Page 1

Clipping Peugeot convoca modelo para recall por risco de incêncio 7508410 - IBAHIA - Salvador - BA - 08/03/2018

Carros Chamado é para correção de possível vazamento de combustível 08/03/2018 às 19h06 Compartilhar no Facebook Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Google+ A Peugeot anunciou o segundo recall do 3008. Em menos de um ano no mercado, o modelo é convocado para verificação e, se necessário, reparo das tubulações de combustível. Segundo nota da fabricante, uma possível falha no posicionamento das tubulações pode causar vazamentos de combustível, gerando riscos de incêndio no veículo. (Foto: Peugeot / Divulgação) Segundo a Fenabrave, 522 unidades do SUV, dos 1.273 veículos vendidos desde o lançamento foram convocadas. As unidades chamadas foram fabricadas entre 9 de setembro de 2016 e 20 de setembro de 2017 com chassis não sequenciais de HS003128 a JS013554 (últimos 8 dígitos). http://www.ibahia.com/detalhe/noticia/peugeot-convoca-modelo-para-recall-por-risco-deincencio/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: BA Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: Salvador País: Tipo Veículo: Site


Clipping Seis de cada sete veículos vendidos no Paraná são usados 7508386 - AQUI AGORA - 09/03/2018

Diante das dificuldades para se adquirir um carro novo por conta do crédito reduzido e da persistência do fantasma do desemprego, a venda de veículos seminovos e usados está em alta no Paraná, ao ponto de o setor ter atingido um nível recorde de negócios fechados em 2017 e esperar por nova alta, entre 3 e 4%, para 2018. Hoje, de cada sete carros comercializados no estado, seis são seminovos ou usados. Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) e da Associação de Revendedores de Veículos Automotores no Estado do Paraná (Assovepar), entre 2015 e 2017 foram comercializados 3,2 milhões de veículos no estado. Desses, 2,77 milhões de veículos (o equivalente a 85,6% do total) eram seminovos ou usados, e apenas 466,8 mil (14,4%) eram veículos zero quilômetro. Cesar Lançoni Santos, presidente da Assovepar, aponta que a crise econômica que o país atravessa acabou trazendo impactos positivos ao setor de veículos seminovos e usados. Em 2017 foram 932.504 negócios fechados no Paraná, alta de 3,5% na comparação com 2016 e o melhor volume de vendas na história do setor. “O mercado de seminovos não sentiu tanto a crise porque parte dos consumidores de carros zero quilômetro migraram para o carro usado. Então isso fez com que o mercado se mantivesse estável, com algumas variações negativas (como em 2016 na comparação com 2015), mas crescimento constante quando analisado o panorama geral”, afirma Santos. Na outra ponta, o segmento de veículos novos espera por uma retomada do crescimento em 2018, após cinco anos consecutivos de queda nas vendas. Desde 2012, quando foram vendidos 278.467 carros zero quilômetro no Paraná, as vendas caíram praticamente pela metade. Em 2017 foram 139.313 veículos comercializados, o menor nível de vendas desde o início da série histórica da Fenabrave, iniciada em 2005. “Para este ano, nossa expectativa é de crescimento entre 10 e 12%, o primeiro em cinco anos. É um crescimento estável, não é uma bolha ou algo supérfluo”, aponta Marcos Ramos, diretor da Fenabrave. “Os bancos retomaram o financiamento de veículos com taxas mais baixas e também temos bom sinal de vendas no interior do estado em virtude do agronegócio”, complementa o executivo, destacando que no primeiro bimestre deste ano foram vendidos 28.321 carros novos no Paraná, alta de 40,4% na comparação com o mesmo período de 2017. Oficinas mecânicas sofrem com movimento baixo e o ‘bolso vazio’ do cliente Enquanto a venda de carros zero quilômetros dá sinais de retomada do crescimento e a comercialização de veículos seminovos e usados está em alta, outro importante segmento do setor automotivo está sangrando por causa da crise econômica. São as oficinas mecânicas, que nos últimos anos viram a demanda por serviços cair pela metade. No Berko Centro Automotivo, por exemplo, Vitório Oto Bergamini, funcionário da empresa, aponta que antes da crise econômica se agravar a demanda era grande, com dias em que chegavam de 30 a 35 carros na oficina. Atualmente, num dia com bom movimento, entre 10 e 15 veículos dão entrada no local. “Falta dinheiro. Está todo mundo com o bolso vazio aí só fazem o básico do básico e deixa o resto para depois. Faz o essencial para o carro andar e pronto”, explica Bergamini, revelando ainda que a queda na demanda de serviços também fez reduzir o número de funcionários – antes eram cinco mecânicos, hoje são apenas três. A avaliação de Wilson Bill, proprietário da Auto Mecânica Bill e presidente do Sindicato das Empresas de Reparação e Veículos do Paraná (Sindirepa-PR), é parecida. “A grande dificuldade é o poder aquisitivo. Comprar carro é fácil, difícil é manter. Falta responsabilidade ao consumidor, ter consciência de que precisa fazer a manutenção preventiva. Hoje, mais da metade só tem feito manutenção corretiva porque não tem dinheiro.” Com informações de Bem Paraná

http://aquiagora.net/noticias/ver/75809/Seis_de_cada_sete_veiculos_vendidos_no_Parana_s ao_usados Ficha Técnica


Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Estamos comprando menos carros, porém mais caros 7508388 - REVISTA SOBRE RODAS - 09/03/2018

sobre rodas onix hb20 ford ka automobilidade cecília frança coluna londrina mercado gol palio vendas fenabrave ticket médio classe c faturamento montadoras http://www.revistasobrerodas.com.br/index.php/colunistas/cecilia-franca/2068-estamoscomprando-menos-carros-porem-mais-caros Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Saiba quais são os seguros dos carros mais vendidos em fevereiro 7508392 - CQCS - 09/03/2018

Levantamento realizado pela Minuto Seguros com base na lista divulgada pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) com os carros mais vendidos no Brasil em fevereiro aponta que a diferença no valor do seguro do Compass pode variar mais de R$ 4 mil entre capitais. Entre as cidades analisadas, o preço mais alto é o do Rio de Janeiro: R$ 7.809. Já em Manaus o seguro pode ser contratado por R$3.620. Para realizar o estudo, a Minuto considerou como perfil um condutor homem, de 35 anos e casado. Foram avaliados os preços dos seguros nas capitais de cinco estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Amazonas, Ceará e Paraná. A cotação foi feita nas seguintes seguradoras: Azul, Aliro, Allianz, Bradesco, HDI, Itaú, Liberty, Sompo Seguros, Mapfre, Mitsui, Porto Seguro, Tokio Marine e SulAmérica. Manaus é a cidade com seguro mais barato para todos dos carros analisados. Por outro lado, o Rio é o local que apresenta os preços mais caros: 50% possuem os valores mais altos na capital fluminense. Dentro do perfil mencionado, o preço do seguro para o Onix, o carro mais vendido do Brasil, é o que apresenta a menor diferença entre as capitais cotadas. O valor mais alto está no Rio de Janeiro ( R$1.891) e o menor em Manaus (R$1.089). https://www.cqcs.com.br/noticia/saiba-quais-sao-os-seguros-dos-carros-mais-vendidos-emfevereiro-cqcs/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Nana Medeiros Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Onix absoluto, confira os mais vendidos em fevereiro de 2018 7508393 - CANADAUENCE - 09/03/2018

Com calendário mais curto e o feriado mais festivo do país, fevereiro costuma ser um mês mais fraco de vendas de carros. Segundo os dados da Associação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), foram vendidas 151.691 automóveis e comerciais leves no período apresentou um crescimento 14,5% em relação a fevereiro de 2016. Um resultado que foi comemorado pela indústria, ainda que os números apontem uma queda de 13,6% em relação a janeiro - o que já era esperado. Somando caminhões e ônibus, a alta foi de 15,7% com o emplacamento de 156.906 unidades. Os carros mais vendidos em fevereiro O Kwid voltou a se destacar no ranking de vendas em fevereiro. Com 4.505 unidades vendidas, o subcompacto da Renault subiu para o 5º lugar da lista, superando o Volkswagen Gol, que também perdeu o títuolo de carro mais vendido da marca alemã. Essa posição agora é ocupada pelo novo Polo, como já indicava os números prévios do mês. RENAULT KWID. FOTO: RODOLFO BUHRER / LA IMAGEM / RENAULT (FOTO: DIVULGAÇÃO) Com calendário mais curto e o feriado mais festivo do país, fevereiro costuma ser um mês mais fraco de vendas de carros. Segundo os dados da Associação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), foram vendidas 151.691 automóveis e comerciais leves no período apresentou um crescimento 14,5% em relação a fevereiro de 2016. Um resultado que foi comemorado pela indústria, ainda que os números apontem uma queda de 13,6% em relação a janeiro - o que já era esperado. Somando caminhões e ônibus, a alta foi de 15,7% com o emplacamento de 156.906 unidades. Os carros mais vendidos em fevereiro O Kwid voltou a se destacar no ranking de vendas em fevereiro. Com 4.505 unidades vendidas, o subcompacto da Renault subiu para o 5º lugar da lista, superando o Volkswagen Gol, que também perdeu o títuolo de carro mais vendido da marca alemã. Essa posição agora é ocupada pelo novo Polo, como já indicava os números prévios do mês. Já o Chevrolet Onix, embora seja o líder absoluto de vendas no país, apresentou uma queda de 20,3% em seus emplacamentos. Mas a maior retração de vendas foi do sedã Chevrolet Prisma: 35,2%. No mês passado, tanto o Fiat Argo quanto o compacto Mobi tiveram uma queda de mais de 28% em suas vendas. Os únicos modelos que saíram do sufoco e não tiveram desempnho negativo em fevereiro foram os SUVs compacto Nissan Kicks (+3,8) e Hyundai Creta (+7,8%), que pouco a pouco estão crescendo e se aproximando do líder do segmento Honda HR-V. Confira os 50 carros mais vendidos em fevereiro Chevrolet Onix - 12.797 unidades Hyundai HB20 - 7.364 unidades Ford Ka - 6.570 unidades Volkswagen Polo - 4.942 unidades Renault Kwid - 4.506 unidades Volkswagen Gol - 4.491 unidades Fiat Strada - 4.137 unidades Toyota Corolla - 3.869 unidades Chevrolet Prisma - 3.841 unidades Jeep Compass - 3.786 unidades Honda HR-V - 3.600 unidades Fiat Argo - 3.546 unidades


