noções básicas de núpo, preparando-se meros imaginários. bem para as elevaEnfim, a exemplo do SAT nordas exigências futuras: raciocínio lógico, boa escrita, boa te-americano, o programa de Maoralidade, cultura, cidadania, va- temática poderia ser reduzido em lores, respeito ao meio ambien- 20% a 30%, porém eliminando subitens de todos os capítulos da te, aptidão às tecnologias, etc. Tenho absoluta convicção de Álgebra, Geometria e Trigonoque diversos subitens da Matemá- metria. Assim, sugere-se para a tica devem ser eliminados por se- edição do Enem 2010, que o MEC rem desnecessários para a maio- detalhe melhor o programa, com ria das faculdades ou porque se- subitens bem especificados e não rão reapresentadas nos cursos de tão abrangentes. Essa posição pode ser corroCiências Exatas. A mesma inferência vale para as demais discipli- borada com o relato da Revista Veja: O prêmio Nobel de Física, nas. Isto posto, louva-se o MEC Richard Feyman (1918-1988), vipor apresentar um conteúdo pro- sitou o Brasil para investigar o gramático para o novo Enem nível de conhecimento dos alu2009, induzindo a sua adoção em nos às vésperas do vestibular. Em todo o território nacional. Não livro, Feyman relatou que entre de imediato, é evidente. Também estudantes do mundo inteiro, os louva-se o MEC, pois o programa brasileiros eram os que mais esapresentado é compatível com os tudavam Física no Ensino Médio bons livros didáticos, não haven- – e os que menos aprendiam a do inovações estapafúrdias, tão matéria. Jacir J. Venturi é diretor de escola e autor de livros. Foi professor da UFPR, da PUCPR e de cursos pré-vestibulares. Contato: jacirventuri@geometriaanalitica.com.br


Palavra do Especialista

Ambiente Organizacional Teo Pereira Neto

Carreira profissional

De vento em popa

O termômetro do sucesso é a inveja dos medíocres. Salvador Dalí, pintor espanhol

Alguns indicadores dão a percepção e a certeza que a carreira profissional decolou ou está no caminho certo. Se isto não estiver acontecendo, faça autocrítica e veja se está faltando motivação, comprometimento, atualização, aperfeiçoamento e investimento na carreira. Se não for isso, não perca mais tempo, é hora de “fazer as malas e picar a mula”. Lá fora há um número enorme de empresas que estão esperando uma oportunidade para experimentar e reconhecer o seu talento. 1. DE OLHO EM VOCÊ Mas, por um bom motivo. Você é avaliado regularmente, recebe feedback e sabe como o seu desempenho é visto pelos poderosos do “andar de cima”. 2. DESAFIOS E MAIS DESAFIOS Você não está na geladeira e nem na frigideira. Sabe muito bem o que esperam do seu trabalho. E se suas tarefas estão sendo cada vez mais desafiadoras, isto é um sinal de que confiam e contam com você. 3. RECONHECIMENTO Além de elogios [críticas, dependendo do seu formato, são sinais positivos], você recebe frequentemente melhorias salariais por mérito. Não é raro alguém da “turma de cima” citar publicamente alguns dos seus trabalhos como referência para todo o grupo. 4. APOIO PARA APERFEIÇOAMENTO Se você pede, a empresa incentiva e apoia iniciativas para atualização e aperfeiçoamento profissional. E se não pede, ela se antecipa, propondo e subsidiando sua educação continuada. Claro, se você faz parte do futuro da organização, então ela está atenta ao desenvolvimento de sua carreira. 5. OPORTUNIDADES BATEM À PORTA Você recebe promoções e/ou é transferido para ocupar funções de destaque em outras unidades da empresa. Também é sempre convidado para participar de grupos estratégicos e tarefas espinhosas, além de ser ouvido em questões importantes. 6. IMAGEM DE SOLUCIONADOR A cúpula o enxerga como um solucionador, o que é muito bom. Afinal, quem não faz parte da solução, faz parte do problema! 7. ROMARIA Os colegas, não importa o nível hierárquico, estão sempre consultando e procurando você. A sua sala é movimentada, em nada lembra o território de um ermitão ou de alguém perigosamente contagioso. Mas fique esperto, saiba se avaliar e diferenciar os cenários: profissionais com poder ou em cargos importantes, ainda que incompetentes, vivem o mesmo fenômeno. A diferença é que eles não são assediados por admiradores, mas sim, pela casta nefasta dos puxa-sacos! 8. VISIBILIDADE EXTERNA A sua notoriedade vai além das fronteiras da empresa, você é conhecido e reconhecido lá fora. E certamente tem recebido convites para trabalhar em outras organizações. Teo Pereira Neto é executivo do Grupo Educacional Opet. Contatos: teodoro@opet.com.br / (41) 3021-4848

