Page 1

REGULAMENTO 2013


13ºse grupo escoteiro uirapuru/sest senat REGULAMENTO DO GRUPO (com as alterações aprovadas em 10 de agosto de 2013 para adoção do vestuário escoteiro)

CAPÍTULO I - Da Constituição, finalidades e sede Art. 1º. O Grupo Escoteiro Uirapuru/SEST SENAT (GEU),é parte i ntegrante da SCAU – Sociedade Cultural e Assistencial Uirapuru - sociedade civil de direito privado, sem fins lucrativos, de caráter educacional, cultural, beneficente, filantrópico e comunitário; que atua na educação não formal através do Grupo Escoteiro, com sede e foro na cidade de Aracaju, capital de Sergipe. § 1º – O Grupo Escoteiro é constituído por prazo indeterminado, não respondendo sua diretoria e membros por qualquer obrigação social que venha a ser devida pela Entidade. (Lei 6015 de 31.12.73 – registros públicos). § 2º – Anualmente o Grupo Escoteiro deverá renovar seu certificado de funcionamento expedido pela União dos Escoteiros do Brasil, para fins de comprovação reafirmação de sua legitimidade na prática de escotismo bem como se destinará à obtenção ou manutenção condição de entidade de utilidade pública e de sua regularidade como grupo de escoteiro plenamente ativo. Art. 2º. O Grupo Escoteiro se subordinará às regras e orientações da União dos Escoteiros do Brasil, à qual é filiado, ou a organização escoteira de âmbito Nacional que legalmente a venha a suceder, fundir-se ou na qual se transforme, reservando à entidade local plena autonomia administrativa, financeira e absoluta independência patrimonial. § 1º. A dissolução do Grupo Escoteiro dar -se-á quando aprovada em duas reuniões extraordinárias da sua Assembleia de Grupo, especialmente convocadas para tal fim, com intervalos entre elas de sessenta dias, no mínimo e, noventa dias, no máximo, pelo voto favorável de dois terços de seus membros, em cada reunião. § 2º. O Grupo Escoteiro reger-se-á pelo presente Estatuto, e adotará como normas subsidiárias, o Estatuto da União dos Escoteiros do Brasil, seu Regulamento, “Princípios, Organização e Regras -POR”, Resoluções e Normas da União dos Escoteiros do Brasil, no que lhe for pertinente, devendo se estabelecer perfeita harmonia e compatibilidade entre as disposições estatutárias e regras estabelecidas pela União dos Escoteiros do Brasil, a fim de se preservar os princípios e a filosofia que regem a prática do Escotismo. Art. 3º. - O Grupo Escoteiro é a organização local para a prática do Escotismo; como força educativa, propõe-se apenas, complementar as influências e benefícios que cada sócio beneficiário recebe em seu lar, escola e credo religioso e, de forma alguma substitui essas instituições. § 1o. - O Grupo Escoteiro reconhece que o escotismo só pode ser praticado nos Grupos Escoteiros, enquanto autorizados pela União dos Escoteiros do Brasil, na forma do Decreto Nº. 5497 de 23 de julho de 1928 e do Decreto - Lei Nº. 8828 de 24 de janeiro de 1946. § 2o. - São absolutamente vedadas aos fins sociais do Grupo Escoteiro, quaisquer atividades de cunho político-partidário ou que impeçam a liberdade de culto. Art. 4º. - Em juízo ou fora dele, ativa e passivamente, o Grupo Escoteiro é representado por seu Diretor-presidente, ou se assim decidir a Diretoria da CAU, pelo Diretor de Escotismo devidamente designado, salvo o disposto no Art. 26, relativo a emissão de cheques e documentos que importem em obrigações ou responsabilidades legais, os quais deverão ser assinados por, pelo menos 2 (dois) Diretores, ou por seus procuradores, legalmente constituídos. CAPÍTULO II - Da administração e órgãos de representação Art. 5º. - São órgãos do Grupo Escoteiro I - Assembleia de Grupo II - Diretoria de Grupo, que nos termos do Estatuto da UEB poderá ser substituído por um Diretor de Escotismo designado pela entidade mantenedora. III - Comissão Fiscal de Grupo, cujas funções podem vir a ser assumidas pela Comissão Fiscal da entidade mantenedora IV - As Seções V - Conselho de Pais

