Page 1

Hangar

1 ano construindo o crescimento da região Amazônica.

Fotos: João Ramid / Leonardo Mendonça

É com muito orgulho que o Consórcio do Hangar irmana-se ao Povo Paraense na comemoração do primeiro ano de atividades do HANGAR - Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, hoje considerado como referencia nacional.

CONSÓRCIO DO

HANGAR

Paulitec

capa_hangar3.indd 1

8/10/2008 D044 17:52:02


índice Latitude

Latitude Hangar

ano 1 n 3 maio de 2008

01º23’05”S

ano 1 • número 3 maio de 2008

Detalhe do interior da igreja de São João foto/photo: Diana Figueroa

entrevista

14

interview

A jornalista Tereza Cruvinel fala dos desafios da implantação da TV pública no Brasil Journalist Tereza Cruvinel speaks about the challenges for introducing the public television in Brazil

roteiro

54

itinerary

Igrejas do Pará, um roteiro de fé e História The churches of Pará, an itinerary of faith and history

editorial cenário opinião competitividade artigo

05 06 12 18 22

editorial scenario opinion competitiveness article

ensaio

32

essay

O Ver-o-Peso revelado nas imagens de Bob Menezes e Diana Figueroa Ver-o-Peso is revealed in the pictures taken by Bob Menezes and Diana Figueroa

turismo

76

tourism

Aproveite o verão paraense para conhecer as belezas do Estado Enjoy the summer in Pará and get to know the State’s natural beauty

negócios moda ponto de vista crônica institucional

24 84 86 88 96

business fashion point of view cronicle institutional

cultura

44

culture

Junho é mês de São João, quadrilhas, pássaros, cortejos, bois-bumbás... June is the month of: Saint John’s Festivities, ‘quadrilhas’, ‘pássaros’, processions, ‘bois-bumbás’...

culinária

90

culinary

Sabores próprios da nossa gastronomia conquistam o mundo Unique flavors of our gastronomy have conquered the world

por dentro localize-se porta-retrato artigo eventos

100 102 103 118 120

inside map snapshot article events

04

revista3_hangar01.indd 4

18/5/2008 D044 04:04:22


expediente

/ staff

Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia Av. Dr. Freitas, S/N. Belém • Pará • Brasil. CEP: 66613-902 Telefones: (91) 3344-0100, 3344-0101 e 3344-0102 imprensa@hangarcentrodeconvencoes.com.br www.hangarcentrodeconvencoes.com.br

Diretora-presidente President Joana Pessoa Diretora administrativo-financeiro Finance-administration Director Vera Tavares Diretor operacional Operations manager Cornélio Rath Assessora de comunicação Communications Advisor Esperança Bessa Conselho administrativo do Hangar Management Board Roberto Ferreira (presidente); Edilson Moura (Secretaria de Estado de Cultura - Secult); Ann Pontes (Empresa Paraense de Turismo - Paratur); Hildegardo Nunes (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae); Orlando Rodrigues (Belém Convention & Visitors Bureau); Anazilda Sequeira, Jarbas Vasconcelos, Altair Vieira, Thaís Montenegro e Ruy Martini (conselheiros)

carta ao leitor

O Pará está em festa. O Hangar completa um ano contabilizando mais de 1 milhão e 140 mil pessoas em 250 eventos, e esse é o melhor reconhecimento de que o centro de convenções está oferecendo um serviço eficiente à população. Mas temos muito mais a comemorar. Em pouco tempo o Hangar mostrou que tem como diferencial alta tecnologia, infra-estrutura e equipe preparados para a realização de eventos de grande porte. Já tivemos em uma única feira, por exemplo, 350 mil pessoas circulantes, com toda a segurança e garantia de qualidade, assim como temos a capacidade de realizar diversos eventos simultâneos e independentes. Durante um ano sediamos grandes congressos, shows, feiras, palestra, já recebemos dois presidentes da República – Luís Inácio Lula da Silva, do Brasil, e Hugo Chávez, da Venezuela – e agora nos preparamos para ser uma das sedes do Fórum Social Mundial. Isso nos mostra que o turismo de negócios no Pará já é uma realidade graças ao Hangar, que aquece a economia, mexe com toda a cadeia produtiva de eventos, gera emprego e renda, e coloca nosso Estado como destino obrigatório para quem quer fazer um evento de sucesso tendo como diferencial um dos cenários mais bonitos do mundo – a Amazônia.

Agência responsável/Agency Double M

Joana Pessoa Presidente do Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia

Edição/Editing Publicarte Editora Editor-chefe/Chief Editor Fabrício de Paula Editoras assistentes/Assistant Editors Aline Monteiro e Esperança Bessa Produção editorial/Production Juliana Oliveira e Guilherme Guerreiro Neto

/ letter to the reader

The State of Pará is celebrating the first anniversary of the Hangar, which accounts for more than 1,140 million people in 250 events. This is the best recognition that a conventions center is providing the popula-

Edição de arte/Art Editors André Loreto e Fabrício de Paula

tion with efficient services. And we have much more to celebrate.

Design Leandro Bender

as high technology, infrastructure and team for any kind of large-size

In a short time, the Hangar has shown it has such benchmarks

Fotos/Photography Bob Menezes e Diana Figueroa

event. For instance, we already had in a single fair some 350 thousand

Reportagem/Report by Aline Monteiro, Anna Carla Ribeiro, Alexandra Cavalcanti, Esperança Bessa, Guilherme Guerreiro Neto, Juliana Oliveira, Leandro Moreira.

hold simultaneous and independent events.

Colaboradores/Collaborators Bob Menezes, Maurílio Monteiro e Zildinha Sequeira Revisão/Revision José Rangel/Fabrício de Paula/Aline Monteiro Versão em Inglês/English Version Márcio Valle, Amândio Bastos Jr. e Nadiara Vidal Comercial/Commercial Department Juan Diego Correa Rua João Balbi, 167 – 3º andar comercial@editorapublicarte.com.br F: (91) 4005.6868

visitors, under high security and quality standards. We are also able to Over one year, we hosted major conferences, shows, fairs, lectures; we have already received two Presidents – Luís Inácio Lula da Silva, of Brazil, and Hugo Chavez, of Venezuela – and now we are getting prepared to be one of the hosts for the World Social Forum. This demonstrated that the business tourism in Pará is a reality, thanks to the Hangar, because it heats up the local economy and the events production chain, it generates employment and income, and places our State as a key destination for those willing to hold a successful event with a difference: one of the most beautiful sceneries in the world – the Amazon.

Impressão/Printing Gráfica Delta Tiragem: 5.000 exemplares (5,000 copies)

Joana Pessoa President of Hangar Conventions and Fair Center of the Amazon

05

revista3_hangar01.indd 5

18/5/2008 D044 04:05:02


cenário / scenario

Entre vinhos O clima parisiense foi preparado desde a fachada até os móveis clássicos que decoram a vinheria, charutaria e cafeteria S’il Vous Plait. Com uma adega de mais de 400 rótulos do mundo todo - como Catena (Argentina), Errázuriz (Chile), Yalumba (Austrália) e Leroy (Borgonha) -, os vinhos são os protagonistas do local, mas também há espaço para a coadjuvante mesa de frios procurada entre uma e outra bebericada. À boca são levados os charutos cubanos, dominicanos, jamaicanos e de outras nacionalidades disponíveis para venda. Um saboroso café feito na máquina italiana La Marzzoco é servido com acompanhamento de doces e confeitos de diversos tipos. A vinheria S’il Vous Plait está localizada na Rua Boaventura da Silva, 414, entre Quintino Bocaiúva e Doca de Souza Franco e funciona de terça a sexta a partir das 10h, e nos sábados e domingos desde as 8h. Telefone: (91) 32305530.

Among wines The Parisian atmosphere was set from the façade up to the classical furniture that decorates the wine bar, cigar store and café S’il Vous Plait. The wine cellar has more than 400 wine labels from all over the world, such as Catena (Argentina), Errázuriz (Chile), Yalumba (Australia) and Leroy (Borgon). The wines play the main role, but they open the room for the supporting tray of cheese and cold cuts, always required from sip to sip. A fine selection of Cuban, Dominican and Jamaican cigars, amongst others, is available. Also, delicious Italian-style coffee (‘espresso’), made in a La Marzzoco Italian coffee machine, is served with assorted hors d’oeuvres. S’il Vous Plait is located in 414, Boaventura da Silva St., between Quintino Bocaiúva St. and Doca de Souza Franco Ave. It opens at 10a.m. from Tuesday to Friday and at 8a.m. on Saturdays and Sundays. For further information call: (91) 3230-5530

Bendita bolsa Estampas originais, estilos despojados ou românticos, nos tamanhos médio e maxi. Elas atendem por nomes como Valentine, Bia, Zilú, Brigitte... São as bolsas da grife Bendita, de Silvana Saldanha e Rose Mary Carvalho. Segundo elas, os nomes “fofos” dados às bolsas são formas de brincadeira e ajudam a identificar cada peça. Há apenas um ano no mercado, Bendita já conquistou os paraenses pela originalidade. As bolsas são confeccionadas com tecidos de algodão e adornadas com fitas, botões e outros aviamentos especiais. A produção ainda é artesanal e em pouca quantidade – são produzidas cerca de 50 bolsas por mês. Mas Silvana, formada em artes visuais, e Rose Mary, administradora de empresas, também criam nécessaires, mochilas, carteiras e estojos de lápis. Em julho, Bendita lançará nova coleção. Os produtos da grife podem ser encontrados na loja Des Amies, que reúne outras três marcas independentes. Fica na Av. Governador José Malcher, 259, entre Benjamin Constant e Doutor Moraes. Telefone: (91) 3222-3898.

Bendita bags! Original patterns, romantic and free style, medium and extra large sizes. They carry names like Valentine, Bia, Zilú, Brigitte...

They are the Bendita bags by

Silvana Saldanha & Rose Mary Carvalho. According to them the “sweet” names given to the bags are just for fun and help identify each item. In the market for just one year, Bendita has already conquered the people of Pará by its originality. The bags are made in cotton and decorated with ribbons, buttons and other special ornaments. The production is still artisanal in small quantities – they make about 50 bags a month. But Silvana, who is graduated in visual arts, and Rose Mary, a business administrator, also create ‘nécessaire’, backpacks, wallets and pencil cases. In July, Bendita will launch its new collection. The Bendita products are found in the store Des Amies, which collects other three independent brands, located at 259, Governador José Malcher Avenue, between Benjamim Constant and Doutor Moraes. Phone: (91) 3222.3898.

06

revista3_hangar01.indd 6

18/5/2008 D044 04:05:06


Fotos: Aurimar Araújo

Aventura no Parque

Em plena Região Metropolitana de Belém, o Complexo Ecológico Parque dos Igarapés mantém intactos 16 hectares de floresta nativa da Amazônia com direito a nascentes d’água, igarapés e parte do rio Ariri, além da presença de habitantes ilustres como macacos, preguiças, quatipurus e outros animais nativos. Este ambiente entra em clima de aventura nos fins de semana e feriados. Com preços que variam de R$ 5 a R$ 35, os visitantes podem participar de cinco tipos de gincanas: arvorismo; rapel, a partir de plataformas nas copas das árvores a 12 e 20 metros; sobrevivência na selva, onde os participantes aprendem a fazer fogo de forma natural, montar o abrigo, criar armadilhas e subir em árvores; orientação, para que as pessoas consigam usar mapas e a bússola em busca de pistas espalhadas pela floresta; e trilhas ecológicas. O Parque dos Igarapés fica na Rua WE 12, 1000, Conjunto Satélite, bairro do Coqueiro, acesso pela Rodovia Mário Covas. Telefones: (91) 3248-1718/3248-7007.

Ecological Adventure at the Park In the Metropolitan Region of Belém, the Parque dos Igarapés Ecological Complex keeps untouched 36 acres of native Amazon forest including springs, creeks and a section of the Ariri river, in addition to original, glamorous inhabitants such as monkeys, sloths, Brazilian squirrel and other native animals. This environment becomes an adventure spot on weekends and holidays. With ticket prices ranging from R$5 to R$35, visitors enjoy four kinds of circuit games: arborism, crossing from one tree to the other using a hanging bridge and a tyrolean drop; rappel from platforms built on top of the trees with falls from 12 to 20 meters; forest survival, the participants learn how to make fire out of natural sources, build a shelter, make traps and climb trees; orientation, so that people can use maps and a compass in order to find clues hidden through the forest; and ecological tracks. The Parque dos Igarapés park is located at 1000, WE 12, Conjunto Satelite, Coqueiro, access through the Mario Covas Highway. Phones: (91) 3248.1718 / 3248.7007.

07

revista3_hangar01.indd 7

18/5/2008 D044 04:05:26


cenário / scenario

Domingo na praça Quem passar por Belém não pode deixar de conhecer uma das mais tradicionais manifestações culturais da cidade: a feira de domingo da Praça da República. Comidas típicas, danças folclóricas, venda de artesanatos, curiosidades e bugigangas das mais pitorescas podem ser encontradas na feira que reúne centenas de pessoas. Lá, artistas de rua, turistas e população desfrutam à sombra das mangueiras de um clima familiar e, ao mesmo tempo frenético, pelas muitas opções de entretenimento, como rodas de carimbó e apresentação de artistas mambembes de outras nacionalidades, que têm na praça uma garantia de público. Além disso, é uma boa oportunidade para conhecer o Theatro da Paz e o Teatro Waldemar Henrique, lembranças do apogeu da Era da Borracha na Amazônia, localizados na praça. A Praça da República fica entre a Av. Presidente Vargas e Rua Assis de Vasconcelos, no bairro da Campina.

Sunday at the Square Those who visit Belém cannot miss one of the most traditional cultural manifestations of the city: the Sunday street fair at Republic Square. Typical foods, folk dances, handicrafts, curiosities and the moist picturesque gadgets can be found in the fair, which attracts hundreds of people. There, street artists, tourists and the local population enjoy, underneath the shadow of the mango trees, a family, and at the same time frenetic, environment prompted by the many options of entertainment, such as “carimbo” dances, and performances of street artists from other countries that have a good audience at the square. Besides, it is a good opportunity to get to know the architecture of such constructions as the Da Paz and Waldemar Henrique theaters, traces of the apogee of the rubber cycle in the Amazon, located in the square and around it. The Republic Square is located on Presidente Vargas Avenue and Assis de Vasconcelos Street in Campina.

Salve Jorge Ponto conhecido da boêmia belenense, a Taberna São Jorge é referência tanto por sua proprietária, a fotógrafa Walda Marques, como pela decoração do lugar. Objetos antigos, como um baleiro, geladeira e um rádio, dão uma atmosfera aconchegante à taberna, que ainda conta as referências a São Jorge, que é quem dita o espírito do ambiente, como santo protetor típico do sincretismo brasileiro. As paredes são decoradas com quadros e fotografias – muitas feitas pela própria Walda. Recentemente a taberna também passou a contar com um brechó. O cardápio é outra atração: o arroz-de-pato, arroz-de-carreteiro, e até um delicioso sanduíche de mortadela estão entre as opções. Há saladas, sanduíches, tira-gostos, sobremesas e as famosas marmitinhas. As receitas são assinadas pela fotógrafa. Músicas suaves compõem a trilha sonora. A Taberna de São Jorge fica na Trav. Joaquim Távora, 438, esquina com a Rua Rodrigues dos Santos e é aberta de terça a sábado, das 17h30 à 1h30. Telefone: (91) 30839707.

São Jorge Tavern A well-known place by the bohemians of Belém, the tavern is a reference not only by its owner, the photographer Walda Marques, but also by the decoration of the place. Antiques such as a candy pot, a refrigerator and a radio give the tavern a cozy atmosphere, and there is also the references to Saint George, the typical protector saint in the Brazilian syncretism. The walls are decorated with paintings and photographs – many taken by Walda – and there are antiques all over the place; the tavern has recently opened a thrift store. The menu is another attraction. The rice with duck; “arroz-de-carreteiro” and even a delicious mortadella sandwich are some of the options. The recipes are signed by the photographer. The sound track is made up of soft music. There are salads, sandwiches, appetizers, desserts and the famous food pots, which are hot dishes served in an aluminum pan covered and tied with a kitchen cloth. The São Jorge Tavern is located at 438, Joaquim Távora, on the corner of Rodrigo dos Santos Street and is open from Tuesday to Saturday from 5:30 pm to 1:30 am. Phone: 3083.9707.

08

revista3_hangar01.indd 8

18/5/2008 D044 04:05:37


Lendas Amazônicas

O rico acervo de lendas e histórias orais da Amazônia, que inclui cobras-grandes, sereias e outras figuras encantadas, ganhou o mundo graças a uma versão literária feita há 35 anos no livro “Visagens e Assombrações de Belém”, do escritor paraense Walcyr Monteiro, que este ano será homenageado pela União dos Escritores e Artistas da Amazônia (Ueama) com uma exposição itinerante. A idéia é que a exposição seja um passeio pela obra do escritor e as diversas expressões artísticas originadas a partir dela, como livros, filmes, espetáculos teatrais, de dança, pesquisas, entre outros. Durante todos esses anos, o escritor acumulou homenagens, prêmios e é reconhecido como uma das maiores autoridades em lendas e mitos da Amazônia, com seus contos publicados em Portugal, na Alemanha e no Japão. A exposição “Walcyr Monteiro - 35 anos de Visagens e Assombrações” está na galeria Graça Landeira, da Unama, de 13 a 30 de junho, das 9h às 12h e das 15h às 22h (aos sábados apenas pela manhã).

Amazon Legends The rich asset of legends and oral stories of the Amazon, including big snakes, mermaids and other enchanted characters, reached the world some 35 years ago thanks to the the book ‘Visagens e Assombrações de Belém’ by Pará writer Walcyr Monteiro, who will be honored this year by the União dos Escritores e Artistas da Amazônia (Ueama) (Union of Writers and Artists of the Amazon) in traveling exhibitions. The idea is that the exhibition goes through the work of the writer and the diversified artistic expressions generated from them such as books, movies, plays, dances, information about the work of Walcyr in schools and universities, among others. Over these years, the writer has received tributes, prizes and is recognized as one of the greatest authorities in legends and myths in the Amazon, with his short stories published in Portugal, Germany and Japan. The exhibition ‘Walcyr Monteiro 35 years of Visagens e Assombrações’ is being held at the Graça Landeira gallery, at Unama, on June 13th to 30th, from 9am to 12pm and from 3pm to 10pm (Saturdays only in the morning).

09

revista3_hangar01.indd 9

18/5/2008 D044 04:06:03


cenário / scenario

Exposição No ano em que se comemora o segundo centenário da chegada da família real portuguesa ao Brasil, o olhar do artista carioca radicado em Belém, Edmundo D´Oliveira, sobre a obra do alemão Johann Moritz Rugendas - que documentou em pinturas o cotidiano brasileiro do século XIX - pode ser conferido na exposição Rugendas em Belém, organizada pelo Espaço Cultural Bazar BR. Homens e mulheres das etnias crioulos, benguelas, congos, angolas, monjolos, mozambiques, cabindas, quiloas, rebollas e minas, que aparecem nos quadros de Rugendas, podem ser vistos nas 21 reproduções feitas em aquarela por Edmundo até o dia 30 de junho. O Espaço Cultural Bazar BR fica na Trav. Benjamin Constant, 1122, e funciona de segunda a sexta, de 9h às 19h, e, aos sábados, de 9h às 13h. Telefone: (91) 3230-2444.

Exhibits In the year of the 200th anniversary of the arrival of the Portuguese Royal Family in Brazil, the view of Rio de Janeiro-born artist settled in Belém, Edmundo D’Oliveira, about the accounts of the Brazilian routine of the 19th century made by the German artist Johann Moritz Rugendas can be seen in the Rugendas’ exhibition in Belém, organized by Espaço Cultural Bazar BR. The German artist’s work is registered in a series of 21 paintings reproducing individuals of African origin brought to Brazil in slavery times. Creole men and women, Benguelas, Congos, Angolas, Monjolos, Mozambiques, Cabindas, Quiloas, Rebollas and Minas of Rugendas’ original authorship can be seen in colorized reproductions until June 30th. The Espaço Cultural Bazar BR is located at 1122, Benjamin Constant St., from Monday to Friday, from 9am to 7pm, and on Saturdays, from 9am to 1 pm. Contact Phone: 3230-2444

Cachaça

Mais brasileira de todas as bebidas, a cachaça pode ser degustada, em Belém, em suas mais diferentes variações na especializada Cachaçaria Água Doce. São mais de 200 tipos de cachaça, com destaque para a Fabulosa, a Germana e a saborosa cachaça Havana. Há, ainda, drinques como o Beijo na Boca, feito com vodca, mel e sorvete de morango. Para acompanhar tudo isso, são oferecidos deliciosos petiscos, como a costelinha com cebola e pão de alho e o prato light de filé grelhado com legumes. A Cachaçaria Água Doce está em dois endereços, na Av. Alm. Wandenkolk, 283, e na Avenida Alcindo Cacela, com música ao vivo todas as noites. Telefone: (91) 3222-3383.

Cachaçaria The most Brazilian drink of all, the ‘cachaça’, can be appreciated in Belém in its unique variations at the specialized Cachaçaria Água Doce. There are more than 200 types of cachaça, highlighting the “Fabulosa”, “Germana” and the tasty “Havana” cachaça. There are still drinks like “beijo na boca” (French kiss), made with vodka, honey and strawberry ice cream. To be served with all that, there is also the menu of appetizers, such as the ribs with onions and garlic bread and the light dish of grilled fillet with vegetables. The Cachaçaria Água Doce is located in two addresses: 283, Alm. Wandenkolk Avenue and on Alcindo Cacela Avenue, with live music everyday. Phone: 3222-3383.

10

revista3_hangar01.indd 10

18/5/2008 D044 04:06:08


revista3_hangar01.indd 11

18/5/2008 D044 04:06:29


opinião / opinion

“Seu conceito, beleza e funcionalidade inserem Belém dentro de um roteiro até então inexpressivo em nossa cidade, o turismo de eventos, o qual é um dos, senão o mais significativo, dentro da cadeia da indústria do turismo. Em seu pouco tempo de vida, o Hangar já mostrou o retorno que é possível se trazer com a captação de congressos e eventos nos níveis regional, brasileiro e até internacional.” “Its concept, beauty and functionality place Belém into a category that was until then inexpressive for the city: the tourism of events, which is one of the P RVW VL J QL cant categories within the tourism industry. In a relatively short time after it was opened, the Hangar has already demonstrated the return that can be achieved by attracting conferences and events at regional, national and even international level.” Klaus Ziller, gerente geral do Hotel Hilton Belém Klaus Ziller, General Manager of the Hilton Hotel Belém

“O Hangar é um marco e inicia um novo momento no Estado porque hoje temos a ferramenta necessária para captação de grandes eventos e isso divulga o Pará, a cidade, movimenta restaurantes e a rede de hotelaria. É a sala de estar de Belém para o turista em geral. Um evento marcante do qual participei foi o Frutal, porque aproveitou bem o espaço e deu uma roupagem merecida para os produtos e produtores da região.” “The Hangar is a landmark as it sets the beginning of a new moment for this State. Today, we have the tool required for attracting great events and this promotes Pará and Belém, and stimulates the local restaurant and hotel chains. It is the ‘living room’ of Belém for the tourists. One remarkable event I took part in was the Frutal – the area was well-organized and the region’s products and producers got a deserved new look.” Fábio Sicília, chef e presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Pará (ABRASEL-PA) Fábio Sicília, chef and president of the Brazilian Bars and Restaurants Association in Pará (ABRASEL-PA)

“O advento do Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia veio representar para o setor de turismo do Pará, e não só para o turismo de negócios e eventos, expectativas de desenvolvimento jamais sentidas. Por seu projeto arrojado e tecnicamente perfeito, impressiona a todos que o visitam. Ele será responsável, sem sombra de dúvidas, nos próximos cinco anos, por resultados econômicos altamente expressivos.” “The opening of the Hangar Conventions and Fairs Center of the Amazon spells development expectations never felt before for the tourism sector in Pará, not only for the business and events tourism. Because of its bold and technically perfect design, the Hangar gets everyone visiting it very LP SUHVVHG 8 QGRXEW HGO \ LQ W KH QH[W ve years, it shall account for highly outstanding economic results.” Ruy Martini, presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens do Pará (ABAV-PA)

“O Hangar é um equipamento turístico que vai potencializar o perfil natural do Pólo Belém, mais especificamente da capital do Estado, para o segmento de eventos e negócios. Por intermédio do fortalecimento desse segmento, nós conseguiremos fortalecer os demais segmentos e também as outras regiões turísticas do Pará, daí sua importância.” “The Hangar is a tourist device intended to leverage this QDW XUDOSUR le of Belém for the events and business segment. By strengthening this segment, we shall be able to strengthen the other segments and also the other tourist regions of Pará. That is why the Hangar is so.” Ann Pontes, presidente da Paratur Ann Pontes, President of Paratur

Ruy Martini, President of the Brazilian Travel Agencies Association in Pará (ABAV-PA)

“Estamos realmente bem servidos. O equipamento é, sem dúvida, fantástico e tem sido a mola-mestra na geração de eventos e demandas para o nosso trade. A gestão séria da administração tem conquistado a credibilidade para a atração de eventos importantes.” “We are really well-assisted. The place is without a doubt fantastic and has been the mainspring for generating events and demands for our market. The serious management of the administration team has earned the credibility for attracting major events.” Márcio Bellesi, diretor da Liberty Incorporadora e idealizador do Complexo Hoteleiro Hangar Marcio Bellesi, Director of Liberty Incorporadora and project designer of the Hangar Hotel Complex

revista3_hangar01.indd 12

18/5/2008 D044 04:06:31


“Após um ano contribuindo para o fomento ao turismo no Pará, o Hangar, aspiração antiga do trade turístico, já é a referência em eventos na Amazônia. O espaço faz de nosso Estado um oásis de oportunidades, gerando emprego e renda através do turismo de negócios, segmento em que o Sebrae aposta e que, inclusive, é um de nossos projetos.” “After one year helping foster tourism in Pará, the Hangar, which is an old aspiration of the local tourism industry, has already become a reference for events in the Amazon. This place makes of our State an oasis of opportunities, generating employment and income through the business tourism, which is a segment that the Sebrae (the Brazilian Micro and Small Business Support Service) believes in and which is actually one of our projects.”

“Vocês, como público, estão de parabéns assim como eu, artista, estou de parabéns de termos no Brasil uma casa dessa categoria. É realmente uma casa maravilhosa! “Congratulations to you, as the audience, and to me, as the artist, for having a center for events of this level in Brazil. It is really a marvelous place! Roberto Carlos, cantor Roberto Carlos, singer

Hildegardo Nunes, diretor-superintendente do Sebrae no Pará Hildegardo Nunes, Chief Officer of Sebrae in Pará

“Com o advento do Hangar, observamos que o público em nosso aeroporto mudou. E também aumentou. O aeroporto de Val-de-Cans registrou um crescimento de passageiros, em 2007, de 19,85% em relação a 2006, ultrapassando a barreira dos 2,1 milhões de passageiros, bem acima da média nacional, que foi de 8,22%. Também se observa um aumento da freqüência do turista de negócios, e o Hangar é o ponto de referência para quem vem com esse propósito.” “With the advent of the Hangar, we notably observe that the public in our airport changed and increased, too. The Val-de-Cans International Airport has recorded an increase in the number of passengers in 2007 by 19.85% in comparison to 2006, surpassing the 2.1 million-passenger barrier, well above the national average of increase of 8.22%.The increase in business tourists is also well noticed, and the hangar is the reference for this kind of tourist.”

“Sem dúvida nenhuma, entendemos que o Hangar será o grande alavancador do desenvolvimento do turismo em nossa cidade e, como conseqüência, em todo o Estado, impulsionando a economia como importante instrumento na geração de empregos e renda. Como resultado, já é visível a animação do mercado, especificamente do hoteleiro, com o anúncio de novas unidades ofertadas. Belém poderá ser a capital dos eventos da Amazônia e o Hangar é a peça fundamental neste processo.” “We have no doubts that will be the greatest leveraging tool for developing the tourism industry in our city and, as a result, in the whole of the State as well as leveraging the economy as an important element in generating employment and income. As a consequence, it is plain to see the heated P DUNHWVSHFL cally the hotel sector, as new vacancies are opened. Belém may be the capital of events in the Amazon and the Hangar is the key element in this process.” Carlos Freire, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Pará (ABIH-PA) Carlos Freire, President of the Brazilian Hotel Industry Association of Pará (ABIH-PA)

Abibe Ferreira Júnior, superintendente do Aeroporto Internacional de Belém Abibe Ferreira Júnior, CEO of the International Airport of Belém

“O Hangar veio atender a uma necessidade há muito latente: um espaço de eventos profissional, projetado e estudado especificamente para este fim. O cenário de eventos mudou em Belém. E agora disputamos a captação de eventos no mesmo patamar de várias capitais do Brasil. Os eventos de grande porte refletiram em alguns períodos de alta ocupação hoteleira, e nós, Crowne Plaza Belém, vivenciamos esse impacto positivo.” ¦7KH + DQJDUKDV FRP H W R P HHWD O RQJ DZ DLW HG GHP DQG D SURIHVVL RQDODUHD IRUHYHQW VW KDWZ DV SURM HFW HG DQG VW XGLHG VSHFL cally for this end. The events scenario has changed in Belém. Now, we compete for attracting events in the same level as in several Brazilian capitals. 7KH O DUJH VL ]H HYHQW V Z HUH UH ected in some periods of high occupancy in the local hotel chain and we, the Crowne Plaza Belém, experienced such positive impact.” Ariane Mathne, Gerente de Vendas Crowne Plaza Belém Ariane Mathne Sales Manager Crowne Plaza Belém

13

revista3_hangar01.indd 13

18/5/2008 D044 04:06:37


entrevista / interview

À frente de novos FACING NEW CHALLENGES

Desafios

texto / text: Esperança Bessa foto / photo: Jaime Souzza

Tereza Cruvinel mostra que não tem medo de nada. Abriu mão de uma carreira consolidada e confortável como uma das mais importantes analistas políticas do país para assumir a função de presidente da polêmica rede pública de televisão, que muita gente prefere tachar de TV estatal para propaganda do governo Lula. E ela não se cansa de explicar o contrário.

Tereza Cruvinel gave up a consolidated and comfortable career as one of the most important analysts political in the country to take over a position as the president of the polemic public television network, which many prefer to brand as ‘State TV for publicity of President Lula’s Government term’. She does not get tired of explaining otherwise.

14

revista3_hangar01.indd 14

18/5/2008 D044 04:06:45


N Brasil, fizemos uma base de jornalismo com profunda atraNo ção pelo escândalo, pela tragédia, pelas coisas que nos rebaixam ma. como país e como cultura e não pelo que eleva a nossa estima. We have created a basis for our journalism with a profound attraction to scandals, tragedy, to the thinks that put us down as a country as well as our culture, and not for the things that promote our esteem.

epois de 20 anos na redação de O Globo, ela agora experimenta o outro lado da pauta - é notícia, virou fonte, experimenta ser alvo de crítica, mas diz que encara qualquer coisa para dar uma contribuição de fato para o Brasil. Tereza esteve no Hangar em abril, participando do 24º Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, numa mesa de debates onde se discutiu o papel da imprensa na divulgação de questões relacionadas à saúde. A seguir, trechos da entrevista coletiva com a jornalista.

D

pelo que eleva a nossa estima. Há também uma certa ansiedade por um protagonismo político. Houve isso no impeachment de Collor em 1992, então há um desejo de dizer que a imprensa foi determinante neste processo, de repetir esse protagonismo. Acho que precisamos refletir. Mas as pessoas acham que o jornalismo da TV pública será para fazer propaganda dos feitos do presidente Lula... Quero que se discuta o jornalismo que estamos fazendo. Que se examine, que se diga se estamos sendo condescendentes ou deixando de noticiar fatos desinteressantes ao governo, se estamos omitindo informação. Está dando só um lado da notícia? Isso todo mundo que vê telejornal dirá que não, que o jornal é isento, equilibrado, pluralista, a oposição está lá, dois pontos de vista estão sendo observados... É o que me importa, não futricas. Agora é saudável que a suspeita exista. Tem um conselho curador que está sempre se manifestando e verificando o que está ocorrendo na televisão. Nunca tivemos televisão pública, mas acho que vamos acabar nos afirmando.

TV foi proposta, passou por toda a tramitação no Congresso Nacional, que durou 120 dias e vai se continuar falando disso. É uma desconfiança, mas vamos conviver com ela e só a prática nos permitirá provar que o Brasil é capaz de ter uma TV pública complementando a TV privada para um sistema mais democrático e plural, como têm os Estados Unidos, a Inglaterra, a França, Itália, Alemanha e tantos outros países.

Muita gente confunde TV pública com TV estatal, certo? O debate de “chapa branca” surgiu desde quando a

Em diversas entrevistas você diz que se emocionou com as Diretas Já e que chorou durante a cobertura. Você acha que hoje falta envolvimento dos jornalistas com os fatos políticos do Brasil? Falta ideal de querer mudar as coisas efetivamente? Dificilmente alguém da minha geração dirá que a cobertura mais emocionante que fez foi outra que não as Diretas Já, que foi o movimento social mais importante da história do Brasil recente. Nós, jornalistas que vivemos a ditadura, tínhamos ainda um sentido muito missionário da profissão, que acabou. A profissão se valorizou: ganhamos muito melhor, temos mais condições tecnológicas, mas uma parte do que era jornalismo de utopia, no sentido de mudar o mundo, acabou. Reduziuse muito a perspectiva de um jornalismo comprometido

fter 20 years working at the editorial department of the O

attraction to scandals, tragedy, to the thinks that put us down

and verifying what is going on with the. We have never had

Globo newspaper, she is now trying the other side of the

as a country as well as our culture, and not for the things that

public television, but I believe we’ll end up setting our roots.

storyline – she is the news, she became the source, the target

promote our esteem. There is also a certain anxiety for some

of criticism. But she says she faces anything to give Brazil

political highlights. This existed when former Brazilian Presi-

an actual contribution. Tereza was at the Hangar in April for

dent Fernado Collor was impeached in 1992; then, there is an

the 24th National Conference of Municipal Health Secretariats.

intention to say the press played a decisive role in this process.

She took part of a round table to discuss the role of the press in

I do think we need to reflect.

A TV Brasil vai trabalhar de que forma? Teremos o compromisso de tornar as políticas públicas mais conhecidas, discutidas e compartilhadas pela sociedade. A TV Brasil é uma idéia apropriada como conquista da sociedade. Esperamos fazer isso com o jornalismo, não só com os telejornais, mas com uma série de programas jornalísticos que expressem as problemáticas nacionais criando uma faixa de reflexão. Você acha que o jornalismo hoje está mais ligado a escândalos do que a questões sociais, por exemplo? No Brasil, fizemos uma base de jornalismo com profunda atração pelo escândalo, pela tragédia, pelas coisas que nos rebaixam como país e como cultura e não

A

disseminating health-related issues. Below are excerpts from her press meeting. How is TV Brasil going to operate?

Many people get confused between public TV and State TV, right? This debate appeared when the TVO was proposed; it went through the entire procedural steps in the National Congress (it took 120 days) and people will still talk about it. It’s skepti-

But, many people think the journalism of the public TV

cism, but we are going to live with it and only practice will

Will be used for the publicity of the doings of President

allow us to prove that Brazil is able to have public TV to com-

Lula...

plement the private TV into a more democratic and pluralized

How do we want to express this commitment of turning the

I want the journalism we are doing to be discussed. I want

public policies more widely known, discussed and shared by

it to be analyzed; that people say whether we are being ac-

the society? TV Brasil is an appropriate idea as a conquest of

quiescent or failing to disclose facts that are uninteresting

the society. We hope to do this with journalism, not only the TV

for the government; whether we are omitting information. Is it

In several interviews you said you were touched by the

news but also through a series of news programs that reflect

showing only one side of the news? This is something that ev-

Diretas Já campaign and cried during the coverage. Do you

the national problems, creating a level of reflection.

eryone watching the newscast will say no; they’ll say the news

think that the today’s journalists lack involvement concern-

is impartial, balanced, pluralist, the opposition is out there,

ing the country’s political facts? Is there lack of ideals to-

two viewpoints are being observed... That’s what matters to

wards changing things effectively?

Do you think that today’s journalism is more linked to scandals rather than to social issues, for example? We have created a basis for our journalism with a profound

system, just like in the USA, England, France, Italy, Germany and many other countries.

me, not gossips. Now, it’s healthy that suspicious does exist.

Hardly anyone of my generation will say that the most ex-

There is a trustee council which is always manifesting itself

citing coverage they have ever made was any other but that

15

revista3_hangar01.indd 15

18/5/2008 D044 04:07:03


com a trajetória de seu país. Ninguém reparou naquele tempo que tantos jornalistas choravam no plenário quando a emenda das Diretas foi derrotada. Hoje se os jornalistas chorassem seria um escândalo. Foi difícil mudar de posição, deixando de ser alguém que aponta os problemas do país e assumindo uma vitrine para ser alvo de tantas críticas? Está sendo difícil. É preciso ter muita disposição, porque há uma percepção de que se está construindo uma TV novinha em folha, com canais de todos os Estados, dinheiro à beça, e não se trata de nada disso. Trata-se de quatro canais que ainda não estão no ar, os outros três estão de forma sucateada, instituições velhas do ponto de vista da gestão, com velhos vícios, mas também com

of the ‘Diretas Já’ campaign, which was the most important

velhas virtudes, com gente com muito valor. Não temos rede, e só a teremos se formos capazes de construir associações com outras TVs estaduais e universitárias. Como faz uma emissora comercial que é cabeça de rede? Pega uma emissora privada de outro Estado e fala “está aqui a minha programação, te dou meia hora para você fazer um jornal local de manhã, outro à noite”, e o pacote é fechado. Com a rede pública não vai ser assim. Temos que perguntar quais são os bons programas que a TV do estado quer continuar passando? Quais os programas da TV Brasil interessam a ela? Como isso interessa aos outros? Tudo isso até se chegar a um quebra-cabeça para que tenhamos conteúdos da TV Brasil passados simultaneamente, conteúdos regionais, cada um passando o seu.

much criticism?

