__MAIN_TEXT__

Page 1


direito autoral Este livro é um trabalho de ficção. Nomes, personagens, lugares e incidentes são o produto da imaginação do autor ou são usados ficticiamente. Qualquer


semelhança com fatos reais, locais, ou pessoas, vivas ou mortas, é mera coincidência. Copyright © 2018 por Holly Black Ilustrações por Kathleen Jennings Cubra © arte copyright 2018 por Sean Freeman. Cobrir design por Karina Granda. © 2018 tampa do copyright por Hachette Book Group, Inc. Hachette Book Group apoia o direito à livre expressão e o valor de direitos de autor. O objetivo do autor é incentivar escritores e artistas para produzir os trabalhos criativos que enriquecem a nossa cultura. A digitalização, envio e distribuição deste livro, sem autorização é um roubo de propriedade intelectual do autor. Se você gostaria de sua permissão para usar o material do livro (excepto para fins de revisão), entre em contato permissions@hbgusa.com. Obrigado por seu apoio aos direitos do autor. Little, Brown and Company Hachette Book Group 1290 Avenue of the Americas, Nova York, NY 10104 Visite-nos em LBYR.com Primeira edição: janeiro 2018 Little, Brown and Company é uma divisão da Hachette Book Group, Inc. A Little, nome e logotipo Brown são marcas comerciais da Hachette Book Group, Inc. O editor não é responsável por sites (ou seu conteúdo) que não são de propriedade da editora. “Eu adoraria ser filho de um fada” © 1918 pelo Robert Graves “O Hosting do Sidhe” © 1899 por WB Yeats Internacionais de Catalogação na Publicação nomes de dados: Preto, Holly, autor. Título: O cruel príncipe / Holly Black. Descrição: Primeira edição. | New York: Little, Brown and Company, 2018. | Série: The Folk do Ar; 1 | Resumo: Jude, dezessete e mortal, fica emaranhado de intrigas palacianas ao tentar ganhar um lugar no traiçoeiro Supremo Tribunal das Fadas, onde ela e suas irmãs viveram por uma década. Identificadores: LCCN 2016049232 | ISBN 9780316310277 (capa dura) |


ISBN 9780316310284 (ebook) | ISBN 9780316310307 (biblioteca edição ebook) Disciplinas: | CyaC: Fairies-Fiction. | Sisters-Fiction. | Órfãos-ficção. | Princes-Fiction. | Tribunais e cortesãos-ficção. | Fantasia. Classificação: LCC PZ7.B52878 Cru 2018 | DDC [Fic] -dc23 ficha LC disponível ao https://lccn.loc.gov/2016049232 ISBN: 978-0-316310277 (capa dura), 978-0-316310284 (ebook), 978-0- 31648020-8 (Barnes & Noble), 978-0-316-41694 -8 (OwlCrate) E3-20171116-JV-PC Conteúdo Cubra Título Página Copyright Mapa Dedicação book One Prólogo Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Capítulo 4 Capítulo 5 Capítulo 6 Capítulo 7


Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 10 Capítulo 11 Capítulo 12, Capítulo 13, Capítulo 14, Capítulo 15, Capítulo 16, Capítulo 17 Capítulo 18, Capítulo 19, Capítulo 20 livro dois Capítulo 21, Capítulo 22, Capítulo 23, Capítulo 24, Capítulo 25, Capítulo 26,


Capítulo 27, Capítulo 28, Capítulo 29, Capítulo 30 Epilogo Agradecimentos Para Cassandra Clare, que foi finalmente atraídos para Faerieland


Em uma sonolenta tarde de domingo, um homem com um longo casaco escuro hesitou em frente a uma casa em uma rua arborizada. Ele não havia estacionado um carro nem chegado de táxi. Nenhum vizinho o viu passeando pela calçada. Ele simplesmente apareceu, como se estivesse pisando entre uma sombra e a outra. O homem foi até a porta e levantou o punho para bater. Dentro da casa, Jude sentou-se no tapete da sala e comeu tacos de peixe, requentados no microondas cheios de ketchup. Sua irmã gêmea, Taryn, cochilava no sofá, enrolada em um cobertor, com o polegar na boca manchada de frutas. E, do outro lado do sofá, sua irmã mais velha, Vivienne, olhava para a tela da televisão, seu olhar fixo no rato enquanto que corria do gato de desenho animado. Ela riu quando pareceu que o rato estava prestes a ser comido. Vivi era diferente das outras irmãs mais velhas, mas desde que Jude e Taryn, de 7 anos, eram idênticos, com o mesmo cabelo castanho desgrenhado e rostos em forma de coração, eles também eram diferentes. Os olhos de Vivi e os pontos levemente peludos de suas orelhas eram, para Jude, não muito mais estranhos do que ser a versão espelhada de outra pessoa. Algumas vezes, ela notou a forma como as crianças do bairro evitado Vivi ou


a maneira como seus pais falavam dela em vozes preocupadas e baixas, Jude não acho que era algo importante. Os adultos sempre estavam se preocupando, sempre sussurrando. Taryn bocejou e se esticou, apertando seu rosto contra o joelho de Vivi. Lá fora, o sol estava brilhando, queimando o asfalto e a calçada. Motores de cortador de grama zumbiam, e as crianças com piscinas de quintal se divertiam. Papai estava na garagem, onde tem uma forja. Mamãe estava na cozinha, cozinhando hambúrgueres. Tudo estava chato. Tudo estava bem. Quando a batida veio, Jude pulou para atender. Ela esperava que fosse uma das garotas do outro lado da rua, querendo jogar videogames ou convidá-la para um mergulho depois do jantar. O homem alto estava em sua porta, olhando para ela. Ele usava um casaco de couro marrom, apesar do calor. Seus sapatos estavam calçados com prata, e eles tocaram ocos quando ele passou por ela e entrou na casa. Jude olhou para o rosto sombrio e estremeceu. "Mãe", ela gritou. "Mãããe. Alguém está aqui. Sua mãe veio da cozinha, enxugando as mãos molhadas no jeans. Quando ela viu o homem, ficou pálida. "Vá para o seu quarto", ela disse a Jude em uma voz assustadora. "Agora!" "De quem é essa criança?", Perguntou o homem, apontando para ela. Sua voz estava estranhamente acentuada. "Sua? Dele?" " De Ninguém." Mamãe nem olhava na direção de Jude. "Ela não é filha de ninguém." Isso não estava certo. Jude e Taryn se pareciam com o pai deles. Todos diziam isso. Ela deu alguns passos em direção às escadas, mas não queria ficar sozinha em seu quarto. Vivi, pensou Jude. Vivi vai saber quem é o homem alto. Vivi vai saber o que fazer. Mas Jude não conseguia se mover mais. "Eu vi muitas coisas impossíveis", disse o homem. “Eu vi a semente antes do


carvalho. Eu vi a faísca antes da chama. Mas nunca vi algo assim: uma mulher morta vivendo. Uma criança nascida do nada. Mamãe parecia sem palavras. Seu corpo estava vibrando com a tensão. Jude queria pegar a mão dela e apertá-la, mas ela não se atreveu. "Eu duvidei de Balekin quando ele me disse que eu iria encontrá-la aqui", disse o homem, sua voz suavizada. “Os ossos de uma mulher terrena e seu filho não nascido nos restos queimados da minha propriedade foram convincentes. Você sabe o que é retornar da batalha para encontrar sua esposa morta, seu único herdeiro com ela? Para achar sua vida reduzida a cinzas? Mamãe balançou a cabeça, não como se estivesse respondendo a ele, mas como se estivesse tentando se livrar das palavras. Ele deu um passo na direção dela e ela deu um passo para trás. Havia algo errado com a perna do homem alto. Ele se moveu rigidamente, como se isso o machucasse. A luz era diferente no hall de entrada, e Jude podia ver o estranho tom verde de sua pele e a maneira como os dentes inferiores pareciam grandes demais para a boca. Ela foi capaz de ver que seus olhos eram como os de Vivi. "Eu nunca ficaria feliz com você", mamãe disse a ele. "Seu mundo não é para pessoas como eu." O homem alto a considerou por um longo momento. "Você fez votos", disse ele finalmente. Ela ergueu o queixo. "E então eu renunciei a eles." Seu olhar foi para Jude, e sua expressão endureceu. “Qual é a promessa de uma esposa mortal? Eu suponho que tenho minha resposta. Mamãe virou-se. Ao perceber olhar de sua mãe, Jude correu para a sala de estar. Taryn ainda estava dormindo. A televisão ainda estava ligada. Vivienne


olhou para cima com os olhos de gato semicerrados. "Quem está na porta?", Perguntou ela. "Eu ouvi vozes." "Um homem assustador", Jude disse a ela, sem fôlego, embora ela mal tivesse corrido. Seu coração estava batendo. "Nós devemos subir as escadas." Ela não se importava que a mãe tivesse dito apenas que ela subisse as escadas. Ela não iria sozinha. Com um suspiro, Vivi se desdobrou do sofá e acordou Taryn. Sonolenta, a gêmea de Jude as seguiu para o corredor. Quando começaram a caminhar em direção aos degraus cobertos de carpete, Jude viu o pai dela entrar do jardim dos fundos. Ele segurava um machado na mão - forjado para ser uma réplica aproximada de um que ele estudou em um museu na Islândia. Não foi estranho ver o pai com um machado. Ele e seus amigos usavam armas antigas e passavam muito tempo falando sobre “cultura material” e esboçando idéias para lâminas fantásticas. O que era estranho era o jeito que ele segurava a arma, como se estivesse pronto para atacar alguém Seu pai balançou o machado em direção ao homem alto. Ele nunca havia levantado a mão para disciplinar Jude ou suas irmãs, mesmo quando elas se metiam em grandes problemas. Ele não machucaria ninguém. Ele simplesmente não faria isso. O machado passou pelo homem alto, acertando a madeira da porta. Taryn fez um barulho estranho e agudo e bateu as palmas das mãos sobre a boca. O homem alto tirou uma lâmina curva debaixo de seu casaco de couro. Uma espada, como de um livro de histórias. Papai estava tentando soltar o machado do batente da porta quando o homem enfiou a espada no estômago do pai, empurrando-a para cima. Houve um som, como ossos se quebrando, um choramingo. choramingo Papai caiu no tapete do vestíbulo, o que mamãe sempre gritava quando eles limpavam lama nele. choramingo O tapete que estava ficando vermelho. choramingo Mamãe gritou. Jude gritou. Taryn e Vivi gritaram. Todos pareciam estar gritando, exceto o homem alto. choramingo "Venha aqui", disse ele, olhando diretamente para Vivi. choramingo "Seu monstro", gritou a mãe deles, indo em direção à cozinha.


"Ele está morto!" choramingo "Não corra de mim", disse o homem. “Não depois do que você fez. Se você correr de novo, eu juro que ... choramingo Mas ela correu. Ela estava quase ao virar da esquina quando a lâmina dele bateu nas costas dela. Ela caiu no linóleo, braços caídos derrubando ímãs da geladeira. choramingo O cheiro de sangue fresco era pesado no ar, como metal quente e úmido. Como aqueles esfregões que mamãe costumava limpar a frigideira quando as coisas estavam realmente presas. Jude correu para o homem, batendo os punhos contra o peito, chutando as pernas. Ela nem estava com medo. Ela não tinha certeza se sentia alguma coisa. O homem não prestou atenção a Jude. Por um longo momento, ele ficou parado lá, como se não conseguisse acreditar no que havia feito. Como se desejasse poder recuperar os últimos cinco minutos. Então ele caiu de joelhos e segurou os ombros de Jude. Ele segurou os braços dela para os lados para que ela não pudesse mais bater nele, mas ele nem sequer estava olhando para ela. Seu olhar estava na Vivienne. "Você foi roubada de mim", ele disse a ela. “Eu vim para levá-la ao seu verdadeiro lar, em Elfhame, embaixo da colina. Lá, você será rica além da medida. Lá você estará com sua própria espécie. Não", disse Vivi em sua voz sombria. "Eu não vou lugar nenhum com você." "Eu sou seu pai", ele disse a ela, sua voz áspera, subindo como o estalo de um chicote. "Você é minha herdeira e meu sangue, e você me obedecerá nisso como em todas as coisas." Ela não se mexeu, mas sua mandíbula se apertou.. "Você não é pai dela", Jude gritou para o homem. Mesmo que ele e Vivi tivessem os mesmos olhos, ela não se permitiria acreditar. Seu aperto aumentou em seus ombros, e ela fez um pequeno som estridente,


mas ela olhou para cima desafiadoramente. Ela ganhou muitos concursos. Ele desviou o olhar primeiro, virando-se para observar Taryn, de joelhos, sacudindo a mãe enquanto ela soluçava, como se estivesse tentando acordála. Mamãe não se mexeu. Mamãe e papai estavam mortos. Eles nunca iriam se mover novamente. "Eu te odeio", Vivi proclamou para o homem alto com uma crueldade que deixou Jude feliz. “Eu sempre irei te odiar. Eu prometo isso." A expressão de pedra do homem não mudou. “No entanto, você virá comigo. Leve também essas pequenas humanas. Nós cavalgamos antes do anoitecer. O queixo de Vivienne se ergueu. “Deixe-as em paz. Se precisar, me leve, mas não elas." Ele olhou para Vivi e então bufou. "Você protegeria suas irmãs de mim, você faria? Diga-me, então, para onde você as levaria? Vivi não respondeu. Elas não tinham avós nem família viva. Pelo menos, ninguém que conheciam. Ele olhou para Jude novamente, soltou seus ombros e levantou-se. “Elas são a progênie da minha esposa e, portanto, minha responsabilidade. Eu posso ser cruel, um monstro e um assassino, mas não me esquivo das minhas responsabilidades. Nem você deve fugir como a mais velha. Anos depois, quando Jude disse a si mesma a história do que aconteceu, ela não conseguia se lembrar da parte em que se arrumaram. Choque parecia ter apagado aquela hora inteiramente. De alguma forma, Vivi deve ter encontrado bolsas, deve ter colocado em seus albuns de fotos favoritos e seus brinquedos mais amados, juntamente com fotografias e pijamas e casacos e camisas. Ou talvez Jude tivesse feito as malas para si mesma. Ela nunca teve certeza. Ela não podia imaginar como elas tinham feito isso, com os corpos de seus pais esfriando no andar de baixo. Ela não podia imaginar como se sentira, e com o passar dos anos, ela não conseguia sentir isso de novo. O horror dos assassinatos entorpeceu com o tempo. Suas lembranças do dia ficaram


borradas. Um cavalo preto mordiscava a grama do gramado quando saíam. Seus olhos eram grandes e macios. Jude queria jogar os braços em volta do pescoço e pressionar o rosto molhado em sua juba de seda. Antes que ela pudesse, o homem alto a ergueu e, em seguida, Taryn através da sela, lidando com eles como bagagem em vez de crianças. Ele colocou Vivi atrás dele. "Vamos", ele disse. Jude e suas irmãs choraram durante todo o caminho para Faerieland.


Em Faerieland, não há tacos de peixe, nem ketchup, nem televisão.


Sento-me em uma almofada enquanto um duende trança meu cabelo para trás. Os dedos do duende são longos, as unhas afiadas. Eu estremeço Seus olhos negros encontram os meus no espelho de garra na minha penteadeira. "O torneio ainda está a quatro noites", diz a criatura. O nome dela é Tatterfell, e ela é uma serva na casa de Madoc, presa aqui até que pegue sua dívida para com ele. Ela cuida de mim desde que eu era criança. Foi Tatterfell que espalhou pomada de fada nos meus olhos para me dar Visão Perfeita para que eu pudesse ver através da maioria dos glamoures, que limpava a lama de minhas botas, e que trazia bagas secas de rowan para eu usar em volta do pescoço para resistir encantamentos. Ela limpou meu nariz molhado e me lembrou de usar minhas meias do avesso, para que eu nunca fosse enganada na floresta. “E não importa o quanto você esteja ansiosa por isso, você não pode fazer a lua ficar nem subir mais rápido. Tente trazer a glória para a casa do general esta noite, parecendo tão graciosa quanto podemos fazer você. Eu suspiro. Ela nunca teve muita paciência com o meu mau humor. "É uma honra dançar


com o Grande Rei da Corte sob a colina." Os criados me dizem que sou afortunada, uma filha bastarda de uma esposa infiel, um ser humano sem uma gota de sangue de fada, que foi tratada como uma criança verdadeira de Faerie. Eles dizem muito a Taryn a mesma coisa. Eu sei que é uma honra ser criada junto com os próprios filhos da Gentry. Uma honra aterradora, da qual nunca serei dignoa Seria difícil esquecer, com todos os lembretes que recebo. "Sim", eu digo em vez disso, porque ela está tentando ser gentil. "É ótimo." As fadas não podem mentir, então elas tendem a se concentrar nas palavras e a ignorar o tom, especialmente se elas não viverem entre os humanos. Tatterfell me dá um aceno de aprovação, seus olhos como duas gotas molhadas de jato, nem pupila nem íris visíveis. "Talvez alguém peça sua mão e você se tornará um membro permanente do Supremo Tribunal." "Eu quero ganhar o meu lugar", digo a ela. O diabinho faz uma pausa, um grampo entre os dedos, provavelmente pensando em me espetar com isso. "Não seja tola". Não adianta discutir, não adianta lembrá-la do casamento desastroso de minha mãe. Há duas formas de os mortais se tornarem sujeitos permanentes da corte: casando-se com ela ou aprimorando alguma grande habilidade - na metalurgia ou no alaúde ou qualquer outra coisa. Não estou interessado no primeiro, eu tenho que esperar que eu possa ser talentosa o suficiente para o segundo. Ela termina de trançar meu cabelo em um estilo elaborado que me faz parecer que eu tenho chifres. Ela me veste de veludo safira. Nada disso disfarça o que eu sou: humana. "Eu coloquei três nós para dar sorte". Suspiro enquanto ela corre para a porta, levantando-se da minha penteadeira e me deitando de bruços na cama coberta de tapeçaria. Eu estou acostumada a


ter servos atendendo a mim. Duendes e fadas, goblins e grigs. Asas de gaze e unhas verdes, chifres e presas. Eu estou em Faerie há dez anos. Nada disso parece mais estranho. Aqui, eu sou a estranha, com meus dedos rombudos, orelhas redondas e vida de mosca. Dez anos é muito tempo para um humano. Depois que Madoc nos roubou do mundo humano, ele nos levou a suas propriedades em Insmire, a Ilha do Poder, onde o Alto Rei de Elfhame mantém sua fortaleza. Lá, Madoc nos criou - eu, Vivienne e Taryn - por uma obrigação de honra. Mesmo que Taryn e eu somos a evidência da traição da mamãe, pelos costumes de Faerie, somos filhos de sua esposa, então somos o problema dele. Como o general do Alto Rei, Madoc estava sempre ausente, lutando pela coroa. Nós fomos bem cuidadas, no entanto. Dormimos em colchões recheados com as cabeças de semente de dente-de-leão. Madoc nos instruiu pessoalmente na arte de lutar com o cutelo e o punhal, a cimitarra e nossos punhos. Ele tocou Nine Men's Morris, Fidchell, Fox e Geese conosco antes de um incêndio. Ele nos deixou sentar em seu joelho e comer do seu prato. Muitas noites eu adormeci com sua voz retumbante lendo um livro de estratégia de batalha. E apesar de tudo, apesar do que ele fez e do que ele era, passei a amá-lo. Eu amo ele. Não é apenas um tipo de amor confortável. "Tranças bonitas", diz Taryn, correndo para o meu quarto. Ela está vestida de veludo vermelho. Seu cabelo é solto - longos cachos castanhos que voam atrás dela como um capelet, alguns fios trançados com fios prateados reluzentes. Ela pula na cama ao meu lado, desarrumando minha pequena pilha de bichos de pelúcia surrados - um coala, uma cobra, um gato preto todos adorados pelo meu eu de sete anos. Não suporto jogar fora nenhuma das minhas relíquias. Eu me sento para dar uma olhada consciente no espelho. "Eu gosto delas." "Estou tendo uma premonição", diz Taryn, me surpreendendo. "Vamos nos divertir hoje à noite."


"Divertir?" Eu estava me imaginando franzindo a testa para a multidão do nosso habitual buraco e me preocupando se eu me sairia bem o suficiente no torneio para impressionar um membro da família real em me conceder o título de cavaleiro. Só de pensar nisso me deixa inquieta, mas penso nisso constantemente. Meu polegar roça a ponta do meu dedo anelar, meu tique nervoso. "Sim", diz ela, me cutucando no lado. "Ei! Ow! Eu saio fora de alcance. "O que exatamente este plano implica?" Principalmente, quando vamos a Corte, nos escondemos. Nós assistimos algumas coisas muito interessantes, mas à distância. Ela levanta as mãos. “O que você quer dizer com o que é divertido? É divertido!" Eu rio um pouco nervosa. "Você também não tem ideia? Bem. Vamos ver se você tem um dom para a profecia." Estamos ficando mais velhas e as coisas estão mudando. Nós estamos mudando. Esta tão ansiosa quanto eu por isso, também tenho medo. Taryn se empurra da minha cama e estende o braço, como se fosse minha escolta para uma dança. Eu me permito ser guiada do quarto, minha mão automaticamente para garantir que minha faca ainda está presa ao meu quadril. O interior da casa de Madoc é de gesso caiado de branco e vigas de madeira maciças em bruto. As vidraças das janelas estão manchadas de cinza como fumaça presa, tornando a luz estranha. Enquanto Taryn e eu descemos as escadas em espiral, vejo Vivi se escondendo em uma pequena varanda, franzindo a testa sobre um zine de quadrinhos roubado do mundo humano. Vivi sorri para mim. Ela está de jeans e uma camisa ondulada, obviamente, não pretendendo ir para o festim. Sendo filha legítima de Madoc, ela não sente pressão para agradá-lo. Ela faz o que gosta. Incluindo a leitura de revistas que podem ter grampos de ferro ao invés de cola nas páginas, não se importando se seus dedos são queimados.


"Indo para algum lugar?" Ela pergunta suavemente das sombras, surpreendendo Taryn. Vivi sabe perfeitamente onde estamos indo. Quando chegamos aqui pela primeira vez, Taryn, Vivi e eu nos amontoávamos na grande cama de Vivi e conversávamos sobre o que nos lembrávamos de casa. Nós falaríamos sobre as refeições que mamãe queimou e a pipoca que papai fez. Nossos vizinhos da porta ao lado, nomes, a maneira como a casa cheirava, como era a escola, as festas, o gosto de cereja nos bolos de aniversário. Nós falavamos sobre os shows que assistimos, relembrando os enredos, relembrando o diálogo até que todas as nossas memórias fossem suaves e falsas. Não há mais aconchego na cama agora, refazendo qualquer coisa. Todas as nossas novas memórias são daqui, e Vivi tem apenas um interesse passageiro naquelas. Ela jurou odiar Madoc, e ela manteve seu voto. Quando Vivi não estava se lembrando de casa, ela era um terror. Ela quebrou as coisas. Ela gritou e se enfureceu e nos beliscou quando estávamos contentes. Eventualmente, ela parou tudo, mas acredito que há uma parte dela que nos odeia por nos adaptarmos. Para fazer o melhor das coisas. Por tornar esta nossa casa. "Você deveria vir", digo a ela. "Taryn está com um humor estranho." Vivi lhe dá um olhar especulativo e depois balança a cabeça. "Eu tenho outros planos." O que pode significar que ela vai se esgueirar para o mundo mortal para a noite ou pode significar que ela vai gastar na varanda, lendo. De qualquer maneira, se irritar Madoc, agrada Vivi. Ele está esperando por nós no corredor com sua segunda esposa, Oriana. Sua pele é a cor azulada do leite desnatado e seu cabelo é tão branco quanto a neve recém-caída. Ela é linda, mas enervante de olhar, como um fantasma. Esta noite ela está vestindo verde e dourado, um vestido musgoso com um


elaborado colarinho brilhante que faz o rosa de sua boca, suas orelhas e seus olhos se destacarem. Madoc também está vestido de verde, a cor das florestas profundas. A espada no quadril dele não é ornamento. Do lado de fora, passando pelas portas duplas abertas, um criado aguarda, segurando os freios de prata de cinco corcéis de fadas malhados, suas crinas trançadas em nós complicados e provavelmente mágicos. Eu penso nos nós no meu cabelo e me pergunto o quão parecidos eles são. "Vocês duas parecem bem", Madoc diz para Taryn e para mim, o calor em seu tom tornando as palavras um elogio raro. Seu olhar vai para as escadas. "Sua irmã está a caminho?" "Eu não sei onde Vivi está", eu minto. Mentir é tão fácil aqui. Eu posso fazer isso o dia todo e nunca ser pega. "Ela deve ter esquecido." Decepção passa pelo rosto de Madoc, mas não é surpresa. Ele sai para dizer alguma coisa ao criado que segura as rédeas. Perto dali, vejo um de seus espiões, uma criatura enrugada com um nariz parecido com uma pastinaca e um dorso mais alto que a cabeça. Ela desliza um bilhete em sua mão e se lança com uma agilidade surpreendente. Oriana nos examina cuidadosamente, como se esperasse encontrar alguma coisa errada. "Tenha cuidado esta noite", diz Oriana. "Prometa-me que você não vai comer nem beber nem dançar." "Já estivemos no Tribunal antes", eu a lembro, uma não-escola de Faerie, se alguma vez houve uma. “Você pode pensar que o sal é uma proteção suficiente, mas seus filhos são esquecidos. Melhor ir sem. Quanto à dança, uma vez iniciada, vocês mortais vão dançar até a morte se não a impedirmos. Eu olho para os meus pés e não digo nada. Nós, crianças, não somos esquecidos.


Madoc se casou com ela há sete anos e, pouco depois, ela deu a ele um filho, um menino doentio chamado Oak, com minúsculos e adoráveis ​chifres na cabeça. Sempre ficou claro que Oriana está comigo e em Taryn apenas pelo bem de Madoc. Ela parece pensar em nós como os cães favoritos do marido: mal treinados e capazes de ligar o nosso mestre a qualquer momento. Oak pensa em nós como irmãs, o que posso dizer deixa Oriana nervosa, embora eu nunca fizesse nada para machucá-lo. "Você está sob a proteção de Madoc e ele tem o favor do rei supremo", diz Oriana. "Eu não vou ver Madoc parecer tolo por causa de seus erros." Com esse pequeno discurso completo, ela sai em direção aos cavalos. Um bufa e atinge o chão com um casco. Taryn e eu compartilhamos um olhar e depois a seguimos. Madoc já está sentado no maior dos cavalos fadas, uma criatura impressionante com uma cicatriz sob um olho. Suas narinas se inflamam com impaciência. Ele joga sua crina sem descanso. Eu subo em um cavalo verde pálido com dentes afiados e um odor pantanoso. Taryn escolhe um rouncy e chuta seus calcanhares contra seus flancos. Ela decola como um tiro, e eu sigo, mergulhando na noite.


Fadas são criaturas crepusculares, e eu me tornei uma também. Nós nos levantamos quando as sombras crescem e nos dirigimos para nossas camas antes que o sol nasça. É bem depois da meia-noite quando chegamos à grande colina no Palácio de Elfhame. Para entrar, devemos andar entre duas árvores, um carvalho e um espinho, e depois direto para o que parece ser o muro de pedra de uma loucura abandonada. Eu fiz isso centenas de vezes, mas recuo de qualquer maneira. Meu corpo todo se fixa, eu aperto as rédeas com força e meus olhos se fecham. Quando os abro, estou dentro do morro. Nós seguimos em uma caverna, entre pilares de raízes, sobre terra compactada. Há dezenas de pessoas aqui, aglomeradas em torno da entrada da vasta sala do trono, onde a Corte está sendo mantida - duendes de narizes compridos com asas esfarrapadas; elegantes senhoras de pele verde em longos vestidos com goblins segurando seus pertences; boggans idiotas; um menino com uma máscara de coruja e uma touca dourada; uma mulher idosa com corvos amontoando os ombros; um bando de garotas com rosas selvagens em seus


cabelos; um menino de pele casca de arvore com penas em volta do pescoço; um grupo de cavaleiros, todos em armaduras verde-escaravelho. Muitos que eu já vi antes; alguns com quem falei. Muitos para os meus olhos assimilarem todos eles, mas eu não posso desviar o olhar. Nunca me canso disso - do espetáculo, da pompa. Talvez Oriana não esteja completamente errada em se preocupar que um dia possamos ser pegoas nisso, sermos levadas por isso e esquecer de cuidar. Eu posso ver porque os humanos sucumbem ao belo pesadelo da Corte, porque eles se afogam de bom grado nisso. Eu sei que eu não deveria amar como eu faço, roubada como eu fui do mundo mortal, meus pais assassinados. Mas eu amo tudo mesmo assim. Madoc sai do cavalo. Oriana e Taryn já estão fora deles, entregando-os aos noivos. Sou eu quem eles estão esperando. Madoc estende os dedos como se ele fosse me ajudar, mas eu saio da sela sozinhao. Meus chinelos de couro bateram no chão como um tapa. Espero que pareça um cavaleiro para ele. Oriana dá um passo à frente, provavelmente para lembrar Taryn e eu de todas as coisas que ela não quer que façamos. Eu não dou a ela a chance. Em vez disso, coloco meu braço no braço de Taryn e corro para dentro. A sala está cheirando a alecrim e ervas esmagadas. Atrás de nós, posso ouvir o passo pesado de Madoc, mas sei para onde estou indo. A primeira coisa que temos que fazer quando chegamos a Corte é cumprimentar o rei. rei supremo Eldred senta-se em seu trono com vestes cinzentas de estado, uma pesada coroa dourada de folhas de carvalho, segurando seu cabelo fino e dourado. Quando nos curvamos, ele toca nossas cabeças levemente com suas mãos enrugadas e beringeadas, e então nos levantamos.


Sua avó era a rainha Mab, da Casa do Greenbriar. Ela viveu como uma das fadas solitárias antes de começar a conquistar Faerie com seu consorte de chifres e seus cavaleiros. Por causa dele, cada um dos seis herdeiros de Eldred é considerado como tendo alguma característica animal, uma coisa que não é incomum em Faerie, mas é incomum entre os Nobres das Cortes. O príncipe mais velho, Balekin, e seu irmão mais novo, Dain, estão por perto, bebendo vinho de copos de madeira amarrados em prata. Dain usa calções que param nos joelhos, mostrando seus cascos e pernas de cervo. Balekin usa o sobretudo que ele adora, com um colarinho de pele de urso. Seus dedos têm um espinho em cada junta e espinhos se esticam em seu braço, subindo sob os punhos de sua camisa, visíveis quando ele e Dain chegam até Madoc. Oriana faz uma reverência para eles. Apesar de Dain e Balekin estarem juntos, eles estão sempre em conflito um com o outro e com sua irmã Elowyn - com tanta frequência que a Corte é dividida em três círculos de influência em conflito. O príncipe Balekin, o primogênito, e seu conjunto são conhecidos como Círculo de Grackles, para aqueles que gostam de alegria e que desprezam qualquer coisa que atrapalhe. Bebem-se doentes e entorpecem-se com pós venenosos e deliciosos. O seu é o círculo mais selvagem, embora ele sempre tenha sido perfeitamente composto e sóbrio ao falar comigo. Suponho que poderia me jogar na devassidão e esperar impressioná-los. Eu prefiro não, no entanto. Princesa Elowyn, a segundo filha e seus companheiros têm o Círculo das Cotações. Eles valorizam a arte acima de tudo. Diversos mortais encontraram favor em seu círculo, mas como não tenho nenhuma habilidade real com um alaúde ou declamar, não tenho chance de ser um deles. O príncipe Dain, terceiro filho, lidera o que é conhecido como o Círculo dos Falcões. Cavaleiros, guerreiros e estrategistas estão a favor deles. Madoc, obviamente, pertence a esse círculo. Eles falam sobre honra, mas o que eles realmente se importam é poder. Eu sou bam o suficiente com uma lâmina, conhecedora de estratégia. Tudo que preciso é uma chance de me provar. "Vá se divertir", Madoc nos diz. Olhando para trás, para os príncipes, Taryn e


eu saímos para a multidão. O palácio do rei de Elfhame tem muitas alcovas secretas e corredores escondidos, perfeito para encontros ou assassinos ou ficar fora do caminho e ser realmente sem graça nas festas. Quando Taryn e eu éramos pequenas, nos escondíamos sob as longas mesas de banquete. Mas desde que ela determinou que nós éramos senhoras elegantes, grandes demais para deixar nossos vestidos sujos rastejando no chão, nós tínhamos que encontrar um lugar melhor. Apenas após o segundo patamar de degraus de pedra é uma área onde uma grande massa de rocha cintilante se projeta, criando uma borda. Normalmente, é onde nos instalamos para ouvir a música e assistir a toda a diversão que não devemos ter. Hoje à noite, no entanto, Taryn tem uma ideia diferente. Ela passa os degraus e pega comida numa bandeja de prata - uma maçã verde e uma fatia de queijo com veias azuis. Não se incomodando com sal, ela dá uma mordida em cada um, segurando a maçã para eu morder. Oriana acha que não podemos dizer a diferença entre frutas normais e frutas das fadas, que florescem um ouro profundo. Sua carne é vermelha e densa, e o cheiro enjoativo dela preenche as florestas na época da colheita. A maçã está crocante e fria na minha boca. Nós o passamos de um lado para o outro, dividindo o núcleo, que eu como em duas mordidas. Perto de onde estou, uma pequena fada com um cabelo branco, como o de um dente-de-leão, e uma pequena faca corta a alça do cinto de um ogro. É um bom trabalho. Um momento depois, sua espada e bolsa sumiram, ela está se perdendo no meio da multidão, e eu quase posso acreditar que isso não aconteceu. Até a garota olhar para mim. Ela pisca. Um momento depois disso, o ogro percebe que foi roubado. "Eu cheiro um ladrão!", Ele grita, lançando em torno dele, derrubando uma caneca de cerveja marrom escura, seu nariz verrugoso farejando o ar.


Perto dali, há uma comoção - uma das velas se acende em chamas azuis crepitantes, faiscando alto e distraindo até mesmo o ogro. Quando volta ao normal, o ladrão de cabelos brancos já se foi. Com um meio sorriso, eu volto para Taryn, que assiste os dançarinos com saudades, alheia a muito mais. "Nós poderíamos nos revezar", ela propõe. "Se você não puder parar, eu vou te puxar para fora. Então você fará o mesmo por mim. Meu batimento cardíaco acelera com o pensamento. Eu olho para a multidão de foliões, tentando reunir a ousadia de alguém que roubaria um ogro bem debaixo do seu nariz. A Princesa Elowyn gira no centro de um círculo de cotovias. Sua pele é um ouro brilhante, seu cabelo é verde profundo de hera. Ao lado dela, um menino humano toca violino. Mais dois mortais o acompanham com menos habilidade, mas com mais alegria, em cavaquinhos. A irmã mais nova de Elowyn, Caelia, gira por perto, com cabelos cor de milho como o do pai e uma coroa de flores. Uma nova balada começa e as palavras chegam até mim. “De todos os filhos que o rei Guilherme teve, o príncipe Jamie foi o pior”, eles cantam. "E o que tornou a tristeza ainda maior, o príncipe Jamie foi o primeiro." Eu nunca gostei muito dessa música porque me lembra de outra pessoa. Alguém que, juntamente com a princesa Rhyia, não parece estar presente hoje à noite. Mas ... oh não. Eu vejo ele. O príncipe Cardan, sexto filho do Alto Rei Eldred, ainda é o pior, cruza o chão em nossa direção. Valerian, Nicasia e Locke - seus três amigos mais malvados, mais extravagantes e mais leais - seguem-no. A multidão se separa e se cala, curvando-se ao passar.


Cardan está usando sua carranca habitual, com kohl sob seus olhos e uma coroa de ouro em seu cabelo da meia-noite. Ele veste um longo casaco preto com uma gola alta e irregular, a coisa toda costurada com um padrão de constelações. Valerian está em vermelho escuro, rubis cabochon cintilando em seus punhos, cada um como uma gota de sangue congelado. O cabelo de Nicasia é o azul-esverdeado do oceano, coroado com um diadema de pérolas. Uma rede de teias de aranha brilhante cobre suas tranças. Locke vem atrás, parecendo entediado, com o cabelo da cor precisa da pele de raposa. "Eles são ridículos", eu digo para Taryn, que segue meu olhar. Eu não posso negar que eles também são lindos. Senhores fadas e senhoras, assim como nas canções. Se nós não tivéssemos que ter aulas ao lado deles, se eu não soubesse em primeira mão que flagelo eles eram para aqueles que os desagradavam, eu provavelmente estaria tão apaixonado por eles como todo mundo é. "Vivi diz que Cardan tem um rabo", sussurra Taryn. "Ela viu quando estava nadando no lago com ele e a Princesa Rhyia na noite passada da lua cheia." Eu não posso imaginar Cardan nadando em um lago, pulando na água, espirrando pessoas, rindo de algo diferente de seu sofrimento. "Um rabo?" Eu ecoo, um sorriso incrédulo começando no meu rosto e depois desaparecendo quando eu me lembro que Vivi não se incomodou em me contar a história, mesmo que isso tenha acontecido dias atrás. Três é uma configuração estranha das irmãs. Há sempre um do lado de fora. “Com um tufo no final! Ele se enrola sob suas roupas e se desenrola como um chicote. ”Ela ri e eu mal consigo entender suas próximas palavras. "Vivi disse que gostaria de ter um." "Eu estou feliz que ela não tenha", eu digo com firmeza, o que é estúpido. Eu não tenho nada contra as caudas. Então Cardan e seus companheiros estão perto demais para falarmos com segurança sobre eles. Eu viro meu olhar para o chão.


Embora eu odeie, eu caio no chão com um joelho, abaixo a cabeça e cerro os dentes. Do meu lado, Taryn faz algo parecido. Ao nosso redor, as pessoas estão fazendo reverências. Não olhe para nós, eu penso. Não olhe. Quando Valerian passa, ele pega um dos meus chifres trançados. Os outros se movem pela multidão enquanto Valerian zomba de mim. "Você achou que eu não vi você lá? Você e sua irmã se destacam em qualquer multidão ”, diz ele, inclinando-se para perto. Sua respiração é pesada com o cheiro de mel de vinho. Minha mão bate em um punho ao meu lado, e estou consciente da proximidade da minha faca. Ainda assim, não olho nos olhos dele. "Nenhuma outra cabeça com cabelo tão sem graça, nenhum outro rosto tão simples." "Valerian", o príncipe Cardan chama. Ele já está com raiva e quando me vê, seus olhos se estreitam ainda mais. Valerian dá um puxão forte na minha trança. Eu estremeço, fúria inútil enrolada na minha barriga. Ele ri e segue em frente. Minha fúria se torna vergonha. Eu gostaria de ter dado um tapa na mão dele, embora isso teria piorado tudo. Taryn vê algo na minha cara. "O que ele disse para você?" Eu sacudo minha cabeça. Cardan parou ao lado de um garoto com longos cabelos de cobre e um par de pequenas asas de mariposa - um garoto que não está se curvando. O garoto ri e Cardan avança. Entre um piscar de olhos e o seguinte, o punho do príncipe atinge o garoto com força no queixo, fazendo-o se esparramar. Quando o garoto cai, Cardan agarra uma de suas asas. Ela rasga como papel. O grito do garoto é magro e estridente. Ele se enrola no chão, a agonia no rosto. Eu me pergunto se as asas das fadas voltam a crescer; Eu sei que borboletas que perdem uma asa


nunca mais voam. Os cortesãos à nossa volta ficam boquiabertos, mas apenas por um momento. Então eles voltam para suas danças e músicas, e as espirais se divertem. É assim que eles são. Alguém entra no caminho de Cardan, e eles são instantaneamente e brutalmente punidos. Impulsionado por ter aulas no palácio, às vezes fora da Corte inteiramente. Ferido. Partido. Quando Cardan passa pelo garoto, aparentemente feito com ele, agradeço que Cardan tenha mais cinco irmãos e irmãs dignos; é praticamente garantido que ele nunca se sentará no trono. Eu não quero pensar nele com mais poder do que ele. Até mesmo Nicasia e Valerian compartilham um olhar ponderado. Então Valerian encolhe os ombros e segue Cardan. Mas Locke faz uma pausa ao lado do menino, inclinando-se para ajudá-lo a se levantar. Os amigos do garoto vêm para levá-lo embora, e naquele momento, improvávelmente, o olhar de Locke se ergue. Seus olhos de raposa tawny encontram os meus e se arregalam de surpresa. Estou imobilizada, meu coração acelerando. Eu me preparo para mais desprezo, mas então um canto de sua boca se ergue. Ele pisca, como se estivesse em reconhecimento de ser pego de surpresa. Como se estivéssemos compartilhando um segredo. Como se ele achasse que eu não sou repugnante, como se ele não achasse minha mortalidade contagiosa. "Pare de olhar para ele", exige Taryn. "Você não viu?" Eu começo a explicar, mas ela me interrompe, me segurando e nos puxando para as escadas, em direção ao nosso patamar de pedra cintilante, onde podemos nos esconder. Suas unhas afundam na minha pele. "Não lhes dê mais motivos para incomodar você do que eles já conseguiram!" A intensidade de sua resposta me surpreende e arrebata minha mão. Meias luas negras e vermelhas marcam onde ela me agarrou. Eu olho de volta para onde Locke estava, mas a multidão o engoliu.


Ao amanhecer, eu abro as janelas do meu quarto e deixo o último fluxo da noite entrar enquanto eu tiro o meu vestido da Corte. Eu sinto calor por toda parte. Minha pele está muito sensivel e meu coração não para de correr. Eu já estive na Corte muitas vezes. Eu tenho sido testemunha de mais horrores do que asas sendo rasgadas ou minha pessoa insultada. As fadas compensam sua incapacidade de mentir com uma panóplia de decepções e crueldades. Palavras distorcidas, brincadeiras, omissões, enigmas, escândalos, para não mencionar suas vinganças uma pela outra por antigos e meio esquecidos slights. As tempestades são menos inconstantes, mares menos caprichosas. Como, por exemplo, como um redcap, Madoc precisa de derramamento de sangue do jeito que uma sereia precisa do sal marinho do mar. Após cada batalha, ele ritualmente mergulha seu capuz no sangue de seus inimigos. Eu vi o capuz, mantido sob um vidro no arsenal. O tecido é duro e manchado de um marrom tão profundo que é quase preto, exceto por algumas manchas de verde. Às vezes eu desço e olho para ele, tentando ver meus pais nas linhas de maré


de sangue seco. Eu quero sentir algo, algo além de um vago mal-estar. Eu quero sentir mais, mas cada vez que olho para isso, sinto menos. Eu penso em ir ao arsenal agora, mas eu não vou. Eu fico na frente da minha janela e me imagino um cavaleiro destemido, imagino-me uma bruxa que escondeu seu coração em seu dedo e depois cortou seu dedo. "Estou tão cansada", digo em voz alta. "Tão cansada." Eu fico sentada lá por um longo tempo, observando o sol nascente dourar o céu, ouvindo as ondas quebrarem quando a maré se apaga, quando uma criatura voa para pousar na beirada da minha janela. No começo, parece uma coruja, mas tem olhos esbugalhados. "Cansada de que?", Pergunta-me. .

Eu suspiro e respondo honestamente por uma vez. "De ser impotente." A fada estuda meu rosto e depois voa para a noite. Eu durmo o dia todo e acordo desorientada, lutando contra as longas cortinas bordadas em volta da minha cama. Baba secou ao longo de uma das minhas bochechas. Eu acho a água do banho esperando por mim, mas já esta morna. Servos devem ter vindo e ido embora. Eu entro de qualquer maneira e lavo meu rosto. Vivendo em Faerie, é impossível não notar que todo mundo cheira a verbena ou a agulhas de pinheiro esmagadas, sangue seco ou serragem. Eu sinto cheiro de suor e respiração azeda a menos que eu me esfregue. Quando Tatterfell entra para acender as lâmpadas, ela me vê se vestindo para uma palestra, que começa no final da tarde e se estende para algumas noites.


Eu uso botas de couro cinza e uma túnica com o brasão de Madoc - um punhal, uma lua crescente virada de lado para que ele descanse como um copo, e uma única gota de sangue caindo de um canto, bordada em fios de seda. Lá embaixo, encontro Taryn na mesa do banquete, sozinhoa tomando uma xícara de chá de urtiga e pegando um bannock. Hoje, ela não sugere nada divertido. Madoc insiste - talvez por culpa ou vergonha - que sejamos tratados como os filhas de Faerie. Que tomamos as mesmas lições, que nos seja dado o que eles têm. Changelings foram levados ao Supremo Tribunal antes, mas nenhum deles foi criado como Nobreza. Ele não entende o quanto isso faz que nos odeiam. Não que eu não seja grata. Eu gosto das lições. Responder aos palestrantes inteligentemente é algo que ninguém pode tirar de mim, mesmo que os próprios professores ocasionalmente finjam o contrário. Vou dar um aceno frustrado no lugar de elogios efusivos. Vou aceitá-lo e ser feliz porque isso significa que eu posso pertencer quer gostem ou não. Vivi costumava ir conosco, mas depois ficava entediada e não se importava. Madoc se enfureceu, mas desde que sua aprovação de uma coisa só a faz desprezar, todo o seu corrimão apenas a fez mais determinada a nunca mais voltar atrás. Ela tentou nos persuadir a ficar em casa com ela, mas se Taryn e eu não conseguirmos lidar com as maquinações dos filhos de Faerie sem desistir de nossas aulas ou fugir para Madoc, como ele acreditará que podemos administrar a corte, onde essas mesmas maquinações serão em uma escala maior e mais mortal? Taryn e eu partimos, balançando nossas cestas. Não precisamos deixar Insmire para chegar ao palácio do Alto Rei, mas contornamos a borda de duas outras pequenas ilhas, Insmoor, Isle of Stone e Insweal, Isle of Woe. Todos os três estão conectados por caminhos rochosos semi-submersos e pedras grandes o suficiente para que você possa pular de um para o outro. Uma manada de cervos está indo em direção a Insmoor, buscando o melhor


pasto. Taryn e eu passamos pelo Lago das Máscaras e atravessamos o canto distante da Milkwood, abrindo caminho entre os troncos pálidos e prateados e as folhas descoradas. De lá, nós vemos sereias e merrinos tomando sol perto de cavernas escarpadas, suas escamas refletindo o brilho âmbar do sol do final da tarde Todos os filhos dos Gentry, independentemente da idade, são ensinados por professores de todo o reino nas terras do palácio. Algumas tardes sentamos em bosques cobertos de musgo esmeralda e outras noites que passamos em altas torres ou em árvores. Aprendemos sobre os movimentos das constelações no céu, as propriedades medicinais e mágicas das ervas, as línguas dos pássaros e das flores e as pessoas, bem como a linguagem do povo (embora ocasionalmente torce na minha boca), a composição de enigmas, e como andar por folhas e arbustos sem deixar traços nem sons. Somos instruídos nos pontos mais sutis da harpa e do alaúde, do arco e da lâmina. Taryn e eu observamos enquanto eles praticam encantamentos. Para uma pausa, todos nós jogamos em guerra em um campo verde com um amplo arco de árvores. Madoc me treinou para ser formidável mesmo com uma espada de madeira. Taryn não é ruim, mesmo que ela não se incomode mais em praticar. No Torneio de Verão, em apenas alguns dias, a nossa guerra simulada terá lugar em frente da família real. Com o endosso de Madoc, um dos príncipes ou princesas poderia optar por me conceder cavaleiros e me colocar em guarda pessoal. Seria um tipo de poder, um tipo de proteção. E com isso, eu poderia proteger Taryn também. Nós chegamos na escola. O príncipe Cardan, Locke, Valerian e Nicasia já estão esparramados na grama com algumas outras fadas. Uma garota com chifres de cervo - Poesy - está rindo sobre algo que Cardan disse. Eles nem olham para nós quando abrimos o cobertor e colocamos nossos cadernos, canetas e potes de tinta. Meu alívio é imenso. Nossa lição envolve a história da paz delicadamente negociada entre Orlagh, Rainha do Submarino, e os vários reis e rainhas das fadas da terra. Nicasia é a filha de Orlagh, enviada para ser criada na Corte do Alto Rei. Muitas canções


foram compostas para a beleza da Rainha Orlagh, embora, se ela for como a filha dela, não para sua personalidade. Nicolas alegra-se com a lição, orgulhoso de sua herança. Quando o instrutor se transfere para Lorde Roiben do Tribunal de Cupins, perco o interesse. Meus pensamentos derivam. Em vez disso, eu me vejo pensando em combinações - greve, impulso, desvio, bloqueio. Eu agarro minha caneta como se fosse o cabo de uma lâmina e esqueço de tomar notas. Quando o sol se põe no céu, Taryn e eu desfazemos nossos cestos de casa, que contêm pão, manteiga, queijo e ameixas. Eu passo manteiga um pedaço de pão. Passando por nós, Cardan chuta a comida na minha comida antes de eu colocá-la na minha boca. As outras fadas riem. Eu olho para cima para vê-lo me observando com prazer cruel, como um pássaro raptor tentando decidir se deve ser incomodado devorando um pequeno rato. Ele está usando uma túnica de gola alta bordada com espinhos, os dedos pesados ​com anéis. Seu desdém é bem praticado. Eu cerro meus dentes. Eu digo a mim mesma que se eu deixar as insultos rolarem de mim, ele perderá o interesse. Ele vai embora. Eu posso suportar isso um pouco mais, mais alguns dias. "Tem alguma coisa a dizer?" Nicasia pergunta docemente, vagando e colocando o braço sobre o ombro de Cardan. "Sujeira. É o que você é, mortal. É para isso que você voltará em breve. Aproveite enquanto pode. "Obrigue-me", eu digo antes que eu possa me parar. Não o maior retorno, mas minhas palmas começam a suar. Taryn parece assustada. "Eu poderia, você sabe", diz Cardan, sorrindo como se nada fosse agradá-lo mais. Meu coração acelera. Se eu não estivesse usando uma fileira de bagas de rowan, ele poderia me convencer, então eu acharia que a sujeira era uma


espécie de delicadeza. Só a posição de Madoc lhe daria razão para hesitar. Eu não me movo, não toco o colar escondido sob o corpete da minha túnica, o que espero que impeça qualquer glamour de funcionar. Aquela que eu espero que ele não descubra e rasgue da minha garganta. Eu olho na direção do palestrante do dia, mas o velho phooka tem seu nariz enterrado em um livro. Como Cardan é um príncipe, é mais do que provável que ninguém jamais o tenha advertido, alguma vez manteve sua mão. Eu nunca sei o quão longe ele vai, e eu nunca sei o quão longe nossos instrutores vão deixá-lo ir. "Você não quer isso, não é?" Valerian pergunta com falsa simpatia enquanto ele chuta mais sujeira em nosso almoço. Eu nem vi ele aparecer. Uma vez, Valerian roubou uma caneta de prata minha e Madoc a substituiu por uma de sua mesa. Isso jogou Valerian em tal raiva que ele me quebrou na parte de trás da cabeça com sua espada de madeira prática. “E se nós prometermos ser gentis com você por toda a tarde se você comer tudo em suas cestas?” Seu sorriso é amplo e falso. "Você não nos quer como amigos?" Taryn olha para o colo dela. Não, eu quero dizer. Nós não queremos você como amigos. Eu não respondo, mas também não olho para baixo. Eu encontro o olhar de Cardan. Não há nada que eu possa dizer para fazê-los parar, e eu sei disso. Eu não tenho poder aqui. Nicasia puxa um alfinete do meu cabelo, fazendo com que uma das minhas tranças caia no meu pescoço. Eu bato na mão dela, mas isso acontece rápido demais. "O que é isso?" Ela está segurando o alfinete de ouro, com um pequeno aglomerado de filigranas de espinheiro no topo. “Você roubou? Você achou que você ficaria bonita? Você achou que isso


faria de você uma de nós? Eu mordo o interior da minha bochecha. Claro que quero ser como eles. Eles são lindos como lâminas forjadas em algum fogo divino. Eles viverão para sempre. O cabelo de Valerian brilha como ouro polido. Os membros de Nicasia são longos e perfeitamente moldados, sua boca é rosada de coral, seu cabelo é da cor da parte mais profunda e fria do mar. Locke de olhos de raposa, parado em silêncio atrás de Valerian, com a expressão atenta a uma indiferença cuidadosa, tem um queixo pontudo como as pontas das orelhas. E Cardan é ainda mais bonito do que o resto, com cabelos negros tão iridescentes quanto as asas de um corvo e maçãs do rosto afiadas o suficiente para cortar o coração de uma menina. Eu o odeio mais do que todos os outros. Eu o odeio tanto que às vezes quando olho para ele, mal consigo respirar. "Você nunca será igual a nós", diz Nicasia. Claro que não vou. "Oh, vamos lá", diz Locke com uma risada descuidada, a mão passando pela cintura de Nicasia. "Vamos deixá-los com sua miséria." "Jude sente muito", diz Taryn rapidamente. "Nós duas realmente sentimos muito." "Ela pode nos mostrar o quanto está triste", Cardan fala arrastadamente. "Diga a ela que não ira participar do Torneio de Verão." "Com medo de perder?", Pergunto, o que não é inteligente.. "Não é para os mortais", ele nos informa, com voz fria. "Desista ou vai desejar que você tivesse." Eu abro minha boca, mas Taryn fala antes que eu possa. "Eu vou falar com ela sobre isso. Não é nada, apenas um jogo." Nicasia dá a minha irmã um sorriso magnânimo. Valerian da uma olhada em Taryn, seus olhos se demorando em suas curvas.


"É tudo apenas um jogo." O olhar de Cardan encontra o meu, e eu sei que ele não terminou comigo, não ainda. "Por que você se atreveu a isso?" Taryn pergunta quando eles voltaram para o seu próprio almoço, todos espalhados ao redor deles. "Conversar com ele isso é simplesmente estúpido." Me ela tinha feito. "Eu sei", eu digo a ela. "Eu vou calar a boca. Eu apenas ... fiquei com raiva. "Você deveria se preocupar", ela aconselha. E então, sacudindo a cabeça, ela arruma nossa comida arruinada. Meu estômago ronca e tento ignorar isso. Eles querem que eu tenha medo, eu sei disso. Durante a guerra fictícia naquela mesma tarde, Valerian me persegue, e Cardan sussurra coisas sujas no meu ouvido. Eu vou para casa com hematomas na minha pele de chutes, de quedas. O que eles não percebem é o seguinte: sim, eles me assustam, mas eu sempre tive medo, desde o dia em que cheguei aqui. Eu fui criadoa pelo homem que assassinou meus pais, criada em uma terra de monstros. Eu vivo com esse medo, deixe-o assentar em meus ossos e ignoro-o. Se eu não fingisse não ter medo, me esconderia para sempre sob meus cobertores de coruja na propriedade de Madoc. Eu ficava ali deitada e gritava até não restar nada de mim. Eu me recuso a fazer isso. Eu não vou fazer isso. Nicasia está errada sobre mim. Eu não desejo ser tão boa no torneio como uma das fadas. Eu quero vencer. Eu não anseio ser igual a eles. No meu coração, anseio por ser melhor que eles.


No caminho para casa, Taryn para e pega amoras ao lado do Lago das Máscaras. Eu me sento em uma pedra ao luar e deliberadamente não olho para a água. O lago não reflete o seu próprio rosto - ele mostra outra pessoa que olhou ou vai olhar para ele. Quando eu era pequena, costumava sentarme no banco o dia todo, olhando para os semblantes fictícios em vez dos meus, na esperança de que algum dia visse minha mãe olhando para mim. Eventualmente, doeu demais para tentar. "Você vai sair do torneio?" Taryn pergunta, colocando um punhado de frutas em sua boca. Nós somos crianças famintas. Já somos mais altas que Vivi, nossos quadris mais largos e nossos seios mais pesados. Eu abro minha cesta e pego uma ameixa suja, limpando-a na minha camisa. Ainda é mais ou menos comestível. Eu como devagar, considerando. "Você quer dizer por causa de Cardan e sua Corte de Idiotas?" Ela franze a testa com uma expressão igual a uma que eu poderia fazer se ela estivesse sendo particularmente tonta. "Você sabe o que eles nos chamam?" Ela exige.


"O Círculo de Vermes". Eu arremesso a ameixa na água, observando ondas que destroem a possibilidade de qualquer reflexão. Meu lábio se enrola. "Você está jogando lixo em um lago mágico", ela me diz. "Vai apodrecer", eu digo. “E nós também. Eles estão certos. Nós somos o Círculo de Vermes. Nós somos mortais. Nós não temos sempre que esperar que eles nos deixem fazer as coisas que queremos. Eu não me importo se eles não gostam que eu esteja no torneio. Quando eu me tornar um cavaleiro, estarei além do alcance deles. ” "Você acha que Madoc vai permitir isso?" Taryn pergunta, desistindo do arbusto depois que os arbustos fazem seus dedos sangrarem. "Que você responda a alguém que não seja ele?" "Não é para isso que ele tem nos treinado?" Eu pergunto. Sem palavras, nós entramos juntas, caminhando para casa. "Não eu." Ela balança a cabeça. "Eu vou me apaixonar." Fico surpresa em começo rir. "Então você acabou de decidir? Eu não achei que funcionasse assim. Eu pensei que o amor deveria acontecer quando você menos espera. "Bem, eu decidi", diz ela. Eu considero mencionar sua última decisão malfadada - aquela sobre se divertir com as revelações - mas isso vai apenas irritá-la. Em vez disso, tento imaginar alguém por quem ela possa se apaixonar. Talvez seja um merrow, e ele lhe dará o dom de respirar debaixo d'água e uma coroa de pérolas e levá-la para sua cama no fundo do mar. Na verdade, isso parece incrível. Talvez eu esteja fazendo todas as escolhas erradas. "Quanto você gosta de nadar?" Eu pergunto a ela. "O quê?", Ela pergunta.


"Nada", eu digo. Ela, suspeitando de algum tipo de provocação, me empurra para o lado. Nós atravessamos a Floresta Crooked, com seus troncos curvados, já que a Milkwood é perigosa à noite. Temos que parar para deixar passar alguns homens-raiz, com medo de que possam pisar em nós se não nos mantivermos fora do caminho deles. O musgo cobre os ombros e rasteja até as bochechas da casca. O vento assobia pelas costelas. Eles fazem uma procissão bonita e solene. "Se você tem certeza de que Madoc vai lhe dar permissão, por que você não perguntou a ele ainda?" Taryn sussurra. "O torneio está a apenas três dias de distância." Qualquer um pode lutar no Torneio de Verão, mas se eu quiser ser um cavaleiro, devo declarar minha candidatura usando uma faixa verde no peito. E se Madoc não me permitir isso, então nenhuma quantidade de habilidade me ajudará. Não serei candidata e não serei escolhida. Fico feliz que os homens de raiz me dêem uma desculpa para não responder, porque, claro, ela está certa. Eu não perguntei a Madoc porque tenho medo do que ele vai dizer. Quando chegamos em casa, abrindo a enorme porta de madeira com suas laçadas de ferro, alguém está gritando no andar de cima, como se estivesse em perigo. Corro em direção ao som, coração na boca, só para encontrar Vivi em seu quarto, perseguindo uma nuvem de sprites. Eles passam por mim para o corredor em uma explosão de leve, e ela bate o livro que ela estava balançando para eles na caixa da porta. "Olhe!" Vivi grita para mim, apontando em direção ao seu armário. "Olha o que eles fizeram."


As portas estão abertas e vejo um grande número de coisas roubadas do mundo humano, caixas de fósforos, jornais, garrafas vazias, romances e polaroides. Os sprites transformaram as caixas de fósforos em camas e mesas, rasgaram todo o papel e arrancaram os centros dos livros para se aninhar lá dentro. Foi uma infestação completa de sprites. Mas estou mais confusa com a quantidade de coisas que Vivi tem e quantas delas não parecem ter valor algum. É apenas lixo. Lixo Mortal. "O que é tudo isso?" Taryn pergunta, entrando no quarto. Ela se abaixa e extrai uma tira de fotos, apenas suavemente mastigadas por sprites. As fotos são tiradas uma após a outra, do tipo que você tem que sentar em uma mesa para escolher. Vivi está nas fotos, o braço dela sobre os ombros de uma garota mortal de cabelos cor-de-rosa sorridente. Talvez Taryn não seja a único que decidiu se apaixonar. No jantar, sentamo-nos em uma enorme mesa esculpida ao longo de todos os quatro lados com imagens de faunos e imps dançando. Velas de pilar de cera gorda queimam no centro, ao lado de um vaso de pedra esculpido cheio de azeda de madeira. Servos nos trazem pratos de prata empilhados com comida. Comemos favas frescas, carne de veado com sementes de romã espalhadas, truta marrom grelhada com manteiga, uma salada de ervas amargas e, depois, tortas de passas cobertas com calda de maçã. Madoc e Oriana bebem vinho canário; nós, crianças, misturamos as nossas com a água. Ao lado do meu prato e Taryn's esta uma tigela de sal. Vivi cutuca a carne de veado e depois lambe o sangue da faca. Oak sorri através da mesa e começa a imitar Vivi, mas Oriana tira os talheres de suas mãos antes que ele possa abrir a língua. Oak ri e pega sua carne com


os dedos, rasgando-a com dentes afiados. "Você deve saber que o rei logo abdicará de seu trono em favor de um de seus filhos", diz Madoc, olhando para todos nós. "É provável que ele escolha o príncipe Dain." Não importa que Dain seja o terceiro. O Alto Governante escolhe seu sucessor - é assim que a estabilidade de Elfhame é garantida. A primeira Alta Rainha, Mab, fez seu ferreiro forjar uma coroa. A sabedoria diz que o ferreiro era uma criatura chamada Grimsen, que podia moldar qualquer coisa de metal - pássaros que trilam e colares que deslizam sobre a garganta, espadas gêmeas chamadas Heartseeker e Heartsworn que nunca erraram um ataque. A coroa da rainha Mab foi magicamente e maravilhosamente forjada, de modo que passa apenas de uma relação de sangue para outra, em uma linha ininterrupta. Com a coroa passa os juramentos de todos aqueles que juraram isso. Embora seus súditos se reúnam a cada nova coroação para renovar sua fidelidade, a autoridade ainda repousa na coroa. "Por que ele está abdicando?" Taryn pergunta. O sorriso de Vivi se tornou desagradável. "Seus filhos ficaram impacientes com ele por permanecerem vivos." Uma onda de raiva passa pelo rosto de Madoc. Taryn e eu não ousamos atraílo por medo de que sua paciência conosco se estenda até agora, mas Vivi é especialista nisso. Quando ele responde, posso ver o esforço que ele está fazendo para morder a língua. “Poucos reis de Faerie governaram tão bem por tanto tempo quanto Eldred. Agora ele vai procurar a Terra da Promessa. Tanto quanto eu posso dizer, a Terra da Promessa é o eufemismo para a morte, embora eles não a admitam. Eles dizem que é o lugar de onde o povo veio e para o qual eles eventualmente retornarão. "Você está dizendo que ele está deixando o trono porque ele é velho?" Eu


pergunto, me perguntando se estou sendo indelicada. Há Fadas nascidos com rostos alinhados como pequenos gatos sem pêlos e nixies de membros lisos cuja verdadeira idade só aparece em seus olhos antigos. Eu não achei que o tempo importava para eles. Oriana não parece feliz, mas ela não está ativamente me calando, também, então talvez não tenha sido tão rude. Ou talvez ela não espere nada melhor do que maus modos de mim. "Podemos não morrer com a idade, mas nos cansamos disso", diz Madoc com um suspiro pesado. “Eu fiz guerra em nome de Eldred. Eu quebrei os tribunais que lhe negaram fidelidade. Eu até levei escaramuças contra a Rainha do Submarino. Mas Eldred perdeu o gosto pelo derramamento de sangue. Ele permite que aqueles que estão sob suas bandeiras se rebelem de maneiras pequenas e grandes, mesmo quando outros Tribunais se recusam a se submeter a nós. É hora de ir para a batalha. É hora de um novo monarca, um faminto. Oriana franze a testa em uma leve confusão. "De preferência, seus parentes manteriam você seguro." “De que serve um general sem guerra?” Madoc toma um gole grande e inquieto de vinho. Eu me pergunto quantas vezes ele precisa molhar o capuz com sangue fresco. “A coroação do novo rei será no solstício de outono. Não se preocupe. Eu tenho um plano para garantir o nosso futuro. Apenas se preocupem em se preparar para muita dança. Estou imaginando qual seria o plano dele quando Taryn me chuta debaixo da mesa. Quando me viro para olhar para ela, ela levanta as duas sobrancelhas. "Pergunte a ele", ela boca. Madoc olha em sua direção. "Sim?" "Jude quer te perguntar uma coisa", diz Taryn. A pior parte é, acho que ela acredita que está ajudando. Eu respiro fundo. Pelo menos ele parece estar de bom humor. "Eu estive


pensando sobre o torneio." Eu imaginei dizendo essas palavras muitas e muitas vezes, mas agora que eu estou realmente fazendo isso, elas não parecem sair do jeito que eu planejei. "Eu não sou ruim com uma espada." "Você esta sendo muito modesta", diz Madoc. "Sua abilidade com espadas é excelente." Isso parece encorajador. Eu olho para Taryn, que parece estar segurando a respiração. Todos na mesa ficaram parados, exceto por Oak, que bate o copo contra o lado do prato. "Eu vou lutar no Torneio de Verão, e quero me declarar pronta para ser escolhido para o título de cavaleiro." As sobrancelhas de Madoc sobem. “É isso que você quer? É um trabalho perigoso." Eu concordo. "Eu não estou com medo." "Interessante", diz ele. Meu coração bate com força no meu peito. Pensei em todos os aspectos desse plano, exceto pela possibilidade de ele não permitir. "Eu quero fazer meu próprio caminho na corte", eu digo. "Você não é um assassina", ele me diz. Eu recuo, meu olhar chegando até o dele. Ele me olha fixamente com seus olhos dourados de gato. "Eu poderia ser", eu insisto. "Eu tenho treinado por uma década." Desde que você me trouxe, eu não digo, embora deva estar em meus olhos. Ele balança a cabeça tristemente. "O que você quer não tem nada a ver com experiência." “Não, mas—” eu começo. "É o suficiente. Tomei minha decisão ”, diz ele, levantando a voz para me interromper. Depois de um momento em que ambos estamos em silêncio, ele me dá um meio sorriso conciliatório. “Lute no torneio se quiser, por esporte, mas você não vai colocar a faixa verde. Você não está pronta para ser um cavaleiro. Você pode me perguntar novamente depois da coroação, se o seu


coração ainda está definido. E se for um capricho, será tempo suficiente para passar. "Isso não é capricho!" Eu odeio o desespero na minha voz, mas eu tenho contado os dias para o torneio. A idéia de esperar meses, só para que ele possa me recusar novamente, me enche de desespero selvagem. Madoc me dá um olhar ilegível. "Depois da coroação", ele repete. Eu quero gritar com ele: Você sabe como é difícil manter a cabeça baixa? Engolir insultos e suportar ameaças imediatas? E ainda assim fiz isso. Eu pensei que provou a minha resistência. Eu pensei que se você visse eu poderia pegar o que veio em mim e ainda sorrir, você veria que eu era digna. Você não é assassina. Ele não tem ideia do que sou. Talvez eu também não saiba. Talvez eu nunca me deixe descobrir. "O príncipe Dain vai ser um bom rei", diz Oriana, habilmente mudando a conversa de volta para coisas agradáveis. “Coroação significa um mês de bolas. Vamos precisar de novos vestidos. ”Ela parece incluir Taryn e eu nesta declaração arrebatadora. "Magníficos." Madoc assente com a cabeça, sorrindo seu sorriso cheio de dentes. “Sim, sim, quantos você quiser. Eu gostaria que você olhasse melhor e dançasse o mais. Eu tento respirar devagar, para me concentrar em apenas uma coisa. As sementes de romã no meu prato, brilhando como rubis, molhadas com sangue de veado. Após a coroação, Madoc disse. Eu tento me concentrar nisso. Parece que nunca. Eu adoraria ter um vestido de corte como os que vi no guarda-roupa de Oriana, padrões opulentos primorosamente costurados em saias de ouro e prata, cada um tão bonito quanto o amanhecer. Eu me concentro nisso também.


Mas então eu vou longe demais e me imagino nesse vestido, espada no quadril, transformada, um verdadeiro membro da corte, um cavaleiro no Círculo dos Falcões. E Cardan me observando do outro lado da sala, de pé ao lado do rei, rindo da minha pretensão. Rindo como ele sabe que esta é uma fantasia que nunca será real. Eu belisco minha perna até a dor acabar com tudo. "Você vai ter que desgastar as solas dos seus sapatos, assim como o resto de nós" Vivi diz para mim e para Taryn. “Eu aposto que Oriana está doente com a preocupação de que desde que Madoc te encorajou a dançar, ela não pode te parar. Horror dos horrores, você pode ter um bom tempo. Oriana pressiona os lábios juntos. "Isso não é justo, nem é verdade." Vivi revira os olhos. "Se não fosse verdade, eu não poderia dizer isso." "Chega, todos vocês!" Madoc bate a mão na mesa, fazendo-nos todos pular. “As coroações são uma época em que muitas coisas são possíveis. A mudança está chegando e não há nenhuma sabedoria em me desobedecer. Eu não sei dizer se ele está falando sobre o Príncipe Dain, filhas ingratas ou ambos. "Você tem medo que alguém vá tentar o trono?" Taryn pergunta. Como eu, ela foi criada em estratégia, movimentos e contra-ataques, emboscadas e mãos superiores. Mas, ao contrário de mim, ela tem o talento de Oriana para fazer a pergunta que conduzirá uma conversa em direção a praias menos rochosas. "A linha Greenbriar deve se preocupar, não eu", diz Madoc, mas ele parece satisfeito por ser solicitado. “Sem dúvida, alguns de seus súditos gostariam que não houvesse nenhuma Coroa de Sangue e nenhum Rei Supremo. Seus herdeiros devem ser particularmente cuidadosos para que os exércitos de


Faerie sejam satisfeitos. Um estrategista bem experiente aguarda a oportunidade certa ”. “.

“Só alguém com nada a perder atacaria o trono com você lá para protegê-lo ”, diz Oriana primorosamente. “Há sempre algo a perder”, Vivi diz, e, em seguida, faz uma cara horrorosa para Oak. Ele ri. Oriana se aproxima dele e depois para. Nada de ruim está acontecendo realmente. E ainda assim eu vejo o brilho nos olhos de gato de Vivi, e eu não tenho certeza Oriana está errado para estar nervosa. Vivi gostaria de punir Madoc, mas seu único poder é ser um espinho no seu lado. O que significa que, ocasionalmente, atormentando Oriana através Oak. Eu sei que Vivi ama Oak, ele é nosso irmão, afinal de contas, mas isso não significa que ela está acima de ensinar-lhe coisas más. Madoc sorri para todos nós, agora a imagem de contentamento. Eu costumava pensar que ele não notou todas as correntes de tensão que corriam através da família, mas à medida que envelheço, vejo que o conflito não o incomoda, no mínimo. Ele gosta disso tanto quanto de uma guerra aberta. “Talvez nenhum de nossos inimigos sejam particularmente bons estrategistas.” “Vamos esperar que não,” Oriana diz distraidamente, seus olhos sobre Oak, levantando a taça de vinho canário. “De fato”, diz Madoc. "Vamos brindar. Para a incompetência dos nossos inimigos “.


Eu pego meu vidro e bato no de Taryn. Há sempre algo a perder. Eu penso sobre isso durante toda a madrugada, virando-a na minha cabeça. Finalmente, quando eu me canso de me virar nada mais, eu puxo em um manto sobre minha camisola e vou para fora, no sol do fim da manhã. Brilhante como o ouro martelado, dói meus olhos quando eu sento em um pedaço de trevo perto dos estábulos, olhando de volta para a casa. Tudo isso foi da minha mãe antes que fosse de Oriana do. Mamãe deve ter sido jovem e apaixonada por Madoc naquela época. Pergunto-me o que era para ela. Eu me pergunto se ela achava que ia ser feliz aqui. Gostaria de saber quando ela percebeu que não era. Tenho ouvido os rumores. Não é pouca coisa enganar o general do Grande Rei, para fugir das fadas com seu bebê em sua barriga e se esconder por quase dez anos. Ela deixou para trás os restos queimados de outra mulher na casca enegrecida de sua propriedade. Ninguém pode dizer que ela não provou a sua tenacidade. Se ela tivesse tido um pouco de sorte, Madoc nunca teria percebido que não era ela. E a mãe estaria viva Ela tinha muito a perder, eu acho. Eu também tenho muito a perder. Mas e daí? "Ignore nossas lições hoje", digo a Taryn naquela tarde. Estou vestida e pronta desde cedo. Embora eu não tenha dormido, não me sinto nada cansadoa "Fique em casa." Ela me dá uma expressão de profunda preocupação enquanto um garoto pixie, recem em dívida com Madoc, trança seu cabelo castanho para uma


coroa. Ela está sentada em sua penteadeira, toda vestida de marrom e dourado. “Me dizendo para não ir significa que deveria. O que quer que você esteja pensando, pare. Eu sei que você está decepcionada com o torneio " "Não importa", eu digo, embora, claro, sim. É tão importante que, agora, sem esperança de cavalheirismo, sinto que um buraco se abriu sob mim e estou caindo por ele. "Madoc pode mudar de idéia." Ela me segue descendo as escadas, pegando nossas cestas antes que eu possa. "E pelo menos agora você não terá que desafiar Cardan." Eu me viro para ela, mesmo que nada disso seja culpa dela. “Você sabe por que Madoc não me deixa tentar pelo cavalheirismo? Porque ele acha que sou fraca. "Jude", ela adverte.

"Eu pensei que deveria ser boa e seguir as regras", eu digo. “Mas estou cansada de ser fraca. Eu parei de ser boa. Eu acho que vou ser outra coisa. “Apenas os idiotas não têm medo de coisas assustadoras”, diz Taryn, o que, sem dúvida, é verdade, mas ainda assim não consegue me dissuadir. "Pule lições hoje", digo a ela novamente, mas ela não aceita, então vamos para a escola juntas. Taryn me observa cautelosamente enquanto converso com o líder da guerra simulada, Fand, uma garota duende com a pele azulada de pétalas de flores. Ela me lembra que há uma revisão amanhã em preparação para o torneio. Eu aceno, mordendo o interior da minha bochecha. Ninguém precisa saber que minhas esperanças foram frustradas. Ninguém precisa saber que eu já tive alguma esperança.


Mais tarde, quando Cardan, Locke, Nicasia e Valerian se sentam para almoçar, eles têm que cuspir a comida em horror sufocante. Ao redor deles estão os filhos menos medíocres dos nobres das fadas, comendo seus pães e mel, seus bolos e pombos assados, suas geleias de sabugueiro com biscoitos, queijo e os globos gordos de uvas. Mas cada pedaço de cada cestas dos meus inimigos tem sido bem e completamente salgado. O olhar de Cardan pega o meu, e eu não posso ajudar o sorriso maligno que puxa os cantos da minha boca. Seus olhos são brilhantes como carvão, seu ódio é uma coisa viva, brilhando no ar entre nós como o ar acima das rochas negras em um dia de verão em chamas. "Você perdeu seu juízo?" Taryn exige, sacudindo meu ombro para que eu tenha que me virar para ela. "Você está fazendo tudo piorar. Há uma razão pela qual ninguém se opõe a eles." "Eu sei", eu digo baixinho, incapaz de conter o sorriso em meus lábios. "Muitas razões." Ela está certa em ficar preocupada. Eu acabei de declarar guerra.


Eu contei esta história toda errada. Há coisas que eu realmente deveria ter dito sobre crescer em Faerie. Deixei-os fora da história, principalmente porque sou covarde. Eu nem gosto de me deixar pensar sobre eles. Mas talvez conhecer alguns detalhes relevantes sobre o meu passado faça mais sentido do porque eu sou do jeito que sou. Como o medo penetrou na minha medula. Como eu aprendi a fingir isso. Então, aqui estão três coisas que eu deveria ter dito sobre mim antes, mas não disse: 1. Quando eu tinha nove anos, um dos guardas de Madoc mordeu o topo do dedo anelar na minha mão esquerda. Nós estávamos do lado de fora, e quando eu gritei, ele me empurrou forte o suficiente para que minha cabeça batesse em um poste de madeira nos estábulos. Então ele me fez ficar lá enquanto ele mastigava o pedaço que ele tinha mordido. Ele me disse exatamente o quanto ele odiava os mortais. Eu sengrei tanto - você não pensaria que aquela quantidade de sangue poderia sair de um dedo. Quando acabou, ele explicou que é melhor manter o segredo, porque se eu não mantivesse, ele iria comer o resto de mim. Então, obviamente, eu não contei para ninguém. Até agora, quando eu estou dizendo a você.


