Page 1

RELATÓRIO

SOCIAL GRUPO MARISTA

2015-2016


RELATÓRIO

SOCIAL GRUPO MARISTA

2015-2016


Conselho Provincial Ir. Joaquim Sperandio - Superior Provincial Ir. Antônio Benedito de Oliveira - Vice Provincial Ir. Délcio Afonso Balestrin - Conselheiro Ir. Jorge Gaio - Conselheiro Ir. Rogério Renato Mateucci - Conselheiro Ir. Tercílio Sevegnani - Conselheiro Ir. Vanderlei Siqueira dos Santos - Conselheiro Ir. Cezar Cavanus - Secretário do Conselho

Preparação dos Textos e Revisão Gerência de Gratuidade Grão Social (Larissa Portes)

Presidente das mantenedoras ABEC, APC e UCE Ir. Délcio Afonso Balestrin

Infográficos Gerência de Gratuidade Rafael Matta Carnasciali (PUCPress) Conviver Marista – Diretoria Executiva de Ação Social (DEAS) Estação Casa - Diretoria Executiva de Ação Social (DEAS) Trilhas Incubadora Social Bruno Eduardo Kolokovski (Voluntariado) Projeto Amigo do Hospital Cajuru - Hospital Universitário Cajuru (HUC)

Provedor da mantenedora ISCMC Ir. Pedro João Wolter Superintendente Executivo de Educação, Saúde, Solidariedade e Negócios Suplementares Paulo Serino de Souza Superintendente da FTD Antonio Luis Rios da Silva Setor de Vida Consagrada e Laicato Ir. Antônio Benedito de Oliveira Setor de Pastoral Ir. João Batista Pereira Cesar Leandro Ribeiro Setor de Economato Ir. Jorge Gaio Setor de Solidariedade Ir. Jorge Gaio Jimena Djauara N. C. Grignani Lilian Juliana Kuwano Buhrer Josenice Perrout Trevisani (Gerência de Gratuidade) Elaine Cristine Brukoski Bestwina (Gerência de Gratuidade) Nuria Aparecida Dias Mendonça (Gerência de Gratuidade) Coordenação Editorial Gerência de Gratuidade

Revisão Ortográfica Larissa Portes Capa, projeto gráfico e diagramação Rafael Matta Carnasciali (PUCPress)

Fotos e imagens Ver lista de créditos em Apêndice E Impressão Maxi Gráfica Apoio Assessoria de Comunicação Institucional Frentes de Missão Áreas Corporativas


AGRADECIMENTOS

Às Áreas Corporativas e Frentes de Missão que contribuíram com o envio dos programas, projetos e ações desenvolvidos em suas áreas. Às crianças, adolescentes e jovens, famílias e comunidades, protagonistas da trajetória de solidariedade Marista. Aos colaboradores, que exercem a reflexão e a prática social e educativa, na perspectiva de que seus esforços irão contribuir para melhorar a condição dos sujeitos de direitos e para a construção de um mundo mais justo e digno. Aos Irmãos, Leigos e Leigas, em manter vivo o sonho de Champagnat, empenhados a continuar a trajetória Marista e alcançar pessoas dispostas a transformar o mundo por meio do amor inspirado em Jesus Cristo e Maria, a Boa Mãe.


LISTA DE SIGLAS

ABEC AE APC ASSINTEC ASTC BICE BRDE C&P CADÊ Paraná CAPS CÁRITAS CATÓLICASC CEDAC CEDCA-PR CEFURIA CEM CISMEPAR CMDCA CMJ CNE CONANDA CPV CRAS CREAS CRESS CRP DCA DDHO DEAS DEPEN DERC Detran-PR

Associação Brasileira de Educação e Cultura Áreas Estratégicas Associação Paranaense de Cultura Associação Inter-religiosa de Educação Autarquia de Segurança, Trânsito e Transporte de Criciúma Bureau de Instituições Católicas pelo Direito da Infância Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul Convênios e Particulares Crianças e Adolescentes em Dados e Estatísticas Centro de Atenção Psicossocial Entidade de promoção e atuação social que trabalha na defesa dos direitos humanos, da segurança alimentar e do desenvolvimento sustentável solidário Centro Universitário - Católica de Santa Catarina Comunidade Educativa Conselho Estadual dos Direitos da Criança e Adolescente do Paraná Centro de Formação Urbano-Rural Irmã Araújo Centro Educacional Marista Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paranapanema Conselho Municipal de Direitos da Criança e Adolescente Conselho Municipal de Juventude Conselho Nacional de Educação Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Circuito Projeto de Vida Centro de Referência da Assistência Social Centro de Referência Especializado de Assistência Social Conselho Regional de Serviço Social Conselho Regional de Psicologia Direitos da Criança e do Adolescente Diretoria de Desenvolvimento Humano e Organizacional Diretoria Executiva de Ação Social Departamento Penitenciário Diretoria Executiva da Rede de Colégios Departamento de Trânsito do Paraná


ECA EEH EES EF EI EM FAO FIA FMSI Fórum DCA-PR FTD Educação GIFE GPER GT GTAUNE HMC HUC IC IES IRAS ISCMC ISP JCI LDBEN LGBT LOA MChFM MEC MERCOSUR MMI-LAC MP MPPR MSM MST NDH OAB OCA ODS OEA OMS ONG's PcD PEM PFVM PIBIC PIBIC Jr PIBID PJM

Estatuto da Criança e do Adolescente Escola de Educação e Humanidades Empreendimentos Econômicos Solidários Ensino Fundamental Educação Infantil Ensino Médio Organização das Nações Unidas Para Alimentação e Agricultura Fundo da Infância e a Adolescência Fundação Marista de Solidariedade Internacional Fórum de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente Frère Théophane Durand Editora Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Grupo de Pesquisa Educação e Religião Grupo de Trabalho Grupo de Trabalho de Apoio ao Universitário com Necessidades Especiais Hospital Marcelino Champagnat Hospital Universitário Cajuru Iniciação Científica Instituição de Ensino Superior Infecção Relacionada a Assistência à Saúde Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Curitiba Investimento Social Privado Joint Commission International Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros Leis Orçamentárias Anuais Movimento Champagnat da Família Marista Ministério da Educação Mercado Común del Sur que reúne os países Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Venezuela, Bolívia Movimento Mundial pela Infância da América Latina e Caribe Medida Provisória Ministério Publico do Paraná Missão Solidária Marista Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra Núcleo de Direitos Humanos Ordem dos Advogados do Brasil Orçamento Criança e Adolescente Objetivos de Desenvolvimento Sustentável Organização dos Estados Americanos Organização Mundial de Saúde Organizações não governamentais Pessoas com Deficiência Patrimônio Espiritual Marista Programa de Formação e Vivência Marista Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica Programa de Iniciação Científica Júnior Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Pastoral Juvenil Marista


PMBCS PNE PNUD PPA PPGB PPGD PPGDH PR ProUni PRPPG PUCPR PUCPRESS REDE CRIAD REDIM RedLamyc RIC TV RMS RPC SAS SC SDH/PR SEAP SEEDS SEJU SEMIC SINASE SINEPE SME SMS SUS SVCL TAC TECPUC U.S. CAJURU UBM UCE UERJ UFBA UFPR UFRJ UFSC UFU UMBRASIL UNESCO UNICEF UNIICA UTIs VEM

Província Marista Brasil Centro-Sul Plano Nacional de Educação Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Plano Plurianual Programa de Pós Graduação em Bioética Programa de Pós Graduação em Direito Programa de Pós Graduação em Direitos Humanos e Políticas Públicas Paraná (Paraná) Programa Universidade para Todos Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da PUCPR Pontifícia Universidade Católica do Paraná Editora Universitária Champagnat Rede de enfrentamento à Violência contra a Criança e Adolescente pela Cultura de Paz Red por los Derechos de la Infancia en México Red Latinoamericana y caribeña por la defensa de los derechos de los niños, niñas y adolescentes Rede Independência de Comunicação Rede Marista de Solidariedade Rede Paranaense de Comunicação Setor de Ação Social Santa Catarina (Estado) Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Serviço de Apoio Psicopedagógico Simpósio de Estudantes de Engenharia para o Desenvolvimento Sustentável Secretaria de Estado da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos Seminário de Iniciação Científica Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo Sindicato dos Estabelecimentos Particulares Secretaria Municipal de Educação Secretaria Municipal de Saúde Sistema Único de Saúde Setor de Vida Consagrada e Laicato Termo de Ajustamento de Conduta Escola Técnica da PUCPR Unidade de Saúde do Cajuru União Brasileira de Mulheres União Catarinense de Educação Universidade do Estado do Rio de Janeiro Universidade Federal da Bahia Universidade Federal do Paraná Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Federal de Santa Catarina Universidade Federal de Uberlândia União Marista do Brasil Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Fundo das Nações Unidas para a Infância Unidade Intermediária de Crise e Apoio à Vida Unidade de Terapia Intensiva Voluntariado Educativo Marista


SUMÁRIO Palavra institucional

11

Perfil institucional

15

Mapa de atuação

22

Marcos de solidariedade

24

Apresentação

27

Ações Transversais

32

Setores Provinciais

35

Pessoas

51

Áreas de atuação Educação Superior

60 63

Educação Profissional

103

Educação Básica

111

Solidariedade

125

Saúde

163

Comunicação

177

Editorial

183

Referências

188

Apêndices

190

Créditos das imagens

204


PALAVRA INSTITUCIONAL

O ano La Valla é a última etapa em preparação aos 200 anos de fundação do Instituto Marista. Este ano é marcado pela dimensão mística em nossas vidas. Em La Valla, Marcelino Champagnat sonhou o Instituto e a missão Marista. Os três níveis da casa, revelam sugestivamente a identidade Marista: o porão, representa a mística, a espiritualidade, a relação com Deus, o fundamento de tudo; o térreo onde está a porta de entrada, simboliza a comunidade, as relações fraternais, terrenais, encarnadas, com os Irmãos e as Irmãs; e o piso superior, com suas janelas abertas para o horizonte, para o futuro, é como a sala do Pentecostes, representa a missão. O Relatório Social é um documento que, além de compilar dados, informações e projetos de destaque do Grupo Marista, retrata a missão em nossas áreas de atuação: Educação, Saúde, Comunicação e Solidariedade. Os projetos, resultado do trabalho conjunto realizado com imensa dedicação e comprometimento, ressaltam as boas práticas na continuidade do sonho de Champagnat, sobretudo as que se encontram em situação de vulnerabilidade.


No último ano em preparação ao Bicentenário Marista, devemos lembrar que tudo começou pelo fundamento, pela espiritualidade e pela mística. É dessa profundidade que retiramos, como de um poço, a energia que integra e que sustenta a vida fraterna e a missão, além de nos dar força e capacidade para vencer os obstáculos e desafios. Convidamos você a conhecer tudo o que foi desenvolvido no Grupo Marista entre 2015 e 2016 e a reviver o sonho de Marcelino Champagnat na busca pela melhoria dos processos, na qualificação dos profissionais e na continuidade de nossos projetos. Que a Boa Mãe permaneça entre nós, conduzindo nossos passos para a concretização de iniciativas que promovam a formação de cidadãos éticos, justos e solidários.

Ir. Joaquim Sperandio Provincial Ir. Délcio Afonso Balestrin Presidente Ir. Jorge Gaio Diretor do Setor de Solidariedade


PERFIL INSTITUCIONAL

Maristas no Mundo Fundado em 1817 por Marcelino Champagnat no vilarejo de La Valla, na França, o Instituto dos Irmãos Maristas se dedica à educação de crianças e jovens com a missão declarada de “formar bons cristãos e virtuosos cidadãos”. Os primeiros discípulos receberam diretamente de Champagnat a orientação humana, intelectual, pedagógica, gerencial e espiritual que caracteriza o modo Marista de ser e atuar. Hábeis educadores, espalharam-se rapidamente pela França, estendendo o conhecimento e o direito à educação a dezenas de crianças e jovens nos lugarejos mais empobrecidos. Desde então, sua missão prossegue em diferentes partes do mundo. Os Irmãos Maristas são religiosos consagrados, em vida comunitária, de confissão católica. Dedicam suas vidas a Deus, esforçam-se por tornar Jesus Cristo conhecido e amado e vivem uma espiritualidade baseada nas virtudes de Maria – daí o nome “Marista”. Na prática, empreendem ações educacionais e solidárias de cunho social emancipatório, voltadas sobretudo a crianças e jovens, com especial atenção aos mais empobrecidos. A presença Marista no mundo está organizada por meio de unidades administrativas, denominadas Províncias e Distritos. Todos dispõem de órgãos próprios


de animação e governo. O Irmão Superior Geral e seu Conselho representam a unidade do Instituto e dispõem de meios e serviços para realizar, por sua vez, a animação e o governo do Instituto. Atualmente presentes em 79 países nos cinco continentes, os Maristas partilham sua missão, beneficiando crianças, adolescentes e jovens.

Maristas no Brasil No Brasil, os Maristas estão em 23 estados e no Distrito Federal. São 101 cidades brasileiras, cerca de 31 mil Irmãos, Leigos, Leigas e colaboradores que levam adiante o legado de Marcelino Champagnat beneficiando crianças, adolescentes e jovens. Organizado em três unidades administrativas, Província Marista Brasil Centro-Norte, Província Marista Brasil Centro-Sul (Grupo Marista) e Província Marista Brasil Sul-Amazônia (Rede Marista), mantêm iniciativas em quatro áreas: educação, saúde, comunicação e solidariedade. São frentes de atuação que se constituem em campos de aplicação e multiplicação da Missão. O apoio administrativo se dá por meio de mantenedoras, estruturas responsáveis pelo gerenciamento nas diversas frentes de atuação. A União Marista do Brasil (UMBRASIL), criada em 2005 e sediada em Brasília, é a associação das mantenedoras, representando o universo Marista no país. É uma organização que mobiliza, articula e potencializa ações integradas entre as mantenedoras das diversas Províncias. Organizada em comissões, subcomissões, comitês e grupos de trabalho, empreende ações e projetos comuns, que geram conectividade e possibilitam resultados compartilhados.

Grupo Marista O Grupo Marista é o resultado do compartilhamento de princípios e valores entres entidades Maristas que buscam cooperar entre si, compartilhando boas

18

Perfil Institucional


práticas de gestão. Das entidades que compõem o grupo, 4 destacam-se pela sua natureza filantrópica: a ABEC, APC, ISCMC e UCE que atuam em consonância com o conjunto normativo das políticas públicas da Educação, Assistência Social e Saúde. O Grupo Marista está presente nos estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Mato Grosso do Sul, no Distrito Federal e na cidade de Goiânia e atua nas áreas de educação – da escola à universidade –, solidariedade, saúde e comunicação. A organização tem como objetivo contribuir, do jeito Marista, para a educação de crianças e jovens, sobretudo aqueles que estão em situação de vulnerabilidade social.

Missão, visão e valores (Grupo Marista) Missão Formar cidadãos éticos, justos e solidários para a transformação da sociedade, por meio de processos educacionais fundamentados nos valores do Evangelho, do jeito Marista.

Visão O Grupo Marista até 2022 será reconhecido na Igreja e na sociedade pela excelência nas suas áreas de atuação, fidelidade ao carisma Marista, vitalidade, viabilidade, e impacto de sua missão junto a crianças e jovens.

Valores Amor ao Trabalho | Realizamos o trabalho com disposição, excelência, perseverança, generosidade e espírito cooperativo, desenvolvendo os talentos a serviço do bem comum. Espiritualidade | Vivemos a espiritualidade mariana e apostólica, encarnada, relacional e afetiva, fundamentada em Jesus Cristo e no seu Evangelho, legada por São Marcelino Champagnat. Por meio dela, orientamos nossa compreensão do mundo e o nosso relacionamento com Deus, com nós mesmos, com as pessoas e com a natureza.

Relatório Social Marista | 2015-2016

19


Presença | Somos presença significativa e acolhedora junto às pessoas, com disponibilidade, transparência, confiança, justiça, vivendo relações que testemunhem o cuidado e o respeito. Interculturalidade | Buscamos a unidade na diversidade, por meio do respeito, do diálogo, da acolhida e da sinergia resultante das relações entre as diferentes identidades e culturas, seus agentes e suas respectivas expressões e contextos. Simplicidade | Vivemos a simplicidade em nossas ações, relacionamentos e processos, com autenticidade e humildade, disponibilizando nossas potencialidades em favor da missão, em um esforço contínuo de reconhecimento e superação de nossas limitações. Espírito de Família | Afirmamos nosso espírito de família compreendendo-nos como diferentes e complementares ao vivenciar o acolhimento, o amor, o diálogo e a esperança, na ação constante para construir comunidades como espaços de vida. Solidariedade | Somos comprometidos e perseverantes na busca do bem comum, na promoção e defesa dos direitos, preferencialmente com os pobres e excluídos que vivem em situação de fronteira, criando laços de responsabilidade recíproca e equânime na construção da paz, da justiça socioambiental, como sinal de esperança no mundo.

20

Perfil Institucional


Relatรณrio Social Marista | 2015-2016

21


Ano La Valla Desde 2014, maristas de todo o mundo viveram um itinerário preparatório aos 200 anos do Instituto Marista, guiados pelos 03 ícones: Ano Montagne (outubro 2014 – julho 2015), Ano Fouvierre (Julho 2015 – julho 2016) e Ano La Valla (Agosto 2016 – Agosto 2017). Abaixo, apresentamos algumas passagens da Carta do Superior Geral, em alusão ao Ano La Valla, cuja mística e espiritualidade, inspiraram e iluminaram a caminhada da Província Brasil Centro Sul.

La Valla: Casa da Luz Queridos maristas de Champagnat, No dia 2 de janeiro de 2017 celebramos em todo o mundo, de um jeito muito familiar, os 200 anos de fundação do Instituto Marista. As celebrações continuaram durante os meses seguintes e certamente ainda se prolongarão até o final de 2017. A ‘Maison Champagnat’ em La Valla não é apenas a casa de Marcelino e dos primeiros irmãos, mas também a casa de Maria porque ali nasceu nossa família religiosa, que leva seu nome. É a casa das nossas origens. E, como tal, tem uma enorme força simbólica para todos os maristas de Champagnat. Sintetiza as dimensões que desenvolvemos durante esses últimos três anos: • O andar mais alto nos recorda a comunidade apostólica, reunida no piso superior no dia de Pentecostes. Trata-se do espaço da missão: Ide e fazei discípulos por todo o mundo... Um lugar amplo, iluminado, aberto ao mundo. Ele nos recorda o ano Montagne e o apelo para ir rumo às fronteiras e às margens. • No andar térreo se encontra a famosa mesa de nossas origens, que representa o símbolo da comunidade. Em torno a essa mesa sentaram-se o Pe. Champagnat e os primeiros irmãos. Hoje essa mesa está enriquecida com a presença não apenas de irmãos, mas também com leigas e leigos maris-

22

Perfil Institucional


tas, chamados a construir uma Igreja de rosto mariano. Esse foi o tema do segundo ano, o ano Fourvière: associados para a missão marista. • No subsolo da casa há um pequeno espaço, ao qual se deve descer. Simboliza o espaço no qual cada um de nós é habitado pelo Mistério. É o espaço da interioridade, da dimensão mística de nossas vidas. A casa de Champagnat, casa de Maria, converte-se para nós na casa da luz. Como sabemos, é assim que se denomina ‘farol’ (lighthouse) em inglês: um ponto de referência no meio da noite para navegar e poder chegar com êxito a um porto seguro. Nessa casa, nossos primeiros irmãos encheram de luz seus olhos e seu coração. Deixaram-se invadir por uma luz que preencheu de sentido suas vidas e iluminou os caminhos de sua peregrinação vital. Hoje a casa de La Valla continua sendo a fonte luminosa que alimenta nossa espiritualidade. Mostra-nos o caminho a seguir; indica uma rota que cada um de nós é convidado a tomar de um jeito único e original. Além disso, ao longo desse caminho, somos chamados a nos tornar casas de luz para os outros. Carta do Superior Geral 3 Quanto mais profunda e harmonicamente vivemos essas três dimensões, mais seremos transparências da luz que nos habita Que Maria, Virgem do silêncio, mulher atenta ao Espírito, sempre à escuta da Palavra, nos acompanhe e abençoe para que, de verdade, possa acontecer um novo começo no coração de cada marista de Champagnat. Fraternalmente, Irmão Emilli Turú

Carta na íntegra http://www.grupomarista.org.br/wp-content/uploads/2017/03/LetterEmili2017_ PT_alta.pdf

Relatório Social Marista | 2015-2016

23


MAPA DE ATUAÇÃO1 Campus Campus Curitiba Curitiba (PR) (PR) Campus Campus São José São José dos Pinhais dos Pinhais (PR) (PR) Campus Campus Londrina Londrina (PR) (PR) Campus Campus Toledo Toledo (PR) (PR) Campus Campus Maringá Maringá (PR) (PR) Instituto Instituto Católico Católico de Santa de Santa Catarina Catarina (SC) (SC) Centro Centro de Educação de Educação Profissional Profissional Católica Católica de Jaraguá de Jaraguá do Sul do(SC) Sul (SC)

Centro de Educação Profissional Mários Cristóvão Centro de Educação Profissional IrmãoIrmão Mários Cristóvão (PR) (PR)

Estados: Estados: MatoMato Grosso Grosso do Sul do(MS) Sul (MS) GoiásGoiás (GO) (GO) Distrito Distrito Federal Federal (DF) (DF) São Paulo São Paulo (SP) (SP) Paraná Paraná (PR) (PR) SantaSanta Catarina Catarina (SC) (SC)

APC APC Católica Católica SC SC

Educação Educação Superior Superior

APC APC

Educação Educação Profissional Profissional Colégio Marista Arquidiocesano Colégio Marista Arquidiocesano (SP) (SP) Colégio Marista Nossa Senhora da Glória Colégio Marista Nossa Senhora da Glória (SP) (SP) Colégio Marista de Ribeirão Colégio Marista de Ribeirão PretoPreto (SP) (SP) Colégio Marista Colégio Marista SantaSanta MariaMaria (PR) (PR) Colégio Marista de Londrina Colégio Marista de Londrina (PR) (PR) Colégio Marista de Maringá Colégio Marista de Maringá (PR) (PR) Colégio Marista de Brasília - Maristinha Colégio Marista de Brasília - Maristinha (DF) (DF) Colégio Marista PIO(PR) XII (PR) Colégio Marista PIO XII Colégio Marista de Cascavel Colégio Marista de Cascavel (PR) (PR) Colégio Marista de Brasília - Maristão Colégio Marista de Brasília - Maristão (DF) (DF) Colégio Marista de Goiânia Colégio Marista de Goiânia (GO) (GO) Colégio Marista PIOde XIIBrasília de Brasília Colégio Marista PIO XII (DF) (DF) Colégio Marista Champagnat Colégio Marista Champagnat (SP) (SP) Colégio Marista São (SC) Luís (SC) Colégio Marista São Luís Colégio Marista Paranaense Colégio Marista Paranaense (PR) (PR) Colégio Marista Frei Rogério Colégio Marista Frei Rogério (SC) (SC) Colégio Marista São Francisco Colégio Marista São Francisco (SC) (SC) Colégio Marista de Criciúma Colégio Marista de Criciúma (SC) (SC)

1

Educação Educação Básica Básica

ABECABEC

UCE UCE

Os municípios onde os estabelecimentos estão localizados encontram-se disponíveis no Apêndice A


ABEC

APC

UCE

Solidariedade Comunicação Saúde Editorial

LUMEN

APC

FTD

APC

ISCMC

Centro Social Marista de Curitiba (PR) Centro Social Marista Ir. Rui (SP) Centro Social Marista Santa Mônica (PR) Centro Social Marista Lar Feliz (SP) Escola Ecológica Marcelino Champagnat (PR) Centro Educacional Marista Ir. Acácio (PR) Centro Social Marista Ir. Lourenço (SP) Centro Social Marista Itaquera (SP) Centro Social e Escola Marista Ir. Francisco Rivat (DF) Centro Social Marista Caçador (SC) Centro Social Marista Marcelino Champagnat (PR) Centro Social Marista Robru (SP) Centro Social Marista Pouso Redondo (PR) Centro Social Marista Ir. Justino (SP) Centro Social Marista Ir. Walmir (SC) Centro Educacional Marista Lúcia Mayvorne (SC) Centro Educacional Marista Enfermeira Anita Cordeiro (PR) Centro Educacional Marista Irmã Eunice Benato (PR) Proação Guaraqueçaba (Centro Social Marista Ir. Panini) (PR) Proação Fazenda Rio Grande (Centro Social Marista Ir. Henri) (PR) Centro Social Marista Itapejara (PR) Centro Social Marista Propulsão (PR) Centro Social Marista Estação Casa (PR) Centro Marista de Defesa da Infância (PR) Centro Social Marista Dourados (MS) Centro Social Marista Ir. Egídio (PR) Centro Social Marista São José (SC) Clube FM (PR) Lumen FM (PR) Web Lumen Clássica (PR) Imago Produções Educativas PUCPRESS - Editora Champagnat (PR) FTD Educação (SP) Matriz (1) (SP) Editorial (1) (SP) Parque Gráfico (1) (SP) Filiais (9) Distribuidores (13) Casas de Atendimento ao Professor (14) Hospital Universitário Cajuru (PR) Hospital Marcelino Champagnat (PR) Hospital da Santa Casa de Curitiba (PR) Hospital Maternidade Alto Maracanã (PR) UNIICA - Unidade Intermediária de Crise e Apoio a Vida (PR)


MARCOS DE SOLIDARIEDADE2

- Consolidação das Províncias Santa Catarina e São Paulo (2002) - Implantação do Projeto Comunitário na PUCR (2002) - Criação do Setor de Ação Social - SAS (2003) - Adesão ao ProUni (2004) - Participação no I Encontro Interamericano Coração Solidário Marista (2004) - Acento no CONANDA (2005) - Primeira Missão Solidária Marista (2005)

2000

- Criação da DEAS (2006) - Reestruturação do portfólio e metodologia execução das ações sociais do Projeto Comunitário (2007) - Reestruturação da Proposta da Educação Infantil (2007) - Acento no CEDCA/PR (2008) - Articulação com a Red Latinoamericana y caribeña por la defensa de los derechos de los niños, niñas y adolescentes -RedLamyc (2009) - Articulação com a Red por los Derechos de la Infancia en México REDIM (2009) - Participação nas reuniões do Comitê Permanente NIÑO SUR / MERCOSUR (2009)

2005 2006

2010

- Início das atividades do Setor de Solidariedade, em sua nova estrutura, contando com a direção e com a assessoria de representação institucional com atuação nacional e internacional na defesa dos direitos das crianças e jovens (2009) - Novo modelo de gestão SAS (Setor de Solidariedade): deixa a gestão da DEAS e passa a ser órgão coordenador e orientador da RMS com a responsabilidade de dinamizar e avaliar o desenvolvimento da ação social na Província para assuntos estratégicos da Província (2009) - Implantação do Advocacy voltado à Educação Infantil e ao Acesso e à Formação no Ensino Superior (2010) - Implantação da área de sistematização - 1ª publicação Cores em Composição na Educação Infantil (2010) - Criação do Centro Marista de Defesa da Infância (2010)

2

Marcos de solidariedade da Província Marista Brasil Centro-Sul (PMBCS) - Grupo Marista.


- Oferta de mais de 10 mil bolsas integrais na educação básica e superior - Cerca de 1.500 bolsas integrais na educação infantil - Voluntariado Internacional (2011-2012) - Implantação do Setor de Investimento Social Privado FTD Educação (2011) - Articulação junto à Fundação Marista de Solidariedade Internacional - FMSI (2011) - Participação de adolescentes no V Encontro Interamericano Coração Solidário Marista (2014) - Publicação do primeiro volume do Relatório Social do Grupo Marista (2012) - Publicação do Livro Caminhos da Solidariedade Marista nas Américas: crianças e jovens com direitos (2012) - Publicação das Diretrizes e Direcionamentos para RMS (2012)

2011

- Instituto Interamericano de la Niñez - OEA (2016) - Mesa pro Bice Brasil - Bureau International Catholic de l´Enfance (2016) - Plataforma Cadê Paraná - Centro Marista de Defesa da Infância (2016) - Plataforma Direito ao Brincar - Rede Marista de Colégios (2016)

2015 2016

- Bureau de Instituições Católicas pelo Direito da Infância - BICE (2012) - Criação da Gerência de Gratuidade (2013) - Implantação do Projeto Propulsão (2013) - Movimento Mundial Pela Infância Capítulo América Latina MMI-LAC (2014) - Implantação do Projeto Estação Casa (2014) - Implementação do Projeto Trilhas - Incubadora Social Marista (2014) - Fórum de Inovação da RMS (2014) - Lançamento da Campanha Defenda-se (2014) - Reestruturação do Conviver Marista (2015)

ATUAL


APRESENTAÇÃO

DIRETRIZES E DIRECIONAMENTOS PARA A DIRETRIZES E DIRECIONAMENTOS PARA A REDE MARISTA DE SOLIDARIEDAD

REDE MARISTA DE SOLIDARIEDAD

O que é a Rede Marista de Solidariedade (RMS) A Rede Marista de Solidariedade (RMS) é um conjunto de iniciativas, programas, projetos e ações desenvolvido em todas as áreas de atuação e corporativas do Grupo Marista, voltado para três focos: a promoção e a defesa dos direitos das crianças e dos jovens e a educação para a solidariedade. A partir desse posicionamento, a RMS potencializa e viabiliza o capital humano, os recursos financeiros e materiais, a excelência e a presença Marista direcionando-os, em especial, aos economicamente empobrecidos, com o intuito de contribuir para uma sociedade mais justa e fraterna. A promoção do direito faz referência ao atendimento direto, ao acesso ao direito, com qualidade e continuado, por meio das diversas modalidades sócioeducativas ofertadas pela RMS. A defesa de direitos é realizada por meio do anúncio dos direitos, que se traduz em ações educativas, informativas ou de incidência política. O terceiro foco, a educação para a solidariedade, desenvolve junto aos públicos internos processos e práticas que oportunizam a sensibilização e a vivência solidária, possibilitando a interação e o engajamento com pessoas e realidades diversas, com vistas à formação de sujeitos críticos, defensores de interesses coletivos.


O posicionamento estratégico da RMS A Rede Marista de Solidariedade, em consonância com a Doutrina Social da Igreja e os documentos do Instituto Marista, considera a Solidariedade para além de sua compreensão como princípio moral e virtude, expressando-se também enquanto posicionamento no e com o mundo, evidenciando o compromisso com as pessoas, desdobrando-se em ações compartilhadas que possibilitam aprendizagens mútuas e profundas, bem como o desenvolvimento de todos, enquanto comunidade. A vida ameaçada não pode ser vista com indiferença; pelo contrário, solicita-nos reações de indignação, engajamento e corresponsabilidade. A Solidariedade em resposta a isso, gera vínculos de cooperação e comprometimento que tendem a ser duradouros e transformadores, sobretudo em relação a dignidade, condição e direitos de todos. Tais vínculos são fomentados a partir de todas as frentes de atuação do Grupo Marista, de maneira transversal, respeitando todas suas particularidades e especificidades em prol da promoção e defesa dos direitos de crianças e jovens e de uma educação para a solidariedade.