Mas você pensou que seria alvo de tantas críticas? É preciso ter muita perseverança para acreditar no projeto. Tive dificuldades, porque desapego é algo que a gente testa. Eu tinha uma posição muito vantajosa na TV privada, era jornalista multimídia, fazia televisão, rádio, blog e coluna no jornal, ganhava bem, muito melhor. Mas tem um momento em que você pára e diz: o meu país que me deu tanto, o que eu fiz por ele até agora? Fiz faculdade e mestrado em universidade federal, por que não posso fazer algo pelo meu país? Acho que posso dar essa contribuição. Como não vou descobrir nenhuma vacina (risos), posso ajudar a construir a comunicação pública que pode tornar o nosso sistema de comunicação mais plural. L

others. All this is required in order to achieve a puzzle so we

social movement in recent Brazilian history. We, the journal-

It’s being hard. It takes a lot of willingness, since there

ists who lived in the times of dictatorship, still kept a rather

is a perception that a brand new TV station is being built

‘missionary’ feeling of our profession and this is over now.

with channels for all States, a lot of money… it’s nothing

Our profession was appraised: our compensations are higher,

like that. It’s about four channels that are not yet on air, the

we now have more technological conditions. But a part of

other three channels have outlived their usefulness from the

It takes a lot of perseverance to believe in this project. I

what was utopia journalism, in the sense changing the world,

management viewpoint, with old addictions, yet having old

had difficulties of my own because detachment is something

is over. The perspective of a journalism that was engaged

virtues, with very valuable people. We don’t have a network

we test. I had a very advantageous position in private life. I

with the trajectory of its country was greatly reduced. At

and will only have one if we establish associations with other

was a multimedia journalist, did television, radio, blogs and

that time, nobody noticed that many journalists cried in the

State and university TV networks. What does a large commer-

wrote a newspaper column. I was paid very well. But, there

plenary session when the amendment to the Direct elections

cial station do? It offers a private station of some State else

is a moment when you stop and say: what have I done so far

was not passed. Today, if the journalists cried, it would be

and offers its programming and gives it half an hour for that

in return for my country, which gave me so much? I went to

a scandal.

station to air a newscast in the morning and another in the

college and took a Masters at a federal university. Why can I

have the programming of TV Brasil being aired simultaneously and the regional shows being aired individually. But, did you think you would be targeted for so much criticism?

evening; then, the deal is made. The public network will not

not do something for my country? I think I can give it this con-

Was it difficult to change positions, from being some-

work this way. We have to wonder what are the good shows

tribution. Since I’m not to discover any vaccine (she laughs),

one who points out the problems of the country to taking

that the TV of a given State wishes to go on airing; what

I can help build the public communication, which might be-

on a ‘glass window’ role in order to be the target of so

shows of the TV Brasil are interesting to it; how it interests to

come our most pluralized communications system. L

16

revista3_hangar01.indd 16

18/5/2008 D044 04:07:04


Double M/Long Play 360º

A partir de hoje sua vida vai ser nova. Começando pela nova área de lazer. Visite apartamento decorado no local

• Sala de Ginástica

2 ou 3 dorms. (1 suíte) 107 m2 privativos 2.829 m2 de terreno

• Descanso Travessa Dom Romualdo de Seixas, 1500 - Umarizal

• Churrasqueira • Playground • Piscinas • Salão de Festas • Quadra e muito mais

Informações: (91) 3221-4656 fax:(91) 3241-3366 Croqui de localização sem escala

CIA Belém lançamentos imobiliários. Av. Gov. José Malcher nº 168 – sala 06 e 07 Nazaré/Belém – PA – CRECI-PA J-300. Diariamente 08 ás 18:00h, inclusive sábados e domingos. Os materiais e os acabamentos integrantes estarão devidamente descritos nos documentos de formalização de compra e venda das unidades. Plantas ilustrativas como sugestão de decoração. Os móveis, assim como alguns materiais de acabamento representados nas plantas, não fazem parte integrante do contrato. Memorial de incorporação registrado sob nº 158.976, livro 2IU/3854-R.4, no Cartório de Imóveis 2º Ofício de Belém.

Realização e Incorporação:

Só a Leal Moreira faz um Leal Moreira

revista3_hangar01.indd 17

Planejamento e Realização:

Comercialização:

13

18/5/2008 D044 04:07:19


competitividade / competitiveness

SÓ TEM NO

PARÁ It’s Only in Pará

texto / text: Esperança Bessa foto / photo: Jaime Souzza

Governo do Estado investe na ciência e na tecnologia para transformar diversidade em competitividade The State Government invests in science and technology to transform diversity into competitiveness

cacau é uma fruta originária da Amazônia, mas a cultura em alta escala aconteceu na Bahia e o maior valor agregado à produção está em países como a Bélgica e a Suíça: o chocolate. Primo do cacau, o cupuaçu começa a ganhar o mundo, mas terá destino diferente: os produtos que pode gerar serão desenvolvidos aqui mesmo, na Amazônia, ao menos se depender do governo do Pará, que investe na inovação como elemento fundamental da competitividade e tem na ciência e na tecnologia as bases do novo modelo de desenvolvimento.

O

“Um queijo suíço não tem alto valor agregado no mercado apenas por causa da qualidade do leite ou do tipo de clima”, compara o titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect), Maurílio Monteiro. “Este valor vem da maneira como é feito o queijo, da tradição dos produtores, da cultura do povo, aliada à ciência. O saber popular, o capital humano e cultural são, assim, vetores de desenvolvimento e competitividade.” Desta forma, quem, melhor que o homem da região, poderia desenvolver novos produtos a partir do açaí,

do cupuaçu, das ervas raras que também já ganham o mundo na forma de culinária globalizada? “As tentativas estratégicas de desenvolver a Amazônia se baseavam na alocação de recursos e no uso de grandes extensões de terra para monoculturas, que concentravam a renda e negavam nossa diversidade”, atesta Maurílio Monteiro. “O novo modelo incorpora sugestões e reivindicações históricas do movimento social, como o fortalecimento da agricultura familiar, e reúne os principais setores da sociedade para promover a competitividade

ocoa is a fruit typical of the Amazon, but the high-scale

“A Swiss cheese does not have high added value in the

already won the world in the form of globalized cuisine than

culture took place in Bahia State and the highest value

market just because of the quality of the milk or the kind of

the local man? “The strategic attempts to bring development

added to the production lies in countries such as Belgium and

climate”, compares the head of State Development, Science

to the Amazon were based upon the allocation of resources

Switzerland: chocolate. A ‘cousin’ of cocoa, cupuaçu is now

and Technology Secretariat (Sedect), Maurílio Monteiro. “This

and the use of large stretches of land for monocultures that

starting to win the world, but with a difference: the products

value comes from the way the cheese is made, from the tradi-

concentrated the income and hindered our diversity”, states

that can be made from it will be developed right here in the

tion of the producers, from the culture of the people, allied to

Maurílio Monteiro. “The new model incorporates suggestions

Amazon, at least if it depends on the Government of Pará,

science. The popular knowledge, the cultural and human as-

and historical claims of the social movement, such as the

which invests in innovation as an underlying element of com-

sets are, thus, vectors of development and competitiveness.”

strengthening of the family-based agriculture, and gathers

petitiveness and science and technology are the basis of the

This way, who else could be more capable of developing

the main sectors of the society to promote competitiveness

new products from açaí, cupuaçu, the rare herbs that have

not only of a company or product, but of a production chain, of

C

State’s new model of development.

18

revista3_hangar01.indd 18

18/5/2008 D044 04:07:20


Acima, projeto do Parque Tecnológico que será construído no bairro do Guamá, em Belém. Above, the design of the Technological Center to be built in the Guamá District, Belém.

Governadora Ana Júlia inaugura, no início de maio, infocentro no município de Marabá Pará Governor, Ana Júlia, to inaugurate the infocenter at the city of Marabá early in May.

CT&I Um dos grandes desafios do Pará é explorar sem destruir os recursos naturais. Assim, o novo modelo de desenvolvimento que se induz já pressupõe melhorias

sociais básicas, para que a própria população esteja qualificada para receber e usar o conhecimento e a tecnologia. Os esforços, portanto, devem tanto ampliar a estrutura de capital fixo (como infra-estrutura, energia, atração de investimentos) quanto o capital humano e social, com uma rede de políticas públicas que garanta, por exemplo, mais escolas, universidades, atração e fixação de doutores, acesso universalizado ao conhecimento. “Nosso maior desafio é implementar um sistema de inovação numa região periférica”, diz Maurílio Monteiro. Para tanto, a presença do governo estadual se

dá, para além das políticas estatais de forma direta, em arranjos institucionais, que agregam os principais agentes de desenvolvimento, identificando vocações econômicas e gargalos, articulando e potencializando ações públicas, privadas e da sociedade civil organizada (veja box na página seguinte). O novo modelo de desenvolvimento terá mais de R$ 100 milhões por ano, no quadriênio 2007/2010, em investimentos diretos e indiretos em ciência e tecnologia. O objetivo final é aumentar a produtividade média da população junto com uma frase que tem tudo para reverberar pelo mundo: “Só tem no Pará.” L

a region, of the State as a whole: that’s what we call systemic

sumes basic social improvements, so that the population

beyond the State policies in a direct way as institutional ar-

competitiveness.”

itself is qualified to receive and use knowledge and tech-

rangements that add the main agents of development, iden-

In addition to fruits and rare herbs, the biodiversity of

nology. The efforts, therefore, must broaden both the fixed

tifying economic vocations and bottlenecks, articulating and

Pará has great potentials in the areas of perfume, cosmet-

capital structure (such as infrastructure, energy, attraction

boosting private and public actions as well as those of the

ics and fitotherapeutic (medicines produced from natural

of investments) and the social and human assets through a

organized civil society (see box).

products).

network of public policies that guarantees, for example, more

The new model of development will rely on more than

schools, universities, attraction and establishment of gradu-

R$100 million yearly, over the 2007/2010 period, in both

ate professionals, and generalized access to knowledge.

direct and indirect investments in science and technology.

não apenas de uma empresa ou produto, mas de uma cadeia produtiva, de uma região, do Estado como um todo; o que chamamos de competitividade sistêmica.” Além de frutas e ervas raras, a biodiversidade paraense tem altos potenciais nas áreas de perfumes, cosméticos e fitoterápicos (medicamentos produzidos a partir de produtos naturais).

ST&I One of the biggest challenges to the State of Pará is to

“Our biggest challenge is to implement a system of in-

The ultimate goal is to increase the average production of

exploit its natural resources without destroying them. Thus,

novation in a suburban region”, says Maurílio Monteiro. “For

the population through a phrase that has everything to eco

the new development model that is prompted already pre-

such, the participation of the State Government renders itself

around the world: “It’s only in Pará.” L 19

revista3_hangar01.indd 19

18/5/2008 D044 04:07:25


ARRANJOS INSTITUCIONAIS

INSTITUTIONAL ARRANGEMENTS

O novo modelo de desenvolvimento que se induz no Pará se concretiza pela articulação e potencialização de ações não isoladas em nenhum órgão ou secretaria: todas ganham força quando inseridas no contexto geral do novo modelo, em que o Estado arregimenta agentes em arranjos institucionais, nos quais se identificam vocações, necessidades e gargalos, se reivindicam e encaminham políticas públicas, e se economizam tempo e dinheiro no encaminhamento de problemas e soluções. Eis alguns dos principais arranjos:

The new development model introduced in Pará is built up by the relationship and empowerment of actions, so that these are not isolated in any office or secretary: everybody gains force when they are inserted in the general context of the new model, in which the State, beyond public policies, regiments agents in institutional arrangements, in which vocations, needs and bottlenecks are identified, public policies are claimed and set in motion, and money and time are saved in managing problems and solutions. Below are some of the main arrangements:

Sistema Paraense de Inovação Une governo, empresas e universidades e instituições de pesquisa no sentido de promover a inovação em serviços e processos. The Innovation System of Pará Comprises government, companies and universities and research institutions towards promoting the innovation in services and processes.

Fórum Paraense de Competitividade Reúne governo do Estado, instituições de fomento (Basa, Banpará, Sudam, BNDES), empresas privadas (como a Vale), entidades de classe empresariais e sindicais e também ONGs, entre outras, para levantar problemas e reivindicações com o objetivo de tornar os produtos paraenses mais competitivos. Pará Forum of Competitiveness Includes the State Government, development institutions (Basa, Banpará, Sudam, BNDES), private companies (such as Vale), trade associations and unions and also NGO’s, amongst others, towards raising problems and claims with the objective of making the products of Pará more competitive.

Parques de ciência e tecnologia O governo constrói três parques de ciência e tecnologia (em Belém, Marabá e Santarém), cada um com foco de pesquisa de acordo com as vocações econômicas e necessidades sociais de cada região. O PCT Guamá, em Belém, em parceria com a Universidade Federal do Pará, já tem vários projetos garantidos, como a construção, em cooperação com a Finep, de cinco laboratórios, no valor de R$ 13 milhões (a contrapartida do governo será de R$ 5 milhões). Os laboratórios (Fitossanidade e Manejo Animal, Óleos Vegetais e Derivados, Laboratório de Instrumentação para Produtos Agroindustriais e de Tecnologias da Informação e Comunicação em Sistemas Embarcados) têm o fim de solucionar gargalos tecnológicos ao desenvolvimento e incorporam projetos já avançados de instituições como Embrapa e Universidade Rural

da Amazônia. Science and Technology Centers (STC) The government builds three science and technology centers (in Belém, Marabá and Santarém), each having a research focus according to the economic vocations and social needs of each region. The STC Guamá, in Belém, in a partnership with Pará State Federal University, has already had several projects guaranteed such as the construction, in cooperation with Finep, of five laboratories, worth R$13 million (the counterpart of the government will be R$5 million). The laboratories (Plant Health and Animal Management, Vegetable Oils and Derivatives, Instrumentation Laboratory for Agro-industrial Products and Information and Communication Technologies in On-board Systems) are intended for solving technological bottlenecks to development and incorporate currently advanced projects of such institutions as Embrapa and Universidade Rural da Amazonia.

Projeto Navega Pará O novo modelo de desenvolvimento, baseado na inovação e, portanto, na produção e circulação de informações, tem no projeto Navega Pará uma das ações centrais. A partir de dois convênios, com a Eletronorte e com a Metrobel, o Navega vai levar internet de alta velocidade a mais de dois milhões de pessoas, e interligar mais de 600 escolas, hospitais, delegacias e os principais órgãos públicos. Entre as ações, estão a criação de infocentros públicos, telecentros de negócios e ações nas áreas da medicina e educação à distância. O primeiro infocentro público foi inaugurado no dia 9 de maio, em Marabá. ‘Navega Pará’ Project The new development model, based on innovation and, therefore, on information production and dissemination, has the Navega Pará Project as one of the key actions. Under two agreements, one with Eletronorte and the other with Metrobel, the Navega Pará Project will provide high-speed internet access to more than two million people and will interconnect over 600 schools, hospitals, police stations and the main public agencies. Amongst the actions are: public infocenters, business telecenters and actions in the fields of medicine and long-distance tuition. The first public infocenter was opened on Friday, May 9th, in Marabá.

20

revista3_hangar01.indd 20

18/5/2008 D044 04:07:36


revista3_hangar01.indd 21

18/5/2008 D044 04:07:44


artigo / article

Potencializando

foto jaime Souzza

a experiência

Enhancing the experience texto / text: Maurílio Monteiro*

om mais de 11% do território nacional, o Pará tem na integração um dos principais desafios. Para além da integração governamental – fazer os serviços públicos chegarem aos municípios mais distantes, este desafio abrange induzir, articular e potencializar possibilidades econômicas decorrentes da diversidade cultural, social e ambiental que marcam os territórios amazônicos. O governo do Estado enfrenta este desafio induzindo um novo modelo de desenvolvimento, no qual o conhecimento – sistematizado ou não – ocupa papel central. No novo modelo, o Estado arregimenta e potencializa o saber e as vocações por meio de arranjos institucionais, os quais têm, primeiro, o mérito de identificar, de forma imediata, as aspirações, necessidades e dificuldades enfrentadas pelos 7,1 milhões de habitantes. Três destes arranjos institucionais se destacam. O Planejamento Territorial Participativo (PTP) ouve a sociedade e recebe propostas das treze regiões de integração. Quase 80% destas propostas integram o Plano Plurianual do governo, que norteará as políticas públicas nos próximos quatro anos. O Fórum Paraense de Competitividade reúne empresários, trabalhadores, instituições de fomento, sindicatos e outros representantes da sociedade na identificação de vocações econômicas e gargalos, como forma de tornar os produtos paraenses mais competitivos. O Sistema Paraense de Inovação reúne empresas, instituições de pesquisa e governo do Estado no objetivo de agregar mais CT&I aos produtos e processos. Em outras palavras, o novo modelo usa a experiência histórica de nossa população – comunidades, empresários, pesquisadores – como vetor de desenvolvimento. É essa experiência que transforma ervas em perfumes e medicamentos. Que transformará a extração de minério em ciência da mineração. Que será capaz, enfim, de inovar, com produtos que não poderiam existir em nenhum outro lugar do mundo, tornando competitiva não apenas uma empresa, mas uma cidade, uma região, o Estado como um todo: competitividade sistêmica.

C

* Maurílio Monteiro é professor do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará (Naea/UFPA) e Secretário de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia do Estado do Pará.

O

ccupying just over 11% of the national territory, the integration of Pará State itself poses one of its main challenges. Besides the

governmental integration, which is about getting the public services to reach the farthest counties within the State, this challenge involves inducing, articulating and leveraging economic possibilities arising from the cultural, social and environmental diversity that distinguish the Amazon territories. The State Government has faced this challenge by implementing a new model of development, in which knowledge – whether systematized or not – plays a central role. According to the new model, the State gathers and leverages knowledge and vocations by means of institutional arrangements, which have, in the first place, the merit of identifying immediately the aspirations, necessities and difficulties that 7.1 million inhabitants are faced with. Three of such arrangements are highlighted as follows: The Participative Territorial Planning (PTP) listens to the society and receives proposals from thirteen regions of integration. Almost 80% of such proposals integrate the State’s Multi-Year Plan, which will guide the public policies for the next four years. The Pará State Competitiveness Forum gathers entrepreneurs, workers, development institutions, unions and other representatives of the society to the identification of economic vocations and bottlenecks as a way of rendering the products of the State more competitive. The State’s System of Innovation comprises entrepreneurs, research institutions and the State Government with an aim at adding more ST&I to products and processes. In other words, the new model makes use of the historical experience of our population – communities, entrepreneurs, researchers – as a development vector. It is this experience that transforms herbs in perfumes and medicines; which will change ore lifting into mining science; which will be able to innovate through products that could not exist anywhere else in the world, thus rendering competitive not only one business but also a city, a region, the State as a whole: systemic competitiveness.

*Maurílio Monteiro is a Professor at the Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (Center for High Amazon Studies) of Universidade Federal do Pará (Naea/UFPA) and Pará State Secretary of Development, Science and Technology.

L

22 06

revista3_hangar01.indd 22

18/5/2008 D044 04:07:52


Rod. BR 316 KM2 Alameda Moรงa Bonita, nยบ 14 Guanabara โ€ข Ananindeua/PA fone: (91) 3235.5313

revista3_hangar02.indd 23

18/5/2008 D044 04:31:50


negócios / business

BELEZA TROPICAL

TROPICAL BEAUTY

texto / text: Aline Monteiro foto / photo: Diana Figueroa

Cores exuberantes, formas exóticas e alta durabilidade têm feito com que as flores tropicais ganhem cada vez mais o interesse dos mercados nacional e internacional. E o Pará, congregando condições climáticas adequadas para o cultivo, desponta como um produtor em potencial.

Exuberant colors, exotic shapes and high durability have enabled tropical flowers to increasingly attract the interest of the national and international markets. And Pará State, having the adequate climatic conditions for growing these flowers, has emerged as a potential producer of such native Amazon beauties.

24

revista3_hangar02.indd 24

18/5/2008 D044 04:32:05


e acordo com os dados da Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri), o mercado de flores e plantas ornamentais movimenta anualmente cerca de R$ 41,7 milhões no Pará, incluindo vendas no varejo e prestação de serviços nos segmentos de decoração e ornamentação de eventos, paisagismo, jardinagem e serviços funerários. São 168 empresas atuando no ramo da floricultura e confecção de cestas e 32 lojas de comercialização de flores e plantas ornamentais para jardinagem, paisagismo, comércio ambulante e supermercados. Hoje já são 274,63 hectares voltados para a produção do setor, enquanto que em 2005 eram 188 hectares. A região metropolitana e o nordeste paraense concentram quase a totalidade da produção, dividida entre os municípios de Benevides, Santa Bárbara, Marituba, Castanhal, Santo Antônio do Tauá, Ananindeua e Santa Isabel. Todo esse movimento tem resultado, gradativamente, na organização de produtores e na articulação de programas de incentivo, como a Flor Pará, feira de negócios que chega este ano à oitava edição, a ser realizada entre 26 e 29 de junho, no Hangar Centro de Convenções, em

D

conjunto com a Frutal Amazônia. No ano passado, as duas feiras receberam cerca de 32 mil visitantes vindos de 20 estados brasileiros e movimentaram R$ 39 milhões em negócios. A expectativa para este ano é, no mínimo, manter a mesma média. O empresário Jader Carvalho é um dos que resolveram investir na produção de flores. No sítio Cristal, no município de Benevides, ele produz doze variedades de helicônias, quatro variações de alpínias e bastõesdo-imperador, numa área de 20 hectares, com uma produção de 8 a 10 mil hastes por mês. Para tanto, vem utilizando principalmente sistemas agroflorestais, associando as plantações de flores a árvores da região amazônica como o paricá. “Notei que as touceiras que plantava ao sol não cresciam tanto e depois iam ficando com as folhas queimadas, enquanto que as que cresciam no meio da mata, sob a sombra das árvores, ficavam mais bonitas e com cores mais vivas. Por isso comecei a plantar paricás no meio delas. É uma árvore que cresce rápido, em um ano e meio já abre a copa e dá uma boa sombra.”

Helicônias

Plantas da família das Heliconiaceae, originárias da América do Sul, América Central, Ilhas do Pacífico e Indonésia, que têm folhas bastante similares às da bananeira. São encontradas em diversas variações de cores e tipos de inflorescências. As mais conhecidas no mercado nacional são a Bihai, a Wagneriana, a Nappi Yellow, a Hibrida, a Rostrata, a Rauliniana, a Sexy Scarlet, a Golden Torch, a Golden Adrian e a Red Opal.

Heliconias Plants from the Heliconiaceae family, native of South America, Central America, the Pacific Islands and Indonesia, the leaves of which are very similar to banana leaves. They have a wide variation of colors and types of inflorescence. The best known in the national market are: Bihai, Wagneriana, Nappi Yellow, Hybrid, Rostrata, Rauliniana, Sexy Scarlet, Golden Torch, Golden Adrian and Red Opal.

A

ccording to the data from the State Secretariat of Agricul-

almost the entire production, comprising the cities of: Ben-

Businessman Jader Carvalho is one of those who decided

ture (Sagri), the ornamental flower and plants business

evides, Santa Bárbara, Marituba, Castanhal, Santo Antônio

to invest in the production of flowers. At his Cristal Ranch,

do Tauá, Ananindeua and Santa Izabel.

in Benevides city, he produces 12 varieties of heliconias,

has an annual turnover of about R$ 41.7 million in the State, including retail sales and services in the field of decoration

All this turnover has gradually resulted in the producers

four varieties of alpineas and torch gingers in an area of

and ornamenting of events, landscaping, gardening and fu-

getting organized and in the creation of incentive programs

20 hectares, with a production between 8 and 10 thousand

neral services. Currently, 168 companies work in the field of

such as the ‘Flor do Pará’, the business fair (now in its 8th

stems a month. For such, he has been mainly using agrofor-

flower growing and manufacturing of flower baskets and there

edition) to be held between June 26th and 29th at the Hangar

estry systems, associating crops of flowers to trees like parica

are 32 stores to market ornamental flowers and plants for

Conventions Center together with the ‘Frutal Amazônia’. Last

(Schizolobium amazonicum). “I realized that the clumps that

gardening, landscaping, street vending and supermarkets.

year, the two fairs attracted roughly 32 thousand visitors from

I had planted under direct sunlight did not grow much and

Today, 274,63 hectares are used for the production in this

20 Brazilian states, generating R$39 million in businesses.

then their leaves became burnt, while those which grew in the

sector, whereas in 2005 the overall area was 188 hectares.

The expectations for this year are, at least, keeping these

middle of the forest, under tree shadow, became more beauti-

The metropolitan region and the northeast of Pará account for

same figures.

ful and had more vivid colors. That is why I started to plant

25

revista3_hangar02.indd 25

18/5/2008 D044 04:32:11


Toda semana as flores são cortadas para a venda no mercado local. Para Jader, o cultivo de flores é uma das possibilidades de manejo sustentável da terra com maior potencialidade para a geração de empregos. “Você não precisa desmatar para plantar. Em um hectare de plantação, tenho seis pessoas trabalhando e é uma produção de alta rentabilidade, se houver mercado para consumir, porque há flor o ano todo. Mas ainda estamos em uma fase de criar mercado para as tropicais, porque ainda é um hábito cultural forte consumir flores temperadas. O que é certo é que o Pará tem condições de se tornar o maior produtor brasileiro de flores tropicais. Temos o clima, a temperatura, a água para isso”, avalia Jader. Investindo na produção de helicônias, bastão-doimperador, xampu, alpínia e folhagens ornamentais, Tim Penner também vê o negócio local de flores tropicais como promissor. “O mercado interno paraense já

absorve grande parte da nossa produção. Pelos dados estimados por floricultores, as tropicais já representam 40% do consumo paraense. Basta observar nos eventos: a decoração é praticamente toda tropical. Se a gente conseguir consolidar a idéia de que as tropicais também servem como presente em aniversários, dia das mães, namorados, creio que muito em breve vamos precisar aumentar as áreas de produção”, anima-se. Para Penner - que diz ter se apaixonado pelas flores tropicais há cerca de três anos depois de ceder ao desejo de ter um sítio -, a produção local caminha para esse crescimento, podendo suprir totalmente o mercado interno e, num momento futuro, chegar a abastecer outros mercados – atualmente os estados de Pernambuco e Ceará são os maiores produtores nacionais de flores tropicais. “A produção é de boa qualidade, a região é propícia. O que nos falta é escoamento para o

Para Jader Carvalho, Estado tem condições de se tornar o maior produtor brasileiro de flores tropicais. According to Jader Carvalho, the State is able to become the largest Brazilian producer of tropical flowers.

26

revista3_hangar02.indd 26

18/5/2008 D044 04:32:17


material produzido. Nossa idéia é construir um mercado permanente para a cadeia produtiva da floricultura, uma espécie de entreposto administrado pelas entidades e associações de floricultores, plantadores, paisagistas. Outra coisa é nos organizarmos para que cada um produza maior quantidade de poucas espécies. Isso garante a continuidade de fornecimento.” Diversificação Se as flores tropicais são a aposta de grande parte dos floricultores locais, há também quem acredite que o caminho para o setor está na diversificação do mix de produtos e serviços. É o caso de Carlos Yamanaka, gerente de uma das empresas mais tradicionais do ramo no Pará, com 26 anos de atuação. Constituído como uma empresa familiar, o negócio dos Yamanaka inclui espécies tropicais e temperadas e também folhagens e plan-

tas ornamentais. Abrange desde a produção, com plantações nos municípios de Ananindeua e Santo Antônio do Tauá, até a comercialização (para varejo e atacado) e projetos de paisagismo. São cerca de 700 mil mudas e em torno de 18 mil hastes de flores tropicais por ano, num negócio que gera quase 80 empregos. Para Carlos Yamanaka, algo economicamente mais viável do que o manejo florestal ou a pecuária. “É um mercado que está crescendo, acompanhando a boa fase da economia do país. Certamente gera mais mão-de-obra do que a pecuária, onde são necessários mil hectares para mil cabeças de gado, e apenas uma pessoa para cuidar disso, enquanto que em dois hectares de produção de plantas empregamos 18 pessoas. Também dá mais retorno financeiro do que o manejo florestal, levando em conta a quantidade de tempo que se demora para produzir nesse caso”, argumenta.

Bastão-do-Imperador (Etlingera elatior) Tem folhagem alta, produzindo cachos de flores vermelhas. Há uma segunda variedade, com as mesmas características, mas de porte baixo e flores cor-de-rosa, conhecida pelos produtores como Bastão-do-Imperador Porcelana. Em outros lugares, essa variedade é chamada também de Bastão-de-príncipe.

Torch Ginger (Etlingera elatior)

It has high foliage, producing bunches of pending red flowers. There is a second variety, with the same characteristics but shorter and with pink flowers, known by the producers as ‘Bastão-do-Imperador Porcelana’ (‘porcelain’ torch ginger). In other places, this variety is also called ‘Bastão-de-príncipe’.

revista3_hangar02.indd 27

18/5/2008 D044 04:32:25


parica trees among them. It is a fast-growing tree which in a

the largest Brazilian producer of tropical flowers. We have the

year and a half opens the canopy and provides good shadow.”

climate, the temperature and the water for that.” says Jader.

duction areas”, he says enthusiastically. For Penner – who claims to have fallen in love with the

Every week the flowers are cut for sale at the local mar-

By investing in the production of heliconias, ginger torch-

tropical flowers for some three years after buying a country

ket. For Jader growing flowers is one the possibilities for the

es, alpineas and ornamental leaves, Tim Penner also foresees

property – the local production aims at this target growth, be-

sustainable management of the land with more potential to

the local business of tropical flowers as promising. “The local

ing able to entirely provided for the internal market and, in the

generate jobs. “You do not need to clear the forest in order to

market of Pará already absorbs a large part of our produc-

future, supply other markets as well – nowadays the States of

plant. In a 1-hectare crop I have six people working and it is

tion. According to the data estimated by the flower growers, the

Pernambuco and Ceará are the largest national producers of

a highly profitable production if there is a market to absorb it,

tropical flowers already account for 40% of the market in Pará.

tropical flowers. “The production has good quality, the region

since flowers grow all year long. However, we are still in a stage

Just note the events: the decoration is basically entirely tropi-

is favorable. What we lack is the production output. Our idea is

of opening the market for the tropical flowers, since there is

cal. If we are able to consolidate the idea that tropical flowers

to build a permanent market for the production chain of flower

still a strong cultural tradition to consume temperate flowers.

are also good as gifts in birthdays, Mother’s Day, Valentine’s

growing, a kind of supply station run by flower growers entities

What matters, though, is that Pará has conditions to become

Day, I believe that very soon we will have to increase the pro-

and associations, and landscape architects. One other thing is

28

revista3_hangar02.indd 28

18/5/2008 D044 04:32:31


Paralelo à organização dos produtores, algumas iniciativas para a pesquisa sobre as cultivares de flores, especialmente as tropicais, têm surgido para amparar o setor produtivo. “Em 2004 participei da Flor Pará e havia uma demanda entre os produtores por pesquisa que pudesse ajudar na melhoria das plantações. Formamos, então, um grupo de dez pesquisadores para trabalhar com o assunto na Embrapa”, diz o engenheiro agrônomo Ismael de Jesus Matos Viégas, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental e professor colaborador do mestrado e do doutorado em agronomia da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra). Desde então, foram gerados pelo menos quatro trabalhos sobre as condições para melhor produtividade de espécies como a Heliconia Bihai, uma das mais comercializadas nesse segmento. Diversos comunicados técnicos foram disponibilizados pela Embrapa na internet e agora estão sendo transformados em livro, que deverá ser lançado até o final do ano. Em 2007, uma

primeira publicação já foi lançada, as “Recomendações de Adubação e Calagem para o Estado do Pará”, contendo um capítulo específico sobre plantas ornamentais tropicais. “Hoje sabemos, por exemplo, que as plantas da família das zingiberáceas são bastante exigentes em potássio, que demandam muita água e que funcionam melhor à meia sombra. Estamos fazendo uma experiência agora com helicônias para verificar a importância de cada nutriente em seu desenvolvimento. Mas ainda há muito o que estudar para auxiliar na melhoria da produtividade das plantações locais.” Outra pesquisadora da Embrapa na área de melhoramento de plantas, Marli Poltronieri tem estudado a forma de propagação das flores e folhagens tropicais para embasar estudos de hibridação de espécies. “No mercado de flores, o que tem valor é a variedade de cores, formas. Então, quanto mais diversidade, melhor”, explica. L

Xampu ou Sorvete (Zingíber spectalis) Localmente mais conhecida como xampu, por exalar perfume quando apertada, faz parte da família das Zingiberáceas, e se destaca pela exuberância de suas flores globosas no ápice das hastes. É bastante usada em arranjos com diferentes tipos de helicônias.

‘Xampu’ or ‘Ice Cream’ (Zingíber spectabilis) Locally known as “shampoo”, because of the scent it exhales when squeezed, it is part of the Zingiberaceas family, and it is eye-catching because of the exuberance of its globulous flowers at the edge of the stems. It is widely used in arrangements with different types of heliconias.

for us to get organized so that each of us can produce greater

of Ananindeua and Santo Antônio do Tauá, to the marketing

that forest management, taking into account the amount of

quantities of few species. This guarantees the continuity of

(retail and wholesale) as well as landscaping projects.

time that it takes to produce in this case”, he says.

the supply.”

Production is about 700 thousand seedlings and approxi-

In parallel to the producers’ organization, some initiatives

If the tropical flowers are the stake of most of the local

mately 18 thousand stems of tropical flowers a year in a busi-

for research about flower growing, especially the tropical ones,

flower growers, there are also those who believe that the right

ness that generates almost 80 jobs. For Carlos Yamanaka, it

has emerged in order to support the production sector. “In

way to keep the business is the diversification of the product

is something economically more feasible than forest manage-

2004, I took part in ‘Flor do Pará’ and noticed, among the pro-

and services mix. This is the case of Carlos Yamanaka, man-

ment or cattle ranching. “It is a growing market, which goes

ducers, a demand for researches that could help improve the

ager of one of the most traditional companies in this field in

together with the good economic phase of the country. It cer-

crops. We created, then, a group of ten researchers to work with

Pará, with 26-year experience in this business. Having started

tainly generates more labor than cattle raising, in which 1,000

this matter at Embrapa”, says agronomist Ismael de Jesus

as a family business, Yamanaka’s enterprise includes tropi-

hectares and required for 1,000 heads and only one person

Matos Viégas, researcher of the Embarapa Amazônia Oriental

cal and temperate species as well as ornamental plants and

to take care of it, while in 2 hectares of plant production 18

and assistant professor of the MA and PhD in agronomy of the

leaves. It ranges from the production, with crops in the cities

people are employed. It also provides a better financial return

Federal Rural University of the Amazon (Ufra).

29

revista3_hangar02.indd 29

18/5/2008 D044 04:32:36


Carlos Yamanaka aposta na diversificação de produtos; ele comercializa flores de clima temperado e tropical. Carlos Yamanaka bets on product diversification; he trades tropical and moderate climate flowers.

Alpínia (Alpinia purpurata) Da família das Zingiberáceas, aparece, na produção local, com as variedades Jungle Queen (rosa), Jungle King (vermelha) e Kime (branca com pontas arroseadas), e com as Alpinia purpurata (rosa e vermelha), espécie cuja inflorescência tem flores mais esparsadas.

Alpinea (Alpinia purpurata) A member of the Zingiberacea family, it appears in the local production with the varieties Jungle Queen (pink), Jungle King (red) and Kime (white with pink tips), and with the Alpinia purpurata (pink and red), which has inflorescence that features more scattered flowers.

Since then, at least four other works have been carried out

o Estado do Pará”, with a specific chapter about tropical orna-

on the conditions for the better productivity of species such as

mental plants. “Today we know, for instance, that the plants

of the production of local plants”. Another Embrapa researcher in the field of plant improve-

Heliconia Bihai, one of the most traded species in this busi-

of the zingiberaceas family need a lot of potassium, demand

ment, Marli Poltronieri, has been studying the way tropical

ness. Several technical notes were disseminated by Embrapa

a lot of water and work best in partially shady places. We are

flowers and leaves propagate in order to base the studies of

in the Internet which have been compiled into a book that will

now conducting experiments with heliconias in order to verify

species hybridization. “In the flower market, what is worthy is

be released by the end of the year. In 2007, the first issue was

the importance of each nutrient to their development. However,

the variety of colors and shapes. So, the greater the diversity,

published, the “Recomendações de Adubação e Calagem para

there is still a lot to study in order to help in the improvement

the better it is.” L

30

revista3_hangar02.indd 30

18/5/2008 D044 04:32:41


revista3_hangar02.indd 31

18/5/2008 D044 04:32:57


ensaio / essay

Cores, cheiros

E SABORES Colors, scents and flavors

foto Bob Menezes

texto / text: Juliana Oliveira fotos / photos: Bob Menezes, Diana Figueroa e Jaime Souzza

32

revista3_hangar02.indd 32

18/5/2008 D044 04:32:59


foto Bob Menezes

sol ainda nem trouxe os primeiros feixes de luz do dia e o maior mercado ao ar livre da América Latina, o Ver-o-Peso, já está desperto. As pequenas embarcações que cruzam a Baía do Guajará vêm apinhadas de peixes, frutas, ervas e vegetais, extraídos da região, que logo serão oferecidos nas barraquinhas da feira, entre gritos de “ô freguesa, ô freguesa” e o cheiro ora adocicado do cupuaçu, ora impregnante do peixe. Localizado ao lado do Forte do Castelo, onde a urbanização da cidade iniciou, o Ver-o-Peso começa, praticamente, na doca do Porto de Belém, onde as mercadorias são descarregadas à semelhança de séculos passados. O Ver-o-Peso tem sua origem no “Haver-o-Peso”, da segunda metade do século 17,

quando os portugueses criaram um rígido controle alfandegário na Amazônia, e uma balança garantia o justo preço das mercadorias. No trecho mais próximo ao Forte está a Feira do Açaí, onde tradicionalmente o fruto é abundante e os preços mais baixos. Lá, o feirante vai buscar sua mercadoria e o consumidor – ávido por preços menores e atraído pela grande variedade do fruto – faz sua compra. No desembarque, muitos homens se aglutinam e passam de um lado ao outro, sempre com muita pressa, com caixas de peixe na cabeça. Algumas mulheres se misturam à malha humana levando café, mingau e pães aos trabalhadores. Nas barracas, enquanto alguns feirantes arrumam os produtos, outros ainda

se recuperam do dia anterior de trabalho, em redes armadas de modo improvisado. Enquanto, na praça de alimentação, as panelas já estão no fogo, os primeiros clientes do mercado chegam, comprando direto na Feira do Açaí ou no desembarque do porto, mas a maioria prefere conhecer as barracas – que oferecem de um tudo – e, principalmente, os tipos humanos que lhe dão vida, tratando os clientes com tanto esmero, fazendo com que o ato da venda seja um espetáculo à parte, com seus nichos tão bem decorados com os próprios produtos. E o dia segue longo e colorido num dos principais cartões-postais de Belém, com o sol que finalmente aparece e que, apesar de ter chegado tarde, faz questão de ir embora junto com os feirantes.

he sun hasn’t even brought the first rays of daylight yet

in the Amazon, and a scale guaranteed the fair price of the

mocks. While, in the food court, the pots are already on

and the biggest street market in Latin America, the Ver-

goods. Closer to the Fort is the Açaí Street Market, where

the fire, the first customers of the market arrive, buying

o-Peso, is already awake. The small boats that cross the

the fruit (açai) is traditionally abundant and the prices are

straight at the Açaí Street Market or during unloading from

Guajará bay come full of fish, fruits, herbs and vegetables

lower. There, the stallholder takes his goods and the buyer

the boasts, but the majority prefers the stalls, which offer

that are caught and harvested in the region, which will soon

– eager to find lower prices and attracted by the great vari-

quite everything, and especially the local people who give

be sold in the small stalls of the market.

ety of the fruit – buys it.

them life, treating the customers so meticulously, making

O

T

Located next to the Castle Fort, where the urbanization

Upon unloading the products, many men crowd and rush

of the city was started, the Ver-o-Peso begins, practically,

around with boxes filled with fish on their heads. Some wom-

at the Dock of the Port of Belém, where the goods are un-

en mingle in the crowd offering coffee, porridge and bread

loaded as they were in the past centuries. The Ver-o-Peso

to the workers, as if everybody knew one another.

street market dates back to the second half of the 17th cen-

In the stalls, while some stallholders set the products,

tury, when the Portuguese created a strict customs control

others still recover from the previous workday in ham-

the sale itself a side show as the stalls are so well decorated with their own products. And so the day goes on in a long and colorful way in one of the main postcards of Belém, with the sun that finally rises and, despite arriving late, it insists on leaving together with the stallholders.