2. Quando eu tinha onze anos, fui vista escondida sob a mesa do banquete em um dos festins por um membro particularmente entediado da Nobreza. Ele me arrastou para fora por um pé, chutando e se contorcendo. Eu não acho que ele sabia quem eu era - pelo menos, eu digo a mim mesma que ele não sabia. Mas ele me obrigou a beber e bebi; o vinho fada verde-relva escorrendo pela minha garganta como néctar. Ele me fez dançar ao redor da colina. Foi divertido no começo, o tipo de diversão aterrorizante que faz você gritar para ser abatido metade do tempo e sentir tontura e enjoo o resto. Mas quando a diversão acabou e eu ainda não conseguia parar, era simplesmente aterrorizante. Acontece que meu medo era igualmente divertido para ele, no entanto. Princesa Elowyn me encontrou no final do festim, vomitando e chorando. Ela não me perguntou nada sobre quem tinha feito isso, ela apenas me entregou para Oriana como se eu fosse uma jaqueta mal colocada. Nós nunca dissemos a Madoc sobre isso. Qual teria sido o objetivo? Todos que me viram provavelmente pensaram que eu estava me divertindo muito. 3. Quando eu tinha catorze anos e Oak tinha quatro anos, ele me glamourou. Ele não queria ... bem, pelo menos ele não entendia realmente por que ele não deveria. Eu não estava usando nenhum feitiço de proteção porque eu tinha acabado de sair de um banho. Oak não queria ir para a cama. Ele me disse para brincar de bonecas com ele, então nós trocamos. Ele me ordenou para persegui-lo, então nós brincamos perseguindo pelos corredores. Então ele descobriu que poderia me dar um tapa, o que foi muito engraçado. Tatterfell chegou horas depois, deu uma boa olhada nas minhas bochechas avermelhadas e nas lágrimas nos meus olhos e correu para Oriana. Por semanas, um Oak rindo tentou me fascinar para que eu pegasse doces ou levantasse-o acima da minha cabeça ou cuspindo na mesa de jantar. Mesmo que nunca tenha funcionado, apesar de eu ter usado uma mecha de bagas de rowan em todos os lugares depois disso, foi tudo que pude fazer durante meses para não atira-lo no chão. Oriana nunca me perdoou por essa restrição - ela acredita que não me vingar dele então significa que eu planejo me vingar no futuro. Por isso, não gosto dessas histórias: elas destacam que sou vulnerável. Não importa o quão cuidadosa eu seja, eventualmente vou dar outro passo em falso. Eu sou fraca.


Eu sou frรกgil. Eu sou mortal. Eu odeio isso mais do que tudo. Mesmo que, por algum milagre, eu pudesse ser melhor que eles, nunca serei um deles.


Eles não esperam muito para retaliar. No resto da tarde e início da noite, recebemos lições de história. Um goblin de cabeça de gato chamado Yarrow recita baladas e nos faz perguntas. Quanto mais respostas corretas eu dou, mais irritado Cardan parece. Ele não faz segredo de seu descontentamento, indagando a Locke sobre o quão entediantes são essas lições e zombando do palestrante. Pela primeira vez, estamos prontos antes que o anoitecer caia completamente. Taryn e eu começamos a ir para casa, com ela me dando olhares preocupados. A luz do pôr-do-sol penetra através das árvores e eu respiro fundo, bebendo o cheiro de agulhas de pinheiro. Eu sinto uma estranha calma, apesar da estupidez do que fiz. "Isso não é você", diz Taryn finalmente. "Você não escolhe brigas com as pessoas." "Apaziguá-los não vai ajudar." Eu chuto uma pedra com um pé coberto de chinelo.


"Quanto mais eles se safam, mais eles acreditam que têm o direito." "Então você vai, o que ... ensinar-lhes boas maneiras?" Taryn suspira. "Mesmo que alguém faça isso, esse alguém não precisa ser você." Ela está certa. Eu sei que ela está certa. A fúria vertiginosa desta tarde vai desaparecer e vou me arrepender do que fiz. Provavelmente, depois de um bom e longo sono, ficarei tão horrorizada quanto Taryn. Tudo isso se tornarão problemas piores, não importa o quanto seja bom aliviar meu orgulho. Você não é assassina. O que quer não tem nada a ver com a experiência. E, no entanto, não me arrependo agora. Tendo saído da borda, o que eu quero fazer é cair Eu começo a falar quando uma mão bate na minha boca. Dedos afundam na pele ao redor dos meus lábios. Eu me viro, balançando meu corpo ao redor e vejo Locke agarrando a cintura de Taryn. Alguém prende meus pulsos. Eu solto minha boca e grito, mas gritos em Faerie são como o canto dos pássaros, muito comum para atrair muita atenção. Eles nos empurram pela floresta, rindo. Eu ouço um grito de um dos meninos. Eu acho que ouço Locke dizer algo sobre cotovias sendo rapidamente, mas é engolido pela alegria. Em seguida, um empurrão nos meus ombros e o horrível choque de água fria se fechando sobre mim. Eu cuspo, tentando respirar. Eu sinto gosto de lama e junco. Eu me empurro para cima. Taryn e eu estamos na altura da cintura no rio, a corrente nos empurrando rio abaixo em direção a uma parte mais profunda e mais áspera. Eu cavo meus pés na lama no fundo para não ser varrida. Taryn está segurando uma pedra, o cabelo molhado. Ela deve ter escorregado. "Há nixies neste rio", diz Valerian. "Se você não sair antes que eles encontrem você, eles vão te derrubar e te segurar lá. Seus dentes afiados afundarão em sua pele." Ele imita dando uma mordida no ar.


Eles estão ao longo da margem do rio, Cardan mais próximo, Valerian ao lado dele. Locke passa a mão por cima dos tocos e juncos, parecendo absorto. Ele não parece gentil agora. Ele parece entediado com seus amigos e conosco também. "Nixies não podem mudar o que são", diz Nicasia, chutando a água para que ela salpique meu rosto. "Assim como você não será capaz de impedir o afogamento." Eu cavo meus pés mais fundo na lama. A água enchendo minhas botas faz com que seja difícil mover minhas pernas, mas a lama as tranca no lugar quando consigo ficar parada. Eu não sei como vou chegar a Taryn sem escorregar. Valerian está esvaziando nossas mochilas na margem do rio. Ele e Nicasia e Locke se revezam jogando o conteúdo na água. Meus cadernos de couro. Rolos de papel que se desintegram quando afundam. Os livros de baladas e histórias fazem um enorme splash, depois se alojam entre duas pedras e não se movem. Minha caneta e bico finos brilham ao longo do fundo. Meu tinteiro estilhaça nas pedras, girando o vermelhão do rio. Cardan me observa. Embora ele não levante um dedo, sei que isso é foi ideia. Aos seus olhos, vejo toda a vasta alienação de Faerie. "Isso é divertido?" Eu grito para a praia. Estou tão furiosa que não há espaço para ficar com medo. "Você está se divertindo?" "Muito", diz Cardan. Então seu olhar desliza de mim para onde as sombras descansam sob a água. São essas nixies? Eu não posso dizer. Eu apenas continuo me movendo em direção a Taryn. "Este é apenas um jogo", diz Nicasia. “Mas às vezes a gente brinca demais com nossos brinquedos. E então eles quebram.


"Não é como se nós as afogassemos", Valerian diz. Meu pé escorrega em pedras escorregadias e eu estou caio, varrida desamparadamente, engolindo água barrenta. Eu entro em pânico, bufando em meus pulmões. Eu estendo uma mão e ela se fecha na raiz de uma árvore. Eu recupero meu equilíbrio novamente, ofegando e tossindo Atrás dele, vejo Nicasia passar o braço por Locke e sussurrar algo para ele. Ele lhe dá um olhar mordaz e ela faz beicinho. Talvez eles estejam chateados por não estarmos sendo comidos no momento. Cardan franze a testa. "Irmã gêmea", diz ele, voltando-se para Taryn. Um sorriso volta à sua boca, como se uma idéia nova e terrível viesse encantá-lo. “Você faria um sacrifício semelhante? Vamos descobrir. Eu tenho uma oferta muito generosa para você." Suba na pedra e beije nas minhas bochechas. Uma vez feito isso, desde que você não defenda sua irmã por palavras ou ações, não responsabilizarei você por seu desafio. Agora, isso não é um bom negócio? Mas você só consegue isso se vier até nós agora e a deixar-lá para se afogar. Mostre a ela que ela sempre estará sozinha." Por um momento, Taryn está parada, como se estivesse congelado. "Vá", eu digo. "Eu vou ficar bem." Ainda dói quando ela caminha em direção ao banco. Mas é claro que ela deveria ir. Ela estará segura e o preço não é nada que importe. Uma das formas pálidas se destaca das outras e nada em sua direção, mas minha sombra na água a faz hesitar. Eu miro jogando ua pedra e ela se sacode um pouco. Eles gostam de presas fáceis. Valerian pega a mão de Taryn e a ajuda a sair da água como se ela fosse uma grande dama. Seu vestido está encharcado, pingando enquanto ela se move, como os vestidos de sprites de água ou ninfas do mar. Ela pressiona seus lábios azulados nas bochechas de Cardan, uma e depois a outra. Ela mantém os olhos fechados, mas os dele estão abertos, me observando. “Diga 'eu abandono minha irmã Jude'”, diz Nicasia. "Eu não vou ajudá-la. Eu


nem gosto dela. '” Taryn olha em minha direção, rápido e apologética. "Eu não tenho que dizer isso. Isso não fazia parte da barganha.”Os outros riem. A bota de Cardan divide os cardos e juncos. Locke começa a falar, mas Cardan o interrompe. “Sua irmã te abandonou. Veja o que podemos fazer com algumas palavras? E tudo pode ficar muito pior. Podemos encantá-la a correr de quatro, latindo como um cachorro. Podemos te amaldiçoar para enlouquecer por falta de uma música que você nunca mais ouvirá ou uma palavra gentil dos meus lábios. Nós não somos mortais. Nós vamos te quebrar. Você é uma coisinha frágil; nós dificilmente precisaríamos tentar. Desista." "Nunca", eu digo. Ele sorri, convencido. "Nunca? Nunca é como sempre, muito tempo para os mortais compreenderem." A forma na água permanece onde está, provavelmente porque a presença de Cardan e os outros faz parecer que eu tenho amigos que poderiam me defender se eu fosse atacada. Eu espero pelo próximo movimento de Cardan, observando-o com cuidado. Espero que pareça desafiador. Ele me examina por um longo e terrível momento. "Pense em nós", ele diz para mim. “Durante toda a sua caminhada longa, encharcada e vergonhosa para casa. Pense na sua resposta. Isso é o mínimo do que podemos fazer. ”Com isso, ele se afasta de nós e, depois de um momento, os outros também se viram. Eu o vejo ir. Eu assisto todos eles irem. Quando eles estão fora de vista, eu me puxo para o banco, caindo de costas na lama ao lado de onde Taryn está de pé. Eu tomo grandes respirações de ar. As nixies começam a surgir, olhando para nós com olhos famintos e opalescentes.


Eles nos observam através de um trecho de foxtails. Um começa a rastejar para a terra. Eu jogo uma rocha. Não chega perto de bater, mas o respingo os surpreende em não se aproximar. Grunhindo, eu me forço a começar a andar. E durante toda a nossa caminhada para casa, enquanto Taryn faz sons suaves e soluços, eu penso sobre o quanto eu os odeio e o quanto eu me odeio. E então eu não penso em nada além de levantar minhas botas molhadas, um passo após o outro me levando passando pelas sarças e fiddleheads e olmos, passando por arbustos de cerejas de lábios vermelhos, barberries e damsons, passando pelos duendes de madeira que nidificam nas roseiras. Um lar, um banho e uma cama em um mundo que não é meu e talvez nunca seja.


Minha cabeça está doendo quando Vivienne me acorda. Ela pula na cama, chutando as cobertas e fazendo o quadro gemer. Eu pressiono uma almofada sobre o meu rosto e me enrolo de lado, tentando ignorá-la e voltar para o sono sem sonhos. "Levante-se, dorminhoca", diz ela, puxando meus cobertores para trás. "Estamos indo para o shopping." Eu faço um barulho estrangulado e a afasto. "Vamos!", Ela ordena, pulando de novo. "Não", eu gemo, cavando mais fundo no que sobrou dos cobertores. "Eu tenho que ensaiar para o torneio." Vivi para de pular e percebo que isso não é mais verdade. Eu não tenho que lutar. Exceto que eu estupidamente disse a Cardan que eu nunca desistiria. O que me faz lembrar o rio e as nixies e Taryn. Como ela estava certa e eu estava magnificamente, extravagantemente errada.


"Eu vou te comprar café quando chegarmos lá, café com chocolate e chantilly." Vivi é implacável. "Vamos. Taryn está esperando. Eu meio tropeço para fora da cama. De pé, eu coço meu quadril e brilho. Ela me dá seu sorriso mais encantador, e eu acho meu aborrecimento desaparecendo, apesar de tudo. Vivi é muitas vezes egoísta, mas ela esta tão animada sobre isso e tão encorajadora do egoísmo alegre nos outros que é fácil se divertir com ela. Eu visto rapidamente as roupas modernas que guardo no fundo do meu guarda-roupa - jeans, um velho suéter cinza com uma estrela negra e um par de tops Converse prateados brilhantes. Eu puxo meu cabelo em um chapéu de malha desleixado, e quando vislumbro a mim mesma no espelho de corpo inteiro (esculpido de modo que pareça um par de faunos obscenos de ambos os lados do vidro, maliciosos), uma pessoa diferente está olhando para mim. Talvez a pessoa que eu poderia ter sido se eu tivesse sido criada como humana. Quem quer que seja. Quando éramos pequenas, costumávamos falar sobre voltar ao mundo humano o tempo todo. Vivi continuou dizendo que, se ela aprendesse um pouco mais de magia, poderíamos ir. Nós íamos encontrar uma mansão abandonada e ela iria encantar pássaros para cuidar de nós. Eles nos comprariam pizza e doces, e só íamos à escola se nos sentíssemos bem. No entanto, quando Vivi aprendeu a viajar para lá, a realidade invadiu nossos planos. Acontece que os pássaros não podem realmente comprar pizza, mesmo se eles estão encantados. Eu me encontro com minhas irmãs na frente dos estábulos de Madoc, onde os cavalos de fada calçados com prata estão presos ao lado de enormes sapos prontos para serem selados e raptados e renas com chifres largos pendurados com sinos. Vivi está vestindo calça jeans preta e camisa branca, óculos de sol


espelhados escondendo seus olhos de gato. Taryn usa jeggings cor-de-rosa, um casaco de lã felpudo e um par de botas de tornozelo. Tentamos imitar as garotas que vemos no mundo humano, garotas em revistas, garotas que vemos em telas de cinema em teatros com ar condicionado, comendo doces tão doces que fazem meus dentes doerem. Eu não sei o que as pessoas pensam quando olham para nós. Essas roupas são uma fantasia para mim. Eu estou brincando de vestir-se na ignorância. Não posso mais adivinhar as suposições que acompanham os tênis brilhantes do que uma criança com uma fantasia de dragão sabe o que os dragões reais fariam da cor de suas escamas. Vivi pega caules de ragwort que crescem perto dos bebedouros. Depois de encontrar três que atendam suas especificações, ela levanta a primeira e sopra sobre ela, dizendo: "Steed, levantar e nos levar onde eu comando." Com essas palavras, ela joga o talo no chão, e ele se torna um pônei amarelo esbranquiçado com olhos esmeralda e uma juba que lembra a folhagem de renda. Faz um estranho relato de lamento. Ela joga mais dois talos e, momentos depois, três pôneis de ragwort bufam no ar e fungam no chão. Eles se parecem um pouco com cavalos-marinhos e cavalgam sobre a terra e o céu, de acordo com o comando de Vivi, mantendo o aparente por horas antes de desmoronar de novo no mato. Acontece que passar entre Faerie e o mundo mortal não é tão difícil. Faerie existe ao lado e abaixo das cidades mortais, nas sombras das cidades mortais e em seus centros podres, abandonados e cheios de vermes. As fadas vivem em montes e vales e em carrinhos de mão, em becos e construções mortais abandonadas. Vivi não é a única fada de nossas ilhas a se esgueirar pelo mar e entrar no mundo humano com certa regularidade, embora a maioria das fadas não se importe em mexer com as pessoas. Há menos de um mês, Valerian se vangloriava dos campistas que ele e seus amigos haviam enganado para se banquetearem com eles, empanturrando-se de folhas podres encantadas para parecerem iguarias. Eu subo no meu pônei e envolvo minhas mãos ao redor do pescoço da criatura. Sempre há um momento em que começa a se mover que eu não


posso deixar de sorrir. Há algo sobre a absoluta impossibilidade disso, a magnificência dos bosques passando e o modo como os cascos de pedregulho levantam o cascalho enquanto saltam no ar, o que me dá uma descarga elétrica de pura adrenalina. Eu engulo o uivo que arranha minha garganta. Passamos por cima das falésias e depois do mar, observando as sereias saltarem nas ondas e selkies rolando ao longo das ondas. Passado o nevoeiro perpetuamente cercando as ilhas e escondendo-as dos mortais. E depois para o litoral, depois do Parque Estadual Two Lights, um campo de golfe e um jetport. Nós tocamos em um pequeno trecho coberto de árvores do outro lado da rua do Maine Mall. A camisa de Vivi tremula ao vento enquanto ela aterrissa. Taryn e eu desmontamos. Com algumas palavras de Vivi, os corcéis de ragwort se tornam apenas três ervas daninhas, entre outras. "Lembrem-se de onde estacionamos", diz Taryn com um sorriso, e começamos em direção ao shopping. Vivi ama este lugar. Ela gosta de beber smoothies de manga, experimentar chapéus e comprar o que quisermos com bolotas que ela encanta como dinheiro. Taryn não adora como Vivi, mas ela se diverte. Quando estou aqui, sinto-me como um fantasma. Nós passamos pelo JCPenney como se fossemos as coisas mais perigosas por aí. Mas quando eu vejo famílias humanas juntas, especialmente famílias com irmãs pequenas rindo, eu não gosto do jeito que me sinto. Brava. Eu não me imagino em uma vida como a deles; O que eu imagino é ir até lá e assustá-los até que eles chorem. Eu nunca fiz isso, é claro.


Quer dizer, eu não acho que faria. Taryn parece notar a maneira como meu olhar se depara com uma criança choramingando para sua mãe. Ao contrário de mim, Taryn é adaptável. Ela sabe as coisas certas a dizer. Ela ficaria bem se fosse empurrada de volta para este mundo. Ela está bem agora. Ela vai se apaixonar, assim como ela disse. Ela vai se metamorfosear em uma esposa ou consorte e criar filhos de fadas que vão adorar e sobreviver a ela. A única coisa que a retém sou eu. Estou tão feliz que ela não consegue adivinhar meus pensamentos. “Então,” Vivi diz. "Estamos aqui porque vocês duas precisam se animar. Então, animem-se. Olho para Taryn e respiro fundo, pronto para me desculpar. Eu não sei se é isso que Vivi tinha em mente, mas é o que eu sabia que tinha que fazer desde que saí da cama. "Eu sinto muito", eu deixo escapar. "Você provavelmente é louca", diz Taryn ao mesmo tempo. "Você acha?" Estou espantado. Taryn se inclina. "Eu jurei a Cardan que eu não iria ajudá-la, mesmo que eu tenha vindo com você naquele dia para ajudar." Eu sacudo minha cabeça com veemência. “Realmente, Taryn, você é quem deveria estar com raiva por eu tê-la jogado na água em primeiro lugar. Sair de lá era a coisa mais inteligente a fazer. Eu nunca ficaria brava com isso. "Oh", ela diz. "OK." "Taryn me contou sobre a brincadeira que você jogou no príncipe", diz Vivi. Eu me vejo refletida em seus óculos de sol, dobrou, quadruplicou com Taryn ao meu lado. “Muito bom, mas agora você vai ter que fazer algo muito pior. Eu tenho ideias."


"Não!" Taryn diz com veemência. “Jude não precisa fazer nada. Ela estava chateada com Madoc e o torneio. Se ela voltar a ignorá-los, eles vão voltar a ignorá-la também. Talvez não a princípio, mas eventualmente." Eu mordo meu lábio porque eu não acho que isso é verdade. "Esqueça Madoc. A cavalaria teria sido chata de qualquer maneira ”, diz Vivi, efetivamente descartando a coisa pela qual venho trabalhando há anos. Eu suspiro. É chato, mas também é reconfortante que ela não pense que é um negócio tão grande, quando a perda me pareceu esmagadora. “Então, o que você quer fazer?” Peço a Vivi que evite mais essa discussão. "Vamos ver um filme? Você quer experimentar batons? Não se esqueça que você me prometeu café." "Eu quero que você conheça a minha namorada", diz Vivienne, e eu me lembro da garota de cabelos rosa na tira de fotos. "Ela me pediu para morar com ela." "Aqui?" Eu pergunto, como se houvesse qualquer outro lugar. "O shopping?" Vivi ri de nossas expressões. "Vamos encontrá-la aqui hoje, mas provavelmente encontraremos um lugar diferente para morar. Heather não sabe que Faerie existe, então não mencione, ok?" Quando Taryn e eu tínhamos dez anos, Vivi aprendeu a fazer cavalos de ragwort. Nós fugimos da casa de Madoc alguns dias depois. Em um posto de gasolina, Vivi encantou uma mulher aleatória para nos levar para casa com ela. Ainda me lembro do rosto vazio da mulher enquanto ela dirigia. Eu queria fazê-la sorrir, mas não importava quais caras engraçadas eu puxasse, a expressão dela não mudava. Passamos a noite em sua casa, doentes depois de tomar sorvete para o jantar. Eu chorei até dormir, me agarrando a uma Taryn chorosa.


Depois disso, Vivi nos encontrou um quarto de motel com um fogão, e aprendemos a cozinhar macarrão com queijo da embalagem. Fizemos café na cafeteira porque nos lembrávamos de como nossa antiga casa cheirava assim. Nós assistimos televisão e nadamos na piscina com outras crianças que ficam no motel. Eu odiei isso. Vivemos assim duas semanas antes que Taryn e eu implorássemos a Vivi que nos levasse para casa, para nos levar de volta a Faerie. Perdemos nossas camas, perdemos a comida que estávamos acostumados, perdemos a magia. Acho que quebrou o coração de Vivi ter que voltar, mas ela conseguiu. E ela ficou. O que mais eu posso dizer sobre Vivi, quando realmente importava, ela ficou ao nosso lado. Eu acho que não deveria estar surpresa por ela não ter planejado ficar para sempre. "Por que você não nos disse?", Exige Taryn.. "Estou lhe dizendo. Acabei de fazê-lo ”, diz Vivi, guiando lojas antigas com imagens em loop de videogames, passando por vislumbres de biquínis e vestidos esvoaçantes, passando por pretzels recheados com queijo e lojas com balcões cheios de diamantes brilhantes em forma de coração prometendo amor verdadeiro. Carrinhos passam, grupos de garotos adolescentes em camisas, casais idosos de mãos dadas. "Você deveria ter dito algo mais cedo", diz Taryn, com as mãos nos quadris. "Aqui está o meu plano para animá-las", diz Vivi. “Todos nós nos voltamos para o mundo humano. Moramos com Heather. Jude não precisa se preocupar com o cavalheirismo, e Taryn não precisa se jogar em algum garoto fada bobo. "Heather sabe sobre esse plano?" Taryn pergunta com ceticismo. Vivi balança a cabeça, sorrindo. "Claro", eu digo, tentando fazer uma piada sobre isso. "Exceto que não tenho


nenhuma habilidade comercializável além de girar em torno de uma espada e inventar enigmas, nenhum dos quais provavelmente paga muito bem". "O mundo mortal é onde nós crescemos", Vivi insiste, subindo em um banco e caminhando por ele, agindo como se fosse um palco. Ela coloca os óculos de sol na cabeça. "Você se acostuma com isso de novo." "Onde você cresceu." Ela tinha nove anos quando fomos levadas; ela se lembra muito mais de ser humana do que nós. É injusto, já que ela também é a que tem magia. "O povo vai continuar tratando vocês como lixo", diz Vivi, e pula na frente de nós, os olhos de gato piscando. Uma senhora com um carrinho de bebê desvia-se para nos evitar. "O que você quer dizer?" Eu olho para longe de Vivi, concentrando-se no padrão dos azulejos sob meus pés. “Oriana age como se vocês duas fossem mortais é uma espécie de surpresa terrível que se espalha por ela toda manhã,” ela diz. “E Madoc matou nossos pais, então isso é uma merda. E depois há os idiotas da escola que você não gosta de falar. "Eu estava apenas falando sobre esses idiotas", eu digo, não dando a ela a satisfação de ficar chocada com o que ela disse sobre nossos pais. Ela age como se não nos lembrássemos, como se eu fosse esquecer alguma coisa. Ela age como se fosse sua tragédia pessoal e só dela. "E você não gostou." Vivi parece imensamente satisfeita consigo mesma por causa dessa resposta específica. "Você realmente acha que ser um cavaleiro tornaria tudo melhor?" "Eu não sei", eu digo. Vivi se vira para Taryn. "E você?" "Faerie é tudo o que conhecemos." Taryn levanta a mão para evitar mais discussões. "Aqui, não teríamos nada. Não haveria bolas nem magia e não ...


"Bem, acho que eu gostaria daqui", Vivi se vira, e sai à nossa frente, na direção da Apple Store. Nós conversamos sobre isso antes, é claro, como Vivi pensa que somos estúpidas por não sermos capazes de resistir à intensidade de Faerie, por desejar permanecer em um lugar de tal perigo. Talvez crescendo do jeito que crescemos, coisas ruins nos fazem sentir bem. Ou talvez nós somos estúpidas da mesma maneira que todos os outros idiotas mortais que estão ansiosos por outro pedaço de fruta dos duendes. Talvez isso não importe. Uma garota está de pé em frente à entrada, brincando em seu telefone. A garota, eu suponho. Heather é pequena, com cabelo rosa desbotado e pele morena. Ela está vestindo uma camiseta com um desenho desenhado à mão na frente. Há manchas de caneta nos dedos. Eu percebo abruptamente que ela pode ser a artista que desenhou os quadrinhos que eu vi Vivi debruçar sobre. Eu começo uma reverência antes de me lembrar que não estou mais em Faerie e desajeitadamente estendo a mão. "Eu sou a irmã de Vivi, Jude", eu digo. "E este é Taryn." A garota aperta minha mão. Sua palma é quente, seu aperto quase inexistente. É engraçado como Vivi, que se esforçou tanto para escapar de ser como Madoc, acabou se apaixonando por uma garota humana, como Madoc fez. "Eu sou Heather", diz a garota. "É muito bom conhecê-la. Vee quase nunca fala sobre sua família.. Taryn e eu nos entreolhamos. Vee. "Você quer se sentar ou algo assim?" Heather diz, apontando para a praça de alimentação. "Alguém me deve café", eu digo intencionalmente para Vivi.


Nós pedimos e sentamos e bebemos. Heather nos diz que ela está na faculdade da comunidade, estudando arte. Ela nos conta sobre quadrinhos que ela gosta e bandas que ela gosta. Nós esquivamos perguntas difíceis. Nós mentimos. Quando Vivi se levanta para jogar fora o nosso lixo, Heather nos pergunta se ela é a primeira namorada que Vivi nos deixou conhecer. Taryn acena com a cabeça. "Isso deve significar que ela gosta muito de você." “Então, posso visitar sua casa agora? Meus pais estão prontos para comprar uma escova de dentes para a Vee. Por que não consigo conhecer os dela? “Ela contou alguma coisa sobre a nossa família?” Heather suspira. "Não." "Nosso pai é muito conservador", eu digo. Um menino com cabelo preto espetado e uma corrente de carteira nos passa, sorrindo em minha direção. Eu não tenho ideia do que ele quer. Talvez ele conheça Heather. Ela não está prestando atenção. Eu não sorrio de volta. "Será que ele sabe que Vee é bi?" Heather pergunta surpresa, mas Vivi volta para a mesa, então não precisamos continuar inventando coisas. Gostar de garotas e garotos é a única coisa nesse cenário que Madoc não ficaria chateado com Vivi. Depois disso, nós quatro vagamos pelo shopping, experimentando batons roxos e comendo fatias amargas de maçã com crosta de açúcar que deixam minha língua verde. Eu me delicio com os produtos químicos que sem dúvida enfraqueceriam todos os senhores e senhoras da corte. Heather parece legal. Heather não tem ideia do que está se metendo. Dizemos despedidas educadas perto de Newbury Comics. Vivi observa três crianças escolhendo figuras bobblehead, seu olhar ávido. Eu me pergunto o que ela pensa enquanto se move entre os humanos. Em momentos como esse,


ela parece um lobo aprendendo os padrões das ovelhas. Mas quando ela beija Heather, ela é totalmente sincera. "Estou feliz que você tenha mentido por mim", diz Vivi enquanto retrocedemos nossos passos pelo shopping. "Você vai ter que dizer a ela eventualmente", eu digo. "Se é sério. Se você está realmente se mudando para o mundo mortal para estar com ela." "E quando você fizer isso, ela ainda vai querer conhecer Madoc", diz Taryn, embora eu possa ver por que Vivi quer evitar isso por tanto tempo quanto possível. Vivi balança a cabeça. “O amor é uma causa nobre. Como algo pode ser feito a serviço de uma causa nobre e estar errado? ” Taryn mastiga o lábio. Antes de sairmos, paramos no CVS e eu compro tampões. Toda vez que eu compro, é um lembrete de que, embora o folk possa se parecer conosco, eles são uma espécie à parte. Até Vivi é uma espécie à parte. Eu divido o pacote ao meio e dou a outra parte para Taryn. Eu sei o que você está querendo saber. Não, eles não sangram uma vez por mês; sim, eles sangram. Anualmente. Às vezes com menos frequência do que isso. Sim, eles têm soluções - preenchimento, principalmente - e sim, essas soluções são péssimas. Sim, tudo é embaraçoso.

Nós começamos a atravessar o estacionamento em direção a nossos talos de ragwort quando um cara da a nossa idade toca meu braço, dedos quentes fechando logo acima do meu pulso. "Ei, querida." Eu tenho uma impressão de que já o vi. Uma camisa preta muito grande, jeans, uma carteira de corrente, cabelo espetado. O brilho de


uma faca barata na bota dele. "Eu vi você antes, e eu estava pensando ..." Eu estou virando antes que eu possa pensar, meu punho quebrando em sua mandíbula. Meu pé de bota bate em seu intestino quando ele cai, rolando-o sobre o pavimento. Eu pisco e me vejo parada ali, olhando para uma criança que está ofegando por ar e começando a chorar. Minha bota está levantada para chutá-lo na garganta, para esmagar sua traqueia. Os mortais que estão ao redor dele estão olhando para mim com horror. Meus nervos estão estridentes, mas é um desejo ansioso. Eu estou prontoa para mais Eu acho que ele estava flertando comigo. Eu nem me lembro de ter decidido bater nele. "Vamos!" Taryn sacode meu braço, e nós três corremos. Alguém grita. Eu olho por cima do meu ombro. Um dos amigos do garoto esta gritando. "Cadela!" Ele grita. “Cadela louca! Milo está sangrando! Vivi sussurra algumas palavras e faz um movimento atrás de nós. Enquanto o faz, o capim-marmelo começa a crescer, empurrando mais as lacunas do asfalto. O garoto para quando algo passa por ele, uma expressão de confusão no rosto. Pixie-led, eles chamam isso. Ele vagueia por uma fileira de carros como se não tivesse ideia de para onde estava indo. A menos que ele vire sua roupa do avesso, o que eu tenho certeza que ele não sabe fazer, ele nunca nos encontrará. Paramos perto da beirada do estacionamento e Vivi imediatamente começa a rir. “Madoc ficaria tão orgulhoso - sua filhinha, lembrando-se de todo o seu treinamento”, diz ela. "Evitando a terrível possibilidade de romance." Estou muito chocada para dizer qualquer coisa. Bater nele foi a coisa mais honesta que fiz em muito tempo. Eu me sinto melhor que ótima Eu não sinto nada, um vazio glorioso. "Veja", digo Vivi. "Eu não posso voltar para o mundo humano. Veja o que eu faria com isso. Para isso, ela não tem resposta.


Penso no que fiz todo o caminho para casa e depois, novamente, na escola. Um conferencista de um tribunal perto da costa explica como as coisas murcham e morrem. Cardan me dá um olhar significativo enquanto explica a decomposição, apodrecer. Mas o que estou pensando é a quietude que senti quando bati naquele menino. Isso e o torneio de verão amanhã. Eu sonhei com o meu triunfo lá. Nenhuma das ameaças de Cardan me impediria de usar a trança de ouro e lutar tanto quanto eu pudesse. Agora, porém, suas ameaças são a única razão pela qual tenho que lutar - a pura glória perversa de não recuar. Quando paramos para comer, Taryn e eu subimos em uma árvore para comer queijo e bolos de aveia, cobertos com geleia de chokecherry. Fand me chama, querendo saber por que eu não assisti ao ensaio da guerra simulada. "Eu esqueci", eu digo de volta para ela, o que não é particularmente crível, mas eu não me importo. "Mas você vai lutar amanhã?", Ela pergunta. Se eu desistir, Fand terá que reorganizar as equipes. Taryn me dá um olhar esperançoso, como se eu pudesse voltar a meus sentidos. "Eu vou estar lá", eu digo. Meu orgulho me compele. As lições estão quase no fim quando noto Taryn ao lado de Cardan, perto de um círculo de espinheiros, chorando. Eu não devo ter prestado atenção, devo ter me envolvido demais em arrumar nossos livros e coisas. Eu nem sequer vi Cardan levar minha irmã de lado. Eu sei que ela teria ido embora, não importa a desculpa. Ela ainda acredita que, se fizermos o que eles querem, eles ficarão entediados e nos deixarão em paz. Talvez ela esteja certa, mas eu não me importo. Lágrimas derramam sobre suas bochechas. Existe um poço tão profundo de raiva dentro de mim. Você não é assassina. Deixo meus livros e atravesso a grama na direção deles. Cardan faz meia


volta e eu o empurro com tanta força que suas costas atingem uma das árvores. Seus olhos se arregalam. "Eu não sei o que você disse a ela, mas você nunca vai chegar perto da minha irmã de novo", digo a ele, minha mão ainda na frente de seu gibão de veludo. "Você deu a ela sua palavra." Eu posso sentir os olhos de todos os outros estudantes em mim. A respiração de todos é puxada. Por um momento, Cardan apenas olha para mim com olhos pretos e estúpidos. Então um canto de sua boca se enrola. "Oh", diz ele. "Você vai se arrepender de fazer isso." Eu não acho que ele perceba o quão zangada eu estou ou como é bom, por uma vez, desistir de arrependimentos..


Taryn não me conta o que o príncipe Cardan disse a ela. Ela insiste que não tinha nada a ver comigo, que ele não estava realmente quebrando sua promessa de não responsabilizá-la pelo meu mau comportamento, que eu deveria esquecê-la e me preocupar comigo mesma. "Jude, desista." Ela se senta na frente do fogo em seu quarto, bebendo uma xícara de chá de urtiga de uma caneca de barro em forma de uma cobra, a cauda enrolando para fazer a alça. Ela está de roupão, escarlate para combinar com as chamas na lareira. Às vezes, quando olho para ela, parece impossível que o rosto dela também seja meu. Ela parece suave, bonita, como uma garota em uma pintura. Como uma garota que se encaixa dentro de sua própria pele. "Apenas me diga o que ele disse", eu pressiono. "Não há nada para dizer", diz Taryn. "Eu sei o que estou fazendo." "E o que é isso?" Eu pergunto a ela, minhas sobrancelhas levantando, mas ela só suspira. Já fizemos três rounds como este. Eu continuo pensando na piscada preguiçosa dos cílios de Cardan sobre seus olhos brilhantes de carvão. Ele parecia alegre, regozijando-se, como se meu punho apertando sua camisa


fosse exatamente o que ele desejaria. Como se, se eu o atingisse, seria porque ele me obrigou a fazer isso. "Eu posso te incomodar nas colinas e também nos vales", eu digo, cutucandoa no braço. "Vou perseguir você de penhasco em todas as três ilhas até que você me diga alguma coisa." "Eu acho que nós duas poderíamos suportar melhor se ninguém mais tivesse que ver", diz ela, em seguida, toma um longo puxão de seu chá. "O quê?" Estou surpresa em não saber o que dizer em troca. "O que você quer dizer?"

“Quero dizer, eu acho que poderia ficar sendo provocada e ser feita chorar se você não sabia sobre isso. Ela me dá um olhar firme, como se avaliasse quanto de verdade eu posso lidar. "Eu não posso fingir que o meu dia estava bem com você como testemunha do que realmente aconteceu. Às vezes isso me faz não gostar de você." "Isso não é justo!" Eu exclamo. Ela encolhe os ombros. "Eu sei. É por isso que estou dizendo a você. Mas o que Cardan disse para mim não importa, e eu quero fingir que isso não aconteceu, então eu preciso que você finja comigo. Sem lembretes, sem perguntas, sem cuidados. Picada, levanto-me e ando até a lareira, encostando a cabeça na pedra esculpida. Eu não posso contar o número de vezes que ela me disse que mexer com Cardan e seus amigos é estúpido. E ainda, dado o que ela está dizendo agora, o que a fez chorar esta tarde não tem nada a ver comigo. O que significa que ela entrou em algum tipo de problema por conta própria.


Taryn pode ter muitos conselhos para dar; Não tenho certeza se ela está tomando tudo isso. "Então o que você quer que eu faça?" Eu pergunto. "Eu quero que você conserte as coisas com ele", diz ela. “O príncipe Cardan tem todo o poder. Não há vencedores contra ele. Não importa o quão valente, inteligente ou cruel você seja, Jude. Termine isso antes que você se machuque de verdade. Eu olho para ela sem entender. Evitar a ira de Cardan agora parece impossível. Aquele navio navegou - e queimou no porto. "Eu não posso", digo a ela. “Você ouviu o que o Príncipe Cardan disse no rio - ele só quer que você desista. É um golpe em seu orgulho, e isso machuca seu status, você está agindo como se não tivesse medo dele. ”Ela segura meu braço no pulso, me puxando para perto. Eu posso sentir o cheiro forte de ervas em sua respiração. “Diga a ele que ele ganhou e você perdeu. Eles são apenas palavras. Você não tem que sentir isso. Eu sacudo minha cabeça. "Não lute com ele amanhã", ela continua. "Eu não vou desistir do torneio", digo a ela. "Mesmo que você não ganhe nada?", ela pergunta. "Mesmo assim", eu digo. "Faça outra coisa", ela insiste. "Encontrar um caminho. Corrigi-lo antes que seja tarde demais. Eu penso em todas as coisas que ela não dirá, todas as coisas que eu gostaria de saber. Mas desde que ela quer que eu finja que tudo está bem, tudo que posso fazer é engolir minhas perguntas e deixá-la em seu fogo.


No meu quarto, eu encontro minha roupa de torneio espalhada na minha cama, perfumada com verbena e lavanda. É uma túnica ligeiramente acolchoada costurada com fio metálico. O padrão é de uma lua crescente virada de lado como um copo, com uma gota de vermelho caindo de um canto e um punhal por baixo do todo. O brasão de Madoc. Eu não posso vestir essa túnica amanhã e falhar, não sem trazer desgraça à minha casa. E embora isso possa me dar um prazer contrário, uma pequena vingança por Madoc negar-me a cavalaria, eu me envergonho também. O que devo fazer é voltar a manter a cabeça baixa. Seja decente, mas não memorável. Deixe Cardan e seus amigos se mostrarem. Poupar minha habilidade para surpreender a Corte quando Madoc me der permissão para buscar um título de cavaleiro. Se isso acontecer. Isso é o que devo fazer. Eu coloco a túnica no chão e subo sob as cobertas, puxando-as sobre a minha cabeça para que eu fique um pouco sufocada. Então eu respiro meu próprio hálito quente. Eu adormeço assim. À tarde, quando me levanto, a roupa está amassada e não tenho ninguém para culpar a não ser eu mesma. "Você é uma criança tola", diz Tatterfell, arrumando meu cabelo em tranças apertadas de guerreira. “Com uma memória parecida com a de um pardal.” A caminho das cozinhas, passo por Madoc no corredor. Ele está vestido todo em verde, sua boca puxada em uma linha sombria.


"Espere um momento", diz ele. Eu paro. Ele franze a testa. “Eu sei o que é ser jovem e faminto de glória.” Eu mordo meu lábio e não digo nada. Afinal, ele não me fez uma pergunta. Nós ficamos ali, assistindo um ao outro. Seus olhos de gato se estreitam. Há tantas coisas não ditas entre nós - tantas razões pelas quais podemos ser apenas algo como pai e filha, mas nunca ocupamos plenamente nossos papéis. "Você vai entender que isso é o melhor", diz ele finalmente. "Aproveite a sua batalha." Eu faço uma profunda reverência e vou para a porta, minha viagem para as cozinhas abandonadas. Tudo o que quero fazer é fugir da casa, da lembrança de que não há lugar para mim na Corte, nenhum lugar para mim em Faerie. O que quer não tem nada a ver com a experiência. O Torneio de Verão está sendo realizado na beira de um penhasco em Insweal, a Ilha da Desgraça. É longe o suficiente para eu levar uma montaria, um cavalo cinza pálido ao lado de um sapo. O sapo me observa com olhos dourados enquanto eu selo a égua e subo. Eu chego ao recinto, meio atrasada, ansiosa e com fome. Uma multidão já está se reunindo em torno da tenda onde o Alto Rei Eldred e o resto da realeza vão se sentar. Banners longos, de cor creme, voam no ar, exibindo o símbolo de Eldred - uma árvore que tem metade flores brancas e metade espinhos, raízes penduradas abaixo e uma coroa no topo. A união dos Tribunais Seelie, os Tribunais Unseelie e os fey selvagens, sob uma coroa. O sonho da linha Greenbriar. O decadente filho mais velho, o príncipe Balekin, está esparramado numa cadeira esculpida, três atendentes à sua volta. Sua irmã, Princesa Rhyia, a caçadora, senta ao lado dele. Seus olhos estão todos sobre os combatentes em potencial, preparando-se para o terreno. Uma onda de frustração apavorada me vem à vista de sua expressão decidida. Eu queria tanto que ela me escolhesse para ser um dos seus cavaleiros. E embora ela não possa agora,


um medo repentino e terrível de que eu não pudesse tê-la impressionado vem sobre mim. Talvez Madoc estivesse certo. Talvez eu não tenha o instinto para lidar com a morte. Se eu não tentar muito hoje, pelo menos nunca preciso saber se teria sido bao o suficiente. Meu grupo deve ir primeiro porque somos os mais jovens. Ainda em treinamento, usando espadas de madeira em vez de aço vivo, ao contrário daqueles que nos seguem. As lutas durarão o dia todo, quebradas por performances de bardo, alguns feitos de mágica inteligente, exibições de arco e flecha e outras habilidades. Eu posso sentir o cheiro de vinho temperado no ar, junto com aquele outro perfume de torneios - sangue fresco. Fand está nos organizando em filas, distribuindo braçadeiras em prata e ouro. Sua pele azul é ainda mais brilhante cerúleo sob o céu brilhante. Sua armadura também varia de tons de azul, de oceânica a berry, com sua faixa verde cortando o peitoral. Ela vai se destacar, não importa o quanto ela se arrisque, o que é um risco calculado. Se ela se sair bem, o público não pode deixar de notar. É melhor que ela se saia bem. Quando me aproximo dos outros alunos com suas espadas, ouço meu nome sussurrado. Envergonhada, olho em volta, apenas para perceber que estou sendo examinado de uma nova maneira. Taryn e eu somos sempre perceptíveis, sendo mortais, mas o que nos faz sobressair também é o que nos torna indignas de muita consideração. Hoje, no entanto, isso não é verdade. Os filhos de Faerie parecem estar segurando um único suspiro, esperando para ver qual será o meu castigo por colocar as mãos em Cardan no dia anterior. Esperando para ver o que vou fazer a seguir. Eu olho através do campo e encontro Cardan e seus amigos, com prata em seus braços. Cardan também está usando prata no peito, aço reluzente que se agarra a seus ombros e parece mais ornamental do que protetor. Valerian sorri para mim. Eu não lhe dou a satisfação de sorrir de volta. Fand me dá uma aliança de ouro e me diz onde ficar. Devem haver três


rodadas de guerra simulada nos dois lados. Cada lado tem um manto de couro para proteger - um, o de um cervo amarelo; o outro, o de pele de raposa prateada. Eu bebo um pouco de água de uma jarra de estanho pronta para os participantes e começo a me aquecer. Meu estômago está azedo com a falta de comida, mas não sinto mais fome. Eu me sinto doente, comida pelos nervos. Tento ignorar tudo, menos os exercícios que percorro para flexionar meus músculos. E então é a hora. Nossa tropa entra no campo e saudamos o altar do Alto Rei, embora Eldred ainda não tenha chegado. A multidão é menor perto do pôr do sol. O príncipe Dain está lá, com Madoc ao lado dele. Princesa Elowyn toca um alaúde pensativamente. Vivi e Taryn vieram assistir, embora eu não veja nem Oriana nem Oak. Vivi gesticula com um kebab de frutas brilhantes, fazendo a Princesa Rhyia rir. Taryn me observa atentamente, como se tentasse me alertar com o olhar dela. Durante toda a primeira batalha, eu luto defensivamente. Eu evito Cardan. Nem chego perto de Nicasia, Valerian ou Locke, mesmo quando Valerian derruba Fand no chão. Mesmo quando Valerian rasga a pele de cervo. Ainda assim, não faço nada. Então somos chamados ao campo para a segunda batalha. Cardan anda atrás de mim. “Você esta dócil hoje. Sua irmã te domesticou? Ela deseja muito nossa aprovação. Eu imagino que se eu perguntasse, ela rolaria comigo bem aqui até que nós deixasemos o vestido branco dela verde e então me agradecer pela honra do meu favor." Ele sorri, indo para a matança, inclinando-se para mim como se estivesse confiando um segredo. "Não que eu fosse o primeiro a vesti-la de verde." Minhas boas intenções evaporam no vento. Meu sangue está em chamas, fervendo em minhas veias. Eu não tenho muito poder, mas aqui está o que eu tenho - eu posso forçar a mão dele. Cardan pode querer me machucar, mas posso fazê-lo querer me machucar ainda mais. Nós deveríamos jogar guerra. Quando eles nos chamam para os nossos lugares, eu jogo. Pra valer. Eu jogo tão cruelmente quanto possível. Minha espada de treino se choca contra a placa ridícula do peito de Cardan. Meu ombro bate no ombro de


Valerian com tanta força que ela cambaleia para trás. Eu ataco de novo e de novo, derrubando qualquer um usando uma braçadeira de prata. Quando a guerra simulada termina, meu olho está escurecido e meus dois joelhos estão esfolados e o lado dourado ganhou a segunda e terceira batalhas. Você não é uma assassina, Madoc disse. Agora eu sinto que poderia ser. A multidão aplaude e é como se eu tivesse de repente acordado de um sonho. Eu esqueci deles. Um duende joga pétalas de flores para nós. Das bancadas, Vivi me saúda com uma taça de algo como a princesa Rhyia aplaude educadamente. Madoc não está mais na tenda real. Balekin também se foi. O Alto Rei Eldred está lá, sentado em uma plataforma levemente elevada, falando com Dain, sua expressão distante. Eu começo a tremer por toda parte, a adrenalina se esvaindo de mim. Cortesãos, esperando por melhores batalhas, estudam minhas contusões e avaliam minhas proezas. Ninguém parece particularmente impressionado. Eu fiz o meu melhor, lutei o meu melhor e não foi o suficiente. Madoc nem ficou para assistir. Meus ombros caem. Pior, Cardan está me esperando quando eu saio do campo. Eu sou atingida de repente por sua altura, pelo desprezo arrogante que ele usa como uma coroa. Ele parece um príncipe vestido de trapos. Cardan agarra meu rosto, com os dedos contra o meu pescoço. Sua respiração está contra a minha bochecha. Sua outra mão agarra meu cabelo, enrolando-o em uma corda. “Você sabe o que significa ser mortal? Isso significa nascer para morrer. Isso significa merecer a morte. Isso é o que você é, o que define você - morte. E, no entanto, aqui está você, determinada a se opor a mim, mesmo quando você apodrece de dentro para fora, sua criatura mortal corrupta e corrosiva. Me diga como isso é. Você realmente acha que pode ganhar de mim? Contra um príncipe de Faerie?" Eu engulo em seco. "Não", eu digo.


Seus olhos negros fervem de raiva. "Então você não está completamente carente de alguma pequena quantidade de astúcia animal. Bom. Agora, implore meu perdão." Eu dou um passo para trás e puxo, tentando me soltar de seu aperto. Ele segura a minha trança, olhando para o meu rosto com olhos famintos e um sorriso pequeno e horrível. Então ele abre a mão, deixando-me cambalear. Fios individuais de cabelo flutuam no ar. Na periferia da minha visão, vejo Taryn em pé com Locke, perto de onde outros cavaleiros estão vestindo suas armaduras. Ela olha para mim implorando, como se fosse ela quem precisava ser salva. "Fique de joelhos", diz Cardan, olhando insuportavelmente satisfeito consigo mesmo. Sua fúria se transformou em regozijo. "Implore. Faça bonito. Digno de mim." Os outros filhos dos Gentry estão de pé em suas túnicas acolchoadas com suas espadas de treino, observando, esperando que minha queda seja divertida. Este é o show que eles estavam esperando desde que eu o desafiei. Esta não é uma guerra simulada; esta é a coisa real. "Implorar?" Eu ecoo. Por um momento, ele parece surpreso, mas isso é rapidamente substituído por uma malícia ainda maior. “Você me desafiou. Mais de uma vez. Sua única esperança é se entregar à minha misericórdia na frente de todos. Faça isso, ou vou continuar machucando você até não sobrar nada para machucar. Penso nas formas escuras das nixies na água e no garoto do festim, uivando por sua asa rasgada. Eu penso no rosto manchado de lágrimas de Taryn. Eu penso em como Rhyia nunca teria me escolhido, de como Madoc nem esperou para ver a conclusão da batalha. Não há vergonha na rendição. Como disse Taryn, são apenas palavras. Eu não tenho que sentir isso. Eu posso mentir. Eu começo a me abaixar no chão. Isso terminará rapidamente, cada palavra terá gosto de bílis e então terminará. Quando abro a boca, porém, nada sai. Eu não posso fazer isso..


Em vez disso, eu balanço minha cabeça com a emoção correndo através da loucura do que estou prestes a fazer. É a emoção de pular sem ser capaz de ver o chão abaixo de você, logo antes de você perceber que é chamado de queda. "Você acha que porque você pode me humilhar, você pode me controlar?" Eu digo, olhando-o naqueles olhos negros. "Bem, eu acho que você é um idiota. Desde que começamos a ser tutelados juntos, você fez de tudo para me fazer sentir como se eu fosse menos do que você. E para apaziguar o seu ego, eu me tornei menos. Eu me fiz pequena, eu mantive minha cabeça baixa. Mas não foi o suficiente para você deixar Taryn e eu em paz, então não vou mais fazer isso. “Vou continuar desafiando você. Eu vou envergonhar você com meu desafio. Você me lembra que eu sou uma mera mortal e você é um príncipe das fadas. Bem, deixe-me lembrá-lo que significa que você tem muito a perder e eu não tenho nada. Você pode ganhar no final, você pode me convencer e me machucar e me humilhar, mas eu vou me certificar de que você perca tudo que eu posso tirar de você no caminho. Eu prometo a isso a você ” - eu lanço suas próprias palavras de volta para ele -“ isso é o mínimo do que eu posso fazer ”. Cardan olha para mim como se nunca tivesse me visto antes. Ele olha para mim como se ninguém nunca tivesse falado com ele assim. Talvez ninguém tenha. Eu me viro e começo a andar, meio esperando que Cardan pegue meu ombro e me jogue no chão, meio esperando que ele encontre o colar de bagas de rowan na minha garganta, arranque-o e fale as palavras que me farão rastejar de volta para ele, implorando apesar de toda a minha grande conversa. Mas ele não diz nada. Eu sinto seu olhar nas minhas costas, picando os cabelos do meu pescoço. É tudo que posso fazer para não correr. Não me atrevo a olhar para Taryn e Locke, mas vislumbro Nicassia me encarando boquiaberta. Valerian parece furiosa, suas mãos em punhos ao seu lado em raiva muda. Eu passo pelas barracas do torneio para uma fonte de pedra, onde eu espirro meu rosto com água. Eu me abaixei, começando a limpar o cascalho dos meus joelhos. Minhas pernas estão rígidas e eu estou tremendo toda. "Você está bem?" Locke pergunta, olhando para baixo com seus olhos rapos alourados. Eu nem o ouvi atrás de mim.


Eu não estou. Eu não estou bem, mas ele não pode saber disso, e ele não deveria estar perguntando. "Poque você se importa?" Eu digo, cuspindo as palavras. A maneira como ele está olhando para mim me faz sentir mais patética do que nunca. Ele se inclina contra a fonte, deixando um sorriso lento e preguiçoso crescer em sua boca. "É engraçado, isso é tudo." "Engraçado?" Eu ecoo, furiosa. "Você acha que foi engraçado?" Ele balança a cabeça, ainda sorrindo. "Não. É engraçado como ele fica perto de você. No começo, não tenho certeza se o ouvi direito. Quase pergunto de quem ele está falando, porque não consigo acreditar que ele esteja admitindo que o Cardan alto e poderoso é afetado por qualquer coisa. "Como uma lasca?" Eu digo. “De ferro. Ninguém mais o incomoda do jeito que você faz. ”Ele pega uma toalha e molha, depois se ajoelha ao meu lado e limpa cuidadosamente o meu rosto. Eu respiro quando o pano frio toca a parte sensível do meu olho, mas ele é muito mais gentil do que eu mesma teria sido. Seu rosto é solene e focado no que ele está fazendo. Ele parece não notar meu estudo dele, seu rosto comprido e seu queixo afiado, seus cabelos castanho-avermelhados ondulados, o jeito que seus cílios captam a luz. Então ele percebe. Ele está olhando para mim, e eu estou olhando para ele, e é a coisa mais estranha, porque eu pensei que Locke nunca iria notar alguém como eu. Ele está percebendo, no entanto. Ele está sorrindo como ele fez naquela noite no tribunal, como se nós compartilhássemos um segredo. Ele está sorrindo como se estivéssemos compartilhando outro. "Continue assim", diz ele. Eu me pergunto com essas palavras. Ele pode realmente dizer isso? Enquanto faço meu caminho de volta para o torneio e minhas irmãs, não consigo parar de pensar no rosto chocado de Cardan, nem posso deixar de considerar o sorriso de Locke. Não tenho certeza de qual é mais emocionante


e mais perigoso.


O resto do Torneio de Verão passa em um borrão. Os espadachins enfrentamse um contra o outro em combate único, lutando pela honra de impressionar o rei supremo e sua corte. Ogros e foxkin, goblins e gwyllions, todos envolvidos na dança mortal da batalha. Depois de algumas rodadas, Vivi nos empurra para a multidão para comprar mais espetos de frutas. Eu continuo tentando olhas nos olhos de Taryn, mas ela não permite. Eu quero saber se ela está com raiva. Eu quero perguntar o que Locke disse a ela quando eles estavam juntos, embora esse pudesse ser o tipo exato de pergunta que ela proibiria. Mas a conversa com Locke não poderia ter sido do tipo humilhante, do tipo que ela tenta fingir, não é? Não quando ele praticamente me disse que gostava de Cardan abalado. O que me faz pensar na outra pergunta que não posso fazer a Taryn. "Sobre o que Cardan falou sobre 'vesti-la de verde'. Fadas não podem mentir. Cardan não poderia ter dito se não acreditasse que fosse verdade - mas por que ele pensaria isso? Vivi bate seu espeto contra o meu, me tirando do meu devaneio. "Para a


nossa inteligente Jude, que fez o povo se lembrar por que eles ficam em seus carrinhos e colinas, por medo da ferocidade mortal." Um homem alto, com orelhas de coelho e cabelos castanho-amarelados, virase para dar a Vivi um olhar raivoso. Ela sorri para ele. Balanço a cabeça, satisfeita, mesmo que seja um exagero. Mesmo se eu não impressionasse ninguém além dela. " Jude foi tudo, menos inteligente.", diz Taryn em voz baixa. Eu me viro para ela, mas ela se afastou.

Quando voltamos para a arena, a Princesa Rhyia está se preparando para o ataque. Ela segura uma espada fina, muito parecida com um alfinete comprido, e apunhala o ar vazio em preparação para um oponente. Seus dois amantes gritam encorajamentos. Cardan ressurgiu na tenda real, usando linho branco solto e uma coroa de flores de rosas. Ele ignora o Grande Rei e o Príncipe Dain e cai em uma cadeira ao lado do Príncipe Balekin, com quem ele troca algumas palavras afiadas que desejo que estivesse perto o suficiente para ouvir. A Princesa Caelia chegou para a luta de sua irmã e aplaude descontroladamente quando Rhyia entra no trevo. Madoc não retorna. Eu fico sozinha. Vivi sai com Rhyia depois que ela vence sua luta - elas vão caçar na floresta próxima. Taryn concorda em acompanhá-las, mas eu estou muito cansada, muito dolorida e muito nervosa. Na cozinha da casa de Madoc, eu derreto queijo no fogo e espalho no pão. Sentada na varanda com isso e uma caneca de chá, vejo o sol se pôr enquanto como meu almoço. O


cozinheiro, um trow chamado Wattle, me ignora e continua magizando as pastinacas para se cortar. Quando termino, escovo migalhas do rosto e vou para o meu quarto. Gnarbone, um servo com orelhas compridas e uma cauda que se arrasta no chão, para no corredor quando ele me vê. Ele está carregando uma bandeja de xícaras de bolota de tamanho dedal e um decantador prateado do que cheira a vinho de amora-preta em suas grandes mãos com garras. Sua farda está bem apertada em seu peito e pedaços de pele saem das aberturas. "Oh, você está em casa", diz ele, um grunhido em sua voz que o faz parecer ameaçador, não importa quão benignas as palavras que ele fala. Apesar de tudo, não consigo deixar de pensar no guarda que mordeu a ponta do meu dedo. Os dentes de espinha de bico poderiam arrancar minha mão inteira. Eu concordo. "O príncipe está solicitando lá embaixo." Cardan, aqui? Meu batimento cardíaco acelera. Eu não posso recuar. "Onde?" Gnarbone parece surpreso com a minha reação. “No escritório de Madoc. Eu estava apenas trazendo-lhe isso ..." Eu pego a bandeja de suas mãos e desço as escadas, com a intenção de me livrar de Cardan o mais rápido que eu puder, de qualquer maneira que eu puder. A última coisa que preciso é que Madoc ouça meu desrespeito e decida que nunca pertencerei ao tribunal. Ele é um servo da linha Greenbriar, jurado como qualquer um. Ele não gostaria que eu estivesse em conflito nem com o menor dos príncipes. Eu desço as escadas e chuto a porta do escritório de Madoc. A maçaneta bate em uma estante de livros enquanto eu passo pela sala, puxando a bandeja com força suficiente para fazer as xícaras dançarem. O príncipe Dain tem vários livros abertos na mesa da biblioteca à sua frente.


Cachos dourados caem sobre os olhos, e o colarinho do gibão azul-claro está aberto, mostrando um forte torque de prata em sua garganta. Eu paro, ciente do erro colossal que cometi. Ele levanta ambas as sobrancelhas. “Jude. Eu não esperava que você estivesse com tanta pressa." Eu afundo em um arco baixo e espero que ele pense que sou apenas desajeitada. O medo me atormenta, afiado e repentino. Cardan poderia tê-lo enviado? Ele está aqui para me punir por minha insolência? Não consigo pensar em outra razão para que o honrado príncipe Dain, que em breve seria o governante de Faerie, perguntasse por mim. "Uh", eu digo, o pânico tropeçando na minha língua. Com alívio, lembro da bandeja e indico o decantador. "Aqui. Isto é para você, meu senhor." Ele pega uma xicara e derrama um pouco do líquido preto espesso dentro. "Você vai beber comigo?" Eu balanço minha cabeça, me sentindo completamente fora de mim. "Vai direto para a minha cabeça." Isso o faz rir. "Bem, então, me faça companhia por um tempo." "Claro." Isso, eu não posso recusar. Descendo em um braço de uma das cadeiras de couro verde, sinto meu coração bater com força. "Posso te oferecer mais alguma coisa?" Eu pergunto, não sei como proceder. Ele levanta sua xícara, como se estivesse em saudação. “Eu tenho refrescamento suficiente. O que eu preciso é ter uma conversa. Talvez você possa me dizer o que fez você invadir aqui. Quem você achou que eu era?" "Ninguém", eu digo rapidamente. Meu polegar esfrega sobre o meu dedo anelar, sobre a pele lisa da ponta que falta. Ele se endireita, como se eu fosse de repente muito mais interessante. "Eu pensei que talvez um dos meus irmãos estivesse incomodando você." Eu sacudo minha cabeça. "Nada como isso."


"É chocante", diz ele, como se estivesse me dando um grande elogio. “Eu sei que os humanos podem mentir, mas assistir você é incrível. Faça isso novamente." Eu sinto meu calor no rosto. "Eu não estava ... eu ..." "Faça de novo", ele repete suavemente. "Não tenha medo." Só um tolo não teria, apesar de suas palavras. O Príncipe Dain veio aqui quando Madoc não estava em casa. Ele pediu por mim especificamente. Ele insinuou que ele sabia sobre Cardan - talvez ele tenha assistido a cena depois da guerra simulada, Cardan sacudindo minha cabeça pela minha trança. Mas o que Dain quer? Eu estou respirando muito superficialmente, muito rápido. Dain, prestes a ser coroado o Alto Rei, tem o poder de me conceder um lugar na Corte, o poder de contradizer Madoc e me tornar um cavaleiro. Se eu pudesse impressioná-lo, ele poderia me dar tudo o que eu quero. Tudo que eu pensei ter perdido Eu me levanto e olho para o cinza prateado de seus olhos. “Meu nome é Jude Duarte. Eu nasci em 13 de novembro de 2001. Minha cor favorita é verde. Eu gosto de nevoeiro e tristes baladas e passas cobertas de chocolate. Eu não sei nadar Agora me diga, qual parte era a mentira? Eu menti em tudo? Porque o que é ótimo em mentir é o não saber." Eu percebo abruptamente que ele não pode tomar qualquer promessa particularmente a sério de mim depois desse pequeno desempenho. Ele parece satisfeito, sorrindo para mim como se tivesse encontrado um rubi áspero no chão. "Agora", diz ele, "diga-me como seu pai usa esse seu pequeno talento ." Eu pisco, confusa. "Mesmo? Ele não usa? Que vergonha." O príncipe inclina a cabeça para me estudar. “Diga-me com o que você sonha, Jude Duarte, se esse é seu verdadeiro nome. Me diga o que você quer."


Meu coração martela no meu peito e eu me sinto um pouco tonta. Certamente não pode ser tão fácil. Príncipe Dain, que em breve será o Grande Rei de todas as Fadas, perguntando o que eu quero. Eu mal ouso responder, e ainda assim devo. "Eu, eu quero ser seu cavaleiro", eu gaguejo. Suas sobrancelhas sobem. "Inesperado", diz ele. “E agradável. O quê mais?" "Eu não entendo." Eu torço minhas mãos juntas para que ele não possa ver como elas estão tremendo. “O desejo é uma coisa estranha. Assim que é saciado, se apaga. Se recebermos fio de ouro, desejamos a agulha de ouro. E assim, Jude Duarte, estou perguntando o que você gostaria de fazer se eu a torna-se parte de meu Circulo. ” "Protege-lo. Servi-lo", eu digo, ainda confusa. "Quero prometer minha espada à coroa." Ele foge da minha resposta. “Não, me diga o que você quer. Peça-me alguma coisa. Algo que você nunca perguntou de ninguém." Desejo ser imortal, penso eu, e depois fico horrorizada comigo mesma. Eu não quero isso, especialmente porque não há como conseguir. Eu nunca serei parte desse Povo Eu respiro fundo. Se eu pudesse pedir qualquer benefício, qual seria? Eu entendo o perigo, claro. Uma vez que eu diga a ele, ele tentará fazer uma barganha, e as barganhas das fadas raramente favorecem o mortal. Mas o potencial para o poder oscila diante de mim. Meus pensamentos vão para o colar na minha garganta, a picada da minha própria palma contra a minha bochecha, o som da risada de Oak. Eu penso em Cardan: Veja o que podemos fazer com algumas palavras? Podemos encantá-lo a correr de quatro, latindo como um cachorro. Podemos te amaldiçoar para desaparecer por falta de uma música que você nunca mais ouvirá ou uma palavra gentil dos meus lábios.


"Quero ser imune a encantamentos", eu digo, tentando me deixar imóvel. Tentando não se mexer. Eu quero parecer uma pessoa séria que faz barganhas sérias. Ele me observa com firmeza. “Você já tem a visão verdadeira, dada a você quando era uma criança. Certamente você entende nossos caminhos. Você conhece os encantos. Salgue nossa comida e você destrói qualquer glamour nela. Vire suas meias do avesso e você nunca se verá enfeitiçada. Mantenha seus bolsos cheios de bagas secas e sua mente não será influenciada. ” Os últimos dias mostraram-me quão insuficientes são essas proteções. “O que acontece quando eles esvaziam meus bolsos? O que acontece quando eles rasgam minhas meias? O que acontece quando eles espalham meu sal na sujeira? Ele me observa pensativamente. "Aproxime-se, criança", diz ele. Eu hesito. De tudo que observei do príncipe Dain, ele sempre pareceu uma criatura de honra. Mas o que observei é dolorosamente pequeno. "Venha agora, se você vai me servir, você deve confiar em mim." Ele está inclinado para a frente na cadeira. Eu noto os pequenos chifres logo acima de sua testa, separando seu cabelo em ambos os lados de seu rosto real. Percebo a força em seus braços e o anel de sinete brilhando em uma mão de dedos longos, esculpida com o símbolo da linha Greenbriar. Eu deslizo do braço da cadeira e caminho até onde ele está sentado. Eu me forço a falar. "Eu não pretendia ser desrespeitosa." Ele toca uma contusão na minha bochecha, uma que eu não percebi que estava lá. Eu recuo, mas não me afasto dele. “Cardan é uma criança mimada. É bem conhecido no Tribunal que ele desperdiça sua linhagem em bebida e disputas mesquinhas. Não, não se preocupe em se opor a ele. Eu não me movo. Eu me pergunto como foi que Gnarbone veio me dizer apenas que um príncipe estava me esperando lá embaixo, mas não qual


príncipe. Eu me pergunto se Dain disse a ele para me dar essa mensagem específica. Um estrategista bem experiente aguarda a oportunidade certa. “Apesar de sermos irmãos, somos muito diferentes um do outro. Eu nunca serei cruel com você para se deliciar com isso. Se você se jurar ao meu serviço, você será recompensada. Mas o que eu quero é que você não seja cavaleiro." Meu coração afunda. Era bom demais acreditar que um príncipe de Faerie tinha aparecido para realizar todos os meus sonhos, mas foi bom enquanto durou. "Então o que você quer?" “Nada que você ainda não tenha oferecido. Você queria me dar seu juramento e sua espada. Eu aceito. Eu preciso de alguém que possa mentir, alguém com ambição. Um Espião para mim. Junte-se ao meu Tribunal das Sombras. Eu posso te fazer poderosa além do que você poderia esperar. Não é fácil para os humanos estarem aqui conosco. Mas eu poderia facilitar para você." Eu me permito afundar em uma cadeira. Parece um pouco como esperar uma proposta de casamento, apenas para ser oferecido o papel de amante. Uma espiã. Uma espreitadela. Uma mentirosa e uma ladrã. Claro que é o que ele pensa de mim, dos mortais. Claro que é para isso que ele acha que eu sou boa. Eu considero os espiões que eu vi, como a figura de nariz salpicado e corcunda com a qual Madoc às vezes consulta, ou uma figura sombria, coberta de cinza, cujo rosto eu nunca consegui detectar. Todos os membros da realeza provavelmente os têm, mas sem dúvida parte de sua habilidade está tão bem escondidos quanto eles estão. E eu estaria bem escondida, de fato, escondida à vista de todos. "Talvez não seja o futuro que você imaginou para si mesma", diz o príncipe Dain. “Nenhuma armadura brilhante ou cavalgando para a batalha, mas eu prometo a você que uma vez que eu seja o Grande Rei, se você servir bem, você será capaz de fazer o que quiser, pois quem pode contradizer o Alto Rei? E eu vou colocar uma pedra em você, uma proteção contra encantamento..


Isso é muito mais do que normalmente o que é dado aos mortais em troca de seu serviços, ele concede poder de concessão, com uma exceção de pontapé que surge quando você menos espera. Tipo, você é invulnerável, exceto por uma flecha feita do cerne de um espinheiro, que por acaso é exatamente o tipo de flecha que seu pior inimigo favorece. Ou você ganhará todas as batalhas em que estiver, mas não poderá recusar convites para jantar, então, se alguém convidar você para jantar logo antes de uma batalha, você não será capaz de aparecer nessa luta. . Basicamente, como tudo sobre Faerie, espiões são incríveis, e também são ruins. No entanto, parece que é isso que esta me sendo oferecido. "Uma espiã", eu ecoo. Seu sorriso se alarga e, depois de um momento, sei por quê. Eu não disse não. O que significa que estou pensando em dizer sim. “Nenhum motivo pode salvar você dos efeitos de nossas frutas e venenos. Pense com cuidado. Eu poderia conceder-lhe o poder de encantar todos os que olhavam para você. Eu poderia te dar um ponto aí mesmo. ”Ele toca minha testa. “E qualquer um que visse seria atingido com amor. Eu poderia te dar uma lâmina mágica que corta a luz das estrelas. "Eu não quero ser controlada", eu digo, minha voz um sussurro. Eu não posso acreditar que estou dizendo isso em voz alta para ele. Eu não posso acreditar que estou fazendo isso. “Magicamente, quero dizer. Me dê isso e eu vou cuidar do resto." Ele acena uma vez. "Então você aceita." É assustador ter uma escolha como essa na minha frente, uma escolha que muda todas as escolhas futuras. Eu quero poder. E esta é uma oportunidade para isso, uma oportunidade terrível e ligeiramente insultante. Mas também é intrigante. Eu teria sido uma boa cavaleiro? Eu não tenho nenhuma maneira de saber. Talvez eu teria odiado isso. Talvez isso significasse ficar de armadura e ir em buscas aborrecidas. Talvez significasse lutar contra pessoas de quem gostasse. Eu aceno e espero que eu faça um bom espião.


O Príncipe Dain se levanta e toca meu ombro. Eu sinto o choque do contato, como uma faísca de estática. “Jude Duarte, filha de barro, deste dia em diante nenhum glamour das fadas vai adensar sua mente. Nenhum encantamento moverá seu corpo contra sua vontade. " "Agora ninguém será capaz de controlá-la", diz ele, e depois faz uma pausa por um momento. "Exceto para mim." Eu respiro fundo. Claro que há uma picada na cauda desta barganha. Eu não posso nem ficar com raiva dele; Eu deveria ter adivinhado. E ainda assim, ainda é emocionante ter qualquer proteção. O príncipe Dain é apenas uma fada, e ele viu algo em mim, algo que Madoc não veria, algo que eu ansiava por ter reconhecido. Naquele momento, me ajoelho no antigo tapete do escritório de Madoc e juro lealdade ao Príncipe Dain.


A noite toda, enquanto sento no jantar, tenho consciência do segredo que tenho. Faz-me sentir, pela primeira vez, como se tivesse um poder próprio, um poder que Madoc não pode tirar de mim. Mesmo pensando nisso por muito tempo - eu sou uma espiã! Eu sou a espiã do príncipe Dain! - me dá uma emoção. Comemos pequenos pássaros recheados de cevada e rampas selvagens, com peles crepitantes de gordura e mel. Oriana delicadamente separa a dela. Oak mastiga a pele. Madoc não se preocupa em separar a carne, come ossos e tudo. Eu cutuco as pastilhas cozidas. Embora Taryn esteja na mesa, Vivi não retornou. Eu suspeito que caçar com Rhyia era um ardil e que ela foi para o mundo mortal depois de um breve passeio pela floresta. Eu me pergunto se ela comeu o jantar com a família de Heather. "Você foi bem no torneio", diz Madoc entre as mordidas. Eu não apoto que ele saiu antes do final. Ele não poderia ter ficado muito impressionado. Eu nem tenho certeza do quanto ele realmente viu. "Isso significa que você mudou de ideia?" Algo na minha voz o faz parar de mastigar e me olha com os olhos apertados.


"Sobre knighthood", ele pergunta. "Não. Assim que houver um novo rei supremo em ação, discutiremos seu futuro ”. Minha boca se curva em um sorriso secreto. "Como quiser." Saindo da mesa, Taryn observa Oriana e tenta copiar seus movimentos com o passarinho. Ela não parece ter vontade de falar comigo Mas ela não pode me impedir de segui-la até o quarto dela quando terminarmos.

>

"Olha", eu digo na escada. "Eu tentei fazer o que você queria, mas eu não consegui, e eu não quero que você me odeie por isso. É a minha vida." Ela se vira. "Sua vida para desperdiçar?" "Sim", eu digo quando chegamos ao patamar. Não posso contar a ela sobre o príncipe Dain, mas, mesmo que pudesse, não tenho certeza se isso ajudaria. Eu não tenho certeza se ela também aprovaria isso. “Nossas vidas são a única coisa real que temos, nossa única moeda. Nós conseguimos comprar o que queremos com elas ”. Taryn revira os olhos. Sua voz é ácida. "Isso não é bonito? Você mesma inventou? "Qual é o problema com você?" Eu exijo. Ela sacode a cabeça. "Nada. Nada. Talvez seja melhor se eu pensasse do mesmo jeito que você. Não importa, Jude. Você realmente foi bem." "Obrigado", eu digo, franzindo a testa em confusão. Eu me pergunto novamente sobre as palavras de Cardan sobre ela, mas eu não quero repeti-las e fazê-la se sentir mal. "Então você já se apaixonou?" Eu pergunto.


Toda a minha pergunta me pega é um olhar estranho. "Eu vou ficar em casa amanhã", diz Taryn. "Eu acho que é a sua vida para desperdiçar, mas eu não tenho que assistir." *** Meus pés se sentem como chumbo quando eu faço meu caminho para o palácio, sobre o chão coberto com maçãs inesperadas, seu perfume dourado soprando no ar. Eu estou usando um vestido preto longo com punhos de ouro e um laço de trança verde, um favorito confortável. Os pássaros trinos acima de mim, me fazendo sorrir. Eu me deixo ter uma breve fantasia da coroação do príncipe Dain, de mim dançando com um sorridente Locke enquanto Cardan é arrastado e jogado em uma masmorra escura. Um flash de branco me tira dos meus pensamentos. É um cervo branco, parado a menos de três metros de onde eu estou. Seus chifres estão enroscados com algumas teias de aranha finas, e seu casaco é um branco tão brilhante que parece prateado à luz da tarde. Nós nos olhamos por um longo momento, antes que ele corra na direção do palácio, levando minha respiração com ele. Eu decido acreditar que isso é um bom presságio. E, pelo menos no começo, parece ser. As turmas não são muito ruins. Noggle, nosso instrutor, é um velho, mas estranho, Darrig de cima para o norte, com sobrancelhas enormes, uma barba comprida na qual ele ocasionalmente enfia canetas ou pedaços de papel e uma tendência a tagarelar sobre tempestades de meteoros e seus significados. À medida que a tarde se transforma em noite, ele nos faz contar estrelas cadentes, o que é uma tarefa monótona, mas relaxante. Eu deito no meu cobertor e olho para o céu noturno. A única desvantagem é que é difícil para eu anotar números no escuro. Normalmente, orbes brilhantes pendem das árvores ou grandes concentrações de vaga-lumes iluminam nossas lições. Eu carrego tocos extras de velas para quando até isso está muito escuro, já que a visão humana não é tão aguçada quanto a deles, mas eu não tenho permissão


para iluminá-los quando estudamos as estrelas. Eu tento escrever de forma legível e não colocar tinta nos dedos. "Lembre-se", diz Noggle, "eventos celestes incomuns muitas vezes pressagiam mudanças políticas importantes, portanto, com um novo rei no horizonte, é importante observarmos os sinais cuidadosamente". Algumas risadas surgem da escuridão. "Nicasia", diz nosso instrutor. "Existe alguma dificuldade?" Sua voz altiva não se arrepende. "Nenhuma mesmo." “Agora, o que você pode me dizer sobre as estrelas cadentes? Qual seria o significado de uma chuva deles na última hora de uma noite? "Uma dúzia de nascimentos", diz Nicasia, o que é errado o suficiente para me fazer estremecer. "Mortes", digo em voz baixa. Noggle me ouve, infelizmente. “Muito bem, Jude. Fico feliz que alguém esteja prestando atenção. Agora, quem gostaria de me dizer quando essas mortes são mais prováveis ​de ocorrer? Não há sentido em minha retração, não quando fiz uma declaração de que iria envergonhar Cardan com minha grandeza. É melhor eu começar a ser ótima. "Depende de qual das constelações eles passaram e em que direção as estrelas caíram", eu digo. Na metade da resposta, sinto que minha garganta vai fechar. De repente, estou feliz pelo escuro, então não preciso ver a expressão de Cardan. Ou o de Nicasia. "Excelente", diz Noggle. “É por isso que nossas anotações devem ser completas. Continuando!" "Isso é monótono", ouço valeriana. “A profecia é para bruxas e gente pequena. Deveríamos estar aprendendo coisas de um aspecto mais nobre. Se eu vou passar uma noite nas minhas costas, então eu gostaria de ter uma lição de amor. ”


Alguns dos outros riem. "Muito bem" disse Noggle. "Diga-me que evento pode sugerir sucesso no amor?" "Uma menina tirando o vestido", diz ele a mais risadas. "Elga?" Noggle chama uma garota com cabelos prateados e uma risada como vidro quebrando. “Você pode responder por ele? Talvez ele tenha tido tão pouco sucesso no amor que ele realmente não sabe. Ela começa a gaguejar. Suspeito que ela sabe a resposta, mas não quer cortejar a ira de Valerian. "Devo perguntar a Jude de novo?" Noggle pergunta com malícia. “Ou talvez Cardan. Por que você não nos conta? "Não", diz ele. "O que foi isso?" Noggle pergunta. Quando Cardan fala, sua voz soa com autoridade sinistra. “É como diz Valerian. Esta lição é chata. Você acenderá as lâmpadas e começará outra mais digna. Noggle faz uma pausa por um longo momento. "Sim, meu príncipe", diz ele finalmente, e todos os globos ao nosso redor se iluminam. Eu pisco várias vezes enquanto meus olhos tentam se ajustar. Eu me pergunto se Cardan já teve que fazer qualquer coisa que ele não queria. Acho que não é surpresa que ele sonhe durante as palestras. Nenhuma surpresa que ele uma vez, bêbado , montou um cavalo pela grama enquanto nós estávamos tendo aulas, enquanto pisoteando cobertores e livros e fazendo todo o mundo que se esforça para sair da frente dele antes de se atingido. Ele pode mudar nosso currículo por capricho. Como algo pode importar para alguém assim? "A visão dela é tão ruim", diz Nicasia, e percebo que ela está em cima de mim. Ela tem meu caderno e acena para todos verem meus rabiscos. “Pobre,


pobre, Jude. É tão difícil superar tantas desvantagens ”. Há tinta em todos os meus dedos e nos punhos dourados do meu vestido. Do outro lado do bosque, Cardan está conversando com Valerian. Apenas Locke está nos observando, sua expressão perturbada. Noggle está folheando uma pilha de livros espessos e empoeirados, provavelmente tentando encontrar uma lição que Cardan goste. "Desculpe se você não consegue ler minha caligrafia", eu digo, pegando o caderno. A página rasga, deixando a maior parte do trabalho da minha noite destruída. "Mas isso não é exatamente minha desvantagem." Nicasia me bate na cara. Eu tropeço, chocada, de repente em um joelho, mal me pegando antes de eu me esparramar. Minha bochecha está quente, ardendo. Minha cabeça doi. "Você não pode fazer isso", eu digo para ela sem sentido. Eu pensei que entendia como esse jogo funcionava. Eu pensei errado. "Eu posso fazer o que quiser", ela me informa, ainda altiva. Nossos colegas de classe olham fixamente. Elga tem uma mão delicada na boca. Cardan olha, e posso dizer pela expressão dele que ela não conseguiu agradá-lo. O constrangimento começa a rastejar sobre o rosto de Nicasia. Desde que eu estive entre eles, havia linhas que eles não cruzavam. Quando nos empurraram para o rio, ninguém testemunhou isso. Para melhor ou pior, faço parte do lar do general e sob a proteção de Madoc. Cardan poderia ousar atravessá-lo, mas eu achava que os outros pelo menos manteriam em segredo. Eu pareço ter irritado Nicasia por parecer não me importar. Eu me escovo. “Você está me provocando? Porque então é meu direito revidar.” Como eu adoraria derrubá-la. Ela percebe o que minha pergunta realmente exige uma resposta. Eu posso ser menor do que o chão, mas isso não a absolve de obrigações para sua própria honra.