Nissan Kicks - 3.457 unidades Fiat Mobi - 3.327 unidades Hyundai Creta - 3.070 unidades Fiat Toro - 3.052 unidades Volkswagen Saveiro - 2.957 unidades Toyota Etios - 2.729 unidades Renault Sandero - 2.664 unidades VW Fox/ Crossfox - 2.581 unidades Hyundai HB20S - 2.454 unidades Honda Fit - 2.340 unidades Jeep Renegade - 2.220 unidades Ford Ka Sedan - 2.192 unidades Toyota Hilux - 2.152 unidades VW Voyage - 2.095 unidades Chevrolet S10 - 2.014 unidades Ford Ecosport - 1.899 unidades Honda Civic - 1.898 unidades Chevrolet Tracker -1.821 unidades Chevrolet Cruze 1.754 unidades Chevrolet Spin - 1.686 unidades Volkswagen Virtus - 1.455 unidades Renault Logan - 1.341 unidades Fiat Siena/Grand Siena - 1.326 unidades VW up! - 1.292 unidades Volkswagen Amarok - 1.274 unidades Nissan Versa - 1.253 unidades Chevrolet Cobalt - 1.219 unidades Honda WR-V - 1.213 unidades Ford Fiesta - 1.196 unidades Nissan March - 983 unidades Chevrolet Montana - 977 unidades Renault Captur - 973 unidades Renault Duster - 930 unidades Ford Ranger - 928 unidades Fiat Uno - 764 unidades Renault Duster Oroch - 760 unidades Mitsubishi L200 Triton - 747 unidades Honda City - 746 unidades


fonte: Autoesporte net4eduardo@gmail.com http://www.canadauence.com/2018/03/onix-absoluto-confira-os-mais-vendidos.html Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: CAnadauenCE tv Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Blog


Clipping Os SUVs mais vendidos do bimestre 7508409 - ESTADÃO - São Paulo - SP - 09/03/2018

Galerias 2018-03-08 19:50:00 Google + Linkedin E-mail Imprimir 545 UNIDADES. FONTE: Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (FENABRAVE) "> 588 UNIDADES "> 741 UNIDADES "> 761 UNIDADES "> 788 UNIDADES "> 844 UNIDADES "> A galeria continua após esse oferecimento 953 UNIDADES "> 1.265 UNIDADES "> 1.282 UNIDADES "> 1.364 UNIDADES "> A galeria continua após esse oferecimento 2.145 UNIDADES "> 2.581 UNIDADES "> 3.170 UNIDADES "> 4.165 UNIDADES ">


4.227 UNIDADES "> 4.714 UNIDADES "> 5.945 UNIDADES "> 6.788 UNIDADES "> 7.474 UNIDADES "> 8.332 UNIDADES "> Galerias relacionadas Reiniciar galeria Galerias relacionadas http://jornaldocarro.estadao.com.br/galeria/os-suvs-mais-vendidos-do-bimestre/?id=36107 Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: SP Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: São Paulo País: Tipo Veículo: Site


Clipping O seguro dos 10 carros mais vendidos em fevereiro 7508387 - APÓLICE - 09/03/2018

A Minuto Seguros realizou um estudo com base na lista divulgada pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) com os carros mais vendidos no Brasil em fevereiro. Apesar de ter se mantido no topo da lista, o Onix, da Chevrolet, apresentou uma queda de 25% nas vendas comparado a janeiro: de 16 mil unidades vendidas em janeiro para 12 mil em fevereiro. No entanto, em comparação a fevereiro de 2017, o carro apresentou um crescimento de cerca de 6%: de 11.980 para 12.797. No segundo lugar, o HB20 retomou a vice-liderança que havia perdido em janeiro, com 7.364 carros emplacados, 794 modelos a mais que o Ford KA, ocupante da terceira posição com 6.570. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o HB20 aumentou as vendas em 12% (de 6.521 para 7.364), enquanto a do Ford KA teve um crescimento de 13% (de 5.765 para 6.570). Surpresa na lista de janeiro, o Novo Polo mostrou que não veio apenas para brigar no primeiro mês de venda: foi o quarto carro mais vendido do país com 4.492 modelos emplacados. O novo modelo da Volks apresentou uma queda de 32% em relação ao primeiro mês: saiu de 6.600 para os números atuais. Argo e Mobi, modelos que figuraram na lista dos mais vendidos de janeiro saíram da lista para dar lugar ao Kwid, quinto colocado, com 4.506 carros vendidos. Para realizar o estudo, a companhia considerou como perfil um condutor homem, de 35 anos e casado. Foram avaliados os preços dos seguros nas capitais de cinco estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Amazonas, Ceará e Paraná. Dentro do perfil mencionado, o preço do seguro para o Onix, o carro mais vendido do Brasil, é o que apresenta a menor diferença entre as capitais cotadas. O valor mais alto está no Rio de Janeiro R$1.891 e o menor em Manaus por R$ 1.089, uma distância de R$ 802. No contraponto de diferença de valores, o Compass possui a maior diferença entre estados: R$ 4.189. A mais alta no Rio de Janeiro, R$ 7.809, a menor em Manaus, com R$ 3.620. Manaus é a cidade com seguro mais barato para todos dos carros analisados. Por outro lado, o Rio é o local que apresenta os preços mais caros. 50% possuem os valores mais altos na cidade maravilhosa. Detalhes da cotação Capitais: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Manaus (AM), Curitiba (PR) e Fortaleza (CE) Seguradoras: Azul, Aliro, Allianz, Bradesco, HDI, Itaú, Liberty, Sompo Seguros, Mapfre, Mitsui, Porto Seguro, Tokio Marine e SulAmérica Perfil: Homem, 35 anos, casado Plano: Cobertura de terceiros de R$ 100 mil L.S. Revista Apólice http://www.revistaapolice.com.br/2018/03/o-seguro-dos-10-carros-mais-vendidos-emfevereiro/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping 7 pesados mais emplacados até fevereiro/18 7508389 - PORTAL O CARRETEIRO - 09/03/2018

O segmento dos caminhões pesados, segundo números da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores), continua a ser o que mais unidades emplacou no mercado nacional até fevereiro deste ano. Foram 3.594 caminhões, o que representa 41,32% de todos os segmentos. Confira os 7 caminhões que mais venderam no primeiro bimestre de 2018: 7Mercedes-Benz Actros 2546 O caminhão Actros 2546, da Mercedes-Benz, teve 140 unidades emplacadas e 3,90% de participação na categoria. Anterior Próximo http://www.ocarreteiro.com.br/7-pesados-mais-emplacados-ate-fevereiro-18/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Galeria: Dia Internacional da Mulher 7508390 - ESTADÃO - São Paulo - SP - 08/03/2018

Você está em Acervo > Notícias > Galeria: Dia Internacional da Mulher Tweet Galeria: Dia Internacional da Mulher Veja imagens de mulheres fazendo história. Lugar de mulher é onde ela quiser 08 de março de 2018 | 14h 54 Liz Batista Dia Internacional da Mulher Dia Internacional da Mulher Carregando faixas e cartazes mulheres caminham em direção ao Vale do Anhangabaú local do último Comício Pró-Diretas, realizado na zona central da capital. O evento e que reuniu milhares de pessoas, 16/4/1984. Claudinê Petroli/ Estadão 1/41 Carregando faixas e cartazes mulheres caminham em direção ao Vale do Anhangabaú local do último Comício Pró-Diretas, realizado na zona central da capital. O evento e que reuniu milhares de pessoas, 16/4/1984. Claudinê Petroli/ Estadão Mulher operando trator em plantação no Estado de São Paulo, 1960. Acervo/ Estadão Trabalhadora limpa lama da roda de um trator. Mulheres tomaram conta da produção agrícola na Europa, durante a Segunda Guerra Mundial, 1940. Rotogravura/ Estadão Operária trabalha no fabricação de armas. Mulheres foram a força produtiva das fábricas durante o esforço da Segunda Guerra Mundial, 1940. Rotogravura/ Estadão Jovens do Women Auxiliar Corps, unidade do exército britânico, desatolam veículo militar. Segunda Guerra Mundial, 1940. Rotogravura/ Estadão Uma jovem do Women Auxiliar Corpse em ação, pilotando sua motocicleta, 1940 Rotogravura/ Estadão Mulheres trabalham na indústria automobilística de São Paulo, 01/02/1964. Acervo/ Estadão Anésia Pinheiro Machado em 17/3/1982. Ela foi a primeira mulher a se habilitar e trabalhar como aviadora no Brasil. Em 1921, ela iniciou seus estudos, e no ano seguinte recebeu seu brevet internacional pelo Aéreo Clube do Brasil. Ainda neste ano, Anésia participou de uma apresentação de acrobacias aéreas e foi condecorada pelo aviador Santos Dumont. A aviadora recebeu dezenas de condecorações civis e militares, nacionais e estrangeiras. Acervo/ Estadão A cantora Inezita Barroso fez um importante trabalho etnográfico, em 1956 viajou pelo país em um jipe, recolhendo registros musicais e manifestações populares, tal como fez o escritor Mario de Andrade na década de 1930. Acervo/ Estadão