2


13ºse grupo escoteiro uirapuru/sest senat REGULAMENTO DO GRUPO (com as alterações aprovadas em 10 de agosto de 2013 para adoção do vestuário escoteiro) VI - Conselho de Escotistas Art. 6º. - A Assembleia de Grupo é o órgão normativo e deliberativo do Grupo Escoteiro, e suas decisões são soberanas. Compete à Assembleia do Grupo: a) deliberar sobre o regulamento ou estatuto do Grupo e da Comissão Fiscal do Grupo; b) eleger, preferencialmente em reunião ordinária bienal, caso não se opte por um Diretor de Escotismo: b.1) - sua Diretoria, por meio de chapa; b.2) - sua Comissão Fiscal, por meio de voto unitário; c) eleger anualmente, em reunião ordinária e por votação unitária, seus representantes junto à Assembleia Regional; d) propor à Diretoria Regional, a alienação ou a oneração dos bens imóveis administrados pelo Grupo; e) deliberar sobre o balanço anual da Diretoria de Grupo, mediante parecer da Comissão Fiscal de Grupo; f) deliberar sobre os relatórios da Diretoria, da Comissão Fiscal e das Seções do Grupo Escoteiro; g) deliberar sobre a concessão de condecorações e recompensas, cuja competência lhe for atribuída; h) eleger dentre seus membros, a cada reunião, seu Presidente e Secretário; i) julgar em última instância os recursos às medidas disciplinares que forem da sua competência Art. 7º. - A Assembleia do Grupo Escoteiro é composta: a) de três membros eleitos da Diretoria do Grupo; b dos Escotistas; d) dos Pioneiros; e) dos Associados contribuintes da UEB vinculados ao Grupo e em pleno exercício de sua condição como tal; f) dos graduados dos ramos escoteiro e sênior. Art. 8º. - A Assembleia de Grupo se reúne e delibera com qualquer número de presentes, por convocação da Diretoria do Grupo, com antecedência mínima de 15 dias: a) ordinariamente, até o mês de julho de cada ano; b) extraordinariamente, por solicitação da Diretoria Regional, da Diretoria de Grupo, da Comissão Fiscal de Grupo ou, de 1/5 (um quinto) dos sócios da União dos Escoteiros do Brasil que compõem esta Assembleia. Art. 9º - Os editais de convocação deverão ser publicados no sítio do Grupo Escoteiro na Rede Mundial de Computadores e afixados no quadro de avisos do Grupo, constando obrigatoriamente a ordem do dia, local e data de sua realização, dentro do prazo legal e, mantendo a disposição dos sócios, cópias suficientes, para o caso de serem solicitadas, ou ainda, na medida das possibilidades, enviadas aos interessados. Art. 10 - A Diretoria do Grupo é o órgão executivo do Grupo Escoteiro e responsável por sua administração, e será eleita para um mandato de dois anos. É composta por, pelo menos 3 (três) membros, eleitos pela Assembleia do Grupo, por meio de chapa, sendo: a) 01 - (um) Diretor Presidente, que coordena, dirige e representa o Grupo; e b) 02 - (dois) Diretores § 1º- A Diretoria pode vir a ser integrada por outros membros, nomeados por ela própria, com atribuições fixadas pela Diretoria do Grupo. § 2º - Caso se opte por um Diretor de Escotismo, este dividirá as suas funções com a entidade mantenedora, de acordo com o que decidir a Diretoria desta. Art. 11 - Compete à Diretoria de Grupo: a) promover o desenvolvimento do Movimento Escoteiro em sua jurisdição, zelando pelo cumprimento deste Estatuto, do POR e regulamentos da União dos Escoteiros do Brasil; b) promover as facilidades necessárias para as reuniões e atividades do Grupo Escoteiro;