33

revista3_hangar02.indd 33

18/5/2008 D044 04:33:01


foto Diana Figueroa

34

revista3_hangar02.indd 34

18/5/2008 D044 04:33:03


revista3_hangar02.indd 35

18/5/2008 D044 04:33:09


foto Bob Menezes foto Bob Menezes

36

revista3_hangar02.indd 36

18/5/2008 D044 04:33:10


cirio

revista3_hangar02.indd 37

18/5/2008 D044 04:33:25


foto Diana Figueroa

38

revista3_hangar02.indd 38

18/5/2008 D044 04:33:25


foto Diana Figueroa foto Diana Figueroa revista3_hangar02.indd 39

18/5/2008 D044 04:33:29


foto Bob Menezes

40

revista3_hangar02.indd 40

18/5/2008 D044 04:33:42


revista3_hangar02.indd 41

18/5/2008 D044 04:33:48


foto Diana Figueroa

42

revista3_hangar02.indd 42

18/5/2008 D044 04:33:54


REDE ENERGIA. O GRUPO DE ENERGIA QUE CRESCE NO BRASIL QUE MAIS CRESCE.

DISTRIBUINDO DESENVOLVIMENTO, EMPREGOS E CIDADANIA PARA 30% DO TERRITÓRIO BRASILEIRO. A REDE Energia é um dos maiores grupos empresariais privados do setor elétrico brasileiro. A empresa atua na distribuição, geração e comercialização de energia. Em 2007, os investimentos realizados superaram a incrível marca de 1 bilhão de reais. É responsável pelo fornecimento de energia a 30% do território nacional, através de seus quase 200 mil quilômetros de redes de distribuição e transmissão. Isso significa atender perto de 13 milhões de pessoas espalhadas por 505 municípios de seis diferentes Estados brasileiros: Pará, Mato Grosso, Tocantins, São Paulo, Minas Gerais e Paraná.

revista3_hangar02.indd 43

www.gruporede.com.br

18/5/2008 D044 04:34:01


cultura / culture

Música

de raiz Root music

texto / text: Juliana Oliveira foto / photo: Carlos Borges

A formação musical das bandas sinfônicas, típicas do século 20, com origens que remontam à colonização brasileira e à revolução francesa, se consolidou no Brasil. No Pará, ainda hoje, desperta um amor bairrista nos moradores de municípios do interior do Estado, provando que, mais do que conhecimento erudito, a música é uma necessidade de expressão universal.

The musical formation of the typical 20th century symphonic bands, with origins that date back to the Brazilian colonization and the French revolution, took root in Brazil. In Pará, even today, it arouses a type of local love in the inhabitants of country towns of the State, thus proving that, more than scholarly knowledge, music is a necessity of universal expression.

44

revista3_hangar02.indd 44

18/5/2008 D044 04:34:01


U

niformes muito bem alinhados, instrumentos em punho, posição de garbo. A cada data comemorativa ou festividade, os 45 membros da Banda Rodrigues dos Santos, do pequeno município paraense de São Caetano de Odivelas, se apresentam pelas ruas da cidade e mantêm viva uma tradição secular do interior da Amazônia: a cultura de bandas sinfônicas. Longe dos ambientes formais, como teatros e salas acústicas decoradas com obras de arte, eles, assim como dezenas de outras bandas paraenses, perpetuam, em plena floresta, uma tradição que seus pais e avós – muitas vezes apenas com a formação escolar que garantia a alfabetização – começaram nos

primórdios do século 20. Só a Fundação Nacional de Arte (Funarte) estima que existam mais de 120 bandas paraenses, algumas centenárias. Os instrumentos são velhos conhecidos da música de câmara: clarinetes, oboés, trompetes e percussão, contando, ainda, com a presença audaciosa do jazzístico saxofone, formando o instrumental perfeito para execução das composições mais delicadas até as mais vigorosas. E que, na releitura dos caboclos paraenses, também passou a ser perfeita para execução de carimbós, cirandas e outros ritmos locais. Uma adaptação cultural que é motivo de orgulho para os mais velhos, os quais lembram do começo das bandas, e inspiração

para os mais jovens, que ingressam nesse universo em busca ou de uma carreira musical ou simplesmente de melhores perspectivas de vida. Aos 74 anos, o pescador e morador do município de Colares, Raimundo Costa Raiol, lembra do começo da Banda 13 de Maio, que aos 60 anos é uma das mais jovens do Estado. Ele conta que tudo começou por uma pequena rivalidade com o município vizinho, cuja banda costumava ser contratada para se apresentar nas datas comemorativas de Colares. Certa vez, um atraso no pagamento dos músicos virou notícia nos jornais – uma desfeita para os moradores de Colares, que decidiram, por uma questão de honra, ter a sua própria

Jovem integrante da banda Rodrigues dos Santos ensaia à margem do Rio Mojuim, em São Caetano de Odivelas. Young member of the Rodrigues dos Santos Band rehearsing by the Mojuim River, in São Caetano de Odivelas.

eat uniforms, instruments in hand, position of el-

we started to perform, it was such great excitement. The

egance. On each commemorative date or festivity,

locals were looking forward to the performance, but it was

the 45 members of the Rodrigues dos Santos Band, from

very hard to study, for very few had a degree in music those

the small Pará municipality of São Caetano de Odivelas,

days. We studied and played because we wanted to; we

perform along the streets of the city and keep alive a cen-

used to listen to music and learned how to play. It was

tury-old tradition of the Amazon countryside: the culture

really hard. Nowadays, things are much easier”, says Mr.

of symphonic bands. Far from such formal environments

Raiol, who only attended elementary school.

N

as theaters and acoustic rooms decorated with works of

His little education was no obstacle to stop him

art, this band, as well as tens of other of bands in Pará,

from playing until the duties of his married life and as a

perpetuates, right in the Amazon rainforest, a tradition

breadwinner for the family began to demand the time He

that their parents and grandparents – many times holding

dedicated to music. Nevertheless, he didn’t leave at that:

a very basic school formation to guarantee their literacy

he introduced two of his four sons to music, one of them

only – had started early in the 20th century. The National

following the career as military, and one grandson, who

Art Foundation (Funarte) alone estimates the number of

is now 23 and is sub-conductor and vice-president of the

existing bands in Pará to be 120, some of which being

“Professor Luiz Gama” band, linked to the Music Club and

century-old.

the Charitable Association, which is accountable for en-

Relying on such instruments as clarinets, oboes, trumpets and percussion, also including the outstanding jazzy

suring turnover of musicians for the group (now having 130 students and 23 musicians).

saxophone, they make up the perfect instrumental combi-

As he sees the band still alive, which started from ri-

nation for playing from the most delicate to the most vigor-

valry but brought happiness to the locals, Mr. Raiol only

ous compositions. And that combination became perfect

regrets they now don’t play the old repertoire. “I enjoyed

for playing ‘carimbó’, ‘cirandas’ and other local rhythms.

playing the marches. Nowadays, they hardly play them”, he

A cultural adaptation that is a reason for pride for the el-

says. He usually recalls the good old days when he played

derly, who remember the beginning of the bands, and an

in the band while makes his fishing nets.

inspiration for the younger, who seek either for musical career or simply for better perspectives in.

Recognition – The “13 de Maio” band has its moments of glory during the performances at the charitable bazaars

At the age of 74, fisherman and resident of the munici-

sponsored by the municipal administration or at the the-

pality of Colares, Pará, Mr. Raimundo Costa Raiol, recalls

aters or exhibits held in Belém through the Carlos Gomes

the beginning of the “13 de Maio” band, which is now in its

Foundation, which holds a program for the recovery and

60th anniversary and is one of the youngest in the State.

development of the culture of the bands.

He says that it all began out of a minor rivalry against the

This is recognition for the work that starts much before

neighboring city, whose band used to hired to perform on

the performance at the improvised rehearsal rooms and at

the special dates of Colares.

the music school supported by the community and through

Once, a delay in the payment of the musicians hit

the exchange of professors from the Carlos Gomes Founda-

the headlines of the local newspaper – an outrage for the

tion. “Going on parade is a unique moment. When we are

citizens of Colares. So, they decided to make up their own

dressed in our uniforms, people pass by, look at us and

band so that they wouldn’t do through such embarrass-

congratulate us”, states 16-year-old Diene Aragão, who

ment again – it was a question of honor for them. “When

joined the music school at the age of 8.

45

revista3_hangar02.indd 45

18/5/2008 D044 04:34:12


Amor à primeira vista: ex-integrante da Rodrigues dos Santos, o pedreiro Marcílio Fernandes aprendeu teoria musical e trompete para entrar na banda. Love at first sight: former member of the Rodrigues dos Santos band, mason Marcílio Fernandes learned music theory and how to play the trumpet to join the band.

banda para não passar por outra falseta. “Quando começamos a tocar, foi uma grande emoção. Os moradores aguardavam muito pela apresentação e ajudavam, mas era muito difícil estudar. Naquela época, eram poucos formados em música. A gente estudava e tocava porque queria; ouvia e aprendia a tocar, porque era muito difícil. Hoje já é muito mais fácil”, relembra o músico, que só cursou as séries iniciais do ensino fundamental. A pouca formação não impediu que seu Raimundo tocasse até quando as obrigações do casamento, e como pai de família, passaram a lhe exigir o tempo de dedicação à música. Ele, no entanto, não deixou por menos: fez dois dos quatro filhos músicos, um deles de carreira, como militar; e o neto, Antônio Marcos Raiol, hoje com 23 anos, é submaestro e vice-presidente da “13 de Maio” e professor da escolinha da Banda Professor Luiz Gama,

ligada ao Clube Musical e Associação Beneficente, responsável por garantir a renovação de músicos para o grupo (com 130 alunos e 23 instrumentistas). Ao ver a banda ainda viva, que começou por uma desavença, mas só trouxe alegria para os moradores, ele só se ressente de não ouvir mais os repertórios antigos. “Eu gostava de tocar os dobrados, as marchas. Hoje já não é mais tanto”. E, entre um trançar e outro da rede de pesca, ele ainda lembra dos primeiros anos, quando não havia estantes para segurar as partituras e eram necessários membros no grupo só com essa incumbência. Reconhecimento É durante as apresentações, nas quermesses dos municípios, ou nos teatros e mostras promovidas em Belém, pela Fundação Carlos Gomes – que possui um

trabalho de resgate e fomento da cultura de bandas – , que a Banda 13 de Maio tem seu momento de glória por um trabalho que começa muito antes das apresentações, nas salas de ensaio improvisadas e na escola de música mantida com ajuda da comunidade e com o intercâmbio de professores da Fundação nessas comunidades, assim como a ida de alunos a Belém. “Desfilar é um momento único, quando estamos fardados as pessoas nos olham e parabenizam”, revela a jovem Diene Aragão, de 16 anos, que entrou na escolinha da banda aos 8 anos. Renovação Para o pesquisador e músico da Fundação Carlos Gomes, Jacó Cantão, o perfil dos músicos dessas bandas passou por um processo de renovação nas últimas

Renewal

survive today because they are a referential for education, the

in Brazil). That was another way of making music; a bohemian way”.

According to researcher and musician at the Carlos Gomes

‘conservatory school of the people’”. He explains that the meta-

Foundation, Jacó Cantão, the profile of the musicians of these

phor on the conservatory school is due to the fact that the con-

bands has undergone a process of renewal over the past few

servatory schools were implemented in Brazil with a European

At São Caetano de Odivelas, the ‘Rodrigues dos Santos’

decades. He explains that the musicians used to be middle-aged

ideology. But, in rural Pará State, as the same structure did not

band has recovered what the locals themselves identify as mu-

men or even older, or popular musicians at times. Nowadays,

exist, people made up a different kind of musical intelligence,

sical vocation. The current conductor of the band, Márcio Ro-

the members of the bands are teenagers. “The bands have their

however as capable as the scholar way for making good musi-

drigues Cardoso, 36, was himself a student of the music school

share in the cultural context of the municipalities and the work

cians.

and band member. He managed to complete a technical course

goes beyond teaching music, it fosters social inclusion due to the high demand of children and teenagers.

Building up citizens

The gregarious and young tribe character is also attractive

and by means of conductor formation courses, sponsored by the

for adolescents and children to become interested in joining the

Carlos Gomes Foundation, he got qualified to take the lead of

Pará historian Vicente Sales used to talk about the impor-

bands. “The participation of teenagers today is predominant.

the band. “I started at the music school at the age of 12 and

tance of the bands and he predicted that they would either dis-

The old musicians had a different way of playing: they used to

was able to carry on with my studies by means of the agreement

appear or achieve this entire social dimension. The bands only

drink a lot of ‘cachaça’ (the most popular alcoholic beverage

between the foundation and the school is rural Pará”. He says

46

revista3_hangar02.indd 46

18/5/2008 D044 04:34:13


Para o historiador paraense Vicente Salles, as bandas são um referencial de educação; o conservatório do povo. Pará historian Vicente Salles says the bands are a referential for education; the ‘conservatory school of the people’.

décadas. Ele explica que os integrantes eram homens de meia idade ou mais, muitas vezes músicos populares. Hoje, quem integra as bandas são jovens e adolescentes. “A banda tem uma participação no contexto cultural dos municípios e ela trabalha além do ensino musical e formação; contribui com a inclusão social, devido à grande demanda de crianças e jovens. O historiador paraense Vicente Sales fala da importância das bandas e analisou que ou elas iriam desaparecer ou ganhariam toda essa dimensão social. Hoje sobrevivem porque são um referencial de educação; são o ‘conservatório do povo’.” A metáfora do conservatório, explica o pesquisador, é porque eles foram implantados com a ideologia européia. Mas no interior do Pará, como não havia a mesma estrutura, as pessoas formaram um outro tipo de inte-

ligência musical, mas tão capaz quanto à erudita de formar bons instrumentistas. O caráter gregário e de tribo juvenil também é um atrativo para adolescentes e crianças terem interesse em ingressar nas bandas. “A presença dos jovens hoje é maioria. Os músicos idosos tinham outro hábito de tocar: eles tomavam bastante cachaça. Era outro jeito de fazer música; um jeito boêmio.” Formando cidadãos Em São Caetano de Odivelas, a Banda Rodrigues dos Santos tem resgatado o que os próprios moradores identificam como vocação musical. O atual regente da banda, Márcio Rodrigues Cardoso, 36 anos, também já foi aluno da escolinha e músico da banda. Lá, ele conseguiu concluir o curso técnico e, por meio de cur-

sos de formação de regentes, oferecidos pela Fundação Carlos Gomes, se qualificou para assumir a presidência da banda. “Comecei aos 12 anos na escolinha e pude continuar os estudos pelo convênio que a Fundação tem com as escolas do interior do Estado”. Ele conta que o interesse pela música foi espontâneo e não teve nenhuma influência da família, mas depois de integrar a “Rodrigues do Santos” percebeu que o maior aprendizado adquirido foi a formação cidadã. “A banda movimenta a cidade, temos um calendário de eventos, mas a função principal da escola é formar cidadãos, me ajudou e continua ajudando na formação de pessoas. Como professor eu passo por dificuldades, mas é muito gratificante”, resume Márcio, que ensina crianças e jovens de 9 a 20 anos. Para quem já esteve muito próximo de uma situação

that his interest for music was somewhat spontaneous and no

about to major in music at the Pará State University (UEPA), and

influence of his family; but, after becoming a member of the

he recently passed a public examination for the Military police.

A history of love that ex-farmer, musician, and mason Ma-

“Rodrigues do Santos” band, he realized that the greatest learn-

“São Caetano is known as a musical storehouse because music

noel Marcílio Fernandes knows all too well. At the age of 28,

ing he got out of it was the citizenship he had acquired.

is part of people’s lives and the impression you get about the

when he came from a small village in the São Caetano district

band is very good, and this reflected in me”, he stresses out.

to the city, the sight of a performance of the ‘Rodrigues dos San-

“The band moves the city; we have a calendar of events.

amination took place at the band school.

But, the school’s main goal is making citizens. It helped me and

According to 23-year-old Wanelson Aviz, more than passion,

tos’ band enchanted him. “I found it so beautiful, as they were

continues to help in the formation of the locals. As a teacher, I

the band became her way of living and a project of life. From

playing during the festivity of the city’s patron saint”, he says

experience some difficulties, but it’s very rewarding”, says Már-

being a student, she became a sub-conductor of the band and

emotively. The enchantment turned into obstinacy and motiva-

cio, who teaches children and young adults aged 9 through 20.

nowadays he helps by giving tutoring classes to those willing to

tion for him to study to join the band, where he learned musical

For someone who has already been very close to a situation of

take the university entrance examination for the course of music,

theory and shortly thereafter he took a position of trumpet player.

social risk, like young Claudiano, who was a member of a street

in Belém. “I graduated in music and I wish to carry on working

At the same time, he had other jobs in order to provide for his

gang in the city, joining the ‘Rodrigues dos Santos’ changed his

for the band to get better and better”. Like Claudiano, he insists

family. He says that one of the greatest moments of happiness

life completely. Today, at the age of 24, he counts his gains: he is

on highlighting that the entire preparation for the entrance ex-

he had in his life as a musician was to perform in Manaus city,

47

revista3_hangar02.indd 47

18/5/2008 D044 04:34:23


Inclusão: para muitos jovens, as bandas são um ambiente para fazer amizades e formar cidadãos. Inclusion: for many youngsters, the bands are an opportunity to make friends and build up citizens.

de risco social, como o jovem Claudiano, que chegou a ser membro de uma gangue do município, ingressar na “Rodrigues dos Santos” mudou totalmente o rumo de sua vida. Hoje com 24 anos, ele contabiliza os ganhos. Prestes a concluir o curso superior em música na Universidade do Estado do Pará (UEPA), também foi, recentemente, aprovado no concurso da polícia militar. “São Caetano é conhecido como um celeiro musical porque a música faz parte da vida das pessoas e a visão que se tem da banda é muito boa e isso repercutiu em mim.” Para o jovem Wanelson Aviz, 23 anos, mais do que paixão, a banda se transformou no seu sustento e um dos projetos de vida. De aluno, ele passou a sub-regente da banda e hoje ajuda no reforço dos que querem ingressar no curso superior de música oferecido em Belém. “Me formei em música e meu desejo é continuar

trabalhando para que a banda seja cada vez melhor”. Ele, assim como Claudiano, faz questão de ressaltar que toda preparação para o processo de seleção na universidade foi feita na escola da banda. Uma história de amor que o ex-lavrador, musicista e hoje pedreiro Manoel Marcílio Fernandes conhece bem. Aos 28 anos, quando veio de uma localidade do interior de São Caetano para a cidade, a visão de um desfile da “Rodrigues do Santos” simplesmente o encantou. “Achava tão bonito eles tocando na festividade do nosso padroeiro”, se emociona Manoel. O encantamento se transformou em obstinação e motivação para que ele estudasse para entrar na banda, onde aprendeu teoria musical e em pouco tempo assumiu o posto de trompetista. Função que desempenhou paralelamente a outros trabalhos manuais, que fazia para sustentar a famí-

lia. Na vida de músico, ele conta que uma das maiores felicidades de sua vida foi se apresentar em Manaus, além das viagens em que se apresentou como convidado em outras bandas. “Queria ser músico de profissão, na época recebi um convite para tocar na banda dos bombeiros, mas eu achei que não daria certo, hoje sou arrependido.” História Apesar do termo sinfônico remeter à idéia de orquestra com todas, ou quase todas as suas classes e naipes de instrumentos, as bandas que possuem somente instrumentos de sopro e percussão também podem carregar essa denominação. Uma estrutura musical característica do século 20, mas já no século 18 Mozart vislumbrava as potencialidades de uma orques-

in addition to the trips he took to perform as a guest musician

In the Amazon, such culture started to be stimulated even in the

restricted to churches, small evening concerts (called ‘saraus’)

for other bands. “I wanted to be a professional musician. At that

very first centuries of the Portuguese Colonization of Brazil and

and performances in large theaters.

time I was invited to play at the fire brigade band, but I thought

also due to the presence of European immigrants.

it wouldn’t work out. I regret that decision today”.

According to researcher Jacó Cantão, all of these elements

The Jesuit missions to the rural areas of Pará State brought

plus the local culture of these populations created their own way

the Indians and the peasants closer to the European theater and

of teaching and learning instrumental music in these country

History

music. The new Brazilians arriving from other countries also

cities. “You cannot say to the country boys that they play cor-

Despite the term ‘symphonic’ remits to the idea of an orches-

brought their musical knowledge, which added to the culture of

rectly or incorrectly, since there is a musical aesthetics that is

tra with all, or barely all, its classes and types of instruments,

each region. As the centuries went by, the consolidation of the

completely different from that of Europe. It’s music based upon

the bands that have wind instruments and percussion only can

borders of the Brazilian States and the creation of the armed

the cultural and social context because the purpose is different

also be named as such. Being a typical 20th century musical

forces, the military bands, which played at ceremonies and spe-

– it’s not to play in concert rooms, but on the streets. On the

structure, even in the 18th century Mozart already considered

cial celebrations in the State – these were some of the options

other hand, as they develop the ability of the musical perception,

the potentials of an orchestra made up by wind instruments only.

people had to be in contact with the music that, until then, was

they manage to play ‘chorinho’, samba and other styles simply

48

revista3_hangar02.indd 48

18/5/2008 D044 04:34:34


tra feita tão-somente com instrumentos de sopro. Na Amazônia, essa cultura começou a ser fomentada ainda nos primeiros séculos de colonização portuguesa e com a presença de imigrantes europeus. As missões jesuíticas, no interior do Pará, aproximaram índios e caboclos do teatro e da música europeus. Os imigrantes de vários países também traziam seus conhecimentos musicais que se somavam à produção da cultura de cada região. Com o passar dos séculos, a consolidação das fronteiras dos estados brasileiros e a criação das forças armadas, as bandas militares - que tocavam em solenidades e datas comemorativas do Estado - eram um dos meios que a população contava para ter contato com a música, até então restrita a igrejas, pequenos saraus e apresentações nos grandes teatros.

Para o pesquisador Jacó Cantão, todos esses elementos, mais a cultura local das populações, criaram um jeito próprio de ensinar e aprender música instrumental nesses municípios. “Você não pode dizer para os garotos do interior que tocam certo ou errado, porque há uma estética instrumental diferente da européia. É uma música pautada no contexto cultural e social, porque a função é diferente, não é para tocar em salas de concerto e sim na rua, eles tocam muito de cor. Por outro lado, ao desenvolver a habilidade da percepção musical eles conseguem tocar chorinho, samba, e outras músicas só ouvindo, e essa habilidade vai pouco a pouco desenvolvendo a atividade motora da digitação dos dedos, vai aperfeiçoando a técnica por meio do repertório”, explica. A motivação inicial para criação dessas bandas

by listening to it, and this ability helps develop the motor ac-

As to the main musical influence, he emphasizes the Por-

tivity of the fingers little by little; the technique is enhanced

tuguese origin. “The way of playing is of Portuguese origin be-

through the repertoire”, he explains.

cause they were the models of behavior and there were many

The initial motivation for the creation of these bands was the absence of electric power and radios in the region. The

bands there”, in addition to the military bands which were the origin of the uniforms of the bands.

bands would have been created out of popular gatherings of musicians. “But, it is important to note that the existence of

Recovery

each band goes through a network of particular situations. In

Despite being a hardly known tradition in Belém, one of

the city of Vigia, for example, there was the Jesuit school and

the main symphonic bands in the State is that of the Lauro

the students had musical practice, devotion to the ‘Cíirio’ in

Sodré School, which is one of the most traditional schools in

homage to Our lady of Nazareth, and these schools contributed

Belém. The band was founded 136 years ago as one of the extra

for the city to have a band”, he explains.

activities of the school. At that time, the Lauro Sodré School

revista3_hangar02.indd 49

18/5/2008 D044 04:34:41


Para Antônio Braga, superintendente da Fundação Carlos Gomes, bandas cumprem um papel social ao envolver jovens com a música. According to Antônio Braga, of Carlos Gomes Foundation, the bands play a social role by involving the youngsters with music.

era falta de eletricidade e ausência de rádios. As bandas teriam nascido de reuniões populares de músicos. “Mas é importante notar que a existência de cada uma passa por uma rede de situações particulares. Em Vigia, por exemplo, havia a escola de jesuítas e havia a prática musical, a devoção do círio a Nossa Senhora de Nazaré, que contribuíram para o município ter uma banda tocando”, explica. Quanto à principal influência musical, ele destaca a origem portuguesa. “O modo de tocar é de origem portuguesa, porque eram os modelos de comportamento. Lá havia uma grande proliferação de bandas”. Outra influência são as bandas militares, de onde saíram os uniformes com quepe e o modelo semelhante a uma farda. Resgate - Mesmo sendo uma tradição pouco conhe-

cida na capital, uma das principais bandas sinfônicas do Estado é a do Colégio Lauro Sodré, um dos mais tradicionais de Belém. Com 136 anos, a banda surgiu como uma das atividades desenvolvidas pela escola, que na época tinha como principal papel oferecer formação profissional e técnica, principalmente para os moradores que vinham do interior do Estado. Com o passar do tempo, mudanças nas políticas educacionais retiraram o caráter profissionalizante da escola, mas a tradição da banda e o trabalho na formação de instrumentistas permaneceram. Com uma média de 30 apresentações anuais, a banda conta com 70 músicos e sua manutenção gira em torno de R$ 50 mil. Um custo mantido pela Secretaria de Educação (Seduc), que arca com a compra de instrumentos, além da doação de uniformes. Uma estratégia

para valorizar a produção musical no Estado, que é incentivada nas escolas com a implantação de uma outra modalidade de grupo musical: as bandas de fanfarras. “As bandas têm um papel fundamental para socialização dos estudantes e seu aprendizado. Eles ficam mais motivados e aprendem melhor”, ressalta o regente da “Lauro Sodré”, mestre Silas, que desde 1986 dedica-se a resgatar e documentar a história da banda. Incentivo Reconhecendo o valor dessa cultura regional e tendo a percepção dos poucos registros documentais da história e produção dessas bandas, a Fundação Carlos Gomes estreita, nos últimos anos, as relações com as bandas oferecendo cursos e levando oficinas de música aos municípios, além do pagamento de bolsas aos mo-

had a main role to provide technical and professional education

production by promoting another type of band in schools: the

lationship with these bands over the past few years by providing

courses, especially for those students coming from rural areas.

marching bands. “The bands play a fundamental role in social-

courses and taking workshops on music to the municipalities.

Over time, the school lost its professional formation character

izing the students and in their learning, as they get more mo-

It also offers scholarships to the monitors of the music schools

due to changes in the educational policies; however, the tradi-

tivated and learn better”, explains the conductor of the “Lauro

linked to the bands. According to Antônio Braga, the Foundation’s

tion of the band and the work to build up musicians remained.

Sodré” band, Master Silas, who has dedicated himself, since

Chief Officer, there is a very strong tradition in this area which is

1986, to salvage and document the band’s history.

not well-known in the capital or out of the State. Without support,

The band makes an average of 30 performances every year, it has 70 musicians and costs around R$50.000,00 per month

they could be extinguished. “The bands play a social role by get-

to be maintained. Such cost is paid by the State Secretariat of

Carlos Gomes Foundation

ting the teenagers involved with music. We have students from

Education (Seduc), which purchases the instruments and pro-

By recognizing the value of this regional culture and being

all over the State who become great multiplying agents”.

vides for the maintenance of the band, in addition to donating

aware of the few registries of the history and production of these

The quest for support is almost always an initiative of the

the uniforms. The State Government also stimulates the musical

bands, the Carlos Gomes Foundation has been narrowing the re-

presidents of the bands, while sometimes it’s through the mu-

50

revista3_hangar02.indd 50

18/5/2008 D044 04:34:43


nitores das escolinhas de música ligadas às bandas. Segundo o superintendente da fundação, Antônio Braga, existe no Estado uma tradição muito forte nesta área, mas que é pouco conhecida na capital e fora do Pará, e sem apoio elas poderiam deixar de existir. “As bandas cumprem um papel social envolvendo os jovens com a música. Temos alunos espalhados em todo o Estado, que se tornam agentes multiplicadores.” A busca de apoio quase sempre vem diretamente dos próprios presidentes das bandas, outras vezes por meio dos municípios, e a partir desse contato, são feitos convênios. É por meio do Núcleo de Interiorização que a fundação acompanha as bandas, fecha parcerias com entidades interessadas em patrocinar esses trabalhos e executa projetos, como o “Música na Praça”, que traz bandas do interior para se apresentarem nas praças de

Belém, com o intuito de divulgá-las. “Estamos fazendo um trabalho importante de resgate desse patrimônio, documentando em áudio e vídeo a história dessas bandas com os mestres de cultura locais e restaurando partituras antigas compostas pelas bandas e que nunca foram publicadas. Tudo faz parte do patrimônio imaterial do Estado e é parte da nossa história”, ressalta Braga. Ele conta que ainda há muito a resgatar, mas que a idéia é disponibilizar o material compilado no acervo cultural do Estado para que as pessoas conheçam mais sobre essa arte. L

nicipal administration. After this first contact, agreements are

bands and restoring old sheet music composed by the these

entered into with the Foundation, which has a department (the

bands that were never released. It is all part of the heritage of the

Núcleo de Interiorização) to follow up the bands, to establish the

State and part of our history”, Braga emphasizes. He goes on tell-

partnerships with the parties that are interested in sponsoring

ing that there is still al lot to recover, but the intention is to make

these works, and to execute the projects such as the “Música na

this compiled material available at the State’s cultural estate so

Praça” (Music in the Park), through which countryside bands are

that people get to know more about this art. L

Serviço: Para conhecer mais sobre o trabalho da Fundação Carlos Gomes com as bandas do Estado do Pará acesse www.fcg.pa.gov.br/ ou ligue para (55+0xx91-3201.9471).

brought to play in the parks of Belém in order to disseminate this work. “We have been doing an important work of recovery of this heritage by documenting in audio and video the history of these

revista3_hangar02.indd 51

Service: For further information on the work developed by the Carlos Gomes Foundation with the bands of Pará, please access: www.fcg.pa.gov.br/ or call (55+0xx91-3201.9471).

18/5/2008 D044 04:34:48


2 meses - 33 eventos - 150.000 pessoas

4 meses - 72 eventos. 300.000 mil pessoas

5 meses - 850.000 pessoas

Double M

Lançamento - A Amazônia de portas abertas para o mundo.

6 meses - Círio Hangar

8 meses - Prêmiado com o Caio.

A Double M, agência de comunicação do Hangar, se orgulha de fazer parte desta história de sucesso. Parabéns Hangar.

revista3_hangar02.indd 52

Natal do Hangar

1 ano - 250 eventos. 1.140.000 pessoas.

Tv. João Balbi 167 / 4005-6868 / www.doublem.com.br

18/5/2008 D044 04:34:59


revista3_hangar03.indd 53

18/5/2008 D044 04:44:25


roteiro / itinerary

Um passeio de f茅

e hist贸ria

To an outing of faith and history texto // text: Aline Monteiro fotos // photos: Diana Figueroa

revista3_hangar03.indd 54

18/5/2008 D044 04:44:35


Não é preciso ficar apenas nos livros de história para fazer um passeio pela vida da Província do Grão-Pará entre os séculos 17 e 18. Uma importante referência desse período ainda está de pé nas igrejas centenárias localizadas principalmente no centro histórico de Belém, mas também em cidades como Bragança e Vigia. You don’t have to rely only on History books to stroll around the life of the Province of the Grão-Pará between the 17th and 18th centuries. An important reference of such period can be seen in century-old churches located manly in the historical center of Belém as well as in cities such as Bragança and Vigia. To an accurate observer, more than rocks, lime and decorative elements, they preserve important data about the social organization of those times, the relations with Europe and the cultural heritage which helped build up the identity of Pará.

revista3_hangar03.indd 55

18/5/2008 D044 04:44:51


Chamada de “a jóia de Landi”, a Igreja de São João é caracterizada pelo estilo barroco tardio e pela pintura cenográfica. A via-sacra (abaixo) e o retábulo (à direita) são marcas da beleza do lugar. Called “Landi’s jewel’, the São João Church’s characteristics include the late baroque style and the scenic painting. The sacred road (below) and the altar (right) are emphasize the beauty of the church.

o observador atento, mais que pedra e cal e elementos decorativos, as igrejas construídas no Pará há mais de 200 anos reservam dados importantes sobre a organização social daquela época, as relações com a Europa e as heranças culturais que ajudaram a compor a identidade paraense. Como lembra a arquiteta Roseane Norat, diretora do Departamento de Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural do Estado (Dphac), naquele período as igrejas eram as referências do espaço

público. “É a partir delas que as freguesias e as vilas foram crescendo e se interligando. Elas faziam parte do projeto colonizador.” Das primeiras capelas cobertas de palha e construídas a partir de uma arquitetura vernacular, passando pelas construções de taipa, chegou-se às igrejas de alvenaria e pedra do século 18, como as igrejas da Sé, Sant’Anna, Mercês e São João, trazendo para a província a arquitetura e os métodos construtivos usados até então na Península Ibérica

e na Itália. Uma das influências nesse processo, lembra a historiadora Lélia Fernandes, diretora de Patrimônio Histórico da Secretaria de Estado de Cultura (Secult), foi a chegada da Comissão Demarcadora de Limites em 1753, reunindo técnicos das Coroas portuguesa e espanhola para delimitar e documentar os marcos definidos três anos antes pelo Tratado de Madri. Os integrantes da comissão permaneceram em Belém por um ano e depois

rchitect Roseane Norat, director of the State Department of

ing methods already used in the Iberian Peninsula and in

countryside in order to demarcate the land. However, as the

Historic, Artistic and Cultural Heritage (Dhacp), says that

Italy.

treaty was revoked in 1761, some of those professionals ended

A

A

in those days the churches were like references of the public

One of the influences in this process, recalls the historian

up staying here. “Among the professionals recruited by the

space. “It’s from them that the villages grow and connect to

Lélia Fernandes, director of the Historical Heritage Department

Portuguese Govnernment for the mission there were German

one another. They were part of the colonization process.”

of the State Culture Secretariat (DHACP), was the arrival of

engineers, Italian designers and architects – among them was

From the first chapels covered by straw and built from a

the Boundaries Demarcation Commission in 1753 made up of

Antonio Landi – who stayed in Belém and played an important

vernacular architecture, going through clay constructions, we

technicians of both Portuguese and Spanish Crowns to set and

role in the implementation of the project for urban beautifica-

come to those brick and stone churches of the 18th century,

document the landmarks which had been defined three years

tion”, says Roseane Norat.

such as the Sé, Sant’ Anna, Mercês and São João churches,

earlier by the Treaty of Madrid. The members of the commis-

Graduated by the Clementina Academy of Bologna, Landi,

which brought to the province the architecture and construct-

sion stayed in Belém for a year and then left to the Amazon

who was primarily the commission’s designer, became the

56

revista3_hangar03.indd 56

18/5/2008 D044 04:45:06


galvão

partiram para o interior do Amazonas para realizar a demarcação das terras. Mas com a revogação do tratado, em 1761, alguns desses profissionais acabaram ficando por aqui. “Dentre os profissionais recrutados pelo governo português para a missão havia engenheiros alemães, desenhistas e arquitetos italianos - entre eles, Antonio Landi - que ficaram em Belém e tiveram um papel importante na implantação do projeto pombalino de reordenamento urbano”, completa Roseane Norat.

Formado pela Academia Clementina de Bolonha, Landi, que era originalmente o desenhista da comissão, tornou-se o principal arquiteto da província no século 18, sendo responsável pela construção ou pelo menos pela finalização e ornamentação de quase todas as principais igrejas do período que sobreviveram até a época atual. Em todos os projetos, imprimiu um estilo particular. “Alguns falam de neoclassicismo, mas o mais correto é chamar o estilo dessas construções de barroco pombali-

main architect of the province in the 18th century, being re-

architecture that emerged by the time of the construction of

sponsible for the construction or even for the completion and

Lisbon, after the 1777 earthquake”, explains the director of

ornamenting of almost all the main churches of that time

the Dhacp.

which have endured the passage of time until today. In all of

Together with the architectonic information reflecting the

the projects he introduced a peculiar style. “Some talk about

cultural relationships in the world at that time, the circuit of

neoclassicism, whereas the most correct is to call the style of

the churches of the 17th and 18th centuries also reflected

such constructions as pombaline baroque, a kind of baroque

the action of several religious orders and brotherhoods in the

that is free from ornamenting, with references to the Italian

Amazon. “Several orders came here, but the most important

construction and which is also explained by the historical

and influential were the Capuchos of Saint Antony, the Car-

matter, and features a reduction in decorative elements in the

melites, the Mercedarians and the Jesuits, who were granted

41

revista3_hangar03.indd 57

18/5/2008 D044 04:45:14


A Igreja de Nossa Senhora do Carmo foi construída no século 18 e também passou pelas mãos de Landi, que acrescentou frontões ondulados The Nossa Senhora do Carmo Church was built in the 18th century and was also submitted to the talented hands of Italian architect Antônio Landi, who added wavy façade (above) and an unconventional design (below).

58

revista3_hangar03.indd 58

18/5/2008 D044 04:45:16


no, um barroco mais limpo de ornamentação, que tem referências da construção italiana e se explica também pela questão histórica, na diminuição dos elementos decorativos na arquitetura que surgiu na época da reconstrução de Lisboa, depois do terremoto de 1777”, explica a diretora do Dphac. Junto às informações arquitetônicas que demonstram as relações culturais do mundo àquela época, o circuito das igrejas dos séculos 17 e 18 também reflete a ação de diversas ordens religiosas e irmandades de devotos na Amazônia. “Várias ordens passaram por aqui, mas as mais atuantes e influentes foram a dos Capuchos de Santo Antônio, a dos Carmelitas Calçados, dos Mercedários e dos Jesuítas, que receberam terras onde criaram conventos e igrejas”, lembra Lélia Fernandes. Segundo Roseane Norat, as irmandades de devoção aos santos também tiveram um papel muito importante na construção das igrejas, sendo responsáveis, por exemplo, pelas igrejas do Carmo, Santíssima Trindade, Nossa Senhora do Rosário dos Homens Brancos (que já não existe mais) e a dos Homens Pretos, a Capela da Ordem Terceira, as igrejas da Santa Casa de Misericórdia e do Santo Cristo. “As igrejas refletiam uma estratificação social. Com as irmandades, as pessoas estavam se unindo a seus pares. A sociedade se agrupa refletindo as diferenças sociais, e cada uma queria fazer mais do que a outra. Isso é muito claro no

Cemitério da Soledad, que é dividido em quatro quadrantes, cada um pertencente a uma irmandade. Mesmo depois da morte, as pessoas tinham seu lugar social.” Fora desse primeiro recorte histórico, outra igreja que merece atenção especial de quem visita o Pará é a Basílica de Nossa Senhora de Nazaré. Construída entre o século 19 e início do século 20, ela é um dos principais símbolos da maior festa religiosa da região e uma das maiores do Brasil. “Na Basílica também se percebe essa influência muito forte da comunidade. Quantas famílias foram patrocinadoras dessa obra. Até hoje estão lá registrados os nomes de várias delas. Por conta disso também tem um projeto peculiar, com uma miscelânea de materiais”, diz a diretora do Dphac. Mas se as igrejas situadas numa arquitetura histórica, tombadas como patrimônio nacional ou estadual, acabam se tornando um foco prioritário num passeio pelos “caminhos da fé” no Estado do Pará, Cleber Gomes, turismólogo do Dphac, lembra que mesmo aquelas que não têm edificações suntuosas cumprem um papel importante na movimentação da vida cultural das comunidades. “Quando você vai montar as rotas turísticas nos municípios, todos eles querem incluir suas igrejas, porque é lá onde as coisas acontecem, onde há sempre festividades religiosas, em homenagens aos santos, que tornam essas igrejas vivas.” L

lands where they built up monasteries and churches”, says

centuries, it is one of the main symbols of the greatest reli-

Lélia Fernandes.

gious event in the region and one of the largest in Brazil. “This

According to Roseane Norat, these brotherhoods also

strong community influence is also perceived at the Basilica.

played a very important role in the construction of churches,

Many families sponsored this project and until today the many

being responsible, for instance, for the churches of Carmo,

names of these families are registered there. And because of

Santíssima Trindade, Nossa Senhora do Rosário dos Homens

that, it is also a peculiar project, with a miscellaneous of ma-

Brancos (which no longer exists) and of Homens Pretos, Capela

terials”, says the director of Dhacp.

da Ordem Terceira, the churches of Santa Casa de Misericórdia

But while the churches located in a historical architecture,

and Santo Cristo. “The churches reflected the social stratifica-

designated as national or state heritage buildings, ended up

tions. The society gathers in groups reflecting the social differ-

being a prior focus in the “paths of faith” in the state of Pará,

ences, and each bortherhood wanted to do more than the other.