Inezita Barroso fez um importante trabalho etnográfico, em 1956 viajou pelo país em um jipe, recolhendo registros musicais e manifestações populares, tal como fez o escritor Mario de Andrade na década de 1930."> Mulher veste as primeiras calças femininas, as jupes- culottes ou saias-calção, em passeio pela Avenida Central no Rio de Janeiro, 1911.Mulheres que se atreviam a desfilar a polêmica peça de roupa pelas ruas corriam o risco de serem perseguidas e hostilizadas. Saiba mais, leia Mulheres de calça chocaram no início no século 20. Revista Careta/ Reprodução Mulheres de calça chocaram no início no século 20."> Cássia Eller, durante show no Aeroanta, no bairro de Pinheiros, zona sul da cidade, São Paulo, SP. 02/06/1990. César Diniz Mulher curte show de Tim Maia, no Parque do Carmo, zona lesta da cidade de São Paulo, 25/9/1988. Ana Carolina Fernandes/ Estadão A atriz Leila Diniz e eleco da peça teatral As Garotas da Banda recebem homenagens, no Clubinho, São Paulo, 29/4/1971. Sergio Arak/ Estadão Mulheres participando da sessão da Constituinte na Câmara dos Deputados em Brasília, 21/3/1988. Alencar Monteiro/Estadão Ruth Escobar chega à Auditoria da Justiça Militar em 24 de abril de 1986 para ouvir a sentença que a condenava a seis meses de prisão por críticas ao regime militar e dá uma flor a um sentinela. Então deputada estadual pelo PMDB, ela recorreu em liberdade. Sidney Corralo/Estadão Ruth Escobar chega à Auditoria da Justiça Militar em 24 de abril de 1986 para ouvir a sentença que a condenava a seis meses de prisão por críticas ao regime militar e dá uma flor a um sentinela. Então deputada estadual pelo PMDB, ela recorreu em liberdade. "> A professora e educadora Esther de Figueiredo Ferraz se reune como então ministro da Educação, Jarbas Passarinho, em Brasília- DF, 01/4/1972. Esther de Figueiredi Ferraz foi a primeira mulher ministra de Estado no Brasil, ocupo a pasta da Educação de 1982 até 1985. Acervo/ Estadão Olivia Tavares (2ª dir.), mãe do jornalista Fl?vio Tavares, que foi preso e banido do país, passando por um período de exílio, é vista unida com outras mulheres do Movimento Feminista Gaúcho pela Anistia, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, 14/12/1977. Antônio Vargas/ Estadão A professora e economista Maria da Conceiçãoo Tavares vista durante o simpósio "Brasil Século XXI", na capital paulista, 02/8/1988. Waldemar Padovani/ Estadão A jornalista, atriz e apresentadora de televisão, Marília Gabriela, comanda debate entre políticos, em emissora da capital paulista, em 1989, durante a campanha eleitoral das primeiras eleições diretas após a redemocratização do País. Edu Garcia/ Estadão A ministra da Indústria e Comércio, Dorothea Werneck, ao lado de Alencar Burti, da Fenabrave e de Vicentinho, durante reunião com empresários do setor automotivo e sindicalistas, em São Paulo, 15/04/1992. Foi também ministra do Trabalho entre 1989 e 1990. Mónica Zaratini/ Estadão Meninas enfrentam o trânsito pesado e a poeira da estrada para ir à escola no bairro do Jardim Nove de Julho, zona leste da capital paulista, São Paulo, SP. 20/10/1972.


Acervo/ Estadão Estudantes paulistas, 1970. Acervo/ Estadão Mulheres cantam palavras de ordem e exigem o cumprimento da lei de licença maternidade nas escadarias do Prédio da Gazeta, Avenida Paulista, São Paulo, 15/11/1988. José Bassit/ Estadão Manifestantes cobram maior participação da mulher na política nacional, durante o 3º Encontro de Mulheres Latino Americano e do Caribe, em Bertioga, São Paulo, 01/8/1985. Alberto Marques/ Estadão A deputada Luiza Erundina é cercada e arrastada por policiais militares durante açãoo de reintegração de posse de terreno no Jardim Aurora, na região de Guaianazes, zona leste de São Paulo, 01/10/1987. César Diniz/ Estadão A pintora e escultora Lygia Clark, que auto intitulava-se "não-artista", 06/3/1961. Acervo/ Estadão Lygia Clark, que auto intitulava-se "não-artista", 06/3/1961."> Niède Guidon, arqueóloga, formada em História Natural pela USP e com especialização em Arqueologia Pré-Histórica pela Sorbonne, trabalha no sítio arquiológico do Parque Nacional Serra da Capivara, no Piauí,01/3/1990. Márcia Zoet/ Estadão Nair de Tefé, primeira caricaturista brasileira, pianista e mulher do marechal Hermes da Fonseca, presidente do Brasil, 08/7/1970. Carlos Chicartino/ Estadão Nair de Tefé, primeira caricaturista brasileira, pianista e mulher do marechal Hermes da Fonseca, presidente do Brasil, 08/7/1970."> A atriz Cacilda Becker, 1958. Acervo/ Estadão Cacilda Becker, 1958."> A escritora em evento em São Paulo, SP, outubro de 1971. Rachel de Queiroz foi a primeira mulher a se tornar membro da Academia Brasileira de letras. Acervo/ Estadão Rachel de Queiroz foi a primeira mulher a se tornar membro da Academia Brasileira de letras."> Maria Esther Bueno ganhadora de três medalhas no IV Jogos Pan-Americanos de 1963 realizado em São Paulo. Esther Bueno ganhou ouro na simples de tênis e prata de dupla feminina e prata de dupla mista, maio de 1963 Acervo/ Estadão A atleta brasileira Conceição Geremias durante competição em 20/6/1987. Geremias conquistou a medalha de ouro no heptatlo feminino nos Jogos Pan-americanos de 1983, realizados em Caracas, na Venezuela. Alfredo Rizzutti/ Estadão Ada Rogato em um avião. Foi uma das primeiras mulheres a receber o brevê de piloto de planador e a pular de pára-quedas na América Latina. Foi presidente da Fundação Santos Dumont e do Museu de Aeronáutica e do Espaço, 31/5/1958. Antônio Lúcio/ Estadão Telefonista operando as linhas telefônicas em central na cidade de São Paulo, 27/6/1966.


Reginaldo Manente/Estadão A taxista Diva da Silva Nonato ao volante de seu táxi, 09/8/2004.. Monalisa Lins/ Estadão A capitã-tenente, Isabel Figueiredo, uma das duas mulheres entre os 78 tripulantes do navio oceanogrófico Ary Rongel, da Marinha brasileira, que deixou o cais do arsenal de guerra da Marinha, no Rio de Janeiro, com destino a Estação Comandante Ferraz, na Ilha Rei George, na Antártica, 29/10/2003. Alaor Filho/ Estadão Policiais militares durante a abertura do evento das comemorações dos 50 anos da mulher na Polícia Militar, São Paulo, 11/05/2005. Vidal Cavalcanti/ Estadão Mulher trabalha em garimpo manual na comunidade de Mutum, em Roraima, fronteira entre Brasil e Guiana, 21/04/2004. Evelson de Freitas/ Estadão Mulher dirige uma motocicleta Lambretta na fábrica "Lambretta do Brasil S.A.", no bairro da Lapa, na zona oeste de São Paulo, 11/10/1956. Acervo/ Estadão Operária trabalha em fábrica de aviões de bombardeio. Mulheres foram a força produtiva das fábricas durante o esforço da Segunda Guerra Mundial, 1940. Rotogravura/ Estadão Imagem publicada na edição do Estado de 25 de março de 1911. O momento capturado naquela imagem representava o perfil da mulher do século 20. Usando calças ela estava pronta para alcançar o céu. Acervo/ Estadão Estado de 25 de março de 1911. O momento capturado naquela imagem representava o perfil da mulher do século 20. Usando calças ela estava pronta para alcançar o céu."> #Assine | # Licenciamento de conteúdos Estadão | # Siga: twitter@estadaoacervo | facebook/arquivoestadao | Instagram PÁGINA EM DESTAQUE Lança-Perfume Veja seleção de anúncios de carnaval Publicada em 13 de janeiro de 1929 I Guerra Mundial Leia as notícias publicadas no jornal há um século Licenciamento e vendas Veja como fazer para utilizar nossos textos e fotos Tópicos ver todos 1. Primeira Guerra O conflito, de escala global, foi iniciado na Europa em 1914 2. Olimpíadas Competição que reúne os principais esportes e atletas do mundo 3. Estado Novo Ditadura civil brasileira liderada por Getúlio Vargas 4. Bossa Nova


Movimento musical brasileiro surgido nos anos 50 5. Internet Rede Mundial de Computadores http://acervo.estadao.com.br/noticias/acervo,galeria-dia-internacional-da-mulher,13187,0.htm Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: SP Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: São Paulo País: Tipo Veículo: Site


Clipping Corretora Online divulga valor do seguro dos carros mais vendidos do Brasil em fevereiro Revista Cobertura 7508391 - COBERTURA MERCADO DE SEGUROS - São Paulo - SP - 09/03/2018

Sem novidades na primeira colocação, Onix lidera as vendas por mais um mês; Novo Polo volta a ter um belo mês de vendas e reaparece na quarta posição dos mais vendidos, a frente do Kwid, outra novidade na lista São Paulo – A Minuto Seguros, uma das principais corretoras do País e líder no segmento de seguros online, acaba de realizar um estudo com base na lista divulgada pela Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) com os carros mais vendidos no Brasil em fevereiro. O Onix, da Chevrolet, apesar de ter se mantido no topo da lista, apresentou uma queda de 25% nas vendas comparado a janeiro: de 16 mil unidades vendidas em janeiro para 12 mil em fevereiro. No entanto, em comparação a fevereiro de 2017, o carro apresentou um crescimento de cerca de 6%: de 11.980 para 12.797. No segundo lugar, o HB20 retomou a vice-liderança que havia perdido em janeiro, com 7.364 carros emplacados, 794 modelos a mais que o Ford KA, ocupante da terceira posição com 6.570. Em relação ao mesmo mês do ano passado, o HB20 aumentou as vendas em 12% (de 6.521 para 7.364), enquanto a do Ford KA teve um crescimento de 13% (de 5.765 para 6.570). Surpresa na lista de janeiro, o Novo Polo mostrou que não veio apenas para brigar no primeiro mês de venda: foi o quarto carro mais vendido do país com 4.492 modelos emplacados. O novo modelo da Volks apresentou uma queda de 32% em relação ao primeiro mês: saiu de 6.600 para os números atuais. Argo e Mobi, modelos que figuraram na lista dos mais vendidos de janeiro saíram da lista para dar lugar ao Kwid, quinto colocado, com 4.506 carros vendidos. Para realizar o estudo, a Minuto Seguros considerou como perfil um condutor homem, de 35 anos e casado. Foram avaliados os preços dos seguros nas capitais de cinco estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Amazonas, Ceará e Paraná. Dentro do perfil mencionado, o preço do seguro para o Onix, o carro mais vendido do Brasil, é o que apresenta a menor diferença entre as capitais cotadas. O valor mais alto está no Rio de Janeiro R$1.891 e o menor em Manaus por R$1.089, uma distância de R$802. No contraponto de diferença de valores, o Compass possui a maior diferença entre estados: R$ 4.189. A mais alta no Rio de Janeiro, R$ 7.809, a menor em Manaus, com R$3.620. Manaus é a cidade com seguro mais barato para todos dos carros analisados. Por outro lado, o Rio é o local que apresenta os preços mais caros. 50% possuem os valores mais altos na cidade maravilhosa. Detalhes da cotação Capitais: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Manaus (AM), Curitiba (PR) e Fortaleza (CE). Seguradoras: Azul, Aliro, Allianz, Bradesco, HDI, Itaú, Liberty, Sompo Seguros, Mapfre, Mitsui, Porto Seguro, Tokio Marine e Sulamerica. Perfil: Homem, 35 anos, casado. Plano: Cobertura de terceiros de R$ 100 mil. The post Corretora Online divulga valor do seguro dos carros mais vendidos do Brasil em fevereiro appeared first on Revista Cobertura. http://www.revistacobertura.com.br/2018/03/09/corretora-online-divulga-valor-do-seguro-doscarros-mais-vendidos-do-brasil-em-fevereiro/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Cobertura Estado: SP Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: São Paulo País: Tipo Veículo: Site


