Issuu on Google+

MeuSUL CurrÌculo sem mentiras: como montar corretamente

Moda: a procura incans·vel por tamanho GG

Especial: feira da ind˙stria e do co-

mÈrcio È sucesso em sua 7™ ediÁ„ o

REVISTA

www.meusul.com.br

Distribuição gratuita - Venda proibida

Ano 2 | N∫ 13 | junho 2010

DESCONTROLE REMÉDIO COMPLETOU 50 ANOS E AINDA NÃO PAROU DE FAZER VÍTIMAS CONHEÇA CASOS NA REGIÃO


MeuSUL REVISTA

EDITORIAL

Palavra do Editor

Se você tem mais de 40 anos de idade já deve ter conversado sobre algum episódio do passado com alguém na faixa dos 20 anos e ter ouvido a seguinte frase: “Não sei, isso não é da minha época”. É relativamente comum esse comportamento passivo de muitos jovens, como se o que ocorreu no passado, recente ou distante, fossem fragmentos de história que não lhes interessa ou não tem importância. Não por acaso somos chamados de “país sem memória”, pelo desinteresse pelo que já passou. Nesta edição trazemos como reportagem principal um tema muito falado nas décadas de 60 e 70, mas que nunca esteve esquecido, principalmente no meio médico e entre as famílias das vítimas deste fármaco: a Talidomida. O medicamento, comercializado em larga escala no final da década de 1950 e início da de 60 foi o responsável pelo nascimento de mais de 10 crianças com deformidades aberradoras, em todo o mundo, inclusive no Brasil. A droga não foi testada suficientemente e causou efeitos colaterais não-previstos pelos cientistas. Causou e causa. Por ter sido descoberto que ela é eficaz no tratamento de outros males importantes, a Talidomida não parou de ser usada no Brasil. O problema é que, mesmo encontrada somente em órgãos e entidades públicos, a Talidomida acabou chegando a mãos erradas e continuou a causar vítimas recentemente. Convidamos a ler atentamente essa reportagem que aborda quase todos os aspectos desse capítulo turbulento da medicina e da humanidade. Não deixe de acompanhar também, é claro, nossas outras matérias, que fazem desta edição uma edição toda especial. Boa leitura!

(48) 3658.0091 | 3658.0092 APOSENTADORIA 06 OPINIÃO 08 ECONOMIA 10 ECONOMIA 12 ECONOMIA 14 SAÚDE 16 NUTRIÇÃO 18 MODA 32

26

ESPECIAL

Talidomida: o monstro de várias faces.

CARREIRA 34 CARREIRA 36 TEEN 40 ESPORTE 42

Ivo Machado Coan Editor-Chefe

EXPEDIENTE

17

CAPA

SOCIAL 44 REGIÃO 46 CARROS 50

A Revista MeuSUL é uma publicação mensal da Ivo Coan Comunicação e Marketing. São 10.000 exemplares distribuídos gratuitamente no sul de Santa Catarina. Cidades como: Ga-

Os melhores momentos da Feincos 2010.

Edição anterior

ropaba, Imbituba, Laguna, Capivari de Baixo, Tubarão, Jaguaruna, Criciúma, Gravatal, Armazém, São Martinho, Santa Rosa de Lima, Braço do Norte, Rio Fortuna, Grão-Pará, São Ludgero, Orleans, Urussanga, Lauro Muller, Cocal do Sul, Morro da Fumaça, Bom Jardim da Serra, São Joaquim, Urubici, entre outros, abrangendo cerca de 40 municípios e 200 mil leitores. • Direção Ivo Machado Coan - ivo@meusul.com.br • Comercial Juliano de Oliveira - juliano@meusul.com.br (Cel. (48) 9957.2265) Tamara S. Daufemback - tamara@meusul.com. br (Cel. (48) 9945.5525) Ramon Beza - ramon@meusul.com.br (Cel. (48) 9620.6217) Jean Carlos Lehmkuhl - jean@meusul.com.br (Cel. (48) 9933.3588) • Arte e diagramação Suzana Schlickmann - suzana@meusul.com.br • Jornalista responsável Alvaro Dalmagro (JP1181-SC) • Correção e revisão Terezinha Schulz Prim • Colaboração Wagner Afonso Floriani da Silva - Bárbara Soethe - Larissa Volpato Schlickmann - Wando Ceolin - Yngrid P. Kulkamp - Alvani Machado Coan - Deus • Revista on-line www.meusul.com.br • Assessoria jurídica Valmir Meurer Izidorio OAB/SC 9.002 Maicon Schmoeller Fernandes OAB/SC 27.952 www.izidorio.com.br - (48) 3658.3147 3658.4945 Os textos assinados pelos colaboradores são de suas respectivas responsabilidades.

Publicação: Revista MeuSUL Ltda. CNPJ: 11.320.685/0001-70 Endereço: Rua Osvaldo Westphal, 112 Centro . Braço do Norte . SC Contato: www.ivocoan.com.br


Previdência Privada

UMA APOSENTADORIA MELHOR

APOSENTADORIA

Até tempos atrás, falar em aposentadoria era falar de Instituto Nacional de Seguridade Social, inevitavelmente. O mercado abriu e a previdência pública foi minguando cada vez mais. Então veio a previdência privada. Primeiro como complemento à pública, agora, talvez como mais uma forma de investimento. E seja qual for tua renda, é bom ir pensando numa.

06 |

De uma maneira simples pode-se dizer que previdência privada é um sistema que acumula recursos que garantem uma renda mensal no futuro, especialmente durante e após o período em que se deseja parar de trabalhar. No início, a previdência privada era vista como uma forma de uma poupança extra, além da previdência oficial, mas como o benefício do governo tende a ficar cada vez menor, muitos fazem um plano privado como forma de garantir uma renda razoável ao fim de carreira profissional. No país, há dois tipos de plano de previdência: a aberta, que pode ser contratada por qualquer pessoa, e a fechada, destinada a grupos, como funcionários de uma empresa, por exemplo, seja ela pública ou privada. A fechada é destinada às pessoas ligadas à empresas, sindicatos ou entidades de classe. Em linhas gerais, o trabalhador contribui com uma parte mensal do salário e a empresa banca o restante, valor que normalmente é dividido em partes iguais. Outras empresas, essas mais raras, bancam toda a contribuição. Uma vantagem imediata é a possibilidade de se deduzir 12% da renda bruta na declaração anual do Imposto de Renda. Estima-se que as empresas de previdência complementar possuam cerca de 126 mil participantes que já desfrutam de benefícios de previdência do setor. A previdência aberta é oferecida por seguradoras ou por bancos. Um dos principais benefícios dos planos abertos é a sua liquidez, já que os depósitos podem ser sacados a cada dois meses. O número total de participantes de planos abertos é estimado em 5 milhões de pessoas.

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

Opções de previdência privada fechada PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) Este plano é mais vantajoso para aqueles que fazem a declaração do imposto de renda pelo formulário completo. É uma aplicação em que incide risco, já que não há garantia de rentabilidade, que inclusive pode ser negativa. Em caso de ganho, ele é repassado integralmente ao participante. Pode ser abatido até 12% da renda bruta anual do IR e tem taxa de carregamento de até 5%. É comercializado por seguradoras. O dinheiro é colocado em um fundo de investimento exclusivo, administrado por uma empresa especializada na gestão de recursos de terceiros e é fiscalizado pelo Banco Central. Uma de suas principais vantagens está na possibilidade de se optar, já quando da adesão ao plano, pela idade de quando se começará a receber o rendimento investido. Há ainda a possibilidade de se contribuir com quantias variáveis, podendo se fazer depósitos maiores. VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre) Aconselhável para aqueles que não têm renda tributável, já que não é dedutível do IR. A exemplo do plano anterior, não existe uma garantia de rentabilidade mínima, ainda que todo o rendimento seja repassado ao integrante. O primeiro resgate pode ser feito em prazo que varia de dois meses a dois anos. A partir do segundo ano, também pode ser feito a cada dois meses. Possui taxa de carregamento de até 5%. É comercializado por seguradoras.


Previdência Privada

R PODE ESTAR AO SEU ALCANCE O que é Fapi?

Plano tradicional de Previdência Tem a garantia de rentabilidade mínima e correção monetária no período da aplicação. Entre as opções existentes no mercado, costumeiramente se aplica a variação do IGP-M acrescido por juro de 6%. Nesse tipo de plano, pode-se abater até 12% da renda bruta na declaração do Imposto de Renda. Os rendimentos são repassados apenas em parte, que varia de 50 a 85% do total conseguido. Têm taxas de carregamento - aplicadas sobre a contribuição - de até 10%. É comercializado por meio de seguradoras.

“No Brasil existem dois tipos de previdência: a aberta, que pode ser contratada por qualquer pessoa, e a fechada, destinada grupos, como funcionários de uma empresa, por exemplo”.

APOSENTADORIA

O Fapi (Fundo de Aposentadoria Programada Individual) é aconselhável para quem declara o Imposto de Renda usando o formulário simplificado. Nessa opção, não existe uma garantia de rentabilidade mínima. Por outro lado, todos os rendimentos são repassados integralmente para o participante e pode-se abater também 12% da renda bruta anual na declaração do Imposto de Renda. Apesar de não contar com taxa de carregamento, se o resgate for feito em um intervalo menor do que 12 meses, haverá a incidência de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). É vendido por bancos e seguradoras. Os rendimentos que cada plano oferece O retorno do seu investimento em um plano de previdência complementar pode ser planejado de duas maneiras: como um benefício definido ou por meio de uma contribuição definida. No benefício definido há a oportunidade de se escolher de quanto será a renda mensal, temporária ou vitalícia, já na hora da sua aquisição. Bastante utilizado por fundos de pensão e planos de previdência aberta. Na contribuição definida o cálculo é pelo saldo do participante na data em que começa a ser recebido o benefício. Nesse caso, vai depender de dois fatores básicos: o quanto foi depositado no período e a rentabilidade obtida. É bom ficar atento às taxas cobradas sobre as contribuições. Quando maiores elas forem, menor será o valor acumulado.

Bicho papão Segundo apontam vários especialistas no assunto, milhões de pessoas deixam de ter um plano de previdência privada por desconhecer o processo e acreditar que ela é inatingível, devidos aos rendimentos módicos que possuem, ou por que ela não é necessária. Nesse caso, é bom começar a repensar o futuro.

junho 2010 |

MEUSUL | 07 REVISTA


por Alvaro Dalmagro

PANORÂMICA Os vagabundos, o fator e a herança maldita

08 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

cebe ao se aposentar, após 35 anos de contribuição. E aí, para não diminuir o valor, a pessoa só tem uma saída: trabalhar muitos anos mais do que seria necessário pela lei anterior. Na prática, o fator previdenciário força o contribuinte a se aposentar cada vez mais tarde e, hoje, ninguém mais consegue se aposentar com o valor integral antes dos 60 anos de idade. Enquanto você não se aposenta, não ajuda a aumentar o rombo na Previdência. É dela a informação que entre 2000 e 2008 o fator previdenciário representou uma economia de R$ 10 bilhões. Congresso acrescentou: o reajuste e o fim do fator previdenciário podem gerar despesa extra de R$ 5,6 bilhões a partir de 2011. Somente neste ano, o rombo seria de R$ 1,8 bilhão. É “só” isso que está em jogo. Esse é apenas um dos pepinos que Lula herdou de FHC. E não tem pra onde correr. Troco No dia 20 de maio a Justiça do Rio condenou a advogada Jorgina de Freitas, acusada de ter causado o maior rombo da história INSS, na década de 90, a devolver R$ 200 milhões aos cofres públicos. A Justiça também manteve bloqueados os bens de todos os envolvidos na fraude, além de também ter condenado o contador Carlos Alberto Mello, um comparsa no esquema. Estima-se que a fraude teria provocado um rombo de até R$ 500 milhões, mais da metade de toda a arrecadação do INSS na época. Condenada a 14 anos de prisão em 1992, Jorgina fugiu para a Costa Rica. Foi recapturada em 2008 e está presa desde então. Cerca de R$ 69 milhões do dinheiro surrupiado dos cofres públicos já foram devolvidos. É troco perto do que vazou, mas...