As diretrizes e os direcionamentos para a RMS e o Relatório Social Marista É com grande satisfação que compartilhamos o Relatório Social do Grupo Marista 2015-2016, instrumento que expressa um esforço coletivo na busca da potencialização da missão marista, a partir de um entendimento integrado dos focos da RMS, de forma comprometida com os sujeitos e com a justiça social. O Relatório Social 2015-2016 apresenta iniciativas de todas as áreas de atuação do Grupo Marista (Educação, Saúde, Solidariedade e Comunicação) e áreas corporativas, alinhadas às Diretrizes e Direcionamentos para a Rede Marista de Solidariedade, documento sistematizado e divulgado em 2012. Este documento institucional foi elaborado por Irmãos, Leigas, Leigos e colaboradores que compartilham da missão Marista, bem como por outros atores que dialogam com

30

Apresentação


o jeito e a proposta de ser Marista. O trabalho reúne os principais conceitos acerca do posicionamento da RMS com relação a seus focos de atuação, e estabelece uma agenda de trabalho para cada Frente Apostólica e Área Corporativa alinhadas às suas realidades peculiares (PROVINCIA MARISTA BRASIL CENTRO-SUL, 2010).

DIRETRIZES E DIRECIONAMENTOS PARA A

REDE MARISTA DE SOLIDARIEDADE

Desta forma, os princípios e o escopo deste Relatório Social estão pautados nas Diretrizes e Direcionamentos para a Rede Marista de Solidariedade, desdobrados em programas, projetos e ações voltados à promoção e à defesa dos direitos das crianças e dos jovens e à educação para a solidariedade. Também são relatadas as ações da Pastoral e da Vida Consagrada e Laicato alinhadas às Diretrizes da Ação Evangelizadora (PMBCS, 2011), que convergem e fomentam o posicionamento da RMS. As iniciativas da RMS são apresentadas por áreas de atuação do Grupo Marista. O relatório demonstra também os dados da atuação assistencial da instituição, em consonância com as políticas públicas da Educação (por meio da concessão de bolsas), da Saúde (por meio da prestação de serviços ao Sistema Único de Saúde) e da Assistência Social (por meio de projetos sociais).

Relatório Social Marista | 2015-2016

31


Rede Marista de Solidariedade e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) compõem uma agenda global dinamizada pela Organização das Nações Unidas (ONU), que deve ser implementada por todos os países do mundo até 2030. São 17 objetivos globais, que implicam a atuação de governos, da sociedade civil e todos os cidadãos para o alcance de metas que promovam o desenvolvimento sustentável. A Fundação Marista de Solidariedade Internacional (FMSI), em parceria com o Movimento Mundial pela Infância da América Latina e Caribe (MMI-Lac), está contribuindo com esta agenda, propondo e promovendo debates, formações, campanhas e iniciativas para a difusão e implementação dos ODS, com desdobramentos em várias Províncias Maristas no mundo. No Grupo Marista, está em curso um processo de conexão das iniciativas realizadas com os ODS, além do desenvolvimento de ações para a mobilização dos públicos internos e de toda a sociedade, fomento do trabalho em rede e da incidência política, com vistas a contribuir com implementação destes objetivos. Para tanto, a Rede Marista de Solidariedade participa da coalização nacional Ciranda 2030, representando o Brasil Marista e o FMSI. Os esforços da instituição no âmbito desta agenda estão alinhados aos apelos do Papa Francisco para a “geração de novos dinamismos na sociedade que frutifiquem em acontecimentos históricos e positivos”, bem como a instituição Marista, com vista a atuar em temas e territórios que impactam as crianças, adolescentes e jovens em maior situação de vulnerabilidade social. Neste relatório, já apresentamos alguns projetos e iniciativas que se conectam aos ODS.

32

Apresentação


Conheรงa os ODS prioritรกrios que sรฃo trabalhados no Grupo Marista:

Saiba mais sobre os ODS e suas metas em: https://nacoesunidas.org/pos2015/

Relatรณrio Social Marista | 2015-2016

33


ÁREAS TRANSVERSAIS


SETORES PROVINCIAIS

No Grupo Marista, pastoral é o termo que designa o conjunto de estratégias e ações de evangelização, desenvolvidas segundo a especificidade de cada uma das frentes de atuação da instituição: educação, solidariedade, saúde e comunicação. Por evangelização, compreende-se todas as iniciativas que promovem a inculturação dos valores cristãos - a mensagem central de Jesus Cristo - em pes-soas e processos. As Diretrizes de Solidariedade e de Pastoral (PROVÍNCIA MARISTA BRASIL CENTRO-SUL, 2011) se conectam na perspectiva de efetivação dos valores cristãos e Maristas, por meio da educação para a solidariedade, do diálogo inter-religioso e multicultural, da comunhão eclesial, da vivência solidária, do desenvolvimento da dimensão espiritual, entre outras iniciativas desenvolvidas no âmbito da promoção e defesa dos direitos das infâncias e juventudes. As equipes responsáveis pela pastoral no Grupo Marista empenham-se, ainda, em promover a sinergia entre parceiros da sociedade civil, do governo e da Igreja, com o propósito de fortalecer redes para a construção de um projeto de sociedade mais justa e solidária. O Setor de Vida Consagrada e Laicato (SVCL) tem como missão promover a identidade e a perenidade do Carisma de Champagnat e o desenvolvimento das vocações Maristas entre Irmãos, Leigas e Leigos.


O SVCL assessora o Conselho Provincial e o Grupo Marista nos processos de animação vocacional e formação específica e conjunta de Irmãos e Leigos, no âmbito provincial e local. Anima as diferentes modalidades em que se expressa a riqueza do carisma Marista: vida consagrada, leiga e leigo marista, afiliados, fraternos do Movimento Champagnat da Família Marista e colaboradores. As Diretrizes do Setor constituem o instrumento que embasa e baliza todas as atividades e que suscita projeções e perspectivas de futuro. O Setor procura, dessa forma, dar resposta contundente aos horizontes de futuro apontados pelo XXI Capítulo Geral Marista: “Uma vida consagrada nova que promova um novo modo de ser Irmão” e “Uma nova relação entre Irmãos e Leigos(as) buscando, juntos, maior vitalidade”.

Formação em Identidade e Missão Marista – Lideranças O projeto Formação em Identidade e Missão Marista - Lideranças foi idealizado e construído pelos Setores Provinciais do Grupo Marista em parceria com a área de Desenvolvimento Humano Organizacional. No Grupo Marista, a formação dos gestores favorece o desenvolvimento do senso de pertença para o desenvolvimento de boas práticas de gestão. Além do conhecimento técnico — que passa a englobar o autoconhecimento e as relações com a organização e com a sociedade — as formações oportunizam aos gestores a tomada de decisões alinhadas às diretrizes institucionais. Para as lideranças táticas, a formação acontecia anualmente e estava dividida em várias etapas. Após uma reformulação, ela passou a acontecer em uma única semana e novas temáticas e dinâmicas foram propostas. Como resultado, a liderança tática do Grupo Marista ganhou um novo espaço de troca de experiências, aprendizado e imersão na identidade institucional.

38

Parte da etapa de Imersão do Programa de Formação e Vivência Marista (PFVM), a formação foi dividida da seguinte forma:

Pastoral


Lideranças Estratégicas - Com duração de dois anos, este curso é dividido em seis encontros presenciais e duas atividades permanentes — estudo dirigido e experiências de convivência. Dimensões trabalhadas: conhecer/experienciar/celebrar/aderir. Liderança Tática - Curso com duração de uma semana na primeira fase. Na segunda fase, ele consiste em uma experiência vivencial em um dos projetos das áreas de Solidariedade e de Pastoral da organização. Durante uma semana, os gestores são convidados a adentrar o universo social, educacional e de evangelização. Junto com as experiências nos espaços e unidades Maristas e do território, eles recebem uma formação nas temáticas que perpassam os eixos Eu, Outro, Mundo e Transcendência. Outras áreas, como a Diretoria Executiva de Ação Social - Centro Educacional Marista Lucia Mayvorne e Centro Educacional Marista São José –, a Diretoria de Infraestrutura e o Centro Marista de Defesa da Infância, também contribuíram para a realização da formação.

III Jornada Provincial Marista das Juventudes Para o Instituto Marista, o ano de 2016 transformou-se num ano de celebração em torno da Promessa de Fourvière. Diversas iniciativas no mundo Marista tinham como objetivo rememorar e tornar atual o fato ocorrido em 1816. Tendo em vista todo este movimento internacional, o Setor de Pastoral realizou a III Jornada Provincial Marista das Juventudes. A equipe de coordenação do evento foi formada por jovens, Irmãos, pastoralistas e colaboradores do Colégio Marista Santa Maria. Em março de 2016, foram iniciados os trabalhos de preparação para o encontro. Ao todo, foram quatro meses de organização até a realização do evento. A atividade aconteceu nos dias 11 e 12 de junho, em Curitiba e reuniu mais de 600 jovens. Como parte de preparação para o evento, as Unidades receberam um itinerário com fichas de formação sobre a temática da Promessa de Fourvière, criadas pela comissão organizadora do Encontro Internacional de Jovens Maristas – Dare to

Relatório Social Marista | 2015-2016

39


Dream, que ocorreu em Lyon, em julho de 2016. Na III Jornada Provincial Marista das Juventudes, os jovens puderam vivenciar a promessa que deu origem ao Instituto dos Irmãos Maristas, e participar de oficinas com foco no aprendizado prático, que será usado para transformar suas realidades.

Depoimento “Eu acho muito importante estar em espaços como a III Jornada Provincial discutindo assuntos como o protagonismo e transformação social. Nós jovens somos responsáveis pelo futuro. Pode ser que amanhã um de nós esteja sentado na cadeira de Presidente do país ou de Prefeito de uma metrópole ou até mesmo no comando de uma grande empresa. Eu tenho muito orgulho de ser Marista e ser fruto de uma promessa feita por Champagnat e que vai permanecer comigo para sempre. Na PJM eu aprendi a ser um bom líder, treinar a escuta ativa e fazer o bem. Acho que é um grande começo para transformar o mundo.”

Austin Christopher - Aluno do Colégio Marista Nossa Senhora da Glória, de São Paulo/SP.

40

Pastoral


Itinerário de Educação para a Solidariedade O objetivo do Itinerário de Educação para a Solidariedade é proporcionar um processo de educação para a solidariedade na perspectiva do aprendizado recíproco e dialógico, por meio da imersão em realidades sociais desafiadoras, sobretudo aquelas em situação de vulnerabilidade social.

O itinerário é composto por seis etapas: 1. Atividades de voluntariado em nível local promovidas pelos núcleos de pastoral das unidades; 2. Missão Universitária Ir. Henri Vergès – destinada a jovens universitários da PUCPR e da CatólicaSC. Acontece anualmente no mês de julho e prevê três meses de preparação dos jovens universitários; 3. Missão Solidária Marista Ir. Miguel Ángel – utiliza-se da metodologia de imersão em uma comunidade desafiadora. Os jovens são convidados a olhar a realidade e a refletir sobre seu “estar no mundo”. Acontece no mês de janeiro em diversos locais onde a Província está presente. O número de participantes em cada local de experiência fica entre 50 a 120 jovens; 4. Missão Solidária Marista Ir. Lourenço – também realiza imersões em realidades desafiadoras. Sua intervenção é focal e tem uma metodologia participativa desde a concepção da experiência até a sua execução. Acontece no mês de julho com a presença de, no máximo, 20 jovens; 5. Missão Solidária Marista Champagnat – proposta aos jovens que já vivenciaram as outras etapas do itinerário. Ela acontece nos meses de dezembro e janeiro. Sua metodologia prevê a participação de um no máximo dois jovens por local. Ela acontece em territórios que não há a presença Marista, possibilitando a parceria com outros atores e entidades do território; 6. Voluntariado Social - promove experiências de voluntariado para jovens, colaboradores e colaboradoras, Irmãos, Leigos e Leigas no âmbito nacional e internacional. Seu objetivo é fortalecer o compromisso solidário

Relatório Social Marista | 2015-2016

41


para com as causas humanitárias. Seu público prioritário são jovens, que podem desenvolver trabalhos voluntários no Brasil Marista ou no mundo Marista. A gestão e acompanhamento desta etapa é feita pelo Setor de Solidariedade do Grupo Marista.

42

Pastoral


Comissões de Juventudes As Comissões de Juventudes contribuem para a ação evangelizadora Marista ao atuarem na missão pastoral nas dimensões eclesial, social, política, cultural e institucional. Formada integralmente por jovens, seu objetivo é ser um espaço privilegiado de exercício do protagonismo, da cidadania, da democracia, da fé e da solidariedade. Os membros das Comissões de Juventudes representam, no âmbito pastoral, os diferentes grupos juvenis Maristas, atuando em nível local (unidades) e provincial (Setor de Pastoral): 1. Comissão Local de Juventudes: envolve o diálogo entre pastoralistas e jovens. É composta de maneira democrática, salientando a importância de equilíbrio etário e de gênero, e possui um número significativo de pessoas — de três a sete membros — e adequado ao número de jovens envolvidos com a pastoral da unidade; 2. Comissão Provincial de Juventudes: estabelece o diálogo e realiza uma escuta atenta com as comissões locais, pastoralistas, Irmãos e outras lideranças juvenis e da Província. Ela participa de espaços externos e internos ao Grupo Marista, representando os jovens da instituição. Sua agenda de trabalho está inteiramente ligada aos processos de evangelização das adolescências e juventudes desenvolvidas pelo Setor de Pastoral. Eleita em Assembleia de Juventudes, (evento convocado pelo Setor de Pastoral e organizada em parceria com a Comissão Provincial de Juventudes vigente), que ocorre a cada três anos e conta com a participação de representantes das comissões locais do Grupo Marista.

Fórum de Juventudes O Grupo Marista, por meio do Setor de Pastoral, fomentou junto às frentes de missão, a realização dos Fóruns de Juventudes com vistas em fortalecer e qualificar a participação em espaços de incidência nas políticas públicas com os seguintes objetivos:

Relatório Social Marista | 2015-2016

43


• Oportunizar o protagonismo juvenil, possibilitando o envolvimento e empoderamento das crianças, adolescentes e jovens na construção da proposta dos fóruns locais; • Formar novas lideranças para atuar nos espaços de controle social; • Publicar subsídio do Grupo Marista sobre promoção e defesa de direitos a partir dos conteúdos desenvolvidos nos fóruns de juventudes; • Fortalecer a articulação com outros organismos e redes que atuam nestes segmentos no território; e, • Fortalecer a incidência Marista nos espaços de controle social relacionados à criança, adolescente e jovem. Os fóruns aconteceram em 2 níveis. Em nível provincial, foi realizado em abril/2016, por meio de videoconferência e com a presença de especialistas na temática: Promoção e Defesa de Direitos. Em nível local, os fóruns foram organizados em conjunto com as unidades da mesma cidade, com a temática Promoção, Garantia e Defesa de Direitos. A metodologia do fórum ficou a critério da organização local e foi construída de acordo com o público prioritário atendido na unidade, prevendo parcerias com outras entidades da sociedade civil do território.

Depoimento

44

“Os fóruns de juventude que participei me trouxeram a oportunidade de poder refletir e pensar sobre assuntos que eu até então nunca tinha parado realmente para pensar sobre. Foi uma experiência muito boa poder parar e analisar, junto aos meus amigos, os dois lados de assuntos que eram ignorados por mim, ou até mesmo julgados sem saber realmente toda a problemática envolvida. Achei a iniciativa uma ótima ideia, uma novidade que trouxe para muitos jovens como eu, uma visão totalmente diferente da que eu tinha, me provocou bastante, fazendo com que eu repensasse sobre minhas opiniões. É muito importante trazer discussões como essas pra cá, um pouco mais de fora do senso comum da mente de nós jovens, que nos fazem refletir mais e tentar entender o real problema por trás de tanta mídia e pensamentos rasos, para fazer com que possamos abrir nossas mentes cada vez mais.”

Pastoral


Julia Naomi – Aluna do 3° ano do Ensino Médio, Colégio Marista Santa Maria.

Programa de Formação e Vivência Marista O objetivo do Programa de Formação e Vivência Marista é proporcionar a cada colaborador e colaboradora a possibilidade de fazer seu próprio itinerário de formação. Esse processo está organizado em quatro etapas: Integração, Imersão, Aprofundamento e Adesão. Além de poderem realizar as duas primeiras etapas de formação – conduzidas pela Diretoria de Desenvolvimento Humano Organizacional (DDHO) –, os colaboradores também podem dar continuidade, por opção pessoal, às etapas seguintes de aprofundamento e adesão, que estão sob responsabilidade do SVCL.

Relatório Social Marista | 2015-2016

45


Todo o programa está baseado no Patrimônio Espiritual Marista (PEM), ou seja, na herança deixada pelo fundador Marcelino Champagnat. As etapas de Aprofundamento contêm objetivos e metodologias específicas. Os projetos dessa etapa são: Vivemar, Violetas, Oficinas de Espiritualidade, Hermitage, Oficinas de Aprofundamento do PEM, Peregrinação a Hermitage, Retiro e Formação Conjunta. Adesão: o Instituto entende que o carisma Marista não é apenas dos Irmãos Maristas, mas está aberto a todos os Leigos e Leigas que queiram aderir a ele. Essa adesão pode ser vivida de forma pessoal ou comunitária. Atualmente, existem os seguintes grupos: Movimento Champagnat da Família Marista (MChFM); Afiliados e Grupos Laicais Maristas; e Grupos de Laicato Jovem.

Etapas Vivemar

Participantes em 2016 120

Hermitage Marista

40

Oficina Temática de Aprofundamento do PEM

40

Violetas Maristas

25

28 Fraternidades do MChFM 6 Grupos laicais 16 grupos de Laicato Jovem Afiliados

600 45 150 13

Depoimento “Para mim, a experiência do Vivemar foi reacender a chama do legado do nosso Pai Fundador, Marcelino Champagnat, que emana da espiritualidade cristã. Foi reaquecer o coração e fazer brilhar os meus olhos com mais intensidade na missão que desempenho. Foi um mergulho dentro da essência daquilo que sou chamado a ser: Irmão!”

46

Irmão Edicarlos – Comunidade Ir. Lourenço/SP.

Pastoral


Depoimento

Circuito Projeto de Vida (CPV) Desenvolvido e coordenado pelo SVCL, o Circuito Projeto de Vida (CPV) possibilita que os jovens tenham uma visão integral de si mesmos e reflitam sobre sua vida nas várias dimensões do ser humano. O CPV também contribui para que eles exerçam sua liberdade de escolha com responsabilidade e coerência, acompanhando-os no discernimento em relação ao seu futuro. O CPV é um aplicativo eletrônico de caráter pedagógico desenvolvido para celulares, tablets e computadores. Ele é destinado a adolescentes e jovens com idades

Relatório Social Marista | 2015-2016

47


entre 13 e 18 anos que desejam pensar mais profundamente sobre projetos de vida e vocação. O aplicativo está organizado em 11 blocos, dos quais seis são dedicados exclusivamente para que o jovem reflita sobre o seu projeto de vida. O primeiro dos seis blocos é denominado “Inspiração”, e nele o jovem encontra 16 inspirações que abordam afeto, amizade, carreira, consumo, família, futuro, protagonismo, solidariedade e sonhos entre outras. Cada inspiração contém um vídeo, uma dica de leitura, uma frase reflexiva e algumas perguntas norteadoras, criadas especificamente para que o jovem reflita sobre seu projeto de vida em relação àquela temática. No bloco seguinte de conteúdo, denominado “Nanoatitudes”, são oferecidas 31 oportunidades de pequenas boas ações. Em seguida, a plataforma oferece um bloco com 20 assuntos, todos relacionados ao momento presente, para que o jovem faça registros e reflexões sobre cada um deles. A expectativa do CPV é atingir toda a rede de colégios e unidades sociais do Grupo Marista que tenham alunos do 9º ano do Ensino Fundamental II ao 3º ano do Ensino Médio.

48

Pastoral


Programa Vida Feliz A elaboração de um projeto de vida faz parte da essência da adolescência e da juventude. Com o propósito de contribuir para esse processo de reflexão e construção, o Programa Vida Feliz desenvolveu, em parceria com escolas públicas, projetos que visam oportunizar espaços de escuta, diálogo, formação e acompanhamento de adolescentes e jovens em seus projetos de vida. O Vida Feliz é desenvolvido e coordenado pelo SVCL em parceria com secretarias municipais e estaduais de ensino. Também são parceiros do programa os mais de 150 colégios das cidades atendidas. Em 2016, foram atendidos mais de 56 mil jovens nos estados de Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

TOTAL DE JOVENS ATENDIDOS NO VIDA FELIZ Projetos

Pontes - (Educandos) Pais e educadores

Atendimentos 2016

42.308 2.402

Liderança Juvenil (educandos)

681

Liderança Juvenil (pais)

100

Eclesial

5.927

Tenda

3.000

Siga mais

24

Grupo Vocacional

44

Abraço Solidário

69

Conexão + : ) Conexão Marista Acompanhamento Vocacional Total

1538 97 132 56.322

49

Relatório Social Marista | 2015-2016


Depoimento “Meu nome é Caetana Roberta, tenho 18 anos e atualmente moro em Santa Catariana. Minha relação com a família Marista começou muito cedo, frequentei o Centro Social Marista de Itapejara D’Oeste-PR, dos 12 aos 17 anos. Participei da Pastoral Juvenil Marista, fiz voluntariado e com certeza o que mais me marcou foi o Liderança Juvenil, projeto do Vida Feliz. Desde criança, sempre gostei muito de ler, o que despertou meu encanto por escrever e desde cedo escrevia historinhas. Participar do programa Vida Feliz me ajudou a desenvolver essa habilidade. Atualmente trabalho no Departamento comercial de um Jornal, do qual sou colunista e sou estudante.” Caetana Roberta – Participante do Projeto Liderança Juvenil.

50

Pastoral


PESSOAS

O Grupo Marista é feito por e para as pessoas. Por essa razão, estamos diariamente pensando em estratégias, programas e ações formativas para desenvolver nossos colaboradores para uma atuação de excelência. Nossa missão é atuar no desenvolvimento de metodologias inovadoras e eficazes para atingir a excelência técnica, profissional e humana, alinhada aos Valores Maristas, visando a potencialização dos resultados do Grupo Marista e a perenidade da missão. Contribuindo com as aspirações da Rede Marista de Solidariedade, a área de Desenvolvimento Humano e Organizacional disponibiliza iniciativas e formações que favorecem a imersão na identidade marista e o desenvolvimento integral da pessoa humana.


Direcionamentos da Rede Marista de Solidariedade (RMS) para a área de Desenvolvimento Pessoal e Profissional Destaques 1. Incluir os conceitos e as práticas de solidariedade, promoção e defesa dos direitos de crianças e jovens na formação/capacitação de gestores e dos colaboradores; 2. Fomentar a formação integral dos colaboradores e dos públicos que utilizam nossos serviços; 3. Promover espaços de discussão e formação que sejam propícios à reflexão e à busca de diálogos mais equânimes em relação à sociedade e suas diferenças; 4. Realização avaliação (diagnóstico, processo, impacto) dos programas de desenvolvimento pessoal e profissional; 5. Fomentar a qualificação profissional dos colaboradores atuantes na promoção e defesa dos direitos das crianças e dos jovens, visando à eficiência e à eficácia dos programas e projetos.

Inclusão e valorização das pessoas na prática organizacional

54

O Programa Incluir tem objetivo promover direitos por meio da consolidação de uma cultura organizacional baseada na inclusão no mundo do trabalho. Ele prevê a atuação em quatro eixos: pessoas com deficiência (PcD), jovens aprendizes, egressos do sistema penal e ações voltadas para as mulheres. As iniciativas são focadas em temas transversais, como idade, etnia, gênero e primeiro emprego. O Incluir contribui para: (1) a promoção de direitos; (2) o respeito à diversidade; (3) o reconhecimento e a valorização da competência profissional das pessoas; (4) ações pautadas no princípio da equidade; (5) a construção de uma relação de

Pessoas


parceria ativa entre as pessoas, acolhendo-as e compreendendo-as como diferentes e complementares; e (6) a disseminação dos valores da organização. Foram desenvolvidos em 2016: Programa de Inclusão de Pessoas com Deficiência – seu foco está na promoção da política de diversidade por meio de debates em relação à temática de convivência, possibilitando a aproximação das equipes de diversas instâncias do Grupo Marista. O principal resultado em 2015 e 2016 foi o crescimento de 114% na contratação de profissionais com deficiência em todo o Grupo Marista. Ao final de 2016, a PUCPR contava com 42 profissionais com deficiência no seu quadro, sendo que 20 foram contratados, um crescimento de 41% em relação ao ano de 2015.

Grupo Marista cria cargos inéditos para atletas com Deficiência Destaques A PUCPR por meio do Programa Incluir – Profissionais com Deficiência do Grupo Marista, em 2016 contratou 4 paratletas. A iniciativa, ainda piloto e pioneira, vai ao encontro da necessidade da instituição em se posicionar interna e externamente a respeito da inclusão efetiva de profissionais com deficiência. Além disso, entre as atividades dos atletas está a inserção na Universidade para que eles sejam preparados para uma carreira pós atletas. Os quatro atletas explicam que esta é uma oportunidade de desenvolvimento e uma forma de inclusão que mostra o comprometimento da PUCPR e do Grupo Marista com o desenvolvimento humano. A Erica da Rosa Rodrigues, 22 anos, conta que é uma oportunidade de representar a Universidade, “a PUCPR está se desenvolvendo conosco dentro da piscina pois é um projeto muito bom e que tenho certeza que ajudará muitos outros para atletas”. O atleta Eric de Oliveira Tobera, 21 anos, pontua que esta é uma oportunidade de inclusão efetiva. “Inclusão é tudo! A oportunidade está sendo excelente pois a PUCPR

Relatório Social Marista | 2015-2016

55


está abrindo as portas para nós e nos permitirá representa-la nos Jogos Para Olímpicos de 2020, em Tóquio”, explica esperançoso.
Da mesma forma Leonardo Beê Alenski, 20 anos, vê a iniciativa como uma oportunidade para desenvolvimento pessoal, já que a contratação permitirá a dedicação aos treinos. “Através desta iniciativa, poderemos nos tornar grandes atletas. Teremos o incentivo e melhores condições para ter acesso a psicólogos esportivos, médico, nutricionista, suporte para os gastos com as competições com passagens e hospedagens”, exemplificou. Ronan Nunes Cordeiro, 19 anos, explica que é fundamental que a Universidade, enquanto espaço de formação, esteja atenta a esta necessidade e ao processo de inclusão efetiva. “Vai nos abrir muitas portas, teremos mais apoio e melhores estruturas graças a este projeto. Quem sabe vamos realizar nosso sonho de ir para as Paraolimpíadas de 2020 e levar conosco o nome da PUCPR”, conclui.

56

Programa Jovem Aprendiz – O Programa Jovem Aprendiz visa desenvolver e inserir jovens de 14 a 24 anos no universo profissional, contribuindo para sua formação como cidadão. Baseia-se na inclusão social, trabalhando a diversidade de forma a contribuir para a promoção dos direitos. Seu objetivo é ampliar as possibilidades de inserção do jovem no mundo do trabalho. Desenvolvido principalmente com jovens em situação de vulnerabilidade social, o Jovem Aprendiz oferece uma educação integral, humana e cidadã por meio da aprendizagem através da prática. O Programa Incluir – Jovem Aprendiz, ofereceu aos jovens uma ferramenta de desenvolvimento chamada Pool de Talentos e Gestor Formador. O objetivo do Pool de Talentos é reter os jovens aprendizes, de modo a valorizar estes profissionais e seu conhecimento da cultura e dos processos da Instituição. Somente em 2016, o projeto contou com 65 inscrições, sendo que destes 28 foram aprovados nos critérios do processo e 8 foram efetivados pelo Grupo Marista. O Gestor Formador tem intenção de apoiar os aprendizes na trajetória profissional por meio de diálogos e feedbacks, além de oferecer orientação, desenvolvimento e acompanhamento que permita a sua participação no Pool de Talentos.

Pessoas


PROJETO: Voz da Rua Destaque O projeto Voz da Rua acontece no Centro Educacional Marista Irmã Eunice Benato, anexo à PUCPR, localizado na comunidade da Vila Torres, que soma-se 6,600 habitantes e conta com a participação de 130 jovens aprendizes. Considerando a peculiaridade do território e sua vulnerabilidade, o Projeto Voz da Rua traz em sua essência possibilidades de transformação social ao incrementar a juventude como peça fundamental no processo de articular a política de paz e garantir a efetivação das políticas públicas no território. Tendo em vista que o Estatuto da Criança e do Adolescente em seu Art. 71 preconiza que a criança e adolescente tem direito a informação, cultura, lazer, esportes, diversões, espetáculos e produtos e serviços que respeitem sua condição peculiar de pessoa em desenvolvimento. O projeto busca oportunizar um espaço em que o jovem da Vila Torres possa ter seu direito assistido e avalizado, e ainda, possa ser multiplicador de direitos nos espaços em que lhe é de direito como a comunidade educativa, cito, a escola e a universidade. Em 2016, o Voz da Rua desenvolveu várias ações: - Maio - evento Voz na Rua no Colégio Manuel Ribas - propagação do site: http://www.vozdarua.org.br; - Junho - Voz da Rua apoia a leitura por meio das Gelatecas. As geladeiras assumem um outro sentido ao serem utilizadas como espaço de trocas de livros; - Julho - Voz da Rua apoia a troca de roupas por meio do Cabide Solidário; - Novembro/dezembro - Voz da Rua - Culturação, evento organizado e gestado pelos jovens para promover e favorecer a cultura juvenil. O evento teve como objetivo promover um momento de confraternização entre os jovens aprendizes e marcou o fechamento do ano em grande estilo com teatro,

Relatório Social Marista | 2015-2016

57


música, dança, entre outros.
 As apresentações foram feitas pelos aprendizes, pelos adolescentes do Conviver Marista e instituições convidadas.

58


Depoimento “No momento em que eu soube do Projeto Voz da Rua isso me atingiu de tal maneira que teve um impacto na minha vida deu um direcionamento na minha profissão. Foi a partir do Projeto que eu conheci lugares, pessoas e coisas que antes sozinho eu acho que não conseguiria. O Projeto me proporcionou toda uma experiência.” Igor Martins – Jovem Aprendiz e participante do projeto.

“O Voz da Rua mudou a minha vida completamente, me dando um propósito pelo qual lutar. Pretendo me formar em comunicação social continuar com o projeto Voz da Rua, e fazer o Projeto ser reconhecido aqui dentro e fora também.” Jovem Caroline Paulino – Jovem Aprendiz e participante do projeto.

Programa de Mentoring Marista O Programa de Mentoring Marista foi desenvolvido em 2013 pela área de DDHO - Diretoria de Desenvolvimento Humano e Organizacional do Grupo Marista, cujo objetivo é o de acelerar o desenvolvimento de gestores no que tange à cultura, valores da organização e aspectos de gestão, possibilitando a troca de experiência nas seguintes áreas: • Profissional: Orientação humana, técnica e de gestão — para proporcionar ao mentorado o avanço de seu desenvolvimento profissional. • Identidade Marista: Orientação baseada no carisma do Instituto Marista. Por ter uma característica própria de fazer gestão, esse eixo de desenvolvimento é baseado em valores Maristas e se dá à luz dos ensinamentos e do modelo de liderança de Champagnat. • Espiritual: Tem como objetivo auxiliar na descoberta de novos modos de se relacionar com a Trindade Santa e com as questões da vida.