Clipping Vendas de SUVs disparam com alta de 39% – AutoIndústria 7508408 - AUTO INDÚSTRIA - 08/03/2018

Por Alzira Rodrigues | alzira@autoindustria.com.br Enquanto o mercado de automóveis teve alta de 19,6% no primeiro bimestre, o segmento de SUVs mais uma vez surpreendeu e cresceu mais do que o dobro do mercado. Foram emplacados 66,2 mil SUVs, 39% a mais do que os 47,6 mil dos primeiros dois meses de 2017. Em um ano, a participação do segmento subiu 3,5 pontos porcentuais, atingindo 23,8%, de acordo com dados divulgados este mês pela Fenabrave. Os SUVs só perdem para os hatchs pequenos, que têm 29,6% do mercado, ocupando assim a segunda colocação no ranking por segmento, que há um ano pertencia aos veículos de entrada. Com pouca representatividade no mercado há cinco anos, quando detinha menos de 9% das vendas, o segmento de SUVs ganhou importantes concorrentes no período e mais novidades virão por aí, o que tende a acelerar ainda sua expansão no País. Leia mais ? Só deu SUV entre os importados: Kia Sportage é o líder. Ainda este mês a Peugeot lança o novo 5008, prometendo uma lista imbatível de itens tecnológicos e de segurança para completar a bem-sucedida gama de SUVs da marca, e a Chery lança o Tiggo 2. No mês que vem a Volvo Cars apresenta o XC40, que também chega para concorrer entre os veículos premium do segmento. A Volkswagen, por sua vez, promete recuperar o tempo perdido com o lançamento de dois SUVs ainda este ano. O novo Tiguan, importado do México, chegará ainda neste semestre e o T-Cross, que será produzido no Paraná, será lançado no Salão Internacional do Automóvel em novembro. Para o presidente e CEO da Volkswagen do Brasil e da Região SAM, Pablo Di Si, o segmento de SUVs será o primeiro segmento no País até 2020, respondendo por até 30% das vendas. Leia mais ? SUVs dominarão o mercado brasileiro até 2020, prevê Volkwagen Ranking – O Jeep Compass é hoje líder do segmento de SUVs. Suas vendas no bimestre atingiram 8.332 unidades, com expressivo crescimento de 43,3% sobre as 5.812 emplacadas no mesmo período do ano passado. Na sequência vêm Honda HR-V, com 7.474 unidades vendidas nos primeiros dois meses, Nissan Kicks, com 6.788 emplacamentos, e Hyundai Creta, com 5.945. O quinto colocado é o Jeep Renegade, com 4.714 unidades comercializadas, o único entre os cinco mais vendidos que teve queda de vendas este ano em relação a 2017. Leia mais ? Nissan expande vendas de SUVs e crossovers em 12% A disputa no segmento tem sido extremamente acirrada. Há um ano, por exemplo, o HRV era líder o Compass ocupava a segunda posição. Kicks e Creta galgaram um degrau este ano enquanto o Renegade passou da 3ª para a 5º posição. O Ford EcoSport, que inaugurou o segmento de SUVs no País e foi líder absoluto até 2011, encerrou o bimestre na sexta colocação, com 4.227 emplacamentos este ano. Completam a lista dos dez mais o Chevrolet Tracker (4.165), Honda WRV (3.170), Renault Captu (2.581) e Renault Duster (2.145). Os mais baratos – De olho na representatividade do segmento de SUVs no País, a Kelley Blue Book, empresa estadunidense especializada em cotação de preços de carros novos e usados que mantém filiais em Portugal e no Brasil, divulgou na quinta-feira, 8, a lista das dez opções mais baratas de veículos desse tipo no mercado brasileiro. De acordo com a Blue Book, só há uma opção automática entre as dez mais acessíveis, visto que no geral a lista contempla versões de entrada. Dentre os dez, quatro são modelos


importados da China. Veja abaixo a lista completa: 1º) JAC T40 1.5 – R$ 59.990 2º) Lifan X60 Talent S 1.8 – R$ 67.990 3º) JAC T5 1.5 – R$ 67.990 4º) Ford Ecosport SE Direct 1.5 – R$ 68.690 5º) Renault Duster Expression 1.6 – R$ 69.990 6º) Nissan Kicks S 1.6 – R$ 72.990 7º) Peugeot 2008 Allure 1.6 – R$ 72.990 8º) JAC T6 2.0 – R$ 74.990 9º) Jeep Renegade Custom 1.8 – R$ 75.790 10º) Hyundai Creta Attitude 1.6 – R$ 76.350 Fotos: Divulgação/FCA/VW/Nissan http://www.autoindustria.com.br/2018/03/08/vendas-de-suvs-disparam-com-alta-de-39-noano/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping De cada sete veículos vendidos no Paraná, seis são usados 7508411 - TA NO SITE - 08/03/2018

(foto: Franklin de Freitas) Diante das dificuldades para se adquirir um carro novo por conta do crédito reduzido e da persistência do fantasma do desemprego, a venda de veículos seminovos e usados está em alta no Paraná, ao ponto de o setor ter atingido um nível recorde de negócios fechados em 2017 e esperar por nova alta, entre 3 e 4%, para 2018. Hoje, de cada sete carros comercializados no estado, seis são seminovos ou usados. Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) e da Associação de Revendedores de Veículos Automotores no Estado do Paraná (Assovepar), entre 2015 e 2017 foram comercializados 3,2 milhões de veículos no estado. Desses, 2,77 milhões de veículos (o equivalente a 85,6% do total) eram seminovos ou usados, e apenas 466,8 mil (14,4%) eram veículos zero quilômetro. Cesar Lançoni Santos, presidente da Assovepar, aponta que a crise econômica que o país atravessa acabou trazendo impactos positivos ao setor de veículos seminovos e usados. Em 2017 foram 932.504 negócios fechados no Paraná, alta de 3,5% na comparação com 2016 e o melhor volume de vendas na história do setor. “O mercado de seminovos não sentiu tanto a crise porque parte dos consumidores de carros zero quilômetro migraram para o carro usado. Então isso fez com que o mercado se mantivesse estável, com algumas variações negativas (como em 2016 na comparação com 2015), mas crescimento constante quando analisado o panorama geral”, afirma Santos. Na outra ponta, o segmento de veículos novos espera por uma retomada do crescimento em 2018, após cinco anos consecutivos de queda nas vendas. Desde 2012, quando foram vendidos 278.467 carros zero quilômetro no Paraná, as vendas caíram praticamente pela metade. Em 2017 foram 139.313 veículos comercializados, o menor nível de vendas desde o início da série histórica da Fenabrave, iniciada em 2005. “Para este ano, nossa expectativa é de crescimento entre 10 e 12%, o primeiro em cinco anos. É um crescimento estável, não é uma bolha ou algo supérfluo”, aponta Marcos Ramos, diretor da Fenabrave. “Os bancos retomaram o financiamento de veículos com taxas mais baixas e também temos bom sinal de vendas no interior do estado em virtude do agronegócio”, complementa o executivo, destacando que no primeiro bimestre deste ano foram vendidos 28.321 carros novos no Paraná, alta de 40,4% na comparação com o mesmo período de 2017. Oficinas mecânicas sofrem com movimento baixo e o ‘bolso vazio’ do cliente Enquanto a venda de carros zero quilômetros dá sinais de retomada do crescimento e a comercialização de veículos seminovos e usados está em alta, outro importante segmento do setor automotivo está sangrando por causa da crise econômica. São as oficinas mecânicas, que nos últimos anos viram a demanda por serviços cair pela metade. No Berko Centro Automotivo, por exemplo, Vitório Oto Bergamini, funcionário da empresa, aponta que antes da crise econômica se agravar a demanda era grande, com dias em que chegavam de 30 a 35 carros na oficina. Atualmente, num dia com bom movimento, entre 10 e 15 veículos dão entrada no local. “Falta dinheiro. Está todo mundo com o bolso vazio aí só fazem o básico do básico e deixa o resto para depois. Faz o essencial para o carro andar e pronto”, explica Bergamini, revelando ainda que a queda na demanda de serviços também fez reduzir o número de funcionários – antes eram cinco mecânicos, hoje são apenas três. A avaliação de Wilson Bill, proprietário da Auto Mecânica Bill e presidente do Sindicato das Empresas de Reparação e Veículos do Paraná (Sindirepa-PR), é parecida. “A grande dificuldade é o poder aquisitivo. Comprar carro é fácil, difícil é manter. Falta responsabilidade ao consumidor, ter consciência de que precisa fazer a manutenção preventiva. Hoje, mais da metade só tem feito manutenção corretiva porque não tem dinheiro.” Venda de veículos no Paraná* (categorias automóveis e comerciais leves) 2017


TOTAL 1.071.817 Novos 139.313 Usados e seminovos 932.504 2016 TOTAL 1.043.019 Novos 141.875 Usados e seminovos 901.144 2015 TOTAL 1.117.786 Novos 185.599 Usados e seminovos 932.187 Comentários http://tanosite.com/noticias/conteudo/de-cada-sete-veiculos-vendidos-no-parana-seis-saousados/8637 Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Onix mantém liderança de vendas em fevereiro 7508412 - VALOR ECONÔMICO - São Paulo - SP - 09/03/2018

