Issuu on Google+

(Esta edição tem 50 páginas)

Quinzenal Ano 10 15 de Julho de 2011 Número 92

Salas com goteiras, tacos descolados, mal iluminadas e com pouca ou nenhuma ventilação. Este é o retrato de muitas das 2.200 escolas da rede estadual de educação no Paraná. Situação tem prejudicado o aprendizado dos alunos. Páginas 31 a 36.

(Aperte a (flecha) do seu teclado para mudar de página)

Jornal de Educação

Escolas do estado convivem com o caos


Índice Jornal de Educação

Correspondência ............................................................................

03

É Notícia ..........................................................................................

07

Educação Infantil - Esther Cristina Pereira ..........................

11

Ensino & Educação - Jacir J. Venturi.....................................

14

Mundo Corporativo - Teo Pereira Neto ..................................

17

Literatura ........................................................................................

22

Agenda .............................................................................................

27

Coluna da Apade .............................................................................

29

Capa .................................................................................................

31

Opetpress .......................................................................................

38

Aula Extra - Rafael Adamowski ..................................................

42

Entrevista - José Pacheco ............................................................

45

Educação Social - Helio Marques ...............................................

47

2


CORRESPONDÊNCIA

Parabéns pela nova versão do jornal. Ficou espetacular, além do fácil acesso (as páginas são rapidamente visualizadas, ao contrário de muitas revistas digitais). Tom Coelho

Parabéns pela iniciativa. Sem dúvida que o digital aumentará ainda mais o prestígio do jornal. Douglas Luz

Muito bom mesmo. Parabéns para todos os seus colaboradores pela empreitada. Mídia digital é show de bola, ajuda a preservar o meio ambiente. Kleverson Paz Nada mais prático e econômico que o PDF. Rodrigo Asturian

Parabéns. Certamente o meio digital é uma excelente oportunidade de divulgação. Marcelo Martins

O novo Nota 10 segue a tendência. É isso aí! Larissa Ilaídes

Parabéns pelo Nota 10 digital. Li pelo meu IPhone. Gostei! Brisa Teixeira

Obrigado pelo novo Nota 10. Assim ficou mais fácil! Mandei o endereço para muitos amigos meus! Venâncio D. Vicente

33


EXPEDIENTE

Jornal Nota 10 – Publicado pela Nota 10 Publicações. Circulação quinzenal, nos dias 1.º e 15 de cada mês. Enviado para 20 mil e-mails (caso queira cadastrar alguém para receber o jornal gratuitamente acesse o site www.nota10.com.br e preencha o formulário).

Jornal de Educação Quinzenal

Ano 10 15 de Julho de 2011 Número 92

Salas com goteiras, tacos descolados, mal iluminadas e com pouca ou nenhuma de ventilação. Este é o retrato da muitas das 2.200 escolas rede estadual de educação no Paraná. Situação tem dos prejudicado o aprendizado alunos. Páginas 31 a 36.

Escolas do estado s convivem com o cao

na) teclado para mudar de pági (Aperte a (flecha) do seu

(Esta edição tem 50 páginas)

Editor e jornalista responsável:

Helio Marques (MTb 2524)

Diagramação:

Marcos Mariano Leonardo Bronzi Rafael Adamowski Andrea Marques

Colaboração: Revisão:

Redação – Rua Duílio Calderari, 122 – Hugo Lange – CEP 80040250 – Curitiba/PR. Telefone (41) 3209-6251. Fale com o Editor:

helio@nota10.com.br

55


Arquivo

É NOTÍCIA

Estudantes que trabalham dormem menos do que precisariam

77

Estudo mostra ainda que o jovem trabalhador dorme pouco quando estuda à tarde Uma pesquisa, divulgada pela Agência Notisa, feita por professores das universidades federais do Paraná e de São Paulo, mostra que o mundo do trabalho tem feito os adolescentes dormirem pouco. O levantamento foi coordenado pelo professor de Érico Felden Pereira e colegas.  (continua na próxima página)

ras por noite. rmam até 9 ho

dantes du escentes estu ol ad e qu é o A recomendaçã


Agência Fiep/Rogério Theodorovy

É NOTÍCIA Jovens que começam a trabalhar desde cedo têm dormido pouco.

Intitulado “Sono, trabalho e estudo: duração do sono em estudantes trabalhadores e não trabalhadores”, o estudo explica que, embora não haja consenso sobre uma quantidade de sono diária ideal na adolescência, a recomendação é que os jovens durmam, pelo menos, nove horas por noite.

O problema de dormir menos que isso pode ocasionar redução de atenção e isso ser prejudicial aos estudos. Além de reduzir a atenção, os pesquisadores explicam que dormir menos na adolescência pode levar a um aumento da sonolência diurna excessiva, dificuldades de aprendizagem e de desempenho cognitivo, aumento os riscos de acidentes e de excesso de peso corporal. No estudo, realizado com 863 estudantes de duas escolas da cidade de São Paulo, os pesquisadores verificaram que 18,4% dos participantes trabalhavam (a maioria estudava à noite). “Nesse grupo trabalhador, a baixa duração do sono foi identificada em 52% dos alunos. Já, nos que não trabalhavam, essa prevalência foi de 36,2%”, diz a pesquisa. O estudo, que foi publicado em maio deste ano nos Cadernos de Saúde Pública, mostra que a duração do sono dos jovens trabalhadores foi de 8 horas e 27 minutos Além disso, a pesquisa constatou uma maior frequência de trabalhadores na fase final da puberdade e no sexo masculino. 

8

(continua na próxima página)


Agência Fiep/Rogério Theodorovy

É NOTÍCIA Dormir pouco pode ocasionar acidentes no trabalho quando ele oferece riscos.

Embora o turno da noite tenha concentrado o maior número de estudantes trabalhadores, a maior prevalência de baixa duração do sono foi identificada entre os alunos que estudavam no turno da tarde.

Segundo os autores, isso reflete alguns fatores, por exemplo, o horário de trabalho e o trabalho noturno. “Além disso, o fato de muitas escolas concentrarem o início do ensino médio no turno da tarde, coincidindo com o período de inserção de muitos jovens no mercado de trabalho, e, também, às possíveis atividades extracurriculares que os alunos que estudam à tarde e trabalham à noite possam efetuar no período da manhã, podem justificar esse resultado”, completam. O estudo não verificou diferenças de sono em relação ao número de horas trabalhadas. “Independentemente da carga horária diária de trabalho, as prevalências de baixa duração do sono foram altas”, mostram os pesquisadores. Para ver o artigo na íntegra copie este endereço para o seu navegador: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0102-311X2011000500015&lng= pt&nrm=iso&tlng=pt. 

9


É NOTÍCIA

Projeto quer dispensar mestrado a professor universitário O projeto tramita no Senado, mas entidades já pediram para ser retirado da pauta.

Atualmente 56% dos professores universitários são pós-graduados

Um projeto que tramita no Senado (n.º 222/2010) quer o fim da exigência de diploma de mestrado para que professores universitários possam lecionar. O ministro da Educação, Fernando Haddad, afirma ser contrário à proposta. Segundo Haddad, a presidente da República, Dilma Rousseff, também não concordaria em reduzir a exigência de qualificação de professores da educação superior. Se aprovado no Senado, o projeto deve ainda passar pela Câmara dos Deputados, antes de chegar às mãos da presidente, que poderá sancioná-lo ou vetá-lo. A proposta do Senado modifica o artigo 66 da Lei 9.394/1996, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), que exige que professores universitários tenham diploma de pós-graduação,

especialização, mestrado ou doutorado. De acordo com o projeto de lei, os docentes de instituições públicas e privadas poderiam lecionar apenas com o diploma de graduação, desde que contratados em regime temporário. Os defensores do projeto afirmam que há déficit de profissionais. Entretanto, anualmente, o Brasil forma 50 mil novos mestres e doutores. Hoje, 56% dos professores universitários são pós-graduados e a meta do Plano Nacional de Educação (PNE) é que esse número chegue a 75%. A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SPBC) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC) já pediram formalmente ao Senado para que o projeto seja retirado da pauta de votação. 

10 10


PALAVRA DO ESPECIALISTA

educação infantil

Boa educação é feita com um bom time Esther Cristina Pereira Psicopedagoga, Diretora da Escola Atuação Contatos: cris@escolaatuacao.com.br (41) 3274-6262

Noutro dia, 9 de julho, vi na Alemanha o jogo do Brasil com o Paraguai. É claro, em alemão. Como não sou expert nesta segunda língua, necessitei da visão aguçada para entender. O jogo contra nosso vizinho Paraguai me interessou e comecei a observar nosso time como time. O que é um time? Um grupo de pessoas que veste a mesma camisa, que tem o mesmo objetivo e que, é claro, deve mediar cada atitude individual em prol do coletivo. De um final feliz. Necessitam de uma gestão excelente, com processo e conduta pensados coletivamente e não individualmente, como muitas vezes é o processo das coisas no Brasil. Num time que só possui estrela é complexo pensar em um processo coletivo de gestão de grandes resultados. E foi isso que aconteceu. As jogadas não foram coletivas e as várias estrelas não couberam em uma mesma constelação e o resultado não agradou os torcedores. Os chutes não eram coletivos, não eram

pensados em equipe. Deu no que deu. Enquanto assistia ao jogo comecei a pensar no processo educacional do Brasil e não pude deixar de fazer uma pequena comparação. Perceber que a educação de um país se faz com um time verdadeiramente empenhado em dar resultados. Faz com que possamos concluir que nossa educação é individualizada, cada um fazendo o seu pedaço, sem um pensamento inteiro de país. O governo deveria pensar em melhorar 100% a educação básica, que é o primordial para um país crescer e se desenvolver saudavelmente. Mas não o faz. A educação pública é uma vergonha, comparada com o que vemos em outros países, inclusive os nossos vizinhos Paraguai, Argentina, Chile. Eles estão muito à frente. 