Arte

Jornal Nota 10 | junho 2009

6

A música no auxílio à formação do aluno Especialistas dizem que canções ajudam aprendizagem Desde agosto de 2008, a música passou a ser conteúdo obrigatório na educação básica - que compreende a educação infantil, ensino fundamental e ensino médio - depois de sancionada a lei n.º 11.769, que alterou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação. As escolas têm até 2011 para se adaptarem à nova regra. A aprovação da lei reforça uma afirmação há muito tempo feita por diversos educadores: a música auxilia na formação do aluno. Vários estudos confirmam a importância que a música tem para o bem estar do bebê, desde quando ele ainda é um feto. A música traz tranquilidade para a mãe e para o bebê, introduzindo-o na sensibilização aos sons, desde muito cedo. É na infância que a criança começa a formar seus gostos por determinados gêneros e estilos musicais. Ainda neste contexto, sua percepção de mundo é aguçada por meio de uma audição melhor desenvolvida. Estudos e pesquisas apontam também que a aprendizagem musical contribui para o desenvolvimento cognitivo, psicomotor, emocional e afetivo e, principalmente, para a construção de valores pessoais e sociais de crianças, jovens e adultos. É importante ressaltar que a educação musical escolar não visa à formação do aluno como músico profissio-

nal, mas sim o acesso à compreensão da diversidade de práticas e de manifestações musicais da cultura brasileira, além de culturas mais distantes, que não estavam previstas no plano de aula. Para Clélia Craveiro, presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, a música não será necessariamente uma disciplina exclusiva, mas integrará o ensino de Arte. “Antigamente, Música era uma disciplina. Hoje não. Ela é apenas uma das linguagens da disciplina chamada Artes, que pode englobar ainda Artes Plásticas e Cênicas. Trabalharemos com uma equipe multidisciplinar e, nela, teremos um professor de Música. E cada escola terá autonomia para decidir como incluir esse conteúdo de acordo com seu projeto políticopedagógico”, explica. A lei, no entanto, não especifica se todas as séries terão a música incluída em sua grade curricular. “Isso será definido até 2011 com os sistemas de ensino estaduais e municipais, assim como a quantidade de aulas por semana”, diz Clélia Craveiro. Antes desta lei ser aprovada, no

entanto, professores já utilizavam a música como material de apoio desde a educação infantil pela importância que a música traz não só como entretenimento, mas no auxílio do aprendizado da fala, como o de aprender a ouvir e na coordenação motora. Com a fala, músicas infantis como “meu lanchinho, meu lanchinho, vou comer, comer, pra ficar fortinho, pra ficar fortinho e crescer, e crescer”, “o sapo não lava o pé” e outras, onde as sílabas são rimadas e repetitivas, fazem com que a criança entenda o significado das palavras por meio dos gestos ao cantar. Portanto, a criança se alfabetiza mais rápido. A música tem, ainda, o dom de aproximar as pessoas. A criança que vive em contato com a música, aprende a conviver melhor com as outras crianças e estabelece um meio de se comunicar muito mais harmonioso do que aquela que é privada da música. Em contrapartida, quando ela aprende a tocar algum instrumento, também aprende a ficar sozinha, sem se sentir solitária ou carente de atenção. Para a pedagoga Érica Pereira, a música também ajuda a manter a disciplina em sala de Continua na próxima página »


Arte

aula. “Com o uso das letras de canções, seja para fixar o conteúdo aprendido, ou até mesmo para ensinar um conteúdo novo, a música já está inserida no contexto escolar há muitos anos, como alternativa para dinamizar as aulas tradicionais e promover maior participação”. Além de colaborar com o processo de aprendizado, ela acredita que a música ainda pode motivar os alunos. “Algumas são divertidas e quanto mais os professores se interessam pela música, mais os alu-

Vitrine

Jornal Nota 10 | junho 2009

nos se sentem motivados e, dessa forma, alunos mais tímidos tendem a ter maior participação na aula”, afirma a pedagoga. Comuns em cursinhos pré-vestibulares, as paródias de músicas com o conteúdos temáticos são mais fáceis de memorização para os alunos. Às vezes, nunca mais esquecem. Ou seja, a música tem grande importância em todas as fases do ciclo escolar. O professor de música das séries iniciais do ensino fundamental, Danilo Barral, afirma que o foco do trabalho do educador musical na escola deve ser o de despertar o gosto pela música em seus alunos. “O professor precisa oferecer às crianças, oportunidade de atuarem como ouvintes, intérpretes, crí-

ticos, improvisadores e compositores”. Para ele, o primeiro passo é fazer os alunos desenvolverem a habilidade de escutar. “O educador musical fornece subsídios aos alunos para que possam realizar uma escuta analítica e crítica, além de enriquecer a cultura musical”, diz. Guilherme Romanelli, professor de música e pedagogia da Universidade Federal do Paraná, acredita que um bom professor de arte deve, antes de tudo, possuir uma vivência da linguagem artística, mas não precisa obrigatoriamente ser um artista. “Além de possuir este laço com a linguagem artística, o professor de arte deve estar constantemente informado das manifestações artísticas que ocorrem na sua região e em

todo o mundo. E deve também participar regularmente de encontros, seminários e congressos sobre a arte-educação acompanhando as discussões teóricas mais recentes”, afirma. Ele afirma ser essencial considerar a arte enquanto área de conhecimento indissociável no processo de aprendizagem. “Muito presente na educação infantil, a arte diminui gradativamente sua frequência ao longo do processo escolar e perdeu espaço para áreas do conhecimento ‘mais úteis’ à vida profissional. Contraditoriamente, é durante a adolescência que os jovens melhor traduzem sua identidade por suas escolhas estéticas, como músicas e roupas. Não será um problema de diálogo entre a escola e a arte?”, questiona o professor.

7

No Brasil, os alunos não apresentam conhecimentos culturais e musicais como em outros países. Com esta lei, a música, inserida como ferramenta no processo de ensinoaprendizagem, se apresenta como uma das benfeitorias para o engrandecimento cultural dos alunos. Ainda no final de 2008, logo após a aprovação da lei, algumas incertezas da viabilidade de implantação foram apresentadas, como capacitação de professores, infraestrutura nas escolas públicas, material didático e plano de aula. Espera-se que até 2011, essas melhorias sejam implantadas e as escolas, de fato, passem a oferecer a música como linguagem e parte integrante na formação integral da criança.


