Page 1

MeuSUL O que comer e o que vestir no verão 2010

Cinema: conheça os próximos lançamentos

Carros compactos são destaque no mercado nacional

www.meusul.com.br

O QUE ACONTECERÁ COM O

PLANETA?

Nações não chegam a um acordo e a Terra continua correndo risco

Distribuição gratuita - Venda proibida

Ano 2 | Nº 8 | janeiro 2010


EDITORIAL

MeuSUL REVISTA

(48) 3658.0091 | 3658.0092

O novo ano chega. E não é querer ser negativo, mas ele poderia iniciar de forma mais positiva. Isto ocorreria se os líderes mundiais entendessem o que nosso planeta diz já há algum tempo. A matéria principal desta edição fala justamente disso. A Conferência das Nações Unidas sobre o Clima, ou COP15, poderia terminar com o compromisso dos governantes em reduzir drasticamente a emissão dos gases que provocam o efeito estufa. Isto acabou não ocorrendo, mas esperamos situar você leitor sobre o assunto. O novo ano poderia ser iniciado também de forma alegre, gratificante, com um carro zero. Apresentamos alguns modelos de compactos que mexem com a cabeça de qualquer pessoa. a dica de saúde deste mês, segue justamente este caminho. Exploramos a atividade física, destacando a escolha do tênis ideal para caminhada ou corrida. E já que falamos em correr, a profissão apresentada este mês vai de encontro aos cuidados físicos: o Personal Trainner.

14

SAÚDE

16

CAPA

24

ESPORTE

Saiba qual o melhor par de tênis para o seu pé.

MODA 06 NUTRIÇÃO 08 FITNESS 10 PROFISSÃO 12 CIDADE 19 CINEMA 20 TURISMO 22

O que da Convenção de Copenhage e não aconteceu?

CARROS 26 POR AÍ 28 SOCIAL 30

Uma boa leitura a todos.

Surf: mais que um esporte, um estilo de vida.

Edição anterior

Ivo Machado Coan Editor-Chefe

EXPEDIENTE • Direção Ivo Machado Coan - ivo@meusul.com.br • Coordenação Geral Maria Helena Gesser de Souza - mariahelena@meusul.com.br • Comercial - Braço do Norte Juliano de Oliveira - juliano@meusul.com. br (Cel. (48) 9957.2265) - Tubarão, Capivari de Baixo e Laguna Josué Arruda Branco - josue@meusul.com.br (Cel. (48) 8461.4826) • Arte e diagramação Suzana Schlickmann - suzana@meusul.com.br • Colaboração Wagner Afonso Floriani da Silva - Marcela Nastri - Larissa Volpato Schlickmann - Wando Ceolin - Yngrid P. Kulkamp - Alvani Machado Coan - Deus • Revista on-line www.meusul.com.br Os textos assinados pelos colaboradores são de suas respectivas responsabilidades.

Publicação: Ivo Coan Com. e Marketing CNPJ: 10.912.105/0001-70 Endereço: Rua Osvaldo Westphal, 112 Centro . Braço do Norte . SC Contato: www.ivocoan.com.br


MODA

por Larissa Volpato Schlickmann

COM A CARA DA

ESTAÇÃO

Toda estação tem uma cara. E, normalmente, ela é dada por alguma peça de moda que marca a época em que ela reinou absoluta nas ruas das cidades. O verão passado, por exemplo, foi caracterizado pela calça sarouel, lembram? E este verão, que cara tem?

São tantas as ofertas da moda que hoje em dia é difícil definir “o look” da estação, por isso, ai vai uma listinha do que não pode faltar no armário desta estação. * Shortinho, bermuda ou minissaia jeans: inacreditável, mas lá vem ele de novo. Quantas vezes o jeans não foi a estrela máxima de alguma estação? Pois cá está ele mais uma vez, desta vez para um uso bem urbano e renovado por uma modelagem pequena e curta (curtíssima) para a saia e o short, e um pouco mais folgada para a bermuda. * Vestidinhos curtos cortados na cintura e saia ligeiramente balonê de algodão liso ou estampado. Use de dia com sapatilha ou sandália baixa e a noite com sandálias pesadas para balançar o look. * Vestidos curtos de tecidos preciosos como rendas, metalizados, sedas, com algum detalhe como decote assimétrico, drapeado, penas ou plumas. Use à noite com sandálias muito altas e pesadas ou escarpim de meia pata e bico achatado. Podem ser coloridos, neutros, nude que veio com tudo ou branco de todo verão, e também o útil e sempre a postos pretinho. * Vestidos bandagem: criados nos anos 1980 por Herve Leger, este modelo foi febre no verão do Hemisfério Norte, e são curtos na maioria dos casos. Para o dia ou para a noite, o vestido feito de tiras elásticas é exigente: pede corpinho tudo-em-cima, porque marca tudo, e saltos altos para acompanhar. Se você for alta pode tentar com sapatilhas, também fica uma graça. * As calças, sejam elas baggy, justas ou boyfriend devem ser curtas; acima da canela. Não é muita coisa, mas o verão, que veio quentíssimo esse ano, pede pouca roupa e muito bom senso. Não esqueça do filtro solar, coma coisas leves, e esteja sempre linda para curtir o verão por inteiro. Aproveitando a primeira edição do ano, e que o inverno na Europa está no auge, preparei uma listinha do que tem circulado pelas ruas de lá. Como o inverno no Brasil tem sempre bastante influência do que elas usaram na estação anterior, acho sempre útil ficar de olho nas vitrines européias e nos sites de streatstyle. Quer saber o que francesas e italianas estão usando nas ruas? Pois aqui vai: - Calças justérrimas, quase uma legging; - Saias, muitas saias! Justas acima do joelho ou então bem curtas. Podem também ser de pregas ou godê, sendo estas duas últimas ainda mais curtas e de tecidos esvoaçantes; - Sapatos de saltos muito altos, bicos um pouco arredondados e plataformas embutidas. A versão mais comum é nas botas de cano bem curto; - Sapatos femininos tipo oxford, de amarrar, coloridos ou mais sóbrios, feitos de couro (falso) de jacaré, couro comum e ainda verniz; - Repetindo o inverno anterior, jaquetas curtas para usar com as calças justas e as saias curtas ou blazers ajustadinhos com ombros pontudos; - Meias pretas, eu adoro, mas já ficou repetitivo; - Sandálias altíssimas e enfeitadas de lantejoulas e strass para a noite; - Os incansáveis paetês; - Onça, onça, onça. Nenhuma virada interessante ou nova. Agora é esperar para conferir as semanas de moda nacionais e ver se o que tem se visto nas ruas lá fora se confirma nas nossas passarelas. Mas, pelo que vimos, não espere muitas mudanças. A cara contemporânea vai ser dada, mais uma vez, pela mistura pessoal que cada uma vai criar para o seu visual. Arrase no estilão!