Com o calendário mais curto e o feriado mais festivo do país, fevereiro costuma ser um mês mais fraco para as vendas de automóveis. De acordo com os números da Associação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), foram vendidos 151.691 carros e comerciais leves no período, um crescimento 14,5% em relação a fevereiro do ano passado. Um resultado que foi comemorado pela indústria automobilística, ainda que os números apontem uma queda de 13,6% em relação a janeiro - o que já era esperado. Somando-se as vendas de caminhões e ônibus, a alta foi de 15,7%, com o emplacamento de 156.906 unidades no total. http://www.valor.com.br/empresas/5373391/onix-mantem-lideranca-de-vendas-em-fevereiro Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Maria Clara Dias e Tereza Consiglio Estado: SP Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: São Paulo País: Tipo Veículo: Site


Clipping Os 10 SUVs mais baratos do Brasil 7508414 - CAR POINT NEWS - 08/03/2018

SUVs e crossovers tiveram um aumento de 37% de vendas em 2017, comparado com o ano anterior, segundo dados da Fenabrave (a associação das concessionárias). Isto representa uma fatia de 22,34% de mercado, atrás apenas dos hatches pequenos (que correspondem a 47,27% de todos os veículos emplacados no Brasil). Com tamanha pujança, torna-se cada vez mais provável a ideia de que, um dia, todos nós ainda teremos um utilitário esportivo na garagem. E para ajudá-lo a conquistar este passo mais cedo, a Kelley Blue Book no Brasil listou as 10 opções mais baratas de SUVs e crossovers do mercado. Como a maioria se trata de versões de entrada, só há uma opção automática entre as mais acessíveis, o que é uma desvantagem para o restante, considerando que modelos sem o pedal da embreagem são os preferidos entre os consumidores de utilitários esportivos. Ressaltamos que não elencamos os modelos que se dizem SUVs e crossovers só porque o Inmetro os chama desse jeito. E que você provavelmente já sabe quais são. E é curioso notar que os chineses foram os grandes responsáveis por baixar a média de preços da lista, uma vez que, dos 10, quatro pertencem a marcas do país asiático. OS 10 SUVS E CROSSOVERS MAIS BARATOS: 1º) JAC T40 1.5 – R$ 59.990 2º) Lifan X60 Talent S 1.8 – R$ 67.990 3º) JAC T5 1.5 – R$ 67.990 4º) Ford Ecosport SE Direct 1.5 – R$ 68.690 5º) Renault Duster Expression 1.6 – R$ 69.990 6º) Nissan Kicks S 1.6 – R$ 72.990 7º) Peugeot 2008 Allure 1.6 – R$ 72.990 8º) JAC T6 2.0 – R$ 74.990 9º) Jeep Renegade Custom 1.8 – R$ 75.790 10º) Hyundai Creta Attitude 1.6 – R$ 76.350 Fonte: www.xcompr.com http://www.carpointnews.com.br/2018/03/08/mais-baratos-brasil/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redacao Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Blog


Clipping Onix mantém liderança de vendas em fevereiro 7506130 - VALOR ECONÔMICO - EMPRESAS - São Paulo - SP - 09/03/2018 - Pág B4

Com o calendário mais curto e o feriado mais festivo do país, fevereiro costuma ser um mês mais fraco para as vendas de automóveis. De acordo com os números da Associação Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), foram vendidos 151.691 carros e comerciais leves no período, um crescimento 14,5% em relação a fevereiro do ano passado. Um resultado que foi comemorado pela indústria automobilística, ainda que os números apontem uma queda de 13,6% em relação a janeiro - o que já era esperado. Somando-se as vendas de caminhões e ônibus, a alta foi de 15,7%, com o emplacamento de 156.906 unidades no total. http://www.valor.com.br/empresas/5373391/onix-mantem-lideranca-de-vendas-em-fevereiro Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Maria Clara Dias Estado: SP Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: São Paulo País: Tipo Veículo: Jornal


Clipping Toro é o produto certo para o mercado 7508413 - DIÁRIO DO COMÉRCIO - Belo Horizonte - MG - 09/03/2018

Não é todo mês que isso acontece, mas a picape Fiat Toro, que tem preços sugeridos entre R$90,99 mil e R$142,99 mil, conseguiu a façanha de vender mais unidades que sua “irmã menor”, a Fiat Strada (preços entre R$48,79 mil e R$77,99 mil). Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), em 2017, nos meses de fevereiro, abril, junho e julho, a Toro emplacou mais unidades que a Strada. E com uma diferença tão expressiva que ela liderou as vendas acumuladas no ano de junho a setembro entre os veículos do segmento de comerciais leves. Mas, no fechamento do ano, a Strada foi a vencedora, com 54.870 emplacamentos contra 50.723 da Toro. Primeiro e segundo lugares neste segmento que, além das picapes compactas, médias e grandes, também contabiliza as vans e seus derivados para passageiros e carga. Para se ter uma ideia da relevância destes números, o terceiro modelo da lista é a picape compacta VW Saveiro com 42.414 unidades e a 4ª colocada é a picape Toyota Hilux (a primeira entre as grandes) com 34.368 emplacamentos. O desejo por picapes remonta aos anos 80, quando elas exerciam o fascínio que os SUVs exercem hoje. Criadores de cavalos e gados de raça “ostentavam” modelos normalmente modificados de cabines simples para cabines duplas, com carrocerias em fibra de vidro, pois não havia opções de fábrica com essa configuração e sofisticação no acabamento. Com a abertura do mercado para veículos importados, no início dos anos 90, nosso mercado recebeu diversas picapes, principalmente japonesas e americanas, pondo fim às “transformadas”. A GM passou a produzir a família da S10 no Brasil, com acabamento e versões capazes de encarar as importadas. Mais para o fim daquela década, o grupo Souza Ramos, antigo transformador dos modelos nacionais, passou a produzir A L200, da japonesa Mitsubishi, em Goiás, e algumas montadoras trouxeram seus modelos de outros países da América do Sul, principalmente, da Argentina. Paralelo às picapes, chegaram diversos utilitários grandes, também importados. Eles iniciaram essa “moda aventureira” que se tornou um desejo coletivo entre os consumidores e tomou conta da indústria automotiva que passou a criar SUVs nos mais diversos segmentos. Com uma frente muito agressiva, as laterais com traços dinâmicos e fortes, uma traseira inovadora para uma picape e harmonia em todo o conjunto, a Toro conquistou milhares de consumidores de picapes e de utilitários. A prova desse sucesso é que ela está na mesma faixa de preço dos utilitários mais comercializados, o Jeep Compass e o Honda HRV, mas vendeu mais que os dois. O interior divide boa parte das peças com o Jeep Renegade, mas com um acabamento simplificado, com mais plásticos duros e menos superfícies emborrachadas. Em comparação ao exterior, falta ousadia ao interior, mas é moderno e está no nível dos melhores concorrentes. Recebemos a versão Freedom 2.0 diesel, 4x4, automática para avaliação. Rodamos, aproximadamente, 1 mil quilômetros por estradas e cidades e pudemos comprovar as vantagens e desvantagens de usar uma picape como carro de passeio. Ao contrário das picapes grandes, que são muito largas e dificultam a circulação entre carros nas cidades, a Toro tem a largura aproximada de um sedan médio que, aliado a uma direção elétrica leve, garante agilidade no trânsito urbano. Já seu comprimento não permite parar em qualquer vaga e o diâmetro de giro é limitado, obrigando, muitas vezes, a repetir as manobras em estacionamentos e vagas mais apertadas. A posição elevada do motorista ajuda na visibilidade à frente e para as laterais, mas, por outro lado, essa altura e a existência da caçamba praticamente eliminam a visibilidade traseira. É preciso se acostumar a controlar o posicionamento na via através dos retrovisores externos.


Os comandos do sistema multimídia, do computador de bordo e do controlador de velocidade estão todos à mão através de botões posicionados na parte da frente e de trás do volante. Também existem alertas para comandar manualmente as marchas do bom câmbio automático de nove velocidades. As regulagens do banco, e de altura e profundidade da coluna de direção, assim como um correto alinhamento entre os dois, garantem uma ergonomia correta ao motorista. O espaço interno é muito bom para quatro adultos e razoável para um quinto passageiro. Mas todos contam com cintos de três pontos e encosto de cabeça. O modelo avaliado estava repleto de opcionais como ar-condicionado digital, central multimídia de 5 polegadas com GPS, câmera de ré, teto solar, console central refrigerado, rodas em liga leve, farol de neblina, capota marítima e diversos outros itens estéticos. O conjunto garantiu muito conforto a bordo pela eficiência da refrigeração e um bom funcionamento do sistema multimídia. No uso para passeio, a Toro não é tão prática, como também acontece com outras picapes. Apesar de sua caçamba ter a porta dividida em duas partes, com abertura lateral, e não apenas uma com abertura basculante, o uso deste compartimento não é o ideal para malas e mochilas. Essas bagagens pequenas ficam soltas e expostas à poeira e chuvas mais fortes, pois a capota marítima não impede 100% a infiltração das mesmas. Acomodar as bagagens sobre o piso e bancos da parte de trás da cabine foi a solução, mas restringiu o espaço para passageiros e deixou as mesmas expostas quando estacionávamos nas ruas. *Colaborador http://diariodocomercio.com.br/noticia.php?tit=toro_%EF%BF%BD_o_produto_certo_para_o_ mercado&id=191354 Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: MG Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: Belo Horizonte País: Tipo Veículo: Site


Clipping De cada sete veículos vendidos no Paraná, seis são usados 7508415 - BEM PARANÁ - Curitiba - PR - 08/03/2018