(continua na próxima página)

11


PALAVRA DO ESPECIALISTA

educação infantil

Boa educação é feita com um bom time (continuação da página anterior)

Esther Cristina Pereira Psicopedagoga, Diretora da Escola Atuação Contatos: cris@escolaatuacao.com.br (41) 3274-6262

Como melhorar a educação se a cada quatro anos os políticos mudam tudo? Não há proposta a longo prazo. É impossível pensar a educação assim. Falo isso porque vivo diariamente dentro de uma escola. Não temos iniciativa nem ‘acabativa’ em termos de educação. Na educação particular, quantos não pensam no financeiro antes do resultado com os alunos? O que o gestor quer, uma educação de verdade ou um bom negócio? É interessante pensar nisso. Estive há 40 dias na Dinamarca. Tudo é público, com gestão particular. Funciona maravilhosamente. As escolas são avaliadas pelo governo a cada ano. Se em três anos a escola não melhorar resultados, é fechada. Simplesmente assim. Não existem prerrogativas. Aqui no Brasil alguma escola foi fechada por incompetência pedagógica? Sem contar aqueles que brincam de ensinar. Claro que existem as ilhas de excelência, mas são poucas.

Isso sem contar a parte burocrática do estado. Núcleos e Secretarias de Educação que às vezes não sabem com clareza seu papel. Na Europa esse grupo de pessoas existe para facilitar o funcionamento das escolas. E o que os nossos órgãos fazem? Muitas vezes empatam a vida do gestor que está seriamente preocupado em dar uma educação de qualidade. Então, como fazer educação em um país que não valoriza a educação? Que valoriza o ter e não o ser. Que olha o profissional da educação com desprezo, fazendo com que o professor seja visto como mais um e não como alguém que faz a diferença. Que nos ajudou a chegar aonde chegamos. É uma pena que nenhum político precisou de professor, nunca precisou ir a uma escola. Aprenderam tudo sozinhos. Nasceram sabendo. Ah, se tivessem passado por uma escola de verdade! Provavelmente não teriam sido políticos, teriam sido coisa melhor e, quem sabe, teriam aprendido a valorizar a gente do magistério. 

12


É NOTÍCIA

Enem passará a ser obrigatório para aluno solicitar o Fies Os estudantes precisarão ter feito o Enem para conseguir o financiamento.

A partir do próximo dia 29 estudantes que tenham concluído o ensino médio em 2010 ou data posterior só poderão solicitar o Financiamento Estudantil (Fies) se tiverem feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Para requerer o Fies no segundo semestre de 2011, o aluno deve ter feito o Enem em 2010. Estão isentos professores das redes públicas da educação básica em efetivo exercício do magistério. Para estudantes que tenham terminado o ensino médio em anos anteriores a 2010, e que são candidatos ao Fies, basta apresentar o certificado de conclusão do ensino médio. Deles não será exigido o Enem. O pedido do financiamento pode ser feito em qualquer data, independente do semestre que o aluno curse. As regras que entram em vigor no final de julho estão na Portaria Normativa n.º 15/2011, publicada no Diário Oficial da União, do último dia 11. A mesma portaria trata da renovação (aditamento) de contratos do Fies firmados até o primeiro

semestre de 2011. A renovação, que é obrigatória a cada semestre, deve ser feita até 31 de julho. Segundo Antonio Corrêa Neto, diretor financeiro do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), a portaria regulamenta os procedimentos do aluno para aditar o contrato (simplificado e não simplificado), enumera os documentos que deve apresentar, trata de situações como a fiança convencional e solidária, transferência de instituição, dilatação do prazo de financiamento. Beneficiários do Fies que tenham tomado empréstimo na Caixa Econômica Federal devem aditar os contratos no Sistema de Financiamento Estudantil (Sifes); e os que tomaram financiamento a partir de 14 de janeiro de 2010 devem renovar os contratos no Sistema Informatizado (SisFies) do FNDE, que é o agente operador do Fies a partir daquela data, de acordo com a Lei n.º 12.202/2010. 

13


PALAVRA DO ESPECIALISTA

ensino&educação

Matemática, rainha e serva Jacir J. Venturi Engenheiro, matemático e autor dos livros: Cônicas e Quádricas (5ª. ed.); Geometria Analítica (9ª. ed.). Contato: jacirventuri@hotmail.com

De todas as ciências, a Matemática é serva e rainha. Serva, pois não há ciência sem o rigor de seus fundamentos, e rainha, pois Sua Majestade enseja o apanágio da lógica e da estética, numa linguagem precisa, universal e sincopada. É bem verdade que também é considerada uma ciência sinistra, abstrata, provocadora das maiores humilhações. Em resumo, é têmpera racional da mente ou bicho-papão. É paraíso ou inferno, que não contempla purgatório, nem indiferença. Alheios a esses paradoxos, valemo-nos das palavras de Leibnitz: “A Matemática é uma honra do espírito humano.” Enfim, a nossa rainha tem muitos encantos. Não conheci quem nela mergulhasse fundo e não fosse tomado de enlevo. Em justa homenagem, no ano de seu falecimento e quando completaria cem anos, reverencio o físico e escritor argentino Ernesto Sábato, uma vez que se faz pertinente ao referirse à Matemática: “um mundo de infinita harmonia, com seu universo platônico, com sua ordem perfeita,

seus objetos eternos e incorruptíveis, de uma beleza ímpar.” Recorda que esta imagem advém desde os 12 anos, quando “sentiu uma espécie de vertigem ao assistir à demonstração de um teorema”. Sempre fui recorrente com meus alunos: quinze minutos dedicados a um problema difícil, mesmo não resolvido, enseja mais sinapses, desenvolve mais o raciocínio que cinco outros exercícios acessíveis, estes solucionados exigindo pouco dos neurônios. Nunca o mercado de trabalho valorizou tanto o lógico-dedutivo, uma característica proeminente dos resolvedores de problemas. No Brasil não temos uma cultura de valorização das Ciências Exatas e as estatísticas corroboram essa assertiva: apenas 11% dos concluintes do Ensino Médio em escolas públicas têm capacidade tida internacionalmente como mínima em Matemática; sobejamente conhecido, no Pisa obtivemos a  (continua na próxima página)

14


PALAVRA DO ESPECIALISTA

ensino&educação

Matemática, rainha e serva (continuação da página anterior)

Jacir J. Venturi Engenheiro, matemático e autor dos livros: Cônicas e Quádricas (5ª. ed.); Geometria Analítica (9ª. ed.). Contato: jacirventuri@hotmail.com

57.ª colocação entre os 65 países pesquisados. No topo desse ranking estão China, Hong Kong, Finlândia, Singapura, Coreia do Sul, Japão e Canadá. E se queremos participar desse honroso cortejo – países econômica e socialmente com elevado grau de desenvolvimento nas últimas décadas –, o bom ensino da Matemática tem que ser priorizado. O paradoxo é que os cientistas estão desenvolvendo tanto os computadores, que eles ainda nos ensinarão a pensar. Blague à parte, a Matemática desenvolve o

raciocínio e autodidatismo e o hodierno desenvolvimento tecnológico exige cada vez mais elevado tirocínio mental para o entendimento de textos ou elaboração de algoritmos sem um professor para auxiliar. Descontroi-se, descaracterizase, desmerece-se a Matemática quando o seu ensino fica restrito à memorização e à aplicação de fórmulas. Um crime de lesa-majestade à nossa rainha, sendo a principal joia da sua coroa o encadeamento lógico, que promove a confiança para descobrir e pesquisar outros temas das ciências e da vida prática. 

15


É NOTÍCIA

Capes completa 60 anos e homenageia professor do Paraná

O paranaense Nelson Maculan recebeu a homenagem das mãos da presidente Dilma Rousseff.

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do Ministério da Educação (MEC) comemorou 60 anos no último dia 11, com a entrega do Prêmio Anísio Teixeira a pesquisadores e professores que contribuíram para o crescimento da educação e da ciência no Brasil. A solenidade foi realizada no Palácio do Planalto, com a presença da presidente da República, Dilma Rousseff, e do ministro da Educação, Fernando Haddad. Dentre os homenageados está o professor paranaense Nelson Maculan Filho, de Londrina, que é professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ultrapassou uma centena de trabalhos publicados, formou 150 mestres e 60 doutores e ocupou cargos de destaque na administração acadêmica, entre eles, os de reitor da UFRJ e de secretário de educação superior do MEC. Recebeu o título de doutor honoris causa da Universidade de Paris 13 e a Medalha da Ordem Nacional do Mérito Científico. É membro da Academia Brasileira de Ciências. CAPES – Há seis décadas, a Capes contribui para a formação de profissionais qualificados, avalia cursos de mestrado e doutorado, oferece acesso à divulgação científica e promove cooperação científica nacional e internacional. Em 2010, concedeu 116 mil bolsas — 58 mil no país e cinco mil no exterior, além de 53 mil para a educação básica. No ano anterior, ajudou na formação de 50.168 mestres e doutores. A ampliação do número de pessoas pós-graduadas no país é uma das prioridades da política nacional de educação e de ciência e tecnologia do governo federal. No triênio 2007-2009, o Brasil formou mais de 139 mil mestres e doutores. O Prêmio Anísio Teixeira foi instituído pelo MEC em 1981, nas comemorações dos 30 anos de criação da Capes. 