Capa

Guia para o bom uso da internet está disponível gratuitamente Objetivo é conscientizar jovens, pais e educadores Que a internet e as novas tecnologias revolucionaram os meios de comunicação, todo mundo já sabe. Mas a facilidade proporcionada por uma infinidade de recursos como o e-mail, chats, fóruns, blogs, rede de relacionamentos, compartilhamento de arquivos, dentre outros, não apresenta apenas pontos positivos. Quem nunca teve seu computador infectado por um vírus? E o que fazer diante de problemas mais graves, como, por exemplo, se alguém descobre sua senha de acesso online ao banco? Ou ainda, como você faz para saber se os seus filhos conversam com pessoas perigosas em chats? Para evitar situações como estas, três advogados de Curitiba criaram uma cartilha para que educadores, pais e filhos, saibam fazer o bom uso da internet e se previnam contra ações de pessoas que usam a rede para a prática dos mais variados crimes. Antônio Carlos Mariani,

Guilherme Guimarães Rocha Pereira dos Santos e Helio Augusto Camargo de Abreu elaboraram o Guia Prático para o Bom Uso da Internet após observarem o crescimen-

O adolescente começa a mudar de comportamento a partir de uma faixa etária. Então, muitos pais compram computadores, dentre outros equipamentos tecnológicos, pensando que ficarão mais tranquilos, mas na realidade seus filhos ficam expostos a um mundo perigoso to dos crimes praticados pela rede e dos perigos que os jovens são expostos cada vez mais. “O adolescente começa a mudar de comportamento a partir de uma faixa etária. Então, muitos pais compram computadores, dentre outros equipamentos tecnológicos, pensando que ficarão mais tranquilos, mas na realidade

seus filhos ficam expostos a um mundo perigoso”, afirma Helio Camargo. Ele conta que o objetivo principal deste material é ensinar os jovens, pais e educadores a lidar com a tecnologia de forma simples e segura. “Queremos conscientizá-los também das implicações jurídicas consequentes do mau uso da rede, as formas de ataque ao computador e ainda, dicas de prevenção”, explica. Para o advogado, que sempre viu a orientação pela consequência que os delitos causam, muitos pais e educadores não sabem orientar seus filhos e alunos porque falta conscientização. “A partir do momento em que os alunos têm aulas em laboratório com acesso à internet, a escola tem obrigação de alertá-los sobre a segurança e sobre o que é permitido acessar durante a aula”, explica. “A internet não é um mundo sem leis, como muitos ainda pensam”, ressalta Camargo. Ele conta que o Código Penal, o Estatuto da Criança e do Adolescente, além de diversas legislações, preveem crimes de internet, quando poucos têm conhecimento e acham que não serão punidos. O advogado informa que muitas empresas já mudaram o tipo de contrato feito para seus funcionários, com cláusulas a respeito da segurança da informação que é tratada no trabalho. “Se o funcionário der outra finalidade para informações que são sigilosas,

Os advogados Guilherme Guimarães Rocha Pereira dos Santos, Helio August Mariani elaboraram o Guia Prático para o Bom Uso da Internet.

sobre a empresa, ele poderá ter problemas”, avisa. Além de ter sido elaborado a partir de implicações jurídicas, o Guia Prático para o Bom Uso da Internet recebeu a co-

laboração de especialistas em educação. “As escolas precisam conscientizar seus alunos, da mesma maneira que os pais precisam orientar seus filhos”, explica.

Twitter É a mais nova sensação entre os jovens , a qual merece destaque. Sendo considerado o sistema de telégrafo da Web 2.0, o Twitter é definido como uma rede social e serviço de micro-blogging que permite aos seus usuários enviar e receber atualizações de outros utilizadores. A grande novidade do Twitter é o ritmo. O site do Twitter tem uma pergunta básica – O que você está fazendo? – e todo mundo responde, várias vezes ao dia: contam que estão almoçando, que o ônibus quebrou, avisam ter visto uma celebridade. Como é possível postar do celular, os twitteiros (como são comumente chamados) não descansam na narração do trivial. A comunicação é rápida e contínua.

Atenção!! - Jamais divulgue informações de cunho pessoal, pois elas se tornam públicas; - No Twitter, jamais passe informações sobre sua localização, tais como, onde seu pai acabou de deixar você, que está indo assistir a um filme em tal cinema, que irá para a casa de tal colega, etc. Enfim, cuidado com as informações lançadas no Twitter; - Não divulgue imagens de passeio de você com sua família, com detalhes que possam identificar o local onde você costuma ir, viagens que fez ou pretende fazer, veículos da família, fotos da fachada de sua casa, de lugares que frequenta, etc;


Jornal Nota 10 | junho 2009

Cyber Bullying

to Camargo de Abreu e Antonio Carlos

O advogado também promove palestras de conscientização em escolas. “Com a palestra, a intenção é prevenir os jovens dos perigos causados pela internet, além de di-

É a prática realizada por meio da internet que busca humilhar e ridicularizar os alunos, pessoas desconhecidas e também professores perante a sociedade virtual. Apesar de ser praticado de forma virtual, o cyber bullying tem preocupado pais e professores pois pela internet os insultos se multiplicam rapidamente e ainda contribuem para contaminar outras pessoas que conhecem a vítima. Os meios virtuais utilizados para disseminar difamações e calúnias são as comunidades, e-mails, torpedos, blogs e fotologs. Além de discriminar as pessoas, os autores são inca-

pazes de se identificar. Contudo é importante dizer que mesmo anônimos, os responsáveis pela calúnia sempre são descobertos.