“Os olhos são para a alma como as mãos são para a idade. Por mais que tentamos esconder, sempre dizem a verdade.” Faby Monteiro

Jornalista JP 1181 - SC

Vigília anti-fosfateira Ambientalistas não têm dado trégua na vigília contra o Projeto Anitápolis, que prevê a exploração de fosfato em uma vasta área no pequeno e vizinho município da encosta. Nada passa despercebido. Um exemplo disse é a enchente que ocorreu neste mês em Anitápolis, que fez morros se desmancharem como os casos de Blumenau e Rio de Janeiro. Eduardo Bastos Moreira Lima, conhecido advogado ambientalista e presidente da ONG Montanha Viva escreve pra lembrar que Anitápolis está entre os municípios catarinenses com maior chances de serem afetados por inundações bruscas, como as que ocorreram no Vale do Itajaí, Tubarão etc. E se uma das “represas” de rejeitos previstos na futura IFC arrebentar depois de uma chuvarada? Não sobraria nada. Lixo Falando em chuva, impressionante a imagem da Praia do Mar Grosso, em Laguna, depois das chuvas dos dias 11 e 12 de maio. A faixa de areia foi tomada por todo o tipo de lixo, entulho e paus. Não faltaram aquelas piadinhas infames com os lagunenses. Sacanagem. Brasil melhor A última edição da revista médica The Lancet traz uma reportagem especial que mostra que a taxa de mortalidade infantil no Brasil caiu 61,7% entre 1990 e 2010. A média de 52,04 mortes por mil nascimentos em 1990 caiu para 19,88/mil em 2010, segundo o estudo publicado. O Brasil subiu nove posições no ranking internacional de mortalidade infantil nas últimas duas décadas e estaria a caminho de cumprir uma das metas do Milênio da ONU: diminuir a mortalidade infantil em dois terços até 2015.

Envie comentários e sugestões: alvarodalmagro@yahoo.com.br e participe desta coluna.

OPNIÃO

O mecanismo conhecido como fator previdenciário foi criado no tucanato de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Entre tantas reformas necessárias – e que até hoje não aconteceram – FHC queria fazer a da Previdência, em 1995. Houve uma campanha muito grande na mídia, com a qual o governo alardeou que a Previdência estava falida, era deficitária e que, por isso, era preciso uma reforma urgente. Na ânsia de fazer a tal reforma FHC teve a infelicidade de insinuar que quem se aposentava cedo demais, pelo então sistema vigente era “vagabundo”. A oposição adorou. O “vagabundo” que saiu da boca do presidente passou a estar em todas as rodas de aposentados. Houve um desgaste político muito grande para o então presidente com esse episódio. Passados três anos, em 98, o Congresso aprovou uma emenda constitucional que atingiu os trabalhadores da iniciativa privada. Foi substituído o tempo de serviço por tempo de contribuição, foram extintas as aposentadorias proporcionais e passou a ser exigida idade mínima para se aposentar – homens com 53 anos, mulheres com 48. Também foi criado o fator previdenciário, um cálculo feito para desestimular aposentadorias precoces e beneficiar trabalhadores que se mantivessem no mercado de trabalho. O mecanismo foi um retrocesso para os trabalhadores, pois calcula o valor da aposentadoria levando em conta a idade, o tempo que contribuiu para o INSS e a expectativa de vida, ou de sobrevida, que é o quanto tempo vai viver depois de se aposentar, conforme cálculo do IBGE. Essa fórmula leva à redução do benefício que o trabalhador re-


MODA EXTRA GG O peso da moda

OS GORDINHOS TAMBÉM MERECEM SE VESTIR BEM

ECONOMIA

Mercado de roupas para pessoas com sobrepeso é crescente, tal qual o número de gordinhos no Brasil e no mundo. Mas parece que o empresariado desconfia desse segmento e reluta em apostar. Resultado: pessoas acima do peso ainda têm dificuldade em se vestir bem, usando roupas da moda, sem passar por dificuldades ou até constrangimento.

O filme “O Diabo veste Prada” protagonizado pela atriz Meryl Streep é um clássico do cinema. Meryl interpreta o papel de uma editora de revista cruel que faz questão de estar rodeada por profissionais bem vestidos, mas desde que vistam o tamanho 38. Esse pré-requisito da personagem dá bem o tom de quanto o mundo da moda pode ser implacável com quem está acima do peso, pelo menos para os padrões da indústria do vestuário. Para quem está “com tudo em cima”, como se diz no popular, parece ser fácil encontrar uma roupa que esteja na moda, mas para quem está acima do peso, a briga não é só com a balança. Apesar de todos os sinais de que o número de gordinhos é crescente, no mundo, o mercado da moda parece apostar pouco em roupas para pessoas que estão fora dos padrões de magreza, mas que, nem por isso gostam de se vestir mal. Só para citar um dado oficial que dá garantia de que clientes não faltam, uma pesquisa feita pelo Ministério da Saúde em 2008, anunciada em abril do ano passado, mostrou que 49% da população adulta de Porto Alegre estão com sobrepeso. A pesquisa foi feita com 54 mil pessoas em todas as capitais e no Distrito Federal. E as demais capitais não perdem muito para Porto Alegre. Em 2006, outra pesquisa, também do Ministério da Saúde mostrou que 48,3% da população da cidade do Rio estava acima do peso. No Brasil, atualmente, 13% dos adultos são obesos. Esse percentual era de 12,9% em 2007 e de 11,4% em 2006. Foi apostando nesse público que o empresário Volnei Souza Cardoso, de Braço do Norte decidiu, há cerca de um ano, mudar o foco da empresa de confecção que ele toca junto com a mãe, Celíria, e a esposa, Clau10 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

diane da Silva Loch. No ramo desde 97, os donos da Pare Confecção decidiram criar uma nova empresa, a Charme Elegância, para fabricar somente roupas para pessoas acima do peso. “Quando meu pai faleceu, há alguns anos, passei a viajar pelo estado e no Rio Grande do Sul, onde temos parte de nossa clientela, e me chamou a atenção que os donos de loja viam algumas de nossas peças e perguntavam: você não tem essa mesma, mas em tamanho bem grande?”, relata Volnei. “Foi aí que comecei a perceber o quanto essa fatia de mercado tem dificuldade de encontrar uma roupa que esteja na moda e que sirva em seu corpo. Que faça se sentir bem”, diz Em apenas um ano de vida a empresa pulou de seis funcionárias para 12, mais três faccionistas, que são mulheres que fazem roupas para a empresa em suas próprias casas. Exceto Volnei, os demais são mulheres, e quase todas acima do peso. “Nem precisamos de modelos pra provar. Temos em casa”, brinca Claudiane. Um dos segredos da empresa, segundo Daiane Cardoso, prima de Volnei e modelista da fábrica é criar uma variedade grande de modelos. “Temos sete ou oito novos modelos todas as semanas. Isso aumenta a possibilidade de venda das peças. Alguma delas sempre cai no gosto do cliente”, explica. A empresa fabrica modelos a partir do XG – Extra Grande – até 8G. A cada número são acrescidos dois centímetros de largura, ou seja, um modelo 8G tem 16 centímetros a mais do que o modelo menor. Volnei explica que as lojas (e fábricas) que se dedicam exclusivamente a esse público são tão poucas que os gordinhos costumam ter um comportamento comum entre eles quando encontram roupas grandes. “Eles levam logo todo o estoque da loja. Quatro cinco peças do mesmo modelo, mas em cores diferentes. Às vezes de modelos

“Apesar do crescente número de gordinhos, o mercado da moda parece ter esquecido dos padrões GG”. diferentes também, mas levam tudo, pra garantir. Pela dificuldade de encontrar”, diz. Andrea Cristina Trento de Souza, dona da Big Modas, de Braço do Norte tem loja há oito anos. Nos últimos cinco anos colocou as roupas para grandes como carro-chefe da empresa. Só mantém uma pequena ponte de estoque de moda infantil, mas é questão de tempo para despachá-la. E não se arrepende da decisão. “Tenho uma clientela conhecida e muito boa. Estou satisfeita”, diz Andrea atenta para outro aspecto interessante nesse segmento de mercado e que diz respeito ao comportamento do gordinho ou da gordinha. A timidez e o constrangimento que costumam estar presentes em pessoas acima do peso. “Eu também sou gordinha e também atendo no balcão. De vez em quando alguma cliente comenta que se sente mais a vontade quando a vendedora também está acima do peso. Se for uma vendedora magra elas se sentem inibidas ou constrangidas”, avalia. Da mesma forma, lojas que vendem roupas grandes junto com roupas de tamanhos pequenos podem ser deixadas em segundo plano se esses clientes conhecerem um estabelecimento exclusivo para eles. “Tem gordinho que se sente constrangido em perguntar se tem o seu tamanho. Na maioria das vezes, elas não perguntam se tem 46, 48 ou 50, e sim até que tamanho tem”, diz uma vendedora de loja de Tubarão, que prefere não revelar sua identidade.

Fábricas investem em tamanhos até 6G


A DESCOBERTA DE NOVOS NEGÓCIOS Investimentos

Até pouco tempo, o mercado de ações estava restrito – na maioria dos casos pela falta de informações- a grandes investidores. Nos últimos anos o mercado de ações tem chamado a atenção de muitas pessoas com reservas ou gostam do risco. Mas, para entrar nesta ‘aventura’ é importante estar esclarecido.

ECONOMIA

O mercado de ações não é algo novo. Bem, não para os empresários brasileiros. Mesmo antes dos anos 60, eles investiam em ativos, bens imóveis e evitavam outras linhas. Mas a partir de 1964, uma estruturação na economia modificou totalmente, com a grande reforma que incluía o sistema financeiro do país. Durante praticamente três décadas houve muitos altos e baixos, especulações e quebras, mas também benefícios aos ‘apostadores’. Porém o grande momento vivido pelo mercado deu início dos anos 90, com a abertura da economia para o capital estrangeiro, assinada pelo presidente Fernando Collor de Mello. Muitos investidores apostaram na produção brasileira, o que também gerou situação contrária, na qual fabricantes brasileiros procuravam clientes no exterior, como forma de capitalizar recursos e abrir novos mercados. O problema é que sem garantias os profissionais e analistas

que atuavam diretamente na negociação dos títulos, colocavam o país em segundo plano e direcionavam seus recursos em empresas com governança corporativista, em resumo, segue procedimentos transparentes – entre acionistas e cotistas- visando maximizar lucros. A questão garantias, culminou em uma reestruturação para revitalizar o mercado de capitais e assegurar a proteção os investidores. A aposta foi partir para instancia de governança corporativista, adotada na maioria dos países. Interessado em investir? Investir no mercado de ações parece algo complicado, de difícil entendimento. Ledo engano, principalmente se o interessado seguir alguns passos. É o que explica Carlos Roberto Rodrigues, da Gol Invest - Agentes Autônomos de Investimentos Ltda, localizada em Criciúma. Como garantia, segurança e

Novo mercado de ações A partir do inicio do novo milênio, com as políticas econômicas do país e os projetos de desenvolvimento o Brasil ganhou confiança e força, o mercado se tornou mais aberto, diversificado e gerou oportunidade para criação de empresas especializadas no assessoramento no mercado de investimento. Interessante destacar ainda que o mercado se tornou mais atraente pela velocidade da informação. Ela tornou os agentes financeiros mais ágeis, acionistas de médio porte mais preparados e aproximou pessoas físicas deste mundo de negócios. O desconhecimento do funcionamento, não inibiu os ‘aventureiros em agir na bolsa de valores e os mais limitados apostam nas agências de investimentos para negociar seus créditos.

12 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA


Investimentos

Como investir?