16


PALAVRA DO ESPECIALISTA

mundo corporativo

Ninguém é eterno com pés de barro Teo Pereira Neto Executivo da área educacional. Contatos: teodoro.pereira@uol.com.br (41) 3021-4848

No livro “A Economia do Cedro”, Carlos Alberto Júlio aborda temas como sustentabilidade e perenidade das organizações, traçando paralelo com uma árvore centenária. O cedro-do-líbano cresce pouco no início de vida, entre quatro e cinco centímetros; suas raízes, entretanto, avançam até metro e meio terra adentro. Aos quatro anos as raízes, já profundas, encontram água e nutrientes, sustentáculo para um crescimento lento e contínuo. Então, a árvore passa a crescer mais rapidamente, vinte centímetros anuais. Entre os vinte e trinta anos, surgem as primeiras sementes e vem a maturidade. O cedro chega a quarenta metros de altura e seu tronco pode superar o diâmetro de três metros. Fortalecido nas raízes e na base, viverá por séculos e séculos, com viço e saúde. Ele privilegia a questão da sustentabilidade, crescer hoje de forma segura para garantir o mesmo padrão no futuro.

Somente com solidez, integralidade e harmonia [o cedro e as organizações] será possível vencer os cinco desafios binomiais da atualidade: Prosperidade + Sustentabilidade: O cedro lança suas raízes profundamente no solo. É o que vai garantir água, bons nutrientes e resistência à chuva e vento. O cedro retira o que pode da terra, mas a protege e devolve benefícios. Geração de riqueza + Justa Distribuição: O cedro cresce de forma harmônica. A seiva que sobe desde a raiz, se distribui de forma justa pelo caule, galhos, ramos e folhas. Geração de Resultados + Qualidade de Vida: Ninguém já viu um cedro triste, infeliz, com depressão. Tem crescimento saudável, estética admirável e durabilidade. 

(continua na próxima página)

17


PALAVRA DO ESPECIALISTA

mundo corporativo

Ninguém é eterno com pés de barro (continuação da página anterior)

Teo Pereira Neto Executivo da área educacional. Contatos: teodoro.pereira@uol.com.br (41) 3021-4848

Concorrência + Valores e Princípios: Não há ataques de cedros contra cedros. O espírito coletivo faz com que as sementes germinem em espaços de conforto para todos. Mesmo vivendo juntos, cada cedro garante a individualidade. Na alma de cada cedro há o desejo de crescer mais e mais, de ser forte e robusto. Mas sem agredir e sufocar seus irmãos. Pensar + Fazer: A natureza pensa o tempo todo. Enquanto pensa, vai fazendo, uma forma de se conhecer. Pensando e fazendo ao mesmo tempo, estabelece os pilares da transformação e as inevitáveis correções de rumo. Pensar, fazer, não perder tempo e mudar o que for preciso.

O mundo dos negócios não é corrida de 100 metros, é uma maratona. Valorizar apenas resultados de curto prazo é arriscarse a comprometer o futuro, com a ilusão de benesses imediatas e passageiras. No nosso caso, no Brasil, um grande diferencial está na diversidade étnica, responsável por um povo inquieto, criativo, empreendedor. Que trabalha, estuda, quer aprender e construir com solidez. Sonha, mas tem os pés no chão. Isso permite alavancar a sinergia que, embora pressupondo atividades parecidas para ganhar escala e rentabilidade, precisa de formações diferentes para encorpar a massa crítica e estabelecer o contraponto. Desta ação coletiva participativa, com ousadia e base confiável, será possível avançar e buscar as melhores alternativas para otimizar e perenizar os negócios. De olho no presente, mas sem perder de vista o futuro, não faz sentido caminhar com pés de barro! 

18


É NOTÍCIA

Meninos são os que mais sofrem e praticam bullying O Sudeste brasileiro é a região com maior incidência de vítimas, quase três vezes mais que o Nordeste, que apresenta os menores índices de ocorrências O Instituto de Pesquisa e Cultura Luiz Flávio Gomes (IPC-LFG) consolidou um estudo sobre bullying no mundo, a partir de pesquisa internacional realizada pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Essa prática de agressão física ou verbal está presente em diversos países, com maiores índices na Turquia e Grécia e menores na Espanha e Suécia.  (continua na próxima página)

19


É NOTÍCIA

Para o criador do IPC-LFG, o jurista Luiz Flávio Gomes, o mesmo estudo analisou o cenário dessa prática no Brasil, em escolas públicas e particulares com alunos de 11 a 15 anos. “Um em cada dez é vítima de bullying, e a maioria está concentrada nas quinta e sexta séries.” De acordo com os dados, 12,1% das vítimas de bullying são meninos e 9,8%, meninas. Eles também são os que mais agridem, e, diferentemente das vítimas, estão distribuídos de forma semelhante entre as quinta, sexta, sétima e oitava séries. As agressões normalmente ocorrem em lugares supervisionados por funcionários das escolas, como a sala de aula sem o professor presente (12,8%), com ele ali no local (8,7%) e no horário de recreio (7,9%). E as respostas mais comuns das escolas nesses casos são chamar os pais dos agressores (42,2%) ou aplicar punição (20,6%). E 12,5% responderam que não sabem o que fazer diante de uma situação como essa. Segundo os dados dessa pesquisa, o Brasil está dentro da média mundial de bullying, já que 10% dos entrevistados afirmaram que foram vítimas de agressões mais de três vezes no ano de 2009. A região mais afetada pela prática é a Sudeste, com 15,5% de casos, e com menor índice o Nordeste, com 5,4% registros. Centro-Oeste é a segunda região com maior índice de bullying, 11,7%, seguida do Sul, com 8,4%, e Norte, 6,2%.

A maior forma de bullying retratada pelos entrevistados foi o xingamento pelos colegas (9,8%), seguido de apelidos mordazes (5,7%), ameaças (4,8%), insinuações maldosas ao aluno ou familiar (4,7%) e insultos sobre características físicas (4,5%). Dos alunos que se identificaram como agressores, 9,2% disseram que só maltrataram outro estudante por se sentirem ameaçados, 8,1% por brincadeira e 7% não souberam responder o motivo da agressão. Cyberbullying - O mesmo estudo abordou outra modalidade de bullying, o cyberbulling, que ocorre em ambiente virtual, como as salas de bate-papo, as redes sociais, blogs e até mesmo por meio da troca de e-mails. A pesquisa realizada pela ONG Plan descobriu que 17% dos entrevistados sofreram ao menos uma vez no ano de 2009 alguma forma de agressão virtual, sendo que a maioria das vítimas novamente está na região Sudeste. As maiores agressões virtuais ocorreram por meio de e-mail, com 6,4% dos casos, ou sites de relacionamentos, com 5,8%. Apenas 3,6% dos entrevistados responderam que os agressores furtaram a senha do e-mail a fim de invadi-lo. A duração dos eventos varia de uma semana em 11,9% dos casos, várias semanas, 2,9%, e o ano todo, 1,2%. 

20


É NOTÍCIA

Espaços da escola em que as agressões se manifestam Espaço da escola

Quantidade

Percentual

Não fui maltratado

3572

57,0%

Na sala de aula sem professor

800

12,8%

Na sala de aula com professor

548

8,7%

No pátio de recreio

495

7,9%

Nos corredores

329

5,3%

Outros

173

2,8%

Nos portões da escola

115

1,8%

No banheiro

92

1,5%

No trajeto escola-casa

77

1,2%

No transporte escolar

62

1,0%

6263

100,0%

Total geral

Punição De acordo com o Código Penal, crimes de injúria são punidos com detenção de um a seis meses ou multa; difamação, de três meses a um ano e multa; injúria racial, de um a três anos e multa; ameaça, um a seis meses ou multa; constrangimento ilegal, três meses a um ano de detenção ou multa. Os crimes de lesão corporal têm penas que podem variar entre três meses a 12 anos de detenção, dependendo da gravidade. Embora haja tal equivalência, Luiz Flávio Gomes entende que o bullying não deve ser combatido na esfera criminal, mas, sim, com medidas preventivas. 

Séries que se destacam pelo número de vítimas do bullying Série

5ª série 6ª série 7ª série 8ª série

Beta Tabela 7.3. Distribuição das vítimas de bullying por série (Beta)

21

Sebo Releituras LIVROS, GIBIS, CDS, DVDS, LPS USADOS E SEMINOVOS

LOJA CENTRO Rua Barão do Serro Azul, 71 – Próximo à Catedral Tiradentes CEP: 80.020-180 - Fone: (41) 3304-7461 – 8474-0670 Curitiba - Paraná - Brasil releituras_centro@hotmail.com Horário de funcionamento: De segunda a sexta, das 9h às 19 horas. Sábados, das 9h às 15 horas.