3


13ºse grupo escoteiro uirapuru/sest senat REGULAMENTO DO GRUPO (com as alterações aprovadas em 10 de agosto de 2013 para adoção do vestuário escoteiro) c) obter recursos materiais e humanos, assim como, particularmente, os financeiros podendo ser por meio da cobrança de mensalidades, de doações, de campanhas financeiras e de outras atividades; d) apresentar balanço anual à Comissão Fiscal do Grupo, fornecendo cópia a Diretoria Regional, bem como manter a disposição da Comissão Fiscal, a documentação de balancetes mensais para sua verificação e análise; e) assegurar a continuidade e o desenvolvimento do Grupo Escoteiro; f) propiciar uma boa divulgação do Movimento Escoteiro, junto à comunidade; g) registrar, tempestiva e anualmente, o Grupo Escoteiro e todos os membros juvenis e adultos a ele vinculados, perante a União dos Escoteiros do Brasil, efetivando, inclusive, os registros complementares durante o ano; h) selecionar, recrutar e propiciar capacitação aos recursos humanos do Grupo Escoteiro; i) aprovar o calendário anual de atividades do Grupo, até 30 de novembro do ano anterior ao da vigência, fornecendo cópia a Diretoria Regional; j) orientar e supervisionar a execução das atividades técnicas, administrativas e financeiras do Grupo Escoteiro; k) aplicar as medidas disciplinares aos membros do Grupo Escoteiro; l) deliberar sobre a concessão de condecorações e recompensas, cuja competência lhe for atribuída; m) deliberar sobre as filiações, desligamentos, nomeações e exonerações dos Escotistas e demais membros do Grupo Escoteiro; n) aprovar Delegados aos Congressos, Atividades e Eventos Escoteiros Regionais; o) responsabilizar-se, solidariamente, pelos atos praticados pelos adultos que nomear ou designar, assim como, pelos que participarem no Grupo Escoteiro, com cargo ou função, quando no desempenho das funções para as quais foram nomeados ou designados; p) fixar as atribuições dos diretores nomeados; q) manter os valores do Grupo Escoteiro, depositados em conta bancária, caderneta de poupança ou outra aplicação financeira a critério da própria diretoria, não devendo manter em caixa, quantia superior a quatro salários mínimos; r) deliberar sobre as campanhas financeiras a serem realizadas pelas seções, após a aprovação dos conselhos de pais das mesmas; s) nomear, exonerar e, manter registrado em livro próprio, o controle das nomeações e exonerações dos Escotistas e diretores nomeados do Grupo Escoteiro; t) manter o registro das atas da Diretoria; u) manter em dia o cadastro dos sócios do Grupo Escoteiro; v) manter em dia todas as obrigações legais, fiscais e estatutárias da sua competência, cumprindo-as e fazendo-as cumprir a todos os membros e órgãos da sua responsabilidade; x) referendar o calendário anual de atividades do Grupo. Art. 14 - A Comissão Fiscal do Grupo Escoteiro é o órgão de fiscalização e orientação da gestão patrimonial e financeira do Grupo Escoteiro, composta por (3) três membros titulares, sendo um seu Presidente, eleito por eles próprios, e por (3) três suplentes, na ordem de votação, que substituem os titulares nas suas faltas ou vacâncias, com mandato de 2 (dois) anos e eleitos simultaneamente com a Diretoria do Grupo Escoteiro. Art. 15 - A Comissão Fiscal do Grupo Escoteiro, examinará o balanço anual e balancetes mensais elaborados pela Diretoria de Grupo, emitindo pareceres mensais, sendo, no relativo ao balanço anual, submetido à Assembleia de Grupo nos prazos legais. Parágrafo Único - A Comissão Fiscal do Grupo Escoteiro, tem como funções, além das fiscalizadoras relativas às áreas contábeis, administrativos e financeiras, a de orientar e sugerir ações da Diretoria no atinente as questões administrativas e financeiras. Art. 16 - As Seções do Grupo Escoteiro são as seguintes: I - Alcateias (Lobinhos), faixa etária dos 7 aos 10 anos; II - Tropas Escoteiras, faixa etária dos 11 aos 14 anos; III - Tropas Seniores, faixa etária dos 14 aos 17 anos; IV - Clã Pioneiro, faixa etária dos 7 aos 21 anos, incompletos. § 1º. É objetivo do Grupo Escoteiro, manter os quatro ramos, com pelo menos uma se-