ECONOMIA

valorização do seu dinheiro, o primeiro passo é procurar uma empresa ou um profissional habilitado a trabalhar nesse mercado e que possa fazer a administração dos recursos do investidor, ou seja, uma corretora de valores ou um profissional a ela ligado. “A transparência para o investidor vai ser tudo. O investidor pode escolher investir diretamente com a corretora ou com um profissional representante da corretora. A grande diferença é que quando ele escolher fazê-lo através desse profissional, o mesmo dará toda a assessoria de que o investidor precise para realizar os seus investimentos”, esclarece. Ao contrário do que a maioria das pessoas pensa, para investir em ações não é necessário ser grande empresário, aposentado, ou ter grandes reservas de valores. Com apenas R$ 100,00 é possível participar de um clube ou fundo de investimentos em ações. Um clube ou fundo nada mais é do que um condomínio financeiro constituído sobre pessoa jurídica em que várias pessoas juntam o capital e compram as ações. A diferença entre eles está na forma de administrar os recursos. No caso do fundo de investimentos, é pos-

sível a entrada de pessoas jurídicas e pessoas físicas. Nesta situação quem faz a gestão é uma empresa responsável pela gestão, geralmente a corretora de valores. Já no clube são inclusos apenas pessoas físicas. Nele é possível as próprias pessoas realizarem a gestão. Um exemplo é um grupo de amigos que quer investir em ações, e todos têm um capital pequeno, mas que, juntando o capital de todos, torna-se um valor considerável. Todos podem juntar os seus capitais e comprarem ações, sendo que eles podem decidir em que empresas investir.

“Os documentos necessários para dar início ao processo de investimento são: RG, CPF, Comprovante de residência atualizado, além de documentos cadastrais, que o investidor vai preencher juntamente com o profissional escolhido para lhe dar assessoria.”

As melhores dicas para quem quer investir Dicas de Warren Buffet dono das melhores frases sobre o mercado de ações. Colocando em prática apenas uma delas, você estará no caminho certo: • • • • • • • • •

14 |

Procure empresas com um histórico de estabilidade e de desempenho acima da média Só invista em áreas que estejam dentro de seu campo de conhecimento Faça seus investimentos como analista de negócios, não como analista de ações Encare uma compra de ações como se estivesse comprando a empresa toda Esteja sempre pronto a manter uma ação por um prazo mínimo de dez anos Compre boas empresas a preços razoáveis, não empresas razoáveis a bons preços Concentre-se nas perspectivas de longo prazo da empresa, não nos lucros de curto prazo das ações Você deve investir dinheiro em uma empresa que até um idiota consiga administrar, pois com certeza um dia o idiota o fará Regra Nº 1: nunca perca dinheiro. Regra N°2: nunca esqueça da regra número 1.

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

O mercado de ações aponta que o ideal é sempre comprar na baixa e vender na alta. Porém, na pratica não é bem assim que funciona. Geralmente, quando o mercado de ações está em um momento de retração, como foi o caso da crise norte americana e atualmente a crise retratada em alguns países europeus, as pessoas acabam “fugindo” do mercado de ações, geralmente por medo. “A realidade é que neste momento é a hora de comprar mais ações, ou seja, aproveitar o momento a seu favor. É o chamado ‘efeito manada’ que pega principalmente os pequenos investidores”, afirma Rodrigues. Para isso é importante o investidor conhecer o espaço onde pisa, garante o analista e comentarista econômico, Diego Dziuba. Ele afirma que indiscutível o acionista estar atualizado sobre o mercado. “Na minha opinião, é importante o investidor estar sempre bem atualizado sobre o que acontece no mercado. Não precisa acompanhar todo o dia, mas é preciso saber qual ação você está comprando, porque está comprando e o que espera dela. O que VOCÊ espera dela, e não um terceiro”, enfatiza. Tanto Dziuba como Rodrigues, opinam que os investimentos em curto prazo são os mais arriscados. O melhor para quem investe é apostar nos projetos de longo prazo, pois sempre estará em um bom momento para comprar ações, com menos riscos de perdas. Isso se estiver comprando empresas com bons fundamentos, solidas e aproveitando a volatilidade – variação - do mercado de ações para comprar por um preço melhor. “O evento que estamos vivenciando é um exemplo. Com os temores em relação aos problemas dos países europeus, muitas ações estão bem desvalorizadas, dando ótimas oportunidades de compra”, revela Rodrigues. Além disso, ao comprar ações de certa empresa deve se ter em mente que está se tornando sócio da empresa, como qualquer outro sócio, tem direitos sobre a empresa que está investindo. O temor deste mercado é que ele sofre variações quase que instantaneamente, ao contrário de bens imóveis onde a variação é registrada a longo prazo. Rodrigues acrescenta ainda que de tempos para cá o Brasil, as mudanças políticas que tornaram mais seguras as movimentações colocou o pais entre os grandes potenciais de investimento. O desenvolvimento cada vez mais forte, frente aos países emergentes, inclusive sua saída fortalecida durante a crise norte americana. “Sem contar Olimpíadas e Copa do Mundo que irá trazer muitos investimentos ao país”, acredita. Uma outra sugestão da Gol Invest é a diversificação de investimentos. “Sempre deve-se diversificar os investimentos, pois isso vai reduzir ainda mais o risco”, finaliza Rodrigues.


por Dra. Perla B. Pereira Brandão

QUEM PRECISA DE PSICÓLOGO?

SAÚDE

Todo mundo já ouviu falar em Psicologia e, mesmo sem saber do que ela trata, alguns afirmam que “psicólogo é pra gente doida”. A maioria das pessoas não tem uma noção muito clara do que faz um psicólogo e nem dos tipos de problema com que a Psicologia trabalha.

Psicólogo...Quem ele é? O psicólogo clínico é um profissional da área da saúde mental que se preocupa com o bem estar emocional das pessoas que o procuram. O psicólogo possui uma escuta e uma percepção diferente, mais preparada para ouvir além do que está sendo dito. Ele intervém, porém não julga. Ele não dá conselhos, porém ele busca, juntamente ao cliente, novas formas de pensar, agir e sentir diante das situações de vida que angustiam ou encomodam a pessoa. Assim, este profissional tem a função, acima de tudo, de buscar, em cada pessoa, sua própria verdade, suas próprias respostas a tantas perguntas e dúvidas que surgem no decorrer de suas vivências. É sempre importante procurar um psicólogo, ou psicóloga, que seja suficientemente sensível e acolhedor, pois iniciar um processo terapêutico é, acima de tudo, um ato de coragem, maturidade e auto-descoberta.

“O psicólogo tem como função, acima de tudo, buscar, em cada pessoa, sua própria verdade”.

16 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

Psicóloga CRP 12/02107 Especialista em Gestalt-terapia Psicoterapia clínica

Quando procurar um psicólogo? Embora estejamos numa era de globalização, onde as informações estão ao nosso dispor constantemente e por toda parte, infelizmente, muitas pessoas, justamente por falta de informação adequada e correta, ainda possuem muito preconceito e vergonha de procurarem um psicólogo. Ironicamente, normalmente a pessoa que mais resiste, nega ou despreza o auxílio psicoterapêutico, é justamente aquela que, provavelmente, está mais precisando. Portanto, é importante procurar auxílio psicológico quando, de alguma forma, a pessoa não está satisfeita com andamento de sua vida, não está sentindo-se feliz, está vivendo algum sofrimento ou problema do qual não consegue superar sozinha, quando seus próprios relacionamentos estão complicados ou tumultuados, se há sentimentos de impotência, menos valia, dores constantes sem causa física comprovada, insônia ou excesso de sono, agressividade ou irritabilidade sem motivo aparente, possui sentimentos de culpa constantemente, sente-se demasiadamente ansiosa, frustrada, abandonada, rejeitada ou se simplesmente gostaria de passar por uma experiência de autoconhecer-se e autofortalecer-se. Enfim, esses seriam apenas alguns

motivos que poderiam levar alguém a procurar o serviço de psicologia. O fato é que não existe uma regra, pois sempre que qualquer pessoa, de qualquer idade, por qualquer motivo, estiver precisando de suporte emocional e/ou orientação poderá, certamente, contar com a presença, em sua vida, de um psicoterapeuta, que é o profissional da área da psicologia, que estará apto a auxiliá-lo.


por Karine Motta e Tamara Niehues

MENOPAUSA, E AGORA? Na vida das mulheres existem situações que sinalizam diferentes fases na vida, tal como a menopausa, cientificamente conhecida como climatério. São marcos visíveis fisicamente como também fisiologicamente. Seguem algumas dicas para essa fase.

NUTRIÇÃO

A menopausa é caracterizada por um processo natural que denota o final do período fértil. Os ovários param de funcionar e consequentemente deixam de produzir os hormônios progesterona e estrógeno. Com isso vêm os sintomas desagradáveis de depressão, calor intenso, suores noturnos, diminuição da lubrificação vaginal, irritabilidade, insônia e ansiedade. Na menopausa também ocorre a diminuição de massa magra (músculo) e do colágeno refletindo na elasticidade da pele e dos vasos sanguíneos, assim como há o aumento da concentração de gordura corporal na região abdominal. Diante dessa situação a fitoterapia vem ao encontro de muitos desses sintomas, já que demonstra diferentes ações no organismo humano podendo contribuir para o alívio de muitas queixas, melhorando a qualidade de vida. Existem alimentos que contém naturalmente os fitoestrógenos (hormônios naturais de plantas), que podem auxiliar em uma passagem mais tranquila por esse ciclo da vida. Segundo alguns estudos, além dos beneficios hormonais, o consumo desses alimentos estimula uma enzima dentro do nosso organismo que atua na proteção contra agentes tóxicos e a mutação celular (prevenindo o câncer). Porém não adianta somente consumir esses alimentos, para ser realmente efetivo, temos que absorver também, etapa que se dá em grande parte no intestino. Se o intestino não funcionar, boa parte dessas substâncias se perderá. Diante dessas informações as mulheres precisam se preparar para essa fase da vida. Quanto melhor for a qualidade da nossa alimentação, mais tranquila será a passagem por essa fase. VEJA NO QUADRO AO LADO ALGUMAS DICAS PARA SUA ALIMENTAÇÃO. Na dúvida sempre consulte um profissional da saúde, como um Nutricionista, que irá lhe auxiliar e esclarecer as diferentes dúvidas que poderão surgir, assim como rever seu plano alimentar e adequar suas necessidades nessa etapa da vida. Vários produtos e alimentos para cuidar da sua saúde e melhorar os sintomas da menopausa você encontra na loja de produtos naturais Equilíbrio Natural.

18 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

Equilíbrio Natural 3658.7910

Ambulatório 3658.8128

HÁBITOS SAUDÁVEIS Consumir linhaça: contém fitoestrógenos que atuam na prevenção do câncer de mama, ovário, endométrio e tireóide. Ainda reduzem colesterol, triglicerídeos, pressão alta e melhoram a constipação. Consuma triturada (no momento do consumo) ou compre a estabilizada, assim irá preservar as propriedades; Devido a facilidade para engordar e aumentar o colesterol ruim (LDL) e triglicérides, evite frituras, alimentos gordurosos, excesso de açúcares, massas e sobremesas com frequência; Para prevenir a osteoporose, consuma alimentos ricos em cálcio: leite de soja enriquecido com cálcio, leite de vaca desnatado e seus derivados, gergelim, tahine, folhas de couve; Introduza a soja na alimentação pelo fator hormonal. Melhores fontes: missô, molho de soja e tofu; Aumente o consumo de antioxidantes na alimentação, como vitamina C (laranja, limão, kiwi, acerola, mexerica), betacaroteno (cenoura, abóbora, mamão, tomate, folhas verdes escuras), vitamina E (nozes, castanhas, óleos vegetais), zinco (cereais integrais, carnes), selênio (castanha-do-pará, peixes) e manganês (pistache, amêndoa, castanha), estes alimentos vão auxiliar para evitar o envelhecimento precoce, assim como diminuir riscos de desenvolvimento de câncer.