06

Revista MeuSUL - janeiro/10


NUTRIÇÃO

por Dra. Marcela Nastri

O que você consume no verão? A adoção de padrões alimentares inadequados pode predispor os indivíduos a diversos perigos. Por isso, é bom ficar atentos ao que se consume no verão.

Na alimentação, o primeiro cuidado à ser tomado é o de se alimentar em pequenas quantidades várias vezes ao dia. O café da manhã é uma das principais refeições do dia e não deve ser negligenciado. O almoço e o jantar devem constar de refeições leves, que são de digestão mais fácil e garantem uma maior disposição, evitando o consumo de alimentos gordurosos e massas com molhos pesados. Durante a manhã e também durante a tarde recomenda-se a ingestão de frutas e sucos naturais, mantendo assim um aporte mais ou menos contínuo de nutrientes ao nosso organismo. Outra questão fundamental é o cuidado com o preparo e a conservação dos alimentos, principalmente os vegetais e as carnes. É importante que sejam mantidos

refrigerados e bem acondicionados em recipientes próprios já que as altas temperaturas podem acelerar sua degradação, além de favorecer a proliferação de bactérias e fungos. No preparo, devemos estar atentos à lavagem adequada de frutas, legumes e verduras, que deve ser feita de maneira rigorosa e com água tratada ou então fervida. Isso adquire importância maior ao consumirmos alimentos em bares e quiosques à beira da praia, locais onde muitas vezes esses cuidados são deixados de lado. A falta de cuidados com a higiene dos alimentos para consumo ou em sua conservação pode levar a quadros de verminoses e intoxicação alimentar, que podem manifestarse apenas como diarréia de variados graus, ou como quadros mais graves que necessi-

tam até de internação hospitalar. A proximidade do verão leva muitas pessoas a aderirem dietas milagrosas, que prometem resultados quase imediatos. Na verdade, esses regimes não fornecem quantidades adequadas de calorias, vitaminas e sais minerais, o que faz com que as pessoas já cheguem ao verão alimentando-se de maneira errada. A reeducação alimentar, orientada e planejada pelo profissional nutricionista, permite que a pessoa alimente-se bem durante todo o ano. Crianças são especialmente vulneráveis a desidratação e, por isso, os pais devem estar atentos à ingestão de líquidos adequada de seus filhos, principalmente quando expostos excessivamente ao sol.

Dicas para aproveitar bem esta estação

Nutricionista Marcela O. Nastri CRN2 7102 Clinimed: Rua Bernardo Locks, 46 Braço do Norte - Tel.: 3658-2117 Hospital Santa Teresinha. Tel.: 3658-8128

08

• Recomenda-se a ingestão de no mínimo dois litros de líquido por dia, repondo assim os sais perdidos com a transpiração. Tente evitar sucos industrializados, pois eles contêm grande quantidade de açúcar e conservantes.

• Evite alimentos ricos em gorduras, como manteiga, creme de leite, margarina, bacon, óleo vegetal. Além disso, evite o consumo de petiscos como o amendoim, salgadinhos industrializados, condimentados e batatas fritas.

• Saladas cruas são excelentes opções para a obtenção de energia de forma leve e saudável, além de vitaminas e minerais. Devem ser temperadas com azeite, vinagre e limão. Em restaurantes e bares verifique se a mesma encontra-se resfriada e conservada na geladeira. A comercialização de maionese caseira é proibida, pois contém ovos crus, foco de contaminação de bactérias.

• Recomenda-se a ingestão de frutas cítricas (acerola, kiwi, laranja, limão, maracujá e morango) e vegetais verde-escuros (agrião, brócolis, couve, espinafre, rúcula).

• Quanto às carnes, dê preferência àquelas grelhadas ou assadas, pois elas fornecem menos gorduras e, consequentemente, menos calorias.

• Respeite aquela vontade irresistível de tomar sorvete, mas escolha os sorvetes à base de frutas ou frozen iogurte, sem coberturas, caldas e outras delícias.

• Os alimentos que são ricos em carboidratos complexos, como os cereais integrais, frutas, verduras, arroz, feijão e batata, são uma ótima fonte de energia e ajudam a regular a quantidade de açúcar no sangue.

• Lembre-se que sua saúde é o mais importante, por isso não a sacrifique aderindo a dietas milagrosas que colocam em risco o seu bem estar. Invista na reeducação alimentar.

• O betacaroteno, presente na cenoura, na laranja e no mamão, por exemplo, ajuda na obtenção e manutenção de um bronzeado mais intenso.