Cleber Gomes, tourism expert of Dhacp, says that even those

This is very clear in the Soledad Cemetery, which is divided into

which do not have a sumptuous edification play an important

four quadrants, each of them belonging to a different brother-

role in the cultural life of the communities. “When you are go-

hood. Even after death, people had their social place.”

ing to trace the tourist routes of the municipalities, all of them

Apart from this first historical report, another church which

want to have their churches included because it is there where

deserves special attention from those who visit Pará is the Ba-

things happen, where there are always religious festivities

silica of Our Lady of Nazareth. Built between the 19th and 20th

honoring saints, which make these churches alive.” L

revista3_hangar03.indd 59

18/5/2008 D044 04:45:24


Acima, a Igreja de Santo Alexandre que já foi sede do bispado e hoje funciona como Museu de Arte Sacra. Abaixo, a Igreja das Mercês (à esquerda) e a Basílica Santuário de Nazaré (à direita), construída em estilo eclético entre os séculos 19 e 20. Above, the Santo Alexandre Church, which was once the diocese, is now the sacred Art Museum. Below, the Mercês Church (left) and the Basilica of Nazareth (right), built in an eclectic style between the 19th and 20th centuries.

60

revista3_hangar03.indd 60

18/5/2008 D044 04:45:29


As igrejas refletiam uma estratificação social. Com as irmandades, as pessoas estavam se unindo a seus pares. Mesmo depois da morte, as pessoas tinham seu lugar social.. 7KH FKXUFKHV UH HFW HG W KH VRFLDOVW UDW L cations. The VRFLHW \ JDW KHUV LQ JURXSV UH ecting the social differences, and each bortherhood wanted to do more than the other. Even after death, people had their social place

revista3_hangar03.indd 61

18/5/2008 D044 04:45:42


Convento e Igreja de Nossa Senhora do Carmo e Capela da Ordem Terceira A Ordem Carmelita do Maranhão chegou a Belém em 1626. A primeira igreja foi demolida em 1690, quando a ordem começou a construção de um novo prédio. A igreja atual data de 1766, depois da ampliação realizada com projeto de Antônio Landi, quando ganhou frontões ondulados, um desenho pouco comum entre as igrejas brasileiras. Tombada como patrimônio nacional, tem retábulo barroco de transição em estilos nacional-português e joanino. Anexo à igreja existe a Capela do Senhor dos Passos. O convento tem janelas enquadradas por cunhais e telhado com beiral em cimalha de boca de telha. Depois que a ordem deixou o local, o conjunto serviu à prefeitura, à Arquidiocese e à Ordem dos Maristas até passar aos Salesianos. Atualmente acumula as funções de Sé, enquanto não se completa a restauração da catedral, com reabertura prevista para 2009. Serviço: Endereço: Travessa Dom Bosco, 72. Bairro: Cidade Velha. Telefone: + 55 (91) 3241.1100 Horário de visitas: diariamente de 8h às 12h e das 14h às 17h30. Igreja de Santo Alexandre A igreja e convento de Santo Alexandre não mantém mais funções religiosas. Após um grande projeto de restauro, foram reabertos em 1998 como espaço cultural, abrigando o Museu de Arte Sacra. A construção atual, incluindo a decoração, foi finalizada em 1731. A nave única e as oito capelas laterais em volta do altarmor evidenciam as fases áurea e decadente do barroco, com notáveis trabalhos de talha nos púlpitos e altar-mor. Os elementos característicos do estilo, como as folhas de acanto, cachos de uva, aves e querubins do paraíso, foram substituídos por outros inspirados na floresta amazônica, como pássaros e frutos da região. Entre os destaques do prédio, considerado patrimônio nacional, está o lampadário do século 18 em prata portuguesa batida a martelo. Foi sede do bispado e serviu ao seminário Episcopal. Serviço Endereço: Praça Frei Caetano Brandão, s/nº. Bairro: Cidade Velha. Telefone: + 55 (91) 4009.8800 Horário de visitas: de terça-feira a domingo das 10h às 18h. Igreja da Sé A construção da atual catedral começou em 1748, época em que o barroco ainda predominava na península ibérica, sendo concluída até o arco-cruzeiro em 1755. Antônio Landi continuou a obra e a finalizou por volta de 1774, adicionando a imponência neoclássica à fachada superior, enquanto que a parte inferior revela um maneirismo tardio. No final do século 19 passou por várias reformas, quando ganhou um novo altar-mor em estilo neoclássico, feito em mármore e alabastro vindo de Roma como oferta do Papa Pio IX, além de novo retábulo e painéis para os altares colaterais e para as abóbadas, novos púlpitos, paravento, órgão, cadeiral dos cônegos, piso em mármore, e pinturas de Domenico de Angelis, painéis de Lottini e Silvério Caporini. Os púlpitos de madeira remanescentes do projeto de Landi apresentam influência italiana e similaridades com as catedrais da Idade Média. As portas das sacristias, do Bispo e do Cabido são em talha e preciosos levados de lioz branco e róseo, com decoração barroca. Tombada como patrimônio nacional. Serviço: Local: Praça D. Frei Caetano Brandão, s/nº. Bairro Cidade Velha. Telefone: + 55 (91) 3223.2362 Horário de visitas: diariamente a partir das 16h.

Igreja de São João Com estrutura peculiar, no estilo barroco tardio (italiano), em formato octagonal e decorada com pinturas ilusionistas, é chamada por alguns de “a jóia de Landi”. O prédio atual foi construído em alvenaria de pedra e inaugurado em 1777. Um campanário de alvenaria junto à sacristia tomou o lugar das torres. O altar tem retábulo imitando o estilo neogótico. Durante o século 18, enquanto a Sé estava sendo construída, manteve uma intensa vida religiosa, funcionando como catedral. Como o tombamento como patrimônio nacional só aconteceu em 1941, a igreja sofreu alterações, como a inclusão de três altares em estilo neogótico. Serviço: Local: Rua João Diogo, s/nº. Bairro: Cidade Velha. Telefone: + 55 (91) 3223.2362 Horário de visitas: diariamente de 7h30 às 9h30. Igreja de Sant’Anna Era a segunda paróquia de Belém na época colonial. A atual igreja começou a ser construída em 1761, com projeto de Landi, que era devoto de Sant’Anna e foi um dos paroquianos que se empenharam para a sua construção. Patrimônio nacional, tem características neoclássicas e abóbada em ogiva, encimada por lanterna redonda coroada por cúpula e cruz, algo raro entre as igrejas brasileiras. Passou por reformas em 1840 e 1855 que alteraram muito suas fachadas, comprometendo a estrutura, com a demolição das colunas laterais e a instalação de duas torres. Em 1940 a fachada foi restaurada. Dentre o acervo de imaginárias, está uma imagem de São Pedro, réplica da existente em Roma. Serviço: Endereço: Praça Maranhão, 125, Bairro: Campina. Contato: + 55 (91) 3283.4006 Horário de visitas: diariamente de 8h às 12h e de 14 às 17h. Igreja das Mercês A construção atual foi iniciada no século 18, em alvenaria de pedra, para substituir a igreja pré-existente de taipa-de-mão e pilão. O templo projetado por Antônio Landi foi concluído em 1777 e é uma das poucas igrejas brasileiras com fachada convexa e frontão de linhas onduladas. Depois da expulsão da Ordem dos Mercedários, a igreja e o convento anexo serviram de sede da Alfândega (onde funciona até hoje) e foram intensamente utilizadas durante a revolta da Cabanagem em 1835, funcionando como Trem de Guerra, Quartel de Milícia, e Arsenal de Guerra. Ainda abrigou a Recebedoria Provincial, os Correios, o Corpo de Artilharia e o Batalhão de Caçadores. Muito do seu acervo se perdeu no século 19 e em 1978, quando um incêndio destruiu quase todo o convento. O conjunto é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que o restaurou em 1986. Serviço: Endereço: Travessa Frutuoso Guimarães, 31 Telefone: + 55 (91) 3212-3102 Horário de visitas: diariamente de 8h às 18h. Igreja dos Rosário dos Homens Pretos Datada da segunda metade do século 17, iniciou-se com uma pequena ermida feita pelos escravos e negros em devoção a Nossa Senhora do Rosário. Foi reconstruída em 1725 e depois, pelos esforços da irmandade, ampliada com projeto de Landi. Conserva as janelas com rótulas de urupêma, segundo os registros, raras no Pará, além de demonstrarem a influência árabe nos costumes portugueses. Seu acervo inclui peças como castiçais e lanternas de prata maciça, além de rica

The Nossa Senhora do Carmo Monastery and Church and the Ordem Terceira Chapel The Carmelite Order from Maranhão State arrived in Belém in 1626. The first church was demolished in 1690, when the Order started the works for a new building. The church of today dates back to 1766, after the expansion made from a project by Antônio Landi. The church received wavy façade, an unusual amongst the Brazilian churches. Designated as a national heritage building by the State, it features a transition Brazilian-Portuguese and joanino baroque altarpiece. Next to the church is the Senhor dos Passos Chapel. The monastery has windows framed with cornerstones and a roof with projections on tile-edged transom. After the Order left the place, the building was used by the City hall, the Archdiocese and the Maristas Order until it was used by the Salesianos. Currently, it serves as the See while the renovation of the cathedral is not completed, which is expected to be reopened in 2009.

influence and are similar to those of the Middle Age cathedrals. The doors to the sacristy, the Bishop and to the Chapter are carved and precious white and pink limestone with a baroque decoration. It is designated as a National heritage building.

The Santo Alexandre Church The Santo Alexandre church and monastery no longer keep their religious functions. After a large renovation project, these sites were re-inaugurated as cultural centers in 1998, becoming the Sacred Art Museum. The existing building and its decoration were completed in 1731. The single nave and the eight side chapels around the high altar make evident the golden and decadent phases of the baroque, with remarkable carving work at the pulpits and the high altar. The characteristic elements of this style, such as the acanthus leaves, bunches of grapes, heaven birds and cherubs, were replaced by other elements inspired on the Amazon Rainforest, such as the birds and fruits of the region. One of the highlights of the building, which is registered as a national heritage building, is the 18th century chandelier hand-made with Portuguese silver. It was the headquarters of the diocese and was used by the Episcopal seminary.

The Sant’Anna Church It was the second parish in Belém in colonial times. Erecting the existing church commenced in 1761 with a project by Landi, who was a devotee to Sant’Anna and was one of the parish members who engaged in the construction of the church. While being a national heritage building, it has neoclassical characteristics and pointed arch vaulting, topped by a round lantern crowned by a dome and cross, which is something rare amongst the Brazilian churches. The two renovations in 1840 and in 1855 deeply changed its façade, thus jeopardizing the structure by demolishing the side pillars and erecting the two towers. In 1940, the façade was renovated. Its collection of images includes a statue of Saint Peter, a replica of the one kept in Romea.

The See Church Erection of the existing cathedral commenced in 1748, a time when the baroque was still predominant in the Iberian Peninsula. It was partially completed in 1755. Antônio Landi continued with the works and completed it definitely around 1774, adding the neoclassical impressiveness to the upper façade, whereas the lower part of the building reveals a late mannerism. Late in the 19th century, it was renovated several times as it received a new neoclassicalstyle high altar made from marble and alabaster from Rome, an offer of Pope Pio IX, in addition to the new retable and panels for side altars and for the vaulting, new pulpits, wind screen, the organ, the seats of the canons, marble flooring, and paintings by Domenico de Angelis, and panels by Lottini and Silvério Caporini. The wooden pulpits from Landi’s project have an Italian

The São João Church With its peculiar structure in late baroque style (Italian), octagonal-shaped and decorated with illusionist paintings, this church is called “Landi’s Jewel” by some. The existing building was erected in brick and stone and inaugurated in 1777. A belltower made of bricks, next to the sacristy, replaced the towers. The altar has a neogothic-like retable. Over the 18th century, while the See was being built, this church kept an intense religious life, working as a cathedral. Since it was designated as a national heritage building only in 1941, the church had some changes such as the addition of three neogothic-style altars.

The Mercês Church This church was erected in the 18th century, in stone masonry, in order to replace the pre-existing, lath-and-plaster church. The temple, designed by Antônio Landi, was completed in 1777 and is one of the few Brazilian churches with a convex façade and wavy-lined pediment. After the Order of Our Lady of Mercy was expelled, the church and the monastery attached to it housed the Customs office (where it has been ever since), and they were largely used during the ‘Cabanagem’ revolt in 1835 as headquarters and arsenal for the militia. They were also used by several other institutions, such as the Post Office Department. Much of its heritage was lost in the 19th century and again in 1978, when a fire destroyed almost the entire monastery. The church is recorded as a historic site by the National Institute of Historic and Artistic Heritage (Iphan), which arranged for its renovation in 1986.

documentação das irmandades de Nossa Senhora do Rosário e de São Benedito. É considerada patrimônio nacional. Serviço: Endereço: Tv. Pe. Prudêncio, 337. Bairro: Campina Telefone: + 55 (91) 3222.6482 Horário de visitas: diariamente das 8h às 12h. Basílica de Nazaré Referência do Círio de Nazaré, a basílica foi erguida onde teria sido encontrada a imagem de Nossa Senhora que move a fé dos paraenses há mais de 200 anos. Foi O prédio atual foi construído entre 1908 e 1912, em estilo eclético, incluindo elementos como vitrais franceses e mármore carrara italiano. Inspirada na Basílica de São Paulo, em Roma, tem interior em mármore, 62 metros de comprimento, 24 de largura e 20 de altura, com projeto conduzido pelos arquitetos genoveses Coppedé e Pedrasso. Os mosaicos que dão a volta em toda a igreja contam não só as principais passagens da vida de Nossa Senhora, como a história do Círio de Nazaré. Serviço: Endereço: Travessa 14 de Março, 1.455 Telefone: + 55 (91) 4009.8400 Horário de visitas: diariamente de 6h às 19h. Igreja Madre de Deus (Vigia) Construída pelos padres da Companhia de Jesus na cidade de Vigia, durante o século 18, a igreja Madre de Deus se assemelha à de Santo Alexandre na fachada, com grandes volutas nos frontispícios. Conserva suas linhas construtivas originais bem como parte de seu acervo sacro, com destaque para as telas da vida de Nossa Senhora que cobrem a parede de fundo da sacristia e o Cristo datado do século 18 que permanece na sacristia. Serviço: Endereço: Rua de Nazaré, 523. Bairro: Centro. Telefone: + 55 (91) 3731.1510 Horário de visitas: de terça-feira a sábado de 8h às 12h. Igreja do Menino Deus (Soure) O padroeiro é o Menino Jesus. A igreja Matriz foi construída no século XVI. Passou por uma ampla reforma e foi reaberta em 5 de dezembro de 1999. Serviço: Endereço: Terceira Rua, 1428. Bairro: Centro. Telefone: + 55 (91) 3741.2214 Horário de visitas: diariamente de 8h às 12h e de 14h às 18h. Igreja de São João (Cametá) Catedral de São João Batista, na Praça dos Notáveis, construída em 1757, possivelmente pelo primeiro pároco da Ordem de Cametá. Serviço: Endereço: Praça dos Notáveis, 984. Bairro: São João Batista. Telefone: + 55 (91) 3781.1175 Horário: diariamente de 8h às 12h e 15h às 18h. Igreja de São João (Vila do Conde) Construída em 1863 por missionários e indígenas, conserva suas linhas originais e está localizada na Vila do Conde. Serviço: Endereço: em frente à Praça Matriz, na Vila do Conde. The Rosários Homens Pretos Church Dating back to the second half of the 17th century, this church started as a small countryside chapel erected by the slaves and black people in devotion to Our Lady of the Rosary. It was rebuilt in 1725 and then expanded by a project by Landi. It keeps its rare window shutters made of ‘urupêma’, and demonstrate the Arabic influence in the Portuguese habits. Its heritage includes such pieces as candlesticks and lanterns made of solid silver in addition to the valuable documentation of the brotherhoods of Our Lady of the Rosary and of Saint Benedict. It is a National Heritage Building. The Basilica of Our Lady of Nazareth The reference to the traditional Círio de Nazaré (Procession of Nazareth), the basilica was erected on the place where a statue of Our lady of Nazareth, which has supported the faith of the people of Pará for over 200 years, was found. The existing building was erected between 1908 and 1912. It has an eclectic style and includes such elements as French stained glass and the Italian ‘carrara’ marble. Being inspired in the Saint Paul Basilica, in Rome, its interior is covered in marble; it is 62 meters long by 24 meters wide and 20 meters tall; its design was conducted by Genovese architects Coppedé and Pedrasso. The mosaics placed all around the church tell not only the main passages of the life of Our Lady of Nazareth, but also the history of the Círio de Nazaré. The Madre de Deus Church (Vigia) It was erected by the priests of the ‘Companhia de Jesus’ in the city of Vigia in the 18th century. The Madre de Deus Church resembles the Santo Alexandre Church in its façade, with large scroll-like ornaments on the frontispieces. It keeps its original lines as well as part of its sacred heritage, highlighting the paintings portraying the life of Our Lady of Nazareth that hang on the end wall of the sacristy and the image of the Christ, dating back to the 18th century. The Menino Deus Church (Soure) The patron saint of the place is Infant Jesus. The mother church was erected in the 16th century, was completely renovated and re-opened on December 5th of 1999. The São João Church (Cametá) The São João Batista Cathedral was built in 1757, possibly by the first priest of the Cametá order parish. The São João Chuerch (Vila do Conde) Built in 1863 by missionaries and indians, this church still keeps its original

62

revista3_hangar03.indd 62

18/5/2008 D044 04:45:48


revista3_hangar03.indd 63

18/5/2008 D044 04:45:57


cultura / culture

Apaga a fogueira do

meu coração

Festivities abound in June celebrations! texto / text: Guilherme Guerreiro Neto foto / photo: Diana Figueroa

A movimentação cultural em junho no Pará só é comparada com a de outubro, mês do Círio de Nazaré. O arraial paraense tem boi de máscara com quatro pernas, pássaro se esquivando de caçador, cortejos pelas ruas e as tradicionais quadrilhas pondo todo mundo para dançar. E ai de quem ficar parado! The cultural movement in Pará in June is only compared to that of October, the month of the Cirio of Nazaré (the largest religious celebration in Brazil). The festivities of Pará include several cultural manifestations such as processions in the streets and the traditional country dance groups, called ‘quadrilhas’, which get everybody dancing along.

64

Arraial do Pavulagem faz arrastão musical pelas ruas de Belém ‘Arraial do Pavulagem’ on parade through the streets of Belém

revista3_hangar03.indd 64

18/5/2008 D044 04:45:58


O

segurança ao lado da porta é o aviso: ninguém entra no camarim sem permissão. Lá dentro, a euforia fica visível enquanto os integrantes da quadrilha junina Sedução Ranchista, do bairro do Jurunas, em Belém, experimentam as roupas que serão usadas nas apresentações deste ano. A comunidade se acomoda no galpão da Escola de Samba Rancho Não Posso Me Amofiná, que organiza a quadrilha, ansiosa para ver o

figurino. A excitação do público e dos 24 pares do grupo permanece até o fim da quadra junina. “A gente trabalha praticamente o ano todo esperando essa época chegar. A gente respira São João”, conta Paulo dos Santos, o Paulinho, mais antigo participante da quadrilha. Coreografia, marcação, música, figurino, pesquisa histórica... cada detalhe é acompanhado de perto pelo presidente da quadrilha, Félix dos Santos. Todo ano,

um tema é escolhido para a apresentação. A inspiração, desta vez, é a obra do maestro paraense Waldemar Henrique. Os homens representarão o caboclo amazônico e as mulheres, a nega fulô, personagens encontrados em composições do maestro. Há mais de 200 quadrilhas juninas na Grande Belém, segundo Cincinato Marques Júnior, pesquisador da Universidade Federal do Pará (UFPA)

Quadrilha Sedução Ranchista: trabalho e muito ensaio durante o ano inteiro só para fazer bonito em junho. The Sedução Ranchista dance group: I work hard and rehearse all year long in order to have a good performance in June.

T

here are more than 200 ‘quadrilhas’ in Belém, according

synchronically. Paulinho’s partner in the Sedução Ranchista

to Cincinato Marques, a researcher of Pará State Federal

Group is Lenny G., 28. After five years dancing together, team

day to Friday as of 10:30 pm. The dance is coming to an end and it’s time to say good-

University (UFPA) who studies the cultural mapping of the June

work is no problem for them. “Just a glance and we already know

bye to the audience. During the ultimate performance of the

festivities in Belém, and coordinator of the State Department for

what the other one is thinking of”, says Lenny.

‘quadrilha’, around late June, excitement turns into nostalgia.

Social and Cultural Policies. “The ‘quadrilha’ country dancing

Each time the movement changes, the arrangement of the

“We get sad when the month ends. I pray for May to come so we

is the greatest dancing movement in this State. They build up

couples in the performance changes. It takes 20 minutes maxi-

can to start the rehearsals again”, states Lenny. The costume

culture on their own”, he says. According to Cincinato, some 8

mum of dancing performance to reach the title of champion and

she wore is kept in the wardrobe and, like in Carnival, they start

to 10 thousand people, mostly young adults, take an active part

to get the public recognition. This would be the most glamorous

planning the next year ‘quadrilha’.

in this cultural event.

ending for those who exerted all efforts in order to enhance the

The June Festivities include other cultural manifestations;

In the dance contests, the thrill and rivalry set the mood of

group. “We pay for the clothes and promote parties to get funds

some of them typical of Pará State such as the ‘passáros juni-

the crowds. The music plays, the lady holds her skirt to welcome

to get the group in the streets and contests”, reveals Paulinho,

nos’ (June Birds), a folk play performed in theaters with all the

the gentleman and the fans cheer with the groups dancing in

33. The dancers do not lack motivation: they rehearse from Tues-

drama and music deserved. Even with different plots, the central

65

revista3_hangar03.indd 65

18/5/2008 D044 04:46:06


que estuda a cartografia cultural da quadra junina em Belém e coordenador da Câmara Setorial de Políticas Socioculturais do Governo do Estado. “A quadrilha junina é o maior movimento de dança que tem neste Estado. Eles constroem cultura por conta própria”, afirma. Pelos cálculos de Cincinato, de 8 a 10 mil pessoas participam ativamente dessa manifestação, a maioria jovens. Nos concursos, animação e rivalidade ditam

o ânimo dos brincantes. A música toca, a dama estica a saia saudando o galanteio do cavalheiro e as torcidas vibram com a sincronia da dança. O par de Paulinho na Sedução Ranchista é Lenny G., de 28 anos – fora da quadrilha, ela é Hildelene da Silva. Com cinco anos de balancês juntos, entrosamento é o que não falta para eles. “Basta um olhar e a gente já sabe o que o outro tá pensando”, diz Lenny.

Toda vez que o passo muda, a disposição dos casais no espaço de apresentação ganha novas formas. São, no máximo, 20 minutos de dança para chegar ao título de quadrilha campeã e ter o reconhecimento do público. Este seria o desfecho mais apoteótico para quem se esforçou como pôde no sentido de fortalecer o grupo. “A gente paga a roupa e promove festas para angariar fundos e botar a quadrilha na rua”, diz Paulinho, 33. Os

Pássaro junino: opereta popular originada no Pará June season ‘Pássaro’: a popular play that originated in Pará.

plot is always the same: the bird is desired, hunted and captured

the Pássaros Juninos, some represent the nobility and there is a

to record the songs for the play. The kitchen turns into stage

to be given to someone as a gift. Nowadays, one of the oldest

ballet crew dancing popular songs, thus showing the influence

during the rehearsals.

‘pássaro’ groups is the 101-year-old Rouxinol.

of the operas. Among other characters, they added ‘matutos’

Wanderlei Rodrigues’ grandmother took the leadership of the

The story told by the representatives of the ‘pássaros’ is

(peasants) of Pará and Ceará; indians, witches, a hunter and,

Pássaro Junino Rouxinol in 1946. He still remembers when he

that the manifestation is inspired in European operas. In the

of course, the bird, all that is intended to portray the regional

was a child and worked in the backstage helping carry the cos-

time of the rubber boom, at the end of the 19th century, great

imaginary.

tumes. After his grandmother’s passing, the Pássaro did not per-

operas were presented in Belém, but the most of the lower so-

The ‘Rouxinol’ has 69 members for a presentation that lasts

form any more. Fifteen years without presentations passed, and

cial class could not afford going to watch them. Some could see

just over an hour. This year, the group has got a financial support

then Wanderlei decided to carry on with the tradition. “We went

the shows from the cheapest part of the Paz Theater and others

from the Ministry of Culture. The house of bird’s guardian is the

after the fans. The objective was not only to revive the Rouxinol

worked there and saw parts of the presentations. Until today in

place where the meetings are held. A small audio studio is used

but it also had to be luxurious, beautiful”, reveals Rodrigues, 41,

66

revista3_hangar03.indd 66

18/5/2008 D044 04:46:10


integrantes da quadrilha têm disposição de sobra, ensaiam de terça a sexta-feira a partir de 22h30. A dança vai chegando ao fim, hora da despedida e da saudação ao público. Na derradeira apresentação da quadrilha, lá pelos últimos dias do mês, o que era excitação vira saudade. “Quando acaba o mês de junho, a gente fica triste. Eu rezo pra chegar logo maio e começarem os ensaios”, confessa Lenny. O figurino usado vai para o armá-

rio e, como no carnaval, começa o planejamento de como será a quadrilha no ano seguinte. Pássaro Junino A quadra junina tem espaço para outras manifestações além da quadrilha, algumas delas nascidas no Pará, como os pássaros juninos. Por ser uma opereta popular, o espetáculo é encenado em teatros com toda carga dramática e musical a que tem direito. Mesmo com enredos diferentes,

Há mais de 200 quadrilhas juninas só na Região Metropolitana de Belém There are more than 200 June season ‘quadrilhas’ in the metropolitan region of Belém.

the guardian of the ‘pássaro’. Only 16 Pássaros have survived

pierrot, masquerade or dressed as they wish. But they are all co-

until today such as the ‘Tem-Tem’ and ‘Tucano’. The responsibili-

actors. The reason for such excitement is the performance of the

ties of Rodrigues and the other members of the ‘Pássaros’ is to

‘Boi de Máscara’. Each day a different Boi goes on parade.

keep this regional cultural tradition alive.

The most famous Boi de Máscara of São Caetano is the Boi Tinga which has been linked to the Zeferino family since its

Boi de Máscaras

beginning. Laudelino Zeferino, better known as “old” Lode, was

Late afternoon in June. The streets of São Caetano de Odive-

part of a group of fishermen who went fishing in the region of

las city, some 114 km from Belém, host the residents and visi-

Marajó in 1937, and came back bringing an ox head. This head

tors looking for some fun, some wearing costumes, using a big

was the origin of the Boi de Máscara in the county. “At that time,

costume head made of bandage and paper, others dress like

there was a breeder bull in Marajó called Tinga. Then they named

revista3_hangar03.indd 67

18/5/2008 D044 04:46:14


a história central é sempre a mesma: o pássaro é cobiçado, caçado e capturado para ser entregue a alguém como um presente. Hoje, um dos mais antigos pássaros que permanecem na ativa é o Rouxinol, do bairro da Pedreira, com 101 anos. A porta-pássaro Aline Gabriela Moreira, de 8 anos, não vê a hora de entrar logo em cena. O papel desempenhado por ela, que é o principal na peça, sempre cabe a uma criança. Ela sabe o que

tem de fazer. “Tenho que abrir as asas e voar”, diz a menina. A fantasia pesa e seu bracinho cansa de tanto abrir as asas, mas ela não reclama. Extrovertida, Aline adora dançar e já foi até madrinha de bateria mirim de escola de samba em Belém. Pela primeira vez, ela participa do pássaro. A história contada pelos representantes dos pássaros sugere que a manifestação é inspirada em óperas européias. No período do ciclo da borra-

cha, final do século 19, grandes óperas eram apresentadas em Belém, só que a classe mais baixa tinha pouco acesso aos espetáculos. Alguns conseguiam assistir no setor mais barato do Theatro da Paz, outros trabalhavam lá e viam trechos das apresentações. Nos pássaros juninos, ainda hoje, um dos núcleos representa a nobreza e há um corpo de balé que dança músicas populares, o que indica a influência das óperas. Foram acrescenta-

the Boi de Máscara after it”, says Célio Zeferino, 41, grandson of

(EDUFPA, 2007), the Boi de Máscara is different from the tra-

what become São Caetano heritage, it would be hard to make it

the “old” Lode, who today is accountable for taking the ‘Bull’ on

ditional Boi Bumbá for not having the comedy narrative typical

stop. The crowds want to see the boi on the street. “The Boi Tinga

parade. The Tinga is simple, all black with two ribbons around its

to the latter. “It is not a dramatic Boi like a play, it is a Boi from

is sexy, does not keep still when it is performing”, says Célio.

neck and his body is made of a frame and black film. The bulll’s

street carnival, that’s why it is called Boi de Máscara”, explains

This is the way he rolls and twists on the streets at night.

horn is still that one brought by the fishermen.

Fernandes.

In the Boi Tinga, two people dance under the bull. That’s why

Celio’s father, José Chagas Zeferino, the so-called Zé do

it is called a four-legged-bull. According to José Guilherme Fer-

Lode, for a long time was in charge of the performances of the

The Festivities in Belém Under the burning sun, the people walk along Presidente

nandes, author of “O boi de máscaras: festa, trabalho e memória

Boi Tinga. At the age 81, he barely walks and has already given

Vargas Avenue, downtown Belém, and sing non-stop guiding the

na cultura popular do boi Tinga de São Caetano de Odivelas”

his kids the duty of keeping the tradition. As the Boi has some-

June Festivities of the Arraial do Pavulagem. About 300 percus-

68

revista3_hangar03.indd 68

18/5/2008 D044 04:46:21


nação, serve como sede das reuniões. Um pequeno estúdio de áudio é usado para a gravação das músicas da peça. A cozinha vira palco durante os ensaios e as passagens de texto dos atores. Para ganhar espaço, a cozinha foi ampliada este ano ganhando a área de um pequeno quintal nos fundos da casa. Paetês, plumas e miçangas ficam espalhados por todo canto. A avó de Wanderlei Rodrigues assumiu o pás-

sionists who have learned to play in workshops supported by the

almost impossible is not to get excited. “One of the strongest

group play instruments like maracas, barricas and alfaias. The

moments is when we end the performance and see the square

musicians, along with the dancers, circus artists and the crowd

filled with the crowds”, he reveals.

foto Ray Nonato

dos, entre outros personagens, matutos paraenses e cearenses, índios, feiticeira, caçador e, claro, o pássaro. Tudo para retratar uma realidade mais próxima do imaginário regional. O Rouxinol tem 69 componentes para uma apresentação que dura pouco mais de uma hora. Este ano, o grupo recebeu apoio financeiro do Ministério da Cultura no valor de R$ 10 mil. A casa do guardião do pássaro, responsável pela coorde-

make the Batalhão da Estrela. They bring the Boi Pavulagem.

The party starts at the Port, next to Estação das Docas, and

For two years, 24-year-old student Felipe Alves plays barrica

ends in Praça da República with a show of the Arraial do Pavu-

in the Batalhão da Estrela. He had already taken part in those

lagem band. Júnior Soares and Ronaldo Silva have taken part of

parties before, but just then he decided to take up the work-

the group since its beginning and they keep motivated with the

shops. During the party time, Alves motivates the crowd, without

performances. In June, the Pavulagem celebrates its 21st anni-

leaving his own enjoyment behind. According to him what is

versary. The action started as a small thing with the intention of

revista3_hangar03.indd 69

18/5/2008 D044 04:46:24


saro junino Rouxinol em 1946. Ele guarda lembranças de quando era criança e trabalhava nos bastidores, ajudando a carregar fantasias. Depois que a avó morreu, o pássaro não saiu mais. Foram 15 anos sem apresentações, até que Wanderlei decidiu voltar com a tradição. “Fomos atrás de brincantes. A meta era não só colocar o Rouxinol, ele

tinha que sair luxuoso, bonito”, revela Rodrigues, 41 anos, guardião do pássaro. Apenas 16 pássaros resistem ainda hoje. Entre os principais, estão Tem-Tem e Tucano.A responsabilidade de Rodrigues e outros integrantes dos pássaros é manter viva essa expressão típica da cultura paraense.

Boi de Máscaras Fim de tarde em junho. As ruas do município de São Caetano de Odivelas, a 114 quilômetros de Belém, recebem moradores e visitantes atrás de diversão. Uns vão fantasiados de “cabeçudos”, usando uma grande cabeça feita de talas e coberta por papel machê, outros como pierrôs, como

Boi Tinga embala os festejos pelas ruas de São Caetano de Odivelas The ‘Boi Tinga’ enlivens the festivities in the streets of São Caetano de Odivelas

making an audience for the regional music, and today it catches

prompted by the Pavulagem is essential. “While we put the

the boi (ox) behind and presented the vaca (cow). The tradi-

up to 10 thousand people on the streets of Belém.

boi to the streets, we do research on music of oral tradition”,

tions of Saint John festivities are incorporated in the “vacal-

he says.

hada” with strong signs of Iglesias’ irreverence. “Our ‘vaca’ is

Júnior Soares, 44, dares to say the reason for the success: “First of all, we have never left our main goal. In addition,

The performances of the Arraial do Pavulagem take place

popular, modern; the dancers who follow the ‘vacas’ are drag

we considered incorporating more contemporaneous sounds,

every Sunday of June, after 10 a.m. In the afternoon another

queens – wherever the ‘vaca’ goes, they go along, too”, says

like guitars and bass, along with percussion; and we try to

procession causes a commotion in the historical center of the

53-year-old singer. Indeed, Vaca or Boi, Pássaro or ‘quadrilha’,

give people who go to the presentations the most comfort we

city – the Vaca do Elói, created by the famous local singer, Elói

the people of Pará want to have fun during the typical Brazilian

can”. For Ronaldo Silva, 50, the recovery of the popular culture

Iglesias. For considering the June festivities too sexist, he left

June festivities; the more options are available, the better. L

70

revista3_hangar03.indd 70

18/5/2008 D044 04:46:28


mascarados ou vestidos do jeito que preferirem. Mas todos são coadjuvantes. A razão para tanto movimento é o desfile do boi de máscaras. A cada dia, um boi diferente segue em cortejo. O mais famoso boi de máscaras de São Caetano é o Boi Tinga, desde o início ligado à família Zeferino. Laudelino Zeferino, conhecido como “velho” Lode, fazia parte de um grupo de pescadores que foi pescar na região do Marajó, em 1937, e voltou de lá trazendo uma cabeça de boi. Essa cabeça deu origem ao boi de máscaras no município. “Na época, tinha um boi reprodutor no Marajó chamado Tinga. Aí eles colocaram esse nome”, conta Célio Zeferino, 41 anos, neto do “velho” Lode, hoje responsável por colocar o boi na rua. O Tinga é simples, todo preto com duas fitas em volta do pescoço e corpo feito de vara e película preta. O chifre do boi ainda é o mesmo que fazia parte da cabeça trazida pelos pescadores. Diferente de outros bois, duas pessoas dan-

revista3_hangar03.indd 71

çam embaixo do Tinga. Isso faz com que ele seja chamado de “boi de quatro pernas”. Segundo José Guilherme Fernandes, autor de “O boi de máscaras: festa, trabalho e memória na cultura popular do Boi Tinga de São Caetano de Odivelas” (EDUFPA, 2007), o boi de máscaras diferencia-se do boi-bumbá tradicional por não ter a narrativa de comédia. “Não é um boi dramático de peça teatral, é um boi carnavalesco de rua, por isso se diz boi de máscaras”, explica Fernandes. O pai de Célio, José Chagas Zeferino, o Zé do Lode, foi por muito tempo encarregado dos cortejos do Boi Tinga. Aos 81 anos, ele praticamente não anda mais e já passou para os filhos a obrigação de manter a tradição. Como o boi virou de certa forma um patrimônio de São Caetano, seria difícil fazer ele se aquietar. Os brincantes querem ver o boi na rua do jeito que ele sai. “O Boi Tinga é meio assanhado, não fica quieto quando está brincando”, diz Célio. É assim que ele rodopia por entre as ruas noite adentro.

18/5/2008 D044 04:46:33


Cortejos em Belém Sob um sol escaldante, o povo caminha pela avenida Presidente Vargas, no centro de Belém, e canta sem parar empurrando os cortejos juninos da banda Arraial do Pavulagem. Cerca de 300 ritmistas que aprenderam a tocar em oficinas promovidas pelo grupo fazem som em instrumentos como maracas, barricas e alfaias. Os músicos, junto com dançarinos, artistas de circo e brincantes que empunham adereços, formam o Batalhão da Estrela. Eles trazem o Boi Pavulagem. Há dois anos, o estudante de cursinho Felipe Alves, 24 anos, toca barrica no Batalhão da Estrela. Ele já participava dos arrastões antes, mas só então resolveu entrar nas oficinas. Na hora dos arrastões, Alves puxa o cortejo com profissionalismo, sem deixar de se divertir. O que é quase impossível, segundo ele, é não se emocionar. “Um dos momentos mais fortes é quando

a gente termina o arrastão e vê a rua cheia de gente.” A festa começa na escadinha do cais do porto, ao lado da Estação das Docas, e termina na Praça da República, com show da banda Arraial do Pavulagem. Júnior Soares e Ronaldo Silva fazem parte do grupo desde o início e continuam empolgados com os arrastões. Em junho, o Pavulagem completa 21 anos. A ação começou pequena, com intenção de formar platéia para a música regional, e hoje leva até 10 mil pessoas para as ruas de Belém. Júnior Soares, 44 anos, arrisca o motivo do sucesso: “Primeiro nunca nos arredamos do objetivo inicial. Aliado a isso, tivemos uma preocupação de incorporar sons mais contemporâneos, com guitarras e baixo junto à percussão. E procuramos dar o máximo de conforto para as pessoas que vão ao arrastão.” Para Ronaldo Silva,

50 anos, o resgate da cultura popular feito pelo Pavulagem é fundamental. “Ao mesmo tempo em que a gente coloca o boi na rua, pesquisa músicas de tradição oral.” Os arrastões do Arraial do Pavulagem ocorrem todos os domingos de junho, a partir de 10h. À tarde, outro cortejo provoca rebuliço no centro histórico da cidade. É a Vaca do Elói, festejo criado pelo cantor Elói Iglesias. Por considerar a quadra junina muito machista, ele deixou o boi de lado e pôs a vaca na rua. As tradições de São João são incorporadas à “vacalhada” com fortes traços da irreverência característica de Iglesias. “A nossa vaca é pop, moderna. As bailarinas que acompanham a vaca são drag queens. Aonde a vaca vai, elas vão atrás”, diz o cantor de 53 anos. Vaca ou boi, pássaro ou quadrilha, o paraense quer se divertir durante a festa junina. Quanto mais opções, melhor. L

Festa Junina. Uma longa história... Na Antigüidade, tribos pagãs do He-

rão. A tradição relacionada à estação do

mais diversidade nessa fogueira, jun-

misfério Norte faziam cultos e festas para

ano foi incorporada pelo Cristianismo

tando à festa junina cristã trazida pelos

celebrar o preparo da terra para o plantio.

na Idade Média. “A quadra junina é uma

portugueses costumes de índios e negros.