Encontre produtos naturais na loja


TALIDOMIDA

TALIDOMIDA

O MONSTRO DO PASSADO VOLTA A MOSTRAR A FACE

CAPA

O fármaco Talidomida, produzido na década de 50 surgiu como um remédio para combater enjôos, especialmente em mulheres grávidas. Os testes malfeitos não mostraram que ele podia produzir efeitos colaterais terríveis nos fetos e milhares de bebês nasceram com deformidades diversas: foi a geração Talidomida. Testes posteriores mostraram que a droga tinha outras utilidades, sem efeito indesejado, e aí ela permaneceu no mercado. Só que o descontrole dos órgãos públicos e outros fatores deixaram a Talidomida fazer novas vítimas. Hoje temos a segunda e terceira gerações. Embora com benefícios reconhecidos, a Talidomida amedronta pelo mal que pode causar em mãos não recomendadas.

Surgimento O rock ‘n’ rol surgiu nos Estados Unidos no final dos anos 40 e início dos anos 50 e ganhou o mundo rapidinho. Provocou mudanças culturais e de comportamento antes nunca vistas. Remonta dessa época a expressão “sexo, droga e rock and roll”, por causa do estilo de vida dos astros do rock, seu apelo sexual e a influência no estilo de vida de seus seguidores. Drogas ilícitas como a maconha e LSD dominaram a década de 50 (e pelo menos as duas décadas seguintes). No entanto, foi uma droga lícita, liberadíssima por grande parte das autoridades de saúde, que abalou o mundo e deixou sequelas devastadoras: a Talidomida. Em 1953, mesmo ano em que Chuck Berry, considerado o Pai do Rock, formava seu próprio conjunto, a Talidomida era sintetizada na Alemanha pelos pesquisadores da Chemie Grunenthal, H. Wirth e N. Mueckler, como parte de um programa de desenvolvimento de novas substâncias para o tratamento de alergias. Estudos em animais falharam na confirmação desse efeito, mas, comprovaram que ela poderia ter uma propriedade capaz de induzir sono profundo e duradouro, confirmando sua eficácia como uma droga sedativa e hipnótica, sem provocar efeitos colaterais no dia seguinte. Naquela época, os testes feitos em animais não demonstraram sua toxicidade. A dose letal não foi estudada com segurança, à exaustão. Os animais utilizados pela ciência experimental de então se restringiam a ratos, raramente aves, porcos e camundongos. Os testes realizados não mostraram o grau de letalidade, nem mesmo quando utilizadas altas doses. O conhecimento médico da ação teratogênica - que produz dano ao embrião - das substâncias químicas até 1961 era limitado. O fármaco então foi junho 2010 |

MEUSUL | 21 REVISTA


CAPA

TALIDOMIDA

lançado no mercado em 1956, como um medicamento antigripal, com a marca registrada Grippex. Reconhecidos os efeitos sedativos e, apesar dos resultados não satisfatórios para a segurança do seu uso em seres humanos, a Grunenthal lançou o medicamento Contergan, como sedativo, em outubro de 1957. Aí, em pouco tempo tornou-se um dos medicamentos mais vendidos na Alemanha. Foi anunciado como “inteiramente atóxico”, “completamente inócuo”, “completamente seguro” e vendido sem prescrição médica. Consta que, na época, a indústria ainda enviou 200 mil cartas para médicos de todo o mundo e 50 mil para farmacêuticos. Segundo o pesquisador Wilhelm Lenz, entre 1954 e1957 a indústria realizou vários ensaios para avaliar a eficácia da Talidomida em diversas situações clínicas. Associações da Talidomida com outros compostos foram comercializadas com indicações para tosse, asma, resfriados e cefaleia. Uma das formas de apresentação, a líquida, era usualmente utilizada em hospitais alemães para sedar crianças, durante exame de eletroencefalograma. A indústria teve um aumento fantástico nas vendas. Assim, a empresa expandiu suas fronteiras e cerca de 20 países foram licenciados para produzir ou distribuir esse medicamento. Na época, 14 empresas eram responsáveis pela produção da Talidomida sob diferentes no-

“O medicamento era prescrito, principalmente, para mulheres graávidas para alívio de enjoos, naúseas e vômitos”.

mes e marcas e, rapidamente, a comercialização se difundiu por vários continentes, incluindo 11 países europeus, sete africanos, 17 asiáticos e 11 nas Américas do Norte e do Sul, entre eles, o Brasil. A Talidomida também chegou a vários outros, sob a forma de amostras, enviadas para os médicos ou clandestinamente para pacientes. Ela era prescrita principalmente para mulheres grávidas como antiemético - uma classe de remédios usados no alívio dos sintomas relacionados com o enjoo, as náuseas e os vômitos. 22 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

LIANA: VÍTIMA DA TALIDOMIDA NA REGIÃO Foi para amenizar os enjôos, típicos da gestação, que dona Maria Luíza Bittencourt, na época, moradora de Orleans, obteve a prescrição médica para tomar Talidomida, no início de 1960, Dona Maria Luíza, hoje já falecida, estava grávida de Liana, a segunda filha com o marido Juarez Bittencourt. Dona Maria Luíza faz parte de um universo formado por milhões de pessoas que tomaram Talidomida, em 46 países, principalmente por mulheres gestantes, transformando-se em um dos medicamentos mais populares da década de 50. Acontece que começaram a surgir bebês com malformações congênitas em todos os cantos do mundo e, no princípio dos anos 60, os pesquisadores demonstraram ser ela, a responsável direta por uma verdadeira catástrofe. Somente naquela década, estimou-se que, pelo menos, 10 mil bebês, a maioria deles, alemães, apresentaram malformações ou simplesmente a inexistência de braços e pernas, em consequência da ingestão da Talidomida, por suas mães, nos três primeiros meses de gestação. Os defeitos no nascimento não se restringiram somente a focomelia - encurtamento dos membros do feto, tornando-os semelhantes aos de uma foca - e amelia – que é a ausência total de um ou mais membros. Incluiu também surdez, cegueira, abertura do palato, paralisia facial, anomalia crânio-facial, ausência de orelha, ouvido pequeno, malformações nos ór-

gãos internos, defeitos no coração, anomalia urogenital e intestinal e ausência de um dos pulmões. Em 22 de outubro de 1960 nasceu Liana, no hospital de Orleans. A alegria e a expectativa dos pais caíram por terra quando o médico que fez o parto deu a notícia: Liana nasceu com os braços atrofiados. Não apresentou nenhum problema em qualquer outro órgão, interno ou externo. A razão para o surgimento da deformidade não demorou a ser desvendada. “Meus pais me contaram que as pessoas chegavam a se aglomerar na porta do hospital, querendo ver como tinha nascido a filha do seu Juarez e da dona Maria Luíza”, conta Liana. Segundo Hans Ruesch, historiador médico, um grande número dessas crianças era natimorta ou morreu pouco tempo depois após o nascimento. Os pais entraram em choque, muitas mães ficaram loucas e algumas chegaram até mesmo ao suicídio. Os pais de Liana precisaram tratamento psicológico. Depois de um tempo, a mãe suportou a fatalidade com relativa perseverança, mas o pai, Juarez, não. “Ele era muito católico e não aceitava o fato de ele, logo ele, tão devoto, ter tido uma filha com um problema desse. Ele via aquilo como um castigo que julgava não merecer. Mas com o tempo, esse sentimento foi passando e ele foi aceitando a realidade”, conta Liana. No Brasil, a Talidomida tornou-se disponível em 1958. Foi comercializada por vários laboratórios,


Talidomida, justiça e indenizações

com os nomes Ectiluram, Ondosil, Sedalis, Sedim, Verdil, Slip. A mãe de Liana foi medicada com o Sedalis pela médica Ângela Soutto Mayor, de Tubarão, em 15 de outubro de 1959, portanto, quando ainda não estava grávida de Liana, nascida somente em 22 de outubro do ano seguinte. A receita é uma relíquia do ponto de vista da historiografia da doença no Brasil. “As fotos de quando eu era criança perdi todas na enchente de 74, mas a receita não”, revela Liana. Foi retirada do mercado mundial em junho de 1962, mas continuou a ser utilizada mesmo após a sua retirada devido a falta de informação, descontrole na distribuição, omissão governamental, poder econômico dos laboratórios e, especialmente no Brasil, pelo hábito da automedicação. Depois de 1962, com o reconhecimento da Talidomida como o medicamento responsável pela síndrome, o Governo Federal, através do Serviço Nacional de Fiscalização de Medicina e Farmácia (SNFMF) cassou a licença dos produtos contendo Talidomida. Em 1962, oficialmente, todos os medicamentos que continham Talidomida não poderiam mais ser comercializados, conforme o Termo de Inutilização do Medicamento, de 13 de novembro daquele ano. Porém, o documento só foi formalmente estabelecido em 30 de junho de 1964, ou seja, durante dois anos não houve nenhum tipo de controle sobre a comercialização e uso. Após 1965, surge a chamada segunda gera-

ambulação (mobilidade) e incapacidade para o trabalho, sancionando a Lei 7070 de 20 de dezembro de 1982”, diz a pesquisa das acadêmicas de Farmácia Áurea Regina Jesus Silveira, Eleusa Caíres Pardinho e Marcela Acácia R. Gomes, da Universidade Federal do Pará.

TALIDOMIDA

envolvendo a mídia, o governo brasileiro assumiu sua responsabilidade e concedeu pensão alimentícia vitalícia de meio a quatro salários mínimos, de acordo com o grau de severidade, levando em consideração quatro itens de dificuldade: alimentação, higiene, de-

CAPA

Famílias das crianças de várias regiões do mundo organizaram-se em associações, para exigir algum tipo de indenização das empresas produtoras da Talidomida. Em 27 de novembro de 1973 foi registrada em Porto Alegre (RS), a Associação Brasileira dos Pais e Amigos das Crianças Vítimas da Talidomida (ABVT), reconhecida como de utilidade pública, Lei 1932 de 1975. Teve como presidente e patrono da ação indenizatória no processo 6.99/78, contra a União Federal e laboratórios farmacêuticos, o advogado Walkírio Ughini Bertoldo. A ação foi movida por 252 portadores de defeitos físicos e que se arrastou por muitos anos devido a vários problemas, principalmente a dificuldade de comprovar, depois de muito tempo, o uso da Talidomida durante a gravidez. “Após quase 10 anos de tramitação e com intensa campanha

ção de vítimas da Talidomida. A partir daí, o medicamento deveria ser utilizado exclusivamente para o tratamento da hanseníase. Em julho de 1998, o FDA, órgão norteamericano de controle de medicamentos, aprovou a eficácia da Talidomida para os portadores de hanseníase, porém, impôs restrições seriíssimas para sua distribuição. No Brasil, a Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde decidiu, em 1997, que a Talidomida só poderia ser indicada e utilizada mediante os programas oficiais contra a Hanseníase, DST/ Aids e doenças crônico-degenerativas (lúpus eritematoso, doença enxerto- contra-hospedeiro).

Acima, uma relíquia. A receita médica, do remédio Sedalis, receitada à mãe de Liana, quando ela ainda não estava grávida, em 1959.

junho 2010 |

MEUSUL | 23 REVISTA


CAPA

TALIDOMIDA

Dentre os 252 autores pretendentes à indenização, os especialistas em Síndrome da Talidomida, concluíram que, 121 casos diagnosticados deveriam ser portadores de defeitos físicos causados pela ingestão de medicamento à base de Talidomida. Os outros casos foram relacionados a defeitos genéticos ou fatores exógenos. De acordo com o trabalho das estudantes, as três empresas juntas pagaram uma indenização em dinheiro equivalente a dois mil dólares, rateada por 121 pessoas e apenas para aqueles que demonstraram ter deficiência em grau máximo e dependência total. “Esses valores são irrisórios quando

comparados aos 31 milhões de dólares que, em 1967, a Chemie Grunenthal concordou em pagar às crianças afetadas na Alemanha. Na Inglaterra, a Distillers contribuiu judicialmente com dois milhões de dólares por ano, durante dez anos, para um fundo encarregado de cuidar das 430 crianças sobreviventes. No Brasil, alguns crimes são compensadores, pois os valores obtidos com as vendas do produto pagam as modestas indenizações estipuladas e ainda geram um lucro fantástico”, desabafam as pesquisadoras brasileiras. Liana Bittencourt está entre as 252 pessoas da ação coletiva, e entre as 121

que conseguiram provar ter dependência em grau máximo. “A sentença de minha ação saiu em 83, acredito. Ganhamos o que equivale hoje cerca de R$ 120 mil. Na época, o laboratório fez um acordo em pagar indenização pelo equivalente ao dia de nascimento até a data quando o governo assinou a lei, em 82. A partir daí o governo assumiu a pensão vitalícia,” diz. Liana esclarece que a lei previa o pagamento de meio até quatro salários mínimos para cada ponto, de uma escala que ia de um a 16 pontos, de acordo com o grau de sequelas da pessoa. Depois a lei foi alterada e esta tabela passou a ser considerada de um a oito pontos.