Diante das dificuldades para se adquirir um carro novo por conta do crédito reduzido e da persistência do fantasma do desemprego, a venda de veículos seminovos e usados está em alta no Paraná, ao ponto de o setor ter atingido um nível recorde de negócios fechados em 2017 e esperar por nova alta, entre 3 e 4%, para 2018. Hoje, de cada sete carros comercializados no estado, seis são seminovos ou usados. Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) e da Associação de Revendedores de Veículos Automotores no Estado do Paraná (Assovepar), entre 2015 e 2017 foram comercializados 3,2 milhões de veículos no estado. Desses, 2,77 milhões de veículos (o equivalente a 85,6% do total) eram seminovos ou usados, e apenas 466,8 mil (14,4%) eram veículos zero quilômetro. Cesar Lançoni Santos, presidente da Assovepar, aponta que a crise econômica que o país atravessa acabou trazendo impactos positivos ao setor de veículos seminovos e usados. Em 2017 foram 932.504 negócios fechados no Paraná, alta de 3,5% na comparação com 2016 e o melhor volume de vendas na história do setor. “O mercado de seminovos não sentiu tanto a crise porque parte dos consumidores de carros zero quilômetro migraram para o carro usado. Então isso fez com que o mercado se mantivesse estável, com algumas variações negativas (como em 2016 na comparação com 2015), mas crescimento constante quando analisado o panorama geral”, afirma Santos. Na outra ponta, o segmento de veículos novos espera por uma retomada do crescimento em 2018, após cinco anos consecutivos de queda nas vendas. Desde 2012, quando foram vendidos 278.467 carros zero quilômetro no Paraná, as vendas caíram praticamente pela metade. Em 2017 foram 139.313 veículos comercializados, o menor nível de vendas desde o início da série histórica da Fenabrave, iniciada em 2005. “Para este ano, nossa expectativa é de crescimento entre 10 e 12%, o primeiro em cinco anos. É um crescimento estável, não é uma bolha ou algo supérfluo”, aponta Marcos Ramos, diretor da Fenabrave. “Os bancos retomaram o financiamento de veículos com taxas mais baixas e também temos bom sinal de vendas no interior do estado em virtude do agronegócio”, complementa o executivo, destacando que no primeiro bimestre deste ano foram vendidos 28.321 carros novos no Paraná, alta de 40,4% na comparação com o mesmo período de 2017. Oficinas mecânicas sofrem com movimento baixo e o ‘bolso vazio’ do cliente Enquanto a venda de carros zero quilômetros dá sinais de retomada do crescimento e a comercialização de veículos seminovos e usados está em alta, outro importante segmento do setor automotivo está sangrando por causa da crise econômica. São as oficinas mecânicas, que nos últimos anos viram a demanda por serviços cair pela metade. No Berko Centro Automotivo, por exemplo, Vitório Oto Bergamini, funcionário da empresa, aponta que antes da crise econômica se agravar a demanda era grande, com dias em que chegavam de 30 a 35 carros na oficina. Atualmente, num dia com bom movimento, entre 10 e 15 veículos dão entrada no local. “Falta dinheiro. Está todo mundo com o bolso vazio aí só fazem o básico do básico e deixa o resto para depois. Faz o essencial para o carro andar e pronto”, explica Bergamini, revelando ainda que a queda na demanda de serviços também fez reduzir o número de funcionários – antes eram cinco mecânicos, hoje são apenas três. A avaliação de Wilson Bill, proprietário da Auto Mecânica Bill e presidente do Sindicato das Empresas de Reparação e Veículos do Paraná (Sindirepa-PR), é parecida. “A grande dificuldade é o poder aquisitivo. Comprar carro é fácil, difícil é manter. Falta responsabilidade ao consumidor, ter consciência de que precisa fazer a manutenção preventiva. Hoje, mais da metade só tem feito manutenção corretiva porque não tem dinheiro.” Venda de veículos no Paraná* (categorias automóveis e comerciais leves) 2017 TOTAL


1.071.817 Novos 139.313 Usados e seminovos 932.504 2016 TOTAL 1.043.019 Novos 141.875 Usados e seminovos 901.144 2015 TOTAL 1.117.786 Novos 185.599 Usados e seminovos 932.187 http://www.bemparana.com.br/noticia/557500/de-cada-sete-veiculos-vendidos-no-paranaseis-sao-usados Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Rodolfo Luis Kowalski Estado: PR Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: Curitiba País: Tipo Veículo: Site


Clipping Mulher gosta de carro e moto 7508416 - AUTOS & MOTOS - 08/03/2018

Inicio Vídeo Mulher gosta de carro e moto Por Autos & Motos 3 Facebook Twitter PROGRAMA AUTOS E MOTOS 8.3.2018 MULHERES QUE GOSTAM DE CARRO Convidadas Marly Gomes – Honda Lead 2011 Marizete Teles – VW Fusca 1600 – Ano 1984 Taiza Araujo – Toller T4 2004 Vídeos Giro de Mercado Onix automático Fotos das convidadas Balanço de vendas – Fevereiro 2018 1. Chevrolet Onix – 12.797 2. Hyundai HB20 – 7.364 3. Ford Ka – 6.570 4. Volkswagen Polo – 4.942 5. Renault Kwid – 4.506 Fonte: Fenabrave Emplacamentos http://autosemotos.com/mulher-gosta-de-carro-e-moto/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Autos & Motos Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Jaguar Land Rover em Uberlândia agora é Urca Prime - Revista Cult 7508417 - REVISTA CULT - 08/03/2018

Variedades Serifa Comunicação 2018-03-08 08 mar 2018 Serifa Comunicação 03 Holding Deriva lança sua mais nova concessionária na região sul da cidade no segmento premium Abeifa estima vender 40 mil unidades em 2018 A Holding Deriva lançou mais uma concessionária em Uberlândia, desta vez com a bandeira Jaguar e Land Rover: a Urca Prime. Localizada em uma área privilegiada e com uma identidade contemporânea em seus 3 mil m², na Avenida dos Vinhedos, 300, a Urca Prime irá somar às mais de 15 lojas do grupo Urca, localizadas nos estados de Goiás e Minas Gerais, reafirmando a vocação da empresa também na prática de negócios no segmento Prime. O presidente da Associação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores, Fenabrave, presidente da Associação Latina América dos distribuidores de veículos, ALADA, e Vice-Presidente do Conselho de Administração do Holding Deriva, Alarico Assumpção Junior, afirma que o investimento com a concessão e a estruturação da nova concessionária consolida o grupo num patamar diferenciado. “Depois do sucesso com as concessionárias Suécia Veículos (Volvo Truck, Bridgestone e Bandag) e Urca (Hyundai e Honda), conquistamos mais essa concessão importante para nosso negócio. A expectativa é muito positiva”, afirma o empresário. De acordo o presidente da Holding Deriva, que compreende as empresas Suécia Veículos, Urca Motors, Urca Imports, Urca Honda, Urca Premium, Urca Prime e Juruá Empreendimentos, Ataídes Pozzi Neto, a inserção do posicionamento Prime na Holding Deriva é uma soma de esforços ousados para o crescimento do Grupo. “Temos uma demanda seleta para as marcas Jaguar e Land Rover. Entendemos que a marca Prime tem potencial de vendas no mercado em nosso país e em Uberlândia e região não é diferente. Aqui estamos presentes através do braço comercial da Suécia Veículos com revenda Volvo e Bridgestone e, da mesma forma, a Urca Motors possui duas lojas com revenda Hyundai, e agora a concessão da Jaguar e Land Rover. A parceria com a Jaguar e com a Land Rover é a nossa melhor garantia de qualidade de serviços e produtos. Duas marcas de grande reputação internacional e sinônimos de excelência. Representar estas duas marcas muito respeitadas no mercado mundial é um grande desafio. Porém, ao mesmo tempo é um enorme prestígio para toda a nossa equipe. Isto nos enche de orgulho por saber que estamos oferecendo ao mercado o que existe de melhor”, enfatiza Ataídes. A Urca Prime segue os novos padrões em todo o país, com espaços destinados ao showroom das duas marcas e com exibição das linhas de modelos. Este novo projeto foi idealizado com base na política de transparência e qualidade das marcas, obedecendo aos critérios recomendados pela montadora. Lançamento Está para ser apresentado ao mundo, o I PACE Concept, o primeiro Jaguar de propulsão exclusivamente elétrica. Este automóvel, representa a entrada da Jaguar na era da eletrificação e com um tipo de carroçaria ímpar, constituído por materiais nobres. Caracteriza-se por um supercarro, de performance desportivo e o espaço de um SUV. O primeiro veículo elétrico proporciona 700 Nm de torque instantâneo, 400 cv de potência e acelera de 0 a 100 km/h em cerca de 4 segundos. Tecnologia de ponta e design futurista se combinam para criar um veículo de emissão zero. De acordo com a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa), que conta com dezessete marcas filiadas, com licenciamento de 2.422 unidades, foi registrado em janeiro de 2018 alta de 24,5% ante igual período de 2017, quando foram vendidas 1.945 unidades importadas. A entidade mantém estimativa de vendas para 2018 em 40 mil unidades. A Land Rover é líder na participação de mercado SUV premium, vendendo um em cada 4


carros do segmento. Em Uberlândia, em 2017, foram vendidos 139 unidades das marcas e com participação de 30,2% de Market Share. http://netcult.com.br/jaguar-land-rover-em-uberlandia-agora-e-urca-prime/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Sedãs de entrada em fevereiro – Ka Sedan, em forte alta, se aproxima do pódio 7508421 - ASSOBRAV - 07/03/2018

Por: Thiago Parísio, Analista de Mercado As vendas de sedãs de entrada em fevereiro registraram crescimento de quase 9% na comparação com o mesmo mês do ano passado, com os quatro primeiros colocados registrando números positivos. Um, no entanto, teve um destaque especial. Com 2.192 emplacamentos, menos de cem unidades atrás do Toyota Etios Sedan 2.285, o Ford Ka Sedan 2.192 avançou quase 95% no período e se aproximou do pódio. Na liderança, no entanto, não houve novidade: o Chevrolet Prisma 3.841 se manteve à frente, com alta de 14% nos últimos doze meses. Este, no entanto, foi o pior resultado do Chevrolet desde fevereiro do ano passado, o que permitiu ao Hyundai HB20S 2.454, vice-líder pelo segundo mês seguido, reduzir para menos de 1,4 mil unidades uma desvantagem de quase 3,3 mil unidades em janeiro. Terceiro na última lista, depois de ser o segundo colocado por dez meses ininterruptos até novembro, o VW Voyage 2.095 perdeu mais de 14% de seus compradores de 2017. Lanterna em janeiro, o Renault Logan 1.341 subiu para o sexto lugar mesmo em momento de baixa. Para o Grand Siena, más notícias: as 1.326 unidades de fevereiro representaram o pior desempenho para o Fiat desde janeiro de 2002, último mês com dados ainda disponibilizados pela Fenabrave. É importante ressaltar que, naquela época, ainda havia o Siena sendo contabilizado. Mesmo crescendo quase 30%, o Nissan Versa 1.253 foi o lanterna oficial, já que o Cronos 44 ainda não começou a ser comercializado pela Fiat. Sedãs de Entrada POS. MODELO TOTAL 2018 FEV/18 JAN/18 FEV/17 % FEV 18 % JAN 18 VARIAÇÃO FEV/JAN VARIAÇÃO 2018/2017 1º CHEVROLET PRISMA 9767 3841 5926 3368 22,82% 30,21% -35,18% 14,04%