Com o canto do meu olho, vejo Cardan vindo em nossa direção. A antecipação nervosa mistura-se com pavor. Do outro lado, Valerian bate no meu ombro. Eu dou um passo para longe dele, mas não rápido o suficiente para evitar ser assaltado pelo cheiro de frutas maduras. Acima de nós, na cúpula negra da noite, sete estrelas caem, cruzando gloriosamente o céu antes de se esvair. Eu olho para cima automaticamente, tarde demais para ter visto o caminho preciso deles. "Alguém notou isso?" Noggle começa a gritar, procurando uma caneta na barba. “Este é o evento celestial pelo qual esperamos! Alguém deve ter visto o ponto de origem exato. Rapidamente! Defina tudo o que puder lembrar. ” Só então, enquanto estou olhando para as estrelas, Valerian empurra algo macio contra a minha boca. Uma maçã, doce e apodrecida ao mesmo tempo, suco de mel correndo sobre minha língua, sabor da luz do sol e pura alegria inebriante e estúpida. Faerie fruit, que confunde a mente, o que faz com que os humanos anseiem o suficiente para passar fome por outro sabor, o que nos torna flexíveis, sugestionáveis ​e ridículos. Os feitiços de Dain protegeram-me do encantamento, do controle de qualquer um, mas as frutas das fadas afastam você do seu próprio controle. Ah não. Oh não, não, não, não, não. Eu cuspo para fora. A maçã rola na sujeira, mas eu já posso sentir isso trabalhando em mim. Sal, eu acho, procurando a minha cesta. O sal é o que eu preciso. O sal é o antídoto. Isso vai limpar o nevoeiro na minha cabeça. N icasia vê o que eu estou indo e pega minha cesta, dançando fora do caminho, enquanto Valerian me empurra para o chão. Eu tento me arrastar para longe dele, mas ele me prende, empurrando a maçã imunda de volta para o meu rosto. "Deixe-me adoçar essa língua azeda sua", diz ele, pressionando-o para baixo.


A polpa está na minha boca e no meu nariz. Eu não posso respirar. Eu não consigo respirar.

Meus olhos estão abertos, olhando para o rosto de Valerian. Estou sufocando. Ele está me observando com uma expressão de leve curiosidade, como se estivesse ansioso para ver o que acontece a seguir. A escuridão está rastejando nas bordas da minha visão. Eu estou sufocando até a morte. A pior parte é a alegria que floresce dentro de mim da fruta, apagando o terror. Tudo é bonito. Minha visão é brilhante. Eu tento empurrar o rosto de Valerian, mas estou muito tonta para alcançá-lo. Um momento depois, isso não importa. Eu não quero machucá-lo, não quando estou tão feliz. "Faça alguma coisa!", Alguém diz, mas no meu delírio, não sei dizer quem está falando. De repente, Valerian é expulso de cima mim. Eu rolo de lado, tossindo. Cardan está aparecendo lá. Lágrimas escorrem pelo meu rosto, mas tudo o que posso fazer é deitar na terra e cuspir pedaços de polpa doce e carnuda. Eu não tenho idéia porque estou chorando. "Chega", diz Cardan. Ele tem uma expressão estranha e selvagem em seu rosto, e um músculo está pulando em sua mandíbula. Eu começo a rir. Valerian parece amotinada. "VAi arruinar minha diversão?" Por um momento, acho que eles vão lutar, embora eu não consiga pensar no porquê. Então eu vejo o que Cardan tem em sua mão. O sal da minha cesta. O antídoto (Por que eu quero isso? Eu me pergunto.) Ele joga no ar com uma risada, e eu vejo ela se espalhar com o vento. Então ele olha para Valerian, com a boca curvada. “O que há de errado com você, Valerian? Se ela morrer,


sua brincadeira acaba antes de começar. "Eu não vou morrer", eu digo, porque eu não quero que eles se preocupem. Eu me sinto bem. Eu me sinto melhor do que eu já senti em toda a minha vida. Estou feliz que o antídoto se foi. "Príncipe Cardan?" Noggle diz. "Ela deveria ser levada para casa." "Todo mundo esta tão chato hoje", diz Cardan, mas ele não parece estar entediado. Ele soa como se mal mantivesse seu temperamento sob controle. "Oh, Noggle, ela não quer ir." Nicasia vem até mim e acaricia minha bochecha. "Você me acha bonita?"

O gosto enjoativo do mel está na minha boca. Eu me sinto leve. Eu estou desenrolando. Eu estou desfraldando como um banner. "Eu gostaria de ficar", eu digo, porque aqui é maravilhoso. Porque ela é deslumbrante. Não tenho certeza se me sinto bem, mas sei que me sinto ótima. Tudo é maravilhoso. Até mesmo Cardan. Eu não gostava dele antes, mas isso parece bobo. Eu dou-lhe um sorriso largo e feliz, embora ele não sorria de volta. Eu não levo isso para o lado pessoar. Noggle se afasta de nós, murmurando alguma coisa sobre o general e tolices e príncipes tirando a cabeça dos ombros. Cardan o observa ir, mãos em punho ao lado do corpo. Um grupo de meninas cai no musgo ao meu lado. Eles estão rindo, o que me faz rir de novo também. “Eu nunca vi um mortal comer os frutos de Elfhame antes”, um deles, Flossflower, diz para outro. "Ela vai se lembrar disso?" "Será que alguém iria encantá-la a fazer o contrário", diz Locke de algum lugar atrás de mim, mas ele não parece irritado como Cardan. Ele parece legal. Eu me viro para ele e ele toca meu ombro. Eu me inclino no calor da pele dele.


Nicasia ri. "Ela não iria querer isso. O que ela gostaria é outra mordida de maçã. Minha boca está na memória. Recordo-os espalhados pelo meu caminho, dourados e brilhantes, a caminho da escola e amaldiçoo minha tolice por não ter parado de me satisfazer. “Então podemos perguntar a ela coisas?” Outra garota - Moragna - quer saber. “Coisas embaraçosas. E ela vai responder? "Por que ela deveria achar algo embaraçoso quando está entre as amigas?" diz Nicasia, olhos entreabertos. Ela parece um gato que comeu todo o creme e está pronto para uma soneca ao sol. "Qual de nós você mais gostaria de beijar?" Flossflower exige, chegando mais perto. Ela mal falou comigo antes. Estou feliz que ela queira ser minha amiga. "Eu gostaria de beijar todos vocês", eu digo, o que os faz gritar de rir. Eu sorrio para as estrelas.

"Você está usando muitas roupas", diz Nicasia, franzindo a testa para as minhas saias. “E elas estão sujas. Você deveria tirá-las. Meu vestido parece abruptamente pesado. Eu me imagino nua ao luar, minha pele tão prateada quanto as folhas acima de nós. Eu estou de pé. Tudo parece como se estivesse indo um pouco para o lado. Eu começo a tirar minhas roupas. "Você está certa", eu digo, feliz. Meu vestido desliza em uma poça de pano que eu posso facilmente sair. Eu estou usando roupas íntimas mortais - um sutiã de menta e preto com bolinhas e calcinha.


Eles estão todos olhando para mim de forma estranha, como se perguntassem onde eu estava com minha cabeça. Todos eles tão resplandecentes que o é difícil para mim olhar muito tempo sem machucar minha meus olhos. Estou consciente da suavidade do meu corpo, dos calos nas minhas mãos e do balanço dos meus seios. Estou consciente das cócegas suaves da grama debaixo dos meus pés e da terra quente. "Eu sou linda como você é?" Eu pergunto a Nicasia, genuinamente curiosa. "Não", diz ela, lançando um olhar em direção a Valerian. Ela pega algo do chão. "Você não é nada como nós." Lamento ouvir isso, mas não surpresa. Ao lado deles, qualquer um poderia ser uma sombra, um reflexo embaçado de um reflexo. Valerian aponta para o colar de rowan que balança ao redor da minha garganta, bagas vermelhas secas enfiadas em uma longa corrente de prata. "Você deveria tirar isso também." Eu aceno conspiratoriamente. "Você está certo", eu digo. "Eu não preciso mais." Nicasia sorri, segurando a coisa dourada que ela tem na mão. Os restos imundos da maçã. “Venha lamber minhas mãos limpas. Você não se importa, não é? Mas você tem que fazer isso de joelhos. Ofegantes e risonhos se espalham por nossos colegas como uma brisa. Eles querem que eu faça isso. Eu quero fazê-los felizes. Eu quero que todos sejam tão felizes quanto eu. E eu quero outro sabor da fruta. Eu começo a rastejar em direção a Nicicaia. "Não", diz Cardan, pisando na minha frente, sua voz soando e um pouco instável. Os outros recuam, dando-lhe espaço. Ele tira o sapato de couro macio e coloca um pé pálido diretamente na minha frente. “Jude virá aqui e beijará meu pé. Ela disse que queria nos beijar. E eu sou seu príncipe, afinal de contas."


Eu ri novamente. Honestamente, eu não sei porque eu ri tão raramente antes. Tudo é maravilhoso e ridículo. Olhando para o cardan, porém, algo me parece errado. Seus olhos estão brilhando com fúria e desejo e talvez até vergonha. Um momento depois, ele pisca e é apenas sua habitual arrogância fria. "Bem? Seja rápida com isso ”, diz ele, impaciente. “Beije meu pé e me diga como sou grande. Diga-me o quanto você me admira. "Chega", diz Locke bruscamente para Cardan. Ele está com as mãos nos meus ombros e está me puxando com força para os meus pés. "Eu vou levá-la para casa." "Você vai agora?" Cardan pergunta a ele, as sobrancelhas levantadas. “Momento interessante. "Você gosta do sabor de um pouco de humilhação, isso já não é demais? "Eu odeio quando você fica assim", diz Locke em voz baixa. Cardan tira um broche do casaco, uma coisa brilhante e filigrana na forma de uma bolota com uma folha de carvalho por trás. Por um momento delirante, acho que ele vai dar a Locke em troca de me deixar lá. Isso parece impossível, mesmo para minha mente selvagem. Então Cardan segura minha mão, o que parece ainda menos possível. Seus dedos estão contra a minha pele. Ele apunhala a ponta do alfinete no meu polegar. "Ow", eu digo, afastando-se dele e colocando o dedo ferido na minha boca. Meu próprio sangue é metálico contra a minha língua. "Tenha uma boa caminhada para casa", ele me diz. Locke me guia, parando para pegar o cobertor de alguém, que ele envolve em meus ombros. Fadas estão olhando para nós quando saímos do bosque, eu


tropeçando, ele me segurando. Os poucos professores que vejo não encontram o meu olhar. Eu chupo meu polegar ferido, me sentindo estranho. Minha cabeça ainda está nadando, mas não como estava. Algo está errado. Um momento depois, percebo o que. Há sal no meu sangue humano. Meu estômago se agita. Eu olho para trás, para Cardan, que está rindo com Valerian e Nicasia. Moragna está em seu braço. Outra de nossas professoras, uma mulher elfa magra de uma ilha ao leste, está tentando começar sua conversa. Eu odeio eles. Eu odeio todos eles tanto. Por um momento, há apenas isso, o calor da minha fúria transformando cada pensamento em cinzas. Com as mãos trêmulas, eu agarro o cobertor com mais força ao redor dos meus ombros e deixo Locke me levar para a floresta. "Eu te devo uma", eu digo depois de andarmos por um tempo. "Por me tirar de lá."

Ele me dá um olhar avaliador. Fico impressionada com o quão bonito ele é, pelos cachos suaves que caem ao redor de seu rosto. É horrível estar sozinha com ele, sabendo que ele me viu de calcinha e me arrastando pelo chão, mas estou com muita raiva para ter vergonha. Ele sacode a cabeça. “Você não deve nada a ninguém, Jude. Especialmente não hoje. "Como você pode suportá-los?" Eu pergunto, fúria me fazendo descontar em Locke, mesmo que ele seja o único que eu não estou com raiva. “Eles são horríveis. Eles são monstros." Ele não me responde. Nós caminhamos, e quando chego ao pedaço de maçãs, chuto um com tanta força que ele ricocheteia no tronco de um olmo. "Há um prazer em estar com eles", diz ele. “Tomando o que desejamos, entregando-se a todos os pensamentos terríveis. Há segurança em ser


horrível" . "Porque pelo menos eles não são terríveis para você?" Eu pergunto. Mais uma vez, ele não responde. Quando nos aproximamos da propriedade de Madoc, eu paro. "Eu deveria ir sozinha a partir daqui." Eu dou-lhe um sorriso que provavelmente oscila um pouco. É difícil manter isso na minha cara. "Espere", diz ele, dando um passo em minha direção. "Eu quero ver você de novo." Eu gemo, exasperada demais para ficar surpresa. Eu estou aqui em um cobertor emprestado, botas e roupas íntimas compradas no shopping. Estou suja no solo e acabei de me tornar tola. "Por quê?" Ele olha para mim como se visse algo completamente diferente. Há uma intensidade em seu olhar que me faz ficar um pouco mais ereto, apesar da sujeira. "Porque você é como uma história que ainda não aconteceu. Porque eu quero ver o que você fará. Eu quero fazer parte do desdobramento do conto. Eu não tenho certeza se isso é um elogio ou não, mas eu acho que vou aceitar.

Ele levanta minha mão - a que Cardan espetou-e beija a ponta de meus dedos “Até amanhã”, diz ele, fazendo uma reverencia. E assim, em um cobertor emprestado, botas e roupas íntimas compradas em shopping, que eu ando para casa. “Diga-me quem fez isso”, Madoc insiste, uma e outra vez, mas eu não vou. Ele pisa em volta, explicando em detalhes como ele vai encontrar as fadas responsável e destruí-los. Ele vai arrancar seus corações. Ele vai cortar a cabeça e montá-los no telhado da nossa casa como um aviso para os outros. Eu sei que não sou eu que ele está ameaçando, mas ainda e assusta quando


ele está gritando. Quando eu estou com medo, eu não posso esquecer que não importa o quão bem ele faz o papel de pai, ele vai sempre e para sempre também ser o assassino de meu pai. Eu não disse nada. Eu penso sobre como Oriana tinha medo de que Taryn fossemos comportar mal na corte e causar a Madoc constrangimento. Agora eu me pergunto se ela estava mais preocupado sobre como ele reagiria se algo acontecesse. Cortar cabeças de de Valerian e Nicasia é má política. Ferir Cardan equivale a traição. “Eu fiz isso”, digo finalmente, para fazer esta paragem. “Eu vi o fruto e parecia bom, então eu comi.” “Como você pôde ser tão tola?” Oriana diz, girando ao redor. Ela não parece surpreso; ela olha como se eu estou confirmando seus piores suspeitas. “Jude, você sabe melhor.” “Eu queria me divertir. É suposto ser divertido,”eu digo a ela, jogando a filha desobediente que todos esperam que eu seja " “Fique quieta!” Gritou Madoc, chocando-nos tanto no silêncio. "Vocês duas, quietas! ” Eu tremo involuntariamente. “Jude, pare de tentar irritár Oriana”, diz ele, dando-me um olhar exasperado não estou certo de que ele já me dado antes Ele sabe que eu estou mentindo. “E, Oriana, não seja tão ingênua.” Quando ela percebe que ele quer dizer, uma pequena mão, delicado vem para cobrir sua boca. “Quando eu descobrir quem você está protegendo”, ele me diz, “eles vão se arrepender de respirar perto de você.” “Isso não está ajudando”, eu digo, recostando-se na cadeira. Ele se ajoelha na minha frente e pega a minha mão na sua verde áspera. Ele deve ser capaz de sentir como eu estou tremendo. Ele deixa escapar um longo suspiro, provavelmente, descartando mais ameaças. “Então me diga o que vai


ajudar, Jude. Diga-me, e eu vou fazê-lo.” Eu me pergunto o que aconteceria se eu disse as palavras: Nicasia me humilhado. Valerian tentou me assassinar. Eles fizeram isso para impressionar o príncipe Cardan, que me odeia. Estou com medo deles. Estou mais medo deles do que eu de você, e você me aterrorizar. Faça-os parar. Mas eu não digo nada disso. A raiva de Madoc é insondável. Eu já vi isso no sangue da minha mãe no chão da cozinha. Uma vez convocado, ele não pode ser chamado de volta. E se ele assassinar Cardan? E se ele matar todos eles? Sua resposta para tantos problemas é derramamento de sangue. Se eles estavam mortos, seus pais iriam exigir satisfação. A ira do Grande Rei cairia sobre ele. Eu seria pior do que eu sou agora, e Madoc provavelmente seria morto. “Ensine-me mais”, eu digo vez. “Mais de estratégia. Mais bladework. Ensineme tudo o que sabe.”Príncipe Dain pode me querer para uma espiã, mas isso não significa desistir de minha espada. Madoc parece impressionado, e Oriana, irritada. Eu posso dizer que ela pensa que eu estou manipulando ele e que eu estou fazendo um bom trabalho. “Muito bem”, diz ele com um suspiro. “Tatterfell vai lhe trazer o jantar, a menos que você sente-se para se juntar a nós na mesa de jantar. Vamos começar um treinamento mais intensivo amanhã “. “Eu vou comer no andar superior”, eu digo, e subo para o meu quarto, ainda envolvida no cobertor de outra pessoa. No caminho, eu passo porta fechada de Taryn. Parte de mim quer entrar, atirar-me em sua cama, e chorar. Eu quero que ela me abrace e me diga que não havia nada que eu poderia ter feito diferente. Eu quero que ela me diga que eu sou valente e que ela me ama. Mas desde que eu tenho certeza que não é o que ela faria, eu passo direto pela


porta. Meu quarto foi arrumado enquanto eu estava fora, a minha cama feita e as minhas janelas abertas para deixar entrar o ar da noite. E ali, no pé da minha cama, é um vestido dobrado-up de homespun com a crista real que os servos dos príncipes e princesas desgaste. Sentado na varanda uma fada com cara de coruja. Ele envaidece um pouco, agitando suas penas. “Você,"eu digo. “Você é uma das his...” “Vá para Hollow Hall amanhã,” ele diz, me cortando. “Encontre-nos um segredo que o rei não vai gostar. Encontre traição.” Salão Oco. Essa é a casa de Balekin, o príncipe mais velho. Eu tenho a minha primeira tarefa do Tribunal de Sombras.


Vou dormir cedo e, quando acordo, está escuro. Minha cabeça dói - talvez de dormir por muito tempo - e meu corpo dói. Eu devo ter dormido com todos os meus músculos tensos. As palestras daquele dia já começaram. Não importa. Eu não vou. Tatterfell me deixou uma bandeja com café, temperado com canela e cravo e um pouco de pimenta. Eu sirvo um copo. É morno, o que significa que está lá há algum tempo. Também há brinde, que amolece quando eu mergulho algumas vezes. Então lavo meu rosto, que ainda está grudado de polpa, e depois o resto de mim. Eu escovo meu cabelo mais ou menos e puxo-o em um coque amarrando-o em torno de um graveto. Recuso-me a pensar sobre o que aconteceu no dia anterior. Recuso-me a pensar em algo que não seja hoje e minha missão para o príncipe Dain. Vá para o Hollow Hall. Encontre-nos um segredo que o rei não vai gostar. Encontre traição. Então, Dain quer que eu ajude a garantir que Balekin não seja escolhido para ser o próximo Grande Rei. Eldred pode escolher qualquer um de seus filhos


para o trono, mas ele favorece os três mais velhos: Balekin, Dain e Elowyn e Dain, acima dos outros. Eu me pergunto se espiões ajudam a manter assim. Se eu puder ser boa nisso, então Dain me dará poder quando ele subir ao trono. E depois de ontem, eu anseio por isso. Eu almejo isso como eu ansiava conhecer o sabor da fruta das fadas. Coloco o vestido da criada sem nenhuma das minhas roupas de baixo adquiridas no shopping para me certificar de que sou o mais autêntica possível. Para sapatos, eu tiro um par de chinelos velhos de couro da parte de trás do meu armário. Eles têm um buraco no dedão que eu tentei consertar há quase um ano, mas minhas habilidades de costura são ruins, e acabei tornando-as feias. Eles se encaixam, no entanto, e todos os meus outros sapatos são lindos demais.. Nós não temos servos humanos na propriedade de Madoc, mas eu os vi em outras partes de Faerie. Parteiras humanas para entregar bebês de consortes humanos. Artesãos humanos amaldiçoados ou abençoados com habilidade tentadora. Enfermeiras húmidas humanas para amamentar crianças de fadas doentias. Pequenos changelings humanos, criados em Faerie, mas não educados com os Gentry como nós somos. Entusiasmadores de magia alegres que não se importam com um pouco de trabalho penoso em troca de algum desejo do coração deles. Quando nossos caminhos se cruzam, tento falar com eles. Às vezes eles querem e às vezes não querem. A maioria dos não-artistas tem sido pelo menos ligeiramente encantada para suavizar suas memórias. Eles acham que estão em um hospital ou na casa de um rico. E quando voltam para casa - e Madoc me garantiu que voltam -, pagaram bem e até mesmo deram presentes, como boa sorte, cabelo brilhante ou jeito de adivinhar os números certos da loteria. Mas eu sei que há também humanos que fazem pechinchas ruins ou ofendem a fada errada e que não são tratados tão bem. Taryn e eu ouvimos coisas, mesmo que ninguém signifique para nós - histórias de humanos dormindo no chão de pedra e comendo lixo, acreditando estar descansando em colchões de penas e bebendo e comendo iguarias. Humanos drogados por fadas. Diz-se que os servos de Balekin são os últimos, mal favorecidos e maltratados.


Eu estremeço ao pensar nisso. E ainda posso ver porque um mortal faria um espião útil, além da capacidade de mentir. Um mortal pode passar por lugares baixos e altos sem muita atenção. Segurando uma harpa, somos bardos. Em casa, somos servos. Em vestidos, somos esposas de crianças goblin famintas.

Em seguida, embalo uma bolsa de couro com um turno e uma faca, coloco uma grossa capa de veludo sobre o vestido e desço as escadas. O café se agita no meu estômago. Estou quase na porta quando vejo Vivi sentada no assento da janela coberta de tapeçaria. "Você está de pé", diz ela, em pé. "Bom. Você quer atirar nas coisas? Eu tenho flechas. "Talvez mais tarde." Eu mantenho meu manto apertado em volta de mim e tento passar por ela, mantendo uma expressão suavemente feliz no meu rosto. Não funciona Seu braço dispara para me bloquear. "Taryn me contou o que você disse ao príncipe no torneio", diz ela. “E Oriana me contou como você chegou em casa ontem à noite. Eu posso adivinhar o resto." "Eu não preciso de outra palestra", eu digo a ela. Esta missão de Dain é a única coisa que me impede de ser assombrada pelo que aconteceu no dia anterior. Eu não quero perder o foco. Temo que, se o fizer, também perderei a compostura. "Taryn se sente horrível", diz Vivi. "Sim", eu digo. "Às vezes é uma droga estar certa." "Pare com isso." Ela agarra meu braço, olhando para mim com seus olhos rachados. "Você pode falar comigo. Você pode confiar em mim. O que está acontecendo?" "Nada", eu digo. "Eu cometi um erro. Eu fiquei irritada. Eu queria provar alguma coisa. Foi idiota.


"Foi por causa do que eu disse?" Seus dedos estão segurando meu braço com força. O povo vai continuar tratando você como lixo. "Vivi, não há nenhuma maneira minha decisão de atrapalhar a minha vida é sua culpa", eu digo a ela. "Mas vou fazê-los se arrepender atravessar o meu caminho." "Espere, o que você quer dizer?", Pergunta Vivi. "Eu não sei", eu digo, me libertando. Eu vou em direção à porta, e desta vez ela não me impede. Assim que saio, corro pelo gramado até os estábulos. Eu sei que não estou sendo justa com Vivi, que não fez nada. Ela só queria ajudar. Talvez eu não saiba mais como ser uma boa irmã. Nos estábulos, tenho que parar e encostar-me a uma parede enquanto respiro profundamente. Por mais da metade da minha vida, tenho lutado contra o pânico. Talvez não seja a melhor coisa para um constante chiado de nervos parecer normal, até necessário. Mas neste momento, eu não saberia viver sem isso. O mais importante é impressionar o príncipe Dain. Eu não posso deixar Cardan e seus amigos tirarem isso de mim. Para chegar ao Hollow Hall, eu decido pegar um dos sapos, já que apenas os Gentry andam em cavalos prateados. Embora um servo provavelmente não tenha uma montaria de qualquer tipo, pelo menos o sapo é menos visível. Somente em Faerieland um sapo gigante a escolha menos conspícua. Eu selo e o conduzo para a grama. Sua longa língua ataca um de seus olhos dourados, fazendo-me dar um passo involuntário para trás. Eu prendo meu pé no estribo e balanço para o banco. Com uma mão, puxo as rédeas e, com a outra, acaricio a pele macia e fria de suas costas. O sapo malhado nos lança no ar e eu seguro firme. O Hollow Hall é uma mansão de pedra com uma torre alta e torta, a coisa toda meio coberta de trepadeiras e hera. Há uma varanda no segundo andar que parece ter um trilho de raízes grossas no lugar do ferro. Uma cortina de gavinhas mais finas desce, como uma barba desgrenhada cheia de sujeira. Há


algo de errado na propriedade que deve torná-la encantadora, mas que a torna ameaçadora. Eu amarro o sapo, enfio meu manto em seus alforjes e começo andar para o lado da mansão, onde acredito que encontrarei uma porta de serviço. No caminho, paro para pegar cogumelos, então parece que eu tinha uma razão para estar na floresta. Quando chego perto, meu coração acelera de novo. Balekin não vai me machucar, digo a mim mesma. Mesmo se eu for pega, ele simplesmente me entregará a Madoc. Nada de ruim vai acontecer. Não tenho certeza se isso é verdade, mas consegui me convencer o suficiente para me aproximar da entrada dos empregados e entrar. Um corredor vai para as cozinhas, onde eu coloco os cogumelos em uma mesa ao lado de uma tira de coelhos sangrentos, uma torta de pombo, um buquê de escarpas de alho e alecrim, algumas ameixas de pele turva e dezenas de garrafas de vinho. Um troll agita um grande pote ao lado de um duende alado. E cortar legumes são dois seres humanos de faces encovadas, um menino e uma menina, ambos com pequenos sorrisos estúpidos em seus rostos e olhares vidrados nos olhos. Eles nem olham para baixo quando cortam, e eu estou surpresa que eles não cortem seus próprios dedos por acidente. Pior, se o fizessem, não tenho certeza de que eles notariam. Eu penso em como me senti ontem, e o eco da fruta das fadas vem espontaneamente em minha boca. Sinto minha garganta fechar e corro para o corredor. Eu sou parada por um guarda de olhos pálidos que agarra meu braço. Eu olho para ele, esperando que eu possa aprender que minha expressão é tão vazia, agradável e sonhadora quanto a dos mortais nas cozinhas. "Eu não vi você antes", ele me diz, fazendo uma acusação. "Você é adorável", eu digo, tentando soar admirada e um pouco confusa. "Espelhos de olhos bonitos." Ele faz um som de nojo, o que eu acho que significa que estou fazendo um bom trabalho de fingir ser um servo humano enfeitiçado, embora eu sinta que fiquei estranha e exagerando com meu nervosismo. Eu não sou tão boa em improvisar quanto eu esperava que fosse.


"Você é nova?" Ele pergunta, dizendo as palavras lentamente. "Nova?" Eu ecoo, tentando descobrir o que alguém trouxe aqui pode pensar sobre a experiência. Eu não consigo parar de lembrar o gosto doce doentio da fruta das fadas na minha língua, mas ao invés de me aprofundar no personagem, eu só quero vomitar. "Antes eu estava em outro lugar", eu deixo escapar, "mas agora eu tenho que limpar o grande salão com polonês até que cada centímetro dele brilhe." "Bem, eu acho que você deve fazer isso, então", diz ele, me deixando ir. Eu tento controlar o tremor se acumulando sob a minha pele. Eu não me lisonjeio que minha atuação o tenha convencido; ele estava convencido porque eu sou humana e ele espera que os humanos sejam servos. Mais uma vez, vejo por que o príncipe Dain achou que eu seria útil. Depois da guarda, é bem fácil se deslocar pelo Hollow Hall. Há dezenas de seres humanos à deriva em suas tarefas, perdidos em sonhos doentios. Eles cantam pequenas canções para si mesmos e sussurram palavras em voz alta, mas obviamente são apenas trechos de conversa acontecendo em seus sonhos. Seus olhos estão sombrios. Suas bocas rachadas. Não admira que o guarda pensasse que eu era nova. Além dos servos, no entanto, são as Fadas. Convidados de alguma festa que parece ter diminuído ao invés de terminado. Eles dormem em vários estados de nudez, cobertos nos sofás e entrelaçados no chão dos salões por onde passo, suas bocas manchadas de ouro, um pó dourado cintilante tão concentrado que aturde as fadas e dá aos mortais a capacidade de glamourar um ao outro. Cálices se deitam de lado, com o hidromel acumulando-se para correr sobre o piso irregular como afluentes em grandes lagos de mel. Algumas pessoas ainda estão tão preocupadas que se entregaram à morte. "Com licença", eu digo para uma garota da minha idade carregando um balde de lata. Ela passa por mim sem nem parecer notar que falei. Sem ideia do que fazer, decido seguir. Nós subimos uma larga escadaria de pedra sem trilhos. Mais três pessoas estão em um estupor dissipado ao lado de uma garrafa de espíritos do tamanho de um dedal. Acima, do outro lado do corredor, ouço um choro estranho, como alguém com dor. Algo pesado


atinge o chão. Confusa, eu tento deixar meu rosto de volta à indiferença sonhadora, mas não é fácil. Meu coração bate como um pássaro preso. A garota abre uma porta para uma suíte e eu entro atrás dela. As paredes são de pedra e penduradas sem pinturas ou tapeçarias. Uma enorme cama de meio testador ocupa a maior parte do espaço na primeira sala, o painel da cabeceira esculpido com vários animais com cabeças de mulheres e seios nus - corujas e cobras e raposas - fazendo algum tipo de dança estranha. Eu acho que não deveria me surpreender, já que Balekin lidera o círculo de Grackles. Os livros empilhados na mesa de madeira são aqueles que reconheço - os mesmos livros que Taryn e eu estudamos para nossas aulas. Estes estão espalhados, com alguns pedaços de papel espalhados sobre a madeira entre eles, ao lado de um tinteiro aberto. Um dos livros tem notações cuidadosas ao longo de um lado, enquanto o outro é coberto por manchas. Uma caneta quebrada, quebrada ao meio deliberadamente - ou pelo menos não consigo pensar em uma maneira que poderia ter acontecido que não seja deliberada - está na dobradiça do livro manchado de tinta. Nada que pareça traição. O príncipe Dain me presenteou com o uniforme, sabendo que eu poderia entrar como eu havia feito. Ele estava contando com a minha capacidade de mentir para o resto. Mas agora que estou dentro, espero que haja algo em Hollow Hall para encontrar. O que significa que não importa o quanto estou assustada, devo prestar atenção. Ao longo da parede há mais livros, alguns deles conhecidos da biblioteca de Madoc. Eu paro na frente de uma prateleira, franzindo a testa e me ajoelho. Recheado em um canto é uma cópia de um livro que eu conheço, mas não esperava ver aqui neste lugar - Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho, unidas em um volume. Mamãe leu para nós de um muito parecido no mundo mortal. Abrindo o livro, vejo as ilustrações familiares e depois as palavras: "Mas eu não quero ir entre pessoas loucas", comentou Alice. "Oh, você não pode ajudar", disse o gato: "somos todos loucos aqui. Você estou brava.


Você está louco." "Como você sabe que eu estou bravo?", Disse Alice. "Você deve estar", disse o Gato, "ou você não teria vindo aqui". Uma riso histérico ameaça subir pela minha garganta, e eu tenho que morder minha bochecha para impedir que isso aconteça. A menina humana está ajoelhada em frente a uma enorme lareira, varrendo as cinzas da lareira. Os andirons, em forma de enormes serpentes enroladas, flanqueavam-na, seus olhos de vidro prontos para brilhar com chamas acesas. Embora seja ridículo, não suporto colocar o livro de volta. Eu não vejo essa história desde que minha mãe leu na hora de dormir. Eu coloco na frente do meu vestido. Então vou ao guarda-roupa e abro-o, procurando alguma pista, alguma informação valiosa. Mas assim que olho para dentro, um pânico selvagem começa no meu peito. Tenho a certeza de em que quarto estou. Esses são os duplos e calções extravagantes do príncipe Cardan, os capelos e as camisas de seda de aranha do Prince Cardan. Varrendo cinzas na lareira, a empregada empilha madeira nova em uma pirâmide com pinho aromático para acender o fogo em cima. Eu quero empurrar por ela e fugir do Hollow Hall. Eu supus que Cardan morava no palácio com o pai, o rei supremo. Não me ocorreu que ele poderia morar com um de seus irmãos. Lembro-me de Dain e Balekin bebendo juntos na última festa da corte. Espero desesperadamente que isso não tenha sido feito para me humilhar ainda mais, para dar a Cardan outra desculpa - ou pior, oportunidade - para me punir mais. Eu não posso acreditar. O Príncipe Dain, prestes a ser coroado o Alto Rei, não tem tempo para se dedicar ao insignificante esporte de fingir que me leva a serviço dele só porque um irmão caçula quer me humilhar. Ele não iria fazer de mim uma espiã ou barganhar comigo apenas para isso. Eu devo continuar acreditando, porque a outra alternativa é horrível demais Tudo isso significa que, além do príncipe Balekin, devo evitar o príncipe Cardan no


caminho da casa. Qualquer um deles pode me reconhecer se vislumbrarem meu rosto. Tenho que ter certeza de que eles não vislumbrem. Provavelmente não vão olhar muito de perto. Ninguém olha muito de perto para os servos humanos. Percebendo que não sou tão diferente, me forço a notar o padrão de manchas na pele da garota humana e as pontas do cabelo loiro e a aspereza dos joelhos. Eu vejo como ela balança um pouco enquanto ela se levanta; seu corpo está claramente exausto, mesmo que seu cérebro não saiba disso. Se eu a vir de novo, quero saber que a reconheceria. Mas não adianta, não desfaz feitiços. Ela continua suas tarefas, sorrindo o mesmo sorriso horrível e contente. Quando ela sai da sala, eu me dirijo na direção oposta. Preciso encontrar os quartos particulares de Balekin, descobrir seus segredos e depois sair. Eu abro as portas com cuidado, olhando para dentro. Eu descubro dois quartos, ambos sob uma espessa camada de poeira, um com uma figura deitada sob uma mortalha coberta de teias de aranha na cama. Eu paro por um momento, tentando decidir se é uma estátua ou um cadáver ou até mesmo algum tipo de coisa viva, então percebo que isso não tem nada a ver com a minha missão e volto rapidamente. Eu abro outra porta para encontrar várias fadas enroscadas em uma cama, dormindo. Um deles pisca sonolentamente para mim e eu recupero o fôlego, mas ele simplesmente desaba. A sétima sala entra em um corredor com escadas subindo e subindo até o que deve ser a torre. Eu os subo rapidamente, meu coração disparado, meus sapatos de couro macios na pedra. A sala circular a que chego é revestida de estantes de livros, cheia de manuscritos, pergaminhos, adagas de ouro, finos frascos de vidro com líquidos cor de joias dentro e o crânio de uma criatura semelhante a um cervo com chifres maciços sustentando velas finas. Duas cadeiras grandes ficam perto da única janela. Há uma enorme mesa dominando o meio da sala, e nela há mapas pesados ​ nos cantos por pedaços de vidro e objetos de metal. Abaixo deles está a correspondência. Eu vasculho os papéis até chegar a esta carta: Eu conheço a origem do cogumelo que você pede, mas o que você faz com ele não deve


estar ligado a mim. Depois disso, considero minha dívida paga. Deixe o meu nome ser tirado dos seus lábios. Embora a carta não seja assinada, a escrita está em uma mão elegante e feminina. Parece importante. Poderia ser a prova que Dain está procurando? Pode ser útil o suficiente para agradá-lo? E ainda assim eu não posso aguentar isso. Se desaparecesse, Balekin saberia com certeza que alguém estivera aqui. Eu encontro uma folha de papel em branco e a pressiono sobre a nota. O mais rápido que posso, traço a carta, tentando capturar a mão exata em que foi escrita. Estou quase terminando quando ouço um som. As pessoas estão subindo as escadas. Eu entro em pânico. Não há onde se esconder. Não há praticamente nada mesmo no quarto; é principalmente espaço aberto, isentando as prateleiras. Eu dobrei a nota, sabendo que ela está inacabada, sabendo que a tinta fresca ficará manchada. O mais rápido que posso, corro debaixo de uma das grandes cadeiras de couro, me dobrando em uma bola apertada. Eu gostaria de ter deixado o livro idiota onde eu encontrei porque um canto afiado da capa está cavando na minha axila. Eu me pergunto o que eu estava pensando, acreditando que sou inteligente o suficiente para ser uma espiã em Faerieland. Eu fecho meus olhos, como se de alguma forma não ver quem está entrando na sala irá impedi-los de me ver. "Espero que você tenha praticado", diz Balekin. Meus olhos se abrem em fendas. Cardan está de pé ao lado das estantes de livros, um criado de rosto leve segurando uma espada de corte com gravura dourada ao longo do punho e asas de metal fazendo a forma do guarda. Eu tenho que morder minha língua para não fazer algum som. "Precisamos?", Pergunta Cardan. Ele parece entediado. "Mostre-me o que você aprendeu." Balekin levanta uma única equipe de um navio ao lado de sua mesa que contém uma variedade de bastões e bengalas. "Tudo o que você precisa fazer é conseguir um único golpe. Apenas um, irmãozinho."


Cardan fica parado ali. "Pegue a espada." A paciência de Balekin já está desgastada. Com um longo suspiro, Cardan levanta a lâmina. Sua postura é terrível. Eu posso ver porque Balekin está aborrecido. Certamente Cardan deve ter recebido tutores de luta desde que ele tinha idade suficiente para segurar um bastão em suas mãos. Eu fui ensinada desde o tempo que cheguei a Faerie, então ele teria anos a mais que eu, e a primeira coisa que aprendi foi onde colocar meus pés. Balekin levanta sua espada. "Agora, ataque." Por um longo momento, eles ficam parados, olhando um para o outro. Cardan balança a espada de maneira desordenada, e Balekin o derruba com força, batendo ao lado da sua cabeça. Eu estremeço ao som da madeira contra seu crânio. Cardan cambaleia para frente, mostrando os dentes. Sua bochecha e uma de suas orelhas estão vermelhas, até o ponto. "Isso é ridículo", diz Cardan, cuspindo no chão. “Por que devemos jogar esse jogo bobo? Ou você gosta desta parte? É isso que faz com que seja divertido para você? "Esgrima não é um jogo." Balekin ataca novamente. Cardan tenta pular para trás, mas a espada pega a borda da sua coxa. Cardan estremece, levantando a espada defensivamente. "Então, por que chamar de espada?" O rosto de Balekin escurece e seu aperto no punho da espada se aperta. Desta vez, ele golpeia Cardan no estômago, golpeando de repente e com força suficiente para Cardan se esparramar no chão de pedra. - Eu tentei melhorar você, mas você insiste em desperdiçar seus talentos em diversão, em estar embriagado sob o luar, em suas rivalidades impensadas e em seus romances patéticos. Cardan se levanta e corre para seu irmão, balançando sua espada


descontroladamente. Ele empunha como um inesperiente. O puro frenesi do ataque faz com que Balekin recue um passo. A técnica de Cardan finalmente aparece. Ele se torna mais deliberado, atacando de novos ângulos. Ele nunca mostrou muito interesse em esgrima na escola e, embora ele saiba o básico, eu não tenho certeza se ele pratica. Balekin o desarma sem piedade e com eficiência. A espada de Cardan voa de sua mão, atravessando o chão em minha direção. Eu volto mais fundo nas sombras da cadeira. Por um momento, acho que vou ser pega, mas o empregado é quem pega a lâmina e seu olhar não vacila. Balekin quebra sua espada contra a parte de trás das pernas de Cardan, mandando-o para o chão. Estou satisfeita. Há uma parte de mim que deseja que eu seja a única que empunha contra ele. "Não se preocupe em subir." Balekin solta o cinto e entrega ao empregado. O homem humano envolve duas vezes ao redor da palma da mão. “Você falhou no teste. Novamente." Cardan não fala. Seus olhos estão brilhando com uma raiva familiar, mas pela primeira vez não é dirigido a mim. Ele está de joelhos, mas não aparece de forma alguma intimidado. "Diga-me." A voz de Balekin ficou sedosa, e ele anda ao redor de seu irmão mais novo. "Quando você vai deixar de ser uma decepção?" "Talvez quando você parar de fingir que você não faz isso para seu próprio prazer", responde Cardan. "Se você quiser me machucar, isso nos pouparia muito tempo se você chegasse a ..." “Meu pai era velho e sua semente fraca quando ele lhe gerou. É por isso que você é fraco. Balekin coloca uma mão no pescoço do irmão. Parece afetuoso, até eu ver o recuo de Cardan, a mudança de equilíbrio. É quando percebo que Balekin está pressionando com força, prendendo Cardan no chão. "Agora, tire sua camisa e receba sua punição."


Cardan começa a tirar a camisa, mostrando uma extensão de pele pálida e um dorso com um delicado traço de cicatrizes desbotadas. Meu estômago se agita. Eu deveria estar me glorificando em ver Cardan assim. Eu deveria estar feliz que sua vida é uma droga, talvez pior do que a minha, mesmo que ele seja um príncipe das Fada e um idiota horrível e provavelmente vá viver para sempre. Se alguém tivesse me dito que eu teria a oportunidade de ver isso, eu teria pensado que a única coisa que eu teria que sufocar seria aplauso. Mas observando, não posso deixar de observar que, abaixo de seu desafio, está o medo. Eu sei o que é dizer a coisa inteligente, porque você não quer que ninguém saiba o quanto você está com medo. Isso não me faz gostar mais dele, mas pela primeira vez ele parece real. Não é bom, mas real. Balekin acena com a cabeça. O criado ataca duas vezes, o tapa do couro ecoando alto no ar parado da sala. "Eu não faço isso porque estou com raiva de você, irmão", Balekin diz a Cardan, fazendo-me estremecer. “Eu faço porque amo você. Eu faço isso porque amo nossa família. ” Quando o criado ergue o braço para atacar pela terceira vez, Cardan se lança para a lâmina, descansando na mesa de Balekin, onde o empregado a coloca. Por um momento, acho que Cardan vai fazer o homem humano passar por ele. O servo não grita nem ergue as mãos para se proteger. Talvez ele esteja muito enfeitiçado para isso. Talvez Cardan pudesse esfaqueá-lo através do coração e ele não faria uma única coisa para se defender. Eu estou fraca com horror. "Vá em frente", diz Balekin, entediado. Ele faz um gesto vago para o criado. "Mate ele. Mostre-me que você não se importa em fazer uma bagunça. Mostre-me que pelo menos você sabe como acertar um golpe mortal em um alvo tão patético quanto este. “Eu não sou um assassino”, diz Cardan, me surpreendendo. Eu não teria pensado que era algo para ele se orgulhar. Em dois passos, Balekin está na frente de seu irmão. Eles parecem tão


parecidos, de pé perto. O mesmo cabelo sujo de tinta, combinando com desdém, devorando os olhos. Mas Balekin mostra suas décadas de experiência, arrancando a espada das mãos de Cardan e derrubando-o no chão com a barra. "Então tome o seu castigo como a criatura patética que você é." Balekin acena para o empregado, que desperta da sonolência. Eu assisto cada golpe, cada recuo. Eu tenho pouca escolha. Eu posso fechar meus olhos, mas os sons são tão terríveis. E o pior de tudo é o rosto vazio de Cardan, seus olhos tão sem graça quanto o chumbo. Realmente, ele passou pela crueldade dele honestamente nos cuidados de Balekin. Ele foi levantado , instruído em suas nuances, aperfeiçoado através de sua aplicação. Por mais horrível que Cardan possa ser, agora vejo o que ele pode se tornar e estou realmente com medo.


Perturbadoramente, é ainda mais fácil entrar no Palácio de Elfhame no vestida de criada do que entrar na casa de Balekin. Todos, de duende a Gentry e o senador de Poet e Seneschal do Alto Rei, mal me dão um olhar de passagem enquanto eu encontro meu caminho desajeitada pelos corredores labirínticos. Eu não sou nada, ninguém, uma mensageiro não mais digno de atenção do uma coruja. Minha expressão agradável e plácida, combinada com o impulso para frente, me leva aos aposentos do príncipe Dain sem sequer um segundo olhar, embora eu me perca duas vezes e tenha que refazer meus passos. Eu bato na porta dele e fico aliviada quando o próprio príncipe a abre. Ele levanta as duas sobrancelhas, observando-me no vestido caseiro. Faço uma reverência formal, como qualquer empregado faria. Eu não altero minha expressão, por medo de ele não estar sozinho. "Sim?", ele pergunta. "Eu estou aqui com uma mensagem para você, Sua Alteza", eu digo, esperando que soa bem. "Eu imploro por um momento do seu tempo." "Estou sozinho", ele me diz, sorrindo. "Entre."


É um alívio relaxar meu rosto. Largo solto um sorriso insano enquanto o sigo em sua sala. Decorada com elaborados veludos, sedas e brocados, é uma profusão de azuis e verdes escarlates e profundos, tudo rico e escuro, como frutas maduras. Os padrões do material são os tipos de coisas aos quais me acostumei - tranças intrincadas de sarças, folhas que também podem ser aranhas quando você as olha de outro ângulo, e uma representação de uma caçada onde não está claro qual das criaturas está caçando a outra. Eu suspiro e me sento na cadeira que ele está apontando para mim, mexendo no meu bolso. "Aqui", eu digo, puxando a nota dobrada e alisando-a contra o topo de uma pequena mesa astuta com pés de pássaro esculpidos para as pernas. "Ele veio enquanto eu estava copiando, então esta meio que uma bagunça." Eu tinha deixado o livro roubado com o sapo; a última coisa que quero que o príncipe Dain saiba é que roubei algo para mim. Dain aperta os olhos para ver as formas das letras além das minhas manchas. "E ele não viu você?" "Ele estava distraído", eu digo com sinceridade. "Eu me escondi." Ele balança a cabeça e toca um pequeno sino, provavelmente para chamar um servo "BBom. E você gostou de fazer isso? Não sei o que fazer com essa pergunta. Eu estava com medo o tempo todo como isso seria agradável? Mas quanto mais penso nisso, mais percebo que gostei. A maior parte da minha vida é uma antecipação terrível, as aulas, com a corte. Ter medo de ser pega espionando era uma sensação inteiramente nova, uma em que eu sentia, pelo menos, como se soubesse exatamente do que ter medo. Eu sabia o que seria necessário para vencer. Esgueirar-se pela casa de Balekin foi menos assustador do que alguns festins. Pelo menos até eu ver Cardan ser espancado. Então eu senti algo que não


quero examinar muito de perto. "Eu gostei de fazer um bom trabalho", eu digo, finalmente encontrando uma resposta honesta. Isso faz com que Dain acene. Ele está prestes a me dizer mais alguma coisa quando outra fada entra na sala. Um goblin do sexo masculino, com cicatrizes, a pele do verde das lagoas. Seu nariz é longo e se contorce ao redor, antes de se voltar para o rosto como uma foice. Seu cabelo é um tufo preto no topo da cabeça. Seus olhos são ilegíveis. Ele pisca várias vezes, como se estivesse tentando se concentrar em mim.. "Eles me chamam de Barata", diz ele, sua voz melodiosa, completamente em desacordo com o rosto. Ele se curva e então inclina o lado da cabeça em direção a Dain. “Ao seu serviço. Eu acho que nós dois estamos. Você é a nova garota, certo? Eu concordo. "Eu deveria dizer-lhe o meu nome, ou eu deveria dizer algo inteligente?" O Barata sorri, o que torce todo o seu rosto ainda mais horrivelmente. “Eu devo levá-la para conhecer a trupe. E não se preocupe com o que vamos dizer para você. Nós decidimos isso por nós mesmos. Você acha que alguém em sã consciência gostaria de ser chamado de Barata? "Ótimo", eu digo, e suspiro. Ele me dá uma longa olhada. “Sim, posso ver como você é um verdadeiro talento. Não ter que dizer o que você quer dizer. Ele está vestido em uma imitação de um gibão, exceto que seu gibão é feito de pedaços de couro. Eu me pergunto o que Madoc diria se soubesse onde eu estava e com quem. Eu não acho que ele ficaria satisfeito.


Eu não acho que ele ficaria satisfeito com qualquer coisa que eu fiz hoje. Os soldados têm um tipo peculiar de honra, até mesmo aqueles que mergulham seus capuzes no sangue de seus inimigos. Esgueirar-se pelas casas e roubar papéis não esta na lusta de coisas honrraveis. Mesmo que Madoc tenha espiões, eu não acho que ele gostaria que eu fosse um deles.

"Então ele está chantageando a rainha Orlagh", diz Dain, e a Barata e eu olhamos para ele. O príncipe Dain está franzindo a testa, e de repente eu entendo - ele reconhece minha cópia da caligrafia. A mãe de Nicasia, a rainha Orlagh, deve ser a mulher que obteve veneno para Balekin. Ela escreveu que estava pagando uma dívida, apesar de conhecer Nicasia, eu acho que um pouco de grosseria não daria muita pausa a sua mãe. Mas o reino da Rainha do Submarino é vasto e poderoso. É difícil imaginar o que Balekin poderia ter sobre ela. Dain entrega minha carta para Barata. "Então você ainda acredita que ele vai usá-lo antes da coroação?" O nariz do duende treme. “Essa é a jogada inteligente. Uma vez que a coroa está na sua cabeça, nada vai tirá-la. Até aquele momento, eu não tinha certeza de para quem era o veneno. Eu abro minha boca e então mordo o lado da minha bochecha para me impedir de dizer algo tolo. Claro que deve ser para o príncipe Dain. A quem mais Balekin precisaria de algum veneno especial para matar? Se ele fosse matar pessoas comuns, provavelmente usaria algum tipo de veneno barato para pessoas comuns. Dain parece notar minha surpresa. “Nós nunca nos demos bem, meu irmão e eu. Ele sempre foi ambicioso demais para isso. E ainda assim eu esperava ... ”Ele acena com a mão ao redor, descartando o que quer que ele esteja prestes a dizer. "O veneno pode ser uma arma do covarde, mas é uma arma eficaz." "E a Princesa Elowyn?" Eu pergunto, e depois desejo poder responder à


pergunta. Veneno serve para ela também, provavelmente. A Rainha Orlagh deve ter um carrinho de compras. Desta vez, Dain não me responde. "Talvez Balekin planeje se casar com ela", diz Barata, surpreendendo a nós dois. Em nossas expressões, ele encolhe os ombros. "O que? Se ele deixar as coisas muito óbvias, ele será o próximo a ter uma faca nas costas. E ele não seria o primeiro membro da Gentry a se casar com uma irmã. ” "Se ele se casar com ela", Dain diz, rindo pela primeira vez nesta conversa, "ele vai ter uma faca na frente". Eu sempre pensei em Elowyn como a irmã gentil. Novamente, estou ciente de quão pouco eu realmente sei sobre o mundo ao qual estou tentando pertencer. "Venha", diz Barata, acenando-me para os meus pés. "É hora de conhecer os outros." Eu lancei um olhar melancólico na direção de Dain. Não quero ir com Barata, que acabei de conhecer e com quem não tenho certeza se confio. Até eu, que cresci na casa de um abrigo vermelho, tenho medo de goblins. "Antes de você ir." Dain caminha até que ele esteja diretamente na minha frente. “Eu prometi que ninguém poderia te obrigar, a não ser por mim. Eu tenho medo de ter que usar esse poder. Jude Duarte, eu te proíbo de falar em voz alta sobre o seu serviço para mim. Eu te proíbo de colocá-lo em escrita ou em música. Você nunca contará a ninguém alem de Barata. Você nunca contará a ninguém sobre nenhum dos meus espiões. Você nunca revelará seus segredos, seus locais de reunião, suas casas seguras. Enquanto eu viver, você vai obedecer isso. Eu estou usando meu colar de bagas de sorveira, mas elas não são proteção contra a magia dos Principes. Isso não é glamour regular, nem feitiçaria simples. O peso do encantamento bate em mim, e eu sei que se eu tentasse falar,


minha boca não seria capaz de formar aquelas palavras proibidas. Eu odeio isso. É um sentimento horrível e fora de controle. Isso me faz mexer em minha cabeça, tentando imaginar meu caminho em torno de seu mandamento, mas não posso. Penso no meu primeiro passeio a Faerie e no som de Taryn e Vivi chorando. Penso na expressão sombria de Madoc, queixo trincado, sem dúvida sem uso para crianças, não menos humanas. Suas orelhas devem estar tocando. Ele deve ter querido que calássemos a boca. É difícil pensar em algo bom sobre Madoc naquele momento, com o coração dos pais em suas mãos. Mas direi isso para ele - ele nunca encantou nossa dor ou tomou nossas vozes. Ele nunca fez nenhuma das coisas que poderiam ter feito a viagem mais fácil para ele. Eu tento me convencer de que o príncipe Dain está apenas fazendo a coisa mais inteligente, o necessário, para me amarrar. Mas faz minha pele arrepiar. Por um momento, não tenho certeza da minha decisão de servi-lo. "Oh", diz Dain quando estou prestes a sair. "Mais uma coisa. Você sabe o que é mithridatism? Balanço a cabeça, sem ter certeza de que estou interessada em qualquer coisa que ele tenha a dizer agora. "Olhe para ele." Ele sorri. "Isso não é um comando, apenas uma sugestão." Eu sigo Barata pelo palácio, me afastando dele alguns passos, então não parece que estamos juntos. Passamos por um general que Madoc conhece e asseguro-me de manter minha cabeça baixa. Eu não acho que ele olharia de perto o suficiente para me reconhecer, mas não tenho certeza. "Onde estamos indo?" Eu sussurro depois de vários minutos andando pelos corredores. "Só um pouquinho mais", ele diz rudemente, abrindo um armário e subindo


para dentro. Seus olhos refletem laranja, como um urso. "Bem, vamos, entre e feche a porta." "Eu não posso ver no escuro", eu lembro a ele, porque essa é uma das muitas coisas que o povo nunca lembra sobre nós. Ele resmunga. Eu entro, me dobrando firmemente para que nenhuma parte de mim o toque, e então fecho a porta do armário atrás de mim. Eu ouço o escorregador de madeira e sinto a corrente de ar frio e úmido. O cheiro de pedra molhada enche o espaço. Sua mão no meu braço é cuidadosa, mas posso sentir suas garras. Eu deixo ele me puxar para frente, permitir que ele pressione minha cabeça para que eu saiba quando me abaixar. Quando me endireito, estou em uma plataforma estreita acima do que parece ser as adegas do palácio. Meus olhos ainda estão se ajustando, mas pelo que eu vejo, há uma rede de passagens que vagam abaixo do palácio. Eu me pergunto quantas pessoas sabem sobre elas. Eu sorrio com o pensamento de ter um segredo sobre este lugar. Eu de todas as pessoas. Eu me pergunto se Madoc sabe. Eu aposto que Cardan não. Eu sorrio mais do que antes. "Você está pronto para me dizer alguma coisa?" Pergunto a Barata. "Como, para onde estamos indo ou o que vai acontecer quando chegarmos lá?" "Você vai descobrir", diz ele, o grunhido em sua voz. "Continue." "Você disse que íamos nos encontrar com os outros", digo a ele, começando com o que sei, tentando acompanhar e evitar tropeçar no chão irregular. “E o príncipe Dain me fez prometer que não revelaria nenhum local escondido, então obviamente vamos ao seu covil. Mas isso não me diz o que vamos fazer quando chegarmos lá.


"Talvez nós vamos mostrar-lhe apertos de mão secretos", diz. Ele está fazendo algo que não consigo ver, mas, um momento depois, ouço um clique - como se uma trava fosse liberada ou uma armadilha desarmada. Um leve empurrão contra as minhas costas e eu estou descendo um novo túnel ainda mais mal iluminado. Eu sei quando chegamos a uma porta porque eu ando direto para ela, para o divertimento do Barata. "Você realmente não pode ver", diz ele. Eu esfrego minha testa. "Eu te disse que não podia!" "Sim, mas você é uma mentirosa", ele me lembra. "Eu não deveria acreditar em nada do que você diz." "Por que eu iria mentir sobre algo assim?" Eu exijo, ainda irritada. Ele deixa minha pergunta pairar no ar. A resposta é óbvia - então eu poderia refazer meus passos. Então ele pode acidentalmente me mostrar algo que ele não mostraria a outra pessoa. De modo que ele seria incauto. Eu realmente preciso parar de fazer perguntas estúpidas. E talvez ele realmente precise ser menos paranóico, já que Dain depositor sua confiança em mim por um motivo , então não posso contar a ninguém, não importa o que aconteça. Roach abre a porta, e a luz invade o corredor, fazendo com que eu jogue meu braço na frente do meu rosto. Piscando, olho para o esconderijo secreto dos espiões do príncipe Dain. É terra compactada em todos os quatro lados, com paredes que se curvam para dentro e um teto arredondado. Uma grande mesa domina a sala, e sentados nela estão duas fadas que eu nunca conheci - ambas olhando para mim infelizes. "Bem-vinda", diz Barata, "ao Tribunal das Sombras".


Os outros dois membros da trupe de espiões de Dain também têm nomes de código. Há uma fada magra e bonita que parece pelo menos parte humana, que pisca e me diz para chamá-lo de Fantasma. Ele tem cabelos cor de areia, o que é normal para um mortal, mas é incomum para uma fada e orelhas que chegam a pontos muito sutis. A outra é uma menina minúscula e delicada, a pele da cor marrom malhada, o cabelo de uma nuvem branca ao redor da cabeça e um par de miniaturas de asas de borboleta cinza-azuladas nas costas. Ela tem pelo menos um pouco de duende nela, se não algum diabinho. Eu a reconheço agora da revelação da lua cheia de High King. Ela é que roubou um cinto de um ogro, armas e bolsas anexadas. "Eu sou a Bomba", diz ela. "Eu gosto de explodir coisas." Eu concordo. É o tipo de coisa franca que eu não espero que fadas digam, mas eu estou acostumada a estar perto de fadas da corte com sua etiqueta barroca. Eu não estou acostumado com as fadas solitárias. Não sei como falar com eles. "Então são apenas vocês três?"


"Quatro agora", diz a Barata. “Garantimos que o príncipe Dain permaneça vivo e bem informado sobre os feitos do tribunal. Nós roubamos, roubamos e enganamos para garantir sua coroação. E quando ele for rei, nós iremos roubar, roubar e enganar para garantir que ele permaneça no trono. ” Eu concordo. Depois de ver o que Balekin é, eu quero Dain no trono mais do que nunca. Madoc estará ao seu lado, e se eu puder me tornar útil o suficiente, talvez eles consigam tirar resto dos Gentry das minhas costas. "Você pode fazer duas coisas que o resto de nós não pode", diz o Barão. “Um, você pode se misturar com os servos humanos. Dois, você pode se mover entre os Gentry. Nós vamos ensinar-lhe alguns outros truques. Então, até você conseguir outra missão diretamente do príncipe, seu trabalho é o que eu digo que é. Eu concordo. Eu esperava algo assim. "Eu não posso sempre fugir. Eu pulei as aulas hoje, mas eu não posso fazer isso o tempo todo ou alguém vai perceber e perguntar onde eu estive. E Madoc espera que eu jante com ele e Oriana e o resto da família por volta da meia-noite. Barata olha para o Fantasma e encolhe os ombros. “Este é sempre o problema de se infiltrar no Tribunal. Muita etiqueta tomando tempo. Quando você pode fugir? "Eu poderia fugir depois da hora em que eu deveria estar na cama", eu digo a eles. "Bom o suficiente", diz Barata. “Um de nós irá encontrá-la perto da casa e treinar você ou dar-lhe tarefas. Você nem sempre precisa vir aqui, para o ninho. ” Fantasma acena com a cabeça, como se meus problemas fossem razoáveis, parte do trabalho, mas eu me sinto infantil. Eles são problemas de uma criança. "Então vamos iniciá-la", diz a Bomba, caminhando até mim. Eu prendo minha respiração. Aconteça o que acontecer, posso aguentar. Eu


tenho suportado mais do que eles podem adivinhar. Mas a Bomba só começa a rir, e a Barata lhe dá um empurrão brincalhão. Fantasma me dá um olhar simpático e balança a cabeça. Seus olhos, percebo, são uma aveleira inconstante. “Se o príncipe Dain diz que você faz parte do Tribunal das Sombras, então você é. Tente não ser muito decepcionante e nós vamos ter a sua volta. Eu soltei minha respiração. Não tenho certeza se não teria preferido alguma provação, alguma forma de me provar. Bomba faz uma careta. "Você saberá que é realmente um de nós quando receber seu nome. Não espere isso em breve. ” Fantasma vai até um armário e pega uma garrafa meio vazia de um líquido esverdeado pálido e uma pilha de copos de bolota polidos. Ele derrama quatro tiros. “Tome uma bebida. E não se preocupe ”, ele me diz. "Não vai confundir você mais do que qualquer outra bebida." Eu balancei minha cabeça, pensando na maneira que eu senti depois de ter a maçã dourada esmagada no meu rosto. Nunca quero me sentir fora de controle assim novamente. "Vou passar." Barata repele sua bebida e faz uma careta, como se a bebida estivesse queimando sua garganta. "Fique à vontade", ele consegue sufocar antes de começar a tossir. Fantasma mal estremece com o conteúdo de sua bolota. Bomba está tomando pequenos goles dela. Pela sua expressão, estou extremamente feliz por tê-la passado. "Balekin vai ser um problema", diz o Barata, explicando o que eu encontrei.


Bomba abaixa sua bolota. “Eu não gosto de tudo sobre isso. Se ele fosse para Eldred, já teria feito isso. Eu não tinha considerado que ele poderia envenenar seu pai. Fantasma estica seu corpo esguio enquanto se levanta. "Está ficando tarde. Eu deveria levar a garota para casa. "Jude", eu lembro a ele. Ele sorri. "Eu conheço um atalho." Voltamos para os túneis, segui-lo é um desafio porque, como o nome dele sugere, ele se move quase completamente em silêncio. Várias vezes, acho que ele me deixou sozinha nos túneis, mas quando estou prestes a parar de andar, ouço a mais fraca exalação de respiração ou baralha de sujeira e me convenço a prosseguir. Depois do que parece um tempo agonizantemente longo, uma porta se abre. Fantasma está em pé, e além dele está a adega de vinhos do Alto Rei. Ele faz um pequeno arco. "Este é o seu atalho?" Eu pergunto. Ele pisca. "Se algumas garrafas caírem na minha mochila quando passarmos, isso dificilmente é minha culpa, não é?" Eu forço uma risada, o som rangendo e falso nos meus ouvidos. Eu não estou acostumada com um dos Folks me incluindo suas piadas, pelo menos não fora da minha família. Eu gosto de acreditar que estou bem aqui em Faerie. Eu gosto de acreditar que, apesar de ter sido drogada e quase assassinada na escola ontem, eu posso deixar isso para trás hoje. Estou bem. Mas se eu não posso rir, talvez eu não esteja tão bem assim.


Eu mudo para o turno azul que eu coloquei na mata do lado de fora do terreno de Madoc, apesar de estar tão cansada que minhas juntas doem. Eu me pergunto se meus musculos sempre estão cansados ​assim, se eles sempre doem depois de uma longa noite. O sapo parece exausto também, embora talvez ela esteja cheia. Tanto quanto eu posso dizer, a maior parte do que ela fez hoje foi estalar a língua ao passar borboletas e um ou dois ratos. Está completamente escuro quando volto para a propriedade. As árvores estão iluminadas com minúsculos sprites, e eu vejo um Oak rindo correndo através deles, perseguido por Vivi e Taryn e - oh inferno - Locke. É desorientador vê-lo aqui, impossivelmente fora de contexto. Ele veio por minha causa? Com um grito, Oak corre, clamando os alforjes e no meu colo. "Persiga-me!", Ele grita, sem fôlego, cheio do êxtase contorcendo-se da infância. Até as fadas são jovens uma vez. Impulsivamente, eu o abraço no meu peito. Ele está quente e cheira a grama e mata profunda. Ele me deixa fazer isso por um momento, braços pequenos entrelaçados ao redor do meu pescoço, pequena cabeça com chifres batendo contra o meu peito. Então, rindo, ele desliza para baixo e para longe, lançando um olhar enlouquecido de volta para ver se eu vou seguir. Crescendo aqui, em Faerie, ele aprenderá a desprezar os mortais? Quando eu for velha e ele ainda for jovem, ele vai me desprezar também? Ele se tornará cruel como Cardan? Ele se tornará brutal como Madoc? Eu não tenho nenhuma maneira de saber. Eu saio do sapo, pé no estribo enquanto eu balanço meu corpo para baixo. Eu dou um tapinha logo acima de seu nariz e seus olhos dourados se fecham. Na verdade, ela parece um pouco como se estivesse dormindo até eu puxar as rédeas, levando-a de volta para os estábulos.


"Olá", diz Locke, correndo até mim. “Agora, para onde você poderia ter ido?” "Não é da sua conta", digo a ele, mas suavizo as palavras com um sorriso. Eu não posso evitar. “Ah! Uma dama misteriosa. Meu tipo muito favorito. ”Ele está usando um gibão verde, com fendas para mostrar sua camisa de seda por baixo. Seus olhos de raposa estão acesos. Ele parece um amante de fada que saiu de uma balada, do tipo que não é bom para a garota que foge com ele. "Espero que você considere retornar às aulas amanhã", diz ele. Vivi continua perseguindo Oak, mas Taryn parou perto de um grande olmo. Ela me observa com a mesma expressão que tinha no campo do torneio, como se, se ela se concentrar o suficiente, pode me convencer a não ofender Locke. "Você quer dizer que seus amigos sabem que eles não me perseguiram?" Eu digo. "Isso importa?" Ele olha para mim de maneira estranha. "Você está jogando o grande jogo de reis e príncipes, de rainhas e coroas, não é? Claro que importa. Tudo importa. Não sei como interpretar suas palavras. Eu não acho que estou jogando esse tipo de jogo. Eu pensei que estava jogando o jogo de chatear as pessoas que já me odiavam e arcando com as conseqüências. "Volte. Você e Taryn devem retornar. Eu disse isso a ela. ”Eu viro minha cabeça, procurando por minha irmã gêmea no quintal, mas ela não está mais no olmo. Vivi e Oak estão desaparecendo em uma colina. Talvez ela tenha ido com eles. Chegamos aos estábulos e eu devolvo o sapo ao lugar dela. Eu encho sua


estação de água de um barril no centro da sala, e uma fina névoa aparece, chovendo em sua pele macia. Os cavalos cegam e batem quando saímos. Locke assiste tudo isso em silêncio. "Posso perguntar-lhe outra coisa?" Locke diz, olhando na direção da mansão. Eu concordo. "Por que você não contou ao seu pai o que tem acontecido?" Os estábulos de Madoc são muito impressionantes. Talvez estando de pé neles, Locke se lembrou de quanto poder e influência o general tem. Mas isso não significa que eu seja o herdeira desse poder. Talvez Locke também deva lembrar que sou apenas uma das filhas da esposa humana de Madoc. Sem Madoc e sua honra, ninguém se importaria comigo. "Você quer dizer para ele porder ir às nossas aulas com uma espada e sair matando todos à vista?" Eu pergunto, em vez de corrigir Locke sobre a minha posição na vida. Os olhos de Locke se arregalam. Eu acho que não foi isso que ele quis dizer. "Eu pensei que seu pai iria te puxar para fora - e que, se você não dissesse a ele, era porque você queria ficar." Eu dou uma risada curta. "Isso não é o que ele faria. Madoc não é fã de rendição. Na escuridão dos estábulos, com o bufar de cavalos das fadas ao nosso redor, ele pega minhas mãos. "Nada seria o mesmo sem você." Como eu nunca quis desistir, é bom ter alguém fazendo todo esse esforço para que eu faça algo que eu faria de qualquer maneira. E o jeito que ele está olhando para mim, a intensidade disso, é tão legal que estou envergonhada. Ninguém nunca me olhou dessa maneira. Eu posso sentir o calor das minhas bochechas e me pergunto se as sombras ajudam a encobrir isso. Nesse momento, sinto como se ele visse tudo - toda esperança do meu coração, todo pensamento perdido que eu tive antes de cair num sono exausto a cada amanhecer.


Ele traz uma das minhas mãos até a boca e pressiona seus lábios contra a palma da minha mão . De repente estou muito quente. Sua respiração é um sussurro suave contra a minha pele. Com um puxão gentil, ele me puxa para mais perto. Seu braço está ao meu redor. Ele se inclina para um beijo e meus pensamentos se dispensam. Isso não pode estar acontecendo. "Jude?" Eu ouço Taryn chamar incerta de perto, e eu cambaleio para longe de Locke. “Jude? Você ainda está no estábulo? "Aqui", eu digo, meu rosto quente. Nós saímos na noite para encontrar Oriana nos degraus da casa, carregando Oak para dentro. Vivi está acenando para ele enquanto ele tenta se libertar do aperto de sua mãe. Taryn tem as mãos nos quadris.

"Oriana chamou todos para jantar", Taryn nos informa grandiosamente. "Ela quer que Locke fique e coma conosco." Ele faz uma reverencia. - Você pode informar a sua mãe que, embora tenha a honra de ser convidado para a mesa dela, eu poderei ficar. Eu só queria falar com vocês duas. Vou, no entanto, voltar novamente. Você pode ter certeza disso. "Você falou com Jude sobre a escola?" Há trepidação na voz de Taryn. Eu me pergunto o que eles falaram antes de eu voltar. Eu me pergunto se ele a convenceu a assistir às palestras novamente, e se sim, como ele fez isso. "Até amanhã", ele diz para nós com uma piscadela. Eu o vejo sair andando, ainda sobrecarregado. Não ouso olhar para Taryn,


com medo de que ela veja tudo no meu rosto, os acontecimentos do dia todo, o quase beijo. Eu não estou pronta para falar, então sou eu quem a evita pela primeira vez. Saltando os degraus com o máximo de indiferença que posso reunir, vou para o meu quarto para me trocar para o jantar. Esqueci que pedi a Madoc que me ensinasse esgrima e estratégia, mas depois do jantar ele me deu uma pilha de livros de história militar de sua biblioteca pessoal. "Quando você terminar de ler isso, vamos conversar", ele me informa. "Eu vou lhe dar uma série de desafios, e você vai me dizer como você pode superá-los com os recursos que eu lhe dou." Acho que ele espera que eu me oponha e insista em mais esgrima, mas estou cansada demais para sequer pensar nisso. Deitando na cama uma hora depois, decido que não vou nem tirar o vestido de seda azul que estou usando. Meu cabelo ainda está desarrumado, embora tenha tentado melhorá-lo com alguns alfinetes bonitos. Eu devo tirar isso, pelo menos, digo a mim mesma, mas parece que não consigo fazer nenhum movimento para fazer isso. Minha porta se abre e Taryn entra, pulando na minha cama. "Ok", diz ela, me cutucando no lado. “O que Locke queria? Ele disse que precisava conversar com você. "Ele é legal", eu digo, rolando e cruzando os braços atrás da cabeça, olhando para as dobras de tecido reunidas acima de mim. "Não totalmente fantoche de Cardan como o resto deles." Taryn tem uma expressão estranha no rosto, como se ela quisesse me contradizer, mas estivesse se segurando. "Tanto faz. Fale mais." "Sobre Locke?" Eu pergunto. Ela revira os olhos. "Sobre o que aconteceu com ele e seus amigos."


"Eles nunca vão me respeitar se eu não revidar", digo a ela. Ela suspira. "Eles nunca vão respeitar você, ponto final." Eu penso em rastejar pela grama, meus joelhos sujos, o sabor da fruta na minha boca. Mesmo agora eu posso sentir o eco disso, o vazio que ele encheria, a alegria vertiginosa e delirante que ele promete. Taryn continua. “Você chegou em casa praticamente nua ontem, manchada com frutas das fadas. Não é tão ruim assim? Você não se importa? ”Taryn puxou seu corpo inteiro contra um dos postes da minha cama. "Estou cansada de me importar", eu digo. "Por que eu deveria?" "Porque eles poderiam te matar!" "Eles são melhores", eu digo a ela. "Porque nada menos que isso não vai funcionar." “Você tem um plano para pará-los?”, Ela pergunta. “Você disse que iria desafiar Cardan sendo o seu eu maravilhosa se ele tentasse derrubá-la, você o derrubaria com você. Como você vai conseguir isso? "Eu não sei exatamente", eu admito. Ela levanta as mãos em frustração. "Não, olha", eu digo. "Todo dia que eu não peço perdão a Cardan por causa de uma briga que ele começou, é um dia que eu ganho. Ele pode me humilhar, mas toda vez que ele faz e eu não recuo, ele se torna menos poderoso. Afinal, ele está jogando tudo o que tem em alguém tão fraco quanto eu e não está funcionando. Ele vai cair. Ela suspira e se aproxima de mim, colocando a cabeça contra o meu peito, colocando os braços em volta de mim. Contra meu ombro ela sussurra: "Ele é sílex, você é isca." Eu a abraço mais perto e não faço promessas. Ficamos assim por um longo momento.


“Locke te ameaçou?” Ela pergunta suavemente. "É tão estranho que ele veio aqui procurando por você, e então você estava com uma expressão tão estranha quando entrei nos estábulos." "Não, nada mal", digo a ela. “Eu não sei exatamente para o que ele veio, mas ele beijou minha mão. Foi legal, como se fosse um livro de histórias. "Coisas boas não acontecem em livros de histórias", diz Taryn. “Ou quando eles acontecem, algo ruim acontece a seguir. Porque senão a história seria chata e ninguém a leria ”. É a minha vez de suspirar. "Eu sei que é estúpido, pensando bem em um dos amigos de Cardan, mas ele realmente me ajudou. Ele enfrentou Cardan. Mas eu prefiro falar sobre você. Tem alguém, não tem? Quando você disse que ia se apaixonar, estava falando de alguém em particular. Não que eu fosse o primeiro a vesti-la de verde. "Tem um menino", diz ela lentamente. "Ele vai se declarar na coroação do príncipe Dain. Ele vai pedir minha para Madoc, e então tudo vai mudar para mim. Penso nela chorando ao lado de Cardan. Eu penso em como ela está com raiva por eu estar brigando com ele. Eu penso nisso, e um frio e terrível pavor toma conta de mim. "Quem? " Eu exijo. Por favor, não Cardan. Qualquer um além de Cardan. "Eu prometi não contar a ninguém", diz ela. "Até você." "Nossas promessas não importam", eu digo, pensando nas idéias do príncipe Dain ainda congelando minha língua, em quão pouco eles confiam em nós. “Ninguém espera que tenhamos alguma honra. Todo mundo sabe que mentimos. Ela me dá um olhar severo e desaprovador. “É uma proibição das fadas. Se eu quebrar, ele saberá. Eu preciso mostrar a ele que posso viver como uma deles.