Lula em mais um capítulo das indenizações Em janeiro deste ano, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei nº 12.190, que prevê como indenização às vítimas da Talidomida o pagamento de valor único de R$ 50 mil, mas que pode ser maior dependendo das sequelas. A indenização da União não será acumulável com o benefício já recebido por via judicial. Segundo a presidente da Associação Brasileira dos Portadores da Síndrome da Talidomida, Cláudia Marques Maximino, essas ações deverão ser retiradas para que a indenização venha mais rapidamente. Cláudia comemorou a sanção da lei, que ela viu como uma admissão de culpa do governo por ter permitido que a droga fosse utilizada no país sem a comprovação de sua segurança. “Não há dinheiro que pague o que a gente sofreu, mas é como se o país dissesse: “Erramos com vocês, desculpem”. Na mesma linha de raciocínio, Liana diz que os valores de indenização estabelecidos pela Justiça não pagam o que a Talidomida deixou. “O que foram os R$ 120 mil. Deu pra comprar um apartamento. Eu, como tenho grau sete na escala de um a oito de deficiência,

24 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

deveria ganhar sete salários mínimos, mas está longe disso. Nunca vem o valor certo por causa da defasagem” Liana ainda tem o privilégio de sempre ter trabalhado e podido contribuir com a Previdência. Com 32 anos de carteira assinada, Liana já está aposentada há quatro anos. Por ter tido mais de 20 anos de contribuição social, por lei ela ganha um adicional de 35%. O homem precisa ter no mínimo 25 anos de contribuição. “Eu também tenho direito previsto em lei a um adicional de 29% porque preciso de acompanhante 24 horas por dia e meu grau ultrapassa o número”, diz. Liana sabe que tem uma renda muito boa, o que lhe permite amenizar algumas de suas limitações. Mas ela se comove com as pessoas que não têm tal sorte. “Têm pessoas muito pobres que não tem dinheiro nem para passagem de ônibus para participar de um encontro da nossa associação. Dá pena. Muitas vezes quem pode mais acaba ajundando de uma maneira ou outra. Por várias razões, muita gente se isola e acaba nem sabendo de algumas de nossas conquistas”, diz Liana.

Lei nº 12.190 foi sancionada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em janeiro de 2010


TALIDOMIDA CAPA

Segunda e terceira geração Paralelamente à mobilização pela garantia e ampliação dos direitos dos portadores da síndrome da Talidomida, o Movimento pela Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morham) e a Associação Brasileira dos Portadores da Síndrome da Talidomida - ABPST vinham sendo notificados sobre o surgimento de uma segunda geração de casos. Em 1988, com base na denúncia e com a iniciativa de uma rede inglesa de televisão, foram identificados 21 casos envolvendo pessoas nascidas após 1965. Em 1993, a imprensa nacional e internacional divulgou os resultados da primeira etapa da investigação, causando impacto, despertando o interesse das autoridades do Ministério da Saúde, de entidades privadas e estrangeiras, no financiamento de projeto de investigação, para identificação de um maior número de casos em todo o território nacional. Foram selecionados 61 portadores de deficiências com deformidades e histórico clínico que poderiam ser da síndrome. A divulgação dos resultados dessa pesquisa no Brasil teve como conseqüência a proibição da prescrição da Talidomida para mulheres em idade fértil, ou seja, capazes de gerar filhos, em todo o país, em 1994. Com a insatisfação gerada entre os diversos grupos sociais, ficou estabelecida através de portaria, em 1997, a sua produção limitada aos laboratórios oficiais, a proibição da comercialização e a distribuição restrita ao serviço público de referência nos programas implementados pelas três esferas que compõem o Sistema Único de Saúde. Manteve-

Claudia Maximino, presidente da ABPST - Associação Brasileira de Portadores da Síndrome da Talidomida

-se a proibição para uso em mulheres em idade fértil, compreendendo da menarca (primeira menstruação) à menopausa, os casos excepcionais de indicação do fármaco, esgotados outros recursos terapêuticos e dentro das condições clínicas aprovadas, devendo ser encaminhados de maneira excepcional, com justificativa fundamentada e com a segurança da utilização de métodos contraceptivos, para tratamento em unidades de referência previamente cadastradas pelas secretarias estaduais ou municipais de saúde. Mas no Brasil, o que parece ser seguro deixa de ser de uma hora para outra. Entre 2006 e 2007 foram denunciados três novos casos de vítimas da Talidomida. O problema, investigado pelo Ministério da Saúde, reavivou a polêmica sobre o uso do medicamento. Na época, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, encomendou a auxiliares um relatório sobre os riscos e benefícios do uso do remédio, como se as pesquisas no mundo já não tivessem mostrado quais são eles. “Muitos especialistas afirmam que a droga é muito eficaz e barata para o tratamento de determinadas doenças. Mas é preciso um acompanhamento muito rígido sobre o uso”, disse Temporão. Segundo a gerente nacional do Programa de Controle de Hanseníase, Maria Leidi Oliveira, das três crianças que nasceram com deformações provocadas pela talidomida, somente uma mãe era de fato paciente. Em um dos casos, a gestante tomou a talidomida que era do marido e, em outro, uma jovem de 17 anos tomou escondida o remédio da avó,

que o usava para tratamento de mieloma múltiplo. Diante desses últimos casos de vítimas o ministro afirmou que estava aberta a discussão sobre uma possível proibição da droga. A discussão, de fato, nunca cessou. Em maio deste ano houve mais um evento para tratar a questão. Anvisa, Mohran, pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e a sociedade civil discutiram a regulamentação da Talidomida na sede da

“Apesar da proibição, em 2006 e 2007, foram denunciados três novos casos de vítimas da droga Talidomina”. ABPST, com objetivo de aprimorar a regulamentação legal do medicamento no Brasil. A discussão abrangeu aspectos desde sua fabricação, embalagem, termos de responsabilidade, até a chegada aos pacientes que dela fazem uso. Segundo texto dos coordenadores do encontro “a reunião consolidou todas as leis e portarias num único documento, com todos os procedimentos para o uso seguro da droga evitando assim o nascimento de novas vítimas da síndrome da talidomida”. Entre os participantes, a professora do Departamento de Genética da UFRGS, Lavínia Faccini. “O uso é bastante controlado, mas mesmo assim ainda há casos de pessoas nascendo com deficiência”, advertiu. junho 2010 |

MEUSUL | 25 REVISTA


7ª FEINCOS

26

Momentos da 7ª Feincos e aniversário da BAND

A Feincos, maior feira multi-setorial da região sul de Santa Catarina fez sua sétima edição. Anteriormente era realizada em paralelo a Produsul. Agora, a Feincos ganhou maiores proporções e independência e aconteceu pela primeira vez sem a realização da sua antiga feira mãe. A feira foi dividida em dois setores. O pavilhão de stands e a arena de shows. O espaço dos stands a feira reuniu dezenas de expositores da indústria, do comércio, dos setores de serviço e do turismo, que apresentaram seus empreendi-

mentos para um público de aproximadamente de 20 mil pessoas, durante os quatro dias do evento. Com a independência, a Feincos passou a ter uma arena própria para shows, com estrutura totalmente coberta, inédita no Sul do Estado. Estima-se que a feira movimentou cerca 600 trabalhadores diretos e 3, 5 mil indiretos. Aproximadamente 600 seguranças, três UTIs móveis, 250 músicos e 400 produtores estiveram envolvidos no evento.

BAND APOSTA NA FEINCOS A organização da Feincos neste ano não queria correr o risco que correu em outras edições, quando a parte de exposições fechou com saldo positivo, mas os shows deram prejuízo, comprometendo o saldo final. A opção foi terceirizar os shows e então, a Central Barriga Verde - CBV, entrou no negócio. “Coincidentemente, no mês de maio fazemos dois anos que estamos em Tubarão com a rádio FM, ainda que com a TVBV estejamos há muito tempo. Então, assumir os shows de Maria Cecília e Rodolfo e Victor e Leo foi, sem dúvida, uma demonstração de que gostamos e acreditamos no potencial de Tubarão e região”, destaca o

“Buscamos parceiros que queriam crescer junto com a gente e a Feincos é um deles”. (Saul Brandalise)

superintendente da Band/TVBV para o Sul do Estado, Paulo Araújo. A empresa bancou a vinda dos dois shows e arcou com os riscos de fracasso, mas também adquiriu para si os méritos do sucesso. O sócio-proprietário do grupo CBV, Saul Brandalise, presente na feira do primeiro ao último dia, ratifica que a aposta na Feincos é mais uma raiz na consolidação do espaço conquistado pela CBV no Sul do Estado. “Nossa célula está sediada em Tubarão, com sucursal em Criciúma. Temos um carinho muito grande pela região, buscamos parceiros que queiram crescer junto com a gente e a Feincos é um deles”, disse.


AMPLIAÇÃO Quem sabe a importância de uma feira de negócios quer ver crescer o evento e isso faz com que ele mesmo dê palpites dos erros ou equívocos cometidos. Às vezes, nada de errado há, mas é preciso ouvir as sugestões. Partindo desse princípio, para o próximo ano, a feira deve ser dividida por setor, além de ser ampliada. A declaração é do secretário de Indústria e Comércio de Tubarão, Estener Soratto Júnior. “Alguns expositores nos deram alguns conselhos, sugestões para que na próxima Feincos a gente crie setores, de um lado as empresas de um determinado segmento, na outra lateral, de outro setor, no meio, outro e assim por diante. Vamos discutir essa e outras ideias e veremos o

que será melhor para todos os envolvidos”, revela. Outra mudança praticamente certa é a ampliação. “Vendemos os espaços dos estandes muito rápido, o que é bom sinal. Os locais eram grandes. Então, para trazer mais empresas, precisamos expandir a feira para o lado externo também. Alguns segmentos podem e deverão se sentir ainda mais atraentes, como é caso dos automóveis”, avalia Soratto Júnior. O secretário garante também que recebeu pessoalmente muitos elogios de expositores enquanto visitava a feira. “Divido esses elogios com todas as pessoas que contribuíram com esse magnífico evento”, finalizou

Feincos agradou organizadores, mas mudanças substanciais devem ocorrer A sétima edição da Feincos - Feira da Indústria, Comércio e Serviços – teve o “dedo de muita gente”. A parceira entre o Cecontu - Centro de Convenções e Eventos de Tubarão - com a Acit, CDL, Sindilojas, prefeituras de Tubarão e Capivari de Baixo, Governo do Estado de SC, Tractebel Energia, Facisc e Fiesc resultou numa das mais belas edições da feira e, sobretudo, ergueu o ânimo do empresariado quanto ao futuro do evento. Foram cinco dias de feira com visitação aos estandes de empresas de diferentes segmentos da indústria, comércio e serviços. Em complemento,

aconteceram shows nacionais e atrações culturais, apresentando uma nova estrutura, sob a produção das empresas Palcosul e Park Produções e apoio cultural da Band FM. Eventos paralelos ocorridos dentro da Feincos contribuíram por dar ainda mais destaque à edição deste ano, como a Feijoada da Unisul, que arrecadou R$ 12,5 mil destinados à Combemtu (Comissão Municipal do Bem Estar do Menor e do Adolescente de Tubarão), o Seminário Nacional de Inovação “Inovação no setor produtivo: um diferencial para o crescimento sustentável e a competitividade” e o

Workshop Sul Competitivo “Ciência, Tecnologia e Inovação”. Além de contribuir com o destaque ao empreendedorismo de Tubarão e região, a Feincos também gerou oportunidades de negócios aos expositores, fomentando ainda a economia através da contratação de mão-de-obra nos períodos que antecederam e durante a feira. Para o presidente do Cecontu, Eduardo Silvério Nunes, “os resultados já se revelam muito positivos através da satisfação externada pelos expositores com toda a estrutura disponibilizada e as oportunidades decorrentes dos contatos firmados na feira”.