“Na Europa, você tem naquele período

apropriação que a Igreja Católica faz de

Os festejos ganham formas distintas em

de junho a passagem de uma estação para

algumas festas pagãs”, confirma Cin-

cada região do país, sempre com danças

outra, a entrada do verão. As festas eram

cinato. Das cortes européias, surgiram

típicas e muita fartura. O boi, por exem-

feitas para agradecer aos deuses a fartu-

novas manifestações, como a quadrilha.

plo, se espalhou pelo Brasil com diferen-

ra do período”, explica o pesquisador da

Até hoje, são usados nomes de origem

ças de nomenclatura e estética em cada

cartografia cultural da quadra junina em

francesa para especificar certos passos da

região. O Pássaro Junino é um teatro po-

Belém, Cincinato Marques Júnior.

dança: en avant, tout; en derrière; balan-

pular nascido no Pará que retrata o povo

cer – no Brasil, os termos foram aportu-

da Amazônia e se mantém como uma das

guesados.

peculiaridades da festa junina feita por

Os dias mais longos e quentes do ano, na Europa, são em junho. Por isso este é considerado o mês do solstício de ve-

A miscigenação brasileira pôs ainda

estas bandas.

Typical Brazilian June Festivities. A long story… In ancient times, pagan tribes from the North

June. Therefore, this month is considered to be the

Christian June festivities brought by the Portugue-

Hemisphere had cults and feasts to celebrate the

month of the summer solstice. The tradition rela-

se the customs of the native Indians and Negros.

preparation of the land for planting. “In Europe,

ted to the season of the year was incorporated by

The festivities have distinct forms in each region

June sets the change from one season to the next,

the Christianity in the Middle Age. “The ‘quadra

of the country, always with typical dances and

the beginning of summer. The feasts were intended

junina’ is an appropriation by the Catholic Church

plenty of food. The Boi, for instance, spread along

for giving thanks to the Gods for the abundance of

of some pagan feasts”, says Cincinato. New ma-

Brazil with different names and looks in each

the period”, explains the researcher of the cultural

nifestations flourished from the European courts,

region. The ‘Pássaro Junino’ is a popular acting

mapping of the ‘quadra junina’ (June festivities) in

such as the ‘quadrilha’.

created in Pará which portrays the people of the

Belém, Cincinato Marques Júnior. The longest and hottest days in Europe are in

The Brazilian miscegenation added even more diversity to this bonfire by introducing to the

Amazon and remains a peculiarity of the June festivities around here.

72

revista3_hangar03.indd 72

18/5/2008 D044 04:46:40


Um outro lado da festa Após cinco horas de muita maquiagem e

uma tem dois minutos para desfile individu-

produção detalhada – de cílios e unhas posti-

al. Gabriela Delatuch, por exemplo, repre-

ços a adereços espalhados pelo corpo –, Jor-

sentou a Gabriela, Cravo e Canela, da obra

ge Carlos Freitas se transforma em Gabriela

de Jorge Amado. Aí é só esperar o resultado.

Delatuch, a atual miss caipira gay de Belém.

“Eu me preparo, ponho na minha cabeça que

A personagem assume o lugar de Jorge du-

vou ser a primeira e não tiro isso por nada”,

rante a quadra junina e, segundo ele, costu-

conta Jorge, 22 anos.

ma empolgar o público nos concursos. “O

A mesma rivalidade que existe entre as

pessoal comenta: ‘olha, a Gabriela arrasa. A

quadrilhas é percebida no caso dos gays que

bicha dá um show’”, diz Jorge, orgulhoso.

sonham ser miss. Só que, para eles, picuinha

Gabriela foi a primeira colocada entre 14

alguma é maior do que a importância de ter

candidatas inscritas no concurso oficial da

um espaço na festa junina voltado aos ho-

cidade, seguida por Taila Savick e Nadime

mossexuais. “É um orgulho ter esses concur-

Campbel.

sos. A gente se diverte muito e ainda ajuda a

Coreografia, traje junino, beleza e conjun-

vencer o preconceito”, revela Jorge Freitas.

to são os quesitos julgados pelos jurados.

Bom para Gabriela Delatuch, que interpreta

Primeiro, todas as candidatas sobem ao pal-

inspirada em Sônia Braga, leva a faixa de

co juntas para a apresentação. Depois cada

vencedora e vira estrela entre os gays.

The other side After five hours of a lot of makeup and detailed

by the renowned Brazilian writer Jorge Amado. Then,

production – from removable eyelashes and nails to

it is just waiting for the result. “I get prepared for it. I

ornaments all over the body –, Jorge Carlos Freitas

put in my mind that I will be the first and nothing takes

becomes ‘Gabriela Delatuch’, currently the Gay Miss

me off that”, says Jorge, 22.

Congeniality of Belém. The character replaces Jorge

The same rivalry that exists among the groups is

during the June season feasts and, according to him,

perceived in the case of the gays who dream about

the audience in the contest events usually gets cheered.

being a Miss. But, for them, nothing is better than the

Gabriela was first placed among the 14 contestants,

importance of taking part in the June season country

followed by Taila Savick and Nadime Campbel.

parties prepared for the homosexuals. “We are proud

Choreography, country costumes, beauty are the

of having these contests. We enjoy them a lot and still

items evaluated in the contest. First, all the contestants

help to defeat the prejudice”, reveals Jorge Freitas.

go on stage together for the initial group presentation.

That’s good for Gabriela Delatuch, who performs

After that, each of them has two minutes for individu-

with an inspiration in the famous Brazilian actress Sô-

al presentation. Gabriela Delatuch, for instance, repre-

nia Braga, takes the winner belt and becomes a star

sented ‘Gabriela, Cravo e Canela’, a famous character

among the gays.

revista3_hangar03.indd 73

18/5/2008 D044 04:46:49


Aprenda a fazer o banho-de-cheiro

Learn how to make the ‘banho-de-cheiro’

No Pará, falou em festa junina, o povo lembra logo do banhode-cheiro. Segundo a tradição, o preparado deve ser derramado sobre a cabeça das pessoas na virada de 23 para 24 de junho, simbolizando uma purificação, como o batismo que era feito por São João. Dona Deuzarina Correia, 53 anos, que desde os nove trabalha como erveira no mercado do Ver-o-Peso, ensina a receita do banho. Segundo ela, quem se banha com a água-cheirosa tem boa sorte, prosperidade, paz espiritual e energia positiva.

In Pará, when you talk about June Parties, people immediately recalls the banho-de-cheiro (a mixture of herbs in a solution). According to the tradition, the portion should be poured over one’s head at turn of the 23rd to the 24th of June, representing the purification such as the baptism performed by Saint John. Mrs. Deuzarina Correia, 53, who has been working with herbs since she was 9 at the famous local Ver-o-Peso street market, teaches the recipe of the bath. According to her, those who bathe with águacheirosa have good luck, prosperity, spiritual peace and positive energy.

Ingredientes (banho para dez pessoas) • maço de cada erva (priprioca, patchuli, manjericão, estoraque, oriza, chama, buscalonge, chega-te a mim, alecrim, cipó-catinga, cipó-curimbó) • Pétalas de rosa à vontade • 15 ml de essência à escolha • 10 litros d’água Modo de fazer Desmanche o maço de cada erva e lave em água corrente. Em seguida, corte todas as ervas e as pétalas de rosa em partes pequenas e despeje em um alguidar de barro. Junte um pouco d’água (1 copo) e esfregue os ingredientes para amolecer as ervas. Depois coloque os 10 litros d’água e deixe descansar por 2 horas, até que os aromas das ervas se misturem. Acrescente a essência, espere mais cinco minutos, e o banho está pronto.

Ingredients (for ten people) • 1 bundle of each herb (priprioca, patchouli, manjericão, estoraque, oriza, chama, buscalonge, chega-te a mim, alecrim, cipócatinga, cipó-curimbó) • Rose petals – at your will • 15ml of an essence of your choice • 10 liters of water How to make it Wash the herbs in running water. Then, chop all the herbs and the rose petals in small parts and put them into a clay pot. Add a glass of water and rub the ingredients to soften the herbs. After that, pour the 10 liters of water and let it rest for 2 hours until the aromas of the herbs get mixed. Finally, add the essence and wait for another 10 minutes.

74

revista3_hangar03.indd 74

18/5/2008 D044 04:46:56


Diversidade

O mês de junho é um dos momentos altos da cultura no Estado. E as festas juninas são responsáveis por essa profusão de alegria e ritmos. Ritmos regionais, coreografias inusitadas, pássaros, folguedos e bois com quatro pernas dão um toque especial ao nosso São João. Diversity The month of June is one of the high moments of the State’s culture. The June festivities are accountable for such profusion of joy and rhythms. Regional rhythms, unusual choreography, ‘pássaros’ (birds), merrymaking and the fourlegged ‘bois’ (oxen) add a special touch to our June Saint John’s events.

Lançamento ED.SAN GIULIANO

Localização Tv. Quintino Bocaiúva, 1185

Quadrilhas

Há mais de 200 grupos somente da Região Metropolitana de Belém, número que faz da quadrilha junina o maior movimento de dança do Estado, segundo o pesquisador Cicinato Maques Júnior. Entre oito e dez mil pessoas participam ativamente dessa manifestação.

entre R. Boaventura da Silva e R. João Balbi

‘Quadrilhas’ There are more than 200 groups in the metropolitan area of Belém alone. This figure makes the June ‘quadrilhas’ the greatest dancing event in the State, according to researcher Cicinato Maques Júnior of Pará State Federal University. Some 8 to 10 thousand people take part in these cultural manifestations.

3/4 sendo um suíte

Especificação 110,47 m2 Dois por andar Lazer completo 2 vagas de garagem

Pássaros Juninos

Nascido no Pará no final do século 19, o espetáculo, influenciado pelas óperas européias, é encenado em teatros com toda a carga cênica e musical a que tem direito. Em cada apresentação o enredo é diferente, mas o pano-de-fundo é sempre o mesmo: o pássaro é cobiçado, caçado e capturado para presente. ‘Pássaros Juninos’ Having its origin late in the 19th century in Pará, the show, which was influenced by the European operas, is performed in theaters. The plot is different for each performance, but the background is always the same: the ‘bird’ is desired, hunted and captured to be given as a gift.

Construção Pinheiro e Sereni Incorporação Registro de Imoveis 4816-IV Alvara 009-2008 Venda exclusiva

Boi de máscaras

Sete Imobiliária LTDA

Tem pierrôs, banda com instrumentos de sopro e um boi conduzido por duas pessoas. Ao contrário do boi-bumbá tradicional, o boi de máscaras não tem a narrativa de comédia, nem caráter dramático. É um boi carnavalesco, de rua. Um símbolo do município de São Caetano de Odivelas, no nordeste do Pará Boi de máscaras’ There are pierrots, a brass band and a mock ‘ox’ carried by two persons. Unlike the traditional ‘boibumbá’, the ‘masked ox’ has neither a comedy narrative nor a dramatic character. It’s a carnival, street ‘ox’. A symbol of the city of São Caetano de Odivelas, in northeastern Pará.

Vista da Baía

Cortejos

O arrastão do Arraial do Pavulagem é o mais tradicional cortejo junino da cidade. Criado há 21 anos para valorizar a produção musical da região, conta com cerca de 300 instrumentistas. Músicos, dançarinos e artistas de circo arrastam mais de dez mil pessoas pelo centro da Cidade, tendo à frente o boi Pavulagem. Processions The procession of the ‘Arraial do Pavulagem’ is the most traditional procession of the June festivities in Belém. Created some 21 years ago to praise the region’s musical production, it now has around 300 musicians. The musicians, dancers and circus artists, led by the ‘boi Pavulagem’, attract more than 10 thousand people along the streets of downtown Belém.

revista3_hangar03.indd 75

Creci - AJ-305 Fones 9942.0418 (Edilson Beckman) 9114.0077 (Marcelo Seixas) 9982.5381 (Gilbert Carneiro) 9985.9379 (Pereira Filho)

18/5/2008 D044 04:47:13


foto Fábio Souza

turismo / tourism

Bem-vindo,

verão Welcome, summer

texto / text: Leandro Moreira e Anna Carla Ribeiro foto / photo: divulgação

Qual tipo de férias você precisa? Gosta de conforto, badalações ou prefere entrar em contato direto com a natureza? Nesta edição, preparamos um roteiro de opções para todos os gostos, com passeios que vão do convencional ao alternativo, das típicas festas de veraneio à tranqüilidade de um passeio rural. What kind of vacation do you need? Do you like comfort, hanging out or do you prefer to be in direct contact with nature? This issue carries a range of options to please all tastes, from conventional to alternative outings, from the typical summer feasts to the calm of a campsite.

Salinópolis, na Costa Atlântica do Estado, é um dos pontos-altos do verão. Salinópolis, on the Atlantic coast of the State, is a favorite hang-out for the summer.

76

revista3_hangar03.indd 76

18/5/2008 D044 04:47:29


U

m caso singular de beleza e diversidade. Muito mais que os tradicionais roteiros de verão de praia e sol, o Estado do Pará é o destino ideal para quem procura variedade em opções de lazer e momentos inesquecíveis no veraneio, que no mês de julho atinge seu auge. São mais de 1,25 milhão de quilômetros quadrados de rios, matas, praias, trilhas ecológicas entre outros. Dividido em áreas-pólo, o Estado dispõe de destinos que vão do entretenimento urbano e cultural na capital paraense - uma das mais antigas cidades brasileiras, com sua arquitetura histórica e belezas naturais preservadas -, até as peculiaridades dos 143 municípios, cada um com sua história, cultura e belezas únicas, distribuídas em praias de água doce, água do mar, igarapés e fauna exuberante. Aqui é possível reviver todo bucolismo de uma vida rústica, esquecendo do relógio e tendo como únicos sobressaltos as lendas e assombrações narradas pelos caboclos, assim como desfrutar das experiências mais radicais, desafiando a natureza voluntariosa da Amazônia. O importante quando embarcar nessa viagem é saber que qualquer destino escolhido é apenas uma das infinitas possibilidades que o Pará oferece e, portanto, sempre ficará mais por conhecer e se encantar, faça sol ou muita chuva.

Belém A capital paraense é um exemplo da diversidade para o lazer. Capaz de oferecer todas as atrações de uma moderna metrópole, com teatros, praças, restaurantes e bares dos mais diferentes perfis, ainda possui um amplo centro histórico, com verdadeiras mostras da arquitetura setecentista, que dão um charme peculiar à cidade. Porém, no meio da vida agitada de uma grande cidade, Belém também é capaz de oferecer um pedaço virgem da mata amazônica para os amantes da natureza. Criado oficialmente em outubro de 1993, o Parque Ambiental de Belém, chamado popularmente de Parque do Utinga, possui uma área florestal de 1.340 hectares. Inicia nas imediações da Avenida João Paulo II, paralela à Avenida Almirante Barroso (principal via de entrada e saída da cidade) e termina no município de Ananindeua. O parque abriga os lagos Bolonha e Água Preta, responsáveis pelo abastecimento hídrico da capital paraense, e recentemente se tornou uma boa opção para aventureiros, naturalistas e praticantes de caminhadas, trilhas, rapel e outros tipos de esporte em contato direto com o meio ambiente. Além da garantia de belas paisagens tropicais, o parque é ideal para quem tem curiosidade de ver de perto exemplares da fauna e flora da região. É

unique case of beauty and diversity. Beyond the traditional

A

profiles, it also has a large historical center, with real samples

beach-and-sun summer routes, Pará State is the ideal des-

of 17th century architecture, giving a peculiar charm to the city.

tination for those looking for a variety of options of leisure and

However, even in the frenzied life of a big city, Belém also offers

unforgettable summer vacation moments that hit their peak in

an untouched piece of the Amazonian forest for nature lovers.

July. It’s more than 1,253,160 square kilometers of rivers, for-

Officially opened in October of 1993, the Environmental Park

ests, beaches, ecological trails amongst others. The State is di-

of Belém, commonly called ‘Utinga Park’, has a forest area of

vided in centers ranging from urban and cultural entertainment

1,340 hectares. The park includes the Bolonha and Água Preta

in Belém, the capital of the state and one of the oldest Brazilian

lakes, which supply the water for Belém and recently became

cities with historical architecture and preserved natural beau-

a good option for the adventurous types, naturalists and those

ties, to the peculiarities of over 143 municipalities, each with

who enjoy hiking, trails, rappel and other kinds of sports that

its unique culture, history and enchantments ranging from fresh

provide direct contact with the environment.

and sea water beaches, creeks and exuberant fauna.

In addition of the beautiful tropical landscapes, the park is

Here you can revive the bucolic atmosphere of a rustic life

the ideal place to go for those who are curious to catch a close

and forget about the watch while enjoying the many stories of

glimpse of the natural habitat of the region’s fauna and flora.

the legends and spooks narrated by the locals. You can also live

Wild animals such as monkeys and capybaras can easily be

the most radical experiences by defying the Amazon nature. The

seen in the park. The very colorful butterflies specially enhance

important thing is knowing that any destination you choose is

the landscapes of the river banks.

only one of the infinite possibilities Pará has to offer. Therefore,

Permits are not required to hike along the road that cuts

there is always mucho more to be seen and to be delighted with,

through the area. The park is open to the public from 6am

whether it’s sunny or raining a lot.

through 6pm for hiking and trails. However, for ecological outings – for both students and tourists, for example – who go to

Belém

various paths in search of closer contact with the dense for-

The capital of Pará is an example of the diversity for leisure.

est, an official notice of request must be forwarded to the State

While capable of offering all the appeals of a modern metropolis,

Environment Secretariat (SEMA) or to the Army’s Environmental

with theaters, parks, restaurants and bars of the most different

Guard headquarters, which helps in the surveillance of the park.

revista3_hangar03.indd 77

18/5/2008 D044 04:47:46


ilha nos arredores de Belém vira verdadeiro espetáculo da natureza. É nesse horário que cerca de três mil papagaios partem de seus ninhos e voam em direção à floresta. A revoada não só marca o início de um novo dia para as aves, mas também um longo roteiro para aqueles que pretendem conhecer o exótico mundo dominado pelas águas e matas amazônicas. O cotidiano dos ribeirinhos é uma atração à parte. Eles costumam mostrar aos visitantes da ilha como pescam, fazem artesanato e tiram o fruto do açaí direto da árvore. Passeios como estes podem ser feitos via agências de turismo. Muitos pacotes incluem traslado dos passageiros nos hotéis para embarque no porto. A duração das excursões varia de três a sete horas. Para quem não tem tempo de curtir uma excursão mais demorada, uma boa pedida é o Jardim Zoobotânico Bosque Rodrigues Alves, uma peque-

na coleção da fauna e flora amazônicas. Localizado numa das principais vias da cidade, a Avenida Almirante Barroso, numa área de 150 mil m², com grande maioria de sua vegetação nativa de mata virgem e a uma grande diversidade de espécies animais e vegetais característicos da Amazônia. Outra opção de fácil acesso é o Mangal das Garças. O parque ecológico é resultado da revitalização de uma área de 40 mil m², no entorno do Arsenal da Marinha. Entre as atrações, destacamse o orquidário com diversas espécies e os lagos artificiais que abrigam garças, marrecos e quelônios criteriosamente selecionados. Já quem gosta de praia, pode seguir rumo aos distritos de Belém, que ficam a cerca de uma hora do centro da cidade: Icoaraci e Mosqueiro. Localizada às margens da Baía do Marajó, Cotijuba tem acesso fácil e rápido (cerca de uma hora até o distrito de Icoaraci e 40 minutos de barco para chegar

foto Waldemar Carvalho

fácil ver no local animais silvestres, como macacos e capivaras. As borboletas, de diversas cores, dão um realce especial para a vista às beiradas dos rios. Não é necessária autorização para caminhar pela estrada que corta a área. O parque é aberto à população das 6 às 18 horas para caminhadas e trilhas. Porém, para passeios ecológicos – para estudantes e turistas, por exemplo - que seguem por diversos caminhos em contato direto com a mata fechada, é necessário enviar ofício à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) ou ao Batalhão de Polícia Ambiental, que ajuda na fiscalização da área. Nesses casos, há uma explicação prévia sobre preservação do meio ambiente para os participantes e o acesso às trilhas se dá com o acompanhamento de um guia do próprio Batalhão. Outra boa opção para os naturalistas e aventureiros é a Ilha dos Papagaios. O nascer do sol na pequena

Para quem curte a natureza, Cotijuba, a 40 minutos de barco é garantia de tranqüilidade. For the nature lovers, Cotijuba is just 40 minutes by boat from Belém and is a guarantee of tranquility

In these cases, visitors attend a mini-lecture o environmental

of outing can be arranged through the travel agency and many

and the savannah. One of the attractions is the orchid house

preservation, and a guide is provided for the outings to the

packages include shuttle transfer of guests from the hotel to the

with over 200,000 species and the artificial ponds with herons,

trails.

port. The outings last three to seven hours.

wild ducks and carefully selected chelonians.

Another good option for naturalists and adventurers is the

For those who don’t have much time available for a longer

For those who enjoy going to the beach, there are good op-

Parrot Island. The sunrise seen from this small island neighbor-

excursion, a good option is the zoo-botanical park of the Bosque

tions in the districts of Icoaraci and Mosqueiro, located some

ing Belém is a fantastic show of nature, when approximately

Rodrigues Alves, a small replica of the fauna and flora of the

1-hour drive from downtown Belém. Located on the Marajo Bay,

three thousand parrots leave their nests and fly away toward the

Amazon. Located on one of the main avenues in Belém, over an

Cotijuba is an island of quick and easy access (it’s about one

forest. Their flight not only sets the beginning of a new day, but

area of 150,000 m², the park has most of its natural vegetation

hour to Icoaraci and then 40 minutes by boat to the island). In

also a long route for those intending to get to know the exotic

untouched and a wide diversity of animals and plants that are

the island, it’s possible to easily walk along the 15 kilometers of

world dominated by the waters and forests of the Amazon. The

characteristic of the Amazon.

beautiful fresh water beaches, some of which have very few resi-

everyday life of the riverside dwellers is a side show, since they

Another option is the 40.000m² Mangal das Garças ecologi-

dents and others completely free from environmental pollution.

show tourists how they catch their fish, make handicrafts and

cal park, where it is possible to observe the different macro-re-

Besides the low cost to go and get to know this island, one of the

harvest ‘açai’ (a typical fruit) straight from the tree. This kind

gions of our flora diversity: the upland forest, the lowland forest

advantages is the virtually untouched trails and forests.

78

revista3_hangar03.indd 78

18/5/2008 D044 04:47:47


geiros. Ao longo dos seus 108 anos, a ilha cercada de praias de água doce continua sendo um convite para aqueles que buscam lugares paradisíacos. Em julho a ilha vira palco de muitas festas de aparelhagem de brega, ritmo regional do Pará, e para quem gosta de se divertir é ponto certo. As praias mais afastadas - como o Marahú e a Baía do Sol - podem proporcionar completa calmaria mesmo nas altas temporadas. Além das opções naturais, alguns pontos turísticos são paradas obrigatórias em Belém. Independente do quão breve for a estada, o turista não pode ir embora sem conhecer o circuito de museus, onde se destacam o Museu do Forte do Presépio, uma das instalações pioneiras da colonização paraense; o Museu de Arte Sacra do Pará, com peças de arte barroca confeccionadas por índios e jesuítas; o Museu de Arte de Belém, uma construção do século 19 com exemplares típicos dos tempos

áureos da borracha na Amazônia; e o Museu do Estado do Pará, que possui telas de renomados pintores e de onde saiu o primeiro círio de Nossa Senhora de Nazaré. O roteiro de igrejas é outra ótima opção a conhecer (ver mais na página), com exemplares de arquitetura barroca a neoclássica na capital e no interior do Estado. E quando o assunto é sabor, o Pará também desponta como atrativo gastronômico para o turismo. A Estação das Docas é um complexo de bares e restaurantes, de frente para a baía do Guajará, que oferece pratos que mesclam a cozinha contemporânea com os ingredientes regionais. Além dele, restaurantes como o Manjar das Garças e o Lá em Casa são especialistas nessas combinações. Outras cidades, muitas opções O município de Castanhal pode ser o local es-

foto Antônio Silva

à ilha). Lá, é possível trafegar tranqüilamente por uma costa de 15 km de lindas praias de água doce, pouco povoadas, algumas ainda totalmente livres da poluição ambiental. Além do baixo custo para conhecer a ilha, um dos pontos favoráveis são as trilhas e florestas praticamente inexploradas. A ilha de Mosqueiro, o mais conhecido distrito de Belém, já foi abrigo para os índios Tupinambás no início das invasões dos colonizadores e prosperou como principal balneário na chamada Belém da Belle Époque, durante o período áureo do ciclo da borracha. Não é à toa que é popularmente conhecida como “bucólica”. Com essa bagagem histórica, a ilha ainda é o retrato dos antigos veraneios dos europeus, com diversos chalés típicos do século 19 e início do século 20 espalhados nas vias em frente às praias. O tempo passou, mas ainda é possível entender por que Mosqueiro encantou os olhos dos estran-

Outro destino com garantia de diversão é Mosqueiro, distrito de Belém. Another excellent option for lots of fun is Mosqueiro, a district of Belém.

The Mosqueiro Island, the best known district of Belém, was once the home to the Tupinambás Indians in the beginning of the

Mosqueiro. The more distant beaches, such as Marahú and Ba-

more in the page) showing examples of the baroque and neo-

hia do Sol, can be a calm option even in the high season.

classical architecture in the capital and in rural Pará. The State

invasions by the colonizers and it flourished as the main resort

In addition to the natural options, some tourist attractions

also stands out as a gastronomic attraction in the local tourism.

of the so-called ‘Belle Époque’ Belém over the golden period of

are a must in Belém. Irrespectively of the length of your stay, you

Estação das Docas (the Docks) is a complex of bars and restau-

the rubber boom. The island is also a portrait of the old European

cannot leave the city without getting to know the featured mu-

rants by the Guajará Bay offering dishes that mix the contem-

resorts featuring several late 19th and early 20th century typi-

seums of Belém. One highlight is the Forte do Presépio Museum,

porary cuisine with regional ingredients. Other restaurants such

cal cottages that can be found inland as well as by the cost of

which is one of the first buildings of the colonization period; an-

as the Manjar das Garças and Lá em Casa are specialist in such

the island.

other is the Sacred Art Museum, featuring baroque pieces made

combinations.

The time has passed, but it’s still possible to understand why

by indians and Jesuits; the Belém Art Museum is a 19th century

Mosqueiro enchanted the eyes of foreigners. Throughout its 108

building displaying typical pieces dating back to the golden

Other cities, many options

years of history, the island is surrounded by fresh water beaches

times of the rubber boom in the Amazon; and the Pará State

The city of Castanhal can be the option for the vacationers

and is still an invitation for those seeking paradisiacal places.

Museum, which has paintings by famous painters and was the

seeking a quaiet place to stay. The drive to the country hotel

In July, the island is a hot spot if you want to enjoy the regional

starting point for the first procession of the ‘Círio de Nazaré’.

Camping Ibirapuera is about 1 hour and 20 minutes from Belém.

music played at the various parties that cheer up the nights of

The route of churches is another excellent attraction (see

There are cottages by a lake and guests can take walks in the

79

revista3_hangar03.indd 79

18/5/2008 D044 04:47:50


o reduto dos melhores surfistas do Estado, e por trás das dunas se esconde um lago de água doce conhecido como Lago da Coca-Cola, a melhor opção para quem quer se refrescar da água salgada. Outro destaque da região é o Maçarico, localizado dentro da própria cidade. A praia de maior tradição da região teve sua orla urbanizada e passou a ter uma avenida de quatro pistas e várias barracas de restaurantes presentes em várias capitais do país, além de ter se tornado o grande ponto de encontro noturno da cidade durante as altas temporadas. Um lugar que não pode passar batido é a ilha de Algodoal, cujo principal acesso se dá por Belém do Pará. São 163 quilômetros das rodovias BR-316, PA-136 e PA-318 (todas em bom estado de conservação) até o porto de Marudá. De lá, por apenas R$ 5,00, toma-se um barco que leva cerca de 40 minutos para chegar à ilha. Algodoal é definida por muitos como um verdadeiro paraíso natural,

por manter intacta a estrutura da ilha, que só veio a receber energia elétrica em meados de 2005. Veículos terrestres motorizados não podem entrar na ilha, os meios de transporte permitidos são a bicicleta, o barco (a motor ou a remo) e a carroça puxada por cavalo, além do Táxi-Jegue, serviço exclusivo do vilarejo. Além de poder se isolar do meio urbano, o turista que visita Algodoal também pode usufruir de várias opções. Dá para surfar e fazer trilhas ecológicas, como a Trilha do Mangue, dividida em uma parte feita de canoa, passando por um grande mangue, e uma caminhada rumo ao lago da Princesa. Quem pratica a pesca pode facilmente entrar em contato com a Associação de Pescadores da Vila de Algodoal, e participar da pesca artesanal com os nativos, que têm muito a ensinar. Na ilha, podem ser encontrados hotéis e pousadas, mas há quem leve sua barraca particular e simplesmente acampe na praia.

fotos Jean Barbosa

colhido para quem procura a tranqüilidade nas férias. A viagem de carro até o Camping Ibirapuera Hotel Fazenda, saindo de Belém, dura cerca de 1h20. Os chalés, situados na beira do lago, são os dormitórios. Além das caminhadas pelo campo, os amantes da montaria ainda podem alugar cavalos para passeios. Continuando pela estrada por mais uma hora e meia, chega-se ao maior balneário paraense. A cidade de Salinópolis, ou Salinas, para os mais chegados, fica situada a 220 km de Belém. O lugar, antes uma vila de pescadores, transformouse, ao longo do tempo, em uma agitada cidade de veraneio. Salinas é a grande favorita dos turistas por equilibrar o aconchego urbano com as enormes e ensolaradas praias. A do Atalaia, maior e mais movimentada delas, tem água salgada, limpa e cristalina. Quando a maré baixa, formam-se laguinhos que propiciam um banho mais tranqüilo, uma ótima pedida para as crianças. As ondas são

Nas águas geladas do lago da Coca-cola, em Salinópolis, ou em passeios ecológicos por Belém, Estado oferece opções para todos os gostos. The chilly waters of the ‘coca-cola’ lake in Salinópolis or ecological outings around Belém, the State has options for all tastes.

area. Horseback riding is also part of the op-

which had its shore completely urbanized with

tions.

a four-lane road and several restaurant huts

Further ahead on the road for another 1 hour and a half you get to the biggest resort

and is the night hang-out during the vacation months.

in Pará. Salinas is 220km south of Belém. The

A place that cannot go unnoticed is the

place was a fishermen’s village and is now a

Algodoal island. It’s 163 kilometers from Belém

well-visited resort city.

through highways BR-316, PA-136 and PA-318

Salinas is the best preferred by tourists,

(all of which are in good keep) as far as the

since it matches the urban comfort with huge

Marudá port. From there, tourists go on a 40-

and sunny beaches. The Atalaia beach, the big-

minute boat crossing (R$5,00 a ticket) to the

gest and best attended of them all, is bathed

island.

by clean, ocean water. With the low tide, small

Algodoal is defined by many as a real natu-

ponds are formed along the beach for the plea-

ral paradise because the island’s structure is

sure of children.

kept untouched; electric power supply was only

The waves are just good for surfing, at-

installed in mid-2005. Automobiles or motor-

tracting the best surfers in the State; a fresh

cycles are not allowed in the island; the means

water lake, known as the ‘coca-cola’ lake, hides

of transportation used are bicycles, boats, and

behind the white sand dunes – it’s the best op-

horse-drawn chariots and the exclusive ‘don-

tion if you want to get refreshed from the salty

key-taxi’ service.

water. Another highlight is the Maçarico beach,

The island offers several options to the

80

revista3_hangar03.indd 80

18/5/2008 D044 04:47:53


além de contar com dunas e coqueiros em sua paisagem. Já para chegar à praia do Araruna, é preciso atravessar o próprio Rio Araruna de barco. Sua grande atração são os mangues que as águas do mar vêm tomando devido ao aquecimento global, o que é um bom motivo para antecipar a visita. Quem vai ao Marajó também não pode deixar de visitar a Fazenda Bom Jesus, local de uma extensa diversidade de aves regionais. Além disso, o visitante também pode admirar as grandes criações de búfalos e cavalos, podendo até mesmo passear neles pelos campos e contemplar um dos mais belos crepúsculos do planeta. Opinião de quem já testemunhou o fenômeno. Como opções de hospedagem, a cidade de Soure dispõe de hotéis e pousadas. Mas para quem quer vivenciar o cotidiano dos habitantes, a dica é hospedar-se nas fazendas locais.

Águas claras Conhecida como “Caribe Amazônico”, Alter do Chão é uma das praias de água doce mais belas do oeste paraense. Fica na vila de pescadores que leva o mesmo nome. Localizado a cerca de 30 km do município de Santarém, o vilarejo é banhado pelas águas do Rio Tapajós. A principal característica é a transformação pela qual a região passa todos os anos. Passado o mês de setembro e a alta temporada, o nível das águas do Rio Tapajós chega a baixar dez metros, o que proporciona o surgimento de cerca de 100 km de praias e uma faceta totalmente diferente à paisagem. Em épocas como o réveillon, o tranqüilo vilarejo chega a receber dez vezes o número de moradores. Mesmo assim, é possível encontrar praias totalmente desertas ou andar quilômetros sem sequer

foto Tony Santiago - Jean Barbosa

Indo mais longe, há o exótico Marajó, cercado pelos rios Amazonas e Tocantins e pelo oceano Atlântico. Ainda pouco conhecida pelos turistas, é rica em belezas naturais e na variedade da fauna, uma das suas grandes atrações. Lá, podem ser avistadas as mais diversas aves, peixes, macacos, capivaras, mas, com certeza, as manadas de búfalo se destacam como símbolo da região. O turista que quiser conhecer um pouco da cultura local pode visitar o conceituado Museu do Marajó, já premiado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Lá estão expostas peças de cerâmica produzidas pelos índios marajoaras. Também é possível caminhar pela praia de Joanes, em Salvaterra, muito procurada pela presença de ruínas do século 18. Uma das praias mais conhecidas é a do Pesqueiro, em Soure, tem três quilômetros de extensão e areia batida e amarela,

Um roteiro turístico pelo Estado não é completo sem uma viagem ao Arquipélago do Marajó. No tourist itinerary in the State is complete without a trip to the Marajó archipelago.

tourists in addition to the escape from urban life: surfing, eco-

The tourist looking for some further knowledge on the local

Moreover, the visitor can also enjoy the large herds of buffalos

logical trails like the Mangrove Trail, which is partially by canoe

culture can visit the famous Marajó Museum, awarded by the

and horses and going on a horse-back and buffalo-back ride

through a big mangrove and then a long hike to the Princess

National Artistic and Historical Heritage Institute (IPHAN). This

through the fields to watch one of the most beautiful sunsets

Lake. Those who like fishing can contact the local Fishermen’s

museum has a permanent exhibition of pottery pieces by the

in the planet – an opinion of those who have witnessed such

Association and go out fishing with the locals.

Marajó indians. A walk along the Joanes beach is a nice option

a sight.

The island offers hotels and inns, but some prefer to bring their tents to camp on the beach.

and well-visited for its 18th century ruins. Among the beaches, the Pesqueiro beach is 3 kilometers

Further away, the exotic Marajó island is surrounded by the

long, with yellowish sand, dunes and coconut trees that make

Amazon and the Tocantins rivers and by the Atlantic Ocean.

up the beautiful scenery of the place. The Araruna beach fea-

Still hardly known by the tourists, the island features its wealth

tures the mangroves that have been taken in by the sea waters

of natural beauties and sceneries, including the varied fauna,

due to global warming, and this is a good reason to hurry into

which is one of the great attractions of the island with many

visiting it.

species of birds, fish, monkeys, capybaras… but, the herds of buffalos stand out as a symbol of the region.

The visitors to the Marajó Island cannot go without visiting the Bom Jesus Ranch with its wide diversity of regional fowls.

The city of Soure offers hotels and inns, but if you want to live the everyday life of the locals, a good option is staying in the local farms and ranches. Clear waters Known as the “Amazonian Carabbean”, the Alter-do-Chão beach is one of the most beautiful fresh water beaches in western Pará State. It’s located some 30 kilometers from the city of Santarém by the Tapajós River.

81

revista3_hangar03.indd 81

18/5/2008 D044 04:47:57


margem do próprio rio, e oferecem passeios de barcos. Uma ótima pedida é o passeio na hora do pôr-do-sol. Um programa para quem gosta de se aventurar é a Cachoeira do Aruã, localizada em um afluente do Rio Tapajós. Uma pequena ilha coberta de vegetação separa as duas quedas d’água que marcam mais esta jóia da região amazônica. Para conhecer de perto a cachoeira, parte-se de voadeira de Alter do Chão numa viagem que dura aproximadamente 5 horas. A paisagem, repleta de

belas e inusitadas praias que surgem nos meses de verão, ajuda o tempo a passar mais rápido, além das águas verde-azuladas e da areia de forte cor branca. O local onde fica a cachoeira é ideal para a prática de esportes radicais, como a canoagem. Porém, é necessário ir preparado com provisões e equipamentos, pois não há moradores e nem infra-estrutura, o que expressa a exclusividade do lugar e torna a visita uma experiência única para qualquer um. L foto divulgação

ser visto. Em setembro, dá para chegar a Alter do Chão a partir de Santarém pela praia, de jipe ou até mesmo de moto. Além de praias fluviais e passeios de barco pelo Rio Tapajós, a região ainda oferece cachoeiras, florestas e inusitadas formações rochosas, ideais para a prática de esportes de aventura, como trekking e canoagem. Para quem gosta de pescaria, existem saídas diurnas e noturnas, em barcos fretados. Vale a pena passar uma noite a bordo. Alguns hotéis da região ficam localizados à

Alter do Chão, em Santarém, atrai turistas de todo o mundo para o oeste paraense. Alter do Chão, in Santarém city, attracts tourists from all over the world to western Pará.