LITERATURA

A ciência de ser feliz - Conheça os caminhos práticos que trazem bem-estar e alegria Susan Andrews • Editora Ágora

Neste livro a autora discute em detalhe a recente obsessão global com o tema Felicidade, mostrando alguns caminhos possíveis para ser feliz, como ter laços afetivos profundos, um sentido na vida e não se comparar com os outros. A autora sugere práticas concretas que transformarão a forma de experimentar a felicidade, entre elas demonstrar gratidão, fazer o bem, praticar ioga, realizar automassagens, meditar e relaxar com a respiração. Inédito em sua abordagem e ilustrado com charges e citações de personalidades, o livro reúne estudos que mostram os benefícios da felicidade em vários aspectos da vida.

O Último Desejo de Freud: réquiem à teoria do inconsciente Gustavo Luiz Gava • Editora Juruá

O livro apresenta um trabalho de pesquisa com pontos inéditos na investigação freudiana em relação à teoria do inconsciente e sua subjetiva relação ao sistema pensamento cérebro. Por apresentar conteúdo e sustentação epistemológica inéditos no âmbito nacional, a obra é um marco na literatura que abrange os fenômenos da interface pensamento cérebro.

Racismo, Sexismo e Desigualdade no Brasil Sueli Carneiro • Selo Negro Edições

Entre 2001 e 2010, a ativista e feminista negra Sueli Carneiro - fundadora do Geledés Instituto da Mulher Negra - produziu inúmeros artigos publicados na imprensa brasileira. Este livro, sexto volume da Coleção Consciência em Debate, reúne, pela primeira vez, os melhores textos desse período. Em cada linha, a autora convida o leitor a refletir criticamente sobre a sociedade brasileira.

Os interessados em divulgar seus livros nesta página devem entrar em contato com a Redação, pelo telefone (41) 3209-6251.

22


A Secretaria de Estado da Educação (Seed) abriu período para que os professores que se inscreveram para a complementação do caso Vizivali possam confirmar dados. O prazo de confirmação termina no próximo dia 20, quarta-feira da próxima semana. Nem todos os que fizeram a inscrição aparecem em uma lista de nomes divulgada pela Seed. Só os docentes que ainda não realizaram aproveitamento de estudos. A oferta do curso de Licenciatura em Pedagogia para os egressos da capacitação da Vizivali será feita pelas universidades estaduais, como a UEL, UEM, UEPG e Unicentro, com apoio da Uenp e Unioeste, na modalidade a distância, e nos polos da Universidade Aberta do Brasil (UAB).

Divulgação

É NOTÍCIA

Professor tem até dia 20 para confirmar dados do Caso Vizivali

23

Sede da Faculdade Vizivali, no município de Dois Vizinhos, no interior do Paraná.

O início da complementação está previsto para agosto de 2011 e terá a duração de aproximadamente um ano, conforme já divulgado anteriormente pelo Nota 10. Para confirmar os dados é preciso ver se o nome está na lista. A Seed pede para serem checados os seguintes dados:  (continua na próxima página)


É NOTÍCIA

a) Nome. b) RG. c) Município de residência do professor. d) Polo da Universidade Aberta do Brasil – UAB, pré-definido, para cursar as 1.300) horas do Curso de Licenciatura em Pedagogia, junto a uma universidade estadual. A Seed diz que a escolha do polo para cada aluno/professor se deu pela proximidade com o município de residência informado no cadastro. No entanto, se porventura, outro polo reunir melhores condições de locomoção e frequência no curso, o professor poderá solicitar mudança. Se os dados (Nome, RG e município) estiverem corretos e não for necessário realizar qualquer alteração, o professor deve clicar no link: confirmar dados e Polo/UAB, digitar corretamente o nome e e-mail, como via de comunicação.

Sebo Releituras LIVROS, GIBIS, CDS, DVDS, LPS USADOS E SEMINOVOS

LOJA PORTÃO Avenida Republica Argentina, 2417 CEP: 80.610-260 Fone: (41) 3018-9844 – 8445-0672 Curitiba - Paraná – Brasil releituras@hotmail.com Horário de funcionamento: De segunda a sexta, das 9h às 19 horas. Sábados, das 9h às 15 horas.

Para realizar as correções nos dados e/ou sugerir mudança de polo, se for o caso, o professor deverá clicar no link: alterar dados e/ou Polo/UAB, preencher corretamente os dados solicitados, incluindo o e-mail, como via de comunicação. A efetivação da matrícula no curso de Pedagogia deverá ser realizada em data posterior, de acordo com os critérios e normas da Plataforma Freire/UAB e da Universidade Estadual que atuar no polo em que o(a) professor(a) confirmar. O professor que não fez nenhuma complementação e mesmo assim não aparece na lista deve procurar o Núcleo Regional de Educação para serem incluídos na planilha. Em caso de dificuldades ou dúvidas a Seed disponibilizou um número de telefone: 0800 6451521. Para saber se seu nome está na lista copie e cole este endereço no seu navegador: http://www. diaadia.pr.gov.br/dppe/arquivos/File/lista_complementacao.pdf 

24


É NOTÍCIA

Governo promete (de novo) que proposta de equiparação sai até o final do mês O governador Beto Richa afirmou na última quarta-feira (13) que até o final deste mês deverá ficar pronta a proposta do governo estadual para equiparar o salário dos professores da rede estadual ao dos profissionais de nível superior do quadro próprio do Estado. “É um avanço fundamental para a categoria. Trata-se de um compromisso e que este governo cumprirá rigorosamente”, enfatizou. A afirmação de Richa aconteceu durante a cerimônia realizada para a transmissão de cargo ao vice-governador Flávio Arns. Richa viajou ao exterior. Ele determinou aos secretários da Administração, Fazenda e Planejamento que concluam, junto com o governador em exercício, os estudos técnicos para viabilização da proposta. “Estamos determinados a elevar a qualidade da educação e de assegurar melhores condições de trabalho aos professores e servidores do setor”. 

Beto e Arns: a promessa de equiparação já havia sido feita na época da campanha.

HERANÇA ‘PERVERSA’ - De acordo com Richa, a equiparação implicará num reajuste de 26% na remuneração dos profissionais de educação do estado, que será pago em quatro parcelas anuais. “Diante da perversa herança legada pela gestão anterior, seria impossível ao estado aplicar o ajuste de uma só vez”, ressaltou o governador, que ficará afastado do cargo até o dia 24.

25


É NOTÍCIA

Estado dará diploma a quem não concluiu o ensino médio A Secretaria de Educação (Seed) do Paraná irá emitir certificado de conclusão do ensino médio para pessoas que não concluíram esta fase de estudos, mas que atinjam as notas mínimas necessárias no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A certificação destina-se prioritariamente às pessoas com idade avançada e às privadas de liberdade, que estão fora do sistema escolar regular. O termo de cooperação técnica com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) foi assinado pelo secretário de Educação e governador em exercício, Flávio Arns, atendendo sugestão do deputado estadual Francisco Bührer. Desde 2009, a certificação para o ensino médio ocorre por meio do exame do Enem e o Paraná era um dos poucos estados a não ter firmado o convênio. Para ser efetivado o acordo ainda deve ser aprovado pelo governo federal para que o estado assuma a responsabilidade de emissão que antes era exclusiva do Instituto Federal de Educação. No Paraná, como o documento era emitido apenas nas oito regionais do Instituto, o requerente que não

residisse próximo a uma das unidades tinha que fazer o pedido por meio de correspondências. Com a Secretaria de Educação também realizando a certificação, o processo deve ficar mais ágil. A secretaria aguarda orientações do MEC sobre os procedimentos que precisam ser adotados e estuda como irá distribuir os certificados. Possivelmente isto ocorra pelas unidades do Centro Estadual de Educação Básica de Jovens e Adultos (Ceebja), presente em todos os municípios paranaenses. No ano passado, cerca de 110 mil pessoas procuraram pela certificação no estado. REQUISITOS – Os interessados em solicitar o certificado devem ter no mínimo 18 anos completos, até a data de realização da primeira prova do Enem; ter concluído o ensino fundamental; atingir no mínimo 400 pontos em cada uma das áreas de conhecimento da prova; e no mínimo de 500 pontos na redação do Enem. Os candidatos também podem solicitar declaração de proficiência nas áreas do conhecimento que obtiveram a nota mínima para certificação. Podendo, assim, utilizar essas notas em cursos supletivos.

26


AGENDA

Prêmio Arte na Escola

Dificuldades na Aprendizagem

No próximo dia 31 terminam as inscrições para o XII Prêmio Arte na Escola Cidadã, promovido pelo Instituto Arte na Escola (Fundação Iochpe). O prêmio é destinado aos professores da rede pública e particular de todo país, e contempla projetos de arte-educação bem sucedidos em um dos segmentos da educação básica – Educação Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Médio ou EJA – Educação de Jovens e Adultos entre os anos de 2009 e 2010. Mais informações, inscrição e regulamento estão disponíveis no portal www.artenaescola.org.br/premio ou pelo telefone (11) 3103-8062.