Cecontu será remodelada Em seu estande, o Cecontu apresentou oficialmente ao público o projeto da nova estrutura do local, que receberá mais investimentos na fachada, no espaço interno e área externa. Para esta edição da Feincos, já foi investido na área de estandes, na estruturação de dois auditórios climatizados para 130 lugares cada e na arena de shows, que ganhou cobertura e piso emborrachado. Os próximos eventos deste porte prometem ainda mais novidades. O coordenador do evento, Carlos Krass, o

Carlão, a Feincos é promissora, mas precisa passar por algumas mudanças. “Vamos propor que os dias de feira de negócios não sejam os mesmos dos dias de show. Público de negócios é um e de show é outro. Pensa também que precisamos atrair mais empresas de fora, pra se juntar às nossas. Assim, a feira se torna atraente tanto ao público que vem de longe, pois vai conhececer nosso potencial, quanto para as pessoas da região, que não tem na feira novidades vindas de outras regiões do país”, diz Carlos.


MARÉ ALTA INVESTE Um dos estandes mais atraentes e visitados na Feincos foi o da Maré Alta Confecção. Neste ano a empresa lançou no mercado um produto pioneiro, com o qual busca uma identificação de seus clientes com o conceito de sustentabilidade. É a camiseta Eco Style, com malha 100% de algodão rústico sem tratamentos químicos pesados e sem embalagem plástica. A camiseta também acondicionada em um cinto de papel com a frase “Você pode transformar o planeta” e um adesivo “Sementes pelo planeta”. O TAG é numerado com corda de sisal contendo sementes de espécies da mata atlântica brasileira com uma das frases “Você é o agente da transformação número...”, na frente “Faça sua parte por um mundo melhor”, na frente. No verso há os dizeres “Você sabia que esta é a cor natural do algodão? Este produto é confeccionado com fibras 100% naturais mantendo as características rústicas e originais do algodão(cascas, resinas, etc). Cada camiseta Eco Style contribui com o planeta deixando de utilizar em sua

fabricação,seis litros de água, 100g de tensoativos e corantes, 30% de energia (vapor e eletrecidade), outros (soda cáustica, peróxido de hidrogênio, fixadores, carriers).” A embalagem também traz um aviso: “Agora a sua parte: Você recebeu uma espécie da mata atlântica brasileira recolhida em florestas brasileiras por crianças em idade escolar integrantes do projeto Verde é vida. Ao plantá-la você estará completando um ciclo de restauração de vida envolvendo muitas pessoas.” Em seguida segue ainda a orientação para o plantio. Nos últimos anos assistimos a evolução da consciência ecológica em nível global. O tema sustentabilidade tornouse freqüente e a discussão virou pauta de toda a sociedade organizada. A Maré Alta reuniu esforços justamente para buscar a multiplicação de conceitos e ações verdes, transformando de maneira pró-ativa a rede de relacionamentos de seus clientes em ação sustentável. “A criação e substituição de camisetas comuns por cami-

setas ecologicamente corretas preservando as características rústicas originais do algodão, potencializadas por uma ação, e ao mesmo tempo uma campanha ecológica de fato, convida e envolve os usuários finais das camisetas a se engajar conjuntamente por um planeta melhor. Cria-se assim um ciclo verde envolvendo todos os participantes. A simples opção por uma malha ecologicamente melhor concebida já seria um bom exemplo de como podemos contribuir cada qual em seu setor para o futuro de nosso habitat natural”, revela o empresário da Maré Alta Alessandro Caporal Fernandes. A Maré Alta resolveu estender este “abraço” ecológico elevando esta mensagem a um nível propagador e colaborativo e, portanto, muito mais promissor. A idéia é transformar as pessoas que recebem as camisetas em agentes de mudança e comprometimento. Convidar os tantos cidadãos que alcançamos diariamente através a ação conjunta, multiplicadora e realmente transformadora.

Maré Alta investe em tecnologia para contribuir com o meio ambiente


por Larissa Volpato Schlickmann

GATA DE BOTAS

MODA

Pernas pra que ti quero? Ora, para usar as botas mais quentes deste inverno. Quentes e ousadas. Os modelos da estação podem favorecer seu look ou acabar com ele. Para você não errar, ai vão algumas dicas de como usá-las a seu favor.

Apesar das botas serem tendência neste inverno, use o bom senso na hora da escolha. Over the Knee, Cuissardes, Thigh high boots: todos esses “estrangeirismos” servem pra descrever aquelas botas cujo cano ultrapassa a altura do joelho, e que são a febre desse inverno. Elas podem ficar lindas se usadas do jeito certo, mas também podem virar um grande desastre. Aprenda como fazer o look dar certo e arrasar nos dias mais frios do ano. Pernocas grossas, atenção: aposte nos looks monocromáticos da cintura pra baixo, de preferência em tons escuros. Tome cuidado pra não escolher um modelo de material muito grosso, porque engrossa mais ainda as pernas, fique de olho também com o cano, a bota precisa ficar certinha, mas não pode ficar apertada demais, denunciando todas as gordurinhas em cima do joelho. Se suas pernas são mais finas, você pode combinar as botas com minissaias e vestidos, mas tome cuidado pra usar a parte de cima mais

32 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

comportada. Isso vale pra todo mundo, esse modelo de bota já é sensual por si só, por isso não exagere em mais nada, nem nos decotes, muita pele de fora, nem na maquiagem. Aposte nos acessórios mais discretos, pra equilibrar o look. As Over the knee estão disponíveis no mercado em modelos com e sem salto, se você for baixinha, aposte nos modelos com salto. Experimente antes de comprar e só peça opiniões da vendedora da loja se ela for realmente sua amiga. É bem fácil escorregar em tendências desse tipo, que não são para todos os corpos e estilos. Todas as regras tem exceções, por isso tenha bom senso. Se você se olhar no espelho e se achar um pouco vulgar, esqueça e tente uma Ankle Boot. As Ankles já são velhas conhecidas nossas, e são bem mais fáceis de usar que as suas amigas acima do

joelho, mesmo assim não custa lembrar: o jeito mais fácil de usar é como a menina da foto, com jeans skinny. Nem pense em combiná-las com vestidos, saias ou bermudas no joelho, achata a silhueta até de quem tem 1.80m. Para não encurtar as pernas, a regrinha do monocromatismo vale aqui também. Ankle escura com meia calça ou skinny escura, ou Ankle boot em tons nude com saias e shorts curtos, sem meia. Os modelos sem salto ficam ótimos pra quem é magra e alta. Mais uma vez, lembre-se de, que o bom senso deve sempre guiar suas escolhas. A maioria das pessoas erra nas produções porque não conhece bem seu corpo ou quer usar todas as tendências, mesmo que elas não tenham nada a ver com o seu estilo pessoal. Prove várias combinações, em casa, com um espelhão daqueles que dizem a verdade.


Mercado de trabalho

CORRIDA DO

EMPREGO

CARREIRA

Estar insatisfeito com emprego ou buscar outra colocação faz parte da vida. Pode acontecer por vários motivos. Mas como ir a busca de outra colocação enquanto ainda se está empregado?

Uma oportunidade de trabalho melhor, com salário maior e possibilidade de crescimento profissional não costuma bater à nossa porta facilmente. Pelo contrário, quem busca algo melhor é que tem que bater à porta do mercado. Especialistas no assunto dizem que há maneiras de prospectar o mercado sem infringir regras de etiqueta com o atual empregador, caso contrário a pessoa poderá ter a reputação arranhada. A recomendação é de Ivan Witt, headhunter e sócio de uma consultoria especializada na seleção de profissionais para cargos de alta qualificação e aconselhamento profissional. “Recebo currículos ou

“A melhor hora para procurar emprego é quando se está empregado”.

34 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

questionamentos enviados de endereços corporativos. É no mínimo deselegante, e mostra que o profissional não presta atenção aos detalhes, um ponto contra antes mesmo de estabelecer um contato com a consultoria. Espera-se que esses profissionais atentem para essa situação e cuidem de sua imagem corporativa” diz. A frase “a melhor hora de procurar emprego é quando se está empregado” é muito utilizada. No entanto, Ivan ressalta que os headhunters aprofundam suas análises e prestam atenção nos porquês da mudança. “Somos habituados a buscar os melhores talentos nas melhores empresas. No entanto não desprezamos uma indicação ou um candidato interessante que se apresente por conta própria. O mercado é muito grande e dinâmico e é impossível conhecer todo mundo. Por isso é legítimo prospectar”.

ELEGÂNCIA E “DESCONFIÔMETRO” NA HORA DA PROCURA Ética Nunca envie currículos e faça contatos visando as entrevistas, utilizando recursos da empresa em que está atualmente. Use sempre seu e-mail pessoal e seu celular, de preferência em intervalos, horário de almoço ou depois do expediente. A maioria das corporações monitora as contas de e-mail e isso é legalmente aceitável. Discrição Não comente com ninguém que está buscando outras oportunidades, principalmente com colegas de trabalho. Não se trata de uma questão de confiança, e sim da sua integridade moral. Trate disso com total confidencialidade. Critério Ao enviar seu currículo e carta de apresentação a uma consultoria, certifique-se da

seriedade e do método de trabalho. Existem vários casos de currículos enviados ao atual empregador. Respeito a horários Busque marcar entrevistas sempre fora do horário do expediente. Consultores e “headhunters” entendem o porquê dessa escolha. Nunca deixe de comparecer a uma entrevista sem avisar com bastante antecedência e contemple possíveis imprevistos evitando assim atrasos. Cuidados extras Pela pressão dos compromissos corporativos, conversas com possíveis empregadores ou headhunters podem acontecer em almoços ou jantares em restaurantes. A chance de ser visto por um colega ou conhecido existe, e aí a confidencialidade do processo fica comprometida. Fique atento e procure um lugar discreto e afastado do seu cotidiano.


Curriculum Vitae

CURRÍCULOS O marketing pessoal é uma boa ferramenta para os que têm ambição em uma vaga específica no mercado de trabalho. Mas, o exagero na formatação do currículo é uma armadilha e pode complicar a vida do candidato.

O mercado de trabalho é digladiado dia-a-dia por um grande número de desempregados e um bom currículo é um passo importante para quem quer entrar no jogo. Neste caminho é imprescindível ao candidato conhecer suas aptidões e reuni-las da melhor forma no material de apresentação. Mas, muitas vezes, ou na verdade em 40% delas, para se sobrepor aos concorrentes, na produção da apresentação, o candidato acaba inflando - com títulos que não possuem a propriedade, ou desconhece -, ou omitindo informações. Formação, fluência em idiomas, motivo da saída da empresa, responsabilidades, tempo de trabalho e salário exagerados, são alguns exemplos de exageros. E, aquele ‘jeitinho brasileiro’, as conhecidas artimanhas para passar a perna em alguém, pode complicar o candidato. Cada vez mais atentas e precavidas, contra esta prática, as empresas que selecionam currículos, investem mais tempo na analise e investigação do candidato. A prática se tornou comum, tanto que a Câmara dos Deputados deve votar um projeto lei para tornar esta forma de beneficiamento próprio, um crime e sujeito a pena. Nos últimos tempos, o caso que virou manchete em vários meios de comunicação foi protagonizado pela candidata à presidência da República Dilma Roussef. Ela foi acusada de preencher seu currículo com inverdades. A presidenciável se defendeu da acusação, informando que os dados - constantes no cadastro -, não haviam sido preenchidos por ela. Para muitas empresas já acostumadas com as tentativas dos candidatos, é fácil identificar este tipo de ação. A fluência em idiomas é a mais fácil de ser identificada. Um teste rápido pode provar a tentativa frustrada pela vaga. A demissão, apesar de não ser bem vista, também não precisa se tornar uma dispensa em massa. No caso das responsabilidades, na maioria das vezes o candidato torna um trabalho em equipe, um sucesso pessoal e no meio das explicações a tentativa de se valorizar pode acabar com as chances de uma contratação. Pior ainda se a descoberta ocorrer após a contratação,

CARREIRA 36 |

EXAGERADOS

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

ai um novo emprego se tornará uma questão de sorte, pois haverá uma grande mancha no currículo. No caso da formação, é melhor a honestidade, pura e simples. Ficará muito ‘feio’ o superior designar o candidato a uma tarefa que esta explicita no relato de atribuições e ele não conseguir cumprir. De acordo com a administradora e mestre em gestão de relações humanas, Maria Bernardete Pupo o melhor a ser feito é entender que o curriculum vitae é um objeto mercadológico e não biográfico, onde o candidato deve usar o conhecimento para elaborar seu histórico da melhor maneira possível.