"Ok", eu digo devagar. "Seja feliz por mim", diz ela, e me sinto cortada ao meio. Ela encontrou seu lugar em Faerie, e acho que encontrei o meu. Mas não posso deixar de me preocupar. “Apenas me diga algo sobre ele. Diga-me que ele é gentil. Diga-me que você o ama e que ele prometeu ser bom para você. Conte-me." "Ele é uma fada", diz ela. "Eles não amam o jeito que fazemos. E eu acho que você gostaria dele. Isso não soa como Cardan, a quem eu desprezo. Mas também não tenho certeza se acho a resposta dela tranquilizadora. O que significa, eu gostaria dele? Isso significa que nunca nos conhecemos? O que significa que ele não ama o que fazemos? “Estou feliz por você. De verdade, ”eu digo, embora eu esteja mais preocupada do que qualquer coisa. “Isso é empolgante. Quando a costureira de Oriana vier, você vai ter que ter um vestido muito bonito. ” Taryn relaxa. “Eu só quero que tudo seja melhor. Para nós duas. Eu chego na minha mesa de cabeceira para recuperar o livro que eu roubei do Hollow Hall. "Lembra-se disso?", Pergunto, levantando o livro coletivo de Alice no País das Maravilhas. Quando o faço, um pedaço de papel dobrado escorrega para o chão. "Nós costumávamos ler isso quando éramos pequenas", diz ela, pegando o livro. "Onde você conseguiu isso?" "Eu encontrei", eu digo, incapaz de explicar de quem era a estante de livros ou por que eu estava em Hollow Hall em primeiro lugar. Para testar os argumentos, tento dizer as palavras: Espionando para o Príncipe Dain Minha boca não se move. Minha língua fica parada. Uma onda de pânico toma conta de mim, mas eu a empurro de volta. Este é um preço pequeno


pelo que ele me deu.

Taryn não me pressiona por mais informações. Ela está muito ocupada folheando as páginas e lendo os bits em voz alta. Embora não consiga lembrar bem a cadência da voz de minha mãe, acho que ouço um eco disso em Taryn. "Agora, aqui, você vê, é preciso todo o trabalho que você pode fazer para continuar no mesmo lugar", ela lê. "Se você quiser chegar em outro lugar, você deve correr pelo menos duas vezes mais rápido que isso!" Eu me abaixei sub-repticiamente e enfiei o papel caído debaixo do meu travesseiro. Eu planejo desdobrá-lo quando ela voltar para o quarto dela, mas eu adormeço, muito antes de a história acabar. Eu acordo de manhã cedo, sozinha, precisando fazer xixi. Eu vou para a minha área de banho, levanto as minhas saias e faço o meu trabalho na bacia de cobre deixada lá para esse propósito, a vergonha esquentando meu rosto mesmo que eu esteja sozinha. É um dos aspectos mais humildes de ser humano. Sei que as fadas não são deuses - talvez eu saiba disso melhor do que qualquer mortal vivo -, mas também nunca vi um debruçado sobre uma comadre. De volta na cama, afasto a cortina e deixo a luz do sol entrar, mais brilhante que qualquer abajur. Eu pego o papel dobrado atrás do meu travesseiro. Suavizando, vejo a letra furiosa e arrogante de Cardan rabiscada na página, ocupando todo o espaço disponível. Em alguns lugares ele apertou a ponta com tanta raiva que o papel rasgou. Jude, diz, cada interpretação odiosa do meu nome como um soco no


estĂ´mago. Jude,


A costureira chega cedo na tarde seguinte, uma fada de dedos compridos chamada Brambleweft. Seus pés estão virados para trás, dando-lhe um passo estranho. Seus olhos são como os de uma cabra, marrom com uma linha horizontal de preto apenas no centro. Ela está usando um exemplo de seu trabalho, um vestido de tecido com linhas bordadas de espinhos fazendo um padrão listrado ao longo do comprimento do mesmo. Ela trouxe com seus parafusos de tecido, um pouco de ouro duro, um que muda de cor como asas de besouro iridescentes. Além disso, ela nos diz, é uma seda de aranha tão fina que poderia passar pelo buraco de uma agulha três vezes mais e ainda forte ser suficiente para ter que ser cortada com uma tesoura de prata magicamente para nunca perder sua vantagem. O tecido roxo atravessado com ouro e prata é tão brilhante que parece que o próprio luar está encharcado sobre as almofadas. Todos os tecidos são colocados no sofá da sala de Oriana para nós inspecionarmos. Até Vivi é atraída para passar os dedos pelo tecido, um sorriso ausente no rosto. Não há nada assim no mundo mortal, e ela sabe disso.


A atual empregada de Oriana, uma criatura cabeluda e cheia de vida chamada Toadfloss, traz chá e bolos, carne e geleia, todos empilhados em uma bandeja de prata maciça. Eu me sirvo chá e bebo sem creme, esperando que isso acalme meu estômago. O terror dos últimos dias está em meus calcanhares, fazendo-me estremecer sem aviso. A lembrança do fruto das fadas continua subindo espontaneamente para a minha língua, junto com os lábios rachados dos servos no palácio de Balekin e o som do couro que atingiu as costas nuas do Prince Cardan. E meu próprio nome, escrito de novo e de novo e de novo. Eu achava que sabia o quanto Cardan me odiava, mas olhando para o papel, percebi que não fazia ideia. E ele me odiaria ainda mais se soubesse que eu o vi de joelhos, espancado por um criado humano. Um mortal, por um pouco mais de humilhação, uma dose extra de raiva "Jude?" Oriana diz, e eu percebo que estou olhando para a janela e a luz fraca. "Sim?" Eu coloco um sorriso brilhante e falso em meu rosto. Taryn e Vivienne começam a rir. “Em quem você está pensando com essa expressão sonhadora que no seu rosto?” Oriana pergunta, o que faz Vivi rir de novo. Taryn não, provavelmente porque ela acha que eu sou uma idiota. Eu balanço minha cabeça, esperando não ter ficado com o rosto vermelho. "Não, não foi nada disso. Eu estava apenas, não sei. Não importa. Sobre o que estamos falando?" "A costureira deseja medi-la primeiro", diz Oriana. "Desde que você é o mais nova." Eu olho para Brambleweft, que segura uma corda entre as mãos. Eu pulo na caixa que ela colocou diante dela, estendendo meus braços. Eu sou uma boa filha hoje. Eu vou pegar um lindo vestido. Eu vou dançar na coroação do


príncipe Dain até que meus pés sangrem. "Não faça cara feia", diz a costureira. Antes que eu possa gaguejar desculpas, ela continua, a voz baixa. “Me disseram para costurar este vestido com bolsos que podem esconder armas, venenos e outras pequenas necessidades. Garantiremos que isso seja feito enquanto ainda mostra a você uma grande vantagem. E Eu quase saio da caixa, estou tão surpresa. "Isso é maravilhoso", eu sussurro de volta, sabendo que melhor é do que agradecer a ela. As fadas não acreditam em aceitar a gratidão com algumas palavras. Eles acreditam em dívidas e barganhas, e a pessoa a quem devo estar mais endividada não está aqui. O príncipe Dain é quem espera ser reembolsado. Ela sorri, com alfinetes em sua boca e eu sorrio de volta para ela. Eu vou pagá-lo, embora pareça que terei muito o que pagar por ele. Eu vou fazê-lo ficar orgulhoso de mim. Todos os outros. Quando olho para cima, Vivi está me observando com desconfiança. Taryn é próxima de ser medida. Quando ela entra na caixa, eu vou e bebo mais chá. Então eu como três bolos açucarados e uma tira de presunto. "Onde você foi no outro dia?" Vivi pergunta enquanto eu engulo a carne como uma espécie de ave de rapina. Eu vorazmente com fome. Eu penso em como eu fugi da nossa conversa no meu caminho para Hollow Hall. Eu não posso negar exatamente isso, não sem explicar mais sobre aonde eu estava indo do que minha língua aprendida permitirá. Eu dou de ombros, um ombro. "Eu fiz uma das outras crianças Gentry descrever o que aconteceu com você naquela palestra", diz Vivi. “Você poderia ter morrido. A única razão pela qual você está viva é que eles não queriam que o jogo acabasse. ” "É assim que são", eu a lembro. “É assim que as coisas são. Você quer que o mundo seja diferente do que é? Porque este é o mundo que temos, Vivi. "Não é o único mundo", ela diz suavemente. "É o meu mundo", eu digo, meu coração martelando no meu peito. Eu fico


em pé antes que ela possa me dizer o contrário. Minhas mãos estão tremendo, porém, e minhas palmas estão suadas quando vou dedilhar os tecidos. Desde que cambaleei para casa pela floresta de roupa íntima, tenho tentado não sentir nada sobre o que aconteceu. Receio que, se começar a sentir, não suportarei. Receio que a emoção seja como uma onda me sugando. Não é a primeira coisa horrível que tenho sofrida e empurrado para a parte de trás do meu cérebro. É como eu tenho lidado, e se há outra maneira melhor, eu não sei qual é. Concentro minha atenção no tecido até poder respirar uniformemente de novo, até que o pânico se dissipe. Há um veludo azul-esverdeado, lembrandome do lago ao entardecer. Eu acho um incrível tecido fantástico bordado com mariposas e borboletas e samambaias e flores. Eu o levanto e, por baixo, há um belo pano cinza-nevoeiro que ondula como fumaça. Eles são muito bonitos. O tipo de tecidos que as princesas dos contos de fada usam. Claro, Taryn está certo sobre as histórias. Coisas ruins acontecem com essas princesas. Eles são picados com espinhos, envenenados por maçãs, casadas ​ com seus próprios pais. Eles têm as mãos cortadas e seus irmãos se transformaram em cisnes, seus amantes cortados e plantados em vasos de manjericão. Eles vomitam diamantes. Quando eles andam, parece que eles estão andando em facas. Eles ainda conseguem ficar bem. "Eu quero aquele", diz Taryn, apontando para o tecido que eu estou segurando, aquele com o bordado. Ela está sendo medida. Vivi está lá em cima, estendendo os braços, observando-me daquela forma enervante que tem, como se conhecesse meus pensamentos. "Sua irmã encontrou primeiro", diz Oriana. "Por favoooor", Taryn diz para mim, inclinando a cabeça e olhando através de seus cílios. Ela está brincando, mas eu sei o que ela quer. Ela precisa parecer bonita para esse garoto que devera se declarar na coroação. Ela não entende o que parece ser meu bom visual, eu com meus rancores e feudos.


Com um meio sorriso, eu abaixei o ferrolho. "Certo. Todo seu." Taryn me beija na bochecha. Eu acho que estamos de volta ao normal. Se tudo na minha vida fosse tão facilmente resolvido. Eu escolho um pano diferente, o veludo azul escuro. Vivienne escolhe um violeta que parece ser um cinza prateado quando o gira sobre a mão. Oriana escolhe um blush rosa para si e um verde de críquete para Oak. Traças de bramble começam a esboçar - saias ondulantes e pequenas capas inteligentes, espartilhos costurados com criaturas fantasiosas. Borboletas pousando nos braços e nos elaborados headpieces. Estou encantada com a visão alienígena de mim mesma - meu espartilho terá dois besouros dourados costurados no que parece um peitoral, com o brasão da lua de Madoc e redemoinhos elaborados de fios brilhantes continuando pela minha frente, e minúsculas mangas largas de mais ouro. Certamente ficará claro para qual casa eu pertenço. Ainda estamos fazendo pequenas mudanças quando Oak entra correndo, sendo perseguido por Gnarbone. Oak me mancha primeiro e corre para o meu colo, jogando os braços em volta do meu pescoço e me dando uma pequena mordida logo abaixo do meu ombro. "Ow!" Eu digo em surpresa, mas ele apenas ri. Isso me faz rir também. Ele é uma criança estranha, talvez porque ele é uma fada ou talvez porque todas as crianças, humanas ou desumanas, são igualmente estranhas. "Você quer que eu lhe conte uma história sobre um garotinho que mordeu uma pedra e perdeu todos os seus dentes brancos e perolados?" Eu pergunto a ele no que espero ser uma moda ameaçadora, enfiando meus dedos sob as axilas dele para fazer cócegas nele. "Sim", ele diz imediatamente entre risos ofegantes e gritos. Oriana caminha até nós, com o rosto cheio de preocupação. "Isso é muito gentil da sua parte, mas devemos começar a nos vestir para o jantar." Ela puxa-o do meu colo e em seus braços. Ele começa a gritar e chutar as pernas. Um dos chutes pousa contra meu estômago com força suficiente para machucar, mas eu não digo nada. "História!" Ele grita. "Eu quero a história!"


"Jude está ocupada agora", diz ela, carregando seu corpo se contorcendo em direção à porta, onde Gnarbone está esperando para levá-lo de volta para o berçário. "Por que você nunca confia em mim com ele?" Eu grito, e Oriana se vira, chocada que eu disse uma coisa que não dizemos. Estou chocada também, mas não consigo parar. "Eu não sou um monstro! Eu nunca fiz nada para nenhum de vocês. ” "Eu quero a história", lamenta Oak, parecendo confuso.. "Isso é o suficiente", diz Oriana severamente, como se todos estivéssemos discutindo. "Nós falaremos sobre isso mais tarde com seu pai." Com isso, ela sai da sala. "Eu não sei de quem é o pai de quem você está falando, porque ele com certeza não é meu", eu grito atrás dela. Os olhos de Taryn ficam com o tamanho de um disco. Vivienne tem um pequeno sorriso no rosto. Ela toma um gole de chá e depois levanta a taça na minha direção em saudação. A costureira está olhando para baixo e para longe, deixando-nos em nosso momento de família particular. Não consigo me contorcer de novo na forma de uma criança obediente.

Eu estou vindo desvendado. Eu estou me desfazendo. No dia seguinte, na escola, Taryn caminha ao meu lado, balançando a cesta de almoço. Eu


mantenho minha cabeça erguida e meu queixo está definido. Eu tenho minha pequena faca comigo, ferro frio, enfiada em um dos bolsos da minha saia, e mais sal do que eu razoavelmente preciso. Eu até tenho um novo colar de bagas de Rowan, costurado por Tatterfell e usado porque não havia como ela saber que eu não precisava. Eu fico no jardim do palácio para reunir mais algumas coisas. "Você tem permissão para escolher esses?" Taryn pergunta, mas eu não respondo a ela. À tarde, assistimos a uma palestra em uma torre alta, onde aprendemos sobre os pássaros. Toda vez que sinto que minha coragem vai vacilar, deixo meus dedos roçarem o metal frio da lâmina. Locke olha, e quando ele chama minha atenção, ele pisca. Do outro lado da sala, Cardan franze a testa para o palestrante, mas não fala. Quando ele se move para pegar um tinteiro de uma bolsa, eu o vejo estremecer. Penso em como as costas dele devem estar doloridas, como deve doer se mexer. Mas se ele se segura um pouco mais rigidamente enquanto zomba, essa parece ser a única diferença em seus modos. Ele parece bem praticado em esconder dor. Penso na nota que encontrei, na prensagem da caneta dele, com força suficiente para espalhar manchas de tinta enquanto ele escrevia meu nome. Difícil o suficiente para cavar a página, talvez para assustar a mesa abaixo. Se foi o que ele fez com o papel, estremeço ao pensar no que ele quer fazer comigo. Depois da escola, pratico com Madoc. Ele me mostra um bloqueio particularmente inteligente, e faço isso repetidamente, melhor e mais rápido, surpreendendo até ele. Quando entro, coberto de suor, passo por Oak, que está correndo para algum lugar, arrastando minha cobra de pelúcia atrás dele em uma corda suja. Ele claramente roubou a cobra do meu quarto. "Carvalho!" Eu chamo atrás dele, mas ele está subindo as escadas e indo embora. Eu me limpei no banho e depois, sozinha no meu quarto, desfiz minha mochila. Escondido no fundo, embrulhado em um pedaço de papel que sobrou, há um único fruto de fada comido de vermes que peguei no caminho para casa. Eu coloco em uma bandeja e ponho luvas de couro. Então eu tiro minha faca e a corto em pedaços. Fitas minúsculas de frutas douradas Eu pesquisei venenos fadas em livros empoeirados, crito mão na biblioteca de Madoc. Eu li sobre o cogumelo blush, um fungo pálido que floresce com gotas de um líquido vermelho que parece desconfortavelmente como sangue. Pequenas doses causar paralisia, enquanto as grandes doses são letais, mesmo


para o Folk. Depois, há deathsweet, o que provoca um sono que dura cem anos. Eu pesquisei venenos de fadas em livros empoeirados e escritos à mão na biblioteca de Madoc. Eu li o meu blush, hum fungo pálido que floresce com um líquido vermelho que parece desconfortável com sangue. Pequenas doses causam paralisia, enquanto grandes doses são letais, mesmo para o povo. Depois, há um ano da morte, que causa um sono que dura cem anos. E wraithberry, que faz o seu sangue ligado ao seu coração parar. E frutas de fada, é claro, qual livro chamado everapple. Eu pego um frasco de licor de pinheiro, cortado das cozinhas, grosso e pesado como seiva. Eu coloquei uma fruta nela para obter um beijo fresco. Minhas operações estão tremendo. Uma peça final, eu quem na minha língua. A pressa me atinge com força, e eu cerro os dentes contra ela. Então, enquanto estou me sentindo idiota, tiro as outras coisas. Uma folha do jardim do jardim. Uma pétala de uma flor de deathsweet. Uma pequena quantidade de suco do cogumelo cora. De cada um, cortei uma porção menor e engoli. Mitridatismo, é chamado. Não é um nome engraçado? O processo de comer veneno para aumentar a imunidade. Contorne that eu não morra disso, vou ser mais difícil de matar. Eu não quero jantar. Estou muito ocupado, muito ocupado, tremendo e suando. Adormeçado na área de banho do quarto quarto, espalhada no chão. É o que me fantasma encontra. O acordo com ele cutucando no pc com o pé da bota dele. É apenas grogue que me impede de gritar. "Rise, Jude", diz o fantasma. "A barata quer você treine hoje à noite." Eu me levanto, exausto demais para desobedecer. Lá fora, na grama orvalhada, com os primeiros raios de sol rastejando pela ilha, o Fantasma me mostra como subir em árvores silenciosamente. Como colocar um pé sem arrancar um galho ou estalar uma folha seca. Eu pensei que aprendi como nas minhas aulas no palácio, mas ele me mostra erros que meus professores não se incomodaram em corrigir. Eu tento de novo e de novo. Principalmente, eu falho. "Bom", diz ele, uma vez que meus músculos estão tremendo. Ele falou tão pouco que sua voz me assusta. Ele poderia passar mais facilmente por humanos do que Vivi, com o ponto mais sutil em suas orelhas, cabelos castanhos claros e olhos cor de avelã. E, no entanto, ele parece incognoscível para mim, tanto mais calmo quanto mais frio do que ela. O sol está quase no fim. As folhas estão se transformando em ouro. "Continue praticando. Espreite suas irmãs. Quando ele sorri, com o cabelo arenoso caindo sobre o rosto, ele parece mais novo do


que eu, mas tenho certeza de que ele não é. E quando ele vai, ele faz isso de tal forma que parece desaparecer. Eu volto para casa e uso o que acabei de aprender para passar pelos funcionários nas escadas. Eu chego ao meu quarto, e desta vez quando desmorono, consigo fazer isso na minha cama. Então eu levanto no dia seguinte e faço tudo de novo.


Assistir as aulas é mais difícil do que nunca. Por um lado, estou doente, meu corpo lutando contra os efeitos da fruta e os venenos que estou forçando a descer. Por outro lado, estou exausta de treinar com Madoc e treinar com a Corte das Sombras. Madoc me dá quebra-cabeças - doze cavaleiros goblin para invadir uma fortaleza, nove Gentry sem treinamento para defender um e depois pede minhas respostas todas as noites depois do jantar. Barata ordena-me a praticar o movimento através da multidão de cortesãos sem ser notada, a escutar sem parecer interessada. Bomba me ensina como encontrar o ponto fraco em um prédio, o ponto de pressão em um corpo. Fantasma me ensina como se pendurar em vigas e não ser visto, alinhar um tiro com uma besta, para firmar minhas mãos trêmulas. Eu sou enviada em mais duas missões para obter informações. Primeiro, roubo uma carta endereçada a Elowyn da mesa de um cavaleiro no palácio. Da próxima vez, eu visto as roupas de uma noiva fada e caminho através de uma festa até os aposentos privados da encantadora Taracand, uma das consortes do príncipe Balekin, onde pego um anel de uma escrivaninha. Em nenhum dos casos posso saber o significado do que roubei. Eu assisto a palestras ao lado de Cardan, Nicasia, Valerian e todas as crianças


Gentry que riram da minha humilhação. Eu não lhes dou a satisfação da minha retirada, mas desde o incidente com o fruto das fadas, não há mais escaramuças. Eu espero meu tempo . Eu só posso supor que eles estão fazendo o mesmo. Eu não sou tola o suficiente para pensar que bem um com o outro. Locke continua seu flerte. Ele se senta com Taryn e eu quando tomamos nosso almoço, espalhados em um cobertor, observando o pôr do sol. Ocasionalmente ele me leva para casa pela floresta, parando para me beijar perto de um bosque de abetos árvores pouco antes da propriedade de Madoc. Eu só espero que ele não prove a amargura do veneno nos meus lábios. Eu não entendo porque ele gosta de mim, mas é emocionante ser apreciada. Taryn não parece entender também. Ela considera Locke com suspeita. Talvez desde que eu esteja preocupada com o misterioso amante dela, é apropriado que ela pareça igualmente preocupada com o meu. "Você está se divertindo?" Eu ouço Nicasia perguntar a Locke uma vez, enquanto ele se junta a eles para uma palestra. "Cardan não vai te perdoar pelo que você está fazendo com ela." Eu paro, incapaz de passar sem ouvir sua resposta. Mas Locke apenas ri. "Ele está mais bravo por você ter me escolhido no lugar dele ou por eu ter escolhido uma mortal em cima de você?" Eu me assusto, não tenho certeza se o ouvi direito. Ela está prestes a responder quando ela me vê. Sua boca se enrola. "Pequeno rato", diz ela. "Não acredite na língua açucarada dele." Barata se desesperaria se ele visse o quanto me atrapalhei com minhas novas habilidades. Não fiz nada que ele me ensinou - nem me escondi nem me misturei com os outros para evitar o aviso. Pelo menos ninguém suspeitaria que eu soubesse muito sobre spycraft. "Então Cardan te perdoou?" Eu pergunto a ela, satisfeita com seu olhar


ferido. "Que pena. Eu ouvi dizer que o favor de um príncipe é realmente importante. "Para que eu preciso dos príncipes?", Ela pergunta. "Minha mãe é uma rainha!" Há muito que posso dizer sobre a mãe dela, a rainha Orlagh, que está planejando um envenenamento, mas eu mordo a língua. Na verdade, eu o mordo tanto que não digo nada. Eu só ando até onde Taryn está sentada, um pequeno sorriso satisfeito no meu rosto. Mais semanas se passam, até que a coroação esteja a poucos dias de distância. Estou tão cansada que adormeço sempre que coloco a cabeça no travesseiro. Eu até adormeço na torre durante uma demonstração de convocação de traças. O sussurro de suas asas me acalma, eu acho. Não demora muito. Eu acordo no chão de pedra. Minha cabeça está doendo e estou procurando por minha faca. Eu não sei onde estou. Por um momento, acho que devo ter caído. Por um momento, acho que sou paranóica. Então vejo Valerian, sorrindo para mim. Ele me empurrou da minha cadeira. Eu sei disso apenas pelo olhar em seu rosto. Eu ainda não me tornei paranóica o suficiente. Vozes soam do lado de fora, o resto dos nossos colegas esta almoçando na grama quando a noite chega. Eu ouço os gritos das crianças mais novas, provavelmente correndo atrás de cobertores. "Onde está Taryn?" Eu pergunto, porque ela deveria ter me acordado." "Ela prometeu não ajudá-la, lembra?" O cabelo dourado de Valerian está sobre um olho. Como de costume, ele está todo vestido de vermelho, um tom


tão profundo que pode parecer preto à primeira vista. "Não por palavra ou por ação." Claro. Estúpida para esquecer que eu estava sozinha. Eu me empurro para cima, notando uma contusão na minha panturrilha quando eu faço. Eu não tenho certeza de quanto tempo eu estava dormindo. Eu escovo minha túnica e calças. "O que você quer?" "Estou decepcionado", diz ele maliciosamente. "Você se gabou sobre como você seria melhor Cardan, e ainda assim você não fez nada, alem de ficar emburrada depois de uma pequena brincadeira." Minha mão desliza automaticamente até o punho da minha faca. Valerian tira meu colar de bagas de sorveira de seu bolso e sorri para mim. Ele deve ter cortado da minha garganta enquanto eu dormi. Eu estremeço ao pensar que ele estava tão perto de mim, que em vez de cortar o colar, ele poderia ter cortado a pele. "Agora você vai fazer o que eu digo." Eu posso praticamente sentir o cheiro do glamour no ar. Ele está tecendo magia com suas palavras. “Vá atras de Cardan. Diga a ele que ele ganhou. Então salte da torre. Afinal, nascer mortal é como nascer já morto ”. A violência disso, a terrível finalização de seu comando, é chocante. Alguns meses atrás, eu teria feito isso. Eu teria dito as palavras, eu teria pulado. Se eu não tivesse feito essa barganha com Dain, estaria morta. Valerian pode estar planejando meu assassinato desde o dia em que ele me sufocou. Lembro-me da luz em seus olhos então, a ansiedade com a qual ele me olhava ofegar. Taryn havia me avisado que eu ia me matar, e me gabava de estar pronta para isso, mas não estou.


v "Eu acho que vou subir as escadas", digo Valerian, esperando que eu não pareça estar tão abalado quanto eu. Então, agindo como se tudo fosse normal, eu passo por ele. Por um momento, ele parece confuso, mas sua confusão rapidamente se transforma em raiva. Ele bloqueia minha fuga, movendo-se na frente dos degraus. “Eu comandei você. Por que você não me obedece?" Olhando-o nos olhos, eu me forço a sorrir. “Você teve a vantagem de mim duas vezes, e você conseguiu duas vezes. Boa sorte para conseguir de novo. Ele está cuspindo furioso. "Você não é nada. A espécie humana finge que é tão resistente. Vidas mortais são um longo jogo de faz de conta. Se você não pudesse mentir para si mesma, você cortaria suas próprias gargantas para acabar com sua miséria.. Fico impressionada com as palavra, pela idéia de que ele pensa que sou algo completamente diferente, como uma formiga, um cachorro ou um cervo. Eu não tenho certeza se ele está errado, mas eu não gosto do pensamento. "Eu não me sinto particularmente infeliz no momento." Eu não posso mostrar a ele que estou com medo. Sua boca se enrola. “Que felicidade você tem? Cio e reprodução. Você ficaria louca se aceitasse a verdade do que você é. Você é nada. Você mal existe. Seu único objetivo é criar mais da sua espécie antes que você morra uma morte sem sentido e agonizante. Eu olho nos olhos dele. "E?" Ele parece surpreso, embora o sorriso de escárnio não saia do rosto dele. “Sim, sim, claro. Eu vou morrer. E eu sou uma grande mentirosa. E daí?" Ele me empurra contra a parede, com força. “Então você perde. Admita que você perdeu."


Eu tento dar de ombros, mas ele pega minha garganta, os dedos pressionando com força suficiente para cortar o meu fluxo de ar. "Eu poderia matar você agora", diz ele. “E você seria esquecida. Seria como se você nunca tivesse nascido. Não há dúvida em minha mente de que ele quer dizer isso, sem dúvida alguma. Ofegante, eu puxo a faca do meu bolso e o golpeio no lado. Bem entre suas costelas. Se minha faca fosse mais longa, eu teria perfurado seu pulmão. Seus olhos se arregalam com o choque. Seu aperto em mim se solta. Eu sei o que Madoc diria - empurrar a lâmina mais para cima. Vá para uma artéria. Vá para o coração dele. Mas, se eu conseguir, matarei um dos filhos favorecidos de Faerie. Eu não posso nem adivinhar minha punição. Você não é assassina. Eu recuo e puxo a faca livre, correndo para fora do quarto. Eu enfio a lâmina ensanguentada no meu bolso. Minhas botas batem na pedra enquanto vou para as escadas Olhando para trás, vejo-o de joelhos, pressionando a mão para o lado para estancar o sangue. Ele solta um silvo de dor que me faz lembrar que minha faca é ferro frio. O ferro frio fere muito as fadas. Eu não poderia estar mais feliz em carregá-lo. Eu passo a esquina e quase atropelo Taryn. “Jude!” Ela exclama. "O que aconteceu?" "Vamos", eu digo a ela, arrastando-a para os outros alunos. Há sangue nos meus dedos, sangue nos meus dedos, mas não muito. Eu esfrego na minha túnica. "O que ele fez com você?" Taryn chora enquanto eu a empurro junto. Eu digo a mim mesma que não me importo que ela me deixou. Não era seu trabalho esticar o pescoçome acordar, especialmente quando ela deixou claro que não queria fazer parte dessa luta. Existe uma parte traiçoeira de mim que


está chateada e triste que ela não me chutou acordada e condenar as conseqüências? Certo. Mas até eu não sabia até onde Valerian iria ou quão rápido ele chegaria lá. Estamos atravessando o gramado quando Cardan se vira em nossa direção. Ele está vestindo roupas soltas e carregando uma espada prática. Seus olhos se estreitam no sangue e ele aponta o bastão de madeira para mim. "Você parece ter se cortado." Eu me pergunto se ele está surpreso que eu estou viva. Eu me pergunto se ele observou a torre o tempo todo durante seu almoço, esperando o espetáculo divertido de mim pulando para a minha morte. Pego a faca debaixo da túnica e mostro para ele, manchada de vermelho. Eu sorrio. "Eu poderia cortar você também." "Jude!", Diz Taryn. Ela está claramente chocada com o meu comportamento. Ela deveria estar. Meu comportamento é chocante. "Oh, vá embora", diz Cardan, acenando-a com uma mão. "Pare de nos entediar tanto."


Taryn dá um passo atrás. Estou surpresa também. Isso faz parte do jogo? "Sua lâmina suja e hábitos ainda mais sujos significam algo?" Suas palavras são arejadas, arrastadas. Ele está olhando para mim como se eu estivesse sendo rude, apontando uma arma para ele, mesmo que ele é o único com o amigo que me agrediu. Duas vezes. Ele está olhando para mim como se estivéssemos compartilhando algum tipo de réplica espirituosa, mas não tenho certeza do que dizer. Ele não está realmente preocupado com o que eu poderia ter feito com Valerian? Ele poderia possivelmente não saber que Valerian me atacou? Taryn vê Locke e sai em sua direção, correndo pelo campo. Eles conversam por um momento, depois Taryn sai. Cardan percebe que percebi. Ele cheira, como se o meu cheiro o ofendesse. Locke começa vir em nossa direção, com todos os membros soltos e olhos brilhantes. Ele me dá uma olhada. Por um momento, me sinto quase segura. Sou imensamente grata a Taryn por tê-lo enviado. Sou imensamente grata a Locke por ter vindo. "Você acha que eu não o mereço", eu digo para Cardan.

Ele sorri lentamente, como a lua deslizando sob as ondas do lago. "Oh, não, eu acho que vocês são perfeitos um para o outro." Alguns momentos depois, Locke tem um braço ao redor dos meus ombros. "Vamos", diz ele. "Vamos sair daqui." E assim, sem um olhar para trás em qualquer um deles, nós fazemos. Nós caminhamos pela Floresta Crooked, onde todas as árvores estão curvadas


na mesma direção como se tivessem sido sopradas por um vento forte desde que elas eram mudas. Paro para pegar algumas amoras de galhos espinhosos de arbustos que crescem entre eles. Eu tenho que soprar minúsculas formigas de açúcar de cada um antes de colocá-lo na minha boca. Eu ofereço uma fruta para Locke, mas ele recusa. "Então, em resumo, Valerian tentou me matar", eu digo, terminando minha história. "E eu esfaquei ele." Seus olhos de raposa estão firmes em mim. "Você esfaqueou Valerian." "Então eu posso estar em algum problema." Eu respiro fundo. Ele sacode a cabeça. "Valerian não dirá a ninguém que ele foi vencido por uma garota mortal." “E Cardan? Ele não ficará desapontado por seu plano não funcionar? Olho para o mar, visível entre os troncos das árvores. Parece se estender para sempre. "Eu duvido que ele soubesse sobre isso", diz Locke, e sorri para minha surpresa. "Oh, ele gostaria de fazer você acreditar que ele é nosso líder, mas é que Nicasia gosta de poder, eu gosto de dramas, e Valerian gosta de violência. Cardan pode nos fornecer os três, ou pelo menos desculpas para os três. "Dramas?" Eu ecoo. “Eu gosto que as coisas aconteçam, que histórias se desenrolem. E se eu não conseguir encontrar uma história boa o suficiente, eu faço uma. ”Ele parece cada centímetro do malandro naquele momento. “Eu sei que você ouviu Nicasia falando sobre o que esta acontecendo entre nós. Ela tinha Cardan, mas só em deixá-lo por mim ela ganhou poder sobre ele. Reflito sobre isso por um momento e, enquanto o faço, percebo que não


estamos seguindo nosso caminho habitual para o terreno de Madoc. Locke tem me guiado de outra maneira. "Onde estamos indo?" "Confie em mim" , diz ele com um sorriso, feliz por ser pega de surpresa. "Não é longe. Eu acho que você vai gostar do labirinto. Eu nunca fui a uma de suas propriedades, exceto por Hollow Hall. No mundo humano, nós, crianças, sempre estávamos nos quintais dos vizinhos, balançando, nadando e pulando, mas as regras aqui não são as mesmas. A maioria das crianças do Supremo Tribunal do Rei são da realeza, enviadas de tribunais menores para ganhar influência com os príncipes e princesas, e não têm tempo para muito mais. Claro que, no mundo mortal, existem coisas como quintais. Aqui, há floresta e mar, rochas e labirintos e flores que são vermelhas somente quando recebem sangue fresco. Eu não gosto muito da idéia de me perder deliberadamente em um labirinto, mas eu sorrio como se nada pudesse me deliciar mais. Eu não quero decepcioná-lo. “Haverá uma reunião depois”, continua Locke. "Você deveria ficar. Eu prometo que será divertido. Com isso, meu estômago aperta. Eu duvido que ele esteja fazendo uma festa sem seus amigos. "Isso parece tolo", eu digo, para evitar recusar o convite imediatamente. "Seu pai não gosta que você fique fora até tarde?" Locke me dá um olhar de pena. Eu sei que ele está apenas tentando me fazer sentir infantil quando ele sabe perfeitamente porque eu não deveria estar lá, mas mesmo sabendo o que ele está fazendo, funciona. A propriedade de Locke é mais modesta que a de Madoc e menos fortalecida. Pináculos altos cobertos de telhas de casca de musgo erguem-se entre as árvores. As vinhas espiraladas de hera e madressilva que se enrolam nos


lados tornam a coisa toda verde e frondosa. "Uau", eu digo. Eu andei por aqui e vi aquelas torres à distância, mas nunca soube de a quem pertencia a casa. "Bonita." Ele me dá um sorriso rápido. "Vamos entrar." Embora haja um par de grandes portas na frente, ele me leva até uma pequena porta do lado que leva diretamente para as cozinhas. Um pão fresco repousa sobre o balcão, junto com maçãs, groselhas e um queijo macio, mas não vejo nenhum criado que possa ter preparado isso. Eu penso, involuntariamente, da menina em Hollow Hall limpando a lareira de Cardan. Eu me pergunto onde a família dela pensa acha que ela esta. Eu me pergunto com que facilidade eu poderia ter sido ela. "Sua família está em casa?" Eu pergunto, afastando esse pensamento. "Eu não tenho ninguém ", ele me diz. “Meu pai era muito selvagem para a corte. Ele gostava da floresta profunda e selvagem muito melhor do que as intrigas de minha mãe. Ele se foi e ela morreu. Agora sou só eu.” "Isso é terrível", eu digo. "E solitário." Ele dispensa minhas palavras. “Eu ouvi a história de seus pais. Uma tragédia adequada para uma balada. “Foi há muito tempo atrás.” A última coisa que quero falar é sobre Madoc e assassinato. "O que aconteceu com sua mãe?" Ele faz um gesto de desprezo no ar. “Ela se envolveu com o rei supremo. Neste tribunal, isso é suficiente. Havia uma criança - seu filho, eu suponho - e alguém não queria que ela nascesse. Cogumelo Blusher. ”Embora ele tenha começado sua fala rapidamente, não a termina. Cogumelo Blusher Penso na carta que encontrei na casa de Balekin, da rainha Orlagh. Eu tento me convencer de que a nota não poderia se referir ao envenenamento da mãe de Locke, que Balekin não tinha motivo quando Dain já era o herdeiro escolhido pelo rei supremo. Mas não importa o quanto eu


tente me convencer, não consigo parar de pensar na possibilidade, no horror, da mãe de Nicasia ter tido uma participação na morte da mãe de Locke. "Eu não deveria ter perguntado - isso foi rude da minha parte." "Somos filhos da tragédia." Ele balança a cabeça e depois sorri. “Não é assim que eu pretendia começar. Eu queria te dar vinho, frutas e queijo. Eu queria dizer a você como seu cabelo é tão bonito quanto enrola, seus olhos a cor exata das nozes. Eu pensei que poderia compor uma ode sobre isso, mas eu não sou muito bom em odes. ” Eu rio e ele cobre seu coração como se tivesse sido picado pela crueldade. "Antes de eu mostrar o labirinto, deixe-me mostrar-lhe outra coisa." "O que é isso?" Eu pergunto curiosa. Ele pega minha mão. "Venha", diz ele, levando-me através da casa. Chegamos a escadas em espiral. Subimos, subimos e subimos e subimos. Estou tonta. Não há portas nem aterrissagens. Apenas pedra e passos e meu coração batendo forte no meu peito. Apenas seus sorrisos inclinados e olhos cor de âmbar. Eu tento não tropeçar ou escorregar enquanto subo. Eu tento não desacelerar, não importa o quão tonta eu me sinta. Eu penso em Valerian. Salte da torre. Eu continuo subindo, respirando superficialmente. Você é nada. Você mal existe. Quando chegamos ao topo, há uma pequena porta - metade da nossa altura. Eu me inclino contra a parede, esperando meu equilíbrio retornar, e vejo Locke girar a elaborada maçaneta de prata. Ele se abaixa enquanto entra. Eu me endireito, empurro a parede e sigo. E suspiro. Estamos em uma varanda no topo da torre mais alta, uma acima da linha das árvores. A partir daqui, iluminado pela luz das estrelas, posso ver o labirinto abaixo e a loucura no centro. Eu posso ver as partes aéreas do Palácio de Elfhame e da propriedade de


Madoc e o Salão Hollow de Balekin. Eu posso ver o mar que circunda a ilha e além dela, as luzes brilhantes das cidades e vilas humanas através da neblina sempre presente. Eu nunca olhei diretamente do nosso mundo para o deles. Locke coloca a mão nas minhas costas, entre minhas omoplatas. "À noite, o mundo humano parece estar cheio de estrelas caídas." Eu me inclino em seu toque, afastando o horror da subida, tentando não ficar muito perto da borda. "Você já esteve lá?" Ele concorda. “Minha mãe me levou quando eu era criança. Ela disse que nosso mundo ficaria estagnado sem o seu.. Eu quero dizer a ele que aquele não é mais meu mundo, que eu mal o entendo, mas entendo o que ele está tentando dizer, e a correção faria parecer que eu não estava. O sentimento de sua mãe é gentil, certamente mais gentil do que a maioria das visões do mundo mortal. Ela deve ter sido gentil sozinha. Ele me vira para ele e então lentamente traz seus lábios aos meus. Eles são macios e sua respiração é quente. Eu me sinto tão distante do meu corpo quanto as luzes da cidade distante. Minha mão alcança o corrimão. Eu agarro com força enquanto seu braço passa pela minha cintura, para me ancorar no que está acontecendo, para me convencer de que estou aqui e que este momento, acima de tudo, é real. Ele recua. "Você é realmente linda", diz ele. Eu nunca fiquei tão feliz em saber que eles não podem mentir. "Isso é incrível", eu digo, olhando para baixo. "Tudo parece tão pequeno, como em um quadro de estratégia." Ele ri, como se eu não pudesse estar falando sério. "Acho que você passa muito tempo no escritório do seu pai?" "Sim", eu digo. “O suficiente para saber quais são as minhas chances contra o


Cardan. Contra Valerian e Nicasia. Contra você." Ele pega minha mão. “Cardan é um tolo. O resto de nós não importa. Seu sorriso se torna inclinado. “Mas talvez isso faça parte do seu plano - me persuadir a levá-la ao coração da minha fortaleza. Talvez você esteja prestes a revelar seu esquema maligno e me doar para sua vontade. Só para você saber, eu não acho que será muito difícil me curvar à sua vontade. Eu rio apesar de mim mesma. "Você não é nada como eles." "Não sou?", Pergunta ele. Eu dou-lhe um longo olhar. "Eu não sei. Você vai me jogar para fora desta sacada? Suas sobrancelhas sobem. "Claro que não." "Bem, então você não é como eles", eu digo, cutucando-o com força no centro do peito. Minha mão achata, quase inconscientemente, deixando o calor dele penetrar na palma da minha mão. Eu não percebi o quão fria eu me fiquei, parada ao vento. "Você não é do jeito que eles disseram que você seria", diz ele, inclinando-se para mim. Ele me beija novamente. Eu não quero pensar sobre as coisas que eles devem ter dito, não agora. Eu quero sua boca na minha, apagando todo o resto. Leva muito tempo para voltarmos a descer as escadas. Minhas mãos estão no cabelo dele. Sua boca está no meu pescoço. Minhas costas estão contra o antigo muro de pedra. Tudo é lento e perfeito e não faz sentido algum. Esta não pode ser minha vida. Isso não parece nada com a minha vida. Sentamo-nos à longa e vazia mesa de banquete e comemos queijo e pão. Nós bebemos vinho verde pálido que tem gosto de ervas de taças enormes que Locke encontra na parte de trás de um armário. Eles são tão grossos com poeira que ele tem que lavá-los duas vezes antes de podermos usá-los.


Quando terminamos, ele me pressiona contra a mesa, levantando-me para que eu esteja sentada nela, para que nossos corpos sejam pressionados juntos. É emocionante e aterrorizante, como muito de Faerie.

Não tenho certeza se sou muito boa em beijar. Minha boca é desajeitada. Eu sou tímida. Eu quero puxá-lo para mais perto e afastá-lo ao mesmo tempo. As fadas não têm muitos tabus em torno da modéstia, mas eu tenho. Receio que meu corpo mortal cheire a suor, decadência e medo. Eu não tenho certeza onde colocar minhas mãos, o quão difícil de agarrar, o quão profundo afundar minhas unhas em seus ombros. E enquanto eu sei o que vem depois de beijar, enquanto eu sei o que significa ter suas mãos deslizando sobre a minha panturrilha machucada na minha coxa, eu não tenho idéia de como esconder minha inexperiência. Ele se afasta para olhar para mim e eu tento manter o pânico fora dos meus olhos. "Fique esta noite", ele murmura. Por um momento, acho que ele quer dizer com ele, com ele, e meu coração acelera com alguma combinação de desejo e pavor. Então, abruptamente, eu lembro que haverá uma festa - é para isso que ele está me pedindo para ficar. Aqueles criados invisíveis, onde quer que estejam, devem estar preparando a propriedade. Logo Valerian, meu pretenso assassino, poderia estar dançando no jardim. Bem, talvez não dançando. Ele provavelmente estará encostado em uma parede rigidamente, com uma bebida na mão, ataduras em torno de suas costelas e um novo plano para me matar em seu coração. "Seus amigos não vão gostar", digo, deslizando para fora da mesa. "Eles logo estarão bêbados demais para perceber. Você não pode passar sua vida trancada no quartel glorificado de Madoc. Ele me dá um sorriso que claramente quer me encantar. Isso funciona. Penso na oferta de Dain para me


dar uma marca de amor em minha testa e me pergunto se Locke poderia ter uma, porque, apesar de tudo, estou tentada. "Eu não tenho as roupas certas", eu digo, apontando para a túnica que eu tenho, manchada com o sangue de Valerian. Ele me olha de cima a baixo por mais tempo do que uma inspeção de minhas roupas requer. “Eu posso te encontrar um vestido. Eu posso encontrar qualquer coisa que você queira. Você me perguntou sobre Cardan, Valerian e Nicasia - venha vê-los fora da escola, venha vê-los ser tolos, bêbados e rebaixados. Veja suas vulnerabilidades, as rachaduras em suas armaduras. Você precisa conhecê-los para vencê-los, certo? Eu não digo que você vai gostar deles, mas você não precisa gostar deles. " "Eu gosto de você", digo a ele. "Eu gosto de de fingir com você." "Fingir?", Ele ecoa, como se não tivesse certeza se estou insultando-o. "Claro", eu digo, indo para as janelas do corredor e olhando para fora. O luar flui para a entrada arborizada do labirinto. Tochas estão queimando por perto, as chamas piscando e oscilando ao vento. “Claro que estamos fingindo! Nós não nos pertencemos juntos, mas é divertido de qualquer maneira." Ele me dá um olhar avaliador e conspiratório. "Então vamos continuar fazendo isso." "Ok", eu digo impotente. "Eu vou ficar. Eu vou para a sua festa. ”Eu me diverti pouco na minha vida até agora. A promessa de mais é difícil de resistir. Ele me conduz por várias salas até chegarmos a portas duplas. Por um momento, ele hesita, olhando para mim. Então ele os abre, e nós estamos em um quarto enorme. Uma camada espessa e opressiva de poeira cobre tudo. Existem pegadas - dois conjuntos. Ele veio aqui antes, mas não muitas vezes. “Os vestidos no armário eram da minha mãe. Empreste o que quiser" Ele diz, pegando minha mão.


Olhando em volta deste quarto intocado no coração da casa, eu entendo a dor que o fez prendê-lo por tanto tempo. Fico feliz em poder entrar. Se eu tivesse um quarto cheio de coisas da minha mãe, não sei se deixaria alguém entrar. Eu nem sei se eu mesma teria de coragem. Ele abre um dos armários. Muitas das roupas são comidas por traças, mas eu posso ver o que elas já foram. Uma saia com um padrão frisado de romãs, outra que se levanta, como uma cortina, para mostrar um palco com fantoches mecânicos embelezados por baixo. Há até uma costurada com a silhueta de faunos dançantes tão altos quanto a própria saia. Eu admirei os vestidos de Oriana por sua elegância e opulência, mas eles despertam em mim a fome de um vestido que é desordenado. Eles me fazem desejar ter visto a mãe de Locke em um de seus vestidos. Eles me fazem pensar que ela deve ter gostado de rir. "Eu não acho que eu já vi um vestido como qualquer um desses", digo a ele. "Você realmente quer que eu use um?" Ele passa a mão por uma manga. "Eu acho que eles estão um pouco apodrecidos." "Não", eu digo. "Eu gosto deles." Aquele com os faunos é o menos danificado. Eu espano e puxo por trás de uma tela antiga. Eu luto, porque é o tipo de vestido que é difícil de colocar sem a ajuda de Tatterfell. Não faço ideia de como arrumar meu cabelo de maneira diferente, por isso deixo-o como está - trançado em uma coroa em volta da minha cabeça. Quando eu limpo um espelho de prata com a minha mão e me vejo vestida com as roupas de uma fada morta, um arrepio passa por mim. De repente, eu não sei porque estou aqui neste lugar. Não tenho certeza das intenções de Locke. Quando ele tenta me colocar nas jóias de sua mãe, eu as recuso. "Vamos sair para o jardim", eu digo. Eu não quero mais estar nesta sala vazia e ecoante.


Ele guarda a longa fileira de esmeraldas que estava segurando. Ao sairmos, olho para o closet de roupas fofas. Apesar dos meus sentimentos de desconforto, há uma parte de mim que não pode deixar de imaginar como seria ser a amante deste lugar. Imaginando o Príncipe Dain com a coroa. Imaginando nós nos divertido na longa mesa em que nos beijamos, meus colegas todos bebendo o vinho verde pálido e fingindo que nunca tinham tentado me matar. Locke, com a mão dele na minha.. E eu, espionando todos eles para o rei. O labirinto é mais alto que a altura de um ogro e é formado por folhas densas e brilhantes em um verde profundo. Aparentemente, o círculo de Cardan se encontra aqui com frequência. Eu posso ouvi-los rindo no centro do labirinto quando saio com Locke, atrasado para a sua própria reunião. O cheiro de licor de pinheiro está vivo no ar. A luz das tochas faz longas sombras e limita tudo em escarlate. Meus passos são lentos. Alcançando o bolso do vestido emprestado, toco minha faca, ainda manchada com o sangue de Valerian. Quando faço isso, meus dedos acendem em outra coisa, algo que a mãe de Locke deve ter deixado anos antes. Pego sua bugiganga - uma bolota de ouro. Não se parece com jóias - não há corrente e não posso imaginar que propósito poderia ter tido além de ser bonito. Eu coloco de volta no meu bolso. Locke segura minha mão enquanto nos movemos pelas curvas do labirinto. Não parece que haja muitos. Eu tento mapear isso em minha mente enquanto eu vou, no caso de ter que encontrar meu caminho sozinha. A simplicidade do labirinto me deixa nervosa em vez de confiante. Eu não acredito que haja muitas coisas simples em Faerie. Em casa, o jantar estará chegando ao fim sem mim. Taryn vai estar sussurrando para Vivi como eu fui em algum lugar com Locke. Madoc vai franzir a testa e esfaquear a carne, aborrecido comigo por perder as lições. Eu enfrentei coisas piores.


No centro do labirinto, um flautista está tocando uma música selvagem e ritmada. Pétalas de rosas brancas sopram no ar. As pessoas se reúnem, comem e bebem de uma longa mesa de banquete que parece estar amontoada de diferentes destilações - cordiais em que as raízes de mandrágora flutuam, vinho azedo de ameixa, um licor claro infundido com punhados de trevo vermelho. E além desses, frascos de ouro nunca mais. Cardan está deitado em um cobertor, com a cabeça inclinada para trás e a camisa branca solta desabotoada. Embora ainda seja cedo no meio da noite, ele parece estar muito bêbado. Sua boca é flocada com ouro. Uma garota com chifres que eu não conheço está beijando sua garganta, e outra, esta com cabelo de narciso, pressiona sua boca contra a panturrilha de sua perna, logo acima do topo de sua bota. Para meu alívio, não vejo Valerian. Espero que ele esteja em casa, cuidando daquela ferida que eu dei a ele. Locke me traz um pouco de licor e tomo um pequeno gole escaldante por causa da educação. Eu começo a tossir imediatamente. Naquele momento, o olhar de Cardan vai para mim. Seus olhos mal estão abertos, mas eu posso ver o brilho deles. Ele me observa quando a garota beija sua boca, me observa enquanto ela desliza a mão sob a bainha de sua camisa boba e ruffly. Minhas bochechas esquentam. Eu olho para o lado e depois fico com raiva de mim mesma por dar a ele a satisfação de parecer desconfortável. Ele é quem está fazendo um espetáculo de si mesmo. "Eu vejo que um membro do Círculo de Vermes escolheu nos agraciar com a sua presença hoje à noite", diz Nicasia, nadando até nós em um vestido com todas as cores do pôr do sol. Ela olha no meu rosto. "Mas qual é esse?" "Aquele que você não gosta", digo a ela, ignorando o seu chiado. Isso faz com que ela dê uma risada alta e falsa. "Oh, você pode se surpreender como alguns de nós se sentem sobre vocês dois." "Eu prometi a você melhores diversões do que isso", diz Locke rigidamente, pegando meu cotovelo. Eu sou grata quando ele me puxa para uma mesa baixa com almofadas espalhadas ao acaso ao redor dele, mas eu não posso


deixar de dar a Nicassia uma pequena onda de antagonismo quando eu vou. Eu despejo minha bebida na grama quando Locke não está olhando. O flautista termina, e um menino nu, brilhando com tinta dourada, tira uma lira e canta uma canção imunda sobre corações partidos: senhora justa! Ó senhora cruel! Como eu sinto falta do seu doce desgoverno. Eu sinto falta do seu cabelo. Sinto falta de seus olhos. Mas acima de tudo, sinto falta das suas coxas. " Locke me beija de novo, na frente do fogo. Todo mundo pode ver, mas eu não sei se eles estão olhando, porque eu fecho meus olhos com tanta força quanto posso


Eu acordo na casa de Locke em uma cama coberta de tapeçarias. Minha boca tem gosto de ameixas azedas e está inchada de beijos. Locke está ao meu lado na cama, os olhos fechados, ainda em suas roupas de festa. Eu paro no ato de levantar para estudá-lo, suas orelhas afiadas e cabelo de pele de raposa, a suavidade de sua boca, seus longos membros espalhados na cama. Sua cabeça está apoiada em um dos punhos cobertos de babados. A noite volta em uma corrida de memória. Houve dança e uma perseguição pelo labirinto. Eu lembro de cair em minhas mãos no chão e rir, totalmente diferente de mim. De fato, quando olho para o vestido de baile emprestado em que dormi, há manchas de grama nele. Não que eu fosse o primeiro a vesti-la de verde. O príncipe Cardan me observou a noite toda, um tubarão agitado, esperando o momento certo para morder. Mesmo agora posso conjurar a lembrança do negro chamuscado de seus olhos. E se eu rir mais alto para irritá-lo, se eu sorrir mais e beijar Locke por mais tempo, isso é uma espécie de atitude que nem o povo pode condenar. Agora, porém, a noite parece um longo sonho impossível. O quarto de Locke


é confuso - livros e roupas espalhados em divãs e sofás baixos. Eu atravesso a porta e sigo os corredores vazios da casa. Encontrando meu caminho de volta para a sala empoeirada da mãe dele, eu tiro o vestido dela e puxo as roupas de ontem. Eu chego para pegar minha faca no bolso dela, e quando eu faço, a bolota de ouro sai com ela. Impulsivamente, eu enfio a faca e a bolota na minha túnica. Eu quero uma recordação da noite, algo para recordar, se nada acontecer de novo. Locke me disse que eu poderia pegar qualquer coisa emprestada na sala, e eu estou pedindo isso emprestado. No meu caminho, passo a longa mesa de jantar. Nicasia está lá, seccionando uma maçã com uma pequena faca. "Seu cabelo parece um ninho", diz ela, colocando uma fatia de fruta em sua boca. Eu olho para uma placa de prata na parede, que mostra apenas uma imagem distorcida e borrada de mim mesma. Mesmo nisso, posso dizer que ela está certa - uma auréola marrom cobre minha cabeça. Estendendo a mão, começo a desfazer minha trança, penteando-a com meus dedos. "Locke está dormindo", eu digo, assumindo que ela está esperando para vêlo. Eu espero sentir como se tivesse algo sobre ela, sendo aquela que veio do seu quarto, mas o que eu realmente sinto é um pouco de pânico. Eu não sei como fazer isso. Eu não sei como acordar na casa de um menino e conversar com a garota com quem ele teve um relacionamento. Que ela também é uma garota que provavelmente me quer morta é, estranhamente, a única parte disso que parece normal. "Minha mãe e seu irmão pensaram que íamos nos casar", diz ela, parecendo estar falando ao ar e não para mim. "Seria uma aliança útil". "Com Locke?" Eu pergunto, confusa. Ela me dá um olhar irritado, minha pergunta parece tirá-la brevemente de sua história. “Cardan e eu. Ele estraga as coisas. É disso que ele gosta. Arruinar


as coisas." Claro que Cardan gosta de arruinar as coisas. Eu me pergunto como isso poderia ser algo que ela acabou de perceber. Eu teria pensado que isso seria algo que eles tinham em comum. Deixo-a para sua maçã e suas reminiscências e vou em direção ao palácio. Uma brisa fresca sopra através das árvores, levantando meu cabelo solto e me trazendo o cheiro de pinheiro. No céu, ouço o chamado das gaivotas. Sou grata pela palestra de hoje, feliz por ter uma desculpa para não ir para casa e ouvir o que Oriana tem a dizer para mim. Hoje a palestra está na torre, minha localização menos favorita. Eu subo os degraus e me acomodo. Estou atrasada, mas encontro um lugar em um banco perto dos fundos. Taryn está sentada do outro lado. Ela olha para mim uma vez, levantando as sobrancelhas. Cardan está ao lado dela, vestido de veludo verde, com costura dourada escolhendo espinhos com ponta de fio azul. Ele descansa em seu assento, dedos longos batendo inquietamente contra a madeira do banco ao lado dele. Olhar para ele me faz sentir igualmente inquieta. Pelo menos Valerian não apareceu. É demais esperar que ele nunca volte, mas pelo menos eu tenho hoje. Um novo instrutora, chamado Dulcamara, está falando sobre regras de herança, provavelmente em antecipação à próxima coroação. A coroação, que marcará minha ascensão ao poder também. Uma vez que o príncipe Dain for o rei supremo, seus espiões podem assombrar as sombras de Elfhame com o próprio Dain para nos manter sob controle. “Em alguns tribunais inferiores, um assassino de rei ou rainha pode assumir o trono”, diz Dulcamara. Ela continua nos dizendo que faz parte do Tribunal de Cupins, que ainda não se juntou à faixa de Eldred. Embora ela não esteja usando armadura, ela fica como se estivesse


acostumada ao peso dela. “E é por isso que a rainha Mab negociou com as fadas selvagens para fazer a coroa que o rei Eldred usa, que só pode ser passada para seus descendentes. Seria complicado obtê-la à força. Ela sorri perversamente. Se Cardan fosse tentar parar a aula, ela o comeria vivo e quebraria seus ossos pela medula. As crianças Gentry olham desconfortavelmente para Dulcamara. Há rumores de que Lorde Roiben, seu rei, está planejando jurar lealdade para o novo rei supremo, trazendo com ele sua grande corte, que prendeu as forças de Madoc por anos. O ingresso de Roiben no Supremo Tribunal de Elfhame é amplamente considerado um golpe de mestre da diplomacia, negociado pelo príncipe Dain contra os desejos de Madoc. Eu suponho que ela venha para a coroação. Larkspur, um dos mais jovens de nós, fala. “O que acontece quando não há mais crianças na linhagem Greenbriar?” O sorriso de Dulcamara é gentil. “Uma vez que há menos de dois descendentes - um para usar a coroa e o outro para ser o sucessor - a Coroa Alta e seu poder desmoronam. Todos os Elfhame estarão livres de seus juramentos para isso. “Então, quem sabe? Talvez um novo governante faça uma nova coroa. Talvez você volte a guerrear com tribunais Seelie e Unseelie menores. Talvez você se junte aos nossos banners no sudoeste. ”Seu sorriso deixa claro qual dos que ela preferiria. Eu coloco minha mão para cima. Dulcamara acena em minha direção. "E se alguém tentar roubar a coroa?" Cardan me dá uma olhada. Eu quero olhar, mas não posso deixar de pensar nele esparramado no chão com aquelas garotas. Minhas bochechas esquentam de novo. Eu solto meu olhar. "Uma questão interessante", diz Dulcamara. “Diz a lenda que a coroa não vai


permitir que seja colocada na cabeça de qualquer um que não seja um herdeiro de Mab, mas a linha de Mab tem sido muito frutífera. Enquanto um par de descendentes tentar levar a coroa, isso poderia ser feito. Mas a parte mais perigosa de um golpe seria esta: a coroa é amaldiçoada para aquele que causa a morte de seu portador legitimo” Penso na nota que encontrei na casa de Balekin, em cogumelos blush, sobre vulnerabilidade. Após a palestra, desço os degraus com cuidado, lembrando-me de levá-los a uma corrida depois de esfaquear Valerian. Minha visão se confunde e sintome tonta por um momento, mas o momento passa. Taryn, vindo que esta atrás de mim, quase me empurra para a floresta quando estamos fora. "Primeiro de tudo", diz ela, puxando-me sobre manchas de samambaias curling, "ninguém sabe que você não estava em casa toda a noite passada, exceto para Tatterfell, e eu dei-lhe um dos seus mais bonitos anéis para se certificar de que ela não diria qualquer coisa. Mas você tem que me dizer onde você estava." "Locke deu uma festa em sua casa", eu digo. "Eu fiquei - mas não foi, quero dizer, nada aconteceu. Nós nos beijamos. Foi isso. Suas tranças castanhas voam quando ela balança a cabeça. "Eu não sei se acredito nisso." Eu solto a respiração, talvez um pouco dramaticamente. "Porque eu mentiria? Eu não sou aquela que esconde a identidade da pessoa que me corteja. ” Taryn franze a testa. "Eu só acho que dormir no quarto de alguém, na cama de alguém, é mais do que beijar." Minhas bochechas esquentam, pensando na maneira como se sentiume senti ao acordar com o corpo esticado ao lado do meu. Para tirar a atenção de mim, começo a especular sobre ela. "Ooooh, talvez seja o Príncipe Balekin. Você vai se casar com o Príncipe Balekin? Ou talvez seja Noggle e você pode contar as estrelas juntas.


Ela me bate no braço, um pouco demais. "Pare de adivinhar", diz ela. "Você sabe que eu não tenho permissão para dizer." Eu pego uma flor branca e a coloco atrás da minha orelha. "Então você gosta dele?" Ela pergunta. “Realmente gosta dele?” "Locke?" Eu pergunto. "Claro que eu gosto." Ela me dá uma olhada, e eu me pergunto o quanto eu a preocupei não voltando para casa na noite anterior. "De Balekin eu gosto bem menos", eu digo, e ela revira os olhos. Quando voltarmos para a fortaleza, Madoc mandou avisara que ele estará fora até tarde. Com pouco mais que fazer, procuro por Taryn, mas, embora a tenha visto subir alguns minutos antes, ela não está em seu quarto. Em vez disso, o vestido dela está na cama e seu armário aberto, alguns vestidos pendurados grosseiramente, como se ela os puxasse para fora antes de achá-los carentes. Ela foi ao encontro de seu pretendente? Eu dou uma volta pela sala, tentando vê-la como um espiã, alerta para sinais de segredos. Não noto nada incomum, a não ser algumas pétalas de rosas murchando em sua penteadeira. Eu vou para o meu quarto e deito na minha cama, revisando minhas memórias da noite anterior. Alcançando meu bolso, eu removo minha faca para finalmente limpá-la. Quando eu o levanto, também estou segurando a bolota de ouro. Eu viro a bugiganga na minha mão. É sólido pedaço de metal - um belo objeto. De início, só percebo isso, antes de notar as linhas minúsculas que o atravessam, pequenas linhas que parecem indicar partes móveis. Como se fosse um quebra-cabeça. Eu não posso estragar tudo, embora eu tente. Eu não consigo fazer mais nada com isso também. Estou prestes a desistir e jogá-lo em minha penteadeira quando vislumbro um pequeno buraco, tão pequeno que fica quase invisível,


bem no fundo. Pulando da minha cama, eu chacoalhei minha mesa, procurando por um alfinete. O que eu acho tem uma pérola em uma extremidade. Eu tento encaixar o ponto na bolota. Demora um momento, mas eu consigo, empurrando resistência passado até que eu sinto um clique e ele se abre. Degraus mecanizados saem de um centro brilhante, onde repousa um pequeno pássaro dourado. Seu bico se move, e fala em uma pequena voz que range. “Minha querida amiga, estas são as últimas palavras do Liriope. Eu tenho três pássaros dourados para dispersar. Três tentativas para colocar um em sua mão. Estou longe demais para qualquer antídoto, e se você ouvir isso, eu deixo você com o fardo dos meus segredos e o último desejo do meu coração. Proteja-o. Leve-o longe dos perigos deste Tribunal. Mantenha-o em segurança e nunca diga a ele a verdade do que aconteceu comigo. Tatterfell entra na sala, trazendo consigo uma bandeja com as coisas do chá. Ela tenta espiar o que eu estou fazendo, mas eu coloco minha mão sobre a bolota. Quando ela sai, eu coloco a bugiganga e me sirvo uma xícara de chá, segurando-a para aquecer minhas mãos. Liriope é a mãe de Locke. Esta parece ser uma mensagem pedindo a alguém - seu amigo mais querido - para afastar de Locke. Ela chama a mensagem de suas "últimas palavras", então ela deve ter sabido que estava prestes a morrer. Talvez as bolotas fossem enviadas para o pai de Locke, na esperança de que Locke passasse o resto de sua vida explorando lugares selvagens com ele, em vez de ser envolvido em intrigas. Mas desde que Locke ainda está aqui, parece que nenhuma das três bolotas foram encontradas. Talvez nenhum deles sequer tenha deixado o caramanchão. Eu deveria dar a ele, deixar ele decidir por si mesmo o que fazer com isso. Mas tudo o que eu continuo pensando é na nota na mesa de Balekin, a nota que parecia implicar Balekin no assassinato de Liriope. Devo contar tudo a Locke? Eu conheço a proveniência do cogumelo que você pede, mas o que você faz


com ele não deve estar ligado a mim. Eu viro as palavras em minha mente do jeito que virei a bolota em minha mão, e sinto as mesmas costuras. Há algo estranho nessa frase. Eu copio novamente em um pedaço de papel para ter certeza de que me lembro corretamente. Quando li pela primeira vez, a nota parecia implicar que a rainha Orlagh havia localizado um veneno mortal para Balekin. Mas os cogumelos blusher embora raros - crescem selvagens, mesmo nesta ilha. Peguei cogumelos blusher no Milkwood, ao lado das abelhas de espinhos negros, que constroem suas colmeias no alto das árvores (um antídoto pode ser feito com o mel deles, eu aprendi recentemente em todas as minhas leituras). Os cogumelos blusher não são perigosos se você não beber o líquido vermelho. E se a nota da Rainha Orlagh não significasse que ela encontrou cogumelos blusher e ela os daria a Balekin? E se por "conhecer a proveniência", Orlagh literalmente quis dizer que sabia de onde vinham cogumelos em particular?


Afinal, ela diz "o que você faz com isso" e não “o que você faz com eles. Ela está alertando-o sobre o que ele vai fazer com o conhecimento, não com os verdadeiros cogumelos. O que significa que ele não vai envenenar Dain. Isso também significa que Balekin pode ter descoberto quem causou a morte da mãe de Locke, se ele descobriu quem tinha os cogumelos. A resposta poderia ter estado lá, entre os outros papéis que eu, na minha ânsia, negligenciara. Eu tenho que voltar. Eu tenho que voltar para a torre. Hoje, antes que a coroação esteja mais próxima. Porque talvez Balekin não tente matar Dain e a Corte das Sombras tenha uma ideia errada. Ou, se eles tiverem a ideia certa, ele não vai fazer isso com cogumelos blusher. Engoli meu chá e encontrei o traje de empregado no fundo do meu armário. Eu pego meu cabelo e arrumo em uma aproximação da trança áspera que as garotas da casa de Balekin usavam. Eu coloco minha faca na minha coxa e lanço um pouco da minha caixa de sal no bolso. Então eu pego meu manto, pego nos meus sapatos de couro, e saio pela porta, com as palmas das mãos começando a suar. Eu aprendi muito mais desde a minha primeira incursão em Hollow Hall, o suficiente para me fazer entender melhor os riscos que eu estava correndo. Isso não faz nada pelos meus nervos. Dado o que vi dele com Cardan, não estou confiante de que poderia suportar o que Balekin faria comigo se me pegasse. Respirando fundo, lembro-me de não ser pega. Isso é o que o Roach diz que o trabalho real de um espião é. A informação é secundária. O trabalho não é ser pego. No corredor, eu passo por Oriana. Ela me olha de cima a baixo. Eu tenho que resistir ao desejo de puxar o manto mais firmemente em torno de mim. Ela está usando um vestido da cor de amoras verdes, e seu cabelo está


ligeiramente puxado para trás. As pontas das orelhas pontudas estão cobertas de punhos de cristal cintilantes. Eu tenho um pouco de inveja deles. Se eu os usasse, eles disfarçariam a redondeza humana de minhas próprias orelhas. "Você chegou em casa muito tarde na noite passada", diz ela, aborrecimento puxando sua boca. "Você perdeu o jantar, e seu pai estava esperando que você treinasse com ele." "Eu vou fazer melhor", eu digo, então imediatamente lamento a declaração, porque eu provavelmente não vou estar de volta para o jantar hoje à noite, também. "Amanhã. Eu vou começar a fazer melhor amanhã. “Criatura sem fé,” Oriana diz, olhando para mim como se através da intensidade de seu olhar ela pudesse descobrir meus segredos. "Você está planejando." Estou tão cansada de sua suspeita, tão cansada. "Você sempre pensa isso", eu digo. "Só que pela primeira vez você está certa." Deixando-a para se preocupar com o que isso poderia significar, desço as escadas e caminho para a grama. Desta vez, não há ninguém no meu caminho, ninguém para me fazer reconsiderar o que estou prestes a fazer. Eu não trago o sapo dessa vez; Eu sou mais cuidadosa. Enquanto ando pela floresta, vejo uma coruja sobrevoando. Eu puxo o capuz da minha capa para cobrir meu rosto. No Hollow Hall, guardo meu manto do lado de fora, entre as toras de uma pilha de lenha, e entro pelas cozinhas, onde o jantar está sendo preparado. As compressas são lacadas com geléia de rosas, o cheiro de sua pele crepitante é suficiente para fazer minha boca encher de água e meu estômago apertar. Abro um armário e sou recebida por uma dúzia de velas, todas da cor de couro polido e acentuadas com um selo de ouro do brasão pessoal de Balekin - três pássaros negros rindo. Eu tiro nove velas e, tentando me mover o mais mecanicamente possível, carrego-as pelos guardas. Um guarda me dá um


olhar estranho. Tenho certeza de que há algo errado em mim, mas ele já viu meu rosto antes e estou mais segura do que da última vez. Pelo menos até eu ver Balekin descendo as escadas. Ele olha na minha direção, e é tudo que posso fazer é manter a cabeça baixa, e olhas para os meus passos. Eu carrego as velas para a sala na minha frente, que acaba por ser a biblioteca. Para meu imenso alívio, ele não parece me ver de verdade. Meu coração está acelerado, minha respiração está acelerada demais. A criada que estava limpando a lareira no quarto de Cardan está colocando os livros de volta nas prateleiras. Ela é como eu me lembro dela - lábios rachados, finos e com olhos machucados. Seus movimentos são lentos, como se o ar fosse tão denso quanto a água. Em seu sonho drogado, não sou mais interessante que a mobília e de menor importância. Eu examino as prateleiras com impaciência, mas não vejo nada útil. Preciso ir até a torre, passar por toda a correspondência do príncipe Balekin e esperar encontrar algo a ver com a mãe de Locke, Dain ou a coroação, algo que ignorei. Mas eu não posso fazer nada com Balekin entre mim e as escadas. Eu olho para a garota novamente. Eu me pergunto como é a vida dela aqui, o que ela sonha. Se ela alguma vez, por um momento, tivesse a chance de fugir. Pelo menos, graças aos geas, se Balekin me pegasse, esse não poderia ser meu destino. Eu espero, contando até mil, enquanto coloco minhas velas em uma cadeira. Então eu olho para fora. Felizmente, Balekin se foi. Rapidamente, subo as escadas em direção à torre. Eu prendo a respiração quando passo pela porta de Cardan, mas a sorte está comigo. Está bem fechada. Então subo as escadas e entro no escritório de Balekin. Observo as ervas nos vasos ao redor da sala, ervas que vejo com novos olhos. Alguns são venenosos, mas a maioria é apenas narcótica. Em nenhum lugar eu vejo cogumelos blusher. Vou até a escrivaninha dele e limpo as mãos contra o pano áspero do vestido, tentando não deixar vestígios de suor, tentando


memorizar o padrão de papéis. Há duas cartas de Madoc, mas elas parecem ser sobre quais cavaleiros estarão na coroação e em que padrão ao redor do estrado central. Há outros que parecem ser sobre encontros amorosos, sobre orgias e festas e orgias. Nada sobre cogumelos Blush, nada sobre venenos em tudo. Nada sobre Liriope ou assassinato. A única coisa que parece até um pouco surpreendente é um pouco de burlesco, um poema de amor na mão do príncipe Dain, sobre uma mulher que permanece não identificada, exceto por seu “cabelo nascer do sol” e “olhos estrelados.” Há outros que parecem ser sobre atribuições, sobre festins, festas e deboches. Nada sobre cogumelos blusher, nada sobre venenos. Pior, nada que eu possa encontrar me diz algo sobre um plano para se mover contra o príncipe Dain. Se Balekin vai matar seu irmão, ele é esperto o suficiente para não deixar evidências por aí. Até mesmo a carta sobre o cogumelo blush desapareceu. Eu arrisquei vir ao Hollow Hall por nada. Por um momento, fico ali parada, tentando organizar meus pensamentos. Eu preciso sair sem chamar atenção para mim mesma. Um mensageiro. Vou me disfarçar de mensageiro. As mensagens entram e saem de imóveis o tempo todo. Pego uma folha de papel em branco e rabisco Madoc de um lado, depois selo o outro com cera. O enxofre da partida fica suspenso no ar por um momento. Quando se dissipa, desço os degraus, falsifico a mensagem na mão. Quando passo pela biblioteca, hesito. A garota ainda está lá dentro, levantando livros mecanicamente de uma pilha e colocando-os nas prateleiras. Ela vai continuar fazendo isso até que ela diga para fazer outra coisa, até que ela entre em colapso, até que ela desapareça, esquecida. Como se ela não fosse nada. Eu não posso deixá-la aqui.


Eu não tenho nada para voltar no mundo mortal, mas ela pode ter. E sim, é uma traição da fé do príncipe Dain em mim, uma traição do próprio país das fadas. Eu sei disso. Mas, mesmo assim, não posso deixá-la. Há um tipo de alívio em perceber isso. Entro na biblioteca, colocando o bilhete em uma mesa. Ela não liga, não reage de maneira alguma. Eu enfio a mão no bolso e coloco um pouco de sal no centro da palma da mão. Eu seguro para ela, do jeito que eu faria se estivesse persuadindo um cavalo com açúcar. "Coma isso", digo a ela em voz baixa. Ela se vira para mim, embora seu olhar não se concentre. "Eu não estou autorizada," ela diz, voz áspera com desuso. "Sem sal. Você não deveria ... Eu bato minha mão sobre sua boca, um pouco de sal derramando no chão, o resto pressionado contra seus lábios. Eu sou uma idiota. Um idiota impulsiva. Travando meu braço ao redor dela, eu a arrasto mais para dentro da biblioteca. Ela está alternando entre tentar gritar e tentar me morder. Ela continua arranhando meus braços, suas unhas cavando na minha pele. Eu a seguro lá, contra a parede, até que ela caia, até que ela pare de lutar. "Eu sinto muito", eu sussurro enquanto eu a seguro. "Eu estou ajudando. Eu não quero te machucar. Eu quero te salvar. Por favor, deixe-me fazer isso. Deixe-me salvar você Finalmente, ela ainda tem tempo suficiente para eu ter uma chance e puxar minha mão. Ela está ofegante, respirações vindo rápido. Ela não grita, no entanto, o que parece ser um bom sinal. "Estamos saindo daqui", digo a ela. "Você pode confiar em mim." Ela me dá um olhar de incompreensão inexpressiva. "Apenas aja como se tudo estivesse normal." Eu a puxo para os pés e percebo a impossibilidade do que estou pedindo. Seus olhos estão rolando em sua cabeça como um pônei louco. Eu


não sei quanto tempo nós temos até que ela perca completamente o controle. Ainda assim, não há nada que eu possa fazer alem de leva-la para fora de Hollow Hall o mais rápido que posso. Eu enfio a cabeça na câmara principal. Ainda está vazio, então eu a arrasto da biblioteca. Ela está olhando em volta como se estivesse vendo a pesada escadaria de madeira e a galeria acima pela primeira vez. Então lembro que deixei minha nota falsa na mesa da biblioteca. "Espere", eu digo. "Eu tenho que voltar e ..." Ela faz um som melancólico e puxa contra o meu aperto. Eu a arrasto comigo e pego a mensagem. Eu amasso e enfio no bolso. É inútil agora, quando os guardas se lembram disso e conectam o desaparecimento de uma criada à casa da pessoa que a roubou. "Qual o seu nome?" A garota sacode a cabeça. "Você deve se lembrar disso", insisto. É terrível que, em vez de ser simpática, eu esteja aborrecida. Buck up, eu acho. Pare de expor seus sentimentos. Vamos." "Sophie", diz ela em uma espécie de soluço. As lágrimas estão começando em seus olhos. Eu me sinto pior e pior ainda por quão cruel eu estou prestes a ser. "Você não tem permissão para chorar", digo a ela com a maior dureza que posso, esperando que meu tom a assuste. Eu tento o meu melhor para soar como Madoc, soar como se eu estivesse acostumada a ter meus comandos obedecidos. “Você não deve chorar. Eu vou te dar um tapa se for preciso. Ela se encolhe, mas se afasta em silêncio. Eu limpo seus olhos com as costas da minha mão. "Ok?" Eu pergunto a ela. Quando ela não responde, percebo que não há mais sentido em conversar. Eu a dirijo para as cozinhas. Teremos que passar por guardas; não há outra saída. Ela colou um sorriso horrível no rosto, mas pelo menos ela tem autocontrole suficiente para isso. Mais preocupante é a maneira como ela não consegue


parar de encarar as coisas. Enquanto caminhamos em direção aos guardas, a intensidade de seu olhar é impossível de disfarçar. Eu improviso, tentando soar como se estivesse recitando uma mensagem memorizada, sem inflexão nas palavras. "O Príncipe Cardan diz que devemos atendê-lo." Um dos guardas vira para o outro. "Balekin não vai gostar disso." Eu tento não reagir, mas é difícil. Eu apenas fico lá e espero. Se eles atacarem a gente, eu vou ter que matá-los. "Muito bem", diz o primeiro guarda. "Va. Mas informe a Cardan que seu irmão exige que ele traga vocês duas de volta desta vez." Eu não gosto do som disso. O segundo guarda olha para Sophie e seus olhos selvagens. "O que você vê?" Eu posso senti-la tremendo ao meu lado, todo o seu corpo tremendo. Eu preciso dizer algo rápido, antes que ela faça. "Lord Cardan nos disse para sermos mais observadoras" Eu digo, esperando que a confusão plausível de um comando ambíguo ajude a explicar o modo como ela está agindo . Então eu ando com Sophie pelas cozinhas, passando pelos servos humanos que não estou salvando, ciente da futilidade de minhas ações. Ajudar uma pessoa realmente importa, em equilíbrio? Assim que eu tiver poder, vou encontrar uma maneira de ajudar todos eles, digo a mim mesma. E quando Dain estiver no poder, eu terei poder. Eu me certifico de manter meus movimentos lentos. Eu só me deixo respirar quando finalmente saímos. E acontece que é cedo demais. Cardan está cavalgando em nossa direção em um cavalo cinza alto e malhado. Atrás dele é uma garota em um palafrém Nicasia. Assim que ele entrar, os guardas perguntarão a ele sobre nós. Assim que ele entrar, ele saberá que algo está errado.