Revista MeuSUL - janeiro/10


FITNESS

por Fernando Volpato

Exercite-se com cuidado Quem nunca se deparou com alguém praticando alguma atividade física com agasalho em plenos 30 graus? Pessoas aconselhando caminhadas e exercícios abdominais com uma sacola plástica presa ao tronco, achando que dessa forma “perderão” a barriguinha, ou mesmo uma pessoa obesa correndo sem nenhum controle e pouca segurança? Todos nós já vimos algumas dessas situações, se é que não éra-

Braço do Norte - (48) 3658.6684 As atividades físicas no verão devem ser praticadas com cautela. Muitas pessoas passam mal por levar o exercício físico ao extremo ou realizar certas estripulias. O fato de o clima promover mais disposição não é motivo para exagerar.

mos os próprios executantes. Exercícios físicos devem ser supervisionados por profissionais, caso contrário você pode estar prejudicando a sua saúde. Hipertensos, diabéticos e cardiopatas precisam ter mais atenção na hora de fazer exercícios físicos, mas, em contrapartida, os indivíduos que estão acima do peso tomam medidas perigosas na tentativa de reduzir o percentual de gordura corporal, porém na maior parte dos casos o efeito desejado não é alcançado. É de primordial importância levar em conta certas precauções em relação ao verão/sol e a atividade física: • Exame Médico - Consultar um cardiologista e um ortopedista, para examinar a função do coração e assegurar a integridade óssea e articular, respectivamente, a fim de evitar eventos indesejáveis; • Avaliação Física Procurar um educador físico para orientar e prescrever as atividades físicas – ele montará um programa de atividades respeitando as individualidades biológicas e estará pronto a modificá-la sempre que houver necessidade; • Melhores Horários - Exercitar-se nas primeiras horas da manhã ou no fim da tarde, quando o sol está mais fraco; • Cuidados com a Pele - Passar protetor solar nas partes do corpo que estarão

10

mais expostas, principalmente no rosto – já está mais que comprovado que a exposição prolongada aos raios solares pode provocar até câncer de pele; • Roupas Adequadas - Utilizar roupas leves e confortáveis – confere maior amplitude e suavidade ao movimento; • Hidratação - não espere ficar com sede para tomar água ou isotônico, a sede já é sinal de desidratação, então ande com uma garrafinha e ingira o líquido periodicamente; • Ambientes para a prática - Procurar lugares com boa ventilação – locais fechados, tais como salas, além das janelas devem ter ventiladores para garantir a circulação do ar ou ar condicionado para reduzir a temperatura, assim, evitando o abafamento. Cada um dos itens relacionados acima é de extrema importância, pois, caso seja descartado pode trazer algum prejuízo ao praticante. Dica: É comum na virada do ano, que as pessoas façam diversas promessas para começar com o pé direito. Dentre tantas promessas está a de perder alguns quilinhos e entrar em forma. Se este é o seu caso saiba que você está no caminho certo, pois está consciente da necessidade e tem vontade para tal, porém faça atividade física orientada. Exercitar-se por conta própria pode acarretar diversos problemas na sua saúde. Ótimo treino!

Revista MeuSUL - janeiro/10


PROFISSÃO

MEU PERSONAL TRAINER

Trabalhar a estética e a saúde nem sempre é tarefa fácil neste mundo cada vez mais agitado, no qual as pessoas tem menos tempo para cuidar de si. Por este motivo, surgiu esta profissão que acompanha as pessoas, geralmente a qualquer hora do dia.

12

A vida agitada contribuiu para o surgimento do Personal Trainer, profissão ligada à função do professor de Educação Física, geralmente graduado e especializado em uma área específica. Sem tempo para ir à academia, ‘celebridades’ contratavam este tipo de serviço, para auxiliar na manutenção da boa forma e estética corporal, mas em horário e local não definidos. Desde os anos 90, quando surgiu, o Personal Trainer ganha espaço por trabalhar o condicionamento físico. A diferença do professor que atua com grupos nas escolas, é a de utilizar seus conhecimentos individualmente, isso de acordo com o objetivo e as características de cada pessoa. Geralmente a procura por este profissional se dá por pessoas que querem maior força e resistência e pretendem usar a natação, caminhadas, corridas ou mesmo o ciclismo para chegar ao seu objetivo. Neste quesito a idade não importa. De jovens a idosos todos se enquadram. Mas, não é somente decidir por um exercício e fazê-lo. Antes de qualquer atividade, seja em academia ou ao ar livre - onde são encontrados -, o ‘treinador pessoal’ indica alguns testes e exames físicos necessários. Depois disso é que realmente o trabalho é mais exigido. Ele precisa analisar uma série de variáveis, para após prescrever o tipo de atividade, direcionada de forma a ajudar o aluno a alcançar o objetivo desejado. Aqui não falamos somente de questões físicas. Muitas vezes, o Personal Trainer atua como psicólogo – conversando e motivando -, fisioterapeuta, ou em questões de alimentação. Neste caso o acompanhamento de um nutricionista é fundamental, mas sempre são dadas dicas para uma boa alimentação. Mais recente, o profissional desenvolveu outra característica: trabalhar com grupos de pessoas que tenham os mesmos interesses. Em todos os casos ele faz um acompanhamento diário do desenvolvimento do indivíduo, como a reação do organismo, a variação de peso, resistência, massa muscular. “Não quer dizer que é um objeto de luxo, mas sim, uma forma de melhorar através do exercício, as condições de saúde, sinônimo de qualidade de vida”, defende o professor Mario Henrique Leite Souza. Revista MeuSUL - janeiro/10


SAÚDE

Com que tênis eu vou? Apesar de muitas pessoas praticarem caminhadas e corridas, pouquíssimas se preocupam com um fator que mais adiante pode influenciar, e muito, na saúde: escolher um tênis adequado. Veja agora algumas dicas e sugestões. A busca por deixar o sedentarismo de lado e para obter a melhor forma física é cada vez maior entre jovens, adultos e idosos. Eles lotam as ruas, parques, clubes e academias, para praticar Running, uma das definições para caminhadas ou corridas. Além de serem atividades fáceis e prazerosas, são duas opções baratas e que fazem bem a saúde e não possuem praticamente nenhuma contra-indicação. Estes exercícios melhoram a condição cardiorrespiratória, ajudam na perda ou manutenção do peso corporal, além de fortalecerem vários grupos musculares. Porém, como estes exercícios exigem muito dos ossos, em função do forte impacto, e para que esta prática não traga problemas futuros, uma boa dica é a escolha do tipo de tênis. Além de prevenir lesões, facilita a execução da atividade e oferece também, mais firmeza, protegendo os pés, articulações e a coluna, através do amortecimento do impacto da atividade. Se a idéia é iniciar hoje, a dica é escolher um calçado confortável que ofereça estabilidade, amortecimento, flexibilidade, maciez, ventilação e durabilidade. Ele deve ser adequado a atividade que você pratica e a forma de pisada que você possui. Para melhor conhecer o seu corpo, o ideal é fazer um exame chamado ‘Teste do Pedígrafo’, que avalia as características físicas, biológicas e, principalmente, o formato do seu pé e a forma como você pisa no chão. Um médico ortopedista poderá ajudar nesta questão. As grifes esportivas investem cada dia mais em tecnologia e conforto e, com isso, possuem uma variedade de modelos e opções de preços que cabem no bolso de qualquer pessoa. Mas é bom ficar atento. Experimente cada modelo, caminhe na loja e avalie bem a sua futura aquisição. Em primeiro lugar é preciso entender que os tênis são agrupados em cinco categorias: estabilidade (stability), controle de movimento