Relatório Social Marista | 2015-2016

59


Desde o início do programa já participaram 179 mentorados e 92 mentores. Em 2016, houve o crescimento de inscrições para as categorias de mentoring de Identidade Marista e Espiritual. Nos primeiros ciclos, havia quase que uma totalidade de inscrições para a categoria profissional. Atualmente, o programa também é visto como uma imersão em nossa cultura e ajuda gestores a desenvolver sua espiritualidade e a trabalhar melhor questões de sua vida pessoal e profissional.

Pesquisa de clima e engajamento O projeto Pesquisa de Clima e Engajamento tem por objetivo compreender o nível de engajamento dos colaboradores, ou seja, seu grau de conexão emocional e intelectual com a organização, bem como, identificar o nível de satisfação sobre fatores diversos da Organização. O projeto foi liderado pela DDHO, com ampla participação de todas as frentes de missão. Houve a constituição de um comitê, com a participação de um gestor representante de cada negócio, e todas as etapas foram construídas e implementadas com a participação direta das áreas, num esforço conjunto para realizar a pesquisa. Os representantes do comitê traziam o olhar do negócio para as discussões e construção das etapas, bem como levavam para suas áreas as diretrizes, além de fomentar e apoiar a implementação.

60

O projeto foi desenvolvido de janeiro a dezembro de 2016. Como continuidade, as áreas implementarão as ações propostas, com acompanhamento e suporte da DDHO durante o ano de 2017 e início de 2018. O objetivo é que a gestão do clima seja incorporada como uma prática nas áreas, fazendo a diferença para colaboradores e gestores.

Pessoas


Avaliação 360º baseada em valores A Avaliação 360º baseada em valores é uma ferramenta de gestão com base na percepção da vivência dos valores maristas. O projeto foi desenvolvido no período de três meses (agosto a outubro de 2016) e aplicado em dois meses (novembro e dezembro de 2016). Foram avaliados 300 gestores com a participação do gestor imediato, pares e equipes e em torno de 2700 pessoas foram envolvidas neste processo como avaliadores e avaliados. O resultado da avaliação está sendo utilizado como subsídio para o processo de feedback. A expectativa é que a avaliação baseada em valores se torne parte do Ciclo de Gestão de Desempenho em um processo perene para toda a organização.

61


ÁREAS DE ATUAÇÃO


EDUCAÇÃO SUPERIOR

As instituições de Ensino Superior do Grupo Marista promovem o diálogo entre as ciências, as sociedades e as culturas sob uma perspectiva cristã da realidade. A Pontifícia Universidade Católica do Paraná – PUCPR, universidade confessional, orientada por princípios éticos, cristãos e maristas, tem por missão desenvolver e difundir o conhecimento e a cultura e promover a formação integral e permanente de cidadãos e profissionais comprometidos com a vida e o progresso da sociedade. A PUCPR, em seus cinco câmpus, oferta cursos de graduação, tecnólogos, especialização e pós-graduação, com foco na formação profissional e técnica, associada a uma formação humana, que transforme os egressos em agentes de mudanças e transformações sociais. Na busca de uma formação integral a universidade conduz suas atividades, baseadas em três eixos indissociáveis, quais sejam: ensino, pesquisa e extensão. O ensino como transmissão do conhecimento é pré-requisito para a pesquisa, que por sua vez é o fortalecimento do conhecimento, que é aplicado e transferido à sociedade por meio da extensão. A extensão, concebida como instrumento articulador do ensino e da pesquisa entre si, e da Universidade com a comunidade em que atua, cumpre papel relevante como instrumento de emancipação.


Além das atividades de ensino, pesquisa e extensão, a PUCPR possui atuação marcante na comunidade paranaense por meio de programas, projetos e ações sociais, com o objetivo de contribuir para a promoção da cidadania e o desenvolvimento das comunidades. Esta missão é passível de realização por meio de iniciativas aderentes às competências e à vocação institucional. O Centro Universitário – Católica de Santa Catarina tem por finalidade promover a formação integral, de acordo com o humanismo cristão e desenvolver atividades de ensino, pesquisa e extensão em diversos campos do conhecimento humano. Iniciou suas atividades na cidade de Jaraguá do Sul (SC), visando atender à demanda e ao sonho da população local de ter uma instituição de Ensino Superior na região e, em 2009, expandiu sua atuação para a cidade de Joinville. As instituições de Ensino Superior do Grupo Marista integram a Rede Marista de Solidariedade na promoção do acesso ao Ensino Superior por meio da concessão de bolsas de estudo integrais e parciais, especialmente, no caso da PUCPR, por meio de sua adesão ao Programa Universidade para Todos (ProUni), além de desenvolver projetos que contribuem para formação integral de seus alunos.

66


EDUCAÇÃO SUPERIOR PUCPR

CATÓLICA SC4

1º SEMESTRE (2016)

24.474 alunos¹ 7.191 bolsas ProUni² + IES³

75% bolsas integrais

192 bolsas IES de até 50%

74% bolsas integrais

169 bolsas IES de até 50%

no primeiro semestre

no primeiro semestre

2º SEMESTRE (2016)

22.774 alunos¹ 6.839 bolsas ProUni² + IES³

BOLSAS POR CÂMPUS

Câmpus Maringá 1º SEMESTRE 1.022 alunos 287 ProUni 100% 63 ProUni 50%

no segundo semestre

no segundo semestre

Câmpus Londrina

1º SEMESTRE 1.995 alunos 399 ProUni 100% 73 ProUni 50%

2º SEMESTRE 969 alunos 248 ProUni 100% 62 ProUni 50%

Câmpus Curitiba

Câmpus Toledo 1º SEMESTRE 1.660 alunos 582 ProUni 100% 147 ProUni 50%

2º SEMESTRE 1.971 alunos 391 ProUni 100% 65 ProUni 50%

2º SEMESTRE 1.585 alunos 474 ProUni 100% 133 ProUni 50%

1º SEMESTRE 19.525 alunos 4.018 ProUni 100% 1.298 ProUni 50%

PR

2º SEMESTRE 18.018 alunos 3.790 ProUni 100% 1.340 ProUni 50%

SC

68

Câmpus São José dos Pinhais

Legenda PUCPR Católica SC

1º SEMESTRE 272 alunos 33 ProUni 100% 16 ProUni 50%

2º SEMESTRE 231 alunos 24 ProUni 100% 12 ProUni 50%

Câmpus Joinville e Jaraguá do Sul 1º SEMESTRE 3.773 alunos 192 IES até 50%

2º SEMESTRE 4.086 alunos 169 IES até 50%

1

Considera alunos matriculados em cursos de graduação e tecnólogos na PUCPR (1° e 2° semestres).

2

Bolsas ProUni: concessão de bolsas por meio da adesão ao Programa Universidade Para Todos (ProUni).

Bolsas IES: concessão de bolsas a candidatos com o mesmo perfil dos bolsistas ProUni. 4 Considera Bolsas concedidas na Graduação (Bolsa Auxílio e Proestudante), de até 50%, na Católica SC. 3

Educação Superior


PAINEL DE INICIATIVAS INCLUSÃO SOCIAL DA COMUNIDADE 3.328 assistência judiciária 66.960 atendimentos nas Clínicas-Escola

FORMATURA INSTITUCIONAL 3 cerimônias 1.441 alunos participantes 17 mil convidados presentes e 7 mil visualizações na internet.

PESQUISA PIBIC | PIBITI Observatório PD&I

Iniciação Científica

20% das Produções Científicas do Estado do Paraná Áreas Estratégicas: Biotecnologia , Cidades, Direitos Humanos, Tics , Energia e Saúde 1.400 estudantes envolvidos nos programas de Iniciação Científica (IC)

Agência PUC de Ciência, Tecnologia e Inovação

PROJETO COMUNITÁRIO Mais de 7 mil inscrições realizadas Ao total 118 instituições atendidas.

PASTORAL PUCPR 1.841 pessoas envolvidas nos projetos 7.479 pessoas atendidas

Relatório Social Marista | 2015-2016

69


Direcionamentos da Rede Marista de Solidariedade (RMS) para o Ensino Superior Destaques 1. Produzir conhecimento com enfoque nos direitos de crianças e jovens; 2. Incluir enfoque dos direitos humanos e direito de crianças e jovens nos possíveis espaços da academia, como conteúdos curriculares, as linhas de pesquisa e os autores recomendados; 3. Fomentar e viabilizar a perspectiva de aplicabilidade do conhecimento construído nas diversas áreas da academia com vistas a contribuir para a resolução de problemáticas sociais, prioritariamente no que diz respeito a comunidades economicamente vulnerabilizadas; 4. Intensificar a indução e o financiamento de pesquisas voltadas a contribuir para a resolução da problemática social, prioritariamente no que diz respeito a comunidades economicamente vulnerabilizadas; 5. Ampliar possibilidades e alternativas de acesso ao conhecimento e a tecnologias, bem como de seu compartilhamento; 6. Garantir a transparência no processo de concessão de bolsas, seguindo os critérios estabelecidos pela legislação e por organismos internos; 7. Fortalecer a humanização na relação entre colaboradores, professores e alunos; 8. Apropriar-se do uso do advocacy3 – acesso à Educação Superior – como subsídio na tomada de decisões diante das demandas específicas, bem como implementar projetos gerados com base em suas reflexões e seus apontamentos;

70

3

“Luta por uma causa, por meio da conscientização da sociedade, da capacitação de agentes transformadores, da mobilização da população e do acompanhamento da atuação do poder público. O exercício do Advocacy no Grupo Marista é centrado na defesa dos direitos das crianças, dos adolescentes e das juventudes. Tem como objetivo a construção de interlocução de qualificada com os diversos atores da sociedade civil e do governo [...].”(PROVÍNCIA MARISTA BRASIL CENTRO-SUL, 2010, p.14).

Educação Superior


9. Aprimorar ações que possibilitem o acesso ao estudo de qualidade e à permanência de alunos em situação de vulnerabilidade; 10. Desenvolver projetos de educação para a solidariedade envolvendo as diversas áreas da universidade, como projetos de imersão, intercâmbio e de voluntariado; 11. Desenvolver projetos de educação para a solidariedade; 12. Incluir crianças e jovens em situação de vulnerabilidade nos projetos desenvolvidos; 13. Estabelecer conexão com as unidades sociais da RMS por meio de projetos compartilhados entre centro e periferia; 14. Contribuir para a mobilização de recursos voltados à melhoria, ampliação e inovação dos projetos socioeducativos.

Educação para a Solidariedade: alunos em ação O Projeto Comunitário viabiliza a participação de estudantes em ações sociais voltadas para adolescentes, crianças, dependentes químicos, idosos, pacientes hospitalares, pessoas com deficiência e comunidades. Com carga horária de 30 horas, a iniciativa contribui para a formação profissional e humana dos estudantes ao estimular o aprendizado e a convivência, o respeito às diferenças, a valorização da vida, a ampliação da visão de mundo por meio das trocas de experiências e a reflexão sobre o papel de cada cidadão na sociedade.

71


As ações do Projeto Comunitário foram agrupadas em 38 programas nas áreas de: • Cidadania e Valores Humanos; • Cultura; • Educação; • Geração de renda; • Inclusão Digital; • Esportes e Entretenimento; • Meio Ambiente; e • Saúde.

Durante o ano de 2016, diversas ações sociais foram desenvolvidas pelos acadêmicos em 118 instituições. Mais de 7 mil inscrições foram realizadas e os estudantes puderam escolher entre 3,2 mil ações sociais e/ou ambientais em 164 locais, abrangendo 35 municípios do estado do Paraná.

Ano

72 2016

Instituições atendidas

118

Atividades ofertadas

Número de beneficiários

Inscrições realizadas

3.280

(1º sem. 2016) 10.061

7.097


Semana de Ética. Juventude e Direitos Humanos: o cuidado com a casa comum Com o objetivo de aproximar a reflexão ético-filosófica trabalhada em sala de aula aos problemas éticos de nossa sociedade, os professores que atuam no Eixo Humanístico da PUCPR perceberam a necessidade de realizar atividades acadêmicas que sensibilizem o estudante para os problemas da realidade social. Nesse sentido, a Semana de Ética, realizada em 2016, teve o papel de refletir sobre a relação do homem com a natureza e a necessidade de se repensar o atual modelo de desenvolvimento, de modo a se assegurar a casa comum para além do tempo imediato. Os alunos foram desafiados a produzir vídeos a partir de um problema ético da sociedade atual. Os vídeos deveriam ter, como base teórica, os fundamentos éticos trabalhados em sala de aula. As produções selecionadas foram apresentadas e discutidas entre a comunidade acadêmica na Semana de Ética. Foram produzidos mais de 600 vídeos nas duas semanas de ética, e cerca de 70 foram selecionados, assistidos e debatidos por toda a academia.

Os melhores vídeos foram divulgados em facebook.com/eixo.pucpr.

73

Relatório Social Marista | 2015-2016


Observatório das Juventudes da PUCPR Vinculado à Área Identitária da PUCPR, o Observatório das Juventudes foi criado em 2013 para realizar pesquisas e atuar na garantia de direitos da juventude brasileira. O programa vem focando suas ações nos campos da condição juvenil, das práticas culturais e religiosas, das políticas públicas para as juventudes, do diálogo geracional e da construção de metodologias de trabalho com os jovens. Em 2016, as ações do Observatório das Juventudes foram concentradas em três grandes projetos: Acesso e permanência de jovens no Ensino Superior; Posicionamento contrário à redução da maioridade penal; e Formação de jovens e educadores de jovens. Algumas das ações desenvolvidas pelo observatório no último ano:

Acesso e permanência de jovens no Ensino Superior O Observatório das Juventudes tem sido responsável pelo projeto Advocacy ProUni, cujo propósito é incidir sobre o acesso e permanência de estudantes bolsistas no Ensino Superior. O projeto consiste em ações de pesquisa, incidência política e boas práticas no sentido da garantia de direito à educação. Ações do Advocacy ProUni:

74

• Pesquisa ProUni – No ano de 2016 foi realizada uma pesquisa quantitativa para conhecer o perfil dos estudantes bolsistas da PUCPR. Cerca de 4 mil estudantes dos diferentes cursos e câmpus da universidade responderam à pesquisa. As análises vêm mostrando que os estudantes bolsistas jovens, em sua maioria, oriundos de escolas públicas e, muitas vezes, os primeiros da família a terem acesso ao Ensino Superior. A pesquisa também mostrou as dificuldades desses estudantes com alimentação, transporte e em conciliar estudo e trabalho.

Educação Superior


• Bate-Papo sobre acesso e permanência de estudantes bolsistas no Ensino Superior – O Observatório das Juventudes vem promovendo uma série de bate-papos sobre o tema “acesso e permanência de estudantes bolsistas no Ensino Superior”. A proposta traz convidados com experiência no tema para dialogar com estudantes, professores, gestores e a comunidade acadêmica em geral. • Clubes Universitários – Em 2016, o Observatório das Juventudes criou na PUCPR o projeto Clubes Universitários. A proposta consistiu na criação, pelos próprios estudantes, de clubes de interesse, que se reuniram semanalmente para trabalhar temas como: jogos, música, debate sobre cinema e língua estrangeira, entre outros. A ideia foi que os estudantes pudessem se envolver em atividades artísticas e culturais dentro da própria universidade, bem como conhecer pessoas de outros cursos e períodos. O projeto recebeu mais de 40 propostas de clubes dos estudantes.

Posicionamento contrário à redução da maioridade penal O Observatório das Juventudes da PUCPR vem se tornando um importante ator nas mobilizações contrárias à redução da maioridade penal no Brasil. Por meio de diferentes ações, ele tem difundido um posicionamento institucional da PUCPR e da Rede Marista de Solidariedade na defesa do cumprimento efetivo do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase). Essas ações identificaram a urgente necessidade de um maior investimento em políticas básicas, oportunidades de acesso à educação e promoção do desenvolvimento para crianças, adolescentes e jovens do Brasil. Em 2016, foram desenvolvidos dois importantes projetos nesse sentido: • Mobilização com senadores do Paraná – no dia 25 de maio, representantes do Observatório das Juventudes e da Rede Marista de Solidariedade (RMS) reuniram-se com o senador do Paraná para apresentar o posicionamento da instituição em relação à Proposta de Emenda à Constituição

Relatório Social Marista | 2015-2016

75


115/2015. Também foram entregues materiais de campanha, pareceres e o caderno “Redução da Maioridade Penal: por que somos contra”. • II Seminário sobre as Medidas Socioeducativas – O Observatório das Juventudes participou do II Seminário sobre as Medidas Socioeducativas, que teve o tema “Justiça Restaurativa e Direitos Humanos: desafios e possibilidades da aplicação da justiça restaurativa pelas equipes multidisciplinares”.

Formação de Jovens e Educadores de Jovens Este eixo de atuação reconhece a importância de pautar as reflexões da condição juvenil nos espaços educativos com a intenção de problematizar as vivências dos jovens, seus processos formativos e identitários, bem como as relações que eles estabelecem com seus educadores. Em 2016, o eixo promoveu a oficina “Como pensar uma pedagogia das juventudes?”, realizada no 1º Encontro Interamericano de Formação Marista, que reuniu Irmãos e Leigos na PUCPR.

76

Educação Superior


Vivência Solidária Desenvolvido pela Pastoral da PUCPR e pelo Centro Educacional Marista Irmã Eunice Benato, o projeto Vivência Solidária estimula o empoderamento e o protagonismo do jovem acadêmico voluntário. Os estudantes participantes do projeto conseguem ter uma visão holística do voluntariado em diferentes contextos. Como a atuação da Vivência Solidária é externa e ultrapassa os muros da universidade, ela faz com que o voluntário crie um vínculo maior com a instituição onde atua. Para a participação no projeto, foi disponibilizada uma apostila com temáticas pertinentes, como: vulnerabilidades; globalização; capitalismo e suas consequências; fé e política: inquietações, interrogações e urgências; solidariedade e dignidade da pessoa humana na doutrina social e no instituto Marista; e normas para o trabalho voluntário. Os acadêmicos foram voluntários em instituições que atendem populações em situação de vulnerabilidade. Após ser estabelecido um contrato de trabalho voluntário de, no mínimo, seis meses, os estudantes programaram-se para ir à instituição no dia e horário mais conveniente a eles e com seus próprios recursos. Dessa forma, buscou-se incentivar a responsabilidade e autonomia mais efetiva no trabalho voluntário, em um processo de construção de vínculos e de desenvolvimento do protagonismo do estudante na sociedade.

Relatório Social Marista | 2015-2016

77


Depoimento “...O verdadeiro sentido do voluntariado é este: se solidarizar e se entregar naquele momento, é dar o melhor de si para fazer o bem a outra pessoa sem esperar nada em troca. Mas posso afirmar que ganhamos sim muita coisa em troca, o amor, carinho e gratidão que recebemos tem muito valor, alegra e conforta o coração de um voluntário. Ser voluntário é um estilo de vida, com certeza o melhor estilo!” Gabriela Amancio – Estudante de Engenharia Civil da PUCPR, Voluntária no Hospital Santa Casa. Texto na íntegra em https://voluntariadopastoralpucpr. wordpress.com/

PUC Solidária – Câmpus Londrina (PR) O projeto PUC Solidária é desenvolvido pela Pastoral da PUCPR e realizado pelo câmpus Londrina. Seu objetivo é viabilizar um espaço de intercâmbio de experiências entre o universitário e a comunidade em situação de vulnerabilidade social em Londrina e possibilitar que essa vivência contribua para formação de agentes sociotransformadores. A partir da demanda apresentada pela comunidade União da Vitória, foi realizado um diagnóstico inicial, que serviu como base para elaboração das atividades.

78

As primeiras ações tiveram início no final do primeiro semestre de 2016, com o diálogo e a articulação das equipes envolvidas. Sua conclusão se deu no final do mês de outubro do mesmo ano, com a avaliação da experiência pelos participantes. A equipe se organizou em uma escola onde a comunidade indicou e os estudantes direcionavam os atendidos de acordo com sua demanda (jurídica, psicológica, médica, administrativa e contábil). Já para as crianças, houve um espaço com brincadeiras e músicas.

Educação Superior


Na perspectiva social, a comunidade foi assistida pelos estudantes de acordo com as necessidades que eles poderiam atender. Um público de aproximadamente 100 pessoas pôde tirar dúvidas, receber orientações e ser direcionado a outras instâncias competentes de acordo com as demandas apresentadas. Quanto aos acadêmicos, o contato com algumas situações de ausência dos recursos básicos de sobrevivência digna contribuiu para a formação humanitária de desenvolvimento pessoal e profissional.

Constituição em Evidência – Câmpus Maringá (PR) Desenvolvido pela Pastoral da PUCPR após ser proposto por estudantes de Direito, o projeto Constituição em Evidência nasceu em resposta ao Fórum de Juventudes realizado no Campus Maringá, que abordou o protagonismo juvenil na sociedade. Seu objetivo foi difundir o conteúdo da Constituição de 1988 aos alunos do Ensino Médio das instituições de ensino parceiras. Para isso, oficinas foram planejadas e aplicadas pelos acadêmicos de Direito da PUCPR – Câmpus Maringá.

Relatório Social Marista | 2015-2016

79


A escolha da oficina a ser desenvolvida ficou a cargo dos universitários: Direito Ambiental; Três Poderes; Direito do Consumidor; Direitos Fundamentais; e Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), além das oficinas de Didática em sala; Realidade das escolas estaduais da região de Maringá; e Direito e Cidadania. Nos meses de setembro e outubro, os estudantes foram até as escolas estaduais agendadas para aplicação das oficinas elaboradas por eles. Articuladora do processo, a Pastoral do Câmpus Maringá fez os agendamentos no núcleo regional de educação e nas direções das escolas. No mês de novembro, foram confeccionados os certificados do projeto para entrega aos estudantes.

Depoimento “Participei por duas vezes do constituição em evidência, as duas vezes em temáticas diferentes, o que me permitiu visualizar a preciosidade do projeto de forma mais ampla. Ir aos colégios e ter contato com pessoas de diferentes idades e perspectivas, para transmitir conhecimentos necessários ao cotidiano e, ainda aprender com os questionamentos e realidades vivenciadas por eles. Isto revela a beleza do ensinar, onde o “professor” sedimenta seus conhecimentos e o aprendiz amplia seus horizontes, sendo assim, não me resta dúvidas ao dizer que tenho orgulho e gratidão por ter participado deste projeto.” Josiane Santos – Estudante do Curso de Direito da PUCPR.

80

Trote Solidário – Câmpus Toledo (PR) O Trote Solidário é desenvolvido pela Pastoral da PUCPR e consiste em uma ação anual com a finalidade de proporcionar uma atividade solidária para marcar o início do ano letivo com a comunidade universitária. Dentre as ações propostas pela iniciativa, estão a arrecadação de alimentos não perecíveis, a doação de sangue, o cadastro para doação voluntária de medula óssea e outras atividades de

Educação Superior


cunho solidário, de forma a mobilizar toda a comunidade acadêmica em ações de solidariedade e cidadania. Por sua identidade católica e Marista, a PUCPR propõe, entre outras ações, resgatar o valor da solidariedade no ambiente universitário. Nesta perspectiva, oferece aos alunos oportunidades de atuação em projetos que visam promover a dignidade humana, a educação para os valores humanos e a formação para uma cultura de solidariedade. Os principais resultados alcançados remetem à construção de uma cultura de solidariedade e de respeito, que vem sendo cada vez mais consolidada entre os acadêmicos a cada edição. Em 2015, as atividades foram concentradas na doação de sangue, arrecadação de alimentos e realização de atividades sociais em instituições parceiras. Em 2016, foi acrescentado o “Mutirão da Dengue”, tendo em vista a situação endêmica do município no período.

81

Relatório Social Marista | 2015-2016


Dignidade para mulheres em situação de privação de liberdade Em parceria com a Secretaria de Estado da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos do Paraná (SEJU), o Programa Ciência e Transcendência, da PUCPR, desenvolve um conjunto de iniciativas para oportunizar educação, profissionalização e inserção social de mulheres em situação de privação de liberdade. A iniciativa traça um caminho possível para a superação das vulnerabilidades e o alcance de uma vida digna. As atividades são realizadas semanalmente com as mulheres do prédio central na Penitenciária Feminina do Paraná, em Piraquara. Diante do complexo contexto prisional, a PUCPR imprimiu seus esforços para uma ação sistemática, conjunta e integrada com diversos interlocutores. Além de oferecer formação a cerca de 600 mulheres, o programa fomentou e fortaleceu o aprendizado da comunidade acadêmica em torno das realidades sociais. Participaram do projeto, em 2016, alunos, professores e coordenadores dos cursos de Medicina, Odontologia, Nutrição, Enfermagem, Ed. Física, Psicologia, Teologia, Filosofia, Letras, Design, Arquitetura, Direito, Teatro, Música, além de ex-alunos da PUCPR, estudantes da Faculdade Bagozzi e voluntários externos: familiares de alunos, colaboradores da PUCPR e seminaristas de Curitiba e Toledo.

82

Com a participação de alunos, professores, colaboradores e parceiros externos, o programa desenvolveu diferentes modalidades de trabalho, como cursos profissionalizantes, projetos e pesquisas: • A gente como agente é realizado em parceria com o curso de Psicologia da PUCPR para 25 agentes penitenciários da unidade da Penitenciária Feminina do Paraná. O curso é anual, tem um total de 40 horas e as aulas ocorrem no Câmpus Curitiba. Em 2016, o curso formou a segunda turma

Educação Superior


de agentes penitenciários nos temas “gestão de equipes”; e “liderança e humanização nas relações inter e intrapessoais”. • Curso de remição de pena pela leitura para 20 professores do estado do Paraná, que trabalham com esse projeto nas unidades prisionais pela Secretaria de Educação e Departamento Penitenciário (DEPEN). O curso ocorreu na PUCPR em uma parceria com o curso de Letras, totalizando 20 horas-aula.

Um novo olhar na formação de docentes Ao considerar que mesmo uma formação conectada aos atuais desafios profissionais também pode ser voltada para um desenvolvimento integral dos alunos, a Escola de Educação e Humanidades da PUCPR (EEH/PUCPR) instituiu a partir de 2016 um novo modelo de formação em licenciaturas, que além de atender com rigor a nova resolução das licenciaturas (02/2015 do CNE)4, permitirá uma maior integração entre as diferentes áreas de conhecimento e uma visão mais ampla de atuação profissional. Esta iniciativa, que inclui todas as licenciaturas e os bacharelados da escola, propicia uma experiência universitária interdisciplinar, interativa e produtiva.

Projeto Integrador O projeto integrador irá proporcionar uma maior interação entre licenciaturas e bacharelado, especificamente o de Serviço Social. Os estudantes de Serviço Social irão desenvolver atividades em conjunto com as equipes dos cursos de licenciatura, que resultará na elaboração de projetos sociais e educacionais.

4

Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015, que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada.

Relatório Social Marista | 2015-2016

83


No projeto, os estudantes conhecerão conteúdos como captação de recursos para projetos sociais e funcionamento e elaboração de editais para uma atuação em todas as etapas de projetos socioeducacionais.

Disciplinas Integradoras A reformulação constitui ainda em um projeto integrador com blocos temáticos de graduação que possuem várias disciplinas de seu eixo formativo em comum que permitirá aos estudantes a graduação em duas licenciaturas. Desta forma, para obter uma segunda licenciatura, o estudante terá que a partir do terceiro ano de graduação escolher disciplinas que possibilitarão com mais um ano, ao menos, obter sua segunda licenciatura.

Chamada de Projetos Sociais

84

A Chamada de Projetos Sociais é uma iniciativa da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da PUCPR (PRPPG) e do Centro Marista de Defesa da Infância. Seu objetivo é fomentar e apoiar financeiramente a realização de projeto de pesquisa de natureza acadêmica, em nível de mestrado, destinado à produção de conhecimento com foco na promoção e defesa dos direitos das infâncias e juventudes. Esta ação prevê o apoio financeiro para um estudante por meio de bolsa-auxílio mensal, concessão de isenção de mensalidade do curso de mestrado e apoio na publicação e participação em eventos científicos para divulgação dos resultados da pesquisa. Em 2016, a iniciativa selecionou projetos de pesquisa com ênfase na inclusão e desenvolvimento social. Foram recebidas 14 propostas de projetos provenientes dos programas de pós-graduação em Administração, Bioética, Direito, Direitos Humanos, Educação e Gestão Urbana. Em julho de 2016, após a análise das propostas por uma banca de avaliação, o projeto selecionado foi “O Advocacy como estratégia de defesa dos direitos humanos para infâncias e juventudes”.

Educação Superior


Depoimento “Para mim o incentivo por meio da Chamada de Projetos Sociais foi fundamental para dar andamento à pesquisa do mestrado. Com a bolsa-auxílio mensal e a isenção de mensalidade, foi possível me dedicar integralmente a minha dissertação, aprofundando-me no universo acadêmico e me tornando um melhor pesquisador. Sou grato pelo Grupo Marista por essa oportunidade e por acreditarem no potencial de minha pesquisa para transformar a vida de crianças e adolescentes no nosso país.” Jean Michel da Silva – Estudante do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos da PUCPR contemplado na Chamada de Projetos Sociais 2016.

“Vivemos tempos de crise social, política, econômica e moral, o que afeta especialmente as infâncias e juventudes nos territórios mais vulneráveis. A pesquisa sobre projetos sociais pode favorecer a inovação em direitos humanos, em tecnologias sociais e educacionais de modo interdisciplinar, além de fomentar práticas solidárias e democráticas, comprometidas com a construção de sociedades mais justas, igualitárias e humanas.” Profa. Dra. Jucimeri Isolda Silveira – Professora do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos, orientadora do estudante Jean Michel da Silva contemplado na Chamada de Projetos Sociais 2016.

85

Soberania Alimentar e Direitos Humanos No âmbito dos Programas de Pós-Graduação em Direitos Humanos e Políticas Públicas (PPGDH) e em Bioética (PPGB) da PUCPR, foi criado o Grupo de Estudos de Soberania Alimentar e Direitos Humanos. Em reuniões periódicas, o grupo propicia à comunidade acadêmica e ao público em geral reflexões sobre a temática da comida. O grupo de estudos tem, acima de tudo, o intuito de despertar novas

Relatório Social Marista | 2015-2016


e importantes pesquisas a partir de uma concepção do alimento muito além do biológico, englobando os aspectos do social, do econômico, do religioso, do político e do cultural, entre outros. Em 2016, além do I Simpósio Internacional de Patrimônio Alimentar, foram desenvolvidas pesquisas publicadas em revistas científicas e apresentação de trabalhos em eventos no Brasil e no exterior. Destaca-se ainda o fortalecimento de parcerias de pesquisa com universidades nacionais como UERJ, UFRJ, UFU, UFBA e internacionais, como as universidades de Coimbra e de Lisboa, em Portugal. Em 2017, será realizado o II Simpósio Internacional de Patrimônio Alimentar, e também se dará continuidade às atividades do grupo de estudo, com a presença de membros do Consea Paraná para participação nas discussões e reflexões. Por meio do PIBID – área de História – também serão desenvolvidos, nos colégios estaduais, projetos de conscientização e conhecimento dos alimentos à luz dos Direitos Humanos.