4


13ºse grupo escoteiro uirapuru/sest senat REGULAMENTO DO GRUPO (com as alterações aprovadas em 10 de agosto de 2013 para adoção do vestuário escoteiro) ção de cada um, para poder oferecer aos jovens, a progressividade e continuidade do Escotismo que abrange as faixas etárias de sete a vinte e um anos incompletos. § 2º. A organização das Seções e sua coordenação encontram -se definidas e reguladas pelo “POR” - Princípios, Organização e Regras, e Resoluções emanadas da União dos Escoteiros do Brasil. § 3º. - As seções dos Grupos Escoteiros poderão ser mistas, contendo jovens de ambos os sexos, ou paralelas, separadas por sexo.. Art. 17 - O Conselho de Pais de cada seção, é o órgão de apoio familiar à educação escoteira, e se reúne periodicamente, pelo menos a cada semestre, para conhecer o relatório das atividades passadas, assistir às atividades escoteiras dos membros juvenis e participar do seu planejamento. Art. 18 - O Conselho de Escotistas, é órgão consultivo sobre a pedagogia e aplicação do Programa Escoteiro, composto de todos os Escotistas do Grupo, sócios da União dos Escoteiros do Brasil, em pleno gozo dos seus direitos e, se reunirá pelo menos uma vez por mês, sob a coordenação do Diretor Presidente do Grupo Escoteiro, ou outro Diretor especialmente nomeado para este fim. Art. 19 - O Grupo Escoteiro poderá implantar um Clube da Flor de Lis, sempre que necessário, que estará constituído por antigos integrantes do Movimento Escoteiro, e, ou, pessoas interessadas em colaborar com o Grupo Escoteiro, maiores de 21 anos, registrados no Grupo e com inscrição anual em dia na União dos Escoteiros do Brasil. Parágrafo Único - Esse Clube da Flor de Lis, terá necessariamente dentre suas finalidades: colaborar no desenvolvimento do Escotismo, especialmente do Grupo Escoteiro dentro da comunidade, desempenhando, expressamente, funções encomendadas ou delegadas pela Diretoria do Grupo, a qual se reporta diretamente e a quem se vincula.

CAPÍTULO III - Das Disposições Comuns Art. 20 - O Grupo Escoteiro poderá elaborar regulamentos específicos para seus órgãos, o qual não poderá conflitar com a disposições do presente regulamento ou com os princípios gerais que disciplinam o movimento escoteiro nacional, ou estatuto, normas e orientações da UEB. Art. 21 – Com exceção da Assembleia de Grupo e do Conselho Fiscal, todos os órgãos do Grupo Escoteiro estão sujeitos à orientação e supervisão da Diretoria do Grupo Escoteiro. Art. 22 - Os diversos níveis e categorias de sócios são os definidos no Capítulo pertinente do Estatuto da União dos Escoteiros do Brasil e expressamente registrados na Instituição, como pertencentes ao Grupo Escoteiro, em dia com suas obrigações legais, exigências e normas estatutárias prescritas por essa Instituição e as particularmente determinadas no Regulamento do Grupo. Parágrafo Único - Todo sócio do Grupo Escoteiro está sujeito às exigências legais da União dos Escoteiros do Brasil, medidas disciplinares, distinções e recompensas, expressamente prescritas no Estatuto da Instituição.

CAPÍTULO IV - Patrimônio e Finanças Art. 23 - O Grupo Escoteiro não distribui lucros, vantagens ou bonificações a dirigentes, associados ou mantenedores, sob nenhuma forma ou a qualquer pretexto. Art. 24 - Constituem patrimônio do Grupo Escoteiro, todos os bens móveis e imóveis adquiridos, recebidos em doação ou cedidos em definitivo Art. 25 - O patrimônio, em caso de extinção do Grupo Escoteiro, passa a integrar o patrimônio da União dos Escoteiros do Brasil. Art. 26 - O patrimônio do Grupo Escoteiro somente poderá ser alienado, penhorado ou onerado, nos termos do presente regulamento, do Estatuto da União dos Escoteiros do Brasil e normas legais vigentes, devendo existir consentimento expresso, em todos os casos, da Assembleia do Grupo Escoteiro, especialmente convocada para tal. Art. 27 - Os cheques e documentos onerosos serão obrigatoriamente assinados, pelo menos, pelo

