Issuu on Google+

www.sintraturb.com.br

Florianópolis, Fevereiro de 2013 - Número 55

JORNAL DO ÔNIBUS

POVO É REFÉM DO

DESGOVERNO

>> Crise de insegurança é responsabilidade do Estado Florianópolis O povo está refém da falta de políticas públicas e da irresponsabilidade de seguidos governos, ao longo de décadas em Santa Catarina. No momento, vivenciamos toda essa crise de insegurança. Convivemos diariamente com o abandono da área da saúde, o que levou o Ministério Público de Joinville a SOLICITAR A PRISÃO do Secretário de Saúde, Dalmo Claro. Quem depender de

escola pública Estadual (onde tem), se vê diante da verdadeira vergonha de teto caindo na cabeça de alunos(as) e o desrespeito com professores(as), além da falta de políticas públicas para a juventude. Nosso Estado é um dos piores do país em saneamento básico, onde o esgoto da esmagadora maioria dos imóveis não é coletado e tratado adequadamente (se reflete na saúde também). O déficit habitacional (gente sem ter onde morar) é enorme. Bem, a lista de problemas é imensa e só estes aqui listados já servem para mostrar a precariedade de nossa infraestrutura

e condições de vida. Enfim, o povo sabe muito bem como vive em Santa Catarina e quanto é DIFERENTE DA PROPAGANDA oficial. Torram milhões de reais de nossos impostos com a ficção das propagandas da Santa (e Bela) Catarina, dinheiro que falta exatamente onde mais precisamos. Colombo: o grande responsável

Todos os governantes do passado são responsáveis pelo que está acontecendo. Hoje, o governador de plantão é Raimundo Colombo (PSD), político tradicional, apadrinhado de

velhas figuras da política de nosso Estado, herdeiro do que tem de pior na política catarinense. A carinha de bom moço e o sorriso sempre pronto no rosto escondem a verdadeira face da irresponsabilidade e da incompetência. Trocou de partido várias vezes, como fazem os coronéis da política para se livrarem do passado. E assim enganam a maioria da população e se mantém no poder. Eles mesmos criam o conceito de que politico é tudo igual, assim não tem porque mudar os nomes, porque tudo fica na mesma. A grande maioria da população preocupada com

ganhar a vida tem muita dificuldade de acompanhar e compreender todas as tramas políticas destas pessoas e, assim, vota nos mesmos. Essa é a verdadeira causa do caos que estamos vivendo e sofrendo. E vamos mostrar isso nessa edição do JORNAL DO ÔNIBUS, que distribuímos gratuitamente para o povo, tentando superar um pouquinho da falta de informações verdadeiras e todas as mentiras da grande imprensa vendida aos políticos e aos grandes empresários, que sustentam a mídia com anúncios milionários.


JORNAL DO ÔNIBUS Fevereiro de 2013

2

Décadas de desmandos resultam em total descontrole

>> Crime não nasceu da noite para o dia em SC Florianópolis Alguém acha que as organizações criminosas se formam da noite para o dia? E não é só para tráfico de drogas e outros crimes mais comentados. Isso vale também para a corrupção desenfreada dos políticos, para obras superfaturadas, para salários e auxílios milionários para políticos, membros do judiciário e do legislativo. Se o Estado estivesse presente em todas comunidades, com serviços públicos dignos, como é que alguém viraria “patrão” da região? Como alguém comanda crimes e negocia drogas de dentro da prisão sem a participação, ou no mínimo conivência, de alguém do Estado?

A PRIVATIZAÇÃO LEVA AO CAOS É isso mesmo. Sucateiam as escolas e a saúde públicas para termos que pagar planos de saúde e escola privadas. Sucateiam os órgãos de Segurança Pública para facilitar a vida dos grandes empresários da vigilância privada, onde os donos quase sempre são políticos influentes ou altos militares da reserva. Aí temos esse quadro alarmante, onde a Policia Militar/SC tem hoje o mesmo número de soldados que tinha há 30 anos atrás, onde as viaturas tem limite de gasolina para patrulhas, para ficar só em dois exemplos. O maior exemplo é o ALUGUÉL DE CARROS para a policia usar porque NÃO TEM VIATURAS em número suficiente. Mas quem pode pagar plano de saúde? E escola privada? E vigilância eletrônica/particular?