Depoimento “É bastante relevante propiciar um espaço para discussões a respeito da alimentação e os efeitos das restrições alimentares quando das necessidades não atendidas pela comunidade em geral. É o caso da alimentação especial para diabéticos, celíacos, particularmente o ambiente escolar. Por meio do grupo de estudos é possível abrir a Universidade à comunidade em geral, garantindo visibilidade e integração com a sociedade.”

86

Profa. Dra. Maria Cecília Barreto Amorim Pilla – Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos e Políticas Públicas da PUCPR.


A Pesquisa Científica: contribuição para uma sociedade mais justa e solidária A Iniciação Científica (IC) na PUCPR é uma linha de atuação prioritária e estratégica da universidade, sendo a forma institucionalizada por meio da qual estudantes da graduação desenvolvem atividades de pesquisa sob orientação de docente pesquisador. O envolvimento direto nas atividades de pesquisa e a possibilidade de apresentar seus resultados em eventos científicos e publicações oferecem oportunidades de qualificar o estudante para atuar em ciência e formar cidadãos com espírito crítico e inovador. Uma atenção especial é dada ao Programa de Iniciação Científica Júnior (Pibic Jr), destinado a estudantes do Ensino Médio de escolas públicas e privadas. Durante o período de um ano, eles desenvolvem atividades de pesquisa na PUCPR sob a orientação de professores qualificados. Neste período, eles têm a oportunidade de conhecer a universidade e seus professores, conviver com estudantes de graduação e pós-graduação stricto sensu e descobrir o que é fazer ciência. Ao final do programa, os estudantes apresentam seus resultados no Seminário de Iniciação Científica (SEMIC) da PUCPR e na Feira de Ciências da Escola de Ensino Médio. Em todos os programas da PUCPR no ano de 2016, 1,4 mil estudantes estiveram envolvidos e presentes em todos os câmpus. Desses, aproximadamente 100 alunos eram do Ensino Médio.

Serviço de Apoio Psicopedagógico (SEAP) Desenvolvido pela PUCPR, o Serviço de Apoio Psicopedagógico (SEAP) presta atendimentos psicopedagógicos aos estudantes universitários. Sua responsabilidade é viabilizar estratégias metodológicas, bem como apresentar recursos necessários para um rendimento acadêmico satisfatório dos estudantes que são atendidos por este serviço. O Seap também desenvolve ações em parceria com

Relatório Social Marista | 2015-2016

87


os diversos setores da comunidade universitária para prevenção, orientação, intervenção e busca de soluções. A equipe técnica conta com duas psicopedagogas e um psiquiatra. Em 2016, foram realizadas as seguintes atividades: • • • •

Atendimento individual ao estudante; Programas de oficinas; Programa Professor Tutor; Programa de apoio à Educação Inclusiva – anteriormente Grupo de Trabalho de Atendimento ao Universitário com Necessidades Especiais (GTAUNE) – e atividades técnicas.

Acesso à formação no Ensino Superior: Aliança Educativa A Aliança Educativa é o Programa de Relacionamento da PUCPR com alunos e colégios do Ensino Médio. Seu objetivo é levar o conhecimento das profissões e esclarecer dúvidas sobre a possibilidade de ingresso no Ensino Superior para os jovens que, até então, acreditavam que não poderiam ingressar em uma instituição de ensino superior privada.

88

Por meio do programa, alunos e professores do Ensino Médio podem interagir com a universidade e esclarecer dúvidas sobre os diferentes cursos de graduação, bolsas, financiamentos e serviços ofertados pela instituição. Em 2016, A Aliança Educativa efetivou parcerias com 255 colégios nos estados do Paraná, São Paulo e Santa Catarina, sendo 125 colégios públicos e 130 colégios particulares, dos quais sete eram Colégios Maristas.

Educação Superior


Inclusão social da comunidade A PUCPR desenvolve serviços, programas e ações de inclusão social em seus câmpus nos municípios de Curitiba, Londrina, Toledo e Maringá. Em 2016, a universidade prestou, de forma contínua, serviços nas áreas jurídica e de saúde à comunidade para pessoas em situação de vulnerabilidade social. Áreas

Principais atividades

Número de pessoas atendidas em 2016 400

Clínica de Nutrição (Câmpus Curitiba)

Atendimento individual e coletivo à população, incluindo crianças com excesso de peso, candidatos à cirurgia bariátrica, pacientes com diabetes e hipertensão, gestantes e atletas, todos encaminhados pelos sistemas públicos de saúde

Clínica de Odontologia (Câmpus Curitiba)

Atendimento clínico nas seguintes áreas: cirurgia, dentística, endodontia, periodontia, estomatologia, pacientes com deficiência, saúde coletiva, odontopediatria, traumatismo dentário e serviço de radiologia

11.611

Núcleo de Prática em Psicologia (Câmpus Curitiba, Toledo, Londrina)

Atendimento prioritário à população em situação de vulnerabilidade social nos campos de processos clínicos e psicologia institucional. O público atendido são crianças, adolescentes, adultos, idosos, famílias e colaboradores da instituição de estágio

2.103

Clínica de Fisioterapia (Câmpus Curitiba)

Atendimento a pessoas com distúrbios relacionados à vida cotidiana e ao ambiente de trabalho, em diversos ambulatórios

9.500

Atendimento jurídico e orientações à comunidade Núcleos de Práticas nas diversas áreas do Direito Jurídicas da PUCPR (Câmpus Curitiba, , Londrina, Maringá, Toledo)

1.296

Núcleo de Práticas Atendimento jurídico e orientações à comunidade Jurídicas da CATÓLICA SC nas diversas áreas do Direito

1.925*

Relatório Social Marista | 2015-2016

89


Áreas

Principais atividades

Centro de Saúde Enf. Irmã Eunice Benato

Atendimento a pacientes do Sistema Único de Saúde oriundos das unidades de saúde da Secretária Municipal de Saúde (SMS)

Número de pessoas atendidas em 2016 3.143

Clínica de Educação Física Na clínica são prestados serviços à comunidade, (Câmpus Curitiba) como: avaliação, orientação e prescrição de atividade física para a comunidade interna e externa da PUCPR Ambulatório Acadêmico (Câmpus Londrina)

Atendimento a pacientes do Sistema Único de Saúde encaminhados pelo Cismepar (Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paranapanema) nas especialidades: Reumatologia, Endocrinologia, Gastroenterologia, Hematologia, Neurologia, Clínica Médica, Cirurgia Vascular, Cardiologia, Ortopedia e Nefrologia

Clínica de Enfermagem (Câmpus Curitiba)

Atende pacientes do Sistema Único de Saúde oriundos das Unidades de Saúde da SMS (Secretária Municipal de Saúde), da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Curitiba e do Hospital Universitário Cajuru

616

1.765

542

* Atendimentos realizados pelo Núcleo de Práticas Jurídicas da CatólicaSC, nos anos 2015 e 2016.

90

Educação e Prevenção: a capacitação de crianças de comunidades em situação de vulnerabilidade Em conjunto com o Núcleo de Práticas SEEDS da Escola Politécnica, a PUCPR, a Agência PUC de Inovação, a Prefeitura Municipal de Curitiba, a Secretaria Municipal de Educação e a Defesa Civil desenvolveram um projeto para a prevenção de desastres. A ideia foi promover o aprendizado de forma lúdica e divertida por

Educação Superior


meio de jogos eletrônicos. Crianças e jovens residentes em comunidades em situação de vulnerabilidade participaram de diversas capacitações, que abordaram desde os pequenos acidentes domésticos até situações de desastres naturais, como desmoronamentos e enchentes. Os jogos selecionados passaram por uma avaliação criteriosa da Secretaria Municipal de Educação (SME). A partir dessa seleção, firmou-se um termo de cooperação no qual o município cedeu três computadores para a PUCPR para serem utilizados na melhoria dos jogos. Também foram obtidas bolsas de iniciação científica para a operacionalização do projeto. Com os jogos desenvolvidos e aprovados, deu-se início ao processo de implantação. A SME escolheu uma escola municipal situada em uma região de vulnerabilidade para ser o piloto do projeto. Em 2016, foi aplicado um questionário para avaliar o estágio atual de conhecimento das crianças sobre os temas abordados no jogo, e elas tiveram 15 minutos para jogar. Na avaliação, foram considerados aspectos relacionados ao aprendizado das crianças assim como outros fatores, como a satisfação delas, dos professores e da defesa civil com o uso desta tecnologia. 40 crianças da rede municipal com idade entre 7 e 9 anos participaram da iniciativa.

Destaque O projeto envolveu alunos voluntários e bolsistas de iniciação científica, e foram publicados artigos em congressos internacionais e nacionais. O aprendizado de forma lúdica e divertida, principal objetivo do projeto, foi alcançado com a satisfação de 100% das crianças, que disseram ter se divertido e aprendido durante o jogo. Em termos de inovação e ciência, foram realizados três registros de software, sendo que cerca de 20 alunos foram beneficiados. O jogo PrevLar – um dos três jogos registrados pela agência PUC de Inovação – ganhou no ano passado o 29º Prêmio Paranaense de Ciência e Tecnologia.

Relatório Social Marista | 2015-2016

91


Depoimento “A implantação do jogo foi um sucesso! As crianças adoraram o jogo, e aprenderam sobre a prevenção de enchentes de forma superdivertida, sem perceber que passavam por um processo de aprendizagem. Para este sucesso, toda equipe se empenhou muito, em cada detalhe. Os professores gostaram, assim como os representantes da Defesa Civil. Um ponto forte da implementação foram alguns alunos relatando que já passaram por situação de enchente e desconheciam que havia uma equipe preparada par este tipo de acidente, a defesa civil.” Márcia Gemari Derenevich – Estudante do Curso de Engenharia de Produção e participante do projeto.

92

Todos os alunos que participaram do projeto, receberam ao final uma carteirinha de Agente Mirim da Defesa Civil.

Educação Superior


Promoção dos Direitos Humanos A PUCPR definiu Direitos Humanos como uma das Áreas Estratégicas (AE), visando o fomento à pesquisa e iniciativas institucionais solidárias de defesa de direitos e incidência em políticas públicas. Em sinergia com a tradição dos valores do Grupo Marista, a universidade desenvolve ações voltadas para a defesa dos direitos das infâncias e juventudes e fortalecimento dos mecanismos de participação social no apoio às inciativas de movimentos sociais e organizações da sociedade civil, governos, sistema de justiça e empresas.

Núcleo de Direitos Humanos (NDH) Localizado na Escola de Educação e Humanidades da PUCPR, o Núcleo de Direitos Humanos (NDH) é um espaço permanente de diálogo sobre direitos humanos e políticas públicas entre acadêmicos, docentes e demais atores sociais. Sua atuação se dá no ensino, na pesquisa e na extensão universitária em direitos humanos e políticas públicas. No exercício de 2016, o núcleo concentrou esforços na definição de sua finalidade institucional, na formação do Comitê Consultivo e na organização do planejamento de médio e longo prazo. O processo de discussão entre as Áreas Estratégicas da universidade tem possibilitado a definição dos seguintes eixos centrais de atuação: • Pesquisa e inovação em direitos humanos e políticas públicas para populações socialmente vulneráveis; • Desenvolvimento de novas tecnologias sociais de proteção e cuidado; • Pesquisa e projetos na área das infâncias e juventudes, com desenvolvimento de inovação e tecnologias educacionais; • Desenvolvimento de pesquisa e projetos de prevenção e de qualificação de redes de garantia de direitos para as infâncias e juventudes; • Qualificação de políticas públicas e governança democrática, com desenvolvimento social e territorial;

Relatório Social Marista | 2015-2016

93


• Desenvolvimento e aplicação de novas formas e metodologias de solução de conflitos; desenvolvimento de redes solidárias e negócios sociais; • Pesquisa e projetos em educação em direitos humanos, no enfrentamento das discriminações ético-racial, de gênero e social e de promoção da diversidade. O núcleo possui projetos e ações em desenvolvimento desde 2012. Para a análise dos principais resultados em 2016 e das ações planejadas, destacam-se:

Monitoramento das ações

94

PROJETO/AÇÃO Cidades mais humanas e recuperação de territórios

OBJETIVOS Promover desenvolvimento territorial em espaços urbanos vulneráveis e instituições que atendem pessoas vulneráveis ou com direitos violados

Integração dos haitianos

Promover a integração social e cultural da comunidade haitiana Ofertar curso de Português

Vivências restaurativas

Implantar práticas restaurativas com adolescentes infratores em territórios vulneráveis Qualificar políticas públicas e reduzir violência e reincidência Conexão Atenção primária para adolescentes e jovem atenção jovens em uso de drogas em territórios psicossocial e vulneráveis redução de danos Pesquisa e desenvolvimento de metodologias

Ações realizadas em 2016 Metodologias desenvolvidas e aplicadas em Curitiba Apresentação em Madri no Programa EuroSocial (2015) Projeto técnico Articulação de parcerias e recursos Articulação de Projetos com AE Cidades Articulação de parcerias Atendimento social de 10 haitianos Realização de mesa temática sobre migração no SEMIC Participação de atividades culturais 02 turmas de Português Articulação de parcerias Projeto Técnico Captação de recursos Parceria com Propulsão e escolas Articulação de parcerias Projeto Técnico Captação Parceria com Propulsão e escolas de Saúde, Educação e Artes

Educação Superior


PROJETO/AÇÃO OBJETIVOS ESCOLA DE Oferta de capacitação para qualificação GESTÃO de políticas, programas e projetos sociais de órgãos públicos e organizações da sociedade civil Diagnósticos e ferramentas de gestão

Ações realizadas em 2016 Articulação de parcerias Participação em capacitações Publicação de 2 livros (artigos e material técnico)

Observatorio de Monitorar as violações em direitos direitos humanos humanos, realizar estudos e pesquisas, difundir posicionamentos institucionais, incidir na qualificação de políticas públicas

Organização do site e observatório Projeto de pesquisa na Vila Torres Posicionamentos sobre temas em direitos humanos e violações

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

Desenvolver capacitações e formação continuada em direitos humanos Produzir conhecimentos, tecnologias e metodologias para a educação em direitos humanos

Realização de cursos e capacitações sobre temas em direitos humanos (gênero, igualdade racial, políticas afirmativas) Capacitação de professores do ensino para educação e segurança no trânsito (Renault) Palestras em 7 colégios

FOTALECIMENTO DO NÚCLEO DE DIREITOS HUMANOS

Desenvolver estratégias de integração entre AE, escolas e RMS em direitos humanos Compor e fomentar redes em direitos humanos Atender demandas da comunidade interna e externa

Realização de reuniões para fomento e integração de projetos nas escolas e fora de sede Manutenção e ampliação de grupos de estudo Atendimento e composição de comissões internas Eventos na área Participação em redes

Grupos de Estudos: “Diálogos em Direitos Humanos” – os grupos realizam suas reuniões de estudo semanal ou mensalmente, com participação e coordenação conjunta de professores do NDH e do PPGDH. Grupos em desenvolvimento: Sociedade, direitos humanos e novas formas de solução de conflitos; Direitos humanos e

Relatório Social Marista | 2015-2016

95


questões de gênero; Relacões étnico-raciais e indígenas: identidade e descolonialidade; Saúde mental e políticas públicas; e Educação em Direitos Humanos. Congressos e eventos científicos em Direitos Humanos – os Congressos em Direitos Humanos serão realizados a cada dois anos com o objetivo de oferecer espaços de reflexão, discussão e disseminação de estudos e pesquisas na área. Mesas, cursos, exposição de trabalhos e atividades culturais ocorrem nos três períodos para viabilizar a ampla participação. Para difundir as áreas estratégicas da universidade – direitos humanos, cidades, biotecnologia e saúde, tecnologia da informação e comunicação e energia – entre a própria comunidade universitária e contribuir para o aprofundamento das questões emergentes de cada área estratégica, decidiu-se que, a cada ano, o Semic assumirá uma delas como temática central. Direitos Humanos em Movimento – o NDH atua de modo sistemático em conjunto com as escolas para fomentar, integrar e fortalecer as agendas em direitos humanos, dando maior visibilidade às iniciativas em pesquisa e extensão. Os trabalhos acadêmicos e as iniciativas em direitos humanos são divulgados no site do NDH: http://ndh.pucpr.br/.

96

Fórum Permanente em Direitos Humanos e Eventos – o Fórum Permanente é um espaço de debates sobre temas transversais e específicos em direitos humanos. Após cada edição de eventos no semestre, será publicado um Caderno de Debates em Direitos Humanos no formato e-book. O objetivo do fórum é estabelecer um diálogo entre a produção acadêmica e as atuações institucionais e políticas na área. São realizados encontros sistemáticos visando uma ampla participação.

Educação Superior


Educação em Direitos Humanos – o objetivo do NDH, na educação em direitos humanos, é contribuir para a disseminação de conteúdos orientadores e metodologias participativas para aplicação em espaços formais e informais de educação (em fase de elaboração de conteúdos). Entre 2015 e 2016, foram realizadas ações que fortaleceram a educação em direitos humanos, como: Formação de professores – Diversidade e Gênero (4 etapas e parceria com o GPER); Formação em Direitos Humanos para os estudantes e professores do PIBIC; aula de direitos humanos para estudantes de Pedagogia do projeto piloto da disciplina de Educação Marista; e a primeira etapa da Formação em Direitos Humanos para os estudantes do projeto Escola Transformadora.

Direitos Humanos em Rede – cooperações e apoios Organizações em fase de articulação: PNUD; Organização das Nações Unidas Para Alimentação e Agricultura (FAO); UNICEF; UNESCO; Centro Rio+; Centro de Excelência para Alimentação; Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR); Instituto Interamericano em Direitos Humanos; Instituto de Estudos Latino-Americanos da UFSC; Centro de Referência em Direitos Humanos (Cáritas); Programa Eurosocial; Ministério Público do Paraná (MPPR); e Defensoria Pública do Paraná. Organizações e movimentos vinculados: Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/ PR); Conselho Regional de Serviço Social (Cress); Conselho Regional de Psicologia (CRP); Observatório do Trabalho de Curitiba; Observatório da Juventude; Centro Marista de Defesa da Infância; Insituto Ciência e Fé; Centro de Formação Urbano-Rural irmã Araújo (Cefuria); Associação Inter-religiosa de Educação (Assintec); Movimento Nacional da População em Situação de Rua; Mulheres Negras; Terra de Direitos; Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST); Marcha das Mulheres; União Brasileira de Mulheres (UBM); Movimento LGBT; Movimento Negro; Centro dos Movimentos Sociais; Coletivo de Lutas Antimanicomial.

Relatório Social Marista | 2015-2016

97


Atendimento ao/às estudantes e articulação em rede O NDH realiza atendimento e apoio a estudantes em situações de preconceito e discriminação, e também atua em processos éticos. Em 2016, foram desenvolvidas ações de fortalecimento do trabalho em rede e articuladas cooperações com centros em direitos humanos, além de outras iniciativas. O NDH realiza atendimentos aos estudantes para orientação e apoio no desenvolvimento de ações em direitos humanos.

Destaque Em 2016, o NDH ampliou suas ações por meio da captação de recursos para o desenvolvimento de pesquisas, inovações e prestação de serviços em políticas públicas e desenvolvimento social e territorial. Houve uma ampliação das pesquisas de iniciação científica, do estágio em áreas do conhecimento relacionadas e de participantes dos grupos de estudo.

98

Educação Superior


Depoimento “O NDH se constitui enquanto espaço de referência em direitos humanos tanto para a comunidade interna quanto externa. São desenvolvidas diversas ações que estão em fase de consolidação no contexto de implantação da Identidade de Área e das atividades do Comitê, assim como do Pacto Universitário pela Promoção da Paz, da Diversidade e dos Direitos Humanos. As ações permanentes e em fase de captação e negociação, tendem a fortalecer o papel da universidade na promoção dos direitos humanos, na solução de conflitos e educação em direitos humanos, na incidência em políticas públicas e na defesa de direitos. Processo que atribui maior relevância pública à PUCPR em sintonia com desafios do tempo presente. O NDH é um espaço de liberdade, inovação e criatividade no trabalho coletivo, direcionado para a construção de conhecimentos e práticas solidárias e transformadoras na direção de territórios e cidades mais justas, participativas e humanas.” Profª. Drª. Jucimeri Isolda Silveira – Professora da PUCPR e Coordenadora Geral do NDH.

Clínica de Direitos Humanos – Migrações O projeto Migrações, da Clínica de Direitos Humanos do PPGD da PUCPR tem como objetivo prestar assistência jurídica aos migrantes que desejam reconstruir suas vidas e se integrar à sociedade. A metodologia do projeto foi inspirada em um projeto da UFPR que desenvolveu um programa para receber e acolher refugiados, migrantes e apátridas de diversos países, ajudando a torná-los sujeitos de sua própria história. Os alunos da PUCPR foram qualificados pela Clínica de Direitos Humanos e em conjunto com a Polícia Federal, passaram por aulas para compreender o que é o Estatuto do Estrangeiro, quais as legislações aplicáveis aos migrantes e, em especial, quais os regulamentos que dispõem sobre as diferentes necessidades dos migrantes.

Relatório Social Marista | 2015-2016

99


Em 2016, os alunos prestaram atendimento aos alunos do Curso de Letras da própria PUC e a migrantes que buscam organizações não-governamentais em Curitiba para esclarecer dúvidas sobre documentação para regularização de sua estadia no Brasil, para reunião familiar, para trabalho e para dar continuidade em seus estudos ou reconhecer diploma já obtido. No final de 2016 o projeto Migrações passou a ter interlocução com o Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos e Políticas Públicas da PUCPR.

Depoimento “O projeto tem um impacto muito grande na vida dos migrantes que, no geral, chegam ao Brasil sem sequer conhecer a língua e por isso, têm evidentes dificuldades em fazer valer seus direitos. Assim, o depoimento informal colhido destas pessoas pela Coordenadora é muito inspirador. Em relação aos alunos, o projeto lhes traz a chance de conhecer, na prática, uma pequena parcela do que é o direito internacional de direitos humanos e o que é a proteção de direitos humanos de migrantes no Brasil. Conhecer pessoalmente as dificuldades destas pessoas sensibiliza o aluno, fazendo-o tocar sua humanidade em relação à assuntos que eram muito distantes de sua realidade.” Danielle Anne Pamplona – Professora titular, Programa de Pós-Graduação em Direito da PUCPR e Coordenadora da Clínica de Direitos Humanos do PPGD/PUCPR.

100

Formatura Institucional O projeto Formatura Institucional, foi estruturado para institucionalizar as cerimônias de formatura da PUCPR, sem desembolso financeiro por parte do estudante, com o objetivo de oportunizar a todos a participação no evento. As cerimônias também são transmitidas ao vivo pela internet e com a tradução simultânea em libras.

Educação Superior


Em 2016 foram realizadas três cerimônias. O projeto incluiu a elaboração e entrega dos convites e das becas além da organização de todo o evento, que conta com a participação da Banda Marcial do Colégio Marista Pio XII, da Orquestra e do Coral da PUCPR e de um patrono – personalidade ilustre convidada para proferir uma mensagem aos formandos. Todos recebem a outorga de grau do Reitor e levam o diploma no dia da formatura. Resultados: • 1441 formandos participaram das cerimônias; • 306 professores homenageados; • 17 mil convidados presentes, 7 mil visualizações na internet em mais de 10 países.

Depoimento “Foi um momento especial para nós, para os nossos convidados, para os professores e as autoridades. Meus colegas estavam todos surpresos. Todos tinham aquela mesma impressão de felicidade, misturada com emoção. A gente se sentiu muito especial lá na frente. Essa cerimônia mexeu com todo mundo. Foi um sonho! Se eu pudesse voltar no tempo pra fazer de novo, eu faria.” Vanessa Kiem - Formanda em Direito na PUCPR, Oradora da cerimônia de 16 de dezembro de 2016.

101

Relatório Social Marista | 2015-2016


Lutar pela vida Com o objetivo de promover a inclusão social, e em parceria com a Associação Diocesana de Promoção Social, o Centro Universitário de Santa Catarina desenvolveu o projeto Lutar pela Vida. A iniciativa oportuniza à crianças e adolescentes a garantia a convivência social e comunitária por meio do esporte. Realizado nos bairros de alta vulnerabilidade social dos municípios de Jaraguá do Sul e Joinville, o projeto oferece aulas gratuitas de karatê e cidadania, proporcionando o fortalecimento de valores e despertando o desejo para a continuidade dos estudos e da prática esportiva. Em 2016, foram atendidas 130 crianças entre 7 e 14 anos.

Mediação Comunitária e Assistência Jurídica Desenvolvido pelo Núcleo de Práticas Jurídicas do Centro Universitário – Católica de Santa Catarina, em Jaraguá do Sul, o programa Mediação Comunitária e Assistência Jurídica oferece atividades jurídicas à população que não possui condições financeiras para custear os honorários de um advogado.

102

Os acadêmicos do curso de Direito e mediadores voluntários vinculados ao Centro Universitário realizam atividades de orientação para estimular a mediação de conflitos e encontrar a melhor solução de modo consensual. Em 2016, o programa efetivou uma parceria com o Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina para atendimento ao público na mediação Familiar e Comunitária. O principal impacto do programa é garantir o acesso à justiça conforme preconizado na Constituição Federal de 1988, especialmente aos cidadãos com vulnerabilidade econômica e social.

Educação Superior


Depoimento “O projeto de Mediação na Católica proporcionou um aprendizado distinto do que habitualmente é transmitido em sala de aula, além de auxiliar na formação de atendimento ao público, fomenta o agir com sensibilidade em situações delicadas. O estudante que tem a oportunidade de realizar a Mediação com certeza será um profissional mais completo, sair do “litígio a qualquer preço” que existe no atual meio jurídico é uma tarefa complexa, mas que pode ser muito bem alcançada com a Mediação. Por fim, além do crescimento profissional que a Mediação impulsiona, tem-se a formação do ser mais humanizado, que busca ajudar qualquer pessoa, sem distinção, sabendo ter empatia suficiente para auxiliar na resolução do(s) problema(s) levantado(s).” Marília Zimmermann – Estudante do Curso de Direito da CatólicaSC.

103

Relatório Social Marista | 2015-2016


EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

O Grupo Marista oferta Educação Profissional de Nível Médio por meio do TECPUC, uma instituição de ensino técnico e ensino médio integrado que atua há mais de 20 anos na área educacional. Iniciou suas atividades com o curso técnico em Enfermagem e hoje conta com diversas opções de cursos Técnicos Pós-Médio e duas opções de cursos Técnicos Integrados. O TECPUC, para além da formação profissional, se preocupa com a formação integral do aluno, como profissional e cidadão responsável, promovendo a realização de ações socioeducativas que visam o efetivo exercício da cidadania. A Pastoral do TECPUC apoia este processo articulando e dinamizando o processo evangelizador a partir de metodologias diversificadas e adaptadas aos diferentes públicos, com foco prioritário nas juventudes. Empenha-se no diálogo entre os princípios do evangelho e o universo juvenil, considerando a busca da verdade e da justiça, a vivência da solidariedade, o desenvolvimento dos jovens, a comunhão eclesial e os valores maristas, tendo em vista a integração entre fé, cultura e vida. O TECPUC integra a Rede Marista de Solidariedade promovendo o acesso à Educação Profissional com a oferta de bolsas de estudo integrais e parciais a alunos com perfil socioeconômico compatível para concessão. Dessa forma, demonstra contribuir para o atingimento das metas estabelecidas no Plano Nacional de Educação (PNE), relativas ao aumento de matrículas gratuitas na Educação Profissional Técnica de Nível Médio no Brasil.


EDUCAÇÃO PROFISSIONAL1 2016

1º SEMESTRE

481

2.196

Bolsistas

469

Bolsistas

271

2.196

Alunos

Bolsistas 100%

283

2º SEMESTRE

Bolsistas 100%

Alunos

12

12

Bolsistas 50%

Bolsistas 50%

PAINEL DE INICIATIVAS

11 alunos contemplados com o Fundo Solidário

106 Revitalize Rio Belém

TECPUC Comunidades 1

Dia da Consciência Negra

Feira de Estágios

Dia do Combate ao Fumo

Dia Internacional da Mulher

Considera a Educação Profissional de Nível Médio ofertada pelas unidades do TECPUC nas modalidades: integrado, concomitante e subsequente.

Educação Profissional


Direcionamentos da Rede Marista de Solidariedade (RMS) para a Educação Profissional Destaques 1. Desenvolver projetos de educação para a solidariedade, na perspectiva de fomentar a reflexão e as práticas de solidariedade, segundo as diretrizes institucionais; 2. Mobilizar os públicos diretos e indiretos em prol das temáticas sociais desenvolvidas pela Rede Marista de Solidariedade.

Alunos e professores em interação e ação com e nas comunidades Em conformidade aos valores institucionais, as ações de solidariedade do TECPUC promovem a troca de experiências e de conhecimento científico e tecnológico por meio da interação com comunidades em situação de vulnerabilidade social. Ao contribuírem para a formação dos alunos a partir de projetos e experiências concretas em comunidades e organizações sociais, essas ações promovem a educação para a solidariedade. Oficinas, palestras e dinâmicas contribuem para a complementação de renda da comunidade ao ensinarem novas técnicas de artesanato com recicláveis: além da comercialização dos objetos pelas famílias, essas técnicas acarretam a diminuição da produção de lixo, o reaproveitamento dos alimentos e a customização de roupas. O projeto também possibilitou a construção coletiva de uma horta, que, mantida e cuidada por moradores da comunidade, abastece algumas das famílias mais vulneráveis.

Relatório Social Marista | 2015-2016

107


Em 2016, duas edições do projeto aconteceram em comunidades diferentes de Fazenda Rio Grande, uma em cada semestre. Após sua realização, foi feito um acompanhamento mensal para avaliar o comprometimento da comunidade e a eficácia das ações.

Depoimento “Participar do Comunidades foi tirar um dia para pensar no próximo e não só em mim, o que deveríamos fazer com mais frequência. Foi um aprendizado enorme, principalmente na parte das oficinas, onde trabalhei com as crianças, que nos transmitem ensinamentos de valor inestimável. A maior recompensa por participar do projeto foi ver o sorriso e a alegria no rosto de todos os participantes, isso sem dúvidas traz um sentimento de realização e dever cumprido sem comparação, que todos deveriam sentir pelo menos uma vez na vida, para que se animem e continuem participando dessas ações sempre que possível! No final do dia, o cansaço se tornou pequeno perto do que foi realizado!” Luana Cagliari – Aluna do TECPUC e participante do projeto.

108

Educação Profissional


Projeto Chega de bullying O projeto Chega de Bullying surgiu a partir dos anseios dos próprios alunos do TECPUC, ao perceberem que sofriam e presenciavam no ambiente escolar diversas situações de bullying entre colegas, principalmente os novos alunos, procuraram a Pastoral Juvenil Marista – PJM para desenvolverem ações de conscientização. Os alunos participantes da PJM, envolvidos com o projeto, receberam uma formação específica para entenderem o que é bullying, quais as principais consequências e como identificar possíveis situações ou mesmo os agentes causadores. Após a formação os participantes realizaram dinâmicas interativas com os alunos dos primeiros anos para descontrair o ambiente e tornar o bate-papo mais agradável. Os participantes da PJM abordaram de maneira mais reflexiva o tema e apresentaram de forma mais dinâmica as informações que receberam. Em seguida foi uma roda de conversas onde todos puderam partilhar situações ou mesmo contribuir sobre o assunto.