O Grupo Educacional Uninter, por meio da Facinter, está com as inscrições abertas para o curso de extensão na modalidade a distância sobre Dificuldades na Aprendizagem.O objetivo do curso é dar diretrizes para que as pessoas envolvidas no processo educativo identifiquem as dificuldades de aprendizagem dos alunos. As inscrições poderão ser feitas até o dia 22 de agosto pelo site e o investimento é de R$ 50,00. As aulas serão realizadas de 22 de agosto a 10 de outubro, toda segunda-feira das 18h às 18h50, via satélite para mais de 400 Polos de Apoio Presencial localizados em todos os estados brasileiros. Mais informações pelo telefone 0800 702 0500 ou pelo site www.grupouninter.com.br/extensao.

Prêmio Rubens Murillo Marques Já estão abertas as inscrições para o Prêmio Professor Rubens Murillo Marques, promovido pela Fundação Carlos Chagas (FCC). O prêmio tem por objetivo revelar o trabalho realizado por docentes de Licenciatura. As experiências devem ter sido realizadas e concluídas do ano passado até junho deste ano e comprovadas por documentos – relatórios de obtenção de créditos na disciplina em questão, avaliações e provas aplicadas durante a execução do projeto, depoimentos em vídeo dos participantes ou trabalhos e atividades realizadas pelos alunos do ensino básico. As inscrições podem ser feitas até 27 o dia 10 de setembro pelo site www.fcc.org.br, que também disponibiliza o regulamento. A cerimônia de premiação será em novembro.


INFORME PUBLICITÁRIO Associação Paranaense de Administradores Escolares - Apade Declarada de Utilidade Pública pela Lei nº. 7.527/81

coluna da apade R. Des. Ermelino de Leão, 15, Cjs, 81 e 82 - Fone: (41) 3323.6493 CEP: 80.410-230 - Curitiba / Paraná

Audiência da APADE com o Vice-Governador e Secretário da Educação Flávio Arns A APADE esteve em audiência no último dia 5 com o Vice-Governador e Secretário de Educação, Professor Flávio Arns. Na ocasião, foram abordados vários temas de grande interesse para as comunidades escolares; outros serão abordados, em nova reunião marcada para o dia 26 do corrente mês. No dia 5 ficaram discutidos e encaminhados os seguintes assuntos: a) Os 3% (três por cento) para chegar ao Piso Salarial Nacional dos Professores, fruto da decisão do Supremo Tribunal Federal. Como o acórdão do Supremo ainda não foi publicado, os 3%, segundo a SEED, serão implantados a partir de maio deste ano e a retroatividade desta adequação será atendida conforme a determinação do acórdão, quando for publicado.

29


INFORME PUBLICITÁRIO Associação Paranaense de Administradores Escolares - Apade Declarada de Utilidade Pública pela Lei nº. 7.527/81

b) O Secretário disse que a isonomia salarial com os demais Servidores, aproximadamente 26%, será atendida em quatro parcelas, sempre no mês de outubro de cada ano. A Diretoria da APADE, ao ponderar sobre essa questão que vem desde o Governo anterior, pediu que a isonomia seja feita, pelo menos em duas parcelas, aproximadamente 13% cada uma, ao invés das quatro de 6,5% ao ano, principalmente porque pequenas parcelas pouco representam no salário dos Professores, como tem ocorrido no último 6,5% - reajuste salarial pela inflação dos últimos 12 meses. O mesmo ocorrerá com os 3% em julho e, consequentemente, com as quatro parcelas da isonomia salarial. O Secretário recebeu com simpatia a proposta da APADE. Isso dependerá do comportamento da arrecadação do Estado. c) Foi solicitada a correção da injustiça com os Professores que se aposentaram no PE-5 (Lei Complementar 7/76), depois enquadrados no PF-6 (Lei Complementar 77/96) e, na sequência, no N-I (Lei Complementar 102/2004). Foi solicitado que os mesmos sejam enquadrados no atual N-II, uma vez que, na oportunidade, se encontravam no topo da Tabela Salarial, vinculada à Lei Complementar 7/76. Essa questão o Secretário pediu para ser retomada na próxima reunião para poder analisar a legislação pertinente; mostrou-se sensível ao pleito. d) Sobre o Tema Segurança nas Escolas e Comunidades, o Secretário disse que vivemos um momento de muitas ocorrências preocupantes tanto nas escolas como nos arredores. Informou que foram realizadas reuniões em

coluna da apade R. Des. Ermelino de Leão, 15, Cjs, 81 e 82 - Fone: (41) 3323.6493 CEP: 80.410-230 - Curitiba / Paraná

todos os NRE, entre a SEED com a presença da Patrulha Escolar da Polícia Militar, Polícia Civil, para monitoramento das Escolas e das comunidades. No início do 2.º Semestre haverá novas reuniões. Confessa que há falta de efetivo para a tarefa. e) Os Agentes Educacionais I e II, remanescentes do último concurso, já foram efetivados. As vagas orçamentárias, além das existentes para professores e agentes de, aproximadamente, 9.000 e outras, em torno de 2.000 novas vagas serão criadas. Isto propicia, no final do ano, um quadro completo para o início do ano letivo de 2.012. f) Os readaptados terão tarefas a desempenhar, segundo as aptidões e possibilidades de cada um; fomos autorizados divulgar que a hora de trabalho deles é a mesma do professor, como se em aula estivesse (Lei Nº 15.308 de 2006). Os Pedagogos poderão cumprir a hora-aula, desde que isso não gere a necessidade de outros profissionais, ficando livre para os diretores contornarem essa questão. g) O Secretário foi plenamente a favor de que os Professores, com mestrado ou doutorado em Educação, sejam enquadrados no N-III, sem a necessidade de cursar o PDE. A APADE solicitou que esse enquadramento se dê na mesma classe em que cada um está no N-II. h) Alguns itens serão retomados em nova audiência, agendada para o próximo dia 26, ocasião em que trataremos também de outros temas.

30


Fotos desta reportagem: Flickr/Flávio Arns

CAPA

Escolas da rede estadual convivem com problemas sérios de infraestrutura Governo atual culpa o anterior pelo descaso com os prédios que abrigam os colégios do estado

Os problemas da escola ficaram estampados nos rostos dos membros da equipe da Secretaria de Educação.

O governo do estado acredita que irá precisar de R$ 1 bilhão para melhorar a infraestrutura das 2,2 mil escolas que compõem a rede estadual de educação. A situação, em boa parte delas, é lastimável. Nas suas andanças pelo interior do estado, o secretário de Educação, Flávio Arns, ouviu muitas reclamações dos diretores de escolas, sendo que uma parcela significativa se referia à infraestrutura precária das instalações. Muitos diretores reclamaram que existem solicitações protocoladas na Secretaria de Educação (Seed) desde 2005. E ainda estão sem respostas. Arns culpa a gestão anterior por ter deixado de investir na infraestrutura das escolas, mesmo havendo recursos aprovados.

Esses recursos ficaram no caixa do governo e não foram utilizados. São cerca de R$ 200 milhões que foram liberados por meio de convênios com a União há três anos e nunca investidos. “Havia total falta de organização no gerenciamento desses recursos. Podemos melhorar a situação e até mesmo aumentar a capacidade de captação de investimentos”, disse. “A não utilização deste recurso nos impede de conseguir novos investimentos com o governo federal”, complementa Arns. O secretário afirma que vai buscar recursos estaduais e federais para viabilizar o investimento das escolas. “Vamos encontrar soluções e fazer o que é necessário, inclusive pleitear recursos internacionais”, assegura. 

31


CAPA

Governo libera R$ 126,4 milhões para obras No dia 28 do mês passado o governador Beto Richa, que atualmente está licenciado do cargo para viagem ao exterior, anunciou um primeiro repasse para começar dar certo alívio às escolas. Serão R$ 126,4 milhões para a construção, ampliação e reparos de diversas escolas no Paraná. Richa autorizou o início de obras e a abertura dos processos licitatórios para a construção de nove escolas profissionalizantes, 12 unidades em comunidades indígenas e de novas escolas do ensino fundamental. Também liberou recursos para reparos em escolas dos 32 núcleos da educação espalhados pelo estado. O governador explicou que do total a ser investido, o estado vai aplicar cerca de R$ 45 milhões como contrapartida do programa Brasil Alfabetizado e mais R$ 35 milhões em reformas de escolas. O restante dos recursos é das verbas federais que estavam paradas. “Faltava uma contrapartida do governo estadual e numa ação rápida de entendimento resolvemos a questão com a presidente Dilma Rousseff”, disse. Segundo o secretário Flávio Arns, as ações anunciadas vão beneficiar mais de 18 mil estudantes da rede pública. 

32


33

CAPA


Crédito: Arquivo pessoal

CAPA

Escola convive com problemas diários há muitos anos

Adriana diz que passou por humilhações e que os governantes pouco ou quase nada fizeram pela escola.