5


13ºse grupo escoteiro uirapuru/sest senat REGULAMENTO DO GRUPO (com as alterações aprovadas em 10 de agosto de 2013 para adoção do vestuário escoteiro) Diretor-Presidente e um Diretor eleito, conjuntamente, ou seus suficientes procuradores, expressamente nomeados para tal. Art. 28 - Constituem receitas do Grupo Escoteiro as contribuições dos sócios, os resultados do movimento financeiro, as contribuições de pessoas físicas ou jurídicas, os resultados de campanhas financeiras, entre outras; § 1º - O Grupo Escoteiro é inteiramente responsável pela sua própria manutenção, sendo de inteira responsabilidade da sua Assembleia, Diretoria e demais órgãos do Grupo, a obtenção de fundos necessários a completa manutenção e funcionamento. § 2º - Os membros da Diretoria do Grupo Escoteiro respondem solidariamente por eventuais diferenças financeiras que venham a ocorrer em sua gestão, bem como por malversação ou uso indevidos dos recursos da Entidade, devendo repor imediatamente os prejuízos que derem causa. Art. 29 - É igualmente de responsabilidade exclusiva da Diretoria, os empréstimos ou dívidas contraídas na vigência da sua gestão, em desacordo com as normas vigentes. Art. 30 - Os sócios do Grupo Escoteiro não respondem direta ou subsidiariamente pelas obrigações contraídas por ato ou omissão de qualquer órgão do Grupo, salvo se tenham gerado ou contribuído para sua ocorrência, por ação ou omissão. Art. 31 -. Ao final da gestão financeira, havendo “superávit”, este deve ser aplicado exclusivamente no país, em benefício e finalidades do Escotismo, conforme previsto no Estatuto. Art. 32 -. O ano fiscal encerra-se em 31 de dezembro de cada ano, devendo a diretoria, nos dez (10) dias subsequentes, apresentar o balanço da gestão financeira respectiva, para exame e parecer da Comissão Fiscal. CAPÍTULO V - Das Mensalidade e Registro Institucional Art. 33 – A taxa de registro e suas renovações anuais serão aqueles determinados pela União dos Escoteiros do Brasil, podendo o Grupo adotar o parcelamento da renovação do registro, de conformidade com decisão da Assembleia de Grupo. Art. 34 – As mensalidades do Grupo serão pagas à entidade mantenedora, a Sociedade Cultural e Assistencial Uirapuru e serão determinadas anualmente pela Assembleia de Grupo. § 1° - Acumular três mensalidades sem pagamento, DESLIGARÁ o membro juvenil do Grupo, podendo apenas retornar ao Grupo após quitar as dívidas e fazer nova inscrição. § 2° - Em caso de atraso de duas mensalidades, o pagamento das mesmas deverá ser em conjunto. § 3º - Serão concedidos descontos não cumulativos nas mensalidades por número de dependentes e, isenção para os filhos de escotistas que efetivamente participem das atividades do Grupo Escoteiro. Art. 36 - O jovem que ingressar no GEU deverá fazer a inscrição até o terceiro sábado seguinte ao seu cadastramento. CAPITULO VI – Dos Direitos e Deveres Art. 35 - São direitos dos sócios do Grupo Escoteiro: I – Participar do Movimento Escoteiro, de acordo com os regulamentos pertinentes; II _ Concorrer a cargos eletivos e exercer as respectivas funções a que tenham direito; III – Utilizar as dependências, equipamentos e a infraestrutura do Grupo para atividades escoteiras. § 1° - Os sócios, para que possam fazer uso de seus direitos como tal, voz e voto, eleger e ser eleito, devem estar em dia com suas obrigações sociais. § 2° - O direito a voto só pode ser exercido com referência a um dos cargos que eventualmente o sócio possua e só pode ser pessoalmente, não se admitindo a outorga de mandato. Art. 36 - São deveres dos sócios do GEU:

6


13ºse grupo escoteiro uirapuru/sest senat REGULAMENTO DO GRUPO (com as alterações aprovadas em 10 de agosto de 2013 para adoção do vestuário escoteiro) I – Manterem-se fiéis aos Princípios e Fundamentos do Escotismo e cumprirem os compromissos que tenham voluntariamente assumido, bem como os regulamentos pertinentes a este Movimento; II – Apoiar e prestigiar o Movimento Escoteiro; III – Auxiliar, sempre que possível, as realizações e atividades do escotismo; IV – Conhecer bem e zelar pelo cumprimento deste regulamento. Art. 37 - São deveres dos pais e responsáveis pr membros juvenis: I – Participar ativamente das reuniões de Assembleia de Grupo, dos órgãos que vierem a pertencer por eleição ou convite, dos Conselhos de Pais ou das atividades das seções do Grupo, conforme qualificação como membro adulto do GEU, bem como cooperar com os órgãos superiores, como membro adulto do GEU, bem como cooperar com os órgãos superiores, como membros da União dos escoteiros do Brasil; II – Participar da manutenção do Grupo escoteiro pelo pagamento das mensalidades ou cotas fixadas e cobradas conforme decisão. III – Cooperar ativamente, não só com ajudas materiais, mas pela presença nos Conselhos de Pais, manter contato frequente com os Escotistas e participar nas atividades para pais e filhos, acompanhar com real interesse as atividades escoteiras do menor, auxiliando-o no cumprimento de seus deveres e obrigações como membro do Escotismo e autorizando e assegurando o seu comparecimento nas atividades escoteiras, reuniões, excursões e acampamentos. CAPÍTULO VII – Do Vestuário Escoteiro Art. 38 – O Grupo Escoteiro Uirapuru adota o vestuário Escoteiro, o qual deverá ser usado por seus membros investidos e/ou promessados nas reuniões semanais e deslocamentos para atividades externas, salvo em ocasiões e que requeiram um outro tipo de vestimenta § 1º – O traje seguirá o modelo adotado pela UEB com a seguinte composição: a) Camisa manga curta para todos os membros. b) Bermuda, obrigatória para os membros do Ramo Lobinho e Escoteiro, opcional em atividades, para os membros dos Ramos Sênior e Pioneiro, voluntários adultos. c) Calça reversível, no modelo oficial, para os membros do Ramo Sênior, Pioneiro e voluntário adultos. § 2º – O Grupo oferecerá opções de modelos de cobertura, não sendo permitido o uso de cobertura que não seja escoteira. § 3º – O uso de calçados, cinto e meias será disciplinado por ato da Diretoria de Grupo ou Conselhos de Escotistas. CAPÍTULO VIII - Da Participação em Atividades Intrassede e externas Art. 44 - São consideradas atividades intrassede todas aquelas que são realizadas no interior da sede do Grupo, ou aquelas que são deslocadas para fora desta devido a fatores que impossibilitem a utilização de seu espaço. Art. 45 - São consideradas atividades externas os bivaques, acampamentos, jornadas, excursões e todas aquelas outras que gerarem comunicado específico. Art. 46- Somente poderá participar de atividades intrassede o membro juvenil que: I - Estiver vestido de acordo este Regulamento, salvo em ocasiões em que o uso do vestuário escoteiro for dispensado; II - Estiver inscrito na SCAU/GEU e UEB, ou cadastrado provisoriamente; Art. 47 - Somente poderá participar de atividades externa o membro juvenil que: I - Estiver rigorosamente em dia com as mensalidades do GEU; II - Estiver inscrito na SCAU/GEU e UEB; III - Estiver frequentando há pelo menos um mês o GEU; IV - Possuir camisas de atividade suficientes para todos os dias de acampamento; V - Tiver bornal ou mochila escolar grande, quando a atividade exigi-la; VI - Estiver trajado corretamente.