109

Projeto Revitalize Rio Belém Em 2015 participaram do Projeto Revitalize Rio Belém 32 alunos do TECPUC, alunos do Colégio Estadual Manoel Ribas, ONG’s da comunidade e moradores da Vila Torres, que ficam no território da PUCPR. Um dos objetivos do projeto, em funcio-

Relatório Social Marista | 2015-2016


namento desde 2013, consiste em trabalhar a solidariedade por meio da sensibilização e do envolvimento dos alunos nos problemas da comunidade, colocando-os como protagonistas das ações. Este projeto destaca-se pela articulação do TECPUC com a comunidade e com o poder público visando a transformação e valorização dos jovens para construção de caminhos de cidadania. Esta transformação acontece nas discussões nas reuniões semanais e nas visitas que acontecem nas escolas e nas ONG’s que atendem a população residente na comunidade. Em 2016, as ações centrais foram a articulação de uma carta de intensões entregues aos então candidatos a prefeito da cidade de Curitiba-PR, bem como convidá-los a plantar árvores nas margens do rio.
A iniciativa recebeu o ”Prêmio Sinepe 2016: Ações Inovadoras em Educação” – 1º lugar na modalidade Ensino Profissional: 54 projetos de todo o Paraná. Para 2017, pretende-se coletar mais de 3000 assinaturas para levar ao poder executivo do município para mostrar a necessidade de ações públicas e privadas no sentido de melhorar as condições do Rio Belém em toda a sua extensão, priorizando o trecho que corta a Comunidade da Vila Torres.

110

Depoimento “Alguns grupos de alunos(as) manifestaram neste tempo de dois anos e meio, uma sutil curiosidade por ler mais, viajar mais, conversar mais com pessoas que pensam diferente deles(as) e se envolver em projetos na escola e fora dela, como exemplo do Projeto REVITALIZE . Mas se está longe de que a Sociologia por si mesma, tenha conseguido criar tais mudanças. Conseguirá, sim, desde que possamos focar cada vez mais na interdisciplinaridade comprometida com o conhecimento e com a formação do capital cultural, mas levando-se em conta que o capital social deste alunos(as) está enraizado na família (obviamente) e na sociedade do consumismo. As mudanças requerem muita energia, crença no possível, no real e muitas horas

Educação Profissional


Depoimento de preparos de aulas, que possam desencadear a curiosidade, aguçar a mente para o novo e para o diferente. Requer energia para promovermos mudanças, pequenas, mas significativas na aprendizagem dos jovens [...].” Silmara Aibes – Professora do TECPUC, Socióloga, Supervisora do Núcleo Ciências da Sociedade do TECPUC e Coordenadora do Projeto.

111

Relatório Social Marista | 2015-2016


EDUCAÇÃO BÁSICA

A Educação Básica é ofertada pela Rede Marista de Colégios e Centros Educacionais e Sociais Maristas — a ser apresentado no capítulo Solidariedade, que se constituem em espaços de aprendizagem, vida e evangelização, cujo projeto educativo tem por objetivo oferecer ao aluno/educando possibilidades de se desenvolver em todas as suas dimensões por meio de uma educação integral de qualidade. Os Colégios Maristas são comprometidos com a proposta iniciada há 200 anos por São Marcelino Champagnat: educar e evangelizar crianças e jovens, formando cidadãos virtuosos. Para tanto, assumem Maria como inspiração e fundamentam sua ação na convicção de que, para bem educar as crianças, é preciso, antes de tudo, amá-las de maneira igual. Diante da complexidade dos diferentes alunos que constituem o espaço escolar, os colégios buscam continuamente aprofundar os conhecimentos dos percursos das crianças, adolescentes e jovens, a fim de criar vínculos com todos os sujeitos. Os colégios também trabalham no estreitamento de vínculos com as famílias para, em uma ação conjunta, potencializar o trabalho dos alunos com foco nas posturas, nos valores, no convívio e nos limites, mas também na acolhida e na afetividade. Nesta perspectiva, desenvolve-se um processo pedagógico-pastoral para uma educação integral que articule fé, cultura e vida, contribua para o desenvolvimen-


to da consciência crítica e favoreça as relações interpessoais, o posicionamento na sociedade, a valorização do sentido da vida e a conexão com Deus. A Rede Marista de Colégios integra, complementarmente à área de Solidariedade, a Rede Marista de Solidariedade, promovendo o acesso à Educação Básica com a oferta de bolsas de estudo integrais e parciais e por meio de projetos em Educação para a Solidariedade.

Direcionamentos da Rede Marista de Solidariedade (RMS) para a Educação Básica Destaques

114

1. Desenvolver, com os alunos da Rede de Colégios, projetos específicos – pedagógicos, pastorais e sociais – que contemplem a temática dos direitos de crianças e jovens na perspectiva da formação de sujeitos cidadãos; 2. Desenvolver projetos de educação para a solidariedade na perspectiva de fomentar a reflexão e as práticas de solidariedade segundo as diretrizes apresentadas neste documento; 3. Estabelecer conexão com as unidades sociais da RMS por meio de projetos compartilhados; 4. Mobilizar os públicos diretos e indiretos em prol das temáticas sociais desenvolvidas pela RMS.

Participação e Cidadania: alunos debatem orçamento e controle social Desenvolvido com os alunos do 9º ano do Colégio Marista Pio XII (Ponta Grossa), o projeto Orçamento Criança e Adolescente (OCA) acontece mensalmente por meio de palestras, oficinas e visitas. O projeto proporcionou a conscientização dos

Educação Básica


estudantes sobre: a importância de participar dos orçamentos públicos, no sentido de indicar necessidades e acompanhar suas ações decorrentes; a participação ativa nos debates relativos à cidadania e à solidariedade; o fortalecimento da competência política articulada ao cotidiano dos estudantes dentro e fora do ambiente escolar; e a abertura para novos olhares e possibilidades de participação cidadã na promoção e defesa dos direitos das infâncias e juventudes. Durante o período de vigência do OCA, abril a novembro de 2016, foi realizada uma palestra sobre o que é orçamento. Em outra fase, os alunos tiveram a oportunidade de visitar algumas organizações sociais. O OCA também proporcionou vistas a espaços públicos, como a câmara municipal e a assembleia legislativa. Outras palestras abordaram as questões orçamentárias do colégio. Para 2017, há interesse em dar continuidade a este projeto, considerado fundamental no processo de formação dos jovens.

115

Relatório Social Marista | 2015-2016


Plataforma “Direito ao Brincar” Com o objetivo de valorizar a cultura infanto-juvenil, de reforçar a importância do brincar na Pedagogia Marista e fomentar a responsabilidade dos adultos em garantir esse Direito, o Grupo Marista iniciou o desenvolvimento de uma plataforma virtual, como repositório de brincadeiras. A Plataforma Mobile First construída coletivamente reúne o maior número possível de brincadeiras, possibilita a pesquisa e o cadastro de novas formas de brincar. A plataforma permite junto com as crianças, construir um grande repositório de brincadeiras originais, pois, cada criança é única e tem o seu “jeito especial” de brincar.

116

O desenvolvimento da plataforma está acontecendo em três etapas, a primeira foi o lançado da Campanha “Cada um brinca do seu jeito”, realizada em outubro/2016 e alcançou 83.438 pessoas de forma online e orgânica. A campanha contou com o protagonismo e à criatividade dos pais, alunos e educadores dos 18 Colégios e 26 Unidades Sociais na construção do conteúdo do aplicativo. As próximas etapas acontecerão em 2017, na segunda etapa serão realizados os testes da plataforma e a criação de conteúdos e na terceira o Lançamento da plataforma na Campanha Vamos Brincar!

Depoimento “A Campanha Vamos Brincar, faz ecoar as vozes das crianças da Rede de Colégios e das Unidades Sociais Marista para a vivência do direito do brincar como linguagem de acesso ao mundo e de construção de encontro entre mundos. Os diferentes mundos das crianças com seus pares, das crianças com os adultos, dos adultos com as crianças e com suas crianças internas, que os fazem sempre brincantes se conectam e se fazem memória, por meio de registros partilhados em uma plataforma desenhada para abrigar a riqueza dessas relações. Uma plataforma conectando diferentes mundos e encontros brincantes, de livre acesso, sem ligação com datas festivas que aprisionam o brincar para tempos determinados, muitas vezes fora da dinâmica escolar estará sempre no ar! Aprender e

Educação Básica


Depoimento brincar, brincar de aprender, aprender a brincar, brincar de brincar, compartilhar, viver e ser movem ainda mais o currículo junto às infâncias na Rede Marista de Solidariedade - DEAS e DERC com a vivência desse projeto!” Danielle Regina Barriquello – Coordenadora Educacional do Ensino Fundamental/Anos Iniciais da DERC – Diretoria Executiva da Rede de Colégios.

117

Formação de Conselheiros Tutelares da cidade de São Paulo em parceria com a Pastoral do Menor – Rede CRIAD
 Como espaço de educação básica, o Colégio Marista Arquidiocesano busca conhecer e aprofundar as políticas públicas específicas da criança e adolescente, assim como todos os mecanismos de defesa e garantia de direitos existentes na cidade de São Paulo. Por esse motivo, o colégio participa periodicamente das reuniões da Rede CRIAD. A partir de encontros mensais, abriu-se, para os conselheiros da rede, o espaço de formação já constituído com o GT Direitos Humanos, formado por educadores das quatro unidades sociais e Colégios Maristas da cidade.

Relatório Social Marista | 2015-2016


O GT Direitos Humanos planejou encontros formativos com temas como a discussão da realidade dos Conselhos Tutelares da cidade. Também foram criados espaços de debate das políticas públicas das infâncias e juventudes com alunos, pais e professores. Em 2016, houve a participação dos Conselheiros Tutelares nos quatro encontros formativos realizados durante o ano; a eleição de um Irmão Marista como conselheiro do Conselho Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente de São Paulo (CMDCA/SP); uma maior integração entre os educadores das unidades e colégios Maristas da cidade; além de uma maior sintonia com a missão do Instituto Marista.

Depoimento

118

“Possibilitar a discussão da importância do Conselho Tutelar junto aos pais de alunos é de extrema importância. Durante o encontro, a partir da fala do Irmão Valdir, os pais compreenderam que seus filhos também têm direito gratuito às Políticas Públicas específicas da criança e adolescentes, reconhecendo a importância da participação de todos nas eleições dos Conselhos Tutelares, mesmo o voto sendo facultativo. A Missão Marista, o legado da obra e do Carisma de Marcelino foram alimentos de todo o encontro.” Rafael Martins – Pastoralista do Colégio Marista Arquidiocesano.

Educação Básica


VEM – Voluntariado Educativo Marista. Ser Marista, ser solidário! O Projeto VEM – Voluntariado Educativo Marista. Ser Marista, ser solidário! – oportuniza aos alunos do Colégio Marista Arquidiocesano possibilidades de se relacionarem com realidades socioeconômicas distintas presentes na cidade de São Paulo, por meio de formações interdisciplinares e ações concretas nos territórios de maior vulnerabilidade. No início de 2016, os alunos do Ensino Médio procuraram a Pastoral para desenvolver atividades voluntárias solidárias. Com todas as etapas em parceria com o Centro Social Marista Itaquera, de São Paulo, o projeto foi desenvolvido no período de março a novembro de 2016. Foram realizadas intervenções no território (reforma e pintura da quadra e revitalização da praça), diálogos com educadores e famílias e intervenção política na câmara de vereadores para a elaboração de um projeto de lei que oficialize a Praça da Comunidade. Conhecer o trabalho realizado pela Rede Marista de Solidariedade, interagir com as crianças da educação infantil do Centro Social e fomentar, na câmara de vereadores do município, a discussão do território (ainda em fase de acompanhamento por parte do grupo) estão entre os principais resultados alcançados. Atualmente, o projeto encontra-se na Secretaria do Verde e Meio Ambiente.

Relatório Social Marista | 2015-2016

119


Outros Projetos Projeto Hip Hop O projeto desenvolvido pelo Colégio Marista de Maringá buscou, por meio da imersão no universo cultural do Hip Hop, estimular a reflexão sobre o papel do estudante como cidadão ético frente aos temas de cidadania, desigualdade social, violência e cultura. Além disso, os alunos discutiram sobre questões que impulsionam diferentes movimentos sociais. O trabalho aconteceu por meio de leituras do livro ‘O grito do Hip Hop’ e ‘Cidadão de Papel’ na disciplina de Língua Portuguesa refletindo o papel de estudante e cidadão. No Ensino Religioso discutiu-se conceitos de cidadania, ética, desigualdade social, violência e cultura.

120

Em Educação Física trabalhou-se as práticas corporais que caracterizam o movimento hip hop como a dança, o basquete de rua e o skate, esses elementos foram vivenciados em oficinas e períodos destinados a prática livre de atividades relacionadas de dança e grafite, bem como um período em que os alunos vivenciaram esses momentos na escola. Na disciplina de Arte observou-se os elementos artísticos do movimento como o grafite.

Projeto Roda de Conversa O projeto Roda de Conversa, desenvolvido com as turmas da 2ª e 3ª série do Ensino Médio do Colégio Marista Frei Rogério, incentivou a conscientização política, o senso crítico, além do exercício da cidadania e o compromisso com a comunidade. A ação fez parte das atividades desenvolvidas no Projeto Eleições 2016, com o objetivo de aproximar os alunos das discussões e da participação política. Os alunos visitaram a Câmara de Vereadores do município Herval D’Oeste com o objetivo de aprofundar os estudos sobre o Plano Diretor, o Estatuto da Cidade, dentre outros temas, e incentivar o interesse pelos trâmites políticos que envolvem os projetos de melhorias para o município; participaram de uma palestra sobre o contexto político atual e a importância da participação dos jovens. Eles visitaram alguns bairros de Joaçaba onde coletaram as reivindicações da população. As reivindicações foram apresentadas em um debate com quatro candidatos à prefeito de Joaçaba e seus respectivos vices.

Educação Básica


Projeto Grêmio estudantil O Projeto Grêmio estudantil, desenvolvido pelo Colégio Marista de Ribeirão Preto, estimulou e orientou os estudantes na formação do grêmio estudantil; e desenvolver o protagonismo juvenil e características de liderança. O Grêmio estudantil permite o envolvimento ativo nos processos escolares diretamente ligado aos estudantes. A seguir, as etapas de formação do Grêmio: a) Formação da comissão Eleitoral; b) Divulgação do Projeto para os alunos do 9° ano do Fundamental II e Ensino Médio; c) Formação das chapas; d) Campanha eleitoral; e) Debate entre chapas; f) Eleição; g) Posse da chapa eleita pelos estudantes por meio de votação; h) Construção do Estatuto de Grêmio; i) Construção de projetos; j) Apresentação e partilha dos projetos com a direção e Núcleo Pastoral (responsável pelo projeto junto ao pedagógico); k) Implementação dos projetos propostos pelo Grêmio; e, l) Formação continuada dos integrantes.

121


Projeto Trânsito Responsável Na perspectiva de estimular o protagonismo infantil, o Projeto Trânsito Responsável, desenvolvido pelo Colégio Marista de Criciúma, teve como objetivo desenvolver o comportamento do cidadão enquanto usuário das vias públicas na condição de pedestre, condutor ou passageiro. O projeto foi baseado na proposta de assembleia, com a realização de cinco assembleias e a participação de dois alunos de cada turma e a professora titular e após o diagnóstico dos problemas, buscou-se ideias e ações de intervenção.

122

O projeto permitiu identificar os problemas da comunidade em relação ao trânsito no entorno do Colégio; demonstrar atitude solidária frente às situações ocorridas no trânsito, no que tange habilidades importantes à segurança do pedestre e do próprio motorista; reconhecer as formas, cores e os significados das placas mais utilizadas no trânsito, da faixa de pedestres e demais componentes das vias públicas; orientar a comunidade escolar quanto à importância de sentir-se parte do trânsito, a fim de responsabilizar-se por seu bom andamento; decidir de forma democrática como podemos contribuir para o bom andamento do trânsito do entorno do colégio e argumentar e defender as ideias propostas junto à comunidade e órgãos públicos responsáveis (Prefeitura Municipal e Autarquia de Segurança, Trânsito e Transporte de Criciúma - ASTC).

Projeto Missão Solidária Marista A Missão Solidária Marista, desenvolvida no Colégio Marista São Francisco, é um projeto que promove a educação para a solidariedade na perspectiva do aprendizado recíproco e dialógico, por meio da imersão em realidades sociais desafiadoras, sobretudo de vulnerabilidade social. A MSM é uma ação evangelizadora, que se fundamenta a partir de eixos norteadores: a dignidade da pessoa humana; a evangelização, a educação para a solidariedade; o princípio da solidariedade cristã; e a imersão no contexto social com respeito à alteridade; e o voluntariado.

Educação Básica


Durante 7 dias foram realizadas diversas ações na cidade de Cordilheira Alta: visitas missionárias a mais de 2.300 famílias; revitalização do cemitério municipal e salão comunitário; revitalização do cemitério, jardins e capela mortuária da comunidade de Linha Bento; oficinas socioeducativas com 120 crianças e 50 idosos. Na cidade de Chapecó os alunos realizaram visitas missionárias ao hospital materno infantil, lar da criança, fazenda da esperança, clínica de recuperação Renascer, casa de passagem municipal, corpo de bombeiros, projeto verde vida e centro de convivência dos idosos.

Projeto Campanha contra a gripe H1N1 Os alunos do 7º ano Ensino Fundamental do Colégio Marista São Luís realizaram a Campanha contra a gripe H1N1. Além da mobilização escolar, os alunos circularam pelo centro de Jaraguá do Sul, com orientações, entrega de panfletos e a fixação de cartazes nos estabelecimentos comerciais, próximos ao colégio. A proposta do projeto foi trabalhar conceitos e orientações para prevenção e combate ao vírus H1N1 e a realização de intervenção social junto a comunidade. O projeto oportunizou momentos de debate e interação entre os estudantes; conscientização sobre ações de higiene pessoal; estímulo à pesquisa com busca por informações sobre a doença e a prevenção da mesma; produção de textos relacionados ao tema na disciplina de Língua Portuguesa; criação de folders e divulgação para a comunidade externa com a entrega de material informativo sobre a importância da prevenção. A ação ocorreu também no Jaraguá do Sul Park Shopping.


Educação Básica 2016

Rede Marista de Colégios

Educação Infantil 0 a 3 anos (Creche) 4 10

Bolsa de 100% Bolsa de 50%

Educação Infantil 4 a 5 anos (Pré-escola) 5 39

Bolsa de 100% Bolsa de 50%

124

Total de alunos

Ensino Fundamental 165 780

Bolsa de 100% Bolsa de 50%

25.854

Total de bolsas

1.692

Ensino Médio Bolsa de 100% Bolsa de 50%

Total de bolsas

244 445

1.692

Educação Básica


Centros Educacionais e Sociais Maristas

Educação Infantil 0 a 3 anos (Creche) 669

Bolsa de 100%

Educação Infantil 4 a 5 anos (Pré-escola) 863

Total de bolsas

4.926

Total de alunos

Bolsa de 100%

Ensino Fundamental

4.926

2.480

Bolsa de 100%

Ensino Médio 727

Ensino Médio Integrado à Educação Profissional

Abertura das bolsas da creche e pré-escola (Educação Infantil) por tempo integral Creche e pré-escola em tempo integral Creche e pré-escola

1.341 191

Bolsa de 100%

187

Bolsa de 100%

Total de bolsas Relatório Social Marista | 2015-2016

4.926

125


SOLIDARIEDADE

A Rede Marista de Solidariedade atua na promoção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes em contextos de alta vulnerabilidade. Neste sentido, a área social tem, como foco, promover e ampliar a qualidade social das ofertas de atendimento, considerando as políticas públicas de Educação e Assistência Social nas quais a RMS atua diretamente. Fomenta ainda, a partir de espaços de controle social, o debate sobre a defesa do direito de crianças e adolescentes no tange as demais políticas públicas como saúde e habitação. Por meio de equipes interdisciplinares constituídas por assistentes sociais e psicólogos, a Área Social constrói alternativas para a superação da violação de direitos. Dos quase 9 mil educandos matriculados em 2016, 17% são acompanhados sistematicamente pelas equipes psicossociais em parceria com a Rede Socioassistencial e o Sistema de Garantia de Direitos. Pela sua complexidade, tais casos demandam uma articulação entre as políticas de Educação, Assistência Social e Saúde. Os outros 83% são acompanhados por meio da articulação de atividades em grupos de famílias, atendimentos pontuais e outras atividades que articulem a unidade, as famílias e o território. Cabe ainda à área social fomentar junto às equipes a discussão e implementação de processos de gestão participativos e baseados em princípios democráticos. Além de contribuir para o diagnóstico e análise do território no qual a unidade


está inserida, buscando construir propostas que dialoguem com projetos pedagógicos e pastorais que concretizem o conceito de educação para a formação de sujeitos efetivamente éticos e solidários. Eixos de atuação da área: • Realização de atendimentos individuais ou em grupo, às famílias e educandos; • Formação de educadores e fomento para a qualificação das práticas pedagógicas em uma perspectiva social e transversal aos Direitos Humanos; • Articulação em rede com os serviços locais, municipais e estaduais, qualificando o diálogo intersetorial e o atendimento às famílias em situação de violação de direitos;

128

• Atuação com o território, compreendendo o contexto como elemento que influencia sofre influência dos indivíduos; • Atuação interdisciplinar e participação nos processos de gestão e processos educacionais; • Incidência e participação em espaços estratégicos de representação, atuando na defesa de direitos de crianças e adolescentes nos diversos territórios em que as unidades se encontram. Conheça os serviços prestados em cada uma das unidades educacionais e sociais no Apêndice C, na página 201.


Direcionamentos da Rede Marista de Solidariedade (RMS) para a área de Solidariedade Destaques 1. Garantir o atendimento a crianças, jovens e famílias na perspectiva da emancipação dos sujeitos e da transformação pessoal e comunitária; 2. Desenvolver e aprimorar novos conhecimentos em sintonia com os cenários e as tendências nacionais e internacionais, nas áreas de Educação, Assistência Social e DCA; 3. Qualificar a presença Marista nos territórios para, em conjunto com os diversos públicos atendidos, contribuir para a adequação das modalidades e dos projetos desenvolvidos frente às demandas das comunidades atendidas; 4. Incidir nos diversos setores da sociedade de forma a consolidar uma proposta socioeducativa com foco em direitos; 5. Garantir a participação de crianças a jovens nos âmbitos possíveis, no que se refere à reflexão, elaboração e execução da proposta socioeducativa; 6. Desenvolver processos de avaliação (diagnóstico, processo e impacto) das modalidades de atendimento oferecidas; 7. Inovar as propostas socioeducativas na perspectiva da qualificação das ações e do impacto dos resultados; 8. Sistematizar as práticas socioeducativas para oportunizar a construção e disseminação de conhecimento, avaliação e melhoria dessas práticas; 9. Elaborar projetos que ampliem e inovem o atendimento, contemplando a parceria com outras organizações; 10. Fortalecer o trabalho em rede e a conectividade com a comunidade; 11. Desenvolver o advocacy nas temáticas de direitos de crianças e jovens.

Relatório Social Marista | 2015-2016

129


Algumas considerações acerca da Educação Infantil (EI) Considerando o atendimento direto da Educação Infantil, falamos na perspectiva de quem defende e atua com e para as crianças por meio do:

130

• Atendimento e atuação nos territórios com alto índice de vulnerabilidade; • Desenvolvimento de projetos alinhados aos estudos e olhares para as potencialidades do território; • Formação contínua dos educadores e gestores que atuam diretamente com as crianças; • Diálogos e debates com o Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente; • Participação e incidência na formulação de políticas públicas para e com as infâncias; • Contribuição na formação e qualificação de profissionais do território local que atuam na promoção e defesa de direitos da criança e do adolescente, por meio de “itinerários formativos” que fomentem novas reflexões e práticas socioeducativas.

Por onde Andas... O projeto Por onde andas... caminhos efetivos das crianças nasceu a partir dos olhares das crianças de 3 e 4 anos para o território de União de Vila Nova (SP). Expedições, caminhadas e passeios em pequenos grupos de crianças e educadores pelas ruas foram iniciados para estabelecer relações solidárias e fraternas com as crianças, as famílias e o território. O objetivo do projeto é potencializar a presença Marista, valorizando as pessoas e aproximando-se das rotinas e realidades das crianças e suas famílias. Foram diálogos intensos de partilha e conhecimentos, respeitando a cultura local e acolhendo saberes de toda comunidade educativa. O projeto foi permeado pelo diálogo e uso das múltiplas linguagens: a câmera fotográfica foi um recurso bastante utilizado para empoderar o discurso das

Solidariedade


crianças, colher e discutir seus pensamentos sobre o bairro e fortalecer a dimensão criativa. Ela também foi um elemento fundante para aproximar as educadoras dos contextos das crianças e dar abertura às sugestões e repertórios para os diálogos com as famílias. Pelas narrativas fotográficas das crianças, foi possível conhecer um pouco das famílias e suas intimidades. Conhecer as casas por meio das imagens captadas foi um acontecimento que gerou momentos de alegria em todo o grupo. A partir do registro dos percursos, foram observadas a forma como as crianças se relacionam com o território e a imensa alegria que elas tiveram de apresentá-la. Foi possível conhecer as pessoas que habitam as casas, o comércio, as escolas e os caminhos apresentados pelas crianças. Ao concluir o processo do projeto, observou-se que a intencionalidade inicial foi ampliada, efetivando o compromisso de estar no e com o território, utilizando-o com quintal para aprendizagens significativas e reais, oportunizando a construção de diálogos e como ferramenta para processos de pesquisas e construções com as crianças. Por meio desse projeto, o território pôde ser concebido como um grande espaço educador e legítimo para aprendizagem.

Depoimento “Entendo o Projeto “Por onde Andas...” como uma forma sensível de captar para as potencialidades do território de União de Vila Nova pelos olhos das crianças. Elas, através de seus pés, sorrisos, perguntas nos mostraram que o território é mais do que um conceito. A noção de território se constitui a partir da relação entre território e as pessoas que se utilizam dele, estabelecendo uma relação inseparável entre ambos. [...] Território diz respeito a realidade da vida coletiva, nele se concretizam diversas relações: sociais, de vizinhança, solidariedade e as de poder, é nele também que as desigualdades sociais se tornam evidentes. As ações do projeto

Relatório Social Marista | 2015-2016

131


Depoimento como: as fotografias, visitas às casas, saídas programadas ao bairro e as casas das crianças, o envolvimento das famílias, nos ensinaram a ver além das desigualdades presentes nesse chão, nos trouxeram potencias, histórias de vida, dignidade e beleza, em um exercício no qual permitimos ser guiados e guiadas pelas mãos dos nossos meninos e meninas.” Cláudia Rosalina Adão – Assistente Social do Centro Social Marista Ir. Justino.

132

Algumas considerações acerca do Ensino Fundamental (EF) A proposta educativa do Ensino Fundamental tem como solo epistemológico o Projeto Marista para o Ensino Fundamental. Essa proposta se consolida na medida em que a solidariedade é incorporada ao currículo e às práticas educativas, possibilitando aos educandos e educadores conviverem de maneira qualitativa com a diversidade e a diferença.

Solidariedade


São objetivos da proposta: • Propiciar condições para que os estudantes assumam seu ofício de forma autônoma, reflexiva e solidária, favorecendo a sensibilidade, a criatividade, a cidadania planetária, os diálogos culturais e os valores humanos e cristãos; • Favorecer a formação do docente para que se estabeleçam relações por meio da investigação e ampliação dos saberes historicamente construídos entre as diversas culturas e a formação acadêmica, de modo a uma atuação de forma crítica, ética e responsável; • Contribuir para a constante reflexão fundamentada nos princípios da Missão Marista, de forma que os diferentes sujeitos da comunidade escolar elaborem ações que priorizem a qualificação das relações humanas, tanto na esfera pública quanto na privada.

133

Educação Integral em tempo integral na Escola Ecológica Marcelino Champagnat Ao promover o atendimento no Ensino Fundamental II para 300 educandos do município de Almirante Tamandaré, o objetivo da Escola Ecológica Marcelino Champagnat é proporcionar uma Educação Integral em tempo integral. A iniciativa é voltada à formação humana e baseada nos valores étnicos e morais, bem como nos conhecimentos acadêmicos a partir da realidade socioeconômica e cultural, instrumentalizando os educandos para a vida em sociedade. O projeto de educação integral considera as demandas dos educandos, da família e do território para oportunizar um olhar e uma escuta de modo contextualizado, voltados para a diversidade local. Por meio dele, todos os fatores políticos, sociais, culturais e as relações econômicas se inter-relacionam numa situação de interdependência. Desta forma, ele constrói, para e com os educandos, práticas que dialogam com suas expectativas e sua cultura e possibilitam uma formação que lhes ofereça condições de atuar como protagonistas.

Relatório Social Marista | 2015-2016


Atualmente, a Ecológica tem sua perspectiva de trabalho pautada na gestão democrática participativa com todos os membros da comunidade escolar. Os índices de evasão têm sido zero e a frequência escolar tem uma média de 98%. Outro indicador importante é a inserção de educandos egressos em universidades e o envolvimento cada vez crescente em movimentos de debate nos quais se busca a consolidação da garantia dos direitos de crianças, adolescentes e todo e qualquer cidadão, atuando como protagonistas da transformação social de suas comunidades.

134

Como um marco para o reconhecimento local do trabalho na promoção e defesa dos direitos, a mudança da proposta tem ocasionado aumento na procura e na formação de uma demanda reprimida não atendida, principalmente 7 e 8 anos, cujas aberturas de vaga dependem da transferência de matriculados – situação pouco recorrente.

Depoimento “Eu vejo esse projeto como criador de oportunidades para uma educação melhor, pois o projeto de educação integral me ajudou e muito, me oferecendo oportunidades como me dedicar a música, poesia, esportes me ajudando bastante, pois eu não tinha familiaridade. Me ajuda também a ter mais interesse nas matérias pois me proporcionou mais chance de aprender do que eu teria em outros colégios que não tivessem atividades o dia todo.” Kaylany Lurdes de Oliveira de Souza – Educanda da Escola Ecológica Marcelino Champagnat, Ensino Fundamental II 9º ano.

Solidariedade


Algumas considerações acerca do Ensino Médio (EM) Proposta inovadora, que considere os seguintes pressupostos conceituais: • Deslocamento, de uma visão abstrata, iluminista e racionalista, para uma compreensão histórica e social; • Integração de espaçotempos, conhecimentos e saberes – integrar componentes curriculares e áreas do conhecimento; • Superação do caráter enciclopédico (aprender por repetição), dualista (mercado de trabalho para os pobres em contraponto a uma sólida formação para os futuros líderes) e fragmentado (fracionado em disciplinas e com isolamento entre elas, sacrificando o caráter pesquisatório do EM); • Respeito às identidades, culturas e necessidades juvenis; • Ausência hierárquica entre saberes e áreas do conhecimento; • Respeito aos aspectos legais e institucionais; • Uma proposta híbrida (projetos integrados e aprofundamentos específicos de conceitos nas áreas do conhecimento); • Planejamento curricular fundamentado no diagnóstico (perfil de entrada), com vistas à construção de itinerário para um perfil de saída; • Garantia de acesso a um conjunto de conhecimentos e saberes científicos, éticos e estéticos a partir da diversidade dos sujeitos; • Clareza política na adoção dos critérios que orientam o processo de seleção de conteúdos; • Solidez na fundamentação teórica e metodológica.