Se ele não me vir e souber mais cedo que isso. Qual seria a punição por roubar o servo de um príncipe? Eu não sei. Uma maldição, talvez, como ser transformado em um corvo e forçado a voar para o norte e viver sete vezes sete anos em um palácio de gelo - ou pior, sem maldição. Uma execução. É preciso tudo o que tenho para não fugir. Não é como se eu achasse que eu poderia ir para a floresta, especialmente não levando uma garota comigo. Ele iria cavalgar atrás de nós. "Pare de olhar", eu assobio para Sophie, mais dura do que eu quero dizer. "Olhe para os seus pés." "Pare de me xingar", ela diz, mas pelo menos ela não está chorando. Eu mantenho minha cabeça abaixada e, enlaçando seu braço pelo meu, ando em direção à floresta. Com o canto do meu olho, vejo Cardan descendo da sela, cabelos negros soprados pelo vento. Ele olha na minha direção e faz uma pausa por um momento. Eu sugo minha respiração e não corro. Eu não posso correr. Não há trovões de cascos, nem corridas para nos apanhar e punir. Para meu imenso alívio, ele parece ver apenas dois servos indo em direção à floresta, talvez para recolher madeira ou bagas ou algo assim. Quanto mais nos aproximamos da borda da floresta, mais cada passo parece carregado. Então Sophie se ajoelha, voltando-se para olhar a mansão de Balekin. Um som agudo vem do fundo de sua garganta. "Não", diz ela, balançando a cabeça. "Não não não não não. Não. Isso não é real. Isso não aconteceu. Eu empurro ela, cavando meus dedos em sua axila. "Mova-se", eu digo. “Mova-se ou deixarei você aqui. Você me entende? Eu vou deixar você, e o Príncipe Cardan vai encontrar você e arrastá-la de volta para dentro.


Travando um olhar para trás, eu o vejo. Ele está fora de seu cavalo e levandoo para os estábulos. Nicasia ainda está sentada em cima dele, a cabeça inclinada para trás, rindo de algo que ele disse. Ele está sorrindo também, mas não é seu desdém habitual. Ele não parece o vilão perverso de uma história. Ele parece um garoto desumano saindo para passear com sua amiga ao luar. Sophie cambaleia para frente. Não podemos ser pegas agora, não quando estamos tão perto. No momento em que eu atravesso as madeiras cobertas de pinheiros, solto um suspiro enorme. Eu a mantenho em movimento até chegarmos ao riacho. Eu a faço andar através dele, embora a água fria e a lama sugadora nos atrase. Qualquer maneira de esconder nossas pegadas vale a pena. Eventualmente, ela afunda no banco e cede ao choro. Eu a observo, desejando saber o que fazer. Desejando ser uma pessoa melhor e mais compreensiva, em vez de ficar aborrecida e preocupada com a possibilidade de qualquer atraso nos pegar. Fiz sentar-me nos restos de um tronco comido por cupins na margem do riacho e deixei-a chorar, mas quando os minutos se passaram e suas lágrimas não pararam, eu me aproximei e me ajoelhei na grama lamacenta. "Não estamos da minha casa", digo, tentando soar persuasivo. "Só um pouco mais andando." "Cale a boca!" Ela grita, levantando a mão para me afastar. Eu quero gritar com ela. Eu quero sacudi-la Eu mordo minha língua e cerro minhas mãos para me fazer parar. "Ok", eu digo, respirando fundo. “Isso está acontecendo rápido, eu sei. Mas eu realmente quero te ajudar. Eu posso te tirar de Faerie. Esta noite." A garota está balançando a cabeça novamente. "Eu não sei", diz ela. "Eu não sei. Eu estava no Burning Man, e havia um cara que disse que tinha esse show passando por canapés para um esquisito rico em uma das barracas com ar-condicionado.


Apenas não pegue nada, ele me disse. Se fizer isso, você terá que me servir por mil anos ... ” Sua voz desaparece, mas agora vejo como ela ficou presa. Deve ter parecido que ele estava fazendo uma piada. Ela deve ter rido e ele deve ter sorrido. E então, se ela comesse um único pedaço de camarão ou embolsasse alguns dos talheres - tudo seria verdade. "Tudo bem", digo sem pensar. "Vai ficar tudo bem." Ela olha para mim e parece me ver pela primeira vez, percebe que estou vestida como ela, como uma criada, mas que há algo de errado em mim. "Quem é Você? O que é este lugar? O quê aconteceu conosco?" Eu perguntei o nome dela, então acho que deveria dar a ela o meu. "Eu sou o Jude. Eu cresci aqui. Uma das minhas irmãs, ela pode levá-la ao mar para a cidade humana perto daqui. De lá, você pode ligar para alguém para pegar você ou você pode ir à polícia e eles encontrarão seu pessoal. Isso está quase no fim. Sophie aceita isso. “Isso é algum tipo de ... o que aconteceu? Eu me lembro de coisas impossíveis. E eu queria Não lembrar, eu não poderia ter desejado ... Sua voz desaparece e eu não sei o que dizer. Eu não posso adivinhar o final de sua sentença. "Por favor, apenas me diga que isso não é real. Eu não acho que posso viver com nada disso sendo real. "Ela está olhando ao redor da floresta, como se ela pudesse provar que não é mágica, então nada mais é, também. Que é estúpido. Todas as florestas são mágicas. "Vamos lá", eu digo, porque, embora eu não goste do jeito que ela está falando, não faz sentido mentir para fazê-la se sentir melhor. Ela vai ter que aceitar que ela está presa em Faerie. Não é como se eu tivesse um barco para levá-la através da água; tudo que tenho são os corcéis de Ragwort de Vivi. "Você pode andar um pouco mais agora?" Quanto mais rápido ela voltar ao mundo humano, melhor.


Quando me aproximo da casa de Madoc, lembro-me do meu manto, ainda amontoado e escondido em uma pilha de lenha perto do Hollow Hall, e me amaldiço novamente. Levando Sophie aos estábulos, eu a sento em uma baia vazia. Ela cai no feno. Eu acho que o vislumbre do sapo gigante desfez o último de sua confiança em mim. "Aqui estamos", eu digo com alegria forçada. "Vou entrar para pegar minha irmã e quero que você espere bem aqui. Promete-me." Ela me dá um olhar terrível. "Eu não posso fazer isso. Eu não posso enfrentar isso. "Você tem que fazer." Minha voz sai mais dura do que eu pretendia. Entro em casa e subo os degraus o mais rápido que posso, na esperança de não encontrar ninguém no caminho. Eu abro a porta do quarto de Vivienne sem me incomodar em bater. Vivi, felizmente, está deitada em sua cama, escrevendo uma carta em tinta verde com desenhos de corações, estrelas e rostos nas margens. Ela olha para cima quando eu entro, jogando o cabelo para trás. "Essa é uma roupa interessante que você tem." "Eu fiz algo realmente estúpido", eu digo, sem fôlego. Isso faz com que ela se levante, escorregando da cama para os pés. "O que aconteceu?" "Eu roubei uma garota humana - uma serva humana - do príncipe Balekin, e eu preciso que você me ajude a levá-la de volta ao mundo mortal antes que alguém descubra." Enquanto eu digo isso, eu percebo mais uma vez quão ridículo era para eu para fazer isso - quão arriscado, quão tola eu fui. Ele só encontrará outro humano disposto a fazer um mau negócio.

Mas Vivi não me repreende. “Ok, deixe-me colocar meus sapatos. Eu pensei


que você ia me dizer que você matou alguém. "Por que você acha isso?" Eu pergunto. Ela bufa enquanto procura por botas. Seus olhos encontram os meus enquanto ela puxa os cadarços. "Jude, você continua sorrindo um sorriso agradável na frente de Madoc, mas tudo o que eu posso ver mais são dentes." Não tenho certeza do que dizer sobre isso. Ela veste um casaco verde comprido, com cascas de pele e fechos de sapo. "Onde está a garota?" "Nos estábulos", eu digo. "Eu te pego-" Vivi balança a cabeça. "Absolutamente não. Você tem que sair dessas roupas. Coloque um vestido e vá jantar e certifique-se de agir como se tudo estivesse normal. Se alguém vier a questioná-lo, diga que você esteve em seu quarto o tempo todo. ” "Ninguém me viu!" Eu digo. Vivi me dá seu melhor olhar de olhos de peixe. "Ninguém? Você tem certeza." Eu penso em Cardan, montando como nós fizemos a nossa fuga, e dos guardas, a quem eu menti. "Provavelmente ninguém", eu emendo. "Ninguém que notou nada." Se Cardan tivesse, ele nunca teria me deixado escapar. Ele nunca teria desistido de ter tanto poder sobre mim. "Sim, isso é o que eu pensei", diz ela, segurando uma mão proibida de dedos longos. "Jude, não é seguro." "Eu vou", eu insisto. "O nome da menina é Sophie, e ela está muito assustada ..." Vivi bufa. "Eu aposto." "Eu não acho que ela vai com você. Você parece um deles. ”Talvez eu tenha mais medo de meu nervosismo acabar do que qualquer outra coisa. Eu me preocupo com a adrenalina que sai do meu corpo, deixando-me para encarar a coisa louca que fiz. Mas, dada a suspeita de Sophie sobre mim, eu


absolutamente acho que os olhos de gato de Vivi seriam o suficiente para mandá-la ao limite. "Porque você é um deles."


"Você está me dizendo no caso de eu esquecer?" Vivi pergunta. "Temos que ir", eu digo. “E eu estou indo. Nós não temos tempo para debater isso. ” "Venha, então", diz ela. Juntas, descemos as escadas, mas quando estamos prestes a sair pela porta, ela agarra meu ombro. "Você não pode salvar a nossa mãe, você sabe. Ela já está morta. Eu sinto como se ela tivesse me esbofeteado. "Isso não é-" "Não é?" Ela exige. "Não é isso que você está fazendo? Diga-me que essa garota não parece mamãe. "Eu quero ajudar Sophie", eu digo, encolhendo os ombros. "Só Sophie." Lá fora, a lua está alta no céu, transformando as folhas em prata. Vivi sai para pegar um buquê de hastes de ragwort. "Tudo bem, então vá buscar essa Sophie." Ela esta onde eu a deixei, curvada no feno, balançando para frente e para trás e falando suavemente para si mesma. Estou aliviada em vê-la, aliviada por ela não ter fugido e não estávamos nem mesmo agora rastreando-a pela floresta, aliviada por alguém da casa de Balekin não ter descoberto sua localização e a levado embora. "Ok", eu digo com alegria forçada. "Estamos prontas." "Sim", diz ela, levantando-se. O rosto dela está manchado de lágrimas, mas ela não está mais chorando. Ela parece estar em estado de choque. "Vai ficar tudo bem", digo a ela novamente, mas ela não responde. Ela segueme em silêncio atrás dos estábulos, onde Vivi está esperando, junto com dois pôneis de couro cru com olhos verdes e crinas rendadas. Sophie olha para eles e depois para Vivi. Ela começa a recuar, sacudindo a


cabeça. Quando me aproximo dela, ela se afasta de mim também. "Não, não, não", diz ela. "Por favor não. Não mais. Não." "É apenas um pouco de mágica", diz Vivi razoavelmente, mas ainda está vindo de alguém com pontos levemente furados em seus ouvidos e olhos que piscam ouro no escuro. “Apenas um pouquinho, e então você nunca mais terá que ver outra coisa mágica. Você estará de volta ao mundo mortal, ao mundo da luz do dia, ao mundo normal. Mas esta é a única maneira de chegar até você. Nós vamos voar. "Não", diz Sophie, sua voz saindo quebrada. "Vamos caminhar até o penhasco perto daqui", eu digo. "Você poderá ver as luzes - talvez até alguns barcos. Você se sentirá melhor quando puder ver um destino. ” "Nós não temos muito tempo", Vivi me lembra com um olhar significativo. "Não é longe", eu argumento. Eu não sei mais o que fazer. As únicas outras escolhas em que posso pensar são deixá-la inconsciente ou pedir a Vivi para glamurá-la; ambos são terríveis. E assim nós caminhamos pela floresta, corcéis de ragwort seguindo. Sophie não recua. A caminhada parece acalmá-la. Ela pega pedras enquanto vamos, pedras lisas que ela espanna a sujeira e depois coloca em seus bolsos. "Você se lembra da sua vida de antes?" Eu pergunto a ela. Ela balança a cabeça e não fala por um tempo, mas depois ela se vira para mim. Ela dá uma estranha risada rouca. "Eu sempre quis que houvesse magia" ela diz. "Isso não é engraçado? Eu queria que houvesse um coelhinho da Páscoa e um Papai Noel. E Tinker Bell, eu lembro de Tinker Bell. Mas eu não quero isso. Eu não quero mais. "Eu sei", eu digo. E eu faço. Desejei muitas coisas ao longo dos anos, mas o primeiro desejo do meu coração foi que nada disso fosse real.


Na beira da água, Vivi monta um dos corcéis e coloca Sophie à sua frente. Eu balanço na parte de trás do outro. Sophie dá um olhar trêmulo para a floresta e depois olha para mim. Ela não parece com medo. Ela parece que talvez esteja começando a acreditar que o pior está por trás dela. "Segure firme", diz Vivi, e seu corcel começa a subir do penhasco para o ar. O meu segue ferve. A alegria selvagem de voar me atinge, e eu sorrio com deleite familiar. Abaixo de nós estão as ondas esbranquiçadas e à frente as luzes cintilantes das cidades mortais, como uma terra misteriosa repleta de estrelas. Eu olho para Sophie, esperando dar-lhe um sorriso tranquilizador. Sophie não está olhando para mim, no entanto. Seus olhos estão fechados. E então, enquanto estou observando, ela se inclina para um lado, solta a juba do corcel e se deixa cair. Vivi agarra por ela, mas é tarde demais. Ela está mergulhando sem som através do céu noturno, em direção à escuridão espelhada do mar. Quando ela bate, quase não há nem um respingo. Eu não posso falar. Tudo parece diminuir ao meu redor. Eu penso nos lábios rachados de Sophie, penso nela dizendo, por favor, apenas me diga que isso não é real. Eu não acho que posso viver com nada disso sendo real. Penso nas pedras que ela encheu os bolsos dela. Eu não estava ouvindo. Eu não queria ouvi-la; Eu só queria salvá-la. E agora, por minha causa, ela está morta.


Eu acordo grogue. Meu coração está inchado e vermelho, minha cabeça latejando. Toda a noite anterior parece um pesadelo febril e terrível. Não parece possível que eu tenha entrado na casa de Balekin e roubado uma de suas servas. Parece ainda menos que ela preferiu morrer a viver com as lembranças de Faerie. Enquanto tomo chá de erva-doce e dou de ombros, Gnarbone vem até a minha porta. "Seu perdão", ele diz com uma pequena reverência. "Jude deve vir imediatamente -" Tatterfell acena para ele. "Ela não está preparada para ver ninguém no momento. Vou mandá-la para baixo quando ela estiver vestida. "O príncipe Dain a espera no andar de baixo da sala do general Madoc. Ele me mandou buscá-la e não se importar com qualquer estado em que ela estivesse. Ele disse para carregá-la se eu precisasse. ”Gnarbone parece arrependido por ter que dizer isso, mas está claro que nenhum de nós pode recusar o príncipe herdeiro. .


O medo frio envolve meu estômago. Como não achei que estava acabado? Eu limpo minhas mãos contra o meu top de veludo. Apesar de seu pedido, eu visto as calças e botas antes de ir. Ninguém me para. Eu sou vulnerável o suficiente; Eu vou manter a dignidade que puder. O príncipe Dain está de pé perto da janela, atrás da mesa de Madoc. Visível de volta à sua espada, visível sob seu pesado manto de lã. Ele não liga quando eu entro. "Eu fiz algo errado", eu digo. Fico feliz que ele fique onde está. É mais fácil falar quando ele não está olhando para mim. "E eu vou me arrepender de qualquer maneira-" Ele se vira, com o rosto cheio de raiva que me faz ver de repente sua semelhança com Cardan. Sua mão cai com força na mesa de Madoc, balançando tudo em cima. "Eu a coloquei ao meu serviço e lhe dei uma grande benção. Eu prometi a você um lugar na minha corte. E ainda assim, você usa o que eu lhe ensinei para colocar em risco meus planos. " Meu olhar vai para o chão. Ele tem o poder de fazer qualquer coisa para mim. Qualquer coisa. Nem mesmo Madoc poderia detê-lo, acho que ele tentaria. E não apenas desobedeci a ele, como declarei minha lealdade a algo completamente diferente dele. Eu ajudei uma garota mortal. Eu agi como um mortal. Eu mordo meu lábio inferior para não implorar por seu perdão. Eu não posso me permitir falar. “O menino não ficou tão machucado quanto poderia estar, mas com a faca certa - uma faca mais longa - o golpe teria sido letal. Não pense que eu não sei que você está indo para o pior ataque. . Eu olho para cima, de repente, surpresa demais para esconder isso. Nos olhamos por vários momentos desconfortáveis. Navegando pelo sulco, formando linhas profundas e desagradadas. Eu tive a oportunidade de evitar mais do que o que ele descobriu. "Bem?" Ele exige. "Você não tinha planos de ser descoberta?"


"Ele tentou me encantar para pular para fora da torre. "E eu sei que você não pode ser glamourada. "Ele vem ao redor da mesa até mim. "Vocês são minhas criaturas, Jude Duarte. Você atacará somente quando eu lhe disser para atacar. Caso contrário, fique com a mão parada. Você entende? "Não", eu digo automaticamente. O que ele está pedindo é ridículo. "Eu deveria apenas deixá-lo me machucar?" Se ele soubesse todas as coisas que eu realmente fiz, ele ficaria ainda mais irritado do que esta. Ele bate com a cabeça na mesa de Madoc. "Pegue", ele diz, e eu sinto a compulsão por um glamour. Meus dedos se fecham em punhos. Um tipo de neblina vem sobre mim. Os dois sabem e não sabem o que estou fazendo. "Em um momento, eu vou pedir para você colocar a lâmina na sua mão. Eu quero que você lembre onde estão seus ossos, onde estão suas veias. Eu quero que você cause o menor dano possível. "Sua voz é calma, hipnótica, mas meu coração acelera de qualquer maneira. Contra a minha vontade, aponto a ponta afiada da faca. Eu pressiono levemente contra a minha pele. Eu estou pronta. Eu o odeio, mas estou pronta. Eu o odeio e me odeio. "Agora", ele diz, e o glamour me libera. Eu dou meio passo para trás. Eu estou no controle de mim novamente, ainda segurando a faca. Ele estava prestes a fazer "Não me desaponte", diz o príncipe Dain. Eu percebo tudo de uma vez eu não consegui um indulto. Ele não me liberou porque quer me poupar. Ele poderia me glamourar novamente, mas ele não vai porque ele quer que eu me apunha-le de bom grado. Ele quer que eu prove minha devoção, em carne e osso. Hesito, claro que hesito. Isso é um absurdo Isso é horrível. Isso não é como as pessoas mostram lealdade. Isso é uma besteira épica. "Jude?", Ele pergunta. Eu não posso dizer se isso é um teste que espera que eu passe. Penso em Sophie no fundo do mar, os bolsos cheios de pedras.


Penso na satisfação no rosto de Valerian. Penso nos olhos de Cardan, desafiando-me a desafiá-lo. Eu tentei ser melhor que eles e falhei. O que eu poderia me tornar se parasse de me preocupar com a morte, com a dor? Se eu parasse de tentar pertencer? Em vez de ter medo, eu poderia me tornar algo para ter medo. Meus olhos nele, eu bato a faca na minha mão. A dor é uma onda que aumenta mais e mais, mas nunca falha. Eu faço um som baixo na minha garganta. Eu não posso merecer punição. A expressão de Dain é estranha, vazia. Ele dá um passo atrás de mim, assim como fui eu quem fez a coisa chocante em vez de meramente fazer o que ele ordenou. Então ele limpa a garganta. "Não revele sua habilidade com uma lâmina", diz ele. "Não revele seu domínio sobre o glamour. Não revele tudo o que você pode fazer. Mostre seu poder, parecendo impotente. Isso é o que eu preciso de você ". "Sim", eu suspiro, e retiro a lâmina novamente. O sangue corre sobre a mesa de Madoc, mais do que eu esperava. Eu me sinto subitamente tonta. "Limpe", ele diz. Sua mandíbula está definida. Qualquer surpresa que ele sentiu, passou por outra coisa. Com a bainha do meu gibão eu enrrolo o ferimento. "Agora me dê sua mão." Relutantemente, eu a estendo para ele. Eu tento flexionar meus dedos e quase desmaio de dor. O tecido da atadura improvisada já está ficando escuro. "Quando eu for embora, vá para as cozinhas e ponha musgo nele." Eu aceno de novo. Não tenho certeza se posso traduzir meus pensamentos em palavras. Mas eu não vou ser demais, mas vou deixar minha mesa e vou para a mesa de Madoc. Porta se abre, nos assustando. O príncipe Dain deixa cair a minha mão e enfio


no meu bolso. Oriana está lá, uma bandeja de madeira com uma panela fumegante e três xícaras de barro. Ela está vestida em um vestido do tom vívido de imaturos caquis. "Príncipe Dain", ela diz, fazendo uma linda reverência. Os servos disseram que você estava com Jude, e eu disse a eles que eles tinham que estar enganados. Certamente, com sua coroação tão próxima, seu tempo é muito valioso. Você não deve ter muito crédito e, sem dúvida, o peso de sua consideração é muito grande. " "Sem dúvida", diz ele, dando-lhe um sorriso mordaz. "Eu demorei muito tempo." "Tome um pouco de chá antes de nos deixar", diz ela, colocando a bandeja na mesa de Madoc. "Nós poderíamos tomar um copo e falarmos juntos. Se Jude fez algo para ofender você ... " "Perdoe-me", diz ele, não particularmente gentilmente. "Mas sua lembrança dos meus deveres me estimula a ação imediata." Ele passa por Oriana, olhando para mim uma vez antes de sair. Não tenho ideia se passei no teste ou não. Mas de qualquer forma, ele não confia em mim como ele confiava. Eu joguei isso fora. Eu também não confio nele. "Obrigado", eu digo para Oriana. Eu estou tremendo toda. Ela não me repreende, pelo menos uma vez. Ela não diz nada. Suas mãos tão leves nos meus ombros, e eu me inclino contra ela. O cheiro de verbena esmagada está no meu nariz. Eu fecho meus olhos e me perco o cheiro familiar. Estou desesperada vou tomar qualquer conforto Eu não penso em lições ou palestras. Tremendo toda, vou direto para o meu quarto e subo na cama. Tatterfell acaricia meu cabelo brevemente, como se eu fosse um gato sonolento, e depois voltasse para a tarefa de ordenar meus vestidos. Meu novo vestido está programado para chegar mais tarde hoje, e a coroação começará no dia seguinte. Dain está sendo nomeado como o Grande Rei e dará início a um mês de folia enquanto a lua diminui e depois incha novamente.


Minha mão dói tanto que não suporto colocar musgo nela. Eu apenas embolo no meu peito. Pulsa, a dor vem em pulsos cambaleantes, como um segundo batimento cardíaco irregular. Eu não posso me fazer de novo. Meus pensamentos vagam vertiginosamente. Em algum lugar lá fora, todos os senhores e senhoras e lieges governando Tribunais Farie distantes estão chegando para pagar seus respeitos ao novo Alto Rei. Tribunais da noite e brilhantes, e Tribunais selvagens. Os assuntos do Grande Rei e os Tribunais com os quais existem tréguas, por mais instáveis ​que sejam. Até mesmo o Tribunal de Orlagh do Submarino estará presente. Muitos se comprometerão a aceitar fielmente o julgamento do novo rei supremo em troca de sua sabedoria e proteção. Comprometam-se a defendê-lo e vingá-lo, se for necessário. Então, todos mostrarão seu respeito se divertindo mais. Eu espero que festeje junto com eles. Um mês de dançar e festejar e beber, enigmaticamente e duelar. Para isso, cada um dos meus melhores vestidos deve ser removido, prensado e revigorado. Tatterfell costura punhos feitos com as escamas das pinhas ao redor das bordas das mangas desgastadas. Pequenas lágrimas em saias são costuradas com bordados em forma de folhas e romãs e - em uma delas - uma raposa saltitante. Ela costurou dezenas de chinelos de couro para mim. Espero que eu dance tão ferozmente que tenha que usar um par para cada noite. Pelo menos Locke estará lá para dançar comigo. Eu tento me concentrar na memória dos meus olhos em vez da dor na minha mão. Enquanto Tatterfell se move pela sala, meus olhos se fecham e eu caio em um sono estranho e inquieto. Quando acordo, é noite e estou toda suada. Sinto-me estranhamente calma, as lágrimas e pânico e dor de alguma forma se suavizaram. Transformou-se em um pulsar maçante. Tatterfell se foi. Vivi está sentada no final da minha cama, seus olhos estão captando a luz da lua e brilhando .


"Eu vim para ver se você estava bem", diz ela. "Exceto que é claro que você não esta." Eu me forço a sentar de novo, usando apenas uma das minhas mãos. "Sinto muito, pelo que eu pedi para você fazer. Eu não deveria. Eu coloquei você em perigo. "Eu sou sua irmã mais velha", diz ela. "Você não precisa me proteger de minhas próprias decisões." Depois que Sophie mergulhou na água, Vivi e eu passamos as horas até o amanhecer mergulhar no mar gelado, chamando Sophie, tentando encontrar algum traço dela. Nós nadamos debaixo da água negra e gritamos o nome dela até nossas gargantas ficarem roucas. "Ainda assim", "Ainda assim...", ela ecoa ferozmente. “Eu queria ajudar. Eu queria ajudar aquela garota. "Pena que não conseguimos." As palavras pegam na minha garganta. Vivienne encolhe os ombros e lembro-me de como, apesar de ser minha irmã, diferimos de formas difíceis de compreender. “Você fez uma coisa corajosa. Seja feliz com isso. Nem todo mundo pode ser corajoso. Eu não sou sempre. "O que você quer dizer? O fato denão contar a Heather o que realmente está acontecendo?" Ela faz uma careta para mim, mas sorri, claramente grata por eu estar falando de algo menos terrível - e, no entanto, ambas os nossos pensamentos foram de uma mortal para uma mortal amada. "Nós estávamos deitadas juntas na cama há alguns dias", diz Vivi. “E ela começou a traçar a forma da minha orelha. Eu pensei que ela ia perguntar algo que me daria uma abertura, mas ela apenas me disse que meu ouvido modding era muito legal. Você sabia que existem mortais que cortam os ouvidos humanos e os costuram para se curarem?” Eu não estou surpresa. Eu entendo anseio por orelhas como as dela. Eu sinto


como se tivesse passado metade da minha vida querendo elas, com seus pontos delicados e peludos. O que eu não digo é isto: ninguém pode tocar naqueles ouvidos e acreditar que eles foram feitos por outra coisa que não a natureza. Heather está mentindo para Vivi ou mentindo para si mesma. "Eu não quero que ela tenha medo de mim", diz Vivi. Penso em Sophie e tenho certeza de que Vivi também está pensando nela, com bolsos cheios de pedras. Sophie no fundo do mar. Talvez ela não seja tão afetada pelo que acontece como ela quer parecer. Do andar de baixo, ouço a voz de Taryn. "Eles estão aqui! Nossos vestidos! Venha, olhem! Saindo da minha cama, Vivi sorri para mim. “Pelo menos nós tivemos uma aventura." E agora vamos ter outra. Eu a deixo ir em frente, já que preciso cobrir a mão enfaixada com uma luva antes de segui-la pelas escadas. Pressiono um botão, arrancado de um casaco, sobre a ferida para desviar a pressão direta. Agora eu tenho que esperar que a protuberância na palma da minha mão não seja muito perceptível. Nossos vestidos foram espalhados por três cadeiras e um sofá no salão de Oriana. Madoc está pacientemente escutando-a com entusiasmo pela perfeição de suas roupas. Seu vestido de baile é o rosa exato de seus olhos, tornando-se vermelho, e parece ser feito de enormes pétalas que se espalham em um trem. O tecido de Taryn é lindo, o corte da sua manta e do verniz perfeito. Ao lado deles está o pequeno terno de Oak, e há um gibão e uma capa para Madoc em seu tom favorito de vermelho com crosta de sangue. Vivi ergue seu vestido cinza prateado, com suas bordas esfarrapadas, poupando um sorriso para mim. Do outro lado da sala, vejo meu vestido. Taryn engasga quando eu levanto.


"Isso não é o que você pediu", diz ela, acusatória. Como se de alguma forma eu a tivesse enganado deliberadamente. É verdade que o vestido que estou segurando não é o que Brambleweft desenhou para mim. É algo completamente diferente, algo que me lembra das roupas loucas e incríveis que o armário da mãe de Locke estava cheio. Um vestido de baile ombré, sua cor se aprofundando de branco perto da minha garganta, passando pelo azul pálido até o mais profundo índigo aos meus pés. Acima disso, costuramos os contornos rígidos das árvores, do jeito que eu os vejo da minha janela quando o crepúsculo está caindo. A costureira costurou mesmo em pequenas contas de cristal para representar as estrelas. Este é um vestido que eu nunca poderia ter imaginado, um tão perfeito que, por um momento, olhando para ele, não consigo pensar em nada além de sua beleza. "Eu, eu não acho que isso é meu", eu digo. “Taryn está certa. Não se parece em nada com os esboços. "Ainda é lindo", diz Oriana consoladoramente, como se eu estivesse descontente. "E tinha seu nome preso a ele." Eu estou feliz que ninguém está me fazendo devolver. Eu não sei por que me deram esse vestido, mas se houver alguma maneira de me encaixar, eu vou usa-lo. Madoc levanta as sobrancelhas. "Todos nós vamos olhar magnífico." Quando ele passa, partindo do salão, ele bagunça meu cabelo. Em momentos como este, é quase possível pensar que não há rio de sangue derramado entre todos nós. Oriana bate as mãos juntas. “Meninas, venham aqui por um momento. Nós três nos colocamos no sofá ao lado dela, esperando, perplexas. “Amanhã, vocês estaram entre os Gentry de muitos tribunais diferentes.


Vocês estiveram sob a proteção de Madoc, mas essa proteção será desconhecida para a maioria das Fadas presentes. Vocês não devem permitirse ser atraídas para fazer barganhas ou promessas que possam ser usadas contra você. E, acima de tudo, não dê nenhum insulto que possa desculpar uma transgressão da hospitalidade. Não sejam tolas e não se coloquem no poder de ninguém. ” "Nós nunca somos tolas", diz Taryn, uma mentira descarada. Oriana faz uma cara de dor. “Eu manteria você longe das comemorações, mas Madoc instruiu especificamente que você participe delas. Então, siga meu conselho. Tenha cuidado, e talvez você encontre maneiras de agradar. " Eu deveria ter esperado isso - mais precauções, outra palestra. Se ela não confia em nós para nos comportarmos em uma festa, ela certamente não confiará em nós em uma coroação. Nós nos levantamos, dispensadas, e ela leva cada uma de nós, por sua vez, pressionando sua boca fria contra nossas bochechas. Meu beijo vem por último. "Não aspire acima de sua estação", ela diz baixinho para mim. Por um momento, não entendo por que ela diria isso. Então, horrorizada, eu entendo o que ela quer dizer. Depois desta tarde, ela acha que eu sou amante do príncipe Dain. "Eu não sou", eu deixo escapar. Claro, Cardan diria que tudo que eu tenho está acima da minha posição. Ela pega minha mão, sua expressão de pena. "Estou apenas pensando em seu futuro", diz Oriana, a voz ainda suave. “Aqueles próximos ao trono raramente estão realmente próximos de qualquer outra pessoa. Uma menina mortal teria menos aliados. Eu aceno como se cedesse a seu sábio conselho. Se ela não acredita em mim, então o mais fácil é ir junto com ela. Acho que faz mais sentido do que a verdade - que Dain me escolheu para fazer parte de seu ninho de ladrões e espiões.


Algo sobre a minha expressão faz com que ela pegue minhas duas mãos. Eu estremeço com a pressão na minha ferida. “Antes de ser esposa de Madoc, eu era uma das consortes do rei de Elfhame. Me ouça, Jude. Não é fácil ser amante do Grande Rei. É estar sempre em perigo. É sempre ser um peão. Eu devo estar de boca aberta para ela, tão chocada quanto eu. Eu nunca me perguntei sobre a vida dela antes que ela viesse até nós. De repente, os medos de Oriana por nós fazem um tipo diferente de sentido; ela estava acostumada a jogar por um conjunto de regras totalmente diferente. O chão parece ter inclinado sob os meus pés. Eu não sei nada sobre mulher na minha frente, não sei o que ela sofreu antes de vir a esta casa, já nem sei como ela realmente veio a ser a esposa de Madoc. Será que ela ama, ou ela estava fazendo um casamento inteligente, para ganhar sua proteção? "Eu não sabia", eu digo estupidamente. "Eu nunca dei uma criança para Eldred", ela me diz. “Mas outra de suas amantes quase fez. Quando ela morreu, um boato apontou para um dos príncipes, envenenando-a, apenas para impedir a competição pelo trono. Oriana observa meu rosto com seus olhos rosa pálidos. Eu sei que ela está falando sobre o Liriope. "Você não precisa acreditar em mim. Há mais uma dúzia de rumores igualmente terríveis. Quando há muita energia concentrada em um só lugar, há muitas sobras para lutar. Se a corte não está ocupada bebendo veneno, então está bebendo bile. Você não estaria bem adaptada a isso. "O que faz você pensar isso?" Eu pergunto, suas palavras irritantemente perto das de Madoc quando ele descartou minhas chances de cavaleiro. "Talvez eu me adaptasse muito bem." Seus dedos escovam meu rosto novamente, acariciando meu cabelo. Deve ser um gesto carinhoso, mas é uma avaliação em vez disso. "Ele deve ter amado muito a sua mãe", diz ela. “Ele está apaixonado por vocês, garotas. Se eu fosse ele, teria te mandado embora há muito tempo. Eu não duvido disso.


“Se você for ao Príncipe Dain apesar do meu aviso, se ele receber seu herdeiro, não diga a ninguém antes de me contar. Jure no túmulo da sua mãe. Sinto as unhas dela quando a mão dela descansa na parte de trás do meu pescoço e estremeço. "Ninguém. Voce entende?" "Eu prometo." Este é um voto que eu não deveria ter problemas para manter. Eu tento dar peso às palavras, então ela vai acreditar que estou falando sério. "É sério. Eu prometo." Ela me libera. "Você pode ir. Descanse bem, Jude. Quando você se levantar, a coroação estará sobre nós, e haverá pouco tempo para descansar. Eu faço uma reverência e me retiro. No corredor, Taryn está esperando por mim. Ela se senta em um banco esculpido com serpentes enroladas e balança os pés. Quando a porta se fecha, ela olha para cima. "O que estava acontecendo com ela?" Eu balancei minha cabeça, tentando me livrar de uma confusão de sentimentos. "Você sabia que ela costumava ser a consorte do Rei Supremo?" As sobrancelhas de Taryn se erguem e ela bufa, deliciada. "Não. Foi isso que ela disse? "Sim." Penso na mãe de Locke e no pássaro cantando na bolota, de Eldred em seu trono, a cabeça inclinada por sua própria coroa. É difícil para mim imaginá-lo recebendo amantes, não menos a quantidade que ele deve ter para ter tantos filhos, um número não natural para uma fada. E, no entanto, talvez isso seja apenas uma falha da minha imaginação. "Huh." Taryn parece que ela está tendo a mesma falha de imaginação. Ela franze a testa, intrigada por um momento, então parece lembrar o que ela esperou para me perguntar. "Você sabe por que o Príncipe Balekin estava aqui?" "Ele estava aqui?" Eu não tenho certeza se posso resistir a mais surpresas. "Aqui, na casa?"


Ela acena com a cabeça. "Ele chegou com Madoc e eles ficaram trancados em seu escritório por horas". Eu me pergunto quanto tempo eles chegaram depois da partida do príncipe Dain. Espero que por tempo suficiente para o príncipe Dain não ouvir nada sobre um servo desaparecido. Minha mão palpita sempre que eu a movo, mas estou feliz por poder movê-la. Não estou ansiosa para enfrentar mais nenhuma punição. Quando cheguei a Faerie pela primeira vez, tive problemas para dormir. Você acha que eu tive pesadelos, mas não me lembro de muitos. Meus sonhos lutaram para rivalizar com o horror da minha vida real. Em vez disso, não consegui me acalmar o suficiente para descansar. Eu me agitava e girava a noite toda e toda a manhã, meu coração acelerado, finalmente caindo em um sono de cefaléia no fim da tarde, quando o resto de Faerie estava acordando. Comecei a vagar pelos corredores da casa como um espírito inquieto, folheando livros antigos, mexendo nas peças do tabuleiro de raposa e gansa, tostando queijo nas cozinhas e encarando o gorro ensopado de sangue de Madoc, como se contivesse as respostas para o universo em suas linhas de maré. Um dos duendes que costumava trabalhar aqui, Nell Uther, me encontrava e me guiava de volta ao meu quarto, dizendo que, se eu não conseguisse dormir, deveria fechar os olhos e ficar quieta para que pelo menos meu corpo pudesse descansar, mesmo que minha mente não o fizesse. Eu fico alerta assim quando ouço um farfalhar na varanda. Eu me viro, esperando ver Fantasma. Eu estou prestes a provocá-lo por fazer sons ao invadir quando percebo que a pessoa sacudindo as portas não é fantasma. É valerian, e ele tem uma faca longa e curva em uma mão e um sorriso afiado que puxa sua boca. "O que ..." Eu me arrasto em uma posição sentada. "O que você está fazendo aqui?" Percebo que estou sussurrando, como se tivesse medo de ser descoberta.


Você é minha criatura, Jude Duarte. Você atacará somente quando eu lhe disser para atacar. Caso contrário, fique com a mão parada. Pelo menos o príncipe Dain não me glamourou a obedecer a essas ordens. "Por que eu não deveria estar aqui?" Valerian me pergunta, caminhando mais perto. Ele cheira a pinhas e pêlos queimados, e há uma leve camada de pó dourado sobre uma bochecha. Eu não tenho certeza de onde ele esteve antes disso, mas eu não acho que ele esteja sóbrio. "Esta é a minha casa." Estou preparada para treinar com Fantasma. Eu tenho uma faca na minha bota e outra no meu quadril, mas pensando no comando de Dain, pensando em como não desapontá-lo ainda mais, eu não alcanço nenhum dos dois. Estou desconcertada por Valerian estar aqui, no meu quarto. Ele caminha até minha cama. Ele está segurando a faca bem o suficiente, mas eu posso dizer que ele não é particularmente bom com isso. Ele não é filho de um general. "Nada disso pertence a você", ele me diz, a voz tremendo de raiva. "Se você esta fazendo isso por Cardan, vocês devem realmente repensar seu relacionamento", Eu digo, finalmente, agora, com medo. Por algum milagre, minha voz permanece firme. “Porque se eu gritar, há guardas no corredor. Eles virão. Eles têm espadas grandes e pontudas. Enormes. Seu amigo vai te matar. Mostre seu poder, parecendo impotente. Ele não parece estar absorvendo minhas palavras. Seus olhos são selvagens, avermelhados e não totalmente focados em mim. "Você sabe o que ele disse quando eu disse a ele que você me esfaqueou? Ele me disse que não era nada mais do que eu merecia. Isso é impossível; Valerian deve ter entendido mal. Cardan deve ter zombado dele por ter . "O que você esperava?" Pergunto a ele, tentando esconder a minha surpresa. "Eu não sei se você percebeu, mas o cara é um verdadeiro idiota."


Se Valerian não tivesse certeza de que ele queria me esfaquear antes, ele tem certeza agora. Com um salto, ele bate a lâmina no colchão enquanto eu saio do caminho. Penas de ganso voam quando ele retira a lâmina, flutuando no ar como a neve. Ele se levanta quando eu puxo uma adaga minha. Não revele sua habilidade com uma lâmina. Não revele seu domínio sobre o glamour. Não revele tudo o que você pode fazer. Mal sabia o Príncipe Dain que minha verdadeira habilidade está em irritar as pessoas. Valerian avança em mim novamente. Ele está intoxicado e furioso e não tão bem treinado, mas é um dos Folk, nascido com seus reflexos de gato e abençoado com a altura que lhe dá melhor alcance. Meu coração está martelando no meu peito. Eu deveria gritar por ajuda. Eu deveria gritar. Eu abro minha boca e ele avança para mim. O grito sai como um suspiro quando eu perco meu equilíbrio. Meu ombro bate no chão com força quando eu rolo de novo. Eu sou bastante treinada que, apesar da minha surpresa, eu chuto a mão da faca quando ele vem em minha direção. A lâmina desliza pelo chão. "Tudo bem", eu digo, como se eu estivesse tentando acalmar os dois. "OK." Ele não faz uma pausa. Mesmo que eu esteja segurando uma faca, mesmo que eu tenha evitado seus ataques duas vezes e o tenha desarmado, mesmo que eu tenha esfaqueado ele uma vez antes, ele agarra minha garganta novamente. Seus dedos afundam na carne do meu pescoço, e eu lembro como senti a fruta enfiada na minha boca, carne macia se abrindo contra os meus dentes. Lembro-me de me engasgar com néctar e polpa quando a horrível felicidade do everapple me invadiu, roubando-me da sanidade, mesmo que estivesse morrendo. Ele queria me ver morrer, queria me ver lutar por respirar do jeito que eu estou lutando por isso agora . Eu olho nos olhos dele e encontro a mesma expressão ali. Você é nada. Você mal existe. Seu único objetivo é criar mais do seu tipo antes de morrer.


Ele está errado sobre mim. Eu vou fazer a minha vida de merda contar para alguma coisa. Não tenho medo dele nem da censura do príncipe Dain. Se não posso ser melhor que eles, me tornarei muito pior que eles. Apesar dos dedos dele contra a minha traqueia, apesar da maneira como minha visão começou a ficar escura nas bordas, eu me asseguro do meu ataque antes de enfiar minha faca em seu peito. Em seu coração. Valerian rola de mim, fazendo um som gorgolejante. Eu sugo o ar dos pulmões.. Ele tenta se levantar, balança e cai de joelhos. Olhando para ele vertiginosamente, vejo o cabo da minha faca saindo do peito. O veludo vermelho de seu gibão está se transformando em um vermelho mais profundo e úmido. Ele pega a lâmina como se fosse tirá-la. "Não", eu digo automaticamente, porque isso só vai piorar a ferida. Eu pego alguma coisa por perto - há uma anágua descartada no chão que eu posso usar para estancar o sangue. Ele desliza para o lado, para longe de mim e zomba, embora mal consiga abrir os olhos. "Você tem que me deixar ajudar" Eu começo. "Eu te amaldiçoo", Valerian sussurra. “Eu te amaldiçoo. Três vezes te amaldiçoo. Como você me assassinou, suas mãos sempre ficarão manchadas de sangue. Que a morte seja sua única companheira. Que você ... Ele se interrompe abruptamente, tossindo. Quando ele para, ele não se agita. Seus olhos permanecem como estão, semicerrados, mas o brilho desapareceu deles. Minha mão ferida voa para cobrir minha boca em horror com a maldição, como se para parar um grito, mas eu não grito. Eu não gritei esse tempo todo,


e não vou começar agora, quando não há mais nada para gritar. À medida que os minutos passam, sento-me ao lado de Valerian, observando a pele de seu rosto ficar mais pálida enquanto o sangue não bombeia mais para ele, observando seus lábios ficarem um tipo de azul esverdeado. Ele não morre de maneira muito diferente dos mortais, embora eu tenha certeza que seria bom para ele saber disso. Ele poderia ter vivido por mil anos, se não fosse por mim. Minha mão dói pior do que nunca. Eu devo ter batido na luta. Eu olho em volta e vejo meu próprio reflexo no espelho do outro lado da sala: uma garota humana, cabelos despenteados, olhos febris, uma poça de sangue se formando a seus pés. Fantasma está chegando. Ele seberá o que fazer com um cadáver. Ele certamente matou pessoas antes. Mas o príncipe Dain já está com raiva de mim só por esfaquear o filho de um membro bem-favorecido de sua corte. Matar a mesma criança na noite anterior à coroação de Dain não vai dar certo. As últimas pessoas que eu preciso que saibam sobre isso são as Tribunal das Sombras. Não, eu preciso esconder o corpo sozinha. Eu examino a sala, esperando por inspiração, mas o único lugar em que consigo pensar que vai escondê-lo temporariamente é debaixo da minha cama. Eu abro a anágua ao lado do corpo de Valerian e, em seguida, enrolo-o sobre ele. Eu me sinto um pouco enjoada. Seu corpo ainda está quente. Ignorando isso, eu o arrasto até a cama e empurro ele e todas as saias para baixo, primeiro com as mãos e depois com os pés. Apenas uma mancha de sangue permanece. Eu pego o jarro de água perto do coador e espirro um pouco nas tábuas de madeira do chão e depois algumas no meu rosto. Minha boa mão está tremendo quando eu termino de limpar, e eu afundo no chão, ambas as mãos no meu cabelo. Eu não estou bem.


Eu não estou bem. Eu não estou bem. Mas quando Fantasma chega na minha varanda, eu não posso transparecer, isso é o mais importante.


Naquela noite, Fantasma me mostra como subir muito mais alto do que o patamar onde Taryn e eu ficamos pela última vez. Subimos todo o caminho até as vigas acima do grande salão e nos empoleiramos em pesadas vigas de madeira. Eles estão enrolados com uma rede de raízes, que às vezes formam as formas de gaiolas, às vezes balcões, e às vezes o que parece mais como corda bamba. Abaixo de nós, os preparativos para a coroação continuam. Toalhas de mesa de veludo azul com prata trançada são desenhadas, cada uma decorada com o padrão da Casa de Greenbriar, uma árvore de flores, espinhos e raízes. "Você acha que as coisas serão melhores depois que o Príncipe Dain se tornar o Rei Supremo?" Eu pergunto a ele. Fantasma me dá um sorriso vago e balança a cabeça tristemente. "As coisas serão como sempre foram", ele me diz. "Só mais... estaveis" Eu não sei o que isso significa, mas é uma resposta tipica das fadas e eu acho improvável que eu tire mais alguma palavra dele. Eu penso no corpo de Valerian debaixo da minha cama.


O povo não apodrece como os mortais fazem. Às vezes em seus corpos crescem com líquen ou florescem com cogumelos. Eu ouvi histórias sobre campos de batalha se transformando em colinas verdes. Eu gostaria de poder voltar e descobrir que ele se transformou em liquen, mas duvido que terei essa sorte. Eu não deveria estar pensando em seu corpo; Eu deveria estar não pensando nele. Eu deveria estar me preocupando em ser pega. Passamos por raízes e vigas, despercebidos, saltando silenciosamente acima de enxames de criados com libré. Eu me viro para Fantasma, observando seu rosto calmo e a maneira experiente como ele coloca cada pé. Eu tento fazer o mesmo. Eu tento não usar minha mão dolorida para algo mais que equilíbrio. Ele parece notar, mas ele não pergunta. Talvez ele já saiba o que aconteceu . "Agora espere", diz ele enquanto nos acomodamos em um feixe pesado. "Para alguma coisa em particular?" Eu pergunto. "Eu tenho notícia de que um mensageiro está vindo da propriedade de Balekin, disfarçado em libré do rei alto", diz ele. "Nós vamos matá-lo antes que ele entre nos aposentos reais." Fantasma diz isso sem emoção particular. Eu me pergunto quanto tempo ele trabalhou para Dain. Eu me pergunto se Dain alguma vez pediu a ele para enfiar uma faca na palma da mão, se ele testou tudo dessa maneira, ou se isso foi um teste especial, apenas para os mortais. "O mensageiro vai assassinar o príncipe Dain?", Pergunto. "Não vamos descobrir", diz ele. Abaixo de mim, criações de açúcar refinado estão sendo finalizadas com pináculos altamente cristalinos. Maçãs pintadas com nunca mais são empilhadas nas mesas de banquete em quantidade suficiente para enviar metade do Tribunal sonhando. Eu penso na boca de Cardan, lascada com ouro. "Você tem certeza de que


eles estão vindo para cá?" "Eu tenho", diz ele, e não mais do que isso. Então, esperamos, e tento não me incomodar enquanto os minutos se transformam em horas, movendo-se apenas o suficiente para impedir que meus músculos de enrijecerem. Isso faz parte do meu treinamento provavelmente o aspecto que Fantasma acha que é mais essencial. Ele me disse de novo e de novo que a maior parte de ser um assassino e um ladrão está esperando. A coisa mais difícil, de acordo com ele, é não deixar a sua mente derivar para outras coisas. Ele parece estar certo. Aqui em cima, observando o fluxo e refluxo dos criados, meus pensamentos se voltam para a coroação, para a garota afogada, para Cardan subindo em seu cavalo enquanto eu fugi de Hollow Hall, para o sorriso moribundo e congelado de Valerian. Eu puxo meus pensamentos de volta ao presente. Abaixo de mim, uma criatura com uma cauda longa e sem pêlos que se arrasta na terra corre pelo chão. Por um momento, acho que faz parte do pessoal da cozinha. Mas a bolsa que carrega é muito imunda, e há algo sutilmente errado com a sua libré. Não está vestido como um dos criados de Balekin, e nem o uniforme é o mesmo que os outros funcionários do palácio. Eu olho para o Fantasma. "Bom", diz ele. "Agora atire". Minhas mãos estão suadas quando tiro a besta em miniatura, tentando segurála contra o meu braço. Eu cresci em uma casa de açougue. Eu treinei para isso. Minha principal lembrança infantil é de derramamento de sangue. Eu já matei esta noite. E, no entanto, por um momento, não tenho certeza se posso fazê-lo de novo. Você não é assassina. Eu respiro e solto o gatilho. Meu braço doi com o recuo. A criatura tomba, um braço agitado enviando uma pirâmide de maçãs douradas derramando-se na terra. Eu me pressiono contra um grosso aglomerado de raízes, me camuflando como fui ensinada.


Servos gritam, olhando em volta para o atirador. Ao meu lado, Fantasma tem um sorriso no canto da boca. "Esse foi o seu primeiro?", Ele me pergunta. E então, quando olho para ele sem expressão, ele esclarece. "Você já matou alguém antes?" Que a morte seja sua única companheira. Balanço a cabeça, não confiando em mim para falar a mentira em voz alta de forma convincente. “Às vezes os mortais vomitam. Ou choram ”, ele diz, claramente satisfeito por eu não estar fazendo nenhuma dessas coisas. "Não deveria envergonhar você." "Eu me sinto bem", eu digo, respirando fundo e encaixando uma nova flecha na proa. O que eu sinto é uma espécie de prontidão nervosa e encharcada de adrenalina. Eu pareço ter passado algum tipo de limiar. Antes, eu nunca soube o quão longe eu iria. Agora acredito que agora tenho a resposta. Eu irei tão longe quanto posso ir. Eu irei longe demais. Ele levanta as duas sobrancelhas. "Você é boa nisso. Boa pontaria e um estômago forte para a violência. Eu estou surpresa. Fantasma não é dado a elogios. Eu prometi tornar-me pior que meus rivais. Dois assassinatos completados em uma única noite marcam uma descida da qual eu deveria me orgulhar. Madoc não poderia estar mais errado sobre mim. "A maioria dos filhos dos Gentry não tem paciência", diz ele. "E eles não estão acostumados a sujar as mãos."


Eu não sei o que dizer sobre isso, com a maldição de Valerian fresca em minha mente. Talvez haja algo quebrado em mim por ver meus pais sendo assassinados. Talvez minha vida bagunçada tenha me transformado em alguém capaz de fazer coisas confusas. Mas outra parte de mim se pergunta se fui criada por Madoc no negócio familiar de derramamento de sangue. Eu sou assim por causa do que ele fez com meus pais ou porque ele foi meu pai? Que suas mãos estejam sempre manchadas de sangue. Fantasma estende a mão para agarrar meu pulso, e antes que eu possa pegá-lo de volta, ele aponta para as pálidas meias luas na base das minhas unhas. “Por falar em mãos, posso ver o que você tem feito pela descoloração dos dedos. Eu posso sentir o cheiro no seu suor também. Você está se envenenando. Eu engulo, e então, porque não há razão para negar isso, eu aceno. "Por quê?" A coisa que eu gosto sobre Fantasma é que eu posso dizer que ele não está pedindo para me preparar para uma palestra. Ele parece apenas curioso. Não sei como explicar isso. "Ser mortal significa que tenho que me esforçar mais." Ele estuda meu rosto. "Alguém realmente lhe vendeu uma conta de mercadorias. Muitos mortais são melhores em muitas coisas do que os Folk. Por que você acha que os roubamos?" Demoro um momento para perceber que ele fala sério. "Então eu poderia ser ...?" Eu não posso terminar a frase. Ele bufa. "Melhor que eu? Não pressione sua sorte. "Isso não é o que eu ia dizer", eu protesto, mas ele apenas sorri. Eu olho para baixo. O corpo ainda está deitado lá. Alguns cavaleiros se reuniram em torno dele. Assim que eles moverem o corpo, também nos moveremos. “Eu só preciso ser capaz de vencer meus inimigos. Isso é tudo."


Ele parece surpreso. "Você tem muitos inimigos, então?" Tenho certeza de que ele me imagina entre os filhos dos Gentry, com suas mãos macias e saias de veludo. Ele pensa em pequenas crueldades, pequenas ofensas, pequenos desprezos. "Não muitos", eu digo, pensando no olhar preguiçoso e odioso que Cardan me deu à luz de tochas no labirinto. "Mas eles são de qualidade." Quando os cavaleiros finalmente levam o corpo embora e ninguém mais está procurando por nós, Fantasma me conduz de novo às raízes. Nós deslizamos pelos corredores até que ele possa chegar perto o bastante da bolsa do mensageiro para passar os papéis para dentro. De perto, porém, percebo algo que gelou meu sangue. O mensageiro estava disfarçado. A criatura é do sexo feminino e, embora sua cauda seja falsa, seu longo nariz de parsnip é inteiramente real. Ela é uma das espiãs de Madoc. Fantasma coloca o bilhete em sua jaqueta e não o desenrola até estarmos na floresta, com apenas o luar para ver. Quando ele olha, porém, sua expressão se torna pedregosa. Ele está segurando o papel com tanta força que está enrugando em seus dedos. "O que isso diz?" Eu pergunto. Ele vira a página para mim. Lá, seis palavras são rabiscadas: MATAR O BEARER DESTA MENSAGEM. "O que isso significa?" Eu pergunto, me sentindo mal. Fantasma balança a cabeça. “Isso significa que Balekin nos preparou. Vamos. Nós precisamos ir." Ele me puxa para as sombras e juntos nos afastamos. Eu não digo ao Fantasma que sei que ela trabalhava para Madoc. Em vez disso, tento entender as coisas sozinha. Mas tenho pouquíssimas peças. O que o assassinato de Liriope tem a ver com a coroação? O que o Madoc tem a ver com isso? Poderia seu espião ter sido um agente duplo, trabalhando para


Balekin e Madoc? Se sim, isso significa que ela estava roubando informações da minha casa? "Alguém está tentando nos distrair", diz Fantasma. “Enquanto eles armam sua armadilha. Esteja alerta amanhã.”

Fantasma não me dá mais ordens específicas, nem me diz para parar de tomar minhas pequenas doses de veneno. Ele não me orienta a fazer algo diferente; Ele me leva para casa para pegar restos de sono logo após o amanhecer. Quando estamos prestes a nos separar, quero parar e me entregar à sua misericórdia. Eu fiz uma coisa terrível, quero dizer. Me ajude com o corpo. Ajude-me. Mas todos nós queremos coisas estúpidas. Isso não significa que devemos têlos. Eu enterro Valerian perto dos estábulos, mas fora do paddock, de modo que até mesmo o mais carnívoro dos cavalos de dentes afiados de Madoc é improvável que ele desenterre e morda seus ossos. Não é fácil enterrar um corpo. Não é especialmente fácil enterrar um corpo sem que toda a sua família descubra. Preciso enrolar Valerian na minha varanda e jogá-lo no mato abaixo. Então, com uma só mão, devo arrastá-lo para longe da casa. Estou me esforçando e suando quando chego a uma provável parcela de grama coberta de orvalho. Pássaros recém-acordados chamam uns aos outros sob o céu brilhante. Por um momento, tudo o que quero fazer é me deitar. Mas ainda tenho que cavar.


A tarde seguinte é um borrão privado de sono de ser pintado e trançado, corseted e cinched. Três brincos de ouro gordo correm para o lado de uma das orelhas verdes de Madoc e ele usa longas garras douradas nos dedos. Oriana parece uma rosa em flor ao lado dele, usando um enorme colar de esmeraldas verdes em sua garganta, grande o suficiente para quase contar como armadura. No meu quarto, eu desembrulho minha mão. Parece pior do que eu esperava molhado e grudado em vez de cicatrizado. Inchado. Eu finalmente aceito o conselho de Dain e pego um pouco de musgo nas cozinhas, lavo a ferida e a envolvo com meu suporte de botão improvisado. Eu não estava planejando usar luvas para a coroação, mas eu não tenho muita escolha. Caçando minhas gavetas, encontro um conjunto de seda azul-escura e desenho-as. Eu imagino que Locke tome minhas mãos esta noite, imagine ele me varrendo ao redor da colina. Espero evitar me encolher se ele apertar minha palma. Eu nunca posso deixá-lo adivinhar o que aconteceu com Valerian. Não importa o quanto ele goste de mim, ele não gostaria de beijar a pessoa que matou o seu amigo. Minhas irmãs e eu passamos uma pela outra no corredor enquanto nos movemos, pegando coisas perdidas que precisamos. Vivienne passa pelo meu armário de jóias, não encontrando nada que combine adequadamente com seu vestido fantasma. "Você está realmente vindo com a gente", eu digo. "Madoc ficará atordoado." Eu estou usando uma gargantilha para cobrir as contusões que florescem na minha garganta, onde os dedos de Valerian afundaram na minha pele. Quando Vivi se ajoelha para separar um emaranhado de brincos, tenho um terror que ela olhe embaixo da minha cama e veja uma mancha de sangue que eu esqueci de limpar. Estou tão preocupada que mal consigo registrar seu sorriso. "Eu gosto de manter todos na ponta dos pés", diz ela. Além disso, quero fofocar com a princesa Rhyia e ver o espetáculo de tantos governantes de tribunais de fadas em um só lugar. Mas, acima de tudo, quero conhecer o misterioso pretendente de Taryn e ver o que Madoc faz da sua proposta. "Você tem alguma ideia de quem ele é?", Pergunto. Com tudo o que


aconteceu, eu quase me esqueci dele. “Nem mesmo um palpite. Você tem? ”Ela encontra o que está procurando gotas iridescentes de labradorita cinzenta dadas a mim por Taryn no meu aniversário de dezesseis anos, forjado por um duende consertador com quem ela trocou três beijos. Em momentos ociosos, eu virei de novo e de novo quem poderia pedir a mão dela. Penso na maneira como Cardan a puxou de lado e a fez chorar. Eu penso no olhar de Valerian. Do jeito que ela me empurrou com muita força quando eu brinquei com ela sobre Balekin, embora eu esteja quase certa de que não é ele. Minha cabeça doi e quero deitar-me na cama e fechar os olhos. Por favor, por favor não deixe que seja nenhum deles. Que seja alguém legal que não sabemos. Eu me lembro do que ela disse: Eu acho que você gostaria dele. Voltando para Vivi, estou prestes a começar a fazer uma lista de possibilidades mais seguras quando Madoc entrar na sala. Ele está segurando uma fina lâmina revestida de prata em uma mão. "Vivienne", diz ele com um pouco de cabeça. "Você poderia me dar um momento com Jude aqui?" "Claro, papai", diz ela com pequena ênfase, venenosa enquanto ela desliza com meus brincos. Ele limpa a garganta um pouco desajeitadamente e segura a espada de prata para mim. O guarda e o pomo são sem adornos, elegantemente moldados. A lâmina é gravada ao longo da mais cheia com um padrão quase invisível de videiras. "Eu tenho algo que gostaria que você usasse hoje à noite. É um presente." Eu acho que eu ofego um pouco. É realmente uma espada muito bonita. “Você tem treinado tão diligentemente que eu sabia que deveria ser seu. Seu criador o chamou de Nightfell, mas é claro que você é bem-vinda chama-la como quiser. É dito para trazer a sorte do usuário, mas todo mundo diz isso sobre espadas, não é? É algo de herança de família."


As palavras de Oriana voltam para mim: Ele está apaixonado por vocês, garotas. Ele deve ter amado muito sua mãe. "Mas e Oak?" Eu deixo escapar. "E se ele quiser?" Madoc me dá um pequeno sorriso. "Você quer?" "Sim", eu digo, incapaz de mentir. Quando eu o puxo da bainha, els parece feita para a minha mão. O equilíbrio é perfeito. "Sim claro que eu quero." “Isso é bom, porque esta é sua espada por direito, forjada por seu pai, Justin Duarte. Ele é o único que crafted, aquele que nomeou. É a sua herança de família." Estou momentaneamente sem fôlego. Eu nunca ouvi o nome do meu pai falado em voz alta por Madoc antes. Nós não falamos sobre o fato de que ele assassinou meus pais; nós falamos sobre isso. Nós certamente não falamos sobre quando eles estavam vivos. "Meu pai fez isso", digo com cuidado, com certeza. "Meu pai estava aqui, em Faerie?" “Sim, há vários anos. Eu só tenho alguns pedaços dele. Eu encontrei dois, um para você e um para Taryn. Ele faz uma careta. “Aqui é onde sua mãe o conheceu. Então eles fugiram juntos, de volta ao mundo mortal. Respiro fundo, encontrando coragem para fazer uma pergunta que sempre me perguntei, mas nunca ousei em voz alta. "Como eles eram?" Eu recuo quando as palavras saem da minha boca. Eu nem sei se quero que ele me diga. Às vezes eu só quero odiá-la; se eu puder odiá-la, então não será tão ruim que eu o ame. Mas, claro, ela ainda é minha mãe. A única coisa que posso realmente estar com raiva dela é ter ido embora, e isso certamente não é culpa dela. Madoc se senta no banquinho de pés de cabra diante da penteadeira e estica a perna ruim, procurando por todo o mundo como se estivesse prestes a me contar uma história para dormir.


“Ela era inteligente, sua mãe. E jovem. Depois que a trouxe para Faerie, ela bebeu e dançou semanas a fio de cada vez. Ela estava no centro de cada revelação. “Eu não poderia sempre acompanhá-la. Houve uma guerra no Oriente, um rei Unseelie com muito território e nenhum desejo de dobrar o joelho para o Grande Rei. Mas bebi sua felicidade quando estava aqui. Ela tinha um jeito de fazer todos ao seu redor sentirem que toda coisa impossível era possível. Acho que eu atribuo isso à mortalidade dela, mas não acho que esteja sendo justa. Foi outra coisa. Sua audácia, talvez. Ela nunca pareceu intimidada, nem por qualquer magia, nem por nada.. Eu pensei que ele poderia estar com raiva, mas ele obviamente não está. De fato, sua voz possui um carinho totalmente inesperado. Sento-me no banco em frente à minha cama, segurando minha nova espada de prata em busca de apoio. “Seu pai era interessante. Eu imagino que você pense que eu não o conheço, mas ele veio até minha casa - minha antiga casa, a que eles queimaram muitas vezes. Bebemos mel nos jardins, nós três. Ele amava espadas, ele disse, desde a época em que era criança. Quando ele tinha mais ou menos a sua idade, ele persuadiu seus pais a permitir que ele construísse sua primeira forja no quintal deles. “Em vez de ir para a faculdade, ele encontrou um mestre ferreiro para contratá-lo como aprendiz. De lá, ele foi apresentado a um curador assistente em um museu. Ela o esgueirou depois de horas, permitindo que ele visse espadas antigas de perto e aperfeiçoando seu ofício. Mas então ele ouviu falar sobre os tipos de lâminas que só podiam ser produzidas pelas Fadas, então ele veio nos procurar. “Ele era um bom mestre ferreiro quando veio para cá e melhor ainda quando foi embora. Mas ele não resistiu a se gabar de roubar nossos segredos junto com sua noiva. Eventualmente, a história chegou a Balekin, que me deu isso. Se meu pai tivesse realmente conversado com Madoc, ele deveria saber melhor do que se gabar de ter roubado dele. Mas eu tenho estado nas ruas do mundo mortal e senti o quão longe parece de Elfhame. Com o passar dos anos, seu tempo em Faerie deve ter parecido um sonho distante. "Há pouca coisa boa em mim", diz Madoc. "Mas eu lhe devo uma dívida, e


jurei fazer o melhor por você do que sei." Eu me levanto, atravessando a sala para colocar uma mão enluvada contra a pele verde pálida de seu rosto. Ele fecha os olhos de gato. Eu não posso perdoá-lo, mas também não posso odiá-lo. Ficamos assim por um longo momento, depois ele olha para cima, pega a minha mão não-enfaixada e beija as costas dela, a boca contra um pano. "Depois de hoje, as coisas serão diferentes", ele me diz. "Eu vou esperar por você na carruagem." Ele me deixa. Eu seguro minha cabeça. Meus pensamentos não se concentrarão. Quando me levanto, porém, cubro minha nova espada. Está fria e sólida em minhas mãos, pesada como uma promessa.


Oak está em verde de críquete, dançando na frente da carruagem. Quando ele me vê, ele corre, querendo que eu o carregue, então ele foge para acariciar os cavalos antes que eu possa. Ele é uma criança fada, com os caprichos de uma criança de fada. Taryn esta linda em seu vestido muito bordado, e Vivi radiante em cinza violeta suave com mariposas artisticamente costuradas parecendo voar de seu ombro sobre o peito para se reunir em outro grupo em um lado de sua cintura. Eu percebo como raramente a vi em roupas verdadeiramente esplêndidas. Seu cabelo está levantado e meus brincos brilham em suas orelhas levemente peludas. Seus olhos de gato brilham na meia luz, gêmeos com os de Madoc. Pela primeira vez, isso me faz sorrir. Eu pego a mão de Taryn com a minha não machucada, e ela aperta com força. Nós sorrimos uma para a outra, conspiradoras de uma vez. Na carruagem, há um cesto de coisas para comer, o que foi inteligente de alguém, porque nenhum de nós se lembrou de comer o suficiente durante todo o dia. Eu removo uma luva e como dois pequenos rolos de pão tão leves e cheios de ar que parecem se dissolver na minha língua. No centro de cada um é uma massa de passas e nozes, sua doçura suficiente para trazer lágrimas


aos meus olhos. Madoc me passa uma fatia de queijo amarelo pálido e uma fatia ainda sangrenta de carne de veado coberta de zimbro e pimenta. Nós fazemos o trabalho rápido da comida. Eu localizo o gorro vermelho de Madoc, meio dentro e meio fora do bolso da frente. Sua versão de uma medalha, suponho, para ser usada em ocasiões do . Nenhum de nós fala realmente. Não sei em que os outros se demoram, mas, abruptamente, percebo que vou ter que dançar. Eu sou terrível em dançar, já que não tenho nenhuma prática nisso além de lições humilhantes na escola, em parceria com Taryn. Penso em Fantasma, Barata e Bomba, tentando salvaguardar Dain contra o que Balekin planejou. Eu gostaria de saber o que fazer, como ajudá-los. MATE O PORTADOR DESTA MENSAGEM. Olho para Madoc, bebendo vinho aromático. Ele parece inteiramente confortável, totalmente inconsciente, ou despreocupado com-a perda de um de seus espiões. Meu batimento cardíaco bate mais rápido. Eu continuo me lembrando de não limpar minha mão nas minhas saias por medo de sujá-las com comida. Eventualmente, Oriana tira alguns lenços embebidos em água de rosas e hortelã para nos limparmos. Isso desencadeia uma perseguição, com Oak tentando evitar ser lavado. Não há muito tempo para ele correr na carruagem, mas ele mantém isso por mais tempo do que você pensa, pisando em todos nós no processo. Estou tão distraída que nem sequer me preparo automaticamente quando atravessamos a rocha e entramos no palácio. Estamos parando antes mesmo de notarmos que chegamos. Um lacaio abre a porta e vejo todo o pátio, cheio de música, vozes e alegria. E velas, florestas deles, a cera se derretendo para criar um efeito como madeira comido por cupins. Velas descansam em cima de galhos de árvores, chamas cintilando com o barulho de vestidos varrendo abaixo. Eles revestem as paredes como sentinelas e agrupam-se em arranjos apertados em pedras, iluminando a colina. "Pronta?" Taryn sussurra para mim.


"Sim", eu digo um pouco sem fôlego. Nós saímos da carruagem. Oriana tem uma pequena coleira de prata que ela prende no pulso de Oak, que não me parece a pior idéia, embora ele ganhe e se sente na terra em protesto, como um gato. Vivienne olha em volta do pátio. Há algo feroz em seu olhar. Seu nariz se inflama. "Devemos nos apresentar ao Alto Rei uma última vez?", Pergunta a Madoc. Ele dá uma meia sacudida de cabeça. "Não. Nós seremos chamados quando for a hora de fazer nossos juramentos. Até lá, devo ficar ao lado do príncipe Dain. O resto de vocês deve ir se divertir até os sinos tocarem e Val Moren começar a cerimônia. Então, venha para a sala do trono para testemunhar a coroação. Fiquem perto do estrado, onde meus cavaleiros podem cuidar de você. Eu me viro para Oriana, esperando outro discurso sobre não entrar em apuros ou até mesmo um novo discurso sobre manter minhas pernas fechadas ao redor da realeza, mas ela está muito ocupada pedindo a Oak para sair da estrada. "Vamos festejar", Vivi diz, arrastando Taryn e eu junto com ela. Nós escapamos para a multidão, e momentos depois, estamos nos afogando nela. O Palácio de Elfhame está cheio de corpos. Os fanáticos selvagens, cortesãos e monarcas se unificam. Selkies da Corte do Submarino da Rainha Orlagh falam juntos em sua própria língua, peles penduradas em seus ombros como capas. Eu localizo o senhor da corte dos cupins, Roiben, que é dito ter matado seu próprio amante para ganhar um trono. Ele fica perto de uma das longas mesas de cavalete e, mesmo no corredor apertado, há espaço ao seu redor, como se ninguém se atrevesse a chegar perto demais. Seu cabelo é da cor do sal, suas roupas inteiramente pretas e uma espada mortal curva em seu quadril. Ao lado dele, uma garota pixie de pele verde está vestida com o que parece ser um vestido cinza-pérola e botas pesadas de renda - obviamente roupas mortais. E de pé em ambos os lados do duende estão dois cavaleiros em sua libré, um com cabelo escarlate trançado em uma coroa em sua cabeça. Dulcamara, que nos deu uma palestra sobre a coroa. Há outras, de que ouvi falar em baladas: Rue Silver, de New Avalon, que


cortou sua ilha na costa da Califórnia, está conversando com o filho de Alderking, Severin, que pode tentar aliar-se ao novo rei supremo. Ele está com um garoto humano ruivo da minha idade, o que me faz parar para estudá-los. O menino é seu servo? Ele está encantado? Eu não posso dizer apenas pelo jeito que ele olha ao redor da sala, mas quando ele me vê olhando, ele sorri. Eu me viro rapidamente. Assim como eu, os selkies mudam e vejo outra pessoa com eles. De pele cinzenta e lábios azuis, cabelo pendurado ao redor do rosto com os olhos encovados. Mas apesar de tudo isso, eu a reconheço. Sophie Eu tinha ouvido histórias sobre os tritões do Submarino mantendo marinheiros afogados, mas eu não acreditava neles. Quando a boca dela se move, vejo que ela tem dentes afiados. Um estremecimento percorre meus ombros. Eu tropeço depois de Vivi e Taryn. Quando olho para trás, não vejo Sophie e não tenho certeza absoluta de que não a imaginei. Passamos por um shagfoal e um barghest. Todo mundo está rindo muito alto, dançando muito ferozmente. Ao passar um folião em uma máscara de goblin, ele levanta e pisca para mim. É Barata. “Ouvi falar da outra noite. Bom trabalho ”, diz ele. “Agora mantenha seus olhos abertos para qualquer coisa que pareça errada. Se Balekin for se mover contra Dain, ele vai fazer isso antes da cerimônia começar. "Eu vou", eu digo, me livrando das minhas irmãs para ficar com ele por um momento. Em uma multidão desse tamanho, é fácil ser brevemente perdida. "Boa. Vim ver o príncipe Dain ganhar a coroa com meus próprios olhos. - Ele enfia a mão no paletó marrom e puxa um frasco prateado, estalando o topo e tomando um gole. "Além de assistir os Gentry cavort e fazer bobos de si mesmos." Ele segura o frasco para mim com uma mão com garras verde-acinzentadas. Mesmo a partir daí, posso sentir o cheiro do que está dentro, forte e um pouco pantanoso. "Eu estou bem", eu digo, balançando a cabeça


. "Você tem certeza", ele me diz, rindo, e depois puxa a máscara novamente. Eu fico sorrindo atrás dele enquanto ele se afasta na multidão. Só de vê-lo me encheu a sensação de pertencer a esse lugar. Ele o Fantasma e a Bomba não são exatamente meus amigos, mas na verdade parecem gostar de mim e eu não estou inclinada a dispensar isso. Eu tenho um lugar com eles e um propósito. "Onde você esteve?" Vivienne pergunta, agarrando-me. “Você precisa de uma coleira como a de Oak. Venha, vamos dançar. Eu me junto com eles. Há música em todo lugar, pedindo uma leveza de passo. Eles dizem que a atração da música das fadas é impossível de resistir, o que não é bem verdade. O impossível é parar de dançar uma vez que você cameça, desde que a música continue. E, durante toda a noite, uma dança começa a próxima, uma música se tornando outra sem uma pausa para recuperar o fôlego. É emocionante ser pega na música, ser arrastada pela maré. Claro, Vivi, sendo uma deles, pode parar quando quiser. Ela também pode nos arrancar, então dançar com ela é quase seguro. Não que Vivi sempre se lembre de fazer o seguro. Mas, na verdade, sou a última pessoa a julgar alguém por isso. Nós apertamos as mãos e nos juntamos à dança do círculo, pulando e rindo. A música parece estar chamando meu sangue, movendo-a através das minhas veias para a mesma batida irregular, com os mesmos acordes doces. O círculo se rompe e, de alguma forma, estou segurando as mãos de Locke. Ele me varre em um tonto whoosh. "Você é muito bonita", diz ele. "Como uma noite de inverno." Ele sorri para mim com seus olhos de raposa. Seu cabelo avermelhado se enrola em torno de suas orelhas pontudas. De um lobo, um brinco de ouro balança, captando a luz das velas como um espelho. Ele é aquele que é bonito, uma espécie de beleza inumana e sem fôlego. "Fico feliz que você goste do vestido", eu administro.


"Diga-me, você poderia me amar?" Ele pergunta, aparentemente do nada. "Claro." Eu rio, não tenho certeza da resposta que devo dar. Mas a questão é tão estranhamente formulada que mal posso negar a ele. Eu amo meus pai assassino; Eu suponho que eu poderia amar alguém. Eu gostaria de amá-lo.


"Eu me pergunto", diz ele. "O que você faria por mim?" "Eu não sei o que você quer dizer." Essa figura enigmática com olhos frágeis não é o Locke que estava no telhado de sua propriedade e falou tão gentil comigo ou que me perseguiu, rindo, através de seus corredores. Não sei bem quem é esse Locke, mas ele me desequilibrou totalmente. "Você renegaria uma promessa para mim?" Ele está sorrindo para mim como se estivesse provocando. "Que promessa?" Ele me envolve em volta dele, meus chinelos de couro fazendo piruetas sobre a terra cheia. À distância, um flautista começa a tocar. "Qualquer promessa", ele diz levemente, embora não seja uma coisa leve que ele esteja perguntando. "Eu acho que depende", eu digo, porque a resposta real, um não, não é o que ele quer ouvir. "Você me ama o suficiente para desistir de mim?" Tenho certeza de que minha expressão está chocada. Ele se inclina mais perto. "Isso não é uma prova de amor?" "Eu - eu não sei", eu digo. Tudo isso deve estar levando a alguma declaração de sua parte, seja de carinho ou de falta dela. "Você me ama o suficiente para chorar por mim?" As palavras são pronunciadas contra o meu pescoço. Eu posso sentir sua respiração, fazendo os cabelos minúsculos se levantarem, fazendo-me estremecer com uma estranha combinação de desejo e desconforto. "Você quer dizer se você foi ferido?" "Quero dizer, se eu te machucar." Minha pele se arrepia. Eu não gosto disso. Mas pelo menos eu sei o que dizer. “Se você me machucar, eu não choraria. Eu te machucaria de volta.


