Page 1


MUSEU DO MOLDE

AUTOR: BIANCA OLIVEIRA E JOÃO PAULO G. MARQUES ATELIER DE PROJETO VII ORIENTADORAS: ANA LUISA ROLIM E ANDRÉA DORNELAS CÂMARA


SUMÁRIO 1. IDENTIDADE.....................................................

2. SÍTIO................................................................. 3. TORÓ DE IDEIAS.............................................. 4. MATRIZ ESPIRALAR.......................................... 5. MATRIZ VOLUMÉTRICA................................... 6. DESENVOLVIMENTO PROJETUAL.................. 7. MUSEU..........................,................................... 8. PROGRAMA.................................................... 7. TIPOS DE CORTE.........,................................... 10. EDF. COMPLEXO.......................................... 11. IMPLANTAÇÃO.........,.................................. 12. LOCAÇÃO E COBERTA............................... 13. PLANTAS....................,.................................. 14. CORTES........................................................ 15. DETALHE ESTRUTURAL.................................. 16. FACHADAS................................................... 17. PERSPECTIVAS.............................................. 18. PRECEPÇÃO VOLUMÉTRICA......................


IDENTIDADE Seguindo a premissa do Museu do Crescimento Ilimitado de Le Corbusier, o Museu do Molde foi projetado de modo a proporcionar ao usuário uma cadência em sua experiência. A disposição de seus elementos aliada a narrativa expositiva funcionam de modo indutivo, reforçando a circulação controlada - porém dinamizada, através de elementos surpresa como cheios e vazios e mudanças de nível. O conteúdo expositivo permanente do museu acontece em três momentos, abordando questões acerca da habitação a nível mundial (seção mundo), nacional (seção brasilidades) e local (quintal). Dessa forma, o usuário pode tomar conhecimento das diferentes formas de habitar e de projetar habitação, bem como das maneiras como estas eram/são reproduzidas em determinados lugares. A construção do partido arquitetônico combina os elementos acima com referências projetuais como o VitraHaus (Herzog e De Meuron) e a definição de edifícios complexos trazida pela série Complex Buildings (A + T Architecture Publishers), na qual o Museu do Molde se configura como um edifício complexo conector. Além disso, bebe do resultado de atividades realizadas durante a disciplina de Atelier de Projeto VII, como o Ideathon e a oficina de maquetes.


SÍTIO O museu está localizado na Av. Mário Melo, na quadra comportada entre as ruas São Geraldo, Rocha Pita Rua da Fundição e está próximo a outros edifícios complexos, como a sede da Rede Globo e TV Jornal, o Parque 13 de Maio e um complexo escolar. O lote esta contido no quadrilátero de Santo Amaro e prevê um grande potencial para receber um equipamento agregador e democrático em sua diversidade de funções, uma vez que existe uma demanda da população para esse tipo de objeto. O Museu do Molde afeta diretamente a relação das pessoas com o espaço e, especialmente, com a rua, dada a intensidade do fluxo pedonal no local.


TORÓ DE IDEIAS


MATRIZ ESPIRALAR Assim como o Museu do Crescimento Ilimitado, o Museu do Molde acontece a partir de uma matriz espiralar, entretanto, no segundo caso a espiral foi reorganizada de modo a adaptar-se às condições do terreno. A orientação da espiral acompanha as linhas de força preexistentes no desenho urbano e contempla os indicadores levantados em uma análise de fluxo de pedestres, compondo o sistema de maneira orgânica. Mesmo sofrendo uma ruptura, preserva a subjacente filosofia de contrastes Le Corbusiana, bem como a sensação continuidade do percurso indutivo, dizendo (sem dizer) ao expectador qual deverá ser a sequência de sua experiência.

A quebra da espiral.

Eixo de circulação vertical + espital


MATRIZ VOLUMÉTRICA Para conceber o plano de massas do projeto foi gerado um grid de 5m x 5m, através do qual foram dispostos pequenos módulos de 5m x 5m. A modulação da malha aliada às linhas de força já mencionadas formaram uma composição lógica de volumes, dispostos também de maneira lógica no terreno.


DESENVOLVIMENTO PROJETUAL

LINHAS DE FORÇA

MALHA DE 5.00 M X 5.00 M


FLUXO DO EQUIPAMENTO

IMPLANTAÇÃO


PROGRAMA Devido a grande extensão do terreno, o Museu do Molde contempla também outros tipos de uso - todos pensados em conformidade com a demanda da população/carência identificado na área. Portanto, além do museu em si, o equipamento comporta um centro cultural com studios de música e dança e salas educacionais, um auditório para até cem pessoas e um laboratório maker de prototipagem; um edifício habitacional, pensado para abrigar artistas em trânsito com suas exposições, o qual possui seis pavimentos tipo, com dois apartamentos tipo cada, além de uma recepção e área comum de lazer; um atelier de suporte para os tais artistas, com salas para possíveis oficinas e área comum; uma torre administrativa, a qual está diretamente conectada ao museu comporta o espaço para transporte de cargas, acervo, salas administrativas, curadoria e um espaço para eventos; há também um espaço para exposições temporárias situado ao térreo, com acesso independente do museu.