Curso Técnico de Artes Circenses O Curso Técnico de Artes Circenses foi pensado, escrito e implantado pelos colaboradores do Centro Educacional Marista Irmão Acácio, em Londrina (PR), com suporte da Diretoria Executiva de Ação Social do Grupo Marista (DEAS). Ele é o

Relatório Social Marista | 2015-2016

135


segundo curso técnico em artes circenses reconhecido pelo MEC no Brasil e o único na modalidade concomitante. Com início em fevereiro de 2015, a primeira turma do curso contou com 29 educandos matriculados, a grande maioria vindos do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (atual Conviver Marista). Em 2016, um pouco mais consolidado dentro da unidade social, o curso técnico deu início à segunda turma, com mais educandos oriundos de outros espaços. Para 2018, a projeção é abrir a terceira turma e consolidar o curso na comunidade educativa. O grande desafio é continuar formalizando espaços de mercado de trabalho na área artística e cultural, profissionalizando os artistas e quebrando paradigmas e estigmas.

136 Depoimento “Entrei no Marista com apenas 11 anos no Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (Conviver Marista) na oficina de circo. Nela aprendi mais que técnicas, aprendi a amar o circo e adquirir habilidade para a vida, como ser protagonista, crítica e respeitar as diversidades. No começo só queria fazer acrobacias com tecido, logo percebi que não era tão simples assim e que para chegar no tecido outras etapas teriam que acontecer, porém nunca desisti. No final de 2014 surgiu uma grande oportunidade em minha vida, a abertura do curso técnico em artes circenses. Participei do processo classificatório e fui aprovada. O primeiro ano do curso foi muito empolgante, consegui aprimorar minhas técnicas circenses e me especializar em vários aparelhos. Assim fui convidada para trabalhar em uma companhia de circo muito respeitada no meio artístico, a Troupe Tangará. No início foi difícil me adaptar à nova rotina: estudar, fazer o curso e treinar a noite, mas tudo isso só fazia aumentar meu amor pela arte. Só tenho a agradecer ao Centro Educacional Marista pelo tempo, carinho e dedicação que tiveram comigo. A maior parte da minha história está e vai continuar

Solidariedade


Depoimento a ser escrita pelo circo porque agora é mais que paixão, é minha vida, meu trabalho e é o que me dá energia todos os dias. Que o circo seja visto sempre como uma forma de educar e um caminho para uma carreira profissional.” Bruna Camila – Educanda do Centro Educacional Marista Irmão Acácio, Curso Técnico de Artes Circenses formada em 2015.

137

Relatório Social Marista | 2015-2016


Conviver Marista O objetivo do projeto Conviver Marista, desenvolvido nas unidades sociais da RMS, é atender educandos com idades entre 6 a 17 anos por meio de projetos e oficinas que contemplem as linguagens de artes cênicas, artes visuais, educomunicação, musicalização, robótica (lego educativo), circo e outras. Propõe, dessa forma, a construção de um currículo pautado em valores Maristas e na apresentação de eixos significativos para os diferentes territórios onde estão inseridos.

138

Desenvolvido em 13 unidades sociais nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul, o Conviver Marista, em 2016 atendeu cerca de 2,7 mil educandos com idades entre 6 a 17 anos. A nova proposta curricular se consolida tendo como princípios metodológicos a atuação não mais por oficinas, mas por projetos de trabalhos semestrais, duplas de educadores, linguagens como meio e não como fim e uma atuação interdisciplinar das linguagens, que até então eram desenvolvidas como oficinas.

Seis eixos curriculares direcionam o trabalho realizado: expressão e criatividade; letramento; habilidades para a vida; projeto de vida; direitos humanos; e território. Os eixos “território” e “direitos humanos” possuem uma centralidade maior na proposta e na construção dos projetos, pois viabilizam reflexões e articulações significativas com os educandos, possibilitando uma leitura e releitura do mundo e da sociedade onde estão inseridos. Eles também agem na educação para

Solidariedade


a transformação, emancipação e construção de uma autonomia significativa e reflexiva nos espaços. Com a participação dos educandos e a busca por uma educação integradora e significativa, a proposta foi concretizada com a realização de 38 projetos nas comunidades educativas. Ela contemplou, ainda, itinerários formativos que viabilizaram a efetivação dos projetos. Formação integral, participação como direito, pedagogia de projetos, pedagogia da escuta, pedagogia da escolha, lugar de convivência e práticas restaurativas são tecnologias educacionais próprias do Conviver Marista.

Destaque Dentre as iniciativas, destaca-se o projeto SAMPA, realizado no Centro Social Marista Ir. Justino (SP) e que, em 2016, recebeu a Salva de Prata pela Câmara Municipal dos Vereadores de São Paulo com o prêmio “Milton Santos”. Destinado a projetos educacionais com foco no território e protagonismo infantojuvenil, o prêmio foi recebido pelos próprios educandos em uma sessão solene em junho de 2016.

Relatório Social Marista | 2015-2016

139


Projeto Territoriar O projeto Territoriar promove a qualidade da educação e a permanência escolar de educandos de 6 a 10 anos por meio da participação da comunidade na ressignificação de ambientes pedagógicos do Primeiro Ciclo do Ensino Fundamental de escolas públicas do país. A iniciativa leva em consideração a convivência, a humanização, a ludicidade, a investigação e o sentimento de pertencimento territorial.

140

Em 2016: • 15 obras e espaços educativos foram ressignificados; • 6.003 alunos e representantes da comunidade local foram envolvidos diretamente; • Foi produzido o site do projeto (www.territoriar.org.br); • Foi produzida uma série de 6 vídeos sobre os temas desenvolvidos no percurso formativo e disponíveis no site do projeto; • Um documentário foi lançado no Congresso Internacional de Direitos Humanos na PUCPR, na Cinemateca de Curitiba e em São Paulo; • Houve a participação em eventos sobre educação no Rio de Janeiro – Educação 360º – e em Curitiba – SEMIC/PUCPR; • Um livro fotográfico e um relatório sobre o percurso formativo foram publicados.

Projeto CADÊ PARANÁ A plataforma de dados CADÊ Paraná é um portal criado para disponibilizar informações sobre os direitos de crianças e adolescentes do Paraná, fomentando uma cultura do uso de dados para monitoramento, avaliação e planejamento das ações e políticas. No CADÊ Paraná, são abordados indicadores de Educação, Saúde, Habitação, Cidadania, Demografia, Legislação, Economia e Justiça. A partir da compilação e análise de dados, facilitada pelo portal, os profissionais responsáveis tanto pela gestão quanto pela execução das políticas de atendimento nos municípios têm melhores condições de planejar e desenvolver ações que beneficiem crianças e adolescentes conforme suas reais prioridades.

Solidariedade


O CADÊ Paraná foi apresentado no dia 19 de julho de 2016 durante o Encontro Estadual do Fórum de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fórum DCA/PR), realizado no câmpus Curitiba da PUCPR. Até dezembro do mesmo ano, foram feitos 16.187 acessos ao site, possibilitando a análise de 80 indicadores relacionados aos direitos humanos de crianças e adolescentes de 0 a 17 anos. Um vídeo-tutorial produzido para facilitar o uso e compreensão da plataforma pode ser acessado em www.cadeparana.org.br.

Articulação do Fórum DCA/PR O Centro Marista de Defesa da Infância integra a coordenação do Fórum Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Fórum DCA/PR). Seu objetivo é contribuir para o fortalecimento da atuação da Sociedade Civil no controle social das políticas de direitos da criança e do adolescente no Paraná. Ações realizadas em 2016: • Apoio à reestruturação do Fórum DCA Regional Curitiba e à criação dos Fóruns DCA Regionais Campo Mourão e Ponta Grossa; • Pressão pela devolução dos R$ 340 milhões retirados do Fundo para a Infância e a Adolescência (FIA), resultando em um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) entre o governo do estado e o Ministério Público, estabelecendo um acordo para a devolução; • “Encontro Estadual do Fórum DCA/PR: Fortalecendo a sociedade civil na defesa dos direitos humanos de crianças e adolescentes”, com 120 participantes de mais de 30 municípios; • Mobilização de novas filiações, totalizando 47 entidades, coletivos e movimentos filiados, e a eleição da nova coordenação estadual do Fórum para o período 2016-2018.

Saiba mais sobre a atuação do Fórum DCA em www.fb.com/forumdcapr

Relatório Social Marista | 2015-2016

141


Destaques

142

• O Centro Marista de Defesa da Infância recebeu da Organização dos Estados Americanos (OEA) um certificado de excelência por sua atuação no enfrentamento à violência sexual de crianças e adolescentes por meio da Campanha Defenda-se. O reconhecimento ocorreu em virtude da Primeira Convocatória de Vídeos organizada pela Secretaria de Acesso a Direitos e Igualdade da OEA, que buscou reconhecer os esforços de organizações da Sociedade Civil em promover o “acesso a direitos e igualdade para as populações em condição de vulnerabilidade das américas”; • O Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente do Paraná (Cedca/PR) elegeu para sua presidência a analista de orçamento público do Centro Marista de Defesa da Infância, que ficará no mandato por um ano. A cerimônia de posse ocorreu no dia 24 de novembro de 2016 durante a reunião descentralizada do conselho em Cascavel. A RMS possui representação no Cedca/PR desde 2008. Saiba mais em www.cedca.pr.gov.br

Solidariedade


Estação Casa: promoção dos direitos de crianças que vivem em contexto prisional O Estação Casa é centro social da Rede Marista de Solidariedade que atua na promoção e defesa de direitos de crianças, filhos e filhas de mulheres privadas de liberdade, que vivem na Penitenciária Feminina do Paraná, em Piraquara. É um espaço de atendimento que funciona dentro da própria penitenciária, mas as instalações são independentes da estrutura carcerária. A proposta se concretiza numa metodologia pautada na doutrina de proteção integral, com enfoque nos direitos fundamentais: Direito à Vida e à Saúde; Direito à Alimentação; Direito à Educação; Direito à Cultura, ao Esporte e ao Lazer; Direito à Liberdade, ao Respeito e à Dignidade; e Direito à Convivência Familiar e Comunitária. Em 2016, cerca de 60 crianças foram atendidas pela equipe multidisciplinar do Estação Casa por meio de ações desenvolvidas em parceria com o governo do estado do Paraná. A metodologia utilizada possibilitou a implantação de ações, fluxos e protocolos internos e externos com a rede socioassistencial para a garantia dos direitos básicos. Outros resultados estão relacionados às rotinas e protocolos implantados (internos e com a rede socioassistencial), outrora com eventual acesso: • Saúde – implantação de calendário de vacinação; consultas e exames de rotina e com especialistas; e teste de pezinho e orelhinha; • Alimentação – incentivo para o cumprimento do período de amamentação, de acordo com as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS). Em relação à alimentação, foram promovidas significativas alterações com a implantação de cardápio próprio a cada idade, reforma do espaço, aquisição de equipamentos e utensílios, ampliação da qualidade nutricional e variedade na oferta de alimentos (frutas, verduras, legumes e iogurte); • Articulação em rede – a articulação com a rede socioassistencial – educação, saúde, judiciário e assistência social, entre outros –também trouxe

Relatório Social Marista | 2015-2016

143


resultados efetivos na construção de caminhos para a promoção e defesa destes direitos; • Incidência – construção de pautas de incidência frente aos desafios cotidianos, divulgação da proposta em espaços estratégicos, participação no grupo estratégico que discute e elabora a política estadual de atenção às mulheres em situação de privação de liberdade e egressas do Sistema Penal do Paraná.

144

Solidariedade


(Re)inserção social de média complexidade O Centro Social Marista Propulsão atende adolescentes com histórico abusivo de álcool e outras drogas. O Propulsão posiciona-se como um dispositivo de (re) inserção social de média complexidade, de acordo com o estabelecido na Política Nacional de Atenção Integral ao Usuário de Álcool e Drogas e na Política Nacional de Assistência Social. O Propulsão conquistou capilaridade e abrangência em todo o município de Curitiba, atingindo também alguns adolescentes da região metropolitana. Em 2016, ele atendeu 46 jovens, sendo 46% deles encaminhados pela Assistência social (CRAS, CREAS e Unidades Abrigos); 2% pelo Conselho Tutelar; 9% de demanda espontânea; 17% pela educação (C.E.M. Irmã Eunice Benato e Colégios); 6% pelo judiciário e 20% pela saúde (CAPS e U.S. Cajuru). Foram realizadas aproximadamente 3,1 mil ações e 125 inserções no período de agosto de 2015 a agosto de 2016. O centro social também manteve parcerias com a PUCPR, especificamente com os cursos de Psicologia e Serviço Social, com estágio curricular para alunos de graduação. A parceria com o Núcleo de Direitos Humanos da PUCPR se deu por meio de projetos que objetivaram a articulação entre a produção de conhecimento acadêmico e prática cotidiana direcionada ao público-alvo do serviço. O Propulsão também realizou eventos com o objetivo de produzir conhecimento sobre a temática, os encontros tiveram relevância considerável no que diz respeito às articulações com outras frentes do Grupo Marista e unidades da Rede Marista de Solidariedade, são eles: • I Encontro Paranaense de Saúde Mental Infantojuvenil; • IV Seminários Propulsão, com abrangência estadual e organizado por várias instituições; e, • Segunda edição do “Cuidado em Liberdade 2.0”.

Relatório Social Marista | 2015-2016

145


Depoimento “Conforme eu fui vindo nas atividades, eu vi que as coisas iam mudando: meu pensamento, minhas atitudes...se não fosse o Propulsão eu não estaria aqui. [...] Quando a gente tá triste... entra pela porta e já percebe que tem algo diferente, ‘daí’ chamam no canto, conversam...uma segunda família!” Ritiele – Educanda do Propulsão e Jovem Aprendiz.

146

Economia Solidária: assessoramento, fomento e pesquisa Realizado em parceria com a PUCPR, a Trilhas – Incubadora Social Marista é um projeto da RMS que desenvolve e acompanha projetos de incubação de economia solidária em Curitiba e nos municípios da região metropolitana. A incubadora é uma entidade de apoio à economia solidária, com atuação na assessoria, no fomento, no apoio à comercialização e na incidência pública. Além

Solidariedade


de desenvolver e acompanhar projetos de incubação de empreendimentos de economia solidária em Curitiba e região metropolitana, seu objetivo é articular os eixos ensino, pesquisa e extensão com vistas à produção de conhecimento e desenvolvimento de tecnologias sociais inovadoras e replicáveis. Com isso, a Trilhas busca dar suporte científico e tecnológico aos Empreendimentos Econômicos Solidários (EES) consolidados e a trabalhadores que desejam trabalhar de forma associada, cooperativa e solidária.

147

Mais informações sobre esse processo podem ser encontradas no site www.incubadoratrilhas.org.br.

Relatório Social Marista | 2015-2016


Em 2016, a Trilhas teve parceria com a PUCPR nas seguintes atividades: • Feira de Economia Solidária da PUCPR; • Abertura de campo de estágio para os cursos Design de Moda e Psicologia; • Parceria na implementação de um ponto de cultura dentro da PUCPR – projeto Gelatecas; • Apoio à realização do projeto piloto Feira na Cesta – assessoria a uma cooperativa de produção orgânica na formulação de um projeto para entrega de cestas.

148

No final de 2016, foram avaliados todo o processo e a metodologia de incubação. Ao final desse período, optou-se por qualificar o serviço em vez da prestação de assessoria a uma grande quantidade de EES. Como o foco passou a ser a incubação (assessoria continuada), foi aberto um edital para seleção de EES que desejavam ser incubados.

Destaque Além da incidência pública – que resultou na aprovação da lei municipal de economia solidária5 e na constituição do Fórum Municipal de Economia Solidária de Curitiba – e do apoio ao comércio justo e solidário, também foram realizados em 2016: • • • • • • 5

A incubação de 4 EES; O assessoramento pontual a 42 EES; Um curso de extensão; Duas Feiras de Economia Solidária; A apresentação de 12 trabalhos em eventos da área; A publicação de um livro e de um capítulo de livro.

Lei Municipal de Economia Popular Solidária, nº 14.786, de 23 de fevereiro de 2016, que institui a política municipal de fomento à economia popular solidária e cria o Conselho Municipal de Economia Popular Solidária.

Solidariedade


Depoimento Lula “Antes de aparecer o Fortalecer na nossa vida a gente não tinha nem noção de trabalhar todas juntas, de formar uma cooperativa, de costurar, coisas na minha vida que eu nem imaginava que eu ia aprender. A gente aprendeu a compartilhar as coisas, todo mundo se ajudando a gente pode chegar muito mais longe do que a gente já chegou até agora. Com o Fortalecer a gente viu que a gente é capaz de crescer, ter um crescimento e estar todo mundo junto. O sonho é a gente estar lá na Cooperativa e produzindo roupas não só aqui pra PUC mas pra nossa Vila, para outros lugares e expandir o que a gente aprendeu. Eu dou graças a Deus por ter podido chegar até aqui, ter conhecido as pessoas que eu conheci e estar onde eu estou hoje.” Jô “O que eu demorei anos para mim pegar, nesse curso eu aprendi assim em etapas tão rápido. Tem uma creche lá que quer que eu faça 10 calças, eu posso pegar esse trabalho porque eu aprendi na cooperativa. Para mim é antidepressivo até, porque quando eu costuro eu esqueço de tudo, daquela rotina, aquele dia a dia pesado, eu esqueço de tudo, quero deixar aquele trabalho o mais lindo de todos, quando eu termino aquilo ali eu fico mais alegre ainda, porque dai eu vejo que ficou bonito e que alguém olhou e ficou mais feliz ainda de ver e aí eu fico mais feliz ainda.” Joseane Amorim de Azevedo (Jô) e Jupira do Socorro Ferreira de Souza (Lula) – Moradoras da comunidade Vila Torres, em Curitiba, que encontraram no Projeto Fortalecer da Trilhas Incubadora Social uma alternativa para a geração de renda e a conquista de sua autonomia na criação de seus filhos e netos.

Relatório Social Marista | 2015-2016

149


Bibliotecas Interativas: espaço de promoção cultural e formação de leitores

150

As Bibliotecas Interativas da Rede Marista de Solidariedade são espaçotempos nos quais os educandos, os educadores e a comunidade podem atuar como protagonistas e coautores de projetos voltados para a produção de conhecimento e cultura. As bibliotecas estão comprometidas com a democratização do acesso à informação, com a promoção cultural e a formação de leitores críticos, curiosos e ávidos por descobertas. São equipadas para sustentar uma programação viva de incentivo à leitura, com acervos de qualidade, atualizados e dispostos de maneira atraente e convidativa, e com mediadores prontos para transmitir a paixão pelos livros, pelo conhecimento e pela leitura. Alguns princípios orientadores dos projetos e ações desenvolvidas: • Promover a participação das pessoas, fortalecendo o protagonismo infantojuvenil; • Desenvolver projetos para ampliação de repertório, leituras, saberes e conhecimentos; • Desenvolver projetos de promoção da leitura, contação de histórias e inclusão digital; • Manter um acervo comprometido com a diversidade de leituras, suportes e materiais; • Realizar a formação de mediadores de leitura; • Desenvolver atividades interativas e lúdicas em espaços acolhedores; • Garantir o diálogo intercultural. A formação das equipes que atuam nas Bibliotecas Interativas é fundamental para garantir os pressupostos do programa: periodicamente são organizados encontros formativos nos quais esses profissionais podem refletir sobre sua prática e qualificá-la de forma contínua.

Solidariedade


Em 2016, foram desenvolvidos mais de 60 projetos e 4 mil educandos foram atendidos.

151

Formação em Rede – Itinerários Formativos Em parceria com as unidades sociais Maristas, a RMS realiza, anualmente, Itinerários Formativos externos com o objetivo de contribuir para a formação de profissionais que atuam na promoção e defesa de direitos da criança e do adolescente, por meio de projetos e ações que fomentem a construção de novos cenários para as infâncias. Os Itinerários Formativos são espaços de socialização de saberes e práticas, buscando fortalecer a formação de educadores, pesquisadores, gestores e outros agentes que atuam na efetivação dos direitos da criança. Eles consistem em seminários regionais abertos ao público externo, com temas sobre direitos humanos e a participação de especialistas internos e externos. No planejamento anual das unidades, está prevista a realização de seminários, a definição de temas e a escolha dos potenciais parceiros. A participação é gratuita e os participantes recebem um certificado.

Relatório Social Marista | 2015-2016


Alguns seminários psicossociais realizados no período:

152

• Seminário Marista de Serviço Social e Psicologia: construindo práticas psicossociais – participação de aproximadamente 300 pessoas e realização no Centro Social Marista Itaquera, em São Paulo; • Democracia e Direitos Humanos: a crise política na atualidade – realizado na PUCPR, em Curitiba, teve a participação de aproximadamente 200 pessoas; • 3º Seminário Marista de Serviço Social – Serviço Social e atuação interdisciplinar – contou com a participação de aproximadamente 300 pessoas e foi realizado no Centro Social Marista Itaquera, em São Paulo; • Seminário Marista de Serviço Social – Não o meu, não o seu, mas o nosso – Limites, desafios e potencialidades do trabalho interdisciplinar. Realizado na PUCPR, em Curitiba, com a participação de aproximadamente 300 pessoas.

Depoimento “Educadores comprometidos com uma educação de qualidade se esforçam em buscar bons espaços formativos, pensando em tornar sua prática cada vez mais qualificada, assertiva, humana. E para os educadores Maristas essa necessidade de formação continuada é real, já que temos a premissa de que há que se apresentar sempre o melhor para as crianças atendidas. Ao nosso inteiro favor temos os Itinerários Formativos, momentos especiais de formação, sempre com um palestrante de referência em sua área. É inegável a contribuição destes momentos em nossa formação. As reflexões correlacionadas à prática, a criança como foco central. Momentos elaborados para repensar as ações, reforçando os princípios de ação-reflexão-ação. Há também um grandioso benefício ao público de educadores de outras redes, outros espaços. A abertura dos Itinerários Formativos ao público externo tem levado a muitos ambientes educativos a mesma percepção de que educação se faz com educadores bem formados, conscientes de sua prática transformadora. Já ouvi inúmeros relatos de educadores da rede pública, educadores de unidades convenia-

Solidariedade


Depoimento das e particulares, dizendo que neste espaço há uma preocupação em transpor os muros da escola e atingir o maior percentual de educadores possível, para que a boa educação não seja uma exclusividade de nossa rede, mas de todos. Com transformação na vida das crianças atendidas. O que fica depois de um momento formativo como este? A espera ansiosa pelo próximo...” Laura Andrea de Souza Prado e Silva – Educadora do Centro Social Marista Itaquera.

153

Pastoral no Currículo: uma chave missionária da evangelização Marista Para o Grupo Marista, a evangelização é o ponto-chave de sua missão e está presente em todas as suas frentes de atuação, de modo especial no campo da educação com crianças e jovens, preferencialmente os empobrecidos. Desse modo, a inculturação do evangelho nos territórios onde as unidades sociais e educacionais estão inseridas considera as subjetividades dos interlocutores e das diferentes culturas como fonte para sua ação pastoral.

Relatório Social Marista | 2015-2016


Para isso, a concepção de pastoral no currículo é a consolidação de uma perspectiva almejada há muito tempo. Além disso, essa concepção considera que a ação pastoral tem seus próprios espaçotempos, ampliando seu lugar de atuação. A sistematização dessa renovada configuração do pensar e do agir pastoral das unidades sociais e educacionais está pautada na missão da Igreja e no carisma Marista, considerando as especificidades de cada território de atuação. Essa sistematização está representada nos “Parâmetros para a Ação Pastoral – A evangelização nas Unidades Sociais e Educacionais da RMS”.

154

Solidariedade


Publicações das unidades sociais da RMS As Publicações da RMS nascem da sistematização de suas práticas e são de autoria dos profissionais e de educandos. A sistematização é um movimento integrador entre a descrição sistemática e metodológica das práticas socioeducativas desenvolvidas na RMS e o exercício reflexivo sobre estas práticas, na busca pela produção de conhecimento. Todas as publicações têm como intuito disseminar boas práticas em defesa dos direitos humanos, em especial de crianças, adolescentes e jovens. Resultado do esforço e contribuição de educadores, educandos e especialistas parceiros, as publicações são obras escritas a várias mãos com o objetivo de disseminar pesquisas, estudos, levantamentos econômicos e sociais na área da educação e boas práticas das unidades sociais Maristas. Por serem produzidos pelos profissionais na prática, os conhecimentos disseminados nas publicações servem para reformular a coerência de seus discursos e reordenar a sua própria ação. Na medida em que estes processos ocorrem no cotidiano, os profissionais vão superando o fazer repetido mecanicamente e se tornando profissionais reflexivos. Principais resultados alcançados em 2016: - 2 mil livros distribuídos para o público externo; - 1.335 acessos à página “Publicações” no site da RMS em 2016. - Livros publicados: • Parâmetros da Ação Pastoral; • Diálogos e Caminhos da Educação Integral em Tempo Integral no Ensino Fundamental: registro metodológico; • Conviver Marista: um novo caminho para a educação em contextos não escolares; • Direito à aprendizagem e gestão democrática: caminhos possíveis; • Avaliação da e na Educação Infantil: ressignificando conceitos e práticas; • Economia solidária.

Relatório Social Marista | 2015-2016

155


Além das publicações, a RMS também participou do Congresso Marista – Recife 2016 por meio de anais, relatos de experiência (comunicação oral) e pôsteres.

156

Articulação e Incidência Política O Grupo Marista acredita que participação da sociedade civil nos espaços de formulação, implementação e acompanhamento de políticas públicas é essencial para a garantia de ações governamentais que efetivem direitos, com vistas a uma sociedade mais digna e justa. A RMS tem atuação ativa nesses espaços de discussão e deliberação sobre os direitos de crianças e adolescentes, juventudes, educação, assistência social, economia solidária e áreas afins. Na esfera Nacional, o Grupo Marista possui assento no Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, que tem por objetivo, aprimorar, implementar e fortalecer os Direitos Humanos no Brasil, por meio da busca permanente de ações conjuntas entre Estado e sociedade Civil. A seguir são apresentados os temas com ênfase na gestão 2015/2016 do CONANDA: • • • • •

Povos e comunidades tradicionais. População do campo. Crianças e adolescentes com deficiência. Crianças e adolescentes em situação de rua. Medicalização nas escolas e nas unidades de internação do SINASE.

Solidariedade


• Implementação do SINASE, Não a Redução da Idade Penal e ao aumento de tempo de internação. • Discussão de igualdade de gênero. • Programas policialescos e classificação indicativa. Na esfera Estadual, o Centro Marista de Defesa da Infância compõe o CEDCA-PR representando a Sociedade Civil para formulação, deliberação e controle social das políticas referentes às crianças e aos adolescentes paranaenses, com foco no direcionamento de recursos públicos. Em 2016 foi eleito para ocupar a presidência, representando a sociedade civil no biênio 2016-2017. O Centro de Defesa também compõe a coordenação colegiada do Fórum dos Direitos da Criança e do Adolescente/Fórum DCA-PR. Em articulação com os atores do Sistema de Garantia de Direitos, tiveram como principais pautas a destinação do fundo da infância FIA-PR, redução da maioridade penal, enfrentamento às violências, proposição e

Relatório Social Marista | 2015-2016

157


monitoramento do Plano Decenal dos Direitos da Criança e do Adolescente do Estado do Paraná, medidas socioeducativas e análise das peças orçamentárias do Orçamento Público do Estado do Paraná: PPA – Plano Plurianual e LOA – Leis Orçamentárias Anuais, com participação em audiência pública na Assembleia Legislativa do Estado do Paraná.

158

Em âmbito Municipal, o Setor de Pastoral do Grupo Marista ocupa uma cadeira no Conselho Municipal de Juventude de Curitiba (CMJ). A atual gestão (2015-2017), tem como principal pauta a elaboração e aprovação do Plano Municipal de Juventude. E ainda, nos municípios onde a RMS tem unidades sociais e educacionais, a representação em espaços de controle social acontece com a ocupação de cadeiras em Conselhos de caráter deliberativo, de políticas, e Conselhos gestores, e participação em redes e fóruns de articulação em temáticas voltadas à garantia de direitos, controle social, direitos humanos, entre outros. A seguir encontra-se um resumo das principais representações em âmbito municipal:

Resumo das representações

Quantidade

Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente

21

Fóruns

15

Redes de Articulação e de Proteção Local

15

Conselhos Municipais de Assistência Social

11

Conselhos Municipais da Juventude

9

Comissões Locais

7

Conselhos Gestores e associações de organizações

7

Conselhos Municipais de Educação

3

Conselhos Municipais de Economia Solidária

2

Conselho Estadual da Juventude

1

Rede Nacional da Primeira Infância

1

Total

92

Solidariedade


Depoimento “A constituição cidadã instituiu a construção de um novo contexto de participação da cidadania, a qual transcende às fronteiras da delegação de poderes da Democracia Representativa, e criando uma nova forma de controle social com a Democracia Participativa, através de criação dos conselhos de direitos paritários, que se apresentam como novo modo de exercício político. A atuação do Segmento da Sociedade civil possibilita o efetivo exercício do controle social, bem como possibilita a construção de novas formas mais harmoniosas de relacionamento entre o Estado e a sociedade civil.” Anderson Rodrigues Ferreira – Presidente da Comissão da Criança e do Adolescente OAB/PR e Membro da Comissão Especial Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do Conselho Federal/OAB.

No âmbito da RMS, foram provocadas discussões com as unidades sociais, demais áreas do Grupo Marista e com a Sociedade Civil para análise das mudanças provocadas pela MP nº 746/20166: impactos, perspectivas e possíveis encaminhamentos. A medida provisória altera diversos trechos da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN — Lei nº 9.394/1996). A Diretoria Executiva de Ação Social (DEAS), após conhecimento da medida, propôs: • A organização de um encontro, em outubro de 2016, com as direções, coordenações educacionais, pedagógicas e assistentes sociais das unidades que ofertam o Ensino Médio na RMS. Na ocasião, foram esclarecidas dúvidas em relação à medida, provocando uma análise crítica por parte do

6

Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016, que institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências.

Relatório Social Marista | 2015-2016

159


grupo. Houve a mediação da Doutora Fabiane Lopes de Oliveira, professora da graduação da PUCPR; da Doutora Viviane Aparecida da Silva, gerente educacional da DEAS; e de Marilusa Rossari, assessora educacional do Ensino Médio da RMS, além dos demais membros da equipe da DEAS; • A criação de um Fórum do Ensino Médio com as unidades da RMS, para acompanhamento das discussões da MP; • A participação na discussão de alunos e professores das licenciaturas da PUCPR;

160

• A discussão das mudanças com a equipe da rede de colégios, TECPUC e PUCPR para análise das mudanças, seus impactos, perspectivas e possíveis encaminhamentos; • A discussão com os docentes e equipes locais sobre a MP nas unidades da RMS; • A realização de escuta dos educandos do Ensino Médio para ampliar o debate nos espaços de incidência.