The main characteristic is the transformation the region

In addition to the river beaches and boat outings on the

one more natural ‘jewel’ of the Amazon region.

experiences every year. After September and the high season,

Tapajós River, the region features waterfalls, forests and inter-

The waterfall can be reached by speedboat on a 5-hour

the level of the waters of the Tapájós River lowers approxi-

esting rocky formations, which are perfect for such sports as

voyage from Alter-do-Chão. The landscape features beautiful

mately 10 meters, thus allowing for the appearance of roughly

trekking and canoeing. For fishing lovers, there are options of

and unusual beaches that come out only in the summer with

100 kilometers of beaches, giving the landscape a totally dif-

night outings on chartered boats. A night on board is worth-

their bluish-green waters and eye-stinging white sands.

ferent look.

while.

The location of the waterfall is the ideal place for radi-

On times such as New Year’s Day, the quiet village receives

Some hotels in the region are located by the river itself

cal sports such as canoeing. Nevertheless, it’s necessary to

tourists at about ten times the number of residents. Yet, it’s

and offer boat outings along the river – a good option is the

be well-prepared with provisions and equipment, since there

possible to find completely deserted beaches or even walk kilo-

sunset outing.

are neither dwellers nor infrastructure and this is what makes

meters unseen. In September, tourists can reach Alter-do-Chão

A good outing for the adventurous types is to the Aruã wa-

from Santarém through the beach by off-roads or motorcycles.

terfall. A small isle separates the two waterfalls, making up

the place so exclusive and the visit such a unique experience for anyone. L

82

revista3_hangar03.indd 82

18/5/2008 D044 04:47:59


Parque Ambiental Utinga Local: Inicia nas imediações da Avenida João Paulo II, paralela à Avenida Almirante Barroso (principal via de entrada e saída da cidade) e termina no município de Ananindeua. Funcionamento: Aberto ao público em geral 24h por dia e conta com a presença do Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA), que realiza passeios programados e atividades de preservação ambiental. Contato: Para agendar passeios ou alguma prática esportiva no parque é preciso entrar em contato com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, que é a responsável pela gestão do parque, pelo: +55 (91) 3184.3385.

Funcionamento: De 2ª a 2ª, das 10h a 0h (orla); das 12h a 0h (armazéns); e das 12h às 22h (mezanino e barracas). Entrada franca. Estacionamento próprio. Contatos: +55 (91) 3212.5525 / www.estacaodasdocas.com.br

Ilha dos Papagaios A empresa Amazon Service Turismo oferece pacotes com passeios para ilha, a partir de três turistas. A saída é às 4h20 e o retorno para o hotel fica em torno das 8h30. Endereço: Rua Américo Santa Rosa, Bairro de Canudos, 983 Contatos: +55 (91) 3274.6496/ 8802.0493

Manjar das Garças Local: Rua Doutor Assis, Parque Ecológico Mangal das Garças - Cidade Velha Funciona domingo, terça e quarta, das 12h à meia-noite, e de quinta até sábado, das 12h às 03h. Contatos: +55 (91) 3242.1056

Jardim Zoobotânico Bosque Rodrigues Alves Local: Avenida Almirante Barroso, nº 2453, bairro do Marco. Funcionamento: de 8 às 17h, de terça-feira a domingo. Contatos: www.belem.pa.gov.br/semma/bosque

Algodoal Algodoal.com – Neste site você poderá conhecer a rede de hotéis e estabelecimentos locais, como restaurantes e lanchonetes. Você pode fazer reservas e programar passeios nos pontos mais tradicionais da ilha, com operadoras locais. Contato: www.algodoal.com

Mangal das Garças Local: Pass. Carneiro da Rocha, s/n (ao lado do Arsenal da Marinha), na Cidade Velha. Funcionamento: visitas aos espaços monitorados acontecem de terça a domingo, das 10h às 18h. Contatos: +55 (91) 3242.5052 / www.mangal.com.br Icoaraci, Mosqueiro, Castanhal e Salinópolis Kaluanã – Esportes como com bike, canoa havaiana, kite surf, surf estão entre as opções que a empresa de esportes ao ar livre oferece. O destaque vai para o passeio de canoa de três dias com saída de São João de Pirabas, próximo de Salinópolis e chegada em Cuiarana. A partir de dois turistas também é possível montar o seu roteiro. Contatos: +55 (91) 3225.5915/ www.kaluana.com Estação das Docas Local: Boulevard Castilhos França, s/n. Estação das Docas The Utinga Environmental Park Location: The park stretches from the João Paulo II Ave., parallel to Almirante Barroso Ave. (the main entrance and exit to the city) to the municipality of Ananindeua. Hours: Open to the public 24 hours a day and is guarded by the Environmental Police, and features scheduled outings and environmental conservation activities. Contact: outings or any sporting activity in the park can be scheduled by contacting the State Environment Secretariat, which is accountable for managing the park, by calling (91) 3184-3385. Rodrigues Alves Zoobotanical Garden Location: 2453, Almirante Barroso Ave., Marco. Hours: from 8 a.m. to 5 p.m., Tuesday through Sunday. Contact: www.belem.pa.gov.br/semma/bosque. Mangal das Garças Location: Pass Carneiro da Rocha s/n (next to Arsenal da Marinha), Cidade Velha. Hours: visitations to monitored sited from Tuesday through Sunday, 10 a.m. to 6 p.m. Contact: (91) 3242-5052/ www.mangal.com.br Icoaraci, Mosqueiro, Castanhal and Salinópolis Kaluanã – Featuring sports using mountain bikes, Hawaiian canoe, kite surf, surfing. These are some of the options provided by this outdoor sports company. The highlight is the 3-day canoeing departing from São João de Pirabas de Salinópolis to Cuiarana. Packages can be provided for a minimum of 2 tourists. Contact: (91) 3225.5972/ www.kaluana.com Estação das Docas Location: Boulevard Castilhos França Ave., s/n. Estação das Docas Hours: Every day, from 10 a.m. to midnight (waterfront area); from noon to

revista3_hangar03.indd 83

Restaurante Lá em Casa Local: Rua Dom Pedro I, entre Senador Lemos e Municipalidade. Bairro do Umarizal. Funciona de domingo a domingo para almoço, das 12h às 16h, e jantar, das 19h à meia-noite. Contatos: +55 (91) 3223.1212

Rumo Norte Expedições - Hospedagem, traslado, pernoite em acampamento na Vila de Fortalezinha, passeio pela Trilha de Mangue e visita a uma antiga salina estão entre as opções da empresa, que também aceita pacotes montados pelos próprios turistas. Contatos: +55 (91) 3225.5915 / www.rumonorte.tur.br Marajó Mururé Turismo: Além dos roteiros tradicionais da capital e do interior, hospedagem e aluguel de veículos, oferece um roteiro especial para o arquipélago do Marajó. Tem como diferencial a opção de turismo personalizado, em que o cliente escolhe o destino e as atividades a serem realizadas. Contatos: +55 (91) 4005.5656 / 9902.2823 www.murureturismo.com.br

midnight (inside); and from noon to 10 p.m. (mezzanine and stalls). Entrance free. Parking lot. Contact: (91) 3212-5525 e www.estacaodasdocas.com.br. Lá em Casa Restaurant Location: 546, Municipalidade St. (between Senador Lemos Ave. and Dom Pedro I St., Umarizal) Opens from Sunday to Sunday for lunch from 12p.m. to 4 p.m., and for dinner from 7p.m to midnight. Contact: (91) 3223-1212. Manjar das Garças Restaurant Location: Doutor Assis St., Mangal das Garças Ecological Park- Cidade Velha Opens on Sundays, Tuesdays and Wednesdays from 12p.m. to midnight, and from Thursday to Saturday from 12p.m. to 3ª.m. Contact: (91) 3242-1056. Algodoal Algodoal.com – In this website you’ll learn about the local network of hotels and businesses such as restaurants and snack bars. You can make your bookings and schedule outings to the most traditional sights of the island with local operators. Contact: www.algodoal.com Rumo Norte Expedições – Accommodation, transfer, overnight stay in a campsite in a village of Fortalezinha; hiking along the Mangrove Track and a visit to an old salt mine are some of the options offered by the company; packages made by the tourists themselves are accepted. Contact: www.rumonorte.tur.br/ (91) 32225-5915. Marajó Mururé Turismo: Besides providing the traditional capital and countryside tour packages, accommodation and car rental, this company also provides a special tour of the Marajó archipelago. The differentiating item is the customized touring option whereby the customer selects the destination and the activities. Contact: (91) 4005-5656 / www.murureturismo.com.br.

18/5/2008 D044 04:48:14


moda / fashion

A Amazônia

pela Amazônia The Amazon by the Amazon texto / text: Anna Carla Ribeiro foto / photo: Fábio Pina modelo / model: Betina Farah

A estilista paraense Lele Grello é uma das representantes da região Norte em exposição sobre a Amazônia realizada em Nova York Pará-born fashion designer, Lele Grello, will be one of the representatives of the north region in an exposition about the Amazon to be held in New York.

m tempos de grande discussão internacional sobre os efeitos colaterais causados pela falta de sustentabilidade – como o desmatamento e as mudanças climáticas –, a maior floresta do mundo virou tema de exposição em Nova York. Trata-se da “Amazônia Brasil New York City 2008”, que pretende dar maior visibilidade à região amazônica por meio da apresentação de palestras, peças, filmes e produtos típicos. Na programação, que começou em abril e se estende até julho, destaca-se a exposição “Amazônia Design, Moda e Ecomercado”, que apresentará o olhar contemporâneo de convidados renomados sobre o chamado “pulmão do mundo”, entre eles a estilista paraense Lele Grello. Um dos maiores arranha-céus do mundo, o World Financial Center, será a sede da exposição de roupas, móveis e produtos confeccionados por

E

profissionais brasileiros já reconhecidos no exterior, como Alexandre Herchcovitch, Carlos Miele e os irmãos Fernando e Humberto Campana. Lele Grello é uma das poucas representantes da região a representar a Amazônia no evento. “Eu fiquei muito lisonjeada pelo convite, por estar representando não só o meu Estado, mas também o Norte do Brasil. Tentei transmitir o olhar que nós, o povo da floresta, temos sobre a nossa rica fauna e flora”, afirmou. Foi pensando na mulher amazônica que a estilista confeccionou o vestido longo de seda tie-dye nas diversas tonalidades de verde que representam as cores da floresta. No busto, confeccionado em casca de árvore da palmeira Buçu, mais conhecida como Tururi, abre-se um decote com o desenho de uma cobra amazônica construída com miriti (madeira típica na construção dos brinquedos vendidos na época do Círio de Nazaré), fibras de buriti e pedras brasileiras. Na cintura, um cinto também de Tururi, bordado com peças de chifres de búfalos do arquipélago do Marajó. O Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia apóia a participação da estilista paraense no evento, em parceria com a Secretaria de Estado de Cultura (Secult), e Lele diz que isso foi essencial para o sucesso da roupa. “Com esta ajuda eu pude fazer o vestido do jeito que eu achava que ele deveria ser para representar a nossa região da melhor forma possível”, ressaltou. A exposição “Amazônia Brasil” já passou pelo Rio de Janeiro e Paris. A iniciativa é do Projeto Saúde e Alegria, que atua em 143 comunidades ribeirinhas e do Grupo de Trabalho Amazônico (GTA) que representa mais de 600 entidades da Amazônia brasileira. L

84

revista3_hangar03.indd 84

18/5/2008 D044 04:48:32


Te Tentei transmitir o olhar que nós, o povo da floresta, temos sobre a nossa rica ra I have tried to convey the look fauna e flora that we, the forest people, have DERXWRXUULFK IDXQD DQG ora

n times of extensive international discussion about the side

I

effects caused by the lack of sustainability – such as the de-

forestation and the climatic changes – the world’s biggest rainforest has become the subject of an exposition in New York City, “The Amazon – Brazil – New York City 2008”, which is intended to give higher visibility to the Amazon region through lectures, plays, films and typical products. The programming features the exposition “Amazonia Design, Fashion and Ecomarket”, introducing the contemporary view of renowned guests, such as Pará’s fashion designer Lele Grello, on the so-called “lung of the world”. One of the tallest skyscrapers in the world, the World Financial Center, will hold the exposition of clothes, furniture and products made by Brazilian professionals of international recognition such as Alexandre Herchcovitch, Carlos Miele and the brothers Fernando and Humberto Campana. Lele Grello will be one of the few natives of the region to represent the Amazon in the event. “I got very pleased with the invitation to represent not only my own State, but also the North of Brazil. I have tried to convey the look that we, the forest people, have about our rich fauna and flora”, she said. By having the Amazonian woman in mind, the fashion designer made the long ‘tie-dye’ silk dress in several shades of green, representing the colors of the forest. On the chest, made out of the bark of a typical palm tree, known as Tururi, there is a neckline shaped like an Amazon snake made of ‘miriti’ (a typical fibrous wood used in the making of toys), fibers of ‘buriti’ palm and Brazilian gems. On the waist, a belt also made of Tururi, embroidered with pieces of buffalo horns from the Marajó archipelago. The Hangar – Conventions and Fair Center of the Amazon – backs the participation of Lele Grello in the event, in a partnership with the State Culture Secretariat, and she says that this support was essential for the success of the clothes. “With this support I could make the dress the way I thought it should be made in order to represent our region the best way possible”, she pointed out. The exposition “Amazonia Brazil” has already been on display in Rio de Janeiro and Paris and this year reaches its eighth edition between April and July. The initiative is by the Project Health and Joy, which operates in 143 riverside communities, and by the Grupo de Trabalho Amazônico (GTA), which represents over 600 entities of the Brazilian Amazon. L

59

revista3_hangar04.indd 85

18/5/2008 D044 04:54:19


ponto de vista / point of view

Turismo receptivo

CRESCE NO PARÁ Inbound tourism on the rise in Pará

Aumento de 13,37% no número de turistas estrangeiros no ano passado, em relação a 2006, mostra que estado está no caminho certo para o desenvolvimento do setor.

texto / text: Aline Monteiro foto / photo: Diana Figueroa

A 13.37% increase in the number of foreign tourists last year in comparison to 2006 demonstrates that the State in on the right way to developing the tourism sector.

De olho no turista, o taxista Raimundo Oeiras fez curso de inglês, história e importância do patrimônio histórico. With an eye on the tourist, taxi driver Raimundo Oeiras took an English course and studied history and the historical heritage.

nbound tourism has been on the rise in Pará. According to

sector, which according to the evaluations of the sector itself

mands. “Their concern is about becoming specialized, since

data from Paratur (the State’s tourist agency), between 2006

has virtually tripled since the launching of the Hangar. “There

the offer has increased, but so has the competition. The

and 2007, the frequency of tourists visiting the state increased

is a significant increase in the rate of direct and indirect jobs

number of university courses directly related to events has

by 6.70%. Considering only the number of foreign tourists, this

related to the demand for events; from receptionists for events,

increased too; also, technical courses to form receptionists for

increase was 13.37%, being such increase mainly related to

hotels and restaurants, security, waiters, toastmasters and

events, waiters and ceremonial staff are on the rise”, says the

the movement generated by the Hangar Conventions Center.

cleaners and assistants for assembling structures to publish-

coordinator of Expoeventos, who ranks the following among the

In order to meet the demand, hotels, restaurants and other

ing professionals, decoration, buffet, operators of audiovisual

basic qualities of the professional related to the tourism of

services directly linked to tourism have searched for qualified

equipment and transport”, says Fabiana Santos, a promoter

events “willingness, dedication, communication skills, agil-

professionals specialized in technical courses and also the re-

who has just coordinated the first edition of the EXPOEVENTOS,

ity and capacity to solve problems without getting the client

qualification of those who are already in the area in order to

a fair which gathered 150 exhibitors of several segments early

worried”.

reach the excellence in services.

in May in Hangar.

I

An example of the search for qualification emerged among

One of the greatest reflections of this increased demand

According to Fabiana, the professionals themselves are

the taxi drivers of the cooperative corporation assisting the

of qualified workforce for the tourism market lies in the events

concerned with qualification in order to meet new market de-

Hangar. Basically turned to the assistance to tourists, they

86

revista3_hangar04.indd 86

18/5/2008 D044 04:54:24


O

turismo receptivo no Pará está crescendo. De acordo com dados da Companhia Paraense de Turismo (Paratur), entre 2006 e 2007, a freqüência de turistas em visita ao estado cresceu 6,70%. Considerando apenas o número de turistas estrangeiros, esse aumento foi de 13,37%, um crescimento relacionado, principalmente, à movimentação gerada a partir do Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia. Para atender à demanda, hotéis, restaurantes e outros serviços voltados diretamente para o turismo buscam profissionais capacitados em cursos técnicos e também a requalificação de quem já atua na área, a fim de chegar à excelência no atendimento. Um dos maiores reflexos desse aumento da necessidade de mão-de-obra qualificada para o mercado de turismo está no segmento de eventos, que, de acordo com as avaliações do próprio setor, praticamente triplicou desde a inauguração do Hangar. “Há um significante aumento na taxa de empregos diretos e indiretos relacionados com a demanda dos eventos, desde recepcionistas para eventos, hotéis e restaurantes, seguranças, garçons, mestres-de-cerimônias e pessoal de limpeza e apoio para montagem, até profissionais de gráfica, decoração, buffet, operadores de equipamentos audiovisuais e transporte”, diz Fabiana Santos, organizadora de eventos que acaba de coordenar a primeira edição da Expoeventos, uma feira que reuniu 150 expositores de diversos segmentos no início de maio, no Hangar. Na visão de Fabiana, já existe a preocupação dos próprios profissionais no que diz respeito à qualificação, para atender às novas exigências do mercado. “Eles estão se preocupando em se qualificar, pois a oferta aumentou, mas aumentou também a concorrência. O número de cursos superiores relacionados diretamente a eventos aumentou, assim como o de cursos profissionalizantes para formar recepcionistas

para eventos, garçons e pessoal de cerimonial”, diz a coordenadora da Expoeventos, que classifica entre as qualidades básicas do profissional ligado ao turismo de eventos “disposição, dedicação, facilidade de comunicação, agilidade, e capacidade de resolver problemas sem preocupar o cliente.” Um exemplo da busca por qualificação surgiu entre os taxistas da cooperativa que atua no Hangar. Voltados especialmente para o atendimento ao turista, eles passaram, em 2007, por um curso promovido numa parceria da Prefeitura de Belém, Governo do Estado e Sebrae. Em 30 dias, receberam indicações sobre o tratamento adequado ao passageiro, noções básicas de inglês, história de Belém e sobre a importância dos prédios históricos. “Nós somos o cartão de visitas da cidade, o primeiro contato que o turista tem com ela e por isso somos fomentadores do turismo. Se a pessoa irá voltar ou não ao estado, também depende de como a tratamos. A gente tinha alguma dificuldade sobre como atender a esses passageiros”, diz o taxista Raimundo Oeiras, subsecretário da cooperativa que reúne em torno de 80 membros. Outro esforço para a capacitação do setor parte do Núcleo de Registro e Qualidade da Paratur, que tem promovido cursos de qualificação profissional nos municípios paraenses de acordo com as potencialidades e necessidades de cada microrregião. “Trabalhamos com uma programação quadrimestral, com cursos que consideram os focos desenvolvidos no estado, como o turismo cultural, o ecoturismo e turismo rural e o turismo de negócios. Nesse primeiro quadrimestre, já formamos mais de 90 pessoas em cursos variados, de recepcionista e camareira a empreendedores para ecoturismo e interpretação do patrimônio natural”, explica Rosely Coroa, técnica em planejamento e gestão de turismo e atualmente respondendo pela coordenação do Núcleo de Registro e Produção.

Segundo Rosely, além de formar novos profissionais para atender à expansão do mercado local de turismo, um dos desafios é promover cada vez mais a especialização de quem já atua na área. “Em geral temos no estado empresas familiares, onde cada pessoa assume múltiplas funções em vez de cargos definidos. Temos trabalhado para melhorar cada vez mais o atendimento, a partir das demandas dos próprios visitantes e do que nos solicitam os operadores de turismo, de acordo com as suas necessidades.” Crescimento Um setor que já sente os impactos positivos desse crescimento é o mercado de agências de turismo receptivo do Estado. De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens do Pará (ABAV-PA), Ruy Martini, na última década o turismo receptivo esteve estagnado, uma realidade modificada pelas oportunidades vindas com o turismo de negócios e eventos que passou a ser fomentado em Belém com a construção do Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, em 2007. Ele explica que o público do turismo de negócios costuma trazer acompanhantes que procuram o turismo receptivo. “Atualmente só a capital conta com vários roteiros receptivos, para conhecer as igrejas, museus, lugares de lazer, sem falar no turismo gastronômico, que é muito variado.” Para atender a esse público, estão previstos para 2008 cursos de capacitação neste setor por meio de parcerias entre o Sebrae e a ABAV. “O turismo de eventos cresce assustadoramente e o receptivo deve acompanhar esse movimento e estamos nos preparando.” Ele salienta que o Pará, ao contrário de outros estados brasileiros possui um leque amplo de possibilidades para os turistas, muito além do binômio sol e praia. “Temos sol e praia, mas também temos florestas, rios, natureza diferenciada e atrativos únicos.” L

went through a course promoted in partnership with the City

ferent courses, from receptionists and maids to entrepreneurs

tourism and events which started to be held in Belém with the

Board of Belém, the State Government and Sebrae in 2007.

for the ecotourism and interpretation of the natural heritage”,

creation of the Hangar Center of Fairs and Conventions of the

In 30 days they were coached on the adequate treatment to

explains Rosely Coroa, technician in tourism planning and ad-

Amazon in 2007. He explains that the public of the business

be given to passengers, basic English, the History of Belém

ministration, who is also currently coordinating the Center for

tourism usually brings a companion who looks for the recep-

and the importance of the historical buildings. “We are the

Register and Quality.

tive tourism. “Nowadays, the capital, Belém, alone has several

‘business card’ of the city, the first contact the tourist has

According to Rosely, besides qualifying new professionals

tourist routes comprising churches, museums, leisure places,

with it and, therefore, we tourism stimulators. Whether the

into meeting the local tourism market expansion, one of the

without mentioning the gastronomic tourism with its many

person might come back to the state or not, also depends on

challenges is to gradually promote the specialization of those

variations.”

how we treat them. We had some difficulties on how to help

who are already in the field. “In general, we have family busi-

In order to meet the requirement of this public, several

these passengers”, says taxi driver Raimundo Oeiras, who is

ness in the State, where each person takes on several jobs at

qualification courses are scheduled for 2008 through part-

the subsecetary to the cooperative corporation that has about

a time instead of a single well-defined job. We have worked to

nerships with Sebrae and ABAV. “The tourism of events grows

80 members.

increasingly improve the assistance, both from the demand of

astonishingly and the incoming tourism must follow this trend

the visitors themselves and from those who request tourism

and we are getting ready to do so”. He notes that Pará, in con-

operators according to their requirements.”

trast to other Brazilian states, has a wide range of possibilities

Another effort to qualify the sector comes from Paratur’s Center for Register and Quality, which has promoted courses for professional qualification in the counties of Pará according

A sector which already gets the positive impacts of this

for the tourist that goes much beyond sun and beach. “We have

to the potential and the necessities of each micro-region. “We

growth is the market of receptive tourism agencies in the

sun and beach, but we also have forests, rivers, unique nature

follow a four-month-program of courses that take into account

State. According to the president of the Brazilian Association

and attractions”.

the focuses developed in the state such as ecotourism, and the

of the Travel Agencies of Pará, Ruy Martini, in the past de-

The increase in the qualification of the professionals of the

cultural, rural and business tourism. In this first four-month-

cade the incoming tourism was stagnated, a reality that was

tourism chain is directly related to the conditions to attract the

program, we have already qualified more than 90 people in dif-

modified by the opportunities which came with the business

public to the inbound tourism sector. L

87

revista3_hangar04.indd 87

18/5/2008 D044 04:54:28


crônica / cronicle t seems to me that it was just yesterday, but 40 years have passed by since my father told me for the first time, looking into my eyes, what I would hear from him many times ever since. For a man to be a man, basically, he would have to have three elements in his essence: honesty, gratitude and humbleness. I have looked around myself and wondered why my dad’s concepts grew so old. Do not take it as a complaint or even nostalgia. It’s simply ascertaining it. Or, otherwise, I have been living with the wrong people. But the fact is that honest has become so very rare that whenever you find it, it’s seen as a quality, as if it were a great merit. I mean it at all levels; that is, honesty in feelings, in affection. Today, people are so stuck to other interests that they believe that what is fake in their feelings is the truth. I believe that gratitude has fallen into disuse. A person gives betrayal in return for friendship, affection for prejudice; and again the economic reasons are the compass of relationships. If it is profitable for me, I don’t give a damn to what the other person did. After you learn, you fire the teacher. Humbleness, now, is hierarchical. You are humble at someone who has more power. It is true, though, that many people think being humble is saying ‘good morning’ to someone who serves you breakfast, asking your subordinates how their families are doing. It’s not that, pal. Humbleness is a synonym to respect. It’s about respecting those who know more and respecting those who know less with the same intensity. But, here in my mind, this is just a cycle. The new generation shall get tired of this empty thing of power for power and money for money. Sooner than expected, tomorrow is going to be a new day. If not, no problem. We call Tom Jobim.

I

Sobre o que meu

PAI DIZIA On what my father used to say texto / text: Bob Menezes ilustração / ilustration: Leandro Bender

inda parece que foi ontem, mas lá se vão quase 40 anos que meu pai, pela primeira vez, disse, olhando nos meus olhos, o que depois ouviria dele por várias outras vezes. Um homem para ser homem precisaria ter, fundamentalmente, em sua essência: honestidade, gratidão e humildade. Tenho olhado à minha volta, hoje, e me pergunto por que os conceitos do meu pai caducaram. Não entendam aqui como uma queixa ou como saudosismo. É simplesmente uma constatação. Ou, então, ando convivendo com pessoas erradas. Mas é que honestidade ficou tão rara, mas tão rara que quando se encontra é vista como qualidade, como se fosse um grande mérito. E falo em todos os níveis, honestidade de sentimento, de carinho. As pessoas hoje estão tão ligadas em interesses outros que chegam a acreditar que o que é falso em seus sentimentos seja verdade. Gratidão, então, desconfio que caiu em desuso. Sujeito retribui amizade com atitude de traição, retribui afeto com preconceito, e de novo os motivos econômicos são a grande bússola das relações. Se for lucrativo pra mim, dane-se tudo que o outro fez. Depois que se aprende, demite-se o professor. Humildade, agora, se dá por hierarquia. Você é humilde com quem pode mais. É bem verdade que muita gente acha que ser humilde é dar bom dia pra quem te serve café, perguntar como está a família do subalterno. E não é não, companheiro. Humildade é sinônimo de respeito. É respeitar quem sabe mais, é respeitar quem sabe menos, com a mesma intensidade. Mas, tenho pra mim que isso é apenas um ciclo. As novas gerações hão de cansar desta coisa vazia que é o poder pelo poder e do dinheiro pelo dinheiro. Mais cedo do que se pensa amanhã vai ser outro dia. Se não for, não tem problema, a gente manda chamar o Tom Jobim.

A

88

revista3_hangar04.indd 88

18/5/2008 D044 04:54:28


revista3_hangar04.indd 89

18/5/2008 D044 04:54:33


culinária / culinary

Sabor

autêntico Authentic flavor

texto / text: Alexandra Cavalcanti foto / photo: Diana Figueroa e divulgação

Codorna com molho de açaí, criação do chef francês Claude Troisgros

Os ingredientes usados na cozinha paraense como jambu, tucupi e açaí já não são exclusividades do cardápio regional. Eles caíram no gosto de renomados chefs brasileiros e agora ajudam a compor o menu de famosos restaurantes em várias partes do País. Do chique ao tradicional, os sabores tipicamente paraenses vão bem em qualquer prato e atiçam os paladares mais diversos.

Quail in açai sauce, a creation by French Chef Claude Troisgros

The ingredients used in the cuisine of Pará such as ‘jambu’, ‘tucupi’ and ‘açaí’ are no longer exclusive to the regional menu. They fell in the taste of renowned Brazilian chefs and now help make up the menu of famous restaurants in many parts of the country. From the fancy to the traditional, the typical flavors of Pará go well in any dish and incite the most varied tastes.

90

revista3_hangar04.indd 90

18/5/2008 D044 04:54:34


C

onvidado para participar de um evento recentemente em Miami, nos Estados Unidos, que reuniu a nata da culinária internacional, representante do Brasil, Claude Troisgros, chef de uma tradicional linhagem de origem francesa, não teve dúvidas. Além de frutas como o caju e a jabuticaba, levou à terra do Tio Sam o peixe preparado ao tucupi, com jambu, erva comum na região amazônica, conhecida por deixar a língua um pouco dormente, de longe um de seus ingredientes preferidos. “É única e extra-sensorial, permite uma experiência gastronômica especial”, descreve. Os sabores paraenses foram sendo agregados às receitas e apresentados aos seus clientes aos poucos. Para não alterar aqueles que mais agradam, como a codorna ao molho de jabuticaba, servida em 1997 ao presidente Fernando Henrique Cardoso, e que entrou para a seção “Tradição” no menu do restaurante que comanda, novas criações com toques paraenses do chef, como a codorna recheada ao molho de açaí, foram para o Menu Confiance - degustação organizada pelo chef - e acabou tendo boa

aceitação por parte dos clientes. Para elaborar seus pratos com os exóticos ingredientes da cozinha paraense, ainda pouco conhecidos do grande público, Troisgros conta que se preocupa primeiro em conhecer como eles são preparados pelos moradores da região. “Tenho que comer e saber preparar. Depois disso, crio e experimento a minha própria versão, mais moderna. Sempre tento inovar pensando no casamento França-Brasil”, explica. Chef do restaurante francês Olympe, no Rio de Janeiro, Troisgros afirma que a combinação do exótico, como normalmente é classificada a culinária paraense, com o chique tradicional da cozinha francesa costuma ser bem aceita por seus clientes, mas é necessário usar certos critérios. “Respeito às técnicas francesas incorporandoas ao touch brasileiro”, ensina. O chef foi apresentado à cozinha amazônica há seis anos, durante o Festival Ver-o-Peso da Cozinha Paraense, promovido pelo chef paraense Paulo Martins, proprietário do restaurante Lá em Casa. Na ocasião, além do jambu e

do tucupi, encantou-se com os peixes e as frutas locais. “O que me chamou mais atenção foram os produtos tropicais, como o cupuaçu e os peixes incríveis e enormes, além da beleza dos rios”, ressaltou. Depois disso, o chef de origem francesa não teve mais dúvida. “A cozinha amazônica é única.” O chef paraense Paulo Martins não se surpreende com os ingredientes de sua terra, mas assumidamente ainda fica impressionado com a força deles. “Na verdade sou um grande e inquieto curioso, por isso provo tudo, também misturo tudo que acho que vai dar certo. O arroz de jambu é uma mistura que fiz e já virou prato típico. Como novidade, vou lançar em junho, durante o VII Vero-Peso da Cozinha Paraense, o Macarrão de Maniçoba”, antecipa o chef. Foi a partir desse evento que chefs de renome internacional, como Claude Troisgros, pisaram pela primeira vez em Belém, trazidos pelas mãos de Paulo Martins para conhecer a “culinária paraense”, como ele prefere chamar. “Os chefs estrangeiros que têm vindo em busca dos

the customers.

the ‘jambu’ and the ‘tucupi’ sauce, he was delighted with the

Pato com espuma de tucupi com jambu, por Paulo Martins Duck in ‘tucupi’ sauce with ‘jambu’ by Paulo Martins

H

aving recently been invited to participate of an event in Miami, attended by the best of international culinary art,

In order to prepare his dishes with the exotic, yet not well-

local fish and fruits. “My attention was mostly drawn upon the

the representative of Brazil, Claude Troisgros, chef of a tradi-

known to the local public, ingredients of the typical cuisine

tropical products like the ‘cupuaçu’ and the incredible, huge

tional lineage of French origin, did not have any doubt about it:

of Pará, Troisgros says that his first concern is to learn how

fish, in addition to the beauty of the rivers”, he stated. After

in addition to such fruits as cashew and ‘jaboticaba’, brought

these ingredients are prepared by the locals. “I have to try them

that, he had no more doubts, “The Amazon cuisine is unique”.

along the fish prepared in ‘tucupi’ sauce with ‘jambu’, a com-

and know how to prepare them. Then, I create and try my own

Pará Chef Paulo Martins does not get surprised with the

mon herb in the region known for its anesthetic effect on the

more modern version. I always try to innovate, considering the

ingredients of his homeland, but he is still impressed at their

tongue and by far one of his favorite ingredients. “It is unique

France-Brazil combination”, he explains.

strength. “Actually, I’m very restless curious man; for that rea-

and extra sensory, allowing for a special gastronomic experience”, he says.

Chef of the French restaurant Olympe, in Rio de Janeiro,

son, I try everything and also mix up everything I think is going

Troisgros says that the combination of the exotic, as the cuisine

to work out. The ‘jambu’ rice is a mixture of my own and has

The flavors of Pará have been added to the recipes and

of Pará is usually referred to, and the traditional ‘chic’ of the

already become a typical dish. As a novelty, I’m going to release

gradually introduced to his customers. In order not to change

French cuisine is usually well-accepted by his customers, but

at the ‘7th Ver-o-Peso da Cozinha Paraense’, to be held in June,

those most requested dishes, such as the quail in ‘jaboticaba’’

certain criteria are required. “Respect to the French techniques

the ‘Maniçoba Macarroni’, he announces.

sauce, served in 1997 to President Fernando Henrique Cardoso,

upon incorporating them to the Brazilian touch “, he states.

It was due to this event that internationally renowned

and which was added to the “Tradition” section of the menu of

The first contact of Chef Troigros with the local cuisine was

chefs, such as Claude Troisgros, set their feet in Belém for the

the restaurant he runs. New creations by the Chef with touches

six years ago during the “Ver-o-Peso da Cozinha Paraense”

first time upon invitation by Paulo Martins to get to know the

of Pará, like the stuffed quail in ‘açai’ sauce, were added to the

Festival, an event promoted by Pará Chef Paulo martins, owner

“cuisine of Pará”, as he prefers to call it. “The foreign chefs

‘Confidence’ menu section and met good acceptance among

of the local restaurant Lá em Casa. At that time, in addition to

that have come in search of the new flavors of our cuisine al-

91

revista3_hangar04.indd 91

18/5/2008 D044 04:54:41


sabores novos da nossa culinária sempre ficam maravilhados com o que temos.” Entre os sabores preferidos dos chefs estrangeiros, estão as frutas, o tucupi, o jambu, os peixes e as farinhas. “Tudo agrada”, resume. Mas é essencial que antes de criar seus próprios pratos eles primeiramente entrem em contato com o modo de fazer tradicional da cozinha paraense, recomenda Martins. “Quando se tem contato pela primeira vez com um produto, se procede primeiramente com os hábitos locais, depois é que fazemos experiências”, ensina. Inspiração Foi a partir de uma vertente da culinária que busca

inovar os tradicionais pratos da alta gastronomia francesa que o catarinense Renato Carioni, chef do restaurante de bases francesas Cantaloup, em São Paulo, chegou aos ingredientes da cozinha amazônica. “De alguns anos para cá começou um movimento de pesquisa em nossos produtos tradicionais e que fez com que descobríssemos que não precisávamos mais copiar tanto as culinárias tradicionais. Nessa busca, o Pará foi um estado que se destacou pela sua variedade de produtos”, afirma Carioni. Entre os ingredientes que mais chamaram a atenção do chef, que morou durante nove anos na Europa e trabalhou em restaurantes na Itália, França e Inglaterra, estrelados pelo Guia Michelin, uma das mais tradicionais

publicações sobre o assunto, estão a castanha-do-pará, o açaí e o tucupi. E foi justamente nos campos férteis da mata amazônica que Carioni buscou inspiração para um de seus pratos considerados o carro-chefe de suas receitas, o camarão com emulsão de tucupi. Para ele, não é à toa que a região com seus ingredientes usados à moda rústica serve de base para a elaboração de pratos refinados. “O fato dos ingredientes até hoje serem usados de maneira mais rústica faz com que seja mais fácil tentar elaborar coisas mais refinadas”, afirma. A possibilidade de combinar antigos ingredientes aos recém-descobertos sabores amazônicos, acredita o chef, ajudou a aguçar a criatividade dos mestres da cozinha, especialmente no eixo Rio-São Paulo. “A cozinha

Filé de búfalo com arroz de maniçoba Fillet of buffalo with ‘maniçoba’ rice.

ways get astonished at what we have here”. Amongst the favorite flavors of foreign chefs are the fruits,

‘maniçoba’ macaroni. “Maniçoba is sensational in such a way that I’ve created this new pasta to be released in June”.

the ‘tucupi’ sauce, the ‘jambu’, the fish and the manioc flour.

The Brazil-nut, the ‘açai’ and the ‘tucupi’ are some of the ingredients that most attracted the attention of the Chef, who lived nine years in Europe and worked in restaurants in Italy,

“Everything pleases them”, He adds. However, it is a must that

Inspiration

France and England, which were featured in the Michelin Guide,

prior to creating their own dishes, they get to learn the tradi-

Because of a branch of the culinary art, one that seeks to

one of the most traditional publications on the subject.

tional way of making of our cuisine, Paulo martins recommends

innovate the traditional dishes of the high French cuisine, Sata

And it was in the fertile fields of the Amazon rainforest that

and adds that “when you have the first contact with a certain

Catarina State-born Renato Carioni, Chef of the Cantaloup

Carioni sought inspiration for one of his dishes, considered the

product, you should follow the local habits. Only then you pro-

French restaurant, in São Paulo city, got to know the ingredi-

centerpiece of its recipes, the shrimp in tucupi emulsion.

ceed with your experiments”.

ents of the Amazon cuisine.

For him, it is not by chance that the region and its ingredi-

The outcome must always be submitted to the public. In

“For some years now, a movement was commenced to re-

ents used in a rustic manner act as the basis for the prepara-

Belém, Paulo claims that, at first, his customers got reluctant

search on some of our traditional products and this prompted

tion of refined dishes. “The fact that the ingredients are still

to trying his novelties; but today, this has changed to such an

us to find out that we didn’t need to copy traditional cuisine

used of in a more rustic way makes it easier to try to come up

extent that another of his creations is being prepared and is to

any more. In this search, Pará was a State that stood out for its

with more refined things”, he states.

be released in the 7th Ver-o-Peso da Cozinha Paraense Festival:

product variety”, claims Carioni.