CENTRO CULTURAL MUSEU ADMINISTRAÇÃO HABITACIONAL


to

TIPOS DE CORTE Os cortes podem funcionar como estratégia de solução projetual e/ou estrutural. Para os co-autores de Manual of Section “pensar e projetar o corte requer a construção de um discurso sobre ele, reconhecendo-o como um local de intervenção.” (LTL architects). Portanto, para este projeto, foram utilizados os seguintes artifícios: aninhamento, empilhamento e cisalhamento.

aninhamento

aninhamento

cisalhamento vertical

empilhamento

cisalhame vertica


EDF. COMPLEXO O conceito de edifícios complexos surge da necessidade de tentar definir a condição híbrida dos projetos, a qual consiste na concepção de equipamentos de uso misto e de soluções arquitetônicas variadas com intuito de revitalizar o contexto urbano. O museu do Molde abraça o conceito de edifício complexo conector, sugerindo não só uma conectividade entre equipamentos urbanos, mas também a coexistência de espaços de circulação e de permanência.


IDOSO

IDOSO

IDOSO

IDOSO


i=2%

i=2%

i=2%

i=2%


i=2%

i=2%

i=2%

i=2%

N


RUA SÃO GERALDO

RUA R

4 3

2 1 5

1

PLANTA BAIXA TÉRREO

1. CENTRO CULTURAL 2. STÚDIO DE DANÇA

AV. M

3. STÚDIO DE MÚSICA 4. CAFÉ

5. ACESSO MUSEU + LOJA 6. EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA

7. ACESSO AD 8. CARGA E DE


ROCHA PITA

8

6

N

MÁRIO MELO

DMINISTRAÇÃO ESCARGA

10

9

RUA DA FUNDIÇÃO

7

9. RECEPÇÃO COLIVING 10. ÁREA COMUM


14

15

13 16

17 12 11

18 19

1

PLANTA BAIXA 1º PAV.

11. SALA 01 12. SALA 02 13. CIRCULAÇÃO CENTRO CULTURAL

14. ATELIER 01 15. BWC 16. ATELIER 02

17. ATELIER 02 18. ACESSO ATELIER 19. ACESSO EXPOSIÇÃO

20. EXPOSIÇÃO M 21. CIRCULAÇÃO 22. BWC ADM


22

23

24 27

21

25

28

26

20

MUNDO ADM

N

23. SALA ADM 24. CURADORIA 25. SALA ADM

26. ARQUIVOS 27. CARGA E DESCARGA 28. COLIVING


30 29

1

33

31

32

34

35

PLANTA BAIXA 2º PAV.

29. ACESSO LABORATÓRIO DE PROTOTIPAGEM 30. LAB SALA 01 31. LAB SALA 02

32. ÁREA COMUM 33. LAB SALA 03 34. AB. SALA 04

35. LAB SALA 05 36. EXPOSIÇÃO BRASILIDADES 37. EXPOSIÇÃO QUINTAL


S

40 38

39

11

37

36

N

38. ACESSO OBRAS - MUSEU 39. ACERVO 40. COLIVING


42 41

1

43

PLANTA BAIXA 3º PAV.

41. ACESSO AUDITÓRIO 42. FOYER

43. SALA DE PROJEÇÃO 44. EXPOSIÇÃO QUINTAL

45. ESPAÇO DE EVENTOS 46. CARGA E DESCARGA

47. COLIVING


45

46

47

44

N


DET. ESCADA

SALA DE PROJEÇÃO

FOYER

LAB. PROTOTIPAGEM

SALAS DE AULA

CENTRO CULTURAL

CIRC. VERTICAL

SALA 01


AUDITÓRIO

ÁREA COMUM

ATELIER

ATELIER

CONTROLE DE ACESO

ACESSO EXPOSIÇÃO


SEÇÃO QUINTAL

SEÇÃO BRASILIDADES

SEÇÃO MUNDO

ACESSO EXPOSIÇÃO

SEÇÃO QUINTAL


TRANSPORTE DE CARGA

CARGA E DESCARGA

ESPAÇO DE EVENTOS

CARGA E DESCARGA

PAVIMENTO TIPO CARGA E DESCARGA

SALAS ADM

ACESSO ADM

SUBSOLO

CARGA E DESCARGA

RECEPÇÃO COLIVING

ÁREA COMUM


DETALHE ESTRUTURAL RUFO

PLATIBANDA

ARGAMASSA

PROTEÇÃO MECÂNICA

(NÍVEL = +20.00)

COBERTA

MANTA ASFÁLTICA

CONTRAPISO

CONTRAVENTAMENTO

VIDRO FIXO PISO ELEVADO EM PLACA DE MADEIRA REVESTIMENTO DE FACHADA EM PLACA DE AÇO CORTEN

(NÍVEL = +15.00)

ISOLAMENTO TERMOACÚSTICO COM ACABAMENTO METÁLICO

2º PAV.

CONCRETO FÔRMA METÁLICA LAJE STEEL DECK VIGA DE BORDA

CISALHAMENTO DO FORRO PARA SOLUÇÃO ESTÉTICA

FORRO EM GESSO ACARTONADO

VIGA "I" EM AÇO CORTEN PILAR "H" EM AÇO CORTEN

TIRANTES FIXADOS À LAJE

(NÍVEL = +10.00)

1º PAV.

01

Projeto: Museu do Molde

DETALHE ESTRUTURAL ESC 1/25


PERCEPÇÃO VOLUMÉTRICA


Profile for João Paulo G. Marques

Museu do Molde  

O Museu do Molde foi desenvolvido no 7º período acadêmico de arquitetura e urbanismo (UNICAP) para a disciplina de Atelier de projeto VI em...

Museu do Molde  

O Museu do Molde foi desenvolvido no 7º período acadêmico de arquitetura e urbanismo (UNICAP) para a disciplina de Atelier de projeto VI em...

Advertisement