vulgar o acesso gratuito do Guia”, informa Camargo. Para quem tiver interesse na palestra, o telefone para contato é o (41) 33355577 ou (41) 99761166. O Guia Prático para o Bom Uso da Inter-

net está disponível gratuitamente em http://www. marianiesantos./com.br/ guia_internet.pdf

Atenção!! - Os agressores não se identificam; - Como tudo na rede se multiplica, os ataques podem se prolongar por anos; - Não dê continuidade, não repasse mensagens que agridam outras pessoas, ao repassar você também está agredindo e também poderá ser responsabilizado; - Tenha sempre em mente “Não faça aos outros aquilo que não gostaria que fizessem com você”.

Proteja seus filhos de qualquer problema na internet

Blogs e Fotologs São espaços na internet que podem ser criados por qualquer internauta para publicar suas ideias, fotos, preferências, desejos e expectativas. Nos Blogs e Fotoblogs, podemos debater diversos temas, fazer comentários, enquetes, compartilhar links e todas as informações que consideramos interessantes. Podem ser individuais ou coletivos e geralmente são gratuitos. Os Fotologs são mais dedicados a fotos.

Atenção!! - As informações podem ser usadas contra você por pessoas mal intencionadas; - Jamais publique qualquer comentário de conteúdo violento, difamatório, desrespeitoso, etc; - A qualquer momento você pode apagar seu Blog ou Fotolog, mas uma vez publicado tudo pode ser gravado por outros e voltar ao ar. Você é legalmente responsável por tudo o que publica.

Fique Atento Sites Recomendados Por educadores para crianças, por faixa etária De 3 a 5 anos www.geocities.com/dominhoca/livro.htm www.turmadamonica.com.br www.disney.com.br De 6 a 10 anos www.lobato.com.br www.bibvirt.futuro.usp.br De 10 a 12 anos

- Mantenha o computador em uma área comum da casa

www.zipnet.com.br/zipkids

- Acompanhe a criança quando utilizar computadores de bibliotecas

www.terra.com.br/kids

- Navegue algum tempo com a criança - Não exponha os detalhes de sua vida. Sua intimidade é preciosa e não deve ser aberta para qualquer um; - Os ‘cadeados’ e bloqueios de acesso podem ser ‘quebrados’ por pessoas mal intencionadas; - Podem ser usados para reunir criminosos e agressores; - Seus dados podem ser roubados e manipulados para ofender e mesmo chantagear.

- Aprenda sobre os serviços utilizados pela criança e observe suas atividades - Estabeleça regras razoáveis para a criança - Opte por programas que filtram e bloqueiam sites - Denuncie qualquer atividade suspeita e encoraje a criança a relatar qualquer caso no site www.censura.com.br

9

www.uol.com.br/criancas


Geral

Jornal Nota 10 | junho 2009

10

Prova Brasil

Uso de celular

Oficina de Libras

Livros didáticos

Vagas nos Ifets

O Ministério da Educação (MEC) apresentou no dia 8 dois simulados da Prova Brasil, que visa a avaliação do desempenho em língua portuguesa e matemática de estudantes de 4.ª e 8.ª séries do ensino fundamental (5.° e 9.° ano) de escolas públicas. As provas serão aplicadas, simultaneamente, no período de 19 a 30 de outubro. Os modelos de provas têm as mesmas características da Prova Brasil, elaborada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). As questões apresentadas nesses simulados não serão utilizadas na Prova Brasil.

A Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados aprovou no último dia 3 a proibição do uso de telefones celulares por alunos e professores nas salas de aulas das escolas de educação básica de todo o país. De acordo com a Agência Câmara, o texto aprovado foi o substitutivo da relatora, deputada Angela Portela (PT-RR), ao Projeto de Lei 2246/07, do deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS). A proposta original proíbe o uso de celulares em todas as escolas públicas do país. O projeto segue para análise conclusiva da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

A prefeitura de Curitiba e a Pastoral dos Surdos da Mitra da Arquidiocese da capital oferecerão nova rodada de oficinas da Língua Brasileira de Sinais (Libras), usada pelos surdos. As aulas são gratuitas e serão dentro da programação do Comunidade Escola, o programa que mantém abertas as escolas nos fins de semana. Este será o quarto ano da parceria entre o município e a Pastoral para a disseminação da linguagem gestual. As aulas serão nas Escolas Municipais Ulisses Falcão Vieira, Donatilla Caron, Augusta Gluck Ribas e no Centro de Capacitação da Secretaria Municipal da Educação.

Teve início no dia 8 o período de escolha de um dos maiores programas de distribuição de livros didáticos do mundo. O Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), financiado e executado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), irá oferecer obras para alunos do 1.º ao 5.º ano do ensino fundamental. Professores e diretores terão até o dia 28 deste mês para optar pelos livros que serão usados de 2010 a 2012 – no PNLD, os livros devem durar três anos, sendo reaproveitados por outros alunos a cada novo período letivo, exceto as cartilhas de alfabetização do 1.º e 2.º ano.

Mais 135 mil vagas em cursos de licenciatura serão oferecidas pelos institutos federais de educação, ciência e tecnologia até 2014. As instituições podem reservar 20% dessas vagas à oferta de licenciaturas em química, física, matemática e biologia e também oferecerão conteúdos específicos da educação profissional, como formação de professores de mecânica, eletricidade e informática. Nesse caso, serão cem mil vagas — as outras 35 mil destinam-se ao Plano Nacional de Formação do Professor. Todos os 38 institutos oferecerão os cursos, missão estabelecida na Lei n.º 11.892, de 29 de dezembro de 2008.