E OS CARAS DE PAU ACUSAM O SINTRATURB? Os(as) trabalhadores(as) do transporte construíram um sindicato forte para poder garantir direitos mínimos. Sem organização e luta, ninguém do povo conquista nada. Em toda essa crise de violência o SINTRATURB/trabalhadores(as) do transporte apenas estão reivindicando condições de segurança para a circulação dos ônibus, MAIS NADA. Desde o primeiro ataque a ônibus estamos acompanhando a FALTA DE AÇÃO CONCRETA do Governo do Estado e de todos os prefeitos da região. Estamos reivindicando condições de trabalho com um mínimo de segurança. Só isso.E quando reivindicamos segurança no transporte É PARA A POPULAÇÃO. Não acredita? A imprensa NÃO MOSTRA isso? Então vamos ver:

1 – A escolta e outras formas de segurança no transporte é só para motoristas e cobradores(as)? Quem está dentro dos ônibus e terminais NÃO SE BENEFICIA também? 2 – Tivemos dois trabalhadores (motoristas) agredidos. Um com três coronhadas de revólver na cabeça (empresa Canasvieiras) e outro com um golpe de facão (empresa Estrela). Tivemos um passageiro com queimaduras graves (no Norte da Ilha). Nos incidentes de Novembro/12 tivemos vários motoristas, cobradores e passageiros machucados e com queimaduras. Portanto, tanto os(as) trabalhadores(as) quanto os(as) usuários(as) do transporte estão com sua segurança e vida em risco. A garantia que o SINTRATURB exige serve a todo mundo. 3 – Nós trabalhadores(as) do transporte moramos

onde? Na Beira Mar? Em Jurerê Internacional? Não. Nós somos o povo, moramos nas comunidades carentes e dependemos de serviços públicos como a saúde, a educação e o transporte públicos, assim como a GRANDE MAIORIA DAS PESSOAS. 4 – To d o s n ó s , trabalhadores(as) e usuários(as) do transporte SOMOS REFÉNS da falta de SEGURANÇA, assim como como somos reféns da falta de atendimento a SAÚDE, da falta de ESCOLAS de qualidade para nós e nossos(as) filhos(as), somos reféns da falta de ÁGUA, somos reféns das constantes falhas da CELESC, somos reféns dos PATRÕES DO TRANSPORTE e seus lucros. Reflita e tire suas conclusões.. É COM OS(AS) TRABALHADORES(AS) do transporte e seu sindicato de luta que você tem que se indignar e brigar?

No dia 14 de Fevereiro os(as) trabalhadores(as) do transporte fizeram uma assembléia geral para discutir essa situação de insegurança. Já fazia 15 dias que estávamos passando por isso e NENHUMA ATITUDE MAIS CONCRETA havia sido tomada pelos governantes.

Então resolvemos dar UM BASTA nessa irresponsabilidade com nossas vidas. Fizemos um protesto de UMA HORA no Centro de Florianópolis e, também, fizemos um alerta de que NÃO TRABALHARÍAMOS MAIS A NOITE. Aí foi um “deus nos acuda”.

O transporte parou no dia 14 de fevereiro?


JORNAL DO ÔNIBUS Fevereiro de 2013

3

Políticos e imprensa se unem contra Sintraturb

PIG significa porco em inglês. No Brasil, internautas criaram o trocadilho para tratar da mídia: Partido da Imprensa Golpista (PIG).

>> Poderosos jogam com a divisão do povo Florianópolis Apareceram todos os tipos de acusação contra o SINTRATURB e toda categoria de trabalhadores(as). Até parecia que NÓS GOVERNAMOS as cidades e o Estado, parecia até que nós estamos tocando fogo em ônibus e cometendo os atos de violência e vandalismo. De novo vem a velha e imbecil frase: “o povo é refém desse sindicato”. Ou pior ainda: ”o povo é refém desses baderneiros”. Claro, para estes poderosos oportunistas e sua imprensa, quem OS ENFRENTA, quem ousa denunciar sua irresponsabilidade, quem ousa reivindicar algum direito, é SEMPRE BADERNEIRO.

E nós passamos a ser oportunistas, não eles que recebem salários milionários e defendem-se entre si quando algum corrupto é descoberto. Em praticamente toda a mídia/ imprensa é a mesma farsa contra um sindicato que cumpre seu papel. É uma campanha tão sólida e infame de um monte de gente chega a acreditar. É triste ver gente do povão, trabalhador(a) honesto(a) e sacrificado(a) como nós, repetindo essas mentiras, nos xingando como se a gente estivesse atacando o povo. Pense nisso! Reflita sobre como e porque chegamos a esta situação de crise, insegurança e falta de quase tudo o que precisamos. Certamente você entenderá que o POVO NÃO TEM MAIS QUE SE DIVIDIR e todo mundo que é trabalhador tem que estar junto.

Veja: NÃO FIZEMOS GREVE, foi um protesto localizado somente no Centro, por apenas uma hora, MUITO MENOS DO QUE AGENTE ESPERA TODOS OS DIAS dentro dos ônibus e terminais. Não paralisamos os ônibus em nenhum bairro e nem no Continente. Portanto, é MENTIRA DIZER QUE O POVO FICOU SEM ÔNIBUS, porque estava quase TUDO FUNCIONANDO. Apenas por uma hora não saíram as linhas do Centro para os bairros. POR QUE PROTESTAMOS?