2ยบ HYUNDAI HB20S 5106 2454 2652 2105 14,58% 13,52% -7,47% 16,58% 3ยบ TOYOTA ETIOS SEDAN 4572 2285 2287 2054 13,58% 11,66% -0,09% 11,25% 4ยบ FORD KA SEDAN 4151 2192 1959 1127 13,02% 9,99% 11,89% 94,50% 5ยบ VW VOYAGE 4693 2095 2598 2442 12,45% 13,24%


-19,36% -14,21% 6ยบ RENAULT LOGAN 2189 1341 848 1427 7,97% 4,32% 58,14% -6,03% 7ยบ FIAT GRAND SIENA 2957 1326 1631 2014 7,88% 8,31% -18,70% -34,16% 8ยบ NISSAN VERSA 2937 1253 1684 964 7,44% 8,58% -25,59% 29,98% 9ยบ FIAT CRONOS 78 44 34 0


0,26% 0,17% 29,41% 36450 16831 19619 15501 100,00% 100,00% -14,21% 8,58% Observação: - O Toyota Etios anteriormente era incluído entre os sedãs compactos. Fonte: Fenabrave Fonte: UOL Carros / Motor1.com Esta notícia foi marcada em Mercado Automotivo Veja também as últimas notícias Retrô, autônomo, supercarros: pequenos em Genebra Sedãs de entrada em fevereiro – Ka Sedan, em forte alta, se aproxima do pódio Comparativo Creta Sport X Tracker Turbo - Utilitários e esportivos? Novo Audi A6 2019 é revelado em Genebra mais tecnológico e eficiente SUV apressadinho: Em pleno fevereiro, Kia apresenta lá fora a linha 2019 do SUV médiogrande Sorento http://www.assobrav.com.br/ler_noticias.asp?id=42063 Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Transição da Indústria Automotiva e o efeito Locadoras de Vídeo 7508422 - TERRA - São Paulo - SP - 08/03/2018

Números divulgados pela Fenauto mostram que só no primeiro quadrimestre do ano, foram feitas mais de 4,2 milhões de transações de veículos usados, aumento de 6% em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2017 o território nacional consumiu 6.017.671 de seminovos em um período de 6 meses, ou seja, o setor de seminovos cresceu 9% somente no acumulado do ano. Enquanto isso, a procura por veículos 0 km é a mais baixa em 11 anos. Segundo a Fenabrave, essa onda de compra e venda de seminovo gerou um resultado tão bom nas principais locadoras de automóveis do país, que o setor já arrecadou mais de R$ 2 bilhões. Mais de 2 mil concessionárias já fecharam as portas ao longo da crise, e o ano segue não só refletindo o resultado de um mercado que sofreu um grande desequilíbrio, como também abre espaço para uma transição e adaptação no setor. Os números têm indicado cada vez mais um momento positivo para um negócio que está em constante crescimento: o setor de seminovos. Após a chegada e ascensão da era virtual, o público já não é mais o mesmo, por isso, muitas empresas se viram obrigadas a se reinventar. O setor automotivo foi um dos que mais sofreram impacto com essa mudança e não entender o cliente pode ser a maior ameaça para qualquer negócio. Para Ricardo Lima, sócio-proprietário da Passe Carros, portal de repasse de veículos, logo não restarão alternativas: teremos que mudar nossa forma de interagir com o cliente ou o perderemos. Em entrevista para a revista Locação, Ricardo explica como a tecnologia se tornou aliada do setor automotivo: "Com um leque maior de negócios, o estoque gira mais rápido e permanece sempre novo". A transição do mercado causada pela tecnológica, mais conhecida como "efeito locadoras de vídeo", vem causando impacto em diversos setores, e quando usada a seu favor, empresas de todos os tamanhos podem se manter competitivas, garantindo inúmeras vantagens em seus negócios. Sobre a Passe Carros: Com mais de 10 mil clientes e pioneira em B2B, a Passe Carros é mais que um portal de captação e repasse de veículos; é especializada em seminovos e usados, com forte presença no mercado automotivo desde 2012. A Passe Carros presta atendimento em todos os estados brasileiros, se tornando referência no quesito padronização de processos, tecnologia e comprometimento com resultados de cada concessionária e lojista. www.passecarros.com.br Informações à Imprensa - MKT | bprc: Fabiana Roxo | MTB 65004/SP | press@bprc.com.br | +55 (19) 3035.0181 Website: http://www.passecarros.com.br https://www.terra.com.br/noticias/dino/transicao-da-industria-automotiva-e-o-efeito-locadorasde-video,90b84106bac793f5afcbb5b4681dd907016zab16.html Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Este é um conteúdo comercial divulgado pela empres Estado: SP Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: São Paulo País: Tipo Veículo: Site


Clipping Jaguar Land Rover em Uberlândia agora é Urca Prime 7508423 - BRAND PRESS - São Paulo - SP - 08/03/2018

Holding Deriva lança sua mais nova concessionária na região sul da cidade no segmento premium Abeifa estima vender 40 mil unidades em 2018 A Holding Deriva lançou mais uma concessionária em Uberlândia, desta vez com a bandeira Jaguar e Land Rover: a Urca Prime. Localizada em uma área privilegiada e com uma identidade contemporânea em seus 3 mil m², na Avenida dos Vinhedos, 300, a Urca Prime irá somar às mais de 15 lojas do grupo Urca, localizadas nos estados de Goiás e Minas Gerais, reafirmando a vocação da empresa também na prática de negócios no segmento Prime. O presidente da Associação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores, Fenabrave, presidente da Associação Latina América dos distribuidores de veículos, ALADA, e Vice-Presidente do Conselho de Administração do Holding Deriva, Alarico Assumpção Junior, afirma que o investimento com a concessão e a estruturação da nova concessionária consolida o grupo num patamar diferenciado. “Depois do sucesso com as concessionárias Suécia Veículos (Volvo Truck, Bridgestone e Bandag) e Urca (Hyundai e Honda), conquistamos mais essa concessão importante para nosso negócio. A expectativa é muito positiva”, afirma o empresário. De acordo o presidente da Holding Deriva, que compreende as empresas Suécia Veículos, Urca Motors, Urca Imports, Urca Honda, Urca Premium, Urca Prime e Juruá Empreendimentos, Ataídes Pozzi Neto, a inserção do posicionamento Prime na Holding Deriva é uma soma de esforços ousados para o crescimento do Grupo. “Temos uma demanda seleta para as marcas Jaguar e Land Rover. Entendemos que a marca Prime tem potencial de vendas no mercado em nosso país e em Uberlândia e região não é diferente. Aqui estamos presentes através do braço comercial da Suécia Veículos com revenda Volvo e Bridgestone e, da mesma forma, a Urca Motors possui duas lojas com revenda Hyundai, e agora a concessão da Jaguar e Land Rover. A parceria com a Jaguar e com a Land Rover é a nossa melhor garantia de qualidade de serviços e produtos. Duas marcas de grande reputação internacional e sinônimos de excelência. Representar estas duas marcas muito respeitadas no mercado mundial é um grande desafio. Porém, ao mesmo tempo é um enorme prestígio para toda a nossa equipe. Isto nos enche de orgulho por saber que estamos oferecendo ao mercado o que existe de melhor”, enfatiza Ataídes. A Urca Prime segue os novos padrões em todo o país, com espaços destinados ao showroom das duas marcas e com exibição das linhas de modelos. Este novo projeto foi idealizado com base na política de transparência e qualidade das marcas, obedecendo aos critérios recomendados pela montadora. Lançamento Está para ser apresentado ao mundo, o I PACE Concept, o primeiro Jaguar de propulsão exclusivamente elétrica. Este automóvel, representa a entrada da Jaguar na era da eletrificação e com um tipo de carroçaria ímpar, constituído por materiais nobres. Caracteriza-se por um supercarro, de performance desportivo e o espaço de um SUV. O primeiro veículo elétrico proporciona 700 Nm de torque instantâneo, 400 cv de potência e acelera de 0 a 100 km/h em cerca de 4 segundos. Tecnologia de ponta e design futurista se combinam para criar um veículo de emissão zero. De acordo com a Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores (Abeifa), que conta com dezessete marcas filiadas, com licenciamento de 2.422 unidades, foi registrado em janeiro de 2018 alta de 24,5% ante igual período de 2017, quando foram vendidas 1.945 unidades importadas. A entidade mantém estimativa de vendas para 2018 em 40 mil unidades. A Land Rover é líder na participação de mercado SUV premium, vendendo um em cada 4 carros do segmento. Em Uberlândia, em 2017, foram vendidos 139 unidades das marcas e com participação de 30,2% de Market Share. http://brandpress.com.br/press-releases/negocios/jaguar-land-rover-em-uberlandia-agora-eurca-prime.html Ficha Técnica


Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: SP Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: São Paulo País: Tipo Veículo: Site


Clipping Ranking: CG 160 continua na frente no segmento street 7508424 - MOTO.COM.BR - 08/03/2018

A Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) divulgou o relatório mensal com o ranking que apresenta o número de vendas de fevereiro. No segmento street, a Honda segue na frente, abocanhando o top-3 da categoria. A CG 160 segue como a mais vendida, com 16.872 unidades emplacadas no mês passado. O número, entretanto, é inferior ao de janeiro (20.339), mas a participação de mercado aumentou: 64,14% contra pouco mais de 62% no mês passado. Quer vender sua moto? Anuncie no MOTO.com.br! Em segundo lugar aparece a CG 125, com a CB 250F Twister em terceiro, fechando o top-3 apenas com motos da fabricante japonesa. O grupo das cinco motos mais vendidas em fevereiro é completado pela Yamaha, com a Factor 150 na quarta e a Fazer 250 na quinta posição, ligeiramente acima dos 6% e 4% de participação no mercado de motos de baixa cilindrada, nesta ordem. Confira a tabela com as dez motos mais vendidas no segmento street em janeiro de 2018: RANKING MODELOS STREET Posição Modelo Jan/18 Fev/18 Acumulado Participação 1º HONDA/CG 160 20.339 16.872 37.211 64,14% 2º HONDA/CG 125 2.826 2.093 4.919 8,48% 3º HONDA/CB 250F TWISTER 2.668 2.039 4.707