14

(motion control), amortecimento (cushion), perfomenace (performance ou lightweight) e trilha (trail). Estes critérios são seguidos por grande parte da indústria. Os tênis da Adidas, por exemplo, vem com a categoria escrita na palmilha (cushion, performance, etc). Há ainda os tênis de competição (racing) que só devem ser usados quando estiver competindo. Abaixo segue as descrições de cada categoria: . Controle de movimento (motion-control): São os mais rígidos e orientados para controlar a pronação excessiva. Geralmente são mais pesados, mas muito duráveis, e têm solado plano para oferecer maior estabilidade e suporte. Pessoas com pé chato geralmente se dão melhor com este tipo de tênis. . Estabilidade (stability): Esta categoria geralmente tem um solado semi-curvo e oferece uma boa combinação de amortecimento, suporte e durabilidade. . Amortecimento (cushion): Esta categoria geralmente tem a sola mais macia, maior amortecimento e menor suporte. Usualmente são construídos com solado curvo ou semi-curvo para estimular o movimento do pé. . Performance (performance ou lightweight): Construídos com solado curvo ou semi-curvo, este tipo de tênis é leve e geralmente utilizado para competições ou treinos em ritmo rápido. Alguns são razoavelmente estáveis, outros não. Você deve ter um tênis deste tipo se for correr em ritmo rápido e eficiente. . Trilha (trail): São desenvolvidos para utilização em trilhas e terrenos acidentados ou enlameados. Têm maior tração, são estáveis e duráveis. Você não precisará deste tipo de tênis para correr em estrada de terra plana, sem buracos ou lama. Agora é por o pé na estrada, com seu tênis ideal, e praticar sua atividade com saúde. Revista MeuSUL - janeiro/10


CAPA

A administração de Obama não foi tão ambiciosa sobre a mudança climática como era sobre cuidados de saúde. Após a falha continuada de ratificar o Protocolo de Quioto e o quase colapso da economia global neste ano, ninguém esperava muito dos Estados Unidos nesta convenção.

No mapa acima, os cinco países listados como os maiores emissores de CO² do mundo.

DECEPÇÃO SO Desde 1919 as nações buscam promover a cooperação para chegar a paz e a segurança. Algumas ações, como a Conferência de Bretton Wood, em 1944, tiveram resultados importantes, como a criação do Fundo Monetário Internacional e do Banco Mundial. Um ano depois foi criada a Organização das Nações Unidas. Agora com a terra clamando por socorro, os países entraram em nova discussão, mas aonde querem chegar? O que deveria ser uma nova luz mundial para desacelerar a destruição do planeta virou uma decepção, um fato lamentável. Líderes de 192 países se uniram na 15º Conferência das Nações Unidas sobre o Clima, ou COP15, em Copenhagen, na Dinamarca, e poderiam dar novo sentido a palavras como crescimento populacional, aquecimento global e desenvolvimento sustentável, por exemplo, mas na verdade, na reunião, nenhum compromisso

16

real foi assumido pelas grandes potências. A cúpula esteve reunida durante duas semanas, entre os dias 6 e 18 de dezembro, e a expectativa era que países como Brasil, Estados Unidos, China, África do Sul e Índia, revelassem o quanto planejam reduzir suas emissões de gases-estufa. Estudos, discussões, estatísticas foram feitas, mas ao final, quando muitos esperavam que todos os países participantes desenvolvidos, ou em franco

crescimento, assumiriam, desta vez, um compromisso para redução de emissão de gases do efeito estufa, apenas um documento, um acordo, redigido de última hora foi assinado, para dizer que o evento teve algum fruto. A real situação é que ninguém sequer ousou trabalhar um dos temas centrais, justamente o crescimento da população, hoje em torno de seis bilhões de pessoas. Atualmente, para cada ser que nos deixam, outros dois Revista MeuSUL - janeiro/10


Rússia surpreendeu o mundo quando inverteu a sua posição sobre a política do clima no início deste ano, ou seja, aceitou que a atividade humana fosse responsável pela mudança climática. Mas os críticos são rápidos em apontar que o país ainda tem de comprometer-se à estratégia para reduzir suas próprias emissões.

Como o maior emissor mundial de CO², a China não tem para onde ir, a não ser para baixo. Isso quer dizer que, alguns cortes significativos no seu modo de agir significaria uma diferença no mundo.

Índia é a maior democracia do mundo e tem uma das economias de mais rápido crescimento, mas está na mesma linha que a maioria dos outros países em desenvolvimento: enquanto as nações industrializadas intensificam agressivos compromissos de redução de emissões, o país carrega o fardo.

Alguns especialistas acreditam que o Japão tem lições a ensinar ao mundo. Outros vêem o seu sucesso como uma anomalia, provocada por uma economia relativamente fraca e uma falta de recursos internos.