Voluntariado e missão: presença junto aos empobrecidos O Programa de Voluntariado Marista busca o fortalecimento da espiritualidade marista, sendo presença significativa junto aos empobrecidos, em territórios nacionais e internacionais, com enfoque na emancipação dos sujeitos, e no desenvolvimento das comunidades locais. Por meio do programa de voluntariado, diversos públicos envolvidos: irmãos, leigos e leigas, colaboradores e jovens, têm a oportunidade de imergir em outras comunidades, dispondo de suas habilidades, vocação, competências e talentos, para o serviço daqueles que estão em situação de vulnerabilidade, numa perspectiva solidária e humana.

Solidariedade


Depoimento “Fui voluntária internacional Marista por oito meses, e trabalhei em centros maristas para crianças e adolescentes, na Tailândia e no Camboja. Aprendi como os povos de culturas tão diferentes da nossa vivem e se desenvolvem ou tentam sobreviver. Nestes oito meses tive uma vida simples, ainda em melhores condições do que os nossos alunos, mas nada me faltou, e a confirmação de que na simplicidade também posso me sentir plena. Sem dúvida um dos grandes aprendizados que não vou me esquecer, foi compartilhar a comida, o trabalho, a oração e a vida com o outro na diversidade de idiomas, culturas e personalidades que a experiência me proporcionou. A experiência me ensinou muito sobre ser mais humana, melhor cristã, independente de se viver em países que a maioria da população é budista. Aprendi a ser mais tolerante, a ouvir mais do que falar, superar minhas dificuldades, afinal eu nunca tinha dado aula de inglês e esse não era meu ponto forte, além de dar conta da saudade e de não saber falar a língua local. De tudo, o que permanece é o amor pela vida e pelo próximo nas diversas realidades que eu encontrei e vivi.” Flávia Meirelles Israel – Ex-voluntária e Leiga Marista de Ribeirão Preto.

Relatório Social Marista | 2015-2016

161


162

“O processo formativo que a nossa província faz foi muito importante para minha experiência de voluntariado internacional. Muitas das dificuldades que encontro aqui, e até habilidades necessárias que eu preciso ter, foram discutidas e trabalhadas durante meu processo. Consigo ver muita diferença em como consigo lidar com aspectos que poderiam ser difíceis, mas não estão sendo. Esse processo de preparação foi desde decidir entrar no grupo de discernimento para o voluntariado, até na escolha do pais e projeto. Muitos me perguntavam se eu não estava com medo, morar em outro lugar, ou de querer voltar. Mas, sempre me senti segura diante dessa minha decisão, e sei que essa segurança eu adquiri na minha formação.” Ellene C. Baettker Voluntária na África do Sul

Solidariedade


163

Relatรณrio Social Marista | 2015-2016


SAÚDE

O Grupo Marista se dedica à promoção da saúde por meio de seus hospitais, que desenvolvem suas ações de assistência, ensino e pesquisa de forma articulada e pautada pela filosofia e missão maristas. Um dos fatores importantes presente nas unidades é o atendimento humanizado, que busca o bem-estar dos pacientes e garante que todos tenham seus direitos atendidos e preservados. A saúde se alia à educação na formação acadêmica, já que os hospitais oferecem espaço à universidade para a realização de práticas e pesquisas que permitem a construção de novos conhecimentos na área de saúde, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida da comunidade. Essa sinergia entre a comunidade, a academia e o hospital permite a formação de alunos capazes de atuar com as mais variadas demandas sociais e eleva a contribuição do Grupo Marista para a sociedade. Os hospitais que fazem parte do Grupo Marista são: • Hospital Universitário Cajuru: hospital geral, com ênfase em alta complexidade nas especialidades de ortopedia e neurologia voltadas ao aten-


• •

166 •

dimento de emergências em traumas, é referência em transplante renal, tendo 100% dos atendimentos direcionados a pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). Hospital Marcelino Champagnat: presta serviços à saúde suplementar com atendimentos clínico e cirúrgico de média e alta complexidade. Santa Casa de Curitiba: hospital geral, com clínicas médicas e cirúrgicas e serviços de referência em cardiologia, cirurgia cardíaca, nefrologia, pesquisas com células-tronco, transplantes de órgãos e cirurgia bariátrica, com uma ala de internamento exclusiva para pacientes com obesidade mórbida. Seu atendimento é destinado a pacientes do SUS e saúde suplementar. Hospital Maternidade Alto Maracanã: hospital especializado em obstetrícia, voltado ao atendimento pré-natal e ao parto com cerca de 98% do seu atendimento destinado aos usuários ao SUS. Unidade Intermediária de Crise e Apoio à Vida (UNIICA): atendimento de urgência e emergência em psiquiatria, à saúde suplementar, tendo como foco o tratamento de patologias psiquiátricas incluindo aquelas provocadas pelo uso de álcool e outras drogas. Além disso, tem se proposto, a acolher pacientes complexos, com um, dois ou mais diagnósticos, sejam eles apenas psiquiátricos ou psiquiátricos e clínicos.

Os hospitais integram a Rede Marista de Solidariedade por meio da promoção à saúde com a prestação de serviços ao Sistema Único de Saúde (SUS) e educação para solidariedade, com o desenvolvimento de programas e projetos com enfoque nos direitos humanos; no fortalecimento, na prevenção e na disseminação da informação; e em projetos de voluntariado.


SAÚDE APC (2016)

ISCMC (2016)

Paciente-dia1

Paciente-dia1

63,24% Ações prioritárias3

69,06% Ações prioritárias3

10% Atendimentos/ procedimentos ambulatoriais2

3%

76,24% total de serviços prestados ao SUS

10% 6%

Atendimentos/ procedimentos ambulatoriais2

85,06% total de serviços prestados ao SUS

INDICADORES HOSPITALARES (2016)

147.542

atendimentos de emergência

38.132

71,75%

taxa de ocupação geral

2,19% taxa de infecção

internações

(IRAS - Infecção Relacionada à Assistência à Saúde)

157.561

176 transplantes

diárias

(84 HUC e 92 ISCMC)

Percentual de paciente-dia corresponde ao total de permanências de um paciente em internações hospitalares. Os atendimentos/procedimentos ambulatoriais são incorporados na prestação de serviços ao SUS no percentual máximo de 10%. 3 Ao percentual total da prestação de serviços para o SUS é adicionado o índice percentual de 1,5% para cada ação prioritária: APC: Atenção às urgências e emergências e Hospitais de ensino. ISCMC: Atenção obstétrica e neonatal; Atenção oncológica; Atenção às urgências e emergências; e Hospitais de ensino. 1 2

Relatório Social Marista | 2015-2016

167


Direcionamentos da Rede Marista de Solidariedade (RMS) para a Saúde Destaques 1. Fomentar boas práticas de humanização e educação em saúde com enfoque nos direitos humanos;

168

2. Desenvolver projetos de educação em saúde, com enfoque no fortalecimento, na prevenção e na disseminação da informação; 3. Fortalecer a humanização na relação entre o paciente e o cuidador; 4. Estreitar e aprimorar a relação do hospital com a comunidade; 5. Fortalecer os espaços para a educação para a solidariedade por meio de programas e projetos de voluntariado.

Campanha de Doação de órgãos, Seja Eterno O Hospital da Santa Casa de Curitiba, em 2015, foi o hospital que mais realizou transplantes cardíacos no estado do Paraná. Engajados em uma missão maior, em 2016, o hospital passou por melhorias nos processos e reestruturou do Setor de Transplantes.

Doe órgãos, seja eterno. Participe da campanha de doação de órgãos da Santa Casa.

A campanha Seja Eterno, elaborada para motivar a doação de órgãos, contou com a participação dos alunos da Escola de Comunicação da PUCPR, que criaram um vídeo sobre o tema, o mesmo foi inserido em cinemas de Curitiba e também divulgada para as áreas do Grupo Marista. O site do hospital também foi adequado para receber o cadastro de novos doadores. Na reinauguração do Setor de Transplantes foram entregues aos participantes, cartas com a manifestação voluntária de doar; o evento também contou com a participação de figuras públicas, como o Ministro da Saúde.

Saúde


Quantidade de Transplantes Realizados

2015

2016

Transplante de córnea

32

45

Transplante cardíaco

20

15

Transplante renal

21

7

Transplante de valvas cardíacas

21

25

Depoimento “ ...O segredo da vida é amar a vida, eu não sei quem você foi, mas eu sei quem você é hoje; Você é meu anjo doador. Ha um ano você deixou de viver, e doou teu coração para eu continuar a viver. Então hoje e sempre quando eu viver, peço a Deus para abençoar tua família com muitas alegrias e muita saúde. O significado do transplante seja ele de que órgão for, vai além de um ato de amor, ele salva vidas.” Extrato de carta da Nádia Aparecida Rulf, paciente do Hospital Santa Casa, receptora (transplante de coração). Nadia Aparecida Rulf – Paciente do Hospital Santa Casa.

Revitalização do Ambulatório da Santa Casa Com o objetivo de oferecer um ambiente humano e acolhedor, a área da Saúde do Grupo Marista em parceria com a Escola de Arquitetura e Design da PUCPR promoveram a revitalização do ambulatório da Santa Casa. Foram reestruturados os espaços internos das recepções do check-in e do check-out, as salas de espera e a criação de um mural artístico. O desenvolvimento dos projetos junto aos alunos do curso de Pós-graduação em Arquitetura e Design de Interiores, teve como proposta de tema os valores institucionais do Grupo Marista: espiritualidade, espírito de família, simplicidade, justiça, amor ao trabalho e presença significativa. A intenção é que colaboradores sejam inspirados e animados na vivência das atitudes e comportamentos traduzidos por esses valores.

Relatório Social Marista | 2015-2016

169


Além de contribuir para a formação profissional e humana dos alunos, a revitalização desses espaços é um exemplo de que é possível realizar grandes projetos sociais por meio de parcerias acadêmicas. No dia 14 de maio de 2016, foi realizado um mutirão composto por voluntários da área da Saúde, escoteiros e Instituto Robert Bosch, para a implementação do espaço da Santa Casa. O projeto contou com o patrocínio das empresas FoxLux, Alessi, Darka e Veman.

170

Antes

Depois

Depoimento “O Projeto de revitalização do Ambulatório da Santa Casa nasceu de uma iniciativa da Diretoria de Operações da Área de Saúde do Grupo Marista em conjunto ao Curso de Pós Graduação da Escola de Arquitetura e Designer, onde por meio de diversas parcerias estabelecidas com empresas foi possível a realização de um sonho, que foi muito mais além do que pintar paredes, trocar mobiliário e a iluminação, e sim promover a transformação daquele local, buscando materializar os valores Maristas tornando o ambiente mais acolhedor para o indivíduo que busca naquele espaço um lugar para a cura da sua doença, que busca uma esperança. Desta forma, com este projeto pudemos engajar mais de 70 pessoas na busca da promoção do bem comum, pois cada vez que você estende a mão por uma vida, o mundo se transforma.” Ricardo Lopes – Diretor de Operações da Área de Saúde do Grupo Marista.

Saúde


Campanha de conscientização: Motorista de 1ª viagem O Hospital Universitário Cajuru (HUC) – que é referência em trauma no Paraná e atende diariamente diversas vítimas de acidentes de trânsito – realizou em 2016 a segunda edição da campanha Motorista de 1ª viagem. Por meio de ações de conscientização e prevenção, o objetivo da campanha é conscientizar os futuros condutores sobre a importância de um trânsito seguro. Durante a Semana Nacional de Trânsito, o HUC abriu suas portas para estudantes do Ensino Médio, futuros condutores de veículos. Recebidos por médicos, fisioterapeutas e enfermeiros do hospital em um tour pelas alas de internação e de politraumatizados, os alunos foram orientados sobre as consequências dos acidentes de trânsito. Após ouvir as histórias dos pacientes internados, eles participaram de uma breve palestra com informações sobre primeiros socorros e salvamentos das vítimas.

Relatório Social Marista | 2015-2016

171


Destroços de motos e carros envolvidos em acidentes também foram colocados na porta do pronto-socorro do hospital para ilustrar os perigos de um trânsito violento. A iniciativa contou com a parceria do Detran-PR.

Destaques

172

Em 2016, a campanha Motorista de 1ª Viagem alcançou seis inserções espontâneas na TV: duas na RPC, uma na Band e três na RICTV. A ação também teve uma pequena nota nas versões online e impressa da Gazeta do Povo e uma entrevista na Rádio +.

Parceria Solidária Dentro do Hospital Universitário Cajuru, primeiro e maior hospital de pronto-socorro do estado do Paraná, a unidade pediátrica foi criada para atender especificamente crianças e adolescentes decorrentes de acidentes. Diariamente, são recebidos crianças e adolescentes de Curitiba, região metropolitana, municípios litorâneos, regiões interioranas e outras cidades paranaenses. Para garantir o direito à saúde de qualidade para crianças e adolescentes, melhorando o tratamento e promovendo um atendimento mais humanizado, foi criado um projeto de reestruturação na infraestrutura e de adaptação tecnológica. Após ser aprovado pelo Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (Cedca-PR), o projeto passou a captar recursos do Fundo para a Infância e Adolescência (FIA) oriundos de empresas apoiadoras. Parceiros apoiadores: Vianmaq, FTD, Schattdecor, Ecovia e BRDE.

Saúde


173

Educação para a Solidariedade: Sentindo na Pele O projeto Sentindo na Pele surgiu com a necessidade de proporcionar aos pacientes uma maior sensação de bem-estar e segurança durante o tempo de internação. Para isso, ele buscou criar novas abordagens e ações que contribuíssem diretamente para o processo de humanização dos serviços hospitalares e de um acolhimento de qualidade. Os treinamentos práticos realizados no HUC com a equipe de voluntários e as equipes assistenciais promoveram uma experiência real na vida dos dois agentes responsáveis pela condução dos pacientes. Durante as atividades, o treinador colocou os participantes em macas e cadeiras de rodas, conduzindo-os primeira-

Relatório Social Marista | 2015-2016


mente de forma errada e demonstrando os transtornos e possíveis danos ocasionados por esse tipo de condução. Em seguida, foi realizada a condução correta, evidenciando as diferenças entre as duas formas. Durante o período de treinamento, também foi explicado qual deve ser a postura dos condutores no momento da ação, e foram dadas algumas dicas de comunicação com pacientes e as equipes multiprofissionais das unidades.

174

Projeto de Música e Espiritualidade no Ambiente Hospitalar O cenário hospitalar é complexo e desafiador. Ao pensar na promoção da saúde, é primordial considerar a multidimensionalidade do ser humano. A proposta do Projeto de Música e Espiritualidade no Ambiente Hospitalar é utilizar a música como recurso de comunicação e de aproximação entre o profissional da saúde, o paciente e o familiar. Sua intenção também é contribuir para o resgate da autoestima e identidade dos pacientes em internamento hospitalar como forma de auxiliar na sua recuperação. Em 2016, o HUC elaborou um cronograma de visitas musicais nas unidades de internação, no pronto-socorro, nas unidades de terapia intensiva (UTIs), na sala de espera, no centro cirúrgico e na hemodiálise. As visitas conseguiram demonstrar a diminuição dos efeitos negativos relacionados ao internamento, possibilitando, assim, o resgate da autonomia e identidade

Saúde


dos pacientes, muitas vezes perdidas no processo de hospitalização. Além disso, elas fortaleceram as relações entre a equipe, pacientes e familiares, criando um ambiente de partilha e interação onde são acolhidas as angústias, os medos e fantasias do paciente, sua história de vida e expectativas de recuperação. Nesses momentos, as visitas musicais criaram espaços nos quais o paciente reencontrou-se consigo mesmo, possibilitando o autoconhecimento e a ressignificação de sua existência. Por último, a iniciativa reforçou vivência da Presença e da Espiritualidade em pacientes e familiares, valores Maristas que fizeram uma diferença positiva em suas vidas ao acolher seu sofrimento com empatia e respeito.

Projeto Oficina de Espiritualidade para Enfermagem A partir de um mapeamento realizado com colaboradores do Hospital Universitário Cajuru, o projeto das Oficinas de Espiritualidade teve como objetivo principal proporcionar espaços de reflexão e vivência acerca da interface entre as dimensões da espiritualidade e da saúde, visando um impacto na práxis profissional. A oficina é uma modalidade de formação contínua realizada segundo componentes do saber-fazer prático ou processual. Ela é orientada por: • Procedimentos de ação ou produção de materiais de intervenção, concretos e identificados, definidos pelo conjunto de participantes como a resposta mais adequada ao aperfeiçoamento; • Reflexão sobre as práticas desenvolvidas e construção de novos meios processuais e técnicos.

Relatório Social Marista | 2015-2016

175


Foram realizadas quatro oficinas para profissionais da Enfermagem – enfermeiros, técnicos e auxiliares –, cada uma com cinco semanas de duração, e um encontro semanal com duração de uma hora.

Destaques

176

Prêmio Aberje 2016 – Com o objetivo de fomentar boas práticas de humanização e educação em saúde com enfoque nos direitos humanos, o case Hospital Universitário Cajuru – Referência de Qualidade no Cenário Caótico do SUS venceu a categoria “Relacionamento com a Imprensa” do Prêmio Aberje 2016 – Região Sul. Acreditação Internacional – Em 2016, após implantar a metodologia internacional de processos com padrões ótimos de qualidade e segurança assistencial, o Hospital Marcelino Champagnat (HMC) recebeu a acreditação internacional pela Joint Commission International (JCI).

Atividades Multidisciplinares Desde sua abertura em 2010, a Unidade Intermediária de Crise e Apoio à Vida (UNIICA) – responsável pela reabilitação de pacientes psiquiátricos – oferece tratamento hospitalar integral ou regime de hospital dia por meio de atividades multidisciplinares com profissionais de Psicologia, Terapia Ocupacional, Musicoterapia, Educação Física, Nutrição e Serviço Social. Em 2016, a proposta da Grade de Atividades foi desenvolvida pela equipe multiprofissional e validada pela equipe médica e de gestão da unidade. O paciente tem, diariamente, pelo menos uma ou duas atividades de cada área – totalizando cinco atividades de segunda a sexta – e uma atividade nos finais de semana. A cada ano, as atividades são revisadas e a grade é ajustada de acordo com as novas demandas dos pacientes, sempre com a avaliação da equipe médica e multiprofissional. Além disso, os pacientes contam com atendimentos individualizados semanais com seus psiquiatras e psicólogos de referência.

Saúde


COMUNICAÇÃO

Os veículos de comunicação do Grupo Marista prezam pela promoção de conhecimento, cultura e cidadania, a fim de formar cidadãos éticos, justos e solidários, por meio de processos comunicacionais educativos e culturais de excelência, fundamentados nos valores do Evangelho. A Lumen Comunicação reúne as rádios Lumen FM 99.5 e Clube FM 101.5 além da web rádio Lumen Clássica, que atingem a população de Curitiba, região metropolitana, norte de Santa Catarina e rede web. A Lumen Comunicação integra a Rede Marista de Solidariedade com a construção de novas linguagens e diferentes formatos de comunicação com crianças e jovens, além de mobilizar a sociedade para os direitos de crianças e jovens.

Direcionamentos da Rede Marista de Solidariedade (RMS) para a Comunicação Destaques 1. Desenvolver conteúdos com enfoque nos direitos de crianças e jovens e utilizar todos os meios disponíveis para sua disseminação; 2. Considerar a participação direta de crianças e jovens na produção dos conteúdos, quando possível; 3. Divulgar e apoiar, nos meios disponíveis, as boas práticas relativas aos direitos de crianças e jovens promovidas pela RMS com parceiros, como organizações da sociedade civil, governos, redes temáticas e iniciativa privada.


Intercâmbio social 180

No ano de 2016, foi realizada a visita de um grupo de colaboradores da Lumen ao Centro Educacional Marista Curitiba. Além do contato direto com as crianças e os educadores da unidade social, eles participaram da rotina de atividades e apreciaram as diversas manifestações artísticas. Como retribuição, a Lumen Comunicações recebeu a visita de 25 crianças e 7 educadores da unidade. As crianças conheceram as instalações das emissoras Clube FM e Lumen FM, interagiram com os locutores e produtores e acompanharam a rotina dos profissionais. Os estúdios das emissoras foram utilizados para gravações com as crianças, que tiveram participações ao vivo junto com os educadores.

Clube com a Boca no Trombone Os veículos de comunicação do Grupo Marista procuram promover a cultura e despertar a cidadania, a fim de formar cidadãos éticos, justos e solidários, como desejava o fundador da Instituição Marista, Marcelino Champagnat. As emissoras Clube FM e Lumen FM, apoiaram várias campanhas de instituições de assistência social, especialmente as voltadas para o atendimento de crianças e adolescentes. No ano de 2016 a Rádio Clube FM, entre às 06h e 08h, com a oferta de conteúdo de utilidade pública possibilitou a interação com o público através das seguintes programações: 1. Se Beber Não Perca a Noção: Campanha de conscientização sobre os riscos da ingestão de bebida alcoólica. 2. Clube Saúde: Oferta semanal de programação falando de temas relacionados a saúde, a qualidade de vida e ao bem-estar com a participação de profissionais da área da saúde do Grupo Marista. 3. Seu Bolso: Orientação de especialistas na área de economia para ajudar os ouvintes a enfrentar a crise financeira.

Comunicação


4. Carteira de Trabalho: Orientação e esclarecimentos de especialistas sobre legislação trabalhista e comportamento no ambiente de trabalho, bem como orientações com vistas a aumentar as chances de conquistar um novo emprego.

Leitura Viva O Leitura Viva é um programa diário com um formato inovador que traz a literatura para o rádio. Apresentado pelo professor e mediador de leitura Flávio Stein, o programa propõe o contato entre o ouvinte e diversas obras literárias. Contos, crônicas, extratos de romances e poemas são lidos com a preocupação de dar vida ao texto escrito.

Sintonize sua saúde Em parceria com o Hospital Marcelino Champagnat, o Sintonize sua saúde é um interprograma diário da Lumen FM dedicado à saúde. Com 1 minuto de duração e a participação de um médico e coach em saúde, ele apresenta dicas de saúde e de comportamentos saudáveis que melhorem a qualidade de vida.

Destaques LUMEN FM – no mês de novembro de 2016, a emissora ampliou o seu raio de alcance por meio da implantação de uma nova antena e do aumento da potência de seus transmissores. LUMEN CLÁSSICA – com transmissão 24 horas por dia, a intenção da web rádio Lumen Clássica é colocar o acervo da Lumen Comunicação ao alcance dos ouvintes apreciadores das composições dos grandes mestres. Seu objetivo é despertar a sensibilidade e os talentos para os fundamentos da música universal. A meta de ser uma forma de difusão cultural conta com apoio da PUCPR, e, no ano de 2016, a emissora atingiu o número de 84 mil ouvintes de música erudita.

Relatório Social Marista | 2015-2016

181


182

LEI ROUANET - A Rádio Lumen FM é uma concessão educativa com foco na difusão da cultura e que tem uma preocupação constante com a formação cultural dos seus ouvintes. É a primeira rádio do Brasil com a programação completa inserida na Lei Rouanet. Sua programação foi formatada em conformidade com a legislação para que empresas interessadas tenham incentivos fiscais ao aplicar seus recursos na promoção da cultura e da arte. Para a emissora educativa, esta é uma forma de auxiliar na sua sustentabilidade. Campanhas de apoio a diversas instituições de assistência social - No ano de 2016, as emissoras Clube FM e Lumen FM apoiaram várias campanhas de instituições de assistência social, especialmente aquelas voltadas ao atendimento de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social.

Comunicação


Produção de documentários e vídeos fortalecem o projeto educativo Com objetivo de promover o direito de crianças e jovens, a !mago Produções Educativas desenvolveu, em 2016, produtos audiovisuais que contribuíram para a divulgação de projetos sociais e educativos desenvolvidos por outras áreas do Grupo Marista.

Campanha Defenda-se A !mago produziu vídeos em formato de animação par a a websérie “Defenda-se”. Voltada para crianças de 5 a 11 anos, a campanha é composta por uma série de dez vídeos com o objetivo de reduzir os índices alarmantes de abuso e exploração sexual de crianças. Além da série inicial, foram produzidos materiais para a campanha de Carnaval, além de versões legendadas em espanhol e inglês, versões em Libras e audiodescrição.

Circuito Projeto de Vida A !mago foi parceira na produção do vídeo explicativo “Como a ferramenta funciona”, inserido dentro do site do projeto, no menu “como funciona”. Por meio dessa parceria, a produtora também foi a responsável pela produção de um vídeo teaser sobre o projeto e de um vídeo mais detalhado, que convida o público a conhecer o site do Circuito Projeto de Vida. Além disso, a !mago produziu um vídeo do Superior Provincial do Grupo Marista dedicado aos professores, educadores, diretores e pastoralistas de todos os colégios e unidades sociais e educacionais do grupo. O objetivo do vídeo é divulgar as informações do Setor de Vida Consagrada e Laicato (SVCL) sobre o uso do Circuito Projeto de Vida.

Relatório Social Marista | 2015-2016

183


EDITORIAL

A atuação do Grupo Marista no segmento editorial é uma consolidação de seu trabalho no Brasil, desde 1897. Fazem parte do Grupo Marista duas editoras: a FTD Educação e a Editora Universitária Champagnat (PUCPRESS). A FTD Educação tem como missão contribuir na transformação da sociedade por meio de soluções educacionais conectadas com o futuro. É referência pela produção e oferta de conteúdo educacional e cultural adequado e inovador; e se destaca na produção e impressão de livros didáticos e de literatura infantil e juvenil. Além disso, oferece um Sistema de Ensino que integra tradição e modernidade, conteúdos sólidos, recursos impressos e digitais. A Editora Universitária Champagnat (PUCPRESS) atua nos segmentos científico, didático e institucional. Tem como premissa a relevância científica, didática, artística e cultural, visando atender aos interesses de ensino, pesquisa e extensão da comunidade acadêmica da PUCPR, da preservação da memória regional e da sociedade como um todo.


186

Direcionamentos da Rede Marista de Solidariedade (RMS) para a FTD Educação Destaques 1. Fortalecer a imagem e o posicionamento institucional da editora diante do desenvolvimento social por meio dos negócios; 2. Enfatizar estratégias ligadas ao Marketing Social Corporativo; 3. Promover a operacionalização do Investimento Social Privado por meio de programas e projetos; 4. Estabelecer sinergia com a RMS; 5. Fortalecer redes afins, como o GIFE e delas participar; 6. Fomentar, com clientes e fornecedores, possibilidades de investimentos financeiros à RMS; 7. Promover o fortalecimento da RMS por meio de projetos e ações, com seus colaboradores, voltados à promoção e defesa de direitos de crianças e jovens e à educação para a solidariedade; 8. Desenvolver propostas inovadoras para o desenvolvimento da educação para a cultura da solidariedade entre seus colaboradores; 9. Desenvolver e/ou fomentar um processo de avaliação dos projetos e das ações desenvolvidas, para promover a melhorias de forma continuada e o alinhamento institucional; 10. Desenvolver conteúdos com enfoque nos direitos de crianças e jovens e utilizar todos os meios disponíveis para sua disseminação.


Formação de leitores nas escolas públicas contribui para o desenvolvimento infantil Desenvolvido pela área de Investimento Social Privado (ISP) da FTD Educação, o projeto Pequenos Leitores forma professores, coordenadores pedagógicos e diretores escolares com a intenção de aprimorar a formação de leitores nas escolas públicas na faixa etária entre 3 e 5 anos. Para cumprir o objetivo, foram organizados encontros formativos em parceria com a Comunidade Educativa CEDAC, em municípios de São Paulo, Itatinga e Pratânia (2013/2014) e Ferraz de Vasconcelos (2015/2016), com a finalidade de incentivar a realização de ações de fomento à leitura nas escolas e para a compreensão da contribuição da leitura e da literatura no desenvolvimento infantil. O programa apresentou resultados em relação à duas frentes principais, a saber: a) Gestão escolar e educacional, com implementação da Proposta Pedagógica das redes e Projetos Políticos Pedagógicos das escolas no que se refere ao conteúdo de leitura literária para as crianças de 3 a 5 anos; e, b) Práticas pedagógicas, com as crianças atendidas ingressando na cultura escrita de forma significativa e interessante; tendo acesso a um repertório de livros de qualidade; iniciando-se como leitoras fazendo parte de uma comunidade de leitores. Alguns números de nossa última edição: - Número de participantes beneficiados diretamente: 215 - Número de participantes beneficiados indiretamente: 8.156 - Acervo de livros entregues: 4.580

Relatório Social Marista | 2015-2016

187


Depoimento

188

“O projeto [Pequenos Leitores] veio para mudar a nossa concepção de leitura, a nossa concepção de ler para a criança ou apresentar o mundo da leitura para a criança”. Jailda Mendes – Diretora de Escola Pública, Ferraz de Vanconcelos/São Paulo.

Destaque Com uma metodologia baseada na experiência da Comunidade Educativa CEDAC, o projeto Pequenos Leitores foi reconhecido nacional e internacionalmente em 2015 pelos seguintes eventos: • Artigo publicado na “Revista Emília: Projeto Pequenos Leitores – Em busca da transformação da leitura literária na educação infantil”: http://revistaemilia.com.br/projeto-pequenos-leitores/ • Apresentação no IBBY Congress, em Auckland, na Nova Zelândia – agosto de 2016: www.ibbycongress2016.org • Apresentação no II Seminário Internacional de literatura infantil e juvenil e práticas de mediação literária, em Florianópolis (SC) – setembro de 2016: www.slij.com.br • Em julho de 2017, o projeto será apresentado na 20a Conferência Europeia de Leitura e Escrita, em Madri, Espanha: aelemadrid2017.com/es/ conferencia-europea-2

Editorial


REFERÊNCIAS PROVÍNCIA MARISTA BRASIL CENTRO-SUL - PMBCS. Termos, expressões e valores institucionais, São Paulo: FTD, 2010. PROVÍNCIA MARISTA BRASIL CENTRO-SUL - PMBCS. Diretrizes da Ação Evangelizadora. São Paulo: FTD, 2011. REDE MARISTA DE SOLIDARIEDADE - RMS. Diretrizes e Direcionamentos para a Rede Marista de Solidariedade. São Paulo: FTD, 2012. BRASIL. RESOLUÇÃO Nº 2, DE 1º DE JULHO DE 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União. Brasília, DF. v. 124. Seção 1. Capitulo: Conselho Nacional De Educação. ISSN 1677-7042. P.8. BRASIL. LEI MUNICIPAL DE ECONOMIA POPULAR SOLIDÁRIA, Nº 14.786, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2016. Institui a política municipal de fomento à economia popular solidária e cria o Conselho Municipal de Economia Popular Solidária. Diário Oficial do Município de Curitiba. Poder Executivo. Curitiba – PR. Nº 42 - ANO V. P.23. BRASIL. MEDIDA PROVISÓRIA Nº 746, DE 22 DE SETEMBRO DE 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF. v. 184-A. Seção 1 - Edição Extra. Capítulo: Atos do Poder Executivo. ISSN 1677-7042. P. 2. 