The Chef believes that the possibility to combine old in-

92

revista3_hangar04.indd 92

18/5/2008 D044 04:54:44


Mousse com glacê de castanha-do-pará e mel, de Renato Carioni, chef do restaurante Cantaloup, em São Paulo. Mousse topped by Brazil-nut glace and honey, by Renato Carioni, Chef of the Cantaloup restaurant, in São Paulo

gredients with the newly-discovered flavors of the Amazon has helped stimulate the creativity of culinary masters, especially those of the Rio de Janeiro-São Paulo center. “The cuisine of Pará is seen today by the great chefs as a strong inspiration to get away from the ordinary”. According to Carioni, not even the difficulty of acquisition of certain ingredients has stopped the chefs from letting go of this novelty. “Nowadays, it’s been a little easier to get this type of goods”, he says. Authentic It was by means of Paulo Martins that, in 2005, Chef Bel Coelho, head of the Buddha Bar team, in São Paulo, tried and was enchanted by the ingredients of the local cuisine. After that, her French-based dishes received the exotic Amazon condiment. “I think it’s the most ‘Brazilian’ cuisine we have; the most ‘native’, authentic of all”, she says. One of her first creations using our typical ingredients was the Shrimp Consommé with Tucupi and Jambu. “I don’t quite know how I got to this dish, but tucupi and jambu is a combination that works very well. Another dish that came up very well was the purée of ‘bacuri’ fruit with ‘foie gras’. Bacuri has an interesting acidity and the two textures complement one another very well”, says Bel.

revista3_hangar04.indd 93

18/5/2008 D044 04:54:47


paraense é vista hoje pelos grandes como uma fonte de inspiração para fugir da mesmice”. Nem mesmo a dificuldade de comprar certos ingredientes tem impedido, segundo ele, os chefs de lançarem mão dessa novidade. “Atualmente está um pouco mais fácil de conseguir este tipo de mercadoria”, garante. Autêntica Foi pelas mãos de Paulo Martins, em 2005, que Bel Coelho, responsável pela cozinha do Buddha Bar, em São Paulo, provou e se encantou com os ingredientes paraenses. Depois disso, a composição de seus pratos de base francesa ganhou o exótico tempero amazônico. “Acho que é a cozinha mais brasileira que a gente tem, a mais nativa, mais autêntica”, avalia. Uma de suas primeiras criações à paraense foi o Consommé de Camarão com Tucupi e Jambu. “Não sei bem como cheguei ao prato, mas tucupi com jambu é uma combinação que funciona muito bem. Outra que ficou ótima é o purê de bacuri com foie gras. O bacuri tem uma acidez interessante e as duas texturas são bem complementares”, elogia.

O jambu e o bacuri caíram no gosto da chef paulista que estreou aos 17 anos como estagiária de Laurent Suaudeau, depois fez estágio na cozinha do Fasano e ingressou no Culinary Institute of America, em Nova York. “O bacuri é uma fruta que amo. Adoro, adoro, adoro. Outros ingredientes que acho interessantes são o jambu, o pirarucu seco, as enormes costelas de tambaqui e o próprio tucupi”, conta, ao revelar que pretende voltar outras vezes a Belém para conhecer mais sabores. Sucesso O que os grandes chefs de cozinha descobriram há cerca de dez anos faz sucesso nas mãos da tacacazeira Maria do Carmo Pompeu dos Santos, mais conhecida como Maria do Tacacá há mais de três décadas. A paraense conhece como ninguém o melhor ponto do tucupi e do jambu e já se acostumou com os elogios dos turistas que param para provar o famoso caldo. Em uma barraca montada na frente do tradicional Colégio Nazaré, onde costuma vender mais de 150 cuias diariamente, ela não se preocupa em revelar os segredos de uma das receitas mais conhecidas: o tacacá. Segun-

do ela, um dos pontos cruciais é o cuidado com os ingredientes. Camarão, só os graúdos trazidos do estado vizinho, o Maranhão. O jambu deve ser comprado diariamente, sempre fresco, e o tucupi conservado em vasilhas de alumínio para evitar a fermentação. Ela ensina que um bom tacacá precisa ser avaliado em três fatores: sabor, aroma e textura. Para alcançar a qualidade desejada, dona Maria não abre mão de preparar à moda antiga seus ingredientes. O tucupi, por exemplo, é feito em sua própria casa, obtido da mandioca ralada por seus funcionários e aromatizado por ela com alho, chicória e alfavaca. A goma também recebe atenção especial. “Depois de lavada, é diluída em água e colocada em uma panela para ferver. Mexe-se muito para não empelotar. A textura ideal não pode ser nem grossa nem fina demais”. Ela afirma que a goma é ingrediente essencial do tacacá para neutralizar a ação do tucupi e maximizar a ardência da pimenta. Depois, para finalizar, é só acrescentar o jambu e o camarão e está pronto um dos mais exóticos e originais pratos da autêntica cozinha paraense. L

Apreciada por chefs famosos, a união bem paraense do camarão com o tucupi é sucesso há 30 anos na barraca de dona Maria do Tacacá Enjoyed by famous chefs, the shrimp-tucupi association has been a hit at the stall of Mrs. Maria do Tacacá.

Jambu and bacuri were highly appreciated by the São

vendor Maria do Carmo Pompeu dos Santos, best known as

She says that a good ‘tacacá’ should be assessed ac-

Paulo chef who started at the age of 17 as a trainee of Laurent

Maria do Tacacá. Pará-born Maria knows the best ‘point’ of

cording to three factors, namely: taste, scent and texture. The

Suaudeau. After that, she took an internship at the kitchen of

preparation of the tucupi and jambu like no one, and she is

quality is assured by the old-fashioned way Maria prepares

the Fasano and studied at the Culinary Institute of America,

now used to the praise from the tourists who stop to try the

the ingredients. The tucupi, for example, is produced in her

in New York. “Bacuri is a fruit I really love. Other ingredients

famous sauce.

own home as the cassava is ground by her employees and she

I regard as interesting are the jambu, dried pirarucu fish, the

She has a stand in front of a traditional school in Belém.

prepares it with garlic, chicory and basil. The other ingredient

huge tambaqui fish ribs and tucupi itself”, she says as she

She usually sells more than 150 bowls of tacacá daily. She

of tacacá, the ‘goma’ (a type of starch), also gets special at-

reveals that she intends to come visit Belém again to get to

does not mind disclosing the secrets of her recipe. She says

tention. She says that the ‘goma’ is an essential ingredient of

know other flavors.

that one of the crucial points is the care with the ingredients.

tacacá because it neutralizes the action of the tucupi sauce

The shrimps are large ones only, brought from the neighboring

and maximizes the burning taste of pepper. Afterwards, it’s

Success

Maranhão State. The jambu must be purchased daily, always

just adding the jambu and the shrimp and one of the most

All that the great chefs discovered some 10 years ago has

fresh, and the tucupi must be kept in aluminum pans in order

exotic and original dishes of the authentic cuisine of Pará is

to avoid fermentation.

ready. L

been a success for over three decades in the hands of tacacá

94

revista3_hangar04.indd 94

18/5/2008 D044 04:54:53


Conheça o Sistema de Ar Condicionado Inteligente Multisplit MPS VARIÁVEL.

Life’s Good Double M

Sistema de última geração, projetado para otimizar espaços de instalação, consumo de energia e custo de manutenção, além de agregar design, versatilidade e conveniência.

Demonstrativo Sistema Multisplit MPS VARIÁVEL

• Grande economia de energia Os equipamentos MPS VARIÁVEL (Multi Power System) possuem dois ou mais compressores de alta eficiência. Especialmente desenvolvidos para operação em climas tropicais, circuito de bypass de gás quente e vávula de expansão eletrônica. Com a operação de múltiplos compressores este sistema pode gerar grande economia de energia tendo em vista que otimiza o consumo de energia quando o sistema opera em cargas parciais através do controle preciso da operação dos copmpressores.

• Tecnologia do Compressor MPS VARIÁVEL O compressor MPS foi especialmente projetado para condições críticas, garantindo um excelente desempenho em condições extremas de operação, permitindo funcionamento contínuo (operação 24 horas) e temperaturas de até 54° e oscilação de tensão 15%.

• Grandes Distâncias e Grandes Elevações Os separadores de óleo especiais fazem com que este sistema de tubulação tenha uma distância máxima de 220 metros, com uma elevação máxima de 45 metros. O propósito dos separadores de óleo é fazer com que este retorne ao compressor, mantendo seu nível dentro dos limites de segurança, e assegurando seu funcionamento. Isto proporciona maior flexibilidade para instalações em diferentes locais.

• Sistemas de Controle e Automação Controle Central Simples | Controle de Função e Programação | AC Smart | Controle Central Deluxe | Controle baseado no Computador

• Projeto Flexível e Simplicidade na Instalação Imagens meramente ilustrativas

Os sistemas multi MPS Variável contam com conexões simples para a tubulação frigorígena, a interligação da unidade externa às unidades internas, o que proporciona grande economia de energia e facilita a instalação.

Tel: (91) 4005-0700 / Rua 28 de Setembro, 1072, Entre Doca e Quintino Belém - Pará / E-mail: vendas@imperadordasmaquinas.com.br

www.lge.com.br

revista3_hangar04.indd 95

18/5/2008 D044 04:54:59


Responsabilidade social / Social Responsibility

Oportunidade de

recomeçar An opportunity to start life again texto / text: Leandro Moreira foto / photo: Jaime Souzza

Rosivaldo Santos e Shirley Gonçalves estão entre os beneficiados pela iniciativa Rosivaldo Santos and Shirley Gonçalves are some of the beneficiaries of this initiative.

uito se fala sobre quanto o Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia contribui para o aquecimento do turismo de negócios no Estado, além de colocar o nome do Pará como uma referência para sediar eventos de porte nacional e internacional. O que poucos sabem é que por trás deste grande equipamento e de sua infra-estrutura disponível, o Centro de Convenções também está ligado às causas sociais. Mais do que ações pontuais, a administração do Hangar decidiu abraçar a causa em favor da reinserção social, e passou a ter em seu quadro egressos do

M

Sistema Penal. Por meio de um contrato terceirizado de serviços de limpeza com a Fábrica Esperança – organização social voltada para a ressocialização de egressos –, o Hangar serve de vitrine para que outros órgãos abram suas portas para a causa e expande os serviços oferecidos pela fábrica. “O Hangar foi a prova de que é possível incluir socialmente”, afirma a psicóloga Zildinha Sequeira, responsável pelo acompanhamento dos trabalhadores da Fábrica Esperança no Hangar. Ao todo, são 12 pessoas que tiveram a oportunidade de um trabalho com carteira assinada e, principalmente,

um contato direto com a sociedade. “O objetivo da parceria é a inclusão, e tem dado muito certo. Nas reuniões que fazemos com eles, é possível observar que em nenhum momento se sentem discriminados por outros funcionários. Eles falam do trabalho com felicidade, como uma oportunidade de um recomeço de vida. O aumento da auto-estima do grupo é surpreendente”, reitera. Prestes a completar seis meses de contrato em meados de junho, a avaliação do trabalho desenvolvido no Centro de Convenções é positiva. “É um grupo que veste a camisa da ‘Equipe Hangar’, e que

96

revista3_hangar04.indd 96

18/5/2008 D044 04:54:59


sabe que este é um momento em que o trabalho deles está servindo de vitrine para outros projetos sociais similares. Até o momento, só nos têm dado orgulho e nos rendem elogios pelas atividades bem feitas”, explica Zildinha. Além da inclusão social e de um trabalho digno com carteira assinada, os funcionários da Fábrica Esperança ainda dizem ter tido a chance de aumentar uma das coisas que, para eles, nem sempre é de fácil acesso: o conhecimento. “Aqui, nós temos a oportunidade de conhecer

feiras, autoridades e artistas de todos os lugares do mundo. Além de nos aprofundarmos nas atividades de um agente de limpeza, já que essa tarefa vai muito além de uma simples higienização doméstica, também estamos em contato, a todo o momento, com grandes acontecimentos culturais e políticos”, ressalta a agente de limpeza Rosa Alves, que ainda reforça o discurso da psicóloga. “Somos uma família mesmo”, conclui, com a segurança de quem encontrou no Hangar um bom caminho para começar uma nova vida. L

uch has been said about the contribution of Hangar

soever. They happily talk about their jobs as an opportunity

to heating up the business-oriented tourism in the

to start life all over again. The increase in the group’s self-

M

State, besides carrying the name of Pará as a reference to

esteem is amazing”, she says.

host events of national and international relevance. What few

Now with approximately six months of the contract term

people know is that behind this great enterprise and its avail-

to be completed next June, the evaluation of the work devel-

able infrastructure, the Conventions Center is also connected

oped in the Conventions Center is positive. “It is a group that

to social causes. More than spot actions, the administration

is loyal to the ‘Hangar Team’ and that knows that this is a

of Hangar decided to embrace causes in favor of the social

moment by which their job is acting as a showcase to other

reintegration, and started to include ex-inmates in its staff-

similar social projects”, explains Zildinha.

ing. Through a contract of outsourced cleaning services with

Besides the social inclusion and the opportunity of a wor-

Fábrica Esperança – a social organization oriented for the re-

thy formal job, the staff of the Hangar’s Fábrica Esperança

socialization of ex-inmates – the Conventions Center acts as

also say that they have had an opportunity to improve one

a showcase for other organizations to open their doors for this

thing that, for them, is not always easy to get: knowledge.

cause and expand the services provided by the organization.

“Here, we have the opportunity to get to know fairs, authori-

“The Hangar is a proof that it is possible to socially in-

ties and artists from all over the world. Besides improving

clude an ex-inmate”, assures psychologist Zildinha Siqueira,

in the cleaning activities, as this task involves much more

who is responsible for following up the Fábrica Esperança

than the simple domestic hygiene, we are also in contact with

workers at the Hangar. Altogether, 12 people who had the

great cultural and political events all the time”. This is what

opportunity for formal employment and, especially, a direct

the cleaning agent, Rosa Alves, says to confirm the words of

contact with society. “The main objective of the partnership is

psychologist Zildinha.

the inclusion, and it has worked out pretty fine. In the meet-

“We are a real family”, she replies, with the self-confi-

ings we hold with them, it is possible to observe that they do

dence of someone who has found in Hangar the opportunity

not feel discriminated by other workers in any moment what-

to start a new life. L

revista3_hangar04.indd 97

18/5/2008 D044 04:55:03


iniciativa / initiative

Espaço

cultural Cultural space

texto / text: Leandro Moreira foto / photo: Jaime Souzza

As programações gratuitas mensais têm atraído cada vez mais pessoas The free monthly programming has attracted more and more people

Hangar não é uma referência só como sede de grandes eventos de negócios, feiras e convenções. O centro também assumiu o compromisso de se tornar uma referência na promoção de ações culturais abertas ao público, que sinalizou de forma positiva à iniciativa, comparecendo em massa às programações. O resultado deu tão certo que a intenção é manter a realização de um evento cultural mensal alusivo às datas festivas do mês, tudo com entrada franca. “A intenção é desenvolver uma programação mensal paralela à atividade fim do Hangar, que

O

é o foco no turismo de negócios”, detalha Paulo Assunção, produtor cultural do projeto. Segundo Débora Amoras, diretora geral do Hangar, “o projeto do centro de convenções tem o objetivo de ocupar datas variadas com programações culturais que levem a população para usufruir do Centro de Convenções, ao mesmo tempo em que se resgata a produção cultural típica do Estado e se valorizam os artistas da terra.” A primeira iniciativa neste sentido foi a programação natalina do Centro de Convenções, que virou um marco no Natal de 2007 em Belém. A ci-

dade foi presenteada com o maior presépio armado do Brasil, além de duas árvores de natal de 15 metros, feitas com mais de 4,5 toneladas de ferro cada, uma exposição de imagens produzidas por mestres santeiros do Nordeste e shows ao ar livre com referências da música local, como o violonista Salomão Habib, a Amazônia Jazz Band e a cantora Dayse Addario. Pouco tempo depois, em janeiro, o Hangar resgatou a festa da Folia de Reis, tradição há muito tempo esquecida que determina que a decoração natalina seja retirada apenas no dia 5 de janeiro.

98

revista3_hangar04.indd 98

18/5/2008 D044 04:55:06


Para celebrar a data, o Hangar montou uma estrutura de anfiteatro no salão de feiras, tudo para receber grupos de teatro popular como as Pastorinhas Filhas de Sion e Folias de Reis, e ainda a Orquestra de Rabecas Sons do Caeté, a Marujada da Irmandade de São Benedito e grupos musicais do município de Bragança que interpretaram sons tradicionais como xote, carimbó e o retumbão. Quem encerrou a noite foi a famosa banda Arraial do Pavulagem, que armou um verdadeiro arrastão no ritmo do Cordão do Peixe-Boi, com di-

reito a orquestra de sopro que tocou no ritmo das marchinhas e toadas de boi e colocou para dançar as mais de três mil pessoas presentes. Em março, foi a vez de reunir na mesma programação o Dia das Mulheres e a Páscoa. Foi assim que dividiram o mesmo palco a Paixão de Cristo encenada pelo grupo Aldeato, da Paróquia de Queluz, o humor dos Palhaços Trovadores, o grupo de mulheres instrumentistas Charme do Choro, o show “Elas por Chico Buarque por Elas”, e o Coro Municipal Arte Popular (Comap). L

he Hangar is not a reference only as a place of major busi-

of images produced by expert sculptors from the Northeast as

ness events, fairs and conventions. This conventions center

well as outdoor shows highlighting local music and artists

has also committed to becoming a reference in the promotion

such as guitar player Salomão Habib, the Amazonia Jazz Band

of cultural actions open to the public, who approved of such

and singer Dayse Addario.

T

initiative by attending the events. The result worked so well

Soon afterwards, in January, the Hangar highlighted the

that the intention now is to hold a cultural event allusive to

‘Folia de Reis’ feast, a long-forgotten tradition which sets

the festive dates of the month on a monthly basis – admis-

the deadline of January 5th for the Christmas decoration to

sion is free.

be taken out. In order to celebrate the date, the Hangar built

“What is intended is to hold a monthly programming in

an amphitheater structure in the fairs hall to receive groups

parallel to the official activity of the Hangar, which is the fo-

such as “As Pastorinhas Filhas de Sion” and “Folia de Reis”,

cus on business tourism”, explains Paulo Assunção, cultural

two popular local theater groups, the Fiddles Orchestra “Sons

producer of the project. According to Débora Amoras, Director

do Caeté” and “Marujada da Irmandade de São Benedito”,

General of the Hangar, “The conventions center project aims

musical groups from Bragança city that interpreted traditional

at using different dates with cultural programming that cause

music like xote, carimbó and Retumbão. The famous “Arraial

the population to make use of the Conventions Center while

do Pavulagem” ended the night in a great show that got over

fostering the typical cultural production of the State and ap-

three thousand people dancing the night away.

preciating local artists.”

In March, the Women’s Day and Easter were celebrated in

The first initiative in this sense was the Christmas pro-

the same event whereby the group Aldeato from the Queluz

gramming of the Conventions Center, which became a land-

Parish, acting the Passion of Christ, the humorous “Palhaços

mark at the 2007 Christmas in Belém. The city received the

Trovadores”, a women’s band called ‘Charme do Choro’ with

biggest Nativity scene in Brazil, two 15-meter-tall Christmas

the show “Elas por Chico Buarque por Elas”, and the Arte

trees made up by more than 4.5 tons of iron each, an exhibit

Popular Municipal Choir shared the stage. L

revista3_hangar04.indd 99

18/5/2008 D044 04:55:09


revista3_hangar04.indd 100

18/5/2008 D044 04:55:14

the Hangar Convention and Fair Center of Amazonia belongs to. It covers a

fairs, congresses, conventions, meetings, seminars, symposia and national and international exhibits.

congressos, convenções, encontros, seminários, simpósios e exposições

diation. The venue is high-technology, with full Wi-Fi internet coverage. Hangar 1 is 12,000 square meters in size, divided between an

total em todos os horários e a diminuição do consumo de energia elétrica

e bloqueio de raios UV. O espaço dispõe de avançada tecnologia, com

hicles. The second pavilion also has technical support rooms and conference interpreting facilities, sound and lighting.

estacionamento com 800 vagas. O segundo pavilhão conta com salas de

apoio técnico e suporte para tradução simultânea, som e iluminação.

SALA MULTIUSO MULTIUSE ROOM

up to 2,000 meals an hour, and parking for 800 ve-

capacidade para 850 lugares e para servir até 2 mil refeições por hora, e

facilities, with a baggage storage area, press room,

vip para os palestrantes e isolamento acústico.

guarda-volumes, sala de imprensa, praça de alimentação (3) com

for lecturers. Moreover, the Hangar has complete support

até oito auditórios menores por meio de divisórias móveis, todos com sala food court (3) with 850 seats and capacity to serve

lated auditoriums using moving walls, all with VIP rooms

e capacidade para receber 2.160 pessoas, podendo ser transformado em

Além disso, o Hangar tem uma completa estrutura de apoio, com

be divided into as many as eight smaller acoustically insu-

meters in size with seating capacity for 2,160 people. It can

No Hangar 2, o auditório central (4) tem 1.880 metros quadrados

etc.

Hangar 2 has a central auditorium (4) 1,880 square

be used for workshops, courses, etc.

suporte logístico independente, e entre as 12 salas multiuso (2) do

piso superior (com 78, 48 ou 38 lugares), usadas para oficinas, cursos,

use rooms (2) on the second floor (with 78, 48 or 38 seats), to

multaneously, with independent logistical support; and 12 multi-

exposições (1), que pode abrigar até dois eventos simultâneos, com

No Hangar 1, são 12 mil metros quadrados divididos entre a área de

expo area (1), which can be further divided to host two events si-

ency at all times and lower electricity consumption and blocking of UV ra-

de vidros importados na estrutura externa que permitem a transparência

total cobertura de internet sem fio (wireless).

special imported glass on the outside structure enabling total transpar-

Seu projeto arquitetônico é totalmente integrado à natureza, com uso

The architectonic design is completely integrated with nature, using

divided into two pavilions. The Hangar’s facilities are fully adaptable to host

o Hangar possui uma estrutura totalmente adaptada para receber feiras,

nacionais e internacionais.

total of 63,000 square meters with 24,000 square meters of constructed area

está situado. Com uma área total de 63 mil metros quadrados e

24 mil metros quadrados de área construída dividida em dois pavilhões,

U

ne of the largest convention centers in the country. This is the select group that

grupo que o Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia

O

m dos maiores centros de convenções do País. É neste seleto

por dentro / inside

ÁREAS DE FEIRAS E EXPOSIÇÕES EXPO AREA AND MULTIUSE ROOMS


revista3_hangar04.indd 101

18/5/2008 D044 04:55:29

AUDITÓRIO AUDITORIUM AUDITÓRIO

PRAÇA DE DE ALIMENTAÇÃO ALIMENTAÇÃO PRAÇA FOOD COURT


localize-se / map of tourist attrantions

Hangar Centro de Convenções e Feiras da Amazônia (1) é a porta de entrada para a realização de negócios na Amazônia. Com estrutura ampla, e equipado com os mais modernos recursos para a realização de eventos, está situado em posição estratégica em Belém, na Avenida Doutor Freitas, no bairro do Marco, com acesso aos principais corredores de trânsito da cidade e próximo dos principais pontos turísticos. O espaço está a dez minutos do Aeroporto Internacional de Val-de-Cães (2) e do Terminal Ro-

doviário de Belém (3). Em menos tempo, chega-se aos 150 mil metros quadrados de mata nativa do Jardim Botânico Bosque Rodrigues Alves (4). A menos de vinte minutos do Hangar chega-se à orla da cidade, às margens da Baía do Guajará, onde estão outros dos principais pontos turísticos: a Estação das Docas (5), complexo de bares, restaurantes e teatro; aos prédios históricos que remontam à fundação de Belém (6) e ao conjunto de obras do arquiteto italiano Antônio Landi, transformados num circuito de museus, e

O

ao Mangal das Garças (7), parque ambiental com aves e flora nativa. Afastando-se um pouco do rio, há os corredores de mangueiras que levam até a Praça da República e a um dos símbolos da Belle Époque no Pará, o Theatro da Paz (8). Outros pontos referenciais são a Basílica de Nossa de Nazaré (9) e seu entorno; a Praça Batista Campos (10), com grandes jardins, fontes e coretos de ferro; e o Museu Paraense Emílio Goeldi (11), responsável pelos maiores acervos de flora, fauna e arqueologia amazônicas.

6

7

5

8 2 10

9 11

3

1

ilustração Leandro Bender

4

H

angar Conventions and Fair Center of the Amazon (1) is the

restaurants and theater; the historical buildings dating back

gateway to business in the Amazon. With its large structure

to the foundation of Belém (6) and feature the works of Ital-

equipped with the most modern resources for holding events,

ian architect Antônio Landi, which were changed into a circuit

Hangar is strategically located in Belém. It provides access to

of museums; and the Mangal das Garças (7), an environmental

the city’s main traffic ways and tourist attractions.

park featuring native flora and fowls.

It is 15 minutes by car from Belém’s Val-de-Cães Interna-

A little further from the waterfront, you can see the corridors

tional Airport (2) and Bus Station (3). Even closer, is the 150-

of mango trees leading to República Square and to one of Pará’s

thousand-square-meter area of native forest of Bosque Ro-

Belle Époque symbols, the ‘da Paz’ Theater (8). Other reference

drigues Alves (4), a must-see tourist site.

sites to see are: the Basilica of Nazareth (9), the Batista Campos

Less than half an hour by car from Hangar is the water-

Square (10) with its beautiful gardens, fountains and band-

front of Belém, at the Guajará Bay, where other major tourist

stands made of iron; the Emílio Goeldi Museum (11), featuring

attractions are located: the Dock Station (5), a complex of bars,

the largest collections of Amazon flora, fauna and archeology.

102

revista3_hangar04.indd 102

18/5/2008 D044 04:55:44


porta-retrato / snapshot fotos / photos: Jaime Souzza

Hugo Chávez Hugo Chávez A vinda do presidente venezuelano Hugo Chávez ao Brasil foi marcada pelo encontro com a governadora do Pará, Ana Júlia Carepa. Na ocasião, foram assinados convênios de cooperação técnica entre a Venezuela e o Pará.

The visit of Venezuelan President Hugo Cháwvez to Brazil was remarked by the meeting with Pará Governor, Ana Júlia Carepa. Technical cooperation agreements between Venezuela and Pará were signed then.

103

revista3_hangar04.indd 103

18/5/2008 D044 04:55:53


Orquestra Infanto-Juvenil de Violoncelistas da Amazônia

II Reunião do Conselho Superior da Fapespa

Instalação do Fórum Paraense de Competitividade

Junior Orchestra

2nd Meeting of the Higher Council of Fapespa

O projeto Plataforma Brasil Holanda – Music promoveu um workshop de intercâmbio cultural durante três dias com musicistas dos dois países. Em 13 de março, último dia do encontro, os integrantes do Programa Cordas da Amazônia da UFPA e da Orquestra InfantoJuvenil de Violoncelistas da Amazônia apresentaram-se tocando de Bach a Mettalica. Além disso, participaram o violoncelista Ernst Reijseger e as cantoras paraenses Alba Maria e Juliana Sinimbú.

Os conselheiros da Fapespa (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Pará) estiveram reunidos em 23 de abril para analisar os resultados dos editais aprovados no encontro anterior do conselho e fazer um balanço da demanda. O encontro foi coordenado pelo presidente do conselho superior da instituição, Maurílio Monteiro, e contou com a presença de Ubiratan Holanda, presidente da Fapespa.

Em 12 de março, foi instalado a Fórum Paraense de Competitividade. O novo espaço será usado para debates em prol do desenvolvimento do Estado com a participação de empresários, trabalhadores, bancos de fomento e do governo. Durante o evento para instalação do Fórum, realizado no Hangar, ficou acertado o compromisso de reuniões trimestrais para debater os problemas e encontrar soluções para o crescimento da produtividade.

The project “Brazil–Holland Platform – Music” promoted a workshop about cultural exchange for three days with musicians from both countries. On the last day of the meeting (March 13th), the members of Program ‘Cordas da Amazônia’, of Pará State Federal University, and of the Amazon Junior Cellists Orchestra played songs ranging from Bach to Metallica; also, there was the participation of the cellist Ernst Reijseger and Pará singers Alba Maria and Juliana Sinimbu.

The advisers of Fapespa (Pará State Research Support Foundation) met on April 23rd to address the results of the public notices approved in the previous meeting of the council, and to assess the interest on each of these public notices. The meeting was coordinated by the president of the institution’s senior council, Maurílio Monteiro, and was attended by Fapespa’s president, Ubiratan Holanda.

On March 12th, Pará State’s Forum of Competitiveness was opened. The new place will be used for debates in favor of the development of State to be attended by entrepreneurs, workers, development banks and the Government. During the event, held at the Hangar, a commitment was agreed upon whereby quarterly meetings will be held to debate the problems and to find solutions to increase productivity.

Opening of State’s Forum of Competitiveness

104

revista3_hangar04.indd 104

18/5/2008 D044 04:56:23


revista3_hangar04.indd 105

18/5/2008 D044 04:56:42


Circo da China

Fórum de Secretários de Educação do Estado do Pará

ExpoEventos

Pará State Education Secretariat Forum

ExpoEventos

O espetáculo Natureza, do Circo Nacional da China, foi apresentado no Hangar de 7 a 9 de março. Em seis sessões e um ensaio aberto ao público, 14 mil pessoas assistiram ao circo. Treze atos da performance foram premiados na Olimpíada Nacional da China, evento que qualifica o que há de melhor no campo circense. Os mistérios da natureza foram retratados no espetáculo. Passaram pelo picadeiro sapos, libélulas, papagaios, macacos e outros animais representados pelos artistas.

O Hangar recebeu secretários de educação, gestores, assessores e técnicos da Seduc dos 143 municípios paraenses, além de representantes do Ministério da Educação, para o Fórum de Secretários de Educação do Estado do Pará, nos dias 11 e 12 de março. Houve debates sobre assuntos comuns à administração pública da educação e a assinatura de contrato do projeto Navega Pará com a Secretaria de Estado de Educação.

A ExpoEventos 2008 reuniu, de 8 a 11 de maio, no Hangar uma mostra do que as principais empresas e profissionais do Estado oferecem na área de produção de eventos. Com realização da Faz e Acontece, a ExpoEventos trouxe 170 expositores em 150 estandes e reuniu um público de aproximadamente 30 mil pessoas, que visitaram a feira nos quatro dias de programação.

The show “Nature”, by the National Circus of China, took place at the Hangar from March 7th to 9th. In six sessions and in a rehearsal open to the public, 14 thousand people attended the circus. Thirteen performance acts were awarded at the China National Olympics of Circus Arts, an event which qualifies what is best in the field of circus arts. Nature’s mysteries were portrayed in the show. Frogs, dragonflies, parrots, monkeys and other animals, as acted by the artists, were highlighted on stage.

The Hangar received the education secretaries, managers, advisors and technicians of Seduc from 143 municipalities of Pará, in addition to the representatives of the Education Ministry for the Pará State Education Secretariat Forum on March 11th and 12th. There were debates about subjects that are common to the public education management and the Agreement for project “Navega Pará” was signed by the State Education Secretariat.

The Circus of China

The ExpoEventos 2008, held at the hangar on May 8th through 11th. An exhibit on what the main businesses in the state offer in the field of events promoting was also held. The ‘Faz e Acontece’ exhibit brought 170 exhibitors in 150 stands and attracted approximately 30 thousand visitors over the four days of the event.

106

revista3_hangar04.indd 106

18/5/2008 D044 04:56:50


XLVII Encontro Nacional de Corregedores

47th National Meeting of Magistrates

IV Congresso Paraense de Direito de Família

4th Pará State Family Rights Conference

Dia da Mulher e Páscoa no Hangar

Women’s Day and Easter at the Hangar

Corregedores de justiça de todo o Brasil estiveram reunidos no Hangar, de 12 a 14 de março, no XLVII Encontro Nacional do Colégio de Corregedores Gerais da Justiça (ENCOGE). Foram desenvolvidas atividades para o intercâmbio de experiências entre os profissionais. No final do encontro, os membros do Colégio Nacional de Corregedores Gerais de Justiça de cada Estado e do Distrito Federal assinaram a Carta de Belém, que propõe orientações para o aprimoramento do Poder Judiciário.

Cerca de 1,6 mil pessoas participaram, em 18 e 19 março, do IV Congresso Paraense de Direito de Família. O número de inscritos, este ano, mais que dobrou em relação ao evento do ano passado. O Congresso reuniu alguns dos maiores especialistas brasileiros na área, entre eles o consultor jurídico, professor e ex-desembargador do TJE de São Paulo, Euclides Oliveira, o jurista paraense Zeno Veloso e o desembargador do Tribunal de Justiça do Maranhão, Lourival Serejo.

O Hangar celebrou, em 19 de março, o Dia da Mulher e a Páscoa. O grupo Aldeato, da Paróquia de Queluz, apresentou a Paixão de Cristo, teve ainda a música do grupo feminino de chorinho Charme do Choro, o show “Elas por Chico Buarque por Elas” e o Coro Municipal Arte Popular (Comap). A programação foi aberta ao público e marcou o início de um projeto do Centro de Convenções de fazer programações temáticas valorizando datas festivas de cada mês.

Justice Magistrates from all parts of Brazil were meeting at the Hangar on March 12th through 14th in the 47th National Meeting of the Board of General Justice Magistrates (ENCOGE). Activities were developed for exchanging experiences among the attendees. At the end of the Meeting, the members of the Board of General Justice Magistrates of each State and the Federal District signed the “Charter of Belém”, which proposes guidelines for the improvement of the Judicial Branch.

About 1.6 thousand people participated on March 18th and 19th of the State Family Rights Conference. The number of applicants this year more than doubled in relation to last year’s event. The Congress gathered some of the greatest Brazilian specialists in this field, among them the legal adviser, professor and former Chief Judge of São Paulo State Court of Appeals, Euclides Oliveira, and Pará State’s lawyer Zeno Veloso and the Maranhão State Justice Court Chief Judge, Lourival Serejo.

On March 19th the Hangar celebrated Women’s Day and Easter. The featured attractions were: the group Aldeato from the Queluz Parish presenting the Passion of Christ; a women’s band called ‘Charme do Choro’ played ‘chorinho’ (a Brazilian style) music; the show “Elas por Chico Buarque por Elas”; and the Arte Popular Municipal Choir (Comap). The event was open to the public and it set the beginning of a project of the Conventions Center to make theme events highlighting the important dates of each month.

107

revista3_hangar04.indd 107

18/5/2008 D044 04:57:03


Reunião dos Povos Indígenas Indigenous Peoples Summit

Conferência Estadual de Políticas Públicas para a Juventude

Cheque Moradia

Youth

Housing allowance checks

Apontar as necessidades do atual sistema de ensino indígena no Pará e criar metas para aperfeiçoá-lo foram as principais preocupações do Seminário Educação Escolar Indígena na Amazônia, que ocorreu em 24 e 25 de abril. Estiveram presentes ao encontro a secretária de Estado de Educação, Iracy Gallo Ritzmann, representantes do Ministério da Educação e índios de dezenas de tribos do Estado.

O fortalecimento e a articulação em redes municipais de proteção e promoção dos direitos da juventude e a elaboração do Plano Estadual de Políticas Públicas de Juventude estiveram entre os temas debatidos na I Conferência Estadual de Políticas Públicas de Juventude, realizada de 28 a 30 de março, e organizada pelo governo do Estado, por meio da Coordenação de Promoção dos Direitos da Juventude, ligada à Sejudh (Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos).

A governadora Ana Júlia entregou 1450 cheques moradia para funcionários públicos estaduais que ganham até 3 salários mínimos e famílias consideradas em situação de vulnerabilidade social. Nesta etapa, o Governo do Estado está concedendo um total de R$ 7 milhões para reforma e construção de casas.

The main issues addressed at the Seminar on Indigenous Education in the Amazon were the necessities of the current indigenous education system in Pará and the targets to enhance it. The event was held on April 24th and 25th. Among the authorities attending the event were Iracy Gallo Ritzmann, State Secretary of Education, representatives of the Ministry of Education as well as indigenous individuals from tens of tribes of Pará State.

The strengthening and relationship in municipal networking of protection and promotion of youth rights and the preparation of the State Public Policies Plan for the Youth were among the themes discussed in the I State Conference of Public Policies for the Youth, on March 28th through 30th, organized by the State Government by means of the Coordination for the Promotion of Youth Rights, connected to Sejudh (State Justice and Human Rights Secretariat).

Para Governor, Ana Júlia Carepa, delivered 1,450 housing allowance checks to public workers who earn up to three minimum salaries a month and to families with a status of social vulnerability. In this phase, the State Government is granting na overall amount of R$7 million for real estate renovation and construction.

108

revista3_hangar04.indd 108

18/5/2008 D044 04:57:15


III Conferência Estadual de Meio Ambiente

Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde

Alfabetização de adultos

National Conference of Municipal Health Secretariats

Tutoring of illiterate adults

Durante três dias, o secretário de Meio Ambiente, Valmir Ortega, e os secretários de mais de 80 municípios, estiveram reunidos na 3ª Conferência Estadual de Meio Ambiente. O evento começou no dia 4 de abril e estabeleceu que a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) poderá ajudar os municípios paraenses a se aparelharem e contratarem pessoal para as secretarias municipais de meio ambiente e institui a criação de um fórum de secretários municipais, que terá sua primeira reunião em junho.

Secretários municipais e gestores de serviços de saúde de todas as regiões do Brasil estiveram reunidos, de 9 a 11 de abril, no XXIV Congresso Nacional de Secretarias Municipais. O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, participou da abertura oficial do evento, realizado simultaneamente ao V Congresso Brasileiro de Saúde. O encontro celebrou o aniversário de 20 anos do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

A Secretaria de Estado de Educação realizou no mês de abril a formação de turmas de novos educadores para atuarem com o Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos (MOVA). As aulas aconteceram no Hangar com alfabetizadores de inúmeros municípios paraenses.

For three days, the Secretary of Environment, Walmir Ortega, and the secretaries of 80 municipalities met at the 3rd Environment State Conference. The event began on April 4th and established that the State Environment Secretariat (Sema) will be able to help the counties of Pará get set up and hire personnel for the environment municipal secretariats and it also established the creation of a forum of municipal secretariats, whose first meeting is to be held in July.

Municipal Health Secretaries and managers of health services from all over Brazil attended the 24th National Conference of Municipal Health Secretariats on April 9th through 11th. Brazilian Health Minister, José Gomes Temporão, opened the event, which was held in parallel to the 5th Brazilian Health Congress. This meeting celebrated the 20th anniversary of the Brazilian health system (SUS) and the National Council of Municipal Health Secretariats (Conasems).

Last March, the State Education Secretariat formed groups of new educators in order to act with the Movement for Teaching Adolescents and Adults (MOVA). The classes were given at the Hangar with teachers from several counties of Pará.

Environment State Conference

109

revista3_hangar04.indd 109

18/5/2008 D044 04:57:39


VIII Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio Ambiente

Congresso Médico Amazônico

8th Conference of the 8th Brazilian Environment Department of Justice Conference

14th Medical Conference of the Amazon

O VIII Congresso Brasileiro do Ministério Público do Meio Ambiente, realizado de 16 a 18 de abril, contou com a presença de promotores e procuradores públicos que trabalham com a questão ambiental em todo o Brasil. No encerramento, houve show da cantora Vanessa da Mata. O evento foi promovido pela Associação Brasileira do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa).

Da síndrome metabólica às DSTs na região Norte, o XIV Congresso Médico Amazônico, realizado de 27 a 30 de abril, debateu assuntos diversificados na área de saúde pública com foco para as particularidades regionais. Além de palestras e mesas-redondas, o evento contou com uma feira voltada para a saúde. Os principais hospitais do Estado, como o Ophir Loyola e o Metropolitano, montaram estandes durante o congresso.

The 8th Brazilian Environment Department of Justice Conference, held on April 16th through 18th, was attended by public prosecutors working on environmental matters from all over Brazil. The closing of the event featured a show of singer Vanessa da Mata. The Conference was sponsored by the Brazilian Association of the Environment Department of Justice (Abrampa).