7


13ºse grupo escoteiro uirapuru/sest senat REGULAMENTO DO GRUPO (com as alterações aprovadas em 10 de agosto de 2013 para adoção do vestuário escoteiro) Art. 48 - A comunicação de qualquer atividade externa (bivaques, acampamentos, jornadas, excursões, etc.) será feita sempre por escrito com antecedência mínima de 15(quinze) dias, devendo os pais ou responsáveis através dela autorizar a participação do membro juvenil

CAPÍTULO IX - Da Frequência e Horário das Reuniões Art. 49 - As reuniões semanais, exceto quando houver deliberação diferente previamente comunicada, será aos sábados 14:00 às 17:00, sendo a Cerimônia de hasteamento da bandeira às 14:30 e a de arreamento às 17:00. Parágrafo único - O membro juvenil que chegar depois da Cerimônia da Bandeira não poderá participar da reunião, salvo por justa causa comunicada antecipadamente. Art. 50 - Só poderá participar das reuniões o componente do GEU que estiver usando o vestuário escoteiro correto, com exceção dos novatos, que terão quatro reuniões a partir da sua primeira participação para providenciar a camiseta de atividade, e três meses para o vestuário escoteiro. Art. 51 - Serão desligados os elementos que sem qualquer justificativa aceita pelo seu Chefe de Seção faltar a 03(três) reuniões consecutivas ou 06(seis) alternadas durante o ano. CAPÍTULO X - Do Desligamento, Licença e Retorno Art. 52- Caso o membro juvenil necessite afastar-se do GEU deverá comunicar por escrito através de um pedido informal de licença assinado pelos pais; ou ficará sujeito a cobranças. Art. 53 - O membro juvenil que se desligar do GEU voluntariamente ou compulsoriamente por ato de Diretoria, exceto os desligados por grave infração disciplinar, somente poderão retornar ao GEU após pagamento de nova taxa de inscrição e quitação das pendências por ventura existentes. Art. 54 - Nas reuniões de pais, o membro juvenil que não tiver nenhum responsável presente só poderá retornar ao GEU com o pai, mãe ou alguém que os represente, salvo por justa causa comunicada antecipadamente. CAPÍTULO XI - Disposições Gerais e Transitórias Art. 55 - São casos de vagas em qualquer cargo ou função: a) morte; b) ausência definitiva do órgão a que pertence; c) renúncia; d) exoneração; e) suspensão; f) cassação; g) ausência injustificada, além dos limites estabelecidos pelo regulamento do Grupo Escoteiro; h) deixar de assumir as funções no prazo de 45(quarenta e cinco) dias, a contar do início do mandato; i) deixar de registrar-se na União dos Escoteiros do Brasil, no ano em curso; j) término do mandato ou do Acordo Mútuo; k) não cumprir no prazo preestabelecido os requisitos necessários ao desempenho do cargo ou função. § 1° - Quando se tratar de vaga em Conselho Fiscal ou Diretoria, decorrentes das alíneas “a” à “d” e “f” à “k”, deste artigo, os membros remanescentes escolherão e empossarão um substituto interino que desempenhará o mandato até a próxima reunião da Assembleia correspondente, quando se elegerá o substituto efetivo que completará o mandato. § 2° - Quando se tratar de vaga em Conselho Fiscal ou Diretoria, decorrente da alínea “e“ deste artigo, os membros remanescentes escolherão um substituto interino que desempenhará o mandato até que se esgote o período de suspensão ou até o término, caso a suspensão se estenda por um período superior à duração do mandato.

8


13ºse grupo escoteiro uirapuru/sest senat REGULAMENTO DO GRUPO (com as alterações aprovadas em 10 de agosto de 2013 para adoção do vestuário escoteiro) § 3° - Quando o número de vacâncias em um órgão ultrapassar a metade dos seus membros eleitos, será convocada uma reunião extraordinária correspondente para eleição dos cargos vagos, desde que a vacância aconteça a mais de 180 dias da próxima Assembleia Ordinária. Art. 56- Nas votações unitárias, cada eleitor vota em somente um dos candidatos para cada um dos cargos em disputa. Art. 57 - Os procedimentos eleitorais das Assembleias serão estabelecidos pelo regulamento eleitoral e, na sua falta, pelo Presidente, quando da convocação para a mesma ou, pelo plenário.