OBRE O CLIMA chegam. Ou seja, a cada dia no mundo, são mais de 200 mil novos habitantes. Além disso, estimativas mostram que em 40 anos, estes números devem superar os nove bilhões. A partir daí, deve haver uma estabilidade. Com este descontrole populacional, mais gente precisará comer, mais áreas serão desmatadas para produzir, mais empresas serão criadas para industrializar, mais caminhões serão utilizados para transportar, mais as pessoas irão consumir e mais lixo será gerado. Como termina este ciclo? Menos água, menos ar puro e menos comida. Isso mesmo, apesar da produção, a terra entrará em seu limite em alguns anos e não conseguirá absorver todo este ataque. Isto já é sentido, pois a oferta é menor que a procura. Não se pode culpar a indústria, pois os Revista MeuSUL - janeiro/10

‘sábios’ que estudaram e discutiram ostensivamente o clima na COP15, não pregaram nenhuma moralidade, diferente do que ocorre hoje. A melhor proposta até agora, pode soar bem no ouvido dos líderes mundiais, mas é repudiada pela maioria da população. Injetar bilhões de dólares em países pobres para que controlem o desmatamento, além de forçar as empresas automotivas a investir na pesquisa de produtos menos- ou não- poluentes, como motores elétricos ou híbridos e peças recicláveis. Estas soluções ambientalmente corretas na produção de energia podem soar muito bem aos ouvidos. Mas, enquanto estes são fiscalizados, o que ocorrerá com os que querem ter a maior fatia econômica do mundo, ou

simplesmente, procuram não ser tão dependentes dos mais desenvolvidos. Também podemos destacar a falta de compromisso desta maioria de pessoas que é contra o acordo já firmado. Por quê? A resposta basicamente está no lixo que produzimos e é recolhido em nossa cidade. Tudo o que é produzido em nossas residências após o uso não é eliminado, segue para algum lugar. Em um mundo cada vez mais consumista, uma das boas ações seria a reutilização de materiais. A reciclagem retardaria a ação destes na natureza. Proposta desagradável A proposta vinda dos líderes de países como EUA e a China, os dois maiores emis-

17


CAPA sores dos gases que acabam com a camada de ozônio provocando o efeito estufa, frustrou milhares de participantes e manifestantes que acompanhavam de perto o evento e outros tantos bilhões pelo mundo a fora. O acordo defendido pelo presidente americano Barack Obama, veio de ‘goela a baixo’ para muitos líderes mundiais. Justamente pelas questões apresentadas anteriormente. No documento sem metas à curto prazo, ficou definido que a temperatura não poderá subir mais que 2ºC até a revisão do acordo em 2016 e os países ricos terão de reduzir de 25 a 40% a emissão de gases até 2020, de acordo com dados informados no Protocolo de Quioto. De acordo com o ‘rascunho’ do plano, os EUA contribuiriam com 3,6 bilhões de dólares entre 2010 e 2012, ao fundo de luta contra o aquecimento global. O Japão seria responsável pela maior parcela, 11 bilhões de dólares ao longo dos próximos três anos e a União Européia (UE) aportará 10,6 bilhões de dólares. Para facilitar o entendimento, analisemos um dado importantíssimo. Um americano de família classe média, ao longo do ano, produz anualmente quase 20 toneladas de gás carbônico. No mesmo período, um morador das montanhas, seja de qual parte do mundo for, que não tenha energia elétrica, acesso a veículos automotores, não consome produtos industrializados, ou seja, viva modestamente do que produz, não chega a lançar 30 quilos do gás. O que se quer é que os paises, ditos desenvolvidos, tomem consciência e contribuam com a redução da emissão, ao invés de criar

18

um fundo bilionário para financiar outros, com menos aporte a lidar com as mudanças no clima. Apesar de repassar a responsabilidade aos menos desenvolvidos, a tendência é que os líderes passem a discutir com mais atenção as questões ambientais e com isso passem a trabalhar com mais ênfase sobre as economias mais limpas. Brasil é elogiado Durante os dias da conferência, um diplomata chamou a atenção. Por mais incrível que parece, este líder que tem apenas a quarta série primária é considerado um grande articulador, principalmente por propor metas voluntariamente, antes mesmo da conferência. O presidente Luiz Inácio ‘Lula’ da Silva, considerado um dos principais protagonistas da reunião de cúpula, encarou a censura sobre os problemas ambientais, como exemplo o desmatamento sem controle, e não poupou críticas ao comportamento dos chefes de estado. Ele discursou antes do presidente americano, mas já prevendo o vexame confessou sua frustração. Em relação às negociações, garantiu que o Brasil está disposto a fazer sacrifícios para financiar os países pobres a se adaptarem aos efeitos da mudança climática. “Vou dizer isso com franqueza e em público, o que não disse ainda em meu próprio país, que sequer disse a minha equipe aqui, que não foi apresentado nem diante de meu Congresso. Se for necessário fazer mais sacrifícios, o Brasil está disposto a colocar dinheiro para ajudar os outros países”, destacou. Contudo, apesar do Brasil ser um dos maiores em extensão, os problemas já são

bem evidentes. Se hoje convivemos com fenômenos climáticos não vistos há cerca de duas décadas, imaginem o que ocorrerá daqui para frente? Mudanças bruscas de temperatura, inexistência de estações, tornados, ciclones, enchentes, desabamentos, tudo isso se tornará mais comum. Com a expectativa de conseguir a aprovação de um objetivo para a redução em 50% das emissões de gases do efeito estufa até 2050 - algo necessário para limitar a elevação da temperatura do planeta a 2°C -, o presidente francês Nicolas Sarkozy apresentou parecer seguindo a linha de Lula. Os únicos membros da conferência que demonstraram satisfação, foi a ala chinesa. O ministro de relações exteriores, Yang Jiechi, avaliou o resultado como sendo de consenso, ‘responsabilidades comuns, mas diferenciadas’, entre todos os países. Apesar de todos os entraves é bom salientar que os países são geridos de formas diferentes, o que é bom para um, pode não ser tão interessante ao outro. O que se tenta é um acordo que agrade a todos, mas isto só será possível no futuro, pois uma das chances, a COP15, acabou em nada. Vale salientar as palavras do ex-vice-presidente americano, Al Gore: “Apesar de avaliar que as metas estão abaixo do esperado, com o processo iniciado, parar é praticamente impossível”. A princípio este é o entendimento da grande maioria que não quer que faltem alimentos na mesa, uma vida cheia de tecnologias, mas que isto seja controlado, tratado de forma mais séria e eficaz. Se cada um tomar consciência de sua responsabilidade com o meio onde vive e fizer a sua parte, evitaremos o colapso.