Vitrine

ARTE E CULTURA Rua Duque de Caxias, 04 Curitiba - PR - CEP: 80.510-200 Tel.: (41) 3222-3260 livraria@solardorosario.com.br www.solardorosario.com.br


INFORME PUBLICITÁRIO


Palavra do Especialista

Psicomotricidade Relacional José Leopoldo Vieira

Do professor, quem cuida?

verbal), mas dos dizeres corpoA essência da missão do prorais. fissional da educação é promover Na prática, constata-se que o desenvolvimento e o bem-esas relações acontecem sempre tar dos inseridos no processo de em via de mão dupla: nosso coraprendizagem. Há uma necessipo se comunica ao corpo do oudade, cada vez maior, do profestro ao mesmo tempo em que resor construir com o aluno - seja cebe suas mensagens. Daí porele criança ou adolescente - um que não se pode eximir, o eduespaço relacional vivenciado, cador, de dores físicas e emocioonde os elementos afetivos e nais nas relações que estabelece emocionais se tornem indispencom os alunos, sendo inevitável sáveis à aquisição adequada dos e salutar aceitar essa verdade e conhecimentos e da construção investir na busca do da personalidade, potencializando-se, É preciso estar bem-estar. Segundo Isabel assim, o exercício da claro que o Bellaguarda, a Psicidadania. comotricidade RelaHá que se ressalprofessor e cional no contexto tar, ainda, outro aspecto do binômio o aluno estão escolar foca a relação e visa a desenvolver professor x aluno, no sempre aprimorar os concontexto da questão estabelecendo eceitos compreendiensino x aprendizagem, geradora da algum tipo de dos quanto ao enfoque da Globalidade educação: o próprio relação. Humana. Busca, coprofessor. mo suporte, superar Na correria do seu o dualismo cartesiano corpo/ estafante labor, muitas vezes é mente, enfatizando a importânele uma face oculta no que se cia da comunicação não-verbal, refere ao seu bem-estar. Em verquer pela compreensão dos prodade, pode ele dedicar algum gramas estabelecidos para o detempo para constatar as próprias senvolvimento cognitivo com carências e necessidades afetivas? conteúdos científicos, quer (e soTem tido ele o direito de pedir bremaneira) pelas relações para ser cuidado? Ele que cuida, psicofísicas e socioemocionais. tolera, protege, dá, escuta, conPreza por uma abordagem pretém, tem sido tolerado, cuidado, ventiva, com uma perspectiva protegido? Tem conseguido um qualitativa e, portanto, com ênespaço de contenção onde possa fase nas possibilidades, não nas ser conteúdo? Tem alcançado uma dificuldades. relação em que possa se nutrir, A Psicomotricidade Relacional ser reconhecido, valorizado? oferece, ao profissional de eduÉ preciso estar claro que o cação, condições para melhor se professor e o aluno estão semadaptar às novas bases de compre estabelecendo algum tipo de petências do futuro e, assim, relação. E relação é algo bem atingir a excelência na atuação mais ambicioso do que parece. pessoal e profissional. É, sem dúRefere-se diretamente ao outro, vida, um diferencial na formação àquilo que comunicamos e que do professor, tornando-se indisnos é comunicado. Diz respeito, pensável àqueles que atuam nas sobretudo, ao que não é dito áreas da educação e da saúde. através de palavras (linguagem José Leopoldo Vieira é pedagogo, mestre em Educação Especial, Doutorando pela Universidade de Évora (Portugal). Contatos: leopoldo@ciar.com.br / (41) 3343-6964

Legislação

Jornal Nota 10 | junho 2009

12

Cursos de pedagogia e normal reprovados Graduações não apresentaram condições para funcionar Do total de 60 cursos de pedagogia e normal superior que foram submetidos ao processo de supervisão do Ministério da Educação (MEC), 17 estão em fase de extinção de oferta. Eles não apresentaram as condições necessárias para atender as determinações da Comissão de Especialistas nomeada pelo MEC para acompanhar a avaliação e realizar as visitas in loco às instituições. Os 49 cursos de pedagogia e 11 cursos de normal superior sob supervisão apresentaram conceitos insatisfatórios no Exame Nacional de Avaliação do Desempenho de Estudantes (Enade) realizado em 2005 e com resultados divulgados em 2007. Para a verificação das condições de oferta, foram verificados, pela Comissão de Supervisão, aspectos como o projeto pedagógico, a infraes-

trutura da instituição e a composição do corpo docente. Em 12 situações o encerramento da oferta foi solicitado pelas próprias instituições. Outros cinco cursos estão sob processo administrativo pelo não cumprimento das determinações do MEC no processo de supervisão, ou por não apresentarem as condições mínimas de qualidade. Nas demais situações, as instituições responsáveis assinarão Termo de Saneamento de Deficiências, a partir do qual se comprometem a promover as melhorias estabelecidas pela Secretaria de Educação Superior (SESu), cumprindo as recomendações da Comissão de Especialistas, necessárias para que continuem em funcionamento. O prazo para o cumprimento das medidas é definido a

partir da data de assinatura dos termos. No caso de 26 cursos que celebraram o Termo ainda em 2008, o prazo para o cumprimento é de doze meses e se encerra neste mês. Outros cinco cursos com assinatura do termo entre março e abril de 2009 terão até o final deste ano para apresentarem à SESu a comprovação do cumprimento das medidas. Nove cursos foram visitados pela Comissão de Supervisão e, após terem sido notificados pelo MEC, devem firmar o Termo. Três cursos de pedagogia foram excluídos do processo de supervisão após ter sido verificado, pela Comissão, que funcionavam atendendo as condições de qualidade exigidas pelo MEC e que os resultados do Enade não correspondiam à realidade do ensino.