The 14th Medical Conference of the Amazon, held on April 27th through 30th, addressed several issues in the area of public health with a focus on the regional particularities. In addition to the lectures and round tables, the event featured a healthcare-oriented fair.

110

revista3_hangar04.indd 110

18/5/2008 D044 04:58:07


revista3_hangar04.indd 111

18/5/2008 D044 04:58:31


Conferência Estadual de Desenvolvimento Rural State Conference on Rural Development A governadora Ana Júlia Carepa, o secretário estadual de Agricultura Cássio Alves Pereira e parceiros do setor rural do Estado estiveram reunidos, no dia 25 de março, na I Conferência Estadual de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário. Em quatro dias de encontro, mil delegados e convidados dos 143 municípios paraenses discutiram as propostas aprovadas nas 14 Conferências Territoriais de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário, realizadas nos meses de novembro e janeiro, na Região Metropolitana de Belém e no interior do Estado. Governor Ana Júlia Carepa and the State Secretary of Agriculture Cássio Alves Pereira and partners of the rural sector of the State were gathered on March 25th in the I State Conference on Sustainable and Joint Rural Development. In four days of meetings, a thousand agents and guests from 143 municipalities of Pará discussed the proposals approved in the 14 Territorial Conferences on Sustainable and Joint Rural Development, held in November and January in the Metropolitan Region of Belém and in the State countryside.

Seminário de Justiça Eleitoral Electoral Justice Seminar Mais de duas mil pessoas participaram do 3º Seminário da Justiça Eleitoral, realizado nos dias 10 e 11 de março. O papel da Justiça Eleitoral foi um dos pontos mais abordados pelos juristas, que também esclareceram dúvidas sobre a propaganda eleitoral e suas restrições legais.

Hundreds of people took part in the 3rd National Electoral Justice Seminar, which was held on March 10th and 11th. The role of the Electoral Justice was one of the points mostly debated by the jurists, who also cleared doubts about the electoral propaganda and its legal restrictions.

112

revista3_hangar04.indd 112

18/5/2008 D044 04:58:36


revista3_hangar04.indd 113

18/5/2008 D044 04:59:02


Palco de estrelas

A stage full of stars

A voz delicada e pulsante da cantora mato-grossense VaVelhos e novos sucessos da carreira de Lulu Santos fizenessa da Mata embalou o público no show de encerramento ram a festa de u público 7.000 pessoas que lotou o Hangar, do “VIII Congresso Brasileiro do Ministério Público do Meio Am- no último dia 31 de março, para ver a única apresentação ao biente”, realizado no último dia 18 de abril. vivo do cantor.

Na noite de 12 de abril, a cantora Danni Carlos emocionou o público que compareceu ao salão B do Hangar com sua interpretação única para os grandes hits da música brasileira.

The soft, beating voice of Mato Grosso State-born Vanessa Old and new hits by Lulu Santos popped the party for an da Mata rocked the audience in the closing show of the “8th audience of 7,000 people who crowded the Hangar last March Brazilian Environment Department of Justice Conference”, held 31st to see the only live performance of the singer in Belém. last April 18th.

In the night of April 12th, singer Danni Carlos touched the audience at hall B of the Hangar with her unique singing of great hits of the Brazilian music.

O bom samba de Jorge Aragão colocou todo mundo para dançar no dia 9 de maio durante a festa de aniversário de 6 anos do programa Bacana. O sambista fez o show completo com toda a banda - composta de 15 músicos - e fez a alegria dos convidados.

O cantor Paulo Ricardo foi a grande atração da festa de comemoração dos 20 anos da construtora Marko Engenharia, no dia 12 de abril. Um super evento, com a presença de empresários e personalidades locais garantiu o sucesso da festa.

The good ‘samba’ by Jorge Aragão set everybody dancing on May 9th at the party to celebrate the 6th anniversary of the Bacana TV Program (an interviews show). The famous samba singer/songwriter performed with his 15-member band for the delight of the guests.

Singer Paulo Ricardo was the great attraction of the party to celebrate the 20th anniversary of construction company Marko Engenharia, on April 12th. A great, successful event attended by local businesspeople and VIP’s.

114

revista3_hangar04.indd 114

18/5/2008 D044 04:59:09


Casamento Wedding Quase 500 casais trocaram alianças no último dia 16 de maio durante uma cerimônia de casamento comunitário promovida pelo Governo do Estado do Pará no Hangar Centro de Convenções e Feiras. O rito, que contou com acompanhamento musical da banda da Fundação Carlos Gomes e do Coro da Secretaria de Estado de Administração do Pará, beneficiou centenas de pessoas que não podiam arcar com os gastos de um casamento.

Almost 500 couples got married on May 16th at a group wedding ceremony promoted by the State Government held at the Hangar Conventions and Fairs Center. The event benefited hundreds of people who could not afford the expenses of a wedding. The Carlos Gomes Foundation musical band and the Pará State Administration Secretariat Choir played and sang at the event.

revista3_hangar04.indd 115

18/5/2008 D044 04:59:23


VII Jornada Paraense de Nutrição

7th Pará State Conference on Nutrition Cerca de 300 pessoas, entre profissionais e estudantes da área, participaram da VII Jornada Paraense de Nutrição Clínica Parenteral e Enteral, em 4 e 5 de abril. Entre os assuntos tratados, a obesidade teve destaque na programação. A nutricionista Tânia Rodrigues, de São Paulo, ministrou a palestra “Prevenção da Obesidade Infantil, funciona?”. Jonas Moreira Júnior, médico especialista em nutrição, coordenou a jornada. Approximately 300 people amongst practioners and students attended the 7th Pará State Conference on Parenteral and Enteral Clinical Nutrition held on April 4th and 5th. Obesity was one of the issues addressed at the conference. São Paulo State Nutritionist Tânia Rodrigues gave a lecture on “Infant obesity prevention: Does it work?”. The Conference was coordinated by nutrition specialist Dr. Jonas Moreira Júnior.

Workshop de Tecnologia de Informação

Plano Estadual Contra a Feminização da Aids

Information Technology Workshop

State Plan against the Feminization of AIDS

Profissionais de tecnologia da informação participaram, em 14 de março, do workshop Gestão de TI com ITIL e COBIT & Gerenciamento de Projetos Segundo PMBOK. O tema do evento foi “A nova era em gestão de projetos e serviços de TI”. Na ocasião, foi anunciada a criação da filial paraense do Project Management Institute (PMI), instituto sem fins lucrativos que visa divulgar informações sobre gerenciamento de projetos e que tem versões regionais em diversas partes do Brasil.

Uma oficina realizada de 17 a 19 de março discutiu a criação do Plano Integrado de Enfrentamento à Feminização da Epidemia de Aids. A diretora-adjunta de ações estratégicas do Ministério da Saúde, Lena Péres, coordenou a oficina. Também compareceram ao encontro a secretária de saúde do Estado, Laura Rossetti, o secretário adjunto, Walter Amoras, e a coordenadora estadual de Hepatites Virais, Débora Crespo.

IT professionals attended the workshop “Gestão de TI com ITIL e COBIT & Gerenciamento de Projetos Segundo PMBOK” that was held on March 14th. The theme of the event was “The new era in IT projects and services management”. At the event, the creation of the Pará branch of the Project Management Institute (PMI) was disclosed. This is a non-profit institute aimed at disseminating information on projects management. The institute has branches in several locations throughout the country.

A workshop held on March 17th through 19th addressing the creation of the Integrated Plan against the Feminization of AIDS. The Health Ministry Director Deputy for strategic actions, Lena Péres, coordinated workshop, which was also attended by State Secretary of Health, Laura Rossetti, Secretary Deputy, Walter Amoras, and the State Coordinator for Viral Hepatitis, Débora Crespo.

116

revista3_hangar04.indd 116

18/5/2008 D044 04:59:29


Festa do trabalhador Labor Day Celebration O Dia do Trabalho foi comemorado com a “Aparelhagem do Bolsa Trabalho”, no último dia 15 de maio, num evento organizado pela Secretaria de Estado de Trabalho, Emprego e Renda (Seter). Oito mil jovens bolsistas do Programa Bolsa Trabalho participaram das comemorações. Durante a programação, cerca de quatro mil bolsistas receberam os certificados de conclusão dos cursos de qualificação do programa de incentivo ao jovem trabalhador. Labor Day was celebrated on May 15th at an event organized by the State Labor, Employment and Income Secretariat (Seter). The event gathered eight thousand youngsters who receive an allowance from the ‘Bolsa Trabalho’ Program. During the event, approximately four thousand beneficiaries received the certificate of completion for the qualification courses of this program to stimulate the young worker.

Outros eventos/ Other events 06.03 - Posse do Conselho de Contabilidade / Inauguration of the Accounting Board 08.03 - 2º Encontro de Famílias da Petrobras/ 2nd Petrobras Family Meeting 18.03 - Concurso Belém Faces/ Belém Faces Fashion & Beauty Contest 19.03 - Lançamento da ExpoEventos 2008/ Launching of Expo Eventos 2008 23.03 - Lançamento do novo Corolla/ Launching of the new Corolla 25.03 - Lançamento Imobiliário do escritório LPS Brasil/ Launching of Real Estate Office ‘LPS Brasil’

The Challenge of Building up High school Education 09.05 - I Conferência Estadual de Defesa do Consumidor/ 1st State Conference on Consumer Defense 09.05 - Festa de 6 anos do programa Bacana/ Celebration of the 6th Anniversary of the Bacana TV Program 14.05 - Reunião de GT do Fórum Paraense de Competitividade/ Meeting of the State Forum of Competitiveness

12.04 - 20 anos da Marko Engenharia/ 20th Anniversary of Marko Engenharia

14.05 - Treinamento ASICS/ ASICS Training Course

17.04 - Lançamento do hotel Soft Inn Hangar/ Launching of the Soft Inn Hangar Hotel

15.05 - Projeto Bandeiras/ Bandeiras project

23.04 - Reunião do Conselho Superior da Fapespa/ Meeting of the Higher Council of Fapespa

17.05 - Show do Capital Inicial/ Show – Capital Inicial

24.04 - Seminário Educação Escolar Indígena na Amazônia/

18.05 - Show “Bossa Nova 50 Anos”/ Show – “Bossa Nova 50 Anos”

Indigenous Schooling In the Amazon Seminar 24.04 - Solenidade do Dia da Polícia/ Police Day Ceremony 25.04 - Solenidade de entrega da carteira da OAB/ Ceremony of Delivery of the Brazilian Bar Association ID 08.05 - O desafio da construção do Ensino Médio/

20.05 - Encontro Empresarial do Bradesco/ Bradesco Business Meeting 21.05 - X Encontro Nacional de Aleitamento Materno/ 10th National Meeting on Breastfeeding 21.05 - Festa de aniversário de 1 ano do Hangar/ Celebration of the 1st Anniversary of the Hangar

117

revista3_hangar04.indd 117

18/5/2008 D044 04:59:43


foto jaime Souzza

artigo / article

São demais os perigos desta vida,

PARA QUEM TEM PAIXÃO... The perils of life are too many for the passionate ones …” texto / text: Zildinha Sequeira

uem nunca sentiu os efeitos da paixão? Pode-se até negar, mas não dá para evitar sentir porque o corpo denuncia: o coração bate mais rápido, a pressão arterial sobe, as mãos tremem, a garganta fica seca, o estômago aperta, o olhar fica distraído, o pensamento se perde, o raciocínio se atrapalha, o desejo sexual aumenta, uma sensação de euforia se instala e ainda ficamos com cara de bobo. A paixão é um sentimento universal capaz de acabar com qualquer rotina, nos faz perder a noção de tempo, ilumina nossa vida tornando-a mais interessante, modifica nosso jeito de viver, pois fazemos o impossível para estar ao lado do outro, já que somos incapazes de tirá-lo da cabeça. Quanto tempo dura a paixão? A paixão não foi feita para se eternizar, é um sentimento efêmero. Embora ao estarmos apaixonados, acreditamos ter encontrado o homem ou a mulher da nossa vida (pode até ser!). Pesquisadores estimam que a paixão dure até 36 meses. Mas, estar apaixonado (a) é uma experiência absurda de prazer, portanto devemos é eternizar momentos. Na paixão, idealizamos o outro, que só possui qualidades, exatamente as que desejamos em alguém, pois o que não corresponde aos nossos interesses não registramos, afinal, fomos feitos um para o outro. Ele passa a ser uma idealização, uma projeção dos nossos desejos e, como tal, podemos estar projetando nele características e qualidades que ele pode não ter. Com o tempo, essa ilusão pode ser desfeita, o indesejado se revela, e então percebemos as imperfeições do parceiro. E aí? Ou aceitamos as diferenças e as dificuldades, saindo do plano ideal para o real e transformamos essa paixão numa relação amorosa; ou por nos sentirmos enganados, a relação termina, restando mágoas e rancor pelo fato do outro não corresponder as nossas expectativas. Na verdade, fomos traídos pelo nosso desejo idealizado e não enganados pelo outro. Diz-se que o amor nasce da paixão, mas isso nem sempre é verdade, pois muitas paixões acabam sem virar amor. Mas, quando a paixão se transforma em amor, o próprio corpo se acalma, já que o amor é um sentimento mais tranqüilo, que acontece por dentro, que exige intimidade, troca, proteção, cuidado, cumplicidade e nasce da realidade e não da fantasia. Eu acredito que, se nós conseguirmos sair do plano da idealização e aprendermos a lidar com a realidade, sem perder o encantamento, quem sabe a paixão evolua e se torne “um amor apaixonado”.

Q

* Zildinha Sequeira é psicóloga

W

ho has never felt the symptoms of passion? You can even deny it, but you just can’t help feeling it because our body shows it: the heart beats

faster, blood pressure rises, the hands shake, the throat gets dry, the stomach squeezes, your look gets distracted, your thoughts get lost, your reasoning messes up, your sexual desire increases, you are taken by a sensation of euphoria, and we even look silly. Passion is a universal feeling capable of breaking any routine, making us lose track of time; it lights up our lives and makes it more interesting; it modifies or way of living, for we do even the impossible to be with our beloved one as we are unable to take him/her out of our minds. How long does passion last? Passion is not meant to last forever; it is a transitory feeling. Even though we believe we have found the man or woman of our lives (it might even be that!), researchers estimate that passion lasts up to 36 months. But being in love is an absurd pleasure experience; therefore, we should make moments eternal. In passion, we idealize the other, who has qualities only; exactly those qualities we want to find in someone, for whatever does not match our interests is discharged. After all, we were meant to belong to one another. He/she becomes an idealization, a projection of our wishes and, as such, we might be projecting on that person characteristics and qualities he/she may not have. Over time, this illusion can be undone; the undesirable shows, and then we realize our partner’s imperfections. Now what? We either take the differences and difficulties for granted, leaving the ideal plan for the real one and we change this passion into a loving relationship, or the relationship is ended by our feeling deceived, thus being left with sorrow and grudge because the counterpart does fulfill our expectations. Indeed, we were betrayed by our idealized wish and not deceived by the counterpart. Love is said to flourish from passion, but this is not always true, since many passions end without turning into love. However, when passion does become love, the body itself settles down, since love is a calmer feeling, which takes place inside of us and requires intimacy, exchange, protection, care, complicity and it is born from reality and not from fantasy. I believe that if we manage to leave the idealization plan behind and learn how to deal with reality without losing the enchantment, who knows passion can develop into a “passionate love”. * Zildinha Sequeira is a psychologist

118

revista3_hangar04.indd 118

18/5/2008 D044 04:59:48


85

revista3_hangar04.indd 119

18/5/2008 D044 05:00:10


eventos / events

Agenda de eventos do Estado MAIO ALTAMIRA 01 a 31 - Copa de Futsal das Empresas Telefone/Fax: + 55 (93) 3515.7382 /3515.4573 e-mail: odairflorencio@Yahoo.Com.Br BAGRE 20 a 30 - Festividade de Santa Maria Telefone/Fax: + 55 (91) 3606.1219 / 9155.9404 BARCARENA 31 de maio a 01 de junho - Festival do Caranguejo Telefone/Fax: + 55 (91) 3754.3974 e-mail: glarocque@oi.com.br / larocquelarocque@gmail.com BELÉM 20 a 25 - Semana de Museus Telefone/Fax: + 55 (91) 3283.4687 BRAGANÇA 31 - IV Cavalgada Camponesa Telefone/Fax: + 55 (91) 8129.9837 / 8148.7736 e-mail: cavalgadacamponesa@hotmail.com BRASIL NOVO 22 - Corpus Christis Telefone/Fax: + 55 (93) 3514.1164 / 3564.1165 / 3564.1167 / 9121.7114 site: www.brasilnovo.pa.gov.br e-mail: adm@brasilnovo.pa.municipio.org.br / cirineusantos@ hotmail.com CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA 15 de maio a 15 de setembro - Veraneio Telefone/Fax: + 55 (94) 3421.0033 / 3421.2166 site: www.conceicaodoaraguaia.pa.gov.br e-mail: vilmarpsb40@yahoo.com.br 25 a 31 - Expo Agropecuária Telefone/Fax: + 55 (94) 3421.1564 INHANGAPI 18 - Círio de Santa Rita de Cássia Telefone/Fax: +55 (91) 8134.9305 / 3809.1160 site: www.inhangapi.pa.gov.br MARABÁ 27 - 6º Torneio de Pesque e Solte no Cais Telefone/Fax: +55 (94) 3323.0571 / 3324.4361 site: www.maraba.pa.gov.br e-mail: semma@skorpionet.com.br MUANÁ 30 de maio a 01 de junho - XXVII Festival do Camarão Telefone/Fax: +55 (91) 3494.1103 / 3494.1195 / 3494.1385 / 9112.0403 / 9639.1493 e-mail: antonio.azevedoneto@hotmail.com / alexandre-muaná@yahoo.com.br OURÉM 25 - 2ª Etapa de Motocross de Ourém Telefone/Fax: +55 (91) 8119.6751 / 3467.1128 e-mail: prefeituraourem@yahoo.com.br PARAGOMINAS 16 e 18 - Festival do Milho Telefone/Fax: +55 (91) 3729.1248 site do evento: www.paragominas.pa.gov.br e-mail: secultpgm@hotmail.com 30 de maio a 01 de junho - Paragofest Telefone/Fax: +55 (91) 3729.8050 site: www.paragominas.pa.gov.br e-mail: secultpgm@hotmail.com PLACAS 24 a 26 - IV Gincana de União Inter-Salas da Escola Tancredo Neves Telefone/Fax: +55 (93) 3552.1551/ 3552.1223 e-mail: andradetomaela@hotmail.com / walcyr_vieira@ hotmail.com

See below the calendar of cultural events in different municipalities in Pará*

PONTA DE PEDRAS 25 - Festa do Camarão Telefone: +55 (91) 3777.1130 / 9116.1539 PRAINHA 21 a 31 - Festividade de Santa Maria Mãe de Deus Telefone/Fax: +55 (93) 3582.1329 SÃO FÉLIX DO XINGU 22 a 31 - Festejo de Nossa Senhora das Mercês Telefone/Fax: +55 (94) 3435.1138 / 3435.1655 XINGUARA 30 de maio a 29 de junho - Festas Juninas das Escolas Municipais Telefone/Fax: +55 (94) 3426.4384 / 3426.2644 e-mail: prefeituradexinguara@gmail.com

JUNHO AFUÁ 27 a 29 - Festa na Roça Telefone/Fax: +55 (96) 3689.1140 ALENQUER 01 a 13 - Festividade de Santo Antônio - Padroeiro Telefone/Fax: +55 (93) 3526.1234 / 9133.0450 e-mail: caripunaximanga@hotmail.com ALMEIRIM 21 a 29 - Festividade do Glorioso São Benedito Telefone/Fax: +55 (93) 3737.1313 / 3737.1307 e-mail: dcultalmerim@hotmail.com 24 a 28 - Festival Junino de São Benedito Telefone/Fax: +55 (93) 3737.1313 / 3737.1307 e-mail: dcultalmerim@hotmail.com ANAJÁS 07 a 13 - Festividade do Glorioso Santo Antônio Telefone/Fax: +55 (91) 3605.1334 11 a 13 - III Intermunicipal de Quadrilhas Marajoaras Telefone/Fax: +55 (91) 3605.1334 ANANINDEUA 25 a 29 - Forronindeua Telefone/Fax: +55 (91) 3073.2133 / 3073.2111 / 3073.2131 e-mail: ascom.pma@gmail.com AUGUSTO CORRÊA 28 de junho a 01 de julho - Feira da Cultura “Arraial Urumajó” Telefone/Fax: +55 (91) 3482.1650 / 3482.1151 AVEIRO 28 a 29 - Festival do Gambá e-mail: prefeituradeaveiro@hotmail.com / albertoverne@ ig.com.br BAGRE 29 - IV Forrozão Bagrense e Concurso Oficial de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (91) 3606.1219 / 9155.9404 BELÉM 12 a 13 - Festividade de Santo Antônio Telefone/Fax: +55 (91) 3771.1264 / 3771.1755 / 3771.3150 e-mail: tony_russo_mo@hotmail.com 19 a 22 - Feira Internacional de Turismo da Amazônia - Fita Telefone/Fax: +55 (91) 3223.1932 / 3242.1118 site: www.paraturismo.pa.gov.br e-mail: turismo@paratur.pa.gov.br / gmark@paratur.pa.gov.br 20 a 30 - Festividade do Sagrado Coração de Jesus Telefone/Fax: +55 (91) 3771.1264 / 3771.1755 / 3771.315 e-mail: tony_russo_mo@hotmail.com 23 a 24 - Festividade de São João Telefone/Fax: +55 (91) 3771.1264 / 3771.3150 / 3771.1755 e-mail: tony_russo_mo@hotmail.com 28 a 30 - Festividade de São Pedro Telefone/Fax: +55 (91) 3771.1264 / 3771.3150 / 3771.1755 e-mail: tony_russo_mo@hotmail.com

21 a 24 - Arraial de Belém – Distrito de Icoaraci Telefone/Fax: +55 (91) 3073.7620 e-mail: rmacedo_guru@yahoo.com.br 01 a 30 - Arraial Junino Telefone/Fax: +55 (91) 4008.9402 / 4008.9423 site: www.cimbesa.com.br e-mail: alicemiranda13@yahoo.com.br

CURIONÓPOLIS 21 a 29 - Festejo Junino Telefone/Fax: +55 (94) 3348.1227 / 3348.1456 e-mail: pmccurionopolis@hotmail.com 22 - Concurso Garota Balneário - Serra Pelada Telefone/Fax: +55 (94) 3348.1227 / 3348.1456 e-mail: pmccurionopolis@hotmail.com

BELTERRA 12 - Maratona de Santo Antônio Telefone/Fax: +55 (93) 3558.1584 / 3558.1395 / 3558.1117 e-mail: sectuma@pmbelterra.com.br

CURRALINHO 01 a 13 - Festividade do Glorioso Santo Antônio Telefone/Fax: +55 (91) 9151.4643 14 a 24 - Festividade de São João Batista - Padroeiro Telefone/Fax: +55 (91) 9151.4643

BENEVIDES 07 - Corrida de Jegue Telefone/Fax: +55 (91) 3724.1876 / 3724.1128 e-mail: ludovino-lu@yahoo.com.br 20 a 22 - Feira da Cultura Popular do Distrito de Benfica Telefone/Fax: +55 (91) 3724.1876 / 3724.1128 e-mail: ludovino-lu@yahoo.com.br 27 a 29 - Sassaricando na Roça Telefone/Fax: +55 (91) 3724.1876 / 3724.1128 e-mail: ludovino-lu@yahoo.com.br BOM JESUS DO TOCANTINS 20 a 22 - Festival Junino Bom na Roça - Concurso Intermunicipal de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (94) 3341.1150 / (91) 9149.8014 site: www.bomjesusdotocantins.pa.gov.br e-mail: cultura@bomjesusdotocantins.pa.gov.br BRAGANÇA 18 a 23 - XVIII Festival Junino Telefone/Fax: +55 (91) 3425.2028 / 8135.7134 e-mail: seturbraganca@hotmail.com / toni-soares@hotmail. com BREVES 21 a 28 - XXIII Forrozão Marajoara Telefone/Fax: +55 (91) 3783.1180 e-mail: vanda_turismologa@hotmail.com CACHOEIRA DO ARARI 20 a 22 - Festival de Quadrilhas Juninas e Bois-bumbás Telefone/Fax: +55 (91) 3758.1116 / 3758.1550 e-mail: adrianopmca@msn.com / prefeituraca@hotmail.com 27 a 29 - Festival de São Pedro Fone/Fax: +55 (91) 3758.1116 / 3758.1550 e-mail: prefeituraca@hotmail.com CACHOEIRA DO PIRIÁ 20 a 22 - Festival Folclórico Telefone/Fax: +55 (91) 3447.1131 / 3447.1153 / 3447.1251 CAMETÁ 09 a 29 - 41ª União Estudantil Democrata Cametaense Telefone/Fax: +55 (91) 8146.8375 e-mail: secultd@yahoo.com.br 14 a 24 - Festividade de São João Batista - Padroeiro Telefone/Fax: +55 (91) 8146.8335 / 3781.1175 e-mail: secultd@yahoo.com.br CANAÃ DOS CARAJÁS 12 a 14 - IX Festa de Santo Antônio Telefone/Fax: +55 (94) 9151.0704 17 a 20 - 2º Conferência Missionária da Igreja Matriz das Assembléias de Deus - Igreja Madureira Telefone/Fax: +55 (94) 3358.1386 / 3358.1479 e-mail: cimadecanc@terra.com.br 21 a 23 - 6º Festejo da Paróquia de São Pedro e São Paulo Telefone/Fax: +55 (94) 3358.1512 e-mail: carloswaluf@bol.com.br 27 a 29 - IV São João Para Todos Telefone/Fax: +55 (94) 3358-1655 / 3358-1771 e-mail: turismo@canaadoscarajas.pa.gov.br CONCEIÇÃO DO ARAGUAIA 28 a 30 - Festival de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (94) 3421.0033 site: www.conceicaoodoaraquaia.com.br

DOM ELISEU 13 de junho a 01 de julho - Arraial do Pinduquinha Telefone/Fax: +55 (94) 8111.7537 / 3335.6696 / 3335.1140 FARO 22 - Festival de São João Batista - Padroeiro Telefone/Fax: +55 (93) 3557.1104 / 3557.1276 e-mail: alzemar_bc@yahoo.com.br 28 - 4º Festival de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (93) 3557.1104 / 3557.1276 e-mail: alzemar_bc@yahoo.com.br IGARAPÉ-AÇU 16 a 17 - Forró Telefone/Fax: +55 (91) 3441.1277 / 9998.3370 IGARAPÉ-MIRI 27 a 29 - XXIX Festival do Camarão Telefone/Fax: +55 (91) 8149.3315 / 9112.0319 / 9609.9801 INHANGAPI 27 - IX Forró dos Idosos Telefone/Fax: +55 (91) 8134.9305 / 3809.1160 site: www.inhangapi.pa.gov.br IRITUIA 20 a 22 - Festival da Mandioca Telefone/Fax: +55 (91) 9162.3816 / 3443.1015 JACUNDÁ 12 a 15 - 4ª Edição Festival Junino Entidade Promotora: Prefeitura Municipal E Secretaria De Cultura Fone/Fax: +55 (94) 3345.1430 / 3345.1183 e-mail: britozeferina@bol.com.br JACUNDÁ 20 a 24 - Festividade de São João Batista - Padroeiro Telefone/Fax: +55 (94) 3345.1885 JURUTI 23 de junho a 02 de julho - Festividade Nossa Senhora da Saúde Telefone/Fax: +55 (93) 3536.1139 / 3536.1544 site: www.juruti.pa.gov.br e-mail: edvanderbatista@yahoo.com.br MARABÁ 24 a 27 - Festejo Junino Telefone/Fax: +55 (94) 3321.2243 e-mail: secdetur@maraba.pa.gov.br MARITUBA 19 a22 - Arrastapé Telefone/Fax: +55 (91) 3256.7099 / 3256.0437 e-mail: m.mnogueira@hotmail.com MEDICILÂNDIA 05 a 06 - Festival do Porantim Telefone/Fax: +55 (93) 3531.1900 / 3531.1345 email: semecmed@yahoo.com.br / caltrancia@yahoo.com.br MELGAÇO 07 a 08 Festival de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (91) 3636.1378 / 3637.1272 NOVO PROGRESSO 07 a 29 - Festa Junina

120

revista3_hangar04.indd 120

18/5/2008 D044 05:00:22


Telefone/Fax: +55 (93) 3528.2838 e-mail: marieleducadora@hotmail.com NOVO REPARTIMENTO 27 a 29 - Arraiá Bom à Beça Telefone/Fax: +55 (94) 3785.1110 / 3785.1120 e-mail: bia.cardososilva@hotmail.com ÓBIDOS 06 a 08 - Festival do Jaraqui Telefone/Fax: +55 (93) 3547.1194 / 3547.1060 e-mail: moises-sp@bol.com.br / museudeobidos@hotmail.com 08 a 15 - Exposição e Feira Agropecuária Telefone/Fax: +55 (93) 3547.1773 / 3547.1060 e-mail: moises-sp@bol.com.br / sinruralobidos@bol.com.br 27 a 29 - Arraiá do Pauxis Telefone/Fax: +55 (93) 3547.3044 / 3547.1060 site: www.obidos.pa.gov.br e-mail: moises-sp@bol.com.br / pmobidospa@bol.com.br> OURÉM 27 - 3° Concurso de Boi-Bumbá Telefone/Fax: +55 (91) 8119.6751/ 3467.1128 e-mail: prefeituraourem@yahoo.com.br 27 - 4° Concurso de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (91) 8119.6751 / 3467.1128 e-mail: prefeituraourem@yahoo.com.br PALESTINA DO PARÁ 01 a 30 - Quadrilha “Os Madalenas” Telefone/Fax: +55 (94) 3351.1211/ 3351.1241 29 - Festa do Pescador Telefone/Fax: +55 (94) 3351.1279 PAU D’ARCO 01 a 05 - 3ª Semana Ambiental Telefone/Fax: +55 (94) 3356.8120 / 3356.8104 e-mail: josiasso@yahoo.com.br 07 a 09 Festa Junina Telefone/Fax: +55 (94) 3356.8105 / 3356.8104 e-mail: josiasso@yahoo.com.br PEIXE-BOI 23 a 24 - 4º Festival de Quadrilhas Juninas Telefone/Fax: +55 (91) 3821.1177 / 3821.1281 / 3821.1145 e-mail: leilafast@yahoo.com.br PIÇARRA 08 a 09 - Festa Junina Telefone/Fax: +55 (94)3422.1230 / 3422.1341 / 3422.1038 e-mail: sematkl@yahoo.com.br 28 a 30 - Torneio de Pesca Esportiva de Piçarra Telefone/Fax: +55 (94) 3422.1038 / 3422.1340 e-mail: pmp.picarra@yahoo.com.br PORTEL 01 a 30 - Quadra Junina Telefone/Fax: +55 (91) 3784.0245 / 3784.1621 / 3784.1760 e-mail: curereproducoes@yahoo.com.br 26 a 27 - Festival da Mandioca Mole Telefone/Fax: +55 (91) 3784.0245 / 3784.1621 / 3784.1760 e-mail: curereproducoes@yahoo.com.br PORTO DE MOZ 16 a 24 - Festividade de São Braz Telefone/Fax: +55 (93) 3793.1248 e-mail: nngmac@yahoo.com.br PRAINHA 13 - Festival Folclórico do Bairro da Paz Fone/Fax: +55 (93) 3534.1155 20 a 22 - Prova do Laço Telefone/Fax: +55 (93) 3534.1158 e-mail: semeppnh@hotmail.com REDENÇÃO 01 a 30 - XV Expo Pólo Carajás Telefone/Fax: +55 (94) 3424.1549 site: www.srredencao.com.br e-mail: sinred@uol.com.br / albina_costa@hotmail.com

REDENÇÃO 26 a 29 de junho e 29 a 31 de julho - Ecoturismo Redenção Telefone/Fax: +55 (94) 3491.571 / 3424.1850 / 9152.7307 e-mail: pref.redencao@hotmail.com / albina_costa@hotmail. com RURÓPOLIS 27 a 28 - Festival de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (93) 3543.1618 / 3543.1912 e-mail: andreiasantana.m@hotmail.com SALVATERRA 21 a 22 - Festival de Quadrilha Telefone/Fax: +55 (91) 8812.5315 / 3765.1281 SANTA CRUZ DO ARARI Festival de Quadrilha e Miss da Quadra Junina Telefone/Fax: +55 (91) 3658.2105 / 3658.2093 e-mail: arlete.gems@yahoo.com.br SANTA IZABEL 08 - Festival do Açaí Telefone/Fax: +55 (91) 3744.1198 / 3744.1245 e-mail: pmsipa@terra.com.br SANTA IZABEL 25 de junho a 30 julho - 15º Festival Cultural da Farinha de Tapioca Telefone/Fax: +55 (91) 3744.1245 / 3823.2073 / 8168.8370 e-mail: pmsipa@terra.com.br SANTA IZABEL 27 - Festival Intermunicipal de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (91) 3744.1198 / 3744.1245 e-mail: pmsipa@terra.com.br SANTA MARIA DAS BARREIRAS 27 a 29 - 18º Aniversário do Círculo de Orações “Lírio dos Vales” Telefone/Fax: +55 (94)3319.3154 / 3319.3105 e-mail: pedro.soares2007@hotmail.com SANTA MARIA DO PARÁ 21 - Forrozão Municipal Telefone/Fax: +55 (91) 3442.1726 e-mail: pmsmpa@hotmail.com 30 - Festa dos Casados Telefone/Fax: +55 (91) 3442.1726 e-mail: pmsmpa@hotmail.com SANTARÉM 04 a 07 - Concurso Estadual de Quadrilhas Juninas e Danças Telefone/Fax: +55 (93) 3524.2316 e-mail: jackson-stm@hotmail.com SANTARÉM NOVO 22 a 23 - Concurso Intermunicipal de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (91) 3484.1197 / 3484.1198 e-mail: belero136@yahoo.com.br / belero-font@ig.com.br SÃO CAETANO DE ODIVELAS 07 a 08 - Festival Junino Telefone/Fax: +55 (91) 9155.0049 e-mail: r.rodrigues@hotmail.com 13 de junho a 06 de julho - Boi de Máscaras nas Ruas Telefone/Fax: +55 (91) 9155.0049 e-mail: r.rodrigues@hotmail.com SÃO DOMINGO DO CAPIM 28 a 29 - Festival Municipal de Quadrilhas Telefone/Fax: +55 (91) 3483.1431 / 9166.0246 / 9121.7544 e-mail: pedrojunior.sodre@bol.com.br SÃO FÉLIX DO XINGU 27 de junho e 26 de julho - Veraneio Telefone/Fax: +55 (94) 3435.1435 / 3435.1100 site: www.sfxingu.gov.br e-mail: sematursfxpa@bol.com.br /catiacanedo@yahoo.com.br 30 - Clenar Telefone/Fax: +55 (94) 3435.2111 / 3435.1435 / 3435.1269 e-mail: cdlsfx@bol.com.br

SÃO JOÃO DO ARAGUAIA 15 a 14 - Festividade de São João Batista - Padroeiro Telefone/Fax: +55 (94) 3379.1180 e-mail: semecsja@bol.com.br SÃO FRANCISCO DO PARÁ 28 - 10º Forrozão da Ação Social de São Francisco do Pará Telefone/Fax: +55 (91) 3774.1224 / 3774.1195 / 8169.5303 e-mail: pmsfpa@linknet.com.br

e-mail: pmvxingu@bol.com.br XINGUARA 14 a 22 - XI Feira Agropecuária de Xinguara Telefone/Fax: +55 (94) 3426.1344 e-mail: prefeituradexinguara@gmail.com 28 de junho a 03 de agosto - Veraneio - Pontão do Araguaia Telefone/Fax: +55 (94) 3426.-4384 / 3426.2644 e-mail: prefeituradexinguara@gmail.com

SÃO JOÃO DA PONTA 22 - Círio de São João Batista Telefone/fax: +55 (91) 3828.1130 SÃO MIGUEL DO GUAMÁ 21 a 23 - IV Festival Junino Telefone/Fax: +55 (91) 3446.1822 e-mail: secretariadeculturasmg@yahoo.com.br cathylee_bastos@yahoo.com.br SÃO SEBASTIÃO DA BOA VISTA 07 a 28 - Arraiá Cabloco Telefone/Fax: +55 (91) 3764.1117 / 3222.3581 e-mail: borgesandressa@yahoo.com.br SOURE 23 a 28 - XIII Festival de Quadrilhas Juninas Telefone/Fax: +55 (91) 9119.6848 / 3741.1275 / 3741.1495 / 3741.1320 email: helomartins16@hotmail.com 28 a 29 - Festividade de São Pedro Telefone/Fax: +55 (91) 9119.6848 / 3741.1275 / 3741.1495 e-mail: helomartins16@hotmail.com TAILÂNDIA 07 - Festa dos Coroas Telefone/Fax: +55 (91) 3752.1163 / 9136.6894 e-mail:ideglan@bol.com.br / ideglan.n.p@hotmail.com TERRA ALTA 27 a 29 - IV Semana do Produtor Rural Telefone/Fax: +55 (91) 9118.3493 / 3662.1056 e-mail:semecdet@yahoo.cmo.br TOMÉ-AÇU 27 de junho a 06 de julho - XVI Festival Folclórico de Tomé-Açu Telefone/Fax: +55 (91) 3734.1247 e-mail: eudesprefeito@yahoo.com.br TRACUATEUA 06 a 08 - XV Festival Folclórico Telefone/Fax: +55 (91) 3485.1190 TRAIRÃO 21 a 23 - Festival Folclórico Cultural Telefone/Fax: +55 (93) 3559.1364 / 3559.1155 site: www.trairaopara.com.br e-mail: semectra@hotmail.com TUCURUÍ 27 a 29 - XVIII Festival de Folclore Junino Telefone/Fax: +55 (94) 3787.2838/ 3787.2822 / 3787.3880 e-mail: seturtuc@yahoo.com.br URUARÁ 14 a 15 - Arraial da Escola José Bonifácio Telefone/Fax: +55 (93) 3532.1237 site: www.uruara.pa.gov.br e-mail: pafatima@urunet.com.br VISEU 24 - Festa do Chitão Telefone/Fax: +55 (91) 3429.1239 / 3429.1161 28 a 29 - Festa de São Pedro e Festa dos Pescadores Telefone/Fax: +55 (91) 3429.1476 / 3429.116 VITÓRIA DO XINGU 29 - Forró da Integração Telefone/Fax: +55 (93) 3521.1122

*Fonte: Companhia Paraense de Turismo (Paratur) www.paratur.pa.gov.br

121

revista3_hangar04.indd 121

18/5/2008 D044 05:00:25


Hangar

1 ano construindo o crescimento da região Amazônica.

Fotos: João Ramid / Leonardo Mendonça

É com muito orgulho que o Consórcio do Hangar irmana-se ao Povo Paraense na comemoração do primeiro ano de atividades do HANGAR - Centro de Convenções e Feiras da Amazônia, hoje considerado como referencia nacional.

CONSÓRCIO DO

HANGAR

Paulitec

capa_hangar3.indd 1

8/10/2008 D044 17:52:02

Revista Latitude - 3  

Revista Latitude - ano I - número 3 - maio de 2008

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you