Os governantes e os empresários nos chamavam para debater a forma de funcionamento do transporte. A gente participava na maior boa vontade, levava propostas e dialogava. Chegava nos terminais e ELES DESCUMPRIAM TUDO. Mais de 70% do

ônibus para o continente saiam sem a escolta prometida. Motoristas e cobradores(as) deixavam os ônibus nas garagens e NÃO TINHAM COMO IR PRA CASA a noite, porque as empresas descumpriam o acordo de leva-los embora. Um companheiro da empresa Estrela levou um golpe de facão antes de colocarem fogo no ônibus em que trabalhava. Mesmo assim a empresa disse que “foi só um susto e não tinha sido nada”.Os empresários e representantes dos governos acordavam com a gente os horários de saída dos ônibus. A gente ajudava a divulgar para a população. Chegava a hora da viagem e NÃO TINHA ÔNIBUS ou NÃO TINHA ESCOLTA. Quem estava sendo xingado? Quem estava sendo cobrado? Os motoristas e cobradores(as). É justo isso??

O PROTESTO QUE GARANTIU A SEGURANÇA Nosso protesto garantiu a segurança necessária. Um dia antes NÃO TINHA COMO colocar mais escolta e o DETER NÃO CONSEGUIA FAZER ESCALAS de horários para os municípios vizinhos. Fizemos o protesto e dissemos que não trabalharíamos mais a noite. No dia seguinte “apareceram” mais 50 viaturas e o DETER conseguiu fazer o plano de funcionamento e horários para o continente. Como é que um dia antes NÃO ERA POSSÍVEL e após nosso protesto e alerta ELES CONSEGUIRAM as viaturas e o plano de horários? Quem estava mentindo? O SINTRATURB ou os políticos e a imprensa?


JORNAL DO ÔNIBUS Fevereiro de 2013

4

A verdade das “linhas sociais”

PIG significa porco em inglês. No Brasil, internautas criaram o trocadilho para tratar da mídia: Partido da Imprensa Golpista (PIG).

>> Desinformação joga população contra Sindicato Florianópolis

Todas as comunidades do Maciço do Morro da Cruz ficaram dois dias SEM ÔNIBUS. Isso porque foi incendiado um veículo da empresa Transol no bairro Caieira do Saco dos Limões. O Prefeito Cesar Souza Junior foi mal informado e acabou dizendo que

os morros estavam sem ônibus porque o SINTRATURB impediu eles de subirem. A imprensa lucrativa saiu REPETINDO A MENTIRA o tempo todo. Quem realmente tirou os ônibus do Maciço? Foi a empresa TRANSOL. Na madrugada do dia seguinte, quando o motorista dessas linhas ia sair da garagem, os fiscais orientavam ele a fazer o trajeto “SÓ ATÉ O PÉ DO MORRO”. Aí era para “so-

Entidades que apoiam o Sintraturb

Diretório Central dos Estudantes da UFSC Sindsaúde Gabinete do Deputado Estadual Amauri Soares APRASC CSP-CONLUTAS SINERGIA BRIGADAS POPULARES SINTUFSC MST-SC CONSULTA POPULAR SINTE REGIONAL FLORIANOPOLIS SEEB FLORIANOPOLIS

licitar para os(as) passageiros(as) descerem, fazer a volta e retornar ao TICEN. Um absurdo. Com razão a população iria se indignar com o motorista. Assim o sindicato interviu e NÃO ACEITOU esse desrespeito com motoristas e usuários(as). Exigimos as linhas completas. Foi aí que a TRANSOL, de forma unilateral, mandou todos os veículos ficarem na garagem. Nossa pergunta era:

por que NÃO TIRARAM AS LINHAS de outros bairros onde veículos também foram incendiados? Por que o preconceito só com as comunidades mais carentes? Justamente com quem mais precisa? A Prefeitura alugou veículos de escolta para a polícia e as linhas foram retomadas. Mas por que somente as linhas dessas comunidades necessitam de escolta durante o dia? Na semana seguinte foi incendiado um ôni-

bus da empresa Estrela, que repetiu a sacanagem com outra comunidade carente, no caso, o povo morador da Vila Aparecida, no Continente, teve que amargar a falta de funcionamento da linha que os atende. Mais uma vez o preconceito com uma comunidade carente. Só que dessa vez não tiveram mais a cara de pau de acusar o SINTRATURB.

Quem é este PSD?

Partido Social Democrático. Aparentemente um “partido novo”, mas, na verdade, uma velha sigla da política brasileira, que sempre representou os interesses dos grandes empresários e latifundiários. Esse “novo” partido tem uma trajetória ligada a Ditadura Militar e seu partido na época, a ARENA, de onde saiu o PDS (mera inversão de letras para representar a mesma coisa). O PDS sofreu uma divisão. Os que ficaram trocaram seu nome para PPR e hoje se chama PP. Seu dono sempre foi Esperidião Amim. Os que saíram, chefiados por Bornhausen e Antonio C. Magalhães (o Toninho Malvadeza, da Bahia) criaram o PFL e depois viraram DEM (Democratas). Como uma grande parte dessas raposas do DEM se cansaram de ser oposição derrotada, criaram o PSD, agora liderados por Kassab (então prefeito de São Paulo), para justificar a aproximação com o PT (Partido dos Trabalhadores) e se “arrumarem” no governo de Dilma Roussef e conseguirem “verbas” para seus governos/interesses


Jornal do Ônibus 55