Brasil tem 680 mil fora da escola Relatório divulgado dia 9 pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) mostra que o Brasil registrou avanços importantes na educação nos últimos 15 anos. O estudo Situação da Infância e da Adolescência Brasileira 2009 – O Direito de Aprender aponta que os “grandes investimentos” feitos na área desde a década de 90 permitiram ampliar o número de matrículas. Cerca de 27 milhões de estudantes estão nas salas de aula, o que corresponde a 97,6% das crianças entre 7 e 14 anos. Mas o Unicef chama a atenção para o fato de que a parcela ainda fora da escola (2,4%) representa 680 mil brasileiros nessa faixa etária.

Segundo o documento, “as desigualdades presentes na sociedade ainda têm um importante reflexo no ensino brasileiro”. O relatório alerta que são os grupos mais vulneráveis da população que enfrentam dificuldades para ter acesso à educação e concluir os estudos. “As mais atingidas são as [crianças] oriundas de populações vulneráveis como as negras, indígenas, quilombolas, pobres, sob risco de violência e exploração, e com deficiência”, cita o estudo. Segundo dados divulgados pelo Unicef, do total de crianças que não frequentam a escola, 450 mil são negras e pardas e a maioria vive nas regiões Norte e Nordeste. O relatório ressalta que, enquanto em Santa Catarina

99% das crianças e adolescentes têm acesso à educação, no Acre esse percentual cai para 91,3%. Com o acesso à escola quase universalizado, o desafio para o país, de acordo com o fundo, é garantir educação de qualidade e, principalmente, reduzir as desigualdades. Entre os avanços alcançados pelo Brasil nas últimas décadas, o estudo destaca a redução do analfabetismo em consequência do aumento da taxa de escolarização. O Unicef ressalta que a queda tem sido maior entre os grupos mais jovens. “A menor taxa de analfabetismo [segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios de 2007] ficou com o grupo de 15 a 17 anos, 1,7%”, diz o texto.


Geral

Jornal Nota 10 | junho 2009

13

Brasil Alfabetizado

Planos de carreira

Novo Enem

Curso superior

Formação docente

O programa Brasil Alfabetizado já recebeu mais de 1,4 milhão de inscrições de alunos para ingresso em classes de alfabetização neste ano. A meta de 2009 é atender 2,1 milhões de jovens e adultos em todo o país. O período de inscrições vai até 7 de julho e o prazo máximo para o início das aulas é novembro. No Brasil Alfabetizado, o cadastramento dos alfabetizandos é de responsabilidade das redes municipais e estaduais de educação. De acordo com Mauro Silva, coordenador geral de alfabetização da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad), os alfabetizandos estão nos planos de trabalho de 689 secretarias de educação, sendo 14 estaduais e 675 municipais, que aderiram ao Brasil Alfabetizado.

O governo federal, os 26 estados, o Distrito Federal e os 5.563 municípios têm prazo até 31 de dezembro deste ano para elaborar planos de carreira para os professores e os profissionais da educação básica de suas redes. A exigência, prevista na lei do piso nacional dos professores em 2008, agora tem diretrizes fixadas pela Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação (CNE) e homologadas pelo ministro Fernando Haddad, no dia 28 de maio. Os planos de carreira, explica o presidente da Câmara de Educação Básica, César Callegari, interessam diretamente a 1,8 milhão de professores e centenas de profissionais que trabalham nas escolas públicas, entre eles, diretores, coordenadores e os que fazem planejamento, inspeção e supervisão escolar.

Desde março, quando foi anunciada a reformulação do Exame Nacional de Ensino Médio (Enem), muito se tem especulado sobre o assunto. Agora, todas as dúvidas operacionais já podem ser esclarecidas. O Instituto Nacional de Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) divulgou no último dia 28, a portaria que institui e sistematiza toda a operacionalização do exame em 2009. O novo Enem manterá a característica de ser um exame voluntário. Alunos concluintes do ensino médio e pessoas que terminaram este nível de ensino em anos anteriores, os chamados egressos, ainda podem realizar a prova. A novidade é que a prova vai valer também para certificação de conclusão do ensino médio.

O censo da Educação de 2007 mostra que o Brasil tem 685 mil professores sem curso superior, ou que dão aulas em disciplinas para as quais não se formaram. Esses professores atuam em turmas de 5.ª série ao ensino médio. No Paraná, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Educação (Seed), divulgados pela Agência Estadual de Notícias, 63.710 professores atuam em cargos efetivos e desse total, apenas 144 não têm licenciatura. Eles são, de acordo com a coordenadora de formação continuada da rede estadual, Arilete Regina Cytrynski, professores que ainda atuam em 1.ª a 4.ª série, quando não era exigida a formação superior em licenciatura. Ela explica que entre os professores de 5.ª à 8.ª séries e de ensino médio, não há nenhum sem curso superior.