Art. 58 – O presente regulamento somente poderá ser alterado através de assembleia geral extraordinária especialmente convocada para este fim, com quorum presencial de mais de 1/3 dos membros aptos a votar e aprovação de, pelo menos, 2/3 dos presentes. Art. 59 – A dissolução da Entidade também só será possível através de duas assembleias gerais extraordinárias especialmente convocadas para este fim, com intervalo mínimo de sessenta dias e máximo de 90, com quorum presencial e de deliberação favorável de 2/3 dos membros aptos a votar. Art. 60– Toda e qualquer atividade que contemple a participação de escoteiros menores de idade, deve ser realizada mediante prévia autorização escrita dos pais ou responsáveis pelo menor. Parágrafo único – A autorização dos pais ou dos responsáveis, contudo, não exime os instrutores ou quem estiver exercendo a liderança do grupo, da responsabilidade civil ou penal por eventuais acidentes que venham ocorrer e que tenham por causa a omissão, a imprudência, a imperícia ou a negligência de liderança.

Art. 61 – Até 31 de julho de 2015 será permitido o uso do traje escoteiro atendendo da seguinte forma § 1º - Compõem o traje escoteiro: I - CAMISA AZUL MESCLA seguindo o modelo fornecido; II - BERMUDA ou CALÇA jeans índigo blue ou em tecido cor azul marinho; III - CINTO simples ou modelo lobinho/escoteiro de uso opcional; IV - CALÇADO tipo tênis, de preferência preto de qualquer marca ou modelo; V - MEIAS brancas; VI - COBERTURA do tipo boné ou chapéu do GEU de uso opcional; VII – LENÇO do Grupo Escoteiro usado em volta do pescoço preso por uma anel em couro, madeira, metal ou plástico. § 2º - Compõem o traje de atividade, que deverá ser usado pelos membros não investidosnas reuniões semanais e todos os membros do Grupo em atividades de campo e durante ao desenvolver das reuniões: I - CAMISA ou CAMISETA de patrulha, de tropa, de grupo ou com motivos escoteiros; II - BERMUDA ou CALÇA jeans índigo blue ou em tecido cor azul marinho, podendo ser tecido tipo tactel® quando a atividade recomendar; III - CINTO ESCOTEIRO (uso opcional); IV – CALÇADO tipo tênis, de preferência preto de qualquer marca ou modelo; V - MEIAS brancas; VI - COBERTURA do tipo boné ou chapéu do GEU de uso opcional;. § 3º - Deverão ser observados os seguintes aspectos com relação à camisa azul mescla: I - Deverá possuir todos os botões, estando estes abotoados devidamente; II - Deverá ser usada por dentro da bermuda/calça, sem folga, ou seja, sem sobrar tecido para fora; III - Deverá ser usada com todos os distintivos de direito costurados, com exceção do de patrulha que poderá ser pregado com velcro ou com botões cobertos, e sem faltar nenhum; IV - Não poderá trazer broches, pins, ou quaisquer enfeites. § 4º - Deverão ser observados os seguintes aspectos com relação à bermuda/calça: I - Deverá possuir todos os bolsos; II - Não poderá ter bordados, taxas ou qualquer tipo de enfeite adicional; III - Não poderá estar rasgada, desfiada, puída ou manchada; IV - Pode-se substituir a bermuda tradicional pela de tactel® azul marinho quando a atividade for em praia ou piscina.

9


13ºse grupo escoteiro uirapuru/sest senat REGULAMENTO DO GRUPO (com as alterações aprovadas em 10 de agosto de 2013 para adoção do vestuário escoteiro) § 5º - As meias não poderão ter listras, marcas ou qualquer tipo de enfeite. § 6º- Se o modelo do tênis escolhido for de cadarço, deverá ser colocado passando por todos os ilhoses e atado com laço. § 7º - As mangas da camisa de atividade não deverão aparecer quando esta estiver sendo usada sob a camisa azul mescla. Art. 62 - O presente Regulamento, entra em vigor na data de sua aprovação. Aracaju, 6 de abril de 2006

Carlos Alberto Nascimento Diretor-Presidente

10

Regulamento do 13ºSE Grupo Escoteiro Uirapuru/SEST SENAT  
Regulamento do 13ºSE Grupo Escoteiro Uirapuru/SEST SENAT  

Regulamento do 13ºSE Grupo Escoteiro Uirapuru/SEST SENAT com as alterações da Assembleia realizada em 10 de agosto de 2013.

Advertisement