Em todos os casos, o que vale é o candidato manter a calma. Na hora de apresentar o currículo e posteriormente em uma entrevista mostrar estar preparado para os desafios, pois já diz um velho ditado ‘a mentirá tem perna curta’.

Veja abaixo algumas dicas do que NÃO escrever no seu currículo:

cária, RG, e conta ban * Número d de fora. MSN ficam lindo. Foto ta se você é * Não impor licitado. apenas se so ou sua sirias de vida * Evite histó icana não! Novela mex l. ua at ão tuaç ar: muito válido lembr * Sempre é . E nada o por tuguês cuidado com s. oi a caneta dep de corrigir o. Nunca pre impress * Papel sem xerox. entregue um : NÃO impor tante * E o mais AIS! MINTA JAM


Namoro adolescente TEEN 40 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

RELACIONAMENT A adolescência é um momento sublime da vida de todos, de curtir uma balada e ‘ficar’. Também é tempo de descobrir o que o mundo ‘pré-adulto’ pode oferecer. Porém muitos jovens perdem esta etapa da vida em função do namoro precoce e também em função da gravidez. Como lidar com esta situação?

Em meio ao processo de ‘evolução’, o mundo, muito mais precoce, oferece novas experiências. Cada vez mais cedo meninos e meninas sentem as mudanças físicas e psíquicas, porém estão expostos a condições em que não estão acostumados a lidar. Sair para festar, consumir bebidas alcoólicas, drogas e sem noção do significa a convivência a dois, começam também a namorar. Esta vivencia a dois é fato crescente entre jovens de 13, 14 e 15 anos. Pesquisas em relação à população jovem mundial apontam que na última década, triplicou o número de adolescentes que iniciam a vida a dois nesta idade. Porém o namoro precoce é desaprovado pela maioria dos pais. Isso não é novidade, já que para o jovem o interessante é o perigo, o risco, seja justamente por seus ‘coroas’ muito novos para namorar, por ele não aprovar a sua escolha ou por decisão apenas sua. O adolescente amadurece cada vez mais cedo e não vê a hora de estar com aquele ‘carinha’, ou a ‘gatinha’, pauta de muitas fofocas que olha diferente na escola e na primeira aproximação pensa em ter uma relação estável, ao menos enquanto dure. Para o adulto é mais interessante ver o filho ou filha ter um objetivo, estudar, entrar na faculdade, enfim, ter garantias

para somente depois pensar no namoro e assim por diante. As divergências entre pais e filhos iniciam justamente neste ponto. Os pais tem a certeza de que não é a hora de construir o relacionamento, enquanto o adolescente, com mais intimidade com o (a) parceiro (a) tem a certeza de que chegou a hora, de adiantar mais um passo. Esta dificuldade torna mais frequente os conflitos familiares e contribui para criar outros problemas. “É frequente ouvir os pais dizerem, principalmente para às meninas, que não está na hora de iniciar um namoro, contudo no ambiente escolar e grupo de amigos o “papo” é só namoro”, avalia a psicóloga Bruna Freccia Felipe. O que deveria prevalecer era a autoridade familiar, mas até mesmo para os pais a situação é desconfortável analisa a psicóloga. “Nos dias de hoje ser pai e mãe se tornou uma tarefa difícil, quando se trata da questão namoro, ocorrem muitas dúvidas, medos e receios diante desse assunto. Devem ser pontuados a autoridade de pai e mãe bem como o bom censo entre família. O namoro na adolescência atinge níveis de comportamento que preocupam muito os pais, por isso um processo que seria natural e de conhecimento muitas vezes se torna um drama proibido pela idade, companhias, sexo


TO: NAMORANDO e gravidez indesejada”, aponta. E quando a conversa segue rumos diferentes, mesmo sob proibições, os adolescentes não vêem muitas barreiras, começam a esconder ou mentir sobre fatos. “Muitas vezes em decorrência da reprovação dos pais, os adolescentes passam a fazer as coisas escondidas o que pode gerar um comportamento rebelde e um conflito dentro de casa”, revela. Proibir o namoro entre adolescentes, nem sempre é fácil. Mais difícil ainda é que os pais têm suas razões e elas fazem muito sentido. Namoro, o sexo, inconsequente, sem compromisso e egoísta, por exemplo, pode magoar e deixar feridas incuráveis. Pessoas que se aproveitam do outro apenas para seu deleite, seu bel-prazer, sem dar importância para os sentimentos. Muitos querem os privilégios da vida adulta, mas não tem responsabilidade para assumir compromissos. Então há desequilíbrio, gravidez indesejada, crianças feridas e abandonadas, mágoas e feridas que incomodam por toda a vida. Apesar da redução significativa, no caso mais comum, a gravidez, o Brasil exibe dado ainda preocupante. Mais de 20% dos nascimentos são provindos de adolescentes, três vezes mais que nos anos 70 por exemplo, números que poderiam ser minimizados apenas com o uso de preservativos e pílulas anticoncepcionais. Por outro lado a relação de confiança permite aos jovens algumas aprovações como sair para viagens, festas, dormir na casa do(a) companheiro (a) são algumas exposições conquistadas pelos jovens quando demonstram maturidade e compreensão. “O namoro é um momento de experiência e conhecimento. Idade para se iniciar o namoro não existe, o ideal é que no contexto familiar, se aprenda antes de iniciar essa fase, a respeitar o outro, suas diferenças, a valorizar-se e ao outro também, e principalmente aprenda a ter responsabilidade diante dos atos que

“Muitos querem os privilégios da vida adulta, mas não assumem responsabilidades”.

venha a cometer”. Para que tudo caminhe em direção ao bom contato entre pais e filhos a dica da psicóloga é a busca pelo entendimento. “A sugestão é de que para o relacionamento entre pais e filhos se tornem positivos no que se diz respeito a esse assunto, os pais tentem compreender que o filho adolescente precisa de liberdade, dosada com responsabilidade, e que o adolescente perceba que os pais estão fazendo pensando o melhor para eles”, acredita Bruna. A educação conta muito Um caso onde a relação aberta entre pais e filhas pode se tornar exemplo é encontrado na família de João Alexandre Fornazza e Andresa. Eles admitem não ter sido fácil aceitar ver as duas filhas, Bianca (17 anos) e Tainara (15 anos) namorar. E nesta situação, qual o pai que não tentaria retardar, argumentar sobre o futuro? Mas, a relação de confiança tornou a aprovação mais fácil, depois de muitas reuniões em família e seguida de variadas regras, como horários, dias e participação nos encontros familiares. As filhas revelam ter tido os primeiros contatos com os namorados, sem consentimento dos pais, mas que em pouco tempo aflorou a decisão de expor os sentimentos. “Sabemos os limites, tínhamos isso perfeitamente claro. Os pais são as pessoas mais importantes e deveriam ser os primeiros, a saber. Apesar de não ser fácil contar, acreditamos ter tomado a melhor decisão”, afirma Bianca. Para evitar o confrontamento, a relação em casa deve ser baseada no princípio do diálogo aberto. “O melhor é dar abertura para uma conversa transparente e encontrar a solução sem criar barreiras. Preferimos que elas estejam com os namorados, ao estarem pelas ruas com vários rapazes”, opina o casal. Este método comprovadamente foi o mais eficaz. “Apesar dos namorados serem menor de idade, temos total confiança nelas, mas preferimos em certas ocasiões, exemplo festas, levar e buscar todos, uma forma de garantir a segurança”, afirma Fornazza. Outro fato positivo é o relacionamento com os novos membros da família. “Em nosso caso, os dois tem caráter, são respeitadores. Este foi mais um motivo que torna a aceitação mais provável”, avalia. junho 2010 |

MEUSUL | 41 REVISTA


ESPORTE

Natação

FUTURO OLÍMPICO?

“Com apenas 15 anos, Mauro bateu dois recordes em seu último torneio de natação”.

42 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

Desde cedo, o orleanense Mauro Waterkemper Fernandes, se interessou pela natação e, com o apoio e incentivo do pai, Celso Fernandes, ele passou a se destacar nas piscinas. Primeiro foram às disputas regionais, depois estaduais e agora ele rompe a barreira com o estado e começa a ter destaque no sul do país. Hoje com 15 anos e representando o Clube Curitibano de Natação, entre os dias 14 e 16 de maio, o nadador conseguiu marcas importantes, nada que não seja novidade em seu currículo. No 19º Torneio Sul-brasileiro de natação, organizado pela Confederação Brasileira Desportos Aquáticos (CBDA) e Federação Aquática de Santa Catarina (FASC) e realizado no Complexo Aquático Unisul, em Palhoça, Mauro deixou sua marca ao bater dois recordes. A competição recebeu mais de 540 atletas com idade entre 13 e 16 anos. Eles representaram 47 clubes da região sul do país, e foram rea-

lizadas 72 provas dos 4 estilos de natação, peito, medley, borboleta e costa. Mauro disputou provas em três categorias, 100m peito, 100m borboleta, 200m medley. Na primeira prova ele chegou ao bronze. Mas, o nadador se guardava para as provas em que é especialista. Nas outras duas além de subir ao marco mais alto do pódio, o orleanense bateu os dois recordes. Nos 100 metros, nado borboleta, ele cravou o tempo de 00’59’’20. Antiga marca 00’59’’95, obtida pelo atleta Bruno Lopes persistia desde 2003. Já o recorde dos 200m, a diferença no tempo foi ainda maior. A marca de Daniel Moraes era de 02’17’’66 e também persistia desde 2003. Mauro fechou a prova com o tempo de 02’15’’24. Os resultados não só levaram o atleta ao espaço de destaque na competição, como também ajudaram a equipe do Clube Curitibanos a levar para o oeste do estado o titulo clube campeão geral.


SOCIAL

por Wando Ceolim

Música Tema A Copa do Mundo FIFA de 2010 é a 19º edição do evento e ocorrerá pela primeira vez no Continente Africano tendo como anfitriã a África do Sul. A organização da Copa do Mundo FIFA de futebol escolheu para a edição de 2010 do evento a musica remixada Wavin’ Flag (Bandeira ao Vento, em Português) do cantor somaliano naturalizado canadense K’naan, como música tema oficial. A música faz parte de seu terceiro álbum, Troubadour, sendo extremamente conhecida pelo público, por ser também um dos jingles das propagandas da Coca-Cola, patrocinadora oficial da copa do mundo.

Rainha Roberta Steffen Baggio e as princesas, Kellen Correa e Aline da Rosa Maciel. Mais uma bela atração da Festa do Pinhão.

Música Tema II A música atualmente já está sendo interpretada em vários idiomas, e o cantor já gravou uma das versões com o artista espanhol David Bisbal. Organizadores do evento incluiram também como outras músicas a ser apresentadas na programação musical do mundial a versão de “Oh África”, do Cantor Senegalês Akon, interpretada juntamente com a cantora Keri Hilson, e também a música “Waka Waka” (Esto És Afríca, em espanhol; This is África, em Inglês), que será apresentada na cerimônia de abertura pela cantora colombiana Shakira.