Seu passo vacila enquanto nós varremos o chão. "Eu tenho certeza que você ..." E então ele pára de falar, olhando para trás. Eu mal posso pensar. Meu rosto está quente. Eu temo o que ele vai dizer em seguida. "Hora de mudar de parceiro", diz uma voz, e vejo que é a pior pessoa possível: Cardan. "Oh", ele diz para Locke. "Eu roubei sua linha?" Seu tom é hostil, e quando eu viro suas palavras em minha mente, elas pouco me confortam. Locke me entrega ao príncipe mais novo, como é esperado por deferência. Eu vejo com o canto do meu olho que Taryn está nos observando. Ela está congelada no meio do festim, parecendo perdida, enquanto fadas se aglomeram ao redor dela, balançando seus parceiros em espirais vertiginosas. Eu me pergunto se Cardan a incomodou antes que ele me incomodasse. Ele pega minha mão ferida na dele. Ele está usando luvas pretas, o couro quente até mesmo através da seda sobre meus dedos e uma roupa preta. Penas de corvo cobrem a metade superior de seu gibão, e suas botas têm dedos de metal excessivamente pontiagudos que me fazem consciente de como será fácil me chutar violentamente assim que começarmos a dançar. Em sua testa, ele usa uma coroa de ramos de metal trançados, ligeiramente inclinada. Tinta prateada escura passa sobre as maçãs do rosto e linhas pretas correm pelos cílios. O da esquerda está manchado, como se ele tivesse esquecido e limpado o olho. "O que você quer?" Eu pergunto a ele, forçando as palavras para fora. Eu ainda estou pensando sobre Locke, ainda me recuperando do que ele disse e do que ele não disse. "Continue. Me insulte." Suas sobrancelhas sobem. "Eu não aceito ordens de mortais", diz ele com seu habitual sorriso cruel. “Então você vai dizer algo legal? Acho que não. As fadas não podem mentir. ”Eu quero estar com raiva, mas o que sinto agora é gratidão. Meu rosto não


está mais em chamas e meus olhos não estão ardendo. Eu estou pronta para lutar, o que é muito melhor. Embora eu tenha certeza que é a última coisa que ele quis, ele me fez um enorme favor quando ele me tirou de Locke. Sua mão desliza mais abaixo no meu quadril. Eu estreito meus olhos para ele. "Você realmente me odeia, não é?" Ele pergunta, seu sorriso crescendo. "Quase tanto quanto você me odeia", eu digo, pensando na página com o meu nome arranhado. Pensando na maneira como ele olhava para mim quando estava bêbado no labirinto. O jeito que ele está olhando para mim agora. Ele solta a minha mão. "Até voltarmos a lutar", diz ele, faz uma reverência que não posso deixar de sentir não é mais do que escárnio. Eu cuido dele enquanto ele despenca na multidão, sem saber o que fazer com essa conversa. Os sinos começam a tocar, sinalizando o início da cerimônia. Os músicos silenciam seus violinos e harpas. Por um longo momento, a colina está em silêncio, ouvindo, e então as pessoas se mudam para seus lugares. Eu empurro para a frente, onde o resto da Gentry da Suprema Corte do Rei está se reunindo. Onde minha família estará. Oriana já está lá, ao lado de um dos melhores cavaleiros de Madoc e parece que ela gostaria de poder estar em qualquer outro lugar. Oak está fora de sua coleira e nos ombros de Taryn. Ela está sussurrando algo para um Locke risonho. Eu paro de me mexer. A multidão surge ao meu redor, mas eu estou enraizada no local, enquanto Taryn se inclina e coloca uma mecha de cabelo atrás da orelha de Locke. Há tanto nesse pequeno gesto. Eu tento me fazer acreditar que não significa nada, mas depois da estranha conversa que tivemos, eu não posso. Mas Taryn tem um amante, alguém que vai pedir a mão dela hoje à noite. E ela sabe que Locke e eu somos ... o que nós somos? Você me ama o suficiente para desistir de mim? Isso não é uma prova de amor?


Vivienne saiu da multidão, os olhos de gato brilham, o cabelo solto em volta do rosto. Ela pega Oak em seus braços e o balança ao redor e ao redor até que ambos caem em um whoosh das saias de Vivi. Eu deveria ir, mas eu não vou. Ainda não posso encarar Taryn, não quando não consigo tirar um pensamento tão desleal da minha cabeça. Em vez disso, fico para trás, observando a família real se ajeitar no estrado. O rei supremo está sentado em seu trono de ramos trançados, usando o pesado bracelete, olhando para fora de seu rosto profundamente enrugado, com olhos de bronze alertas, como os de uma coruja. O príncipe Dain está sentado em um banquinho de madeira humilde ao lado dele, vestido com vestes brancas, com os pés e as mãos nus. E atrás do trono está o resto da família real Balekin e Elowyn, Rhyia e Caelia. Até Taniot, a mãe do príncipe Dain, está presente em uma peça de ouro brilhante. O único membro da família que está faltando é Cardan. O Alto Rei Eldred se levanta e toda a colina fica quieta. "Longo tem sido meu reinado, mas hoje eu me afasto" Sua voz ecoa através da colina. Raramente ele já falou dessa maneira, para um grande grupo de pessoas, e estou impressionada tanto pelo poder de sua voz como pela fragilidade de sua pessoa. “Quando, pela primeira vez, senti o chamado para procurar a Terra da Promessa, acreditei que isso iria passar. Mas eu não posso mais resistir. Hoje eu não serei mais rei, mas um andarilho ”. Embora todos aqui devam saber que foi isso que nos reunimos, ainda há gritos ao meu redor. Um sprite começa a chorar no cabelo de um phooka de cabeça de cabra. O poeta da corte e o senescal, Val Moren, saem do lado do estrado. Ele está encurvado, magro, com o cabelo comprido cheio de gravetos, com um corvo escaldado empoleirado num dos ombros. Ele se inclina pesadamente em um cajado de madeira lisa que começou a se mover no topo, como se ainda estivesse vivo. Há rumores de que ele tenha sido levado das


terras mortais para a cama de Eldred em sua juventude. Eu me pergunto o que ele fará agora, sem o seu rei. "Nós estamos relutantes em deixar você ir, meu senhor", diz ele, e as palavras parecem assumir uma ressonância especial, agridoce vindo de sua boca. Eldred segura suas mãos, e os galhos do trono estremecem e começam a crescer, enviando novos brotos verdes para espiralar no ar, deixando o desabrochar e botões de flores estourando ao longo do comprimento deles. As raízes do teto começam a vergar, alongando-se como trepadeiras e rastejando pela parte de baixo da colina. Há um cheiro no ar, como uma brisa de verão, pesada com a promessa de maçãs. “Outro vai ficar no meu lugar. Eu peço a você, me liberte." O povo reunido fala como um, me surpreendendo. "Nós libertamos você", dizem eles, palavras ecoando ao meu redor. O Rei Supremo deixa seu pesado manto de estado cair de seus ombros. Ele se deforma na pedra em uma pilha incrustada de pedras preciosas. Ele tira a coroa de carvalho da própria cabeça. Ele já se ergue mais reto. Há uma inquietante ânsia nele. Eldred foi o Grande Rei de Elfhame mais do que as memórias de muitos dos povos; ele sempre me pareceu antigo, mas os anos parecem cair dele junto com o manto do governo. "Quem você colocará em seu lugar, para ser nosso Rei Supremo?", Questiona Val Moren. “Meu terceiro filho, meu filho Dain”, diz Eldred. "Venha para a frente, criança." O Príncipe Dain ergue-se do seu lugar humilde no banquinho. Sua mãe remove o pano branco que o cobre, deixando-o nu. Eu pisco uma vez. Estou acostumada a uma certa quantidade de nudez em Faerie, mas não entre a família real. Parado ao lado do resto deles em seu brocado pesado e magnificência bordada, ele parece extremamente vulnerável.


Eu me pergunto se ele está com frio. Eu penso na minha mão ferida e espero que sim. "Você vai aceitar?" Val Moren pergunta. O corvo em seu ombro levanta as asas de pontas negras e bate no ar. Não tenho certeza se isso deve ser parte da cerimônia. "Vou assumir o fardo e a honra da coroa", diz Dain gravemente, e nesse momento, sua nudez se torna outra coisa, algum sinal de poder. "Eu vou telo." "Tribunal Unseelie, anfitrião da noite, venha para a frente e ungir o seu príncipe", diz Val Moren. Um boggan faz seu caminho enorme para o estrado elevado. O corpo dela está coberto por grossos cabelos dourados, os braços longos o suficiente para se arrastar no chão, se ela não os dobrasse. Ela parece forte o suficiente para quebrar o príncipe Dain ao meio. Em torno de sua cintura, ela usa uma saia de peles de patchwork, e em uma mão enorme ela carrega o que parece ser um tinteiro. Ela pinta o braço esquerdo com longas espirais de sangue coagulado, pinta-o sobre o estômago, descendo pela perna esquerda. Ele não recua. Quando ela termina, ela recua para admirar sua obra horrível e depois faz uma reverência superficial para Eldred. “Corte Seelie, gente do crepúsculo, avança e unge seu príncipe”, diz Val Moren. Um menino diminuto em uma capa do que parece ser casca de bétula, com o cabelo selvagem grudado em ângulos estranhos, caminha até o estrado. Pequenas asas verde-pálido sentam-se de costas. Quando ele unge o outro lado de Dain, ele pinta em grossos pedaços de pólen, amarelo como manteiga. "Fadas selvagens, gente tímida, avancem e ungem seu príncipe", diz Val Moren.


É um duende que vem para a frente desta vez, em um pequeno terno elegante, cuidadosamente costurado. Ele carrega consigo um punhado de lama, que ele espalha sobre o centro do peito do Príncipe Dain, logo acima do seu coração. Eu finalmente vejo Cardan no meio da multidão, instável em seus pés e com um odre em uma mão. Ele parece ter ficado bêbado. Quando penso na mancha de tinta prateada no rosto e na forma como a mão dele deslizou no meu quadril, acho que ele estava bem a caminho quando o vi. Sinto uma satisfação imensa e mesquinha por ele não estar com a família real no momento mais importante para a Corte em séculos. Ele vai estar em muitos problemas. - Quem vai vesti-lo? - pergunta Val Moren e, por sua vez, cada uma de suas irmãs e depois sua mãe lhe trazem uma túnica branca e calças feitas de couro, uma gola de ouro e botas de pelica altas. Ele parece um rei de contos de fadas, alguém que terá um reinado sábio e justo. Eu imagino Fantasma nas vigas, e Barata em sua máscara, observando orgulhosamente. Eu sinto um pouco desse mesmo orgulho, sendo jurada a ele. Mas não posso esquecer suas palavras para mim: você é minha criatura, Jude Duarte. Toco minha mão ferida ao cabo da minha espada de prata, a espada que meu pai forjou. Depois desta noite, eu serei a espiã do Grande Rei e um verdadeiro membro do seu tribunal. Eu vou mentir para seus inimigos e, se isso não funcionar, vou encontrar uma maneira de fazer algo pior. E se ele me atravessar, bem, então vou encontrar uma maneira de contornar isso também. Val Moren coloca o final do bastão contra o chão e sinto a reverberação em meus dentes. "E quem irá coroá-lo?" Eldred usa uma expressão de orgulho. A coroa brilha em suas mãos retorcidas, brilhando como se a luz do sol emanasse do próprio metal. "Eu vou." Os guardas estão mudando a configuração sutilmente, talvez se preparando


para escoltar Eldred para fora do palácio. Há mais cavaleiros nas bordas da multidão do que quando a cerimônia de coroação começou. O rei supremo fala. “Venha, Dain. Ajoelhe-se diante de mim. O príncipe se inclina na frente de seu pai e da assembléia. Meu olhar corta para Taryn, que ainda está de pé com Locke. Oriana tem um braço protetor ao redor de Oak, um dos tenentes de Madoc se inclinando para falar com ela. Ele gesticula em direção a uma porta, e ela diz algo para Vivi e então começa a andar em direção a ela. Taryn e Locke seguem. Eu cerro meus dentes e começo a empurrar meu caminho através da multidão para eles. Eu não quero me desgraçar como Cardan, por não estar onde eu deveria estar. A voz de Val Moren corta meus pensamentos. - E você, o povo de Elfhame, aceita o príncipe Dain como seu grande rei? O grito se elevou da multidão, cantando em vozes e foles: "Nós aceitamos". Meu olhar vai para os cavaleiros que cercam o estrado. Em outra vida, eu teria sido um deles. Mas enquanto meus olhos descansam lá, percebo rostos familiares. Melhores comandantes de Madoc. Guerreiros que são ferozmente leais. Eles não estão vestidos em seus uniformes. Sobre a armadura brilhante, eles usam a pintura do Greenbriar. Talvez Madoc esteja apenas sendo cuidadoso, apenas colocando suas melhores pessoas no lugar. Mas o espião que matei, aquele com a mensagem insultante, também era de Madoc. E Oriana, Oak e minhas irmãs se foram. Escoltado para fora da colina por um dos tenentes de Madoc, assim que o estrado se tornou mais fortemente guardado. Eu tenho um plano para garantir o nosso futuro. Eu preciso encontrar Barata. Eu preciso encontrar Fantasma. Preciso dizer a eles que algo está errado. Um estrategista bem experiente aguarda a oportunidade certa. Eu passo por


um trio de goblins e um troll e um dos Still Folk. Um spriggan rosna para mim, mas eu não me importo. O fim da coroação está à vista. Eu vejo taças e canecas sendo recarregadas. No estrado, Balekin deixou seu lugar com os outros príncipes e princesas. Por um momento, acho que é parte da cerimônia - até ele retirar uma lâmina longa e fina, que eu reconheço em seu duelo horrível com Cardan. Eu paro de me mexer. "Irmão", adverte o príncipe Dain. "Eu não vou aceitar você", diz Balekin. "Eu vim para desafiá-lo para a coroa." Em todo o estrado, vejo cavaleiros desembainhando lâminas. Mas nem Elowyn nem Eldred, nem nenhum dos outros - nem Val Moren nem Taniot nem Rhyia - estão equipados. Apenas Caelia puxa uma faca do corpete, a lâmina pequena demais para ser de muito uso. Eu quero pegar minha própria espada, mas todo mundo é pressionado com muita força. "Balekin", diz Eldred com severidade. "Criança. O Supremo Tribunal não pode ser como os tribunais inferiores. Nós não temos herança de sangue. Nenhum duelo com seu irmão me induzirá a colocar uma coroa em sua cabeça indigna. Se contente com a minha escolha. Não se humilhe diante de toda Faerie." "Isso deve ser apenas entre nós", Balekin diz a Dain, não reconhecendo que seu pai tinha sequer falado. “Não há Alto Rei agora. Não há ninguém além de nós e uma coroa ”. "Eu não preciso lutar com você", diz Dain, apontando para os cavaleiros agrupados em torno do estrado, esperando por uma ordem. Madoc está entre eles, mas não estou perto o suficiente para ver mais do que isso. "E você não é digno de tanto respeito." "Então, tenha isso em sua consciência." Balekin anda dois passos e estende o braço. Ele nem olha na direção que ele está empurrando, mas sua lâmina perfura a garganta de Elowyn. Alguém grita, então todo mundo faz. Por um


momento, a ferida é apenas uma mancha contra sua pele e, em seguida, derrama sangue, um rio vermelho. Ela cambaleia para frente, indo para as mãos e joelhos. Tecido dourado e pedras brilhantes estão se afogando em escarlate. Foi um simples movimento da lâmina de Balekin, um gesto quase indiferente. A mão de Eldred aparece. Eu acho que ele quer conjurar a mesma magia que fez as raízes crescerem, fez os ramos do trono florescerem e se entrelaçarem. Mas esse poder se foi; ele desistiu de seu reino. Em vez disso, as flores recém-brotadas do trono escurecem e murcham. O corvo no ombro de Val Moren começa a voar, grasnando enquanto voa em direção às raízes penduradas no teto oco da colina. "Guardas", diz Dain, em uma voz que espera ser obedecida. Nenhum dos cavaleiros avançou em direção ao estrado, no entanto. Como um, eles se viram de costas para a família real e suas espadas para a assembléia. Eles estão permitindo que isso aconteça, permitindo que Balekin encenasse seu golpe. Mas não posso acreditar que este seja o plano de Madoc. Dain é seu amigo. Dain fez campanha com ele. Dain vai recompensá-lo quando ele for o Rei Supremo. A multidão reage, e sai em disparda, carregando-me com ele. Todos estão se movendo, avançando ou afastando-se do horrível quadro. Eu vejo o rei de cabelos salgados da Corte de Cupins tentar avançar na luta, mas seus próprios cavaleiros ficam na frente dele, segurando-o de volta. Minha família se foi. Eu procuro por Cardan, mas ele está perdido na multidão. Tudo está acontecendo tão rápido. Caelia correu para o lado do Alto Rei. Ela tem sua pequena faca, mal suficiente para ser uma arma, mas segura-a bravamente. Taniot se agacha sobre o corpo de Elowyn, tentando conter a maré de sangue


com as saias do vestido. "O que você diz agora, pai?" Balekin exige. "Irmão?" Douas sombras, batendo no lado de Balekin. Ele cambaleia para frente. O pano de seu gibão parece rasgado, um brilho de metal por baixo. Armaduras. Eu examino as vigas onde estava Fantasma. Eu sou um agente do príncipe com tanta certeza quanto ele é. É meu dever chegar a Dain. Eu empurro para frente novamente. Na minha cabeça, posso ver uma visão do futuro, como uma história que estou dizendo a mim mesma, uma narrativa clara e brilhante para contrastar com o caos ao meu redor. De alguma forma, vou chegar ao príncipe e defendê-lo contra a traição de Balekin até que os membros leais de sua guarda nos alcancem. Eu serei a heróina, aquela que se colocou entre os traidores e seu rei. Madoc chega lá antes de mim. Por um breve momento, estou aliviada. A lealdade de seus comandantes poderia ser comprada, mas Madoc nunca ... Então Madoc enfiou a espada no peito de Dain com tanta força que a lâmina emergiu do outro lado. Ele arrasta para cima, através de sua caixa torácica, para o seu coração. Eu paro de me mover e deixo a multidão fluir ao meu redor. Eu ainda sou como pedra. Eu vejo um flash de osso branco, de músculo vermelho molhado. O Príncipe Dain, que era quase o Grande Rei, cai em cima do manto vermelho de estado coberto de pedras preciosas, seu sangue derramado perdido na confusão de jóias. "Traidores", sussurra Eldred, mas sua voz é amplificada pelo espaço. A palavra parece que passa pelo corredor. Madoc faz uma pausa e, em seguida, ajusta o queixo, como se estivesse fazendo um dever sombrio. Ele está usando seu capuz vermelho agora, o que eu vi saindo do bolso, o que estudei em seu estojo. Esta noite ele vai refrescá-lo. Haverá novas linhas de maré. Mas não posso acreditar que ele esteja fazendo isso por ordens de


ninguém. Ele deve ter se aliado a Balekin, espionou mal os espiões de Dain. Coloque seus próprios comandantes no lugar, para manter a família real isolada de qualquer um que os ajudasse. Incitado Balekin para orquestrar uma greve no momento que ninguém esperaria. Até mesmo percebi que a única maneira de não desencadear a maldição da coroa era se mover quando ela não estivesse na cabeça de ninguém. Conhecendo-o como eu, tenho certeza que ele planejou esse golpe. Madoc traiu Eldred e Dain se foi, levando todas as minhas esperanças e planos com ele. As coroações são uma época em que muitas coisas são possíveis. Balekin parece insuportavelmente satisfeito consigo mesmo. “Me dê a coroa.” Eldred solta a argola da mão dele. Ele rola um pouco através do chão. "Tome você mesmo se é o que você deseja." Caelia está fazendo um som terrível. Rhyia olha para a multidão em horror. Val Moren fica ao lado de Eldred, seu rosto estreito de poeta pálido. Com os cavaleiros circulando, o estrado é como um palco terrível, onde todos os jogadores estão condenados a passar por seus papéis para o mesmo fim sangrento. As mãos de Madoc estão com luvas vermelhas. Eu não consigo parar de encará-los. Balekin levanta a Coroa Alta. As folhas de carvalho dourado brilham com a luz da chama da vela. “Você esperou muito tempo para deixar o trono, pai. Você se tornou fraco. Você permite que os traidores governem pequenos feudos, que o poder dos tribunais baixos não seja controlado, e os feéricos selvagens fazem o que querem. Dain teria sido o mesmo, um covarde que se escondeu atrás de intrigas. Mas não tenho medo de derramamento de sangue. Eldred não fala. Ele não faz nenhum movimento em direção à coroa ou em direção a uma arma. Ele simplesmente espera.


Balekin ordena que um cavaleiro lhe traga Taniot. Um redcap feminino na armadura pisa no tablado para pegar a consorte que está lutando. A cabeça de Taniot chicoteia para frente e para trás, seus longos chifres negros cortando o ombro do cavaleiro redcap. Não importa. Nada disso importa. Existem muitos cavaleiros. Mais dois passos à frente e não há mais dificuldades. Balekin se levanta diante de seu pai. - Declare-me o rei supremo, ponha a coroa na minha cabeça e você poderá sair deste lugar, livre e ileso. Minhas irmãs serão protegidas. Sua consorte vai viver. Caso contrário, eu matarei Taniot. Vou matá-la aqui na frente de todos e todos saberão que você permitiu. Meu olhar vai para Madoc, mas ele está nos degraus, falando em voz baixa para um de seus comandantes, um troll que comeu à nossa mesa, provocou Oak e o fez rir. Eu também ri, então. Agora minhas mãos estão tremendo, meu corpo todo tremendo. "Balekin, primogênito, não importa de quem você derramar sangue, você nunca vai governar Elfhame", diz Eldred. "Você é indigno da coroa." Fecho os olhos e penso nas palavras de Oriana para mim: Não é fácil ser amante do Grande Rei. É sempre ser um peão. Taniot vai para a morte com graça. Ela ainda é. Seu porte é real e condenado, como se ela já tivesse passado para o reino das baladas. Seus dedos estão entrelaçados. Ela não faz nenhum som quando um dos cavaleiros - o cavaleiro do redcap com o ombro cortado - a decapita com um único golpe rápido e brutal de sua lâmina. A cabeça com chifres de Taniot rola um pouco até atingir o cadáver de Dain. Eu sinto algo molhado no meu rosto, como chuva. Há muitas pessoas que adoram assassinatos e muito mais que se deliciam com o espetáculo. Uma espécie de loucura vertiginosa parece vir sobre a multidão, uma espécie de fome por um massacre ainda maior. Temo que eles possam ter um excesso de satisfação. Dois dos cavaleiros tomaram Eldred. "Eu não vou perguntar de novo", diz Balekin.


Mas Eldred apenas ri. Ele continua rindo quando Balekin passa por ele. Ele não cai como os outros. Em vez de sangue saindo de sua ferida, traças vermelhas fluem para o ar. Eles correm para fora dele tão rapidamente que em um momento, o corpo do Grande Rei se foi e há apenas aquelas mariposas vermelhas, girando no ar em uma vasta nuvem, um tornado de asas macias. Mas qualquer que seja a magia que os tenha feito, não dura. Eles começam a cair até estarem espalhados pelo estrado como folhas queimadas. O Alto Rei Eldred está, incrivelmente morto. O estrado está coberto de corpos e sangue. Val Moren está de joelhos. "Irmãs", diz Balekin, caminhando na direção delas. Parte da arrogância desapareceu de sua voz, substituída por uma horrível suavidade. Ele parece um homem no meio de um sonho terrível do qual ele se recusa a acordar. “Qual de vocês vai me coroar? Coroe-me e viva. Penso em Madoc dizendo à minha mãe para não fugir. Caelia se aproxima, largando a faca. Ela está vestida com um espartilho de ouro e uma saia de azul, um círculo de bagas em seu cabelo solto. "Eu vou fazer isso", diz ela. "É o suficiente. Eu vou fazer de você o Rei Supremo, embora a mancha do que você fez venha a macular seu reinado para sempre. ” Nunca é como sempre, penso eu, e então fico com raiva de ser lembrada de qualquer coisa que Cardan tenha dito, especialmente agora. Há uma parte de mim que está feliz por ela ter cedido, apesar do horror de Balekin, o inevitável horror de seu governo. Pelo menos isso acabou. Um raio vem das sombras das vigas - em uma trajetória completamente diferente da última. Ela bate no peito dela. Seus olhos se arregalam, suas mãos tremulam sobre o coração, como se a ferida fosse imodesta e ela precisasse cobri-lo. Então seus olhos rolam para trás e ela cai sem suspirar. É


Balekin quem grita de frustração. Madoc dá ordens aos seus homens, apontando para o teto. Uma falange se separa dos outros e sobe as escadas. Alguns guardas voam no ar em asas verdes pálidas, lâminas desenhadas. Ele a matou. Fantasma a matou. Eu abro caminho cegamente em direção ao estrado, passando por um sluagh uivando por mais sangue. Eu não sei o que vou fazer quando chegar lá. Rhyia pega a faca de sua irmã, segura em uma mão trêmula. Seu vestido azul a faz parecer uma ave, pega antes que ela pudesse voar. Ela é a única amiga real de Vivi em Faerie. "Você realmente vai lutar comigo, irmã?" Balekin diz. “Você não tem nem espada nem armadura. Venha, é tarde demais para isso. "É tarde demais", diz ela, e traz a faca para sua própria garganta, pressionando o ponto logo abaixo da orelha. "Não!", Grito, embora minha voz seja abafada pela multidão, afogada por Balekin também. E então, porque eu não aguento mais ver a morte, eu fecho meus olhos. Eu os mantenho fechados ao ser empurrado por algo pesado e peludo. Balekin começa a gritar para alguém encontrar Cardan, trazê-lo de Cardan e meus olhos se abrem automaticamente. Mas não há Cardan à vista. Apenas o corpo amassado de Rhyia e mais horror. Arqueiros alados apontam para o aglomerado de raízes onde Fantasma estava escondido. Um momento depois, ele cai na multidão. Eu prendo a respiração, com medo que ele tenha sido atingido. Mas ele rola, se levanta e sobe as escadas, com guardas em seus calcanhares. Ele não tem chance. Há muitos deles, e o brugh está muito lotado, sem sair para correr. Eu quero ajudá-lo, quero ir até ele, mas estou cercada. Não posso fazer nada. Eu não posso salvar ninguém. Balekin olha o Poeta da Corte, apontando para ele. “Você vai me coroar. Fale as palavras da cerimônia. "Eu não posso", diz Val Moren. "Eu não sou parente para você, nenhum parente da coroa."


"Você vai", diz Balekin. "Sim, meu soberano", o Poeta da Corte responde com voz trêmula. Ele tropeça em uma versão rápida da coroação enquanto a colina fica em silêncio. Mas quando a multidão é convidada a aceitar Balekin como o novo rei supremo, ninguém fala. A coroa dourada de folhas de carvalho está na mão de Balekin, mas ainda não na cabeça. O olhar de Balekin varre a platéia e, embora eu saiba que isso não vai acontecer em mim, eu ainda recuo. Sua voz explode. "Comprometam-se a mim." Os monarcas não dobram os joelhos. Os Gentry estão em silêncio. As fadas selvagens observam e medem. Vejo a rainha Annet, do sul da Corte Unseelie, a corte de Moths, sinalizando aos cortesãos que saiam do salão. Ela se vira com um sorriso de escárnio. "Vocês estão jurados para o Alto Rei", Balekin explana. "E eu sou rei agora." Balekin ergue a coroa e coloca na própria cabeça. Mas um momento depois, ele uiva, derrubando-a. Uma queimadura está em sua testa, a sombra vermelha de uma argola. "Nós não juramos ao rei, mas à coroa", alguém chora. É Lorde Roiben do Tribunal de Cupins. Ele fez o seu caminho para ficar na frente dos cavaleiros. E embora haja mais de uma dúzia diretamente entre ele e Balekin, Roiben não parece particularmente preocupado. “Você tem três dias para colocá-la na sua cabeça, matador de parentesco. Três dias antes de eu partir daqui, sem juramentado, sem controle no poder e não impressionado. E estou certo de não sou o único. Há um punhado de risos e sussurros enquanto suas palavras se espalham. Um grupo heterogêneo ainda preenche o salão: Seelie brilhante e Unseelie aterrorizante; as fadas selvagens que raramente deixam suas colinas, rios ou montículos; duendes e bruxas; duendes e phookas. Eles assistiram quase toda a família real ser abatida em uma única noite. Eu me pergunto o quanto mais


violência irá surgir se não houver um novo monarca para alertá-los. Eu me pergunto quem seria bem-vindo. Sprites brilham no ar que fede a sangue recém-derramado. O revel vai continuar, eu percebo. Tudo vai continuar. Mas não tenho certeza de que posso.


* PARTE DOIS

Eu sou uma criança novamente, escondida debaixo de uma mesa, com o festejo girando em cima de mim. Pressionando minha mão no meu coração, sinto o ruído acelerado disso. Eu não consigo pensar. Eu não consigo pensar. Eu não consigo pensar. Há sangue no meu vestido, pequenos pontos afundando no céu azul. Eu pensei que não poderia ficar chocada com a morte, mas - havia muito


disso. Um excesso ridículo e embaraçoso. Minha mente continua voltando sobre as costelas brancas do príncipe Dain, o borrifo de sangue da garganta de Elowyn, e o rei supremo negando Balekin repetidamente enquanto ele morria. Sobre o pobre Taniot e Caelia e Rhyia, que foram forçados a descobrir, cada um por sua vez, como a coroa de Faerie importava mais do que suas vidas. Penso em Madoc, que esteve à direita de Dain todos esses anos. As fadas podem não ser capazes de mentir, mas Madoc mentiu a cada risada, cada palmada nas costas, cada copo de vinho compartilhado. Madoc, que nos deixaria todos se arrumar e me deu uma linda espada para usar hoje à noite, como se estivéssemos indo realmente para uma festa divertida. Eu sabia o que ele era, eu tento dizer a mim mesma. Eu vi o sangue incrustado em seu capuz vermelho. Pelo menos cavaleiros levaram minha família embora antes do assassinato começar. Pelo menos nenhum dos outros tinha que vigiar, embora, a menos que estivessem muito longe, não tivessem deixado de ouvir os gritos. Pelo menos Oak não cresceria como eu, com a morte como meu direito de nascença. Eu sento lá até meu coração diminuir novamente. Eu preciso sair do morro. Essa revelação vai se tornar mais selvagem, e sem nenhum novo Monarca no trono, há pouca participação de qualquer um dos foliões em qualquer entretenimento que eles possam imaginar. Provavelmente não é a melhor época para ser um mortal aqui. Eu tento lembrar de olhar para o layout da sala do trono de cima com Fantasma. Eu tento lembrar as entradas na parte principal do castelo. Se eu pudesse encontrar um dos guardas e fazê-los acreditar que eu era parte da casa de Madoc, eles poderiam me levar para o resto da minha família. Mas eu não quero ir. Eu não quero ver Madoc, coberto de sangue, sentado ao lado de Balekin. Eu não quero fingir que o que aconteceu é outra coisa senão horrível. Eu não quero disfarçar meu desgosto.


Há outra saída. Posso me arrastar por baixo das mesas até os degraus e subir até a borda próxima à sala de estratégia de Madoc. Eu acho que a partir daí eu posso subir diretamente e ficar na parte do castelo com maior probabilidade de estar deserta - e a parte com acesso a túneis secretos. De lá, posso sair sem me preocupar com cavaleiros, guardas ou qualquer outra pessoa. A adrenalina faz com que todo o meu corpo cante com o desejo de se mover, mas, embora o que eu tenha parecido com um plano, ainda não é um. Eu posso sair do palácio, mas não tenho para onde ir depois disso. Vou escobrir mais tarde, instinto . Ok, meio plano é bom o suficiente. Em minhas mãos e joelhos, sem se importar com o meu vestido, sem se importar com a forma como a bainha da minha espada se arrasta contra o chão de terra batida, sem se importar com a dor na minha mão, eu rastejo. Acima de mim eu ouço música. Também ouço outras coisas - o estalo do que podem ser ossos, um gemido, um uivo. Eu ignoro tudo isso. Então a toalha de mesa se ergue e, enquanto meus olhos se ajustam ao brilho da luz da vela, uma figura mascarada agarra meu braço. Não há jeito fácil de puxar minha espada, agachada quando estou debaixo de uma mesa, então eu pego a faca dentro do meu corpete. Estou prestes a atacar quando reconheço aqueles ridículos sapatos pontiagudos. Cardan. O único que pode legitimamente coroar Balekin. O único outro descendente da linha Greenbriar foi embora. Todo mundo em Faerie deve estar procurando por ele, e aqui está ele, perambulando em uma frágil meiamáscara de raposa de prata, piscando para mim com a confusão de bêbado e balançando um pouco em seus pés. Eu quase rio de cara. Imagine a minha sorte em ser a única a encontrá-lo. "Você é mortal", ele me informa. Na outra mão, ele está carregando uma taça vazia, inclinada distraidamente, como se tivesse esquecido que ainda a carrega. "Não é seguro para você aqui. Especialmente se você sair por aí esfaqueando todo mundo. "Não é seguro para mim?" Essa declaração chega a ser absurda, eu não tenho


idéia por que ele está agindo como se ele estivesse pensando em minha segurança por um momento, exceto para pôr em perigo. Eu tento me lembrar que ele deve estar em choque e sofrendo, e isso pode fazê-lo se comportar de maneira estranha, mas é difícil pensar nele como uma pessoa que poderia se importar com alguém o suficiente para chorar. No momento, ele nem parece se importar consigo mesmo. "Desça aqui antes que você seja reconhecido." “Brincando de esconde-esconde debaixo da mesa? Agachando-se na sujeira? Típico da sua espécie, mas muito abaixo da minha dignidade. ”Ele ri instável, como se esperasse que eu também fosse rir. Eu não faço. Eu levanto meu punho e soco ele no estômago, exatamente onde eu sei que vai doer. Ele cambaleia de joelhos. A taça cai para a terra, fazendo um som estridente e oco. "Ow!" Ele grita e me deixa puxá-lo por baixo da mesa . "Vamos sair daqui sem que ninguém perceba", digo a ele. “Ficamos embaixo das mesas e seguimos os degraus até os níveis superiores do palácio. E não me diga que está abaixo de sua dignidade de engatinhar. Você está tão bêbado que mal consegue ficar de pé de qualquer maneira. Eu o ouço bufar. "Se você insiste", diz ele. É muito escuro para ver sua expressão, e mesmo que não seja, ele está mascarado. Nós fazemos o nosso caminho através da parte de baixo das mesas, com baladas e canções de bebida cantadas acima de nós, gritos e sussurros no ar, e os passos suaves de dançarinos ecoando ao nosso redor como chuva. Meu coração está martelando do derramamento de sangue, de Cardan estar tão perto, de atingi-lo sem consequências. Eu me concentro nele arrastando atrás de mim. Tudo cheira a terra cheia, vinho derramado e sangue. Eu posso sentir meus pensamentos em espiral, posso sentir-me começar a tremer. Eu mordo o interior do meu lábio para me dar uma dor nova para focar. Eu devo manter isso trancado. Eu não posso perder agora, não onde Cardan vai ver.


E não quando um plano está começando a se formar em minha mente. Um plano que exige esse último príncipe. Eu olho para trás e vejo que ele parou de se mover. Ele está sentado no chão, olhando para a mão dele. Olhando para o anel dele. "Ele me desprezou." Sua voz soa leve, conversacional. Como se ele estivesse esquecido onde ele está. "Balekin?" Eu pergunto, pensando no que vi no Hollow Hall. "Meu pai." Cardan bufa. “Eu não conhecia muito os outros, meus irmãos e irmãs. Não é engraçado? Príncipe Dain - ele não me queria no palácio, então ele me forçou a sair." Eu espero, não sei o que dizer. É perturbador vê-lo assim, comportando-se como se ele pudesse ter emoções. Depois de um momento, ele parece voltar para si mesmo. Seus olhos se focam em mim, brilhando no escuro. “E agora eles estão todos mortos. Graças a Madoc. Nosso honrado general. Eles nunca deveriam ter confiado nele. Mas sua mãe descobriu isso há muito tempo, não é?" Eu estreito meus olhos. "Rasteje." O canto da boca levanta. "Você primeiro." Nós vamos de mesa em mesa, até que finalmente estamos tão perto quanto podemos chegar às etapas. Cardan empurra a toalha de volta e estende a mão na minha direção, da maneira galante de alguém que está ajudando a pessoa com quem está namorando. Talvez Cardan diria que ele estava fazendo isso para o benefício dos espectadores, mas nós dois sabemos que ele está zombando de mim. Eu permaneço sem tocá-lo. A única coisa que importa é sair do salão antes que a revelação fique mais sangrenta, antes que a criatura errada decida que eu sou um brinquedo divertido, antes que Cardan seja destruído por alguém que não quer nenhum Monarca Supremo no poder.


Eu começo ir em direção aos degraus, mas ele me impede. “Não é assim. Os cavaleiros do seu pai vão reconhecer você. "Eu não sou o que eles estão procurando", eu lembro a ele. Ele franze a testa, embora sua máscara esconda a maior parte. Ainda assim, posso ver isso na boca dele. "Se eles virem seu rosto, eles talvez prestem muita atenção a quem você é." Irritantemente, ele está certo. "Se eles me conhecessem, eles saberiam que eu nunca estaria com você." O que é ridículo, já que eu estou atualmente ao lado dele, embora me faça sentir melhor para dizer isso. Com um suspiro, eu tiro minhas tranças, esfregando minhas mãos no meu cabelo até que ele fique selvagem na minha cara. "Você parece ..." ele diz, e então para, piscando algumas vezes, parecendo incapaz de terminar. Eu estou supondo que a coisa do cabelo funcionou melhor do que ele esperava. "Dê-me um segundo", eu digo, e mergulho na multidão. Eu não gosto de arriscar isso, mas cobrir meu rosto é mais seguro do que não fazer nada. Eu vejo uma nixie em uma máscara de veludo preto comendo o coração de um pequeno pardal de um alfinete comprido. Slyfooting atrás dela, eu cortei as fitas e peguei a máscara antes que ela caísse no chão. Ela se vira, procurando onde caiu, mas eu já estou longe. Logo, ela abandonará a aparência e comerá outra iguaria - ou pelo menos espero que sim. É apenas uma máscara, afinal.

Quando eu volto, Cardan está bebendo mais vinho, seu olhar queimando em mim. Eu não tenho ideia do que ele vê, do que ele está procurando. Um fino riacho de líquido verde derrama sobre sua bochecha. Ele pega o pesado jarro de prata como se servisse outra xícara. "Vamos", eu digo, agarrando a mão enluvada com a minha. Nós estamos nos degraus do corredor quando três cavaleiros se movem para bloquear nosso caminho. "Procure outro lugar para o seu prazer", informa-


nos um. "Este é o caminho para o palácio, e é barrado para o povo comum." Eu sinto Cardan endurecer ao meu lado, porque ele é um idiota e se preocupa mais em ser chamado de comum do que a segurança de alguém, infelizmente, até mesmo a sua própria. Eu puxo seu braço. "Vamos fazer o que quisermos", asseguro ao cavaleiro, tentando afastar Cardan antes que ele faça algo de que nos arrependeremos. Cardan, no entanto, não será movido. "Você está muito enganado sobre nós." Cale-se. Cale-se. Cale-se. "O rei supremo Balekin é amigo do tribunal de minha senhora" - diz Cardan, a na máscara de raposa prateada. Ele usa um meio sorriso fácil. Ele está falando a linguagem do privilégio, falando com seu tom arrastado, com a frouxidão de seus membros, como se ele pensasse que ele é dono de tudo o que ele pode ver. Mesmo bêbado, ele é convincente. - "Você pode ter ouvido falar da rainha Gliten no noroeste. Balekin enviou uma mensagem sobre o príncipe desaparecido. Ele está esperando por uma resposta." "Eu não suponho que você tenha alguma prova disso?", Pergunta um dos cavaleiros. "Claro." Cardan estende a mão fechada e abre para revelar um anel real brilhando no centro da palma da mão. Não faço ideia de quando ele tirou o dedo, um truque de mentira que eu não fazia ideia de que ele pudesse fazer, nem menos embriagado. "Eu recebi este sinal para que você me conhecesse." Ao ver o anel, eles recuam. Com um sorriso desagradável e charmoso, Cardan agarra meu braço e me puxa por eles. Embora eu tenha que cerrar meus dentes, eu deixo ele. Estamos nos degraus e é por causa dele. "E quanto ao mortal?" Um dos guardas chama. Cardan vira.


"Oh, bem, você não está totalmente enganado sobre mim. Eu pretendia manter algumas das delícias do festim para mim, ”ele diz, e todos sorriem. É tudo que posso fazer para não derrubá-lo no chão, mas não há dúvidar de que ele é esperto com as palavras. De acordo com as regras barrocas que governam as línguas fadas, tudo o que ele disse é verdade, contanto que você se concentre apenas nas palavras. Balekin é amigo de Madoc e eu faço parte do Tribunal de Madoc, se você for um pouco vesgo. Então eu sou a “senhora”. E os cavaleiros provavelmente já ouviram falar da rainha Gliten; ela é famosa o suficiente. Tenho certeza de que Balekin está esperando por uma resposta sobre o príncipe desaparecido. Ele provavelmente está desesperado por um. E ninguém pode afirmar que o anel de Cardan não é para ser um sinal pelo qual ele é conhecido. Quanto ao que ele quer manter do festim, pode ser qualquer coisa. Cardan é inteligente, mas não é um bom tipo de inteligência. E é um pouco perto demais da minha propensão para mentir para ficar confortável. Ainda assim, somos liberados . Atrás de nós, o que deveria ter sido uma celebração de um novo Rei Supremo continua: os gritos, o banquete, o rodopiar em danças infinitas e contínuas. Eu olho para trás uma vez enquanto subimos, observando o mar de corpos e asas, olhos de tinta e dentes afiados. Eu estremeço. Nós subimos os degraus juntos. Eu deixei ele manter seu aperto possessivo no meu braço, me guiando. Eu deixei ele abrir as portas com suas próprias chaves. Eu deixo ele fazer o que ele quiser. E então, uma vez que estamos no corredor vazio no andar superior do palácio, eu me viro e pressiono a ponta da minha faca diretamente sob o queixo dele. "Jude?" Ele pergunta, encostado na parede, pronunciando meu nome com cuidado, como se para evitar que eu exploda. Não tenho certeza se já o ouvi usar meu nome real antes.


"Surpreso?" Eu pergunto, um sorriso feroz começando no meu rosto. O garoto mais importante de Faerie e meu inimigo, finalmente em meu poder. Parece ainda melhor do que eu pensava. "Você não deveria estar."


Eu pressiono a ponta da faca contra sua pele para que ele possa sentir a mordida. Seus olhos negros se concentram em mim com nova intensidade. "Por quê?", Pergunta ele. Só isso. Raramente senti uma onda de triunfo. Tenho que me concentrar em evitar que isso vá à minha cabeça, mais forte que o vinho. “Porque a sua sorte é terrível e a minha é ótima. Faça o que eu digo e vou atrasar o prazer de te machucar. "Planejando derramar um pouco mais de sangue real hoje à noite?" Ele zomba, movendo-se como se para se livrar da faca. Eu me movo com ele, mantendo-o contra sua garganta. Ele continua falando. "Sentindo-se deixada de fora do abate?" "Você está bêbado", eu digo. "Oh, de fato." Ele inclina a cabeça para trás contra a pedra, fechando os olhos. A luz de tochas próxima transforma seu cabelo preto em bronze.


"Mas você realmente acredita que eu vou deixar você me desfilar na frente do general, como se eu fosse um pouco humilde" Eu aperto a faca com mais força. Ele suga a respiração e morde o final dessa frase. "Claro", ele diz, um momento depois, com uma risada cheia de autogozação. “Fiquei desmaiado enquanto minha família foi assassinada; é difícil cair mais baixo que isso. ” "Pare de falar", digo a ele, afastando qualquer pontada de simpatia. Ele nunca teve nada para mim. "Mova-se." "Ou o quê?", Pergunta ele, ainda sem abrir os olhos. "Você não vai realmente me esfaquear." "Quando foi a última vez que você viu seu querido amigo Valerian?" Eu sussurro. Seus olhos se abrem. "Eu não o vi. Onde ele esta?" "Apodrecendo perto dos estábulos de Madoc. Eu o matei e depois o enterrei. Então acredite em mim quando eu te ameaçar. Não importa o quão improvável pareça, você é a pessoa mais importante de todas as fadas no momento. Quem tem você tem poder. E eu quero poder." "Eu suponho que você estava certa, afinal." Ele estuda meu rosto, não dando nada por conta própria. "Eu suponho que eu não sabia o mínimo que você poderia fazer." Eu tento não deixá-lo saber o quanto sua calma me abala. Isso me faz sentir como se a faca na minha mão, que deveria me dar autoridade, não fosse suficiente. Isso me faz querer machucá-lo apenas para me convencer de que ele pode estar com medo. Ele acabou de perder toda a sua família; Eu não deveria estar pensando assim. Mas não posso deixar de pensar que ele vai explorar qualquer pena da minha parte, qualquer fraqueza. "Hora de se mexer", eu digo duramente. “Vá para a primeira porta e abra-a.


Quando estamos dentro, estamos indo para o armário. Há uma passagem por lá. "Sim, tudo bem", diz ele, irritado, tentando empurrar a minha espada para longe. Eu seguro firme, para que a faca corte em sua pele. Ele jura e coloca um dedo sangrando em sua boca. "O que foi isso?" "Por diversão", eu digo, e depois alivio a lâmina de sua garganta, lenta e deliberadamente. Meu lábio se enrola, mas, por outro lado, mantenho minha expressão tão parecida com uma máscara quanto sei, tão cruel e fria quanto o rosto que reaparece em meus pesadelos. É somente quando faço isso que percebo quem estou imitando, cujo rosto me assustou a querer isso para mim. Dele. Meu coração está martelando tanto que me sinto doente. "Você vai pelo menos me dizer para onde estamos indo?" Ele pergunta quando eu o empurro para frente com a minha mão livre. "Não. Agora se mova. O grunhido na minha voz é todo meu. Inacreditavelmente, ele balança enquanto caminha pelo corredor e entra no escritório que eu indico. Quando chegamos à passagem escondida, ele rasteja com apenas um olhar inescrutável para mim. Talvez ele esteja ainda mais bêbado do que eu pensava. Não importa. Ele ficará sóbrio em breve. A primeira coisa que faço quando chego ao ninho do Tribunal das Sombras é amarrar o príncipe Cardan a uma cadeira com pedaços rasgados do meu próprio vestido sujo. Então eu removo ambas as nossas máscaras. Ele me deixa fazer tudo, um olhar estranho no rosto. Ninguém mais está lá, e eu não tenho idéia de quando alguém pode voltar, se é que vai. Não importa. Eu posso administrar sem eles.


Eu cheguei até aqui, afinal de contas. Quando Cardan me encontrou, eu sabia que controlá-lo era o único caminho para ter algum controle sobre o destino do meu mundo. Penso em todos os votos que fiz a Dain, incluindo aquele que nunca falei em voz alta: em vez de ter medo, vou me tornar algo a temer. Se Dain não vai me dar poder, então eu vou tomar para mim. Não tendo passado muito tempo no Tribunal das Sombras, não sei seus segredos. Eu ando pelas salas, abrindo pesadas portas de madeira, abrindo armários, fazendo um inventário dos meus suprimentos. Eu descubro uma despensa que é tão cheia de venenos quanto de queijos e salsichas; uma sala de treinamento com serragem no chão, armas na parede e um novo boneco de madeira no centro, o rosto grosseiramente pintado com um sorriso perturbador. Entro no quarto dos fundos com quatro paletes no chão e algumas canecas e roupas descartadas espalhadas perto deles. Não toquei em nada disso até chegar à sala do mapa com uma escrivaninha. A mesa de Dain, recheada com pergaminhos, canetas e lacre. Por um momento, estou impressionada com a enormidade do que aconteceu. O príncipe Dain se foi, foi embora para sempre. E seu pai e irmãs se foram com ele. Volto para a sala principal e arrasto Cardan e a cadeira para o escritório de Dain, apoiando-a contra a porta aberta para que eu possa ficar de olho nele. Eu tiro uma besta de mão da parede na sala de treinamento, junto com algumas flechas. Arma ao meu lado, armada e pronta, sento-me na cadeira de Dain e descanço minha cabeça em minhas mãos. "Você vai me dizer onde exatamente estamos, agora que estou amarrado para sua satisfação?" Eu quero golpear Cardan mais e mais até que eu tire essa presunção de seu rosto. Mas se eu fizesse, ele saberia o quanto ele me assusta. "Este é o lugar onde os espiões do príncipe Dain se encontram", eu o informo, tentando me livrar do meu medo. Eu preciso me concentrar. Cardan é nada, um instrumento, um marcador de jogo.


Ele me fixa com um olhar estranho e assustado. "Como você sabe disso? O que te possuiu para me trazer aqui? "Estou tentando descobrir o que fazer a seguir", digo com desconfortável honestidade. "E se um dos espiões retornar?", Ele me pergunta, despertando de seu estupor o suficiente para realmente parecer preocupado. "Eles vão descobrir você em sua toca e ..." Ele se afasta com o sorriso no meu rosto e desaparece em silêncio atordoado. Eu posso ver o momento em que ele chega à conclusão de que sou um deles. Que eu pertenço aqui. Cardan volta ao silêncio. Finalmente. Finalmente, eu o fiz recuar. Eu faço algo que nunca ousaria fazer antes. Eu vou até a mesa do príncipe Dain. Há montes de correspondência. Listas Notas nem a Dain nem dele, provavelmente roubadas. Mais em sua mão - movimentos, enigmas, propostas de leis. Convites formais Cartas informais e inócuas, incluindo algumas de Madoc. Não tenho certeza do que estou procurando. Estou apenas examinando tudo o mais rápido que puder para algo, qualquer coisa, que possa me dar uma ideia do motivo pelo qual ele foi traído. Durante toda a minha vida, cresci pensando no Alto Rei e no Príncipe Dain como nossos governantes inquestionáveis. Eu acreditava que Madoc fosse inteiramente leal a eles; Eu também era leal. Eu sabia que Madoc era sanguinário. Eu acho que sabia que ele queria mais conquista, mais guerra, mais batalha. Mas eu pensei que ele considerasse querer que a guerra fizesse parte de seu papel como general, enquanto parte do papel do Alto Rei era mantê-lo sob controle. Madoc falou sobre honra, sobre obrigação, sobre dever. Ele criou Taryn e eu em nome dessas coisas; Parecia lógico que ele estivesse disposto a suportar outras coisas desagradáveis.


Eu não achei que Madoc gostasse de Balekin. Lembro-me do mensageiro morto, disparado por mim, e do bilhete no pergaminho: MATAR O PORTADOR DESTA MENSAGEM. Era uma peça de desorientação, tudo para manter os espiões de Dain ocupados perseguindo nossos rabos enquanto Balekin e Madoc planejavam atacar em um único lugar que ninguém parecia - em pleno campo aberto. "Você sabia?" Eu pergunto a Cardan. “Você sabia o que Balekin iria fazer? É por isso que você não estava com o resto da sua família? Ele solta uma risada. "Se você pensa assim, por que você acha que eu não corri direto para os braços amorosos de Balekin?" "Diga-me de qualquer maneira", eu digo. "Eu não sabia", diz ele. "Você fez? Madoc é seu pai, afinal de contas. Eu tiro uma longa barra de cera da mesa de Dain, uma ponta enegrecida. “O que importa o que eu digo? Eu poderia mentir." "Diga-me de qualquer maneira", diz ele, e boceja. Eu realmente quero dar um tapa nele. "Eu também não sabia", eu admito, sem olhar para ele. Em vez disso, estou olhando para a pilha de anotações, para as impressões suaves de cera, um entalhe ao contrário. "E eu deveria saber." Meu olhar corta em direção a Cardan. Eu ando até ele, agacho e começo a tirar o seu anel real. Ele tenta puxar a mão do meu alcance, mas ele está amarrado de tal forma que não consegue. Eu arranco-o do dedo dele. Eu odeio como me sinto ao seu redor, o pânico irracional quando eu toco sua pele. "Estou pegando emprestado seu anel estúpido", eu digo. O sinete se encaixa


perfeitamente na impressão da carta. Todos os anéis de todos os príncipes e princesas devem ser idênticos. Isso significa que um selo de um parece muito com o selo de outro. Pego um pedaço de papel novo e começo a escrever. "Eu não suponho que você tenha algo para beber por aqui?" Cardan pergunta. "Não imagino que o que acontecer a seguir seja particularmente confortável para mim e eu gostaria de ficar bêbado para enfrentá-lo." "Você realmente acha que eu me importo se você está confortável?" Eu exijo. Eu ouço um passo e me levanto da mesa. Da sala comum vem o som de vidro quebrando. Eu empurro o anel de Cardan no meu corpete, onde ele descansa fortemente contra a minha pele, e vou para o corredor. Barata derrubou uma linha de frascos da estante e quebrou a madeira de um armário. Vidro entalhado e infusões derramadas tapam o chão de pedra. Mandrágora. Snakeroot Larkspur. Fantasma está agarrando braço de Barata, puxando-o de novo para quebrar mais coisas. Apesar da linha de sangue escorrendo por sua perna, a rigidez de seus movimentos. O Fantasma esteve em uma briga. "Ei", eu digo. Ambos parecem surpresos em me ver. Eles ficam ainda mais surpresos quando notam o príncipe Cardan amarrado a uma cadeira na porta da sala do mapa. "Você não deveria estar com seu pai, festejando?", Fantasma cospe. Eu dou um passo atrás. Antes, ele sempre foi um modelo de calma perfeita e antinatural. Nenhum deles parece calmo agora. "Bomba ainda está lá fora, e os dois quase deram a vida para me libertar da masmorra de Balekin, apenas para encontrála aqui, regozijando-se."”

"Não!" Eu digo, segurando meu chão. "Pense nisso. Se eu soubesse o que ia acontecer, se estivesse do lado de Madoc, a única maneira de estar aqui seria


com um retentor de cavaleiros. Você teria sido baleado chegando na porta. Eu dificilmente teria vindo sozinha arrastando um prisioneiro que meu pai adoraria ter. “Paz, vocês dois. Estamos todos nos recuperando ”, diz o Barata, observando o estrago que ele causou. Ele balança a cabeça, então sua atenção vai para Cardan. Ele caminha em direção a ele, estudando o rosto do príncipe. Os lábios negros da Barata se afastam dos dentes em uma careta pensativa. Quando ele se vira para mim, ele está obviamente impressionado. "Embora pareça que um de nós manteve a cabeça." "Olá", diz Cardan, levantando as sobrancelhas e olhando para Barata como se estivessem sentados para o chá juntos. As roupas de Cardan estão desarrumadas, rastejando sob as mesas ou sendo capturadas e amarradas, e sua cauda infame está aparecendo. É magro, quase sem pêlos, com um tufo de pelo preto na ponta. Enquanto observo, a cauda forma uma curva oscilante atrás da outra, serpenteando de um lado para o outro, traindo seu rosto frio, contando sua própria história de incerteza e medo. Eu posso ver porque ele esconde essa coisa. "Nós deveríamos matá-lo", diz Fantasma, curvando-se no corredor, cabelos castanhos claros na testa. “Ele é o único membro da família real que pode coroar Balekin. Sem Cardan, o trono estará perdido para sempre e teremos vingado Dain. ” Cardan respira fundo e solta lentamente. "Eu preferiria viver." "Nós não trabalhamos mais para Dain", Barata lembra Fantasma, as narinas de sua longa faca verde de um nariz queimando. “Dain está morto e além de se importar com tronos ou coroas. Nós vendemos o príncipe de volta a Balekin por tudo que podemos conseguir e sair. Entre os tribunais baixos ou o povo livre. Há diversão para se ter e ouro. Você poderia vir junto, Jude. Se você quiser."


A oferta é tentadora. Queime tudo. Corra. Comece de novo em um lugar onde ninguém me conhece, exceto Fantasma e Barata. "Eu não quero o dinheiro de Balekin." O Fantasma cospe no chão. “E além disso, o garoto príncipe é inútil para nós. Muito jovem, muito fraco. Se não fosse por Dain, então vamos matá-lo por todos os Faerie. "Muito jovem, muito fraco, muito mau", eu repito. "Espere", diz Cardan. Eu o imaginei com medo muitas vezes, mas a realidade supera essas imaginações. Vendo a aceleração de sua respiração, a maneira como ele puxa contra meus cuidadosos nós, me encanta. "Esperem! Eu poderia te dizer o que eu sei, tudo que eu sei, qualquer coisa sobre Balekin, qualquer coisa que você gostaria. Se você quiser ouro e riquezas, eu poderia pegá-los. Eu conheço o caminho para o tesouro de Balekin. Eu tenho as dez chaves das dez trancas do palácio. Eu poderia ser útil. Só nos meus sonhos Cardan sempre foi assim. Implorando. Miserável. Impotente. "O que você sabia sobre o plano de seu irmão?", Fantasma pergunta a ele, saindo da parede. Ele manca mais. Cardan sacode a cabeça. "Só que Balekin desprezava Dain. Eu o desprezei também. Ele era desprezível. Eu não sabia que ele conseguiu convencer Madoc disso. ” "O que você quer dizer, desprezível?" Eu pergunto, indignada, mesmo com a ferida ainda cicatrizando na minha mão. A morte de Dain lavou o ressentimento que eu tinha por ele. Cardan me dá um olhar indecifrável. "Dain envenenou seu próprio filho, ainda no útero. Ele trabalhou em nosso pai até que ele não confiava em ninguém além dele.


Pergunte a eles - certamente os espiões de Dain sabem como ele fez Eldred acreditar que Elowyn estava tramando contra ele, convencido de que Balekin era um tolo. Dain orquestrou para mim ser expulso do palácio, de modo que tive que ser acolhido pelo meu irmão mais velho ou ficar sem casa no tribunal. Ele até persuadiu Eldred a renunciar depois de envenenar seu vinho para que ele ficasse cansado e doente - a maldição na coroa não impede isso ”. "Isso não pode ser verdade." Penso em Liriope, na carta, de como Balekin queria provar quem tinha o veneno. Mas Eldred não poderia ter sido envenenado com cogumelo blush. "Pergunte aos seus amigos", diz Cardan, com um aceno para Barata e o Fantasma. “Foi um deles quem administrou o veneno que matou a criança e sua mãe.” Eu balancei minha cabeça, masFantasma não encontra meu olhar. "Por que Dain faria isso?" - "Porque ele gerou o filho com a consorte de Eldred e ficou com medo de que Eldred descobrisse e escolhesse outro de nós para seu herdeiro." Cardan parece satisfeito consigo mesmo por ter me surpreendido - nos surpreendeu, pelos olhares nos rostos de Barata e fantasma. Eu não gosto do jeito que eles o assistem agora, como se ele pudesse ter valor no final das contas. "Nem o Rei das Fadas gosta de pensar em seu filho tomando o seu lugar na cama de uma amante." Não deveria me chocar que o Tribunal de Fadas seja corrupto e meio grosseiro. Eu sabia disso, assim como sabia que Madoc poderia fazer coisas terríveis com as pessoas com quem ele se importava. Assim como eu sabia, Dain nunca foi gentil. Ele me fez esfaquear minha própria mão, limpar. Ele me levou para a minha utilidade, nada mais. Faerie pode ser bonita, mas sua beleza é como uma carcaça de veado de ouro,


cheia de larvas por baixo de sua pele, pronta para explodir. Eu me sinto mal pelo cheiro de sangue. Está no meu vestido, debaixo dos meus dedos, no meu nariz. Como eu deveria ser pior do que o povo? Venda o príncipe de volta a Balekin. Eu viro a ideia na minha cabeça. Balekin estaria em dívida comigo. Ele me faria um membro do Tribunal, assim como eu queria uma vez. Ele me daria qualquer coisa que eu pedisse, qualquer uma das coisas que Dain oferecia e mais: terra, cavalheirismo, uma marca de amor na minha testa, para que todos que olhassem para mim estivessem doentes de desejo, uma espada que se encantasse a cada golpe. E, no entanto, nenhuma dessas coisas parece mais valiosa. Nenhum desses é o verdadeiro poder. O verdadeiro poder não é concedido. O verdadeiro poder não pode ser tirado. Penso em como será ter Balekin como Rei Supremo, que o Círculo de Grackles devorará todos os outros círculos de influência. Penso em seus servos famintos, em seu pedido para que Cardan matasse um deles por treinamento, pelo modo como ele ordenou que Cardan fosse espancado enquanto professava seu amor por sua família. Não, não consigo me ver servindo Balekin. "Príncipe Cardan é meu prisioneiro", eu os lembro, andando de um lado para o outro. Eu não sou muito boa mas tenho sido boa em ser um espiã por muito pouco tempo. Eu não estou pronto para desistir disso. "Eu consigo decidir o que acontece com ele." Barata e fantasma trocam olhares. "A menos que nós vamos lutar", eu digo, porque eles não são meus amigos, e eu preciso lembrar disso. “Mas eu tenho acesso a Madoc. Eu tenho acesso a Balekin. Eu sou a nossa melhor chance em negociar um acordo. ” "Jude", Cardan me adverte da cadeira, mas estou além da cautela,


especialmente dele. Há um momento tenso, mas então Barata dá um sorriso. “Não, garota, não estamos brigando. Se você tem um plano, então eu estou feliz com isso. Eu não sou muito planejador, a menos que seja como ganhar uma preciosidade de um ambiente agradável. Você roubou o garoto príncipe. Este é o seu jogo, se você acha que pode fazer isso. Fantasma franze a testa mas não o contradiz. O que devo fazer é juntar as peças do quebra-cabeça. Aqui está o que não faz sentido - por que Madoc está apoiando Balekin? Balekin é cruel e volátil, duas qualidades não preferíveis em um monarca. Mesmo que Madoc acredite que Balekin vai lhe dar as guerras que ele quer, parece que ele poderia ter conseguido isso de outra maneira. Penso na carta que encontrei na escrivaninha de Balekin, a da mãe de Nicasia: conheço a proveniência do cogumelo que você pede depois. Por que, depois de todo esse tempo, Balekin queria provar que Dain orquestrou o assassinato de Liriope? E se ele tivesse, por que ele não levou isso para Eldred? A menos que ele e Eldred não tivessem acreditado nele. Ou se importava. Ou… a menos que a prova fosse para outra pessoa. "Quando o Liriope foi envenenada?", Pergunto. "Sete anos atrás, no mês de tempestades", o Fantasma diz com uma torção na boca. “Dain me disse que ela tinha uma previsão sobre a criança. Isso é importante ou você está apenas curiosa? "Qual foi a previsão?" Eu pergunto. Ele balança a cabeça, como se não quisesse a memória, mas ele responde. "Se o menino nascesse, o príncipe Dain nunca seria rei." Que típica profecia das fadas - uma que lhe dá um aviso sobre o que você vai perder, mas nunca promete nada a você. O menino está morto, mas o príncipe Dain nunca será rei.


Deixe-me não ser esse tipo de tola, para basear minhas estratégias em enigmas. "Então é verdade", diz Barata baixinho. "Você é quem a matou." A carranca de Fantasma se aprofunda. Não me ocorreu até então que eles não pudessem conhecer as atribuições uns dos outros. Ambos parecem desconfortáveis. Eu me pergunto se Barata teria feito isso. Eu me pergunto o que significa que Fastasma o fez. Quando olho para ele agora, não sei o que vejo. "Eu vou para casa", eu digo. “Eu vou fingir que me perdi na revelação da coroação. Eu deveria ser capaz de descobrir o que Cardan vale para eles. Eu voltarei amanhã e mostrarei os detalhes de vocês dois e a Bomba, se ela estiver aqui. Dê-me um dia para ver o que posso fazer e seu juramento de não tomar decisões até então.

"Se a bomba tem mais sentido do que nós, ela já foi para o chão." Barata aponta para um gabinete. Sem palavras, o Fantasma sai e pega uma garrafa, colocando-a na mesa de madeira gasta. “Como sabemos que você não nos trairá? Mesmo se você acha que está do nosso lado agora, pode voltar para a fortaleza de Madoc e reconsiderar. Eu olho Barata e Fantasma especulativamente. "Preciso deixar Cardan aos seus cuidados, o que significa confiar em você. Prometo não te trair e promete que o príncipe estará aqui quando eu voltar. Cardan parece aliviado com a ideia de que haverá um atraso, o que acontecer a seguir. Ou talvez ele esteja apenas aliviado pela presença da garrafa. "Você poderia ser um fazedor de reis", diz o Fantasma. “Isso é sedutor. Você poderia deixar Balekin ainda mais profundamente em dívida com seu pai. "Ele não é meu pai", eu digo bruscamente. "E se eu decidir que quero jogar com Madoc, bem, contanto que você seja pago, não vai importar, não é?"


"Eu acho que não", o Fantasma diz de má vontade. “Mas se você voltar aqui com Madoc ou qualquer outra pessoa, nós vamos matar Cardan. E então nós vamos te matar. Entendido?" Eu concordo. Se não fosse pelas ideias do Prince Dain, eles poderiam ter me compelido. É claro que, independentemente de os progressos do príncipe Dain terem passado da morte dele, não sei e tenho medo de descobrir. "E se você demorar mais do que o dia que você pediu para voltar, vamos matá-lo e cortar nossas perdas", continua o Fantasma. “Prisioneiros são como ameixas de ameixa. Quanto mais tempo você os mantém, menos valiosos eles se tornam. Eventualmente, eles estragam. Um dia e uma noite. Não se atrase. Cardan recua e tenta chamar minha atenção, mas eu o ignoro. "Eu vou concordar com isso", eu digo, porque eu não sou boba. Nenhum de nós está se sentindo tão confiante no momento. - Desde que você jure que Cardan estará aqui e será quando eu voltar amanhã, sozinha. E porque eles não são tolos, eles juram.


Eu não sei o que espero encontrar quando chegar em casa. É uma longa caminhada pela mata, porque eu dou aos Acampamentos do Povo aqui para a coroação um amplo ancoradouro. Meu vestido está sujo e esfarrapado na bainha, meus pés estão doloridos e frios. Quando eu chego, a propriedade de Madoc parece do jeito que sempre esteve, familiar como meu próprio passo. Eu penso em todos os outros vestidos pendurados no meu armário, esperando para serem usados, os chinelos esperando para serem dançados. Eu penso no futuro que eu pensava que eu teria e no que esta na minha frente como um abismo. No corredor, vejo que há mais cavaleiros aqui do que estou acostumada, entrando e saindo do salão de Madoc. Servos correm para trás e para frente, trazendo canecas, tinteiros e mapas. Poucos me dispensam um olhar. Há um grito do outro lado do corredor. Vivienne Ela e Oriana estão na sala de visitas. Vivi corre em minha direção, joga os braços em volta de mim. "Eu ia matá-lo", diz ela. "Eu ia matá-lo se seu plano estúpido te machucasse." Eu percebo que não me mudei. Eu levo uma mão para tocar seu cabelo, deixo meus dedos deslizarem para o ombro dela. "Estou bem", eu digo. “Acabei me


envolvendo na multidão. Estou bem. Está tudo bem." Tudo certo, claro, não é nada bom. Mas ninguém tenta me contradizer. "Onde estão os outros?" "Oak está na cama", diz Oriana. “E Taryn está fora do escritório de Madoc. Ela vai estar em um momento. A expressão de Vivi muda isso, embora eu não tenha certeza de como lê-la. Subo as escadas para o meu quarto, onde lavo a tinta do meu rosto e a lama dos meus pés. Vivi me segue, empoleira-se em um banquinho. Seus olhos de gato são de ouro brilhante na luz do sol que entra na minha varanda. Ela não fala enquanto eu pego um pente no meu cabelo, vasculhando os emaranhados. Eu me visto de cores escuras, com uma túnica azul-escura, gola alta e mangas justas, botas pretas brilhantes, novas luvas para cobrir as mãos. Coloco Nightfell em um cinto mais pesado e coloco o anel com o selo real em meu bolso. Parece tão surreal estar no meu quarto, com meus bichinhos de pelúcia, meus livros e minha coleção de venenos. Com a cópia de Cardan de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho, sentada na minha mesa de cabeceira. Uma nova onda de pânico passa por mim. Eu tenho que descobrir como transformar a captura do príncipe desaparecido de Faerie para minha vantagem. Aqui, na minha casa de infância, quero rir da minha ousadia. Quem eu acho que sou? "O que aconteceu com sua garganta?" Vivi pergunta, franzindo a testa para mim. "E o que há de errado com a sua mão esquerda?" Esqueci como cuidadosamente escondi esses ferimentos. “Eles não são importantes, não com tudo o que aconteceu. Por que ele fez isso? "Você quer dizer, por que Madoc ajudou Balekin?" Diz ela, abaixando a voz. "Eu não sei. Política. Ele não se importa com o assassinato. Ele não se importa que a culpa é dele. Princesa Rhyia está morta. Ele não se importa, Jude. Ele nunca se importou. Isso é o que faz dele um monstro.


"Madoc não pode realmente querer que Balekin governe Elfhame", eu digo. Balekin influenciaria como Faerie interage com o mundo mortal durante séculos, quanto sangue é derramado e de quem. Tudo de Faerie será como Hollow Hall É quando escuto a voz de Taryn subindo a escada. “Locke está com Madoc há séculos. Ele não sabe nada sobre onde Cardan está se escondendo." Vivi continua, observando meu rosto. "Jude", diz ela. Sua voz é principalmente respiração. "Madoc provavelmente está apenas tentando assustá-lo", diz Oriana. "Você sabe que ele não está disposto a arranjar um casamento no meio de todo esse tumulto." Antes que Vivi possa dizer qualquer outra coisa, antes que ela possa me impedir, eu vou até o topo da escada. Eu me lembro das palavras que Locke me disse depois que eu lutei no torneio e irritou Cardan: você é como uma história que ainda não aconteceu. Eu quero ver o que você fará. Eu quero fazer parte do desdobramento do conto. Quando ele disse que queria ver o que eu faria, ele queria descobrir o que aconteceria se ele partisse meu coração? Se não consigo encontrar uma história boa o suficiente, eu faço uma. As palavras de Cardan quando perguntei se ele achava que eu não merecia que Locke ecoasse na minha cabeça. Oh não, ele disse com um sorriso. Vocês são perfeitos um para o outro. E na coroação: Hora de trocar de parceiro. Eu roubei sua linha? Ele sabia. Como ele deve ter rido. Como todos devem ter rido. "Então eu suponho que eu sei quem é seu amante agora", chamo a minha irmã gêmea. Taryn olha para cima e empalidece. Desço as escadas devagar, com cuidado. Eu me pergunto se, quando Locke e seus amigos riram, ela riu com eles. Todos os olhares estranhos, a tensão em sua voz quando eu falei sobre Locke,


sua preocupação sobre o que ele e eu estávamos fazendo nos estábulos, o que fizemos em sua casa - tudo isso faz sentido súbito e terrível. Eu sinto a pontada aguda da traição. Eu retiro Nightfell. "Eu desafio você", eu digo a Taryn. “Para um duelo. Por minha honra, que foi gravemente traída. Os olhos de Taryn se arregalam. "Eu queria te dizer", diz ela. “Houve tantas vezes que comecei a dizer algo, mas simplesmente não consegui. Locke disse que, se eu pudesse suportar, seria uma prova de amor. Eu me lembro de suas palavras da revelação: Você me ama o suficiente para desistir de mim? Isso não é uma prova de amor? Eu acho que ela passou no teste e eu falhei. "Então ele propôs a você casamento", eu digo. “Enquanto a família real foi massacrada. Isso é tão romântico. Oriana dá um pequeno suspiro, provavelmente com medo de que Madoc me ouça, que ele se oponha à minha cena. Taryn parece um pouco pálida também. Eu suponho desde que nenhum deles realmente viu isto, eles poderiam ter ouvido quase qualquer coisa. Não é preciso mentir para enganar. Minha mão aperta no cabo do Nightfell. "O que Cardan disse que fez você chorar no dia seguinte depois que voltamos do mundo mortal?" Lembro-me de minhas mãos enterradas em seu gibão de veludo, suas costas batendo na árvore quando eu o empurrei. E depois, como ela negou que tivesse algo a ver comigo. Como ela não me diria o que isso tem a ver com. Por um longo momento, ela não responde. Pela sua expressão, eu sei que ela não quer me dizer a verdade. "Foi sobre isso, não foi? Ele sabia. Todos sabiam. ”Eu penso em Nicasia sentada na mesa de jantar de Locke, parecendo por um momento me deixar em sua confiança. Ele estraga as coisas. É disso


que ele gosta. Arruinar as coisas. Eu pensei que ela estava falando sobre Cardan. "Ele disse que foi por minha causa que ele chutou a sujeira em sua comida", diz Taryn, a voz suave. “Locke os enganou em pensar que foi você quem o roubou de Nicasia. Então foi você que eles estavam punindo. Cardan disse que você estava sofrendo no meu lugar e que, se soubesse o porquê, você desistiria, mas eu não poderia lhe dizer." Por um longo momento, eu não faço nada além de absorver suas palavras. Então eu jogo minha espada entre nós. Ele bate no chão. "Pegue-a", eu digo a ela. Taryn sacode a cabeça. "Eu não quero brigar com você." "Você tem certeza disso?" Eu fico na frente dela, em seu rosto, irritantemente perto. Eu posso sentir o quanto ela coça para pegar meus ombros e empurrar. Deve ter azedado ela que eu beijei Locke, que eu dormi em sua cama. “Eu acho que talvez você saiba. Eu acho que você adoraria me bater. E eu sei que quero eu bater em você. Há uma espada pendurada no alto da parede sobre a lareira, sob uma faixa de seda com o brasão da lua virada de Madoc. Subo em uma cadeira próxima, subo no suporte da lareira e levanto-a do gancho. Isso vai servir. Eu desço e caminho em direção a ela, apontando aço em seu coração. "Estou sem prática", diz ela. "Eu não não." Eu fecho a distância entre nós. “Mas você terá a melhor espada e poderá dar o primeiro golpe. Isso é justo e mais você merece ”. Taryn olha para mim por um longo momento, depois pega Nightfell. Ela recua vários passos e empunha. Do outro lado da sala, Oriana se levanta com um suspiro. Ela não vem em nossa direção, no entanto. Ela não nos impede. Há tantas coisas quebradas que eu não sei como consertar. Mas eu sei lutar.


"Não seja idiota!" Vivi grita da varanda. Não posso dar muita atenção a ela. Estou muito focada em Taryn enquanto ela se move pelo chão. Madoc nos ensinou e nos ensinou bem. Ela ataca. Eu bloqueio o golpe dela, nossas espadas batendo juntas. O metal soa, ecoando pela sala como um sino. “Foi divertido me enganar? Você gostou da sensação de ter algo em cima de mim? Você gostou que ele estivesse flertando e me beijando e todo o tempo prometendo que você seria sua esposa? “Não!” Ela defende minha primeira série de golpes com algum esforço, mas seus músculos se lembram da técnica. Ela mostra os dentes. "Eu odiava isso, mas eu não sou como você. Eu quero pertencer aqui. Desafiando-os, tudo piora. Você nunca me perguntou antes de ir contra o Príncipe Cardan - talvez ele tenha começado por minha causa, mas você continuou. Você não se importou com o que causou em nossas cabeças. Eu tive que mostrar a Locke que eu era diferente." Alguns dos servos se reuniram para assistir. Eu os ignoro, ignoro a dor nos braços de cavar uma cova apenas uma noite antes, ignoro a picada da ferida na palma da minha mão. Minha lâmina corta a saia de Taryn, cortando quase sua pele. Seus olhos se arregalam e ela tropeça para trás. Nós trocamos uma série de golpes rápidos. Ela está respirando com mais força, não acostumada a ser empurrada assim, mas também não recuando. Eu bato minha lâmina contra a dela, não dando tempo para ela fazer mais do que se defender. “Então isso foi vingança?” Costumávamos treinar quando éramos mais novas, com bastões de prática. E desde então nos envolvemos em puxar cabelo, gritar e ignorar um ao outra - mas nunca brigamos assim, nunca com aço vivo. “Taryn! Jude! ”Vivi grita, indo em direção à escada em espiral. "Parem ou eu vou parar vocês."