APÊNDICES

Apêndice A Educação Superior PUCPR e Católica de Santa Catarina APC Campus Curitiba APC Campus São José dos Pinhais APC Campus Londrina APC Campus Toledo APC Campus Maringá Católica Instituto Católico de Santa Catarina Católica Centro de Educação Profissional Católica de Jaraguá do Sul

Localização Curitiba / PR São José dos Pinhais / PR Londrina / PR Toledo / PR Maringá / PR Joinville / SC Jaraguá do Sul / PR

Educação Profissional TECPUC APC Centro de Educação Profissional Irmão Mários Cristóvão

Localização Curitiba / PR (Continua)

Educação Básica Rede Marista de Colégios ABEC Colégio Marista Arquidiocesano ABEC Colégio Marista Nossa Senhora da Glória ABEC Colégio Marista de Ribeirão Preto ABEC Colégio Marista Santa Maria ABEC Colégio Marista de Londrina

Localização São Paulo / SP São Paulo / SP Ribeirão Preto / SP Curitiba / PR Londrina / PR

Apêndices


193 (Conclusão) Educação Básica Rede Marista de Colégios ABEC Colégio Marista de Maringá ABEC Colégio Marista de Brasília - Maristinha ABEC Colégio Marista PIO XII ABEC Colégio Marista de Cascavel ABEC Colégio Marista de Brasília - Maristão ABEC Colégio Marista de Goiânia ABEC Colégio Marista PIO XII de Brasília ABEC Colégio Marista Champagnat UCE Colégio Marista São Luís UCE Colégio Marista Paranaense UCE Colégio Marista Frei Rogério UCE Colégio Marista São Francisco UCE Colégio Marista de Criciúma

Localização Maringá / PR Brasília / DF Ponta Grossa / PR Cascavel / PR Brasília / DF Goiânia / GO Brasília / DF Ribeirão Preto / SP Jaraguá do Sul / SC Curitiba / PR Joaçaba / SC Chapecó / SC Criciúma / SC (Continua)

Solidariedade Centros Educacionais Maristas ABEC Centro Educacional Marista Curitiba ABEC Centro Educacional Marista Ir. Rui ABEC Centro Educacional Marista Santa Mônica ABEC Centro Social Marista Lar Feliz ABEC Escola Ecológica Marcelino Champagnat ABEC Centro Educacional Marista Ir. Acácio ABEC Centro Social Marista Ir. Lourenço ABEC Centro Social Marista Itaquera ABEC Centro Social e Escola Marista Ir. Francisco Rivat ABEC Centro Social Marista Caçador ABEC Centro Social Marista Marcelino Champagnat ABEC Centro Social Marista Robru ABEC Centro Social Marista Pouso Redondo ABEC Centro Social Marista Ir. Justino ABEC Centro Educacional Marista Ir. Walmir ABEC Centro Educacional Marista Lúcia Mayvorne ABEC Centro Educacional Marista Enfermeira Anita Cordeiro APC Centro Educacional Marista Irmã Eunice Benato

Relatório Social Marista | 2015-2016

Localização Curitiba / PR Ribeirão Preto / SP Ponta Grossa / PR Santos / SP Almirante Tamandaré / PR Londrina / PR São Paulo / SP São Paulo / SP Brasília / DF Caçador / SC Cascavel / PR São Paulo / SP Pouso Redondo / PR São Paulo / SP Criciúma / SC Florianópolis / SC Paiçandu / PR Curitiba / PR


194 (Conclusão) Solidariedade Centros Educacionais Maristas APC Proação Guaraqueçaba (Centro Social Marista Ir. Panini) APC Proação Fazenda Rio Grande (Centro Social Marista Ir. Henri) APC Centro Social Marista Itapejara APC Centro Social Marista Propulsão APC Centro Social Marista Estação Casa APC Centro Marista de Defesa da Infância UCE Centro Social Marista Dourados UCE Centro Social Marista Ir. Egídio UCE Centro Social Marista São José

Localização Guaraqueçaba / PR Fazenda Rio Grande / PR Itapejara d'Oeste / PR Curitiba / PR Curitiba / PR Curitiba / PR Dourados / MS São José dos Pinhais / PR São José / SC

Saúde Hospitais APC APC ISCMC ISCMC ISCMC

Localização Curitiba / PR Curitiba / PR Curitiba / PR Colombo / PR Curitiba / PR

Hospital Universitário Cajuru Hospital Marcelino Champagnat Hospital Santa Casa de Curitiba Hospital Maternidade Alto Maracanã UNIICA - Unidade Intermediária de Crise e Apoio a Vida

Comunicação Rádios LUMEN LUMEN LUMEN LUMEN

Clube FM Lumen FM Web Lumen Clássica Imago Produções Educativas

Editorial APC FTD FTD FTD FTD FTD FTD FTD

PUCPRESS - Editora Champagnat FTD Educação Matriz (1) Editorial (1) Parque Gráfico (1) Filiais (9) Distribuidores (13) Casas de Atendimento ao Professor (14)

Localização Curitiba / PR Curitiba / PR Curitiba / PR Curitiba / PR

Curitiba / PR São Paulo / SP São Paulo / SP São Paulo / SP Guarulhos / SP

Apêndices


195

Apêndice B Educação Superior (PUCPR)¹ 2015 (1º Semestre) Alunos² 25.748 R$6 Bolsas N.5 Bolsas ProUni³ 100% 5.740 39.057.431 Bolsas ProUni³ 50% 1.174 3.226.203 Subtotal 6.914 42.283.634 100% 241 1.609.651 Bolsas IES4 4 50% 361 1.342.559 Bolsas IES Subtotal 602 2.952.209 Total 7.516 45.235.843 Total de recursos aplicados no ano (R$) Todos os câmpus

2015 (2º Semestre) 23.714 N.5 R$6 5.123 36.735.269 1.053 3.071.303 6.176 39.806.572 211 1.418.851 316 1.175.292 527 2.594.143 6.703 42.400.716 87.636.559

Considera a Educação Superior ofertada na PUCPR (APC). A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. 2 Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestres, em cursos de graduação e tecnólogos. 3 Bolsas ProUni: concessão de bolsas por meio da adesão ao Programa Universidade Para Todos (ProUni). 4 Bolsas IES: concessão de bolsas a candidatos com o mesmo perfil dos bolsistas ProUni. 5 Quantidade de alunos bolsistas. 6 Recursos financeiros aplicados em gratuidade. 1

Educação Superior (PUCPR)¹ 2016 (1º Semestre) Alunos² 24.474 R$6 Bolsas N.5 Bolsas ProUni³ 100% 5.265 42.308.921 Bolsas ProUni³ 50% 1.597 5.232.726 Subtotal 6.862 47.541.647 100% 153 1.162.456 Bolsas IES4 4 50% 176 654.614 Bolsas IES Subtotal 329 1.817.069 Total 7.191 49.358.716 Total de recursos aplicados no ano (R$) Todos os câmpus

2016 (2º Semestre) 22.774 N.5 R$6 4.927 40.281.836 1.612 5.287.164 6.539 45.569.000 134 997.326 166 593.419 300 1.590.745 6.839 47.159.744 96.518.461

Considera a Educação Superior ofertada na PUCPR (APC). A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. 2 Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestres, em cursos de graduação e tecnólogos. 3 Bolsas ProUni: concessão de bolsas por meio da adesão ao Programa Universidade Para Todos (ProUni). 4 Bolsas IES: concessão de bolsas a candidatos com o mesmo perfil dos bolsistas ProUni. 5 Quantidade de alunos bolsistas. 6 Recursos financeiros aplicados em gratuidade. 1

Relatório Social Marista | 2015-2016


196 Educação Superior (PUCPR)¹ 2016 (1º Semestre) Alunos² 19.525 R$6 Bolsas N.5 Bolsas ProUni³ 100% 4.018 34.947.433 Bolsas ProUni³ 50% 1.298 4.460.858 Subtotal 5.316 39.408.291 100% 105 898.852 Bolsas IES4 4 50% 79 335.398 Bolsas IES Subtotal 184 1.234.250 Total 5.500 40.642.541 Total de recursos aplicados no ano (R$) Câmpus Curitiba

2016 (2º Semestre) 18.018 N.5 R$6 3.790 32.971.037 1.340 4.556.994 5.130 37.528.030 86 730.066 64 272.894 150 1.002.960 5.280 38.530.991 79.173.531

Considera a Educação Superior ofertada na PUCPR (APC). A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. 2 Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestres, em cursos de graduação e tecnólogos. 3 Bolsas ProUni: concessão de bolsas por meio da adesão ao Programa Universidade Para Todos (ProUni). 4 Bolsas IES: concessão de bolsas a candidatos com o mesmo perfil dos bolsistas ProUni. 5 Quantidade de alunos bolsistas. 6 Recursos financeiros aplicados em gratuidade. 1

Educação Superior (PUCPR)¹ 2016 (1º Semestre) Alunos² 1.995 5 R$6 Bolsas N. Bolsas ProUni³ 100% 399 2.745.468 Bolsas ProUni³ 50% 73 158.794 Subtotal 472 2.904.262 100% 11 66.791 Bolsas IES4 50% 20 39.530 Bolsas IES4 Subtotal 31 106.320 Total 503 3.010.583 Total de recursos aplicados no ano (R$) Câmpus Londrina

2016 (2º Semestre) 1.971 5 N. R$6 391 2.910.150 65 159.480 456 3.069.630 11 62.824 17 36.150 28 98.974 484 3.168.603 6.179.186

Considera a Educação Superior ofertada na PUCPR (APC). A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. 2 Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestres, em cursos de graduação e tecnólogos. 3 Bolsas ProUni: concessão de bolsas por meio da adesão ao Programa Universidade Para Todos (ProUni). 4 Bolsas IES: concessão de bolsas a candidatos com o mesmo perfil dos bolsistas ProUni. 5 Quantidade de alunos bolsistas. 6 Recursos financeiros aplicados em gratuidade. 1

Apêndices


197 Educação Superior (PUCPR)¹ 2016 (1º Semestre) Alunos² 1.022 5 R$6 Bolsas N. Bolsas ProUni³ 100% 287 1.195.968 Bolsas ProUni³ 50% 63 117.470 Subtotal 350 1.313.438 100% 8 26.936 Bolsas IES4 50% 7 15.213 Bolsas IES4 Subtotal 15 42.149 Total 365 1.355.587 Total de recursos aplicados no ano (R$) Câmpus Maringá

2016(2º Semestre) 969 N. 248 62 310 8 14 22 332

5

R$6 1.148.488 104.226 1.252.714 38.378 17.275 55.653 1.308.367 2.663.954

Considera a Educação Superior ofertada na PUCPR (APC). A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. 2 Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestres, em cursos de graduação e tecnólogos. 3 Bolsas ProUni: concessão de bolsas por meio da adesão ao Programa Universidade Para Todos (ProUni). 4 Bolsas IES: concessão de bolsas a candidatos com o mesmo perfil dos bolsistas ProUni. 5 Quantidade de alunos bolsistas. 6 Recursos financeiros aplicados em gratuidade. 1

Educação Superior (PUCPR)¹ Câmpus São 2016 José dos Pinhais (1º Semestre) Alunos² 272 R$6 Bolsas N.5 Bolsas ProUni³ 100% 33 324.520 Bolsas ProUni³ 50% 16 85.554 Subtotal 49 410.074 100% 0 0 Bolsas IES4 50% 5 26.060 Bolsas IES4 Subtotal 5 26.060 Total 54 436.134 Total de recursos aplicados no ano (R$)

2016 (2º Semestre) 231 N.5 24 12 36 0 5 5 41

R$6 245.064 72.811 317.875 0 26.039 26.039 343.914 780.047

Considera a Educação Superior ofertada na PUCPR (APC). A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. 2 Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestres, em cursos de graduação e tecnólogos. 3 Bolsas ProUni: concessão de bolsas por meio da adesão ao Programa Universidade Para Todos (ProUni). 4 Bolsas IES: concessão de bolsas a candidatos com o mesmo perfil dos bolsistas ProUni. 5 Quantidade de alunos bolsistas. 6 Recursos financeiros aplicados em gratuidade. 1

Relatório Social Marista | 2015-2016


198 Educação Superior (PUCPR)¹ 2016 (1º Semestre) Alunos² 1.660 5 R$6 Bolsas N. Bolsas ProUni³ 100% 528 3.095.533 Bolsas ProUni³ 50% 147 410.050 Subtotal 675 3.505.582 100% 29 169.877 Bolsas IES4 50% 65 238.413 Bolsas IES4 Subtotal 94 408.290 Total 769 3.913.872 Total de recursos aplicados no ano (R$) Toledo

2016 (2º Semestre) 1.585 5 N. R$6 474 3.007.097 133 393.654 607 3.400.751 29 166.058 66 241.061 95 407.118 702 3.807.869 7.721.741

Considera a Educação Superior ofertada na PUCPR (APC). A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. 2 Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestres, em cursos de graduação e tecnólogos. 3 Bolsas ProUni: concessão de bolsas por meio da adesão ao Programa Universidade Para Todos (ProUni). 4 Bolsas IES: concessão de bolsas a candidatos com o mesmo perfil dos bolsistas ProUni. 5 Quantidade de alunos bolsistas. 6 Recursos financeiros aplicados em gratuidade. 1

Educação Superior (CATÓLICA SC)¹ Todos os 2015 2015 câmpus (1º Semestre) (2º Semestre) Alunos² 4.435 4.172 N.4 N.4 Bolsas3 Bolsas 237 219 Subtotal 237 219 Total 237 219

Educação Superior (CATÓLICA SC)¹ Todos os 2016 2016 câmpus (1º Semestre) (2º Semestre) Alunos² 3.773 4.086 N.4 N.4 Bolsas3 Bolsas 192 169 Subtotal 192 169 Total 192 169

¹ Considera a Educação Superior ofertada na Católica de Santa ¹ Considera a Educação Superior ofertada na Católica de Santa Catarina. A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar Catarina. A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. seja, 1º e 2º semestre. ² Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestre em cursos ² Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestre em cursos de graduação. de graduação. 3 3 Bolsas - concessão de bolsas de até 50% Bolsas - concessão de bolsas de até 50% 4 4 Quantidade de alunos bolsistas. Quantidade de alunos bolsistas.

Apêndices


199 Educação Profissional¹

Alunos ² Bolsas Bolsas integrais Bolsas parciais Total

100% 50%

2015 (1º Semestre) 3.308 N.³ 529 50 579

2015 (2º Semestre) 2.758 N.³ 494 20 514

2015

R$4 3.345.881 113.873 3.459.754

¹ Considera a Educação Profissional Técnica de Nível Médio ofertada nas unidades do TECPUC, nas modalidades integrado, concomitante e subsequente. A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. ² Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestre. ³ Quantidade de alunos bolsistas. 4 Recursos financeiros aplicados em gratuidade.

Educação Profissional¹

Alunos ² Bolsas Bolsas integrais Bolsas parciais Total

100% 50%

2016 (1º Semestre) 2.196 N.³ 469 12 481

2016 (2º Semestre) 2.196 N.³ 271 12 283

2016

R$4 2.540.993 52.753 2.593.746

¹ Considera a Educação Profissional Técnica de Nível Médio ofertada nas unidades do TECPUC, nas modalidades integrado, concomitante e subsequente. A partir do ano 2015, a instituição passou a demonstrar os dados de acordo com regime didático semestral adotado, ou seja, 1º e 2º semestre. ² Considera os alunos matriculados no 1° e 2° semestre. ³ Quantidade de alunos bolsistas. 4 Recursos financeiros aplicados em gratuidade.

Relatório Social Marista | 2015-2016


200 Educação Básica¹ 2015 Etapas Creche Pré-escola Ensino Fundamental Ensino Médio Total

Bolsas (%) Alunos² 100% 50% 100% 50% 100% 50% 100% 50%

1.584 2.709 16.763 5.262 26.318

Bolsas

3

2016 Bolsas (R$) 4

3 18 8 40 163 803 217 433 1.685

Alunos

50.112 63.733 85.058 179.915 2.089.020 4.007.129 3.285.382 2.799.701 12.560.050

1.610 2.715 16.795 4.734 25.854

Bolsas3 4 10 5 39 165 780 244 445 1.692

Bolsas4 (R$) 53.227 65.451 76.572 172.622 2.163.136 4.354.590 4.144.942 3.069.929 14.100.469

¹ Considera a Educação Básica ofertada na Rede Marista de Colégios, bolsas integrais e parciais. ² Considera os alunos matriculados no ano. ³ Quantidade de alunos bolsistas. 4 Recursos financeiros aplicados em gratuidade.

Educação Básica/Solidariedade¹ 2015 Etapas Creche Pré-escola Ensino Fundamental Ensino Médio Total

2016

Bolsas (%)

Bolsas²

Bolsas³

Bolsas²

Bolsas³ (R$)

Integrais 100% Integrais 100%

699 964

7.282.483 9.176.573

669 863

5.771.080 7.722.473

Integrais 100%

2.689

19.519.021

2.480

22.189.760

Integrais 100%

743 5.095

5.548.671 41.526.748

914 4.926

7.245.450 42.928.764

¹ Considera a Educação Básica ofertada nos Centros Educacionais e Sociais Maristas, bolsas integrais. ² Quantidade de pessoas atendidas. ³ Recursos financeiros aplicados em gratuidade.

Abertura das bolsas da creche e pré-escola (Educação Infantil) por tempo integral, nos Centros Educacionais e Sociais Maristas 2015 Creche e pré-escola em tempo integral (Grupo Marista) Creche e pré-escola

1.449

2016 Creche e pré-escola em tempo integral (Grupo Marista) Creche e pré-escola

1.341

214 191

Apêndices


201 Assistência Social/Solidariedade¹ 2015

2016

Assistência Social

N.²

R$³

N.²

R$³

Grupo Marista

3.370

19.519.943

3.210

19.808.074

Total

3.370

19.519.943

3.210

19.808.074

Considera a Assistência Social ofertada nos Centros Educacionais e Sociais Maristas. Quantidade de pessoas atendidas. 3 Recursos financeiros aplicados em gratuidade. 1 2

Saúde APC Saúde

APC

2015 2016 Quantidade % Quantidade Percentual correspondente ao total de internações hospitalares - paciente-dia Diárias - SUS

58.972

68,59%

54.314

63,24%

Diárias - C&P (Saúde Suplementar)

27.004

31,41%

31.569

36,76%

Total pac.dia C&P e SUS

85.976

100%

85.883

100%

Ambulatorial - Atendimento/Procedimentos Atendimentos - SUS

384.724

71,21%

407.779

68,28%

Atendimentos - C&P (Saúde Suplementar)

155.567

28,79%

189.478

31,72%

Total Atendimento/Procedimentos Ambulatorial C&P e SUS¹

540.291

10%

597.257

10%

Totalização do percentual de serviços prestados ao SUS Competência Mês/Ano Percentual de paciente-dia APC

%

Atendimentos/procedimentos ambulatoriais (máximo de 10%) Percentual referente às ações prioritárias² Total de serviços prestados ao SUS

2015 68,59%

2016 63,24%

10,00%

10,00%

3,00%

3,00%

81,59%

76,24%

¹ O atendimento/procedimento ambulatorial pode ser incorporado à prestação de serviços ao SUS no percentual máximo de 10%. ² Ao percentual total da prestação de serviços para o SUS poderá ser adicionado o índice percentual de 1,5% (um e meio ponto percentual), para cada ação prioritária, a saber: III - Atenção às urgências e emergências; e, V - Hospitais de ensino.

Relatório Social Marista | 2015-2016


202 Saúde ISCMC Saúde

2015 2016 Quantidade % Quantidade Percentual correspondente ao total de internações hospitalares - paciente-dia

%

Diárias - SUS

51.795 75,16%

51.079

69,06%

Diárias - C&P (Saúde Suplementar)

17.121 24,84%

22.879

30,94%

Total pac.dia C&P e SUS

68.916

73.958

100%

429.124

94,21%

100%

ISCMC Ambulatorial - Atendimento/Procedimentos Atendimentos - SUS Atendimentos - C&P (Saúde Suplementar) Total Atendimento/Procedimentos Ambulatorial C&P e SUS¹ Totalização do percentual de serviços prestados ao SUS Competência Mês/Ano Percentual de paciente-dia ISCMC Atendimentos/procedimentos ambulatoriais (máximo de 10%) Percentual referente às ações prioritárias² Total de serviços prestados ao SUS

425.127 94,36% 25.400

5,64%

26.355

5,79%

450.527

10%

455.479

10%

2015

2016 75,16%

69,06%

10,00%

10,00%

6,00%

6,00%

91,16%

85,06%

¹ O atendimento/procedimentos ambulatorial pode ser incorporado à prestação de serviços ao SUS no percentual máximo de 10%. ² Ao percentual total da prestação de serviços para o SUS poderá ser adicionado o índice percentual de 1,5% (um e meio ponto percentual), para cada ação prioritária, a saber: I - Atenção obstétrica e neonatal; II - Atenção oncológica; III - Atenção às urgências e emergências; e, V - Hospitais de ensino.

Apêndices


203

Apêndice C UNIDADE

E.I.

E.F.I E.F.II

E.M. / Conviver Média Sistema Assessoramento E.M.TC Marista complexidade Prisional

Centro Educacional Marista de Curitiba Centro Educacional Marista Ir. Rui Centro Educacional Marista Santa Mônica Centro Social Marista Lar Feliz Escola Ecológica Marcelino Champagnat Centro Educacional Marista Ir. Acácio Centro Social Marista Itaquera Centro Social Marista Marcelino Champagnat Centro Social Marista Robru Centro Social Marista Ir. Justino Centro Educacional Marista Ir. Walmir Centro Educacional Marista Lúcia Mayvorne Centro de Educação infantil Marista Enfermeira Anita Cordeiro Centro Social Marista Ir. Lourenço Centro Social Marista Caçador Centro Social Marista Pouso Redondo Centro Educacional Marista Irmã Eunice Benato Centro Social Marista Ir. Panini (Proação Guaraqueçaba) Centro Social Marista Ir. Henri (Proação Fazenda Rio Grande) Centro Social Marista Itapejara Centro Social Marista Propulsão Centro Social Marista Estação Casa Centro Marista de Defesa da Infância Centro Social Marista São José Centro Social Marista Dourados Centro Social Marista Ir. Egídio Centro Social e Escola Marista Ir. Francisco Rivat E.I. - Educação Infantil (Creche e Pré-escola) E.F.I - Ensino Fundamental I (1º ao 5º Ano) E.F.II - Ensino Fundamental II (6º ao 9º Ano) E.M. - Ensino Médio / E.M. TC - Ensino Médio Técnico Concomitante Conviver Marista – Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Assessoramento – Assessoramento e Defesa e Garantia de Direitos Média Complexidade – Proteção Social Especial de Média Complexidade Sistema Prisional – Atendimento de crianças em contexto prisional

Relatório Social Marista | 2015-2016


204

Apêndice D Relatório Social 2015 e 2016 - Grupo Marista 2015 9 - Indicadores sobre o corpo funcional N. total de empregados(as) ao final do período Educação Básica Educação Superior Saúde Assistência Social Serviços Terceiros Cultural Ambiental Veículos de Comunicação Atividades de Apoio

Empregados por faixa etária (N. e %) Menores de 18 anos 18 anos a 35 anos 36 anos a 60 anos Acima de 60 anos

N. de mulheres que trabalham na Instituição N. de homens que trabalham na Instituição N. de cargos de chefia ocupados por mulheres N. de cargos de chefia ocupados por homens Salário médio das mulheres Salário médio dos homens N. de negros(as) que trabalham na Instituição N. de brancos(as) que trabalham na Instituição Salário médio dos(as) negros(as) Salário médio dos(as) brancos(as) N. de pessoas com deficiência Salário médio de pessoas com deficiência N. de estagiários(as) N. de jovens aprendizes Tempo médio de permanência do profissional na Instituição N. de licenças N. de afastados N. de acidentes de trabalho

2016 Quantidade

11.997

11.112

3.958 2.883 2.808 1.162 0 0 0 14 1.172

3.734 2.765 2.538 1.122 0 0 0 42 911

11.997

11.112

215 5.603 5.835 344 7.999 3.998 353 274 2.498 2.968 974 11.023 2.198 2.644 173 1.982 430 249

182 5.010 5.521 399 7.405 3.707 315 253 2.774 3.441 312 10.800 2.155 3.016 288 1.960 384 209

5

6

605

270

470

371

25

13

Apêndices


205 Relatório Social 2015 e 2016 - Grupo Marista 2015

2016 Quantidade

3.956

3.727

N. de doutores(as)

593

627

N. de mestres(as)

748

749

N. de especialistas

639

540

1.820

1.779

141

28

15

4

194

200

11

16

N. de graduados(as)

143

138

N. de graduandos(as)

31

30

N. de pessoas com Ensino Médio

9

16

N. de pessoas com Ensino Fundamental

0

0

N. de pessoas com Ensino Fundamental incompleto

0

0

7.847

7.185

633

555

1.922

1.861

920

749

N. de pessoas com Ensino Médio

3.035

3.123

N. de pessoas com Ensino Fundamental

1.208

565

120

330

9

2

10 - Qualificação do corpo funcional N. total de docentes

N. de graduados(as) N. de graduandos(as) N. de docentes não graduados(as)

N. total de educadores(as) sociais N. de pós-graduados (especialistas, mestres e doutores)

N. total de funcionários(as) no corpo técnico e administrativo N. de pós-graduados (especialistas, mestres e doutores)

N. de graduados(as) N. de graduandos(as)

N. de pessoas com Ensino Fundamental incompleto

N. de pessoas não alfabetizadas

Relatório Social Marista | 2015-2016


206

Apêndice E CRÉDITOS DAS IMAGENS

Camilla da Silva e Souza: capa, 124, 126 | João Borges: capa, 12, 32, 33, 34, 35, 60, 61, 62, 63, 102, 110, 111, 121, 125, 140, 162, 163, 176, 177, 182, 183 | Acervo champagnat.org/Danilo Ferreira Silva - 195º aniversário da “Promessa de Fourvière”: 11 | Acervo champagnat.org/Gregorio Domínguez (Goyo) – Família Marista: 11, 15, 21 | Acervo Comunicação Institucional/Sergio Ceron - em torno da mesma mesa: 13 | Acervo champagnat.org/Gregorio Domínguez (Goyo) – Desenhos de Goyo: 15 | Acervo champagnat.org/Andrés Gil - autor dos ícones para os 3 anos: Província do Rio Grande do Sul: 19 | Diretrizes e Direcionamentos da Rede Marista de Solidariedade/capa: 27, 29 | Acervo Setor de Pastoral: capa, 34, 38, 40, 43 | Acervo Setor de Vida Consagrada e Laicato: 45, 46, 48 | Diretoria de Desenvolvimento Humano e Organizacional: 50 | Acervo Centro Educacional Marista Irmã Eunice Benato: 51, 56 | Gerência de Gratuidade/infográfico da Educação Superior: 66, 67 | Site PUCPR/pesquisacientifica/mestradodoutorado: 67 | Site PUCPR/notícias: 67 | Site PUCPR/pesquisacientifica/iniciacaocientifica: 67 | Acervo Projeto Comunitário: 62, 67, 84 | Acervo Pastoral PUCPR-Câmpus Curitiba/Projeto Missão Universitária Irmão Henri Vergès: 67 | Acervo Pastoral PUCPR-Câmpus Maringá/Projeto Constituição em Evidência: 67 | Acervo Escola de Educação e Humanidades/Eixo Humanístico: 71 | Acervo Observatório de Juventudes: 74 | Acervo Pastoral da PUCPR: 67, 75 | Acervo Pastoral PUCPR-Câmpus Londrina: 77 | Acervo Pastoral PUCPR-Câmpus Toledo: 79 | Acervo Núcleo de Práticas Sociotécnicas e Empreendedorismo para o Desenvolvimento Sustentável/Núcleo SEEDS da Escola Politécnica-PUCPR: 90 | Acervo Núcleo de Direitos Humanos: 92, 93, 94 | Grupo Polyndia/Formatura Institucional: 67, 99 | Acervo Núcleo de Práticas Jurídicas/Católica SC: 101 | Gerência de Gratuidade/infográfico da Educação Profissional: 104 | Site TECPUC: 104 | Acervo TECPUC: 102, 103, 104, 106, 107, 109 | Acervo Colégio Marista Pio XII Ponta Grossa: 113 | Apêndices


207

Acervo Diretoria Executiva da Rede de Colégios/DERC: 115 | Acervo Colégio Marista Arquidiocesano 116, 117 | Editora PUCPRESS/infográfico da Educação Básica: 122, 123 | Acervo Centro Social Marista Irmão Panini: 124 | Acervo Centro Educacional Marista Enfermeira Anita Cordeiro: 125 | Acervo Centro Social Marista Itapejara: 126 | Acervo Centro Social Marista Irmão Justino: 130, 137 | Acervo Escola Ecológica Marcelino Champagnat: 132 | Acervo Centro Educacional Marista Irmão Acácio: capa, 135 | Diretoria Executiva de Ação Social/DEAS/infográfico Conviver Marista: 136 | Acervo Centro Social Marista Robru: 140 | Hosana Cristina de Freitas/Infográfico Estação Casa: 142 | Acervo Propulsão: 144 | Centro Social Marista Ir. Egídio/infográfico Trilhas Incubadora Social Marista: 145 | Acervo Diretoria Executiva de Ação Social/DEAS: 149, 151 | Parâmetros para a ação Pastoral – Evangelização nas unidades sociais e educacionais da RMS/ capa: 154 | Diálogos e caminhos da educação integral em tempo integral no ensino fundamental: registro metodológico/capa: 154 | Conviver Marista: um novo caminho para a educação em contextos não escolares/capa: 154 | Direito à Aprendizagem e Gestão Democrática: Caminho Possíveis/capa: 154 | Acervo Centro Marista de Defesa da Infância: 155 | Acervo Voluntariado Nacional e Internacional Marista: 159, 160 | Voluntariado Nacional e Internacional Marista/infográfico do Programa de Voluntariado Nacional e Internacional Marista: 160, 161 | Gerência de Gratuidade/infográfico da Área de Saúde: 165 | Escola de Comunicação e Artes/Célula Coletivo experimental PUCPR: 166 | Acervo Área de Saúde: 168 | Acervo Hospital Universitário Cajuru: 162, 169, 172, 173 | Hospital Universitário Cajuru/infográfico Unidade Pediátrica do Hospital Cajuru: 171 | Site Campanha Defenda-se: 181 | Site Circuito Projeto de Vida: 181 | Acervo Investimento Social Privado da FTD Educação: 187 |

Relatório Social Marista | 2015-2016


Para dĂşvidas e sugestĂľes, entre em contato com a GerĂŞncia de Gratuidade gerencia.gratuidade@grupomarista.org.br relatorio.social@grupomarista.org.br


Impresso na Maxi Gráfica Rua Raul Félix, 425 - Portão Curitiba - Paraná - Brasil Telefone: (41) 3025-4400 Esta edição foi composta pela Editora Universitária Champagnat e impressa na Maxi Gráfica, em sistema offset, papel couche 120g/m² (miolo) e Cartão Duo Design 250g/m² (capa).


Relatório Social Grupo Marista | 2015 - 2016  
Relatório Social Grupo Marista | 2015 - 2016  

O Relatório Social é um documento que, além de compilar dados, informações e projetos de destaque do Grupo Marista, retrata a missão em noss...

Advertisement