Nossa seleção A Seleção Brasileira de Futebol é o time nacional do Brasil gerido pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF) que representa o Brasil nas competições internacionais de futebol. É o time mais bem-sucedido de futebol na história da Copa do Mundo, sendo a seleção nacional que mais vezes conquistou a Copa do Mundo da FIFA com cinco títulos até então (1958, 1962, 1970, 1994, 2002) e que participará de todas as edições disputadas até 2014. Um lema comum da seleção nacional do Brasil é: Os ingleses o inventaram, mas os brasileiros o aperfeiçoaram. O Brasil é consistente entre as nações mais fortes de futebol do planeta e é a única equipe a ter jogado em todas as copas do mundo. Sábado, 19 de junho, o Martinho’s Pub, em Orleans, juntamente com a Taiga Boutique & Yes Calçados, apresentam a festa Let’s Go Friends. A grande atração da noite é a dupla LIVE DELU. DJ Xande completa a festa na pista. No Lounge Acústico Evandro Rodrigues & Banda mais a banda Panela Rock, de Floripa.

44 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

Barrako’s Dia 12 de junho a festa O Amor Esta no Ar promete ferver no Barrako’s Bar em Rio Fortuna. A nova estrutura com dois ambientes proporcionará aos frequentadores mais comodidade. Dois ambientes em uma só festa, Lounge Acústico e Espaço House, com banda Incena e Acústico Daniel Buss e DJ Adriano Kaffé e Rod BN.


por Ana Lúcia Tonon

Privilegiados Somos privilegiados por morar no sul, falo de nossa região com orgulho e me sinto honrada! Estou me referindo a Tubarão, minha cidade: moro a 17km de uma praia (Jaguaruna), 23km de águas termais (Termas do Gravatal) e a 111km da Serra (Bom Jardim da Serra). Nas regiões citadas, há belezas na-

turais e gastronomia diversificada atendendo assim a diferentes gostos! Estamos bem servidos também em hoteis,pousadas, grandes restaurantes, bistrot e cafeterias. Gostaria de dar dicas da região, mas com tamanha variedade fica difícil citar. Enfim, o sul do estado é um lugar de múltiplas escolhas.

Dicas da colunista

REGIÃO

Com esta múltipla escolha gostaria de lembrar de lugares excelentes na região: Em Tubarão temos Céu da Boca que é um local ótimo, com boa música, frequentado por pessoas bonitas e uma excelente gastronomia. Entre outros do mesmo nível, Café com Pinga, Dom Camillo, Masolino, El Mondo... Em Gravatal, o Hotel Cabanas que, além de ter um lugar aconchegante, proporciona recreação para família o dia todo com águas termais, isto é, muita saúde. Em Laguna, minha sugestão fica para o Turist Hotel, com uma visão indescritível da natureza. Atende não só a

hóspedes, mas sua programação é aberta a pessoas de bom gosto. Tem também pacotes fechados para feriados, jantares temáticos aberto mesmo para aqueles que não queiram se hospedar. Neste feriado de Corpus Christi, terá a “Noite Cigana” e jantar romântico no dia dos Namorados, com bons preços e ótima gastronomia. Quem quiser esticar um pouquinho, pode dar uma chegada na Praia do Rosa, e desfrutar de uma pousada chamada Vida Sol e Mar. Dispensa qualquer elogio.

Orgulho Brasileiro Feijoada Vip A feijoada promovida pelo colunista Ademar Robert e diretoria da associação catarinense de colunistas sociais, reuniu no Recanto das Águas Resort, em Balneário Camboriú, empresários de todo o estado e socialites. Estiveram presentes no evento o goverador Leonel Pavan e o prefeito Edson Renato Dias. Aqui registramos com fotos o grandioso evento. Ao lado, a apresentadora Vera Toledo e Ademar Robert. Abaixo Samara Buss, Ana Lúcia Tonon, Leonel Pavan e Neide Bini

Deste lado, o colunista Moacir Benvenutti, presidente executivo da Febraco e Ana Lúcia Tonon.

46 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

Na foto, Suenir, Rede Record, Gustavo Siqueira, presidente ACCS, Alex W. Van, Diarinho, Neide Bini, Troféu de Cristal e Arlan Alves, Notisul de Tubarão

Prêmio entregue em Balneário Camboriú em uma requintada cerimônia onde foram homenageados personalidades importantes do nosso estado. Nossa cidade foi bem representada pelo colunista e embaixador da paz, Arlan Alves.

Em Tubarão, em recente acontecimeto, a jornalista Magda Martins com ex-primeira Dama da capital, Rose Berger, e o radialista Antonio Bento da rádio Tubá.

Na área de esportes, fica os parabéns para o lutador Romario Durante Jr, que comemorou a vitória com a família e tubaronenses.


por Hangar Eventos

Laura Peruchi Mezari (SC-3593)

O QUE ROLOU NO HANGAR EVENTOS No dia 8 de maio, a Hangar Eventos foi palco do projeto Future Sound of Brasil, que reuniu DJs brasileiros conceituados aqui e no exterior. No line, DJ Mario Fischetti, que já recebeu prêmio de melhor DJ de House do Brasil (2004), Paulinho Boghosian, residente da Warung e melhor DJ do Brasil (2006 e 2007) e Bruno Be, que concorre como DJ revelação pela revista inglesa Djmag. Essas três feras agitaram uma super festa eletrônica para os amantes da música house.

FESTAS

Já nos dias 14 e 15 de maio, a Hangar Eventos trouxe a Criciúma e Tubarão um show super especial, com a banda internacional Queen Real Tribute. Os shows foram sucesso de público e crítica – a banda agradou e mostrou a que veio. A performance do grupo cover foi impecável e a plateia teve a sensação de estar vendo o próprio Freddy Mercury, relembrando suas famosas melodias. Quem foi, não se arrependeu.

Vem muito mais por aí... Para quem não quer ficar sozinho no fim de semana do Dia dos Namorados, a Hangar Eventos prepara duas noites especiais para a data. Dia 12, tem edição especial da Festa Dasantigas. Os DJs Jacko e Robinho prometem embalar o público com o som dos anos 50, 60, 70 e 80. No dia 13, tem mais uma Balada Teen Yázigi. A festa, voltada para o público mais jovem, foi sucesso em sua primeira edição, realizada em abril. Casa lotada, galera animada, que gostou e pediu bis. A Ba-

lada Teen Yázigi acontece entre as 15 e 20 horas, e os pais podem ficar despreocupados, já que não serão vendidas bebidas alcoólicas. Maiores de 18 anos não podem entrar, o que garante a seletividade do público-alvo. Para o mês de julho, a Hangar Eventos prepara a organização da reabertura do Lounge do Laguna Tourist Hotel. A festa acontece no dia 10 de julho, sábado e promete animar a galera que estava com saudades dos eventos lá realizados.

O site da Hangar possui todas as informações sobre os eventos realizados na casa: agenda, fotos, vídeos, notícias e informações sobre outras promoções da Hangar. Não deixe de acessar o nosso site

W W W. H AN G A R E V E N TO S. C OM.BR

48 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

Você está no Twitter? Siga a @hangareventos e fique por dentro dos nossos eventos, além de participar das nossas promoções, nas quais você pode ganhar ingressos para as melhores festas da região.


Produção e custo

PALIO DESBANCA GOL

MECÂNICOS INDICAM PALIO, DA FIAT, COMO O MELHOR CARRO PRA COMPRAR Hegemonia do Gol, há anos o mais queridinho dos reparadores, foi quebrada pelo Fiat Palio. Há tempo a Fiat vinha ameaçando bater o concorrente e a série de problemas de fábrica dos últimos lançamentos do Gol pode ter contribuído para o carro da Volkswagen perder a liderança.

CARROS

O Volkswagen Gol não é mais o preferido dos mecânicos reparadores. Uma pesquisa realizada pela Cinau - Central de Inteligência Automotiva - via internet com mais de 1,2 mil reparadores de todo Brasil, no período de novembro a dezembro de 2009 revelou que o Fiat Palio é, agora, o carro mais recomendado pelos profissionais da reparação aos clientes. Este resultado destrona o Gol de uma liderança histórica, já que desde o início da Pesquisa Cinau Melhor Carro/Imagem das Montadoras, há dez anos, o compacto da Volkswagen era o preferido dos reparadores. Por outro lado, recompensa a Fiat, com a eleição do Palio como carro mais recomendado a comprar, com 10,6% das respostas positivas. O segundo lugar ficou com o Gol, com 7,4%, e o terceiro, com o Toyota Corolla, com 5,2%, quase empatado com o Chevrolet Corsa, que obteve 5,0% de recomendação. O sedan japonês foi outra surpresa, pois nos últimos três anos o Corsa figurava na terceira posição.

sustentavam a percepção da marca como excelente: qualidade e tecnologia. Nestes dois quesitos, a Volkswagen foi a montadora que obteve o pior desempenho, entre todas as existentes no mercado. Em qualidade, o índice foi de -14,2. Para se ter ideia da diferença brutal e o quanto isso significa, a montadora que obteve melhor resultado neste quesito foi a GM, com índice de 45,8, seguida da Toyota, com 29,1, e em terceiro a Honda, com 23,4. A Fiat é a quinta, com 7,3. A quarta colocada foi a Hyundai, com 9,8. Os recalls que precisaram ser feitos nas últimas edições do Gol talvez demonstrem a queda. A Volkswagen ficou atrás das francesas Peugeot, Renault e Citroën, que no geral são muito criticadas pelos reparadores pela complexidade dos sistemas, dificuldade de acesso à informações técnicas e, consequentemente, de se realizar manutenção. Já no quesito tecnologia, o índice da Volks foi de impressionantes -37,3, en-

quanto a Fiat, a melhor colocada, ficou com índice de 40,7, seguida de Toyota, com 20,5, e Honda, com 14,7. Isso representa dizer que o conceito de montadora pioneira e inovadora da Volkswagen foi por água abaixo, pelo menos entre os profissionais de reparação automotiva. Vale lembrar que Qualidade e Tecnologia são o quinto e sexto principais motivos para o reparador indicar uma marca de veículo ao cliente, porém pouca qualidade é o terceiro principal motivo para não recomendar a marca, e tecnologia defasada, o nono. Ao todo, são 11 os motivos para recomendar ou não um veículo ao cliente. Ocorre, porém, que o Volkswagen Gol continua na lista dos três mais recomendados, mas se a intenção da montadora é manter os veículos dela neste lado da pesquisa (dos recomendados), é importante ela tomar ciência do fato de que a categoria é formadora de opinião e, assim, adotar ações que revertam este quadro.

Tecnologia e qualidade Ao analisar os fatores que levaram o Gol a perder a preferência dos reparadores é possível concluir que a montadora alemã “escorregou” em dois atributos que

“O conceito de montadora pioneira e inovadora da Volks foi por água abaixo”.

Os não recomendados A pesquisa identificou também os modelos que o reparador não recomenda aos clientes e neste item, segundo os entendidos, foram poucas as surpresas. O Ford Fiesta continua sendo o carro menos querido pelos reparadores (9,9%), enquanto o Fiat Marea figura na segunda posição (5,4%) e, pela primeira vez, um modelo francês é citado: o Peugeot 206, ocupando a terceira posição (3,9%). No ano anterior, o Marea havia sido o terceiro colocado (6,1%), enquanto o segundo foi o Gol 16v (7,0%). Com a eleição do 206, o Gol 16v ficou em quarto lugar (3,8%), porém com uma diferença de apenas 0,1 ponto percentual. 50 |

MEUSUL | junho 2010 REVISTA

Os motivos Os principais motivos que levam um mecânico reparador a recomendar um veículo são: confiança na marca (20,3%), relação custo e benefício (13%), acesso à informação técnica (13%), durabilidade (11,3%) qualidade (10,9%), tecnologia (9,2%), fácil manutenção (8%), disponibilidade de peças (7,4%), mecânica (4,5%), simpatia da marca (1,5%) e desempenho do carro (1,2%). Portanto, engana-se quem acredita que para o mecânico o melhor carro é aquele que quebra constantemente e obriga o cliente a frequentar a oficina todo mês.



MeuSUL ed. 13 - Junho 2010