Revista MeuSUL - janeiro/10


CIDADE - GAROPABA

O Havaí brasileiro Comparada as grandes praias internacionais, Garopaba é procurada por turistas, surfistas e famosos que são atraídos por sua tranquilidade e belas praias. Uma das melhores opções para o verão do litoral sul de Santa Catarina, nasceu pouco depois do descobrimento do Brasil. Em 1525 a “Baia de Garopaba” serviu de abrigo à expedição naval da Cidade de Corunã, que utilizou a praia para fugir de um temporal. Entre as belezas naturais, viviam os índios Carijós, da tribo Guarani. Homens simples e de caráter pacífico que tiravam sua alimentação da caça, pesca e dos produtos naturais da terra, como a farinha de mandioca. O nome Garopaba foi grafado – gahopapaba, ygá, upaba, guarupeba – na carta Turin, em 1523. Enseada de barcos, do descanso ou ainda o lugar abençoado são alguns de seus significados, já que a verdadeira definição está no Gua-

Revista MeuSUL - janeiro/10

rani, a língua local - ygá, ygara, ygarata; significa arco, embarcação, canoa; paba é estância, lugar, enseada. O primeiro povoado surgiu com imigrantes açorianos, em 1666. Eles desembarcaram em Garopaba enviados pelo Império Português. Muitas histórias foram registradas até se tornar definitivamente um município. Dentre as atividades econômicas se destaca o turismo. Não há como não se apaixonar por esta terra tranquila e por suas belezas exuberantes. Prova desta paixão está na alta temporada, na qual o município de pouco mais de 16 mil habitantes, recebe mais de 140 mil veranistas, vindos de toda a América do Sul. Eles aproveitam as praias para recreação, para a pesca, os

mergulhos em meio as rochas, ou para a prática esportiva, como o surf, muito presente na cultura local. Além das belas praias, os visitantes podem conviver com a arquitetura açoriana, encontrada na cidade antiga, como é chamada a região dos primeiros colonizadores. Fora da temporada, a economia passa a ter outro foco, voltado para a construção civil, a pesca artesanal (principalmente, a pesca da tainha e da anchova), os serviços públicos (aqui representados pela própria prefeitura) e a agricultura de subsistência. Evidencia-se, também, a pecuária e o comércio, além de indústrias de confecções, sendo a mais importante a Mormaii, indústria de renome internacional que gera muitos empregos na cidade.

19


CINEMA

LANÇAMENTOS 2010 Em 2010, o cinema promete lançar novos filmes que vão levar milhões de pessoas as salas de cinema do mundo inteiro. As grandes apostas são as continuações de sucessos como Harry Potter, Shrek e As crônicas de Nárnia. Confira aqui alguns destes lançamentos que já causam euforia entre os fãs e admiradores da sétima arte.

Homem de ferro 2 Previsão de lançamento nos cinemas: abril Príncipe da Pérsia Previsão de lançamento nos cinemas: maio As Crônicas de Nárnia: a viagem do peregrino da Alvorada Previsão de lançamento nos cinemas: junho Alice no País das Maravilhas Previsão de lançamento nos cinemas: abril Harry Potter e as Relíquias da Morte Previsão de lançamento nos cinemas: novembro Toy Story 3 Previsão de lançamento nos cinemas: junho Shrek 4 Previsão de lançamento nos cinemas: julho Robocop Previsão de lançamento nos cinemas: setembro Sex and the City 2 Previsão de lançamento nos cinemas: março Alvin e os Esquilos 2 Previsão de lançamento nos cinemas: fevereiro Thor Previsão de lançamento nos cinemas: março 20

Revista MeuSUL - janeiro/10


Rua Senador Nereu Ramos . Centro . Braรงo do Norte . SC

48

3658.4221


TURISMO

Sul ao Extremo Abençoado pelo número de beleza, Santa Catarina é um estado privilegiado que procura, cada dia mais, explorar seu turismo. O calor por si só atrai as pessoas ao mar, de um acesso entre o oeste e o litoral sul, foi criada um dos lugares mais interessantes para visitação. Mas o que dizer de locais sem acesso, que não são serra e nem mar, apenas rochas e paredões de pedras? A resposta é que elas podem também se tornar locais turísticos. A região formada por Balneário Gaivota, Sombrio, Santa Rosa do Sul, Jacinto Machado, Ermo, Turvo e Timbé do Sul, compõe a ‘Rota dos Canyons’ e comprovou que a beleza e a aventura andam juntas e atrai as pessoas à qualquer lugar. Distante, em cerca de 250 quilômetros da capital do estado, os turistas são atraídos pela hospitalidade despertada pelo turismo rural, mas como já dito, a região vai mais longe. A formação geográfica, recheada por

22

As belezas que a natureza criou e os homens aproveitam para curtir no extremo sul catarinense

um grande número de paisagens e formações rochosas, a região possui planícies cultivadas, montanhas e precipícios surpreendentes. Trilhas ecológicas, trekking, rappel, passeios por canyons, aventuras radicais em meio à natureza e muita adrenalina, fazem parte das diversas opções de lazer oferecidas. Destaque para o imponente Canyon Fortaleza. Localizado em Jacinto Machado, ele se estende por 8.200 metros e possui mais de 900 metros de profundidade. Estas características o tornam um dos maiores do Brasil. Apesar de seu difícil acesso, é um dos mais visitados por quem adora aventuras. Mas o esforço é recompensado pela beleza de seu interior. O trekking mais interessante é o da Trilha dos Tropeiros, cujo valor histórico não se retém somente à região, mas faz parte da história do Brasil. Batizado pelos primeiros desbravadores de Caminho dos Conventos,

este caminho partia da foz do Rio Araranguá e terminava em São Paulo. Outras alternativas de lazer e aventura Além dele existem ainda, o Canyon da Pedra, que também exige um bom condicionamento físico do aventureiro. O local é o único a possuir uma bifurcação na região, com caminhos em meio a paredes de pedras num visual deslumbrante. Os municípios integrados a ‘Rota dos Canyons’ também revelam outros atrativos como rurais, naturais, gastronômicos. As piscinas naturais do Rio Pai José são excelentes alternativas para banho durante o verão. Mas, se um dia for pouco para as atividades programadas, aproveite para descansar nas pousadas locais e encarar novos desafios no dia seguinte.