"Você odeia o povo." Os olhos de Taryn brilham enquanto ela gira sua espada em um golpe elegante. “Você nunca se importou com Locke. Ele era apenas mais uma coisa para tirar de Cardan.. Isso me abala o suficiente para que ela possa ficar sob minha guarda. Sua lâmina apenas beija meu lado antes de eu me afastar, fora de seu alcance. Ela continua. "Você acha que eu sou fraca." "Você é fraca", digo a ela. "Você é fraca e patética e eu—" "Eu sou um espelho", ela grita. "Eu sou o espelho que você não quer olhar." Eu balanço em direção a Taryn novamente, colocando todo o meu peso no golpe. Estou tão zangada, com raiva de tantas coisas. Eu odeio ser idiota. Eu odeio que fui enganada. A fúria ruge em minha cabeça, alto o suficiente para abafar todos os meus pensamentos. Eu balanço minha espada para o lado dela em um arco brilhante. “Eu disse parem,” Vivi grita, glamour brilhando em sua voz como uma rede. "Agora parem!" Taryn parece se esvaziar, relaxando os braços, deixando o Nightfell cair frouxamente de dedos repentinamente soltos. Ela tem um sorriso vago no rosto, como se estivesse ouvindo música distante. Eu tento checar meu balanço, mas é tarde demais. Em vez disso, deixo a espada ir. O impulso o envia atravessando a sala para bater em uma estante e derrubar o crânio de um carneiro no chão. O momento me faz cair no chão. Eu me volto para Vivi, horrorizada. "Você não tinha o direito." As palavras saem da minha boca, à frente das mais importantes - eu poderia ter cortado Taryn ao meio. Ela parece tão surpresa quanto eu. “Você está usando um cordão? Eu vi você trocar de roupa e você não tinha uma.


Os encantaento de Dain. Ele sobreviveu a sua morte. Meus joelhos parecem crus. Minha mão está latejando. Meu lado pica onde Nightfell roçou minha pele. Estou furiosa, ela parou a luta. Estou furiosa, ela tentou usar magia em nós. Eu me empurro para os meus pés. Minha respiração fica difícil. Há suor na minha testa e meus membros estão tremendo. Mãos me agarram por trás. Mais três empregados se aproximam, ficando entre nós e pegando meus braços. Dois têm Taryn, arrastando-a para longe de mim. Vivi sopra no rosto de Taryn, e ela começa a engasgar com a consciência. c É quando vejo Madoc fora de sua sala de visitas, tenentes e cavaleiros aglomerado em torno dele. E Locke Meu estômago embrulha. "O que há de errado com vocês duas?" Madoc grita, tão bravo quanto eu já vi ele. "Nós já não tivemos um excesso de morte hoje?" O que parece ser uma coisa paradoxal para dizer, já que ele foi a causa de muito disso. "Vocês duas vão esperar por mim na sala de jogos." Tudo o que posso pensar é ele no estrado, sua lâmina rasgando o peito de Prince Dain. Eu não posso encontrar o seu olhar. Eu estou tremendo toda. Eu quero gritar. Eu quero correr para ele. Eu me sinto como uma criança novamente, uma criança indefesa em uma casa da morte. Eu quero fazer alguma coisa, mas não faço nada. Ele se vira para Gnarbone. "Vá com elas. Certifique-se de que elas fiquem longe uma da outra. Sou levada para a sala de jogos e me sento no chão com a cabeça nas mãos. Quando eu os levo embora, eles estão molhados de lágrimas. Eu limpo meus dedos rapidamente contra minhas calças, antes que Taryn possa ver. Nós esperamos pelo menos uma hora. Eu não digo nada a Taryn, e ela também não diz nada para mim. Ela funga um pouco, depois limpa o nariz mas não


chora.

Eu penso em Cardan amarrado a uma cadeira para me animar. Então eu penso no jeito que ele olhou para mim através da cortina de seu cabelo negro, das bordas curvas de seu sorriso bêbado, e eu não me sinto nem um pouco confortada. Eu me sinto exausta e completamente derrotada. Eu odeio Taryn. Eu odeio Madoc. Eu odeio Locke. Eu odeio Cardan. Eu odeio todo mundo. Eu simplesmente não os odeio o suficiente. "O que ele te deu?" Eu pergunto a Taryn, finalmente me cansando do silêncio. “Madoc me deu a espada que meu pai fez. Esse é o que estamos lutando. Ele disse que tinha algo para você também. Ela fica quieta por tempo suficiente para que eu não ache que ela vá responder. “Um conjunto de facas, para uma mesa. Supostamente, eles cortam através do osso. A espada é melhor. Tem um nome." “Eu acho que você poderia nomear suas facas de bife. Carne, o Velho Gristlebane, ” Eu digo, e ela faz um pequeno bufo que soa como o sufocar de uma risada. Mas depois disso, voltamos ao silêncio. Finalmente, Madoc entra na sala, sua sombra o precede, espalhando-se pelo chão como um tapete. Ele joga Nightfell e a bainha no chão na minha frente, e então se acomoda em um sofá com as pernas em forma de pés de pássaro. O sofá geme, sem usar tanto peso. Gnarbone acena para Madoc e se vai. "Taryn, eu quero falar com você de Locke", diz Madoc. "Você o machucou?" Há um soluço mal contido em sua voz.


Sem graça, eu me pergunto se ela está colocando em benefício de Madoc. Ele bufa, como se talvez ele estivesse se perguntando a mesma coisa. "Quando ele pediu a sua mão, ele me disse que, embora eu soubesse que os Folk são pessoas mutáveis, ele ainda gostaria de levá-la à esposa - o que significa, suponho, que você não o encontrará particularmente. constante. Ele não disse nada sobre um namoro com Jude então, mas quando eu perguntei há pouco, ele me disse: 'sentimentos mortais são tão voláteis que é impossível não brincar um pouco com eles.' Ele me disse que você, Taryn, tinha mostrado ele que você poderia ser como nós. Sem dúvida, o que você fez para mostrar a ele que era a fonte do conflito entre você e sua irmã. O vestido de Taryn é colocado em volta dela. Ela parece composta, embora ela tenha um corte raso ao seu lado e uma saia cortada. Ela parece uma dama dos Gentry, se alguém não olhar demais para as curvas arredondadas de suas orelhas. Quando me permito pensar verdadeiramente nisso, não posso culpar Locke por tê-la escolhido. Eu sou violenta. Eu venho me envenenando há semanas. Eu sou uma assassinoa, uma mentirosoa e uma espiã. Eu entendo porque ele a escolheu. Eu só queria que ela tivesse me escolhido. "O que você disse a ele?" Taryn pergunta. "Que eu nunca me encontrei particularmente mutável", diz Madoc. "E que eu achei ele indigno de vocês dois." As mãos de Taryn se fecham em punhos ao seu lado, mas não há outro sinal de que ela esteja com raiva. Ela dominou uma espécie de compostura cortês que eu não tenho. Enquanto eu tenho estudado com Madoc, sua professora tem sido Oriana. "Você me proíbe de aceitá-lo?" "Não vai acabar bem", diz Madoc. “Mas não vou ficar na frente da sua felicidade. Eu nem vou ficar na frente da miséria que você escolher por si mesma. ”


Taryn não diz nada, mas a maneira como ela solta a respiração mostra seu alívio. "Vá", ele diz a ela. “Eu não quero ver vocês duas brigando novamente. Qualquer que seja o prazer que você encontre com Locke, sua lealdade é para com sua família. Eu me pergunto o que ele quer dizer com isso, por lealdade. Eu pensei que ele era leal a Dain. Eu pensei que ele estivesse jurado a ele. "Mas ela ..." Taryn começa, e Madoc levanta a mão, com a ameaça de suas unhas negras curvas. “Foi o desafiante? Ela colocou uma espada na sua mão e fez você lutar? Você realmente acha que sua irmã não tem honra, que ela te cortaria em pedaços enquanto você permanecesse desarmada? Taryn olha com raiva, colocando o queixo para cima. "Eu não queria lutar." "Então você não deve fazê-lo no futuro", diz Madoc. "Não há sentido em lutar se você não pode vencer. Você pode ir. Deixe-me falar com sua irmã. Taryn se levanta e caminha até a porta. Com a mão na pesada trava de latão, ela se vira para trás, como se quisesse dizer outra coisa. Seja qual for camaradagem que encontramos quando ele não estava lá se foi. Eu posso ver no rosto dela que ela quer que ele me castigue e tem quase certeza de que ele não vai. "Você deveria perguntar a Jude onde o Príncipe Cardan está", ela diz, com olhos estreitos. "A última vez que o vi, ele estava dançando com ela." Com isso, ela sai pela porta, deixando-me com um coração trovejante e o selo real queimando no meu bolso. Ela não sabe. Ela está apenas sendo horrível, tentando me encrencar com um tiro de despedida. Eu não posso acreditar que ela diria isso se soubesse. "Vamos falar sobre o seu comportamento hoje à noite", diz Madoc,


inclinando-se para a frente. "Vamos falar sobre o seu comportamento hoje à noite", eu volto. Ele suspira e esfrega uma mão grande no rosto. “Você estava lá, não estava? Eu tentei tirar todos vocês, então você não teria que ver." "Eu pensei que você amava o príncipe Dain", eu digo. "Eu pensei que você fosse amigo dele." "Eu o amava o suficiente", diz Madoc. "Mais do que eu sempre amarei Balekin. Mas há outros que reivindicam minha lealdade ”. Penso novamente nas minhas peças de quebra-cabeças, nas respostas que voltei para casa. O que poderia Balekin ter dado ou prometido a Madoc que o teria persuadido a se mover contra Dain? "Quem?" Eu exijo. "O que poderia valer tanto tanta morte?" "Chega", ele rosna. “Você ainda não está no meu conselho de guerra. Você saberá o que há para saber na plenitude do tempo. Até lá, deixe-me assegurarlhe que, embora as coisas estejam em desordem, meus planos não são revertidos. O que eu preciso agora é o mais novo príncipe. Se você sabe onde está Cardan, posso conseguir que Balekin ofereça uma bela recompensa. Uma posição no seu tribunal. E a mão de quem você queria. Ou o coração ainda batendo de alguém que você despreza. Eu olho para ele surpresa. "Você acha que eu tiraria Locke de Taryn?" Ele encolhe os ombros. “Você parecia querer tirar a cabeça de Taryn de seus ombros. Ela foi desleal. Eu não sei o que você pode considerar uma punição apropriada. Por um momento, apenas nos olhamos. Ele é um monstro, então se eu quiser fazer uma coisa muito ruim, ele não vai me julgar por isso. "Se você quer o meu conselho", diz ele lentamente, "o amor não cresce bem quando alimentado pela dor. Conceda-me que eu saiba pelo menos. Eu amo você, e eu amo Taryn, mas eu não acho que ela é adequada para Locke. ”


"E eu sou?" Não posso deixar de pensar que a ideia de amor de Madoc não parece ser uma coisa muito segura. Ele amava minha mãe. Ele amava o príncipe Dain. Seu amor por nós provavelmente não nos dará mais proteção do que proporcionou a qualquer um deles. "Eu não acho que Locke é adequado para você." Ele sorri seu sorriso cheio de dentes. - E se sua irmã está certa se você sabe onde está o príncipe Cardan, entregue-a para mim. Ele é um tipo de menino foppish, não é bom com uma espada. Ele é encantador, de certa forma e inteligente, mas nada vale a pena proteger. Muito jovem, muito fraco, muito mau. Penso novamente no golpe que Madoc havia planejado com Balekin, imaginando como deveria ser. Mate os dois irmãos mais velhos, aqueles com influência. Então, certamente, o rei supremo cederia e colocaria a coroa na cabeça do príncipe com o maior poder, a que tinha os militares do seu lado. Talvez com má vontade, mas uma vez ameaçado, Eldred coroaria Balekin. Exceto que ele não fez. Balekin tentou forçar a mão e todos morreram. Todos menos Cardan. O tabuleiro varreu quase todos dos jogadores. Isso não pode ser como Madoc pensou que as coisas iriam acontecer. Mas, ainda assim, lembro de suas lições sobre estratégia. Cada resultado de um plano deve levar à vitória. Ninguém pode realmente planejar para cada variável, no entanto. Isso é ridículo. "Eu pensei que você deveria me ensinar sobre como não devo lutar com espadas em casa", eu digo, tentando desviar a conversa do paradeiro de Cardan. Eu recebi o que prometi ao Tribunal das Sombras - uma oferta. Agora eu só tenho que decidir o que fazer com isso. "Eu devo dizer a você que se sua lâmina tivesse sido verdadeira e você tivesse machucado Taryn, você não teria se arrependido todos os seus dias? De todas as lições que eu dei a você, eu teria pensado que foi o que eu ensinei melhor para você. ”Seu olhar é firme no meu. Ele está falando da minha mãe.


Ele está falando sobre assassinar minha mãe. Eu não posso dizer nada sobre isso. "É uma pena que você não tenha descontado essa raiva de alguém mais merecedor. Em tempos como esses, o povo desaparece. Ele me lança um olhar significativo. Ele está me dizendo que está tudo bem eu matar Locke? Eu me pergunto o que ele diria se soubesse que eu já tinha matado um dos Gentry. Se eu mostrasse a ele o corpo. Aparentemente, talvez, ele me desse os parabéns. "Como você dorme à noite?" Eu pergunto a ele. É uma coisa ruim para dizer, e eu estou apenas dizendo isso, eu sei, porque ele me mostrou o quão perto estou de ser tudo que eu desprezei nele.. Suas sobrancelhas franzem e ele olha para mim como se estivesse avaliando que tipo de resposta dar. Eu me imagino como ele deve me ver, uma menina mal-humorada sentada no julgamento dele. “Alguns são bons com tubos ou tinta. Alguns têm habilidade no amor ”, ele diz finalmente. “Meu talento está em fazer guerra. A única coisa que já me manteve acordado foi negar isso. Eu aceno devagar. Ele levanta. "Pense no que eu disse e pense em onde estão seus talentos." Nós dois sabemos o que isso significa. Nós dois sabemos o que eu sou boa, o que eu sou - eu apenas persegui minha irmã ao redor do andar de baixo com uma espada. Mas o que fazer com esse talento é a questão. Quando saio da sala de jogos, percebo que Balekin deve ter chegado com seus criados. Cavaleiros com sua libré - três pássaros rindo enfeitados em seus tabardos - estão atentos no salão. Eu deslizo por eles e subo as escadas, arrastando minha espada atrás de mim, exausta demais para fazer qualquer outra coisa.


Estou com fome, percebo, mas sinto-me muito doente para comer. É isso que é ter de coração partido? Não tenho certeza de que seja Locke que me deixou doente, tanto quanto o mundo do jeito que era antes da coroação começar. Mas se eu pudesse desfazer o passar dos dias, por que não desanexá-los antes de eu matar Valerian, por que não desanuviá-los até que meus pais estejam vivos, por que não desanuviá-los até o começo? Há uma batida na minha porta, e então ela se abre sem que eu sinalize nada. Vivi entra, carregando uma placa de madeira com um sanduíche, junto com uma garrafa de vidro âmbar. "Eu sou uma idiota. Eu sou uma idiota ", eu digo. "Eu admito. Você não precisa me dar uma palestra. "Eu pensei que você ia me dar um tempo difícil sobre o glamour", diz ela. "Você sabe, aquele que você resistiu." "Você não deveria usar magia em suas irmãs." Eu pego a rolha na garrafa e tomo um longo gole de água. Eu não percebi o quão sedenta eu estava. Eu engulo mais, quase drenando todo o recipiente em um gole contínuo de engolir./p> "E você não deve tentar cortar o sua ao meio." Ela se recosta contra os meus travesseiros, contra os meus animais de pelúcia gastos. À toa, ela pega a cobra e agita os garfos de sua língua. "Eu pensei em tudo isso espadas, cavaleiros - eu pensei que era um jogo." Lembro-me de como ela ficou zangada quando Taryn e eu cedemos a Faerie e começamos a nos divertir. Coroas de flores em nossas cabeças, atirando arcos e flechas no céu. Comer violetas cristalizadas e adormecer com nossas cabeças apoiadas em troncos. Nós éramos crianças. As crianças podem rir o dia todo e ainda choram para dormir à noite. Mas para segurar uma lâmina na minha mão, uma lâmina como a que matou nossos pais, e pensar que era um brinquedo, ela teria que acreditar que eu era sem coração. "Não é", eu digo finalmente. "Não", diz Vivi, envolvendo a cobra de pelúcia ao redor do gato de pelúcia.


"Ela falou sobre ele?" Eu pergunto, subindo na minha cama ao lado dela. É bom deitar, talvez um pouco bom demais. Estou instantaneamente sonolenta. "Eu não sabia que Taryn estava com Locke", diz Vivi, deliberadamente me dando toda a frase, então não vou ter que imaginar se ela está tentando me enganar. "Mas eu não quero falar sobre Locke. Esqueça-o. Eu quero que deixemos Faerie. Esta noite." Isso me faz ficar de pé. "O que?" Ela ri da minha reação. É um som tão normal, tão completamente fora de sintonia com o grande drama dos últimos dois dias. “Eu pensei que isso iria surpreendê-la. Olha, aconteça o que acontecer a seguir aqui, não vai ser bom. Balekin é um idiota. E ele é burro em cima disso. Você deveria ter ouvido o pai jurando a caminho de casa. Vamos apenas ir." "E Taryn?" Eu pergunto. "Eu já perguntei a ela, e não vou dizer se ela concordou em vir ou não. Eu quero que você responda por você. Jude, escute. Eu sei que você está guardando segredos. Algo está te deixando doente. Você esta mais pálida e magra, e seus olhos têm um brilho estranho. "Estou bem", eu digo. "Mentirosa", diz ela, mas a acusação não tem calor. "Eu sei que você está presa aqui em Faerie por minha causa. Eu sei que as coisas mais terríveis que aconteceram em toda a sua vida são por minha causa. Você nunca disse isso, o que é gentil da sua parte, mas eu sei. Você teve que se transformar em outra coisa, e você conseguiu. Às vezes, quando olho para você, não tenho certeza se você sabe como ainda ser humana. ” Eu não sei o que fazer com isso - elogiar e insultar todos de uma vez. Mas por trás disso está um sentimento de profecia. “Você se encaixa melhor aqui do que eu”, diz Vivi. "Mas aposto que te custou algo."


Eu principalmente não gosto de imaginar a vida que eu poderia ter tido, sem mágica. Aquela onde eu fui para uma escola regular e aprendi coisas regulares. Aquela em que eu tinha pai e mãe vivos. Aquela em que minha irmã mais velha era a esquisita. Onde eu não estava tão brava. Onde minhas mãos não estavam manchadas de sangue. Imagino agora, e me sinto estranha, toda tensa, meu estômago revirando. O que eu sinto é pânico. Quando os lobos vêm para essa Jude, ela será comida em um instante - e os lobos sempre vêm. Me assusta pensar em mim mesma tão vulnerável. Mas como estou agora, estou a caminho de me tornar um dos lobos. Seja qual for a coisa essencial que a outra Jude tenha, qualquer parte que esteja intacta nela e quebrada em mim, essa coisa pode ser irrecuperável. Vivi está certa; me custou algo ser do jeito que sou. Mas eu não sei o que. E eu não sei se posso recuperá-lo. Eu nem sei se quero. Mas talvez eu possa tentar. "O que faríamos no mundo mortal?" Eu pergunto a ela. Vivi sorri e empurra o prato com o sanduíche na minha direção. "Ir ao cinema. Visitar cidades. Aprenda a dirigir um carro. Há muitas pessoas que não vivem nos tribunais, não jogam na política. Nós poderíamos viver do jeito que quisermos. Em um loft. Em uma árvore. O que você quiser." "Com Heather?" Eu pego a comida e dou uma grande mordida. Carne de carneiro cortada e verdes de dente-de-leão conservados. Meu estômago ronca. "Espero que sim", diz ela. "Você pode me ajudar a explicar as coisas para ela." Ocorre-me pela primeira vez que, quer ela saiba ou não, ela não está sugerindo fugir para ser humana. Ela está sugerindo que vivemos como os loucas selvagens, entre os mortais, mas não como um deles. Nós roubávamos o creme de seus copos e as moedas de seus bolsos. Mas nós não nos estabeleceríamos e não conseguiríamos empregos chatos. Ou pelo menos ela não faria.


Eu me pergunto o que Heather vai pensar disso. Uma vez que o príncipe Cardan é tratado de alguma forma, então o que? Mesmo que eu descubra o mistério das cartas de Balekin, ainda não há um bom lugar para mim. O Tribunal das Sombras será dissolvido. Taryn vai se casar. Vivi vai embora. Eu poderia ir com ela. Eu poderia tentar descobrir o que está quebrado em mim, tentar começar de novo. Penso na oferta de Barata, para ir com eles para outro tribunal. Para começar de novo em Faerie. Ambos sentem vontade de desistir, mas o que mais há para fazer? Eu pensei que uma vez que eu estivesse em casa, eu teria um plano, mas até agora eu não tenho. "Eu não podia sair hoje à noite", eu digo hesitante. Ela ofega, entrega ao seu coração. "Você está seriamente pensando sobre isso." “Há algumas coisas que preciso terminar. Me dê um dia. ”Eu continuo barganhando a mesma coisa repetidamente: o tempo. Mas em um dia eu vou ter coisas ao acertadas com o Tribunal das Sombras. Arranjos serão feitos para Cardan. De um jeito ou de outro, tudo será resolvido. Vou torcer o pagamento que puder de Faerie. E se eu ainda não tiver um plano, será muito tarde para fazer um. "O que é um único dia em sua vida eterna e interminável?" "Um dia para decidir ou um dia para fazer as malas?" Eu tomo outro pedaço de sanduíche. "Ambos." Vivi revira os olhos. "Lembre-se, no mundo mortal, não será do jeito que é aqui." Ela vai até a porta. "Você não teria que ser do jeito que você está aqui."

Eu ouço os passos de Vivi no corredor. Eu dou outra mordida no meu sanduíche. Eu mastigo e engulo, mas não gosto de nada. E se o jeito que eu sou é do jeito que sou? E se, quando tudo o mais for diferente, eu não sou?


Eu tiro o anel real de Cardan do meu bolso e seguro-o no centro da minha mão. Eu não deveria ter isso. Mãos mortais não devem segurá-lo. Mesmo olhando de perto parece errado, mas eu faço de qualquer maneira. O ouro está cheio de uma vermelhidão profunda e profunda, e as bordas são suavizadas pelo uso constante. Há um pouco de cera presa na impressão e tento arrancála com a ponta da unha. Eu me pergunto o quanto o anel valeria a pena no mundo. Antes que eu possa me convencer a não fazer, eu coloco no meu dedo indigno.


Eu acordo na tarde seguinte com o gosto de veneno na minha boca. Eu tinha ido dormir em minhas roupas, enrolada em torno da bainha de Nightfell. Embora eu realmente não queira, vou até a porta de Taryn e bato nela. Eu tenho que dizer algo para ela antes que o mundo vire de cabeça para baixo novamente. Eu tenho que fazer as coisas certas entre nós. Mas ninguém responde, e quando eu giro a maçaneta e entro, eu encontro sua câmara vazia. Dirijo-me aos quartos de Oriana, esperando que ela saiba onde posso encontrar Taryn. Eu espio pela porta aberta e a encontro na varanda, olhando as árvores e o lago além. O vento bate o cabelo atrás dela como uma bandeira pálida. Balões seu vestido filmy. "O que você está fazendo?" Eu pergunto, entrando. Ela se vira surpresa. E bem, ela deveria estar. Não tenho certeza se já a procurei antes. "Meu povo teve asas uma vez", diz ela, o desejo claro em sua voz. "E embora eu nunca tenha tido um par, às vezes sinto a falta deles." Eu me pergunto se, quando ela imagina ter asas, ela se vê voando para o céu e longe de tudo isso. "Você viu Taryn?" Vinhas enrolam em torno dos postes da cama de Oriana,


suas hastes de um verde vívido. Flores azuis pendem em grupos sobre onde ela dorme, criando caramanchão ricamente perfumado. Não há lugar para sentar que não pareça engatinhar com plantas. É difícil para mim imaginar Madoc confortável aqui. "Ela foi para a casa de seu noivoa, mas eles estarão na mansão do Alto Rei Balekin amanhã. Você também estará lá. Ele está dando um banquete para o seu pai e alguns dos governantes dos Seelie e Unseelie. Espera-se que você sejam menos hostil uma com a outra. ” Eu não posso nem imaginar o horror, o constrangimento, de estar vestida de gaze, o cheiro de fada pesada no ar, enquanto eu deveria fingir que Balekin é tudo, menos um monstro assassino. "Oak vai?" Eu pergunto a ela, e sinto a primeira pontada de arrependimento. Se eu for embora , não vou ver o Oak crescer. Oriana aperta as mãos e caminha até a penteadeira. Suas joias estão penduradas ali - fatias de ágata em longas correntes de contas de cristal cruas, colarinhos com pedras da lua, pedras de sangue verdes profundas amarradas juntas e um pingente de opala, brilhante como o fogo à luz do sol. E em uma bandeja de prata, ao lado de um par de brincos de rubi na forma de estrelas, é uma bolota de ouro. Uma bolota dourada, gêmea da que encontrei no bolso do vestido que Locke me deu. O vestido que pertencera a sua mãe. Liriope. A mãe de Locke. Penso em sua roupa louca e alegre, em seu quarto coberto de poeira. De como a bolota em seu bolso se abriu para mostrar um pássaro dentro. “Eu tentei convencer Madoc que Oak era muito jovem e que esse jantar seria muito chato, mas Madoc insistiu que ele fosse. Talvez você possa se sentar ao lado dele e mantê-lo divertido. Penso na história de Liriope, em como Oriana me contou isso quando acreditou que eu estava chegando perto demais do Príncipe Dain. De como Oriana tinha sido uma consorte do Alto Rei Eldred antes de ela ser a esposa de Madoc. Eu penso sobre por que ela poderia ter precisado fazer um casamento rápido, o que ela poderia ter que esconder. Penso na nota que encontrei na escrivaninha de Balekin, a que estava na mão


de Dain, um soneto para uma dama com cabelo de nascer do sol e olhos estrelados.


. Eu penso sobre o que o pássaro disse: Meu querido amigo, estas são as últimas palavras do Liriope. Eu tenho três pássaros dourados para dispersar. Três tentativas para colocar uma em sua mão. Estou longe demais para qualquer antídoto, e se você ouvir isso, eu deixo você com o fardo dos meus segredos e o último ato do meu coração. Proteja-o. Leve-o longe dos perigos deste Tribunal. Mantenha-o seguro, e nunca, nunca diga a ele a verdade do que aconteceu comigo. Eu penso novamente sobre estratégia, sobre Dain e Oriana e Madoc. Eu me lembro quando Oriana veio pela primeira vez a nós. A rapidez com que Oak nasceu e como não pudemos vê-lo por meses porque ele estava tão doente. Sobre como ela sempre foi protetora dele ao nosso redor, mas talvez fosse por um motivo, quando assumi outro. Assim como eu supus que a criança que Liriope queria que sua amiga pegasse era Locke. Mas e se o bebê que ela estava carregando não tivesse morrido com ela? Eu sinto como se minha respiração tivesse sido roubada, como se sair palavras é uma luta contra o próprio ar em meus pulmões. Não consigo acreditar no que estou prestes a dizer, mesmo sabendo que é a conclusão que faz sentido. "Oak não é filho de Madoc, não é? Ou, pelo menos, não mais Madoc do que eu." Se o menino nascer, o Príncipe Dain nunca será rei. Oriana bate a mão na minha boca. Sua pele cheira como o ar depois de uma nevasca. "Não diga isso." Ela fala perto do meu rosto, a voz trêmula. “Nunca mais diga isso. Se você já amou Oak, não diga essas palavras." Eu empurro a mão dela. “O príncipe Dain era seu pai e Liriope sua mãe. Oak é a razão pela qual Madoc apoiou Balekin, a razão pela qual ele queria Dain morto.


E agora ele é a chave da coroa. ” Seus olhos se arregalam e ela toma minha mão fria na dela. Ela nunca pareceu estranha para mim, como uma criatura de um conto de fadas, pálida como um fantasma. “Como você pode saber disso? Como você poderia saber disso, criança humana? Eu achava que o príncipe Cardan era o indivíduo mais valioso de toda a Faerie. Eu não fazia ideia. Rapidamente fechei a porta e fechei a sacada. Ela me observa e não protesta. "Onde ele está agora?" Eu pergunto a ela. "Oak? Com sua baba - ela sussurra, me puxando para o pequeno divã em um canto, estampado com um brocado de cobra e coberto por um pêlo. "Fale rapidamente." "Primeiro, me diga o que aconteceu há sete anos." Oriana respira fundo. “Você pode pensar que eu teria inveja da Liriope por ser outra das consortes de Eldred, mas eu não estava. Eu amava ela. Ela estava sempre rindo, impossível não amar - mesmo que seu filho tenha se metido entre você e Taryn, não posso deixar de amá-lo um pouco, por ela. ” Eu me pergunto como foi para Locke ter sua mãe amante do Grande Rei. Estou dividida entre a simpatia e o desejo de que sua vida tenha sido a mais infeliz possível. "Nós éramos confidentes", diz Oriana. “Ela me contou quando começou seu caso com o príncipe Dain. Ela não parecia levar nada disso a sério. Ela amava muito o pai de Locke, eu acho. Dain e Eldred eram flertes, distrações. Nosso tipo não se preocupe muito com as crianças, como você sabe. O sangue das fadas é fino. Eu não acho que ocorreu a ela que ela poderia ter um segundo filho, uma mera década depois que ela teve Locke. Alguns de nós têm séculos entre crianças. Alguns de nós nunca carregam nada. Eu concordo. É por isso que homens e mulheres humanos são a necessidade


não reconhecida que são. Sem o fortalecimento da linhagem, Faerie morreria, apesar do interminável período de suas vidas. "Cogumelo Blusher é uma maneira terrível de morrer", diz Oriana, mão em sua garganta. "Seu coração começa a desacelerar, seus membros tremem até você não poder mais se mover.

Mas você ainda está consciente até que tudo dentro de você pare, como um relógio congelado. Imagine o horror disso, imagine que, na esperança de que você ainda possa se mover, imagine se esforçar para se mexer. No momento em que ela me deu a mensagem, ela estava morta. Eu cortei ... ”Sua voz vacila. Eu sei o que o resto da frase deve ser. Ela deve ter cortado a criança da barriga da Liriope. Não consigo imaginar Oriana fazendo uma coisa tão brutal e corajosa - pressionando a ponta da faca na carne, encontrando o ponto certo e cortando. Valorizando uma criança de um ventre, segurando seu corpo molhado contra ela. E ainda quem mais poderia ter feito isso? "Você o salvou", eu digo, porque se ela não quiser falar sobre essa parte, ela não precisa. "Eu o chamei de bolota de Liriope", ela me diz, sua voz pouco mais que um sussurro. "Meu pequeno Oak dourado." Eu queria tanto acreditar que estar no serviço de Dain era uma honra, que ele era alguém que merecia ser seguido. É isso que vem de ter fome de algo: você se esquece de verificar se está podre antes de engolir. "Você sabia que foi Dain que envenenou Liriope?" Oriana sacode a cabeça. "Não por muito tempo. Poderia ter sido outro das amantes de Eldred. Ou Balekin - havia rumores de que ele era o responsável. Eu até imaginei se poderia ter sido Eldred, se ele a tivesse envenenado por brincar com seu filho. Mas então Madoc descobriu que Dain havia obtido o cogumelo blush. Ele insistiu que eu nunca deixasse Oak estar em qualquer lugar perto do príncipe. Ele estava furioso - irritado de uma maneira assustadora que eu nunca tinha visto antes.


Não é difícil ver por que Madoc ficaria furioso com Dain. Madoc, que uma vez pensou que sua esposa e filho estavam mortos. Madoc, que amava Oak. Madoc, que nos lembrou repetidamente essa família vem antes de tudo. "E então você se casou com Madoc porque ele poderia protegê-lo?" Eu tenho apenas memórias embaçadas de seu namoro com Oriana, e então eles foram jurados, com uma criança a caminho. Talvez eu achasse que era incomum, mas qualquer um pode ter boa sorte. E pareceu-me uma má fortuna na época, já que Taryn e eu nos preocupávamos com o que o novo bebê significaria para nós. Pensamos que Madoc poderia se cansar de nós e nos deixar em algum lugar com um bolso cheio de ouro e enigmas pregados em nossas camisas. Ninguém acha má fortuna suspeita. Oriana olha pelas portas de vidro ao vento que sopra as árvores. “Madoc e eu temos um entendimento. Nós não fingimos um com o outro. Eu não tenho ideia do que isso significa, mas parece que faz um casamento frio e cuidadoso. "Então, qual é a parte dele?" Eu pergunto a ela. Não imagino que ele pretenda que Balekin mantenha o trono por muito tempo. Acho que ele consideraria algum tipo de crime contra a estratégia deixar um movimento tão óbvio e inexplorado ”. "O que você quer dizer?" Ela parece sinceramente confusa. Eles não fingem um com o outro, não é o que parece. "Ele vai colocar Oak no trono", digo a ela, como se fosse óbvio. Porque é óbvio. Eu não sei como ele pretende fazer isso - ou quando - mas tenho certeza que ele fará. Claro que ele fará. "Oak", diz ela. "Não, não, não! Jude, não. Ele é apenas uma criança. Leve-o longe dos perigos deste Tribunal. Isso é o que a nota da Liriope disse. Talvez Oriana deveria ter escutado.


Lembro-me do que Madoc nos disse na mesa de jantar há muito tempo, sobre como o trono estava vulnerável durante uma mudança de poder. Tudo o que ele pretendia que acontecesse com Balekin - e agora me pergunto se o que ele imaginou era que Dain morresse e Balekin morresse também, que o rei supremo suspendesse a coroação, que Madoc fizesse uma peça diferente - ele precisava ver a oportunidade na frente dele, com apenas três membros da realeza. Se Oak fosse o rei supremo, então Madoc poderia ser o regente. Ele governaria sobre Faerie até que Oak atingisse a maioridade. E então, quem sabia o que poderia acontecer? Se ele pudesse manter Oak sob controle, ele poderia governar Faerie para sempre. "Eu já fui apenas uma criança", digo a ela. "Eu não acho que Madoc estava muito preocupado com o que eu poderia ou não lidar, e eu não acho que ele estará muito preocupado com Oak agora." Não é como se eu não achasse que ele ama Oak. Claro que ele ama. Ele também me ama. Ele amava minha mãe. Mas ele é o que ele é. Ele não pode ser diferente de sua natureza. Oriana pega minha mão, apertando com força suficiente para que suas unhas afundem na minha pele. "Você não entende. Crianças que se tornam reis não sobrevivem por muito tempo, e Oak é um garoto frágil. Ele era muito pequeno quando foi trazido para este mundo. Nenhum rei ou rainha de qualquer corte abaixará a cabeça para ele. Ele não foi criado para esse fardo. Você precisa parar isso." O que Madoc pode fazer com tanto poder sem controle? O que eu poderia fazer com um irmão no trono? E eu poderia colocá-lo lá. Eu tenho a carta vencedora para jogar, porque enquanto Balekin resistiria a coroar Oak, eu aposto que Cardan não. Eu poderia fazer do meu irmão o rei supremo e de mim uma princesa. Todo esse poder está ali para ser tomado. Tudo o que tenho que fazer é estender minha mão. A coisa estranha sobre a ambição é esta: você pode adquiri-la como uma febre, mas não é tão fácil de se livrar dela. Certa vez, eu estava contente em ter esperanças de cavalheirismo e o poder de forçar Cardan e seus amigos a


me deixarem em paz. Tudo o que eu queria era encontrar algum lugar para se encaixar aqui em Faerie. Agora me pergunto como seria escolher o próximo rei. Penso na maré de sangue correndo sobre o estrado de pedra para escorrer no chão de terra batida da colina. Correndo sobre a borda inferior da coroa, de modo que, quando Balekin a levantou, suas mãos estavam manchadas de vermelho. Eu imagino aquela coroa na testa de Oak e afasto da imagem. Eu também me lembro do sentimento de ser glamourizada por Oak. Me batendo até que meu rosto ficou vermelho, quente e dolorido. Um hematoma floresceu na manhã seguinte, uma contusão que não se desvaneceu por uma semana. Isso é o que as crianças fazem com o poder. "O que faz você pensar que eu posso pará-lo?" Eu exijo. Oriana não solta minha mão. “Você uma vez disse que eu estava errada sobre você, que você nunca machucaria Oak. Diga-me, você pode fazer alguma coisa? Existe uma chance?


Eu não sou um monstro, eu disse a ela, quando eu disse que nunca machucaria Oak. Mas talvez ser um monstro fosse meu chamado. "Talvez", digo a ela, o que não é uma resposta. No meu caminho para fora, vejo meu irmãozinho. Ele está no jardim, escolhendo um buquê de dedaleiras. Ele está rindo, a luz do sol transformando seu cabelo castanho dourado. Quando sua baba vem em direção a ele, ele se afasta dela. Aposto que ele nem sabe que essas flores são venenosas.


O riso me cumprimenta quando volto ao Tribunal das Sombras. Espero encontrar Cardan do jeito o deixei, intimidado e quieto, talvez ainda mais infeliz do que antes. Em vez disso, suas mãos foram desatadas e ele está à mesa, jogando cartas com Barata, Fantasma - e Bomba. No centro há uma pilha de jóias e um jarro de vinho. Duas garrafas vazias descansam sob a mesa, vidro verde captando a luz das velas. "Jude", Bomba chama alegremente. "Sente-se! Nós vamos lidar com você. Estou aliviada por vê-la aqui e ilesa. Mas nada mais sobre este quadro é bom. Cardan sorri para mim como se tivéssemos sido grandes amigos durante toda a nossa vida. Eu esqueci o quão charmoso ele pode ser - e o quão perigoso isso é. "O que vocês estão fazendo?" Eu explodi. “Ele deveria estar amarrado! Ele é nosso prisioneiro. "Não se preocupe. Onde ele está indo?” Barata pergunta "Você realmente acha que ele pode passar por nós três?" "Eu não me importo de ser um prisioneiro", Cardan interrompe. "Mas se você


for restringir ambas as minhas mãos, então você terá que derramar o vinho diretamente na minha boca." "Ele nos disse onde o velho rei guardava as boas garrafas", diz Bomba, empurrando o cabelo branco para trás. “Sem mencionar um estoque de jóias que pertencia a Elowyn. Ele imaginou que, na confusão, ninguém notaria se isso fosse roubado, e até agora ninguém o fez. O trabalho mais fácil que Barata já fez. Eu quero gritar. Eles não deveriam gostar dele, mas por que não? Ele é um príncipe que os trata com respeito. Ele é irmão de Dain. Ele é Fada, como eles. "Tudo está entrando no caos de qualquer maneira", diz Cardan. “Pode muito bem ter algum divertimento. Você não acha, Jude? Eu respiro fundo. Se ele enfraquecer minha posição aqui, se ele conseguir me tornar uma estranha, então eu nunca vou conseguir que o Tribunal das Sombras vá junto com o plano que ainda está confuso na minha cabeça. Eu não consigo descobrir como ajudar alguém. A última coisa que eu preciso é que ele piore tudo. "O que ele te ofereceu?" Eu pergunto, como se todos estivéssemos na mesma piada. Sim, é uma aposta. Talvez Cardan não lhes oferecesse nada. Eu tento não parecer que estou prendendo minha respiração. Eu tento não mostrar o quão pequena Cardan me faz sentir. Fantasma me dá um de seus raros sorrisos. “Principalmente ouro, mas também poder. Posição." "Muitas coisas que ele não tem", disse Bomba. "Eu pensei que nós éramos amigos", diz Cardan indiferentemente. "Eu vou levá-lo para a sala", eu digo, colocando minha mão no topo da cadeira de forma proprietária. Preciso tirá-lo da sala antes que ele me pegue na frente deles. Eu preciso tirá-lo daqui agora.


"E fazer o que?", Pergunta Barata. "Ele é meu prisioneiro", eu os lembro, me agachando e cortando as tiras do meu vestido ainda amarrando suas pernas na cadeira. Percebo que ele deve ter dormido assim, sentado direito, se dormiu. Mas ele não parece cansado. Ele sorri para mim, como se eu estivesse de joelhos porque estou fazendo uma reverência.

Eu quero apagar esse sorriso do seu rosto, mas talvez eu não possa. Talvez ele continue sorrindo daquele jeito até para o túmulo. "Não podemos ficar aqui fora?" Cardan me pergunta. "Tem vinho aqui fora." Isso faz Barata ri. “Algo incomodando você, principezinho? Você e Jude não se dão bem depois de tudo?" A expressão de Cardan se transforma em algo que parece se assemelhar a preocupação.


Bom Eu o levo ao escritório de Dain, que eu acho que acabei de requisitar para ser meu. Ele anda instável, com as pernas rígidas por estar preso. Também possivelmente porque ele ajudou minha equipe beber várias garrafas de vinho. Ninguém me impede de levá-lo, no entanto. Eu fecho a porta e viro a fechadura. "Sente-se", digo a ele, apontando para uma cadeira. Ele faz. Eu ando por aí, me estabelecendo do outro lado da mesa. Ocorre-me que, se eu matá-lo, posso finalmente parar de pensar nele. Se eu matar ele, não vou mais me sentir assim. Sem ele, não há caminho claro para colocar Oak no trono. Eu teria que confiar que Madoc tinha algum jeito de forçar Balekin a coroá-lo. Sem ele, não tenho cartas para jogar. Nenhum plano para ajudar meu irmão. Não há nada. Talvez valesse a pena. A besta esta onde eu a deixei, na gaveta da mesa de Dain. Eu puxo para fora, ponho de volta e aponto para Cardan. Ele puxa uma respiração irregular. "Você vai atirar em mim?" Ele pisca. "Agora mesmo?" Meu dedo acaricia o gatilho. Eu me sinto calma, gloriosamente calma. Isso é fraqueza, colocar o medo acima da ambição, acima da família, acima do amor, mas é bom. Parece ser poderoso. "Eu posso ver porque você quer", diz ele, como se estivesse lendo o meu rosto e chegando a alguma decisão. "Mas eu realmente prefiro se você não o fizer." "Então você não deveria ter sorrido para mim constantemente - você acha que eu vou ficar sendo ridicularizada, aqui, agora? Você ainda tem certeza de que é melhor que eu? Minha voz treme um pouco e eu o odeio ainda mais por


isso. Eu treinei todos os dias para ser perigosa, e ele está inteiramente em meu poder, mas eu sou o única que tem medo. Temer ele é um hábito, um hábito que eu poderia quebrar com uma flecha em seu coração. Ele levanta as mãos em protesto, longos dedos nus espalhados. Eu sou o único com o anel real. "Estou nervoso", diz ele. “Eu sorrio muito quando estou nervoso. Eu não posso evitar. Isso não é nada do que eu esperava que ele dissesse. Eu abaixo a besta momentaneamente. Ele continua falando, como se ele não quisesse me deixar muito tempo para pensar. “Você é aterrorizante. Quase toda a minha família está morta e, embora nunca tenham tido muito amor por mim, não quero me juntar a eles. Passei a noite toda preocupado com o que você vai fazer e sei exatamente o que eu mereço. Eu tenho um motivo para estar nervoso." Ele está falando comigo como se fôssemos amigos em vez de inimigos. Também funciona: relaxo um pouco. Quando percebo isso, estou quase assustada o suficiente para matá-lo abertamente. "Eu vou te dizer o que você quiser", diz ele. "Qualquer coisa." "Nenhum jogo de palavras?" A tentação é enorme. Tudo o que Taryn me disse ainda está sacudindo na minha cabeça, lembrando-me o quão pouco eu sei. Ele coloca uma mão sobre onde seu coração deveria estar. "Eu juro." "E se eu atirar em você de qualquer maneira?" "Você pode muito bem fazer", diz ele, irônico. "Mas eu quero sua palavra que você não vai." "Minha palavra não vale muito", lembro a ele. "Então você continua dizendo." Ele levanta as sobrancelhas.


"Não é reconfortante, eu tenho que te dizer."

Eu dou uma risada surpresa. A besta balança na minha mão. O olhar de Cardan está trancado nele. Com lentidão deliberada, coloquei-a na madeira da escrivaninha. "Você me diz tudo o que eu quero saber - tudo - e eu não vou atirar em você." "E o que posso fazer para convencer você a não entregar-me a Balekin e Madoc?" Ele levanta uma sobrancelha única. Eu não estou acostumada com a força de sua atenção em mim assim. Meu coração acelera. Tudo o que posso fazer é olhar em troca. "Que tal você se concentrar em permanecer vivo?" Ele encolhe os ombros. "O que você quer saber?" "Eu encontrei um pedaço de papel com o meu nome", eu digo. "Mais e mais, apenas meu nome." Ele se encolhe um pouco, mas não diz nada. "Então?" Eu pergunto. "Isso não é uma pergunta", ele geme, como se exasperado. "Faça uma pergunta adequada e eu lhe darei uma resposta." "Você é terrível em toda essa coisa de 'me dizer o que eu quero saber'." Minha mão vai para a besta, mas eu não a pego. Ele suspira. “Só me pergunte uma coisa. Pergunte sobre o meu rabo. Você não quer ver? Ele levanta as sobrancelhas. Eu vi o rabo dele, mas não vou dar a ele a satisfação de lhe dizer isso. “Você quer que eu te pergunte uma coisa? Bem. Quando Taryn começou o que quer que ela tem com Locke?


Ele ri com prazer. Esta parece ser uma discussão que ele não está interessado em evitar. Típica. “Oh, eu me perguntei quando você perguntaria sobre isso. Foi há alguns meses atrás. Ele nos contou tudo - atirando pedras em sua janela, deixando suas anotações para encontrá-lo na floresta, cortejando-a ao luar. Ele nos jurou silenciar, fez tudo parecer uma brincadeira. Eu acho que, no começo, ele fez isso para deixar Nicassia com ciúmes. Mas depois…" "Como ele sabia que era o quarto dela?" Eu pergunto, franzindo a testa. Isso faz o sorriso dele crescer. "Talvez ele não tenha. Talvez qualquer uma de vocês teria sido sua primeira conquista mortal. Eu acredito que o objetivo dele é ter vocês duas no final. Eu não gosto de nada disso. "E você?"

Eu nunca quis ninguém morto. Contra a minha vontade, lembro-me da maneira como ele segurou aquela espada no escritório com Balekin e do desleixo de sua técnica. Eu pensei que ele estava fazendo isso deliberadamente, para irritar seu irmão. Agora, pela primeira vez, considero a possibilidade de ele simplesmente não gostar muito de luta com espadas. Que ele nunca aprendeu particularmente bem. Que, se alguma vez lutássemos, eu venceria. Eu considero todas as coisas que eu fiz para me tornar uma adversária digna dele, mas talvez eu não tenha lutado contra Cardan. Talvez eu tenha lutado contra a minha própria sombra. "Valerian tentou me matar de imediato. Duas vezes. Primeiro na torre, depois no meu quarto na minha casa." Cardan levanta a cabeça e toda a sua postura endurece como se alguma verdade incômoda acabasse de chegar em sua direção. "Eu pensei que quando você disse que você o matou você quis dizer que você o rastreou e ..." Sua voz desaparece, e ele começa de novo. "Só um tolo invadiria a casa do general." Eu puxo a gola da minha camisa para que ele possa ver onde Valerian tentou


me estrangular. “Eu tenho outro no meu ombro de onde ele me derrubou no chão. Acredita em mim agora?" Ele chega em minha direção, como se ele fosse passar os dedos sobre as contusões. Eu trago a pego e ele pensa melhor. "Valerian gostava de dor", diz ele. "Eu sabia que ele queria te machucar. ”Ele faz uma pausa, parecendo ter realmente ouvido suas próprias palavras. “E ele fez. Eu pensei que ele estaria satisfeito com isso." Nunca me ocorreu imaginar como seria ser amigo de Valerian. Parece que não foi tão diferente de ser seu inimigo. "Então, não importa que Valerian queria me machucar?" Eu pergunto. "Contanto que ele não fosse me matar." "Você tem que admitir, estar vivo é melhor", Cardan retorna, aquele tom fracamente divertido em sua voz. Eu coloquei minhas duas mãos na mesa. “Apenas me diga porque você me odeia. De uma vez por todas." Seus longos dedos alisam a madeira da mesa de Dain. "Você realmente quer honestidade?" “Eu sou o única com a besta, não atirando em você porque você me prometeu respostas. O que você acha?"

"Muito bem." Ele me fixa com um olhar rancoroso. "Eu te odeio porque seu pai te ama, mesmo que você seja uma humana nascido de sua esposa infiel, enquanto o meu nunca se importou comigo, apesar de eu ser um príncipe de Faerie. Eu te odeio porque você não tem uma irmão que bate em você. E eu te odeio porque Locke usou você e sua irmã para fazer Nicasia chorar depois que ele a roubou de mim. Além do mais, depois do torneio, Balekin nunca deixou de jogar você na minha cara como o mortal que poderia me dominar." Eu não achava que Balekin soubesse quem eu era. Nós nos encaramos do outro lado da mesa. Sentado na cadeira, Cardan parece um o príncipe mau.


Eu me pergunto se ele espera ser atingido. "Isso é tudo?" Eu exijo. “Porque é ridículo. Você não pode ter inveja de mim. Você não precisa viver com o sofrimento da mesma pessoa que assassinou seus pais. Você não precisa ficar com raiva porque, se não, há um poço de medo sem fundo pronto para se abrir embaixo de você." Paro de falar abruptamente, surpresa comigo mesma. Eu disse que não ia ficar encantada, mas deixei que ele me enganasse para me abrir para ele. Quando penso nisso, o sorriso de Cardan se transforma em um desdém mais familiar. "Sério? Eu não sei sobre estar com raiva? Eu não sei sobre estar com medo? Você não é a única que barganha por sua vida." "Isso é realmente porque você me odeia?" Eu exijo. "Só isso? Não há melhor razão? Por um momento, acho que ele está me ignorando, mas depois percebo que ele não está respondendo porque não pode mentir e não quer me contar a verdade. "Bem?" Eu digo, levantando a besta de novo, feliz por ter uma razão para reafirmar minha posição como a pessoa responsável. "Conte-me!" Ele se inclina e fecha os olhos. “Acima de tudo, eu te odeio porque penso em você. Frequentemente. É nojento e eu não consigo parar. Estou chocada em silêncio. "Talvez você devesse atirar em mim, afinal de contas", diz ele, cobrindo o rosto com uma mão de dedos longos. "Você está jogando comigo", eu digo. Eu não acredito nele. Eu não vou me apaixonar por algum truque bobo, porque ele acha que eu sou um tola para perder a cabeça com a beleza; se eu fosse, eu não poderia durar um único dia em Faerie. Eu estou pronto para descartar seu blefe. Bestas não são boas a curta distância, então eu troco o meu por um punhal.. Ele não olha para cima enquanto eu ando em volta da mesa para ele. Coloco a


ponta da lâmina na parte inferior do queixo, como fiz no dia anterior no corredor, e inclino o rosto dele na direção do meu. Ele muda o olhar com óbvia relutância. O horror e a vergonha em seu rosto parecem inteiramente reais. De repente, não tenho certeza do que acreditar. Eu me inclino em direção a ele, perto o suficiente para um beijo. Seus olhos se arregalam. O olhar em seu rosto é uma mistura de pânico e desejo. É uma sensação inebriante, ter poder sobre alguém. Mais ainda de Cardan, que eu nunca achei que tivesse sentimentos . "Você realmente me quer", eu digo, perto o suficiente para sentir o calor de sua respiração quando engata. "E você odeia isso." Eu mudo o ângulo da faca, virando-a para o pescoço dele. Ele não parece tão alarmado com isso quanto eu poderia esperar. Não é tão alarmado quanto quando eu trago minha boca para a dele.


Eu não tenho muita experiência com beijos. Eu tive Locke e antes dele ninguém. Mas beijar Locke nunca foi como beijar Cardan faz, como um raio de adrenalina, como o momento em que você nadou muito longe no mar e não há como voltar atrás, só Água fria e negra se fechando sobre sua cabeça. A boca cruel de Cardan é surpreendentemente suave e, por um longo momento, depois que nossos lábios se tocam, ele ainda é uma estátua. Seus olhos se fecharam, cílios roçando minha bochecha. Eu estremeço, como você deveria quando alguém passa por cima do seu túmulo. Então suas mãos se levantam, gentis enquanto deslizam sobre meus braços. Se eu não soubesse melhor, eu diria que o toque dele era reverente, mas eu sei melhor. Suas mãos estão se movendo devagar porque ele está tentando se impedir. Ele não quer isso. Ele não quer querer isso. Ele tem gosto de vinho azedo. Eu posso sentir o momento em que ele desiste me puxando para ele apesar da ameaça da faca. Ele me beija forte, com uma espécie de desespero devorador,


os dedos afundando no meu cabelo. Nossas bocas deslizam juntas, dentes sobre lábios em línguas. Desejo me atinge como um chute no estômago. É como brigar, exceto pelo que estamos lutando é rastejar dentro da pele um do outro. Esse é o momento em que o terror me apanha. Que tipo de vingança insana existe exultando em sua repulsa? E pior, muito pior, eu gosto disso. Eu gosto de tudo sobre beijá-lo - o familiar zumbido de medo, o conhecimento que estou punindo a ele, a prova que ele me quer. A faca na minha mão é inútil. Eu jogo na mesa, mal registrando quando o ponto afunda na madeira. Ele se afasta de mim ao som, assustado. Sua boca é rosa, seus olhos escuros. Ele vê a faca e solta uma risada assustada. O que é suficiente para me fazer cambalear de volta. Eu quero zombar dele, mostrar sua fraqueza sem revelar a minha, mas eu não confio em meu rosto para não mostrar muito. "É isso que você imaginou?" Eu pergunto, e estou aliviada ao descobrir que minha voz soa dura. "Não", ele diz sem emoção. "Diga-me", eu digo. Ele balança a cabeça, em algum lugar envergonhado. "A menos que você realmente tente me apunhalar, acho que não vou. E eu posso não te dizer nem se você fosse me esfaquear. Eu me levanto na mesa de Dain para colocar alguma distância entre nós. Minha pele parece muito apertada, e a sala parece de repente muito pequena. Ele quase me fez rir lá. "Vou fazer uma proposta", diz Cardan. "Eu não quero colocar a coroa na cabeça de Balekin apenas para perder a minha. Pergunte o que quiser para si mesma, para o Tribunal das Sombras, mas peça algo pa. Consiga que ele me


dê terras longe daqui. Diga-lhe que serei gloriosamente irresponsável, longe do seu lado. Ele nunca precisa pensar em mim novamente. Ele pode criar um pirralho para ser seu herdeiro e passar a Coroa Alta para ele. Ou talvez vá cortar sua garganta, uma nova tradição familiar. Eu não me importo. Estou relutantemente impressionada por ele ter conseguido chegar a uma barganha razoavelmente decente, apesar de ter ficado amarrado a uma cadeira durante a maior parte da noite e provavelmente bastante bêbado. "Levante-se", digo a ele. "Então você não está preocupado que eu vou correr para isso?" Ele pergunta, esticando as pernas. Suas botas pontudas brilham no quarto, e eu me pergunto se eu deveria confiscar, já que elas são armas em potencial. Então eu lembro como ele é ruim com uma espada. "Depois do nosso beijo, eu estou tão tola por você que mal posso me conter", digo-lhe com tanto sarcasmo quanto posso reunir. “Tudo que eu quero fazer é coisas boas que te fazem feliz. Claro, eu farei qualquer barganha que você quiser, contanto que você me beije novamente. Vá em frente e corra. Eu definitivamente não vou atirar em você pelas costas. Ele pisca algumas vezes. "Ouvir você mentir é um pouco desconcertante." “Então deixe-me dizer a verdade. Você não vai correr porque não tem para onde ir. Eu vou para a porta, abro a fechadura e olho para fora. Bomba está deitada em uma cama no quarto de dormir. Barata levanta as sobrancelhas para mim. Fantasma está desmaiado em uma cadeira, mas ele se acorda quando chegamos. Eu sinto me toda corada e espero que não reparem nisso. "Você acabou de interrogar o principezinho?", Barata pergunta. Eu concordo. "Eu acho que sei o que tenho que fazer." Fantasma dá uma boa olhada nele. “Então, estamos vendendo? Comprando? Colando suas entranhas do teto?


"Eu vou dar um passeio", eu digo. "Para obter um pouco de ar." Barata suspira. "Eu só preciso colocar meus pensamentos em ordem", eu digo. "E então vou explicar tudo." "Você vai?", Fantasma quer saber, fixando-me com um olhar. Eu me pergunto se ele adivinha com que facilidade as promessas estão chegando aos meus lábios. Eu os estou gastando como ouro encantado, condenado a voltar para as folhas secas em toda a cidade. "Falei com Madoc e ele me ofereceu o que quisesse em troca de Cardan. Ouro, magia, glória, qualquer coisa. A primeira parte deste negócio é atingida, e eu nem mesmo admiti que sei onde o príncipe perdido poderia estar." O lábio de Fantasma se encolhe com a menção de Madoc, mas ele está em silêncio. "Então, qual é o problema?", Pergunta Barata. "Eu gosto de todas essas coisas." "Estou apenas trabalhando nos detalhes", eu digo. “E você precisa me dizer o que você quer. Exatamente o que você quer - quanto ouro, o que mais." Barata grunhe, mas não parece inclinado a me contradizer. Ele sinaliza com uma mão para Cardan voltar para a mesa. O príncipe cambaleia, empurrando a parede para lá. Eu me certifico de que todas as coisas afiadas estão onde eu as deixei, e então eu vou para a porta. Quando olho para trás, vejo as mãos de Cardan dividindo habilmente o baralho de cartas, mas seus brilhantes olhos negros estão em mim. Eu ando até o Lago das Máscaras e sento em uma das pedras negras sobre a água. O sol poente iluminou o céu, incendiou os topos das árvores.


Por um longo tempo, eu apenas sentei lá, observando as ondas baterem na costa. Eu respiro fundo esperando minha mente se acomodar, para minha cabeça clarear. Lá em cima, ouço o trinado de pássaros chamando um ao outro enquanto se empolam durante a noite e vêem luzes brilhantes acenderem em holofotes ocos enquanto os sprites acordam. Balekin não pode se tornar o Grande Rei, não se houver algo que eu possa fazer sobre isso. Ele ama a crueldade e odeia mortais. Ele seria um governante terrível. Por enquanto, existem regras que ditam nossas interações com o mundo humano - essas regras podem mudar. E se as barganhas não fossem mais necessárias para roubar os mortais? E se alguém pudesse ser levado a qualquer momento? Costumava ser assim; ainda é em alguns lugares. O Alto Rei poderia tornar ambos os mundos muito piores do que eles são, poderia favorecer os Tribunais Unseelie, poderia semear discórdia e terror por mil anos. Então, em vez disso, e se eu entregar Cardan para Madoc? Ele colocaria Oak no trono e então governaria como um regente tirânico e brutal. Ele faria guerra aos tribunais que resistiram a jurar ao trono. Ele criaria Oak em derramamento de sangue suficiente para que ele se transformasse em alguém como Madoc, ou talvez alguém mais secretamente cruel, como Dain. Mas ele seria melhor que Balekin. E ele faria um bom negócio comigo e com o Tribunal das Sombras, pelo menos por minha causa. E eu, o que eu faria? Eu poderia ir com Vivi, suponho. Ou eu poderia negociar para ser um cavaleiro. Eu poderia ficar e ajudar a proteger Oak, ajudar a isolá-lo da influência de Madoc. Claro, eu teria pouco poder para fazer isso. O que aconteceria se eu cortasse Madoc da foto? Isso não significaria ouro para o Tribunal das Sombras, nem barganhas com ninguém. Isso significaria pegar a coroa de alguma forma e colocá-la na cabeça de Oak. E então o que?


Madoc ainda se tornaria regente. Eu não poderia pará-lo. Oak ainda o ouvia. Oak ainda se tornaria seu fantoche, ainda estaria em perigo. A menos que - a menos que de alguma forma Oak pudesse ser coroado e fugir de Faerie. Ser o rei supremo no exílio. Uma vez que Oak estivesse crescido e pronto, ele poderia retornar, auxiliado pelo poder da coroa Greenbriar. Madoc ainda poderia ser capaz de afirmar alguma autoridade sobre Faerie até que Oak voltasse, mas ele não seria capaz de fazer Oak tão sanguinário e inclinado à guerra. Ele não teria a autoridade absoluta que teria como regente com o Rei Supremo ao seu lado. E já que Oak teria sido criado no mundo humano, quando ele voltasse para Faerie, esperançosamente ele seria pelo menos um pouco compreensivo com o lugar onde ele foi criado e as pessoas que ele conheceu lá. Dez anos. Se pudéssemos manter Oak fora de Faerie por dez anos, ele poderia se transformar na pessoa que ele será. É claro que, então, ele poderia ter que lutar para recuperar seu trono. Alguém - provavelmente Madoc, possivelmente Balekin, talvez até um dos outros reis ou rainhas menores - poderia agachar-se ali como uma aranha, consolidando poder. Eu olho para a água negra. Se ao menos houvesse uma maneira de manter o trono desocupado por tempo suficiente, ele se tornaria para a pessoa pessoa, sem que Madoc fizesse guerra, sem nenhum regente. decisão. Para o bem ou para o mal, sei o que vou fazer. Eu tenho meu plano. Madoc não aprovaria essa estratégia. Não é do tipo que ele gosta, onde existem várias maneiras de ganhar. É o tipo onde há apenas um caminho, e é meio que um longo caminho. Enquanto estou de pé, vejo meu próprio reflexo na água. Eu olho de novo e percebo que não posso ser eu. O Lago das Máscaras nunca mostra seu próprio rosto. Eu me aproximo. A lua cheia é brilhante no céu, brilhante o suficiente para me mostrar a minha mãe olhando para mim. Ela é mais jovem do que eu me lembro dela. E ela está rindo, chamando alguém que não consigo ver.


Com o tempo, ela aponta para mim. Quando ela fala, eu posso ler seus lábios. Veja! Uma garota humana. Ela parece feliz. Então o reflexo de Madoc se junta ao dela, a mão dele passando pela cintura dela. Ele não parece mais jovem então, mas há uma abertura em seu rosto que eu nunca vi. Ele acena para mim. Eu sou uma estranha para eles. Corre! Eu quero gritar. Mas, claro, essa é a única coisa que eu não preciso dizer a ela para fazer. Bomba olha para cima quando eu entro. Ela está sentada na mesa de madeira, medindo um pó acinzentado. Ao seu lado estão vários globos de vidro, fechados a rolha. Seu magnífico cabelo branco está amarrado com o que parece ser um pedaço de corda suja. Uma mancha de sujeira escorre pelo nariz dela. "O resto deles está na parte de trás", diz ela. "Com o principe, durma um pouco." Eu me sento à mesa com um suspiro. Eu estava tensa para me explicar, e agora toda essa energia não tem para onde ir. “Tem alguma coisa por perto para comer?” Ela me dá um sorriso rápido enquanto preenche outro globo e o coloca cuidadosamente em uma cesta a seus pés. “ Fantasma pegou um pouco de pão preto e manteiga. Comemos as salsichas e o vinho acabou, mas ainda pode haver queijo. Vasculho o armário, pego a comida e depois como mecanicamente. Eu me sirvo de uma xícara de chá de erva-doce amargo. Isso me faz sentir um pouco mais firme. Eu a vejo fazendo explosivos por um tempo. Enquanto ela trabalha, ela assobia um pouco, desafinada. É estranho ouvir A maioria dos Folk é musicalmente talentosa, mas eu gosto mais de sua melodia por ser imperfeita. Parece mais feliz, mais fácil, menos assustadora


"Onde você vai quando tudo isso estiver feito?" Eu pergunto a ela. Ela olha para mim, intrigada. "O que faz você pensar que eu vou a algum lugar?" Eu franzo a testa para a minha xícara quase vazia de chá. “Porque Dain se foi. Quer dizer, não é isso que Fantasma e Barata vão fazer? Você não vai com eles? Bomba encolhe os ombros estreitos e aponta um dedo nu na cesta de globos. "Veja tudo isso?" Eu concordo. "Eles não viajam bem", diz ela. "Eu vou ficar aqui com você. Você tem um plano, certo?" Estou muito desorientada para saber o que dizer. Eu abro minha boca e começo a gaguejar. Ela ri. “Cardan disse que você ten. Que se você fosse apenas fazendo uma troca, você já teria feito isso. E se você fosse nos trair, você teria feito isso agora também. "Mas, hum", eu digo, e depois perco minha linha de pensamento. Algo sobre como ele não deveria estar prestando tanta atenção. “O que os outros pensam?” Ela volta a encher globos. "Eles não disseram, mas nenhum de nós gosta de Balekin. Se você tem um plano, bom para você. Mas se você nos quiser do seu lado, talvez você possa ser um pouco menos cautelosa sobre isso. Eu respiro fundo e decido que se eu realmente fizer isso, eu poderia usar alguma ajuda. “O que você acha de roubar uma coroa? Bem na frente dos reis e rainhas de Faerie? Seu sorriso se enrola nos cantos. "Apenas me diga o que eu tenho que fazer." Vinte minutos depois, eu acendo o toco de uma vela e faço meu caminho para


o quarto com as camas. Como a bomba disse, Cardan está estendido em uma, parecendo doentiamente bonito. Ele lavou o rosto e tirou o casaco, que ele dobrou debaixo da cabeça para um travesseiro. Eu o cutuco no braço e ele acorda instantaneamente, levantando a mão para me afastar. "Shhhh", eu sussurro. “Não acorde os outros. Eu preciso falar com você." "Vá embora. Você me disse que não me mataria se eu respondesse suas perguntas, e eu fiz. "Ele não soa como o garoto que me beijou, doente de desejo, apenas algumas horas atrás. Ele parece sonolento, arrogante e irritado. "Eu vou lhe oferecer algo melhor que a sua vida", eu digo. "Agora, vamos lá." Ele fica de pé, pegando o paletó e depois me segue até o escritório de Dain. Uma vez que estamos lá, ele se inclina contra o batente da porta. Seus olhos estão com as pálpebras pesadas, o cabelo bagunçado da cama. Só de olhar para ele me faz sentir quente de vergonha. "Tem certeza que você me trouxe aqui só para conversar?" Acontece que, tendo beijado alguém, a possibilidade de beijar paira sobre tudo, não importa quão terrível seja a idéia da primeira vez. A memória de sua boca na minha brilha no ar entre nós. "Eu trouxe você aqui para fazer um acordo com você." Sua sobrancelha sobe. "Intrigante." "E se você não tivesse que se esconder em algum lugar no campo? E se houvesse uma alternativa para Balekin estar no trono? Isso claramente não é o que ele estava esperando que eu dissesse. Por um momento, sua arrogância despreocupada o decepciona. "Há", diz ele lentamente. "Eu. Exceto que eu seria um rei terrível e odiaria isso. Além disso, é improvável que Balekin coloque a coroa na minha cabeça. Ele e eu nunca nos demos muito bem." "Eu pensei que você morava na casa dele." Eu cruzo meus braços sobre o peito de forma protetora, tentando afastar a imagem de Balekin punindo


Cardan. Eu não posso ter nenhuma simpatia agora. Ele inclina a cabeça para trás, olhando para mim através de cílios escuros. "Talvez morar juntos seja a razão pela qual não nos damos bem." "Eu também não gosto de você", eu lembro a ele. " Você já disse." Ele me dá um sorriso preguiçoso. "Então, se não sou eu e não é Balekin, então quem?" "Meu irmão, Oak", digo a ele. "Eu não vou entrar em como, mas ele é da linhagem direita. Sua linhagem, Ele pode usar a coroa. Cardan franze a testa. "Você tem certeza?" Eu concordo. Eu não gosto de dizer isso a ele antes de pedir que ele faça o que eu preciso, mas há pouco que ele possa fazer com o conhecimento. Eu nunca vou trocá-lo com Balekin. Não há ninguém para contar além de Madoc, e ele já sabe. “Então Madoc será regente”, diz Cardan. Eu sacudo minha cabeça. “É por isso que preciso da sua ajuda. Eu quero que você coroe Oak, o Grande Rei, e então eu vou mandá-lo para o mundo mortal. Deixe-o ter a chance de ser criança. Que ele tenha uma chance de ser um bom rei algum dia. "Oak pode fazer escolhas diferentes das que você quer que ele faça" Cardan diz. “Ele pode, por exemplo, preferir Madoc a você.” "Eu fui uma criança roubada", digo a ele. “Eu cresci em uma terra estrangeira por uma razão muito mais solitária e pior do que isso. Vivi vai cuidar dele. E se você concordar com o meu plano, receberei tudo o que pediu e muito mais. Mas preciso de algo de você - um juramento. Eu quero que você se jure ao meu serviço. Ele solta o mesmo riso surpreso como ele fez quando eu joguei minha faca na


mesa. “Você quer que eu me coloque em seu poder? Voluntariamente?"


"Você não acha que eu estou falando sério, mas eu estou. Eu não poderia ser mais séria. Dentro dos meus braços cruzados, eu belisco minha própria pele para evitar qualquer contração, qualquer diz. Eu preciso parecer completamente composta, completamente confiante. Meu coração está acelerando. Eu me sinto do jeito que eu fazia quando eu era criança, jogando xadrez com Madoc - eu veria os movimentos vencedores à minha frente, esquecer de ser cautelosa, e então seria vencida por um movimento dele que eu não havia previsto. Eu me lembro de respirar, me concentrar. "Nossos interesses se alinham", diz ele. "Para que você precisa do meu juramento?" Eu respiro fundo. "Eu preciso ter certeza de que você não vai me trair. Você é muito perigoso com a coroa em suas mãos. E se você colocar na cabeça do seu irmão depois de tudo? E se você quiser para si mesmo? Ele parece pensar sobre isso. “Eu direi exatamente o que eu quero - a propriedade onde eu moro. Eu quero que ela seja dados a mim com tudo e todos neles. Hallow Hall. Quero isso." Eu concordo. "Feito." "Eu quero cada última garrafa nas adegas reais, não importa quão antiga ou rara." "Eles serão suas", eu digo. "Eu quero que Barata me ensine a roubar", diz ele.


Surpresa, não respondo por um momento. Ele está brincando? Ele não parece estar. "Por quê?" Pergunto finalmente. "Pode ser útil", diz ele. Além disso, gosto dele. "Tudo bem", eu digo incrédula. "Eu vou encontrar uma maneira de resolver isso." "Você realmente acha que pode prometer tudo isso?" Ele me dá uma olhada. "Eu posso. Eu faço. E prometo que vamos frustrar Balekin. Nós conseguiremos a coroa de Faerie, ”eu digo a ele descuidadamente. Quantas promessas posso fazer antes de me encontrar responsável por elas? Mais alguns, espero. Cardan se joga na cadeira de Dain. De trás da mesa, ele olha para mim friamente daquela posição de autoridade. Algo no meu intestino torce, mas eu ignoro isso. Eu posso fazer isso. Eu posso fazer isso. Eu seguro minha respiração. "Você pode ter o meu serviço por um ano e um dia", diz ele. "Isso não é o suficiente", insisto. "Eu não posso-" Ele bufa. “Tenho certeza de que seu irmão será coroado e morto então. Ou nós teremos perdido, apesar de suas promessas, e isso não importará de qualquer maneira. Você não receberá uma oferta melhor de mim, especialmente se você me ameaçar novamente." Isso me dá tempo, pelo menos. Eu soltei minha respiração. "Bem. Estamos de acordo. Cardan atravessa a sala na minha direção e não tenho ideia do que ele vai fazer. Se ele me beijar, receio ser consumida pela urgência faminta e humilhante que senti pela primeira vez. Mas quando ele se ajoelha na minha frente, fico surpresa em formular qualquer pensamento. Ele pega minha mão


na dele, dedos longos esfriam enquanto eles se enrolam em volta dos meus. "Muito bem", diz ele, impaciente, sem soar como um vassalo prestes a jurar para sua dama. “Jude Duarte, filha de barro, eu me jurei ao seu serviço. Eu vou agir como sua mão. Eu vou agir como seu escudo. Eu agirei de acordo com sua vontade. Que seja assim por um ano e um dia ... e não por mais um minuto. "Você realmente melhorou o voto", eu digo, embora minha voz saia tensa. Mesmo quando ele disse as palavras, eu senti que de alguma forma ele tinha a vantagem. De alguma forma ele é o único no controle. Ele faz em um movimento fluido, me soltando. "O que agora?" "Volte para a cama", eu digo a ele. "Eu vou te acordar daqui a pouco e explicar o que temos que fazer." "Como você comanda", diz Cardan, zombeteiro sorriso puxando sua boca. Então ele volta para o quarto com as camas, presumivelmente para cair em um deles. Eu penso em toda a estranheza de ele estar aqui, dormindo em lençóis caseiros, vestindo as mesmas roupas por dias a fio, comendo pão e queijo, e não reclamando de nada disso. Parece quase que ele prefere um ninho de espiões e assassinos ao esplendor de sua própria cama.


Os monarcas dos Tribunais Seelie e Unseelie, junto com as fadas selvagens não-casadas que vieram para a coroação, fizeram acampamento no canto mais oriental da ilha. Eles armaram tendas, algumas em motley, algumas em sedas diáfanas. Quando chego perto, posso ver fogo queimando. Vinho de mel e carne estragada perfumam o ar. Cardan está ao meu lado, vestido de preto liso, o cabelo escuro penteado para longe de um rosto limpo. Ele parece pálido e cansado, embora eu o deixei dormir o tempo que me atrevi. Eu não acordei Fantasma ou Barata depois que Cardan fez seu juramento. Em vez disso, falei sobre estratégia com Bomba por quase uma hora. Foi ela quem me deu a muda de roupa para Cardan, aquele que concordou em ser útil. Foi assim que cheguei aqui, prestes a tentar encontrar um monarca disposto a apoiar um reinado diferente de Balekin. Se meu plano for bemsucedido, preciso de alguém naquele banquete que esteja do lado de um novo rei, de preferência alguém com o poder de impedir que um jantar se transforme em outro massacre se as coisas correrem de lado. Se nada mais, precisarei de muitas interrupções para ter certeza de poder tirar


o Oak de lá. Os globos de vidro fr Bomba não serão suficientes. O que eu tenho para oferecer em troca, não tenho certeza absoluta. Eu passei todas as minhas promessas; agora vou começar a gastar a coroa. Eu respiro fundo. Uma vez que eu fico na frente dos senhores e senhoras de Faerie e declaro minha intenção de ir contra Balekin, não há como voltar atrás, não a como rastejar sob as cobertas na minha cama, sem fugir. Se eu não fizer isso, estou condenando Faerie até que Oak possa se senta no trono. Nós temos esta noite e metade de amanhã antes da festa, antes de eu ter que ir ao Hollow Hall, antes de meus planos se juntarem ou se separarem completamente. Só há uma maneira de manter Faerie preparada para Oak - tenho que ficar. Eu tenho que usar o que aprendi com Madoc e o Tribunal das Sombras para manipular e matar para abir meu caminho para manter o trono pronto para ele. Eu disse dez anos, mas talvez sete sejam suficientes. Isso não é tão longo. Sete anos bebendo veneno, de nunca dormir, de viver em estado de alerta. Mais sete anos, e então talvez Faerie seja uma terra melhor e mais segura. E eu vou ganhar meu lugar nisso. O grande jogo, Locke tinha chamado assim quando ele me acusou de jogar. Eu não estava, mas estou agora. E talvez eu tenha aprendido algo com Locke. Ele me fez uma história e agora vou fazer uma história com outra pessoa. "Então eu devo me sentar aqui e lhe dar informações", diz Cardan, encostado em uma árvore de nogueira. “E você vai se apaixonar pela realeza? Isso parece inteiramente atrasado. Eu o conserto com um olhar. “Eu posso ser encantadora. Eu te encantei, não é?" Ele revira os olhos. "Não espere que os outros compartilhem meus gostos depravados." "Eu vou comandar você", digo a ele. "OK?" Um músculo salta em sua mandíbula. Tenho certeza de que não é pouca coisa


para um príncipe de Fadas aceitar ser controlado, especialmente por mim, mas ele concorda. Eu falo as palavras. “Eu ordeno que você fique aqui e espere até que eu esteja pronta para deixar esta floresta, ou há perigo iminente, ou um dia inteiro tenha se passado. Enquanto você espera, eu ordeno que você não faça nenhum som ou sinal para atrair outros para você. Se houver um perigo iminente ou um dia tiver passado sem meu retorno, eu ordeno que você volte ao Tribunal das Sombras, escondendo-se tão bem quanto possível até que eu esteja lá. "Isso não está muito bem feito", ele me diz, conseguindo manter seu ar soberbo e arrogante de alguma forma. É irritante. "Tudo bem", eu digo. "Diga-me o que você sabe sobre a rainha Annet."

O que eu sei é isto: ela deixou a cerimônia de coroação antes de qualquer dos outros senhores ou senhoras. Isso significa que ela odeia a ideia de Balekin ou a ideia de qualquer Monarca Supremo. Eu só tenho que descobrir qual. “O Tribunal de Mariposas é amplo e tradicionalmente Unseelie. Ela é prática e direta, e ela valoriza o poder bruto sobre outras coisas. Eu também ouvi dizer que ela come seus amantes quando se cansa deles." Ele levanta as sobrancelhas. Apesar de tudo, sorrio. É bizarro estar nisso com Cardan, de todas as pessoas. E ainda mais estranho ele falar comigo desse jeito, como faria com Nicasia ou Locke. "Então, por que ela saiu da coroação?", Pergunto. "Parece que ela e Balekin seriam perfeitos um para o outro." "Ela não tem herdeiros", diz ele. “E desespera-se de ter um. Eu acho que ela não teria gostado de ver o sacrifício de uma linhagem inteira. Além disso, não


acho que ela ficaria impressionada com o fato de Balekin ter matado todos eles e ainda ter saído do palanque sem uma coroa." "Ok", eu digo, respirando fundo. Ele agarra meu pulso. Estou chocada com a sensação de sua pele quente contra a minha. "Tome cuidado", diz ele, e depois sorri. "Seria muito chato ter que ficar aqui por um dia inteiro só porque você foi e foi morta." "Meus últimos pensamentos seriam do seu tédio", digo a ele, e vou em direção ao acampamento Unseelie da Rainha Annet. Nenhum incêndio queima, e as tendas são de um tecido esverdeado da cor do pântano. As sentinelas na frente são um troll e um goblin. O troll está usando uma armadura pintada em alguma cor escura que parece muito perto do sangue seco para o meu conforto. "Hum, olá", eu digo, que percebo que preciso trabalhar. "Eu sou uma mensageira. Eu preciso ver a rainha. O troll olha para mim, obviamente surpreso ao encontrar um humano diante dele. "E quem ousa enviar um mensageiro tão delicioso para a nossa corte?" Eu acho que ele pode realmente estar me lisonjeando, embora seja difícil dizer. "O Alto Rei Balekin", eu minto. Eu acho que usar o nome dele é o caminho mais rápido para entrar. Isso o faz sorrir, embora não de uma maneira amigável. “O que é um rei sem coroa? Isso é um enigma, mas um para o qual todos sabemos a resposta: nenhum rei. ” A outra sentinela ri. “Nós não vamos deixar você passar, pequena humna. Corra de volta ao seu mestre e diga a ele que a rainha Annet não o reconhece, embora aprecie seu senso de espetáculo. Ela não vai jantar com ele, não importa quantas vezes ele pergunte ou que subornos deliciosos ele envia junto com suas mensagens.