O Ministério da Educação (MEC) lançou no dia 28 de maio, o primeiro Plano Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica. A intenção é formar, nos próximos cinco anos, 330 mil professores que atuam na educação básica e ainda não são graduados. De acordo com o Educacenso 2007, cerca de 600 mil professores em exercício na educação básica pública não possuem graduação ou atuam em áreas diferentes das licenciaturas em que se formaram. Já são 90 instituições de educação superior – entre universidades federais, universidades estaduais e institutos federais – envolvidas na oferta de cursos. Os cursos serão oferecidos tanto na modalidade presencial como a distância, pela Universidade Aberta do Brasil (UAB).


Literatura Pelos Caminhos da Vida Nailton Jatobá Tenório Vivaluz Editora

Jornal Nota 10 | junho 2009

14

Os 10 hábitos da memorização – Desenvolva uma memória de elefante Renato Alves Editora Gente

Psicografado pelo médico e médium Nailton Jatobá Tenório, o livro é de autoria do Espírito Estevão que, não por coincidência, escolheu o cirurgião para falar de um assunto que domina: a busca pela cura. O livro conta a história de Francisco, um espírito que reencarna com a missão de levar ao mundo a cura física e espiritual por meio de seu trabalho como médico. Com pouca consciência de sua missão, o jovem estudante de Medicina envereda por caminhos que quase o fazem se perder, mas sua fé o faz voltar ao rumo certo. Ele, assim, enfrenta o descrédito por parte de colegas de profissão e até de pacientes, já que muitos não acreditam que diversas são as ocasiões em que as doenças físicas se manifestam por influência do espírito doente. Aos que se permitem ser curados pela intercessão espiritual, Francisco dá o apoio necessário e serve como elo entre os planos material e espiritual.

A obra propõe ao leitor um método de memorização que vai ajudá-lo a melhorar a memória consideravelmente. No livro o autor estuda com detalhes de que forma a mente assimila e retém informações. E, a partir daí, explica de maneira simples e prática o que é necessário para estimular a memória a funcionar de maneira mais eficiente e inteligente. Estados negativos que interferem no desempenho da memória como o estresse, a ansiedade e os desagradáveis “brancos” podem ser trabalhados e o leitor irá aprender a tirar proveito da memorização, com possibilidades muito maiores do que se pode imaginar. Segundo o autor, a capacidade de armazenamento da nossa memória pode ser limitada ou ilimitada, dependendo do contexto em que a situarmos e da nossa atitude adotada no dia-a-dia.

O Colchão de Noiva As ambiguidades do prazer: ensaio sobre o prazer na filosofia de Platão Franciso Bravo Paulus Editora

O que é o prazer? Qual é seu lugar na vida humana? É o prazer a causa do desejo, ou, ao contrário, o desejo a causa do prazer? Questionamentos relevantes sobre o prazer na filosofia de Platão suscitaram uma série de artigos do autor Franciso Bravo, que, reunidos, constituem este ensaio. Na obra, os aspectos do prazer são considerados sobre o prazer na cultura grega, e esta, como uma cultura do prazer. Já a semântica do prazer é outro tema analisado pelo autor, assim como, o ser do prazer nas esferas: físicas, fisiológicas, psicológicas, ontológicas, e por fim, epistemológicas. Prazer e vida humana sob a ótica do hedonismo de Sócrates em Protágoras e o diálogo de Filebo: prazer e bem supremo são outros motes aplicados pelo autor no livro.

Geraldo Peçanha de Almeida Cortez Editora

O livro busca trazer à tona as lembranças e as memórias rurais de uma criança que, não tendo o conhecimento do outro lado do mundo, faz daquele seu mundo um universo. A partir de uma narrativa bem específica, um casamento, festa das mais importantes durante o ciclo do café pelo interior de São Paulo e do Paraná, o mundo é visto pelos olhos de uma criança que o entende e o absorve a partir do sonho e do imaginário. Sem apelos sensacionalistas, a tessitura rememora de forma lúdica a relação do menino com uma pequena flor – o colchão-de-noiva – e todos os acontecimentos que antecedem o casamento passam a ser vistos a partir da ótica daquela pequena flor, que não é tão pequena quanto parece.

Profissão docente Sonia Penin e Miquel Martínez

Filosofando, noções introdutórias Fábio Gabriel Livro Pronto Editora

Você já pensou no sentido mais profundo de sua vida? Realmente há porque ainda acreditar num mundo melhor? A filosofia através dos pensadores irá te ajudar a pensar e encontrar um significado mais profundo para sua própria existência. Pode o ser humano viver sem Deus? Este livro procura filosofar também sobre a importância da inclusão das pessoas com deficiência na sociedade, bem como a importância do despertar para salvaguardar a vida humana e o meio ambiente. É um subsídio para se obter uma base teórica em filosofia.

Summus Editorial

A profissão docente encontra-se na berlinda, por uma série de questões que afrontam a educação brasileira nos dias atuais. Afinal, por que alguns alunos não aprendem? Como entender os precários resultados de rendimento escolar? Como superar o alto índice de insatisfação apresentado por parte dos professores? Que princípios devem nortear a formação inicial e continuada desse profissional? Como estabelecer uma parceria frutífera entre família, escola e comunidade? Como o docente pode lidar com o mundo dos sentimentos dos alunos? Que leitura fazer do suposto “adoecimento” de que padecem os docentes? O livro reuniu os dois especialistas para discutir possíveis respostas e esclarecer as circunstâncias desse quadro.


Cartas dos leitores

Jornal Nota 10 | junho 2009

Gostaria de deixar registrado o importante texto abordado pela professora Esther Cristina Pereira, na edição de abril, já que grande parte das famílias brasileiras assiste à novela citada em sua coluna no Nota 10. Como sempre, seu ponto de vista tem um olhar sensível, crítico e construtivo de uma grande educadora. Parabéns!