O Colégio Estadual Yvone Pimentel, no bairro Novo Mundo, em Curitiba, é uma das centenas de escolas do Paraná que convivem diariamente com uma série de problemas. A instituição tinha tantos que uma equipe de técnicos do governo anterior decidiu pela demolição da escola. Mas a proposta sequer chegou a sair do papel. E os seus cerca de 1.300 alunos continuaram convivendo com goteiras por todos os lados, salas

sem ventilação, mal iluminadas, pisos descolados do chão, teto caindo e um pátio em precárias condições de uso. A diretora Adriana Kampa diz que os problemas têm se avolumado ano após ano por falta de vontade política dos governantes que passaram pela Secretaria de Educação. “Fizeram pouco ou quase nada pela escola”, diz ela. O colégio não está edificado para ser uma escola. Ali funcionava um Núcleo Social para atendimento à população do bairro. Tinha posto de saúde, ambulatórios e outros serviços. “O prédio foi se moldando a ser uma escola, é uma sucessão de puxadinhos”, diz. Há alguns dias o colégio foi notícia nos jornais, porque técnicos do governo atual descartaram a possibilidade da escola ser demolida e optaram por uma grande reforma. A comunidade não gostou. Queria a demolição, pois acredita que não há conserto para muitos ambientes do prédio. Por enquanto o assunto está em discussão e, no começo de agosto, será definido o que realmente será feito. Por enquanto a proposta do governo do estado é uma “repaginação” do colégio. 

34


CAPA

A diretora Adriana espera que a solução a ser apresentada agrade a comunidade, pois alunos, professores e funcionários já não aguentam mais conviver com tantas dificuldades. Segundo ela, todos esses problemas atrapalham a parte pedagógica e prejudicam o aprendizado dos alunos. “A acústica é horrível. O barulho de uma sala se escuta na outra, quando chove há goteiras, não há ambientes apropriados para os funcionários. Já fizemos o impossível, agora chega”. Para Adriana os pedidos de auxílio na Secretaria de Educação sempre receberam respostas vagas. “Passamos por situações humilhantes, nunca recebemos atenção”. A diretora culpa a burocracia, que emperra muitas coisas, mas também o pouco caso para os problemas apresentados. O Yvone Pimentel, claro, não é a única escola que sofre com esse tipo de problema, mas é como se representasse todos os colégios que estão em situação parecida, que têm histórias semelhantes. O dinheiro do Fundo Rotativo, pequena verba que é repassada às escolas pelo estado para pequenos consertos, nunca é suficiente na maioria das instituições de ensino. 

35


CAPA

Alunos irão estudar em colégio vizinho Enquanto aguardam uma solução para o prédio, os alunos do colégio irão iniciar o segundo semestre de aulas em outro local, já que o prédio hoje não oferece condições de segurança. Os cerca de 350 alunos que cursam o Ensino de Jovens e Adultos (EJA) e de 5.ª a 8.ª do período noturno irão ser transferidos, a partir do dia 27, para o Colégio Estadual Emílio de Menezes, a duas quadras de distância. Os que estudam de manhã e à tarde ainda não têm um destino certo. Há negociações para que possam ocupar aproximadamente 13 salas da Faculdade Santa Cruz, a uma quadra do colégio, que teria espaço nos períodos da manhã e tarde para atender os cerca de 820 estudantes desses turnos que aguardam por uma solução. “Queremos que nossos alunos tenham um espaço digno para estudar”, diz a diretora Adriana Kampa. 

36


Inscrições abertas


INFORME PUBLICITÁRIO

Vestibular Tradicional de Verão: 04 de dezembro

Vestibular Vestibular verãoOpet Agendado das Faculdades Opet

Até 03 de dezembro, as Faculdades Opet estão com inscrições abertas para o Vestibular Tradicional de Verão 2011. As provas serão realizadas no dia 04 de dezembro. Já as provas agendadas acontecem semanalmente. A Opet oferece cursos superiores nas modalidades Bacharelado, Licenciatura e Tecnologia, com duração a partir de dois anos. Opções também de cursos a distância, com mensalidades a partir de R$ 195,00.

Felipe Rosa ganha prêmio IMERSÃO PROFISSIONAL COMPLETA, COM A EXPERIÊNCIA DE QUEM Sangue Novo MAIS ENTENDE DE MERCADO DE TRABALHO. de Jornalismo Opet por 1 Dia

INSCRIÇÕES ABERTAS

Até o início de agosto, acontece o Vestibular Felipe Rosa (direita), com o professor Alexandre SantosFelipe Rosa, estudante Jornalismo das Opet, foi o grande do e professor Raphael A instituição oferece, nas semanas quedeantecedem o Faculdades construir a sua”, com ganhador o consultor Agendado de Inverno das Faculdades Opet. A prova é Sangue Novo – categoria Fotojornalismo. Inscrições. As inscrições para os vestibulares e vestibular, o evento Opet por16.º 1 Prêmio Dia. No encontro, Lobo. Os participantes recebem um Kit Opet e

aplicada todas segundas-feiras, partir ser dasfeitas 19h,pelo no para oas evento Opet por 1 Diaapodem coordenadores e professores apresentam uma visão podem inscrever-se gratuitamente no vestibular. O trabalho dele (Os Invisíveis) teve a orientação do Coordenador dos site www.opet.com.br, pela Central de Atendimento geral de cada curso, áreas de atuação, mercado e Funcionários de instituições conveniadas (ecâmpus seus Rebouças das Faculdades Opet, localizado na 41-3028-2828 ou nas três sedes das Faculdades Opet. perspectivas profissionais. Paraprofessor este evento, está dependentes) isenção da taxa de inscrição, cursos de Comunicação Social, Alexandre dos Santos. Otêm anúncio programada também a palestra “Carreira, como independentemente de participarem do evento.Avenida Getúlio Vargas, 892, próximo ao Shopping Estação.

do resultado foi dado em 9/6 durante cerimônia do concurso, promovido pelo INSCRIÇÕES – As inscrições para o Processo Sindicato dos Jornalistas do Paraná (Sindijor/PR), no Grande Auditório do Canal Conselho Empresarial Seletivo podem ser feitas pelo site www.opet.com.br, daFormando Música, em Curitiba. profissionais sintonizados com o mercado de trabalho pelo telefone (41) 3028-2828 e nos três câmpus das De acordo com Felipe, que concorreu com dezenas de trabalhos de Faculdades Opet Cívico, A Opet o perfi l do (Centro profissional que seRebouças forma comeasPortão). exigências Professores e coordenadores de cursos de graduação estudantes de jornalismo de faculdades e universidades de todo o estado, “a do mercado empregador. “Dependendo da avaliação, a tecnológica das Faculdades Opet reuniram-se com executivos oferece cursos superiores nas modalidades Bacharelado, instituição pode até mesmo modifi car a matriz curricular ou de empresas das áreas de informática, comunicação, gestão, conquista do prêmio é motivo de muito orgulho”. E completa: “com certeza Licenciatura e Tecnologia, a partir dois o método decom ensinoduração para enriquecer aindade mais o além de hospitalidade e bem-estar. Foi mais um encontro de redirecionar abrirá as portas do concorrido mercado de trabalho”.trabalho Felipedoe Alexandre Santos Empresarial”, realizado currículo do aluno”, disse o professor Sardo. programa “Conselho anos. Opções também de dois cursos a distância: Gestão na noite de satisfação 28 de outubro,e no Campus Rebouças, e contou receberam certificado e troféu pela conquista. “É com muita orgulho gerente de Governança de Dados do Banco HSBC, Comercial ainda com a participação de coordenadores de cursos da Pós- ParaeoPedagogia. que recebo, juntamente com Felipe, esta premiação,-Graduação pois o Sangue Manoel Francisco Dutra Lopes Jr., a troca de informações é Opet. Novo é um bastante importante, especialmente na área de informática, dos principais concursos do segmento no Brasil”, disse Alexandre. De acordo com os professores Francisco Sardo e Luiz Alberto cuja tecnologia se renova a cada instante. “Com isso, as Vivan, respectivamente Diretor-Geral das Faculdades Opet e

empresas têm condições de dar suporte à instituição, para que

38


INFORME PUBLICITÁRIO

Vestibular Tradicional de Verão: Opetwork com matrículas abertas 04 de dezembro Já começou o período de matrículas (segundo semestre de 2011) para os quatro cursos pós-médio

Meninas do Futsal Opet Vestibular verãoOpet ganham mais uma competição

Até 03 de dezembro, as Faculdades Opet estão com inscrições abertas para o Vestibular Tradicional de Verão ofertados pela Opetwork –Escola de Profissões: 2011. As provas serão realizadas no dia 04 de dezembro. Já as provas agendadas acontecem semanalmente. A Automação Eletromecânica Opet oferece cursos superiores nas Industrial, modalidadesEletroeletrônica, Bacharelado, Licenciatura e Tecnologia, com duração a partir de dois anos. Opções também de cursos a distância, com mensalidades a partir de R$ 195,00.

e Mecatrônica. A novidade é que os cursos serão Depois de vencerem os Jogos MunicipaisINSCRIÇÕES de Curitiba e a oferecidos tambémCOMPLETA, no período da tarde. Não há IMERSÃO PROFISSIONAL COM A EXPERIÊNCIA DE QUEM Fase Regional dos Jogos Escolares do Paraná – JEPs, promovidos ABERTAS MAISseletivo ENTENDE DEingressar MERCADO processo para em DE umTRABALHO. dos quatro pela Secretaria de Educação e Paraná Esporte de forma invicta e cursos. A campanha publicitária será a mesma do com 100% de aproveitamento, as meninas do Futsal do Colégio Opet Opet por 1 Dia ganharam também a fase Macrorregional dos JEPS. A competição primeiro semestre, ou seja, “Programa Opetwork A instituição oferece, nas semanas que antecedem o construir a sua”, com o consultor e professor Raphael foi realizada entre os dias 16 e 21 de junho, em Paranaguá, litoral – Emprego Garantido ou Seis Meses de Salário”. Inscrições. As inscrições para os vestibulares e 39 vestibular, o evento Opet por 1 Dia. No encontro, Lobo. Os participantes recebem um Kit Opet e a equipe atletas: Amanda para o eventoOpet Opetas porseguintes 1 Dia podem ser feitas pelo coordenadores e professores apresentam uma visão 41-3028-2828 podem inscrever-se no vestibular. Informações e inscrições: e www.gratuitamenteparanaense.Integram site www.opet.com.br, pela Central de Atendimento geral de cada curso, áreas de atuação, mercado e Funcionários de instituições conveniadas (e seus Barbosa, Bastos, Fabielly Bruna Mendes, Rarine Betim, Thainá opetwork.com.br. 41-3028-2828 ou nas três sedes das Faculdades Opet. perspectivas profissionais. Para este evento, está dependentes) têm isenção da taxa de inscrição, Guerra, Francyne Machado, Emanuelle Vieira, Jessica Lima, Ritchelle programada também a palestra “Carreira, como independentemente de participarem do evento. Bandeira, Kymberlim Gonçalves, Larissa Cruz e Amanda Rossa.