"Isso não é o que você pensa", eu digo. “Muito bem, fique conosco por um tempo. Aposto que seus ossos estalariam docemente. O troll é todo dentes afiados e ameaça amena. Eu sei que ele não quer dizer isso; se ele quisesse dizer isso, ele teria dito algo completamente diferente e apenas me engolir. Ainda assim, eu recuo. Há obrigações dos convidados em todos que vieram para a coroação, mas as obrigações dos hóspedes entre os povos são tão barrocas que nunca tenho certeza se elas me protegem ou não. Cardan está me esperando na clareira, deitado de costas, como se estivesse contando estrelas. Ele me com e olha com uma pergunta e eu balanço a cabeça antes de cair na grama. "Eu nem sequer consegui falar com ela", eu digo. Ele se vira para mim, a luz da lua destacando os planos de seu rosto, a nitidez de suas maçãs do rosto e os pontos de suas orelhas. "Então você fez algo errado." Eu quero bater nele, mas ele está certo. Eu estraguei. Eu preciso ser mais formal, mais certa de que é meu direito ser permitido na frente de um monarca, como se eu estivesse acostumada a isso. Eu pratiquei tudo o que eu diria a ela, mas não como eu iria chegar até ela. Essa parte parecia fácil. Agora eu posso ver que não será. Eu deito ao lado dele e olho para as estrelas. Se eu tivesse tempo, eu poderia fazer um gráfico e traçar a minha sorte neles. "Bem. Se você fosse eu, a quem você se escreveria?

"Lorde Roiben e o filho de Alderking, Severin." Seu rosto está perto do meu. Eu franzo a testa para ele. "Mas eles não fazem parte do Supremo Tribunal. Eles não juraram a coroa.


"Exatamente", diz Cardan, estendendo o dedo para traçar a forma da minha orelha. A curva, percebo. Eu estremeço, fechando os olhos contra o ponto quente da vergonha. Ele continua falando, mas parece perceber o que está fazendo e afasta a mão. Agora estamos ambos envergonhados. “Eles têm menos a perder e mais a ganhar jogando com um plano que alguns possam chamar de traição. Severin supostamente favorece um cavaleiro mortal e tem um amante mortal, então ele falará com você. E seu pai estava no exílio, então o reconhecimento de sua própria corte seria algo. Quanto a Lorde Roiben, as histórias fazem com que ele pareça uma figura em uma tragédia. Um cavaleiro Seelie, torturado durante décadas como servo na Corte Unseelie, ele veio a governar. Não sei o que você oferece a alguém assim, mas ele tem uma corte grande o suficiente para que, se você o obrigasse a apoiar Oak, até Balekin ficaria nervoso. Fora isso, sei que ele tem uma consorte que ele favorece, embora ela seja de baixa patente. Tente não incomodá-la." Lembro-me de que Cardan estava bêbado falando com os guardas quando saímos da coroação. Ele conhece essas pessoas, conhece seus costumes. Não importa o quão alto ele pareça dar conselhos ou o quanto ele me incomoda, eu seria um tola em não ouvir. Eu me empurro para os meus pés, esperando que não haja pontos de vermelho agitados colorindo minhas bochechas. Cardan também se senta, parecendo prestes a falar. "Eu sei", eu digo, indo em direção ao acampamento. "Não te aborreça morrendo." Decido tentar a sorte com o filho do Alderking, Severin, primeiro. Seu acampamento é pequeno, assim como seu domínio - um trecho de floresta nos arredores do Tribunal de Termites de Roiben e nem Seelie nem Unseelie na natureza. Sua tenda é feita de algum tecido pesado, pintado em prata e verde. Alguns cavaleiros sentam-se perto de um fogo alegre. Nenhum deles está de armadura - apenas túnicas de couro e botas pesadas. Um deles está se


agitando com uma engenhoca para suspender uma chaleira sobre o fogo e ferver a água. O menino humano que vi com Severin na coroação, o ruivo que me pegou olhando, está conversando com um dos cavaleiros em voz baixa. Um momento depois, ambos riem. Ninguém me da qualquer aviso. Eu marcho até o fogo. "Seu perdão", eu digo, imaginando se isso é muito educado para um mensageiro real. Ainda assim, não tenho escolha a não ser continuar. “Eu tenho uma mensagem para o filho do Alderking. O novo rei supremo deseja chegar a um acordo com ele. "Oh, realmente?" O humano me surpreende falando primeiro. "Sim, mortal", eu digo, como a hipócrita que sou. Mas vamos lá, é assim que um dos servos de Balekin fala com ele. Ele revira os olhos e diz alguma coisa para um dos outros cavaleiros enquanto se levanta. Demoro um momento para perceber que estou olhando para lorde Severin. Cabelo da cor das folhas de outono e olhos verde-musgo e chifres curvando-se de trás da testa até um pouco acima das orelhas. Surpreende-me o pensamento de ele estar sentado com o resto de sua comitiva diante de uma fogueira, mas me recupero com rapidez suficiente para lembrar de me curvar. "Eu preciso falar com você sozinha", eu digo. "Oh", ele pergunta. Eu não respondo e suas sobrancelhas se levantam. "Claro", diz ele. "Deste jeito." "Você deveria consertá-la", o menino humano chama depois de nós. "Sério, servos humanos glamourados são assustadores." Severin não responde a ele. Eu entro atrás dele na tenda. Nenhum dos outros o segue, embora, quando entramos, há algumas mulheres em trajes sentados em almofadas e um flautista tocando uma pequena melodia. Um cavaleiro fêmea senta ao lado deles, com a espada no colo. A lâmina é bonita o suficiente para chamar minha atenção. Severin leva-me a uma mesa baixa, cercada por bancos adornados e repleta de refrescos - uma garrafa de água prateada com cabo de chifre, um prato de uvas e damascos e um prato de pequenos pastéis de mel. Ele gesticula para


que eu me sente e, quando o faço, ele se acomoda em outro banquinho. "Coma o que você quiser", diz ele, fazendo com que pareça uma oferta em vez de um comando. "Eu quero pedir-lhe para testemunhar uma cerimônia de coroação", eu digo, ignorando a comida. "Mas Balekin não é aquele que vai ser coroado." Ele não parece imensamente surpreso, apenas um pouco mais desconfiado. "Então você não é seu mensageiro?" "Eu sou o próximo mensageiro de Alto Rei," eu digo, pegando o anel de Cardan do meu bolso como prova de que tenho alguma ligação com a família real, que não estou apenas inventando essa história de pano inteiro. "Balekin não vai ser o próximo rei." "Eu vejo." Seu afeto é impassível, mas seu olhar é atraído para o anel. “E posso prometer que sua corte será reconhecida como soberana, se você nos ajudar. Nenhuma ameaça de conquista do novo rei supremo. Em vez disso, oferecemos-lhe uma aliança. ”O medo se arrasta até a minha garganta e quase não posso dizer as últimas palavras. Se ele não vai me ajudar, há alguma chance de ele me trair para Balekin. Se isso acontecer, as coisas ficam muito mais difíceis. Eu posso controlar muito, mas não posso controlar isso. O rosto de Severin é ilegível. “Eu não vou insultar você perguntando quem você representa. Existe apenas uma possibilidade, o jovem príncipe Cardan, de quem eu ouço muitas coisas. Mas eu não sou o candidato ideal para ajudá-lo, pelas mesmas razões que sua oferta é tão tentadora. Meu tribunal tem pouca importância. E mais, eu sou o filho de um traidor, então é improvável que minha honra ganhe peso ”. "Você vai ao banquete de Balekin. Tudo que eu preciso de você é ajuda no momento crítico. ”Ele está tentado, ele admitiu isso. Talvez ele só precise de algo mais convincente. "Apesar de tudo o que você ouviu sobre o Príncipe Cardan, ele sera um rei melhor que seu irmão." Pelo menos não estou mentindo.


Severin olha para a borda da tenda, como se perguntando quem pode me ouvir. “Eu vou ajudá-la, desde que não seja o único. Eu digo isso tanto pelo seu bem como pelo meu. ”Com isso, ele se levanta. “Eu desejo a você e ao príncipe boa sorte. Se você precisar de mim, farei o que puder." Eu me levanto do banquinho e me curvo novamente. "Você é muito generoso." Quando saio do acampamento, minha mente gira. Por um lado, eu fiz isso. Consegui falar com um dos governantes de Faerie sem me fazer de boba. Eu até o persuadi a seguir o meu plano. Mas ainda preciso de outro monarca, mais influente, para concordar. Existe um lugar que tenho evitado. O maior acampamento pertence a Roiben do Tribunal de Cupins. Notoriamente sanguinário, ele ganhou suas coroas em batalha, então ele não tem motivos para se opor ao golpe ensanguentado de Balekin. Ainda assim, Roiben parece se sentir da mesma maneira que Annet da corte de Moths, que Balekin é de pouca importância sem uma coroa. Talvez ele não queira ver um dos mensageiros de Balekin também. E, dado o tamanho de seu acampamento, eu não posso nem imaginar o número de guardiões que eu teria que passar para falar com ele. Mas possivelmente eu poderia entrar sorrateiramente. Afinal, com tantas fadas ao redor, o que é uma pessoa mais ou menos? Eu pego um feixe de galhos caídos, grande o suficiente para ser uma respeitável contribuição para um incêndio, e caminho em direção ao Acampamento de Cupins com a cabeça baixa. Há cavaleiros postados ao redor do perímetro, mas, de fato, eles me dão pouca atenção enquanto passo. Eu me sinto tonta com o sucesso do meu plano. Quando eu era criança, às vezes Madoc teria que parar no meio de um jogo de Nine Men's Morris. O conselho permaneceria como estava, esperando que voltássemos. Durante todo o dia e a noite, eu imaginaria meus movimentos e suas contrariedades até que, quando nos sentamos, não estávamos mais jogando o jogo original. Na maioria das vezes, o que não consegui fazer foi antecipar com precisão seus próximos movimentos. Eu


tinha uma ótima estratégia mim, mas não para o jogo. É assim que me sinto agora, entrando no acampamento. Eu estou jogando um jogo oposto a Madoc, e enquanto eu posso criar planos e esquemas, se eu não puder adivinhar com precisão, eu estou afundada. Eu deixo cair o graveto ao lado de um fogo. Uma mulher de pele azul com dentes negros me observa por um momento e depois volta para sua conversa com um homem de pés de cabra. Espanando a casca da minha roupa, ando em direção à maior tenda. Eu mantenho meu passo leve e meu passo fácil e uniforme. Quando encontro um fragmento de sombra, eu o uso para me arrastar sob a borda do tecido. Por um momento, eu deito lá, meio escondida dos dois lados e completamente escondida em nenhum dos dois. O exterior da tenda principal é iluminado por lanternas que queimam fogo alquímico verde, tingindo tudo de uma cor doentia. Em todos os outros aspectos, no entanto, o interior é exuberante. Tapetes são colocados em camadas, um sobre o outro. Há pesadas mesas de madeira, cadeiras e uma cama cheia de peles e cobertores de brocado costurados com romãs. Mas na mesa, para minha surpresa, estão caixas de papelão de comida. A duende de pele verde que estava com Roiben na coroação usa pauzinhos para levar macarrão à boca dela. Ele se senta ao lado dela, cuidadosamente quebrando um biscoito da sorte. “O que isso diz?” A garota pergunta. "Que tal a viagem que você disse a sua namorada seria divertida e terminou em derramamento de sangue, como sempre?" "Ele diz: 'Seus sapatos vão te fazer feliz hoje'", ele diz a ela, a voz seca, e passa o pequeno deslize sobre a mesa para sua verificação. Ela olha para as botas de couro. Ele encolhe os ombros, um pequeno sorriso tocando seus lábios. Então eu fui arrastada para fora do meu esconderijo. Eu rolo de costas para


fora da tenda para encontrar um cavaleiro de pé acima de mim, sua espada desembainhada. Não há ninguém para culpar além de mim mesma. Eu deveria ter continuado em movimento, deveria ter encontrado uma maneira de me esconder dentro da tenda. Eu não deveria ter parado para ouvir uma conversa, não importa o quanto eu achasse surpreendente. "Levante-se", diz o cavaleiro. Dulcamara Seu rosto não mostra reconhecimento de mim, no entanto. Eu fico em pé, e ela me leva até a tenda, me chutando nas pernas quando chegamos lá, então eu caio sobre os tapetes. Eu tenho motivos para ser grata por sua franqueza. Por um momento, deixeime ali. Ela pressiona sua bota contra as minhas costas como se eu fosse uma presa abatida. "Eu peguei um espião", ela anuncia. "Devo quebrar o pescoço?" Eu poderia rolar e agarrar seu tornozelo. Isso iria desequilibrá-la por tempo suficiente para que eu pudesse levantar. Se eu torcer a perna dela e correr, talvez conseguisse fugir. Na pior das hipóteses, eu estaria em pé, capaz de pegar uma arma e lutar com ela. Mas vim aqui para ter uma audiência com lorde Roiben e agora tenho uma. Eu fico parada e deixo Dulcamara me subestimar. Lorde Roiben saiu da mesa e se debruçou sobre mim, com o cabelo branco caindo ao redor do rosto. Olhos de prata me consideram impiedosamente. "E de que corte você faz parte?" "A do Rei Supremo", eu digo. "O verdadeiro rei supremo, Eldred, que foi abatido por seu filho." "Eu não tenho certeza se acredito em você." Ele me surpreende com a suavidade da afirmação e com a suposição de que estou mentindo. “Venha, sente-se conosco e coma. Eu ouviria mais da sua história. Dulcamara, você pode nos deixar. "Você vai alimentá-la?" Ela pergunta emburrada. Ele não responde, e depois de um momento de silêncio pedregoso, ela parece se lembrar de si mesma. Com um arco, ela sai.


Eu vou para a mesa. A duende me observa com seus olhos negros como o de Tatterfell. Eu noto a articulação extra em seus dedos enquanto ela alcança um eggroll. "Vá em frente", diz ela. “Há muito. Eu usei a maioria dos pacotes de mostarda quente, no entanto." Roiben espera, me observando. "Comida mortal", eu digo, no que espero ser um caminho neutro. "Nós vivemos ao lado de mortais, não é?", Ele me pergunta. "Eu acho que ela mais do que vive ao lado deles", os objetos pixie, olhando para mim. "Seu perdão", diz ele, e espera. Eu percebo que eles realmente esperam que eu coma alguma coisa. Eu lanço um bolinho com um único pauzinho e coloco na minha boca. "É bom." O duende retoma comendo macarrão. Roiben gesticula para ela. “Esta é Kaye. Eu imagino que você sabe quem eu sou desde que você entrou no meu acampamento. Que nome você poderia escolher? Não estou acostumada a essa polidez escrupulosa que me é concedida - ele está me fazendo a cortesia de não pedir meu nome verdadeiro. "Jude", eu digo, porque os nomes não têm poder sobre os mortais. "E eu vim te ver porque eu posso colocar alguém além de Balekin no trono, mas eu preciso da sua ajuda para fazer isso." "Alguém melhor que Balekin ou apenas alguém?", Pergunta ele. Eu franzo a testa, não tenho certeza de como responder isso. “Alguém que não assassinou a maior parte da família no palco. Não é automaticamente melhor?


. A duende - Kaye - bufa. Lorde Roiben olha para a mão, para a mesa de madeira e depois para mim. Não consigo ler seu rosto sombrio. Balekin não é diplomata, mas talvez ele possa aprender. Ele é obviamente ambicioso e conseguiu um golpe brutal. Nem todo mundo tem estômago para isso. "Eu quase não tive estômago para assistir", diz Kaye. "Ele só meio que conseguiu", eu os lembro. "E eu não achei que você gostasse muito dele, dado o que você disse na coroação." Um canto da boca de Roiben se ergue. É um gesto em miniatura, quase imperceptível. "Eu não gosto. Eu acho que ele é um covarde por matar suas irmãs e pai no que parecia ser um ataque de pique. E ele se escondeu atrás de suas forças armadas, deixando seu general acabar com o herdeiro escolhido pelo Rei Supremo. Isso evidencia fraqueza, o tipo que inevitavelmente será explorado ”. Um calafrio de premonição me arrepia. “O que eu preciso é de alguém para testemunhar uma coroação, alguém com poder suficiente para que o testemunho tenha importância. Você. Isso vai acontecer na festa de Balekin, amanhã à noite. Se você permitir que isso aconteça e faça seu juramento ao novo Rei Supremo ... “Sem ofensa”, Kaye diz, “mas o que você tem a ver com isso? Por que você se importa com quem fica no trono? "Porque é onde eu moro", eu digo. “Aqui é onde eu cresci. Mesmo que eu odeie metade do tempo, é meu lugar." Lorde Roiben assente devagar. "E você não vai me dizer quem é esse candidato nem como vai ganhar uma coroa em sua cabeça?" "Eu prefiro não", eu digo.


"Eu poderia fazer Dulcamara te machucar até que você implorasse para ter permissão para me contar seus segredos." Ele diz isso suavemente, apenas outro fato, mas me lembra o quão horrível é sua reputação. Nenhuma quantidade de comida chinesa ou polidez deveria me fazer esquecer exatamente com quem e com o que estou lidando. "Isso não faria de você tão covarde quanto Balekin?" Eu pergunto, tentando projetar a mesma confiança que eu fiz no Tribunal das Sombras, a mesma confiança que eu tive com Cardan. Eu não posso deixá-lo ver que estou com medo. Nós nos estudamos por um longo momento, a pixie nos observando. Finalmente, Lorde Roiben solta um longo suspiro. “Provavelmente mais um covarde. Muito bem, Jude, fazedora de reis. Nós vamos jogar com você. Coloque a coroa em uma cabeça diferente de Balekin e eu vou ajudá-la a mantê-la lá. Ele faz uma pausa. "Mas você vai fazer algo por mim." Eu espero, tensa. Ele agita seus longos dedos. "Algum dia, eu vou pedir ao seu rei um favor." "Você quer que eu concorde com algo sem nem mesmo saber o que é?" Eu deixo escapar. Seu rosto estoico revela pouco. "Agora nos entendemos exatamente." Eu concordo. Que escolha eu tenho? "Algo de igual valor", esclareci. "E dentro do nosso poder." "Esta foi uma reunião muito interessante", diz Lorde Roiben com um sorriso pequeno e inescrutável. Enquanto me levanto para sair, Kaye pisca um olho de tinta para mim. "Boa sorte, mortal."


Com suas palavras ecoando atrรกs de mim, deixo os acampamentos e volto para Cardan.


Fantasma está acordado quando retornamos. Ele havia saído e trazido de volta um punhado de maçãs minúsculas, um pouco de carne de veado seca, manteiga fresca e várias dúzias de mais garrafas de vinho. Ele também trouxe alguns móveis que eu reconheço do palácio - um divã bordado com seda, almofadas de cetim, um manto de seda de aranha brilhante e um conjunto de calcedônia de coisas de chá. Ele olha para cima do divã onde está sentado, aparecendo tenso e exausto. Eu acho que ele está de luto, mas não de um jeito humano. "Bem? Acredito que me foi prometido ouro. "E se eu pudesse prometer vingança?" Eu pergunto, consciente mais uma vez do peso das dívidas já em meus ombros. Ele troca um olhar com a bomba. "Então ela realmente tem um plano."


Bomba se acomoda em uma almofada. "Um segredo, que é muito melhor do que um plano." Eu pego uma maçã, vou para a mesa e, em seguida, me coloco nela. "Vamos entrar direto no banquete de Balekin e roubar seu reino debaixo do nariz dele." Corajosa, é isso que preciso ser. Como eu controla-se o lugar. Como se eu fosse a filha do general. Como se eu pudesse realmente fazer isso. O canto da boca de Fantasma aparece. Ele tira quatro taças de prata do armário e as coloca diante de mim. "Beber?" Eu balanço minha cabeça, observando-o derramar. Ele retorna ao divã, mas descansa na borda como se ele tivesse que saltar em um momento. Ele toma um grande gole de vinho. "Você falou do assassinato do feto de Dain", eu digo. Fantasma acena com a cabeça. "Eu vi seu rosto quando Cardan falou de Liriope e quando você entendeu minha parte nele." "Isso me surpreendeu", eu digo honestamente. "Eu queria pensar que Dain era diferente." Cardan bufa e pega a taça de prata que era para mim e para ele. "O assassinato é um crime cruel", diz Fantasma. Acredito que Dain teria sido um rei supremo como qualquer príncipe do povo, mas meu pai era mortal. Ele não teria considerado Dain bom. Ele não teria me considerado bom também. Você faria bem em decidir o quanto você se importa com a bondade antes de ir muito longe na estrada dos spywares. ” Ele provavelmente está certo, mas há pouco tempo para eu considerar isso agora. "Você não entende", digo a ele. "O filho da Liriope viveu." Ele se vira para Bomba, claramente espantado. "Esse é o segredo?" Ela balança a cabeça, um pouco presunçosa. "Esse é o plano."


Fantasma dá a ela um longo olhar e depois vira o olhar para mim. "Eu não quero encontrar uma nova profissão. Eu quero ficar aqui e servir o próximo rei supremo. Então, sim, vamos roubar o reino." "Não precisamos ser bons", digo a Fantasma. “Mas vamos tentar ser justos. Tão justos quanto qualquer príncipe de Faerie. " O Fantasma sorri. "E talvez um pouco mais justos", eu digo com um olhar para Cardan. O Fantasma acena com a cabeça. "Gostaria disso." Então ele vai acordar Barata. Eu tenho que explicar tudo de novo. Quando chego à parte sobre o banquete e o que acho que vai acontecer, Barata me interrompe tantas vezes que mal consigo pronunciar uma frase. Depois que termino de falar, ele remove um rolo de pergaminho e uma caneta de um dos gabinetes e anota quem deve estar onde, em que ponto o plano funciona. "Você está replanejando meu plano", eu digo. "Só um pouco", diz ele, lambendo a ponta e começando a escrever novamente. “Você está preocupada com Madoc? Ele não vai gostar disso Claro que estou preocupado com Madoc. Se eu não estivesse, eu não estaria fazendo nada disso. Eu apenas entregaria a chave viva para o reino. "Eu sei", eu digo, olhando para as gotas de vinho no copo do Fantasma. No momento em que eu entrar no banquete com Cardan no meu braço, Madoc vai saber que estou fazendo um jogo sozinha. Quando ele descobrir que eu vou enganá-lo para não ser regente, ele ficará furioso. E ele é mais sanguinário quando está furioso. "Você tem algo apropriado para vestir?", Pergunta Barata. Ao ver meu olhar surpreso, ele ergue as mãos. "Você está jogando política. Você e Cardan precisam ser transformados em esplendor para este banquete. Seu novo rei precisará de tudo para parecer certo.


Nós revisamos os planos novamente, e Cardan nos ajuda a mapear o Hollow Hall. Eu tento não ser muito consciente de seus longos dedos traçando sobre o papel, da emoção que eu sinto quando ele olha para mim. De madrugada, tomo três xícaras de chá e saio sozinha para a última pessoa com quem devo falar antes do banquete, minha irmã Vivienne. Volto para minha casa - a casa de Madoc, lembro a mim mesma, nunca foi realmente minha, nunca será minha novamente depois de hoje à noite enquanto o sol nascer em uma chama de ouro. Eu me sinto como uma sombra enquanto subo as escadas em espiral, enquanto passo por todos os cômodos em que cresci. No meu quarto, eu faço uma mala. Veneno, facas, um vestido e joias que acho qua Barata vai achar propriamente extravagante. Com relutância, deixo para trás os animais empalhados da minha cama. Deixo chinelos e livros e enfeites favoritos. Eu saio da minha segunda vida da mesma maneira que saí da minha primeiro, segurando poucas coisas e com grande incerteza sobre o que vai acontecer a seguir. Então eu vou para a porta da Vivi. Eu bato suavemente. Depois de alguns momentos, ela me deixa entrar. "Oh bom", ela murmura, bocejando. "Você já fez as malas." Então ela avista meu rosto e balança a cabeça. "Por favor, não me diga que você não está vindo."

"Algo aconteceu", eu digo, descansando minha bolsa no chão. Eu mantenho minha voz baixa. Não há razão real para esconder que estou aqui, mas esconder tornou-se hábito. "Apenas me ouça." "Você desapareceu", diz ela. “Eu estive esperando e esperando por você, tentando agir como se as coisas estivessem bem na frente do pai. Você me deixou preocupada. "Eu sei", eu digo.


Ela olha para mim como se estivesse pensando em me dar um tapa rápido. "Eu estava com medo que você estivesse morta." "Eu não estou nem um pouco morta", eu digo, pegando seu braço e puxandoa para perto para que eu possa falar em um sussurro. “Mas eu tenho que te dizer algo que eu sei que você não vai gostar: Eu tenho trabalhado como espiã para o Príncipe Dain. Ele me colocou sob um encantamento então eu não poderia ter dito nada antes de sua morte. Suas sobrancelhas delicadas se erguem. "Espiã? O que isso implica? “Esgueirar-se e coletar informações. Matando pessoas. E antes de dizer mais alguma coisa, eu fui boa nisso." "Okay", diz ela. Ela sabia que algo estava acontecendo comigo, mas pelo seu rosto, eu posso dizer que em um milhão de anos ela não teria adivinhado isso. Eu continuo. “E descobri que Madoc vai tomar uma atitude política, envolvendo Oak”. Explico mais uma vez sobre Liriope, Oriana e Dain. A essa altura, contei essa história o suficiente para que seja fácil atingir apenas as partes necessárias, para percorrer as informações de maneira rápida e convincente. “Madoc vai tornar Oak rei e ele mesmo regente. Não sei se esse sempre foi o plano dele, mas tenho certeza de que é o plano dele agora. ” "E é por isso que você não está vindo para o mundo humano comigo?" "Eu quero que você leve Oak em vez disso", digo a ela. “Mantenha-o longe de tudo isso até que ele fique um pouco mais velho, com idade suficiente para não precisar de um regente. Eu vou ficar aqui e ter certeza de que ele tenha algo para voltar. Vivi coloca as mãos nos quadris, um gesto que me lembra a nossa mãe. "E como exatamente você vai fazer isso?"


"Deixe essa parte para mim", eu digo, desejando que Vivi não me conhecesse tão bem quanto ela conhece. Para distraí-la, explico sobre o banquete de Balekin, sobre como o Tribunal das Sombras vai me ajudar a conquistar a coroa. Vou precisar dela para preparar Oak para a coroação. "Quem controla o rei, controla o reino", eu digo. "Se Madoc é regente, você sabe que Faerie estará sempre em guerra." "Então deixe-me ver se entendi: você quer que eu tire Oak de Faerie, longe de todos que ele conhece, e ensine-o a ser um bom rei?" Ela ri sem alegria. “Nossa mãe uma vez roubou uma criança fada - eu. Você sabe o que aconteceu. Como isso será diferente? Como você vai impedir Madoc e Balekin de caçar Oak até os confins da terra? “Alguém pode ser enviado para protegê-lo, para proteger todos vocês - mas, quanto ao resto, tenho um plano. Madoc não vai seguir.”Com Vivi, eu me sinto eternamente fadada a ser a irmã mais nova, tola e prestes a cair do meu posto. "Talvez eu não queira brincar de babá", diz Vivi. “Talvez eu o perca em uma garagem ou esqueça-o na escola. Talvez eu pudesse ensinar-lhe truques terríveis. Talvez ele me culpasse por tudo isso." “Me dê outra solução. Você realmente acha que isso é o que eu quero? ”Eu sei que soa como se estivesse implorando para ela, mas eu não posso evitar. Por um momento tenso, olhamos uma para a outra. Então ela se senta com força em uma cadeira e deixa a cabeça cair contra a almofada. "Como vou explicar isso para Heather?" "Eu acho que Oak é a parte menos chocante do que você tem para dizer a ela", eu digo. “E é só por alguns anos. Você é imortal. O que, a propósito, é uma das coisas mais chocantes que você tem para contar a ela. Ela me dá um brilho perfeito para chamuscar o cabelo. "Faça-me uma


promessa de que isso vai salvar a vida de Oak".

"Eu prometo", eu digo a ela. "E me faça outra promessa de que isso não vai custar a sua." Eu concordo. "Não vai." "Mentirosa", diz ela. "Você é um mentirosa suja e eu odeio isso." "Sim", eu digo. "Eu sei." Pelo menos ela não disse que me odiava também. Estou saindo da casa quando Taryn abre a porta do quarto. Ela está vestida com uma saia da cor da hera, com costura escolhendo um padrão de folhas caindo. Minha respiração para. Eu não estava planejando vê-la. Nós nos olhamos por um longo momento. Ela percebe que há uma bolsa sobre o meu ombro e que estou usando as mesmas roupas que usava quando brigámos. Então ela fecha a porta novamente, deixando-me no meu destino.


Nunca passei pelas portas da frente do Hollow Hall. Antes de eu ter me esgueirado pelas cozinhas, vestido como criado. Agora estou na frente das portas de madeira polida, iluminadas por duas lâmpadas de sprites aprisionados que voam em círculos desesperados. Eles iluminam uma escultura de um rosto enorme e sinistro. A aldrava, um círculo perfurando seu nariz. Cardan ao meu lado, e porque eu cresci em Faerie, não estou completamente surpresa em gritar quando os olhos da porta se abrem. "Meu príncipe", diz. “Meu porteiro", ele diz em retorno, com um sorriso que transmite tanto afeição quanto familiaridade. É bizarro ver o seu feitiço desagradável usado para algo diferente do mal. "Saude e seja bem-vindo", diz a porta, abrindo-se para revelar um dos servos das fadas de Balekin. Ele olha boquiaberto para Cardan, sentindo falta do príncipe de Faerie. "Os outros convidados estão lá", o servo finalmente consegue dizer.


Cardan enrola meu braço com firmeza através do dele antes de entrar na entrada, e sinto uma onda de calor quando paro seu passo. Eu não posso me dar ao luxo de ser menos cruelmente honesta comigo mesma. Contra o meu melhor julgamento, apesar do fato de que ele é terrível, Cardan também é divertido. Talvez eu devesse ficar contente de quão pouco isso importará. Mas, por enquanto, é imensamente irritante. Cardan está vestido com um terno das roupas de Dain, roubado dos guarda-roupas do palácio e alterado por um brownie de dedos inteligentes que deve à Barata uma dívida de jogo. Ele parece real em diferentes tons de creme - um casaco sobre um colete e camisa solta, calções e um lenço de pescoço, com as mesmas botas com ponta de prata que usava para a coroação, uma única safira que brilhava em sua orelha esquerda. Ele deveria parecer real. Eu ajudei a escolher as roupas, ajudei a torná-lo assim, e ainda assim o efeito não se perdeu em mim. Eu estou usando um vestido verde-garrafa com brincos em forma de bagas. No meu bolso está a bolota de ouro do Liriope, e no meu quadril está a espada do meu pai. Contra a minha pele, eu tenho uma coleção de facas. Não parece o suficiente. Quando cruzamos o chão, todo mundo se vira para olhar. Os senhores e senhoras de Faerie. Reis e rainhas de outros tribunais. O representante da rainha do submarino. Balekin Minha família. Oak, em pé com Oriana e Madoc. Eu olho para Lorde Roiben, seu cabelo branco o fazendo fácil de encontrar na multidão, mas ele não aparenta que nos conhecemos. Seu rosto continua ilegível, uma máscara.. Eu vou ter que confiar que ele manterá sua parte no trato, mas eu não gosto desse tipo de cálculo. Eu cresci pensando em estratégia como encontrar fraquezas e explorá-las. Isso eu entendo. Mas fazer pessoas como você, fazer as pessoas quererem fazer sua parte e ficarem do seu lado - eu sou muito menos hábil. Meu olhar vai de uma mesa de refrescos para os vestidos elaborados para um rei dos goblins mastigando um osso.


Então meus olhos se fixam na Coroa de Sangue do Grande Rei. Ela repousa sobre uma saliência acima de nós, um travesseiro embaixo dela. Lá, ela brilha com uma luz sinistra. À vista, imagino todos os meus planos desmoronando. O pensamento de roubá-lo, na frente de todos, me assusta. E, no entanto, ter de procurar Hollow Hall também seria assustador. Eu vejo Balekin se afastar de falar com uma mulher que eu não reconheço. Ela está usando um vestido de algas marinhas e um colar de pérolas. Seu cabelo preto está amarrado a uma coroa enfeitada com mais pérolas, parecendo uma teia acima da cabeça. Demoro um momento para decifrar quem ela deve ser - a Rainha Orlagh, mãe de Nicasia. Balekin a deixa e atravessa a sala em nossa direção com um propósito. Cardan avista Balekin e nos conduz na direção do vinho. Garrafas e jarras verde-claro, amarelo como ouro, o vermelho púrpura escuro do sangue do meu coração. Eles são cheirosos de rosas, de dentes-de-leão, de ervas esmagadas e groselhas. O cheiro sozinho quase faz minha cabeça girar. "Irmãozinho", Balekin diz a Cardan. Ele está vestido da cabeça aos pés em preto e prata, o veludo de seu gibão tão densamente bordado com padrões de coroas e pássaros que parece tão pesado quanto uma armadura. Ele usa uma argola de prata na testa, combinando com os olhos. Não é A Coroa, mas é uma coroa. "Procurei muito por você." "Sem dúvida." Cardan sorri como o vilão que eu sempre acreditei que ele fosse. “Acabei sendo útil afinal. Que surpresa terrível." O príncipe Balekin sorri de volta como se seus sorrisos pudessem duelar sem que o resto deles sequer se envolvesse. Tenho certeza de que ele gostaria de poder atacar Cardan, poderia convencê-lo a fazer o que ele quer, mas desde que o resto da família deles morreu com a espada, Balekin deve ter aprendido a lição sobre precisar de um participante voluntário em uma coroação. No momento, a presença de Cardan é suficiente para tranquilizar as pessoas de que Balekin logo será o Grande Rei. Se Balekin chamar guardas ou agarrá-lo, essa ilusão se dissipará.


"E você", diz Balekin, virando o olhar para mim, maldade iluminando seus olhos. “O que você tem a ver com isso? Nos deixe." "Jude", Madoc diz, caminhando para ficar ao lado do príncipe Balekin, que imediatamente parece perceber que eu poderia ter algo a ver com isso depois de tudo. Madoc parece descontente, mas não alarmado. Tenho certeza de que ele está me julgando uma idiota que espera receber um tapinha na cabeça por encontrar o príncipe desaparecido e amaldiçoar a si mesmo por não deixar mais claro que queria que Cardan fosse entregue para ele e não para Balekin. Dou a ele meu melhor sorriso alegre, como uma garota que acha que resolveu os problemas de todos. Quão frustrante deve ser chegar tão perto de seu objetivo, ter Oak e a coroa em um só lugar, reunir os senhores e senhoras de Faerie. E então o bastardo de sua primeira esposa joga uma chave inglesa nas mãos, entregando a única pessoa com maior probabilidade de colocar a coroa na cabeça de Oak para o seu rival. Eu noto o olhar de avaliação que ele está dando Cardan, no entanto. Ele está replanejando. Ele descansa uma mão pesada no meu ombro. "Você o encontrou." Ele se vira para Balekin. "Espero que você esteja pretendendo recompensar minha filha. Tenho certeza de que não foi preciso muita persuasão para trazê-lo até aqui. Cardan dá a Madoc um olhar estranho. Lembro-me do que ele disse sobre o fato de que Madoc me tratou tão bem quando Eldred mal o reconheceu. Mas do jeito que ele está olhando, eu me pergunto se é estranho nos ver juntos, o general e garota humana. "Vou dar-lhe tudo o que ela pede e muito mais", promete Balekin extravagantemente. Vejo Madoc franzir a testa e dou-lhe um sorriso rápido, servindo duas taças de vinho - uma luz e a outra escura. Eu tenho cuidado com eles, com os dedos astutos. Eu não derramo uma gota.


Em vez de entregar um a Cardan, ofereço-os para Madoc escolher. Sorrindo, ele pega o da cor do sangue do coração. Eu pego o outro. "Para o futuro de Faerie", eu digo, batendo as taças juntas, fazendo o vidro soar como sinos. Nós bebemos. Imediatamente, sinto os efeitos - uma espécie de flutuação, como se estivesse nadando no ar. Eu não quero nem olhar para o Cardan. Ele vai rir se ele acha que eu não aguento alguns goles de vinho. Cardan derrama seu próprio copo e joga de volta. "Pegue a garrafa", diz Balekin. “Estou preparado para ser muito generoso. Vamos discutir o que você gostaria, o que você quiser. " "Não há pressa, não é?" Cardan pede preguiçosamente. Balekin dá a ele o olhar duro de alguém que mal se segura da violência. "Eu acho que todo mundo gostaria de ver o assunto resolvido." "Mesmo assim", diz Cardan, pegando a garrafa de vinho e bebendo diretamente. "Nós temos a noite toda." "O poder está em suas mãos", Balekin diz a ele de uma forma que deixa o "por enquanto" fortemente implícito. Eu vejo uma contração muscular no queixo de Cardan. Tenho certeza de que Balekin está imaginando como vai punir Cardan por qualquer atraso. Isso pesa cada palavra sua. Madoc, ao contrário, está absorvendo a situação, avaliando, sem dúvida, o que ele pode oferecer a Cardan. Quando ele sorri para mim e toma outro gole de seu vinho, é um sorriso real. E aliviado. Eu posso ver que ele está pensando que Cardan será mais fácil de manipular do que Balekin jamais teria sido. De repente, estou certo de que, se entrássemos na outra sala, Balekin encontraria a espada de Madoc enterrada em seu peito.


“Depois do jantar, vou contar meus termos”, diz Cardan. "Mas até então, eu vou aproveitar a festa." "Eu não tenho paciência sem fim", resmunga Balekin. "Cultive isso", diz Cardan, e com uma pequena reverencia, ele nos leva para longe de Balekin e Madoc. Deixo meu copo de vinho perto de um prato de pardal, perfurado com longos alfinetes de prata e atravessando a multidão com ele. Nicasia nos impede com uma mão de dedos longos contra o peito de Cardan, seu cabelo cerúleo brilhante contra seu vestido de bronze. "Onde você esteve?" Nicasia pergunta com um olhar para os nossos braços ligados. Ela enruga o nariz delicado, mas o pânico sublinha suas palavras. Ela está fingindo calma, como o resto de nós. Tenho certeza de que ela achava que Cardan tinha que estar morto ou pior. Deve haver muitas coisas que ela quer perguntar a ele, todas as quais ela não pode fazer na minha frente. "Jude aqui me fez prisioneiro dela", ele diz, e eu tenho que lutar contra a vontade de pisar pesadamente em seu pé. "Ela amarra nós muito apertados." Nicasia claramente não sabe se deve rir. Eu não. simpatizo. Eu também não sei. “Ainda bem que você finalmente conseguiu escapar dos laços”, decide Nicasia. Ele levanta as duas sobrancelhas. "Eu perguntei?" Ele pergunta com uma condescendência arrogante, como se ela tivesse se mostrado menos esperta do que ele esperava. "Você continua assim, mesmo agora?" Ela pergunta, claramente decidindo jogar a cautela ao vento. A mão dela vai para o braço dele Seu rosto suaviza


de um jeito que eu não estou acostumado a ver. "Nicasia", diz ele, libertandose. “Fique longe de mim esta noite. Para o seu próprio bem." Pico um pouco, que ele tem essa bondade nele. Eu não quero ver isso. Ela me dá uma olhada, sem dúvida tentando decidir por que seu pronunciamento não se aplica a mim. Mas então Cardan está se afastando dela e eu vou com ele. Eu vejo Taryn do outro lado da sala, Locke ao lado dela. Seus olhos se arregalam, absorvendo com quem estou de pé. Algo passa por seu rosto e parece muito com ressentimento. Ela tem Locke, mas eu estou aqui com um príncipe. Isso não é justo. Eu não posso saber que ela está pensando isso de apenas um olhar. "Primeira parte concluída", eu digo, olhando para longe dela. Falando com Cardan sob minha respiração. "Chegamos aqui, entramos e ainda não estamos acorrentados". "Sim", diz ele. "Eu acredito que Barata chamou isso de 'o mais fácil'." O plano, como eu expliquei para ele, tem cinco fases básicas: (1) entrar, (2) colocar todo mundo dentro, (3) pegar a coroa, (4) colocar a coroa na cabeça de Oak (5) Sair. Eu tiro meu braço do dele. "Não vá a lugar nenhum sozinho", lembro a Cardan. Ele me dá o sorriso de boca fechada de alguém que está sendo abandonado e acena com a cabeça uma vez. Eu vou em direção a Oriana e Oak. Do outro lado da sala, vejo Severin sair de uma conversa e caminhar na direção do Príncipe Balekin. Gotas de suor no meu lábio, debaixo dos meus braços. Meus músculos ficam tensos. Se Severin disser a coisa errada, eu vou ter que abandonar todas as fases do plano, exceto a 5: sair.


Oriana levanta as duas sobrancelhas quando me aproxima, as mãos dela indo para os ombros magros de Oak. Ele alcança suas mãos. Eu quero ergue-lo em meus braços. Eu quero perguntar se Vivi explicou o que vai acontecer. Eu quero dizer a ele que tudo vai ficar bem. Mas Oriana agarra seus dedos, pressionando-os entre os dela, resolvendo a questão de quantas mentiras eu poderia engolir. “O que é isso?” Oriana me pergunta com um aceno para o Cardan.

"O que você pediu", eu digo a ela, seguindo seu olhar. De alguma forma, Balekin atraiu Cardan para sua conversa com Severin. Cardan ri de algo que Balekin disse, parecendo tão confortavelmente arrogante quanto eu o vi. Estou chocada com o reconhecimento - se você vive sua vida sempre com medo, sempre com o perigo em seus calcanhares, não é tão difícil fingir mais perigo. Eu sei disso, mas eu não acho que, de todas as pessoas, Cardan também seja assim. Balekin está com a mão no ombro de Cardan. Eu posso apenas imaginar seus dedos cavando no pescoço de Cardan. "Não é fácil. Espero que você entenda que haverá um preço ..." "Eu vou pagar", diz ela rapidamente. "Nenhum de nós sabe o custo", eu digo, e espero que ninguém perceba a nitidez do meu tom. "E todos nós vamos ter que pagar a nossa parte." Minha pele tem um bom fluxo do vinho, e há um gosto metálico na minha boca. Está quase na hora de colocar a próxima parte do plano em vigor. Eu olho em volta procurando por Vivi, mas ela está do outro lado da sala. Não há tempo para dizer nada a ela agora, mesmo que eu soubesse o que dizer. Eu dou a Oak o que espero ser um sorriso encorajador. Muitas vezes me pergunto se meu passado é a razão pela qual sou do jeito que sou, se me fez monstruosa. Se assim for, vou fazer um monstro dele? Vivi não vai, eu digo a mim mesma. O trabalho dela é ajudá-lo a se importar com outras coisas além do poder, e meu trabalho é cuidar apenas de energia para que eu possa abrir espaço para o seu retorno. Com uma respiração


profunda, eu vou em direção às portas para o corredor. Eu passo o par de cavaleiros e viro uma esquina, fora de sua linha de visão. Eu engulo algumas respirações antes de destravar as janelas. Eu espero alguns momentos esperançosos. Se Barata Fantasma escalarem, eu posso explicar a localização da coroa. Mas, em vez disso, as portas do banquete se abrem e ouço Madoc ordenar a retirada dos cavaleiros. Eu me movo para que ele possa me ver. Quando ele faz, ele vem em minha direção com um propósito. “Jude. Eu pensei que você viesse assim. "Eu precisava de um pouco de ar fresco", digo a ele, o que é indicativo de como estou nervosa. Eu respondi a pergunta que ele ainda não fez. Ele acena, no entanto. "Você deveria ter vindo até mim primeiro quando encontrou o príncipe Cardan. Poderíamos ter negociado a partir de uma posição de força ”. "Eu pensei que você poderia dizer algo assim", eu digo a ele. “O que importa agora é que eu preciso falar com ele sozinho. Eu gostaria que você entrasse e trouxesse para cá, para que pudéssemos conversar. Todos os três podemos conversar." Afasto-me da janela para o espaço aberto do corredor. Fantasma e Barata estarão aqui em breve, e eu não quero que Madoc os veja. "Sobre Oak?" Eu pergunto. Como eu esperava, Madoc me segue para longe da janela, franzindo a testa. "Você sabia?" "Que você tem um plano para governar Elfhame você mesmo?" Eu pergunto a ele. "Eu percebi isso." Ele olha para mim como se eu fosse uma estranha, mas nunca me senti menos como uma. Pela primeira vez, ambos estamos desmascarados. "E ainda assim você trouxe o Príncipe Cardan aqui, direto para Balekin", diz ele. “Ou para mim? É isso? Devemos negociar agora?


"Deve ser um ou outro, certo?" Eu digo. Ele está ficando com raiva. “Você preferiria nenhum rei supremo? Se a coroa for destruída, haverá guerra e, se houver guerra, eu a vencerei. De um jeito ou de outro, eu vou ter essa coroa, Jude. E você se beneficia quando eu tiver. Não há razão para se opor a mim. Você pode ser um cavaleiro. Você pode ter todas as coisas que você já sonhou. ”Ele dá outro passo em minha direção. "Você disse: 'Eu vou ter essa coroa'. Você", eu lembro a ele, minha mão indo para o punho da minha espada. "Você mal falou o nome de Oak. Ele é apenas um meio para um fim, e esse fim é poder. Poder para você. “Jude—” ele começa, mas eu o interrompo. "Eu vou fazer uma barganha. Jure que você nunca vai levantar a mão contra o Oak e eu vou ajudar. Prometa-me que, quando ele atingir a maioridade, você se demitirá imediatamente como regente. Você dará a ele todo o poder que tiver acumulado e fará de bom grado. ” A boca de Madoc torce. As mãos dele se fecham. Eu sei que ele ama Oak. Ele me ama. Tenho certeza de que ele também amava minha mãe à sua própria maneira. Mas ele é quem e o que ele é. Eu sei que ele não pode prometer isso. Pego minha espada e ele também faz o barulho de metal alto na sala. Eu ouço risadas distantes, mas aqui no corredor, estamos sozinhos.

Minhas mãos estão suando, mas isso tem a sensação de inevitabilidade, como se isso fosse o que eu estava fazendo durante todo o tempo, toda a minha vida. "Você não pode me vencer", Madoc diz, entrando em uma posição de luta. "Eu já venci", eu digo.


"Você não tem como ganhar." Madoc sacode sua espada, me encorajando a vir em sua direção, como se isso fosse apenas uma prática. “O que você pode esperar fazer com um príncipe desaparecido, aqui na fortaleza de Balekin? Eu vou te derrubar e depois vou tirá-lo de você. Você poderia ter o que quisesse, mas agora não terá mais nada." “Oh, sim, deixe-me contar todo o meu plano. Você me incitou diretamente sobre isso. Eu faço uma careta. “Não vamos mais parar. Esta é a parte em que lutamos." "Pelo menos você não é covarde." Ele corre para mim com tanta força que, embora eu bloqueie o golpe, sou jogada no chão. Eu rolo em uma posição de pé, mas estou abalada. Ele nunca lutou comigo assim, completamente para valer. Esta não será uma troca de golpes gentis. Ele é o general do rei supremo. Eu sabia que ele era melhor que eu, mas não quanto melhor. Eu ofereço um olhar para a janela. Eu não posso ser mais forte que ele, mas não preciso ser. Eu só preciso ficar de pé um pouco mais. Eu ataco, na esperança de pegá-lo de surpresa. Ele me bate de volta. Eu me esquivo e me viro, mas ele espera o golpe, e eu tenho que tropeçar deselegantemente para trás, bloqueando ainda outro golpe pesado de sua lâmina. Meus braços doem com a força por trás de seus golpes. Tudo isso está acontecendo rápido demais. Eu venho com uma série de técnicas que ele me ensinou e depois uso um pouco de esgrima que aprendi com Fantasma. Eu finjo para a esquerda e, em seguida, aterro a lamina inteligente ao seu lado. É um golpe superficial, mas nos surpreende quando uma linha de vermelho molha seu casaco. Ele empurra se para mim. Eu pulo para o lado e ele me dá uma cotovelada no rosto, me jogando de volta ao chão. O sangue jorra da minha boca do meu nariz. Eu me empurro vertiginosamente para os meus pés. Estou com medo, não importa o quanto eu tente fazer isso. Eu fui arrogante. Estou tentando ganhar tempo, mas um de seus golpes poderia me dividir ao


meio. "Renda-se", ele me diz, espada apontada para a minha garganta. “Foi uma boa tentativa. Eu perdoarei você, Jude, e nós voltaremos ao banquete. Você vai convencer Cardan a fazer o que eu preciso que ele faça. Tudo será como deveria ser. Eu cuspo sangue nos ladrilhos de pedra. Seu braço de espada treme um pouco. "Você se entrega", eu digo. Ele ri, como se eu tivesse contado uma piada particularmente engraçada. Então ele para, fazendo uma careta. "Eu imagino que você não está se sentindo bem", digo a ele. Sua espada afunda um pouco e ele olha para mim com uma compreensão súbita. "O que é que você fez?" “Eu envenenei você. Não se preocupe. Foi uma dose pequena o suficiente. Você vai viver. "As taças de vinho", diz ele. "Mas como você sabia qual escolheria?" "Eu não sabia", eu digo a ele, pensando que ele ficará pelo menos um pouco satisfeito com a resposta, apesar de si mesmo. É o tipo de estratégia que ele mais gosta. "Eu envenenei os dois." "Você vai se arrepender muito", diz ele. O tremor está em suas pernas agora. Eu sei. Eu sinto o eco disso no meu próprio corpo. Mas agora estou acostumada a beber veneno. Eu olho profundamente em seus olhos enquanto calço minha espada. “Pai, eu sou o que você me fez. Eu me tornei sua filha depois de tudo." Madoc levanta a espada de novo, como se ele fosse me atacar uma última vez. Mas então cai de sua mão e ele cai também, esparramado no chão de pedra. Quando Fantasma e Barata entram, alguns minutos tensos depois, eles me encontram sentada ao lado dele, cansada demais para sequer pensar em


mover seu corpo. Sem palavras, Barata me entrega um lenço e eu começo a limpar o sangue do meu nariz. "Para a fase três", diz o fantasma.


Quando eu me junto à festa, todo mundo está tomando o seu lugar na longa mesa. Eu ando direto para Balekin e faço uma reverência. "Meu senhor", eu digo, lançando minha voz baixa. “Madoc pediu-me para lhe dizer que ele está atrasado e começar sem ele. Ele deseja que você não se preocupe, mas alguns dos espiões de Dain estão aqui. Ele mandará uma mensagem quando eles forem pegos ou mortos." Balekin me observa com os lábios ligeiramente franzidos e os olhos apertados. Ele absorve qualquer vestígio de sangue que eu não pude lavar das minhas narinas e meus dentes, qualquer que fosse o suor que eu não conseguisse enxugar. Madoc dorme no antigo quarto de Cardan e, pelos meus cálculos, temos pelo menos uma hora antes de ele acordar. É como se Balekin olhasse com cuidado, ele também podia ver isso no meu rosto. "Você tem sido mais útil do que eu teria adivinhado", diz Balekin, descansando a mão levemente no meu ombro. Ele parece ter esquecido como ficou furioso quando eu entrei com Cardan e esperava que eu esquecesse também. “Continue e você se verá recompensada. Você gostaria de viver


como uma de nós? Você gostaria de ser uma de nós?" O Alto Rei das Fadas poderia realmente me dar isso? Ele poderia me fazer algo diferente de humana, algo diferente de mortal? Penso nas palavras de Valerian quando ele tentou me fascinar para saltar da torre. Nascer mortal é como nascer já morto. Ele vê o olhar no meu rosto e sorri, certo de que ele descobriu o desejo secreto do meu coração. E, de fato, enquanto ando para o meu lugar, estou perturbada. Eu deveria me sentir triunfante, mas, em vez disso, me sinto doente. Não era tão satisfatório quanto eu queria que Madoc manobrava, especialmente porque eu era capaz de fazê-lo porque ele nunca pensava em mim como alguém que o traísse. Talvez, daqui a alguns anos, minha fé nesse plano seja justificada, mas até lá terei que conviver com esse ácido na boca do estômago. O futuro de Faerie depende do eu jogar um jogo longo e jogá-lo perfeitamente. Eu localizo Vivi, sentada entre Nicassia e Lorde Severin, e eu dou-lhe um rápido sorriso. Ela me dá um cruel em troca. Lorde Roiben me olha com desconfiança. Ao lado dele, a duende verde sussurra algo em seu ouvido e ele balança a cabeça. No outro extremo da mesa, Locke beija a mão de Taryn. A Rainha Orlagh me olha com curiosidade. Há apenas três mortais aqui - Taryn, eu e o ruivo com Severin e, pelo modo como ela nos vê, Orlagh está imaginando ratos controlando uma convocação de gatos. Acima, há um lustre feito de folhas finas de mica. Fadas brilhantes minúsculas estão presas dentro com o propósito de adicionar um brilho quente para o quarto. Ocasionalmente, eles voam, fazendo as sombras dançarem. "Jude", diz Locke, tocando meu braço, me assustando. Seus olhos de raposa


enrugam em diversão. "Eu admito, eu estou com um pouco de ciúmes de ver Cardan desfilando em torno de você agarrado em seu braço." Eu dou um passo atrás. "Eu não tenho tempo para isso." "Eu gostei de você, você sabe", diz ele. "Eu gosto de você ainda." Por um momento, me pergunto o que aconteceria se eu lhe desse um soco. "Vá embora, Locke", digo a ele. Seu sorriso retorna. “A coisa que eu mais gosto é como você nunca faz o que eu imagino que você fará. Por exemplo, eu não achei que você duelaria comigo. ” "Eu não fiz isso." Eu me afasto dele e vou para a mesa, um pouco instável em meus pés. "Aí está você", diz Cardan enquanto eu tomo o meu lugar ao lado dele. “Como a noite está indo para você? A minha tem sido cheia de conversas maçantes sobre como minha cabeça vai rolar por ai." Minhas mãos tremem quando eu tomo meu lugar. Eu digo a mim mesma que é apenas o veneno. Minha boca está seca. Eu me encontro sem a sagacidade para disputas verbais. Servos serviram pratos - ganso assado brilhando com glacê de groselha, ostras e rampas cozidas, bolos de bolota e peixe inteiro recheado com roseira. O vinho é derramado, verde escuro com pedaços de ouro flutuando nele. Eu os vejo afundar no fundo do vidro, brilhando sedimentos. "Eu já te disse o quão horrível você está hoje à noite?" Cardan pergunta, recostando-se na cadeira elaboradamente esculpida, o calor de suas palavras transformando a pergunta em algo como um elogio. "Não", eu digo, feliz por estar irritada com o presente. "Conte-me." "Eu não posso", diz ele, em seguida, franze a testa.


“Jude?” Eu talvez nunca me acostume com o som do meu nome em seus lábios. Suas sobrancelhas se juntam. "Há uma contusão aparecendo em sua mandíbula." Eu tomo uma bebida profunda de água. "Estou bem", digo a ele. Não falta muito agora. Balekin se levanta e levanta o copo. Eu empurro minha cadeira para trás, de modo que estou de pé quando a explosão acontece. Por um momento, tudo é tão alto que parece que a sala está inclinada para o lado. O grito popular. Taças de cristal caem e quebram. A bomba atingiu. Na confusão, um único raio preto voa de uma alcova sombreada e afunda na mesa de madeira bem em frente a Cardan. Balekin pula de pé. "Lá", ele grita. "O assassino!" Cavaleiros correm em direção à Barata, que salta da escuridão e atira novamente. Outro raio voa em direção a Cardan, que finge estar atordoado demais para se mexer, do jeito que praticamos. Barata explicou a Cardan em detalhes como seria muito mais seguro estar ainda mais fácil de sentir sua falta. O que não contamos é o Balekin. Ele joga Cardan fora da cadeira, joga-lo no chão e cobre o corpo de Cardan com o seu próprio. Ao olhar para eles, percebo o pouco que entendi o relacionamento deles. Porque, sim, Balekin não notou que Fantasma subiu na borda com a Coroa de Sangue. Sim, ele enviou seus cavaleiros atrás de Barata, permitindo que Bomba barrasse as portas desta sala. Mas ele também lembrou de Cardan de por que não seguir adiante com esse plano. Eu tenho pensado em Balekin como o irmão Cardan odiava, como o irmão que matou toda a família deles. Eu esqueci que Balekin é a família de Cardan.


Balekin é a pessoa que o criou quando Dain conspirou contra ele, quando seu pai o mandou do palácio. Balekin é tudo o que o restou. E, embora eu tenha certeza de que Balekin seria um rei terrível, alguém que machucaria Cardan junto com muitos outros - estou igualmente certa de que ele daria poder a Cardan. Cardan teria permissão para ser cruel, desde que estivesse claro que Balekin era mais cruel. Colocar a coroa na cabeça de Balekin era uma aposta segura. Muito mais segura do que confiar em mim, do que acreditar em algum futuro Oak. Ele se comprometeu comigo. Eu só preciso tomar cuidado para que ele não encontre uma maneira de contornar meus comandos. Estou um bocado para trás e é mais difícil ultrapassar a multidão do que eu pensava, por isso não estou onde eu disse ao Fantasma que estaria. Quando eu olho para a borda, ele está lá, saindo da sombra. Ele joga a coroa, mas não para mim. O Fantasma joga a coroa para minha gêmea idêntica E ela cai aos pés de Taryn. Vivi pegou a mão de Oak. Lorde Roiben está empurrando a multidão. Taryn pega a coroa. "Dê para Vivi", eu chamo para ela. Fantasma, percebendo seu erro, desenha sua besta e aponta para minha irmã, mas não há como escapar dessa. Ela me dá um olhar terrível e traído. Cardan se esforça para ficar de pé. Balekin está de pé também, caminhando pela sala. "Criança, se você não der isso para mim, eu vou cortar você pela metade", Balekin diz a Taryn. "Eu serei o Rei Supremo e, quando for, punirei qualquer um que me incomodasse." Ela segura, olhando entre Balekin, Vivi e eu. Então ela olha para todos os senhores e senhoras que a observam.


"Dê-me a minha coroa", diz Balekin, caminhando em direção a ela. Lorde Roiben entra no caminho de Balekin. Ele pressiona a mão no peito de Balekin. "Espere". Ele não retirou uma lâmina, mas eu vejo o brilho das facas sob o casaco. Balekin tenta empurrar a mão de Roiben, mas ele não se move. Fantasma tem sua besta apontada para Balekin, e todos os olhos da sala o observam. A Rainha Orlagh fica a vários passos de distância. A violência paira no ar. Eu me movo em direção a Taryn para ficar na frente dela. Se Balekin sacar uma arma, se ele jogar fora a diplomacia e simplesmente atacar, a sala parece pronta para explodir em derramamento de sangue. Alguns vão lutar ao seu lado, alguns contra. Nenhuma promessa à coroa importa agora, e vê-lo matar sua própria família não deixou ninguém se sentindo seguro. Ele trouxe os senhores e senhoras de Faerie para conquistálos; até ele parece ver que é menos provável que mais assassinatos façam isso. Além disso, Fantasma pode matá-lo antes que ele chegue a Taryn, e ele não usa armadura sob suas roupas. Não importa quão pesado seja o bordado, ele não o salvará de uma fecha para o coração. "Ela é apenas uma menina mortal", diz ele. "Este é um adorável banquete, Balekin, filho de Eldred", diz a Rainha Orlagh. “Mas infelizmente faltando em diversões antes de agora. Deixe que isso seja nosso entretenimento. Afinal, a coroa está segura nesta sala, não é? E você ou seu irmão mais novo são os únicos que podem usá-lo. Deixe a garota escolher a quem ela vai dar. O que importa se nenhum de vocês coroar o outro?" Eu estou surpresa. Achei que a rainha Orlagh fosse sua aliada, mas suponho que a amizade de Nicasia com Cardan poderia tê-la feito favorável a ele. Ou


talvez ela não favoreça nenhum deles e só queira que o mar tenha maior poder, diminuindo o poder da terra. "Isso é ridículo", diz ele. “O que da explosão? Isso não te entreteve o suficiente?" "Isso certamente despertou meu interesse", diz Lorde Roiben. “Você parece ter perdido seu general em algum lugar também. Seu reinado nem sequer começou formalmente, mas certamente parece caótico. ” Eu me viro para Taryn e fecho meus dedos sobre o metal frio da coroa. De perto, é primoroso. As folhas parecem brotar do ouro escuro, ser seres vivos, suas hastes cruzando-se umas sobre as outras em um delicado nó. "Por favor", eu digo. Ainda há muito que é ruim entre nós. Tanta raiva e traição e ciúmes. "O que você está fazendo?" Taryn sussurra para mim. Atrás dela, Locke está olhando para mim com um brilho estranho em seus olhos. Minha história ficou mais interessante, e eu sei o quanto ele ama a história acima de tudo. "O melhor que posso", eu digo. Eu puxo e por um longo momento, Taryn segura. Então ela abre a mão e eu cambaleio para trás com a coroa. Vivi trouxe Oak tão perto quanto ela ousa. Oriana fica com a multidão, apertando e abrindo as mãos. Ela deve notar a ausência de Madoc, deve estar se perguntando o que eu quis dizer quando falei de um preço. "Príncipe Cardan", eu digo. "Isto é para você." A multidão parte para deixá-lo passar, o outro jogador-chave nesse drama. Ele caminha para ficar ao meu lado e de Oak. "Pare!" Balekin grita. "Pare-os imediatamente." Ele retira uma lâmina, claramente não mais interessado em jogar política. Ao redor da sala, mais espadas são desembainhadas em um eco terrível dele. Eu posso ouvir o zumbido de aço encantado no ar.


Eu alcanço o Nightfell no momento em que o Fantasma deixa seu raio voar. Balekin cambaleia para trás. Eu ouço o som de respiração ofegante ao redor da sala. Atirar no rei, mesmo que ele não esteja usando uma coroa, não é uma coisa pequena. Então, quando a espada de Balekin cai no tapete antigo, vejo onde ele foi atingido. Sua mão é fixada à mesa de jantar por uma fhecha de besta. Uma que parece ser de ferro. "Cardan", Balekin chama. "Eu conheço você. Eu sei que você preferiria que eu fizesse o difícil trabalho de governar enquanto você desfrutava do poder. Eu sei que você despreza mortais, rufiões e tolos. Venha, eu nem sempre foi bom para você, mas você não tem estômago para realmente me matar. Tragame a coroa." Coloco Oak perto de mim e coloco a coroa nas mãos dele, para que ele possa ver. Para que ele possa se acostumar a segurá-la. Vivi lhe dá um tapinha encorajador nas costas. "Traga-me a coroa, Cardan", diz Balekin. O príncipe Cardan se volta para seu irmão mais velho com o mesmo olhar frio e calculado com o qual ele tem visto tantas outras criaturas antes de rasgar as asas de suas costas, antes de as lançar em rios ou mandá-las completamente da corte. "Não, Irmão. Eu não acho que vou. Acho que, se não tivesse outro motivo para matar você, faria isso por maldade." Oak olha para mim, procurando por confirmação de que ele está bem diante de toda essa gritaria. Eu aceno com um sorriso encorajador. "Mostre Oak", eu sussurro para Cardan. “Mostre a ele o que ele deveria fazer. "Ajoelhe-se." "Eles vão pensar", ele começa, mas eu o interrompo.


"Apenas faça isso." Cardan se ajoelha e um silêncio atravessa a multidão. Espadas são devolvidas às bainhas. Movimentos lentos. "Oh, isso é divertido", diz Lorde Roiben em voz baixa. “Quem poderia essa criança ser? Ou de quem?" Ele e a rainha Annet compartilham um sorriso muito Unseelie. "Viu?" Cardan diz para Oak, e então faz um gesto impaciente. "Agora a coroa." Eu olho em volta para os senhores e senhoras de Faerie. Nenhum dos rostos deles é amigável. Todos eles parecem cautelosos, esperando. A expressão de Balekin é selvagem com fúria, e ele puxa o ferrolho, como se ele pudesse rasgar a mão ao meio antes de permitir que isso acontecesse. Oak dá um passo hesitante em direção a Cardan, depois outro. "Quarta fase", Cardan sussurra para mim, ainda acreditando que estamos do mesmo lado. Penso em Madoc, cochilando no andar de cima, todos os seus sonhos de assassinato. Eu penso em Oriana e Oak sendo forçados a se separarem por anos. Eu penso em Cardan e como ele vai me odiar. Eu penso no que significa me tornar o vilão da peça. "Para o próximo minuto inteiro, eu ordeno que você não se mova", eu sussurro de volta. Cardan fica completamente quieto. "Vá em frente", diz Vivi a Oak. "Assim como nós praticamos." E com isso, Oak coloca a coroa na cabeça de Cardan, para descansar em sua testa. "Eu coroo você." A voz de criança de Oak é incerta. "Rei. Alto Rei das Fadas. ”Seus olhos vão para Vivi, para Oriana. Ele está esperando que um deles diga que ele foi bem, que está feito.


As pessoas suspiram. Balekin dá um uivo de fúria. Há risos e indignação e prazer. Todo mundo gosta de uma surpresa, e os Folk gostam mais do que quase qualquer outra coisa. Cardan olha para mim com raiva impotente. Então, o minuto inteiro do meu comando, ele se levanta lentamente a seus pés. A fúria em seus olhos é familiar, o brilho deles como fogo, como carvão queimando mais quente do que as chamas jamais poderiam. Desta vez eu mereço isso. Eu prometi que ele seria capaz de se afastar da Corte e de todas as suas manipulações. Eu prometi que ele estaria livre de tudo isso. Eu menti. Não é que eu não queira que Oak seja o Grande Rei. Eu quero. Ele será. Mas só há uma maneira de garantir que o trono permaneça pronto para ele enquanto ele aprende tudo o que ele precisa saber - e isso é se alguém o ocupar. Sete anos e Cardan pode renunciar, abdicar em favor de Oak e fazer o que quiser. Mas até lá, ele vai ter que manter o trono do meu irmão aquecido. Lorde Roiben afunda-se num joelho, como prometera. "Meu rei", diz ele. Eu me pergunto o que essa promessa vai custar. Eu me pergunto o que ele vai nos pedir, agora que ele ajudou a dar uma coroa a Cardan. E então o grito sobe pela sala, da rainha Annet à rainha Orlagh e lorde Severin. Do outro lado, Taryn olha para mim, claramente chocada. Para ela, devo parecer louca, para colocar alguém que desprezo no trono, mas não há como eu me explicar. Afundo de joelhos junto com todos os outros, e ela também. Todas as minhas promessas vieram em dívida. Por um longo momento, Cardan apenas olha ao redor da sala, mas ele tem pouca escolha, e ele deve saber disso. "Levantem-se", diz ele, e nós fazemos. Eu recuo, desaparecendo na multidão. Cardan tem sido um príncipe de Faerie toda a sua vida. Não importa o que ele queira, ele sabe o que se espera dele.


Ele sabe como encantar uma multidão, como entreter. Ele ordena que o vidro quebrado seja retirado. Ele trouxe novas taças, vinho novo derramado. O brinde que ele dá - surpresas e os benefícios de estar bêbado demais para aparecer na primeira coroação - faz todos os senhores e senhoras rirem. E se notar que a mão dele segura sua taça de vinho com força suficiente para deixar os nós dos dedos brancos, então imagino que sou a única que o faz. No entanto, estou surpresa quando ele se vira para mim, os olhos brilhando. Parece que a sala está vazia, mas para nós. Ele levanta o copo de novo, a boca se curvando em um sorriso zombeteiro. “E para Jude, que me deu um presente hoje à noite. Um que eu planejo pagar em espécie. Eu tento não visivelmente recuar enquanto tento não estremecer Bomba me empurra para o lado. "Nós inventamos o seu nome de código", ela diz. Eu nem tinha visto ela passar pelas portas trancadas. “O que?” Sinto-me tão cansada como já me senti e, no entanto, por sete anos, não poderei realmente descansar. Espero que ela diga A mentirosa. Ela me dá um sorriso truculento, cheio de segredos. "A rainha."


Eu estou no meio da Target, empurrando o carrinho enquanto Oak e Vivi pegam lençóis e lancheiras, jeans skinny e sandálias. Oak olha em volta com uma leve confusão e prazer. Ele continua pegando coisas, confundindo-as e depois as colocando de novo. No corredor de doces, ele adiciona barras de chocolate ao carrinho, junto com jujubas, pirulitos e pedaços de gengibre cristalizado. Vivi não o impede, então eu também não. É estranho ver Oak com seus chifres glamourizados, seus ouvidos tão redondos quanto os meus. É estranho vê-lo no corredor de brinquedos, experimentando uma scooter com uma mochila em forma de coruja sobre um braço. Eu esperava que seria difícil persuadir Oriana a deixá-lo ir com Vivi, mas depois da coroação de Cardan, ela concordou que Oak estar longe do tribunal por alguns anos era o melhor. Balekin está preso em uma torre. Madoc acordou furioso, apenas para descobrir que seu momento de conquistar a coroa havia passado. "Então ele é realmente seu irmão, certo?" Heather pergunta a Vivi enquanto Oak começa a andar na scooter, voando pelo corredor do cartão. "Você pode


me dizer se ele for seu filho." Vivi ri deliciada. "Eu tenho segredos, mas isso não é um deles." Heather não estava entusiasmada com o fato de Vivienne aparecer com uma criança e uma explicação incompleta sobre por que ele teve que viver com ela, mas ela não os expulsou. O sofá de Heather foi para uma cama e eles concordaram que ele poderia dormir lá até que Vivi encontrasse um emprego e eles pudessem pagar por um apartamento maior. Eu sei que a Vivi não vai conseguir trabalho convencional, mas ela vai ficar bem. Ela ficara melhor do que bem. Em outro mundo, dado nossos pais e nosso passado, eu teria continuado incentivando Vivi a confiar em Heather com a verdade. mas por enquanto, se ela sente que tem que manter a decepção, eu dificilmente estou em posição de contradizê-la. Enquanto estamos na fila do caixa e Vivi paga por ela, com folhas encantadas para parecerem notas, penso novamente nas consequências do banquete que virou coroação. Do borrão do povo comendo e brincando. De todos se maravilhando com Oak, que parecia tanto satisfeito quanto em pânico. De Oriana, claramente não tem certeza se deve me parabenizar ou me dar um tapa. De Taryn, quieta, considerando, segurando firmemente a mão de Locke. De Nicasia dando a Cardan um beijo prolongado em sua bochecha real. Eu fiz a coisa e agora devo viver com o que fiz. Eu menti e traí e triunfei. Se ao menos houvesse alguém para me parabenizar. Heather suspira e sorri sonhadora para Vivi enquanto colocamos nossas compras no porta-malas do Prius de Heather. De volta ao apartamento, Heather leva um pouco de massa de pizza pronta para fora da geladeira e explica como fazer tortas pessoais. "Mamãe vai me visitar, não é?" Oak pergunta enquanto ele coloca pedaços de


chocolate e marshmallows em cima de sua massa. Eu aperto seu braço enquanto Heather coloca a comida no forno. “Claro que ela vai. Pense em estar aqui com Vivi como um aprendizado. Você aprende o que precisa saber e depois volta para casa." "Como vou saber quando aprendi, já que não sei agora?", Pergunta ele. A pergunta parece um enigma. "SAber quando voltar parece uma escolha difícil, em vez de uma fácil", respondo finalmente. Vivi olha, como se tivesse ouvido. Sua expressão é pensativa. Eu como uma fatia da pizza de Oak e lambo o chocolate dos meus dedos. É doce o suficiente para me fazer estremecer, mas eu não me importo. Eu só quero sentar com eles mais alguns momentos antes que eu tenha que voar de volta para Faerie, sozinha. Quando desço do meu corcel de ragwort, vou para o palácio. Agora tenho quartos lá - uma ampla área de estar, um quarto atrás de portas duplas trancadas e uma área de vestir com armários vazios. Tudo o que tenho para pendurar nelas é o que tirei das propriedades de Madoc e algumas coisas que consegui na Target. Aqui é onde eu vou morar, para manter Cardan sob controle, para usar meu poder sobre ele para garantir que as coisas corram bem. A Corte das Sombras crescerá sob o castelo, alimentada tanto pelos espiões do Rei Supremo quanto por seus guardiões. Eles terão seu ouro, direto da mão do rei. O que eu não fiz, não realmente, é falar com Cardan. Deixei-o com apenas alguns comandos, o familiar ódio em seu rosto o suficiente para me deixar covarde. Mas eu vou ter que falar com ele eventualmente. Não há mais lucro em minha desativação. Ainda assim, é com um coração pesado e passos de chumbo que eu faço o meu caminho para os quartos reais. Eu bato, apenas para ser contada por um servo que parecia um homem com flores trançadas em sua barba loira, que o


Grande Rei foi para o grande salão. Eu o encontro lá, descansando no trono de Faerie, olhando para fora do estrado. A sala está vazia, exceto por nós. Meus passos ecoam quando me movo pelo chão. Cardan está vestido com calções, um colete e outro casaco por cima, encaixado nos ombros, afilado na cintura e caindo até o meio da coxa. O tecido é de veludo sem cortes em um vinho profundo, com veludo marfim nas lapelas, ombros e colete. Costura em fio de ouro cobre o todo, combinada com botões dourados e fivelas douradas em suas botas altas. Em sua garganta há um buço de penas de coruja pálida. Seu cabelo preto cai em cachos opulentos em torno de suas bochechas. As sombras destacam a nitidez de seus ossos, o comprimento de seus cílios, a beleza impiedosa de seu rosto. Estou horrorizada com o quanto ele se parece com o Rei das Fadas. Estou horrorizada com o meu próprio impulso de dobrar meu joelho para ele, meu próprio desejo de deixá-lo tocar minha cabeça com a mão de um anel. O que eu fiz? Por muito tempo, não havia ninguém em quem confiasse menos. E agora eu devo lutar com ele, devo combinar minha vontade com a dele. Seu juramento não parece suficiente para um antídoto contra sua esperteza. O que no mundo eu fiz? Eu continuo andando, no entanto. Eu mantenho minha expressão tão fria quanto eu posso. Ele é quem sorri, mas seu sorriso é mais frio do que qualquer rosto duro poderia ser. "Um ano e um dia", ele grita. “Pisque e isso acabará. E o que você fará então? Eu me aproximo dele. "Espero poder persuadi-lo a permanecer rei até que Oak esteja pronto para voltar." "Talvez eu vá adquirir um gosto por governar", ele diz friamente. "Talvez eu


nunca mais queira desistir." "Eu não penso assim", eu digo, embora eu soubesse que essa era uma possibilidade. Eu sempre soube que removê-lo do trono pode ser mais difícil do que colocá-lo lá. Eu tenho uma barganha com ele por um ano e um dia. Eu tenho um ano e um dia para chegar a uma pechincha por mais tempo do que isso. E não por mais um minuto. Seu sorriso se alarga, mostra os dentes. "Eu não acho que serei um bom rei. Eu nunca quis ser um, certamente não um bom. Você me fez seu fantoche. Muito bem, Jude, filha de Madoc, eu serei seu fantoche. Você governa. Você luta com Balekin, com Roiben, com Orlagh do Submarino. Você é meu senescal, faz o trabalho e eu vou beber vinho e fazer meus súditos rirem. Eu posso ser o escudo inútil que você coloca na frente do seu irmão, mas não espere que eu comece a ser útil. ” Eu esperava outra coisa, uma ameaça direta, talvez. De alguma forma, isso é pior. Ele se levanta do trono. "Venha, sente-se." Sua voz está repleta de perigo, exuberante com a ameaça. Os ramos floridos germinaram espinhos tão densamente que as pétalas mal são visíveis. "É isso que você queria, não é?", Pergunta ele. “O que você sacrificou tudo por. Continue. É todo seu."


Tradução por: @TdDiaUmLivro [Sofia F]


Document Outline Title Page Copyright Dedication Map Book One Prologue Chapter 1 Chapter 2 Chapter 3 Chapter 4 Chapter 5 Chapter 6 Chapter 7 Chapter 8 Chapter 9 Chapter 10 Chapter 11 Chapter 12 Chapter 13 Chapter 14 Chapter 15 Chapter 16 Chapter 17 Chapter 18 Chapter 19 Chapter 20 Book Two Chapter 21 Chapter 22 Chapter 23 Chapter 24 Chapter 25 Chapter 26


Chapter 27 Chapter 28 Chapter 29 Chapter 30 Epilogue Acknowledgments

Profile for Leticia Santanna

O príncipe cruel  

O príncipe cruel  

Advertisement