Excesso de sódio Fátima Balthazar, Curitiba (PR).

Gostaria de manter-me informado referente ao caso “Iesde/ Vizivali”, pois minha esposa concluiu o curso de Capacitação de Docentes em Graduação de Magistério Superior em 2005. Em 2007 ela prestou concurso para Educador pela prefeitura municipal de Curitiba e foi aprovada. Foi chamada no mês 04/09 e não pode assumir o cargo devido a esse fato mais absurdo, em que o “senhor Roberto Requião” “inventou” (mais uma) em não reconhecer o curso referenciado. Queiram me desculpar pelo meu desabafo, mas é inadmissível e intolerante esse nosso governador. Por favor, não deixem esta questão “morrer na casca”. Parabéns a toda equipe da redação do Nota 10, em especial ao Sr. Helio Marques, aos assuntos tratados e ao deputado Péricles de Mello por pleitear essa causa. Muito obrigado e fico no aguardo de novas notícias.

A Coluna 10, no site Nota 10, é de ótima qualidade. Acredito estarem ajudando muito o crescimento da educação no nosso país. Maria R. T. C. Oliveira, Feira de Santana (BA).

Amigo editor Helio Marques, leio todos os dias o que escreve, sobre a educação, em especial o caso Vizivali. Achamos que o MEC está demorando muito para dar uma resposta concreta. Tem como colocar essa situação em nível nacional, já há algumas semanas foi dedicado espaço à educação a distancia no Jornal Nacional? Fala-se em educação a distancia, mas será que tem valor como dizem, por que ainda não recebemos certificados. Estamos sendo pressionados e até viramos alvo de deboche, por ter feito um curso a distancia. Por gentileza, ajude-nos, é por meio deste jornal que estamos sabendo o que acontece.

Apesar de morar no Rio Grande do Sul, adoro receber as notícias do site Nota 10 porque fico por dentro de assuntos atualizados na área educacional. Gostaria de ser contemplada com o livro de Débora Corigliano porque vem bem ao encontro com a minha atuação profissional. Atualmente atuo na orientação educacional e faço assessoria às famílias dos educandos que apresentam dificuldade de aprendizagem ou de relacionamento e percebo que na maioria das vezes o problema está instalado na forma como os pais educam seus filhos. Abraços a todos.

Eliane Fronczak, Mallet (PR).

Marcia Fabiana B. Marques, Canela (RS).

Marcos F. Lucio, Curitiba (PR).

Escreva para o Nota 10. Envie mensagem para nota10@nota10.com.br . Por razões de espaço e compreensão as mensagens poderão ser editadas.

Telefones úteis APP/Sindicato (41) 3026-9822 Apade (41) 3323-6493

Núcleo Regional de Educação (Centro) (41) 3222-3074 Sinepe/PR (41) 3078-6933

Conselho Estadual de Educação: (41) 3212-1150

ParanáEducação: (41) 3352-0058

Cetepar: (41) 3376-3323

Sismmac (41) 3225-6729

Sinpropar: (41) 3332-5433

Sismuc (41) 3322-2475

15

Secretaria Municipal de Educação de Curitiba: (41) 3350-3009 Secretaria de Estado da Educação: (41) 3340-1500 Secretaria de Ciência e Tecnologia (41) 3028-7316 Sinpefepar (41) 3019-9287

O consumo diário de sódio pela população brasileira está duas vezes e meia acima do limite recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Uma pesquisa realizada pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) aponta que a quantidade diária de sódio disponível nas refeições brasileiras é de 4,5 g por pessoa, enquanto a OMS recomenda a ingestão máxima de 2 g por dia.

Mais resistentes As mulheres são mais resistentes a infecções do que os homens graças à ação de hormônios sobre seus sistemas imunológicos, segundo afirma um estudo de pesquisadores canadenses. O estudo indicou que a produção de estrogênio pelas mulheres pode ter um efeito benéfico sobre a resposta do or-

ganismo a agentes causadores de infecções. Segundo a pesquisa, publicada na última edição da revista especializada “Proceedings of the National Academy of Sciences”, o estrogênio naturalmente produzido pelas mulheres bloqueia uma enzima chamada Caspase12.

TV x estresse Um recente estudo demonstrou que ver televisão em excesso e inatividade física, são fatores determinantes e aditivos, de maior de angústia psicológica em crianças. Um estudo realizado na Escócia, envolvendo 1.486 crianças com idades entre os 4 aos 12 anos, avaliou a presença do estresse psicológico através de um questionário específico, respondido com a ajuda dos pais. Globalmente, 4% das crianças foram classificadas como tendo níveis anormalmente elevados de estresse psicológico. Fonte:UOL Ciência e Saúde

EXPEDIENTE: Jornal Nota 10 – Um veículo da Nota 10 Publicações. Circulação: Distribuição gratuita em escolas públicas e particulares do Paraná, sempre a partir do dia 10 de cada mês. Redação: R. Desembargador Westphalen, 824 - sala 4 – CEP 80.230-100. Telefone/Fax: (41)3233-7533. E-mail: nota10@nota10.com.br Editor e jornalista responsável: Helio Marques - MTb 2524. Revisão: Andréa Maria de Carvalho Marques. Colaboração: Déborah Ferragini. Diagramação: Simone Tatarem. Foto da capa: Luiz Costa/SMCS.



2009-06-Junho-2009