Revista MeuSUL - janeiro/10


ESPORTE

O ESPORTE DOS DEUSES O Brasil é privilegiado para a prática do esporte, pelo calor e pela grande extensão litorânea. O surf ganha adeptos por todo território, como um estilo de vida. Desde sua introdução no Havaí, em 1778 pelo rei polinésio Tahito, até o início do século 20, poucos relatos sobre a prática do surf foram registrados. Mas, a persistência do Duke Paoa Kahanamoku, medalha de ouro na natação das Olimpíadas de 1912, tornou o esporte conhecido. Com o passar dos anos a prática disseminou por todos os continentes. No Brasil as pranchas eram trazidas por turistas até 1938, quando Osmar Gonçalves, João Roberto e Júlio Putz, baseados em medidas e o tipo de madeira a ser usada, fornecidas por uma revista americana, decidiram fazer um teste. A partir

24

deste, outros foram idealizando, aperfeiçoando os projetos. Os adeptos ao esporte, geralmente são pessoas que gostam do contato com a natureza, ou, como dizem alguns, domá-la já que deslizar sobre uma onda, em pé, numa prancha não é tarefa para principiantes. Kelly Slater é o maior ‘domador ‘ de ondas de todos os tempos. Oito vezes campeão mundial - 1992, 1994, 1995, 1996, 1997, 1998, 2005 e 2006 – o estilo único do norte-americano e suas manobras criativas, mudaram o rumo do surf e até hoje exerce uma grande influência na maioria dos surfistas. O Brasil também tem seus ídolos, como o paraibano Fábio Gouveia, os catarinenses Teco e Neco Padaratz, o paranaense Peterson Rosa, os cariocas Guilherme Herdy, Renan Rocha e Vitor Ribas, além de Picuruta Salazar, com seus mais de 150 títulos e da lenda Rico Souza. Para os iniciantes conseguirem ficar alguns segundos sobre as ondas, passam bastante tempo embaixo delas. O melhor é começar por ondas mais leves e com o tempo e o aperfeiçoamento, buscar picos com ondas maiores. Foi o que fez no Havaí o surfista profissional brasileiro, Carlos Burle que desceu uma onda com 22 metros. Mas isto é coisa para aqueles que têm muito tempo de onda, muita coragem e nervos de aço. O Havaí é o berço, o que o torna o local mais conhecido do mundo para a prática do surf. Já o Brasil, com seus 9,2 mil quilômetros de litoral é considerado país privilegiado para a prática do esporte. No sul, os locais mais procurados são a praia da Joaquina em Florianópolis, Praia da Vila, em Imbituba, onde ocorrem os principais campeonatos da modalidade e as várias praias de Garopaba, muito procuradas por amadores.

Revista MeuSUL - janeiro/10


CARROS

Mini Cooper

Citroën DS3

Crise? Em 2009 esta palavra esteve longe do setor automobilístico brasileiro. Incentivados pela redução do IPI e pela grande concorrência, o mercado de veículos novos esteve aquecido durante todo o ano e a expectativa é superar os números de 2008, quando foram emplacados mais de 2,8 milhões de unidades de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Fiat 500

Líder em vendas O mercado mundial está de olho nesta tendência e projeta a cada ano novas perspectivas para abocanhar um número crescente de consumidores automotivos. Tecnologia, lançamentos e diversidade de oferta, a preços razoáveis são o que espera o consumidor e o que busca o fabricante, interessado neste mercado. Mas, além dos carros de médio e grande porte importados que atrai os olhos do consumidor brasileiro, um outro segmento aparece querendo chamar a atenção. Os Compactos Premium, que até pouco tempo eram vendidos em todos os cantos do mundo, mas sem representatividade no mercado nacional, já desembarcaram no país e chamam a atenção por onde passam. O mais conhecido desta classe é o Mini Cooper. Criado na década de 50, pela Mini Morris, o carrinho ficou mundialmente conhecido no seriado ‘Mister

26

Bin’. A fábrica foi adquirida pela BMW, no final dos anos 90, e em 2001 o modelo, uma releitura, voltou a rodar pelas ruas. Hoje ele disputa mercado com Audi A3, Mercedes Benz B200, Volvo C30 e com outro carro da marca alemã, o BMW 120. Este segmento tem preço entre R$ 86 mil e R$ 134 mil. Mas, a aceitação desta linha, chamou a atenção de outros fabricantes. A Fiat, por exemplo, trouxe no final de 2009, o 500 (cinquecento). O veículo compacto, com motor 1.4, tem preço mais acessível, próximo dos R$ 60 mil, com proposta de ‘roubar’ mercado para Honda City e Toyota Corolla, em função do preço. A Volkswagen aposta suas fichas na continuidade do New Beetle, há mais de 10 anos no mercado. A Smart, segmento de montagem da Mercedes-Benz, também não deixará barato e deverá investir na proposta de co-

mercialização do ForTwo, um compacto de dois lugares, com preço próximo do Fiat. O veículo também possui história de sucesso, lá fora. Neste segmento, ao que parece, o lançamento mais esperado é o do Citroën DS3. O carro já rouba a cena, mas deverá ser apresentado oficialmente apenas em outubro, no salão do automóvel em São Paulo. Enquanto isso, a fabricante francesa aposta no novo C3, mas apenas na Europa. No Brasil, teremos que conviver com o antigo modelo por mais tempo. Enquanto não estiver ao alcance da maioria, as opções do mercado brasileiro de pequenos é ampla e convidativa. Com preços razoáveis aos bolsos da maioria da população, Uno, Ka, Celta e Fox são boas opções. Ainda podemos optar por Gol, Palio, Fiesta e Corsa, todos com preços entre R$ 20 e R$ 35 mil.

Revista MeuSUL - janeiro/10


POR AÍ

por Ivo Coan . ivo@meusul.com.br

Band em Criciúma

Uma noite para ficar na história do sul catarinense. Assim foi a solenidade de inauguração da TVBV Criciúma (Canal 03), na noite de terça-feira, 15/12, no Shopping Della, que simplesmente parou com o acontecimento. Sucesso a todos os colaboradores e parabéns a Band por dar mais este salto na região sul do estado.

Carinha de moleca, mas inteligente!