8,11% 4º YAMAHA/YBR 150 1.991 1.756 3.747 6,46% 5º YAMAHA/FAZER 250 1.884 771 2.655 4,58% 6º YAMAHA/YBR 125 930 737 1.667 2,87% 7º YAMAHA/YS150 FAZER 822 692 1.514 2,61% 8º HAOJUE/CHOPPER 275 140 415 0,72% 9º HONDA/CG150 186 145 331 0,57% 10º


HAOJUE/DK150 64 203 267 0,46% TOTAL 32.329 25.690 58.019 100% Fonte: Fenabrave Foto: Divulgação Fonte: Equipe MOTO.com.br https://www.moto.com.br/acontece/conteudo/ranking-cg-160-continua-na-frente-nosegmento-street-126926.html Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Comparativo: VW Polo 1.6 MSI vs. Fiat Argo Drive 1.3 e Chevrolet Onix LTZ 7508425 - MOTOR SHOW - 08/03/2018

Share on Facebook Tweet on Twitter Todos estão de olho no Chevrolet Onix. Ele terminou o ano passado no primeiríssimo lugar entre os mais vendidos, com 188.654 veículos licenciados, segundo a Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores). Contra ele, duas novidades: o Fiat Argo e o Volkswagen Polo. O primeiro estreou em meados de 2017 e somou de junho a dezembro 27.925 unidades emplacadas, enquanto o Polo chegou às concessionárias em novembro e concluiu o ano com 9.521 veículos vendidos. O Onix estreou no fim de 2012 e de lá para cá ganhou novas versões/conteúdos e um facelift na linha 2017, acompanhado de atualizações mecânicas. Ele segue feito sobre a base GSV (Global Small Vehicle) também utilizada nos modelos Prisma, Cobalt e Spin, só para citar. O Argo tomou emprestado a base MP1 do Fiat Punto, mas inteiramente revista e 42 kg mais leve na carroceria em relação ao Punto. A sexta geração do Polo é construída sobre a plataforma modular MQB A0, também utilizada pelo Virtus. Na ponta do lápis, o Onix LTZ custa R$ 58.390, enquanto o Argo Drive 1.3 (R$ 54.990) e o Polo 1.6 MSI (R$ 54.990). Esses dois últimos completos saem por R$ 60.190 e R$ 57.590, respectivamente. O Polo é mais largo e comprido, além de seu entre-eixos maior garantir um bom espaço para quem viaja atrás. Onix e Argo exibem uma cabine bem cuidada dotada de plásticos texturizados e detalhes cromados. Dos três, o interior do Polo mostra um ar de simplicidade. Essa sensação só aumenta ao reparar os trilhos dos bancos à mostra, o tecido empregado nos assentos e a coluna de direção fixa – no Onix e no Argo são reguláveis em altura. Outra crítica ao VW está nos retrovisores ajustáveis manualmente. Aliás, os elétrivos só estão disponíveis no Polo a partir da versão Comfortline 200 TSI (R$ 65.190). No compacto da Fiat, os retrovisores e os vidros elétricos traseiros são opcionais (confira na tabela “Equipamentos”). A central multimídia com tela sensível ao toque e conectividade Android Auto/Apple CarPlay é de série no Chevrolet e no Fiat. E a do Argo possui tela flutuante de 7”. No Polo, o sistema de entretenimento Composition Touch é cobrado à parte dentro do pacote Connect Pack (R$ 2.600), que adiciona volante multifuncional, computador de bordo, assistente de partida em rampa, controles de tração/estabilidade e bloqueio eletrônico do diferencial. Apesar de opcionais, alguns desses itens não são encontrados no Argo e tampouco no Onix. E o carro da Chevrolet tem a exclusividade do serviço de concierge OnStar. Por meio de um botão no retrovisor interno, o condutor contacta uma central para receber informações sobre rotas, busca de locais e chamadas de emergência, por exemplo. Segurança e dirigibilidade O Polo levou cinco estrelas nos testes de colisão do Latin NCAP, além de ter quatro airbags (frontais e laterais). O Onix teve três estrelas no teste de colisão, refeito agora em janeiro, quando também ganhou o isofix para cadeirinhas infantis. Já no quesito porta-malas, o do Onix é de 280 litros, enquanto Argo e Polo empatam, com 300 litros (o Renault Sandero ainda supera a todos, com 320 litros). Outra ausência inexplicável no Polo está na tampa sem um botão para abertura. Essa operação é realizada somente pela chave ou por meio de um comando interno. O Volks pode ser imbatível nas versões turbinadas Comfortline 200 TSI e topo Highline 200 TSI, porém, nessa intermediária 1.6 MSI as coisas são um pouco diferentes. Embora ofereça a maior potência dos três, o fôlego do compacto da Volks aparece mais nos médios giros. Comparado a ele, o 1.3 Firefly do Argo usa duas válvulas por cilindros e comando simples dotado de variador de fase na admissão e no escape. Dessa forma, entrega um bom rendimento em qualquer faixa de giro. Na cidade, por exemplo, o Argo anda “cheio” grande parte do tempo, pedindo mínimas reduções. Além disso, é equipado com o sistema startstop. Sob o capô do Onix, o propulsor 1.4 Eco oferecer boas respostas nos giros baixos, fazendo o hatch deslanchar sem esforços. Argo e Polo usam câmbio manual de cinco marchas e o Onix, de seis. Outro questionamento do Polo está em não utilizar a caixa de seis velocidades empregada no VW Golf Comfortline 1.0 TSI (R$ 78.780). Sendo assim, rodando na estrada a 120 km/h, o ponteiro do conta-giros do Chevrolet marca 2.900 rpm contra 3.100 no Volks e 3.500 no Argo. Sem dúvidas, elogios vão para os engates leves e precisos do Volks. Os do Onix também são precisos, porém


ligeiramente mais pesados. E o trambulador do Fiat às vezes vacila, principalmente nos engates da terceira e da quinta. Todos esses compactos trazem direção com assistência elétrica. E a do Argo é a mais leve, pois os concorrentes possuem uma calibragem mais firme, contribuindo nas velocidades mais altas. As suspensões dos três são voltadas para o conforto. A do Fiat está no meio termo entre macia e firme, mas deixa a carroceria rolar um tanto a mais nas curvas. No Onix a carroceria pode oscilar menos, porém, ao trafegar em pisos irregulares, é possível sentir o eixo traseiro trabalhando. Nada que incomode ou desagrade. O conjunto do Polo tem o melhor acerto dos três e o conjunto é o mais confortável de todos os hatches do fabricante. Onix, Argo e Polo possuem freios a disco na dianteira e a tambor atrás – aliás, o do Chevrolet tem o acionamento mais progressivo de todos. As rodas do Onix são de liga leve de 15”, opcionais no Argo e no Polo. O Onix pode ser o mais rodado dos rivais, mas continua agradando por sua dirigibilidade, pelo bom acabamento interno e pela lista de equipamentos generosa, que inclui o serviço OnStar. O novo Polo dá um banho ao volante com um carro “na mão” e tem bons itens de segurança, mas nessa configuração 1.6 MSI peca pelo acabamento simplório, pela ausência de itens básicos e por não oferecer comodidades, como sensores de estacionamento e câmera de ré. E ficamos, então, com o vencedor deste embate, o Fiat Argo, que se destaca pela dirigibilidade e pelo acabamento, apresentando a melhor relação entre custo e benefício. Please enable JavaScript to view the comments powered by Disqus. blog comments powered by Disqus https://motorshow.com.br/comparativo-vw-polo-16-msi-vs-fiat-argo-drive-13-e-chevrolet-onixltz/ Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Rafael Poci Déa Estado: Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: País: Tipo Veículo: Site


Clipping Ford Mustang já tem 200 unidades reservadas no Brasil 7508426 - DESTAK - São Paulo - SP - 08/03/2018

Com entrega das primeiras unidades prevista para o final de março, o Ford Mustang já teve 200 unidades reservadas por meio do sistema de pré-venda. Oferecido apenas na versão topo de linha GT Premium, o modelo custa R$ 299.900 e a reserva é feita online mediante pagamento de 10% desse valor. No Brasil, as primeiras unidades do Mustang serão acompanhadas de um capacete de edição limitada assinado pelo piloto Dan Gurney, lenda do automobilismo. Porém, o brinde será entregue somente aos felizes proprietários do primeiro lote importado, que não teve o número de unidades oficialmente revelado. A Ford já anunciou que devido à alta procura teve um segundo lote de pré-venda. Oferecido em sua versão mais potente, o bólido é equipado com motor V8 5.0 de 466 cavalos (cv) e transmissão automática de 10 velocidades com opção de trocas no volante. Entre os equipamentos de série oferecidos, o Mustang traz painel de instrumentos digital de 12 polegadas, sistema eletrônico de preaquecimento dos pneus traseiros (Line Lock), faróis e lanternas de LED, partida sem chave, rodas liga leve de 19 polegadas e aerofólio traseiro. Emplacamentos Em fevereiro, o Mustang já teve 25 unidades emplacadas no país, provavelmente para a frota da própria Ford. Os dados são da Fenabrave (Federação Nacional Distribuição Veículos Automotores). *Com iCarros Continuar a ler http://www.destakjornal.com.br/autos/detalhe/ford-mustang-ja-tem-200-unidades-reservadasno-brasil?ref=DET_Ultimas_brasilia Ficha Técnica Empresa: FENABRAVE Autor: Redação Estado: SP Disponibilização: 09/03/2018 Palavra Chave: FENABRAVE Arquivo Interno:

Categoria: Fenabrave Cidade: São Paulo País: Tipo Veículo: Site

Clipping Fenabrave 09.03.2018  

Clipping Fenabrave 09.03.2018

Clipping Fenabrave 09.03.2018  

Clipping Fenabrave 09.03.2018

Advertisement