Conselho Empresarial COLECIONE

Formando profissionais sintonizados com o mercado de trabalho

o perfil do profissional que se forma com as exigências do mercado empregador. “Dependendo da avaliação, a O conteúdo desta página é de modificar a matriz curricular ou de empresas das áreas de informática, comunicação, gestão, instituição pode até mesmo responsabilidade da Assessoria Sem hífen além de hospitalidade e bem-estar. Foi mais um encontro de redirecionar o método de ensino para enriquecer ainda mais o de Comunicação Corporativa do SEGUNDA PALAVRA COM R, S OU H o professor Sardo. trabalho do programa “Conselho Empresarial”, realizado currículo do aluno”, disse Grupo Educacional Opet. Jornalista noite de 28 Campus Rebouças, e contou Sem hífen quando a segunda palavra começa com consoante na diferente deder, outubro, s ou h.noExemplo: agrotóxico, anteprojeto, de Dados Banco HSBC, ainda com a participação de coordenadores de cursos da Pós- Para o gerente de Governança responsável – HeididoMotomura (DRT anticárie, anticristão, antidemocrático, antidrogas, arquidiciose, autodefesa, biodiversidade, contragolpe, contramão, Manoel Francisco Dutra Lopes Jr., a troca de informações é -Graduação Opet. 2651-PR) – imprensa@opet.com.br contrapartida, extraconjugal, extracurricular, extrajudicial, extralegal, extramatrimonial, hidromassagem, hipertensão, bastante importante, especialmente na área de informática, De acordo com os professores ultrademocrático Francisco Sardo e Luiz Alberto cuja tecnologia se renova a cada instante. “Com isso, as homofobia, minimundo, neonaturalismo, retroprojetor, semicírculo, semitransparente, Vivan, respectivamente Diretor-Geral das Faculdades Opet e empresas têm condições de dar suporte à instituição, para que Professores e coordenadores de cursos de graduação

Na Ponta da Língua – 14 / Guia de reforma ortográfi cacom executivos tecnológica das Faculdades Opet reuniram-se


40


É NOTÍCIA

Um em cada cinco estudantes está atrasado na escola Um em cada cinco estudantes brasileiros do ensino fundamental está atrasado na escola. No ensino médio, pelo menos três em cada dez alunos também estão nessa situação. É o que mostram os dados do Censo Escolar 2010 sobre as taxas de distorção idade-série. O indicador mede a proporção de alunos que não está matriculada na série indicada à faixa etária. Pela legislação que organiza a oferta de ensino no país, a criança deve ingressar aos 6 anos no 1.° ano do ensino fundamental e concluir a etapa aos 14. Na faixa etária dos 15 aos 17 anos, o jovem deve estar matriculado no ensino médio. De 2008 a 2010, o percentual de alunos fora da série adequada para a idade registrou leve alta. Em 2008, a taxa era 22,1% no ensino fundamental, passou para 23,3% em 2009 e para

23,6% em 2010. No ensino médio, o percentual era de 33,7% em 2008, foi para 34,4% em 2009 e chegou a 34,5% no ano passado. Para a secretária de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), Maria do Pilar Lacerda, essa estagnação é resultado do arrefecimento da política de progressão continuada. Muitas redes de ensino que tinham como orientação a não reprovação dos alunos nos primeiros anos do ensino fundamental 41 mudaram essas diretrizes. “Isso provocou uma manutenção da reprovação, quando ela é grande causa a distorção idade-série. Hoje já se pensa em políticas de correção de fluxo e de aprendizagem sem usar a reprovação, como o reforço escolar”, explica. 


AULA EXTRA

Uma tarefa de conscientização ambiental Rafael Adamowski Contato: redacao@nota10.com.br Esta coluna tem o objetivo de oferecer opções aos professores para realizar atividades complementares com os alunos fora da sala de aula. Desta vez, a coluna Aula Extra visitou a Universidade Livre do Meio Ambiente (Unilivre). Leia e veja que você tem motivos de sobra para marcar uma visita!

Muitos curitibanos não conhecem a Universidade Livre do Meio Ambiente (Unilivre), ou apenas ouviram falar de sua existência. Há quem imagine o local apenas como mais um parque, uma alternativa de lazer. Mas a Unilivre representa muito mais do que o contato com a ecologia. Em um dia ensolarado e frio do inverno curitibano me desloquei até lá e tive a oportunidade de conhecer um belo lugar, aliado a uma estrutura que remete ao aprendizado. Ao sair, já tinha a sensação de que aprendi algo novo. Inaugurada em 1992, com a presença do oceanógrafo francês Jacques Cousteau, a Unilivre está instalada no Bosque Zaninelli, que recebeu este nome por estar localizado em uma antiga pedreira, explorada pela família Zaninelli até a década de 40. Fui recepcionado e guiado nesta visita pelo supervisor pedagógico da instituição, Raphael Frederico Neto. Logo no início de nossa conversa, ele me disse: “Não

42

adianta só a teoria sobre meio ambiente, tem que ter ação, por isso realizamos o trabalho de visita monitorada,” afirma. O pedagogo me explicou que as visitas podem ser feitas a partir da educação infantil, passando por estudantes do ensino fundamental, médio e ensino superior.  (continua na próxima página)


AULA EXTRA Rafael Adamowski Contato: redacao@nota10.com.br

Hora de aprender mais Você deve estar se perguntando: afinal, por que devo levar meus alunos à Unilivre? Meu caro professor, o meio ambiente é coisa séria, e a criançada adora matar as curiosidades, descobrir coisas novas, e ao mesmo tempo são alimentadas com a conscientização que as futuras gerações precisam ter. Raphael me informou que os enfoques da Unilivre são o natural, o arquitetônico e o institucional. “Não tem como ensinar o meio ambiente, se a criança não tiver um contato”. Eu concordo. Com

meus vinte e poucos anos eu também aprendi mais com este contato. Vamos ao passeio. O percurso começa nos arcos, que apresentam uma sequência de cores, que não é apenas para deixar colorido e bonito para chamar a atenção. As cores representam o que é a visita ao local. A cor preta, na entrada, é a poluição, o urbano do cotidiano, o verde é como um filtro ambiental e o amarelo, que remete à riqueza. Pensamos pouco nisso: “daqui um tempo, vai custar muito caro ter um pedacinho de chão para pisar”, diz Raphael. É uma tendência, que você, professor, pode ajudar a mudar, se levar em conta que seu aluno é o futuro da nação e do mundo. Em seguida, entramos na passarela de madeira, 43 suspensa sobre um riacho. Nas laterais, observamos manchas pretas no solo, que são matérias orgânicas. São os primeiros contatos com o habitat natural de algumas espécies que por ali vivem. Também é possível sentir um frio a mais, algo natural no ambiente arborizado. Raphael me disse que em média a temperatura na trilha é de 5° a menos em relação à atmosfera da cidade. Encantamento e conhecimento Como é legal passear e aprender ao mesmo tempo. No fim da passarela chegamos ao lago.  (continua na próxima página)


AULA EXTRA Rafael Adamowski Contato: redacao@nota10.com.br

Ali, eventualmente, podem ser vistos alguns animais típicos do ambiente, como preás, biguás, serelepes, garças pequenas, saracuras e sapos. Alguns outros foram ali inseridos, como cisnes, carpas e tartarugas-tigre da água. Neste trecho, há réplicas de palcos gregos, que na Grécia Antiga eram utilizados por filósofos. Nestas réplicas são realizadas atividades culturais. Partimos então para a estrutura espiral da Unilivre. Ao subirmos, temos contato com as salas onde são realizadas atividades complementares, como palestras, exibição de vídeos educativos e realização de dinâmicas que envolvem elementos da natureza. Estas atividades fazem parte da visita orientada. O projeto arquitetônico, construído por meio de materiais rústicos, repete em seu formato e nas cores a representação dos quatro elementos da natureza: terra, fogo, água e ar. Quando chegamos ao topo, compreendi bem o propósito da Unilivre, que é a representatividade do meio ambiente inserida na estrutura da cidade de Curitiba. No mirante, de um lado vi os edifícios e casas que constituem a cidade, e de outro, um paredão de rocha, proveniente da antiga pedreira, e abaixo o lago. Ah, o lago. Em princípio eu não percebi, mas o pedagogo me falou e purificou minha percepção. “Acidentalmente, o lago ficou no formato do estado do Paraná”, me disse. Sim, é impressionante como o seu contorno lembra nosso estado. Vale a pena agendar a visita orientada. Os profissionais da Unilivre têm grande experiência e amplo conhecimento e vão ensinar muito a seus alunos e a você também. 