A jovem Yasmim Nieheus Silvano, de Braço do Norte, foi aprovada no curso de Engenharia Mecânica na UDESC. Parabéns a ela e aos pais, Zaneide e Vagner, que sempre encentivaram a menina.

De volta aos palcos após 5 anos

Marcus Menna, ex-vocalista do “LS Jack”, fez seu primeiro show no Rio de Janeiro, mais de cinco anos após um acidente médico durante uma lipoaspiração que o afastou dos palcos. O cantor se apresentou, com banda, em uma festa fechada no Forte de Copacabana na noite do Reveillon. Em julho de 2004, aos 27 anos, Marcus Menna teve uma parada cardiorrespiratória, com complicações neurológicas, após ter se submetido a uma lipoaspiração no abdome, e a banda LS Jack se desfez. Ele ficou em coma induzido por dois meses e hospitalizado por mais dois. A recuperação dos movimentos e da fala de Menna foi resultado de quatro anos de tratamento intensivo, com medicamentos, fisioterapia e fonoaudiologia. Em 2006 ele conheceu Priscila, com quem foi morar junto e teve a filha, Mariah, em 2009.

Ficando mais velhos em janeiro A jornalista Kellen Rodrigues (1), de Criciúma, que completou 25 anos dia 3; Marina Marchese (2), também de Criciúma, estudante de medicina, completou 22 anos na virada do ano; Adriano Honório (3), grande amigo, que completa dia 6 seus 23 anos (tá chegando perto dos 24 heim - hehehe). Um grande abraço a todos e muito sucesso e saúde.

Preparando CLIPE

A banda orleanense, Don Capone, promete novidades para 2010. Segundo o vocalista, Guilherme Farias, a banda já está em estúdio gravando as músicas do próximo CD e, para dar um UP na galera, está finalizando a gravação do clipe da música “Que seja no bar”. Quem quiser conhecer mais a banda é só acessar o site www.doncapone.com.br ou o myspace da banda www.myspace.com/doncaponerock.

Casa Lar de Braço do Norte

28

O bando BMG, está fazendo uma promoção nacional entre 15 instituições sociais. A ASACAD, conhecida como Casa Lar, de Braço do Norte, é a única representante de Santa Catarina. As instituições dividirão mais de 200 mil reais em prêmios. Todas elas serão premiadas, porém, os prêmios serão divididos conforme os percentuais de votação. Por isso, vamos todos ajudar a Casa Lar a conseguir a maior porcentagem possível. Lembrando que para votar é fácil, é só acessar o site www.bancobmg.com. br/BrindeSolidario/votacao/inlogin.aspx e inserir seu CPF. Só é válido um voto por CPF. Participe! As crianças de Braço do Norte agradecerão.

Revista MeuSUL - janeiro/10


GERAL

por Wando Ceolin

Ano Novo I

É pessoal, o ano novo começou. Qual será a primeira atitude a seu favor que você irá tomar? Quando o ano começa, temos muita coisa na cabeça para fazer, de modo prático. Mas e aquela vontade oculta no coração? Você terá coragem de externar? Um grande abraço para todos vocês que assim como eu, estão começando outra vez o exercício de reescrever o próprio destino...

Ano Novo II

Algumas pessoas, depois de inúmeros anos novos, decidem não tomar atitudes. Deixam rolar. Creem que “o tempo é fiel conselheiro”. Pensam que curtir o cotidiano - “degustando” cada dia - pode ser uma boa opção sem a urgência de atitudes drásticas ou heróicas. Seguem caminhando. Alguns dias sabem para onde. Em outros, não tem a mínima idéia. E seguem, mesmo assim. Conhecem aquela frase do escritor espanhol: “Caminante, non hay camino. El camino se hace al caminar.” ? Pois é mais ou menos essa a “carta de intenções” desses aventureiros. Independente de pensamentos o importante é que as pessoas sejam felizes até onde puderem suportar.

Porcada 2010

A Porcada é uma tradicional festa que acontece todo verão em Laguna. Criada em 2003, a partir da iniciativa de três amigos, a festa é uma grande confraternização para jovens. Na primeira edição já ultrapassou a meta de público, reunindo mais de 300 pessoas. Hoje, a festa é um modelo de evento que está inserido no calendário das festas mais badaladas do sul do Estado, o que atrai pessoas de todas as regiões. Em 2009, foram 2000 foliões. Em 2010 as expectativas são as melhores possíveis. A oitava edição contará com uma nova estrutura que terá capacidade de abrigar 3000 pessoas. O evento reserva uma programação diversificada, com gênero musical variado: samba, pagode, música eletrônica, cerveja gelada e um delicioso churrasco, servido até às 15 horas. A oitava edição será animada pelas bandas Fissura, Lucas Cruz e Banda, Jeito Louco e Teto Fernandes, mais os DJ’s Marcos Soratto, Renan Mateus, Andre Berti e Cascaes Live.

Braço do Norte terá ambulância para transporte de pacientes graves Em meio às comemorações da inauguração do asfalto que liga Rio Fortuna e Santa Rosa de Lima, ocorridas no dia 17 de dezembro, outro município também festeja. Braço do Norte foi contemplado com uma ambulância, no valor de R$ 88 mil do Estado e contrapartida de R$ 38 mil do município, que deve ser licitada nas próximas semanas. O prefeito Vânio Uliano recebeu o empenho, pedido em 10 de abril e contemplado agora, das mãos do deputado Edinho Bez, e comemorou: “Esta ambulância é muito esperada e irá sanar um dos problemas que ainda temos, mas que estamos resolvendo aos poucos”. A secretária de Saúde, Lúcia Terezinha Giordani Volpato, também festejou a vinda da ambulância: “Esta ambulância será específica para o transporte de pacientes graves, pois será equipada para transferência”, explica. “É uma grande conquista do município. E uma meta do prefeito, por entender a necessidade que o município tinha em ter mais este serviço. Ele mais do que ninguém sofre ao ver as famílias desesperadas por falta deste serviço”.

30

Revista MeuSUL - janeiro/10


MeuSUL - Ed. 8 - Janeiro de 2010  

O que acontecerá com o planeta

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you