44

Serviço As visitas podem ser agendadas entre segunda e sexta-feira, das 9 horas ao meio-dia, e das 14h às 17 horas, horário correspondente ao funcionamento da Unilivre. O contato deve ser feito pelo telefone (41) 3254-5548, ou e-mail unilivre@unilivre.org.br. A Unilivre fica na Rua Victor Benato, 210, Pilarzinho.

Os interessados em sugerir uma pauta devem entrar em contato com a Redação, pelo telefone (41) 3209-6251.


ENTREVISTA

Sempre há uma luz no fim do túnel A ditadura salazarista em Portugal teve fim em 1974. Os anos seguintes representariam um tempo árduo para os portugueses. A EBI Aves/São Tomé de Negrelos, popularmente conhecida como Escola da Ponte, na Vila das Aves, próxima à cidade do Porto em Portugal, era uma instituição marcada pela violência e pela exclusão. Em 1976, um professor de nome José Francisco Pacheco, voltou a ter amor pela profissão quando estava para desistir, ao iniciar o projeto que dá o direito da criança aprender ao seu modo. Pacheco acredita que a escola não muda a sociedade, mas sim com a sociedade. A Escola da Ponte funciona com um projeto educativo inovador, baseado na autonomia dos estudantes. Quem a dirige são os pais, a comunidade. Confira a entrevista com o educador e conheça as estratégias de uma educação revolucionária.

Nota 10 – Professor, como surgiu a ideia adotada na Escola da Ponte? José Pacheco – É uma escola como outra qualquer. Havia grandes índices de violência, violência extrema, professores que iam parar no hospital. Alunos não sabiam ler e escrever. Eu estava quase desistindo da profissão. 45 Minha origem é de favela e quando decidi ser professor decidi que nenhum dos meus alunos passaria pelas dificuldades que eu passei. Ou você vai para educação por amor, ou vai por vingança. Eu fui por vingança. Nota 10 – Depois da estratégia em mente, quais foram os primeiros passos? José Pacheco – Eu encontrei na Escola da Ponte outros dois professores. Não sou nada sozinho, faço parte de uma equipe. Tivemos consciência de que não podíamos seguir o caminho errado. 


ENTREVISTA

Começamos a organizar aulas em grandes espaços, com muitos alunos e uma equipe de professores. A família não é a parceira da escola, é a escola que é a parceira da família. A escola não é um edifício, é uma fraternidade. Hoje a Escola da Ponte é considerada a melhor de Portugal. Nota 10 – Naquela época Portugal acabava de sair de uma ditadura. Como era a realidade naquele momento? José Pacheco – A degradação era total.

A cidade tinha metade da população migrada, porque não havia emprego. Havia prostituição, drogas. Nem banheiro a Escola da Ponte tinha. Partimos da degradação total. Nota 10 – Como funciona o método utilizado na Escola da Ponte? José Pacheco – Não é um método, são valores e princípios, uma ética profissional na educação. O epicentro é a relação. Todo ser humano é imprevisível. Somos capazes de gerir a previsibilidade. Devemos escutar as crianças, os jovens e a nós mesmos. A partir do desejo, do questionamento, ensinamos os alunos a pesquisar, construir materiais. Este é o trabalho do professor. Nota 10 – Está na hora do mundo rever os conceitos na área de educação? José Pacheco – O modelo pedagógico faliu há mais de 100 anos, mas ainda é praticado. O modelo não funciona. Nas aulas erramos ao manipular o aluno. É errada a ideia de que todos aprendem a mesma coisa ao mesmo tempo. O professor não pode dar aula sozinho. As escolas são dirigidas de um modo burocrático, e burocracia não rima com pedagogia.

Nota 10 – É possível analisar em quanto tempo a forma de educar será diferente no Brasil e no mundo? José Pacheco – Em meados deste século tudo estará mudado. No Brasil muita coisa está mudando. O Brasil é uma grande potência na educação. Os políticos dizem que o futuro do Brasil é a educação, mas não é isso que eles propõem exatamente. A escola é consumida de outro modo. Precisamos abrir o espaço para a sociedade. Nota 10 – Como as instituições, os professores e a sociedade podem fazer para mudar a realidade na educação? José Pacheco – Nós não podemos generalizar, mas os professores percebem o que podem fazer. Quando o burocrata diz que é preciso questionar a lei, é preciso se perguntar o porquê de não poder fazer algo, ver o que é o correto, e fundamentar aquilo que se tem a fazer. Os professores sabem que precisam fazer, mas não sabem como. 

46


EDUCAÇÃO SOCIAL

Helio Marques Editor do Nota 10 Contatos: helio@nota10.com.br (41) 3209-6251

Bienal de Curitiba procura voluntários A 6.ª edição da VentoSul – Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba – está atrás de voluntários. O evento, realizado pelo Instituto Paranaense de Arte, está selecionando qualquer pessoa com interesse na área de artes visuais. A preferência é que tenha domínio em inglês ou espanhol. As vagas são para dar assistência aos artistas que estarão em Curitiba participando da Bienal, cujas inscrições estarão abertas até setembro. Os voluntários receberão um certificado de participação. Para se cadastrar é preciso acessar o site www. bienaldecuritiba.com.br e clicar em “Participe” – Seja um voluntário. A 6ª. Bienal de Curitiba será realizada de 18 de setembro a 20 de novembro.

Movimento dos livros O sucesso da Festa Literária de Paraty (Flip), que reuniu milhares de pessoas no início deste mês, encontra respaldo em pesquisas para mostrar tanto interesse por literatura. O Ibope Inteligência, por meio da ferramenta de dimensionamento de mercado Pyxis Consumo, mostra que a demanda por livros é alta no país. De acordo com a pesquisa, este ano o brasileiro gastará R$ 7,18 bilhões para comprar livros e publicações impressas.

Potencial de consumo por região Potencial de Região Consumo (R$ bilhões) Norte 0,33 Nordeste 1,03 Sudeste 4,16 Sul 1,10 Centro-Oeste 0,56 Total 7,18

% Potencial de Consumo 4,6 14,4 57,9 15,28 7,86 100

Fonte: PYXIS Consumo – Versão 2011 - IBOPE Inteligência

Consumo de Capita R$/hab por ano 27,43 26,34 55,08 46,70 44,33 44,08

47


EDUCAÇÃO SOCIAL

Haddad pode virar prefeito

Helio Marques Editor do Nota 10 Contatos: helio@nota10.com.br (41) 3209-6251

O jornal O Estado de São Paulo noticia que o ministro da Educação, Fernando Haddad, admitiu em entrevista, sexta-feira passada, que seu nome, com sua autorização, “está efetivamente sendo discutido” no PT como um dos possíveis candidatos do partido à prefeitura de São Paulo, nas eleições municipais do ano que vem.A reportagem diz também que Haddad destacou que tem “apreço por esse movimento”. E justificou: “(O movimento em favor do nome dele para a disputa da Prefeitura) é em função de uma realização pessoal, por ter feito um trabalho no MEC que ganhou alguma visibilidade”.

Meditação para professores

O deputado federal Alex Canziani (PTB) quer promover um curso de meditação transcendental para os professores das redes estadual e municipais. Para ele, a meditação pode ajudar muito no desempenho dos alunos em sala de aula, e os docentes poderiam se tornar multiplicadores deste processo.

Biblioteca de Educação Desde o último dia 4 está disponível para consulta na internet o site Educ@. Fruto de uma parceria entre a Fundação Carlos Chagas e o Scientific Electronic Library Online (SciELO), o Educ@ é voltado exclusivamente para a disseminação de periódicos científicos na área de Educação. Pioneiro na América Latina, o site utiliza a metodologia desenvolvida pelo SciELO, em que os periódicos são analisados, classificados e catalogados por um comitê científico qualificado da área de Educação, de forma 48 a permitir o uso direto dos interessados – cidadãos em geral, sociedade acadêmica e profissionais ligados à área – , que podem fazer download gratuito de publicações na íntegra ou de artigos específicos. A pesquisa pode ser feita em três idiomas: português, inglês e espanhol. Há, ainda, uma ferramenta de tradução para facilitar a compreensão do texto. O Educ@ pode ser acessado pelo endereço http://educa.fcc.org.br . Copie e cole no seu navegador.

Para sugerir notas para esta coluna envie um e-mail para helio@nota10.com.br


ANUNCIE AQUI Para anunciar no Nota 10 entre em contato pelo telefone (41) 3209-6251.

Indique o Nota 10 aos amigos Se você gostou do Nota 10 digital indique aos amigos. Peça para que entrem no site www.nota10.com.br e façam o cadastro. É gratuito. A próxima edição será enviada no dia 1°. de agosto.

A próxima edição circulará no dia 1°. de agosto. As reservas de espaço podem ser feitas até o dia 28/7.

50


Jornal Nota 10 - Julho